B.Forest | Edição 69

Page 26

Jorge Malinovski PROFESSOR APOSENTADO E SÓCIO CONSELHEIRO DA MALINOVSKI

Jorge Malinovski Retired professor and partner advisor at Malinovski

Histórico e desenvolvimento do setor florestal brasileiro

E N TR E V I S TA | I N T ER VI EW

01 Como você vê o status atual da profissão de engenheiro florestal no Brasil, pensando na grande expansão no número de cursos desde a sua época de formação? Eu diria que são duas épocas diferentes. Quando eu estudei, havia apenas quatro cursos de Engenharia Florestal no Brasil: Curitiba, Viçosa, Piracicaba e a Rural do Rio de Janeiro. Formávamos no máximo 150 engenheiros florestais por ano. Hoje em dia são 70 cursos: isso dá mais de 2 mil profissionais! Em compensação, naquela época, havia pouco serviço para engenheiros florestais, e hoje há muito mais. Hoje temos diversos segmentos. Praticamente toda prefeitura agora tem um engenheiro florestal para paisagismo,

26

History and development of Brazilian forestry 01

How do you see the current status of the forestry engineering profession in Brazil, thinking about the great expansion in the number of courses since you first started? I would say that they are two different times. When I studied, there were only four Forest Engineering courses in Brazil: Curitiba, Viçosa, Piracicaba and Rural do Rio de Janeiro. We trained a maximum of 150 forest engineers per year. Nowadays there are 70 courses: that means more than 2,000 professionals! At the time, on the other hand, there was little service for forest engineers, and today there’s much more. Nowadays we have several segments.