Issuu on Google+

Ano 8 - Nº 97 - Fevereiro de 2012 - Publicação Oficial dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais

Gabriel Faria

Aumente a eficiência reprodutiva do seu rebanho

Programe-se para o período da seca

Página 3

Página 6

Sal mineral: sua importância e efeito na suplementação Páginas 18 e 19

Páginas 6 e 7

Renato Laguardia

Adequando as dificuldades

PÁGINA 16

Planejamento é fundamental para alcançar bons resultados durante o ano

Eventos

Artigos

Páginas 14 e 15

O entrevistado dessa edição é o criador, advogado e homem público Renato José Laguardia de Oliveira, proprietário da Fazenda Martelo, em Barbacena – MG. “A produção de leite a cada dia está mais especializada, se tudo for feito da maneira correta e o produtor souber como investir no tempo certo e onde investir, acredito que fará um bom investimento”, comenta.

PÁGINAS 9 a 11

A Associação está a todo vapor na organização dos eventos de 2012

CADERNO

Agenda

Super Rank

Página 13


2 EDITORIAL LEONARDO MOREIRA COSTA DE SOUZA

Presidente da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

ASSOCIAÇÃO DOS CRIADORES DE GADO HOLANDÊS DE MINAS GERAIS Avenida Sete de Setembro, 623 Centro - Juiz de Fora - MG - CEP 36070-000

Tel: (32) 4009-4300

O GADO HOLANDÊS NA FAEMG! Foi com imenso prazer e grande expectativa que recebemos a notícia da posse do amigo Renato José Laguardia de Oliveira como vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais. Não apenas a população de Barbacena orgulha-se desse feito, já que os criadores de gado Holandês também expressam sua alegria em saber que teremos um criador competente para nos defender com maior força no âmbito político. Dr. Renato é uma pessoa de extrema capacidade e um dos responsáveis pela realização da Exphomig em Barbacena nos últimos anos, assim como em 2012, tamanho o apoio que recebemos dele e de toda a sua equipe. Gostaríamos de encaminhar, por meio da abertura desta edição do Jornal Holandês, os nossos parabéns pela posição alcançada, desejando ao Dr. Renato Laguardia muito sucesso na condução deste importante cargo. A Associação Mineira dos Criadores de Gado Holandês está muito otimista e confiante no seu sucesso. Outro aspecto que merece ser destacado nesta edição do nosso jornal é a maior presença de conteúdo técnico, cuja leitura agregará melhorias no dia-a-dia dos criadores de Holandês e produtores de leite em geral. Conforme salientamos na edição de janeiro, é um dos objetivos da nossa equipe de edição equilibrar melhor o conteúdo do jornal, mesclando matérias técnicas e informativas. Parabenizo a equipe por ter demonstrado competência alcançando esse objetivo já na edição de fevereiro. Será a partir desta que prosseguiremos melhorando a cada mês. Chamo a atenção para a divulgação do nosso calendário de eventos, especialmente para os Melhores de Minas, Megaleite e Exphomig, já que é necessário tempo para que os criadores se organizem no sentido de participar com muita força e qualidade. Este será um ano muito intenso neste sentido, visto que investiremos intensamente no marketing do Holandês, procurando abrir ainda mais espaço para a raça em Minas Gerais e no Brasil. Existem muitas fazendas que ainda não integram a nossa Associação e temos como foco demonstrar o importante valor que podemos agregar na atividade. O nosso trabalho está no campo! Nesse sentido, é necessária a participação intensa dos nossos associados para que o ciclo virtuoso que nos encontramos perpetue-se indefinidamente. Contamos com todos vocês em nossos eventos no ano de 2012! Uma boa leitura e um forte abraço.

ATENÇÃO! A ACGHMG convoca as comissões organizadoras das Exposições Homologadas que entrem em contato para organizar, com antecedência, a programação oficial de 2012. Contamos com a colaboração de todos! Mais informações: 32 4009 4300

AGENDA 2012 CURSOS DE JULGAMENTO DA RAÇA HOLANDESA - 20 a 24 de março - Barbacena - MG EXPOPATRÔ - 11 a 15 de abril - Patrocínio - MG EXPOJOVEM - 15 a 21 de abril - Itanhandu - MG MELHORES DE MINAS - 21 de abril - Itanhandu - MG EXPOSIÇÃO AGROPECUÁRIA DE BARBACENA - 16 a 20 de maio - Barbacena - MG EXPOSIÇÃO DE PATOS DE MINAS - 22 a 26 de maio - Patos de Minas - MG SUPERAGRO - 3 a 10 de junho(*) - Belo Horizonte - MG MEGALEITE - 1 a 8 de julho - Uberaba - MG LEILÃO ESTRELAS DO HOLANDÊS E CONVIDADOS - 7 de julho - Uberaba - MG EXPOAGRO - 9 a 15 de julho - Guaxupé - MG EXPOMARJ - 9 a 15 de julho(*) - Leopoldina - MG EXPOSIÇÃO DE TRÊS CORAÇÕES - 2 a 7 de agosto(*) - Três Corações - MG Agroleite - 6 a 10 de agosto - Castro - PR EXPOSIÇÃO DE ITANHANDU - 20 a 28 de agosto(*) - Itanhandu - MG EXPOSIÇÃO DE JUIZ DE FORA - 23 a 28 de agosto(*) - Juiz de Fora - MG Expointer - 25 de agosto a 2 de setembro - Esteio - RS EXPHOMIG - 9 a 16 de setembro - Barbacena - MG Até a data de fechamento desta edição a redação possuía confirmação somente dos eventos citados. (*) Datas a serem confirmadas pela organização da exposição.

DIRETOR SECRETÁRIO Maria do Carmos Peters de Oliveira e Gilberto Vilela de Oliveira

PRESIDENTE Leonardo Moreira Costa de Souza VICE-PRESIDENTES Armando Eduardo de Lima Menge, Ellos José Nolli e Cristovam Edson Lobato Campos DIRETOR TESOUREIRO Antônio de Pádua Martins e Sancho José Matias

CONSELHO FISCAL EFETIVO Aniceto Manuel Aires, Gilberto Carvalho Esteves, Lúcia Mara Yamaguti Kono, Marcos Almeida Junqueira Reis e Raul Pinto CONSELHO FISCAL SUPLENTE José Alair Couto, José Heli Dias Pereira e Manuel Jacinto Gonçalves

DIRETOR SECRETÁRIO GERAL Lucas Pimenta Veiga

SUPERINTENDENTE TÉCNICO Cleocy Fam de Mendonça Júnior cleocyjr@gadoholandes.com

REPRESENTAÇÕES REGIONAIS: Acricom - Associação dos Criadores de Gado Holandês do Centro-Oeste Mineiro Presidente - Peter Jordan Avenida Amazonas, 6020 - Gameleira. 30510-050 Belo Horizonte - MG - Tel: (31) 3334-8500 Nughoman - Núcleo dos Criadores de Gado Holandês da Mantiqueira Presidente -Almir Pinto Reis Rua João Baptista Scarpa, 666. 37464-000 Itanhandu - MG - Tel: (35) 3361.2404 Nughobar - Núcleo dos Criadores de Gado Holandês de Barbacena Presidente - Cristovam Edson Lobato Campos Avenida Amílcar Savassi, s/n caixa postal 126. 36200-000 Barbacena - MG - (32) 3332-8673

EXPEDIENTE Jornal Holandês - Publicação Oficial da Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais Av. Sete de Setembro, 623, Costa Carvalho – Juiz de Fora – MG – CEP 36070-000 - Fone: (32) 4009-4300

Conheça a nossa publicação digital, acesse www.jornalholandes.com.br

Presidente: Leonardo Moreira Costa de Souza Comissão Editorial: Antônio de Pádua Martins, Armando Eduardo de Lima Menge e Cleocy Fam de Mendonça Júnior Equipe Valor Editora Projeto Gráfico e Editorial: Equipe de Criação da Valor Editora Edição e Diagramação: Helô Costa - Mtb 00127/MG Revisão Linguística: Professora Mariza Moura Colaborou nesta edição: Emerson Pancieri - Mtb 12438/MG Contato Imprensa: editora@jornalholandes.com.br

GRUPO DE COMUNICAÇÃO

Departamento Comercial: Executivo de Contas: Wagner Correa 31 2526- 2527 | 31 9105-7737 comercial@jornalholandes.com.br Impressão: O Tempo Serviços Gráficos RECADASTRAMENTO: Para continuar a receber o Jornal Holandês acesse www.jornalholandes.com.br e preencha corretamente o cadastro Participe do jornal, envie sugestão de pautas, reclamações, agenda de eventos e deixe seus comentários, esse é o canal direto com o produtor: redacao@jornalholandes.com.br A Valor Editora é a única empresa responsável pela comercialização de espaços dentro do jornal impresso e site do jornal assim como qualquer outra negociação que diz respeito ao Jornal Holandês conforme acordo firmado com a Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais. Qualquer dúvida entre em contato com a nossa equipe. O Jornal Holandês não se responsabiliza pelas matérias assinadas e pelos conceitos emitidos nos artigos assinados, sendo de responsabilidade de seus autores. É vetado a reprodução parcial ou integral de qualquer conteúdo do Jornal Holandês.

JORNAL HOLANDÊS AGORA NO TWITTER: twitter.com/jornalholandes

FIQUE ATENTO

O Jornal Holandês é o nosso veículo de comunicação. E você participa nos informando o que acontece. Aproveite este espaço para divulgar exposições, feiras e eventos da sua região ligados a raça. Envie para editora@jornalholandes.com.br


AGENDA 3

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

A todo vapor! Este ano os trabalhos da ACGHMG começaram cedo para que todos possam se organizar e participar dos eventos O ano de 2012 começa a todo vapor! Já está definida a agenda dos eventos realizados pela Associação dos Criadores de Gado Holandês de Minas Gerais – ACGHMG. Este ano os trabalhos começaram cedo, tudo está sendo organizado com muita dedicação e profissionalismo para que todos possam trocar idéias, rever os amigos e fazer bons negócios. Além de algumas exposições homologadas pela Associação já estão definidas as datas do tradicional Melhores de Minas, da interestadual Megaleite e da consagrada Exphomig. Expositores, criadores, amantes da raça e parceiros saiam na frente e confirmem a sua presença, pois este ano muitas novidades viram e você não pode ficar de fora! CURSO DE JULGAMENTO Abrindo com chave de ouro o calendário de eventos de 2012, a Associação convida o público em geral a participar do curso de Julgamento de Bovinos da Raça Holandesa que acontecerá de 20 a 23 de março, em Barbacena – MG. O curso é realizado a cada dois anos de forma rotativa entre os Estados. Já faz 10 anos a última vez que o curso foi realizado em Minas Gerais. Não perca essa oportunidade! Ainda dá tempo de se inscrever. A realização é uma parceria do Colégio Brasileiro de Jurados de Pista da Raça Holandesa - CBJP com a Associação Mineira. MELHORES DE MINAS No dia 21 de abril, em Itanhandu, acontecerá a tão esperada premiação Melhores de Minas; onde os criadores de gado Holandês terão a oportunidade de conhecer os destaques da raça no ano passado.

O evento será realizado juntamente com a maior Exposição de Gado Jovem Nacional – Expojovem. A premiação deste ano promete muita emoção e novidades. Não perca tempo, faça já a sua reserva e conheça os “Melhores de Minas Gerais”. INTERESTADUAL MEGALEITE Depois de alguns anos sem uma aparição tão expressiva, a Associação colocará o Holandês em destaque na Megaleite e por isso aproveita a oportunidade e convoca a todos os criadores para participarem deste grande evento e juntos mostrarem a força da raça em Minas. É a oportunidade de consagrar a presença do Holandês no cenário interestadual e mostrar para todos que Minas está à frente em qualidade e produção. Já está confirmada a presença de importantes criadores, a expectativa é de reunir cerca de 150 animais. Wagner Correa

A Exphomig de 2011 contou com a presença de vários criadores e empresas de outros Estados

2012: EXPOSIÇÕES E EVENTOS EM MINAS GERAIS evento

dAtA

LocAL

Cursos de Julgamento da Raça Holandesa

20 a 24 de março

Barbacena - MG

Expopatrô

11 a 15 de abril

Patrocínio - MG

Expojovem

15 a 21 de abril

Itanhandu - MG

Melhores de Minas

21 de abril

Itanhandu - MG

Exposição Agropecuária de Barbacena

16 a 20 de maio

Barbacena - MG

Exposição de Patos de Minas

22 a 26 de maio

Patos de Minas - MG

Superagro

3 a 10 de junho(*)

Belo Horizonte - MG

Megaleite

1 a 8 de julho

Uberaba - MG

Leilão Estrelas do Holandês e Convidados

7 de julho

Uberaba - MG

Expoagro

9 a 15 de julho

Guaxupé - MG

Expomarj

9 a 15 de julho(*)

Leopoldina - MG

Exposição de Três Corações

2 a 7 de agosto(*)

Três Corações - MG

Exposição de Itanhandu

20 a 28 de agosto(*)

Itanhandu - MG

Exposição de Juiz de Fora

23 a 28 de agosto(*)

Juiz de Fora - MG

Exphomig

9 a 16 de setembro

Barbacena - MG

Até a data de fechamento desta edição a redação possuía confirmação somente dos eventos citados. (*) Datas a serem confirmadas pela organização da exposição.

A exposição acontecerá no período de 1 a 8 de julho, em Uberaba e a novidade este ano é o Leilão Estrelas do Holandês e Convidados - edição Megaleite organizado pela Associação Mineira que será realizado no dia 7 de julho, às 14 horas. EXPHOMIG A maior Exposição de Gado Holandês de Minas Gerais já está consagrada no cenário nacional. Na edição passada contamos com a presença em pista e na platéia de importantes nomes do Brasil que vieram especialmente prestigiar e conhecer de perto o que há de melhor do gado Holandês no Estado. Será realizada pelo terceiro ano consecutivo na cidade de Barbacena, no período

de 9 a 16 de setembro, além dos julgamentos do gado jovem e adulto, haverá o tradicional Leilão Parada da Perfeição. O jurado de pista este ano será o consagrado canadense David Crack Junior, jurado oficial da Holstein Canadá desde 2000 e no final do ano passado foi o jurado auxiliar na Royal Winter Fair. Já julgou várias exposições em todo o Canadá e EUA, bem como Austrália, Bélgica, Brasil, Equador, França, Japão, Itália, Portugal, Suíça, Inglaterra e Uruguai. Desde 2010 a Exphomig a cada ano traz inovações, surpreende à todos e coloca a raça na mídia nacional. 2012 virá com mais novidades! Não deixe o seu nome de fora da história do Holandês, reserve já o seu espaço! Mais informações: (32) 4009 4300


4

NOTAS

ECONOMIA

Concurso Nomeadas e Supremas Estão abertas as inscrições para o concurso de Nomeadas e Supremas de 2011/2012. O criador terá até o dia 14 de março para inscrever o seu animal e estar entre os melhores do rebanho nacional. Já no dia 23 de março, a ABCBRH realizará a seleção das Nomeadas e Supremas de 2011. Veja todo o regulamento no site da Associação Brasileira. Mais informações: www.gadoholandes.com.br

Web-Holandês de cara nova A Associação Brasileira de Criadores de Bovinos da Raça Holandesa - ABCBRH acaba de lançar a nova versão do Web-Holandês. O novo formato já está disponível para seus usuários, que pode ser acessado pelos browsers Firefox, Google Chrome, Internet Explore, entre outros. O Web-Holandês conta também com um layout diferenciado, feito especialmente para melhorar a visualização. O novo visual foi desenvolvido pela equipe de informática da ABCBRH. Segundo George Alves, do setor de Informática, “o objetivo destas alterações foi dar mais mobilidade para nossos clientes, a nova versão pode ser utilizada em qualquer navegador. Mudamos o menu de acesso aos programas e acrescentamos cores para melhorar a visualização do cliente. E novamente aperfeiçoamos a segurança e a performance da aplicação referente ao conteúdo”. Mais informações: george@gadoholandes.com.br

Araucária se consolida no Brasil A Araucária Genética, juntamente com seus parceiros e representantes, se consolidou em 2011 como uma das grandes empresas prestadoras de serviços do País no segmento de Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF), com a comercialização e a execução do montante de 42.000 protocolos para os projetos de reprodução bovina com o uso dessa técnica. “É bom salientar que 80% desse volume foram trabalhos realizados com o rebanho de pequenos e médios produtores rurais”, afirma Fernando Barreiro, gerente comercial da Araucária Genética. E complementa: “nosso foco em 2012 é superar este número e alcançar a marca de 70.000 protocolos”. Barreiro ressalta ainda o forte crescimento da empresa paranaense neste segmento em comparação com o ano de 2010. “Tivemos um aumento bastante expressivo no ano passado. Esse resultado é fruto da grande penetração e da qualidade dos nossos produtos no mercado de IA”, comenta.

NA WEB Pequenos produtores beneficiados Novas regras para a agroindústria caseira rural garantem benefícios a pequenos empreendimentos.

Cultura pode gerar lucros para a propriedade O cultivo do trigo pode ser uma boa opção agrícola para o produtor mineiro. É uma excelente alternativa na rotação de culturas.

Pesquisa avalia biodisel feito de sebo bovino O biocombustível revelou-se um possível destino para o sebo, além dos cosméticos, sabões e ração animal.

Bioingrediente inibe contaminação de queijo A proposta é oferecer uma alternativa tecnológica com o intuito de aumentar a biossegurança do queijo minas frescal.

Atenção!

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Pasto agroecológico aumenta produtividade Produtores são orientados a adotar práticas inovadoras e ecologicamente corretas Produtores do sertão sergipano estão aprendendo a inovar com sustentabilidade. A tecnologia do pasto agroecológico tem aumentado a produção e preservado o meio ambiente na região. Ela é disseminada pelos consultores dos Frutos da Floresta, projeto desenvolvido pelo Instituto de Cooperação para o Desenvolvimento Sustentável - Icoderus, que conta com apoio do Programa Petrobras Ambiental e tem como parceiro o Sebrae em Sergipe. O pasto agroecológico é formado por árvores nativas, que além de gerarem sombra servem para alimentar os animais. Um bom exemplo é o caso do mata pasto, que nasce com a chuva. Na maioria das vezes, o produtor utiliza herbicidas para matá-lo. Indiretamente o consumidor acaba ingerindo no leite resquícios desses agrotóxicos. Mas se o mata pasto for cortado pela raiz, triturado e colocado no silo por um período mínimo de três semanas, ele se transforma num alimento nutritivo e saboroso para os animais. Outro ponto positivo é que eles servem de corredores ecológicos, principalmente para os pássaros. “Além de preservar o ecossistema, reduzir gastos com ração e evitar o uso de venenos, o pasto agroecológico tem melhorado a produtividade do leite”, explica o engenheiro florestal Ronaldo Fernandes, coordenador técnico do projeto. “Já capacitamos 15 produtores com essa nova tecnologia. Os bons resulta-

É hora de atualizar o seu plantel! 32 - 4009 4300

dos que eles chamam a atenção dos outros empreendedores rurais. Mais 20 pessoas já demonstraram interesse em conhecer a tecnologia”, explica. ECONOMIA Um bom exemplo é o caso do criador Manuel Soares Cardoso, que conseguiu aumento de aproximadamente 20% na produtividade leiteira do seu rebanho bovino. Manuel Soares é integrante da Associação Comunitária dos Produtores Rurais da Lagoa do Rancho, em Porto da Folha, e há seis meses adota a tecnologia do pasto agroecológico. “Utilizo vegetações nativas para alimentar o gado e outros animais. Economizo com a compra de milho e soja para ração. O mais interessante é que os animais preferem o pasto”, comenta Manuel. No início, os vizinhos de Manuel até criticaram a opção dele pela novidade. O produtor lembra que eles diziam que o uso da vegetação nativa para alimentar os animais era “coisa de produtor preguiçoso” e que os animais poderiam até morrer. “Depois que viram que dava certo, que aumentei a produtividade e reduzi custos, ficaram interessados em aprender a nova técnica”, relata. Mais informações: Sebrae Sergipe - (79) 2106 7758 www.se.agenciasebrae.com.br Fonte: Agência Sebrae de Notícias/Bruno Leonel


6 ENTREVISTA

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Investir no tempo certo “A vaca Holandesa é um animal que produz muito leite e aceita desafios. As novilhas são altamente precoces, e se estiverem bem tratadas irão produzir leite muito mais cedo”

Fotos Renato Laguardia

Esta edição do Jornal Holandês homenageia o criador de Holandês, advogado e homem público Renato José Laguardia de Oliveira que tomou posse como vice-presidente da Federação da Agricultura e Pecuária de Minas Gerais – Faemg, pelo terceiro ano consecutivo, além de ser reeleito pelo quarto ano seguido como presidente do Sindicato Rural de Barbacena que completou 45 anos, em 2011. A Fazenda do Martelo localizada em Barbacena – MG é uma herança do seu pai, o saudoso “Zé do Martelo”. “Eu fui nascido e criado na Fazenda do Martelo, desde pequeno gostei de ficar junto do meu pai aprendendo como criar gado e produzir leite”, comenta emocionado Renato. Mesmo com estruturas antigas e região montanhosa ele nos conta como ajusta sua produção e criação as dificuldades e consegue ser um importante produtor de leite, em meio ao mercado repleto de oscilações. Jornal Holandês: A Fazenda do Martelo foi criada há quantos anos? Renato Laguardia: Não sei precisar. Contava o meu pai, o saudoso “Zé do Martelo”, que os vizinhos mais antigos afirmavam que a Fazenda do Martelo fora erguida há mais de 200 anos. JH: Fale sobre a sua estrutura. RL: A sede possui estruturas antigas que eu procuro adequar à produção e criação dos animais. Atualmente estou criando apenas gado Holandês. A Fazenda possui plantação de milho para produção de silagem, cana, e as pastagens são formadas pelo capim braquiaria e braquiarão. JH: Como funciona o sistema de criação

e alimentação dos animais da fazenda? RL: Como nossa estrutura ainda é antiga, procuro cada vez mais melhorá-las, como o sistema de bezerreiros e a ordenha. Nossas novilhas são criadas no sistema semi-intensivo, sendo que todas são tratadas durante o ano todo. As vacas em lactação são tratadas com silagem de milho e ração (produzidas na fazenda) de acordo com a produção de leite, adiciono à ração núcleos e procuro cada vez mais aperfeiçoar na criação de nossos animais. JH: Qual o foco da fazenda? RL: O objetivo da fazenda é produzir leite com eficiência, produtividade, sustentabilidade e criar animais de alto valor genético e rústico, o que não é fácil

nos dias atuais. Atualmente estamos produzindo por volta de 1.000 litros de leite por dia, com 55 vacas em lactação, sendo 95% dos animais crioulos de nossa propriedade. JH: Por que criar Holandês? RL: Porque é um animal que produz muito leite e aceita desafios. As novilhas são altamente precoces, e se estiverem bem tratadas irão produzir leite muito mais cedo. E hoje se não tivermos produção em escala e animais altamente produtivos o produtor que vive apenas da produção de leite está fadado a desaparecer, pois o que você gasta com uma vaca de alta produtividade você gasta com uma vaca de baixa produtividade.

JH: Com sua visão administrativa e política o que não pode faltar? RL: Você tem que estar sempre atento a tudo o que acontece em sua propriedade, ter controle total dos custos, uma boa assessoria técnica, saber ser um ótimo agricultor, enfim, ter uma visão ampla. Além disso tudo, para quem gosta de produzir leite não pode faltar paixão pelo que faz. JH: No seu ponto de vista, o que é um animal com boa produtividade? RL: Vacas longevas, sem problemas de reprodução, de mamite, de casco e de lactação consistente. JH: Quais as dicas para o produtor con-


ENTREVISTA

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

seguir animais com alta produtividade? RL: Primeiro ter alimento de alta qualidade e em grande quantidade, de acordo com o número de animais. Eu vejo pessoas que começam a atividade investindo pesado em construções e genética, depois é que vão pensar em plantar milho e fazer pastagens de alta qualidade. Segundo, após a alimentação investir em mão de obra especializada, e que nos tempos atuais está cada vez mais difícil e em terceiro investir em genética, fazendo acasalamentos e tendo uma boa assistência técnica, veterinária e zootécnica. JH: O senhor considera um bom investimento ser produtor de leite? RL: A produção de leite a cada dia está mais especializada, se tudo for feito da maneira correta e o produtor souber como e onde investir acredito que é um bom investimento, pois além do leite que é vendido e às vezes não paga nem mesmo as despesas do mês, temos as bezerras, que eu entendo que é este o nosso investimento. JH: Como o produtor deve agir com os altos e baixos do mercado de leite? RL: Deve agir com serenidade, sem tomar decisões precipitadas, pois às vezes

tividade e de grandes famílias, para isto é imprescindível ser associado da Associação Mineira de Gado Holandês, pois os animais terão um histórico, com produção leiteira, agregando maior valor econômico para seus animais.

uma decisão mal tomada pode prejudicá-lo mais adiante. O produtor de leite deve ter também todos os dados de sua propriedade atualizados, ou seja, qual o custo de sua produção e todos os dados completos de seus animais, para poder descartar animais nas horas difíceis, procurar baixar o custo de sua produção sem deixar afetar a qualidade de alimentação para seus animais. JH: Como saber a hora certa de investir? RL: Cada produtor tem de saber qual é o seu melhor momento para investir, princi-

palmente na produção leiteira. O produtor deve procurar uma assessoria técnica, por exemplo a Emater ou o próprio sindicato, para fazer uma avaliação mais complexa do seu negócio e também saber onde e como investir. Hoje com financiamentos mais acessíveis, o produtor deve tomar muito cuidado ao fazer investimentos sem uma consultoria. JH: Como agregar valor econômico aos animais? RL: Cada vez mais o que se procura são animais com descendências, de alta produ-

Márcio Kleber

JH: Como consegue conciliar tantas tarefas? RL: Meu dia-a-dia é muito atribulado, os compromissos e as tarefas são cumpridos com apoio de uma agenda organizada. No entanto, não conseguiria exercer a profissão de advogado, a presidência do sindicato e ainda administrar a fazenda se não estivesse cercado de pessoas comprometidas com o que fazem, além do total apoio de minha esposa Ana Patrícia, que administra a parte contábil e financeira da fazenda. JH: O que representa para você conquistar pelo terceiro mandato consecutivo o cargo de vice-presidente da Faemg? RL: Representa o reconhecimento do nosso trabalho junto ao Sindicato Rural de Barbacena, consequentemente gerando uma responsabilidade em representar a classe ruralista da região do Campo das Vertentes perante a Faemg, levando os anseios e as dificuldades pelas quais passam os produtores rurais. JH: Qual a sua meta neste novo mandato do Sindicato Rural?

7

VIDA PÚBLICA

JH: Qual o segredo de ser reeleito pelo 4º ano consecutivo como presidente do Sindicato Rural de Barbacena? RL: Dedicação e trabalho com seriedade e honestidade e o apoio total da diretoria. Poder viabilizar ao homem do campo condições de prosseguir com seus trabalhos em suas propriedades, possibilitando assistência técnica, veterinária, contábil, médica, odontológica, jurídica, cursos de qualificação em parceria com o Senar/MG, parceria com a Faemg no

JH: Deixe uma mensagem a todos que acompanham o seu trabalho, aos antigos e novos amigos e em especial aos criadores de gado Holandês. RL: Gostaria de agradecer às pessoas que sempre estão ao meu lado me orientando, apoiando e mostrando os caminhos a serem seguidos. Aos criadores de gado Holandês, sejam pequenos, médios ou grandes produtores, que continuem perseverantes em suas propriedades e na criação desta bela raça que é o gado Holandês.

Evandro Fiuza

Renato Laguardia toma posse como presidente do Sindicato Rural de Barbacena e como vice-presidente da Faemg

RL: Continuar e aperfeiçoar o trabalho que vem sendo realizado no decorrer desses anos; criar comissões específicas para cada setor produtivo de nossa região com o objetivo de atender e informar melhor os nossos associados.

JH: Fale sobre um sonho a ser alcançado como criador de gado Holandês. RL: Eu acho que já alcancei e realizei meu sonho, que era poder continuar exercendo a atividade leiteira na fazenda do Martelo, após o falecimento de meu pai e de poder ser um criador de gado Holandês, mas os obstáculos e desafios continuam a cada dia e vamos tentando superá-los também a cada dia.

projeto Balde Cheio, enfim poder a cada dia servir melhor ao produtor e produtora rural de nossa região. JH: Fale um pouco sobre as conquistas alcançadas nesses nove anos de mandato. RL: Acredito que ao longo destes nove anos à frente do Sindicato, foram feitas grandes conquistas em prol de nossos associados, dentre elas: constante aperfeiçoamento dos trabalhos no setor contábil, contando atualmente com cerca de 300 associados que fazem a contabilidade de seus funcionários; manutenção do atendimento médico e odontológico no ambulatório do Sindicato, instalação do departamento jurídico com atendimento diário, criação do Informativo com circulação bimestral, contratação de técnico agro-

pecuário, reforma da estrutura física das dependências do Sindicato Rural, diversos convênios relacionados à área de saúde e comercial, aumento significativo de cursos em parceria com o Senar/MG, focando as cidades de extensão de base do sindicato, manutenção dos órgãos governamentais (IMA, IEF e Emater) nas dependências da sede do sindicato, para melhor atender o produtor, convênio com o IEF para doação de mudas de eucalipto e cercamento de nascentes para os nossos associados e, mais recentemente convênio com eles para o cadastramento do produtor rural para recebimento do programa Bolsa Verde. JH: Quais são as principais dificuldades que o sindicato enfrenta e como superá-las? RL: Nós temos muitas, mas vejo como a principal dificuldade agregar, trazer o produtor rural para associar-se ao Sindicato Rural, fazer com que ele participe mais. Tentamos superar essa dificuldade através da gama de serviços oferecidos pela entidade. Tentamos servir nossos associados da melhor maneira possível, amenizando suas dificuldades no campo.


SHOT TLE & FILHOS

O FENÔMENO GLOBAL SHOT TLE

UM MILHÃO DE UNIDADES

SHOTTLE, UM MILHÃO DE UNIDADES. Em 20 de dezembro de 2011, SHOTTLE adicionou outra legendária conquista ao seu status de fenômeno global e se tornou o 11º touro milionário ABS! Hoje ele possui 7 filhos na lista Top 100 TPI, incluindo TRIGGER que está no topo do mercado. SHOTTLE permanece com mais de +2000 TPI e com mais de 47 mil filhas em lactação na sua prova. Faça parte deste fenômeno global de SHOTTLE e seus filhos entrando em contato com um representante ABS Pecplan ainda hoje!

*Não comercializado no Brasil.

29HO12554 SHOTTLE x RUDOLPH

29HO13846 SHOTTLE x BOLIVER

TOPSHOT TRIGGER *

dtr: Ryver Topshot Jessica VG-86, 2ª lactação, BC & C Weaver, Rooms Farm, Shropshire, England foto de Jane Steel

dtr: Lars-Acres Trigger 7950 GP-82, Larson Acres, Evansville, WI foto de Beth Herges

Shottle aos 12 anos de idade

foto de Jane Steel

(34) 3319-5400 | www.abspecplan.com.br


Super Rank CADERNO

Este caderno é um oferecimento:

10 maiores produções individuais diárias por rebanho PRODUÇÕES INDIVIDUAIS DE ANIMAIS SUBMETIDOS AO CONTROLE OFICIAL AFERIDAS EM DEZEMBRO/2011 2 ORDENHAS PROPRIETÁRIO

MUNICIPIO

NOME DO ANIMAL

OTHON MARTINS DE SOUZA LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA GEYSA MARIA PEREIRA VILLELA MENDES LOPES OTTO DE SOUZA MARQUES JUNIOR DIRCEU DE MANCILHA RAUL PINTO GERSON RODEGHERI VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS ALMIR PINTO REIS ALBERTO OSWALDO CONTINENTINO DE ARAUJO

SUMIDOURO ITANHANDU JESUANIA CACHOEIRAS DE MACACU ITANHANDU ITANHANDU BARBACENA TRES CORACOES ITANHANDU BETIM

RHOELANDT 586 LEDA STORM MORTY SAO BRAZ PRINCESA JUBAL MATRIX NARA 6084 MADRUGADA MODELO BABITONGA GALENA SACHA LUCIA JADE SAMUELLO DEMA LARANJINHA VAM MARCIA DENISE MORTY ALANA CHAMPION MARA ALBOS GAMELIA MODELO TE

PROPRIETÁRIO

MUNICIPIO

NOME DO ANIMAL

TAMIO SEKITA E OUTROS EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA JOAQUIM HENRIQUE NOGUEIRA WLADIMIR ANTONIO PUGGINA RICARDO FIGUEIREDO DE FARIA GERALDO VIOTTO CAYUABA GENETICA & PECUARIA LTDA MARIELLE CAMPOS LIMA ASSIS GETULIO RAIMUNDO DE ASSIS

RIO PARANAIBA GUAXUPE RESSAQUINHA CAPIM BRANCO ALFENAS ILICINEA TURVOLANDIA ENTRE RIOS DE MINAS DELFIM MOREIRA DELFIM MOREIRA

SEKITA RABUDA 732 EF & LS ROSA COLLEM BLUE RIBBON IWENS BOCAINA ELLIPSIS RAJADA ULULAR S H A SOVINA MAC 374 URTIGA ILICINEA LOCUST VIOTTO MORGANA M-020 MYRON ALFY CAYUABA ADDISON BAUXITA-TE LIMASSIS RANY GAROTA DAKOTA-TE LIMASSIS JEIRA CORA HARAS

NÚMERO REGISTRO BX339932 BX317852 BR1550958 Y5656 BR1626464 BX391170 BR1535015 BX373835 BX366114 AA-2801

COMP. RACIAL PO PO 7/8 1/2 PCOD PO 7/8 PO PO 1/2

PRODUÇÃO DIARIA 56,6 55,2 54,6 54,0 53,0 52,0 51,0 50,2 49,6 49,4

DATA DO CONTROLE 13/12/2011 5/12/2011 9/12/2011 7/12/2011 8/12/2011 14/12/2011 6/12/2011 5/12/2011 20/12/2011 22/12/2011

NÚMERO REGISTRO BR1544268 BR1523174 BX352706 BX335253 BR1524322 BX326549 BR1527280 BX372793 BX410490 BR1419271

COMP. RACIAL PCOD PCOD PO PO GC-02 PO GC-01 PO PO GC-02

PRODUÇÃO DIARIA 80,5 66,4 63,2 61,4 59,8 54,8 53,9 52,0 51,6 51,3

DATA DO CONTROLE 2/12/2011 13/12/2011 21/12/2011 14/12/2011 8/12/2011 16/12/2011 12/12/2011 2/12/2011 13/12/2011 13/12/2011

3 ORDENHAS

Melhores médias de produção por rebanho - Holandês Com a alteração das tabelas para divulgação de médias em 2 e 3 ordenhas, o rebanho que tiver encerramentos em 2 e 3 ordenhas no período referido poderá aparecer nas duas tabelas caso alcance médias entre as cinco melhores de cada categoria

MÉDIA DE REBANHOS REFERENTES AO PERÍODO DEZEMBRO DE 2010 A NOVEMBRO DE 2011 - 2 ORDENHAS PROPRIETÁRIO

MUNICÍPIO ENCERRADAS

LACTAÇÕES LEITE N. 305IA ORDENHA CONTROLE

TIPO

MÉDIA DE REBANHOS REFERENTES AO PERÍODO DEZEMBRO DE 2010 A NOVEMBRO DE 2011 - 3 ORDENHAS PROPRIETÁRIO

Rebanhos com 10 a 25 Vacas Encerradas ITANHANDU - MG

24

12.592

2X

MENSAL

2 OTHON MARTINS DE SOUZA

SUMIDOURO - RJ

25

10.337

2X

MENSAL

3 DOUGLAS DE OLIVEIRA PEREIRA

ALPINOPOLIS - MG

24

9.920

2X

MENSAL

4 MARCIO MACIEL LEITE

CRUZILIA - MG

14

9.648

2X

BIMESTRAL

ITANHANDU - MG

12

9.512

2X

MENSAL

Rebanhos com 26 a 50 Vacas Encerradas 1 ANICETO MANUEL AIRES

ANTONIO CARLOS - MG

34

11.615

2X

MENSAL

2 ADAHILTON DE CAMPOS BELLO

BARBACENA - MG

31

10.451

2X

MENSAL

3 ALTAIR DA SILVA REIS

ITANHANDU - MG

42

10.049

2X

MENSAL

4 TAMIO SEKITA E OUTROS

RIO PARANAIBA - MG

31

9.620

2X

MENSAL

5 MARCOS NEVES PEREIRA

IJACI - MG

27

9.599

2X

BIMESTRAL

MENSAL

Rebanhos com 51 a 75 Vacas Encerradas 1 COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA

RESSAQUINHA - MG

56

11.314

2X

2 AGRO PECUARIA JM LTDA

CAMPOS GERAIS - MG

63

9.548

2X

MENSAL

3 MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA CARMO DA CACHOEIRA - MG

53

9.377

2X

BIMESTRAL

4 CESAR GARCIA BRITO E/OU SIOMARA S.G.BRITO

69

9.299

2X

BIMESTRAL

63

8.130

2X

BIMESTRAL

5 GILBERTO VILELA OLIVEIRA

TRES PONTAS - MG CARMO DO RIO CLARO - MG

Rebanhos com 75 a 100 Vacas Encerradas ITANHANDU - MG

82

9.638

2X

MENSAL

2 DORA NORREMOSE VIEIRA MARQUES

CRUZILIA - MG

88

8.937

2X

MENSAL

177

10.030

2X

MENSAL

Acima de 100 Vacas Encerradas TRES CORACOES - MG

TIPO

1 2 3 4

SANCHO JOSE MATIAS LUCAS E.P.COIMBRA E/OU JOSE ANTONIO O.SILVA COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA MARCIO MACIEL LEITE

PATOS DE MINAS - MG PIUMHI - MG RESSAQUINHA - MG CRUZILIA - MG

13 23 19 12

12.676 11.550 10.539 10.307

3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL BIMESTRAL

12.910 11.374 11.175 8.849

3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL

12.468 12.380 12.342 10.439 10.100

3X 3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL BIMESTRAL MENSAL BIMESTRAL

77 99 95 79

12.658 10.815 10.615 10.422

3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL

181 159 123 203 199

13.132 10.594 10.385 10.100 9.903

3X 3X 3X 3X 3X

MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL MENSAL

Rebanhos com 26 a 50 Vacas Encerradas 1 ANTONIO AUGUSTO SOUZA PRACA 2 MAURO ANTONIO COSTA DE ARAUJO 3 CANDIDO MOREIRA JARDIM 4 ALDEMAR HENRIQUE COELHO DE MORAES CARVALHO

ITUMIRIM - MG SETE LAGOAS - MG BRUMADINHO - MG GUARANI - MG

47 26 38 42

Rebanhos com 51 a 75 Vacas Encerradas 1 MANUEL JACINTO GONCALVES

ITANHANDU - MG

2 EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES GUAXUPE - MG

3 LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA 4 MARIELLE CAMPOS LIMA ASSIS 5 AGROPECUARIA BOA FE LTDA

MONTE ALEGRE DE MINAS - MG DELFIM MOREIRA - MG CONQUISTA - MG

67 73 58 55 75

Rebanhos com 75 a 100 Vacas Encerradas 1 2 3 4

ELLOS JOSE NOLLI BRENO CORREA PERES E/OU CAYUABA GENETICA & PECUARIA LTDA CARLOS FABIO NOGUEIRA RIVELLI E OUTRO

CAETE - MG CARMO DO RIO CLARO - MG ENTRE RIOS DE MINAS - MG ALFREDO VASCONCELOS - MG

1 2 3 4 5

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ANTONIO DE PADUA MARTINS JOAO BRAZ OLIVEIRA E/OU MARCIO F.P.OLIVEIRA WLADIMIR ANTONIO PUGGINA ROGERIO LUIZ SEIBT

Acima de 100 Vacas Encerradas

1 RAUL PINTO

1 VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

LACTAÇÕES LEITE N. 305IA ORDENHA CONTROLE

Rebanhos com 10 a 25 Vacas Encerradas

1 DIRCEU DE MANCILHA

5 LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA

MUNICÍPIO ENCERRADAS

POUSO ALEGRE - MG SAO JOAO BATISTA GLORIA - MG SAO GONCALO DO SAPUCAI - MG ALFENAS - MG PRESIDENTE OLEGARIO - MG


305 DIAS

Este caderno é um oferecimento:

Controle Leiteiro Oficial Melhores Lactações por Classe

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 2 ORDENHAS - PERÍODO 01/11/2011 A 30/11/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS

7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

REGISTRO

RECORDISTA MINEIRA COLLEM MARTY CRYSTAL HS PRIMAVERA SAGA 79 A V P JADE CALEB DURCHAN RECORDISTA MINEIRA OLIMPIA GOLIAT DE SANTA PAULA GALENA EMBLEMA MARCUS FLAMMA COLDSPRINGS 1 BIANCA RECORDISTA MINEIRA COLLEM CALLISTO CLARICE WASSIS FORMOSA 373 TOUCHDOWN SAO BRAZ UBERABA DIGMANN RECORDISTA BRASILEIRA VERA CRUZ PROVINCIA A.M.A. FINLEY GLORIA - 560 SANTOS REIS ZESTY MIRA RECORDISTA MINEIRA AVANI PETECA GOLD DUSTER FZ-BA BATALHA 200 COSMO VAM SAMPAIA CIBELE INCOME RECORDISTA MINEIRA SANTA PAULA IVINA DAZZLER A.M.A. SEPT. STORM FRANDIXI-553 GALENA ELIZABETH JUMBO RECORDISTA MINEIRA EMIELE IANA LAY OUT ROLUSEI ALTONA 462 J.C.L. NETA 225 MARCONI RECORDISTA MINEIRA JARDIM GENUINA ROYAL A PEREIRA 1281 CHAMPION AMORIM BABI REDDING RECORDISTA MINEIRA CRUZILIA STELA LORD LILY FZ-BA VILMA 154 BELA CRUZ SAMOA RECORDISTA BRASILEIRA GENOVA GOLD BELL DE SANTA PAULA BOLA PRETA PATRICIA MALARIS ELIARA 343 RECORDISTA MINEIRA BEATRIZ ECILA LUCIA CINDERELA DEROY PALMYRA LELIA IMAGE RECORDISTA BRASILEIRA DOUTORA ENCHANT RILENE J.C. WASSIS ROLINHA 178

CLASS

BX283720 BR1610840 BX397688

B+-82

BR1081330 BX393244 BX391139

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

01-11 01-11 01-10

305 12374,0 374,8 3,03 347,6 2,81 LM 264 6560,6 242,8 3,70 216,0 3,29 -165 2506,5 98,3 3,92 68,7 2,74 --

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA GUILHERME E LEONARDO CORSINI SALLES ANIPIO PIRES BATISTA VICENTE

2003 MG RJ

MR DURCHAN DESTIN-ET

B+-80

02-01 02-00 02-01

305 12321,0 339,0 2,75 0,00 LM 305 10025,0 318,4 3,18 277,7 2,77 LM 305 9014,0 296,3 3,29 275,6 3,06 LM

SIDNEY NERY DIRCEU DE MANCILHA MARCOS NEVES PEREIRA

1998 MG MG

GOLIAT REGANCREST-HHF MARCUS ET COLDSPRINGS EMERY-ET

BX271750 BR1528797 BX383866

MB-85 B+83 B+84

02-10 02-06 02-10

305 13532,0 338,0 2,50 405,0 2,99 LM 290 9196,8 288,9 3,14 263,9 2,87 LM 253 7931,5 264,0 3,33 260,6 3,29 --

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA WILSON EUGENIO ASSIS LUIZ CLOVIS BRAZ SCARPA

2004 MG MG

DEL SANTO C.M.CALLISTO RICECREST TOUCHDOWN-ET FAR-O-LA DEBI-JO DIGMANN ET

BX246790 BX370438 BX378989

B+-82 MB86 B+83

03-02 03-02 03-00

305 15502,0 590,0 3,81 439,0 2,83 LE 305 12057,6 432,8 3,59 361,3 3,00 LM 305 11999,0 252,6 2,11 329,3 2,74 --

VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS ANICETO MANUEL AIRES ALTAIR DA SILVA REIS

2002 MG MG

FRAELAND LEADOFF-ET OPSAL FINLEY-ET VALLEY-DRIVE ZESTY ET

BX251440 BR1530502 BX373862

MB-88

03-11 03-09 03-06

305 15532,0 533,0 3,43 0,00 LM 305 12034,6 335,2 2,78 358,4 2,98 LM 282 8711,9 357,0 4,10 286,6 3,29 LM

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA VICENTE ANTONIO MARINS E FILHOS

2000 MG MG

WOODBINE-K GOLD DUSTER-ET CO-OP LONDON COSMO-ET PENNVIEW INCOME-ET

BX345332 BX359694 BX376239

B+-83 MB86

04-01 04-03 04-01

305 15664,0 475,8 3,04 438,1 2,80 LM 305 13793,6 694,9 5,04 396,3 2,87 LM 305 13187,0 325,8 2,47 383,2 2,91 LM

SIDNEY NERY ANICETO MANUEL AIRES DIRCEU DE MANCILHA

2008 MG MG

RADINE BELLTONE DAZZLER-ET PURSUIT SEPTEMBER STORM GALENA JUMBO INTEGRITY

BB18632 BR1534958 BX365368

B+-83

04-11 04-07 04-08

305 14915,2 569,7 3,82 397,9 2,67 LM 280 8972,7 359,3 4,00 278,7 3,11 -305 8816,0 270,7 3,07 256,8 2,91 --

MARCIO MACIEL LEITE ROGERIO LUIZ SEIBT GERALDO ANTONIO DE OLIVEIRA MARQUES

2006 MG MG

LAY-OUT

BX208241 BX348839 BB19769

B+-83 MB85 B+80

05-01 05-00 05-11

305 17189,2 400,9 2,33 529,4 3,08 LM 305 10030,3 301,2 3,00 309,2 3,08 LM 295 8299,9 298,7 3,60 281,2 3,39 --

ANDRE LUIS MOREIRA DE ANDRADE E OUTRA ADAHILTON DE CAMPOS BELLO JOSE AFONSO AMORIM

2002 MG MG

B-HIDDENHILLS MARK-O-POLO CALBRETT-I H H CHAMPION DINOMI REDDING-RED-ET

BX318723 BR1526387 BR1521343

EX-90 MB85 B+81

06-01 06-03 06-03

305 16899,3 622,6 3,68 526,6 3,12 LM 305 11941,7 369,2 3,09 357,5 2,99 LM 305 7642,4 271,2 3,55 231,9 3,03 --

MAURILIO FERREIRA MACIEL MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA FRANCISCO DARCI MEIRELLES JUNQUEIRA

2010 MG MG

ETAZON LORD LILY-ET

BR1048927 BR1486426 BR1395391

B+-83

07-10 07-01 07-06

305 17110,0 340,0 1,99 0,00 LE 305 10184,6 294,4 2,89 273,4 2,68 -305 7208,3 191,9 2,66 197,3 2,74 --

SIDNEY NERY JOSE RICARDO XAVIER ESCOLA AGROTECNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO

1999 MG MG

DEL-MYR TESK NIKE-ET MEADOW BRIDGE DEROY EASTVIEW IMAGE-ET

B+82

B+82

BR1015226 BX317163 BX304993

MB85 B+84

09-04 09-05 08-01

304 16404,0 669,0 4,08 0,00 LE 305 6965,2 198,3 2,85 217,8 3,13 -305 6297,9 211,0 3,35 178,2 2,83 --

NILSON GONCALVES PEREIRA RAUL PINTO LUCIA MARA YAMAGUTI KONO

1999 MG MG

BR1049810 BR1476767

B+84

10-05 11-02

305 15658,3 542,6 3,47 397,9 2,54 LM 245 2668,1 103,7 3,89 79,3 2,97 --

SIDNEY NERY WILSON EUGENIO ASSIS

2004 MG

RICECREST MARTY-ET

HAVEP MARCONI

TRI-Q-CHEKD GOLD BELL

A SIR ENCHANT ET

PRIMEIRA DIVISÃO 305 DIAS 3 ORDENHAS - PERÍODO 01/11/2011 A 30/11/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

RECORDISTA MINEIRA J.E.N. DANUZA CANVAS ONDA SUL BRADLEY 2841 J.E.N. DOLLY JASPER-TE RECORDISTA MINEIRA EF & LS PRECIOSA WILDMAN EF & LS CARINHOSA MAC SULBRA'S TOYSTORY ALEMA 980 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA J.E.N. CLARA BOLTON-TE VERTENTE HILLARY 487 RECORDISTA MINEIRA F.V. ALDINA DUSTER J.E.N. CHARMOSA LHEROS ROLUSEI PEDROZA OFFROAD RECORDISTA MINEIRA VALE DO MILK' DELICADA II CARTHOM'S JUNCA GREATLY VAM NOA NORMANDIA GILBERT RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA J.E.N. BARBIE OUTSIDE-TE R C A FREELANCE LUNA-TE RECORDISTA BRASILEIRA LAGOS PC DUSTER LILA 301 ABF VODKA 2715 TOUCHDOWN MENGE TALENT SUZANA 1026 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. AMERICA BOCAINA RAICA BOCAINA LEDUC RUBIA VANDA RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LILIAN LUKE LAGOS RUBENS QUIBOA 820 ONDA SUL TE RECORDISTA MINEIRA SANTOS REIS CHARISMA GRAYCE A.M.A. CM LEE MARIA DO CEU 481 VERTENTE FOFOCA 262 JARCKY RECORDISTA MINEIRA MARIA'S MORENA PRELUDE-TE EF & LS JARRINHA URTIGA GABIROBA 151 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LAGOA VERTENTE CACIMBA LCGFACCO FIVELA

REGISTRO

CLASS

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

BX387829 BR1544677 BX394807

B+-81 B+81 MB85

01-11 01-09 01-10

305 14153,5 459,7 3,25 415,6 2,94 LE 305 11578,9 274,8 2,37 321,6 2,78 -305 10871,1 330,2 3,04 320,1 2,94 LM

ELLOS JOSE NOLLI BRENO CORREA PERES E/OU ELLOS JOSE NOLLI

2011 MG MG

DELTA CANVAS ROCKALLI BRADLEY WILCOXVIEW JASPER-ET

BR1515854 BR1515858 BX395226

MB-86 B+84 B+83

02-00 02-02 02-00

305 14695,9 410,4 2,79 428,7 2,92 LM 305 12979,1 395,6 3,05 358,8 2,76 LM 305 11781,8 348,9 2,96 345,1 2,93 LM

EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES MARIELLE CAMPOS LIMA ASSIS

2011 MG MG

LADYS-MANOR WILDMAN ET REGANCREST-HHF MAC ET JENNY-LOU MRSHL TOYSTORY ET

BR1449849 BX381066 BR1565607

MB-86 MB85 B+83

02-11 02-10 02-10

305 16711,9 466,3 2,79 536,4 3,21 LM 305 12357,8 470,5 3,81 361,4 2,92 LM 305 12317,8 521,9 4,24 382,1 3,10 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ANTONIO AUGUSTO SOUZA PRACA LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA

2007 MG MG

SANDY-VALLEY BOLTON ET

BR1099151 BX380534 BX420623

MB88 B+83

03-04 03-02 03-01

305 16292,0 489,0 3,00 136,0 0,83 LM 305 12908,0 445,6 3,45 430,8 3,34 LM 305 12363,3 520,1 4,21 323,0 2,61 LM

NEUZA GARCIA VIEIRA E OUTROS ELLOS JOSE NOLLI ROGERIO LUIZ SEIBT

2000 MG MG

WOODBINE-K GOLD DUSTER-ET COMESTAR LHEROS-ET DESLACS OFFROAD PB-ET

BR1271165 BX366897 BX413096

MB-87 MB85

03-09 03-09 03-06

305 19947,0 612,0 3,07 241,0 1,21 LM 305 11934,4 373,1 3,13 346,8 2,91 LM 305 11871,0 485,3 4,09 386,6 3,26 LM

VINICIUS DA SILVA SALGADO PAULO RICARDO MAXIMIANO E/OU OUTROS LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA

2000 MG MG

J-MOR WIN GREATLY-ET MILEY GILBERT-ET

BR1449849 BX361922 BX364269

MB-86 MB85 MB85

04-03 04-02 04-02

305 19204,6 592,2 3,08 533,3 2,78 LM 305 14884,4 404,2 2,72 461,8 3,10 LM 305 14526,8 545,5 3,76 373,9 2,57 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ELLOS JOSE NOLLI MANUEL JACINTO GONCALVES

2009 MG MG

COMESTAR OUTSIDE-ET BRAEDALE FREELANCE

BX270502 BX383557 BX363405

MB-86 MB86 MB86

04-09 04-08 04-09

305 17756,0 824,0 4,64 495,0 2,79 LE 305 14726,8 464,9 3,16 421,0 2,86 LM 305 14058,6 303,3 2,16 435,5 3,10 --

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE TAMIO SEKITA E OUTROS ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE

2005 MG MG

PEN-COL DUSTER-ET RICECREST TOUCHDOWN-ET LADINO PARK TALENT-IMP-ET

BR1449851 BR1498651 BX352404

EX-90

05-07 05-02 05-05

305 21605,7 519,4 2,40 609,1 2,82 LM 305 14154,0 468,0 3,31 426,8 3,02 LM 305 11435,1 444,1 3,88 339,7 2,97 LM

CARLOS ALBERTO ADAO MANUEL JACINTO GONCALVES MANUEL JACINTO GONCALVES

2007 MG MG

LYSTEL LEDUC-ET

06-06 06-03 06-05

305 18311,4 522,5 2,85 507,1 2,77 LM 305 14958,8 557,4 3,73 452,9 3,03 LM 305 13844,6 291,0 2,10 351,1 2,54 --

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE BRENO CORREA PERES E/OU

2009 MG MG

NORRIELAKE CLEITUS LUKE-TW STBVQ RUBENS-ET

07-04 07-03 07-08

305 17410,1 473,1 2,72 493,0 2,83 LM 305 14357,5 662,3 4,61 463,9 3,23 LM 305 10926,9 398,9 3,65 330,6 3,03 LM

ALTAIR DA SILVA REIS ANICETO MANUEL AIRES LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA

2010 MG MG

PETINESCA CHARISMA-ET COMESTAR LEE-ET NEWMONT JUROR JARCKY

305 15723,7 526,7 3,35 462,2 2,94 305 12889,2 468,6 3,64 400,8 3,11 LM 305 7668,5 223,9 2,92 244,9 3,19 --

ELY BONINI GARCIA EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES RICARDO FIGUEIREDO DE FARIA

2003 MG MG

RONNYBROOK PRELUDE-ET

08-06 09-03 10-00 10-01 10-05

305 18353,5 550,9 3,00 482,2 2,63 LE 305 9324,3 500,9 5,37 305,2 3,27 LM 305 6934,3 232,3 3,35 188,7 2,72 --

CARLOS ALBERTO ADAO LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA LUIZ CARLOS G FACCO E/OU CRISTINA G F FACCO

2008 MG MG

BR1452387 BX335788 BR1469005

MB85 MB85

BX303469 BX318102 BR1500582

MB-89 EX90

BX192263 SRM412281 BR1469141

B+-84

BR1449850 SRM412494 BR1533127

MB-88

B 78


365 DIAS

Este caderno é um oferecimento:

Controle Leiteiro Oficial Melhores Lactações por Classe

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 2 ORDENHAS - PERÍODO 01/11/2011 A 30/11/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS

6 ANOS

7 ANOS ADULTA JUNIOR

REGISTRO

RECORDISTA MINEIRA SAMAR LADY LOYOLA GALENA EMBLEMA MARCUS FLAMMA COLDSPRINGS 1 BIANCA RECORDISTA MINEIRA ITAGUACU TIANINA 2627 FZ-BA CAMILA 224 STOPPER PORTO ESCADA GREATLY BELINHA RECORDISTA MINEIRA CALANDRA CARLOTA BLACKSTAR A.M.A. FINLEY GLORIA - 560 SANTOS REIS ZESTY MIRA RECORDISTA MINEIRA AVANI PETECA GOLD DUSTER FZ-BA BATALHA 200 COSMO ROYAL NICOLE 1426 KITE RECORDISTA MINEIRA A.M.A. ASTRE CAMILA A.M.A. SEPT. STORM FRANDIXI-553 GALENA ELIZABETH JUMBO RECORDISTA MINEIRA C.J.C. ROCKY DOIDINHA J.C.L. NETA 225 MARCONI SANTOS REIS DRAMATIC MARILES RECORDISTA BRASILEIRA JARDIM GENUINA ROYAL A PEREIRA 1281 CHAMPION G.C. ESTEVES VIANI 858 RECORDISTA MINEIRA CRUZILIA RENDILHA JOE FZ-BA VILMA 154 BELA CRUZ SAMOA RECORDISTA MINEIRA GENOVA GOLD BELL DE SANTA PAULA BOLA PRETA PATRICIA MALARIS ELIARA 343 RECORDISTA MINEIRA CRUZILIA LEGENDA FRIN PALMYRA LELIA IMAGE LUCIA CINDERELA DEROY

CLASS

BX247962 BX393244 BX391139

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

02-04 02-00 02-01

365 14677,0 469,0 3,20 0,00 LM 365 11495,1 345,9 3,01 301,4 2,62 LM 365 10322,0 335,0 3,25 317,0 3,07 LM

ROBERTO HAMILTON FENOCI DIRCEU DE MANCILHA MARCOS NEVES PEREIRA

2002 MG MG

MAIZEFIELD BELLWOOD-ET REGANCREST-HHF MARCUS ET COLDSPRINGS EMERY-ET

BR1558539 BR1530517 BX388170

B+80

02-07 02-06 02-08

365 14988,2 494,7 3,30 407,2 2,72 LM 365 8684,0 332,0 3,82 293,9 3,38 -364 8037,3 256,5 3,19 252,3 3,14 --

RUBENS ARAUJO DIAS E/OU MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA ROSANO REIS E ROBERTO REIS

2006 MG MG

FUSTEAD STOPPER CRI ET J-MOR WIN GREATLY-ET

BX158589 BX370438 BX378989

B -78 MB86 B+83

03-05 03-02 03-00

365 17120,0 623,0 3,64 0,00 LM 365 14161,7 513,9 3,63 439,9 3,11 LM 365 13865,0 308,6 2,23 388,5 2,80 --

MARCOS ARRUDA VIEIRA ANICETO MANUEL AIRES ALTAIR DA SILVA REIS

1996 MG MG

TO-MAR BLACKSTAR-ET OPSAL FINLEY-ET VALLEY-DRIVE ZESTY ET

BX251440 BR1530502 BX368483

MB-88

03-11 03-09 03-06

340 16574,0 565,0 3,41 0,00 LM 315 12380,6 345,0 2,79 368,7 2,98 LM 365 9446,1 389,4 4,12 327,9 3,47 --

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA ADAHILTON DE CAMPOS BELLO

2000 MG MG

WOODBINE-K GOLD DUSTER-ET CO-OP LONDON COSMO-ET MARKWELL KITE-ET

BX190727 BX359694 BX376239

MB-88 MB86

04-01 04-03 04-01

365 17388,3 594,7 3,42 0,00 LM 365 16702,1 892,4 5,34 499,6 2,99 LM 365 15477,4 365,7 2,36 448,5 2,90 LM

COLLEM CONSTRUTORA MOHALLEM LTDA ANICETO MANUEL AIRES DIRCEU DE MANCILHA

1999 MG MG

DUREGAL ASTRE STARBUCK-ET PURSUIT SEPTEMBER STORM GALENA JUMBO INTEGRITY

BX146418 BX365368 BX357846

MB-85 MB86

04-08 04-08 04-10

365 16730,0 518,0 3,10 0,00 LM 365 10182,1 312,9 3,07 299,6 2,94 -341 7775,7 273,1 3,51 249,7 3,21 --

JOSE ALAIR COUTO GERALDO ANTONIO DE OLIVEIRA MARQUES ALTAIR DA SILVA REIS

1996 MG MG

SHI-LA STRAIGHT PINE ROCKY HAVEP MARCONI SHADOW-RIDGE DRAMATIC

BX208241 BX348839 BR1533207

B+-83 MB85 B+83

05-01 05-00 05-06

365 19940,7 442,9 2,22 621,4 3,12 LM 365 11292,9 363,1 3,22 357,2 3,16 LM 365 9874,7 493,9 5,00 305,9 3,10 --

ANDRE LUIS MOREIRA DE ANDRADE E OUTRA ADAHILTON DE CAMPOS BELLO GILBERTO CARVALHO ESTEVES

2002 MG MG

B-HIDDENHILLS MARK-O-POLO CALBRETT-I H H CHAMPION

BX317348 BR1526387 BR1521343

MB-88 MB85 B+81

06-11 06-03 06-03

365 19488,5 818,7 4,20 601,4 3,09 LM 355 13831,7 431,4 3,12 414,7 3,00 LM 332 8311,1 312,9 3,77 251,1 3,02 --

MAURILIO FERREIRA MACIEL MARCOS PAIVA FROTA E/OU PATRICIA N.P.FROTA FRANCISCO DARCI MEIRELLES JUNQUEIRA

2010 MG MG

BOCAINA MANDEL SASSY JOE TE

BR1048927 BR1486426 BR1395391

B+-83

07-10 07-01 07-06

316 17557,0 354,0 2,02 0,00 LE 365 11119,4 325,2 2,92 308,2 2,77 -365 8183,5 222,8 2,72 228,9 2,80 --

SIDNEY NERY JOSE RICARDO XAVIER ESCOLA AGROTECNICA FEDERAL DE MUZAMBINHO

1999 MG MG

TRI-Q-CHEKD GOLD BELL DEL-MYR TESK NIKE-ET

09-07 08-01 09-05

358 17158,9 770,6 4,49 500,3 2,92 LM 365 7245,3 246,3 3,40 212,3 2,93 -311 7080,4 202,5 2,86 222,7 3,15 --

MAURILIO FERREIRA MACIEL LUCIA MARA YAMAGUTI KONO RAUL PINTO

2007 MG MG

QUALITY SB FRIN EASTVIEW IMAGE-ET MEADOW BRIDGE DEROY

BR1173977 BX304993 BX317163

MB86

B+84 MB85

SEGUNDA DIVISÃO 365 DIAS 3 ORDENHAS - PERÍODO 01/11/2011 A 30/11/2011 RAÇA: HOLANDESA NOME ANIMAL

1 ANO PARIDA 2 ANOS JUNIOR 2 ANOS SENIOR 3 ANOS JUNIOR 3 ANOS SENIOR 4 ANOS JUNIOR 4 ANOS SENIOR 5 ANOS 6 ANOS 7 ANOS ADULTA JUNIOR ADULTA SENIOR

RECORDISTA MINEIRA LAGOS STORMATIC PHILOMENA 782-TE J.E.N. DOLLY JASPER-TE ONDA SUL BRADLEY 2841 RECORDISTA MINEIRA EF & LS PRECIOSA WILDMAN EF & LS CARINHOSA MAC EF & LS RIGIDA BOSS-TE RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA J.E.N. CLARA BOLTON-TE VERTENTE HILLARY 487 RECORDISTA MINEIRA LAGOS MORTY QUIOSQUE 859-TE J.E.N. CHARMOSA LHEROS ONDA SUL MARVEL 2733 RECORDISTA BRASILEIRA VALE DO MILK' DELICADA II VAM NOA NORMANDIA GILBERT ONDA SUL TOUCHDOWN 2702 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. JESSICA J.E.N. BARBIE OUTSIDE-TE R C A FREELANCE LUNA-TE RECORDISTA MINEIRA VERTENTE CUBA 290 ABF VODKA 2715 TOUCHDOWN ONDA SUL BOND 2542 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. AMERICA BOCAINA RAICA CARTHOM'S HADA STORM RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LILIAN LUKE LAGOS RUBENS QUIBOA 820 ONDA SUL TE RECORDISTA MINEIRA LAGOS STORM LEILA 457 A.M.A. CM LEE MARIA DO CEU 481 CARTHOM'S GRANADA LYSTER-TE RECORDISTA MINEIRA MARIA'S MORENA PRELUDE-TE EF & LS JARRINHA URTIGA GABIROBA 151 RECORDISTA MINEIRA C.A.A. LAGOA VERTENTE CACIMBA LCGFACCO FIVELA

REGISTRO

CLASS

IDADE

DIAS LACT.

PROD LEITE

PROD % PROD GORD. GORD PROT.

% TIT. PROT.

PROPRIETÁRIO

UF

NOME DO PAI

BX367588 BX394807 BR1544677

MB-85 MB85 B+81

01-10 01-10 01-09

358 15722,7 440,8 2,80 368,5 2,34 LM 365 13395,2 409,1 3,05 405,6 3,03 LM 365 13138,2 304,0 2,31 375,8 2,86 --

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ELLOS JOSE NOLLI BRENO CORREA PERES E/OU

2006 MG MG

COMESTAR STORMATIC-ET WILCOXVIEW JASPER-ET ROCKALLI BRADLEY

BR1515854 BR1515858 BR1595819

MB-86 B+84 B+82

02-00 02-02 02-04

365 17115,8 469,1 2,74 496,7 2,90 LM 365 14993,7 452,1 3,02 432,0 2,88 LM 365 14200,2 502,9 3,54 442,9 3,12 LM

EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES

2011 MG MG

LADYS-MANOR WILDMAN ET REGANCREST-HHF MAC ET BOSSIDE RUBEN-ET

BR1449849 BX381066 BR1565607

MB-86 MB85 B+83

02-11 02-10 02-10

365 18928,1 542,1 2,86 609,5 3,22 LM 365 14050,1 549,6 3,91 422,1 3,00 LM 365 13900,9 602,7 4,34 442,5 3,18 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ANTONIO AUGUSTO SOUZA PRACA LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA

2007 MG MG

SANDY-VALLEY BOLTON ET

BX345168 BX380534 BR1500130

B+-83 MB88 B+83

03-03 03-02 03-04

365 18649,9 585,7 3,14 567,0 3,04 LM 365 14618,9 498,3 3,41 496,3 3,39 LM 365 13903,5 541,4 3,89 432,9 3,11 LM

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ELLOS JOSE NOLLI TAMIO SEKITA E OUTROS

2008 MG MG

STOUDER MORTY-ET COMESTAR LHEROS-ET BINDERWAY MARVEL-ET

BR1271165 BX413096 BR1484448

MB-87 MB85 B+81

03-09 03-06 03-10

365 24051,0 792,0 3,29 367,0 1,53 LM 365 13355,7 520,8 3,90 441,2 3,30 LM 365 13347,4 540,6 4,05 382,8 2,87 LM

LUIZ HENRIQUE SILVA E SORAYA T.A.MENDES SILVA LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA TAMIO SEKITA E OUTROS

2000 MG MG

MILEY GILBERT-ET RICECREST TOUCHDOWN-ET

BR1449849 BX361922 BX364269

MB-86 MB85 MB85

04-03 04-02 04-02

365 21462,0 667,0 3,11 610,8 2,85 LM 365 16924,7 467,0 2,76 531,3 3,14 LM 365 16492,5 658,3 3,99 458,1 2,78 LM

CARLOS ALBERTO ADAO ELLOS JOSE NOLLI MANUEL JACINTO GONCALVES

2009 MG MG

COMESTAR OUTSIDE-ET BRAEDALE FREELANCE

BR1497182 BX383557 BR1444445

B+-84 MB86 B+84

04-06 04-08 04-10

365 19044,3 580,1 3,05 520,3 2,73 LE 365 17076,5 547,7 3,21 483,8 2,83 LM 365 14544,0 349,8 2,40 416,2 2,86 --

LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA TAMIO SEKITA E OUTROS BRENO CORREA PERES E/OU

2009 MG MG

RICECREST TOUCHDOWN-ET REGANCREST JUROR BOND-ET

BR1449851 BR1498651 BX335364

EX-90

05-07 05-02 05-03

350 23153,7 564,1 2,44 655,6 2,83 LM 365 16421,6 550,9 3,35 499,7 3,04 LM 365 13227,8 378,4 2,86 313,8 2,37 --

CARLOS ALBERTO ADAO MANUEL JACINTO GONCALVES PAULO RICARDO MAXIMIANO E/OU OUTROS

2007 MG MG

364 20778,0 598,4 2,88 587,9 2,83 LM 365 17161,1 637,2 3,71 538,7 3,14 LM 365 16013,4 341,5 2,13 412,5 2,58 --

CARLOS ALBERTO ADAO ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE BRENO CORREA PERES E/OU

2009 MG MG

NORRIELAKE CLEITUS LUKE-TW STBVQ RUBENS-ET

MI-BREN MATHIE STORM

BR1452387 BX335788 BR1469005

MB85

06-06 06-03 06-05

BX251613 BX318102 BX327255

B+-80 EX90 B+83

07-08 07-03 07-02

365 20238,5 616,6 3,05 517,9 2,56 LM 365 16981,0 793,9 4,67 561,8 3,31 LM 365 12473,5 359,3 2,88 366,4 2,94 --

ARMANDO EDUARDO DE LIMA MENGE ANICETO MANUEL AIRES PAULO RICARDO MAXIMIANO E/OU OUTROS

2008 MG MG

MAUGHLIN STORM-ET COMESTAR LEE-ET TCET LYSTER

BX192263 SRM412281 BR1469141

B+-84

365 17819,0 643,0 3,61 534,0 3,00 365 15632,2 634,1 4,06 492,3 3,15 LM 365 8485,1 258,4 3,05 273,0 3,22 --

ELY BONINI GARCIA EVARISTO FRANCISCO MARQUES/LEANDRO S.MARQUES RICARDO FIGUEIREDO DE FARIA

2003 MG MG

RONNYBROOK PRELUDE-ET

08-06 09-03

BR1449850 SRM412494 BR1533127

MB-88

10-00 10-01 10-05

337 19655,9 596,7 3,04 518,0 2,64 LE 311 9513,3 482,2 5,07 319,5 3,36 LM 357 7577,0 257,6 3,40 207,0 2,73 --

CARLOS ALBERTO ADAO LUIZ FERNANDO RODRIGUES OLIVEIRA LUIZ CARLOS G FACCO E/OU CRISTINA G F FACCO

2008 MG MG

B 78


12 NOTAS

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

CRV Lagoa com novos reprodutores

ABS Pecplan cria selos para certificar touros Em mais de 70 anos de história, a ABS sempre foi uma empresa pioneira ao lançar novos produtos, serviços e tecnologias para o mercado agropecuário. A empresa é a primeira a criar um selo com critérios científicos para certificar os touros com melhores resultados na IATF – Inseminação Artificial em Tempo Fixo. Para receber um dos selos, o touro precisa atender aos critérios estipulados, passando por análises que possam garantir a confiabilidade dos resultados. Entre os principais critérios que compõem cada nível, estão lotes de IATF com mais de 50 animais, porcentagem de prenhez acima de 50% e mínimo de resultados em três regiões do país. Selo Bronze: de 1000 a 1999 inseminações e mínimo de cinco rebanhos; Selo Prata: de 2000 a 2999 inseminações e mínimo de oito rebanhos; Selo Ouro: acima de 3000 inseminações e mínimo de dez rebanhos. Os selos não são permanentes para cada touro, os resultados são reavaliados anualmente. Tanto touros de raças de corte quanto de leite podem receber o selo. “Nossa equipe coleta informações em planilhas padronizadas para que possamos definir estatísticas de fertilidade e outros aspectos que são decisivos para o sucesso da IATF. Contamos com a supervisão do Dr. Leonardo Brito, da ABS Global, que coordena a análise dos dados para manter sempre a objetividade e a base científica. Com esse trabalho oferecemos as melhores opções de genética que, somadas a fatores externos decisivos como alimentação, sanidade, hormônios, outras tecnologias e mão-de-obra especializada, devem contribuir muito para acelerar ainda mais o crescimento da IATF no Brasil”, declara Cristiano Ribeiro, Gerente Departamento Técnico Corte e Coordenador Programa IATF ABS Pecplan.

Morazan, Floyd, Gunfire, Mandell, Big Winner, Matchmaker e Stan. Estes são os novos reprodutores da raça Holandês Preto e Branco da bateria da CRV Lagoa, todos com sêmen trazido pela central diretamente da CRV, da Holanda. Uma das grandes vantagens aos produtores – além da variedade de opções – é que o material genético chega ao Brasil ao mesmo tempo em que é oferecido também na Holanda. Cada um com suas característiAlex Arkink cas específicas, chegam ao Brasil para ampliar o leque de escolha dos produtores de leite. Dentre eles, temos Delta Morazan que é o número 1 para úbere da Holanda. É proveniente da família Buiteneind Pien (longevidade e tipo) e se destaca também em sólidos e é top para tipo. Delta Morazan

Parceria entre Select Sires do Brasil e Lácteos Brasil Foi assinada parceria que promete trazer mudanças para a realidade do mercado de leite no país. As empresas envolvidas são a Select Sires do Brasil, maior cooperativa do mundo no ramo da inseminação artificial bovina, e a Lácteos Brasil S/A - LBR. O acordo envolve troca de informações entre as duas marcas, além de assessoria aos produtores da LBR. A Select Sires do Brasil, a título de incentivo, venderá sêmen de touros escolhidos para o programa genético LBR. A empresa também se responsabilizará pelo programa de acasalamento SMS nas propriedades escolhidas pelos técnicos da LBR, que facilitarão o contato com os proprietários, auxiliando na implantação dos programas genéticos. Ainda serão realizadas palestras para os produtores aprimorarem seus conhecimentos, além de outros benefícios que serão ofertados futuramente.

5ª Convenção Nacional de Vendas Semex Brasil Aconteceu nos dias 23 e 24 de janeiro no Fazzenda Park Hotel, em Gaspar - SC, a 5ª Convenção Nacional de Vendas da Semex Brasil. O evento reuniu aproximadamente 100 convidados, entre gerentes técnicos, diretores nacionais, representantes e convidados especiais; como o diretor de pesquisas e desenvolvimento da L’Alliance Boviteq, Dr. Patrick Bondin, que apresentou informações sobre a mais alta tecnologia empregada há mais de 30 anos pela empresa. O vice-presidente de marketing global Semex Alliance, Brad Sayles, apontou as ações mercadológicas e o foco da empresa pelo mundo. Já o diretor de vendas e desenvolvimento de negócios Semex Alliance – América do Sul e África, John McDougall, apresentou uma análise das condições mundiais para o segmento e citou as principais técnicas e procedimentos realizados pela Semex que visam superar as expectativas do cliente. O evento foi um sucesso devido ao alto nível profissional dos participantes. Divulgação Semex


SAÚDE 13

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Investimento inteligente Wagner Correa

Ultrasonografia: ferramenta que auxilia no aumento da eficiência reprodutiva do rebanho Desde a década de 90, veterinários brasileiros utilizam da ultrassonografia como método de diagnóstico visando melhorar a qualidade do seu trabalho, devido ser confiável e rápido no tratamento de bovinos. A utilização da ultrassonografia transretal como ferramenta para o maior entendimento dos processos reprodutivos nas fêmeas bovinas em tempo real tem revolucionado as pesquisas que tratam da biologia reprodutiva e, conseqüentem e n te , p rovo c a d o g ra n d e i mp a c to econômico nas cadeias produtivas de bovinos de corte e de leite. O diagnóstico precoce de gestação e a avaliação da viabilidade fetal proporcionados pelo uso da ultrassonografia em bovinos promovem a redução do intervalo entre as inseminações ou coberturas e maximizam a taxa de serviços na propriedade. A

correta utilização desta ferramenta é essencial para que o investimento seja revertido em benefícios para o produtor e se torne um procedimento seguro e rotineiro na administração do rebanho. O serviço pode melhorar o desempenho reprodutivo do rebanho, alcançando maior eficiência dos animais, que nada mais é, a palavra de ordem no contexto da bovinocultura do País. Segundo o Prof. Ass. Dr. da FMVZ UNESP Botucatu e especialista em eficiência reprodutiva de bovinos, José Luiz

Moraes Vasconcelos, mais conhecido como Zequinha, “a ultrasonografia possui muitas vantagens, dentre elas a precisão, segurança, e a possibilidade de antecipar diagnósticos e indicação de tratamentos. Além disso o produtor pode ficar tranqüilo que não há contra-indicação”. “Antigamente era feito apenas o exame ginecológico manual. Nos dia de hoje a ultrasonografia é realizada juntamente com o toque manual, porém com maior precisão”, comenta. Segundo o prof. Zequinha “o serviço é

“...a ultrasonografia possui muitas vantagens, dentre elas a precisão, segurança e a possibilidade de antecipar diagnósticos...”

realizada no pós parto, no exame uterino para determinar involução uterina e infecções, e no exame ovariano para determinar anestro, ciclicidade ou presença de cistos. Pós IA permite determinar falha de ovulação, gestação precoce e permitir nas vazias reações mais rápidas (resincronização)”. Esse serviço deve ser realizado por veterinários capacitados e tem sido muito procurado pelos criadores, pois é sem dúvida uma das principais ferramentas no auxílio a obtenção de boa eficiência reprodutiva, devido permitir antecipar o diagnostico de gestação. Sobre o custo da técnica, apesar de ser m a i s e l eva d o d o q u e a t ra d i c i o n a l inspeção por palpação, garante um diagnóstico mais rápido, o que retorna para o produtor, permitindo obter maior eficiência produtiva na fazenda.

Prepare-se para a Exphomig 2012 Reserve já o seu espaço. www.exphomig.com.br

Informações: 32 8416 0238 com Cleocy Jr.


14 PRODUÇÃO

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Silagem: benefícios o ano todo Ainda dá tempo do produtor de leite complementar a nutrição do gado durante a seca O período chuvoso representa alívio para muitos produtores de leite que veem seus pastos verdes e em boas condições de alimentar o gado. O momento de aparente tranquilidade, entretanto, deve ser aproveitado para desenvolver ações visando à redução dos problemas durante a seca. O planejamento para soluções como a recuperação de pastagens degradadas deve ser feito ainda durante a seca, uma vez que a reforma de pastos deve começar logo no início das águas. O mesmo ocorre com o plantio da cana, pois o canavial plantado nas chuvas só poderá ser utilizado na alimentação animal dentro de 12 a 18 meses. Para aqueles produtores que não fizeram o planejamento antecipado, entretanto, ainda há uma possibilidade viável para complementar a nutrição do gado durante a seca: a silagem. Em Minas Gerais, sobretudo no Sul e na Zona da Mata, a temperatura esfria, mas ainda chove um pouco até maio. Então é possível fazer o plantio até o fim de fevereiro. Agora, se for uma região com veranicos e déficit hídrico a partir de fevereiro, o produtor deve optar pela silagem com sorgo, que é uma cultura mais tolerante à seca. Confira a entrevista com a pesquisadora da Embrapa Agrossilvipastoril, Roberta Carnevalli, que nos conta tudo sobre a produção de silagem para gado de leite. Já estamos na metade do período chuvoso, ainda é possível fazer o plantio de milho para silagem? Ainda dá sim para aproveitar o período q ue chamamos de safrinha. Até no máximo final de fevereiro ainda dá para plantar o milho e colher no fim de abril, começo de maio. O produtor que não se planejou antes e não tomou providências para a suplementação da alimentação dos animais na seca ainda tem uma possibilidade viável? Exatamente. Você tem ainda a possibilidade de plantar cana e colher esta cana com um ano e meio. Planta até o fim de março para colher na seca do ano seguinte. O milho ainda dá para tirar a safrinha. A pastagem ainda dá para formar uma boa pastagem plantando nesta época, mas está em último prazo. Como deve ser feito o plantio do milho para silagem? Milho solteiro ou já consor-

Fotos Gabriel Faria

produtor escolhe uma área onde não junta água, limpa aquela área e coloca a ensilagem ali mesmo, na superfície do solo. Além da questão do custo, isto facilita a mudança de lugar, caso mude o planejamento da fazenda, sem custo maior. Este silo de superfície tem sido mais recomendado. Qual o tamanho adequado para os silos? É importante que os produtores não façam silos muito grandes. Ele deve dividir a porção de silagem dele em três a quatro áreas. Por quê? Porque toda vez que o silo é aberto, ele tem de ser utilizado por completo. Não se pode utilizar um silo aberto de um ano para o outro. É interessante que os silos sejam menores para que ele abra e consuma tudo. Se sobrar silo de um ano para o outro, ele deve sobrar lacrado.

A pesquisadora Roberta Carnevalli ressalta que é muito importante o acompanhamento técnico

ciado com pastagem? Isto depende do objetivo do produtor e do maquinário que ele tem. Se ele tem maior possibilidade de fazer plantio direto, já faz o plantio com a pastagem, com alguma espécie de braquiária. Ele vai fazer o plantio já prevendo que vai utilizar esta pastagem no período da seca e vai fazer o plantio direto no ano seguinte. Agora, há produtores que não têm maquinário para plantio direto, então eles ainda têm de fazer a aração e gradagem para o plantio convencional. O interessante é que o produtor e as prefeituras já se preparem para começar a trabalhar com plantio direto, que é mais interessante em função da pastagem e do não revolvimento do solo. Evita erosão e melhora a qualidade e produtividade do solo. O outro objetivo seria a reforma da pastagem. O produtor pode usar o plantio do milho ou do sorgo para fazer a reforma da pastagem. Ele colhe o milho ou o sorgo para a silagem e fica com o pasto. Após o plantio, em quanto tempo o produtor poderá fazer o ensilamento? Isso varia conforme as condições climáticas. Para ter uma base, em torno de 90 dias. Mas, pode ter regiões onde se colha uma semana antes, dez dias antes... O mais provável, agora, é que se colha depois, com mais dez dias.

Como saber o ponto de colheita? O ponto de colheita é determinado pela quantidade de água na planta ou a quantidade de matéria seca. Se for avaliar a quantidade de água, é em torno de 67% de água. Ou 33% de matéria seca. Este é o ponto da ensilagem. Uma forma prática de determinar este ponto é avaliando o grão. O produtor pega, em alguns pontos, espigas médias, representativa da área dele, abre-a, quebra-a ao meio e verifica as condições. Se ele estiver muito leitoso, em ponto de pamonha e milho verde, ele ainda não está no ponto de silagem. Para detectar que está no ponto de silagem, ele tem de sentir a farinha. Espreme-se com a unha. O grão está mole, mas já sem leite, com uma farinha solta. Quais os tipos de silos que existem e o que determina a escolha? Existem várias formas de ensilar. Você tem o silo de poço, que é o mais antigo. É como se fosse uma cisterna revestida, na qual o produtor vai colocando a silagem lá dentro e compactando. Este silo já caiu em desuso pela dificuldade de se tirar do poço. Evoluiu para um silo trincheira, no qual o produtor cava uma trincheira no chão, uma vala. Uns revestem, outros não. Mas também gera um custo tanto da escavação quanto do revestimento, assim, já não tem sido muito utilizado. Hoje, o que se usa é o silo de superfície. O

Quais os cuidados devem ser observados na ensilagem e no manejo do silo? No processo de silagem, como qualquer processo de colheita, é fundamental o cuidado com as perdas. A ensilagem tem muitas fontes de perdas. Trator amassando ruas, a questão do descarregamento, desregulagem da máquina... O tamanho do picado tem de ser controlado. As partículas devem ter em média um centímetro. Agora, um ponto crucial na ensilagem é a compactação. O produtor tem de compactar até cansar e, quando achar que está bom, tem de compactar mais um pouco. A compactação é o fundamental para evitar perdas na fermentação. Se não fizer a compactação bem feita, terá ar dentro do material e este ar faz com que a silagem apodreça ao invés de conservar. Após ser feita a compactação, deve-se fazer uma boa vedação. Usar uma lona adequada. Normalmente utiliza-se lona de 200 micras de espessura, preta e branca para questão de absorção de calor. Esta é uma lona mais resistente, pois aquele silo ficará seis meses, um ano, dois anos na área. Depois de coberto com uma lona adequada, o produtor ainda irá enterrar as pontas com terra para evitar a entrada de água e de qualquer bicho e também irá jogar terra por cima do silo para que não formem bolsões de ar e apodreça silagem naqueles locais. É necessário grande investimento em maquinário para fazer a silagem? Os maquinários dependem da escala que o produtor está trabalhando. Aquele produtor pequeno, que vai plantar um


PRODUÇÃO 15 PRODUÇÃO

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

hectare, dois hectares de milho, pode trabalhar com ferramentas mais simples. Ele pode plantar com matraca, com tração animal. Ele pode cortar no facão e levar até sua ensiladeira estacionária e ali mesmo faz o silo. A compactação ele faz com pessoas pisando ou animais. Então ele pode fazer silo sem muito maquinário. Lógico que um produtor que vai trabalhar com dez, vinte, trinta hectares já não tem condições de fazer com este maquinário. Já os grandes produtores se equipam com uma quantidade maior de máquinas. Qual a quantidade de silagem necessária para alimentar um animal adulto durante um ano? O consumo de um animal varia em função de seu peso vivo. Podemos calcular que o consumo total de um animal varia entre 2% e 2,5%, ou até 3% se é uma vaca em lactação de alta produção. Descontando o que este animal consome de concentrado, a gente tem que um animal adulto vai consumir de 30 a 35 kg de silagem por dia. Por aí o produtor faz as contas de quanto seu rebanho precisa no período de seca. Quais os benefícios da complementação da alimentação com a silagem? Considerando que vaca em lactação não produz leite comendo pasto seco, a grande vantagem é que ele vai ter uma vaca produzindo leite o ano todo. Você consegue manter com uma pastagem vedada e com concentrado animais sem estar em lactação ou uma novilha. Agora, vaca em lactação, ou você faz suplementação com cana-de-açúcar ou com silagem. Não tem outro jeito do animal produzir leite. Com a silagem, você terá uma produção mais constante ao longo do ano. Isto será bonificado pelo laticínio, que bonifica

quem tem produção constante. O produtor ainda vai ter uma segurança alimentar dentro da fazenda, pois não terá animais morrendo de fome e sim produzindo e reproduzindo. Se o animal não estiver bem alimentado ele não reproduz. Qual o custo estimado para se produzir a silagem? Como o produtor tem o retorno deste investimento? Isto vai variar de acordo com o que o produtor tem de investir em máquinas, se ele tem máquinas disponíveis na prefeitura, se ele tem de pagar horas/máquina. Normalmente o custo está associado com adubação, semente e com algum inseticida para lagarta e algum herbicida. O custo histórico da silagem é em torno de R$ 0,15 a R$ 0,18 por quilo de silagem, que ele tem já colocada no cocho. Já com todos os gastos inclusos. Mas vai variar em função do quanto ele está gastando para fazer aquele plantio e a colheita. Quanto mais ele produzir, menor será o custo. Mas ele consegue ter o retorno do investimento, com certeza, se ele tiver uma boa produção por área. Os animais vão dar o retorno ao produtor, uma vez que a silagem vai garantir pelo menos oito litros de leite por dia. Com o uso de concentrado, esta produção será ainda maior. E quanto à silagem com sorgo? É uma boa alternativa? O sorgo é uma alternativa bastante interessante porque ele rebrota. O produtor que plantou sorgo vai ter uma produtividade muito semelhante à do milho na primeira colheita. É interessante que ele plante logo no início do período chuvoso para aproveitar as rebrotas. Após a primeira colheita, o produtor faz a adubação desta rebrota e ele terá uma nova colheita sem gastar com sementes. Em termos de qualidade, o sorgo

é um pouquinho inferior ao milho, mas tem compensado por esta rebrota que, bem conduzida, produz cerca de 70% daquilo que ele colheu na safra. Dependendo do período de chuva, você ainda tem uma segunda rebrota que pode ser utilizada como pastejo animal. No caso de se fazer o plantio como safrinha, o sorgo é mais resistente ao déficit hídrico do que o milho. Se for uma região em que começa a faltar água a partir de fevereiro, o mais adequado seria o produtor plantar o sorgo. E qual o ponto de colheita do sorgo? É um pouquinho anterior ao ponto de colheita do milho. O sorgo a gente colhe com o grão com um pouco mais de leite do que o milho, no ponto farináceo/leitoso. Se você deixar um pouco mais no campo,

os passarinhos comem os grãos do sorgo, uma vez que eles ficam expostos. Além disso, tem a questão da moagem mesmo. Como o grão do sorgo é muito pequeno, ele acaba passando sem ser triturado, assim o aproveitamento não é tão bom. O ponto de colheita do sorgo é em torno de 30% de matéria seca, com o grão um pouco mais leitoso. Neste processo de ensilagem é importante que o produtor tenha o acompanhamento do técnico? Com certeza. Toda vez que ele tiver o acompanhamento do técnico, a chance de errar é muito menor. Hoje já existem técnicos treinados para detectar, para saber plantar, saber cultivar e identificar o ponto. Fonte: Embrapa Agrossilvipastoril


16 ARTIGO

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

MARCOS MELO MEOKAREM Zootecnista CRMV 0866/z, Pós graduado em Produção de Ruminantes, Mestre em Nutrição Animal e Coordenador Técnico Estadual de Bovinocultura da Emater-MG

Prepare-se 2012 está aí! Festas de final de ano! Datas especiais para comemorar os resultados do derradeiro ano e agradecer pelo sucesso alcançado, mas também é tempo de programar as ações para o ano vindouro. Na pecuária não é diferente. Todo produtor sabe que algumas despesas são recorrentes, portanto, deve se preparar para cumprir à risca aquilo que foi planejado para o ano, garantindo assim o desempenho esperado para a atividade. Referimo-nos aqui ao ano civil, que vai de 1 de janeiro a 31 de dezembro. No caso da pecuária de leite a alimentação tem grande peso no custo de produção, muitas vezes próximo de 60% do custo operacional. Deste montante a parcela referente às despesas com concentrado pode representar mais de 50% do total. Produzir alimento volumoso de alta qualidade é uma excelente ferramenta para baixar o consumo de concentrado e consequentemente aumentar a lucratividade. A silagem é alternativa mais apreciada pelos produtores, mas durante o período chuvoso e de grande intensidade luminosa, há que se aproveitar ao máximo as pastagens. Silagem só quando o pasto declinar em produtividade e qualidade. Produzir silagem exige planejamento detalhado. Atrasos no plantio, manutenção inadequada da lavoura, colheita no ponto errado e falhas no processo de ensilagem podem comprometer sobremaneira a qualidade e reduzir a quantidade de silagem disponível aos animais. Aqui na região Sudeste planta-se o milho ou sorgo para silagem em outubro ou novembro, e a colheita no ponto de ensilagem dá-se justamente durante o período chuvoso. Temos que garantir mão de obra e máquinas para executar o trabalho o mais rapidamente possível, aproveitando qualquer período de estiagem. Se o material a ser ensilado molhar, se faltar pessoal e o silo ficar

aberto muito tempo, ou se faltar máquina para compactar adequadamente, as perdas serão grandes, com reflexos negativos no desempenho econômico. O início chuvoso do ano também é tempo de adubar as pastagens que serão utilizadas intensivamente enquanto o frio e os dias curtos não chegarem. A produtividade elevada das pastagens exige altas taxas de lotação para garantir o retorno econômico, assim, mais uma vez o planejamento é essencial. Deve-se adubar somente pastagens manejadas sob regime de pastejo intensivo. A média histórica dos preços do leite mostra os maiores valores recebidos pelos produtores nos meses em que a disponibilidade de pastagens é menor, ou seja, no período seco do ano. Este fato é perfeitamente compreensível uma vez que a captação da indústria também é menor no mesmo período. Nesta época também sobe o custo de produção do leite em função do aumento da participação do concentrado na dieta, e dos gastos extras com mão de obra para fornecimento da alimentação no cocho. É essencial garantir espaço adequado no cocho para todos os animais, além de área de sombra e água em abundância e de qualidade. Assim, as vacas em produção manejadas adequadamente proporcionarão o retorno esperado, e as vacas secas que apresentarem o cio nesta época irão parir no início da estação seca do próximo ano, apresentando o pico de produção justamente quando o preço pago ao produtor é mais alto. É evidente que a execução das tarefas é que determina o sucesso de qualquer empreendimento, porém, o planejamento permite concentrar forças em áreas da atividade onde o resultado esperado tem maior impacto no retorno econômico, além de evitar desgaste com a realização de tarefas não agendadas, o que geralmente não traz os resultados esperados. Feliz 2012 !!

A produtividade elevada das pastagens exige altas taxas de lotação para garantir o retorno econômico, assim, mais uma vez o planejamento é essencial.

EVENTOS Rio Pardo - RS A raça Holandesa é presença confirmada na edição de 2012 da Expoagro-Afubra, em Rio Pardo - RS. Entre os dias 21 a 23 de março acontecerá a II Exposição da Raça Holandesa dentro da Expoagro. Além de contabilizar pontos para o circuito Exceleite Pista, nesta próxima edição também pontuará para o Exceleite Produção. O Banho de Leite nos vencedores do Concurso Leiteiro será uma das atrações da exposição, além do II Remate da Raça Holandesa. Mais informações: www.gadolando.com.br

Castro - PR Acontecerá nos dias 9 e 10 de março, no Parque de Exposições Dario Macedo, em Castro-PR a 1ª Exposição de Gado Jovem - Expojovem, uma prévia dos animais jovens para a Agroleite 2012. No dia 10 haverá o 12º Leilão de Gado Leiteiro da Castrolanda. Neste ano participaram 80 animais dentre eles novilhas, bezerras e vacas. Mais informações: www.holandesparana.com.br

Concórdia -SC Acontece no período de 29 de fevereiro a 2 de março a 11ª edição do Show Tecnológico Rural do Oeste Catarinense -Tecnoeste, em Corcódia - SC. A Tecnoeste é uma feira de oportunidades para aprender e aperfeiçoar técnicas agrícolas e agropecuárias. Nos dia 1 de março acontecerá o VII Seminário Catarinense da Qualidade do Leite com o tema: Redução da contagem de células somáticas no leite. Vagas limitadas. Mais informações (49) 3444-8479.


18 ARTIGO

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

Sal mineral: sua importância e efeito na suplementação Marcelo Hentz Ramos Medico veterinário e PhD/ReHAgro

ABSORÇÃO E INTERAÇÃO Os minerais presentes nos alimentos (forragem ou concentrado) não são tão bem absorvidos pelo animal. A disponibilidade dos minerais é maior nos sais comumente usados (calcário, cloreto de sódio, etc). Por exemplo, somente 30% do cálcio contido nas forragens são absorvidos pelo animal. Além disso, é preciso lembrar que também existem interações entre os minerais no rúmen e no intestino do animal. O nutricionista se baseia em seus conhecimentos sobre a disponibilidade e as interações presentes, o que lhe permite trabalhar com números para atender os requerimentos do animal. MACROMINERAIS Dentre os macrominerais, o cálcio tem

um requerimento muito alto para a vaca leiteira, já que entre outras funções, está presente em grande quantidade no leite. O cálcio também atua na formação de ossos e dentes, na contração muscular e na coagulação sanguínea. A quantidade requerida por vacas em lactação é o dobro daquela necessária para animais adultos não lactantes. Para gestantes, o requerimento é maior nas últimas semanas de lactação, quando ocorre maior calcificação dos ossos do feto. Animais jovens apresentam maiores exigências deste mineral, devido a maior deposição em tecidos esqueléticos. Atenção para suplementação excessiva! A proporção de cálcio absorvida diminui com o aumento de cálcio dietético acima das exigências. O fósforo é o mineral que tem mais funções no corpo em relação a todos os outros. É também um dos minerais mais caros, e comumente é oferecido muito acima do requerimento. A suplementação acima da exigência não apresenta impacto na produção e no consumo. Por outro lado, a deficiência de fósforo leva a infertilidade ou diminuição da performance reprodutiva. Se a fonte de sódio para a dieta for cloreto de sódio, o requerimento de cloro será atingido ou ultrapassado. A perda de cloro pelo animal devido ao suor em temperaturas altas é pequena. Em adição, em um experimento utilizando 1,444 vacas foi observado que o aumento de cloro de 0.15% até 1.62% da dieta resultou em um declínio linear na ingestão de matéria seca e produção de leite. Portanto, cuidado deve ser tomado quando da utilização da prática de aumento da porcentagem de NaCl no verão devido ao stress térmico. O potássio é um mineral que, muitas vezes, já está balanceado nas dietas comumente oferecidas para o gado leiteiro. O magnésio apresenta como maior ponto de absorção no animal o rúmen e o reticulo. A absorção de magnésio diminui drasticamente quando o pH do rúmen esta acima de 6.5, o que pode explicar a ocorrência de tetania das pastagens (tetania hipomagnesemica). O enxofre faz parte dos aminoácidos metionina, cisteina, homocisteina e taurina. Também está presente nas vitaminas do complexo

Wagner Correa

Para que o animal seja capaz de manter seus processos metabólicos (crescimento, produção de leite, reprodução, etc.) uma grande quantidade de elementos inorgânicos são necessários. Elementos inorgânicos necessários em gramas são referidos como macrominerais. São eles: cálcio, fósforo, sódio, cloro, potássio, magnésio e enxofre. Os elementos inorgânicos necessários em miligramas ou microgramas são referidos como microminerais. São eles: cobalto, cobre, iodo, ferro, manganês, molibdênio, selênio, e zinco. De uma maneira simples, a quantidade destes minerais necessárias para manter um animal vivo (mantença), mais a quantidade presente no leite, adicionada da quantidade presente necessária ao feto, define o requerimento de uma vaca leiteira. A soma total do mineral disponível na dieta menos o requerimento do animal, define a quantidade que precisa ser suplementada. As exigências de minerais em bovinos variam de acordo com o tipo e nível de produção, a idade do animal, a raça e o grau de adaptação dos animais, o nível e a forma química do mineral no alimento, e suas relações com os outros nutrientes da dieta (McDowell, 1999). As deficiências minerais são causa de algumas das principais doenças metabólicas que acometem os bovinos leiteiros, afetando a produtividade do rebanho. Estas desordens estão relacionadas com o desequilíbrio entre ingestão, absorção e exigências.

B (tiamina e biotina). Ambos metionina, tiamina e biotina não podem ser sintetizados pelas células animais e devem ser oriundos da dieta ou dos microorganismos ruminais. MICROMINERAIS O cobalto é um dos componentes da vitamina B12. Se houver cobalto suficiente, os microorganismos ruminais podem produzir uma grande parte da vitamina B12 requerida pela animal. Os sinais da deficiência de cobalto são falhas no crescimento, perdas de peso, degeneração do fígado, menor resistência às infecções (MacPherson et al, 1987) Dentre os microminerais o zinco, cobre e o selênio foram os minerais que mais foram estudados. Tem sido recomendada a adição acima do requeridos destes minerais, quando respostas em saúde do animal (melhora qualidade do casco, abaixa contagem de célula somática e melhora queratina no teto do úbere) têm sido observadas.

VITAMINAS É muito comum empresas adicionarem vitaminas juntamente aos minerais no mesmo produto. Elas também possuem um papel essencial para o funcionamento da célula no animal. Os cálculos para o requerimento de vitaminas são semelhantes aos cálculos utilizados para os requerimentos dos minerais. As vitaminas são classificadas em solúveis em óleo (A, D, E e K) e solúveis em água (vitaminas B e C). As vitaminas A e E são requeridas, mas as vitaminas K e D não. Vitamina D é sintetizada na pele, utilizando energia contida na luz solar. A vitamina K é sintetizada por microorganismos presentes no rúmen e no intestino. A vitamina A é necessária para a metabolismos das células da retina e não deve estar presente em quantidades superiores a 66.000 UI/kg de MS. A vitamina E é um nome genérico para compostos solúveis em óleo chamados tocoferol e tocotrie-


ARTIGO

Jornal Holandês| Fevereiro de 2012 redacao@jornalholandes.com.br

nol. Dentre estes, alfa-tocoferol é substancia mais comum encontrada nos alimentos. Juntamente com selênio e zinco compõe o grupo de substâncias que atuam no sistema antioxidativo da célula. Sua suplementação tem sido muito praticada e apresenta resultados positivos na saúde animal. O NRC de 2001 assume que o requerimento para o grupo de vitaminas do complexo B (biotina, acido fólico, inositol, niacina, acido pantotenico, B1, B2, e B12) é atingido através da síntese pelos microorganismos ruminais. Entretanto, a suplementação de vitaminas do complexo B (biotina, niacina e B12) tem sido estudado e tem apresentado resultados positivos. MINERAL NA DIETA OU NO COCHO SEPARADO? O método mais eficiente de fornecer minerais para bovinos é através de suplementos minerais combinados com concentrados, assegurando maior exatidão na quantidade a ser ingerida diariamente. O consumo de minerais à vontade, por outro lado, é a maneira mais comum de oferecer minerais aos bovinos a pasto. O sal comum é o veículo usado

19

para dar palatabilidade à mistura mineral, ao mesmo tempo em que também funciona como regulador de consumo. Quando fornecido separadamente, é essencial que o mineral esteja sempre disponível no cocho, evitando que os animais o encontrem vazios ao buscar a suplementação. O cocho deve ter cobertura, já que alguns componentes são solúveis em água. Existem trabalhos mostrando que, quando animais têm acesso livre a minerais, os requerimentos não são atingidos. QUANTIDADE DE MINERAIS NA ÁGUA Em um experimento onde foram coletadas 3.618 amostras de água em propriedades americanas, os autores concluíram que somente a água pode ser suficiente para suprir os requerimentos de alguns minerais. ORGÂNICO VS. INORGÂNICO Na forma orgânica, o mineral é ligado a um carboidrato, aminoácido ou proteína. São chamados também de quelato (mineral quelatado). Os minerais orgânicos possuem uma maior disponibilidade para a célula animal que os minerais inorgâni-

cos. Entretanto, resposta em parâmetros digestivos, produtivos e reprodutivos ainda não são claras. NECESSIDADES E SUPLEMENTAÇÃO O atendimento pleno às exigências minerais de bovinos leiteiros é premissa à saúde e produtividade. A determinação da quantidade a ser suplementada, assim

como o cálculo e formulação adequada de dietas, não é tarefa simples. Desta forma, para ser eficiente, evitando deficiências e também excessos, o trabalho do técnico com formação apropriada para tal é fundamental. Este profissional, por meio de análise de cada realidade é capaz de determinar as possibilidades a serem exploradas por cada sistema de produção.



Jornal Holandês fevereiro 2012