Issuu on Google+

JORNALZEN ANO 9

JANEIRO/2014

AUTOCONHECIMENTO

Nº 107

BEM-ESTAR

R$ 2,00

CIDADANIA

www.jornalzen.com.br

CULTURA

SAÚDE Silvia Lá Mon

ZENTREVISTA

Cid Moreira Pág. 3

NOVO COLUNISTA

MOMENTO DE REFLEXÃO Pág. 6

SAÚDE EM PROSA Pág. 8 Khristian Paterhan estreia coluna sobre eneagrama, assunto do qual é referência. Adminstrador de empresas e filósofo de nacionalidade chilena, Paterhan mora no Brasil desde 1989, ano em que iniciou a divulgação do eneagrama no País. Pág. 6

BEM NUTRIR Características nutricionais do óleo de palma Pág. 19

CULTURA DE LETRAS Pág. 12

Pensamentos de

ARTIGOS DE ANO-NOVO

Padr e Har oldo Padre Haroldo Pág. 9

Viva Bem Pág. 18

Começo de ano – um novo ciclo Pág. 11

2014: ano 7 Pág. 16

Ano de sabedoria e autoaperfeiçoamento Pág. 16


JORNALZEN

2

LEITORZEN

AGENDAZEN

Ano-Novo

Padre Haroldo

O ano novo chegou! Ouve-se constantemente: 2013 passou tão rápido! Não vi o tempo passar! O que está acontecendo? Esperávamos o Natal, o AnoNovo, a Páscoa, o Carnaval ansiosamente. Hoje, temos a impressão de que tudo está acontecendo quase que simultaneamente. A tecnologia está aí para facilitar nossas vidas, encurtar distâncias, agilizar nossas tarefas, mas, quem diria: nunca temos tempo! As mídias, as escolas, os ambientes sociais estão proclamando aos quatro ventos a necessidade de nos atermos ao que proporcionará qualidade de vida e, consequentemente, uma existência plena de saúde, serenidade e alegria. Somos um ser holístico, portanto, indivisível, que envolve aspectos físicos, psicológicos, sociais, culturais e espiritual, em constante interação e interdependência. Sabendo que o que envolve um aspecto afeta os demais, torna-se mais compreensível entender a importância de nos mantermos conscientes e atentos aos nossos pensamentos, palavras e ações. O conhecimento e o discernimento de mãos dadas à sabedoria são indispensáveis para as escolhas que definirão quem queremos ser e nos darão a oportunidade de viver. Temos tido oportunidade de conhecer várias terapias alternativas que, aliadas à atividade física e às grandes descobertas científicas, nos conduzirão a uma vivência plena, ancorada no autoconhecimento e equilíbrio emocional. Dessa forma, conseguiremos degustar de cada momento como único e insubstituível, eternizando-o e transformando-o em um pilar para novos momentos longos, por que conscientemente e atentamente vividos. Que o ano de 2015 demore a chegar, pois temos muito o que degustar e digerir em 2014. Feliz Ano-Novo.

Padre Haroldo Rahm é um jesuíta nascido no Texas, Estados Unidos, em 1919. Em 1965, migrou para o Brasil, fundando em 1978, na cidade de Campinas, a entidade filantrópica que hoje recebe o nome de Instituto Padre Haroldo Rahm. A fundação mantém, dentre outros programas de promoção social, atendimento a pessoas com síndrome de dependência química, no modelo de comunidade terapêutica, amparando e orientando jovens e adultos de diversos Estados, especialmente da Região Metropolitana de Campinas, sendo reconhecida no Brasil e no exterior pela eficácia dos tratamentos. Quando inicia suas palestras ou mesmo conversas com pessoas em tratamento, padre Haroldo costuma lembrar que antes via no semblante da pessoa a expressão “Brahma”, “51” ou “cocaína”, e que no momento daquela conversa” já não vê mais nada disso”. Ele lembra que estatísticas internacionais apontam que para cada dez pessoas dependentes de álcool ou outras drogas, apenas três se conseguem se manter longe da dependência. Afirma também que não estamos sozinhos e que o homem deve sempre se esforçar para parar de sofrer. Além disso, para ficar “limpo” e talvez livre do vício, padre Haroldo esclarece que serão precisos em média seis anos, variando de pessoa para pessoa. Lembra também que após o tratamento o dependente deve continuar em recuperação, frequentando reuniões em entidades como AA – Alcoólicos Anônimos, Amor Exigente e ainda se ligar a alguma religião com a qual se identifique. Aconselha aos dependentes em recuperação para que não fiquem lastimando o passado. “O que precisamos é fazer reparações, cancelando o que não está indo bem”.

Dulce Ana Chagas Nithack, Campinas

Raymundo Rodrigues Espelho, Campinas

JORNALZEN NOSSA MISSÃO: Informar para Transformar DIRETORA Silvia Lá Mon EDITOR Jorge Ribeiro Neto JORNALISTA RESPONSÁVEL MTB 25.508

JANEIRO/2014

TELEFONES Redação (19) 3324-2158 Comercial (19) 3044-1286 contato@jornalzen.com.br www.jornalzen.com.br

circulação: Campinas, Indaiatuba, Holambra, Hortolândia, Valinhos e Vinhedo; Vila Madalena (SP)

CAMPINAS CONSTELAÇÃO FAMILIAR 2/2, às 8h30 – workshop com Antonio Carlos de Abreu (Toni), no IPEC - Instituto de Pesquisa e Estudo da Consciência (Rua Monte Azul, 85 - Chácara da Barra). Mais informações: (19) 3252-1565 ou www.ipec-transpessoal.com.br LIVRO DOS ESPÍRITOS a partir de 15/1, às quartas-feiras, das 13h30 às 16h – estudo coordenado por Deise Bovo, no GELF – Grupo Espiritualista Luz e Fraternidade (Rua Prof. Heitor Mayer, 63 - Vila Itapura). Aberto ao público. Mais informações: (19) 3397-9937 ou contato@gelf.org.br PALESTRAS BRAHMA KUMARIS (Abertas ao público) 19/1 – “Simplificar as necessidades é o caminho para o contentamento”, com Mariana Mattos 2/2 – “A importância da reciclagem. No lixo e na vida”, com Glauce Figueira e Neuza Almeida 9/2 – “Sentindo o pulso da alma”, com Eloísa Villanova Rua Monte Aprazível, 387 (Chácara da Barra) Mais informações: (19) 3241-7480 campinas@br.brahmakumaris.org

SANJEEVINI Sanathana Sai Sanjeevini (vibracional espiritual) 8/2, às 14 h – palestra gratuita com Maria Claudia Tavares. Posteriormente haverá o curso gratuito, sendo pré-requisito ter participado da palestra. Informações e reserva de vagas: (19) 3242-4965

SÃO PAULO IRIDOLOGIA 22/1, às 19h – palestra “O que iridologia pode revelar”, com a terapeuta holística Célia Cruz, no Instituto Avalon (Avenida Liberdade, 702 - Liberdade). Aberto ao público. Mais informações: cursos@institutoavalon.com.br JOGO DAS PEDRAS 17/1, das 19h às 22h – “Esbá de Lua Cheia”, com orientação de Davi Oliveira, no Espaço com Ciência (Rua Ana Demerson, 52 - Vila Mariana). Contribuição social. Inscrições e mais informações: (11) 96443-7856/98064-9528 INFORMAÇÕES PARA ESTA SEÇÃO: contato@jornalzen.com.br


JANEIRO/2014

Assumi um compromisso: quero levar o Evangelho até o último dia da minha vida”. A recente declaração dá bem a medida do que Cid Moreira tem mais se dedicado atualmente. Ícone da televisão brasileira, o locutor e apresentador que fez fama na bancada do telejornal mais popular do País vem cumprindo o que prometeu em 1992, quando anunciou que passaria a dedicar a vida à religiosidade. O casamento com a atual mulher, a jornalista Fátima Sampaio, e a companhia de seu assessor de imprensa, especializado em teologia, aumentaram a determinação do locutor. Aos 86 anos, o paulista de Taubaté esbanja saúde. Vegetariano há mais de 50 anos, prega o cuidado com a alimentação como uma das fontes da longevidade. É apaixonado por tênis, alongamento, musculação e esteira. Mesmo afastado do jornalismo, Cid Moreira é apresentador exclusivo da Rede Globo, na qual entrou em 1969, depois de passagens por rádios e pelas TVs Rio, Tupi, Continental e Excelsior. No Jornal Nacional, trabalhou durante 27 anos. Sua voz e imagem também foram marcantes na apresentação do Fantástico. Cid realizou mais de mil documentários e milhares de comerciais. Gravou centenas de mensagens bíblicas em DVDs e CDs – já vendeu mais de 30 milhões. Uma nova fase, na internet, marca outro importante momento profissional. Nesta entrevista exclusiva ao JORNALZEN, Cid Moreira fala sobre religiosidade e alegria de viver. Em recente declaração, o sr. se disse muito focado em “resgatar a religiosidade”. Poderia comentar a respeito? Tive oportunidade, em minha vida, de conhecer e ver de perto várias seitas e religiões. Também aprendi sobre a Bíblia na infância. Passei uma fase da minha vida completamente distante de tudo o que se relacionasse com questões espirituais. Mas, há cerca de 20 anos, comecei a voltar a esse assunto quando gravei clipes para o Fantástico relacionados ao tema, como o Sermão da Montanha, salmos de Davi, etc. Assim, aos poucos, voltei a ter contato com a Bíblia e encontrei um grande sentido para a vida nas lições encontradas nas páginas do livro sagrado. E falo sobre isso para as pessoas com esperança de que elas também sintam essa vibração e alegria que me faz tão bem. Como se deu seu despertar pela fé cristã? Aos poucos, todos os dias, passei a ler e tentar compreender o texto bíblico. Um dia eu chorei muito, pedi a Deus a presença dele. Chorei de doer até meu coração. Dormi cansado de tanto chorar. Mas quando adormeci, uma poderosa paz e a certeza da presença de Deus invadiu minha alma. Desse dia em diante me tornei mais calmo. Continuo errando e acertando. Nada mudou nesse sentido. A transformação foi mais na percepção do que realmente é importante, o que realmente vale a pena. Como foi a transição do jornalismo

JORNALZEN

3

ZENTREVISTA Cid Moreira

A VOZ DE DEUS Ícone da história da TV brasileira, locutor adotou como missão de vida levar a palavra divina por meio de mensagens bíblicas Divulgação

um garoto muito tímido e passava horas lendo livros que meu pai pegava emprestado na biblioteca para a gente ler. Um que carrego comigo até hoje é o Manual da Boa Saúde, da Casa Publicadora do Brasil. Outra joia rara é da escritora Hellen White. Ela ensina ótimos hábitos sobre saúde e alimentação. Os dela, eu li mais recentemente. O que o levou a ser vegetariano? Um das razões foi a seguinte: eu não me conformava com o fato de as pessoas deixarem de comer carne na Semana Santa, semana da Paixão de Cristo. Se não era bom naquela semana, em honra à morte de Jesus, não deveria ser o ano inteiro. Então, resolvi parar. Eu demoro a tomar uma decisão, mas depois que tomo, dificilmente volto atrás. Como vê a proposta de nosso jornal, voltada para a difusão de iniciativas para o bem-estar e a qualidade de vida? É sempre bom textos que estimulem bons hábitos e exaltem iniciativas que melhorem a qualidade de vida da comunidade. A ideia da proposta é muito interessante e merece ser difundida.

para a narração de textos bíblicos? Aconteceu aos poucos. Os primeiros textos, no Fantástico. Depois vieram os pedidos de editoras e produtores. E assim por diante. Depois que saí do Jornal Nacional começaram a aparecer convites para gravar muitas coisas. Decidi pelos textos que tivessem base bíblica, para trilhar um caminho com coerência com as minhas crenças. Esse trabalho [de narrar textos da Bíblia] refletiu-se em seu crescimento espiritual? Não sei dizer. Seria muita arrogân-

cia de minha parte afirmar isso. O que posso afirmar é que pondero muito mais hoje em dia antes de fazer qualquer julgamento. E estou tentando dar valor ao que realmente tem importância. Como cada amanhecer; a saúde, os bons relacionamentos, os bons hábitos alimentares, um pôr do sol, uma água gostosa de se beber ou um bom banho... A adoção de hábitos saudáveis sempre foi uma constante em sua vida? Aprendi muita coisa na época em que meu pai trabalhava como bibliotecário. Eu estava com uns 12 anos. Fui

“Não podemos controlar muitos fatores de nossa vida, mas o que estiver ao nosso alcance temos a obrigação de fazer o melhor”

Que mensagem gostaria de deixar para os nossos leitores? Faço checape regularmente. No último, o medico responsável me disse que tenho a saúde de um homem de 60 anos. Isso me deixou muito contente. Minha pressão é 12 por 8, não tenho problema com hipertensão, diabetes, nada. Aliás, não tenho problema de saúde algum. Durmo bem e tenho ótima disposição durante o dia. Trabalho regularmente seis horas por dia. Faço alongamento duas vezes por semana. Ando na esteira cerca de seis a sete quilômetros quase todos os dias. Pratico musculação e jogo tênis sempre que é possível. Como banana, maçã e mamão todos os dias logo pela manhã. Bebo muita água durante o dia. Como arroz integral e muita salada, com tomates e azeite. Sou fã de pizza e de cremes, como de ervilha e lentilha. Bem, isso varia muito, pois gosto de palmito e abóbora também. Estou tentando dizer que o corpo é uma máquina orgânica e precisa de bom combustível. Aliado a tudo isso, a vontade de viver e a fé, longe dos vícios e de preocupações inúteis, pode se viver alegre e em paz longos anos. Sei que não podemos controlar muitos fatores de nossa vida, mas o que estiver ao nosso alcance é obrigação fazer o melhor. Desejo o mesmo a todas as pessoas.


JORNALZEN

4

Silvia Lá Mon

PANORAMA

la.monica@terra.com.br – cronicasdesilamon.blogspot.com

PRÊMIO DE SUSTENTABILIDADE

A Lei dos Protótipos Toda energia emitida finaliza-se numa forma. “A primeira das leis que regem os fatos, o que chamam de coisas objetivas neste tempo e neste espaço, ou em qualquer outra dimensão, é a Lei dos Protótipos. Essa lei diz que sempre há uma busca por uma forma para se materializar uma energia. Não existe nenhum tipo de energia emitida (e isso compreende ideias e sentimentos), que não vá se finalizar numa forma. Dessa maneira, seria interessante que começassem a prestar atenção no que sentem e no que pensam, porque toda energia, todo sentimento, irá se transformar numa forma e isso não quer dizer consequência, significa apenas que tomará uma forma, materializada, seja uma ideia, ou um sentimento.” Como podemos observar, essa Lei do Codex é bastante clara e objetiva. Toda ideia e sentimento, que são energia, transformam-se em uma forma de realidade. Isso é o que ouvimos por aí daquele princípio segundo o qual nós é que criamos a

nossa realidade, entendem? Este mês, o JORNALZEN está completando nove anos de existência. Num certo momento, lá em novembro de 2004, recebi essa ideia e alimentamos um sentimento de criar um jornal que fosse diferente de todos os outros em sua proposta. Que pudéssemos passar informações às pessoas que as fizessem desenvolver-se, transformar-se, buscar novos conhecimentos e novas atitudes, quebrar paradigmas e nascer para uma nova realidade. E assim é! O JORNALZEN tem conseguido em todos esses anos apresentar pessoas, pensamentos e práticas terapêuticas que têm provocado inúmeras mudanças e reflexões nas mais diversas pessoas que acompanham essa leitura denominada de “jornalismo positivo” ou “mídia da paz”. Aproveito esta ocasião para agradecer a todos que conosco têm transformado novas ideias em realidade! Paz profunda a todos neste novo ano que se inicia – um ano que estou crendo e vendo como extremamente positivo para todos!

INFORME PUBLICITÁRIO

Florais e radiestesia: combinação perfeita! por Telma Kosa Duarte A Terapia Floral é um tratamento natural reconhecido pela Organização Mundial de Saúde desde 1974 como “Medicina Alternativa”. Ela foi descoberta pelo médico inglês Edward Bach, que, por acreditar no poder de cura da natureza, desenvolveu 38 essências florais que atuam equilibrando estados emocionais em desarmonia no indivíduo. As essências são preparadas de forma artesanal, ou seja, as flores são mergulhadas na água e expostas à luz do Sol para que liberem a energia positiva que possuem. Elas atuam de forma eficiente em casos de angústia, depressão, traumas, fobias, cansaço, insônia e distúrbios alimentares. São altamente eficazes em bebês, crianças e animais, ajudando em mudanças de comportamento, problemas de relacionamento e aprendizado. As essências florais não são medica-

JANEIRO/2014

mentos para o físico, logo, não substituem o papel do médico. Cada fórmula é elaborada de acordo com o estado emocional do indivíduo. E não se esqueça: elas devem sempre ser ministradas por um terapeuta floral qualificado. Prescrever uma fórmula floral adequada para as necessidades do paciente não é tarefa fácil. Nesse sentido, um terapeuta tem a sua disposição algumas ferramentas importantes, como a Radiestesia, que é a ciência que utiliza instrumentos como o pêndulo para “medir” o campo energético de pessoas e objetos. Com o uso desse recurso, o terapeuta floral é capaz de identificar quais essências florais estão em sintonia com o campo energético do paciente, ou seja, quais florais de quais sistemas entre os inúmeros que existem são os mais apropriados e eficientes para tratá-lo e curá-lo emocionalmente. Dessa forma o tratamento torna-se muito mais eficiente.

TELMA KOSA DUARTE CRT 44640 Terapia Floral | Radiestesia CURSO DE FLORAIS DE BACH HEALINGHERBS Rua Almirante Barroso, 25 | sala 4 Valinhos/SP | Cel.: (19) 9 9841.3853 telmakosa@gmail.com cuide-secomflorais.blogspot.com

Professores universitários e estudantes de graduação e pós-graduação em qualquer área podem ter seus projetos no banco de práticas do Prêmio Fecomercio de Sustentabilidade, promovido pela Federação de Comércio do Estado (Fecomercio-SP). As inscrições podem ser feitas até 20 de janeiro no site www.fecomercio.com.br/sustentabilidade.

CURSO GRÁTIS PARA JOVENS O Espro (Ensino Social Profissionalizante) está com cem vagas abertas para o Programa Ser e Conviver em Campinas. O curso é voltado a jovens de 15 a 17 anos matriculados na rede pública de ensino. Os interessados devem comparecer na Rua Barão Geraldo de Rezende, 143, de segunda a sexta, das 8h às 16h30. Mais informações: www.espro.org.br .

CRIANÇA NOTA 10 A Legião da Boa Vontade (LBV) lançou a edição 2014 da campanha para manutenção das escolas e programas socioeducacionais promovidos pela instituição em todo o País. O objetivo é entregar 14 mil kits escolares para crianças que vivem em situação de vulnerabilidade social em Campinas e região. Mais informações: 0800-0555099 ou www.lbv.org .

CAMPANHA DA GABRIEL A ONG Gabriel – que atua no incentivo à doação de órgãos e tecidos e na prevenção de malformações congênitas, além de projetos sociais, ambientais, educacionais e culturais – está lançando campanha para captação de novos associados. As contribuições podem ser feitas a partir de 15 reais. Mais informações: info@gabriel.org.br ou www.gabriel.org.br .

EXPOSIÇÃO SOBRE JESUÍTAS Indaiatuba é a primeira cidade a receber a exposição itinerante Jesuítas: Paixão e Glória. O evento integra as comemorações do bicentenário da restauração da Companhia de Jesus. Aberta ao público, a exposição fica até o dia 15 de fevereiro no Mosteiro dos Jesuítas (Vila Kostka, em Itaici). Mais informações: www.bicentenariosj.com.br .


JANEIRO/2014

JORNALZEN

5


JORNALZEN

6

MOMENTO DE REFLEXÃO

JANEIRO/2014

Khristian Paterhan

JOÃO BATISTA SCALFI – scalfi@terra.com.br

Introdução ao eneagrama (1)

O caminho da felicidade “Se não fossem os problemas, o homem se acomodaria. É preciso que algo sempre incomode o ser humano para que, sentindo-se pressionado, procure soluções e desenvolva a inteligência e a capacidade de superação” Muitas vezes, ao questionar a vida, o motivo dos sofrimentos e das dificuldades enfrentadas, sempre nos perguntamos aonde esse caminho irá nos levar. Qual a razão desse sofrimento? Sempre questionamos como Deus pode deixar aquele homem bom, ou aquela criança ainda tão indefesa passar por tanto sofrimento! Na maioria das vezes não temos a consciência de que somos espíritos milenares e que trazemos uma longa bagagem espiritual e um passado para reparar. A cada existência, temos mais uma oportunidade de aprendizado e crescimento, e o livre arbítrio é nossa arma que devemos utilizá-lo com sabedoria e determinação. Durante a nossa peregrinação terrestre, experimentamos sofrimentos e dores,as quais não compreendemos, mas essas angústias e aflições têm raízes nos erros cometidos outrora? Muitos de nós ferimos, iludimos, magoamos, maltratamos e traímos profundamente aqueles que um dia juramos eterno amor. Não cumprimos o que planejamos no plano espiritual. Precisamos perdoar, pois se não perdoarmos, o mal permanece dentro de nós e damos oportunidade para que surjam em nossas vidas moléstias, perturbações espirituais, depressão e muitas situações que nos fazem sofrer. Perdoar é abrir mão da mágoa, é deixar de ser vítima. Perdoar e tirar todos os nós que amarram a nossa vida. Perdoar é o caminho mais seguro para quem deseja ser feliz. O perdão é, inquestionavelmente, a mais bela expressão de caridade e amor ao próximo. Talvez por essa razão Jesus deixou-nos esse último recado enquanto carregava a cruz, e a multidão enfurecida açoitava-o gritando pela sua morte. “Reconciliai-vos o mais depressa com o teu adversário, enquanto estás no caminho com ele, para que não aconteça que o adversário te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao oficial, e te encerrem na prisão. Em verdade, te digo que de maneira nenhuma sairás dali enquanto não pagares o último ceitil” (Mateus 5:25 e 26/Lucas 12:58 e 59)

Hoje em dia, podemos afirmar que Georges Ivanovich Gurdjieff (18721949), criador do sistema de desenvolvimento humano conhecido internacionalmente como Quarto Caminho, foi um dos mais notáveis transpessoalistas modernos. Sua obra que, como alguém acertadamente escreveu, somente por ignorância é colocada nas prateleiras das chamadas “obras esotéricas” (as quais ele sempre desprezou, advertindo sobre seus perigos e extravagâncias), mostra-se, a cada ano que passa, mais atual e exata. Os livros que ele escreveu guardam, para quem os estuda, reflete e pratica, preciosos tesouros. Frutos de uma das sínteses mais valiosas do conhecimento psicofilosófico do Oriente e do Ocidente. Não vou fazer aqui um resumo da sua biografia, nem escrever sobre o que está escrito em centenas de livros e comentários, alguns dos quais traduzidos para o português. O legado de Gurdjieff é hoje um dos mais importantes, especialmente neste momento em que a humanidade precisa dar um “salto quântico” no seu desenvolvimento como espécie. Foi ele quem trouxe ao conhecimento do Ocidente, há mais de 80 anos, a existência do eneagrama, milenar símbolo-síntese criado por sábios de uma época esquecida na qual as ciências exatas e a “psicologia da possível evolução humana”, como a chamava Piotr De-

mianovich Ouspensky, um de seus mais notáveis discípulos, estavam ligadas. Gurdjieff foi um profundo conhecedor das psicofilosofias e tradições antigas, e teve acesso, por meio de uma misteriosa ordem secreta chamada Sarmung, aos “fragmentos de um ensinamento desconhecido” (P. D. Ouspensky), cujas origens se perdem na noite dos tempos e se ligam com a extraordinária cultura sumério-babilônica, hoje reconhecida pelos historiadores como uma das mais avançadas da Antiguidade em termos culturais e científicos. Atualmente seus ensinamentos deveriam ser tratados com “espírito científico”, já que estamos em condições culturais de completar e compreender – para benefício da nossa espécie e graças aos níveis que temos atingido nos campos das ciências humanas e exatas – esse “quebra-cabeça” do conhecimento humano, do qual ele nos deixou tantos e valiosos “fragmentos”. *** Quem desejar conhecer e praticar a filosofia de vida ensinada por Gurdjieff e contida no eneagrama pode entrar em contato com a Escola de Eneagrama Khristian Paterhan C. – www.escolaeneagrama.com.br – e/ou pesquisar sobre outros grupos de trabalho de Quarto Caminho no Brasil e no mundo.


JANEIRO/2014

JORNALZEN

7

Perda dental Desde pequenos, nossos dentes estão desempenhando varias funções: mastigação, fonação, estética. A perda dental fora da época normal em uma criança, ou a perda de dentes no adulto, acarretara diversos males. Além de comprometer a estética e a fala, em uma criança, a perda precoce de um dente decíduo (de leite) pode vir a ocupar o espaço do dente permanente, fazendo com que o mesmo não tenha espaço para erupção. Em um adulto, a perda dental pode desencadear um desequilíbrio geral na boca. O dentista estará sempre trabalhando para preservar o dente dentro da boca. Porém, muitas vezes isso não é possível pela destruição extensa do elemento dental, fazendose necessária a substituição desse dente por outro, em forma de prótese, para preservar o espaço e equilíbrio estético funcional. Em uma criança, que está em fa-

se de crescimento, esses espaços são preservados com aparelhos móveis. Em um adulto, precisamos optar por uma prótese, isto é, um elemento confeccionado MÁRCIA BELLO (CRO 44800-SP) em material compatível para permanecer no lugar do dente. Essas próteses podem ser removíveis, fixas ou acompanhadas de um implante. O cirurgião-dentista está apto a orientar, dando as necessárias explicações para a melhor opção. Cada paciente tem suas características e suas necessidades, portanto, cada caso deve ser avaliado isoladamente para um correto diagnóstico e plano de tratamento adequado. Faça sempre seu exame bucal semestral e procure orientação do seu dentista para dúvidas. Oriente-se. Previna-se. Cuide-se.

(19) 3241-6821 – (19) 8101-6102 dramarcia@mbodonto.com.br www.mbodonto.com.br facebook.com/marcia.bello.9693


JORNALZEN

8

JANEIRO/2014

INFORME PUBLICITÁRIO

SAÚDE EM PROSA ELOÍSA PIMENTEL – dra.eloisa@saudechai.com.br

Ano novo... virtude nova! Mais um ano se inicia com o convite para um novo ciclo, momento em que fazemos planos, estabelecemos metas pra termos um bom ano, uma vida melhor. Na vida tudo está sob a influência de ritmos, dia e a noite, fases da lua, e estações do ano que se repetem. Assim como as plantas tem seu ritmo de semear, brotar, crescer e amadurecer, o ser humano também tem seu ciclo e também sua missão. Porém, nos dias de hoje, ocorre distanciamento desse ritmo e do conhecimento intuitivo do funcionamento do próprio corpo, e com a justificativa de “não se ter tempo”, não se respeita esse ritmo e só se nota isso quando aparecem os sintomas, ou seja, a “queixa” do organismo por esse esquecimento. A refeição, por exemplo, deve ser um momento especial, em que se deve estar presente e consciente da sua importância. Além da procura pela qualidade dos alimentos – integrais, orgânicos (sem agrotóxicos) –, devemos nos reeducar, evitando líquidos nas refeições, mastigando bem os alimentos e respeitando horários. Esse caminho é, com certeza, o retorno à saúde. De acordo com a estação do ano, o organismo funciona um pouco diferente. No verão, por exemplo, o fígado não está tão apto para digerir gorduras e fica mais suscetível ao calor e aos abusos alimentares. Assim como o mundo que nos envolve tem os seus ritmos, nosso organismo também os tem. O fígado e a vesícula biliar seguem um ritmo diário próprio e, de acordo com o horário, digerimos os alimentos com maior ou menor facilidade. O fígado processa melhor certos alimentos como carnes, ovos, queijos, leite, gordura e alimentos crus das 15h às 3 da manhã. A partir desse período, até as 15h, é a vesícula que tem maior atuação, digerindo melhor massas, pães, doces e alimentos cozidos. Frutas e cereais integrais podem ser consumidos a qualquer hora do dia. Trago aqui um convite: que não nos esqueçamos desse impulso de mudança, pois quando mal percebemos já entramos na correria dos afazeres e obrigações, entre elas até de se divertir; e também, que tentemos observar e respeitar os ritmos em nossa vida introduzindo conscientemente nova qualidade em nossa vida. Procure refletir: o que está lhe faltando? Do que sente falta realmente? E faça uma clara proposta de mudança e a partir daí que isso seja uma forma de lembrança, quando por vezes não conseguir de fato exercêla, ou mesmo quando perceber que se esqueceu dessa proposta. Proponho aqui conhecer um pouco mais os ensinamentos de Hildegarda de Bingen (1098-1165), grande mulher da Idade Média, profetisa, visionária, artista, escritora, compositora, oradora e curadora, que nos deixou uma mensagem sobre as virtudes. Ela nos traz 35 virtudes, dentre elas a humildade, a esperança, a caridade, a paciência, a temperança, a constância... Qual delas chama mais a sua atenção interior? Escolha uma delas e conviva com essa virtude por algum tempo, e com certeza esse tempo trará frutos,melhorando seu autoconhecimento. Trata-se de um convite pra desenvolver o melhor de si. Vamos tentar?

Brasil: um país de Diversidade Religiosa Dia 21 de Janeiro é uma data em que diferentes denominações religiosas podem juntas celebrar a Unidade na Diversidade No dia 27/12/2007, foi sancionada, pelo então presidente da república – Luis Inácio Lula da Silva – a lei 11.635, que institui 21 de janeiro como o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. Entende-se por intolerância religiosa “um ato ou atitude mental caracterizada pela falta de habilidade ou vontade em reconhecer e respeitar diferenças ou crenças religiosas de outros.”1 Segundo a Constituição brasileira, constituem atos de intolerância religiosa: “Impedir o acesso ou recusar atendimento em restaurantes, bares, confeitarias, ou locais semelhantes abertos ao público” (art. 8), “Praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito de raça, cor, etnia, religião ou procedência nacional” (art.20), entre outros exemplos. É fato que essa prática vem, ao longo dos séculos, acompanhando a história da humanidade. E esse fato se torna marcante principalmente com a chegada de um novo Manifestante de Deus à Terra. Os judeus foram, por muitos séculos, oprimidos por governantes, impérios e nações. Métodos utilizados estenderam-se desde a expulsão ao total genocídio. A história do antissemitismo inclui a Primeira Cruzada; a Inquisição espanhola e a Inquisição portuguesa; como também as perseguições na Espanha, Inglaterra, Alemanha e outros países onde os judeus se estabeleceram, atingindo seu pico no Holocausto, com o genocídio de aproximadamente 6 milhões de judeus de 1942 a 1945. O Cristianismo, com seus quase 2.000 anos de tradição, também possui em sua história registros de perseguições e práticas de intolerância contra seus membros, como aquelas relatadas no Novo Testamento contra Jesus e Seus discípulos, apesar de somente ensinarem o amor e a obediência a Deus. Atualmente, ainda existem países em que a intolerância religiosa é constante, como é o caso do Irã. Lá, a comunidade bahá’í, desde o início de sua história, em 1844,sofre com perseguições constantes. Cerca de 200 bahá’ís foram mortos entre 1978 e 1998, um reflexo do histórico genocídio de 20.000 bahá’ís entre 1850 e 1863. Desde a Revolução Islâmica, os bahá’ís iranianos têm frequentemente sofrido injustiças como terem suas casas saqueadas, serem banidos de ingressar em universidades ou empregos públicos, e centenas serem presos sem justificativa aparente. Frequentes desaparecimentos e falta de julgamentos justos têm acometido esta minoria religiosa. Tudo isso porque os bahá’ís acreditam que todas as religiões foram estabelecidas pelo mesmo Deus Infinito e Onipotente, como um instrumento para o amor e a paz universais. A data do dia 21 de Janeiro nos oferece a oportunidade de repensarmos nossos costumes, nossas crenças religiosas com relação ao outro e a nós mesmos, e deve ser vista como uma oportunidade para refletir sobre a Regra Áurea: “Não faças a teu próximo aquilo que magoaria a ti mesmo.” Uma lei que, seja em sua matriz religiosa, seja em sua matriz humanista, estabelece a base segura para o respeito mútuo, a empatia, a justiça, o amor e a paz. 1) Fonte: wikipedia

COMUNIDADE BAHÁ’Í DE CAMPINAS


JORNALZEN

JANEIRO/2014

Pensamentos de

Padre Haroldo 50 anos de Brasil Antes de chegar ao Brasil, há meio século, li que um jesuíta que vai a outro país deve ser no fim da sua vida bem honrado, e não ser uma pessoa considerada um ditador. Também o povo deve considerar que ele apresentou ideias espirituais de Jesus Cristo e a Virgem Maria, e não as suas ideias políticas, financeiras e somente humanas. Chegando ao Rio de Janeiro, em 14 de junho de 1964, fui imediatamente à Igreja Santo Inácio e pedi a Deus que esquecesse das minhas ideias dos Estados Unidos e aprendesse, eu, a espiritualidade e cultura brasileira. Parcialmente deu certo. Entre outros movimentos, tive o prazer de iniciar as ideias básicas de ioga cristã. Trabalhei fielmente com nossos residentes e deu resultado. Uma vez, Vanderlei, Elisabete e Madalena me convidaram para dar um curso no Rio. A ideia pegou em vários lugares. O meio século neste país lusitano me ensinou, sobretudo, a

palavra “delicadeza”, que é da essência do Brasil. Delicadeza é um fruto do Espírito Santo (Gal. 5. 22) e também por isso o povo brasileiro pode falar “Deus é brasileiro”! Brasil não é somente a metade da América do Sul, mas também tem uma cultura europeia temperada com toda a bondade e espiritualidade dos países de origem, especialmente portuguesa e espanhola. É uma mistura de amor. Vivendo neste ambiente 50 anos, a gente tem recebido uma personalidade agradável. Tentei com todo meu coração absorver essa beleza. Estou honrado por viver no Brasil e dou graças a Deus que, na sua bondade, deu-me aqui uma residência permanente. Obrigado pelo amor e bondade. Reze por mim; rezo por você.

Cuidado com a polifarmácia (receitas com muitos medicamentos) Com o aumento da popuambígua, já que todos os lação e a prevalência de docircuitos humanos enenças crônicas, o uso de mevolvidos no ato sexual dicamento aumentou. É esnão estão completatimado que mais de 40% mente conhecidos. das pessoas com mais de Com essas noções ge65 anos usa ao menos cinrais podemos entender co medicamentos por seque os fármaco-medicamana e 12% usam ao mementos possuem ações nos dez medicamentos na secundárias das originalsemana. Essa população ORESTES MAZZARIOL JR. mente desenvolvidas, Urologista consome 1/3 das prescriações essas cujas resposções nos Estados Unidos. tas são individuais em Em pacientes idosos, os riscos de maior ou menor intensidade, e difeefeitos adversos são maiores devido rem de indivíduo para indivíduo. à diminuição na absorção; diminuiNa nossa prática clínica, os clínição ligada a proteínas, aumento da cos ou cardiologistas não fazem uma distribuição de drogas lipofílicas; di- anamnese minuciosa da função seminuição da função hepática; e dimi- xual e não levam em contas resposnuição da excreção renal. De uma ma- tas individuais aos medicamentos, neira geral, em pacientes de idade atribuindo os tais sintomas à idade, as drogas são menos eficientes e mais à rotina do relacionamento e ao delentamente metabolizadas. sinteresse sexual. Uma anamnese Drogas que têm efeito no com- cuidadosa e a troca por medicamenportamento sexual podem ser divi- tos com menos efeitos na função sedidas em psicossociais e neurofar- xual devem ser o primeiro passo pamacológicas. A distinção pode ser ra o tratamento da disfunção erétil.

Haroldo Joseph Rahm é fundador da Instituição Padre Haroldo, para pessoas com síndrome de dependência alcoólica e química, em Campinas. Telefone: (19) 3794-2500. hrahmsj@yahoo.com

Muito além do chazinho da vovó Luiz Francisco Pianowski

A

abundância de recursos naturais do Brasil, com sua matriz energética limpa, cobertura florestal e imensa biodiversidade, associada à necessidade mundial cada vez maior de produção de bens de consumo, faz do nosso país um dos maiores potenciais globais rumo ao desenvolvimento econômico social nos próximos anos. Para a indústria nacional, esses ati-

9

vos, se bem utilizados, são inegáveis vantagens frente ao resto do globo. Veja só: estima-se que o Brasil possua cerca de 30% das florestas tropicais do mundo e estas, por sua vez, abrigam mais da metade das espécies conhecidas da fauna e flora mundiais. Como não pensar na utilização sustentável (é importante que se diga) dessa biodiversidade em prol da população, gerando saúde e riquezas? Um bom caminho para ao desenvolvimento é investirmos na

produção nacional de fitomedicamentos. Apesar da riqueza das nossas florestas, a indústria de fármacos, medicamentos e cosméticos funcionais ainda carece de jurisdição adequada e interlocução entre os diferentes pontos da cadeia, de forma que promova o bom funcionamento do setor desde os pequenos agricultores, passando por pesquisadores e universidades e chegando à indústria. A elevada burocracia aliada à insegurança jurídica tem levado à para-

lisação de pesquisas com a biodiversidade brasileira no país, com evidentes prejuízos ao aproveitamento sustentável dessa riqueza. Para fortalecimento desse complexo produtivo latente no Brasil, é preciso engajamento público e privado, que absorva as oportunidades e encare os desafios e se posicione à altura da riqueza que tem. Luiz Francisco Pianowski é pesquisador, presidente do laboratório Kyolab e membro do Conselho Científico da Amazônia. Farmacêutico com Doutorado em Tecnologia Farmacêutica (Porto-Portugal).


JORNALZEN

10

CULTURAZEN

JANEIRO/2014 Divulgação

Silvia Lá Mon

Integrantes da primeira turma formada no curso de especialização em Práticas Complementares de Saúde, pelo Centro LatinoAmericano de Saúde Integral (Clasi), em Campinas

Sarah Passarella, Eunice Pontes e Tereza Azevedo durante a Cantata de Natal da Cenapec/Biblioteca Adir Gigliotti e lançamento de livro Divulgação

Participantes do satsanga no Instituto de Yogaterapia, em Campinas Divulgação

Funcionários e parceiros do Instituto Nacional de Prevenção e Assistência ao Câncer (Inpac) no almoço de fim de ano e comemoração de Natal para os usuários atendidos Divulgação

Amanda La Monica

Daniela Duarte, da Natureza Brasil, participou da edição de Natal do Mercado Ciranda, no Espaço Guanabara, em Campinas

Silvia Lá Mon e Pavitra Shankar em momento de comemoração no Espaço Ungambikkula

Daiana Zumestein, Jaime Justino, Alice Caretta e Vicente Mendonça na entrega de 20 cestas doadas pela empresa Mann+Hummel para a Associação Beneficente Irmã Dulce (Abid), de Indaiatuba


JANEIRO/2014

JORNALZEN

Começo de ano – um novo ciclo Célio Pezza

O

ano começou, e para muitas pessoas se inicia um novo ciclo. Na cultura celta o ano não tem começo nem final, ele segue o ritmo contínuo da natureza e as marcações no calendário são as mudanças mais evidentes na própria natureza. A cada nova estação, ocorre uma festividade, geralmente com significado associado à agricultura e durante essas celebrações as fronteiras entre os mundos material e sobrenatural desaparecem, e o reino dos vivos se mistura com o outro mundo. A natureza dá e tira a vida e nada pode nascer sem antes ser destruído, podendo dar vazão à sua força regeneradora, mas o seu potencial para a destruição precisa ser mantido e con-

trolado. Para auxiliar esse equilíbrio existem os intermediários, como os deuses da natureza, os druidas e os bardos ou poetas. Todas as divindades do mundo celta encarnam o paradoxo da vida e da morte, sempre de acordo com a regra do morrer para nascer. Naquela época, a ciência não buscava explicar todas as coisas, e os animais, as plantas e as forças da natureza eram as fontes de toda a magia. As árvores são símbolos importantes da sabedoria celta. Suas raízes penetram fundo na terra, para os mundos de baixo, enquanto seus galhos crescem em direção ao céu, ou seja, ao mundo de cima; elas fazem a ligação entre o mundo inferior e o mundo superior e, quando mudam de folhas anualmente, evocam o ciclo infini-

to de nascimento, vida, morte e renascimento. Enquanto isso, a própria árvore, perene, reflete a vida eterna. Também são importantes na cultura celta, as tríades de conhecimento, que são um verdadeiro veículo de transmissão de sua sabedoria. Por exemplo, as três fontes de conhecimento: pensamento, intuição e aprendizado; os três motivos para o riso de um tolo: rir do que é bom, rir do que é ruim e rir do que não entende; os três tipos de homem: os homens bons, que retribuem o mal com o bem, os homens do mundo, que retribuem o bem com o bem e o mal com o mal, e os homens maus, que retribuem o bem com o mal. Este tipo de filosofia de vida continua adequado mesmo nos tempos ditos modernos, pois nada acaba no últi-

11 mo dia de dezembro, a não ser uma marcação no calendário criado pelo homem, quando, na verdade, o importante é utilizarmos esta data para celebramos alguma decisão que possa provocar alguma mudança. O novo ano que começou serve para nos lembrar destes ciclos e que tudo continuará exatamente igual se não tomarmos algumas atitudes de mudanças. Serve para uma reflexão sobre todos os nossos erros, acertos e, principalmente, para nossos projetos de mudanças para melhor. O ano, na verdade, não tem começo nem fim e tudo é exatamente como os antigos celtas acreditavam ser. Festejamos, comemoramos, mas não podemos esquecer que se não fizermos algo de real este ano, o próximo ano será igual, ao sabor dos ventos bons e ruins. Célio Pezza é escritor


JORNALZEN

12

CULTURA DE LETRAS CRÔNICAS DE ARUÂNGUA – mceu.idt@terra.com.br

Temos espírito

C

omemorávamos o aniversário da Rebeca num restaurante popular da cidade. Faltaram velas e a mãe acabou colocando três velas juntas no lugar de cinco separadas. A menina percebeu e amuou. Todos foram incitados a ajudá-la a apagar as velinhas e João muito vívido soprou entusiasmado. Rebeca logo esqueceu as poucas luzes e levou a sério a cerimônia do pedido e do corte da primeira fatia. Não podendo comer nada que contenha lactose, eu apenas olhava o lindo bolo ser cortado e distribuído. O primeiro pedaço foi para o primo João. O segundo foi para o pai e o terceiro para o irmão. A mãe cedeu sua vez para tia. Olhei para o bolo à busca de um pedacinho que pudesse beliscar sem me dar uma crise. Ao perceber

que havia uma fileira de suspiros na borda superior do bolo, pedi à minha filha Sara: - Sara, pega um suspiro para mim, por favor?! Imediatamente, João, muito participativo com o convívio, disse: - Não, vovó! O suspirito é que vai para o céu quando a gente come muitas bactérias. É, vovó, a gente morre e o suspirito vai para o céu. - Certo, Joãozinho! Entendi. O espírito vai para o céu. Mas é que a vovó estava pedindo um suspiro de açúcar à sua mamãe! Um suspiro de comer, amor! João olhou para mim, espantado. Mas, esperto como só ele, logo se refez: - Ah, vovó... Desculpa, então! - Beleza, meu amor! – respondi. Fico surpresa de ver o crescimento dos meus netos e a sua preocupação com questões existenciais.

MANDALA PARA PINTAR

- OZENI LUCAS -

Recebemos colaborações para este espaço. Envie sua mandala para: jornalzen@terra.com.br

JANEIRO/2014

Melindres e a aromaterapia Neste começo de ano encontrei muitas pessoas melindradas. Uma palavra contrária às expectativas transformava o rosto e a cultura intelectual, oferecendo lugar à mágoa! Algumas amizades foram desfeitas, e até planos de trabalho cancelados. Por qual motivo? Mágoa. Uma mulher relatou que guardava ressentimento de sua sogra, anterior ao casamento, que foi maltratada inclusive fisicamente. A sogra morreu em 2013, e o casamento já contava meio século. E o que essa senhora sentia? Mágoa. Família, amigos, médicos, terapeutas, e religiosos podem tentar apaziguar a situação, com palavras, dicas, remédios, orações, mas a pessoa vivencia o sentimento, e está cega em perceber algo melhor, amarrada às crenças. No mundo virtual existe grande quantidade de publicações e comentários sobre como a pessoa deve se comportar e perdoar o outro, para ser realmente feliz e aceita pela sociedade. Pessoas que carregam mágoa normalmente sentem-se melindradas ao menor toque ou palavra. Ao contar sobre o passado, costumam ser detalhistas e a emoção negativa modifica o semblante de quem re-

corda. Ao ser questionada sobre os motivos daquela mágoa, a pesMYRIAM BARALDI soa vai choPsicanalista e rar ou ficar iraaromaterapeuta da com as perguntas e vivenciar a cena. No questionamento sobre as mágoas, normalmente a pessoa relata o ocorrido e descreve um repeteco de padrões, ou seja, já esteve magoada com os pais, avós, tios, cônjuge, filhos, patrão, sócio, vizinho, atendente na loja, e até o bichinho de estimação! Estranho isso, não? Como a pessoa não percebe? O ego, o orgulho e a posição de vítima, impedem a pessoa de enxergar a real situação, e claro que é um caminho tortuoso e traumático. Uma briga entre o anjinho e o diabinho. Para auxiliar os melindrados, utilizo um excelente composto da aromaterapia egípcia vibracional, Prosperidade, uma sinergia com os óleos essenciais vibracionais de canela e laranja amarga, que estimulam o desapego e a limpeza da culpa e do medo. Para atingir o sucesso é preciso jogar fora os entulhos. Feliz 2014...


JORNALZEN

JANEIRO/2014

Tesouros da Vida JULIANO SANCHES

Bons ventos em 2014 Queremos nos afastar dos clichês remanescentes, que nos prendem a um túmulo medíocre e grudento, a saber, o das indecisões. Nessas idas do pensamento, com o início de uma nova página, lembro-me dessa música: “Era um cidadão comum, como esses que se vê na rua. Falava de negócios, ria, via show de mulher nua. Vivia o dia, e não o sol; a noite, e não a lua. Acordava sempre cedo (era um passarinho urbano). Embarcava no metrô, o nosso metropolitano... Era um homem de bons modos: Com licença; Foi engano. Era feito aquela gente honesta, boa e comovida. Que caminha para a morte pensando em vencer na vida. Era feito aquela gente honesta, boa e comovida. Que tem no fim da tarde a sensação da missão cumprida. Acreditava em Deus e em outras coisas invisíveis. Dizia sempre sim aos seus

Jack Era o último remanescente de um trio que praticamente vi nascer. A mãe foi minha primeira paixão, a que despertou o amor pelos felinos. As duas irmãs, uma foi doada – e, ao que consta, desapareceu; a outra ficou conosco até sumir, voltar, sumir, voltar e, enfim, sair para nunca mais retornar. O desaparecimento da Anne é revelador de um erro: acostumar o gato a ficar na rua. E deveria servir de aviso. Tarde demais, no entanto. Como em humanos, muito complicado mudar hábitos depois de “velho”. Marinheiros de primeira viagem, aprendemos a lição e tratamos de proporcionar uma vida caseira aos novos amores – hoje, são três. Jack era um guerreiro. Medroso quando pequeno, ao longo dos anos encarou muitas brigas. Invariavelmente aparecia com cortes, furos ou sangrando. Pode ter sido a raiz de seu problema fatal. Companheiro, resistiu a cinco mudanças, uma das quais intercidades. Também dava seus sumiços, às vezes longos. Em um deles, em meio ao agito da última mudança, foi o último a ser trazido. Casa vazia, lá estava ele junto à janela,

senhores infalíveis. Pois é; tendo dinheiro, não há coisas impossíveis. Mas o anjo do Senhor (de quem nos fala o Livro Santo) Desceu do céu pra uma cerveja, junto dele, no seu canto. E a morte o carregou, feito um pacote, no seu manto. Que a terra lhe seja leve”. (Pequeno Perfil de um Cidadão Comum, Belchior) O que vale a pena? Uma roda de amigos? Jogo de cartas? Paixões? São tantos fatores que nos motivam e que convidam a uma condição de vida peculiar. Por trás das linhas do cotidiano, fica algo estranho e incompreensível, que é o exercício de pensar as dores da própria existência, as fugas escolhidas, os equívocos. O ser humano encontra em sua própria estética volátil razões para vencer as expectativas e, simplesmente, buscar o ápice de sua natureza, enquanto refúgio e manancial de significados. Juliano Sanches é jornalista

aguardando-nos, como sempre. Tinha uma relação especial com ele. Por ser herdeiro da Luna, destinava-lhe um carinho particular. Sua contrapartida era revelada nos característicos gestos de afeição dos felinos. Amor puro. O ronco cada vez mais estridente, que nos parecia demonstrador de satisfação, na verdade denunciava sério problema no pulmão, o qual não apercebemo-nos. Os passos cada vez mais lentos aparentavam uma precoce velhice. Estranha, mas aceitável. A falta de apetite resultou em crescente fraqueza, até o ponto de chamar a atenção. Seu ocaso foi fulminante, inesperado. Entre diagnósticos equivocados e idas e vindas da clínica veterinária, por fim ficou. No réveillon, brindamos à sua saúde. Em vão. Dois dias depois, o veredito e o dilema: eutanásia? Minha esposa e minha filha preferiram trazê-lo para casa. Debilitado fisicamente e quase sem respiração, buscou, cambaleante, os cantos da casa – típico deles, quando doentes. Foi fiel até o último ato, quando fez questão de ir embaixo de nossa cama: um ronco crescente; um grito final, terrível. Silêncio. Adeus, Jack. Obrigado por ter me ensinado a amar. Jorge Ribeiro Neto

13 INFORME PUBLICITÁRIO

Persistência Sei que generalizo, mas a atual geração C, de “conectada” (que chamo de “control+C”), está iludida com clichês de si própria: não querendo ter chefe para ser empreendedora, não gostando de receber ordens (nem sabendo dá-las), quer a liberdade criativa ilusória sem mostrar resultado. Mal-educada e forte no discurso (geralmente raso e sobre o próprio valor), quando chega na escrita justapõe trechos copiados, desarticulados e incompreensíveis. Usuária de computador, não sabe que a tecnologia foi criada por gerações anteriores, à base de suor e noites mal dormidas. Como acreditar em talentos sem resultados? Pôsteres de slogans motivacionais das máximas do penReprodução

samento positivo que essa geração conhece apenas superf icialmente (porque não lê) sustenta uma fórmula irreal de sucesso sem suor, sem Miguel Antonio empenho e de Mello Silva sem comproPsicólogo (CRP 06/37737-2) metimento. Exceto quando avaliado por um igual, ninguém leva a sério um executivo que entra de patins na sala de reunião, mas que desconhece a correta conjugação de verbos. Menos ainda se ele não entrar com projetos articulados debaixo do braço. Faltam mentalidade realista, discernimento, autocrítica, disposição, senso de responsabilidade, persistência, dar o máximo de si para agregar valor ao mundo do trabalho, presentes na rainha de ouros. Isso tudo é o resultado de um estilo educacional dos seus pais que, para evitar a disciplina exagerada da geração anterior, 1) excluíram a positiva meritocracia e assumiram uma postura embasbacada com os filhos na qual tudo o que eles fazem é maravilhoso, inclusive quando fazem errado e 2) violaram os sistemas que a usam (como a escola), que lhes avalia os resultados escolares. São os pais que criam nos filhos o senso de realidade e isso não é automático. A minha prática profissional tem sido para encontrar o equilíbrio necessário desses elementos.

CONTATO: (19) 3213-4716 / 3213-6679 ou psicmello@gmail.com


14

JORNALZEN

JANEIRO/2014


JORNALZEN

JANEIRO/2014

Líricas Bulhufas MARCELO SGUASSÁBIA

O livro dos segredos do taco O título da obra, ao contrário do que o senso comum poderia supor, não é uma compilação de receitas baseadas na iguaria mexicana. Muito menos trata-se de um manual de regras e jogadas ensaiadas daquele jogo de rua, tão comum nos anos 60 e 70. Temos aqui uma publicação única e de valor incalculável, através da qual a humanidade finalmente tem acesso a um dos mais impenetráveis mistérios de todos os tempos: a 12ª profecia de Mazzaropi, tida como perdida há muitas décadas, a despeito das inúmeras expedições empreendidas por arqueólogos do mundo inteiro a Taubaté, onde o genial caipira passou boa parte da vida. Deu-se a descoberta por acaso, com um golpe de picareta no chão da casa em que vivia o ilustre cômico. A residência passava por uma reforma geral, e a equipe que removia os tacos do living para trocá-los por carpete de madeira descobriu, cuidadosamente acondicionado abaixo de um deles, o precioso documento dobrado em oito, assinado e autenticado por Mazzaropi no ano de 1967. Isolada a área por forte aparato policial e impedido o trânsito num perímetro de 12 quarteirões adjacentes ao precioso achado, os peritos atestaram a autentici-

dade da relíquia mas se abstiveram de qualquer comentário quanto ao seu conteúdo. Das 16 profecias deixadas pelo artista, 15 já eram de conhecimento público. A mais amplamente divulgada, catalogada como a de número 3, versava sobre o acidente de helicóptero sofrido por Ulisses Guimarães e dona Mora, fatidicamente previsto por Mazza 22 anos antes de acontecer. Outras bastante conhecidas tratam da extinção do Tigre de Java, em meados da década de 80, e do fim do longevo programa televisivo Almoço com as Estrelas, apresentado por Ayrton e Lolita Rodrigues na TV Tupi, emissora tão finada quanto o citado Tigre de Java. Todas, sem exceção, foram confirmadas nas datas previstas. Nenhuma delas, porém, causou tanta controvérsia quanto a nona. Nela, o lampejo profético do nosso Jeca cinematográfico predizia o extravio perpétuo da Profecia 12 – justamente a que estava sumida. Até aí, Mazzaropi continuava acertando em cheio; mas o fato de ter sido encontrada agora, de certa forma contradiz o enunciado da Profecia 9, colocando em sérias dúvidas a reputação de Mazza como profeta. Resta saber do que fala a Profecia 12, o assunto do livro em questão. Talvez seja, justamente, a resposta para este flagrante paradoxo. Comprem o livro, leiam e saibam. Marcelo Sguassábia é redator publicitário www.letraeme.com

Acupuntura na gestação A vida é uma dádiva da natureza, que nos é dada desde a concepção. O ser humano, segundo a medicina tradicional chinesa, está entre o céu e a terra, recebendo influências das energias celestes e terrestres. Nosso organismo é energizado por canais chamados meridianos, que têm relação com os órgãos e as vísceras do nosso corpo. A acupuntura é benéfica para todas as mulheres em todas as fases, mas especificamente para fertilidade, gestação e parto. Desde a concepção, o feto, através da mãe, recebe as energias provenientes dos alimentos e da respiração. Elas serão transformadas e direcionadas através dos órgãos e vísceras a seus meridianos correspondentes. A gestante está num momento especial da sua vida. Gerar um filho necessita do equilíbrio emocional, físico e psíquico. Muitas alterações ocorrem no corpo da gestante, como: alterações hormonais, a postura, o peso corpóreo, a pele e o sono. No

15

aspecto emocional e psíquico, sensações como ansiedade, alegrias, inseguranças, medos, irritações, preocupações, tristezas e ideias fiKAREN PIRES OLIVEIRA xas, além de inFisioterapeuta fluências exe acupunturista ternas climáticas, sociais e da alimentação. Diante de várias influências que podem afetar a gestante, a acupuntura proporciona um reequilíbrio das funções energéticas, que se estende às questões emocionais, físicas e psíquicas, amenizando as alterações incômodas. Cabe ao acupunturista promover adequada circulação energética; acalmar a ansiedade; reduzir o edema; diminuir dores na coluna; amenizar náuseas e falta de ar; adequar o sono; estimular a lactação e melhorar a posição fetal. Dicas: Fazer acupuntura para facilitar a fertilização e durante toda a gestação. Consumir feijão, gergelim e arroz preto para fortalecer a energia do meridiano do rim.


JORNALZEN

16

2014: ano 7 Joäo Martins

C

ada ano tem o seu conjunto de influências, oportunidades e obstáculos. Vivemos a nossa vida em ciclos de nove anos, incorporando os princípios universais dos números de 1 a 9. Estes ciclos podem ser comparados com os de uma plantação. Ao terminar o nono ciclo, começamos novamente do 1 e progredimos mais uma vez através da energia dos nove números. Estes ciclos de nove proporcionam a oportunidade de renovar, crescer e recriar novas realidades e padrão de vida. Se soubermos o que esperar de cada ciclo, viveremos em harmonia com sua vibração específica e tornaremos nossa vida mais fácil, mais alegre e mais produtiva. Em 2008, um ano 1, foi um ano de criatividade e confiança. O primeiro ano de um ciclo é o ano da criatividade, da semeadura das sementes, da abertura de nova oportunidade com autoconfiança. O renovo foi semeado, mas ainda não irrompeu da terra. Ofrio intenso está apenas se dissipando no começo da primavera. Em 2009, um ano 2, acooperação e o equilíbrio foram as energias reinantes. No segundo ano, a semente precisa da ajuda e da interação de outros – do sol, do solo e da água. Formamos novos laços, alianças e redes de apoio. A terra se aquece. Em 2010,umano 3, tivemos um tempo de expressão e sensibilidade. No terceiro ano, a semente irrompe da terra para expor-se ao sol; isso significa um tempo de visibilidade e crescimento cauteloso. Ampliam-se os nossos horizontes; vemos e experimen-

tamos mais. Estamos agora no fim da primavera, do ciclo de nove anos. Em 2011, o ano 4 nos ofereceu um tempo de estabilidade e processo. No quarto ano, o broto cresce, engrossa e se fortalece, estendendo as raízes mais profundamente no chão. É o momento de firmar a estabilidade; fase crítica, tempo que não é de nos exibirmos, senão de nos certificarmos de que nossas raízes são fortes. O verão já está ali na esquina. Em 2012, um ano 5, tivemos um tempo de liberdade e disciplina. No quinto ano do ciclo, as árvores principiam a florescer e a atrair outra vida – pássaros, abelhas e criaturas da floresta. Assim, esse é o momento da oportunidade, de muitas opções e escolhas. O pomar oferece os primeiros frutos. É um momento de celebração. O verão está aqui. Já no ano 6, concluído em 2013, tivemos um tempo de visão e aceitação. No sexto ano tivemos um tempo de devolver, de partilhar a colheita com quantos comem do fruto da árvore, repartindo nossa boa fortuna. É um tempo de generosidade e abundância, mas também de aceitar e apreciar o quadro maior do que foi, do que será e do que se situa mais além. É o fim do verão. O ano 7, cuja energia nos encontrará e estará à nossa disposição durante todo o ano de 2014, oferece um tempo de confiança e abertura. O sétimo ano é um tempo de gratidão à lembrança da Fonte de todos os frutos de todas as árvores. Não como objetivo orientado, mas um tempo de prazer e conforto, um tempo de olhar para trás e aprender com os anos que vieram antes. A tudo que foi experimentado ano após ano, acrescenta-se agora a gratidão por tudo, ao ver que todos os desafios anteriores

Ano de sabedoria e autoaperfeiçoamento Helena Gerenstadt Encontramo-nos diante de um ano que pode trazer grandes ganhos e satisfações e, ao mesmo tempo, grandes pesos morais e espirituais. Por uma parte, se apresentam grandes oportunidades de afiançar e realçar o prestígio social e profissional, de maneira que as pessoas que se movem em círculos públicos brilharão por méritos próprios. Muitas pessoas conhecerão o êxito, a fama e a popularidade, porque este é um ano que, mais que tudo, ressalta a vida profissional. É possível que, para algumas pessoas, a recompensa econômica não seja tão importante como as honras ou o reconhecimento, mas ainda assim receberão compensações econômicas. Como não é um ano em que se

enfatize a parte comercial, será perigoso aventurar-se em arriscadas operações financeiras. Este é um período para o aperfeiçoamento em todos os níveis, não para a expansão. Mesmo assim, para algumas pessoas, este ano trará recompensas inesperadas. Existe a possibilidade de viajar, dentro ou fora do País, por trabalho ou prazer, e de estabelecer contatos de amizade ou negócios. Será um bom ano para mudar de casa ou de trabalho, para iniciar estudos e para comprar, vender ou buscar trabalho. Mas a mais importante tendência deste ano tem a ver com a busca a reflexão e maturidade espiritual. De alguma maneira, a maioria das pessoas se sentirá inclinada a aprofundar seu interior. Questionarão as verdades e buscarão respostas às incógnitas dentro de si mesmos ou por meio de estudos metafísicos.

concorreram para o momento presente. O outono chegou. Este é o que se pode chamar de um ano propicio para os processos interiores, um período positivo para a reflexão, os estudos, o desenvolvimento de recursos internos e autoanálise. Perguntas existenciais devem estar fortemente presentes em sua vida, tais como: Quem sou? O que estou fazendo aqui? O que quero da vida? Valeu a pena? Propício para a reflexão, revisão e análise de sua filosofia de vida e do conjunto das crenças pessoais. Planeje passar um tempo sozinho e useo construtivamente, mesmo que seja apenas para analisar o passado com a ideia de aprender com as experiências interiores e assim planejar melhor com relação ao futuro. Analise suas ações e pensamentos, avalie suas capacidades e decida como ampliá-las ou colocá-las em ação. Este é um ano de balanço e aprendizagem, quando o “Eu” interior deve ser desenvolvido ao máximo. Examine a sua vida e decida o que realmente tem valor e livre-se daquilo que percebe que não é mais importante para o seu desenvolvimento pessoal. É preciso ter em mente os valores intelectuais, práticos e

À raiz desses estudos mais profundos, muitas pessoas mudarão seus códigos de conduta, porque seus parâmetros morais e mentais terão dado um giro de 180 graus. Para algumas pessoas, essa profunda catarse interior pode vir acompanhada de angústia, tristeza e depressão. Se nesse momento não estão fisicamente sozinhas, estarão em pensamento. Inclusive podem sentir-se sozinhas de companhia. Mas todos podem sair beneficiados desse isolamento. Em outras ocasiões (poucas), essa solidão e essa dor serão acompanhadas pela separação ou perda de seres queridos, com o consequente sofrimento moral. Neste ano não há lugar para a frivolidade, mas para a reflexão e pensamentos profundos. Será um período de autoanálise, de busca e crescimento espiritual e mental. A maioria das pessoas procurará reflexionar sobre sua própria vida e desejará conhecer o porquê e para que da existência humana. Sentirão a necessidade de ler e cultivar bons hábitos. Tratarão de isolar-se e podem ter momentos de tristeza, melancolia

JANEIRO/2014 espirituais, poder tirar conclusões e tomar atitudes. Estude assuntos novos de seu interesse ou aprofundese naqueles quem já conhece. Se deixar que as coisas venham a você naturalmente, tudo poderá fluir. A influência deste ano aponta para o enriquecimento espiritual, positivo para uma profunda introspecção, para a solidão voluntária e para a busca de respostas mais profundas. Não se aflija (demais) com negócios e assuntos materiais mais do que for absolutamente necessário. Sente-se, relaxe e observe tudo atentamente. Este é um período de “balanço” em nível pessoal. Aproveite para reforçar sua percepção de que não é feito somente daquilo que se vê e se toca, mas também das coisas que transcendem os cinco sentidos. As armadilhas a serem evitadas são as de negligenciar a saúde, forçar decisões, ser excessivamente crítico e permitir que temores e complexos submersos venham à tona. A compreensão dos ciclos traz nova apreciação, nova paciência e nova sabedoria às oportunidades e problemas mutáveis na sua situação de vida atual. Utilize cada ano para a sua própria finalidade; se você construir com base na energia de cada ano, estará assegurando a colheita mais rica possível. Os que plantam na primavera, cooperando com os outros, superando dúvidas e fazendo o melhor uso de cada ano do ciclo, conhecem a colheita mais plena. Depois, quando chega o momento de deixar que se vá o passado, nós nos preparamos para o novo ciclo que virá. fonte: Um Novo Sistema de Numerologia (Dan Millman) Joäo Martins é numerólogo seusnumeros@terra.com.br

e depressão. Nem todos lidam bem com o isolamento. Escute sua voz interior. Ela irá lhe inspirar para alcançar o equilíbrio em todos os aspectos. Essa autoanálise pode dar um novo significado à sua vida, com uma nova apreciação de valores. Se o balanço do novo ano for positivo, muitas pessoas se sentirão como donas de sua alma e de seu destino. Como as inquietudes estão centradas para o interior, o sentido prático da realidade pode ser muito deficiente. Deve ter cuidado ao comprometer-se e ao assinar documentos. Isso também pode suceder nas relações pessoais. Por erros de juízo, algumas pessoas podem sofrer decepções sentimentais, perdas de dinheiro ou fracassos comerciais. Cuide de sua saúde. Não permita que os conflitos interiores dominem. Se isso acontecer, procure um local tranquilo e distante, que lhe ajudará a recuperar-se. Helena Gerenstadt é terapeuta holística gerenstadt@terra.com.br


JANEIRO/2014

JORNALZEN

INDICADOR TERAPÊUTICO

17

Elemento terra Para começarmos o ano com pé direito, nada melhor do que falarmos do elemento terra, pois com certeza é o que mais precisamos observar. Este elemento está relacionado ao chacra básico, por isso é o pilar que sustenta nossas vidas. As qualidades construtivas da terra são: estabilidade, firmeza, enraizamento, capacidade de realização e de lidar com a realidade. No yoga trabalhamos com a terra utilizando posturas em pé, que trazem um profundo contato dos pés no chão, fazendo com que o praticante ganhe segurança e presença. A falta de um bom desenvolvimento do elemento terra faz com que as pessoas vivam no “mundo da lua”, gerando fuga da realidade, falta de praticidade e iniciativa, por isso é muito comum, vermos pessoas com dificuldades em ocuparem os seus lugares no mundo. Lembre-se que uma árvore só cresce e se desenvolve se tiver uma

raiz forte e estável. Em nosso campo psicofísico o processo é o mesmo: precisamos nutrir nossas raízes, finMÁRCIO ASSUMPÇÃO car os pés no Professor de ioga e diretor chão, assumir do Instituto de Yogaterapia as responsabilidades por nossas vidas e escolhas. Comece o ano analisando em que áreas da sua vida está faltando o elemento terra; em que áreas você precisa ter mais iniciativa e viver mais no real do que no virtual. Também não se esqueça de manifestar o elemento terra no seu caminho espiritual, imitando a flor de lótus (símbolo do yoga), que flutua na superfície das águas, mas é sustentada por suas raízes que estão no mais profundo lodo. Essa flor busca a luz, mas reconhece a importância das suas bases.


JORNALZEN

18

Viva Bem elianamattos@uol.com.br

Bate-Papo

E

aí? Como foram de festas? Espero que tudo tenha sido tranquilo e muito alegre. E que este ano que se inicia seja realmente um novo ano. Nesta edição, estou sugerindo o que fazer com as sobras de panetone, além das tradicionais torradas, que eu particularmente adoro! Aliás, eu amo panetone! Como aqui em casa todos os anos sempre sobra alguns, além daquelas ofertas fantásticas que acabo comprando, do tipo “leve 3 e pague 2”, não dá para ficar semanas comendo apenas da forma tradicional. Por isso, sempre preparo algumas receitas com eles. Fica a sugestão e espero que vocês também se deliciem com essas gostosuras. Grande beijo! Ótimo 2014!

Gelado de sobras de panetone Creme: 1 lata de leite condensado 2 gemas 2 latas-medida de leite comum 4 colheres (sopa) de maizena 1 colher (chá) de baunilha Misture todos os ingredientes (menos a baunilha) e leve ao fogo para engrossar. Retire do fogo e acrescente a baunilha. Deixe esfriar. Calda: ½ lata de leite condensado ½ lata-medida de água gelada 20 gotas de essência de panetone Misture todos os ingredientes e reserve. Bata creme de leite fresco (garrafinha) com açúcar até o ponto de chantili e reserve.

300 g de frutas cristalizadas 150 g de cerejas em calda picadas 100 g de uvas passas 200 g de chocolate meio amargo Montagem: Corte um panetone de frutas (1 kg) em quadrados não muito finos. Em uma forma com aro removível, unte as laterais com óleo. Coloque o chantili nas laterais e fundo da forma. Em seguida, coloque uma camada de sobras de panetone umedecidas com a calda. Coloque uma camada do creme, as frutas cristalizadas, uvas passas, cerejas. Vá fazendo camadas até a última ser de panetone e salpique o restante das frutas. Derreta o chocolate em banho-maria e derrame sobre as frutas. Leve para gelar.

JANEIRO/2014

Pudim de panetone Ingredientes: 1 panetone de frutas cortado em cubos (500 g) 1 litro de leite morno 3 ovos 1 ½ xícara (chá) de açúcar 3 colheres (sopa) de manteiga derretida 2 colheres (sopa) de baunilha 1 colher (chá) de canela em pó 4 maçãs pequenas, descascadas e picadas

Modo de fazer: Preaqueça o forno a 180º. Unte uma assadeira de 34x22x6 cm. Em uma tigela grande, coloque o panetone picado e o leite morno e deixe absorvendo por 10 minutos. Em outra tigela, misture os ingredientes restantes e misture bem. Adicione ao panetone com leite e misture bem. Derrame na assadeira e asse por aproximadamente uma hora ou até o centro estar firme.

Docinhos de panetone Ingredientes: 400 g de chocolate ao leite para cobertura, picado ½ xícara (chá) de creme de leite (100 g) 1 panetone de frutas de 500 g Modo de fazer: Derreta 300 g de chocolate no microondas ou no fogão tradicional (neste caso use o sistema de banho-maria). Mexa bem e acrescente o creme de leite, até obter um creme liso. Pique com as mãos as fatias de

panetone e misture ao creme. Leve à geladeira por três horas ou até firmar. Após esse tempo, faça pequenas bolinhas e passe-as no chocolate restante já picado e coloque-as nas forminhas de papel. Dicas: Se quiser, você pode passar os docinhos em chocolate em pó simplesmente ou granulado, como se faz com o brigadeiro.Se preferir que fique menos doce, use metade de chocolate meio amargo.

Pavê de chocotone e nozes Ingredientes: Glacê: 1 pacote de 200 g de manteiga sem sal 1 lata de leite condensado ½ xícara (chá) de nozes picadas 1 chocotone de 500 g em fatias ½ xícara (chá) de conhaque Nozes picadas para decorar Modo de fazer o glacê: Bata a manteiga na batedeira até ficar cremosa. Despeje o leite condensado em fio, batendo sem

parar até ficar homogêneo. Desligue a batedeira e misture delicadamente as nozes. Reserve. Montagem: Umedeça as fatias de chocotone no conhaque misturado a ½ xícara (chá) de água. Monte o pavê em camadas alternadas de chocotone e glacê. Finalize com o glacê salpicado de nozes. Dica: se gostar, pode acrescentar ao glacê duas colheres (sopa) de café coado bem forte.

Biscoito de panetone Ingredientes: 150 g de açúcar de confeiteiro 1 clara Suco de ¼ de limão 12 fatias triangulares de panetone Modo de fazer: Numa tigela, coloque o açúcar e a clara e misture até conseguir uma pasta lisa. Em seguida, adicione o

suco do limão. Corte fatias de panetone de forma triangular e leve ao forno preaquecido a 180º por uns 10 minutos ou até que fiquem ligeiramente douradas. Retire do forno e passe uma camada desse creme. Volte ao forno para endurecer. Se quiser, salpique nozes moídas.


JORNALZEN

JANEIRO/2014

BEM NUTRIR Características nutricionais do óleo de palma Fabio Cardoso de Carvalho

T

endo em vista as orientações atuais que recomendam a ausência de ácidos graxos trans (TFA) na dieta da população, o óleo de palma passa a ser um recurso ainda mais importante para as indústrias de alimentos. Além de ser livre de TFA, pois não necessita do processo de hidrogenação para obter viabilidade técnica, o óleo de palma possui um equilíbrio entre ácidos graxos saturados e insaturados, e apresenta conteúdo significativo de vitamina E, principalmente na forma de tocotrienóis. As propriedades nutricionais dos tocotrienóis do óleo de palma têm sido exaustivamente estudadas, incluindo as atividades antioxidantes, efeitos antineoplásicos, redução do risco para aterosclerose e diminuição do colesterol total. A existência de evidências que comprovam a associação da vitamina E ao menor risco para doenças inflamatórias, neurológicas (como Alzheimer e Parkinson) e diabetes. Vale ressaltar que os tocotrienóis raramente são encontrados em produtos vegetais, com exceção dos óleos de palma e de arroz. A presença desses antioxidantes contribui para a estabilidade do óleo, tanto pela interrupção da oxidação lipídica

(por meio da inibição da formação de hidroperóxidos) como pela suspensão do processo de decomposição (impedimento da formação de aldeídos). Com relação aos benefícios cardiovasculares, pode-se destacar a capacidade dos tocotrienóis na regulação da pressão arterial, no controle da glicemia e triglicérides, na elevação dos níveis plasmáticos de vitamina C e na diminuição dos níveis séricos do colesterol total devido à redução da síntese do LDL-colesterol e aumento do HDL-colesterol. Os tocotrienóis também têm a interessante propriedade de diminuir o volume das placas de ateroma na parede dos vasos, restringindo sua obstrução, bem como reduzir o estresse oxidativo. Da mesma forma que ocorre com todos os tipos de óleos, os triacilgliceróis (TG) são os principais constituintes do óleo de palma. Os TG são componentes formados por uma molécula de glicerol esterificado com três moléculas de ácidos graxos. O óleo de palma possui ácidos graxos saturados (SFA) e insaturados (UFA) em porções similares, sendo que os principais são palmítico e oleico, cerca de 43,5% e 39,8%, respectivamente. Fabio Cardoso de Carvalho é cardiologista intervencionista do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (Unesp) e especialista em cardiologia e hemodinâmica

19

PONTOS DE VENDA DO JORNALZEN CAMPINAS BARÃO GERALDO BANCA CENTRAL - Avenida Santa Isabel, 20 BARÃO ERVAS - Avenida Santa Isabel, 506 IDEAL REFEIÇÕES - Rua Vital Brasil, 200 BOTAFOGO BANCA RODOVIÁRIA - Avenida Andrade Neves, 880 BOSQUE BANCA DO BOSQUE - Avenida Moraes Sales, 1.748 CAMBUÍ BANCA CAMBUÍ - Rua Cel. Quirino (ao lado Massa Pura) BANCA DA ALICE - Avenida Júlio de Mesquita, 500 BANCA DONA SINHÁ - Rua Cap. Francisco de Paula, s/n (Praça Adamina Del Soldato) BANCA MARIA MONTEIRO - Maria Monteiro, 1.201 BANCA RIVIERA - Rua Coronel Silva Teles, 37 BANCA SANTA CRUZ - Rua Santa Cruz, 176 BANCA SUPER PLÁ - Rua São Pedro, 285 CASTELO BANCA NAKAZONE - Avenida Andrade Neves (balão) CENTRO ALMAZEN - Rua Barreto Leme, 1.259 BANCA CAMÕES - Rua 11 de Agosto, 558 BANCA CONCEIÇÃO - Rua Conceição BANCA DO ALEMÃO - Rua General Osório, 986 BANCA DO MIRO - Avenida Campos Salles, 663 BANCA EVEREST - Avenida Campos Sales (em frente nº 737) BANCA REAL DISNEY - Rua General Osório, 1.325 BANCA ROSÁRIO - Rua Barão de Jaguara esq. c/General Osório BANCA TANNO - Avenida Francisco Glicério, 1.580 CHÁCARA DA BARRA CENAPEC - Rua Mogi das Cruzes, 255

INDAIATUBA

CIDADE UNIVERSITÁRIA BANCA BARÃO - Avenida 2 - Atílio Martini, 50 FLAMBOYANT BANCA DO ISMAEL - Rua Mogi Guaçu (em frente à padaria Abelha Gulosa) GUANABARA BANCA DO DIRCEU - Rua Oliveira Cardoso, 62 BANCA ITAMARATI - Rua Eng. Cândido Gomide, 287 IGUATEMI LIVRARIA CULTURA (Shopping Iguatemi) PARQUE IMPERADOR BANCA CARREFOUR - Rodovia Dom Pedro I PROENÇA BANCA DO ROBERTO - Av. Princesa D’Oeste, 994 SANTA GENEBRA BANCA SANTA GENEBRA Avenida Pamplona, s/nº SOUSAS AVIS RARA Rua Rei Salomão, 295 BANCA RICCO PANE Avenida Antônio Carlos Couto de Barros, 871 TAQUARAL BANCA DO EDUARDO - Rua Thomaz Alva Edson, 115 BANCA TAQUARAL - Rua Paula Bueno, 1.260 VILA ITAPURA BANCA SACRAMENTO - Rua Eng. Saturnino Brito, s/nº VILA NOVA BANCA VILA NOVA - Av. Imperatriz Leopoldina, 100

HOLAMBRA

CENTRO BANCA RUTH - Rua Candelária, 1 CINE CAFÉ - Shopping Jaraguá (Rua Humaitá, 773)

ESPAÇO TERRA VIVA - Avenida Rota dos Imigrantes, 605

JARDIM CALIFÓRNIA BANCA DO JANUBA - Praça Renato Villanova

BANCA MOTTA PAULISTÃO - Rua Luis Camilo de Camargo, 332 (estacionamento supermercado Paulistão)

VILA NOSSA SENHORA APARECIDA PANIFICADORA A-REAL - Rua Candelária, 1.828 SAÚDE NATURAL - Rua Candelária, 1.751 VILA VITÓRIA BANCA DO JAIR - Rua Humaitá esq. Av. Pres. Vargas PADARIA GIANINI - Avenida Presidente Vargas, 472 VILA SUÍÇA PADARIA SUÍÇA - Rua Pedro de Toledo, 1.855

HORTOLÂNDIA

VALINHOS em todas as bancas da cidade

VINHEDO* EMPÓRIO JF - Avenida dos Imigrantes, 575 (Jardim Itália) LIVRARIA NOBEL - Avenida Benedito Storani, 111 * e em todas as bancas da cidade


20

JORNALZEN

JANEIRO/2014


Jornalzen Janeiro 2014