Issuu on Google+

AÇORES www.visitazores.com

 

TOP 10







GEO markets

Edições Market Iniciative


EDITORIAL PROPRIEDADE Governo dos Açores Secretaria Regional do Turismo e Transportes EDIÇÃO E PRODUÇÃO Market Iniciative, Lda Parque Peninsular Rua David Mourão Ferreira, nº5, LT 3/4 - 1ºEsq 2650-050 Amadora Tel: 214 022 898 REDACÇÃO Market Iniciative: GRAFISMO Market Iniciative: Inês Barrau , Joana Nunes FOTOGRAFIA Market Iniciative/Carlos Duarte (exceto as assinaladas) DISTRIBUIÇÃO Jornal de Notícias (Naciona) e Público (Edição Sul) TIRAGEM

UM DESTINO DE EXCELÊNCIA

Porquê visitar os Açores? Mil e um argumentos poderiam ser avançados sem que se esgotasse o rol de razões. Talvez por isso o melhor seja dar a palavra a outros. Vejamos a National Geographic Traveler que, em 2006, escolhe os Açores como as segundas melhores ilhas do mundo para turismo sustentável. Justificação: “Um belo local com as suas montanhas verdes e cidades pitorescas a preto e branco prontas para permanecerem intocáveis.” Agora o Sunday Telegraph a colocar os Açores, em 2010, no top ten mundial para observação de cetáceos. Passemos pela União Europeia para dar conta dos Quality Coast Award entregues ao Arquipélago, em 2010 e 2011, que premeiam o turismo sustentável em destinos

costeiros. Adiante para a prestigiada editora de guias de viagem Lonely Planet: em 2008, cabe aos Açores ser apontado como um dos melhores destinos do mundo. E a Forbes, em 2010, defende que a sustentabilidade, cultura e gastronomia muito próprias tornam o Arquipélago dos Açores um “destino único de viagens”. Eis um bom ponto de partida e de chegada: a singularidade dos Açores. As nove ilhas têm tanto de comum como têm de diferente. Exemplifiquemos. Todas têm predominância da cor verde dos pastos e vegetação. Porém, os verdes matizam-se, misturam-se com outras cores e luminosidades, emancipam-se em cada uma das ilhas. O mesmo sucede com as cavidades vulcânicas: descer a uma não é o mesmo que descer a todas. A génese é igual; mas a experiência é diferente. Tal como as lagoas:

acredite-se que não existem duas iguais. Nos Açores, tudo é único. Tudo é autêntico. No entanto, existe algo transversal: os habitantes. Mesmo que se descubram cambiantes de ilha para ilha, o açoriano prima por ser genuíno. Nos Açores a simpatia é um traço genético, seja em gente mais festeira ou recatada, mais cosmopolita ou rural, mais faladora ou ouvinte. Nos Açores esbatem-se fronteiras entre os locais e os visitantes; derrubam-se muros entre quem está e quem chega. Nos Açores fica-se com amigos. E só esta palavra serviria para definir o Arquipélago. As nove ilhas são todas como uma imensa casa de amigo. Uma casa num cenário de terra, ar a água com uma pureza especial. A pergunta fica, de novo, a bailar: porquê visitar os Açores? Quem lá foi, já conhece a sua resposta. E é por isso que tem sempre vontade de regressar.

SUMÁRIO

pág.

Top 10 razões para visitar os Açores pág.

Whale Watching

pág.

Mergulho

pág.



Iatismo

pág.



Vela

pág.



Trilhos

pág.



São Miguel

pág.



Santa Maria

pág.



Terceira

pág.



Graciosa



pág.

Triângulo



pág.

São Jorge

pág.



Pico

pág.



Faial

pág.



Flores

pág.



Corvo

pág.



Turismo de Aventura

pág.



Meeting Industry

pág.



Calendário de Eventos

pág.



Observatórios 3 AÇORES 2013


TOP 10



 

 

Domar as ondas da Fajã da Caldeira de Santo Cristo (surf em São Jorge). 4 AÇORES 2013

Percorrer todo o perímetro de uma ilha (trilhos no Corvo).

Descer a escadaria da Furna do Enxofre (espeleologia na Graciosa).

Caminhar pelo solo vulcânico dos Mistérios Negros (trilho na Terceira).

Sobrevoar as lagoas das Sete Cidades (parapente em São Miguel).

Sobrepor os obstáculos das “cataratas” (canyoning nas Flores).


TOP 10



 

 Subir ao topo da montanha mais alta de Portugal (trilho no Pico).

Partilhar as águas com tubarões-azuis (mergulho no Faial).

Erguer um castelo de areia branca (praias de Santa Maria).

Descobrir o acolhedor, festivo e genuíno povo açoriano (todas as ilhas)

Os Açores são talvez o destino da Europa que melhor concentra tantos e diversos cenários de uma natureza preservada, intocada, palcos para uma ampla variedade de atividades e experiências ímpares. Adotando um modelo turístico ambientalmente sustentável, estas ilhas tem sabido recusar a massificação, oferecendo ao visitante espaço, tempo, calma e emoção. A pouco mais de duas horas do continente europeu, o arquipélago, beneficiando da personalidade exclusiva de cada uma das suas 9 ilhas e do seu mar, assume-se como um infindável cenário de natureza para umas aventurosas férias de descoberta e encontro com o que de mais estranho, raro e belo o planeta ainda tem para desvendar. Tenha a visita a duração de dois dias ou de 30, há sempre paisagens renovadas para maravilhar e outras atividades para experienciar. A quem visita, uma promessa fica: trará na bagagem muitas memórias para a vida e, decerto, a vontade de ali voltar. Hoje, para quem queira ir à descoberta dos Açores, multiplicam-se os programas e soluções de viagem acessíveis. A companhia aérea regional, SATA Internacional, a par de frequentes promoções, oferece uma solução “last-minute” com passagens na casa dos 90 euros para bilhetes de ida e volta comprados nas 48 horas que antecedem os voos de Lisboa e Porto. Quem queira visitar mais de uma ilha – sempre recomendável – tem ainda a opção de sair por aeroporto diferente do da chegada. Para as viagens entre ilhas estão disponíveis ligações aéreas e marítimas a preços convidativos. As ligações por barco que ligam oito das ilhas na primavera e verão apresentam soluções de cerca de 90 euros que permitem visitar três ilhas – o que articulado com uma passagem aérea com entrada e saída por aeroportos diferentes, assegura a descoberta de cinco ilhas. Nas ilhas do triângulo (Faial, Pico e São Jorge), durante todo o ano, a partir de pouco mais de três euros por percurso, apanha-se o barco para uma ilha vizinha. Alternativamente, a solução de aluguer de iate - com ou sem skipper - permite economizar no alojamento e dá liberdade de movimentos entre marinas. Dos muitos pacotes de férias disponíveis nas agências de viagem destaca-se um inovador conceito de “tudo incluído”, que à viagem aérea e alojamento acrescenta as refeições em restaurantes. 5 AÇORES 2013


OBSERVAÇÃO DE CETÁCEOS O cachalote, verdadeiro emblema açoriano, emerge à tona da água para reoxigenar. Durante um curto de período de 10 a 20 minutos, este monumento dos mares mantém-se em pose observável. Um macho adulto mede entre 15 e 18 metros; o peso ultrapassa as 50 toneladas. O sopro característico eleva-se até aos cinco metros, dificultando o enquadramento no visor da câmara fotográfica. Com sorte conseguese uma imagem perfeita; mas qualquer avistamento fica impresso numa memória duradoura. Porém, há coisas inexplicáveis. E é preciso sentir na pele a sensação arrebatadora de ver uma baleia azul fêmea, que pode atingir os 28 metros, estendida na água. A observação de cetáceos tem conhecido um enorme incremento a nível mundial, aliando a necessidade de preservar a vida animal à promoção de um turismo com consciência ecológica. Os Açores estão na linha da frente desta mudança de paradigma. As águas onde outrora se caçava a baleia são agora um habitat paradisíaco para os cetáceos. O grito “baleia à vista” continua a escutar-se com frequência. Mas a azáfama gerada pelo avistamento é agora bem diferente. As gentes que embarcam em botes semirrígidos ou barcos de maior calado têm como intento exclusivo a veneração dos gloriosos animais marinhos. E há tanto para ver... Entre baleias de barbas, baleias de dentes, baleias de bico e golfinhos, atualmente estão descritas mais de 24 espécies de cetáceos para os Açores. Embora existam alturas do ano com maiores probabilidades de encontrar esta ou aquela espécie, as épocas de avistamento são apenas indicativas. A natureza é pródiga em trocar as voltas aos humanos. Mas com tanta riqueza acumulada em redor das ilhas, o certo é que neste santuário de cetáceos haverá sempre um grupo de golfinhos ou uma majestosa baleia para dar as boas-vindas aos visitantes.

     

HISTÓRIAS: Em algumas ilhas, com especial relevo para as do “triângulo”, ainda é possível encontrar alguns homens que estiveram associados à história da baleação nos Açores. Testemunhos de um passado ainda não muito distante, os baleeiros reinventaramse como aliados de um Arquipélago protetor dos cetáceos. Alguns deles ainda ocupam as vigias, à coca das baleias que os turistas anseiam por admirar; outros participam em regatas ou passeios de botes baleeiros. Mas todos, seguramente, estão cheios de boas histórias para contar. 6 AÇORES 2013


OBSERVAÇÃO DE CETÁCEOS CETÁCEOS AVISTADOS NOS AÇORES Residentes e abundantes - Cachalote - Golfinho comum - Roaz - Grampo Avistamento frequente - Baleia sardinheira (predominância na primavera) - Baleia comum (predominância na primavera) - Baleia azul (predominância na primavera) - Golfinho pintado (predominância no verão) - Golfinho riscado (predominância no verão) Avistamento ocasional - Baleia anã (predominância na primavera) - Baleia de bossas (predominância na primavera) - Baleia de Bryde (predominância no verão) - Falsa orca (predominância no verão) - Baleia piloto tropical (predominância no verão) - Zífio - Baleia de bico de Blainville - Baleia de bico de True - Baleia de bico de Sowerby - Baleia de bico de Gervais - Baleia de bico de Garrafa Avistamento raro - Caldeirão, dentes-rugosos - Orca Avistamento muito raro - Cachalote pigmeu - Cachalote anão

Lages do Pico

OPERADORES

GOLFINHOS

Em São Miguel, Terceira, Faial, Pico e Graciosa existem operadores certificados na atividade de observação de cetáceos. Ocasionalmente, nas restantes ilhas no decurso de atividades marítimo-turísticas como Mergulho, Vela de cruzeiro ou Pesca de barco é quase sempre possível um ocasional encontro com golfinhos ou cachalotes. Muitos são hoje os operadores que oferecem “natação com golfinhos”. 

Nadar com golfinhos no Atlântico açoriano representa a hipótese de contatar diretamente é uma atividade que difere bastante da decorrente em parques aquáticos; aqui os golfinhos mostram-se no seu estado selvagem, animais gregários e curiosos também podem mostrar-se muito ativos, através de saltos e

www.visitazores.com

7 AÇORES 2013


MERGULHO

 

     Novato ou experiente, qualquer mergulhador encontrará sempre nos Açores um novo local de deslumbre, uma nova submersão desafiante. No total, o Arquipélago conta com mais de uma centena de spots assinalados no mapa. Espalhados pelas nove ilhas, estes locais comungam entre si a proibição duma palavra: monotonia. Aqui nada é igual ou já visto. Aqui reina a diversidade no tipo de mergulho, no género de cenário, no nível de exigência, na variedade de espécies. Aqui pratica-se snorke8 AÇORES 2013

ling. Explora-se grutas e zonas costeiras. Desce-se a baixas litorais e oceânicas. Visita-se sítios de naufrágio e parques arqueológicos. E mergulha-se de noite, embora lá em baixo, a escuridão seja um conceito feito de sensações multicoloridas e rodopiantes. No imenso grande azul avistam-se atuns, serras, lírios. Meros e jamantas. Tubarões. Moreias e tartarugas. Anchovas, cavalas, albacoras. E estrelas-do-mar, polvos, ouriços, cavacos, abróteas... O catálogo dos

mares açorianos atinge as 700 espécies. Peixes e crustáceos que vivem num pedaço cristalino de Atlântico onde a visibilidade pode chegar, em condições ideais, aos 30 a 40 metros de profundidade. A vertigem das profundezas chegaria para aquecer o coração humano; mas a temperatura da água, a oscilar entre uns agradáveis 15 a 24 graus centígrados, também ajuda. Esta envolvência calorosa e emocional faz com que o convite a mergulhar no mar dos Açores seja constante. E irresistível.


MERGULHO

FOTOGRAFIA A riqueza de espécies e as excelentes condições de visibilidade (especialmente durante os meses de verão), transformam os Açores num destino propício à prática da fotografia com frequência Masters, Opens e Concursos amadores desta especialidade, sendo também procuradas de forma sistemática por conceitua-

HISTÓRIA

OPERADORES

Além do extraordinário Parque Arqueológico da Baía de Angra de Heroísmo, os Açores têm

Vários operadores certificados fazem batismos de mergulho, quer em mar quer em piscina,

O local de naufrágio do navio Dori, que fez parte dos comboios de transporte da II Guerra

unidades hoteleiras, como o Hotel do Caracol (Terceira) e o Caloura Hotel (São Miguel) estão intimamente ligados à atividade do mergulho, associando alojamento a batismos e saídas em

descida é possível observar mais de 100 metros

OPERADORES E CONCURSOS

de naufrágio pode, no entanto, estender-se aos spots do Olympia (Formigas), Oakfield (São Miguel), Pallas (São Jorge), L’Astrée e Caroline (Pico), Nossa Senhora da Luz (Faial), e Slavonia

Entre os mais dinâmicos organizadores de provas e concursos de fotografia subaquática contam-se os clubes navais de Ponta Delgada e de Santa Maria. Nos últimos anos, os mares da Graciosa e as claras águas de Santa Maria, em cujos spots se multiplicam as jamantas, tubarões azuis e tubarões baleia, foram o grande palco para a conquista de muitos prémios internacionais de fotografia subaquática, atraindo grandes nomes nacionais e internacionais da especialidade.

naus, veleiros e transatlânticos, todos cheios de



ZONAS BALNEARES Nadar em mar aberto, numa água tépida a quente, é um dos principais atrativos das zonas

Naufrágio do Lidador

algumas piscinas naturais de pedra lávica é possível observar peixes de fundo, numa evidência da limpidez e pureza do oceano que

Clube Naval da Horta www.cnhorta.org Clube Naval de Ponta Delgada www.cnpdl.pt Clube Naval de Santa Maria http://cnsmar.blogspot.com Turismo dos Açores www.visitazores.com

9 AÇORES 2013


IATISMO



Marina da Horta

    Segundo a conceituada revista náutica Voiles et Voilliers, a Horta é a quarta marina mais visitada de todo o mundo. Convenhamos que seria razão suficiente para qualquer iatista querer, um dia, atracar o seu barco no Faial e deixar um desenho nos paredões da marina. No entanto, os Açores não dormiram à sombra desta glória e apetrecharam várias ilhas com modernas infraestruturas para o iatismo. Assim, a dispersão de marinas e portos de recreio pelo Arquipélago permite traçar um roteiro entre as ilhas, com custos acessíveis e ampla liberdade de movimentos.

O apoio aos iatistas estende-se à existência qualquer iatista. E no caso dum término nos de estruturas de reparação naval, bem Açores, a façanha vem com o bónus de ser como lojas de peças e acessórios que cumprida num local onde se respira mar. prestam o necessário apoio logístico. As estações da primavera e do verão são excelentes para a prática do iatismo por oferecem condições de mar que aliam a segurança a picos da emoção. Devido à sua posição no mapa-múndi, os Açores representam o destino ideal para realizar, a partir da Europa, uma viagem iniciática que atinja a mítica meta de 1000 milhas marítimas. A distância Marina de Ponta Delgada constitui um marco inesquecível para

MARINAS E PORTOS DE RECREIO TERCEIRA

marina de Angra do Heroísmo mantém a tradição secular da baía de Angra constituir uma escala preferencial dos mares ocidentais. Amarrações: 260. Comprimento máximo: 25 metros.

SÃO MIGUEL

A marina de Praia da Vitória, defronte para a marginal que alberga bares e restaurantes, está rodeada por dois areais. A baía proporciona excelentes condições para a prática de desportos náuticos como a vela ligeira, windsurf, esqui aquático ou motonáutica. Amarrações: 210. Comprimento máximo: 25 metros.

A marina de Ponta Delgada integra o complexo Portas do Mar que conta ainda com um cais de cruzeiros, um pavilhão multiuso e uma galeria de lojas, bares e restaurantes. Esta escala internacional para mega-iates e cruzeiros, situada numa das zonas mais animadas da cidade, detém a Bandeira Azul. Amarrações: 670. Comprimento máximo: 40 metros.

A marina de Vila Franca do Campo, abrigada contra ventos de todas as direções, fica próxima das melhores zonas balneares de São Miguel. Amarrações: 125. Comprimento máximo: 14 metros.


VELA

SERVIÇOS Os apoios existentes nas marinas açorianas destacam-se por providenciar um serviço personalizado, assente num trato de grande já existem operadores marítimo-turísticos que alugam embarcações a motor ou à vela, com ou sem tripulação, para passeios costeiros ou

DISTÂNCIAS ENTRE AS ILHAS DOS AÇORES (EM MILHAS NÁUTICAS ARREDONDADAS) Ponta Delgada – Vila do Porto: 60 Ponta Delgada – Angra: 91 Ponta Delgada – Horta: 147 Horta – Angra: 66 Horta – Velas de S. Jorge: 22 Horta – Santa Cruz das Flores: 129 Vila do Porto – Santa Cruz das Flores: 193

BOTE BALEEIRO

DISTÂNCIAS DOS AÇORES A OUTROS DESTINOS Horta – Lisboa: 913 Horta – La Rochelle: 1294 Horta – Londres: 1449 Horta – Portsmouth: 1375 Horta – Antigua: 2161 Ponta Delgada – Lisboa: 781 Ponta Delgada – Lagos: 809 Ponta Delgada – Palma de Maiorca: 1077 Ponta Delgada – Gibraltar: 976

Inspirados no bote norte-americano, os mestres de construção naval dos Açores alongaram o modelo original, adaptando-o à navegabilidade tempos usado na caça à baleia, o bote baleeiro é um ícone do Arquipélago; um testemunho etnográfico que permanece vivo, agora através de uma utilização em passeios turísticos,

PESCA DE ALTO MAR Por ser pródigo em espadins azuis (as coqueluches do pescador de alto mar), e outras espécies muito cobiçadas, o mar dos Açores tem sido palco de várias competições internacionais

REGATAS E EVENTOS

CLUBES NAVAIS Timoneiros da relação entre a terra e o mar, os Clubes Navais envolvem várias vertentes – desportiva, formativa, social, cultural –, que projetam e identificam o Arquipélago com o atividades muito preenchido que vai desde as regatas até aos concursos de pesca ou fotografia submarina, estas entidades são uma Clubes têm um modo simples e espontâneo de receber, ajudando a ter acesso a barcos (com ou como canoagem, vela ligeira, caiaque, motonáutica ou windsurf também se podem juntar, informalmente, às aulas das diferentes qualquer atividade promovida pelos Clubes Navais significa, acima de tudo, ganhar um grupo de novos amigos que partilham a mesma

SANTA MARIA

SÃO JORGE

A marina de Vila do Porto é favorecida por uma bacia interior muito calma. Amarrações: 120. Comprimento máximo: 25 metros.

A marina das Velas situa-se diante duma impressionante falésia. Amarrações: 78. Comprimento máximo: 22 metros.

PICO

O Núcleo de Recreio Náutico das Lajes do Pico está implantado numa baía muito abrigada. Amarrações: 48. Comprimento máximo: 13 metros.

Os clubes navais organizam uma série regatas, como as tradicionais “volta à ilha” a par de provas inter-ilhas. No calendário de 2013 destaca-se a 25ª Atlantis Cup/Regata da Autonomia - que liga Horta, Angra do Heroísmo, Ponta Delgada e Vila do Porto ao longo de vários dias - organizada pelo Clube Naval da Horta com inscrições abertas a todos os interessados. O Clube Naval de Ponta Delgada também organiza regatas entre São Miguel a Santa Maria. Nas ilhas do “Triângulo” (Faial, Pico e São Jorge), na primavera e no verão, multiplicam-se as provas de vela de cruzeiro e botes baleeiros, normalmente associadas às inúmeras festividades, como a Semana do Mar, na Horta. 

Clube Naval da Horta: www.cnhorta.org Clube Naval de Ponta Delgada: www.cnpdl.pt Marinas dos Açores: www.marinasazores.com Turismo dos Açores: www.visitazores.com

FAIAL

A marina da Horta é uma das mais famosas do mundo. Possui, como tal, uma vasta gama de serviços complementares de apoio. Amarrações: 300. Comprimento máximo: 80 metros.

FLORES

O Núcleo de Recreio Náutico das Lajes das Flores funciona como primeiro ou último ponto de contacto do continente europeu para os velejadores que atravessam o Atlântico.


TRILHOS

       Os Açores prestam-se a serem caminhados. Atualmente existem mais de sessenta trilhos, sinalizados com marcas e códigos internacionais, que podem ser realizados de forma autónoma e em segurança. Segmentados por três níveis de dificuldade – fácil, médio e difícil – a rede de percursos pedestres adequa-se a vários níveis de idade e preparação física. Muitos dos trilhos classificados aproveitam caminhos de pé posto que os habitantes utilizaram ao longo dos séculos para deslocações do dia-a-dia, transporte de mercadorias

ou trânsito de gado. Esta sabedoria dos antigos, no atalhar do território, é hoje aproveitada pelos turistas para conhecer diferentes ângulos e detalhes dos tesouros paisagísticos do Arquipélago. A temperatura amena do clima açoriano permite explorar a rede de trilhos em qualquer estação do ano. Tudo depende da experiência pretendida. Haverá quem prefira saídas mais exploradoras e contemplativas, longe do turbilhão estival; e existirá quem procure a convivência e alegria dos meses

veraneantes. Talvez seja melhor experimentar ambos. Caminhar durante os meses invernios significa encontrar verdes mais luxuriantes, cascatas e ribeiras com maior caudal; andar na primavera e no verão, traz a invasão dos odores e colorido das flores. Já a famosa bruma açoriana, essa pode surgir em qualquer altura. E tão depressa chega, concedendo uma aura mística aos contornos vislumbrados, como se levanta para abrir horizontes. Sobre o que se vê e sobre o tanto que ainda fica para descobrir.

BICICLETA Os amantes das bicicletas encontram nas ilhas açorianas um manancial de trilhos e caminhos adequados a diferentes níveis de experiência e expectativa, seja na vertente mais radical do BTT ou no simples gosto de pedalar calma-

Pico

PASSEIOS A CAVALO

TRILHOS ONLINE

Nos Açores, pensa-se que as tradições ligadas Seja como for, a importância dos equídeos manteve-se ao longo dos tempos e, hoje em dia, os passeios a cavalo representam uma das formas mais originais para se conhecerem trilhos e

O sítio tem informações atualizadas sobre o estado dos trilhos (alguns trilhos podem estar momentaneamente fechados por questões de segurança), e permite consultar e descarregar folhetos explicativos sobre o tipo de património, fauna e flora que se encontra em cada a topografia, extensão, nível de exigência, e

12 AÇORES 2013


TRILHOS

São Miguel

Terceira

Pico

EXPEDIÇÃO GPS

ATIVIDADE E OPERADORES

atividade em que se recorre a coordenadas e aparelhos GPS para encontrar “tesouros” escondidos, o contacto com o terreno circundante assume uma faceta mais aventureira; cabe ao explorador permitido o grande desenvolvimento desta atividade, havendo atualmente nos Açores mais de 400

Praticamente em todas as ilhas existem operadores turísticos certificados que asseguram programas para os trilhos açorianos, incluindo transporte até ao local de início, serviços de guia e refeições, entre outros complementos. Alguns, para os troços em que é permitido, disponibilizam BTT, moto 4X4 e mesmo passeios a cavalo, entre outras alternativas. O site mundial de Geocaching lista as centenas de caches espalhadas pelo arquipélago. 

Santa Maria

Trilhos dos Açores: www.trails-azores.com Geocaching: www.geocaching.com Turismo dos Açores: www.visitazores.com

13 AÇORES 2013


SÃO MIGUEL



  

Ponta Delgada

Há clichés a que é impossível fugir. As Sete Cidades são um deles. Quem já se enamorou pela paisagem da lagoa Azul e lagoa Verde, irmanadas num espelho de água mágico, entende o porquê de se estar perante uma das 7 Maravilhas Naturais de Portugal. Um ícone como este não se inventa: agradece-se à Natureza. Os vulcões foram magnânimos para São Miguel ao forjarem a caldeira das Sete Cidades. Mas não se ficaram por aí. Criaram também a surreal Lagoa do Fogo, embelezada por uma língua de arvoredo e areia clara. Criaram o majestoso Vale das Furnas, envolto nas névoas místicas das fumarolas. Desta terra nasce vida. Come-se um famoso 14 AÇORES 2013

Furnas

cozido de sabor único, a panela enterrada num buraco no solo das Furnas para que os alimentos cozam com o calor geotérmico. Sente-se o aconchego das nascentes de água quente que banham a Cascata Velha e que alimentam as modernas Termas da Ferraria, as piscinas da Poça da D. Beija e o grande lago do Parque Terra Nostra. Espreita-se a beleza das escarpas e a luxúria da vegetação nos miradouros da Ponta da Madrugada e da Ponta do Sossego, no concelho do Nordeste. E depois volta-se ao princípio. Às lagoas já conhecidas e às que ficaram por ver. Porque há sempre mais um ângulo do já visto; porque há sempre mais um deslumbre que ainda não se viu.

Lagoa do Fogo

LAGOAS Os passeios a cavalo, passeios em canoa ou passeios em bicicleta todo-o-terreno são algumas das formas mais procuradas para conhecer as lagoas das Sete Cidades na exploração dos trilhos pedestres que transportam o caminhante até perspetivas O percurso Praia-Lagoa do Fogo é exemplar na demonstração de que a experiência de uma dito sobre os percursos das Furnas, da Vista do Rei-Sete Cidades, e da Mata do Canário-Sete Cidades, passaportes para novas perspetivas


SÃO MIGUEL

AVE: Pergunta: que faz do priolo uma vedeta? Resposta: é que ele é único, endémico, todo Açores do bico à cauda. O Centro Ambiental do Priolo mostra ao visitante o bilhete de identidade desta ave de pequeno porte (15 a 17cm) e promove atividades de observação. Com paciência e sorte pode-se observar autonomamente a distinta ave, num birdwatching feito em regime de passeio em que se conhece o carácter da floresta Laurissilva e a riqueza geológica da Serra da Tronqueira. O verão e primavera são as melhores alturas de observação, dado a maior atividade da espécie em áreas relativamente acessíveis.

BANHOS Seja em praia ou em piscina vulcânica, a costa de São Miguel oferece várias oportunidades de relaxar ao sol e mergulhar na temperatura Água d’Alto e Ribeira Grande ganham e Ferraria encontram-se entre as mais Campo, o ilhéu da Vila tenta atrair os visitantes

Sete Cidades

Praia-Ribeira Grande

Ferraria

ATIVIDADES E ALOJAMENTO

PATRIMÓNIO: As Portas da Cidade, definidas pelos seus três arcos redondos, são um dos ícones de Ponta Delgada. Por elas entra-se e sai-se no espaço vazio, a ser preenchido pelas memórias da visita ao núcleo de Arte Sacra do Museu Carlos Machado (a funcionar na igreja do antigo Colégio dos Jesuítas), aos contrastes cromáticos branco-negro da Ribeira Grande, ao centro histórico de Vila Franca do Campo, às olarias da Lagoa, à antiga aldeia do Sanguinho (em vias de recuperação para turismo rural), ou à visão de capelas emblemáticas como a de Nossa Senhora das Vitórias (assombração de estilo gótico e romanesco nas margens da Lagoa das Furnas) ou a de Nossa Senhora da Paz (templo datado do século XVIII que proporciona uma panorâmica deslumbrante).

Em São Miguel multiplicam-se os operadores turísticos certificados com muito ampla e diversa oferta de atividades tanto no mar como em terra, sendo quase certo encontrar-se um “menu” que preencha todos os dias de permanência na ilha. Para os amantes do iatismo, a referência local de apoio e informação, além dos operadores, recai no Clube Naval de Ponta Delgada. Em matéria de alojamento São Miguel dispõe uma extensa rede hoteleira de todas as categorias, com ênfase nas unidades de quatro estrelas. Uma variada e personalizada oferta de Turismo Rural dispersa pelo território constitui-se como uma alternativa de charme. Muitas das unidades de alojamento disponibilizam programas de atividades em articulação com os operadores turísticos especializados. 

Ponta Delgada

Igreja do Colégio

Delegação de Turismo de São Miguel – Ponta Delgada 296 285 743 Clube Naval de Ponta Delgada 296 308 380 Turismo dos Açores www.visitazores.com

15 AÇORES 2013


SÃO MIGUEL

ESPAÇOS VERDES

MUSEU DE SANTA MARIA

O Jardim José do Canto e o Jardim do Palácio de Sant’Ana, ambos em Ponta Delgada, são exemplos do tipo de jardins botânicos que, durante o século XIX, foram criados e acarinhados por importantes famílias

Fiel ao facto de Santa Maria ter sido território de barreireiros, oleiros e telheiros, a principal coleção deste museu etnográfico, em Santo Espírito, destaca as peças de cerâmica produzidas localmente e que eram utilizadas nas cozinhas e lojas das casas, bem como nas

Nostra, nas Furnas, é internacionalmente reconhecido como um dos jardins mais bonitos do mundo, com o bónus do passeio ser complementado por um banho no emblemático tanque de água ferrosa quente

DESERTO VERMELHO O Barreiro da Faneca é conhecido como o

GEOTURISMO A Gruta do Carvão e respetivo Centro de Visitantes é uma cavidade que apresenta um percurso devidamente preparado para receber visitantes, permitindo a imersão Centro de Monitorização e Investigação das Furnas, instalado numa arquitetura contemporânea, sonda-se o coração de uma zona riquíssima em variedades de água com

pedaço de paisagem árida e argilosa assume tons laranja-avermelhados que mudam consoante a intensidade da luz solar, gerando

RIBEIRA DO MALOÁS Disjunção prismática de extraordinário efeito teatral (a parede de pedra assemelha-se a uma escadaria para gigantes), complementada por uma queda de água com cerca de 20 metros de

Centro de Monitorização e Investigação das Furnas

GASTRONOMIA

FÓSSEIS

Visitar as emblemáticas estufas de ananás na Fajã de Baixo, perto de Ponta Delgada, É contactar com um produto que atingiu o estatuto de Denominação de Origem Protegida com base na antiguidade,

O valioso património geológico de fósseis marinhos em Santa Maria engloba jazidas de duas idades diferentes: uma entre 5 a 7 milhões

preservam o calor e a humidade que Gorreana revela-se a história das únicas plantações e fábricas de chá do continente Europeu, numa visita ao passado que

pedestre que tem início no Centro Adalberto Pombo permite descobrir as lavas submarinas da Pedreira do Campo, agora consideravelmente acima do nível do mar, e algumas zonas com Castelo, sob observação do cénico farol de Gonçalo Velho, encontra-se uma das jazidas fossilíferas mais importantes da ilha, conhecida

AVES: O Centro de Interpretação Ambiental Dalberto Pombo funciona como um excelente ponto de informação sobre as aves migratórias americanas com rota pela ilha de Santa Maria. Além do aconselhamento sobre os pontos de observação e os trilhos mais adequados ao birdwatching, o visitante pode ainda explorar coleções de borboletas e insetos dos Açores e do mundo bem como exemplares de fósseis. 16 AÇORES 2013


SANTA MARIA

   

ATIVIDADES E ALOJAMENTO A moldura da praia da baía de São Lourenço é uma escarpa em socalcos que ainda mostra vestígios dos muros erigidos pelo homem para proteção da vinha. A produção vinícola em Santa Maria praticamente desapareceu; agora, na ilha do Sol, cultiva-se a praia. Mas numa paisagem como São Lourenço perdura o espírito de acalentar o visitante, através de cenários de extraordinária beleza. A Praia Formosa ecoa o mesmo canto de sereia: um areal extenso e branco que pede pés descalços e toalhas estendidas. Terra de praias deslumbrantes, Santa Maria é a sensualidade do Sol a dourar a pele. Mas também é uma ilha que, após o êxtase em registo bronzeado, incita ao olhar em redor para se apreciar outras formosuras. À beira da estrada sente-se o calor oriundo das telhas de canudo e da chaminé cilíndrica da típica casa mariense,

impecavelmente caiada de branco à exceção das barras coloridas na base e em redor das janelas e portas. Cada freguesia exibe o seu próprio tom, numa alegria cromática acesa pelos raios solares. A luminosidade de Santa Maria gera sorrisos no visitante e reflexos no oceano. Cresce a vontade de mergulhar. No mar ao largo de Santa Maria, as condições de visibilidade, durante o verão, podem atingir os 40 metros. Lá em baixo, descobre-se o abismo de sensações que tornou a ilha num paraíso para amadores e profissionais da fotografia subaquática. Imagens de tubarões azuis, de volumosos grupos de jamantas e do majestático tubarão-baleia já encheram páginas de revistas internacionais. Quem vê essas fotografias pode julgar que são fantasiosas, produtos da imaginação. Mas quem as captou, sabe que há sítios onde os sonhos de qualquer mergulhador se podem concretizar.

Alguns operadores certificados asseguram em Santa Maria atividades marítimo turísticas, designadamente mergulho, pesca desportiva de barco (incluindo Big Game Fishing) e passeios de barco. O Clube Naval de Santa Maria realiza passeios em canoas baleeiras e organiza concursos de fotografia subaquática. Para atividades em terra, designadamente passeios pedestres, visitas aos fósseis e birdwatching, o Centro de Interpretação Ambiental Dalberto Pombo é uma referência qualificada para informação e aconselhamento. No que se refere a alojamento, Santa Maria dispõe oferta em hotelaria tradicional, incluindo quatro estrelas, e algumas de unidades de Turismo Rural. A ilha fica a 15 minutos de avião e pouco mais de duas horas de barco de São Miguel.  Posto de Turismo – Aeroporto 296 886 355 Clube Naval de Santa Maria 296 883 230 Centro de Interpretação Ambiental Dalberto Pombo 296 206 790 Turismo dos Açores www.visitazores.com

17 AÇORES 2013


TERCEIRA



Praia da Vitória

Mistérios Negros

    Património Mundial da UNESCO, Angra do Heroísmo é um repositório de conventos e mosteiros, igrejas, casas e solares senhoriais, palacetes e fortaleza, tudo imaculadamente preservado. A fama da cidade advém dos tempos em que funcionava como entreposto avançado entre continentes. Todas as ordens religiosas queriam marcar uma presença impactante neste porto conector entre a Velha Europa e os “novos” territórios das Índias e das Américas. Sobe-se ao belvedere natural do Monte Brasil, vulcão extinto onde se instalou a fortaleza de São João Baptista, 18 AÇORES 2013

para verificar à distância essa extraordinária riqueza arquitetónica de Angra. Vai-se ao Alto da Memória e a panorâmica permanece excelsa. O carismático obelisco, erigido em 1856 para assinalar a passagem de D. Pedro IV pela ilha, introduz o visitante ao período das guerras liberais em que cidade mereceu o epíteto de Muito Nobre, Leal e Sempre Constante. O Roteiro da Terceira Liberal permite conhecer os cenários de batalha e o património arquitetónico que moldaram o destino da nação portuguesa. A cultura marca a Terceira. Cruzem-se referências e locais do liberalismo com as

do roteiro dedicado a Vitorino Nemésio, a propor deambulações por Angra do Heroísmo e Praia da Vitória através de um guião baseado no livro de crónicas Corsário das Ilhas. Encontrem-se vestígios do passado nas coleções de história militar e de transportes dos séculos XVIII e XIX, expostas no Museu de Angra do Heroísmo, sedeado no edifício do Convento de S. Francisco. E depois descubra-se, numa avenida citadina ou numa freguesia rural, a tal alma festiva, impregnada numa tourada à corda, num festival musical, numa marcha sanjoanina ou num bailinho de Carnaval.


TERCEIRA

ETNOGRAFIA Parte do turismo rural da Terceira encontra-se instalado em antigas quintas, as quais funcionam como um passaporte para a recuperação das casas, quartos, mobílias e espaços de trabalho foi realizada com a maior fidelidade possível, de modo a criar um circuito interpretativo que mostra a evolução da arquitetura, dos costumes e dos ofícios

PALÁCIO DOS CAPITÃES GENERAIS A atual sede da Presidência do Governo na ilha Terceira é um dos edifícios mais imponentes inicialmente como centro evangelizador da Companhia de Jesus, o palácio metamorfoseou-se ao longo do tempo em foco na resistência ao domínio filipino, morada da Capitania Geral, e Paço Real durante a Regência e no final da

IMPÉRIOS: As capelas dedicadas ao Santo Espírito denunciam uma forte influência popular nas cores garridas ou nas linhas arquiteturais. Espalhados pelas várias paróquias da ilha, estes pequenos monumentos permitem acumular uma extraordinária e original coleção fotográfica.

ESPELEOLOGIA Diz-se que não há quem vá à Terceira sem esta chaminé vulcânica, que atinge os 90 metros de profundidade, significa a entrada num fascinante mundo de sombras, em que milenares estalactites e estalagmites de cor visita ao tubo lávico da Gruta do Natal adiciona novo capítulo à aventura subterrânea da

espaço não esteja a ser utilizado em cerimónias

Baía de Angra

PARQUE SUBAQUÁTICO A zona do Parque Arqueológico da Baía de Angra do Heroísmo tem como grande chamariz o Cemitério das Âncoras que agrega mais de quarenta âncoras depositadas ao longo da impressionante aglomerado de peças oscilam

TOURADA

visitável consiste no esqueleto metálico do

As touradas à corda resultam duma tradição proveniente dos tempos dos primeiros

A visita a este museu subaquático efetua-se com recurso a um guia certificado para o No percurso sinalizado espera-se dos mergulhadores uma regra de ouro: não tocar

agita a ilha inteira, numa manifestação popular em que as portas das casas se abrem para peripécias taurinas do ano anterior são exibição

PESCA A Associação de Mulheres de Pescadores e Armadores no porto de São Mateus da Calheta elaborou um Pacote Pesca-Turismo que inclui a visita guiada ao porto, um passeio marítimo com duração entre 3 a 4 horas, a prática de pesca artesanal, e a possibilidade de ficar com oferecem a possibilidade de confecionar o

ATIVIDADES E ALOJAMENTO Na Terceira o alojamento adquire diferenciação o “Turismo de Quinta”, em aristocráticos solares rurais, que complementa a variada oferta em hotelaria tradicional e Turismo Rural. Pela sua especialização em mergulho, destaca-se o Hotel do Caracol. Operadores certificados em todas as atividades turísticas de mar e terra estão disponíveis na ilha. Complementarmente aos operadores, a associação “Os Montanheiros” é o centro privilegiado para informação a apoio nas expedições de exploração de cavidades vulcânicas. 

Turismo de Angra 295 213 393 Os Montanheiros de Angra 295 212 992 Turismo dos Açores www.visitazores.com

19 AÇORES 2013


GRACIOSA

Santa Cruz

Os restos do navio Terceirense (naufragado em 1969 após embater no ilhéu do Carapacho), os meros e moreias da Baixa do Farol, as mantes e os cardumes de pelágicos da Baixa do Pesqueiro Longo: apenas três exemplos do que leva os amantes do mergulho a considerarem a Graciosa um destino extraordinário. Facilmente se salta de um spot para outro. Depois, lá em baixo, reina a riqueza de cenários e de espécies marinhas. Em terra também é uma descida que proporciona uma sensação assombrosa. A entrada no universo incomparável da Furna do Enxofre faz-se em 183 degraus. O algar vulcânico espanta pela imensidão da cúpula de pedra e da lagoa de água fria sulfurosa. Perde-se a noção do tempo nesta profundeza subterrânea com 194 metros de comprimento e 40 metros de altura. Há sempre um eco, um reflexo, um detalhe a adiar o regresso à superfície pela torre com escadaria em caracol. A subida, quando finalmente encetada, provoca um ligeiro ofego. Nada de grave. Basta um olhar para o arvoredo frondoso da Caldeira e a tranquilidade da Graciosa serena imediatamente as pulsações.

TERMAS DO CARAPACHO A remodelação da estância termal do século XIX, servida por uma nascente de água sulfurosa quente, permitiu adicionar aos tratamentos medicinais uma oferta ampla e original de massagens de relaxamento, banhos

ILHÉU DA BALEIA Na Ponta da Barca, uma chaminé vulcânica com disjunção prismática emerge do fundo do mar, apresentando-se ao olhar como uma magnífica

Furna do Enxofre

O museu instalado em Santa Cruz da Graciosa explica as vivências ligadas à agricultura, vitivinicultura, moagem de cereais ou baleação, bem como as tradições festivas e musicais da ilha, onde se destaca o afamado Carnaval e as

ATIVIDADES E ALOJAMENTO Além de uma qualificada oferta de alojamento em unidades de Turismo Rural, a Graciosa dispõe de oferta em hotelaria tradicional, com destaque para a moderna unidade hoteleira de quatro estrelas com capacidade para acolher pequenos eventos. 

MOINHOS: Com as velas de pás e os tetos cónicos pintados de vermelho, os moinhos de vento ao estilo holandês tornaram-se um dos ex-libris

20 AÇORES 2013

MUSEU DA GRACIOSA

Posto de Turismo da Graciosa Santa Cruz 295712509 Turismo dos Açores www.visitazores.com


TRIÂNGULO

   ���  A interligação marítima entre as ilhas do “triângulo” não podia estar mais simplificada. A empresa Transmaçor assegura as ligações entre o Faial, Pico e São Jorge, numa operação que se estende ao longo de todo o ano. A frequência das partidas aumenta consoante os meses do calendário. O canal entre a Horta (Faial) e a Madalena (Pico) leva cerca de 30 minutos a cumprir e é servido por 4 a 6 ligações diárias. Um percurso alternativo permite a navegação entre a Horta e as Velas (São Jorge), com escala em São Roque (Pico). Viajar nestes barcos de carreira significa um modo fácil e económico de pular entre as ilhas. O bilhete vem com o bónus de se contatar com um meio de transporte

utilizado no dia-a-dia dos açorianos e, ao mesmo tempo, a possibilidade de obter perspetivas alternativas e espetaculares dos recortes do Faial, Pico e São Jorge. Durante os meses de Maio a Setembro, os portos do “triângulo” recebem a visita do Express Santorini, operado pela Atlanticoline, barco equipado com camarotes que assegura a longa rota que passa por oito ilhas dos Açores, de Santa Maria às Flores. A possibilidade de transporte de viaturas – desde automóveis de várias classes até aos reboques, moto 4x4, jet sky e bicicletas –, faz deste cruzeiro da Atlanticoline uma excelente opção de transitar comodamente entre os grupos Ocidental, Central e Oriental em que as ilhas açorianas estão divididas.

AÇORES POR MAR : A operação da Atlanticoline propõe, além da grande rota que liga Santa Maria às Flores, a navegação entre Santa Maria, São Miguel, Terceira e Graciosa através do Hellenic ilha de fora, a lancha Ariel (capacidade para 12 passageiros) assegura a ligação entre as Flores e

VIAGENS Além de diferentes tipos de tarifas (familiar, grupos, crianças, jovens, sénior, entre outras), a Atlanticoline tem ofertas promocionais economicamente convidativas dirigidas a turistas que queiram descobrir várias ilhas. É o caso do “Blue Sea Pass” que permite visitar três ilhas (com uma opção que acrescenta o regresso à ilha inicial). O operador disponibiliza ainda tarifas associadas a temáticas como o Safari Fotográfico de Santa Maria ou a Peregrinação do  Senhor Santo Cristo dos Milagres em São Miguel.

www.atlanticoline.pt www.transmacor.pt

21 AÇORES 2013


SÃO JORGE

     Nos 1053 metros do Pico da Esperança vislumbram-se as restantes ilhas do grupo central. Porém, ao longo do dorso vulcânico de São Jorge, há perspetivas mais próximas que também fascinam. As fajãs, sobressaídas do perfil escarpado da ilha, magnetizam o olhar. Estas pequenas planícies tiveram origem em desabamentos de terras ou em escoadas lávicas. Nalguns casos apenas existe acesso pedestre. Os trilhos são, aliás, uma das melhores formas de conhecer o carácter de São Jorge. Existem caminhos adequados a várias

condições físicas, sendo que trilhos mais exigentes requerem uma boa preparação ou o acompanhamento especializado. Desça-se portanto de encontro à singularidade das fajãs de São Jorge. Nos Vimes ainda existem artesãs que manuseiam robustos teares de madeira para aplicarem as técnicas de ponto alto em colchas e tapetes. O microclima desta fajã possibilitou o plantio de cafezeiros, cujos grãos resultam num café de travo adocicado. Na fajã da Caldeira de Santo Cristo respira-se a pureza que faz da

Fajã dos Cubres

22 AÇORES 2013

lagoa um viveiro de amêijoas carnudas e deliciosas. Quase ao lado, feita irmã gêmea, a fajã dos Cubres serve a visão de mais uma extraordinária laguna. Passear pela fajã de São João é admirar o terreno parcelado para a agricultura de subsistência, as casas de pedra com janelas de três guilhotinas, cascatas e os curiosos cabos de aço para transporte da lenha até às planícies costeiras. No Ouvidor, fajã lávica, as piscinas naturais sugerem um momento de pausa antes de prosseguir em busca de novo trilho, nova fajã, nova peculiaridade.

Pico da Esperança


SÃO JORGE

QUEIJO: Na União de Cooperativas Agrícolas e Lacticínios de São Jorge degusta-se e conhece-se o processo de cura, classificação e certificação do queijo de leite de vaca produzido na ilha, cujo sabor único conquistou apreciadores de todo o mundo.

MERGULHO As excelentes condições de visibilidade durante o verão e a enorme riqueza subaquática fazem de São Jorge uma ilha propícia à fotografia grandes quantidades de bicudas, lírios ou

Fajã da Caldeira do Santo Cristo

PATRIMÓNIO Edificada em Manadas durante o século XVIII, a igreja de Santa Bárbara está classificada como Monumento Nacional, sendo considerada um

FRANCISCO LACERDA: O Museu Francisco Lacerda permite conhecer a vida do jorgense que se tornou num compositor e chefe de orquestra reconhecido nos palcos da Europa. O Roteiro Cultural Francisco Lacerda propõe um percurso pela ilha comentado por passagens das cartas escritas pelo pai do maestro.

CASA DO PARQUE E ECOMUSEU

SURF

Painéis de azulejo, talha dourada e pinturas

O Centro de Interpretação da Caldeira de Santo Cristo permite conhecer a história geológica,

ETNOGRAFIA E ARTESANATO

dos maiores atrativos da Caldeira precisa de experimentação: a onda constante e regular que se forma sobre a bancada de pedra é rotulada por profissionais e amadores como absolutamente extraordinária para a prática

Sedeado num antigo armazém de laranja e uva, o Centro de Exposição Rural da Urzelina mostra espaços habitacionais e ofícios tradicionais

ATIVIDADES E ALOJAMENTO – ganha colorido especial com o relato de José Na Cooperativa de Artesanato da Ribeira do Nabo mantém-se vivas algumas tradições artesanais da ilha, como os bordados à mão, a

Além de pequenas unidades hoteleiras, a oferta de alojamento em São Jorge disponibiliza alguns extraordinários exemplares de Turismo Rural servidos por paisagens idílicas. No que se refere às atividades, destacam-se os passeios pedestres ou de Moto 4X4, o mergulho, ou modalidades de pesca disponibilizados por operadores turísticos locais. As próprias unidades hoteleiras ajudam na organização e contratação das atividades.

Repositório de informação sobre geologia, fauna, flora e património cultural de São



pessoas reconhecidas pela comunidade como depositárias de uma memória que importa visitar o interior de moinhos, casas típicas, vigias da baleia ou contatar com os segredos de ofícios tradicionais, artesanato ou receituário

Fajã dos Vimes

Turismo de Velas 295 412 440 Turismo dos Açores www.visitazores.com

23 AÇORES 2013


PICO

    

Lajido

Rodeia-se a ilha do Pico sempre de olhos postos no gigantismo da montanha do Pico. Tanta imponência gera respeito. Mas, ao mesmo tempo, suscita a heresia de querer domar a montanha. De querer subir, pelos próprios pés, até ao ponto mais alto de Portugal. Com gloriosos 2351 metros de altitude, a montanha do Pico representa uma experiência singular em território português. Um desafio com início aos 1230 metros, na Casa de Apoio à Montanha que disponibiliza informação sobre a geologia, biologia, história, clima e enquadramento da Reserva Natural da Montanha do Pico. O percurso tem uma extensão total de 7600 metros, a serem percorridos em cerca de sete horas. A escalada é classificada de moderada a elevada pelo que se aconselha o recurso a guias credenciados 24 AÇORES 2013

(cujos contatos são facultados na Casa da Montanha, nos Postos de Turismo ou junto de operadores turísticos locais), habituados às condições climatéricas e ao caminho acidentado do imponente vulcão. Quem suplantar as dificuldades alcança “o topo do mundo”, lugar de deslumbres paisagísticos e vislumbres íntimos do que somos. Desce-se do céu e entra-se noutro domínio quase divino. A Paisagem da Cultura da Vinha do Pico, classificada em 2004 como Património Mundial da UNESCO, descobre-se através dos trilhos pedestres Vinhas da Criação Velha, Caminhos de Santa Luzia ou Santana – Lajido. Percorrer estes caminhos centenários permite observar “relheiras” (sulcos gravados nos campos de lava pelos carros de bois), casas de abrigo, adegas, poços de maré ou rola-pipas. No Centro de

Museu dos Baleeiros

Interpretação situado no Lajido de Santa Luzia fica a saber-se que a extensa muralha de muros de pedra destinados à cultura da vinha – os chamados “currais” –, equivale a duas vezes o perímetro do Equador. Eis mais uma transcendência picarota: dar duas voltas ao mundo sem sair da mesma ilha.

MISTÉRIOS A ilha mais jovem dos Açores apresenta ainda vários exemplos “frescos” de atividade ou Silveira encontram-se “mistérios” forjados pelas erupções que o povo encarava como paisagísticas foram adaptadas ao lazer, estando equipadas com zonas de merendas, parques infantis, sanitários e até pequenas cercas com


PICO

BALEAÇÃO: Nas Lajes, o Museu dos Baleeiros expõe peças de scrimshaw e outros objetos etnográficos relativos aos tempos da caça da baleia. E no Centro de Artes e Ciências do Mar, também instalado numa antiga fábrica, sabe-se mais sobre a faina baleeira e os cetáceos que agora encontram um santuário nas águas açorianas. Em São Roque, o Museu da Indústria Baleeira mostra maquinaria industrial de transformação de produtos extraídos do cachalote.

BARCOS: Em Santo Amaro, um museu particular expõe maquetes e documentos relacionados com a construção naval.

BOTES BALEEIROS: As regatas de botes baleeiros que animam as festas do Pico funcionam como uma homenagem aos homens que caçavam o cachalote e também aos artesãos que construíam as embarcações.

VINHO o solo rochoso do Pico foi capaz de produzir um vinho que alcançou fama no século XIX, altura em que era exportado para vários

ATIVIDADES E ALOJAMENTO

No Museu do Vinho, entre alambiques, alfaias, barris, lagares, descobrem-se a arte, últimos anos assistiu-se à recuperação de uma vitivinicultura de pequena área, feita sem

GRUTA

qualidade crescente, que hoje se brinda ao milagre do homem ter transformado a pedra

Um dos maiores tubos lávicos visitáveis do mundo, a Gruta das Torres, estende-se por cinco quilómetros embelezados por diversos tipos de estalactites e estalagmites lávicas, bancadas laterais, lava balls, paredes estriadas e lavas uma hora e é feita num formato de expedição, de

Além dos muitos trilhos oficiais, existem no Pico diversos percursos temáticos estruturados que incluem visitas guiadas, entre os quais se contam a Rota da Faina Baleeira (que pode incluir também uma ida ao mar para observação de cetáceos). Operadores turísticos certificados, particularmente na Madalena e nas Lajes, asseguram uma vasta oferta de atividades, incluindo observação de cetáceos, passeios de canoa baleeira, visitas às cavidades vulcânicas, escalada ou exploração de grutas e cavidades vulcânicas. Em matéria de alojamento, além das unidades de hotelaria tradicional, destaca-se na ilha uma excecional oferta de Turismo Rural. 

CULTURA Um Roteiro Cultural sob o signo do escritor Dias de Melo sugere a descoberta de património edificado, paisagens e testemunhos da alma picoense, ao longo de um trajeto que passa por Madalena, Lajes do Pico, Calheta de Nesquim e

Turismo do Pico - Madalena 292 623 524 Posto Municipal de Turismo Lajes 292672486 Turismo dos Açores www.visitazores.com

25 AÇORES 2013


FAIAL

Horta



    A Horta é uma das principais portos de recreio do mundo. Entre veleiros e megaiates, a marina recebeu cerca de 1300 embarcações durante 2012. Este contínuo aportar de visitantes salpica a cidade de um ambiente cosmopolita e multicultural. Considerada uma das mais belas baías do mundo, a Horta representa em simultâneo um abrigo oportuno, uma casa de amigos, e uma porta de entrada para os restantes Açores. Sobe-se ao Monte da Guia, no enfiamento de Porto Pim, para admirar a silhueta do casario e dos barcos atracados na marina. Depois desce-se ao Peter Café 26 AÇORES 2013

Sport, refúgio de velejadores, pouso de turistas, lenda viva que acumula histórias e tradições marítimas desde a inauguração em 1918. Na companhia dum gin tónico, delineia-se na carta náutica a rota que levará à descoberta das vizinhas ilhas do “triângulo”, antes da romagem a destinos mediterrânicos, americanos ou caribenhos. Todavia, a partida marítima adia-se. De terra, o farol dos Capelinhos, mesmo esventrado por um vulcão, chama o visitante através dum feixe de luz invisível. A erupção vulcânica que teve início em setembro de 1957, e só terminou 13 meses


FAIAL

SCRIMSHAW O Museu da Arte do Scrimshaw, situado no piso superior do Peter Café Sport, contém a maior coleção privada de utensílios e peças de arte esculpidas ou gravadas em osso mandibular testemunham a gesta da caça à baleia nos

HISTÓRIA Dinâmica e arrojada, a Casa Manuel de Arriaga fixa a memória do primeiro Presidente da República Portuguesa no teu tempo de vida, ao mesmo tempo que projeta para a modernidade Roteiro Cultural propõe um passeio pela Horta de Manuel de Arriaga através da comparação de fotografias antigas com o perfil atual dos

BALEA��ÃO Instalado na Fábrica da Baleia de Porto Pim, o Centro do Mar acolhe hoje os visitantes museológico conta com a exposição permanente dos maquinismos e espólio ligados à indústria

CALDEIRA Bem ao centro da ilha, este cone vulcânico com dois quilómetros de largura e 400 metros de profundidade distingue-se por estar completamente atapetado de verde, algum do de terra batida, de nível fácil e com início e término no miradouro, permite caminhar o perímetro da Caldeira em cerca de duas horas

JARDIM BOTÂNICO Mostruário da flora açoriana, desde plantas nativas e endémicas até às espécies exóticas, A visita ao jardim inicia-se com um filme introdutório e termina com um chá feito com

Vulcão dos Capelinhos

MUSEU DA HORTA: Tendo por casa o antigo Colégio dos Jesuítas, datado do século XVIII, o museu tem coleções de objetos e engenhos ligados a antigos ofícios e à agricultura tradicional. Destaque para a coleção única de modelos de embarcações marítimas executados em miolo de figueira.

depois, acrescentou ao Faial uma península com 2,5 km2. Paisagem protegida, a zona dos Capelinhos assemelha-se à superfície de uma lua negra. Nos pisos soterrados da estrutura faroleira foi instalado um Centro de Interpretação, cuja arquitetura e circuito expositivo foram amplamente premiados. A enriquecedora visita à origem vulcânica dos Açores antecede a subida à torre. Do cimo, uma panorâmica extraordinária sobre o mar de tufos e escórias basálticas; e um novo apelo para que se prossiga a viagem desapressada pelo Faial terrestre. Porque o mar circundante, esse, não foge.

ATIVIDADES E ALOJAMENTO À muito completa oferta de atividades de mar assegurada por operadores certificados observação de cetáceos, mergulho, iatismo, pesca (incluindo Big Game Fishing) -, junta-se uma grande diversidade de atividades em terra. Na vela de cruzeiro há vários operadores com oferta de aluguer barcos, com ou sem skipper. Múltiplas são as regatas e provas desportivas de mar organizadas ao longo do ano pelo Clube Naval da Horta – uma ajuda disponível e imprescindível no iatismo. A intensidade náutica da Horta sobe durante os meses de primavera e verão. Em matéria de alojamento o Faial dispõe de várias unidades de quatro estrelas, com vasta oferta em Turismo Rural. 

Posto de Turismo – Horta 292 292 237 Clube Naval da Horta 292 200 680 / 969 801 715 Marina da Horta 292 391 693 Turismo dos Açores www.visitazores.com

27 AÇORES 2013


FLORES



    

As condições naturais das Flores tornam a ilha num imenso parque apropriado ao canyoning, atividade em que se transpõem obstáculos (dentro e fora de água) ao longo do curso das ribeiras, mediante o recurso a diversas técnicas e equipamentos. Além da vertente do desafio físico, esta modalidade permite explorar locais mais inacessíveis de espantosa beleza. Mas não se julgue o canyoning como um exclusivo de mentes radicais; existem vias com desníveis curtos, apropriados para principiantes e para batismos, que podem ser efetuados em família em condições de total segurança. 28 AÇORES 2013

Depois de ganho o gosto e a confiança, o trajeto e caudal dos cursos de água das Flores propõem desafios mais arrojados, com desníveis longos e grandes verticais. Na Fajãzinha a água é tão abundante que até parece afogar a paisagem. Do miradouro avista-se uma parede rochosa coberta de vegetação por onde escorrem perto de duas dezenas de cascatas. A maior delas atinge os 300 metros. É preciso ver (e contar) para acreditar na existência de lugares tão deslumbrantes. É preciso descer à Fajã Grande para tomar banho no Poço do Bacalhau, uma piscina alimentada por uma cascata de 90 metros. É preciso percorrer os trilhos que passam por lagoas ou seguem a linha costeira para compreender o que é uma ilha cristalina, nos tons verdes e azuis, nos caprinos selvagens que pastam livremente na Fajã de Lopo, na nitidez com que se avista o vizinho Corvo. Tão cristalina que ao olhar para o ilhéu de Monchique, ponto mais ocidental da Europa, quase se juraria poder ver a América.

CONHECER O Centro de Interpretação Ambiental do Boqueirão aproveita os tanques de uma antiga fábrica de processamento do cachalote para exibir um circuito informativo sobre observação de aves, poluição marinha, fontes hidrotermais

BIRDWATCHING A dimensão reduzida das Flores, associada à abundância aquífera, torna a ilha num dos melhores destinos dos Açores para a observação de Branca, em plena zona central, avistamOutubro e Novembro são os melhores meses para o

ROCHA DOS BORDÕES: Esta escoada com disjunção prismática, alcandorada no cimo de um monte, compõe um dos cenários mais “escadaria de gigantes” modifica-se consoante a


CORVO

    

Caldeirão

MERGULHO As Flores agregam um conjunto de spots sucessão de lajes em bancada funciona como A duas milhas da costa, o Ilhéu do Garajau conta com a aparição de meros e grandes

A popularidade do Corvo no circuito internacional do birdwatching deve-se, em parte, ao tamanho: a escala diminuta significa que os melhores pontos de observação estão todos mapeados. Além disso, nada escapa aos especialistas na matéria. Na primavera e no outono, os alertas nas redes sociais disparam ao primeiro sinal de chegada das aves migratórias. Num piscar de olhos a ilha fica abarrotada de birdwatchers em

busca de mais um avistamento raro para acrescentar ao seu rol de observações de aves americanas que raramente tocam em solo europeu. Exceto aqui, no Corvo genuíno, nos Açores refúgio de aves. A estes visitantes ocasionais acrescem espécies regulares e endémicas que encontram no Arquipélago – especialmente nas zonas húmidas das lagoas, pauis e ilhéus –, os habitats apropriados ao descanso, reprodução e/ou nidificação.

VILA DO CORVO O povoamento que concentra a totalidade dos habitantes do Corvo está arranjado em redor de um labirinto de ruelas estreitas,

MOINHOS A influência mediterrânica reduziu o

ATIVIDADES E ALOJAMENTO Alguns operadores e guias certificados asseguram nas Flores, muitas vezes em associação com as unidades hoteleiras locais, a realização de atividades, tanto terrestres como marítimo turísticas, com maior incidência no mergulho e pesca desportiva de barco. Na hotelaria tradicional existente na ilha destaca-se a moderna unidade de quatro estrelas recentemente construída (com estruturas para acolher pequenos eventos) e a oferta de unidades de Turismo Rural, com destaque para as casas da Aldeia da Cuada recuperadas para finalidades turísticas. O aldeamento mantém o fascínio rústico dos caminhos de pedra delimitados por muros. 

Turismo das Flores 292592369 Turismo dos Açores www.visitazores.com

TRILHOS

cúpula e as velas triangulares assentam num engrenagem rotativa que se move

Diz-se que se podem ver os desenhos das Aprecie-se convenientemente a lagoa e os cones interiores desta cratera com mais de dois quilómetros de diâmetro e 300 metros proporcionadas pelo trilho Caldeirão –

VIRTUAL de Interpretação Virtual apresenta as paisagens da ilha através de magníficas panorâmicas a 360º e dá a conhecer algumas das atividades culturais e sociais da população, bem como as áreas que fizeram parte do projeto “LIFE - Ilhas

ATIVIDADES E ALOJAMENTO Entre as atividades possíveis no Corvo destacam-se o birdwatching, os percursos pedestres e o mergulho. Um dos principais repositórios de informação e apoio ao visitante nesta “Reserva da Biosfera” – título que a ilha ostenta desde 2007 - é o Centro de Interpretação do Corvo. 

Posto de Turismo do Corvo 292 590 200 Centro de Interpretação Ambiental e Cultural do Corvo 292 596 051 Turismo dos Açores: www.visitazores.com

29 AÇORES 2013


TURISMO DE AVENTURA

    

SURF Os areais da Ribeira Grande, em São Miguel, têm recebido nos últimos anos uma etapa do circuito profissional de surf. Estas e outras praias de areia constante nos Açores adequam-se na perfeição a surfistas iniciados ou de nível intermédio. Alguns Clubes Navais e Escolas de Surf promovem aulas a quem se queira iniciar no surf e/ou windsurf. A facilidade de deslocação dentro das ilhas permite chegar-se rapidamente aos locais que apresentem a melhor ondulação. Na generalidade, a época de julho a outubro oferece as melhores condições meteorológicas. Porém, nalguns spots com fundo rochoso – como é o caso da Fajã da Caldeira de Santo Cristo, em São Jorge – a consistência das ondas estende-se a todo o ano. Existem ainda spots de difícil acesso, a requerer entradas por mar, cujas condições requerem surfistas experientes e intrépidos. Nas principais zonas balneares, na época alta, é possível desfrutar de várias diversões aquáticas. 30 AÇORES 2013


TURISMO DE AVENTURA

PARAPENTE Mesmo os parapentistas mais experimentados têm dificuldade em adjetivar as emoções proporcionadas por um voo livre. Por um lado, cumpre-se o sonho humano de voar. Por outro, descobrem-se novos segredos da paisagem. Vistas de cima, as áreas das Sete Cidades, da Lagoa do Fogo ou das Furnas, agigantam-se. Graças a estes ex-libris e a uma orografia que faz da ilha uma enorme pista de aterragem, São Miguel lidera em termos de prática do parapente. O Clube Asas de São Miguel, promotor de um Festival Internacional de Parapente que já vai na 19ª edição, promove saídas e batismos de voo durante todo o ano, desde que estejam reunidas as condições de segurança.

CANYONING

ESCALADA

A profusão de ribeiras em ilhas como São Miguel, Flores ou São Jorge tem levado ao incremento do Canyoning nos Açores. Ao todo já existem mais de cinquenta vias montadas no Arquipélago, as quais apresentam diferentes níveis de exigência. Os percursos mais fáceis adequam-se a várias idades, podendo ser realizados em família. A época de Abril a Outubro é a mais propícia à prática desta modalidade que permite explorar, em segurança, a exuberância de recantos mais escondidos das ilhas.

Fruto da imensidão de áreas costeiras em parede rochosa, os Açores evidenciam um grande potencial para a prática da escalada. Já se encontram zonas devidamente preparadas em várias ilhas. Em São Miguel, o sector da Ferraria apresenta o bónus de se poder tomar um banho quente de mar. Na ilha Terceira, o grupo d’Os Montanheiros dinamiza provas e formação em escalada. O perfil das zonas costeiras açorianas está também a cativar praticantes de coastearing, modalidade que envolve natação, saltos, escalada e caminhada.

KAYAKING Os passeios em caiaque ou em canoa permitem uma envolvência física e emocional com a magnífica paisagem açoriana. Praticadas em mar alto ou em águas interiores, estas atividades abrem portas a novas perspetivas das escarpas, lagoas, ilhéus ou grutas que costumam atrair o olhar dos visitantes. Alguns percursos requerem um elevado esforço atlético, adequando-se a praticantes que procurem situações de maior adrenalina.

ATIVIDADES E OPERADORES As atividades para gostos mais aventureiros ou radicais juntam a adrenalina à redescoberta das paisagens dos Açores. Há sempre mais uma possibilidade, um desafio, uma emoção, em terra, no mar ou no ar. Vários operadores encontram-se certificados para atividades mais radicais. Mas há ainda alguns clubes e associações especializadas que organizam tentadoras provas desportivas, algumas integrando os calendários mundiais como acontece com o Surf.

Montanheiros (Escalada) - Terceira www.montanheiros.com Clube Asas de São Miguel (parapente) – www.asassaomiguel.com Clube Naval de Ponta Delgada (Surf) www.cnpdl.pt Turismo dos Açores www.visitazores.com



31 AÇORES 2013


MEETING INDUSTRY

    

Teatro Micaelense

São Miguel oferece os principais espaços de Meeting Industry. O Teatro Micaelente, em Ponta Delgada, é um Centro Cultural e de Congressos com diversas salas que, no total, somam mais de 1200 lugares. Na mesma cidade, o Coliseu Micaelense disponibiliza 1284 lugares, enquanto o Pavilhão do Mar, situado no complexo das Portas do Mar, cede espaço para até 3000 pessoas. Em Vila Franca do Campo, a AçorArena tem um auditório com 1000 lugares e outra sala com 300. Teatro Faialense

Na ilha do Faial, o Teatro Faialense destaca-se com o auditório de 300 lugares e uma sala com 73 assentos. Na Terceira, o Centro Cultural e de Congressos de Angra do Heroísmo distribui-se por duas salas, uma com 900 lugares, outra com 200. Sem mudar de ilha, a Praia da Vitória pode receber eventos até às 450 pessoas no Auditório do Ramo Grande.

PARCERIA A Direção Regional de Turismo dos Açores, além de apoio informativo e aconselhamento, disponibiliza, quando reunidas certas condições, um programa de incentivos para a realização de certos eventos no Arquipélago, cujo montante máximo pode atingir os 100 mil euros no caso de entidades associativas e, no caso de iniciativas 32 AÇORES 2013

Coliseu Micaelense

ALTERNATIVAS Muitas unidades hoteleiras dispõem de salas para reuniões devidamente equipadas que funcionam como soluções alternativas ou complementares ao turismo de negócios. Os espaços multiusos nos Centros de Interpretação e Centros de Ciência ou os anfiteatros universitários também são alternativas para a realização eventos.

Azores Golf Islands:  www.azoresgolfislands.com Centros de Ciência: http://centrosdeciencia.azores.gov.pt Turismo dos Açores: www.visitazores.com Delegação de Turismo de Lisboa Av. Elias Garcia, 57 - s/l 1049-017 Lisboa Tel: 21 3180420 Fax: 21 3152462 E-mail: dt.lis@azores.gov.pt


EVENTOS



OUTROS ESPAÇOS O turismo de negócios encontra locais ajustados nas restantes ilhas do Arquipélago, que servem de cenários originais para eventos até média dimensão.

  

  II PANZOREAN INTERNATIONAL FILM FESTIVAL São Miguel

São Jorge: Auditório Municipal das Velas com 216 lugares.

 SATA RALLYE AÇORES São Miguel

48ª edição da prova automobilística que integra o Campeonato Europeu de Rally.

 INÍCIO DA ÉPOCA DE Terceira Santa Maria: Auditório da Biblioteca Municipal de Vila do Porto com mais de 100 lugares. Graciosa: Centro Cultural de Santa Cruz com auditório com 246 lugares e duas salas com capacidades para 30 e 50 pessoas. Corvo: Centro Interpretativo do Parque Natural do Corvo com 30 lugares Flores: Auditório Municipal das Lajes das Flores com 85 lugares. Pico: Auditório Municipal das Lajes do Pico com 100 lugares.

 SENHOR SANTO CRISTO DOS MILAGRES Ponta Delgada – São Miguel  FESTAS DO ESPÍRITO SANTO Todas as ilhas FESTA DE NOSSA SENHORA DE GUADALUPE Guadalupe e Santa Cruz – Graciosa

  SANJOANINAS Angra do Heroísmo-Terceira Cortejos, marchas, festas taurinas, música e animação marcam o calendário das maiores festas populares do Arquipélago.

Batalha

 FESTAS DE SÃO JOÃO DA VILA Vila Franca do Campo – São Miguel  FESTAS DE SÃO PEDRO Ribeira Grande – São Miguel  RED BULL CLIFF DIVING Vila Franca do Campo São Miguel

Terceira

GOLFE: Parceiro imprescindível do turismo de negócios, o golfe na ilha de São Miguel conta com dois campos: um na Batalha, de 27 buracos e três percursos diferentes, e um 18 buracos Ambos estão dotados de espaços capazes de com 18 buracos, dispõe de um clubhouse de linhas contemporâneas com um salão que pode acolher

O remoto Ilhéu de Vila Franca do Campo serve de plataforma natural aos competidores desta excitante competição de saltos para a água a grande altura.

 CAVALHADAS DE SÃO PEDRO Ribeira Grande - São Miguel

  SEMANA CULTURAL DAS VELAS Velas – São Jorge  FESTIVAL QUEIJO DO PICO Lajes do Pico

Concertos e provas de queijo animam o Forte de Santa Catarina.

 FESTA DO CHICHARRO Ribeira Quente São Miguel Festival de Julho CalhetaSão Jorge  FESTA DO EMIGRANTE Lajes das Flores  CAIS DE AGOSTO São Roque do Pico  25º ATLANTIS CUP REGATA DA AUTONOMIA

Regata inter-ilhas com partida da Horta, tocando as marinas de Angra do Heroísmo, de Ponta Delgada e de Santa Maria, ao longo de 8 dias.

  FESTAS DA PRAIA DA VITÓRIA Praia da Vitória Terceira  SEMANA DO MAR Horta – Faial  XXIX FESTIVAL INTERNACIONAL DE FOLCLORE Terceira  FESTA DOS ROSAIS Rosais – Velas – São Jorge  SEMANA DOS BALEEIROS Lajes do Pico

 MARÉ DE AGOSTO Praia Formosa – Santa Maria À beira de celebrar 30 anos, este festival de música decorre num palco junto ao mar e aposta num cartaz com nomes nacionais e internacionais ligados à world music.

  SATA AIRLINES AZORES PRO São Miguel

Nomes sonantes do surf mundial rumam às praias da Ribeira Grande para competirem numa prova que integra o calendário da Associação de Profissionais do Surf.

 AZORES BIG GAME FISHING TOURNAMENT São Miguel

Três dias de competição de pesca de alto mar, com os concorrentes de olhos postos nos espécimes de espadim azul. A partida e chegada dos barcos é feita no porto de Ponta Delgada.

 AZORES EUROSURF Praia de Santa Bárbara – São Miguel  FESTA DA CALDEIRA DE SANTO CRISTO Calheta – São Jorge

  ANGRAJAZZ 2013 Angra do Heroísmo – Terceira FESTA DO RAMO GRANDE Praia da Vitória - Terceira

  FESTA DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO Faial, Santa Cruz-Flores e Terceira



 19º FESTIVAL DE PARAPENTE DOS AÇORES São Miguel

Batismos de voo, saltos de vários locais, música e uma forte componente turística marcam este festival quase com vinte anos.

33 AÇORES 2013


OBSERVATÓRIOS

      

OBSERVATÓRIO ASTRONÓMICO DE SANTANA (SÃO MIGUEL)

OBSERVATÓRIO DO MAR DOS AÇORES (FAIAL)

OBSERVATÓRIO MICROBIANO DOS AÇORES (SÃO MIGUEL)

Quando reunidas as condições atmosféricas ideais, é possível realizar observações telescópicas do sol durante o período diurno. A noite da primeira sexta-feira de cada mês, no horário das 21 às 23 horas, está reservada para a observação da lua. O espólio do observatório complementase com um planetário móvel, oficina de astronomia, espaço multimédia, exposições e módulos interativos.

O laboratório interativo sobre a biodiversidade marinha e o submarino virtual que permite explorar informações sobre diversos ecossistemas marinhos constituem duas das propostas deste centro localizado em Porto Pim. Responsável por dinamizar o núcleo museológico da Fábrica da Baleia, o observatório também promove exposições fotográficas sobre vida marinha.

Instalado no antigo Chalé de Misturas, o centro revela e explica a vida oculta dos microrganismos presentes nos ecossistemas das nascentes termais terrestres, marinhas e cavidades vulcânicas. Em termos de atividades, o Safari Microbiano permite explorar as fumarolas das Furnas. No Passeio de Degustação de Águas Mineromedicinais, o conhecimento do património científico-cultural das nascentes termais da área vem acompanhado de um lanche geotermal.

OBSERVATÓRIO VULCANOLÓGICO OBSERVATÓRIO DO AMBIENTE E GEOTÉRMICO DOS AÇORES DOS AÇORES (TERCEIRA) (SÃO MIGUEL) A passagem pela reprodução dum túnel vulcânico, ao som de explosões e borbulhares de lava, introduz o visitante na sala dos minerais. O circuito expositivo está montado de forma a explicar a natureza explosiva da paisagem açoriana e, em simultâneo, mostrar como vários minérios marcam uma presença despercebida no nosso quotidiano.

Situado no antigo mercado do peixe, com vista para a Prainha da baía de Angra do Heroísmo, este centro de ciência inaugurou recentemente uma nova exposição principal. A “Volta à Física em 60 minutos” é feita através da interação recreativa com diversos módulos. A visita pode ser complementada com uma atividade no laboratório experimental.

EXPOLAB (SÃO MIGUEL) Situado na Lagoa, este espaço científico aposta em exposições interativas que, de forma simples e divertida, divulgam conhecimentos sobre campos tão diversos como a biologia ou a física. Equipado com três laboratórios, o centro tem uma vasta oferta de jogos e ateliês de experimentação.

CONTACTOS

http://centrosciencia.azores.gov.pt 34 AÇORES 2013


36 AÇORES 2013


Açores 2013