Issuu on Google+

II EMCN: O evento que fez

jus ao tema “Representatividade DeMolay” contou com muitas novidades. Página 07.

GABINETE NACIONAL

LIDERANÇA JUVENIL SUPREMO CONSELHO DA ORDEM DeMOLAY PARA O BRASIL

John Vaz: O Maçon, ator e

diretor de teatro concedeu uma entrevista a nossa Revista, confira! Página 13.


Concurso Nacional de Redação Gabinete Nacional da Liderança Juvenil

Em breve mais informações no site do Gabinete Nacional da Liderança Juvenil.

www.liderançajuvenil.demolay.org.br


Sumário

04 - Alberto Mansur e as Filhas de Jó 06 - I Fórum de Líderes - PI 07 - II Encontro Macrorregional Centro-Norte 09 - Literatura na Ordem DeMolay 12 - Dia das FDJ no Rio de Janeiro 13 - Entrevista: John Vaz 17 - Cicloturista Matrogrossense 18 - Divulgue o seu Capítulo 19 - O GNLJ recomenda para você 20 - Palavra do MCN Assessoria Nacional de Comunicação Diagramação: Luis Gustavo Cordasso Textos: Chris Torres, Mário Coppini, Maycon Corazza, Nelson Zuchi, Ludmila Canabrava, Mateo Scudeler. Agradecimentos: Jorge Possetti, Nerso Zuchi, Francisco Armínio. Edição 04 - Ano 2013 Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil

FEVEREIRO | MARÇO

03


Alberto Mansur e as Filhas de Jó

A Filhas de Jó Internacional é uma organização paramaçônica que se destina a meninas entre 10 e 20 anos de idade, com foco no aperfeiçoamento do caráter. A Ordem foi fundada em 1920, na cidade de Omaha, Nebraska, Estados Unidos, e atualmente se faz presente também no Canadá, Austrália, Filipinas e Brasil. Foi trazida para nosso país em 1993, pelas mãos do mesmo grande entusiasta da família maçônica que foi o fundador da Ordem DeMolay: Alberto Mansur. Desde 1980, a Ordem DeMolay no Brasil encantava jovens meninas que assistiam suas cerimônias públicas, o que gerava um sentimento nessas garotas sobre a necessidade de haver também ambiente semelhante para meninas. Em uma das cerimônias públicas, Tio Mansur deu o passo inicial para a fundação de uma Ordem feminina no Brasil; comentou com algumas presentes que havia uma Ordem paramaçônica para garotas nos Estados Unidos, denominada, àquela época, de 04

Ordem Internacional das Filhas de Jó. Desde então, reuniões foram feitas com muita frequência para que a fundação no Brasil pudesse se realizar. Os encontros preparatórios ocorriam no Supremo Conselho do Grau 33 da Praça Seca, no Rio de Janeiro, e eram momentos nos quais as meninas tinham acesso à Ordem através de panfletos das Filhas de Jó Internacional. Tio Mansur era o grande articulador da ideia e, então, dirimia todas as dúvidas das meninas que a ele fossem postas. Após muito trabalho, no dia 13 de Março de 1993, no Rio de Janeiro, foi fundado o primeiro Bethel do Brasil, com 64 meninas iniciadas. Essas primeiras Filhas de Jó, de todos os lugares do Brasil, eram, em sua maioria, parentes dos maçons filiados ao Supremo Conselho do Grau 33 ou irmãs de DeMolays. As garotas que não tinham o parentesco maçônico, que é exigido para o ingresso na Ordem feminina, foram apadrinhadas pelo Tio Mansur, que assinou as

petições de todas em seu nome. Na Instalação, estiveram presentes dez Grão-Mestres e muitas outras autoridades maçônicas, que ficaram surpresas com mais está inovação chegada ao Brasil. Apesar de sua imensa contribuição para a Ordem, Tio Mansur nunca fez parte de nenhum Conselho Guardião, o que de forma alguma não o afastou de dedicar-se imensamente em prol dos trabalhos das Filhas de Jó. A tradução do ritual, por exemplo, foi fruto de trabalho do Tio Mansur e de um grupo selecionado por ele para ajudá-lo. Além disso, Alberto Mansur era figura respeitada e prestigiada pela comunidade maçônica do Brasil e, principalmente, pelo Supremo Conselho; como prova dessa admiração, a Suprema Guardiã da época sugeriu que ele indicasse a primeira Miss Filha de Jó do Estado do Rio de Janeiro, para que ela pudesse representar o Brasil na Suprema Sessão (internacional) e no concurso de Miss Filha de Jó Internacional, realizados nos Estados Unidos. Nos primeiros anos em nosso país, as novidades eram tantas que houve inclusive uma pequena confusão quanto à idade correta para que a Filha de Jó se tornasse Membro de Maioridade, pois como Tio Mansur era muito próximo dos DeMolay’s, acabou seguindo a mesma idade da maioridade da Ordem DeMolay (21 anos), já que os regulamentos das Filhas de Jó ainda não eram bem consolidados no Brasil. Assim, desde a fundação, Ordem DeMolay e Filhas de Jó Internacional sempre estiveram muito próximas, não só pela herança maçônica que as une, mas

FEVEREIRO | MARÇO


Alberto Mansur e as Filhas de Jó Dad Mansur ainda dedicou mais do seu tempo para trazer também a Ordem Estrelas do Oriente para o Brasil, podendo ser dito, portanto, que é ele o pai, entusiasta, e difusor da Família Maçônica no Brasil. Alberto Mansur partiu, mas para sempre deixará sua importância registrada nas páginas

FEVEREIRO | MARÇO

da história e na vida dos milhares de jovens, meninos e meninas, que ele ajudou a mudar. Graças a ele, a Família Maçônica consolidou-se no Brasil e, atualmente conta com aproximadamente 4.500 Filhas de Jó Ativas, e muitos Betheis. Em outubro de 2012, no primeiro Congresso Nacional

(Brasileiro) das Filhas de Jó Internacional, foi realizada uma bela Cerimônia de Saudade, em homenagem a Dad Alberto Mansur; uma demonstração de carinho, gratidão e respeito por esse pai que nos permitiu sermos Irmãs, Irmãos, Primos e Primas. Por: Ludmila Canabrava

05


Fórum de Líderes - PI Nos dias 12, 13 e 14 de abril, a cidade de Parnaíba, litoral do Piauí, foi sede do 1º Fórum de Líderes Piauiense! O encontro, dedicado à discussão de diretrizes e metas, à realização de atividades da Ordem da Cavalaria, à confraternização e à comemoração dos cinco anos do Capítulo anfitrião, Valdir Edson Soares, nº 654, contou, dentre tantos participantes, com a presença dos Irmãos Mateo Scudeler (MCN) e Yan Walter (MCN-A), Francisco Armínio (MCE-PI), Tio Marcelo Leal (GME-PI), e muitas outras autoridades DeMolay’s e Maçônicas. Durante a tarde de sábado, dia 13, foi realizada reunião de representantes do Estado, à qual se seguiu a Sessão Comemorativa de cinco anos de existência do Capítulo Valdir Edson Soares. Foram agraciados diversos Irmãos e Tios componentes da trajetória do Capítulo, além de realizada a sagração Chevalier do Irmão Joaquim Brasil. O fim da sessão foi seguido por um jantar de confraternização oferecido pelo Capítulo e, em sequência, ocorreram trabalhos da Ordem dos Soldados Companheiros de Jacques DeMolay, com Investidura ao Grau de Cavaleiro e passagem de Graus Históricos do IRCB. No domingo (14), ocorreu uma grande confraternização da família DeMolay Piauiense, com despedida das comitivas. Certamente foi um evento marcante para a Gestão e para a história do Estado, que inaugurou uma nova tradição em solo piauiense. Por: Mateo Scudeler

06

FEVEREIRO | MARÇO


II Encontro Macrorregional Centro-Norte

O II Encontro Macrorregional do Centro Norte da Ordem DeMolay foi realizado no último sábado (06), em Porto Velho, capital de Rondônia. O evento teve como tema “Representatividade DeMolay”, proporcionando debates construtivos que geraram ideias e sugestões para modernizar e atualizar o Estatuto Social e o Regulamento Geral do Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil (SCODB). Os temas apresentados pelos Estados foram debatidos individualmente. Depois do diálogo, cada proposta foi colocada em votação e o resultado deu origem a Carta de Porto Velho. As sugestões dos Estados do Centro Norte serão encaminhadas até o dia 20 de abril para a Assembleia Geral e devem ser colocadas em votação no Congresso Nacional da Ordem DeMolay (CNOD), que ocorrerá em Minas Gerais. O evento também teve em sua programação uma palestra

FEVEREIRO | MARÇO

motivacional ministrada pelo Delegado Litúrgico do Supremo Conselho do Brasil do Grau 33 para o Rito Escocês Antigo e Aceito, maçom Jorge Antonio Peixoto da Silva. Por fim, às 16h30, teve início um passeio histórico e cultural. “Este evento consolida a união fraterna de uma região distante e afastada do resto do país, mas que faz a verdadeira Ordem DeMolay não deixando desejar nada a nenhum outro Grande Capítulo”, destacou o membro da Comissão Nacional de Relações Institucionais do Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil, Ilan Kelson. Kelson destacou ainda a organização do evento encabeçada pelo Grande Capítulo Estadual e pelo Gabinete Estadual de Liderança Juvenil. “Se preocuparam com a arte da camisa, crachá, lembrança com chaveiro e bombom de fruta local, locação de ônibus e um barco para fazer um passeio sobre a Estrada de Ferro

Madeira-Mamoré e as usinas que estão sendo construídas no Rio Madeira. O nível do hotel, alimentação, auditório... foi tudo perfeito e todos saíram com uma excelente impressão da logística e organização do evento”, elogiou. O Grande Mestre Estadual de Santa Catarina, Toni Haag, concorda com Kelson e classifica o encontro como “ímpar”. “Extremamente bem organizado, com pontualidade, momentos de confraternização. Foi ímpar”, destaca. Pré-candidatura Durante o encontro, o Grande Mestre Estadual de Rondônia, Carlos Aberto Marques Ribeiro, lançou a pré-candidatura do Grande Capítulo Estadual de Rondônia para sediar o Congresso Nacional da Ordem DeMolay no ano que vem, e pediu apoio dos Grandes Capítulos Estaduais. “Com o mesmo espírito que foi para realizar esse encontro e em conversas com as lideranças do Estado, o GCE-RO decidiu

07


II Encontro Macrorregional Centro-Norte abraçar essa causa. Após 14 anos, queremos sediar outro CNOD. Esse agora com um gosto de crescimento, em virtude da importância do GCE na Região Norte para a expansão e crescimento da Ordem DeMolay”, ressalta o Grande Mestre Estadual. Presença Estiveram presentes no encontro, o Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil de Rondônia e Membro Honorário do SCODB, Juraci Jorge da Silva; o Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil do Amazonas, Aurélio de Aguiar Moita Júnior; o Grande Mestre Estadual do Grande Capítulo do Mato Grosso, Otávio Cecílio de Oliveira; o Grande Mestre Estadual Adjunto do Grande Capítulo do Mato Grosso do Sul, Roberto Pio; o Grande Mestre Estadual do Grande Capítulo de Santa Catarina, Toni Haag; o Membro da Comissão Nacional de Relações Institucionais do SCODB e representante do Grande Capítulo Estadual do Piauí, Ilan Kelson; o Mestre Conselheiro Nacional, Mateo Scudeler; entre outras autoridades adultas e juvenis. A ida do Grande Mestre Nacional, Alexandre Volney Rizzi, estava confirmada até sexta-feira (06). Motivos profissionais, porém, levaram ao cancelamento de última hora. Mesmo de longe, Rizzi tomou conhecimento dos assuntos abordados e da organização exemplar do encontro. “O GCE-RO está de parabéns pela forma como conduziu o encontro, proporcionando debates de alto nível. A troca de experiências entre os Grandes Capítulos Estaduais com toda certeza fortalecem e trazem benefícios para nossa Ordem”, destacou o Grande Mestre Nacional.

Relações Institucionais O membro da Comissão Nacional de Relações Institucionais do SCODB, Ilan Kelson, aproveitou a presença em Porto Velho para estreitar os laços com o Grande Oriente do Brasil de Rondônia. Em visita a sede do GOB/ RO, Ilan conversou com o GrãoMestre, Juraci Jorge da Silva, e reforçou a importância do apoio ao Grande Capítulo Estadual de Rondônia. “Enquanto Grão-Mestre ele não vai poupar esforços para apoiar cada vez mais nossas empreitadas em prol da juventude”, contou o membro da Comissão Nacional de Relações Institucionais. Na noite de sexta-feira (06), Ilan Kelson, acompanhado do Grande Mestre Estadual Adjunto do Mato Grosso do Sul, Roberto Pio, do Grande Secretário do Grande

Capítulo do Mato Grosso do Sul, Rafael Rezende de Oliveira, do Grande Mestre Estadual de Santa Catarina e membro da Comissão Nacional de Relações Institucionais, Toni Haag, e do Grande Mestre Estadual de Rondônia, Carlos Alberto, visitaram a Loja Verdade, em agradecimento ao apoio e dedicação dos maçons para com o SCODB. Destaque também para a participação ativa do Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil do Amazonas, Aurélio de Aguiar Moita Júnior, que aproveitou o encontro para reforçar que até o final do semestre o Capítulo Manaós e o Grande Capítulo Estadual do Amazonas estarão reinstalados.

Por: Maycon Corazza

08

FEVEREIRO | MARÇO


Literatura na Ordem DeMolay “Escrever é esquecer. A literatura é a maneira mais agradável de ignorar a vida. A música embala, as artes visuais animam, as artes vivas (como a dança e a arte de representar) entretêm. A primeira, porém, afasta-se da vida por fazer dela um sono; as segundas, contudo, não se afastam da vida - umas porque usam de fórmulas visíveis e, portanto vitais, outras porque vivem da mesma vida humana. Não é o caso da literatura. Essa simula a vida. Um romance é uma história do que nunca foi e um drama é um romance dado sem narrativa. Um poema é a expressão de ideias ou de sentimentos em linguagem que ninguém emprega, pois que ninguém fala em verso”. (Fernando Pessoa) Literatura é arte de criar e compor escritos artísticos em prosa ou em verso. É passar para o papel tudo aquilo que vêm à sua imaginação, transmitindo uma mensagem positiva e verdadeira para aqueles que venham a ler uma frase, um texto ou até mesmo um livro, seja fictício ou real. Literatura é criar a realidade a partir da visão de determinado autor, é transformar ideias em palavras explorando o mundo à maneira de cada um. A Secretaria de Cultura do Gabinete Nacional de Liderança Juvenil incentiva a Literatura DeMolay. Está feito o convite a todos os Irmãos: escrevamos textos artísticos, artigos, poesia, ficção, romance, cordel, etc, sobre a Ordem DeMolay. Troquemos ideias e viajemos no grande mundo que a Ordem tem a oferecer-nos. Incentivemos os escritos de textos literários em nossos Capítulos: é uma forma de ensinar o que a Ordem tem a passar a todos os irmãos, FEVEREIRO | MARÇO

principalmente àqueles recém-iniciados, que se encontram no inicio da Jornada, querendo mais e mais de nossa Ordem, e àqueles mais velhos, que estão a rever seus conceitos e relembrar os ensinamentos. Trazemos aqui dois textos, que nos recordarão de alguns ensinamentos de nossa bela Ordem. Esperamos que curtam a leitura!

09


Literatura na Ordem DeMolay: Ei amigo, ei Irmão

- Ei amigo, já posso te chamar de irmão? Perguntou o jovem ao se aproximar de um DeMolay que estava pensativo em algum canto daquele enorme local. - Claro que pode. Você tornou-se meu irmão e companheiro de Ordem e de vida desde o momento em que vistes e conhecestes as chamas das nossas Sete Grandes Luzes. Já as aprendestes? - Sim. Fiquei bem atento aos ensinamentos de cada virtude. - E qual foi a que te chamou mais atenção? - Aquela que brilha mais alto. - A virtude do Companheirismo. Também foi a que mais chamaste a minha atenção quando as vi pela primeira vez entre todas aquelas chamas. Olhei para cada uma e fixei meus olhos na virtude do Companheirismo. - Já entendi porque somos mais que amigos? - Já? Perguntou querendo ouvir a resposta do seu mais novo irmão. - Por causa dessa virtude que nos une e nos torna irmãos, não irmãos de sangue, mas irmãos

de vida, de jornada, caminhada, companheiros uns dos outros em todos os momentos, sejam de alegria, dificuldade, tristeza ou necessidade. - Tu estavas bem atento à cerimônia, hein? - Com certeza. Esse foi o momento em que esperei ansiosamente para que acontecesse. Embora cansado, prestei atenção em cada palavra, gesto ou movimento. - Se todos fossem iguais a você meu irmão, nossa Ordem seria bem mais fiel a nossos princípios e virtudes. Muitos iniciam com a mesma inocência e vontade, assim como você, mas, com o passar do tempo o brilho das virtudes se apagam, acham que só era importante cultivá-las em seus corações nos tempos em que eram ativos em nossas fileiras. - Eu acredito, mesmo tendo poucas horas de iniciado que os que levam esses ensinamentos por toda a vida são maioria e, além disso, os repassam para outras pessoas através de atitudes. - É... Eu também acredito nisso irmãozinho. Segurou fortemente a mão

do mais novo irmão e colocando a mão esquerda sobre seu ombro disse: - Acredito fortemente que as chamas do Amor Filial, Reverência Pelas Coisas Sagradas, Cortesia, Companheirismo, Fidelidade, Pureza e Patriotismo são virtudes que renasceram em nossa Ordem para que nós DeMolay’s as expandissem e as levassem, colocando-as em prática, falando o quão são belas aonde fossemos, para que então, pudéssemos contribuir para um mundo melhor. - É isso ai. Por toda a minha vida. Concluiu o irmãozinho. O irmãozinho mais novo de Ordem foi correndo passar o que tinha aprendido para os outros e aquele que estava ali refletindo fora também para junto de seus irmãos, mas, antes pensou e falou para si mesmo: - Encho-me de alegria ao ver que as chamas das Sete Virtudes Cardeais da Ordem DeMolay: Amor Filial, Reverência Pelas Coisas Sagradas, Cortesia, Companheirismo, Fidelidade, Pureza e Patriotismo traz esperança e o brilho nos olhos do novo e do velho. E vejo que estas insígnias, pelas quais muitos se dedicaram serão honradas mais e mais vivendo assim, eternamente.

Por: Chris Torres

10

FEVEREIRO | MARÇO


Literatura na Ordem DeMolay: Esperança, a oitava virtude?

Sempre escrevo da Ordem DeMolay de maneira mais que romântica, ultraromântica eu diria. Prefiro em momento reduzir este lado, pra expor um pensamento que me ocorreu. Conversava eu com mais um dos meus bons irmãos quando falávamos das sete virtudes, em que ambos chegamos ao consenso de que são completas. Porém como uma maneira de provocar, me foi questionado o seguinte: “Se você tivesse que acrescentar a oitava virtude, qual seria?”. Bem... Minha conclusão foi que, apesar do perfeccionismo das virtudes, devemos ter uma coisa sempre em mente (apesar de termos tacitamente) que acho que poderia ser sagrada ao nível de virtude, e falo em nada mais nada menos que a esperança. Sim, acho que as virtudes nos mostram o caminho, mas nenhum caminho é percorrido sem a esperança de chegar a um final (mesmo que ele seja inexistente ou abstrato como um ideal), seria a esperança que daria a liga e legitimaria todas as virtudes. A mim, foi respondido por este irmão “A persistência”, porém FEVEREIRO | MARÇO

logo entendi que não adianta persistir no que não se espera… Antes de persistir, você espera, e isso lhe da às forças necessárias. Vemos em muitos casos situações difíceis, tangendo a impossibilidade, porém que com esperança se reverte e se vence, se supera, ou se aceita (o que já parecia improvável). Porém, a esperança, a persistência e até mesmo a fé andam de mãos dadas, pois a primeira engendra as demais. Cada um de nós sendo um DeMolay “trazemos em nossos corações uma chama (…) se pudermos penetrar nas profundezes mais recônditas de nossas almas e acender a chama que ali está (…) ora, de que seria essa chama de não a esperança”? Identificada em nossas virtudes, em nossos baluartes, se não a esperança de construir um caráter solidificado, de se desenvolver, de evoluir quando tudo que vemos lá fora está praticamente perdido? Pois bem, como termina a citação “ai reside objetivo da Ordem DeMolay”. Concluo dizendo que mesmo aparentemente fundamentado, este pensamento é inútil. Não há necessidade. O que mais hoje

em dia moveria tantos jovens sob apenas um ideal, alguns baluartes, alguns pensamentos se não a esperança? Ora, pois, então a mesma nada mais é que uma geratriz para as sete virtudes.. Uma origem, o princípio, esperança.. De que o amor, o respeito, a cortesia, a amizade, fidelidade, e alguns outros ideais se proliferem em mentes jovens e que ainda tem ilimitadamente possibilidade de se desenvolver, e levar estes postos com ela. Com isso, me contento a dizer que as sete virtudes permanecem perfeitas, e que de nenhuma vez que ajoelhei no altar simbólico o fiz em vão. E espero de todos os irmãos, que mantenhamos esta esperança, pois “Enquanto nós permanecermos fiéis a essas promessas, enquanto existir uma Ordem DeMolay, nós estaremos unidos.” Por: Mário Coppini

11


Dia das Filhas de Jó no Rio de Janeiro

Dia cinco de abril, sexta-feira, graças ao apoio do Tio Maçom e Deputado Estadual do Rio de Janeiro, Gilberto Palmares, a Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro, ALERJ, abriu suas portas para receber e homenagear o as Filhas de Jó do Estado, em razão do transcurso do dia 9 de março, dia estadual da Ordem Internacional das Filhas de Jó. A sessão solene contou com a presença de autoridades maçônicas, tais como o Tio Archimedes Machado - Grão Mestre Adjunto do Grande Oriente do Brasil do Rio de Janeiro – e o Tio Itálo Aslan - Past Grão Mestre Adjunto do Grande Oriente Independente do Rio de Janeiro -, e também com autoridades DeMolay. Da Ordem Internacional das Filhas de Jó, havia inúmeras Primas presentes, em especial as lideranças do Bethel Jurisdicional Princesa Isabel de Bragança, que é presidido pela Honorável Rainha Virginia Soares. Como a Ordem DeMolay não poderia se furtar de somar neste dia tão importante para as Primas Filhas de Jó, representando a nossa Ordem, tomou lugar na

tribuna o Ir. Raphael Castro - Secretário Executivo Nacional da Liderança Juvenil do Supremo Conselho da Ordem DeMolay para o Brasil -, para fazer uso da palavra. Ao longo da sua oratória, destacou a importância dessas duas Ordens Para-maçônicas Juvenis caminharem lado a lado, entendendo que somente dessa forma será possível alcançar as ambiciosas metas da nobre missão de ambas, oferecendo à Juventude um círculo de convivência onde poderão desenvolver seu caráter com base em valores e virtudes. Destacou, ainda, a imensa honra de poder fazer parte de uma dessas Ordens, fato este que marcou e mudou para sempre sua vida e, por isso, lembrou a todos, por fim, de que devem caminhar unidos e firmes para a manutenção da força. Como símbolo do reconhecimento da Ordem DeMolay e do Gabinete Nacional da Liderança Juvenil ao trabalho das Primas do Rio de Janeiro, em nome do Mestre Conselheiro Nacional, Ir. Mateo Scudeler, foi conferido à Ordem Internacional das Filhas de Jó, Jurisdição do Estado do Rio de

Janeiro, representado pelo Bethel Jurisdicional, um certificado em homenagem ao seu dia, lembrando a importância de que ambas Ordens caminhem sempre unidas nesse belíssimo trabalho em prol da Juventude e que, assim, sempre honrem a memória do saudoso Tio Alberto Mansur, responsável pela implantação deste grandioso projeto em favor da integração da Família Maçônica no Brasil. Nas palavras finais do Tio Gilberto Palmares, foi entregue à Prima Aline Busnardo - Ex-Miss Filhas de Jó Internacional – o título de Cidadã Honorária do Estado do Rio de Janeiro, onde agora ela passou a morar em função de seus estudos na Universidade Federal do Rio de Janeiro.

Por: Mateo Scudeler

12

FEVEREIRO | MARÇO


Entrevista com John Vaz O ator e diretor de artes cênicas, John Vaz, é um especialista em interpretar personalidades da história. Foi coordenador do Teatro Museu da República (Rio de Janeiro) de 1999 a 2007 e é conhecido como “O Mil Caras do Teatro Brasileiro” sendo assim chamado pelo jornal O Globo. Ator carioca, John Vaz, que interpreta D. Pedro I, no Espetáculo Maçônico de mesmo nome, em turnê nacional, estreou o espetáculo Jacques de Molay – O Fim da Ordem do Templo – no dia 28 de agosto de 2010, Rio de Janeiro, na sede da centenária Loja Maçônica Vigilância, nº 1, em Niterói. O ator vive o Cavaleiro Templário Jacques de Molay - ultimo Grão Mestre da misteriosa Ordem do Templo. A montagem da peça, que é itinerante, conta com a participação da plateia: 10 espectadores voluntários se vestem de Inquisidores e Templários e participam junto ao ator de cenas da peça. “Ter o espectador como parte do elenco é algo que motiva não só o público como a mim mesmo. A proeza foi feita pela primeira vez na peça D. Pedro I; gostei da ideia e repeti a dose nessa nova montagem. É muito interessante a participação do público no centro da cena; me remete ao Teatro da Crueldade de Antonin Artaud”, explica John Vaz. O espetáculo, como não poderia deixar de ser é uma aula de história antiga e medieval. Vaz dividiu a peça em cenas que irão revelar e responder certas questões do público: quem foram os Templários e o porquê de serem exterminados. Segundo o ator, que também assina a direção, a peça começa do lado de fora do teatro com a cena do Julgamento de FEVEREIRO | MARÇO

Jacques de Molay. Já dentro no palco, a peça se passa no dia 13 de outubro de 1307, na madrugada de sua captura pelos soldados do Rei Francês Filipe, o Belo. Ali, De Molay encaminha a fuga de alguns de seus Irmãos com o tesouro Templário e da posse, em um ritual, a um novo Grão Mestre Templário no exílio. Fala sobre a Lenda de Hiran e a construção do Templo de Salomão, e a montagem segue contando a história de Jerusalém, as batalhas, os vários tipos de povos que assumiram a Terra Santa, até o Sultão curdo Saladino. Após a visão do Islã sobre as Cruzadas, e os planos do Papa Clemente V e do Rei Filipe para condenar os Templários, o personagem narra como foi o surgimento da Ordem e o porquê está sendo perseguida pela Monarquia e Inquisição. Um espetáculo instigante e dramático do início ao fim, que promete mexer com a plateia. (Adaptação do texto original disponível em: http://www. johnvaztemplario.blogspot.com.br) Vaz tem em sua galeria de personagens o poeta e ator francês Antonin Artaud, o filósofo marxista Lousi Althusser, o seringueiro

Chico Mendes, o presidente Juscelino Kubitschek (pelo qual Vaz foi premiado com a Medalha JK em 2002), o presidente deposto João Goulart, o revolucionário Che Guevara, o Imperador Dom Pedro I, Jacques de Molay, ultimo Grão Mestre dos Cavaleiros Templários e, em 2014, estreará o espetáculo “A Inconfidência Maçônica – Revolução Francesa a Conjuração Mineira”, que deve acontecer em abril, na cidade de Ouro Preto, MG, seguindo em turnê pelo Brasil. Na televisão, fez a minissérie “Amazônia”, de Gloria Perez, onde interpretou o coronel boliviano Rosendo Rojas; também interpretou Jango na minissérie “JK” em 2006 - ambas na TV Globo. John Vaz contou ao Gabinete Nacional de Liderança Juvenil um pouco de sua trajetória, falando também do espetáculo Jacques de Molay – O fim da Ordem do Templo -, que cativa a plateia por onde passa, principalmente os DeMolay’s, desde o Iniciático ao Sênior, encantando-os com a magia do espetáculo.

13


Entrevista com John Vaz Gabinete Nacional da Liderança Juvenil (GNLJ): O que te levou a seguir a carreira de ator? John Vaz (JV): Assisti uma leitura dramatizada do ator Rubens Correa em 1988 e decidi ali que queria ser ele. (risos) Mal sabia que ele era o maior e mais premiado ator brasileiro, passei a frequentar seus cursos no teatro Ipanema, fui ficando, ficando e passei a trabalhar nesse teatro até 1996 quando ele faleceu, e assim surgiu a minha carreira. GNLJ: Qual o princípio básico de um ator? O que ele deve desejar GNLJ: De onde surgiu a ideia do em primeiro lugar? tema Jacques de Molay? E por que retratar o fim da Ordem do Templo? JV: Um ator deve gostar muito de ler e se aprofundar no universo eJV: O sucesso do Espetáculo xistencialista para descobrir a verMaçônico D Pedro I – que já foi tigem da interpretação. Um ator encenado em 70 cidades pelo deve ser culto, entender de artes país -, me levou a trabalhar sobre (todas elas), deve aumentar muito esse tema que está ligado direa sua biblioteca pessoal, que vive tamente a Ordem de nossos sodentro de você, pois é dali que ele brinhos DeMolay’s e também se vai retirar o que precisa para dar funde com a história da Maçonaria vida a um personagem. Não acreoperativa. Consegui ali juntar as dito em artista fabricado – nas duas coisas, e debater questões novelas é só o que tem. Artista como lealdade, perseguições, tranasce artista, a vida só faz desenmas, rituais, tudo em uma mesma volver a sua vocação. montagem. A peça é uma loucura, eu a termino acabado fisicaGNLJ: Quando percebeu que a mente, mas o resultado é divino! arte era, além de algo que lhe fazia bem, algo vital? JV: A Arte tem um poder incrível de mexer com o artista e com o espectador... Essa comunicação é fundamental para a sua existência, quando eu vi que tinha esse poder de sonhar e transformar meus sonhos em cena, eu vi que estava na profissão certa e sigo nela com muito entusiasmo.

14

GNLJ: Como surgiu sua paixão pela história de Jacques de Molay e dos Cavaleiros Templários? A Ordem DeMolay influenciou de algum modo o seu desenvolvimento teatral, seja através de Cerimônias presenciadas ou de alguma outra forma? JV: Fui iniciado na maçonaria em 1997 e só fui saber que existia a Ordem DeMolay em 2007; muitos de nós maçons não sabemos nada a respeito dessa, que considero a obra mais importante da Maçonaria: a criação dos DeMolay’s. O que vejo esses meninos fazendo por esse país é de dar orgulho pra qualquer um. Nunca assisti a uma sessão dos DeMolay’s, então não houve ali nenhum tipo de influência na feitura do texto, mas quem assiste me diz que muita coisa que esta na peça se encaixa com os ensinamentos da Ordem, o que eu acho muito bacana. Sobre a história acho que todo mundo se envolve e gosta, só que quis ir um pouco além... Mostro a visão do islã sobre as cruzadas... Em nossa cultura judaica cristã ocidental só se fala das FEVEREIRO | MARÇO


Entrevista com John Vaz conquistas ocidentais e põem-se os outros como inimigos... Só que não é bem assim... Saladino foi um virtuoso e os árabes também, e colocar os dois pontos de vista sobre a guerra torna a montagem mais justa e mais interessante. GNLJ: Quais foram às pesquisas que você teve de fazer para construir a peça: Jacques de Molay – O fim da Ordem do Templo? JV: Toda produção passa por um período de um ano de leituras e pesquisas e posso garantir que a maioria do que há é explorando a imaginação com especulações. Aquele canal “Especulecion Channel” que de história não tem nada é bem isso... O público quer acreditar em coisas místicas e adora consumir isso... O mercado se encarrega de encher de livros e filmes especulando sobre o assunto. Eu já procuro ir à busca de uma história mais crua, desmistificando a mitologia criada pela indústria e o resultado está aí: agenda cheia e público bem satisfeito.

na cara da garotada ao termino da peça, e como há a participação voluntária de 10 DeMolay’s na peça que se vestem com as roupas da produção, eles saem no tapa para participarem, e eu morro de rir com isso (risos). Outra coisa bacana é a média de público, que está batendo em 400 pessoas eufóricas; coisa rara hoje em dia termos no teatro um público assim tão grande, e graças a quem que temos isso? A Ordem DeMolay e as Lojas Maçônicas que resolvem patrocinar e ajudar! Mas quando não há apoio, os meninos não se intimidam. Eles acreditam mesmo na cultura, investem, dão um jeito e a coisa acontece. Muito bacana mesmo!

GNLJ: Qual a sensação de percorrer o país inteiro com o espetáculo Jacques de Molay – O fim da Ordem do Templo e deparar-se com diversas culturas? Qual a reação do público ao assistir o espetáculo? E existem diferenças em apreGNLJ: Qual o principal ensinamensentar o espetáculo em eventos to da vida e morte de Jacques de Maçônicos e da Ordem DeMolay Molay que leva em sua vida diária? em relação a apresenta-lo para o público em geral? JV: Lealdade... O cara preferiu a morte a revelar o nome dos Irmãos JV: Eu fiz essa peça em Havana, que foram para o exílio, preferiu a Cuba, em 2011, dentro de um cimorte a revelar os segredos, isso nema para um público de atores sim é exemplo. e bailarinos do Teatro Musical de Havana e a experiência foi maraGNLJ: Fale-nos um pouco de outvilhosa. No Brasil não foi diferos trabalhos que está realizando, rente, vejo a satisfação estampada ou que pretende. FEVEREIRO | MARÇO

JV: Ano que vem vai estrear o espetáculo “A Inconfidência Maçônica – Revolução Francesa a Conjuração Mineira”, o texto já está pronto e estou bastante entusiasmado. A estreia deve acontecer em abril de 2014 em Ouro Preto, MG, seguindo em turnê pelo Brasil. Uma peça que abrange a historia da Revolução Francesa, passando pelo pensamento iluminista até chegarmos às tramas da Inconfidência Mineira e a participação de maçons em todo esse processo. GNLJ: Em sua opinião, qual é a importância da Maçonaria no mundo e no Brasil? JV: Como disse meu colega ator Milton Gonçalves – “a Maçonaria é a ultima barreira antes do Caos”. Nossa Ordem é de uma beleza incrível, a fraternidade que existe é indescritível... Problemas? Claro que temos e são muitos, mas quem não os tem? Mas seguimos adiante, vejo com bons olhos a renovação de nossa Ordem; precisamos de obreiros mais jovens, não só na idade, mas também de pensamento, com menos vaidade, status, pessoas mais plurais, 15


Entrevista com John Vaz abertas e modernas. Estou mesmo GNLJ: O teatro é parte indispenconfiante nessa renovação. sável na formação cultural e educacional de um povo? GNLJ: Tio John Vaz é especialista em interpretar biografias e conhe- JV: Arte é. Em um mundo cada vez cido como “O Mil Caras do Teatro mais fútil, consumista e acumuBrasileiro”, referência dada em lador de coisas, onde pessoas não matéria de capa do segundo cader- discutem ideias e sim entretenino do Jornal O Globo. Qual o peso mento que é alienação, a arte evoe a importância de ser considerado lui o ser humano porque dá a ele o “Mil Caras do Teatro Brasileiro”? consistência, valores, conteúdo e as Nossas Ordens são responJV: De ter que sempre se rein- sáveis por isso, e tem feito um traventar e também a obra de arte: é balho grande nessa direção. Um isso. É o que tem acontecido, meu exemplo disso é o meu espetáculo próximo projeto é mais uma rein- que tem sido encenado por todo o venção de mim mesmo. país, levado pelos sobrinhos DeMolay’s e por Irmãos Maçons. GNLJ: Dentre todos os personagens históricos que interpretou, GNLJ: O que você considera o qual foi o que mais o marcou? marco do seu trabalho e o que vem deixando para a cultura do nosso JV: Che Guevara, sem duvidas. Já País? encenei essa montagem aqui no Brasil e na America Latina (Argen- JV: A carreira é longa. Independtina, Cuba, Uruguai, Bolívia, Ve- ente dos inúmeros temas que já nezuela). É o espetáculo de maior abordei, vejo a arte como instrusucesso de público, mais apaixo- mento de discussão, aprofundanante, não só pelo ideal, mas por mento das questões fundamenseu exemplo em largar todo tipo tais; abrir mentes, criar duvidas, de vaidade, pegar em armas para rever conceitos. É esse meu papel defender pobres miseráveis da como artista; não quero entreter América contra a tirania imperi- ninguém, quero fazer o público alista e morrer por eles, morrer pensar. por pessoas que jamais conheceu. Um herói é assim, morre por uma GNLJ: Deixe uma mensagem para causa, por um ideal. aqueles que querem fazer arte. GNLJ: Como é feito o contato para JV: Estudem, sejam cultos, se desagendamento dos espetáculos? prendam de preconceitos e vaidades burguesas, mantenham a JV: Os interessados me mandam mente livre aberta e se dediquem! e-mail e já respondo com o pro- Há muito trabalho a ser feito! O jeto. Eles levam paras as reuniões Brasil precisa de artistas, porque e definem a data, conseguem o fazedores de entretenimento aespaço para encenação, fazem a lienado já se têm muito, alias... É venda dos ingressos e o espetácu- a maioria. lo acontece... E sempre lota. Meus contatos são: j.vaz@hot- GNLJ: Agora responda com simmail.com / 021 8065 1615 plicidade.

GNLJ: Maçonaria? John Vaz: Sem vaidade, é a instituição mais bela do planeta. GNLJ: Ordem DeMolay? John Vaz: Esperança de um amanhã melhor. GNLJ: O Teatro? John Vaz: Vida. GNLJ: Cultura? John Vaz: Necessidade. GNLJ: Brasil? John Vaz: País mais belo e generoso do mundo. GNLJ: Um sonho? John Vaz: Um mundo sem pobreza, igual e justo. GNLJ: John Vaz? John Vaz: Um homem como outro qualquer. GNLJ: Um pensamento? John Vaz: Se você é capaz de tremer de indignação a cada vez que se comete uma injustiça no mundo, então somos companheiros. (Che Guevara) Por: Chris Torres

16

FEVEREIRO | MARÇO


Cicloturista Matogrossense Nesta semana o Irmão Luã Francis Paludetto, Sênior DeMolay do Capítulo Conquista e Integração N° 652 em Cuiabá e Past Mestre Conselheiro do mesmo Capítulo, irá iniciar seu projeto de ciclo turismo. Residente em Cuiabá, Mato Grosso, irá se mudar para o estado de São Paulo, mais especificamente para a cidade de Dracena e resolveu inovar na viagem: irá de bicicleta! O Irmão irá percorrer quase 2 mil quilômetros passando inclusive por Bonito, cidade turística de Mato Grosso do Sul, com um tempo de viagem estimado de 26 a 30 dias. Com objetivo de refletir a cada curva, a cada pedalada, obter um aprimoramento pessoal, profissional, com férias mental conhecendo lugares novos, sem pressa de chegar ao destino, o Irmão Luã aproveitará cada quilômetro percorrido no ritmo da bicicleta, diferente da rapidez de uma viagem de carro, ônibus ou avião. A bagagem do Irmão conta com um kit completo de camping, pois irá dormir acampado na maioria das noites. A cada duas ou três noites dormindo em acampamento, pretende dormir uma noite em alguma cidade sede de algum Capítulo do SCODB para conhecer melhor a cidade e aumentar os laços de Companheirismo. Se você mora em alguma cidade que o Irmão irá passar e deseja conhecelo, saber mais como está sendo sua experiência, conhecer a “Poderosa” (nome de sua bike super equipada para a viagem) e auxiliá-lo em suas eventuais dificuldades entre em contato com o Mestre Conselheiro Estadual de Mato Grosso Irmão Nelson Zuchi que estará mantendo contato com o viajante

sempre que possível, pelo e-mail mce@mt.demolay.org.br ou pelo telefone (65) 9925-9887. Para quem não tiver a oportunidade de conhecer o Irmão Luã e seu projeto, mesmo assim poderá acompanhar suas “aventuras” pelo site www.paludetto.com.br onde o mesmo irá manter um diário de viagem incluindo fotos, que será atualizado sempre que possível uma conexão com internet, também a fim de manter todos familiares e amigos ciente de onde estará e as experiências vivenciadas. O GCE-MT e o SCODB desejam uma excelente viagem ao Irmão e que cumpra seus objetivos!

Por: Nelson Zuchi FEVEREIRO | MARÇO

17


Divulgue seu Capítulo

Capítulo Espera Feliz nº 595 enviou um texto para o Divulgue seu Capítulo e aí está

O Capítulo Espera Feliz Nº 595, o meu Capítulo, tem desde o ano passado uma página no facebook que se destina a divulgação da Ordem DeMolay. Ela foi uma das primeiras páginas exclusivamente voltadas para a Ordem DeMolay, e é diferenciada por publicar apenas conteúdo sério e focado apenas na filosofia demolay/maçônica. Temos quase 200 imagens, sendo praticamente todas originais e produzidas pela comissão de informática do Capítulo. Elas são postadas semanalmente na página e as publicações alcançam um público médio de 50 mil pessoas por semana, segundo o facebook. Nossas imagens são, também, constantemente veiculadas em outras páginas relacionadas com a Ordem DeMolay. Nós recebemos elogios em todos os capítulos que visitamos e inclusive em grupos sobre a Ordem DeMolay no facebook, sendo o do SCODB um deles. Sugerimos que façam uma matéria sobre a Ordem DeMolay na internet, e já está aí a dica de uma página sobre ela! Nossa página é www.facebook.com/demolayesperafeliz Nosso Capítulo fica em Minas e é filiado ao GCEMG.

18

FEVEREIRO | MARÇO


O Gabinete Nacional recomenda para você Músicas para Ritualística Capitular - Bolero - Ravel - The Final Countdown (orchestra) - Gladiador (tema) - Prayers - Era

Músicas para a Ritualística da Cavalaria - Set Fire to the Rain (instrumental) - Infanati - Era - Reborn - Era - Bard’s Song (instrumental)

Filmes - Os Reis Malditos (2005)

Livros - Os Templários – Alain Demurger

FEVEREIRO | MARÇO

19


Palavra do Mestre Conselheiro Nacional Minha família DeMolay! Todos nós sabemos o quão importante é a filantropia para a Ordem DeMolay. Ajudar ao próximo, sem esperar nada em troca, é um exercício de caridade e uma lapidação do altruísmo. Em nossos Capítulos, sempre procuramos organizar arrecadações, mutirões e visitas, que trazem alegria e suprem necessidades das mais diversas categorias de instituições. Em alguns Estados, observamos também uma articulação regional e, às vezes, até estadual em prol de ajudar ao próximo. Como sabemos, agora a filantropia é também uma pauta importante em âmbito nacional! A criação do Fundo Nacional de Filantropias, uma iniciativa de nosso GMN, Alexandre Rizzi, foi o pontapé inicial desta nova fase de estímulo ao desenvolvimento dos trabalhos filantrópicos. Seguindo esta linha, e continuando um trabalho pioneiro da Liderança Juvenil, o GNLJ reformulou o Arrastão Nacional da Solidariedade, que está ocorrendo em diversos lugares do país neste exato momento! Dezenas de Capítulos Brasil afora já se organizaram e começaram suas coletas para essa competição saudável, onde quem ganha é o próximo! E o seu Capítulo? Já está participando do Arrastão Nacional da Solidariedade, a maior campanha filantrópica DeMolay do Brasil? Se ainda não, não perca tempo! Faça o bem e ajude a provar que nossas reuniões não são fórmulas vazias, e que unidos somos imbatíveis! As inscrições continuam abertas em www. liderancajuvenil.demolay.org.br! Não perca mais tempo! As inscrições para o Congresso Nacional da Ordem DeMolay (Belo Horizonte) e o Encontro Nacional de Cavaleiros (São Paulo) também já estão a todo vapor! Não percam essas oportunidades ímpares de congraçarem com seus Irmãos e Tios de todos os cantos do país! Afinal, nada melhor do que rever a família, não é mesmo? O Programa de Aprofundamento de Estudo (PAE) também está a caminho, em sua novíssima versão 2.0! O esperado é que a nova Plataforma Moodle, desenvolvida pela Grande Comissão Nacional de Informática, já esteja no ar ao longo do mês de maio, fornecendo material de qualidade e treinamento à distância sobre os mais variados temas de nossa Ordem: história, liturgia, legislação e muito mais! Continuamos, sempre, trabalhando por e para vocês! Um grande abraço a todos, e que o Pai Celestial nos ilumine, guie e dê sabedoria!

#OrgulhoDeSerSCODB !!!

20

FEVEREIRO | MARÇO


Revista DeMolay - Edição 04 - Ano 2013 - Fevereiro.Março