Page 1


Seduzida Por Um Guerreiro EscocĂŞs


MAYA BANKS


Encontre mais livros como este no e-Livros e-Livros.xyz

e-Livros.site

e-Livros.website

Para Welty. Sempre uma boa companheira e ótima amiga. Sua aparência era angelical, uma beleza impossível. Ele nunca vira nada parecido. Não apenas era a mulher mais linda que já conhecera, era facilmente a mais… Ele franziu as sobrancelhas. A mais o quê? Havia algo irresistível nela e ele nem conseguia definir o que era. Não possuía a graça treinada das mulheres mais velhas e maduras, mas também não parecia uma mocinha jovem demais até para se olhar. Ela era apenas… perfeita. Deus meu, estaria ele cobiçando a própria noiva? Sentiu desprezo por si mesmo. Deveria tratá-la com gentileza e bondade. Era óbvio que pairava algo estranho em torno da moça e, mesmo sem saber exatamente o que era, lá estava ele olhando-a como sua futura noiva e pensando em todos os benefícios que isso lhe traria. Não importava que fosse uma Armstrong. Estava claro que não podia ser culpada ou definida pelas ações de sua família quando, provavelmente, não sabia de nada do que acontecia ao seu redor. Por mais que não quisesse rotular nenhum Armstrong como vítima, ele era inteligente o bastante para saber que ela não merecia essa união mais do que ele merecia ser forçado a


aceitá-la. Ela seria arrancada de casa – o único lugar seguro que possuía. Seria arrancada de todos que a protegiam e amavam, e estava evidente que era muito amada por sua família. Seria jogada em um ambiente hostil. Poderia algum Armstrong encontrar seu lugar no clã Montgomery? Seria um processo difícil, independente de como fosse levado, e era Eveline quem tinha mais a perder, enquanto tudo o que ele ganharia era uma esposa indesejada e uma relutante trégua com os Armstrong.


Prólogo A paz havia chegado às terras altas. Os campos sussurravam gentilmente sua gratidão pelo breve respiro de violência, rebelião e sangue. A primavera havia chegado, trazendo com ela uma grama verdejante entre as pedras e rochedos, tão predominantes na paisagem. A neve do inverno havia derretido, levada pelo calor dos dias mais longos. Tudo estava bem. O rei Alexandre II podia concentrar-se em outros assuntos, exceto por uma coisa. Uma coisa muito grande. Seus dois aliados mais importantes, os dois clãs mais poderosos do reino, desprezavam a mera existência um do outro. Os Montgomery e os Armstrong estavam em guerra. E não era um simples desagravo. O rei não tinha tempo nem o desejo de perder aliados tão valiosos por causa de uma briga interna. Então, pensou em um plano para forçar a paz entre os dois amargos inimigos. Logo cedo, antes de o sol nascer totalmente sobre o horizonte, ele enviou dois mensageiros a cavalo, cada um levando um decreto real ao laird Armstrong e ao laird Montgomery. 1 E ficou torcendo para que não se matassem no casamento. Na Escócia, o laird é o proprietário de terras, o senhor de um feudo. (N.T.)


Capítulo 1 – É loucura! – exclamou Bowen Montgomery. – Ele não pode prender você à filhinha maluca de nosso mais odiado inimigo. Graeme Montgomery encarou sombriamente o irmão, incapaz de formular uma resposta para a raiva crescente em seu peito. O mensageiro do rei havia partido e já cruzava a fronteira dos Montgomery. Graeme certificou- se disso. Ele sentiu-se profundamente traído por seu rei e não queria nenhum representante real em suas terras por nem mais um segundo. – Ela é apenas uma criança – Bowen disse com desprezo. – E ela é… ela é… bom, todo mundo sabe que ela não é normal. Que diabos você vai fazer com ela, Graeme? Graeme ergueu a mão, pedindo silêncio, e seus dedos tremeram, denunciando a sua fúria. Ele virou-se e afastou-se do irmão; precisava de distância e solidão para digerir a magnitude do que acabara de acontecer com ele. Com o seu clã. Seu rei não apenas escrevera um simples decreto de casamento com o intuito de frear a hostilidade entre dois clãs inimigos. Ele, efetivamente, escolhera acabar com a chance de Graeme passar o manto da liderança para os seus herdeiros. Sim, porque não haveria nenhum. Tudo acabaria com Graeme. Sem filhos para se tornarem senhores da terra, a tarefa de produzir herdeiros para que o nome dos Montgomery fosse carregado para o futuro recairia sobre um de seus irmãos: Bowen ou Teague. Seu clã poderia até decidir que um deles seria uma escolha melhor para o senhorio simplesmente porque ele teria uma esposa que não poderia assumir seu papel no clã e ele não seria capaz de gerar filhos. Maldição! Como podia seu rei fazer isso com ele? Certamente, o rei entendia o futuro que estava criando para Graeme. Ele andou de um lado para o outro na pequena antecâmara ao fim do estreito corredor que dava no grande saguão. O lugar estava escuro, as cortinas ainda cobriam as janelas. Preferiu mantêlas fechadas e acendeu a vela de uma das arandelas na parede. O brilho pouco fez para iluminar o salão, mas ele encontrou seu caminho até a grande mesa em que seu pai havia se sentado muitas noites, arrastando sua pena sobre os registros do clã.


O velho senhor fora um homem controlador e detalhista, que anotava cada pequena coisa de valor pertencente ao clã, mas possuía o coração do tamanho de uma montanha e era uma pessoa justa e igualitária com os seus. Certificava-se de que todos possuíssem aquilo de que precisassem. De que não lhes faltassem roupa nem comida, mesmo que isso significasse tirar de si. Não havia dia em que Graeme não sentisse saudades do pai. Graeme desabou pesadamente sobre a antiga cadeira. Passou as mãos sobre a madeira envelhecida, como que sentindo a essência do pai naquela sala. Casamento com uma Armstrong – não conseguia nem pensar nisso. Havia também Bowen com toda aquela conversa de que a garota era louca. Graeme nunca dera ouvido aos rumores sobre o fato de a moça ser diferente. Não era da sua conta. Até agora. Todos sabiam que havia algo de errado com a garota, e os Armstrong a mantinham escondida da vista de todos. Ela até já tinha sido prometida para o filho dos McHugh. O chefe desse clã cobiçava uma aliança com os Armstrong, pois, uma vez aliados, ele se tornaria uma força a ser temida. Já entre os Montgomery e os McHugh não havia nenhuma amizade, muito pelo contrário. Os McHugh compartilhavam toda a culpa pela morte do pai de Graeme, embora ele soubesse quem fora diretamente responsável por tal infortúnio. Portanto, seu ódio era destinado aos Armstrong. Graeme não sentira pena pelo noivado ter se dissolvido e os dois clãs não terem se juntado formalmente pelo casamento. Os Armstrong não tinham pressa de se aliar aos clãs vizinhos. Não precisavam disso. Eram uma força poderosa o bastante para que, a menos que muitos outros clãs se juntassem contra eles, tivessem vitória certa em qualquer batalha. Tavis Armstrong era igual a seu pai. Não confiava em acordos e promessas, não dava oportunidade alguma para ser traído e não confiava o destino de seu clã a ninguém que não fosse ele próprio. Se não fossem inimigos tão amargos, Graeme quase poderia respeitar o vigor com o qual Tavis exercia o seu poder e o fato de não precisar do apoio de ninguém. Assim que se dissolveu o noivado entre a filha de Armstrong e o filho de McHugh, pouco mais foi dito, além dos ocasionais rumores a respeito do estado mental da moça. Já que os Armstrong não eram exatamente um clã social, e definitivamente guardavam as coisas para si, isso foi praticamente tudo o que escapou sobre a garota. Não, Graeme não sentia pena pelo casamento não ter acontecido. Ele sabia que McHugh usaria


sua posição para alimentar em Armstrong a fúria contra os Montgomery. McHugh queria mais terras, mais poder, e o clã dos Montgomery era um espinho em sua garganta, porque eles o isolaram ao norte. Mas agora Graeme seria preso a uma mulher que mal conhecia. Já era ruim o fato de ela ser perturbada e não poder desempenhar seu papel de esposa, mas o pior era o fato de ela ser uma Armstrong, o que significava que, mesmo que fosse a mulher mais perfeita do mundo, Graeme não iria querer nada com ela. Quando se casasse, seria com uma moça de seu próprio clã. Nunca se casaria com alguém que trouxesse perigo, raiva e discórdia entre seu povo. E Eveline Armstrong, certamente, causaria tudo isso. – Graeme? O leve sussurro veio da porta, e um pouco da raiva e tensão desapareceu quando sua irmã, Rorie, espiou dentro da sala, com expressão ansiosa. – O que foi, minha querida? – ele perguntou, indicando que entrasse. Rorie tinha quinze anos, mas estava atrasada em relação às outras moças da sua idade. Enquanto a maioria já tinha formas femininas e seios crescidos, Rorie ainda era magra reta e, a não ser por seus belos olhos verdes e a delicadeza feminina de seu rosto, poderia se passar por um garoto. Com três irmãos mais velhos, era de se pensar que Rorie cresceria preparada para enfrentar qualquer coisa, mas ela era extremamente tímida e mais quieta do que qualquer outra moça. Exceto quando estava perto de Graeme e dos irmãos. Com eles, Rorie era mandona, exigente e travessa. Ela evitava o resto do clã e preferia ficar sozinha. – É verdade o que Bowen disse? Agora ela estava a poucos metros, de pé, em frente à mesa em que Graeme se sentava, com as mãos ainda apertadas em punhos sobre a superfície de madeira. – Você vai se casar com uma Armstrong? Ele procurou medo em sua expressão, pois faria qualquer coisa para deixá-la menos preocupada. A perda do pai fora especialmente difícil para Rorie, que era o pequeno tesouro dele. Ela, mais do que qualquer outra pessoa, enxergava os Armstrong como verdadeiros monstros. Mas tudo o que ele viu foi uma aparência preocupada e perturbada em seus expressivos olhos. – Foi o que o rei decretou.


Ela franziu as sobrancelhas. – Mas por quê? Por que faria uma coisa dessas? – Não lhe cabe questionar as ordens do rei – ele disse, sem expressão na voz. Graeme não conseguiria repreendê-la por faltar com o respeito ao rei quando ele próprio o questionava. – Eles mataram nosso pai – ela afirmou enfaticamente. – Como pode haver paz entre nós? Como o rei pode acreditar que forçar um casamento entre você e um deles vai resolver a situação? – Shhh – ele disse gentilmente. – Já chega, Rorie. Nós fomos chamados para o lar dos Armstrong e é para lá que vamos. A expressão de horror da jovem foi instantânea. – Ir até lá? Até a terra deles, onde poderiam nos matar? Por que eles não podem vir até aqui? Por que nós é que devemos sacrificar tudo? Eles fizeram alguma coisa para ganhar a preferência do rei? Por um momento, Graeme sorriu, achando graça em sua pergunta. – Aposto que eles não acham que entregar sua filha para mim seja algum tipo de favorecimento. Duvido que gostem da situação mais do que nós. – Dizem que ela não bate bem – Rorie afirmou. Graeme suspirou. – Acho que vamos descobrir isso no casamento, não é mesmo? De repente, um grito de Teague pôde ser ouvido do corredor. – Graeme! Deus do céu, onde está você? Graeme suspirou de novo. Rorie sorriu timidamente e virou-se no momento em que Teague adentrou com violência, o corpo todo coberto de suor e sangue. – Diga que não é verdade – Teague disse. – Você parou seu treinamento para vir me perguntar se o que Bowen disse é verdade? – Graeme perguntou. – Está sugerindo que ele mentiria? Você precisou deixar suas tarefas para me questionar sobre uma coisa dessas?


Teague fechou o rosto e começou a dizer algo, mas parou, só então percebendo que Rorie estava presente. Ele cerrou os lábios com força, depois olhou para o sangue que o cobria. Rorie era… bem, ela era diferente. Para a maioria das mulheres do clã, o sangue, a violência, a batalha… tudo era parte de seu modo de vida. Tão normal quanto comer e dormir. Mas Rorie era sensível a essas coisas. A visão de sangue a deixava pálida, e ela odiava ouvir qualquer som de dor ou violência. – Maldição, Graeme, pare de bancar o nobre e apenas me diga se é verdade, para que eu possa sair da presença de Rorie e não a perturbar mais. – Ela já está perturbada – Graeme disse. – Obviamente, pela mesma razão por que você está correndo pelos corredores gritando o meu nome. Teague caiu em um silêncio mortal. Seu corpo estava tenso e o queixo, apertado. – Então é verdade? – Sim, é verdade. Teague segurou uma obscenidade antes de sair da sala, batendo os pés por todo o corredor. – Bom – Rorie sussurrou –, isso foi constrangedor.


Capítulo 2 O rugido de Tavis Armstrong pôde ser ouvido por toda a fortaleza, chegando até o pátio onde seus homens treinavam. Muitos soltaram as espadas enquanto outros as levantaram rapidamente, num reflexo para se defender de algum perigo iminente. Eveline não ouviu seu pai, mas sentiu a vibração contra a pedra no chão e soube que algo estava errado no grande saguão. Havia muito movimento. Muita força. Era como se um rebanho de ovelhas tivesse irrompido pela fortaleza. Sem mudar a expressão, ela espiou na esquina ao fim do corredor, curiosa sobre o que poderia ter causado tanta comoção. Seu pai estava em pé, o rosto vermelho de raiva, uma carta amassada no punho fechado. Ao lado dele, seus dois irmãos, Brodie e Aiden, de braços cruzados sobre o peito. Mesmo a distância, Eveline percebia que a postura deles carregava a mesma raiva demonstrada pelo pai. Seu olhar seguiu para o homem na frente do nobre, que parecia querer estar em qualquer lugar, menos ali. Era o evidente mensageiro das más notícias trazidas pela carta que seu pai segurava. Ela inclinou a cabeça para o lado enquanto o analisava. Era um homem do rei. Carregava o brasão real e, na mão direita, usava um anel de rubi que denunciava sua condição de mensageiro do rei. Para a irritação de Eveline, seu pai estava virado em um ângulo que a impedia de enxergar seus lábios, mas ela podia facilmente ver a boca do mensageiro – quando finalmente se fechou. Quando ele a abriu de novo para falar, ela se concentrou intensamente, determinada a enxergar o que ele falaria para seu pai. – Sua Majestade está decidido. Ele decretou que o casamento ocorra dentro de duas semanas. Você tem até essa data para se preparar. O casamento acontecerá aqui, e o rei enviará um representante para confirmar que tudo está ocorrendo como deveria. Casamento? Eveline animou-se com aquilo.


Certamente não poderia ser um casamento a razão da raiva de seu pai. E seria o casamento de quem? O rei enviará um representante? Tudo parecia muito prestigioso e animador. Certamente, ela teria novas e interessantes pessoas para observar. Mas então sua mãe, que tudo ouvira, evidentemente escondida, entrou apressada no saguão, fazendo Eveline estremecer com sua audácia. Seu pai sempre a repreendia por intrometer-se em situações que não eram da sua alçada, mas isso não a impedia de continuar se intrometendo, e ele nunca ficava realmente bravo com ela por muito tempo. Agora, porém, era diferente. Era o representante do rei, e uma ofensa a ele era uma ofensa ao próprio monarca. – Tavis, você não pode permitir isso! Eveline mal conseguia entender as palavras conforme elas saíam dos lábios de sua mãe. Seu rosto estava marcado por lágrimas. Tudo isso por causa de um casamento? Eveline franziu as sobrancelhas. Nada disso fazia sentido para ela. Tavis pousou a mão sobre o braço de sua esposa e depois virou-se apenas o suficiente para que Eveline pudesse vê-lo ordenando ao irmão Aiden que levasse a mãe para longe dali. Robina Armstrong sacudiu a cabeça violentamente, resistindo à força de Aiden. – Isso é loucura. Ele não pode jogá-la aos lobos desse jeito. Isso não é correto! Ela não tem capacidade para desempenhar seus deveres matrimoniais. Isso é um absurdo, Tavis. Não podemos permitir isso. Uma inquietude percorreu as costas de Eveline. Estava começando a ter um mau pressentimento sobre aquilo que afetou tanto sua família. Casamento? Sua mãe se derramando em lágrimas? Incapaz de desempenhar deveres matrimoniais? Jogada aos lobos? Quem eram os lobos? O mensageiro do rei fechou o rosto, manifestando seu desagrado ao ambiente hostil ao seu redor. – O rei decretou que assim seja. Graeme Montgomery e Eveline Armstrong irão se casar. Eveline cobriu a boca com a mão, apesar de nunca ter dito uma palavra sequer em mais de três anos. A reação foi automática, para silenciar o discreto grito que emergia de sua alma. Ela virou-se, não querendo testemunhar mais nada. Correu para fora da fortaleza, quase tropeçando nos degraus de pedra. Agarrando as saias, correu sobre o terreno desigual que ficava aos fundos e adentrou o arvoredo que envolvia o riacho que alimentava um lago próximo.


Instintivamente, procurou a grande pedra que se erguia da água. Ali, a correnteza era mais forte, borbulhando sobre pedras e rochas ainda maiores. Ela imaginou o som, concentrando-se nele como uma memória distante. Fazia tanto tempo desde a última vez que ouvira alguma coisa, que suas lembranças sonoras já estavam se desfazendo. Eveline lamentava essa perda. Antes, podia sentar-se ao lado de sua rocha e lembrar-se do som das borbulhas, da água correndo e da paz que isso trazia. Com o tempo, esses sons fantasmas se desfizeram e desapareceram. Um vazio tão grande que ela própria se sentia deslizando cada vez mais. Dobrando os joelhos para pousar o queixo sobre eles, Eveline fechou os olhos, mas, em seguida, abriu-os rapidamente. Um mundo sem som e sem visão era amedrontador demais. Casada. Um noivado fora aquilo que causou o fingimento que ela manteve nos últimos três anos. A tragédia se abateu sobre ela, mas também a resgatou de um casamento indesejado – um casamento que seu pai estava determinado a realizar. Como era possível? Um pânico agarrava sua garganta com a ideia de deixar seu santuário. Ela era amada ali. Adorada. Ninguém pensava mal dela – ou, ao menos, ninguém ousava soltar uma opinião dessas em voz alta. Seu pai cortaria com sua espada qualquer pessoa que ofendesse sua única filha. Mas ela sabia o que se falava em suas costas. Sabia das coisas mais desagradáveis. Ou melhor, não em suas costas, mas longe de sua vista. Louca. Tantã. Desmiolada. Não serve para nada. Estavam errados, mas Eveline não os corrigiria. Fazer isso era perigoso demais. Ela fora prometida a Ian McHugh. Era um noivado muito desejado pelo pai de Ian, o chefe do clã, e uma união que seu pai finalmente aprovara. Seu pai era cuidadoso com as alianças que fazia, e Patrick McHugh era uma das poucas pessoas em quem ele parecia confiar. Os dois poderiam até ser chamados de amigos. Era natural que um casamento fosse arranjado entre a única filha de Tavis e o herdeiro dos McHugh. Entretanto, Ian não era o homem charmoso que parecia ser.


Por fora, era perfeito, um exemplo de cavalheirismo e, de fato, até ganhara a confiança de sua mãe e a bênção de seus irmãos superprotetores. Porém, sob a fachada de bom moço, havia um homem que causava terror no coração de Eveline. Ele a provocava com promessas sobre como seria o casamento e depois ria quando ela jurava contar tudo a seu pai. Dizia que ninguém acreditaria nas acusações dela sobre o caráter dele, mas Eveline não lhe deu ouvidos, até que resolveu falar com seu pai, como dissera a Ian que faria. Seu pai não fora grosseiro, mas não acreditou em suas acusações, considerando-as apenas um medo infantil. Ele prometera que tudo ficaria bem e que Ian seria um bom marido dizendo ainda que Ian era um homem justo e honrável. Pior, Ian a cortejava abertamente na frente de sua família. Ele a visitava com frequência, fazendo grandes gestos de devoção. Interpretava seu papel com perfeição e, assim, tinha todo o clã Armstrong comendo em sua mão. Apenas quando estavam sozinhos Eveline enxergava a alma dele, cheia de maldade. Eveline suspirou e baixou a cabeça até os joelhos, deixando as saias ondularem por suas pernas. Segredos. Tantos segredos. Tantas mentiras. Ela adorava cavalgar, mas nunca tinha permissão de fazer isso sozinha, pois a ameaça dos Montgomery sempre estava presente e seu pai temia o que aconteceria se a filha caísse nas mãos de seus inimigos mortais. Numa certa manhã, Eveline caminhou até os estábulos, selou o próprio cavalo e partiu cavalgando. Aquilo não era um simples passeio, mas uma fuga. Uma decisão tola e impetuosa que a assombrava até hoje. Ela nem sabia se iria até o fim com aquilo nem se teria coragem de deixar os limites das terras dos Armstrong; afinal, como uma garota iria sobreviver sozinha, sem a proteção de sua família? Aquele simples ato de desespero lhe custara mais do que poderia ter imaginado. Ela guiara o cavalo por um caminho pelo qual já havia passado muitas vezes, ao longo de uma ravina íngreme onde um rio esculpia seu caminho, criando um pequeno cânion. Quando seu cavalo tropeçou, ela foi jogada de suas costas e despencou pela ravina. Depois disso, lembrava-se apenas de estar com medo e sozinha, com a cabeça doendo violentamente. E o frio.


O frio congelante e o tempo passando. Acordara em seu quarto para um mundo silencioso. Não entendia, não sabia como comunicar sua situação. Sua garganta estava inchada e tivera febre por muitos longos dias. Mesmo se quisesse falar, o simples esforço causava muita dor, e então ela permaneceu em silêncio, aturdida pela quietude ao seu redor. Mais tarde, entendera que tinha ficado à beira da morte por mais de duas semanas. A médica notara o inchaço da cabeça e preocupara-se com a intensidade da febre, achando que poderia causar danos à mente da jovem. Talvez, no começo, Eveline tenha acreditado nela. Em seguida, houve momentos em que a moça pensou que perder a audição tivesse sido um castigo por sua fatídica decisão de se rebelar contra o pai. Levou um longo tempo para se ajustar e ficou envergonhada demais para contar a verdade a seus pais. Eles a olhavam com tanta decepção e com tamanha devastação nos olhos que talvez ela até pudesse encontrar coragem para explicar que não conseguia mais ouvir, mas então os McHugh foram até seu pai, exigindo saber a condição de Eveline. Sem ter certeza de que Eveline estava saudável, Ian rompeu o noivado. E quem poderia culpálo? Nem mesmo seu pai poderia culpar um homem que não queria uma esposa cujo estado mental estava sendo questionado. Ela não queria admitir a perda da audição porque, secretamente, desejava que fosse voltar a ouvir por si só, que um dia acordaria e tudo estaria bem de novo. Era uma ideia ridícula, mas ela continuou com essa esperança até convencer-se de que sua aparente loucura seria a sua salvação. Então, a mentira começou. Não uma mentira direta, mas uma mentira por omissão. Ela permitiu que sua família, seu clã, acreditasse que o acidente tinha afetado a sua mente, pois isso a protegeria da possibilidade de se casar com um homem que ela desprezava e temia. E não era uma mentira que ela poderia retificar mais tarde, pois, se Ian continuasse solteiro e se descobrissem que sua única deficiência era a surdez, ele poderia facilmente pedir que o noivado fosse restaurado. Foi uma farsa que cresceu e ganhou vida própria e, quanto mais o tempo passava, mais Eveline se sentia incapaz de corrigi-la. Acontece que, agora, tudo isso se mostrara vão, pois Eveline teria trocado um casamento com o filho do diabo por um com o próprio diabo, e desta vez não havia como impedir.


Eveline estremeceu, pressionou a testa mais uma vez contra os joelhos e balançou o corpo para a frente e para trás. Graeme Montgomery. Apenas o nome já era capaz de amedrontar seu coração. A disputa entre seus clãs já existia havia cinco décadas. Eveline nem podia se lembrar de como começou a maldita discórdia, mas o evento foi sangrento. O pai de Graeme fora assassinado pelo avô de Eveline, um fato que Graeme nunca perdoaria. Os Montgomery viviam para assediar, roubar, emboscar e derramar o sangue de qualquer Armstrong vivo. Seu pai e seus irmãos não eram diferentes. Eles matariam um Montgomery pelo simples fato de ele respirar. Nada disso fazia sentido para Eveline, afinal, ela supostamente deveria ser uma flor de mulher, que não pensava nessas coisas mesmo quando se acreditava que era mentalmente sã. Ela esfregou a testa distraidamente, sentindo uma de suas dores de cabeça chegando. Sempre começavam na base do crânio e viajavam até atrás das orelhas, numa pressão crescente até ela querer gritar de dor. Mas não conseguia vocalizar nada. Não tinha como medir o volume da voz. Eveline não queria que ninguém descobrisse a sua surdez, e então permaneceu solidamente sepultada pelo silêncio. Ela mais sentia do que ouvia quando alguém se aproximava. Desde a perda da audição, seus outros sentidos se aguçaram. Isso a surpreendeu, e ela descobriu que podia sentir as coisas com mais intensidade, quase como se pudesse sentir a menor das vibrações no ar. Ela se virou para ver Brodie aproximando-se com uma expressão sombria, mas que se suavizou quando a viu sentada em sua pedra. Brodie era a pessoa de quem ela mais sentiria falta se realmente se casasse com o chefe dos Montgomery. Ela mal podia respirar por causa da vontade de chorar e sua garganta se fechara descontroladamente. Ele disse algo ao se aproximar, mas Eveline não pôde “ler” o que era, pois sua boca ficou coberta por um braço. Quando ela continuou olhando para ele, Brodie suspirou exageradamente e depois se sentou na pedra ao lado, como sempre fazia. Brodie sempre sabia onde encontrá-la. Sabia todos os seus esconderijos. Não havia lugar algum a que ela pudesse ir que ele não conhecesse.


Ele buscou a mão dela, envolvendo-a por completo com a sua, muito maior, e então apertou-a. Seus lábios começaram a se mover de novo, e Eveline se inclinou para a frente, para poder ver o que ele dizia. – Precisam de você na casa, minha pequena. Ela adorava quando ele a chamava assim e nem sabia por quê. Era encantador, quase sempre dito com um sorriso indulgente. Só que hoje não teve sorriso; apenas uma profunda desolação nos olhos e nas linhas de preocupação que percorriam seu rosto. Sem querer deixá-lo mais aflito, ela pousou a outra mão sobre a dele e esperou que se levantasse e a puxasse para o seu lado. Era melhor que ela não agisse como se soubesse. Talvez conseguisse bancar a desentendida sobre a coisa toda. Certamente, se soubesse quanto ela era inadequada para o casamento, o rei não sancionaria uma coisa assim. Esse pensamento a alegrou consideravelmente enquanto andava ao lado do irmão, de volta para a casa. Seu pai sempre dizia que o rei era um governante justo. Dizia que ele trouxera a paz para as terras altas ao assinar um tratado com a Inglaterra. Se seu representante estivesse presente no evento, então, após vê-la com seus próprios olhos, cancelaria o casamento e informaria ao rei sobre a inadequação de Eveline para o papel atribuído a ela.


Capítulo 3 Eveline tentou manter-se calma enquanto Brodie a conduzia para o grande saguão, mas era difícil, pois seu coração martelava furiosamente contra o peito. Seu pai andava de um lado para o outro, diante da lareira, e Aiden, seu outro irmão, estava esparramado em uma cadeira na grande mesa de madeira, com a raiva queimando em seus olhos enquanto batia o pé nervosamente no chão. Eveline concentrou-se em seus pais, querendo desesperadamente saber o que diziam. Soltou a mão de Brodie e moveu-se para enxergar melhor. – Tavis, você não pode permitir isso! O pai de Eveline agarrou os ombros da mãe, segurando-os com força, e ela o encarou de volta, com os olhos torturados e cheios de raiva. – É um decreto do rei, Robina; não posso contrariá-lo. Robina afastou-se, virando-se mais para Eveline, com os olhos vermelhos e inchados, irradiando ondas de angústia na direção da filha. Então seu olhar suavizou-se e sua expressão se tornou ainda mais marcada. Ela correu para a filha, passando um braço sobre seu ombro, apertando com força, e depois a levou para a frente. Eveline podia sentir sua mãe tremendo, e esforçou-se ainda mais para manter a aparência serena enquanto se aproximavam de seu pai. Tavis ergueu a mão, que tremia notadamente enquanto acariciava o rosto de Eveline com gentileza. Sem conseguir aguentar o pesar em seus olhos, Eveline virou a face em sua palma e acariciou-a de volta. – Minha criança, meu presente mais precioso… Nosso rei se voltou contra nós. Ele tirou a mão e a levou para a nuca, depois se virou. Eveline encolheu as sobrancelhas, sem querer perder nada do que ele pudesse dizer. – Você precisa suplicar a ele, Tavis – Robina disse, tocando o braço do marido para virá-lo de volta. – Talvez ele não saiba da condição de Eveline. Tavis deu a volta, as sobrancelhas juntas, a escuridão de sua carranca fazendo Eveline lembrarse de uma tormenta na primavera.


– Como não poderia? Ele esteve aqui poucos meses após o acidente de Eveline e viu que ela está… mudada. Ofereceu suas simpatias por ela nunca mais poder realizar um casamento vantajoso ou ter filhos. E agora está enviando Eveline para o nosso pior inimigo, como uma ovelha de sacrifício, para forçar a paz entre nós? Eveline sentiu o sangue sumir de seu rosto e torceu para que sua mãe não reparasse em sua reação diante das palavras do pai. – Olhe, Robina, ela nem entende – Tavis disse, erguendo a mão e apontando para Eveline. – Não diga uma palavra contra ela – Robina disse com uma expressão tão feroz que Eveline soube que as palavras deviam ter saído com a mesma ferocidade. – Ela é uma garota doce e boa, e não é louca. Ela consegue costurar lindamente, possui um entendimento básico das coisas, ajuda os criados e tem sempre um sorriso para todos. Aquele monstro irá destruí-la. – Não estou falando mal dela – Tavis rugiu. E desta vez Eveline sabia que ele rugira, porque pôde sentir as vibrações, mas também porque havia certos sons – não muitos – que ela podia realmente ouvir. Vozes com timbres graves. Nada agudo ou estridente. Nada normal ou monótono. Mas, de vez em quando, ela experimentava uma audição passageira. – Eu a amo tanto quanto você, Robina. Você acha que eu quero dar minha filha em casamento para meu inimigo jurado de sangue? Sua mãe deu um passo para trás e cobriu a boca com a mão. Seu pai avançou sobre ela, com o rosto vermelho de raiva. – Eu não tenho escolha. Ir contra o rei é assinar nossa sentença de morte. Seremos marcados como foras da lei, e qualquer mercenário querendo ganhar a recompensa irá atrás de nossas cabeças. – Deus nos ajude – Robina disse, o rosto se desmanchando, os olhos tão marcados que causavam dor em Eveline. Seus irmãos permaneceram calados. Talvez não tivessem opinião ou, mais provavelmente, não quisessem se colocar entre seus pais quando as emoções estavam tão fortes. Mas Eveline não podia permitir que eles se torturassem tanto. Se ela precisava servir de sacrifício em um esforço para acabar com a luta entre os clãs, então seu destino estava selado e


não havia muito a ser feito. Ela não queria que sua família sofresse tanta angústia. Ela deu um passo adiante e tomou a mão do pai, que surpreendeu-se e fez um óbvio esforço para acalmar as emoções enquanto encarava sua expressão solene. Então ela sorriu e inclinou-se para beijar seu rosto. Eveline tocou o ombro do pai como se quisesse dizer que tudo ficaria bem. O rosto de seu pai suavizou-se, mas a tristeza nos olhos cresceu. De repente, ele parecia tão mais velho, a pele mais cinza e os ombros caídos de uma maneira que ela nunca vira antes em seu pai guerreiro. Ele pousou a mão atrás da cabeça de Eveline e puxou- a para perto, para beijar sua testa. Ela podia senti-lo falando contra sua pele, mas não quis se afastar para ver o que estava dizendo. Quando ele finalmente se afastou, seus lábios estavam se movendo e ela se concentrou para acompanhar. – … moça tão doce. Você sempre foi. Você é meu coração, Eveline, e maldito seja o rei por tirar meu coração de mim. Eveline virou-se para a mãe, mas, antes que pudesse beijar seu rosto como fizera com o pai, Robina a tomou em seus braços, apertando-o num abraço emocionado. Sua mãe estava devastada, e Eveline não sabia como consolá-la. Como poderia, quando ela própria ainda estava chocada? Nunca ocorrera a Eveline que ela ainda teria de se casar ou desempenhar o papel como qualquer outra mulher normal. Escondera-se eficientemente atrás da surdez, usando-a como um escudo. Uma mentira. Uma farsa. Oh, palavras tão horríveis que a faziam sentir-se terrivelmente culpada. Queria fechar os olhos para não ler mais nada nos lábios de ninguém. O chão tremeu sob seus pés, e Eveline virou-se antes dos outros para ver quem apareceria na porta do grande saguão. – Laird, uma mensagem – Niall disse ao entrar apressado. Sua expressão era intensa e sua linguagem corporal gritava que se tratava de algo importante. Em sua mão estava um pergaminho, mas Eveline não podia ver o selo para identificar de onde vinha. Seria outra mensagem do rei? – É do laird Montgomery. – Os lábios de Niall se torceram de desgosto enquanto


pronunciavam as palavras. – Eu não permiti que seu representante entrasse, então trouxe a mensagem eu mesmo. Aiden levantou-se, os lábios apertados num rosnado quando se posicionou ao lado do pai. Brodie aproximou- se de sua mãe e de Eveline, como se quisesse protegê-las do conteúdo da carta. Tavis rompeu o selo, abriu o pergaminho e passou a vista no conteúdo. Seu rosto foi se fechando cada vez mais enquanto os olhos desciam pelo texto. Finalmente, ergueu a cabeça, seus olhos brilhando, enquanto enrolava a mensagem cuidadosamente. – Graeme Montgomery avisa que chegará logo para buscar sua noiva, de acordo com o decreto do rei. A reação de seus irmãos foi imediata. Brodie aproximou-se com violência, e os olhos de Eveline o seguiram. – Isso é um absurdo! O rei não pode estar falando sério. Certamente, ele não é tão malévolo para enviar uma ovelha aos leões. – Os Montgomery? Em nossa terra? – Aiden perguntou, com a expressão claramente horrorizada. – Isso é algo jurado a nunca acontecer ou o sangue banhará a terra. O pescoço de Eveline estava doendo de tanto virar de um lado a outro para acompanhar a conversa, mas, ainda assim, ela acabou perdendo um bocado do que diziam, pois todos falavam ao mesmo tempo. Ela entendia alguns pedaços aqui e ali, a maioria exclamações, xingamentos e especulação sobre o motivo de o rei fazer algo tão perverso. Ela nunca vira Graeme Montgomery. Na verdade, nunca vira nenhum Montgomery. Era difícil não imaginar um homem velho e barrigudo com um nariz grande e feições horríveis. Eveline nunca se dera ao trabalho de participar de qualquer conversa sobre o clã Montgomery, pois eles simplesmente não lhe interessavam. Sabia que eram os inimigos jurados de seu clã e que seu pai morreria antes de permitir que um Montgomery pisasse em sua terra, e isso lhe bastava. Seu pai e seus irmãos eram guerreiros imbatíveis. Podia ser arrogante pensar assim, mas ela nunca vira nada que a fizesse pensar de outra forma. Por isso, sempre se sentira segura de que nenhuma ameaça externa a atingiria, uma vez que os Armstrong guardavam suas fronteiras zelosamente, não permitindo que ninguém passasse sem a devida autorização. Uma vez, há muito tempo, aconteceu uma invasão desse tipo. Os Montgomery cruzaram a fronteira e muitos Armstrong pagaram com a vida, incluindo a avó de Eveline. Seu avô, que na época era o laird das terras, entristeceu-se profundamente e morreu vingando a morte da esposa: matou o laird dos Montgomery, mas foi morto por outro guerreiro do clã rival.


Foram muitas as mortes, e Eveline não fazia ideia do que motivara tudo aquilo; apenas ouvira pedaços das histórias com o passar dos anos. Ela devia ter ouvido melhor quando teve oportunidade, mas, para ela, os Montgomery eram monstros da escuridão, quase como uma fera imaginária que os bardos cantam em suas fábulas. Eles, certamente, nunca foram uma ameaça à sua vida, mas agora ela seria enviada ao território deles. Eveline não queria perturbar sua mãe deixando transparecer seu medo. Virando-se, a jovem deixou o saguão principal mais uma vez, sem nem se importar em saber se deveria ficar. Ela, muitas vezes, fazia coisas assim: saía dos lugares de repente e sem razão aparente, e ninguém parecia se importar com isso: se antes consideravam estranho, com o tempo esse comportamento se tornou aceitável. Ela simplesmente precisava digerir essa reviravolta em sua vida. Como poderia encarar alguém que não fosse do seu clã? Todos do seu clã a amavam, ainda que alguns tivessem medo de sua deficiência. Vez ou outra flagrava pessoas fazendo o sinal da cruz quando passavam por ela; talvez tivessem medo de que sua loucura fosse contagiosa ou de que iriam padecer do mesmo mal caso tocassem nela. A parte marota da sua mente queria estender o braço e tocar um por um, apenas para saber se reagiriam como se estivessem queimando ou se sairiam correndo e gritando em busca do padre. Mas logo refreava esse pensamento, sentindo-se horrível, porque aquelas pessoas eram membros do seu clã, e não tinham culpa do que lhe acontecera. Aquelas pessoas não sabiam a verdade, e Eveline não fazia nada para mostrá-la a elas. A maioria das pessoas era muito gentil com ela, muitos se esforçavam para fazer coisas que a deixassem feliz. Ela era feliz ali. Levou um bom tempo até conseguir digerir a confusão do acidente e da deficiência. Não entendia por que a audição lhe fora tirada, mas aprendera que não se deve questionar a vontade de Deus. Agora tinha um lugar. Aprendera a entender quase tudo o que as pessoas diziam apenas observando o movimento de suas bocas. Gostaria de ter coragem de falar, mas sem saber como sua voz soaria – ou até mesmo se conseguiria formar palavras após tanto tempo sem falar –, ela permanecia quieta, trancada em seu mundo silencioso, apenas com a memória de alguns sons ecoando suavemente em sua cabeça.Mas não teria mais esse lugar ali, em seu clã, entre a sua família e as pessoas que a amavam e a aceitavam. Em vez disso, seria enviada ao clã inimigo. Um calafrio percorreu suas costas. O que pensariam dela? A tratariam com crueldade? Será que a odiariam simplesmente por ser uma Armstrong? Ou a desprezariam por causa de seu


defeito? Fariam provocações e a chamariam de maluca, de doida? Iriam ainda mais longe e a machucariam, achando que carregava espíritos maus dentro de si? Eveline entrelaçou os dedos enquanto corria de volta para a sua pedra. Não importava que Brodie soubesse exatamente onde encontrá-la. Era o único lugar que lhe vinha à mente quando precisava de conforto e paz. Enquanto observava a água corrente, percebeu que não teria mais aquele santuário. Não poderia mais ir e vir para sentar-se em sua pedra durante horas, absorvendo a serenidade do entorno. Não, ela se casaria no clã dos Montgomery. Eveline se tornaria a exata coisa que aprendera a odiar. E, enquanto seu pai a deixava fazer o que quisesse, seu marido poderia não ser tão compreensivo.


Capítulo 4 A fortaleza dos Armstrong esteve em constante alvoroço durante dias. No oitavo dia após o recebimento da mensagem do rei, o conde de Dunbar chegou, como o representante do rei, para testemunhar o casamento que forçaria a paz entre os dois clãs rivais. Tavis o recebeu no pátio, e assim que o cavalo do conde foi levado, os dois homens entraram na casa e andaram até uma mesa alta, ao fim do grande saguão, onde eram servidas comida e bebida. – Alexandre comunica seu pesar por não poder estar presente no casamento – disse o conde, após tomar um gole de uma das canecas incrustadas de joias. Havia no olhar dele um brilho que denunciava a mentira que acabara de dizer, pois o rei nunca teve nenhuma intenção de comparecer ao casamento que ele próprio decretara. E, com a ausência do rei, não havia ninguém a quem Tavis pudesse pedir para pôr um fim a toda aquela confusão. Dunbar gozava de grande prestígio junto ao rei Alexandre e, de fato, era o conde mais alto do reinado. Ele e Alexandre eram grandes aliados e amigos, e o fato de o rei enviar seu mais poderoso conde para o casamento denunciava a Tavis sua importância para o monarca. – Ele não sabe o que faz – Tavis respondeu. Dunbar ergueu uma sobrancelha, tomou um longo gole de cerveja e depois olhou intensamente para Tavis, enquanto se inclinava na cadeira. Parecia indolente e arrogante, encarando-o como se quisesse intimidá-lo, mas Tavis, que não sobrevivera como chefe de uma das maiores fortalezas da Escócia fugindo de desafios, encarou-o de volta sem vacilar. O conde suspirou e baixou a caneca sobre a mesa fazendo um barulho agudo. – Se servir de consolo, Tavis, eu disse a Alexandre que ele estava louco. Tenho ciência do que aconteceu com a sua filha, e você e ela possuem a minha simpatia. Ela não é adequada para o casamento, mas, infelizmente, você possui apenas uma filha, e Alexandre enfiou na cabeça que a única maneira para forçar a paz entre seus dois clãs mais poderosos é dá-la ao seu inimigo. Ele sente que, se ela se casar com o senhor dos Montgomery, você nunca erguerá sua espada contra eles. – E que garantia eu tenho de que eles não atacarão o meu clã? – Tavis exigiu saber. – É claro


que eu não poderia erguer a minha espada contra o homem que possui a vida da minha filha em suas mãos. Mas o que eu terei dele em troca? O conde esfregou o queixo pensativamente. – É uma boa pergunta. Não sei se o rei pensou nisso. Talvez ele tenha pensado que o casamento seria suficiente para forjar uma aliança, por mais tênue que fosse. Ele quer a paz. Agora que assinamos um tratado com a Inglaterra, Alexandre precisa se concentrar em problemas internos com chefes rebeldes. Precisa de aliados, e os Armstrong e os Montgomery sempre foram leais à coroa, apesar de desprezarem uns aos outros. – Eu estaria disposto a assinar um tratado com os Montgomery – Tavis disse secamente. Foi a coisa mais difícil que já dissera em toda a sua vida. Engolir o próprio orgulho era doloroso, mas, por sua filha, ele faria qualquer coisa, mesmo humilhar-se diante do inimigo. – Eles não podem querer esse casamento mais do que nós. É como você disse. Eveline não é adequada para se casar com homem algum. É por isso que o noivado com Ian McHugh se desfez. Graeme Montgomery iria destruí-la, e não posso nem pensar nisso. O conde sacudiu a cabeça. – Não estou aqui para barganhar com você, Tavis. É tarde demais para falar em tratados e paz. A guerra entre vocês já foi longe demais. Alexandre está impaciente para trazer paz às terras altas, e a disputa sangrenta entre o clã de vocês é uma ameaça à estabilidade que ele deseja. Posso não concordar com os métodos dele, mas dou-lhe meu total apoio. Ele enviou-me para testemunhar o casamento e levar-lhe um relatório oficial. Estou aqui para dar o consentimento e a bênção dele sobre a cerimônia e levar a carta com o selo real e a declaração oficial da união. – Ela está condenada – Tavis sussurrou. – Acredito que Graeme Montgomery é um homem justo – disse o conde cuidadosamente. – Não acho que seria cruel com sua filha apenas por vingança. Em todos esses anos, Tavis nunca se sentira tão impotente. Quando ergueu os olhos, encontrou sua esposa em pé, do outro lado do grande saguão; seu pesar se irradiava como uma coisa viva, mas ela o escondeu bem ao se aproximar. Robina vestira-se da melhor maneira possível em respeito à visita do conde, e apenas o olhar afiado de Tavis poderia detectar o turbilhão que borbulhava sob a superfície de sua cuidadosa compostura.


Ele e o conde se levantaram quando ela se aproximou. – Milady – o conde disse suavemente, tomando sua mão para beijá-la. – Faz muitos anos desde a última vez que nos encontramos, e juro que você se tornou ainda mais linda do que antes. Robina sorriu graciosamente, mas o sorriso não chegou aos olhos. – Muito gentil, milorde. Você nos honra com a sua presença no casamento de nossa filha. Espero que goste das acomodações. Se houver qualquer coisa que deseje, por favor me avise e providenciarei imediatamente. Tavis nem se deu conta de que estava segurando a respiração, até que seu peito começou a queimar em protesto. Ele sabia que Robina seria capaz de plantar uma adaga no coração do conde se pensasse que isso salvaria sua filha. Robina era eloquente, obstinada, e Tavis a amava com todas as partes de seu coração de guerreiro. Se ela fosse homem, seria o mais indômito de toda a Escócia. Muitos homens não tolerariam sua disposição para falar tudo o que pensava ou a sua força, que se equiparava à dele próprio; tentariam subjugá-la, torná-la fraca e apagar aquilo que a tornava tão especial. Robina não era uma mulher fraca, e Tavis agradecia por isso todos os dias. Ela pertencia-lhe e nunca pediria desculpas pelo temperamento da esposa, pois a amava exatamente como era. Mas, naquele momento, começara a se preocupar, porque Robina estava sendo gentil e educada demais. O sorriso dela o deixava nervoso. Será que estava planejando envenenar a bebida do conde? Enterraria ela um punhal entre as costelas dele quando o acompanhasse aos seus aposentos? As duas coisas eram possíveis, pois Robina era feroz quando se tratava de seus filhos. – Eu acompanharei o conde até seu quarto – Tavis disse, antes que Robina pudesse se oferecer. – Peça que lhe deem comida e bebida, para que possa descansar da viagem. Antes que Tavis pudesse guiar o conde na direção da escada, um dos guardas da torre entrou de repente no saguão e parou imediatamente quando viu o conde e Tavis lado a lado, inclinando a cabeça em sinal de respeito. – Laird, um mensageiro dos Montgomery apareceu, trazendo notícias de que o chefe deles e seus homens chegarão até o cair da noite. Os lábios de Robina se apertaram, mas, para seu crédito, ela permaneceu quieta, mesmo com os punhos cerrados. O conde ergueu uma sobrancelha e brincou com Tavis: – Pode-se até pensar que Graeme


Montgomery está ansioso para reclamar sua noiva. O estômago de Tavis se embrulhou, enojado pelo mero pensamento de sua filha nas mãos dos Montgomery. Ele trocou um olhar de pesar com a esposa, porque estava se tornando cada vez mais claro que não havia nada a ser feito, exceto trair seu rei e começar uma guerra, e fazer isso significaria a morte de todo o seu clã. Sua amada filha ou a vida de todas as pessoas que dependiam de sua proteção. Era uma escolha que nenhum homem deveria ter de fazer.


Capítulo 5 Eveline sentou-se sobre o morro que ficava diante do terreno do seu clã e observou quando a impressionante fila de soldados dos Montgomery seguia cavalgando em direção à ponte levadiça. Perguntou-se se seu pai permitiria que todos entrassem ou se faria a maioria dos guerreiros esperar do outro lado da muralha da fortaleza, mas Graeme Montgomery poderia nunca concordar em se colocar na posição vulnerável de entrar no covil de seu inimigo com a proteção de apenas alguns homens. Ela observou a frente da fila, tentando enxergar o homem que seria seu marido. Para ela, todos pareciam enormes e iguais, com suas armaduras e escudos, alguns com espada em punho. Não parecia uma comitiva de casamento, mas o prelúdio de uma guerra. Ela estremeceu e abraçou as pernas com força, encolhendo-se ainda mais para não ser vista. Sua mãe e seus irmãos procuravam por ela, que não fora para o seu esconderijo habitual porque Brodie já o conhecia. Em vez disso, preferiu o morro, que lhe daria uma boa visão… de seu futuro. Três homens cavalgavam na frente, destacando-se dos outros, e um deles inclinou a cabeça para cima, como se gritasse para o vigia. Eveline queria poder ouvir aquilo. Devia ser um som impressionante, vindo de um homem tão grande. Provavelmente, assustaria qualquer um que estivesse por perto. Alguns dos cavalos atrás do homem se agitaram e tiveram de ser acalmados por seus cavaleiros. Ela pousou o queixo sobre os joelhos e continuou a observar enquanto a ponte era lentamente baixada. Seu marido. Ele estava ali para tirá-la de tudo o que conhecia e amava. Ali era o único lugar em que ela se sentia segura e protegida. Adorada por sua família e cuidada por seu clã. Mas não fora ela mesma quem um dia desejara ter uma vida normal? Uma nova aventura? Conhecer algo fora do confinamento do clã? Passara a vida inteira sem nunca viajar para além das fronteiras dos Armstrong.


Houve tempo em que Eveline agradeceu pelo noivado com Ian McHugh. Sentira excitação e fora preenchida pelos sonhos de um marido, filhos, sua própria casa para cuidar. Oh, ela planejara tudo. Visitas à sua família. Eles viajariam para as terras de seu marido para o nascimento de seu primeiro filho. Haveria muita felicidade e alegria. Mas aquela fantasia evaporou-se no momento em que Ian fez saber suas intenções com ela. Seus sonhos foram substituídos por um pesadelo do qual temia nunca escapar. Odiava esconder-se ali, atrás de seu pai e de sua mãe, e até mesmo de seus irmãos, permitindo que os outros pensassem que era menos do que realmente era. Mas o que Eveline mais odiava era ter de abrir mão de seu sonho. E agora? Parecia que, apesar de todos os esforços para permanecer escondida nas terras do pai, chegara o dia em que seria forçada a aventurar-se além das fronteiras, para uma nova vida. Certamente, essa não era a maneira como a jovem se imaginara expandindo seus horizontes, mas não tinha escolha. Não seria melhor tentar ver o lado bom da situação? Sua mãe estava angustiada. Seu pai, triste, preocupado, em um estado de espírito tão ruim que ninguém se atrevia a perturbá-lo, a menos que fosse realmente importante. Até mesmo seus irmãos estavam impacientes. Era como se uma nuvem negra tivesse pairado sobre o clã e, desde que souberam que os Montgomery chegariam antes do anoitecer, toda a fortaleza ficou em polvorosa. Eveline escapara sem ser notada, mas agora já procuravam-na, talvez para escondê-la, talvez para entregá-la ao homem que se tornaria seu marido. Ela observara muitos lábios para saber que, com o conde em residência, qualquer ato de desobediência ao decreto real seria considerado um ato de guerra contra o rei. Satisfeita com a observação do clã Montgomery, ela reclinou-se no chão, fechando os olhos brevemente contra a luz do sol. Quando os abriu de novo, concentrou-se no azul do céu e nas nuvens que flutuavam suavemente no ar. Ali poderia escapar por apenas mais um pouquinho, cercada pelo silêncio. No fundo de sua mente, ela podia invocar a memória de como a música soava, e ao olhar para o espaço azul acima de si, Eveline poderia jurar que a música dançava através de seus ouvidos. – Olhe para o morro à sua direita – Teague disse, secamente. Graeme ergueu a cabeça e depois focou os olhos na direção indicada por Teague, enquanto a ponte lentamente começava a descer. Ele quase não enxergou a figura magra. Depois, quando olhou novamente, Graeme franziu as sobrancelhas e virou-se para o irmão, imaginando por que diabos Teague teria chamado a sua atenção.


– Aquilo é uma pessoa? – Teague indagou. – O que ele está fazendo ali naquele morro? – Está com medo de que ela desça até aqui e derrube você do cavalo? – Bowen provocou. – Ela? – Teague disse sem acreditar. – É uma moça – Bowen disse, acenando com a cabeça na direção da distante figura. Graeme voltou a olhar para a frente. – Como você consegue saber a uma distância dessas? Bowen olhou para os dois, sorrindo, e depois sacudiu a cabeça. – Você acha que há muitos homens por aí usando vestido amarelo? Teague ergueu uma sobrancelha. – Bom, estamos na área dos Armstrong, então acho que qualquer coisa é possível. Os homens ao redor começaram a rir, e então a ponte atingiu o chão com força, levantando poeira ao redor dos cavalos. Quando Graeme olhou de novo para o morro, não conseguiu mais enxergar a garota. Como poderia desaparecer tão rápido? Ele pôs seu cavalo a andar, concentrando-se no caminho à frente, pronto para um confronto iminente. Era verdade que preferiria encarar uma batalha com poucos homens a entrar mansamente nas terras dos Armstrong e juntar-se a seu clã com um casamento. Isso o mortificava em todos os níveis. Seu pai estaria se revirando no túmulo. Era um dia negro para os Montgomery, que seria lembrado por muito tempo em sua história. Se pudesse escolher, todo esse evento seria riscado de qualquer registro dali em diante. Mas, claro, não podia fazer algo assim tão permanente com uma esposa, por mais tentador que fosse. Graeme cavalgou até o pátio e encontrou Tavis Armstrong em pé, ao lado do conde de Dunbar. Ele não se surpreendeu ao ver o homem do rei ali, embora, honestamente, esperasse o próprio rei, já que tudo isso era de tanta importância para ele. Graeme freou e endireitou o corpo sobre o cavalo, olhando do alto para o chefe do clã dos Armstrong. Tavis o encarou de volta e, ao seu lado, apareceram seus dois filhos, embora Graeme não soubesse quem era quem. Na última vez em que encontrara os filhos de Armstrong, ele os


enviara de volta correndo para casa após um entrevero na zona morta – a pequena parte de terra entre as fronteiras dos dois clãs. A terra pertencia aos McAlpin, mas eles a haviam abandonado há muito tempo por causa da proximidade com os clãs rivais. Era um pequeno pedaço da propriedade, uma simples faixa de terra, e não era grande coisa manter-se ao sul e longe do conflito. Tavis mexeu-se primeiro, um fato que trouxe satisfação para Graeme, que aceitaria qualquer vitória, por mais insignificante que fosse. Ele pode ter sido forçado a se aventurar mansamente na terra dos Armstrong, mas não permitiria que nenhum deles o intimidasse. Tavis deu um passo à frente, limpou a garganta e disse: – Bem-vindo à nossa terra, laird Montgomery. Você e seus irmãos são bem-vindos aqui dentro. Seus homens encontrarão acomodações no perímetro exterior, onde tendas foram erguidas para seu uso. Comida e bebida serão providenciadas para todos. Por um momento, Graeme ficou em silêncio. Então olhou para os irmãos, deu o sinal para desmontarem e, lançando-se do cavalo, pousou no chão. Tavis gesticulou para seus homens tomarem os cavalos e os levarem para os estábulos. E lá estavam eles. Guerreiros dos Montgomery face a face com guerreiros dos Armstrong. Eles irradiavam desprezo uns pelos outros. Os Armstrong pareciam estar recebendo o diabo em seu santuário e, bom, talvez estivessem mesmo. Uma coisa assim nunca havia acontecido na história de seus clãs. Nunca estiveram tão próximos sem espadas empunhadas e sangue derramado. A mão de Graeme queria agarrar o cabo da espada, e sua garganta desejava soltar um grito de guerra. – Eu não gosto disso – Tavis disse discretamente, a voz firme como uma lâmina de aço. – Deus é testemunha, não existe parte alguma de mim que concorde com essa loucura. Graeme assentiu, agradecido pela sinceridade do velho homem. Quando falou, Graeme foi tão direto quanto. – Eu não gosto disso mais do que você. – Você não está sacrificando nada – Tavis retrucou. – Não há nada para você não gostar. Você sairá daqui com a minha filha e não me dará nada em troca. Graeme ergueu uma sobrancelha, sentindo uma raiva crescer em sua nuca e agarrar a base de seu crânio. Precisava esforçar-se para não perder a cabeça. Precisou de toda a força para não pular na garganta daquele homem. Tudo o que podia ver era o homem cujo pai era responsável pelo assassinato de seu pai.


– Você acha que não? Ficarei preso a uma esposa defeituosa que nunca poderá me dar herdeiros. Estou abrindo mão de muita coisa. Estou abrindo mão de tudo. – Ela não é defeituosa! – um dos filhos de Armstrong rugiu e avançou. Teague e Bowen sacaram as espadas numa fração de segundo e lançaram-se à frente de Graeme. Seus braços tremiam, e Graeme sabia quanto lhes custava não correr e cortar os Armstrong ali mesmo. Toda a situação tinha potencial para explodir a qualquer momento. Os dois lados estavam ansiosos por qualquer desculpa para derramar o sangue do outro. – Já chega – gritou o conde de Dunbar. – O rei ficaria muito descontente. Ele quer paz e paz ele terá. Quando este casamento se realizar, um juramento será feito entre os dois clãs e um tratado será assinado em sangue. Qualquer rompimento do tratado será visto como um ato de traição à coroa. Então, suas terras serão confiscadas e vocês serão declarados foras da lei e serão caçados como tal. – Brodie, afaste-se – Tavis disse para o filho que rosnava de raiva. – Aiden, guarde a espada. Brodie olhou para Graeme, como se não quisesse mais nada além de cravar a espada nele ali mesmo, e Graeme respondeu com um pequeno sorriso que dizia claramente: “tente”. – Ela vale dez vezes mais do que você – Brodie disse, enquanto se afastava. Brodie e Teague embainharam a espada lentamente, mas mantiveram as mãos sobre o cabo. Tavis ergueu a mão e, de repente, parecia cansado, com linhas da idade marcando toda a sua testa. Parecia um homem que guerreara com o próprio diabo. Mas Graeme não sentia simpatia alguma. Não quando o pai daquele homem assassinara o seu pai. Não quando o seu clã perdera tanta coisa para os Armstrong durante anos. – Entrem – Tavis disse em um tom de voz que mostrava o quanto odiava o convite. – Minha esposa providenciará comida e bebida após sua longa viagem. – Sim, e eu gostaria de conhecer minha futura noiva – Graeme disse com um tom de voz provocativo. Os lábios de Brodie se torceram de ódio novamente, mas Tavis o silenciou com um rápido olhar fechado. Ele gesticulou para Graeme e seus irmãos, e então entraram na fortaleza, com o conde posicionado entre os dois grupos enquanto seguiam para o grande saguão. Uma pequena mulher levantou-se de sua poltrona perto da lareira, deixando sua costura de


lado. Era Robina, a esposa de Tavis, que não aparentava ser uma mulher de idade considerável. O medo tomou conta de seu rosto, embora ela tentasse esconder, e isso deixou Graeme enojado, pois nunca levantaria a mão contra uma mulher. Não importava que fosse a esposa de seu inimigo, ela deveria receber o respeito e a cortesia que sua posição exigia. Ele aproximou-se, torcendo para que ela não saísse correndo da sala, mas ela não se mexeu e o encarou de volta, sem pestanejar. – Milady – ele disse, fazendo uma pequena reverência. Quando ergueu a cabeça, Graeme alcançou sua mão e ela permitiu que ele a tomasse. Graeme levou a mão dela até seus lábios e os raspou levemente sobre o topo, em sinal de respeito. – Você é Graeme Montgomery? – disse ela com a voz apertada. – Sim, sou eu – ele disse solenemente. – E você é lady Armstrong. – Robina – ela o corrigiu. – Afinal de contas, nós seremos… fa-família – ela gaguejou, mas concluiu, sentindo desgosto por aquelas palavras. Para falar a verdade, Graeme sentiu a mesma coisa. Família? Nunca. – Robina, então. Ele virou-se para seus irmãos e os apresentou: – Estes são meus irmãos, Bowen e Teague. – Você também possui uma irmã, não é mesmo? – Robina perguntou. A expressão de Graeme endureceu. – Eu nunca a traria aqui. Ela está em casa e bem guardada. Ainda é jovem, e eu nunca a exporia a uma situação potencialmente hostil. – Mas eu sou forçada a enviar a minha filha para o seio de nosso inimigo – Robina disse, quase sussurrando. – Milady, não faço guerras contra mulheres. Sua filha não morrerá sob a minha mão nem sob a mão de qualquer um dos meus homens. Como esposa do laird, ela terá toda a cortesia de sua posição. Robina não pareceu aliviada por aquele juramento. Na verdade, parecia querer chorar. Graeme virou-se, analisando o saguão ao redor. Era como se cada Armstrong tivesse sumido


antes da chegada dos Montgomery. Apenas ele, seus irmãos, o conde, Tavis, a esposa do laird e seus filhos estavam presentes. Ele então focou em Tavis, pois não queria irritar a esposa do laird mais do que ela já estava irritada, ainda que sem ter culpa pelos pecados de seu marido e seus homens. – Eu gostaria de ver a mulher com quem devo me casar. Gostaria de conhecê-la antes da cerimônia. – Laird Montgomery – Robina interveio, ganhando sua atenção de volta. A expressão dela era de súplica. – Por favor, permita-me falar francamente sobre a minha filha antes de você pedir a presença dela? – Fale à vontade, milady; não ficarei ofendido se não houver motivo para isso. – Ninguém falou com você sobre ela? – Ele a chamou de defeituosa – Brodie disse do outro lado do saguão. Robina ficou pálida, embora Graeme não soubesse se fora de raiva ou de perturbação. – Ouvi dizer que ela… não está bem – Graeme disse, em um esforço para ser gentil. – Fale a verdade – Teague disse de repente. – Todos sabem que a moça é louca e não consegue gerar herdeiros. É loucura um casamento desses acontecer. Isso não resolverá nada. Naquele momento, Graeme realmente acreditou que, se estivesse armada, Robina teria atentado contra a vida de seu irmão mais jovem. Ele automaticamente entrou no caminho entre Teague e ela para impedir qualquer confronto. Brodie começou a discutir fervorosamente, enquanto Tavis virou-se para Teague. O saguão explodiu em uma fúria de gritos e insultos. Apenas a presença do conde impediu que houvesse derramamento de sangue. – Já chega! – o conde gritou. – Saiam do saguão! – Ele apontou para os filhos de Armstrong e depois para os irmãos de Graeme. – Fora. Deixem que discutam o assunto entre eles. – Não deixarei meu irmão para ser morto neste ninho de víboras – Bowen respondeu. Graeme ergueu a mão. – Estou bem protegido, Bowen, pode ir. Vá checar os homens e certifique-se de que tudo está bem. Quanto mais cedo acabarmos com isso, mais cedo poderemos voltar para a nossa terra.


Com relutância, os filhos de Armstrong e os irmãos de Graeme se retiraram, e ele voltou a atenção para Robina outra vez. – Agora, milady, fale o que precisa me dizer. Estou ficando impaciente. Tavis aproximou-se para ficar ao lado de sua esposa, quase como se desafiasse Graeme a mostrar qualquer desrespeito. – Eveline está… diferente. Ela não está louca. É a verdade de Deus, eu não entendo completamente a profundidade daquilo que a afligiu. Quando era mais jovem, três anos atrás, ela caiu do cavalo em uma ravina e permaneceu lá por três dias antes de ser encontrada. Graeme franziu as sobrancelhas. – Você está me dizendo que ela não nasceu assim? Que seu mal foi causado por um acidente? – Sim. Bem, não. Ela não nasceu assim. Nunca existiu criança mais doce, inteligente, esperta e cheia de vida e alegria. Era a esposa que qualquer homem lutaria para ter, mas ficou doente por um tempo após a queda. E nunca mais foi a mesma. Ela não fala. Nunca mais falou desde que acordou de um sono profundo que durou duas semanas. – Isso é tudo? Ela não fala? – Alguns maridos ficariam agradecidos por isso. Robina sacudiu a cabeça. – Estou tentando dizer a você que ela não será uma esposa adequada. Você não pode tratá-la como trataria outra mulher. Por favor, se tiver alguma misericórdia, trate-a gentilmente e a deixe sozinha. Minha filha não merece ser punida por aquilo que foi causado pelo clã dela. Um sentimento de raiva começava a percorrer a pele de Graeme, subindo pela nuca até deixar seu queixo apertado. – Eu não faço guerra contra mulheres e inocentes – ele rosnou. – Não irei mais repetir isso. – Por tudo que é sagrado, Montgomery, se algum mal acontecer com a minha filha enquanto estiver em seu poder, não haverá pedra onde você poderá se esconder – Tavis disse. – Irei atrás de você com toda a minha força e com todos aqueles que são meus aliados. – Eu desprezaria você mais ainda se não fizesse isso – Graeme respondeu. – Agora, chega dessa conversa interminável. Tanto quanto vocês não desejam ver sua filha casada comigo, eu também não tenho o desejo de me casar com uma criança que não tem controle sobre suas faculdades. Mas nenhum de nós tem escolha. É melhor acabar logo com isso antes que


digamos e façamos coisas que não possam ser retratadas. – Nisso nós concordamos – o conde disse. – Você já declarou sua posição, Tavis. Não há mais nada a dizer. Vá buscar a sua filha para que Graeme possa conhecê-la.


Capítulo 6 Eveline sentiu a terra tremer sob seus pés. Automaticamente, levantou a cabeça, imaginando quem estaria cavalgando sobre o morro onde estava deitada. Ela enxergou Brodie em seu cavalo, virando a cabeça para analisar o terreno. Quando ele a encontrou, Eveline percebeu o alívio instantâneo em seus olhos. Brodie desceu do cavalo, baixou a rédea para que o animal pudesse pastar e andou em sua direção. Ao se aproximar, ela enxergou o que estava dizendo. – … em toda parte por você, Eveline. Fiquei preocupado, todos nós ficamos. Nossa mãe está perturbada, achando que você fugiu de medo. Ela franziu as sobrancelhas, pois, embora já tivesse feito algo tão covarde e egoísta assim, nunca mais faria isso de novo. Podia estar aterrorizada com o casamento iminente, mas iria encarar seu futuro e não deixaria escapar nenhum sinal de seu tormento interno para a sua família. Brodie alcançou a mão da irmã e puxou-a até que ela se levantasse; então, para a surpresa dela, abraçou-a com força, segurando-a contra o peito por um longo tempo. Ela permitiu o gesto, gostando daquela demonstração de afeto, ainda que Brodie sempre a tratasse de maneira afetuosa. De todos os seus familiares, ele era o mais carinhoso e, também, o que nunca a tratava como uma pessoa defeituosa. Para ele, Eveline era a sua irmãzinha, e isso era tudo. Mas agora parecia diferente. Quase como se fosse ele quem precisasse de conforto e não ela. Eveline pôs os braços ao redor da cintura dele e abraçou-o de volta com toda força, ainda que isso não representasse muito, pois, dada a robustez do irmão, os braços dela não conseguiam envolver por inteiro a cintura dele. Ela sabia que ele estava falando porque sentia as vibrações que emanavam do seu peito, mas não queria desfazer o abraço para poder ver o que ele falava. Quando finalmente se afastou, Brodie tomou a sua mão e começou a puxá-la na direção da ponte. Ela parou, franziu as sobrancelhas e olhou para o cavalo. – Depois peço para alguém vir buscá-lo. Achei que teria de ir muito mais longe para encontrála. Você sabe que eu não a forçaria a cavalgar comigo.


Por um momento, o olhar dela deixou o irmão mais uma vez para encontrar o cavalo que estava pastando a alguns metros. Não odiava cavalos; já os amara muito, mais do que qualquer coisa. O que odiava era que, quando se aproximava deles, quando sentia seu cheiro, quando sentia sua força, começava a suar descontroladamente e um terror tomava conta de seu corpo. Não cavalgara mais desde o acidente e sentia falta disso. Sentia falta da liberdade de cavalgar pelos campos abertos, o cabelo voando, sem nada no mundo para se importar. Agora, a simples ideia de montar algo tão forte a paralisava. Seu peso era nada comparado ao de um cavalo. Era muito fácil para o animal derrubá-la. Brodie a puxou novamente e desta vez ele a conduziu com mais força. Eveline possuía mil perguntas para seu irmão, mas não sabia como formulá-las. Não havia como fazê-lo entender que ela precisava muito de informações. Como era o chefe dos Montgomery? Era grotesco? Era ameaçador? Ela parou de novo, soltou a mão de Brodie, depois tocou seu braço e inclinou a cabeça na direção da ponte. Então, ergueu as sobrancelhas em uma clara pergunta. Brodie apertou os lábios e suspirou com força. Desviou os olhos, passou a mão no cabelo e depois, finalmente, voltou a encará-la. Havia uma profunda tristeza em seus olhos. Preocupação. Amor. Inquietação. – Graeme Montgomery está aqui e deseja conhecer você. Ele não quer ficar mais do que o necessário, e o conde de Dunbar irá conceder esse pedido porque teme aquilo que possa acontecer se os dois clãs forem forçados a permanecer por muito tempo na presença um do outro. Ela pousou um dedo nos lábios e sacudiu a cabeça, em um movimento negativo. Depois sorriu, pois não queria que ele ficasse triste. Se houve um momento em que desejou coragem para tentar falar, o momento era esse. Ela abriu a boca, disposta a tentar, sem nem saber o que poderia sair, mas antes que pudesse soltar aqueles sons guturais que esperava que formassem palavras, seu irmão virou-se de repente e ergueu o punho no ar. Ele gritou algo que ela não conseguiu entender, mas sentiu a vibração de seu corpo. Quando Eveline olhou na direção em que ele estava olhando, viu Aiden ao longe, fazendo gestos para que entrassem na fortaleza.


Brodie tocou as costas de Eveline e a impeliu para a frente. Ela sabia que ele estava falando, mas estava concentrada demais na casa enquanto se aproximavam para tentar compreender o que ele dizia. Em momentos como esse, ela sabia que os outros pensavam que era louca, pois simplesmente não respondia, não reagia. Ele podia estar dizendo qualquer coisa e Eveline nunca saberia o que era. Quando se aproximaram de Aiden, ele estava com o rosto fechado, e a irmã sabia que receberia uma reprimenda; então evitou olhá-lo, porque, se não visse o que estava dizendo, era como se não tivesse dito. Perfeitamente lógico dentro de sua mente. Não que Aiden fosse bravo demais com ela. Era apenas menos paciente do que Brodie, mas se preocupava com a irmã. Se dependesse dele, Eveline ficaria apenas dentro do terreno cercado da fortaleza, sem nunca sair para muito longe. Ela nunca se esqueceria de que fora Aiden quem a encontrou naquela ravina e que ele temera o pior. Que ela estivesse morta. Eveline atravessou a ponte, cercada pelos dois irmãos, e teve de admitir que isso inflou sua coragem, pois ficar entre eles era garantia de que nunca seria machucada. Assim que entraram no grande saguão, Eveline parou de repente, seu olhar automaticamente encontrando o homem que possuía a maior autoridade. Era óbvio – ao menos para ela – quem era o chefe do clã dos Montgomery. O poder emanava dele. Era quase uma aura visível que o cercava. Ela engoliu nervosamente e as palmas das mãos começaram a suar. Ele era grande. Realmente grande. Mais alto até mesmo que seus irmãos. Tinha os ombros e peitoral largos, mais fino na cintura, e as pernas eram sólidas massas de músculos, tão grandes na circunferência quanto ela própria. Sua primeira impressão talvez tivesse sido um pouco exagerada, mas, para ela, ele parecia uma montanha. Seu cabelo castanho era todo desarrumado. Pendia pouco abaixo do pescoço e encaracolava nas pontas, enrolando para um lado e para o outro. Obviamente, não se importava com o corte. Diferente de seus irmãos – ou ao menos dos dois homens que presumiu serem seus irmãos –, o cabelo dele era mais curto. Um dos homens que o acompanhavam era gracioso. Parecia estranho descrever um homem com um termo tão feminino – e não havia nem remotamente nada de feminino nele −, mas não havia uma única falha que Eveline pudesse encontrar. Seu cabelo era tão preto quanto as asas de um corvo e os olhos possuíam um azul


vívido. Tinha certeza de que nunca vira um rosto tão belo. Era difícil desviar os olhos dele. O outro homem ao lado de Graeme era quase tão grande quanto os dois irmãos de Eveline e muito parecido com o homem que ela achara bonito. Na verdade, dos três, Graeme era, provavelmente, aquele menos abençoado com um rosto de fazer as mulheres suspirarem ou os bardos se inspirarem, mas, mesmo assim, ela se sentia cada vez mais atraída por suas feições. As linhas de seu rosto. A força de sua postura enganosamente casual. Não, ele não era belo como seus irmãos, mas havia algo ainda mais arrebatador sobre a sua aparência. Algo que a intrigava e a fazia olhar para ele de novo e de novo. Para olhos distraídos, ele parecia relaxado, mas, para Eveline, parecia tenso e pronto para atacar a qualquer momento. Então, a coisa mais incrível aconteceu. Enquanto estava ali de queixo caído, quase escondida atrás de seus irmãos, uma estranha vibração ecoou através de seus ouvidos. Era algo muito leve, tão leve que ela pensou estar imaginando. Mas não, lá estava de novo. Um timbre grave. Uma voz em um tom grave igual aos outros raros sons que ela conseguia ouvir, embora sem ter certeza de que eram reais. Pensara que fossem apenas memórias de sons que ouvira antes que seu mundo se tornasse silencioso. Ela empurrou os irmãos para poder enxergar melhor o saguão e procurou pela fonte daquele som. Daquele lindo som. Assim que revelou sua presença, os outros olharam em sua direção, e foi então que percebeu que os lábios de Graeme estavam se movendo. Era ele que Eveline estava ouvindo! Sem se importar com quanto podia parecer rude, ela correu adiante, ansiosa para se aproximar, querendo mais daquela deliciosa sensação em seus ouvidos. Mas os lábios dele pararam de se mover no momento em que ela parou na sua frente. Eles se curvaram para baixo enquanto o homem a encarava, quase como se não gostasse do que estava vendo. O rosto de Eveline se avermelhou e ela baixou os olhos, sentindo uma vergonha súbita. É claro que ele não gostaria de vê-la. Ele teria ouvido as histórias, e lá estava ela agindo de modo estranho, sem nem mesmo estar arrumada e vestida adequadamente para conhecer seu futuro marido. Ele deve ter pensado que ela era extremamente desrespeitosa. Eveline deu um passo para trás, as mãos tremendo ao seu lado, e então arriscou olhar novamente para ele, torcendo para que falasse de novo, mesmo que fosse para repreendê-la. Eveline precisava daquela sensação nos ouvidos, algo para quebrar o silêncio interminável e sufocante no qual vivia.


Graeme olhou para aquela moça franzina à sua frente, percebendo o rubor em seu rosto e a súbita vergonha que surgira em seus olhos. Deus do céu, aquela moça era linda. Incrivelmente linda. Ele nunca imaginara – como poderia? – que sua noiva arranjada seria uma moça tão bela. Ela era pequenina, quase frágil em aparência. Graeme provavelmente poderia quebrar seus ossos com um simples aperto. Seu cabelo era como um raio de sol, apenas um pouco mais pálido. Loira cor de mel com os olhos mais azuis que já vira em uma mulher, lembrando muito os olhos de Bowen, aqueles que o irmão herdara de sua mãe. E eram emoldurados por cílios negros, longos, o que tornava seus olhos ainda maiores contra seu rosto pequeno. Ele esperava uma… criança. Talvez até alguém que parecesse ser criança. Mas aquela não era uma garota que começava a se tornar mulher. Era uma mulher completa, com quadris gentilmente curvados e seios que, embora não fossem muito grandes, ultrapassavam largamente as formas de uma jovem garota. Mas ele precisava lembrar a si mesmo que ela não era… normal. Ou, pelo menos, que não era como uma mulher normal. Ainda não sabia qual era a real extensão ou mesmo a natureza de sua condição. Havia muito a descobrir. Ele odiou a tristeza em sua expressão. Havia algo nela que causava coisas estranhas em seu peito. Estaria preocupada que ele fosse negá-la? Que a rejeitaria na frente de todos? Por maior que fosse o desgosto pela união e as circunstâncias forçadas sobre ele pelo rei, a ideia de machucar uma moça tão adorável o deixava enojado. Fosse qual fosse o problema de Eveline, não era culpa dela, que era apenas uma peça inocente em um jogo calculado pelo rei. – Imagino que você seja Eveline – ele disse com uma voz gentil. Seu queixo se ergueu e, para a surpresa de Graeme, ela sorriu para ele. Os olhos da jovem se acenderam – seu rosto inteiro se acendeu – a ponto de tirar-lhe o fôlego e deixá-lo atordoado com tamanha beleza. – Eu sou Graeme Montgomery. Serei seu marido. O rosto dela se tornou um pouco mais sério, deixando evidente que possuía um entendimento básico da situação. As sobrancelhas de Eveline se juntaram, e então ela inclinou a cabeça para o lado enquanto o analisava com aqueles incríveis olhos azuis. Graeme sentiu-se inquieto sob seu escrutínio, o que o fez fechar o rosto. Os olhos de Eveline se arregalaram e ela deu um rápido passo para trás na direção de seu pai.


Maldição, não queria assustá-la. Graeme olhou para o conde de Dunbar, revelando seu desagrado, mas o conde parecia estar se divertindo, o que o irritou. Então, para a total surpresa de Graeme, Eveline deu um passo adiante e passou sua pequena mão para dentro da mão muito maior e áspera dele e fechou os dedos com confiança. Quando ele se virou para encará-la de novo, Eveline estava sorrindo abertamente. O lamento do laird Armstrong pôde ser ouvido através do saguão. Robina Armstrong levou a mão à boca, e os irmãos de Eveline pareciam muito, muito zangados. Fossem quais fossem as reservas da família Armstrong sobre o casamento, estava evidente que a filha não compartilhava nenhuma delas.


Capítulo 7 Olhando, agora, Eveline não saberia dizer o que a fizera mudar de ideia sobre Graeme Montgomery. Foi um gesto impulsivo de sua parte, do qual ela poderia se arrepender. Por outro lado, porém, nada mais podia ser feito sobre o casamento. Ela já observara bocas o bastante para saber disso. Seu destino era inevitável; então, por que não aceitá-lo? Graeme a fascinava. Não era como se pudesse ouvir suas palavras, mas a voz dele soava como um zumbido grave e prazeroso em seus ouvidos. Um raio de luz em seu sombrio mundo de silêncio. Havia outros sons que julgara imaginar, mas agora se perguntava se era realmente imaginação ou se podia ouvir um número limitado de coisas. E se pudesse, por quê? Suas sobrancelhas estavam apertadas em concentração, e ela não prestava a menor atenção àquilo que sua mãe dizia. Eram sons mais profundos. Ela tinha certeza disso. Não se lembrava de ter ouvido nenhuma voz feminina desde o acidente. Certamente, nenhum grito nem tons altos. E a música, algo de que mais sentia falta, estava completamente perdida para ela. Exceto sons graves. Às vezes, jurava que ouvia pequenos sons quando Brodie estava zangado e levantava a voz. Uma vez, quando seu pai ficara bravo por ela ter vagado longe demais, quase pôde afirmar que ouvira o grito dele, ou ao menos sentira a vibração do grito em seu ouvido. Era tudo um grande e misterioso quebra-cabeça que a fascinava e a fazia querer buscar seu futuro marido de novo, só para que falasse com ela. Qualquer coisa era melhor que o silêncio entediante que a mantinha prisioneira. Qualquer som, por mais insignificante, seria bem-vindo. Sua mãe apareceu à sua frente, agarrou seus ombros e a sacudiu com violência: – Eveline! Está me escutando? Eveline piscou e encarou a mãe. Estavam no quarto de sua mãe enquanto tomavam as medidas de Eveline para o vestido do casamento. Robina movimentou a casa inteira com os preparativos do casamento e recrutou nada menos que seis mulheres para tomar as medidas de Eveline e para ter certeza de que o vestido seria costurado a tempo. – O que você fez lá embaixo? – Robina perguntou. Havia uma preocupação gentil nos olhos da mãe, mas não só isso: havia também uma genuína curiosidade. – Você precisa aprender a medir suas respostas – Robina disse. – Graeme Montgomery não é


homem para se brincar. Tenho medo do que possa fazer se você o desrespeitar daquele jeito em suas terras. Não sei que tipo de homem é. Ele jura que não abusa de mulheres, mas nunca se sabe o caráter de um homem à primeira vista, e você deve entender isso. Eveline franziu as sobrancelhas ao ler aquilo nos lábios da mãe. Depois de estudado de perto por Eveline, Graeme não parecia tão assustador. Suas feições pareciam esculpidas em pedra. Era como se fosse partir alguém ao meio se simplesmente olhasse para ele. Mas Eveline sentira algo totalmente diferente e nem sabia dizer o que era. O que sabia era que ele fora muito bondoso e paciente com ela. Graeme não a repreendera por causa de sua intromissão rude nem exigira que se afastasse. Não a machucara por causa de sua audácia, mas dissera palavras bondosas para ela. Palavras que dificilmente seriam ditas por um monstro. Com certeza não estava errada sobre isso. Mas, por outro lado, Eveline nunca fora boa em julgar as pessoas. Na verdade, como evitava a maioria das pessoas por não querer encarar o menosprezo, o medo ou a zombaria, ela não tinha muita experiência com gente de fora do seu círculo familiar. No entanto, não estivera errada sobre Ian McHugh e continuava lembrando a si mesma que Ian enganara seus irmãos e até mesmo seu próprio pai, mas não a enganara. Ela alcançou as mãos da mãe e puxou-as até o coração. Robina surpreendeu-se, franzindo as sobrancelhas sem entender. Eveline apertou as mãos da mãe e depois se inclinou para beijar seu rosto. Quando a jovem afastou-se, sua mãe parecia atordoada. Seus olhos queimavam com um súbito entendimento e choque. – Você quer que isso aconteça. Quer se casar com Graeme Montgomery. Robina afastou-se e depois cambaleou até a cadeira ao lado da pequena mesa perto da janela. – Nunca esperei por isso. Tive tanto medo. Não quero que deixe o nosso cuidado e proteção. Você é nossa garotinha, Eveline. Ela parecia tão perturbada que o coração de Eveline se apertou e seus lábios se torceram de desgosto. – Eu devia saber. Devia ter percebido que você queria o que todas as garotas normais querem. Um marido. Filhos. Uma vida própria. Apenas não sabia se seria capaz disso… de entender seus deveres. Você entende, Eveline?


A mãe a olhava ansiosa, buscando com os olhos alguma informação na expressão de Eveline, nos olhos dela ou em qualquer outro gesto. Havia muita coisa que Eveline não compreendia, mas entendia bem o suficiente as coisas do dia a dia e, certamente, muitas coisas nunca lhe foram explicadas. Mas não queria perturbar ainda mais sua mãe. O negócio do casamento não devia ser tão difícil assim, não é mesmo? Ela observara seus pais durante toda a vida. Sua mãe era muito boa em administrar um lar e capaz de cuidar de seu marido, quando preciso. Eveline pode nunca ter praticado o conhecimento adquirido em suas observações, mas isso não a tornava menos capaz. Olhou para a mãe e simplesmente assentiu, deixando que ela entendesse aquilo como quisesse. Robina suspirou e esfregou a testa. – Quero que você seja feliz, Eveline, e acho que você tem sido feliz aqui. Nós apenas tentamos protegê-la, espero que saiba disso. Eveline sorriu, mostrando todo o amor que sentia pela mãe, e Robina reagiu rapidamente. Levantou-se e correu para abraçar Eveline com força. Eveline não sabia do que a mãe estava falando, mas isso não importava, porque ela entendia. Tudo o que precisava saber estava ali mesmo, no abraço de sua mãe. – Precisamos conversar, Armstrong – Graeme disse ao encarar o pai de Eveline. Tavis o encarou de volta, com olhos cansados e, pela primeira vez, Graeme sentiu uma pontada de simpatia pelo velho homem, mas afastou a sensação rapidamente. Os Armstrong não mereciam simpatia. Nunca tiveram misericórdia com o seu clã, e ele, por sua vez, nunca oferecera nenhuma em troca. – Venha, vamos sentar e tomar uma cerveja. Depois falaremos sobre o que você quiser. Graeme fez um gesto para os irmãos não o seguirem enquanto ele acompanhava o laird até a mesa alta na plataforma do outro lado do saguão. Ele ficou surpreso por Armstrong lhe conceder a cortesia de se sentar no local onde eram recebidos os convidados de honra. Uma criada apareceu com uma jarra de cerveja e duas canecas. Após enchê-las, ela desapareceu, deixando os dois homens sozinhos à mesa.


O conde já havia se retirado, evidentemente convencido de que não haveria mais nenhuma hostilidade. Bowen e Teague ficaram em pé do outro lado do saguão, encarando agressivamente os dois irmãos de Eveline. Graeme olhou rispidamente para eles e fez sinal para que se sentassem em uma das mesas menos nobres do saguão. Depois voltou a atenção totalmente para o laird dos Armstrong. – Está claro que nenhum de nós quer esta união. Os lábios de Tavis se apertaram e ele começou a falar, mas a expressão de Graeme o impediu. – Mas nós iremos tratar bem sua filha. Irei tratá-la com mais respeito do que você ou os seus subordinados já concederam ao meu clã. Uma raiva brilhou nos olhos de Tavis, mas ele continuou a encarar Graeme em um silêncio sepulcral. – Falei a verdade para a sua esposa. Não faço guerra contra inocentes, e sua filha é talvez mais inocente que a maioria das pessoas. Ela é claramente diferente. Não tema meu tratamento à sua filha, pois ela será muito bem cuidada. Entretanto, não espere que nosso casamento seja um convite aberto para você colocar os pés em minhas terras. – Você quer que eu abra mão de minha filha para nunca mais vê-la? – Tavis disse. – Como saberei que cumpriu a palavra sem nunca ver a prova do que diz? – Permitirei que ela faça visitas ocasionais, se forem convenientes e eu possa me assegurar de que não haverá agressões, mas nenhum Armstrong, exceto ela, pisará além de nossas fronteiras. Este é um voto de sangue que eu faço, e de sangue realmente será, pois, se for quebrado, sangue será derramado. – Então saiba que nenhum Montgomery, exceto aquele que acompanhar minha filha, terá permissão para entrar de volta em minhas terras. Considere isso uma aberração permitida apenas por ordem do rei – Tavis disse entredentes. – Que seja – Graeme disse. – Vamos assinar o tratado, dar ao rei aquilo que ele deseja, mas nós temos um acordo. – Sim, temos. – Agora, conte-me mais sobre Eveline. Ela sempre age tão estranhamente? Tavis começou a fechar o rosto, mas Graeme ergueu a mão. – Não tenho a intenção de insultá-la, mas você viu que ela se aproximou de mim sem medo. Você e sua gente reagiram como se aquilo fosse um comportamento incomum para ela.


Tavis assentiu sombriamente. – Sim, é verdade. Nunca a vi agindo daquela forma. Em geral, é muito tímida e gosta de ficar sozinha; além disso, eu prefiro assim. Nem todos em nosso clã são tão compreensivos quando se trata de sua condição. Eu nunca deixaria que ela fosse ridicularizada, menosprezada ou potencialmente machucada por aqueles que a veem como o instrumento do diabo. Graeme ergueu uma sobrancelha. – Instrumento do diabo? – Você sabe muito bem o que as pessoas pensam quando encontram alguém como Eveline. Tolice sua pensar que isso não acontecerá em seu clã. Minha filha possui duas coisas contra ela. Primeiro, ela é uma Armstrong e apenas por isso já será odiada. Segundo, será considerada louca, insana, perturbada, e muitas outras palavras mais agressivas lhe serão atribuídas. Será uma situação perigosa que você terá de monitorar de perto. Se pessoas erradas meterem na cabeça que ela é instrumento de Satã, elas podem muito bem tentar matá- la. – Mas ela é todas essas coisas? Louca? Insana? – Graeme perguntou em um tom de voz controlado. – Eu não sei – Tavis disse com um suspiro. – Há dias em que eu acho que ela entende perfeitamente o que acontece ao seu redor. Ela responde quando falamos com ela. Parece compreender certas situações. Então há outros dias em que parece que nós não existimos, e ela fica perdida em um mundo próprio. – E ela nunca fala? Tavis sacudiu a cabeça. – Não desde o acidente e a febre. Não sei a razão. Não sei se ela teve uma febre no cérebro e isso a danificou de alguma forma ou se foi tão profundamente afetada pelo acidente que não consegue nem falar sobre isso. Ele chegou mais perto, com uma expressão séria. – Ela não consegue mais montar um cavalo, e é importante não forçá-la a isso. Graeme franziu as sobrancelhas. – Não consegue montar? Por que não foi treinada? Eu não trouxe uma carruagem para levá-la de volta e, obviamente, não a farei andar.


– Não é que não tenha sido treinada. Na verdade, sua montaria era excelente. Nunca vi nada igual. Desde cedo, ela simplesmente comandava a atenção dos cavalos. Eles eram atraídos por ela. Gostavam dela. Faziam tudo o que ela pedia. E cavalgavam como o vento. – Após um segundo, Tavis continuou: – Ela costumava me deixar completamente assustado. Eveline pulava sobre o cavalo com os pés descalços, os cabelos voando para todo lado, e disparava cavalgando pelos campos, indo e vindo. Eu sempre achava que acabaria se matando, mas ela gostava tanto daquilo que eu não conseguia ordenar que parasse. – Tavis suspirou e esfregou a mão no rosto. – E então aconteceu, como eu temia. Ela levou um tombo muito feio. O cavalo se assustou, jogou-a de suas costas e ela caiu na ravina. Levou três dias até a encontrarmos, e nesse ponto ela já estava muito machucada. Havia um ferimento em sua cabeça e uma febre que durou por duas semanas. Depois disso, nunca mais foi a mesma, e agora morre de medo de cavalos. Você precisa saber disso, pois nunca deve tentar fazê-la montar. – Então, como diabos vou fazer para levá-la? – Graeme exigiu saber. – Vou providenciar uma carruagem – Tavis respondeu. Graeme soltou um suspiro contrariado. Sua noiva estava se tornando cada vez mais uma grande dor de cabeça. Era um casamento feito para prevenir mais derramamento de sangue, mas, para ele, parecia uma sentença de morte. – Não sei se poderá se tornar uma esposa adequada para você – Tavis disse numa voz baixa que soou quase como uma súplica. – Não force a questão. Não quero que ela sofra ou seja maltratada por nada neste mundo. Ela é muito querida para nós. Você está recebendo uma dádiva, laird. Acredite ou não, você está recebendo algo mais precioso que ouro.


Capítulo 8 Graeme subiu os degraus que levavam ao quarto preparado para ele. Como um aparente convidado de honra, ele recebeu um quarto na ala superior, enquanto seus irmãos ficaram no salão comum, onde muitos dos guerreiros dormiam em tendas alinhadas pelas paredes. Já que seu quarto ficava perto do quarto do conde de Dunbar, ele imaginou se teria sido o conde quem insistira para que ele fosse tratado com tanto respeito. Armstrong provavelmente preferia que todos acampassem fora das muralhas da fortaleza com o resto de seus homens. Melhor ainda, que nunca tivessem entrado em suas terras. Graeme abriu a porta, apenas querendo dormir logo. No dia seguinte se casaria e depois partiria para suas terras, para encarar a inevitabilidade de seu futuro. Ou a falta de um. Ele nunca se concentrava no lado negativo das coisas, mas, pela primeira vez, sentiu tristeza, pois qualquer sonho que tivera sobre herdeiros e a passagem de seu legado havia desaparecido. Assim como qualquer ideia de vingança contra o clã que assassinara seu pai. Quando entrou, foi surpreendido com velas já queimando e a lareira acesa, mas ficou ainda mais surpreso ao ver Eveline sentada na ponta de sua cama, com uma expressão defensiva enquanto o encarava. Ela vestia a mesma roupa de antes. Embora Lady Armstrong tivesse se dado ao trabalho de se vestir adequadamente para receber os convidados – apesar de indesejados –, Eveline o recebera pela primeira vez vestindo um traje semelhante à roupa de trabalho das outras mulheres do clã. E, talvez por ser tão simples, a roupa causou uma comparação ainda mais gritante entre a beleza de Eveline e a simplicidade da vestimenta. Por outro lado, Graeme não sabia se havia roupa neste mundo que diminuísse aquela beleza. Eveline parecia preocupada que ele se irritasse com sua intromissão. E ele deveria. Ela invadira sua privacidade e, além disso, não era adequado que ficasse sozinha com ele em seu quarto na véspera do casamento. Sua família ficaria horrorizada se soubesse disso, e a própria honra de Graeme poderia ser questionada. Sem saber o que fazer, ele entrou completamente no quarto e fechou a porta. Após um momento, virou-se, olhou para ela e pôde perceber um toque de cor surgindo em seu rosto, refletido na luz suave das velas. Sua aparência era angelical, uma beleza impossível.


Ele nunca vira nada igual. Não apenas era a mulher mais linda que já conhecera, era facilmente a mais… Ele franziu as sobrancelhas. A mais o quê? Havia algo irresistível nela e ele nem conseguia definir o que era. Não possuía a graça treinada das mulheres mais velhas e maduras, mas também não parecia uma mocinha jovem demais até para se olhar. Ela era apenas… perfeita. Deus meu, estaria ele cobiçando a própria noiva? Sentiu desprezo por si mesmo. Deveria tratá-la com gentileza e bondade. Era óbvio que pairava algo estranho em torno da moça e, mesmo sem saber exatamente o que era, lá estava ele olhando-a como sua futura noiva e pensando em todos os benefícios que isso lhe traria. Não importava que fosse uma Armstrong. Estava claro que não podia ser culpada ou definida pelas ações de sua família quando, provavelmente, não sabia de nada do que acontecia ao seu redor. Por mais que não quisesse rotular nenhum Armstrong como vítima, ele era inteligente o bastante para saber que ela não merecia essa união mais do que ele não merecia ser forçado a aceitá-la. Ela seria arrancada de casa – o único lugar seguro que possuía. Seria arrancada de todos que a protegiam e amavam, e estava evidente que era muito amada por sua família. Seria jogada em um ambiente hostil. Poderia algum Armstrong encontrar seu lugar no clã Montgomery? Seria um processo difícil, independente de como fosse levado, e era Eveline quem tinha mais a perder, enquanto tudo o que ele ganharia era uma esposa indesejada e uma relutante trégua com os Armstrong. Como se estivesse impaciente com ele apenas parado, olhando-a, Eveline levantou-se, com as sobrancelhas levemente franzidas, e atravessou o quarto, ficando diante dele. Ela alcançou seu rosto, e a reação automática de Graeme foi afastar-se. Os olhos dela se encheram de dor e Eveline encolheu a mão. Com receio de tê-la machucado de alguma maneira, Graeme cuidadosamente tomou a sua mão e ergueu-a de volta até seu queixo, onde ela quase o tocara antes. Ele não sabia qual era a intenção da jovem, mas pagaria para ver. Ela sorriu e, mais uma vez, ele foi arrebatado pela maneira como aquele sorriso transformava seu rosto em um lindo raio de sol. Seus dedos deslizaram delicadamente sobre o queixo áspero de Graeme até chegar aos lábios. Ele arregalou os olhos quando ela tocou sua boca e mexeu os lábios para cima e para baixo.


Como ele não reagiu imediatamente, ela franziu as sobrancelhas e mexeu com mais força. Depois, moveu os dedos e apertou-lhe as bochechas, forçando os lábios dele para a frente. Franzindo ainda mais, Eveline olhou para o rosto de Graeme como se dissesse: “você não está entendendo?”. Parecia claro que a garota queria que ele falasse. Ele quase riu. Todos a tratavam como se ela fosse uma pessoa simplória, mas lá estava ela agindo como se fosse ele quem não entendia nada. Eveline queria que ele falasse. Sobre o quê, ele não sabia, mas claramente queria que ele falasse alguma coisa. – Você não deveria estar aqui, Eveline – ele disse em um tom bondoso. – Não é adequado e, se seu pai soubesse, provavelmente declararia uma guerra, algo que, com certeza, iria irritar o nosso rei. As sobrancelhas dela franziram-se ainda mais e Eveline lançou um olhar feroz. Depois, sacudiu a cabeça e ergueu as mãos, como se dissesse: “quem é que vai saber?”. Ela pousou os dedos novamente sobre os lábios de Graeme, mas agora ele já sabia o que ela queria. Com um suspiro, ele a conduziu para uma cadeira perto da lareira e fez um gesto para que se sentasse. E arrastando pelo quarto um banco que estava perto da janela, sentou-se ao seu lado. Ficaram lado a lado e, antes que ele pudesse pensar em algo para dizer, ela levantou-se e virou a cadeira, posicionando-a para poder encará-lo. Depois, ajeitou-se novamente e inclinou-se para a frente, focando os olhos intensamente sobre ele. Graeme nunca se sentira tão inquieto. Sua língua parecia amarrada e ele não tinha ideia do que dizer para a moça. Seria tão mais fácil se ela falasse, pois então poderia perguntar o que quisesse e ele poderia responder facilmente. Mas encontrar um assunto? Ele era uma pessoa de poucas palavras, nunca foi de muita conversa. Era um homem direto. Seus irmãos sempre o provocavam dizendo que arrancar mais do que algumas palavras dele era como tentar passar uma corda pelo buraco de uma agulha. Então, ele falaria sobre o casamento. Já que a cerimônia aconteceria no dia seguinte, ele só podia pensar que essa era a razão daquela visita. Talvez para acalmar seus medos? Descobrir se ele era um horrível homem abusivo? Quem iria saber? Graeme limpou a garganta, odiando o quanto aquela situação toda era incerta. Entregue-lhe uma espada e alguém para matar; com isso ele podia lidar facilmente.


Mas uma mulher sentada à sua frente, encarando-o avidamente enquanto esperava que ele dissesse algo, não era exatamente o que ele e seus homens aprendiam nos treinamentos. – Você entende que amanhã nós nos casaremos? – ele começou a dizer de modo hesitante. Ela sorriu e assentiu. Sorrir era algo bom. Ao menos ela não saíra correndo do quarto como se os cães do inferno estivessem atrás dela. Mas isso ainda não mostrava se ela entendia completamente as ramificações do casamento. – Você também entende que assim que a cerimônia terminar nós iremos… deixar a sua casa… e viajaremos até as terras dos Montgomery? A expressão dela ficou mais séria, mas ela assentiu novamente. – É verdade que não tenho ideia do que fazer com você, Eveline Armstrong – ele admitiu. – Eu ainda não tinha planos de ter uma esposa. E, quando tivesse, é claro que escolheria uma moça de meu próprio clã. Alguém acostumado com a vida de um Montgomery e que tivesse experiência em cuidar de um lar. Meus homens… Ele fez uma pausa momentânea, porque ela estava inclinando a cabeça para a frente e para trás enquanto olhava fixamente para… a boca de Graeme. Havia uma expressão tão forte de – prazer? – em seu rosto que Graeme precisou parar por um instante. Limpou a garganta de novo para continuar, escolhendo ignorar aquele estranho comportamento. – Meus homens e eu treinamos diariamente. Tenho outros assuntos para cuidar como chefe do clã. Os homens do clã me procuram para resolver disputas, ouvir reclamações ou para pedir orientação. A expressão de Eveline se tornou impaciente e ela sacudiu a cabeça. Ela fez um grande movimento em círculo, como se quisesse envolver toda a casa, e depois lançou outro olhar impaciente, como se quisesse lembrá- lo de que ela era filha de um chefe de clã e sabia muito bem quais eram os deveres de um laird. Graeme suspirou. Então ela não queria uma lista de seus deveres como laird. Não que ele a culpasse. Não era um assunto muito excitante, mas esse era seu jeito, ele não gostava de conversas longas. – Sobre o que você gostaria de conversar, Eveline? Isso soou ridículo, já que ela não conseguia falar, mas obviamente não estava gostando dos


assuntos que ele escolhera. O sorriso dela voltou, e Eveline inclinou-se para a frente, direcionou o dedo para ele e pressionou seu ombro. – Eu? – ele perguntou incrédulo. – Você quer falar sobre mim? Ele não conseguiu esconder o horror em seu tom de voz nem em sua expressão. O que poderia dizer? Graeme começou a se sentir como se estivesse sendo julgado. Diante do rei e da corte e de um bando de acusadores, forçado a falar sobre si mesmo diante de Deus. Como ela conseguia fazê-lo se sentir tão inseguro? Eveline sorriu largamente de novo, seu rosto inteiro se acendeu e ela assentiu com vigor. Deus, ele precisava tirar aquela moça de seu quarto. Tudo aquilo era uma loucura. Mas não conseguia olhar para o brilho e a súplica nos olhos dela e continuar com a rigidez que geralmente envolvia seu coração e mente. Que homem em toda a Escócia poderia sentar-se ali, diante daquela beleza sedutora, e dizer não a ela? – O que você quer saber? – ele perguntou a contragosto. Então, percebendo o quanto era estúpido perguntar para uma mulher que não conseguia responder, ele sacudiu a cabeça. – Esqueça isso. Foi insensível de minha parte. Mas ela continuou olhando para ele com expectativa. E Graeme não sabia o que poderia contar sobre si mesmo. Ele nunca pensava sobre si e nas escolhas de sua vida. Ele apenas… era. Era o chefe de seu povo, e isso lhe trazia muitas responsabilidades. Não tinha tempo para mergulhar em seus pensamentos ou ponderar que tipo de homem era. Talvez tudo de que ela precisasse era ouvir algo tranquilizador. Graeme percebeu que havia assegurado ao pai de Eveline, e até mesmo à sua mãe, que suas intenções com a jovem eram as mais nobres possíveis, mas ela própria ainda não ouvira esse juramento. Sim, era isso provavelmente o que ela queria ouvir e era algo que ele poderia discutir confortavelmente. – Eveline – ele começou a dizer cuidadosamente, querendo ter certeza de que tinha toda a sua atenção, mas não precisava se preocupar, pois ela ainda encarava avidamente seu rosto. Na


verdade, nunca tirara os olhos dele e Graeme nunca se sentira tão escrutinado. – Quero que saiba que não a culpo pelos pecados da sua família. Ela franziu as sobrancelhas. Não, seu semblante se fechou em uma expressão tão feroz que Graeme achou graça. – Entendo que você é inocente e vítima nisso tudo. Irei tratá-la com a bondade e o respeito adequados à sua posição como filha de um chefe de clã e agora, também, esposa de um chefe de clã. Nunca punirei a filha pelos pecados do pai. Ela levantou-se da cadeira e, para o total espanto de Graeme, fechou o punho e deu-lhe um soco no nariz. Ele cambaleou para trás e sua mão imediatamente cobriu o lugar que ela acertou. Não que tivesse acertado com força suficiente para causar qualquer dano ou dor, mas foi a reação dela, mais do que qualquer outra coisa, o que o surpreendeu. Eveline passou apressadamente por ele, causando com os pés leves sons, apesar da maneira exagerada com a qual ela tentava exibir sua raiva. Ela abriu a porta e ele levantou-se imediatamente, sabendo que, se a batesse – e parecia ser essa a sua intenção –, acordaria os outros nos quartos ao redor e então todos sairiam e encontrariam Eveline correndo para o seu quarto. E o que aconteceria então? As portas do inferno seriam abertas. Graeme segurou a porta assim que ela a soltou e entrou no corredor. Depois, ficou ali em pé por um bom tempo, respirando fundo enquanto a observava desaparecer pelo corredor pouco iluminado. Ela poderia até ser louca, mas claramente não gostava que sua família fosse insultada. Graeme sorriu tristemente. Ele admirava a lealdade e exigia lealdade. Mal conseguiria respeitar aquela moça se ela tivesse aceitado sem reclamar qualquer insulto ao seu clã. Ele fechou a porta discretamente e começou a despir- se. Depois riu. Aquela moça fora uma completa surpresa e ele ainda não tinha ideia de como julgá-la. A única coisa de que tinha certeza era que, possivelmente, nunca saberia o que ela estaria pensando, e o futuro era incerto.


Capítulo 9 A primeira visão que Graeme teve de sua noiva foi confusa. Era como se a mulher com quem passara um curto período na noite anterior fosse alguém completamente diferente da mulher em pé no saguão onde aconteceria a cerimônia. Ele parou na porta, observando a movimentação, mas sua concentração estava focada em Eveline. Ela estava enfeitada com um vestido mais belo do que qualquer coisa que ele já vira. De um azul rico, um bordado intricado e o tecido se dividindo em camadas precisas da cintura para baixo. A parte de cima, embora modesta, chamava atenção para a exuberância de suas curvas femininas – curvas que ele ainda se sentia culpado por notar. Seu cabelo loiro, um lindo raiar de sol em um dia de primavera nas terras altas, estava parcialmente desmanchado, preso acima da cabeça, mas o resto caía até sua cintura em ondas sedosas. Ela estava linda, mas faltava algo. Seu brilho. Aquele brilho que ele observara na noite anterior. Ela parecia… Era como se estivesse em qualquer lugar, menos ali. Eveline tinha uma expressão distante no rosto, e parecia não registrar em sua mente nada do que acontecia ao seu redor. Aparentava cansaço, derrota e… medo. Ele odiava essa parte. Ficava com raiva e nem sabia por quê. A última coisa que queria era que ela sentisse medo. Isso provocava um instinto protetor que ele, com certeza, não deveria ter por ninguém chamado Armstrong. Mas lá estava. Graeme se sentia pronto para destruir qualquer coisa que estivesse causando esse medo em Eveline. Ele continuou ali por mais um tempo, observando, enquanto a atividade ao redor aumentava em preparação para o casamento. Eveline estava quieta ao lado de sua mãe, segurando as mãos na frente do corpo. Enquanto continuava estudando-a, Graeme percebeu que a expressão dela não era de medo. Ela estava apenas… ausente. Isso causou uma confusão no rosto dele. Será que Eveline possuía alguns dias bons e outros ruins? Será que ganhava e perdia lucidez aleatoriamente? Sofreria ela de alguma doença da mente que causava mudanças drásticas de comportamento? Isso certamente explicaria sua estranheza na noite anterior.


Uma inquietude se abateu sobre ele quando, mais uma vez, percebeu que essa união era, em essência, uma sentença de morte. Em vez de um marido, ele seria um cuidador. Iria protegê-la e certificar-se de que fosse bem cuidada, mas ela nunca seria uma esposa para ele. Ninguém o culparia se buscasse conforto com outra mulher quando estivesse casado com alguém como Eveline. Ninguém nem pensaria duas vezes, já que Eveline certamente não era capaz de cumprir seus deveres de esposa. Mas isso não lhe caía bem. Seria uma desonra, e Eveline não era culpada por ser como era. Graeme nunca conseguiria traí-la dessa forma. Ou desonrar a ambos dessa maneira. Ele seria fiel a uma mulher com quem nunca teria intimidade, e isso era um maldito futuro sombrio à sua espera. Seu olhar passeou pelo saguão mais uma vez, e depois voltou-se para Eveline, que continuava parada no mesmo lugar de antes. Tão imóvel e serena, quase como se estivesse inteiramente em algum outro lugar. Mas então os olhos dela se moveram e encontraram os dele, e toda a sua postura mudou. Ela sorriu. Uma luz percorreu seus olhos. O rosto inteiro se tornou vivo, com cor e vibração. Numa fração de segundo, lá estava ela no saguão, olhando de volta para ele, já completamente fora daquela aparência distante. Querendo evitar um novo encontro, em que ela correria e apertaria seus lábios para que falasse, Graeme começou a se aproximar. A mãe de Eveline ergueu a cabeça e seus olhos se alarmaram. Seu braço imediatamente envolveu a filha, mas Eveline afastou-a e deu um passo adiante, ainda sorrindo para Graeme. Ele curvou-se em reverência a lady Armstrong e depois virou-se para Eveline no exato momento em que ela o tocava. Desta vez, no braço. Apenas um simples toque, mas naquele pequeno gesto havia muito mais. Ela colocou os dedos sobre seu braço nu, um sinal de… confiança. Eveline ergueu o queixo para conseguir olhar para ele, e sorriu ainda mais, com seus olhos azuis brilhando com aquilo que parecia ser uma clara felicidade. Querendo agradá-la, ele falou; não queria vê-la implorando por isso. – Você está adorável, Eveline. Certamente, nunca existiu noiva mais bonita. Ela ficou ainda mais feliz. Seu brilho aumentou diante dele. A mãe de Eveline parecia surpresa. Não pelo elogio de Graeme, mas pela filha. Olhou para ela,


com os lábios separados em claro estado de choque, e depois para Graeme, com a confusão refletida em seu olhar. – O que está acontecendo entre você e minha filha, laird? – ela perguntou em um tom discreto. Graeme franziu as sobrancelhas, e Eveline imediatamente virou-se para a sua mãe, transformando o sorriso em um olhar severo. – Milady, asseguro-lhe que o que acontece entre nós é o casamento. Não é para isso que estamos aqui em seu grande saguão? Certamente, não é para trocar amabilidades nem para os Montgomery desfrutarem de férias nas terras do clã vizinho. – Ela reagiu a você – Robina disse tremendo os lábios e ignorando completamente a alfinetada contida nas palavras de Graeme. A expressão dele mostrou toda a sua confusão. – Não estou entendendo, milady. Robina sacudiu a cabeça e esfregou as têmporas. Foi então que Graeme realmente enxergou a exaustão em seu rosto e em seus olhos, como se não dormisse havia dias. Ele começou a sentir pena, a última sensação que gostaria de sentir. Simpatia pelo inimigo. Ia contra sua própria alma. A outra mão de Robina ergueu-se e ela gesticulou como se não houvesse palavras para se explicar. – Eveline não parece ciente de onde está na maior parte do tempo. Ela parece feliz. É um doce e muito boa, mas raramente presta atenção ao que acontece ao seu redor. Não tenho nem certeza se possui algum entendimento na maior parte do tempo, mas ela respondeu ao seu elogio assim como faria qualquer mulher normal. – E isso não é normal para ela? – Graeme perguntou. Ele sabia muito bem que Eveline entendera o que dissera quando a elogiou. Não havia como negar, e era por isso que queria ser cuidadoso agora. A mãe de Eveline não parecia se preocupar em discutir a condição de sua filha diante dela, mas Graeme não queria machucá-la com essa conversa. Era assim que toda a família de Eveline a tratava? Como uma idiota? Ignorante? – Venha comigo por um instante, milady – disse Graeme, oferecendo o braço para Robina, em um gesto reverente.


A expressão de Eveline fechou-se ainda mais, e ela olhou para Graeme com clara mágoa nos olhos. – Voltarei em um segundo, Eveline – Graeme disse. – Eu gostaria de ter um momento com sua mãe, para assegurá-la de que você ficará em boas mãos. Isso acalmará os temores dela no dia de seu casamento. O rosto de Eveline suavizou-se e ela olhou para a mãe com amor nos olhos. – Venha – Graeme repetiu, antes que Robina pudesse falar de novo na presença da filha. Robina o seguiu quase cegamente, com a boca ainda aberta, em choque. Quando se distanciaram para onde Graeme achava que poderiam conversar sem magoar Eveline, ele parou e encarou a mulher. – Admito que estou um pouco confuso, milady. Eveline reagiu a mim. Eu diria até que nós conversamos, embora, claro, ela não tenha falado. Mas isso certamente não a impediu de me deixar saber, sem sombra de dúvida, aquilo que queria e, mais importante, que tipo de informação queria. Robina deixou o queixo cair, em uma reação sincera demais para que fosse fingida. – Você age como se isso não fosse normal – Graeme disse. – Não fosse normal? Laird, o normal para Eveline é sua alma gentil e doce. Sim, ela responde às vezes, mas para a sua família. Nunca para estranhos. Não sei se simplesmente há momentos em que ela não entende ou se apenas fica mais absorta em algumas ocasiões do que em outras. Na maior parte do tempo ela faz aquilo de que gosta e nós sempre permitimos isso, pois queremos que seja feliz. Graeme não deixou de notar a determinação na voz de Robina. Era possível perceber quanto aquela mulher amava sua filha e quanto lhe doía saber que Eveline não era uma garota normal que sonhava com um futuro normal. Mais uma vez, ele sentiu suas emoções se suavizando em relação a uma Armstrong. Se não deixasse logo as malditas terras dos Armstrong, acabaria simpatizando com todos. – Tudo o que posso dizer – ele afirmou cuidadosamente – é que, embora não tenhamos conversado de um jeito normal, nós certamente nos comunicamos. Além disso, ela está absolutamente ciente do que está acontecendo e não tem medo. – Como você sabe disso? – Robina exigiu saber. – Ela não fala. Como você pode saber o que ela está pensando?


Graeme encolheu os ombros. – Nós nos comunicamos. Você está pedindo que eu explique algo que também não entendo, milady. Mas sinto que, quanto mais tempo eu passar com Eveline, mais conseguirei entender sua visão do mundo e até onde ela compreende as coisas. Robina olhou para a filha e depois voltou a encarar Graeme com um olhar cheio de incertezas. – Seja bom com ela. Eveline parece gostar de você, laird. E então, sem dizer mais nada, ela deixou a companhia de Graeme e correu para o lado da filha. Robina falou bastante e, um momento mais tarde, o olhar de Eveline procurou e encontrou Graeme. E ela sorriu. Foi tudo o que fez, mas seu sorriso extraordinário acendeu todo o saguão. Roubou seu fôlego e fez seu peito doer ao ponto de se sentir desconfortável. Então Robina puxou a filha para um forte abraço, e Eveline desapareceu de sua vista. Melhor assim, pois, naquele momento, uma mão bateu em seu ombro e ele se virou para encontrar Bowen e Teague atrás dele. – Por quanto tempo mais teremos de aguentar isto? – Teague perguntou. – Os homens estão cada vez mais inquietos. Não conseguiremos continuar mantendo a paz. É como pedir a um lobo faminto que assista quieto a um preparo de um javali. – Assim que o pai dela e o conde aparecerem, a cerimônia começará, e depois poderemos ir embora – Graeme disse. Bowen franziu as sobrancelhas. – O que você acha dessa coisa toda do conde, Graeme? Acho que o Armstrong tem passado tempo demais com Dunbar e não gosto disso. Ele é o conde favorito de Alexandre e, sejamos sinceros, os Montgomery estão recebendo a pior parte desse acordo. Graeme também fechou o rosto. – Não, isso não é verdade. Não estamos entregando nada em troca, enquanto os Armstrong estão abrindo mão de sua filha para o seu pior inimigo. Eles podem estar pensando que somos nós os favorecidos pelo rei. Teague deixou o queixo cair. – Não estamos entregando nada em troca? Graeme, você não terá herdeiros. Não terá… nada. Aquela moça é inútil.


Graeme virou-se com uma expressão feroz ao encarar seu irmão. – Ela não é inútil. Não diga algo assim na minha presença. Ou em qualquer ocasião. Teague ergueu as duas sobrancelhas, mas ficou em silêncio. – Ele poderia ter ordenado o casamento de Rorie com algum deles – Graeme argumentou com um tom de voz mais suave. – Seria mais lógico. Uma filha por outra filha. Armstrong possui dois filhos em idade de casamento e nenhum dos dois está comprometido. – Sobre o meu cadáver – Bowen rosnou. – Rorie é apenas uma criança. Graeme o repreendeu com o olhar. – E Eveline é menos criança? De muitas maneiras, Rorie seria uma esposa mais competente que a própria Eveline. Rorie é jovem, mas é forte e calorosa e poderá dar um filho a um homem. E tem idade para se casar. Você e eu sabemos que ela não está pronta para um marido, mas o rei não sabe disso e poderia muito bem tê- la tirado de nós, e não haveria nada que pudéssemos fazer, exceto começar uma guerra. Teague engoliu em seco, apertando o queixo com força. Ele enfureceu-se só de pensar nisso. – Agora, imagine como estão se sentindo – Graeme disse em voz baixa. – Imagine como nos sentiríamos se estivéssemos nos preparando para o casamento de Rorie com um Armstrong. – Você está amolecendo – Teague provocou. – Você não pode simpatizar com esses cretinos. Eles não merecem nosso respeito ou nossa afeição. Graeme concordou. – Sim, eu sei. Não espero que goste deles. Estou apenas pedindo que imagine a situação contrária, se Rorie estivesse prometida a um Armstrong. – Isso é impensável – Bowen disse. – Não consigo imaginar como a família de Eveline não se rebelou contra a coroa. – Porque Armstrong sabe que isso seria assinar uma sentença de morte para o seu clã – Graeme disse. – Nós podemos odiar aquele homem, mas ele não é estúpido. Uma filha por um clã inteiro? Ele não gosta disso, mas também sabe que não tem escolha, por mais que isso possa doer. Assim como não teríamos escolha se Rorie tivesse sido prometida a um Armstrong.


– Então case-se logo com a moça para que possamos ir embora – Teague resmungou. – Quero voltar para as nossas terras antes que alguém decida que não estamos entregando nada em troca por aquilo que estamos recebendo. Ainda digo que os Armstrong são favorecidos pelo rei e pelo conde. Na cabeça do rei, ele os está livrando de um fardo e condenando você com uma esposa que não lhe poderá dar herdeiros. Do que realmente eles estão abrindo mão, Graeme? Pois, da maneira como vejo, o rei cometeu uma grande injustiça com você. Você é chefe de um clã. É o seu sangue que deveria ser perpetuado. Agora, ele tornou isso impossível.


Capítulo 10 Eveline estava em pé diante do padre, esperando a cerimônia começar. Ela achava que seria apropriado se enlaçasse a mão sobre o braço de Graeme ou se ele tomasse a sua mão, mas deixou-as firmes à sua frente, enterradas sob as dobras de seu lindo vestido para que ninguém percebesse o quanto tremiam. Ela juntara informação suficiente dos lábios que conversavam antes da cerimônia para saber que seu pai responderia em seu lugar. Eveline não sabia como se sentia sobre isso. Ela daria qualquer coisa para jurar seus próprios votos, mas tinha medo de tentar. Tinha medo de tentar formar aquelas palavras, pois não sabia se soariam como um sussurro ou um grito. Talvez, quando chegasse às terras dos Montgomery, ela pudesse… começar de novo. Talvez pudesse até tentar com Graeme, mas não até ter certeza de que era a coisa certa a fazer. Ela estava fascinada pelo homem com quem logo se casaria, mas ele ainda era um Montgomery, e nenhum Armstrong possuía qualquer razão para acreditar que os Montgomery eram qualquer outra coisa que não selvagens com sede de sangue. Ainda que tudo o que vira até então sobre Graeme contradissesse essa ideia. Mas ela também precisava lembrar-se de que, por causa da presença do conde e de um decreto do rei, os Montgomery tinham de se comportar da melhor maneira possível. Eveline descobriria mais sobre o caráter de seu marido assim que chegassem a sua nova casa e ele não precisasse mais restringir suas ações e palavras. Ela estava tão perdida em seus pensamentos que não percebeu o início da cerimônia e Graeme a encarando. Ele alcançou a sua mão e, por um momento, ela pensou que fosse beijá-la. Que pensamento inquietante. Ela ainda não havia imaginado algo assim, e isso quase a fez sentir vertigem. Mas tudo o que ele fez foi segurar a sua mão, virar-se para os outros e começar um pronunciamento, algo que ela não podia ver porque não estava mais de frente para ele. Seja lá o que fosse, Eveline podia apenas assumir que ele anunciava que agora eram marido e mulher. Ou, talvez, que agora ela era uma Montgomery. Ou, ainda, que agora podiam ir embora. De qualquer maneira, aquele anúncio foi recebido com reserva de ambos os lados.


Sombria. Era a única palavra para descrever a expressão de todos ao redor. Não havia alegria. Nenhum espírito festivo. Não haveria banquete comemorativo com música e comida até tarde da noite. Não, o dia do casamento de Eveline e Graeme foi como uma nuvem escura cobrindo um perfeito dia de primavera. E agora ela teria de se despedir da única vida que conhecia. Teria de se despedir de uma família que a protegia vigorosamente, mesmo que não a entendesse por completo. Uma família que a amava sem reservas nem condições. Eles não se importavam se ela fosse louca ou amaldiçoada pelo próprio diabo. Ela era uma Armstrong. A única filha da família. E era amada. Graeme puxou a mão da noiva, conduzindo-a na direção da porta. Ao perceber que realmente partiriam no momento em que estivessem casados, Eveline foi tomada pelo pânico. Por um momento ela resistiu, e achou que ele reagiria com raiva ou talvez impaciência. Mas Graeme simplesmente ficou lá, com os braços esticados, porque ela não se mexera do lugar onde estava quando ele começou a andar. Graeme olhou-a, sem nenhuma irritação ou julgamento. Ele apenas esperou. E depois disse: – Precisamos ir, Eveline. Meus homens estão esperando. Foi o bastante para fazê-la andar, com passos hesitantes enquanto o seguia para fora do saguão e para os degraus que davam no pátio. Lá encontrou uma carruagem presa a um cavalo. Era a carruagem que seu pai havia providenciado após o acidente, quando Eveline começou a se recusar a montar. Atrás da carruagem havia três cavalos, dois deles carregados com o seu dote. Suprimentos, especiarias, joias. Coisas preciosas e de grande valor. E depois havia outra carruagem, carregada com baús contendo tudo o que pertencia a ela. Parecia tudo tão definitivo. Cada parte dela seria apagada de sua casa, como se nunca tivesse existido. Como se nunca tivesse vivido ali. Lágrimas turvaram sua visão. Mesmo animada com a possibilidade de se tornar uma esposa e de ter as coisas que pensara que nunca chegaria a ter, Eveline encheu-se de tristeza, porque sabia que raramente veria sua família, se é que veria.


Graeme tocou seu rosto, e então ela percebeu que ele estava limpando uma lágrima que havia deslizado pela face dela. Ela virou-se para olhá-lo e enxergou as palavras formadas por sua boca. – Vá e se despeça de sua família, Eveline. Precisamos ir embora. Ela andou pesadamente até onde seus pais e seus irmãos se alinhavam, no caminho até os cavalos. Eveline abraçou Aiden, e ele devolveu o gesto com um rápido e forte abraço. Ele disse alguma coisa, mas ela não pôde ver o que era enquanto se virava para Brodie. Ele a envolveu gentilmente nos braços e a abraçou, segurando-a por um longo tempo. Quando a soltou, seus lábios estavam apertados e ele encarava friamente o novo marido de Eveline. Seus pais a abraçaram ao mesmo tempo, os três formando um círculo apertado. Seu pai beijoulhe a testa e sua mãe pressionou o rosto contra o de Eveline, fazendo-a sentir a umidade de suas lágrimas. A tristeza era tamanha que Eveline sentiu um nó na garganta, mal conseguia engolir. Aquilo que parecia uma grande aventura estava se tornando real demais. Não era fantasia. Estava realmente deixando o seio da sua família e indo em direção a um futuro incerto com um clã que a odiava e que odiava tudo aquilo em que ela acreditava. Precisou de todas as forças para não correr até seu pai e colocá-lo entre ela e Graeme. Mas era hora de ser forte. Eveline passara os últimos anos se escondendo. Se cedesse, se permitisse qualquer sinal de angústia, poderia causar um desastre. Todo o seu clã sofreria. Vidas seriam perdidas. Tudo porque teria medo de encarar o mundo lá fora. Ela forçou-se a dar as costas à sua família, com o coração doendo a cada respiração. Deu um passo na direção do marido, e depois outro. As costas doendo de tanto esforço para manter-se ereta. Forçou uma calma no rosto, ainda que por dentro se sentisse como um barco em meio à tormenta. Mas não traria desonra para o seu pai e o seu clã. Deixaria sua mãe orgulhosa. Não preocuparia seus irmãos. Deixaria aquele lugar por escolha própria e aceitaria seu marido porque era sua escolha, não porque o rei decretara. Quando ficou a um passo de Graeme, ela parou e ergueu o queixo, deixando emanar orgulho em sua postura. Eveline encarou seus olhos e depois endireitou os ombros, deixando clara a sua mensagem.


Estava pronta para partir.


Capítulo 11 A jornada entre as fronteiras dos dois clãs durava apenas meio dia com bom tempo, e o clima estava espetacular. Era o calor da primavera, apenas com um friozinho quando o vento soprava aqui e ali. O sol brilhava lá em cima e a terra estava banhada com sua luz dourada. Era um dia em que a jovem Eveline teria aproveitado para cavalgar apenas pelo prazer de montar em um cavalo. Ela teria virado o rosto para o sol e fechado os olhos, enquanto disparava pelo terreno. Mas assim teria sido antes do acidente. Ela não culpava o cavalo, mas também não conseguia superar o imenso terror que a atingia só de pensar em montar novamente. Até mesmo o cheiro do cavalo era suficiente para trazer de volta o horror daquele dia e a memória da dor, do medo e do despertar para um mundo silencioso. Não era de se surpreender o fato de seu clã imaginar que ela era louca, talvez fosse verdade. Naqueles primeiros meses, Eveline estava transtornada. Não sabia como lidar com o que havia acontecido. Ela não entendia, e temia o que os outros fariam se descobrissem que estava incapacitada. Anos mais tarde, parecia uma tolice, mas como poderia abordar seus pais agora, depois de tanto tempo, e tentar explicar o que realmente estava errado? Como fazê-los entender? Ela inclinou a cabeça para o lado quando um suave eco atravessou seus ouvidos. Eveline olhou rapidamente ao redor, tentando discernir a fonte do som. Ela queria mais. O que encontrou foi cada guerreiro na fila erguendo a punho e gritando algo. Seus ouvidos formigavam com a vibração, e ela imaginou que estava ouvindo berros. Quase podia ouvir, como se tentasse alcançar algo que estava muito longe. Como tocar a ponta dos dedos tentando alcançar uma mão. Então o eco desapareceu tão rápido quanto havia chamado sua atenção. Frustrada, ela mordeu os lábios, querendo que acontecesse de novo. Eveline vivia para esses momentos, quando podia quase alcançar e agarrar o som. Ela não queria esquecer como era e, a cada dia que passava, temia que isso desaparecesse completamente. A carruagem aumentou a velocidade. O homem que montava o cavalo impeliu o animal a


acelerar. Quando chegaram ao topo de um monte, Eveline pôde enxergar o vale lá embaixo e quase perdeu o fôlego diante daquela visão. A torre da fortaleza dos Armstrong ficava sobre um elevado que cobria o terreno por todos os lados. Foi construída ao lado de um grande morro, pedra e terra conectadas perfeitamente fazendo a torre se projetar para o céu. Mas a fortaleza dos Montgomery estava aninhada entre duas montanhas. Um rio corria em curvas na parte de trás de suas terras e desaparecia no horizonte, sem dúvida desembocando em algum lago. A terra exibia todo o verde da primavera exuberante. Flores salpicavam os morros. Um rebanho de ovelhas pastava ao longe. Cavalos também pastavam do outro lado. Três filas de cabanas se alinhavam na base de uma subida íngreme, fora das muralhas da fortaleza. A caravana continuou a subida, com oito de cada lado. Enquanto olhava a enorme fortaleza, Eveline enxergou mais cabanas, algumas seguindo o rio que corria paralelo à muralha. Além desse ponto, e subindo o morro oposto, havia mais cabanas distribuídas aleatoriamente e sem a ordem das primeiras que vira. A fortaleza era muito bem construída. Ela não conseguia enxergar nenhuma falha, nenhum sinal de ruína. Um muro de pedra envolvia a fortaleza com um portão na frente, em que duas torres faziam a guarda. O portão era feito de imensos troncos, e Eveline pensou que a abertura e o fechamento exigiriam o esforço de muitos homens. Para além do portão, a fortaleza se erguia do chão quase como um perfeito cubo, porém muito alto. Eveline calculou que levaria ao menos quatro lances de escada para alcançar o topo. Era uma fortaleza planejada para a defesa. Seria preciso um exército enorme para infiltrar-se e derrotar a força dos Montgomery. O único exército com força assim, com exceção do exército real, era o de seu próprio clã. O casamento os forçara a assinar uma trégua que nenhum dos lados queria, e Eveline, sentindo-se culpada por sua deslealdade, perguntava-se se, a longo prazo, algum dos dois lados honraria o acordo. A carruagem continuou a subida e, ao se aproximarem da fortaleza, o grande portão de madeira lentamente começou a subir. Graeme cavalgava à frente, seguido de perto por seus irmãos. Em seguida vinham a carruagem que a levava e os guerreiros dos Montgomery, cavalgando pelo grandioso pátio. A carruagem parou de repente. Graeme desmontou e foi ajudá-la a descer. Eveline cambaleou um pouco ao tentar pisar no chão. Após tanto tempo sentada, suas pernas estavam bambas


como as de um potro recém- nascido. Gradualmente ela percebeu o olhar de todos em sua direção. Para todo lado que se virava havia alguém, muitas pessoas, avidamente olhando para ela. A maioria não era amistosa. Na verdade, a maioria dos olhares era abertamente hostil. Lábios torcidos. Olhos cerrados. Carrancas. Expressões de desgosto. Ela fitou uma pessoa por tempo o bastante para enxergar as palavras “cadela dos Armstrong” em seus lábios. Eveline cerrou o olhar e rapidamente gravou o rosto da mulher em sua mente. Não esqueceria um insulto desses. Graeme falava com um grupo de homens do clã, e seu braço envolvia levemente o ombro da esposa. Eveline percebeu tarde demais que ele estava fazendo um pronunciamento ao clã e demorou muito para se virar e enxergar o que dizia. Fosse o que fosse, a maioria das pessoas não havia gostado, pois as expressões se tornaram ainda mais contrariadas, e ela percebeu vários outros insultos se formando nos lábios das pessoas ao redor. Eveline nunca se sentira tão sozinha e amedrontada em sua vida. Aquilo não era apenas uma recepção hostil. Aquilo não era uma recepção. Sua pele arrepiou-se sob tamanho escrutínio. Ela se sentia desconstruída, julgada e considerada indigna. Automaticamente, seu queixo ergueu-se em uma rebelião silenciosa. Eveline não permitiria que aquelas pessoas a fizessem se sentir inferior nem se permitiria sentir medo. Ela era filha de um laird. Um dos maiores da Escócia. Não seria intimidada por nenhum Montgomery. Não envergonharia os Armstrong deixando o medo transparecer. Graeme a conduziu em direção à entrada da fortaleza. Eles andaram entre várias mulheres do clã, e nenhuma ofereceu nem mesmo um sorriso na direção de Eveline. Ela manteve os olhos fixos à frente, não querendo ver o que diziam. Já tinha visto o bastante para saber que sua presença era odiada. O saguão era maior que o dos Armstrong. O lugar era espaçoso, com duas grandes lareiras de pedra, uma de cada lado. Havia uma plataforma com uma mesa que poderia facilmente acomodar uma dezena de pessoas. Espalhadas pelo resto do saguão havia várias outras mesas, sinalizando que muitos se alimentavam dentro da fortaleza.


Na frente da outra lareira havia uma área de estar, várias poltronas e alguns descansos para os pés. Era claramente um lugar de lazer. Foi para lá que Graeme a conduziu. Ele a fez sentar-se em uma das poltronas mais macias ao lado da lareira acesa. Eveline estudou seu rosto atentamente, com medo de perder alguma ordem que recebesse. – Você gostaria de comer e beber? Ela estava com fome, mas a ideia de colocar algo no estômago era suficiente para deixá-la enjoada. Estava nervosa demais para comer. – Se esperar aqui um pouco, voltarei para mostrar os seus aposentos. Vou pedir para levarem todas as suas coisas até lá. Ela nem teve tempo de assentir antes que ele se virasse e desaparecesse no corredor. Eveline continuou lá, imóvel, com medo de respirar para não chamar a atenção de mais ninguém. Várias pessoas entravam e saíam do saguão, obviamente querendo ver a nova adição ao clã. Não encontrou nem um único rosto amigável. Nada que lhe oferecesse conforto. A tristeza de deixar sua família e seu clã nunca pareceu tão aguda quanto naquele momento. Ela estava realmente sozinha e trancada em um mundo silencioso, no qual as pessoas a consideravam nada mais que a filha louca de seu mais odiado inimigo. Um pouco depois, Graeme retornou. Aproximou-se e ofereceu-lhe a mão. Intrigada, Eveline deslizou os dedos sobre os dele e o permitiu que a ajudasse a se levantar. Ele estava dizendo algo, mas virou-se e começou a conduzi-la pelo saguão. Ela se frustrou por não conseguir ver o que dizia. Eveline tentou apressar o passo para colocar-se apenas um pouco à frente e poder olhar de volta, mas não conseguiu manter o mesmo ritmo dele. Graeme estendeu o braço quando alcançaram a escadaria, gesticulando para ela seguir em frente. Com relutância, ela subiu os degraus e, no andar seguinte, ele a guiou para o corredor em vez de deixá-la continuar subindo. Havia vários aposentos ao longo do corredor. Mais para o fim, ele parou, abriu uma porta e fez um gesto para ela entrar. Era um quarto pequeno, mas não pequeno demais.


Havia duas janelas, o que dizia que era um quarto de esquina, pois havia uma em cada lado. Pesadas cortinas estavam abertas em uma das janelas, enquanto a outra ainda estava coberta, com o tecido amarrado para impedir a entrada do vento. A luz do sol invadia o quarto, iluminando-o sem a necessidade de velas. Havia uma cama contra a parede oposta, um lavatório e uma cadeira perto de uma pequena lareira. O quarto não possuía nenhuma outra mobília. Estava claro que ninguém o usava, exceto talvez alguma visita ocasional. Ela virou-se para Graeme, confusa por ele estar lhe mostrando aquele quarto. Ele fez um gesto ao redor e disse: – Vou pedir para trazerem seus baús e vou encontrar alguém para ajudá-la a desfazer as malas e acomodar-se. Talvez seja melhor descansar antes do jantar. Ela o encarou de volta com surpresa, depois olhou mais uma vez para o quarto. Este seria o seu quarto? Ela franziu as sobrancelhas, sem saber o que pensar. Graeme era seu marido, deveria compartilhar seus aposentos com ela. Era assim que funcionava. Seu pai e sua mãe sempre compartilharam um quarto. De fato, seu pai ficaria muito contrariado se sua esposa dormisse em qualquer outro lugar. Será que ela seria relegada à posição de visita? E, pelo jeito, uma hóspede indesejada. Graeme saiu do quarto, deixando-a sozinha para ponderar a situação. Não, isso não poderia ficar assim. Não poderia de jeito nenhum. O lugar de uma esposa era ao lado de seu marido e não enfiada em um quarto de hóspedes com os seus pertences. Devia haver um jeito para remediar a situação imediatamente.


Capítulo 12 Graeme começou a procurar por Rorie. Ele não a viu no pátio, e não era de seu feitio não recebê-lo com os irmãos após uma viagem. Ele a encontrou, previsivelmente, na antecâmara que usava como escritório. Era onde guardava as correspondências e respondia-lhes, arquivava os registros de transações do clã e também os registros de nascimento e morte de todos os Montgomery sob sua proteção. Seu pai era meticuloso com essas coisas e insistira que Graeme aprendesse a ler e escrever cedo na vida. Em uma época em que a maioria dos garotos aprendia a arte da guerra, Graeme estudava por longas horas sob a luz das velas memorizando o alfabeto e lendo os registros mantidos pelo pai. Robert Montgomery insistira que, primeiro, a mente deveria ser moldada, para depois se tornar um bom guerreiro fisicamente habilidoso, e que um guerreiro inteligente sempre venceria um ignorante. Graeme não tinha certeza se concordava, mas não teve outra escolha sobre o assunto. Por outro lado, Rorie estava determinada a aprender a ler e escrever e devorava cada pedaço de papel escrito que encontrava, em um esforço para aprender sozinha. Ela sempre fora um pouco estranha, mas era uma pura Montgomery, e Graeme a amava muito. – Ainda está determinada a assumir a posição de laird um dia? – Graeme disse da porta. Rorie ergueu a cabeça de repente e cobriu o pergaminho que estava encarando com tanta concentração. – Por que você não estava lá fora para nos receber? – ele perguntou discretamente. Ela suspirou. – Achei que não tinha motivo. Você trouxe para casa a filhinha maluca dos Armstrong. Não é exatamente algo para celebrar, não é? Graeme franziu as sobrancelhas. – Desde quando você é tão impiedosa, Rorie? Não é do seu feitio julgar as pessoas antes de


conhecê-las. Rorie lançou um olhar que sugeria que ele era um idiota. – Ela é uma Armstrong, Graeme. O que mais é preciso saber? E, antes que me dê um sermão sobre julgar as pessoas, será que preciso lembrá-lo de que aprendemos desde criança a odiar o nome Armstrong e qualquer um que o carregue? Graeme soltou um longo suspiro. – Ela não é uma Armstrong qualquer, Rorie. Ela é minha esposa e agora é uma Montgomery. Eu espero que você respeite a posição dela. Eu gostaria… Gostaria que você a procurasse e fosse gentil com ela. Eveline está em seu quarto agora, provavelmente com medo e sozinha. Sua recepção não foi das melhores. Não sei quanto ela entende, mas mesmo uma completa simplória entenderia a hostilidade de que foi vítima. Preciso que você faça isso. A expressão de Rorie se tornou pensativa. – Até onde vai a loucura dela, Graeme? De verdade. Os rumores são exagerados? Ele passou as mãos nos cabelos e suspirou com força. – Não sei. Tenho muito a aprender sobre ela. Às vezes ela parece distante, alheia. Mas conseguimos nos comunicar. Eveline fica fascinada quando eu falo, o que aparentemente é incomum, pois sua mãe ficou boquiaberta quando presenciou sua reação a mim. Tenho de pensar que nem tudo é o que parece, mas, até agora, não tive tempo para determinar a extensão de tudo isso. Rorie cruzou os braços sobre o peito e depois lançou um olhar que Graeme conhecia muito bem, um olhar de quem está tramando alguma coisa. Ela podia não gostar de sangue e violência, mas possuía a mente digna de um guerreiro sedento por sangue, sempre buscando a jugular, mesmo que figurativamente. – Quanto minha gentileza vale para você? Graeme precisou limpar a garganta para não soltar uma risada. Aquela menina era muito audaciosa, mas ele nunca conseguia repreendê-la. Sem dúvida, ela fora criada solta demais. Sem uma figura materna, Rorie provavelmente passara a maior parte da infância pensando que era um garoto. – O que você quer, sua pivete – Graeme disse com um tom divertido. – Quero um tutor. Um tutor de verdade, Graeme.


Quero aprender a ler e a escrever. Ela ergueu o queixo e o encarou com petulância. – E onde você acha que encontro esse tutor? – O padre Drummond. – Rorie, ele é um homem de Deus e tem obrigações com mais de um clã. Não posso me apropriar dele para seu bem pessoal. – A mim parece que, já que você não tem certeza das faculdades de sua nova esposa, seria conveniente que um homem de Deus abençoasse sua união e passasse um tempo convencendo seu clã de que a sua noiva não é marcada pelo diabo. Em seu tempo livre, é claro, ele poderia me ensinar. Dessa vez, Graeme não segurou a risada. Pequena bandida. Mas o que o irritava era que ela tinha um argumento sólido: pedir a bênção de um padre sobre o casamento e pedir que ele acalmasse os medos e as superstições do clã certamente ajudariam no bem-estar e na felicidade de Eveline. – Certo, Rorie. Vou mandar chamar o padre. Mas, quanto a você, quero que mostre toda a sua bondade para Eveline. Ela é uma moça gentil, acho que gostará dela. Eveline é apenas… diferente. – Nunca pensei que você pudesse ser tão diplomático – ela disse secamente. Ele apontou para a porta. – Apenas vá, sua pivete, antes que eu chute o seu traseiro. Ela sorriu e saiu correndo, cobrindo o traseiro com as mãos. Rorie hesitou do lado de fora do quarto fechado de Eveline. Por mais que não gostasse de admitir, estava nervosa sobre o iminente encontro com sua irmã por parte de casamento. Por um lado, ter uma irmã era uma ideia interessante. Mas não uma irmã maluca. Ela pousou a mão sobre a madeira por um longo tempo, depois prendeu a respiração e bateu. Rorie esperou, ficando mais nervosa a cada momento que passava. Como não obteve resposta, ela bateu novamente e esperou mais longos segundos.


Rorie encostou o ouvido na porta, tentando ouvir alguma coisa. Havia estranhos sons vindos de lá de dentro. Um arrastar? Como se alguém estivesse sendo arrastado pelo chão. E o som foi aumentando cada vez mais, até que a porta se abriu subitamente, e Rorie ficou cara a cara com uma mulher de cabelos loiros, um pouco mais alta do que ela própria. Eveline pulou, obviamente assustada pela presença de Rorie. Seu rosto estava vermelho de exaustão física e os cabelos, desarrumados. Quando Rorie olhou para baixo, percebeu que Eveline havia arrastado um de seus baús na direção da porta e, de fato, parecia que planejava jogá-lo para fora do quarto. – Eu sou a Rorie – ela disse, sem saber o que fazer. – Sou a irmã de Graeme. Eveline encarou Rorie, estudando seu rosto intensamente, fazendo-a estremecer. Havia algo inteligente e perspicaz em seu olhar, quase como se estivesse julgando Rorie, e isso a deixou desconfortável. Eveline era a intrusa ali, não Rorie. Rorie pertencia ao ambiente e Eveline era a forasteira. O inimigo. Mas então, para sua total surpresa, Eveline estendeu o braço e agarrou a mão da moça, puxando-a para baixo e gesticulando para o baú. – Humm, Eveline, o que você pretende fazer com o baú? – Rorie perguntou. Eveline fez uma pausa e franziu as sobrancelhas. Depois endireitou-se em toda a sua altura – que não era muita – e olhou para fora do quarto, nos dois lados do corredor. Sua expressão se tornou mais perplexa, e então, abruptamente, ela deixou Rorie, entrou no corredor e abriu a porta de Bowen. – Ei! Você não pode invadir o quarto do meu irmão desse jeito – Rorie protestou. Eveline olhou dentro do quarto, depois se afastou e virou-se para Rorie, franzindo ainda mais as sobrancelhas. Ela lambeu os lábios, como se quisesse falar, mas Rorie sabia que isso era impossível. Graeme dissera que ela era muda desde o acidente. Depois, Eveline apontou para a porta aberta e ergueu a mão, como se perguntasse algo. Rorie sacudiu a cabeça, confusa. Eveline apontou para Rorie e depois de volta para o quarto e depois mais uma vez ergueu as mãos.


Finalmente entendendo, Rorie sacudiu a cabeça. – Não, não é meu quarto. É o quarto de Bowen. Mais uma vez, Eveline agarrou a mão de Rorie e a arrastou pelo corredor para o quarto seguinte. Ela bateu a palma da mão na porta e depois se virou para Rorie, com o mesmo questionamento nos olhos. Agora Rorie já entendia o que ela queria. – Esse é o meu quarto – Rorie disse. Eveline fechou o rosto e, mais uma vez, Rorie foi arrastada para o quarto seguinte. A essa altura ela entendeu o significado daquilo tudo e se cansou de ser arrastada por uma mulher que era apenas um pouco maior do que ela, então Rorie soltou sua mão e ela própria agarrou Eveline para direcionar seu movimento. Rorie conduziu Eveline pelo corredor, apontando para cada um dos quartos e dizendo de quem era e para qual propósito servia. Eveline parecia se frustrar cada vez mais. Um entendimento atingiu Rorie de repente. – Você está procurando o quarto de Graeme, não é? Eveline sorriu e assentiu vigorosamente. Por um momento, Rorie ficou encantada pela mudança que o sorriso trouxe para o rosto daquela mulher. Ela era muito bonita e não parecia nem um pouco louca. Não havia loucura em seus olhos, mesmo com seu comportamento parecendo um pouco incomum. Ou melhor, muito incomum… Mas então Rorie cerrou os olhos. – Por quê? O sorriso de Eveline rapidamente deu lugar a uma expressão de desagrado, e então Rorie foi arrastada de volta para o quarto de Eveline. Lá, Eveline apontou para o baú e depois fez um gesto como se estivesse empurrando o baú pelo corredor. Depois ela ergueu o queixo, apontando para seu quarto e sacudiu a cabeça rebeldemente enquanto cruzava os braços sobre o peito. Rorie caiu na risada. A cunhada não estava feliz com suas acomodações e queria se mudar para o quarto de Graeme. Ela deveria ser leal e informar severamente à nova esposa de seu irmão que, se Graeme a quisesse em seu quarto, ele a teria colocado lá. Mas o diabinho em seu ombro sussurrou que seria muito mais divertido ajudar Eveline e pregar uma peça em Graeme quando, mais tarde, ele se retirasse para dormir.


– Certo, vou ajudá-la – Rorie disse, ainda sorrindo. Eveline sorriu de volta e depois se abaixou para segurar uma das alças do baú. Rorie também se abaixou, e as duas arrastaram o baú para fora do quarto. Rorie apontou para o fim do corredor. – O quarto de Graeme fica lá no fim. Precisamos nos apressar se quisermos levar todas as suas coisas antes que alguém nos descubra.


Capítulo 13 Graeme parou diante da porta do quarto de Eveline, sentindo uma indecisão devastar sua mente. Uma culpa o consumia por tê-la deixado no quarto e não ter voltado mais. Não checou se estava bem nem destacou uma criada para ajudá-la a desfazer os baús. A verdade era que não sabia a quem confiar essa tarefa, pois, para cada lado que olhava, apena encontrava hostilidade sobre uma Armstrong tomar residência na fortaleza dos Montgomery. Estava na hora de Eveline descer para o jantar. Ele não sabia se deveria expô-la a seu novo clã tão cedo, mas esperar apenas prolongaria a agonia. Era melhor acabar logo com isso e depois começar a se preocupar em fazê- la se encaixar no novo lar. De que modo faria isso, Graeme não tinha ideia. Ele bateu suavemente e esperou, não querendo invadir sua privacidade, embora tivesse todo direito de fazer o que quisesse. Não tinha a intenção de deixá-la com medo nem de antagonizála. Na verdade, essa ideia lhe soava repugnante. Após um momento, ao perceber que ela não respondia às batidas na porta, Graeme empurrou a madeira e encontrou o quarto completamente escuro. Ele tomou uma das velas do corredor, entrou no aposento e, para sua surpresa, ele estava vazio. Não havia nenhum baú. Nenhuma de suas coisas. Estava tão vazio quanto antes de tê-la deixado sozinha naquele quarto horas atrás. Por um momento perguntou-se se tinha dado a ela o quarto errado, mas sabia que não seria tão distraído assim. Graeme retirou-se e começou a andar pesadamente pelo corredor, abrindo portas em toda parte. Quando chegou ao próprio quarto, quase não entrou, mas então pensou melhor e abriu a porta. Se quisesse encontrá-la, precisaria cobrir todas as possibilidades. Certamente saberia se ela tivesse descido até o andar de baixo. Não era isso o que tinha em mente para o primeiro dia de seu casamento. Uma esposa perdida que pode ou não ter o controle de suas faculdades mentais. Ele quase já sentia falta dela quando entrou, rapidamente olhou ao redor e percebeu que seu aposento estava repleto dos baús que a acompanharam até a fortaleza dos Montgomery. Eles estavam abertos, e as coisas dela cobriam a maior parte do quarto.


Mais notavelmente, Eveline estava encolhida em um canto da cama, no lado mais próximo da parede, e parecia dormir profundamente. Graeme respirou fundo, ergueu as mãos e depois, exasperado, as deixou cair ao lado do corpo. Ela estava por todo o seu quarto. Suas coisas. Seu perfume. Baús. Roupas. E ela estava em sua cama. Onde ele dormia. Ela ainda não tinha se alimentado e devia estar faminta. Graeme a arrancara de seu lar assim que os votos foram recitados, e ela não comera nada ao chegarem. A moça já era magra daquele jeito. Certamente não podia perder nenhuma refeição. Mesmo assim, ele não queria perturbar seu sono. Ela estava totalmente imóvel, e ele não entrara discretamente no quarto. O dia provavelmente a deixara exausta. Graeme aproximou-se quieto e inclinou-se para observá-la. Era ridículo andar na ponta dos pés em seu próprio quarto em respeito à sua esposa, que havia tomado a liberdade de se mudar para o seu aposento privado. Ela parecia angelical em seu sono, com longos cílios negros tocando o rosto pálido. Os cabelos loiros se esparramavam sobre o travesseiro dele. Graeme achou aquilo curioso. Ela tinha até roubado o seu travesseiro. Vestia uma camisola de linho branca, que cobria modestamente todas as partes necessárias. Tudo o que podia ver era o seu rosto e um braço desnudo que descansava sobre o seu corpo. O outro a sustentava enquanto ela estava virada para a parede. Se a acordasse, Eveline teria de se vestir para descer e, quando finalmente aparecesse no saguão, o jantar já teria terminado. Então, Graeme preferiu apenas se certificar de que ela receberia comida assim que acordasse pela manhã. Ele permaneceu ali por um longo momento, observando o leve subir e descer de seu peito. Então, olhou ao redor mais uma vez, para todas as coisas que agora ocupavam seu quarto. Ou melhor, o quarto deles, já que parecia que Eveline havia tomado o lugar para si. Graeme virou-se, esfregando a nuca enquanto se afastava silenciosamente. Ele não sabia o que fazer sobre tudo aquilo. Não poderia simplesmente ter um casamento normal com ela. O casamento não podia nem ser consumado. Porém, lá estava ela em sua cama, sobre seu travesseiro, dormindo profundamente como se acreditasse sem dúvida alguma que ali era o seu lugar. Ele desceu as escadas e entrou no saguão onde as criadas serviam o jantar. Graeme sentou-se à


ponta da mesa, no seu lugar, com Teague ao seu lado esquerdo e Bowen ao lado direito. Rorie estava ao lado de Bowen e, de modo suspeito, não olhou para cumprimentar Graeme. – Por acaso você sabe alguma coisa sobre como Eveline conseguiu levar todas as suas coisas para o meu quarto? – ele perguntou calmamente, enquanto encarava Rorie. – Ou, ainda, como ela descobriu qual era o meu quarto? O rosto de Rorie se avermelhou e ela baixou os olhos, repentinamente fascinada com a comida. – Do que você está falando? – Bowen perguntou. – Ela se mudou para seu quarto? Teague pareceu desconfiado. – Qual é a intenção dela? – Já que ela estava dormindo quando entrei, não pude perguntar – Graeme disse secamente. – Estou mais interessado em como ela chegou lá. Rorie soltou de repente: – Eu a ajudei. Graeme cerrou os olhos. – Foi ideia dela ou sua? Você está pregando alguma peça? – Você pediu para eu ser gentil – ela disse com veemência. – Fui até o quarto dela e a encontrei arrastando, ou melhor, tentando arrastar os baús para fora do quarto. Então ela me puxou pelo corredor querendo saber qual era o seu quarto. Graeme ergueu a mão. – Espere um minuto. Ela perguntou isso a você? Como sabe que era isso mesmo que ela queria? – É claro que não. Ela não fala. Isso você me contou, e ela realmente não disse uma palavra. Mas ela sabe como se fazer entender. Graeme não podia negar isso. – Então ela apenas puxou você pelo corredor e você concluiu que ela queria saber qual era o quarto de Graeme? – Teague perguntou incrédulo. Rorie olhou para seu irmão com certa atitude. – Não espero que você entenda, mas confie em mim, se estivesse lá, você saberia o que ela queria. E no momento que mostrei o quarto certo, ela me puxou de volta querendo que eu a


ajudasse a levar suas coisas. Graeme soltou um profundo suspiro. – Quem sabe o que se passou na cabeça dela. – Ela parecia não ter gostado do quarto que você escolheu – Rorie disse, tentando segurar uma risada quando olhou para Graeme. – Na verdade, acho que ela se sentiu insultada por você não ter deixado ela ficar em seu quarto desde o começo. Bowen sacudiu a cabeça. – Aquela garota é… – Ele parou de falar e bateu com os dedos várias vezes na própria têmpora. Graeme fechou o rosto em sua direção. – Ainda preciso determinar a extensão de sua condição. Suspeito que não é tudo o que dizem. Independente do quanto ela for diferente, espero que todos a tratem com respeito e bondade. Ela não é uma ameaça para nós. Não tem culpa de ter nascido naquela família. Nenhum de nós queria esta aliança, mas aqui estamos. Devemos fazer o melhor com a situação que temos. Teague apertou os lábios. – Com ou sem acordo de sangue, eu não considero nenhum Armstrong aliado. São apenas palavras em um pedaço de papel que não significam nada. Dizer que não vou atacar não é a mesma coisa que dizer que eles são meus aliados confiáveis. – Concordo – Graeme disse entredentes. – Ninguém sugeriu isso. O que preciso e quero de vocês três é compreensão e paciência. Não custa nada serem bondosos com a garota. Ela não merece ser tratada como uma leprosa por seu próprio clã. – Você não pode controlar o que o clã pensa – Bowen disse. A paciência de Graeme estava se esgotando. – Não, não posso, mas vocês podem dar o exemplo. A aceitação de nosso clã não acontecerá de uma hora para outra, mas vocês podem me ajudar se não a tratarem com desdém como o restante das pessoas. Com o tempo, talvez ela consiga encontrar seu lugar aqui. Pense em como ela deve estar se sentindo. Ela foi arrancada do santuário de seu lar, onde estava cercada por pessoas que a amavam e protegiam, e foi jogada em um mundo hostil, onde provavelmente teme por sua vida, principalmente considerando como é vista pelos outros. Ele passou a vista sobre Bowen e Teague e depois voltou para Bowen.


– Imagine se Rorie fosse tirada de nós, como já disse quando estávamos na fortaleza dos Armstrong. Você não gostaria que ela fosse tratada com decência e bondade quando não estivéssemos lá para protegê-la? – Isso não vai acontecer, não é? – Rorie perguntou de repente. Graeme praguejou diante do súbito medo nos olhos de sua irmã. – Maldição, Graeme – Teague o repreendeu. – Isso foi uma coisa idiota para se dizer. – Não, minha querida – Graeme disse. – É apenas um exemplo. Seu lugar é aqui conosco e isso não vai mudar. – Mas poderia – Rorie insistiu. – Tenho certeza de que a família de Eveline disse as mesmas coisas para ela. Provavelmente, tentaram acalmá-la do mesmo jeito que você está fazendo agora, mas quem pode dizer que nosso rei não irá me oferecer de bandeja? – Se fosse fazer isso, já teria feito – Bowen disse com a voz calma. – O rei já exigiu muito de nós, ele não iria tão longe. Mas Graeme não tinha tanta certeza, e achava que Bowen e Teague também não tinham, mas não diriam nada na frente de Rorie. – Prefiro discutir sua atitude com Eveline – Graeme disse, direcionando a conversa de volta para o assunto em questão. – Quero que vocês prometam que facilitarão a mudança e mostrarão um rosto amigável entre tanta hostilidade. – Que seja – Teague disse, contrariado. – Eu gostei dela – Rorie sussurrou. Os três irmãos se viraram para ela, surpresos. Era a primeira vez que Rorie falava sobre o que pensava de Eveline. Antes apenas tinha contado o que acontecera. Rorie encolheu os ombros. – Há algo naquela garota. Ela parece… determinada. Achei que fosse encontrá-la acovardada em um canto ou chorando na cama e, em vez disso, encontrei-a arrastando baús em um corredor e exigindo que eu contasse onde ficava o quarto de Graeme. Achei tudo muito divertido.


E então ela se virou para Graeme. – Não sei se ela é doente ou maluca ou sei lá o quê. Apenas sei que ela é corajosa. E se consegue ou não falar, isso tem pouco a ver com o fato de conseguir se comunicar, pois deixou muito claro o que queria de mim, ou melhor, o que exigia de mim. – Então, se não é maluca, que diabos ela é? – Graeme murmurou.


Capítulo 14 Graeme acordou com um corpo feminino abraçando-o com força ao seu lado. O braço de Eveline estava por cima de seu peito, e ela se aninhava confortavelmente sob seu ombro. Por um momento, ele não respirou. Meu Deus, aquilo era constrangedor. Na noite anterior, deitara em sua cama sem fazer movimentos bruscos depois de guerrear consigo mesmo sobre se deveria ou não dormir em seu próprio quarto. Ele se posicionara na ponta da cama, deixando bastante espaço entre si e Eveline, que estava do outro lado, perto da parede. Mas, e agora? Ela atravessara a cama e agarrara-se a ele. Talvez tenha sentido frio durante a noite e procurado por calor. Graeme rangeu os dentes ao perceber que sua ereção matinal estava mais rígida que o normal. Um sentimento de culpa o consumiu, por mais que fosse uma reação masculina normal à proximidade de um corpo feminino daquela maneira. Ele não deveria pensar nela desse jeito. Certamente era pecado. O dilema que se apresentava era: como se livrar daquele abraço sem acordá-la e causar ainda mais constrangimento? A última coisa que queria era que ela acordasse e ficasse aterrorizada. Após ponderar a questão por mais um longo momento, Graeme lentamente começou a mover o corpo para a ponta da cama, levantando o braço dela apenas o suficiente para poder se mexer. Prendeu a respiração quando ela se moveu, mas então Eveline rolou para o outro lado. Suspirando de alívio, Graeme levantou-se e vestiu-se apressadamente para que ela não acordasse enquanto ele ainda estava lá. Quando estava quase saindo, ele se virou repentinamente, olhando para a lareira apagada. Ela se aproximara dele durante a noite provavelmente porque estava com frio. Havia um distinto ar gelado da manhã, e ela acordaria batendo os dentes. Ele atravessou o quarto, tirando do caminho um dos baús e tomando cuidado para não derrubar as coisas dela que cobriam a poltrona e um dos bancos. Juntando lenha da pilha ao lado da lareira, ele preparou o fogo e usou uma das velas para acender. Logo uma fogueira generosa se ergueu e um calor começou a emanar da lareira. Ao menos ela poderia vestir-se perto do fogo sem congelar. Satisfeito por ter cumprido seu dever, ele deixou o quarto para procurar Rorie. Checou primeiro seu quarto, mas sabia que ela provavelmente já estava no andar de baixo, fazendo o


desjejum, ou no escritório de seu pai, tentando aprender a ler. Graeme sacudiu a cabeça. Não era uma atividade a qual incentivaria, mas parecia ser importante para ela, embora ele não soubesse por quê. Graeme não via problema em pedir ao padre Drummond que a ensinasse, se isso a deixaria feliz. E também não se importava nem um pouco de usar isso como moeda de troca para que ela o ajudasse com Eveline. Acabou encontrando-a na mesa discutindo com Teague – um evento normal em qualquer dia. Graeme tomou seu lugar e revirou os olhos quando seus irmãos nem fizeram uma pausa na discussão para cumprimentá-lo. Ele limpou a garganta e, como não recebeu resposta, bateu forte na mesa. Teague e Rorie viraram a cabeça imediatamente na direção de Graeme. – Onde está Bowen? – ele perguntou calmamente. Rorie deu de ombros. – Ele já tomou café. Disse que sairia com os homens. Graeme permaneceu em silêncio enquanto era servido e, quando a criada se afastou, ele direcionou os olhos de volta para Rorie. – Eu gostaria que você fosse encontrar Eveline. Cuide para que ela tenha algo para comer. Ontem ela não comeu nada o dia inteiro, então, provavelmente, estará faminta ao acordar. Também gostaria que fizesse companhia a ela e talvez oferecesse ajuda para arrumar suas coisas. Rorie franziu o nariz. – Então você vai permitir que ela fique em seu quarto? – Isso não é da sua conta. Mas eu não vejo razão para arrancá-la de lá, ao menos até que se sinta mais acomodada e confortável. Quem sabe que ideias estranhas ela pode ter formado ou por que se recusou a ficar em seu próprio quarto? Por ora, quero que se sinta à vontade e, se ficar em meu quarto é o que ela quer, então posso sobreviver por alguns dias. Rorie virou-se e exibiu um sorriso atrevido para Teague. – Acho que ganhei nossa aposta. Teague fechou o rosto e depois lançou um olhar bravo para Graeme. – E que aposta foi essa? – Graeme exigiu saber.


– Teague apostou que você expulsaria Eveline do quarto quando a manhã chegasse. Eu sabia que você não faria isso – ela disse toda orgulhosa. Graeme olhou para os dois com um olhar sombrio. – Que bom que vocês estão se divertindo às minhas custas. – Você fez a cama, agora precisa deitar-se nela – Teague provocou. – Isso não é da sua conta – Graeme disse com uma voz gélida. Teague levantou-se com uma expressão irritada no rosto. – Estarei no pátio treinando, se você decidir encontrar seus colhões e juntar-se a nós. Graeme decidiu ali mesmo que sua primeira sessão de treinos seria com Teague e que ensinaria a seu jovem irmão uma lição sobre respeito. Eveline acordou e, por um momento, não se lembrou de onde estava. Não estava no próprio quarto, em sua própria cama. Nenhum daqueles cheiros lhe eram familiares. Precisou de um momento para clarear a mente e lembrar-se de que estava casada e deitada na cama do quarto de seu marido – um quarto que ela invadira sem pedir permissão. Mas ele não a acordara para expulsá-la de lá, então talvez não estivesse bravo. O fato era que ela se sentira desesperadamente sozinha e isolada no quarto em que ele a acomodara. E, embora fosse o inimigo do seu clã, ele fora gentil com ela – o único Montgomery que fora remotamente gentil com ela. Eveline pensou um pouco. Isso não era bem verdade. Rorie a ajudara bastante, embora Eveline não soubesse o que se escondia por trás da atitude da irmã de Graeme, pois percebera um toque de travessura nos olhos dela enquanto a ajudava a mover seus pertences. Quando Eveline jogou os cobertores de lado, um vento frio a atingiu, fazendo-a tremer. Mas ao virar-se sentiu uma onda de calor e percebeu que a lareira estava acesa. A julgar pela altura das labaredas, o fogo não estava queimando há muito tempo. Graeme deve ter pedido para alguém acender a lareira de modo que ela não ficasse com frio quando se levantasse. Um homem que mostra esse tipo de consideração à filha de seu inimigo não pode ser tão mal assim, pode?


Nada do que vira até então indicava que ela corria perigo ao lado de Graeme Montgomery. Ele não estava feliz com o arranjo – e quem poderia culpá-lo? Mas não a destratou nem mostrou hostilidade. Pelo menos até agora. Nunca antes ela teria considerado que um Montgomery poderia ser nobre e justo, mas Graeme parecia destinado a mudar sua opinião sobre o assunto. Eveline aproximou-se da lareira e estendeu as mãos para aquecer os dedos frios. Quando ficou satisfeita, virou-se para encontrar roupas adequadas para o dia. Em casa, não pensaria duas vezes sobre isso. Mas, ali, repentinamente começou a questionar se deveria deixar o cabelo solto ou preso e se deveria usar algum vestido comum ou algo mais bonito. Qual era a expectativa de Graeme sobre a sua esposa? Ela estranhou quando se deu conta de que não fazia ideia da resposta. Ele não parecia ter expectativa alguma, com exceção de deixá-la de lado e continuar suas atividades normais. Talvez fosse por isso que decidira colocá-la em um quarto separado. Eveline escolheu algo discreto. A última coisa que queria era que os homens do clã pensassem que ela era mimada e gostava de fazer pose. Notara os trajes das outras mulheres na fortaleza, e a maioria usava roupas simples de trabalho. Após se vestir, ela começou a se pentear. Era um trabalho difícil, pois o vento durante a longa viagem até a fortaleza dos Montgomery a despenteara completamente; além disso, ela não escovara o cabelo na noite anterior, antes de dormir. Eveline desfez os nós e depois começou a trançar as mechas, puxando-as pelo ombro. Fazia isso apoiada no banco, perto da lareira, quando sentiu uma presença no quarto. Sua pele se arrepiou, e ela rapidamente se virou para encontrar Rorie na porta. Ela sorriu, sem saber se Rorie já tinha falado alguma coisa. Depois, fez um gesto para que entrasse. Naquele momento, Eveline ficou imensamente contente por ver a garota. O isolamento do quarto de Graeme era opressor, mas ela não tinha coragem de descer sozinha. A lembrança do olhar das pessoas ainda estava fresca em sua mente. – Bom dia, Eveline – disse Rorie. Ela sorriu de modo hesitante para Eveline enquanto falava, e Eveline sorriu de volta, querendo incentivar qualquer conversa com Rorie. – Então, está planejando ficar aqui em cima o dia todo? – Rorie questionou.


Eveline franziu as sobrancelhas, sem entender o motivo da pergunta. – Graeme acha que você deve estar com fome, porque quase não comeu ontem. Eveline assentiu levemente. Os olhos de Rorie brilharam quando se sentou na cadeira de frente para o banco onde Eveline se apoiava. – As mulheres estão apostando se você vai ter coragem de colocar a cara para fora do quarto. Eveline piscou surpresa, e então suas sobrancelhas se juntaram enquanto encarava Rorie. Qual era o propósito de Rorie? Será que queria deixar Eveline zangada, irritada, ou apenas queria lembrá-la de sua tênue posição em seu novo clã? – Tenho certeza de que não esperam que você desça triunfalmente, exigindo algo para comer – Rorie continuou, aparentemente sem se importar com a reação de Eveline. – Pode ser divertido ver a cara delas se você fizer isso. Os lábios de Eveline tremeram, e então se curvaram em um sorriso. Rorie, obviamente, era uma garota travessa. Talvez por isso a tivesse ajudado no dia anterior. Eveline simplesmente assentiu uma vez. Rorie sorriu. – Então, vamos. Não adianta ficar escondida aqui quando podemos nos divertir lá embaixo. Eveline rapidamente prendeu a ponta das tranças com um laço de couro e levantou-se para seguir Rorie. Quando entraram no saguão, as mulheres estavam limpando os restos da refeição matinal. Duas varriam o chão, enquanto outras abriam as cortinas para que a luz do sol e o calor entrassem. Todas pararam de repente assim que avistaram Eveline. Rorie continuou andando e Eveline a seguiu. Rorie disse algo que desagradou as mulheres, e uma delas lançou um olhar cerrado diretamente para Eveline, dizendo: – Se ela quer comer, deveria ter descido com as outras pessoas. Eveline encarou-a de volta, recusando-se a ser intimidada por aquela mulher desagradável. Rorie fez um gesto, dispensando a mulher, e depois se virou para Eveline: – Venha se sentar para comer.


Eveline olhou para as mesas comuns e depois para a mesa mais nobre na plataforma elevada, muito parecida com aquela em seu antigo lar. Seus olhos se apertaram, e então ela marchou determinada. Era a esposa do chefe do clã e se sentaria na mesa de honra. Fez questão de tomar um lugar que lhe permitisse ficar de frente para o resto do saguão. Queria poder ver o que estava sendo dito. Rorie sentou-se na sua frente, com um grande sorriso no rosto. – Gostei do seu estilo. Aquilo foi muito ousado, mas uma boa ideia. Mostre a elas desde o início que não será intimidada. As mulheres do nosso clã podem ser muito teimosas. São leais, mas muito ferozes em suas convicções. O que se diz é que Graeme é o laird, mas são as mulheres quem tomam conta do clã. Eveline surpreendeu-se. Com certeza Rorie estava brincando. – É claro que Graeme nunca admitiria uma coisa dessas – Rorie acrescentou, ainda sorrindo. – Mas elas são mesmo intimidadoras. Algumas gostam de mim, outras não. Eveline estudou Rorie por um longo momento. Ali estava uma garota que provavelmente também era subestimada. Sua aparência era frágil, quase como a de um garoto, mas era descarada e, aos olhos de Eveline, parecia inteligente e perspicaz. Então olhou sobre o ombro de Rorie, pois percebeu as mulheres conversando. A que segurava uma vassoura apenas fingia varrer enquanto falava com a que limpava a mesa. Foi difícil para Eveline acompanhar, mas pescou palavras o bastante para saber que ela era o assunto da conversa. Os termos de costume estavam lá. Maluca. Doida. Alheia. Eveline estremeceu quando enxergou “estúpida”, “arrogante” e “lixo dos Armstrong”. Um sentimento de raiva apertou seu queixo. Seu primeiro instinto foi se defender, o que era absurdo, já que passara os últimos três anos permitindo que as pessoas pensassem dela o que quisessem, sem nada fazer para corrigir suas conclusões. Crenças que ela alimentava propositalmente. Mas doía mais ouvir aquilo daquelas pessoas. Elas não a conheciam; julgavam-na apenas porque era uma Armstrong. Seu clã valia dez vezes mais, e as mulheres não eram tão preguiçosas. A mulher que a repreendeu por descer tarde demais para o café da manhã aproximou-se da mesa e jogou, de modo grosseiro, a bandeja com pão e queijo na frente de Eveline. Depois de lançar um olhar desagradável, virou- se e foi embora. Não havia nada para beber, mas Eveline não quis arriscar um novo confronto. Ficaria sem.


Eveline mordeu um pedaço do pão. Estava gostoso; alguém se dera ao trabalho de esquentá-lo um pouco ou talvez estivesse perto de alguma fonte de calor na cozinha. De qualquer maneira, estava macio e o sabor era maravilhoso. – Você gostaria de conhecer a fortaleza depois de comer? – Rorie perguntou. Eveline apertou os lábios enquanto pensava, repentinamente nervosa sobre uma abordagem tão direta. Foi preciso toda a sua coragem para descer até o saguão para fazer o desjejum. – Não está com medo, está? – Rorie disse com um brilho nos olhos. Eveline franziu as sobrancelhas e curvou os lábios, deixando Rorie saber o que pensava sobre aquela provocação. Mas teve o efeito que Rorie obviamente queria, pois agora Eveline não recusaria de jeito nenhum. Ela não deixaria que um bando de Montgomery a fizesse recuar e se esconder. Ela era filha de um chefe de clã e agora também era esposa de um. Isso deveria valer para algo, não é mesmo? Ela podia não ser uma grande guerreira, mas aprendera com sua mãe que, se havia algo capaz de derrubar um guerreiro, era uma mulher determinada. Rorie mostrou um sorriso satisfeito e depois se recostou na cadeira para esperar Eveline terminar de comer. Quando terminou, olhou para Rorie e levantou-se. Tomando a iniciativa, deu a volta na mesa e passou por Rorie, para liderar em vez de se acovardar atrás da cunhada. De queixo erguido, atravessou o saguão, encarando de volta os olhares das outras mulheres enquanto passava por elas. No final, uma mulher de cabelos escuros entrou em seu caminho, e Eveline teve de parar de repente. A mulher até que era bonita. Talvez mais jovem que as outras que trabalhavam no saguão. Seus olhos verdes seriam bonitos se não estivessem cheios de uma fria malícia. Ela olhou para Eveline com uma hostilidade aberta e com as narinas dilatadas, como se estivesse a desafiando. – Cadela dos Armstrong. As palavras se formaram nos lábios da mulher com tanta clareza que era impossível não entender. O olhar ousado da mulher surpreendeu Eveline e a deixou boquiaberta.


Rorie entrou na frente de Eveline, antes que ela pudesse reagir. Estava virada o suficiente para enxergar o que Rorie falou. – A única cadela aqui é você, Kierstan – Rorie disse, com a expressão cheia de raiva. – Vá embora ou contarei a Graeme que você está insultando a esposa dele. O rosto de Kierstan se torceu de desgosto, mas ela virou-se e foi embora, deixando Rorie e Eveline ali sozinhas. Rorie virou-se para Eveline e sorriu. – Pronto. Já cuidei disso. Podemos prosseguir com o nosso passeio?


Capítulo 15 Graeme sabia que Rorie estava levando Eveline para conhecer a fortaleza, porque fora avisado por uma dúzia de pessoas do clã. Eles agiam como se Graeme devesse trancar Eveline no quarto para que nunca saísse de lá. Ele entendia o ódio pelos Armstrong, pois era um ódio que ele compartilhava. Mas não entendia a facilidade com que estendiam esse ódio a uma mulher inocente. Não podia dizer que estava surpreso, mas, mesmo assim, não entendia. Quando mais uma pessoa apareceu para informar Graeme que uma Armstrong estava andando por ali como se pertencesse ao clã, a paciência de Graeme começou a se esgotar. – Ela pertence – ele rugiu, assustando o velho com a força de sua voz. Ele virou-se para que todos soubessem de sua irritação. – Já chega! O rei decretou este casamento e não há nada que possa ser feito. Parem de agir como crianças mimadas e parem de fazer uma mulher inocente sofrer por algo que ela não tem conhecimento. Vocês deveriam se envergonhar de suas ações. Bowen olhou para Graeme de onde estava instruindo um grupo de garotos a usar arco e flecha. Jogando o punhado de flechas de sua mão sobre um dos garotos, ele virou-se na direção de Graeme. – Você não pode ignorar a reação deles – Bowen disse, enquanto se aproximava. – Você espera que eles simplesmente aceitem e esqueçam tudo o que aconteceu no passado. Pode ter conseguido isso, mas está esperando demais deles, Graeme. Graeme encarou seu irmão, com uma irritação subindo por seu pescoço. – Você ousa dizer que esqueci o passado? Ousa dizer o que eu devo esperar ou não? Com cada palavra, sua fúria cresceu até se transformar num caldeirão fumegante. Ele deu um passo na direção de Bowen e olhou diretamente nos olhos do irmão. – Se discorda da forma como estou lidando com a situação, então talvez devesse me desafiar pelo título de chefe do clã. Bowen arregalou os olhos.


– Não é isso que estou dizendo! – Ou você é leal e me apoia ou me desafia. A escolha é sua – Graeme disse entredentes. – Você sabe que possui o meu apoio – Bowen replicou quase num sussurro. – Não, não sei. Se me apoiasse, então aceitaria minha vontade com relação à Eveline. Não iria sentar-se de braços cruzados enquanto os homens do clã a maltratam. O que o nosso pai pensaria, Bowen? Você não acha que ele condenaria esse tratamento a uma mulher inocente? Ele era um homem justo, nunca permitiria que um Montgomery fosse descortês com Eveline, independente de qual fosse a sua família. Bowen teve a graça de se mostrar envergonhado. – Sim, você está certo, Graeme. Sinto muito. Nosso pai teria acolhido Eveline e cuspido nos olhos de qualquer um que dissesse uma única palavra malcriada para ela. Ele virou-se e depois pousou a mão atrás do pescoço. Quando olhou de novo para Graeme, havia uma clara frustração em seus olhos. – Estou apenas com raiva. Todos estamos. Ninguém quer a paz com os Armstrong. Seria ótimo se livrássemos a terra de sua presença. O rei nos transformou em mulheres, deixando-nos com as mãos atadas, e nos prendeu com uma constante lembrança de tudo aquilo que odiamos e tudo aquilo que agora não podemos fazer. Graeme deixou passar a irritação que lhe apertava o peito. – Sei muito bem disso, Bowen. Você acha que gosto dessa situação mais do que você ou do que qualquer outro membro do clã? O rei tirou de mim qualquer chance de vingança pela morte de meu pai. Isso não é algo de que eu abra mão com facilidade. Mas não consigo fazer uma moça sofrer quando nada disso é culpa dela. Devo ser justo porque é meu dever como chefe do clã. Como posso liderar se for injusto com os inocentes? – É por isso que você é o laird, e não eu, e é por isso que nunca o desafiarei pelo direito de me tornar laird – Bowen disse com voz sóbria. – Você é muito parecido com o nosso pai. Ele ficaria orgulhoso. Eu não tenho o seu senso de justiça, porque tudo o que corre em minhas veias é o ódio por aqueles que trouxeram o sofrimento para o nosso clã. E para mim. Antes que Graeme pudesse responder, Bowen virou-se para se afastar. Passou pelo grupo de garotos que esperava alguma instrução e continuou a andar até desaparecer de vista. Iria cavalgar, como sempre fazia. De todos os filhos dos Montgomery, Bowen tinha sido o mais próximo do pai.


A relação de Graeme com Robert Montgomery sempre fora diferente. Tinha de ser. Ele era o herdeiro de Robert e precisava aprender seus deveres desde muito cedo. Já com Bowen seu pai relaxava mais, era mais paciente, e os dois amavam cavalos. Graeme não tinha ressentimento. Aceitava isso assim como aceitava tudo em sua vida. Simplesmente era assim. Bowen era mais passional. Sentia cada emoção profundamente. Quando do assassinato de seu pai, a tristeza que o atingiu foi imensa, e Graeme e Teague precisaram de todas as forças para impedi-lo de atacar sozinho a fortaleza dos Armstrong. Ele jurou vingança e, agora que essa possibilidade lhe fora arrancada, seu instinto precisava de um escape. Infelizmente, Eveline era um alvo fácil. Era uma Armstrong e representava tudo o que Bowen mais odiava. Graeme suspirou e esfregou a testa. Aquela situação havia se transformado em uma completa bagunça. A solução do rei não era solução alguma. Era apenas um curativo sobre uma ferida aberta que precisava ser fechada com uma faca quente. Ele passou as mãos sobre o cabelo e desceu pela nuca, antes de virar-se. Para a sua surpresa, ali estava Eveline, em pé, a poucos metros dele, com um olhar preocupado. Será que ouvira a conversa? Olhou para onde seu irmão caminhara e praguejou pela discussão ter acontecido de forma tão pública. Rorie apareceu logo depois, erguendo uma sobrancelha na direção de Graeme. – Você e Bowen discutiram? Graeme não estava com paciência para as gracinhas de Rorie. – Quanto do que falamos você ouviu? Quanto ela ouviu? Rorie sacudiu a cabeça. – Tínhamos acabado de chegar quando Bowen estava saindo de cara amarrada. – Já chega dos seus insultos – Graeme retrucou com veemência. Eveline franziu as sobrancelhas com força e depois entrou na frente de Rorie. Ela cruzou os braços e encarou Graeme com olhos ferozes. Atrás dela, Rorie começou a rir.


– Acho que Eveline está me protegendo de você, Graeme. – Até parece que você precisa de proteção – Graeme murmurou. – Sou eu quem precisa de proteção das suas maquinações. Rorie deu um passo ao lado de Eveline e tomou a mão dela, puxando-a de volta para a fortaleza. – Venha, Eveline. Vamos deixar o laird sozinho com seu mau humor. Graeme observou enquanto Eveline seguia Rorie e, mais uma vez, ficou encantado com a beleza dela. Mesmo quando olhou feio para Graeme, ela era uma beleza a ser admirada. Todo aquele cabelo loiro brilhando sob o sol, os olhos tão azuis que ele poderia se afogar neles. Ela era tão adorável de se olhar que até doía. Eveline fazia até seus dentes doerem por causa do desperdício. Tão jovem, tão linda, e uma tragédia roubou tanta coisa dela. Se após três anos não voltara ao normal, provavelmente nunca mais voltaria. Passar novamente pelas mulheres dentro da fortaleza era a última coisa que Eveline queria. Ela já tivera de fazer isso duas vezes desde que Rorie começara a mostrar os arredores, e a cada passada podia ler os insultos em seus lábios. Comentários insensíveis e cruéis. E Kierstan sempre estava lá, encarando Eveline friamente, com a palavra “cadela” nos lábios, como se fosse a única palavra que soubesse falar. Foi suficiente para Eveline desejar dar um soco naquela boca. Em sua própria casa, não se importava que as pessoas pensassem o que quisessem. Isso era essencial para a sua farsa. Mas ali? Não havia razão para permitir que aquilo continuasse. Não mudaria suas circunstâncias. Certamente, isso não a protegeu do casamento com Graeme. E agora não seria mais forçada a se casar com Ian McHugh, uma vez que já estava casada. Qualquer homem seria melhor que Ian. Ela preferiria casar-se com o diabo a entregar-se a um homem que deixara claro como ela seria tratada sob a sua “proteção”. Mas… sempre parecia existir um “mas”. Era o problema quando se cria uma teia de mentiras: elas acabam saindo do controle até tomar vida própria, e Eveline era incapaz de consertar tudo. Tinha ido longe demais. Estava presa em sua própria solução. E se Graeme ficasse furioso por ela não ser maluca?


Não que fosse ficar bravo por ela não ter um problema mental – provavelmente, ficaria aliviado –, mas fora gentil e bondoso com ela. Se não acreditasse que era “diferente”, será que continuaria a tratá-la com o mesmo respeito e compreensão? Passaria ele a odiá-la por causa de sua origem? Ficaria furioso por causa da mentira? Ela preparou-se para entrar no saguão. Não havia tantas mulheres quanto antes. Nem sinal de Kierstan, para alívio de Eveline, mas as poucas que estavam presentes pararam suas atividades para lançar olhares maldosos. Dessa vez, Eveline não se esforçou para enxergar o que diziam. Forçou o olhar nas costas de Rorie e seguiu- a até o estreito corredor do outro lado do saguão. Entraram em uma pequena câmara cheirando a mofo. Havia uma pilha de livros sobre uma escrivaninha, e apenas um estreito raio de luz brilhava entre as cortinas. Rorie empurrou uma delas, permitindo que o sol iluminasse mais o lugar. Então, sentou-se na cadeira e olhou para Eveline, parecendo muito satisfeita consigo mesma. Eveline ergueu uma sobrancelha, em questionamento, e depois olhou ao redor. Era uma sala pequena, mais um cubículo do que uma sala verdadeira. Mal havia espaço para a escrivaninha, e todas as pilhas de pergaminhos e livros faziam-na parecer ainda menor do que já era. Quando olhou de volta para Rorie, ela estava falando sem parar. Eveline tentou se concentrar para acompanhar o que a garota dizia. – … escritório do meu pai. Mas quero que se torne meu. Graeme prometeu chamar o padre Drummond para me ensinar a ler e escrever. Então, poderei fazer a contabilidade para Graeme e ele não precisará mais se preocupar em fazer isso. Eveline ficou ainda mais confusa. Parecia estranho uma mulher querer fazer isso, mas então pensou o que significaria ler e escrever para ela própria. Seria uma maneira de se comunicar, desde que a pessoa com quem conversasse também soubesse ler e escrever. Seria possível para ela aprender uma coisa dessas, já que não conseguia ouvir nada? Ela deu um passo em direção à mesa, em uma postura inquieta enquanto olhava para Rorie. Então, apontou para si mesma e depois para os livros e pergaminhos. Eveline inclinou a cabeça em um claro questionamento. Rorie pensou por um momento enquanto estudava sua cunhada. Eveline repetiu o movimento, incluindo Rorie dessa vez, para que entendesse o que estava pedindo.


– Você também quer aprender a ler e escrever? – Rorie parecia surpresa com essa ideia. Eveline assentiu vigorosamente. Rorie cerrou os olhos, como se suspeitasse de algo, e levantou-se, apoiando as palmas das mãos sobre a madeira envelhecida. Ela inclinou-se para a frente, com suas feições quase formando uma carranca. Seus olhos encontraram os de Eveline. – Você é mesmo maluca, Eveline Armstrong?


Capítulo 16 Eveline apertou os lábios em uma linha fina. Ela queria desviar os olhos, fingir que não havia entendido, mas, se fizesse isso, Rorie poderia perceber ainda mais do que já havia percebido. E não acabara de decidir que não havia mais necessidade de fingir? Talvez pudesse começar a entrar nessa nova vida dando um passo de cada vez. Eveline engoliu em seco e depois lentamente negou com a cabeça. – O quê? Não, você não é maluca? Não, você não é normal? Por que está balançando a cabeça? – Rorie perguntou. Eveline endireitou os ombros, ergueu o queixo e depois encarou Rorie com intensidade. Ela cruzou os braços sobre o peito e, com firmeza, voltou a balançar a cabeça. – Você não é louca. Eveline repetiu o gesto negando com a cabeça. – Você entende o que estou perguntando? Eveline assentiu positivamente. Rorie respirou fundo e depois desabou de volta na cadeira, olhando para Eveline com uma clara incredulidade. – Então, por que diabos permite que as pessoas pensem isso de você? Eveline ergueu as mãos bem afastadas e depois as afastou ainda mais. Rorie arqueou uma sobrancelha. – É uma longa história? Eveline assentiu vigorosamente. – Certamente, é uma história que eu gostaria de ouvir. Eveline fez uma cara de tristeza e cruzou ainda mais os braços. – Você está com medo – Rorie disse.


Eveline hesitou por um instante e depois assentiu rapidamente. Odiava admitir fraquezas como essa, mas como poderia não estar com medo? Todos a odiavam ali. Rorie continuava analisando o rosto de Eveline intensamente, como se tentasse entrar em sua mente e arrancar seus pensamentos, ou, ao menos, comprovar se tinha mesmo sanidade. – Mas não apenas aqui. Em sua casa também. Você tinha medo. Por um logo tempo, Eveline permaneceu imóvel, sem querer admitir que sim, ela tinha medo no único lugar em que deveria se sentir segura. – Eveline? – Rorie chamou. Seu olhar caiu momentaneamente, mas assentiu de novo. – Então, me diga uma coisa – Rorie disse, enquanto se inclinava para a frente. – Você estava fingindo esse tempo todo? Desde o acidente? Não foi alguns anos atrás? Eveline encolheu os ombros. Quem podia dizer? Naqueles primeiros dias, ela realmente estava confusa e não se lembrava de muita coisa. Seu mundo estava caótico enquanto tentava lidar com tudo o que acontecia. Ela entendia por que seu clã chegara àquela conclusão. Por certo, agia como alguém que não tinha pleno controle de suas faculdades mentais. Os olhos de Rorie se arregalaram, como se tivesse acabado de pensar em algo. – Você consegue falar? Eveline sacudiu a cabeça. Isso não era mentira. Ela não tinha mais como saber se conseguia ou não. Não tinha como julgar os sons. Não poderia monitorar o volume de sua voz. Seus lábios tremeram com a lembrança de como formar palavras, mas ela não cedeu àquele impulso. – Então você fingiu ser louca porque tinha medo de alguma coisa e usou a loucura como disfarce. – Rorie esfregou o queixo pensativamente e depois inclinou a cabeça para o lado. – Não sei se isso faz de você tão louca quanto dizem ou se faz de você um gênio. Seja o que for, você devia estar realmente com medo para escolher um caminho tão difícil quanto esse. A boca de Eveline tremeu e ela agarrou seus braços até os dedos ficarem brancos. – Não quis ofendê-la – disse Rorie. – Posso ver que ainda sente medo. Graeme precisa saber disso, Eveline.


Ele poderia protegê-la, é um homem honrado. Eveline engoliu em seco e depois negou com a cabeça. Ela pousou a mão sobre o peito e depois bateu de leve algumas vezes. Então, tocou os lábios com um dedo e depois tocou o peito novamente. – Mas como você irá contar a ele? – Rorie perguntou. Eveline ergueu a mão, com a palma para cima na direção de Rorie, e a encarou intensamente. – Isso eu admito. Você conseguiu contar para mim, embora me permita dizer que esta é a conversa mais esquisita que já tive. Estou realmente surpresa. Eveline sorriu. – Eu estava preparada para não gostar de você… Eveline estremeceu. Isso não era novidade em sua vida, mas, mesmo assim, ela se sentiu inferior ouvindo aquilo. – Mas, não sei por quê, não consigo não gostar de você. Acho que você possui um certo charme. Então, já que gosto de você, terei de protegê-la do resto do clã, o que também significa que eles não ficarão felizes comigo – Rorie disse, dando de ombros. E completou: – De qualquer maneira, eles não gostam muito de mim. As mulheres me consideram uma inútil, e os homens pensam que me concentro demais em coisas que nenhuma moça da minha idade deveria se preocupar. A maioria me ignora e, se meu irmão não fosse o laird, eu seria tratada com ainda mais desdém. A expressão de Eveline fechou-se ao ouvir aquilo. Ela ergueu os punhos, e Rorie soltou uma risada. – Aqui estou eu falando em proteger você, mas, por algum motivo, parece que vai acontecer o contrário, não é mesmo? Olhando nos olhos de Rorie, Eveline levou um dedo até os lábios para ter certeza de que Rorie entendia seu pedido. Rorie suspirou. – É claro que não vou contar o seu segredo, desde que não dure por muito mais tempo e que não machuque ninguém, inclusive você mesma. Mas não vou permitir que fique escondida naquele quarto. Você irá jantar no saguão hoje e se sentará ao meu lado. Sei que os insultos das pessoas do clã a deixam magoada, mas, se você recuar e se esconder, as coisas só vão piorar. Eveline sabia que Rorie estava certa e, além disso, não queria mais manter aquela existência


solitária. Em sua velha casa, com a sua família, sempre viveu cercada por pessoas que a amavam, mas se sentia completamente sozinha. Em seu novo lar, cercada por estranhos e inimigos, ela encontrou alguém que a impedia de se sentir tão isolada. Rorie conhecia o segredo dela, o que era um bom começo. Com o tempo, encontraria uma maneira de contar tudo a Graeme e torceria para que ele reagisse bem. De repente, Rorie começou a sorrir. – Ah, Graeme está nos chamando. Aposto que estava nos procurando, pois já está quase na hora do jantar. Venha, vamos sair daqui antes que ele nos encontre. Graeme acabara de descer as escadas quando viu Rorie e Eveline entrarem no grande saguão. – Onde estavam? – Graeme exigiu saber, enquanto se aproximava com passos pesados. Rorie franziu as sobrancelhas. – Você sabia que eu estava levando a Eveline para conhecer a fortaleza. É importante que ela se familiarize com o seu novo lar. Graeme soltou um som de impaciência. – Onde estavam? Vocês entraram na fortaleza faz tempo, mas não consegui encontrá-las e ninguém as viu por aqui. – Eu a levei para o escritório do nosso pai. Graeme olhou-as e depois analisou Rorie. – Por que diabos a levaria até lá? Rorie deu de ombros. – É um dos meus lugares favoritos. Graeme moveu os olhos para Eveline. – Você deve estar com fome. Já está na hora de nos sentarmos para jantar… Você gostaria de comer lá cima, em seu quarto? A expressão de Eveline se tornou tensa, mas, antes que pudesse responder, Rorie rapidamente interveio. – Ela se sentará conosco, ao meu lado.


Enquanto Rorie falava, Eveline aproximou-se dela e ambas deram-se as mãos. Parecia que Rorie estava cumprindo o que ele pedira e estava se aproximando de Eveline. De fato, parecia fazer muito mais do que isso. Em geral, Rorie era uma garota que passava o tempo sozinha e isso não a incomodava. Agora, porém, parecia muito contente em ter a companhia de Eveline. Era algo que deveria alegrar Graeme e tirar um peso de seus ombros, pois não precisaria mais se preocupar sobre o que fazer com Eveline se ela ficasse amiga da sua irmã. Então, por que Graeme suspeitava que nem tudo era o que parecia? – Venha, vamos comer – Graeme disse. As criadas já estavam servindo a mesa e muitos dos homens já estavam sentados, esperando suas porções. Ele andou na frente de Rorie e Eveline, deixando que o seguissem até a plataforma onde ficava a mesa de honra. Subiu o degrau e depois se virou para ajudar Eveline. Seus olhos se arregalaram, mas ela, graciosamente, entregou-lhe a mão antes de subir o degrau. O toque dela foi um choque para ele. Trovões e relâmpagos ao mesmo tempo. Seus dedos eram macios, suaves e agradáveis, contrastando com a aspereza de sua própria pele. Ele nem deveria tocar a mão de Eveline por tanto tempo assim. Uma aspereza como a da sua mão era incompatível com tamanha delicadeza. Quando ele a posicionou à sua direita, Rorie começou a protestar. – Sente-se do outro lado dela – Graeme disse. – Bowen pode se sentar ao seu lado hoje. – Ele não vai gostar – Rorie murmurou. – Seria melhor se você colocasse Eveline do meu outro lado, para que ela fique longe de Teague e Bowen. Eles não gostam dela. Graeme suspirou. – Você acha que eu permitiria que a insultassem na minha presença? – Não, mas ela saberá. Ela percebe a maneira como a olham. – Agradeço sua vontade de protegê-la, Rorie, mas não pense que também não posso oferecer proteção. É meu dever de marido, e um dever que levo muito a sério.


Agora sentem-se. As duas. Eveline sentou-se, e Rorie deu a volta para tomar o outro lugar ao seu lado. Graeme sentou-se à cabeceira da mesa. Mais membros do clã chegaram e, então, seus irmãos apareceram. A expressão de Teague tornou-se irritada quando viu Eveline ocupando o lugar de Bowen, que não percebera o novo arranjo da mesa até se aproximar, mas, assim que se deu conta, conseguiu manter suas reações sob controle. – Você se sentará ao lado de Rorie hoje, Bowen. Bowen ficou em silêncio quando tomou seu lugar do outro lado de Rorie. Teague sentou-se na frente de Eveline e fechou o rosto em sua direção. Para a surpresa de Graeme, ela encarou Teague de volta com a mesma intensidade, e não recuou. Teague, tomou aquilo como um desafio e continuou com a silenciosa batalha de olhares. A cada segundo que se passava, a expressão de Eveline se tornava cada vez mais feroz e sua boca se apertava em uma única linha. De maneira surpreendente, Teague foi o primeiro a ceder. Ele desviou os olhos e, em seguida, olhou para Graeme, como se esperasse uma reprimenda. Mas a reprimenda veio no modo como Graeme retribuiu-lhe o olhar. Teague corou, mas não olhou mais para Eveline. – Agora, podemos começar a jantar – Graeme disse calmamente. A mesa caiu em um silêncio atípico enquanto começavam a destrinchar o cordeiro. Em geral, havia um relato do dia, e os irmãos conversavam sobre as estratégias do treinamento ou o que planejavam para o dia seguinte. Em vez disso, Bowen virou-se para os guerreiros de maior posição, homens que jantavam todos os dias com Graeme, e conversou sobre as sessões de treinamento. Após um tempo, a conversa recaiu sobre a divertida história dos garotos que Bowen havia treinado no uso do arco e flecha e quantos soldados dos Montgomery ainda estavam tirando flechas de seus traseiros após a sessão de treinamento. Determinado a não deixar que o jantar se tornasse constrangedor demais, Graeme virou-se para Eveline. – O que está achando da fortaleza? Ela o ignorou, concentrando-se em seu ensopado.


Eveline mastigou um pedaço de pão e depois apanhou a caneca de cerveja. Então, virou-se para ele e piscou. O rubor tomou conta de seu rosto, e um tom rosado tingiu suas bochechas. Eveline inclinou a cabeça de lado e olhou para ele com um óbvio questionamento. – Perguntei o que está achando da fortaleza. Eveline assentiu e depois levantou os braços, esticando-os até quase acertar o nariz de Rorie. – Não é maior que a fortaleza da sua família – ele disse. Ela sacudiu a cabeça, discordando, depois apertou os lábios. Após olhar ao redor do saguão, ela apontou, fazendo um grande movimento circular antes de tocar a ponta do dedo na mesa. E então, mais uma vez, separou as mãos para indicar tamanho. Graeme assentiu. – Sim, nosso saguão é maior que o seu, mas acredito que abrigamos mais pessoas. Eveline assentiu, concordando. Ele estava prestes a fazer outra pergunta, quando Eveline ficou tensa. Seu corpo inteiro ficou rígido e ela parou, baixando a colher sobre o ensopado. Era apenas uma das criadas, Kierstan. Ela carregava uma caneca de cerveja e serviu Teague primeiro. Depois, aproximou-se de Graeme, mas o fez de forma a ficar entre ele e Eveline. – Aceita mais cerveja, Eveline? – Graeme perguntou, querendo que Kierstan a servisse primeiro. Então Kierstan virou-se e tropeçou, derramando toda a cerveja sobre Eveline. A bebida se espalhou sobre seu peito e seus braços, encharcando o vestido. Pingava de seu queixo e arruinou o prato de ensopado que a moça estava tomando. Graeme ficou tão atordoado que, a princípio, apenas permaneceu parado, olhando horrorizado o erro da mulher. Os olhos de Eveline se encheram de mágoa, mas então ela pareceu se recuperar e se levantou discretamente. – Sinto muito – Kierstan disse. – Foi um acidente, laird. – É para sua lady que você deveria pedir desculpas – Graeme retrucou. Mas Kierstan não se virou para Eveline. Rapidamente, começou a empurrar o líquido que se


acumulava na mesa para longe de Graeme, mas acabou enviando-o para a direção de Eveline. Eveline ainda estava em pé, com a humilhação estampada no rosto. – Vá buscar algo para limpá-la – Graeme disse rispidamente. – Não é de mim que você deveria estar cuidando. Então ele se levantou para tomar a mão de Eveline, mas ela passou por ele, com a cerveja ainda pingando de suas roupas, e nem lhe deu atenção enquanto andava em silêncio pelo saguão. Rorie também se levantou e gritou com raiva: – Cadela! – Rorie! – Bowen disse, com o choque evidente na voz. – Isso não é jeito de falar, mesmo a uma criada. – Ela fez de propósito – Rorie disse. – Ela atormentou Eveline o dia todo e sabe muito bem disso. Ela não perdeu nenhuma chance de chamá-la de cadela. Estou só devolvendo-lhe o tratamento. – Isso é verdade? – Graeme perguntou, virando-se para Kierstan. – Não! Foi um acidente. Eu juro. – E as outras acusações? Você chamou a sua lady de cadela? Você a insultou de alguma forma? A expressão de Kierstan tornou-se mais sombria e um desafio surgiu em seus olhos. – Não insultei minha lady, pois ela não é minha lady. – Suma daqui – Graeme ordenou –, e não apareça mais na minha frente. Você não irá mais servir no saguão. Kierstan ficou pálida. Ela começou a falar de novo, mas Graeme a silenciou com um único olhar. – Vá embora – ordenou. Ela se virou e sumiu. Rorie ainda estava furiosa, com o rosto vermelho e os punhos cerrados. – A punição dela é muito leve, Graeme. – Já acabou, Rorie. Não vamos mais falar sobre isso.


O clã precisa de tempo para se ajustar à presença de Eveline. – Então você permitirá um desrespeito desses até eles se ajustarem? – ela perguntou, incrédula. Graeme cerrou os olhos. – Você está me questionando? Kierstan não ficará sem punição. Mas eu também não irei derrubar os muros da fortaleza e causar a ira do clã toda vez que as emoções se exacerbarem por aqui. Você considera o meu desejo de intermediar como um sinal de que estou permitindo que Eveline seja insultada, mas sabe que eu não faria isso. Ele se virou e começou a deixar o saguão. Rorie o chamou. – Para onde está indo? Apenas na porta ele parou e se virou. – Estou indo ver minha esposa. Rorie ficou estranhamente satisfeita quando retomou seu lugar.


Capítulo 17 Graeme percebeu-se completamente inseguro enquanto subia as escadas. Até parou um pouco antes do quarto, pois não sabia o que faria com Eveline quando a encontrasse. Se Rorie estivesse certa sobre Kierstan ter derramado a cerveja de propósito, então ela teria de ser banida da fortaleza e enviada para trabalhar nos campos de grãos. Ele estava em uma posição difícil, porque não queria demonstrar para o seu clã que tomara as dores de uma Armstrong, mas também não queria abandonar sua esposa, independente de quem fosse, para ser insultada pelos outros. Quando finalmente alcançou o quarto, ele abriu a porta e entrou, e foi surpreendido pela visão de Eveline nua, de costas para ele. Por um momento, Graeme ficou hipnotizado. Seus cabelos estavam soltos e caíam em ondas sobre as costas, alcançando o topo de seu traseiro redondo. Ali pairavam tentadoramente, raspando a pele macia. Eveline era uma moça muito bem formada. Um traseiro voluptuoso e curvilíneo, cintura estreita e quadris que balançavam graciosamente. Então ele sentiu-se imediatamente culpado por ficar ali desejando aquele corpo, o corpo de uma mulher que, provavelmente, não fazia ideia de tais coisas nem as entendia. Graeme virou-se, determinado a dar privacidade para que ela terminasse de se vestir, apesar de tentado a não apenas olhar, mas a esperar que ela se virasse para poder ter uma visão completa. Ele ouviu a água da vasilha sendo usada e quase gemeu com a ideia de que ela estava terminando de se banhar ali mesmo, a poucos metros. Bastava virar-se. Seria uma visão que o agradaria muito. Olhar sua esposa se banhando. Ele podia imaginar o caminho da toalha molhada arrastando-se por aquele corpo. Graeme poderia estar deitado na cama, aproveitando aquela visão maravilhosa, em vez de ficar ali de costas para ela, para não assustá-la. A atração era inapropriada, mas o corpo de Graeme parecia não se importar com o que sua mente pensava. Seu corpo considerava Eveline excitante e não havia nada que ele pudesse fazer sobre isso. Então, Graeme ouviu um soluço e entendeu que a esposa finalmente o vira ali parado. Virou-se lentamente, mantendo os olhos afastados, e quando arriscou erguer os olhos, viu Eveline agarrando o lençol da cama para cobrir o corpo nu enquanto olhava para ele com os olhos


arregalados. Não havia medo em seu olhar, e isso o aliviou imensamente. A última coisa de que precisava era de uma mulher histérica em seu quarto. – Queria saber como você estava – Graeme disse. Eveline assentiu, ainda agarrando o lençol sobre os seios. – Talvez seja melhor eu voltar quando terminar de se vestir. Ela hesitou por um momento antes de assentir lentamente. Graeme perguntou-se o que teria sido aquela hesitação e o que ela estaria pensando enquanto o olhava de volta, com aqueles olhos tão sérios e contemplativos. – Certo, então – Graeme murmurou. Ele se virou e se apressou para o saguão, fechando a porta atrás de si. Graeme sentiu-se um idiota do lado de fora de seu próprio quarto enquanto sua esposa se vestia lá dentro. Ela era dele. Pertencia a ele. Não havia parte dela que lhe devesse ser negada. Todavia, por mais que tentasse dizer isso a si mesmo, ou racionalizar o desejo que fervia em suas veias, Graeme não conseguia convencer sua mente de que não era um canalha da pior espécie por pensar dessa maneira. Ele ainda estava ali em pé no corredor, torcendo para que ninguém aparecesse, quando a porta do quarto se abriu e Eveline espiou para fora. Ela sorriu abertamente quando o viu e fez um gesto para que entrasse. Ela estava completamente vestida agora, com uma roupa limpa e fresca com um bonito decote bordado. Graeme entrou no quarto e encontrou-a sentada na beirada da cama – a sua cama –, e sorriu quando seus olhos se encontraram de novo. – Sinto muito pelo que aconteceu lá embaixo – ele disse com voz grave. – Kierstan não servirá mais no saguão. A expressão de Eveline se tornou sóbria, e uma tristeza cobriu seus olhos brilhantes. Graeme sentou-se no banco em frente à lareira, sem confiar em si mesmo para sentar-se na cama ao lado dela. – Você acha que foi intencional, Eveline? Kierstan a maltratou?


Ele não conseguiu ler a expressão da esposa. Eveline pareceu pensar um pouco sobre o assunto, e então cerrou os olhos. Eveline encolheu os ombros, mas Graeme não acreditou nem por um instante que ela não tivesse uma opinião formada sobre o que acontecera; ainda assim, respeitou o fato de ela não querer lançar acusações, mesmo se tivessem mérito. Ele preocupava-se com a habilidade de Eveline entender a situação, saber como se encaixar e que tipo de problemas sua presença causaria. Mas, até agora, as ações dela tinham sido exemplares, enquanto o comportamento infantil de seu próprio clã o enchia de vergonha. – Quero que você se sinta bem-vinda aqui, Eveline. É importante para mim que seja feliz. Ela sorriu novamente, e seus olhos brilharam sob a luz das velas. Então, inclinou a cabeça, apontando para a cama, e depois para ele. Graeme estranhou um pouco, mas depois percebeu que sua esposa queria saber se ele pretendia se deitar. Na verdade, ele nunca se deitava tão cedo, mas, já que estava ali, seria constrangedor dizer não a ela e voltar lá para baixo. E ele concordou em deitar-se. Ela sorriu, aparentemente encantada por ele não sair do quarto outra vez. Então Eveline levantou-se e andou até a pilha de lenha. Graeme olhou sobre o ombro e viu-a passar timidamente ao seu lado para acrescentar lenha ao fogo. Ele virou-se rapidamente, agarrando o pulso dela. Eveline olhou para ele com surpresa, e Graeme suavizou o toque, mas sacudiu a cabeça. – Não precisa agir como uma criada comigo, Eveline. Ficarei feliz de acrescentar lenha ao fogo. Você está com frio? Ela ficou corada, sacudiu a cabeça e apontou para ele. Algo aconteceu em seu peito quando Graeme percebeu que ela estava tentando cuidar dele. Eveline pensou que, já que ele estava se preparando para deitar, então gostaria que o quarto estivesse aquecido. – Gentileza sua – ele disse, oferecendo-lhe um sorriso –, mas não é necessário. Ele tomou a lenha de suas mãos e depois a jogou no fogo, para que as labaredas voltassem a subir.


Quando se afastou da lareira, percebeu que Eveline havia voltado para a beirada da cama, e agora o encarava intensamente. Ela parecia querer perguntar algo. Graeme não tinha certeza sobre como sabia disso, mas havia um ar hesitante ao redor dela, quase como se quisesse se comunicar com ele, mas temesse fazer isso. Ele ajeitou-se de volta no banco, ficando de frente para ela, determinado a não sufocá-la. Queria que ela tivesse bastante espaço e queria parecer o menos ameaçador possível. – Eveline, você quer dizer algo para mim? Ela segurou as mãos sobre o colo, olhou na direção dos travesseiros na cama e, depois, olhou de volta para Graeme, apontando para o travesseiro que usara na noite anterior. Eveline apontou de volta para si mesma, depois fez um gesto para o travesseiro de Graeme e apontou para ele. Graeme pareceu confuso, sem entender o que ela estava pedindo. Ela também franziu as sobrancelhas e sua expressão se tornou pensativa. Então, Eveline virou- se e entrou debaixo das cobertas, tomando o seu lugar do lado mais distante, pousando a cabeça sobre o travesseiro. Ela o olhou e bateu de leve no espaço ao seu lado. Os olhos dele se arregalaram, e Graeme finalmente entendeu a intenção dela. Eveline queria que ele se deitasse com ela. Suspirando, ele levantou-se, sem saber o que deveria dizer ou fazer. Não sabia quais eram as expectativas dela e, com certeza, não queria assustá-la. Ela rolou para o lado, puxando as cobertas sobre o ombro e ficando de frente para a parede, dando a ele a mesma privacidade que ele lhe dera momentos atrás. Graeme sorriu, achando graça por ela pensar que ele se preocuparia em se despir na sua frente. Mesmo assim, foi um gesto doce considerar seus desejos sobre o assunto. Embora não soubesse se aquilo seria a coisa certa a fazer, Graeme decidiu que não faria mal dormir com ela mais uma vez. Por algum motivo, pensou que, se recusasse, ela não receberia essa rejeição muito bem. Era uma moça muito doce, e ele queria poupar seus sentimentos a qualquer custo. Após decidir que seria melhor se deitar com as roupas do corpo, Graeme cuidadosamente puxou as cobertas e deslizou para a cama ao lado dela. Ele podia sentir o calor da esposa mesmo através do espaço vazio entre ambos, e seu aroma sussurrava de modo intoxicante sob o seu nariz. Os sais de banho que ela usara possuíam um


perfume delicado, como uma flor na primavera. Ele alcançou a vela ao lado da cama e soprou a chama, deixando o quarto em meio à penumbra. Apenas a luz da lareira iluminava o lugar. Eveline rolou de novo na cama e, antes que ele pudesse imaginar qual era a sua intenção, ela aninhou-se ao seu lado, deitando a cabeça sobre o seu ombro. Graeme permaneceu imóvel enquanto ela se derretia contra seu corpo, cada vez mais relaxada. Eveline emitiu um suspiro sonolento e enterrou a cabeça ainda mais na dobra de seu braço. Em um instante, a cadência suave de sua respiração encheu os ouvidos de Graeme, e ele percebeu que ela dormia profundamente. Satisfeita como uma gatinha em um cobertor, Eveline se acomodou contra ele, enlaçando as pernas ao seu lado. Dormir não seria nada fácil.


Capítulo 18 Na manhã seguinte, ao levantar-se, Eveline andou até a janela, enrolou um canto da cortina e prendeu-a com uma tira de couro. Depois testou a temperatura no ar, deixando que a brisa soprasse em seu rosto. O sol já estava alto o bastante para banhar a terra com seu calor, que espantava o frio da manhã. Ao longe, o rio refletia o sol. Havia um ponto na curva onde a água seguia o caminho ao redor da fortaleza. Várias árvores e uma formação rochosa forneciam privacidade, e seria difícil para alguém enxergar se ela se banhasse ali. A limpeza superficial da noite anterior não fora suficiente. Ela ainda podia sentir a pele grudenta por causa da cerveja. Seu cabelo também fora atingido e precisaria de uma boa limpeza, mas Eveline não queria visitar a casa de banho, onde forçosamente teria a companhia das outras mulheres do clã Montgomery. Se encontrasse Rorie, talvez pudesse convencê-la a servir de companhia ou, ao menos, ficar de guarda para que ninguém as seguisse até aquele ponto em particular no rio. Satisfeita com o seu plano e animada com a ideia de nadar um pouco, ela apanhou uma muda de roupa, escolheu uma das toalhas mais quentes para se secar e depois procurou os sais de banho que usara para se lavar na noite anterior. Com os braços cheios, saiu do quarto. Eveline passou pela porta aberta do quarto de Rorie, então percebeu que não saberia onde encontrá-la, já que não estava ali. Sentiu um frio na barriga e parou no topo da escada. Depois, uma raiva apertou seus lábios. Não permitiria que as mulheres do clã Montgomery a deixassem com tanto medo ao ponto de não querer sair de seus aposentos. Eveline desceu a escada com determinação e entrou no grande saguão com a cabeça erguida, como se fosse dona do lugar. Não parou em nenhum momento, embora muitas mulheres tivessem parado o que estavam fazendo, assim como no dia anterior. Ela exibiu sua expressão mais altiva, ergueu o queixo para o ar e continuou através da porta que levava para o pequeno escritório que Rorie lhe mostrara antes. Para seu alívio, quando abriu a porta, Rorie estava sentada na frente da escrivaninha, segurando uma pena e estudando um dos pergaminhos.


Rorie ergueu os olhos, surpresa por encontrar Eveline ali, carregando roupas e o cobertor. – Você está mudando de quarto de novo, Eveline? Eveline sorriu e sacudiu a cabeça. Deixou suas coisas sobre a escrivaninha e apontou para Rorie e para a janela. – Quer que eu pule da janela? O sorriso de Eveline aumentou, e seus ombros tremeram em uma risada silenciosa. Ela apontou para si mesma, depois apontou para a janela e colocou os dois braços juntos fazendo um movimento de braçada. Depois disso, franziu o nariz e fez um gesto para a sua pele e cabelo, apertando o nariz com dois dedos para reforçar a mensagem. – Você quer ir nadar… para poder se lavar? – Rorie perguntou. – Mas você sabe nadar? Eveline assentiu vigorosamente. – Eveline, está muito frio, talvez nem tanto sob o sol, mas a água deve estar muito gelada. Eveline encolheu os ombros. Estava acostumada com isso. A água seria tão fria ali quanto era na fortaleza dos Armstrong. – Graeme não vai gostar disso. Eveline franziu as sobrancelhas com força e depois sacudiu a cabeça. Então apontou de volta para Rorie e depois para si mesma. Rorie soltou uma risada. – Ah, quer que eu vá com você para que Graeme não descubra. Eveline sacudiu a cabeça. Depois colocou as mãos na escrivaninha, para que Rorie pudesse ver. Então, apontou para si mesma e, em seguida, pousou um dedo sobre a escrivaninha e fez um círculo como se estivesse nadando. Depois apontou para Rorie e para a escrivaninha, como se indicasse distância. Quando teve certeza de que Rorie entendeu onde estaria posicionada, Eveline levantou as mãos, apontou para Rorie e cruzou os braços sobre o peito, exibindo uma expressão forte, como se fosse uma guerreira. Rorie jogou a cabeça para trás e riu bastante. – Nossa – ela disse quando finalmente parou de rir. – Então quer que eu fique de guarda. Que


engraçado. Você e eu somos provavelmente as menores garotas do clã, com exceção das mais jovens, e você quer que eu espante qualquer pessoa que se aproximar de onde estiver tomando banho. Eveline assentiu. – Então, está bem. Isso provavelmente vai ser a coisa mais divertida do meu dia. As duas mulheres passaram pelo saguão, e Eveline ignorou os olhares suspeitos na sua direção. Não olhou para ninguém a fim de que não soubesse o que diziam sobre ela, e fez questão de passar longe de qualquer mulher em seu caminho. Uma vez lá fora, respirou fundo o ar fresco e virou o rosto para o sol esquentar sua pele. Rorie colocou-se na frente para conduzi-la até o portão, onde ficavam as torres dos vigias. Eveline não considerara que outras pessoas teriam de saber para onde estavam indo e ficou horrorizada pensando no que Rorie iria dizer. Ficou com mais medo ainda quando dois homens a cavalo se aproximaram com a óbvia intenção de acompanhá-las para fora do portão até o rio. Observou apreensiva enquanto Rorie retornava da conversa com os guardas. Rorie levantou as mãos, pedindo desculpas. – Não há nada que possamos fazer, Eveline. Graeme passou instruções rígidas sobre essas coisas. Ele nunca permitiria que duas mulheres deixassem a fortaleza desacompanhadas. Mas eu disse aos homens que terão de manter uma distância respeitável. Eles não poderão vê-la, mas não é possível mesmo irmos sozinhas até o rio. Eveline olhou desconfiada para os dois guerreiros, que não pareciam hostis. Não havia julgamento em seus olhos e nem pareciam não gostar da tarefa de acompanhar a esposa e a irmã do chefe do clã até o rio. – Eles querem saber se gostaríamos de cavalgar com eles ou de caminhar – Rorie disse. Eveline rapidamente sacudiu a cabeça e deu um passo para trás. Um pânico apertou sua garganta quando olhou para as duas enormes criaturas. Rorie ergueu a mão. – Tudo bem. Vou dizer-lhes que apenas nos sigam. Então, vamos. Estão abrindo o portão para nós. – Quem está ficando maluco com essa coisa toda sou eu – Graeme murmurou.


Bowen acariciou o pescoço de seu cavalo e depois o tocou afetuosamente, enquanto diminuía a velocidade. Já fazia uma hora que Graeme havia ido cavalgar com Bowen. Ele precisava sair um pouco da fortaleza e clarear a mente. A situação com Eveline o deixara acordado a noite toda. Ela o deixara acordado a noite toda. Eveline agira como se fosse a coisa mais natural do mundo dormir em sua cama, aconchegarse em seu corpo e tocá-lo como uma esposa tocaria o marido. Não que tenha sido íntima demais, mas estava claramente curiosa e, além disso, não parecia estar com medo dele. Graeme não sabia se ela tinha alguma ideia da reação que estava causando. Imaginava que Eveline não conhecia o curso natural das coisas entre uma esposa e um marido. Ou será que conhecia? De qualquer maneira, estar tão perto dela à noite, sentir seu cheiro, sentir seu toque… Era mais do que um homem poderia suportar. Se ele fosse outra pessoa, já teria buscado outra mulher para encontrar alívio. Tomaria uma amante. Mas, mesmo antes do casamento com Eveline, Graeme fora celibatário na maior parte do tempo, pois levantar a saia de uma mulher para uma rápida diversão sempre o deixava se sentindo… trapaceado. Seus irmãos riam e o chamavam de padre Montgomery. Provocavam-no e diziam que a maioria dos monges, provavelmente, tinha mais experiência com mulheres do que ele, e talvez fosse verdade. Embora Graeme não fosse ignorante sobre mulheres, não poderia ser considerado um especialista, como seus irmãos aparentemente eram. Ele sabia muito bem o que fazer com uma mulher. O problema era que estava tendo as fantasias mais perversas com uma mulher que deveria respeitar a todo custo. – Por que está se deixando controlar por essa garota a esse ponto? – Bowen perguntou. – Se não a quer em seu quarto, simplesmente a expulse para outro. Graeme suspirou. – Não quero fazer isso. Ela parece contente em meu… em nosso quarto. Acho que ficaria magoada se a tirasse de lá. Eveline possui uma expectativa de que precisamos ficar… juntos. – Então talvez você precise consumar o casamento – Bowen disse francamente. Graeme bufou. Não queria ter essa conversa com o irmão. Não queria ter essa conversa com ninguém. Mas precisava de alguma coisa, de algum conselho. Algumas palavras de sabedoria


que dissessem o que fazer sem que acabasse se sentindo um completo cretino. – Você a viu, Bowen. Você se deitaria com ela se o casamento acontecesse com você? Bowen pensou um pouco. – É uma pergunta difícil de responder, já que não sou casado com ela. Você é. – Você não é uma pessoa que maltrata os inocentes. Disso eu sei. Você tem boa aparência, é um homem que as mulheres gostam de olhar e, sim, não faltam aquelas que desejam se deitar com você, mas não consigo enxergá-lo levando uma mulher para a cama sem ter certeza de que ela soubesse exatamente o que iria acontecer. – Muitos homens não pensariam duas vezes, Graeme. Ela é sua esposa. É inteiramente possível que seja capaz de carregar seus herdeiros sem problema algum. Ela parece uma moça saudável o bastante e parece ser forte. Seja lá qual for o problema dela, não foi de nascença, mas de um acidente, então não precisa se preocupar com algum defeito que possa ser passado para os seus filhos. Acho que você está se preocupando demais. – Não pense que não tive tentação – Graeme disse com uma voz sombria. – E acho que isso é o que mais me incomoda. Eu não deveria ter esses pensamentos. Não deveria nem estar conversando sobre isso ou pesando minhas opções ou minha culpa com você, porque eu não deveria dar espaço para esses pensamentos. Bowen fez seu cavalo parar completamente e soltou uma pequena risada. – Bom, não posso culpá-lo por ter esses pensamentos. Na verdade, entendo completamente. A expressão de Graeme fechou-se, e ele voltou os olhos para onde Bowen estava olhando. Seu queixo caiu, e ele sacudiu a cabeça, incapaz de acreditar no que estava vendo. Do outro lado do rio, Eveline estava em pé, com água até a cintura, e ensaboava os cabelos. – Ela parece completamente normal para mim, meu irmão. E muito atraente. Tem a aparência de uma mulher formada e, meu Deus, há muito tempo que não vejo uma mulher tão formosa. Acho que sua culpa não faz sentido e você pensa demais sobre algo a que não deveria dar tanta importância.


O tom de zombaria na voz de Bowen fez Graeme acordar daquele transe. – Suma daqui! – Graeme exigiu. – Não olhe mais para ela. Bowen riu, mas virou o seu cavalo e começou a cavalgar na direção oposta. – Pense nisso, Graeme. A moça não é nenhuma criança nem jovem demais. É uma mulher feita, e a prova está diante dos seus olhos – disse Bowen, já a meia distância do irmão, e seguiu seu caminho, deixando sua risada irônica ecoar até Graeme. Graeme voltou a atenção para Eveline bem a tempo de vê-la enxaguar as mãos na água. Endireitou-se na sela e gritou o nome dela sobre o rio, com a intenção de mandar que saísse da água e se vestisse imediatamente. O que ela estava pensando quando resolveu tomar banho no meio do dia em um lugar onde qualquer pessoa poderia aparecer? Mas ela não o ouviu, ou decidiu ignorá-lo. Eveline nem ergueu os olhos, apenas continuou a se banhar. Uma inquietação tomou conta de Graeme. O rio era fundo ali e a correnteza era forte. Apenas mais adiante a profundidade do rio diminuía, mas ainda continuava fundo o bastante para carregar um corpo com facilidade, e rochas emergiam, criando uma corrente ainda mais traiçoeira. Se ela se desequilibrasse ou entrasse fundo demais, poderia facilmente ser carregada e jogada contra as pedras. Por um instante, Eveline fechou os olhos e jogou a cabeça para trás, como se buscasse o calor do sol. O movimento ergueu os seios para o alto, e Graeme gemeu. Ela era, de fato, muito bonita. E talvez o fato de não saber disso, ou de ser tão despretensiosa sobre sua aparência, apenas a deixava mais bela. Graeme não sabia o que a tornava tão atraente, e era por isso que se sentia tão culpado por desejá-la. Sabia, sem dúvida, que, se ela fosse qualquer outra mulher cuja sanidade fosse questionada, ele sentiria apenas pena. Por certo, não estaria pensando em se deitar com ela. O que ela merecia era compaixão. Era o que precisava, mas não encontrava isso em nenhum membro de seu clã, nem em Graeme. Quando jogou a cabeça para trás novamente, Eveline repentinamente mergulhou e sumiu nas águas. Graeme impeliu o cavalo a andar, sem tirar os olhos do rio, enquanto esperava que ela emergisse. Estava galopando o mais rápido que podia, com o coração martelando, enquanto ela permanecia lá embaixo. Ele deslizou para fora da sela enquanto o cavalo ainda se movia e cambaleou, apressando-se até a margem.


Ela ainda não tinha emergido. Graeme nem tentou tirar as botas ou qualquer parte das roupas. Apenas deslizou pela margem e mergulhou de cabeça no rio. O frio quase o fez engasgar, mas conseguiu não engolir água enquanto mergulhava cada vez mais fundo, movendo os braços ao redor, tentando encontrar Eveline. Se ela tivesse caído na correnteza, poderia já estar longe. Ele estava prestes a subir para tomar ar e chamar ajuda, quando sentiu uma mão em seu cabelo, puxando-o para cima. Ao colocar a cabeça para fora d’água, viu-se face a face com Eveline, que parecia preocupada. Com ele. Ela inclinou a cabeça para o lado, tocou em seu rosto e franziu as sobrancelhas, com os olhos claramente questionando se ele estava bem. Graeme sentiu uma súbita vontade de estrangulála. – Que diabos você está fazendo, mulher? – ele gritou. – Você tem ideia do que pensei? Pensei que estava se afogando, que não sabia nadar ou que tivesse sido levada pela correnteza e, a esta altura, estivesse morta nas pedras. Ela piscou, como se nenhum desses pensamentos tivesse passado por sua cabeça. Graeme praguejou ainda mais. Seu traseiro estava congelando e ela, flutuando ao seu lado, olhando-o como se ele estivesse louco. Eveline ergueu um braço, passou o dedo sobre ele e franziu o nariz em desgosto. Depois, apertou o nariz com dois dedos. – Um banho – ele resmungou. – Você queria tomar banho. Meu Deus, achou que estava cheirando mal? Ela assentiu seriamente. Depois, levantou as pontas molhadas do cabelo, como se quisesse dizer que apenas estava lavando-o. Graeme sacudiu a cabeça, mas ficou completamente imóvel quando ela tocou seu queixo. Um simples toque, mas ele sentiu como se tivesse sido tocado por um ferro em brasa. Um calor percorreu seu corpo, aliviando o formigamento que o frio já estava causando. Os lábios dela subiam e desciam, como se estivessem tentando dizer alguma coisa, mas então ela fechou a boca com força e exibiu um olhar triste, que apenas podia ser interpretado como um pedido de desculpa. E para o completo choque de Graeme, ela envolveu o pescoço dele com os braços, para servir


de apoio, e ergueu-se da água o suficiente para beijar seus lábios. Várias coisas aconteceram ao mesmo tempo. Aqueles seios fartos se apertaram contra o peito dele. Os mamilos dela estavam rígidos por causa do frio, e Graeme sentiu a pressão em sua pele. Os lábios de Eveline se derreteram sobre os dele, quentes e macios e, de repente, ele sentiu tanto calor quanto um homem debaixo do sol no dia mais quente do verão. Ah, como era doce aquela moça. A boca mais doce que já beijara. Graeme entregou-se ao desejo pecaminoso de possuir aquela boca magnífica e respondeu ao beijo plenamente. Sua língua acariciou os lábios dela, pedindo e seduzindo sua entrada. Ela soltou um suspiro e abriu a boca, permitindo que a língua dele entrasse. Ele gostava de beijar. Muitos homens não tinham paciência para isso. Seus homens debochavam, dizendo que beijar era perda de tempo e servia apenas para persuadir as moças ariscas. Mas, se uma moça estivesse disposta, eles preferiam ir direto para as partes mais rudimentares do amor. Para Graeme, porém, beijar era quase tão íntimo quanto o próprio ato de fazer amor. Não era algo para ser apressado ou oferecido como moeda de troca para uma moça relutante. Era uma expressão de sentimentos. Eveline, hesitantemente, passou a língua sobre a dele. Uma rápida carícia contra a ponta de sua língua e depois um recuo, mas, quando ele aprofundou o beijo, ela retornou, e logo estava explorando a sua boca da mesma maneira que ele explorava a dela. Quando finalmente desfez o contato, Eveline estava ofegante. Seu rosto estava corado e os olhos brilhavam. Sua aparência era de alguém que tinha bebido um pouco além da conta. E olhou para Graeme de um jeito que fez todo o corpo dele ferver com desejo e lascívia. Tanto que ele quis levá-la até a margem e possuí-la sob o sol aquecendo seus corpos. Ela tocou o lábio dele e depois os seus, demorando-se no inferior, que estava inchado pela força e duração do beijo. Então ela sorriu, e algo se derreteu dentro de Graeme. – Você vai congelar – ele murmurou, percebendo o arrepio que dançava por seus ombros e


braços. Graeme tomou-a nos braços e carregou-a para a margem oposta, longe de sua montaria. Em seguida, virou-se e assobiou para o cavalo, que, obedientemente, cruzou o rio. Ele viu as roupas de Eveline dobradas sobre uma pedra, mas ela também tinha uma toalha, o que era bom, pois ela estava tremendo. Graeme abaixou-a o suficiente para ela apanhar a toalha e depois a envolveu, cobrindo-a por inteiro. E fez questão de cobrir a cabeça. Ela encarou-o com olhos brilhando divertidamente quando tentou se mexer, pois ele a envolvera tão forte que ela mal conseguia mover os braços, menos ainda caminhar de volta para a fortaleza. Ele olhou para o cavalo, sabendo que era o jeito mais fácil de retornar, mas percebeu quando Eveline seguiu seu olhar e notou o pânico no semblante da esposa. O pai dela não havia mentido; a ideia de montar um cavalo a aterrorizava. Graeme tocou seu rosto, e ela o olhou de volta. – Não vou pedir para fazer algo que assuste você, Eveline. Ela relaxou e pousou o rosto sobre a palma da mão de Graeme, virando-o apenas o suficiente para beijar o interior de sua mão. Um gesto muito simples, mas Graeme sentiu-se tocado até o fundo de sua alma. Ele ergueu-a nos braços. A caminhada até a fortaleza não era longa, e ele também precisava de roupas secas. E gostava de ter Eveline em seus braços. Parecia natural abraçá-la daquela maneira. Como se tivesse concordado plenamente, ela acomodou-se e virou o rosto para o pescoço dele. Assobiando para o cavalo, Graeme começou a andar na direção da fortaleza. Ao passar pela fileira de árvores que envolvia o lugar onde Eveline escolhera para nadar, ele viu Rorie sentada no chão, com a cabeça abaixada. Ao aproximar-se, Graeme viu que a irmã estava cochilando, e que atrás dela, a uma boa distância, estavam dois de seus guerreiros montados. Ele quase riu. Claramente, Rorie estava de guarda e dormira em serviço. Ao menos seus homens ainda estavam alertas, embora Eveline pudesse ter se afogado e eles nunca saberiam. Mas também não queria que ficassem olhando enquanto ela nadava nua.


– Rorie – ele chamou. Rorie ergueu a cabeça de repente, arregalando os olhos enquanto procurava ao redor. Quando finalmente viu seu irmão segurando Eveline nos braços, levantou-se apressadamente. – O que aconteceu? Está tudo bem? – ela disse. – Está tudo bem – Graeme disse calmamente. – Vá na frente e acenda a lareira em meu quarto. Separe algo para ela vestir e coloque um dos cobertores perto do fogo para aquecê-lo. Depois peça a um dos homens que venha buscar as roupas de Eveline. Rorie pensou um pouco, como se quisesse discutir as ordens, mas Graeme lançou um olhar sugerindo que era melhor obedecer. – Vá – ele disse de novo, e Rorie virou-se e começou a andar na direção da torre de guarda.


Capítulo 19 Eveline suspirava em completo contentamento enquanto Graeme a carregava através do pátio e para dentro da fortaleza. Manteve os olhos fechados, pois estava determinada a não deixar que nada arruinasse o momento. Nada de olhares das pessoas do clã. Nada de comentários maldosos. Nada de insultos. Ele a carregou para dentro e depois subiu as escadas, e ela apenas abriu os olhos quando entraram no corredor que levava aos quartos. Rorie estava cuidando da lareira quando Graeme entrou no quarto. Ela apressou-se e depois fez um gesto na direção da cama. – Separei um vestido para ela usar e deixei um cobertor perto do fogo, como você me pediu. Eveline não se ajeitou para poder enxergar a resposta de Graeme, porém sentiu as vibrações em seu peito. Sentiu não apenas nos ouvidos, mas também contra a pele. Ela adorava o som e a sensação de sua voz. Queria voltar a escutar, para que não fizesse nada além de ouvi- lo falar. Ele devia ter a voz mais maravilhosa do mundo. Por que outra razão soaria tão deliciosamente em seus ouvidos? Antes de sair do quarto, Rorie acenou levemente para Eveline com o olhar, como que dizendo “agora é com você”. Não que Eveline se importasse. Ela adorava ter o marido apenas para si, quando ele podia falar diretamente com ela sem ninguém para se intrometer ou fazer coisas, como derramar cerveja sobre ela. Estava começando a gostar muito da ideia de ter Graeme como marido, e seria melhor ainda se pudessem superar o constrangimento causado pelas mentiras de seu passado. Eveline sabia que deveria revelar-se em algum momento para ele, mas quando? Será que isso destruiria a ternura que ele sentia por ela? Será que ele apenas sentia essa ternura por pena de seu estado? Essa ideia fez o estômago de Eveline se revirar, pois tudo poderia terminar de um jeito maravilhoso, mas também poderia terminar muito, muito errado, e qualquer proteção que ela tivesse no momento poderia simplesmente se evaporar num instante se a verdade fosse revelada. Graeme colocou-a na frente do fogo e depois apanhou o cobertor que Rorie havia deixado para esquentar.


Eveline olhou rapidamente para o rosto dele, sem querer perder nada que Graeme dizia. – Vou segurar o cobertor e você poderá soltar esse em que está enrolada e depois se cobrir com este até secar e se aquecer o bastante para se vestir. Ela percebeu o desconforto no rosto de Graeme e isso a deixou curiosa. Será que ele não a via como mulher? Não, não era isso. Ele a beijara. Reagira a ela como um homem reage a uma mulher. Eveline já vira seus pais se beijando. Já testemunhara outras pessoas em seu clã compartilhando beijos ardentes. O que acontecera entre ela e Graeme com certeza sacudiu suas fundações. Talvez ele não quisesse vê-la como uma mulher. Talvez nem a quisesse como esposa. Na verdade, não havia dúvida sobre isso. Estava óbvio que ele não queria uma esposa e, provavelmente, não mudara de opinião. Mas nenhum dos dois teve escolha e, para Eveline, o jeito era tirar o melhor daquela situação. Ela gostava de Graeme. Quanto mais tempo passava em sua presença, mais gostava dele e o respeitava. Graeme fora gentil e compreensivo com ela. Qualquer homem que fizesse isso com a filha de seu pior inimigo não poderia ser um homem mau. Lentamente, Eveline deixou o cobertor cair e Graeme apressou-se com o outro cobertor. Ela sorriu, prendeu-o sobre os braços e enrolou-se, enquanto se sentava no banco. Depois, fez um gesto para ele se sentar ao seu lado, querendo que também se secasse em frente à lareira. – Preciso tirar estas roupas molhadas – ele disse. Ela assentiu e se virou, pois estava óbvio que ele se sentia desconfortável despindo-se na presença dela. Como não conseguiu virar-se completamente, ela acabou enxergando-o com a visão periférica. Eveline estava extremamente curiosa sobre o corpo de seu marido e queria poder vê-lo por inteiro. Nunca vira um homem completamente nu antes. Ela segurou a respiração quando ele, rapidamente, tirou a túnica e a calça. Graeme virou-se de lado quando apanhou roupas secas de um baú ao pé da cama. Ele era… Eveline não sabia exatamente que palavras usar para expressar o seu espanto e admiração. Ele tinha o corpo de um guerreiro, mas era… lindo. Pernas grossas, músculos pesados, assim como os braços e os ombros largos. No meio de suas


pernas havia cabelos escuros ondulados e a sua masculinidade… Ela engoliu em seco, nervosamente, sem querer ser flagrada olhando, mas estava fascinada por aquela porção de sua anatomia em particular. Eveline conhecia o suficiente sobre todo o processo de acasalamento para saber o que entrava onde, mas não conseguia imaginar como. Parecia grande demais para caber dentro dela e, por mais que quisesse ser uma esposa de verdade e consumar o casamento, ela não conseguia imaginar que aquilo pudesse ser feito sem dor e sem um esforço considerável de sua parte. Mesmo assim, esse passo seria importante se quisesse se tornar uma esposa de verdade para Graeme. E Eveline queria isso. Queria sua aceitação e, eventualmente, a aceitação de seu clã, se é que isso era possível. Ela não queria ser para sempre a esposa que prendia Graeme, como um fardo que ele precisava carregar para que houvesse paz entre os clãs. Rapidamente, ela forçou os olhos para a frente quando Graeme terminou de se vestir e, um momento depois, ele se sentou ao seu lado diante da lareira. Eveline olhou para ele, sem querer perder nada do que dizia, mas ele permaneceu em silêncio, com os olhos focados nas chamas. Talvez ela pudesse beijá-lo de novo. Ela queria isso, mas estava nervosa sobre quanto ele seria receptivo, agora que não havia mais o elemento surpresa. Ela lambeu os lábios e continuou olhando para ele. Como se pudesse sentir a força do olhar da esposa, Graeme virou-se em sua direção. Seus olhos castanhos brilhavam com a luz da lareira, e ele parecia estudá-la, quase como se estivesse considerando seus pensamentos e palavras. – Eu não sei o que fazer com você, Eveline Armstrong. Ela sentiu a resignação em sua postura e expressão. Eveline ficou preocupada, não gostando das implicações daquela afirmação. – Não sei se o que sinto é correto e não gosto da culpa que me atingiu por ter gostado tanto do nosso beijo. Ela sorriu, com o coração mais leve do que antes, e sentiu uma vergonha repentina. Teria desviado os olhos, mas sabia que era importante enxergar o que ele diria em seguida. Então ela tocou seu queixo, movendo lentamente os dedos sobre seus lábios. Ele fechou os olhos, parecendo gostar daquele toque. Antes que pudesse reabri-los, Eveline chegou mais perto e beijou-o.


O cobertor se abriu parcialmente, mas ela não deu importância e manteve seus lábios cobrindo a boca dele com firmeza. Ela queria sentir seu sabor novamente, queria saborear sua língua e senti-la deslizando contra a sua. A respiração de Graeme vibrou contra os lábios de Eveline quando ele soltou um suspiro. De resignação? De entrega? Ela não podia dizer. Sabia apenas que ele abrira a boca e que a língua dele acariciava a sua calorosamente, retribuindo o beijo na medida certa. Parecia não haver relutância, nenhum sinal de que estivesse lutando contra essa emoção que surgia entre os dois. Fora o prazer mais doce já sentido por Eveline. Ela queria que o momento nunca terminasse, mas Graeme foi o primeiro a desfazer o contato, com olhos semiabertos enquanto a olhava. Ele afastou-a gentilmente. Pareceu um gesto mais simbólico do que uma simples separação, quase como se ele estivesse erguendo uma barreira visível entre os dois, ou como se precisasse da distância. – Tenho trabalho a fazer – ele disse. Sem olhar novamente para ela, Graeme levantou-se e andou até a porta do quarto. Ela não olhou sobre o ombro, por mais que quisesse. Eveline estava ao mesmo tempo encantada e desiludida pelo beijo e pela reação do marido. Ela ficou observando para as próprias mãos por um longo tempo, tentando digerir as diferentes emoções que sentia. Não tinha experiência nos assuntos do coração. Sua única experiência com um marido em potencial fora desastrosa, e ela jurara que nunca mais se permitiria colocar em uma situação como aquela em que se encontrara com Ian McHugh. Mas a verdade era que não tinha escolha com Graeme, e tudo poderia acabar tão mal ou pior do que um casamento com Ian. Ela apenas teve sorte por Graeme mostrar gentileza em vez de vingança. Respirando fundo, levantou-se, deixando o cobertor cair, e depois andou até a cama onde Rorie havia lhe deixado um vestido. Eveline não permitiria que nada estragasse o seu dia. Nenhum comentário maldoso dos membros do clã. Nem suas próprias dúvidas ou medos sobre revelar a verdade a Graeme. Ela gostou de seu primeiro beijo, o primeiro sabor da paixão e as primeiras faíscas de um desejo que gostaria de perseguir. Sabendo que Rorie estaria curiosa sobre o que fez Graeme carregá-la de volta, Eveline desceu as escadas, determinada a seguir brava-mente entre as pessoas do clã. Ela era a esposa de Graeme, quisessem ou não aceitar isso. Ela própria já havia aceitado e, se


tudo desse certo, Graeme também logo aceitaria. Com o tempo, seu clã o seguiria. Ela tinha de acreditar nisso. Quando terminou de descer os degraus, Eveline respirou fundo e passou pela porta que dava no saguão. Apressou-se até o outro lado, onde ficava a saída para o pequeno escritório onde Rorie gostava de passar tanto tempo. Mas o lugar estava escuro, com as cortinas cobrindo as janelas, e Rorie não estava em lugar algum. Contrariada, voltou para o saguão, decidindo aventurar- se fora da fortaleza, onde esperava descobrir o paradeiro da cunhada. Embora antes o saguão estivesse quase vazio, com exceção de algumas mulheres indo e vindo da cozinha, Eveline agora precisou encarar uma verdadeira multidão, ou, ao menos, era isso que parecia com tantas pessoas bloqueando o caminho para o pátio. Na frente do grupo de mulheres – Eveline contou cinco – estava Kierstan, cuja expressão irritada podia apenas significar que esse não seria um encontro amigável. Kierstan apertou os lábios. – Vadia. Eveline piscou, surpresa. Aquele não era seu método normal de insulto. Eveline francamente pensara que ela conseguia apenas falar uma palavra. As outras mulheres assentiram, com expressões tão intensas quanto a de Kierstan. – Você não tomará nosso laird com a sua sedução barata – Kierstan continuou. – Ele é um homem, e homens podem se encantar com um rosto bonito e um corpo disposto. Mas a nós você não engana. Não deixaremos que ele se esqueça quem e o quê você é. Você nunca será bem-vinda aqui, cadela dos Armstrong. Uma fúria quase cegou Eveline. As outras mulheres também jogavam insultos para ela. Todas concordavam com Kierstan e apoiavam o que ela dizia. Mas Eveline não conseguia acompanhar todas as bocas. O grupo de mulheres se tornou um borrão em sua visão enquanto ela era tomada por uma grande raiva. Eveline virou-se para a grande lareira no centro do saguão. Uma lareira onde havia duas espadas penduradas acima na parede. Estavam ao seu alcance, mas ela duvidava que estivessem prontas para um combate.


Pareciam mais ornamentais do que qualquer outra coisa, mas ela não se importava. Uma daquelas espadas, com certeza, ajudaria em sua causa. Se elas queriam loucura, então loucura é o que teriam. Eveline correu para a lareira, ficou na ponta dos pés e agarrou uma espada, rezando para que se soltasse e, depois, rezando para que não fosse pesada demais. O cabo era antigo e estava gasto, e a lâmina não era tão grossa ou grande como aquelas que seu clã carregava ou mesmo aquelas que vira os guerreiros dos Montgomery carregando. A espada se soltou sem protestar, e a raiva alimentou sua força quando cambaleou com o peso. Eveline se virou para as mulheres que agora a encaravam com inquietude. Ela se lançou para a frente, erguendo a lâmina para o alto, e então gritou, sem pensar no volume da voz. Não se importava se o teto tremesse. A palavra – a única palavra – que foi capaz de articular surgiu do fundo do peito e se arrastou pela garganta com toda a força que conseguia. – F-F-FORAA!!


Capítulo 20 – Laird, venha rápido! Ela está completamente louca! Você precisa impedi-la antes que mate alguém! O treinamento parou em todo o pátio quando a mulher gritou para Graeme. Bowen se levantou, e Graeme baixou a espada. Ele ergueu a mão para que a mulher se acalmasse e ele pudesse entender que diabos estava acontecendo. Um murmúrio surgiu entre os guerreiros. De dentro da fortaleza, um horrendo grito pôde ser ouvido: “FOOOORAAA!”. Mais gritaria se seguiu, e a mulher na frente de Graeme recomeçou sua explicação histérica. – Silêncio! – Graeme rugiu. – Não consigo ouvir o que está acontecendo! Ele avançou até a mulher diante dele – era Mary? – e tentou manter a voz calma e medida. – O que há de errado? Quem você está dizendo que enlouqueceu e quer matar as pessoas? – É sua esposa, laird! Ela apontou uma espada para as mulheres no saguão. Você precisa vir rápido! Graeme deixou a espada cair e começou a correr. Quando dobrou a esquina, a cena que viu o fez parar imediatamente. – Jesus – Bowen sussurrou. – É verdade. Ela está louca! Graeme virou-se rapidamente e viu que seus irmãos e a maioria dos homens o haviam seguido. Depois voltou a atenção para Eveline, que estava na porta da fortaleza empunhando a espada na direção das mulheres com uma carranca marcando seu lindo rosto. Na sua frente, um grupo de mulheres recuava lentamente para longe da porta. Apenas uma parecia desafiar Eveline. Kierstan, a mesma garota que lhe derramara cerveja na noite anterior. Graeme podia ouvir os insultos que ela gritava para Eveline, que gritou alto o bastante para que toda a fortaleza ouvisse. – FORA! Meu Deus, o grito que ele ouvira era dela. Eveline falou!


Ele correu o resto do caminho e entrou na frente de Kierstan, inserindo-se entre as duas. Kierstan imediatamente se dissolveu em lágrimas e se jogou em Graeme. – Oh, graças a Deus você está aqui, laird. Isso é horrível. Ela ameaçou matar todas nós. Veja só, ela está louca. Ela nos perseguiu pelo saguão. Não sei o que aconteceu. Ela simplesmente arrancou a espada da parede e começou a correr atrás de nós. Graeme olhou para Eveline e, a princípio, tudo o que viu foi a fúria em seu rosto e a expressão de raiva que exibia. Mas então olhou em seus olhos e enxergou medo e uma clara perturbação. Ao estudá-la mais de perto, viu que suas mãos tremiam e ela se esforçava para manter a espada erguida. – Eveline, baixe a espada – ele disse numa voz calma. Ela sacudiu a cabeça, levantando o queixo ainda mais. Então apontou para o grupo de mulheres e gritou novamente. – Fora! Rorie abriu caminho pela multidão, que aumentava cada vez mais. Ela jogou um olhar de puro desgosto para Kierstan e depois se virou para Graeme. – Não é culpa dela, Graeme. Elas foram cruéis com Eveline. Era insulto atrás de insulto, e não perdiam oportunidade para menosprezá-la e caçoar dela. – Eu não disse que a culpo – Graeme respondeu calmamente. – Mas gostaria que ela baixasse a espada antes que machuque a si mesma. Graeme deu um passo à frente, sem parar de olhar para a esposa. – Eveline – ele disse gentilmente. – Por favor, entregue a espada. Ninguém irá machucá-la. Eu juro. Ela virou os olhos para as mulheres que ainda se mantinham afastadas e apertou os lábios. – Fora – ela repetiu. Então, seus lábios tremeram e se curvaram para baixo. Uma profunda tristeza entrou em seus olhos, que se encheram de lágrimas. Quando olhou novamente para Graeme, havia uma clara derrota no olhar dele, o que partiu seu coração. Uma raiva surgiu no peito de Graeme. No momento, ele não se importava com os sentimentos de seu clã nem se tinham o direito de não gostar do casamento arranjado. Tudo o que sabia era que uma inocente estava sendo machucada por suas palavras e ações, e ele não mais permitiria


isso. Graeme virou-se e encarou Kierstan e as outras mulheres. – Vão embora – ele disse rispidamente. – Todas vocês. Não voltarão mais para a fortaleza. Irão trabalhar nos campos e ajudar com as cabanas, mas nunca mais servirão em minha fortaleza. Kierstan empalideceu. As mulheres ao redor quase engasgaram. Uma torceu as mãos, a outra começou a soluçar, mas ele só conseguia pensar em sua esposa, que estava quase chorando por causa de todo abuso que sofrera. – Perdoe-me, laird, mas a fortaleza precisa do serviço das mulheres na cozinha e na limpeza – disse Nora, a mulher com a posição mais alta, encarregada de supervisionar o trabalho das mulheres do clã. – Encontre outras – Graeme retrucou. – Estas não poderão mais pisar na fortaleza de novo nem poderão abordar minha esposa diretamente. Se desobedecerem, serão expulsas do clã. Exclamações e sons incrédulos ecoaram pela multidão. O burburinho intensificou-se. Acusações surgiram. Seu laird estava tomando o lado da mulher dos Armstrong. Mesmo enquanto ainda ouvia as afirmações, Graeme virou-se para seus irmãos para medir suas reações. – Você sabe que tem o meu apoio, Graeme – disse Teague com sua voz grave. – É óbvio que elas dificultaram muito as coisas para a sua esposa. Não ficarei contra sua ordem, darei apoio a ela. Bowen demorou mais para responder. Ele estudou o grupo de mulheres e depois voltou a atenção para Eveline e encarou-a intensamente. – Ela consegue falar – Bowen disse. Não foi o que Graeme esperava ouvir e, por um momento, a afirmação de Bowen o tomou de surpresa. Bowen virou-se para Graeme. – Disseram que ela nunca mais falou desde o acidente, mas hoje nós a ouvimos gritar tão alto que toda a fortaleza pôde ouvi-la. Seja lá o que a forçou a quebrar o silêncio, deve ter sido algo muito forte, concorda? – Sim – Graeme disse com uma voz sombria. – Eu diria que ela sofreu um trauma extremo


para ter seu silêncio quebrado. Bowen olhou intensamente para Eveline mais uma vez. – Então, talvez sua loucura também tenha sido exagerada. Um alívio percorreu o peito de Graeme. Seus dois irmãos estavam se colocando do lado de Eveline e contra o seu clã. Ele sabia que, se quisessem, seria fácil colocar o clã contra ele. Um deles poderia até tentar usurpar o poder, ganhando a aprovação e o apoio de todos. Mas permaneceram com ele. Com Eveline. Graeme foi até ela, perto o bastante para tocar seu rosto. Seu braço ficou a meros centímetros da espada. Se ela fizesse algum movimento súbito, poderia cortar seu braço fora. E ela também sabia disso. Eveline baixou os olhos, e quando Graeme a tocou, ela lentamente baixou a espada até a ponta tocar o chão. – Entregue a espada – ele disse gentilmente. – Não quero que você se machuque, Eveline. Não permitirei que elas voltem para a fortaleza. Elas não irão mais magoá-la. Nunca mais servirão aqui dentro. Os olhos dela se arregalaram, e Graeme sentiu-se mal por ela ficar chocada e surpresa por ele ter escolhido ficar do lado dela, e não de seu clã. Mas, afinal, como não poderia ficar surpresa? Com mãos trêmulas, ela ofereceu a espada, que foi pega por seu marido, sem tirar os olhos de Eveline, entregou-a para o irmão. – Vamos entrar – ele disse, tomando a sua mão. Ela fitou a multidão com olhos derrotados, depois olhou para Graeme com tanta tristeza que ele próprio se sentiu inundado. – D-desculpe. A palavra saiu áspera e hesitante, mas o fato de que estava se comunicando com ele enviou um lampejo de excitação por suas costas. – Não foi nada – ele disse enquanto tocava seu rosto. – Vamos subir para o nosso quarto. Conversaremos sobre isso lá, com privacidade. Ela assentiu e, com um alívio acendendo seus olhos, virou-se e apressou-se na frente de Graeme, como se não pudesse esperar para se livrar dos outros.


Quando chegaram ao quarto, ela abriu a porta, entrou correndo e depois segurou a porta para ele entrar. Assim que entrou, a fechou e deslizou a grossa tranca de madeira para que ninguém mais entrasse. Não que alguém fosse tentar. Ele nunca dissera nada sobre alguém ter ousado entrar no quarto sem permissão, mas a tranca parecia fazê-la se sentir mais segura, então Graeme não disse nada. Eveline sentou-se perto da lareira e ficou olhando para as poucas brasas que ainda estavam acesas. Ela estava claramente perturbada com os eventos do dia, mas ele também sentiu que estava nervosa e insegura. Ele queria acalmar suas preocupações e seus medos. Graeme possuía muitas perguntas, e agora estava evidente que ela tinha ao menos alguma habilidade para falar. Mas a verdadeira questão era, se ela podia se comunicar, por que optara pelo silêncio? – Eveline, você pode me dizer o que aconteceu para deixá-la desse jeito? Ela continuou quieta, sem responder, com o olhar perdido na lareira. Não se virou para ele. Agiu como se não tivesse falado nada. Graeme achou aquilo estranho. – Eveline? Ainda sem resposta. – Eveline, vire-se para mim para que possamos continuar a conversar. Foi uma ordem direta, pronunciada num tom severo, pois começou a suspeitar que… Graeme não sabia exatamente qual era a sua suspeita, mas falara de um jeito que certamente a deixara nervosa. Ela não ficaria ali sentada, imóvel, ignorando sua ordem. A mente dele passou por um turbilhão confuso e um gradual entendimento. Se estivesse correto… Jesus, será mesmo? Será que poderia ser simples assim? Ele se aproximou e apoiou-se no banco onde ela estava sentada. Assim que sentiu sua presença, Eveline virou-se, olhando imediatamente para o seu rosto, ou melhor, para a sua boca. Graeme tentava encontrar respostas para as perguntas que o atormentavam. Havia algo muito importante ali, e ele estava muito perto da resposta. Aquela suspeita insistente se tornou mais forte. Não podia ser possível. Aquilo soava absurdo. Mas, mesmo assim, Graeme decidiu apenas movimentar os lábios para formar as palavras, sem produzir som nenhum. – Você pode me dizer o que aconteceu, Eveline?


Ela assentiu lentamente, mas então sacudiu a cabeça e encolheu os ombros, como se quisesse dizer que não sabia o que poderia contar a ele. Seu coração começou a martelar no peito. De repente, ficou muito difícil manter-se calmo. Mais uma vez, ele repetiu a estratégia, ainda sem acreditar na prova diante de seus olhos. – Você pode me entender, Eveline? Você entende o que estou dizendo? Ela franziu as sobrancelhas e depois assentiu, como se achasse a pergunta ridícula. A descoberta inundou Graeme. Tudo o que conseguiu fazer foi olhar para Eveline em total espanto. – Meu Deus – ele sussurrou. – Você não consegue ouvir, não é mesmo?


Capítulo 21 Os olhos de Eveline se tornaram quase negros quando as pupilas se dilataram. Apenas uma estreita moldura azul permaneceu ao redor da escuridão e seu medo se tornou algo que ele não apenas podia enxergar, mas também podia sentir. Ela levantou-se rapidamente, afastando-se dele com uma expressão de pânico. Eveline tropeçou em um dos baús, caiu para trás e tentou se levantar para continuar o caminho até a porta. Graeme levantou-se imediatamente e foi até ela, determinado a fazê-la entender que não deveria temê-lo. Ele não conseguia aguentar a ideia de que ela o temesse. – Eveline. Eveline! – Ele virou seu rosto para que olhasse diretamente para ele. – Eveline, por favor. Não precisa ficar com medo. Quero apenas entender. Por favor, acredite nisso. Ele tocou seu rosto, acariciando-o suavemente enquanto tentava acalmar seu pânico. Gradualmente, a respiração dela desacelerou e o terror sumiu um pouco de seu olhar. – Isso – ele disse. – Respire fundo. Você não tem nada a temer. Quero apenas conversar com você. Gostaria de entender você, Eveline. Acho que passou tempo demais sendo mal interpretada. Ele ajudou-a a se levantar e depois segurou suas mãos, conduzindo-a para a cama, para que ficasse mais confortável. O banco rígido na frente da lareira apagada já não era um lugar decente. Havia coisas demais que precisava saber sobre a mulher com quem se casou. Graeme acomodou-a e depois sentou-se diante dela, dobrando uma perna sobre o colchão, para que ficassem de frente um para o outro. Ele tomou suas mãos, apertando-as com firmeza. – Estou certo, não é? Você não consegue ouvir. Eveline fechou os olhos brevemente e assentiu uma vez. Ele esperou até que ela reabrisse os olhos para então continuar. – Mas você consegue de algum jeito entender o que as pessoas estão falando apenas observando suas bocas?


Mesmo enquanto dizia, ele pensou como aquilo era incrível, mas tinha de ser verdade. Explicava muita coisa. Explicava por que, às vezes, ela parecia estar ciente e, outras vezes, parecia estar alheia, sem saber o que acontecia ao seu redor. Mais uma vez, ela assentiu. Ele ficou estupefato. Se não estivesse vendo com os próprios olhos, não acreditaria que algo assim era possível. Havia tantas perguntas em sua cabeça que ele precisou controlar a vontade de jogá-las para fora imediatamente. Não queria sobrecarregá-la. Graeme chegou mais perto, olhando-a nos olhos. – Eveline, lá no saguão você falou. Disse duas palavras. Você não conseguia falar antes ou apenas escolheu não falar durante todo esse tempo? Ela engoliu em seco, duas vezes. Abriu a boca, mas parou, quase como se tivesse medo até mesmo de tentar. – Tente – ele incentivou gentilmente. – Não vou julgá- la. Tente dizer as palavras. Graeme prendeu a respiração com a expectativa, apenas agora percebendo quão importante seria ela conseguir comunicar-se verbalmente com ele. Graeme nunca sentiu uma ansiedade como aquela. Seu pulso estava quase explodindo. Eveline levou a mão à garganta e depois abriu a boca de novo. As palavras saíram um pouco truncadas e não mais que um sussurro. – Eu t-tinha m-medo. O peito dele se apertou com aquelas palavras tão simples, mas que transmitiam tanta emoção. Graeme levantou o queixo dela para que enxergasse o que ele queria dizer. Era importante que ela entendesse. Ele a faria entender de qualquer jeito. – Você não precisa ter medo aqui, Eveline. Você nunca precisa ter medo comigo. Os olhos dela brilharam com lágrimas. – E-eles m-me odeeiaam. Dessa vez, as palavras saíram melódicas, com graus de volume variados. O tom de voz começou suave tornou-se muito mais alto no meio e depois baixou para quase nada. Quase como se estivesse testando, querendo saber o que soava normal.


E como ela poderia saber? Tudo estava começando a clarear. As peças rapidamente se encaixavam, quase rápido demais para ele acompanhar. Precisou forçar-se a manter a calma e não se adiantar em sua pressa para descobrir todos os segredos de Eveline. – Vamos começar do começo, Eveline. Preciso saber o que aconteceu. Foi seu acidente que causou a perda da audição? Ela assentiu. – Você ficou doente por muito tempo. Ela assentiu de novo. – Por que não contou para a sua família? Você não acha que eles teriam entendido? Meu Deus, eles pensaram que você estava louca. Eu pensei que você estava louca. Você, provavelmente, é mais inteligente do que todos nós. – Eu t-tinha medo – ela disse novamente com uma voz pouco firme. – Medo do quê, Eveline? Seu rosto ficou corado. Ela mexia inquieta com as mãos e depois olhou para baixo enquanto puxava os dedos. Impaciente para encontrar uma pergunta que ela pudesse responder mais facilmente, Graeme mais uma vez direcionou a atenção dela e então perguntou: – Todos pensam que você está louca, mas você é apenas surda e não falou nada desde o acidente. Ela corou ainda mais, mas confirmou. Graeme ficou exultante. Meu Deus, ele se sentira um cafajeste da pior espécie por desejar uma mulher que não compreendia o mundo ao seu redor na maior parte do tempo, mas nada daquilo era verdade. Ela era normal. Ou, ao menos, tinha perfeito controle de suas faculdades mentais. – Por que você não fala? – ele perguntou, tocando seu rosto novamente, traçando uma linha sobre a pele macia. – E-eu nãoo tinhaa cooomo saber quaaal eraa o volume da vooz. Fiquei coom meedo no começoo. Eu não entendia… A voz dela diminuiu cada vez mais, até ele não conseguir mais ouvir. Graeme tocou seus lábios.


– Mais alto, Eveline. Um pouco mais alto. Eveline limpou a garganta, engoliu em seco, depois continuou, corando ainda mais o rosto. – Eu não eentendia o que tinha acontecido comiigo. Levou um tempo para eentender. Quando consegui, decidi manter em s-segredo e d-deixar as pessoas pensaarem que eu estava louca. Com febre na cabeeça. Quaalquer coisa que quiisessem pensar. Quanto mais ela falava, mais parecia ganhar confiança. As palavras começaram a sair sem parar após um começo difícil. Algumas saíam truncadas e alguns dos sons não pareciam corretos, mas Graeme nunca ouvira um som mais bonito em toda a sua vida. Sua esposa podia se comunicar com ele. Não apenas conseguia falar, mas era altamente inteligente e podia ler as palavras dos outros por meio de seus lábios. Louca? Louca era sua família por não ter percebido a surdez durante três longos anos. Talvez ela fosse a única pessoa inteligente no clã dos Armstrong. Ela hesitou, e depois olhou para ele, com uma incerteza estampada no rosto. – Você não está… não está bravo? Ele suspirou. – Bravo? Ela assentiu com firmeza, e ele soube naquele momento que ainda não tinha ouvido toda a história dela. Eveline ainda guardava algo para si, algo que a amedrontava na época em que vivia no seio de sua família. Graeme segurou o rosto dela para que não perdesse uma só palavra do que dizia. – Não estou bravo, Eveline. Longe disso. Estou muito feliz. Ela abriu um sorriso hesitante, e um pouco da animação voltou aos seus olhos. Ele passou os polegares sobre o rosto dela e encarou-a intensamente, torcendo para que enxergasse sua sinceridade.


– O que a deixou com medo, Eveline? O que a aterrorizou tanto que a fez não admitir para sua família o que realmente havia de errado com você? A expressão de Eveline entristeceu-se novamente, e ela fechou os olhos, como se quisesse afastar a dor da lembrança. Graeme não insistiu, mas continuou tocando- a com gentileza, acariciando o rosto com os polegares. Quando ela voltou a olhar para ele, lágrimas inundavam seus olhos, tornando-os profundas piscinas azuis. – Eu estava prometida a Ian McHugh. – Um pouco mais alto – ele encorajou. – Eu estava prometida a Ian McHugh – ela repetiu. Graeme assentiu. – Sim, eu sei. O noivado foi desfeito após o acidente. Eu imagino que ele se distanciou por causa de sua… condição. Ela assentiu solenemente. – Poucas semanas após o acidente eu ainda estava confusa e com medo. Mas, quando percebi que não precisaria mais me casar com Ian porque minha própria família achava que eu estava louca, eu soube que, se admitisse o contrário, então teria que honrar a promessa e me casar com ele. Graeme olhou para ela com surpresa. – Você permitiu que sua família acreditasse que era louca por três anos porque não queria se casar com Ian McHugh? – Ele era uma pessoa horrível – ela sussurrou. – Eu tinha muito medo dele. Tentei falar com meu pai, mas ele achou que minha preocupação era apenas um medo infantil. Ele se recusou a acreditar em mim, e isso me magoou, pois amo muito meu pai. Pensei que ele ficaria do meu lado e não do lado de Ian. Graeme juntou as sobrancelhas. Estava começando a entender todo o cenário, e com isso veio um mau pressentimento. Achou que não fosse gostar da resposta para sua próxima pergunta. – Por que você diz que ele era horrível? O que ele fez com você, Eveline?


Ela começou a respirar mais rápido enquanto Graeme descia as mãos por seu pescoço, seu pulso acelerava rapidamente. Ele podia sentir seu pânico. Podia sentir seu medo. Uma lágrima se derramou e colidiu com a mão de Graeme. – Ele gostava de me encurralar. Me procurava quando não havia ninguém por perto. Me perseguia sem parar. Até invadiu meu quarto numa noite. Ele gostava de… me tocar. Ele sussurrava ameaças em meu ouvido enquanto me tocava. Dizia como seria minha vida com ele. Como seria ser sua esposa e o que eu deveria esperar do casamento. Dizia coisas terríveis. Falava de coisas que eu nem consigo repetir. Eu não sabia que um homem mau assim podia sequer existir e não entendo por quê. Eu nunca o insultei. Nunca fiz nada para deixá-lo com raiva, mas ele parecia me odiar e parecia determinado a me punir assim que eu me tornasse sua esposa. Graeme tremeu de tanta raiva. Precisou soltar o rosto de Eveline por medo de machucá-la. Ele baixou as mãos, respirando fundo enquanto imaginava Eveline à mercê de outro homem. Jovem, amedrontada e vulnerável. – Ele machucou você fisicamente? Alguma vez fez mais do que tocar? – N-não. Ele parecia gostar de apenas me provocar com aquilo que aconteceria no casamento. – Vou matá-lo – Graeme disse entre os dentes. Eveline ficou pálida. – N-nãooo. Você não p-pode. Por favor. Não quero que ninguém saiba. – Eu sei – ele disse. – Ninguém mais precisa saber. Mas eu sei e não deixarei que seus pecados fiquem sem punição. Tristeza e vergonha preencheram os olhos dela, e então Graeme não conseguiu mais se conter. Ele a puxou para seus braços e a embalou contra o peito. Agora havia uma doce e macia garota em seu colo. A sua garota. Sua esposa. E não precisava mais se envergonhar por desejá-la. Eveline era capaz de entender o casamento da mesma maneira que ele entendia. Poderiam ter um casamento normal se ela assim quisesse, pois era isso que ele queria. Graeme beijou o topo de sua cabeça e ficou em silêncio, já que ela não ouviria o que tinha para


dizer. Eveline acomodou-se em seu abraço, e ele sentiu seu aroma, deixando-o pairar no olfato enquanto a embalava. Eles ainda tinham muito para conversar, mas Graeme não queria desfazer aquele contato afetuoso. Por um longo momento, ele permaneceu imóvel, segurando-a com força. Queria que Eveline confiasse nele, e o fato de ter admitido tudo já era um grande passo na direção certa. Ela havia contado uma coisa que não contara nem mesmo para a sua família. Quando finalmente desfez o abraço, Graeme lembrou- se da primeira vez em que se encontraram e uma coisa lhe ocorreu. – Eveline, na primeira vez em que nos encontramos, você olhou para mim e lembro-me de sentir que você focava intensamente em mim. Mesmo do outro lado do saguão quando você não poderia enxergar o que eu dizia. Mas eu a vi com o canto do olho e tive a sensação de que você podia… me ouvir ou ao menos entender o que eu estava dizendo. Eveline molhou os lábios nervosamente. – É difícil de explicar. Eu consigo ouvir certos… sons. Não igual a uma pessoa normal. Há tons que eu consigo sentir nos meus ouvidos, um tipo de vibração. É mais uma sensação do que qualquer outra coisa. Eu sinto isso quando você fala. É como um zumbido gostoso no meu ouvido. Fiquei chocada e… feliz… por conseguir ouvir certas tonalidades na sua voz. Foi por isso que fui até seu quarto naquela noite. Eu queria ouvir mais. – Isso é interessante – ele disse. – Parece que você não perdeu totalmente a audição. Ela encolheu os ombros. – Mas perdi a maior parte. Não consigo ouvir palavras. Já esqueci tantos sons. Eu costumava lembrar. Podia fechar os olhos e tocar os sons na minha mente. Agora já não é mais tão fácil. Os sons se foram. Ela soou tão triste que fez o peito de Graeme se apertar. Ele não conseguia nem imaginar não poder escutar, mas Eveline conseguiu fazer o melhor que pôde com a situação. Ela aprendeu uma habilidade valiosa para sobreviver. Se conseguisse ler as palavras da boca das pessoas, então poderia bisbilhotar conversas que não eram dirigidas a ela. As possibilidades eram


imensas. Não era de admirar que ela tenha sofrido tanto em seu clã. Mesmo se as pessoas tentassem ser discretas com seus comentários longe de Eveline, se estivessem ao alcance de sua visão ela saberia o que estavam dizendo. Eveline torceu as mãos nervosamente e depois olhou de volta para ele. – Eu queria contar para você. Queria um novo… começo. Pensei que aqui eu poderia recomeçar minha vida. Pensei que poderia me afastar do medo de me casar com Ian. Eu não sabia nada sobre você, mas concluí que você não poderia ser pior do que ele. – Não sei se deveria considerar isso um elogio – Graeme disse secamente. Ela corou. – Estou falando apenas a verdade. Eu queria dizer a você, mas quando cheguei, encontrei um ambiente muito hostil. Fiquei com medo de que, se as pessoas descobrissem a verdade, elas poderiam ser até piores. E eu também temia que… Eveline mordeu o lábio e se virou, mas Graeme a trouxe de volta, com uma expressão feroz. – O que você temia? – Que, se você soubesse que eu não era louca, a ternura que me mostrou desapareceria e você então me trataria como a filha do seu inimigo. Odiada. Desprezada. Eu estava numa posição terrível. Com medo de dizer a verdade. Esperando ter um… casamento… normal. Com medo de que, se descobrisse, você ficaria bravo por causa da minha farsa. Graeme suspirou. – Você se preocupa demais, Eveline. Não é uma posição confortável, não é mesmo? Ela sacudiu a cabeça com tristeza. – Não, não é. – Temos ainda muito para conversar, mas preciso que saiba de uma coisa. Seu lugar em meu clã está assegurado. Farei tudo que for necessário para protegê- la e para que receba o respeito adequado à sua posição como minha esposa. Nunca permitirei que ninguém insulte ou machuque você de qualquer maneira, física ou emocionalmente. Os ombros dela relaxaram com alívio. Depois ergueu o rosto, com olhos arregalados e esperançosos.


– E o nosso casamento será real, Graeme? Eu serei uma esposa de verdade para você ou ficaremos apenas interpretando papéis para agradar ao rei? Um grave rugido brotou em sua garganta, um som que ele sabia que ela não podia ouvir, mas, com certeza, esperava que sentisse a vibração emanando de seu peito. Graeme inclinou o queixo de Eveline e depois a beijou longamente. Quando se afastou, ela estava sem fôlego e com lábios inchados. – Você será minha esposa, Eveline. Nunca duvide disso. Nosso casamento será consumado, com toda certeza.


Capítulo 22 O coração de Eveline estava prestes a sair pela garganta. Ela estava nervosa, animada, extasiada. Tantas coisas acontecendo ao mesmo tempo. Ela sentia que poderia explodir. Queria perguntar quando? Onde? Como? Ou “que tal agora?”, mas nada disso era apropriado para uma dama. A última coisa que queria era escandalizar seu marido. Querendo manter aquela conexão, querendo poder continuar tocando o corpo dele, ela segurou suas mãos e entrelaçou seus dedos aos dele. – Eu não me arrependo de ter me casado com você – ela disse com seriedade. Era estranho voltar a falar, saber que estava falando, mas não conseguir ouvir as palavras saindo da boca. As vibrações causavam cócegas em sua garganta, que já estava doendo por causa da súbita explosão de palavras. Sua língua secou, e ela desfez o contato das mãos para esfregar a garganta. – Você gostaria de um pouco de água? – Graeme perguntou. – Sua garganta deve estar doendo. Não está mais acostumada a usar a voz. Eveline assentiu, e ele levantou-se, indo até a pequena mesa perto da janela onde havia uma jarra de água. Graeme encheu uma taça de água e voltou para a cama, retomando a posição na frente dela e entregando- lhe a taça. Eveline aceitou e tomou um gole, sentindo o frio da água aliviar a irritação na garganta. Mais cedo, quando gritara, tinha sentido dor. Agora teria de pagar o preço de sua explosão. Graeme tocou o braço de Eveline, para chamar sua atenção, e ela o encontrou encarando-a intensamente. – Eu também não me arrependo do nosso casamento, Eveline. Os olhos dela se arregalaram. Não esperava uma confissão dessas. Eveline confessara apenas porque queria que ele soubesse; jamais para induzi-lo a dizer-lhe a mesma coisa de volta. De qualquer forma, não conseguiu deixar de sentir um imenso alívio ao ouvir aquilo. Talvez… talvez conseguissem ter um casamento mais parecido com o de seus pais. – Sei que o nosso casamento não será fácil.


Obviamente, nossas famílias se opõem. Minha visão sobre o seu povo não mudou, e eu não digo isso para magoá-la. Digo isso porque não irei mentir para você. Ela engoliu em seco, mas continuou fitando-o para não perder nada do que ele dizia, mesmo que as palavras dele machucassem. – Mas não lamento a união a que fomos forçados. Graeme tocou o rosto de Eveline, acariciando-o gentilmente. – Irei protegê-la, Eveline. Não permitirei que meu clã a machuque ou insulte de maneira nenhuma. Precisamos decidir agora o que vamos contar a eles, pois não há razão para você viver em segredo, escondida nas sombras. Ian McHugh não pode machucá-la aqui. A mão segurando a taça tremeu, e ele cuidadosamente a retirou, deixando-a ao lado da cama. Depois, tomou as duas mãos de Eveline e apertou-as, como se oferecesse proteção. – Eles provavelmente continuarão pensando que eu sou louca – ela disse. – É verdade que tenho um defeito. Graeme fechou o rosto. – Não é culpa sua. Você sofreu um acidente e ficou doente por causa disso. Você pode falar e transmitir seus pensamentos, suas necessidades. Consegue entender o que os outros dizem. Pode fazer qualquer coisa que uma moça normal faria. A única diferença é que não consegue ouvir, e isso não faz de você louca ou menos inteligente, e qualquer pessoa que discordar terá de se ver comigo. O coração de Eveline ficou mais leve e um calor atravessou seu peito, até começar a sorrir. O alívio era imenso. Após viver tanto tempo com medo da descoberta, com a culpa por causa da farsa, ela estava encontrando um fim para tudo aquilo. Ele oferecia o melhor tipo de liberdade. A liberdade do estigma de ser uma pessoa diminuída, embora tivesse causado isso a si mesma. A liberdade para ter uma vida normal, uma vida sem medo. Nunca teria de se preocupar novamente com Ian McHugh. – Se quiser contar a verdade ao seu clã, não me oporei – ela disse. – Talvez assim eles entendam que não estou menosprezando ninguém quando não respondo. A cadência da fala de Eveline era estranhamente hipnotizante. Com certeza, era diferente. Mas para Graeme era agradável. Com certeza, outras pessoas ainda a menosprezariam, porque soava diferente. Ela ainda tinha dificuldade com algumas palavras e não dominava muito bem o volume da voz – mas como poderia, sem antes treinar?


Era uma tarefa que Graeme pediria a Rorie que cumprisse imediatamente. Sua irmã desenvolvera uma afinidade com Eveline desde o primeiro dia. Rorie era uma sólida aliada para Eveline e Graeme não precisava se preocupar com qualquer traição da parte dela. Rorie poderia ajudar Eveline a encontrar o volume certo da voz, apontando quando estava alto ou baixo demais, e Eveline faria a conexão com as vibrações em sua garganta. – Acho que é melhor eles saberem da verdade – Graeme disse. – Não quero dar mais razão para continuarem com os insultos e o desrespeito. Não que você não merecesse respeito se fosse “louca”, mas não há razão para ninguém ter tanto ódio de uma pessoa que não é compreendida. Assim eles saberão que você é uma mulher capaz e inteligente, e ainda mais incrível, porque, não possuindo a audição, conseguiu aprender a difícil habilidade de ler palavras na boca das pessoas. Os olhos de Eveline brilharam quando olhou para ele maravilhada e disse: – Mas não será fácil para eles pensarem assim. Muitas pessoas não possuem uma bondade dessas com aqueles que são mais fracos ou menos inteligentes. Mesmo em meu próprio clã, muitos achavam que o laird deveria se livrar de sua filha louca. Muitos não apenas concordariam com um absurdo desses, mas também participariam de tal barbárie. Graeme não gostou de saber que pessoas de próprio clã de Eveline pudessem ter agido de modo tão cruel com ela. – Menosprezar os fracos não faz de você uma pessoa melhor. Ela sorriu. – Estou gostando muito de você, meu marido. Ele piscou surpreso com aquela afirmação. Depois riu. – Eu também estou gostando muito de você, minha esposa. Então Graeme percebeu que ainda havia uma palavra que ela não havia pronunciado e, de repente, sentiu-se impaciente, querendo ouvi-la de seus lábios. – Diga meu nome – ele disse com a voz rouca. – Graeme. Quero ouvir você dizendo o meu nome. – Graaaeme – ela disse lentamente e com muito cuidado. – Um pouco mais alto – ele encorajou. – Você falou tão suavemente que quase não ouvi. – Graeme – ela disse mais alto e com mais confiança. Aquele som o agradou muito e enviou um arrepio às suas costas. O frio na barriga intensificou-


se, e ele a encarou de volta, bem de perto, mas ainda com espaço demais entre eles. Não importava que agora não precisasse mais ter medo de tirar vantagem de uma mulher que não entendia o tipo de relação íntima que acontece entre um homem e uma mulher. Eveline ainda era inocente, e ele teria de tomar muito cuidado com ela. Graeme teria de avançar lentamente para não a sobrecarregar ou amedrontar. Mas seu desejo era selvagem. Aumentava cada vez mais e crescia a cada momento que passava em sua presença. Ele conhecia esse tipo de desejo. Tinha muita experiência com os assuntos da paixão. Mas agora… era diferente. Transcendia a simples atração, a simples necessidade de uma mulher – qualquer mulher – para aliviar seu desejo. Ela o atraía de um modo peculiar. Falava diretamente com o seu coração. Inspirava sentimentos de proteção e feroz possessividade que ele não sabia nem se gostava de sentir. Sentir algo tão… forte… por uma mulher era perigoso. Perturbava seu julgamento. Causava o esquecimento de seus deveres. O esquecimento de qualquer outra coisa, com exceção… dela. – Gosto de ouvir meu nome em seus lábios – ele murmurou, quase sem voz. Graeme repentinamente se sentiu grato por ela não poder escutá-lo, pois assim não podia perceber em sua voz a rouquidão que denunciava muita coisa, que mostrava a sua fraqueza quando se tratava dela. Eveline sorriu lindamente, com os olhos luminosos, faiscando de prazer. – Eu também gosto do meu nome em seus lábios – ela disse timidamente. – Apesar de não poder ouvir, fico imaginando como soaria. Sinto a vibração em meu ouvido e é… reconfortante. A expressão dele se tornou séria. – Deve ter sido muito difícil ajustar-se à surdez e acordar em um mundo silencioso. – Sim, foi difícil – ela sussurrou. – Pensei tantas coisas. Pensei que era punição por desafiar a vontade de meu pai e até a vontade de Ian, mas não conseguia imaginar que Deus quisesse que eu me casasse com um monstro. Ele não seria tão cruel, seria? – Não – Graeme disse, tocando seu rosto. – Talvez Deus tenha dado você a mim para protegêla, para que nunca tenha de se preocupar com Ian McHugh de novo. Ela arregalou os olhos. – Não tinha pensado nisso.


Ele sorriu. – Então pense agora. Talvez o decreto do rei não tenha sido algo tão ruim assim. Agora já não considero nosso casamento tão desagradável quanto no começo. Um rubor cobriu-lhe o rosto, mas ele pôde ver a satisfação em seus olhos. Ela realmente era uma linda mulher, e ele estava caindo cada vez mais sob seu feitiço. – Vou conversar com meus irmãos para que ajudem a contar a sua situação para os membros do clã. Não farei um anúncio público. Não quero que se sinta desconfortável de qualquer maneira. Ela assentiu. – Obrigada. Graeme ergueu o queixo dela e depois inclinou-se para beijá-la mais uma vez. Foi um beijo breve – tinha de ser, pois, do contrário, as coisas poderiam ir longe demais –, mas nem por isso menos adorável. – Eu estava falando sério antes – ele disse ao desfazer o beijo. – Kierstan e aquelas que participaram do abuso pelo qual você passou não vão mais trabalhar na fortaleza. Além disso, se tiver mais algum problema com elas ou com qualquer outra pessoa, conte-me imediatamente que eu punirei com severidade. Eveline engoliu em seco, mas concordou. Graeme levantou-se com relutância, colocando ainda mais distância entre eles. Depois virou-se para que ela enxergasse a sua boca. – Agora vou conversar com meus irmãos. Logo será hora do jantar. Descanse um pouco, depois me encontre no saguão.


Capítulo 23 – Quero conversar com vocês, por favor – Graeme disse para Bowen e Teague ao aproximar-se deles no pátio. Bowen afastou-se de Teague, enquanto guardava a espada na bainha de couro pendurada junto à perna, e Teague fez um gesto, dispensando o grupo de homens com quem treinava; em seguida, ambos juntaram-se a Graeme. – O clã não está contente com a sua ordem – Teague murmurou. – Poucos têm simpatia pela “cadela dos Armstrong”. Graeme ficou com raiva e quase avançou sobre seu irmão, mas Bowen colocou-se entre os dois e segurou o peito de Graeme. – Ele não a chamou disso, Graeme; estava apenas repetindo o que muitos disseram depois que você expulsou as mulheres. – Ninguém pode falar dela dessa maneira, não importa se for repetição das palavras de outros – Graeme disse secamente. Teague ergueu as mãos. – Estou apenas dizendo a você que há muito descontentamento. Eles sentem que você está sendo desleal ao seu próprio clã ao escolher o lado da garota dos Armstrong. – Ela tem um nome – Graeme rugiu. – E não é Armstrong. Ela agora é uma Montgomery. Bowen suspirou. – Sim, nós sabemos e estamos do seu lado, mas você não pode ignorar o que estão dizendo pelas suas costas apenas porque se sente ofendido. Você não pode fazer o clã aceitar Eveline, por mais que queira isso. No máximo, pode dizer como eles devem se comportar e o que devem falar. Mas não pode forçá-los a aceitar sua esposa, pois não pode mudar o que há no coração de cada um. E o que existe é ódio. Graeme suspirou. Ele sabia que aquilo era verdade, e isso o deixava frustrado. – Se eu posso aceitá-la, então por que eles não podem? A família dela é responsável pela morte do meu pai. Eles são responsáveis pela perda de muitas vidas em nosso clã, mas, mesmo assim, não posso culpar a garota pelos pecados de seu pai, do mesmo jeito que eles não podem culpar Rorie pelas vidas que tiramos dos Armstrong.


– Sim, mas você está assumindo que eles ofereceriam a mesma cortesia a Rorie – Teague disse com uma voz sombria. – Nem todos são iguais a você, Graeme. Nem todos possuem a sua lógica. Você pode olhar para a situação e dizer que a moça não é culpada e que nós não podemos fazê-la pagar pelos pecados de sua família. Mas todas as outras pessoas apenas enxergam o inimigo, e seus pensamentos se voltam para a vingança. – Ela não é louca – Graeme disse, frustrado com a direção da conversa. Bowen ergueu uma sobrancelha. – Não? Eu tinha minhas dúvidas. Então por que todos em seu clã pensavam que ela era louca e por que ela nunca os corrigiu? – Ela é surda. Teague cerrou os olhos. – Surda? Ela não consegue ouvir? Então como sabe o que estão dizendo? Ela entendeu o suficiente dos insultos das mulheres para arrancar uma espada da parede. Bowen sorriu desconfiado. – Uma garotinha feroz brandindo uma espada. Aquilo foi uma cena e tanto. – Ela consegue ler as palavras formadas em nossos lábios – Graeme explicou. – É algo extraordinário, se você pensar nisso. Ela perdeu a audição por causa do acidente, mas não perdeu a lucidez. – Mas isso ainda não explica por que ela deixou um mito desses se perpetuar – Teague disse. Graeme relatou a história que Eveline lhe contou, de como tentou se proteger do casamento com Ian McHugh e acabou forçada a se casar com Graeme. Bowen e Teague pareciam desconfiados quando Graeme terminou. E então Teague sacudiu a cabeça. – Foi muito esperto da parte dela, embora um pouco extremo demais. – Não tão extremo, se a impediu de cair nas mãos de um homem que abusava dela – Bowen murmurou. – Pense um pouco. A moça procurou seu pai e contou sobre os abusos, mas ele a dispensou. Talvez quisesse demais aquela aliança para dar crédito ao que ela dizia ou talvez apenas tenha pensado que ela era muito jovem e estava com medo, e com o tempo iria se


acostumar com a ideia. Mas, claramente, ela pensou que não tinha escolha. Graeme concordou. – Ela não queria continuar a farsa, mas temia a minha reação. Eveline pensou que eu era bondoso com ela porque achava que era louca, e pensou que isso acabaria assim que eu descobrisse a verdade e passaria a detestá- la por causa de sua origem. – Mas, afinal, isso era verdade? Você era bondoso com ela por pena? – Bowen perguntou. Graeme hesitou para responder. – No começo, sim. Eu sentia simpatia por ela, mesmo estando frustrado por ser forçado a me casar com uma mulher que nunca poderia ser uma esposa para mim. Eu estava com raiva, mas também sabia que não poderia ficar bravo com ela. – Mas agora tudo mudou – Teague comentou. – Sim, tudo mudou. Ela é… especial. Não sei explicar, mas não lamento o nosso casamento. Bowen suspirou. – Você tem um caminho muito difícil pela frente, meu irmão. Não será nada simples ganhar a simpatia do nosso clã. – Sim, eu sei. Mas você e Teague irão me ajudar, não é mesmo? Teague e Bowen trocaram olhares. – Sim, iremos – Teague disse. – Se a moça é o que você quer e você está contente com ela, então nós confiamos em seu julgamento e faremos o possível para facilitar as coisas. Graeme assentiu. – Eu agradeço. Rorie já a aceitou, ou melhor, já se tornou amiga de Eveline. É bom para Rorie ter a companhia de outra garota, ela não se dá bem com as mulheres do nosso clã. Teague riu. – Isso é porque ela preferiria ser um garoto. – O dia chegará em que ela se casará. Eu irei prepará- la para tal – Graeme disse. Bowen estranhou. – Nós não faremos aquilo que os Armstrong foram forçados a fazer. Não iremos sacrificá-la


para forjar alguma aliança ou agradar ao rei. Não temos necessidade de nada disso e não permitirei que ela se case com alguém que possa tratá-la como Ian McHugh trataria a sua Eveline. A sua Eveline. Graeme gostou de ouvir aquilo. Ela era dele. Não completamente, ainda, mas cuidaria disso em breve. – Rorie está feliz aqui conosco – Teague disse com o semblante fechado. – Não há razão para ela ir embora. Graeme sorriu. – Não estou dizendo isso. Rorie ainda é jovem e pode mudar de ideia. Ela pode querer buscar um marido e ter filhos com ele. Bowen achou graça daquilo. – Eu não apostaria nisso. – Eu agradeço novamente pelo apoio de vocês a Eveline – Graeme falou em um tom de voz mais sério. – Isso significará muito para ela. Rorie foi o único rosto amigo que ela encontrou desde que chegou em nossas terras. Estou determinado a mudar isso. – Se você está contente, então isso é suficiente para mim – Teague disse. – Então devemos passar adiante a informação? – Bowen perguntou. – Com certeza, sim – Graeme respondeu. – Quero que espalhem a notícia de que Eveline não é louca, mas surda, e que perpetuou a farsa para escapar do casamento com Ian McHugh. Não gostamos dos Armstrong, e não me importo de usar o ódio de nosso clã para ganhar apoio a Eveline. Se acreditarem que Eveline foi vítima dos Armstrong e dos McHugh, então é mais provável que ela encontre simpatia entre a nossa gente. – Esse é um jogo muito perigoso – Teague afirmou. – Eveline provavelmente não gostaria que essas coisas fossem ditas sobre a sua família. – Mas tem um fundo de verdade – Graeme disse com um tom sombrio. – Tavis Armstrong teria usado sua filha para seus próprios objetivos ignorando os desejos dela. Que eles a amaram e protegeram não muda em nada meu desgosto por esse fato. Bowen concordou. – É um bom plano. Despertar em nosso clã a simpatia por Eveline deixando saber que ela é mais feliz aqui do que era em seu próprio meio.


– Bowen e eu conversaremos com os homens – Teague disse. – Obrigado. Encontrarei vocês depois, no jantar. Graeme virou-se e andou de volta para a fortaleza, repentinamente ansioso para ver sua esposa outra vez.


Capítulo 24 Eveline vestiu-se com cuidado para o jantar. Desde a sua chegada, usara apenas vestidos simples, comuns, mais propícios ao trabalho dentro da fortaleza do que qualquer coisa que pudesse ser considerada bonita ou frívola. Naquele dia, Eveline desenterrou um dos vestidos de seda que sua mãe guardara tão cuidadosamente antes de ela partir das terras de seu pai. Era uma roupa adorável, e Eveline amou a rica cor verde. Isso a fez se sentir mais animada. Era apropriado para a ocasião, quando finalmente sairia de seu isolamento. Vestiu também uma simples túnica branca, que contrastava muito bem com o verde vibrante. As mangas eram longas, quase cobrindo as mãos. Já que iria vestir algo tão grandioso, decidiu que não deveria economizar com os sapatos, e retirou do baú as sapatilhas incrustadas de brilhantes e colocou-as nos pés. Em seu antigo lar, ela tinha uma criada para arrumar seu cabelo, mas ali não havia ninguém para ajudar. Com as mulheres da fortaleza tão hostis, ela não queria ninguém como criada. Eveline tinha broches e joias, também graças à sua mãe. Ela provavelmente teria deixado tudo para trás e seguido com seu novo marido apenas com a roupa do corpo. Após escovar e arrumar o cabelo, a jovem desistiu de tentar prendê-lo e optou por apenas tirar algumas mechas do rosto. O resultado foi melhor do que esperava. Até achou que estava bonita. Em seu antigo lar, não havia muitas oportunidades para se vestir do melhor jeito possível. E, quando uma chance assim surgia, sua mãe era quem sempre se certificava de que Eveline se vestisse adequadamente. Talvez estivesse se produzindo demais para uma noite comum, sem convidados especiais, mas para Eveline era sim uma noite importante. Graeme iria contar seu segredo – se é que já não tinha feito isso. Todos os olhos estariam sobre ela. Eveline não queria que ninguém achasse defeito, ao menos em sua aparência. Ela estava nervosa. Não, estava aterrorizada. Não adiantava negar. Afundou na beira da cama e ficou ali sentada por um longo tempo investigando as sombras do quarto. Havia apenas duas velas acesas, e o fogo da lareira havia se apagado há muito tempo.


Um toque em seu ombro a fez erguer a cabeça de repente. Rorie estava ao seu lado, com uma expressão preocupada no rosto. Eveline não havia notado quando ela entrou. Rorie virou-se, apanhou um dos candelabros e sentou- se na cama ao lado da cunhada, para que ela pudesse enxergar seu rosto. – Desculpe, não queria assustá-la – Rorie disse. – Graeme pediu que viesse ver se você já está pronta para o jantar. Eveline sorriu. – Obrigada. Estou pronta. Rorie arregalou os olhos. – Você consegue falar. Eveline confirmou. – Graeme ainda não contou para todos? – Eu ouvi falar. Ninguém contou para mim, diretamente, mas há rumores por aí. Dizem que você não consegue ouvir e que não é louca. É claro, eu já sabia que você não era louca, mas não sabia o resto. Por que não me contou? Eveline suspirou. – Mais tarde eu conto tudo. Não quero deixar Graeme esperando no saguão. – Ela se levantou e depois deu alguns passos para trás, para que Rorie pudesse ver o seu vestido. – Estou bonita, como a esposa de um laird? Rorie também se levantou, olhando para ela com a vela. – Você está linda, Eveline. De verdade. Eu acho que Graeme vai ficar muito satisfeito. Rorie baixou a vela e virou-se para deixar o quarto, mas Eveline estendeu o braço para tocá-la. Rorie se virou de volta, com um questionamento no olhar. – Obrigada – Eveline disse. A menina inclinou a cabeça para lado. – Pelo quê? – Por se tornar minha amiga mesmo quando pensavam que eu era louca e quando ninguém mais em seu clã me mostrava bondade.


Rorie sorriu, e então, para surpresa de Eveline, aproximou-se e a abraçou. Eveline a abraçou de volta, com o coração feliz pela aceitação da jovem. Quando Rorie desfez o abraço, ela estava sorrindo. Então segurou a mão de Eveline e disse: – Venha. Vamos descer para que o meu clã possa testemunhar a nova lady em toda sua glória. Graeme esperava impacientemente a chegada de Eveline. Ele enviara Rorie havia vários minutos, mas as duas ainda não tinham aparecido. Seus irmãos já estavam acomodados, e os outros homens do clã estavam chegando e tomando seus lugares nas outras mesas. A qualquer momento as criadas chegariam com a comida, ou ao menos ele esperava que Nora já tivesse encontrado substitutas para as mulheres que ele havia banido mais cedo. Já estava pronto para subir e ver o que estava acontecendo quando Eveline apareceu no fim do corredor. Graeme prendeu a respiração. Na verdade, todos no saguão prenderam a respiração. Não houve um murmúrio sequer quando a atenção se voltou a ela. A moça estava linda, com uma postura confiante, até que seus olhos se encontraram. Então Graeme pôde ver o medo e o nervosismo ali refletidos. Ele levantou-se, sem nem processar a intenção de fazer isso. Desceu da plataforma e andou até o centro entre as mesas que se alinhavam às paredes. Quando a alcançou, viu que Rorie estava logo atrás, observando, quase como se estivesse avaliando se precisaria ou não intervir para ajudar Eveline. Ele sorriu para a sua irmã, orgulhoso por Eveline ter uma defensora assim. Rorie sorriu de volta. Então ofereceu o braço a Eveline e voltou o sorriso para ela. – Você está linda, milady. O medo e o nervosismo sumiram dos olhos dela e um sorriso tomou conta de seu rosto. Foi um sorriso tão brilhante que Graeme sentiu como se seu fôlego fosse roubado por alguém. Ela deslizou a mão pelo braço dele, com apenas as pontas dos dedos aparecendo sobre a manga da túnica. Os punhos da vestimenta eram bordados com delicados fios prateados num padrão feminino


que combinava muito bem com Eveline. Virando-se, Graeme parou um instante quando ficaram de frente para o saguão. Todos os olhos estavam sobre eles quando Graeme começou a conduzi-la na direção da mesa principal, onde estavam seus irmãos. Ele reparou que os homens do clã estavam completamente em silêncio nas mesas, portanto, precisou segurar o sorriso. Desde que descobriram a habilidade que Eveline tinha para ver o que as pessoas diziam mesmo de longe, eles provavelmente decidiram tomar mais cuidado ao falar qualquer coisa perto dela. Quando ajudou Eveline a subir o degrau da plataforma, seus irmãos se levantaram enquanto ele a acomodava ao seu lado. Rorie seguiu atrás e tomou seu lugar ao lado de Bowen. Eveline sorriu afetuosamente para Bowen e Teague e depois se sentou graciosamente na cadeira. Graeme sentou-se à cabeceira da mesa e depois ofereceu uma taça à esposa. Ela aceitou, murmurando um agradecimento baixo demais para que qualquer pessoa pudesse ter ouvido. Ele mesmo mal ouvira, mas não chamaria atenção para ela dizendo que saiu baixo demais. Não queria deixá-la ainda mais nervosa do que já estava. Do outro lado da mesa, Teague fez um gesto, chamando a atenção de Eveline e, quando ela se virou, ele disse: – Você está linda, Eveline. Seu rosto inteiro corou em um tom de rosa adorável. Dessa vez, quando agradeceu, a voz saiu alta o bastante para as pessoas ao redor ouvirem. Graeme encontrou sua mão debaixo da mesa e a apertou. Naquele momento, Nora apareceu no saguão, seguida por uma procissão de mulheres que Graeme notou que já tinham trabalhado nos campos ou lavando as roupas. Algumas pareciam nervosas, já que nunca tinham servido ao laird diretamente, mas as outras mergulharam na nova tarefa com confiança e começaram a servir a comida e a bebida. A mesa de Graeme foi servida primeiro, e ele fez questão de que Eveline tivesse prioridade. A essa altura, já estava claro que ele não aceitaria qualquer desrespeito, então as mulheres se esforçaram para servi-la. Satisfeito que, ao menos naquela noite, não haveria problemas com Eveline, Graeme se recostou na cadeira para começar sua refeição. – Você já chamou o padre Drummond? – Rorie perguntou.


Graeme suspirou. – Não, sua pirralha, ainda não. Ela não gostou de ouvir aquilo e deixou que ele visse todo o seu descontentamento. – Você prometeu. Eveline olhava rapidamente entre um e outro para seguir a conversa, e Graeme diminuiu a velocidade da fala para que ela pudesse participar. – Sim, eu sei. Mas ainda não tive tempo e, para ser honesto, isso não foi uma prioridade com tudo o que vinha acontecendo. – Mas você prometeu, Graeme! Disse que, se eu fosse simpática com Eveline, mandaria chamar o padre para me ensinar a ler e escrever. Assim que as palavras saíram da boca de Rorie, ela cobriu os lábios com a mão e uma expressão de horror tomou conta de seu rosto. Eveline baixou os olhos, encarando a comida, mas não antes de Graeme enxergar a devastação em seus olhos. Querer protegê-la era um instinto para ele. Ficou furioso por Rorie ter sido tão descuidada. – Maldição, Rorie – Graeme rosnou. – Você foi longe demais dessa vez. – Desculpe! – Rorie gritou. – Oh, Graeme, não foi isso o que eu quis dizer. Você sabe que não. Eu gosto de Eveline. Bowen suspirou. – Seu temperamento sempre lhe causa problemas, Rorie. Precisa aprender a controlar a língua. Rorie ficou à beira das lágrimas e seus olhos se fixaram em Eveline, que ainda olhava fixamente para a tigela de comida. Graeme alcançou a mão de Eveline, que estava em seu colo, com o punho cerrado. Ele então tocou seu braço, e ela ergueu os olhos, como se não tivesse percebido a indiscrição de Rorie. – Ela não quis dizer isso, Eveline – Graeme disse. Eveline arregalou os olhos, fingindo não ter entendido, depois olhou de volta para a comida, com os lábios tremendo, denunciando sua perturbação. Graeme precisou de todas as forças para não levá-la para longe de todos; queria levá-la para o quarto, para longe do mundo, onde


ninguém pudesse machucá-la de novo. Rorie começou a se levantar, mas Graeme fez um gesto para se sentasse. – Não agora, Rorie. Você já foi longe demais. – Mas não foi de propósito – a garota disse, obviamente arrependida. – Não posso deixar que ela pense isso. O que eu falei… O que falei não faz de mim melhor que as mulheres que a insultaram. É até pior, pois ela confiou em mim. – Ela está certa – Bowen disse discretamente. – Permita que fale com Eveline, Graeme. Se não falar, as duas ficarão machucadas, e Eveline já teve um dia muito difícil. Graeme alcançou a mão de Eveline, dessa vez tirando- a de seu colo e gentilmente abrindo os dedos. Ele a levou até a boca e beijou sua palma. Ela pareceu chocada pela exibição pública de afeto. Seus olhos se arregalaram e sua boca se abriu enquanto olhava para ele. – Permita que Rorie esclareça o que disse, Eveline. Ela não quis magoá-la. Olhe para ela. Veja o quanto se arrependeu. Eveline virou-se lentamente, com um olhar relutante procurando por Rorie, que, a essa altura, já estava chorando, com o nariz vermelho e os olhos inchados. Os lábios de Eveline se curvaram para baixo, como se não pudesse aguentar a visão da tristeza de Rorie, embora suas palavras descuidadas a tivessem machucado. Rorie levantou-se da cadeira e correu até se ajoelhar entre Graeme e Eveline. Ela tomou o rosto de Eveline nas mãos e a virou, para que olhasse em seu rosto. – Eu não quis dizer aquilo que você ouviu… que você viu. Quando você chegou, Graeme me procurou e… Rorie estava falando tão rápido que Eveline a olhava em completa perplexidade. Graeme segurou o ombro de sua irmã. – Rorie, fale mais devagar. Comece de novo. Ela não consegue entender porque você está falando rápido demais. Rorie respirou fundo e começou de novo, falando com mais calma. – Graeme me procurou porque queria que eu passasse mais tempo com você, para deixá-la mais confortável aqui em seu novo clã, e eu pedi em troca que chamasse o padre Drummond para me ensinar a ler e escrever. Eu achava que iria odiar você ou que, no máximo, toleraria a sua presença. Mas, independentemente do acordo com Graeme, isso não influiu em nada em nossa amizade, eu juro. Você precisa acreditar em mim, Eveline. Não quero perder sua estima. Eveline encarou-a por um longo momento, analisando sua expressão, até finalmente se


permitir um pequeno sorriso. Depois se abaixou e beijou o rosto de Rorie. – Eu a perdoarei se puder acompanhar suas lições com o padre Drummond. Rorie soltou uma risada e depois se lançou sobre Eveline com tanta força que quase derrubou as duas da cadeira. Bowen reagiu rápido e apanhou Eveline antes que caísse para trás. Rorie a abraçou muito e depois se afastou, para que ela enxergasse seu rosto. – É claro que pode acompanhar as lições. Eu ficaria terrivelmente entediada sem você. Eveline apertou a sua mão e depois permitiu que Rorie voltasse para seu lugar. Graeme tocou o braço de Eveline em um gesto de apoio silencioso. Depois falou apenas movimentando os lábios, para que ninguém pudesse ouvir. – Você é muito generosa, Eveline. Obrigado por isso. Rorie ficaria muito triste com a ideia de ter magoado você. Ela é jovem e sempre foi muito sozinha, sem ter a companhia de outras mulheres, embora viva cercada por elas. Rorie se afeiçoou muito a você. Será bom para ela passar um tempo com outra mulher. Eveline sorriu levemente e depois olhou de novo para Rorie, que estava jantando em silêncio. Quando olhou de volta para o marido, ela disse num tom de voz muito baixo: – Eu também gosto dela, gosto da sua companhia. – Dê um tempo para o resto do clã – ele disse. – Tenho certeza de que você também ganhará a confiança deles. Eveline encolheu os ombros. Talvez não acreditasse nele. Graeme duvidava que fosse porque ela não se importava. Ele testemunhara quanto ela sofrera com os ataques das mulheres, apesar de possuir um coração sensível e um espírito gentil. Se alguém merecia bondade, era ela, e Graeme faria qualquer coisa para que recebesse essa bondade. Dele e de seu clã. Se alguém tivesse falado que um dia ele sentiria tamanha vontade de proteger um Armstrong, ele teria dado risada. Mas lá estava ele, com a filha de Tavis Armstrong, sabendo que faria qualquer coisa para assegurar sua felicidade.


Capítulo 25 Após o jantar, muitos homens se juntaram na área de estar diante da lareira. De seu lugar na mesa, Eveline observou para descobrir o que estavam falando, mas tudo o que conseguiu enxergar foi uma conversa casual sobre o dia que se passou e o treinamento que faziam. Dois dos homens discutiam sobre ovelhas e outro se juntou após um momento, quando começaram a falar sobre cavalos. Pelo que podia entender, os dois primeiros tomavam conta das ovelhas do clã enquanto o outro cuidava dos estábulos. Em seu antigo lar, ela não prestava muita atenção no dia a dia da manutenção da fortaleza. Não ignorava completamente os trabalhos, teoricamente falando, mas não possuía o conhecimento da parte prática. Para manter a farsa, não podia mostrar interesse no funcionamento do clã. Mas agora pensou que sua vida ali não apenas seria muito entediante, mas também extremamente improdutiva se não fizesse nada além de seguir Rorie o dia todo e ocasionalmente dar um mergulho no rio. Era um assunto que precisava levar a Graeme. Ela precisava de um propósito. Se quisesse ganhar a aceitação de seu novo clã, precisaria fazer algo para merecer. Seu pai sempre dizia que respeito não se pede, ganha- se. Os Montgomery não lhe dariam nada de mão beijada, mas nada a impedia de ganhar por si própria. Sim, ela conversaria com Graeme. E até falaria com a própria Nora. A criada não havia insultado Eveline, ao menos não na sua frente, e parecia mais bondosa que as outras, embora fosse um pouco arisca ao redor de Eveline. Ela piscou quando percebeu as pessoas em pé à sua volta. Os irmãos de Graeme haviam se levantado e estavam em torno da mesa, fazendo-a se sentir muito pequena e insignificante em comparação à estatura deles. Graeme era tão grande e amedrontador quanto seus irmãos, mas não a assustava nem a intimidava. Bowen e Teague até agora tinham sido bondosos e respeitosos, mas ela ainda não tinha certeza de suas reais intenções. Após olhar com cautela para eles, ela também se levantou e aproximou-se instintivamente do marido, que a puxou para mais perto, colocando o braço ao redor de sua cintura. A mão dele pousou de modo possessivo sobre o quadril dela, e Eveline ficou chocada por ele abraçá-la tão


descaradamente na frente do clã. Quando olhou para cima, viu Graeme falando com seus irmãos. – … uma boa noite para vocês. Eveline e eu vamos nos retirar. Ela parou de respirar por um momento, enquanto processava o que vira nos lábios do marido. Seu coração bateu mais rápido e sentiu um nó no estômago quando ele a colocou para andar, ainda segurando-a ao seu lado. Ela ofereceu um sorriso para Rorie e fez um breve contato visual com Bowen e Teague. Eveline estava constrangida demais para olhar por mais tempo, porque tinha certeza de que eles sabiam por que Graeme a estava levando para o quarto. Ela própria não tinha tanta certeza, mas ele tinha sido perfeitamente claro mais cedo. Graeme a deixou sem nenhuma dúvida sobre quais eram suas intenções, e não parecia ser um homem paciente. Ele a levaria para cama hoje e a faria mulher. O casamento seria consumado, selando efetivamente a união. Para a parte dos beijos ela estava mais do que pronta. Para o resto, já não tinha tanta certeza. Assim que saíram do saguão, Graeme a tomou nos braços e a carregou pelas escadas. Surpresa pela ação súbita, Eveline envolveu os braços no pescoço dele e se segurou. A expressão de Graeme era intensa. Focada. Ele inclinou os ombros para passar pela porta, andou até a cama e gentilmente a baixou até o meio. O vestido dela se espalhou, o verde e o branco vívidos contra os cobertores sobre o colchão. Ele parou sobre ela, apenas observando-a, tomando com o olhar cada centímetro de seu corpo. Ela deitou a cabeça para o lado. – Por que você me olha tanto? – Porque você é a mulher mais linda que eu já tive o prazer de olhar. – Oh. Eveline perdeu o fôlego. “Oh” foi tudo o que conseguiu dizer. Certamente, não era uma resposta excitante, mas o que poderia dizer diante de palavras como aquelas?


– Nem sei o que fazer primeiro, de tanta tentação que você me provoca. – Beije-me. – Oh, sim, isso posso fazer – ele disse, enquanto se abaixava sobre ela. Seu corpo pressionou o dela, afundando-a no colchão. Seu calor a envolveu. Ela inalou seu aroma quando ele a beijou. Profundamente. Explorando. Deslizando a língua sobre a dela, lambendo, avançando e recuando em movimentos lentos e medidos. Ele ergueu a cabeça e olhou para baixo, com seus olhos fervendo na pouca luz. Apoiando o peso em um único braço, Graeme, com a mão livre, alcançou e acariciou os cabelos de Eveline, tirando mechas de seu rosto e tocando seu queixo. Ela achava que ele não seria um homem paciente, mas, agora que estavam ali, Graeme parecia não ter pressa alguma, fato que ela não sabia se gostava ou não. Uma impaciência a preencheu. Lá dentro, debaixo da pele, era como se algo tivesse despertado e tomado conta dela. Eveline se sentia inquieta, atingida por uma onda de calor. O sangue em suas veias parecia pronto para ferver. Os seios estavam pesados, os mamilos dolorosamente eretos. E mais embaixo, em sua região mais íntima, uma necessidade se acumulava, tornando impossível permanecer imóvel. Era isso o desejo? É isso que se sente quando se quer tanto uma pessoa que chega a doer? Cada toque, cada carinho, ela recebia com ganância, querendo e precisando de mais. Eveline ansiava pelas mãos de Graeme sobre seu corpo. Queria sua ternura e carinho. Precisava que ele olhasse para ela como nunca olhou para outra mulher. Então ele se ergueu e afastou-se até descer da cama, deixando-a órfã de seu calor. Ela ergueu a cabeça, pronta para protestar, mas algo nos olhos dele a impediu. Seu olhar se tornou sombrio, enviando arrepios sobre a pele dela. Havia algo intensamente predatório naquele olhar, e isso despertou uma profunda sensação de vulnerabilidade em Eveline. Graeme simplesmente ofereceu a mão, e ela não hesitou um momento antes de aceitá-la. Os dedos dele se fecharam ao redor da palma dela e a puxou até que se sentasse na beirada da cama. Baixando o corpo, ele se ajoelhou diante dela, tocando seu rosto para que não tivesse escolha


além de olhar para aquilo que ele diria. – Vou acender mais velas. Não há nada que eu queira mais do que olhar sua beleza e não perder nada para a escuridão. E então, quando o quarto estiver suficientemente iluminado, vou bancar a criada e ajudar a tirar suas roupas, peça por peça, até ficar diante de mim sem nenhuma barreira. Eveline respirou fundo e engoliu em seco. Seu pulso acelerou até quase sentir tontura. Ele sorriu e a beijou, movendo aqueles lábios firmes e quentes sobre a boca de Eveline. Quando afastou o rosto, disse: – Não se preocupe, Eveline. Não farei nada que a machuque ou amedronte. Temos a noite toda, e planejo aproveitar cada momento. Não é preciso ter pressa em nossa primeira noite como marido e mulher. Quero que você se lembre desta ocasião assim como eu lembrarei: para sempre. Com isso, ele se levantou novamente e começou a acender as outras velas, colocando-as estrategicamente ao redor do quarto até o lugar todo se iluminar com as luzes quentes das chamas dançantes. Graeme também tomou o cuidado de acender a lareira, acrescentando lenha até o fogo subir alto. Então virou-se para a cama onde Eveline se sentava e mais uma vez ofereceu-lhe a mão. Ele a levantou e depois tomou seu lugar, sentando-se na beirada do colchão e posicionando-a diante dele. Com mãos gentis, Graeme começou a abrir a túnica, deixando-a apenas com o vestido verde. Eveline tremia, mas entendeu que não era de medo. Não. Era a expectativa que tomava conta dela e a deixava vibrando como uma folha ao vento na frente de seu marido. Ele não simplesmente lhe arrancara a roupa. Graeme parecia muito satisfeito em tirar lentamente o vestido que ela havia colocado com tanta dificuldade apenas algumas horas atrás. Eveline prendeu a respiração quando ele começou a arrastar o tecido por seu corpo e depois soltá-lo, deixando que caísse no chão aos seus pés. Em apenas alguns instantes, ele a livrou de suas roupas de baixo e ela ficou completamente nua para que ele olhasse seu corpo inteiro. – Linda. Aquela única palavra dizia tanta coisa. Seu semblante, a maneira como a olhava, a apreciação em seus olhos e o jeito como os músculos de seus braços se apertavam. Ela estava completamente impaciente para olhar para Graeme da mesma maneira. – Venha para mim.


Eveline deu um passo nervoso adiante, e então os braços dele a envolveram, puxando-a e colocando-a entre as suas pernas. Graeme pressionou os lábios entre o vale dos seios e beijou sobre o coração de Eveline. As mãos dele acariciaram as costas dela, desceram até o traseiro e depois subiram. Ele virou o rosto para capturar o olhar de Eveline, e então mergulhou as mãos em seus cabelos, puxando-a para baixo, para que encontrasse seus lábios mais uma vez. O beijo foi menos paciente desta vez. Foi quente e exigente. Sem fôlego. Ele usou mais a força, seu corpo inteiro tenso contra o dela. Eveline podia sentir o poder emanando dele, sabia que ele podia destruí-la com o menor dos esforços. Mas Graeme era muito gentil. Ele a tratava como se ela fosse um objeto precioso que temia quebrar. Eveline gemia suavemente em sua boca e relaxava contra ele, permitindo que um pouco da tensão acumulada deixasse seu corpo. Após um momento, ele desfez contato com a boca de Eveline, mas manteve os lábios sobre a sua pele enquanto beijava uma linha que descia pelo pescoço até chegar aos seios. Quando sua boca se fechou sobre um mamilo, os joelhos dela enfraqueceram e ele a segurou para que não caísse. Era algo que Eveline nunca sentira antes. Era muito intenso e assustador. Ondas de prazer corriam seu corpo. Seus seios latejavam e doíam de um jeito bom, assim como sua virilha. Eveline sentiu uma pulsação se iniciar entre suas pernas; era algo desconfortável, pois ela não sabia como aliviar aquilo. Contorceu-se inquieta, cada vez mais agitada pelo momento. Graeme deu igual tratamento ao outro seio, lambendo a ponta com sua língua áspera e depois sugando-o. E as mãos dele não paravam de passear sobre seu corpo, acariciando e apertando cada vez mais intimamente. Com as palmas das mãos voltadas para baixo, ele pressionou a barriga dela e depois desceu até o quadril. Chocada com sua audácia, mas querendo ansiosamente o resultado daqueles toques ousados, Eveline prendeu a respiração quando os dedos de Graeme cuidadosamente mergulharam no ninho de cabelos em seu ápice. Quando os dedos de Graeme pressionaram a parte dela que latejava, Eveline se encolheu, não por ele ter causado desconforto, mas porque a reação era incontrolável. Graeme chupou com mais força o mamilo e seus dedos se tornaram ainda mais ousados, deslizando mais fundo na pele sensível. Ela perdeu o fôlego quando seu senso de urgência cresceu. Uma tensão incontrolável tomou conta de seu corpo. O prazer se acumulava cada vez mais, até ela não saber o que fazer com aquilo.


Os dedos dos pés se apertaram sobre o chão duro. As mãos buscaram os ombros dele, querendo apoio, algo em que pudesse se segurar antes de perder toda a força nas pernas. E então o dedo de Graeme deslizou para dentro do corpo dela, cuidadosamente explorando enquanto o polegar apertava a pele sensível logo acima de sua entrada. Foi demais para ela. Eveline fechou os olhos quando o quarto começou a girar ao seu redor. Pontos de luz piscavam em sua visão, e ela soltou um grito que vibrou, subindo pela garganta. Pensou que deve ter sido alto, por causa da sensação que causou. Quando voltou a si, Eveline estava aninhada no colo de Graeme, enquanto ele acariciava seu corpo e beijava sua testa. Ele ainda estava totalmente vestido, o que ela achou muito injusto, e ela estava completamente mole, sem força nenhuma nos membros, que ainda tremiam. Ela moveu-se, inclinando a cabeça para enxergar o rosto dele. – O que aconteceu? Ele sorriu e beijou a ponta do nariz dela. – Você conheceu o alívio da mulher. Aquilo lhe pareceu indefinido demais para uma experiência tão arrebatadora. – Pareceu mais como o paraíso – ela sussurrou. O sorriso dele aumentou. Então ela olhou para baixo e estranhou, franzindo o nariz. – Você ainda está vestido. Graeme se surpreendeu. – Você está reclamando disso? – Sim, estou. Eu gostaria de sentar na cama igual você fez e olhar enquanto você tira as roupas. Os olhos de Graeme queimaram e ele abruptamente a colocou de lado enquanto se levantava. Eveline o encarou boquiaberta, enquanto ele assomava sobre a cama. – Então, milady, concederei o que me pede.


Capítulo 26 Graeme mal podia conter a ansiedade enquanto se preparava para se despir na frente de Eveline. Não queria amedrontá-la, e precisou de todas as forças para não arrancar as roupas e enterrar-se entre as pernas dela. Seu pau estava quase estourando. Cada gota de sangue parecia se acumular em sua virilha, inchando sua masculinidade até cerrar os dentes por causa do desconforto. Enquanto tirava a túnica e as calças, Graeme estava ciente do olhar curioso de Eveline sobre seu corpo, o que alimentava ainda mais seu desejo de tomá-la fundo e forte. Aqueles olhos inocentes, arregalados, vendo pela primeira vez seu marido despido. Mas então ela olhou para o seu membro distendido e os olhos se arregalaram ainda mais. Eveline olhou para o rosto do marido, depois baixou os olhos e subiu de novo, quase como se estivesse fazendo mil perguntas com aquele olhar. – Gostou do que viu, minha esposa? – ele perguntou quando ela voltou a olhar para o seu rosto. Eveline molhou os lábios, num movimento tão sensual e erótico que o fez gemer. – Sim – ela finalmente respondeu. – É uma linda visão, o seu corpo. Linda visão? Não parecia apropriado que, para descrevê-lo, ela usasse a mesma linguagem que ele usou em relação a ela. Ele não era em nada igual a ela. Era duro em regiões em que ela era macia. Áspero, nas áreas em que ela era suave. Sua pele era toda marcada, ao passo que a dela não possuía nenhuma marca que pudesse corromper seu corpo adorável. Graeme aproximou-se e lançou Eveline de costas, tombando seu corpo na cama e subindo por cima dela. Ele rastejou entre suas pernas abertas e esfregou o corpo, subindo até seus lábios ficarem sobre a boca dela. Graeme começou a impulsionar o corpo, imitando os movimentos que faria se estivesse dentro dela, mas apenas se esfregando sobre sua pele macia e feminina. Gostou de senti-la contra sua ereção. Sabia que ela ainda não estava pronta para ele, não tão cedo após ter se aliviado. Levaria um tempo para deixá-la pronta novamente, mas ele aproveitaria cada momento disso. Arrastou-se para baixo e depois subiu de novo sobre o corpo dela, beijando sua boca. Suas línguas lutavam e cediam em beijos quentes, urgentes. Ele consumia os leves gemidos de


Eveline, sabendo que ela provavelmente nem sabia que os soltava. Fazia muito tempo desde a última vez que ele se entregara aos desejos mais básicos. Mas não sentira falta. O que queria era algo que nunca teve. Intimidade. Sensação de proximidade. Saber que realmente gostava da mulher que estava em sua cama. Graeme estava ciente das diferenças entre ele e os outros homens, até mesmo seus irmãos. Nunca fora do tipo que espalha sua semente por aí. Mesmo quando jovem, não foi rápido para perder a virgindade. Foi até depois que seus irmãos mais jovens já tinham tomado suas primeiras mulheres e, quando aconteceu com Graeme, sua primeira experiência não fora particularmente fantástica. De fato, demorou mais um bom tempo até decidir se aventurar outra vez. Mas agora? Era o paraíso. Sabia, sem dúvida alguma, que nunca haveria mulher que pudesse causar o mesmo efeito sobre ele, que o deixasse louco de desejo com apenas um simples olhar. Eveline causava nós dentro do corpo de Graeme; nós que ele nunca poderia desatar. Ele beijou um caminho descendo pelo pescoço dela até chegar à garganta, onde lambeu a base, adorando sentir sua pulsação se acelerando. Então, continuou descendo até os seios e pousou a boca no espaço entre os dois montes exuberantes. Ele queria parar e saborear aquelas pontas deliciosas, mas tinha outro destino em mente, um destino que fez seu coração martelar com a expectativa. Continuando o caminho para baixo, raspou os lábios sobre sua barriga macia e mergulhou a língua no umbigo. Ela tremeu e contorceu-se enquanto ele mexia a língua, saboreando cada centímetro possível. Quando deslizou até a beirada da cama, para que sua boca ficasse logo acima dos suaves cachos loiros entre as pernas de Eveline, a cabeça dela se levantou e os olhos se arregalaram em choque. Ele viu em seus olhos o momento em que ela entendeu o que aconteceria a seguir. Graeme sorriu e, cuidadosamente, correu os dedos sobre os lábios aveludados de sua porção feminina. Ele nunca sentira o sabor de uma mulher antes, nunca teve a coragem de realizar um ato desses, embora tenha ouvido as histórias dos outros homens. Ouvira que era um momento dedicado ao prazer da mulher e que causava reações diferentes. Alguns homens gostavam e achavam agradável, enquanto outros apenas tinham o objetivo de tirar das mulheres aquilo que queriam. Mas todos concordavam que as mulheres gostavam imensamente, e ele queria dar esse prazer a Eveline. Graeme tocou a língua no pedaço de pele logo acima de sua entrada. Eveline ergueu-se da cama, inclinando os quadris para cima. Seu gemido rouco ecoou, e os dedos agarraram o


cobertor com toda força. Ele ousou mais, lambendo gentilmente, absorvendo seu aroma e sabor. Foi uma sensação inebriante, como beber vinho demais. Um rugido surgiu em seus ouvidos, e o quarto pareceu desaparecer ao redor, enquanto continuava a exploração erótica daquela pele sedosa. – Graeme – ela disse quase sem voz. – Está acontecendo de novo. As pernas de Eveline começaram a tremer. Suas coxas vibravam e seus quadris se arqueavam, tentando alcançar a boca dele. Graeme sabia que ela estava pronta e que agora era o melhor momento, mas odiou a ideia do que viria em seguida. Por mais preparada que Eveline estivesse, por mais que quisesse ser preenchida, aquilo que faria iria machucá-la. Ele afastou-se e passou um dedo ao redor da boca da sua entrada, testando quanto a abertura seria pequena. Ela estava apertada ao redor de seu dedo, e Graeme sabia que se rasgaria quando ele entrasse. Com um suspiro resignado, Graeme subiu pela cama e acomodou-se entre as pernas abertas de Eveline. Beijou-a novamente e depois afastou-se, para que ela enxergasse sua boca. – Vai doer na primeira vez, Eveline. Sinto muito por isso. Vou tomar cuidado, eu juro. Um brilho de confiança surgiu em seus lindos olhos azuis. Eveline tomou o rosto dele nas mãos, tão pequenas e delicadas contra seu queixo. – Eu acho que será maravilhoso – ela sussurrou. Ele não disse que discordava, mas ficou feliz por ela não ter medo. Cuidadosamente, posicionou-se na entrada e empurrou apenas um pouco, testando a resistência. Eveline arregalou os olhos, e suas mãos caíram sobre os ombros dele, cravando as unhas na pele. Ele empurrou mais forte, sentindo seu membro ser acomodado, até sua testa começar a suar. O instinto gritava para que se enterrasse o mais fundo e forte possível. Precisou de todas as forças para se segurar e não obedecer aos impulsos avassaladores que o bombardeavam. Ela franziu o rosto, e uma dúvida tomou conta de seus olhos quando ele persistiu e ela começou a se abrir. Então Eveline estremeceu e, naquele exato instante, Graeme penetrou com um único movimento mais forte, acomodando-se por inteiro dentro dela.


O grito de dor foi como uma faca em seu coração. Graeme ficou completamente imóvel, permitindo que ela se acostumasse com aquela invasão. Beijou seu rosto, sua testa, seus olhos e seu nariz. Beijou todas as partes dela em que pudesse tocar. – Shhh – ele sussurrou, mesmo sabendo que ela provavelmente não veria suas palavras. – Desculpe, sinto muito mesmo. Logo terminará. Graeme encostou a testa e respirou fundo, enquanto seu corpo implorava para tomar Eveline, para possuí-la e clamar sua propriedade da maneira mais primitiva possível. Após um instante ela se contorceu debaixo dele, movendo-se inquieta, como se tentasse aliviar a pressão entre as pernas. Graeme levantou a cabeça para analisar a expressão de Eveline. Seu rosto ainda tinha uma expressão de dor. Ele tocou o dedo em uma das linhas de expressão, acariciando a testa dela com gentileza. – Já posso mexer? – ele perguntou. – Não começarei enquanto não disser que sim. – Talvez um pouco – ela disse com hesitação. Ele sorriu e depois retirou o mínimo possível. Era a tortura mais deliciosa que se pode imaginar. Enterrado dentro dela, mas incapaz de se mover mais que o menor dos espaços. – Isso doeu? Ela sacudiu a cabeça. – Não. Graeme sabia que ela não estava dizendo a verdade, mas por causa do enorme esforço que fazia para esconder o desconforto, preferiu não questioná-la. – Mexa comigo – ele disse quando deslizou para frente mais uma vez. – Envolva as pernas na minha cintura. Tente me puxar para mais perto, Eveline. Aquilo soou como uma súplica rouca, que ele sabia que ela não perceberia. Ele parecia desesperado, totalmente diferente do guerreiro solitário que fora por tanto tempo. Naquele momento, ele agradeceu por ela não poder ouvir, pois não gostou da vulnerabilidade na própria


voz. De modo hesitante, ela envolveu as pernas ao redor dos quadris de Graeme, que fechou os olhos enquanto as mãos dela deslizaram quentes sobre o peito dele, indo até os ombros. Não havia nada mais prazeroso que o toque de Eveline. Ele precisava daquilo. Desejava mais do que qualquer coisa. Graeme começou a se movimentar, apertando o queixo para manter o controle. Após alguns momentos, ele já estava quase se derramando, mas ainda era apenas o começo. Determinado a tornar aquilo o mais prazeroso possível para os dois, Graeme esforçou-se para manter um ritmo cadenciado, mas quando ela tocou seu rosto numa súplica silenciosa e ele viu o desejo em seus olhos, Graeme se perdeu. Mais e mais ele penetrava aquele calor aveludado. Seus músculos se apertavam com o esforço. Seu corpo inteiro ficou tenso de um modo insuportável, até ter certeza de que algo iria se partir. – Eveline, Eveline – ele sussurrou ao se perder na doçura daquele abraço. Lentamente ele se derreteu sobre o corpo dela, encaixando-se em Eveline enquanto os dois lutavam para manter o fôlego. Ela alcançou o prazer pela segunda vez, mas ele nem podia dizer que esse era seu objetivo. Graeme não conseguiu registrar nada além da explosão entorpecida que devastou seu corpo. Então a abraçou e rolou para o lado. Seus corpos ainda estavam conectados, e ele ficou contente por permanecer como uma parte dela pelo maior tempo possível. Enquanto deitavam ali em silêncio, aninhados naquele abraço, ele acariciava as costas dela, tentando acalmar seu corpo trêmulo. Então, essa era a sensação de estar completamente em paz, de corpo e alma. A sensação de encontrar alívio com uma mulher que era mais que apenas um corpo quente e solícito. Graeme não esperava uma coisa dessas. Nunca teria imaginado que se sentiria dessa maneira com relação à noiva que fora forçada sobre ele. Enquanto olhava para seus cabelos dourados, não podia imaginar qualquer coisa diferente. Não queria imaginar viver sem ela.


Capítulo 27 Quando Eveline acordou na manhã seguinte, a luz do sol entrava pela janela acertando diretamente seu rosto. Ela abriu os olhos, depois piscou rapidamente e os fechou de novo antes de virar o rosto para o outro lado. Quem tinha puxado os cobertores? Logo teve a resposta, quando a cama se moveu. Os olhos de Eveline se abriram novamente, e ela encontrou Rorie sentada na ponta da cama, cheia de impaciência. – Aí está você – ela disse. – Você ficou dormindo por décadas. Achei que nunca mais iria acordar. Eveline corou e fez questão de manter os cobertores firmemente sobre o corpo nu. A verdade não é que ela dormira por décadas, mas que Graeme a mantivera acordada na maior parte da noite com suas mãos, sua boca… Ela estremeceu com a lembrança deliciosa. Os primeiros raios de sol já apareciam quando ela finalmente adormecera. Graeme a beijara e depois se levantara para se vestir. Ele nem se deu ao trabalho de dormir, já que era esperado no pátio. Após a primeira vez que fizera amor com ela, Graeme insistiu que seria muito dolorido para ela recebê-lo de novo, mas isso não o impediu de dar prazer a Eveline durante toda a noite. Ela obteve prazer tantas vezes que, quando ele finalmente se acalmou na cama, ela já adormecera antes mesmo de Graeme deixar o quarto. Bocejando, ela puxou os cobertores ainda mais e tentou sentar-se na cama. – Por que você está aqui? – Eveline perguntou a Rorie. Rorie pulou impaciente. – Graeme mandou chamar o padre Drummond hoje de manhã! Eveline sorriu. – Isso é maravilhoso, Rorie. Sei quanto você quer aprender a ler e escrever. – E você vai estudar comigo, não é?


Eveline confirmou. – Já que você está aqui, eu gostaria de sua ajuda com uma coisa – Eveline disse. Rorie inclinou a cabeça para o lado. – Você quer minha ajuda? Não está brava por causa de ontem? É por isso que subi até aqui. Eu queria pedir desculpas de novo. – Já passou – Eveline disse. – E, sim, preciso da sua ajuda. Quero conversar com a Nora. Graeme quer que seu clã me aceite, apesar de eu ser de um clã inimigo, mas a verdade é que eu ainda não fiz nada para ganhar essa aceitação. Rorie estranhou. – Mas isso também não é motivo para insultarem você. – Não, não é, mas não posso ficar perambulando pela fortaleza como fazia em meu antigo lar, agindo como se estivesse alheia para que ninguém desconfiasse de mim. Sou a esposa do laird e é meu dever supervisionar a manutenção da fortaleza. Uma expressão inquieta marcou o rosto de Rorie. – Bom, sim, é verdade que geralmente a esposa do laird possui a tarefa de manter a fortaleza, mas meus irmãos também compartilham essa responsabilidade. Talvez seja melhor deixar isso com eles. – Isso me dá ainda mais razão para me apresentar – Eveline insistiu. – Graeme não deveria se preocupar com o trabalho de uma mulher. E nem Bowen e Teague. Eles têm coisas mais importantes para cuidar. Você vai me ajudar? Rorie hesitou e depois disse: – Sim, é claro que vou ajudar. Não sei o que poderia fazer, mas ajudarei de qualquer forma possível. Eveline sorriu para sua cunhada. – Ótimo. Tudo de que preciso é seu apoio. É uma vergonha admitir, mas sou uma covarde. Ficarei mais tranquila com você ao meu lado quando falar com Nora na cozinha. Rorie levantou da cama. – Bom, então é melhor você se levantar e vestir alguma coisa. Não pode andar por aí desse jeito.


Eveline corou dos pés à cabeça e gemeu constrangida. Rorie lançou um sorriso matreiro e depois foi até um dos baús de Eveline para escolher uma roupa adequada. Um momento depois, voltou para a cama e mostrou um vestido. – Certo. Vou bancar a criada hoje. Graeme realmente precisa destacar uma das mulheres da fortaleza para isso. Não podemos deixar que as pessoas saibam que a lady Montgomery não possui uma criada. Sua nudez, evidentemente, não perturbava Rorie nem um pouco, então Eveline deixou o conforto dos cobertores e puxou apressadamente a roupa que Rorie oferecia. Depois, Rorie ajudou-a a arrumar os cabelos e então as duas desceram até o saguão. O lugar estava praticamente vazio, e Eveline quase perdeu a coragem, optando por passear com Rorie lá fora. Talvez pudessem se sentar à beira do rio e aproveitar o dia, mas ela sabia que isso seria covardia; já era hora de parar de se esconder. Ninguém lhe entregaria um lugar no clã de mão beijada. Ela precisaria criar seu próprio lugar. Mas, no final das contas, uma viagem até o rio foi exatamente o que as duas acabaram fazendo. Nora estava supervisionando a lavagem das roupas, enquanto algumas outras mulheres lavavam os cabelos. Quando viram Eveline se aproximando, o trabalho interrompeu-se e todos os olhos apontaram em sua direção. Ela parou por um longo momento até que Rorie a empurrou para a frente. Cambaleou, endireitou o corpo e então continuou pela margem do rio, com um grande sorriso no rosto. – Você é Nora, não é? – ela perguntou para a mulher mais velha, que estudava Eveline com ar desconfiado. Nora confirmou. – Então é verdade, você consegue falar. Também é verdade que não é louca? Eveline ficou corada, mas sacudiu a cabeça lentamente. – Então, o que há de errado com você? – Nora perguntou. A mão de Eveline automaticamente subiu até seu ouvido, e ela mexeu distraidamente no lóbulo e na orelha. – Não consigo ouvir.


– O quê? Fale mais alto, criança. Não consigo ouvir o que você fala. Rorie apareceu ao seu lado e se posicionou, para que Eveline enxergasse sua boca. – Ela não consegue ouvir, Nora. Também não consegue medir o volume da voz. Às vezes é difícil entender, mas é só pedir que fale mais alto. Nora arregalou os olhos. Atrás dela, várias mulheres pararam completamente com o trabalho e passaram a acompanhar a conversa. – Como assim, não consegue ouvir? – Nora disse. – Ela obviamente entende o que falamos. – Eu consigo ler as palavras que são formadas nos seus lábios – Eveline interveio. Dessa vez falou alto o bastante para todas ouvirem. Talvez até um pouco alto demais, pois Nora deu um passo para trás, arregalando ainda mais os olhos. – Como isso é possível? – Nora perguntou desconfiada. Eveline encolheu os ombros. – Não sei explicar. Só posso dizer que consigo entender quando você fala, desde que eu consiga ver a sua boca. – Então por que você não falou antes? Os rumores dizem que você ficou três anos sem falar. Houve uma longa pausa enquanto Eveline julgava o quanto poderia ser honesta. Não havia muita razão para continuar a farsa. – Por que eu não me sentia segura – ela disse. Nora pareceu surpresa. – Não se sentia segura em seu próprio clã? Atrás dela, as outras mulheres murmuravam entre si. A declaração de Eveline surpreendeu todas. Algumas até olharam para Eveline com simpatia, que sempre foi algo que a fazia estremecer. Era algo que tivera de suportar por muito tempo. Mas, vindo daquelas mulheres, não parecia sufocante. Elas estavam horrorizadas com a ideia de Eveline não se sentir segura entre sua própria gente, mas ela não iria explicar a história inteira nem esclarecer as verdadeiras razões de seu medo. Outra mulher apareceu do lado de Nora, também querendo fazer perguntas. – Mas você está falando com a gente. Aqui, entre os Montgomery.


Eveline sorriu e assentiu. – Por quê? – Nora perguntou, obviamente perplexa. – Porque me sinto segura. Todos os olhos se arregalaram ao redor. Rorie, sempre impaciente, entrou na conversa. – Nora, Eveline queria pedir a sua ajuda com uma coisa. Nora olhou de volta para Eveline. – É claro. Do que você precisa? Eveline respirou fundo. – Todos têm um trabalho aqui, menos eu. Rorie me disse que o laird e seus irmãos supervisionam a manutenção da fortaleza. Isso é meu dever como esposa do laird, e um dever que eu levo a sério. Mas preciso da ajuda de alguém que possua experiência e conhecimento para me instruir sobre como as coisas funcionam por aqui. Nora endireitou-se, erguendo o queixo. – Bom, então você veio ao lugar certo, mocinha. Sim, com certeza. Passe o dia comigo e logo estará administrando este lugar. Eveline sorriu abertamente, e uma excitação causou- lhe um frio no estômago. – Obrigada! Rorie revirou os olhos. – Vou deixá-las cuidando de seus assuntos. Vou arrumar o escritório para a chegada do padre Drummond. Eveline dispensou Rorie, animada demais com a aceitação de Nora para se preocupar com a perda de sua companhia. Não foi uma aceitação completa. Eveline ainda tinha um caminho muito longo pela frente, mas já tinha dado um passo na direção certa. Se as mulheres enxergassem que ela estava disposta a se jogar no modo de vida dos Montgomery, então talvez pudessem esquecer que era Eveline Armstrong e passariam a vê-la como Eveline Montgomery.


Capítulo 28 Eveline não se lembrava de sua mãe esfregando o chão como parte do dever de esposa do laird, mas também era verdade que passava pouco tempo dentro da fortaleza e, quando entrava, ela se mantinha afastada das áreas sociais. Durante os longos meses de inverno, ela passava todo o tempo em seu quarto na frente da lareira. Brodie e Aiden a visitavam frequentemente, e ela gostava da companhia, mesmo quando não falavam nada ou apenas conversavam entre si, sem incluí-la na conversa. Nora insistira que os verdadeiros líderes davam o exemplo e, se ela quisesse aceitação, teria de mostrar que não se importava com um pouco de sujeira nas mãos. Tudo fez sentido quando Nora explicou, mas agora, quando Eveline estava de joelhos no chão, coberta até os cotovelos com água e sabão, a ideia já não parecia tão correta. Mesmo assim, era teimosa demais para reclamar. Eveline sabia que estava sendo observada e não permitiria que a vissem num momento de fraqueza. Ela esfregaria o chão até brilhar, mesmo que morresse tentando. Quando terminou todo o saguão, mal conseguiu se levantar. Suas costas protestaram quando se endireitou, e teve certeza de que soltou um gemido alto. Tirando os cabelos do rosto, ela apanhou o balde cheio de água suja e o levou até a entrada para esvaziá-lo no chão. Ao longe, viu um grupo de mulheres brincando com as crianças, e seu queixo caiu. Seria divertido ficar lá fora num dia tão glorioso. Eveline arrastou-se de volta para dentro e andou até o pequeno quarto ao lado da cozinha, onde guardavam os materiais de limpeza. Nora a encontrou quando ela saiu, com um sorriso de aprovação no rosto. – Você fez um ótimo trabalho no chão, mocinha. Tenho certeza de que todas as mulheres concordariam. Mas Eveline não conseguia mostrar qualquer entusiasmo por saber que elas aprovariam seu trabalho. Pensando que adoraria um descanso e que gostaria de saber o que as mulheres e as crianças faziam lá fora, ela indicou a Nora que sairia, mas Nora fez cara feia.


– Ah, não, mocinha. Ainda tem muita coisa para fazer em vez de ficar pensando em brincar lá fora. O que os outros pensariam se a esposa do laird fosse brincar enquanto as outras mulheres trabalham? Não, não é uma boa ideia. Venha comigo, vou lhe mostrar onde lavamos a louça. Mary acabou de preparar o jantar com pão fresco e bolo de aveia. Também sobrou um pouco de ensopado de ontem, mas tenho certeza de que ela terá uma pilha de panelas esperando para ser lavada. Os ombros de Eveline caíram ao mesmo tempo, mas a última coisa que queria era parecer estar acima de tais trabalhos. Se as mulheres podiam trabalhar assim diariamente, então ela certamente também conseguiria. Eveline seguiu Nora até a cozinha, onde Mary e outra mulher, que apenas olhou de relance para Eveline, sem parecer muito impressionada, trabalhavam e murmuraram um cumprimento de tal maneira que Eveline não conseguiu ler o nome em seus lábios. Sem querer admitir a falta de entendimento, ela apenas sorriu abertamente e depois observou enquanto Nora dava instruções sobre o que deveria fazer. Mas, curiosamente, assim que Eveline começou a esfregar as grandes panelas, as outras mulheres desapareceram da cozinha. Foi uma tarefa longa e árdua que Eveline tinha certeza de não ter realizado muito bem. As panelas eram grandes e era difícil esvaziá-las da água depois de esfregar com sabão. Embora o dia estivesse fresco e uma brisa constante soprasse da janela, o suor se acumulara na testa de Eveline e em sua nuca, molhando seu cabelo. Quando terminou, já não se importava mais com o que as mulheres pensavam dela e saiu da cozinha em direção ao quarto, onde poderia ao menos secar o suor do corpo. Pensou em ir até o rio para nadar, mas ficou com medo de encontrar Nora ou uma das mulheres e imediatamente receber mais alguma tarefa. Ela arrastou-se pelas escadas até o quarto, com as costas doendo e os ossos reclamando. Eveline fez uma careta quando olhou para seu vestido. Estava sujo, e o cheiro a fez franzir o nariz. Duvidava até que uma boa lavagem no rio pudesse salvar aquela roupa. Puxando-o de seu corpo, ela se despiu até ficar completamente nua, depois se limpou dos pés à cabeça. Não foi um banho completo – daria qualquer coisa por um longo e bom banho na banheira –, mas para fazer isso teria de pedir para alguém esquentar a água e encher a banheira, e ela não queria nenhum comentário das outras mulheres, que, sem dúvida, não tinham tempo para se banhar por horas antes da hora de dormir. Ela contentou-se com uma boa limpeza com os sais de banho de seu antigo clã. Depois vestiu uma roupa limpa e desabou na cama. Iria descansar um pouco. Ninguém nunca saberia.


Eveline pousou a cabeça em um dos travesseiros enquanto entrava debaixo dos cobertores. Apenas um momento. Só isso. Seus olhos se fecharam antes mesmo de se acomodar em uma posição mais confortável. Graeme entrou na fortaleza enquanto os outros se reuniam para a refeição. Verdade seja dita, ele estava ansioso para ver Eveline. Passou o dia todo sem ver sua esposa e torturando-se ao se lembrar da noite anterior com nitidez de detalhes. Apesar de não ter dormido, ele nunca se sentira tão revigorado como agora. Sentia-se um completo cafajeste, mas queria tomá-la novamente, embora ela provavelmente ficasse dolorida por vários dias. Ela precisava de tempo para recuperar-se antes de sofrer com sua atenção novamente, mas ele precisava lembrar a si mesmo disso o tempo todo para combater a urgência de se saciar de novo e de novo. Seus irmãos dariam risada se soubessem quanto seus pensamentos estavam ocupados com aquilo. Eles o provocariam e afirmariam quão rápido ele passara de uma vida de monge para uma de garanhão. Bom, isso era o que a vida de casado fazia com um homem, pelo menos era o que ele pensava. Graeme olhou rapidamente ao redor do saguão, onde as outras mulheres se juntavam. Como não viu Eveline, subiu as escadas para saber se ela ainda estava no quarto. Quando abriu a porta, foi surpreendido ao vê-la esparramada na cama, completamente vestida e dormindo profundamente. Ele começou a fechar a porta discretamente quando percebeu o absurdo disso. Apesar de saber que ela era surda, ainda era difícil lembrar-se disso, e ele acabava agindo muitas vezes como se ela pudesse ouvir. E não ajudava o fato de ela ser tão boa em ler lábios, que até era fácil de esquecer e virar a cabeça enquanto falava. Ele aproximou-se da cama e cuidadosamente se sentou na beirada. Graeme tocou seus longos cabelos loiros e os afastou onde cobriam seu rosto. Ela continuou imóvel enquanto ele acariciava seu braço. Parecia exausta. Por causa da noite passada? Mas dormira bem durante a manhã. Ele considerou se deveria acordá-la para comer, mas, quando gentilmente sacudiu seu ombro, ela continuou sem se mexer. Decidindo que obviamente precisava de descanso, ele se afastou e voltou para o andar de baixo em busca de Rorie. Talvez ela soubesse por que Eveline estava tão cansada. Encontrou Rorie quando ela saía do escritório de seu pai e fez um gesto para se aproximar.


Rorie achou estranho quando Graeme a puxou para mais perto. – Aconteceu alguma coisa? – ela perguntou. – Não, só quero perguntar uma coisa sobre Eveline. Ela está no quarto dormindo profundamente e eu queria saber o que aconteceu para ter ficado tão cansada. O que vocês duas fizeram hoje? Rorie suspirou e apertou os lábios, seus olhos denunciando completamente o fato de que sabia de alguma coisa. – Rorie – ele disse com um alerta na voz. – Se sabe de algo, é melhor falar logo. Você sabe que não tenho paciência para coisas assim. – Ela está descansando porque trabalhou muito com as outras mulheres. Graeme não entendeu. – Como assim? Rorie lançou um olhar impaciente. – Você não pode intervir, Graeme. Isso é importante para Eveline. – O que é importante? Eu juro, Rorie, às vezes você me faz querer arrancar os cabelos. Explique logo antes que eu chute o seu traseiro. – Ela me pediu para levá-la até Nora, para que a ensinasse a cuidar da fortaleza. Ela sente que não é justo você esperar que o clã a aceite se ela não fizer nada para ganhar essa aceitação. Graeme praguejou e sacudiu a cabeça. – Ela não precisa trabalhar tão duro para provar o seu valor. Isso é tolice. Ela é a lady das mulheres. É ela quem deveria dar ordens, não o contrário. Rorie assentiu. – Sim, e isso acontecerá com o tempo, mas primeiro ela precisa aprender, e quem melhor do que Nora para ensinar? Eu estava lá junto com ela, Graeme. Nora concordou. Eveline ficou muito feliz com essa conquista. Quando tive certeza de que tudo ficaria bem, retirei-me e voltei para o escritório. – Eu a vi no quarto. Ela estava claramente exausta – Graeme disse com um tom sombrio. – Não gosto disso.


– Ela quer se encaixar, Graeme – Rorie disse suavemente. – Ela quer tanto isso que fará qualquer coisa para conseguir. Ela quer um lugar em nosso clã, e é assim que acha que alcançará isso, você aceitando ou não os seus métodos. – Ela não deve provar nada – Graeme disse bruscamente. – Nisso estamos de acordo, mas Eveline não pensa assim. É importante para ela, então não vou contradizê- la, e você também não deveria fazer isso. Permita isso a ela, Graeme. Que mal pode acontecer? Talvez Rorie tivesse razão. Se Eveline estava feliz e satisfeita, então o que ele poderia dizer sobre isso? Ele não gostava de saber que ela sentia que precisava sujar as mãos para ganhar a aprovação das outras mulheres, mas talvez ela fosse mais sábia do que ele. Graeme não tentava entender a mente das mulheres. Tentar fazê-lo era uma maneira segura para um homem enlouquecer. E, se Nora realmente tivesse tomado Eveline sob sua proteção, isso facilitaria sua aceitação, pois Nora era respeitada no clã e sua liderança sobre as outras mulheres era bem estabelecida. – Certo – ele concedeu. – Não irei interferir nesse assunto, mas quero que fique de olho, Rorie. Se alguma coisa acontecer, espero que me conte imediatamente. Rorie concordou. – Certifique-se de que ela tenha algo para comer quando acordar. Eu vou levar um grupo de homens para caçar e não voltarei até mais tarde.


Capítulo 29 Eveline ficou horrorizada quando acordou pressionada fortemente contra o corpo de Graeme. Obviamente, já era tarde da noite e ela havia dormido pelo resto da tarde e a hora do jantar. Seu marido dormia profundamente e seus braços a envolviam de modo que o corpo dela estava perfeitamente alinhado com o dele. Por um momento, ela suspirou e acomodou-se naquele estado sonolento. Já devia ser quase hora de a fortaleza começar a acordar para um novo dia, mas ela não queria sair daquele calor entre os braços de seu marido. Mas Eveline lembrou-se de Nora falando do horário em que as mulheres se levantavam para acender as lareiras nos quartos e também no saguão, para espantar o frio quando os guerreiros começassem o dia. Contrariada, deixou o calor da cama e silenciosamente acrescentou lenha à lareira. Não havia sobrado brasas da noite anterior, então precisou usar uma das velas para acender a madeira. Assim que uma chama começou a crepitar e ela ficou satisfeita por seu marido acordar com um bom fogo aceso, alisou o vestido que usara na noite anterior. Depois, juntou rapidamente o cabelo para fazer uma trança. Quando terminou, desceu para procurar Nora ou as outras mulheres. Tentando conter um bocejo, ela entrou na cozinha e encontrou Mary acendendo o fogo da grande fornalha que usava para cozinhar. Eveline não deixou de notar a surpresa nos olhos de Mary quando percebeu sua presença. Mas Mary disfarçou e direcionou Eveline para a tarefa de acender o fogo das duas lareiras do saguão, embora sem se dar ao trabalho de dizer como Eveline deveria levar a lenha para uma tarefa dessas. As lareiras eram enormes e os pedaços de lenha eram muito maiores do que a madeira em seu quarto. Sem deixar que um detalhe insignificante assim a detivesse, ela saiu, tremendo ao olhar para o céu ainda escuro, que apenas então começava a clarear no horizonte. Sua respiração formava nuvens de condensação e o ar parecia úmido e frio contra seu rosto. Como suspeitara, encontrou uma grande pilha de madeira onde toras maiores eram guardadas, logo ao lado da porta da cozinha.


Eveline conseguiu deslocar uma das toras que acabou caindo diante de seus pés. Ela levantou-a e, depois de perceber que não conseguiria carregá-la, começou a rolá-la pelo chão. Quando chegou perto dos degraus de pedra no caminho de volta à fortaleza, parou e olhou para a tora. Um passo de cada vez. Ela não precisaria carregar por muito tempo. Apenas o suficiente para subir cada degrau até chegar ao topo. Respirando com dificuldade por causa do esforço físico, ela ergueu a tora apenas o suficiente para deslizá- la sobre o primeiro degrau. Parou um tempo para se recompor, preparando-se para o próximo degrau e, quando finalmente chegou ao topo, já havia passado vários minutos. Ela ergueu a madeira sobre o degrau de cima e olhou para a pilha de toras atrás dela. Como poderia trazer lenha o bastante para as duas lareiras antes de os homens começarem a descer para o café da manhã? Bom, certamente não conseguiria se ficasse ali parada reclamando, disso tinha certeza. Determinada a não se passar por tola, ela rolou a madeira na direção da lareira, deixou-a no chão e depois voltou para apanhar outra. Depois de mais quatro viagens, havia madeira suficiente para começar o primeiro fogo. Estava tão exausta que suas mãos tremiam enquanto manobrava a lenha no fosso. Colocou a primeira no lugar e, quando se abaixou de novo para pegar a próxima, alguém tocou em seu ombro. Assustada, ela virou-se e encontrou a expressão horrorizada de um jovem soldado. Ele parecia tão chocado que Eveline franziu as sobrancelhas sem entender o que havia feito de errado. – Milady, é meu dever trazer a lenha toda manhã. Isso não é trabalho para uma moça do seu tamanho. Por favor, permita que eu termine o trabalho. Não quero desagradar o laird deixando que sua esposa faça um trabalho tão pesado. Suas mãos, milady. Estão sangrando. Por favor, peça para uma das mulheres cuidar de você. Ela olhou para baixo, surpresa ao ver que suas mãos estavam machucadas e sangrando por causa do esforço com a madeira. Talvez não tenha entendido Mary, ou simplesmente lera errado seus lábios. Pensara que deveria acender as lareiras, mas ficou muito contente por não precisar mais lutar contra a lenha. Suas costas doíam muito e, agora que percebera as mãos machucadas, elas começaram a arder. Graeme ficaria furioso, e a última coisa que ela queria era que os outros membros do clã pensassem que ela não conseguia nem cuidar de levar a lenha sem machucar suas mãozinhas preciosas. Uma túnica possuía mangas longas que podiam esconder suas mãos. E, mesmo que não vestira


uma pela manhã, faria isso depois, para que ninguém percebesse os machucados em suas mãos. Por enquanto, precisava encontrar um lugar para se limpar com privacidade. Lá fora o sol já estava subindo no horizonte, o que significava que seu marido logo apareceria. Eveline saiu do saguão após agradecer o jovem soldado, que continuou o trabalho de acender as lareiras e dirigiu-se para a torre de guarda. Era um inconveniente ter de passar por um guarda sempre que queria andar até o rio, mas tinha de agradecer a dedicação de Graeme pela proteção de seu povo. Ela chamou o guarda, tendo certeza de que estava gritando com toda a força. O guarda colocou a cabeça para fora, estranhando seu comportamento, como se ela fosse completamente louca, depois sacudiu a cabeça. Um momento depois, um cavaleiro apareceu, e sua expressão mostrava que ele não estava muito contente em ter de acompanhá-la para fora do portão, porque, provavelmente, perderia o café da manhã. – Apenas vou até o rio para lavar as mãos – ela disse ao cavaleiro. – Não precisa me acompanhar. O guarda consegue ver claramente o caminho que tomarei. O cavaleiro ignorou-a, não dando ouvidos ao seu argumento, e cavalgou na frente, olhando-a vez por outra com impaciência. Irritada com tal grosseria, ela começou a andar em um ritmo marcado sobre a grama cheia de orvalho em direção ao rio. O ar estava frio, mas ela gostava disso, sentindo-se revigorada após o trabalho exaustivo com a lenha. Quando alcançou a margem onde havia mergulhado dias atrás, ajoelhou-se e colocou as mãos na água fria. O sangue já secara nos lugares em que a pele estava partida e esfolada e a água foi um choque nas áreas mais sensíveis, fazendo-a estremecer quando começou a tirar as farpas dos machucados. Foi então que percebeu as bolhas do dia anterior. Duas haviam se partido e vazavam um líquido claro, mas havia muitas outras que ainda não tinha estourado. Eveline suspirou, sabendo que provavelmente causara muitas outras com o trabalho da manhã. Quando se levantou, seu estômago roncou e depois deu um nó que a deixou com as pernas bambas. Ela não havia comido nada na noite anterior e agora estava perdendo também o desjejum. Mas, se corresse, talvez conseguisse chegar a tempo.


– Onde diabos está a minha esposa? – Graeme exigiu saber, ecoando a voz pelo saguão. Um de seus soldados que cuidavam das lareiras olhou inquieto na direção de Graeme, que percebeu algo naquele olhar e aproximou-se com passos pesados. – Você viu sua lady hoje de manhã? Anton engoliu em seco nervosamente. – Sim, laird. Ela estava… – Ele estremeceu, depois continuou falando apressadamente. – Ela estava trazendo a lenha para as lareiras no saguão. Eu a impedi, é claro, e disse a ela que era meu dever cuidar do fogo. Ela pareceu aliviada, mas depois correu para fora e eu não a vi mais. – Ela estava fazendo o quê? – Graeme rugiu. Anton estremeceu. – Eu também não pude acreditar. Ela não precisava tentar carregar a lenha, mas já havia carregado cinco toras para a primeira lareira quando cheguei ao saguão. Graeme fechou os olhos e sacudiu a cabeça. Aquilo era ridículo, uma completa loucura, independente dos argumentos de Rorie. Jamais permitiria que continuasse. Ele estava quase exigindo um relatório de cada mulher da fortaleza quando Eveline apareceu correndo, o rosto pálido por causa do frio. Várias mechas de seu cabelo haviam se soltado da trança e cobriam seu rosto. Apesar de sua expressão perturbada, ela ainda conseguiu arrancar o fôlego de Graeme. – Oh, bom dia, Graeme – ela disse quase sem ar. Fez uma reverência e depois correu na frente dele em direção à mesa onde a comida já estava sendo servida. Ele piscou e virou-se para acompanhar o movimento de Eveline atravessando o saguão, sentando-se na cadeira ao lado da dele e sorriu para seus irmãos, que já haviam tomado seus lugares. Faltava apenas Rorie, que nem sempre aparecia para tomar café com os outros. Antes de se juntar a ela e seus irmãos, Graeme virou- se para Anton com uma expressão séria. – Não permita que isso aconteça de novo. Certifique- se de que ela não carregue mais madeira dentro da fortaleza, mesmo se precisar guardar a lenha aqui dentro. Ela não deve acender essas lareiras. Anton assentiu e Graeme foi sentar-se ao lado de sua esposa.


Ela sorriu abertamente quando ele se sentou. Apesar de sua aparente alegria, Graeme percebeu manchas pretas sob seus olhos, o que o deixou irritado de novo por ela estar trabalhando tão duro para ser aceita e seu clã estar agindo de modo extremamente infantil com ela. Quem resistiria a um sorriso daqueles? Além disso, como alguém poderia passar um momento com Eveline e achar que ela era igual ao povo dela? Os Armstrong eram pessoas selvagens e sedentas de sangue, que não se importavam em matar para alcançar seus objetivos. Mas Eveline era uma moça gentil, que não possuía nem um pingo de maldade no coração. Exceto que havia brandido uma espada para as mulheres de seu clã, fazendo todas correrem da fortaleza. Ele pensou um pouco sobre isso. A moça passava por dificuldades e não poderia ser culpada por tentar se defender diante de insultos tão maldosos. Graeme pretendia conversar sobre todo esse trabalho durante o desjejum, mas Eveline manteve uma conversa animada com seus irmãos, embora ele não soubesse sobre o que conversavam exatamente. E também não sabia se seus irmãos entendiam, mas alimentavam a conversa sorrindo sempre que podiam. Ele agradecia a aceitação e o apoio, e sabia que, com o tempo, o resto do clã também a aceitaria. Talvez Rorie estivesse certa e Eveline apenas precisasse de um pouco de tempo para se ajustar e conquistar as mulheres. Dava a impressão que já possuía o apoio de seus homens. Eles não pareciam querer que ela sofresse e, até agora, não ficara sabendo de nenhum insulto vindo dos homens. Já as mulheres eram outro assunto. Mas, mesmo assim, ele não as culpava por serem leais ao nome dos Montgomery. Graeme suspirou. Com certeza, era um assunto difícil. As mulheres sempre apoiaram firmemente os homens do clã e disso ele sempre se orgulhara. E a maior incentivadora desse tipo de lealdade feroz das mulheres fora sua própria mãe. Antes de morrer parindo Rorie, ela juntava as mulheres e falava da importância de cultivar laços fortes no clã, que se estendiam a cada homem, mulher e criança. O pai de Graeme costumava rir e dizer que tolos eram aqueles que se colocavam no caminho de sua esposa, pois ela era uma guerreira mais feroz do que qualquer homem treinado por Robert Montgomery. Mas sua mãe teria gostado de Eveline. É claro, Graeme não achava que sua mãe iria aceitá-la de imediato. Ela trataria o casamento com o mesmo desdém de todos os outros membros do clã, mas, com o tempo, seria atraída pelo charme de Eveline e por sua perseverança. Também teria aprovado sinceramente a capacidade de Eveline evitar um casamento com alguém que pretendia abusar dela.


Graeme estranhou quando Eveline levantou-se após terminar a refeição. Ele pretendia conversar sobre toda aquela história de trabalhar na fortaleza. – Por favor, espere um momento, Eveline – ele disse, após chamar sua atenção. – Oh, desculpe, Graeme. Agora não tenho tempo. Tenho trabalho a fazer e você também, certamente, precisa cuidar de suas coisas. Conversaremos sobre o que você quiser no jantar. Ao dizer isso, Eveline sorriu e beijou os lábios de Graeme diante de todos. Depois fez-lhe um afago no rosto e retirou-se alegremente, atravessando o saguão apressada e deixando Graeme completamente aturdido. Passaram-se alguns instantes até ele perceber que estava imóvel na cadeira, com a sensação dos lábios dela ainda pairando sobre a sua boca. Havia murmúrios e risadinhas ao seu redor, mas ele não se importava. Olhava fixamente para a cadência suave dos quadris de sua esposa enquanto ela deixava o saguão.


Capítulo 30 O padre Drummond chegou no dia seguinte e Eveline surpreendeu-se ao descobrir que ele era um jovem, talvez alguns anos mais novo que Teague. Ele tinha uma aparência alegre, com um sorriso fácil e sempre disposto. Em um mar de guerreiros, padre Drummond se destacava por ser tão diferente dos outros. Sua pele era mais clara e sem nenhuma marca que Eveline pudesse ver. Tinha cabelos loiros, quase do mesmo tom dos cabelos de Eveline, e olhos azuis que brilhavam quando sorria. Eveline pensou que até poderiam ser irmãos, tamanha a semelhança entre os dois. Ela ficou envergonhada por esperar um homem mais velho, severo e ameaçador, um mestre que seria implacável em suas lições. Obviamente, ele era um amigo do clã Montgomery, pois todos o cumprimentavam alegremente. Era tratado com uma série de tapas nas costas, que poderiam jogá-lo de cara no chão, e Eveline estremecia cada vez que um guerreiro o cumprimentava. Rorie praticamente dançava de alegria, tão animada estava com a chegada do padre. Mal conseguia se conter enquanto esperava para receber a atenção do padre Drummond. Ele cumprimentou Rorie afetuosamente, beijando-a nos dois lados do rosto, quando Graeme finalmente apareceu para contar a razão de ter mandado que o chamassem. Padre Drummond riu quando soube que Rorie queria aprender a ler e escrever, mas não pareceu surpreso por ter sido escolhido para ensiná-la. Então, ao ver Eveline em pé, num canto da multidão que recebia o padre Drummond, Graeme fez um gesto para que se aproximasse. – Padre, esta é Eveline, minha esposa – Graeme disse, certificando-se de que o padre ficasse de frente para ela. O padre sorriu abertamente e estendeu os braços para tomar as duas mãos de Eveline. – Milady, ouvi muitas coisas sobre você. Precisa me contar como conseguiu aprender a ler as palavras nos lábios das pessoas. É uma habilidade fascinante. O rosto de Eveline corou ao ouvir aquele elogio e ela sorriu timidamente. Tomou cuidado para evitar que ele tocasse suas mãos. Não queria que ninguém soubesse das bolhas e da pele machucada. O estado de suas mãos a envergonhavam.


– Demorou um pouco, e eu ainda não consigo ler todas as palavras. Algumas pessoas não as pronunciam tão claramente quanto outras. Graeme a tocou gentilmente no braço. – Um pouco mais alto, Eveline. Constrangida, Eveline repetiu a fala, tomando cuidado para pronunciar cada palavra com um volume mais alto. Graeme assentiu levemente, para que soubesse que o tom estava no ponto certo. – Estou fascinado com a sua habilidade de se adaptar à surdez – o padre disse. – É um assunto sobre o qual eu adoraria conversar com você depois. Eveline sorriu, sentindo o coração mais leve com a fácil aceitação do padre. Ele não a considerou estranha e, de fato, pareceu muito impressionado com sua habilidade. Ela nunca havia percebido quão estressante era passar tanto tempo sem uma palavra bondosa ou um sorriso sincero. Pensar nisso fez seu coração sentir saudades de casa, onde sua família a amava sem se importar se era louca ou completamente normal. Contava com seu amor e aceitação da mesma maneira. Por um momento, a tristeza se acumulou em sua garganta quando pensou que poderia nunca mais ver sua família. Graeme fora muito claro sobre não permitir que ninguém de sua família pisasse nas terras dos Montgomery, mesmo que isso significasse não ver mais sua única filha. Ela pediu licença e retirou-se da companhia do marido e do padre Drummond e correu antes que aquela tristeza se tornasse aparente. Eveline não hesitou quando ficou cara a cara com Nora, que tinha mais tarefas para ela completar. Ficar ocupada tiraria sua mente daquela depressão. Sentia falta dos abraços dos irmãos e da companhia de sua mãe quando tricotavam juntas. Não havia tocado em uma agulha desde que chegara, embora soubesse que sua mãe havia colocado em seus baús tudo de que precisava para tricotar. Ignorando a dor em suas mãos, ela foi bater os tapetes que forravam os corredores da fortaleza. Também se certificou de que o quarto onde o padre se hospedaria estivesse limpo e com a lareira acesa. Graeme não encontraria nenhuma falha em sua habilidade de cuidar da fortaleza. Ela estava cuidando da hospedagem de seu convidado e já havia falado com Mary sobre uma refeição especial para receber o padre. Mas a tristeza a acompanhou pelo resto do dia. E, por mais ocupada que estivesse, ela não


conseguia espantar a saudade do coração. A cada olhar cético lançado em sua direção, mais Eveline se sentia inadequada e não pertencente àquele lugar. Quando chegou a hora do jantar, Eveline estava quase desabando no chão. Estava tão cansada que mal conseguiu cruzar a distância até o saguão. E, realmente, precisava subir até o quarto para retocar a aparência. O padre Drummond ocuparia um lugar de honra na mesa de Graeme e ela estava suada, desarrumada e suja. Soltando um gemido, subiu os degraus e forçou-se a andar até o quarto. Uma vez lá dentro, Eveline cuidou de tirar o cabelo do rosto e de escovar todo o emaranhado das tranças. Não queria usar o mesmo vestido e túnica de antes, então escolheu outro, que sua mãe havia costurado. Era um lindo azul-escuro, parecido com o que usara no casamento, mas não tão grandioso. Era mais adequado para receber um convidado de honra. Havia uma túnica branca, como aquela que usara com o vestido verde, mas essa possuía uma bainha bordada em toda a volta e as mangas também eram bordadas com um rico desenho azul combinando com o vestido. As mangas cobriam a maior parte das mãos, o que era um alívio, pois estavam vermelhas e feias por causa dos machucados e bolhas. Eveline franziu o rosto ao olhar para suas mãos, pensando quanto sua mãe ficaria horrorizada se visse aquilo. Não eram mãos de uma lady de bom berço. Mas uma lady de bom berço não ganharia a aceitação do clã de Graeme. Claramente, eles valorizavam o trabalho duro em vez da graça e elegância, e Eveline não podia culpá-los. Uma lady da fortaleza que trabalhasse lado a lado com as outras mulheres era muito melhor do que uma lady que soubesse costurar. Quando ficou satisfeita com a sua aparência, tomou coragem e desceu as escadas novamente, gemendo por dentro a cada degrau. Forçando um sorriso, virou a esquina para entrar no saguão e olhou para a mesa onde seu marido estava sentado com seus irmãos. Graeme olhou para Eveline e ela jurou que viu alívio e prazer em seus olhos. Isso aqueceu seu coração e tirou um pouco do peso da tristeza de sua alma. Seus passos se tornaram mais suaves e ela conseguiu esquecer a dor que a acompanhava a cada movimento. Quando se aproximou, Graeme levantou-se e ofereceu-lhe a mão para ela subir na plataforma. Em vez de aceitar a mão, tocou seu braço com os dedos, permitindo que ele a ajudasse. Eveline sorriu para Bowen e Teague e depois para Rorie, que sorria de orelha a orelha em seu lugar na frente do padre. Então, ofereceu outro sorriso a padre Drummond e deu-lhe as boas- vindas à mesa dos Montgomery.


Graeme surpreendeu-a com um beijo na testa quando a acomodou na cadeira ao seu lado. Ele começou a tomar sua mão, mas ela rapidamente recuou, alcançando sua taça, como se não tivesse percebido o gesto dele. Rorie estava animada durante toda a refeição, mantendo uma conversa alegre que Eveline precisou se concentrar para acompanhar. Tinha certeza de que perdera várias coisas, pois precisava virar os olhos constantemente de pessoa a pessoa. Quando estavam terminando de jantar, Eveline estava exausta e sua cabeça doía de tanto tentar acompanhar o ritmo da conversa. Tudo o que queria era ir para cama e permanecer lá por uma semana inteira. Ela suspirou de alívio quando a refeição terminou e Graeme sugeriu que os homens se retirassem para as lareiras do outro lado do saguão, para beber a cerveja reservada para ocasiões especiais. Eveline estava dando graças a Deus por poder subir e descansar, quando Graeme virou-se e ofereceu-lhe a mão enquanto os outros se levantavam. Confusa e achando que ele apenas queria ajudá-la a descer, ela aceitou seu braço e permitiu que a conduzisse para longe de mesa. Quando chegaram do outro lado do saguão, ela sorriu para os outros e tentou tirar a mão do braço de Graeme para poder se retirar, mas ele a puxou de volta e ela precisou aguentar a dor quando ele apertou uma das áreas machucadas da mão. Felizmente, ele não percebeu. – Venha juntar-se a nós, Eveline – Graeme disse. – Eu gostaria da sua companhia nesta noite. Eveline piscou surpresa, mas ele tomou uma das grandes poltronas diante da lareira e então, aumentando o espanto dela, em vez de oferecer-lhe uma das poltronas, Graeme puxou-a para que sentasse em seu colo. De qualquer maneira, após os irmãos e o padre Drummond tomarem seus lugares e Rorie e alguns dos homens de Graeme tomarem o restante das poltronas, não havia mesmo sobrado lugar para ela. Eveline sentiu-se constrangida no colo de Graeme, embora não houvesse nada de estranho ou íntimo demais naquela ação. Ele deixou o braço sobre a cintura dela, segurando-a contra o peito, enquanto os outros conversavam, bebiam cerveja e riam com as histórias das batalhas e treinamentos. Graeme passou a maior parte do tempo em silêncio, embora de vez em quando ela pudesse sentir as vibrações emanando do peito dele enquanto aquela voz acalmava seus sentidos.


Eveline adorava ouvi-lo, mesmo que não pudesse entender as palavras. Felizmente, em nenhum momento a conversa foi direcionada a ela, pois estava cansada demais para acompanhar o que diziam. Após um tempo, ela relaxou completamente no abraço de Graeme e desfrutou do contato daquele corpo, muito maior que o dela. Foi um conforto no momento em que mais precisava ser confortada. Eveline estava cansada, com saudades de casa e solitária. Chegara ao ponto de temer nunca encaixar-se em seu novo clã, e nem estava segura de realmente querer isso. Era difícil para ela sentir-se feliz em um lugar onde ninguém a queria, por mais que se esforçasse para mudar esse fato. Sua cabeça deslizou cada vez mais, até que finalmente Graeme a acomodou debaixo de seu queixo e a abraçou com mais firmeza. Ela bocejou uma vez e rapidamente fechou a boca, determinada a não ser rude na frente dos outros, mas Graeme não pareceu se importar. A mão dele acariciou suas costas e depois deslizou de volta para segurá-la no lugar. Ela suspirou em completo contentamento, desejando que o momento nunca terminasse. A fadiga venceu a batalha que Eveline travara o dia todo e seus olhos se tornaram tão pesados que não conseguiu mais mantê-los abertos. Ela raspou o rosto no pescoço de Graeme e, com um último suspiro, entregou- se à sedução do sono.


Capítulo 31 Graeme passava os dedos entre os cabelos de Eveline e ouvia sua respiração calma. Ela estava dormindo, aquecida e satisfeita em seus braços. Ele sabia quanto ela estava exausta e que queria ir para a cama, mas fez questão que ficasse mais um pouco no saguão. Por um lado, fizera isso por ganância, pois, se não podia ir com ela para a cama imediatamente, então queria que ficasse com ele para, ao menos, poder abraçá-la e tocá-la. Graeme esperara o dia todo para desfrutar do simples prazer de ter suas mãos sobre a pele de Eveline. Mas, por outro lado, fizera-o também pelo desejo de deixar claro para todos que ele valorizava sua esposa e que ela possuía uma posição permanente no clã. Graeme usaria qualquer oportunidade para reforçar essa ideia. Queria que todos entendessem muito bem que ele apoiava sua esposa, Armstrong ou não. – Sua esposa nos abandonou – Bowen disse num tom divertido. – Talvez seja hora de você se retirar – Teague comentou. – Ela parece exausta. Achei que nem conseguiria manter os olhos abertos durante o jantar. Ao perceber que não fora o único a notar a fadiga de Eveline, Graeme ficou irritado, pois ela não precisaria trabalhar tão duro para ser aceita quando ele já a aceitara. – Sim, acho que está na hora de levar Eveline para o nosso quarto, se nos dão licença. Ele levantou-se, carregando Eveline com facilidade. – Padre – ele disse, acenando com a cabeça –, estamos contentes por recebê-lo, e você pode começar a ensinar Rorie quando quiser. – E Eveline também – Rorie acrescentou. – Ela também quer aprender. – Certo, Eveline também – Graeme respondeu com voz suave. Talvez isso a mantivesse ocupada demais para pensar no trabalho pesado que fazia para tentar ganhar o respeito das mulheres. Na verdade, Eveline era muito mais merecedora do respeito delas do que o contrário. – Estou animado para ensinar duas mulheres tão inteligentes – o padre Drummond disse, com um largo sorriso no rosto. – Algo me diz que será uma das tarefas mais interessantes que já


tive. Graeme passou pelo grupo de homens e olhou diretamente para Rorie, para deixar claro que ela também deveria se retirar. Rorie levantou-se com relutância e despediu-se dos demais. Quando Graeme entrou no quarto, ele fechou a porta e depois, cuidadosamente, deitou Eveline na cama. Se fosse um homem generoso, simplesmente tiraria suas roupas e a cobriria com as cobertas. Mas não era isso o que queria. Queria acordá-la com beijos e carícias. Queria fazê-la gemer de prazer, e depois queria possuí-la novamente. Dois dias eram tudo o que conseguia esperar para que ela se recuperasse de sua primeira união. Ele seria paciente e gentil, mas não conseguiria esperar outra noite. Não pensara em outra coisa nos últimos dias além de como tinha sido bom, de quanto ela era linda e de como o fizera sentir-se tão… completo. Graeme abaixou-se para beijá-la ao mesmo tempo que começava a despi-la. O vestido com muitas camadas confundiu-o e testou sua paciência. Ele queria mesmo era arrancar as roupas e deixá-la nua para seus olhos a devorarem, mas o vestido que ela usava era, obviamente, muito valioso e meticulosamente costurado. Ele mordiscou a orelha da esposa enquanto continuava a despi-la. Eveline contorceu-se e suspirou, sorrindo em seu sono, e Graeme também sorriu, embora maliciosamente. Quando ela ficou completamente nua na cama, ele baixou a boca para gentilmente sugar um de seus seios. Os olhos dela se abriram de repente, ainda sonolentos, e ela pareceu desorientada por um momento. Então pareceu entender onde estava e o que Graeme fazia. Seus olhos se arregalaram e depois se tornaram lânguidos, com um desejo recíproco. Eveline arqueou o corpo e esticou-se como um felino, em um claro convite. Era todo o incentivo de que Graeme precisava. Ele tirou as próprias roupas apressadamente e depois a encontrou apoiada nos cotovelos, observando-o enquanto ele voltava para a cama. Graeme alcançou o corpo dela, querendo sentir sua pele nua contra o corpo dele. Quando subiu por cima dela, apoiado nos cotovelos, seu rosto a poucos centímetros do dela, disse: – Tentei dar tempo para você se recuperar, mas, meu Deus, Eveline, eu quero tanto você. Não consigo esperar mais.


Ela sorriu e ergueu o queixo para poder beijá-lo. – Já estou mais do que recuperada. Também quero você, meu marido. Com um gemido, ele a beijou com força, bebendo profundamente naquela doçura. O corpo dele eriçou-se com a suavidade do corpo dela, em uma imensa contradição com a aspereza de seus próprios músculos. Ele rolou para o lado, levando-a consigo, até ficarem lado a lado, e então olhou em seus olhos, absorvendo a surpresa na expressão dela. O desejo era evidente. Espelhava o seu próprio, e ele precisou lembrar a si mesmo de ser gentil, mesmo que ela afirmasse já ter se recuperado. Seu instinto era rolar para cima dela e enterrar-se o mais fundo possível em seu corpo receptivo. Ficaria contente de passar a noite inteira envolvido por aquele calor. Eveline contorceu-se inquieta ao seu lado, como se ela também não pudesse esperar para ser possuída novamente. Graeme passou a mão por sua perna até a curva do quadril, subindo em uma única carícia até chegar ao seio. Ali, segurou aquela forma macia e esfregou o polegar sobre o mamilo até deixar a ponta eriçada. Depois inclinou a cabeça e tomou o mamilo na boca, chupando-o até ela soltar um gemido e arquear-se ainda mais para cima dele. Subindo até ficar sobre ela, levou a mão até o meio de suas pernas, satisfeito por encontrá-la quente e molhada de desejo. Esfregou a pequena pele escondida em seus lábios femininos, causando outro suspiro de satisfação. Depois empurrou-a gentilmente para que ficasse de frente para ele, dando-lhe total acesso ao seu corpo, aos seus seios e a tudo mais que ele quisesse beijar, tocar e acariciar. Ele adorava o contraste de suas curvas pálidas e macias contra o topo rosado dos mamilos. Podia passar horas degustando, lambendo e chupando-os até enlouquecer os dois com aquela luxúria. Sentindo-se particularmente audacioso, Graeme lambeu um mamilo e seguiu com pequenas mordidas, raspando os dentes na ponta até que ficasse ainda mais rígida. Depois lambeu o outro mamilo, esfregando a língua ao redor e por cima, circulando até ela se contorcer debaixo dele. Então afastou o rosto, encarando seus lindos olhos intensamente. – Ah, mulher, você é muito tentadora. Não posso passar mais nem um momento fora de você. Ele deslizou os dedos sobre a entrada dela, querendo ter certeza de que estava preparada. Não


havia resistência. Ela abriu-se facilmente e depois aconchegou seus dedos enquanto se moviam mais para o fundo. Foi o bastante para deixá-lo à beira do abismo. Graeme girou o corpo sobre ela, abrindo suas coxas com o joelho, depois segurou sua ereção e esfregou-a para cima e para baixo, banhando-se na umidade dela. Finalmente, posicionou-se em sua entrada e empurrou, entrando apenas o bastante para ela se encaixar perfeitamente ao redor da cabeça. Eveline fechou os olhos e moveu as mãos até os ombros dele, cravando as unhas em sua pele. Ele empurrou ainda mais, ganhando mais um centímetro. Ela tremeu e ergueu os quadris, suplicando silenciosamente por mais. Graeme estava mais do que feliz em obedecer. Ele impulsionou para a frente, enterrando-se até a base. Ela gritou e ele parou imediatamente, até perceber que não fora um grito de dor, mas de prazer. Fora a sensação mais intensa que já experimentara. Jamais sequer imaginara como seria ficar com a mulher certa. Uma mulher que não era apenas uma diversão rápida e um alívio apressado. Isso era correto. Tão correto. Ele sabia que nunca sentiria algo assim de novo. Nunca haveria outra mulher para ele. Ela era dele. Sua esposa. Ele a amava. Essa conclusão foi surpreendente e inquietante. Amor. Ele amava Eveline Armstrong. Como pôde ter acontecido tão rapidamente? Como podia amar uma mulher cujo clã causara tanta tristeza para sua família? Logicamente, ele sabia – e já deixara claro – que ela não podia ser culpada pelos pecados de seu antigo clã. Até sabia que sentia certa ternura por ela e, sim, um feroz sentimento de proteção. Mas… amor? Foi uma compreensão extraordinária, para a qual ele não estava preparado. Foi como ser


atingido por um martelo. – Graeme? O sussurro de Eveline alcançou seus ouvidos, e ele percebeu que estava imóvel, apenas parado sobre ela enquanto processava a magnitude daquele momento. – Está tudo bem – ele disse, quase sem voz. E estava mesmo. Tudo estava perfeito. Ele tinha em seus braços a mulher que parecia ter sido feita para ele. Nada nunca superaria essa sensação. Graeme olhou para Eveline, querendo desfrutar o momento e gravar na memória o instante em que percebeu quanto Eveline Armstrong significava para ele. Uma pequena garota que passou por todas as suas defesas. Era tão surpreendente quanto satisfatório. Ele começou a penetrar novamente, desta vez mais devagar e com movimentos medidos para prolongar o prazer. Graeme sentiu-se tomado por ternura, pela necessidade de abraçá-la e cuidar dela. Como poderia explicar a Eveline o que ela significava para ele? Como poderia encontrar palavras para isso? Ele poderia mostrar. Poderia mostrar a Eveline aquilo que ainda não sabia como expressar em palavras. Podia não ser capaz de dizer aquilo que havia em seu coração, mas mostraria em ações e gestos. Tomando-a em seus braços, ele deslizou profundamente para dentro dela e depois retirou apenas para empurrar de volta. Nunca se sentira tão vulnerável, tão completamente desprotegido, mas isso não era tão terrível quanto poderia imaginar. Descobriu que não se importava em mostrar a ela seu lado mais suave. De fato, queria que ela soubesse que esse lado existia. Eveline passou os braços ao redor do pescoço dele, puxando-o para mais perto de si. Seus lábios sussurraram sobre o queixo de Graeme e depois sobre o ouvido, onde o beijou e mordeu de modo brincalhão, mas ao mesmo tempo erótico e doce. As ações dela eram sinceras, e ele achou encantador a maneira como mostrava seu afeto, e talvez até amor. Ele podia apenas torcer por isso, pois seria o pior tipo de inferno imaginar que ela não sentisse o mesmo por ele. Ela precisava amá-lo. Ele não podia nem pensar na alternativa contrária. Fechando os olhos, ele enterrou o rosto nos cabelos dela, deixando que o envolvessem.


Graeme não confiava nessa emoção súbita e arrebatadora. Era algo que ia além da simples luxúria, do simples prazer de um lindo corpo feminino. Seu coração fora capturado, e essa era uma sensação de impotência e assombro. – Eu te amo – ele sussurrou em seus cabelos, sabendo que ela não ouviria, mas querendo testar as palavras em seus lábios. – Eu te amo – ele disse novamente quando percebeu quão fácil era dizer isso. Ele a cobriu completamente, mas era Eveline quem o segurava em suas pequenas mãos. Era ela quem o possuía, não o contrário. O alívio que ele atingiu foi poderoso, muito mais intenso do que antes. Veio de um lugar muito mais profundo dentro dele. Seu corpo inteiro ficou tenso e ele penetrou mais fundo, mais forte, até ela se apertar ao seu redor. Eveline derramou-se suave e sedosa, e ele penetrou novamente, desta vez com sua satisfação rugindo como um trovão. Ele a apertou com tanta força que teve medo de machucá-la, mas, mesmo assim, não conseguia soltá- la. Queria ficar dentro dela tão fundo que nunca mais pudessem se separar, para que, quando estivessem longe, ela se lembrasse daquele momento, de quando se tornaram inseparáveis. Quando eram apenas um. Ele relaxou sobre o corpo dela, com as coxas ainda tremendo com os últimos vestígios do orgasmo. Graeme descansou ali por um instante, desfrutando a sensação do corpo da esposa. Após um tempo, moveu-se para o lado, trazendo-a consigo, com as pernas entrelaçadas e os corpos ainda conectados da maneira mais íntima possível. Ela murmurou algo contra o pescoço dele, mas o rugido que ainda ecoava em seus ouvidos não permitiu que ele entendesse. Graeme acariciou os cabelos da mulher, passando pelas costas até chegar ao traseiro, segurando-a com força no lugar para que a ligação entre ambos não se partisse. Demorou alguns instantes até perceber que ela estava dormindo profundamente, com a cabeça pousada sobre seu queixo e a boca sobre o seu coração. Ele sorriu, com um contentamento que nunca sentira em toda a sua vida. Graeme alcançou a mão dela para entrelaçar os dedos, querendo puxar o braço para o seu lado. Quando tocou a palma da mão dela, sentiu algo estranho; então, ergueu a cabeça enquanto levantava a mão dela na luz tênue das velas. A palma da mão e os dedos de Eveline estavam machucados. Estavam vermelhos, e ainda havia traços de sangue seco onde a pele se rompera. Ele a virou para enxergar melhor e então praguejou quando viu a evidência das bolhas estouradas.


Uma fúria fez seu sangue ferver, substituindo o contentamento anterior por pura raiva. Ele não iria mais tolerar isso, por mais que Rorie argumentasse. Nada poderia machucar Eveline, seu clã que se danasse. Se não conseguiam enxergar o tesouro que lhes fora entregue, então eram todos idiotas e ele não daria mais importância a idiotas. Não mais. Esse assunto terminaria de vez assim que o sol raiasse.


Capítulo 32 Eveline acordou de repente e, por um momento, ficou tão desorientada que não conseguia entender onde estava. Então sorriu, pois percebeu que estava aninhada num forte abraço de seu marido, que a segurava possessivamente com um dos braços. Ela fechou os olhos e sentiu seu cheiro. Depois dos últimos dias, ela precisava desesperadamente daquilo que aconteceu na noite anterior. Ternura. Amor. As ações dele mostraram a ela mais do que as palavras poderiam mostrar. Mostraram que ele a valorizava. Que significava algo mais que uma mera esposa de um casamento forçado. Talvez, algum dia… ela suspirou melancolicamente. Talvez, algum dia, até conquistasse o seu amor. Oh, se pudesse ouvir aquelas palavras. Realmente ouvi-las. A ideia enviou uma dor diretamente para o coração de Eveline, quase sobrecarregando-a. Eveline não passara muito tempo lamentando o fato de ter perdido a audição. No começo, ficou muito triste e até se perguntou se aquilo era punição de Deus por seus pecados. Mas com o passar do tempo aceitou que nunca mais ouviria nada. Nunca mais seria normal e nunca ouviria coisas que a deixavam tão feliz. Música. A voz de sua mãe. As provocações dos irmãos. E o retumbar da voz de seu pai, cheia de impaciência por sua filha rebelde. Mas agora ela daria qualquer coisa para poder ouvir palavras de amor vindas de seu marido. Se não de amor, então de afeto. Queria ser capaz de ouvir as coisas que via em seus olhos e sentia quando ele a tocava. Talvez ele nunca viesse a amá-la de verdade, como seu pai amava sua mãe, mas talvez aquele tipo de amor não existisse livremente. Quando criança, Eveline ouvira de sua mãe que nem sempre as coisas tinham sido daquela maneira entre ela e seu pai. O casamento dos pais de Eveline fora arranjado, como tantos casamentos eram, e a princípio nenhum dos dois havia gostado do acordo. Mas, com o tempo, passaram a amar um ao outro com toda a força que duas pessoas podem se amar, e Eveline cresceu no meio daquele amor e devoção. E queria o mesmo para si. Queria tanto que nem conseguia articular. Foi por isso que lutou contra o casamento com Ian McHugh, pois sabia que, sem dúvida, ele nunca iria tratá-la com dignidade, muito menos com amor e afeto. Era a história de sua mãe e o amor crescente por seu pai, e vice-versa, que davam a Eveline a esperança de também encontrar amor igual ao deles com seu guerreiro Montgomery.


Sonhadora, sim, isso ela era, mas estava determinada a ganhar a aceitação de seu clã. E dele. E não descansaria até conquistar esse objetivo. Se precisasse limpar a fortaleza de cima a baixo até suas mãos sangrarem, então faria isso sem remorso. Foi essa determinação que a tirou cedo da cama quente ao lado do marido, quando tudo o que queria era acordá-lo de um jeito que lhe ficaria na memória por vários dias. Ela levantou-se, tremendo, e vestiu-se rapidamente. Em seguida, acendeu a lareira para Graeme não acordar no desconforto do frio e desceu as escadas, preparada para um novo dia de tormento. Ficou imaginando quais seriam as tarefas do dia. Talvez Nora lhe pedisse que limpasse penicos. Eveline estremeceu ao pensar nisso, mas considerou essa possibilidade. Nora pareceu surpresa quando a viu e não disfarçou a reação. Eveline podia jurar que enxergou culpa nos olhos da velha senhora, mas rapidamente dispensou essa ideia ridícula. Nora era uma governanta durona e Eveline duvidava que fosse capaz de sentir culpa por qualquer mulher sob sua supervisão. – Bom dia – Eveline disse num tom otimista, determinada a mostrar alegria, apesar da vontade de sair correndo de volta para o quarto e mergulhar nos cobertores quentes. Nora lançou-lhe um olhar carrancudo e fez um gesto para que se juntasse a Mary e a duas outras jovens cujos nomes Eveline ainda não sabia. – Você pode ajudar a terminar as preparações para o desjejum – Nora disse. – É um trabalho simples. Bolinhos de aveia e pão com um pouco de mingau para quem quiser. Eveline suspirou de alívio. Parecia realmente algo simples, que não machucaria ainda mais as mãos doloridas. Após receber instruções de Mary sobre como montar os bolinhos, ela mergulhou na tarefa, determinada a não mostrar relutância. Rapidamente, descobriu que preparar comida suficiente para uma horda de guerreiros não era um trabalho simples. Seus bolinhos não ficaram iguais aos de Mary, mas serviriam, e o sabor seria o mesmo. Não podia imaginar qualquer pessoa reclamando da aparência de algo tão pouco apetitoso quanto um bolinho de aveia. Quando levantou a cabeça após terminar toda a mistura, descobriu que a cozinha estava vazia e


as mulheres haviam desaparecido. Achando aquilo estranho, Eveline limpou as mãos no avental e olhou ao redor para ter certeza de que havia feito tudo o que deveria para preparar o desjejum. Um instante depois, Nora e Mary reapareceram e se apressaram para empilhar os bolinhos nas bandejas enquanto uma das garotas cuidava dos pães. Nora não gostou do formato dos bolinhos de Eveline. Sua expressão dizia: “essa aí não tem jeito”. Abatida, os ombros de Eveline caíram de repente, mas ela rapidamente os ergueu de novo e ofereceu-se para levar uma das bandejas. Mary prontamente entregou a bandeja e depois direcionou Eveline para o saguão. Sentindo um repentino nervosismo, Eveline hesitou na porta e olhou para o saguão. Ainda não estava cheio, mas os homens chegavam num ritmo constante. Graeme e seus irmãos ainda não haviam aparecido, então Eveline começou a andar na direção da primeira mesa para servir os guerreiros que já estavam acomodados. Ela foi recebida com olhares de surpresa e mais do que algumas sobrancelhas erguidas. Alguns até fecharam a cara na direção da cozinha. Eveline não sabia como avaliar aquilo. Talvez preferissem ser servidos por mulheres do próprio clã. Mulheres dos Montgomery. Isso apenas a deixou ainda mais determinada a ser aquela que serviria cada um deles. Ela serviu a primeira mesa e se dirigia para a próxima, quando toda a atividade parou. Vários homens na mesa seguinte olharam nervosamente atrás de Eveline, e um deles até deixou cair a caneca, derramando cerveja sobre a mesa. Eveline estremeceu, certa de que seria culpada por aquilo de alguma maneira. Ela se virou para saber a razão de toda aquela comoção e encontrou seu marido, que parecia furioso. Ele aproximou-se com passos pesados e uma expressão tão sombria que fez Eveline dar dois passos para trás, batendo em um dos guerreiros. – Que diabos você está fazendo? Ela tinha certeza de que ele estava rugindo, pois as vibrações ecoaram fortes em seus ouvidos. Sem esperar uma resposta, ele arrancou a bandeja das mãos dela, empurrou a bandeja para outra garota e depois tomou o braço de Eveline para conduzi-la até a mesa onde ele sempre se


sentava. Graeme a fez sentar-se e segurou suas mãos, virando- as para que as bolhas e a pele machucada ficassem visíveis. Ele esperou até ela olhar em seus olhos e, então, disse tão claramente que ela não poderia deixar de entender suas palavras: – Quem fez isso com você? Ela juntou as sobrancelhas. – Ninguém fez isso comigo. Graeme ergueu os olhos, e Eveline viu que ele estava olhando para Bowen e Teague, que haviam chegado à mesa. Eles deviam ter perguntado o que estava acontecendo, pois Graeme levantou as mãos de Eveline para que pudessem ver. – Isso é o que está acontecendo. Olhem para as mãos dela. Vejam o que elas fizeram. – Mas, Graeme, ninguém fez isso comigo – ela protestou. – Eu me machuquei quando estava trazendo lenha para o saguão ontem de manhã, e as bolhas são do resto da limpeza. Bowen tomou a cadeira diretamente na frente dela, com uma expressão tão sombria quanto a de Graeme. Eveline olhou nervosamente para a direção em que Teague se sentara, ao lado de Bowen, e ele também não parecia feliz. Sua boca estava apertada numa linha fina. – Não estou entendendo – ela disse. Depois se virou para Graeme. – Eu ofendi você de alguma maneira? Bowen bateu na mesa, chamando sua atenção de volta para ele. – Que diabos você estava fazendo carregando esse tipo de lenha? Nem mesmo os garotos conseguem carregar sozinhos aqueles pedaços de madeira. É por isso que os homens são encarregados, para que nenhuma mulher se machuque tentando acender aquelas lareiras de manhã. O rosto de Eveline se aqueceu quando ela entendeu a situação. As outras mulheres sabiam muito bem que um dos homens era encarregado de carregar a madeira. Por que então a mandaram para essa tarefa? Seus lábios tremeram, mas estava determinada a não deixar que ninguém percebesse quanto estava abalada. Não permitiria que as mulheres tivessem a satisfação de saber que a fizeram de tola.


Agora, ficara pensando o que mais Nora inventara quando lhe passara as tarefas. Nos últimos dois dias, Eveline trabalhara mais pesado do que em sua vida inteira. Realizara sem reclamar tarefas que, com certeza, pertenciam aos membros mais baixos do clã. No entanto, não dissera uma única palavra de desagravo. Não se recusara. Eveline podia imaginar as mulheres rindo enquanto assistiam à sua luta para realizar cada um dos trabalhos que recebera a pretexto de aprender para liderar dando o exemplo. Eveline sentiu-se como a idiota que sempre fora acusada de ser. Olhou para suas mãos machucadas e puxou as mangas para cobri-las. Graeme tocou seu braço, mas ela se recusou a olhá-lo. Eveline não queria que ele visse a vergonha e a humilhação em seus olhos, nem queria ceder às lágrimas que já ameaçavam cair. Em vez disso, olhou para o bolinho de aveia todo torto na frente dela e ficou com vontade de jogá-lo do outro lado do saguão. A mesa tremeu, e ela ergueu os olhos em tempo para ver Graeme afastando-se apressadamente. Aquelas malditas lágrimas que teimavam em se acumular turvaram sua visão. Como odiava a todos agora. Tudo estava tão perfeito entre os dois, mas agora ele estava bravo e ela se sentia tão humilhada e miserável que queria morrer. Fora uma idiota acreditando cegamente nas pessoas, querendo agradar, tão determinada a ganhar um lugar no coração de seu novo clã, mas agora sabia que isso seria impossível. Bowen esticou o braço sobre a mesa para tocar a sua mão, e a cunhada virou-se para ele, lutando contra as lágrimas com todas as forças. De jeito nenhum deixaria que vissem quanto estava magoada. Que se danassem todos eles. – Eveline, ele não está bravo com você – Bowen disse, com uma expressão gentil no rosto. – Elas me odeiam – sussurrou. – Todas me odeiam e não há nada que eu possa fazer. Graeme não pode forçá- las a me aceitar. Eu quero ir para casa. Teague levantou-se abruptamente e também se virou e saiu correndo. Eveline fechou os olhos diante do pesadelo em que sua vida se transformara. Seu futuro nunca lhe parecera tão sombrio quanto agora. – Não estou com fome – ela anunciou. – Preciso de ar fresco. Antes que Bowen pudesse dizer algo, Eveline virou de costas, efetivamente silenciando-o. Ela se levantou e saiu, mas o fez pela porta dos fundos, aquela que levava à parte de trás da


fortaleza. Havia um portão que dava para um gramado onde as crianças brincavam, e imaginara que ninguém estaria lá tão cedo, de modo que poderia andar para além da curva do rio que serpenteava pelas terras dos Montgomery e cortava entre a colina inclinada atrás da propriedade. Uma longa caminhada era o que precisava. Longe dos outros. Longe de suas risadas e chacotas e de seus joguinhos infantis que a faziam se sentir estúpida. Já não seria mais o objeto do divertimento alheio. Que se danassem todos. Pela primeira vez ela entendeu o ódio de seu clã pelos Montgomery. Nunca conhecera um bando de gente tão horrorosa quanto eles.


Capítulo 33 Graeme estava tão furioso que precisou ir até o pátio para se recompor, pois temia que pudesse machucar alguém com sua ira. Nunca sentira tanta raiva dos membros de seu próprio clã. Nunca estivera tão perto de perder o controle. Ele queria estrangular todos, um por um. A devastação e a vergonha nos olhos de Eveline foram a sua ruína. Ver o estrago em suas mãos causado pelas mulheres do clã, sem mencionar os outros abusos sofridos por ela, fazia Graeme querer dar-lhes o troco na mesma moeda. – Graeme, aconteceu alguma coisa? Ele se virou e encontrou o padre Drummond em pé, a alguns metros, com uma expressão preocupada em seu jovem rosto. – Sim – Graeme respondeu irritado, sem acrescentar nenhuma informação. – Existe algo que eu possa fazer? – o padre perguntou suavemente. – Eu estava a caminho do saguão para o desjejum e para encontrar Rorie depois no escritório. Aquela garota está determinada a começar as lições imediatamente. Acho que vai me manter prisioneiro até dominar a arte de ler e escrever. A tentativa do padre Drummond de aliviar o clima pesado não ajudou a acalmar Graeme, mas ele mediu suas palavras, pois o padre Drummond era um bom homem. Um homem de Deus que não merecia a ira de Graeme. – Vá para Rorie – Graeme disse. – É melhor ela não estar presente para aquilo que está por vir. O padre Drummond lançou um olhar preocupado, mas virou-se e entrou na fortaleza. Graeme então saiu em busca de seu guerreiro de mais alto posto. Douglas Montgomery sempre fora um homem bom e leal, mesmo antes da morte do pai de Graeme. Ele servira fielmente sob as ordens de Robert Montgomery e transferira essa lealdade para Graeme quando ele se tornara o laird. Graeme foi até a cabana de Douglas, uma das muitas que se alinhavam na colina adjacente à fortaleza. Bateu na porta com força, impaciente enquanto esperava Douglas aparecer. Um momento depois, o velho homem abriu a porta e sua expressão se tornou sombria. Sem dar oportunidade para o homem falar, Graeme emitiu uma ordem concisa.


– Chame todas as pessoas do clã e as reúna no pátio. Quero cada homem, mulher e criança, e quero todos em cinco minutos. Qualquer um que estiver ausente estará desafiando a minha palavra e será castigado de acordo. Douglas surpreendeu-se, mas não questionou a ordem de seu laird. – Farei isso imediatamente, laird. Graeme assentiu, depois se virou e marchou de volta para o pátio à espera da reunião. Bowen e Teague apareceram assim que Graeme chegou. Logo o chamado pôde ser ouvido e ecoou com uma urgência que não era usada desde a última vez em que a fortaleza fora atacada. – O que você está planejando? – Bowen perguntou com preocupação, enquanto se aproximava de Graeme. – Sei que está bravo, meu irmão, mas pense nas suas palavras antes de agir – Teague alertou. – Pensar? – Graeme rosnou. – O que eu penso é que nunca fui tão envergonhado por meu clã quanto agora. Nunca tive motivo para me envergonhar, mas o que fizeram com uma mulher inocente traz desgraça para o nosso clã. Bowen suspirou. – Sei disso, mas não reaja enquanto está com tanta raiva. Permita um tempo para se acalmar antes de falar com a nossa gente. – Vocês viram as mãos dela? – Graeme disse. – Vocês viram a humilhação e a tristeza nos olhos dela? Deus é testemunha, eu fico enojado por saber que algo assim aconteceu dentro das muralhas desta fortaleza, e fico enojado por saber que eu permiti isso. Sou tão culpado quanto eles, pois deixei que a tratassem daquela forma. – Você não aprovou nada disso – Teague argumentou. – Não, mas também não preveni, e agora terei de viver sabendo que permiti que minha esposa fosse abusada pelas pessoas do meu clã. O pátio começou a encher à medida que as pessoas chegavam, todas com uma expressão apreensiva. Havia tensão no ar, e os murmúrios se espalharam até um zumbido de sussurros se formar no ar da manhã.


Após alguns minutos, Douglas aproximou-se, com os lábios apertados em uma linha fina. – Estão todos aqui, laird. Mandei chamar até aqueles que faziam a patrulha. Graeme assentiu. – Ótimo. Obrigado, Douglas. Você pode se juntar a eles agora. Douglas se juntou aos outros guerreiros, mas todos pareciam incertos e desconfiados. Raramente Graeme exibira tamanha irritação. Ele acreditava firmemente que um laird não deve deixar que seus sentimentos controlem suas ações, mas hoje jogara fora essa preocupação. Ele subiu os degraus da fortaleza e depois se virou para analisar seu clã. Sim, estavam todos reunidos, lotando o pátio que parecia prestes a estourar de tantas pessoas. Graeme precisou esforçar-se para conter a raiva, mas também queria que todos soubessem quanto estava furioso. Era hora de sentirem o peso de suas palavras e o calor de sua ira. – Quando tomei Eveline Armstrong como minha esposa, deixei claro que ela deveria receber o respeito e a consideração merecidos por minha esposa e lady desta fortaleza. Até o momento ela foi ridicularizada, menosprezada, enganada e traída pelo clã que agora chama de seu. Vocês não são melhores que os Armstrong. Uma série de exclamações e murmúrios escandalizados surgiu da multidão. Graeme ignorou todos e continuou, encarando cada membro do clã. – Não irei tolerar que esse tratamento continue com minha esposa. Já estou cheio de mimar vocês e ser compreensivo com seus sentimentos de ódio sobre ter que aceitar uma Armstrong. Ela agiu até agora com dignidade e graça e sempre foi cordial, mostrando um sorriso para cada um que cruzou o seu caminho. Em troca, vocês a insultaram e a fizeram se sentir miserável e desprotegida. Manipularam-na e usaram sua vontade de encontrar um lugar em nosso clã para humilhá-la ainda mais. Ele parou e olhou diretamente para as mulheres do clã com uma expressão feroz, até elas não aguentarem e desviarem os olhos. Nora estava pálida, e Mary se recusava a tirar os olhos do chão. As outras tinham expressão de culpa, e várias tinham uma aparência incrédula no rosto. – Portanto, qualquer infração, qualquer mesmo, não ficará sem punição. Vocês possuem uma escolha. Ou encerrarão seus atos desprezíveis ou serão expulsos do clã e para sempre serão considerados párias. Perderão o nome dos Montgomery e a proteção que esse nome enseja. – Você não pode fazer isso! – Macauley Montgomery gritou. Graeme voltou sua atenção ao rapaz, lançando um olhar que deixou Macauley branco. Ele deu


um passo apressado para trás até ficar ao lado de sua esposa, uma das mulheres que participaram dos insultos a Eveline. – Isso é um desafio? – Graeme perguntou em um tom de voz mortalmente discreto. – Pois saiba disto: qualquer discordância será considerada um desafio direto à minha liderança e à minha posição como laird. A luta será até a morte. – N-não – Macauley balbuciou. – Você tem o meu apoio, laird. – Eu tenho? – Graeme repetiu, passando o olhar por todo o pátio. – Eu tenho o seu apoio? Ou vocês se opõem à minha palavra? Vários “nãos” foram ouvidos na multidão. – Mas parece evidente que eu não tenho o apoio de vocês – Graeme disse em um tom gélido. – Apoiar o laird significa apoiar a minha esposa e lady de vocês. Nada do que fizeram pode ser considerado como apoio a Eveline. É melhor que entendam que qualquer deslize com ela será um deslize comigo. Qualquer abuso para com ela será um abuso para comigo. Qualquer insulto a ela será um insulto a mim. Então ele se virou para Nora e a destacou na multidão. – De agora em diante, você está dispensada dos seus deveres. Não será mais a supervisora das mulheres na fortaleza nem terá mais os privilégios que tinha até agora. Junte-se às mulheres que eu já removi da fortaleza. Nora ficou boquiaberta e começou a chorar. Seu marido colocou um braço ao redor dela, para confortá- la, e lançou um olhar malevolente para Graeme. Teague sacou a espada e pulou na direção dele antes mesmo que Graeme pudesse reagir àquela flagrante mostra de desrespeito. E segurando a lâmina contra o pescoço do homem, Teague cerrou os dentes e disse: – Você não irá desrespeitar o nosso laird desse jeito. Qualquer homem que se colocar contra o meu irmão estará se colocando contra mim. Bowen também se apresentou, com a espada na mão. – E contra mim. – E contra mim – Douglas disse. Cada um dos guerreiros de alta patente deram um passo adiante e se colocaram ao lado de Graeme.


– Já está na hora de pararem de agir como crianças – Douglas disse em um tom firme. – Robert Montgomery ficaria envergonhado diante do tratamento do clã à esposa do laird. Ele nunca aprovaria um ódio assim contra uma mulher inocente, que nunca fez nada de errado, com exceção de ter nascido em um clã inimigo. Este é o único pecado de Eveline. Eu testemunhei com meus próprios olhos o esforço dela para fazer o melhor com a situação que temos. Está na hora de vocês abrirem os olhos e as mentes e se livrarem desse ódio tão sem sentido. – Vocês mostrarão respeito ou sofrerão as consequências – Graeme jurou. – Agora, sigam com suas tarefas, pensem em tudo o que falei e façam suas escolhas. Não mostrarei mais nenhuma clemência, e Deus é minha testemunha. As pessoas começaram a se dispersar e seguir com suas tarefas. Muitas das mulheres se afastaram com o rosto coberto de lágrimas, mas Graeme não sentia pena delas. Bastava pensar nas mãos esfoladas de Eveline que a fúria voltava a tomar conta de sua mente. – Está feito – Bowen disse. – Eles não irão mais desobedecê-lo. Não agora que deixou bem claro quais serão as consequências. Graeme assentiu. – Sim, está feito. Não voltarei atrás com a minha palavra. Teague concordou. – Sim, eu sei. Graeme encarou seu irmão. – Mas você não concorda. Teague sacudiu a cabeça lentamente. – Eu vi o que as ações deles provocaram. Estou tão enojado quanto você com o tratamento que deram à sua esposa. Ela não merecia isso, mas espero que não tenham conseguido destruir o seu espírito. Não gostei do que vi nos olhos dela quando percebeu tudo o que vinha acontecendo. Graeme sentiu o estômago embrulhar. Ele também não havia gostado do que vira nos olhos dela, e agora rezava para não ser tarde demais. – Ela falou que queria voltar para casa – Bowen disse.


– Foi a última coisa que disse antes de sair do saguão. Graeme praguejou e fechou as mãos em punhos. – Graeme! Ele viu Rorie abrindo caminho entre as pessoas. Ela se apressou, com uma preocupação marcando seu rosto. – Onde está Eveline? Fui chamá-la para nossa primeira lição e não consegui encontrá-la em lugar nenhum. Graeme estranhou. – Ela estava no saguão agora há pouco. Você procurou no quarto? Rorie assentiu. – Sim, é claro. Até subi na torre e olhei para a curva do rio, que é um de seus lugares favoritos, mas nem sinal dela. – Eveline saiu da fortaleza pela porta dos fundos – Bowen disse. – Ela falou que precisava de ar fresco. Achei que iria caminhar no seu lugar de sempre. – Volte para a sua lição, Rorie – Graeme ordenou –, eu vou procurar Eveline. – Você quer a nossa ajuda? – Bowen perguntou. Graeme parou por um momento. – Não, ela provavelmente não está longe. Mandarei chamar vocês se precisar. Eu preciso… preciso conversar com ela. Eveline estava muito chateada com tudo o que aconteceu. Teague e Bowen concordaram. – Ela é uma boa garota – Teague resmungou. – Ver suas mãos… Ver a mágoa em seus olhos foi mais do que eu podia aguentar. Graeme apertou os lábios. – Sim, também foi mais do que eu podia aguentar, e não irei mais permitir que seja machucada desse jeito, mesmo se precisar punir cada pessoa que me desobedecer.


Capítulo 34 Após uma busca rápida na área ao redor da fortaleza, Graeme sentiu um frio no estômago e saiu atrás de seu cavalo. Decidiu que podiam cobrir mais terreno se pedisse ajuda aos irmãos, então enviou-os para o sul, enquanto ele partiu para o norte, na direção do rio, aos fundos da fortaleza. Ele quase não a viu quando subiu um morro cuja vista dava na fronteira com as terras dos Armstrong. Eveline estava agachada num campo de flores silvestres, agarrando os joelhos junto ao peito e olhando na direção das terras de sua família. Sua figura era uma visão desolada, com o olhar distante enquanto os cabelos eram soprados pelo vento. Ela não percebeu a presença de Graeme, que não quis assustá-la chegando mais perto com o cavalo. Cavalgou o mais perto possível, depois desmontou, deixando o animal pastando enquanto caminhava na direção de Eveline. Ela apoiava o queixo nos joelhos e, quando se aproximou, Graeme pôde ver as sombras em seu rosto causadas pelas lágrimas. Ele praguejou alto, sentindo a raiva percorrer seu corpo novamente. Por um momento ficou ali parado, observando-a, repentinamente sentindo-se inseguro. O que poderia dizer a Eveline? Como poderia consertar tudo aquilo que lhe acontecera? Graeme enxergara algo em seus olhos na mesa quando ela percebera que nunca deveria ter recebido a tarefa de levar as pesadas toras de madeira para acender o fogo das lareiras do saguão e que as mulheres estavam passando tarefas impossíveis de propósito, para ela se sentir tola e indesejada. Era algo que ele nunca vira antes em sua expressão. Ele vira resignação. Antes, ela encarava a situação a que fora forçada com uma determinação que surpreendeu Graeme e o fez respeitá-la ainda mais. Seria muito mais fácil que ela se sentisse ressentida, que tivesse cultivado o mesmo tipo de ódio que seu clã sentia por ela. Mas ela não fez nada disso. Eveline tentou com muito esforço encaixar-se em seu novo clã. E, em troca, seu esforço foi jogado de volta na sua cara. Ver aquele olhar em seu rosto, um olhar que dizia que ela havia finalmente desistido e que


estava derrotada, deixava Graeme com medo, pois ele podia senti-la escapando antes mesmo que a tivesse possuído por completo. Como se sentisse sua presença, ela virou a cabeça e seus olhares se conectaram. Havia pesar em seus olhos. Uma profunda tristeza que causou um frio no estômago de Graeme. Ele se aproximou. Eveline não esperou que ele dissesse alguma coisa. Assim que chegou perto o bastante, ele ouviu sua voz suave e doída ser carregada com o vento. – Quero ir para casa. A primeira reação dele foi querer gritar “não!”. Precisou de toda a força de vontade para não fazer isso. Um terror agarrou sua garganta e apertou impiedosamente. Ela não estava feliz. Até mesmo um tolo podia enxergar que ela se sentia miserável. Esforçou-se para permanecer calmo quando se colocou ao seu lado. Eveline estava sentada em uma rocha plana no meio de um campo de flores. A grama era mais alta ali onde havia menos rochas para impedir o crescimento da relva. Ele se abaixou no chão perto da esposa, mas a atenção dela estava focada ao longe. Ela olhava na direção das terras de seu pai com tanta saudade que um nó surgiu na garganta dele. – Sei que não é possível – ela disse com a voz trêmula. – Mas eu não quero mais ficar aqui. Hesitantemente, Graeme tentou alcançar sua mão, mas assim que os dedos rasparam sobre a palma dela, Eveline puxou a mão de volta para o seu colo. Ela baixou os olhos, recusando-se a olhar para Graeme, o que efetivamente impedia que ele falasse com ela. Uma impaciência combinada com pânico tomou conta dele, que não conseguia lutar contra isto; não poderia nem mesmo lutar por ela, caso ambos não se comunicassem. Se ela tivesse desistido, realmente desistido, então, o que restava a fazer? Ele não poderia – não iria – perdê-la. Não importava o que precisasse fazer, ficaria ao seu lado. Porém, saber que ela estava tão infeliz arrancava seu coração do peito. Ele não era altruísta o suficiente para conceder-lhe liberdade. Graeme queria Eveline inteira para si. Ao seu lado. Na sua cama todas as noites. Em seus braços. A mera visão dela causava coisas estranhas em seu humor. Qualquer um que a olhasse e não sorrisse, era um homem mais endurecido que ele. Ela era… Ela era um raio de sol no dia mais triste. Ela preenchia um buraco que ele não sabia que ocupava seu coração.


Ele não poderia deixar que ela se fosse. Aproximou-se mais um pouco, tocou seu queixo gentilmente e virou seu rosto em sua direção. Os olhos dela se abaixaram automaticamente, mas ele esperou, simplesmente segurando-a naquela posição até que, de má vontade, ela encontrou seu olhar. – Por favor, me dê uma chance de fazê-la feliz, Eveline. Os olhos da moça se arregalaram. Depois, ela franziu as sobrancelhas, como se tentasse discernir se tinha mesmo interpretado suas palavras corretamente. Graeme soltou seu queixo e depois acariciou seu rosto com os dedos. – Sei que sua transição não tem sido fácil. Ela riu levemente, torcendo os lábios. – Sim, eu sei, foi muito pior do que isso. Ela apenas assentiu, e isso o preocupou com a possibilidade de ela parar de falar novamente, quase como se voltasse a se recolher dentro do mundo protegido que criara para si. Graeme levantou-se e estendeu a mão para Eveline, que o olhou com curiosidade, mas não aceitou a mão. – Venha caminhar comigo, Eveline. Ela hesitou por um longo momento e depois, lentamente, estendeu a mão para que ele a ajudasse a se levantar. Um alívio derramou-se dentro do guerreiro. Ela não estava se afastando dele. Ao menos, não ainda. Ele a ajudou a levantar-se, olhou para seu cavalo que pastava próximo dali, depois começou a andar na direção oposta, para que a presença do cavalo não a assustasse. Tomando o braço dela, Graeme guiou-a pela pradaria e subindo uma inclinação onde uma falésia dava vista para a fronteira entre as terras dos Montgomery e dos Armstrong. Ele não deixou de notar a maneira nostálgica como Eveline olhava para o rio que serpenteava o pequeno vale, marcando a linha divisória entre os dois clãs. E então ele se virou para que ficassem frente a frente, mas continuou segurando a mão dela, pois não queria se separar em momento algum. Gentilmente, ele virou as mãos dela, deixando as palmas para cima, expondo os ferimentos ainda frescos.


Ele ergueu uma das mãos e pressionou a boca na pele ferida, beijando cada centímetro, acariciando cada pedaço machucado. Depois, ergueu a outra mão e fez o mesmo. Quando terminou, Graeme pousou as mãos da esposa sobre seu peito, segurando-as e circulando os pulsos dela com os dedos. Antes de falar, certificou-se de que ela estivesse olhando para o seu rosto. – Eu entendo por que você quer ir para casa. E nem mesmo a culpo por isso. Você não tem sido tratada com gentileza por meu clã. A mágoa atingiu seu olhar e o lábio inferior tremeu, como se ela tentasse não chorar novamente. – Eu deixei que me fizessem de tonta – ela disse, finalmente quebrando o silêncio. – Não – ele refutou energicamente. – Você veio a este clã disposta a deixar sua raiva e medo para trás. Você abraçou um casamento forçado e ficou determinada a fazer o melhor com a difícil situação a que foi exposta. Você foi arrancada do seio da sua família e, mesmo assim, não deixou que isso afetasse o seu julgamento sobre o seu novo clã. Isso é mais do que posso dizer de qualquer membro do meu clã, até de mim mesmo. Nós estávamos errados, Eveline. Estávamos errados, e quero muito ter uma oportunidade de consertar esse erro contra você. – Você não pode forçá-los a me aceitar – ela disse com uma voz baixa que ele precisou se esforçar para ouvir. – Você não pode mudar seus corações. Eu pensei… – Eveline suspirou. – Pensei que poderia mudá- los se tentasse com afinco, se me esforçasse. Eu estava errada. A derrota em suas palavras devastou Graeme, que nunca se sentira tão incapaz, e isso não era uma sensação agradável. Estava acostumado a dar ordens e ser obedecido sem questionamentos. Errou ao pensar que era apenas uma questão de ordenar a seu povo que aceitasse sua esposa. Graeme, que estava acostumado a ser obedecido e sua palavra nunca ser questionada, agora encarava a tarefa aparentemente impossível de mudar o pensamento de um clã inteiro e livrá-lo de um ódio que existiu por incontáveis anos. – Eveline – ele começou, com a voz presa na garganta enquanto tentava controlar as emoções. – Eu estava errado ao pensar que seria uma questão simples. Eu sou o culpado por não lidar com a situação com mais cuidado. – Ele respirou fundo e jogou-se ao desconhecido, seu coração martelando como nunca antes em sua vida. – Eu quero este casamento. Reconheço o valor… deste casamento. Eu reconheço o seu valor. Eu estava errado ao pensar que um ódio tão enraizado pudesse mudar da noite para o dia, mas não quero que você desista,


porque eu não vou desistir. Nós conseguiremos fazer isso funcionar e eu quero que você acredite em mim. Seu lugar é aqui. Comigo, ao meu lado. Preciso que você acredite nisso do fundo do seu coração, pois é isso que existe dentro do meu. Eveline encarou Graeme de volta e seu pulso acelerou. O olhar dele era completamente honesto e, em seus olhos, ela enxergou algo mais, algo que nunca imaginou ver em um guerreiro como Graeme. Ela viu súplica e vulnerabilidade. – Eu quero ficar aqui com você – ela sussurrou, as palavras raspando em sua garganta –, mas eles não me querem. Todos me odeiam. Sempre me odiarão por eu ser quem sou, e não posso mudar as circunstâncias do meu nascimento. Não mudaria mesmo se pudesse. Eu amo minha família. Tenho orgulho da minha linhagem. Não tenho nada de que me envergonhar. Graeme começou a falar, mas ela livrou sua mão e gentilmente pressionou um dedo sobre seus lábios para silenciá-lo. – Eu encarei este casamento com uma mistura de emoções. Senti-me aliviada porque estaria para sempre protegida de um arranjo com Ian McHugh. Olhei para você e vi alguém com quem eu me sentiria segura, embora você fosse o inimigo mais odiado do meu clã. Mas eu também tinha medo, porque sabia que um arranjo desses seria impossível. E estava certa. Seu clã nunca irá me aceitar. Você sempre estará batendo de frente com eles, e um clã dividido será derrotado no campo de batalha. Se você não tiver apoio total, como poderá depender deles quando chegar a hora de proteger seu povo? – Eveline respirou fundo e seguiu em frente enquanto ainda tinha coragem para dizer tudo aquilo que havia em seu coração. – Mas eu também tinha esperança, pois via uma oportunidade para deixar de me esconder atrás de uma farsa que havia se tornado grande demais. Uma mentira levou a outra, até que se tornou impossível escapar da mentira que eu havia começado. Aqui, eu esperava ser uma moça comum com um marido bondoso e eventualmente ter filhos e uma vida diferente da realidade que eu vivia em meu clã. Assim como você, pensei que seria uma questão mais simples. Eu realmente pensei que, quando seu clã soubesse que eu estava disposta a esquecer nossas diferenças e trabalhar para ganhar aceitação e respeito, os ódios do passado seriam esquecidos. Foi uma ideia tola. Não é possível, assim como não seria possível que meu clã aceitasse um Montgomery entre eles. Graeme segurou seu rosto com as mãos, sua expressão queimando com determinação.


– Não é impossível. Permita-me mais um pouco de tempo, Eveline. Eu não posso deixar você ir, mas também não quero que permaneça infeliz. Juro que sempre terá o meu apoio inabalável e o de meus irmãos. Com o tempo, o clã irá superar o ódio. É cedo demais para julgar. Nós dois admitimos que leva tempo para mudar a cabeça e o coração das pessoas. Tudo o que peço é que confie em mim para protegê-la. Ele apertou o rosto da esposa e se abaixou, olhos nos olhos, até a pele dela ruborizar. – Uma chance, Eveline. É só o que eu peço. Permita- me mais um pouco de tempo e, se você ainda se sentir assim quando o inverno chegar, então eu a devolverei à sua família e não lhe pedirei mais nada. Eu mesmo a levarei para o seu pai e irei jurar por Deus que manterei o nosso tratado. Também manterei meus votos do casamento, mas permitirei que viva longe de mim. Ela engoliu em seco, sentindo a dor em seu coração crescer. Tudo o que Eveline queria era ficar com Graeme. Pensou até que havia passado a amá-lo no curto período em que estiveram juntos, mas isso seria suficiente? Será que podia esperar ganhar o amor dele, e será que esse amor seria suficiente para relevar o tratamento do resto do clã em relação a ela? Mas, por outro lado, o que ela encontraria se voltasse para casa? Seria forçada a se explicar para seus pais, para seus irmãos e seu clã. Eles ficariam felizes por ela não ter sido afetada pelo acidente, como haviam pensado, mas ficariam decepcionados por ela ter mentido. O que mais havia para ela em seu próprio clã? Ela queria um marido e filhos. Queria libertar-se da vida que fora forçada a viver por causa de seus medos e mentiras. Se queria mesmo tudo isso, então viveria para sempre negando a si mesma a possibilidade de amor, de filhos e seu próprio status em um clã se voltasse para os Armstrong. Então libertou-se de Graeme e deu-lhe as costas para encarar o terreno adiante. Fora escrava do medo durante muito tempo. Medo, farsa, mentiras. Isso não era vida para se ter. Ao menos com os Montgomery tudo era honesto. Não, eles não gostavam dela. Não a aceitavam. Mas será que poderia mudar isso? Estaria disposta a seguir por um caminho muito difícil se, no final, a recompensa fosse a eventual aceitação de seu novo clã? Ela queria sua mãe, mas não era mais uma garotinha para agarrar-se à saia dela. Sua mãe era uma mulher muito sábia, e agora, mais do que nunca, Eveline queria o seu conselho. Mas era hora de se apoiar em seus próprios pés, de parar de se esconder atrás de seu clã e da proteção que sempre lhe ofereceram. Não, as coisas não seriam fáceis dali para a frente, mas


ela não estava disposta a desistir tão facilmente só por ter sido feita de tonta. Eveline estava cansada de correr. Cansada de se esconder e de precisar da proteção dos outros. Talvez já fosse hora de se defender sozinha, sem precisar que seu marido confrontasse o próprio povo para defendê-la. Ela virou-se com toda a intenção de contar a Graeme sua decisão, quando, de soslaio, detectou um movimento. Estranhou e olhou para trás de Graeme, e viu que um homem montado a cavalo se aproximava, usando um capacete que a impedia de enxergar seu rosto. Para seu completo horror, ele ergueu um arco e flecha e impeliu o cavalo adiante. Eveline gritou um alerta para Graeme, mas ele já ouvira o cavalo galopando e também se virou rapidamente, sacando a espada. Ele gritou algo e, apesar de não poder ver os lábios do marido, sentiu as vibrações passaram por seus ouvidos. Então, ele a empurrou para o chão. Eveline cambaleou, temendo o pior e sentindo o coração na garganta. O cavaleiro parou próximo dali e atirou uma flecha na direção de Graeme. – Não – ela gritou. Grame pulou para o lado, ainda empunhando a espada, mas a flecha o atingiu no ombro, fazendo-o cair no chão com um baque surdo e a cabeça batendo contra uma das rochas que se espalhavam pela pradaria. Eveline levantou-se, aterrorizada, olhando para o cavaleiro, sabendo que não poderia fazer nada para impedir a própria morte. Mas seu primeiro instinto foi proteger Graeme, para impedi-lo de machucar-se ainda mais. Gritando por ajuda, ela correu para Graeme, agarrando a pesada espada caída ao seu lado. Os olhos dele estavam fechados e o sangue manchava a pedra. A flecha estava cravada em seu ombro e ela sabia que havia quase atravessado, pois apenas uma pequena parte da flecha ficara de fora. Com o terror aumentando suas forças, ela puxou a espada, conseguindo erguê-la alto, enquanto se posicionava entre Graeme e o agressor. Os gritos rasgavam sua garganta, doloridos e furiosos. Apenas uma palavra, repetidas vezes. – Socorro! Socorro! O cavaleiro pareceu assustar-se com os gritos e rapidamente virou o cavalo na direção oposta,


mas não antes de Eveline ver a bainha ornamentada em sua cintura. Era inconfundível o desenho que seu pai havia emitido para todos os guerreiros seniores dos Armstrong. Eveline se sentiu entorpecida quando a compreensão atravessou seu estado de pânico. Foi um guerreiro do seu clã quem acabara de atentar contra a vida de seu marido, e agora ele corria o mais rápido possível de volta para as terras dos Armstrong.


Capítulo 35 Eveline soltou a espada e virou-se para Graeme, que ainda estava inconsciente no chão. Ajoelhou-se e debruçou-se sobre ele, sem saber o que fazer, se deveria ou não tocá-lo. Eveline tocou sua cabeça e virou-a gentilmente. Todo ar saiu de seus pulmões quando viu o corte causado pela rocha. Sangue cobriu seus dedos, deixando-a horrorizada. Oh, Deus. Não morra. Ela não sabia se disse as palavras ou apenas pensou, mas, dentro de sua cabeça, ela ainda gritava e gritava. O que poderia fazer? Obviamente, ninguém havia escutado seus gritos por socorro. Ela olhou na direção da fortaleza, mas não viu ninguém se aproximando para ajudá-la. E se o arqueiro voltasse? Ela não poderia deixar Graeme, mas também não poderia carregá-lo de volta para a fortaleza. Eveline olhou para o cavalo de Graeme, que, evidentemente, estava assustado por causa de tudo. Ele havia corrido a uma curta distância, mas agora voltava para o seu mestre caído. Sua marcha estava agitada e ele parecia nervoso, com os olhos arregalados. O simples pensamento de tentar montar o cavalo de Graeme enviou um terror gélido por suas veias, mas ela sabia que não tinha outra escolha. Levaria tempo demais para correr de volta até a fortaleza e não podia deixar Graeme desprotegido por tanto tempo. Precisava trazer ajuda logo ou ele morreria ali no campo. Tomando toda a coragem que podia encontrar, ela correu na direção do cavalo, que se assustou e deu alguns passos para trás, forçando Eveline a diminuir a velocidade. Ela ergueu a mão, murmurando palavras tranquilizadoras, numa tentativa de acalmá-lo. Após um momento, ela conseguiu chegar perto o bastante para tomar as rédeas, mas ele imediatamente recuou outra vez, e ela quase as soltou quando o couro raspou em seus machucados. Pura determinação permitiu que segurasse firme quando cada instinto gritava para que soltasse as rédeas e se afastasse o mais longe possível do cavalo. – Preciso de sua ajuda – ela disse com uma voz desesperada. – Por favor, por favor, me deixe montar. Ela sabia que seu medo não estava ajudando a acalmar o animal. Antes que ele pudesse


disparar ou ela perdesse a coragem, Eveline agarrou a sela e lançou-se sobre o animal, emaranhando as saias enquanto tentava se ajeitar. Agarrando as rédeas com mais força ainda, ela cravou os calcanhares no cavalo e o impeliu para a frente. Ele disparou com força, quase derrubando-a, mas ela estava determinada a permanecer montada. Eveline comandou-o a ir cada vez mais rápido, até correrem perigosamente sobre o terreno enquanto ela se agarrava numa tentativa desesperada de não cair. – Mais rápido, por favor – ela sussurrou, sentindo o coração quase queimando no peito. Nunca antes estivera tão desesperada. Lampejos da última montaria surgiram em sua memória. A queda durante a tempestade. O medo de morrer e nunca ser encontrada ou de sua família encontrar seu corpo quebrado no fundo de uma ravina. Mas ela engoliu o medo e concentrou-se no objetivo de buscar ajuda para Graeme. Assim que chegou perto da fortaleza, começou a gritar para Bowen e Teague. Eles ajudariam, não ignorariam seus gritos. O portão, que permanecera aberto desde que Graeme saíra cavalgando, aproximava-se, e ela abaixou a cabeça e abraçou o pescoço do cavalo para que ele fosse mais rápido enquanto gritava desesperadamente, até sua garganta doer. Eveline passou correndo pela ponte e ganhou o pátio, onde Bowen, Teague e uma dezena de guerreiros apareceram, correndo após ouvir seus gritos por socorro. Ela não sabia se o cavalo iria parar e percebeu que, embora tivesse chegado à fortaleza, ainda poderia morrer se o cavalo a derrubasse. O animal derrapou e parou de repente, quando Bowen e Teague correram em sua direção. Eveline fechou os olhos e segurou-se com força, mas a parada súbita a lançou por cima da cabeça do cavalo. Ela caiu no chão com uma batida que sacudiu todos os seus ossos. Uma dor espalhou-se por seu corpo e ela não conseguia respirar. Ela perdeu todo o fôlego e permaneceu caída ali, ofegando e tentando se recuperar. Bowen apareceu ao seu lado, seguido de Teague. Eles falavam ao mesmo tempo e ela não conseguiu se concentrar em seus lábios para saber o que diziam. O único pensamento que a consumia era que precisava voltar para Graeme. Precisava levar ajuda a ele. – Graeme! – ela gritou, tentando ser ouvida entre o burburinho. Bowen agarrou seu rosto e o forçou para que ela o encarasse. Sua expressão era terrível e ela estremeceu quando viu seus olhos sombrios.


– Eveline, diga o que aconteceu! Você está ferida? Onde está Graeme? – Arqueiro – ela ofegou, ainda sem conseguir respirar direito. – Graeme foi atingido no campo. Bateu a cabeça quando caiu. Precisei deixá-lo sozinho. Não consegui erguê-lo. Precisei buscar ajuda! – Shh – Bowen a tranquilizou. – Você fez o certo. Consegue se levantar? Está machucada? Ignorando a dor que devastava seu corpo ferido, ela se esforçou para se levantar, já tentando alcançar as rédeas do cavalo de Graeme, que estava ao lado, bufando e relinchando. Teague a agarrou. – Não, Eveline! Você fica aqui. Diga onde podemos encontrar Graeme. Nós iremos atrás dele. Bowen já estava gritando ordens para os homens, e eles correram para suas montarias. Eveline ignorou as ordens de Teague e livrou-se de suas mãos. – Eu vou mostrar! – ela disse com a voz rouca. – Por favor, vocês têm que ajudá-lo! Ela tentou montar o cavalo novamente, mas não teve forças. Bowen apanhou-a e, quando pensou que o cunhado a impediria de montar, ele a empurrou para cima, ajudando a mulher a subir no animal outra vez. Sem esperar, ela direcionou o cavalo de volta para o portão e atravessou a ponte, disparando pelo campo, sem se importar com a dor ou o medo. Graeme precisava dela. Ele poderia estar morrendo naquele exato instante. Desta vez, quando se aproximou de seu destino, conseguiu controlar o cavalo com mais facilidade. Mesmo assim, pulou da sela antes mesmo que o animal parasse totalmente. Correu para o corpo imóvel de Graeme e se pôs ansiosa perto dele, enquanto esperava os outros desmontarem de seus cavalos. Teague e Bowen se aproximaram correndo, com expressões sombrias e preocupadas enquanto examinavam o irmão. Eles olharam para o ferimento em sua cabeça e depois inspecionaram a flecha cravada em sua carne. – Ele não está morto – Eveline disse ansiosa enquanto e sacudia a cabeça vigorosamente. – Ele


não está morto! Teague a puxou e envolveu seu ombro para apoiá-la. – É claro que não, Eveline – ele disse. – Vamos levá-lo de volta para a fortaleza. O médico já foi chamado e estará esperando para cuidar dos ferimentos quando voltarmos. – Mas como? – ela perguntou, olhando para todos ao redor do esposo. Teague a puxou de volta e encarou seus olhos com firmeza. – Vamos criar uma maca e carregá-lo. Não se preocupe. Mas não quero que você monte o cavalo dele novamente, pois poderia ter morrido. Irá voltar comigo, porque não está bem para caminhar de volta. Ela sacudiu a cabeça, negando veementemente. – Não vou sair do lado de Graeme. Teague começou a argumentar, mas Eveline desviou os olhos e depois o empurrou, para não ver o que ele dizia. Ela voltou correndo para Graeme, que estava sendo transferido para a maca improvisada que os homens carregariam rumo à fortaleza. Assim que o ergueram, ela se aproximou para pegar a mão do marido. Bowen reforçou o argumento de Teague, insistindo que ela cavalgasse com um deles, mas ela estava determinada a não deixar Graeme, nem mesmo pelo tempo de voltar para a fortaleza. Com um suspiro, Bowen montou seu cavalo e depois apanhou as rédeas do cavalo de Graeme. Os homens cercaram aqueles que carregavam a maca, para que o laird ficasse protegido por todos os lados. Eveline manteve o ritmo ao lado deles, segurando a mão do esposo com força. Ela não gostava da palidez em seu rosto nem do sangramento que ainda se derramava de sua cabeça e estremecia cada vez que olhava para a flecha cravada em seu ombro. Mesmo se o ferimento em si não fosse mortal, ele poderia facilmente sucumbir à febre e morrer nos próximos dias. A jornada de volta parecia interminável e, quando finalmente entraram no pátio, o clã inteiro estava agitado. Rorie os encontrou, seus olhos vermelhos de tanto chorar. O padre Drummond estava ao seu lado, impedindo que ela corresse em direção ao irmão ferido. Eveline odiou vê-la tão perturbada, mas não podia perder tempo para consolar a cunhada. Sua


prioridade era Graeme e seu bem-estar. Nada era mais importante. Eles carregaram Graeme pelas escadas até seu aposento e Eveline correu na frente para tirar as cobertas da cama. Depois, rapidamente acendeu a lareira e todas as velas que conseguiu encontrar, a fim de que o quarto estivesse bem iluminado para aquilo que estava por vir. Para sua surpresa, o médico era um jovem chamado Nigel, que aparentava a mesma idade do padre Drummond. Ela estranhou quando ele entrou no quarto e começou a examinar Graeme. Eveline chegou perto de Bowen para questionar a habilidade do jovem rapaz em cuidar dos ferimentos do guerreiro. Bowen assegurou que tudo ficaria bem e que o jovem tinha muitos conhecimentos médicos. Sua mãe fora a curandeira do clã até falecer no inverno passado e lhe transmitira seus conhecimentos de medicina. Mas, para Eveline, a gota d’água veio quando Nora e Mary entraram de repente no quarto, querendo ajudar Nigel. – Não! – Eveline gritou, correndo para empurrá-las para fora do quarto. – Fora! Vocês não tocarão nele. Sumam, vocês duas. Deixem meu marido para seus irmãos e para mim. Ninguém irá tocá-lo sem a minha permissão. Juro por tudo que é mais sagrado que vou cortar a cabeça da pessoa que me desobedecer. Ela ficou tão perturbada que, por fim, Bowen e Teague ordenaram que as mulheres saíssem do quarto. Eveline ficou ao lado de Graeme e olhou seriamente para Nigel, que estava limpando o ferimento na cabeça dele. – Por que ele ainda não acordou? – ela perguntou ansiosamente. – É um ferimento sério? E quanto à flecha? Nigel pousou a mão gentilmente no ombro de Eveline. – Milady, é muito cedo para dizer. Eu não acho que o ferimento na cabeça seja muito sério, mas, quanto mais ele permanecer inconsciente, mais me preocupa. Terei de remover a flecha, então talvez seja até melhor que fique desacordado, ao menos até eu retirá-la. Eveline afastou as mãos e as juntou com força. Bowen tocou o ombro dela e apertou, tentando tranquilizá-la. Ela se virou para ele. – Tudo vai dar certo, Eveline. Graeme já sofreu coisas muito piores. Ele ficará bem. Você verá.


As lágrimas que ela tentava segurar se libertaram e um soluço escapou da garganta, ainda dolorida pelos gritos de antes. – Venha comigo – Bowen disse, ainda gentilmente tocando seu ombro. – Deixe que Nigel faça o que é preciso. Vá e sente perto da lareira, onde ficará mais confortável. Você sofreu uma terrível queda do cavalo e Nigel terá de examiná-la após terminar com Graeme. Ela se levantou ainda trêmula, relutante em deixar o marido, mesmo que por um instante. Hesitou, dividida entre querer se aquecer e permanecer junto a Graeme. Teague tocou seu braço e ela lentamente ergueu os olhos para ele. – Eveline, venha. Você sofreu um choque terrível. Não quero você perto de Graeme quando Nigel remover a flecha. É possível que ele reaja e acabe machucando você mesmo sem estar acordado. Entorpecida, ela permitiu que Teague a guiasse para a lareira. Ele apanhou uma das cobertas da cama e envolveu seus ombros quando a cunhada se sentou. – Você gostaria de algo para beber? – ele perguntou. Levou um instante para sua mente processar as palavras em seus lábios, depois ela sacudiu a cabeça com vagar. Eveline acomodou-se ao lado do fogo, sem nunca deixar de olhar na direção de seu marido enquanto Nigel se preparava para retirar a flecha. Em algum ponto, Graeme deve ter se contorcido, pois ela viu movimento, e então Bowen e Teague rapidamente o seguraram. Eveline levou as mãos até a boca, para abafar um grito. Era tudo o que podia fazer para não correr até Graeme. Queria que ele soubesse que ela estava perto. E se ele pensasse que ela o havia abandonado? Pior, e se ele tivesse visto o mesmo que ela viu e pensasse que ela havia tramado o ataque? Um gemido audível escapou de sua garganta, e Teague e Bowen viraram a cabeça em sua direção. – Ele acordou por um momento, Eveline – Bowen disse. – Isso é um bom sinal. Ela agarrou-se a essa pequena esperança e puxou mais a coberta enquanto observava Nigel cortar as penas da flecha, deixando o resto da madeira limpa para que fosse empurrada atravessando o ombro de Graeme. Isso deixaria uma ferida aberta, mas seria um buraco menor do que se tirassem a flecha por onde havia entrado. Calafrios percorreram o corpo de Eveline. Ela tremia incontrolavelmente, e seus dentes


pareciam que iriam cair de sua boca de tanto que batiam. Quanto tempo passou ali, tremendo e balançando de um lado a outro, ela não sabia. Então, Nigel finalmente levantou-se, trazendo a flecha em suas mãos, cobertas de sangue. O médico começou o longo processo de limpeza e sutura dos ferimentos. Bowen e Teague deixaram Graeme e se aproximaram de Eveline, cada um tomando um lugar ao seu lado. Ambos se posicionaram de modo que ela pudesse enxergar seus rostos. – Você está bem? – Teague perguntou com uma expressão preocupada. Demorou um longo momento para digerir as palavras. Bowen e Teague trocaram um olhar preocupado, e então Eveline finalmente assentiu. Os homens falaram sobre outras coisas, mas Eveline estava entorpecida demais para compreender. Ela sabia que eles tinham perguntas. Sim, queriam saber o que havia acontecido, e a moça estava aterrorizada com o que precisaria lhes contar. Ela fechou os olhos, apenas querendo escapar do pesadelo em que se encontrava. Graeme não podia morrer. Simplesmente, não podia. Bowen tocou seu braço novamente, mas ela permaneceu imóvel, encarando a cama em que seu marido estava. Finalmente, os irmãos se levantaram e se afastaram. Ela deixou seu olhar seguilos por um momento e viu que estavam discutindo uma ação imediata para levar os outros homens em busca do agressor. Um frio percorreu suas veias. A guerra seria inevitável quando descobrissem a verdade.


Capítulo 36 Eveline recusou-se a deixar o lado de Graeme. Recusou- se a dormir. A comer. Manteve-se firme ao lado de sua cama enquanto ele recobrava e perdia da consciência. Bowen e Teague já haviam desistido de tentar convencê-la a descansar. Ela nem sabia como era capaz de se manter acordada daquele jeito. Foi pura força de vontade que a manteve em pé, cuidando de Graeme. Eveline recusara-se até mesmo a deixar que Nigel a examinasse após a queda do cavalo. Ela via que estava coberta de feridas da cabeça aos pés, mas não parecia ter quebrado nada. Estava dolorida e, caso se movesse rápido demais, sentia vontade de gritar de dor, mas continuou ao lado do marido, lidando sozinha com o próprio desconforto. Era provável que as pessoas voltassem a pensar que era louca, mas não se importava. Continuava recusando a presença de qualquer pessoa no quarto, exceto dos irmãos de Graeme, Rorie, do padre Drummond e de Nigel. Graeme era… dela. A única pessoa no clã que a recebera bem desde o início. Havia lutado por ela. Implorara por mais uma chance para fazê-la feliz. Talvez, se não estivesse tão concentrada em sua própria tristeza, seu marido não estaria agora deitado na cama com um ferimento de flecha no ombro. Ela se sentia egoísta e culpada. Alguém de seu próprio clã havia tentado matar seu marido. Ninguém no clã Montgomery havia feito algo tão covarde contra ela. Eles podem ter caçoado dela, podem tê-la forçado a trabalhar até se machucar, mas ninguém tentara matá-la. Podem não tê-la aceitado, mas nunca ergueram a mão contra ela. Agora, porém, seu próprio clã fizera algo maléfico, que a deixava com vontade de chorar. O sol ainda não havia nascido no segundo dia após o ataque e Eveline ainda estava sentada ao lado da cama, com frio e com dores. Ela precisava cuidar do fogo, mas ficou com medo de esquentar demais o quarto e causar febre no marido. Ele acordara por um momento, durante a noite, e pareceu reconhecê-la. Até chegou a falar, mas os lábios quase não se moveram e ela não pôde discernir as palavras. Frustrada com a surdez, ela se aproximou e tentou incentivá-lo a falar mais claramente, mas Graeme voltou a ficar inconsciente.


Eveline tocou sua testa e a sentiu seca e quente. Um terror gélido percorreu seu peito. Ela rezava sem parar para que Graeme não tivesse febre. Também limpou e refez o curativo várias vezes, na tentativa de evitar o inchaço e a vermelhidão. Nigel possuía mãos habilidosas, e os pontos estavam firmes e limpos, efetivamente selando o ferimento para que a carne se curasse. A batida na cabeça não havia causado um ferimento aberto, que precisasse de sutura, mas havia um grande inchaço que a preocupava. Eveline sabia muito bem o que um ferimento na cabeça podia causar. Ela precisou de toda força e determinação para se levantar da cama e preparar panos úmidos para a testa de Graeme. Ela se sentiu como uma mulher em estágio avançado da vida, velha e decrépita. Até se movia como uma velha, com as costas curvadas, os músculos protestando a cada passo. Seus dedos tremiam na vasilha de água. Ela mergulhou várias tiras de pano na vasilha para umedecê-las e, depois de torcê-las, correu de volta para a cama, posicionou uma das tiras sobre a testa do esposo e, com as tiras restantes, limpou o resto do corpo dele. Com sua visão periférica, Eveline viu a porta se abrir e ergueu a cabeça de repente, pronta para defender seu território, mas relaxou quando viu Bowen e Teague. – Como ele está? – Bowen perguntou quando chegou perto o bastante da cama para Eveline poder enxergar seu rosto. – Febre – ela disse com a voz rouca. Eveline continuou a passar o pano sobre o peito, o pescoço e os ombros de Graeme, mas seus próprios ombros caíram em desespero. Teague tocou seu rosto, fazendo Eveline se virar novamente para ele. – Precisamos falar com você, Eveline. É muito importante que nos faça um relatório sobre o que aconteceu. Não encontramos nenhum traço do homem que você disse ter atirado em Graeme. Um terror se instalou em seu estômago, que foi piorado pelo fato de estar sem comer havia dois dias. – Eveline? – Bowen disse, ajoelhando-se ao lado da cama e deixando o rosto no mesmo nível do de Eveline. – Você parece amedrontada. Saiba que está segura aqui.


Não permitiremos nenhum ataque dentro da fortaleza. – O que me assusta é aquilo que preciso contar a você – ela sussurrou, tirando o pano de Graeme e apertando-o com força nas mãos. Bowen alcançou a mão dela, esfregando-a, para esquentar seus dedos gelados. Ela engoliu em seco, e lágrimas já se acumulavam em seus olhos, pois sabia que aquilo que iria dizer partiria seu coração. A família que ela tanto estimava tentara assassinar o marido que ela amava. Não haveria paz, pois os irmãos de Graeme não permitiriam que um ataque daqueles ficasse impune. Iriam retaliar e a guerra começaria. Os dois clãs seriam considerados criminosos e seriam caçados até a extinção. Seria fácil dizer que não tinha visto nada, mas ela se recusava a proteger um clã que agira de maneira tão desonrada. Eles fizeram um juramento em nome de Deus e do rei. Assinaram um tratado de sangue, e a família dela havia quebrado esse juramento sagrado. Teague puxou uma cadeira e sentou-se ao lado de Bowen, na linha de visão de Eveline. Sua expressão era séria e ele a encarava intensamente. – O que foi? – Teague perguntou. – O que você sabe sobre o ataque? Ela respirou fundo e depois olhou para os dois irmãos, rezando para que não a odiassem por aquilo que precisava confessar. – O homem que atirou em Graeme usava uma bainha que meu pai mandou fazer para os seus homens. Possuía um ornamento inconfundível, que mostrava o símbolo dos Armstrong. Bowen recuou e Eveline protegeu-se, quase como se esperasse que ele fosse atacá-la. Ela desviou o rosto, determinada a proteger a única parte de seu corpo que não estava severamente machucada. Ela ficou parada, tremendo de olhos fechados enquanto esperava. Então, uma mão quente tocou seu queixo e virou seu rosto de um jeito não muito gentil. Teague estava claramente mortificado, e Eveline rapidamente tirou os olhos dele e olhou para Bowen. Quando viu a fúria em seu rosto, ela começou a fechar os olhos novamente, mas ele a sacudiu, forçando Eveline a continuar olhando para ele.


– Meu Deus, pensou que eu fosse atacá-la? – Bowen perguntou, com uma expressão de completa incredulidade. – Achou que eu buscaria vingança sobre você por aquilo que seu clã causou? Lágrimas se acumularam nos olhos de Eveline, derramando-se pelo seu rosto. Ela ergueu a mão para limpá-las, mas Bowen chegou primeiro, movendo a mão de seu queixo para gentilmente limpar o rastro molhado no rosto da cunhada. Ela voltou a olhar para Teague, percebendo que ele estava consternado não por aquilo que ela havia confessado, mas por temer a reação deles. – Desculpe – ela disse, pronunciando com dificuldade, por causa da garganta machucada. Os ombros de Bowen relaxaram quando ele respirou fundo e olhou de volta para o irmão por um instante, antes de voltar a olhar para Eveline. – Você tem certeza de que era um dos homens do seu pai? – ele disse, querendo certificar-se Ela confirmou. – Não consegui ver o rosto. Ele usava um capacete de batalha, mas veio da direção da fronteira com os Armstrong e voltou pelo mesmo caminho. Não sei qual era sua intenção. Ele parou quando comecei a gritar e apanhei a espada de Graeme, depois virou seu cavalo e cavalgou rapidamente na direção das terras dos Armstrong. Mas eu vi a bainha. Tinha uma mistura de metal e couro, e apenas os guerreiros de maior status recebem a honra de usar aquela bainha. Eram reservadas para os que provaram seu valor na batalha. É um artigo caro, portanto os guerreiros de nosso clã cobiçam aquela bainha como símbolo de poder. Teague praguejou, virando o rosto para que Eveline não visse tudo aquilo que ele dizia. – O que vai acontecer? – ela perguntou, soluçando. – Isso é um ato de guerra. Se você retaliar, o tratado será quebrado e os dois clãs serão considerados inimigos do rei. Bowen tocou seu rosto e depois segurou suas mãos. Ele apertou os dedos de Eveline com um gesto tranquilizador antes de falar. – A coisa mais importante agora é você não ter medo de nós. Não vamos machucá-la, Eveline. Você precisou de muita coragem para nos dizer a verdade. A maioria das pessoas mentiria e alegaria ignorância. Nós enxergamos sua lealdade a Graeme e ao nosso clã. Ninguém a culpará por aquilo que seu pai causou. Ela apertou os lábios, sentindo uma angústia dentro do peito. – Não entendo por que fizeram isso. Eu nunca teria acreditado que meu pai pudesse agir de um modo tão desonrado.


Teague franziu as sobrancelhas novamente e pensou um pouco. – O que é confuso para mim é por que seu pai teria enviado um homem usando algo tão claramente feito para um soldado Armstrong. A maneira como foi feito o ataque leva a pensar que o agressor não queria que ninguém culpasse os Armstrong, mas o homem usava a bainha que você descreveu. Se ele não se importava com quem ficaria sabendo de suas intenções, então por que não enviou todo o seu exército para a nossa fortaleza? Por que lançou um ataque tão covarde? O guerreiro deve ter esperado por vários dias até conseguir uma oportunidade. Bowen também estava pensativo quando se recostou na cadeira. – Você acha que alguém poderia estar tentando incriminar os Armstrong? Os olhos de Eveline se arregalaram. – Quem faria uma coisa dessas? – Qualquer um que sinta medo de que os dois clãs mais poderosos das terras altas se unam – Teague disse. Uma esperança se acendeu no coração de Eveline. – Então você acha que poderia ser alguém se passando por um guerreiro dos Armstrong? – É possível – Bowen concedeu. – Mas como teria conseguido uma bainha que, como você disse, pertence apenas aos guerreiros mais valorosos dos Armstrong? – Não sei – Eveline respondeu, mordendo o lábio inferior. – Parece que seu pai precisa responder a algumas perguntas – Teague disse, com uma expressão sombria. Eveline olhou nervosamente para Graeme, cujos olhos ainda estavam fechados. – Então, o que faremos? – Vamos esperar até Graeme recuperar os sentidos para tomar uma decisão – Bowen disse. – Enquanto isso, vou aumentar a patrulha na fronteira e enviar nossos melhores guerreiros para vasculhar o campo e procurar por algum soldado usando uma bainha dos Armstrong. – Sim – Teague concordou. – Quando Graeme estiver bem, ele decidirá nossas ações. Um tratado de sangue não é algo que se possa subestimar e, se seu pai realmente tiver violado o


nosso acordo de paz, isso significará guerra, independente da proibição real. Não vamos tolerar um ato traiçoeiro desses contra o nosso laird. Eveline baixou os olhos, mas Bowen tocou seu braço, chamando novamente sua atenção. – Sei que isso é difícil para você, Eveline. É o seu clã, a sua família. É apenas porque ainda temos dúvidas que não invadimos imediatamente o clã Armstrong. Mas vamos investigar o assunto e esperar a palavra final de Graeme. De qualquer maneira, ele vai querer confrontar seu pai para ouvir o que ele tem a dizer sobre tudo isso. Eveline concordou. – É justo. Não quero acreditar que meu pai faria isso. Ele deve ter uma oportunidade para defender seu nome e sua honra. – Deveria descansar agora, Eveline – Teague disse. – Você já passou dos seus limites, todos podem ver isso. Ela sacudiu a cabeça, determinada em sua recusa. – Eu não vou deixá-lo. Ele está com febre agora e é mais importante do que nunca que eu fique ao seu lado. Bowen suspirou, mas não continuou a discussão. Ele levantou-se e Teague levou a cadeira de volta para seu lugar, perto da janela. – Precisamos ir agora para cuidar desse assunto. Se Graeme acordar, mande alguém nos avisar imediatamente. Eveline concordou e, quando os dois irmãos se retiraram do quarto, relaxou, aliviada. Ela levantou-se para umedecer os panos novamente e retornou para a cama de Graeme. – Fique bom logo – ela sussurrou. – Estou com medo, Graeme. Não quero uma guerra entre nossos clãs.


Capítulo 37 Passaram-se mais dois dias até a febre de Graeme finalmente ceder. Eveline permaneceu no quarto esse tempo todo, com medo, mais do que nunca, de se aventurar no meio do clã. A essa altura, todos já deveriam estar sabendo da possibilidade de seu pai ter planejado o ataque contra Graeme. Seria mais uma razão para que a odiassem. Não que precisassem de mais. Eveline, finalmente, sucumbira à completa exaustão e adormecera sentada ao lado de Graeme uma hora antes de o dia raiar. Ele se mexeu de repente, fazendo-a acordar imediatamente. A luz suave da manhã invadia o quarto através das cortinas, que estavam parcialmente abertas. Ela baixou os olhos e viu Graeme de olhos abertos, com a testa suada. Ele afastou as cobertas e Eveline viu seu corpo inteiro coberto de suor. – Graeme! Oh, Graeme! – ela exclamou, sem saber se podia ser ouvida. Sua garganta ainda estava inchada e doía sempre que tentava falar, mesmo vários dias após o ataque. Ela chegou mais perto, tocando Graeme, sentindo sua pele molhada, mas ele não estava mais seco e quente! Seu olhar vazio pousou sobre ela por um longo momento, e então ele franziu as sobrancelhas. – O que aconteceu? – Você não se lembra? – Eveline perguntou. Graeme pensou profundamente. Então, uma onda de cor invadiu seu rosto e seus olhos estalaram de raiva. Ele agarrou os ombros de Eveline, segurando firme, como se estivesse procurando ferimentos sobre ela. – Você está bem? – ele perguntou. – Ele machucou você? O que aconteceu depois que fui atingido pela flecha? – Graeme, você não pode mexer o braço! – ela o repreendeu. Eveline tocou o braço esquerdo dele e o posicionou gentilmente de volta na cama. Um lampejo de dor apareceu em seus olhos, depois ele olhou com impaciência para os curativos no ombro. – Responda-me, Eveline. Você está bem? Ela tocou seu rosto, acariciando a firme linha de seu queixo, sentindo um alívio arrebatador.


– Estou perfeitamente bem – ela disse. – Foi você quem nos assustou. – Desde quando estou de cama? – Quatro dias. É realmente um milagre que tenham sido apenas quatro dias. Você teve febre e achei que fosse durar muito mais. Ele imediatamente tentou se levantar, mas ela plantou as duas mãos sobre seu peito e o empurrou de volta, com uma expressão repreensiva. – Você não pode sair da cama ainda – ela disse. Ele recuou e seus olhos se arregalaram diante do volume da ordem. Ela sabia que seria alto, mas queria ter certeza de que ele entendia a gravidade da situação. Graeme ajeitou-se nos travesseiros e depois a estudou intensamente, olhando seu corpo de cima a baixo. – Você parece terrível, Eveline. Você mentiu para mim? Machucou-se quando eu fui atacado? Foi simplesmente demais. Tudo a atingiu ao mesmo tempo. Alívio. Exaustão. Medo. Um alívio tão grande. Ela se derramou em lágrimas. Pelos olhos marejados, ela viu Graeme tentar se sentar na cama, e depois ele inclinou a cabeça e gritou algo. Um momento depois, seus irmãos chegaram correndo, e então Bowen envolveu o corpo de Eveline e a ergueu da cama. Mas ela não conseguia parar de chorar. Era como se os últimos restos de força que possuía tivessem se esvaído no momento em que soube que Graeme ficaria bem. Outro braço envolveu Eveline e ela foi guiada para o banco perto da lareira. Para seu completo choque, quando ergueu a cabeça, Nora estava lá, cuidando do fogo. Nora jogou vários pedaços lenha na lareira e os acendeu. Depois, virou-se e segurou Eveline com um olhar determinado. – Agora, mocinha, sei que provavelmente vai gritar e tentar me expulsar do quarto do laird, mas você não tem a força para fazer isso e eu não vou ceder desta vez. Já é hora de alguém cuidar de você. Você ficou do lado do laird por vários dias. Não comeu nada. Não dormiu. Você está machucada por causa da queda e, com todo respeito, sua aparência está péssima. Mais lágrimas se derramaram no rosto de Eveline. Ela estava tão exausta que não possuía


energia para fazer nada além de chorar quando a segunda pessoa em menos de alguns minutos disse que ela estava horrível. Nora se levantou, esperando com as mãos na cintura enquanto Eveline limpava o rosto. Quando teve certeza de que Eveline olhava para ela, continuou a falar. – Eu devo pedir desculpas a você, mocinha. Todos devemos. Mas agora não há tempo para isso. O importante é que não fique doente e que o laird receba cuidados. Eveline começou a protestar, mas Nora ergueu as mãos. – Ninguém está dizendo que não fez um bom trabalho cuidando do laird. Nunca vi pessoa tão dedicada, mas ele está se recuperando bem e agora mesmo está exigindo saber o que há de errado com você. Eveline tentou se virar para tranquilizar Graeme, mas Nora apanhou seu braço e a segurou com firmeza no lugar, enquanto se sentava ao seu lado no banco. – Não, você não passará mais nenhum momento cuidando do laird. Ele logo vai ficar bem. É você que precisa de cuidados e vou dizer a minha opinião e você vai escutar tudo. Eveline não pôde fazer nada além de olhar chocada diante da veemência da mulher. – Você não pode mais manter esse ritmo. Precisa comer. Precisa descansar. Precisa de alguém para cuidar de você e ter certeza de que tudo está bem. Você pode aceitar graciosamente ou vou pedir para os irmãos do laird amarrarem você na cama, e vou fazer isso com a bênção do laird assim que ele ouvir tudo o que você fez contra si mesma nos últimos dias. Eveline estranhou. – Teague e Bowen não fariam uma coisa dessas. Nora ergueu uma sobrancelha. – Foi ideia deles, milady. Nós estávamos a caminho de tomar providências quando ouvimos o laird chamar. Eles sabem que você já aguentou o bastante. Todos podemos ver isso. Eu insisti em ser a pessoa que cuidaria de você. Eu devo isso a você. Não vamos decepcionar você e o nosso laird, eu juro. – Por que você está sendo tão bondosa comigo? – Eveline perguntou, esfregando a garganta dolorida. O olhar de Nora se suavizou e uma culpa apareceu em sua expressão.


– Foi culpa minha. É tudo culpa nossa. Isso não teria acontecido se não tivéssemos maltratado você. Mas, mesmo assim, você lutou ferozmente por nosso laird. Não permitiu que nossas ações afetassem sua lealdade a ele. Estou profundamente envergonhada. Fui uma pessoa ruim, e você uma pessoa superior. Se me der uma nova chance para consertar o estrago, eu juro que não se arrependerá. Eveline olhou para a velha mulher com perplexidade. Ela realmente parecia sincera. Havia um sentimento de culpa e arrependimento em seus olhos, e as rugas e linhas de expressão pareciam mais pronunciadas. – Eu estou com fome – Eveline disse. Nora sorriu. – É claro que está. Faz dias que não come nada. Agora, o que eu quero é que desça as escadas comigo. Mary está preparando um ensopado de veado agora mesmo. Depois de comer, as mulheres a levarão para a casa de banho, para você mergulhar esses músculos doloridos na água quente. Quando terminar, pediremos a Nigel que a examine, para ter certeza de que tudo está bem e que você não sofreu nada que uma boa noite de sono não resolva. Depois disso, poderá descansar com o laird, mas fique sabendo: se não dormir, vou mandar tirarem você do quarto e a trancarem em outro. Vou derramar uma poção goela abaixo se for preciso. Eveline riu do olhar determinado de Nora e depois estremeceu com a dor que isso causou em sua garganta. – Pobre mocinha – Nora disse, com uma simpatia nos olhos. – Você machucou a garganta com toda aquela gritaria. Nós ouvimos na fortaleza quando você cavalgou pedindo ajuda. Foi muito corajoso de sua parte montar o cavalo do laird. Aquele é um grande animal bruto, e você tem medo de cavalos. Toda a fortaleza estava falando sobre isso. Todos sabem que você protegeu o laird ferozmente. Acho que algumas pessoas até estão com um pouco de medo de você agora. Os lábios de Eveline tremeram. Achou graça em pensar que alguém teria medo dela. Olhou de volta para Nora, estudando-a intensamente. Essa era a oportunidade que esperava. Poderia continuar com raiva e recusar o perdão ou poderia superar o ódio e a humilhação e começar tudo de novo. Ela alcançou a mão de Nora e apertou. – Eu agradeço a você. Ensopado de veado e um banho quente seriam o paraíso.


Nora ajudou-a a se levantar e Eveline quase caiu de cara no chão. Sua força havia acabado. Era como se tivesse permanecido firme até o momento em que soube que Graeme não precisava mais dela, e agora estava no seu limite. Quando se viraram, ela viu a expressão feroz de Graeme, a raiva e a preocupação em seus olhos. Ele estava sentado na cama, com travesseiros nas costas e cercado pelos dois irmãos. Mas não parou de olhar para ela. – Venha aqui – ele ordenou. Com a ajuda de Nora, ela conseguiu andar até a cama, mas os joelhos tremiam tanto que ela temeu não conseguir ficar em pé sozinha. Ele alcançou seu braço direito e puxou-a para a cama, até ela ficar apoiada em sua coxa. – Você vai fazer tudo o que elas mandarem – ele disse. – Não fará nada além de cuidar de si mesma de agora em diante. Estamos entendidos? Bowen me contou da sua queda do meu cavalo. Meu Deus, mulher, o que você estava pensando, montando aquela fera com o seu trauma de cavalos? Ele poderia ter matado você. Graeme tomou fôlego, o peito subindo e descendo por causa do esforço, mas seus olhos brilhavam com determinação. – Você vai descer e comer, e depois vai mergulhar na água quente do jeito que Nora mandar. Depois vai retornar para este quarto e para mim, para que Nigel possa examiná-la adequadamente. Em seguida, vai descansar até eu dar permissão para se levantar desta cama e, se você protestar, eu autorizarei Bowen e Teague a fazer o que for necessário para assegurar que você siga as ordens. Os olhos de Eveline se arregalaram e, então, para sua surpresa ainda maior, Graeme a puxou e a beijou profundamente. Quando finalmente a soltou, os pensamentos dela estavam tão bagunçados que ela não conseguia pensar direito. – Agora, vá – ele disse. – E volte logo para mim, para que eu possa satisfazer minha preocupação com o seu bem-estar.


Capítulo 38 Assim que Eveline saiu do quarto, Graeme virou-se para seus irmãos. – Digam-me a verdade. Quero saber de tudo. Como Eveline está? Ela se machucou? – Eu não sei – Teague disse honestamente. – Ela recusou qualquer tipo de ajuda. Esteve focada apenas em você e na sua recuperação. Ela levou um tombo feio do seu cavalo, mas se levantou, montou novamente e nos levou até onde você estava. Graeme praguejou mesmo com a dor aguda em seu ombro. – Você não deveria ter permitido. Ela deveria ter recebido cuidados primeiro. Bowen riu. – Você não conhece a sua esposa, meu irmão. Ela deixou todos aterrorizados. Gritava como se estivesse louca cada vez que alguém entrava em seu quarto. Não permitia ninguém, exceto eu, Teague, Rorie, o padre Drummond e Nigel, e o padre só recebeu permissão se não tentasse fazer a extrema-unção sobre você. Ela não permitia que ninguém nem pensasse na ideia de você não sobreviver. Foi uma cena e tanto. – Você assustou a todos nós – Teague disse com irritação. – O que aconteceu? – Graeme perguntou. – Para mim é tudo um borrão. Eu me lembro de Eveline gritando na minha direção e, quando me virei e saquei a espada, vi um homem montado a cavalo se aproximando. Depois, só me lembro de me jogar para o lado para evitar que a flecha atingisse minha cabeça, e não me lembro de mais nada. – O que aconteceu foi que Eveline assustou o agressor gritando como os cães do inferno, depois ela empunhou a sua espada, preparada para lutar e proteger você. O cavaleiro fugiu e Eveline jogou-se sobre o seu cavalo e correu para a fortaleza, gritando durante todo o caminho. Ela entrou correndo no pátio, e então seu cavalo parou de repente e a jogou por cima da cabeça. Ela nos levou de volta para onde você estava e nós o carregamos em uma maca. Ela se recusou a cavalgar de volta com Bowen e andou ao seu lado durante todo o trajeto. Desde então, não saiu do seu lado. Ela recusou comida e cuidados, e também não dormiu. – Aquela pequena tola – Graeme resmungou. – O que eu faria sem ela? Não posso perdê-la. Ele disse isso em voz alta, antes que pudesse pensar melhor sobre mostrar seus sentimentos por Eveline.


Graeme estava furioso por causa dos riscos que ela passara e tremia de medo quando pensava que poderia facilmente ter perdido Eveline. Bowen e Teague não disseram nada em reposta, mas ele podia ver o entendimento em seus olhos. – Quem fez isso? Vocês rastrearam o agressor? – Graeme exigiu saber. Seus irmãos mais novos trocaram um olhar inquieto. – Falem logo! – As coisas têm sido mais difíceis para Eveline do que você imagina – Bowen disse com a voz baixa. Graeme congelou, sentindo as veias se transformando em gelo. – Vocês disseram que ela não se machucou. Por acaso o agressor colocou as mãos nela? Bowen sacudiu a cabeça. – Não, não é nada disso. Eveline… viu o arqueiro. Ela conseguiu nos dar uma informação para identificá-lo. – Possivelmente identificá-lo – Teague corrigiu. Bowen concordou. – Sim, ainda não sabemos o que fazer com essa informação. Enviamos soldados para vasculhar a área e acrescentamos mais patrulhas na fronteira para a segurança do nosso clã, mas achamos melhor não agir com a informação de Eveline até que você acordasse. Graeme sacudiu a cabeça, confuso. – Eveline identificou o homem que atirou em mim e vocês não fizeram nada? Novamente, seus irmãos trocaram olhares e um medo se acumulou no estômago de Graeme. Ele estava cansado, fraco e furioso por sua esposa precisar tanto de seu apoio e tudo o que conseguia fazer era se sentar na cama enquanto seus irmãos falavam. Duvidava até que conseguiria comer sozinho. – Eveline acredita que foi uma pessoa do clã dela – Teague disse, quase sussurrando. Um choque se espalhou pelas veias de Graeme, momentaneamente ganhando uma onda de energia.


– Ela disse isso a vocês? Bowen confirmou. – Ela estava devastada, mas não escondeu a verdade. Ela tem medo do que isso pode significar. No começo, não sabíamos se Eveline entendia as circunstâncias do casamento. Mas ela entende muito bem. E sabe que um tratado de sangue foi assinado e que, se entrarmos em guerra, os dois clãs serão considerados criminosos e um prêmio será colocado sobre nossas cabeças. – Mas mesmo assim ela contou a verdade – Graeme disse suavemente. – Sim – Teague murmurou. – Eu não a culparia se não contasse o que viu. Não posso dizer que eu faria igual se estivesse na mesma posição. – Ela é uma mulher incrível – Graeme murmurou. – Sim, isso é verdade – Bowen concordou. – E é intensamente leal a você, Graeme. Um orgulho inchou seu peito. Graeme lembrou-se de que, pouco antes de ter sido atingido pela flecha, ele havia implorado para que ela lhe desse mais uma chance. Havia implorado para que não voltasse para o seu clã. Aparentemente, ela tomou sua decisão. Uma satisfação selvagem cresceu dentro de Graeme, incrementando suas forças. Ela escolhera ficar com ele. E havia feito a coisa certa e contado a verdade. Tão rápido quanto chegou a essa conclusão, a realidade da situação apareceu e seu coração se tornou pesado. Se Tavis Armstrong ordenara o assassinato do marido de sua filha, certamente isso levaria à guerra. Graeme não permitiria que os Armstrong ameaçassem seu clã. Ele banharia a terra com o sangue dos Armstrong, depois levaria o assunto para o rei. Mas, se fizesse isso, provavelmente perderia qualquer respeito e amor que Eveline pudesse sentir por ele. Como ela poderia amar o homem que destruiu sua família? Era um dilema que ele nunca pensou que fosse encarar. Graeme não poderia permitir qualquer ameaça ao seu povo, mas como poderia destruir a família de Eveline?


Como ela poderia perdoá-lo? Ele fechou os olhos e encostou a cabeça de volta no travesseiro. – É um grande problema, você não acha? – Bowen disse. – Sim – Graeme murmurou. – Não quero perdê-la. Não quero que ela olhe para mim com ódio no rosto. Seria mais do que eu poderia aguentar. – Também não quero que olhe para mim com ódio – Teague admitiu em voz baixa. – Não quero ser o homem que destruiu sua família. Eu gosto dela, Graeme. Ela já provou seu valor muitas vezes, e também foi humilhada e enganada, mas mesmo assim não deixou que isso a colocasse contra nós. Ela continua sendo leal a nós mesmo depois de tudo o que aconteceu. – Quantos homens podem dizer que possuem uma esposa que sacrificaria tanto por seu marido? – Bowen perguntou. – Eu posso – Graeme disse secamente. – Eu gostaria de fazer a mesma pergunta que Teague fez quando ele e eu falamos com Eveline sobre o que aconteceu – Bowen disse. Graeme olhou para ele. – Continue. – Se Tavis Armstrong quisesse mesmo matar você secretamente, por que enviaria um homem com um símbolo tão identificável? Você não acha isso estranho? Teague assentiu. – Talvez alguém quisesse fazer parecer que os Armstrong tentaram assassinar você, pois, mesmo se o homem falhasse, certamente isso começaria uma guerra entre os dois clãs e muitas pessoas se beneficiariam. Nós não seríamos mais aliados, e existem muitas pessoas que, tenho certeza, estão inquietas por causa dos dois clãs mais poderosos terem juntado suas forças. – Sim, há aqueles que gostariam que continuássemos como inimigos mortais e lutássemos entre nós. Se quiséssemos, poderíamos facilmente derrotar qualquer clã agora que possuímos um exército combinado, maior até mesmo que o exército do rei. Isso deve pesar muito em suas mentes – Bowen acrescentou.


Graeme concordou. – O que você diz faz sentido. Tavis Armstrong não é estúpido, mas também pode não se importar em começar uma guerra. É difícil saber o que se passa em sua mente até conversarmos com ele sobre o assunto. – O que devemos fazer? – Teague disse. – Você não está em condições de guerrear. Graeme borbulhava de impaciência. Ele queria sair logo da cama e preparar seus homens para a batalha, mas sabia que seria inútil como líder e guerreiro em seu estado atual. Por mais que odiasse esperar, ele sabia que precisava. Mas isso não significava que não pudesse mandar uma mensagem para Armstrong, exigindo uma reunião em breve. Ele tomaria alguns dias para se recuperar, depois enviaria um mensageiro, exigindo um encontro em terras neutras. Se usasse as palavras certas, Tavis não poderia recusar. Ele gostaria de saber se sua filha está bem, e também gostaria de saber o que tinha levado Graeme a exigir um encontro. Quando informou seus irmãos sobre o plano, eles assentiram, e um alívio ficou evidente nos olhos deles. Eles também não queriam guerra. Mesmo assim, se o pai de Eveline realmente houvesse instigado a ameaça contra Graeme, então a batalha seria inevitável. E ele poderia perder Eveline. Graeme ergueu o braço esquerdo, testando a força e o nível de dor em seu ombro. Uma dor cortante disparou, quase roubando todo o seu ar. Ele deixou o braço cair e começou a respirar fundo. – Isso foi estúpido – Teague comentou. – Você não vai se curar se não parar de mexer o braço, e você não terá utilidade para nós se não puder ficar em pé no campo de batalha. Não apresse a sua recuperação, Graeme. Por mais que seja difícil ficar aqui esperando, é o que precisa ser feito. – Sim, eu sei – Graeme resmungou. – E não, eu não gosto nem um pouco disso. – Passe o tempo com Eveline. Ela precisa de muitos cuidados agora – Bowen disse. – Ela não está bem, Graeme. Os lábios de Graeme formaram uma linha fina. – Ela não fará nada além de descansar. Eu me certificarei disso. A porta se abriu e Nora entrou apressada, olhando imediatamente para Graeme.


– O que aconteceu? – ele perguntou afobado, sem gostar da expressão da mulher. – Meu laird, por favor, fique calmo. Nigel está trazendo a moça para cá agora mesmo. Graeme ergueu o corpo imediatamente, e Teague e Bowen se levantaram para empurrá-lo de volta aos travesseiros. – O que aconteceu? – Graeme gritou. – Ela desmaiou – Nora disse. – Ela comeu, depois nós a colocamos no banho quente. A pobre moça desmaiou, ou dormiu, mas, de qualquer maneira, não conseguimos acordá-la, então eu a envolvi com um lençol e mandei Nigel carregá-la até aqui. Ah, aí está ele. Aqui, Nigel. Traga-a para o laird. Vamos colocar a pobre moça na cama e mais tarde eu checarei se ela está melhor. Nora fez um gesto para o jovem rapaz e ele apareceu no quarto, carregando Eveline nos braços. Ela parecia pequena e delicada. Parecia frágil, e isso enviou uma onda gelada pelas costas de Graeme. – Coloque-a ao meu lado – ele ordenou, querendo que ela ficasse entre a parede e seu corpo para ficar protegida. Bowen e Teague se levantaram e ajudaram a carregar Eveline sobre Graeme até o lugar onde ele queria. Ela ficou completamente envolvida pelas cobertas, com apenas o rosto à mostra. Nora tirou Nigel do quarto e depois voltou para também tirar Teague e Bowen. Graeme enxergou a determinação nos olhos de Nora e percebeu que ela queria que todos saíssem, porque havia algo que queria contar a ele. Graeme mandou os irmãos obedecerem, prometendo chamá-los em seguida. Após saírem, Nora fechou a porta e voltou seus olhos preocupados para Graeme. Ela andou até a cama e começou a soltar o lençol que envolvia o corpo de Eveline. – Você precisa ver isto, laird. A pobre moça está machucada da cabeça aos pés. Quase chorei quando tiramos sua roupa para ela tomar banho. Não sei como aguentou a dor nos últimos dias, e não sei como não quebrou algo quando caiu do cavalo. Quando o lençol se soltou, expondo o corpo nu de Eveline, Graeme perdeu todo o ar dos pulmões. Meu Deus. Grandes hematomas roxos cobriam a maior parte de seu corpo. Os joelhos e cotovelos estavam raspados. A cintura estava quase preta. Um dos ombros exibia uma cor verde muito feia. Havia várias feridas menores sobre as pernas e múltiplos machucados e


cortes nos braços. – Jesus – ele murmurou. – Ela não pode dar mais nada a você, laird – Nora disse com um tom de voz solene. – Você acha que não sei disso? – ele rosnou. – Acha que eu teria aprovado ela sacrificar tanto de si por mim? Eu a teria amarrado na maldita cama e forçado uma poção goela abaixo. – Tem mais uma coisa – Nora disse, sem se abalar com a irritação de Graeme. – A moça gritou tanto por ajuda, e depois quando alguém tentava entrar no quarto, que acabou machucando a garganta. Ela deveria falar o mínimo possível nos próximos dias. Vou trazer sidra quente de hora em hora para aliviar a dor na garganta. Graeme assentiu, impaciente para que Nora fosse logo embora. Ele queria Eveline só para si. Queria abraçá-la. Senti-la contra si mesmo. Apenas sentir o conforto de seu corpo tão perto. A dor não era tão ruim quando ela estava próxima. Agora havia chegado o momento de Graeme cuidar dela. Eveline havia se sacrificado muito nos últimos dias. Sacrificado demais. Ela selara o seu destino ao jogar-se como uma leoa protegendo os filhotes e cuidando dele tão fielmente. Ela poderia ou não ter tomado uma decisão sobre o blefe em que ele implorou por mais tempo para consertar as coisas. Mas agora ela era dele. E nada nem ninguém entraria em seu caminho. Nem a família dela nem o clã dele. Graeme não desistiria dela sem uma boa luta.


Capítulo 39 Eveline dormiu pelo resto do dia, da noite e da manhã seguinte. Graeme a abraçou durante todo o tempo, prendendo-a a ele com seu braço bom. Ele cochilou aqui e ali, permanecendo imóvel e concentrando-se em curar- se o mais rápido possível. O simples fato de tê-la por perto, podendo sentir seu calor e seu cheiro, dava-lhe uma sensação de paz. Eveline o acalmava e o deixava contente. Ela não se mexera até então, e isso estava começando a preocupá-lo. Quando seus irmãos apareceram, ele pediu que chamassem Nigel. Mas, antes de retornarem, Graeme certificou-se de que ela estivesse completamente coberta pelo lençol com que Nora havia envolvido seu corpo, depois a cobriu com as cobertas, para que não sentisse frio. Um momento depois, Nigel apareceu e imediatamente começou a tirar o curativo do ombro de Graeme para checar o ferimento, mas Graeme o afastou. – Eu não chamei você para mim. Estou preocupado com Eveline. Ela não se mexeu desde ontem, quando você a trouxe para cá. É tempo demais para ela dormir. Os hematomas que ela possui são sérios. E se ela estiver mais machucada do que pensamos? Nigel abaixou-se sobre Graeme e passou os dedos sob o nariz de Eveline. Depois, tocou nas cobertas com a intenção de puxá-las. – Com sua permissão, laird – ele disse. Graeme lançou um olhar feroz na direção de seus irmãos, que se viraram e desviaram os olhos. Então, Graeme assentiu para Nigel. Nigel cuidadosamente puxou as cobertas e depois o lençol, pousando a mão sobre o peito de Eveline. Nigel estranhou quando viu com mais cuidado os hematomas que marcavam a pele dela. – É um milagre ela não ter quebrado o pescoço – Nigel murmurou. – Aquele cavalo poderia têla matado. Graeme cerrou os dentes com força. Não gostava de ser lembrado de quão perto da morte ela estivera. Ficava menos irritado com a flecha em seu ombro do que com Eveline ter se ferido e o fato de ter se arriscado montando o cavalo. Ele não conseguia nem imaginar a coragem que ela precisou ter para superar o terror e o pânico de meramente estar perto de um cavalo, muito menos de se jogar sobre ele e cavalgá-lo correndo de volta para a fortaleza.


Graeme teria uma longa conversa com ela sobre nunca mais correr riscos no futuro. Assim que se recuperasse. – Acho que ela está bem o suficiente, laird. A respiração não parece difícil. Ela parece estar apenas dormindo profundamente. É provável que durma a noite toda e também a manhã seguinte. Ela passou vários dias sem descanso, e precisa muito disso. Tente não a acordar e deixe que desperte naturalmente. – Não, não farei nada para acordá-la – Graeme jurou. – Ela vai dormir ao meu lado pelo tempo que for preciso. Após arrumar as cobertas novamente sobre Eveline, Nigel insistiu em trocar o curativo no ombro de Graeme. Cuidadosamente, ele limpou e inspecionou os pontos e colocou um curativo novo sobre o ferimento, envolvendo-o com uma bandagem. – Já podemos olhar? – Bowen perguntou com impaciência. – Sim – Graeme respondeu. Nigel retirou-se e Bowen e Teague puxaram a cadeira e o banco para o lado da cama de Graeme, para conversarem com seu irmão. Alguém bateu na porta e Graeme praguejou. Mas, quando a porta se abriu e Rorie entrou hesitante, Graeme suavizou e fez um gesto para que se aproximasse. – Graeme? – ela perguntou, com a voz levemente trêmula. – Sim, minha querida. Venha aqui. Rorie andou até o lado da cama, com olhos preocupados. Ela olhou para Eveline e começou a chorar. – Ela vai ficar bem, Graeme? Eu vi os machucados quando Nora e Mary a colocaram no banho. Eu não sabia. Ela não deixava ninguém chegar perto. Insistiu que toda atenção fosse concentrada em você. Graeme ergueu o braço lentamente e tomou a mão da irmã – Sim, ela logo ficará bem. Juro que é preciso muito mais para derrotar essa mulher. Ela fica muito determinada quando coloca uma coisa na cabeça. Graeme manteve o tom baixo, para não preocupar sua irmã. Ela havia se tornado muito


próxima de Eveline, e ele podia enxergar a preocupação nos olhos dela. – Nigel acabou de sair e disse que ela apenas precisa descansar e ganhar de volta tudo que perdeu no tempo em que estava cuidando de mim. Não vou permitir que saia da cama antes de ficar completamente boa. Rorie assentiu, depois se ajoelhou diante da cama de Graeme, tomando a sua mão. – E você? Também vai ficar bem? Nunca senti tanto medo. Eu não sabia se você iria viver ou morrer. Ele apertou a mão de Rorie e Bowen tocou seu cabelo, com um gesto tranquilizador. – Foi só um arranhão – Bowen disse. – Já vi muito pior que esse machucadinho. Graeme olhou feio para Bowen. – Como estão indo as aulas? – Teague perguntou, direcionando a atenção para algo mais agradável a ela. Um sorriso se abriu no rosto da menina. Seus olhos se acenderam e ela parecia brilhar de animação. – Estou aprendendo! Padre Drummond disse que sou uma aluna muito boa e que nunca ensinou alguém que aprendesse tão rápido. Ele disse que logo estarei lendo e escrevendo. Graeme sorriu. – Então acho que terá de assumir como a escriba do clã. Ela assentiu vigorosamente. – Ah, o que faríamos sem você, Rorie? – Bowen provocou. – Algum dia você vai se casar e se mudar, e ficaremos sem ninguém para educar nossas mentes humildes. Ela franziu as sobrancelhas e uma sombra cruzou seu rosto. – Nunca vou me mudar daqui. Não tenho desejo algum de me casar. Estou muito contente aqui com vocês. Não vou ter de ir embora, não é, Graeme? Graeme lançou um olhar de repreensão para Bowen, depois disse para Rorie com uma voz gentil: – É claro que não. Ficará aqui o tempo que quiser. Ela relaxou, aliviada, depois se levantou. – Preciso ir. Padre Drummond está me esperando.


Acho que está tentando me manter o mais ocupada possível para eu não me preocupar com você e Eveline. – É uma boa ideia – Graeme disse. – Não há nada para se preocupar. Eveline e eu ficaremos bem. Rorie abaixou-se para beijar o rosto de Graeme, depois olhou uma última vez para Eveline e correu para fora do quarto. – Dois dias – Graeme disse quando a porta se fechou. Teague ergueu as sobrancelhas. – Dois dias para o quê? – Dois dias são tudo o que vou esperar antes de enviar uma mensagem a Tavis Armstrong. Bowen sacudiu a cabeça. – Você não estará curado até lá. Graeme deu de ombros. – O assunto não pode esperar. Será preciso um ou dois dias, talvez mais, para receber uma resposta de Armstrong e depois mais alguns dias para arranjar um encontro. Até lá, já terei quase duas semanas para me recuperar. Curado ou não, não podemos esperar para investigar esse assunto. Teague bufou, mas assentiu. – Chame o padre Drummond para eu ditar uma carta. Depois, escolha um bom guerreiro para cavalgar sob o estandarte de paz até a terra dos Armstrong para entregar a carta. – Irei pessoalmente – Bowen disse, com uma voz séria. – Não sem mim – Teague reagiu. – Não permitirei que nenhum dos dois vá. Não quando precisamos de vocês aqui na fortaleza. Nossa prioridade é proteger nosso clã e defender nossas muralhas. Encontre outra pessoa. Mesmo insatisfeito com a ordem, Bowen não discutiu.


Outra pessoa bateu à porta. Desta vez era Nora, trazendo comida para Graeme. – Eu trouxe o bastante para dois – Nora disse ao se aproximar da cama com uma bandeja. – Mas, se ela ainda estiver dormindo, é melhor não a perturbar. Trarei algo assim que ela acordar. – Obrigado – Graeme disse. – Estou com fome o bastante para comer as duas porções. Nora sorriu. – É um bom sinal, laird. Um bom apetite é sinal de um corpo saudável. Você logo estará em pé. Graeme congelou quando Eveline se mexeu ao seu lado. Era a primeira vez que se mexia desde que fora colocada na cama. Mas tudo que fez foi soltar um gemido, depois rolar sobre a barriga, dando as costas para ele, sem abrir os olhos. As cobertas haviam deslizado de suas costas, expondo seus ombros, e Graeme rapidamente as puxou de volta, frustrado por uma pontada de dor em seu braço causada por aquele simples movimento. Teague e Bowen levantaram-se e se retiraram rapidamente, dizendo que voltariam mais tarde para falar a respeito de Armstrong. Bowen disse que enviaria o padre Drummond depois de Graeme ter tempo para comer. Nora esperou até Graeme estar acomodado com a comida à sua frente, depois lançou um olhar de genuína preocupação na direção de Eveline antes de se virar para deixar o quarto. Mas, quando se virou, ela parou e olhou de volta para Graeme, com uma clara hesitação no olhar. – Diga o que está em sua mente, Nora – Graeme disse, pensando que, a essa altura, só queria ficar sozinho com Eveline para ter um pouco de paz e pensar sobre tudo. – Eu ofereci um pedido de desculpas a ela – Nora disse, quase sussurrando. – Mas é verdade que também preciso me desculpar com você, laird. Eu agi de modo imperdoável e gostaria que encontrasse em seu coração o perdão para uma velha mulher e sua amargura. Foi uma coisa muito triste quando encorajei tanto rancor contra uma mocinha que apenas possuía bondade em seu coração. Graeme sorriu para a descrição de Eveline, porque era verdade. Também era verdade que ele ainda tinha raiva de Nora e das outras mulheres, mas Nora havia feito muito para consertar as coisas.


– Não estou contente com a maneira como você e as outras trataram minha esposa – Graeme disse seriamente. – Vocês causaram nela uma tristeza sem fim; vocês a deixaram tão infeliz que ela desejou voltar para a sua família. Nora levou a mão à boca. – Não estou preparado para me separar dela – Graeme disse com a voz mais calma. – Ela significa muito para mim e, dessa maneira, permanecerá com uma posição fixa aqui. Então, continue com sua bondade com relação a ela e certifique-se de que as outras mulheres a respeitem da mesma maneira. Não terei mais nenhuma paciência ou tolerância por qualquer deslize contra ela. Nora assentiu e fez uma reverência. – Obrigada, laird. Não vou desapontá-los. Graeme a dispensou e depois olhou para o cabelo desarrumado de Eveline e a expressão de paz em seu rosto. Seus cílios pousavam delicadamente sobre o rosto, e os lábios estavam levemente separados enquanto ela respirava pela boca. Ele não conseguiu resistir à tentação de tocá-la. Acariciou a suavidade de sua pele. Depois, afastou as mechas douradas atrás da orelha e acariciou-a novamente. – Eu te amo, Eveline – ele sussurrou, mesmo sabendo que ela não podia ouvi-lo. – De algum jeito, vou fazê-la me ouvir e saberá que eu te amo tão profundamente quanto é possível para um homem amar uma mulher.


Capítulo 40 Quando acordou, Eveline estava completamente confusa. Precisou de vários minutos para se situar e perceber que estava na cama com Graeme. E estava faminta. Tentou endireitar-se, mas seu corpo inteiro reclamou. Ela se virou e cerrou os olhos na direção da janela quando a luz do sol cobriu seu rosto inteiro. Devia ser meio-dia. Quando Eveline se voltou para Graeme, com a intenção de cuidar de seu ferimento, ela o encontrou acordado e olhando-a com intensidade. A mão dela subiu até o ombro dele, mas Graeme apanhou sua palma e deslizou seus dedos sobre os dela, entrelaçando-os. Ele moveu-os até o próprio peito, segurando-os ali por um longo momento. – Você está… – Eveline limpou a garganta, tossiu, depois começou de novo. Sua garganta não estava doendo, mas as palavras ainda saíam difíceis. – Você está bem? Sente alguma dor? Devo chamar o Nigel? Graeme puxou-a para si até ela se esparramar sobre o seu peito, com o rosto a apenas centímetros do rosto dele. – A questão é como você está se sentindo – ele disse. – Ainda está com dor? Ainda está cansada? Talvez seja melhor descansar mais um pouco. Ela sacudiu a cabeça. – Quanto tempo fiquei dormindo? – Dois dias – ele respondeu, dando um sorriso de canto de boca. – Dois dias! – ela gritou. Ele estremeceu, mas confirmou. Ela livrou-se dele e moveu as mãos com agitação.


– Dois dias? Isso é vergonhoso. Quem cuidou de você nesses dois dias? Ele pousou um dedo sobre os lábios dela. – Você estava exausta e machucada. Estou furioso com você por causa dos riscos que correu. Poderia ter morrido ou se machucado com mais seriedade. Precisava descansar e precisava comer. – E você? O seu ferimento já se curou? – ela perguntou ansiosamente. – Sua febre já passou? – Estou em uma condição muito melhor que a sua – ele disse. – Agora, venha aqui. Quero abraçá-la. Chocada com a súbita demonstração de afeto, ela não discutiu quando ele a puxou fortemente para os seus braços. Ele acomodou-a sob o seu ombro bom e envolveu-a com o braço até ela quase não conseguir respirar. Graeme beijou sua testa e alisou suas sobrancelhas. Uma calma recaiu sobre Eveline. Ela suspirou contente e ajeitou-se no corpo enorme de seu marido. Era uma ótima sensação deitar-se ali no meio do dia e descansar em seus braços. Eveline quase adormeceu de novo quando ele a ergueu, ainda segurando-a perto, e posicionoua de modo que ela pudesse ver a sua boca. – Precisamos conversar sobre algumas coisas, Eveline. A boca de Eveline curvou-se para baixo e ela desviou os olhos. Bowen e Teague já deviam ter contado tudo a ele. Graeme ergueu seu queixo com os dedos. – Você sabe que eu preciso investigar se essa ameaça veio do seu clã. Ela concordou relutantemente. – Eveline, farei tudo o que for possível para evitar um conflito com a sua família. Mas você precisa entender que não posso permitir que essa agressão fique sem resposta. – Eu sei – ela sussurrou, com o coração doendo por aquilo que poderia acontecer. – Venha aqui e deite-se comigo. Por enquanto, não vamos pensar em coisas desagradáveis. Ela ajeitou-se novamente em seus braços, fechando os olhos e sentindo a doçura do momento. Não havia garantias daquilo que o amanhã traria, mas hoje ela iria aproveitar o breve respiro


no abraço de seu marido e fingir que algo tão simples quanto o amor poderia diminuir a distância construída por anos de ódio. Após fazer uma refeição leve com Graeme no conforto de sua cama, Eveline estava ansiosa para se levantar. Com a fome saciada, estava pronta para voltar a atenção a outros assuntos importantes, como um banho e uma caminhada para aliviar as dores nos músculos. Enquanto pensava de que maneira diria isso ao seu marido, que insistia que ela permanecesse na cama, viu Graeme franzir as sobrancelhas e dizer para alguém do lado de fora do quarto que esperasse até ela estar decente. Seu rosto queimou com a ideia de alguém saber que ela estava sem roupa. Graeme fez um movimento para que ela fosse se vestir. Ela saiu do calor de seu corpo e das cobertas e puxou um vestido simples de dia a dia. Depois, apanhou uma escova para desembaraçar o cabelo e teria voltado para o canto mais afastado do quarto, mas, quando se virou, viu Bowen e Teague entrarem, acompanhados pelo padre Drummond. O padre trazia um pergaminho, pena e tinta, e Eveline entendeu que Graeme iria ditar uma mensagem para o seu pai. Ela foi até o lado de Graeme e tocou seu braço. – Eu gostaria de descer e respirar um pouco de ar puro. Meus músculos precisam se alongar um pouco. Graeme considerou por um longo tempo, depois seus ombros relaxaram com um suspiro. – Não fique longe por muito tempo. Mandarei chamá- la quando terminar com meus irmãos e o padre Drummond. Ela assentiu, com o coração pesado a cada respiração. Eveline não queria estar por perto quando ele ditasse a mensagem que poderia enviar os dois clãs para a guerra. Graeme apertou a sua mão, depois ela guardou a escova e saiu do quarto. O que dissera a Graeme era verdade. Eveline estava desesperada para sair daquele quarto sufocante, mesmo que por pouco tempo. Ela alongou os braços e os ombros enquanto descia as escadas. Apesar de ter comido, ela foi até a cozinha em busca de um pedaço de pão ou queijo. Ainda estava com fome. Mary ficou feliz em ajudar, mas não sem antes querer saber se o laird havia permitido que ela descesse as escadas. Eveline aceitou graciosamente o pão e o queijo, depois deixou a cozinha e


foi para o pátio. A tarde ia morrendo, lançando brisas geladas enquanto o sol desaparecia no horizonte. Toda a terra foi banhada em tons púrpura e cinza. A maioria das pessoas do clã já havia se retirado para suas cabanas e se preparava para o jantar. As tochas que iluminavam a torre de guarda lançavam sombras na muralha da fortaleza. Eveline fechou os olhos e respirou fundo o ar com cheiro de primavera. Tudo estava muito calmo. Era hora de juntar-se à noite para contar histórias, conversar sobre os eventos do dia e compartilhar uma boa refeição. Mas ela sabia que aquela calma era enganadora, pois, naquele mesmo instante, os soldados dos Montgomery se preparavam para a guerra. O chão vibrou sob seus pés e ela virou-se a tempo de ver um mensageiro cavalgar rápido na direção do portão. Ele usava uma túnica com as cores dos Montgomery e um estandarte branco de paz estava preso na crina do cavalo. Um frio percorreu suas costas, fazendo-a tremer. Um terror acumulou-se em seu estômago, fazendo-a arrepender-se de ter comido o pão e o queijo que Mary lhe oferecera. Um toque em seu ombro a fez pular de susto. Ela se virou e encontrou Kierstan em pé, sob a luz do pôr do sol. – Perdoe-me por assustá-la, milady. Eveline deu um passo para trás, mas se concentrou nos lábios de Kierstan, sem querer perder nada do que ela diria. – Vim atrás de você quando soube que havia acordado. O banho quente aliviou suas dores antes e pensei em oferecer meus serviços para preparar outro banho para você. Os olhos de Eveline se arregalaram com aquilo que parecia ser uma oferta de paz da mulher que lhe causara tristezas sem fim. Kierstan parecia sincera. Além disso, parecia… arrependida. – É o mínimo que posso fazer – Kierstan disse, com uma expressão triste. – Eu fui muito injusta com você e gostaria de consertar isso. Sabendo que essa era mais uma oportunidade para recomeçar, Eveline assentiu e Kierstan sorriu, aparentando estar aliviada pela aceitação de Eveline. – Venha por aqui. Vamos dar a volta pela fortaleza.


Será um caminho mais curto do que passar pelos corredores. Lá dentro já está ficando cheio de pessoas querendo jantar. Mandarei alguém até o quarto do laird para avisar onde você está e ele não ficar preocupado. – Obrigada – Eveline disse com um sorriso. – Um banho quente seria um paraíso agora. Passei tempo demais na cama e meu corpo está doendo. Kierstan segurou a mão de Eveline e a guiou pelo pátio vazio e ao redor da fortaleza na direção da casa de banho. Elas estavam na estreita passagem entre as pedras e a muralha quando alguém apareceu saindo das sombras. Eveline começou a gritar um alerta para Kierstan, quando um punho colidiu com seu queixo, derrubando-a no chão. Ela ficou tão aturdida que tudo o que pôde fazer foi ficar deitada ali, segurando o rosto. O homem abaixou-se sobre ela, torcendo a mão em seus cabelos. Ele a ergueu, forçando Eveline a ficar de pé e, antes que pudesse reagir, deu um soco em sua têmpora. Uma dor explodiu em sua cabeça, depois o mundo se apagou.


Capítulo 41 Graeme estranhou quando vários minutos se passaram desde que enviara Bowen para buscar Eveline. Cada vez mais inquieto, ele apoiou-se na cama e levantou-se, movendo cautelosamente o ombro machucado. Ainda doía muito, mas ele conseguiu movê-lo e, mais importante, o ferimento já havia se fechado. Os pontos poderiam ser tirados dentro de alguns dias. Sua cabeça ainda doía se mexesse rápido demais, mas o inchaço havia diminuído bastante. Ele não se importaria se também tomasse um banho. Era surpreendente que Eveline tivesse conseguido descansar ao seu lado. Ele, provavelmente, cheirava pior que uma carcaça podre. E, provavelmente, era isso mesmo que Eveline estava fazendo naquele momento. Ela gostou do banho que tomara dias atrás e, provavelmente, ainda sentia dores nos músculos. Após decidir dar mais um pouco de tempo antes de exigir saber onde ela estava, Graeme começou a limpar- se com os panos e a água da vasilha. Até usou um pouco do sabão de Eveline, achando que não seria mau aliviar o cheiro de suor, sangue e cansaço. Sentindo-se melhor depois de se limpar, Graeme vestiu roupas limpas e decidiu ir atrás de sua esposa pessoalmente. Melhor ainda seria se a encontrasse nua em uma banheira de água quente. Embora não estivesse com forças para fazer amor, e sua pequena esposa tampouco, ele certamente não se importaria em apenas aproveitar aquela visão. Com um sorriso, começou a descer as escadas, esforçando-se para tirar o assunto da mensagem de sua mente. Não ajudaria em nada ficar pensando nisso agora. Armstrong enviaria uma resposta ou não enviaria nada. Tudo o que Graeme podia fazer era esperar para saber se Tavis Armstrong seria sincero ou mentiria. O saguão estava curiosamente vazio no momento em que o jantar já deveria estar servido. Graeme estranhou quando percebeu que o jantar estava posto na mesa e, em alguns pratos, parecia ter sido deixado pela metade.


Era como se o saguão tivesse sido esvaziado de repente, bem no meio da refeição. – Bowen! Teague! Sem receber resposta, Graeme virou-se na direção da entrada dos fundos, sentindo um súbito desejo arrebatador de saber se Eveline estava bem. Apressou-se para fora e começou a correr na direção da casa de banho. Quase trombou com Teague, quando seu irmão apareceu correndo para fora. Graeme agarrou-o pelos ombros, ignorando a dor do movimento súbito. – O que aconteceu? – exigiu saber. – Onde está Eveline? – Não sei – Teague disse sombriamente. – Estamos procurando por ela. – O quê? – Graeme rugiu. – Por que ninguém me avisou? Por que ninguém me contou sobre isso? – Acabamos de descobrir que ela sumiu – Teague disse. – Eu estava indo buscá-lo. Bowen e os outros se espalharam pela fortaleza e pelos arredores procurando por ela. – Conte tudo o que aconteceu – Graeme disse. – Quando ela foi vista pela última vez? Quem a viu? E desde quando está sumida? – Ela foi até a cozinha e falou com Mary há pouco tempo. Mary lhe deu um pedaço de pão e queijo, depois Eveline deixou a cozinha. Ninguém a viu desde então. Rorie está procurando no andar de cima, as mulheres estão procurando perto da fortaleza e os homens se espalharam pelo perímetro externo. Já mandamos mensagens para as patrulhas na fronteira, perguntando se viram alguma coisa. Nós vamos encontrá-la, Graeme. Ela não pode ter ido muito longe. – Ninguém desaparece assim – Graeme rosnou. – Quero falar com cada membro do clã. Alguém deve ter visto Eveline. Além disso, alguém tem de saber o que aconteceu com ela. Eveline acordou de repente dentro de um pesadelo que não conseguia entender. Estava sendo jogada dolorosamente de cima a baixo e o chão entrava e saía de sua linha de visão. Levou vários minutos até perceber que estava de bruços sobre um cavalo, ou, ao menos, a pessoa que a carregava estava montando um cavalo e ela pulava sobre seu colo como um saco de batatas.


Sentiu náusea e precisou engolir a bile que subia por sua garganta. O movimento constante estava causando a reação e não havia nada que pudesse fazer. Felizmente, ela caiu novamente em uma abençoada inconsciência. Quando acordou pela segunda vez, tudo estava completamente escuro. Ela não sabia quanto tempo se passara nem onde estava. Havia um forte cheiro de mofo e umidade. Podia sentir o cheiro da terra, mas não conseguia enxergar sua mão na frente do rosto. Quando tentou levantar o braço, descobriu que suas mãos estavam presas a uma parede de pedra úmida. Em pânico, tentou se sentar, mas descobriu que seus tornozelos, assim como os pulsos, também estavam presos com grossas algemas de metal. Jesus, estava presa em um calabouço. Por que alguém iria prendê-la em um calabouço? Ela tentou lembrar-se dos eventos que a levaram até ali, mas sua memória era um único borrão. Havia falado com Mary e depois saíra no pátio para comer o pão e o queijo e respirar ar puro. E então Kierstan… O peso do entendimento atingiu Eveline com toda a força. Kierstan a conduzira ao redor da fortaleza na direção da casa de banho. Kierstan estava com ela quando o agressor acertou-lhe o queixo. Kierstan não mexeu um dedo para ajudá-la ou pedir ajuda. Eveline puxou os braços até onde as correntes permitiam, para tentar aquecer seus dedos gelados. Depois gritou com todas as suas forças. Gritou tão alto quanto sua garganta permitia, e continuou gritando até não saber mais se ainda lhe restava voz. À distância, viu um lampejo de luz. Ajeitou-se, sem saber se tinha visto ou apenas imaginado. Mas não, a luz estava se aproximando e, quando chegou mais perto, ela viu a silhueta de um homem carregando uma tocha. Sua pulsação martelava dolorosamente contra o peito e as têmporas, fazendo sua cabeça doer muito por causa dos golpes que havia levado. Eveline encolheu as pernas, determinada a fazer o que fosse necessário para se proteger. Então a tocha foi jogada para a frente, quase a cegando. Eveline recuou, protegendo os olhos do brilho repentino com as mãos. O homem arrancou a mão de seu rosto, torcendo-a cruelmente até ela gritar de dor. Depois agarrou os cabelos de Eveline, puxando-os para cima, até o rosto dela ficar perto do rosto dele. Foi então que ela viu as feições e soube quem era seu captor.


O medo a deixou imóvel. Ian McHugh era um homem que ela pensava ser capaz de todo tipo de maldade. Com o tempo, seu poder cresceu cada vez mais dentro da mente de Eveline, até ela o imaginar como um demônio do inferno. Mas, estranhamente, enquanto a mantinha sob sua mercê, McHugh pareceu muito menor do que ela se lembrava. Seu corpo era muito mais frágil que o corpo de um guerreiro. Como ele pôde parecer tão maior apenas alguns anos atrás? Será que ela o considerava maior do que a realidade porque ele falava com tanta perversidade e ela o temia tão profundamente? Ou talvez seu pânico estivesse produzindo pensamentos estúpidos, dizendo que poderia lutar por sua vida, que não deveria deixar que esse idiota maldoso conseguisse acovardá-la como quando ela era mais jovem. Talvez o tempo com Graeme e seu clã tivesse dado a Eveline uma força que ela não tinha antes, no seio protetor de seu antigo clã. Eveline precisou lutar por todo o respeito que conquistara com os Montgomery. Tinha muito orgulho por ninguém ter dado nada a ela de mão beijada. – Fiquei sabendo da sua grande farsa – Ian disse, com os lábios cheios de saliva. Seu rosto estava vermelho, com uma raiva acentuada pelas chamas da tocha. Ele inseriu a tocha em uma das arandelas sobre a cabeça de Eveline, depois a fez se levantar até ficar na ponta dos pés, face a face com ele. Foi então que ela viu o pai de Ian, Patrick McHugh, ao lado, nas sombras. Ele parecia inquieto, como se não quisesse participar daquilo e, quando percebeu que Eveline estava olhando para ele, o velho McHugh recuou até sair de sua vista. Seu coração congelou. Se o pai de Ian era cúmplice, que esperança ela tinha? E ele parecia estar com medo de Ian, o que não fazia sentido algum para ela. Patrick era maior e mais forte que Ian. Era um guerreiro. Que guerreiro permitiria que seu filho o ameaçasse? Seus olhos se voltaram para Ian quando ele a sacudiu para ganhar sua atenção. O ódio brilhava como um farol em seus olhos. A pessoa maluca era ele. Era Ian quem parecia louco. – Você me fez de tolo. Fingiu ser maluca para escapar do casamento, mas acabou se casando com Graeme Montgomery. Não posso permitir isso. Era para ter sido uma aliança entre os McHugh e os Armstrong. Poderíamos ser invencíveis! Você vai pagar por sua farsa, Eveline Armstrong. Ninguém me faz de tolo e escapa sem punição. – Não – ela retrucou, interrompendo seu discurso. – Agora eu sou Eveline Montgomery.


Os olhos dele se arregalaram. – Então a maluca escolheu falar. Kierstan havia me informado que você voltara a falar logo que chegara à fortaleza dos Montgomery. Fiquei imaginando se a ovelha teria coragem de morder com os dentes de uma leoa. Acho que prefiro a nova e corajosa Eveline à antiga, covarde e magrinha, que travava sempre que entrava em contato comigo. Será muito mais divertido quebrar essa nova Eveline. – Por que está fazendo isso? – ela exigiu saber, gritando o mais alto possível. – Você sabe que Graeme Montgomery matará você. – Eveline olhou para onde Patrick McHugh estava. – Matará todos vocês. Ian sorriu, enviando uma onda gélida pelas costas de Eveline. – Ele nunca saberá onde você está. E o seu pai? Agora mesmo ele deve estar cavalgando na direção dos Montgomery, querendo vingança e guerra. Um medo disparou no peito de Eveline, roubando todo o seu ar. – O que você fez? – Não é nada bom que a noiva de Graeme Montgomery tenha desaparecido. E também não fica bem para os Montgomery que um homem usando o brasão dos Armstrong tenha tentado assassinar seu laird. O que você acha que vai acontecer quando os dois clãs colidirem? – Foi você quem disparou uma flecha contra Graeme – Eveline disse. – Não, não exatamente. Não fui eu, mas um homem seguindo as minhas ordens. – Ele deu de ombros. – É a mesma coisa. O resultado é o mesmo. Não haverá paz e nenhuma aliança entre os Montgomery e os Armstrong. Estarão ocupados demais lutando entre si e serão considerados criminosos pelo rei. Não serão mais uma ameaça contra os outros clãs. Em vez disso, nós iremos caçá-los um a um e coletar as recompensas. Quando eu terminar, o nome dos McHugh será o mais reverenciado nas terras altas. – Você está louco – ela disse com incredulidade. – Eu, pelo menos, apenas fingi que era louca. Já você é verdadeiramente doente. Ele deu um tapa no rosto dela, lançando sua cabeça para trás, mas a manteve no lugar com a mão que ainda agarrava seus cabelos. McHugh virou a cabeça de Eveline com força para que olhasse novamente para ele.


– E você, Eveline, será considerada morta quando ninguém conseguir descobrir onde você está. Ninguém vai ouvir seus gritos. Ninguém nunca vai encontrá-la. Você será minha para quando eu quiser me divertir. Com o tempo, passará a agradecer minha atenção. – Nunca – ela retrucou. Ele forçou o rosto dela ainda mais perto, depois a beijou. Foi uma força tão terrível que ela sentiu repulsa até engasgar. Ela tentou inserir as mãos entre eles, mas as correntes não deixaram. Quando ele aprofundou o beijo e ela sentiu o raspar de sua língua, Eveline mordeu, determinada a colocar um fim naquela intimidade forçada. Ele a jogou contra a parede, cheio de raiva nos olhos. McHugh limpou a boca, e a mão veio manchada de sangue. Desta vez, quando bateu nela, ela caiu longe e seus cabelos se soltaram. Eveline caiu no chão, sentindo uma dor disparar por seus membros quando a corrente impediu seu movimento, quase arrancando seus braços. – Não me toque outra vez – ela gritou com toda a força que lhe restava. Ele chegou mais perto dela, com a boca torcida em um sorriso macabro. – Farei muito mais do que apenas tocá-la, Eveline. Agora você me pertence. Seja uma boa garota e eu a visitarei com frequência. Até tentarei me lembrar de trazer comida e bebida de vez em quando. Depois ele apanhou a tocha na arandela e retirou-se, levando a luz consigo. A escuridão voltou a cobrir o pequeno quarto sem janelas, e, com ela, veio junto um desespero tão espesso que fechou sua garganta. A escuridão foi demais para Eveline, derramando-se para dentro de sua alma. Não, ela não se permitiria perder a esperança. Graeme a encontraria. Ela confiava muito em seu marido. Ela seria forte até ele aparecer para salvá-la.


Capítulo 42 O alvorecer já aparecia no horizonte e Graeme estava em pé diante de seu clã. A fúria, a impaciência e a preocupação lutavam por controle. Eles haviam vasculhado a fortaleza, o rio e as terras ao redor. Reviraram tudo o que podiam, mas não encontraram sinal de Eveline. Graeme não conseguia aceitar que ninguém em seu clã tivesse visto ou soubesse o que acontecera com ela. Não estava faltando nenhum cavalo e Eveline não conseguiria ir muito longe a pé, dada a sua condição, o que significava que alguém a teria levado ou ajudado de alguma maneira. Ele não conseguia pensar nessa última hipótese, pois significava que teria sumido voluntariamente, e Eveline não dera nenhum motivo para que ele acreditasse que ela fugiria abruptamente. Após o proteger tão ferozmente, por que o deixaria no momento em que estava se recuperando? Não, isso não fazia sentido. Então, alguém devia estar com ela. Alguém a teria levado contra a sua vontade e poderia estar machucando-a naquele exato momento. Graeme precisou afastar essa imagem ou perderia qualquer semblante de controle. – Todos estão aqui, Graeme – Bowen disse sombriamente. – Cada homem, mulher e criança. – Fiquem de olhos abertos – Graeme disse. – Não posso julgar a todos, mas alguém está mentindo. Precisamos descobrir quem é antes que seja tarde demais para Eveline. Bowen franziu ainda mais as sobrancelhas. Ele assentiu e depois fez um gesto para Teague ir na outra direção, para que pudessem analisar melhor as pessoas do clã. – Alguém não está dizendo a verdade – Graeme disse em voz alta o bastante para todos o ouvirem no pátio silencioso. Seus soldados, aqueles considerados entre os mais confiáveis, estavam espalhados em um círculo, com os braços cruzados de um jeito ameaçador. Eles observavam a multidão da mesma maneira que Bowen e Teague. – Eveline foi vista pela última vez por Mary, na cozinha, na noite passada. Eveline desapareceu logo depois, mas ninguém viu nada.


– Talvez ela tenha voltado para o seu clã – alguém gritou no meio das pessoas. – Cale-se, idiota! – Nora gritou, com o rosto vermelho de raiva. – A moça não desertou nosso laird. É desleal dizer uma coisa dessas. – Tudo o que quero ouvir é quem viu Eveline e se alguém possui alguma informação sobre o seu paradeiro. Será muito melhor admitir agora. Se mais tarde descobrirmos que alguém sabia, e se alguma coisa acontecer a Eveline como resultado da sua omissão, o castigo será a morte. Enquanto Graeme dizia isso, seu olhar vasculhava o grupo de mulheres que havia maltratado Eveline. A maioria delas parecia genuinamente preocupada, mas foi a expressão de Kierstan que mais chamou sua atenção. Ela estava pálida, visivelmente nervosa e olhando para o horizonte, como se quisesse estar o mais longe possível dali. Ela limpou as mãos nas saias e tentou misturar-se no meio da multidão. – E eu prometo, a sua morte não será rápida – Graeme disse, falando diretamente na direção de Kierstan, esperando por mais alguma reação. – Para cada ferimento em minha esposa, o mesmo será feito com a pessoa responsável. Você rezará pela morte antes de eu terminar com você. Kierstan parecia estar prestes a desmaiar. Um desespero cintilava em seus olhos a ponto de Graeme ter certeza de que ela sabia mais do que estava contando. – Vocês estão dispensados – Graeme disse, surpreendendo seus irmãos. – Pensem no que eu disse. Estarei disposto a considerar uma punição menor a quem me procurar agora. Bowen aproximou-se dele. – O que você está fazendo, Graeme? Nem chegou a pressioná-los. Graeme ergueu a mão. – Tragam Kierstan para mim agora mesmo. Não permitam que ela saia do pátio. Os olhos de Bowen se arregalaram e ele olhou na direção do grupo de mulheres que saía do pátio. Sem dizer mais nada, ele buscou Teague e os dois se apressaram na direção de Kierstan. Um momento depois, Bowen agarrou o braço de Kierstan e ela virou-se alarmada, com o medo


irradiando de seus olhos. Mas Kierstan não lutou contra Bowen e deixou que ele a conduzisse até Graeme. Bowen e Teague se posicionaram de cada lado dela, com expressões que amedrontariam o mais forte dos guerreiros. – V-você gostaria de m-me ver, laird? – ela gaguejou. – Vou dar apenas uma oportunidade para me dizer a verdade – Graeme rosnou. – Se não me contar o que sabe, a sua sentença será a morte. Ela ficou tão branca que Graeme temeu que fosse desmaiar ali mesmo. – Se eu contar o que sei, jura que me deixará viver? – ela perguntou com a voz rouca. – Você não pode negociar comigo – Graeme rugiu. – Eu não prometo nada, mas é melhor rezar para que Eveline volte sã e salva ou você vai se arrepender muito. – Eu já me arrependo – ela disse com a voz trêmula. Kierstan fechou os olhos e engoliu em seco. Quando abriu os olhos de novo, lágrimas se derramaram. – Ian McHugh está com ela. – O quê? – Graeme gritou. – O que você fez? – Por favor – Kierstan implorou. – Eu não sabia que… – Não minta – Teague interrompeu. – Você sabia exatamente o que aconteceria com Eveline. Você fez uma barganha com o diabo e é hora de pagar o preço. Conte- me tudo ou juro que vai se arrepender. Ela desviou os olhos e as lágrimas brilharam em seu rosto. – Tive ajuda de três guerreiros dos Montgomery. Eles estavam com raiva, assim como eu, por sermos forçados a aceitar uma Armstrong em nosso clã. Um deles me contou sobre um acordo que fez com Ian McHugh. Eu me encontrei com Ian e contei que Eveline fingia ser louca para fugir do casamento com ele. McHugh queira sequestrá-la para que os Armstrong culpassem você. Ele pretende começar uma guerra entre vocês e os Armstrong. Medo e raiva embrulharam o estômago de Graeme até desejar destruir toda uma guarnição de guerreiros. Naquele momento, ele possuía o poder e a fúria para ser uma força impossível de ser detida.


Eveline, sua preciosa e amada esposa, estava agora nas mãos de seu pior carrasco. Um homem que descrevia em detalhes tudo aquilo que a faria sofrer. Seu sangue ferveu nas veias e um pavor sufocante impediu qualquer pensamento racional por vários instantes. Só conseguia pensar em encontrá-la. Ele precisava salvá-la. – Laird! Laird! Os Armstrong estão chegando! Graeme se virou e olhou para a torre de guarda de onde o vigia gritava para o pátio. – Eles trazem todo o peso de seu exército! Graeme praguejou longamente. Não agora. Não quando Eveline precisava de sua completa atenção. Ele direcionou toda a força de sua raiva sobre Kierstan. – Está vendo o que você provocou? Você será a morte de todos nós. Kierstan cambaleou, com o rosto completamente sem cor. – Não se atreva a desmaiar – Bowen disse. – Você vai nos contar o resto e dizer o nome dos guerreiros que nos traíram. – Ian a levou – ela balbuciou. – Eu a conduzi ao redor da fortaleza onde Ian esperava. Shamus, Gregory e Paul ajudaram Ian a fugir sem ser detectado. Graeme praguejou. Gregory e Paul eram dois dos homens responsáveis pela patrulha da fronteira. Isso explicava como Ian McHugh tinha conseguido entrar e sair das terras dos Montgomery sem ser apreendido. – Prenda-os imediatamente – Graeme disse para Silas, que estava ao seu lado. – É minha culpa, laird – Silas disse de cabeça baixa. – Eu deveria saber o que estava acontecendo. Eles estão sob o meu comando. – Não é culpa de ninguém mais do que deles próprios – Graeme rosnou. – Encontre-os. Prenda-os. E ela também – ele disse, apontando para Kierstan. – Não – ela gritou. – Eu contei tudo! – E você acha que falar da sua traição a livra da responsabilidade de suas ações? Você traiu a todos nós, Kierstan. Não apenas Eveline. Não apenas a mim. Você traiu todo o seu clã. Se algum homem, mulher ou criança perder a vida nesta batalha com os Armstrong, a culpa recairá sobre a sua alma. Kierstan se derramou em lágrimas.


– Eu não sabia! Juro, não sabia o que iria acontecer. – Poupe-nos de suas lágrimas – Teague disse quando a entregou para um dos soldados que acompanhavam Silas. Graeme gritou para o vigia: – Qual é a distância deles? – Estão passando pelo monte! – Venham – Graeme ordenou a seus irmãos –, vamos encontrá-los. – Você está louco? – Bowen disse. – Não podemos cavalgar sozinhos na direção de todo o exército deles. – Eu não posso cavalgar com o meu exército inteiro – Graeme respondeu. – Isso seria visto como um ato de guerra. Posso apenas esperar que me permitam tempo o bastante para me explicar. Alertem os outros. Ordene que se preparem para defender a fortaleza. Vamos rezar para que Armstrong seja razoável e ouça tudo o que temos para dizer.


Capítulo 43 Graeme saiu cavalgando do pátio com seus irmãos, um de cada lado, e quando fez um sinal, o portão foi fechado atrás dele enquanto Silas juntava os homens dentro da fortaleza. A tensão era palpável e uma grande expectativa permeava o ar. Todos esperavam a guerra. A maioria até a desejava. Era a chance de vingar as perdas dos Montgomery para o clã dos Armstrong. Graeme sabia que, se alguma coisa desse errado, seu clã iria atacar como anjos vingadores e todo o vale seria banhado em sangue. Ele cavalgava um pouco à frente dos irmãos, carregando um longo lençol branco como sinal de trégua e de que não planejava um ataque quando se aproximasse do exército. Eles subiram o morro e desceram do outro lado para encontrar o laird dos Armstrong na base. Olhando adiante, Graeme viu Tavis parar, depois erguer o braço para impedir o progresso dos soldados atrás dele. Foi uma visão impressionante, que forçou Graeme a respeitar o poderio do exército dos Armstrong. Elmos e armaduras brilhavam sob o sol. Escudos refletiam a luz, enviando reflexos ofuscantes do metal polido. Arcos e espadas estavam a postos. Era um exército pronto para guerrear. Tavis cavalgava um pouco à frente das tropas com seus dois filhos, um de cada lado. Quando se aproximou de onde Graeme e seus irmãos haviam parado, ele tirou seu elmo e encarou-o com toda a força de seu olhar. – Onde está a minha filha? – ele exigiu saber. – Ian McHugh a sequestrou – Graeme respondeu. Tavis recuou, surpreso, depois franziu as sobrancelhas. Brodie e Aiden também estranharam, e então Brodie disse: – Mentiroso. Graeme esforçou-se para manter a calma. Seria muito fácil dar a ordem para atacar. Seus homens estavam prontos. Estavam ansiosos para derramar o sangue dos Armstrong. Tudo o que Graeme sempre sonhara estava ali, na sua frente. A chance para vingar a morte de seu pai e acabar com décadas de conflitos causados pelo feudo de sangue entre os dois clãs. Mas Eveline era mais importante. Por Eveline, ele faria o que fosse necessário, mesmo que


isso significasse arrastar-se até seu pai e humilhar-se diante do outro laird. – Por que você diz algo tão absurdo? – Tavis rugiu. – Não temos tempo para discutir – Graeme disse com a voz calma. – O importante é Eveline. Se você ama sua filha, ordene que seus homens baixem a guarda para que possamos conversar sobre isso e formar um plano para trazê-la de volta em segurança. Os olhos de Tavis brilharam com raiva. – Você ousa questionar meu afeto por minha filha? – Você está perdendo tempo – Graeme disse. – Olhe para mim, Armstrong. Não há um exército atrás de mim. Eu cavalguei até aqui de boa-fé, apenas com meus irmãos. Você poderia me matar agora. Eu não levantei um dedo contra você. Quero minha esposa de volta e vou conseguir isso, mesmo que seja a última coisa que eu faça. Tavis encarou Graeme por um longo tempo, enquanto pensava profundamente. – Diga o que tem para falar, Montgomery. Eu ouvirei e depois julgarei o assunto. – Esse homem acha que é Deus – Bowen murmurou. Graeme ergueu a mão para silenciar o irmão. – Você sabia que Eveline não ficou louca? Que é uma mulher muito inteligente e astuta com um coração do tamanho das terras altas? Tavis ficou de queixo caído, como se aquilo fosse a última coisa que esperasse ouvir de Graeme. – Ela ficou surda, Armstrong. Não estúpida. Não maluca. Ela apenas não consegue ouvir, mas consegue ler os lábios das pessoas e pode entender o que elas dizem. – Como você sabe de tudo isso? – Armstrong perguntou com a voz rouca. – Ela me contou. – Está mentindo! – Aiden gritou. – Ela não consegue falar. Nunca mais falou depois do acidente. Teague sacou a espada em um piscar de olhos. – Pare de questionar a honra do meu irmão. Ele diz a verdade. Eu mesmo a ouvi falar.


Tavis repreendeu Aiden e ordenou que se calasse. Depois, olhou para Graeme. – Ela falou com você? É verdade que ela não consegue ouvir? Graeme confirmou. – Então, por quê? As mãos do velho homem tremiam e seus olhos ficaram desnorteados. De repente, ele parecia muito mais velho do que era. Obviamente, a notícia o magoara demais. – Por que ela perpetuaria uma farsa dessas? – Tavis perguntou. – Porque temia que seria forçada a se casar com Ian McHugh – Graeme disse com um tom baixo. – Ela viu uma oportunidade para escapar do casamento, então permitiu que você e o resto do seu clã acreditassem que estava maluca, pois isso a salvaria da coisa que ela mais temia. Ian começou a aterrorizá-la desde o momento em que começaram as primeiras conversas sobre o casamento. Ele descrevia com detalhes precisos tudo aquilo que ela sofreria em suas mãos. Ela enxergou uma maneira de escapar e aproveitou a chance. Logo a mentira tomou vida própria e ela não via uma saída. Tavis embranqueceu, depois levou a mão até a nuca e ficou olhando com incredulidade para Graeme. – Ela me disse que… Meu Deus, ela me procurou. Ela disse que… Deus, eu não acreditei. Achei que estava apenas expressando um medo normal para alguém da sua idade. Eu não fazia ideia… – Você não deixou escolha para ela – Graeme disse secamente. – E agora? Você diz que ele a sequestrou? Como isso aconteceu? Você não a protegeu como deveria? – Tavis exigiu saber. – É verdade que eu não fiz tudo o que podia. É minha culpa ela estar agora nas mãos daquele bastardo. – Não! – Bowen gritou, com o rosto vermelho de raiva. – Não vou permitir que você leve a culpa disso. Ele foi atingido por uma flecha há menos de duas semanas por um homem usando uma bainha dos Armstrong. Tavis ergue a cabeça, com os olhos fervendo de raiva.


– Eu não ordenei nenhum ataque contra o marido da minha filha. Eu nunca a colocaria em perigo dessa maneira. Além disso, eu não desonraria um juramento de sangue feito diante de Deus e do meu rei. – Eu sei que você não fez isso – Graeme disse com calma. – Na época, eu não sabia, e isso causou muita angústia para Eveline, pois ela testemunhou os eventos e foi ela quem nos contou sobre a bainha e como eram oferecidas aos seus guerreiros. Tavis fechou os olhos. – Minha própria filha acredita que eu poderia traí-la dessa maneira? – Eveline foi traída por quatro membros do meu clã, que agiram em conjunto com Ian McHugh. Na noite passada, Eveline foi sequestrada por McHugh, e ele escapou com ajuda de homens em quem eu confiava. Não tenho desejo algum de guerrear com você, Armstrong. Tudo o que quero é ter minha esposa de volta sã e salva. Tavis o encarou por um longo momento, seu olhar queimando sobre Graeme, analisando-o camada por camada. Então seus olhos se arregalaram com surpresa. – Você se importa com a minha filha. – Meu amor por ela é mais forte que o meu ódio por você. É por isso que não vou ordenar meu exército a ir contra o seu hoje. Em vez disso, peço a sua ajuda na batalha contra os McHugh. Tavis, Brodie e Aiden olharam surpresos para Graeme. Depois olharam entre si e de volta para Graeme e seus irmãos. Um respeito cintilava nos olhos de Tavis quando encarou Graeme mais uma vez. – Convoque seus homens – Tavis disse com um tom de voz lacônico. – A fortaleza dos McHugh fica a meio dia cavalgando daqui. Vamos partir imediatamente.


Capítulo 44 – Parece que não estão esperando uma batalha – Bowen disse ao olhar para a fortaleza dos McHugh. Graeme estranhou, embora concordasse. Havia pouca atividade e, de fato, parecia que as atividades normais do dia a dia estavam em curso. Havia guardas na fronteira, mas ninguém alertara os McHugh sobre o enorme exército que se aproximava, pois parecia que ninguém estava preparando armas nem homens. Tudo estava quieto. Quieto demais. O sol ainda permanecia muito acima do horizonte, mas parecia que a fortaleza estava se preparando para o final do dia. Tal indolência e descuido era imperdoável. De duas, uma: ou McHugh não se importava com a proteção de seu clã ou pensava que os Armstrong e os Montgomery estavam guerreando naquele exato instante e, portanto, não tinha nada com o que se preocupar. Tavis inclinou-se na sela e olhou para Graeme. – Se isso for um truque, Montgomery, não descansarei até você e todo o seu povo sumir da face de terra. Em resposta, Graeme impulsionou o cavalo e começou a descer a colina até o portão da fortaleza. Era impossível ser discreto com um exército do tamanho de dois clãs combinados. Sua esperança era que, para preservar a vida de seus homens, o laird dos McHugh desistisse dessa loucura causada por seu filho e entregasse Eveline nas mãos de Graeme. Se não fizesse isso, Graeme estava preparado para massacrar cada pessoa do clã dos McHugh. Enquanto Graeme se aproximava e as centenas de soldados começaram a aparecer sobre a colina, um grito de alarme foi ouvido no portão da fortaleza. O pânico se espalhou. Gritos, pessoas correndo, som de metal contra metal. Gritos de mulheres e choro de crianças. Graeme recusou-se a permitir que isso amolecesse sua mente. Sua esposa estava em algum lugar lá dentro e só Deus sabia o que ela já havia sofrido. Patrick McHugh apareceu na torre de guarda, com os olhos cheios de medo enquanto analisava a ameaça diante de sua fortaleza. – Tavis, o que o traz aqui em minha fortaleza como se estivesse pronto para a batalha? – ele gritou.


– Eu vim buscar minha esposa – Graeme rosnou antes que Tavis pudesse responder. Patrick parecia pálido e suado. – Sua esposa? Laird, eu não vi sua esposa. Por que iria procurá-la aqui? Graeme apenas ficou mais irritado. – Você está testando minha paciência, McHugh. Traga o seu filho miserável agora mesmo ou juro que vou matar cada pessoa dentro do seu clã. Patrick ergueu as duas mãos. – Tavis, seja razoável. Por favor, fale com Montgomery. Você e eu somos amigos. Somos aliados. Eu não vi Eveline. Você precisa acreditar em mim. Não posso lutar contra o poderio combinado de seus dois clãs. Não vou arriscar meu povo quando não fizemos nada de errado. Tavis vacilou e olhou para Graeme. Por um momento, Graeme pensou que Tavis fosse ficar do lado de Patrick e questionar a história de Graeme novamente. O sangue de Graeme ferveu furioso, mas Tavis disse com um tom baixo e urgente: – É possível que Patrick não saiba o que seu filho fez? Graeme curvou os lábios para baixo. – Acho difícil de acreditar. No entanto, se Patrick não sabe de nada, então não deveria se negar a chamar seu filho para responder às acusações nem deveria impedir- nos de fazer uma busca na fortaleza. Tavis concordou. – Traga seu filho até aqui – Graeme gritou. – Se você diz que não fez nada de errado, então nos permitirá questionar seu filho e nos deixará entrar para vasculhar a fortaleza. Não se engane, McHugh, isto não é um pedido. Vamos entrar, de um jeito ou de outro. Como faremos isso, depende de você. Agora, faça o que eu disse. Não vou esperar nem mais um minuto para me reunir com minha esposa. – Por tudo o que há de mais sagrado, não sei do que você está falando! As palavras de Patrick estavam cheias de desespero. Ele estava visivelmente abalado e tomado pelo medo.


– Traga seu filho até aqui – Graeme disse com um tom gélido. – Isso é a única coisa que salvará você e seu clã da aniquilação. – Eu preciso de um momento. Eu lhe imploro. Vou chamá-lo. Não o machuque. Ele não pode ter feito tudo aquilo de que você o acusa. – Se ele for inocente, então você não tem nada a temer – Tavis gritou. – Agora, pare de perder tempo e traga-o até aqui. Se minha filha tiver sofrido algum mal, não são os Montgomery que você deve temer. Ao ouvir a solidariedade entre os dois clãs rivais, Patrick cedeu. – Tragam Ian até aqui – ele ordenou a um de seus homens. – E abram o portão para os lairds. Tavis rapidamente virou-se e destacou alguns homens para acompanhá-lo. Graeme sinalizou para Bowen fazer o mesmo. Eles não entrariam sem homens o bastante para se defenderem de uma emboscada. O resto permaneceria fora e de guarda. Um momento depois, o portão se abriu e Graeme impulsionou o cavalo adiante. Sua pulsação martelava alto em seus ouvidos, e o sabor ácido do medo invadia o seu paladar. Ele temeu que fosse tarde demais. Temeu que Ian já tivesse brutalizado Eveline. Rezou para que Deus não deixasse que fosse tarde demais. Homens e mulheres abriram caminho enquanto Graeme, seus irmãos, Tavis e seus filhos entraram primeiro no pátio. Atrás deles vieram quarenta outros soldados, todos com armas em punho, os olhos rapidamente avaliando cada ameaça. Patrick apressou-se para encontrá-los. Logo depois Ian, contrariado, apareceu diante de Graeme, trazido por dois homens de seu pai. O olhar de Graeme pousou sobre o pequeno homem. Ele não parecia nem um pouco nervoso ou amedrontado. Encarou audaciosamente os dois lairds que ainda montavam seus cavalos e depois sorriu em sua direção. Graeme desmontou, querendo ficar face a face com Ian para que ele não tivesse nenhuma falsa sensação de segurança. Queria que o jovem rapaz soubesse exatamente o que lhe aguardava. Atrás de Graeme, seus irmãos também desmontaram, depois Tavis e seus filhos vieram logo atrás. Ian ergueu o queixo. A única evidência de que sua arrogância estava vacilando foi quando ele, visivelmente, engoliu em seco. – Diga a eles – Patrick disse. – Diga que não tem nada a ver com o desaparecimento de Eveline para que possam ir embora.


– E você? – Graeme disse com uma voz mortalmente silenciosa. – Duvido que seu filho tenha agido sozinho, McHugh. Patrick suava muito e suas mãos tremiam. – Isso tudo é ridículo. Eu nunca faria algo tão tolo, e Ian também não. – É claro que eu não tenho nada a ver com o desaparecimento da moça – Ian respondeu. – O que eu faria com aquela maluca? Graeme deu um ameaçador passo adiante e agarrou a túnica de Ian. Ele o puxou até seus pés quase não tocarem mais o chão. – Se você machucou um único fio de cabelo dela, vou cortá-lo e jogar seus pedaços para os urubus – ele disse entredentes. – Solte-o, Montgomery – Patrick disse com irritação. – Ele já disse que não tem nada a ver com o desaparecimento da moça. Ainda agarrando a túnica de Ian, Graeme virou seu olhar gélido para o velho McHugh. – Então você não vai se opor a vasculharmos a fortaleza, não é? As sobrancelhas de Patrick se ergueram. – É claro que não. Ela não está aqui. Eu saberia se ela estivesse. A convicção no rosto e na fala de McHugh o incomodou. Incomodou muito. Ele sabia que Ian estava mentindo, mas Patrick parecia dizer a verdade. Ou era isso ou ele mentia muito melhor do que seu filho. Graeme jogou Ian na direção de Silas. – Não deixe que se mexa. – Graeme fez um gesto para seus irmãos, depois se dirigiu para a entrada da fortaleza. Ele viraria o lugar de cabeça para baixo se fosse preciso. Tavis e seu filho rapidamente o seguiram. Uma dezena dos homens dos Montgomery e dos Armstrong também seguiram Graeme e os outros. Graeme não se deu ao trabalho de passar ordens, pois planejava cobrir cada centímetro da fortaleza pessoalmente. Ele não confiaria o bem-estar de sua esposa a ninguém que não fosse ele próprio.


Ele começou no primeiro quarto que encontrou. Cada canto, cada espaço foi invadido. Revirou a mobília, arrancou cobertas, sua fúria crescendo a cada quarto vazio. Quando saiu do último quarto do andar mais alto, uma figura encapuzada apareceu no corredor. Olhando mais de perto, Graeme pôde ver que a pessoa era pequena e frágil, obviamente uma mulher ou um garoto muito magro. Mas, quando a pessoa se virou, uma longa mecha de cabelo preto caiu do capuz e uma pequena mão, obviamente feminina, ajeitou o capuz para que continuasse escondendo o rosto. – Procure lá embaixo, laird – ela sussurrou. – No calabouço. Antes que Graeme pudesse responder, a mulher virou- se e retirou-se por uma passagem estreita, desaparecendo de vista. Graeme gritou uma ordem para seus irmãos e depois desceu as escadas, encontrando Patrick McHugh no andar de baixo. – Mostre-me seu calabouço, McHugh. Por tudo que é mais sagrado, se você fez minha esposa sofrer presa em um calabouço, eu vou matá-lo. Patrick empalideceu ainda mais, como se isso fosse possível – É claro, mas o calabouço não é usado há mais de duas décadas. Nem mais existe uma escada definida. Só um buraco com uma corda. – Mostre-me – Graeme repetiu. Sua fúria crescia a cada minuto que passava sem notícia de Eveline. A ideia de que ela estava aprisionada em um calabouço causou tremores em seu corpo enquanto desciam as escadas para a escuridão. Patrick parou para entregar uma tocha para Graeme. Depois acendeu mais duas tochas e as entregou a Tavis e Bowen. No fim das escadas, Patrick tirou uma chave da parede e a inseriu em uma velha fechadura enferrujada. A tranca abriu fácil, apesar da quantidade de ferrugem e deterioração. Graeme trocou olhares com Tavis, para ver se o velho homem percebera que uma fechadura intocada há mais de duas décadas deveria ranger e oferecer mais dificuldade para ser aberta, o que não havia acontecido. Sim, Tavis também percebera, pois sua expressão passou de mal-humorada para um alerta instantâneo. Sua postura mudou e seu rosto enfureceu-se. Ele ergueu a mão para deixar Graeme saber que entendeu e depois colocou um dedo sobre os lábios, pedindo silêncio


absoluto. Quando todos passaram pela porta com grades de ferro, Patrick os conduziu até o meio de uma sala decrépita e ergueu a tocha para mostrar a corda que levava para o poço. – Meu Deus – Bowen murmurou. – Ninguém colocaria uma pobre mulher nesse buraco. Isso aí tem o cheiro da morte. Graeme passou a tocha para um de seus homens e depois ordenou que Teague erguesse sua tocha para que ele enxergasse lá embaixo. Depois agarrou a corda e rapidamente desceu até a escuridão. Quando atingiu o chão, ele gritou para Bowen jogar a tocha. Sem esperar que os outros descessem, Graeme imediatamente começou a vasculhar os arredores, indo de uma parede a outra. Quando os outros desceram, mais luz se espalhou pelo calabouço, suficiente para ver que o lugar estava vazio. – Está vendo? – Patrick disse. – É uma loucura você vir até aqui com seu exército acusando meu filho de uma traição dessas. – Venha, Graeme, ainda não vasculhamos as cabanas ao redor – Tavis disse. Graeme olhou para a sala vazia, amaldiçoando o fato de que Eveline não podia ouvir. Ele não podia nem gritar para que ela soubesse que ele estava ali, que estaria salva e que só precisava gritar para ele. Graeme moveu a tocha uma última vez e preparou-se para juntar-se aos outros, que já subiam de volta pela corda, quando seu olhar percebeu uma marca na terra da parede oposta. Ele aproximou-se, segurando a tocha à frente. Havia uma pegada diferente das pegadas dele e de seus homens. Metade estava visível e a outra metade parecia desaparecer dentro da própria parede. – Bowen! Teague! – ele gritou. – Venham até aqui! Em seguida, os outros o cercaram e ele apontou para baixo. – Onde ela está? – Brodie rosnou, pela primeira vez acreditando que Graeme pudesse estar certo. – O que há do outro lado da parede? – Graeme exigiu saber.


Patrick sacudiu a cabeça, com um pânico evidente na voz. – Eu não tenho ideia. Juro. Não sei de nada que possa existir atrás dessa parede. Graeme caiu de joelhos e começou a passar os dedos entre as pedras, empurrando-as com o ombro bom, mas a parede não se mexia. Bowen também se ajoelhou e começou a empurrar as várias pedras à frente. Quando ficou a uma curta distância de Graeme, a parede se moveu de repente, fazendo seu irmão cair para a frente. Graeme levantou-se, cambaleando e movendo a tocha para todas as direções ao se equilibrar. Era uma sala pequena. Ele girou em um círculo completo e quase passou a tocha completamente sobre ela. Ele quase engasgou. Graeme não foi o único a ver o corpo imóvel jogado no chão. Ele segurou a tocha para trás e correu para ela, seu coração gritando uma negativa por todo o caminho. Atrás dele, uma confusão de pessoas e luz de tochas. A sala inteira foi iluminada e Graeme pôde ver as correntes e os grilhões que envolviam os pulsos e tornozelos de Eveline. Ele soltou um uivo enfurecido que ecoou pelas paredes do lugar. Graeme passou a tocha para um de seus irmãos e caiu de joelhos, apanhando Eveline nos braços. Ele balançava para a frente e para trás, beijando seus cabelos, suas sobrancelhas, seu rosto… Sua pele estava muito fria e ela estava imóvel. O pai dela ajoelhou-se ao lado de Graeme, olhando horrorizado para a filha, que parecia quase sem vida nos braços de Graeme. – Eu não sabia! – Patrick balbuciou. – Juro pela minha própria vida que não sabia! Enraivecido, Graeme ignorou a todos. Ele moveu os cabelos de Eveline e, com dedos trêmulos, procurou pela pulsação em seu pescoço. – Ela está… ? – As palavras ficaram presas na garganta de Tavis. – Está viva! – Graeme disse com uma onda de alívio. Mas, mesmo enquanto dizia isso, ele percebeu os machucados em seu rosto, e uma raiva explodiu em seu corpo como as chamas do inferno. As correntes estavam presas na parede da câmara com velhas dobradiças que ele duvidava que ainda fossem fortes. Foram suficientes para prender uma mulher, mas não um guerreiro com


tanta raiva que poderia erguer um cavalo para livrar sua esposa. Ele entregou Eveline a seu pai. – Fique com ela e a proteja. Então ele se levantou, agarrou as correntes e, com um grito de fúria, arrancou a dobradiça de cima, que prendia as duas correntes conectadas aos grilhões nos pulsos de Eveline. Antes que pudesse se mover para a dobradiça de baixo, Aiden agarrou a corrente e arrancou a dobradiça da parede, libertando Eveline para que, ao menos, pudessem tirá-la do calabouço antes de remover os grilhões. Tavis abraçou sua filha fortemente contra o peito e chorou em seus cabelos. Graeme apanhou sua esposa, recusando-se a permitir que qualquer outra pessoa a carregasse da prisão. Ele cuidaria pessoalmente dela. Ninguém mais a tocaria. Patrick estava completamente branco de medo. Implorava e balbuciava coisas incompreensíveis. Seu filho era o culpado. Ele não sabia o que o filho tramava. Graeme o empurrou para o lado, sentindo repulsa. Ao alcançar a corda que levava para a câmara superior, Graeme parou: não conseguiria subir carregando Eveline. – Entregue-a a meu pai, depois suba pela corda – disse Brodie, que se aproximava, com Aiden logo atrás de si. – Aiden e eu formaremos uma escada humana e passaremos Eveline para você. Fazemos isso desde criança. Não a derrubaremos, eu juro. Graeme assentiu, colocando Eveline nos braços de seu pai. Ele subiu rapidamente, com o medo e a raiva produzindo a força de dez homens. Quando chegou ao topo, ele chamou, depois viu Aiden subir nos ombros de Brodie e equilibrar-se. Graeme baixou a cabeça pelo buraco, estendendo os braços o máximo que conseguia, mas, mesmo assim, não seria possível alcançar Eveline, mesmo que Aiden a erguesse acima da cabeça. – Bowen, suba aqui – Graeme ordenou. Um momento depois, seu irmão subiu pela corda e Teague rapidamente o seguiu. Graeme deitou-se de barriga para baixo e inclinou-se na beira do buraco. – Segurem minhas pernas – ele ordenou. – Vocês terão de puxar a mim e a Eveline quando eu a apanhar.


Cuidadosamente, com seus irmãos segurando seus calcanhares, Graeme foi baixado e, quando estava quase tocando as mãos estendidas de Aiden, este mandou seu pai erguer Eveline. Com a ajuda dos outros homens, Tavis passou Eveline para Aiden, depois ele a ergueu o mais alto que podia enquanto se equilibrava nos ombros de Brodie. Por duas vezes ele quase caiu, mas conseguiu se equilibrar sem derrubá-la. Finalmente, Graeme passou as mãos por baixo dos braços de Eveline e depois gritou para que seus irmãos o puxassem para cima. Sua barriga arrastou-se dolorosamente sobre o chão áspero e seu ombro machucado protestou, mas ele ignorou toda dor e desconforto. Agora, tinha Eveline de volta em seus braços. Ela estava viva, embora ele não soubesse a extensão dos ferimentos ou o que ela havia sofrido no cativeiro. Graeme esperou os outros subirem, apenas porque não poderia fazer o que era preciso enquanto carregava Eveline. Eles subiram as escadas até o andar térreo da fortaleza em silêncio, Graeme segurando Eveline com força contra o peito por todo o caminho. Quando alcançou o topo, ele virou-se e, quando o pai de Eveline chegou, Graeme entregou-a a ele. – Proteja-a bem – disse com voz grave. – E espere aqui até eu fazer o que deve ser feito. Não permitirei que ela se exponha a ele novamente. Não quero que acorde e o veja, vivo ou morto. Tavis assentiu e levou Eveline nos braços. Brodie e Aiden permaneceram perto do pai, com olhos sombrios e preocupados. Graeme virou-se, deixando os outros para trás, e atravessou a fortaleza até o pátio, determinado a ir até onde Silas mantinha Ian. Aquele pequeno bastardo teve a audácia de olhar triunfalmente para Graeme quando ele apareceu no pátio sem Eveline. – Viu só? Eu disse que eu não tinha motivo para querer ficar com uma maluca daquelas. Graeme sacou a espada com um único movimento fluido e, antes que Ian pudesse processar o que estava para acontecer, Graeme atravessou-a na barriga dele até a lâmina sair em suas costas. Ian arregalou os olhos em choque, e seu olhar lentamente focou o vazio. Sangue emergiu de sua boca e derramou-se pelo queixo até cair no chão. – Isso foi por minha esposa – Graeme rosnou. – Espero que você apodreça no inferno.


Capítulo 45 Ian desabou, dobrando-se como uma fita ao vento. Graeme nem esperou para ver se ele havia dado o último suspiro antes de começar a vasculhar seu corpo atrás das chaves dos grilhões. Ele era o tipo de pessoa que as carregaria consigo, e Graeme estava certo. As chaves estavam no bolso da túnica de Ian. Graeme guardou a espada na bainha, sem se dar ao trabalho de limpar o sangue da lâmina. Depois apressou- se de volta para onde Eveline estava e, cuidadosamente, destrancou os grilhões, tirando-os dos pulsos e dos tornozelos dela. Quando se levantou para jogar as correntes para o lado, ele olhou para os olhos do pai de Eveline. – Eu não pretendo quebrar o nosso tratado. Quero apenas retornar para a minha fortaleza com Eveline. Ele estendeu os braços para receber Eveline, mas Tavis hesitou. Ele apertou sua carga preciosa e encarou Graeme com uma expressão de súplica. – Nossa fortaleza fica mais perto. Vamos até lá para ter certeza de que tudo está bem com ela. Não me negue isso, eu lhe imploro. Sua mãe gostará de saber tudo aquilo que você me contou. Ela vai querer abraçar a filha e saber que ela está segura e feliz. Graeme olhou para seus irmãos e depois olhou de volta para o chefe dos Armstrong. O que ele pedia não era algo fácil de aceitar. Ele solicitava que Graeme deixasse o passado de lado para entrar nas terras dos Armstrong como… convidado. E permanecer lá como parte da… família. Ele encarou seus irmãos novamente, esperando por uma opinião. Bowen e Teague trocaram olhares e depois analisaram a expressão no rosto dos irmãos de Eveline e de seu pai, que ainda segurava a filha contra o peito. – O que eles pedem não é grande coisa – Bowen disse com um tom baixo. – Uma mãe gostaria de saber que sua filha está bem após um sofrimento desses. O coração de Graeme ficou mais leve, e um alívio atravessou seu peito. Por Eveline ele poderia deixar de lado anos de ódio e o desejo de vingança, mas não poderia esperar que seus homens fizessem o mesmo. – Devemos nos apressar, Graeme – Teague disse. – Ela deve acordar entre aqueles que a amam e não aqui, onde sofreu tanto abuso.


Graeme virou-se para Tavis. – Se você aceitar nossa presença, então ficaremos agradecidos por sua hospitalidade e pelo cuidado que oferecer à minha esposa. Tavis tomou os três passos que o separavam de Graeme e gentilmente entregou-lhe Eveline. – Vamos permitir que Patrick enterre seu falecido filho. Podemos resolver a questão com os McHugh e conduzir uma investigação completa depois de assegurarmos que Eveline vai se recuperar. Graeme baixou o rosto até a cabeça de sua esposa e brevemente fechou os olhos diante da doce sensação de tê-la de volta e com vida. Depois assentiu para Tavis e virou-se para voltar até onde seu cavalo e seus homens o esperavam. Assim que se aproximaram da fortaleza dos Armstrong, Robina Armstrong correu para receber seu marido com uma expressão exasperada. Ao perceber a presença dos soldados dos Montgomery, ela parou de repente, arregalando seus olhos diante da impressionante exibição de força. Então seu olhar pousou sobre Graeme, e sua mão subiu até a boca quando viu Eveline sendo carregada por ele. Com as saias esvoaçando, ela correu o mais rápido que seus pés permitiam, até chegar ao lado do cavalo de Graeme. Ele precisou parar o cavalo para que não atropelasse Robina. – Maldição, Robina! – Tavis rugiu. – Eu disse para você ficar dentro da fortaleza! – O que aconteceu com Eveline? – Robina perguntou quase sem voz. Ela ignorou completamente a fúria do marido enquanto olhava com uma expressão de súplica para Graeme. – Eu não sei de tudo que aconteceu – Graeme disse gentilmente. – Permita-me passar para que Eveline possa receber cuidados. Robina rapidamente se colocou de lado. – É claro – ela respondeu, virando-se e correndo para dentro da fortaleza, deixando que eles a seguissem com os cavalos. Quando entraram no pátio, Robina esperava ansiosa sobre os degraus com os dedos entrelaçados diante de si. Lágrimas brilhavam em seu rosto enquanto esperava que os guerreiros desmontassem. E, quando os irmãos de Eveline fizeram menção de recebê-la de Graeme, que ainda montava o


cavalo, Bowen adiantou-se, em uma clara demonstração de que consideravam Eveline parte de seu clã, e a recebeu dos braços de Graeme, baixando-a cuidadosamente. Bowen esperou Graeme desmontar e depois entregou- lhe Eveline de volta. Tomando cuidado para não a sacudir, Graeme andou na direção de Robina, não exibindo nenhum desconforto sobre o fato de ele e seus homens estarem completamente dentro da fortaleza dos Armstrong e que, de fato, estavam à sua mercê. Robina pediu-lhe que entrasse e depois se apressou na frente dele, direcionando-o para as escadas. Quando chegaram ao quarto que Eveline ocupara antes, Graeme parou. – Este quarto vai me acomodar também? – ele quis saber. – Eu não vou sair de perto dela. Os olhos de Robina se arregalaram, depois ela limpou a garganta. – Então talvez seja melhor colocá-la no quarto que você ocupou anteriormente quando esteve aqui como convidado. Graeme concordou e a seguiu pelo corredor até o quarto em que ele e Eveline haviam tido sua primeira conversa verdadeira, embora Eveline não tivesse falado nenhuma palavra. As coisas haviam mudado muito desde então. Ele a baixou até a cama e depois se sentou na beirada e passou a mão sobre um hematoma preto em seu queixo. Havia outro hematoma que cobria toda a sua têmpora. Havia marcas de dedos em seu rosto, como se Ian o tivesse agarrado com violência. Seus dedos tremiam, e sua respiração saía forçada. Suas emoções ameaçavam desmoronar enquanto olhava para sua frágil esposa machucada. Oh, Deus, ele havia pensado que nunca mais a veria. Nunca sentira tanto medo em sua vida. Nunca se importara tanto com uma mulher a ponto de a simples ideia de ficar sem ela ameaçar destruir todo o seu mundo. – Você se importa com ela – Robina Armstrong disse com um tom chocado. Graeme virou a cabeça, lançando um olhar cortante para a mulher. Os outros já se haviam juntado na frente da porta, alguns tinham entrado no quarto, com expressão preocupada, mas Graeme não se importava com quem pudesse ouvir suas palavras. – Milady, eu não simplesmente me importo com ela. Eu a amo. Ela é a minha vida. Sem ela eu não sou nada. Eu não tenho nada.


Os olhos de Robina se arregalaram até se tornarem enormes em seu rosto pálido. Tavis chegou perto dela e pousou as mãos em seus ombros, puxando-a para um abraço. – Não o perturbe, meu amor. Ele se preocupa muito com Eveline. Há muitas coisas que não sabíamos sobre ela. – Sua voz se tornou embargada. – Eu cometi muitos erros que quase custaram a vida de nossa filha. Que poderiam ter custado a vida dela. – Do que você está falando? – Robina perguntou. Tavis sacudiu a cabeça. – Agora não é o momento para isso. Você saberá de tudo quando tivermos certeza de que Eveline está bem e se recuperou de toda essa provação. Por enquanto, façamos todo o possível para que Graeme e seus homens sejam bem recebidos em nossa casa. Ele se importa muito com Eveline e deixou de lado sua sede de vingança porque a ama mais do que odeia a mim. Robina encarou Graeme com surpresa. – Isso é verdade? Graeme assentiu levemente e depois voltou a atenção a Eveline. Embora soubesse que ela não podia ouvi-lo, queria falar com ela, mas se contentou em tocá-la, passando os dedos sobre seu rosto enquanto rezava para que acordasse. Virando-se para os outros, ele deu uma rápida ordem para que deixassem o quarto, para que ele pudesse remover as roupas úmidas da esposa. Depois olhou para o pai dela e disse: – Poderia chamar uma criada para cuidar do fogo? Não quero que Eveline sinta frio. – Vou buscar uma roupa de dormir para ela – Robina disse, já se apressando em direção à porta. O próprio Tavis jogou a lenha na lareira e acendeu o fogo. Quando Robina voltou ao quarto, ela afastou os outros, depois ficou ao lado de Graeme. – Eu cuidarei de minha filha se você quiser se juntar aos outros lá fora. – Eu não vou deixá-la – Graeme disse secamente. – Você pode ficar ou sair quando quiser, mas eu vou examiná-la pessoalmente para ver a extensão de seus ferimentos. Você tem um médico que possa chamar se a situação for mais séria? Robina assentiu silenciosamente, ainda surpresa com a ferocidade de Graeme quando se tratava de Eveline. Mas não importava. Logo saberia com certeza se ele realmente não sairia do lado dela.


Satisfeito por ela parar seu questionamento, Graeme começou a remover o vestido sujo e rasgado que se agarrava à pele de Eveline. Sua mãe ofegou quando apareceram os hematomas que já estavam presentes em Eveline. – Oh, meus Deus – Robina sussurrou. – Isso não é o que você está pensando – Graeme disse. – Ela sofreu esses ferimentos não nas mãos de Ian McHugh, mas, quando caiu do cavalo ainda nas terras dos Montgomery. – Um cavalo? – Robina exclamou. – Por que diabos ela estava em um cavalo? Você a forçou a montar? Graeme virou a cabeça instantaneamente na direção dela. – É claro que não. Ela cavalgou de volta para a fortaleza para buscar ajuda para mim quando fui atingido por uma flecha. Os olhos de Robina mais uma vez se arregalaram. Era uma expressão que parecia permanentemente impressa em seu rosto desde a chegada de Graeme. Ele até entendia sua confusão. Parecia que eles sabiam muito pouco sobre a própria filha, o que era uma pena, pois Eveline era uma pessoa extremamente especial. Graeme terminou de retirar o vestido de Eveline, aliviado quando não viu sinais de outros ferimentos no corpo de sua esposa. Ele podia apenas rezar para que Ian não tivesse estuprado Eveline. A ideia fez seu estômago se embrulhar e seu coração doer. Com a ajuda de Robina, ele gentilmente banhou sua pele, removendo a sujeira e a terra do calabouço, assim como o cheiro. Ele não queria que ela tivesse desconforto algum. Após a limpeza, ele a vestiu com uma camisola de algodão forrada, que a manteria aquecida e também impediria que o algodão raspasse sua pele. Ele gentilmente afastou seus cabelos e meticulosamente passou os dedos na cabeça para checar se havia algum inchaço ou ferimento. – Parece que tudo o que ele fez foi machucar seu rosto – Graeme disse com alívio. Ele esperava com todas as forças que tivesse sido apenas isso. Mas o que mais temia era tudo aquilo que havia sido cometido contra o seu espírito. – Tavis disse que você atravessou o corpo dele com a espada. Graeme assentiu, sem tirar os olhos de Eveline. – Ótimo – Robina completou.


Graeme abaixou-se e pressionou os lábios na testa gelada de Eveline. – Volte para mim – ele sussurrou. – Estou esperando, Eveline. Ela se mexeu sob seu toque e o pulso de Graeme disparou até martelar em suas têmporas. Ele se afastou, segurando o rosto dela com as mãos, transferindo o máximo de calor que conseguia. Ele queria que ela acordasse sabendo que estava segura. Quando as pálpebras dela tremeram e se abriram, ele se aproximou ainda mais para que seu rosto fosse a primeira coisa que ela veria. Eveline piscou várias vezes, como se tentasse se livrar da confusão, depois seus olhos foram inundados por um grande alívio. Ela sorriu, e foi a visão mais linda que Graeme teve em toda a sua vida. – Eu sabia que você viria – ela sussurrou com uma voz rouca.


Capítulo 46 Foi mais do que Graeme podia suportar. Lágrimas queimaram seus olhos e sua respiração se intensificou com o esforço para não perder completamente a compostura. Ignorando a expressão surpresa de Robina com o fato de Eveline ter falado, ele concentrou-se apenas em sua linda esposa e em acalmá-la, mostrando que estava segura e junto daqueles que a amavam. – Não tente falar, meu amor – ele disse carinhosamente. – Sua garganta deve estar doendo. Sua voz está muito rouca. Eveline sorriu e levou a mão até a garganta. – Eu gritei, rezando para que alguém ouvisse. Estava tão escuro. – Ela perdeu a voz, começando a chorar e a soluçar. – Tive tanto medo. Ele pretendia me deixar lá para sempre. A voz dela sumiu totalmente, mesmo com a boca se mexendo enquanto tentava falar. Graeme pousou um dedo sobre seus lábios. Depois seguiu o dedo com seus próprios lábios e a beijou, longa e docemente, absorvendo a sensação de poder tocá-la e cheirá-la e senti-la. Saber que estava segura. Que havia sobrevivido e que ele não a havia perdido. Graeme encostou sua testa na de Eveline, depois simplesmente a tomou nos braços e a segurou com força, balançando-a para a frente e para trás enquanto passava as mãos em suas costas. Após um momento, ela ficou completamente imóvel. Ela tocou seu braço e afastou-se para olhar seu rosto. O olhar dela passou por ele e vasculhou o quarto, e só então percebeu que estava na casa de seus pais. Graeme olhou para trás, esperando ver Robina ainda ali, mas o quarto estava vazio. Robina havia saído discretamente, dando privacidade para o casal após Eveline acordar. Eveline tocou seu rosto, com uma expressão confusa. Graeme suspirou. – Não fale. Apenas me ouça. Seu pai foi até nossa fortaleza com todo o seu exército. Ian deve ter enviado uma mensagem para ele logo após eu ter enviado meu pedido para um encontro. Não sei o que a mensagem dizia, ainda tenho de perguntar isso a seu pai, mas deve ter colocado sua segurança em dúvida, pois a primeira coisa que ele exigiu saber foi o seu paradeiro.


Eveline estranhou. – Antes da chegada do seu pai, Kierstan confessou que havia conspirado com Ian McHugh e que havia levado você ao redor da fortaleza para que Ian pudesse sequestrá-la. Ele teve ajuda de três dos meus homens. Seu pai e seus homens cavalgaram comigo e com o meu exército até a fortaleza dos McHugh e eu vasculhei o lugar de cima a baixo, até finalmente descobrir você presa em um calabouço. Graeme respirou profundamente e continuou – Após tirarmos você de lá, eu a deixei com seu pai apenas pelo tempo suficiente para matar Ian por seu crime. Eu queria voltar para a fortaleza, para ter certeza de que você estava bem, mas seu pai pediu que viéssemos para cá, pois era mais perto. Ele fez uma pausa e depois tomou a mão de Eveline. – Contei tudo ao seu pai. Ele já sabe que você deixou seu clã pensar que a sua mente tinha sido afetada no acidente e sabe também a razão de você ter feito isso. Ele ficou profundamente abalado. Achei que, se ficássemos aqui por alguns dias, durante a sua recuperação, você teria tempo com sua família para, talvez, contar a eles aquilo que há muito tempo queria explicar. Os lábios de Eveline se curvaram para baixo em uma expressão de tristeza. Ela fechou os olhos brevemente, mas Graeme tocou seu rosto até ela olhar de volta para ele. – Não se preocupe, Eveline, estou com você. Sempre estarei com você. Ficarei ao seu lado quando falar com seu pais pela primeira vez e não permitirei qualquer reação negativa. Ela assentiu, relaxando os ombros enquanto dava um longo suspiro. – É bom que eles saibam. Odiei enganá-los. – Sim, eu sei – Graeme disse gentilmente. Ele a beijou de novo, aliviado por poder fazê-lo quando havia pensado que nunca mais a veria, que nunca mais a tocaria. Quando imaginara que não teria a chance de dizer-lhe tudo o que havia em seu coração. Agora não era o momento, mas logo faria isso. Graeme estava quase explodindo com tudo aquilo que queria dizer. Mas, antes, cuidaria dela. Iria certificar-se de que ela tivesse comida e descanso.


– Você gostaria de ver seu pai e sua mãe agora? Vou mandar trazerem comida e água quente para um banho. Você pode vê-los agora ou depois de comer e se banhar. – Depois – ela sussurrou com dificuldade. Ele assentiu e depois se levantou para dizer a Robina tudo aquilo de que Eveline precisava. Eveline submergiu na banheira de madeira até a água fumegante bater em seu queixo. Ela fechou os olhos e permitiu que o calor invadisse seus ossos, substituindo o frio cortante e aliviando a dor nos músculos. Graeme juntou os cabelos de Eveline, que pendiam para fora da banheira, e começou a escovar os emaranhados das mechas. Ela saboreou seu toque, o conforto de ter Graeme tão perto. Eveline não temia nada quando estava com ele. Quando terminou, ele juntou os cabelos por cima de um dos ombros dela e deixou que mergulhassem na água. Depois, apanhou uma jarra de barro e ajoelhou-se para juntar um pouco de água, mas, antes, virou o rosto dela de modo que pudesse enxergar a sua boca. Então, pediu que se sentasse, para ele lavar seus cabelos. Foi uma experiência emocionante para Eveline ter aquele guerreiro tão endurecido tomando conta dela de um jeito tão carinhoso. Ela nunca se sentira tão querida. Tão… amada. Aquele pensamento enviara uma sensação avassaladora para dentro de sua alma. Ela daria qualquer coisa para poder ouvir um “eu te amo” dos lábios de seu marido. Daria tudo para ter um único dia em que pudesse ouvir. Apenas para se alegrar com o som de algo tão simples quanto algumas palavras saídas do coração de seu amado. Ela fechou os olhos e ficou ali sentada e relaxada enquanto ele terminava de ensaboar e enxaguar seus cabelos, e depois quando banhou o seu corpo todo, até os dedos dos pés. Em dado momento, quando o pé dela deslizou novamente para dentro da água, ele se abaixou sobre a banheira e capturou sua boca em um beijo profundo e desbravador. Foi um pouco menos gentil que seus beijos de antes, quando ela ainda estava na cama. Havia um desespero, quase como se Graeme ainda estivesse tentando se convencer de que ela estava ali e em segurança. Sua mão segurou o queixo dela quando o beijo se aprofundou e sua língua deslizou sensualmente sobre a língua dela. Eu te amo.


As palavras que ela tentou dizer simplesmente não saíam. Elas morreram dolorosamente em sua garganta, pois a força para formá-las havia sumido. Graeme afastou o rosto, sem tirar os olhos dela quando apanhou uma toalha. Ele tomou sua mão, ajudou- a a levantar-se e a sair da banheira e imediatamente a envolveu na toalha, da cabeça aos pés, conduzindo-a na direção da lareira, onde um prato com pão e queijo e uma tigela de ensopado a esperavam. – Quero que você coma tudo – ele instruiu. Ela assentiu, contente em obedecer sua ordem. Com o fogo aquecendo sua pele, ela tomou uma colherada do ensopado e sentiu o calor descendo pela garganta. Isso aliviou a dor e umedeceu a garganta raspada. Eveline comeu até a exaustão tomar conta e ela não conseguir mais manter a cabeça erguida. Uma reação automática a sobrepujou e, para seu horror, seu corpo começou a tremer incontrolavelmente. Aquilo era estúpido. Ela estava segura. Estava muito longe de Ian McHugh e, de qualquer maneira, ele estava morto. Mas, mesmo assim, ela não conseguia parar de tremer. Não conseguia impedir o pensamento de que poderia ainda estar presa na parede daquele calabouço escuro. Graeme tomou-a nos braços, carregou-a de volta para a cama e, tirando a toalha que envolvia seu corpo, vestiu-a novamente com a camisola de algodão forrado. Ele a acomodou debaixo das cobertas e, levando apenas o tempo de tirar as botas, deitou-se ao lado dela, puxando-a para seu corpo, para que seu calor a envolvesse. Graeme esfregou as mãos sobre as costas de Eveline até que, finalmente, o pânico sumiu e ela relaxou contra o seu corpo. Ele beijou sua têmpora, seus cabelos ainda úmidos e a curva da orelha. Sua respiração soprava quente sobre o rosto de Eveline e ela aninhou-se mais profundamente em seu abraço, fechando os olhos. Ela encontraria sua família quando acordasse. Talvez até lá sua voz já teria voltado e ela poderia dizer as palavras que explicariam tudo aquilo que havia feito.


Capítulo 47 Graeme estava sentado na cama, com Eveline no colo. Ele envolvia sua cintura enquanto ela encarava seus irmãos e seus pais com algo que há muito tempo vinha escondendo deles. A verdade. Ele permaneceu quieto, apenas a abraçando, quando ela tomou coragem e mergulhou na história, terminando com sua captura por Ian McHugh e o terror que sentiu quando ele disse que faria tudo aquilo que prometera na época em que ela era muito mais jovem. Brodie e Aiden tinham uma expressão de raiva no rosto. Lágrimas brilhavam nos olhos de seu pai e ele não conseguia sequer olhar nos olhos da filha. A vergonha coroava suas feições e Eveline sentiu-se mal ao ver a dor em seu rosto. Sua mãe chorava suavemente, mas também havia alegria em seus olhos, o que deixou Eveline emocionada. Eles não estavam bravos. Suas emoções passavam pela alegria e pela tristeza. E raiva de Ian McHugh, não dela. Eveline relaxou sobre Graeme, confortando-se em seu abraço. Ela ficou agradecida por usar sua força, pois precisou de cada gota possível para juntar a coragem de encarar sua família. – Por que não me contou? – Brodie perguntou, com os olhos cheios de tristeza enquanto olhava para Eveline. – Você sabe que eu a teria defendido. – Você não teria conseguido mudar a cabeça de nosso pai – ela disse. – Sou eu quem deve carregar o peso da culpa por tudo o que aconteceu com você – seu pai disse, com uma expressão de agonia. – Não! – Eveline negou. – Por favor, não posso aguentar ver todos vocês tão tristes. O que eu fiz foi estúpido. Eu aceito isso. Não me arrependo de minhas ações, pois talvez as coisas não estivessem como estão agora, mas não foi uma coisa boa nem foi culpa de ninguém. Eu menti. Eu enganei vocês. Fui pega em uma teia da qual não conseguia escapar. Eu apenas queria que vocês soubessem a verdade e que também soubessem que eu não culpo ninguém. Não estou zangada. Eu amo vocês. Sua mãe levantou-se e aproximou-se de onde Eveline estava, no colo de Graeme. Ela estendeu os braços e Eveline aceitou o gesto, abraçando sua mãe tão fortemente quanto sua mãe a abraçava.


Fazia muito tempo desde a última vez que tivera um contato assim com sua mãe, e ela adorou o calor e o amor de algo tão grandioso quanto um abraço de mãe. Embora não fosse mais uma criança, não era tão velha que não tivesse mais necessidade do conforto da própria mãe. Não havia sensação melhor no mundo. Sua mãe desfez o abraço, agora tocando o rosto da filha. Lágrimas rolavam de seu rosto, mas então ela sorriu com os olhos brilhantes de amor e perdão. – Então é verdade, você consegue ler tudo o que eu falo apenas observando meus lábios? Eveline confirmou. – Sim. – Que moça esperta – sua mãe disse, beliscando seu rosto. Seu pai também se levantou e aproximou-se com um olhar sombrio. Sem conseguir aguentar mais a tristeza em seu rosto, Eveline tentou se levantar. Sentindo sua intenção, Graeme ajudoua a ficar em pé. Eveline andou até seu pai e envolveu a cintura dele com os braços, pousando o rosto em seu grande peitoral e apertando-o com toda a força. Ele retribuiu o abraço, usando a mesma força que ela. Seu corpo tremeu contra o dela e ele deu-lhe um beijo no topo da cabeça. Quando desfez o abraço, havia trilhas visíveis de lágrimas em seu rosto e uma pesada tristeza no olhar. – Sinto muito, minha filha – ele disse. Eveline sacudiu a cabeça. – Não, tudo está perdoado. E sou eu quem deveria implorar por seu perdão. Mas tudo está bem agora. É isso o que importa. O pai dela concordou. – Sim, o importante é que você está feliz e está sendo bem cuidada. Eveline sorriu e depois olhou de volta para Graeme. Ele não havia tirado os olhos dela e Eveline se surpreendeu com a profundidade da emoção em


seus olhos. Sem olhar de novo para seu pai, ela disse: – Oh, sim, estou sendo bem cuidada, papai. Brodie e Aiden também se aproximaram para abraçá- la. – Eu te amo, minha pequena irmã. Nunca se esqueça de sua casa aqui e das pessoas que amam você – Brodie disse, abraçando-a com força e tocando gentilmente no machucado perto de sua boca. Ela sorriu. – Não, não esquecerei. Ela voltou-se para Graeme e ele, mais uma vez, sentou-se na cama, puxando-a para o seu colo. Ela se sentia segura e protegida ali, com o calor e a força dele sendo transmitidos a ela. – Ainda há coisas de que precisamos saber, Eveline – Graeme disse. – Ian McHugh sequestrou você, mas, quando cavalgamos para a fortaleza dos McHugh, Patrick McHugh alegou que não sabia das ações de seu filho. Nós deixamos a fortaleza rapidamente, porque temíamos que você estivesse muito ferida. Pode nos dizer tudo o que ocorreu, se não for doloroso demais para você lembrar-se dos eventos? Eveline olhou chocada para o seu marido. – Disse que não sabia? Graeme, ele estava lá, no calabouço, quando Ian bateu em mim. Eu o vi e ele recuou para as sombras, como se não quisesse que eu o visse, mas ele estava lá. Ele sabia de tudo. O corpo de Graeme se enrijeceu e ele encarou os outros no quarto com uma expressão de fúria. Eveline tocou seu rosto, para que olhasse para ela novamente. – Ele parecia com medo do filho. Isso não fez sentido para mim. Ian era muito menor do que eu me lembrava, menor até mesmo do que seu pai. Quando eu era mais jovem, ele parecia enorme, como um monstro de algum mito. Quando o vi novamente, mal pude acreditar que aquele homem alimentara meus pesadelos por tanto tempo. – Ele deve morrer – Graeme disse, com a expressão fria como gelo. Eveline olhou preocupada para os outros, que também pareciam enfurecidos. O rosto de seu pai estava vermelho de raiva. Bowen deu um passo à frente. – Sei que você está com raiva, Graeme. Ninguém o culpa disso. Mas Eveline precisa de você


agora. Não deveria sair de seu lado para vingá-la. Você puniu aquele que foi o maior responsável por seu tormento. Deixe-me levar nossos homens até a fortaleza dos McHugh para cuidar do assunto. Graeme começou a sacudir a cabeça, mas o pai de Eveline ergueu a mão. – Seu irmão está certo, Graeme. Esse não é um assunto para você tratar. Seu lugar agora é com a sua esposa. Eu emprestarei minhas tropas. É provável que eles se entreguem sem lutar. Eles sabem que não podem vencer. – Eu irei com ele – Aiden disse, com o rosto fechado. – Eu também – Teague disse. A cabeça de Eveline se movia de pessoa para pessoa tentando ler os lábios de todos. Tavis sorriu quando Brodie também tomou a causa para si. Depois olhou para Graeme. – O que você diz, Graeme? Acha que dois lairds podem dar espaço e permitir que seus homens mais leais se livrem da víbora das terras altas? – Eu reivindico a posse da fortaleza – Graeme disse. – Será um presente para Eveline e para nossa filha, independente de quando ela nascer, seja a primeira ou a última. Qualquer filho que Eveline tiver comigo tomará o papel de laird em nosso clã, mas quero que nossa eventual filha tenha uma herança garantida, para que nunca se sinta como Eveline, quando tentou escapar de um casamento com um monstro brutal. Os olhos de Eveline se encheram de lágrimas e ela abraçou o pescoço de seu marido, apertando com força enquanto lágrimas quentes desciam por seu rosto. Quando finalmente desfez o abraço, ela beijou seus lábios, sem se importar que as pessoas testemunhassem aquela intimidade. Ele a acomodou em seus braços mais uma vez e ela olhou para o grupo de homens que já fazia planos para os Montgomery e os Armstrong avançarem em sua primeira missão conjunta como aliados recém- formados. Os irmãos de Eveline e os de Graeme já discutiam quem receberia a tarefa de executar Patrick McHugh por suas mentiras e traição. Eveline desviou os olhos, sem querer testemunhar aquela sentença de morte. Graeme ergueu o queixo dela e acariciou seu rosto. – Sua mãe quer um pouco de tempo com você – Graeme disse ao erguer o queixo de Eveline e acariciar seu rosto. – Vou descer com os outros enquanto discutem o plano e voltarei mais tarde para ver como está.


Ele gentilmente a colocou de lado na cama, depois se levantou, gesticulando para os outros saírem do quarto. Quando saíram, Eveline virou os olhos para sua mãe, repentinamente nervosa agora que estavam sozinhas. Robina se sentou na cama de frente para Eveline e tomou suas mãos. – Você o ama – sua mãe disse, com uma expressão suave. – Oh, sim – Eveline suspirou. – Amo muito. Ele tem sido maravilhoso para mim. Sua mãe sorriu e apertou suas mãos. Ela inclinou-se para a frente e beijou o rosto de Eveline, depois se afastou com a alegria ainda brilhando no rosto. – Está muito evidente que ele também ama você. Eveline não respondeu de imediato, mas então olhou diretamente para sua mãe, sentindo o coração martelar no peito. – Sim, acredito que ama. Ele não disse isso, mas acredito que sim com todo o meu coração. Sua mãe concordou. – Sim, eu também acredito. Ele é tão protetor e carinhoso com você, Eveline. É uma coisa gloriosa de se ver. Eveline suspirou. – É o único momento em que realmente sinto raiva por não conseguir ouvir. Sua mãe franziu as sobrancelhas. – Por quê? – Porque, mais do que qualquer coisa, eu gostaria de poder ouvi-lo dizer as palavras. É só isso que eu pediria. Graeme estava do outro lado da porta, escutando discretamente quando aquele tom triste tomou conta da voz de Eveline. Seu coração doeu quando soube que ela desejava o impossível, que precisava tanto ouvir aquelas palavras. Ele pensou longamente na situação enquanto Eveline e sua mãe conversavam dentro do quarto. Não, ela não podia ouvi-lo por meios normais, mas ele encontraria uma maneira de ser ouvido por ela. Graeme não queria que Eveline duvidasse que ele a amava mais do que era possível


amar qualquer outra pessoa. Ele tocou a porta fechada do quarto e sussurrou: – Eu te amo, Eveline. Vou fazê-la me ouvir, nem que seja a última coisa que eu faça.


Capítulo 48 – Eu gostaria que isso fosse um novo começo entre nossos clãs – Tavis Armstrong disse quando canecas de cerveja foram colocadas na frente dos principais membros dos dois clãs. – Estou ouvindo – Graeme disse. Seus irmãos trocaram olhares, depois olharam ao mesmo tempo para Graeme. Graeme reconheceu a enormidade do momento. O impensável estava acontecendo graças a uma moça de olhos azuis e cabelos dourados que invadira a sua vida e o fizera pensar em outras coisas além de vingança e ódio. Ela o ensinara a amar. – Juntos, somos uma força sem igual – Tavis disse. Aiden concordou. Brodie, obviamente, também apoiava o pai. Ele se sentava ao seu lado sem rancor ou menosprezo. Parecia… ansioso… para selar a paz. – Ninguém, nem mesmo a coroa, teria poder para derrotar nossas forças combinadas – Tavis continuou. – Não que eu esteja sugerindo qualquer insurreição. Estou apenas apontando os benefícios de uma verdadeira aliança entre nós. Não uma aliança forçada. Graeme respirou fundo e olhou para seus irmãos uma última vez e eles o olharam de volta, assentindo quase que imperceptivelmente. Então Graeme se virou para o chefe dos Armstrong e respondeu: – Estou disposto. Os olhos de Tavis foram invadidos por uma alegria e um alívio tão grandes que Graeme se sentiu surpreso. – É muito bom conseguirmos deixar décadas de desavenças para trás, não apenas para o bem de minha filha, mas para os seus filhos e os filhos dos meus filhos. Podemos construir uma aliança indestrutível que vai assegurar o futuro de nossos clãs. Graeme assentiu, sentindo uma paz se acomodando em seu coração. Era a decisão certa. E não era uma decisão que pudesse tomar antes de Eveline. Mas queria que seus filhos com ela crescessem cercados pela proteção dos dois clãs. Não queria nunca que pessoas como Ian McHugh ameaçassem tudo aquilo que ele amava. Tavis ofereceu a mão para Graeme.


– Um novo juramento, um juramento que não é de sangue, mas é jurado livremente e sem coerção. Graeme estendeu o braço sobre a mesa e apertou a mão que lhe foi oferecida. Tavis apertou de volta, com surpreendente força. – Quero fazer parte da vida de minha filha e ver os filhos que ela gerar. Os meus netos. Graeme entendia o que o pai de Eveline estava pedindo. Ele queria ter permissão para entrar nas terras dos Montgomery livremente, sem impedimentos. Ele pedia que Graeme abrisse os portões para os Armstrong e que a boa-vontade passasse a existir daquele momento em diante. Estava pedindo que agissem como uma… família. Sinto muito, pai. Não posso continuar no caminho que segui nos últimos anos. Eu amo Eveline. Ela significa tudo para mim. Mais do que vingança. Mais do que punir aqueles que eu considero culpados pela sua morte. Perdoe-me, por favor. Graeme encarou Tavis. – Você sempre será bem-vindo nas terras dos Montgomery. Eveline ficará feliz em ver a família que ama, e espero providenciar os netos que você tanto gostaria de ver. – Você é um bom homem – Tavis disse com a voz rouca. – Eu nunca teria imaginado que um dia sentaria aqui com você para falarmos sobre visitas e netos. Você ensinou a um velho homem uma lição sobre ser um homem superior. Seria fácil odiar Eveline e puni-la por um casamento forçado e uma aliança com um homem que você odeia, mas você a tratou com bondade. Graeme desfez o aperto de mão. O terror havia sumido de seu coração. Não sentia mais o peso do ódio ou a sede de vingança. Quando olhava para Tavis Armstrong, não via mais o homem que odiara pela maior parte de sua vida. Ele enxergava um homem que amava sua filha e queria criar um futuro melhor para ela e seus filhos. – Hoje nós celebramos o retorno seguro da minha filha – Tavis anunciou. – Vamos preparar um banquete e festejar nossa nova aliança. Este é um novo dia para a história de nossos clãs. Pela manhã, meus filhos e o seus irmãos vão vingar os crimes que os McHugh cometeram contra os nossos clãs. – Você se sente bem o bastante para descer até o banquete? – Robina Armstrong perguntou a Eveline. Eveline sorriu e confirmou.


– Sim. Quero estar com meu marido e minha família. Esta é uma ocasião feliz. Não permitirei mais que Ian McHugh me amedronte. Robina sorriu e abraçou Eveline. – Então venha, vamos achar algo maravilhoso para você vestir. Acho que tenho algo que vai lhe servir. Uma hora depois, o cabelo de Eveline estava parcialmente preso em um penteado alto, enquanto o restante caía por suas costas. Ela usava um vestido das cores de um amanhecer de outono. Tons avermelhados, âmbar e dourados se entrelaçavam no material delicado. Cada ponto era intrincadamente bordado. Eveline brilhava como o sol. Nem mesmo os machucados em seu rosto podiam diminuir sua beleza. – Os homens nos esperam – Robina disse. – É melhor descermos antes que fiquem impacientes. Eles nos esperam para começar as festividades. Eveline desceu as escadas atrás de sua mãe e, quando entraram no saguão, ela olhou para seu marido, que estava em pé ao lado da lareira, e lembrou-se de quando colocou os olhos em Graeme Montgomery pela primeira vez. Ele estava em pé da mesma maneira, e ela havia sentido as vibrações da voz grave e retumbante de Graeme em seus ouvidos. Ela ficara fascinada com ele desde o começo. Ele se virou e seu olhar pousou sobre ela do outro lado do saguão. Havia uma profunda satisfação em seus olhos, e então ele começou a atravessar o saguão em sua direção. A mãe de Eveline sorriu e a deixou, indo em direção a seu marido. Graeme parou na frente de sua esposa e ofereceu-lhe a mão. – Você está linda, Eveline – Graeme disse. Ela entregou a mão e o deixou guiá-la até perto da lareira, onde esperariam seu pai para que pudessem se sentar. Teague e Bowen estavam perto dali, conversando com Brodie e Aiden, mas, quando a viram, aproximaram-se para ficar ao lado dela e de Graeme. Bowen aproximou-se e beijou-lhe o rosto.


– É muito bom vê-la assim tão linda, pequena irmã. – Obrigada. – O rosto de Eveline se aqueceu e ela retribuiu o gesto afetuoso com um beijo no rosto do cunhado. Teague então se aproximou e beijou o outro lado do rosto de Eveline. – Você é uma mulher forte, Eveline. Estou contente por estar do nosso lado. Ela riu quando sentiu alegria e felicidade invadindo sua alma. Graeme olhou ao redor do saguão, que se enchia rapidamente, depois olhou para Tavis. Tavis assentiu levemente, e Graeme conduziu Eveline até a plataforma de honra, acomodando-a na cabeceira da mesa, onde normalmente seria o lugar de seu pai. Ela estranhou quando ele a virou de lado na cadeira, para que ficasse de frente para o resto do saguão. Então, para sua completa surpresa, Graeme se ajoelhou diante dela e segurou suas mãos. – Feche os olhos, Eveline – ele disse, com olhos cheios de ternura. Ela obedeceu sem questionar, fechando os olhos e mergulhando na escuridão. Foi uma sensação inquietante, não conseguir ver nem escutar, mas as mãos de Graeme apertavam com força e ela sabia que sempre estaria segura perto dele. Então ela sentiu uma intensa vibração soprar por seus ouvidos. Ela sabia que ele havia falado… Não, não foi apenas isso, ele deve ter usado a voz de forma intensa para que ela a sentisse com tanta precisão. Ele ergueu as mãos dela e pressionou-as contra o próprio peito, e então as palavras retumbaram de seu peito novamente, vibrando por seus ouvidos até causar uma sensação de cócegas lá no fundo. Foi quase musical, embora não tivesse escutado exatamente. Mas foi suave e tranquilizador, o mais perto que chegou de ouvir alguma coisa em três longos anos. De repente, ela soube o que ele havia falado. Não, ela não ouvira as palavras, mas as sentira. Em seu coração. Em sua alma. Seus olhos se abriram de repente e ela viu a evidência no olhar dele. Ali, para o mundo inteiro ver. Todo o saguão estava em silêncio e de queixo caído diante daquele guerreiro enorme de joelhos diante dela. – Você me ama – ela disse, maravilhada.


Ele sorriu. – E havia alguma dúvida? – Ele me ama! – Eveline disse, virando-se para o seu pai, que estava em pé, a poucos metros, com os braços envolvendo a sua mãe. Os ombros de seu pai tremeram quando ele soltou uma risada. – Sim, acho que toda a Escócia sabe disso. E você não tem nada a dizer em troca? Eveline virou-se para seu marido, soltando as mãos para tocar o rosto dele. A barba por fazer raspou em suas palmas, mas ela segurou seu amado rosto nas mãos, acariciando com os polegares as linhas endurecidas de suas feições. – EU TE AMO! – ela rugiu, determinada a gritar tão alto quanto ele havia gritado. As pessoas estremeceram pelo saguão. Alguns riram abertamente. Outros aplaudiram. Havia largos sorrisos, mas nenhum tão grande quanto o de seu marido. Ele sorria abertamente, de orelha a orelha. Uma alegria avassaladora dançava em seus olhos escuros. Ele então ergueu as mãos para também tocar o rosto de Eveline. – Sim, eu sei, minha esposa. E toda a Escócia provavelmente agora também sabe disso.


Capítulo 49 Eveline cavalgou com Graeme em seu cavalo, sentada de lado para ficar acomodada em seu peito. Um braço envolvia com firmeza o corpo dela, enquanto o outro segurava as rédeas e guiava o cavalo pelo monte que antecedia a fortaleza dos Montgomery. Graeme puxou as rédeas, parando diante das terras de seu clã. Ele virou-se para Eveline, para que ela visse tudo aquilo que ele iria falar. – Você pode ser feliz aqui, mulher? Ela sorriu e olhou para a linda terra coberta de verde e flores brotando. – Serei feliz onde você estiver, marido. Ele tocou o rosto dela para que olhasse mais uma vez para ele. – Aqueles que a traíram não vão mais ameaçá-la. A expressão de Eveline se entristeceu e seu coração ficou pesado. – O que acontecerá com eles? – Os homens foram executados e Kierstan foi banida do clã. Eveline estremeceu, embora soubesse que não havia escolha. Eles haviam causado um grande perigo, não apenas para ela, mas para todo o clã Montgomery. Muitas vidas poderiam ter sido perdidas. Kierstan também havia ameaçado a segurança da própria família de Eveline e seu clã, os Armstrong. – Para onde ela irá? – Eveline perguntou suavemente. – Não me importo. Ela recebeu provisões o suficiente para seguir seu caminho. Foi mais do que merecia, mas eu não enviaria uma mulher do meu clã para a morte certa. O que fará com a sua vida é inteira responsabilidade dela. – Assim é com todos nós – Eveline disse. Graeme sorriu para ela. – Sim, mulher, isso é verdade. Deste dia em diante, nossa vida será aquilo que fizermos dela,


assim como o recomeço da história de nossos clãs. Eveline sorriu de volta, depois seu olhar buscou a linda vista diante de si – a grande expansão das terras dos Montgomery, onde seus próprios filhos um dia viveriam e chamariam de lar. – Acho que o que faremos de nossa vida será algo grandioso, com que nenhum outro clã na Escócia poderá rivalizar. – São palavras ousadas, próprias da matriarca do clã Montgomery – Graeme disse, aprovando sua atitude. – Venha, esposa. Vamos para casa. Sinto necessidade de mostrar à minha mulher quanto seu marido a ama.


Agradecimentos A surdez de Eveline foi baseada na condição do meu marido. Ninguém sabia quanto sua audição estava afetada até ele entrar em seu programa de mestrado da faculdade. Ele aprendera sozinho a ler lábios e passou pela escola sentando-se perto dos professores para que pudesse enxergar a boca deles. Assim como Eveline, ele não consegue ouvir tons agudos e apenas ouve alguns tons mais graves. Este livro e sua heroína são um aceno para ele e sua perseverança.

Encontre mais livros como este no e-Livros e-Livros.xyz

e-Livros.site

e-Livros.website


Índice Capítulo 1 Capítulo 2 Capítulo 3 Capítulo 4 Capítulo 5 Capítulo 6 Capítulo 7 Capítulo 8 Capítulo 9 Capítulo 10 Capítulo 11 Capítulo 12 Capítulo 13 Capítulo 14 Capítulo 15 Capítulo 16 Capítulo 17 Capítulo 18 Capítulo 19 Capítulo 20 Capítulo 21 Capítulo 22 Capítulo 23 Capítulo 24 Capítulo 25 Capítulo 26 Capítulo 27 Capítulo 28 Capítulo 29 Capítulo 30 Capítulo 31 Capítulo 32 Capítulo 33 Capítulo 34 Capítulo 35 Capítulo 36 Capítulo 37 Capítulo 38


Capítulo 39 Capítulo 40 Capítulo 41 Capítulo 42 Capítulo 43 Capítulo 44 Capítulo 45 Capítulo 46 Capítulo 47 Capítulo 48 Capítulo 49

Profile for Grazielle Correa

Seduzida por um guerreiro escocês- Maya Banks  

Seduzida por um guerreiro escocês- Maya Banks  

Advertisement