Issuu on Google+

REVISTA VISIVA DESIGN

VISIV V

ANO 1-EDIÇÃO 1


Elementos básicos da comunicação visual:

Ponto, Linha, forma, direção, tom, cor, textura, escala, dimensão e movimento.

Anatomia da mensagem visual:

Representacional, Simbólico e Abstrato

Entrevista com a Designer/ Ilustradora Juliana Fiorese

Contraste:

Tom, cor , forma e escala.

Técnicas da comunicação visual:

Equilibrio,instabilidade,simetria,assimetria,regularidade,irregularidade,simplicidade, complexidade,unidade,fragmentação.


1


U A

I S

C O S

C O M U N

V

B Á S I

L

Ç Ã O

I C A

T O S

E L E M E N

2

D A


3


É a unidade da comunicação mais simples e básica. Podemos medir o espaço no meio ambiente com dois pontos. O ponto é ultilizado para fazer notação, justamente com compasso régua e outros instrumentos. Agrupados e em grande quantidade eles se ligam e dirigem o olhar, criando a ilusão de cores e tons.

4


5

São vário ponto ordena e agrup Que aum a sensaçã reção. É o r de outro e visual. Com linhas podemo as form


o os os ados pados. mentam 達o de diresultado elemento m diversas os construir mas.

6


7


As formas nos remetem a sentimentos e sensações que podem vir tanto da matriz cultural, social ou familiar, que são quadrados, triângulos e círculos. O quadrado é uma figura de quatro lados,com ângulos retos rigorosamente iguais nos cantos e lados que têm exatamente o mesmo comprimento. O círculo é uma figura continuamentecurva, cujo contorno é, em todos os pontos, eqüidistante de seu ponto central. O triângulo eqüiláterò é uma figura de três lados cujos ângulos e lados são todos iguais . A partir de combinações e variações infinitas dessas três formas básicas, derivamos todas as formas físicas da natureza e da imaginação humana

8


O elemento mais sensível á nossa emoção é a cor. Existem três dimensões definidas matriz, a saturação, e a luminosidade. Ela está impregnada de informação, e está associada a uma vasta categoria de significados simbólicos e associativos 9


10


Ana Joustra

A dimensão existe no mundo real. Não só podemos senti-la, mas também vê-la, com auxílio da nossa visão estereóptica e binocular. Mas nenhuma das representações bidimensionais da realidade, como o desenho, a pintura, a fotografia, o cinema e a televisão, esiste uma dimensão real; ela é apenas implícita.

11

Boa Goebbels


Todos os elementos visuais são capazes de se modificar e se definir uns aos outros.O processo constitui, em si, o elemento daquilo que chamamos de escala.

Aleksandr Malin

Cada uma das direções visuais: vertical, horizontal e diagonal tem um forte significado associativo e é um valioso instrumento para criação de mensagens visuais. 12


movimento movimento movimento movimento movimento movimento movimento movimento movimento

13


O elemento visual do movimento se encontra mais frequentemente implícito do que explícito no modo visual. Contudo, o movimento talvez seja uma das forças visuais mais dominantes da experiência humana.

14


As variações de luz ou de tom são os meios pelos quais distinguimos eticamente a complexidade da informação visual do ambiente.O tom é um dos melhores instrumentos para indicar e expressar uma dimensão, e se aplicado num dsdfsdffsdfsfundo, é reforçada a aparência de realidade.

15


A textura é o elemento visual que com frequência serve de substituto para as qualidades e outro sentido, o tato. Na verdade porém, podemos apreciar e recolher a textura tanto através do tato quanto a visção, ou a combinação de ambos.

16


17


A reprodução da informação visual natural deve ser acessível a todos. Deve ser ensinada e pode ser aprendida, mas é preciso observar que nela não há um sistema estrutural arbitrário e externo, semelhante ao da linguagem.

18


A realidade ĂŠ a experiĂŞncia visual b

e predominante. A categoria geral tota

definida em termos visuais elemen

o elemento pode ser identificado at

de uma forma geral, e de caracterĂ­ lineares e detalhadas

19


básica

al da vida

ntares.

través

ísticas

20


Trata-se de uma prática extremamente eficaz em termos de comunicação, pois, só imagem é necessária para que se passe uma idéia,nessa forma, converte-se em um código que serve como auxiliar da linguagem escrita. Pórem alguma educação por parte do público se faz necessária para que a mensagem seja clara.

21


Alexandro Gottardo

22


Criação de mensagens através da redução da informação visual realista a componentes abstratos. Quanto mais representacional for a informação visual, mais específica será sua referência; quanto mais abstrata,mais geral e abrangente.O último fator determinante desse processo é o julgamento e a preferência do indivíduo

Human emotions, KwangHo Shin

23


24


Percebi que a maioria do seus trabalhos de ilustração são voltados para o público infantil. Você sempre quis trabalhar nesse campo?

25

Eu sempre quis trabalhar com ilustração mas, não sabia como aplicar isso no lado profissional. Por gostar muito de literatura e, principalmente, dos livros infantis, acabei desenvolvendo um traço com essas características. Então, em janeiro de 2013, fui convidada para ilustrar um livro para as crianças. E foi a partir desse trabalho que eu tive certeza de que carreira seguir. Foi uma experiência maravilhosa e, hoje, já tenho 3 livros publicados. Continuo estudando e querendo aprender novas técnicas para sempre aperfeiçoar o meu trabalho.


Como você decidiu trabalhar na área de Design, mesmo já tendo graduação em Arquitetura e Urbanismo? Bom, aconteceu de uma maneira bem expontânea, digamos assim. Foi, principalmente, na tentativa de sair de uma zona de conforto para tentar novas possibilidades. Desde muito pequena eu sempre gostei muito de desenhar; na adolescência o meu shopping eram as livrarias e as papelarias, eu não conseguia sair desses lugares sem comprar canetinhas e lápis coloridos. Então, na hora de decidir sobre que área escolher para fazer o vestibular, eu estava um pouco perdida ainda. Sabia que queria trabalhar com desenho, de alguma forma, mas não sabia qual era o curso. Então acabei escolhendo a Arquitetura. Eu adoro arquitetura, mas não era o que me fazia realizada profissionalmente. Trabalhei durante 5 anos dentro de um escritório de arquitetura, e, durante esse período, surgiu a oportunidade de estudar design gráfico. E foi dentro do curso de design que eu comecei a me dedicar mais à ilustração. Em todos os trabalhos que eram passados, eu dava um jeito de colocar algum desenho meu nas apresentações. Então, com o tempo, eu resolvi me dedicar apenas nessa área, saí do escritório de arquitetura, e hoje trabalho com o que mais gosto: ilustração infantil.

26


Nos conte um pouco sobre seu processo criativo O meu processo criativo inicia nas observações das situações do dia-dia, nas cenas de um filme ou de um livro, e até mesmo nas músicas, que vão fazendo parte do repertório visual. Procuro sempre estar olhando referências de outros ilustradores, já estou até montando a minha própria biblioteca de livros infantis. Quando eu pego um texto eu sempre dou uma lida e deixo as minhas ideias fluírem. Depois, leio e releio novamente para começar a ir montando os personagens, as características de cada um, os cenários, o que vai ter em cada página, que estilo utilizar para determinada história, etc. Quando as ideias já estão bem formadas, dou início a ilustração em si, mas sempre lendo cada página novamente antes de desenhá-las, para ver se surgem novas possibilidades.

Apesar do interesse no Design Gráfico paraibano ter aumentado, você é uma das poucas mulheres pessoenses de destaque atualmente. Porque isso ocorre?

O trabalho do ilustrador ainda não é tão valorizado por aqui, mas quando se trata de internet, esse espaço vai muito além do nosso horizonte. O que eu posso falar, e que foi o que aconteceu comigo, é que eu me dedico muito na área que escolhi trabalhar, e estou sempre estudando, produzindo e postando os meus trabalhos nas redes. Desta forma, o meu trabalho vai ganhando mais visualização, e, a partir disso surgem estes projetos que venho fazendo. O mais recente foi o convite que veio do MSP (Maurício de Sousa Produções) para ilustrar uma página do livro Mônica(s), um livro de comemoração aos 50 anos da Mônica, onde 150 ilustradores participarão ilustrando uma página. Então, para qualquer segmento do design, a dica que eu deixo aqui é que todos se esforcem muito, dediquem-se aos trabalhos, procurem aprender sempre cada vez mais, publiquem seus trabalhos para que as pessoas vejam, e, o mais importante, amem a sua profissão. Porque com amor, esforço e dedicação, todo mundo tem lugar dentro do mercado de trabalho.

27


28


Quando duas cores diferentes entram em constraste direto, as ambas são intensificadas de acordo com o grau de diferença e de contato.

A distorção da escala, pode chocar o olho ao manipular á força a proporção dos objetos e contradizer tudo aquilo que, em função de nossa experiência, esperamos ver.

29


A função principal do constraste de formas é aguçar, por meio de efeito dramático, e ao mesmo tempo dar requinte á atmosfera e às sensações que envolvem uma manifestação visual.

Com o tom, a claridade ou a obscuridade relativas de um campo estabelecem a intensidade do contraste

30


A simplicidade baseia-se numa técnica que compreende a uniformidade das formas elementares, sem complicações ou elaborações exageradas.

Em oposição temos a irregularidade que, enquanto técnica visual, enfatiza o inesperado e o insólito, sem ajustar-se a nenhum plano decifrável.

Já complexidade é construída com base em várias unidades elementares, resultando num difícil processo de organização do significado no âmbito de um determinado padrão.

Ar vor dos me em con

Técnicas de com Técnicas de com A assimetria é considerada um "equilíbrio precário", e pode ser obtido através da variação de elementos e posições que equivale a um equilíbrio de compensação.

A simetria corresponde ao equilíbrio axial. É uma formulação visual totalmente resolvida, em que cada unidade situada de um lado de uma linha central é rigorosamente repetida do outro lado. 31


O equilíbrio constitui um dos elementos mais importantes das técnicas visuais. É uma estratégia de design em que existe um centro de suspensão a meio caminho entre dois pesos.

regularidade constitui o farecimento da uniformidade s elementos e o desenvolviento de uma ordem baseada m algum princípio ou método nstante e invariável.

Por sua vez a instabilidade corresponde a uma ausência de equilíbrio, constituindo uma formulação visual extremamente inquietante e provocadora.

municação visual municação visual A fragmentação é a decomposição dos elementos e unidades de uma composição visual em partes separadas, que se relacionam entre si mas que conservam o seu carácter individual.

A unidade é um equilíbrio adequado de elementos diversos numa totalidade que se percebe visualmente. A junção de muitas unidades deve harmonizar-se de modo tão completo que passe a ser vista e considerada como uma única coisa. 32


33


a t s n i

i b

d

i l e d a

34


35

nidade


36


REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE REGULARIDADE 37


38


39


40


SIMPLICIDADE

Poster criado para banda T Rationales, Mike Mcdona

Po par Re Jes

41


o The

ald

oster criado ra banda ebit, sse Phillips

42



Revista Visiva