Page 1

AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012

Medicina x Design 1

Como a elaboração técnica e criativa de um objeto pode contribuir com a medicina?


AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012

2


AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012

Expediente Direção Geral Lia Alcântara Redatores Igor Alves João Fernandes Joel Filho Renata Dornelas Renata Oliveira Colaboradores Kira Laureano Editora Chefe Renata Oliveira Projeto Editorial Joel Filho Renata Oliveira Ilustração de Capa Débora Cabral

Editorial Os termos multidisciplinar, profissional multi-tarefas e ensino transversal têm permeado os discursos de professores e designers em formação. Em essência, a profissão do designer agrega conhecimentos e habilidades de diversas áreas: engenharia, psicologia, artes visuais,... Mas o que de fato tem-se produzido com estes conhecimentos? AJANELA buscou estas respostas em ilustradores do interior de Pernambuco, de Bangkok, na Tailândia e do Rio de Janeiro, nos produtos multi-uso do grupo Bolei e num inusitado campo de atuação para os designers: o desenvolvimento de próteses e produtos hospitalares. AJANELA traz, ainda, uma das facetas de um designer muito plural: Buggy. Em uma entrevista descontraída, ele conta um pouco da sua paixão pela tipografia e dos caminhos desta área do design. Este número é um convite à reflexão sobre as muitas possibilidades de atuação do designer contemporâneo. Sem efeitos colaterais! Lia Alcântara


“Faça muitas coisas diferentes. Mas no momento certo concentre-se em ser o melhor em pouquíssimas delas.” ANÔNIMO


SUMÁRIO 06 Entrevista com o Professor e Tipógrafo Buggy

10

12 Desafio Art Nouveau

Grupo Bolei com ideias criativas e sustentáveis

Medicina X Design Como um bom planejamento pode mudar vidas?

18

14

Saiba mais sobre o ilustrador Julio Klenker

20

Fique Ligado nos cursos e eventos de Design.

22

Uma dose de inspiração com sites super interessantes

24 Aplicativos que são uma “mão na roda” para qualquer designer!

!


ENTREVISTA

Tipo... POR JOÃO FERNANDES

Entrevistamos o coordenador e professor do curso de design gráfico da UFPE campos caruaru designer e tipógrafo Leonardo Buggy, sem duvidas um dos maiores representantes do design pernambucano. Como surgiu seu interesse por tipografia? Eu despertei pra o entendimento do que era tipografia e que existia uma área de estudo, um campo de produção específico voltado a isso através da disciplina que um professor, Silvio Campelo ministrou na UFPE. O grande desafio era estabelecer essa relação gráfica entre um tema livre e as formas das letras

6

e isso foi o suficiente para despertar meu interesse. Muitos anos depois, eu já estava bem mais enfronhado nesse universo e fui convidado para ministrar uma palestra em uma faculdade em Fortaleza pra falar da minha trajetória profissional. Montando a apresentação eu redescobri uma série de trabalhos muito antigos e, para minha surpresa, uns cadernos de desenho de quando eu tinha uns 7 anos

de idade. Foi aí que me dei conta que já tinha interesse por tipografia mesmo sem entender exatamente o que era isso: todos os desenhos feitos por mim nessa época vinham acompanhados de um título. Muitos deles eram inspirados ou realmente cópias de HQ’s, com o logo da revista reproduzido. Então, eu desenhava o Hulk e em cima tinha escrito ‘Hulk’, como um lettering. Foi engraçado.


O que os novos designers podem esperar em relação ao mercado, especificamente de tipografia?

meio intrigado, porque a resposta que ficou clara é que o design brasileiro não tem cara. Não tem cara dentro dessa perspectiva da brasilidade. É claro que De um modo geral, o brasileiro tem cara. Mas considero que o mercado é uma cara multifacetada, é muito promissor. Eu são várias brasilidades acho que os designers dentro do nosso território. podem esperar encontrar E é uma conclusão muito condições e perspectivas óbvia. Então sim, eu acho de trabalho com a tipografia que a tipografia brasileira em Pernambuco. Por outro tem uma cara. O “novo” é lado, eu acredito que quem muito presente no nosso faz o mercado somos nós projeto tipográfico porque mesmos, então não gosto a gente não tem o comprode me colocar como guru misso com as tradições, de nenhuma condição de pelo menos não com mercado porque eu não sei aquela tradição extremaquem vem por ai. mente clássica, agregada Hoje eu estou dando ao sofrimento do processo a minha contribuição tecnológico, pois era “um pra tentar de certa forma parto” trabalhar com a tipoassegurar que teremos grafia: compor, fundir tipos, um futuro inclusive do enfim... Uma loucura. A meu próprio trabalho, do gente não teve isso, houve trabalho dos meus colegas, um atraso muito grande até atuando como professor. que se criasse uma indúsMas se eu tivesse que fazer tria tipográfica no Brasil, alguma previsão, eu diria isso demorou assim... abque é promissor... surdos séculos! Então não há receio, pudor, em tocar Você acha que a tipoou macular qualquer trabgrafia brasileira possui uma alho de uma escola secular identidade própria? Se sim, de tipografia. Isso faz com quais suas características que a gente possa se permais marcantes? mitir criar, propor coisas novas. E o que se produz aqui, Bom, nos anos 1990 gasmesmo que em pequena tou-se milhões de reais quantidade ainda, está em tentando descobrir qual a pé de competitividade com cara do design brasileiro. o mercado internacional, é Isso sempre me deixou de muita qualidade. Nosso

diferencial é esse frescor no traço, esse descompromisso, essa ousadia que aparece em vários projetos. A gente não tem uma tradição, por exemplo, associada às blackletters, às góticas. Não existe isso, é distante do nosso país. É muito raro você encontrar isso mesmo nas colônias ao sul do país. Então eu acredito que as nossas fontes são mais claras, de um modo geral. As nossas formas tendem a ser mais abertas, mais inusitadas. Nosso compromisso de curvas e retas é absolutamente diferente no projetar do que o compromisso de um norte-americano ou de qualquer europeu, ou mesmo de um sul-americano, de um argentino. Em relação à participação de brasileiros em eventos internacionais, como o Tipos Latinos, você acredita em um aumento de quantidade e/ou qualidade, ou talvez seja melhor não apostar? Veja bem, a quantidade diminuiu porque o nível técnico mudou. Não necessariamente de exigência do corpo do júri do Tipos Latinos, mas eu acho que de cobrança dos brasileiros para com seus trabalhos. Então, abandonou-se o

7


AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012 modelo da tipografia “for fun”, e começou a se buscar um traço mais bem conformado, mais dentro do que a gente entende como tipografia para texto. A vontade de desenhar tipos nos levou a isso e eu acho extremamente interessante. Mas me deixa muito preocupado a perda dessa vontade de fazer independente das amarras do conhecimento, num espírito meio punk, sabe? E eu sinto bastante falta disso. Sempre fui da opinião de que a gente deve fazer e mostrar o nosso trabalho, dar a cara a tapa. A partir daí a gente vai aprendendo, já que a gente não tem necessariamente um centro de estudos, ou seja, professores que nos ensinem exatamente como se fazer o melhor trabalho, a gente vai aprendendo com o mercado, com os professores de fora do país, com os colegas que foram pra fora e que voltaram... A gente vai aprendendo, isso é que é importante. Eu apostaria no médio prazo pra retomada de quantidade. A qualidade já subiu muito se você for olhar só pro ponto de vista técnico. Se for olhar pro ponto de vista do conteúdo, das idéias, eu acho que ela se mantém igual, o que é preocupante.

Tipografia desenvolvida por Buggy para seu convite de casamento.

8


A qualidade das idéias deveria ter aumentado com o tempo e ela não aumentou, acho que ela estagnou com possibilidade de ter regredido. A quantidade certamente regrediu. Por que você acha que os designers mesmo depois de formados ainda apresentam certa dificuldade na adequação da tipografia ao desenvolver uma peça gráfica? Isso tem acontecido sim, é verdade. A gente percebe isso e eu acho que o problema é o sistema de ensino. Temos um problema básico que é a educação fundamental do designer. Eu acho que você consegue chegar a um resultado ok de projeto gráfico de um livro sem você necessariamente ter estudado de uma forma clara e objetiva a tipografia, mas é um caminho muito mais demorado e difícil do que a tomada de estudo da tipografia pra obter uma resposta criativa e eficiente. Então o empirismo, nesse sentido, pode ser moldado até que o individuo consiga dar uma resposta gráfica interessante, mas eu acho esse processo muito lento. As pessoas vão atingir esse grau de resposta muito tarde no mercado

porque falta um ensino de qualidade na formação do designer, falta a estruturação do conhecimento. Muitas vezes o aluno sai das instituições de ensino sem ter tido a oportunidade de estudar tipografia. Acho que o que falta é isso, é estudar mais a tipografia, desenhar mais a mão, fazer um estudo da sua peça gráfica, na mão ou no computador, tanto faz. Falta experimentar mais, apresentar mais opções, explorar mais. A gente está muito preso ao imediatismo, às formulas prontas, a cultura do “sample” , que te garante uma certa qualidade porém poda um pouco do raciocínio.

Patrícia Amorim, Raul Aguiar e Henrique Nardi em São Paulo, Isabela Aragão que está em São Paulo agora mas é daqui de Recife, Edna Cunha Lima do Rio de Janeiro, Solange Coutinho aqui em Recife. Essas pessoas têm produzido coisas que tem me impressionado muito, em várias dimensões e eu não trato necessariamente da produção de peças gráficas porque alguns nem mais fazem isso, ou faz muito como a Solange, mas o trabalho dessas pessoas é muito significativo e serve pra mim como grande fonte de inspiração.

Nos últimos tempos,você tem apreciado com um pouco mais de “carinho” o trabalho de algum designer? Alguém que você diria que é uma boa fonte de inspiração? Eu tenho admirado muito o trabalho dos meus colegas, de pessoas que tenho tido a oportunidade de estar mais próximo e entrar em contato com a produção deles, como Cláudio Rocha, Marcos Mello, Rafael Neder em Minas Gerais, Fernanda Martins no Pará, Delano Rodrigues em São Luís,

9


ECO

GRUPO BOLEI

Um grupo de jovens designers cariocas decidiu reaproveitar objetos descarta dos e transformá-los em novos produtos com novas utilidades. POR IGOR ALVES E RENATA OLIVEIRA

É

comum observarmos diversos objetos e lixo nas ruas, ocupando um espaço desnecessário que interfere no meio ambiente. Muitas vezes, nem é preciso sair de casa para encontrar o acúmulo de lixo. Na sua própria casa, é possível encontrar objetos que você já utilizou e hoje não utiliza mais. O grupo de designers de produto, Victor, Luciana e Mariana, mais conhecidos no Bolei, respectivamente, como Marreco, Panda e Pinguim, tiveram a iniciativa de reaproveitar esses objetos que não estão mais em uso e logo iriam para o lixo. Com um toque de criatividade, eles dão uma nova estética e forma de uso ao que seria descartado. Esses três jovens ensinam o passo-a-passo da recriação do objeto de forma simples e prática. Os produtos já desenvolvidos e à venda do Bolei são o Clipraia, a Plamp e o iCone, todos sempre com nomes engraçados. O Clipraia é um suporte de sacolinha de lixo para barraca de praia feito de sola de chinelo de borracha descartado.

10

O grupo Bolei, além de ter ótimas ideias baratas e sustentáveis para o meio ambiente ajudam a multiplicálas disponibilizando o tutorial dos produtos criados por eles nas redes sociais.. O principal objetivo é compartilhar a ideia de que para mudar não precisa ir muito longe.


Cliparia

Plamp

A solução amiga do planeta e do bolso para não sujar a praia.

A luminária ideal para dar um toque especial ao ambiente da sua casal.

A ideia é pendurar o seu lixinho e também as suas coisas, deixando tudo longe da areia. Assim, você aproveita seu dia deixando a praia limpa e sua consciência também. A Plamp é uma luminária feita com papelão descartado. Interessante quando apagada e surpreendente quando está acesa. É a luz que faltava para deixar seu cantinho mais aconchegante. O iCone é da família do gramofone, amplifica o som do seu iPhone sem usar energia. Feito com um cone de trânsito não mais utilizado e pedaços de caixote de feira. É ótimo para organizar uma festinha em casa com grandes amigos. Porém, o Bolei não pára por aqui. Além desses três produtos o grupo está constantemente buscando

novos materiais e diferentes maneiras de solucionar os mais diversos problemas sem prejudicar a natureza. É o design mostrando que pode ser sustentável, criativo, inovador e barato. Segundo o grupo os “projetos são feitos a partir dos refugos de produção de indústrias e empresas que querem diminuir desperdício e reduzir o impacto ambiental. Desse jeito, todo mundo sai ganhando.”

iCone Ótima ideia para juntar os amigos e fazer uma festinha em casa.

Organize sua cozinha renovando as latas que usou para cozinhar! Mais um compartilhamento do Bolei. Personagens de rolinho. Ideia encontrada e compartilhada pelo Bolei.

bolei.com.br

11


DESAFIO

AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012

Art Nouveau POR RENATA DORNELAS

A

o final do século XIX e início do século XX a sociedade necessitava de um estilo que expressasse a mistura de tendências da modernidade e ousadia da época. Esta mescla de ideais foi sintetizada no movimento intitulado Art Nouveau, que em fracês significa “Arte Nova”. O estilo é caracterizado por curvas rebuscadas, temas florais e muitas vezes temáticas relacionadas a figura feminina. Mas por se tratar de um estilo de mesclas, muitas vezes são agregadas características

de outros movimentos. Um dos artistas mais notáveis do movimento é o tcheco Alphonse Mucha. Considerado a ponte entre o neoclassicismo e os estilos modernos, o Art Nouveau se difundiu por todo o âmbito das artes aplicadas; publicidade, arquitetura, design gráfico e produto. Foi um movimento muito forte na Europa, especialmente em Paris, influenciando o mundo todo. É possível encontrar suas marcas no Brasil, principalmente na arquitetura, a exemplo do teatro e biblioteca municipais do Rio de Janeiro.

Obra de Alphonse Mucha

O Desafio

12

Desenvolver um cartaz para o filme Valente se utilizando das técnicas do movimento Art Nouveau. Desta vez a convidada foi a aluna Débora Cabral, estudante do quarto período de Design Gráfico da AESO. deboracabral.deviantart.com


AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012


MEDICINA

Design e Saúde Qual é a relação do design com a área hospitalar? Essa é uma pergunta que muitas pessoas podem fazer. Mas ela é apenas um reflexo de uma questão muito mais abrangente que reflete a relação estética vs. função. POR JOEL FILHO

14

O design também se aplica a itens como próteses e órgãos artificiais, objetos estes que fazem a diferença no dia a dia e na qualidade de vida de algumas pessoas. O desenvolvimento desses artefatos não é feito apenas através do design, mas da atuação conjunta de várias áreas como engenharia, medicina, psicologia e física. As próteses nos trazem novamente a questão da estética e da função. Durante um tempo, seu principal objetivo era substituir o membro perdido através

Fonte: www1.folha.uol.com.br

É

comum designers se depararem com pessoas que associam seu trabalho unicamente à questão visual, à obter um resultado bonito. Esse pensamento não observa o fato de que além da estética, o design também se preocupa com a funcionalidade. Para isso, todo projeto deve considerar aspectos como a relação artefato/usuário, o processo de produção, materiais, durabilidade, dentre outros. Dentro de um hospital, onde geralmente as pessoas se encontram mais sensíveis a estímulos externos e os profissionais muitas vezes têm que agir com urgência, a forma como os equipamentos se apresentam visualmente e sua usabilidade fazem a diferença. Ao projetá-los, o designer deve pensar na redução das possibilidades de erros, sejam humanos ou não, e minimizar suas consequências. Um desfibrilador, por exemplo, não deve ser complicado de utilizar, já que será usado em momentos cruciais para a vida do paciente. Essa preocupação não ocorre apenas com o design de produtos. No setor hospitalar, o design gráfico também é de extrema importância, pois é ele o responsável pelo projeto de sinalização que orientará o fluxo, apresentará restrições de acesso a determinadas áreas e alertará sobre riscos; além de identificar produtos químicos e medicamentos; entre outros. Em 2010 foi notificado amplamente o caso em que uma menina de 12 anos faleceu após receber uma injeção de vaselina líquida no lugar do soro. As embalagens dos produtos eram idênticas por não existir normas que determinem sua padronização, facilitando a ocorrência de erros. Isso poderia ser evitado com a aplicação de um bom projeto de design.

Embalagens de soro e de vaselina


Fonte: funalive.com

Paratleta Oscar Pistorius

não na perna humana, mas na perna do leopardo. De lá pra cá as melhorias estéticas e de desempenho são impressionantes, graças à qualidade dos materiais e à evolução das formas utilizadas. Um exemplo notável destes avanços ocorreu nos Jogos Olímpicos de Londres 2012, onde o paratleta sul africano Oscar Pistorius, mesmo utilizando próteses nas duas pernas, pôde competir com atletas olímpicos de igual para igual.

Fonte: nytimes.com

de suas semelhanças, sendo aplicado até cabelo em alguns modelos. A funcionalidade do objeto era praticamente deixada de lado. Mas isso mudou com a prótese desenvolvida por Van Phillips nos anos 1990. Van gostava de praticar esportes, inclusive foi em um acidente de esqui aquático em 1976 que ele perdeu parte de uma das pernas. As próteses disponíveis na época dificultavam movimentos simples, como descer uma calçada. Por isso ele se dedicou a desenvolver próteses que se adequassem melhor à prática esportiva. Phillips utilizou fibra de carbono por ser um material leve e resistente, além de inovar também na forma ao se inspirar

Van Phillips

15


AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012 Em relação aos órgãos artificiais, seu desenvolvimento deve ser levado muito a sério, pois muitos pacientes dependem deles para viver. Pequenos detalhes podem ser a diferença entre vida e morte, principalmente quando se trata de órgãos vitais como o coração. Apesar da importância da biomedicina (área responsável pelo desenvolvimento de órgãos artificiais), no Brasil o investimento em pesquisas nesta área por parte dos Ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia é zero, por isso os

hospitais que trabalham com esta tecnologia tem que pagar por ela. Hoje, um coração artificial custa aproximadamente 500 mil reais e só é vendido fora do país. Tentando mudar esse quadro, desde 1998 uma pesquisa que vem sendo realizada no Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia desenvolveu um coração artificial brasileiro. Seu teste em humanos foi autorizado em abril deste ano e será feito em cinco pacientes com cardiopatias graves e que estão na fila de espera de transplante. A previsão é que o valor deste coração artificial ficará em torno

de R$60 mil, o que deixará essa tecnologia mais acessível. Apesar de o mercado do design hospitalar estar crescendo, fatores como as diferentes normas de cada país e o menor investimento brasileiro comparado aos de outros lugares como Estados Unidos, Europa e Japão, tornam-se dificuldades para a exportação. Este mercado mais competitivo exige cada vez mais do design. Cabe àqueles que pretendem atuar na área se esforçar e manter o foco, sendo mais um Van Phillips a fazer diferença na vida de muitos.

Fonte: heartpioneers.com

“Invenções vêm em todas as formas e tamanhos. Alguns são tão simples como o catchup roxo. Outros empurram os limites da física quântica. A verdadeira medida de uma invenção não é apenas o quão bem ela funciona ou como ela é projetado de forma impressionante, mas como ela muda nossas vidas.” Revista New York Times se referindo ao AbioCor em 2001.

16

Coração artificial norte americano conhecido como AbioCor


JOTA, Brasil-Carpina AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012 j0tacesar.blogspot.com.br

HELA “Hela é um modo de expressar as emoções feminas através da arte. Ela já foi representada das mais variadas formas. Aqui, a ilustração da face de Hela envolve técnicas mistas e tipografia.” -Jota

17


GALERIA

AJANELA - Olinda, 12 de Dezembro de 2012

JULIO KLENKER Julio, com apenas 23 anos, já cursou Ciência da Computação, é estudante de Design Gráfico e um grande ilustrador. Saiba um pouco mais sobre ele e o responsável por inspirar suas criações.

POR RENATA OLIVEIRA

C

om tamanho talento pode-se pensar que Julio Klenker estudou desenho desde cedo e sempre soube o caminho que seguiria, mas não foi bem assim. Hoje, como estudante de design e ilustrador possui a admiração daqueles que tiveram a oportunidade de conhecer um pouco do seu trabalho. O caminho foi árduo mas ele provou que a paixão pode nos levar muito longe. Como ele mesmo diz “Sempre fui aquele cara que desenhava durante a aula em vez de prestar atenção, isso desde que me entendo por gente, mas nunca pensei em usar o desenho como ferramenta de trabalho. Cursei Ciência da Computação por um ano, e quando vi que estava tomando couro demais, decidi sair. Foi quando um colega meu comentou sobre o curso de Design Gráfico da AESO. E assim, comecei a pesquisar e conhecer Design. Então, no segundo período na AESO, comecei a estagiar na Corisco Design, que foi uma grande escola para mim. Após, mais ou menos, 1 ano, resolvi sair pra

18

www.klenker.com


procurar um novo desafio. Logo mais, junto com Leandro Lima, criei um coletivo de design e ilustração. Depois de um mês bem sucedido de trabalho, recebi uma proposta de uma agência publicitária. E desde então trabalho no núcleo de criação digital da Ampla Comunicação.” Atualmente Klenker trabalha e está perto de concluir sua formação em design gráfico já levando como experiência uma bela bagagem do mercado de trabalho. Abandonar seu velho e bom sketchbook está longe dos planos desse jovem ilustrador.

Inspiração Como inspiração para suas criações Klenker tem como grande influência o ilustrador MC Bess, Mulheres Barbadas, Rodrigo Chinellato e Pedro Melo. Mas MC Bess é de todos a maior influência. O P/B, a distorção da realidade e o excesso de detalhes trabalhados por ele são características facilmente encontradas nos projetos de ambos.

MC Bess, como é conhecido Matthieu Bessudo, trabalha como ilustrador e diretor. Em seu site estão disponíveis imagens de alguns trabalhos desenvolvidos por ele. www.mcbess.com

19


FIQUE LIGADO D.A.d 2013 O D.A.D (Salão Internacional de Decoração, Artesanato e Design) vem para agregar novas tendencias e trazer novas opções para lojistas que procuram inovar sua linha de produto, além de abrir portas para um novo perfil de visitantes. Renomado pode ser considerado como um evento ícone, também para designers de interiores e arquitetos decoradores. O evento acontece entre 4 e 7 de março. meudecor.com

inspira +

Salão de design e inovação de componentes

O INSPIRAMAIS já faz parte do calendário da moda nacional, representando o lançamento oficial dos materiais e produtos em que a indústria de componentes investiu e trabalhou um semestre inteiro, durante todas as etapas do Fórum de Inspirações. O evento acontece nos dias 16 e 17 de janeiro em São Paulo no Centro de Convenções do Shopping Frei Caneca inspiramais.com.br

escola são paulo

desenho e ilustração de moda

As aulas abordam o passo a passo para a construção de um croqui de moda, desde o estudo das linhas diretrizes e proporções para a criação de uma silhueta, a construção do vestuário, suas tipologias têxteis e acabamento. As aulas acontecem entre 14 e 18 de janeiro. escolasaopaulo.org

20


adobe creative Para quem está querendo aproveitar as férias para ter mais habilidade em programas como o Illustrator, Photoshop e InDesign o CTG (Centro de Treinamento Gráfico) oferece aulas para criar projetos na manipulação, tratamento e efeitos em imagens; editar e finalizar arquivos desde a concepção, diagramação, até a geração de outros formatos. As aulas iniciam dia 7 de janeiro. ctg.org.br

pictoplasma conference and festival berlim 2013 Em 2013 realiza-se mais um festival de ilustração/ animação/character design em Berlim com 5 dias de conferências, exposições, performances. De 10 a 14 de Abril, Berlim recebe dezenas de artistas, designers e ilustradores que irão mostrar o seu trabalho. As inscrições podem ser realizadas até 31 de Dezembro. design-ua.org

Salão Design Casa Brasil 2013 O Salão Design, já definiu a abertura das inscrições para sua 17ª edição, em 2013. Alguns dos critérios de seleção do júri são a adequação ao público alvo, conceito, forma e função, ergonomia, acabamento, inovação, qualidade, segurança, sustentabilidade e viabilidade de produção. Os finalistas participam de uma exposição durante a Casa Brasil 2013, no Parque de Eventos de Bento Gonçalves (RS).

salaodesign.com.br/blog

21


UMA DOSE DE INSPIRAÇÃO @ zupiacademy.com A Zupi Academy nasceu para disseminar técnicas e conhecimentos criativos para os interessados em aprender com os melhores. O projeto, idealizado pela empresa Zupi, visa levar cultura, arte e educação especializada para cidades de todo o Brasil por meio de workshops com profissionais renomados de diversas áreas.

paraondevaoasideias. wordpress.com PARA ONDE VÃO AS IDEAS? Bem, aqui elas vão parar em um belíssimo caderninho com a sua cara! O designer gráfico Douglas Aguiar faz caderninhos manuais por encomenda com as cores e imagens que você mais gosta e ainda te deixa escolher a cor e o tipo do papel! Está esperando o quê para dar uma olhada e pedir logo o seu ou presentear alguém?!

odd-school.com/pt Projecto liderado pela produtora Até ao Fim do Mundo, a Odd School, tem como principal objetivo desenvolver o mercado de entretenimento digital em Portugal, tendo como foco as áreas da Animação, Jogos, Broadcast e Web.

22


vandal.com.br Está cansado de vestir as mesmas camisetas velhas? Então o Vandal é a solução. Camisas descoladas com impressões cheias de detalhes. E não é transfer!

inventari.com.br Se você pode gastar o mesmo valor com algo totalmente original e divertido, que no mínimo vai arrancar uma boa risada e uma surpresa de verdade, por que não dar uma olhada nos produtos da Inventari para presentar um amigo?

ted.com TED (Tecnologia, Entretenimento e Design) é um conjunto global de conferências sem fins lucrativos, formado para difundir “ideias que merecem ser espalhadas” e você pode assisti-las online. Para acessar o site do TED em português visite: ted.com/translate/languages/pt-br

23


DICAS E TECNOLOGIA

APLICATIVOS PARA DESIGNERS POR JOÃO FERNANDES

A

plicativos são programas desenvolvidos com o objetivo de facilitar o desempenho de atividades simples do usuário, seja no seu computador ou nos telefones móveis. São um atrativo a mais nos smartphones, e servem tanto para facilitar a vida – em se tratando de aplicativos utilitários – assim como para puro divertimento. Podem ser divididos em várias categorias, como por exemplo, aplicativos de entretenimento, música, automação comercial, educação e interação social. Os aplicativos podem ser gratuitos ou pagos e podem ser utilizados quando você estiver conectado ou não à internet. Para obtêlos, você pode efetuar um download através dos próprios aparelhos preferencialmente nas lojas oficiais criadas por cada empresa de sistema operacional, como a App Store (iPhone) , Android Market (Android Ovi Store (Symbian) entre outros. Existe uma infinidade de aplicativos apropriados para vários tipos de atividades. Pensando nisso, selecionamos alguns que acreditamos ser “uma mão na roda” para o trabalho de um designer. ADOBE SHADOW Para começar, temos uma dica para os web designers. O “Adobe Shadow” é a mais nova ferramenta para desenvolvedores de sites e produtos para web, criada pela Adobe Labs. Ela permite aos programadores visualizar qualquer alteração feita na estrutura HTML, Java Script, CSS e Action Script nos navegadores e em dispositivos móveis. A aplicação permitida pelo software facilita a visualização dos sites em smartphones e

24

tablets, possibilitando assim a sua personalização em tais dispositivos. Adobe Shadow foi desenvolvido para vários sistemas como Android, Mac e iOS. Entretanto, no Windows ele trabalha como uma extensão do navegador Google Chrome. A demanda de conteúdo para esta nova plataforma, os smartphones, tem aumentado cada vez mais e é suprida com o trabalho integrado de vários profissionais - incluindo nós, designers.


CAMSCANNER

AUTODESK 123D CATCH

Esse aplicativo é ideal para aqueles momentos em que você precisa scannear algo para enviaWr por email, ou tirar cópia de algum documento, ou até mesmo digitalizar esboços para finalizar a ilustração. O programa apresenta ferramentas básicas como: auto-crop (corte) e auto-enhance (melhora da qualidade).

Já pesou em fotografar em 3D? Com o “Autodesk 123D Catch” é possível converter do físico para o digital transformando suas fotos em modelos 3D. Basta fazer o download do app no site da Autodesk e fotografar o objeto em diferentes ângulos de forma que se tenha uma continuidade entre as capturas. No final obtémse um modelo editável em três dimensões.

MAGICPLAN Utiliza a câmera, o acelerômetro e o giroscópio de iphones para criar plantas arquitetônicas de ambientes com um simples “clicar”. Com ele você não precisa de trenas ou fitas métricas para medir as áreas para projetos como fachadas, pontos de venda e estandes. Basta tirar uma foto do ambiente no MagicPlan!

WHATTHEFONT Gostou muito da fonte e não sabe o nome? Quer fazer um site e não sabe como? Calma. Ele pode ter a resposta para você. Este aplicativo possibilita identificar aquela fonte que você sempre teve vontade de saber o nome e/ou usar em seus projetos. Basta fotografar uma letra ou uma palavra inteira que ele apresenta opções de possíveis fontes utilizadas.

25


AJANELA 12 de Dezembro de 2012 KUN VIC,- Olinda, Tailândia-bangkok

victorior.blogspot.com.br

Compartilhar Um Planeta: Posso ser seu irmão? “Nesse trabalho eu tentei mostrar um garoto realmente fascinado por pandas que pensa ser um deles porque sua face e seu corpo são similares, exceto pela cor. Então ele pinta seu corpo mas o líder dos pandas explica que ele não pode ser um panda porque ele deve ser quem ele é e que assim todos são iguais pois vivemos em um mesmo lugar, o Planeta Azul.” Kun Vic, 24 anos.

Profile for lab impressos

AJANELA #2  

Revista digital desenvolvida por alunos de Design Gráfico das Faculdades Integradas Barros Melo com a orientação da professora Lia Alcântara...

AJANELA #2  

Revista digital desenvolvida por alunos de Design Gráfico das Faculdades Integradas Barros Melo com a orientação da professora Lia Alcântara...