Page 1

Letícia Gomes |

portfólio


Lattes: lattes.cnpq.br/3012203060194658 LinkedIn: linkedin.com/in/letĂ­cia-gomes-531069147/ Issuu: issuu.com/leticiagomes.s


Letícia Gomes de Sousa leticiagomes.s@hotmail.com +55 11 98266-0397

16/11/1988 . Teresina-PI . Brasil Residência atual: São Paulo-SP


Currículo Formação acadêmica

Experiência profissional

Habilidades


2014-2017 FACULDADE DE ARQUITETURA E URBANISMO DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO | FAUUSP São Paulo Mestre na área de Projeto de Arquitetura 2007-2011 UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ Teresina Bacharel em Arquitetura e Urbanismo

2012-2014 FMC ARQUITETURA - FERRÉS, MILANI & CAMPANHÃ ARQUITETURA LTDA. São Paulo Atuação como arquiteta. 2011-2012 A+ STUDIO ARQUITETURA E DESIGN Teresina Atuação como arquiteta e, anteriormente, estagiária. 2009-2010 LALINE MENDES ARQUITETURA LTDA. Teresina Atuação como estagiária. 2008-2009 DIPRO - DIVISÃO DE PROJETOS DA PREFEITURA UNIVERSITÁRIA DA UFPI Teresina Atuação como estagiária voluntária.

Softwares | Autocad 2D SketchUP V-ray Photoshop Illustrator Pacote Office Revit

Línguas | Português Inglês Espanhol

[CADRITECH 100h]

[língua materna] [avançado] [básico]


Índice Trabalhos selecionados Dissertação de Mestrado

Arquitetura Residencial

Arquitetura Comercial

Trabalho Final de Graduação

Arquitetura de Interiores


08

ARQUITETURA DE FEIÇÕES BRUTALISTAS NO PIAUÍ: DEZ EXEMPLARES [São Paulo, 2017]

14

CASA TABOCA [Teresina, 2017]

18

CASA DIRCEU [Teresina, 2017]

22

CASA PAVILHÃO [Teresina, 2010]

26

SUPERMERCADO BARATÃO [Regeneração, 2013]

30

RODA CAPOEIRA: CENTRO DE REFERÊNCIA DE CAPOEIRA EM TERESINA-PI [Teresina, 2011]

34

ADEGAS [Brasília, 2015 - 2016]

36

COZINHA M FERREIRA [Teresina, 2015]

38

AP 203 [Teresina, 2017]


Arquitetura de feições brutalistas no Piauí: dez exemplares

Dissertação de mestrado

FAUUSP - São Paulo, 2017 Orientador: Rafael Antonio Cunha Perrone ARQUITETURA DE FEIÇÕES BRUTALISTAS NO PIAUÍ: DEZ EXEMPLARES LINHA DO TEMPO

MONUMENTO AOS HERÓIS DO JENIPAPO RAUL CIRNE

AGESPISA ÁGUAS E ESGOTOS DO PIAUÍ S/A RAIMUNDO DIAS

ESTÁDIO GOVERNADOR ALBERTO TAVARES SILVA ALBERTÃO RAUL CIRNE

CENTRO ADMINISTRATIVO DO PIAUÍ MARCIO BARROS, MARCUS MEYER, RAIMUNDO

1978

1973

1972

TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO PIAUÍ ACÁCIO GIL BORSOI


Este trabalho teve como objetivo principal o conhecimento e o reconhecimento de dez edifícios de feições brutalistas do estado do Piauí. Por meio de um reconhecimento arquitetônico,

1

crítico e referenciado dessas obras, construídas nas décadas 1

de 1970 e 1980, procurou-se compreender os seus valores

Linha do tempo diagramática dos edifícios estudados. Fonte: Parceria da autora com o arquiteto Bruno Andrade.

projetuais, a relevância das mesmas na identidade da pais-

BANCO BANESPA ATUAL SANTAANDER AUTOR DESCONHECIDO

agem urbana em que se inserem e a origem e as peculiaridades do seu contexto de criação e implantação.

TERMINAL RODOVIÁRIO LUCÍDIO PORTELA RAIMUNDO DIAS

RIO POTY HOTEL RICARDO ROQUE

FEIRA DO TROCA-TROCA GORETTI MENDES

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO PIAUÍ ACÁCIO GIL BORSOI

1984

1983

1982

1981

O DIAS


Arquitetura de feições brutalistas no Piauí: dez exemplares

Apesar de o caráter brutalista ter sido o denominador comum e o ponto de partida para o estudo do conjunto edificado, a pesquisa não se reduziu a uma abordagem exiguamente estilística, pela crença de que uma categorização não é suficiente, nem mesmo determinante para a compreensão desses exemplares arquitetônicos, onde os mesmos foram analisados como parcela do seu próprio contexto. Tomou-se como princípio o enfoque propriamente arquitetônico da investigação, em que “a própria realidade da obra se constitui objeto e oportunidade de pensamento” ¹.

¹ OYARZÚN, F. P.; ARAVENA M, A.; QUINTANILLA, J. Los hechos de la arquitectura. Santiago: Ediciones ARQ, 2007.


1

22

1

C1

2

C1

3

2 Vista da entrada do Estádio Alberto Tavares Silva (Albertão). Fonte: Fotografia da autora.

4 4

3

3

3 Estudo diagramático da evolução planimétrica da planta da arquibancada do Estádio Albertão a partir do redesenho do projeto original. Fonte: Elaborado pela autora.

C2

C2

C1

C1 C5

C4

C5

C4

C3

C3

66

5

5

C2

C2

C1

C1 C5

C4

C5

C4

C3

C3

68 8

5 7

7

1 95

3

91

7 11

87

83

C2

22 79

23

24

1

2

15

3 4

6

20

75

19

5

21

23

C1

19 C5

C4

27

18

8

17

67

63

C3

7

71

31

9 16

10 15

59

14

12

13

35

11 39 43

55 47

51 49

0

100


Arquitetura de feições brutalistas no Piauí: dez exemplares

Por meio do estudo das obras em si, apoiado por documentos que elucidam suas características originais, realizou-se um trabalho de documentação e análise, considerando a importância desse conjunto para o patrimônio arquitetônico piauiense e para os ambientes urbanos, tendo em vista sua preservação e valorização, assim como o fortalecimento da historiografia arquitetônica piauiense.

1

3

2

4

5 4 6 4 Estudo diagramático investigativo dos agentes modificadores atuantes na formação das lâminas verticais e de cobertura do edifício do Tribunal de Justiça do Piauí a partir da percepção da sua massa. Fonte: Elaborado pela autora.

5

6

5 Vista da circulação interna periférica do edifício do TJ-PI. Fonte: Fotografia da autora.

6 Vista da fachada do TJ-PI. Fonte: Fotografia da autora.


Casa Taboca Construção

Teresina, 2017


7 8 7 Mapa de locação.

8 Vista da fachada principal NE.

Localizada no extremo leste da cidade de Teresina, em uma zona afastada do centro urbanizado, a casa Taboca situa-se em um terreno em L marcado pela abundância vegetal e pelo clima ameno da redondeza. Ela será a primeira etapa de uma obra que também irá contar com piscina e área de lazer. A locação da obra no terreno foi feita de forma que todas as árvores existentes pudessem ser preservadas. A casa foi projetada com estrutura de concreto armado e vedações de tijolo aparente, de onde se tirou partido para as aberturas tipo cobogó. Esse artifício possibilitará a entrada de luz natural e a ventilação cruzada no interior da residência, mesmo nas fachadas de maior incidência solar vespertina. FICHA TÉCNICA Área do terreno: 3.850 m² Área construída do térreo: 291,10 m² Área construída do 2º pavimento: 200,40 m²


N

S

N

PLANTA HUMANIZADA Tร‰RREO 0

4

D

PLANTA HUMANIZADA 1ยบ PAVIMENTO N

0

4


Casa Taboca

9 10

9 | 10 Vista das fachadas SE e SO Vista das fachadas SO NO;


Casa Dirceu Reforma

Teresina, 2017

11 12

Localizada na zona sud

11

residência encontra-se lo

Mapa de locação.

12 Vista da fachada principal O.

Arcoverde - maior e mais

24,9 m. O projeto de a

trução de quatro cômodo

utilizados como sala, cozi


deste de Teresina, no Dirceu

A primeira ampliação, feita pela proprietária, se estendeu

s populoso bairro da capital -, a

até o muro leste do terreno, contando com a construção

ocada em um terreno de 10,0 x

de um banheiro, um depósito e uma lavanderia.

ampliação parte de uma cons-

os modulados de 3,00 x 2,90m,

inha e dois quartos.

A nova ampliação proposta visa a construção de mais um quarto, onde também será construído um banheiro, conjugado a este e a um dos quartos existentes. É proposta ainda a ampliação e a comunicação dos três cômodos restantes, que darão lugar a um ambiente integrado de sala de estar, sala de jantar e cozinha. Por fim, um terraço em L será construído na fachada frontal da residência, fazendo a proteção da sua fachada oeste e integrando, na construção, o cajueiro ali existente. Este, juntamente com as demais árvores do terreno, contribui com a melhoria do micro clima local. Será utilizado como método construtivo a estrutura de concreto armado, as vedações em tijolos cerâmicos e cobogós cimentícios e o telhado estruturado em madeira e telha cerâmica, assim como o existente originalmente. FICHA TÉCNICA Área do terreno: 249,00 m² Área da construção original: 36,00 m² Área da construção final: 92,78 m² Área de cobertura: 92,78 m²


RUA

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

RUA

N

0

4

PLANTA CONSTRUÇÃO/ DEMOLIÇÃO 0

4

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PLANTA HUMANIZADA FINAL


Casa Dirceu

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

N

PLANTA BAIXA ORIGINAL 0

CORTE TRANSVERSAL 0

4

4

CORTE LONGITUDINAL PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

A PRESERVAR A DEMOLIR AMPLIAÇÃO DA PROPRIETÁRIA A CONSTRUIR

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

PRODUCED BY AN AUTODESK STUDENT VERSION

0

4


Casa Pavilhão Construção

Teresina, 2010

A casa Pavilhão trata do estudo de uma residência unifamiliar feito em um terreno plano de dimensões indefinidas. Projetada em estrutura metálica, a residência possui fachadas recuadas com varandas em fita a norte e a sul, onde as lajes impermeabilizadas de cobertura encontram-se em balanço. Na fachada sul, o balanço é de 1,20m e na fachada norte é de 2,00m, apresentando ambos um comprimento de 22,35m. Tirou-se proveito das fachadas norte e sul, mais protegidas da incidência solar direta, para a abertura de portas e janelas dos cômodos internos, também favorecidos pelas direções do vento sudeste e nordeste, predominantes na cidade de Teresina. 13 14

As fachadas cegas leste e oeste apresentam apenas aberturas pontuais nos cômo-

13 Vista da fachada frontal S.

14 Vista das fachadas N e O.

dos dos sanitários. FICHA TÉCNICA Área da construção: 302,37 m²


Casa PavilhĂŁo

C

0

F

0


CORTE TRANSVERSAL

0

4

FACHADA OESTE

0

4

N

PLANTA HUMANIZADA 0

4


Supermercado Baratão Construção

Regeneração, 2013


15 16 15

A ser construído em um terreno de esquina, o projeto do supermercado Baratão consiste em um galpão metálico de cobertura em duas águas, cuja volumetria primária é

Mapa de locação.

tirada como partido da obra.

16

O galpão apresenta 18,0 x 48,0m em planta, 8,0m de

Vista da fachada principal O.

pé-direito interno central e 5,7m de pé-direito interno periférico. O pórtico estrutural formado por treliças planas é revestido na fachada frontal oeste por uma chapa de alumínio branco. Esta fachada, com recuo de 2,0m do limite externo da construção, é protegida pelo pórtico frontal e por um painel de brises metálicos, que faz a filtragem dos raios solares vespertinos e contribui com a ventilação cruzada no interior da loja. A distância de 39,70m separa a entrada principal da área administrativa e de serviço posterior e abriga toda a função de compra e venda do supermercado. Nos 6,00m de construção posterior, um mezanino abriga no piso inferior funções de serviço e estoque e no piso superior, funções administrativas e de atendimento ao público. FICHA TÉCNICA Área do terreno: 1.100,00 m² Área construída do térreo: 884,40 m² Área construída do mezanino: 116,00 m²


PLANTA HUMANIZADA MEZAN 0

PLANTA HUMANIZADA TÉRREO N

0

6

6


NINO

N

Supermercado Baratão

CORTE TRANSVERSAL 0

4

CORTE LONGITUDINAL 0

4


Roda Capoeira: Centro de Referência de Capoeira em Teresina-PI Trabalho Final de Graduação

Roda Capoeira é a prop

UFPI - Teresina, 2012 Orientador: Alcília Afonso

vação da memória e da p

esporte brasileiro de d

atuante na cidade de Te

capoeiristas e mestres co

cional. Apesar da grand

ense e brasileiro como um

de reconhecimento, ince 17 18 17 Mapa de locação.

18 Vista da fachada principal NE.

quados para treino e dese

O terreno escolhido para uma quadra do bairro

Centro e a zona norte da

tanto para os meios de tra lar.


posta de um Centro de preser-

A capoeira originou-se e foi, por muito tempo, praticada

prática da capoeira, importante

na rua, como instrumento de defesa e resistência dos

descendência africana, muito

negros escravizados no Brasil colonial. Inspirado nisso, o

Teresina, onde é praticado por

projeto Roda Capoeira foi setorizado em torno de uma

onhecidos em escala (inter)na-

calçada central que cruza o terreno e o edifício principal

de relevância no cenário piaui-

e interliga as ruas paralelas de acesso, trazendo perme-

m todo, a capoeira ainda carece

abilidade e dando continuidade entre as circulações

entivo público e de locais ade-

externas e as internas.

envolvimento pleno do esporte.

A obra divide-se em edifício principal e auditório. No

a dar lugar ao Centro abrange

primeiro, onze pavilhões de estrutura metálica modulada

Morro da Esperança, entre o

de 7,0 x 7,0m intercalam-se em dois níveis e formam um

a cidade, em um local acessível

jogo fluido de volumes, que delineia a circulação do

ansporte público, como particu-

térreo e forma terraços abertos no 1º pavimento. A cobertura independente paira sobre quadras e blocos, fazendo a proteção das suas fachadas externas e permitindo a livre distribuição destes. As quadras são voltadas aos treinos e contam com uma arquibancada retrátil, que adapta o layout para a realização de eventos maiores. FICHA TÉCNICA Área do terreno: 9.501,41 m² Área construída pavilhões térreos: 36,00 m² Área construída pavilhões 1º pav.: 92,78 m² Área cobertura edifício principal: 3.307,44m² Área construída foyer do auditório: 92,78 m² Área construída auditório: 92,78 m² Área cobertura do auditório: 406,73 m²


Roda Capoeira: Centro de Referência de Capoeira em Teresina-PI EDIFÍCIO PRINCIPAL

A

Como estratégia bioclimática, foi proposto no 1º pav., de maior transparência, brises horizontais em madeira e, para proteção das quadras, um painel metálico suspenso na fachada NO e árvores ao longo das fachadas NO e SO.

N

P

SERVIÇO ESPORTIVO ADMINISTRAÇÃO REFEITÓRIO BIBLIO/VIDEOTECA ALOJAMENTO EXPOSITIVO CONVIVÊNCIA

SETORIZAÇÃO/ MODULAÇÃO ESTRUT. PAVILHÕES TÉRREO 



SETORIZAÇÃO/ MODULAÇÃO ESTRUT. PAV 




B

A

PLANTA HUMANIZADA TÉRREO



VILHÕES 1º PAV.

B

PLANTA HUMANIZADA 1º PAV. 

CORTE TRANSVERSAL A 



CORTE TRANSVERSAL B 




Roda Capoeira: Centro de ReferĂŞncia de Capoeira em Teresina-PI AUDITĂ“RIO 19 20 19 | 20 Vista da fachada principal NE. Vista da fachada posterior SO.


A estrutura e o volume do auditório são definidos por um pórtico de treliças metálicas planas em balanço que tiram partido da inclinação da laje da cobertura para dar lugar a um teatro de arena superior. A entrada do auditório é voltada para a fachada NE e a aplicação da segunda pele em brises de madeira é uma estratégia bioclimática que faz o diálogo desse edifício com os demais.

PLANTA HUMANIZADA TÉRREO 

N

PLANTA HUMANIZADA TÉRREO 

CORTE LONGITUDINAL 


Adega 01 Brasília, 2015

21 22 23 21 Planta baixa esquemática.

22 Vista externa da adega.

23 Vista interna da adega.

O projeto consiste em uma adega refrigerada de 6,8m² para 570 garrafas, feita de cedro, com vitrine de vidro e painel de caixas de vinho. Ripas de madeira revestem o chão, paredes e forro, dando o acabamento do ambiente. Um barril de madeira e um painel de espelho com iluminação embutida definem um espaço para degustação de vinho. A iluminação do espaço é feita por spots de luz no forro e fitas de led embutidas nos nichos expositores. Parceria: Luís Martins da Marcenaria Teresina.


Adega 02

Estudo 01 e 02 Brasília, 2016

24 25 26 24 Planta baixa esquemática.

25 Vista interna Estudo 01.

26 Vista interna Estudo 02.

Projeto de móvel angular, que alinha-se em planta a duas aretas de um octógono de 20m², com cristaleira e adega para 362 garrafas no Estudo 01 e para 256 garrafas no Estudo 02. O móvel foi planejado em mogno, vidro e espelho, com exceção da sua bancada, proposta em chapa de madeira de caixas de vinho. O mobiliário conta também com iluminação e refrigeração embutidas. Parceria: Luís Martins da Marcenaria Teresina.


Vista interna da cozinha.


Adega 03 Estudo 01

BrasĂ­lia, 2016

28 27 29 27 Vista externa da entrada do Estudo 01.

28 Vista externa lateral do Estudo 01.

29 Vista interna lateral do Estudo 01.


Adega 03 Estudo 02

Brasília, 2016

S D

30 31 32 30 Planta baixa esquemática.

31 Vista externa lateral do Estudo 02.

32 Vista externa frontal do Estudo 02.

Em 11,30m², sob a escada de uma residência unifamiliar, essa adega prevê o armazenamento de cerca de 530 garrafas no Estudo 01 e de 367 garrafas no Estudo 02. O cedro foi a madeira especificada para a estrutura dos nichos e o vidro foi utilizado para as vedações e a abertura do ambiente. O piso é revestido por um ripado de madeira. A refrigeração da adega é embutida no móvel e a iluminação é feita por pontos de luz no teto inclinado. Parceria: Luís Martins da Marcenaria Teresina.


Cozinha M Ferreira Teresina, 2015

33 34 35 33 Planta baixa esquemática.

34 Vista interna da cozinha.

35 Vista interna da cozinha.

Em 17m², a cozinha foi projetada de acordo com a locação do ponto de água e dos eletrodomésticos existentes. Os móveis foram planejados em mdf branco e compensado naval - aparente nas superfícies da espessura e laminado de branco nas superfícies maiores. A área molhada conta com uma bancada em silestone branco, cor predominante utilizada para atenuar o cinza escuro da cerâmica da parede. Planos de ladrilho hidráulico são aplicados nos vazios emoldurados pelos móveis e uma mesa de vidro faz a setorização da copa no ambiente. A iluminação geral é feita por 2 pontos de luz no teto; 4 pendentes fazem a iluminação focal sobre a mesa e, sobre a bancada de trabalho, a iluminação indireta é feita por fita de led embutida no móvel.


AP 203 Teresina, 2017

36 37 38 36 Planta baixa esquemática.

37 Vista interna a partir da entrada.

38 Vista interna da sala de estar.

Um móvel em L, de mesmo formato da sala de 23m², integra a sala de estar e de jantar desse apartamento. Na primeira, a solução do mobiliário permitiu o alongamento do ambiente por meio do avanço do painel da TV em relação à sua parede base. Perpendicular ao painel, um bar com iluminação embutida e fundo em espelho foi planejado para dar apoio à área de convivência. Mdf branco, com o uso pontual do mdf nos tons azul marinho e bege, é o material especificado para a peça. Na sala de jantar, uma prateleira alta em mdf com iluminação embutida é locada na parede oposta à do bar. Observa-se nos estudos, que uma opção dos móveis foi feita utilizando-se prateleiras de concreto moldadas in loco.


39 40 39 Vista interna a partir da cozinha.

40 Vista interna a partir da cozinha.


AP 203 Teresina, 2017

41 42 43 44 41 Planta baixa esquemática.

42 Vista interna a partir da entrada.

43 Vista interna superior.

44 Vista interna inferior.

O quarto de 6,24m² foi planejado para o uso de duas irmãs. O guarda-roupa e o pilar que o baliza foram revestidos de espelho, para uma sensação de maior amplitude ao espaço já reduzido. A beliche foi desenhada para que a escada aproveitasse o sentido de circulação do ambiente. Ela prevê também gavetas abaixo da cama inferior e uma cabeceira de apoio em cada uma das camas. A escrivaninha e a estante posicionam-se ao lado da janela, garantindo iluminação para o ambiente de estudos.


Potfólio Letícia Gomes [arquiteta | urbanista]  
Potfólio Letícia Gomes [arquiteta | urbanista]  
Advertisement