Issuu on Google+

Prazo para inclusão no REFISB acaba em 37 dias

Liane Godói

Por: Ana Costa, Carmem Costa, Márcia Solares

O tiro de laço em trio foi uma das prova mais disputadas no Rodeio. Por Maíra Vogt e Priscila Bicca

O 6º Rodeio Internacional Porteira do Mercosul movimentou o público tradicionalista durante os dias 7, 8 e 9 de novembro. Foram disputadas provas campeiras e artísticas e a organização deste ano esteve a cargo do Centro Nativista Boitatá. Apesar de o tempo colaborar, a média de público ficou abaixo do esperado. O Parque Serafim Dornelles Vargas foi o palco do evento, que contou com a participação de várias delegações de dentro e fora do Estado. O rodeio ao todo ofereceu aos participantes R$ 25 mil, que foram divididos entre as modalidades: vaca gorda, tiro de laço em trio, gineteada, criolaço, tiro de laço piá e as provas artísticas. O presidente do rodeio e patrão do Centro Nativista Boitatá, Cláudio Freitas Machado, afirma: “a organização está contente, mas realmente existe a necessidade de revisar a maneira de se atrair mais público para o evento, até o final de semana a comissão organizadora vai apresentar o

balanço financeiro do Rodeio Porteira do Mercosul”. Primeiros colocados: Danças tradicionais: Categoria dente-de-leite CTG Tropilha Crioula; Categoria Mirim – Tropilha Crioula; Categoria Juvenil – CFTG Farroupilha; Categoria Adulta – Tropilha Crioula; Entrada e Saída Adulta - Tropilha Crioula. Modalidade Solista Vocal: Categoria dente-de-leite feminino - Ágata Trindade, do CTG Tropilha Crioula; Dente-de-leite masculino Gustavo Barcelos, do PTG João Manoel; Mirim masculino - Diones Karling, do CTG Tropilha Crioula; Mirim feminino - Lucíola Borba, do CTG Galpão de Estância; Juvenil masculino Fausto Da Costa, do CTG Tropilha Crioula; Feminino adulto - Priscila Kulmann, do CFTG Farroupilha; Masculino adulto - Luis Moraes, do CTG Galpão de Estância. Declamação: Categoria dente-de-leite masculino Lucas Lopes, do CTG Tropilha Crioula; Dente-deleite feminino - Mariana Morona, do CTG Tropilha Crioula; Mirim masculino Diones Karling, do CTG Tropilha Crioula; Mirim

feminino - Andressa Caroloto, do CTG Tropilha Crioula; Masculino juvenil - Vinicius Machado Neves do CFTG Farroupilha; Juvenil feminino - Tereza Ribas, do PTG João Manuel; Adulto masculino Lucielio Fortes, do CFTG Farroupilha; Adulto feminino - Juliana Sloma, do CFTG Farroupilha. Truco: Fogo de Chão, Dupla Lica e Assis, do CFTG Farroupilha/ São Borja. Provas campeiras: Categoria laço Piá - Saimom Cavali, de Soledade; Laço Individual (por sorteio)- Maurício Belmonte, de Itaqui; Gineteada - Antonio Montenegro, de São Borja. Laço trio: 1ª Força – Onorato Antunes, Cristiano Melo e César Araújo, de Vitória das Missões; 2ª Força – Daniel dos Santos, Claudinei Silva e Claudiomar Silva, de São Luis Gonzaga; 3ª Força – César Severo, Cleber Goulart e Vanderlei Carpes, de São Borja. Vaca gorda: Renato Dias, Juliano Balbé e Germano Godói de Santo Antônio das Missões. O rodeio, previsto em lei municipal foi realizado pelo Boitatá com apoio da Prefeitura Municipal de São Borja.

Bem Hur Zappe, diretor e coordenador da Secretaria Municipal de Administração e Fazenda. Veja no quadro as formas Os contribuintes em de pagamento do REFISB: atraso, com a Prefeitura MuI- à vista, com redução de nicipal de São Borja, terão até o dia 24 de dezembro 100% na multa e juros; II- em até 12 parcelas para tentarem a inclusão no Programa de Recuperação com redução de 70%, na multa Fiscal de São Borja e juros; III- em até 24 parcelas (REFISB). O REFISB é uma oportunidade que o ci- com redução de 60% na multa dadão têm de efetuar o e juros; IV- em até 36 parcelas, pagamento de suas dívidas como o IPTU e o ISSQN, com redução de 30% na multa impostos de prestação de e juros; V- em até 50 parcelas, seviços. “Para a prefeitura aca- com redução de 20% na multa ba sendo a recuperação de e juros; VI- em até 30 parcelas, alguns recursos perdidos e para o contribuinte uma com redução de 20% na multa oportunidade de ter o nome e juros. limpo”, incentiva Edson

Abandonaram a praça!

Os brinquedos da praça estão destruídos, sem boas condições de uso.

Por Elder Nunes Jr.

A praça Assis Brasil, do bairro do Passo está abandonada pela prefeitura. O descaso com a segurança e bem-estar do bairro é apontado pela comunidade como um dos maiores problemas do local. Nelson Tobias Barreto, profissional autônomo, que mora no Passo há 41 anos, reclama da falta de manutenção dos brinquedos e limpeza da praça. “Se o poder público se interessasse pelo Passo, poderiam fazer uma quadra de futebol e vôlei de areia. Porque eles fizeram o ginásio na nossa praça, mas nós temos que pagar pelo uso. E

quem mais usa são pessoas de outros bairros.” Complementou Barreto. Outro problema apontado é a insegurança, principalmente à noite, já que a praça é mal iluminada. “Como fica tudo escuro, algumas pessoas aproveitam para práticas ilícitas. E a gente tem medo de passar por ali”, salientou Croacir Mário Scalcon, freqüentador da praça. Segundo Carlos Luchese, Secretário Municipal de InfraEstrutura, as reformas na praça estão previstas para novembro. Só não foram realizadas, até então,por falta de tempo e verba, já que as praças do centro foram reformadas recentemente. Quanto à iluminação, Luchese informou que não sabia do problema e vai averiguar.

Expediente: o Realidade é o jornal laboratório do Curso de Comunicação Social - Jornalismo da Unipampa, produzido pelos acadêmicos do segundo semestre, na disciplina de Laboratório de Jornalismo Impresso I. Professoras responsáveis: Profª. Me. Joseline Pippi (MTB 12164), Prof. Me. Mara Regina Rodrigues Ribeiro/Equipe: Ana Camila Costa, Ana Caroline Fagundes, Ana Márcia Nilson, Ana Paula Veiga, Ana Paula Kemerich, Anderson Cogo, Andressa Shneider, Camila Schmitt, Carmem da Costa, Clevison Lopes, Daíse Escobar, Daniele Balbueno, Diogo Rodrigues, Elder Correa Junior, Franciele Bolsan, Francine Ferreira, Gabriella de Oliveira, Glauber Alves, Henrique Sanchez, Julian Bohrz, Larissa Lucero, Lenise Morgental, Liane Godoi, Luan da Silva, Luana Raddatz, Luciano da Costa, Luis Gabriel Mendrana, Maíra Silva, Marcelo dos Reis, Márcia Solares, Marlon Ortiz, Marlova Martin, Mauro Garcia, Natalia Apoitia, Priscila Urach, Rafaela Vieira, Ricardo Bolson, Suelen da Silva, Tamela Grafolin, Valeska Birck e Tiragem: 500 exemplares. Distribuição gratuita.

Falta manutenção e limpeza na praça do Passo Contracapa

6º Rodeio Internacional Porteira do Mercosul Contracapa

Ano II, N°8, Jornal Laboratório do Curso de Jornalismo/Unipampa.

São Borja, 13 de novembro de 2008.

Skate: na praça ou na pista?

Por Anderson Cogo, Ana Márcia Caldeira e Glauber Alves.

Anderson Cogo

6º Rodeio Internacional Porteira do Mercosul agitou São Borja

Realidade

Realidade - São Borja, Quinta-feira, 13 de novembro de 2008.

realidadeccssb@gmail.com

4

O skateboard é um dos esportes que mais crescem no país segundo a CBSK (Confederação Brasileira de Skateboard). Em São Borja isso não é diferente. É impossível sair na rua e não passar por um grupo de jovens com suas manobras em cima de seus skates. Mas há uma pergunta que não quer calar: por que eles continuam se aventurando no centro da cidade se há menos de um ano foi inaugurada Praça da Lagoa, no centro, transformou-se em ponto de encontro dos skatistas uma pista de skate em São Borja? Um dos locais preferidos pelos No entanto essa não é uma aqui pela praça”, diz Igor Meireles, 15 adolescentes que praticam o esporte é opinião adotada por todos os anos. “ Preferimos andar na praça por a Praça da Lagoa, zona central da empresários do local. “ Aqui eles não nos ser melhor localizada do que a pista”, cidade, onde há uma grande atrapalham, por sinal muitos são nossos completa Daniel Figueiredo, 17 anos. concentração do comércio e circulação clientes. Conhecemos a família de todos, Situada na Avenida General Marques, a de carros e pessoas a todo o instante. são bons garotos”, diz Eda Mota, pista de Skate, custou R$ 144 mil, foi O fato vem gerando muita polêmica comerciante. “ A pista é bem criada atendendo a uma reivindicação por parte dos comerciantes e pedestres estruturada, mas a grande maioria dos próprios skatistas são-borjenses. ao redor do local. “Eles estão aqui a reclama da falta de segurança, os pais se Segundo Eldomir Marchesan, todo o momento, pedimos que saiam, sentem melhor com seus filhos por aqui, diretor de Esportes e Lazer da Prefeitura mas sempre voltam”, afirma Régis de é mais seguro”, completa Celso Totti, Municipal, não há falta de segurança na Andrade, 19 anos, garçom de proprietário da CIA do Pão. pista e são gastos R$ 1700 por mês com restaurante nas imediações do local. A Questionados sobre o assunto, a câmeras, vigia e luz 24 horas. Há presença dos garotos segundo Andrade, maioria do skatistas, que têm entre 13 e também o pedido de um mini-posto da tem gerado prejuízos para o 17 anos, preferem as ruas, pois para eles Brigada Militar, para proporcionar mais empreendimento: “Acabam este é o espírito do esporte. segurança ao local, o diretor afirma que estragando a calçada e atrapalhando os Contudo, a pista não deixa de ser os pais devem incentivar seus filhos a clientes do restaurante, que se sentem uma opção: “ Acabamos de vir agora da irem à pista, pois é segura e foi feita para incomodados “, completa. pista mas a galera sempre se encontra eles.

Fato da Semana Pela 5ª vez a invernada artística do CTG Tropilha Crioula de São Borja participou da final do Encontro de Arte e Tradição (ENART), em Santa Cruz do Sul, nos dias 14, 15 e 16 de novembro. O grupo “O Rio Grande me criou”, que possui 30 componentes, entre 16 e 29 anos, foi o 6° colocado na fase inter-regional, que aconteceu na cidade entre os dias 10 e 12 de outubro. Para João Omar Costa, funcionário público, responsável pela invernada durante os anos de 2003 e 2004, o principal problema enfrentado pelo grupo é o fator econômico, pois para contratar o instrutor sai caro e o CTG não tem

como ajudar nos gastos.


2

PROJETOS buscam SUSTENTABILIDADE

com alimentos há 22 anos. Em relação à reforma da casa que serve como abrigo, várias entidades estão auxiliando: empresários, produtores rurais, pessoas físicas. A Companhia de Engenharia do Exército disponibilizou a mão de obra para a reforma, que será iniciada no final do mês de outubro. A Polícia Federal também ajudou doando a tinta, e outras pessoas doaram o restante dos materiais.

As pessoas têm atendimento médico e acesso

Por:Clevison Lopes e Marcelo dos Reis

a tratamentos específicos? Os atendimentos em casos mais graves são encaminhados à Santa Maria ou Porto Alegre, na cidade falta qualificacão médica para tratamento do HIV.

O que o levou a a desenvolver esse trabalho? Foi em 1983,quando encontrei uma menina,

Quantas pessoas são atendidas nesse projeto

alcolizada e portadora do HIV na Praça Assis

atualmente?

Brasil,ela indicou outros adolescentes, então

São ao todo 60, sendo que 32 são portadores

deu-se o início do trabalho. Fiquei comovido

do HIV, e os outros 38 são pessoas carentes

com a história dela e de tantos outros na

que buscam apoio.

mesma situação e resolvi ajudar. Eu tinha uma oficina, onde a partir de bicibletas velhas eu

Você já sofreu algum tipo de preconceito

montava cadeiras de rodas para os deficientes.

por ajudar essas pessoas?

Sempre procurei ajudar aos outros de alguma

Sim, no início as pessoas tinham medo de

forma.

entregar pessoalmente suas doações, com receio de serem contaminadas. Atiravam roupas

Como é prestada a assistência aos portadores

e alimentos na porta da casa. Hoje, as pessoas

de HIV ?

têm mais informação e não há tanto

A minha função é dar abrigo e alimentação

preconceito.

aos portadores, além de encaminhá-los à escola e ao tratamento médico.

As pessoas atendidas recebem visitas? Os familiares os abandonam, por vergonha e falta de apoio. Só poucos recebem visitas, que

No dia-a-dia, além das famílias dos portadores,

a maioria quando sai do projeto vai para a rua,

algumas empresas e entidades da cidade

principalmente as meninas que vêem na

ajudam. A Cotrisal, por exemplo, nos auxilia

prostituição uma saída.

Marcelo dos Reis

De que maneira o grupo se mantém ?

O abrigo localiza-se na Rua Almirante Tamandaré esquina com a rua Patrício Petit-Jean, no Bairro do Passo.

Convênios com a prefeitura ampliam opções de lazer são-borjense Por: Mauro Garcia, Julian Bohrz e Francine Ferreira

No início de novembro, a prefeitura municipal de São Borja enviou a documentação necessária a União para a execução de projetos de obras federais na cidade, que fazem parte do programa de incentivo ao esporte. Um convênio com o Ministério do Esporte irá custear a construção de três quadras poliesportivas no

parque General Vargas e outras duas na Vila Mário Roque Weis e no Porto do Angico. Os recursos deverão estar disponíveis até o dia 17 de dezembro de 2009. As modificações no local representam um investimento federal e municipal, que totalizam R$ 665.366.77. O projeto de melhoramento do parque General Vargas teve, no dia 31 de maio deste ano, sua primeira etapa finalizada com a construção de uma pista de skate, realizada a pedido dos skatistas são-borjenses, que não possuíam um local adequado para a prática do esporte.

Outro convênio, com o Ministério do Turismo garantirá a pavimentação da rótula e dos passeios internos do parque, a fim de adequar o ambiente para o uso popular. O trabalho de incentivo ao esporte que foi iniciado em 2005 receberá, dessa forma, mais um impulso. Segundo Heleno Nazário, agente administrativo da prefeitura, o projeto também contemplará, posteriormente, a área rural da cidade. “Nhu-Porã e Boa Vista receberão duas quadras poliesportivas e, além disso, o ministério do turismo irá revitalizar e reformar a praça de Nhu-Porã, afirma.” Pista de skate é a primeira parte do projeto já concluida.

Nos dias 14, 15 e 16 de novembro realizase o IV Encontro de Basquete do Mercosul, no ginasio de esportes do Colégio Estadual São Borja (CESB). O encontro, promovido pela Associação de Pais e e Amigos do Basquete de São borja em parceria com a Escolinha de Basquete do CESB, terá a participação de equipes da Argentina, Uruguai e Paraguai, além dos times brasileiros, das cidades de Santa Maria,Santo Angelo, Uruguaiana e São borja. As partidas serão disputadas das 9 horas às 22horas nos dias 14 e 15, e das 9 horas às 12 horas no dia 16, nas categorias Livre, Veteranos, 8 a 11, 12 a 14, 15 a16 e 17 a 18. Todas as equipes receberão troféus, e haverá

medalhas para os três primeiros colocados em cada categoria. Durante os três dias de competição, será servido almoço gratuitamente para atletas e departamento técnico (árbitros, mesários, treinadores e assistentes), e as equipes receberão alojamento no II RCMec. A primeira edição do evento ocorreu em 1999.Por falta de apoio financeiro, voltou a ser realizado somente em 2006.O organizador da competição, Gelson Genro, alerta para o objetivo do encontro: “A principal meta não é descobrir novos talentos, e sim incentivar os jovens a praticar esportes, e não só o basquete, para terem uma vida mais saudável, é educar através do esporte” enfatiza.

Cinco mil litros de azeite bem longe do rio Uruguai O Departamento do Meio Ambiente de São Borja realiza há mais de um ano um projeto em benefício as águas do Rio Uruguai e de todo o planeta. Em 2007, foi feita uma parceria com a Oleoplan, empresa que produz biocombustível, desde então todo o azeite usado em restaurantes, pastelarias e outros grandes geradores passou a ser recolhido e armazenado para futuro reprocessamento. De acordo com Roselaine Guedes dos Santos, a diretora do Departamento do Meio Ambiente, são 19 empresas e o Hospital Infantil, que armazenam o azeite usado e o enviam à prefeitura, que o compra a 20 centavos o litro. Apesar da parceria desenvolverse há um ano ainda existe resistência por parte de vários locais, que alegam utilizar o azeite velho para fazer sabão ou ração para suínos. Cada litro de azeite polui um milhão de litros da água, o que seria suficiente para uma pessoa viver 14 anos. Em julho desse ano a

Oleoplan recolheu os primeiros 2000 litros de azeite em São Borja, e já existem mais quase 3000 litros armazenados, a verba que a empresa de biocombustível paga vai diretamente para o fundo do meio ambiente.

Arquivo

Palma em sua residência, que funciona como abrigo.

São Borja está atenta às necessidades de preservação ambiental. Na cidade, a maior organização ambientalista é a Associação São-Borjense de Proteção ao Ambiente Natural (ASPAN). Com cerca de cem sócios, atua em toda São Borja através de projetos, palestras, campanhas, passeatas e excursões temáticas. O “Plante uma vida, plante uma árvore” é um projeto contínuo desenvolvido pela Associação, voltado para a arborização urbana e que já distribuiu cerca de 10 mil mudas de plantas grátis à comunidade. Outras iniciativas são o Projeto Semear, que é subdividido em arboreto para matizes, ambiente de visitação passando por um banhado regenerado com espécie nativa; o Projeto Viveiro de Mudas, para a preservação de corredores ecológicos, e o Projeto de Educação Ambiental, onde em um auditório livre se realizam palestras de conscientização. Para o Engenheiro Agrônomo e Presidente da Aspan, Darci Bergmann, as atitudes devem ser simples e eficientes e a educação ambiental deve ser prioridade. As escolas também constroem projetos de preservação do ambiente. Entre elas está a Escola Estadual de Ensino Médio Tricentenário, que está reflorestando a Praça Tricentenária, além de limpála e conservá-la. A ação inte-

Rafaela Thevenet

Clevison Lopes

Por Luana Raddatz e Marlova Martin

Integração esportiva do Mercosul

gra a oficina Pat r u l h a Ambiental composta por cerca de 20 crianças de 4ª a 6ª série da escola. Cem mudas de árvores já foram plantadas na praça. A oficina surgiu do projeto do Governo Federal “Vamos do Brasil” e de acordo com uma das responsáveis pela oficina, professora Mariza Perobelli, a intenção é que sejam realizadas mais ações no próximo ano, com programas d e compostagem e recolhimento de pilhas e lâmpa- Alunos participantes de projeto de proteção ambiental reflorestando a Praça Tricentenária, em São Borja. das. Embora existam tos ao município como Organi- que não saem do papel. A a tornarem-se multiplicadores iniciativas, algumas enfrentam zação não-governamental, mas antiga sede foi repassada à da consciência ambiental e saproblemas. Um exemplo é o teve resposta negativa. A colônia dos pescadores e os lienta que São Borja já mudou Grupo Independente de Co- prefeitura não se pronunciou materiais ao grupo infantil de sua consciência ambiental, mas apoio ao meio ambiente há cidades menores e mais mando de Defesa da Natureza, sobre o assunto. conscientes. “Muita coisa ainO desgaste do projeto (Giama). que há quinze anos trabalhava A fiscalização dos crimes da tem que mudar”, completa. em prol do ambiente com deve-se ainda aos freqüentes A Secretaria Municipal contra o meio ambiente é realicrianças e adolescentes, roubos ocorridos na sede do de Desenvolvimento Rural e zada pelo Pelotão Ambiental, grupo e às desistências dos intecuidando das costas do rio Uruguai e plantando árvores, grantes. O grupo fez 25 mil órgão ligado à Brigada Militar. Meio Ambiente dá ênfase tamencerrou suas ações devido à di- mudas de árvores para o Banco São nove agentes que atendem bém à educação ambiental, ficuldade de manter-se finan- Itaú, com isso receberam 2 mil a região. As ações no Pelotão priorizando a conscientização ceiramente. Segundo o ex- reais de prêmio destinados à aqui- põem em prática, também, o quanto à qualidade de água fusileiro naval e organizador do sição de materiais de cultivo. projeto “Conhecer para preser- através da conservação de afluprojeto, Edgar Lucena Schenkel continua o seu traba- var”, onde oito alunos da quar- entes, assoreamento das nasSchenkel, o imposto cobrado lho ambiental individualmente, ta série de quatro escolas são es- centes e margens, assim como pela prefeitura foi fator decisivo colocando pneus na barranca do colhidos para realizar atividades o controle de resíduos sólidos. de Para próxima administração para o término do grupo. “No rio para tentar conter a erosão. extracurriculares início pagávamos 40 reais, pou- Ele salienta que o diferencial do conscientização ambiental em está sugerido concurso para co antes de acabar já eram mais Comando de Defesa da dois meses. Segundo a 1ª te- geólogos, biólogos e engenheiNatureza era a capacidade de nente do 2º Pelotão Ambiental ros químicos, gerenciamento de 300 reais”, reclama. O Comando entrou com tornar reais os projetos, já que de São Borja, Marilene Alves da de resíduos tóxicos para aterro o pedido de isenção de impos- em todos os lugares há muitos Cruz os alunos são incentivados sanitário e arborização.

Julian Bohrz

Aposentado ajuda portadores de HIV

O Grupo de Prevenção à AIDS e à Fome é um trabalho social que há 25 anos é desenvolvido por Jair Ubatuba da Palma, 60 anos, no Bairro do Passo. Cerca de 287 pessoas já foram atendidas pelo projeto na cidade.

35

Realidade - São Borja, Quinta-feira, 13de novembro de 2008.

São Borja oferece curso Técnico em Meio Ambiente A Prefeitura Municipal, o Ministério da Educação (MEC) e a Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) firmaram um convênio que irá oferecer a São Borja e a outros seis municípios da região um curso Técnico em Meio Ambiente à distância. As inscrições encerram-se no dia 16 de novembro, as provas irão ocorrer no dia 29 de novembro, na Escola Municipal Ubaldo Sorrilha da Costa, e o início das aulas está previsto para a primeira semana de dezembro. O valor da inscrição é R$35,00. A matrícula deverá ser efetuada no dia 8 de dezembro. As inscrições podem ser feitas via internet, através do site http:// etec.escolatecnica.ufrgs.br. A disputa pelo curso aconteceu em mais de 65 cidades do país e no Estado apenas Alegrete, Bagé, Canguçu, Santa Maria, Santo Antônio da Patrulha, São Borja e São Lourenço

do Sul foram contempladas. O curso, que terá duração de dois anos, será dividido em três módulos e estágio obrigatório e irá ofertar 50 vagas. Em São Borja, as aulas acontecerão na sede da Escola Municipal Ubaldo Sorrilha da Costa, no turno da noite, às terças e quintas com acompanhamento de dois monitores. Segundo a administradora do SMECD, Dalva Velásquez, o curso procura formar profissionais que saibam lidar com as questões ambientais. “Caso sejam formadas mais turmas, outros cursos poderão ser ofertados como, por exemplo, o curso de Automação Industrial à Distância, via convênio com a Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), com provas previstas para o dia 7 de dezembro e início das aulas em fevereiro”, completa.


Realidade 2008 - 2ª ed.