Issuu on Google+

16

Segunda-feira, 4 de abril de 2011

!"Empresas JC

Jornal do Comércio - Porto Alegre

& Negócios

RESPONSABILIDADE SOCIAL

Olimpíada robótica Giordano Benites Tronco, especial para o JC

Jovens montam robô e formam uma equipe, a fim de competir num torneio mundial. Parece filme de ficção científica, mas essa é a realidade dos garotos da The Brazilian Trail Blazers (algo como “desbravadores de caminhos”), time de robótica formado por estudantes de escolas públicas de Gravataí. A equipe existe desde 2005 e é ligada à Aidtec, instituição que visa a fomentar o desenvolvimento tecnológico da cidade a partir da capacitação de jovens. A Aidtec oferece oficinas técnicas a escolas públicas, seleciona os membros das equipes com base nesses cursos. Em março, os Trail Blazers viajaram à Worchester, Estados Unidos, para participar da eliminatória do campeonato First Robotic Competition. Trata-se de uma disputa que reúne mais de duas mil equipes de todo o mundo, formadas por estudantes dos Ensinos Fundamental e Médio. Cada equipe participante recebe peças da organização do campeonato e deve montar um robô que seja capaz de disputar o jogo proposto pelo First. Os detalhes do jogo são passados apenas alguns meses antes da competição e, para dificultar ainda mais, o tempo dado para planejar e montar o robô é de três semanas. O time de Gravataí voltou de Worchester com o sétimo lugar e classificado para as finais, a serem realizadas nos dias 27 a 30 de abril, em Saint Louis (EUA). Além disso, eles levaram o prêmio de Melhor Equipe, dado pelos juízes para

aquele que foi considerado o grupo mais talentoso, independente da pontuação. Jeser Becker, coordenador do time e fundador da Aidtec, diz que o prêmio foi uma grande surpresa. “Isso demonstrou que estamos no caminho certo”, afirma. Os novos membros do time são recrutados a partir de cursos patrocinados pela Aidtec. A instituição oferece oficinas gratuitas de mecânica, pneumática e edição de vídeos. Os melhores alunos são então escalados para atuar junto com os Trail Blazers. Liana Espíndola Motta, a mais jovem integrante do grupo, 12 anos, foi selecionada através de uma oficina de minicurtas. “Eles ensinavam a fazer e editar vídeos, e quem se mostrava mais comprometido eles pegavam”, conta, orgulhosa. Liana documenta os treinamentos e faz os vídeos de divulgação. Mesmo os alunos que não são selecionados têm nas oficinas uma oportunidade de contato com o que pode ser uma opção de profissionalização. “Somos a única instituição na América Latina com um projeto assim”, conta. Os Trail Blazers precisam constantemente de renovação em seus quadros. Segundo o regulamento do First, apenas quem ainda cursa o Ensino Fundamental ou Médio pode participar da equipe. Exceções são feitas para os coordenadores, como é o caso de Becker. Uma vez formados, os jovens desbravadores terão de trilhar um novo caminho: o da vida profissional. Muitos dos ex-Trail Blazers conseguiram empregos em grandes empresas justamente por terem adquirido conhecimento junto com o time.

FOTOS ANDRÉ NETTO/JC

Com o apoio da Associação Internacional para Desenvolvimento Tecnológico (Aidtec), estudantes de Gravataí montam robô e se classificam para a final da First Robotic Competition, as Olimpíadas juvenis da robótica

Time de Gravataí voltou de Worchester com o sé!mo lugar e classiÞcado para as Þnais

Equipe par!cipou com mais de dois mil concorrentes

Trail Blazers recebe patrocínio de montadora de automóveis Em 2005, ano de sua criação, o time de robótica da Aidtec sabia que tinha a habilidade necessária para encarar os competidores do First. Porém, necessitavam de suporte financeiro, caso contrário não conseguiriam viajar para os Estados Unidos. Em busca de patrocínio, o grupo foi pedir ajuda a General Motors que prontamente abraçou-o através de seu instituto. A decisão da GM se deu porque o Instituto General Motors tem a tradição de apoiar projetos educacionais nas comunidades onde a empresa possui fábricas instaladas, como a de Gravataí. Outro fator que despertou o interesse da montadora foi a natureza do projeto, a robótica, uma área totalmente ligada ao trabalho da GM. A parceria existe até hoje: enquanto a Aid Tec oferece o treinamento, a GM banca os custos da equipe e fornece espaço para treinos. Este ano, a montadora trouxe os Trail Blazers para dentro da fábrica, em que eles demonstraram as funções do robô para os funcionários. “Levamos os alunos para se apresentar para a nossa diretoria e staff, para os funcionários verem a importância que nós damos a isso”, conta orgulhoso o vice-diretor do Instituto GM, Pedro Luiz Dias.


Olimpíada robótica