Issuu on Google+

1%

sindicato trabalhadores de espectáculos

Para a cultura

a dois anos em que os trabalhadores, e os da cultura não são excepção, vivem cada dia com mais dificuldades. Com o aumento das rendas, da àgua, da luz e dos bens de 1ª necessidade, enquanto a remuneração ao final do mês é cada vez menor. a políticas que têm destruindo a cultura, com a redução de investimento, impedindo o acesso à cultura, e o direito ao trabalho. Levando ao encerramento de centenas de companhias e estruturas teatrais, e ao desemprego de milhares de trabalhadores. o defice não desce e a dívida não pára de crescer. A OCDE prevê o agravamento de todos indicadores económicos e financeiros e aponta para uma dívida de 132% do PIB, em 2014. Perante uma política que não nos deixa criar riqueza, esta dívida torna-se impagável.

consulta:

www.stespectaculos.com

Defender a cultura! Defender a Constituição!

Defender a cultura é defender a constituição, e cumprir a constituição é devolver ao povo o direito a ir ao teatro, ao cinema, à dança ou à música. Cumprir a constituição é defender o direito a criar cultura, a trabalhar no sector cultural.


VAMOS TODOS FAZER GREVE GERAL Exigimos a queda deste governo! Temos direito ao trabalho e ao trabalho com direitos! Estamos contra os aumento dos impostos (IVA e IMI), acentuando o empobrecimento! Estamos contra a precariedade e o aumento da exploração!

sindicato trabalhadores de espectáculos

Estamos contra a viver cada dia pior, com mais dificuldades, com menos dinheiro ao final do mês, com menos acesso à serviços de saúde e com a elitização do ensino. Estamos contra o despedimento de milhares de trabalhadores, seja na função pública ou no sector privado. Estamos contra as privatizações e a destruição do sector empresarial do estado. Não aceitamos a destruição do país, enriquecendo os patrões, e explorando os trabalhadores.

para o País

para a cultura

Aumentar a verba para financiamento da cultura, atingindo o 1% do orçamento de estado para a cultura. Alargando assim as verbas para o sector, promovendo a estabilidade laboral no sector, promovendo a criação artística e a criação de postos de trabalho. Uma política que trave o encerramento das companhias teatrais, promovendo o direito constitucional da livre criação e fruição cultural. A redução do IVA nos espectáculos. O reconhecimento profissional dos trabalhadores do sector, com a criação da carteira profissional, de tabelas salariais e a protecção social. A criação do estatuto do bailarino, que defenda os trabalhadores do sector do bailado e da dança. O fim das restruturações e fusões nos teatros nacionais. Uma política que garanta horários dignos. O fim da destruição da cultura!

Governo Rua!


Documento ste greve geral