Page 1


RED — O SANGUE QUE TE DEFINE Gritos rompem a silêncio na escuridão, gritos de desespero seguidos de sangue daqueles que mais prescisam de ajuda, mais uma morte na cidade, mais uma vítima feita por odio, mais sangue derramado rompendo a paz daquela noite de setembro, mais uma vez as origens, a pele e o sangue define o destino de uma vida. Depois de um longo período distante Red retorna a sua cidade apos noticias de um assassinato de um indígena no centro onde crescera, em encontro aos seus amigos decide iniciar sua luta para mudar a realidade daquele lugar, contarei a história de um grupo de jovens em sua luta pelo bem de todos e deles mesmos, sobrevivendo diante dos riscos diários e enfrentando as adversidades apresentarei aqui uma história suja e realista mesmo sendo totalmente fictícia e conflitante lhes apresento, Red — o sangue que te define.

Por: Billy Creep


Capítulo 1 — Um bom retorno Eu sempre me senti diferente em relação as outras pessoas… Diferente de tudo que a sociedade representa e sempre acreditei que junto a outros com a mesma indiferença pudessemos unidos mudar um pouco da realidade ao nosso redor… nem sempre tudo e como imaginamos. Pelos metrôs adentro do fim de noite Red era um jovem de deathwanhk preto com seus detalhes em vermelho como sangue nas pontas, jaqueta preta surrada com patchs e bottons de bandas e filmes, alguns soltos pela sua calça apertada e rasgada tambem junto ao seu corturno velho indo ao seu destino de volta a sua cidade que a um tempo deixara em busca de seus ideais: — Bom estar de volta depois de tanto tempo… só não se sabe por quanto tempo dessa vez. Chegando a casa de seu amigo Yacamy, era um tanto baguncada, ele já morava ali a um tempo e constantemente Red fazia sua estadia por ali e isso o causava


bastante nostalgia, ambos sempre foram assim soltos pelos lugares dormindo em casas aleatorias de amigos a cada noite, Yacamy já o esperava apos sua ligação anunciando seu retorno, não que fizesse tanta diferença, ambos dispensavam tal formalidade. — Já fazia um tempo, e bom lhe ver novamente, vai ficar dessa vez? — diz Yacamy ao abrir a porta para Red. Red passa por ele e se joga no sofá em quanto olha para o ventilador de teto: — Talvez, já tenho pensado em partir, talvez ache algo mais que procuro la fora. — Talvez você possa encontrar aqui também, logo mais tem uma festa no centro vamos dar uma volta por lá. Red o olha, levanta, anda ate a porta e diz antes de sair sem olhar novamente para ele: — Tudo bem, vai ser bom para rever algumas pessoas, agora tenho que sair, logo mais nos encontramos. Yacamy era um indígena de cabelos longos e bagunçados, olhos escuros e


quase o mesmo tamanho de Red eles eram amigos a bastante tempo, des da infância largados pela rua, ele não demonstrava se importar muito para as coisas como red, mas se davam bem e ele apoiava Red em suas lutas. Red sairá para ver algumas pessoas pelo centro, logo naquela mesma noite pela rua andando para local de encontro com Yacamy ele pensa: — Fazia tempo que não vinha nesse lugar, antigamente era bem tranquilo, hoje em dia virou um reduto para drogados e violência, a cidade esta cada vez mais abandonada por aqueles que deveriam cuidar dela a verdade que o incentivo ao preconceito tem feito aumentar o número de crimes de ódio, principalmente pelas ruas do centro… pensa Red ao olhar alguns caras mal-encarados que o acompanhava com olhares mal-intencionado. Logo mais a frente passa por garota bonita com tons de pele como das pessoas do libano pensará ele, de cabelos grandes e negros raspados de ambos os lados, usava um top que deixava sua


barriga e tatuagens no braço em evidência, saia preta apertada e meiacalça e um coturno alto trocam olhares demonstrando uma certa curiosidade. Ele chega ao local bem pontual, acende um cigarro e espera por Yacamy que não era tão pontual assim, mas logo chega com um casaco preto de capuz, botas velhas e calça preta, ele o olha: — Você sempre pontual com cigarro na mão — Eles me acalmam, você quer um? — Responde Red ao estender o maço. — Quero sim, mais vamos procurar algo para beber, estou precisando, depois vamos encontrar algumas pessoas. — E aonde e esse lugar? — Relaxa, e num lugar abandonado proximo daqui. Eles passam numa loja de bebidas, compram algo e depois de um tempo chegam a um lugar perto da praia, parecia um salão abandonado com coisas velhas algumas pessoas conversando, algumas bebendo, a um tempo passou a ser um local de encontro e festas para essas pessoas onde saiam da vista da sociedade e da lei.


Logo que entram pelo portão velho encontram garota, com cabelo cacheado vermelho bem volumoso, negra e de bermuda jeans e camisa curta, seu nome e Ayo, ela era bem animada e carinhosa, mas forte quando necessario. Ela corre em direção a red e o abraça: — Cara! Quanto tempo, finalmente voltou. — Estou de volta, mais talvez não por muito tempo, penso que só de passagem — Ainda nessa busca sem fim? — Vivemos em uma luta sem fim, um dia ainda mudaremos tudo. — Você tem razão, fico feliz em te-lô conosco novamente. Yacamy se dirige a Red e pergunta já sabendo a resposta: — Mas como pretende mudar o mundo sozinho? — Talvez não sozinho, mais juntos aos poucos que mudamos podemos fazer a diferença, juntos. — Tanto faz, no fim das contas nada muda, as pessoas são todas iguais…


Logo algo tira a atenção de Red do assunto e o distrai de sua resposta a Yacamy. Uma garota branca de cabelo curto, azul escuro, e olhos castanhos claros aparece, nome dela e Vick, ela conhecia Yacamy e Ayo do tempo que Red havia ficado fora. Yacamy percebe o olhar de Red e sorri discretamente e a apresenta: — Essa e minha amiga Vick, ela mora lá no bairro e nos conhecemos por lá em um dia desses a uns meses Ayo a abraça logo em seguida: — Vick demorou, pensei que não viria. Vick logo em seguida quando Ayo se afasta olha para Red ao perceber seu discreto interesse: — Olá, meu nome e Vick e o seu? — Ela estende a mão, Red não diz nada nem estende a mão para ela de volta de início, só fica olhando para ela, mas depois da a mão e a comprimenta sem dizer nada. Yacamy olha a cena e sorri, sabe que apesar da importancia que Red dava a tudo às vezes o seu mau-humor prevalecia e apesar demonstrar interesse


ao olhar de primeiro instante dificilmente se envolvia com alguem. Ayo ja acostumada com a maneira que Red agia em situações assim diz de forma bem humorada: — Revoltado e mal-humorado, esse e o Red, vou para a pista. Yacamy ri discretamente do comentario de Ayo: — Liga não, ele e assim mesmo, e um amorzinho Red olha para ele, e volta o olhar a Vick: — Nomes não são tão importantes assim, quem somos e oque importa. Vick sorri como que curiosa com isso, logo em seguida alguém chega e abraça Red esse e seu amigo Rick: — Ei cara você esta de volta porque não me avisou nada, vamos para pista adoro essa música. Red sorri para Vick pega a garrafa com Rick e segue para pista ao encontro de Ayo.


— Não ligue para ele, ele e assim mesmo, vamos para lá tambem. — Yacamy da mais um gole na bebida e vai em direção a pista seguido por Vick. Na pista improvisada a música esta tocando, jovens dançando e pulando como se como numa sintonia louvando a noite e a decadencia daquele lugar, embriagados e enolvidos com aquele som fora do comum que tomava conta de todo o ambiente. Vick entra na pista, ela e Red trocam olhares em quanto bebem, em pouco tempo Red já começando a ficar bebado e com um cigarro na boca se aproxima dela: — Meu nome e Red — Gostei do seu cabelo Red — Vick pega cigarro de Red e eles continuam a dançar. Yacamy sai da pista com Rick, veem alguns garotos quebrando garrafas na rua e algumas lixeiras, Yacamy olha com reprovação. Rick percebe seu olhar e põe a mão no seu ombro: — Liga para isso cara, são só garotos


— Eu sei… já fomos assim. — A uma semana né Eles riem, Rick com seus dreads e side cuts raspados e tatuages pelo corpo negro, a maioria feitas por ele mesmo era um jovem amigo de tempos da época onde eles se conheceram pelo centro, gostava de simbologia e dos estudos de magia negra, foi apresentado a Red por Yacamy e des de então sempre andavam juntos: — Ei cara, vocês precisam ir no sábado no show da minha banda, vamos poder curtir um pouco e podemos criar algo ate lá. Eles criavam alguns adesivos e faziam algumas pixações pelas ruas do centro para um protesto. Yacamy apesar de parecer não se importar muito, ajudava e participava: — Com certeza estaremos juntos nessa


Rick morava em um coletivo com Ayo e alguns outros jovens locais, era uma casa grande que seu tio deixara para ele. Ambos voltam para pista e são recebidos por Ayo e Vick onde dança ate próximo ao fim de noite Red já um pouco cansado sentado próximo ao lugar onde todos se divertem e chamado por Ayo para irem para outro lugar: — Ei seu bêbado vamos logo, ainda temos muito a fazer. Eles saem do lugar pela rua Vick conversava com Ayo em quanto Rick e Yacamy andam na frente, Red ia mais atraz com uma mochila de Rick, dentro dela haviam alguns papeis, zines e cola. Em seus pensamentos Red refletia olhando o ceu: - A noite sempre me agradou, a madrugada pelo centro, lugares sempre tão cheios de pessoas q passam umas pelas outras se esbarrando e seguindo sua rotina a seus destinos vazios pela busca de algum sentido ou salvação, cheia de seus carros e barulhos do centro… tudo sempre tão lotado e


barulhento… e a madruga… sempre tão silenciosa, tão vazio… essa sensação de paz sempre me foi agradável. Agora andando pelo centro colavam esses papeis pelos muros e postes do centro como forma de protesto, Rick fazia alguns grafittes e afins. Vick olha para o ceu e fica um pouco mais para trás com Red ao perceber seu olhar vago e pensativo: — O mundo tão cheio de pessoas, todas dormindo agora em suas casas e tanta coisa acontecendo, gosto de estar aqui. — Vivemos em quanto os outros dormem, acreditamos, somos diferentes deles e mesmo assim iguais, por isso acredito o quanto devemos tornar tudo melhor para aqueles que são minorias e não podem ter sua liberdade. Ayo proxima a eles percebe o assunto: — Devemos fazer nossa parte. — Ela sorri para eles e segue a frente junto aos outros. Continuam andando e bebendo, colando algumas coisas pelos postes e muros… ate ouvirem alguns gritos numa das ruas ali perto e correm até lá e se deparam


com alguns jovens bem vestidos e visivelmente bêbados mexendo com uma trans de vestido azul já sujo de terra do chão onde ela estava caida devido a empurrões recebidos, um dos jovens, o mais alto a chuta na perna em quanto o outro desfere chingamentos e cospe nela e o outro ria do carro observando tudo, seu nome era Lili ela estava voltando para casa sozinha de alguma balada que era ali perto, ela aparentava estar muito assustada, mas e surpreendida, a cena irrita Red visivelmente que joga a mochila no chão e corre na direção deles seguido por Rick, ele chega e chuta o mais baixo deles na perna e o derruba, um dos jovens no carro ao ver a cena: — Acerte esse filha da puta mas permanece na porta do carro o outro tenta acerta-lô com um soco frustado que Red desvia recuando um pouco, em seguida Rick chega e o agarra pela cintura com impulso caindo por cima dele no chão de um jeito meio desastroso, o outro se levanta e olha para Red com expressão de raiva, mas frustrado com um soco de Red no rosto que o faz cair de costas na agua perto da calçada. Yacamy vê Rick no chão com o outro


trocando socos em quanto se agarram, isso o deixa com uma expressão de descontamento: — Que merda, vou ter que me meter nisso. — Ele chega e chuta o que briga com Rick no chão, Rick se solta dele e se levanta, e o chuta quando ele vai se levantar, fazendo com que ele caia novamente, e levante logo em seguida correndo assustado para o carro: — Vamos logo Diego, vamos dar o fora daqui. Diego se levanta da poça olhando para Red com olhar de raiva e Red cospe nele antes dele entrar no carro, Ayo em seguida joga uma garrafa na direção do carro que saia, mas erra. Vick um pouco assustada ajuda a jovem Lili a levantar: — Você esta bem? Lili bate as mãos no vestido na tentativa de limpa-lô ainda constrangida com tudo: — Estou bem, obrigada, esses merdas mereciam uma surra, desgraçados! Ayo pega a bolsa dela, tenta limpar um pouco e a entrega com um olhar triste: — Você sabe quem eles eram?


— Não, provavelmente só alguns jovens idiotas e preconceituosos bêbados. Logo são interrompidos por barulho de sirene, é uma viatura que por ali passava que para ao lado deles, há dois policiais nela, em suas fardas diziam Souza e o outro no carona Soriano, Soriano sai do carro bem agitado com a arma apontada para Rick dizendo em tom de ameaça bem agressivo: — Levanta a mão negro! vocês tambem vagabundos. Red ao ver isso se irrita novamente e de braços abertos se dirige ao policial: — Ai idiota! Não estávamos fazendo nada, só a protegemos de alguns caras que a queriam agredir! O policial Soriano o puxa pela jaqueta e joga contra a viatura em quanto o outro policial aponta a arma para Rick e os outros, Yacamy olha para ele de cima a baixo com um olhar de reprovação, mas passa despercebido. Vick se assusta com a reação do policial: — Ei cara, solte ele, ela não fez nada.


Soriano a ignora e começa a revista-lô, o outro policial sai do carro com a arma na mão olhando para Rick: — Vocês estão tumultuando e arrumando confusão aqui seus vagabundos. Ver isso incomoda Lili que fecha as mãos para baixo como para tentar tomar coragem a dizer: — Eles estavam me defendendo, solte ele! — Cala a boca sua bicha! Antes que eu te dê uma lição. Rick com as mãos para o alto incomodado com o polical o apontando a arma pede que tire a arma apontada para seu rosto: — Ai, abaixa essa arma cara São apoiados por Ayo que se incomoda pelo fato dos policiais não buscarem saber o ocorrido, apenas agirem de forma agressiva e truculenta: — Vocês deveriam ir atrás dos caras que a atacaram. O policial Souza olha para ela de cima a baixo com desden e depois para Rick: — Calem a boca, moleques, olha para vocês degenerados com essas roupas rasgadas e cabelos bagunçados, deveria


dar uma surra em vocês e leva-los para delegacia, principalmente você seu marginal. — Ele em seguida vê a mochila no chão e a pega, acha na mochila os panfletos, alguns zines, cola e papeis q eles colavam por ali: — Vocês que sujam as ruas com essas merdas né. Algumas pessoas passam próximas observando a confusão com olhares de desgosto como se o grupo de jovens tivessem cometido algum crime. Ele olha para as pessoas e logo depois que passam joga o material da mochila na água e pisa em quanto sorri, mas logo são interrompidos pela voz no radio da viatura: — Pedindo assistência de uma unidade na Avenida 17 acidente de carro com feridos. Soriano olha para Souza, empurra Red em direção a Yacamy que o segura e diz: — Sumam daqui seus vagabundos, deram sorte de já estar amanhecendo, se os vermos denovo vocês terão problemas Eles entram na viatura e saem em quanto Red encara com um olhar serio o policial


que o segurava sendo observado por Yacamy que estava ao seu lado que diz: — Essas porras não servem para nada... vamos logo Ayo anda ate Red e põe a mão no seu ombro tirando sua atenção da viatura: — Relaxa Red, já foram Ele olha para Vick que ainda esta com uma expressão de assustada diante de tudo e logo todos vão andando ainda sem muito ânimo em silêncio na direção a seus destinos pelos metrôs adentro, Lili segue para o outro lado, apos se despedir, já era quase manhã e pessoas já passavam ali em direção ao trabalho: — Obrigado por terem me ajudado meu nome e Lili Rick e Ayo se despedem e seguem em um metrô para um lado, moravam na parte alta da cidade Red e Yacamy seguem em outro metrô logo em seguida, Vick os acompanha ambos moravam proximo ao centro. — Foi legal oque fizeram lá, em defender aquela moça — Disse Vick olhando para Red Ele se senta ao seu lado, e repousa a cabeça na janela do metrô:


— E o mínimo q poderíamos fazer… infelizmente quem deveria fazer isso apoia o contrário, ou estão ocupados de mais pensando em alguma maneira de tirar proveito de alguém, você esta bem? — Estou sim... gostei de ter lhe conhecido Red — Eu também, apareça no show amanha — Talvez eu apareça, vou indo nessa. Ela olha para ele e sorri um pouco timidamente antes de sair.


Capítulo 2 - Punk ! Logo mais na casa de Yacamy eles acordam mais tarde, por volta de meio-dia Red acorda no sofa ainda estava com a maquiagem borrada no rosto da última noite confusa, ele olha Yacamy já acordado sentado na cama olhando a tv com um cigarro na mão, ele percebe que Red acordará: — Vamos, vai se preparando porque temos muito oque fazer hoje, você parece mais animado Red o olha e sorri um pouco sem graça, Yacamy sorri de volta percebendo que ele havia entendido a referencia a conhecer Vick: — Sera que tem a ver com alguém que conheceu ontem? — Cala a boca... vamos logo, ainda não engoli a daqueles faixos malditos Yacamy olha serio para ele sem dizer nada Logo saem, quando chegam no metrô pelo centro e encontram Espanto com seu violão velho e roupas surradas, e cabelo curto na altura dos olhos, ele junto a Dark eram membros da banda que Rick que


faria o show hoje e faziam parte do coletivo, ele tocava música por ali de dia para ganhar uns trocados e vendia algumas bebidas pela noite no centro, ele se surpreende ao ver Red ali ao lado de Yacamy apesar de ja ter sido avisado do encontro: — Olha só quem temos aqui — Fala Espanto ao os ver — E ai cara, como você esta? — E bom vê-lo novamente seu degenerado, vocês dariam um casal bonito sabiam?! Ele ri depois de dizer isso e continua tocando sua música afim de uns trocados Yacamy senta no banco atraz dele e fica olhando para as pessoas passando Red tambem se senta ao lado dele de um jeito largado que parece chamar a atenção das pessoas que por ali passam: — Você tem se saido bem com a música? — Tenho feito oque posso, ultimamente os caras têm reprimido muito como zumbis nos cercando, eles estão em todo lugar e nos impedem de trabalhar e nem ao menos nos dão outro meio de vivermos.


— As pessoas acordam todos os dias, sentem sono, sentem raiva, odeiam suas vidas, odeiam seus trabalhos, vivem seu dia todo servindo e engolindo a podridão que a cidade e os que estão no poder nos dão, aceitando e se conformando com a vida ser uma merda. A alienação, o conformismo e a doença social que todos são obrigados a aceitar em troca de viver, e que vida no fim das contas?! Yacamy olha para ele e reclina a cabeca no banco com o olhar para cima com um certo ar pensativo, Espanto olha para Red e ri, ele sempre foi mais do tipo que quer fazer oque e dele e isso basta, quer beber e curtir, tudo virava alguma piada não levava muito a sério as coisas que Red dizia e fazia. Logo mais em uma favela perto de onde aconteceria o show eles chegam e compram algumas bebidas em um depósito, chegam na porta de onde iriam tocar e encontram Rick, Dark e Ayo na porta, Rick estava com a mão na cintura olhando descontente para eles: — Ei vocês estão atrazados, vamos logo nos preparar para o show — Espando ri e


vai junto a ele e Dark Red olha em volta um pouco apreensivo. Na saida do bar vê de longe olhares o encarando, são três jovens punks destacados e tem sua atenção atraida por eles Yacamy põe um cigarro na boca de Red e pega a bebida: — Relaxa um pouco — Quem são esses? — Alguns punks que rodam pelo centro a um tempo, não os conheço bem. — Parecem bem mal-encarados. — Diz Ayo para Red ao ve-lôs que responde: — Sempre parecem... A música começa e eles vão para o meio pular, dançar, cantam e se divertirem já depois de um tempo no meio Yacamy o puxa pela jaqueta: — Pelo jeito ela não veio né — Tudo bem, vamos aproveitar assim mesmo Eles voltam a se empurrar e pular ao som estridente e feroz da voz de Dark com seus olhares morbidos e desanimados junto aos seus cabelos roxos que caia pelo seu rosto, saia ate o joelho, jaqueta


preta e botas altas. Logo um dos punks esbarra em Red o olha de um jeito maldoso e diz: — E ai punk, suave?! Red olha serio e voltam a pular e se empurrar, eles saem e Red percebe um deles olhando para Ayo e para ele em seguida, logo atraz dele vem Yacamy mechendo nos bolsos procurando seu maço de cigarros: — Ei cara, presciso de um trago. — Posso arrumar — Red ajeita a jaqueta, fecha a cara e anda ate os punks que fumavam ali perto: — Aí cara, me arruma um cigarro dos teus. — Ele diz ao cara que havia esbarrado nele na pista, era chamado de Carniça, um apelido que colo quando era mais novo pela mania de comer das latas de lixo das lanchonetes do centro. Ele estende dois cigarros a Red o olhando por baixo: — Pega aí, como você se chama — Eu sou Red, e como te chamam? — Me chamam de Carniça, esse e o Ph e o outro chamam ele de Jonny — Diz ele apontando para os outros dois. Ele era baixinho, tinha um olhar meio louco e


imtimidador, com um sorriso maldoso e cabelos arrepiados em todas as partes suas roupas remendadas com patchs e pedaços de outras cores ele parecia gostar do rumo da conversa, o outro Ph era magro e alto tinha muitos pircings, uma toca preta e vestia uma calças rasgada ate os joelhos e casaco preto com detalhe em oncinha, e por último Jonny que parecia ser o mais novo, um moreno baixinho com sua calça rasgada preta sem patchs e camisa de banda rasgada nas mangas e barriga, uma jaqueta meio velha e surrada com um moicano curto abaixado. Jonny fala em seguida — Porque não chama seus amigos para cá podemos trocarmos uma ideia. Red olha para Yacamy e Ayo, pensa, e aceita fazer o convite que logo e aceito por eles. Um tempo passa e todos já meio bebados conversando a um tempo Yacamy conversava com Jonny contando oque acontecera na noite anterior: — No fim da noite aqueles otarios destruiram nosso material


— Ei caras, vocês não podem deixar por isso mesmo Carniça passa por eles: — Vocês deveriam ter arrebentado a cabeça deles na hora — Não valia apena, aqueles merdas so iriam piorar a noite — Logo apôs dizer isso Red que estava escostado do lado deles vê tudo um pouco embaçado pela bebida: — Cara como eu to bebado, presciso ir ao banheiro... Carniça chega com Ph perto de Ayo, ele quem a observava quando saiam da pista — Ei, e Ayo ne?! Nos vamos fumar um cigarrinho do diabo, porque não vem conosco — Diz Carniça com um sorriso maldoso no rosto. — Ai cara, ate que eu tava afim, mas meu primo ta por aqui e não vou fazer isso com ele aqui O chamavam de Dan, era negro, bem grande e forte, usava uma camisa normal, boné e jeans azuis rasgados ele não era tão proximo aos amigos de Ayo, ele a olha de longe em quanto bebe com alguns amigos, ele era do tipo que não curtia tanto a música, mas curtia o espaço e as


pessoas dali. — Não seja boba, você e grandinha já, esquece ele, você tem uma baba?! — Nada disso cara, eu to dê boa — Vamos logo, ela vai ser careta — diz Ph logo atraz dele e sai andando seguido pelo amigo ainda sorrindo em quanto encarava Ayo. — Vamos mudar a onda, já que essa garota tá nessa. Eles entram no banheiro e passam por Red saindo bebado com o rosto molhado. Red vê Ayo indo ate seu primo, não liga muito e volta para conversa com Yacamy e Jonny que se dirigr a ele: — Ei cara, estavamos falando, esses cães fardados têem que pagar uma hora, isso não vai ficar barato, podes crer! — Esses porras são uns merdas mesmo não e verdade Yacamy sorri olhando para ele bebado — Vamos curti para animar um pouco No palco Dark se preparava para sua ultima musica antes da proxima banda — Vamos queimar esse lugar agora, se agitem. No banheiro carniça cheirava junto com


Ph e logo saem para roda punk pulando e gritando. Começam a tocar no palco e todos se animam novamente a pular e dançar por noite adentro como num ritual com bebidas e ideias de rebeldia e anarquia ate o amanhecer. Já na saida Yacamy se despede do outro grupo: — Ei cara, nos esbarramos por aí — Pode ter certeza — Diz Carniça para ele, e logo depois volta o olhar para Ayo sem dizer nada — Vocês mandaram bem lá, grita Jonny antes de sairem para Rick — Valeu cara. Vamos indo, vão dormir lá conosco Yacamy? — Vamos sim — Ayo olha para seu primo no carro de tras, ela apesar de morar no coletivo tambem tinha a casa de sua familia: — Hoje vou para casa da minha tia com meu primo, depois apareço por lá. Rick, Red, Yacamy e Dark seguem no carro com Espanto. Ayo entra no carro com seu primo Dan — Ei Ayo, quem eram aqueles outros?


— Ninguem, so alguns punks do centro que conhecemos por lá... Logo ali perto um rapaz passava de bicicleta ia para o seu trabalho e sendo observado por olhares proximos, alguem se esconde pelas sombras do centro... de repente Ph aparece na frente do rapaz, que freia a bicicleta e logo em seguida e atingido por Carniça que o derruba e ao tentar se levantar recebe um chute e cai novamente no meio fio, e começa a ser agredido por ponta pés raivosos por eles, Carniça sorri demonstrando o divertimento com a situação ate o jovem desmaiar, é e chamado por Jonny em cima da bicicleta para irem logo: — Anda logo, ele já apagou Eles saem pelo centro Carnica e Jonny na bicicleta e Ph no skate junto a eles em quanto se divertem pelo que acabaram de fazer. No dia seguite. Red abre o olho um pouco tonto ainda com a bebida da noite anterior, Rick e Yacamy se preparavam para ir comer algo em uma lanchonete proxima em quando Dark e Espanto ainda dormiam, eles


acordam Espanto, Dark olha de cara feia para eles, ela com seus cabelos roxos bagunçados como de costume e volta a dormir. — Vamos comer algo, você vem tambem Red? — Estou de boa, vão nessa Espanto acorda já se levantando rapido — Eu vou com vocês, me espera Yacamy olha para Dark novamente e pergunta para Rick: — E a Dark, não vai chamar ela? — Deixa ela dormir, pela manha ela tem um humor pessimo, i eu quero chegar lá vivo. Logo ao chegarem na lanchonete um jovem sentado sozinho em uma mesa chama a atenção de Rick, era um dos jovens do dia da briga no centro, estava de boné no canto e olha para eles de cara feia, Rick o reconhece e sorri com deboche seguido pelo olhar curioso de Espanto — Olha só quem temos aqui, e ai playboy, ta perdido — Fala Rick — E quem e essa gracinha ai — Pergunta Espanto com um sorriso meio idiota no rosto.


— E um dos que estavam atacando aquela mina no centro, e ai quer mais um pouco? — Essa mocinha ai — Diz Espanto olhando para o garoto sentado Ele e cercado por Rick e Espanto, Yacamy não diz nada, mas pega o hamburguer no prato dele. Logo o dono da loja, um senhor branco mais velho de cabelos brancos percebe oque acontece, e se dirige a eles pelo outro lado do bancão: — Ai seu neguinho, cai fora, você tambem indio de merda nao são bem vindos aqui — Fica na sua, não se mete aqui seu velho babaca! — Responde Rick irritado com insulto dele Do lado de fora, um jovem com cabeça raspada, grandão, bem forte, jeans azuis, camisa branca, esse era Fernando, o outro atras de cabelos grandes penteado para trás, com vestes militares, era Ferris, e por último um de cavanhaque, cabelo bem curto, bermuda azul jeans e camisa de manga branca com suspensórios vermelhos, todos brancos, passam e


veem eles lá dentro apesar de não ouvir oque se passa falam entre si, parecem conhecer Rick Yacamy e Espanto. Clark que entra primeiro na lanchonete: — Ai, olha lá dentro aqueles merdas Yacamy vê e da um toque no braço de Rick — Ai quem esta ai... — Vamos embora... Ferris passa a mão no cabelo de yacamy — E ai indiazinha esta no lugar errado Eles dois se encaram antes de sairem da lanchonete — Indio de merda, ainda pego ele Eles olham para o garoto que ainda estava sentado e sentam mais ao fundo da lanchonete e são logo atendidos pelo dono O garoto falava no celular por mensagem com um dos amigos demonstrando extrema raiva da situação: — Encontrei aqueles caras daquele dia no centro, aqueles merdas mecheram comigo, temos que revidar — Esquece isso Diego, não posso me


meter em mais problemas depois de ter batido o carro do meu pai, se não ele corta meu dinheiro. Diego era filho de um empresário local assim como seu amigo que seu pai o proibirá de entrar em confusão, mas diferente dele seus pais já não se importavan e ele tinha um gênio bem vingativo e egocentrico. — Isso não vai ficar assim. — Pensa ele consigo mesmo e logo em seguida ele olha para os jovens ao fundo que observam com um leve sorriso no rosto para sua evidente irritação e expressão de raiva. — Vocês conhecem aqueles caras? O grandão não fazia o tipo dos mais inteligentes Fernando levanta de forma brusca da mesa olhando para Diego — Você estava com eles! Mas logo Clark põe a mão nas costas dele e o repreende: — Relaxa grandão, pela cara dele creio que não e bem isso que ele quer, não e mesmo? Diego tenta se explicar com Clark


— Eles me juntaram no centro para defender uma bicha, mas ela mecheu conosco por isso nós… — Você não prescisa explicar, esse tipo não e gente, nem merece estar na sociedade — E quem são eles — Eles são escoria da sociedade, uma ofensa ao tradicionalismo do nosso país, e defendemos isso e para isso pessoas da raça deles não teem que continuar aqui. As palavras de odio pareciam agradar Diego, junto ao sentimento de vingança parecia uma boa combinação para Clark — Me conta, tinha um de "moicano" vermelho com eles? — Tinha sim, era o mais abusado Fernando o interrompe com uma risada: — Ele roubou a namorada do clark — Cala a boca seu retardado, ignora ele, so tem tamanho e nada na cabeça — Diz Clark o repreendendo novamente. Fernando se desculpa e abaixa a cabeça como uma criança Clark continua tentando se explicar sobre


o ocorrido com Red. — Ele ficou colocando coisas na cabeça de uma menina que eu ficava, mas não e o caso, prescisamos acabar com degenerados desse tipo e raça da nossa sociedade, penso que podemos nos dar bem.


Capítulo 3 — Motivação e sangue. No coletivo Dark já havia acordado e estava sentada proxima a Red bebendo café em quanto ele conversava com Vick pelo computador com afeições de felicidade. Dark percebe isso: — Bem triste isso, você parece estar gostando dela, isso não esta sendo meio rapido? — Já te falaram disso foi... você acha tão ruim assim? — Contaram sim, eu preferia tomar um tiro a gostar de alguem. — Diz Dark antes de sair do quarto. Ele a olha sair e continua a conversa, Vick queria ve-lô novamente — Eu não conheço tão bem assim o bairro, vim para cá tem pouco tempo — Eu logo estou voltando, vamos dar uma volta — Bom, eu não fui ao show acho que estou devendo isso e tem um lugar que gostaria de conhecer um lugar aqui. Red e Vick se encontram na saida do metrô do bairro onde morava, ambos pareciam bem animados ao se verem,


Vick estava bonita e sorri para ele: — Vamos, quero ir a um lugar, você talvez deva conhecer — E que lugar e esse? — Este lugar e o antigo cemiterio que tem nesse bairro Red anda um pouco a frente e diz sem olhar para traz: — Tudo bem, sei onde e, Já passei algumas vezes em frente apesar de não entrar, não e muito longe, podemos ir andando. Você esta a quanto tempo aqui? — Pouco tempo, conheci o Yacamy pelo centro em quanto saia com uns amigos, eu morava com minha Tia em outro bairro ate decidir vir estudar por aqui então passei a morar com minha mãe. Red a observava atentamente agora com uma expressão de agrado — Oque pretende estudar? — Psicologia, quero ajudar as pessoas, mas acabo sendo muito desmotivada como sempre, logo em seguida Vick sorri ao ver como ele a olhava — Porque esta me olhando assim? — Você tem olhos bonitos, olha chegamos, vamos lá dentro


Eles entram, Vick caminha com as mãos nas costas como uma criança entre os tumulos e olhava atenta como se procurasse algo, logo ela para em um dos tumulos se abaixa e fica olhando para ele, isso chama a atenção dele. — Você parece conhece-lô — Não exatamente, ele e meu pai... mas eu nunca o conheci devido a ele ter ido embora antes deu nascer e morrer alguns anos depois, e a primeira vez que venho aqui já que não fui criada por minha mãe. Red olha sem saber muito oque dizer e de um jeito meio pensativo — Acredito que... a maioria de nós em bairros como esse não tem pai ou mãe — E você tem familia Red… aliás, esse e mesmo seu nome? Red sorri um pouco de lado olhando para ela — Não, sou só no mundo e me acostumei com isso Eles saem e caminham pelo lugar — Você tem seus amigos não e mesmo, aliás pq partiu? Vi eles falarem sobre isso, oque você tanto busca? — Eu busco algo que nos tire das sombras, entendo que nossos protestos e meios de concientização ajudem, porem


busco algo que vá, além disso, ultimamente movimentos e causas como a nossas, na verdade se tornaram fracas e com pouca diferença, a maioria reproduz oque se diz ir contra, ou parece se importar mais em “curtir” do que realmente fazer algo, quero algo mais, algo q nos ajude a fazer a diferença. — Ao fim red já demonstrava algum desanimo no olhar i em suas palavras. Ela pergunta novamente — E seus amigos? — Eles são diferentes, penso que, no fundo, preferem a bebida e confusão só, ou só apesar de fazerem são meio ceticos sobre a diferença que podem fazer — Eu compreendo... mas não acredita que possam mudar? — Acredito neles sim, se não acreditasse tudo seria em vão, mas tanto eles quanto eu tenho muito oque aprender ainda, vai rolar um protesto pela morte daquele indio no centro, você poderia nos acompanhar, quem sabe não descobre um bom caminho pelo qual ajudar. — Acho que isso não e para mim, não sou muito fã de pessoas nem lugares


cheios, gosto do conforto da minha casa... mas sendo com você, acho que posso abrir uma esseção — Diz Vick sorrindo para ele. Naquele dia eles ficaram ate mais tarde por lá antes de irem embora, Red voltará ao coletivo para se preparar para o dia seguinte que haveria o protesto no centro. Dark esta na escada com um cigarro, Yacamy esta sentado observava atento as noticias na tv e não percebe que Red havia chego: — Amanhã pela manha foi confirmado policiamento reforçado no centro onde haverá um protesto devido ao assasinato de um indígena que vivia na cidade, mas mesmo assim o governo não se manifesta diante disso, os Indios da reserva cobram uma atitude das autoridades e são ameaçados pelos fazendeiros locais, e mesmo assim o governo se mantem em silencio diante de tudo. Yacamy o olha, mas mantem o foco no jornal, Red percebe isso já que dificilmente algo prendia tanto sua


atenção e pergunta: — Você esta preparando para isso amanha? Ele da com os ombros e se mantem em silêncio, Red põe a mão em seu ombro e vai para o quarto. Dark se levanta e ao passar por ele diz antes de sair: — Não e hora de começar a se importar?! Essa luta e mais sua do que de todos nós, e seu sangue lá. Já no dia seguinte todos se arrumavam para sair, o jornal anunciava q a polícia tinha novas provas para chegar a um suspeito, ao som dos jornais Red levantavam seus cabelos eles preparavam suas jaqueta e botas, Rick botara um casaco militar grande como De Niro em Taxi Driver, Yacamy com uma camisa branca de banda rasgada nas mangas, Dark estava com jaqueta e jeans, Ayo e Vick os encontrariam lá. No local, vêem Ayo e Vick onde as pessoas se reuniam, tinha grande policiamento por ali, nada que os assustase, não os temiam nem deviam nada a


eles, mas sabiam dos riscos por suas aparencias em caso de conflitos, de início tinham bastantes cartazes, pessoas e até familias, Ayo, Red e Rick sempre a frente nesses momentos com toda garra que tinham, Yacamy se demonstrava muito inquieto e seguido pelos outros mais timidamente, em pouco tempo de protesto Red vê Carniça e seu grupo que logo somem de seu olhar na multidão, havia muitas pessoas, ruas fechadas. Logo depois de um tempo Rick vê Clark e Ferris encostados do outro lado da avenida olhando na direção deles, Vick tambem vê logo Rick vai ate Red avisa-lô: — Eu vi o Clark com o Ferris, temos que ter atenção. — Tudo bem, esses caras são uns idiotas Vick parecia um pouco incomodada com algo, ela se dirige a Red — Vocês conhecem aqueles caras? — Conhecemos sim, tivemos alguns problemas no passado, eles podem querer encrenca — Red, acho que eu vou indo, não estou muito confortavel com tanta gente assim — Tudo bem, posso a acompanhar-lâ ate


fora dessa cunfusão, tudo bem por vocês? — Vou com vocês, quero ficar um pouco sozinho em casa — Diz Yacamy que passou bom tempo em silêncio naquele dia Red o olhou por um instante e concordou com a cabeça. — Rick, encontro vocês, encontro vocês três no ponto final de encontro onde a passeata ira parar. O local era onde o crime acontecerá. Ali perto antes de Red voltar algum clima de tensão se aproximava, policiais estavam impacientes com as palavras de raiva de alguns manifestantes, dentre esses, Carniça e seus dois amigos provocavam alguns deles que reagem com truculencia e logo pessoas se reunem iniciando alguma confusão, um dos policiais joga spray de pimenta nas pessoas e Carniça o chuta derrubando-o no chão, tudo estava armado para começar um confronto entre manifestantes de policiais, a polícia vai para cima do grupo de Carniça e alguns outros, eles revidam com pedras, Carniça e Ph se afastam, eles acendem e jogam


um molotov contra uma viatura a incendiando, em seguida a polícia começa a disparar para o alto dispersando todos e na correria Jonny acaba se separando de Ph e Carniça. Red ainda não tinha se encontrado com os outros que logo são obrigados a se afastar do local, eles tampam os rostos com bandanas para evitar o gás que a polícia jogava, quando estão saindo Rick percebe uma mulher de idade no chão e volta para ajuda-lâ em quanto as meninas o defendem afastando alguns policiais que se aproximavam. Do outro lado onde o conflito havia estourado, foge sozinho e se vê cercado por dois guardas que davam apoio a polícia com a situação, ele sabia que não se daria bem se fosse pego, e ao olhar seu redor não avistou Carnica nem Ph, ele reage aos Guardas tentando empurrar um e correr, sem sucesso ele e derrubado no chão. — Pegamos um deles — Diz o guarda o segurando contra o chão — Me solta, eu não fiz nada — Fica queto garoto, você vai segurar essa no lugar dos outros que fugiram, vai virar "mocinha" na delegacia. — Diz o


guarda ao pisar em sua cabeça com o coturno. Naquele momento Jonny já não tinha oque fazer mais, estava rendido e sem esperanças, um garoto, o mais novo daquele grupo, ainda iniciando naquele meio e já naquela situação, ele sabia o quanto as ruas eram dificeis, viverá nela para fugir das constantes agressões do pai em casa e brigas familiares... Por um momento o jovem garoto quis desistir, ir para casa, no mesmo instante um dos guardas, o que estava em cima dele e atingido com um chute no rosto e cai no chão inconsciente, o outro se vira para ver quem fizerá isso, i e imediatamente acertado com um soco e tambem cai, o jovem Jonny olha para cima e vê Red puxa-lô pela camisa levantando-o: — Vamos logo sair daqui, tem mais deles vindo! Jonny olha para Red por um instante e concorda com a cabeça, naquele momento parece que todas suas palavras haviam fugido de si, então ambos apenas correm pelos becos para longe daquele local.


Do outro lado Rick consegue ajudar a mulher a fugir da confusão: — Ayo, leva ela daqui — Quando Rick diz isso e acertado na perna por uma bala de efeito da polícia que o derruba, logo os policiais se aproximam, Dark olha para Ayo mais a frente que para olhando para eles: — Sai daqui Ayo, acha o Red e avisa os outros Apesar de tudo nela querer ficar e ajudar, ela foge, sabia que Dark estava certa, Dark tenta ajudar Rick a levantar, porem e impedida pelo sprey de pimenta jogado em cima deles, ela se afasta e ajoelha no chão de costa para eles sem conseguir enxergar, Rick e agredido por alguns policiais ainda no chão e algemado e ao olhar o policial percebe que era Soriano que fala para Rick — Eu disse que iria te pegar se te enontrasse denovo. Um dos policiais levantam Dark e levam ambos para a delegacia, ao chegar lá Dark e solta, e informada pelo delegado: — Seu amigo será preso e julgado pelo crime de assasinato do indígena que levou ao motivo do protesto Dark se surpreende, naquele momento ela tão inexpressiva demonstra uma


expressão de espanto por um momento ao ouvir aquilo: — Oque você está falando! Isso e impossivel, ele não tem nada aver com isso — Temos provas, filmagens mostram um dos culpados Nas filmagens mostrava apenas um rapaz da altura de Rick usando casaco militar, de luvas sem mostrar as mãos e um capuz que saia de outra camisa por dentro do casaco militar, não se via o rosto nem o tom de pele ou cabelo — Vocês estão errados, não tem nada além de roupas, isso não diz em nada que ele e o culpado. — Responde Dark apôs se recompor daquela notícia e retomar sua expressão abtual calma e mal-encarada. — Você querendo ou não isso um fato e será divulgado a imprensa e ele será julgado e preso.


Capítulo 4 — Amizade Aquela noite no coletivo todos se encontraram e Dark disse a todos oque acontecerá, nos jornais era infomado que finalmente conseguiram resolver o crime, mas infelizmente tarde demais para alguns indígenas que naquele mesmo dia tambem protestaram e foram severamente confrontados por extremo nacionalistas e fazendeiros resultando em um conflito local que estava se espalhando. Red se levanta com um olhar confiante: - Nos prescisamos mudar isso, vamos dar um jeito de livra-lo! A verdade que eles empurraram a culpa para o Rick para se livrarem da pressão que estava sendo imposta por uma resposta. - Vocês não deveriam ter ido lá, eu não irei me meter nisso — Diz Espanto Dark entra na frente dele: - Não e porque você e um frouxo que devemos ser tambem - Palhaçada, eu to fora. — Apôs dizer isso, Espanto ri da situação sai pela porta


- Porque ele esta agindo assim feito um idiota? — Pergunta Ayo olhando para Dark - Não importa, ele e um idiota e não podemos nos desviar disso agora, não podemos obriga-lo a lutar. - Eu vou falar com os demais, prescisamos de toda ajuda possivel para saber algo sobre isso — Diz Red antes de sair e ir na direção do quarto Em alguns dias todos se encontraram novamente, todos estavam lá, inclusive Espanto e o grupo de carniça a pedido de Red que explicou oque acoteceu a todos e pediu que se soubessem de algo ajudassem, todos se comprometeram a contar se soubessem de algo, eles beberam durante e depois disso, Red ainda preocupado decidiu ir com Vick que não estava confortavel lá - Eu vou indo com a Vick, não esqueçam porque viemos aqui - Diz Red após sair com ela Vick olha para Red parecia muito angustiada e incomodada: - Ei cara, me desculpe por isso, não estava avontade lá, eu sei o quão isso e importante - Tudo bem, já trocamos as informações


que podiamos e vamos fazer o possivel para lidar com isso - Eu posso te pagar uma bebida Eles pararam em um lugar para beber, Red parecia prescisar, passou todos os dias andando para um lado e para outro preocupado com tudo aquilo - Eu sinto que temos uma união, vamos resolver isso e talvez seja oque prescisamos, pessoas que vão lutar ao nosso lado, eu sinto a diferença que tudo isso esta causando, vamos libertar Rick e lutar por todos mais que prescisem - Eu acredito em você, vocês todos - Você tambem faz parte disso Vick Por um instante eles se olham, Red estava gostando dela, ela podia ver em seus olhos, Red a beija, ela por um momento deixa, mas no momento seguinte se afasta e abaixa a cabeça ficando um pouco corada: - Eu não posso... Red um pouco sem graça se desculpa, mas ela passa a mão em seu rosto: - Eu gosto de você cara, mas não posso fazer isso Ela se levanta e sai, Red a acompanha ate em casa sem dizer nada Ainda onde outros estavam Caniça ses


dois amigos haviam ido embora, Espanto um pouco bebado decide confrontar novamente Dark: - Você se acha tão melhor que todos Dark com sua expressão de superioridade Dark apenas o olhava seria e com uma expressão de irritada - Relaxa ai cara, você ja bebeu demais — Diz Yacamy que estava ao lado de dark - Eu não vou relaxar, isso foi culpa de vocês que foram ate lá se meter naquele protesto, e nem vou ajuda-lôs. Em um ato de impulso Dark se levanta e põe as mãos sobre a mesa: - Já chega cara, você sempre age assim, so fica fazendo piadas idiotas e bebendo, agora o Rick esta preso, se você não ira ajudar não atrapalhe seu frouxo. Espanto anda ate ela irritado e ao apontar o dedo para Dark diz: - Eu não sou obrigado a ouvir isso vadia, vocês mereceram isso por se meterem onde não deviam


Nesse momento Yacamy se levanta e põe a mão no peito de Espanto com intuito de faze-lo recuar: - Ai cara, relaxa, você veio aqui e só bebeu, não ajudou em nada, e agora age assim! Espanto sorri e empurra Yacamy que cai no chão - Tira a mão de mim cara! Você não tem o direito de dizer nada, você nunca realmente lutou ou acredito tambem, você apenas faz e segue eles como um cachorro! A diferença que eu sou sincero e não perco meu tempo com isso, vocês não vão mudar nada, e fizeram o Rick ser preso... Ayo foi ate Yacamy ajuda-lo, no mometo seguinte Dark empurra Espanto para trás: — Cai fora daqui cara, você e um babaca! O clima tenso com a discusão e tudo que aconteceu estava deixando todos em seus limites, mas Dark e Espanto sempre tiveram atritos por suas personalidades, ele sempre fazia brincadeiras que ela não gostava, ela sempre seria lidava com tudo com calma havia perdido a calma mais uma vez naquela semana. No momento


seguinte que Dark empurra Espanto ele larga a garrafa que segurava e tenta dar um tapa em Dark, ela desvia se abaixando e acerta dois socos seguidos em Espanto que cai sentado para trás, no momento seguinte Ayo e Yacany vão ate ele. Ayo estava muito quieta des do que acontecerá com Rick, ela ainda se sentia culpada por ter corrido no momento que ele foi preso, com um olhar de reprovação: — Cara, não acredito que você tentou fazer isso, podia esperar tudo de você, mas tentar agredir uma de nós?! Nunca te cobramos nada, apenas cai fora e não apareça mais, não prescisamos disso agora, nem de alguem como você proximo a nós, e a gente ta expulsando você do coletivo tambem. — Não presciso de vocês nem de nada disso. Apôs dizer isso Espanto pega suas coisas e sai Eles ficam um pouco lá ainda ate se acalmarem e depois saem, Ayo vai andando na frente: — Vamos embora! não estou bem com tudo que aconteceu.


Yacamy estava de cabeça baixa com oque Espanto havia dito, Dark ve isso, ela põe a mão em seu rosto e o beija: — Você não e igual a ele, obrigado por ter me defendido e apoiado. Por um instante ele fica sem reação, depois sorri. — Vamos logo, não se empolgue — Fala Dark seria e vai andando atraz de Ayo em quanto Yacamy a olha. Uma semana se passou dês daquele dia, sem muito avanço em ajudar Rick e com a saida de Espanto do coletivo e da banda, todos os encontros de Vick e Red se tornaram mais frequentes, assim como os de Dark e Yacamy, eles estavam sentados em um parque do centro conversando sobre como consertar tudo que estava de errado des do dia do protesto onde Rick fora preso, Dark sentada no gramado do parque falava com Yacamy para motiva-lô: — Você dês daquele dia parece estar difetente — Tenho pensado no que fazer agora — Lute, faça oque acredita ser o certo, saia da sua zona de conforto


— Prescisamos dar um jeito aqui antes, você e a mais inteligente de nós Dark, não tem ideia do que possamos fazer? — Acredito que tenha sido alguem alternativo que cometeu o crime pelo qual Rick forá preso, prescisamos continuar buscando — Temos uma ideia de quem possa ter sido... — Mas não temos provas, nem como saber a verdade — Outra coisa que tem mechido comigo, tem sido os confrontos indigenas estão mais fortes e intensos... queria fazer algo, eu querendo ou não, crescendo entre eles ou não, sou um deles, esta no meu sangue — Fico feliz pela sua decisão de se envolver mais — Você e a palavra feliz não combina muito — Diz Yacamy sorrindo para ela Ambos estavam se dando bem dês do dia que brigaram com Espanto, Dark sempre buscando motiva-lô a lutar mais e acreditar mais, ela olhou para Yacamy naquele momento e fransiu a testa com uma expressão mal-humorada: — Não se empolgue com meu humor, só


faça oque deve ser feito, somos libertarios. No momento seguinte de tranquilidade deles dois sentados naquele gramado do parque foi interrompida por uma voz rouca e provocativa: — Te peguei indiazinha... Era a voz de Ferris atraz deles em pé no gramado, logo Dark tenta se levantar é e empurrada no ombro por Fernando, Diego estava com eles assim como Clark que diz: — Fiquem sentadinhos aí, que tal trocarmos uma ideia? A expressão de Yacamy muda, ele sabia que estava cercado e não poderia fazer nada, Red estava no bairro onde moravam com Vick, era somente ele e Dark ali contra os quatro, ele repara em Diego e a princípio pensa: — Esse cara me e familiar... mas não consio reconhece-lô — Diego com uma barba por fazer, de boné branco, um casaco jeans e bermuda preta, estava diferente, havia raspado o cabelo e tinha uma expressão mudada, mais ameaçadora. Dark olhou para Yacamy e para eles em seguida:


— Tem um pateta novo no grupinho dos cabeça oca é?! — Te mostrar uma coisa sua aberração! — Diz Ferris que e contido por Clark que logo em seguida responde: — Relaxa, eles vão sair de boa hoje, mas vão mandar um recado para aquele seu amiguinho Red, avisa que a hora dele ta chegando, é vou pega-lô logo, e bom que vocês sumam da nossa cidade, vocês estão em minoria agora que o negro foi preso e o outro abandonou vocês. No momento seguinte Ferris da a volta pelo lado de Yacamy, ele tinha uma expressão de maldade no olhar, quando Yacamy olha para ele, Ferris o chuta no rosto e ele tenta se defender com o braço, mas cai para o lado em cima de Dark que o segura — Nem tão de boa assim! — Fala ferris antes de sair junto aos outros, Diego e Fernando saem rindo olhando para Yacamy que os encarava com raiva, mas sabendo que nada podia fazer naquele momento


— Você esta bem? — Ele pergunta a Dark — Estou, temos que encontrar os outros, isso pode se tornar um problema — Vamos encontrar eles e lutar, vamos dar um jeito em tudo, e quando tudo estiver no lugar certo eu já sei oque devo fazer. Yacamy dizia isso com um fogo no olhar, aquilo pareceu motiva-lô — Oque você decidiu fazer Yacamy? — Vamos resolver de uma vez o crime, libertar Rick e eu irei partir para o local dos conflitos e lutarei por aqueles que prescisam!


Capítulo 5 - Noite vermelha No coletivo mais tarde eles avisam a Ayo do problema que tiveram mais cedo, Yacamy liga para Red pedindo que volte: — Você prescisa voltar Red, temos problemas — Logo estarei aí Apos isso Red desliga e se volta para Vick a convidando para ir com ele: — Venha conosco Vick, você pode nos ajudar — Tudo bem, mas não sei oque poderia fazer para ajuda-los Eles estavam mais proximos dês daquele dia que se beijaram, Vick apesar de sempre rejeita-lô, permanecia com Red — Eu não quero aproximar tanto mais, não quero nada serio com você Red — Diz ela de um maneira meio timida — Tudo bem, mas você pode estar conosco se quiser, somos amigos certo? — Somos sim, vamos ate lá Chegando no coletivo estavam animados ate encontrar Yacamy — Red, encontramos Ferris e Clark, eles mandaram um recado, eles querem pegar você


— Você está bem Yacamy? Eu vou encontra-lôs e botar eles no lugar deles, não ficara assim! A ameaça de Clark havia tido o efeito contrario, isso apenas havia mostrado maisnum motivo para permanecerem unidos e lutar contra pessoas como eles. Ayo se levanta com uma de suas mãos fechadas e um fogo no olhar como seus cachos vermelhos: — Podem contar comigo, estamos juntos nisso! — E não estamos sozinhos, Carniça, Ph e Jonny podem nos ajudar Red tinha esperança neles, no último encontro eles se mostraram indiferentes a prisão de Rick, pareciam querer mais briga do que ajudar a liberta-lô, mas nada que não fosse util na ocasião contra o inimigo atual. — Tinha um outro com eles, eu não reconheci de início, mas era Diego, o cara que você brigo no dia que retornou, ele estava diferente, a aparencia e a maneira como olhava para nós Yacamy o reconhecerá e sabia que poderia ser um problema, significava mais


pessoas aderindo ao facismo daquele grupo. — Não tem problema, lidaremos com ele tambem — Falou Red em quanto acendia outro cigarro, seguido por Dark que se levanta: — Devemos sair então, encontrar os Punks e saber mais sobre oque acoteceu com aquele indio, eu acredito que possam ter sido Clark e seu grupo que fizeram isso, depois de encontra-lôs hoje vi que o tamanho da pessoa nas filmagens corresponde ao tamanho do Ferris, temos que saber se isso e verdade, poderiamos libertar Rick e nos livrarmos deles. A motivação era evidente em todos, e pareciam ter encontrado finalmente um motivo e um caminho para consertar tudo, Vick segura a mão de Red e o olha nós olhos: — Prescisamos conversar sobre uma coisa — Você pode dizer Vick — Presciso que fiquemos sozinhos para isso Red percebera um olhar diferente e de


preocupação em seu olhar, ele sabia que havia algo de errado naquele momento — Tudo bem, vamos la fora Nesse momento Vick abaixa a cabeça e demonstra duvida. — Não prescisa ser agora, vamos sair logo, depois conversamos sobre isso. Eles se arrumaram como sempre preparados e motivados para lidar com oque fosse naquela noite, iriam novamente ao salão abandonado onde Red e Vick se conheceram, muita coisa mudou dês daquele dia, muitos problemas e conflitos, Red pensa consigo mesmo, e se perguntará se esse era o caminho certo: — Dês de que voltei muitas coisas erradas aconteceram, todos tiveram problemas, mas estamos unidos e com um ideal a frente, às vezes me pergunto se foi realmente bom o meu retorno... Logo mais no salão abandonado, dessa vez chegam juntos como um grupo forte e imponente, como sempre a música tocava ao bom som sombrio e decadente daquele lugar, tinha tudo aver com aquele mundo, era o sub-mundo abaixo daquela


realidade onde todos viviam, onde todos eram livres por um momento — Achem algo util, aqueles idiotas não devem ficar em silêncio, alguem deve saber algo, eu vou atraz dos Punks, disse para eles nos encontrar aqui. — Red fala isso e se separa dos outros — Eu vou com você, presciso ficar perto. Vick segura sua mão, ela parecia estar tomando confiança para falar com ele. Red encontra com eles, os comprimenta, eles estavam bebendo em um canto do lugar. — E ai oque queria conosco Red, ainda sobre o amigo de vocês? Carniça fala olhando para as pessoas dançando, sem dar muita atenção — Acho que podem ser alguns facistas que andam por aqui pelo centro, acredito que prescisamos lidar com eles. Jonny olha de forma empolgada: — Eu gosto da ideia Red, eu te apoio — Você ajudo o Jonny, ele nos contou, eu posso apoiar tambem, sem problemas — Apos Ph dizer isso, Carniça o olha por um


instante e depois para Jonny: — Vocês querem mesmo apoiar a briga dele? Red se manifesta afim de entender porque Carniça dizia aquilo — E uma briga de todos nós — Mostre quem são esses e podemos pensar nisso — Achei que não fugisse de uma boa briga Red sai com Vick apôs dizer isso, logo em seguida Jonny para em sua frente: — Você sabe algo não e mesmo carniça? — Relaxa garoto, se soubesse ajudaria ele, afinal ele te ajudou não e mesmo? — Carniça passa a mão na cabeça do garoto Jonny e saem atraz de mais bebida, eles beberam um bocado aquela noite, bem alcolizados, mais do que o normal, Carniça estava incomodado com algo. Vick logo mais chega a Red e pede para comversar sobre oque queria falar com ele, parecia que o álcool derá coragem a menina de cabelos azuis: — Eu não posso mais ficar com você, não devo mais sair com você


— Eu gosto de você Vick, porque quer se afastar? — Existem coisas sobre mim que você não sabe, e melhor não se aproximar mais, vai ser melhor para todos — Diga-me, talvez possa ajudar — Só me escuta, confie em mim Ela abaixa a cabeça apôs dizer isso: — Você acredita mesmo que aqueles caras cometeram aquele crime? — Teremos que descobrir isso — Peço que não os confronte então, para o bem de todos vocês Isso faz Red pensar sobre se era certo tudo que fazia mesmo, e se mais amigos dele sofressem com isso? E se ele causasse mais problemas? Ele tinha um conflito interno naquele momento, que Vick só reforçava com seus medos e insegurança, mas ele sabia que havia ido longe de mais para voltar: — Eu não posso Vick, isso foi longe de mais, se não fizermos nada eles farão, ou melhor, continuarão a fazer... — Eu entendo, presciso ir agora e não nos veremos mais Red a olhou por um momento tentando entender oque se passava com ela, e no


fim só concordou com a cabeça, ele se despediu dos outros para acompanhar menina ate em casa. — O Red esta menos presente dês da Vick, queria saber oque se passa com esses dois. Ayo fala isso para Dark e Yacamy, logo Carniça, Ph e Jonny chegam: — Olá meus amiguinhos queridos Fala Carniça em tom de deboche, ele cheira o cabelo de Ayo e põe a mão sobre seu ombro, ela sai de perto: — Você esta bebado, relaxa aí — Tudo bem, me desculpe Ele fala isso em tom debochado e faz uma reverência a ela Jonny aperta a mão de Yacamy e olha seri para ele: — E ai Yacamy, eu disse ao Red que podem contar conosco para lidar com aqueles caras — A ajuda de vocês será bem-vinda, vamos tornar esse lugar melhor — Você parece difetente sabia. Ph chama Carniça e Jonny para irem — Logo eu volto Yacamy — Jonny vai junto a eles apôs dizer isso


Eles conversam mais um pouco e Dark puxa Yacamy pela mão vai com ele dançar: — Ei Yacamy, eu não confio muito nesses caras, aquele Carniça age muito estranho, e não gosto do olhar dele — Relaxa, acho que so querem intimidar, e o jeito deles, assim como você sempre aparentando ser tão má — Espero que sim Eles se beijam e continuam na pista, Dan estava bebendo ali perto e fumando, Ayo o viu e decidiu ir ate ele, mas antes de chegar lá Carniça havia voltado e segura sua mão: — Vai aonde amor? — Fala serio cara, denovo? — Você sempre foge de mim não e mesmo? — Deixa ela Carniça — Fala jonny que e abraçado por Ph que fala em seu ouvido: — Relaxa, dês de quando conheceu esses dai você ta muito mole garoto. Carniça olha para eles sorindo em quanto ainda segura a mão de Ayo que se irrita com ele: — Me solta cara, serio!


Ela puxa a mão se soltando dele que vai atras: — Ai garota, você e muito abusada, vocês deveriam ser mais educados já que querem nossa ajuda No mesmo momento primo de Ayo entra na frente dele, Dan parecia bem incomodado, ele era alto e forte, diferente de Carniça que era bem menor e magro — Algum problema? Pergunta Dan a ele, Carniça volta com seu sorriso debochado olhando para Dan, o encarando como um louco sem se importar muito com a diferença de tamanho e força entre eles, mas logo são interrompidos por Yacamy: — Ai oque você têm cara, deixem ela em paz, vocês estão bebados demais, parem com isso Carniça sorri, olha ele de cima a baixo é e puxado pela jaqueta por Ph: — Vamos nessa carniça, deixa esses otarios para lá. Yacamy suspira por eles terem saido de lá: — Mas que merda — Relaxa, gostei de ver sua atitude, e um bom avanço — Dark olha para ele e o beija


— Vamos logo Ayo, você tambem ja bebeu muito — Me deixa tambem Dan, eu sei me cuidar. Ayo sai andando, e Dark vai atras dela: — Não saia sozinha assim — Ta tudo bem, eu vou esfriar a cabeça depois vou embora. — Vamos com você — Vocês não prescisam, fiquem e aproveitem o resto da noite, quero ficar só — Pelo menos vá com seu primo — Não, estou bem, tem muita coisa, eu deveria ter ficado ao seu lado e ao lado do Rick, talvez pudesse impedir... e dispenso os sermões dele no caminho tambem, eu só presciso ficar sozinha — ela sai andando irritada ainda Dark a olha descontente e vai ate Yacamy que pergunta: — Onde ela vai? — Deixe ela, prescisa de um tempo Ayo sai andando para ir embora, vai sozinha ate um lugar que ainda tinha onibus aquela hora, estava escuro, lampadas dos postes quebrados, mas a lua cheia iluminava seu caminho, ela


caminhava rapido, alguem a espreitava nas sombras das pilastras do predio ao seu lado, de repente algo a assusta, ela passa por carniça encostado sozinho em uma pilastra olhando para baixo com um cigarro na mão, apenas iluminado pela sombra da lua cheia, ela acelera o passo e olha ao redor, não vê ninguem atras dela, mas ao olhar para frente vê Ph em pê no meio da calçada com capuz tampando o rosto e a mãos nos bolsos do casaco, ela para e o medo toma conta dela naquele exato momento, quando ela pensa em correr na direção contraria carniça atraz dela sorri e a puxa pelos cabelos para um beco em quanto tampa sua boca com a mão: — Vou te mostrar uma coisa garota, sua vagabunda, isso vai ser para aprender a não mecher conosco mais! Ela se debate e tenta se livrar dele, Ph ajuda a segurar ela: — Oque vai fazer com ela Carniça? — Cala a boca e segura ela Jonny aparece no beco, ele estava completamente assustado: — Ai cara, vocês disseram que iam dar um susto nela só, porra eu to fora! — Ele sai correndo de lá


— Esse moleque e um frouxo, vai atraz dele antes que ele nos arrume problema Ph Ph levanta e corre atraz de jonny. Carniça rasga a blusa de Ayo que já chorava de desespero, isso chama a atenção de um carro que passava ali, Carniça ao perceber o carro parar olha para tras e vê Dan saindo do carro e correndo em sua direção com uma expressão de raiva profunda, Carniça vê isso e a unica coisa que sente e a sensação que Ayo sentirá a minutos atras de perigo, Dan era forte e grande, Carniça parecia uma criança perto dele, ele sorri e se levantade cima de Ayo quando Dan chega perto e antes de reagir e acertado com um soco e cai no chão, Ayo se levanta e olha de perto a cena, Dan sobe nele e começa a agredi-lo sem parar, havia de Carniça espirra para os lados naquele beco escuro, ate que Ayo põe a mão no ombro de seu primo e o chama: — Já chega! vamos logo, se acalma Dan. Ele levanta e a olha com sangue nas mãos sem dizer nada, Carniça estava caido no chão se afogando no proprio


sangue, cospindo os priprios dentes sem conseguir se mecher direito, Dan e Ayo entram no carro e vão embora de lá, Ph volta e ve Carniça caido no chão coberto por sangue e inconciente, ele se vira e vai embora correndo, Carniça recobrava a consciencia aos poucos, ele estava sozinho e ensanguentado em um beco sujo, sem nem conseguir se levantar, sua visão embaçada pelo sangue que corria de seu rosto, seu sorriso maldoso e debochado de sempre assim como seu olhar cheio de maldade se forá junto com suas falsas atitudes naquela noite.


Capítulo 6 - O risco pela justiça O dia seguinte eles não conseguiam acreditar no que tinha acontecido, mesmo todos sabendo que a indole de Carniça não era das melhores, eles não acreditavam que ele era capaz de ir tão longe, tanto Carniça, como Ph e Jonny havia sumido depois do ocorrido na noite anterior, todos muito quietos diante do que acontecerá. Ayo foi a delegacia com Dan, em vão, a policia relatou outros casos de roubos, furtos e brigas com o perfil de Carniça, mas não aceitaram a denuncia de Ayo, alem de insistirem em que ela não deveria perder tempo fazendo a denuncia, o ato do abuso sexual não tinha sido consumado, sem provas, sem crime a ser denunciado Os pais de Ayo assim como os tios sabendo do ocorrido insistia em que deixasse o coletivo. Ayo foi ate lá encontrar os outros para conversar sobre isso, ela estava sentada com seu primo Dan ao seu lado, de frente estavam Red, Yacamy e dark os unicos que ainda


restavam lá - Eu sabia que não podiamos confiar neles, voltamos ao mesmo nada de antes - Fala Dark com un tom de decepção - Mesmo assim nada pior aconteceu, agradeço por ter me dito para ir atrás de Ayo - Responde Dan a ela Quando Ayo saira na noite anterior Dark foi ate Dan e o alertou sobrr o risco dela ir sozinha mesmo que Ayo insistise para não a seguirem - Eu tenho que dizer que com a prisão de Rick e oque ouve ontem meus tios querem que eu vá morar com eles, não acham que estou mais segura aqui - fala Ayo com um tom decepcionado em quando punha as mãos no rosto Red se abaixa a sua frente e segura suas mãos: - Todos aqui compreendem isso, você prescisa de tempo, não será mal você voltar para casa de seus pais novamente por um tempo, não se preocupe, daremos um jeito em tudo - Ela começa a chorar e o abraça - Eu os ajudarei se prescisarem Responde Dan, ele sabia que estavam em


uma situação complicada naquele momento - E você e a Vick, sairam ontem de modo estranho, estão bem Red? - Diz Yacamy preocupado com o distanciamento de Red dos ultimos eventos - Eu peço desculpas pela minha ausencia, mas tenho coisas a lhes dizer, quis que todos estivessem juntos para isso - antes ele acende seu cigarro, e se levanta - Vick se afastou de nós, não me revelou o motivo mas se afastou, mas o importante que pela manha por falta de mais provas e sem progressos em por un fim nos conflitos com indigenas nas ultimas duas semanas temos uma chance de lidar com isso para o bem de Rick - ele respira fundo, toma folego e prossegue: - Pela manha de hoje, eu recebi uma mensagem de jonny, ele estava nervoso e confuso, ele disse que manteria a promesa de retribuir a ajuda, ele disse tambem que não queria oque acontecerá com Ayo - Você acredita nele mesmo depois


disso? - Fala Dan o interrompendo - Não confio, quero pega-lôs para que sejam punidos e não voltem a cometer crimes assim, a policia não faz nada mas se tivermos a chance deveremos lidar com eles, mas sabemos que sumirão depois de ontem - Ele da uma pausa, olha para todos - Ele revelou o assasino do indio, e provas do crime - todos se mostram surpresos, Dark o olha seriemente nos olhos: - Então nos diga logo, isso pode significar a liberdade de Rick - Na noite do crime, Jonny ainda não era proximo a Carniça e Ph, naquela noite Carniça estava junto a Ferris e Fernando, eles se conhecem! E estavam em um bar na favela proxima ao centro bebendo e usando drogas, Carniça ficara no bar já alcolizado, Ferris e Fernando sairam pelo centro para encontrar Clark, e cometeram o crime nesse meio tempo, eles espancaram e agrediram o indio que dormia em um banco pelo centro, depois de cometer o crime se encontraram novamente com Carniça e confessaram o crime a ele e a Clark, ambos falavam


muito depois de usar cocaina, mas do que deviam, alem de ficarem muito agressivos - Isso não prova muito, Carniça e esse tal de Clark sendo as testemunhas não muda em nada, nem sabemos oque aconteceu com ele depois de ontem, e seria impossivel que eles depusessem contra os companheiros - Diz Dan em quanto prestava a atenção em Red - Não prova para a policia, mas as filmagens em torno da favela, ou dentro, podemos buscar algo que mostre o rosto de Ferris, isso seria prova o suficiente - Isso e dificil de arrumar, ninguem na favela faria isso, chamaria a atenção da policia para eles, o morador ou comerciante que fizesse teria problemas com os bandidos de lá, e alem do mais não deve ter muitas cameras em um lugar assim - Refuta Yacamy sobre a eficacia do plano - Talvez exista um jeito, existem dois lugares em frente aquela comunidade, uma madereira pequena e um frigorifico, ambos possuem cameras - ele olha para baixo pensativo - Oque você pretende Red? - pergunta Ayo com um tom preocupado


Ele a olha, em seguida olha para todos os outros: - Eu vou invadir a fabrica, roubar as filmagens, deixar eles denunciarem a invasão e enviar para a policia de forma anonima, a fabrica não sera culpada então ficara livre de represalhas do trafico local, e a policia terá as provas do crime Por um momento todos mantem o silencio, em seguida Yacamy ri: - Cara, você e muito louco! Sabe que isso vai dar merda né? - Não saberemos se não tentarmos, parece loucora, mas isso pode dar certo, e se der merda que dê - ele sorri no final apôs falar isso - Então pode contar que estarei com você! Dark põe a mão no rosto e olha para ele como se não acreditasse nesse plano: - Deixa eu ver se entendi, o plano de vocês e cometer um crime para provar que o amigo de vocês não cometeu um crime? Yacamy da um sorriso meio sem graca e põe a mão atras da cabeça: - E... basicamente isso


- Você falando assim faz parecer meio idiota - Eles dois se olham e riem - Impressionante vocês dois - Diz Ayo com um sorriso meio sem graça - Vocês podem contar comigo, eu levo e tiro vocês de lá com o carro - Fala Dan um pouco mais serio ao se levantar - Afinal, isso tamem torna a Ayo um alvo, assim como eu mesmo - Nisso vocês tem razão, e no fim das contas se der certo resolvemos dois problemas de uma vez - Diz Dark apôs ver que talvez essa fosse a unica opção deles Nesse mesmo momento em outro lugar da cidade estava Vick chegando a casa de sua Tia onde fora criada, ela parecia angustiada com algo, estava em pé em frente a Tv vendo sua tia assistir o jornal falar sobre mais crimes e violencia, fazia um tempo que ela não voltava lá, quase des de quando se mudou para casa de sua mãe, o jornal agora falava novamente sobre os confrontos e mortes, as pessoas não acreditavam na culpa de Rick, outros conservadores se conformavam com a culpa que o jovem rapaz recebeu, ela não gostava de jornais, isso a entristecia dizia ela, logo a voz da Tv e interrompida pelo


seu primo que foi criado com ela entrando pela porta da sala se surpreende ao ve-lâ: - Vick! finalmente apareceu, acredito que temos muito oque conversar - Falou seu primo Ferris olhando para seus olhos que quase que um momento se encheram de lagrimas Eles foram para o quarto conversar sem que sua tia pudesse escutar. - Eu sei que você está andando com aqueles vagabundo, eu a vi com eles no dia do protesto - Ferris estava coberto de odio em suas palavras - Minha vida não e da sua conta, você os chama de marginais e vagabundos, mas você quem cometeu um crime aqui - Sobre oque você esta falando? Vick não sabia a verdade, mas prosseguiu assim mesmo: - O crime que esta nos jornais, você e seus amigos mataram aquele indio! - Quem disse isso para você Vick? - ele anda ate ela e a segura pelo pescoço a pressionando contra a parede - Foi aquele seu namoradinho não e? Eu vou acavar com ele! Ela o empurra: - Me solta seu idiota! você quer que eu


fale oque você fez para todos? - Ninguem acreditaria em você! - A policia poderia não ter provas, mas como seus pais lidariam? - ela sorri com maldade por ver a expressão de Ferris de preocupação - E oque a nossa familia diria sobre você com eles? Eu te envolvo nisso se você abrir a boca! - Oque você quer Vick? - Eu não os encontrarei mais e quero que você e seus amigos deixem o Red e os amigos deles em paz. - O Clark nunca aceitaria isso! - Ele fervia de raiva nesse momento já, mas nada podia fazer contra Vick. - Dê seu jeito! - Vick sai pela porta batendo-a com força O momento de agir tinha chegou, Red havia descoberto sobre a fabrica com um amigo que trabalhou lá, ele sabia onde ficava a sala de segurança, as chaves e que por se tratar de um lugar pequeno não tinha tanta seguraça, ele e Yacamy iria entrar em quanto Dan esperava em uma rua proxima com seu carro. Havia um segurança no patio e um nas


cameras, ambos não tinham armas, a ideia era simples, eles revezavam entre eles na ronda e na vigia das filmagens, nesse tempo a ideia era entrar na troca deles, pelo portão dos fundos que era mais baixo, em seguida, quando un guarda fosse fumar em uma janela que dava para o patio durante o turno nas cameras, Yacamy iria chamar sua atenção quando o outro estivesse longe, tirando sua atenção de lá em quanto Red entrava e pegava o pen-drive com os videos, não queriam ferir eles, mas caso ele não fosse atras de Yacamy, Red o apagaria. De inicio entraram sem problemas, eles vão com cuidado evitando as cameras ate a sala conferir se tudo estava certo para o plano, mas chegando lá Red vê a porta fechada, e ao olhar pela janela lateral vê que não havia ninguem dentro da sala. Nesse momento Red decide mudar o Plano: - Ei Yacamy, vai descobrir onde estão esses caras, chama a atenção deles, e vou derrubar essa porta, o alarme vai ser acionado e você cai fora daqui, depois que eu pegar o pen-drive saio fora


tambem - Red sabia do risco mas faria assim mesmo Yacamy sai para encontra-lôs, logo ele os vê proximos a um dos muros fumando e conversando. - Que merda, eles não trabalham não? pensa Yacamy ao ve-los. Ela fala com Red pelo telefone para prosseguir, ele chama a atenção de ambos e corre, nesse momento Red passa pela porta e o alarme e acionado, um dos guardas volta na direção de Red, Yacamy despista o outro e sai sem problemas Red acha o pen-drive na hora de sair se vê encuralado por um guarda, ele corre na direção dele e o derruba, e continua correndo na direção da entrada da frente, la ele passa por um portão de ferro fazendo o guarda perceber que ele havia pego suas chaves ao passar por ele, Red sorria para o guarda com as chaves dele em suas mão, mas ao se virar e acertado com uma arma no rosto e cai desmaiado. Logo ele acorda dentro de uma casa de madeira, tinha alguns homens em volta dele armados, um deles sem camisa


tatuado parecia ser o lider se aproxima: - Você sabe quem somos?! A fabrica nos paga e apoia não envolvendo a policia, em troca lidamos com problemas como você, mas você não tem cara de quem queria roubar aquele lugar, oque você estava fazendo lá? Red sorri ai perceber onde estava, ele estava dentro da favela que tinha ao lado - Ele ta sorrindo, e serio isso? Ou você e muito idiota ou tem um motivo muito bom para isso - Diz o traficante apontando a arma para ele Red toma folego, meche o pescoço para relaxar um pouco e começa: - Vocês sabem sobre o crime do indio que foi morto no centro? Bom, a pessoa que foi presa pelo crime e inocente, e oque eu vim buscar aqui pode provar isso! - Eu sabia ! - Exclama alto um dos traficantes no quarto - Quando vimos isso no jornal eu disse para vocês que era armação daquele racista vagabundo do policial Soriano! Isso surpreende Red, mas tambem o deixa aliviado - Conhecemos o policial que prendeu seu amigo, pagavamos ele para nos


deixar em paz ate ele nós trair, como pretende livrar seu amigo? - Pergunta o lider do bando com uma expressão de desconfiança - As filmagens, o pen-drive que peguei na fabrica, elas mostram o rosto do culpado que aparecia no video mostrado na imprensa, e um racista pseudo-nazi que veio aqui no dia do crime - Red explica oque acotecerá ate lá e seu plano para pegar o pen-drive afim de convencelos que era verdade. No fim o lider daquela favela o olhava analizando Red, ate que ele começa a rir de Red o deixando sem graça e com receio do que viria a seguir: - Ai vagabundo, que merda de plano ruim esse seu em, soltem ele, eu vou ver as filmagens, se você estiver falando a verdade vou ajudar você lhe entregando as provas que prescisa. Como dito por Red, as filmagens mostravam Ferris de frente com a mesma roupa e Fernando ao seu lado, diferente das filmagens anteriores que não mostravam o rosto do culpado, as filmagens eram do mesmo dia que o crime acontecerá, os bandidos soltaram


Red com a promessa de entregar aquilo para a policia, isso ferraria com o policial Soriano, libertaria Rick e a policia iria atras de Ferris e Fernando. No fim tudo havia dado certo, enviaram de forma anonima o video para a policia que divulgou e libertou Rick alguns dias depois, o policial Soriano que já era investigado, perdeu o cargo e foi preso por forjar falsas provas, Rick estava de volta em casa e a policia emitiu mandado de prisão para Ferris e Fernando. Vick estava em casa quando saiu no jornal o rosto de seu primo na Tv, a policia não o encontrou e decidiu emitir o rosto para informações, nesse momento chega uma mensagem para ela de Ferris que dizia: - Seu namorado esta morto antes deu fugir ou ser pego!


Capítulo 7 - Despedida Já se passará 3 dias dês do retorno de Rick, finalmente as coisas pareciam estar se ajustando ali, Ayo havia ido morar com seus tios, nada que os distanciase tanto, moravam no mesmo bairro, tanto ela como Dan haviam crescido ao lado de Rick, Dan finalmente se aproximou mais do grupo de amigos dela depois daquele dia, quando saiam de lá mal acreditavam na historia que Red havia contado, Yacamy havia pedido que Red fosse com ele ate o coletivo. Chegando lá ele diz que havia um anuncio a fazer: - Bom, eu nem acredito que estou fazendo isso, mas depois de tudo que aconteceu eu decidi ir ate a reserva indigena e ajudar durante os conflitos e buscar saber mais sobre mim, afinal antes deu ir parar em um orfanato aqui no centro eu nasci lá, então ach que e uma despedida - quase todos um pouco surpresos com isso, mas o apoiaram - Eu fico feliz pela sua decisão - diz Dark ao abraça-lo


Todos os demais tambem dão palavras de apoio e incentivo a ele, seria um momento dificil para Yacamy, foi uma luta, o jovem que nunca ligou para nada estava partindo para ajudar a muitos - Fique pelo menos ate o final de semana, iremos sair para comemorar o neu retorno - falou Rick que quase chorava com a noticia - Desculpe, isso requer urgencia, há pessoas em perigo lá - Fala Yacamy com um tom mais triste de voz em quanto olhava para seus proprios pés - Entendemos - Rick o abraça, ja se passaram muitos anos des se quandocse conheceram Red os olha com um cigarro na boca e sua cara de mau: - Vai logo garoto, antes que eu tenha que ir ate la com você dar um jeito nisso tudo Yacamy sorri: - Eu sei que você tem essa marra toda e mal-humor, mas vai sentir minha falta, fique bem e vê se não some denovo, cuide deles. Dan os leva ate a rodoviaria de carro, Red e Dark foram juntos para de despedir. Eles o veem partir, Dark se mostrava


indiferente mas parecia sentir algo sobre isso no fundo - Só não de um tiro na propria cabeça por gostar de alguem - Diz Red em um tom de brincadeira ao ver sua expressão de incomodo - Cala a boca, isso foi necessario, i eu fico melhor sem ter que ficar cuidando de ninguem - Ela fecha novamente a cara e entra no carro Red sai de lá e volta para a casa de Yacamy, ele havia concordado em cuidar do lugar ate o dia que Yacamy retornasse, logo em quanto abria a porta ele ouve uma voz atras dele: - Prescisamos conversar, creio que lhe devo respostas. Ele se vira e vê Vick atras dele, ele trava como se tivesse visto um fantasma, e a abraça logo em seguida: - Entra, eu senti sua falta Eles entram, Red lhe conta tudo que havia acontecido nos ultimos dias, eles conversam por horas, ate que um momento Vick o beija e diz que o ama e prossegue: - Eu tenho que te contar um segredo, o dia do protesto, e os demais dias junto a


todos, eu agi daquela maneira e fui embora porque conheço o ferrir - suas palavras saiam em un tom de medo e tristeza - eu não espero que me perdoe por lhe contar isso, mas ele e meu primo e fomos criados juntos, eu não podia arriscar tudo Red a ouve em silêncio, apenas a observava, por dentro ele sentia um misto de confusões e duvidas sobre aquilo ate quebrar o silencio: - Eu tambem a amo, e se você esta aqui e porque escolheu um lado por mais dificil que tenha sido - ele segura sua mão, mas ela recua timidamente e prossegue: - Eu vim lhe avisar que ele prometeu se vingar de você antes de fugir do estado, eles irão atras de você, você prescisa partir Red abaixa a cabeça e levanta novamente olhando em seus olhos: - Desculpe, isso não vai acontecer, se vierem ate mim iremos enfrenta-los juntos! Eu não posso abandonar meus amigos novamente, eles são oque eu procurava o tempo todo, no fim estava aqui, juntos lidamos com um crime, com o preconceito e pessoas ruins,


resolvemos tudo e daqui para frente lutaremos lado a lado, você estava certa, e por mais que tenha acontecido tanta coisa ruim, alguns se mostrassem diferentes daquilo que imaginassemos, permanecemos unidos e cuidamos de tudo, é e assim que vai ser. Ela sorri, o abraça e diz: - Então eu estarei ao seu lado, não terei mais medo de nada disso, lutarei ao seu lado e juntos cuidaremos de tudo. Eles se beijam e passam o resto do dia ali, no fim tudo estava dando certo para Red, ate mesmo a partida de Yacamy significava algo bom, seu amigo deixará de ser uma pessoa descrente e decidirá lutar, a pessoa quem ele amava decidiu enfrentar seus medos e receios e lutar ao seu lado, e seus amigos estava novamente juntos. Sons de ambulancia rompem o silencio da noite, dias antes de tudo aquilo, no dia em que Ayo fora atacada, naquela noite fria onde o sangue de Carniça quente naquele beco havia esfriado, ele tentou se levantar e sair do beco onde Dan o tinha pondo fim em suas atrocidades, caindo


novamente na rua em frente algumas pessoas o veem caido e ligam para emergencia, hoje depois desses dias todos se passarem ele acorda em um hospital publico ainda ferido e sem um nome e aos poucos começa a se lembrar do acontecerá naquela noite fria. O final de semana havia chego e todos decidiram sair para comemorar a volta e liberdade de Rick, foram para uma praça que costumava ficar movimentada, ate Ayo naquele dia decidiu ir junto, seu primo Dan havia pedido a seus pais que deixasse ele levar ela com a condição que ele iria ficar ao seu lado e cuidar dela a noite toda, eles não podiam ser culpados por pensar assim, ele não conhecia o quão forte aquelas garotas eram, e haviam ficado apavorados com oque aconteceu com ela. - Obrigado Dan, se não fosse você não poderia ter vindo e nem estaria aqui, você e o melhor primo do mundo - ela o beija no rosto e abraça feliz - Não me agradeça, você e minha familia, e se eles são sua familia tambem então você merece estar aqui, eu fico feliz


de conhecer melhor seus amigos tambem - Ei primo Dan, nos que ficamos por você estar conosco, eu vou te pagar uma cerveja, cara você confiou em todos aqui e ajudo a me libertar, você e o melhor disse Rick tirando um sorriso timido dele Agora era assim que todos o chamavam, primo Dan, o gigante que cuidava de todos, apesar do tamanho Dan era um jovem bem gentil e atencioso, sempre muito protetor com sua prima A noite prosseguiu, eles bebiam, dançavam, riam, estavam felizes por tudo ter dado certo no final, todos compreenderam oque Vick havia passado, Red mostrava algumas bandas para Dan. - Ei cara isso e curioso, como vocês conhecem tudo isso? Algumas tem um som legal ate - dizia Dan surpreso - Isso e som de verdade, vai por mim Logo são interrompidos por Ayo que chegava empolgada: - Ei, ei caras, se posicionem ai, vamos tirar uma foto todos juntos para mandar pars o Yacamy se lembrar de nós todos ela entrega a camera na mão de um vendedor que estava ali e corre para sair


na foto Tudo que aconteceu no ultimo mês havia unido eles como nunca em todos anos antes, estavam como uma familia feliz, laços de confiança e fé uns nos outros haviam se fortalecido. - Eu presciso ir ao banheiro - diz Dan que se demonstrava apertado - Não tem nenhum banheiro aqui, fala serio - Rick reclama em tom descontente olhando ao redor - Isso e uma boa ideia sabia? - fala Red deixando Rick sem entender, mas ele prossegue - Pode ser nossas proximas colagens, concientização por mais banheiros publicos em locais como este, deixe nossa cidade mais limpa - Cara, dessa vez não vai rolar, to muito apertado, vou em uma rua dessas mesmo fazer na rua - fala Dan em quanto se segurava, Ayo vai ate ele e o beija no rosto: - Volta logo para comermos algo, estou com fome Dan se levanta e vai a uma das ruas proximas dali, uma rua deserta onde ninguem pudesse ver e não incomodasse ninguem, ele confere se não há ninguem


proximo e entra em um beco entre um predio e uma casa que parecia abandonada, logo apos terminar ele se depara com uma figura na escuridão do beco de capuz: - Ai doidão, tava me espiando? - a pessoa nada responde a Dan - Ai cara falei com você, tem que respeitar as pessoas sabia? Não pode ficar por ai espiando elas em quanto urinam, cara doido. - quando Dan se vira para ir embora a figura sai da sombra do predio revelando seu sorriso maldoso com alguns machucados no rosto ainda, Dan ao ver isso percebe quem era, Carniça ainda muito machucado vai em sua direção, antes que Dan reagisse ele o atinge com uma faca na barriga, em seguida outra e outra vez, ele continua ate Dan cair no chão, ele desfere oito golpes de faca no total em Dan e foge do local do crime, algumas pessoas veem Dan no chão, uma mulher grita e chama a atenção de mais pessoas, Ayo e os demais escutam e correm até la, ao ver a cena de seu primo no chão Ayo desaba, ela cai no chão e chora, Vick e Dark a seguram, ele ja estava morto naquele momento, algumas testemunhas


descrevem um rapaz com as caracteristicas de Carniรงa no local, Red e Rick andam pelo lugar sem muito sucesso em encontra-lo, ele havia se vingado e fugido de lรก, provavelmente nunca mais o veriam.


Capítulo 8 - Última noite de novembro Naquela noite onde tudo parecia bem, na verdade estava acabado, não para todos, mas para Dan, o Luto tomou conta de todos eles, Carniça havia se vingado e fugido, Rick não se conformava, Red apenas mantia o silencio, a historia tomou um rumo que nenhum deles esperava, mostrava que não estavam seguros, que pessoas ruins existem e a realidade e fria e cruel pelas ruas da cidade, noites banhadas em sangue definiram o destino de um deles, os jornais noticiavam a morte de Dan não como um assasinato por vingança, mas como uma briga de gangues no centro, Dan sempre foi uma boa pessoa e no fim foi tratado como um marginal por pessoas que de nada sabiam, pela policia e pela midia, sua cor de pele definiu o julgamento feito sobre ele, definiu sua culpa como muitos outros todos os dias recebem um julgamento por sua cor, genero ou origem. Alguns dias passaram e eles iriam lutar para mudar a imagem que tinha sido criada de Dan, no coletivo faziam mais


material para espalhar nas ruas e tentar mudar ou criar alguma ideia sobre a realidade que algumas pessoas viviam ou tinham que lidar. - Mas que merda, deveriamos estar lá! O pior que estavamos e nada fizemos - Red quebra o silencio e demonstra sua indignação com tudo que estava acontecendo Vick vai ao seu lado entnta anima-lô: - Não poderiamos ter feito nada Red, vamos nos unir e proteger uns aos outros, ainda podemos ter problemas pela frente, como disse, vocês mesmos são tudo que prescisam para mudar a realidade de um lugar - Você esta com um ar diferente, isso e bom, você tem razão, eu só presciso sair um pouco para esfriar a cabeça, muita coisa acontecendo em pouco tempo - Eu vou com você, tambem presciso esfriar um pouco a cabeça - fala Rick meio desanimado e de cabeça baixa - Tudo bem, vou acompanha-lôs, só presciso ir em casa antes, e você Dark? pergunta Vick - Vou na casa da Ayo ficar um pouco com ela


Os confrontos indigenas estavam cessando naquela epoca já, a tensão so se mantia por Ferris ainda estar foragido, em outros lugares pessoas decidiram apoiar a causa por limpar a imagem de Dan, isso dividia as pessoas, pessoas diferentes e alternativas estavam sendo marginalizadas cada vez mais, o sistema estava em cima de todos eles, era cobrada uma solução para tudo aquilo que havia acontecido nos ultimos tempos, dois assasinatos envolvendo pessoas diferentes, a verdade que ninguem queria saber quem eram ou oque faziam, descriminavam por suas diferenças, mas a luta persistia, no fim das contas nunca tiveram ninguem ao seu lado alem de si mesmos. Red conversava com Rick, seu odio lhe consumia: - Estou cansado de lidar de modo tão passivo com tudo isso, talvez devessemos ir atras e enfrenta-los, fazer oque deve ser feito - E nos tornarmos iguais a eles? defendemos oque e nosso e lutamos para tornar melhor - As vezes a vontade e de ir atras deles e


resolver tudo de uma vez, talvez coisas assim não tivessem que acontecer - Você não pode evitar vitimas iniciando uma guerra Red, o pouco tempo que estive na cadeia vi o quão todos são traiçoeiros lá dentro e sem esperança, isso deve mudar, eu não quero estar lá de novo. - Não se preocupe irmão, eu compreendo. Red sabia da verdade, ele apenas estava tomado por raiva. Isso só tornaria tudo um ciclo sem fim, daria razão a tudo que diziam sobre eles. Eles saem para encontrar Vick ali perto, iria se distrair, Red como sempre estava acendendo um cigarro, mas nervoso do que o normal, estava muito pensativo - Você vai acabar morrendo de cancêr antes de dar um jeito no mundo assim meu amor - fala Vick ao chegar - Vocês tambem fumam - Tudo bem, vou partir com você quando for então, me de um cigarro tambem - ela tira o cigarro da boca dele ao dizer isso - Vamos logo, deixem para morrer lá, estou morrendo de frio, como consegue estar de camiseta - diz Rick em quanto passava as mãos nos braços


Red estava apenas com uma camisa branca sem mangas com a foto de Gitane Demone estampada: - Cigarro ta me aquecendo, estou bem assim Eles foram para um lugar proximo, um pouco longe de lugares cheios, tinha um barzinho apenas com algumas pessoas, era uma quinta-feira fria e estava no ultimo dia do mês, apenas queriam tirar um pouco do estresse de tudo que acontecerá Apesar disso conforme se acalmava, Red ainda mantia sua fé nas pessoas: - Eu ouvi falar sobre um grupo de jovens em uma cidade do lado que tem bastante atitude, ouvir dizer que estão criando um coletivo para lidar com problemas na cidade deles - Acha que eles podem ajudar? pergunta Rick - Eu apoio, se você acredita deve ajudar Vick segurou sua mão - Você e uma inspiração Red, sempre busca continuar a defender e lutar por mais que pareça dificil - Sim podem ajudar, as coisas tem mudado, muitos grupos tem surgido, mas


pessoas ruins e mais pessoas boas, a Dark me conto sobre um outro grupo formado por mulheres, sempre que existir preconceito e violencia, existira resistencia para combater, e nos somos parte disso tudo - Red respira fundo - Um passo para isso e preservar a memoria do primo Dan, vamos lutar para combater a marginalização dele e a nossa. - Fico feliz de estar conosco - Rick põe a mão em seu ombro - você e um verdadeiro irmão para mim - E, seu irmão aqui prescisa comprar cigarros que acabaram, esse papo exige isso. - Red se levanta da cadeira passa a mão no cabelo de Rick - Eu volto logo - Eu vou com você, não quero que vá sozinho - Vick se levanta e o abraça por traz pondo seu rosto de modo carinhoso nas costas de Red, isso o faz sorrir: - Só você mesma para me fazer sorrir nessas horas


Eles saem ate o bar proximo dali, logo chegam, estranhamente estava meio cheio agora, oque não deveria ser normal pelo dia, cadeiras pro lado de fora e outras dentro, alguns carros em frente, Vick aperta sua mão e olha em seus olhos: - Eu vou te esperar aqui, tem muita gente lá. Ele a beija e atravessa a rua, compra alguns cigarros, nenhum conhecido no local, ele vai ao banheiro logo em seguida, aquele bar ja era conhecido dele, costumava parar ali com Yacamy quando eram novos, não estava muito tarde aquele dia, ele pensava em Vick ainda, antes de sair do bar ele a procura do outro lado da rua e a vê em pé olhando em sua direção, mas sua expressão mudara, de tras de uma arvore onde ela estava encostada sai seu primo Ferris e a segura pelo pescoço, Red corre em sua direção, e ao sair da calçada Clark sair de tras de um carro grande e tenta acerta-lo, ele desvia mas logo em seguida e acertado por Fernando que vinha atras dele Red cai no chão e vê Diego de seu outro lado, Vick tenta se soltar para ajuda-lo, mas Ferris a segura, Red esta caido no chão recebendo


chutes de todos os lados em quanto se defende com os braços, nesse momento ele pensa: - Então e assim? Assim que eu termino? ferrado por um monte de idiotas como esses caras, será então que no fim das contas eu estava errado? - Não, naquele momento outro pensamento veio em sua mente, os olhos de Vick, aqueles olhos dourados, a primeira vez que ele viu a tão pouco tempo e mesmo assim parece que os conhecia por toda sua vida, pensamento estranho para um momento desses, ele pensava em seus amigos tambem, a adolescencia com Yacamy e Rick, o momento que conheceu os outros, Red sentia o gosto do sangue em sua boca, sua visão embaçada por mais sangue que escorria pelo seu rosto, sua costela doia, talvez algum deles tivesse quebrado alguma com um dos chutes furiosos, mas a adrenalina supria sua dor. - Vick! Na frente dela? Eu não vou morrer na frente dela, não hoje, não agora, e impressionante, passa tanta coisa em nossa cabeça quando estamos na merda Nesse momento uma garrafa quebrada atinge o rosto de Fernando em cheio


rasgando seu rosto e espirrando sangue no carro ao seu lado, ele cai no chão para traz com a mão no rosto, Red tenta ver quem e mas o sangue em seu rosto impede, Diego olha para o lado é e acertado com um soco o fazendo recuar. Ele passa a mão no rosto e limpa o sangue dos olhos, a primeiro momento ele pensa ser Rick, mas vê Rick vindo do outro lado indo para cima de Clark, ele vê as pessoas na rua correndo assustadas, outras de dentro do bar olhando a confusão, quando ele percebe quem era vê Jonny, seus olhos procuram o resto dos amigos de Jonny por um instante e não ve ninguem, quando seus olhos retornam a Vick ela estava no chão, Ferris a empurrou e corria furioso em sua direção, Red se levanta e sente sua costela doendo, eles começam a brigar, Red acerta ele, mas tambem e acertado, ele estava levando a pior por ja estar ferido e cai no chao com Ferris, Rick estava batendo em Clark, Jonny não estava se dando muito bem com Diego, Red consegue segurar Ferris pelo pescoço ficando de costas para Diego que consegue derrubar Jonny e puxa uma


arma, no momento Vick corre em direção a Red quando Diego dispara a arma e acerta Vick que entra na frente é e atingida caindo no chão no meio da rua, por um instante todos param, Red se vira e a vê no chão, Diego parecia desesperado apontando a arma para ele, Red corre em sua direção é ele dispara novamente acertando Red, Jonny o derruba e Red continua ate em cima dele e começa a bater nele descontroladamente, Clark foge assim como Jonny, Ferris estava desmaiado e Fernando tenta se levantar e cai com o rosto sangrando bastante ainda, Red volta seu olhar para Vick caida no chão e tenta ir em sua direção, mas cai de joelhos no meio do caminho, sua camisa branca estava ensanguentada, ele põe as mãos no chão e começa a cospir sangue enquanto sua visão começa a se embaçar, a bala perfurou seu pumão, o ar lhe faltava depois da investida para impedir Diego, Clark não foi muito longe, foi logo pego pela policia que chegou lá, Red faz seu ultimo exforço e consegue se aproximar mas desmaia ao lado de Vick.


Dias depois Red acordava no hospital com a noticia de que Ferris e Fernando foram presos pelo crime ao indigena, Vick não chegou viva ao hospital, e Diego foi preso pelo assasinato dela e os demais receberam a pena de cumplices pelo crime. Em tão pouco tempo eles haviam perdido duas pessoas de suas vidas em uma luta pela verdade e a defesa de minorias nas ruas daquela cidade, a noticia se espalhou por todo o país, a morte de Dan foi considerado um crime de odio por muitos, o corpo de Ph foi achado em uma praia afogado, os jornais diziam que ele havia se matado, estava sendo procurado pela policia pelos crimes que cometeu com Carniça, antes de partir havia digo sobre Carniça ter fugido para fora do estado e o garoto Jonny voltado para a casa dos pais e abandonado tudo aquilo. Acima de tudo, oque aconteceu ali se espalhou por coletivos e lugares afora, diziam que o grupo de jovens havia libertado um jovem negro preso injustamente solucionando o crime e pondo na cadeira um policial racista que


havia forjado falsas provas e um grupo supremacista, foram vistos como dando suas vidas e lutando contra o preconceito e o odio, pessoas se motivaram com a verdade apesar da policia ainda insistir em tudo sendo brigas de gangues e que iria combate-los. Dark foi embora para o lugar que havia dito se juntando a um grupo de mulheres para lutar pelos direitos das mulheres e a comunidade lgbt, apĂ´s a morte de Vick, Red foi embora novamente, ele sumiu do mapa, seus amigos entenderam que aquela era apenas sua maneira de lidar com o luto, sobraram somente suas historias pelo submundo que ninguem vĂŞ de pessoas que lutam todos os dias para tornar tudo melhor lĂĄ fora nas ruas e mesmo assim sĂŁo vistas como marginais e degenerados. Fim.


Profile for Billy Creep

RED — O SANGUE QUE TE DEFINE  

Gritos rompem a silêncio na escuridão, gritos de desespero seguidos de sangue daqueles que mais prescisam de ajuda, mais uma morte na cidade...

RED — O SANGUE QUE TE DEFINE  

Gritos rompem a silêncio na escuridão, gritos de desespero seguidos de sangue daqueles que mais prescisam de ajuda, mais uma morte na cidade...

Profile for goth1978
Advertisement