Issuu on Google+

Aula 15: Critérios e instrumentos para avaliação e criação de softwares educativos Prof. Dr. Márcio Marques Martins Licenciatura em Ciências: Biologia, Física e Química UFFS – Campus Cerro Largo/RS TICs no Ensino de Ciências http://cientistadigital.posterous.com


1.Software Educativo: Definição  Segundo

Valente NIED/UNICAMP,

(1989),

pesquisador

do

trata-se de todo programa de computador que visa atender necessidades educacionais norteado por uma metodologia de utilização embasada em teorias de aprendizagem e com objetivos de aprendizagem bem claros.


1.Software Educativo: Definição  Segundo Silva (2009),

podemos definir o software educacional como sendo um sistema computacional e interativo, intencionalmente concebido para facilitar a aprendizagem de conceitos específicos, ou seja, instrumento para a aprendizagem de algo. (...) são softwares pensados, programados e implementados com objetivos educativos - fora e dentro da escola.


2. Aspectos pedagógicos dos SE  Supre a defasagem de conteúdos dos LD;  Mantém o aluno atualizado;  Estimula criatividade, memória, agilidade mental,

independência e capacidade de resolver problemas;  Permite visualização de fenômenos fisicamente

inacessíveis (interior do átomo ou da célula, p.ex.) VALENTE (1989)


2. Aspectos pedagógicos dos SE  Auxilia o professor sem substituí-lo;  Não deve ser uma versão digital dos métodos

tradicionais de ensino;  Deve fomentar a independência,  Facilitar a resolução de problemas.

VALENTE (1989)


3.Principais categorias de SE  Softwares para ensino de informática (computer

literacy)

 Softwares de ensino pela informática ou

softwares educacionais (SE)

VALENTE (1989)


3.Principais categorias de SE  Instrução auxiliada por computador (computer

aided instruction – CAI)  Versão computadorizada dos métodos tradicionais

acrescida de recursos hipermídia  Softwares de reforço e exercício (drill-and-practice)  Softwares tutoriais*

VALENTE (1989)


3.Principais categorias de SE  Aprendizagem por descoberta (discovery-learning) Permitem a exploração auto-dirigida ao invés da instrução explícita e direta  Simuladores (Civilization, Roller Coaster Tycoon, Simcity)  Jogos (Gcompris, Fold It, Atomik) 

Teoria do Conectivismo (Siemens) - CoP

 Linguagens de programação simples (Basic, Logo, NetLogo) 

Teoria dos construtos pessoais (George Kelly)

 Softwares de controle de processo (Virtual Lab, Phun, Lego

Mindstorm) VALENTE (1989) Fold It  http://www.nature.com/nbt/journal/v30/n2/full/nbt.2109.html


3.Principais categorias de SE  Ferramentas criadas sem objetivo educacional

específico  Editores de texto (Word)  Planilhas de cálculo (Excel)  Softwares de apresentação (Powerpoint)  Softwares de Screencast (Wink) *  Softwares de Autoria (Hot Potatoes)  Softwares de matemática (Maple, MatLab,

WxMaxima)

VALENTE (1989)


4.Critérios para criação e avaliação de SE 4.1. Critérios para seleção de SE para uso escolar 4.2.Critérios para o design de SE  Envolvimento informativo  Envolvimento consultivo

 Envolvimento participativo

4.3. Avaliação de SE  Direta ou Indireta

 Objetivos da avaliação  Momentos de avaliação  Abordagens avaliativas

GODOI e PADOVANI (2009)


4.1. Critérios para seleção de SE para uso escolar  Avaliação contínua centrada no usuário

GODOI e PADOVANI (2009)


4.2.Critérios para o design de SE Envolvimento informativo  o usuário é uma fonte de informações para o

projeto através de entrevistas, questionários ou observações.

GODOI e PADOVANI (2009)


4.2.Critérios para o design de SE Envolvimento consultivo  O usuário é consultado sobre decisões de

projeto, para que as verifique e emita opinião sobre elas.  Essa consulta também pode ser realizada

através de entrevistas, questionários e observações.

GODOI e PADOVANI (2009)


4.2.Critérios para o design de SE Envolvimento participativo  Considerado

o nível mais elevado de envolvimento do usuário no desenvolvimento do projeto, a responsabilidade pelo projeto é transferida a ele.

 Cabe

ao designer recolher e tratar adequadamente os dados coletados através das técnicas possíveis.

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.1.Quanto à participação do usuário:  DIRETA: O Professor seleciona e avalia o SE na fase de

planejamento

 INDIRETA: O Professor avalia o SE na fase de aplicação

(na escola, com os alunos).

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.2.Quanto aos objetivos da avaliação:  Avaliação da funcionalidade  O SE é fácil de usar? Produz resultados pedagógicos?  Efeito da interface sobre o usuário  (affordances do ambiente, efetividades do usuário)

 Identificação de problemas com o SE  Para posteriores correções

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.3.Quanto aos momentos da avaliação:  Na fase de desenvolvimento 

(etapa de design ou criação do SE)

 Na fase de utilização 

(etapa de aplicação mediada pelo professor)

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.4.Quanto aos tipos de interação: 

Aluno-aluno: o aprendizagem sócio-interacionista (Vygotsky) o “ conectivista (Siemens)

Aluno-professor: o comunicação síncrona/assíncrona

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.4.Quanto aos tipos de interação: 

Aluno-conteúdo: interatividade, imersão em ambientes virtuais ou de realidade aumentada

Professor-professor: gera renovação de conhecimentos

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.4.Quanto aos tipos de interação: 

Professor-conteúdo: criação, monitoramento e atualização constante de conteúdos o Como em blogs, AVAs, etc.

Conteúdo-conteúdo: conteúdo é programado para se auto-atualizar em contato com outras fontes de conteúdo o Como em redes sociais (facebook) o SCORM, LMS GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.5.Quanto às abordagens avaliativas:  Prognóstica: feita antes do uso do software

educativo (planejamento)

 Em grupo: quando professores e/ou alunos estão

juntos discutindo, avaliando ou tomando decisões a respeito do software que será utilizado.

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.5.Quanto às abordagens avaliativas:  Contextual:

precisa necessariamente estar num contexto de uso, no qual aluno e professor discutem (juntos ou individualmente) sobre o software educativo

 Codescoberta: auxilia também professores e/ou

alunos em suas relações interpessoais enquanto contribui na avaliação dos softwares educativos.

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE 4.3.5.Quanto às abordagens avaliativas:  Interativa/Participativa:

permite aos alunos e/ou professores ter uma postura crítica e colaborativa diante dos conteúdos e participar ativamente do processo ensinoaprendizagem.

GODOI e PADOVANI (2009)


4.3. Avaliação de SE

GODOI e PADOVANI (2009)


4.4. Critérios para a avaliação de SE

GODOI e PADOVANI (2009)


4.4. Critérios para a avaliação de SE 4.4.1.Ergonômicos:        

Condução (bips, alertas, pop-us) Carga de Trabalho Controle do usuário Adaptabilidade Gestão de Erros Homogeneidade/coerência Significado de códigos e denominações compatibilidade


4.4. Critérios para a avaliação de SE 4.4.2.Pedagógicos: 

De ensino e aprendizagem: clareza dos conteúdos, objetivos de aprendizagem, estruturação, etc

De dispositivos de formação: conformidade, aceitabilidade, compatibilidade, coerência

De controle e gestão de processo: componente prática, avaliação e tutoria

De validade político-pedagógica: pertinência, coerência, filosofia pedagógica


4.4. Critérios para a avaliação de SE 4.4.3.Comunicacionais: 

Documentação e material de apoio: manuais impressos/online

Navegação: permitir a localização do usuário no ambiente do software

Interatividade: reações do SE às ações do usuário

Grafismo: habilidade da interface na comunicação ao usuário do funcionamento dos objetos gráficos que o guiam em sua interação;

Organização das mensagens: equilíbrio de mensagens linguísticas e audiovisuais


4.5.Critérios de usabilidade do SE

A

definição de usabilidade é definida pela norma ISO 9241-11 como sendo a eficácia, a eficiência e a satisfação com que os usuários alcançam seu objetivo executando uma tarefa em determinado ambiente.


4.5.Critérios de usabilidade do SE  Facilidade de aprendizagem  Eficiência:  uma vez treinado, o usuário atinge altos níveis de produtividade no uso do SE.  Facilidade de memorização  Baixa taxa de erros  Satisfação


5.Instrumentos de avaliação de SE


5.1.Checklist  Checklist é a lista de itens que podem

aparecer na forma de questões ou ações a serem realizadas. Podem apresentar um sistema de pontuação ou coletar comentários qualitativos.


5.1.Checklist 

CSEI - Children’s Software Evaluation Instrument

MAEP - Método de Avaliação Ergopedagógico (produtos educacionais informatizados)

 PROINFO – Programa Nacional de Informática na Educação (20 questões direcionadas ao professor antes do uso do SE em sala aula) 

TICESE –

Técnica de Inspeção de Conformidade Ergonômica de Software Educacional o Pode ser aplicado antes, durante e após a utilização do SE em aula.


5.2.Diretrizes

Diretrizes são recomendações as quais cabe ao avaliador seguir, elas podem ser encontradas sob a forma de recomendações gerais ou tratando de algum item específico.


5.2.Diretrizes 

Cronje: processo de avaliação multietapas de software e seu efeito na aprendizagem.

Hanna, Risben e Alexander: diretrizes para teste de usabilidade com crianças.

Squires e Preece: prognóstico de qualidade em software educacional. (deve ser feito antes da utilização em sala de aula)


5.3. Escala de avaliação Escala é um instrumento científico de observação e mensuração dos fenômenos sociais. Reeves e Harmon : avaliação para multimídia educacional. É um método somativo, para softwares já concluídos.  Deve ser aplicado antes da utilização do SE em sala de aula (pelo prof ou desenvolvedor). 


5.4. Formulários  Janela ou documento que apresenta

informações de forma diagramada e que possui campos para que o usuário possa introduzir ou modificar informações


5.4. Formulários 

ASE - Avaliação de Software Educativo – Ficha de Registro

ESEF - Educational Software Evaluation Form

PCEM - Plantilla para la Catalogación y Evaluación Multimedia

SEF - Software Evaluation Form

SK - SuperKids – Sample Teacher Review Form


5.5. Híbridos  Agrupamento de técnicas diferentes

para identificação dos problemas de usabilidade.


5.5. Híbridos  MAQSE

- Metodologia para Avaliação da Qualidade de Software Educacional

– Metodologia de Avaliação de Qualidade de Software Educacional Infantil

 MAQSEI


5.6. Questionários É

um instrumento de coleta de dados constituído por uma relação de perguntas que o entrevistado responde sozinho, assinalando ou escrevendo as respostas.

 (...) são listas de questões distribuídas aos

usuários, exigindo mais esforço por parte deles, pois é necessário que preencham o questionário e o devolvam ao pesquisador.


5.6. Questionários – Instrumento de Avaliação da Qualidade para Software Educacional de Matemática

 IAQSEM

– ajuda os professores na avaliação, seleção e uso de programas multimídia numa perspectiva multidimensional.

 PEDACTICE


5.6. Sistemas

Sistemas como ferramentas multimídia para avaliação de produtos educativos com o propósito de auxiliar o usuário no processo da avaliação qualitativa e seleção de software educacional.


5.6. Sistemas 

CASE – Comunidade de Análise de Software Educativo

MEMI

Méthode

pour

l’Évaluation

de

Multimedia

Interactive 

MEDA – Sistema Multimídia para Avaliação de Produtos Educativos

SASE – Sistema de apoio à avaliação de software educacional

SOFTMAT – Repositório de softwares para matemática do ensino médio


5.7. Comparação entre instrumentos

GODOI e PADOVANI, 2011


5.7. Comparação entre instrumentos

GODOI e PADOVANI, 2011


5.7. Comparação entre instrumentos

GODOI e PADOVANI, 2011


5.7. Comparação entre instrumentos

GODOI e PADOVANI, 2011


6. Tarefa 1.

Leia os artigos de GODOI e PADOVANI (2011) e de VALENTE (1989).


6. Tarefa 1.

Visite http://phet.colorado.edu/pt_BR/sim ulations/category/biology, http://phet.colorado.edu/pt_BR/sim ulations/category/chemistry, http://phet.colorado.edu/pt_BR/sim ulations/category/physics ou http://phet.colorado.edu/pt_BR/sim ulations/category/earth-science


6. Tarefa 1.

Escolha um Objeto Virtual de Aprendizagem desse site e explore-o.


6. Tarefa 1.

Identifique: categoria do SE (segundo Valente – slides 7 e 8),

2.

Identifique: proposta pedagĂłgica tipos de atividades, conteĂşdo, usabilidade, interatividade e interface do SE (segundo Godoi e Padovani).


6. Tarefa 1.

Logo após, use o Checklist de avaliação de Software Educativo (SE) PROINFO para avaliar o objeto escolhido.


6. Tarefa

Elabore um texto coerente, com introdução, desenvolvimento, resultados e conclusões e poste no blog da disciplina. 2. Preferencialmente, imagens de uso do objeto devem ser incluídas no post. 1.


8. Bibliografia 

ANGOTTI, J. A.; DELIZOICOV, D. Metodologia de Ensino em Ciências, Cortez. SP,1990.

GODOI, Katia Alessandra de; PADOVANI, Stephania. Avaliação de material didático digital centrada no usúário: uma investigação de instrumentos passíveis de utilização por professores. Revista Produção. v.19, nº3, set/dez, pp 445-457. 2009

__________, Instrumentos avaliativos de software educativo: uma investigação de sua utilização por professores. Revista Online Estudos em Design. v.19. nº1. pp 1-23. Rio de Janeiro,. 2011.

SILVA, Ricardo José de Souza. Avaliação de Software Educacional: critérios para definição da qualidade do produto. III Simpósio Nacional da ABCiber. ESPM/SP. São Paulo, 2009.

VALENTE, José Armando. Questão do Software: parâmetros para o desenvolvimento de Software Educativo. NIED/UNICAMP. Memo nº24. 1989


Obrigado pela atenção!


Critérios e instrumentos para avaliação de Software Educativo