Issuu on Google+

Colégio Salesiano Itajaí Como Dom Bosco, presença alegre e fraterna, por uma vida saudável.

Livro de

5º ano A - 2012 Professora Adriana


Apresentação As fábulas são textos de conhecimento universal, justamente por tratarem de questões importantes da vida do ser humano, representado nesse gênero textual por animais e suas características peculiares. Nas fábulas, o perfil de cada um dos animais representa, simbolicamente, nossas virtudes, desejos e fraquezas, tão bem resumidas, na verdade, na moral da história. Assim como as parábolas bíblicas, as fábulas se destacam, sobretudo, pelo ensinamento de seus enredos. Nem sempre, no entanto, esse ensinamento é revelado de maneira óbvia nesses textos. Basta conhecer um pouco da origem das fábulas para entender como são complexas, apesar de curtas. Esopo (séc. VI a.C.) e La Fontaine (séc. XVII d.C.) usaram a fábula como instrumento para denunciar a hipocrisia das sociedades desiguais que viveram utilizando a metáfora e a ironia como principais recursos retóricos e linguísticos. Uma das estratégias utilizadas na Unidade II do livro de Língua Portuguesa (RSE) é desafiar os alunos do 5º ano a entrar em contato com os principais autores de fábulas, conhecer alguns textos e desenvolver sua própria fábula. Portanto, esperamos que apreciem o nosso trabalho e... Boa leitura! Professora Adriana


Índice O pavão e a raposa................................................................................................... 04 A aventura..........................................................................................................05 Lendas de ouro........................................................................................................ 06 O burro e o leão........................................................................................................ 07 O Pequeno raio de sol.............................................................................................. 08 A lagartixa e o sapo................................................................................................... 09 O cavalo, o boi e o gato............................................................................................ 10 O cachorro, o gato e o leão........................................................................................ 11 Amigas de Infância................................................................................................... 12 O urso e os peixes............................................................................................ 13 Em busca da majestade....................................................................................... 14 A corrida das Estrelas............................................................................................. 15 A Ratinha que foi enganada...................................................................................... 16 O Jacaré e o Crocodilo............................................................................................. 17 A sorte.......................................................................................................... 18 A flauta encantada................................................................................ 19 O instinto................................................................................ 20 O cão e os ossos...................................................................................................... 21 O coelho e o lagarto................................................................................................ 22 O gato e o esquilo.................................................................................................... 23 O Canguru e seu Filhote Pooh.................................................................................. 24 Fish City................................................................................................................... 25 A lição...................................................................................................................... 26 Lição de Vida............................................................................................................ 27 Os Coelhos e a Cobra............................................................................................... 28 A menina e a Tartaruga............................................................................................. 29 A trilha...................................................................................................................... 30 A vida no campo........................................................................................................31


O pavão e a raposa Em um dia ensolarado, o pavão e a raposa foram brincar perto da casa da árvore. Enquanto os dois brincavam, um leão se preparava para atacar. Quando ele atacou, os dois amigos conseguiram ver o leão e saíram correndo até a Floresta Negra. Chegando lá o pavão disse: -Ainda bem que eu olheipara trás! Ao escutar o que o seu amigo disse, a raposa ficou furiosa porque os dois olharam ao mesmo tempo para o leão, e seria injusto só o pavão ganhar a fama por isso. Ao refletir sobre isso a raposa decidiu que não iria falar nada, então a raposa foiembora. O pavão ficou lá sozinho na Floresta Negra e decidiu explorá-la. Quando chegou perto do vulcão Vença, percebeu lá de cima uma cidade chamada Vena. Lá moravam ciganos. Ouvindo aquelas músicas e vendo as dança, o pavão decidiu conhecer a cidade. A raposa chateada com que fez, voltou para a floresta, para se desculpar com o seu amigo. Chegando lá, não encontrou o seu amigo e correu para Vena, procurando o seu amigo. Quando o encontrou, ela disse: -Amigo essa cidade é muito perigosa, vamos embora. E o pavão disse: -Não! Eu quero explorar essa cidade. Na mesma hora um vendedor apareceu perguntando: -Quanto custa esse pavão dona raposa? E a raposa disse: -Meu amigo não está à venda e nunca estará! Ao escutar, o vendedor foi embora e os amigos se desculparam um com o outro e foram embora. Moral: Amigo verdadeiro vale mais que o dinheiro. Autora: Luiza Souza Scherrer.

04


A aventura Era uma vez na floresta, um coelhinho que gostava de passear. Certa vez viu uma sombra de algo com: orelhas grandes, pêlos no fucinho e um rabo bem fino. O coelhinho se assustou e se escondeu atrás da árvore, logo depois, viu que era um rato. Continuou passeando até que viu algo bem peludo, quando estava vendo, parecia que era um animal amigável. Quando ele iria falar ”oi”, viu que era uma raposa feroze saiu correndo para a sua casa. Contou essa aventura para a sua mãe e a todos os animais da floresta. Esse coelhinho foi chamado de “o coelho corajoso”. Moral: As aparências enganam. Autor: Henrique Rondon Santos Dias

05


Lendas de ouro Certo dia um homem procurava se aventurar com seu fiel cão, ele viu um senhor que contava histórias antigas, e ouviu dizer que no monte Roshmore havia uma mina de ouro e foi explorar com seu cão. Quando chegaram, havia muitas placas com o aviso “Não entre”, mas mesmo assim ignoraram e entraram. Passaram por lugares estreito e buracos fundos, de repente encontraram um senhor que pedia socorro, e falou ao homem: -Volte ou irás e arrepender. -Não, pois não me arrisquei até aqui par voltar. E saiu para explorar, quando chegou a um grande portão, entrou e avistou um baú com muitos brilhos, quando chegou perto eram só vaga-lumes. Então pegou o pobre senhor e saiu daquele lugar. Moral: Nem tudo que reluz é ouro. Autor: Vinicius Arthur Pita

06


O burro e o leão Em uma floresta, havia um burro e um leão que moravam próximos a um grande rio da região. Os dois não eram muito amigos. Como o leão era o mais venerado, pois era o rei da floresta, tinha muitos amigos, não pelo seu caráter, mas todos estavam interessados na sua própria proteção. O burro era humilde e simpático. Não era forte nem tinha autoridade. Ele era amigo de um macaco e uma tartaruga, mas também gostaria de ser amigo do leão. Como todos os outros bichos sabiam que o burro gostaria de ser amigo do leão, e sabiam também que ele eramuito sábio e bondoso, não gostariam que os dois se tornassem amigos, pois correriam o risco de o burro perceber que os bichos não eram amigos verdadeiros do leão. Se isso acontecesse, o burro alertaria o leão. Assim, todos os bichos faziam de tudo para que o burro não se aproximasse do leão, falavam mal dele, chamavam o burro de medroso e covarde. Certo dia chegou a notícia de que um feroz rinoceronte se aproximava da região. Assim que a notícia chegou aos ouvidos da bicharada, todos correram atrás do leão para que espantasse o rinoceronte que se aproximava. A ideia do burro era que todos se escondessem e ficassem à espera do animal passar. Isso evitaria violência. Então foi tentar conversar com o leão. Na multidão pedia licença para passar, e contar sua ideia ao leão, mas os animais diziam: -Você? O que veio fazer aqui?-perguntou o gato -Vim dar minha ideia ao leão!-respondeu o burro -Você acha que o leão, o rei da floresta, vai ouvir um simples burro como você? O burro, desanimado com a resposta do gato foi se esconder, mas observava tudo de longe. O leão enfrentou o rinoceronte com muita bravura, mas ficou bastante machucado. Depois que o rinoceronte foi espantado, o leão tropeçou e caiu no rio, e começou a gritar: -Socorro! Não sei nadar! Ninguém quis arriscar para salvar o leão. Apenas o burro. Ele berrou: -Eu o salvarei leão! -Você? Fraco desse jeito? Além disso, sei que é covarde e medroso. Se pular vai se afogar junto! Mesmo assim o burro pulou na água e tirou o leão, que conheceu a bravura do burro e a falsidade de seus amigos. Depois desse dia os dois se tornaram grandes amigos. MORAL: Não julgue um livro pela capa. Laura Daros Abreu de Oliveira

07


O Pequeno raio de sol Era uma vez uma menina chamada Sophia, ela tinha avó muito idosa, com cabelos brancos e rosto enrugado. O pai de Sophia tinha uma enorme casa no alto da colina. Todos os dias o sol entrava pelas janelas do sul. E tornava tudo claro, alegre, bonito... A avó morava no lado NORTE da casa. O sol nunca chegava a seu quarto. Um dia Sophia disse ao pai: -Porque o sol não aparece no quarto da vovó? Eu sei que ela gostaria de vê-lo também. -O sol não pode entrar no quarto dela, pois fica do lado norte. -Disse o pai. -Então vamos virar a casa papai! -Ela é muito grande. -Disse o pai. -A vovó nunca terá os raios de sol em seu quarto? Perguntou Sophia. E em uma brincadeira disse o pai: -Claro que não minha filha, amenos que você os leve até ela!! Depois disso ela pensou num jeito de carregar os raios de sol até sua vó. Quando ela brincava nos campos, via a grama balançando e lindas flores. Os pássaros cantavam decentes enquanto voavam de árvore em árvore. Tudo parecia dizer: ”Nos amamos o sol” -Vovó também amaria o sol, pensou ela. Eu preciso levar um pouco a ela! Quando ela estava no jardim, certa manhã sentiu os raios dourados e quentes do sol em seus cabelos louros. Sentou-se e viu os raios de sol em seu colo. -Vou apanhá-los com meu vestido. Pensou, e levar até a vovó. E ai correu para dentro da casa agarrando seu lindo vestido. -Veja vovó! Trouxe uns raios de sol pra você. Gritou ela. E abriu o vestido, mas não havia nenhum raio de sol, logo a menina, encheu os olhos de lágrimas. Vendo a menina triste sua vó disse: _ O sol vem em seus olhos, e brilha em seus cabelos dourados, eu não preciso do sol se eu tenho você comigo. Ela não entendia como o sol vinha em seus olhos. Mas ficava contente em fazer sua vó feliz. Todas as manhãs ela brincava no jardin. Então corria para o quarto da vó, para levar o sol em seus olhos e cabelos. Moral: A compaixão é um presente que não se compra. Ela é cultivada em seu coração. Basta achá-la e deixá-la levar em suas ações. Autora: Isabela Scheadnovack Schiessl.

08


A lagartixa e o sapo Certo dia, a lagartixa e o sapo foram até o parque fazer um pequeno, a lagartixa levou várias minhocas vivas. Escolheram o local mais adequado para ali fazerem seu piquenique e se divertirem, pois eles sempre foram melhores amigos. O sapo com sua mania de grandeza resolveu deixar as minhocas de lado e foi tentar matar uma cobra para se alimentar melhor e não passar fome pelo resto da tarde, mas ele não sabia onde a cobra estava de olho nele também. Então ele foi tentar ariscar na sorte e acabou morrendo. MORAL: Mais vale um pássaro na mão, do que dois voando. Autor : Vitor Dallago Rocha

09


O cavalo, o boi e o gato. Em um belo dia o cavalo, o boi e o gato estavam atrás de comida, quando passaram próximo do rio e viram comida do outro lado. Mas que depressa o cavalo e o boi atravessaram o rio. Então o cavalo olhou para trás e disse: -Gato, venha para cá. E o gato respondeu: -Tenho medo de água. Quando o cavalo foi buscar o gato, o boi disse: -O deixe lá e vamos dividir só entre nós dois. Mas o cavalo nem deu bola e trouxe o gato, e eles dividiram a comida entre eles. Moral: amigo na necessidade é amigo de verdade. Autor: Breno Erminio Moser

10


O cachorro, o gato e o leão Numa tarde ensolarada, dois animais super amigos, o cachorro e o gato, estavam brincando. Eles se adoravam, até que um dia o leão apareceu na vida deles, ele era muito rico. O gato sabendo disso já se interessou em ser amigo dele, o cachorro achou meio suspeito. O gato disse ao cachorro: -Vamos ser amigos dele, parece muito amigável. O cachorro discordando disse: -Não, ele parece meio suspeito, deve ser traiçoeiro. O gato não gostando disse: - Tá, não seja amigo dele. Mas eu vou ser. Sabia que não se julga um livro pela capa. Eu não quero mais seu amigo. O leão é mais legal e rico. O cachorro chateado foi pra casa. Eles se tornaram amigos, mas o que o gato não sabia era que o leão queria conquistar a confiança dele, para comê-lo. Depois de um bom tempo, o gato descobriu o que o leão queria, e logo se arrependeu de perder uma amizade leal. Foi até a casa do cachorro e pediu perdão. -Você é um amigo que nunca mais abandonarei, pois percebi sua honestidade e a amizade que tem por mim. Moral: Um amigo leal é um tesouro a ser preservado. Autora: Flávia Fernanda Backes

11


Amigas de Infância Era uma vez, uma menina chamada Petucia, ela tinha uma amiga chamada Cláudia, elas já eram amigas de infância, eram melhores amigas, estudavam no mesmo colégio, que se chamava São Pedro. Teve um dia que veio uma aluna nova, chamada Melissa, a aluna Melissa estava ficando cada vez mais popular, até que um dia Melissa virou a garota mais popular do colégio. Teve um dia, que Melissa foi falar com Cláudia: - Cláudia, você quer virar minha amiga? E Cláudia responde: - Sim, seria muito legal. Mas Melissa diz: - Mas você não vai mais poder falar com a Petucia, está bem? E Cláudia responde: - Não, pois minha amiga Petucia nunca me abandonou, e eu nunca vou abandonar ela. Moral: Um amigo de verdade, é um tesouro a ser preservado. Autor: Mário Zeferino Vaz Pretto

12


O urso e os peixes Em uma geleira um urso estava caçando quando viu passar uma família de peixes, e isso o deixou com água na boca. O urso começou a caçada, mas um peixe fugiu e o urso não percebeu. Quando foi abocanhar todos os peixes ele estranhou, pois tinha visto seis. Foi aí que ele notou que um havia fugido, então o urso abaixou a cabeça novamente e viu um dos peixes saindo em disparada. Tentou agarrar o peixe e quando foi pegar, perdeu todos que estavam dentro de sua boca, e ficou sem nenhum. Moral: Quem tudo quer, nada tem. Autora: Bruna S. Costódio.

13


Em busca da majestade Era uma vez, em um reino tão,tão distante,vivia a onça Xirra, o leão Judár, a tartaruga Lili,a dona coruja a sábia e a formiga Tutu. A onça e o leão estavam , disputando o trono. Os que eram a favor da dona Xirra sempre a elogiavam, os que eram a favor do leão diziam que ele era o rei das florestas. Passaram-se cinco dias e nada de rei ou rainha para representar a selva. Como a dona coruja era muito sábia, deu a ideia de fazer uma votação. Todos os animais da selva já tinham votado menos a dona coruja que para a sua surpresa foi à nova rainha da floresta. Moral: Quem muito quer, nada pode. Autora: Maria Luiza Pedrozo.

14


A corrida das Estrelas Duas onças iam participar de uma corrida, a corrida das estrelas. Uma delas, Mabel, era muito dedicada, treinava muito, enquanto a outra, Talita, era preguiçosa e confiava na sorte. Duas semanas antes da corrida, Mabel estava se preparando, se alongando, praticando, quando viu Talita passar: - Olá Talita! Você está treinando para a corrida? -Treinar? Quem precisa de treino? Eu sou uma ótima corredora. -Tudo bem então! Se você acha! Nessas duas semanas, Mabel se esforçou muito acordou cedo todos os dias , se alongou, correu, treinou muito. Enquanto Talita não estava nem aí, só ficava em casa vendo televisão. Quando chegou o grande dia, todos os animais estavam muito empolgados. Quando começou a corrida, Mabel saiu em disparada na frente, enquanto Talita foi muito devagar. Quando Talita chegou ao final da corrida, todos estavam abraçando Mabel e comemorando. Talita lembrou-se de quando viu Mabel treinando, e percebeu que também devia ter feito isso, se tivesse treinado talvez teria chance de ganhar. Moral: Não confie na sorte o triunfo nasceu na luta. Autora: Clara Beatriz Silva.

15


A Ratinha que foi enganada Era uma vez, quatro ratinhos que se chamavam Lilica, Gabriela, Xavier e Michael. Lilica trabalhava arrumando computadores. Um dia foi consertar o computador de Michael. Mas Michael na verdade não era um rato, ele era um gato que foi enfeitiçado por seu amigo Feiticeiro, Sr.Duff. Michael tinha ficado meses sem comer. Então, seu plano era se passar por rato e matar Lilica para comer. Mas Xavier, seu amigo e colega de trabalho, descobriu tudo e falou à Lilica. Lilica, imediatamente, chamou o FBI e Michael acabou sendo preso e condenado à morte por outros assassinados que cometeu. Moral: Não confie nas aparências. Autora: Amanda Seidler Steigleder

16


Jacaré e o crocodilo Um jacaré e um crocodilo eram muito amigos, passeavam pela praça tomando sorvete, brincavam de gangorra até anoitecer. No dia seguinte estavam andando de bicicleta, quando eles passavam pela calçada de uma rua viram um garoto rindo deles, aí os dois disseram: -Ei menino, por que está rindo da gente? -Vocês são amigos? -Sim, tem algum problema? -Não, é que vocês deviam se odiar porque são de raças diferentes. E depois disso começaram a se odiar, quando o jacaré chegou em casa contou tudinho para sua mãe, aí sua mãe ficou triste com o que aconteceu. E para ele lembrar pra vida toda, sua mãe lhe contou que não se deve acreditar nas pessoas estranhas da rua, e também lhe contou que jacarés e crocodilos eram duas raças muito antigas que também eram muito inimigas. Depois de 10 guerras, o rei dos jacarés e o rei dos crocodilos fizeram uma oferta de paz e depois disso nunca mais se ouviu falar em guerra, e os crocodilos e os jacarés ficaram amigos. Depois que sua mãe lhe contou aquilo, o jacaré foi correndo para a casa do amigo e quando chegou a casa dele, lhe contou tudo que sua mãe lhe disse e eles ficaram amigos de novo e viveram felizes para sempre. Moral: Nunca acredite em pessoas que você não conhece. Autor: Lucas dos Santos Hostins

17


A sorte Era uma vez, dois homens bem diferentes um se chamava: Igor e o outro Rafael. Igor sempre comprava uma mega-sena. Ele sempre perdia por um número, então, Igor ficou viciado em mega-sena. Ele também, de tanta tensão não trabalhava. Já Rafael trabalhava muito e nem queria saber de loteria, ele pensou que não se esforçava muito no trabalho então, trabalhou mais e mais e foi sendo promovido. Já Igor estava quase sendo demitido, pois foi sendo rebaixado. No final Igor se arrependeu tarde de mais, pois foi demitido e estava sem dinheiro para sustentar sua família. Moral: Não confie na o triunfo nasce da luta. Autor: Arthur Lana Pereira

18


A flauta encantada Havia um caçador, que se considerava muito esperto. Em um dos seus passeios pela selva, conheceu uma tribo africana e acabou comprando uma flauta, pois diziam que ela encantava os animais. O caçador saiu à caça, e de repente se deparou com um grande rinoceronte e acabou testando sua flauta nele. Ao tocá-la, o animal ficou hipnotizado. Surpreendido pelo seu efeito foi em busca de outros animais. Encontrou pelo caminho: búfalos, zebras, elefantes e leopardos, todos ficavam hipnotizados quando o caçador tocava a flauta. Cada vez mais o caçador queria enganar os animais. De repente ele foi surpreendido por um leão muito faminto e como das outras vezes, retirou sua flauta do bolso e começou a tocá-la, mas o leão não deu bola , pois pela sua idade já não tinha uma boa audição e não escutou, foi então que o caçador foi atacado. De cima da árvore o macaco que viu toda a história chegou à seguinte conclusão: “Não pode se tirar vantagem das coisas”. Moral: Não pode se tirar vantagens das coisas. Autor: Eduardo Cordenonsi Tolentino

19


O instinto , um homem apaixonado pela natureza, queria conhecer novos lugares e animais, que não conhecia , que nem percebeu quando um venenoso e assustador lagarto se aproximou. Na verdade era o mais venenoso de toda ilha, sem pensar duas vezes o lagarto mordeu o homem, que não resistindo ao veneno morreu. Depois daquele dia o lagarto ficou muito triste, sem saber, se sentia culpado. Quando de repente um macaco muito sábio desce de uma árvore, claro com cautela se aproxima do assustador lagarto Billy e diz: - Calma Billy, não vai me picar também. Disse o macaco. -Você agiu sem pensar por isso está triste e arrependido, quando agimos pelo instinto tomamos muitas vezes atitudes que não estão certas. É verdade macaco, depois que mordi o homem, percebi que ele era bom e só estava batendo fotos. Mas fiquei com medo pensei que estava armado e iria me machucar. Então agi por defesa, sem observar melhor e pensar nas consequências e por isto estou muito triste. -É Billy que tudo isto te sirva de lição para que nunca mais se repita primeiro observe e pense no que vai fazer, pra não tomar atitudes erradas como esta e se arrepender pelo resto da vida. Moral: Pense duas ou mais vezes antes de agir. Autor: Luis Gabriel Donato.

20


O cão e os ossos Em uma bela manhã, um cachorro de rua estava com muita fome e avistou outro cachorro com três ossos. Correu o mais depressa possível, deu um jeito de distraí-lo e roubou-lhe os ossos. Quando já distante, parou e começou a saborear seus ossos, quando de repente na sua frente um pit bull com uma cara de mal arrancou-lhe os ossos e saiu correndo. E ele pensou: -Roubei e fui roubado e de nada adiantou. Moral: Não faça ao outro o que não queres que façam a você. Autora: Laís da Cunha

21


O coelho e o lagarto Era uma vez uma floresta bem calma, um dia, chegou nesta floresta um coelho e um lagarto. Quando os outros animais chegaram viram os novos bichos eles cochicharam: -Olha aquele bicho feio, eu não quero brincar com ele, pois ele parece ser chato. E o outro bichinho disse: -Ai, eu também acho, eu quero ser amigo do coelho. No outro dia o coelho disse: -Já que eu sou bonito e o lagarto não, nós temos que fazer um duelo, para ver quem fica na floresta! Mas para a sorte do lagarto, naquele dia que ele chegou um bicho tinha sim conversado com ele, era o bicho mais tímido da floresta ele era o bicho preguiça, então eles se tornaram melhores amigos. No dia em que o coelho disse que eles iam fazer o duelo o bicho preguiça exclamou: -Coelho porque você quer fazer um duelo? O lagarto pode não ser tão bonito, mas ele pode tem um bom coração, então não tem porque você fazer um duelo! E o melhor de tudo é que tudo isso era verdade então eles ensinaram o coelho! Moral: Não julgue um livro pela capa. Autora: Marina Müller.

22


O gato e o esquilo Há muito tempo atrás numa floresta, um gato estava com muita fome, então viu um esquilo, na hora que o gato ia devorá-lo, o esquilo disse: -Tenha piedade não me mate piedade, por favor, não me mate. Você quer todas as minhas nozes? Estão fresquinhas! Então o gato disse: -Eu não gosto de nozes. Eu gosto de esquilos. Então o mais rápido possível o esquilo entrou em sua toca. Chegou o inverno o esquilo saiu da toca e viu o gato que estava sem forças e com fome, o esquilo viu um passarinho morto e deu para o gato comer, esquilo puxou o gato para sua toca. O esquilo cuidou do gato até chegar o verão o gato e esquilo já eram amigos. Então o gato disse: -Nossa tentei te matar, você me salvou do frio eu não fiz nada de bom para você. Então o esquilo disse: -Não precisa sua amizade já é uma coisa muito boa. Moral: A amizade é algo que não tem preço. Autora: Isabela de Oliveira

23


O Canguru e seu Filhote Pooh Era uma vez um canguru chamado Pulador que tinha um filho que se chamava Pooh. Um dia seu pai falou: -Meu filho, nós moramos na Austrália, aqui é muito quente e não tem muita água, então tente não se cansar porque poderemos ficar com sede! E seu filho falou: -Está bem papai, vou tentar não pular muito, mas, é de nossa natureza pular! Então canguru pulador falou: -Meu filho, tudo é de nossa e de nossa natureza, mas os humanos estão destruindo tudo, por isso temos que ajudar a preservar! Pooh, como era muito esperto falou: -O senhor tem razão, temos que dar exemplo para todos, para não faltar mais água e nem acabar com a natureza! Moral: Devemos cuidar da natureza, porque dependemos dela para viver! Autor: Rodrigo Gasperi

24


Fish City Era uma vez... No fundo do oceano, havia uma cidade chamada de Fish City, em FishCity só moram peixes e siris. Um dia na cidade abriu um restaurante bem bonito com cadeiras de couro e mesas brilhantes de vidro e serviço drive-tru. Certo dia um peixe e um siri foram convidados para serem os primeiros a experimentarem a comida do restaurante. Os dois amigos escutaram uma conversa entre dois peixes dizendo que eles gostavam de cozinhar peixes e siris e servir para todos do restaurante. Os dois amigos falaram pra todos da cidade que cozinhavam peixes e siris e depois todos que trabalhavam no restaurante foram presos e levados para a cadeia. Moral: a justiça é um direito de todos, e todos devem lutar por ela. Autor: Arthur Medeiros Machado de Souza

25


A lição Num reino distante havia três amigos: João o jacaré, Carol a coelhinha e Gabi a girafa. Certo dia o rei Leonardo, o leão convocou uma reunião e disse: - Pais e mães, mantenham seus filhos longe da floresta negra que lá há muitos perigos. João, Carol e Gabi estavam ouvindo tudo, mas João disse: - Não precisamos ter medo, nós somos fortes e corajosos não temos medo de nada. E as meninas concordaram. No dia seguinte os três amigos foram para a floresta negra enfrentar seus medos. Dentro da floresta os amigos ouviram barulhos estranhos, vozes assustadoras, os amigos saíram correndo da floresta e foram logo contar a seus pais o que aconteceu. Os pais falaram: - Porque vocês foram até lá? E os filhos responderam: -Desculpa, queríamos enfrentar nossos medos. E os pais falaram: -Tudo bem o que importa é que vocês estão bem, agora vão brincar! E as crianças falaram: -Oba, vamos brincar! Moral: Sempre respeite os mais velhos. Autora: Carolina Dias Heil

26


Lição de Vida Num belo dia, um gato andava solitário no bosque procurando uma casa onde se abrigar. Foi então que um pássaro se aproximou e disse: -Olá, Senhor Gato! O que você faz aqui? Antes que o Gato o matasse ele pensou que o pássaro poderia ajudá-lo. O Gato disse triste: -Eu estava procurando uma casa, pois na cidade não se acha mais lugar para morar. O pássaro ouvindo isso disse todo animado: -Você está com sorte, pois eu moro sozinho em uma árvore e a minha família mora lá no sertão, e hoje mesmo eles me convidaram para eu ir morar com eles e eu aceitei. Então você pode ficar com a minha casa. O gato aceitou o convite, os dois foram ver arrumar e deixar tudo pronto. Quando não tinha mais o que fazer o pássaro disse adeus e antes que pudesse ir o gato falou: -Você fez isso para poupar a sua vida? -Eu confiei em você, por isso sabia que você não iria me matar. Adeus! E se precisar, é só chamar. -Está bem. Tchau. E naquele dia o gato ganhou uma casa, um amigo e uma lição de vida. Moral: “Vale mais uma amizade duradoura do que uma única refeição.” Autora: Annia Luiza Sebold Calixto

27


Os Coelhos e a Cobra Era sempre a mesma coisa, enquanto todos os coelhos trabalhavam a cobra estava lá deitadona no sol. Até que um dia os coelhos não aguentaram mais e gritaram: -Vamos trabalhar sua cobra preguiçosa, você só quer comer, mas não faz nada. E a cobra com sua desculpa falou: -Não posso, estou doente, meu médico disse para não fazer esforço. Durante um bom tempo os coelhos acreditaram na cobra, até que um dia um dos coelhos adoeceu e precisou ir ao médico, que por sinal era o único na cidade. Então o coelho perguntou sobre a cobra e o médico falou que ela está em perfeita saúde. A sair do médico, o coelho falou para seus amigos sobre a conversa e todos ficaram boquiabertos. No dia seguinte os coelhos foram amigavelmente falar com a cobra: -Vamos trabalhar amiga!! E a cobra respondeu: -Infelizmente não posso, meu médico me passou outra receita, estou com gripe. -Ai que pena, então vamos ao seu médico para ver o que ele fala disse um dos coelhos. -Não precisa! -Mas como não? Você está mesmo doente? -Claro que estou, porque estaria mentindo?-falou toda ressabiada a cobra. Chegando ao médico... Ele fala: -A dona cobra está com uma saúde perfeita. Então os coelhos decidiram que a cobra iria pagar pelos seus atos e trabalharia um mês sem suas colaborações e depois ajudaria os coelhos se quisesse comer. Moral: A mentira tem perna curta. Autora: Lorena Cabral Denegredo.

28


A menina e a Tartaruga Em uma tarde de verão comum, uma menina chamada Yasmin, estava caminhando na praia de Balneário Camboriú. Ela estava andando na areia, e de repente viu de perto um objeto verde, e percebeu que o objeto era na verdade uma tartaruga. Yasmin achou a tartaruga fofinha, então, decidiu levá-la para casa. Chegando a casa, Yasmin pediu para a mãe, se podia ficar com ela.A mãe disse: - Ok, mas temos que arrumar um lugar para ela ficar, amanhã bem cedinho vamos ao Pet Shop, e compramos um aquário para ela. Depois disso, Yasmin foi dormir. De manhã bem cedinho, Yasmin e sua mãe foram ao Pet Shop, e compraram o aquário, e Yasmin disse: - Agora que já tenho o aquário dela, vou chamá-la de Sortuda. Moral: Um amigo leal é um tesouro a ser preservado. Autora: Júlia Polese Brasil da Silva

29


A Trilha Em um belo dia de sol, um canguru resolveu fazer uma trilha. Então decidido fez uma mochila com lanche e água. Quando chegou à floresta ele estacionou o seu carro, e após ele descer do carro, um amigo lhe falou: -Canguru, quando você chegar ao meio da trilha terá dois caminhos o da direita que levará ao seu destino e o da esquerda que não irá levá-lo ao fim da trilha. Então o canguru chegou aos dois caminhos, e avistou uma raposa que lhe falou: -Ei amigo, o caminho da direita é cheio de buracos, lama e morros, porque você não vai pelo esquerdo? É mais demorado, porém a paisagem é linda. Então o canguru ficou na dúvida e foi pelo lado esquerdo contrariando o que seu amigo havia lhe falado. Somente depois de 7 horas de caminhada ele percebeu que estava caminhando em círculos e que a raposa havia lhe enganado, nessa hora o canguru se arrependeu por não confiar em seu amigo. Então voltou e foi pelo caminho direito e chegou ao fim da trilha. MORAL: Acredite em seus amigos e não ouça os estranhos. Autor: Guilherme de Matos Casas

30


A vida no campo Certo dia o ratinho da cidade foi visitar o ratinho do campo. Quando chegou lá perguntou: -Que silêncio, aqui nunca faz barulho? E ele respondeu: -Às vezes um pouco, mas é muito mais gostoso ouvir o pio dos passarinhos e o som das árvores balançando. E o visitante ficou calado. Eles foram comer e então o ratinho da cidade perguntou: -O que é isso? Cadê o bolo, o queijo e o chocolate? E respondeu o do campo: -Estes são grãos de cevada e essas coisas que você falou estão na sua casa e não na minha, prove os grãos, são gostosos! E então o rato da cidade falou: -Está bom. E ele provou e disse: -É gostoso mesmo, obrigado por ter me convidado gostei de sua vida, mas prefiro a movimentação da cidade e minhas comidas. E disse o do campo: -De nada, obrigada pela visita. Moral: Costumes diferentes podem ser bons, mas sempre iremos preferir os nossos. Autor: Arthur Garcia Hidalgo.

31



Livro de Fábulas - 5º ano A