Page 1

Somos de fato uma sociedade moderna? 1


Apoio

Realização

2


século moderno Século vinte e um, um século marcado por avanços tecnológicos, onde cada vez mais homem se torna parte da tecnologia, século no qual nos importamos mais nos avanços da sociedade na questão do lucro acima de tudo, onde esta se perdendo o lugar da cultura, somos uma sociedade com uma infraestrutura avançada, uma linha de produção quase que totalmente automatizada e mecanizada, mas somos uma sociedade que na realidade modifica o que já existe, e não cria algo novo. Somos os modernos, a geração que domina a internet e os robôs, sociedade na qual tem o cérebro virtual e real unidos em um só, somos seres que acreditamos ser o topo da cadeia, onde na verdade não passamos de uma parte do todo, nada do que vemos hoje seria possível se oque consideramos de tradicional, ou mesmo velho, tivesse existido, temos que deixar de viver personagens na vida, desde um pouco do palco, apagar as luzes e mesmo que for por um segundo esquecer os aplausos e amarmos uns aos outros, pois a tal evolução em que vivemos parece mais um regressão, mesmo não estamos em tempos de guerras a violência alastrasse de uma maneira absurdamente assustadora, onde a ganancia do dinheiro fala mais alto que o pedido de paz. O modernos se confronta com o tradicional e nessa mistura, uma confusão harmônica surge, onde temos tudo ás mãos, mas precisamos usar a mente para criarmos algo novo e surpreendente, um século diferente, o Século XXI de Tempos Modernos.

3


índice A tal mudança Social 6

Vivendo a revista 47

Deep Web 7

Cada um com seu som 48

Pena d e morte 8

DSTs, mitos e verdades 49

Preconceito 9

A evolução da moda 51

Prazer, Anonymous! 10

Tendências femininas 53

Jovens na política 11

Tendências masculinas 54

Visita do Papa 12

Samu 55

A ponte Quebrou... 13

Bombeiro 55

Revolução ou reação? 14

A origem dos cosméticos 56

O ser superior 15

A maquiagem das décadas 57

E o cérebro Encolheu 15

Maquiagem para homens 58

A escola e a tecnologia 16

Receita 59

Tecnologia na educação 17

Artesanato 60

Tecnologia Especial 18 Asilo 19 Avida 20 Tecnologia na medicina 21 Tecnologia e medicina juntas 22

A questão ambiental 61 O papel do esporte 62 Os uniformes do esporte 62 Esporte para deficientes 63

Mal do século 24

Do real para o virtual 64

O mundo sem Tecnologia 25

Ensaio: Expressão 65

Inglês instrumental 26

Mercado de trabalho 67

Danças pelo mundo 27

Charge 68

Ensaio: As faces do ser 29

Livros e Filmes 69

E o poder é do... 46

Pesquisa 70

4


Editores Chefe Luan Rafael Guidotti, Gabriel de Oliveira

Revisão Gabriel de oliveira, Rita de Cassia Curcio

Fotógrafo Luan Rafael Guidotti

Jornalistas Marcelo Balotim Alves, Gabriel de Oliveira, Luan Rafael Guidotti, Denise Macedo, Bruno Adão, Luiz Fernando Martins

Participações e Agradecimentos Irene Luvizzotti, Joaquim de Oliveira Neto, Geisy Graziela Magri Bortolucci, Paulo, Sandra, Janaina, Erland França, Adelita Xavier, Gustavo Grachet, Fernanda Viel, Joel Borella, Corpo de Bombeiro, Samu, Avida, Asilo Nossa Senhora do Patrocínio, Revista Expressão, Alcides Serviços de Munk, Construtora Pacalino, Depósito de Bebidas Bela Vista, Drogaria Copacabana, MCR Projetos e Instalações Comerciais, Estúdio Gabriela Galembeck, Câmara Jovem de Araras e depois pessoas que colaboraram para que este projeto se tornasse real.

Designer Gráfico Luan Rafael Guidotti

Diretor Financeiro Gabriel de Oliveira

5


A tal mudança social

No Brasil e no mundo muito se ouve falar dos avanços que a atual sociedade conseguiu, seja na área tecnologia, médica ou mesmo a social, mas será mesmo que houve um avanço? Luan Rafael Guidotti

L

evando em consideração o mundo de 50 anos para cá podemos ver muitas diferenças que ocorreram nesse período, mudanças de pensamentos, hábitos, costumes, entre muitos outros que para muitos são considerados avanços tecnológicos. “Na sociedade atual os jovens têm mais acesso á informação e comunicação, existe também um maior diálogo com os pais e professores, realidade diferente das décadas de 60 e 70 onde havia muita repressão e censura quanto às opções dos jovens”, diz Erland Gomes França, professor de letras, ele faz uma boa comparação utilizando os avanços que ocorreram, mas se pararmos para pensar veremos que estes avanços nos trouxeram consequências. Os professores e pais perderam a autoridade para com as crianças e jovens, algumas leis que deviam protegêlos acabaram encobrindo ações criminosas e imorais, muitos destes acabam reagindo a ordens com ofensas e agressões físicas.

tes, sua opção sexual, religião e vivem numa época onde o preconceito perdeu força, podem vestir-se da maneira que bem entenderem e escolher sua musica e leitura que o agrada, realidade essa que era diferente antigamente, principalmente na ditadura militar”, basta somente saberem respeitar seus direitos e deveres. Ainda sobre a atual sociedade Erland Gomes França apontou seus pontos negativos “A sociedade atual não se preocupa com o meio ambiente e está voltada para o consumo, o que faz os jovens pensarem em adquirir sempre produtos de nova tecnologia e mais caros, e muitas vezes infelizmente adquirir dependência de drogas”. A escolha de governantes pelo meio do voto consciente e responsável, o cuidado e preservação do meio ambiente e o respeito e valorização dos professores e escolas seriam para ele os meios para amenizarmos os problemas sociais da atualidade.

A tal liberdade conseguida fez com que os jovens pensassem que tinham direito de fazerem o que tem entender, sem pensar nos direitos individuais e coletivos, querendo somente satisfazer suas vontades. A liberdade de expressão acabou se confundido com prepotência e o uso da força e o vandalismos são utilizados e justificamos como direitos de expressar-se. Para Erland Gomes França, os problemas sociais da atualidade no Brasil são a busca de um emprego com bom salário, moradia adequada, saúde e educação de qualidade, além de problemas com a violência e a segurança, mas cabem aos atuais jovens mudar essa realidade, “eles tem o poder de escolher seus governan

Erland Gomes França, professor graduado em letras, Língua Inglesa e Portuguesa e Literaturas brasileira e inglesa. Pós graduado pela PUC-SP em Linguística aplicada ao ensino de línguas. Tradutor português/ inglês. Lecionou por vários anos na Uniban em São Paulo, Curso vestibular Anglo, Colégio Acadêmico Limeirense, Colégio John Kennedy e Colégio Köelle em Rio Claro.

6


Deep Web Drogas, sexo, internet macabra, assassinos, psicopatas, maníacos, pedofilia, entre outras coisas na qual as pessoas usam para se referir a Deep Web, mas o que seria isso? Marcelo Balotim Alves

D

eep Web (também chamada de Deepnet, Web Invisível, Undernet ou Web oculta) se refere ao conteúdo da World Wide Web que não faz parte da Surface Web, a qual é indexada pelos mecanismos de busca padrão. Bom esta aí uma definição muito usada, e que responde exatamente ao que é a tão temida Deep Web. Que é qualquer conteúdo que não faz parte da Surface Web, o que não quer dizer que seja só os podres da internet, embora sim se ache muitas coisas macabras e foras do comum, como por exemplo, parafilias sexuais, assassinos de aluguéis, entre outras coisas na qual se pode imaginar. O que temos em muitos casos são apenas suposições, e não opiniões que talvez possa não corresponder para com a realidade, afinal é meio complicado poder afirmar algo sem nunca ter entrado, além do mais muitos locais lá são sigilosos, apenas para pessoas de tal grupo (isso é muito comum em fóruns virtuais de pedofilia na deep). Então vamos lá, fazendo uma breve pesquisa na internet achemos fontes que citam alguns dos piores casos que dizem já terem sido noticiados na Deep Web. Começando por grupos extremista,

que no caso são comuns, agem em fóruns, que para se ter acesso, praticamente se vasculha a vida do aspirante a membro. Mesmo existentes na Surface, eles ficam em maior número na Deepnet, e agem com muito mais agressividade, propagando ideais de suas ideologias, combinando até ataques no mundo real de forma anônima.

Outra coisa na qual se pode encontrar em uma andança por lá, são assassinos de aluguel, onde você pode pagálos para que eliminem os seus desafetos, sendo que o valor do serviço varia sobre a dificuldade de se executar a vítima. Vídeos Snuffs, assim chamados as filmagens nas quais se mostram assassinatos premeditados , onde os ´´ atores `` matam alguém, e o filmam, ganhando uma quantidade de dinheiro por isso, em 2009 dois rapazes foram identificado e condenados a prisão perpétua através de um dos mais famosos Snuffs nos quais se acha por lá (recomendável para que não assistam, pois é muito repugnante e covarde). Pornografia grotesca e canibalismo também são achados por lá. A pornografia grotesca envolve fetiches sexuais nos quais são um pouco fora do que é considerado normal por nós, e envolvem questões de higiene entre

outras coisas nas quais são inteligentes não comentar. Nos fóruns de canibalismo é possível encontrar receitas de carne humana, pessoas se voluntariando para serem as vítimas, entre outras loucuras, algumas em tanto apenas cortavam membros do corpo para dar de comida ao outros. Um dos casos de maior repercussão é o das Lolita Slave Toys. Crianças eram compradas de famílias de países miseráveis, e então por centenas de milhares de dólares eram vendidas como brinquedos sexuais, tinham pernas e braços amputados sendo substituídos por próteses de silicone, suas cordas vocais eram arrancadas, e seus dentes substituídos por próteses de borrachas, sendo que algumas eram

cegadas também. O processo variava de 40 mil a 700 mil dólares, tudo dependendo das exigências feitas. O seu tempo de vida variava, e tudo dependeria da maneira como o dono iria cuidar de seu “brinquedo” (sim, absurdamente muitos se referem dessa maneira a seres humanos). No caso a escolha é da pessoa, ela pode escolher usar a Deepweb de uma maneira para interesses pessoais sem infringir a lei, ou pode ir lá para cometer crimes e comprar certas coisas, tudo isso é uma decisão pessoal de cada um, na qual cada ser deve avaliar as consequências do ato.

7


Pena de morte A pena de morte seria uma paranoia em busca da maior segurança ou seria um outro ato de violência injusto no nosso Brasil? Marcelo Balotim Alves

A

tualmente estamos vivendo em uma paranoia por segurança, não sabemos mais o que fazer, afinal a toda hora nos noticiários recebemos a notícia de algum ato de violência, então eis que entra em debate a aplicação da pena de morte em criminosos (talvez uma tentativa de copiar o modelo estadunidense, coisa que o Brasil tenta copiar de uma maneira bem mais precária e desorganizada obviamente). Pensar em pena de morte é pensar certamente em muita discussão e debates, pois muitos são a favor e boa parte dessa fração são contra, mais devemos levar em conta os princípios de Talião, que tem como ideia principal tratar todos com a mesma moeda, “ olho por olho, dente por dente”, pensando bem, afinal matar um assas

sino confesso te transforma igual a ele, e teoricamente não seria esse o dever da nossa sociedade em si. Houve muitos casos na história de inocentes que foram salvos já no corredor da morte, e outros que não puderam escapar de seu terrível destino cruel, no qual apenas restou a justiça absolver de maneira postumamente, limpando a ficha pessoal, pelo menos de alguma maneira mantendo sua honestidade em seu legado. Agora perguntemos a essa população, que grita e brada com todos os dentes declarando guerra, e dizendo que a pena de morte deve ser aplicada já pois está mesma é a solução, talvez seria um pouco de ignorância, tentar se cegar diante de fatos históricos do passado, ou até situações no presente como nos Estados Unidos por exemplo, sendo que este mesmo tem uma

eficiência em punir criminosos de uma maneira bem mais eficaz do que o Brasil. “O que fazer nossa querida e amada terra Tupiniquim?” Logo, não temos suporte nem estrutura nenhuma, para conseguir punir algum delinquente tirando a sua vida, afinal pode estar em jogo alguém honesto e trabalhador, talvez um desses mesmos que gritam e defendem com todas as suas forças a pena de morte, cavando sua própria cova sem saber, podendo criar algo da qual eles correm o risco de serem vítimas em um futuro distante, ou talvez próximo caso implantada.

8


preconceito Com famílias e amigos, ele está entre nós, o que fazer diante dessa situação? Marcelo Balotim Alves

T

alvez uma das coisas mais difíceis de se compreender, nos dias atuais, seja o preconceito, afinal o ser humano evoluiu e muito, e já passou

por várias catástrofes, tragédias, e manchas de sangue na história, que jamais devem ser repetir, ainda mais por serem de ideias ultrapassadas, de uma época onde certas noções e direitos eram desconhecidos, onde certos conhecimentos não haviam sido revelados, ou simplesmente não revelados, mas talvez ninguém havia lutado por eles, no caso afirmar que ninguém havia lutado por ele seria vamos dizer, um erro imperdoável de nossa parte, ainda mais porque a humanidade foi feita de lutas pela liberdade e pelo reconhecimento de seu direito, mas como o ser humano não reconhece ao outro como um amigo e sim como um inimigo, isso demorou, e muito. De uma maneira lamentável podemos ver isso presente em nosso dia a dia, e não só em gangs matando pessoas, vemos pessoas que discriminam falam mal, com a maior naturalidade, e todos ao seu redor caem em risos, até mesmo aquele qual que foi ofendido. Isso é lamentável, não só pelo fato de estarmos dentro desse grupo, afinal gostaríamos que a humanidade fosse mais humana do que desumana. As diferenças fazem parte de nós, não nascemos para sermos cópias, e sim para criamos nossas personalidade, nossa marca, devemos ser como pássaros que voam livres, e assim possamos desfrutar da nossa liberdade.

9


Prazer, Anonymous! Para alguns heróis para outros vilões, mas o que realmente são? Luan Rafael Guidotti

U

ltimamente muito se ouve dizer sobre o Anonymous, mas o que a massa não conhece é que este existe desde 2003, muitos consideram como simplesmente hackers, mas uma boa definição e não menos justa é o de hac-

kertivistas ou ciberativistas, ideia essa que existe desde os anos 90, mas que se popularizou com o Anonymous. São responsáveis pelas maiores ações de combate a corrupção e opressão contra a sociedade atual, tais ações como a operação Robin Hood, onde dados de aproximadamente quatro mil cartões de crédito de grandes empresas mundiais e distribuíram o saldo dessas contas milionárias a orfanatos, asilos e casas de saúde em todo o mundo. Vilões? Não, eles apenas cansaram-se dos erros e falcatruas que existem e querem de alguma forma mostrar que o povo tem poder para a mudança e força para fazê-la, encontraram como forma de mobilização e meio por onde realizarem as ações a internet através de ações hackers, pois viram que as ações populares não estavam sendo ouvidas e o poder na internet na atualidade e pela razão de muitos governos e entidades esconderem espionagens e planos que são estritamente escondidos da sociedade, logo essas ações são mostradas a tona, realizando o ativismo cibernético.

10


Jovens na política Entrevistamos o estudante João Victor Teixeira da ETEC Pref. Alberto Feres, presidente da Câmara Jovem para nos falar um pouco sobre a mesma e visões pessoais. Luan Rafael Guidotti

O que é a câmara-jovem de Araras? JV: É um projeto de Resolução de número 01, de 02 de Abril de 2002. Atualmente a Câmara-Jovem é composta por 12 estudantes do Ensino Médio entre 16 e 18 anos que se dividem em Vereadores e Vereadoras-Jovens. Como surgiu a Câmara Jovem de Araras? JV: O projeto Câmara Jovem tem como objetivos conscientizar e despertar na juventude o interesse pelas questões que envolvem a comunidade, aflorando nela uma política participativa que irá prepará-la para, no futuro, escolher melhor seus representantes. O projeto foi criado pelo vereador Irineu Norival Maretto (PMDB) quando ele exercia a presidência da Câmara Municipal de Araras, entre o biênio 2001-2002, e destina-se aos alunos do 1º ao 3º ano do Ensino Médio com o propósito de esclarecer os estudantes sobre os procedimentos usados para a elaboração de uma lei sobre a fiscalização do município. Na prática, a Câmara Jovem segue os mesmos moldes da Câmara oficial, com vereadores eleitos, sessões ordinárias eelaboração de indicações e moções. Os jovens vereadores só não podem interferir na legislação municipal através de votações, mas podem indicar ao Executivo, e à própria Câmara, a criação de leis que possam vir a beneficiar o município. O mandato é pelo prazo de um ano com umrecesso que coincide com as férias escolares de dezembro à janeiro. Todos os projetos e processos legislativos, bem como as indicações, são encaminhados a título de sugestão ao Executivo Municipal ou ao Legislativo Municipal. Quais os temas mais debatidos? JV: Buscamos nessa 12ª Legislatura, discutir temas relacionados a juventude como: programas de esporte e laser aos jovens em nosso município, educação profissionalizante, politicas de emprego e estágios, transporte publico, projetos para educação de jovens e adultos (EJA), aos jovens deficientes, incentivo a cultura e solidariedade. Como desempenhamos o papel de parlamentares jovens, também não podemos nos esquecer das outras demandas do nosso município como: recapeamento asfáltico, limpeza e reparos de praças e logradouros públicos, trânsito, meio ambiente, transporte, habitação, zoonose, saúde pública, cultura e educação. A Câmara-Jovem em seu regimento interno determina que cada Vereador ou Vereadora-Jovem se inscreva em algum partido temático de maior afinidade, são eles: Partido da Educação, Saúde, Ecologia, Direitos Humanos e Economia. Quais os projetos e/ou ações mais importantes que já foram tomadas? JV: Recentemente acabamos de votar um projeto de decreto legislativo de minha autoria que cria o Conselho Consultivo da Câmara-Jovem, um espaço onde os ex-vereadoresjovens e a atual mesa diretora da Câmara-Jovem participarão como membros, de forma a auxiliar os novos vereadores-jovens no decorrer da legislatura, apresentando ações e

projetos desenvolvidos anteriormente, nas legislaturas anteriores, e propondo juntos aos novos vereadores-jovens, ações voltadasà sociedade ararense e dando continuidade aos projetos realizados. Também será votado outro projeto de decreto legislativo de minha autoria que institui o Prêmio Professor Camarada de Educação Social, um prêmio que a Câmara-Jovem entregará a um professor de cada escola participante do projeto Câmara-Jovem que serão eleitos pelos próprios alunos, com o auxílio dos respectivos vereadores-jovens. O Prêmio será entregue na Sessão Ordinária do mês de Outubro em data próxima ao dia dos Professores. Além desses projetos, também votamos alterações no regimento interno da Câmara-Jovem, indicações e requerimentos e entregamos moções de Congratulações a pessoas ou organizações que contribuem para o nosso município, para juventude ararense. Vale ressaltar que todos esses projetos serão encaminhados atítulo de sugestão ao Poder Executivo ou a Câmara Municipal. Você acredita que a sociedade social pode seguir outros rumos? JV: Sim, acredito. E essa mudança não depende somente da juventude, depende do esforço e do querer de todos. Devemos fazer a nossa parte, independente do outro, é um trabalho de formiguinha e que não pode parar. E a juventude tem que acompanhar e ser essa mudança, pois se esperarmos e procurarmos em outros tempos ou em outras sociedades não termos mudança, nós somos aquilo que esperamos, nós somos a mudança que procuramos. Juventude não é só futuro, juventude também é presente. Qual a sua opinião sobre as manifestações que ocorreram no Brasil? JV: Acho legal, muito importante essa mobilização da sociedade, da juventude em especial, sou a favor de qualquer manifestação desde que não haja vandalismo e depredação do patrimônio público. Acho que a maior forma de protestos é nas urnas, elegendo candidatos competentes, preparados e capacitados para trabalhar pelo bem comum e não por si próprio. Martin Luther king Jr. dizia em seus discursos uma frase que gosto muito, não tenho medo dos que me atacam, não tenho medo dos que insultam e me humilham, eu tenho medo é do silêncio dos bons. Não podemos nos acomodar e ficar reclamando do sofá, temos que participar das decisões em nosso município, estarem atentas as decisões do Estado, e do Poder Federal. Cobrar dos políticos eleitos ações de benefício a população, participar de educação dos seus filhos, comparecer nas reuniões de pais, nos conselhos de escolas, pois é lá que se encontra o futuro e o presente da nação brasileira. Sessões Ordinárias Toda 1ª Terça-Feira de Cada Mês às 19:00hrs no Plenário Vereador “Bruno Moysés Batistela” – Câmara Municipal de Araras. Av. Zurita nº 181 – Belvedere. Tel: 3543-3300 – www.araras.sp.leg.br

11


Visita do papa Um teste para sabermos se estamos trabalhando direito para os eventos no futuro, temos paciência para criticas e discussões? Marcelo Balotim Alves

Nos últimos dias um dos assuntos mais comentados foi a

não é exatamente porque nossa Presidente prefere os cató-

vinda do Santo Padre ao Brasil, os gastos e sobre o Estado

licos, e nem nada do que muitos ficam falando por ai, afi-

Laico. Em grande partes o que podemos ver foram várias

nal o Obama também já nos visitou, entre muitos outros ao

críticas, dizendo que a vinda do mesmo feria as regras do

longo de nossa história, e isto reflete os interesses do nosso

Estado Laico, então vamos abordar esse tema,

país.

avaliaremos o tema de uma forma totalmente Irreligiosa, e sim dando foco a outros fatores no qual fosse possível observar.

festivais de música, e com a Lei Rouanet, esta qual deveria ser direcionada ao incentivo a cultura nacional, mas o que vemos são duplas sertanejas usando o di-

Bom, segundo fontes, se diz que foi gasto R$ 118 milhões para a vinda do pontífice, esse gasto foi o motivo de tantas críticas na qual as pessoas atacavam,

Todos os dias são gastos dinheiro público com futebol,

dizendo

nheiro dela para gravarem DVDs. Eis a questão, seria isso um pão e circo? Talvez, mas o que importa, principalmente a todos aquele que criticam, falando para todos abrirem seus olhos, mas os de si próprio

que era uma injus-

estão fechados.

tiça com pessoas mais caren-

A visita do pontífice

tes. O que tal-

além do mais, aju-

vez muitos se

dou a ver se esta-

esquecem,

mos prontos a uma

e

que na missa de do-

grande aglomeração de

mingo de manhã na qual foi

pessoas, afinal a Copa

realizada pelo Papa Francisco, se

do Mundo e as Olimpía-

reuniram cerca de 3 milhões de

das já estão muito pró-

pessoas, que tiveram gastos no

ximas. Sua visita não

Brasil, o que ajuda a movimentar a economia. Na realidade, obtivemos lucro, movimentamos a economia, provavelmente a maioria dos que vieram não tiveram gasto menores do que R$ 100 reais, o que já traria R$ 300 milhões de verdinhas deixadas por aqui. O Vaticano é uma Cidade-Estado, o que significa que o Papa é o seu Chefe de Estado, sendo um dos poucos Monarcas Absolutos dos dias atuais, então sua vinda

fere o direito de um Estado Laico, afinal a mesma movimentou a economia, na verdade para todos o Estado só é Laico quando o mesmo defende a religião do qual a mesma pessoa segue, mas isso é uma longa história... Francisco está tendo uma ótima postura, e sincera, que vem do coração. Não devemos julgar a sua personalidade, por crimes do passado da Igreja Católica, alguns muito revoltantes, mas ninguém no mundo deve ser responsabilizado por um ato que não é seu. 12


A ponte quebrou... Um teste para sabermos se estamos trabalhando direito para os eventos no futuro, temos paciência para criticas e discussões? Luan Rafael Guidotti

D

euses existem desde os primórdios das civilizações,

vistos como seres superiores que criaram o mundo, quem tem o poder do perdão e dos milagres, mas também os responsáveis por castigos, como doenças e desastres. A religião, independente qual seja, tem o papel de fazer uma ponte, ligação, entre o homem e seu deus, pregar os dogmas e manter a paz entre todos, vários métodos foram usados, seguidores criticam as demais religiões, isso se deve a um fenômeno quem vem ocorrendo ao longo de vários anos, a falha da religião, que consequentemente vem causando intrigas entre religiões diferentes e uma questão bem antiga ainda sem resposta, qual seria o verdadeiro

menos a religião consiga controlar a sociedade, mentira essa muito bem bolada se for verídica, na qual o mundo inteiro, ou pelo menos a sua maioria, acredita. Qual outra explicação para a existências de vários deuses e religiões? Perguntas e mais perguntas sempre apareceram, mas a realidades que que a religião é uma instituição que não é totalmente aberta a seus fiéis e para que eles não acordem ela terá que se moldar as mudanças sociais, revendo o certo e o errado, afinal a ponte ainda não quebrou totalmente, mas quando quebrar será difícil sua reconstrução.

deus, se é que um existe de fato? Esta pergunta provavelmente nunca terá uma resposta, livros, fatos e objetos servem como possíveis provas para a comprovação dos atuais deuses, mas estas podem ter sido inventadas para que pelo

13


revolução ou reação? Um teste para sabermos se estamos trabalhando direito para os eventos no futuro, temos paciência para criticas e discussões?

U

ma onda de manifestações varreu o Brasil nos últimos meses. As ruas foram tomadas por grupos das mais diversas origens, num canto uníssono: buscavam mudanças políticas, econômicas e sociais. A paz e a luta contra a corrupção foram temas recorrentes neste período, que, sem sombra de dúvidas, marcou a história recente de nosso país. Contudo, passada a tormenta, são pertinentes alguns questionamentos sobre o episódio. O estopim dos movimentos foi a já antiga questão da mobilidade urbana em São Paulo. Após o aumento das tarifas do transporte público anunciado pela prefeitura da cidade, o Movimento Passe Livre (grupo que por sinal já existia antes mesmo de toda a agitação) iniciou uma série de manifestações, que em pouco tempo tomaram as ruas e ganharam como adeptos novos grupos, os quais agregaram mais bandeiras à mobilização, como a do combate à corrupção e a da busca pela paz. “O gigante acordou!”, bradavam os jovens nas ruas. Nunca se viu no Brasil, ao menos na História recente, um movimento tão heterogêneo: apesar da predominância etária dos jovens, grupos das mais diferentes origens culturais e sociais marcharam lado a lado, buscando uma solução para os problemas do país. Em pouco tempo, contudo, o MPL teve suas reivindicações atendidas e abandonou as manifestações. Apesar disso, as movimentações continuaram e se espalharam por todo o país. Duas questões levantaram-se a partir daí: o que seria capaz de levar às ruas grupos socialmente tão distintos e quais as consequências das manifestações. A fim de encontrar as respostas para os questionamentos propostos, cabe uma análise sobre os meios de organização utilizados para mobilizar a população. A ferramenta responsável por romper a inércia que envolvia a população brasileira foi a internet. Inventada na década de 60, ela evoluiu, tomou o mundo e impregnou a vida moderna num nível tal que hoje é praticamente impossível viver na sua ausência (ao menos no mundo ocidental capitalista “desenvolvido”, é claro). Eis aí primeira resposta procurada. Descontente com sucessivos escândalos políticos, a população encontrou nas redes sociais a válvula de escape para toda sua revolta. O que nem todos imaginavam é que essa revolta iria transbordar e ganhar as ruas. Uma onda de panfletagens tomou conta do mundo virtual às vésperas e durante as manifestações, buscando transmitir a indignação e convocar o povo às ruas. O povo respondeu à altura. Logo nas primeiras passeatas, os aparelhos celulares e sua onipresença divulgaram ao mundo os abusos da polícia – que não foram poucos – e motivaram maiores adesões aos protestos. Contudo, não basta apenas uma ferramenta eficiente para se fazer uma revolução; é também necessário saber operá-la. Multiplicaram-se pelas redes sociais ações extremistas e utópicas. Temas como o fim do Capitalismo disputaram espaço com ameaças de golpes Comunistas, num verdadeiro turbilhão de informações. Então, a partir

de certo momento, as manifestações perderam o foco: uma nuvem abstrata de reivindicações dominava as ruas. Dentre extremismos e utopias, no entanto, emergiu uma crítica aguda aos partidos políticos brasileiros, aliada a um ufanismo que sem dúvida alegrou alguns saudosistas conservadores. Impossível não relembrar da Marcha da Família com Deus pela Liberdade, a qual antecedeu os nefastos Anos de Chumbo no Brasil. Olhos mais atentos foram capazes de perceber a repetição de uma antiga fórmula: Anticomunismo + Ufanismo + descrença no governo. Por sorte (sim, sorte) as manifestações não descambaram numa guinada conservadora. Ora, se a pretensa revolução não se tornou uma reação conservadora e muito menos uma revolução de fato, o que terá então se tornado? O que acontecerá a partir de agora? A importância das manifestações é inquestionável; seu futuro, no entanto, é duvidoso. Se, por um lado, a população brasileira venceu a inércia, chegando a ameaçar os detentores do poder, por outro, pudemos observar como a fragilidade ideológica e a falta de senso crítico corroeram o movimento. A revolta que uniu a população se mostrou insuficiente para agregar todos em torno de causas concretas. Paz e luta contra a corrupção, por mais agradáveis que possam soar aos ouvidos, não são projetos políticos e muito menos suficientes para embasar ideologicamente um plano de reforma política. Agora, partidos políticos, como chacais, brigam pelas migalhas do movimento. A sigla que conseguir efetivar tal apropriação, certamente a utilizará nas campanhas eleitorais que se avizinham. Diante de tal quadro, o que nos resta é buscar informações e exercitar o senso crítico: ler, estudar, conhecer a realidade do país no qual vivemos, e do mundo, buscar novas fontes de informação, fugindo da tão corrompida e parcial mídia tradicional, enfim, exercer plenamente a cidadania. Afinal, temos todas as ferramentas para mudar o mundo, só falta aprendermos a usá-las.

Joaquim de Oliveira Neto Bacharel e Licenciado em História UNESP – Universidade Estadual Paulista

14


o ser superior O homem criou uma imagem de superioridade de espécie que não se conhece mais como animal Luan Rafael Guidotti

O

ser humano, o animal que está ao topo da cadeia alimentar, um animal racional, submete outras espécies e acredita ser a espécie mor do planeta Terra, todas essas ideias estão cravadas dentro do homem e a palavra animal deixou de ser sua classificação para ser algo pejorativo. Seria isso uma consequência da evolução, pois com as novas descobertas e o domínio das manipulações dos elementos da natureza, o topo da cadeia alimentar não significa o domínio das demais espécies, muito menos que somos seres imprescindíveis ao mundo, do mesmo modo que achamos que somos o dono de tudo, na realidade não passamos de uma parte de um todo, aliás os únicos que são seu próprio predador.

E o cérebro encolheu O volume do cérebro humano diminuiu cerca de 10% em relação aos nossos ancestrais, os Homo Neanderthalensis. Luan Rafael Guidotti

diminuição foi de cerca de 10% (de 1.500 a 1.359 centímetros cúbicos), o equivalente a uma bola de tênis. Essa diminuição também ocorreu do Homem de Cromagnon, os responsáveis pelas pinturas rupestres da gruta de Lascaux, em crua comparação eles eram como o Homo Sapiens, mas com cérebro maior e mais fortes.

A

o longo da evolução humana várias mudanças físicas e psicológicas acontecerem, estas ocorreram de acordo com as necessidades do homem para sobreviver, um bom exemplo é a descoberta do fogo, com ela não era mais necessário uma marcada dentária capaz de rasgar a carne, por isso em várias pessoas não há o surgimento do dente do Siso, e nos que há normalmente é extraído. Mas recentemente outra descoberta vem intrigando os antropólogos, há 30.000 anos o cérebro humano diminuiu. A

Descobriu-se que o tamanho do cérebro diminui quando a densidade populacional aumenta., com o crescimento de sociedades mais complexas, o cérebro humano foi se tornando menor, porque os indivíduos já não necessitavam ser tão inteligentes para sobreviver; os demais os ajudavam. Esta redução não significa que os homens modernos tenham menos capacidade intelectual que seus ancestrais, mas sim formas de inteligência mais sofisticada Existe um paralelismo similar entre os animais domesticados e os selvagens. Assim, o cão lobo tem um cérebro menor que o do lobo, mas é mais inteligente e sofisticado, porque compreende os gestos de comunicação dos homens, demonstrando que não há relação entre o tamanho e o quociente intelectual. 15


A escola e a tecnologia O que muda e o que permanece virtualmente igual. Gabriel de Oliveira

M

esmo com todas as novas tecnologias e a necessidade de incluí-las no processo educativo, uma boa escola continua a ser o que sempre foi: acima de tudo, um espaço em que crianças e adolescentes se encontram, em um ambiente, regulado por adultos qualificados, que oferece proteção contra o mundo e em que todos são tratados com atenção e com respeito. Essa exigência fundamental de boas relações humanas vale para qualquer tipo de escola, por maiores que possam ser as diferenças entre os princípios filosóficos e os valores, as concepções do papel da religião, da autoridade, as prioridades de ensino, em termos tanto de conteúdos como de métodos. Cada escola possui seu jeito próprio de ser e de educar. Mas, para todas

elas, não é mais possível ignorar as novas tecnologias, pois elas podem melhorar tremendamente a quantidade e a qualidade da educação oferecida. Do ensino curricular mais tradicional às formas mais "alternativas" de educar, qualquer escola só tem a ganhar com a introdução de recursos como os da informática e da Internet. De certa forma, não aproveitar as novas tecnologias e o que elas podem nos trazer – em termos de possibilidades de pesquisa, de aprendizagem, de autoria e de comunicação – está ficando cada vez mais parecido com o que seria educar antigamente ignorando canetas e livros... Em escolas particulares e nas redes públicas, uma nova tarefa de pais que buscam a melhor educação para seus filhos passa a ser pressionar no sentido da incorporação das novas tecnologias ao processo educativo. É preciso conscientizar-se, especialmente, de

que o seu não aproveitamento em nossas escolas públicas já está criando um novo tipo de exclusão social, o "iletronismo", e corremos o risco de formar gerações de jovens de origem popular que não puderam explorar e dominar as novas tecnologias nem em seus lares nem nas escolas. Em suma, mesmo se as constantes revoluções tecnológicas precisam ser levadas em conta, uma boa escola continua sendo aquela na qual confiamos e à qual nossos filhos retornam com prazer. Não há solução tecnológica capaz de transformar um espaço pobre em relações humanas em um lugar interessante e capaz de gerar uma boa educação. Isso ainda é o fundamental e é a partir daí que podem ser experimentadas novas formas de ensinar e de aprender, cujo potencial apenas começamos a vislumbrar.

16


Tecnologia na educação A tecnologia á favor da educação. Gabriel de Oliveira

A

s crianças nos tempos atuais, principalmente as que moram em grandes cidades, e com maior poder aquisitivo, estão desde cedo frequentando as Escolas de Educação Infantil. Estas escolas são inovadoras e dispõem de recursos tecnológicos diversos, o que faz com que essas crianças comecem desde muito cedo a se apropriarem das tecnologias, são oferecidos brinquedos que emitem sons, imagens e jogos eletrônicos que deixam os pequenos fascinados por seus movimentos. Se os pais acreditam ser importante que seus filhos frequentem escolas onde a informática consta no currículo, aos profissionais educadores é necessário mudança frente a esta nova realidade escolar. Os professores devem rever seus conceitos, sua prática pedagógica e até mesmo sua insegurança diante da possibilidade de aceitação do trabalho pedagógico ser organizado a partir do auxílio de instrumentos tecnológicos avançados. O professor deve se atualizar e se apropriar do uso das tecnologias, não somente para contentar o sistema educacional no qual está inserido, mas sim para o seu próprio crescimento pessoal e profissional. O processo de aprendizagem é particular de cada criança e o mesmo acontece com suas características, maturidade e interesses pessoais. A criança compreende a importância do seu papel na família, na escola e na sociedade, quando é valorizada como ser ativo e autônomo. Somos nós, adultos, pais e professores, enfim, os modelos de aprendizagem da criança, já que ela nos tem como principais exemplos, durante esta fase de seu crescimento e desenvolvimento. Logo, este desenvolvimento infantil talvez deva ser compreendido por pais e profissionais da educação como o simples desa-

brochar de uma flor. O desenvolvimento vem de dentro para fora, e cabe à escola a responsabilidade de propiciar tais condições e estímulos adequados, que respeitem a sua faixa-etária de desenvolvimento. Como profissionais da Educação, devemos ter plena consciência de nossas ações e responsabilidades, pois afinal teremos nas mãos frutos de uma era altamente tecnológica e que não se conformarão com conhecimentos fragmentados. Os alunos que nos serão confiados precisam começar a construir sua cidadania, desenvolver sua autonomia e segurança, e somente o professor consciente de suas atribuições e da complexidade de sua função conseguirá oferecer estas possibilidades. Para que a proposta pedagógica pensada para a educação infantil atinja seus objetivos de maneira precisa, é necessário, além de um ambiente agradável e acolhedor para a criança, a presença de um profissional capacitado, seguro nas suas atitudes, responsável, cordial e sensível. A criança aprende melhor e com maior rapidez quando se sente segura e querida, e quando suas necessidades básicas, tais como comer, dormir, brincar, descansar estão sendo atendidas. É ao profissional professor pedagogo, que cabe a missão de transmitir esta segurança para a criança, já que ela está saindo do seu mundo familiar para iniciar a sua vida em um mundo novo, o contexto escolar.

17


Tecnologia especial Tecnologia em prol da igualdade Gabriel de Oliveira

T

ecnologias especiais para crianças com necessidades especiais. A educação especial desenvolve -se em torno da igualdade de oportunidades, em que todos os indivíduos, independentemente das suas diferenças, deverão ter acesso a uma educação com qualidade, capaz de responder a todas as suas necessidades. Desta forma, a educação deve-se desenvolver de forma especial, numa tentativa de atender às diferenças individuais de cada criança, através de uma adaptação do sistema educativo. A evolução das tecnologias permite cada vez mais a integração de crianças com necessidades especiais nas nossas escolas, facilitando todo o seu processo educacional e visando a sua formação integral. No fundo, surge como uma resposta fundamental à inclusão de crianças com necessidades educativas especiais num ambiente

educativo. Como uma das respostas a estas necessidades surge à utilização da tecnologia, com o desenvolvimento da informática veio a se abrir um novo mundo recheado de possibilidades comunicativas e de acesso à informação, manifestando-se como um auxílio a pessoas com necessidades educativas especiais. Partindo do pressuposto que aprender é fazer, a tecnologia deve ser encarada como um elemento cognitivo capaz de facilitar a estruturação de um trabalho viabilizando a descoberta, garantindo condições propícias para a construção do conhecimento. Na verdade são inúmeras as vantagens que advêm do uso das tecnologias no campo do ensino – aprendizagem no que diz respeito a crianças especiais. Assim, o uso da tecnologia pode despertar em crianças especiais um interesse e a motivação pela descoberta do conhecimento tendo em base as necessidades e interesses das crianças. A deficiência deve ser encarada não como uma impossibilidade, mas como uma força, onde o uso das tecnologias desempenha um papel significativo. O uso das tecnologias no campo do ensinoaprendizagem traz inúmeras vantagens no que respeita às crianças com necessidades especiais, permitindo, alargar horizontes levando o mundo para dentro da sala de aula, aprender fazendo, melhorar capacidades intelectuais tais como a criatividade e a eficácia, permitir que um professor ensine simultaneamente em mais de um local, permitir vários ritmos de aprendizagem numa mesma turma, motivar o aluno a aprender continuamente, pois utiliza um meio com que ele se identifica. Proporcionar ao aluno os conhecimentos tecnológicos necessários para ocupar o seu lugar no mundo do trabalho, aliviar a carga administrativa do professor, deixando mais tempo livre para dedicar ao ensino e à ajuda a nível individual, estabelecer a ponte entre a comunidade e a sala de aula. A adaptação do sistema educativo. A adaptação do sistema educativo a crianças com necessidades especiais deve procurar incentivar e promover a aplicação das tecnologias da informação e comunicação ao sistema de ensino. Promover a utilização de computadores pelas crianças e jovens com necessidades especiais integrados no ensino regular, criar áreas curriculares específicas para crianças e jovens de fraca incidência e aplicar o tele-ensino dirigido a crianças e jovens impossibilitados de frequentar o ensino regular. Adaptar o ensino das novas tecnologias às crianças com necessidades especiais, preparando as escolas com os equipamentos necessários e promovendo a adaptação dos programas escolares às novas funcionalidades disponibilizadas por estes equipamentos. Promover a criação de um programa de formação sobre a utilização das tecnologias da informação no apoio às crianças com necessidades especiais, destinados a médicos, terapeutas, professores, auxiliares e outros agentes envolvidos na adequação da tecnologia às necessidades das crianças. 18


Asilo A Fundação Nossa Sra. Do Patrocínio funciona desde 1940 e recebe idosos, em média, a partir dos 70 anos. Luan Rafael Guidotti

O Asilo Nossa Senhora do Patrocínio surgiu da necessidade dos idosos que não tinham familiares na época de 40, fundado pelo Padre Alarico, Pilar Zurita e Antonieta Ferreira, é mantido pela população, por verbas governamentais e por rifas e jantares feitos pela direção e por um grupo de 20 mulheres voluntárias do mesmo. Quando perguntada se os familiares visitavam os idosos, a resposta foi bem clara “a minoria, a maioria só aparece quando solicitamos”, essa é uma realidade não só ocorrente nessa fundação mais em entidades do país inteiro, familiares acham que porque agora eles tem quem cuidam, não precisam mais vê-los, em contrapartida há um projeto para com as escolas onde alunos vão para a fundação e descon-

traem e ouvem suas histórias de vida. A rotina diária dos ídolos é a seguinte: banho, café da manhã, banho de sol, se houver algum médio são levados, as 9:00 lanche, almoço, café das tarde as 14:00, das 14:30 ás 16:00 recebem as visitas, as 17:00 jantam e as 19:30 há um café, mas em meios a esses horários muitos fazem tricô, costuram, jogam dominó e bocha alguns jogam dominó, varrem o quintal, entre outras atividades de lazer além da fisioterapia. “ Precisamos reconhece-los e dar carinho, quem deva o carinho e atenção quando éramos crianças eram ele, nada mais justo que retribui-los”.

19


avida O volume do cérebro humano diminuiu cerca de 10% em relação aos nossos ancestrais, os Homo Neanderthalensis. Luan Rafael Guidotti

AVIDA é uma Associação para Valorização e Inclusão das pessoas com Deficiência de Araras, surgiu da necessidade dos encaminhamento e capacitação dos deficientes para o mercado de trabalho. Diante desta realidade constatou-se que vários deficientes não se enquadravam na ``Lei de cota´´, diante disso os pais, membros da sociedade e profissionais da área que faziam parte da associação decidiram oferecer a esses deficientes oficinas voltadas para a área musical e cultural, tem como objetivo a inclusão do deficiente na sociedade e a capacitação do mesmo para o mercado de trabalho. A AVIDA surgiu em novembro de 2005 e foi constituída como OSCIP em 9 de maio de 2006, com sede a rua: Tiradentes, onde se encontra hoje atualmente na rua: Luiz Leonardi, 551 - Jardim Rollo.

Nós acreditamos que uma sociedade inclusiva torna-se uma sociedade menos preconceituosa, aceitando e convivendo em harmonia com todas as diferenças, sendo ela quais sejam. São oferecidos cursos de Informática, LIBRAS, Instrumentos (violão, teclado, baixo, flauta, precursão), Coral, Fisioterapia, Braille, Artesanato para pessoas com deficiências e população em geral. “Não tem como todos serem iguais, cada um é de um jeito, além de cada pessoa pensar e acredita de um modo (cultura).”

20


Tecnologia na medicina A medicina revolucionou não só o mundo eletrônico, como trouxa vários avanços para a medicina. Gabriel de Oliveira

A

medicina moderna e a tecnologia parecem inseparáveis. A descoberta dos raios X pelo físico alemão Wilhelm Conrad Roentgen (1845-1923) em 1895 possibilitou a observação dos órgãos internos do corpo. Isso facilitou o diagnóstico de fraturas ósseas, câncer, e outras doenças. Pouco tempo depois, Willem Einthoven (1860-1927), fisiologista holandês, inventou o primeiro eletrocardiógrafo. O aparelho registra a atividade elétrica dos músculos do coração, possibilitando o monitoramento de problemas cardíacos. Em meados do século, cateteres—tubos ocos e finos que podem ser usados para drenar fluidos ou administrar medicamentos—foram inseridos no coração e no fígado. Muitos dos avanços ocorreram na área de investigação por imagem, permitindo aos médicos ver os órgãos sem abrir o corpo. As tecnologias incluem imagens por ultrassom, tomografia computadorizada, tomografia por emissão de pósitrons (PET) e ressonância magnética. O diagnóstico, embora ainda seja uma arte, tornou-se também uma ciência. Os raios X, evidentemente, são uma forma de radiação, que é nociva ao organismo. Os radiologistas aprenderam a usar as doses mais baixas possíveis na investigação por imagens. Eles também aprenderam a usar raios X direcionados e outras formas de radiação para destruir células indesejadas. Consequentemente, a radiação se tornou um tratamento padrão para o câncer. Talvez nenhuma outra área tenha sido tão afetada pela tecnologia como a cirurgia. As várias tecnologias de varredura levaram os cirurgiões às partes mais profundas do corpo, permitindo cirurgias invasivas radicais. Por outro lado, endoscópios flexíveis,

baseados em tecnologia de fibra óptica, surgiram na década de 70. Eles permitiram aquilo que chamamos de cirurgia laparoscópica, na qual o endoscópio, equipado com um laser que corta como um bisturi é inserido através de uma minúscula incisão. Esse tipo de cirurgia tornou-se comum para hérnias, vesículas biliares e rins, e joelhos. Em meados do século XX foi desenvolvida a máquina coração-pulmão. Ela fornece um meio artificial de se manter a circulação sanguínea, mantendo o paciente vivo enquanto o cirurgião opera o coração parado. Essa técnica, chamada de circulação extracorpórea, tornou as cirurgias cardíacas praticamente rotineiras, incluindo a substituição de válvulas cardíacas e a revascularização do miocárdio. Órgãos artificiais são outra grande invenção do século XX. Embora o transplante seja o ideal, não há órgãos suficientes para as pessoas que precisam deles. Os órgãos artificiais podem manter os pacientes vivos enquanto eles aguardam a cirurgia. O aparelho de diálise renal é um dos exemplos mais antigos disso. O primeiro rim artificial foi inventado em 1913. A hemodiálise, feita pela primeira vez pelo cientista holandoamericano Willem Kolff (1911-, atualmente prolonga a vida de vários pacientes com insuficiência renal. Corações artificiais também foram desenvolvidos. Diferentemente das máquinas de diálise incômodas, estas são na verdade implantadas no corpo. Durante um tempo houve a esperança de que elas pudessem ser implantes permanentes, resolvendo assim o problema da falta de corações verdadeiros para transplante. Contudo, poucos receptores viveram mais de meio ano. Outros corações artificiais foram desenvolvidos para atuar como pontes, a

fim de manter os pacientes vivos até que um coração de verdade estivesse disponível. Grandes esforços foram feitos para o desenvolvimento de próteses que pudessem substituir membros perdidos. Não muito tempo atrás, os membros artificiais eram feitos de metal e madeira; o exemplo mais antigo de que se tem relato é de cerca de 300 a.C. O plástico passou a ser usado em meados do século XX. Atualmente, materiais avançados, como fibra de carbono, plásticos e metais de alta tecnologia, permitem que os pesquisadores criem dispositivos operados por eletrodos conectados aos músculos. Os membros artificiais mais avançados são controlados por microchips. Assim como em várias outras áreas, os computadores têm desempenhado um papel fundamental nos avanços da medicina moderna. Os computadores são um componente importante da tecnologia de varredura. Eles operam os aparelhos em salas de cirurgia e unidades de terapia intensiva. Registros médicos e prescrições de medicamentos podem agora ser transmitidos em formato eletrônico. E a ciência por trás das modernas práticas médicas baseia-se em pesquisas que se valem de computador. O mapeamento do genoma humano teria sido impossível sem os computadores para montar e analisar a vasta e complexa gama de dados. Apesar de todos esses avanços, muitas doenças ainda não têm um tratamento adequado. Embora muitas doenças possam ser prevenidas, há outras que ainda devastam famílias e comunidades. E muitas pessoas não têm acesso a atendimento médico adequado para doenças que podem ser curadas ou prevenidas.

21


Tec. e med. juntas Os avanços da medicina com auxilio da tecnologia.

Gabriel de Oliveira

Exames de sangue sem tirar uma gota Realizar um exame de sangue é o terror para quem vai ao médico e tem medo de agulhas, principalmente porque eles são praticamente rotina e trazem muitas respostas. Graças à tecnologia, isso pode estar com os dias contados. Novos aparelhos em desenvolvimento visam aposentar as agulhas, com os exames de sangue passando a ser feitos por meio de uma espécie de eletrodo digital. Quando conectado à pele do paciente, esse equipamento fará coleta dos dados sem a necessidade de nenhuma picada. Além disso, o dispositivo também será capaz de realizar o processamento dessa informação, levando os resultados prontos para o médico avaliar, tudo em tempo real. Outro ponto positivo desse método é a possibilidade da sua utilização em casa, permitindo que pessoas em tratamento constante reduzam consideravelmente as visitas ao médico, poupando o tempo de ambos e fazendo um monitoramento ainda melhor.

Assistência remota aos pacientes Falando em visitas regulares, há séculos a fórmula de ir ao médico segue basicamente a mesma: o paciente vai até o consultório do profissional, que faz uma breve entrevista, seguindo então para exames básicos, como pressão, batimentos cardíacos, entre outros. Pensando nisso, a IBM realizou um novo estudo buscando ideias revolucionarias para facilitar esse processo "de rotina". Assim como nos exames de sangue citados acima, o objetivo é tornar tudo mais independente, com o paciente lançando mão de gadgets em casa e mandando os dados para o médico.

A

evolução tecnológica sempre busca melhorar a vida dos seres humanos, seja com um carro mais confortável ou novas funções na geladeira da cozinha. E quando se fala em medicina, sempre pensamos em novos medicamentos ou estudos com células-tronco. Mas isso pode ir muito mais longe. Existem projetos em estado avançado de desenvolvimento que podem revolucionar a medicina. Desde os mais simples exames até o cuidado com idosos, tudo está mudando para melhor.

Avatar ligado ao cérebro Uma das soluções propostas é um aparelho que realize um check-up praticamente completo, somente por meio das ondas cerebrais. O dispositivo (que lembraria muito o Medical Tricorder, solução para todos os problemas no famoso seriado Star Trek), ficaria na casa do paciente. Este, por sua vez, teria um avatar - igual àqueles usados nos video games, por exemplo - para armazenar todas as informações coletadas pelo sistema. O médico então contaria com uma espécie de "rede social", tendo acesso a todos os seus pacientes - cada um com o seu avatar. Bastaria que o doutor clicasse em algum para visualizar as informações coletadas pelo dispositivo, tudo isso sem nenhum deslocamento ou contato direto entre médico e paciente. 22


Idosos com mais qualidade de vida

Medicamentos personalizados

Uma das principais queixas das pessoas quando atingem a chamada "melhor idade" é o fato de terem que realizar visitas mais frequentes aos médicos. Pois a General Eletric está desenvolvendo equipamentos para mudar essa condição. Com base em estudos, a empresa identificou alguns dados, como a porcentagem de quedas em casa ou a falta de "pedidos de ajuda" por parte dos idosos, mesmo quando existem dispositivos com essa finalidade prontos para serem usados. Pensando nisso, foi desenvolvido o GE QuietCare, aparelho que funciona como uma espécie de "Big Brother" sem câmeras. O dispositivo é composto por sensores com algoritmos avançados, que aprendem a rotina dos idosos residentes na casa e enviam os dados em tempo real para o responsável. O estudo da informação é feito de maneira automática, de forma que, sempre que ocorrerem mudanças significativas ou potenciais emergências, os médicos serão prontamente avisados, tudo em tempo real.

O desenvolvimento de novos tipos de pílulas também não para e a tecnologia se faz presente no tradicional método de medicação. Inclusive, algumas ideias revolucionárias são objeto de estudo dos laboratórios. Entre os projetos, estão os remédios com absorção mais rápida - eliminando a utilização de injeções, além de doses personalizadas, fazendo com que o médico possa montar receitas específicas para cada paciente, não importando a complexidade do tratamento. Mas o uso de nanoprocessadores em cápsulas é o que traz mais "visão futurista". Esses pequenos transmissores seriam capazes de colher informações sobre o paciente e enviá -los para o computador, para depois serem absorvidos pelo organismo.

Órgãos artificiais e nanotecnologia Graças à nanotecnologia e ao desenvolvimento cada vez mais sólido no uso das células-tronco, os transplantes utilizando órgãos criados em laboratório estão se tornando uma realidade cada vez mais palpável. Recentemente foi realizado o primeiro utilizando uma traqueia artificial. O órgão, desenvolvido por cientistas da University College London, foi feito com base no "original", utilizando imagens em 3D. O "modelo" foi primeiramente construído em vidro, para depois ser envolvido em células-tronco do paciente criando assim uma nova traqueia. E o foco não se resume só à criação de órgãos internos - a ideia é estender a tecnologia dos transplantes também para os membros, como braços e pernas perdidos em acidentes. Novas próteses ligadas ao cérebro podem responder a comandos cada vez mais complexos, além de serem também capazes de executar movimentos com mais fidelidade.

A cura de (quase) todas as doenças Um processo automático do nosso organismo pode ser a fonte da cura para muitas doenças. O "RNAi" (i de "interference" ou, interferência) é uma espécie de defesa natural do corpo, na qual o nosso RNA reage e bloqueia o desenvolvimento das células de doenças - como do câncer, por exemplo. Com base nisso os laboratórios farmacêuticos vêm investindo bilhões de dólares em estudos buscando uma maneira de desenvolver medicamentos que estimulem esse processo - aumentando assim a eficácia do corpo em eliminar células ruins. Todavia, apesar de ser algo muito promissor (já houve alguns testes com drogas experimentais), o uso desse procedimento é visto ainda como algo para o futuro, uma vez que é necessário encontrar uma maneira de levar o "medicamento" às células corretas. Resta esperar.

23


Mal do século “Quem não se movimenta não sente as correntes que os prendem”: E um pouco mais. (Rosa Luxemburgo)

I

nicio esse texto com uma celebre frase da Filósofa e Economista Marxista, Rosa Luxemburgo. Revolucionária, participou ativamente de várias lutas no início do século XX na Polônia e na Alemanha. Pensando o movimento como potência para se entender ou observar as dominações de uma natureza não mais natural, mas, sim, mediada por uma sociedade que enaltece o consumo e não o individual, mas, o todo; refletir sobre nossa existência, não é tarefa fácil, digo eu, que é uma tarefa árdua e dolorida. Entretanto, dor; sentimento esse que propomos, muitas vezes sem saber, evitar não é algo que almejamos. A busca da felicidade plena – não quero chocá-los, mas, não existe – faz com que nos debruçamos em pílulas e estratégias (excessos de comida, trabalho, sexo, exercícios) que nos proporcione uma anestesia social. Sentir dor não vende e, muito menos chama a atenção da maioria do público. A busca excessiva de receitas prontas de uma vida feliz e saudável faz com que esqueçamos que, sentir dor também ensina; cair também nos “caleja” para a vida e, “se perder também é caminho” (Clarice Lispector). É natural, temos medos de adoecer e, por esse motivo, vendemos nossas paixões particulares para manter um “todo” funcionando. Somos a “pilha” da sociedade e, vejo, que essa pilha já está se desgastando, descarregando. Síndromes, doenças, sintomas... nunca se precisou tanto de especialista para se dar conta da própria vida. Livros de autoajuda são aqueles que mais são vendidos. As pessoas estão procurando sentido em um contemporâneo que faz com que o sentido seja fugaz, líquido, escorregadio. Curar é a palavra do momento. Curar as diferenças, o que me enjoa, o que me obriga a conviver. Tolerar está sendo instalado nas entrelinhas da vida, mas, o que está sendo escrito nas linhas? Quais são os preconceitos? O processo civilizatório é mutilador, individualiza e escasseia as relações, por esse motivo, se agarrar no que está ao lado oposto da dor e daquilo que incomoda, faz com que nos sintamos seguros, confortáveis; nos anestesia para a vida. O morno é a temperatura que mais nos agrada e, talvez, movimentar esquente e, mais, trará marcas nas

canelas.

Precisamos desnaturalizar os nossos olhares, sentir o que nos prende, rever e criar novos sentidos para a vida. Felicidade é bom, mas, só existe porque, mesmo sem querermos, conhecemos o que não é felicidade. Não podemos nos render aos “especialistas da vida” que nos vendem uma falsa sensação de conforto. Carecemos de lutas, movimentos, militâncias; um olhar plausível para aquilo que dói, pois é “...pela paz que eu [nós] não quero [queremos] seguir admitindo...” (Banda - o Rappa - Música - A Minha Alma) que vamos (re)construir novos sentidos e potencializar formas mais saudáveis – sem negar as agruras da vida – de nos relacionarmos uns com os outros e nos movimentarmos para sabermos o que nos prende. É possível, sou um entusiasta. Acredito que com várias formas de movimentos, podemos cauterizar as feridas da vida e almejar o bem estar, mas, sem esquecer-se das dores e dificuldades pelas quais necessitamos passar. Como disse o grande educador e pensador, Paulo Freire, “eu sou um intelectual que não tem medo de ser amoroso, eu amo as gentes e amo o mundo. E é porque amo as pessoas e amo o mundo, que eu brigo para que a justiça social se implante antes da caridade.”

Joel Fernando Borella Psicólogo, CRP 06/89099, Mestre em Psicologia Social Pela Pontifica Universidade Católica de São Paulo (PUC/SP) – Núcleo de psicologia Política. Professor da Faculdade Anhanguera – Leme e Psicólogo da instituição AMCRA/Araras (Associação de Amigos das Crianças de Araras) Contato: borella72@yahoo.com.br (19) 81528566

24


O mundo sem tecnologia A imprensa antes e após a tecnologia. Gabriel de Oliveira

H

á não muitos anos atrás, em uma galáxia não tão distante, a Internet, bem como diversas outras tecnologias de que dispomos atualmente, não fazia parte do cotidiano de trabalho de muitos profissionais que, hoje em dia, têm seus computadores conectados à rede o dia todo. Bom, se computadores não eram nem um sonho louco, imaginar um celular naquela época era a mesma coisa que falar em teletransporter: praticamente impossível de existir. Tente imaginar sua vida sem alguns ícones da modernidade. Difícil de imaginar não? As profissões eram bem mais trabalhosas. Veja como era uma redação antigamente e hoje: Hoje: Ao término da reunião, os redatores e repórteres (que, na maioria das vezes, são a mesma pessoa) sentam em suas mesas em frente a seus computadores cheios de Post-its e entram no Google para descobrir enfim do que se trata o assunto sobre o qual fingiram entender perfeitamente na reunião dez minutos atrás. Depois de responder que está quase acabado, o jornalista abre, então, uma janela do Word e começa a escrevê-la. Algumas horas depois, a matéria está quase pronta. Antes: As pesquisas eram feitas, no máximo, via telefone e é claro que isso exigia do jornalista uma bem organizada agenda de contatos. Outro recurso de pesquisa usado pelos redatores eram os arquivos de clipping, no chamado Departamento de Pesquisa. Havia profissionais, muitas vezes estagiários ou focas, que ficavam responsáveis por ler jornais e revistas publicados em todo o País e montar um arquivo organizado por assunto em ordem alfabética. Depois de muito pesquisar, entrevistar pessoas e viajar atrás de informações, o jornalista sentava-se em sua mesa e datilografava a matéria em sua Olivetti.

25


Inglês instrumental English for Specific Porposes (ESP) Inglês para fins específico, ou seja, Inglês Instrumental

C

om uma grande expansão nas atividades científicas, técnicas e econômicas no âmbito internacional, principalmente após a Segunda Guerra Mundial, o inglês passou a ser imprescindível para fins específicos.

Nas áreas de Mecatrônica, Mecânica, Eletrônica, Administração, Informática, Informática para Internet, Química, Açúcar e Álcool, Finanças e outros cursos, há uma variação de vocabulário, este, é específico para cada curso e para isso algumas técnicas de leitura são apresentadas no curso de Inglês Instrumental na Etec Prefeito Alberto Feres, quais centralizam o foco nas necessidades e interesse do aluno para uma maior motivação ao aprendizado. Os itens são ensinados de acordo com os propósitos dos cursos. O que se refere ao vocabulário técnico, a utilização de estratégias que auxilia o aluno a compreender o significado das palavras que lhe são desconhecidas. N caso deste curso, seu objetivo principal é capacitar o aluno, em um prazo relativamente curto na leitura de textos, manuais, atividades profissionais que requeiram a leitura em Inglês.

Professora Irene Luvizzotti

26


Danças pelo mundo A dança pode existir como manifestação artística ou como forma de divertimento ou cerimônia, desde a antiguidade era utilizada para celebrar os deuses ou na abertura dos jogos olímpicos. Atualmente no mundo temos várias maneiras de se expressar com a 1ª arte, vamos conhecer as diferentes danças pelo mundo. Luan Rafael Guidotti

Dança do Ventre A dança do ventre já era praticada por civilizações antigas e no Egito Antigo, sacerdotisas dançavam em rituais religiosos. Primeiramente, ela ocorria somente nos templos, mas depois passou a ser comum em festividades e eventos públicos. Os movimentos realizados pelas dançarinas imitam os animais, os quatro elementos e a natureza.

Bharathanatyam Essa dança indiana é tradicional e uma das mais antigas do país. É um estilo clássico que surgiu no sul da Índia e contêm muitas expressões. Usa instrumentos musicais como a flauta, o violino e a Tambura. Na Bharathanatyam os dançarinos realizam movimentos suaves e poses.

Tarantella É realizada por casais que fazem trocas de forma muito rápida. A Tarantella deve ser dançada em duplas, pois dançar sozinho é considerado má sorte. Primeiro, é feito um círculo pelos participantes que giram no sentido horário; depois, a música passa a ficar mais rápida e os dançarinos trocam de lado. A tendência é que a Tarantella fique sempre mais rápida.

Flamenco A dança utiliza movimentos nos braços e nos punhos, sapateado, forte expressão facial e grande movimento das saias. As dançarinas sapateiam e batem palmas para dar ritmo à dança, que é embalada ao som dos músicos. O Flamenco termina em um movimento intenso da dançarina que deve passar uma expressão segura e forte. 27


Can can Foi originado a partir da mistura de duas danças: a Quadrilha e a Polca. Foi inventado em Londres, mas muito mais dançada na França, Paris. É uma dança que é normalmente composta por meninas utilizando vestidos com saias esvoaçantes e coloridas e com movimentos livres. A maioria dos passos de Can Can são com as pernas altas e, como as dançarinas dançam com meia calça, suas pernas acabam de um jeito ou de outro, aparecendo para o público.

Tango O Tango é originário de Buenos Aires e dos seus bordéis. Por isso a forma como era dançada teve que ser adaptada de modo a se adequar aos salões europeus. O Tango é um tipo musical e uma dança a par e tem como característica relevante a complexidade tanto do movimento das pernas como do corpo em si, destacando mais o movimento da cabeça da senhora durante esta dança.

Samba O samba é uma forma de dança originária do Brasil, a partir de danças rituais africanas. É ligada ao ritmo musical de mesmo nome, e que é muito praticada principalmente por passistas de escolas de samba e em pagodes. O nome “samba” é, provavelmente, originário do nome angolano semba, um ritmo religioso, cujo nome significa umbigada, devido à forma como era dançado.

Sapateado Russo Um show-duelo entre bailarinos e bailarinas. Os homens mostrando toda sua paixão pela dança, mas com força, virilidade e disposição para movimentos quase acrobáticos, mas de extrema beleza. As bailarinas por sua vez capricham na graça, na formosura e na lisura de seus passos,. Os dois se complementam, o homem tem a força e a liderança, mas que se rende diante da graça e da maestria feminina, tornando-se um par, ou seja, o ideal para a magnitude da coreografia e delírio do público.

Nihon buyo A dança clássica japonesa, nihon buyo (quer dizer, dança japonesa), também pode ser chamada por um nome mais popular, kabuki buyo, nome esse que surgiu pela origem nos palcos do teatro kabuki. A dança kabuki caracteriza-se por três elementos essenciais: mai, odori e furi.

28


29


30


31


32


33


34


35


36


37


38


39


40


41


42


43


44


45


E o poder é do... Na história a sociedade teve a sua frente vários tipos de autoridades que impunham leis e obrigação, desde deuses a atual forma mais comum no mundo. Luan Rafael Guidotti

Deus

Faraó

Nos primórdios das civilizações os deuses eram os redentores dos poderes, quem os desobedecessem eram castigados com pragas e maldições. Tempestades, erupções, chuvas entre outras ações da natureza eram considerados desaprovação ou fúria dos mesmos.

O Faraó era considerado um deus vivo, filho de Osíris, possuíam poderes absolutos na sociedade, decidindo sobre a vida política, religiosa, econômica e militar. A transmissão de poder no Egito era hereditária.

Imperador

Rei

O imperar era um membro da elite escolhido por membros da mesa, era o comandante supremo do exército, convocava o Senado e tinha poder de veto sobre as decisões e era o supremo sacerdote detento o poder religioso.

Ditador É um governante absolutista ou autocrático que assume solitariamente o poder sobre o Estado, muitas vezes através de um golpe e, uma vez no poder, aos poucos dissolvem as suas restrições constitucionais.

O Rei governa um país como chefe de Estado, seu poder ocorria de forma hereditária e tinha o poder, muitas das vezes absoluto, tomando as decisões e cobrando vários impostos com a ajuda da igreja.

Governante O governante é escolhido por meio do voto popular, tendo seu poder dividido com os demais poderes e permanece por 4 ou no máximo 8 anos no cargo, tendo de respeitar restrições. 46


vivendo a revista Vivenciando o processo de montagem e criação de uma revista, passamos desde matéria de uma revista até o recebimento de uma Moção Honrosa pela Câmara Jovem de Araras.

47


cada um com seu som A música é bem diversificada, agradando vários gostos e por ele podemos ter uma base de como os amantes de cada ritmo são, vamos acompanhar características dos 2 ritmos musicais mais conhecidos mundialmente. Luan Rafael Guidotti

O POP

é geralmente entendida como a música gravada para fins comerciais, muitas vezes direcionada para o publico juvenil e que em sua maioria consiste de canções relativamente curtas e simples com o uso de inovações tecnológicas para produzir novas formas de composição em temas atuais, foi influenciada pela maioria dos outros gêneros populares. Seu início foi caracterizado pela forma da balada sentimental, obtendo o uso de harmonias vocais da evangélica e do soul, a instrumentação do jazz, da country e do rock, a orquestração da clássica e o andamento da dance music, sendo sustentada pela eletrônica e por elementos rítmicos do hip hop e recentemente apropriou-se de passagens faladas do rap.

O ROCK, muitas vezes, gira em torno da guitarra elétrica ou do violão e utiliza um forte backbeat estabelecido pelo ritmo do baixo elétrico, da bateria, do teclado, e outros instrumentos como órgão, piano, ou, guitarra ou teclado, o saxofone e a gaita, juntamente com instrumentos solo . Suas raízes se encontram no rock and roll e no rockabilly que emergiram e se definiram nos Estados Unidos no final dos anos quarenta e início dos cinquenta e que, por sua vez, evoluíram do blues, da música country e do rhythm and blues. Outras influências musicais sobre o rock ainda incluem o folk, o jazz e a música clássica. Todas estas influências foram combinadas em uma estrutura musical simples baseada no blues que era "rápida, dançável e pegajosa".

48


DST, mitos e verdades A enfermeira, registrada no COREN-SP, Fernanda Maria Viel responde algumas perguntas sobre o assunto.

Porque escolheu enfermagem? R: Quando eu tinha 05 anos de idade eu fiquei muito doente, precisei ficar internada varias semanas no hospital da minha cidade (Leme), e ali eu escolhi o que eu queria, na verdade eu queria era ajudar as pessoas. Foi ai que eu percebia que as enfermeiras cuidavam de mim e eu melhorava, e que era muito bom escutar elas falando “nossa ta melhorando cada dia mais”. O que são DST’s, como são transmitidas e quais são as mais apresentadas? R: São doenças sexualmente transmissíveis (DST) são transmitidas, principalmente, por contato sexual sem o uso de camisinha com uma pessoa que esteja infectada, e geralmente se manifestam por meio de feridas, corrimentos, bolhas ou verrugas. As mais conhecidas são gonorreia, sífilis, herpes, clamídia, HPV (Papiloma Vírus Humano), hepatite. Quais os métodos mais eficazes para prevenção de Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), Aids e o HPV?

escolha do método contraceptivo deve considerar que alguns são mais eficazes e seguros do que outros. Além disso, apenas aqueles que constituem uma barreira física também impedem que as pessoas contraiam doenças sexualmente transmissíveis (DSTs) como, por exemplo, a Aids e o HPV. -Camisinha ou preservativo masculino: é o método mais antigos de contracepção que fornece uma barreira física, ou seja, impede que os espermatozoides atinjam o ovulo, evitando uma gravidez e também que se adquira uma DST. Ela tem a função de armazenar o sêmen e impedir que o esperma atinja a vagina, o risco de falha desse método é bem pequena, desde que sua utilização seja correta. -Preservativo feminino: assim como existe a camisinha masculina, o preservativo feminino também fornece uma barreira física, ela tem por finalidade impedir a entrada dos espermatozoides no útero e consequentemente a fertilização dos óvulos, onde ela recobre o canal vaginal, e protege também contra as DST’s. A maior reclamação das mulheres em relação a esse método é quanto a dificuldade de colocação correta, e isso faz com que o índice de falha aconteça muito.

R: DST’S significa Doença Sexualmente Transmissíveis. A

49


E quais são os métodos contraceptivos? -Métodos hormonais: são os métodos contraceptivos que podem ser administrados por via oral, injetados ou mesmo

por implantes sob a pele As pílulas anticoncepcionais elas devem ser ingeridas por 21 dias consecutivos e ao final desse período, ocorre a menstruação a pós uma pausa de 07 dias a mulher recomeça a tomar a pílula novamente. Os métodos injetáveis eles são aplicados geralmente todo mês e alguns a cada 03 meses Os implantes subcutâneo, este libera hormônios lentamente na corrente sanguínea, podendo durar ate 05 anos. Esse é o método que tem um custo maior em comparação com o preservativo. Lembrando que esses métodos que eu citei eles não protegem contra uma doença e sim contra uma concepção. Por isso que recomenda-se a utilização de preservativos. - Temos também os métodos de vasectomia e a laqueadura que são processos de esterilização masculina e feminina que impedem a fecundação. -Tabelinha consiste em não manter relações sexuais durante o período fértil. Para isso, a mulher marca os dias do seu ciclo menstrual e, como a ovulação ocorre por volta do 14º dia, não mantém relações entre o 10º e o 20º dia de seu ciclo. Como muitas mulheres possuem ciclos irregulares e - incluindo aquelas com ciclos constantes - estão sujeitas a eventuais alterações, este não é um método seguro, sendo que a probabilidade de falha encontra-se entre 5% e 15%. Este método contraceptivo também não previne contra as DSTs. - Coito interrompido: apresenta uma porcentagem alta de falha, e não impede o contágio de DSTs. Consiste na retirada do pênis da vagina no momento da ejaculação. No entanto, pode haver liberação de espermatozoides antes mesmo da ejaculação. Há também a dificuldade de se calcular o momento exato no qual o homem deve retirar o pênis. Por essas razões, tanto a tabelinha quanto o coito interrompido não são considerados métodos seguros para evitar a gravidez ou impedir a transmissão de DSTs.

A gravidez na adolescência é consequência da falta de informações nas escolas e com os pais? R: eu não vejo como falta de informação, eu digo que se uma adolescente fica grávida, ela ficou porque quis, pois hoje em dia há muitas informações voltadas aos adolescentes, se você não tem tanto dialogo com seus pais, pois sei que isso é um assunto que muitos pais não estejam preparados para conversar com seus filhos e eles podem ter essas informações que estão a toda parte, nas escolas, em revistas, novelas, então não vejo a desculpa de falar que há falta de informação e por isso ficou grávida. É possível pegar DSTs pelo beijo? R: Bom a Aids não é transmitida pelo beijo, já a sífilis pode raramente ser transmitida pelo beijo, mas somente se a boca da parceira existir uma lesão ativa da sífilis. Ou seja, se a boca estiver com algum machucado em gengiva. É possível pegar DSTs por sentar em vasos sanitários? R: Os vírus não conseguem sobreviver muito tempo fora das células humanas, assim, o risco de pegar uma DST no vaso sanitário é quase nulo. Os verdadeiros perigos estão relacionados à má higiene, sendo possível pegar uma micose, por exemplo. -As mulheres que usam a pílula anticoncepcional ou que tenham realizado laqueadura, não precisam usar camisinha para se prevenir das Doenças Sexualmente? R: as mulheres que adorarem utilizar esses métodos contraceptivos devem lembrar que eles são utilizados apenas para não ficarem grávidas e podendo sim pegar alguma DST. As DSTs só são contraídas se houver ejaculação? R: Não, elas podem ser contraídas através de sexo oral, anal e vaginal, onde não há a necessidade de haver a ejaculação. E vale lembrar que, os sinais e sintomas das Doenças Sexualmente Transmissíveis são de difícil identificação. Visando o auxílio aos portadores dessas doenças, a Prefeitura oferece alguns serviços gratuitos de tratamento médico e psicológico em sua rede municipal.

Porque você acha que as DSTs estão aumentando? R: Na minha opinião, as doenças estão aumentando porque os adolescentes estão iniciando a vida sexual muito mais cedo, onde não estão preparados na maioria das vezes tanto fisicamente como psicologicamente.

Fernanda Viel Enfermeira

50


A evolução da moda Vamos acompanhar um pouco da evolução do vestuário dos ano 50 ao 2000. Denise Macedo

1950

1960

1970

Os anos bem comportados

Os anos rebeldes

Nessa década era frequente o uso da cintura marcada em saias e vestidos, que eram bem rodados e tinham comprimento até os joelhos. Os looks eram compostos de acessórios elegantes, como luvas, joias e sapatos de saltos altíssimos.

Os anos 60 foram a época de renovação de conceitos, a mulher passa a assumir uma postura mais desafiadora e a valorizar mais o seu corpo, se inspirando na atriz francesa Brigitte Bardot. Vestidos rodados e minissaias eram peças que proporcionavam ao visual um ar de “meninamoça”. Foi lançada a combinação bota+ saia curta. A modelagem das peças era bem geométrica, sem fluidez. Em compensação, o apelo erótico das roupas dos anos rebeldes estava nas peças que desnudavam o corpo, as calcinhas ganharam total mudança para se adaptarem as minissaias Saint-tropez, malhas justas passaram a ser usadas no lugar de meias finas, e os sutiãs usados eram os de modelos mais natural.

Os anos dos exageros e das revoluções

Curiosidades: Foi na década de 50 que surgiram as Pins-ups. Atrizes como Marilyn Monroe, Audrey Hepburn, Grace Kelly, Elizabeth Taylor, que serviam de inspiração para as mulheres comuns imitá-las. Os estilistas que já se destacavam naquela época eram: Christian Dior, Balenciaga, Givenchy e Coco Channel.

Curiosidades: Surgimento da primeira Top Model: Twigg, a representante da moda da época.

Foi uma das décadas mais rica em termos de cultura na história da moda. O estilo hippie prevalecia, com roupas largas, como batas e calças boca de sino, com tendência unissex. Para completar o visual, foram usadas as faixas coloridas de pano na cabeça e sapatos de salto plataforma. Homens e mulheres deixavam seus cabelos crescerem sem cortes definidos, assumindo seus cabelos “black power”. Os coletes de couro ou de jeans eram muito utilizados, assim como as franjas e as flores, que trouxeram para as passarelas da época um estilo romântico. Curiosidades: Com o psicodelismo proporcionado pelas músicas do Beatles, do Pink Floyd e do Yes que estavam na moda, as roupas ganham muitos desenhos e cores psicodélicas, deixando assim a moda muito mais colorida. 51


1980

1990

2000

Os anos da alegria, versatilidade e diversão

Os anos da influência das épocas anteriores

Os anos do novo século, dos novos talentos

A década de 80exibia facetas de sensualidade, de ousadia e de sofisticação das mulheres da época. Foi uma década marcada pela extravagância e pela ostentação. Paetês, cores, brilho, mais cores, mais brilho e mais brilho! A maquiagem, o esmalte, acessórios, tudo ficou fluorescente! Ombreiras, tomara que caia, decotes e a famosa sandália com meia e longos estampados, no maior tamanho possível. O jeans alcançou seu ápice, ganhando status e os shoppings tornaram-se o paraíso dos consumistas. Tecidos como o stretch proporcionavam um ar futurista às roupas, enquanto os cortes de cabelo eram assimétricos.

Foram lançados jeans coloridos, blusas segunda pele e a lingerie ficou em evidência, destacando a moda íntima, que passou a ficar à mostra. A década foi marcada por diversidade de estilos, como o grunge – impulsionado pelo rock –, que era despojado com suas calças largas e camisas xadrez.

O novo século começou com uma moda que recapitulou as décadas anteriores, como um mix de várias características de cada um. Dando fim ao ar feminino dos anos 50, a cintura marcada caiu em desuso. O colorido dos anos 60 foi adicionado sutilmente, junto à energia dos anos 70, e regado ao exagero da década de 80. Os clubbers viveram seu auge e houve um crescimento do movimento gótico, além do surgimento da moda adolescente dos emos. Botas plataforma, piercings e tatuagens se tornaram comuns e mulheres passaram a usar mais bonés. Junto com as famosas escovas progressivas.

Curiosidades: Também nesta época, surgiu a consciência de resguardar o meio ambiente e a preocupação ecológica foi enfatizada.

Curiosidades:

Curiosidades:

O resultado obtido com gel para cabelos, fazia a cabeça de homens e mulheres, em penteados marcados por fartos permanentes e altos topetes.

2000 são marcados pela busca do novo, a todo o momento são realizados concursos de moda, visando descobrir novos talentos. Surgiram as tops brasileiras Gisele Bündchen, Isabeli Fontana, Adriana Lima, Alessandra Ambrósio, entre outras.

52


Tendências femininas A palavra que vai definir a moda nessa estação é ousadia, então não tenha medo de arriscar... Denise Macedo

O

inverno vai querer que você chegue brilhando, e nada melhor do que muito dourado; afinal essa é a cor das stars, e para dar aquela pitada rocker e moderninha invista nas peças com spikes, paetês e muito brilho.

O militarismo volta com força total, abuse não só do camuflado, mas também de casacos com muitos botões de preferência os de tons escuros, uma dica é o bordo, união perfeita entre duas tendências. Outra dica é abusar das ombreiras (isso mesmo- ombreiras!) nesse estilo. O preto e branco nunca estiveram tão em alta como vão estar agora, e ganham um charme a mais em peças listradas. Se não gosta da combinação escola um look total black ( também chamado de all black).

Se você prefere as estampadas opte por estampas vintages (que remetem a coisas antigas), ou as botânicas (aquelas que rementem a folhas ou plantas). O couro chega com tudo, outro estilo que vem junto é Barroco (peças com pedrarias, rendas e outros frufrus), e a transparência continua. Agora em sapatos a última palavra são os Creepers (tênis plataforma com uma pegada meio masculina, elas vêm substituindo os sneakers que estiveram em alta em 2012). Também vale apostar nas Western Boots ( botas que nos lembram as dos filmes de faroeste) e nos Coturnos de couro com tachas de metal ou spikes.

As cruzes continuam e, não apenas nos acessórios, elas invadem também as roupas, roubando o espaço das caveirinhas. As peças de tricô vão estar em alta, principalmente as metalizadas ou de tons vermelhos, cor chave dessa temporada.

53


Tendências masculinas O homem em 2013 vem com um estilo aventureiro, confiante e sexy. Denise Macedo

É

acrescentada uma pegada street, junto com o estilo “gentleman” e “dandy”, ganha também muitas referencias no vestuário feminino, um exemplos são os casacos que podem aparecer com pelos na gola, ou simplesmente serem todo de pelos. Os doudounes(casacos acolchoados de náilon do mundo esportivo)prometem ser uma boa aposta para os mais ousados. Ainda mais se estiverem acompanhados de uma boa calça jeans com um coturno.

As calças se modificam e começam a ser usadas com a barra acima do tornozelo, o que dá um ar de descontraído e juvenil ao look, opte por usá-las com os acessórios corretos para que se obtenha o estilo desejado. Colete, eles estão de volta nas coleções de muitos estilistas. Os aficionados podem ficar contentes. Curtos, com mangas compridas, de malha ou de veludo, eles oferecem uma look uma pegada muito "dandy".

O pullover volta com tudo. Para quem nunca ouviu falar: pullover é aquele casaco de tricô que geralmente nosso avô tem no guarda-roupa, isso mesmo aquele com desenhos de recortes geométricos. Combine-o com uma calça no estilo motociclista e com uma bolsa-pasta de couro. Os casacos também se tornam acinturados e para os que não gostam de casacos restam os blusões que podem ser de couro, de lã ou de um material que mais lhe agrade.

54


Samu / Bombeiros Sempre disposto a nos salvar, estes tiram algumas dúvidas a população. Luan Rafael Guidotti

Idegal Zaniboni Filho Enfermeiro

O

Samu e o corpo de bombeiros são os responsáveis por cuidar principalmente da saúde da população, acionados em casos emergenciais estes, em Araras, tem um tempo médio de 10 minutos da chamada até a chegada do local.

O SAMU deve ser chamado quando á risco de mortes, quando o caso for mais leve deve ser chamado as ambulâncias comuns, os Bombeiros devem ser acionados quando há casos de incêndios e resgates de pessoas ou animais, mas mesmo que ainda haja essa confusão de quando deve ser acionado quem, ligue para um desses que o caso será indicado para o outro.

Luzimar José Silvério da Silva Sargento

Uma reclamação de ambos é o frequente caso dos trotes, estes além de causarem um prejuízo financeiro desnecessário, causa algo mais grave, pessoal que realmente necessitam de socorro ficam ao desamparo, por isso devemos amadurecer e acabar com essas brincadeiras que causam danos aos outros, qualquer dia pode ser você que está precisando de ajuda, mas alguém simplesmente quer fazer uma brincadeira, depois da morte não há volta, então faça sua parte, não faça aos outros o que não gostaria que fizesse á você.

55


a origem os cosméticos Você sabia que na idade média a igreja católica proibiu o uso de cosméticos? Denise Macedo

H

oje, peça fundamental no dia-a-dia das mulheres, os cosméticos estão cada vez mais aperfeiçoados e com variedades incríveis, atendendo a todos os tipos de pele e com ingredientes que não provocam alergia. Mas desde quando as mulheres se utilizam esses recursos? Muita gente não sabe, mas os primeiros registros da utilização de cosméticos datam do Egito antigo, em 3000 A.C. Já nessa época os egípcios pintavam os olhos para evitar a contemplação direta do deus Sol, usando cera de abelhas, mel e leite no preparo de cremes. Para deixar sua pele mais macia. Cleópatra tomava banho com leite de cabra. Agora, algo que não dá para acreditar é que durante a Idade Média os cosméticos desapareceram na Europa, pois a Igreja Católica proibiu o culto à beleza e o Parlamento Inglês condenou a prática, alegando ser bruxaria, ameaçando com prisão quem fizesse uso de tais produtos. O uso voltou na época das Cruzadas, quando o banho não era diário e os odores corporais eram disfarçados pelo uso de perfumes. Foi nessa época que a perfumaria se desenvolveu na cidade de Paris. A palavra cosmético vem do grego” kosmetikós”, que significa “o que serve para ornamentar”. Os cosméticos surgiram no Oriente na Antiguidade e se espalharam pelo resto do mundo. Usavam-se óleos, essências de rosa e de jasmim e tinturas para os cabelos. A alta sociedade de Roma tomava banhos com leite de jumenta para embelezar a pele. Na Idade Média, o açafrão servia para colorir os lábios; o negro da fuligem, para escurecer os cílios; a sálvia, para embranquecer os dentes; a clara de ovo e o vinagre, para aveludar a pele. Mas os cosméticos enfrentaram vários obstáculos ao longo da história. Uma lei grega do século II proibia que as mulheres escondessem sua verdadeira aparência com maquiagem antes do casamento. A legislação draconiana, adotada pelo Parlamento

britânico em 1770, permitia a anulação do casamento se a noiva estivesse de maquiagem, dentadura ou cabelo falso. Nos anos seguintes, no entanto, a maquiagem pesada tomou conta da Inglaterra e da França. Até que a febre passou após a Revolução Francesa. Só se admitia que pessoas mais velhas e artistas de teatro usassem. Em 1880, a maquiagem reconquistou as mulheres e nascia a moderna indústria de cosméticos. Os pós faciais, que surgiram em 4 000 a.C. na antiga Grécia, eram perigosos porque tinham uma grande quantidade de chumbo em sua composição e chegaram a causar várias mortes prematuras. O rouge era um pouco mais seguro. Embora fosse feito com amoras e algas marinhas, substâncias naturais, sua cor era extraída do cinabre (sulfeto de mercúrio), um mineral vermelho. O mesmo rouge era usado nos lábios, como batom, onde era mais facilmente ingerido e também causava envenenamento. O costume de pintar as unhas nasceu na China, no século III a.C. As cores do esmalte indicavam a classe social do indivíduo. Os primeiros eram feitos de goma arábica, clara de ovo, gelatina e cera de abelha. Os reis pintavam as unhas com as cores preta e vermelha, depois substituídas pelo dourado e pelo prateado. No Egito antigo, a tradição se repetiu. Finalmente, na Idade Contemporânea, no século XIX, as donasde-casa começaram a fabricar cosméticos em suas próprias residências utilizando ingredientes como leite, água de rosas, creme de pepino, limonada, etc. Já o primeiro laboratório cosmético e medicinal foi criado em Florença em 1508, mesmo ano em que foi inaugurado na França o primeiro instituto de beleza, Catalina Caligai.

56


A maquiagem das décadas Os anos passam mais as tendências e costumes ficam... Denise Macedo

A maquiagem nos anos 20 era composta por olhos bem marcados, geralmente com delineador ou lápis pretos, máscara para cílios e na boca batom vermelho, café ou vinho, isso por influência do cinema que era preto e branco. Para obter uma Make bem "Anos loucos”, você tem que focar toda a força nos olhos e na boca.

As sobrancelhas eram totalmente depiladas e redesenhadas com lápis, num traço fino, ousado e marcante. Sombras em pó que eram utilizadas em toda a pálpebra e, que exploravam todos as matizes, indo dos castanhos aos cinzas, e inclusive ao preto, que era utilizado para a noite. Os cílios cuidadosamente recurvados e cobertos por máscaras para cílios. Para evitar todo excesso considerado vulgar, a maquiagem da boca tornou-se mais discreta.

Olhos armados de guerra- A beleza, sinônimo de saúde, era considerada um dever nacional. Os efeitos da guerra abalaram o mundo e o mercado de cosméticos teve uma queda em função da falta de matériasprimas. Graxa para as botas serviam como máscara para cílios, o carvão, como sombra de pálpebras, a graxa para sapatos como tintura para as sobrancelhas e pétalas de rosa embebidas em álcool produziam um blush líquido da era vitoriana. Ao longo de todo o conflito, as estrelas usaram cabelos longos, um modo de exprimir feminilidade numa época em que muitos outros meios não eram mais acessíveis.

A sombra nas pálpebras começa a ser utilizada de forma modelada, o lápis de sobrancelha, a máscara para cílios e sobretudo o delineador. A importância da maquiagem dos olhos trouxe uma infinidade de criações e reformulações de produtos. A maquiagem realçava a palidez da pele e a intensidade dos lábios. Os pós-de-arroz e compacto estavam mais que presentes.

Olhos de Adolescentes (época de grandes mudanças)- Ultra-maquiados, transparecendo uma ousadia inocente. Na mesma época surgiram as minissaias e as mulheres começaram a deixar de lado o clássico e então "ultrapassado" visual fatal. A feminilidade transitava entre o comportado e o irreverente. As cores eram fortes, puras, verdadeiras: rosa-choque, dourado, verde, violeta e laranja. Os anos 60 marcam o início da cultura pop americana.

Olhos em busca da liberdade (a busca da cor)- A beleza toma um aspecto moral e psicológico. Não existem mulheres feias, há somente mulheres que ainda não se conhecem. Pela primeira vez na evolução da beleza, homens e mulheres podiam escolher sua aparência seguindo seu estilo de vida pessoal, e não somente as exigências da moda. A maquiagem e os cortes de cabelo se tornaram, mais que nunca, meios de expressão de escolhas. Cabelos livres, pele bronzeada e lábios brilhantes fizeram dos anos 70, uma década de beleza explosiva.

Olhos cheios de movimento (a década over)- Sob as luzes estroboscópicas, a juventude dourada e coberta de lantejoulas tinha os lábios muito vermelhos, os olhos pintados de azul-elétrico e as maças do rosto realçadas por blush cor de tijolo. Os códigos de beleza começavam a mudar de acordo com as estações do ano. A sombra passava do castanho ao violeta e era esfumada em arco-íris. Os cílios eram alongados com máscaras coloridas (verde relva e azul piscina) e a prova d'água. No topo dos anos 80, triunfava Madonna, que foi um marco da década em que era proibido "fraquejar". A beleza virou competição e as mulheres passaram a cuidar muito do corpo. Os músculos demonstravam que elas não seriam mais inti-

57


Maquiagem para homens Indícios mostram que homens já usavam maquiagem 3 Mil anos A.C Denise Macedo

O

s mais antigos indícios achados por arqueólogos datam do Egito Antigo, por volta de 3000 antes de Cristo. "Considerada uma arte pela civilização egípcia, a maquiagem se originou com o Kohl", afirma a físico-química Inês Joeques, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). O Kohl é um pigmento preto ainda hoje usado como sombra - isto é, para sublinhar o contorno dos olhos e escurecer cílios e sobrancelhas. Esse e outros antepassados da maquiagem também seriam desenvolvidos milênios mais tarde na Europa, tanto na Grécia como na Roma antigas, onde embelezavam não apenas as mulheres, mas igualmente os homens. Após a queda do Império Romano (no século V d.C.), porém, o uso desses produtos foi praticamente abandonado na maior parte do continente europeu e, durante toda a Idade Média, o pensamento religioso falou mais alto que a vaidade. A maquiagem só ressurgiria com força a partir do século XV, quando a Itália e a França se tornaram os principais fabricantes de produtos de beleza.Nessa época, o uso de maquiagem era privilégio de reis, cortesãos e aristocratas, que apreciavam principalmente o pó-de-arroz e pomadas coloridas que serviam para pintar os lábios. Somente no século XVIII é que tais artefatos começaram a se popularizar, mesmo não sendo bem aceitos em todos os países. Na Inglaterra, por exemplo, mulheres mais conservadoras evi tavam usá-los por considerá-los vulgares e associá-los a costumes pouco respeitáveis. Esse preconceito inglês - compartilhado também pelos americanos - só acabaria no início da década de 1920, que deu o impulso que faltava para a maquiagem se transformar em mania mundial.

58


Cupcakes de leite ninho Ingredientes - Massa - 100 ml de óleo - 200 ml de leite - 2 colheres ( sopa) manteiga na temperatura ambiente - 375 gr ( 1 1/2 xícara) de açúcar cristal - 600 gr ( 4 xícaras) farinha de trigo

- 4 ovos - essência de baunilha (ou do seu gosto) - 200grs de leite em pó - 1 colher (sopa) fermento em pó

Modo de fazer: Na batedeira coloque os ovos, o leite, o óleo, a manteiga, o leite em pó e a essência e bata até misturar bem. Depois, acrescente o açúcar e deixe bater até ficar uma mistura homogênea. Aos poucos, vá adicionando a farinha de trigo e o fermento. Tome cuidado para não deixar de misturar os ingredientes que ficam no fundo do bal da batedeira. Coloque a massa nas forminhas de papel próprias para cupcakes que podem ser colocadas nas formas de cupcakes ou nas formas de empada. Não encha as forminhas demais porque a massa irá crescer... Pode colocar até a metade da forminha. Coloque a massa para assar no fogo médio (180º) por média de 30 minutos. Fique atento, pois o tempo de assar varia de acordo com a capacidade do seu forno. Retire os cupcakes assados e deixe esfriar. Ingredientes - Recheio - 1 caixa ou lata de leite condensado - 1 caixa ou lata de creme de leite

- 200 grs de leite ninho - 1 vidro de leite de côco

Modo de fazer: Coloque numa tigela o leite ninho, o creme de leite, o leite condensado e o leite de côco. Mistures bem até ficar uma pasta homogênea. Este recheio não vai ao fogo. Se você quiser o recheio mais durinho, coloque menos leite condensado e creme de leite. Pegue os bolinhos frios e faça um corte no meio do cupcake, não muito profundo. Tome cuidado para não furar o fundo do bolinho. Coloque o recheio dentro do bolinho e reserve para fazer a cobertura. Ingredientes - Cobertura de ganache e leite ninho - 250 grs de leite em pó

- decoração

- 500grs de chocolate branco derretido Modo de fazer: Coloque numa tigela o leite ninho e o chocolate branco derretido e misture bem. Com uma colher, vai colocando a cobertura sobre os bolinhos, com cuidado para que não caia pelas laterais da forminha e depois coloque sua decoração. Após enfeitar os cupcakes, leve à geladeira por 30 minutos para que a cobertura fique bem consistente...

Rende 30 cupcakes grandes e 50 mini cupcakes.

59


Flores de pano Materiais -Arame galvanizando fino -Círculos de tecidos variados -Cola quente

Passo a Passo

1º passo– Em tecidos variados, recortar círculos conforme molde ao lado.

2º passo– Dobrar o circulo ao meio e colocar o arame com a cola quente.

3º passo– Dobrar novamente ao meio e passar cola quente.

4º passo– Fazer a última dobra e passar cola quente

60


A questão ambiental A questão ambiental e o papel dos jovens na conscientização popular.

O homem atual se encontra diante de um grande dilema de sobrevivência, pois ao mesmo tempo em que buscamos o desenvolvimento e a perpetuação da espécie humana através da modernidade, temos que estabelecer uma relação de equilíbrio e sustentabilidade com o meio ambiente, os recursos naturais e os outros seres vivos, para que em conjunto seja estabelecido a harmonia da vida e dos ambientes. E o caminho para se encontrar esta tal sustentabilidade que tanto buscamos é marcado por vários tipos de ações importantes, como a preservação e a recuperação de ambientes e a conscientização popular. Nos caminhos da conscientização popular podemos encontrar várias entidades como ONGs, escolas, associações e grupos de jovens que buscam, dentro de suas ideologias, difundir a ideia de que os seres humanos tem o papel de cuidar e proteger a natureza e os seres vivos e não de estragá-lo como vem acontecendo na maioria das vezes. Assim, como várias outras questões, colocamos o futuro ambiental de nossa atualidade nas mãos dos jovens, pois a juventude atual vem sendo marcada por vários movimentos de reconhecimento da diversidade política, cultural, econômica, social e racial, deixando marcado seu papel na construção de uma nova sociedade, que além de se mostrar mais atuante, tem traços de jovialidade, energia e muita responsabilidade pra mudar. Por isso, coloca-se que a participação dos jovens dentro dos processos de mudança que vem ocorrendo na atualidade seja um ato genuíno de reconhecimento ideológico e político de uma nação de cansou de ser considerada velha demais para buscar aquilo que se deseja. Geisy Gr. Magri Bortolucci Bióloga/ Educadora Ambiental

61


o papel do esporte O Esporte contribui na luta contra as drogas e doenças que afligem nossa população. Luiz Fernando Martins

É

quase que incalculável o benefício que o esporte proporciona à sociedade. A inclusão social e os inúmeros benefícios que as atividades físicas trazem à saúde humana são alguns itens que fazem com que o esporte tenha um importante papel perante a sociedade No momento em que a violência tornou-se banal na sociedade em geral, o esporte cumpre uma importante função de inclusão social. Ao tirar crianças e adolescentes das ruas, ele ajuda na prevenção e no combate às drogas e à violência, contribuindo para a promoção da segurança pública. O poder de transformação do esporte fez com que várias empresas o adotassem como forma de melhorar o desempenho e a saúde dos funcionários, pois foi cientificamente comprovado que as atividades físicas desenvolvem a autoestima e consequentemente o rendimento no trabalho. Além da inclusão social, o esporte proporciona inúmeros benefícios à saúde humana. Atuando na prevenção de doenças cardíacas, diabetes, obesidade e várias outras doenças, o esporte ganha espaço e interesse pela medicina. É essencial a sociedade estimular a prática do esporte na população. Comprovado o seu poder de transformação na luta por uma vida mais saudável e na inclusão social, ele deve ser adotado como forma de melhorar a convivência na sociedade e na promoção da paz social.

Os uniformes do esporte O papel na roupa no esporte ajuda muito no desenvolvimento do atleta, confira algumas dessas mudanças. Bruno Adão

A

ntigamente os uniformes eram bem menos confortáveis para o corpo independentemente do esporte, por exemplo, os uniformes de atletismo eram simplesmente camisa e shorts bem largos, ou o futebol que era short curto e camisa, fora o meião e a chuteira, ou na natação cujo uniforme era apenas uma sunga, ou no vôlei e basquete onde não tiveram muitas mudanças, apesar que o vôlei feminino era bem radical, pois elas jogavam apenas de biquíni para chamar a atenção da televisão, para que o vôlei feminino ganhasse mais publicidade. Os uniformes de hoje em dia são mais sofisticados para todos os esportes eles se ajustam ao corpo, dão facilidade ao movimento, por exemplo, o uniforme de natação é um shorts (colã) tecnológico parecido com pele de tubarão, ou no atletismo onde o atleta usa um macaquinho (colã), o do vôlei feminino que passou a ser shorts e uma camiseta além dos tênis. Esses uniformes foram os que mais mudaram, os que menos mudaram foram o de futebol que apenas shorts aumentaram de tamanho e a chuteira q aparecem novos estilos todos os meses, lembrando que todos os tecidos mudaram sendo antes algodão para tecidos tecnológicos.

62


Esporte para deficientes Esportes paraolímpicos ajudam na inclusão social de deficientes em nossa sociedade. Luiz Fernando Martins

O

s Esportes Paraolímpicos foram praticados pela primeira vez no ano de 1960, em Roma na Itália. Ainda em Roma foi realizada a I Paraolimpíada. Porém esta modalidade de esporte foi originada em Stoke Mandeville, na Inglaterra, com uma competição esportiva de deficientes físicos, cujo objetivo era reabilitar militares machucados durante a Segunda Guerra Mundial. A origem do termo Paraolímpico se refere aos termos Paraplegia e Olimpíada, que juntos formam a palavra. Entre as principais modalidades de Esportes Paraolímpicos, destacamos o Atletismo, com a participação de atletas com deficiência visual e física; com provas de arremesso, salto e lançamento, além de pista. Os atletas cegos são acompanhados de um guia e unidos por uma corda. O Basquetebol em Cadeira de Rodas, praticado por atletas com deficiência física e motora. Esta modalidade é regida pela Federação Internacional de Basquete (FIBA). O Futebol de 5 é disputado por atletas deficientes visuais, onde apenas o goleiro possui visão. A quadra é adaptada e a bola possui um barulho para orientar os jogadores. Há também o Futebol de 7, disputado por atletas com paralisia cerebral, em um campo de 55 por 77 metros. A modalidade Levantamento de Peso é praticada por atletas portadores de deficiência física. O Judô também é praticado por pessoas com deficiência visual. A Natação é disputada por atletas com deficiência visual e física. São competições de 50 a 400 metros, nos estilos: peito, livre, borboleta e costas. Há também as provas de revezamento (medley e livre). Outra modalidade de Esportes Paraolímpicos é o Tênis de Mesa, cuja competição é dividida entre os que competem em cadeiras de rodas e de pé, podendo ser praticado em dupla ou individual. Po-

dem participar atletas amputados, usuários de cadeira de rodas e com paralisia cerebral. Outra modalidade é o Tênis em Cadeira de Rodas, diferente do comum, nesta modalidade a bolinha pode pular duas vezes. O Voleibol Sentado é a modalidade praticada por atletas com deficiência, os quais jogam sentados no chão. A rede possui altura baixa e a quadra possui 10×6 m. Outros Esportes Paraolímpicos são: Ciclismo, praticado por deficientes físicos e visuais e pode utilizar bicicletas, tandem, handcycles ou triciclo. Hipismo também pode ser praticado por deficientes físicos e visuais. A modalidade do Remo estreou em 2008, é praticado por deficientes físicos com equipamentos adaptados. O Rugby em cadeira de Rodas é disputado por atletas com quadriplegia. Tiro com Arco é praticado por portadores de paralisia cerebral, amputados e paraplégicos. Triatlo é a mais nova modalidade, estreou em 2010, disputado por deficientes físicos em seis categorias diferentes e a Vela, disputada por atletas paraplégicos e portadores de deficiência cerebral. O Comitê Olímpico Internacional (IPC) reconhece vinte e oito esportes como federados. Sendo que a Organização Internacional de Esportes para Deficientes é responsável pela administração de seis modalidades, e os outros treze possuem federações próprias, como é o caso do Basquetebol em cadeira de Rodas, Canoagem, Ciclismo, Curling em cadeira de Rodas, Hipismo, Remo, Rugby em cadeiras de Rodas, Tênis em Cadeira de Rodas, Tiro com Arco, Triatlo, Vela e Voleibol Sentado. Através do esporte damos um motivo a mais para deficientes físicos sentirem se incluídos em nossa sociedade além de mostrar suas importâncias e que podem superar seus limites 63


do real para o virtual De acordo com o resultado de uma pesquisa realizada pela BBC, os games têm distanciado cada vez mais as crianças dos esportes e atividades físicas. Luiz Fernando Martins

A

pós entrevistarem 1500 crianças entre as idades de 6 e 15 anos, eles descobriram que 22% delas nunca correram uma distância de 400 metros, que 15% não sabem nadar e que uma em cada dez não sabe andar de bicicleta, sendo que um terço sequer possui uma. Em contrapartida, 77% dos entrevistados possuem um videogame, enquanto que 68% são donos de um celular. Outra demonstração do domínio dos games está no fato de que quase a metade dos pequenos não haviam andado em suas bicicletas na semana anterior a pesquisa, mas 73% afirmaram terem passado um tempinho com os jogos eletrônicos e apenas 15% praticaram algum esporte acompanhado de seus pais. Videogames são viciantes, todos sabem disso. Antes eles eram apenas um jogo de crianças, mas hoje em dia, a febre passou a outras gerações e faz vítimas desde crianças até avós. E também estão por toda parte – você pode encontrar videogames no seu telefone, no computador, na TV, no assento do avião, na Internet e, é claro, nos consoles de videogames. E, pela quantidade de dinheiro que movimenta os videogames não desaparecerão tão cedo. Somente em 2010, as vendas de videogames nos Estados Unidos totalizaram 23 bilhões de dólares – mais que a indústria de cinema e música juntos, as quais ganharam 10.6 e 6,9 bilhões, respectivamente. Pense um pouquinho nesses números. Sim, as empresas de videogames estão ganhando muito dinheiro. Mas o benefício que os usuários destes jogos ganham em troca, é difícil de achar.

Se você joga videogames, talvez diga, “É só um jogo. Só estou passando o tempo… Só relaxando.” Interessante que os viciados em drogas também dizem isso sobre o seu vício… Mas ao invés de descartar o que eu estou falando aqui, olhe para os efeitos que esse hábito tem causado na sua vida. Os efeitos não mentem.  Você passa horas jogando toda semana?  Os jogos lhe afastam de outras obrigações mais importantes como trabalhar, estudar ou passar tempo com a família? Você se tornou menos sociável com as pessoas que não gostam de jogos como você? Os efeitos não mentem. Talvez seja hora de você começar a usar mais o seu cérebro. Ou o que ainda sobra dele!

64


Express達o

65


66


mercado de trabalho Gustavo B. Grachet, Coordenador de Processos na DPA/Nestlé Araras dá dicas de como se dar bem no mercado de trabalho atual.

Quais pontos considera importante para crescer em uma empresa?

Qual o conselho dá aos jovens para crescerem na vida e no mercado de trabalho?

R: Na minha opinião uma pessoa que busca uma melhor colocação profissional deve possuir várias competências como por exemplo: INICIATIVA e DINAMISMO para resolver problemas que ninguém gosta de fazer; PROATIVIDADE e TRABALHO EM EQUIPE para ajudar seus companheiros de trabalho; COMUNICAÇÃO: saber se comunicar e saber ouvir as opiniões dos outros são importantes. ACEITAR MUDANÇAS: Os procedimentos e os equipamentos mudam e se modernizam e as pessoas devem acompanhar essa evolução, Lembre-se que sempre há uma maneira melhor de fazermos a mesma coisa.

R: Meus conselhos para os jovens de hoje são: ESTUDE mais, ESTUDE SEMPRE, Faça todos os cursos que puderem, estude INGLÊS ( Posso te garantir que VOCÊ VAI PRECISAR !!!) Estudar vai lhe trazer benefícios no futuro; Divirta-se quando puder; ESCUTE os conselhos de seus pais e avós, eles já passaram por várias coisas boas e ruins na vidas; Não ande com más companhias, elas não vão te levar a bom lugares e no futuro você vai se arrepender; PREPARECE AGORA, porque as oportunidades na nossa vida podem aparecer apenas 1 vez e se você não estiver preparado não vai agarrá-la.

Quais atitudes os futuros colaboradores devem ter para entrar numa empresa ? R: Quando vamos contratar alguém para trabalha na DPA/Nestlé, primeiramente gostamos de conhecer a pessoa, saber quem é, suas experiências profissionais anteriores e se nos lugares que ela trabalhou o que ela fez que realmente chamou atenção, mas o mais importante é realmente Por que ela quer trabalhar aqui? e como ela se imagina daqui há 5 anos, isto é quais são suas expectativas profissionais?

Abaixo segue um recados: “ Desde que me conheço por gente meu Pai me ensinou uma coisa que eu vou levar para o resto da minha vida, ele me dizia que “ Na vida existem 3 palavras mágicas que você sempre deve falar nos momentos necessários que são: POR FAVOR, COM LICENÇA e MUITO OBRIGADO.”

Quais atitudes não são toleradas e são motivos de dispensa? R: Dentro de um ambiente de empresa, ou seja onde trabalham muitas pessoas e uma depende da outra não toleramos Atrasos, Faltas sem justificativas, Desrespeito independente da Religião, Cor, Sexo etc.. Para você, como é ter que mandar alguém embora? R: Realmente não é fácil ter que demitir alguém, mas o processo de demissão não deve ser uma surpresa para ninguém muito menos para quem está sendo demito, todo mundo é passível de cometer erros, quando isso acontece chamamos esta pessoa para conversar e explicamos que este erro que ela cometeu não deve voltar a acontecer e que estamos contando e confiamos em seu trabalho.

Gustavo B. Grachet Coordenador de Processos

67


A evolução humana

Joaquim de Oliveira Neto 68


Livros e filmes Raízes do Brasil Autor: Holanda, Sérgio Buarque de; Holanda, Sérgio Buarque de Editora: Cia das Letras O livro pontua algumas das dificuldades de nossa vida social, política e afetiva, entre elas a incapacidade para separar o espaço público do privado.

O Ócio Criativo Autor: De Masi, Domenico; De Masi, Domenico Editora: Sextante / Gmt O livro elabora temas sobre a sociedade e o trabalho. Insatisfeito com o atual modelo social, ele propõe uma nova ordem baseado na simultaneidade entre trabalho, estudo e lazer. Francisco está tendo uma ótima postura, e sincera, que vem do coração. Não devemos julgar a sua personalidade, por crimes do passado da Igreja Católica, alguns muito revoltantes, mas ninguém no mundo deve ser responsabilizado por um ato que não é seu.

VISTA A MINHA PELE (Brasil, 2003). Direção: Joel Zito Araújo. 24 min. Vista Minha Pele é uma divertida paródia da realidade brasileira, para servir de material básico para discussão sobre racismo e preconceito em sala-de-aula. Nesta história invertida, os negros são a classe dominante e os brancos foram escravizados.

TEMPOS MODERNOS

(Modem Times, EUA, 1936). Direção:

Charles Chaplin. 88 min.

Retrata a época da Revolução Industrial que transformou o trabalho em emprego. Surgiram novos métodos de produção, que aumentavam a produtividade, causando desemprego, e a excessiva oferta de mão-de-obra causou redução dos salários, as jornadas eram extensas e as condições de trabalho eram perigosas.

69


Qual o maior problema social da atualidade? Preconceito 11,49%

Corrupcao 20,4%

Bullying 8,3%

Desigualdade Social 19,6%

Homofobia 3,97% Drogas 14% Prostituicao 1,44%

Pedofilia 6% Violencia 14,8% Ser Humano 100% 70


71


72

Século XXI - Tempos Modernos  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you