Page 95

Comissões de Proteção de Crianças e Jovens como modelo de Governação Integrada

“Somos convocadas, para todas as reuniões. Somos informados de tudo o que se passa. Mesmo que até não estivéssemos – podemos não poder estar presentes nalguma reunião – mas somos sempre (informados).” (ECPCJ9.8.a.). Um dos maiores benefícios deste elevado perfil de participação é a corresponsabilização e a solidariedade daí decorrentes: “Há uma maior corresponsabilização nos casos mais debatidos.” (ECPCJ13.8.c.). “Nunca fica cá ninguém sozinho a tratar seja do que for e os que não ficam telefonam, e os que não ficam tentam perceber o que se passou.” (ECPCJ12.8.c.). “O meu fracasso é o fracasso de uma equipa inteira e é isto também que depois gera aqui este espírito de equipa. Sinto que cada vez que alguma colega fracassa todas nós sentimos isso também como uma derrota pessoal. Portanto, os processos são muito partilhados, são muito discutidos e nesse sentido acaba por ser um processo de todos.” (ECPCJ10.8.a.). “Eu, muitas vezes, digo, “o processo não é teu, o processo é da comissão” (...) Quando acontece alguma coisa menos boa, eu acho que a comissão se une e aí já não temos essa dimensão de “o processo é meu”..., não, vamos ver em conjunto o que é que se pode fazer, de que forma é que vamos solucionar.” (ECPCJ14.8.c.). “A questão de cada um ser responsável faz com que se tenha uma maior autonomia e se trabalhe melhor. Está-se ali a depositar alguma confiança também no técnico e no seu profissionalismo.” (ECPCJ17.8.d). Esta dinâmica de participação reflete-se na satisfação e na dedicação que os técnicos da CPCJ evidenciam, apesar da enorme sobrecarga de trabalho: “Eu (só) não venho mesmo quando estou impedido por questões de serviço (...) depois vejo a satisfação das pessoas e vejo que há pessoas que se disponibilizam para além do que (é esperado), quer à instituição, quer (retirando) à própria vida privada delas.” (ECPC11.8.a.). 93

Profile for Instituto Padre António Vieira

Comissões de Proteção de Crianças e Jovens como modelo de Governação Integrada  

Um estudo de caso da CPCJ Amadora

Comissões de Proteção de Crianças e Jovens como modelo de Governação Integrada  

Um estudo de caso da CPCJ Amadora

Profile for ipav
Advertisement