Issuu on Google+

PASSA QUATRO Conheça a Pedra da Mina, quarto ponto mais alto do país e berço de belezas naturais incomparáveis

Edição nº 9 - Junho 2013

GASTRONOMIA Frutos do Mar: muita saúde e sabor na sua mesa

ESPECIAL

Arquitetura e Decoração

DROGAS Uma abordagem com bases científicas e terapêuticas


ÍNDICE

6 Entrevista

Editorial de Moda

Tendências Outono Inverno Pág. 14

Manu Zappa

8

Festival de Inverno Balaio de Minas 10 Arquitetura e Decoração Drywall

12 Arquitetura e Decoração Economia Inteligente

18 Esporte

Avaliação Física

20 Educação

Ensinar com amor, ensinar a viver

Saúde dos Olhos

Dia Mundial da Saúde Ocular Pág. 24

22 Saúde

Doenças Cardiovasculares do século 21

26 Saúde

Ciência e conhecimento contra a dependência

28 Gastronomia

Do fundo do mar para sua mesa

31 Concurso de Fotografia Colunista Convidada Couching e Psicanálise Pág. 38

32 Empreendedorismo

Contra a corrente, moda consciente

34 Capa

Pedra da Mina

36 Pela Região

Calendário de eventos

37 Passa Quatro em Vitrine

Associação comercial de Passa Quatro

Revista Vitrine nas Redes Sociais! facebook.com/vitrinesuldeminas

Curta nossa página e participe de várias promoções e eventos

www.vitrinesuldeminas.com.br

Olhares sobre Caxambu

3


EDITORIAL Oi, tudo bem? Chega mais, vem tomar um cafezinho com a gente... tá frio, né? Inverno chegando e nossa nona edição vem quente, trazendo assuntos bem legais para te fazer companhia. Continuando nossa série de reportagens apontando o que de mais legal temos em nossa região, dessa vez fomos à Passa Quatro conhecer a Pedra da Mina, um destino turístico requisitadíssimo por pessoas do Brasil todo e até do mundo, mas que ainda é pouco explorada pelo pessoal daqui do Circuito das Águas e até mesmo das Terras Altas da Mantiqueira. Esperamos que vocês se encantem, assim como nós ficamos maravilhados, com tamanha beleza e corram para conhecer. Temos ainda uma matéria sobre a dependência química, com o olhar apurado e o enfoque inovador no tratamento dessa grave questão de saúde pública do médico psiquiatra Edmo Coli. Tem espaço ainda para falarmos sobre a saúde dos seus olhos, doenças cardiovasculares, avaliação física além de dicas bacanas para quem está a fim de decorar ou reformar a casa. A entrevista desta edição é com a renomada chef de Cozinha Manoela Zappa, que estará presente no Festival de Gastronomia de Passa Quatro.

EXPEDIENTE Publisher: Gabriela Real Gerente de Projeto: Marcella Real Jornalista Responsável: Martha Bacci MTB: 17123/MG Edição: João Carvalho Projeto Gráfico e diagramação: Agência Rauze Capa: Célio Miranda Foto da Capa: José Augusto Nunes Tiragem: 4.000 exemplares Impressão: Gráfica MTO Contato Vitrine contato@vitrinesuldeminas.com.br (35) 3331.3042 A Revista Vitrine é uma publicação da empresa Rauze, distribuída gratuitamente na cidade de São Lourenço e região. Todos os direitos reservados. É proibida sua reprodução total ou parcial, sem autorização prévia. As matérias assinadas são de responsabilidade de seus autores. Venda Proibida.

Pra encerrar, tem também um belo editorial de moda com as opções mais incríveis para as moças arrasarem nesse inverno, um texto sobre o nosso já tradicional Festival de Inverno de São Lourenço e uma saborosa matéria sobre o uso de frutos do mar na cozinha. Não deixem de conferir o calendário de eventos. É isso. Boa leitura!

Equipe Revista Vitrine

Ih Foi Mal! Erramos na matéria da Fisisoterapeuta Andréa Rada na última edição, página 17, ao explicar o tratamento de Peeling por Microdermoabrasão. O ideal sobre o procedimento é: De Cristal ou Diamante, para tratar rugas, mancha, cicatriz e estria.

COLABORADORES

FERNANDA BACHA Estudante de moda na Universidade Anhembi Morumbi de São Paulo, é nossa consultora do editorial de moda.

SELVA BIZARRIA Fotógrafa rofissional responsável pelas fotos do editorial de moda desta edição.

STESS PANISSI Estudante de jornalismo na Universidade Federal de Juiz de Fora.

4

blog: doricamentemixolidio.blogspot.com.br


5


MANU ZAPPA

Entrevista

Adepta de uma forma de cozinhar que dá à comida do dia a dia ares mais requintados sem abrir mão da simplicidade, Manoela Zappa conversa com a Revista Vitrine

Por João Carvalho

Como acontece há cinco anos, a cidade de Passa Quatro sedia um importante evento para os amantes da boa cozinha no mês de junho, o Passa Quatro Gourmet. A cada edição, renomados chefs do país levam até a bela cidade localizada nas Terras Altas da Mantiqueira, em Minas Gerais, suas técnicas, temperos e experiências. Neste ano, o festival conta com a participação de uma jovem chef que vem se destacando por sua criatividade e pelo modelo inovador de workshops que oferece, em sua própria casa, para alunos interessados em saber mais sobre a gastronomia, com uma pegada simples e ao mesmo tempo refinada, introduzindo os aprendizes num maravilhoso mundo repleto de aromas e sabores. Ela atende pelo nome de Manoela Zappa e nos conta um pouco mais sobre sua história, sua ligação com o sul de minas e muito mais. Vejam: Vitrine: Como foi que a gastronomia entrou na sua vida? Manoela Zappa: Eu venho de uma família Italiana, em que a comida e os grandes almoços estão sempre presentes... tudo gira em torno da comida. E Isso me influencia desde sempre. Comecei ainda pequena a construir uma relação de intimidade com as panelas... quando criança, eu fazia bolos, tortas e mousses para meus pais levarem para as redações dos jornais em que trabalhavam. E olha, minhas coisinhas faziam sucesso, viu? Eles vendiam tudo! (risos) Vitrine: E profissionalmente, como foi essa descoberta de que a cozinha iria fazer parte tão marcante em sua vida?

6

Manoela Zappa: Descobri que levaria isso como profissão quando percebi que era a única coisa que sabia fazer e que me dava prazer. Então investi forte nisso.

Fui morar fora do país, fiz cursos e tudo mais... já trabalhei na cozinha de hotéis, tive um pequeno restaurante de reservas em Icaré/BA onde tive a honra de receber como cliente o chef Claude Troigros e atualmente toco um projeto chamado Prosa na Cozinha, onde junto turmas de no máximo 10 alunos na minha casa e dou aulas, tanto para quem não entende nada de culinária quanto para quem já tem alguma noção e quer aperfeiçoar. Além disso, o Prosa também tem uma linha de produtos gourmet, como café orgânico com torra artesanal, chutneys, geléias, sais temperados, chips de coco, cogumelos em conserva, e chocolate, além dos cadernos de receita, dos aventais estilizados e da curadoria de azeites. Vitrine: E sua relação com Passa Quatro, vem de onde? Manoela Zappa: Passa Quatro é a cidade onde meu pai nasceu, boa parte da família ainda mora por lá e é onde passei parte deliciosa da minha infância e juventude. Minha ligação com a cidade é fortíssima... aprendi muita coisa com meu pai, até mesmo coisas relacionadas à cozinha, e eu sou apaixonada pela culinária mineira. Não resisto a um bom torresmo e amo de paixão as coisas básicas do dia a dia da comida de Minas... o tutu, a linguiça. É tudo muito saboroso. Vitrine: Você acha que é possível aproximar a cozinha tradicional da alta gastronomia, tanto no dia a dia de uma casa quanto em restaurantes? Tem algum exemplo disso no seu trabalho? Manoela Zappa: Claro! Usamos sempre ingredientes simples misturados com alguma coisa mais inusitada ou requintada... por exemplo, e ainda mesclando com a questão típica mineira da pergunta anterior, eu preparo um


Manoela Zappa: Fazer as aulas do Prosa na Cozinha! (risos) Agora falando sério, para mim nada é mais importante que conhecer bem os temperos e usar e abusar das ervas frescas... alecrim, tomilho,

Eu venho de uma família Italiana, em que a comida e os grandes almoços estão sempre presentes... tudo gira em torno da comida. E Isso me influencia desde sempre.

Conheça o Prosa na Cozinha, acesse: prosanacozinha.com.br

Entrevista Revista Vitrine

Vitrine: Você tem alguma dica pra dar para o pessoal em casa conseguir dar aquele toque especial na comida do dia a dia?

manjericão, salsa, cebolinha, coentro... essas coisas fazem a diferença. Quando se começa a cozinhar, principalmente quem nunca se interessou, dá pra se perceber que um novo mundo se abre, cheio de sabores... cozinha não tem mistério, é só curtir e colocar a mão na massa com muito carinho. Quando se começa a conhecer esse mundo dos temperos, dos aromas e tudo mais, o que acontece é que se fica mais como tirar os spreds aberto para experimentar no indesign coisas diferentes e criar novos sabores, deixando a mesmice pra trás e, principalmente, aquelas coisas pré-produzidas que têm todas o mesmo gosto e ainda fazem mal.

Marcus Viana Foto: Divulgação

prato que leva linguiça artesanal com mel e gergelim que é delicioso e muito fácil de preparar, assim como o pastel de doce de leite... esses dois pratos vão fazer parte do nosso workshop em Passa Quatro, quem estiver presente no evento vai perceber como pode ser fácil e delicioso juntar esses dois mundos: o da cozinha típica com o da alta gastronomia. Minha cozinha é simples mesmo, eu cozinho de uma maneira que todos possam repetir facilmente... a ideia é agilizar a vida, sem abrir mão do prazer de comer uma comida bem feita.

7


ENTRE NO BALAIO DE MINAS Festival de Inverno de São Lourenço-MG chega a sua quinta edição homenageando a cultura e a história do estado de Minas Gerais

Turismo

Cidade cercada por belezas naturais características do estado de Minas Gerais e abençoada por suas preciosas águas minerais, São Lourenço é palco de um tradicional Festival de Inverno. O evento, com atividades voltadas para o público turístico-familiar que se integra ao dia a dia do município, seus habitantes e visitantes regionais, se encontra em sua quinta edição.

Publieditorial

Após 4 anos de sucesso, o evento volta a acontecer em julho e se consagra como um dos mais importantes entre todos os acontecimentos do calendário oficial da cidade. Com o objetivo de atrair diversos perfis de público e agradar a todos os gostos, o Festival de Inverno traz em sua programação uma diversidade de atrações que vão do tradicionalismo interiorano ao experimentalismo dos criativos e renomados artistas mineiros que tanto acrescentam à nossa rica história.

São Lourenço é palco de um tradicional Festival de Inverno. O evento, com atividades voltadas para o público turísticofamiliar que se integra ao dia a dia do município, seus habitantes e visitantes regionais, se encontra em sua quinta edição.

A Programação

8

Na edição deste ano, o tema escolhido para o Festival de Inverno celebra nossas raízes através da metáfora “Balaio de Minas” e reúne dança, teatro, literatura e demais manifestações culturais como retrato de nossa terra. Sempre presentes,

os temas relacionados à sustentabilidade e à cultura têm destaque graças à conscientização global promovida durante o evento através de atividades de reciclagem em recreações. O público poderá contar ainda com múltiplos espaços culturais. Para esta edição, na área do palco principal – em frente ao Parque das Águas, será montada a maior estrutura de som e iluminação de todo o Festival. É lá que vão acontecer os grandes shows noturnos e também onde será montado o espaço “Fibras de Minas”, que faz parte do calendário estadual de eventos. No bairro da Estação, onde fica localizado o terminal ferroviário, teremos os filmes de Mazzaropi exibidos no projeto CineVagão, que contará com projeções dentro de vagões do Trem das Águas. Haverá ainda a Galeria Cultural, que marcará a abertura do Festival de Inverno com exposições dos trabalhos de artistas locais em pintura, escultura e fotografia, na Sala de Eventos do Parque das Águas. No mesmo local acontecerá a exposição itinerante de imagens e poesias da Estrada Real, com curadoria e organização do SESIFIEMG e que tem por objetivo despertar a curiosidade dos turistas para a visitação de atelieres da cidade e pelo conhecimento regional. Convidamos todos a redescobrir as cidades mineiras, onde se respira história, cultura e bons ares, pois é justamente essa mistura que forma nossa essência. Aqui todos têm a oportunidade de degustar a hospitalidade e o carisma do povo mineiro ao embarcar conosco no Balaio de Minas, tema da edição 2013 do Festival de Inverno. Para mais informações e novidades, recomendamos que curtam a página do Festival de Inverno 2013 endereço facebook.com/FestivalDeInverno2013.


9


DRYWALL BELEZA E PRATICIDADE Arquitetura e Decoração

Material versátil e de fácil aplicação vem ganhando espaço na construção e reforma de casas, escritórios e empresas Normalmente, quando se vai construir ou reformar uma casa, ao pensar em erguer novas paredes ou fazer a divisão de ambientes costuma-se pensar imediatamente em blocos, tijolos e concreto – o que chamamos de alvenaria. Apesar de esse ser o modo que tradicionalmente se usa para construir no Brasil, as paredes de gesso acartonado, ou Drywall, vêm ganhando muito espaço recentemente. Essa tecnologia, usada em larga escala em todo o mundo, chegou ao Brasil há pouco mais de 20 anos e vem se firmando como uma ótima opção pela praticidade e por proporcionar conforto térmico, isolamento acústico e até ganho de espaço. Outra característica do Drywall é sua versatilidade, permitindo usos dos mais variados como o revestimento de paredes, em substituição ao reboco tradicional, e para rebaixar tetos, viabilizando projetos de iluminação que deixam os ambientes mais aconchegantes e funcionais ao mesmo tempo.

Vantagens do Drywall Hoje em dia, as paredes, forros e demais ambientes preparados com esse material Por João Carvalho

Outra vantagem do uso de Drywall é seu custo-benefício. As placas de gesso acartonado são mais leves e duráveis, têm manutenção fácil e podem ser removidas em caso de modificação de projeto sem necessidade de cálculo estrutural. Isso sem contar a baixa geração de resíduos inconvenientes como poeira e entulho que o trabalho com gesso tradicional proporciona.

Perguntas frequentes?

1

10

suportam objetos de grande peso e são resistentes às variações climáticas mais intensas, principalmente se os materiais usados são os apropriados e a mão de obra contratada para o serviço é qualificada e especializada no trabalho com esse tipo de material, caso da Itagesso, que atende o mercado de construção civil em todo sul de minas e a região sul-fluminense com equipes experientes, formadas por alguns profissionais com cursos no exterior, usando as melhores e mais modernas técnicas que garantem um trabalho com resultado totalmente limpo e rápido (em apenas 1 dia se pode massear e pintar as paredes, forros e revestimentos feitos em Drywall).

Imóvel com Drywall é mais difícil de ser vendido? Muito pelo contrário. Imóveis construídos com esse material tendem a ser comercializados com grande facilidade, devido ao aumento de sua área útil por conta da menor espessura das paredes, sem prejudicar o conforto térmico, o isolamento acústico e a maleabilidade de uso dos espaços.

2

O Drywall tem bom isolamento acústico?

3

E quanto a utilização do espaço, porque é que o Drywall pode aumentar a área útil da construção?

Sim, se as paredes forem executadas dentro das normas técnicas e por mão de obra especializada. Paredes em Drywall podem ser usadas até mesmo na construção de ambientes em que se é exigido isolamento acústico total, como em salas de cinema ou estúdios de gravação, além de restaurantes, hospitais e bibliotecas.

Paredes em Drywall são mais finas do que as de alvenaria, proporcionando um ganho de aproximadamente 5% na construção. Para ficar mais fácil de entender, um exemplo: se seu apartamento tem 200m², o ganho total será de 10m², ou o equivalente a 20m frontais de armários embutidos.


11


ECONOMIA INTELIGENTE Arquitetura e Decoração

Entenda porque “o barato pode sair caro” faz tanto sentido na hora de pintar um ambiente Todos os dias alguém acorda inspirado a mudar a cara de sua casa. Seja uma pinturinha de nada nas paredes de um cômodo ou uma grande reforma estrutural. A oferta de produtos para mudar a cor de algumas paredes é enorme e, sendo assim, como saber qual é o melhor produto no mercado? Para quem não tem muitos recursos disponíveis, a resposta mais óbvia para a pergunta acima é a mais barata, mas... será que isso é fato? Bem, segundo consta isso nem sempre ocorre. Vamos entender porque: Tintas de qualidade superior, principalmente as superpremium, são mais duradouras, fáceis de limpar e resistentes. Apesar do preço mais alto por litro, dependendo do trabalho a ser feito e das características do ambiente a ser modificado o custo benefício de se pagar um pouco mais por lata de tinta pode compensar – e muito – a diferença de preços entre as diferentes opções.

Quem se informa escolhe melhor Por João Carvalho

“ 12

De qualquer forma, nada é mais importante na hora de decidir por um ou outro perfil de produto do que o acompanhamento de profissionais qualificados, que saibam ouvir suas necessidades e apresentar as soluções ideais para o seu caso. Não são todos os estabelecimentos que contam com

Tintas de qualidade superior, principalmente as super-premium, são mais duradouras, fáceis de limpar e resistentes.

trabalhadores treinados para essa tarefa, mas se você encontrar um desses por aí, pode confiar. Um bom atendimento na hora de optar pela comprar de um determinado material para reformar sua casa ou só dar aquele “up” no visual de uma parede, traz segurança para o consumidor, que bem informado saberá se está fazendo uma boa aquisição. Um bom vendedor, saberá explicar de forma bem fácil de se compreender as diferenças existentes entre os níveis de qualidade das tintas (Econômica, Standard e Premium). E elas são muitas.

Fazendo a coisa certa Para começo de conversa, vamos ao quesito “resistência”: para medir quanto dura uma tinta na sua parede, as empresas que as fabricam costumam realizar um teste simples. Pinta-se uma parede com uma determinada tinta e se espera até que esteja seca. Depois disso, uma máquina escova a parede com um produto abrasivo. E o resultado? Bom, as tintas ditas “econômicas” mal aguentam uma primeira passada dessa escova. As standard chegam a aguentar 40 dessas escovadas abrasivas, enquanto as premium suportam mais de 100 ciclos desse teste. Como se não bastasse apenas isso, existem outros fatores em jogo como o rendimento, a quantidade de demãos necessárias para cobrir uma determinada área, a quantidade de tinta a ser usada e o tempo necessário para realizar a pintura, entre outros. Somando todos esses fatores, pode-se chegar á conclusão de que pintar com tintas de melhor qualidade pode ser muito mais vantajoso que usar materiais de menor nível, mesmo na questão do custo por conta da menor necessidade de demãos, da quantidade de galões que precisam ser usados e do tempo necessário para completar a pintura, entre outros. É por isso que se diz por aí que economizar de verdade é pintar com tintas de qualidade.


13


ANTÍDOTO para as baixas temperaturas Moda

Deixe seu inverno bem quentinho e aconchegante fazendo as escolhas certas na hora de montar os looks para enfrentar a estação

Por Fernanda Bacha

A temporada outono/inverno começa com novidades das mais variadas, seguindo o fluxo normal da moda que a cada estação apresenta novas tendências. Você, consumidor final desses produtos, pode e deve se inspirar em nossas sugestões para arrasar nessa que é a época mais fria do ano, abastecendo seu guarda roupas com as peças em alta para essas estações. O foco deste editorial é mostrar o charme, fazendo referência aos filmes americanos de faroeste, das botas de couro e peças com franjas, além de camisas e calças jeans. Essa tendência, de inspiração country, é uma das queridinhas do outono/inverno 2013. Você não vai fazer feio também se apostar em looks monocromáticos, principalmente naqueles em que o “pretinho básico” reina sozinho. Outra cor de destaque para esse visual é a chamada Burgundy, uma mistura de vermelho com tons arroxeados como o púrpura que resulta em algo próximo da cor do vinho tinto, mas um tanto mais iluminada.

14

Cores e estampas contra a monotonia As blusas e casacos de lã, com cores fortes como roxo, pink, vermelho e vinho, além de manterem o corpo protegido das temperaturas amenas deixam o look com um ar despojado. As calças skinny, pantalona, cigarrete e reta ganham força total, seja durante o dia ou a noite. Estampas de com cara vintage voltam para deixar ainda mais cheia de classe aquela combinação de calça, acessórios em tons dourados e bolsas ou sapatos com estampa em animal print. Os arabescos também estão em alta e adornam aplicações em renda, bordados e aviamentos. Tudo é válido para dar vida, cor e textura aos looks. Na hora de se vestir, abuse de seu bom gosto e desfile por aí em grande estilo!


Moda

Botas e peças com franjas com inspiração country, são as tendências do outuno/inverno 2013.

Revista Vitrine

Blusa estampa animal print (Carmim), calça preta com textura aveludada (Carmim) e bolsas e acessórios (Carmen Steffens)

15


Revista Vitrine

Moda

Styling Fernanda Bacha Fotos Selva Bizarria Modelo Marianna Luz Make-up O Boticário Novo Endereço: Av. Dom Pedro II, 412 - São Lourenço (35) 3331-2589

Blusas e casacos com cores fortes deixam o look com um ar despojado.

As roupas e acessórios deste editorial você encontra com exclusividade na Loja Arsenal em São Lourenço.

Arsenal Rua Wenceslau Bras 174 Centro (35) 9226-6558 Camisa estampada (Dudalina), cardigan vermelho (Carmim), calça skinny preta e bota de couro (Carmen Steffens)

16


17


AVALIAÇÃO FÍSICA PARA TREINAMENTOS EFICIENTES Tão importante quanto a prática de atividades ou de modalidades esportivas, a avaliação física feita por um profissional qualificado deve ser incentivada

Esporte

Todos os dias pessoas procuram realizar atividades físicas por diversos motivos. Seja para melhorar as próprias condições de saúde, emagrecer ou simplesmente porque sentem prazer ao praticar esportes, mas dificilmente as vemos tendo a mesma preocupação em procurar um especialista da área de Educação Física para conhecer a real condição física do seu corpo. Poucos realmente se importam em realizar uma boa avaliação física, desconhecendo sua importância. Por esse motivo, muitas academias já a incluem no valor dos pacotes de associação e fazem com que os alunos sejam avaliados de forma obrigatória como condição para a matrícula. O objetivo dessa avaliação é diagnosticar, mensurar e detectar tudo em relação às capacidades, compleições, aptidões físicas, doenças e saúde de cada pessoa interessada em praticar esportes ou outras atividades físicas. Ela pode ainda apontar as dificuldades ou qualidades que podem ser encontradas durante os exercícios a serem desenvolvidos durante os treinamentos.

Por Martha Bacci

A partir dos resultados dessa análise completa é possível acompanhar a evolução no treino, pois quanto mais dados e informações o professor tiver sobre seu aluno, mais bem planejado e personalizado será o programa de exercícios.

Como funciona? Fazer uma avaliação física parece simples, mas é preciso alguns cuidados e ficar atento se ela está sendo conduzida por um profissional capacitado. Somente profissionais de Educação Física, graduados e registrados no Conselho Regional de Educação Física (CREF), segundo a lei nº: 9696/8 do Conselho Federal de Educação Física (CONFEF), podem realizar esse processo, bem como prescrever treinamentos musculares ou aeróbicos. Como já foi dito anteriormente, muitas academias oferecem em seu pacote a avaliação física. Na maioria dos casos ela é feita de maneira simplificada, descartando o que realmente importa na condição do aluno, e com isso, são grandes as possibilidades de surgimento de lesões durante programa de exercícios, podendo deixar sérias sequelas e frustrações em quem busca a forma ideal ou uma melhora da saúde.

18

Fotos: Arquivo Pessoal

A avaliação física distingue os percentuais de gordura, massa magra e densidade óssea do corpo. Com esses dados, pode-se determinar o percentual de

Leonardo Sérgio Avaliador Físico e Personal Trainer CREF 14.454 G/MG (35) 8844-9073


Bom para o professor, bom para o aluno

Estas informações são muito importantes e devem ser levadas em conta no acompanhamento das variações de peso do corpo como resultado das atividades e treinos. Os dados coletados na avaliação física permitirão que seu programa de exercícios seja seguro, exclusivo e, por isso mesmo, mais eficiente, proporcionando grande satisfação.

Faça a sua avalição antes de começar a se exercitar, seja esse exercício feito em uma academia ou fora dela. Mesmo as caminhadas, que todo mundo começa sozinho, devem ser estudadas por um profissional certificado e qualificado. Toda e qualquer prática esportiva, assim como todo treinamento, se for realizada com o devido acompanhamento por um educador físico apresentará resultados permanentes e com maior eficiência.

Os dados coletados na avaliação física permitirão que seu programa de exercícios seja seguro, exclusivo e, por isso mesmo, mais eficiente, proporcionando grande satisfação.

Revista Vitrine

cada item indicado para o seu tipo físico, que indicará a necessidade da perda de gordura. Além disso, esses procedimentos mostram quais partes do corpo precisam receber atenção especial.

Esporte

Para o professor, a avaliação física é um guia que lhe antecipa tudo o que deve fazer para ajudar o aluno a atingir seus objetivos, regulando o treinamento. Nas academias, esse modelo se perde e acaba apenas comparando o “antes” e o “depois” de cada aluno, sem detalhar itens importantes sobre o condicionamento físico dele ou indicar formas de “modelar” o treino de forma individual, explorando as potencialidades de cada um.

19


ENSINAR COM AMOR, ENSINAR A VIVER Estimular o desenvolvimento infantil com uma pedagogia que respeita as individualidades é a aposta do Colégio Laser Solar dos Lagos Uma vez por mês, um grupo de estudos formado por professores do Colégio Laser se reúne para aprender mais sobre a Pedagogia Waldorf, com aulas e palestras ministradas pelo Prof. Luís Henrique Sant´Anna, proprietário da Escola Ypê em 3 Corações/MG.

Educação

Essa forma de ensinar é um movimento mundial com forte abordagem multicultural e interpretação holística do desenvolvimento infantil, dando mais autonomia e responsabilidade às crianças, além de promover a consciência ética e o respeito pela diversidade, integrando-as e conduzindo à participação na construção de uma sociedade saudável. Os princípios básicos do método Waldorf são trabalhar a favor (e nunca contra) a tendência natural das crianças de serem ativas, valorizar as experiências sensoriais nos primeiros anos de vida, compreender o ritmo natural da vida e das estações do ano. A pedagogia Waldorf ainda é pouco conhecida no Brasil, e nossa prioridade ao conhecer mais sobre ela é passar adiante os conceitos de que é importante aguardar que a criança se revele como um ser único. O ambiente que oferecemos a cada aluno é para que este se desenvolva de acordo com sua própria

20

Fotos: Arquivo Pessoal

Por Martha Bacci

necessidade, com estímulo aos sentidos, à imaginação, à vitalidade e à alegria de viver, apostando sempre numa maior ligação com a natureza, respeitando-a e convivendo harmonicamente com ela. É preferível usar o termo “processo de desenvolvimento” a “processo educativo” nesse jeito de ensinar, porque as crianças não precisam ser educadas, mas estimuladas para aprenderem ativamente o que lhes for importante num determinado momento. Há certos parâmetros que são comuns e outros que são absolutamente individuais, que não são educáveis e fazem parte daquilo que cada criança traz em sua personalidade, um aspecto único com o qual todos também aprendem. Por isso, esse grupo de estudos abrange a pedagogia de uma forma mais ampla, estamos buscando sempre um método e uma atitude que tem a ver com uma forma global de encarar o mundo. É importante dar tempo e espaço suficientes para uma aprendizagem sem competição e sem pressas.

Andréia Barbosa é Diretora de Marketing do Colégio Laser Solar dos Lagos. Alameda Vinicius de Moraes, 185 Solar dos Lagos São Lourenço – MG Tel.: (35) 3332-2699 www.colegiolasersolar.com.br


21


DOENÇA CARDIOVASCULAR NO SÉCULO 21 Cuidar da saúde passa por conhecer o que acontece dentro do seu corpo e buscar tratamento adequado em cada caso No início do século XX, as doenças infecciosas e a desnutrição eram as causas mais comuns de morte. Estas foram gradualmente suplantadas em alguns países pelas doenças crônicas, como a doença cérebrovascular e o câncer, graças em grande parte, ao avanço nas medidas nutricionais e de saúde pública. Dessa forma, por volta de 2020, a Doença Cérebrovascular será responsável por um número estimado de 25 milhões (36,3% de todas as mortes).

Saúde

As doenças Cérebrovasculares são aquelas que afetam as artérias que suprem o coração (coronárias) e as que levam sangue para o cérebro (carótidas e vertebrais, além das artérias do próprio tecido cerebral), ocasionando o Infarto Agudo do Miocárdio e o Acidente Vascular Cerebral (Derrame Cerebral). A principal característica é a presença da aterosclerose, que são acúmulo de placas de gorduras nas artérias, que impedem a passagem do sangue para esses orgãos tão nobres. O mesmo fenômeno também pode acorrer em outros territórios arteriais, como a Aorta e as artérias da perna, principalmente em diabéticos e tabagistas.

22

Fotos: Arquivo Pessoal

As causas da aterosclerose podem ser de origem genética, mas o principal motivo para ocorrência, é comportamental. Diabetes Melitus, tabagismo, hipertensão, dislipidemia (colesterol alto), sedenta-

rismo, dieta inadequada, stress, são as principais razões desencadeantes para o entupimento arterial. A idade avançada também tem relação com esses eventos, apesar que estudo recente do Hospital do Coração (HCor) de São Paulo, apontou que jovens entre 20 e 40 anos, também estão apresentando indíces crescentes de problemas cardiovasculares, como o Infarto . Mediante esse dados estatísticos preocupantes, sem dúvida que a melhor conduta é a prevenção. Consultas regulares ao médico assistente são essenciais. para medir pressão arterial, controle de peso, orientação nutricional, além de avaliação cardiológica previamente a realização de atividade fisica. Nessa visita serão realizados alguns exames fundamentais para um bom check up cardíaco: • Exames Laboratoriais • Teste Ergométrico • Ecocardiograma • Ultrassom Doppler de Carótidas: avalia a deposição de placas de gordura ( arterosclerose ) nas artérias que levam sangue para o cérebro, estimando com boa precisão o grau de entupimento proporcionado pelas placas. Esse diagnóstico feito precocemente, permitirá o início do tratamento de imediato, previnindo os danos causados por ela. De acordo com o perfil e as necessidades de cada paciente, outros exames complementares poderão ser solicitados. Mediante tudo que foi discutido nesse artigo, fica claro o quanto é importante a realização rotineira de avaliação clínica.

Dr Frederico Gabriel Khachikian Membro Titular da Sociedade Brasileira de Cardiologia, Especialista em Cardiologia e Ecocardiografia pelo Instituto do Coração do Hospital das Clinicas da USP e Especialista em USG Vascular pelo Colégio Brasileiro de Radiologia


23


JANELAS ABERTAS PARA O MUNDO 10 de julho é o Dia Mundial da Saúde Ocular e serve para lembrar a importância da prevenção Poucas ainda são as pessoas que têm o hábito de visitar com frequência um oftalmologista, prática que deveria ser estimulada, pois muitas doenças oculares praticamente não apresentam sintomas. Quando algo é percebido, pode ser tarde demais: os danos já se encontram em estágio avançado e irreversível, se encaminhando para a perda de visão total ou parcial. E o pior é que a maioria desses casos (8 em cada 10) poderiam ter sido evitados se houvesse um diagnóstico precoce.

Saúde

O hábito de checar a saúde dos olhos deve começar cedo: um quinto das crianças em idade escolar no país apresentam alguma deficiência visual. No mundo, o número se aproxima dos oito milhões. As alterações mais comuns são os chamados ‘erros de refração’: miopia, astigmatismo e hipermetropia. Conforme a idade avança os cuidados precisam ser intensificados, principalmente após os 40 anos de idade. O ideal é visitar o médico ao menos uma vez por ano para a realização de exames e testes que auxiliam na manutenção da boa saúde ocular. Dentre todas as doenças oculares comuns a essa faixa etária, o glaucoma e a catarata estão no topo da lista das mais perigosas. A primeira delas causa uma atrofia no nervo óptico, com perda do campo visual, enquanto a segunda promove um embaçamento progressivo da visão. Ambas podem evoluir até a perda parcial ou total da visão.

24

Fotos: Arquivo Pessoal

Por Stess Panissi

Catarata e glaucoma: Bichospapões sim, porém domáveis Apesar de não ter possibilidade de cura (apenas o controle do quadro e a prevenção da cegueira), o glaucoma pode ser tratado com medicamentos e colírios e por isso o ideal é diagnosticá-lo o quanto antes. Durante uma consulta oftalmológica, o paciente deve se certificar de que o médico realizou dois procedimentos importantes para identificar essa patologia: a medição da pressão intraocular e o exame de ‘fundo do olho’. Quanto à catarata, ela pode ter 2 origens: a adquirida, causada por traumatismos, idade avançada, diabetes ou uso de determinados medicamentos, e a congênita, que causa a cegueira infantil e está ligada a condições genéticas ou infecções adquiridas pela mãe durante a gestação. “O tratamento para essa doença é uma cirurgia que consiste na substituição do cristalino, parte do olho opacificada, por uma lente artificial que pode não apenas recuperar a função perdida como torná-la ainda melhor, graças à tecnologia de modernas lentes intra-oculares multifocais ou tóricas”, afirma o médico oftalmologista Alexandre Brasil, especialista em Catarata pela USP. A visão é responsável por cerca de 80% das percepções sensoriais humanas. É por este sentido que percebemos espaço, distância, cores, luz e contraste. Portanto, é indispensável cuidar da saúde dos olhos, não apenas neste 10 de Julho, mas em todos os outros dias. Prevenir é sempre melhor que remediar.

Alexandre Brasil Especialista em Catarata Diretor Clínico Vibra – Visão Brasil – São Lourenço Universidade de São Paulo – USP Santa Casa de São Paulo – ISCMSP


25


CIÊNCIA E CONHECIMENTO CONTRA A DEPENDÊNCIA Dependência química é um problema social e de saúde pública e como tal precisa ser tratada sob a luz da ciência e das práticas inovadoras

Saúde

Dia após dia se vê nos jornais, revistas e até mesmo nos programas de tevê sobre a chamada ‘epidemia’ de dependência química, que não escolhe idade, raça, religião e muito menos classe social para fazer suas vítimas. As cracolândias, espaços degradados nos centros abandonados ou nas periferias constantemente ignoradas pelo poder público, são apenas a ponta de um imenso iceberg que atinge águas muito mais profundas.

Por João Carvalho

26

“Praticamente todas as pessoas que se deixam envolver de forma descontrolada com o uso de drogas o fazem primeiro porque possuem desordens graves em sua saúde psicológica. Seja ela causada por predisposição genética, por um núcleo familiar desestruturado, pela ausência de infraestruturas básicas para a sobrevivência, a falta de oportunidades para se evoluir na vida ou a maior exposição à oferta de drogas, o fato é que sempre o que leva uma pessoa a se viciar é uma condição sócio individual que acarreta num caso de doença psiquiátrica. E a droga vem apenas para preencher esse vazio ou atenuar a dor que essa pessoa sente”, alerta Edmo Coli, médico psiquiatra e criador do conceito por trás da Clínica diColi, em São Lourenço. Edmo afirma que, para se conseguir che-

Enquanto nos chocamos com as manchetes de jornal falando sobre o crack e a preocupante dizimação de vidas que produz, fechamos os olhos ou fazemos vista grossa para o problema do álcool, que é tão grave quanto.

gar a uma recuperação da dependência, é preciso primeiramente compreender que o usuário necessita não só abandonar o uso da droga, mas ser tratado de algo que o motiva a usar tais substâncias, ou seja, tratar da doença que o levou a dependência. A ‘doença social’ faz com que o uso das drogas venha lhe trazer algum conforto e satisfação pessoal que lhe faltam ou são negados em seu dia a dia.

A hipocrisia que alimenta o preconceito Segundo dados recentes, a maioria dos dependentes químicos sofrem de algum tipo de transtorno mental como depressão, transtorno bipolar, TDAH e fobias, entre outros, antes de iniciarem sua relação com as drogas. Tratar a dependência química sem resolver essas questões anteriores é praticamente como apagar um incêndio usando uma mistura de água e gasolina: a chama não se apaga e uma hora volta a pegar fogo. “É preciso ainda deixar de lado a hipocrisia que condena somente o uso de substâncias ilegais. Cocaína, crack e maconha são drogas? São. Mas álcool, tabaco e remédios tomados de forma descontrolada e sem acompanhamento médico também o são. E causam tantos danos, ou até mais, que as drogas ilegais”, diz Edmo. Estudos recentes mostram que 70% da população brasileira (140 milhões de pessoas) consome bebidas alcoólicas com frequência e 11% são considerados alcoólatras. Só no Brasil esse número soma aproximadamente 21 milhões de pessoas. De acordo com estudos realizados por importantes centros de pesquisa, cada indivíduo que sofre com o alcoolismo, afeta direta ou indiretamente pelo menos 5 pessoas. É ou não um dado alarmante? Quanto a esses dados, o médico afirma “Enquanto nos chocamos com as man-


Guerra contra a dependência Analisando dados recentemente divulgados sobre os resultados dos últimos 50 anos do programa antidrogas nos EUA (maior mercado consumidor de entorpecentes no mundo), tem-se que os gastos com a política tradicional de proibição ao uso e repressão violenta ao tráfico beiram a estratosfera, enquanto o índice percentual da população norte-americana dependente de alguma substância praticamente não se alterou. O que esses números indicam? Algo que já se afirmava em determinados círculos: a proibição pura e simples não é o caminho, assim como o “liberou geral” também não é.

Em se tratando de dependência química, os índices de recuperação são frustrantes. Um tratamento especializado e dispondo de todo um arsenal científico recupera, no máximo, 40% dos usuários. É um número demasiadamente pequeno, principalmente se comparado com outras doenças graves como o câncer... que hoje já tem um

percentual aproximado de 80% de cura, se diagnosticado precocemente”, diz o médico. “É preciso encontrar um novo modelo na luta contra o tráfico, assim como facilitar a criação de clínicas onde se trata a dependência com olhar global sobre o que leva a pessoa a se drogar, e não apenas com o foco na interrupção do uso, como é o caso de clínicas de autoajuda e de cunho religioso. É louvável quando uma clínica de 12 passos ou evangélica recupera um usuário de droga, mas precisamos ir muito mais além. Envolvendo ciência, medicina, psicologia, terapia ocupacional e a própria família do dependente, que também está doente, é possível atingir a meta que é livrar a pessoa das drogas e também dos males que a motivam a se drogar”, diz Edmo.

Saúde

O que é que funcionaria, então? De acordo com Edmo Coli, o melhor exemplo para se espelhar é o da luta contra o tabagismo, uma droga cujo uso é totalmente legalizado e que há décadas atrás chegou até mesmo a ser socialmente estimulado. Há 15 anos atrás, 32% da população era fumante – e o fumo é um vício em si, pois praticamente não há possibilidades recreativas no uso da nicotina (substância presente nos cigarros), ao contrário do que acontece com o álcool e até mesmo com a maconha. Hoje, com as políticas de proibição à propaganda desse produto e as restrições ao consumo em ambientes fechados e à sua venda, conseguiu-se a reduzir para 20% o índice de fumantes entre a população brasileira.

Revista Vitrine

chetes de jornal falando sobre o crack e a preocupante dizimação de vidas que produz, fechamos os olhos ou fazemos vista grossa para o problema do álcool, que é tão grave quanto. Agora, um paralelo pode ser feito com a maconha: 7% da população faz uso. Desses 7%, quantos são dependentes, de fato? É um número tão difuso que é praticamente impossível mensurar... e aí dizem que o problema está só nas drogas ilícitas? Mas não está mesmo”.

Tratar esse mal que destrói a vida de milhões, mundo afora, é fundamental e deve ser encarado como um legado para as futuras gerações e, sob a luz da ciência e da medicina, aliada a um respeito e uma compreensão das necessidades de cada um, é possível que se rompa o ciclo vicioso da dependência química.

27


DO FUNDO DO MAR PARA SUA MESA

Gastronomia

Frutos do mar são ingredientes dificilmente encontrados nos mercados do Sul de Minas, mas dão origem a saborosos pratos de inspiração oriental ou mediterrânea

Por João Carvalho

Muitas culturas milenares têm como base de sua alimentação os frutos do mar. Saborosos, vistosos e versáteis, os camarões, polvos, lagostas, mexilhões e vieiras, entre tantos outros são também alguns dos alimentos com maior concentração de nutrientes dentre todos os que consumimos regularmente numa dieta bem variada. Frutos do mar e peixes de água salgada são fontes de muitas vitaminas e minerais essenciais para a saúde, principalmente ferro, fósforo, magnésio e vitamina D (da qual os moluscos como polvos e lulas, além de alguns crustáceos como o camarão são as maiores fontes em toda a natureza) e devem fazer parte do cardápio semanal de toda pessoa que busca levar uma alimentação saudável sem abrir mão do sabor e até mesmo do requinte no seu dia a dia. Prova de todo esse potencial nutricional é que, frequentemente, quando cientistas vão à caça de qual seria a forma de alimentação mais saudável, normalmente os resultados colocam sempre aquelas originadas às margens do mar mediterrâneo e no extremo oriente como as campeãs, justamente porque elas usam e abusam dos ingredientes originados nas águas profundas dos oceanos.

Sabores da Terra do Sol nascente O Japão, por ser um arquipélago com pouca extensão territorial e ter solo pouco fértil, tem sua alimentação totalmente amarrada aos ingredientes que vêm do mar. Além dos já tradicionais e bastante conhecidos sushis (bolinhos de arroz com recheios variados, principalmente peixes, enrolados em tiras de algas ou com outros formatos) e sashimis (fatias de peixes crus, feitas à perfeição para extrair o máximo de sabor e as melhores texturas dessas carnes), a culinária nipônica possui grande intimidade com os frutos do mar.

28

Incontáveis são os pratos preparados com

lulas, camarões, polvos e afins. Desde as robatas (espetinhos que remetem aos nossos churrascos), passando por variações de sushis e chegando a pratos mais elaborados como ensopados, caldos e macarrões orientais (como bifum, soba e udon), são muitas as preparações em que esses ingredientes despontam como peças-chave para uma profusão de sabores indescritíveis. Sem a existência dessas matérias-primas, dificilmente a população japonesa sobreviveria, devido à falta de áreas cultiváveis ao longo do território do país. Justamente por isso a população local criou essa identificação tão forte com os peixes e frutos do mar. Essa dedicação toda à cozinha e a determinados ingredientes influencia um sem número de restaurantes mundo afora, alguns deles conduzidos por imigrantes de origem nipônica e outros por entusiastas dessa saborosa culinária. Aqui no Sul de Minas temos uma ótima opção para os amantes da cozinha japonesa, é o restaurante Shitake, localizado em Itajubá e com um cardápio que privilegia a cozinha japonesa, mas engloba alguns itens de origem chinesa e também grelhados.

Do mar mediterrâneo para as montanhas mineiras O sul da Itália também rende homenagens aos ingredientes que vêm do mar. Essa porção meridional da terra da bota, historicamente menos favorecida economicamente que o norte do país, com solo mais arenoso, clima quente e um povo cheio de hospitalidade e calor humano é conhecida mundialmente pela diversidade de sua alimentação, rica em temperos como ervas aromáticas que se desenvolvem muito bem naquele clima, talvez por conta dos ventos que sopram do mediterrâneo para o continente. Dentre todas as províncias do sul italiano, certamente a Apúlia (ou Puglia) é a que mais devota os frutos do mar. Sua


29


Gastronomia Revista Vitrine

capital, Bari, tem como símbolo local o polvo. No cotidiano de suas cidades costeiras, os ‘pugliesi’ costumam exibir seu apreço pelos ingredientes típicos que compõem sua alimentação, seja preparando massas típicas nas calçadas (principalmente o Orechiette, macarrão em forma de conchinhas ou orelhinhas, que é a tradução da palavra em italiano) ou trazendo os pescados para as margens e preparando-as ali mesmo antes de serem levadas para as casas e servirem de base para massas, risotos e ensopados inimitáveis. Para a sorte de quem mora em São Lourenço e demais cidades do Circuito das Águas ou das Terras Altas da Mantiqueira, temos por aqui um legítimo representante da cozinha sul-italiana. É o restaurante Nicolaus, chefiado por Ignazio Schino. Ignazio nasceu e foi criado em Bari, onde aprendeu a cozinhar para custear a faculdade de direito que cursava. Depois de um tempo de contato com as panelas, percebeu que seu talento era exatamente esse e que o caminho a seguir estaria sempre ligado à exploração dos sabores típicos de sua

terra com uma técnica apurada e muita criatividade. Vindo para o Brasil, aportou inicialmente em Jericoacoara/CE e em seguida veio com a família para São Lourenço, onde abriu sua casa há um ano e vem trabalhando incessantemente para promover a alta gastronomia e o apreço pelos frutos do mar em São Lourenço e região.

O Sabor nosso de cada dia De fato, o sabor que essas iguarias têm são bastante diferentes do que habitualmente se encontra no cotidiano de nossa região, privada do contato direto com o mar por um mundaréu de montanhas que nos oferecem muitas outras saborosas peculiaridades. Justamente por serem ingredientes tão distantes do que estamos habituados a comer no dia a dia e por serem riquíssimos em nutrientes é que os frutos do mar são tão instigantes. Incluí-los na alimentação diária é acrescentar altas doses de sabor e saúde. Que tal então aprender uma deliciosa receita elabora pelo chef Ignazio Schino, do Nicolaus?

Penne Delícia Al Mare INGREDIENTES Massa: - 2 litros de água para a massa, temperada com sal grosso o quanto baste. - 180g de penne rigatti, de preferência o de Semola di grano duro* (facilmente encontrado nos supermercados. Os importados da Itália dão melhor resultado) Molho: - sal e pimenta branca à gosto - 2 abobrinhas italianas pequenas - farinha para passar a abobrinha - 16 camarões cinza (entre 10 e 15cm cada, aproximadamente) - azeite extra virgem de oliva à gosto - alho poró cortados em rodelinhas - 1/4 de alho bem picadinho

MODO DE PREPARO Coloque a água para ferver, acrescente o sal e cozinhe o penne, seguindo as instruções na embalagem até o ponto ‘al dente’. Reserve, regando com um pouco de azeite de oliva. Descasque os camarões, mantendo a cabeça e o rabo e limpando bem. Lave e corte as pontas da abobrinha, corte ao meio e retire toda a parte da semente, corte cada parte ao meio e depois em pequenas fatias de aproximadamente 0,5 cm largura por 7 cm de cumprimento. Em uma frigideira grande (32 cm de diâmetro ou mais é o ideal), coloque azeite, e aqueça. Passe a abobrinha pela farinha coloque na frigideira até começar a dourar sem queimar. Em seguida, acrescente o alho e o alho poró e aguarde alguns minutos. Por último coloque os camarões, mantendo o fogo baixo até que comece a sair um liquido da cabeça do camarão. É ai que está o sabor do prato! Adicione o conhaque em seguida e flambe, acrescente sal e pimenta branca. Para finalizar, coloque uma concha de caldo de legumes ( de preferência feito em casa, pois é mais saudável e nutritivo).

- uma dose de conhaque para flambar

Por fim, adicione o penne pré cozido na frigideira e deixe a massa absorver o molho por um minuto ou pouco mais. Finalize acrescentando a salsinha picada fininha a gosto.

- 2 colheres de sopa de creme de leite

Sirva em dois pratos e bom apetite!

- salsinha à gosto bem picada

30


OLHARES SOBRE CAXAMBU Com 227 fotógrafos inscritos, concurso Caxambu Em Foco teve sua cerimônia de premiação realizada no dia 07 de junho Fotógrafos e suas lentes, vindas de todo o Brasil retrataram a cidade de Caxambu para participar do concurso Caxambu em foco, uma iniciativa da Lince Fotografia, que contou com um júri de especialistas das áreas de comunicação e artes para avaliar o resultado dos trabalhos inscritos por fotógrafos profissionais, amadores e iniciantes, com o tema “Parque das Águas de Caxambu”.

Houve também a premiação com base no voto popular, que contou com a participação de 13 mil pessoas via internet, e elegeu Vânia da Cunha, de Caxambu, como a vencedora nesta categoria. Entre os profissionais, o primeiro lugar ficou com Denise McNiven Junqueira, por sua foto batizada de “Gotas d’água”. Em segundo lugar, Glória Regina Scharth Fogaça Paiva, com a foto “Água, Fonte de

Beleza e Saúde” e com a terceira colocação, Augusto Pereira Pinto Júnior, com a foto “Gueixa”, todos os 3 de Caxambu. A idéia dos realizadores é tornar o evento parte do calendário oficial de Caxambu e extendê-lo para outras cidades do Sul de Minas sendo a próxima, São Lourenço. www.lincefotografia.com.br

31


EMPREENDEDORISMO

CONTRA A CORRENTE, MODA CONSCIENTE

Por João Carvalho

32

Moda, sustentabilidade e beleza podem andar juntas em looks casuais despojados, elegantes e naturais com inspiração hippie e alma contemporânea Na pequena cidade de Virgínia se localiza uma grife que foge do comum, apostando na autêntica ‘moda mineira’. Antenada com questões de sustentabilidade, mas sem deixar de lado as tendências da moda e conceitos como elegância e conforto. A identidade da marca está ligada ao uso de materiais de origem natural e à contracultura, movimento capitaneado por jovens nas décadas de 60 e 70 que buscavam questionar o senso comum vigente até então e que influenciou os criadores da marca, Tânia e Ramón Fuentealba Villar.

Juntando o que aprendeu na faculdade com suas vivências e também com ensinamentos familiares, Tânia passou a confeccionar roupas dando seu toque pessoal ao tingir com cores preparadas por ela própria, fazer fuxicos, bordados e tricôs, o que traz exclusividade. Uma peça da marca, mesmo que seja de um modelo padrão, jamais será exatamente igual à outra. Tânia e Ramón seguiram sua história em conjunto e construíram família. Dentre os filhos do casal, quem mais se envolve com a marca, desde quando ainda eram crianças, são Lia e German.

O começo

Sem medo de olhar para frente

Ainda jovem, Tânia saiu da cidade de Andradina/SP para cursar física na Universidade de São Paulo. Nessa época viveu toda a crueza dos tempos da ditadura e participou do movimento

Lia hoje se dedica a auxiliar seus pais no processo criativo dos looks da Amanhecer Minas. “Comecei a me envolver mais com pesquisas de tendências, porque hoje é preciso ficar de antena ligada... assim fica mais fácil adaptarmos nossa linguagem ao que se usa e ao que a mulher atualmente busca”.

A identidade da marca está ligada ao uso de materiais de origem natural e à contracultura, movimento capitaneado por jovens nas décadas de 60 e 70 que buscavam questionar o senso comum.

estudantil. Poucos anos depois, passou a fazer Belas Artes, quando se envolveu com a revolução comportamental bancada pelo sonho hippie. Chegou a São Lourenço pouco depois e, em seguida, conheceu o marido, formado em desenho teatral e que fugia do regime autoritário de Pinochet no Chile.

E quem é a mulher que usa Amanhecer Minas? Segundo ela, é alguém que sabe o que vestir, tem estilo e não abre mão de seus valores. Que busca o consumo consciente, comprando peças de qualidade, que duram mais tempo e causam menor impacto ambiental, além do valor agregado devido à exclusividade e aos trabalhos artesanais. Hoje a marca vem conquistando grande mercado, estando presente em todo o território nacional, com maior força nos estados de MG e SP. O sucesso da marca, nas palavras de Tânia, é prova de que não é preciso abdicar de valores e nem se deixar levar pelo sistema para conquistar um bom padrão de vida e êxito comercial. Boas práticas e bons valores também dão futuro.


33


A MENINA DOS OLHOS DO MONTANHISMO

Capa

Conheça a Pedra da Mina, em Passa Quatro, um destino turístico requisitado por turistas do mundo todo e pouco explorado na região

Por João Carvalho

34

Entre o Parque Nacional de Itatiaia e o maciço de Itaguaré-Marins, e próximo a outros pontos elevados e conhecidos por montanhistas de todo o Brasil como o Pico das Agulhas Negras e a Serra dos Três Estados, está localizada a Pedra da Mina. Quarto ponto mais alto de todo o país e admirado por montanhistas de todo o mundo, é ainda pouco explorado pelo público local ou de turistas regionais, vindos de outras cidades no entorno de Passa Quatro, porta de entrada para a rocha em questão. Segundo José Augusto Nunes, mais conhecido como Guto Guia, falta interesse e conhecimento do poder público sobre as questões que envolvem o ecoturismo e uma renovação do conceito que se tem no turismo desta região. Para ele, valorizar as belezas naturais e ensinar a aproveitar esses roteiros deveriam ser ensinados nas escolas. “Porque não pegar turmas das escolas públicas daqui e ensiná-las quais são os pontos turísticos da cidade e da região, explicar o valor que tem conhecer e saber explorar o que de bom tem aqui? Isso pode aumentar a autoestima desse pessoal e também valorizar nossa região. O que falta aqui é mão de obra local especializada... de guias turísticos oficiais aqui só tem eu e mais um. Por que não formar mais gente e todo mundo se unir numa associação que valorizaria o trabalho e impulsionaria a região como um todo”, diz Guto. Ainda segundo ele, na gestão atual é possível perceber um pouco mais de boa vontade quanto a essas questões. Com seus 2.798m de altura, a Pedra da Mina perde somente para o Pico da Neblina, para o 31 de Março e para o Pico da Bandeira, ficando à frente do Pico das Agulhas Negras. Quando se atinge o topo,

o montanhista é premiado com uma visão 360º de toda a região, partindo do flanco mineiro acompanhando as cidades encravadas aos pés das montanhas e abrangendo boa parte do Vale do Paraíba (quando o tempo está bom, pode-se ver até Taubaté). Outro grande atrativo para os adeptos do montanhismo que se dispõem a subir a rocha é a riqueza da flora local. Segundo o renomado montanhista Freddy Duclerc, a Pedra da Mina e todo o maciço que a abriga são uma Cordilheira Verde, e é justamente essa visual impactante que encanta os turistas, em sua maioria vindos de Portugal, Espanha, França, Inglaterra e Alemanha.

Fauna, flora e curiosidades Esses visitantes europeus ficam extasiados com a exuberância da vegetação, mesmo sendo alpinistas e montanhistas experientes, porque essa paisagem é muito diferente daquilo que estão acostumados. As grandes montanhas existentes no continente europeu são todas cobertas por neve, portanto têm uma paisagem asséptica, toda branca e sem nuances. Ainda falando sobre a flora da Pedra da Mina, uma curiosidade: o biólogo e professor da USP Leonardo Meireles aponta que em uma área da montanha existe um tipo de vegetação exatamente idêntica à de um determinado ponto da Cordilheira dos Andes e em nenhum outro lugar do planeta. Além disso, há também uma pequena espécie de sapo, medindo aproximadamente meio dedo de comprimento, chamado de “sapinho flamengo” por ter as cores do time da gávea em seu corpo: vermelho na barriga e preto nas costas. Apesar de todo seu tamanho, imponência


Antes disso, a Pedra da Mina passou longos anos semiabandonada. Desde sua descoberta, por uma expedição alemã, nos anos 50 até o fatídico evento que motivou sua “redescoberta” passaramse longos anos. Os desbravadores que ali chegaram o fizeram por acaso. Eles queriam atingir o Pico dos Três Estados, mas se perderam na trilha e chegaram à Pedra da Mina, que leva esse nome por conta da impressão que se tem de que a pedra faz brotar água quando vista ao longe, devido ao brilho das chuvas que molham a rocha por todos os lados no verão. Apesar de não haver água, de fato, no topo, nas encostas há algumas nascentes de rios de grande importância. Os Rios Claro e Verde nascem ali. E no vale formado por essas nascentes está localizado um dos pontos mais frios de todo o país: o vale do Ruá, onde se registram temperaturas de até -16°C.

Capa

Com a fama recentemente adquirida, muitos turistas procuram a Pedra da Mina em busca de aventuras e belas paisagens. Além dos muitos montanhistas com experiência e já familiarizados com a geografia local aportarem em Passa Quatro com essa intenção, chegam também muitas pessoas no “oba-oba”, apenas pela fama do lugar. O que acontece é que, nesses casos, os riscos de pessoas se perderem ao longo do caminho são enormes. É grande o volume de pedidos de resgate no local, principalmente em épocas do ano mais chuvosas ou com grande incidência de neblina. Por isso, fica aqui a recomendação: Faça sim o passeio até a Pedra da Mina, porque vale a pena. Mas sempre conte com o apoio de um guia turístico experiente e com grande conhecimento do local.

Revista Vitrine

e a quantidade de recursos naturais, a Pedra da Mina passou muito tempo desconhecida do público. Até mesmo para a aviação brasileira era descrita como um clarão. Por não ser uma rota tradicional da aviação civil, a região não foi bem mapeada e a montanha causou alguns acidentes aéreos com aviões da FAB e outras aeronaves de pequeno porte. O mais recente deles, que inclusive motivou a medição oficial realizada no ano de 2.000, vitimou 2 pessoas de São Lourenço a bordo de um monomotor. Até hoje alguns destroços do avião podem ser encontrados ao longo das trilhas que levam ao topo.

Visitantes europeus ficam extasiados com a exuberância da vegetação, mesmo sendo alpinistas e montanhistas experientes, porque essa paisagem é muito diferente daquilo que estão acostumados. José Augusto Nunes (Guto Guia)

35


PELA REGIÃO

Eventos

* Os eventos podem sofrer alterações de acordo com o calendário oficial de cada cidade.

36

Data/Hora

Evento

Local

Realização / Info

20 a 23/06

Festival de Gastronomia Passa Quatro Gourmet

Passa Quatro - MG

passaquatrogourmet. com.br

21 a 23/06

IX Festival da Cachaça

São Lourenço - MG

SERVTUR (35) 3332-4490

23/06

Taekwondo

Ilha Antônio Dutra São Lourenço - MG

(35) 3332-4490

12 e 13/07

27º Festival de Música

Itanhandu - MG

(35) 3361-2000

18 a 28/07

5º Festival de Inverno

São Lourenço – MG

(35) 3331-8579 facebook.com/ festivaldeinverno2013

20/07 13:00

5º Grande Passeio Ciclístico de São Lourenço

São Lourenço – MG

Comunique Brindes (35) 8829-1706

20 a 27/07

Expo Passa Quatro 2013

Passa Quatro – MG

Kadu Eventos kadueventos.com.br

01 a 10/08

Festa de Agosto

São Lourenço – MG

SERVTUR (35) 3332-4490

08 a 11/08

Copa Brasil de Balonismo

São Lourenço - MG

balonismo.org.br


Passa Quatro em Vitrine

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL COMEMORA 90 ANOS No dia 20 de abril foi realizado um jantar em comemoração a os 90 anos da Associação Comercial, Industrial e Agropecuária de Passa Quatro (ACIPAQ). Fundada em 1923, a entidade sempre foi pautada pela união fraterna em prol do desenvolvimento integrado de todas as atividades econômicas da cidade mineira e pelo objetivo de fortalecer o comércio local. O evento ocorreu no Salão da APAE de Passa Quatro e reuniu todos os associados e exdiretores da ACIPAQ, assim como autoridades civis, militares e religiosas da localidade. Atualmente a associação conta com 143 membros e busca alcançar outros longos anos de sucesso.

Prefeito Paulo Brito

Mônica Ribeiro Mota (Diretora Comercial) Patrícia e Nelci (Presidente da ACIPAQ)

Nelci presidente atual e José Luiz Batista ex-presidente

Diretores, Wilma Forastiere, Claudinei Fonseca, Paulo Eustáquio e esposa Lavinia

Nelci recepciona o Diretor de Turismo e Relações Públicas

37


COACHING E PSICANÁLISE PARCERIA PARA NOVOS TEMPOS

Colunista Convidada

Características indispensáveis a quem toma decisões e rege o dia a dia de uma empresa

Foto: Arquivo Pessoal

O treinamento e a formação exclusivamente tradicional dos empresários, diretores e gestores já não têm revelado tanta efetividade para suas atividades gerenciais. Eles sabem que adotar um estilo padronizado e regras generalistas para todos os funcionários não trazem os resultados desejados.

e aceitar não se ter mais o conforto e o apoio do grupo. Cada executivo chega a uma resposta sobre suas características pessoais e gerenciais e, seja ela qual for, o importante é que esse profissional com posição de liderança não hesite diante do que precisa ser feito e suporte o risco que cada escolha envolve.

Para acompanhar e responder as rápidas mudanças exigidas no atual estilo de gestão, esses profissionais precisam construir seu próprio estilo e, a partir dele, ter disposição para transformar o talento de cada integrante de sua equipe e otimizar o desempenho deles. Para alcançar esse objetivo o coaching revela ser uma ferramenta essencial.

O segundo passo é auxiliar o Coachee a destacar o talento de cada pessoa de sua equipe. Não se trata de ajudar seus funcionários a superar seus pontos fracos , mas a ressignificar: dar um significado novo a alguma expressão de comportamento que não é produtiva. Por exemplo, o caso de um funcionário tímido e introvertido que, apesar de dedicado e criativo, não consegue deslanchar na carreira. A orientação não deve ser para que ele deixe de ser o que é, como se tivesse uma doença. Mas que justamente transforme sua timidez e introversão em aliados, usando-os a seu favor. Ao individualizar cada funcionário, o gestor cria condições para que as pessoas tenham a oportunidade de realizar o que fazem melhor, refletindo numa melhora duradoura nos índices de desempenho da equipe.

Como funciona o coaching O primeiro passo é auxiliar o Coachee (executivo) a conhecer o que ele tem de mais singular, sua essência. Geralmente, o cliente chega com uma imagem distorcida de si mesmo e apoiada no senso comum. A literatura está repleta de livros que vendem a ideia do ‘segredo do sucesso’, em que é mais fácil fazer como os outros e tratar todos da mesma maneira. Como os resultados esperados não são atingidos, tanto empresas quanto gestores procuram ajuda.

No processo de coaching, o gestor percebe que o caminho mais assertivo é o da singularidade, que requer suportá-la

38

Um gestor precisa construir seu próprio estilo e, a partir dele, ter disposição para transformar o talento de cada integrante de sua equipe e otimizar o desempenho deles.

Com efeito, o coaching destina-se a empresários, diretores, gestores, responsáveis por equipes, profissionais que estejam em transição para ocupar cargos de liderança ou qualquer pessoa disposta a criar seu próprio estilo a partir de uma invenção responsável. Como nos lembra o psicanalista, psiquiatra e doutor Jorge Forbes: “Temos muito a festejar um tempo que retomou em suas mãos o futuro, fazendo dele não mais uma projeção do presente, mas uma invenção”.

Franciele Matias Carneiro é psicóloga, psicanalista e pós-graduada em Gestão de Pessoas pelo MBA da FGV. Atua na área clínica e como consultora em empresas familiares e multinacionais. Proprietária da Bridge, empresa de consultoria em gestão de pessoas e parceira da Rauze.


39



Revista Vitrine