Page 153

queimados ou por linhas de outras culturas (mandioca, algodão, milho, banana). Isso permite, após a colheita, identificar e separar tipos segregados, que podem vir a ser plantados como uma variação (sem nome específico) de sua variedade de origem na safra seguinte. Cabe aos humanos a tarefa de prestar atenção às suas roças e separar o que é novo. No caso dos Kawaiweté, eles reconhecem também haver o "especialista", aquela pessoa, homem ou mulher, que quando planta proporciona grandes colheitas. Na roça familiar, os cultivos ficam em um espaço comum, mas é possível diferenciar o que cada pessoa plantou. Conforme explica o pajé, “cada trilha (divisão dentro da roça) tem o seu pauzinho, tem o seu limite, e então dá para descobrir aquele plantio onde uma pessoa plantou. Cada um que plantou naquele quintalzinho tem o seu limite".

ayrton vignola/folha imagem

capítulo 4 | conhecimento indígena

o corAção do brAsil

Coleta de sementes pelo povo Ikpeng, 2010.

veJa tambÉm: Rede de sementes do Xingu, pág. 262.

o sal aweti

A

produção do sal vegetal, a partir do processamento do aguapé, é um processo desenvolvido por várias etnias do PIX, mas especialmente pelos aweti, que chamam o produto de tikyt. A principal diferença entre o sal indígena e o sal industrializado é sua composição. O sal do aguapé consiste em cloreto de potássio, o que lhe confere valor extra, pois não provoca a pressão alta, um dos efeitos mais nocivos do sal que consumimos nas cidades, que é cloreto de sódio. Os aguapés de duas lagoas – Tsawala e Azuyt – são os mais utilizados atualmente.

152

Para produzir o sal, as mulheres entram na água para puxar as folhas até a margem, onde os homens as recolhem e espalham para serem secas ao sol. Para não comprometer a reprodução de novas folhas para as safras subsequentes, os Aweti cuidam de retirar apenas as folhas que estão fora da água, evitando extrair todas as raízes enterradas na lama. Depois de secas, as folhas são queimadas e as cinzas daí resultantes são levadas para dentro de casa. Ali, misturadas em água, a decantação resultante é o sal vegetal dos Aweti.

AlmAnAque socioAmbientAl pArque indígenA do xingu 50 Anos

Profile for Instituto Socioambiental

Almanaque Socioambiental Parque Indígena do Xingu 50 anos  

O Almanaque Socioambiental Parque Indígena do Xingu 50 anos traz um conjunto de informações de diferentes fontes sobre processo de criação d...

Almanaque Socioambiental Parque Indígena do Xingu 50 anos  

O Almanaque Socioambiental Parque Indígena do Xingu 50 anos traz um conjunto de informações de diferentes fontes sobre processo de criação d...

Advertisement