Page 1

ANO 0

N. 1

s e d a d i r a e n i L

Logo baixa resLogo baixa res

O SILEIR O BRA

DE ES

EM E TUDOS

DAS

STRA IA DE E

COLOG

CENTR

PESQUISA O Grupo de Pesquisa em Ecologia de Estradas foi contemplado com um novo projeto, financiado pela Fapemig e que terá duração de três anos. Página 3

COMITÊ CIENTÍFICO DO CBEE O Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas está lançando um serviço de apoio a publicações de artigos científicos para pesquisadores brasileiros e da América Latina. Página 4

ARTIGOS CIENTÍFICOS Três novos artigos científicos foram publicados entre janeiro e março de 2012. Dois deles discutem sobre impacto de rodovias em aves e outro descreve atropelamentos no sul de Minas Gerais. Página 6 1

LINEARIDADES O BOLETIM MENSAL DO CBEE Temos a grande satisfação de poder atingir mais uma meta proposta para o Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas, a de criar, elaborar e publicar um boletim mensal sobre Ecologia de Estradas e empreendimentos lineares em geral. O LINEARIDADES visa reunir e difundir as mais diferentes ações que estejam sendo desenvolvidas em Ecologia de Estradas no Brasil e no mundo. Nosso boletim é composto por diferentes seções, tais como: projetos de pesquisa, entrevistas, notícias, oportunidades de financiamento, eventos, artigos e monografias publicados, entre outras.

Participe encaminhando resenhas de projetos em desenvolvimento, artigos, notícias, ... Este primeiro número terá foco no CBEE e nas ações desenvolvidas pelo grupo de pesquisa diretamente vinculado ao Centro. Esperamos que as próximas edições possam contemplar contribuições de outros pesquisadores, tanto brasileiros quanto estrangeiros.


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

ESTAÇÃO ECOLÓGICA DO TAIM O projeto de monitoramento da fauna atropelada no trecho da rodovia BR 471, que atravessa a Esec Taim, está completando 2

CENTR

anos no início de abril. Recentemente foram instalados 2 controladores de velocidade, nos principais acessos a área da UC, e o telamento originalmente projetado foi recolocado como forma de conter a grande ocorrência de atropelamentos registrados nos últimos anos. Através do projeto estão sendo avaliados os eventos de atropelamentos e a efetividade dos aparatos de mitigação. Fonte: Esec Taim ICMBIO (Facebook)

CENTRO BRASILEIRO DE ESTUDOS EM ECOLOGIA DE ESTRADAS O Centro Brasileiro de estudos em Ecologia de Estradas (CBEE) objetiva desenvolver estudos de cunho acadêmico e aplicados para compreensão dos efeitos das rodovias e outros empreendimentos lineares sobre a biodiversidade. Suas linhas de pesquisa abrangem segmentos relacionados à poluição, engenharia, fauna, flora, hidrologia, entre outros.

O CBEE foi criado no ano de 2011 e institucionalizado pela Pró-reitoria de Pesquisa em fevereiro de 2012. Sua sede se encontra na Universidade Federal de Lavras, junto ao Departamento de Biologia e sob a coordenação do Prof. Dr. Alex Bager.

A Ecologia de Estradas ainda é uma linha de pesquisa recente no Brasil e no mundo, por isso as relações entre biodiversidade e empreendimentos lineares ainda requerem uma formação significativa no ambiente acadêmico, em empresas e nos diferentes órgãos governamentais que atuam na área. O CBEE desenvolverá capacitação nas mais variadas formas, atuando em

2

cursos de pós-graduação strictu e latu sensu e realizando cursos de extensão.

Atuaremos também como parceiros em estudos aplicados e na elaboração e análise de produtos gerados com foco em empreendimentos lineares e biodiversidade. Alguns serviços prestados serão: estudos de impactos; avaliação e/ou implementação de medidas de mitigação; elaboração de projetos; análise de dados e elaboração de relatórios; supervisão de estudos; treinamento de equipes, entre outros.

O CBEE foi criado em setembro de 2011 e desde fevereiro de 2012 é um Centro de Pesquisa da UFLA

A partir das demandas atuais e futuras o CBEE buscará o desenvolvimento de atividades de pesquisa que subsidiem ações de planejamento, manejo e gestão de empreendimentos rodoviários nos aspectos relacionados à conservação da biodiversidade. Estas pesquisas poderão ser desenvolvidas pelo CBEE ou sob sua supervisão, conforme sua capacidade de execução.


O SILEIR O BRA

CENTR

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

N. 1

PROJETO ESTRADA VIVA

O Projeto Estrada Viva, será adotado como o nome das ações do Núcleo de Pesquisa em Ecologia de Estradas nos próximos anos. O nome do projeto introduz o desejo do grupo em obter uma relação positiva entre o desenvolvimento socioeconômico e a conservação da biodiversidade. A proposta é coletar informações sobre os impactos causados pelas rodovias em diferentes regiões do território nacional e incrementar pesquisas que viabilizem a identificação de áreas críticas desse impacto. Tais informações poderão contribuir para o planejamento de construção de rodovias, identificação de áreas com maiores índices de perturbação à biodiversidade e implantação de medidas mitigadoras de impactos.

O projeto, financiado pela Fapemig, terá duração de três anos. O projeto Estrada Viva será subdividido em vários sub-projetos. Nesta edição será apresentado um resumo do sub-projeto Travessias. O projeto visa estudar a influência de rodovias sobre uma população de saguis (Callithrix penicillata) distribuída por diversos fragmentos florestais circundados por rodovias, sendo estes localizados no município de Lavras, sul de Minas Gerais. O estudo pretende inicialmente quantificar quantos grupos existem dentro da área escolhida, entender como eles se distribuem entre os fragmentos, identificar seus padrões de deslocamento, além de monitorar os atropelamentos dos indivíduos nas rodovias próximas.

ROAD ECOLOGY BRAZIL 2013 Já estamos trabalhando para a terceira edição do Congresso Brasileiro de Ecologia de Estradas (Road Ecology Brazil 2013). Estamos cadastrando potenciais parceiros para apoiar o REB. Caso sua empresa/instituição tenha interesse em apoiar o nosso evento, encaminhe email para cbee@dbi.ufla.br. O REB 2013 ocorrerá no segundo semestre do ano que vem, em data a ser definida.

3

AS

RAD DE EST

ANO 0

Serão vários sub-projetos abordando questões de efeitos marginais, atropelamento, medidas de mitigação, entre outros. A segunda etapa do projeto pretende monitorar um número determinado de indivíduos dentro de cada grupo social reconhecido. Para isso, a técnica de radiotelemetria foi a metodologia escolhida, onde os indivíduos uma vez capturados receberão colares transmissores e serão soltos novamente. Os pesquisadores irão a campo visitar os fragmentos utilizando rádio receptores e antenas de modo a captar o sinal transmitido pelos colares. Desta forma, espera-se identificar com maior riqueza de informações o habitat desses indivíduos, suas rotas de deslocamento e possíveis pontos de travessia pela rodovia, onde os saguis se expõem ao risco de atropelamento. A terceira etapa prevê o mapeamento de todos os pontos de travessia nas rodovias e a subseqüente implementação de estruturas de travessia de fauna adaptadas aos saguis. Uma vez implantadas, será feito um acompanhamento dessas estruturas, onde pretende-se monitorar seu uso por parte dos saguis e assim avaliar sua efetividade.


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

CENTR

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

COMITÊ CIENTÍFICO DO CBEE autor acatar as observações do revisor.

O Comitê Científico do CBEE visa auxiliar todos os pesquisadores brasileiros e da América Latina a ampliar o impacto potencial dos artigos científicos publicados em Ecologia de Estradas. O Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas lança um serviço de apoio aos pesquisadores que objetivam publicar artigos científicos em ecologia de estradas. O Comitê Científico reúne renomados pesquisadores brasileiros e internacionais, que atuam em ecologia de estradas ou áreas correlatas. O objetivo do Comitê Científico é revisar artigos de pesquisadores brasileiros e latino-americanos, sem custo, ampliando o potencial de aprovação em revistas de maior impacto e contribuindo para a inserção brasileira no cenário mundial da Ecologia de Estradas. O Comitê Científico iniciará suas atividades na segunda quinzena de abril e interessados em fazer uso deste serviço devem enviar uma cópia do artigo para o email do CBEE (cbee@dbi.ufla.br). Apenas o Prof. Dr. Alex Bager e mais um membro do Comitê Científico terão acesso ao artigo. A revisão acontecerá no formato duplo cego, onde o autor e o revisor não serão conhecidos. O revisor selecionado terá um prazo de 20 dias para avaliar o artigo e devolvê-lo ao CBEE, que então encaminhará as sugestões ao autor. Cada artigo somente será revisado uma vez e o CBEE não se responsabilizará pelas sugestões realizadas, sendo uma opção do

CBEE NO BRAZIL ROAD EXPO 2012 O Brazil Road Expo foi realizado entre dias 2 a 4 de abril em São Paulo, reunindo um grande número de empresas, instituições e diferentes interessados na implantação, gestão e planejamento de rodovias. O CBEE esteve presente no evento, buscando estabelecer novas parcerias e identificar novos segmentos de atuação. Cremos ser fundamental a união da academia e dos segmentos empresariais que atuam na implantação de empreendimentos lineares.

4

Somente serão recebidos artigos na sua versão final (com tabelas e figuras), informando a revista onde se pretende publicar (o revisor avaliará a coerência entre a qualidade do artigo e a revista). Artigos que serão publicados em revistas internacionais podem ser enviados em português, mas já devem estar finalizados e no formato da revista. Não serão revisados resumos expandidos, trabalhos completos para eventos ou outra forma de publicação que não seja artigo científico. O CBEE deverá constar nos agradecimentos de todos os artigos revisados.


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

CENTR

Áreas protegidas: um oceano de riquezas e biodiversidade Este será o tema do IV CBUC (Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação), um dos mais importantes eventos sobre conservação da natureza na América Latina, que acontecerá entre os dias 23 a 27 de setembro de 2012, no Centro de Convenções de Natal (RN). Paralelamente ao evento ocorrerá o III Simpósio Internacional de Conservação da Natureza. Artigos podem ser enviados até 15 de Abril de 2012.

6º Congresso de Mastozoologia O evento realizado às margens do Rio Paraguai, representa uma oportunidade de estreitar laços entre pesquisadores atuantes na região com os principais grupos de pesquisas do país, além de convidar a comunidade científica especialista em mamíferos a experimentar um cenário de máxima virtuosidade quando a questão é mastozoologia. Data : 25 a 29 de Junho de 2012 Local: Corumbá (MS) Site : www.eventus.com.br/sbmz2012

IENE (Infra Eco Network Europe) A conferência internacional objetiva ampliar a compreensão dos impactos das infra-estruturas de transporte em relação à fragmentação do ambiente. Promove o diálogo entre pesquisadores de todo o mundo, buscando desenvolver soluções cada vez mais aprimoradas para conservação da biodiversidade. Data: 21 a 24 de outubro de 2012 Local : Potsdam-Berlim – Alemanha Site : http://www.iene-conferences.info/

5


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

ATIVIDADES DO CBEE O coordenador do CBEE, Prof. Alex Bager, esteve em Brasília entre os dias 19 e 22 de março em reuniões com representantes do

CENTR

ICMBIO e do IBAMA. Entre as pautas estavam a retomada do processo de discussão sobre a criação de um protocolo de amostragens e análises de dados para licenciamentos ambientais, criação e sistematização do Banco de Dados Brasileiro de Fauna Atropelada, estabelecimento do Selo CBEE, entre outros. Como principais resultados, ficou acertada a definição de um calendário de atividades e indicação de nomes para comporem os grupos de trabalho.

Resenhas

ARTIGOS CIENTÍFICOS Impacto da rodovia BR 392 sobre comunidades de aves no extremo sul do Brasil Bager, A. & Rosa, C.A. Revista Brasileira de Ornitologia (n. 1; 2012) O estudo objetivou avaliar alterações no padrão da estrutura de comunidades de aves em relação à distância de uma rodovia. Foram coletados dados em três distintos ambientes da BR 392 no sul do Brasil, em cada ambiente foi comparada a diversidade de aves em áreas próximas e distantes da rodovia, assim como a taxa de atropelamento destas aves. Não foi identificado um padrão claro de variação na estrutura das comunidades de aves entre as áreas próximas e distantes da rodovia, tendo constatado índices de abundância, riqueza e diversidade semelhantes. O único padrão em que se evidenciou diferença foi na dominância, maior nas áreas próximas da rodovia. Isso significa que estas áreas apresentam maior irregularidade na distribuição de indivíduos por espécies. A taxa de atropelamento observada foi de 0,1 ind./km/dia e afetou principalmente espécies comuns e sinantrópicas. Não foi constatada relação entre a abundância no entorno e o número de animais atropelados.

6

Há pouca relação entre a estrutura da comunidade de aves atropeladas e no entorno da rodovia

Variação sazonal da fauna selvagem atropelada na rodovia MG 354, Sul de Minas Gerais – Brasil Santos, A.; Rosa, C.A. & Bager, A. Biotemas (n. 1; 2012) O estudo teve como objetivo analisar possíveis variações sazonais nas taxas de atropelamento de animais silvestres na rodovia MG 354. Foram coletados dados durante doze meses (abril 2007 a março de 2008), com amostragens realizadas a cada dez dias, em um percurso de 13 Km da rodovia. Os indivíduos foram identificados e categorizados com mais ou menos de 500g, para que assim pudessem ser estimados os impactos de atropelamentos em relação a biomassa dos animais. No total foram encontrados 46 animais silvestres atropelados, distribuídos em 28

espécies, dentre eles um indivíduo de Chrysocyon brachyurus, que é ameaçado de extinção a nível nacional. As taxas de atropelamento variam de a c o rd o c o m a s e s t a ç õ e s d o a n o , concentrando-se nos períodos de chuva (verão em Minas Gerais). Acredita-se que neste período os animais se deslocam mais sobre a pista para eventos de dispersão e reprodução. A velocidade de monitoramento (20km/h) dos animais também permitiu um maior detalhamento dos registros de anfíbios, répteis e outros animais atropelados.

A variação temporal nas taxas de atropelamento requerem amostragens que contemplem as diferentes épocas do ano.


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

CENTR

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

ECOLOGIA DE ESTRADAS TENDÊNCIAS E PESQUISAS O primeiro livro de ecologia de estradas brasileiro foi lançado em fevereiro de 2012 pela Editora da Universidade Federal de Lavras. Editado pelo Prof. Alex Bager, contou com a participação de mais de 30 pesquisadores brasileiros e internacionais, resultando em 18 capítulos abordando aspectos históricos, perspectivas futuras do desenvolvimento da ecologia de estradas, estudos de caso e métodos. O livro pode ser adquirido pelo site www.editora.ufla.br

Resenhas

ARTIGOS CIENTÍFICOS Seasonality and habitat types affect roadkill of neotropical birds Rosa, C.A. & Bager, A. Journal of Environmental Management (n. 1; 2012) O objetivo da pesquisa foi avaliar as diferenças nas taxas de atropelamento de aves neotropicais em relação às estações do ano e aos tipos de ambientes associados à presença das rodovias. Os dados foram coletados semanalmente por dois anos em duas rodovias federais do sul do Brasil.

7

F o r a m i d e n t i fi c a d a s 5 7 e s p é c i e s atropeladas com uma taxa de atropelamento média de 0,06 ind./Km/dia. Os resultados mostraram que estes atropelamentos ficaram concentrados nas áreas de cultivo de arroz e em áreas úmidas, intensificando-se durante o outono e o verão. Fatores como dispersão de juvenis, períodos de colheita e transporte de grãos, comportamento de vôo e forrageamento sobre a pista parecem ter relação com o acréscimo no número de atropelamentos de espécies mais abundantes. Com os resultados da pesquisa foi possível estabelecer a atuação da rodovia como u m a b a r re i r a f í s i c a , inibindo o deslocamento ou causando a morte de muitas espécies.

O comportamento das espécies e a paisagem de entorno implicam em diferentes taxas de atropelamento de aves


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

CENTR

EFEITO DE BORDA DE RODOVIAS EM PEQUENOS MAMÍFEROS DE FRAGMENTOS FLORESTAIS TROPICAIS Clarissa Alves da Rosa Dissertação de mestrado Pós-Graduação em Ecologia Aplicada - UFLA

A dissertação, concluída em fevereiro de 2012, foi apresentada em dois capítulos. No primeiro capítulo apresentou-se uma compilação dos efeitos de fragmentação e degradação de habitat causados por rodovias em populações e comunidades de vertebrados. Foi observado que o efeito de borda e barreira da rodovia é causado, sobretudo nos primeiros 100 metros para mamíferos, aves e anfíbios. Observou-se também uma grande lacuna de conhecimento no que se refere aos efeitos de rodovias sobre répteis e para todos os grupos de fauna de ambientes tropicais. A pesquisa demonstrou que, diferente de outros agentes de fragmentação, a rodovia afeta espécies com alta capacidade de deslocamento e tolerantes a fragmentação (menos suscetíveis aos efeitos de borda e barreira). Isso acontece por meio dos atropelamentos, tornando a rodovia um agente capaz de afetar espécies com as mais variadas exigências ecológicas. No segundo capítulo da dissertação avaliou-se o efeito de borda de rodovia (neutro, positivo ou negativo) e variáveis ambientais que afetam o número de pequenos mamíferos em fragmentos florestais associados a rodovias no sul de Minas Gerais.

A vida   é   tão   preciosa   para   uma   criatura   muda   quanto   é   para   o   homem.   Assim   como   ele   busca   a   felicidade  e  teme  a   dor,  assim  como   ele   quer   viver   e   não  morrer,   todas   as   outras   criaturas   anseiam   o   mesmo. Dalai  Lama

8

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

Resenhas

MONOGRAFIAS Os resultados permitiram concluir que o efeito de borda causado pelas rodovias está relacionado ao hábito das espécies. Espécies arborícolas apresentam respostas neutras ou negativas à borda da rodovia, enquanto espécies terrestres apresentam resposta positiva. A distância da rodovia, a distância da borda sem rodovia e a matriz foram as variáveis ambientais que mais afetaram a distribuição dos pequenos mamíferos. Sendo assim, acredita-se que, associado aos hábitos de vida, a distribuição dos indivíduos pode estar relacionada também à disponibilidade de recursos proporcionados pelas bordas da rodovia e da matriz.

Estudos futuros devem analisar se o efeito da rodovia é semelhante ao de outras matrizes ou se implica em impactos diferenciados


O SILEIR O BRA

U

DE EST

A OLOGI

M EC DOS E

CENTR

AS

RAD DE EST

ANO 0

N. 1

CONTRIBUIÇÕES O LINEARIDADES aceita contribuições nos seguintes segmentos: Resenhas de projetos em desenvolvimento ou finalizados (não encaminhar propostas de projetos); Resenhas de artigos científicos e monografias (graduação, mestrado, doutorado e especialização) (Encaminhar cópia em PDF junto com a resenha); Notícias nacionais e internacionais; Eventos; Oportunidades de estágios, bolsas, empregos em Ecologia de Estradas; Fotos do mês; Fontes de financiamento de projetos.

Resenhas devem ter, no máximo, 500 palavras e incluir uma fotografia que esteja associada ao material enviado. Incluir nome e contatos do responsável pela informação.

EQUIPE Coordenação Alex Bager

Responsável Lívia Villela Email: cbee.boletim@gmail.com Tel.: 35 3829 1928 Equipe de apoio • Clara Maia • Clarissa Alves da Rosa

Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas Universidade Federal de Lavras - Departamento de Biologia Campus Universitário, s/n - Lavras - MG - 37200 000 Email: cbee@dbi.ufla.br Web: www.dbi.ufla.br/cbee (em construção) Telefone: 35 3829 1928

Linearidades Ano 0 | N 1  

Revista mensal do Centro Brasileiro de Estudos em Ecologia de Estradas

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you