Issuu on Google+

À vista desarmada! Finalmente, quase no fim do Verão e depois de muito ter sonhado com aquela viagem, chegou o dia do voo para o Cairo. O avião aterrou já entrada a noite e no aeroporto esperava o representante da agência de viagens para conduzir o grupo ao hotel. Na manhã seguinte havia muitas expectativas e um entusiasmo desbordante. Viram as pirâmides de Keops, Kefren e Micerino, a famosa esfinge, o museu nacional do Egito com todas as suas múmias e joias de grande valor,... Ao chegar ao seu quarto ao final do dia, pegou no caderno onde pretendia escrever as crónicas da viagem e a única coisa de que se lembrava era do olhar de uma menina que estava junto à esfinge e tentava vender postais aos turistas. Procurou na câmara a foto que captara às escondidas. Só esse olhar belo, profundo, misterioso... Tirou a tampa da caneta e escreveu: “o enigma da esfinge é o olhar de uma criança”. É realmente impressionante o poder que pode ter um olhar e é uma ferramenta ao alcance de todos. Pode ser de desprezo, de curiosidade, de atenção, apaixonado, provocador, arrogante, carinhoso, pode despertar ternura, raiva, irritação... como é que é o teu olhar? O olhar é uma das principais formas de nos relacionarmos com toda a realidade que existe à nossa volta, “tudo depende do ponto de vista”- dizem algumas pessoas. Onde alguns vêem tristeza outros vêem esperança, onde alguns vêem dificuldades outros vêem desafios, onde alguns só vêem morte outros são capazes de ver 1 sementes de vida,... e volta a pergunta: como é que é o teu olhar? Um tal Jesus de Nazaré ficou conhecido pela forma como olhava! Andava pela vida com os olhos bem abertos e era capaz de ver com o coração as situações das pessoas com que se encontrava. Via as dificuldades que passavam, a dor que sentiam, mas sobretudo via o que de melhor havia em cada uma delas. Bastava um olhar para que as pessoas se sentissem reconhecidas, queridas, dignificadas. Muitos dos que se sentiram olhados por ele começaram a olhar de outra forma e a ser capazes de ver a vida com outros olhos. E este é também o desafio que a Marcha nos lança no ano letivo que começamos: vê mais além! Portanto, a primeira atitude que devemos cultivar é ter os olhos bem abertos para ver tudo o que à nossa volta: as paisagens, as pessoas, os corações das pessoas, os pequenos gestos,... em tudo isto poderemos encontrar coisas maravilhosas, se somos capazes de ver mais além, claro! Podes começar a praticar essa atitude com esta carta... atent@s! Há coisas que só se podem ver com o coração...

1


? ê u q a r a p s a Palavr Dois olhares tão diferentes, dois olhares tão iguais...

O que é que o olhar da Avó transmite ao bebé? E o olhar do bebé, o que transmite à Avó? 2

Ouve isto / ou visto! Há palavras que deslizam através de um olhar.... às vezes serenas, outras vezes ardentes e por vezes trazem consigo sentimentos. O teu olhar diz muito sobre ti; como és, como vês a vida e o que transmites aos outros… por isso Escuta, Olha e Vê mais além! (E clica no rádio para ouvir a música...)

Olhares

http://www.youtube.co

(Alex Wittev een)

m/watch?v=KaxEv6AoSNk

Há olhares que sem dúvidas Dizem mais que mil palavras, E que ao vê-los todos juntos São como espelhos da alma. Há olhares que quando olham São agressivos e ferem. Enquanto há olhares tão serenos, Que consolam e acariciam. Há olhares insistentes, misteriosos, recorrentes E há os indiferentes, como os de tanta gente. Há olhares que escondem verdades Que muito prejudicam. E há os que na luta diária, fortalecem e acompanham. E há olhares que perdidos entre milhares de olhares, andam sós pela vida, em busca de outros olhares. 2

E há olhares que cativam pela beleza e profundidade, como o teu olhar azul que me prende dia a dia. Há olhares que por tristes enlutam quem os veste. E há esses olhares doces Que enobrecem a quem os reluz. Há olhares que derretem até o coração mais duro e iluminam suavemente o pensamento mais escuro. Há olhares que perdidos entre milhares de olhares andam sós pela vida, em busca de outros olhares. E há olhares que cativam pela beleza e profundidade, como o teu olhar azul que me prende dia a dia.


Esta história que todos amamos...

“Precisamos de irmãos”. É o título de uma canção traduzida do espanhol que resume a história Marista desde o início, quando o P. Champagnat viu no rosto de um menino a necessidade de fundar os Pequenos Irmãos de Maria (Maristas), dedicados à educação das crianças e jovens, especialmente os mais necessitados. Esta história iniciada em 1817 em La Valla, França, é ainda hoje realidade. Apresentamos-te os Irmãos Georges Hakim e Bahjat Azrie, conhecidos como “Maristas Azuis” em Alepo, Síria. Em pleno ano 2012 estes dois Irmãos, debaixo de fogo, numa cidade massacrada pelos confrontos como temos acompanhado nos telejornais, onde falta um pouco de tudo (pão, eletricidade, combustível, leite, medicamentos, …) mesmo sujeitos ao medo, aí estão eles ao lado daquelas crianças. “Mas, um só sorriso de uma criança não seria suficiente para fazer desaparecer todos os nossos medos?” Ir. Georges Sabé. Podes saber mais pormenores em http://www.champagnat.org/400.php?a=6&n=2538

Como se chamava o jovem da canção que morreu nos braços de Marcelino? Talvez este video te possa ajudar: http://www.champagnat.org/500.php?a=9a&id=164

A nossa história começou nos olhos de um miúdo abandonado, que, enfrentando-se à morte, comoveu o teu coração. No leito da dor foste o seu último consolo e disseste: Quantas crianças morrerão sem saber que Deus os ama! Quantas crianças morrerão sem sentir um olhar! Precisamos de irmãos, junto ao jovem, junto ao menino, partilhando a sua amizade. Precisamos de irmãos, os mais pobres estão à nossa espera; hoje também é realidade.

3

A nossa história continua hoje nos olhos de outras crianças marginadas, que reclamam um amigo que lhes ame de verdade. O milagre é escutar estas vozes apagadas, e servir-lhes com um grande coração, sendo irmão entre os pobres. Com um grande coração, respondendo às suas chamadas.

Parar p’ra (vi)ver!

Começa mais um mês que para que o vivas intensamente! Como às vezes é preciso parar p’ra (vi)ver, propomos-te estes três momentos de ser. Que seja um mês cheio de VIDA! Momento 1: Sai para a rua e olha tudo à tua volta... Durante 20-30 minutos tenta não pensar, só observar e, no fim, agradece tudo o que de bom viste, tudo o que te fez aquecer o coração e tudo o que te fez ver mais além. Já agora, se te cruzares com alguém sorri e vê a sua reação. Momento 2: Escolhe um lugar que seja acolhedor, calmo, onde possas passar alguns momentos sozinho sem seres incomodado, como por exemplo, o teu quarto. Se quiseres, coloca uma vela, ou algo que te faça sentir que não estás sozinho, mas sim na presença de Deus, que te ama. Escreve num papel tudo o que te tem acontecido de bom e, noutro, tudo o que te inquieta. Por fim, oferece a Deus essas inquietudes e termina rezando um Pai Nosso. Tudo ganhará outra forma e outra vida... Momento 3: Escreve num papel aquilo que gostas e aquilo que não gostas de ver nas pessoas. No fim, queima aquelas coisas que não gostaste e tenta perdoar, sabendo que todos temos defeitos; escreve em letras grandes e em papéis coloridos as coisas boas e coloca no teu cantinho de oração... Tenta estar alerta durante esta semana a essas qualidades nas pessoas e vai acrescentando mais à lista... Tudo te parecerá mais positivo... 3


! a d a n s é m e n a h C r a Não és da M

É agora altura de saber se és da Marcha ou não, por isso mesmo aceita o desafio que te colocamos e partilha connosco, seja no grupo da MarCha Vouzela no facebook ou pelo e-mail marchavouzela@hotmail.com... Para a malta do Amanhecer e Aventura: No terceiro momento do Parar p’ra (vi)ver foi-te pedido que escrevesses num papel as coisas que gostas e não gostas de ver nas pessoas. Agora que já queimaste aquilo que não gostaste e pensaste nas que gostas, é hora de lhes dar vida e as colocar à vista desarmada. Por isso mesmo deves tirar uma foto ou arranjar uma imagem que mostre essa qualidade e partilhá-la connosco. “Nada temas, porque Deus ouviu a voz do menino do lugar onde está.” (Génesis 21,17)

Caminho, Fonte e Horizonte, atentos: Em Palavras Para Quê tem uma pergunta, o desafio consiste em arranjares uma forma criativa de nos responderes; passares das palavras às acções. Podes tirar uma foto, partilhar connosco uma imagem ou uma música, ou até mesmo escrever um poema ou um texto, aqui damos-te total liberdade para tal, mas lembra-te se não o fizeres nem és da Marcha nem és nada.

Recorda que tens que procurar os 3 números e responder às perguntas... Esperamos a tua carta resposta!

F5 MarCha - Atualiza-te!

4

Começamos por informar-te do primeiro encontro de MarCha deste novo ano letivo, o Encontro de Animadores que se realizou em Mira entre os dias 24 e 27 do mês de Agosto. Além do encontro ter servido para prepararmos este novo ano e tudo o que ele envolve: atividades, lema, hino, … também aproveitamos para descansar e para nos divertirmos uma vez que as férias já estavam a aproximar-se da fase final. Outra novidade fresquinha é a alteração do plantel da equipa da “sede”. Para esta nova época, a equipa deixa de contar com Ir. Rui Rua que foi transferido para as Honduras mas no entanto foram realizadas duas contratações de peso. Ir. Miguel e Emanuel, bem-vindos à equipa! Nos dias 11 a 14 do mês de Outubro vai realizar-se em Valladolid o curso de Novos Animadores, os interessados devem se inscrever o mais rapidamente possível! Por fim damos te conhecimento da próxima atividade. Trata-se de “Um dia solidário em MarCha” e consiste num dia de trabalho em S. Macário de modo a ajudarmos um bocadinho na manutenção de um local que sempre temos à nossa disposição. Este encontro destina-se a marchantes das etapas caminho, fonte e horizonte e tem data nos dias 20 e 21 de Outubro, sendo o dia 20 dedicado ao trabalho e o dia 21 a uma caminhada organizada pelo Ir. Miguel.


Carta MarCha Vouzela nº 1