Page 1

pub

MENSÁRIO DE SANTA CATARINA DA SERRA - DEZEMBRO 2013 - 1€ PREÇO DE CAPA

Levar o natal ao presépio Dia 26 de Dezembro de 2012. Uma criança encantadora, como são quase sempre as crianças, corria para a Igreja com um embrulho bem colorido nas mãos. À minha interpelação parou, enquanto o sol lhe tornava mais pura a vivacidade que trazia nos olhos, para me dizer “Vou levar o Natal ao Presépio”. Sorri-lhe com um sorriso que me vinha do encanto daquela expressão tão bonita e fiquei a contemplar a alegria da Inocência pura que assim vive o amor da vida. Até hoje não esqueci mais estas palavras que me aparecem mais vivas no início deste advento. Levar o Natal ao presépio é sem dúvida alguma, o sentido deste tempo de preparação da grande festa de Deus e dos homens, do Céu e da Terra. Levar o Natal ao presépio pois o Natal está mais na partilha e no Amor que vivemos do que numas imagens de barro que nos traçam esculturalmente a cena que celebramos; levar o Natal ao presépio pois o natal começa na Sagrada Família e nas famílias de cada um de nós onde podemos levar Jesus com toda a sua divindade e humanidade e com todo o seu Amor; levar o Natal ao presépio e levar o que temos e somos a Jesus para...

Pensamento do mês Não acrescente dias à sua vida, mas vida aos seus dias. (Harry Benjamin)

Profissão de Fé Pág. 5

Autarquia homenageia ex-presidentes de Junta das Freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça Pág. 11

Miguel Marques - Arquivo

continua na Pág. 3

O Luz da Serra deseja a todos os colaboradores e amigos um Santo e Feliz Natal e um Ano Novo cheio de luz e vivacidade.

8º Festival “O Chícharo da Serra”

Escola Básica em destaque no ranking das escolas do distrito Pág. 16

Pág.12 pub


LUZ DA SERRA

DEZEMBRO

-- família paroquial --

2

6/11 - Maria Helena Cardoso Azevedo da Costa e Silva, casada com Manuel da Costa e Silva, do Pedrome, adormeceu no Senhor e foi participar na eterna glória de Deus, na juventude dos seus 66 anos de idade 7/11 – Emília de Oliveira, viúva de José Ferreira, do Casal das Figueiras, partiu para o céu na bonita idade de 95 anos 20/11 – Maria Celeste, viúva de José Pereira Brás, do Vale Sumo, partiu para Deus no entardecer dos seus 90 anos de idade 21/11 – Faustino Ribeiro Batista, casado com Lúcia da Purificação, da Chainça, adormeceu no Senhor, na Primavera dos seus 68 anos de idade 29/10 – José Carreira da Costa, casado com Maria Trindade Rodrigues, do Vale Sumo, partiu para Deus aos 82 anos de idade

Maria Helena Cardoso Azevedo da Costa e Silva

Maria da Encarnação N. 04/03/1920 F. 24/11/2013

N.: Santa Cristina, Mesão Frio, (Régua), a 12 de Maio de 1947

Brasil Maria da Encarnação, nasceu em Pinheiria, Santa Catarina da Serra a 4/03/1920 e faleceu a 24/11/2013 em Figueira do Oeste, Paraná Brasil. Deixa 04 Filhos, 11 Netos e 05 Bisnetos. Despedir-se de uma irmã é despedir-se de si mesmo, é o arremate de uma história que terminou externamente sem nossa concordância, mas que precisa também sair de dentro da gente. Sabemos que nesta vida há tempo para tudo, e após todos estes anos decidiu que chegou a hora de descansar. Ficam as boas recordações que compartilhou entre amigos e familiares. Emílio Rodrigues.

F.: Pedrome, Santa Catarina da Serra, Leiria, 6 de Novembro de 2013. A morte não é nada. Eu somente passei para o outro lado do Caminho. Eu sou eu, vocês são vocês. O que eu era para vocês, eu continuarei a ser. Me dêem o nome que vocês sempre me deram, falem comigo como vocês sempre fizeram.

2013

Joaquim Rodrigues Vicente N. 26/11/1923 F. 19/10/2013 Loureira Ao nosso avô Joaquim O nosso avô teve um filho e três filhas. Sempre os ouvimos dizer: - O avô era muito dócil para com os filhos; não ralhava e não batia. - o avô conversava muito - O avô gostava de fazer as vontades aos filhos - O avô sempre gostou de se dar bem com todos Antes de partir, queremos dizer-lhe MUITO OBRIGADO pelo seu exemplo e por tudo o que fez por todos nós. Em nome de toda a nossa família, muito obrigada pela vossa presença.

Vocês continuam vivendo no mundo das criaturas, eu estou a viver no mundo do Criador.

Rosária de Jesus Pereira

Maria Encarnação Gomes N. 11/02/1921 F. 17/11/2012

N. 08/04/1923 F. 24/10/2013 Sobral Óh mãe querida, Quis Deus levar-te para o céu nesta bonita idade dos teus 90 anos. E assim te encontras junto do nosso pai e irmão que tão cedo Deus levou! Uma imensa saudade, um amor eterno em nós, ficou. Nesta longa vida, tão grandes sofrimentos passaste, pois apenas com 34 anos de idade viuvaste e logo em seguida, sem teu filho de tenra idade ficaste. Teu amor de mãe, pelos teus 7 filhos, foi tão grande que nunca desanimaste e para que o pão de cada dia lhes não faltasse, com as tuas mãos, muito trabalhaste. Teus filhos, teus 15 netos, 9 bisnetos, genros e noras muito te agradecem. Para sempre fica nos nossos corações a imagem viva e sorridente de teu lindo rosto.

Sobral

Intercede junto de Deus Nesses céus de eternidade Por todos os que são teus Todos com muitas saudade Continuamos a rezar e a pedir a Deus E à Virgem Santa A sua graça não finda E a nossa voz sempre canta Tua filha, genro e netos.

Tua querida filha Rosa Viúva de José Soares do Sobral, deixou este mundo e foi para o céu, na bonita idade de 90 anos. Nos seus últimos 7 anos foi residente no lar do Centro Social de St. Catarina da Serra, aonde foi muito acarinhada pela direção e funcionários a quem a família muito agradece, assim como a todos, que a acompanharam no seu último adeus, ou que de algum modo, manifestaram o seu pesar. Que sua alma descanse em paz

Nota da redacção: Por lapso, esta informação foi emitida na edição anterior deste jornal com alguns erros. Pedimos desculpa aos visados e aos nossos leitores.

Faustino Ribeiro Batista

Rezem, sorriam, pensem em mim. Rezem por mim.

N. 09/11/1945 F. 21/11/2013 Chainça

Que meu nome seja pronunciado como sempre foi, sem ênfase de nenhum tipo. Sem nenhum traço de sombra ou tristeza.

Não me deixaste querida mãe, Mudaste só de habitação Nesse espaço estás bem Diz-me o meu coração

Descansa em paz

Não utilizem um tom solene ou triste, continuem a rir daquilo que nos fazia rir juntos.

Emília Oliveira N. 06/06/1918 F.07/11/2013 Casal das Figueiras

Os filhos, vêm por este meio, agradecer todo o suporte e conforto que nos deram, e a todas as pessoas que incorporaram o seu funeral ou que de algum modo manifestaram o seu pesar. Os filhos

A vida significa tudo o que ela sempre significou, o fio não foi cortado. Porque eu estaria fora de seus pensamentos, agora que estou apenas fora da sua vista? Eu não estou longe, apenas estou do outro lado do Caminho... Você que aí ficou, siga em frente, a vida continua, linda e bela como sempre foi. Santo Agostinho A família Dª Helena Ser humano capaz de doar-se. Especial colaboradora na Messe do Senhor. Respeitada pelo que significa. Comprometida com a evangelização. Aprendiz na experiência cristã. Testemunha fiel da palavra de Deus. Envolvida na vida da comunidade. Querida por todos pelo bem que fez em favor do próximo. Universal e dedicada. Imitadora de Jesus Cristo. Solidária com os necessitados. Amiga de todos. A nossa gratidão à Dona Helena pelo desempenho de tão sublime missão Paz à sua alma Centro de Catequese deSanta Catarina da Serra

O Pai Não podíamos deixar-te partir, sem que, em meu nome, da mãe, dos meus irmãos, teus netos, genros, familiares e amigos, te disséssemos o quanto vamos sentir a tua falta. Pai Foste um lutador nesta vida e venceste várias doenças. A tua força, a tua coragem e a tua vontade de viver, fizeram de ti um exemplo para todos nós de como é possível enfrentar todos os obstáculos que vão surgindo ao longo do nosso caminho, nesta vida. Pai Quem teve o prazer de te conhecer, não esquece a tua alegria contagiante, a tua honestidade, a tua boa disposição era visível e simplesmente uma virtude sempre presente na tua maneira de ser e estar nesta vida. Pai A tua vivacidade, não consegue ser esquecida, sem ti, o mundo está mais pobre, mais triste, a tua energia já nos faz falta. Pai Agora que partiste, vamos ter que saber viver sem ti, mas com verdade te digo, a tua ausência será sempre sentida, a tua falta sempre será recordada. Pai Foste para nós, teus filhos, o melhor pai do mundo, não foi preciso partires para sentires isso, os teus filhos amavam-te, admiravamte e tu sabia-lo. Ser teu filho ou filha é um orgulho, ter o teu nome é um privilégio. Obrigado pai, por teres sido como eras. Até sempre! Sílvia Santos


DEZEMBRO

LUZ DA SERRA

-- vida da comunidade --

2013

Editorial

Ano da Fé

DR

Dom António Marto publica carta pastoral sobre a família para o biénio 2013-2015

...que Ele transforme o nosso pouco no muito do seu amor eterno; levar o Natal ao presépio é receber a ternura de Deus e acreditar que esse Menino nascido na pobreza de Belém passou pelo mundo fazendo o P. Mário de Bem e amando até à dimenAlmeida Verdasca são da eternidade, esta humanidade ferida onde tantas vezes o homem se torna lobo do homem; Levar o Natal ao presépio é ajoelhar diante do sacrário e no silêncio do coração dar a alma e o coração a Deus que entregou ao mundo o seu tesouro. Um Santo Natal no Presépio que pode ser cada um de nós.

e jovens após o Crisma, a falta de vocações sacerdotais, a grande dificuldade da Igreja de sair de si mesma e ir às periferias, entrando em diálogo com o mundo, abrindo portas e construindo pontes. Essa experiência, no entender do nosso bispo, revelou também as situações difíceis em que algumas famílias se encontram e do seu sofrimento, pelo que justifica a pertinência de centrar a ação pastoral do próximo biénio na realidade da família que nasce da união conjugal de amor entre a mulher e o homem no sacramento do matrimónio, pelo que em 2013-2014 terá como lema: “ Amor conjugal, dom e vocação”, realçando-se “a beleza e a riqueza da família que vive o matrimónio cristão com amor sincero e profundo, fiel e coerente como dom de Deus.”

Parabéns

Retiro da Catequese

Um retiro é algo que nos traz paz, algumas horas de reflexão e oportunidade para aprofundar a nossa fé. Não é preciso um espaço especial e um programa complexo, apenas disponibilidade para ouvir e força de vontade para colaborar. Deus faz o resto. Foi desta forma que os jovens de toda a catequese do 10º ano da nossa freguesia se propuseram a viver um fim-de-semana diferente. A Consolata foi o local

DR

Senhor, nosso Deus e nosso Pai, origem e fonte de toda a vida, que criastes o homem e a mulher à vossa imagem para que, no amor recíproco, fossem família por Vós abençoada; Abençoai todas as famílias para que guardem, fielmente, o vosso eterno desígnio de amor. Nós Vos damos graças pela família que nos destes: no amor com que, em cada dia, nos acolhemos, nos ajudamos e perdoamos ofereceis-nos uma imagem do amor com que criais toda a vida e com que cuidais de todo o ser humano. Ó Maria, nossa Mãe e Senhora das bodas de Caná, com o coração de filhos, nós vos confiamos todas as famílias, em particular, aquelas sem paz, sem afeto, sem pão, sem trabalho e alegria. Rogai por nós ao vosso filho Jesus. Com a doçura e a coragem de mãe, ajudai-nos a fazer o que Ele nos disser, para que nunca se extinga a graça e a festa do amor nas nossas famílias. Ámen! Bispo António Marto Bispo de Leiria – Fátima 8 de setembro de 2013 Festa da Natividade de Nossa Senhora

Continuação da página 1

DR

Oração para o Ano Pastoral

Nesta carta, o Senhor Bispo Dom António Marto começa por recordar a “graça” que foi para ele poder ter efetuado visitas pastorais por toda a Diocese de Leiria-Fátima, entre 2008 e 2013, encontrando pessoas de uma grande fé e muita dedicação à Igreja e à vida da comunidade como constam as suas palavras: “ Confesso que me sentia pequeno perante a fé e a dedicação destas pessoas e, por vezes, me comovia até às lágrimas e são essas pessoas que com a sua entrega, dinamizam a vida das comunidades nos diversos âmbitos. No contacto que teve com os agentes pastorais, coletividades, autarquias, empresários e profissionais, sentiu o grande espírito empreendedor e solidário que distingue esta região, identificando também problemas e desafios como a fé vivida por uma questão de tradição, o afastamento de adolescentes

3

No dia 18 de Outubro de 2013 foi celebrado os 80 anos de Maria de Jesus Guilherme Oliveira, do Ulmeiro. As três filhas e o filho, vieram do Canadá para lhe fazer uma grande surpresa que ela nunca vai esquecer. A Tina, Bella, Ilda e o Paulo querem agradecer às mais de 90 pessoas da família que

ajudaram a fazer a festa e este dia tão especial e tão feliz. Também queremos agradecer a algumas pessoas próximas ( elas sabem quem são ), mas principalmente à nossa prima Lúcia Moço. Muito obrigado e beijinhos. Tina Maria Rubel

escolhido para trabalhos de grupo, debates sobre a nossa Vida Cristã, momentos de convívio, epheta e Eucaristia.Esperamos que daqui nasçam bons frutos: jovens enraizados na fé, prontos a servir e a continuar o caminho até aqui traçado. Rita Maia

Assine o Jornal Luz da Serra Entre em contacto com a redacção pelos seguintes contactos: 00351 917 480 995 luzdaserra@santacatarinadaserra.com

Rua Santa Catarina, Nº22 2495-186 Santa Catarina da Serra - Portugal

pub


LUZ DA SERRA

Novembro, mês das Almas

A História das Histórias A Confraria das Almas Não se sabe quando esta confraria teve o seu início. De acordo com o Couseiro (Memórias do Bispado de Leiria) a confraria já existia no ano de 1605 na capela de S. Guilherme do lugar do Pedrome, na parte que é termo de Leiria, porque pelo meio d’este logar vai a devisão dos termos de Leiria e Ourem. A confraria tinha compromisso e o juiz podia executar penas até 50 reis. As missas da confraria eram celebradas na referida capela de S. Guilherme, que tinha ermitão, mas os seus bens nem sempre foram bem administrados e se gastavam em obras menos úteis e a Confraria do Pedrome entrou em decadência. No dia 22 de Março de 1757 foi criada uma nova Confraria das Almas, na capela da Quinta do Salgueiro, propriedade do padre Jorge Pereira, de características muito diferentes, porquanto “ os irmãos desta confraria não passarão de 33, correspondente aos anos de Nosso Senhor Jesus Cristo no Mundo”. Após a morte do já referido padre Jorge Pereira, ocorrido no mês de Dezembro de 1761, quando tinha 42 anos, as características e objectivos desta confraria foram abandonadas e substituídas do que resultou uma nova Confraria erecta na Igreja Paroquial de Santa Catarina da Serra determinando “que houvesse um capelão para nos domingos e dias santos celebrar missa no altar das almas e na Igreja e a tempo que possam assistir os filhos e criados dos Irmãos Confrades, que vem a ser pelas oito horas da manhã”. Foi devido ao compromisso desta confraria que veio o capelão das almas para dizer missa com meia hora de sol na Igreja Paroquial de Santa Catarina da Serra, cuja tradição ainda se mantém. O capelão tinha renda anual de

Ficha Técnica Jornal Luz da Serra Nº 471 - Dezembro de 2013 Ano XXXIX ERC 108932 - Depósito Legal Nº 1679/83

DEZEMBRO

-- correio do leitor --

4

30$000 mil reis. No ano de 1892, no tempo de José Pereira Bento, como Juiz, os compromissos foram alterados: “a eleição dos responsáveis passaria a ser feita por escrutínio secreto e à pluralidade de votos; na concessão de ajudas ao Hospital de D. Manuel de Aguiar de Leiria; assistência aos irmãos pobres e doentes através de subsídios para vestuário e livros aos filhos dos irmãos pobres de idade escolar”. A Confraria chegou a ser poderosa movimentando muito dinheiro, cobrando juro a que chamavam rectus a 4% e o pároco não exercia qualquer jurisdição, de ordem financeira, junto dos seus responsáveis que, por força do artigo 348 N.º 3 do Código Administrativo eram obrigados a prestar contas ao Administrador do Concelho. Por falta de conhecimentos contabilísticos as contas nem sempre eram apresentadas com o rigor desejado e os gerentes eram responsabilizados, perante a lei, pelos erros cometidos. Foi o que sucedeu com o “Acórdão” exarado em acta da sessão do Conselho do Distrito de 4 de Abril de 1873 que se transcreve: “ Acordam em Conselho que sendo impossível o exame e approvação de semelhantes contas pelo modo como vem descriptas sem clareza, sem documentos e sem aparencia de contas; tomadas estas ilegalmente por um Parocho que nada tem com as cousas da confraria, nem é authoridade para tomar contas e que de certeza não é menos ignorante que os gerentes: determinam que o Administrador do concelho, ao qual cabe não pouca responsdabilidade n’este estado de cousas da confraria, chame os gerentes que hão-de prestar contas pelos annos seguintes e lhes ensine o modo de as formular e documentar”.

Com a substituição do regime monárquico pelo republicano, tudo foi alterado, rompendo com o passado e a submissão ao poder civil e só no dia 9 de Março de 1940, no tempo da Concordata quando era do bispo D. José Alves Correia da Silva se fizeram novos estatutos da Confraria das Almas da Freguesia de Santa Catarina da Serra, Diocese de Leiria conforme as leis canónicas e regulamentos da Autoridade Eclesiástica, estabelecendo que a Confraria seria administrada e dirigida por uma Mesa composta de Juiz, Secretário e Tesoureiro e cinco mordomos. O pároco seria o delegado da autoridade eclesiástica. (In Couseiro, Compromissos e alvarás da Confraria existentes do Arquivo Distrital de Leiria) Artigo da autoria de Domingos Marques Neves, publicado na revista “Voz da Serra” em Dez2002 Nota: Segundo os estatutos da Confraria, publicados a 9 de Março de 1940 e assinados por D. José, Bispo de Leiria. Artigo 1º - A Confraria das Almas de Santa Catarina da Serra, que foi erecta na igreja paroquial em vinte e cinco de Fevereiro de mil setecentos e trinta e oito, é uma associação religiosa, em tudo, conforme com as leis canónicas e regulamentos da autoridade eclesiástica.

2013

A ponte mais forte Maria Primitivo

Terminado o Ano do despertar para a Fé, com firmeza, esclarecimento e fidelidade, vamos entrar no ano da Família. Parecem-me serem estes os dois principais pilares na construção deste mundo que deixamos arruinar. Os pilares da Ponte mais forte por onde todos temos uma viagem muito séria a fazer. A viagem da vida que nos foi dada por Deus e cujo peso e medida ninguém pode trazer no seu bolso. No bolso do coração, podemos e devemos trazer todos a consciência do dom da vida e do respeito por ela. A nossa e a dos outros. Isto só pode começar e ter boa continuação no ambiente familiar, a primeira e principal escola de cada um. E que famílias estão sendo criadas em nossos tempos? É para todos matéria de reflexão. O que podemos é considerar como grande responsável pelos difíceis tempos atuais, a inconfundível crise de famílias. Não só por cá, mas também.

Crise familiar é fruto dos maus tratos e ofensas ao Amor. Falta de estudo mútuo durante o tempo de namoro, que é tantas vezes tudo, exceto a busca do conhecimento de cada um. O sentido da grandeza do sacramento é nulo, da promessa feita, o mesmo. Enorme desgaste na vertente da responsabilidade, de dois, que jamais, por voltas que se deem, não deixarão de o ser. Fica uma marca que não se apaga. Garanto esta verdade. Não se proclama, mas sente-se e mói na vida toda, mesmo que se tente vender sacos de felicidade. Como eu sinto esperança e confiança na atual e futura vaga de jovens. Sei que vão como agora se usa dizer. “fazer a diferença”. Voltar ás suas fieis e dignas origens. Nem tudo o que tem acontecido é só culpa dos jovens e a nós compete ajudar e não julgar. Mas ajudar a tempo. E que se deixem ajudar. Que busquem ajuda, pois esta nunca existe longe de Deus.

Uma energia forte que se chama juízo, é indispensável a todos, também aos educadores. A moeda mais forte é sempre o exemplo. Estamos no tempo lindo do Avento. “O divino há de Vir”. Longo foi o advento da espera do Salvador. Hoje temos essa sublime celebração de umas semanas antes de fazer a festa do mais rico nascimento da Humanidade, JESUS O PRÓPRIO DEUS. Nascido na maior pobreza. Mas numa família onde morava O Senhor e não podia faltar o AMOR. Continuaremos ao longo do ano esmiolando este pão familiar e não desanimar com nada, porque foram sempre corajosos os agentes da nossa Fé. Um santo e alegre Natal a todos os jovens e suas famílias. Que se ajudem como José ajudou Maria e Jesus alegrou os dois. Boas Festas de todo o coração.

Ide por todo o mundo e levai a boa nova aos pobres. São conhecidas de todos as minhas viagens a África, verdadeira terra faminta de Deus e de pão. Desejo partilhar com o nosso povo esta minha experiência passada e continuada, ainda que nem sempre do mesmo jeito. Prometo ir contando episódios de interesse para todos como irmãos que somos e fazê-lo na maior simplicidade e verdade;, podemos e devemos ser missionários em todo o lado ,mas o mandato de Cristo é categórico. Mesmo que dizer. Não vos deixeis ficar bem instalados, sem pensar nos outros. Continuo com a campanha de donativos que, por junção dos jornais diocesanos, não vi condições de continuar a fazer, por agora, o relato das ofertas generosas com que tanto se tem ajudado aquela pobreza. Como prefiro fazêlo num jornal de inspiração cristã, decidi me por pedir

para o fazer no nosso. Todos vamos gostar de saber e de continuar a ser a paróquia aberta e missionária de sempre. Conto convosco e vamos crescer, porque o céu começa aqui. Muito grata rogo a Deus uma bênção grande para a nossa paróquia. E passo às contas, que se acumularam e falam de longe. Abrevio. Maria Marques de Minde,25 euros Maria Emília Lopes, Alemanha 100 euros Missas por suas intenções: Anónimo da Batalha10€ anónima de S. Catarina da Serra 60€ para missas com intenções designadas, família singular Em gestos de generosidade anonimato, 500€ para os pobres da missão africana,100€,pelas almas de uma irmã e de uma cunhada, mais 150€ de uma

filha, e 50€ de outra. António Figueiredo, Juncal, 30eu de uma vez e 20€ de outra. Dois anónimos de Fátima 100eu, Família Pedrome, 40eu. Mais 15eu da mesma, ainda mais 25€ da Magueigia16,40€. Do grupo de oração orientado por uma amiga a residir na Alemanha e na continuação de outras 1500€. Mais do seu marido 500€. S. Família da Quinta da Sardinha, 52.80€. anónimo de S. Catarina 50€. Ser-lhe há dada a recompensa que Deus tem em abundância, para os generosos que sabem gerir e discernir os mais famintos e o fazem com o coração confiante alegre. Santo Natal a todos.

www.santacatarinadaserra.com - hp://luzdaserra.santacatarinadaserra.com Propriedade Fábrica da Igreja Paroquial de Santa Catarina da Serra - Administração e Edição ForSerra - Associação de Desenvolvimento e Gestão Património de Santa Catarina da Serra - Associação sem fins lucrativos e de Utilidade Pública - Despacho n.º 4889/2013 - forserra@santacatarinadaserra.com - www.forserra.pt - Fundador Pe. Joaquim Carreira Faria - Director Pe. Mário Almeida Verdasca - Contacto: (00351) 244 741 197 - Redação e Paginação Miguel Marques [CO787] - Colaboradores Virgílio Gordo,Fernando Valente, Vasco Silva (Historiador), Rita Agrela, Isaque Pereira (Saúde), Liliana Vieira (Psicóloga), Prof. Lurdes Marques, Diana Oliveira, Marco Santos, Marco Neves (enf.), Mara Gonçalves, Judite Ribeiro, Catarina Neves, António Rodrigues - Contactos Telefone (00351) 917 480 995 | Fax (00351 ) 244 741 534 - Correio electrónicoluzdaserra@ santacatarinadaserra.com - Impressão Empresa Diário do Minho - Tiragem 1700 Exemplares - Periocidade Mensal - Preço de assinatura: 10 Euros - Continente e Ilhas | 15 Euros - Europa | 20 Euros - Resto do Mundo - Pagamento de Assinaturas: ForSerra (edifício de Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra) e Casa Paroquial. NIB: 5180.0010.00000921665.08 IBAN: PT50 5180 0010 0000 0921 6650 8 BIC/SWIFT CODE: CDCTPTP2 Banco: Caixa de Crédito de Leiria

Os textos assinados e publicados no jornal LUZ DA SERRA – que podem ou não traduzir a linha de orientação deste jornal – são da inteira responsabilidade dos seus autores.


DEZEMBRO 2013

tina a entregar. Descer à realidade e sentir os problemas e dificuldades dos outros é necessário para crescer e amadurecer. Também a Escola Básica está neste dinamismo de viver o amor e a partilha com mais expressividade neste tempo favorável em que há uma predisposição de todos para se voltarem mais para os outros. Assim, estão a recolher brinquedos, roupa, etc., para entregarem depois à Conferencia Vicentina, que conhece melhor a realidade, e coordenará a distribuição não só na terra, mas também por alguma instituição. Claro que a Comunidade Vida e Paz, com muitos anos

de ligação à nossa comunidade será contemplada também com uma parte dos bens que conseguirmos juntar. Desejamos partilhar com eles e dar-lhes a certeza de que em Jesus todos somos irmãos A venda de, pelo menos 500 velas da campanha “10 milhões de Estrelas”, vai alargar a nossa partilha de Natal aos irmãos da Síria pois o Natal, como o Amor, não tem fronteiras, nem raça e nem cor. Vivamos o verdadeiro Natal

Coisas da nossa terra Domingos Marques Neves

Dia da freguesia A Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra e Chainça, recentemente empossada no cargo, quis no dia da freguesia que se celebrou no dia 25 de Novembro homenagear os seus ex-autarcas ainda vivos, no total de oito, sendo cinco de Santa Catarina da Serra e três da Chainça e fê-lo de uma forma muito simples, numa cerimónia pública realizada no auditório das Freguesias. O Presidente da Junta, Sr. Dr. José Artur Ferreira, teve o cuidado de os convidar pessoalmente e todos compareceram e souberam pôr de parte quaisquer quezílias partidárias que, eventualmente existissem, entre eles. Por tradição secular, o dia de 25 de Novembro foi sempre respeitado por todos os habitantes desta terra por ser o dia da sua padroeira Santa

5

Profissão de Fé

Foto Antunes

Campanha de Natal na comunidade Jovens, adultos e crianças, todos na nossa comunidade estão a preparar neste advento um pouco de amor para partilhar com os outros, sobretudo com os que tem mais carências e dificuldades A comunidade prepara o “Presente para o Menino Jesus”. As crianças já vão pondo de parte o brinquedo, livro, ou outro objecto que vão tornar num presente colorido de alegria para oferecer a Jesus na missa de Natal e que depois será entregue a outras crianças que precisam deste gesto de amor. (pedimos às crianças que escrevam num papel no exterior do que é que se trata e para que idade para não termos que desembrulhar o presente). Também os adultos, da sua renúncia no advento oferecerão na missa de Natal um alimento que depois a Conferencia Vicentina distribuirá pelas famílias que vivem dificuldades neste tempo de crise. Os jovens JCII estão já a lançar uma campanha de recolha de géneros alimentares nas superfícies comerciais que depois fazem questão de ajudar a Conferencia Vicen-

LUZ DA SERRA

-- actualidade - correio do leitor --

No dia 27 de Outubro, a nossa igreja iluminou-se com a simplicidade das túnicas brancas e o brilho da luz das velas do Baptismo dos meninos e meninas que terminaram o sexto ano de catequese com a celebração da sua Profissão de Fé. Este foi um momento de grande orgulho sentido por toda a comunidade paroquial que presenciou a confirmação, livre e individual por parte de 48 jovens face aos compromissos antes assumidos pelos pais e pelos padrinhos aquando do sacramento do Baptismo.

Estes jovens, que ao longo de seis anos beneficiaram do empenho dos seus catequistas na transmissão de valores e exemplos através do ensinamento catequético e ao longo de um mês aprofundaram conhecimentos sobre a temática da fé com a preciosa ajuda e dedicação do Padre Mário, mostraram através da sua atitude humilde e empenhada, tanto na preparação deste momento como na própria cerimónia, a grande força que lhes é transmitida pelos símbolos que os acompanharam neste dia, a cruz e o terço.

O grupo de catequizandos de Santa Catarina, desejam neste momento lembrar a grande catequista e amiga D. Helena, que os acompanhou no passado ano de catequese, preparando-os para este grande momento e, pouco após a Celebração da Profissão de Fé, partiu deixando neles o verdadeiro testemunho de que na terra se pode viver muito perto de Deus se o procurarmos em Nós e nos Outros.

Preservação da História António Gonçalves

Catarina. A paróquia também se associou a esta cerimónia com a presença do Reverendo Pároco Padre Mário Verdasca, que convidou os homenageados a participarem na Eucaristia, que teve uma assistência bastante numerosa, especialmente dos utentes dos Centros de Dia da freguesia e das freguesias vizinhas. Esteve também o representante do Sr. Presidente da Câmara, alguns vereadores e outros presidentes de Juntas de Freguesia do concelho e freguesias vizinhas, também convidados. Os ex-autarcas presentes foram os Srs. António Vieira Rodrigues, Manuel Francisco Lourenço, Domingos Marques das Neves, Lino Dias Pereira, Joaquim Pinheiro Lains de Oliveira, Francisco Rito, D. Maria Luísa dos Santos e José Augusto Filipe da Costa Santos. Foi no ano de 1549, há 464

anos, quando reinava D. João III e a diocese de Leiria era governada pelo bispo D. Frei Brás de Barros que se agrupou uns pequenos aglomerados habitacionais e muito dispersos existentes na serra, situados a sudoeste de Leiria e fez deles um único território administrativo e eclesiástico, dando-lhe o nome de freguesia de Santa Catarina da Serra, com 30 moradores, ficando a sua sede num sítio descampado e sem árvores, onde existia apenas uma pequena ermida da invocação de Santa Catarina, virgem e mártir. Considerava-se, igreja como a Assembleia de Deus, paróquia era o local consagrado ao culto religioso e freguesia o território institucional. Depois destas cerimónias todos os convidados participaram num almoço de confraternização no evento de “Chícharos da Serra”.

A Luz da Serra é uma referencia na divulgação das gentes com valores da nossa terra. Há muitas capacidades e talentos, gostaria que, a título de voluntariado com apoio da nossa Junta de Freguesia e Igreja Paroquial, confrarias, fossem preservadas e cuidadas as campas e avivadas as identificações nelas inscritas junto à casa mortuária - adro da nossa Igreja Paroquial. Pelo simbolismo histórico, sentimento e homenagem aos ali outrora sepultados, aquele espaço carece de tratamento digno, estou certo que o terá. Obrigado pub


LUZ DA SERRA

DEZEMBRO

-- actualidade --

6

2013

Jovens da Freguesia em projeto internacional

Há 50 anos… acendi no altar…

O F1 nas Escolas é um desafio multidisciplinar, no qual estudantes empregam software CAD/CAM para colaborarem, conceberem, analisarem, construírem, testarem e, posteriormente, correrem com miniaturas de automóveis construídos em madeira balsa e propulsionados a ar.

A Irmã Maria de Fátima Neves da Costa das Hospitaleiras Franciscanas celebrou no mês de outubro 50 anos de profissão religiosa. E quis dar graças a Deus no mês de novembro na Eucaristia, celebrada na paróquia de Santa Catarina da Serra, num sábado à noite...

Numa atitude de gratidão, rezou ao Senhor assim: Acendi no Altar da minha vida Um círio pascal, belo e ardente E sempre que olho a cera derretida Até este presente, eu sinto Fé e Amor… Eduardo Caetano

renças de língua e cultura não constituíam qualquer problema: todos se esforçavam para entenderem e serem entendidos, o ambiente de festa era uma constante, embora aliado, naturalmente, a muitos nervos e pressão, a muito esforço por dar o máximo em ordem a ser o melhor possível de entre os melhores. Estes 4 dias culminaram num evento – A Cerimónia de Entrega de Prémios – no qual a Surge subiu ao palco para receber o Prémio de Pesquisa e Desenvolvimento (Pirelli) e foi nomeada para outros dois - Prémio de Melhor Portefólio e Prémio de Melhor Site e Redes Sociais , alcançando um óptimo 7º lugar na classificação geral: esta foi a primeira equipa de portugueses a ganhar um prémio na Final Mundial e atingiu a melhor classificação portuguesa de sempre nesta competição. Os restantes dias foram dedicados ao lazer e enriquecimento cultural: os alunos, professores e acompanhantes tiveram a oportunidade de conhecer a cidade (visitaram alguns pontos de interesse como o Capitólio e passearam pelas ruas de Austin) e de assistir aos treinos livres do Grande Prémio da Fórmula 1, tendo estado presentes no Circuit of the Americas. Aí, a Surge teve acesso VIP ao paddock(box’s dos famosos Fórmula 1), estando na zona de convívio

Porque essa ara branca do meu ser Vem sendo um lugar de imolação Que, em 50 Anos, o Senhor, realizou comigo, Em meu viver, no próprio coração! E quanto mais este meu círio se desfaz E brilha a sua luz como num templo Mais eu encontro a Paz, sou feliz e contemplo O infinito Dom que Deus me faz.

Eduardo Caetano

O desafio inspira os estudantes a utilizarem novas tecnologias para a aprendizagem de física, aerodinâmica, conceção, construção, desenvolvimento de marcas, grafismo, patrocínios, marketing, trabalho de equipa/liderança, competências de comunicação e estratégia financeira, aplicando-os de forma prática, imaginativa, competitiva e entusiasmante em que o objectivo principal é o desenvolvimento de um carro em pequenas dimensões. A equipa 1st Gear, constituída pelos alunos George Oliveira, Eduardo e Tiago, acompanhados pela Mariana, o Humberto e a Prof. Carla, classificou-se em segundo lugar a nível nacional, o que lhe permitiu a presença entre os dias 8 e 15 de novembro em Austin, Texas (EUA) em representação de Portugal no Campeonato Mundial de F1 in Schools 2013. A equipa participou nesta prova em colaboração com uma equipa alemã, fundindo-se ambas para formar a Surge. A competição propriamente dita ocupou quatro dias, nos quais as 38 equipas provenientes de mais de 20 países puderam demonstrar o seu valor e todo o seu trabalho nas várias provas a que foram sujeitas, enfrentando os diversos jurados experientes e com elevado estatuto no mundo da engenharia e não só: apresentação verbal, apresentação de engenharia, apresentação de stand e marketing, escrutínio (avaliação do cumprimentos do regulamento a seguir na construção do protótipo), pressure challenge e, como é óbvio, as corridas dos carros concebidos pelos estudantes e o tempo de reacção destes. Foi uma experiência fantástica que decerto terá um enorme valor para estes ex-alunos do Colégio de S. Miguel no futuro, tanto a nível pessoal como profissional. O facto de naquele espaço todos serem adversários não afectou de modo algum a camaradagem entre os competidores. A língua de ordem? O inglês! Aparentemente, as dife-

dos membros das várias equipas da Fórmula 1, desde engenheiros a pilotos. Os elementos femininos da equipa estiveram ainda nas garagens, onde puderam estabelecer contacto com dois grandes nomes femininos da Fórmula 1. Foi sem dúvida uma semana que marcará para sempre a vida destes vencedores, um sonho realizado que não seria possível sem o apoio de todas as pessoas e entidades que sempre acreditaram neste grupo de trabalho: a todos eles a 1st Gear/Surge quer deixar o seu enorme OBRIGADO! De destacar aqui todas as empresas que contribuíram com apoio funcional, material ou monetário – os nossos patrocinadores/apoios -, as pessoas que participaram nas iniciativas promovidas pela 1st Gear e, como não poderia deixar de ser, o Colégio de S. Miguel, esta família que esteve sempre disposta a ajudar em ordem a colmatar as necessidades da equipa, especialmente o Sr. Director Pe. Adelino Guarda e todos os docentes

e funcionários que foram incansáveis e, de alguma forma, contribuíram para que isto fosse possível. Por último mas não menos importante, há que referir Carla Velez, a professora que nunca desistiu desta equipa e da luta pelos seus objectivos, aquela que sempre lutou tanto como os membros desta. A 1st Gear tem ainda a plena consciência de que teve uma estrela consigo em todos os (melhores e piores) momentos, a quem a tarefa de agradecer se torna menos linear e concreta. A 1st Gear espera agora poder deixar o seu legado aos alunos mais novos, fazendo por que estes se interessem pelo projecto, se empenhem e, quem sabe, tenham a oportunidade de experienciar tudo aquilo por que a equipa passou, todo este projecto empreendedor, único e abrangente que em muito contribui para o crescimento de todos aqueles que nele se envolvem.

Dou conta que Ele olhou a pequenez do meu pobre viver E ainda assim, foi mesmo a mim Que Ele quis escolher… Enquanto o ofertório da minha vida inteira, é Liturgia eu ergo o meu olhar e volto a recordar, aquele dia, em que acendi o meu Círio Pascal… Em que aceitei morrer, por um ideal que eras, Tu Senhor, o Bem Maior que a Vida pode ter! Esta luz que foste para mim Durante estes 50 ANOS Passou além de tudo o que eu sonhava, De todos os meus planos… Por isso, HOJE, com Fé, Meu SIM Te venho agradecer, E repetir, na força deste Amor E neste prosseguir: Escolho-Te, de novo, Meu Deus e meu Senhor! Que neste jubileu, Maria, a Mãe Te diga o que eu não sei dizer E seja Ela a ofertar, também, De novo, o meu viver! F.V.


DEZEMBRO

LUZ DA SERRA

-- actualidade --

2013

7

O Natal de Jesus é a resposta de Deus para os sonhos e as aspirações do coração do homem, a grande festa da família cristã que realiza e celebra no aqui e agora o encontro do Divino com o Humano. O coração humano aspira pela posse da vida e uma busca incansável persegue a nossa maior razão de ser e de viver: amar e ser amado. Somos por natureza peregrinos de nós próprios, peregrinos da vida e da felicidade. Nada nos completa por inteiro no nosso tempo. Somos seres finitos em busca do infinito, que é Deus. Deus, Família Trinitária, no seu eterno amor, nos criou à sua imagem e semelhança, para vivermos e existirmos em família, da família e para a família. Por isso é certo dizer que somos seres huma-

nos e divinos. Vivemos e existimos no tempo, mas nossa vocação é a eternidade. O Deus Menino veio ao nosso encontro tornando-se filho, um de nós, na gruta de Belém. Por Ele e Nele somos convidados a ir ao encontro um do OUTRO, de Deus e dos irmãos, particularmente dos irmãos mais pequeninos e feridos de nosso tempo que precisam de nosso acolhimento, amor e ajuda. Neste tempo natalício faz bem sairmos um pouco de nossas casas e apreciar as ruas, igrejas, jardins, lojas e centros comerciais que se vestem de luzes. Aqui e acolá aparecem presépios e sinais claros de que o Centro do Natal é Jesus. E apesar da figura do pai natal estar em realce comercial percebemos que, mesmo no meio de tan-

tas tensões em que vivemos, o mundo se deixa tocar pela ternura e pelo amor fraterno de que tanto precisamos, principalmente em nossas famílias. No meio deste clima de festas eu me pergunto: "Que lugar ou que espaço do meu coração eu deixo para Jesus? E nas nossas famílias? É pena saber que para muitas famílias cristãs Ele ainda não é o convidado de honra e nem a prioridade do Natal". Não podemos esquecer que na época de seu nascimento, como diz S. João, Jesus veio para os seus e os seus não o reconheceram. Não é diferente hoje. Entretanto, Jesus ontem, hoje e sempre espera pela nossa disponibilidade e acolhimento. Espera encontrar espaço em nosso coração, vida, famílias e sociedade. Espera ser reco-

DR

Natal, a festa do amor, festa da família

nhecido nas pessoas que sofrem, em milhões de crianças abandonadas pelo mundo. Lembremo-nos que a verdadeira celebração do Natal de Jesus pede antes de tudo a reconciliação em família. E este período é muito propício para isto. Nunca haverá

uma família sem problemas, sem questionamentos. Se errarmos, sejamos humildes e peçamos perdão. Se errarem contra nós, sejamos justos e perdoemos, pois no final, só o amor ficará.

Rancho Folclórico de S. Guilherme

Rancho Folclórico de São Guilherme: 2013 Como dizia na última edição, o meu cansaço por ter estado 50 anos ao serviço do Rancho é um facto constatado. Muita coisa ocorreu ao longo de meio século e situações mais ou menos complicadas pelas quais o grupo passou (passa) refletiram-se (refletem-se) em mim. Por exemplo, este ano foi com alguma mágoa que assisti a diversos ensaios, porque os elementos que apareceram para dançar eram insuficientes para um grupo folclórico reputado e reconhecido de norte a sul do país e até no estrangeiro, pois é ele que tem levado o nome de Santa Catarina da Serra a outras paragens, divulgando tradições, músicas e cantares próprios da região da serra de Aire da transição do século XIX para o seguinte. Como já foi noticiado, o Rancho Folclórico de São Guilherme comemorou 50 anos de existência no passado dia 22 de setembro. E é sempre com alegria que se é homenageado depois de meio século de dedicação ao grupo, trabalhando sempre para o elevar ao mais alto nível do folclore. Assim, não posso deixar de gratular todas as

pessoas que estiveram direta ou indiretamente envolvidas nesta homenagem. Deixar também uma palavra de agradecimento e apreço à Junta de Freguesia, presidida por Joaquim Pinheiro, que atribuiu a todos os elementos passados e presentes do Rancho (cerca de 300) uma medalha comemorativa. Quero agradecer, de um modo muito especial, ao Povo da Loureira, através do Rancho de Santa Marta, os bonitos versos datados de 22 de setembro de 2013: Ao Senhor Diamantino Que tanto se tem esforçado Homem de grande prestígio Tem de ser homenageado. Cinquenta anos de trabalho Com muita determinação Ensaiando como sabe Tudo faz de coração Basta-nos a sua presença Um pequeno gesto ou olhar Para tudo estar perfeito Pois não podemos falhar É na Quinta da Sardinha Que vive este ensaiador Para o Rancho estar ativo Tem muito do seu suor Senhor Diamantino não de-

sista E não pode desistir Tem de ensaiar esta gente E outra que está para vir Muito obrigado por tudo Pelo que tem feito por nós Em qualquer atuação Nunca nos sentimos sós Mais uma vez o meu muito obrigado. Sempre que eu puder ajudar o vosso grupo estarei à disposição. Despeço-me de todos e até a uma próxima edição. Diamantino da Purificação Gordo

40 anos de Jornal, Luz da Serra De 7 a 9 de Fevereiro 2014 em Santa Catarina da Serra A Equipa do Jornal está a preparar as comemorações do 40 anos do Jornal Luz da Serra. Este acontecimento terá lugar no fim de semana de 7 a 9 de Fevereiro de 2014, estando a ser preparadas várias iniciativas. Convidamos toda a população a participar.

Exposição de Fotografia “ O retrato da minha terra” Esta é uma iniciativa que pretende mostrar os diferentes olhares sobre a nossa terra. Se gostas de fotografia, participa!! - Serão expostas até 10 fotos por participante - Todas as fotos tem que ser entregues em papel - Todas as fotos tem que ser captadas na Paróquia Santa Catarina da Serra. - Temas: Fotografia antiga, Fotos da nossa Terra, Tema Livre Entrega de fotos na redacção ou na Casa Paroquial de Santa Catarina da Serra.

Poemas e literatura Se tens “aquele” jeitinho para fazer uns poemas, textos ou rimas, aceita este desafio: Escreve sobre o jornal e a nossa terra, envia para a redacção do mesmo e vê os teus textos publicados, Serão também divulgados na exposição de comemoração dos 40 anos do jornal. Envia as tuas obras para o email do jornal. Contamos contigo!

PARTICIPA Informações: luzdaserra@santacatarinadaserra.com 917 480 995


LUZ DA SERRA

DEZEMBRO

-- cadernos da nossa terra --

8

2013

Loureira Gente de trabalho e de paz, gente solidária e de grande espírito comunitário. Texto: Catarina Neves Fotografia: Catarina Neves Das origens até ao século XVIII A Loureira é uma das aldeias fundadoras da freguesia e paróquia de Santa Catarina da Serra, a par da Pinheiria e da Gordaria, da Barreiria, do Pedrome e do Vale Maior. Nasceu dividida entre dois termos ou concelhos: o de Leiria e o de Ourém. Em 1549, data da criação da paróquia, contava apenas com meia dúzia de habitações no termo de Leiria e outras tantas ou um pouco mais no termo de Ourém. Em 1586, com a integração das paróquias de Ourém na diocese de Leiria, quiseram os habitantes de um e outro termo dar as mãos para um enlaçamento que se tornou definitivo em 1610. Data desse ano a união das duas partes da aldeia – união selada com a edificação de um templo comum da invocação de Santa Marta. Foi esta união de facto que foi comemorada de forma tão festiva, em 2010. Ficaram para memória inesquecível as Comemorações dos 400 anos de uma Loureira única e unida. Bem se pode dizer que aquela união dos inícios de Seiscentos foi um casamento para toda a vida e que foi um casamento a valer, porque, passados 400 anos, se há traço que distingue a Loureira é a união das suas gentes e a

união dos seus cantos. A Loureira cresceu rapidamente e depressa se constituiu como o maior lugar da freguesia. Habitações e população Em 1758, a Loureira contava já com 45 habitações ou fogos, distanciando-se do Vale Sumo com 34, do Pedrome com 21, do Ulmeiro com 18 e da Pinheiria também com 18 ou da Chainça com 15. Em 1911, a Loureira contava com 89 fogos, em 1940 com 172, em 1960 com 193, em 1981 com 233. Presentemente, de acordo com dados apurados no Censos de 2011, conta 485 edifícios, sendo 454 as habitações familiares. Com uma malha urbana que excede hoje um milhão de metros quadrados, as habitações distribuem-se de forma homogénea pelos cinco cantos em que se tornou costume dividir a aldeia: canto dos Santos, termo de Leiria, canto do Outeiro, canto dos Caetanos e canto do Rossio. Quanto à população, a evolução foi a seguinte: em 1758, aproximadamente 150 habitantes; em 1911, 411, em 1940, 505; em 1960, 778; em 1981, 875 habitantes. Hoje, de acordo com o Censos de 2011, são 1034 os habitantes residentes, assim distribuídos por idades: dos 0 aos 24 Anos, 172 pessoas; dos 25 aos 64,

Em dia de aniversário no Parque Vale Mourão.

296; com 65 ou mais 81 pessoas. Os números deixam antever a necessidade cada vez maior de equipamentos de acolhimento para a terceira idade. Da agricultura tradicional… Nos tempos das origens e até meados do século XIX, as gentes da Loureira viveram do amanho das covas férteis dentro do lugar e da conquista das “pedrigueiras” e dos vales, para aí plantarem oliveiras em abundância e semearem a cevada, a aveia, os tremoços, alguns chícharos e algum trigo. Depois voltaram-se para a Charneca e arrotearam-na, para aí cultivarem o milho, as batatas e o feijão. Em meados do século XX, a Loureira contava com uma centena de juntas de bois ou vacas (consultar livro do Rol do Gado Bovino), hoje substituídas por outros tantos tratores agrícolas. … ao empreendedorismo empresarial A partir dos anos sessenta, as gentes da Loureira souberam adaptar-se bem aos tempos da transformação económica e industrial, beneficiando da proximidade com a Cova da Iria, em acelerado processo de transformação urbana. Sempre foi e continua reduzido o número de habitantes que trabalha por conta de outrem.

Edifício-sede da Associação Desenvolvimento Social da Loureira Um grande número criou a sua pequena empresa ou está acoletado em nome individual. Há profissionais para todos os ramos da construção civil: pedreiros, carpinteiros, canalizadores, eletricistas, pintores, estucadores. Há empresas com grande volume de negócio: uma na área do mobiliário, outra na área da metalomecânica e outra ainda na exploração do granito. Há empresas voltadas para a exploração florestal e as madeiras e empresas/”stands” voltadas para o comércio automóvel. Há casas de restauração e de contabilidade, oficinas auto e estação de serviço. Há lojas e armazéns diversos onde se vende ferro forjado e muitos acessórios para serralharia civil, mosaicos, azulejos e louças para a construção civil. À Loureira acorrem ainda comerciantes/feirantes e muitos habitantes da Loureira e das

Cortejo a favor das obras da A.D.S.L.

redondezas, para a feira mensal, que tem lugar no primeiro domingo de cada mês. A Associação da Loureira O «ex-libris» da Loureira é hoje a sua Associação para o Desenvolvimento Social da Loureira, a casa comunitária de todos, que conta presentemente com mais de 270 associados e 24 colaboradores. Constituída por escritura pública, datada de 14.08.1990, celebrada no Cartório Notarial de Ourém, desenvolve a sua principal atividade no apoio à infância, com Creche, e no apoio aos idosos com Centro de Dia e Serviço de Apoio ao Domicílio. Tem ainda Centro de Atendimento da Segurança Social. O bar e café da Associação funciona como uma outra resposta social, pois se constituiu como um autêntico Centro de Convívio da comunidade.

Complementarmente, enquanto associação de promoção e desenvolvimento local, promove e apoia iniciativas de carácter cultural, recreativo e formação em diversas áreas. Recentemente, foram realizadas obras no interior do edifício, para servir mais e melhor todos os utentes da Instituição, e de acordo com a legislação em vigor. A Associação da Loureira integra ainda o espaço comunitário Parque de Merendas do Vale Mourão, dinamizado com autonomia pela Comissão do Património Rústico e Lazer que tem sido, nos últimos anos, a comissão promotora de muitos trabalhos comunitários, sempre em dia de Carnaval: requalificação de espaços públicos abandonados e conservação e requalificação de muitos caminhos vicinais e fazendeiros.

Crianças da creche de visita ao Centro de Dia.


DEZEMBRO

LUZ DA SERRA

-- cadernos da nossa terra --

2013

9

Chainça Ó que linda Aldeia, Aldeia tão querida, Lugar da Chainça, quem o não viu ainda Está todo ramado, montes e pinhais, Quem lá foi uma vez, ainda volta mais!

Capela da Chainça de evocação a Santa Quitéria. febre preparavam um chá de cergacinha e cevada. Por volta de 1810, com as invasões francesas foram extintas todas as ordens religiosas, de modo que os Abades da Chainça, tiveram que fugir ou passavam a viver como a população, uns chegaram mesmo a formar família. As invasões francesas não atingiram apenas as ordens religiosas, mas também (e muito em especialmente) toda a população, sobretudo as senhoras, que eram perseguidas e maltratadas pelos soldados franceses. Isto aconteceu também na Chainça a alguns dos nossos avós. Como as pessoas tinham grande devoção a Santa Quitéria, no ano de 1860-64 a população, decide construir uma nova capela, esta foi mudada para o Outeiro, onde ainda hoje existe. Responsabilizaram-se pela construção da capela; os tios Rafael, Covinha velho, Bar-

beiro velho e o tio Alfaiate velho.

em casa da tia Inácia Lageiro. Esta professora, veio a falecer com a febre que atacou milhares de pessoas, entre 1918-19. Sucederam-lhe outras que davam aulas nas próprias casas onde viviam. Como havia muitas pessoas a aprender, sentiram necessidade de construir um lugar onde se pudessem reunir. Foi então que construíram a primeira escola, que ficou concluída em 1931. Esta foi oferecida pela Câmara ao povo. Situada na serra e desprovida de nascentes, no verão, as pessoas recorriam à fonte do peixe e outras daí a necessidade de construírem um poço que lhes servisse de reserva, foi então, que se construiu o chamado poço da capela, isto na década de 30. Em 1963 a população assiste a um grande acontecimento que veio modificar um pouco a vida da nossa gente. Foi a inauguração da luz elétrica,

A Chainça, apesar de tudo, era uma terra bastante agreste e descampada, o que levou algumas pessoas, como o Sr. José do Val, homem disponível por ser solteiro a semear o pinhal da Chainça, desde a Lagoa à Charneca. O gosto que as pessoas tinham por aprender a ler e a escrever, era de tal modo que no início do século XX, levou alguns a deslocaram-se à Quinta da Sardinha e depois transmitiam aos amigos o que aprendiam. A primeira pessoa que ensinou a ler e a escrever foi o tio Barbeiro mais velho e mais tarde a Srª Josefa, mais conhecida por tia Esdefa (tiesdefa). O interesse demonstrado pelas pessoas foi tanto, que o estado mandou, passados poucos anos, uma professora, a Dona Maria Pêres, isto entre 1911 e 1915, e as aulas eram dadas

onde estiveram presentes o Sr. Presidente da Câmara e o representante do Sr. Bispo Monsenhor Marques dos Santos, além duma grande multidão, não só da Chaínça, mas também das vizinhanças. Ainda sensíveis á chegada da luz elétrica, a população celebra em 1964, de um modo especial, o primeiro centenário da mudança da capela e utilizam a eletricidade como principal elemento decorativo, fazendo viver grandes momentos de entusiasmo, deslumbramento e alegria. Nesse mesmo dia, e como sinal de fidelidade à devoção de santa Quitéria, foi inaugurado um monumento com a sua imagem no adro da capela.

Miguel Marques

Senhor. Aos 7 de Setembro de 1527 foy eu Jorge Fernandes a Vila de Leiria e cõ Rui Caldeira e Gonçalo Picanço, Juizez e Sebastião do Quental, escrivão da comarca, a que notifiquei a carta de sua Aleza D. João III, me informem do conteúdo, em ela e achei o seguinte: A Vila de Leiria tem 584 vizinhos do corpo da vila e arrabaldes. (…) Com a entrada de Marquês de pombal para a chefia do país, a Igreja é bastante perseguida e as ordens religiosas sentem a necessidade de se disfarçarem em pessoas vulgares, refugiando-se nos pequenos lugares. A Chainça foi um desses lugares escolhidos, pelos então chamados Abades, estes fugidos de Braga. Com a chegada dos Abades, a gente da Chainça começa a aprender novos costumes. Como cultivar as terras, medicina caseira e passa a interessar-se pelos acontecimentos a nível nacional. Trouxeram também a devoção a Santa Quitéria por esta ser portuguesa e advogada dos cães danados, deixando esquecer Santa Teresa, a primeira padroeira. No campo da agricultura, ensinaram e juntamente com as pessoas, cultivaram os campos e construíram cisternas; supõem-se que a primeira tenha sido o poço pinhal. Este servia toda a população. Foi também nesta época que a plantação de árvores, como a macieira e o limoeiro surgiu. Uma das plantas que as pessoas cultivavam, e com bastante utilidade era o linho, pois, a partir dela faziam fio de linho que depois trabalhavam em teares para fazer o vestuário. No campo da medicina, os Abades ensinaram às pessoas a fazerem medicamentos caseiros, assim (ex.) para a tosse, faziam um xarope de alecrim, folhas de eucalipto e pontas de pinheiro. Para a

DR

A história diz-nos que os primeiros habitantes da Chainça, fixaram-se nas Portelas e que estes tinham sido os amantes dum rei. Assim, o rei e alguns nobres, vinham muitas vezes visitar as pessoas que aí viviam. Daí as Portelas se tornarem num lugar de porto, paragem ou passagem bastante frequentado e conhecido pelos nobres, mais tarde, pelos almocreves, quando estes vinham fazer as suas trocas comerciais, tendo sido estes, os primeiros a aperceberem-se da fertilidade da terra chã que aqui existia. Mais tarde, voltaram cá os mesmos e verificaram qua terra produzia bem e que cá já havia bastante vida, então disseram que na terra “Chã inça”. Com o passar dos anos, juntaram a palavra Chã com inça e formou-se a palavra Chainça. Desde esta época, as pessoas começaram por se fixar nos locais onde a terra produzia melhor. O nome de Chainça na sua origem histórica: Adolfo Coelho, num artigo, intitulado: Origens do português do Sul, publicado na revista dos Serões, nº46 citado por Júlio Moreira, Questões de Linguagem na revista Lusitana, vol. 14 (1911) p. 275. Em outro lugar do mesmo trabalho, encontra-se uma série de derivados do latim plames (que significa chão) Chada, Achada, Achadinha, Chainça, Cheinho, Chaíça… Da mesma opinião é J. Maria piel em Miscelânea de Etimologia Português de Galega (1ª série) Coimbra 1953 quando diz que Chiança deriva de planitia (p.210), significa planície, plano, planalto. Verifica-se que o grupo pla deu cha; o grupo ni em in e o grupo tia em ça. No registo das cidades, Cidas e Lugares de 1527, encontrase o seguinte, o que passamos a descrever: “A Vila de leiria del Rei Nosso

Miguel Marques

Texto: Artigo publicado no Luz da Serra de Janeiro 2005, pag10.

Procissão nos festejos anuais a Santa Quitéria.

Sede da Ass. Promoção Social da Chainça.


LUZ DA SERRA

Associação dos Amigos da secção de Bombeiros do Sul do Concelho de Leiria

Quero aqui deixar publicamente o forte agradecimento a todos e também aqueles que fizeram questão em escolher com a sua participação a nossa Tasquinha! Posso adiantar, que apesar de ainda não estar apurada a grande despesa com os géneros alimentícios para a efectivação de todo o serviço prestado, o resultado final será de alguns milhares de euros.

Eduardo Caetano

A tasquinha dos bombeiros no 8º Festival do Chícharo da Serra Como não poderia deixar de ser, foi uma das maiores actividades que organizamos ou participamos, neste caso, durante este ano que caminha rapidamente para o final. Afim de não esquecer ninguém, pois foram muitos os directores, seus familiares, Bombeiros e amigos (as) da nossa Associação que se disponibilizaram a trabalhar e a servir gratuitamente durante os dias em que decorreu este evento que, uma vez mais, foi um autêntico sucesso.

DEZEMBRO

-- associativismo --

10

2013

O almoço de angariação de fundos realizado no salão do Centro Social Apesar de se ter realizado ainda este mês, concretamente no passado dia 8, “Dia da Imaculada Conceição”, posso adiantar desde já que não atingindo os números de outrora, teve grande aceitação por parte de muitos (as) convivas, cerca de 300. De facto a data escolhida não o foi por acaso. Conforme aí afirmei publicamente, foi a melhor forma de me despedir e de quem me acompanha há 9 ou 6 anos nos órgãos sociais da nossa Associação de Bombeiros, ter por perto Nossa Senhora, que tanto me ajudou neste período da minha vida associativa. Foi o momento especial e solene de agradecer também a quem ajudou voluntariamente na realização deste evento. Tal como a todos (as) amigos (as) dos Bombeiros, empresas e à população em geral na consolidação da nossa Associação de Bombeiros, após 9 anos de doação total! Bem hajam a todos (as), sem excepção, incluindo como não poderia deixar de ser, os nossos Bombeiros e Bombeiras.

O jantar de angariação de fundos na Chainça

A solidariedade dos Teimosos

Ainda a campanha de donativos para a nova ambulância

Não sendo a primeira vez que este grupo de amantes do ciclismo na versão de BTT, têm para com os Bombeiros, muito sensibilizou, quer a direcção, os Bombeiros e todas os directores do Núcleo de Santa Catarina, a iniciativa que, uma vez mais, tiveram para a nossa Associação. Foi no passado Domingo dia 1, dia da Restauração, que uma vez mais mostraram a sua disponibilidade e generosidade para com os Bombeiros, através da realização de um pequeno - almoço convívio no nosso quartel dos Cardosos. Para lá da oferta de 350 € euros, ainda pagaram do seu bolso a despesa que a direcção da Associação teve na realização do convívio. Todos sabem o quanto estas iniciativas me sensibilizam, tal como todos (as) que voluntariamente trabalhamos na nossa Associação de Bombeiros! Bem Hajam.

Apesar de haver algumas empresas, às quais fizemos o pedido para fazer o seu donativo, sem resposta da sua parte, ainda o poderão fazer, se assim o desejarem. Em Novembro, foram estas as que nos ajudaram:

Maquilift, Lda. Armintalúrgica, Lda. Virgílio Inácio Canalizações Unipessoal, Lda. (Chainça) Móveis J. F. Viva, Lda. Ainda para este mês de Dezembro, o grande destaque vai para a realização da Assembleia-geral a realizar no próximo dia 16, conforme a convocatória afixada e aqui publicada, onde consta a eleição de novos órgãos sociais para o próximo triénio de 2014 / 2016.

Centro Social Paroquial de Santa Catarina da Serra

À Procura de Um Abraço

Embora não tendo a adesão que teve nos anos anteriores, não deixou de ser um espaço de alegria e são convívio e de ter um resultado positivo, pois como diz o ditado: “Grão a grão, enche a galinha o papo”. Quando são muitas as Associações a organizarem os seus eventos é natural que coincidam ou aconteçam próximos uns dos outros, para além dos tempos que vivemos, nos levarem a todos a fazer contas para levarmos um modo de vida consentâneo com o nosso inestimável espírito de solidariedade! Obrigado a todos (as), que trabalharam voluntariamente e aos que participaram em mais este evento.

A operacionalidade Embora nem sempre referida neste espaço, é importante que todos, desde sócios, à população em geral, que nos tem ajudado, seja conhecedora do grande trabalho que têm os nossos Bombeiros (as), durante cada dia e cada mês, para que o socorro e a emergência, sejam a mais eficaz possível! Sabemos e aceitamos que por vezes existem falhas. Tenham sempre presente que ligar 112 não impede, antes pelo contrário que liguem também para o nosso quartel, ou para o quartel mais próximo. Neste caso para o dos Cardosos, pois foi para estar mais próximo das 4 freguesias, que ele foi construído! Em termos de transporte de doentes não urgentes, foram efectuados 114.

AMIGOS DA LUZ DA SERRA Chegaram os seguintes donativos ao Jornal:

As crianças da Creche do Centro Social e Paroquial de Santa Catarina da Serra, participaram este ano na iniciativa: “ Dia Nacional do Pijama”. Esta iniciativa foi realizada pela Instituição “Mundos de Vida” que foi fundada em 29 de julho de 1984. Este é um dia em que as crianças pequenas lembram, anualmente, a todos que "uma criança tem direito a

crescer numa família". É um dia solidário feito por crianças que ajudam outras crianças que vivem em instituições de acolhimento à espera de uma família que as queira acolher / abraçar E as nossas crianças vestiram-se a rigor e puderam distribuir abraços, por toda a instituição e lembrar a todos que os miminhos e afectos nunca são demais.

DR

DR

António de Jesus Costa - Ramada - 10€ Silvino Rodrigues Lopes - Luxemburgo - 15€ António Alves Oliveira - França - 5€

“O Centro Social Paroquial de Santa Catarina da Serra agradece a todos os patrocinadores que permitiram que a nossa freguesia ficasse mais bonita com a iluminação de Natal (árvore e arco). A todos bem hajam e aproveitamos para desejar um Santo e Feliz Natal e um Bom Ano Novo.”

Aos nossos Assinantes Solicitamos aos nossos assinantes o pagamento da assinatura anual. As assinaturas podem ser pagas na Casa Paroquial ou na redacção ( edificio da Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra ). + info: 00351 917 480 995 luzdaserra@santacatarinadaserra.com


DEZEMBRO 2013

Foto Antunes

Homenagem aos ex-presidentes de Junta das Freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça No passado dia 25 de novembro, no âmbito das comemorações do dia de Santa Catarina, foram homenageados, pelo Executivo da União das Freguesias, no Auditório, os ex-presidentes de junta das freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça ainda vivos. O motivo para esta homenagem, está relacionado com o facto de em consequência da reforma administrativa, as freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça terem sido extintas enquanto autarquias individuais, dando origem a uma nova entidade, a União das Freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça, entendendo-se que seria justo reconhecer e homenagear publicamente o trabalho realizado e a dedicação demonstrados no exercício do poder autárquico, daqueles que ao longo dos anos assumiram a liderança das agora agregadas freguesias de Santa Catarina e Chainça, dando o melhor de si por esta terra. Assim, foram homenageados os ex-presidentes de junta, da extinta freguesia de Santa Catarina da Serra: António Vieira Rodrigues, residente no Pedrome, foi Presidente da Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra, desde o ano 1972 até ao ano 1977. Manuel Francisco Lourenço, residente nos Olivais, foi Presidente da Junta de Fre-

LUZ DA SERRA

-- autarquia - associativismo --

11

Livro da Freguesia: Está à venda nas Secretarias da União das Freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça o livro “Santa Catarina da Serra – Estudo Histórico e Documental” editado pela Junta de Freguesia e da autoria de Vasco Jorge Rosa da Silva e Joaquim Neves Vicente.

Carro Net guesia de Santa Catarina da Serra, desde o ano 1981 até ao ano 1990. Domingos Marques das Neves, residente na Loureira, foi Presidente da Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra, desde o ano 1990 até ao ano 2005. Lino Dias Pereira, residente na Cova Alta, foi Presidente da Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra, desde o ano 2005 até ao ano 2009. Joaquim Pinheiro Lains de Oliveira, residente no Vale do Sumo, foi Presidente da Junta de Freguesia de Santa Catarina da Serra, desde o ano 2009 até ao ano 2013. Já no que se refere à extinta

freguesia da Chainça, foram homenageados, os seguintes ex-presidentes de junta: Francisco Jacinto Rito, residente na Loureira, foi Presidente da Junta de Freguesia de Chainça, desde o ano 1990 até ao ano 1993. Maria Luísa dos Santos, residente na Chainça, foi Presidente da Junta de Freguesia de Chainça, desde o ano 1994 até ao ano 1997 e desde o ano 2009 até ao ano 2013. José Augusto Filipe da Costa Santos, residente na Chainça, foi Presidente da Junta de Freguesia de Chainça, desde o ano 1998 até ao ano 2009. Após a cerimónia de homenagem foi celebrada uma

missa, seguida de um almoço com todos os convidados na tasquinha da Associação de Desenvolvimento Social da Loureira, no espaço de refeições do festival “O Chícharo da Serra”.

Está a decorrer em Santa Catarina da Serra formação em informática, no carro net. Esta formação é frequentada por 36 pessoas, distribuídas por 4 turmas, sendo maioritariamente reformados e desempregados.

Correios de Santa Catarina da Serra De forma a servir melhor a população, a Junta de Freguesia assinou com os CTT, um novo contrato de Prestação de Serviços que contempla o acréscimo de alguns serviços. Informa-se também que as cartas registadas dirigidas aos habitantes da Chaínça, deverão ser levantadas no posto dos correios de Santa Catarina da Serra.

Dia da Defesa Nacional 2014 Informa-se que os editais de convocação para os cidadãos nascidos em 1995 serão afixados nas vitrinas das Secretarias da Freguesia de Santa Catarina da Serra e Chainça durante o mês de Dezembro. Toda a informação relativamente ao Dia da Defesa Nacional encontra-se disponível ao cidadão no site hp://www.dgprm.pt.

Clube de Automóveis Antigos de Santa Catarina da Serra

Marcado pelo dinamismo das gentes de Santa Catarina da Serra, realizou-se de 20 a 25 de Novembro o Festival Cultural e Gastronómico “O Chícharo da Serra” em Santa Catarina da Serra. Este é um evento que vai já na sua 8ª edição, ao qual o Clube de Automóveis Antigos de Santa Catarina da Serra (CAASCS) se juntou desde a primeira hora. Com este evento assinalouse o 464º aniversário da freguesia (25 de Novembro) e o dia da Padroeira (Santa Catarina). Esta é uma iniciativa com um claro apelo aos va-

lores histórico-culturais das nossas gentes, é centro de convívio onde se unem gerações e de promoção ao desenvolvimento local. Este evento é organizado pelas associações locais desta freguesia em que aqui preparam e servem o chícharo acompanhado de bacalhau assado. Neste evento provase, todos os anos, a boa gastronomia desta região, as exposições e artesanato, concertos, música e os clássicos do CAASCS, onde a nossa sede faz parte integrante deste grande evento. Com o contributo dos sócios

do CAASCS, expuseram-se alguns clássicos na nossa sede que fizeram sonhar e recordar todos os visitantes do evento, cerca de 23 mil. Além da exposição de clássicos, o CAASCS proporcionou momentos de convívio e diversão com prova de alguns doces e iguarias que satisfizeram os inúmeros visitantes curiosos em saber o que era esta leguminosa, tão característica deste evento. Chegaram um pouco de todo o país e não resistiram a levar um doce de chícharo para os seus. Direcção CAASCS

CAASCS

Museu dos Clássicos no Chícharo da Serra


LUZ DA SERRA

DEZEMBRO

-- educação --

12

2013

Escola Básica de Santa Catarina da Serra em destaque, no distrito, no ranking das escolas

Pais e alunos do 4º ano comemoram o S. Martinho

para as provas finais. Professores, alunos, pais, encarregados de educação e funcionários, todos estão de parabéns!

DR

pondo trabalhos dos alunos, divulgando atividades realizadas nas escolas e promovendo outras a realizar. Os alunos do 9º ano venderam pequenas peças de bijutaria, marcadores de livros e rifas para sortear um cabaz, acompanhados por pais/encarregados de educação e professores.

de informática, os alunos comunicaram, navegaram e divertiram-se com diversos jogos didáticos. No final do dia, os pais vieram buscar os seus filhos à escola, para os quais estava preparada uma surpresa – os alunos convidaram-nos a assistir, no auditório, a pequenas representações preparadas por eles sobre o S. Martinho. E a festa culminou com um convívio entre todos e com quentes e deliciosas castanhas.

Assim é Natal!

Miguel Marques - Arquivo

individualizados para alunos que revelam mais dificuldades e proporciona a todos os alunos do 6º e 9º ano aulas de preparação

uma dimensão adequada ao ensino personalizado e as salas e laboratórios estão devidamente equipados. A escola disponibiliza apoios

Escolas de Santa Catarina da Serra marcam presença no 8º Festival Cultural e Gastronómico “O Chícharo da Serra” As Escolas de Santa Catarina da Serra, uma vez mais, envolveram-se no grande projeto da comunidade que é o Festival Cultural e Gastronómico “Chícharo da Serra”. Trata-se de um evento que aposta na divulgação da cultura, do artesanato e da gastronomia, no sentido de promover e dar a conhecer o chícharo. As nossas escolas e a Forescolas estiverem presentes neste certame, ex-

No passado dia 11 de novembro os alunos do 4º ano das escolas de Chainça, Santa Catarina da Serra e Vale Sumo participaram num conjunto de atividades na Escola Básica de Santa Catarina da Serra. Iniciaram a tarde no auditório, assistindo à representação de uma peça de teatro apresentada pelos alunos do 3º ano. No laboratório, observaram os colegas mais velhos a realizar várias experiências. Depois, visitaram a biblioteca, onde ouviram um conto lido pela bibliotecária. Já na sala

Miguel Marques - Arquivo

De acordo com o ranking das escolas publicado pelo Expresso e tendo em conta as escolas públicas que realizaram mais de 50 exames no distrito de Leiria, nos exames do 4º ano, a Escola Básica de Santa Catarina da Serra foi a escola pública com a melhor média. E a nível nacional, das 4621 escolas ficou na 280ª posição, com uma média de 3.42. Ao nível do 6º ano, a escola foi a 11ª a nível do distrito e a 6ª melhor do concelho, em 14 escolas, e a 261ª a nível nacional, em 1141 escolas. Ao nível do 9º ano, os resultados colocam a escola na 15ª posição no distrito, na 7ª posição no concelho e na 408ª a nível nacional (em 1308 escolas). Tais resultados devem-se ao ambiente escolar tranquilo, ordeiro, propício à aprendizagem que se vive na escola e à articulação entre os vários ciclos. As turmas têm

DR

Textos: Rita Agrela

A Escola Básica de Santa Catarina da Serra, as escolas do primeiro ciclo e os jardins de infância vão promover, de 3 a 16 de Dezembro, uma campanha de recolha de roupa, brinquedos e alimentos destinados a famílias carenciadas da nossa comunidade. O objetivo é contribuir para que seja mais Natal em todas as famílias. Os donativos

podem ser entregues nas escolas e jardins de infância de Santa Catarina da Serra, na Associação para o Desenvolvimento Social da Loureira e na Loja do Irmão. A distribuição dos bens recolhidos estará a cargo da Conferência de S. Vicente de Paulo de Santa Catarina da Serra. Rita Agrela pub


DEZEMBRO 2013

opinião

Desportivamente Falando Equipa Santacatarinense de TT, brilha no 24 H de Fronteira mingo diante da Boavista e os seniores, chegariam de certeza absoluta em primeiro lugar da sua série, ao final da 1ª fase do campeonato. Se na próxima jornada, conquistarem uma vitória no sempre difícil campo dos Vidreiros em Picassinos, até porque o mesmo é ainda pelado, será da UDS o primeiro lugar. Quer seja em primeiro, segundo ou terceiro, é já um dado adquirido que a presença na segunda fase está mais do que adquirida. Está assim conseguido o primeiro grande objectivo da actual época desportiva!

Apesar desta prova, ter artigo próprio dedicado ao grande feito, da equipa formada por 2 Santacatarinenses (António José Costa e Silva e Armando Rodrigues) e 1 amigo (Hélder Novo) da vizinha freguesia do Olival, não poderia deixar de referir neste espaço dedicado ao desporto em geral, tão grande proeza. Até porque ficar em sétimo da geral, entre 94 equipas, muitas delas constituídas por profissionais e estrangeiras, é sempre um enorme resultado. Não fora o inesperado empate em casa no último do-

Nas camadas jovens, são muito em maior número as vitórias que as derrotas, o que faz com que nesta altura, que sejam várias as equipas a permanecerem nos primeiros lugares das respectivas classificações gerais. O que é obra e um grande sinal que se trabalha muito e bem em todas as vertentes que o clube envolve.

6ª Jornada: UDS, 5 – Mirense, 0. Devido á minha envolvência no 8º Festival do Chícharo da Serra, mais um jogo que não tive a oportunidade de ver. A goleada, diz tudo. 7ª Jornada: Maceirinha, 2 UDS, 2. No meu regresso á visualização ao vivo dos jogos do clube, um empate que poderia e deveria ter sido uma vitória folgada. Depois de mais de uma hora onde o equilíbrio, foi a noa dominante, nos últimos 15 a 20 minutos, desperdiçamos 3 ou 4 oportunidades flagrantes de golo. Ambas as equipas provaram ser as melhores da série.

DR

8ª Jornada: UDS, 1 – Boavista, 1. Como não tive oportunidade de presenciar este jogo, baseando este pequeno comentário na opinião de um dos sócios que sempre acompanha a equipa, foi talvez o jogo menos conseguido, nesta fase. Conferencia São Vicente Paulo. O bem deve-se praticar e não devemos cansar. Para o ano temos um projeto em mente para a nossa freguesia, que para o pediatrismo e para o BTT será uma mais-valia para a fre-

guesia. Irá ser apresentado e aprovado diante das entidades competentes para tal. Obrigado a todos quanto nos ajudam e colaboram. Feliz Natal e um Próspero ano de 2014. Boas pedaladas

Pedro Gaspar

24h de TT em Vila Fronteira Vila Fronteira, voltou a acolher as famosas 24 Horas de TT pela 16ª vez, numa edição que bateu todos os records com 94 inscritos e cerca de 40 mil espectadores. Ao exemplo de edições anteriores, nesta edição participaram alguns Santacatarinenses, são eles: António Silva, Armando Rodrigues, e Hélder Novo na sua habitual Nissan Navarra e Sílvio Batista, Nélio Ferreira, Daniel Pereira e António Reis também ao volante de uma Nissan Navarra. Esta dição ficou marcada pela emocionante partida e pelo muito pó existente. O pó viria a ser o responsável por um choque em cadeia

FUTEBOL DE 11 SENIORES

Virgílio Gordo

envolvendo cerca de 8 viaturas. No decorrer da prova a Nissan Navarra de Sílvio Batista, Nélio Ferreira, Daniel Pereira e António Reis despistou-se após um toque.

Em termos de classificações, a equipa de pilotos António Silva, Hélder Novo e Armando Rodrigues obteve o 7º lugar, numa prova ganha pela equipa portuguesa BP Ultimate Vodafone Team.

13

Resultados e classificações Campeonato Distrital da 1ª Divisão – Série D 5ª Jornada do campeonato: UDS, folgou.

Teimosos Solidários Como é hábito todos os anos, dirigimo-nos ao Quartel dos Bombeiros sito em Cardosos, para efetuar uma oferta significante em numerário para ajuda no dia a dia de pessoas que tanto nos ajudam e imenso valor têm. Agradecemos o lanche que nos ofereceram. Este valor vem do excedente do nosso stand que temos presença todos anos no Festival dos Chícharos realizado na n/ freguesia. Este valor destina-se a ajudar quem precisa. Comparticipamos também na compra de uma bicicleta ortopédica e adaptada ao menino Tiago sito na Chainça em parceria com

LUZ DA SERRA

-- desporto --

9ª Jornada: Vidreiros, 0 – UDS, 0. Perder 4 pontos em duas jornadas consecutivas, pode reflectir alguma descompressão da equipa nesta recta final desta primeira fase. No caso concreto deste jogo em Picassinos, embora o piso do terreno de jogo seja pelado, não foi por aí que a equipa não pudesse ter ganho o jogo. Porque foi sempre a que teve mais domínio sobre o mesmo, teve inúmeras oportunidades de golo e viu a equipa de arbitragem perdoar duas claríssimas penalidades à jovem equipa adversária. Pena é que ao folgar na próxima e última jornada, possa ser relegada para segundo lugar se a Maceirinha ganhar. Como passam as 3 primeiras, pode dizer-se que o primeiro grande objectivo, foi plenamente alcançado, embora ficar em 2º, não seja o mesmo que ficar em 1º. Em Janeiro terá início a segunda fase com 16 equipas divididas em duas séries de

8 equipas, cada. UDS em primeiro na Série, com 16 pontos.

JUNIORES Campeonato Distrital da 1ª Divisão – Série B 4ª Jornada: UDS, 4 – Peniche, 0. 5ª Jornada: Turquel, 1 – UDS,3. 6ª Jornada: UDS, 2 – Biblioteca, 0. 7ª Jornada: UDS, folgou. 8ª Jornada: Carnide, 2 – UDS, 3. UDS em 1º com 18 pontos. Próximos jogos 9ª Jornada, dia 21: UDS Ranha. 10ª Jornada, (início 2ª volta), dia 28: UDS – Pilado e Escoura. 11ª Jornada, dia 1 Jan.: Peso – UDS.

JUVENIS Campeonato Distrital – Divisão de Honra 5ª Jornada: GRAP, 2 – UDS, 1. 6ª Jornada: UDS, 4 – Sporting Pombal, 1. 8ª Jornada: UDS, 7 – Monte Real, 0. 9ª Jornada: UDS, 4 – U. Leiria B, 2. UDS em 2º a 2 pontos do primeiro. Próximos jogos 10ª Jornada, dia 11 Jan.: Alcobaça - UDS.

INICIADOS Campeonato Distrital da 1ª Divisão – Série C 3ª Jornada: Marrazes B, 2 – UDS, 2. 4ª Jornada: UDS, 2 – S.L. Marinha B, 0. 5ª Jornada: Boavista, 2 – UDS, 1. 6ª Jornada: UDS, folgou. UDS em 3º. 1ª Eliminatória da Taça: Peniche, 1 – UDS, 1. Vitória da UDS por 4 – 2, nos pontapés de grande penalidade. Próximos jogos 7ª Jornada, dia 22: UDS – Santo Amaro. 8ª Jornada, dia 29: UDS GRAP. 9ª Jornada, dia 5 Jan.: Esc. Acad. Sporting M. G. B – UDS.

FUTEBOL DE FORMAÇÃO – FUT. DE 7 Campeonato Distrital 1ª Fase INFANTIS SUB 13 – Série C 3ª Jornada: Boavista, 3 – UDS, 1.

4ª Jornada: UDS, 7 – GRAP, 5. 5ª Jornada: U. Leiria A, 7 – UDS, 1. 6ª Jornada: UDS, 0- Marrazes A, 8. 14ª Jornada, última desta fase: Caranguejeira, 0 – UDS, 15. 1º Torneio Distrital BENJAMINS A – Série F 1ª Jornada: Andorinhas, 3 – UDS, 0. 2ª Jornada: Portomosense, 1 – UDS, 6. 3ª Jornada: UDS, folgou. 4ª Jornada: Alcobaça, 3 – UDS, 1. Próximos jogos 5ª Jornada (última), dia 21: UDS - Caranguejeira. 1º Torneio Distrital TRAQUINAS A – Série D 1ª Jornada: Boavista, 3 – UDS, 1. 2ª Jornada: UDS, 6 – Bolatangente, 1. 3ª Jornada: UDS, 1 – GRAP, 5. Próximos jogos 4ª Jornada, dia 4 Jan.: Caranguejeira - UDS.

FUTSAL MASCULINO Campeonato Distrital da 1ª Divisão – Série C 6ª Jornada: Dom Fuas, 6 – UDS, 5. 7ª Jornada. UDS, 7 – Atlético Leiria, 3. 8ª Jornada: UDS, 1 – Juncalense, 2. 9ª Jornada: GRAP, 7 – UDS, 4. 1ª Eliminatória da Taça Distrital: UDS, 1 – Arnal, 2. Próximos jogos 10ª Jornada, dia 21: UDS, folga. 11ª Jornada, dia 27: UDS – Mirense. 12ª Jornada, dia 4 Jan.: Condestável – UDS. FEMININO Campeonato Distrital 1ª Divisão – Série C 6ª Jornada: Portomosense, 6 – UDS, 0. (Início 2ª volta). 7ª Jornada: UDS, folgou. 8ª Jornada: UDS, 0 – Vidais, 27. 9ª Jornada: Alvorninha – UDS (adiado). 1ª Eliminatória da Taça Distrital: UDS, 3 – Segodim, 6. Próximos jogos 10ª Jornada, dia 21: UDS – Dom Fuas.


LUZ DA SERRA

DEZEMBRO

-- histórias da História --

14

2013

O automóvel do Dr. Alves: Ford Y, de 1937

«Em 10 de Dezembro de 1937 fica registado este livrete em nome de Ford Lusitana, morador Lisboa, destinando-se este veículo a serviço venda. Em 11 de Abril de 1938 fica registado este livrete em nome de Tomaz Gonçalves Marques, morador Alcobaça, destinando-se este veículo a serviço particular. Em 27 de Junho de 1938 fica registado este livrete em nome de Auto-Leiria, Lda., morador Leiria – Avenida Combatentes Grande Guerra, destinando-se este veículo a serviço particular. Em 27 de Junho de 1938 fica registado este livrete em nome de Padre Manuel Bento Moreira,

Vasco Jorge Rosa da Silva Paleógrafo e Epigrafista Leiria - Ourém

luzdaserra@santacatarinadaserra.com 917 480 995

ALUGA-SE RESTAURANTE

Vasco JR Silva

O médico santacatarinense Dr. Joaquim Francisco Alves (1878-1953), natural de Cercal, mas com habitação e consultório em Ourém, no sítio da Milheira, deslocavase a casa dos pacientes a pé, de cavalo, de bicicleta e, a partir de 1940, de automóvel. Este veículo, de difícil identificação por parte da população serrana, que dele ainda se recorda, mas do qual não sabe a marca e o modelo, é um Ford Y, fabricado no ano de 1937. Trata-se do primeiro modelo da fábrica de Detroit concebido para o mercado fora dos Estados Unidos da América. Veio substituir, na Europa, o Ford A. Equipado com um motor a gasolina de 933 centímetros cúbicos e 4 cavalos, o carro foi produzido em França, entre 1932 e 1934, na Grã-Bretanha, entre 1932 e 1937, e na Alemanha, entre 1933 e 1936. O do Dr. Alves, com caixa de 3 velocidades, 92-95 quilómetros / hora de velocidade máxima e um consumo médio de 8,8 litros aos 100, veio de Dageubam, Essex, Reino Unido, país onde o modelo foi fabricado até 1937. No livrete do carro, em posse do Sr. Raul do Espírito Santo Júlio, de Ourém, lê-se:

Publique gratuitamente neste Jornal e na Internet “ Procura de Emprego” “ Oferta de Emprego” www.santacatarinadaserra.com

O Autor com o Sr. Raul do Espírito Santo Júlio (Ourém, 4.11.2013). morador Atouguia – Vila Nova de Ourém, destinando-se este veículo a serviço particular. Em 28 de Outubro de 1940 fica registado este livrete em nome de Joaquim Francisco Alves, morador Vila Nova de Ourem – com nome de rua e porta, destinando-se este veículo a serviço particular. Em 27 de Junho de 1955 fica registado este livrete em nome de José Francisco Alves, morador Santa Catarina da Serra – Leiria». No texto atrás transcrito, verifica-se que o Ford Y passou para a posse do Dr. Alves no

dia 28 do mês de outubro de 1940, quando o veículo, com o chassi Y-208818, já tinha cerca de três anos. O médico oureense foi dono até ao seu falecimento, ocorrido a 11 de janeiro de 1953. A 27 de junho de 1955, o referido automóvel foi registado em nome de José Francisco Alves, ou só Sr. Alves, morador na rua que tem hoje o nome de sua esposa: Rita Fragoso. Depois da morte do proprietário, em 1958, o Ford Y viria a ser adquirido, no ano de 1960, por António Moniz da Graça, de Corredoura, Vila Nova de Ourém,

Súmula dos dados técnicos do carro do Dr. Alves: Marca Letras e número do quadro Número do motor Ano de fabrico Potência em cavalos Número de cilindros Diâmetro e curso Combustível Tara em vazio Peso do quadro Carga ou lugares Pneus Iluminação

Ford Y-208818 Y-208818 1937 4 4 56,6 × 92,5 Gasolina 738 548 3 4,50 × 17 Elétrica

tendo permanecido em sua posse até 1978, quando o atual dono, o Sr. Raul do Espírito Santo Júlio, natural de Regato, Ourém, mas residente no morro do castro oureense, o comprou por 5.000$00. O registo do carro, porém, só viria a ser feito a 11 de setembro de 2002, no 2.º Cartório Notarial de Tomar, onde se lê que o prestigiado e premiado colecionador de automóveis antigos, hoje com 77 anos, e sua esposa, de nome Maria Josefina Silva Faria, declararam ser donos e legítimos possuidores de um Ford Y: «[…] ao qual atribuem o valor de trezentos e oitenta euros, registado na Conservatória do Registo de Automóveis de Lisboa, desde mil novecentos e cinquenta e cinco, em nome de José Francisco Alves, residente em Santa Catarina da Serra, Leiria». [in Ourém e o seu Concelho, 30.9.2002, n.º 733]. Presentemente, o Ford Y, de cor preta, encontra-se em restauro, designadamente a parte de chapa e pintura, uma vez que o motor já se encontra operacional e os para-choques cromados (em Pousos). O Autor agradece sobremaneira a gentileza do Sr. Raul do Espírito Santo Júlio.

pub

União Desportiva da Serra equipado e pronto a funcionar Contato: 919 371 570

Colabore com o Jornal Luz da Serra luzdaserra@santacatarinadaserra.com

pub


DEZEMBRO

LUZ DA SERRA

-- sociedade --

2013

15

Poesia da nossa Freguesia

Foto Memórias

Por Lúcia Ribeiro

Desde Janeiro de 2011 que vimos publicando, todos os meses, fotografias que marcaram gerações e épocas da Freguesia de Santa Catarina da Serra.

As festas de Natal

Festa de Natal Esta foto remonta ao final da década dos anos 90, em que o fotógrafo registou o momento de actuação do grupo de dança “Equador” da Escola Básica 123 de Santa Catarina da Serra na festa de Natal aberta à comunidade.

O nosso mundo

Natal

O mundo é uma bola, Que anda sempre a girar Por isso é que este povo, Anda de pernas pró ar.

O Natal para os cristãos, É o nascimento de jesus, É esse menino tão lindo, Que nos dá imensa luz.

Até me dá confusão, Como isto pode ser, O mundo sempre a girar, E toda a gente a correr.

É uma luz incandescente, Uma luz tão verdadeira, Que ilumina a nossa vida, Que dá vida à terra inteira.

Cada vez se corre mais, Está sempre tudo atrasado, É que o mundo baralha tudo, O que já está mais baralhado.

Abençoado menino, Para nós é um louvor, Ter presente na nossa vida. Esse belo criador.

Quando a vida nos dá prazer, E tudo corre de feição, É quando o mundo dá a volta, E ficamos com os pés no chão.

Todos os anos é pequenino, Mas tão grande e glorioso, É o nosso DEUS Divino, É JESUS tão poderoso.

Isso sim é que é viver, E aproveitar a maré, Com as voltas que o mundo dá, Pouco tempo temos de pé. Agora já sei a razão, Porque me sinto cansada, Devo de andar sempre em pé, E penso que estou deitada.

Poderoso e tão humilde, Nasceu perto dos animais, Dentro de uma manjedoura, Bem juntinho de seus pais.

Se é verdade que o mundo gira, E anda sempre a girar, Agora dá para perceber, Como viemos cá parar.

Foto cedida pela EB Santa Catarina da Serra

Arquivo Histórico Tem fotos ou vídeos sobre a Freguesia de Santa Catarina da Serra? Eventos de Associações, fotografias de locais ou pessoas de referência? A ForSerra está a reunir e a catalogar fotografias sobre o passado da Freguesia de Santa Catarina da Serra. Não ficamos com qualquer suporte (fotografia ou video ). Copiamos o seu registo para formato digital sem estragar o original. Contacte-nos e ajude-nos: www.forserra.pt - (00351) 917 480 995 forserra@santacatarinadaserra.com - Estamos disponíveis para nos deslocar a qualquer local para efectuar recolhas.

É no dia 25, Que tudo brilha e tem que brilhar, Pois nasceu o DEUS menino, Então vamos festejar. Festejamos com alegria, A festa tradicional, O nascimento de jesus, É NATAL, É NATAL.

Participe com os seus poemas, textos e pensamentos. luzdaserra@santacatarinadaserra.com

40 anos do jornal LUZ DA SERRA 7 a 9 de Fevereiro 2014 Concurso de fotografias - poemas - literatura - animação - música

PARTICIPA Envia as tuas fotos da freguesia e textos alusivos ao jornal para luzdaserra@santacatarinadaserra.com pub


LUZ DA SERRA

DEZEMBRO

-- destaque --

última

2013

Milhares visitaram freguesia para provar o chícharo

mente seguiram para a abertura oficial do evento onde foram homenageados os últimos Presidentes de junta de freguesia de Santa Catarina da Serra e Chainça ainda vivos. Os mais idosos foram os nossos últimos visitantes. A organização registou o consumo de mais de 2 toneladas de bacalhau e cerca de 20 000 entradas no evento, sendo que muitos dos visitantes eram curiosos pela leguminosa, tão característica deste evento. Chegaram um pouco de todo o país e não resistiram a levar um doce ou um bombom de chícharo para os seus.

Eduardo Caetano

uma das melhores noites que Santa Catarina da Serra já viveu. Aproveitando um dia de sol, logo cedo, os mais corajosos pedalaram pelos trilhos das duas freguesias. Ainda não era meio-dia já as famílias se deslocavam para o recinto para encontrar lugar e degustar um bom prato de chícharo, provar um pastel de chícharo e um bombom de chícharo. Passaram pela eira e viram como se “malha” o chícharo, compraram licores, bolos, chícharos, mantas de retalhos, peças em vidro, pantufas, entre muitas outras coisas, tudo produtos da terra. Para aquecer beberam uma ginjinha, tomaram um café. Visitaram a exposição de Carros Antigos e, continuando com o que é nosso, viram as atuações do Instituto dos Jovens Músicos, Escola de Folclore e Rancho Folclórico de São Guilherme, O Espaço da Dança e Coro da Casa do Povo. A noite terminou com um pezinho de dança e karaoke. O evento culminou com o dia da Padroeira, dia em que se assinalaram os 464 anos de criação da Freguesia de Santa Catarina da Serra. Foram convidadas as entidades oficiais para a celebração eucarística que posterior-

a Gastronomia, a Cultura e o Associativismo das Gentes de Valores de Santa Catarina da Serra e Chainça. Gostaríamos de agradecer o apoio da União de Freguesias de Santa Catarina da Serra e Chainça, Pároco, Empresas, Câmara Municipal de Alvaiázere, Câmara Municipal de Leiria e em especial às Associações e cerca de

Esta Direção da ForSerra, a liderar este grande evento pelo primeiro ano, considera que os objetivos ambicionados foram atingidos, mais uma vez foram promovidas

500 voluntários (associados e familiares, jovens, ciclistas, ...) que, com gosto e dedicação, permitiram que este Festival atingisse o sucesso esperado. A organização

Eduardo Caetano

Foto Antunes

entre todas as associações para que tudo estivesse preparado para a abertura oficial. No dia 21 às 19h estava tudo a postos para servir o chícharo às já centenas de pessoas que aguardavam. Dava-se assim início àquele que é o evento com maior expressividade a nível do associativismo na nossa freguesia, e talvez um dos maiores a nível nacional. A primeira noite foi de festa e de animação com a realização do 4º concurso de bandas de garagem. Atuaram as bandas Aura Headache (banda vencedora), Backwater, Lady Lobster, Melgazarra e Sangue Lusitano. E a Escola de Música da Casa do Povo de Santa Catarina da Serra como convidada. Até ao almoço do dia 25, serviram-se chícharos à moda da serra para os milhares de visitantes. Houve animação com música rock com os Overflow, The Peorth, seguido do Dj Rui Estevão da Antena3. Durante o evento houve jogos de futebol, aulas de zumba e ginástica. Animação para crianças e adultos com música e jogos tradicionais. No sábado os Apartirtudo encheram a tenda, seguidos do Dj Pedro Cazanova. Esta foi certamente

Pedro Vieira

Pelo 8º ano consecutivo O CHÍCHARO DA SERRA foi rei. Para muitos é novidade, para outros necessidade. Muitos foram aqueles que nos visitaram pela primeira vez, outros que vêm desde a 1ª edição, quer pela gastronomia, quer pelo cartaz ou apenas pelo desejo de apoiar a nossa terra. Também os que durante um ano prepararam a 8ª edição e ansiaram pelos dias da sua concretização. Na verdade o evento não é mais do que um encontro de gerações, cultura e diversidade de contatos e convívio. A partir de junho a ForSerra - Associação Desenvolvimento e Gestão Património de Santa Catarina da Serra – começou a preparar afincadamente a 8ª edição do festival. Com o objetivo de dar maior destaque à leguminosa e de valorizar os produtos locais, procurámos introduzir algumas novidades, tais como a colocação de placares decorativos alusivos ao chícharo, uma eira com a demonstração do “malhar” o chícharo e o Mercadinho de produtos locais. De salientar o convite e participação da Associação de Promoção Social da Chainça. Nos dias anteriores ao evento era visível a azáfama

Foto Antunes

De 21 a 25 de Novembro, milhares de pessoas passaram pela 8ª edição do Festival “O Chícharo da Serra”.

pub

Jornal Luz da Serra - Dezembro 2013  

Jornal Luz da Serra de Dezembro de 2013

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you