Page 1

p


OS 44 XIS

Pentecoste - 2013


Aqui está registrado o fruto de trabalho de quarenta e quatro estudantes do 2º Ano do Ensino Médio. Depois de muitas lutas e vários problemas, está pronta a prova de união desses alunos. Parabéns, Agroindústria


Este livro é dedicado a cada um dos 44 alunos da 1ª turma de Agroindústria da EEEP Alan Pinho Tabosa


ÍNDICE A triste despedia -------------- 7 Que tal conhecer antes de julgar? --------------- 9 Foi quase possível --------------------------------- 12 Coração de ouro ------------------------------------ 14 Sempre ao seu lado ---------------------------------- 17 O “pra sempre” existe ------------------------------ 21 O engano --------------------------------------------- 23 Quem espera sempre alcança ------------------------ 25 O vestido dos sonhos ---------------------------------- 44 A volta do almirante ----------------------------------- 47 Mostrando os presentes ----------------------------- 50 Juntos para sempre ----------------------------------- 52 O amor de ilusão ------------------------------------ 56 O sonho de ser jogador ----------------------------- 58 Alejandra e Juan Pablo : Um amor proibido -------- 59 E o que tinha que ser foi ----------------------------- 61 Amigos para sempre ----------------------------------- 63 Amigas ... Irmãs -------------------------------------- 64 O conto dos sonhos ------------------------------- 66 Amor eterno ---------------------------------- 69 Menina de ouro ----------------------------- 71 Força de vontade -------------------------- 73


Inesperado ----------------------------------------- 75 Timidez no amor ----------------------------------- 77 O preço da gratidão --------------------------------- 79 A nova professora ----------------------------------- 81 Recomeço ou morte ---------------------------------- 82 O nocaute inesquecível ------------------------------ 83 A pílula ------------------------------------------------ 84 A recompensa ----------------------------------------- 85 Amor bandido ----------------------------------------- 87 O primeiro beijo ------------------------------------------ 90 História de dragões ------------------------------------------ 94 Uma atitude por amor ---------------------------------- 95 O caçador ------------------------------------ 97 É! Estou realizada ------------------------------------ 99 Feitos pelo destino ------------------------------------- 104 A menina malvada que só pensava nela -------------- 107 A busca da felicidade ----------------------------------- 108 A madrasta malvada -------------------------------------- 110 Vida amante -------------------------------------- 112 Não faz mais sentido -------------------------- 113 Dois destinos em um só ---------------------------- 114 Conto do Luiz ------------------------------- 116 O moleque que queria ser piloto ---------------------------------- 117


A triste despedida

Alice Sales BARBOSA

A jovem Madalena está passando as férias na casa de sua tia Margarida e o Enzo é morador da cidade, eles se conhecem na praia da cidade e vivem um amor que encanta a todos. Madalena é uma menina linda que adora praias e Enzo é um sofista lindo e mais conhecido como o famoso “garanhão” da cidade. Madalena sempre gosta de ir para a praia e em uma dessas idas esbarra em Enzo e entre olhares encantados eles começam a conversar e marcar encontros. Em um dos encontros Enzo e Madalena conversam e ele a pede em namoro,e Madalena sem saber o que fazer disse que não podia aceitar,pois estava passando somente as férias na casa de sua tia. No dia seguinte na praia Enzo vai ao encontro de Madalena e ele fala que eles poderiam ficar juntos até que ela vá embora e que talvez o romance poderia continuar, pois ele era capaz de tudo para ficar com ela e disse que estava completamente apaixonado por ela,dizendo isso, Madalena fica mais ainda encantada e apaixonada por ele.


Os dias se passaram e o romance continuava lindo,até que um certo dia Madalena ver Enzo abraçando uma garota na praia, e quando Enzo vai a ver na casa da tia ela termina o relacionamento sem lhe dizer o motivo de ter acabado e o manda embora. Passa-se 5 dias e chega o dia de Madalena voltar para casa, então ela vai para o aeroporto com sua tia, e ao chegar ver Enzo com a mesma garota e comenta com a tia que foi aquela menina que ela viu abraçando Enzo, e infelizmente chega a hora dela entrar no avião e não dá tempo de sua tia lhe dizer que aquela menina era a irmã dele. Madalena então sobe no avião antes de sua dia lhe dizer a verdade,quando Madalena chega em casa e liga para a tia para avisar que havia chegado,Margarida lhe fala do engano que ela tinha tido e Madalena se põe a chorar e diz está arrasada e arrependida de ter acabado

o seu lindo

romance e ter ido embora sem dar explicações ao garoto que dizia está apaixonada.


Que tal conhecer antes de julgar?

Ana Caroline BARROS

Era início de ano quando ela, Elizabeth, chega a sua nova escola. Ela era baixa, gorda, tinha cabelos ruivos, poucos objetos, poucos amigos. Ali ela tinha um mundo só dela. Para tentar interagir com seus colegas, foi procurar informações, o primeiro a conhecer

foi Enzo, ficaram

colegas, ele também era mais um que não tinha amigos ali. Acabou que, descobriram que iriam ficar em turmas diferentes, ele na 8 e ela na 5, os horários para os lanches não batiam, nenhum momento eles iriam estar juntos. Se despidiram e foram cada um para suas salas, só voltaram a se ver no fim do dia. Elizabeth então, se dirigiu até sua sala, com um olhar curioso, mas com uma tristeza no seu coração, como se algo tivesse ido embora. Entrou na sala. Seus colegas já estavam se organizando. A aula estava prestes a começar. Ela sempre gostou de sentar na primeira carteira . Era tímida, mas teve que se apresentar para seus colegas de turma, logo na primeira aula. Encontrou garotas de perfis diferentes, mas que não souberam aceitá-la. Carla, era uma de suas colegas de sala. Alta, magra, cabelos lisos. Junto com ela tinha suas amigas, Beatrice e Lorena. Poucos da escola gostava dessas. Elas por saberem que Elizabeth não tinha uma estrutura de vida como a delas, faziam pouco da pobre colega. Zobavam dela, e ela tinha


muita vergonha. Ela sempre ficava calada, mas tinha medo da situação. Todos da turma viam mas nunca defendiam a menina ou falava que elas estavam erradas em serem assim. Foi então que Enzo, por não aguentar ficar distante de Elizabeth, pediu para o Coordenador trocá-lo de sala, vários problemas aconteceram, pois isso não era permitido na escola. Enzo era bem convicente e conseguiu ficar perto de sua melhor amiga. Ela ficou mais que feliz, não aguentava mais conviver com aquelas garotas, e ele estando ao seu lado seria diferente. Ela falou tudo que havia acontecido, ele não suportando a situação foi tomar satisfações. Queria saber o motivo pelo qual elas não gostam da sua doce menina. Mas eis a questão, ela era pobre. Com o passar dos dias, muitas vezes tudo piorava, outras melhorava, mas com a chegada de um novo professor, Pablo, tudo começou a quase se resolver. Era difícil de lídar contudo isso. Enzo ficava cada vez mais próximo de Elizabet. Pablo, se interessava cada vez mais pelo o assunto. Até que um dia ele resolve trabalhar em grupo. Sendo assim, ele pensa, colocarei elas juntas, e assim tentarei organizar o grupo, fazendo elas se conhecerem, saberem sobre a vida e os valores de cada. E assim ele fez. Foi uma dificuldade só para junta-lás. Elizabeth não tinha nada contra, queria encarar a situação, mesmo com medo do que poderia acontecer. Ele conversou, tentou até que conseguiu, foi difícil, mas deu certo. No grupo, elas não deram uma só palavra, e ele tentou ajudar, fazendo perguntas

sobre

suas

vidas.

Elas

começaram

a

se

interessar pela brilhante história de vida de Elizabeth. Carla, foi a primeira a se manifestar com o seu pedido de


desculpas, dizendo que estava muito arrependida, em seguida as outras. Enzo ficou muito feliz por tudo. Percebeu que um sentimento alÊm da amizade passou a existir. Com o passar dos dias eles deram o primeiro beijo, e depois começaram a namorar, e foram muito bem apoiados por seus colegas e ambos as famílias.


Foi quase possível

Ana Caroline Almeida LIMA

Em um pequeno vilarejo, morava Antônio. Antônio vivia só, sua mulher havia falecido sem deixar nenhum filho, e desde então ele começou a viver para seu trabalho e sem pensar em casar-se novamente, pois continuava

loucamente

apaixonado

pela

sua

falecida

esposa. Em um dia de folga, observando o movimento, Antônio avistou uma mulher branca, de cabelos negros e que lembrava muito sua esposa. Desde então, sua vida mudou completamente, pois ele não conseguia pensar em mais nada, além daquela bela mulher que ele havia avistado e que parecia muito com sua falecida esposa. A mulher que Antônio viu, o fez ficar alucinado, e novamente se apaixonar, chamava-se, Louise. Louise era casada, e sempre se dedicou ao casamento.

Antônio

passou a observa-lá, e Louise já estava percebendo isso, mais fingiu não se importar. O que ela não sabia era que Antônio estava loucamente apaixonado por ela e que ele estava disposto a tudo para ficar com ela. Em um certo dia Antônio pensou, e resolveu falar com Louise. - Olá Ela um pouco assustada responde:


- Oi! Antônio

muito

disposto

a

lhe

falar:

- Pensei muito antes de vim lhe falar, mas... Louise logo lhe impede de falar; - Espere! Não fale. –

Andei

percebendo,

e

as

pessoas

também

estão

comentando, todos sabem que sou casada. É melhor que se afaste, e esqueça esta conversa. Mas antes de sair, Antônio falou algo que á deixou bastante confusa. – Desde a morte de minha esposa, achei que seria impossível me apaixonar novamente, mas... Ela o interrompe novamente; - Não fale mais nada, está me deixando confusa. E sai pensativa. Duas semanas depois Louise procura Antônio, e fala que sempre foi uma mulher dedicada ao marido, mas depois de sua ultima conversa, seu casamento entrou em crise, e que estava pensando em uma futura separação. Antônio percebe que seu amor pode ser correspondido! Os dois acabam se beijando e se declarando um ao outro. Quando eles realmente se entregam, surge o marido de Louise, que ao vê-los se beijando, se sente traído e fica com uma tremenda revolta, e atira em Louise e Antônio.


Coração de Ouro

Ana Caroline Faustino SOUSA

Tinha uma menina adoravel que se chamava Doralice. Ela morava em um bosque na regiao de Minas Gerais. Dora era uma menina alegre, inteligente e muito curiosa! Ela adorava observar as plantas, os bichos, o mar, o ceu... enfim, muitas coisas a chamavam atençao. Dora, vivia em

um

mundo

encantado

onde

tinha

fantasmas, principes, princesas, bicho papao, lobos e fadas. Ela passava o dia criando historinhas de amor e aventura. Sua avo D. Cidalha amava ouvir as historinhas de sua neta querida. D. Cidalha era quem criava Doralice, porque os pais dela morreram em um acidente quando ela ainda era um bebe. O tempo foi passando, Dora cresceu e virou uma linda moçinha. Dora estudava na melhor escola de sua cidade, tinha ótimas amizades e era uma aluna muito dedicada. Dora por ser muito bonita, chamou atenção do menino mais lindo e rico da escola, Enzo. Os pais de Enzo eram donos de umas das agencias de modelos mais conhecidas no mundo, a The Look. Dora costumava visitar os pais de Enzo e em uma dessas visitas o pai de Enzo seu Frederico, convidou Dora para fazer um teste fotográfico. Ela passou nos testes e daí em diante começou a trabalhar como modelo para a The Look. Dorinha viajou a


Paris, Londres, Canadá, EUA... enfim, visitou varias partes da Europa e um pouco da America do Norte. D. Cidalha estava muito feliz com a carreira da sua neta e feliz por saber que ela já estava de casamento marcado com Enzo. Faltando

alguns

meses

para

o

casamento,

Dora

descobriu que estava grávida e ficou muito feliz. Enzo e Dora

foram

convidados

para

um

casamento

em

Florianópolis de uma das modelos amiga de Dora. Durante a viagem chovia muito e a pista estava muito derrapante. Quando eles estavam chegando a cidade, Enzo coligiu com uma carreta e o veiculo capotou de cima de um penhasco. A ambulância foi acionada rapidamente, mas Enzo por ter tido ferimentos muito graves não suportou e faleceu. Dora perdeu o neném e os médicos disseram a ela que ela nunca mais poderia ter filhos, pois sofreu fraturas no colo do útero e teve que retira-lo. Ela ficou muito triste com a noticia e entrou em depressão. Depois de 3 anos, Dora resolveu adotar um menino e colocou seu nome de Enzo, em homenagem ao seu falecido marido. Dora, abriu instituições que amparavam crianças carentes e que tinham sido abandonadas por seus pais . Quando Enzo completou 5 anos, Dora e sua avó viajaram para uma chácara que ficava situada no interior de Minas. Chegando lá, Dora levou Enzo para conhecer o parque da cidade. Doralice deixou Enzo brincando e saiu para comprar pipoca. Quando Dora voltou Enzo já não estava mais lá. Ela ficou desesperada e saiu perguntando a todos se tinham visto seu filho.


Depois de alguns minutos procurando Enzo, Dora o avistou conversando com um rapaz muito simpático e com boa aparência. Dora abraçou o filho e se sentiu aliviada por estar tudo bem. Ela agradeceu ao rapaz e convidou- lhe para um jantar na chácara onde ela passava alguns dias. Dora e Gusttavo começaram a se conhecer, ela descobriu que ele também era viúvo e tinha uma filha de 5 anos. Eles começaram a namorar e depois de alguns meses decidiram se casar e adotar outra criança. Dora e sua família permaneceram unidos e felizes para sempre.


Sempre ao seu lado

Ana Erika Martins FERNANDES

Em uma pequena cidade vivia um garoto que se chamava Marcos. Marcos era muito sozinho, a cidade era pequena e não

havia

muitas

pessoas

da

sua

idade.

Até que um dia Marcos olhando pela janela viu um caminhão de mudanças, com pessoas novas, que iriam morar na casa vizinha. Marcos observava atentamente as pessoas que lá chegavam, quando viu uma menina de cabelos escuros e olhos negros que brilhavam.

Marcos

ficou á olhando por alguns segundos e sentiu uma mão a tocar seu ombro, era sua mãe que disse: - Vamos dar as boas vindas aos novos vizinhos, queremos que se sintam em com nossa família. Ele arrumou-se, e foi. Ao chegar, não conseguia tirar os olhos da garota. Tomou coragem e foi falar com ela, perguntou seu nome, e ela simplesmente não respondeu. Passaram-se alguns dias e a garota nem olhava para Marcos, isso o deixava cada

vez

mais

apaixonado.

Ele procurou saber do que a garota gostava, ficava o dia todo observando o que ela fazia, e notou que ela gostava de ler, e ficava a maioria do tempo sozinha. Um dia ela estava no jardim de sua casa e ele resolveu se aproximar e perguntar novamente seu nome. Então ele falou:


- Oi -

Sem

olhar

para

Marcos,

ela

respondeu:

- Oi. - Posso saber seu nome? Envergonhada,

responde:

- Ronie. - Marcos Marcos não conseguia parar de olhar para Ronie, ela ficava mexendo nas flores enquanto Marcos formulava outra pergunta. – Onde você morava? - Não quero falar a respeito. Os dois permaneceram em silencio por alguns segundos, foi

tempo

suficiente

para

que

Ronie

acidentalmente

machucasse seu dedo em um dos espinhos da flor que mexia. Marcos rapidamente aproximou-se para ajudá-la, mas ela se desesperou, recusando sua ajuda, e pedindo que ele se afastasse. Ele a perguntou, porque ela estava agindo desse modo. Ela respondeu: - Você não entenderia Ele falou: - Mas posso tentar? - É uma longa história. - Eu tenho todo tempo do mundo.


Os dois sentaram, e começaram a conversar. - Aos nove anos descobri que sou filha adotiva, e pior ainda, sofro com uma doença muito grave. Com uma expressão confusa, ele perguntou: - Mas que doença? Ela responde: - Tudo bem, eu sei que é difícil pra você falar sobre isso. Ronie ficou satisfeita por Marcos entender seu lado, e logo começaram a conversar outros assuntos. Todos os dias eles conversavam e riam juntos. Quando Ronie se deu conta, estava gostando de Marcos.

Em um dia

nublado os dois conversando, quando o silencio novamente tomo

de

conta

do

momento.

Marcos

aproximava-se

delicadamente de Ronie, a beijando, e ela correspondeu. Depois de muitos dias juntos e felizes, caminhando pela rua, Ronie desmaia e Marcos a segura em seus braços, e se desespera a procura de ajuda, e liga para sua mãe e a levam ao hospital. Marcos no corredor do hospital aguardava noticias de Ronie, até que os médicos chegaram com noticias. Marcos pergunta desesperado: - Como ela está? O médico com uma expressão fria, respondeu: - Nada bem! A doença já se agravou muito, e ela não tem muito tempo.


– Ela é a aidética. Marcos sente um frio na barriga, e vaio em sua mente todos

os

momentos

vividos

com

Ronie...

Querendo

desesperadamente não acreditar no que ouvia, e pede para vê-la, e o médico o autoriza. Ao chegar no quarto, Ronie o vê chegar e ele pergunta: - Porque não me contou? - O que você sabe sobre isso? - Sei que temos pouco tempo juntos, e vou estar com você até o fim. Ela pede pra ele esquecê-la, e diz que ele não precisa passar por aquilo. Então

ele

diz:

- Pare com isso, eu preciso de você mais do que você precisa de mim. – Quero estar sempre ao seu lado! Ronie se convence e ele a beija. Passando-se quase duas semanas, Ronie falece e Marcos no velório não tira suas lembranças da cabeça.


O “para sempre” existe

Vitória SOUSA Sophia e Pedro eram amigos desde pequenos e conforme eles cresciam um novo sentimento também surgia. Então aos doze anos Pedro pediu Sophia em namoro e ela aceitou.

Passaram-se

seis

anos

de

namoro

e

eles

continuavam se amando e esse amor parecia ser para sempre. Foi no inicio do verão que aconteceu algo que mudaria toda aquela realidade. –Sophia, tenho que me alistar no exercito e vou passar dois anos fora -Vou com você. Disse ela. -Não pode amor. Então, nesse momento ela começa a chorar e eles decidem fazer uma promessa. -Pedro, eu prometo te esperar esses dois anos. Disse Sophia. -Eu prometo pensar em ti, Sophia, só amar e querer você mesmo de longe. Respondeu ele. Dois anos se passaram e muita coisa mudou. Pedro voltou e vou atrás de Sophia, mas, teve uma grande surpresa ela estava casada. -Porque Sophia? Lembra-se da promessa? - Lembro, mas, cansei de esperar e as coisas mudam.


-As pessoas tem mania de não cumprir o que dizem. Ele falou e no mesmo instante uma lagrima escorreu. Ele não foi mais atrás. Passou-se quatro meses que ele tinha voltado e Sophia só depois desse tempo foi que percebeu que ela amava mesmo o Pedro e era com ele que ela tinha que ta. Ela procurou por ele e declarou todo o seu amor então, eles se casaram e tiverem dois filhos a Geovanna e o Gustavo. E passaram o resto de suas vidas felizes.


O Engano

Annelise Freitas LIMA

Numa bela cidade morava Seu José com suas duas filhas: Aline e Clarisse que só estudava, já Aline era casada e tinha uma filha Alana. A vida deles era pacata, pois onde moravam tinha gado, galinhas, rio e muitas árvores. Seu pai passava a maior parte do tempo trabalhando no campo,

mas

quando

chegava

à

noite

todos

se

encontravam. Um dia, Aline resolveu levar sua irmã ao hospital que trabalhava no banco de sangue, onde Clarisse aproveitou e fez hemograma e sem querer trocou os recipientes. Um mês depois chegaram os resultados dos exames. Clarisse estava com HIV. Aline ficou pasma, mas resolveu não contar nada pra ninguém. Cuidava de sua irmã e chorava às

escondidas.

Dias difíceis aquela senhora passou quando recebeu a notícia que o seu vizinho Léo tinha morrido de AIDS. Ficou surpresa pela morte repentina e verificou nos cadastros que ele havia feito os exames no mesmo dia de Clarisse. Resolveu, então, pedir a sua irmã que fizesse novamente os

exames

para

controle.

E a grande notícia já esperada, se concretizou: Clarisse estava, perfeitamente, com a saúde em dia e que os exames tinham sido trocados. Aline contou o acontecido


para todos e agradeceu a Deus pela famĂ­lia maravilhosa a qual

foi

presenteada.


QUEM ESPERA, SEMPRE ALCANÇA

Litelton FIRMIANO - Pai, vamos logo! – grita o garoto de seis anos ansioso pela viagem. Aquela família se preparava para ir à Copacabana, se deliciar naquelas praias belas. O garoto não aguentava mais a demora e foi chamar outra vez o pai. – Por que estamos demorando? A mamãe já está no carro. - Calma filho! – disse o pai orgulhoso. – Já estou terminando de arrumar as coisas para irmos à praia. Naquele momento, o garoto correu para o carro e ao chegar disse à mãe: - O papai disse que já vamos. - Que bom, filho! – A mulher olha para os lados como se estivesse procurando alguma coisa e logo após sente um apertar no seu peito e tem a sensação de que algo vai acontecer. Preocupada, ela sai do carro e vai ao encontro do marido. - O que houve? – pergunta o homem. - Nada, Sérgio. Apenas me deu um sentimento de aflição. - Como assim, Rosana? - Não sei! Apenas me deu esse sentimento estranho e não quero mais fazer a viagem. - Mas e o nosso filho. O que vamos dizer para o garoto?


Rosana se vira e vê o menino brincando com alguns bonecos e fazendo movimentos com os braços imitando uma onda. - Coitado. – fala a mulher com uma pequena sensação de culpa, pensando no que iria dizer para o seu filho Gustavo, caso a viagem não acontecesse. - Então? - pergunta Sérgio. - Vamos fazer a viagem. - fala Rosana decidida. - Mas a sua “intuição”? - Deve ter sido apenas uma vertigem e pronto. - Você tem certeza? E se... - Chega! Não quero mais decepcionar meu filho. - Certo! Sérgio pega a mala e saem. Rosana se vira e vê o Morro da Urca se erguendo por detrás de sua casa e sente novamente a mesma sensação de alguns minutos e se preocupa e deixa derramar uma lágrima. - Vamos papai! – grita o pequeno Gustavo, alegre como nunca, era a sua primeira vez a ir numa praia. Rosana entra no carro e Sérgio começa a dirigir. Mal sabiam eles que naquele mesmo dia algo de ruim iria acontecer com a família. Gustavo passou todo o percurso da sua casa à praia cantando uma música infantil:


O macaco foi brincar no bosque Pulando de galho em galho Mas começou a chover forte E macaco ficou molhado

Rosana começou a rir da música e da forma que o filho a cantava. Depois de certo tempo de corrida, a família chega à praia e Gustavo corre para o mar. - Não filho – grita a mãe – não vá para a água agora! – Rosana havia sentido o mesmo aperto no coração quando viu o filho correndo para o mar. Já Gustavo, ficou mais ansioso para tomar banho de mar. - Você é uma mãe coruja – comenta Sérgio. - Tenho zelo pelo meu filho. Sabe, Sérgio, eu tive aquela mesma sensação de “coisa ruim”. - Rosana, tenha calma! - Não sei se posso ter calma. Essa sensação me persegue desde hoje de manhã. Acho que algo de ruim vai acontecer. - Como o quê? - Se eu soubesse... Mas vamos para de pensar coisas ruins e vamos logo para a praia pois Gustavo está ansioso demais. - E não queremos matar nosso filho de ansiedade, não é?


- Morte... – Rosana penou na palavra e sentiu um calafrio – Não! A família se dirige para praia, armam sua barraca e Sérgio leva o filho para a água. Rosana fica lendo um livro enquanto o marido e o filho se divertiam na água. Ela estava concentrada na sua leitura quando alguém pousa a mão no seu ombro e leva um susto deixando o livro cair na areia. Rosana se vira e vê uma moça de vinte e poucos anos, usando um vestido longo, morena, pele escura e belos dentes – pois estava sorrindo. Parecia uma cigana. - O que você quer? – pergunta Rosana à moça. - Por que está tão aflita? Todo mundo morre um dia – responde a moça. - Por que você está dizendo isso? – Rosana já estava quase chorando. - Não se preocupe. Nem todos vão morrer – a moça segura o braço da mulher com força. - Você está me apertando. – diz Rosana chorando. - Hoje a gente vai se encontrar no cemitério. A moça parecida com uma cigana continua seu caminho e deixa Rosana chorando. Sérgio tinha visto toda a cena e correu para a mulher. - O que aquela cigana queria? - pergunta o marido. - Nem sei se ela era cigana! - responde Rosana – cadê Gustavo?


- Ele está fazendo castelos de areia. Corri para cá quando vi aquela mulher apertando o seu braço e você chorando. - Eu não quero morrer! - Como assim? - Aquela mulher disse que a gente vai se encontrar hoje no cemitério. - Ela deve ser uma maluca! Calma. - Ela disse que nem todos vão morrer. - Você não pode acreditar em tudo o que é dito por aí. Na maioria das vezes é tudo mentira. - Como você disse “na maioria das vezes”, e o resto? A pergunta ficou no ar por algum tempo, até Sérgio quebrar o silêncio: - Você está apenas perturbada por causa daquelas sensações. - Vamos embora. - Espere passar mais um tempinho, aí a gente vai. Não quero tirar a alegria do Gustavo. - Eu espero. Sérgio vai brincar com o filho, e Rosana fica olhando, preocupada. Meia hora depois, a família já se arrumava para ir embora e o filho do casal ficava perguntando a causa deles já estarem saindo. Sérgio respondia que o sol estava muito quente. Rosana ria da situação: eram nove da manhã. Mas


ao mesmo tempo se sentia feliz, pois ia embora. O que os pais não perceberam era que o menino estava com o sinto destravado. Os carros da pista passavam em alta velocidade, o que deixava Rosana terrivelmente assustada. Ao olhar para a janela, ela vê o rosto daquela “cigana” da praia sendo refletido no vidro do carro. Aquele rosto sombrio e de feições irônicas parecia segui-la para aonde fosse. Rosana foi tomada por uma vontade de gritar, mas conteu-se ao lembrar do filho de apenas seis anos. Que inocência! Sérgio

começara

a

ir

um

pouco

mais

rápido.

A

preocupação com a esposa era enorme e, para chegar mais cedo em casa, ele aumentara a velocidade. Sérgio fizera isso para ajudar, mas as consequências foram desastrosas: ao fazer a curva, o carro da família bate em outro, que também viera em alta velocidade. Quando colidiu, o carro de Sérgio foi tomado por um forte impulso que o jogou por cima do outro. Como tudo o que sobe tem que descer, o veículo cai, virando em torno de si mesmo três vezes, deixando – o no meio da estrada. Mas o sofrimento ainda não terminara, um ônibus bate no carro e capota por cima deles. Para finalizar, um caminhão esbarra sobre eles, jogando – os (ainda presos ao carro) para fora da estrada.Sérgio sai do carro e olha a rodovia. Vê pessoas chorando, mas se emociona ao ver o filho jogado na estrada, morto. Ao olhar para trás, ele chama por sua mulher. Ela não teve tempo de responder, pois o carro explodiu na mesma hora!


No momento do acidente, um policial fazia ronda naquela estrada e vê o acidente e corre para ajudar o pobre homem que gritava por sua mulher que ardia em chamas dentro do carro. O policial chega ao homem e fala: - Calma, meu amigo. - Minha mulher está naquele carro! – diz Sérgio apontando para o carro em chamas. O policial olha e constata que a mulher não teve chance nenhuma de se salvar. - Calma! – fala o policial. – Eu vou ver se está tudo bem. Ele sabia que não, mas foi. Ao se aproximar do carro em chamas, o policial sentiu o calor que ele juraria ser o fogo do inferno. Quando chegou o mais próximo possível da porta, ele vê uma mulher ardendo no fogo e sente um pouco de pena. O policial tenta se aproximar mais um pouco e a mulher avança contra ele, mas sem sair do carro. A cena foi apavorante: uma mulher pegando fogo, presa ao cinto de segurança de um carro, tenta sair, mas não consegue sair, pois estava presa. Então ela olha o guarda e seus começam a implorar por socorro, mas ele não podia fazer nada. O rosto dela fica contorcido, por causa do fogo e do desespero de sair dali. Então ela para de se mexer. Rosana estava morta. Depois dessa cena, que duraram eternos cinco segundos, o policial pensa: “ela morreu por está presa à um cinto de segurança” ! o policial sai de perto do carro e vai em direção ao homem que segurava seu filho morto nos braços. - Minha vida acabou! Acabou. – diz Sérgio chorando e deixando uma lágrima cair sobre seu filho.


- Vamos à delegacia agora. É o melhor que podemos fazer agora – fala o policial com uma calma de anjo. - Não. Quero ficar com meu filho e minha mulher. - Não há nada que podemos fazer por ela, entenda! - Você nem tentou. - Não diga isso!- o policial começava a se irritar. - Não tentou – Sérgio chorava com o um louco. Para amenizar a situação, o policial vai a sua viatura e chama reforços que, em dentro de trinta minutos, já estavam a postos. Passadas uma hora e meia do acidente, a situação já se acalmara e o acidente virara capas de jornais em todo o país. - Só quem sabe do meu sofrimento sou eu! – fala Sérgio, desligando a televisão e olhando a foto dele com a mulher e o filho em uma mesa de centro na sala. Já passara uma semana do acidente trágico, mas Sérgio ainda sofria, sentia um vazio em seu coração, que o consumia cada vez mais. Eram sete horas da noite quando o viúvo saiu para tomar um pouco de ar. A rua estava vazia, de uma forma assustadora. “Droga” pensou “Mas é melhor ficar tudo assim: vazio como o meu coração.” Aqueles pensamentos mexeram com ele. E assim, continuou andando rodeado de fantasmas do acidente. Andou muito, por uma hora, até encontrar uma pessoa que gostaria de não encontrar: a mulher da praia que parecia uma cigana. - O que você faz aqui? – pergunta Sérgio


- Nada, andarilho. Estou apenas curtindo a paisagem. É proibido? – ele fumava um cigarro e jogou uma baforada no rosto de Sérgio. - Não, claro que não. É que pensei que estivesse perseguindo a milha família. - Qual? Aquela que morreu no acidente? – um tom de ironia tremendo saiu daquela boca. - Cigana maldita – gritou Sérgio, possesso. - Não sou cigana. Não julgue alguém pelas roupas que usa! Apenas me visto assim. – a fala daquela mulher transmitia ironia. - E o quê você faz aqui? - Vim falar com você. - Como assim? - Eu posso trazer sua família de volta. Sérgio sentiu uma alegria tomar conta de seu peito, mas rapidamente falou: - Por que diz isso? - Porque quero te ajudar. - Você está me enganando! - Não. - Mentira. - Não perco o meu tempo falando com pessoas que me chama de mentirosa. Você acha que se fosse mentira estaria aqui falando com você?


- Você tem razão. - É claro que tenho razão. - E o que eu faço para conseguir a minha família de volta? - Para trazer os “tostadinhos” para cá basta apenas duas coisas. -Fala! Mas não os trate assim! - Agora está apressado – fala a mulher com um tom ironia mais forte do que era acostumada a fazer. - Você é uma mentirosa! Se não é cigana, é o que? Fazendo esses feitiços... - Isso mesmo: feiticeira. Sou uma feiticeira! - Tá certo! – o homem começou a mudar seu tom de voz para uma serenidade até um pouco incomoda – O que eu devo fazer para trazer minha querida família de volta? Por favor, feiticeira, me ajude. -É simples, e não me chame de feiticeira! - Chega! Você é apenas uma enganadora qualquer. Não faz feitiço nem para espantar mosquito. - Duvida? - Duvido! - Pois aceite fazer o feitiço e verá qual enganadora você está vendo. - O que eu devo fazer? - Como eu disse: trazer dois ingredientes, pois o resto eu tenho em casa.


- E quais são esses ingredientes? - Traga daqui a três dias uma coisa íntima de cada um, se possível, DNA, pois assim faria um efeito melhor no meu feitiço. - E a segunda coisa? - Você não me deixa falar. - Pois fale! Não enrole. -Cala a boca, então! - Continua! - Continuando... A segunda coisa é trazer esse frasco disse tirando do bolso um frasco minúsculo, um frasco de amostra de perfume – cheio de sangue de uma virgem que acabara de morrer. -

Mas

não

conheço

nenhuma

virgem,

nem

mesmo

semimorta. - Mate uma. - Não sou um assassino. - Para conseguir trazer dois mortos, você poderia ao menos provocar uma. - Já falei que não posso matar ninguém! – Sérgio já estava nervoso com a feiticeira, novamente. - Você já provocou duas... Mais uma não ia fazer diferença. - Cala a boca, maldita! – o viúvo viu a morte da sua família novamente, o carro batendo noutro, a capotagem,


o caminhão, a explosão. O seu flashback foi o mesmo que ter assistido a um filme de terror, que vinha sendo repetido por toda aquela semana. - E aí, vai trazer o que lhe peço? Sérgio pensou por mais um curto e respondeu: Sim A feiticeira abriu um largo sorriso e lhe entregou o frasco. - Daqui há três dias, nesse mesmo lugar às dez da noite – falou a feiticeira. - Está bem! – respondeu o homem baixando a cabeça. Ao chagar em casa, mesmo ainda sendo oito e meia, Sérgio caiu em um sono profundo, e só acordou ás dez e quarenta do outro dia. Então, ele pensou se o que tinha ocorrido era um sonho ou se tinha realmente acontecido o encontro macabro com a feiticeira. Para a sua sorte ou azar,

realmente

tinha

ocorrido

o

tal

encontro.

Ele

encontrou o frasco ao lado da cama. Então ele tomou banho, escovou os dentes e vestiu uma roupa para ir atrás da virgem semimorta. Em toda a cidade ele não encontrou nenhuma mulher morta recentemente, nem achou uma que provavelmente era virgem. Sérgio começou a pensar em como encontrar uma mulher virgem em tão pouco tempo, mas como era insistente, foi atrás. Ele deu uma volta por alguns distritos fora de sua cidade, mas se deparou com o mesmo resultado. Então voltou para sua cidade e resolveu andar um pouco. Precisava respirar.


O problema era o seguinte: ele precisa matar uma mulher virgem, ou encontrar uma virgem semimorta. A cada passo que dava parecia que tinha piorado o resultado. “Droga.” Pensava ele. Sérgio andava um pouco pelas redondezas e se deparou com um lindo prédio, Rio de Janeiro tinha sim uma bela paisagem. O prédio era um convento de freiras de todas as idades. - É isso! – exclamou baixinho – num convento eu posso conseguir essa virgem. Decidido, ele anda até entrar no prédio e se deparar com uma velha freira, já de idade muito avançada e os seus cabelos brancos acusavam sua velhice. - O que quer filho? – falou a freira de bom coração. - Vim fazer uma visita – falou o viúvo e logo pensou: “e matar uma dessas freiras” - Que bom. Venha por aqui – a freira entrou com Sérgio e fechou a porta. Sérgio mexia o seu frasco que estava dentro do bolso. – Irmã Catarina! – chamou a velha freira à uma mais nova. – Mostre o nosso convento para esse rapaz que veio nos visitar. - Certo! - respondeu a Irmã Catarina. “Você será minha vítima. Preciso da minha mulher e meu filho perto de mim. São as únicas coisas quem tenho. E você? Não é nada.” pensou o viúvo com um pouco de ódio no coração.


Os dois passaram por um belo jardim florido, que, naquele momento, estava cheio de freiras. Mas Sérgio só pensava em um jeito de matar Irmã Catarina. A viagem continuava, eles passaram por quartos e saguões, e a freira falava a história de cada cômodo. E Sérgio só pensando no momento certo da matá-la, ele tinha que matar se quisesse sua família de volta, era um sacrifício, mas o desejo de ter o calor de sua mulher e as risadas de seu filho ecoando pela casa era preciso sujar suas mãos de sangue, mesmo sendo com o sangue de um inocente, o sangue de uma pessoa santa, o sangue de uma freira. - Você está cansado? – perguntou a freira. - Não – uma idéia passou pela cabeça de Sérgio – pra falar a verdade eu estou com um pouco de sede. Vocês não têm algum lugar para eu beber água? - Temos, é por aqui. Me acompanhe! - Claro! – claro que tinha que acompanha-la, precisava matar aquela mulher. Os dois chegaram a uma porta que tinha caracteres antigos. - Aqui é uma sala especial, pois os visitantes bebem água lá fora, mas o bebedouro está quebrado e, desde então, os visitantes bebem água aqui. – falou a freira. - Se tem água, eu bebo. A freira riu daquela piada. Sérgio estava comemorando, ficaria melhor de matar a Irmã Catarina ali, longe de todo o mundo, sem nenhuma testemunha. No outro plano, ele


chamaria a freira para um lugar mais reservado e cortava – lhe a garganta e tirava o sangue. Mas o mundo parecia conspirar ao seu favor, seria mais fácil, muito mais fácil. Os dois entraram na sala e a pobre freira já pegara o copo e começava a pegar a água. Sérgio pegou o cabo da faca e avançava contra a freira, aos poucos. Ele estava quase encostado na freira, e a faca já estava em punho, e a freira já ia se virar, mas deixa o copo cair, ela grita e põe a mão no coração e cai. Assustado, Sérgio guarda a faca e se senta junto ao corpo da freira, mas percebe que foi só um desmaio e pensa: “é a minha chance”, então, o viúvo pega a faca novamente e pensa: “minha esposa e meu filho, isso é por vocês”, nenhum pensamento de ética e moral passou pela cabeça de Sérgio naquela hora, era matar ou deixar sua família “morrer’’. Ele cria coragem e avança a faca contra a Irmã Catarina quando a porta se abre num solavanco e entra umas cinco freiras. Sérgio guarda a faca sem elas perceberem. - Ela ia me dar um pouco de água quando ela deu o grito e caiu – explica Sérgio virado para as freiras – já verifiquei. Ela só desmaiou. - Ela tem problemas no coração – falou a mesma freira que tinha o recebido mais cedo – vou chamar um médico! – a freira sai do quarto deixando Sérgio e as freiras. “Droga” pensou ele “era a minha chance de matar”. Sérgio decide ir embora do convento e na saída encontrou a mesma freira. - Desculpe pelo acontecido – falou a velha. - Não precisa se desculpar.


- Você bebeu sua água? Sérgio já ia dizer que sim, mas falou que não. Ele se despediu da velha freira e disse que o convento era lindo e sai. Assim que ele sai do convento, ele vê uma menininha de cerca de onze anos de idade andando com sua mãe. O celular da mãe da criança toca e ela atende, mas a menininha continua andando pela rua. Nem a criança, nem a mãe e nem Sérgio viram o caminhão de entrega de cerveja que se aproximava rapidamente. A criança para e finalmente vê o caminhão, mas já era tarde: o caminhão atropela a menina com toda a velocidade e passa direto – o motorista nem percebeu – deixando a menina morta na rua. A mãe se desespera deixando o celular caído e vai em direção da menina que estava ensanguentada. A mãe sai de perto e corre pedindo ajuda. Sérgio aproveita e se aproxima da menina e retira o frasco do bolso e, sem ninguém ver, enche – o de sangue e guarda no bolso. Depois agiu normalmente, como se estivesse com pena – e estava, mas também estava alegre, pois conseguiu o sangue de uma virgem. Ele chegou em casa, se deitou e dormiu até o dia seguinte. Ao acordar, pensara em quanto ia demorar para chegar a noite seguinte. A noite que sua mulher voltaria com seu filho. O dia passou como uma grande pedra passando por um ralo: devagar, mas a noite do dia seguinte chegou. Eram nova horas da noite, e estava impaciente, faltava uma hora ainda. Mas ele correu para o local. A noite parecia não passar. Mas ele esperava. Então ele olhe para o relógio: nove e trinta e cinco. Mas ia esperar até o final. Nove e quarenta e cinco. A impaciência era grande. Nove e


cinqüenta. Naquela hora ele teve vontade de arrancar os cabelos. O relógio sinalizou dez horas. Chegara a hora. A feiticeira chegou por detrás dele, dando – lhe um susto. - Aqui está o sangue e os objetos íntimos – disse o homem desesperado. - Ótimo. Agora amanhã você vem aqui e terá sua mulher e seu filho de volta. - Ainda vou ter que esperar até amanhã? - Como dizia minha avó: “quem espera sempre alcança”! - Eu esperei até agora, esperarei mais. Hoje faz dez dias que eles morreram. - Amanhã fará onze. - Como? - Só venha a essa hora: dez horas. - Está certo. - Tchau. - Tchau, feiticeira. Sérgio ia esperar mais vinte e quatro horas. Ele chegou em casa e dormiu e sonhou com fantasmas querendo pegá –lo. Ele acordou três vezes durante a noite. Pela manhã, Sérgio já estava impaciente: não falava com ninguém, pensava na família, em assassinatos e outras coisas terríveis como acidentes, mortes, defuntos... Já eram sete horas da noite quando ele começou um jantar para sua família que ia chegar. A mesa estava


arrumada, os pratos estavam na mesa, tinha sucos, refrigerantes e vinhos. Ele tinha preparado um frango assado e feito arroz e feijão. Para a sobremesa: pudim. A emoção tomou conta dos olhos de Sérgio. Finalmente ia viver feliz. Quando o relógio de sua casa bateu às oito horas, ele pensava que era nove, ele chorou pensando na demora. Ele deitou um pouco na cama e pensou em Rosana, na sua beleza, no dia de seu casamento, na lua de mel. Depois foi no quarto do filho, tinha lhe comprado uns presentes, a bicicleta que ele tanto queria. Hoje todo mundo ia adorar a comemoração. Talvez não soubesse o que seria o motivo da comemoração, nem precisariam saber. O relógio bateu nove horas. Estava na horta de ir... Ele andou devagarzinho pela as ruas da cidade até o local confirmado, então, sentou e esperou. Quando deram dez horas, ele se levantou e bateu a poeira da roupa. - Sérgio. Ele ouviu uma voz lhe chamar, era a voz de Rosana - Rosana, meu amor. Estou aqui. – o feitiço tinha dado certo, Sérgio começou a chorar. Dois vultos surgiram entre as árvores, um maior e um menor. ”Rosana e Gustavo” pensou Sérgio chorando. Os vultos saíram da escuridão e foi possível ver o estado dos corpos.


- Eu esperei até agora, esperarei mais. Hoje faz dez dias que eles morreram. - Amanhã fará onze.

Ele lembrou. “mas podemos dar um jeito”. Os corpos estavam em estado de decomposição, a pele caía. Era horrível olhar para os dois, mas Sérgio aguentou olhar. Era sua família e dependendo de qualquer coisa, amaria eles do fundo do coração. - Estamos com fome, papai – falou Gustavo. Sérgio pensou no frango assado suculento que os esperava em casa. - Eu fiz uma comida ótima em casa – falou Sérgio, dando – lhes um abraço. Rosana começou a falar. - Faz dias que não comemos, Sérgio, queremos comer agora. Ao terminar de falar, Rosana deu – lhe uma mordida no pescoço, que arrancou um pedaço. Gustavo mordia a perna. Sérgio gritava, mas as mordidas continuavam. Os dois

cadáveres

comiam

com

uma

fome

sem

fim.

Arrancaram – lhe a perna e devoraram como um leão comendo sua presa. Não restou nada do pobre Sérgio, apenas ossos e pedaços de

roupas

molhadas

de

seu

sangue.

Quando

o

encontraram, pensaram que um animal havia fugido do


zoológico e o comido. Mas não havia com provar, pois não sobrou um pedaço de carne. Nunca identificaram o corpo. Na noite que os mortos comeram o pai e o marido, voltaram para as suas tumbas e nunca mais levantaram. A feiticeira riu de tudo, afinal, ela prometeu o que disse: trouxe os mortos, mas não disse como eles viriam ou o que queriam.


O vestido dos sonhos

Beatriz de Sousa SANTOS

Uma mendiga dorme em embaixo de uma loja de vestido de festa, que nela tem um vestido que Afrodite(mendiga) sonha ter.Afrodite vive na rua, pois seus pais foram mortos e ela ficou sozinha no mundo. A mendiga junta latinhas para ganhar dinheiro para sua sobrevivência. Ao acordar todos os dias Afrodite fica parada observando o belo vestido. Sua meta todos os dias é juntar latinhas o suficiente para comprar o vestido desejado. Um dia a vendedora de jornal com muita curiosidade pergunta por que Afrodite fica parada observando o vestido. Afrodite diz o porque e o vendedor fica em silêncio. Em um dia ensolarado o vendedor resolve ajudar Afrodite - que é uma pessoa que ele conhece desde sua vinda as ruas – deixando no local onde ela dorme uma quantia em dinheiro que não é muito alta mais é o suficiente para pagar boa parte do vestido. Ao chegar no local e mexer em um objeto Afrodite encontra o dinheiro enrolado em um papel que diz – É para você Afrodite – Afrodite fica muito feliz. E no outro dia Afrodite consegue o resto do dinheiro que faltava e vai comprar o vestido,para isso Afrodite pediu para o jornaleiro ,para tomar banho em sua casa e pediu


uma roupa limpa, como o jornaleiro é um homem bom, deixa Afrodite fazer o que deseja.Já pronta Afrodite vai a caminho da loja e finalmente compra o vestido sonhado. Ao sair,já vestida com seu vestido Afrodite agradece pelo o banho e a roupa limpa que o jornaleiro a proporcionou, sem saber ela que foi por causa dele que ela conseguiu comprar o vestido. Mas após 10 minutos começou a chuva, e Afrodite se molha um pouco ,mais vai para debaixo da loja, mas é gerado uma poça de água e um carro passa por cima e molha Afrodite toda, Afrodite fica muito triste e vai ao encontro com do jornaleiro e diz: - É, realmente esse vestido não era para ser meu. E o jornaleiro fica em silêncio.


A volta do almirante

Caio RIBEIRO O velho Deolindo Venta-Grande que era uma alcunha de bordo que servia a marinha, não para de pensar sobre as mentiras que contou para os seus companheiros de bordo, sobre as aventuras de viagem, experiências que viveu e sobre a historia de sua amada que não tinha lhe esperado, mais apesar de tudo ele ainda sentia falta a sua linda flor Genoveva a mulher que ele tanto amava. Estava em Itália, já partiam para rever seus parentes, Venta Grande já estava triste, pois não tinha mais vontade de voltar para aquele lugar então, seus companheiros disseram-lhe: ___Oh! Venta Grande! Se anime hoje você irar rever sua linda Genoveva, abraços, beijos colinhos e você vão passar mais uma ótima noite de almirante. Deolindo apenas sorriu. E começou a pensar em toda a historia dês de sua infância com Genoveva até o dia que conversou com ela pela ultima vez. Em tão Venta-Grande chega meio tristonho vai procurar a casa de velha Inácia, sua casa ainda era a mesma um rotulazinha escura, portal fechado do sol, perto do cemitério dos Ingleses; e de longe se Deolindo viu Inácia triste de cabeça baixa, ele se aproxima e fala; ___Olá! Como vai você Inácia? Ela olha e diz: ___Meu filho que bom revelo, estou ótima e você como vai?


___Estou bem, onde mora Genoveva? ___Acho que você se lembra daquela vilinha do interior que você queria ir morar com ela, pois é ela foi embora para lá, faz tempo que não tenho contato com ela por quê? Deolindo demora a responde, então fala; ___Nada não, Inácia tenho que resolver algumas coisas depois venho aqui, tchau. Deolindo sai com presa nem deu tempo para Inácia se despedir, ele sai feliz como se algo de bom fosse acontecer, vai direto para a vila atrás de Genoveva. Ao chegar à vila vai à casa de sua amada, bate na porta e quando alguém abre aporta para a sua surpresa á sua frente está José Diogo, Deolindo ficou sem reação, ao pedido de Diogo entra na casa, e começaram a conversar; ___Cadê Genoveva, estou precisando falar com ela. ___Caro Deolindo nem sei como falar, após a ultima vês que você com ela, dias depois ela se suicidou e deixou um recado dizendo que não tinha razão de viver e no bilhete falou que lhe amava muito, dês dai em diante estou só triste sem nossa Genoveva. -Não, não pode ter acontecido isso, e agora como eu viverei nesse mundo cruel, nãooooo, eu ainda lhe amo meu amor, irei me vou me matar. Deolindo saiu correndo ninguém sabia para onde ele havia ido, no dia sequente Vente-Grande volta para o lugar de trabalho e fala para todos que teve uma ótima noite de almirante, inventou varias mentiras falou que foi a melhor noite de sua vida. E gritou bem alto;


-Genoveva eu te amooooooo Essas foram suas ultimas palavras, pegou uma arma calibre 38 e atirou bem no seu coração, e dessa ves ele teve coragem de cumprir suas palavras, que pena que Genoveva não estava mais ali para ver o que a primeira vez ela não tinha se matado por que ainda tinha eperança de voltar com ela, e que apesar de tudo ele a amava.


Mostrando os presentes

Camila MARQUES Moças muito bonitas e vaidosas, eram irmãs e moravam juntas Marta Maria e Madalena. Um dia seu pai chegou do trabalho e trouxe presentes para elas. Para Maria deu um par de brincos Para Marta deu um anel de brilhante e para Madalena um sapato de cristal, todos os presentes eram muito valiosos, todo obras de luxo. Em uma manhã de sábado receberam um telefona de sua tia Tereza que iria visitar-las no domingo com seus filhos. Elas ficaram muito ansiosas, pois queriam mostrar seus presentes tão valiosos. Então quando eles chegaram às meninas correram para o quarto, chegando La os presentes haviam sumido, ficaram desesperadas e resolveram falar com seu pai, então começaram todos a procurarem o presente quando então o vizinho apareceu perguntando se alguém tinha visto seu cachorro,

agora

eles

procuravam

os

presentes

e

o

cachorro. Tia Tereza foi para o jardim e viu algo brilhando, se aproximou e viu que era os presentes e que estavam com o cachorro. Ela chamou todos e mostrou que tinha encontrado.

As

meninas

com

a

felicidade

no

olhar

agradeceram a tia e entraram. Marta apontou o dedo com seu anel de brilhante para Madalena e falou: -Menina venha varrer a sala!


Maria balançando a cabeça fazendo faiscar os brincos para mostrar como brilhavam completou: -Que sala suja! Madalena passou na sala com seus sapatos de cristal e disse: -Neste canto já esta limpo! Neste canto já esta limpo! E as três mostraram os ricos presentes que haviam ganhado.


Juntos para sempre.

Carla Brena Gomes de ALMEIDA

Katarine era uma menina muito fechada e com muitos problemas, mas não falava para ninguém, mas guardava tudo em seu diário. Ela era fria com as pessoas e as tratava muito mal. Sua relação com seus pais não era muito boa, quando estava em casa discutia com seus pais e passava o tempo inteiro em seu quarto trancado. Seus pais detestavam aquilo que ela fazia. Na escola Katarine sempre fazia tudo sozinha, pois não falava com ninguém de sua turma. Mas era porque ela não queria mesmo, pois muitas meninas de sua classe já tinha tentado falar com a menina que sempre não respondia nada. Em um dia chuvoso katarine acorda as 06:00Hs da manhã e se levantou para se arrumar, para logo depois ir para a escola era sua rotina. Sua mãe pergunta: - Você já viu o tempo la fora? - Sim, eu vi! - vai mesmo para a escola hoje? Katarine responde com um tom de quem estava com raiva. - E né, é o jeito!


Sua mãe não fala mais nada, e a menina coloca os fones e sai. Ao chegar na escola, katarine, senta e fica escrevendo em seu diário, quando o professor anuncia que havia chegado um novo aluno e pede para que para que ele se apresentasse para toda a turma. - Oi, meu nome é Alex. Após apresentar-se, o professou pede para que o novo aluno fosse sentar-se. Alex senta-se ao lado de katarine, que age como se o garoto não estivesse do seu lado. O garoto a olha e pergunta. - Como se chama? Katarine finge que não escuta e continua calada. E Alex pergunta mais uma vez. - Como você se chama? Ela o olha e responde com raiva e responde. - Katarine! -Eu me chamo Alex! - É eu sei. - Como você sabe? - Há 5 minutos atrás você falou. Ele sorrir desconfiado, e logo depois começa a perguntar coisas sobre Katarine, mas ela o respondia com respostas curtas e as vezes nem o respondia. Ele percebe o jeito da menina e pergunta por que ela agia daquela forma, mas ela não respondia.


O sinal toca e Katarine sai apressada sem se despedir de Alex e acaba esquecendo o seu diário. Alex ver e pega o diário de Katarine e corre para entrega-la, mas não a alcança e acaba tendo que ficar com o seu diário e leva-lo para sua casa. Chegando em casa Katarine sente falta se seu diário e logo desesperou-se, e ficou revirando tudo em sua mochila, mas não encontrava. E assim passou horas e horas, até que ela pegou no sono. Já era manhã e Katarine se levantou para ir a escola. Ao chegar na escola, Katarine se encontra com Alex, que a vê-la vai até ela e a entrega seu diário. Katarine recebe seu diário surpresa, e pergunta como ele achou e ele a responde. - Você esqueceu ontem na sua mesa. Ele a abraça e Katarine não entende a reação de Alex. Ele diz. - Porque você não quer que ninguém saiba disso? - Disso o quê? - Que você tem câncer. - Não repita isso, e não conte para ninguém. Por favor. Disse ela. - você não precisa ignorar as pessoas que te amam por causa disso. - Você não sabe de nada. Então fique calado. - Sei sim, mas sabe você tem todo esse jeito de menina rebelde, mas na verdade você é apenas uma garota como todas as outras.


- Não sou não. Elas não são doente. Eu sou! - Para com isso Katarine você é linda. - Do que adianta ser bonita se eu tenho pouco tempo de vida? -Como assim? - minha doença cada dia fica mais grave. E eu tenho pouco tempo de vida. Por isso quero ficar só para não machucar cada dia mais as pessoas que me amam. - se afastando delas? Isso as machuca cada vez mais. - Por favor eu só quero ficar sozinha. - Não eu não vou deixar. - Como assim? - Quero poder te ajudar. Por favor! - Katarine o olha e fala que sim. E os dias iam se passando, e cada dia eles se conheciam mais e estavam cada vez mais próximos um do outro. Até que Alex pede para namorar com Katarine e ela aceita. Katarine e Alex pensam em uma vida juntos

ao passar

dos anos os dois terminam os estudos se casam e adotam três filhos e tem uma vida normal e feliz.


O amor de ilusão

Raiane VIEIRA

Foi em uma paixão ,que Juliana uma mulher simples da favela

engravidou de um policial,quando descobriu ficou

desesperadas sem saber o que fazer por que ela era pobre e não tinha dinheiro,resolveu conta para ele o que avia acontecido. desceu o morro e foi ao encontro do dito homem,quando o encontro foi logo lhe dizendo: _estou esperando um filho seu!! Ele sem pensar lhe responde: _não quero saber desse filho toma esse dinheiro para aborta essa criança. A Juliana ficou sem saber o que fazer,já que ela não tinha condições financeiras nem para se manter.mais ela com a ajuda de seus amigos e com muita fé em deus o seu filho nasceu.mais ela já sabia qual seria o futuro do seu filho naquele lugar. Com o pai

ausente o filho então se transformou em um

traficante.mais o que iria se esperar ele nasceu em uma favela rodeada de; drogas,armas morte etc.


Em uma tarde bem agitada no morro estava havendo um confronto contra dentre os traficantes e os polícias,ou seja o pai e o filho frente a frente. A mãe já começa a fica desesperadas,ela desse e encontra o pai do seu filho caído no chão sangrando muito se o seu filho com uma arma pronta para atirar,a mãe desesperada cai aos pés do filho chorando e lhe fala: _Por favor meu filho esse é o seu pai não o mate. Com As mãos tremulas e as lagrimas Caindo dos seus olhos ele olha para a mãe e responde: _ele não é meu pai a senhora que foi mãe e pai. Segundos depois ele reflete o olhar para o pai e fala: _eu só não te mato porque não sou igual ao senhor.


O sonho de ser Jogador

Daniel Quintela SILVA

Em um lugar muito distante, havia um garoto que tinha um sonho de serem um grande jogador, todos da comunidade ficavam impressionados com o talento do garoto, até que um dia um grande empresário ficou sabendo do talento do garoto e foi na comunidade ver o menino jogar. Quando o empresário chegou à comunidade, ele ficou muito surpreso com o talento do menino é ficou interessado no menino, então o empresário foi falar com os

pais

do

fluminense.

garoto Os

pais

para do

levá-lo garoto

para

escolinha

concordaram

com

do o

empresário para levar o garoto. O menino ficou muito feliz com seus pais ter concordado para que o garoto possa ser ir joga na escolinha do fluminense. Ao chegar lá o garoto vestiu seu terno e foi pro jogo, o treinado e os dirigentes ficaram impressionados com o talento do menino, o treinador chegou ao garoto e disse que aparte daquele momento o garoto ia se torna um grande jogador, assim realizando seu sonho.


Alejandra e Juan Pablo: um amor Proibido

Davi SALES

Em uma pequena cidade do sul da Espanha vivia um grupo de pessoas, a qual morava Alejandra, uma jovem tímida e apaixonada por Juan Pablo. Os dois amavam-se muito,

porém,

o

pai

de

Alejandra

não

aceitava

o

relacionamento dos dois, pois Juan Pablo era filho de seu ex-amigo e atual rival. Um

dia

Alejandra

e

Juan

foram

se

encontrar

escondidos em uma floresta. Por instantes, o casal apaixonado vivera momentos de bastante alegria. Juan Pablo, novamente marcou um encontro com sua amada, mas desta vez ele não esperava que o pai de Alejandra observou-a beijando Juan Pablo, proibiu definitivamente a aproximação dos ambos. De fato, Alejandra ficou muito, muito triste. Pôs-se a chorar por vários dias. Apesar disso, seu pai não a permitiu que ela vivesse um amor com Juan. Com todas as dificuldades, Juan Pablo cometeu uma tentativa de suicídio. Essa tentativa ocorreu em um local isolado,

onde

ninguém

tinha

costume

de

ir,

neste

momento Alejandra passeava pelo mesmo lugar. Com isso ela impediu que seu amado morresse. Os dois teriam uma probabilidade para fugir, mas Alejandra achou melhor não pelo fato de seu pai estar enfermo (...).


Um dia, o pai de Alejandra estava bastante mal, ela diante da situação ficou desesperada e ali perto passava Juan Pablo, ela gritou pedindo ajuda. Juan ao chegar no quarto da casa, viu o pai de Alejandra. Com os últimos minutos de vida o pai de Alejandra permitiu o amor entre os dois. Com a morte de seu pai Alejandra casou-se com Juan Pablo. Ela teve dois filhos e por fim, viveram felizes com toda a herança na cidade de Barcelona, Espanha.


E o que tinha que ser... Foi!

Dávilla Maria ALVINO

E quando Maria passou com seus amigos na rua, Vivi se encontrava na porta de sua casa, logo falou com Maria e com o resto da turma, então, Neto irmão de Vivi, saiu na porta e acenou com um coração para Maria, que ficou sem acreditar

naquela

reação.

Eles

a

partir

desse

dia,

começaram uma amizade virtual e essa amizade começou a crescer. De todas as amigas de sua irmã, Maria tinha se tornado a preferida dele. Ela então,

começou

acreditar

que entre Neto e ela poderia existir um sentimento que ia além da amizade, mas logo descobriu que ele tinha namorada, viu que entre eles nada poderia acontecer. Ela então estava prestes a tomar

uma decisão que poderia

romper com a amizade dos dois. A jovem resolveu se afastar do garoto, pois estava confundindo sentimentos e poderia atrapalhar o namoro de seu amigo. Neto já não era mais a mesma pessoa de antes, não tratava mais a garota da mesma forma como tratava, e ela passou a sofrer um pouco com essa situação, pois Neto para ela era muito

importante.

Passaram-se

alguns

dias

e

nesse

período de tempo Maria acabou descobrindo que Neto Tinha terminado o namoro, como sabia que ele estava passando por essa fase difícil, procurou ajudá-lo de alguma forma, mais não sabia como. A moça já não se


sentia tão importante para o rapaz, mas ainda tinha esperança de ele um dia vir a valorizå-la e aprender a decifrar o sentimento dela por ele. O tempo passou e eles sentira m necessidade de estå juntos, foi como se ele percebesse que ela era essencial em sua vida. Então decidiram

nunca

mais

prevaleceu para sempre.

se

separarem

e

a

amizade


Amigos para sempre

Edson Bezerra FERREIRA

Dois grandes amigos viviam sempre juntos, em todos os lugares

que

um

estava

o

outro

sempre

estava.

Chamavam-se Paulo e Matheus, mas tinha um outro menino chamado Yuri que tinha muito ciúmes dessa amizade. Um dia ele bolou um plano para separar os dois, ele chamou Matheus para ir brincar em sua casa, mas Paulo não foi convidado. Matheus passou o dia brincando com Yuri, ao mesmo tempo Paulo estava sozinho e muito triste. Quando Matheus encontrou Paulo, todo contente ao fala como foi seu dia. Paulo com raiva discute com Matheus, e diz que nunca mais que falar com ele. Com o fim da amizade Yuri comemora muito. Matheus e Paulo que eram muito felizes passaram a ficar tristes, Matheus pegou depressão e não resistiu. Quando Paulo soube da noticia sofreu muito, e Yuri ficou se sentindo culpado com o que houve. Paulo nunca se esqueceu da grande amizade que teve com Matheus, as lembranças ficaram marcadas no seu coração.


Amigas ... irmãs

Erica MELO

Há muitos e muitos anos em uma cidade chamada City Ville, mora duas famílias muito felizes , eram os Jhonson e os Stuart, cada qual tinha uma filha. Muito amigas, eram elas Emilly e Vitória. O tempo foi passado e as meninas foram crescendo e ficando cada vez mais amigas. Mas o que ninguém sabia era que o rumo das vidas delas seriam tão diferentes, no coração de Vitória crescia um ódio enorme por Emilly e sua família, pois a família de Emilly era muito rica, e a de Vitória não tinha tantas condições . Um belo dia Vitória foi visitar Emilly, e convida - lá pra sair e Emilly, tão inocente e sem saber do que estava prestes a acontecer, ela logo aceitou o convite de sua amiga. Assim que saíram, um homem pago por Vitória invadiu a casa de Emilly e matou os seus pais e logo após pôs fogo na casa. À tarde, ao chegar em casa, Emilly entra em desespero ao ver a sua casa totalmente destruída e seus pais mortos. Vitória

ficou

contente

ao

ver

que

seu

plano

havia

acontecido da forma que ela havia planejado. Com isso a única herdeira da fortuna de sua família era Emilly, logo a garota

passou a morar com sua amiga

Vitória e os senhor e senhora Stuart, desde então Vitória


dedicou todos os seus dias a querer transformar a vida de sua amiga em um verdadeiro inferno. A mãe de Vitória sabia das maldades da filha e resolveu contar para Emilly, então a garota resolveu fugir para bem longe, Vitória ficou furiosa e resolveu ir em busca de reencontrar sua amiga. Ao encontra – lá num hotel em Londres , Vitória pensa em matar Emilly mas não consegue pois no fundo ela ainda senti um carinho de amiga por ela. Alguns dias depois, Vitória ficou doente e foi internadas às pressas, mal sabia ela que seus dias estavam contados, ela estava com uma doença rara e a sua única cura seria com um transplante de um coração. Vitória já estava sem esperanças, longe de casa e sem nenhum parente por perto quem poderia lhe ajudar. Emilly ficou sabendo da doença de sua amiga e logo resolveu ir visita-lá, ao ficar sabendo que a única forma que sua amiga teria de sobreviver era com um coração novo, Emilly ficou triste e pensou e relembrou dos velhos momentos de criança que passara com sua amiga e resolveu doar-lhe o coração que precisava. Já recuperada da cirurgia Vitória fica sabendo quem havia lhe doado o coração, logo uma lágrima de seus olhos caem, e Vitória passou anos e anos de sua vida pensando nisso e seu coração cada vez mais enchia de tristeza, até que um dia Vitória foi encontrada morta em sua casa.


O conto dos sonhos.

Camille OLIVEIRA Véspera do Natal... Lice Cornis nasceu no distrito londrino de Essex, na Inglaterra, em 27 de março de 1997, uma menina meiga, bonita, curiosa e silenciosa, mal tinha amigos, seus pais eram médicos e mal estavam em casa e lice se sentia uma criança muito carente e sozinha. O que mais gostava de fazer era ir brincar em sua casa da arvore e era la onde se sentia mais protegida e podia ter um tempo só pra ela. Uma casa feita de madeira, com flores nas janelas, um pequeno sofá e uma mesinha de centro, sofá este que já era suficiente para Lice viajar no seu mundo fantástico. Mas já se aproximava o natal e Lice por ser filha única tinha tudo o que desejava, sempre sonhou em ser uma princesa e tinha os mais belos vestidos o seu castelo era mesmo a sua casa da arvore onde lá sonhava com seu príncipe encantado e conseguia ter os mais belos sonhos. Mas ao mesmo tempo tinha mais curiosidade de saber como realmente era viver uns de seus sonhos.

Algumas

horas antes da comemoração da véspera de natal ,Lice resolve enfeitar uma pequena árvore de Natal que ela mesma improvisou,eram poucas os enfeites, mas cada um tinha um significado, cada um tinha sido feito com todo o amor por ela mesma, quando enfim seus pais chegaram a casa ficaram encantados com a decoração, era muito


simples, mas foi o que ela pode fazer e com toda a simplicidade ela se sentia bem, e o melhor de tudo foi feito com amor. Mas o que Lice ainda não sabia era o que realmente queria ganhar nesse natal, ficou pensativa por um bom tempo e decidiu que queria um animal de estimação, pois já que era uma menina muito sozinha e não tinha muitos amigos queria algo que lhe fizesse companhia e lhe síntese protegida, mas só não sabia que animal seria... Foi então que a sua mãe deu a idéia de um guaxinim. Lice não concordou muito com esse animal, por ele ter uma espécie que é muito selvagem, mas mesmo assim concordou.

Então Lice resolveu ir comprar o seu

presente, o primeiro que pego já não quis, mas soltar já tinha se decidido levar aquele, um guaxinim com uma listra preta nos olhos, com umas listras em seu corpo marrom com branca e as orelhas com as pontas brancas, e seu pelo macio e tinha sido esse que Lise escolheu para ela gostou muito, voltava para casa muito feliz ela nunca tinha se sentido tão feliz, mas que para ela faltava o guaxinim ser batizado não sabia que nome daria a ele... Então após alguns minutos de silêncio de volta para casa resolveu chamá-lo de “Th” esse era o nome dele, para ela era o nome mais lindo. Ao chegar a casa quis levá-lo para sua casa da arvore para poder se acostumar com todo o ambiente, mas quando estava indo em direção a arvore se deparou no jardim de sua casa com alguns balões na grama, resolveu ir ate lá, mas dono não tinha e nem alguém por perto então resolveu pega-los, e onde fez Lice voar, vu ou para o lugar de seus sonhos onde nunca imaginava estar de verdade, foi para um lugar distante, mas assustada o que queria mesmo era ir atrás de seu guaxinim perdido, Lice machucou o seu pé enquanto o


procurava precisando de ajuda e benevolência, uma mulher se aproximava dela e Lice já ficou espantada ao vê uma pessoa tão assanhada e ao mesmo tempo tão caridosa. Ela se apresentou como Dona Chica, acolheu Lice e cuidou de seu pé, quando já quando seu pé já estava melhor, a garota resolveu continuar a procura do Th, encontrou - Le com a aparência bem suja, mas Lice se espantou ao ver que esse lugar onde estava era como se nunca tivesse o visto e ao mesmo tempo fosse um lugar bem comum. Um lugar bem grande, extenso e lindo um campo onde avia crianças de sua mesma idade, e que mais sonhava ela era em ser a princesa e seu castelo era iguais os que ela via pela TV, brincou bastante fez varias amizades conheceu pessoas mais velhas que Le ensinou muitas coisas a que, mas Le marcou foi “Dona Chica que lhe ensinou que a vida apesar de bruta é meio mágica”. Nesse lugar onde estava ela ganhou muito amor e o carinho de todos e fizeram Lise se sentir uma pessoa mais forte que nunca e jamais ira abandona quem realmente se ama,

ela

estar

vivendo

momentos

incríveis

e

que

realmente estar lhe fazendo muito feliz, ela grita, canta, sorrir, se diverte com amigos e seu animal preferido, fez com que ela se sentisse mais acolhida, foi realmente uma festa, todos estavam felizes inclusive Lise (o tempo estar passando). E foi nesse momento, em que ela acorda. Suas aventuras e descobertas tinham sido apenas um sonho fantástico.


Amor eterno

Fládia COSTA

Larissa e Matheus se conheciam há muito tempo, quando ainda eram crianças. Os olhos de Larissa se cruzaram com os de Matheus de forma que jamais esqueceria, foi amor á primeira vista. O tempo passou, ele ficou amigo dela, mais nunca teve coragem de dizer o que sentia, muito menos ela. Ele a viu crescer, viu seu corpo se transformar, muitas vezes suspirou e chorou por ela e chorava ainda mais pela sua covardia, pelo seu medo de ser rejeitado. Larissa começou a sair com outros caras para tentar esquece-lo e fez com que Matheus, acredita-se que ele amava mais ela do que ela poderia amar ele, mas ele precisava falar, mas não falou. O colégio acabou. Ele foi para a faculdade de direito e Larissa foi embora para outra cidade. Um dia, quando voltou para casa dos pais de férias, viu que tinha um convite sobre a mesa. Era um convite de casamento que iria acontecer dali a três dias, onde o convite era de sua amada.


Matheus não podia permitir que Larissa se casasse sem que ele fala-se o que sentia. Pegou o primeiro avião com destino a Rio Grande do Sul. Chegou ao inicio da manhã tentou contato com número de celular de Larissa mais ninguém atendeu, procurou a empresa responsável pela festa, estava fechada, nada deu certo. Andou pela cidade de táxi, sem destino. A noite caiu e não podia continuar a busca, não conseguiria encontralá. O dia amanheceu sem esperança Matheus resolveu pegar o vou e voltar para casa, mas seu vou estava marcado para ás 10h00min e não era nem 08h00min da manhã. Andou em direção ao aeroporto e cruzou com uma cena horrível. Um acidente envolvendo dois carros, mas Matheus não parou seguiu a diante. Chegando a uma lanchonete, sentou-se e ficou olhando para uma TV estava passando as meninas super poderosas. Não demorou muito e entrou o plantão de notícias. Era a notícia do acidente que Matheus tinha visto na rua. Logo colocaram a foto das vítimas fatais, onde a mulher era Larissa a sua amada. Aquilo não podia está acontecendo, ela estava morta pensou Matheus. A culpa era dele não poderia viver com aquela culpa se estivesse encontrado-a nunca teria a perdido, pensava Matheus, desconsolado. Lembrou-se de todos os momentos que viveram juntos. Acreditou tanto que a culpa era dele que tirou sua própria vida, talvez na eternidade conseguisse falar a ela o quanto a amava.


Uma Menina de Ouro

Maira MACÊDO

Em uma cidade pequena do sertão morava uma menina que se chamava Tatiana. Ela morava numa casa bem pequena e com os seus dois irmãos pequenos, Tatiana tinha um sonho de ser uma grande empresária quando crescesse. Tatiana era motivo de piada na escola, pois todo mundo ficava rindo dela por ela não ter roupas bonitas, Tatiana ficava triste e a para o banheiro chorar.

O

tempo

foi

passado

e

Tatiana

foi

crescendo e a cada dia ficava mais esperta e inteligente passaram se alguns meses a mã e de Tatiana faleceu a menina ficou sem chão, pois ela já tinha perdido o pai e agora a mãe. A menina ficou preocupada, pois agora era só ela e os seus dois irmãos dela. Mais a garota não desistiu foi atrás do sonho dela e com a ajuda dos vizinhos que ajud ava ela dando comida, roupa e outras coisas. Em um certo dia apareceu um homem todo bem vestido e chegou batendo na porta da sala dizendo que queria falar com a Tatiana, ela ficou com um pouco de medo pois

penso

que

algum

de

seus

irmãos

tinha

aprontado alguma coisa de errado, mais o que ela não sabia era que o cara que estava falando com


ela era seu pai verdadeiro o cara conto tudo o que tinha acontecido pois a família dele não e a aceitar que o filho deles casasse com uma mulher pobre. Mais só que o pai da Tatiana pediu desculpa e a menina perdoou e ele chamou, ela e os irmãos dela para mora com ela e Tatiana foi mora com o pai dela. E agora Tatiana tinha tudo e realizou até o seu sonho de ser um grande empresária .


Força de vontade! Helainy SILVA

Há muitos anos atrás havia uma garota jovem bonita com cabelos caracolados, sonhadora, cheia de

vida,

romântica, sensível mais guerreira, tinha uma família que adorava comandar seus passos, havia também um jovem do qual não pensava diferente da moça dois moravam na mesma aldeia, mas não se conhecia, ate que um belo dia ele se encontraram e se sentiram uma ligação um com o outro mais só que seu amor era proibido era um casal querido pela aquela região, mais era sua família que não queria a união do casal, ate que um dia eles resolveram fugir, mais os dois jovens sabiam que iria ser uma fuga muito a riscada seria como tudo ou nada seria tudo se eles conseguissem fugir mais também seria nada se eles não conseguissem por que se desse tudo errado haveria a perda de um grande amor. Então na escalada da noite o jovem tão bem apanhado foi ao encontro da moça, mais antes de fugir o belo jovem disse a bela moça, - haja o que houver nada vai mudar o que sinto por você, nenhuma tropa, nenhuma guarda desta aldeia ira nos separar, e assim foram os dois em busca da sua felicidade mais és que algo deu errado! O pai da moça descobre que ela haveria fugido e mandou toda guarda daquele lugar em busca do casal. O casal foi encontrado o rapaz foi levado e a moça foi posta em um convento, e o rapaz foi condenado a morte, e


no dia da sua sentença de morte a bela moça espantada tenta fugir para ajudar seu amor, e já preso e preste a morte a moça consegui salva o rapaz e mostra para seu pai que não seria uma fortaleza inteira e nem mesmo ele poderia destruir o amor que os unir pois esse amor superava os maiores do obstáculos a morte que tentou os separar mais não conseguiu e assim o pai não podendo mais fazer nada deixou o casal livre e foram felizes para sempre o melhor dizendo eles viveram a vida cada segundo e cada minuto como se fosse o ultimo dia de suas vidas e assim foi.


Inesperado

Mayara GAMA

Morava em uma cidade pacata do estado do Ceará, uma moça de cabelos pretos, olhos castanhos, pele parda, uma garota comum a todas as outras, que se chamava Mariana. Ela ia a escola todas as manhãs e quando chegava em casa ajudava sua mãe e durante a noite se arrumava e passava perfume e fugia para “lugar algum” uma praça localizada a dois quarteirões de sua casa. A atitude da garota se repetia todos os dias, sempre no mesmo horário e

em

qualquer

circunstância

que

se

encontrasse.

Despertava a curiosidade de vizinhos fofoqueiros, que se questionavam o motivo das suas saídas. Mariana ao chegar em “lugar algum” sentava sempre no mesmo banco, de frente para rua, como se esperasse algo acontecer ou alguém aparecer. Ela olhava com um olhar fixo para um nada que se encontrava a sua frente. Parecia estar triste, perdida e sem consolo. A atitude da menina não se explicava a ninguém, pois não era conhecido o motivo de tanta solidão. Quando batia a noite, todo mundo já sabia o que Mariana iria fazer. Iria sentar no mesmo banco de praça e ficar olhando um nada a sua frente.


A menina não se preocupava com o que iriam falar só queria um lugar só seu onde ali poderia pensar nas coisas que afetariam o seu amor. Mariana havia se apaixonado por um garoto da escola que se chamava Gabriel. Um garoto inteligente e totalmente desconcertado. Ele fazia coisas que até Deus duvidava! Paquerava todas as meninas da escola e, ainda chamava de AMOR! Mariana na vida do garoto era só mais uma menina apaixonada por ele! Na qual ele achava que podia brincar, usar e jogar fora e ainda “reciclar” quando sentisse vontade. Gabriel adorava apaixonar as meninas e as ver fazendo juras de amor. Mariana apaixonada, só pensava em como conquista o amor de Gabriel, fugia de casa com o intuito de arquitetar planos para chamar a atenção de seu amado. Esperava o momento de ele descobrir seu amor por ela, fazia de tudo para ser notada. Então, um dia ela decidiu mudar, respirar novos ares e tentar se libertar desse amor. Começou suas tentativas de “libertação” com livros de auto ajuda que encontrava a venda na revista de pedidos de sua mãe, mas não encontrava neles nada que fosse servir para o que ela queria, até que um dia ela encontrou na rua um livro de feitiços que seria a solução de todos os seus problemas. Só que nele havia uma maldição, ela abriu e sumiu para sempre. Após isso Gabriel sentiu amargamente sua falta chorava todas as noites pela perda de um amor até então nunca despertado. E nada mais podia ser feito. Mariana sumiu sem deixar rastro e sem nunca ter descoberto que foi amada.


Timidez no Amor

Francisco Douglas Sabóia Araújo BARBOSA

A escola é sempre um lugar de aprendizado e troca de conhecimentos, mas também é um espaço de muita azaração e encontro de amores. Existia um menino chamado Rafael,um menino legal, amigável, interessante, bonito, atencioso e um pouco tímido. Ele gostava muito de uma menina que estudava na mesma escola onde ele estudava, essa menina se chamava Alice,uma menina linda, meiga, inteligente, mas eles não se falavam, sempre que ela passava ele ficava só olhando. A Alice sentia algo diferente toda vez que o Rafael passava por ela, pois ele sempre demonstrava algo que a garota não conseguia identificar, mas ela não sabia que ele sentia algo por ela. E, assim, essa situação perdurou por muito tempo, ele gostando dela e ela sem nem imaginar. Um certo dia ele tomou coragem e foi falar com ela, foi chegando perto dela mas não conseguiu falar com ela apenas deu um sorriso e saiu correndo, deu uma volta pela escola e começou a pensar porque ele só tinha apenas dado um sorriso e tinha saído correndo, então tomou coragem novamente e decidiu ir falar com a menina, ao chegar

perto

dela

quase

que

não

conseguia

falar

novamente mas conseguiu falar “oi” e ficou esperando que a menina falasse com ele, depois de alguns segundos ela o


responde com um “oi” e perguntou porque ele tinha dado um sorriso para ela e tinha saído correndo, e ele a respondeu que era muito tímido. Depois de alguns dias ele decidiu chama-la pra sair para o cinema, ela aceitou sair com ele, eles foram, assistiram ao filme depois saíram e deram uma volta, e ele continuou meio tímido mais decidiu falar pra ela que gostava muito dela, ela ficou meio surpresa mas respondeu que também gostava dele. Os dois se aproximaram e deram um pequeno riso. Os seus corações começaram a bater mais forte. Um olhou para o olho do outro. As mãos de Rafael se encontraram com as mãos de Alice. Ele respirou fundo e encostou sua boca na boca da menina dando-lhe um pequeno beijo. Como um choque, os dois se separaram

e Rafael saiu

correndo. Alice ficou na porta do cinema. Uma chuva começou a cair. No dia seguinte, os dois não se olharam, ambos tímidos não queriam se ver. Pouco tempo depois Rafael precisou mudar de escola e não disse nada a Alice. Quando ela descobriu, o garoto já havia ido embora.


O preço da gratidão

Euller ROCHA

Guilherme por detrás do balcão de sua loja olhava a rua de forma distraída, enquanto uma garotinha chamada Alicia se aproximava da loja. Ela amassou o narizinho contra o vidro

da

vitrine.

Os seus olhos da cor do céu brilharam quando viu determinado objeto. Ela entrou na loja e pediu para ver o colar

de

turquesas

azuis.

Alice: É para minha irmã. Você pode fazer um pacote bem bonito? Guilherme olhou desconfiado para a garotinha e lhe perguntou: -

Quanto dinheiro você

tem?

Sem demora, ela tirou do bolso da saia um lenço todo amarradinho

e

foi

desfazendo os nós. Colocou-o sobre o balcão, e feliz disse: - Isto dá, não dá? (Eram apenas algumas moedas que ela exibia orgulhosa.) Sabe, eu quero dar este presente para minha irmã mais velha chamada Julia.Desde que nossa mãe morreu ela cuida da gente e não tem tempo para ela.Hoje é aniversário dela e tenho certeza que ela ficará feliz com o colar que é da cor de seus olhos.


Guilherme foi para o interior da loja, colocou o colar em um estojo, embrulhou com um vistoso papel vermelho e fez um laço caprichado com uma fita verde. Guilherme: Tome! Disse para a garota. Leve com cuidado. Ela

saiu

feliz

saltitando

pela

rua

abaixo.

Ainda não acabara o dia, quando uma linda jovem de cabelos loiros e olho azul chamada Julia entrou na loja. Colocou sobre o balcão o já conhecido embrulho desfeito e perguntou: -

Este

colar

Guilherme Julia:

foi

comprado

respondeu:

Sim

E

aqui? senhora.

quanto

custou?

- Ah! Falou o Guilherme dono da loja. O preço de qualquer produto da minha loja é sempre um assunto confidencial entre o vendedor e o freguês. Julia

continuou:

Mas minha irmã somente tinha algumas moedas. E esse colar é verdadeiro, não é? Ela não teria dinheiro para pagar

por

ele.

Guilherme tomou o estojo, refez o embrulho com extremo carinho,

colocou

a

fita

e

o

devolveu

à

Julia.

Guilherme: Ela pagou o preço mais alto que qualquer pessoa pode pagar. Ela deu tudo que tinha! O silêncio encheu a pequena loja, e lágrimas rolaram pela face de Julia, enquanto suas mãos tomavam o embrulho. Ela retornou ao lar emocionada pelo que sua irmã tinha feito por ela e por ter conseguido, de alguma forma, retribuir o carinho e dedicação que recebera.


A nova professora

Igor OLIVEIRA

Tudo acontece quando uma turma de alunos bagunceiros faz com que a professora vá embora e desista de dar aula na escola, o diretor já estando cansado de ver isso se repetir, correu para colocar um anuncio no jornal de emprego na área de professor. Ao se passar duas semanas sem professor os alunos bagunçam cada vez mais, até que de repente a porta da sala se abril e então é apresentada a nova professora. Para mostrar que não estavam nem ligando para a nova professora, eles continuaram a fazer bagunça, até que a facilitadora se sentou e começou a agir como eles, os alunos olharam admirados para a atitude da professora e se sentaram.

O diretor que havia prometido visitar a sala para ver como estava sendo as aulas, ficou paralisado por ter visto pela primeira vez na escola os alunos daquela sala tão bem comportada do

jeito

que estavam com a

professora que eles falavam que nunca iriam obedecer ou respeitar.


Recomeço ou morte

Janilson DUARTE Em

uma

cidade

esquecida,

muito

pouco

conhecida

chamada Araguaia tinha duas famílias que estavam se matando por haver rixas bobas. Essas famílias se denominavam Jaguar e Tigres. Em uma festa, o Kener, da família tigre, bêbado matou o Junior, da família jaguar. No outro dia, Kener foi morto por Max, irmão de Junior, que vingou a morte do irmão. Assim, morreram varias pessoas por vingança. Demilli, esposa de Junior, e mudou para atlantes com seus dois filhos, Maria e Jose, com o intuito de fugir dessa guerra, para que seus filhos e ela mesma não fossem mais uma vitima. Em atlantes, ela conseguiu um emprego e um lar longe de conflitos. Certo dia, passeando com seus filhos na praça, Demilli

conheceu

Marcel,

empresário,

viúvo

e

multimilionário com um filho de três anos, desde esse dia, passaram a sair e a se relacionar cada vez mais. A partir daí, surgiu um recomeço para Demilli, com o casamento deles. Depois de um ano de casados, tiveram uma linda garotinha, Kemilli. Com dois anos, Marcel matou Demilli, quando ela chegava em casa, com três facadas, mais antes lhe revelou que estava seguindo-a, ela desde Araguaia, ate atlantes, para vingar Kener, seu irmão, alguns anos depois voltou para junto de sua família com os filhos deles.


O nocaute inesquecível!

Nilo Castro ALVES

Um dia de sábado, quando eu fui assistir uma luta de boxe, era um combate de todos os tempos, uma luta como aquela eu só via em filme. Era uma luta acirrada entre pesos médios, eles eram chamados Victor e o outro quebra ossos, mas Victor tinha, uma ex- namorada que justo no dia da luta ela apareceu, o combate já estava rolando no rinque. No intervalo do primeiro ao segundo assalto, Victor bem abatido, no segundo continuava o massacre. Victor só podia se manter em pé porque se apoiava no adversário, sua ex gritando pelo seu nome, vai você consegue. O terceiro assalto parecia está vencido, com um simples vacilo de seu oponente, deixando com que Victor o atinja com três golpes simples, logo em seguida ele disse que é um golpe em ritmo de tango, fazendo com que seu oponente caísse no chão nocauteado. Não sei se foi sorte ou estupidez de seu adversário?


A pílula

Witalo PINHEIRO

Eis que foi inventada uma pílula na cidade de Tounsville que contém o essencial para uma alimentação, proteína, carboidrato e tudo mais que era dissolvida em água. Em pleno natal o pai comprou uma pílula, tão pequena pílula contendo o peru, o molho a farofa e tudo que tivesse direito. Ao começarem a oração o pequeno Pedrinho da família engole a pílula, nesse momento desce pelo seu esôfago 175 quilos de comida, a mãe desesperada grita - Rápido! Alguém bata nas costas dele, -Deem-lhe um pouco d’água. Mas que má ideia , a pílula se expandiu ao entrar em contato com a água, escuta-se um barulho profundo e triste em sua barriga, o pobre Pedrinho no mesmo instante explode sobre a mesa do primeiro natal com pílula, ao juntarem seus pedaços em seus lábios tinha um sorriso. Sorriso esse de uma criança que havia comido treze ceias de natal ao mesmo tempo.


A recompensa

Gabriel de Sousa CARNEIRO

Um dia, Jorge um fazendeiro muito alegre estava em sua fazenda observando todos os seus animais,especialmente o seu predileto Sr.bean um lindo cavalo que tinha ganhado de seu pai,e percebeu que ele estava muito quieto e disse a sua mulher -O Sr.bean parece que não está muito bem. -Deve ser saudade de sua antiga parceira, que faleceu. Logo o fazendeiro vendo aquilo ficou muito triste ao ver o Sr.bean naquele estado. Dias se passaram e o cavalo continuava no mesmo estado de tristeza.

Jorge vendo o

estado de seu mais querido amigo, não agüentou,ficou tão triste pelo seu amigo que adoeceu. Logo o porco Chico vendo o estado do fazendeiro falou consigo. -Não posso deixar o fazendeiro desse jeito,vou ajudá-lo. O porco Chico foi falar com o cavalo para ver o que ele tinha. Chegando la o porco disse ao cavalo. -sr.bean o que você tem,só fica triste, o fazendeiro não conseguiu te ver assim e ficou doente. Logo o cavalo falou: -Minha única companheira faleceu. -Mas não fica assim não cavalo,só vai piorar as coisas.


Mas não adiantou o cavalo continuou desanimado .Mas o porco não iria para de ensistir com o cavalo,pois afinal ele não queria ver o fazendeiro,seu dono doente. Logo nos outros dias o porco sempre voltava ao curral. -Cavalo se anima logo, não deixe o fazendeiro falecer de tanto tristeza por você está assim. O cavalo viu a preocupação do porco, é depois de muitos meses, de tanto o porco insistir , o cavalo voltou a se alegrar. O porco vendo o cavalo alegre de volta logo falou: - Ainda bem que o cavalo se alegrou, agora sim o fazendeiro pode está bem de novo. O fazendeiro passando pelo curral viu seu cavalo alegre de novo, e pode voltar a está bem. Foi tanta alegria que o fazendeiro , resolveu fazer uma festa e matar um porco para o jantar.


Amor Bandido

Morena SOARES

Jean Carlos era um homem muito rico e ambicioso. Estava sempre em todas as festas da alta sociedade com sua esposa Britany, que o amava apesar de suas saídas e das mulheres que o cercavam. Jean Carlos só estava preocupado em se dar bem, nunca tinha tempo para dar o carinho e a atenção merecida por Britany. Na noite de um domingo foram os dois para Conectcut em um clube chamado Black Millon. Enquanto estavam esperando a premiação Britany disse: - Com licença, preciso ir ao Toallet. - Vá logo! Já deveria ter ido há muito tempo. Vai acabar me atrasando. E assim ela fez. Quando voltou o encontrou com outra mulher, saiu da festa e foi chorar o fato ocorrido. Poucos minutos depois ele chega a chamando de volta para a festa ela então, já decidida, disse: - Nunca mais quero ver você! Cansei da sua cafajestagem. Quer saber? Fui. Ele então furioso deu um tapa no rosto de Britany, arrependeu-se mais já era tarde, ela não acreditava mais nele. Foi então que, de repente, chega um cara em uma moto chamado Carlos. Ele era forte, alto e de bela


aparência. Rapidamente ele desceu da moto e deu um soco em Jean Carlos, que ficou caído do chão. - Você está bem? – Perguntou Carlos a Britany. - Sim. Mas espere. - Ela foi até Jean e deu-lhe um chute por entre as pernas. E falou: - Agora estou melhor! Deu um sorriso e subiu na moto com Carlos. Os dois então se apaixonaram e ele a levou para sua casa que ficava em um lugar escondido no meio da serra. Foi então que ela descobriu que ele era um bandido procurado pela polícia já fazia um tempo. Mais ela não o abandonou, ele tinha um carinho enorme por Britany. Sua mãe, quando ficou sabendo disso, ficou muito preocupada com o que poderia acontecer e pelo fato de estar envolvida com

um

criminoso.

Britany

escreveu-lhe

uma

carta

dizendo: “Estou vivendo um amor bandido, eu sei, vivendo uma vida duas caras. Mamãe, por favor, não chore, pois estou bem. Não se preocupe, mando notícias.” E assim passou-se o tempo até que a polícia encontrou o esconderijo dos dois. Chegando ao local falaram: - Saiam agora ou iremos atirar! - Não se preocupe eu vou te proteger. – Disse Carlos. E enquanto as balas ultrapassavam as paredes os dois se abraçavam e se beijavam. A polícia então parou e resolveu invadir para ver o que tinha acontecido. Após entrar viram que não havia ninguém lá e que lhe disseram o local errado.


Enquanto isso os dois já estavam longe. Mudaram os nomes e foram viver outra vida em Veneza fugindo da vida antiga que Britany o fez abandonar. Veneza era um lugar romântico e cheia de lugares belíssimos onde ninguém imaginaria encontrá-los.


O primeiro beijo

João Pedro de castro LIMA

Ainda lembro-me da semana que passou, uma semana de felicidade e ao mesmo tempo de medo, misturado com vergonha. Tudo começo na segunda passada, estava brincado com meus amigos na rua, e minha Irmã com suas amigas, eu já estava com 13 anos e nunca tinha beijado uma menina, e tinha uma quedinha por uma das amigas da minha irmã, então falei para meu amigo. - Ei cara vou pedir para ficar com ela. E meu amigo falou. - Vá lá cara. Mas o medo e a vergonha, não deixa-vão eu ir. Quando todos foram embora e eu e minha Irma fomos para casa tomei coragem e falei com ela. -Maria... É... Eu estava com vontade de ficar com a Daniele. Então Maria começou a rir, e falou. -Você ainda é muito novo para beijar meninas. Mas eu falei


-Não sou! Já tenho 13 anos, e sou o único menino da minha sala que não beijou meninas ainda. E minha irmã ficou pesando e me falou. -Tá amanha quando ela vir para cá E quando ela falou isso fiquei muito alegre, e ansioso. Na terça quando minha irmã foi para a casa de Daniele, ela falou -Daniele você não sabe quem me pediu para “ajeitar” você para ele. E Daniele ficou muito entusiasmada, até que minha irmã fala. -Meu irmão. Nesse momento Daniele fica sem reação, e pergunta. -Seu irmão? -Sim meu irmão, você quer ou não? Daniele fica pensativa, e fala. -É amanha te dou a resposta -Tá. Quando minha irmã chegou em casa, eu logo perguntei se ela falo com a Daniele, e ela diz. -Falei! E minha ansiedade aumenta, e pergunto. -O que ela falou? -Que ia pensar e amanhã me dava a resposta.


Na quarta, logo quando eu acordei, estava com muita vontade que chegasse logo à noite, para saber a resposta de Daniele, quando a noite chegou, me disseram que ela não ia para a praça que fica perto da minha casa, fiquei triste e mais ansioso. Na quinta, à noite, enquanto eu jogava bola na calçada com os amigos, ela chega, olha para mim da um sorriso meio tímido e pergunta -Lucas, Maria esta em casa? Eu olhei para ela tímido e falei. -Sim esta lá em cima. -Vamos lá, mas eu? -Eu? -Sim você. Vamos? -Tá vamos Então a levei até minha irmã, quando estávamos subindo as escadas, ela me pergunta. -O que sua irmã falou é verdade? -Sobre... É... Eu e você? -É, é verdade? -Sim, você quer? -Hum... Te vejo mais tarde Então, ela e minha irmã desceram, e eu fui tomar banho. Quando

terminei

vesti

uma

roupa

bem

bonita,

me


perfumei bem, e desci. Então chamei minha irmã e perguntei qual foi à resposta dela, minha irmã, falou. -Ela quer, mas só amanha na praça! -Tá eu espero! Na sexta tomei banho muito cedo, vesti uma roupa bem bonita, e chamei minha irmã para nos irmos para a praça. Quando chegamos, ela ainda não estava lá, esperamos, e quando ela chegou, chamou minha irmã, e perguntou onde ia ser então minha irmã pergunta onde eu queria ficar com ela, eu falei. -Pode ser na escada -Tá, vou falar para ela Então quando nós estávamos na escada nos beijamos, minha mãe viu, e deu um grito. -O que é que vocês estão fazendo em? E eu fiquei envergonhado. Quando Daniele foi embora, minha mãe me falou -Não quero você ficando com essas meninas você é muito novo -Eu não sou! -É sim, agora vá tomar banho e dormir -Ta mãe.


Historia de dragões

Joeliel GOMES

Num planeta dos dragões, existia um dragão chamado Muriel. Muriel era inibido, um pouco deformado que andava desajeitado. Ele participava de uma escola de luta, e sempre perdia as batalhas contra os adversários. Um profeta falou 10 anos antes que iria surgir um dragão com poderes incríveis. Alem de solta fogo ele tinha um grito super sônico, visão de longo alcance, e uma calda com espinho que furava tudo que vinha pela frente. Em uma batalha o dragão perdeu novamente, quando terminou a batalha, ele foi para o canto e começou a pensar em sua vida de perdas e fracasso. De repente chegou um dragão fêmea bonita. Ela começou a conversa com ele. Então ele chamou ele para da uma volta na floresta, ela aceitou, e foram juntos ate a floresta, chegando lá eles continuaram conversando e começaram a se gostar. Em um finalzinho de tarde eles se esbarraram, e o sentimento foi crescendo cada vez mais. Em uma de suas lutas sentiu-se estranho, meio tonto e com a vista embaçada, ele estava evoluindo, quando de repente ele adquiriu uma força imensa, um grito super sônico, espinhos na calda e uma visão de longo alcance. Ele usou os poderes para ganhar a luta. Ele ganhou a luta, a dragão fêmea chegou e deu um beijo nele. Ele saiu e nunca mais voltou.


Uma atitude por amor

Jorge SOUSA

Em uma floresta brasileira havia uma índia que morava em uma tribo com vários outros índios, neste maravilhoso lugar

todos

eram

bastante

unidos,

trabalhavam

coletivamente e viviam felizes. Seu nome era Rosa, uma mulher de cabelos longos, pele morena e macia e olhos negros como a noite; por ser uma pessoa muito amável e bondosa

era

querida

por

todos

seus

companheiros,

principalmente por Tupi, seu grande amor. Um certo, dia a felicidade desse povo foi ameaçada por um velho índio que havia sido expulso do grupo devido sua ganância e individualismo, o mesmo, antes de falecer, jogou uma maldição em forma de doença na aldeia, esta enfermidade jamais tinha sido vista pelos indígenas e atingiu mulheres, crianças e homens, inclusive Tupi, o grande amor de Rosa. Com medo de perder seu amado e seus amigos, a índia começou a pensar em uma solução para o problema, procurando assim o pajé mais velho que havia na região. O mesmo disse-lhe que a única forma de quebrar o feitiço era alguém se jogar da montanha mais alta que havia na floresta. No dia seguinte os habitantes da tribo reuniram-se para determinar quem iria sacrificar-se pelo bem dos demais,


no meio da discussão Tupi declarou que iria sacrificar-se, pois já estava muito doente e não tinha mais muito tempo de vida, perante a iniciativa todos concordaram. Rosa ao saber da decisão do amado resolveu ir no lugar dele, logicamente ,sem que ninguém soubesse. Quando chegou a hora marcada para que Tupi seguisse seu destino, ele procurou a mulher que amava para despedir-se, como não a encontrou, logo imaginou que ela teria ido em seu lugar. Mesmo muito doente, caminhou rumo ao local determinado pelo pajé, à medida que ia aproximando-se, notava melhoras em sua saúde, temia então que seu medo tivesse se tornado realidade e que Rosa teria se jogado em seu lugar. Ao

chegar

la,

estava

completamente

curado,

notou

também que o sol passou a brilhar com mais intensidade e que as flores desabrochavam com mais beleza, seu medo tornou-se realidade, Rosa pulou do penhasco para salvar seu grande amor e sua tribo. Mesmo muito triste Tupi se conformou e entendeu a decisão da índia, o que levou seu sentimento por ela a aumentar cada vez mais, embora a mesma não estando mais presente. Em homenagem a isso, ele passou a visitar o local diariamente e a jogar uma flor como símbolo do seu respeito e amor eterno.


O caçador

Fernando SOUSA

Um caçador sempre viajava a noite para caçar com seus amigos, sempre era de costume trazer várias caças para suas famílias, levava armas e faziam armadilhas para apanhar mais animais Ele sempre ouvia de um senhor já de idade contar para ele uma historia sobre uma mulher que matou seu pai, e por causa desse ato foi amaldiçoada por sua mãe. O velho falava que a mulher de dia era gente e a noite virava uma cachorra muita bonita, de cor branca. O caçador perguntava pro senhor se ele não tinha medo de

encontrar

com

a

cachorra

Lili,

pois

a

mesma

acompanhava as pessoas tentando mordê-la. Ele ficava um

pouco

apreensivo,

mas

continuou

com

as

suas

caçadas. O caçador em um dia de suas caçadas, perto de amanhecer ele a viu, como estava um pouco distante ele pensava

que

era

um

urso,

o

caçador

preparou

a

espingarda para dar um tiro, só que de repente a Cachorra veio ao encontro dele para agredi-lo. Durante essa luta, logo percebeu que estava acontecendo algo estranho com o corpo dela, ela estava se transformando em uma linda mulher.


O caรงador ficou encantado, e a levou para sua casa. Deu roupa e comida, mas quando chegou a noite ela fugiu para a floresta, e nunca mais ele o viu.


É! Estou realizada !

Léa Gabriela Gonçalves TABOSA

Em uma cidade no interior de São Paulo morava uma menina chamada Maria Isabel , ela era de origem muito humilde mas, ela acreditava que um dia a sua situação financeira iria mudar. Seu Francisco e D. Cecília eram seus pais, eles trabalhavam na roça para poder sustentar seus irmãos Luís Fernando, João Gabriel e Rita. Eles não deixavam que nenhum de seus filhos ficassem sem ir a escola, trabalhavam suado dia e noite mais não queriam a ajuda de nenhum, porque as crianças eram pra ter um futuro diferente do deles . Isabel era á filha mais velha, xodó da mãe e orgulho do pai. Tudo que seu Francisco ia resolver chamava Isabel para ir com ele. Seu pai Francisco recebeu uma proposta para

ir

trabalhar em uma casa de ricos na cidade de Rio de Janeiro, visando o salário que ele ia receber nesse trabalho todos

se

mudaram

pra

cidade

grande

e

se

aconchegaram em uma vila muito simples, mas de pessoas honestas e respeitadoras. Isabel e seus irmãos começaram a estudar em uma das escola próximas a sua casa, lá eles estavam passando por alguns tipos de preconceitos porque ela e seus irmão eram “caipiras” não tinha um Português tão bom e não se


vestiam como pessoas que moram em cidades com muita população. As primeiras semanas foram difíceis para eles, porque todos os alunos soltavam piadinhas, davam gargalhadas e coisas do tipo. Isabel e sua irmã eram muito bonitas e assim, chamavam a atenção dos meninos deixando as garotas da escola com ciúmes . Isa era muito estudiosa e assim, conquistou com facilidade, todos seus professores. Alguns meses depois deles terem ido morar na cidade Isa foi convidada para uma festa das meninas mais populares da escola, ela ficou super animada para ir mais, nunca imaginou o que iria acontecer com ela naquela noite . Chegou

em

casa muito contente pedindo a sua

mãe que lhe arranjasse roupas bonitas e maquiagem. Chegou a noite da festa, Isa de arrumou e ficou mais bela do que já era ! Seu pai foi deixa – lá na porta da casa da dona da festa. Quando Isabel entrou foi logo chamando atenção de todos com tanta formosura e delicadeza. Uns rapazes do time de Basquete começaram a assediar ela, mas ela ficava se saindo e pedindo para que eles parassem, mas eles não paravam. Eles continuaram insistindo em ficar agarrando Isabel, foi onde ela pegou um copo de refrigerante e jogou em um deles. Eles ficaram irados, todo mundo parou para olhar e eles disseram que ia ter volta... Quando a festa terminou, Isabel pediu que seu pai fosse busca-lá mais ele não podia ir e pediu que ela voltasse a pé. No meio do caminho Isa percebeu que estava sendo perseguida

por

alguns

rapazes,

quando

ela

menos

esperou, eles apareceram na sua frente e começaram a


cerca - lá. Ela pedia para que eles a deixassem ir se não iria gritar. Eles diziam que ela podia gritar porque a rua estava deserta e ninguém ia socorrê-la. Isabel começou a chorar e pedir desculpas a eles por ter jogado refrigerante e disse que aquilo nunca mais ia acontecer, só que eles queriam mesmo era outra coisa ... Os seis rapazes a estruparam sem nenhum tipo de pena e depois, a jogaram em um lugar cheio de matos perto da escola onde eles estudavam. De manhã ainda muito fraca, Isabel chegou em casa toda rasgada e chorando muito. Seu pai e sua mãe perguntaram o que tinha acontecido com ela e ela disse o que tinha ocorrido na noite anterior. Seu pai obviamente indignado, foi atrás de um dos rapazes e quando o achou, deu-lhe uma pisa que ele nunca ia esquecer na vida. D. Cecília

mudou os filhos de escola e Isa, estava

passando por tratamentos psicológicos. Depois de uns meses, Isabel já bem recuperada começou a freqüentar a escola novamente, teve menos dificuldades de interagir com os novos colegas e tudo tava bem. Já era seu último ano de Ensino Médio e a escola estava preparando os alunos para fazer vestibular. Isabel tinha um sonho de ser Advogada Criminalista, então ela estudava bastante para poder passar logo de primeira e começar a faculdade o mais rápido possível para ela poder ajudar sua família. Chegou o dia do vestibular, Isa estava muito tensa e com medo de não conseguir alcançar a meta que ela tinha desde muito nova. Os resultados saíram e Isabel tinha tido a felicidade de ter passado em 1° lugar. Feliz por demais, ela chegou em


casa gritando e dizendo: ”Eu passei, eu passei!”. Mas quando ela se deparou, estava diante de uma situação bem crítica. Seu pai tinha passado mal e estava sendo levado para o hospital central porque ele estava sofrendo um infarto. Muito mal, seu Francisco pediu para falar com Isabel, sua filha querida. Isabel quando entrou no quarto seu Francisco foi logo dizendo: “ Isabel minha filha, estou morrendo! Quero lhe pedir que cuide de sua mãe e seus irmãos, para que eles não passem

mais por nenhuma

necessidade. Quero lhe pedir também que termine sua faculdade e nunca desista de seus sonhos filha, você merece o melhor.” Assim, terminando de dizer isso, seu Francisco fechou os olhos e seus batimentos pararam. Isabel começou a gritar pelos Médicos para que eles fizessem algo pelo seu pai, mas já não tinha mais jeito, ele tinha vindo a óbito. Isa saiu da sala muito desamparada e quando olhou para sua mãe, caiu no chão chorando e dizendo: “Mamãe, meu pai morreu! Lá no chão mesmo a mãe e seus irmãos a abraçavam e diziam que aquilo tudo ia passar. Isa levantou e foi preparar tudo para o velório. No dia seguinte, após terem chegados do enterro ela reuniu a família e falou o que seu pai tinha pedido antes de morrer e disse que ia cumprir o pedido feito por ele. Passaram-se 6 anos, Isa estava concluindo a faculdade, seus irmão passaram no vestibular e estavam cursando a área que cada um queria. D. Cecília após a morte do marido encontrou no bordado um refúgio para passar a dor


e a saudade e hoje, tem uma mini empresa de bordados e provavelmente no futuro, será muito bem sucedida. Isabel se sentia realizada por está vendo sua família feliz, com boas condições, irmãos na faculdade, sua mãe com a mini empresa e ela.. há, ela muito bem casada com 2 filhos e muito reconhecida como Advogada Criminalista.


Feitos pelo destino

Luan COSTA Era uma Vez um menino Sonhador, que vivia a vida intensamente, adorava ver as flores, jogar futebol, andar com os amigos, etc... Ele vivia com seus pais em uma cidade chamada Carolinna do North, em uma casa grande e luxuosa. Um dia ele Andando com seus amigos, percebeu que esqueceu seu celular em casa, e logo correu para buscar, mais no meio do caminho, ele se depara com uma Linda menina, Logo seu coração bateu forte. O que ele não desconfiava era que a tal menina morava na mesma rua que a dele, então ele resolveu ir falar com ela. Eles ficaram amigos, e toda vez que ele chegava perto da garota seu coração batia mais forte, ele sem saber o que fazer, porque nunca tinha sentido isso antes, Resolveu continuar amigo da garota; Passaram alguns dias e o garoto Percebeu que ele a amava, sentia que devia

protege-la de qualquer

forma,

ele queria sempre estar perto dela, e não deixar que nada de mal a Atingisse. A Garota também Amava ele, com alguns Simples dias eles criaram um Vínculo de amor muito Forte, todos os dias eles se falavam, Saiam Juntos, Assistiam Filmes Juntos, até o dia em que a mãe da garota disse para sua filha que teria que mudar para uma cidade chamada de Connect City , pois o pai dela estava desempregado, e


recebeu uma proposta de emprego nessa cidade, então teriam que se mudar. O Garoto ficou Muito triste, pois sabia que nunca mais Veria a garota na qual a amava, Passaram se os Dias, e Chegou no Ultimo dia que a garota ficaria na Cidade. O Garoto Lhe preparou uma Festa de Despedida, Chamou todos os amigos e amigas dela para a festa, a Garota Ficou Espantada Quando viu a Surpresa que ele a preparou, então Lágrimas desceram de seus olhos, e logo foi ao abraço do seu amado. Após a festa, com as malas todas prontas, a garota Se dirigia ao Menino para lhe dar o Ultimo Beijo, e se despedir do Garoto. O garoto naquela situação não sabia o que fazer, pois ele estaria prestes a nunca mais ver a garota, ele sentia uma dor muito forte em seu coração, então, passou uma idéia por sua cabeça. A menina lhe perguntou que idéia o menino teve, ele a mandou esperar pois ele ia falar com sua mãe e com a mãe da garota, a garota esperou-lhe. E Depois de muita demora, ela Ver o garoto com as malas prontas para partir. A garota logo Percebeu que ele iria com ela, então seus olhos encheram de lágrimas, e Logo correu para abraçar o garoto, e com a alegria estampada no rosto dela, ela a prometeu que Nunca iria se separar dele, e que eles iriam ultrapassar todas as dificuldades Juntos. O Garoto Chorando, confirmou o que a garota disse e que eles não seriam Derrubados por nada, e que iriam durar por toda a eternidade. Fim.


Pronto Crian莽as Essa Foi a Minha Historia Com a Sua Av贸.


A menina malvada que só pensava nela

Iranilde CASTRO

Laiza morava com o pai, mãe e Irmã. Ela tinha muita raiva da irmã porque ela ganhava tudo o que queria. Quando foi um dia Laiza pediu a seu pai uma boneca que estava na moda e era muito

cara, mais o pai dela não podia dar

porque não tinha dinheiro. Com o passar do tempo sua Irmã pediu á seu pai uma boneca, o pai dela comprou. Comprou a boneca que Laiza tanto queria. Quando ela viu, ela ficou com tanta raiva que chorou. A sua irmã ficou tão feliz por ter ganhado a boneca. Quando chegou a noite Laiza resolveu pegar a boneca de sua irmã e jogar no fogo. No dia seguinte sua irmã foi procurar sua boneca e viu que não estava mais guardada, tinha sumido. Chorou tanto, tanto que a sua Irmã Laiza falou que se ela não iria ter a boneca sua irmã também não iria ter.


A busca da felicidade

Janaína LOPES

Havia em um certo tempo uma garota chamada Simone e um garoto chamado Luis. Eles foram criados juntos com os mesmos costumes e crenças. Mais isso mudou com um tempo pois a família de Simone decidiu ir embora para outra cidade por força maior,com essa noticia Luis ficou muito triste pois pensava no fato de ficar longe de Simone,acreditava ele que amizade deles não poderia acabar desta maneira. Pensando nisso ele decidiu varias táticas para família de Simone não ir embora,mais

nada

resolveu,mesmo

com

planos

para

família de Simone não viajar eles tiveram que ir de qualquer maneira. Passaram-se alguns anos e a família de Simone voltou para seu lugar de origem,quando Simone voltou estava uma mulher muito bonita e foi uma surpresa muito grande para Luis porque Simone estava noiva de outro homem chamado Alberto. Luis sofreu muito com essa notícia,pois acreditava ele que ela o amava. Simone via que Luis não estava satisfeito com a notícia. Simone Casou-se mas não sentiu-se Feliz,pois estavam todos em seu casamento menos quem ela mais esperava o seu melhor amigo Luiz. Passaram-se uns tempos Simone percebeu que não estava feliz,e decidiu divorciar-se,logo após a separação tomou a decisão de ir atrás de Luiz,ele ficou muito Feliz,e sem saber o que fazer deu-lhe um forte abraço em sua amada,e desta vez não iria desperdiçar a oportunidade de falar seus sentimentos por ela. Ela ficou


muito surpresa e descobriu que tinha um sentimento muito grande por ele tambĂŠm. Casaram-se tiveram um filho chamado Luis Pablo e Passaram o resto da vida felizes.


A madrasta malvada

Renata FREITAS

Estava um lindo e ensolarado dia na cidade de Damasco, interior de Rosas no Campo. Mariana uma garota órfã, que morava com o pai crescia graçiosamente um dia após o outro. Ao lado de sua casa havia uma vizinha muito boazinha, que lhe dava chocolate todos os dias. Certa vez a vizinha após dar o doce à menina, pediu algo em troca, falou ser apaixonada por seu pai e, que queria casar-se com ele. A inocente Mariana disse-lhe que falaria com seu pai. O homem trabalhava muito e recusou a proposta da garota, que continuou a insistir. Falará que a vizinha seria uma ótima mãe. Mas sempre se lembrava de sua mãe, que adorava pentear seus belos cabelos dourados. Ele não agüentando mais a insistência de sua filha, decidiu aceitar a proposta. Casaram e passaram a morar debaixo do mesmo teto. Logo o pai de Mariana teve que fazer uma viagem a trabalho, sem previsão para voltar. De repente a mulher mudou seu comportamento. Não tratava a pobre menina como antes, colocou-a para realizar as atividades domésticas e dava-lhe pouca comida. A tristeza tomou posse daquele lindo rosto infantil.


A mulher começou a ter contato com o outro homem. Mariana descobriu a traição. Queria contar tudo a seu pai. A sua madrasta sem ter outra opção, matou a garota, enterrando-a no quintal de sua casa. Quando o homem voltará de viagem, ficou enlouquecido com a história. Seus vizinhos falaram que a mulher havia fugido com outro homem. Ele nunca mais voltou a ser o mesmo.


Vida amante

Nadiele CASTRO

O marido tinha certas dividas e com receio não queria pedir dinheiro nem a esposa nem a seu melhor amigo. Estando preocupado e sem saber o que fazer resolve pegar emprestado o dinheiro das economias de sua esposa .muito espantou se quando junto com o dinheiro encontrou cartas que mostravam que sua esposa tinha um amante. Desesperado resolveu tomar medidas para com a esposa. Queria pega-la em flagrante fingiu uma viajem a negócios. Ela acreditou. Ele se aproveitou e entrou para se esconder e esperar o momento de sua volta com o amante. Eles chegaram, tempos depois o marido foi os surpreender com uma arma, queria acabar com os dois, mais ele que foi surpreendido. Acho

sua

esposa

e

seu

melhor

amigo

na

cama.

Desesperado e não acreditando na cena que se passara, colocou a arma contra a cabeça e atirou, indo a óbito logo depois. A esposa enlouqueceu e o amante a deixa sozinha como se nada tivesse acontecido.


Não faz mais sentido

Tânia Maria Pinheiro ROCHA

Thame saiu com sua prima Laís, e ao chegar à praça encontra o seu ex-namorado e se lembra da sua história com Gustavo. Se lembra dos momentos maravilhosos que passaram juntos e se entristece ao saber que não tem mais Gustavo ao seu lado, Marcos primo de seu exnamorado acena e as chamam

para ir a onde ele está,

constrangida falou muito pouco, já Laís falou pelos cotovelos. Gustavo chega perto de Thame e a chama pra conversar e ela aceita na boa, ele falou sobre seus sentimentos, havia tempo que estavam separados e nem imaginava o quanto ainda gostava dela. Só que não queria assumir que ainda gostava dela. Bateu uma vontade de voltar com ela. E pediu para eles voltarem. Thame: não por que há tempo que eu estou separada e não tem mais sentido ficarmos juntos depois de tanto tempo, pois hoje já sou uma mulher e não faz sentido fazer um papel de uma adolescente, e ser enganado com a mesma coisa sempre. Ela se despede e chama Laís para ir embora. Thame e Laís se despedem de Marcos, e segue em frente sem olhar para trás. Laís pergunta a Thame o que aconteceu com eles? E ela responde que não voltou com Gustavo pois não gostava mais dele, e sua felicidade não depende dele e nem de ninguém apenas dela mesma.


Dois destinos em um só destino

Vanessa SOUSA

Era verão e como sempre eu ia passar minhas férias no lugar onde eu mais amava estar, não sei explicar o porquê dessa paixão, quem sabe não é porque é o lugar onde nasci, onde pego altas ondas e onde eu me reúno com meus velhos amigos. Bom, eu sou Braiden, incrivelmente, sou soldada do exército em forças especiais, lá, é onde eu passo a maior parte do eu tempo, meu pai nasceu e cresceu aqui em Forks. Como sempre era verão e eu voltei, faltava um ano para eu sair de lá e quem sabe voltar definitivamente para Forks, cheguei em casa conversei com meu pai, minha mãe já se foi há alguns anos e meu pai é um solitário, matei a saudade e saí. Fui ao meu lugar preferido ‘a praia’. Lá eu pegava altas ondas, sentava na areia e tocava alguns instrumentos juntamente com meus manos. Tudo ia normal até que de repente um garoto que iria mudar o rumo da minha vida surgiu, naquele momento nossos

destinos

começavam

a

se

cruzar,

ele

era

esportista, surfava, curtia skate e amava praia, bom Brian era seu nome, ele não era de Forks e sim da capital de Washington, começávamos a nos conhecer, trocávamos números de nossos celulares e assim tudo começou.


Meses se passaram e Braiden e Brian cada vez mais apaixonados.

Em

Forks

também

tinha

uma

garota

chamada de Lucy que era alucinada por Brian. Lucy tinha uma filha chamada de Éllice.

Éllice era pequenina e

querida por todos ela tinha necessidades especiais. Éllice era muito

apegada com Brian e Lucy sempre se

aproveitava disso. Bom o verão estava acabando e Braiden teria que voltar ao exército. Os dois fizeram juras e promessas de amor e ela embarcou. Um ano depois ela voltou e teve uma tremenda surpresa Brian estava morando com a Lucy e sua filha Éllice, Braiden ficou decepcionada com a atitude dele, como ele podia fazer isso depois de tantas juras? Brian explicou-lhe tudo, Lucy estava precisando de ajuda com Éllice e ela aceitou. Meses se passaram e a pequenina descobriu que tinha câncer em estagio avançado, restava-lhe poucos dias de vida, infelizmente ela não resistiu. Brian não tinha mais razões para estar com Lucy, já que a sua verdadeira amada já a esperava há anos, Braiden e Brian finalmente ficaram juntos, os dois tiveram uma filha no qual colocaram o nome de Éllice em homenagem a pequenina. Braiden e Brian só tinham motivos para sorrir, moravam próximo ao seu lugar preferido, lugar tranquilo, ar puro, família. Coisas

que

a

vida

pode

simplesmente nos fazem felizes.

nos

reservar

e

que


O moleque que queria ser piloto

Luiz HENRIQUE Era uma vez um moleque que queria ser piloto de motoCross mais ele não podia porque sua família

não deixava ele core dizia que

era perigoso mais ele não tinha medo de core mais sabia que era perigoso mais a pesar da sua família não quere

ele tava

determinado a quere isso par sua vida apesar de todos ta contra a sua vontade mas tinha uma pessoa de li a poiva suficiente para conseguir realizar seu

mais não era

sonho por seus pais tinha

que a poia Sua mãe ajudava mas seu pai não queria a mãe deu a moto escondido do pai mais ainda faltava pula com o passar do

equipamento para ele pode

tempo seu pai descobri e o menino tomo

uma desizao de enfrenta seu pai , mais seu pai não queria deixa ele core porque ele tinha medo de perde seu único filho mais ele pesebel que se não dechase seu filho fazer o que ele queria ele iria perde se filho pois ele iria fazer escondido e poderia se maxuca mais ele apoio e Le si tornou um campeão mundia de MotoCross e ele foi feliz par sempre com seus pais apoiando o que ele queria e o incentivando

Os 44 xis  

Contos de 44 estudantes do Ensino Médio

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you