Catalogo pensar alegorico

Page 1


PENSAR ALEGÓRICO Luciano Vinhosa e Helio Carvalho Se, no ato mesmo da criação, Deus era a própria ação que engendrava as coisas tal as Ideias que as fazia aparecer, não existia na esfera divina defasagem entre essência e aparência. Do mesmo modo, Adão, imagem e semelhança de Deus, criatura em meio a todas as outras criadas, ao repetir o ato divino, lhes dava um Nome. Na linguagem edêmica, entre a coisa criada e a palavra que a nomeava, não residia nenhuma fissura por onde pudesse se infiltrar a arbitrariedade do signo. Em cada coisa o Nome vinha a Ser a perfeição do símbolo total que, em si, É. No plano decaído, pós pecado original, a palavra, reportandose a uma estrutura interior da linguagem, corrompeu-se, deixando de Ser a coisa para refugiar-se no signo indireto que a representa. A cumplicidade entre o nome e a criatura retraiu-se para dentro da convenção das regras da gramática e da semântica, lá onde cada palavra isolada não é mais que fragmento, ruína de sua origem. Renascida no mundo secular, submissa à comunicação, o cerne de seu sentido degradou-se e junto com ele o das coisas que antes nomeava. Dependente da história e da cultura, entretidas na relação arbitrária que as governa, a palavra e a coisa perderam objetividade, tornandose subservientes aos contextos e às interpretações. Em sua apropriação profana, cada palavra guarda, no entanto, o eco nostálgico e remoto daquilo que originalmente Era. A poesia – a arte – tenta inutilmente resgatar esse gesto fundante da Ideia, mas tudo são vestígios assombrados pela ilusão da criação demiúrgica. A subjetividade humana, enfim, triunfa e reina melancólica nos escombros. Os sussurros da origem, balbuciando um ruído tímido e inaudível de um paraíso para sempre perdido, são servis ao tempo e a experiência de cada um. Eis aqui o uso do conceito que emprestamos de Benjamin1 para se pensar o alegórico: descontextualizado, cada

um dos fragmentos, recombinado em uma colagem, busca sentido em solidariedade ao novo contexto. Tudo que resta são ruínas que, aplainadas no tempo plástico da obra, estão condenadas a reviver o eco de um passado lustroso e claro no eterno presente. Se assim é, na imitação frustrada do ato divino, tentando reencontrar a totalidade para sempre perdida, o alegorista se divide em duas partes humanas e incompletas. O arguto Duchamp já as havia compreendido: “... o coeficiente artístico pessoal é como uma aritmética entre o que permanece inexpresso embora intencionado e o que é expresso não-intencionalmente. [...] Resumindo, o ato criador não é executado pelo artista sozinho; o público estabelece o contato entre a obra de arte e mundo exterior, decifrando e interpretando suas qualidades intrínsecas e, desta forma, acrescenta sua contribuição ao ato criador.”2 Como demiurgo, o artista está condenado à subjetividade do outro. Reagrupando os fragmentos em suas colagens, o sentido intuído de cada elemento evoca inutilmente o sopro original que o fez Ser. Mas, no horizonte possível da linguagem, são os enunciados conceituais que de forma indireta representam e reagrupam os fenômenos e as coisas sem tocar jamais a objetividade das Ideias. Todo universal será, enfim, uma ilusão que o particular propicia. Essa exposição, portanto, é em si alegoria pensada pelo princípio da colagem. Cada obra aqui apresentada é um fragmento de subjetividade que se recombina a um outro, tentando compor uma totalidade sempre incompleta e fugidia. Pensar Alegórico. 1 Esse texto é uma livre interpretação do conceito de alegoria desenvolvido por Walter Benjamin em “A origem do drama barroco alemão” (São Paulo: Brasiliense, 1984) e de seus comentadores: Sérgio Paulo Rouanet (In: A origem do drama barroco alemão [Apresentação]. São Paulo : Brasiliense, 1984.) e Lauro Junkes (In: O processo de alegorização em Walter Benjamin. Anuário de Literatura 2, 1994, pp.125-135.) 2 O ato criador. In: BATTCOCK, Gregory (1975). A nova arte. São Paulo: Perspectiva, p. 73 e 74.



FELIPE FERREIRA DE ALMEIDA

Série cotidiano Fotografia, dimensões variáveis, 2017

GABRIELA BANDEIRA

Respirar Vídeo, 2015/16 Sem título (encaixe) Fotografia, 2013


JULIA ARBEX

Eclipse Planta e lâmpada, 2017

JULIANA SODRÉ

Suspensão Vídeo, 2016 Elementais Pedra e sisal, 2016


RODRIGO D’ALCÂNTARA

Tensão entre arcos Pipas-paraquedas e fios de nylon, 2016 Para a carne, arco-íris Sprays de grafite sobre facão, 2017

VINÍCIUS ROSA

Baseline Performance, dispositivo de ação, 2017





Pensar Alegórico

de 30/03 a 22/04 de 2017 Coordenação Julio Castro Curadoria Luciano Vinhosa Helio Carvalho Realização: Estudio Dezenove, Bacharelado em Artes e Programa de Pós-Graduação em Estudos Contemporâneos das Artes da Universidade Federal Fluminense Projeto gráfico catálogo: Julia Arbex Fotografias: Mariana do Vale Luciano Vinhosa Julio Castro

Parceria

Travessa do Oriente 16A Santa Teresa Rio de Janeiro Brasil CEP 20240-120 Tel. (55) 21 2232 6572 www.estudiodezenove.com


Millions discover their favorite reads on issuu every month.

Give your content the digital home it deserves. Get it to any device in seconds.