Cenário 13 edição agosto 2009

Page 1

Município está em alerta para a gripe suína Quatro pessoas apresentam estão sob observação; homem que estava internado recebeu alta ontem depois que exame para a doença deu negativo

Funcionários da UBS usam máscara para evitar contágio da doença

Duas mulheres (de 21 e 25 anos) e duas crianças (de 9 e 11 anos) encontram-se em isolamento domiciliar sob observação da equipe médica de saúde do município porque apresentaram os sintomas de síndrome gripal (febre, tosse, dor e dispneia ‘falta de ar’). O procedimento é uma recomendação do Ministério da Saúde. Ontem um morador do município recebeu alta depois de passar três dias internado no hospital Nestor Goulart Reis, em Américo, referência na região para o tratamento da gripe H1N1, mais conhecida como gripe suína. O exame para a doença foi negativo. “Os sintomas são parecidos com a gripe comum, por isso recebemos orientação para encaminhar pacientes com este quadro para isolamento domiciliar e mantê-los em observação”, explica a enfermeira Isabela Galli Baroni. Os quatro suspeitos em isolamento não se enquadram no grupo de risco formado por

gestantes, hipertensos, crianças com menos de dois anos, obesidade mórbida e idosos acima de 60 anos, em que é maior o número de óbitos pela doença. Adultos com suspeita da gripe H1N1, que é transmitida por contato direto com secreções de pessoas infectadas, devem permanecer em isolamento domiciliar por sete dias. Já com relação às crianças, a recomendação é de quatorze dias. Os pacientes em isolamento são orientados a utilizar máscaras, permanecer em locais arejados e beber bastante líquido, além de separarem utensílios pelos quais entrem em contato e não manusear alimentos. Toda a família do paciente também deve utilizar máscara, que deve ser trocada a cada três horas. De acordo com a enfermeira Laís Cristina Gasparini, os exames para confirmar a doença serão realizados somente em pessoas cujos sintomas não desapareceram no período de isolamento.

“Está sendo feita uma triagem porque os laboratórios não estão dando conta da demanda”, destaca. Segundo ela, os exames levam cerca de cinco dias para ficarem prontos. Quando confirmada a doença, é realizado tratamento com o medicamento chamado Tamiflu, existente somente nos hospitais de referência. O índice de morte pela gripe suína é considerado baixo, com menos ocorrência do que a gripe normal. Segundo dados do Ministério da Saúde, 95% dos casos são curados sem maiores problemas. Em 4,5% existem algum tipo de complicação. Apenas 0,5% evoluem para um quadro de óbito. De acordo com o secretário municipal da saúde, Márcio Contarim, o município está preparado para enfrentar a gripe. “Estamos com todos os equipamentos e materiais necessários e já reservamos uma sala para os pacientes que apresentarem os sintomas”, relata. Além disso, segundo o secretário, estão sendo realizadas reuniões periódicas para conter o avanço da gripe. A equipe de saúde também já realizou palestras de orientação com comerciantes, professores, funcionários públicos e policiais. Suspensão das aulas

O retorno das aulas na rede de ensino municipal e estadual em Motuca foram suspensas na semana passada por recomendação da Secretaria de Saúde do Estado. A data passou de três para dezessete de agosto. “O procedimento é uma forma de evitar a propagação da doença”, explica Contarim. “Também é muito importante que as pessoas evitem aglomerações e venham à Unidade Básica somente quando apresentarem os sintomas”.


Cenário

um serviço de utilidade pública

Os desafios do desenvolvimento sustentável O projeto “Motuca, a cidade da Agroecologia” é maior do que se imaginava. Chega a extrapolar os limites do município. A ideia está sendo tão bem acolhida, não apenas por setores ligados ao Partido dos Trabalhadores (PT), como também por órgãos técnicos como Embrapa e Itesp, que já se cogita a presença do presidente Lula na inauguração da Usina de Biodiesel, ainda sem data definida. A Usina de Biodiesel, alías, é uma peça fundamental do projeto, mas não a única. A principal proposta é apresentar Motuca como uma referência na prática do desenvolvimento sustentável, que significa crescer economicamente respeitando o meio ambiente. O conceito é valorizado na atual sociedade, cada vez mais convencida de que a sustentabilidade é uma questão de sobrevivência. Não é para menos. As mudanças climáticas acionaram o alerta de perigo e, se não houver uma mudança de comportamento, as gerações futuras serão fatalmente prejudicadas. A sustentabilidade por si só, no entanto, não oferece garantias de sucesso. Grandes ideias

trazem grandes transformações e a dimensão do projeto é proporcional à dificuldade de execução. Um dos principais entraves é o sistema capitalista, mais precisamente o lucro. O biodiesel, uma das bandeiras do governo federal, até o momento, não surtiu o efeito esperado. Segundo a proposta, a tecnologia que será empregada na indústria a ser instalada em Motuca reduz consideravelmente o custo de produção, o que torna o projeto viável. Este é um ponto chave, pois se os agricultores não observarem benefícios em seus bolsos, deixarão de produzir. Como exemplo, é possível citar os programas de desenvolvimento sustentável criados por Chico Mendes, mártir das lutas ambientais. Atualmente, perderam a essência e estão dando lugar à criação de gado, mais fáceis e lucrativos. Exemplo parecido pode ser observado aqui mesmo, em Motuca, com a inserção da cana no Assentamento Monte Alegre. Outro desafio, tão grande quanto, é mobilizar a sociedade motuquense. O município não possui boas experiências com cooperativas, muito menos em par-

Página 02

EDITORIAL ticipação popular, fatores que podem prejudicar o êxito da proposta. Também é crucial que o governo mude alguns conceitos. Tão importante quanto oferecer entretenimento à população, é necessário despender o mesmo esforço no fomento às atividades culturais, essenciais para o desenvolminto intelectual da população. A educação ambiental surge com investimentos na conscientização. Para Motuca ser referência no desenvolvimento sustentável deve, prioritariamente, solucionar alguns problemas pontuais como o abandono e maltratos de animais, programas de reciclagem de lixo doméstico e industrial, além de uma política ambiental austera e participativa. Certamente, com isso, Motuca será uma cidade modelo não só para o país como também para o mundo.

Participe das discussões da nossa cidade. Envie sua opinião, crítica ou sugestão para o Cenário pelo e-mail: cenarioregional@gmail.com

edição anterior

Vários participantes acertaram a pergunta do Desafio Cenário, da edição anterior, ao respoderem que o nome da rua mostrada na foto acima é a São João, principal da cidade. Com isso, foi realizado sorteio na Farmanina, com presença do farmacêutico Gerson Donini de Lima e de Yolanda da Silva Chiquitani. Os sorteados foram: Geovana de Cássia Muniz, que ganhou um corte e hidratação de cabelo oferecido pela Silvia Cabeleireira; Renan Gonçalves Mazzi, que ganhou uma pizza da Lanchote do Levi; e Eliana Gouvêa, que irá saborear uma deliciosa massa oferecida pela Magno Massas. Todos os vencedores receberão um cupom para terem direito aos prêmios.

Esta foto comemorativa mostra os formandos de 1969. O Desafio Cenário deste mês pergunta qual o nome do prédio onde foi realizado o evento. Deposite a resposta nas urnas que se encontram na Farmanina e no Supermercado Santa Mônica. O vencedor em primeiro lugar ganhará uma pizza oferecida pela lanchonete do Levi, o segundo vencedor ganhará um corte e hidratação no salão de beleza Silvia Cabelereira e o terceiro lugar ganhará uma bandeja de Sofioli 4 queijos da Magno Massas. Haverá sorteios para classificação dos acertadores. Fábio Falvo e Maria Angélica EXPEDIENTE Jornalista: Jairo Figueiredo Falvo, MTB 44.652/SP Repórter: Gabriela Marques Luiz Colaboradores: Fábio de Mello Falvo, Maria Angélica dos S. Mendes, Angela Regina Santos Tiragem: 1.000 exemplares Circulação: Motuca Impressão: Jornal Folha da Cidade - Araraquara Telefone: 16 3348 11 85 - 8141 9125 e-mail: cenarioregional@gmail.com


Cenário

um serviço de utilidade pública

Página 03

Tecnologia dá sustentação à usina de biodiesel Baixo custo de produção e característica “flex” torna o projeto viável, segundo coordenador A equipe envolvida na criação da usina de biodiesel, componente principal do projeto “Motuca, a cidade da Agroecologia” aposta na tecnologia desenvolvida pela empresa Bio Petro como fator para sua viabilidade. Situações como o alto custo de produção e a pequena receptividade do mercado frearam a produção do combustível renovável no Brasil, mesmo com apoio determinante do governo federal. Atualmente, existem cerca de 70 plantas construídas no país, conduzidas, em grande parte, pela estatal Petrobras. Em junho, passou de 3% para 4% a mistura obrigatória de biodiesel no óleo diesel convencional. “Se não tivéssemos conhecido esta tecnologia, se tornaria inviável”, destaca o idealizador e coordenador do projeto Sérgio Gonçalves Dutra, ex-secretário de agricultura de São Carlos. Dutra atua por meio da Assessoria Inovas, de São Carlos, contratada pela prefeitura de Motuca para o desenvolvimento da proposta. Segundo ele, a pequena indústria (pode ser instalada num espaço de 20 mil m2) desenvolvida pela Bio Petro, produz biodiesel com baixo custo e é

compatível com diferentes matérias primas (Flex). “Além de quaisquer plantas leguminosas, é possível utilizar banha de porco e óleo de cozinha”, aponta. “Basta fazermos alguns ajustes e adaptações”. De acordo com o projeto, a indústria, com capacidade para produzir seis bilhões de combustível por ano, será gerenciada por uma cooperativa. A matéria prima será produzida por agricultores familiares da região central do estado. Dutra revela que será necessária a adesão de pelo menos dois mil produtores para que o projeto tenha êxito. No Assentamento Monte Alegre, pertencente à Motuca, moram cerca de 250 famílias. O Crambe é a cultura observada como uma das mais apropriadas para o cultivo no município. “Ela possui aproximadamente 40% de óleo, é de fácil cultivo e não compete com as plantas comerciais como a cana, pois pode ser cultivada na entressafra”, destaca Dutra. “E ainda sua massa pode utilizada como um sub produto, direcionada para a ração animal”. O assessor também apon-

Projeto abrangerá diferentes culturas Atividades serão voltadas para a agricultura familiar de forma sustentável O projeto “Motuca, a cidade da Agroecologia” prevê, além da produção de energia renovável, o desenvolvimento sustentável de agricultores familiares da região por meio de atividades como piscicultura, hortifruticultura e produção de leite. Os trabalhos serão desenvolvido de forma a agregar valor aos produtos como embalagens à vácuo e fabricação de poupas. O gerenciamento será realizado por meio de uma cooperativa. De acordo com o Secretário de Desenvolvimento Econômico, Agricultura e Meio-Ambiente Jair dos Santos, nomeado para a pasta no mês passado, o município possui grande potencial para a agricultura familiar. “Temos terras produtivas e riqueza de água no Assentamento”, relata. “Os produtores querem alternativas rentáveis para terem qualidade de vida”. Segundo o secretário, será feito um trabalho para que Motuca seja referência no conceito de desenvolvimento sustentável. “Não iremos

pensar em pontuação, mas em qualidade de vida, o alcance das primeiras posições para o desenvolvimento sustentável será uma consequência”, acentua. Recursos

De acordo com o assessor Carlos Augusto Bellintani, do deputado federal João Paulo Cunha (PT), cinco deputados do partido estão apoiando o projeto, além da Embrapa e Ministérios da Agricultura, Desenvolvimento Agrário e Ciência e Tecnologia. “O governo federal quer que esta ideia dê certo porque envolve biodiesel e assentamento, duas coisas que o presidente Lula gosta muito”, destaca Bellintanti, que exerceu por oito anos cargo de prefeito em Dobrada-SP. Segundo ele, os recursos estão politicamente negociados, mas ainda não foram direcionados. “Dentro de um mês inicia o período de emendas parlamentares, o que facilita a alocação de recursos”.

ta o pinhão manso e a soja como outras alternativas, além do óleo de cozinha, a partir da reciclagem realizada por famílias do município. Caminho sem volta

O coordenador técnico Mauro Geraldo Cavichioli, do Instituto de Terras do Estado de São Paulo (Itesp), da regional de Araraquara, apoia o projeto. “Temos que apostar, pois a questão dos combustíveis renováveis é um caminho sem volta, embora hoje os custos de produção dificultam a expansão”, Segundo ele, investimentos em tecnologia como em melhorias de variedades e rendimento do óleo podem fortalecer o biodiesel. “Temos que acreditar nesta iniciativa, pois os avanços estão acontecendo e quem sair na frente, futuramente, terá retorno”.

Sérgio Dutra, coordenador do projeto, foi secretário de agricultura de São Carlos


Cenário

um serviço de utilidade pública

Página 04


Cenário

um serviço de utilidade pública

Lei exige maior rigor na atuação do Conselho Tutelar Inscrições para o processo seletivo terminaram dia três; eleição será dia vinte de setembro No último dia três terminaram as inscrições para o processo seletivo que definirá os candidatos que participarão da eleição para o conselho tutelar. As pessoas consideradas aptas a atuar no órgão passarão por mais duas etapas. No dia dezesseis deste mês farão uma prova escrita e no próximo dia 25 entrevista com psicólogo. Os que forem aprovados no processo seletivo estarão habilitados a concorrer ao cargo. A eleição será dia 20 de setembro. Serão escolhidos, pelo voto direto de eleitores do município, cinco conselheiros efetivos e cinco suplentes para um mandato de três anos, com carga horária de 36 horas semanais e salário de R$ 679,02, equiparado ao da referência 01, do funcionalismo municipal. Ao contrário das últimas eleições, quando os eleitores poderiam votar em até cinco candidatos, a escolha agora será direcionada para apenas um deles, conforme projeto de lei aprovada em maio pela Câmara, que disciplina a política municipal de atendimento aos direitos da criança e ao adolescente. O projeto foi enviado pela Promotoria da Infância e Juventude do Fórum de Américo Brasiliense, com o objetivo de equiparar a política de Motuca aos municípios de Américo, Santa Lúcia e Rincão, também atendidos pela promotoria. “É uma lei mais avançada, com vários pontos que não eram expostos de maneira clara”, explica o promotor Carlos Alberto Melluso Junior. Uma das principais mudanças na legislação é a exigência de maior rigor na atuação dos

membros do Conselho Tutelar. “É obrigação do órgão estar sempre atuante, cobrando do poder público e da sociedade as práticas que violem os direitos da crianças e do adolescente”, destaca Melluso. De acordo com a lei, o conselheiro tutelar pode “perder o mandato por ação ou omissão no exercício de suas atribuições”, ou seja, caso pratique ato irregular ou deixe de cumprir suas obrigações regimentais ele pode ser afastado do cargo. O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente de Motuca (CONCRIAMO) será o responsável pela apuração das acusações e abertura do processo administrativo. “O Conselho sempre teve uma boa atuação, servindo de ponte entre o Conselho Tutelar, executivo municipal e promotoria, mas com a lei ele terá um papel muito mais importante”, destaca Onilda Mariana Figueiredo, ex-presidente do Conselho, cujo mandato terminou no mês passado. No dia 22 de junho foram definidos, em Assembleia Geral, os membros que atuarão no CONCRIAMO pelos próximos dois anos. A legislação também reduziu o número de componentes do Conselho, de 18 para 10, sendo cinco representantes do poder público e cinco da sociedade civil. Segundo a presidente eleita Azuleide Luzia Martins Schravinato, é fundamental que sejam eleitos no Conselho Tutelar pessoas comprometidas com o bem-estar da criança e do adolescente. “O conselheiro tem que ser atuantes e trabalhar para que os proble-

mas que atingem os jovens sejam solucionados”, destaca. Capacitação

De acordo com a conselheira Simara Aparecida da Silva, a mudança na legislação trará melhorias na atividade do órgão. “Acredito que foi um avanço e que irá melhorar o atendimento nos casos que envolvem os menores”, relata Simara, que está no segundo mandato. A conselheira Roseli Vizentin Rabachini aponta benefícios, mas também considera importante que o município invista em programas de capacitação. “Deveríamos estar sempre nos reciclando, pois é uma atividade que requer a busca constante de conhecimento”, afirma. O Conselho Tutelar é um órgão público vinculado ao executivo municipal que atua na proteção à criança e ao adolescente, no que tange a integridade física, moral ou psicológica. O atendimento, geralmente, é realizada por meio de denúncias, anônimas ou não. As pessoas que presenciarem ou souberem de algum fato que prejudique um menor deve entrar em contato com os conselheiros pelo telefone 3348 17 10 (8:00 às 18:00 horas) ou em plantões noturnos, domingos e feriados pelo número de celular das conselheiras, que pode ser adquirido na Polícia Militar e Unidade de Saúde.

Página 05


Cenário

um serviço de utilidade pública

Souza pretendia ser transferido para Motuca PM morto em serviço no dia 19 de julho queria ficar mais próximo da família

O Policial Militar Paulo Roberto de Souza Junior, de 28 anos, assassinado pelo tio de um suspeito de furto de botijão de gás, no dia 19 de julho, em Rincão, iria solicitar transferência para Motuca, onde morava com a esposa e os dois filhos, um de oito anos e um bebê de quatro meses. Souza já tinha sido transferido da cidade de Atibaia-SP. para a região há dois meses. Após luta corporal, o assassino retirou a arma de Souza e desferiu quatro tiros contra ele, que não suportou a gravidade dos ferimentos e faleceu depois de receber os primeiros socorros. Um policial que o acompanhava baleou o homicida, que se encontra internado. Os três envolvidos no crime, incluindo um menor, foram detidos. O acontecimento chocou a PM. Segundo a ouvidoria da Policial Militar, há cinco anos um policial não era morto em serviço na região. O enterro, realizado

em Motuca, foi acompanhado por diversas corporações da polícia, com homenagens como marcha fúnebre e salva de tiros. “Recebi informações de que ele gostaria de trabalhar aqui, para ficar mais próximo da família, mas não deu tempo de conversar comigo”, relata o comandante Marcílio de Souza Ortiz Júnior, da Polícia Militar de Motuca. Fatalidade

O comandante Ortiz considera uma fatalidade o que ocorreu com Souza. Ele explica que todo ano é realizado programa de requalificação profissional, além de instruções e cursos periódicos para que o policial esteja sempre preparado diante das abordagens. “Os profissionais estão a todo momento sendo capacitados para enfrentar as diversas situações de risco”, aponta. De acordo com Ortiz, policiais sofrem mais perigo quando se deparam com pessoas de menor perfil criminoso, “em situações de resistência, desobediência e desacato”, aponta.

2º Motucar Fest arrecadou 900 quilos de alimentos Grabriela Marques Luiz

A 2ª edição do Motucar Fest, realizado no último dia 12, atraiu cerca de mil pessoas e arrecadou 900 quilos de alimentos não perecíveis, além de 84 agasalhos. Os alimentos e as roupas foram doados ao Fundo Social de Solidariedade. O evento atraiu 45 competidores nas categorias som, rebaixados e tuning. Em cada categoria havia várias modalidades. A competição é evento fixo no município e acontece todo mês de julho. Os destaques de Motuca neste ano foram: Jhonatan Donizete Mendonça - 1º lugar Pancadão 2 auto falantes; Alex Melo - 3º lugar Pancadão 2 auto falantes; Fábio Donizete Paiva - 1º lugar Rebaixado roda 14 passeio; Leonardo Delnarimato - 1º lugar Passeio com mola 14; Tiago Jesus Bonifácio - 1º lugar Passeio sem mola 16; Claudinei Ferreira - 2º Passeio com suspensão de rosca 14.

Página 06 Festa Julina atraiu 3 mil pessoas Com várias apresentações de dança da cidade e região, a tradicional Festa Julina de Motuca atraiu cerca de três mil pessoas nos dois dias de evento, 17 e 18 de julho. Destaque para as quadrilhas da terceira idade do município e de Dobrada, Folia de Reis do Assentamento e os shows com Jair Supercap Show e Dani e Danilo. Havia grande variedade de comidas e bebidas, além de brincadeiras típicas. Todo o dinheiro arrecadado na festa será dividido em partes iguais entre as escolas e o Fundo Social de Solidariedade (G.M.L)


Cenário

um serviço de utilidade pública

Vianna Confecções registrou 90% das funcionárias como aprendiz Cinco, das cinqüentas funcionárias contratadas pela empresa, estão trabalhando como costureiras

Dos 50 funcionários contratados para trabalhar na Viana Confecções, cinco estão registrados como costureiros e os outros 45 como aprendiz. A empresa realizou treinamento com aproximadamente 80 pessoas em sete meses e iniciou as atividades em junho deste ano. O total de funcionários em atividade corresponde ao compromisso firmado com a prefeitura para a concessão do espaço físico, com capacidade para abrigar até 120 trabalhadores. Algumas pessoas se desligaram da empresa, por discordar da condição de aprendiz. Em entrevista ao Cenário, em junho de 2008, o empresário Ismael Sabino Vianna afirmou que a empresa teria condições de capacitar funcionários em até seis meses e que teria potencial para contratar até 300 pessoas. Segundo ele, a empresa está trabalhando com baixa produtividade, o que impossibilita o registro de todos os funcionários como costureiro. “Ainda estamos aquém daquilo que é necessário para manter a empresa funcionando”, relata. “Estamos tirando recursos de nossas outras empresas e investindo aqui, apostando no futuro do negócio”. De acordo com Viana, o rendimento no trabalho determina a condição do funcionário. “A questão do registro leva em conta as habilidades que a pessoa desenvolver. Isso pode ser num período curto ou longo dependendo de sua capacidade motora”. Treinamento

Uma ex-funcionária da Viana, que não quis se identificar porque teme prejuízos com relação a trabalhos futuros,

revela que, mesmo no período de treinamento, existia pressão para que houvesse produção. “A gente trabalhava num clima muito ruim, tínhamos que cumprir prazos e produzir quantidades determinadas com um cronômetro em cima”. Ela relata que, juntamente com mais cinco pessoas, entrou com processo trabalhista contra a empresa por desempenhar função diferente da que estava condicionada. A instrutora Cleusa de Oliveira Mendes, da Viana Confeccões, afirma que não há pressão e que as atividades direcionadas às aprendizes são diferentes das costureiras. “A gente escolhe as operações mais fáceis para os aprendizes e procuramos trabalhar em parceria, pois ninguém gosta de ser maltratado”. Cleusa conta que o tempo de transição de aprendiz para costureiro depende da pessoa. “Pode levar de seis meses há um ano” aponta. Segundo a instrutora, as pessoas que estavam em treinamento recebiam valores mensais de acordo com a produção. A funcionária Maria Aparecida Peixoto Faria, concorda com sua posição de aprendiz. “Acho que ainda não estou preparada e preciso de um tempo para adquirir mais experiência”. De acordo com o presidente Charles César Quintiliano, do Sindicato dos Trabalhadores das indústrias de Vestuário de Motuca, não há irregularidade no registro como aprendiz. “A legislação permite. Nosso advogado conversou com as funcionárias, que na ocasião concordaram”. Quintiliano conta que não chegou nenhuma reclamação até ele. “O pessoal não procura a gente, pois possuem algum temor, mas é muito importante esta postura para que possamos sentar com os empresários e solucionar algumas divergências”, acentua.

Página 07

Curso de costura iniciará neste mês Objetivo é capacitar profissionais para atuarem nas empresas de Motuca zagem é demorado, leva de três a seis meses, por isso estamos com o pé no chão para crescemos sem ter que dispensar depois”, destaca. Oportunidade

Marcela já realiza treinamento há um mês

O Sindicato dos Trabalhadores das indústrias de Vestuário de Motuca, juntamente com as empresas Comércio e Confecções Motuca e Viana Confecções, com apoio da prefeitura Municipal de Motuca, iniciam neste mês curso de capacitação de costureiros. Estão sendo formados quatro grupos de 27 alunos, com duas horas de curso para cada um. No final do treinamento, os participantes receberão certificados. As aulas serão ministradas pela funcionária pública Maria do Carmo de Oliveira, vereadora do município. Mais de 150 pessoas, segundo Maria, já realizaram inscrição para participar do curso. “As que forem consideradas aptas serão imediatamente direcionadas para as empresas”, afirma. Maria revela que a prefeitura estuda a possibilidade de criar uma cooperativa para absorver os costureiros que não forem contratadas pelas empresas. O empresário Sandro Ricardo Lima, da Comércio e Confecções Motuca, possui aproximadamente 50 funcionários. Ele declara que existe projeto para chegar a 80 até o final do ano. “Temos consciência que o processo de aprendi-

Marcela Gomes, 25, faz treinamento há um mês com Maria do Carmo, na casa da instrutora. Ela conta que ainda não está preparada. “Prefiro praticar mais um pouco para obter mais confiança”, relata. Assim que iniciar o curso, suas aulas serão transferidas, continuando seus estudos. “Esta é uma ótima oportunidade para entrarmos no mercado de trabalho”, destaca.


Cenário

um serviço de utilidade pública

Página 08


Cenário

um serviço de utilidade pública

Página 09


Cenário

um serviço de utilidade pública

Na Área...

Página 10

Cantar e escrever são os talentos de Marielle Legramandi Falvo, 17 anos, e Marina Vieira Alves, 16 anos, respectivamente. Ambas são estudantes do 2° colegial e nos contam sobre a importância da arte em suas vidas.

Espaço Jovem Gabriela Marques Luiz valor”. Para ela, é o público que faz o artista. “Não adianta você cantar bem se as pessoas não compram seu CD. Sempre e sempre eu agradeço meu público pelo carinho”. A decepção de Marina aconteceu no teatro. “Muitas pessoas atrapalhavam nossos ensaios, falando mal, para nós escutarmos”. Mesmo com esses momentos desagradáveis, ela não desistiu. “Apresentei uma peça para Motuca inteira”, lembra. Incentivo

Para Marielle, o incentivo vem de todos os lugares: família, amigos e até de desconhecidos. “Mas o maior incentivo e carinho vem do público”, afirma. Já o incentivo principal para Marina é da família. “Ela que nos diz vai em frente, você consegue. Porque muitas vezes você pode pensar em desistir, mas aí vem a família e te segura”.

As talentosas artistas de Motuca Marielle e Marina A arte Talento nato

Com aproximadamente 10 anos de idade, Marielle e Marina descobriram a arte em suas vidas, incentivadas por suas famílias. “Minha mãe me influenciou muito, porque ela tocava violão e cantava para mim quando eu era pequena”, conta Marielle, que canta profissionalmente desde os 10 anos e possui composições próprias em seu repertório. “Eu tive muito apoio para seguir carreira na música”, destaca. Marina é uma jovem multicultural. Além de escrever contos e poesias desde os 9 anos, e ganhar muitos prêmios com eles, é apaixonada por teatro, além de já ter iniciado na pintura. “Minha avó sempre pedia que eu participasse de concursos de poesias e contos”, lembra. “Desde essa época, não parei mais”. Realizações

Marina já conquistou vários prêmios em concursos de poesias e contos. “Somente pelo jornal Folha de São Paulo foram seis”, aponta. No último pelo qual participou, levou para casa uma bicicleta. Ela também se destaca com lápis e papel. “Venci um concurso de desenho realiza-

do por um cooperativa de Guariba”. Além das apresentações nos shows, Marielle teve um grande sonho realizado: a gravação de um CD, em 2007. “Meu professor era maestro e ofereceu seu estúdio para que eu gravasse”. Este era o grande sonho da jovem cantora. “Eu havia planejado o CD desde o início da carreira. Aí surgiu a oportunidade e eu agarrei”. Decepções

“Minha maior decepção é a desvalorização do público”, afirma Marielle, que completa. “Você tenta passar alguma coisa legal para as pessoas e muitos não dão

Marina acredita que através da arte as pessoas conseguem transmitir o que querem. “Você pode acabar influenciando o público, principalmente despertando a arte que cada um tem dentro de si”. Para ela, “muita gente não se torna artista por um tipo de receio de que as outras pessoas não as aceitem”. Para Marielle, o importante é que cada um se encontre no seu mundo artístico. “A arte na minha vida proporciona um efeito mágico”, ressalta. “Quando sinto o carinho do público, os aplausos, aquele alvoroço, é mágico”, afirma. “A arte é improviso, emoção, mágica, é tudo. Ela me proporciona um efeito

maravilhoso”. Como escreve muitas histórias, Marina tem que ter “a mente de um vilão e também a de um mocinho”. Segundo ela, é difícil ter que entrar em dois personagens para conseguir criar uma boa história. No teatro, não é muito diferente. “Você esquece sua personalidade e se transforma naquele personagem, naquela hora. É muito interessante”. Arte em Motuca

Marielle acredita que ainda falta um pouco de atividades relacionadas à arte em Motuca. “Aqui precisa de um curso de teatro. Eu adoraria fazer”. Para ela, faltam também apresentações de peças teatrais na cidade. Mas a cantora também tem elogios. “Eu acho incrível o trabalho do maestro Rubens na banda de sopro”, conta. Marina considera que a área cultural da cidade está muito boa. “Tem alguns cursos e algumas oficinas bem legais”. Para a escritora, o que falta é mais divulgação das atividades. “Às vezes tem algumas coisas e pouca gente fica sabendo”. E completa. “Quanto ao resto, há incentivo e está bom”.


Cenário

um serviço de utilidade pública

O poder da arte Atividades artísticas estão cada vez mais sendo utilizadas como auxílio no tratamento de doenças “Com a criação de uma rotina, elas desenvolvem mecanismos para se afastar dos problemas”. Segundo Mariane, para que a atividade tenha resultados, é fundamental que seja prazerosa. “É necessário fazer um diagnóstico para saber quais são as habilidades e o histórico do paciente, antes de orientá-lo a participar de algum trabalho”. Uma das principais dificuldades de quem possui algum tipo de problema psíquico é conseguir se expressar. Segundo a psicóloga Edinalva Santana, a arte tem o poder de revelar sentimentos retraídos O artesanato mudou a vida de Marilene ou bloqueados. “Geralmente, s efeitos terapêuticos da arte quando uma pessoa tem um problema são comprovados cientifica- psíquico, ela possui dificuldade de lidar mente. Realizar atividades com as emoções”, afirma. “Por meio como dançar, cantar e atuar condicio- de atividades como artesanato, pintura, nam nossa mente a liberar substâncias música e poesia, elas conseguem dar que nos dão prazer. Por este efeito, é vasão aos sentimentos, coisa que dificrescente o número de pessoas que bus- cilmente falariam diretamente”. Sandra Mendes, coordenadora da cam encontrar na cultura o melhor remédio para ajudar no tratamento de do- cultura do município, revela que já preenças, principalmente para aliviar ten- senciou vários exemplos de pessoas que sões psicológicas e psiquiátricas. Existe reverteram casos graves de doenças até uma profissão, a terapia ocupacional, com a participação nas atividades. “É que trabalha a recuperação de algum tipo incrível como a arte ajuda as pessoas a de transtorno por intermédio das mani- se recuperarem”, destaca. “Tem gente que chegou aqui totalmente desinteresfestações artísticas. “É uma forma das pessoas se organi- sada e apresentou melhoras significatizarem internamente”, explica a terapeuta vas”. Segundo Sandra, não é raro que ocupacional Mariane Goldbaum Calil. incorporem a atividade em suas vidas.

O

“Muitos descobriram um talento até então desconhecido e não parou mais”. Artesanato

É o caso da dona de casa Marilene Moreira da Silva. Por orientação médica, iniciou curso de artesanato no município, para ajudar no tratamento de um estado depressivo. “Eu só tinha vontade de dormir e sofria de uma tristeza muito grande”, lembra. “Ao manter minha mente e mãos ocupadas, não penso nos problemas e tenho uma qualidade de vida melhor”. O artesanato fez tão bem para ela, que passou a ter um papel de destaque em sua vida. “Eu não consigo parar de criar”, diz Marilene, que recentemen-

Página 11

te conseguiu certificado para atuar profissionalmente como artesã e comercializar produtos como vasos e aromatizantes de ambientes em várias feiras da região.


Cenário

um serviço de utilidade pública

Página 12

Melluso: Conheci pessoalmente os dois projetos, que considerei bons. Em minha opinião, devem ser mantidos e até ampliados. Projetos como estes são uma alternativa ao uso de drogas e más companhias.

Carlos Alberto Melluso Junior, promotor da infância e juventudade

De acordo com o promotor da infância e juventude Carlos Alberto Melluso Junior, do fórum de Américo Brasiliense, que abrange as cidades de Motuca, Santa Lúcia e Américo, os governos deveriam investir mais em trabalhos preventivos como campanhas de conscientização e projetos sociais com o objetivo de afastar a criança e o adolescente do vício e da criminalidade. Para ele, o estado, juntamente com a sociedade e, fundamentalmente, a família, possuem responsabilidade na formação dos jovens. Melluso concedeu a seguinte entrevista ao Cenário. Quais são os principais problemas envolvendo crianças e adolescentes em Motuca? Melluso: Não vejo problemas sérios. A cidade passa por um momento difícil, com

o fechamento da usina, que pode acarretar em prejuízos sociais, chegando a afetar os menores. Existem problemas com o uso de entorpecentes. Acredito que deveria ser feito uma campanha preventiva para evitar o uso de drogas. Trabalhar com mais força a questão educacional, ensinando os preceitos éticos para que os jovens saibam o que é certo e o que é errado. A sociedade tem que oferecer condições para que eles tenham uma formação psicológica adequada. Como o senhor observa a formação dos jovens na sociedade? Melluso: A responsabilidade pela preservação dos direitos da criança e do adolescente

não é só do estado, mas também da sociedade e, acima de tudo, da família. Como diz o ditado, a educação vem de casa. Também considero muito importante a orientação religiosa, independente qual seja, para que as pessoas tenham enraizados os preceitos éticos. E quando existe uma desestrutura familiar? Melluso: Evidentemente que questões como alcoolismo e uso de drogas na família

são, na maioria dos casos, a base dos problemas que atingem os jovens. Em minha opinião, o estado tem que intervir nestas situações, orientando e cobrando dos pais um comportamento mais adequado em relação aos filhos. Uma família bem estruturada, mesmo com dificuldade econômica, consegue educar os filhos com maior responsabilidade. Os governos também devem oferecer mais alternativas. Além da educação de qualidade, é preciso criar projetos culturais, esportivos e de lazer, assim como treinamento técnico para serem capacitados ao mercado de trabalho. Como o senhor observa os projetos sociais Caminho Certo e Semeando o Futuro, desenvolvidos em Motuca?

Em 2007 o senhor fez uma audiência pública em Motuca, advertindo adolescentes que estavam afastados da escola e chamando a atenção dos pais para o problema. Como está a evasão escolar no município, atualmente? Melluso: A situação, hoje, está equacionada. Temos feito acompanhamentos

semestrais. Quando chegam informações do Conselho Tutelar sobre algum aluno que está fora da escola ou com muita falta, eles são convocados na promotoria para advertência, juntamente com os pais. Acredito que está havendo uma conscientização da necessidade de permanecer na escola. Quais são as punições para os menores que praticam crimes?

Melluso: Quando o menor pratica um ato infracional ele está sujeito à medidas sócioeducativas, que possui duas características principais. A primeira é a reprimenda, para que ele seja responsabilizado pelo que fez. A segunda é a ressocialização, para que ele aprenda e não volte a infligir a lei. De acordo com a gravidade do ato infracional, o menor é punido com uma medida socioeducativa, que parte de uma advertência até uma sanção mais grave, que seria a internação. O ideal é agir na prevenção para que o menor não viole a lei.


Cenário

um serviço de utilidade pública

Os (muitos) benefícios de ter um animal de estimação Estudos apontam que a convivência com animais ajuda a sanar doenças como depressão e estresse muito. “Ela me faz companhia e proporciona muita alegria”, afirma. A cachorrinha é tão importante em sua vida que até seu celular ela trouxe, quando ele esqueceu em um banco de praça. “Ela achou meu celular e carregou na boca até em casa”, lembra. Benefícios

Osvaldo e sua companheira inseparável, a cadela Chulika Grabriela Marques Luiz

Há quatro meses, o aposentado Osvaldo Fontaneli tem uma companhia constante, que o protege e lhe dá toda a atenção e carinho: a cachorrinha Chulika, adotada por ele após aparecer em frente ao seu bar, “magrinha e até com as costelas aparecendo”, lembra. A história de Chulika é muito triste. Coincide com a de vários outros animais abandonados pelas ruas de Motuca. Ela foi rejeitada duas vezes, abandonada e maltratada na rua do bar de seu Osvaldo. Sua esposa, dona Guiomar, passou a ali-

mentar a cadela na rua, para que ela não morresse de fome. Mas Chulika acabou conquistando o casal. Agora é o mais novo animal de estimação da casa, junto com uma gata e uma tartaruga. A cachorrinha de estimação é totalmente apegada ao seu Oswaldo. Se alguém tocar nele de forma um pouco mais agressiva, Chulika começa a latir e ameaça morder. Também fica triste e chega a ficar sem comer quando seu dono não está em casa. “Ela sempre me acompanha e se eu saio escondido, ela me encontra”, relata. Não foi só Chulika que ganhou com essa relação. Seu Oswaldo também. E

Os benefícios da relação entre o homem e animal vão muito além de uma boa companhia. Até mesmo para sanar algumas doenças como depressão e estresse existem médicos que recomendam o contato com os bichos. Estudos comprovam que níveis de solidão e ansiedade são mais baixos em pessoas que possuem animais de companhia. A relação com o animais são benéficos para todas as pessoas mas, principalmente, para crianças e idosos. A criança aprende a respeitar o espaço do bicho e a convivência desperta seu lado mais sensível e carinhoso. Nos idosos, a diminuição da sensação de solidão e até a melhora de como lidar com a perda de um ente querido é apontado como alguns dos benefícios que os animais de estimação trazem. Em geral, essa relação faz com que as pessoas fiquem mais calmas, alegres e confiantes. De acordo com a psicóloga Ana Paula Alves de Lima Secco, a convivência com o animal de estimação contribui para um desenvolvimento emocional saudável. “Por meio dessa companhia podemos desenvolver a capacidade de amar, de ser afetuoso, de dar e receber carinho”. A psicóloga ressalta que o animal proporciona um contato verdadeiro, sincero e leal. “O fato de chamá-lo pelo nome, de conversar com ele, de acariciar e dar atenção nos condiciona a ter-

Página 13

mos uma melhor formação social”, destaca. Todos os benefícios para nossa saúde que o animal de estimação proporciona já seria motivo suficiente para tê-lo em casa. Mas ele oferece o sentimento mais importante do planeta: o amor. O amor incondicional. Observe como seu bichinho lhe recebe em casa depois de um dia de trabalho cansativo. Ou até mesmo quando você sai por apenas um minuto e depois retorna. Repare. Ele sempre vai lhe receber com tanta alegria, como se não lhe visse há várioss anos. O animal devota todo seu amor e fidelidade, mesmo que o dono não o trate com carinho e não ofereça a ele os cuidados necessários. Como disse Artur da Távola: “Animais são anjos disfarçados, mandados à Terra por Deus, para mostrar ao homem o que é fidelidade”.


Cenário

um serviço de utilidade pública

Artesãs de Motuca expõem em feiras da região O que começou como uma atividade para ocupar o tempo, tornou-se uma alternativa de renda

As amigas estão sempre presentes nos eventos realizados na cidade

Artesanatos feitos com bisqui, vasos, flores de meia de seda e E.V.A. Estes são apenas alguns exemplos dos trabalhos desenvolvidos por quatro artesãs do município, que já expõem em feiras da região. O que começou como uma atividade para ocupar o tempo, no curso oferecido gratuitamente pelo departamento de cultura de Motuca, passou a ser uma alternativa de renda para elas. “É um dinheiro que ajuda muito”, relata a artesã Roseli Aparecida Criste de Andrade, que cria, principalmente, flores de meia de seda. No dia das mães ela produziu aproximadamente 500 peças para a escola infantil, atendendo pedido de encomenda dos pais. “Tive que chamar minhas amigas para dar conta”, lembra Roseli, que ressalta a importância da atividade para sua vida. “Não vivo mais sem o artesanato. Se pudesse, só fazia isso”. A sergipana Magali dos Santos Santana, que veio para Motuca no final da década de 80, explica que cada artesã se especializou na confecção de um produto. “Desta forma a gente não cria

concorrência”. Magali ressalta a união e o companheirismo do grupo como fatores para a evolução dos trabalhos. “Todas são muito honestas e nos tornamos grandes amigas”, destaca a artesã, que produz lindas flores feitas em E.V.A., além de pintar e confeccionar vasos com papel jornal. Apoio

A artesã Edimerce Minalli já expôs várias vezes na feira que acontece todos os domingos em Guariba, utilizando condução própria. Em uma ocasião, a prefeitura disponibilizou veículo para o grupo comercializar seus produtos em Bueno de Andrada. “Seria importante que participássemos de mais feiras na região como em Matão, Ibitinga e Araraquara”, relata Edimerce. “É uma forma de levar o nome de Motuca para outros locais”. Já a artesã Marilene Moreira da Silva considera fundamental a disponibilização de um espaço físico para elas trabalharem. “Com isso, poderíamos crescer dentro do município”, aponta.

Página 14


Cenário

um serviço de utilidade pública

Ler: é só começar! Angela Regina Santos (Nê)

“O leitor que mais admiro é aquele que não chegou até a presente linha. Neste momento já interrompeu a leitura e está continuando a viagem por conta própria” (Mario Quintana) “... Preciso treinar meu português... Mas como? Não tenho condições...”. Estas palavras foram ditas a mim, em uma conversa com um adolescente, numa festa comemorativa de um sucesso esportivo, num final de semana em Motuca. Uma maneira de treinar nossa língua é lendo, pois a leitura aperfeiçoa a gramática e, consequentemente, escreveremos e falaremos melhor. A leitura desenvolve a criatividade, nos leva aos mais diversos e longínquos mundos, às suas milenares, interessantes e excêntricas culturas. Ao fantástico mundo imaginário. Leva-nos, também, à realidade antagônica, boa ou má,

é só escolher! Nós decidimos para onde e como queremos viajar, o que queremos sonhar e/ ou aprender. Então, vamos ler livros, textos, jornais e revistas – de boa qualidade. Os livros não precisam ser comprados, existem bibliotecas escolares e municipais. Basta apenas fazer um cadastro e pegar livros por empréstimo... E entrar no maravilhoso mundo da leitura. As Bibliotecas também possuem acervo de revistas e textos com assuntos específicos e jornais. Os jornais, além de nos levar as informações, nos dão conhecimento. O Cenário, por exemplo, é um jornal men-

sal e está ao alcance de todos, elaborado com muito esmero e qualidade, o que certamente será de grande valia para o início do seu desenvolvimento intelectual e cognitivo. Faça este exercício: leia o Cenário todo, tentando entender as palavras, seus significados e o contexto dos artigos. Você aprenderá, a cada mês, muito. E vai perceber que, gradativamente, seu vocabulário e sua capacidade de comunicação e de argumentação irão melhorar. Tenha sempre um dicionário ao seu lado. Se não for possível, assinale as palavras que você não sabe o significado, vá à escola ou à biblioteca e consulte o dicionário. “O dicionário é o pai das pessoas inteligentes”! É comum ouvir os jovens dizerem que não têm tempo para ler, mas é fácil conseguir este tempo. Uma hora diária de leitura é suficiente para fazer a diferença Então, desligue a TV, o MP3, desligue-se da turma por um pequeno período (para voltar cheio de novidades), levante uma hora mais cedo ou deite uma

Página 15 hora mais tarde. Assim como o corpo precisa de atividade física para crescer saudável, os neurônios precisam de atividade intelectual para fazer jus ao corpo sarado! Se você sabe ler, você é um privilegiado! Então não fique alienado, além da internet, inteire-se por completo, lendo livros e jornais. Os pais e a escola devem incentivar as crianças, desde pequeninas, a lerem. Os livros infantis, além de despertar a criatividade, levam ao prazer de ler.


Cenário

Página 16

um serviço de utilidade pública

Motuca tem melhor desempenho da história nos Jogos Regionais Município conquista quatro medalhas e duas equipes passam para a primeira divisão, classificando-se para os Jogos Abertos 2009

Equipe de vôlei feminino conquistou medalha de bronze na competição Grabriela Marques Luiz

O desempenho de Motuca no 53º Jogos Regionais do Interior 2009, em Franca, foi o melhor da história do esporte da cidade. Foram conquistadas quatro medalhas, duas modalidades subiram para a 1ª divisão e, pela primeira vez, Motuca disputará os Jogos Abertos. A equipe do município (composta por 94 pessoas,

entre atletas, comissão técnica, cozinheiras e motoristas) embarcou para Franca dia 14 de julho, para uma temporada de doze dias. A cidade disputou oito modalidades: xadrez masculino, futebol masculino sub-21, futsal masculino livre e feminino sub-21, vôlei masculino e feminino livre, vôlei de praia masculino e feminino livre. A primeira medalha veio através do xadrez masculino, após vencer quatro ci-

dades. Na final, perdeu para Guaíra e faturou a medalha de prata. Com o vicecampeonato, a equipe entra para a 1ª divisão da competição. Mesmo resultado foi alcançado pelo vôlei de praia masculino. Após deixar cinco equipes, o time chegou à final contra Guaíra e garantiu a segunda medalha de prata para Motuca. “Conquistar pela primeira vez uma medalha nos Regionais foi uma emoção muito grande”, revela o jogador Rodolpho Milani, que fez parceria com Markinho. O resultado leva a dupla para a elite, a 1ª divisão. Com o resultado, Motuca está classificada para os Jogos Abertos do Interior 2009, de 5 a 18 de outubro, em São Caetano do Sul, nas modalidades xadrez masculino e vôlei de praia masculino. Nesta competição, a disputa é entre as melhores equipes de todo o estado. Após conquistar o bronze na edição passada e subir para a 1ª divisão, o vôlei feminino conquistou novamente a medalha, só que dessa vez na elite dos Regionais. A equipe venceu grandes times, como Sertãozinho e Ribeirão Preto, mas não conseguiu manter a sequência de vitórias e perdeu para Franca nas semifinais. Na disputa pelo terceiro lugar, Motuca se recuperou, venceu Taquaritinga e se manteve na 1ª divisão. “A princípio, montamos um time para não passarmos vergonha, pois a 1ª divisão é muito forte.”, afirma o técnico, Marcos Rogério Luzia, o Markinho. Para ele, foi uma surpresa o resultado. “O desempenho foi muito joia, muito além do esperado”, analisa. A última medalha foi conquistada pe-

lo futsal feminino, que se classificou para as semifinais após vitória sobre Guariba e Brodowski. Na disputa pela vaga na final, a equipe perdeu de 1x0 para Gavião Peixoto, com um pênalti cobrado pelo adversário faltando apenas 13 segundos para o fim da partida. “Não chegamos à final por falta de maturidade, pois a média do time é de 15 anos”, acredita a técnica Rosa Fernandes. Com a derrota, a disputa foi pela terceira colocação. A equipe venceu Pontal e garantiu mais uma medalha de bronze para Motuca. A conquista da medalha de bronze nos Jogos é inédita para a equipe, que vem ganhando títulos e boas colocações em competições pela região desde 2005. “Foi um dos nossos melhores resultados em todos os Jogos”, diz, orgulhosa, Rosa. Outras três modalidades passaram de fase na competição. O vôlei de praia feminino venceu Boa Esperança do Sul, se classificou, mas perdeu para Patrocínio Paulista e não pôde continuar na disputa. O vôlei de quadra masculino ganhou de Santo Antônio da Alegria, mas perdeu para Guaíra e Cristais Paulista. O futsal masculino também teve uma vitória, contra Cristais Paulista, e duas derrotas, contra Jaboticabal e Viradouro. Bons resultados

O futebol masculino somou uma derrota contra Pitangueiras e empatou com Barrinha, e não conseguiu a classificação. “Nosso desempenho ficou entre bom e ótimo”, analisa o chefe de esporte e lazer, Sidney Ferreira, o Iei. “Foi a minha primeira experiência na competição e já conseguimos bons resultados”. Na edição dos Jogos Regionais de 2010, Motuca disputará três modalidades na 1ª divisão e outras cinco na 2ª.


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.