Issuu on Google+

ENTREVISTA

05

ANP NEWS

10

Ruben Aguilar

ANO 02 | Nº 03 | MAIO/2012

Impacto Esperança

Os Essênios e Jesus 07


EDITORIAL

Livro Vivo D

esde o mês de fevereiro aconteceram várias datas especiais ligadas à escrita: Dia Nacional do Livro Didático (27 de fevereiro), Dia do Vendedor de Livros (14 de março), Dia do contador de Histórias (20 de março), Dia Internacional do Livro Infantil (02 de abril), Dia Nacional do Livro Infantil (18 de abril), Dia Mundial do Livro, Dia do Direito do Autor (23 de abril) e Dia da Literatura Brasileira (01 de maio). Mas afinal, o livro é tão importante assim para ser comemorado de tantas maneiras diferentes? De acordo com uma pesquisa realizada pelo Instituto Pró-Livro e divulgada pelo site Brasil Que Lê (www.brasilquele.com.br), cerca de 88,2 milhões de pessoas são consideradas leitoras. A pesquisa ainda revela que a Bíblia é a obra mais lida no Brasil, seguida por livros didáticos, romances, livros religiosos e livros infantis. Nesta edição, a Revista ANP apresenta como tema central as Sagradas Escrituras. Até 1940, os cristãos acreditavam na Bíblia apenas pela fé. Com a descoberta dos Manuscritos do Mar Morto a sustentação da verdade animou e comprovou a fé dos antigos. Estes manuscritos são um conjunto de textos encontrados no final da década de 1940, nas Cavernas de Qumran, Mar Morto. Os textos foram compilados por um grupo de judeus conhecidos como Essênios. Você já ouviu falar neles? Muitos adventistas não conhecem nada sobre este povo que compilou várias porções da Bíblia Hebraica. Os Manuscritos do Mar Morto são de longe a versão mais antiga do texto bíblico, datando de mil anos antes do que o texto original da Bíblia Hebraica, usado pelos judeus atualmente. As compilações são em sua maioria do Antigo Testamento. 312 profecias dos velhos lívros bíblicos foram cumpridas com a vida de Jesus, são as chamadas profecias messiânicas. Jesus utilizava trechos das escrituras para ensinar e até repreender o diabo. Ele foi o “livro vivo”, cumpriu e conheceu as palavras escritas. Que você seja semelhante a Jesus: um “livro vivo”. Boa leitura!

ÍNDICE

SAGRADO

A IMPORTÂNCIA DE ESTUDAR A BÍBLIA ENTREVISTA RUBEN AGUILAR OS ESSÊNIOS E JESUS

ANP NEWS REVISTA ANP

02

03 04 05 07 10

Patrícia Ferreira é jornalista na Associação Norte Paranaense

Presidente: Pr. Ronaldo Bertazzo

A

REVISTA

Associação Norte Paranaense da Igreja Adventista do Sétimo Dia Av. Carlos Correia Borges, 1336 Jardim Iguaçu - Maringá - PR Cx. Postal 2525 - 87030-990 Telefone: (44) 3220-7777 www.anp.org.br

Secretário: Pr. Milton Andrade Tesoureiro: Marcelo Bif Diretor de Comunicação Pr. Jônatas Rosa Jornalista Responsável Patrícia Ferreira MTB 8778/PR

Diagramação: Claudinei Avelar - DZ7 Proejtos Gráficos dz7@dz7projetos.com.br

Revisão: Michel Queiroz Impressão: CAIUÁS - Gráfica e Editora Tiragem: 8.000 exemplares


A

Pastor Ronaldo Bertazzo é presidente da Associação Norte Paranaense

Bíblia é a Palavra de Deus para Seus filhos. É somente ela que deve nortear as decisões e saciar a fome do coração, preenchendo as lacunas da alma. Ela revela que o ser humano foi criado por Deus. Revela quem é satanás e exibe o plano de Deus para salvação dos perdidos traçado antes da fundação do mundo. Os fatos históricos demonstram que os relatos e os ensinos bíblicos são de origem divina. Apesar de ter sido escrita por homens, (II Pedro 1:20-21) ela expressa a vontade de Deus em linguagem humana. Acompanhe porque a Bíblia Sagrada é um livro sem igual, diferente de todos os que já foram escritos. A Bíblia é o único livro no mundo que oferece provas objetivas de ser a Palavra de Deus. Somente a Bíblia fornece provas reais de ser divinamente inspirada. Ela é a única escrita que oferece a solução para o pecado, e solução gratuita: a salvação pela graça em Cristo Jesus. Somente a Bíblia apresenta de maneira real a natureza humana, e tem poder de convencer e transformar as pessoas. As características da Bíblia são excepcionais em sua unidade e consistência. Apesar de ter sido produzida em um período estimado em 1500 anos, por mais de 40 autores diferentes, em três línguas, em três continentes, ela discute uma enorme quantidade de assuntos controvertidos, e ao mesmo tempo mantendo harmonia entre eles. A Bíblia é o livro mais traduzido, mais vendido, mais comprado, mais memorizado e o mais perseguido em toda a história do planeta Terra. Somente a Bíblia

tem um personagem central (Jesus Cristo) como assunto em cada um dos seus 66 livros, detalhando a vida desta Pessoa através de profecias, descrições, por um período de 400 – 1500 anos antes dEle nascer. Sem dúvida a Bíblia é um livro incomparável. Toda ela (Antigo e Novo Testamento) foi inspirada por Deus. Aliás, quando Jesus esteve na Terra, Ele usava o Antigo Testamento para suas explanações e pregações. Ele usava termos como “as Escrituras”, “Escritura”, “Está escrito” e expressões similares, demonstrando claramente que Ele atribuía ao Antigo Testamento autoridade final e inquestionável. Para Jesus, as Escrituras são a Palavra de Deus que não pode ser anulada (João 10:35). Por mais que críticos modernos queiram afirmar que o Antigo Testamento pode ser descartado, os adventistas não podem pensar assim. John Wenham disse: “Para Cristo o Antigo Testamento é verdadeiro, autorizado e inspirado. Para Ele, o Deus do Antigo Testamento é o Deus vivo, e o ensino do Antigo Testamento é o ensino do Deus vivo. Para Ele o que as Escrituras dizem, Deus diz”, Compreendendo as Escrituras, página 76. Bem disse Paulo a Timóteo: “Toda a escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para correção, para a educação na justiça, a fim de que o homem de Deus seja perfeito e perfeitamente habilitado para toda boa obra” (II Tim. 3:16-17). Querido irmão e amigo não deixe esse livro esquecido. Faça uso dele, leia, estude, pois a Bíblia é sem dúvida a Palavra de Deus!

03

MENSAGEM PASTORAL

Sagrado

REVISTA ANP


Importância de estudar a Bíblia Pastor Jônatas Rosa é líder de Jovens, Comunicação e Ministério da Música da Associação Norte Paranaense

ESPAÇO PGD

A

Bíblia é um livro sagrado que tem sido lido por milênios e conhecido por todos os povos. Hoje se encontram várias formas de ler a Bíblia. Vários formatos como CD-ROM, CD de áudio, na internet, no Ipad, no celular, em Braille para cegos, em microchip, em formato tradicional, entre outros. Mas surge então a pergunta: Por que devemos estudar a Bíblia? Para responder a essa pergunta, aqui estão listadas muitas respostas:

1

2 3

Porque a Bíblia é a verdade. “Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade”. (Jo 17:17) Porque a Bíblia é uma luz para iluminar você nesse mundo de trevas. “Lâmpada para os meus pés é a Tua palavra e luz, para os meus caminhos”. (Sl 119:105) Para obter a vida eterna. “Examinais as Escrituras, porque julgais ter nelas a vida eterna, e são elas mesmas que testificam de mim”. (Jo 5:39)

4 5 6

Para ter esperança. “Pois tudo quanto, outrora, foi escrito para o nosso ensino foi escrito, a fim de que, pela paciência e pela consolação das Escrituras, tenhamos esperança”. (Rm 15:4). Para ser sábio. “E que, desde a infância, sabes as sagradas letras, que podem tornar-te sábio para a salvação pela fé em Cristo Jesus”. (II Tm 3:15) Para ser ensinado, repreendido, corrigido e educado. “Toda a Escritura é inspirada por Deus e útil para o ensino, para a repreensão, para a correção, para a educação na justiça”. (II Tm 3:16)

7

Para estar preparado para a grande crise que sobrevirá ao povo de Deus. “Aproximam-se rapidamente os dias em que haverá grande perplexidade e confusão. Satanás vestido com roupas angelicais, enganará, se possível, os próprios escolhidos. Haverá muitos deuses e muitos senhores. Os ventos de todas as doutrinas estão soprando. ... O Senhor tem servos fiéis que durante o tempo de sacudidura e de provas surgirão para a cena.” Tetemunhos para a Igreja, v.5, p. 80 e 81.

“O Espírito de Deus tem iluminado cada página dos Escritos Sagrados, mas há aqueles sobre os quais pouca impressão eles fazem, por serem imperfeitamente compreendidos. Ao vir a sacudidura, pela introdução de falsas teorias, esses leitores superficiais não ancorados em parte alguma, são como a areia movediça.” Test. para Ministros, p.112. “Os sofistas acerca de Deus e da natureza, os que inundam o mundo com ceticismo, são inspirados pelo inimigo caído, que é também estudante da Bíblia, sabe qual a verdade essencial para o povo e empenha-se em distrair as mentes das grandes verdades destinadas a prepará-las para o que está prestes a sobrevir ao mundo…” Test. Seletos, v.3, p. 270. Compreenda que a cada dia, ler esse livro é de suma importância, pois no final, quando tudo acabar, os filhos de Deus olharão para trás e verão que valeu a pena. Pense nisso!

REVISTA ANP

04


Ruben Aguilar REVISTA ANP: • Como se sabe que este grupo existiu de fato; existe alguma comprovação da existência dele? RUBEN: Um dos maiores descobrimentos arqueológicos do século XX, considerado por muitos como o mais importante, foi o efetuado em 1947 na margem ocidental do Mar Morto, no território da Palestina. Esse descobrimento revelou a existência, no passado, de uma comunidade judaica caracterizada por levarem seus membros a uma vida de ascetismo que os habilitava a produzir grande número de textos manuscritos. Muitos estudiosos, principalmente arqueólogos, historiadores e filologistas, tem sugerido hipóteses em relação à identidade da comunidade que ocupava as cavernas de Qumran. Todas essas hipóteses, muito bem fundamentadas, destacam características peculiares dos diferentes grupos em que estava dividido o Judaísmo dos primeiros anos do cristianismo; porém, um bom número de eruditos

está inclinado a considerar essa comunidade como pertencente à seita dos Essênios. A identidade dos membros do mosteiro de Qumran foi por vários anos tema de empolgantes debates e argumentação obstinada. No entanto há geral aceitação de que as raízes da Seita de Qumran se inicia no movimento Hasidim, durante o período dos Macabeus (130 a.C.); assim, os membros de Qumran seriam judeus Essênios. Alguns traços peculiares dos essênios encontram-se nos escritos de Flávio Josefo, Philo de Alexandria e o historiador romano, Plínio o velho. Josefo afirma ter sido membro dessa seita quando era jovem. Plínio assevera que “os Essênios tinham uma residência no lado ocidental do Mar Morto, acima de En-Gedi”. Fritsch aceita que essa expressão refere à localização de Qumran, onde a descrição de “Essênios”, Ën-gedi”, “Massada”, seria uma forma orientadora de referir-se à posição de norte a sul

dessas comunidades. Outra observação que favorece a identidade da seita de Qumran, como sendo dos Essênios, é a proporcionada por Milik, baseada na afirmação de Philo de Alexandria sobre a dedicação aos trabalhos agrícolas. As escavações de Qumran revelam tal atividade corroborada pela proximidade do oásis Ain Feshkha, que oferece um ambiente ideal para esse tipo de trabalho; mais uma evidência da existência dos Essênios. REVISTA ANP: • O que é importante saber sobre este grupo? RUBEN: Além de conhecer as características étnicas e éticas dos essênios, o interesse para o historiador, para o filologista, e também para o estudioso da Bíblia é a forma como esse grupo preservou cópias de manuscritos antigos, principalmente, bíblicos. A análise desses documentos permite descobrir a autenticidade dos manuscritos bíblicos, a relação cronológica dos mesmos, a autoria e outras

05

ENTREVISTA

Nasceu no dia 2 de maio de 1940, em La Paz, Bolívia. Em 28 de janeiro de 1970 casou-se com Neuza Aguilar e teve três filhos, Rúben Cláudio, Neuza Clarice e Dianny Aguilar. Aguilar é formado em Física, Química, Biologia e Teologia. É doutor em História Antiga pela Universidade de São Paulo (USP). Com 35 anos de trabalho na obra, Aguilar foi professor na Bolívia e durante oito anos lecionou no Instituto Adventista Cruzeiro do Sul (Iacs), no Rio Grande do Sul, e desde 1984 leciona para o curso de Teologia do Unasp.

REVISTA ANP


características filológicas. O número de manuscritos descobertos é elevado; entre os quais se destacam: o “livro do profeta Isaias”, escrito em pergaminho; o “comentário sobre o livro do profeta Habacuque”; o “Manual de Disciplina” da seita; o “Livro das Guerras”, escrito em aramaico. Em 1951, G. Lancaster Harding e Roland de Vaux, iniciaram escavações na colina Khirbeth Qumran, localizada 400 mts. ao sul de Wadi Qumran, na margem ocidental do Mar Morto, onde descobriram as ruínas de uma grande construção do período de João Hircano (135 - 105 a.C.), com aspecto de mosteiro. Na primavera de 1952, toda a região de Qumran era escavada sob a direção de Roland de Vaux; desse tempo em diante foram descobertas 37 cavernas com sinais de ocupação e em 35 delas encontraram-se manuscritos. REVISTA ANP: • A Bíblia fala sobre os essênios? Existe qualquer critica aos essênios na Bíblia? RUBEN: A palavra Essênio, não tem uma raiz linguística clara. Não se sabe de que língua é originária; assim também seu significado é incerto. Na Bíblia não há uma menção sequer desse termo. Pelo grupo reduzido em número, de essênios; somado a localização distante do lugar de moradia, sem esquecer-se das condições monásticas que praticavam, a omissão deste grupo nos eventos bíblicos é por certo natural. Não há na Bíblia qualquer menção ao grupo, consequentemente toda crítica, seja positiva ou negativa, é alheia ao conteúdo das Sagradas Escrituras. REVISTA ANP: • Jesus foi um essênio? É possível que tenha sido? RUBEN: Devemos ratificar a asseveração sobre a au-

REVISTA ANP

06

toridade dos evangelhos em relação à vida de Jesus. Nesses quatro livros não há uma menção aos essênios; muito menos uma mínima afirmação referente a Jesus como membro desse grupo. A vida de Jesus era uma atividade pública, seu propósito era ensinar uma nova doutrina de salvação, advertindo da possibilidade de sacrifício e morte para consumar tal objetivo. A vida dos essênios era a de retraimento em completo isolamento do resto das pessoas. Muitas crenças afirmam que Jesus era um essênio. Analise a citação embaixo e esclareça a veracidade ou falsidade da declaração. “[Os Essênios] Eram chamados de Nazaritas pelas suas ideias e práticas Budistas. Jesus Cristo foi o seu maior representante, o Nazareno, ao contrário do que pensa a maioria, não significa que ele tenha nascido em Nazaré. Seu significado real é: O Filho de Deus que tinha o controle da Respiração Nasal”. A declaração mencionada não justifica a identidade de Jesus como membro do grupo dos essênios. A similaridade de aspectos éticos ou comportamentais entre os essênios e o praticado por Jesus, é uma coincidência positiva; não implicando comprometimento algum em relação à identidade. Tal semelhança de atitude pode-se encontrar com a ética de uma variedade de grupos sociais, de tendências filosóficas, espiritualistas e até materialistas. Sobre algumas crenças dos essênios e o significado de Nazaritas, e sua aplicação ao nome de Jesus o Nazareno; se observa a carência de evidências textuais ou documentárias, que fundamentem tais afirmações. Não existindo as fontes, tal argumentação é simplesmente uma especulação literária, de responsabilidade dos que assim afirmam; cabendo a eles toda imputação pelas consequências que possam gerar.


Comprar sapatos normalmente é uma atividade convidativa para a maioria das mulheres. Mas para outras não é algo muito atraente, não por causa do resultado final, mas pela cansativa e entediante experiência de ficar experimentando alguns pares até achar algo que fique bem. E para aqueles que não querem gastar muito, a melhor solução sempre são as lojas tradicionais que têm muita quantidade do mesmo modelo. O problema de comprar nessas lojas muitas vezes é a situação embaraçosa de perceber que outra pessoa tem o exato modelo do seu. Tal problema da falta de

Os Essênios e Jesus Por Marina Garner

originalidade é uma “pedra no sapato” de muitos quando o assunto é Jesus. Para eles, isso é fundamental para a permanência na fé cristã ou na confiança na Bíblia. Para ter uma melhor compreensão dos Evangelhos é indispensável entender o contexto em que Jesus estava inserido, principalmente percebendo a influência política e filosófica que dominava o povo naquele tempo. Neste artigo você compreenderá o problema que existe entre alguns cristãos e não cristãos quanto à similaridade que supostamente existe entre Jesus e a comunidade dos essênios. As semelhanças existem de fato?

07

REVISTA ANP


Quem eram os essênios? Sabe-se pouco sobre a provável comunidade dos essênios. Na realidade, existem debates até hoje sobre a própria existência deste grupo. Porém, o que se sabe é que talvez os essênios tenham sido um dos três principais grupos judaicos no primeiro século, apesar de suas origens serem muito mais antigas. Os judeus, desde a época de Jesus, estavam divididos em vários grupos, entre eles: fariseus, saduceus e essênios. Os essênios eram um grupo de separatistas. Seus membros formarvam uma comunidade monástica ascética (ou seja, que abdicavam os objetivos comuns dos homens por causa da prática religiosa e que normalmente eram abnegados), que se isolou no deserto. Esta rebeldia provavelmente fora causada pela rejeição da autoridade do sumo sacerdote do templo de Jerusalém. Este sacerdote se tornou um dos grandes inimigos dos essênios e os perseguiu por muito tempo. Para citar os próprios Manuscritos do Mar Morto, os essênios buscavam “separarem-se da congregação dos homens da iniquidade a fim de se tornar uma comunidade na lei e na riqueza, responsáveis dos filhos de Zadok, os sacerdotes que cumprem a aliança, e à maioria dos homens da comunidade, que são fiéis à aliança.” 1 O grupo não era pequeno. Segundo Filo e Josefo, escritores judeus do primeiro século, os essênios morando na Palestina chegavam a quatro mil.2 Josefo também comenta que eles estavam espalhados em várias aldeias e áreas rurais. A seita desapareceu por ocasião da invasão romana da Palestina que culminou com a destruição de Jerusalém, no ano 70. As principais fontes a respeito deste povo são os escritos de Josefo, Filo e os Manuscritos do Mar Morto. Para melhor compreensão, seguem algumas caracteristicas deste povo: dividiam-se em grupos de 12 com um líder chamado “mestre da justiça”; vestiam-se sempre de branco; acreditavam em milagres pela mão, milagres físicos e bênção com as mãos; aboliam a propriedade privada; eram todos vegetarianos; não se casavam; tomavam banho antes das refeições; as refeições eram sujeitas a rígidas regras de purificação; eram chamados de nazarenos por causa do voto nazireu e se proclamavam “a nova aliança” de Deus com Israel; eram adeptos a não violência; tinham um ódio mortal pelos saduceus e fariseus assim como por qualquer um que eles considerassem “impuros” ou “filhos das trevas”.

Problema

A problemática do artigo é a suposta semelhança que existe entre Jesus e os essênios. Se ela existe de fato; como defendem alguns cristãos, gnósticos ou participantes do movimento Nova Era; teríamos uma grande dificuldade. Dois são os conceitos enfatizados: 1. Jesus aprendeu dos essênios e era mesmo parte desse grupo sectário judaico. 2. Jesus não teria existido, mas foi produzido pelos evangelistas de acordo com a figura do “Mestre de Justiça”, figura principal dos essênios. Além disso, o cristianismo e todos seus ensinamentos também teriam sido copiados dos essênios. O grande problema do primeiro conceito é óbvio, se Jesus recebeu inspiração dos essênios, então Sua mensagem merece pouca ou nenhuma credibilidade. Pode-se até chegar ao ponto de dizer que, se Jesus era um essênio, alguns poderiam inclusive colocar em dúvida a própria ideia de que Ele era Deus e tinha uma mensagem especial de salvação ao mundo. Esta radical ideia também é ampliada se a segunda suposição for verdadeira. REVISTA ANP REVISTA ANP

08 08

Em 1893, o acadêmico francês Ernest Renan disse que “o Cristianismo é um tipo de Essenianismo bem sucedido”3. O pior veio depois de serem descobertos os Manuscritos do Mar Morto, importantes documentos encontrados nas cavernas de Qumran, que lançam uma enorme quantidade de luz sobre as ideias e costumes dos essênios. Apesar de a descoberta ter dado mais credibilidade aos escritos do Antigo Testamento, A. Dupont-Sommer, um dos sucessores de Renan, escreveu o seguinte:

“Tudo na nova Aliança Judaica (como encontrado nos Manuscritos do Mar Morto) anuncia e prepara o caminho para a Nova Aliança Cristã. O Mestre da Galiléia, como os escritos do Novo Testamento apresentam-no para nós, aparece como uma reincarnação fantástica do Mestre de Justiça de muitas maneiras…Como ele, Jesus foi condenado e colocado para morrer. Como ele, Jesus ascendeu ao céu, perto de Deus… Como ele, Jesus será o supremo juiz no fim dos tempos. Como ele, Jesus fundou uma igreja cujos membros ansiosamente aguardavam seu glorioso retorno…” .4 Ele também disse que onde quer que exista uma semelhança entre os Manuscritos do Mar Morto e o Cristianismo, os cristãos teriam copiado dos essênios. Para os críticos, Cristo teria sido educado entre os essênios do Monte Carmelo, no norte de Israel, então conhecidos como nazarenos. Eles se diferenciavam dos eremitas da região de Qumram, no sul, por sua postura menos radical. Nos manuscritos de Qumram não há nenhuma menção a Jesus, mas, segundo o arqueólogo inglês Lankester Harding, é a coincidência de práticas e terminologia antes julgadas exclusivas do cristianismo que condena o Messias cristão. De acordo com David Noel Freedman e Pam Fox Kuhlken “encontramos paralelos em assuntos como a linguagem teológica, procedimentos rituais e uma ideia apocalíptica compartilhada.”5 Essa suposição foi fantástica para aqueles que já não queriam aceitar o cristianismo como verdadeiro. Jesus e o cristianismo não mais


eram originais e historicamente confiáveis, mas simplesmente um espelho das crenças de sua época. Tanto a ideia de que Jesus teria sido educado entre os essênios quanto de que Ele teria sido uma cópia abalam as estruturas do cristianismo, e não podem ficar sem uma profunda análise.

Diferenças

Muitas diferenças se tornam bastante evidentes assim que há um estudo aprofundado do pouco que se sabe a respeito dos essênios. Aqui estão listados brevemente os contrastes entre Jesus (e os cristãos) e eles. 1 - Os essênios eram estritamente vegetarianos, algo não encontrado como hábito nem de Jesus nem dos primeiros cristãos. 2 - Comparado com os essênios, Jesus era praticamente um liberal quando o assunto era a rigidez da lei. Apesar de não ter sido abolido por Ele, muito pelo contrário, sua validade foi confirmada por Jesus (Mt. 5:17, 18), a forma como Ele enxergava a lei era muito diferente dos essênios. 3 - A purificação ritual era um assunto de obsessão dos essênios. Os fariseus não eram muito diferentes nesse aspecto, e Jesus os criticou duramente por causa disso. (Mc. 7: 16,19; Mt. 15:11) 4 - Os essênios eram um povo isolado e consideravam abominável o contato com “os de fora” e com os “quebradores da aliança”. Jesus por outro lado era uma figura pública, sempre em contato com as pessoas, inclusive doentes, prostitutas, gentios e os cerimonialmente impuros, algo impensável para os essênios. 5 - Os essênios criam na vinda de um ou, como parece, até dois Messias no futuro; Jesus se considerava o próprio Messias. 6 - A mensagem dos essênios ao mundo era a de julgamento e ira; a de Jesus era de graça, salvação e amor (Mt. 5:43, 44). Compare com os escritos dos essênios: “Seja amaldiçoado em todas as obras de sua maldade culposa. Que Deus faça de você um objeto de terror pela mão de todos os vingadores. Seja amaldiçoado, sem misericórdia, de acordo com a escuridão das suas obras. Seja condenado no lugar escuro de fogo eterno.” (1QS 2.5-8) 7 - Os essênios eram fanáticos pela ideia de exclusividade. Arrependimento e salvação eram apenas para o povo interno, mas os pecadores não tinham direito à salvação. Não havia associação com pecadores ou pessoas de fora do povo pelo fato de acharem que apenas eles tinham o direito à aliança à salvação. Jesus, por outro lado, era conhecido como aquele que comia e se relacionava com todos, principalmente os mais marginalizados pela sociedade. Assim como Jesus, os cristãos primitivos criam que

o perdão e a salvação não estavam mais restritos a um grupo, mas a todo mundo. Eles fizeram da proclamação externa do evangelho o seu maior objetivo, enquanto que não existe qualquer documento evangelístico entre os essênios.6 8 - Os essênios nutriam ódio pelas mulheres e estas não podiam fazer parte da maioria das sociedades (apesar de terem sido encontrados esqueletos de mulheres em Qumran, na maioria dos escritos essênios há um claro desdém contra mulheres). Jesus auxiliou, conversou, ofereceu a salvação a mulheres e as teve como discípulos seus. (Lc. 10:38-42) 9 - Os essênios acreditavam na comunhão fraternal interna, mas ódio a quem não pertencia à comunidade. Jesus pregou o amor incondicional ao próximo. 10 - Os essênios praticavam banhos de purificação regularmente enquanto que João Batista e os seguidores do cristianismo criam em um só batismo. 11 - Os essênios tinham medo de leprosos e desenvolveram rígidas regras para lidar com tal perigo (1QS, 1QM, 11QTemple).7 A atitude de Jesus com relação aos leprosos é bastante conhecida, mas estranha à época em que Ele vivia. Como se pode perceber há muito mais diferenças do que similaridades, tanto em número quanto em importância, mesmo que pela limitação do espaço, não tenha sido possível enumerar todas as diferenças. Também nota-se que os essênios não são mencionados na Bíblia. Isso é importante porque, caso as ideias dos Essênios tivessem tido alguma influência sobre Jesus ou sobre os primeiros cristãos, teriam tido pelo menos uma menção no Novo Testamento. Existe muito consenso entre os críticos sobre a não relação de Jesus com os essênios e é muito interessante notar que “os essênios estão mais perto da tradição da Bíblia Hebraica do que do Novo Testamento” . O fato de tanto Jesus quanto os essênios pertencerem ao mesmo domínio cultural, a tradição judaica, e algumas outras eventuais semelhanças entre eles não devem causar nenhuma estranheza, pois viveram na mesma época, na mesma região e eram oriundos da mesma fundamentação religiosa. As diferenças, bem como outros detalhes encontrados nos evangelhos, demonstram Jesus e o cristianismo não surgiram por acaso, e muito menos consistem em cópias deliberadas dos essênios. A realidade é que Jesus Cristo é uma figura singular na história da humanidade, incomparável com qualquer outro personagem e o cristianismo é incompatível com qualquer outra facção religiosa. A única semelhança que encontramos de Jesus no Novo Testamento é com o próprio Deus, quando Ele diz “eu e o Pai somos um” (Jo. 10:30). Esta é a verdadeira cópia. Saber que quando lemos a vida e a morte de Jesus, podemos ter uma ideia clara de, não como eram os essênios, mas como é o próprio Deus e o quanto Ele nos ama.

Marina Garner Formada em Teologia pelo Centro Universitário Adventista de São Paulo, trabalha como professora de ensino religioso no Rio Grande do Sul. É casada com o pastor Luiz Gustavo de Assis. 1 Citado em David Noel Freedman e Pam Fox Kuhlken, What are the Dead Sea Scrolls and Why do they Matter? (Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 2007), p. 39. 2 Filo, Every Good man is free 75. Josephus, At. 18.21 3 Citado em Alan Millard, Treasures from Bible Times (Belleville, MI: Lion Publication Co., 1985), p. 167. 4 Citado em Alan Millard, Treasures from Bible Times (Belleville, MI: Lion Publication Co., 1985), p. 167. 5 David Noel Freedman e Pam Fox Kuhlken, What are the Dead Sea Scrolls and Why do they Matter? (Grand Rapids: Wm. B. Eerdmans Publishing Co., 2007), p. 93. 6 James Charlesworth, Jesus and the Dead Sea Scrolls (New York: ABRL, 1993), p. 23. 7 James Charlesworth, Jesus and the Dead Sea Scrolls (New York: ABRL, 1993), p. 25. 8 Idem, p. 93

09 09

REVISTA ANP REVISTA ANP


ANP DESTAQUES: JANEIRO A ABRIL/2012

Curso de líderes motiva “xiruzada” a buscar uma comunhão com Deus Noite de lua cheia, insetos cantando e ar fresco do entardecer. Assim começou o Curso de Líderes do Ministério Jovem da Associação Norte Paranaense (ANP) na sexta-feira (16 de março). Muitos jovens chegaram ao acampamento durante a madrugada e se instalaram nos gramados do Instituto Adventista Paranaense (IAP). A abertura oficial do evento foi no sábado pela manhã, a ideia foi utilizar recursos visuais para ressaltar a importância da comunhão com Deus através da leitura da Bíblia. Espada, Bíblia flamejante e ainda representação de personagens bíblicos, todos transmitiam a mensagem da comunhão. “Foi maravilhoso”, elogiou Juliana Miranda, participante do evento. Comunhão foi a palavra que se estendeu durante todo o programa. No sábado à noite, no Fogo do Conselho, mais uma vez foi utilizada a criatividade para representar o cuidado de Deus para com os filhos. O pastor Jônatas Rosa, líder jovem da ANP, falou sobre a caminhada cristã, a cada passo uma luz em forma de pegada acendia. “O curso de liderança estava demais, não tem como negar. Quem não foi, perdeu”, afirmou o jovem Thiago Sivila, no site de relacionamentos facebook. Aproximadamente 500 jovens participaram da capacitação. Assistindo, ouvindo e participando de várias palestras com os seguintes convidados especiais: pastor Cabilde Palma (Associação Catarinense - AC), professor Fred Silva (AC), pastor Elmar Borges (União Sul-Brasileira), pastores distritais e departamentais da ANP. “Tivemos aproximadamente 500 líderes sendo treinados e motivados para a honra e glória de Deus.

Investimos bastante na parte recreativa, técnica, teórica, mas principalmente investimos pesado na espiritualidade”, afirmou o líder. Agora os líderes estão capacitados e determinados para cumprir a profecia de Joel. “E há de ser que, depois derramarei o meu Espírito sobre toda a carne, e vossos filhos e vossas filhas profetizarão, os vossos velhos terão sonhos, os vossos jovens terão visões”, capítulo 2 verso 28. “Amo pertencer à comunidade Adventista do Sétimo Dia, oro por todos os nossos líderes e colaboradores da ANP. Com respeito e admiração sem igual, posso dizer: amo a todos vocês. Que Deus abençõe demais a ANP”, declara João Batista Almeida.

Norte do Paraná é impactado pela esperança No sul do Brasil o alvo foi distribuir 6 milhões de livros nos três estados. Especificamente o norte do Paraná distribuiu quase 400 mil livros na data especial. De acordo do Arlei Comin, líder adventista no norte paranaense, o objetivo da distribuição e levar esperança. “O mundo necessita ouvir sobre este assunto. É por isso que esse não é um projeto que acontecerá somente aqui no Paraná, é um projeto mundial. Em um único ano a Igreja Adventista do Sétimo Dia pretende distribuir mundialmente 160 milhões de livros”, afirma. REVISTA ANP

10

Ribeirão Claro Membros da Igreja Adventista do Sétimo Dia de Ribeirão Claro distribuíram 1 mil e 500 livros A Grande Esperança na manhã do dia 24. Eles foram direcionados para a área central da cidade. A iniciativa concluiu o projeto de distribuir um livro para cada residência do município, iniciado em 2010. “Os membros foram divididos em equipes coordenadas por um líder. Com pontos previamente demarcados para cada grupo, o trabalho durou cerca de 2 horas. Junto com o livro, também foi entregue um DVD”, conta Diógenes Gonçalves, membro no local.


Espiritualidade marca 25 acampamentos de verão da ANP Mais de 3 mil e 500 pessoas da região norte do Paraná acamparam no feriado de carnaval. Como acontece todos os anos durante este período, os membros da Igreja Adventista se confraternizaram e realizaram atividades saudáveis e espirituais. Neste ano, o calor marcou presença em todos os acamps. “Várias pessoas trouxeram ventiladores e extensão. O calor realmente estava muito forte”, conta um participante do distrito de Monte Belo, Londrina. Durante todos os dias os acampantes participaram de gincanas, atividades recreativas e principalmente espirituais. Sônia Dutra, jovem de Colorado, afirmou que o principal motivo de acampar é estar mais perto de Deus. “A gente sai da correria e vem para um lugar tranquilo com o objetivo de melhorar nossa comunhão com Deus. Com o objetivo de buscar desenvolvimento espiritual e passar momentos de lazer e adoração a Deus”, certifica. Em Maringá, quase 500 pessoas dos distritos de Horto Florestal, Parque Tuiutí, Jardim Alvorada e Jardim América assistiram as mensagens do pastor Gilson Magalhães. Cinco pessoas decidiram entregar suas vidas a Deus devido aos apelos do pastor convidado. “Decidi voltar para Jesus! Sei que Ele perdoa todos os meus pecados e me fará uma nova pessoa”, afirma o jovem Weslen Belasque. Vários músicos embelezaram os acampamentos da Associação Norte Paranaense (ANP), entre eles: Douglas e Marcele; Quarteto Kairus; Felipe Valente; Lucas e Camila; JR (João Ricardo) e Tiana. Em Loanda, a apresentadora de TV, Darleide Alves, aconselhou os jovens e os casais das cidades de Umuarama e Paranavaí. Mais de 300 pessoas participaram do acampamento “A Grande Esperança” no local. Algumas equipes organizaram um “Momento Especial para Oração”, foi o tempo de parar todas as atividades e orar. A Igreja Adventista Central de Londrina foi uma delas, de acordo com Alan Thompson os participantes apreciaram a iniciativa. “Achei muito interessante a ideia. Foi legal ver o pessoal parar todas as atividades para orar. Na piscina, jogando vôlei ou conversando, tudo parava para a oração”, conta o jovem.

Evangelismo planeja abrir duas novas igrejas no norte do Paraná Evangelizar é contar as boas novas sobre Jesus a quem não conhece. Na Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) existe um departamento especial para organizar e capacitar os que apreciam este trabalho. Uns fazem voluntariamente e outros são regulamentados pela igreja, são os chamados obreiros bíblicos. No dia 30 de Janeiro, a equipe de evangelismo da Associação Norte Paranaense (ANP) esteve reunida para definir metas e estudar o planejamento para o ano de 2012. De acordo com Lucas Modesto, o programa foi focado na missão: “Pude perceber a motivação que tomou conta do grupo. Ao encerrar o encontro todos na equipe levaram um lema em seus cora-

Santo Inácio Foi para esta cidade, 90 quilômetros de Maringá, que os funcionários da Associação Norte Paranaense (ANP) se deslocaram no sábado da esperança. 45 servidores estregaram aproximadamente 2 mil livros A Grande Esperança para os munícipes. “A reação foi bem diferente do que esperávamos, alguns fizeram perguntas sobre os livros e deram seus telefones para receber o DVD”, conta Marlon Cremonezi.

Terra Boa Todos os membros da Igreja Adventista de Terra Boa saíram às ruas para entregar de casa em casa o livro A Grande Esperança. “Foi um dia muito especial para cada um de nós que entramos em contato com a comunidade e podemos deixar a palavra de Deus”, afirma Lidiane Borges, colaboradora na cidade.

ções: Em 2012 faremos tudo o que estiver ao nosso alcance para que Cristo volte. Ninguém que entrar em contato conosco ficará sem ter a oportunidade de entregar sua vida completamente a Jesus”, conta o pastor Lucas Modesto, evangelista na norte paranaense. Os pastores Ronaldo Bertazzo, Isaac de Almeida e Josias Ferreira também motivaram os servidores a realizar a evangelização com alegria e agilidade. Para o primeiro semestre de 2012, a equipe definiu os maiores desafios: serão implantadas duas igrejas na região norte do Paraná, uma em Londrina e outra na cidade de Cafeara, onde a mensagem adventista ainda não chegou. Eles também já planejaram as Semanas de Colheita.

Sertaneja

Mundo

No dia 24, logo pela manhã aconteceu uma reunião com os membros da igreja para meditação, oração em duplas e consagração dos materiais. A distribuição começou às 10 horas. Os adventistas saíram às ruas, acompanhados de um carro de som. “Atingimos cerca de 40% da cidade de aproximadamente 6 mil habitantes. Saímos novamente às 14 horas onde se juntou a nós o pastor Filipi Modzeieski e sua esposa, casal distrital, e entregamos literaturas até às 16 horas. Pela graça de Jesus e o poder do Espírito Santo alcançamos o nosso alvo de entregar o livro A Grande Esperança a 1800 residências em Sertaneja”, conta Jaime. Foram 1800 livros entregues por 40 membros participantes. próximo.

Um grande impacto também aconteceu na internet. Além do site especialmente produzido para divulgar o livro, mais de oito milhões de pessoas já compartilharam o conteúdo digital em um dos maiores esforços de disseminação da leitura pela Internet. O facebook da ANP contou com mais 100 participações.

11

REVISTA ANP


10 de março: Dia Mundial de Oração leva membros à comunhão Numa campanha especial da Igreja Adventista (IASD) para a América do Sul, o dia 10 de março foi marcado por jejum e oração. Na Igreja Central de Foz do Iguaçu não foi diferente, a programação de sábado foi toda voltada ao tema da oração, reavivamento e reforma da igreja. Todos assistiram atentamente a mensagem do presidente da Associação Geral da IASD, pastor Ted Wilson, transmitida pelo Canal Executivo da Novo Tempo. “Façamos a nossa parte, deixando que o Espírito Santo nos motive a levar a mensagem àqueles que têm sede de salvação”, convida Rogério Noronha, colaborador no local. 10 HORAS EM ORAÇÃO O Ministério da Mulher de Foz do Iguaçu preparou uma sala exclusiva para oração, onde havia um revezamento de pessoas orando numa grande corrente de oração, de vinte em vinte minutos. As orações iniciaram às 9 horas e foram até às 19 horas. De acordo com Wanda Ribeiro “durante o jejum nos desprendemos das coisas materiais, do que achamos importante para nós e nos voltamos para Deus. A oração é o falar, é a amizade com Deus”. Já para Sandro Souto “têm coisas na vida que só conseguimos com muito jejum e oração. É preciso ter um propósito, eu tenho o meu alvo para hoje, espero passar o restante do dia em jejum e orando para que Deus me ajude a conquistar este desígnio”, complementa. 10 DIAS EM ORAÇÃO Como forma de preparação para a Jornada Espiritual de 40 madrugadas, o distrito de Jardim Vitória, em Maringá, realizou 10 dias de cultos nas madrugadas. O Seminário de Enriquecimento Espiritual reuniu entre 45 a 60 pessoas de acordo com o dia. O programa começou no dia 01 e se encerrou no dia 10 de março, dia mundial de oração. O diferencial do projeto foi o horário. Das 5h30m as 6h30m da manhã os membros se reuniram para orar e ouvir palestras de vários pastores. A adolescente Cleise Cruz, de 12 anos, participou todos os dias do projeto e assegura que valeu a pena acordar cedo todos os dias: “Este programa melhorou a minha vida. Foi difícil acordar cedo todos os dias. Eu participei do programa para me aproximar de Deus. Antes eu levantava e ia direto para o computador, mas durante estes 10 dias eu acordava e vinha para o culto. Quando voltava pra casa, estudava a Bíblia e a lição. O projeto mudou a minha rotina, vale à pena”, garantiu Cleise. PENTECOSTES É 10 Assim como os discípulos ficaram 10 dias buscando e pedindo o poder do Espírito Santo, O Consolador, os membros do distrito de Terra Boa buscaram a Deus através de um projeto chamado “Pentecostes é 10”. A ideia consistia em buscar intensamente a Deus durante 10 dias, sem contato com TV, internet, jornais, leituras gerais e programas seculares. “O projeto está realmente fazendo a diferença na nossa vida.

Vila Brasil

É um projeto ousado, mas as cinco igrejas que compõem o distrito de Vila Brasil, com sede em Londrina, planejam distribuir 32 mil livros missionários A Grande Esperança. Em média serão 120 livros a serem distribuídos para cada membro. No dia 24 de março a igreja de Ernane Moura Lima entregou 7 mil e 200 livros. “Uma família de cinco pessoas estava infeliz e querendo voltar para a igreja, mas não tinham contatos na cidade. A mãe relatou que aquela foi a resposta a oração da noite anterior”, descreve o pastor Josias Ferreira, líder de MIPES na ANP. REVISTA ANP

12

Esperamos que assim como aqui em Terra Boa, outras igrejas do distrito estejam sentindo a presença do Espírito Santo. Que o reavivamento e reforma que tanto almejamos possa ser realidade na nossa igreja, na nossa família e em cada um de nós”, afirma Lidiane Borges, colaboradora.

Membro da Igreja Central de Foz do Iguaçu vence vestibular da Bíblia Matheus Antônio Alves, jovem da Igreja Adventista Central de Foz do Iguaçu, ficou em primeiro lugar geral no Vestibular Bíblico Ecumênico, conhecido como Bíblia Vest. A prova é aberta a comunidade e tem o formato de um vestibular comum, 100 questões de múltipla escolha e uma redação dissertativa com uma questão bíblica. A prova foi realizada no dia 11 de dezembro de 2011, na cidade de Foz do Iguaçu. Matheus foi premiado com uma viagem para Israel. O jovem estuda teologia no Centro Universitário Adventista de São Paulo (UNASP), já foi líder de jovens da igreja e é ex-aluno do Colégio Adventista de Foz.

Jardim Monte Belo Após um dia de muitas bênçãos, aproximadamente 250 pessoas participaram de uma vigília especial de testemunho, oração e comunhão na Igreja Adventista de Cafezal, em Londrina. De acordo com o pastor Sandro Fagundes, distrital, foi um sábado histórico para a IASD no Brasil. “O dia que foi entregue o livro A Grande Esperança, um livro que traz a mensagem do Grande Conflito, uma mensagem diferenciada. Foram mais de 3 mil e 800 lares alcançados e agora nós estamos tendo uma vigília de testemunhos, oração e comunhão para que haja um despertamento em nossa vida”, relatou o pastor Fagundes.

Floriano

O Colégio Adventista de Maringá realizou a entrega dos livros “A grande Esperança” no distrito de Floriano, cerca de 20 quilômetros de Maringá, 35 pessoas entre servidores do colégio e alunos de diversas idades participaram do projeto. “Pudemos ver que as pessoas de Floriano foram bem receptivas, não tivemos nenhum problema com os moradores na questão de não aceitarem o livro, vimos que Deus estava trabalhando junto conosco, pois não escolhemos os participantes deste projeto, deixamos Deus fazer esta escolha. No dia 14 de Abril demos sequência ao trabalho visitando os lares daqueles que se mostraram mais interessados levando-lhes um DVD Grande Conflito, afirma Amilton Mello, pastor capelão do CAM.


Programa Homens e Mulheres de Um Minuto reúne 3 mil pessoas em Maringá e Cascavel

A Associação Norte Paranaense começou o ano registrando 6 mil missionários participantes do projeto Homens e Mulheres de Um Minuto. Destes, 3 mil estiveram presentes no programa de capacitação e treinamento realizados em Maringá e Cascavel nos dias 4 e 11 de fevereiro. O programa recebeu representantes dos projetos: Duplas Missionárias, Pequenos Grupos e Classes Bíblicas. “Este é um projeto missionário da igreja. Tem esse nome porque tem a ver com o chamado, aqueles que são chamados para uma missão e que atendem ao chamado imediatamente. Na realida-

Cambará

O distrito pastoral de Cambará teve participação total no projeto “Impacto Esperança”. Todas as igrejas estiveram envolvidas: Cambará sede, Conjunto São José, Andirá e Bandeirantes. A igreja saiu para distribuir mais de dois mil livros missionários. Um grupo de jovens da Igreja de Bandeirantes foi até a uma cidade sem presença adventista, de missão global, para entregar a literatura. A cidade de Itambaracá, 20 quilômetros de Bandeirantes, foi impactada por mais de 500 livros.

de são todos aqueles que fazem parte da frente missionária da igreja. São pessoas levando o amor de Cristo a outras pessoas”, afirma o pastor Josias Ferreira, organizador do projeto. O convidado especial do programa foi Benedito Muniz, conferencista internacional que falou sobre o plano de Deus para cumprir a missão: o amor ao próximo. Marlinton Lopes, presidente da União Sul-Brasileira, acompanhou a programação em Cascavel. O pastor Evandro Fávero, líder adventista, palestrou mesmo se recuperando de uma cirurgia na garganta. “A alegria de ver o povo vibrando e um povo apaixonado pela missão faz a gente superar qualquer barreira”, confessou o ministro. O Grupo Advir e o Quarteto Comunicação louvaram e dei-

Maringá

xaram os participantes mais perto de Deus. Muitos se emocionaram com as mensagens musicais bem selecionadas e verdadeiramente profundas. “O quarteto cantou uma música no final do programa que me senti a um palmo do céu. Vi muitos chorarem ao sentir o Espírito Santo operando nos corações e na mente”, conta Jorge dos Santos, participante.

A Igreja Adventista do Sétimo Dia de Vila Sete, juntamente com a Escola Adventista de Maringá, se mobilizou e participou ativamente do Impacto Esperança 2012. Saíram às ruas aproximadamente 100 pessoas para promover a distribuição de 5 mil e 200 livros missionários A Grande Esperança. A região abrangida foi a Zona Sete, nas proximidades da Universidade Estadual de Maringá (UEM). Além das residências da região, a entrega também foi efetuada nos semáforos da Avenida Colombo, próximos à UEM. A distribuição do livro A Grande Esperança realizada na Igreja Adventista do Sétimo Dia do bairro Jardim Paraíso, em Maringá, contou com um elemento surpresa. Mais de 150 literaturas foram distribuídas no bairro Parque Tarumã, uma das pessoas presenteadas com o livro foi um ex-adventista. No diálogo com os visitantes, o morador perguntou se era da Igreja Adventista, pois ele também já participara, mas estava afastado. “Somos sim! Suas férias acabaram amigo. Qual é o seu nome para orarmos por você? Que Deus te abençoe, lembre-se Jesus está Voltando”, ponderou o jovem Anderson. A dupla se comprometeu a orar em favor do amigo ex-adventista.

Terra Roxa

O Clube de Desbravadores Luzeiros do Oeste montou uma tenda em frente a Prefeitura de Terra Roxa para entregar os livros A Grande Esperança. Os desbravadores entregaram também no comércio local e para os moradores que passavam na rua. “Recebemos a visita, em nossa tenda, do vice-prefeito Márcio Garcia e do deputado estadual Elio Rusch, eles elogiaram o trabalho dos desbravadores”, conta Rosicleia Cestari.

13

REVISTA ANP


Assembleia Extraordinária aprova divisão da Associação Norte Paranaense Motivados a cumprir a missão de levar o evangelho de Jesus a locais remotos do norte do Paraná, os membros presentes na I Assembleia Geral Extraordinária Denominacional da Igreja Adventista do Sétimo Dia (IASD) no norte do Paraná votaram “sim” para a abertura de uma nova sede administrativa da igreja no norte do Estado. O evento, ocorrido no dia 12 de fevereiro na igreja do Horto Florestal, em Maringá, contou com a presença de 260 delegados regulares e gerais. Os administradores da União Sul-Brasileira (USB) estiveram presentes e esclareceram dúvidas sobre o procedimento de divisão de território. Os líderes da USB explicaram que o pedido será encaminhado diretamente para a Divisão Sul-Americana (DSA).

O pastor Ronaldo Bertazzo, presidente da Associação Norte Paranaense (ANP), apresentou a necessidade da separação de território. Utilizando números e dados, ele expôs a proposta de divisão aos delegados, que são os líderes de igreja. A ANP foi fundada no ano de 1989, portanto há 23 anos, e desde então vem crescendo em todos os aspectos condizentes com variadas frentes missionárias da IASD. São 34 mil 469 membros registrados, 372 congregações, 58 distritos pastorais e 80 pastores (distribuídos em pastores distritais, auxiliares e capelães). Na área da educação, são 5.418 alunos distribuídos em 12 escolas e colégios. O campo ainda conta com 20 colportores efetivos e 147 colportores estudantes. Vale ressaltar que existem 45 municípios sem presença adventista na região da sede, chamados de Missão Global. “Nos dias finais desta Terra, louvamos a Deus porque o foco da igreja é concluir a obra. Esta divisão de campo certamente multiplicará a pregação no norte do Paraná, para que Jesus volte logo”, afirma o pastor Jônatas Rosa, líder de jovens na ANP.

Treinamento Integrado reúne mais de 3 mil líderes

Desde o dia 21 de janeiro a Associação Norte Paranaense reuniu os líderes de oito regiões diferentes com objetivo de capacitar e instruir a liderança adventista. O programa aconteceu nas cidades de Foz do Iguaçu, Cascavel, Paranavaí, Umuarama, Campo Mourão, Maringá, Cambará e Londrina. Mais de três mil pessoas se deslocaram até os treinamentos. Ronaldo Bertazzo, presidente da associação, palestrou sobre a semelhança de Roma com a sociedade atual. Por título “Somos Roma”, o pastor abordou várias características de Roma e destacou a brevidade da volta de Jesus. “Desestruturação familiar, problemas financeiros, busca pelo prazer/brutalidade, interesse constante pela guerra e falta de espiritualidade. Estes cinco fatores levaram Roma a queda e analisando a sociedade percebemos que isso não é diferente nos dias atuais”, explicou.

Ministério dos Surdos de Maringá Maycon, José Rodolfo, Walter e Daniel possuem duas coisas em comum: são surdos e tem a mesma fé adventista do sétimo dia. Os amigos saíram as ruas do bairro Zona 4, em Maringá, para distribuir os livros missionários. Maycon gesticula que a experiência foi maravilhosa. “Entregamos livros nas ruas e em um condomínio. Nós conseguimos chamar cada casa, as pessoas atenderam e receberam o livro de presente”, conta o jovem. Os participantes do Ministério dos Surdos entregaram mais de 30 livros nas casas dentro no condomínio. Maycon diz que os livros acabaram e foi tudo muito rápido.

REVISTA ANP

14

PROJETO JOVEM 2012 Os participantes da capacitação ouviram instruções gerais que envolveram toda a liderança e palestras individuais respectivos ao departamento que cada um representa. O foco principal do treinamento foi estimular os membros a pregação do evangelho. O Ministério Jovem, que inclui Desbravadores, Aventureiros e Música contou com a presença 788 líderes de todas as regiões. Entre outros atrativos, os eventos foram marcados pelos lançamentos regionais do projeto jovem 2012: “PGD CHUVA JA”. Em 2012 os jovens da ANP estarão motivados para buscar o derramamento da Chuva Serôdia, ou até mais, estarão buscando reavivar e reformar a vida. “Temos a mania de pensar nesse evento glorioso como estando ainda num futuro muito distante, porém é nosso privilégio tê-lo agora mesmo. Ministério Jovem é Salvação e serviço, esse é o nosso foco, e tudo o que estiver fora disso, não tem mais lugar neste tempo, pois talvez seja gastar energia demais por aquilo que tem pouco ou nenhum valor eterno”, explica o líder da ANP. No dia 3 de março, os líderes se reuniram em Cambará e Londrina encerrando a série de treinamentos integrados da ANP. Todos os participantes renovaram seus votos de fidelidade a Deus e consagração. Os departamentais participaram de uma maratona de viagens de aproximadamente 1900 quilômetros, em quatro datas diferentes. “Creio que isso impulsiona toda a liderança local a desempenhar melhor e mais fervorosamente a parte de cada departamento”, ressaltou um membro da igreja central de Foz do Iguaçu.

Marialva O grupo Jardim Verão, de Marialva, distribuiu 700 livros missionários na data. 40 membros estiveram envolvidos, em 2011 apenas quatro duplas missionárias participaram da distribuição, em 2012 o número aumentou para 12 duplas missionárias. Um culto especial foi realizado dia 09 de abril na Agência do Trabalhador, em Marialva (PR). Nele foram entregues 40 livros missionários A Grande Esperança para servidores da prefeitura municipal. O momento espiritual contou com a presença do prefeito, primeira dama, chefe do corpo de bombeiros e representante da ordem dos evangélicos da cidade. O prefeito Edgar Silvestre (mais conhecido como Deca) confessou que, em outra oportunidade, já havia recebido o livro e estava lendo. “Ele disse que a Igreja Adventista começou junto com Marialva, Terra da Uva desde 1947, e comentou que tem usado em seus discursos uma frase da literatura adventista: viva com a certeza de que tudo vai terminar bem”, conta o pastor Cristiano dos Santos.


Jovens da ANP participam da Missão Calebe Os jovens da Associação Norte Paranaense participaram animados do projeto Missão Calebe 2012. Foram mais de 300 participantes divididos em 12 equipes, instalados em nove cidades diferentes. Os jovens realizaram várias atividades que visaram o bem estar da população. De acordo com o pastor Jônatas Rosa, líder de jovens da ANP, o projeto desempenhou o seu papel. “Não há dúvidas que o Projeto Missão Calebe chegou para ficar. Entendemos que este é o plano de Deus para a juventude do século 21”, esclareceu o líder. O projeto Missão Calebe aconteceu na cidade de Engenheiro Beltrão, contando com a participação de 35 jovens. Quem participou das atividades pode ver o sorriso no rosto de crianças e adultos. Uma das atividades muito apreciadas pela população foi a arrecadação e a distribuição de cerca de 20 cestas básicas para moradores de bairros carentes. “A prefeitura ficou tão feliz com a chegada dos Calebes que mandaram confeccionar faixas de boas vindas para os jovens. Eles reformaram três creches por dentro e por fora. Visitaram os moradores carentes do município e estudaram a Bíblia com 150 pessoas em 21 dias”, relembra o pastor Juracy Barreira. O projeto Missão Calebe é realizado pelos jovens da Igreja Adventista do Sétimo Dia, certo? Errado! No norte do Paraná, adultos e idosos decidiram participar da atividade. Em Toledo, cerca de 300 quilômetros de Maringá, um grupo de anciãos decidiu ajudar os Calebes nas ações sociais e projetos evangelísticos. De acordo com o pastor Rodrigo Frítolli o apoio dos adultos foi essencial. “Em todas as três campanhas nós tivemos um grupo de anciãos apoiando na logística, na alimentação, nos cultos matinais, acompanhando eles nos projetos, apresentando a cidade. A presença do ancionato e dos líderes da igreja foi fundamental para a realização dos projetos”, conta o pastor distrital. A grande surpresa foi a chegada de um mascote para o grupo de Calebes. A esposa de um dos anciãos estava grávida e para a alegria de todos, o bebê nasceu dia 13 de janeiro, período da campanha. “O nome do garotinho acabou vindo a combinar com o momento. O nome que os pais tinham escolhido para ele era Calebe, então a equipe de Calebes acabou adotando essa criança como mascote deles”, relembra o pastor Rodrigo Frítolli. Cerca de 60 pessoas participaram do projeto na Vila Pioneiro, em Toledo. O pequeno Calebe, filho de Pedrinho e Rosimeri Aquino da Silva, agora tem a nobre missão

Homenagem

A Câmara Municipal de Sertaneja, cidade localizada a 170 quilômetros de Maringá, se reuniu no dia 27 de março e debateu diversos assuntos, dentre eles o reconhecimento do trabalho realizado pela Igreja Adventista do Sétimo dia (IASD) na cidade. Foi criada uma “moção de congratulações”, de acordo com Gislane Silvestre este tipo de documento é dado quando uma entidade ou pessoa promove a melhoria do município. “Achei interessante que após o Impacto Esperança eles se reuniram reconhecendo o trabalho dos adventistas. Já que ninguém da igreja tem contato direto ou indiretamente com os vereadores da cidade, liguei para a secretaria da Câmara de Vereadores para entender e eles disseram que essas menções honrosas geralmente são dadas quando é feito algo em prol da melhoria da cidade, comunidade ou de seus cidadãos. O sentimento é de dever cumprido. Proclamamos a mensagem do advento e assim abreviamos a volta de Jesus. A felicidade de poder testemunhar a nossa fé a cada cidadão de Sertaneja foi indescritível”, conta a comunicadora.

de levar a esperança através do nome. “O nosso maior sonho é que o Calebe que nasceu não seja Calebe só no nome, mas no espírito”, afirma o pastor Jonatas Rosa, líder de jovens para o norte do Paraná. PARTICIPANTES COMPÕEM MÚSICA SOBRE O PROJETO Um grupo animado de jovens que participou da Missão Calebe em Goioerê visitou moradores e prestou serviços comunitários em alguns bairros da cidade. Mais de 20 pessoas estiveram envolvidas no trabalho voluntário em Goioerê. Um dos “Calebes” levou um violão e após algumas notas conseguiu compor uma melodia sobre o projeto juntamente com a líder na cidade. Lucas Tasca e Alessandra Gonçalves expressaram através da música o que o projeto significou para todos os participantes. DESTAQUE NA MÍDIA PARANAENSE Os veículos de comunicação da região destacaram o projeto. O jornal Gazeta do Iguaçu, principal jornal impresso de Foz do Iguaçu, publicou uma matéria com os Calebes; da mesma forma, a filiada da TV Globo acompanhou o trabalho realizado num asilo da cidade. O Jornal Gazeta Regional acompanhou o trabalho dos Calebes em Goioerê. O grupo organizou uma feira de saúde para os moradores do bairro Jardim Curitiba e proporcionou alegria as crianças com brincadeiras, pintura e outras ações. A gazeta publicou uma reportagem de meia página no dia 17 de janeiro. Quando questionada pelo jornalista, Alessandra Gonçalves, líder do grupo, explicou que ser Calebe é ter espírito voluntário e desejar ajudar o próximo. “Para mim o Calebe é a melhor maneira de ajudar as pessoas. Ser voluntário é ser melhor”, respondeu a jovem líder.

Governador do Paraná

O governador do Estado do Paraná, Beto Richa, esteve em Colorado na tarde de sexta-feira, dia 23 de março. Na oportunidade o governador também recebeu o livro A Grande Esperança das mãos de Queila Leda, líder jovem na cidade. Queila postou a notícia no facebook e recebeu vários comentários, um deles foi escrito por Ary Reis. “Formosos são os pés dos que pregam o evangelho”, afirma o jovem.

15

REVISTA ANP


APUCARANA CAMPO MOURÃO CASCAVEL CIANORTE FOZ DO IGUAÇU GOIOERÊ

(43) 3422-2508 (44) 3525-1236 (45) 3223-0915 (44) 3629-1538 (45) 3027-2224 (44) 3522-1913

GUAÍRA LONDRINA MAMBORÊ MARINGÁ - ZONA 04 MARINGÁ - ZONA 07 UMUARAMA

(44) 3642-2059 (43) 3327-2736 (44) 9978-2523 (44) 3224-3073 (44) 3269-2040 (44) 3622-2069


Revista Relatório da Assembleia Ordinária