Issuu on Google+

Cinema do Povo, o primeiro cineclube

Contestando uma história que ainda não existe

É impossível reconstituir o passado. O historiador é condenado a recompor, a partir de dados mais ou menos esparsos e quase sempre discutíveis, uma visão sua sobre o passado, uma reconstrução que é já uma interpretação, com os olhos e as idéias da sua contemporaneidade. A observação interfere e modifica o observado.

Tal como acontece em todas as historiografias, isso também ocorre com o cineclubismo, embora nossa marginalidade seja tão extrema que dificilmente se pode falar, atualmente, de uma História dos cineclubes. No plano acadêmico aparecemos mais por tabela, nos rodapés das histórias mais oficiais, onde os cineclubes, quase sempre na origem dos mais diversos fenômenos cinematográficos, simplesmente não podem deixar de ser citados.

Mais por inércia que por determinação, meio que aceitamos, então, uma “história”, feita de breves referências, que teria começado em 1920, com o Ciné-club de Louis Delluc. Muitas evidências aparentes levam à adoção dessa “pedra fundamental”: o nome, que “pegou” e mais ou menos se generalizou ao longo dos anos 20 na França e outros países, ou o fato de que às projeções do cinema La Pepinière seguiram-se tantas outras iniciativas que se pode começar a falar de um movimento cineclubista.

Mas serão essas evidências reais, mais que uma visão meio teleológica que imputa características de outros tempos àquele? Na verdade, Delluc lançou em janeiro de 1920 o Journal du ciné-club, que promoveu exibições,

1


meses depois, dentro dos objetivos de mobilização do grande cineasta1 francês e também de fidelização dos leitores. Um ano depois, Delluc substituiu a publicação pela revista Cinéa, mas o primeiro nome, como sabemos, ficou designando os clubes de discussão e projeção que, entretanto, já existiam antes.

De fato, o termo cineclube é um tanto mais antigo, tendo sido provavelmente usado pela primeira vez em 1907, por iniciativa de Edmond Benoît-Lévy, empresário associado à companhia Pathé, diretor da revista Phono-Ciné-Gazette e da primeira sala fixa de cinema de Paris – o Omnia Pathé – envolvido ainda na criação da Société du Film d‟Art e da SCAGL, no ano seguinte, como me disse Michel Marie num recente seminário em Montreal sobre a História da França no século 20 através do cinema. Se esse “cineclube” de fato existiu, o que não está totalmente comprovado, se trataria mais de uma associação de tipo profissional, voltada para a valorização e institucionalização do cinema, sobretudo com fins comerciais, nessa fase ainda de afirmação da nova linguagem e indústria. Gabriel Rodríguez Álvarez também documenta um Cinematógrafo Cine-club na cidade do México, em 1909, igualmente ligado à exploração comercial (Álvarez, 2002).

Já os clubes - me explicou o companheiro e professor Giovanni Rodrigues em uma divertida “oficina de formação cineclubista” realizada em 2008 em São Paulo - têm sua origem em iniciativas da burguesia para emular e reproduzir a vida da corte, reservada aos aristocratas2. Ao mesmo tempo que se institucionalizavam, os clubes iam sendo mimetizados e

adotados mais

amplamente. Na virada para o século passado muitas associações populares, principalmente as voltadas para a ajuda mútua, a educação e o entretenimento, adotavam o nome de clubes.

1

Delluc é o criador do termo cineasta, adotado a partir de então. Mas, para ele, o termo não de referia tão somente à idéia de realizador, mas do espectador crítico, engajado e criador. 2 Os pomposos clubes britânicos de cavalheiros, inicialmente voltados principalmente para o consumo de bebidas (só permitido em ambientes fechados, para associados), surgem no século 18 e, progressivamente, vão se popularizando entre as classes médias, até se tornarem uma verdadeira onda nos anos 80 do século 19, quando só em Londres havia mais de 400 gentlemen’s clubs.

2


Por isso me parece que o nome apenas não basta para definirmos uma data original para a fundação e início da periodização do nosso movimento. Por outro lado, não podemos descartar a importância do termo cineclube: depois de muitas reações e discussões3 – que se repetem ciclicamente ao longo dos anos e nos mais diversos países – a palavra cineclube e a idéia do cineclubismo se consolidaram, a ponto de terem uma compreensão genérica praticamente universal.

A proliferação de clubes de cinema nos anos 20 também me parece justificar um pouco artificialmente o Ciné Club como ponto de origem. Tal como é característico ao movimento dos cineclubes, as diversas iniciativas que davam de alguma forma importância ou centralidade ao público apresentavam formatos, objetivos, denominações muito variadas. Como bem documentou Christophe Gauthier (1999), os anos 20 do século passado apontaram para a constituição do que ele denomina protocolo cinéfilo, reunindo uma série de características que definiam um espaço diferenciado da corrente hegemônica do cinema: o entretenimento pago. Nesse universo minoritário (mas considerável) encontram-se e misturam-se as associações, clubes, círculos e tribunas de espectadores; as revistas de cinema; os movimentos de opinião; as atividades corporativas da classe cinematográfica, as vanguardas estéticas, as salas especializadas (comerciais) e iniciativas classistas ou partidárias.

A meu ver, o importante e erudito trabalho de Gauthier comprova sobretudo a importância do público na formação do - assim como na resistência ao – cinema- instituição, o cinema hegemônico, dominante ou outro nome com que se queira fazer referência à predominância da indústria estadunidense e da narrativa ”clássica”, literária e linear no cinema, que vai dominar o século 20 a partir de sua segunda década e sobretudo a partir do cinema sonoro. 3

Em diferentes países ou momentos históricos, sempre se tentou reinventar a roda, adotando novas nomenclaturas para valorizar e renovar as próprias iniciativas, numa pretensa “superação’ de conteúdos identificados com uma geração anterior, uma orientação partidária diferente ou um outro país. Círculo de cinema, clube de amigos, sociedade de cinema, núcleo, coletivo, são alguns dos inúmeros nomes que se atribuíram e se usam até hoje para se referir a e se distinguir de um conceito que, entretanto, é o único que permanece e se reconhece em qualquer lugar e em qualquer língua, com pequenas variações de grafia: o vocábulo global cineclube.

3


Os cineclubes são para Gauthier apenas uma parte desse movimento mais amplo e, observados sob a lente da cinefilia, pouco ou nada se distinguem de outras iniciativas, como as salas especializadas (mais tarde conhecidas como de “arte e ensaio”) ou as sessões promovidas por publicações de cinema. Não creio, no entanto, que uma paixão pelo cinema4 seja a base real para explicar a origem dos cineclubes – ou a ampla movimentação do público naquele período. A atração específica pelo cinema pode ter explicações como as sugeridas pela aplicação dos princípios da psicanálise à fruição dos filmes, os enfoques mais recentes do cognitivismo, etc. Esses tipos de abordagem podem ajudar a compreender a ligação dos espectadores em geral com o cinema, e até a necessidade de organização de um sistema de produção e distribuição dessa fonte de prazer, informação, conhecimento. Mas, se essa paixão pode ilustrar uma motivação geral, não basta para explicar porque o sistema de circulação de filmes se estrutura numa base capitalista, em que o espectador é um apenas um instrumento de realização de lucros, ou através de relações colaborativas, quando o público se organiza para gerir essa fruição. O próprio Gauthier termina seu artigo assim: “se as salas especializadas souberam

construir

um

espaço

próprio

no

ambiente

do

comércio

cinematográfico, esse não é o caso dos cineclubes até o fim dessa década...” (Gauthier, 1999, p. 198). Os cineclubes, ao contrário, eram mal vistos e desde sempre foram repudiados pela “indústria” por seu caráter contestatário e ambientes conturbados5 - além da concorrência que representam, mais em termos de proposta quanto ao público do que propriamente como ameaça aos rendimentos do negócio.

4

La passion du cinéma é o título principal do livro de Gauthier. Quanto mais populares os cineclubes, mais os debates sobre os filmes e temas tratados eram acirrados. Há mesmo um histórico de discussões mais acaloradas que, vez ou outra, terminavam em pancadaria. Na tradição da organização do público, no começo do século 20, além de ações de boicote a filmes e salas, também foram comuns manifestações nos cinemas (as siffleries, “apitaços”), expontâneas ou preparadas por grupos partidários, artísticos, etc, além de pesquisas populares de opinião e abaixoassinados. 5

4


Modo de Reprodução, público e cineclubes

A necessidade de organizar o acesso dos espectadores aos filmes, ou a distribuição

destes

àqueles,

deu

origem

(no

campo

da

exibição)

fundamentalmente a duas instituições: a sala de cinema comercial e o ambiente do cineclube.

E tal adaptação, ajustamento, é da essência do

processo econômico e social: “a humanidade não se propõe nunca senão os problemas que ela pode resolver, pois, aprofundando a análise, ver-se-á sempre que o próprio problema só se apresenta quando as condições materiais para resolvê-lo existem ou estão em vias de existir” (Marx, 1859). Como é bem sabido, a “invenção” do cinema é das mais exemplares desse processo de desenvolvimento e adaptacão de novas forças produtivas (o cinema

como

paradigma

inicial

da

indústria

cultural

em

geral)

ao

desenvolvimento do capitalismo. Adaptação esta que se dá sobretudo como conflito no campo da sociedade civil (bürgerliche Gesellschaft), como desenvolveu Gramsci: as classes sociais competem entre si pela hegemonia na sociedade civil. No processo de adaptação, de adequação ao uso e consumo dos inúmeros desenvolvimentos técnicos na produção e consumo das imagens sonoras e em movimento; em última instância, no processo de institucionalização do cinema (tal como tratado por Burch, Gaudreault, Gunning,e outros) duas perspectivas sempre estiveram presentes, ainda que a do capital, evidentemente, tenha sido sempre preponderante. O “cinema” desenvolveu-se nas fábricas e laboratórios de empresários como Edison ou os Lumière (e tantos outros), sendo testado imediatamente no mercado, nos kinetoscópios ou em projeções pagas6. O cinema como meio de reprodução das relações de produção capitalistas, o cinema com fins de lucro. Mas, desde logo – e desde uma tradição que lhe é anterior: a das lanternas mágicas – e simultaneamente a esta busca de adequação do novo produto ao consumo, o cinema, as projeções também procuravam outros usos, com outros fins. Uma sólida tradição se estrutura nos meios populares, principalmente 6

A data escolhida para marcar o “nascimento” do cinema é a da primeira projeção pública paga, sabidamente precedida de inúmeras outras experiências.

5


religiosos ou classistas, em que as imagens em movimento são empregadas como elemento complementar à catequese, ao ensino, à propaganda, à agitação7. Estas exibições tinham um caráter ideológico preciso, e se davam principalmente nos ambientes sociais de igrejas e seitas religiosas, assim como dos meios sindicais e anarquistas. Em julho de 1898, a Liga Democrática das Escolas, e em setembro do mesmo ano, o Partido de Ação Revolucionária Comunista organizavam conferências e manifestações sobre o caso Dreyfus, ilustradas com projeções, como exemplifica Laurent Mannoni8. Segundo Georges-Michel Coissac9 (citado por Gauthier, p.34), a primeira sessão de “cinema educativo” teria ocorrido em Paris, em março de 1899, por iniciativa da “Obra francesa de conferências populares”.

Essa

prática

se

generalizou

sempre

e

cada

vez

mais,

concomitantemente com o processo de formação do público em geral, no sentido moderno que esse conceito assumiria principalmente a partir da consolidação do público cinematográfico10. Inicialmente tendo o cinema como complemento de outras atividades, paulatinamente (o que acompanha a própria evolução da linguagem cinematográfica) essa centralidade se inverte, tornando-se o filme o acontecimento principal, precedido de apresentações, seguido de debate e, frequentemente, entremeado de manifestações e participações durante a projeção. O papel da oralidade no cinema, que Germain Lacasse (2000) demonstrou ter uma importância muito maior do que se pensava até recentemente, representa outra perspectiva de abordagem que ilustra a evolução contraditória desse processo de institucionalização do cinema na sua relação com o público.

Nos primeiros anos do século 20, as ligas, clubes e outras formas populares de associação – entre as quais se incluem as instituições ligadas a 7

Bem antes do próprio desenvolvimento da narração cinematográfica. Citadas em Mannoni, Laurent. 1993. « 28 octobre 1913 : création de la société ‘Le Cinéma du Peuple’ ». Em Thierry Lefebvre et Laurent Mannon (dir.). L'année 1913 en France, no. fora de série de 1895, outubro, p. 100-107. Paris : Association française de recherche sur l'histoire du cinéma. 9 Militante e “cineclubista” católico, diretor da Bonne Presse, autor da provável primeira História do cinema, em 1925. 10 O processo de formação público é um tema extenso, que não cabe tratar aqui em detalhe. Mas esse processo constitui, justamente, o quadro histórico em que se pode compreender e situar o surgimento e evolução do cineclubismo. 8

6


igrejas11 - cada vez mais adotam as projeções cinematográficas como instrumentos de educação, de proselitismo e de diversão, com o filme se tornando, cada vez mais, o centro, a razão dessa atividade. É mais para o fim da segunda década do século que vamos encontrar também os integrantes do meio cinematográfico propriamente dito12 cada vez mais envolvidos com essas práticas. Talvez as referências documentais mais antigas sejam as palestras e debates, com a presença de profissionais, realizados no Club du Faubourg, em Paris, a partir de 191613 (Lemercier, 1995).

Parece-me que este caminho demonstra e situa melhor a origem do cineclubismo que a diluição do conceito em atividades de caráter genérico e variável, muitas vezes ritualísticas, fundamentadas num sentimento subjetivo. Ou, como adotado sobretudo em obras de referência e “dicionários de cinema”, numa descrição funcional e/ou “protocolar” (no sentido de constituir um protocolo, elencando características e comportamentos, também muito genéricos e frequentemente subjetivos). Não, o cineclubismo corresponde a uma necessidade concreta de acesso e de participação; espectatura com participação e criação14, por parte do público. Que a história parece demonstrar.

11

Ainda que estas sejam submissas a uma orientação “externa”, no sentido de que não nascem, geralmente, da experiência ou tradição popular, mas da iniciativa central de autoridade e instituição eclesial. 12 Preferi aqui uma referência ao “meio profissional”, algo como nossa idéia atual de “classe cinematográfica”, porque não se havia firmado totalmente ainda a noção e a identidade do autor e/ou realizador no processo cinematográfico (ver nota 1). 13 Em 1925 o Club se torna a Tribune Libre du Cinéma, apontado por Gauthier como a primeira organização a realizar sessões com periodicidade definida, seguidas de debates. 14 Esta concepção de cineclube – como forma de organização do público - e da centralidade do público no processo cinematográfico, contudo, só se tornou mais ou menos corrente (sobretudo dentro do movimento cineclubista) depois dos estudos e manifestações de Filippo Maria de Sanctis, Fabio Masala e Felipe Macedo, nos anos 70 e 80, aos quais se junta posteriormente o trabalho fundamental de Gabriel Rodriguez Álvarez. E pela contribuição praticamente anônima de militantes cineclubistas principalmente da Itália, do Brasil e da América Latina em geral. Mas, como a maioria dessas reflexões foram feitas dentro do ambiente cineclubista, através de intervenções em encontros ou textos publicados de forma “alternativa” ou quase, frequentemente marginalizadas institucionalmente ou mesmo reprimidas, tiveram pouca ou nenhuma repercussão fora do meio cineclubista e, num certo sentido, mesmo dentro dele. A “redescoberta” e valorização da Carta de Tabor dos Direitos do Público (inspirada por De Sanctis e Masala) na 1ª. Conferencia Mundial de Cineclubismo, no México, em 2008, no quadro de uma retomada do cineclubismo mundial e seguida de campanhas pela valorização do público e do cineclubismo em várias partes do mundo, recoloca as questões aqui tratadas e permite esta reflexão.

7


Periodização

Se o cineclubismo surge e resulta dessa trajetória histórica de formação e organização do público, qual seria, então, o momento e o fato histórico que poderíamos adotar como base para uma periodização? Em que altura poderíamos – se é que é possível - estabelecer que as atividades de projeção e

o

cinema

propriamente

dito

se

tornam

centrais,

conscientes

e

institucionalmente mesmo podem ser definidas como cineclubes15?

É evidente que a aceitação dos argumentos aqui desenvolvidos aponta para uma pesquisa muito mais ampla e profunda sobre esse processo, em todo o mundo. Como todos sabemos, nem o público nem muito menos os cineclubes, têm sido objeto de grandes investigações, a não ser mais recentemente e com uma absoluta preponderância (no caso do público) de estudos e pesquisas nos países que “tradicionalmente” servem para ilustrar o cinema, sua história e sua teoria. Ou seja, França, Estados Unidos e, em menor escala, alguns outros países europeus. Mas a falta de estudos – e sobretudo de divulgação - não significa ausência de História, e a realização de pesquisas sobre a formação do público, as organizações populares no campo da cultura e os chamados primeiros tempos do cinema, pode vir a revelar ricas experiências concretas em países e/ou períodos de que não temos informação, assim como podem melhorar e aprofundar as idéias aqui alinhavadas. E propor outros pontos de referência. Porque o público, como o cineclubismo, é mundial. O primeiro cineclube

No entanto, ainda que presas às mesmas condicionantes referidas no parágrafo acima, acredito que temos a descrição e documentação de um primeiro cineclube que, não apenas antecede significativamente as iniciativas de Delluc e Canudo, de 1920 (e mesmo as do Club du Faubourg, de Léo 15

Cineclubes como forma de organização do público, estruturados democraticamente e sem fins lucrativos, tal como veio a prevalecer com a organização do cineclubismo como movimento internacional, e nas legislações dos países que os reconhecem.

8


Poldès, de 1916), como representa de maneira muito mais completa, precisa e extensa, a conceituação de cineclube como forma de organização do público.

Trata-se, enfim, do Cinéma du Peuple, organização criada em 1913 por iniciativa dos meios operários anarquistas comunistas16, em Paris. Laurent Mannoni, em artigo publicado no número especial da revista 1895, de outubro de 1993, trata e documenta especificamente essa experiência17. Experiência curta, como significativamente foram tantos cineclubes em nossa história18, mas que estabelece plena e claramente (e melhor que os exemplos posteriores) os grandes traços, características e finalidades que definem o cineclube como forma de organização do público. Como resistência e reação a um cinema de dominação e alienação, e como base para a elaboração e produção de uma visão do mundo própria. Um cinema do público, um cinema do povo. Como expresso no próprio nome da organização.

Depois de um período de desconfiança e até preconceito em relação ao cinema, os meios anarquistas assumem, progressivamente, uma posição crítica. Émile Guichard, velho militante, escreve no jornal anarquista Le Libertaire19: “Assim que lançam uma invenção, ela se volta contra a classe operária”. E, mais adiante, conclama: “Camaradas, vamos boicotar os cinemas que sabotam nossas idéias, vamos obrigá-los, por todos os meios, a mudar o tipo de espetáculos que apresentam; como o teatro, o cinematógrafo deve educar, não embrutecer”20. Em 1912, Guichard e Henri Antoine criam o Teatro do Povo, para promover a “educação artística do povo”. Mannoni indica, sempre no mesmo artigo, que este último podia estar ligado à origem de uma

16

Muito esquematicamente, pode-se distinguir os anarquistas comunistas dos anarquistas individualistas, que os precederam. Depois de uma fase legendária e heróica do anarquismo da iniciativa individual, dos atentados, vais sendo substituído pela corrente “comunista”, mais ligada ao sindicalismo e à organização das massas. 17 Parte da produção do Cinema do Povo foi apresentada pela historiadora Isabelle Marinone (Sorbonne 3) na III Jornada Brasileira de Cinema Silencioso, na Cinemateca Brasileira (São Paulo), em 2009. 18 Parece ser uma inquietante constante na história do cineclubismo que muitas experiências marcantes, fundadoras, tenham tido curta duração. E, desse período inicial, podemos citar as sessões do Ciné-club e do Clube dos Amigos da Sétima Arte (CASA), mas também Os Amigos de Spartacus, em 1928 (os dois primeiros em parte pela morte de seus principais animadores, Delluc e Canudo, e o último motivado pela repressão policial e econômica). 19 Le Libertaire no. 31, 27 de maio de 1911, citado por Mannoni, op. cit. Tradução minha. 20 Idem.

9


Liga do Cinematógrafo para a Infância (da qual pouco se sabe), que produziu um filme em maio de 1912, Pourquoi la guerre, considerado uma “eloqüente resposta aos filmes militaristas”21. Baseados na idéia do Teatro do Povo, cerca de 20 anarquistas “de longa 22

data”

decidiram criar o Cinema do Povo. O programa é publicado no

Libertaire de 13 de setembro de 1913. Em 28 de outubro do mesmo ano, Yves Bidamant et Robert Guérard (compositor de um hino anarquista famoso na época: Revolução) registram em cartório a ata de fundação e estatutos do Cinema do Povo, organizado como uma sociedade cooperativa por subscrição, aberta à participação, com sede na Rue Pouchet, 67, em Paris. As finalidades principais são: “1. A produção, reprodução, venda, locação de filmes cinematográficos, assim como todos os aparelhos e acessórios 23; 2 A propaganda e educação através de apresentações artísticas e teatrais, conferências, etc. (...) A Sociedade se esforçará para elevar a intelectualidade do povo. Manter-se-á constantemente em comunhão de idéias com os agrupamentos livres do Proletariado, baseados na luta de classes e que têm por objetivo a supressão do assalariamento através de uma transformação social econômica.”24

Além de estabelecer um programa político e cultural que representa estritamente a intenção de constituir-se como organização do público – divulgado publicamente e submetido à aprovação de assembléia -, o Cinema do Povo desenvolve uma prática absolutamente cineclubista, atendendo até, com antecedência, às principais características do protocolo cinéfilo que Gauthier vai identificar e localizar nos anos 20: projeções periódicas, debates, conferências. E indo além, já que estas atividades estavam diretamente ligadas à produção de um cinema próprio, proletário, do povo, do público. 21

Le Libertaire no. 31, 1o. de junho de 1912, citado por Mannoni, op. cit. Entre os quais: Sébastien Faure, Jean Grave, André Girard, Marcel Martinet, Pierre Martin (chamado de Corcunda), Émile Rousset, Camille Laisant, Yves Bidamant e Gustave Cauvin. Op. cit. 23 Embora o artigo de Mannoni não mencione explicitamente, o texto de apresentação da mostra anarquista na Cinemateca (nota 14, acima) explica que “seus objetivos eram ‘desinteressados’, e os lucros deveriam ser empregados essencialmente no ’fortalecimento da obra’ e dedicados às vítimas da repressão”: http://www.cinemateca.gov.br/jornada/filmes_anarquismo_1.php 22

24

Op. cit.

10


O artigo de Mannini recupera muito bem essas atividades: “No começo de 1914 a cooperativa pode apresentar seu primeiro título: Les Misères de l’aiguille (As Misérias da Agulha), grande drama social.”25 Uma grande festa é organizada, com números musicais e esquetes ao vivo. “O escritor Lucien Descaves(...) faz uma palestra sobre a utilidade do Cinema do Povo. (...) A sala está lotada, cheia de anarquistas e intelectuais do Quartier Latin. Depois de „vistas cômicas e instrutivas‟ (realizadas pela cooperativa? Não se sabe.), Charles Marck, da CGT, comenta as imagens das Misérias da Agulha enquanto o filme é projetado na tela.”26

A obra “engrandece a solidariedade operária,

denuncia a exploração odiosa das mulheres nas casas de costura. O epílogo do drama convida os trabalhadores a reunirem-se mais fortemente nas organizações de defesa e de ataque contra o capitalismo. Na tela aparece a bela divisa d‟A Internacional: Operários de todos os países, uni-vos!”27. O filme será reapresentado várias vezes.

A primeira sessão do Cinema do Povo teve outra característica muito comum aos cineclubes: com problemas de corrente elétrica, a projeção ficou bastante prejudicada em vários momentos. Mas, assim mesmo, do ponto de vista do público, foi um sucesso. Sucesso que cercou a atividade do cineclube até seu fechamento. Como relata Mannoni:

De 28 de outubro de 1913 a 30 de maio de a914, o Cinema do Povo editou 4.895 metros de filmes. Eis os títulos: Les Misères de l‟aiguille (projeção : 18 de janeiro de 1914). Les Obsèques du citoyen Francis de Pressencé (Funerais do cidadão Francis de Pressencé)( projeção : 31 de janeiro de 1914). Victime des exploiteurs (Vítima dos Exploradores) (projeção : 28 de março de 1914). Estudo sobre o trabalho domiciliar. L‟Hiver! Plaisir de riches! Souffrances des pauvres ! (O Inverno ! Prazeres dos Ricos! Sofrimentos dos pobres!)(projeção: 31 de janeiro de 1914). 25

Op. cit. Op. cit. 27 Le Libertaire, no. 18, 28 de fevereiro de 1914. Citação de Mannoni, op. cit. 26

11


“Os prazeres da patinação. Gerardmer28 e as belezas do inverno, as belas senhoras bem vestidas que se divertem com os ricos desocupados. Como contraste, vê-se o muro do Père Lachaise29. Longas filas de infelizesque esperam há horas, tremendo, por uma magra sopa. Pessoas enfraquecidas, esqueléticas. É a miséria em toda a sua fealdade.30 La Commune! Du 18 au 28 mars 1871 (A Comuna ! Do 18 ao 28 de Março de 1871) (projeção: 28 de março de 1914 . Os episódios mais marcantes da Comuna, a semana sangrenta. Le Vieux docker (O Velho Estivador)(projeção: 28 de março de 1914). “Drama social de grande intensidade e poderoso realismo. Uma página da vida de um trabalhador que se desdobra sobre a tela.”

Mannoni menciona ainda vários projetos, cuja realização não é comprovada, inclusive de Atualidades Operárias, noticiário mostrando “a verdadeira face das nossas lutas: greves, manifestações contra a guerra, etc. Vamos conseguir!”31.

Mas não foi dessa vez. Em junho de 1914 é fechado o jornal Le Libertaire. Em agosto é a mobilização geral; quase todo o cinema francês pára por alguns anos – mudando, inclusive o quadro da exploração comercial do cinema em todo o planeta e permitindo um enorme avanço para o cinema estadunidense que, cada vez mais, seria dominante.

Conclusão

Mas, ainda que breve, a experiência do Cinema do Povo me parece essencial e básica para o desenvolvimento das formas de organização do público em relação ao cinema. Mesmo a historiografia tradicional – que vê o cinema apenas como fenômeno de produção ou linguagem, e no espectador um objeto da psicanálise e da fisiologia – reconhece o papel fundador do Cinema do Povo na trajetória do documentário engajado, do cinema político. 28

Estação invernal francesa. Famoso cemitério parisiense. 30 Le Libertaire, no. 18, 28 de fevereiro de 1914. 29

31

Idem.

12


Creio que é muito mais que isso: é a primeira clara formulação de um objetivo de organização do público, que compreende o enfrentamento da questão central da apropriação do imaginário pelo cinema comercial, com vistas à dominação, a alienação e a reprodução desse modo de produção e de compreensão do mundo. É a primeira experiência – e consciente – de produção coletiva, do público como autor, com vistas à superação desse estado de coisas.

É o primeiro cineclube (documentado), com um projeto claro, uma estrutura democrática e uma atividade expressiva e altamente significativa. Para a sua época e para a história do cineclubismo.

Montreal, março de 2010. Felipe Macedo

Bibliografia citada ALVAREZ, Gabriel Rodriguez. 2002. “Contemporáneos y el Cineclub Mexicano: Revistas y Cine Clubes, la Experiencia Mexicana”. Tese de mestrado. Mexico: Universidad Nacional Autónoma de México. BURCH, Noël. 2007. La Lucarne de l’infini - Naissance du Llngage cinématographique. Paris : L‟Harmattan.

DE SANCTIS, Filippo M.. 1976. Pubblico e Associazionismo Culturale. Roma: Bulzoni Editore.

_________ 1970. Il pubblico come autore : l'analisi del film nelle discussioni di gruppo. Florença : La Nuova Italia/

GAUDREAULT, André. 2008. Cinéma et attraction. Pour une nouvelle histoire du cinématographe. Paris »CNRS Éditions 13


GAUTHIER, Christophe. 1999. La passion du cinéma – Cinéphiles, ciné-clubs et salles spécialisées à Paris de 1920 à 1929. Paris : Association Française de Recherche sur l‟Histoire du Cinéma et École des Chartes.

GUNNING, Tom. 2009. “1902-1903. Movies, Stories and Attractions”. Em André Gaudreault, American Cinema – 1890-1909. New Jersey: Rutgers University Press.

LACASSE, Germain. 2000. Le bonimenteur de vues animées. Le cinéma « muet » entre tradition et modernité. Québec : Nota Bene, Paris : Méridiens Klincksieck.

LEMERCIER, Claire. 1995. « Le Club du faubourg, Tribune libre de Paris, 19181939 ». Tese de mestrado. Institut d‟Études Politiques de Paris

MACEDO, Felipe. 1982. Movimento Cineclubista Brasileiro. São Paulo: Cineclube da Fatec MANNONI, Laurent. 1993. « 28 octobre 1913 : création de la société „Le Cinéma du Peuple‟ ». Em Thierry Lefebvre et Laurent Mannon (dir.). L'année 1913 en France, no. fora de série de 1895, outubro, p. 100-107. Paris : Association française de recherche sur l'histoire du cinéma.

MARX, Karl. (1859) 1977. “Prefácio à Contribuição à Crítica da Economia Política”. Em Karl Marx e Friedrich Engels – Textos 3. São Paulo: Edições Sociais MASALA, Fabio. 1985. « La Lotta ideologica tra „tempo libero‟ e „mezzi di communicazione di massa‟ » Em Il Diritto alla risposta. Educazione degli adulti e mezzi audiovisivi di communicazione di massa. Cagliari : CUEC Editrice.

14


O primeiro cineclube