Issuu on Google+

Artes Visuais

1 2 / 2 0 10 http://exposicoesfbp.blogspot.com


Numa tentativa de dar seguimento às propostas de exposição apresentadas na Fábrica Braço de Prata, está a ser realizado mensalmente um catálogo digital, que tentará mostrar o essencial de cada uma das exposições. Qualquer comentário construtivo será bem-vindo. Uma boa visita a todos. Fabrice Ziegler

Todas as imagens aqui reproduzidas são propriedade exclusiva dos artistas e, em alguns casos, propriedade do espaço expositivo da Fábrica Braço de Prata. As imagens não podem ser reproduzidas sem autorização dos autores.

O conteúdo da informação deste catálogo é da responsabilidade dos vários autores.


Meinke Flesseman Exposição de Pintura

Luís Alves

“Balancé” - Desenho e ilustração digital

Pascale Maguerez Exposição de Pintura

Projecto em Residência na FBP

“ Não fiques assim tão longe II Acto ” Os Suspeitos

Colectivo - Fotografia


Meinke Flesseman Exposição de Pintura

http://www.meinke-art.co.uk


A viagem artistica da Meinke, levou a por varios paises culturas e influencias. Recentemente ela pinta animais, caracteres e personalidades que dao ao observador a oportunidade de se relacionar e ate de auto descoberta. Estes animais estao representados em paisagens nao reconheciveis, enquanto nas pinturas dos seres humanos, o habitat tornas se relevante e reconhecivel, enquanto as personalidades aparentam ter menos importancia. A superficie das telas sao cobertas de varias camadas de texeis, papel, marcas de carvao, salpicos, tinta. Com isto ela equilibra entre os items femininos e domesticos com a outra essencia implusiva e quase bruta. Meinke Flesseman


1998 Convento Sao jose, Lagoa, Portugal. 1999 Armazem Regimental, Lagos, Portugal. 2000 Hotel alvor, Portugal. 2002 Mare d’ Arte, Carvoeiro, Portugal. 2003 Galeria de Arte, Vale do Lobo, Portugal. Centro Cultural sao Lourenco, Portugal. 2004 Palacio sotto Mayor « Brincadeiras com cadeiras», Lisboa, Portugal. 2005 Galeria corte Real, Portugal. Malty Gallery, Winchester, United Kingdom. 2006 Barnes Galleries, Heneley, United Kingdom. Galeria Vertice, Lisboa, Portugal. Galeria convento espirito santo, Loule, Portugal. 2007 Galeria do hotel, Vila sol, Potural. Galeria de Arte de Vale do Lobo, Almancil, Portugal. 2008 Galeria Corte Real, Bouliqueime, Portugal. Galeria do Hotel, Quinta do Lago, Portugal. 2009 Galeria do hotel vila Sol, Portugal. Galeria do convento Espirito Santo, Lago, Portugal. 2010 Projectroom, Almancil, Portugal.

http://www.meinke-art.co.uk

meinkef@yahoo.com


Luís Alves

“Balancé” - Desenho e ilustração digital


Os padrões prolongam-se. Há uma continuação de imagens que percorrem os meus anos. As influências que marcam o meu trabalho estendem-se pelos passeios da minha vida, na minha natal Lisboa, nas viagens que tenho feito, pelos padrões que se vão apresentando. Tudo gira à volta dos tecidos, dos azulejos, dos fotogramas do dia-a-dia que estão escondidos às claras. É a conjugação destas imagens que se vê reflectida nesta minha exposição, que se manifesta numa tentativa de explosão de forma e cor, de texturas, procurando quebrar a sua moldura de meras imagens e entrar pelo real a dentro.


Olá, eu sou o Luís Alves e isto é uma amostra do meu percurso. Aqui vai um resumo do meu cv: Nasceu em Lisboa em 1981. É ilustrador e designer gráfico freelance. Conclui em 2005 a licenciatura em Design Gráfico no IADE. 2006 Decide ir trabalhar para inglaterra, Birmingham onde começa a desenvolver timidamente alguns projectos de ilustração. É seleccionado para uma exposição da «Don’t Panic Magazine» em Manchester sobre o tema «progress» 2007 Vence o concurso de melhor para a «Don’t Panic UK» com um poster sobre liberdade. É seleccionado para o catálogo do festival OFFF 2007 em Nova York. Começa o seu projecto de ilustração chamado «urban myth» 2008 Volta a Portugal e começa a trabalhar como freelancer, nunca deixando de lado o desenvolvimento de inumeras obras e projectos de ilustração 2009 É seleccionado para o catálogo e para estar presente no mercadillo do «festival OFFF Lisboa 2009» 2010 Decide dedicar-se por completo à ilustração. Faz a sua primeira exposição na galeria Bicarte (Lisboa) onde reune algumas Ilustrações que tem vindo a desenvolver.

desigmyth@gmail.com


Pascale Maguerez Exposição de Pintura

www.lafrenchtouch.net


A pintura encontra no sentimento do amor as condições da sua própria génese, aquilo que a torna possível. Segundo Plínio o Antigo, a pintura teria tido origem aquando da partida de um jovem soldado para a guerra. Uma noite, antes de se juntar ao regimento, o jovem visita pela última vez a sua amada que, ao olhar a sombra do soldado reflectida na parede, começa a desenhar a sua silhueta, de modo a guardar uma imagem daquele que amanhã não estará mais presente. Seria esta a função primeira das artes picturais: acumular os traços, preservar a memória daquilo que o nosso olhar já não alcança. Depois de vários anos a pintar os povos africanos, num registo que combinava a exuberância cromática e diversos padrões decorativos, Pascale Maguerez concentra-se agora numa única figura, que as diversas séries a que deu origem deixam entrever a indelével proximidade afectiva. Redução temática a que faz corresponder no plano formal a opção pelo bicromatismo. Os trabalhos agora apresentados retomam assim a génese mítica do acto de pintar, ao tornarem indistinguíveis a arte e a vida, a matéria pictural e a memória de que se fazem os dias. Blanchot afirmava que o desejo é a distância tornada sensível: na pintura de Pascale Maguerez o desejo prescinde da distância e vai buscar à justaposição fotográfica de pontos de vista, e aos hábeis contrapontos rítmicos, o testemunho pictural de uma afinidade electiva. A preto e branco, como numa história de outros tempos, muito antiga.


1998 Convento Sao jose, Lagoa, Portugal. 1999 Armazem Regimental, Lagos, Portugal. 2000 Hotel alvor, Portugal. 2002 Mare d’ Arte, Carvoeiro, Portugal. 2003 Galeria de Arte, Vale do Lobo, Portugal. Centro Cultural sao Lourenco, Portugal. 2004 Palacio sotto Mayor « Brincadeiras com cadeiras», Lisboa, Portugal. 2005 Galeria corte Real, Portugal. Malty Gallery, Winchester, United Kingdom. 2006 Barnes Galleries, Heneley, United Kingdom. Galeria Vertice, Lisboa, Portugal. Galeria convento espirito santo, Loule, Portugal. 2007 Galeria do hotel, Vila sol, Potural. Galeria de Arte de Vale do Lobo, Almancil, Portugal. 2008 Galeria Corte Real, Bouliqueime, Portugal. Galeria do Hotel, Quinta do Lago, Portugal. 2009 Galeria do hotel vila Sol, Portugal. Galeria do convento Espirito Santo, Lago, Portugal. 2010 Projectroom, Almancil, Portugal.

www.lafrenchtouch.net

pascale.maguerez@gmail.com


“Não fiques assim tão longe” II Acto


Os Suspeitos Colectivo - Fotografia (4 de Novembro a 12 de Dezembro)

Uma fábrica de armamento, desactivada desde a década de 90, converte-se numa fábrica de cultura e, arriscamos, num local único que congrega a experimentação, a partilha e o sonho de realização artística. Na continuação do projecto que tem vindo a ser desenvolvido e que agora conhece o seu II Acto, os suspeitos, trabalharam fotograficamente e em exclusivo neste espaço multifacetado, ensaiando diferentes olhares e apresentando propostas criativas tão diversificadas como a sensibilidade particular dos seus autores. A descoberta deste lugar singular é o desafio proposto para que, partilhando uma intimidade, não fiquemos assim tão longe da Fábrica Braço de Prata.

Os suspeitos são: Gualter Franco, Helena Castro Esteves, Hugo Rodrigues Cunha, Isaac Pereira, João Gaspar, João Miguel Baptista, Maria Lopes, Rui Velindro e Vera Bello.


Gualter Franco Há cerca de dois anos, ando a desenvolver um projecto em torno do conceito “estranho”. Uso a auto-representação para criar séries e variações do tema. Esta série especial teve como cenário de fundo uma parede do Braço de Prata.

Gualter Franco é professor de Matemática e Ciências da Natureza. Concluiu este ano, o curso de Fotografia Aplicada a Projectos do Ar.Co e publicou, em 2008, o seu primeiro livro de poesia, Ninguém Pelas Ondas do Mar Entrando. Colabora com a Extreme Minds (www.ext-minds.com/index.php), que aposta em novos talentos. Em ambos, mostra algum do seu trabalho nas áreas da Literatura e da Fotografia.

“Os Suspeitos”

gualterfranco@gmail.com

www.gualterfranco.com


Hugo Rodrigues Cunha Escala Intervir no local usando o que está e lembrando o que foi e o que é. A pólvora esgotou-se com o tempo. No seu lugar vão aparecendo muitas coisas. Metade de um dos muitos edifícios transforma-se numa outra Fábrica. Do todo ficou 1/300.

Hugo Rodrigues Cunha nasceu em Lisboa em 1974. É Professor e Fotógrafo. Licenciado em Ensino da Física e de Química, estudou fotografia no Ar.Co e no Atelier de Lisboa. É membro do colectivo Le Journal de la Maison (LJM). Foi seleccionado para leitura crítica de portfólios nos Emergentes09’ (Encontros da Imagem - Braga) e para a Bienal de Arte Jovens VaLoures 2009. Expôs individualmente em Alenquer e em diversas lojas FNAC e juntamente com Cláudia Cardoso na Livraria Fonte de Letras em Montemor-o-Novo. Participou ainda nas exposições do colectivo LJM na Livraria Trama (Lisboa) e no Pavilhão 28 do Hospital Júlio de Matos. Em 2008 ganhou o Prémio “Novos Talentos FNACFotografia” com o trabalho Um Ponto Exacto para Ver.

“Os Suspeitos”

hugorodriguescunha@gmail.com


Isaac Pereira Regresso Tu e eu. Um corpo, uma máscara. Um regresso é sempre uma eterna partida. Um destino, uma canseira, depois de já ter dito Não. Regressar: tornar possível o que se afasta. Fugir às garras do outro, libertar-se do olhar do outro, partindo de si.

1966. Qualificações: Desformatado. Viandante. Observador ocioso. Curador das próprias feridas.

“Os Suspeitos”

www.isaacpereira.com

pereira.isaac@gmail.com


João Gaspar Rote Fabrik No silêncio da noite, um assassino ataca. Secretamente entre olhadelas furtivas e um cigarro, o criminoso antecipa o momento da estocada. A incauta vítima cai ao chão com uma pancada surda. O corpo é arrastado escada acima para o segundo piso. A arma é descartada, as impressões digitais apagadas... ...o seu rasto fica guardado à sombra da Suspeita...

Amadora, Portugal, 1984. Ar.co-Centro de Arte & Comunicação Visual, frequenta o curso de fotografia desde 2007. Realizou um estágio curricular no jornal Público.

“Os Suspeitos”

www.dissecarte.com

info@dissecarte.com


João Miguel Baptista Comecei por ser um estranho. Um visitante. Uma expectativa. Pacientemente cheguei onde queria. Senti o que este lugar representava para mim. Hoje posso dizer: eu também pertenço aqui.

João Miguel Baptista (Lisboa, 1966), licenciou-se em Sociologia na Universidade da Beira-Interior. Durante 15 anos trabalhou em projectos de formação e internacionalização dirigidos aos PALOP na Associação Industrial Portuguesa e posteriormente no portal internet desta instituição. Em 2007 altera a sua vida profissional, efectua diversas experimentações – cursos de empreendedorismo no GANEC, escrita criativa na Companhia do Eu, realização de rádio na Universidade Autónoma de Lisboa e inicia fotografia no Ar.co, onde concluiu o FAP - Fotografia Aplicada e Projectos. Em 2010 como complemento à formação já adquirida efectuou o curso – Construção de um Livro de Fotografia no Atelier de Lisboa, do qual resultou o livro “my frontiers” que será editado em 2010.

“Os Suspeitos”

www.joaomiguelbaptista.com

jmmsbaptista@gmail.com


Rui Velindro Spatia Percorre a Fábrica Braço de Prata, observa o sítio, imagina como era e como é. Pensa no que vês; olha como os artistas de agora complementaram os mestres de antigamente.Vê as imperfeições, o antigo debaixo do que foi pintado de novo, procura a história do edifício através do teu olhar e confronta-a com o presente. Junta os dois espaços temporais usando a tua imaginação. Procura...procura...procura: o estético, o perfeito ou o imperfeito, um sentido, o abstracto... Respira o espaço observa a passagem do tempo. Assim, vês o que vejo.

Rui Velindro, Coimbra 1981. Assimilou a magia da fotografia analógica a partir dos 14 anos, desde ai frequentou vários cursos e workshops. Concluiu recentemente o seu percurso como aprendiz no Ar.Co. Ao longo dos anos tem participado em diversas exposições. Actualmente vive da fotografia.

“Os Suspeitos”

www.ruivelindro.com

velindro@gmail.com


Helena Castro Esteves Maria Lopes Vera Bello

“Os Suspeitos”


Uma casa, um baú de momentos que já existiram, que alguém viveu e que desapareceram. Uma casa que como todas as outras conta muitas histórias. A que vos vamos contar é aquela onde habitam personagens que até agora só viviam no imaginário de cada uma. Essas personagens têm cor, forma e mais forte do que tudo isso que é visível, têm um mundo que lhes pertence, mundo que em cada passo se revela. Revela-se no seu confronto fisico em cada sala, na subida de um escadaria, na pausa feita em espaço aberto, longe ou perto, mas sempre atravessadas pela ligação da emoção que deixam escapar. O que querem elas dizer? O que são. E como são? Estando. É nesse fazer que sempre precede o Ser, que as vamos encontrar deambulando de olhos abertos ou fechados, sisudas ou atentas em caminho aberto pela Casa.


Helena Castro Esteves Helena Castro Esteves nasceu em Lisboa e desde cedo mostrou interesse e curiosidade pela fotografia. Após uma instrução mais convencional, iniciou a sua formação como fotógrafa no Ar.Co no ano de 2007, onde actualmente frequenta o Curso Avançado de Fotografia. O seu percurso tem-se pautado por trabalhos que retratam os seus interesses, nomeadamente, as pessoas nos mais diferenciados contextos. Assim, tem eternizado momentos como as relações em família, as relações de amizade, as relações consigo própria (auto-retrato/representação).

helena_lk@hotmail.com

Maria Lopes Maria Lopes nasceu em Luanda (Angola) em 1976. Em 1981 muda-se para Portugal com a família indo viver para Malta, aldeia que pertence ao concelho de Vila do Conde. No entanto, é no Porto que frequenta o liceu, estabelecendo com a cidade uma forte relação de proximidade. Entre 1995-2000 realiza o curso de Arquitectura Paisagista na Universidade de Évora, tendo frequentado o programa Erasmus em 2000 na Universidade de Wageningen (Holanda). Em 2000 muda-se para Lisboa, onde vive e exerce a profissão como paisagista. Em 2007 inicia os seus estudos de Fotografia no Ar.Co-Centro de Arte e Comunicação, onde actualmente frequenta o Curso Avançado de Fotografia.

smlxlxxl@gmail.com

Vera Bello Vera Bello nasceu a 28 de Junho de 1983 em Lisboa. Sempre aí residiu onde intercalou com outras cidades, quer em meses de Verão, quer na altura do ano de festas e feriados. Gostou em especial da Alemanha. Provém de uma Família de origem do Norte e Ribatejo. É a quarta mais nova de cinco irmãos, de Pai e Mãe igual. É licenciada em Filosofia pela Universidade Nova de Lisboa e o tem o curso de fotografia do Ar.Co. Encontra-se a frequentar o Kmaster da Kameraphoto. Interessa-se por Filosofia, Fotografia, Música e Dança. E crianças. Estuda e trabalha em Lisboa. Quer sair de Portugal e depois voltar.

“Os Suspeitos”

vera_bello@hotmail.com


Paula Prates Intervenção pictórica O espectador assiste a uma sorte de deriva, tudo isto porque não existe um centro na obra; todos os ângulos e direcções são válidos à hora de assaltar a exegese dos trabalhos de Paula Prates. Estes contradizem o dirigido, dificultam a visão fácil e multiplicam as possibilidades do que, em princípio, nos resultaria familiar. A peça apresentada, seguramente objecto, seguramente desenho, compõem-se por uma estrutura modular de madeira que suporta a intervenção pictórica. Esta inicia-se como uma pintura/desenho em grande escala que termina para deixar a própria estrutura visível, deixando a sua função de mero suporte e passando a adquirir presença na obra. Para além disso, começa a “espalhar-se” pela sala, como que de uma contaminação se tratasse. É um exemplo de expansão em direcção ao escultórico e arquitectónico, ultrapassando a sua inevitável bidimensionalidade. Assim, a pintura, o desenho, ou como o queiramos definir, torna-se espaço físico. “Porque hoje não é necessário expressar-se no quadro e penso inevitavelmente em Rosalind Krauss quando afirma que à medida que a fronteira entre o de dentro (a pintura) e o de fora (a moldura) começa a se apagar e romper, cabe a possibilidade de perceber até que ponto a “pintura como unidade” é uma categoria artificial, construída sobre a base do desejo, muito semelhante à “edição original”. Neste terreno indefinido e submetidos a esse grau de imprecisão, movemo-nos ao enfrentarmos propostas como a de Paula Prates, dessas que tratam de construir um novo olhar com o apoio da especulação espacial.” Paula Prates PAULA PRATES (Almada, 1975). Vive e trabalha em Lisboa. Licenciou-se em Pintura pela Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa em 2000 e tirou o Mestrado em Artes Plásticas pela Central Saint Martins, College of Art and Design de Londres em 2003. Actualmente é representada em Lisboa pela Galeria Sopro.

Site-specific

paulaprates@hotmail.com


Stéphane Rouault “Je te vois, rose...” “Je te vois, rose, livre entrebâillé, qui contient tant de pages de bonheur détaillé qu’on ne lira jamais. Livre-mage, qui s’ouvre au vent et qui peut être lu les yeux fermés ..., dont les papillons sortent confus d’avoir eu les mêmes idées. Rainer Maria Rilke

Site-specific

srouault@yahoo.com


FEIRA DO LIVRO DE FOTOGRAFIA 10 a 12 de Dezembro 2010

O livro de fotografia é um objecto importante associado ao meio fotográfico desde o seu inicio, tanto como meio de divulgação como de impressão da mesma. Dado o crescente interesse do publico pelos foto-livros e o reconhecimento do seu valor no mercado internacional (em paralelo com o mercado da fotografia), achámos que seria importante reunir em Lisboa de forma regular, um conjunto de fotógrafos, editores, livrarias, alfarrabistas e galerias com edições que dessem a conhecer algumas das novidades e os clássicos que existem nesta área. Queremos desta forma divulgar e abrir o mercado das edições fotográficas, criando também uma plataforma para um diálogo sobre este meio especifico dentro da fotografia, cruzando-o com áreas como o design, as artes plásticas, o jornalismo, o cinema ou a edição em geral. Esta feira tem a sua primeira edição de 10 a 12 de Dezembro de 2010 na Fabrica do Braço de Prata em Lisboa e apresentará os editores abaixo designados com edições relacionadas com fotografia (fotográficas e teóricas) que vão desde preços simbólicos até edições limitadas e de autor com valores significativos no mercado nacional e


internacional. Esta será uma oportunidade para os interessados em fotografia, livros e objectos alternativos entre a imagem e o livro poderem (re)descobrir e adquirir alguns exemplares raros e outros muito recentes. Em paralelo haverá 2 conferencias durante o fim de semana que iniciarão o debate da relação do meio fotográfico com a impressão em livro e na imprensa (papel e digital). Editores/livrarias: - A Estante - Alexandria Livros - Arquivo Municipal de Lisboa – Arquivo Fotográfico - Chromma - Fundació Foto Colectania - Gustavo Gili - Inc. Livros e edições de autor - Kamera Photo - Livraria Braço de Prata (Assirio e Alvim, Relógio d’Agua e Cotovia) - Pente 10 - Pierre Von Kleist - Vera Cortes – Agencia de arte / TIJUANA Lisboa


Talks: 6ªfeira 21.30h – Apresentação do livro de fotografia «My frontiers» de João Miguel Baptista Sábado 17.30h – Fotógrafos que também são editores [ Jose Pedro Cortes, Andre Cepeda, Patricia Almeida, Carlos Lobo ] Domingo 17.30h – Para acabar de vez com o fotojornalismo? [ Fotógrafos da Kameraphoto: Céu Guarda (editora de fotografia do Jornal i) e Martim Ramos ]

Organização: Os Suspeitos, Filipa Valladares e Exposições Fábrica Braço de Prata


http://exposicoesfbp.blogspot.com Fábrica Braço de Prata | Exposições | Rua da Fábrica do Material de Guerrra, nº1, 1950-128 Lisboa Portugal exposicoes.bracodeprata@gmail.com | http://exposicoesfbp.blogspot.com | www.bracodeprata.net | 938 424 409


Catálogo 12-2010 ExposicõesFBP