Page 1

Centro Novas Oportunidades da Escola SecundĂĄria de Lousada

Maria JosĂŠ Sousa Lopes Novembro, 2009


CNO da Escola Secundária de Lousada

Maria José Sousa Lopes 2


CNO da Escola Secundária de Lousada

… há quem lhe chame portefólio, … eu chamo-lhe uma vida!

Maria José Sousa Lopes 3


CNO da Escola Secundária de Lousada

Maria José Sousa Lopes 4


CNO da Escola Secundária de Lousada

Eu sou Maria José de Sousa Lopes, tenho 58 anos, um filho, uma neta, funcionária do serviço informativo da Segurança Social de Lousada com a categoria de assistente administrativa especialista. Nos tempos livres ocupo-me com os meus amigos nas horas boas para dar-mos boas gargalhadas e nas más tentar dar-lhes o apoio sempre que necessitem. Amo cultivar as minhas amizades assim como amo cultivar o meu jardim e as minhas flores porque para mim a amizade é como uma flor, tem que ser cuidada com amor senão morre. Ao longo das horas vagas ouço música, leio e gosto pesquisar sobre vários assuntos e há dois meses a maior parte das horas vagas foi tentar acabar este quebra-cabeças com a ajuda de um amigo na parte técnica mas deu para ter momentos de agradáveis gargalhadas e ele ter conhecido um pouco da cultura do meu país natal, só por isso valeu a pena o portefólio. Sonhando, gostaria de um dia poder usufruir muito mais da minha neta, passeando pelas ruas de Trier, exercitar a mente para que se conserve jovem a fim de poder acompanhar a mentalidade da minha neta até ao fim dos meus dias.

Maria José Sousa Lopes 5


CNO da Escola Secundária de Lousada

“ O meu país natal – Angola”

“Províncias do meu país natal” Maria José Sousa Lopes 6


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Mapa geográfico do meu país natal” Maria José Sousa Lopes 7


CNO da Escola Secundária de Lousada

Maria José Sousa Lopes 8


CNO da Escola Secundária de Lousada

Começar um portefólio, olhando, a estação do Caminho de Ferro de Benguela, da minha Terra Natal, penso: “ nasci em Teixeira de Sousa, (hoje LUAU) quem diria que um dia a bebé, a criança, a adolescente e a mulher que viveu, metade da sua vida num País que amou, onde riu, brincou, estudou, trabalhou, leccionou, casou, teve um filho, sofreu na carne guerras, em simultâneo conseguiu rir, ensinar, abraçar, chorar, tremer e dar segurança a crianças de várias raças inclusive o meu filho e o meu afilhado, debaixo de tiroteio, rastejando com eles para que os morteiros não nos atingissem dentro da Escola S. Luís da Bomba a 26km do Luso (hoje LUENA) onde 39 crianças confiavam em mim e comigo começaram a aprender a língua portuguesa, nesses momentos, aqueles olhos gentios e negros olham-me implorantes como me pedindo não nos abandones… Quando as luzes mortíferas deixavam de se cruzar nos céus, levantávamo-nos e eu sorrindo (sabe Deus) dizia-lhes: Lembram-se do que no primeiro dia de aulas, o ano passado, a professora começou por ensinar? ─ Sim… (todos em voz trémula ainda não refeitos dos sustos) ─ Eu quero ouvir dito por vocês. ─ Bom dia ─ E a canção? Maria José Sousa Lopes 9


CNO da Escola Secundária de Lousada

─ Vê como eu faço vê lá ó José levanto o braço levanto o pé. (e todos levantavam o braço e o pé e riam). Assim ensinei durante 2 anos a língua portuguesa a quem sabia só 4 ou 5 palavras em português, isto é amor! Sim… racismo? Quando o entrelaçar das mãos, numa roda, se confundiam em 5 cores: o branco, o negro, o mulato o cafuso e o cabrito? Ensinando, rindo chorando também? Onde todos nos banhávamos no rio ao meio da tarde e nos secamos ao sol? Ou racismo é…? Chegar a um País da mesma língua e raça, num célebre dia 4 de Agosto de 1975 com uma criança de 44 meses… Ser insultada, escorraçada e marginalizada? Eu e o meu filho, não éramos retornados mas sim refugiados, meus amigos… Será racismo ver 39 crianças de várias raças e os seus pais no meu ultimo dia de aulas, em princípios de Julho de 1975, quando lhes disse que ia partir, chorarem abraçados a mim e pedirem para nos os deixar? Ou racismo será? Vens da terra dos pretos eles até te lavavam o …volta para lá. Será racismo ver o companheiro do meu filho que se sentava com o seu menino à

Maria José Sousa Lopes 10

“Menina negra”


CNO da Escola Secundária de Lousada

mesa, a nossa lavadeira e os seus filhos a chorarem na despedida e a pedirem para voltarmos?

“Amor sem olhar à cor da pele!”

Maria José Sousa Lopes 11


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Racismo?”

Maria José Sousa Lopes 12


CNO da Escola Secundária de Lousada

Ou racismo será? Entre 150 concorrentes a um concurso para emprego, ter ficado em 1º lugar e chegar ao local de trabalho, ser apontada e ouvir é retornada não pode tirar o lugar a um português e muitos menos à sobrinha do sr. abade e ser sujeita a mais 2 exames feitos à maneira deles com mais 3 concorrentes e vitória tirada a ferros e lágrimas… Será racismo ter pertencido ao MUP em “Eu e o meu irmão no Lumege”

73-74 e 74-75, movimento de professores negros? NUNCA SOUBE O SIGNIFICADO DA PALAVRA RAÇISMO ANTES DO 25 ABRIL DE 1974 Liberdade, sou totalmente a favor, mas com responsabilidade.

“Seria racismo?”

Libertinagem, irresponsabilidade, grosseria e falta de princípios sou contra. Maria José Sousa Lopes 13


CNO da Escola Secundária de Lousada

Direitos da criança Em 20 de Novembro de 1959, a ONU fez a Declaração dos Direitos da Criança, com 10 artigos: •

A criança deve ter condições para se desenvolver física, mental, moral, espiritual e socialmente, com liberdade e dignidade.

Toda criança tem direito a um nome e a uma nacionalidade e, tanto quanto possível, o direito de conhecer os pais e de ser educada por eles.

A criança tem direito à alimentação, lazer, moradia e serviços médicos adequados.

A

criança

deve

crescer

amparada

pelos

pais

e

sob

sua

responsabilidade, num ambiente de afecto e de segurança. •

A criança prejudicada física ou mentalmente deve receber tratamento, educação e cuidados especiais.

A criança tem direito a educação gratuita e obrigatória, ao menos nas etapas elementares.

A criança, em todas as circunstâncias, deve estar entre os primeiros a receber protecção e socorro.

Maria José Sousa Lopes 14


CNO da Escola Secundária de Lousada

A criança deve ser protegida contra toda forma de abandono e

exploração. Não deverá trabalhar antes de uma idade adequada. •

As crianças devem ser protegidas contra prática de discriminação racial, religiosa, ou de qualquer índole.

A criança deve ser educada num espírito de compreensão, tolerância, amizade, fraternidade e paz.

Torno a afirmar: amo crianças e sempre fiz para pôr em prática o atrás citado

Maria José Sousa Lopes 15


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Eu com 1 ano e meio”

Maria José Sousa Lopes 16


CNO da Escola Secundária de Lousada

A minha vivência Meu avô emigrou para Angola durante a guerra 14-18. Estabeleceu-se como comerciante numa pequena vila do interior. Anos mais tarde, minha avó, que tinha ficado sem mãe aos 13 anos de idade, também partiu para Angola na companhia de um irmão e esposa. Conheceu o meu avô… e aos 15 anos casou. O meu avô era mais velho 30 anos, tiveram 3 filhos um dos quais a minha mãe. O meu pai tinha conseguido carta de chamada para Angola e recém-saído do seminário embarcou e estabeleceu-se como industrial de madeiras para exportação. Conheceu a minha mãe que na aldeia estudava e casaram. Quando a minha mãe fez 18 anos e ele 30, casaram. Tiveram 2 filhos. Um dos quais eu. Tinha eu 6 anos de idade meus pais e meu irmão foram viver para outra cidade e eu fiquei com a minha avó, já viúva e um tio solteiro. Tive uma educação muito austera pois meu tio embora me adorasse era um homem demasiado rígido.

Maria José Sousa Lopes 17


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Eu com 3 anos”

Maria José Sousa Lopes 18


CNO da Escola Secundária de Lousada

Educação austera, vou tentar comparar com a educação de hoje mais subtil. Embora algumas vezes… quase libertina… Tenho experiencia de como fui educada e como eduquei meu filho, falo com experiencia própria no terreno. Meu tio Fernando, frio, (mas que me adorava) educou-me a saber respeitar, agradecer, saber ouvir, e cumprir, tinha mesmo de cumprir, senão “caldo entornado” uma frase dele, que anunciava” trovão”, minha avó um “ arroz doce”. Educação de meus pais: minha mãe, professora, dialogo sem!!!... não sei como diga….Meu pai 4º ano de teologia rígido em horários. Puxava a cadeira a uma senhora, abria a porta do carro para uma senhora entrar… “visitas em casa, crianças boca calada… era preciso saber ouvir”. O meu pai era o verdadeiro paradoxo rígido e doce. A educação do meu filho, não vou comentar… houve divórcio, tinha ele tenra idade fui mãe, pai, amiga, companheira e confidente. A educação actual? Maravilhosa!!! Mas algumas delas… péssimas!!! A meu ver… Em alguns jovens (amo crianças, jovens e idosos) que são educados de forma simples que riem comigo que desabafam de forma saudável, sinto pela experiencia que tenho… por vezes, julgamos a juventude … Não devemos faze-lo! Cada caso é um caso. Mas cito alguns exemplos negros com os quais convivo diariamente. Jovens delinquentes, por deficiência de educação cujos pais, têm diversos problemas a vários níveis, (alcoolismo, deficiências físicas e intelectuais,

violência

domestica,

carências

económicas,

violações,

Maria José Sousa Lopes 19


CNO da Escola Secundária de Lousada

incestos…geram deficiências educacionais) cujos filhos poderiam ser Grandes Homens, como diz o poeta (que me dá força, Rudyard Kipling no seu SE ), mas que a adversa vida marginaliza… Professor quem sou eu? Para definir problemas e diferenças??? Vivo-as de forma tão intensa … que entendo a minha diferença. Tente sentir como a sinto… e terá a resposta da minha diferença vou citar, mais alguns exemplos… Estava eu sentada, à minha secretária de trabalho na Segurança Social, chegou um utente. Após o bom dia; por favor sente-se, perguntei: ─ O que o traz cá qual o seu problema? ─ A minha mulher já recebeu o abono do meu filho, o meu sobrinho que nasceu um dia depois, ainda não e sou eu o recebedor do abono. ─ Se fizer o favor de me facultar o recibo da entrega dos documentos do seu sobrinho tentarei ajudar. “Na verdade o filho tinha nascido a 30 de Maio o sobrinho a 31 (mês e dia que não esquecerei) consultei o sistema e estava no estado de pendente!!! Estranho pensei” senhor B vou ligar ao Porto a ver o que se passa… Dialogo entre mim e a colega da Secção: ─ Colega bom dia, tenho uma duvida, por favor ajude-me, o tio da criança está aqui e o processo está pendente…O numero é 1260000000000

Maria José Sousa Lopes 20


CNO da Escola Secundária de Lousada

─ Olá colega, sim está já oficiamos ao beneficiário e não tivemos resposta, ele é pai de 2 crianças com diferença de um dia…não entendemos e aguardamos a resposta, a colega pergunte-lhe “quando me apercebi, do facto, perdi a cor, tive vontade de o matar, mas educação e sigilo profissional a quanto obriga…” ─ Sr. B… desculpe deve haver engano o seu sobrinho está registado como seu filho… ─ Senhora… sim é meu sobrinho e meu filho e da irmã da C dormíamos os 3 e aconteceu… ─ Desculpe o Sr. dormia com a sua esposa e a irmã? A revolta, tanta pobreza mental, pensei!... a seguir ao atendimento ir falar a uma Assistente social…novamente o telefone” ─ Colega, desculpe, não há engano, pode deferir o processo, agoniante sim, é pai e tio… ─ Ok colega (f d p) sim vou já tratar. ─ Sr. B em breve receberá o abono do seu filho e sobrinho “matava-te” pode ir. Outro exemplo: Algumas classes sociais mais favorecidas economicamente: Os pais demasiadamente atarefados com eventos sociais…

Maria José Sousa Lopes 21


CNO da Escola Secundária de Lousada

Filhos com amas, mais amas… diurnas e nocturnas… mas que importa?... No dia seguinte, de prenda a roupa de marca e tudo bem, (pensam eles… que as marcas substituem o amor…) Mas a marca, nestas crianças, cresce com elas, quando homens e mulheres, não “a marca da roupa” mas sim a marca do afecto ausente. É fácil entender uma criança… è preciso rir, conversar, explicar, descer até ela … e não pôr os bens materiais acima do amor. É preciso sentir o que eu e tantas mães e pais sentiram e sentem… Diálogo com meu filho, no início da sua adolescência, passo a citar: ─ “Mãe vem cá, por favor, tive um problema preciso do teu conselho… quero iniciar minha vida sexual explicas? ─ Sim filho, queres que mãe te explique ou queres perguntar? ─ Explicas e pergunto, pode ser? ─ Anda senta-te aqui: vamos dialogar como se estivéssemos numa batalha naval de sexologia aceitas? ─ Aceito…como vou dizer que sou virgem, sou homem e já tenho 15 anos? ─ Fácil (sabe Deus…como começar) filho, respondes: ─ Ser virgem nada tem a ver em ser-se homem ou mulher, a nossa idade mental e a certeza que queremos iniciar com consciência é fundamental. Tens a certeza que queres? Consciente? ─ Sim mãe. Como faço?

Maria José Sousa Lopes 22


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Ser-se mãe, pai, confidente, amiga chamar-lhe-ei, para mim, (uma lança em África)”, filho em primeiro lugar tens de ler tudo sobre doenças sexualmente transmitidas e como preveni-las. ─ Mãe? Sabes isso tudo? Como fizeste? Quem te ensinou? Que idade tinhas? “Como explicar que foi meu pai e não minha mãe quem, me explicou? Como explicar que no meu tempo ser virgem até ao casamento era quase obrigatório? Como explicar que tudo era tabu? E que tive um pai diferente” ─ Sei filho… teu avô tinha a tua mãe 11 anos, ouviu-a gemer durante a noite, senti-o levantar e poucos minutos depois estava sentado ao lado da minha cama. ─ “Perguntou? Que tens MªJosé? ─ Dói-me a barriga… ─ Onde filha? ─ No fundo… Levantou-se…”Henriqueta! Chamou o meu pai (nome da minha mãe), a menina tem febre, deve ser a menstruação!!! Já explicaste?” Resposta da minha mãe: ─ É muito nova… não cries problemas onde não existem, deve ter andado ao sol…

Maria José Sousa Lopes 23


CNO da Escola Secundária de Lousada

O meu pai passou a sua mão forte e sapuda, na minha testa e disse: ─ “Filha descansa…Amanhã falamos”. ─ No dia seguinte meu filho, a tua mãe foi tomar banho e começou a gritar…a tua avó veio… ralhou com a mãe, deu-lhe um penso e disse: teu pai logo fala contigo. Sabes filho, a mãe tinha tido a sua primeira menstruação ─ Menstruação? Dói? ─ Estou a tentar explicar-te o que é a sexualidade de forma simples para que entendas. Comecei pela a sexualidade feminina, a menstruação, após a primeira pode haver uma gravidez, porque na mulher existe no interior do corpo o aparelho feminino, assim como no homem, o masculino já te explico. Na mulher existem 2 ovários um do lado esquerdo e outro do lado direito do útero. Útero é um órgão feminino onde são gerados os bebes e criados até nascerem. O vosso aparelho é diferente é formado pelo pénis e de cada lado deste os testículos que contêm espermatozóides. Mas a mãe vai ensinar-te pelo livro, para veres as figuras…e saberes e pormenor. ─ Está bem mãe. Obrigado. “Assim consegui, não ter de responder a algumas perguntas directas”. Mas, nessa noite, os 2 sentados no sofá, com o livro de Masters and Johns, comecei as aulas… (estive em dúvida entre Freud e estes preferi estes). Hoje tenho a

Maria José Sousa Lopes 24


CNO da Escola Secundária de Lousada

consciência que fiz o melhor que pude acertei em quase todos os submarinos batalha naval ganha”

Sentir ser avô Diálogo de ternura: ─ Te amo vovó…conta aquela história… vamos passear… ensina vovó… conta à Luna vovó (a minha neta tem 32 meses é Luxemburguesa). ─ E eu explico… o verde dá oxigénio sabes para quê? Para a Luna respirar…Respira fundo… é oxigénio. Vês aquele carro? ─ Sim vovó. Tirou um pouco o ar bom que a Luna respirou… ─ E não deixa a Luna respirar? Vovó – disse - sem ar bom Luna morre… ─ Sim… ─ Mas vês as arvores? Os montes (olha ali ao lado da casa da vovó, são pinheiros e eucaliptos, vem… vovó vai ensinar… ─ Sim vovó eu quero. ─ Luna esta árvore chama-se eucalipto e esta pinheiro, ajudam a dar à menina ar bom para respirar, as arvores os verdes ajudam-nos a viver. ─ Sim vovó. Olha lá longe tem lume, queima vovó vamos. “Como tentar explicar um incêndio?” Maria José Sousa Lopes 25


CNO da Escola Secundária de Lousada

─ Luna está arder porque está muito calor…é muito mau, para o ar bom. ─ Quem fez vovó? ─ Não sei, mas não esqueças as árvores a arder não é bom é muito mau… Um dia a vovó explica melhor. ─ Vamos vovó tenho medo. Vem contar histórias. ─ Sim! Vamos… ”Senti-me pequenina de não conseguir explicar melhor…mas sei que não entenderia…” Como comecei a contar… vivi com minha avó viúva e com o meu tio, solteiro, que trabalhava nos Caminhos-de-ferro de Angola, na bilheteira. Uma vez por mês vinha o então comboio para colaboradores (chamado comboio pagador), pois pagavam os salários aos colaboradores, e vinha uma carruagem onde eram vendidos artigos da melhor qualidade. Bem cedo eu, ele e minha avó íamos às compras ao Comboio. Aí sentia o carinho que ele nutria por mim. Para onde eu olhasse com olhos de interesse e brilho ele mandava embrulhar. Nada dizia. Quando chegávamos a casa dizia: “Estes embrulhos são teus. Gosto de ti”. Mais um mês quase sem dialogo com um olhar frio escondendo o carinho que me tinha. “Aulas? Deveres? Portaste-te Bem?”. Diálogo ao fim do dia quando chegava a casa eram as perguntas. De seguida abria a minha pasta da escola e aquele olhar cor do mar quando se avizinha a tempestade

Maria José Sousa Lopes 26


CNO da Escola Secundária de Lousada

percorria meus cadernos folha a folha. Minha avó olhava com a sua meiguice de mãe e avó à espera do veredicto final. Eu criança de caracóis loiros, olhava. Aguardava… Finalmente beijava-me a testa e dizia para a minha avó: “Vamos jantar” Havia mais 3 comboios, os quais conheci com o meu tio e num dos quais viajei muitas vezes, (eram movidos a carvão). O comboio da Mala para passageiros, com carruagens para dormir durante a noite em viagens longas, nessas carruagens à noite, vinham os copeiros, levantavam o espaldar dos assentos e assim ficavam 4 camas, faziam-nas e fechavam o camarote. Dormia-se agradavelmente ao som do pouca terra pouca terra e de quando em vez um piuuuupiuuu a avisar as paragens, o barulho dos carris e das rodas ao travar…

“Imagem do comboio da mala”

“Vista das carruagens e de uma cabine”

Maria José Sousa Lopes 27


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Comboio Camacouve”

Maria José Sousa Lopes 28


CNO da Escola Secundária de Lousada

Conforme a imagem, que tive a sorte de pesquisar e encontrar, era o comboio de mercadorias, que percorria as linhas dos Caminhos-de-ferro de Benguela, transportava o correio e vários materiais inclusive.

“Jangada, outro meio de transporte que utilizei”

“A canoa, onde tantas vezes andei … Que saudades Deus meu!”

Maria José Sousa Lopes 29


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Os navios nos quais viajei, Angola – Portugal – Angola, para vir conhecer a «Metrópole».” Nesta imagem o navio “Vera Cruz”.

Maria José Sousa Lopes 30


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Navio Príncipe Perfeito” Começou a Guerra no Quénia, tinha eu 6 anos. Denominada Revolta do Mau Mau. Cerco redobrado. Antes de ir para a a escola minha avó e meu tio olhavam-me e diziam: “Vai direitinha, não fales com ninguém”. Dizia o meu tio: “Tens rebuçados em casa não aceites de ninguém”.

Maria José Sousa Lopes 31


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Transporte de feridos numa avioneta, na qual também viajei”

Maria José Sousa Lopes 32


CNO da Escola Secundária de Lousada

Nada agradável a minha vivencia… em tempo de guerra!!! Vivi a revolta Mau Mau , também na carne a Guerra Colonial e a guerra do Congo ex-belga A Inglaterra deu-lhes a independência e tudo sossegou, mas , eu, vivia a GUERRA COLONIAL, não sei o dia, mas recordo ouvir na rádio o primeiro ataque, feito com catanas e lanças tendo à frente um muquixe e um feiticeiro, foi em vila Teixeira de Sousa onde eu nasci, fronteira com o Zaíre ex-Congo belga, assim começou a guerra, que duraria até ao 25 de Abril, com 3 grupos, tribalistas entre si, MPL, UNITA e FNLA, Dirigidos, respectivamente, por: Agostinho Neto, Savimbi e Holden Roberto Peço desculpa” só soube o que era o racismo após o 25 de Abril, leccionei crianças, pretas, mulatas, fulas, cabritas e brancas e ria e brincava com elas, inclusive, meu filho, sem sentir as diferentes raças, aprendi a língua deles e ensinei a nossa” Acerca de GUERRAS vividas e amar o próximo escreveria um portfolio sem fim. … Sim!.Vivi senti ainda hoje sinto. Como senti o apartide na África do Sul, falo, discuto, afirmo, com tenacidade porque vivi!!! Não é romance de ficção. Antes fosse.

Maria José Sousa Lopes 33


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Transporte de feridos durante a guerra”

Maria José Sousa Lopes 34


CNO da Escola Secundária de Lousada

A revolta Mau Mau começou no Quénia. Era

então, colónia inglesa.

Grupos de etnia africana, fizeram uma revolta, para libertação do “do seu País,” “tudo que sejam ex-colónias é um tema vasto e controverso.” Andava eu na 4ª classe e admissão ao Liceu. De manha antes de ir para a escola, meu tio e minha avó alertavam, pois eles raptavam crianças e matavam, tinham-se infiltrado também em Angola, eram tribalistas, cortavam os dentes da frente em forma de V, “sonhei muitas vezes que ia ser raptada acordava a gritar e suada” (anos mais tarde, muitos mais, na Guerra Colonial, meu filho e meu afilhado devem ter sentido o que senti, tiroteio, morteiros, nós deitados no chão as crianças diziam: temos medo se eles entram madrinha.. quero chá, mãe quero leitinho, o acompanhante do meu filho, negro, patroa quero leitinho como o meu menino, agarra minha mão e do menino, se eles entram matam… terror e eu dizia: nada disso… vou buscar leite, bolachas e chá, não se levantem, vamos comer deitados, no corredor, vai ser bonito, não tenham medo, vamos fazer um pic-nick, de joelhos, sem luz ia até à cozinha, e trazia o MENU… a fome era tanta que as 3 crianças ainda riam de satisfação, seu pequeno estômago, vazio, diria talvez… que manjar aguento mais umas horitas… O coração não dói… a alma sangra…seria que passadas as horitas estaríamos vivos?

Maria José Sousa Lopes 35


CNO da Escola Secundária de Lousada

Passados 2 anos acabou também a Guerra do Congo ex-belga. Continuava a Guerra colonial. Aos 8 anos de idade passei para a antiga 4ª classe. Coube-me para meu infortúnio a professora que namorava meu tio. Fim-desemana que se zangassem eu era o bode expiratório. Tinha de responder em sapatina (sapatina era um circulo de alunos em que a professora no meio perguntava sobre a matéria e a resposta mais rápida e certa não apanhava cinco palmatórias na mão).

“ Exemplo da palmatória”

“Exemplos de Muquixe”

Maria José Sousa Lopes 36


CNO da Escola Secundária de Lousada

Comecei a gaguejar quando me apercebi que professora zangada com o namorado, que por azar era meu tio, Misé… pagava. Era a primeira a responder mas a primeira palavra saia, a segunda não saía da primeira sílaba. Repetia-a e nada articulava. Ainda hoje comento com ela, pois casou com meu tio. Uma tarde em que cheguei a casa com as palmas das mãos roxas e a sangrar necessário foi minha avó passar a noite a pôr-me gelo e eu a gemer toda a noite. Valeu-me até hoje não precisar de máquina de calcular, ter os rios de cabeça e seu afluentes. Recordar o episódio de Inês de Castro e quando do meu exame de admissão ao liceu ser a única a resolver em prova oral o problema de matemática. Vivências que a meu ver seriam simplesmente vulgares. -Direi, apesar da Guerra, tive uma infância, puberdade e adolescência

felizes.

A

palmatória da qual fiz desenho, era o nosso terror, enorme, castanha, e a seguir ao bom dia da professora, ela saía da mala, horrenda,

com

5

olhos

“Minha Avó” Maria José Sousa Lopes 37


CNO da Escola Secundária de Lousada

arregalados, negros e ameaçadores. Meu coraçãozito quando a via “dizia calma Misé, hoje não vais gaguejar, estudaste sabes, não encornaste, entendeste, tentava mentalizar-me” A palmatória era a rainha das aulas “no pior sentido” tabuada errada, erros ortográficos, perguntas erradas, no mínimo ela descia e subia 5 vezes, olhos arregalados e sequiosos de dor “chegávamos a pôr saliva nas mãos porque psicologicamente doía menos”. Era uma dor horrível, sentida na mão. coração e cérebro. Sim traumatizante de tal forma que, enquanto leccionei, fiz jura, a mim própria, nada de dor no ensino. No Liceu, pelos padres, também as palmatórias eram usadas.

Maria José Sousa Lopes 38


CNO da Escola Secundária de Lousada

“O meu colégio antes da guerra”

“O meu colégio destruído após a guerra”

Maria José Sousa Lopes 39


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Anne Frank”

Maria José Sousa Lopes 40


CNO da Escola Secundária de Lousada

Hoje conto e lembro o Diário de Anne Frank que li era adolescente. Li o Diário de Anne Frank teria 15, 16 anos de idade, em plena Guerra Colonial, revive-me nela, era eu adolescente, imaginativa, também um pouco receosa. Citei o Diário de Anne, porque também tinha o meu Diário, branco com fechadura “dizia-me sim escreve sou a tua alma gémea” e sim… nele me retratei, diariamente, mais divertida, mais triste, sabem? Um diário, é um verdadeiro porte folio, sem subterfúgios, sem demagogismos, é sim a nossa vivencia nua e crua. Choros, sorrisos, tentações, realizações frustrações, mas nossa privacidade, só num Diário nunca num porte fólio. Também o meu pai teria eu 16 de idade, não posso precisar. Disse:”Maria José lê o livro Crime do padre Amaro, proibido na altura. Hoje já vi o filme, nada igual. Na altura o livro arrepiou. Hoje sei o porquê de o meu pai me pedir para o ler. Havia cumplicidade entre nós… “No primeiro de Outubro de 1960, parte com destino a Angola, iniciando a sua actividade de missionário como professor de francês do Colégio de S. Bento, no Luso (hoje Luena), sendo transferido, dois anos depois, para a Missão do Moxico Velho, onde sempre permaneceu.

Maria José Sousa Lopes 41


CNO da Escola Secundária de Lousada

“D. Frei Paulo António de Oliveira Dias, O.S.B. 10/10/1917 - 17/9/2008”

Maria José Sousa Lopes 42


CNO da Escola Secundária de Lousada

Depois de uma autêntica odisseia, para fugir à sanha dos pseudolibertadores de Angola, calcorreando as matas do sul do território angolano e de zonas da Zâmbia, onde esteve num campo de refugiados, conseguiu chegar a Portugal, exausto, a 15 de Março de 1976. Em Singeverga, retomou o fabrico do licor, até que, em 1978, foi transferido para a Cela de Nossa Senhora da Graça.” Após a admissão ao liceu despedi-me da minha avó e do meu tio e fui para junto dos meus pais e meu irmão. Vi o meu tio chorar como uma criança. E terminou assim mais uma etapa da minha vida. Só voltava à aldeia nas férias. LUMEGE querida aldeia… O meu tio faleceu com 66 anos de idade. Não fui ao funeral, pois ele manteve-se em Angola e eu já lá não estava. A minha avó morreu aos 55 anos com um maldito cancro num seio. Tinha eu 15 anos. Um horror! Foi também enterrada em Angola. Entrei no LUSO para o Colégio de S. Bento (Franciscanos) onde permaneci até ao antigo 7º ano. Mais uma etapa de estudos rígidos. Meninas de bata. A cor das golas das batas indicava o ano que frequentávamos. Só tive nesses anos 4 professores que não eram padres. A professora de Físicoquímica, o professor de Matemática, o de História e a de inglês.

Maria José Sousa Lopes 43


CNO da Escola Secundária de Lousada

O meu professor de ciências naturais e geografia marginalizava as raparigas. Ele era o director responsável pelo Internato dos rapazes do colégio. Por coincidência no meu último ano de liceu, namorei um colega que era interno e explicou-me que eram vítimas de assédio sexual. Foi chamado pelo padre quando sobe que nós namorávamos e proibiu-o de falar comigo. No dia seguinte fui chamada ao gabinete do referido padre e sem nada me dizer pôsse em pé e com uma mão de cada lado da minha face deu-me sete bofetadas em simultâneo (quase que sentia a cabeça e os ouvidos rebentados) e disseme: já sabes porque levaste. Eu não sabia nada… só queria desaparecer. Por infelicidade minha, logo havia de me ter apaixonado por um interno. Escusado será dizer que nunca mais olhamos e falamos um para o outro. O meu primeiro amor ficou marcado por esta maravilhosa experiencia. Os outros professores nada tenho a apontar excepto o professor de português padre também, que volta meia volta se virava para mim e dizia: - Maria José nunca te poderia dar uma negativa excepto 8 porque este número condiz com as curvas do teu corpo. Eu sorria, virava as costas e pensava “que vontade de te mandar bugiar, mas a minha mãe era lá professora, um processo disciplinar e eu ia para a rua. O meu professor de francês também padre, identificado na foto da página anterior com um excerto da sua vida, era o terror da palmatória, pessoa

Maria José Sousa Lopes 44


CNO da Escola Secundária de Lousada

simpática, afável e bastante inteligente andava sempre com um braço estendido porque dentro da manga da batina trazia a palmatória. Quando entrava na sala de aulas a primeira coisa era vê-la escorregar pela manga e ficava em cima da secretaria. Um colega meu, Óscar, um dia desmaiou, teve por castigo pôr as mãos por baixo dos joelhos, no cimo da sala de aulas, esse colega era o mártir dos castigos. Comparemos ao ensino de agora… Semelhança é pura coincidência… Os senhores professores e professoras quando chegam a sala de aula ouvem em uníssono”BOM DIA SENHOR PROFESSOR, PODEMOS SENTAR-NOS? OBRIGADA” O meu professor de historia cujo apelido era “CATOTA” que não era padre, era um filosofo maravilhoso, jamais esquecerei a lenda do rio Nilo “o Egipto é um presente do Nilo”. Os egípcios ofereciam, uma vez por ano, uma virgem ao Nilo para que suas águas fertilizassem as suas terras, para que as colheitas fossem boas. Acaso as cheias fossem em demasia, os egípcios pensavam que o rio estava zangado e sacrificavam duas virgens. As virgens eram oferecidas vestidas de branco, flores no cabelo e a canoa também com flores e lá iam rio a baixo tentando acalmar a ira do Nilo…Crenças…” A educação Espartana e a Mesopotâmia, com o seu rio Eufrates que tanto adorei “MENO SANI CORPUS SANI” corpo são numa mente Sã.

Maria José Sousa Lopes 45


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Escola de Regentes Agrícolas do Thivinguiro”

Maria José Sousa Lopes 46


CNO da Escola Secundária de Lousada

O meu professor de Matemática, um lírico (ainda hoje não gosto de Matemática!), dizia ele: A MATEMÁTICA É COMO UMA PÁ DE TROLHA. COM CIMENTO DEITA-SE À PAREDE. É PRECISO SABER ATIRAR O CIMENTO PARA QUE ELE NÃO CAIA E FIQUE NA PAREDE, ISTO É MATEMÁTICA…. A minha professora de inglês, irmã do Dr. António Monteiro, ex-Ministro das Negociações com Angola, alta esguia, feia, elegante, charmosa, com um perfume fresco e 100% profissional. Entrava na sala e dizia:”Good morning “nem uma palavra em português”. Recordo-a com saudade e ternura. O meu professor de Ciências Naturais e Geografia, Padre Franciscano de Assis, era o nosso horror, em especial das raparigas. Só anos mais tarde me apercebi porquê. Quando acabei o Liceu, antigo sétimo ano, tive de tomar uma decisão. Deixar o LUSO e escolher um curso. Optei por Regente Agrícola, hoje engenheiros técnicos agrícolas. Só existia uma escola e ficava no Thivinguiro, em SÁ DA BANDEIRA, hoje HUìLA. O meu pai discordou. Disse-me que se havia informado de que seria a única rapariga a frequentá-la e que só rapazes escolhiam esse curso. Sem direito a resposta, tive de escolher outro curso. Decidi, então, tirar um curso de Secretariado e disse ao meu pai: “Ou aceita ou não quero outro e vou para freira.” (Idade dos impulsos e chantagem psicológica…) Acordo total. Teria que

Maria José Sousa Lopes 47


CNO da Escola Secundária de Lousada

ir para Luanda a 1600 quilómetros a residência dos meus pais. Questionaramse de onde ficaria alojada e decidiram alojar-me num LAR DE FREIRAS, mas DOMINICANAS OU DOROTEIAS?!! O mais rígido claro… DOROTEIAS! Regras do Lar: - Saídas ao fim de semana, só com pessoas que tivessem Cartão dos meus pais a autorizar; - Ir ao fim de semana à praia, só de fato de banho (meninas das DOROTEIAS… não mostram o corpo); - Almoço e jantar sem um minuto de atraso, excepto por doença; - Nos WCs, nunca duas a tomar banho; - À noite, caminha às 22 horas, pois uma madre ia deitar agua benta em cada uma de nós para tirar os diabinhos, (como diziam), - Missa ao fim de semana. Conclusão: regime militar. Mas, mesmo assim, recordo momentos inesquecíveis que lá vivi, até ao fim do curso. Vou citar alguns: Como os meus pais em LUANDA (nós vivíamos no MOXICO) só tinham 2 casais amigos, telefonaram-lhes e combinaram entre eles que iriam buscarme ao aeroporto e eu entregar-lhes-ia os cartões de autorização, devidamente assinados. Tudo decidido e a Maria José (eu) de sorriso nos lábios a contemplar como se decide um futuro de uma filha!!! Pensei “com meus

Maria José Sousa Lopes 48


CNO da Escola Secundária de Lousada

botões”… (Monólogo): não foste tida nem achada mas não te incomodes, vais sair das saias e calças dos papás e vais enfrentar uma nova fase da tua vida. Força catraia: vais conseguir e ainda vais conhecer coisas lindas e também vivê-las. (Monologo terminado). Finalmente chegou o dia do embarque. O meu pai chamou-me e disseme (eu adorava meu pai): Maria José sabes como te amo e quão grande é o sacrifício de te ver partir e as dificuldades que vamos ter para poderes ir para esse Lar. A minha doença (cancro no intestino mais adiante falarei como foi e como lidei com a doença), a tua mãe a trabalhar… não te digo nada mais, entendes o resto, eu sei. “Minha Lanterna de Aristóteles” (assim me tratava o meu pai quando estava mais sensibilizado): vou sentir falta das tuas palhaçadas, do teu riso, das tuas gargalhadas, de me cortares as unhas dos pés e de quando eu à noite adormecia a ler tu me tiravas o livro e os óculos e se eu acordasse perguntavas: o pai porque adormece com os óculos? Filha estava a sonhar e não os tirei porque não estava reconhecer as pessoas e com eles foi mais fácil (o meu pai tinha sentido de humor apurado). Sorri com vontade de chorar e disse: Nas férias pai, voltarei (beijei-o com um sussurro de até breve fui ter com a minha mãe para seguir para o aeroporto). Já dentro do carro leiam o nosso diálogo:

Maria José Sousa Lopes 49


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Meus pais”

Maria José Sousa Lopes 50


CNO da Escola Secundária de Lousada

Zé estás muito bem, não amarrotes o casaco e o vestido, os senhores que te esperam reparam muito, “meu pensamento lá vou eu de vestido e casaco amarelo torrado, sapatos e carteira preta, recordei o livro As Senhorinhas, quando preferia, uns calções e uma blusa, enfim…”, continuou… no Lar portate bem, arruma tudo, anda sempre arranjada, não queremos queixas. Vejam a diferença de diálogo do meu pai e da minha mãe. Só que ninguém perguntou se eu teria medo de andar de avião! Chegados ao aeroporto, de mala e bilhete na mão para embarcar, minhas pernas tremiam, meus pés pesados, pensei:”anda, segue, senão ficas em terra”. Levantei o pescoço muito convencida e com ar de tudo meu “só aparência… por dentro só me apetecia fugir” e subi para o avião. Lá dentro a hospedeira levou-me ao lugar, sentei-me, sorri, agradeci e pensei “se sentisses o que sinto perdias esse charme todo”. Agora o levantar voo, pois teve de ser… fechei os olhos, agarrei-me à cadeira e Santo António aí vou eu…Engraçado, hoje é o meio de transporte de que mais gosto. Chegada a Luanda desembarquei e pensei: “quem serão os fulanos?” Não foi difícil perceber… dois casais muito bem postos dirigiram-se a mim e disseram ao mesmo tempo:

Maria José Sousa Lopes 51


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Minha mãe, meu irmão e eu”

Maria José Sousa Lopes 52


CNO da Escola Secundária de Lousada

És a Misé, dá cá um beijo. “Na verdade eu nesse dia devia ter cara de pateta, pela certa, sorri beijei e agradeci. Parecia uma menina estúpida. Nada me ocorria, só sorria e agradecia, “fazemos cada figura por vezes”! Bem-vinda à capital, vais gostar. Eu sorri e disse: sim obrigada. Nem me perguntem qual foi a conversa que tiveram dentro do carro ate ao Lar, só me lembro de dizer sim e obrigada. Quando chegámos disseram: Ficas aqui muito bem, os teus pais pediram um Lar em condições e nós vimos buscar-te ao fim de semana. Agradeci e pensei “”serão poucos fins-desemana”. O Lar era uma vivenda de dois andares, situado no bairro de Alvalade, em Luanda. Batemos o batente, a porta abriu-se e aparece uma freira e um dos casais perguntou “ A Madre Superiora? É a nova interna”. “Vou anunciar”, disse a freira e entrámos para uma sala enorme. Alguns minutos depois, um “comboio” de freiras aparece com uma gorda à frente, a Madre Superiora. Fui apresentada, levaram-me a conhecer o meu quarto e deram-me a conhecer as regras que anteriormente referi. Eu era das poucas internas que não namorava. As madres pediam-me para ir com as colegas que namoravam com autorização dos pais, para não irem sozinhas com os namorados. Eles levavam um amigo, sem as madres

Maria José Sousa Lopes 53


CNO da Escola Secundária de Lousada

“O meu primeiro baile”

Maria José Sousa Lopes 54


CNO da Escola Secundária de Lousada

saberem. Assim, enquanto eles namoravam eu ia comer um gelado com o amigo, andar de canoa, ver os Flamingos, (aves lindas com penas cor de rosa) dançar, pela primeira vez fui a uma discoteca. Por volta da meia- noite íamos para ao Lar. Chegadas ao Lar, a madre de serviço da noite, abria a porta e dizia: ZÉ, que era eu, vem, tenho um recado para ti. Eu sorria e ia ao escritório. Interrogatório: Como foi? Estiveste sempre com eles? Que fizeram? Resposta da Zé: Sim, estive sempre com eles, comemos um gelado e passeámos à beira mar. Conclusão: angariei amigas saudáveis, presentes e ainda hoje a minha melhor amiga do LAR é a LALITA, que é médica no HOSPITAL DE S.JOÂO, e é casada com o RUI, o namorado de então. Sempre que nos encontramos rimos a recordar… As madres gostavam muito de mim, as colegas também, pelo meu sentido de humor. Tive a certeza, quando um dia à hora de almoço, ao descer para o refeitório, caí e desci de uma só vez 20 a 23 degraus. Senti um carinho enorme demonstrado por todas: colegas, empregadas e freiras. A minha coluna ainda hoje, em certos dias, lembra-se de dar sinal desse momento na cervical e lombar.

Maria José Sousa Lopes 55


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Ilha do Mussulo”

Maria José Sousa Lopes 56


CNO da Escola Secundária de Lousada

Quando acabei o curso de Secretariado e me despedi com lágrimas nos olhos, as freiras tinham para mim uma oferta, uma NOSSA SENHORA DE FÁTIMA em marfim e a Superiora disse: Maria José uma lembrança nossa para que não nos esqueças e te acompanhe em toda a vida. Continua com essa alegria contagiante.

Maria José Sousa Lopes 57


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Areal das praias do Mussulo”

Maria José Sousa Lopes 58


CNO da Escola Secundária de Lousada

Praias lindas tem LUANDA! Eu vivia no interior e não as conhecia. Bem cedo, de chapéu e toalha íamos para a praia. A ilha do Mussulo muitas vezes escolhida por nós para visita era de uma beleza sem igual, uma praia numa Ilha paradisíaca, com palmeiras, coqueiros num areal sem fim, a água de um azul-turquesa, transmitia serenidade. Apanhávamos um pequeno barco a motor que transportava 20 pessoas de cada vez, pois fazia várias travessias durante o dia. Rumávamos até à ilha durante 30 minutos duração da travessia. Ao fim da tarde rumávamos de novo Luanda. Angola tem um clima tropical com 2 estações no ano: ESTAÇÃO DAS CHUVAS, 6 meses e ESTAÇÃO SECA ou ESTAÇÃO DO CACIMBO, outros 6 meses. As duas tinham o seu encanto! Nas chuvas, sentia-se um calor abrasador com 45 graus à sombra, de repente as nuvens escureciam, os relâmpagos e trovoadas escondiam o sol e as chuvas torrenciais começavam a cair. Passados alguns minutos um sol radiante um cheiro a terra molhada (ainda hoje, nas minhas narinas sinto esse cheiro!) Que saudades enquanto descrevo. As minhas lágrimas silenciosamente molham a minha face, salgadas como a água do mar do meu País Natal… A ESTAÇÃO SECA OU DO CACIMBO, era mais fresca, orvalhadas como as que chamam aqui de S.JOÃO. Época da queimada, preparar o terreno para as caçadas. Outro odor sem igual,

Maria José Sousa Lopes 59


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Nascer do Sol”

“Pôr do Sol”

Maria José Sousa Lopes 60


CNO da Escola Secundária de Lousada

cheiro a resina queimada, pôr-do-sol de um laranja vivo com mistura de amarelo e vermelho. Ao longe o cantar dos queimadores do mato, o cheiro, a sensação de sentir e viver ÁFRICA, mais uma vez os meus lábios recebem as minhas lágrimas salgadas com sabor, desta vez, a resina. O meu pai e o meu avô também eram caçadores. Desde tenra idade fui habituada, a conhecer os animais selvagens pela cor dos olhos, à noite, meu pai e meu avô ensinaram-me. Em criança via à noite leões, tigres e hienas a passear em frente a casa de meus avós, o seu uivar de longe a longe ainda me parece ouvi-los. Estas fotografias são reais do tempo da minha infância, devo dizer que as fotografias a preto e branco são algo que considero a minha vivencia de vida. Recordo os elefantes, os tigres, os guelengues, os zebus, as gazelas, os cacus, as pacaças, os javalis, os jacarés, os crocodilos, as jibóias, os hipópotamos os búfalos e muitos mais…

Maria José Sousa Lopes 61


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Meu pai e meu avô com mais um leão”

“Meu pai, dois amigos e uma pacaça morta”

“Leão morto em frente de casa dos meus avós”

“O meu pai na caça às perdizes”

Maria José Sousa Lopes 62

“Final de uma caçada de meu pai com o seu velho Ford”


CNO da Escola Secundária de Lousada

O lince e a pantera assim como a jibóia faziam-me sentir tão arrepiada como se estivesse numa noite de inverno. Mas as zebras e as girafas encantavam-me. As caçadas, algumas, eram à noite, fazíamos uma fogueira e café de cafeteira “feito pelo Jamba nosso cozinheiro, casado com a Cristina a nossa Lavadeira, com 3 filhos lindos, eram um casal fantástico, ele faleceu com gangrena numa perna enquanto aguardávamos a hora da caçada, tomavam café e conversávamos. Quando chegava a hora de começar a caçar AS CARTUXEIRAS ERAM NOVAMENTE revistas, as espingardas de 2 canos e um cano eram postas em ordem, os farolins ajustados à cabeça, as facas de mato bem presas aos cintos, apagada a fogueira, tudo a posto o silencio obrigatório de “cortar à faca” aparecia o primeiro animal… adrenalina penso, era transpirada por mim. Olhos vermelhos na noite, “ sussurrei ao meu pai “feroz?” Sim… vou ligar o. farolin e verás ou onça ou leão. Farolin bem focado nos olhos, o rei da selva ficou quieto, se houvesse um descuido e o farolin se desviasse, poderia ser a nossa morte, o meu pai pôs a arma ao ombro e poompoom acertou bem no meio dos olhos e o animal caiu “ que ninguém se aproxime já do bicho, disse o meu pai (o meu pai foi durante muitos anos considerado o melhor atirador de Angola), pode não estar bem morto e atacar”, eu de olhos bem abertos, encostada ao meu pai aguardava

Maria José Sousa Lopes 63


CNO da Escola Secundária de Lousada

ordens…então o meu pai de arma em punho, não fosse o bicho atacar, começou a dirigir-se ao animal a pouco mais de 1 metro fazia um som com a boca, aproximava-se mais… tocava o animal com a cano da arma para ter a certeza que a sua presa estava bem morta

e o mesmo olhar de sempre

naqueles olhos, triunfo, vitória e eu olhava e dizia-lhe “tenho orgulho de ti” via a pele do animal se valia a pena conservar ou se fosse demasiado velho o animal, ficava ali para matar a fome a outros animais. Com o meu pai fiz centenas de caçadas todas diferentes, quer diurnas quer nocturnas. Ainda recordo uma das ultimas, ele já com um ânus contranatura, ao volante de um Land Rover de caixa aberta, ao fim da tarde, desta vez, íamos caçar cabras do mato ou veados para consumo de casa “delicia de carne saudade” fim de tarde, céu vermelho, o sol a pôr-se, os 2 olhávamos, esperávamos…e vinham as cabras do mato pastar… o meu pai disse encosta o teu ombro à janela (já não “Uma das últimas caçadas com o meu pai na Chana”

tinha forças nem agilidade para sair fora do jeep e suportar o peso da arma no ombro), vou mirar a mais velha, espera… mais ao lado filha,

Maria José Sousa Lopes 64


CNO da Escola Secundária de Lousada

assim fica quieta, ( punha a arma sobre o meu ombro e atirava, acertava, as outras fugiam), já temos bifes, Jamba (nosso cozinheiro) vai buscar e vamos embora. Regresso melancólico, o animal do cancro minava o corpo do meu pai, não como aqueles animais que ela abatia, de forma segura e rápida, o que do meu pai fez sua presa agia lentamente, comia, saboreava, fazia sofrer e aquele homem forte, seguro de 120 quilos faleceu com 45 quilos, em 6 de Agosto de 1970. Uma lápide que talvez não exista. Ficam as recordações… No fim da caçada ao nascer do dia, devo dizer que, o amanhecer em África tem a mesma beleza que o pôr do sol, as tonalidades é que diferem, os tons terra dão lugar aos tons pastel rosa e amarelo muito claros, uma sensação única quando no meio da chana, cheirava a verde, sentíamos necessidade de saboreá-lo quase sentir o seu gosto nas glândulas gustativas. Eram conferidas as peças de caça e postas em cima do carro. Reacendíamos a fogueira, fazíamos café, tomávamos, comentávamos a caçada e rumávamos a casa. Enfim divaguei. Professores, peço desculpa. Eu disse minha vivencia ser muito vulgar. Um dia em que estive a sós com a professora Cristina numa aula, ela incentivou-me se não tivesse essa aula teria desistido. Obrigado.

Maria José Sousa Lopes 65


CNO da Escola Secundária de Lousada

Outro desporto que eu gostava de acompanhar o meu pai, era O TIRO AOS PRATOS. Dia de torneiro, bem cedo, o meu pai acordava-me com um beijo e dizia: -Filha vens com o pai? -Sim pai vou com o senhor. -Então vai tomar banho eu vou preparar tudo para irmos. De calções e blusa bem fresca, ia ter com o meu pai. O mesmo cenário de sempre, lindo, vivido, sentido. (até à chegada da maldita doença, que entrou sem pedir licença, sorrateiramente de tentáculos estendidos ávida de produzir dor e morte e saudade o maldito CANCER). Revejo a imagem gravada na minhas retinas Cartucheiras, com cartuxos calibre 12, cores azul, verde e vermelho, a cor dizia a grossura do chumbo, canos das espingardas bem luzidios com óleo finíssimo próprio para canos de armas, (não sei se ame ou odeie o portefólio, tenho rido mas as lágrimas de dor e saudade superam tudo). Chegados ao campo de tiro aos pratos, o meu pai ia ver qual era a sua prancha, dirigíamo-nos para ela (eram mais ou menos sete as pranchas, uma para cada atirador) e ao fundo, no imenso campo térreo, um buraco onde ficava colocada a máquina de atirar os pratos de dois braços, encontrava-se o homem que a manejava. Tudo a postos, iniciava o torneio. Eu com uma arma, meu pai com outra. Chegou a vez dele. O homem da máquina perguntava: “Está pronto?”. O

Maria José Sousa Lopes 66


CNO da Escola Secundária de Lousada

meu pai respondia: “Abra!” Cinco pratos eram soltos nesse momento. Todos partidos, o meu pai abria o cano da espingarda, soprava para sair o fumo dos canos, entregava-me aquela e pegava na que estava comigo para atirar á próxima rodada. No final havia a entrega dos prémios. Subitamente anunciavam o vencedor e, até me arrepiava, quando ouvia, “Manuel Lopes Martins, 1º Prémio”, o nome do meu pai, que me pegava pela mão para o acompanhar ao pódio. Curso acabado, retornei ao Luso (Luena Moxico). Decorria o ano de 1969.Nas agências bancárias só eram admitidos homens, mas nesse ano houve a abertura de concurso sem descriminação de sexo. Concorri sem conhecimento dos meus pais. Fui a concurso. Pânico. Só homens. Psicotécnicos, preenchimento de cheques, razão, balancetes, facturação, estenografia, dactilografia, escrituração comercial e ofícios. Hoje se contasse chamar-me-iam lunática. 5 Horas de testes. Decorridos 2 meses: resultados. Sim! Senhores professores, fui a primeira funcionária bancária no BANCO COMERCIAL DE ANGOLA, fiquei colocada na Dependência do Luso, MOXICO, para trabalhar numa máquina de mecanografia. Primeiro dia de trabalho no Banco, não se riam, por favor, cheguei às 7 horas da manhã, abríamos ao público às 8 horas. O gerente apresentou-se e apresentou-me aos colegas. Todos homens, claro, um deles com quem estudei

Maria José Sousa Lopes 67


CNO da Escola Secundária de Lousada

no colégio beneditino, o Valente, virou-se para mim e disse: “Misé, sabes que quando entramos para o Banco são necessários certos requisitos, pois vais ter de entrar no cofre-forte e precisamos das tuas impressões digitais, das mãos e pés”. Eu respondi: “Sim estou pronta”. Professores imaginem-me com 18 anos à porta do cofre-forte a tremer. Diz o Valente: - “Descalça-te”. -“Descalcei-me”. -“Entra.” Entrei, estupefacta, nunca tinha entrado em sítio semelhante, chaves e mais chaves, grades e mais grades em aço. Ao fim de 4 grades apareceu o cofre, notas e notas, moedas em sacos, documentos lacrados. O Valente disse, enquanto meus colegas olhavam: -“Põe os teus pés nesta almofada para tirar as impressões digitais”. Estúpida acreditei… No fim quando ouvi a gargalhada de todos, reconheci a minha ignorância. Entra-se no cofre de sapatos. Foi o meu baptismo no Banco.

Maria José Sousa Lopes 68


CNO da Escola Secundária de Lousada

A tinta dos pés demorou 2 dias a sair, a minha mãe ficou furiosa, ao meu pai não nada contei… Tive que aprender a trabalhar com a máquina de mecanografia. Era uma máquina enorme com um teclado diferente, pois teria de trabalhar com fichas de clientes em vários grupos, clientes com plafon, que eram aqueles a quem o Banco dava um crédito com o qual o cliente poderia trabalhar até ao montante fixado, a ficha era escrita e contabilizada a vermelho, as entradas a azul, ao fim do dia imprimia uma fita para confirmar Os levantamentos e depósitos em papel se estavam certos. Separava estes num lote. Clientes devedores eram aqueles que tinham plafon mas por princípio só faziam retirada de crédito no fim do ano crédito e não havia retorno, só negativamos. (lista negra).

Maria José Sousa Lopes 69


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Banco Comercial de Angola em Luanda, o prédio mais alto do país, onde trabalhei até 1973”

Maria José Sousa Lopes 70


CNO da Escola Secundária de Lousada

Clientes normais não eram tratados por mim. Clientes financeiramente com dificuldades em investimentos e com dificuldade no recebimento dos seus clientes, eram tratados por mim. Estes clientes que faziam transacções com CABINDAGOLF enviavam petróleo para os ESTADOS UNIDOS DA AMERICA. Transacções morosas, muito morosas, que demoravam a receber mas quando recebiam, o BCA Banco Comercial de Angola, ficava no auge, financeiramente, e bolsa subia, ainda recordo o gráfico da Bolsa feito manualmente… Lágrimas doces e amargas. Após sete meses a trabalhar na Agência do BCP do Luso fui convidada por um dos Directores para ir trabalhar para a Sede em Luanda. A reacção do meu gerente não foi agradável. Disse-me que me iria arrepender pois ali os clientes gostavam muito de mim e eu ia secretariar o Director Engº Escudeiro, e que não teria contacto com os clientes e iria sentirme sozinha, ao que respondi que ele estava ser injusto pois era minha carreira profissional em jogo e parecia-me ser egoísta ao pensar assim. Os meus colegas contentes deram-me os parabéns e ofereceram-me um jantar de despedida, com direito a discursos, os quais me fizeram chorar, e dizer-lhes

Maria José Sousa Lopes 71


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Vista Geral da baía de Luanda”

Maria José Sousa Lopes 72


CNO da Escola Secundária de Lousada

com ternura fui o vosso bobo da corte. Mais uma etapa finalizada. Novo rumo…Novamente Luanda. Lá tive que vender o meu jipe Wills que tanto me tinha custado comprar e com ele vivi momentos inesquecíveis. Meu pai em fase terminal, já tinha estado em Portugal durante um ano no Hospital do Ultramar, foi operado pelo Dr. Gentil Martins, não “O meu primeiro carro-1969”

existia

quimioterapia,

Retornou

Angola

fez com

cobalto. ânus

contranatura, sacos azuis sem serem aderentes, o que era deveras impressionante fazer as limpezas. Quando lhe disse que ia partir não me impediu. Sabia que talvez fosse a última vez que o visse vivo. Faleceu a 6 de Agosto 1970 e soube do acontecido através de telegramas que recebi a darem-me as condolências. Telefonei e minha mãe disse que não o tinha feito pois meu pai não quis que o visse morto, queria que eu mantivesse a imagem dele vivo.

Maria José Sousa Lopes 73


CNO da Escola Secundária de Lousada

“O maldito cancro”

“O cancro da mama que vitimou a minha avó”

Maria José Sousa Lopes 74

“O cancro nos intestinos que vitimou o meu Pai ”


CNO da Escola Secundária de Lousada

Novamente em Luanda. Adorei o trabalho que fiz no BCA. No decorrer dos anos que trabalhei em Luanda conheci meu ex-marido, tive o meu filho e fui quase obrigada a despedir-me pois tinha categoria superior à do meu marido e ele não aceitou. Despedi-me do banco. Durante meio ano secretariei o Eng.º Geólogo Fernando David Laima (Membro da Assembleia Constituinte), trabalho bastante interessante na medida em que secretariava a parte da Geologia e os trabalhos que tinha de apresentar à Assembleia. Em Junho de 1973 meu ex-marido pede transferência para o Luso (actual Luena). Eu não quis trabalhar com ele pelo que concorri ao ensino. Leccionei de 1973 a 1975 a 26 km do Luso com crianças que pouco falavam português, difícil mas deveras interessante. Eles aprenderam a nosso língua e eu aprendi bastante com eles. No último período de 1975, quase era impossível dar-se aulas, a maior parte do tempo passávamos deitados no chão da sala, debaixo de tiroteio. Terminei o ano lectivo com êxito e despedi-me do meu país natal. Partimos em 2 de Agosto de 1975, fizemos escala em Brazzaville, onde pernoitamos, eu, o meu filho e a minha mãe. No dia seguinte, fizemos escala em Daomé (actual Benin), em Libreville (Gabão) até Paris onde pernoitamos. No dia 4 de Agosto de 1975 chegamos a Lisboa.

Maria José Sousa Lopes 75


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Brazzaville, Congo”

“Daomé (actual Benin)”

“Libreville, Gabão”

O meu último percurso pelo continente africano.

Maria José Sousa Lopes 76


CNO da Escola Secundária de Lousada

Mas antes de iniciar a minha vida em Portugal seria injusto se não me dedicasse à flora, usos e costumes das gentes do meu país natal:

“O Rei da Flora – o Inbondeiro”

Maria José Sousa Lopes 77


CNO da Escola Secundária de Lousada

“O célebre gindungo”

“O agradável caju”

“A exótica fruta-pinha”

Frutos que servem para compota:

“A deliciosa Goiaba”

“A suculenta Pitanga”

Maria José Sousa Lopes 78

“A carismática Papaia – que a trocam por mamão”


CNO da Escola Secundária de Lousada

As extensas plantações de Angola:

“O fruto (à esquerda) e a apanha (á direita) da cana do açúcar”

A cultura da cana do açúcar é feita em grandes extensões. Tive a oportunidade de visitar uma refinaria perto de Luanda e assistir às várias transformações da cana até ao açúcar refinado, mascavado, àgua ardente de cana e mel de cana. (Chupei imensa cana do açúcar)

A plantação da mandioca até à “fubá” para fazer o inesquecível “pirão” para acompanhar a “moamba” e “muzangué”: A mandioca é um tubérculo africano delicioso cujo tem várias aplicações. Começo pelas folhas com as quais fazíamos um esparregado de nome “matranca” ou “suanga”, bem temperado com alho e azeite e muito gindungo. Tinha um gosto indescritível de tão delicioso. A “A planta da Mandioca e a sua apanha da mandioca era como a da folhagem” batata cá com apenas poucas diferenças. Maria José Sousa Lopes 79


CNO da Escola Secundária de Lousada

Era apanhada pelas mulheres africanas com os filhos às costas enquanto os homens tocavam batuque e faziam entoar as suas vozes quentes. As enxadas não paravam, quando se deixava de ouvir as canções, fim do trabalho.

“A mulher que vai trabalhar com o filhos ás costas”

“Homens e mulher a moer a mandioca”

“O tubérculo da Mandioca”

Processo de transformação da mandioca até à “Fubá” (Farinha): depois de descascada era seca ao sol dourado da minha terra, de seguida era moída á mão nos “pilões” com paus (como ilustra a imagem). A farinha era peneirada diversas vezes até ficar fina para se poder confeccionar o “Pirão”. A farinha mãos grossa é a chamada farinha de pau. “Pirão ou funge acompanhado de moamba de galinha”

“Esparregado da folha da mandioca – suanga”

Maria José Sousa Lopes 80


CNO da Escola Secundária de Lousada

Mandioca doce: Depois de apanhada a mandioca ainda com a casca era depositada em água corrente do rio durante alguns dias até ficar macia. Quando pronta, descascava-se, cortava-se aos bocados e cozia-se em água e açúcar até este ficar quase em ponto.

“Mandioca cozida doce”

“Bolo de mandioca”

Falo da Palmeira de Dendê pois dos seus frutos era confeccionado o óleo de palma utilizado em vários pratos africanos como a moamba, famosa e deliciosa, o exótico feijão de óleo de palma e o inigualável muzangué, feito com peixe fresco e seco e batata doce, acompanhados sempre do nosso pirão ou funge. “Palmeira de Dendê”

“O Dendê fruto da palmeira”

Maria José Sousa Lopes 81


CNO da Escola Secundária de Lousada

Vários pratos confeccionados com óleo de palma:

“Óleo de Palma”

“Camarão com óleo de palma”

“Muzongué”

“Moamba de galinha com pirão de milho” “Feijão com óleo de palma e banana”

Maria José Sousa Lopes 82


CNO da Escola Secundária de Lousada

Outras culturas e outras plantações de Angola feitas em grandes extensões: O Amendoim

“A Plantação de amendoim”

“Amendoim”

Maria José Sousa Lopes 83


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Óleo de amendoim”

“Sorvete artesanal de amendoim”

“Manteiga de amendoim”

Maria José Sousa Lopes 84


CNO da Escola Secundária de Lousada

A plantação de Algodão

“Uma fazenda de algodão”

“O algodão pronto a ser apanhado ”

“A plantação de algodão ”

“O Algodão em pormenor”

Maria José Sousa Lopes 85


CNO da Escola Secundária de Lousada

A plantação do café

“O fruto meio maduro, meio verde” “Uma roça de café”

“Fruto pronto para ser colhido” “A secagem do café”

Maria José Sousa Lopes 86


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Os sacos de café depois de secos”

“O café já torrado e moído”

“O ouro negro de Angola pronto a ser consumido”

Maria José Sousa Lopes 87


CNO da Escola Secundária de Lousada

Angola foi um dos maiores exportadores de café!

Muitas mais plantações havia em Angola, não as vou descrever todas porque se tornaria demasiado exaustivo para o leitor, cito apenas alguns exemplos: banana, caju, abacaxi, batata-doce, coco, pêra-abacate, manga, papaia, mamão, entre outros. Para terminar a narrativa sobre o meu país natal vou descrever um costume do povo africano a que assisti, ao som do batuque e de danças guerrilheiras – a mukanda. A Mukanda era um ritual em que os rapazes na puberdade iam para um recinto fechado permanecendo durante dias, local onde ficavam com os mais velhos para serem ensinados a enfrentar a vida adulta. Nesta prática estava incluída a circuncisão dos jovens que terminava com danças guerreiras, pelo que estavam prontos para enfrentar, já como adultos, a vida fora do quimbo (palhota).

“A festa do final da Mukanda” Maria José Sousa Lopes 88


CNO da Escola Secundária de Lousada

A minha homenagem à mulher angolana Em muitos povos africanos, uma adolescente só é considerada mulher depois de ter sido excisada e, frequentemente, uma mulher só pode casar se tiver passado pela excisão. Uma prática tradicional considerada como iniciação ou integração social das jovens (entre os seis e 14 anos de idade), rito de passagem da infância à idade adulta. A semelhança da circuncisão masculina (“Mukanda”), o acto da excisão feminina é praticado normalmente fora das aldeias pelas anciãs consideradas peritas nisso, em segredo. Estas, com uma lâmina ou faca, talham ou cortam o clítoris da jovem, a sangue frio, o que por vezes, originava a morte destas e, outras vezes, ficavam mutiladas para toda a vida. A cura e cicatrização da ferida é feita com ervas ou cinzas durante quase dois meses. Alguns desses cortes são feitos com as mãos trémulas, sem normas de higiene ou em ambientes escuros e agitados com danças e cantos.

“Mulher cokwe com escarificações”

“Lâmina de excisão”

Maria José Sousa Lopes 89


CNO da Escola Secundária de Lousada

Na minha opinião é que nenhuma mulher deveria ser mutilada, fosse porque razão fosse. Tanto se discute no mundo coisas, por vezes, fúteis, e ninguém se debruça sobre certas práticas que entram nos usos e costumes de vários países. Quase sempre as mulheres são “a presa a abater”. Deixo aqui a minha homenagem a todas as mulheres mutiladas porque vivi e senti a dor de quem sofreu com este ritual.

“A mutilação da jovem”

Maria José Sousa Lopes 90


CNO da Escola Secundária de Lousada

Maria José Sousa Lopes 91


CNO da Escola Secundária de Lousada

A beleza da mulher angolana de várias regiões

“Moça de Angola”

“Raparigas Muhila”

Maria José Sousa Lopes 92

“Moça da Huíla”


CNO da Escola Secundária de Lousada

Feito este pequeno aparte da fauna, flora, usos e costumes do povo do meu país retomo o caminho da minha história. Desembarquei em Lisboa com o meu filho e a minha mãe no dia 4 de Agosto de 1975, como já havia referido. Quando pisei o solo de Lisboa com uma criança pela mão e a minha mãe não imaginava qual seria o percurso da minha vida neste país. Se eu soubesse, talvez retornasse a Angola. Ninguém estava á minha espera, olhava para todos os lados sem saber para onde me dirigir mas finalmente, apanhei um táxi até Santa Apolónia. A minha mãe seguiu para o Montijo para casa dos meus ex-sogros. Eu e o meu filho fomos para Espinho para casa de familiares do meu ex-marido. A primeira vez que apanhei o autocarro para ir com o meu filho à cidade de Espinho fui logo alvo de chacota por parte dos passageiros do autocarro que diziam: “Vêm estes retornados tirar o nosso lugar”. Esqueciam-se que para haverem retornados e refugiados de Angola era sinal que para lá tinham ido os portugueses. Entretanto, fui a Aveiro ao Ministério Primário inscrever-me para emprego. Uns meses passaram e nada aparecia. Tive de tomar outras alternativas para poder, minimamente, fazer face a dois ou três mimos que o meu filho teria direito e que não tinha por parte dos familiares do meu

Maria José Sousa Lopes 93


CNO da Escola Secundária de Lousada

ex-marido, como por exemplo, a manteiga, o fígado de vaca e um chocolate, de vez em quando.

“Rapei mato”

“Desfiz barbas”

Maria José Sousa Lopes 94


CNO da Escola Secundária de Lousada

Sujeitei-me a rapar mato, coisa que nunca tinha feito na vida, para a “corte” dos porcos dos familiares do meu ex-marido. Em pleno Inverno, no meio do monte, em camisola interior, de enxada na mão e ancinho até as mãos se encherem de bolhas. Dei explicações, cortei cabelos, desfiz barbas, tudo para poder “ter alguns tostões”, pois o meu ex-marido não enviava dinheiro e vivia em Angola com outra mulher, facto que eu desconhecia e que ninguém me contava mesmo sabendo-o. Só voltou um ano depois. Recebi-o porque estava em casa da família dele. Passados dois meses foi colocado num banco em Lisboa. Valeu-me a minha mãe ter arranjado emprego como dama de companhia de uma senhora idosa e esta ter oferecido para que lá ficássemos até arranjarmos casa. Aí sim, fui tratada com todo o carinho e humanidade. Entretanto, os meus familiares entraram em contacto comigo pois tiveram conhecimento que eu cá estava, através de amigos, e arranjaram colocação para o meu marido no Banco Português do Atlântico do Porto. Despedi-me de Lisboa e embarcamos para o Porto e do Porto para a aldeia dos meus familiares.

Maria José Sousa Lopes 95


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Bitarães” Um primo meu arranjou-me uma casa em que eu pagava, na altura, 3.500 escudos (uma exorbitância!) e o meu marido ganhava 8.000 escudos. Depois de pagar a renda e todas as despesas dele eu e o meu filho ficávamos com cerca de 800 escudos para o resto do mês. Desde sempre procurei trabalho, encontrava-me inscrita no centro de emprego do Porto. Decorria o ano de 1977. Numa das idas ao Porto, encontrei uns dos directores com quem havia trabalhado num dos bancos em Angola que me convidou para sua secretária. Feliz, fui ter com o meu ex-marido e ele recusou a ideia com o argumento de que não tínhamos onde deixar o nosso filho. Em Maio desse ano, fui chamada pelo centro de emprego para concorrer a uma vaga na Casa do Povo de Bitarães. O concurso era feito no próprio centro de emprego do Porto, e éramos cerca de 150 candidatos. Fomos seleccionadas duas, eu com mais pontuação, Maria José Sousa Lopes 96


CNO da Escola Secundária de Lousada

mas teríamos de ter entrevista com os dirigentes. Acontece que eu era refugiada e a outra era da terra e sobrinha do senhor abade. Após a entrevista disseram-me: “Tenha paciência mas não pode tirar o lugar a uma pessoa de cá sendo a senhora uma refugiada.” Recorri ás instâncias do Porto e, por resposta, novos testes ás duas, feitos pelos próprios directores das Casas do Povo. No final, foram tão directos que me pediram desculpa e que o lugar era meu. Comecei a trabalhar em Agosto pois com todos estes trâmites estive três meses à espera. Felizmente, entrei para umas instalações quase a cair num primeiro andar de uma “casita” e passados dois anos estava a ser lançada a primeira pedra para a construção de uma nova Casa do Povo. A “refugiada” em dois anos conseguiu fazer renascer algo que naquela aldeia não pensavam puder ser feito. Recorri, eu e o Presidente, ao Governo Civil do Porto e ao então Ministro das Obras Públicas e Ministro da Segurança Social, pois as Casas do Povo eram delegações da Segurança Social. Fiz peditórios, pedi a colaboração de lavradores ao Sábado e com eles a obra começou a nascer. Aquando da inauguração, já eu tinha entrada em contacto com um cantador de rancho para me ajudar a formar um rancho infantil e juvenil.

Maria José Sousa Lopes 97


CNO da Escola Secundária de Lousada

Depois do rancho formado pensei num salão de convívio para a terceira idade a funcionar da parte da tarde e recebi o consentimento da direcção. Mãos à obra.

Na

parte

recreativa

fundei

o

rancho

em

colaboração com o Sr. Salvador, o salão de convívio em colaboração com um dos dirigentes da Casa do Povo, uma equipa de futebol e, em 1992, ingressei nos quadros da Segurança Social em Lousada. Mais uma “Rancho infantil”

despedida e mais uma etapa na minha vida. Na parte dos meus serviços administrativos na Casa do Povo, fazia todo

trabalho

informativo,

pagamentos,

recibos

e

secretariava as reuniões, fazia as actas, conta-corrente e, duas vezes por semana, colaborava nas juntas médicas efectuadas naquelas instalações antes de estarem centralizadas no Porto.

Maria José Sousa Lopes 98


CNO da Escola Secundária de Lousada

No decorrer de 1977 até 1995 tive um divórcio, um filho na marinha, o falecimento da minha mãe com um enfarte do miocárdio e um incêndio em minha casa. Para sustentar o meu filho, a minha mãe, um irmão e a mim própria após o divórcio tirei um curso de esteticista, fiz domicílios até ter os meus próprios salões. Em 1998, tive de os vender por mais uma desgraça ter acontecido na minha vida. Em 2000, o meu filho emigra. Embora contra a minha vontade, deixei que ele seguisse o rumo escolhido por ele. Em 2006, a 6 de Dezembro, fui avó. De 2000 até à data tenho ido imensas vezes ao Luxemburgo, Alemanha e países vizinhos.

“O meu filho e a minha neta”

Maria José Sousa Lopes 99


CNO da Escola Secundária de Lousada

Refiro-me em especial a Trier pois é para mim a cidade de eleição se um dia após a minha aposentação pudesse escolher onde residir.

“Trier no natal, Alemanha”

“Eu em Trier, Alemanha”

“Eu no meio dos músicos de rua em Trier”

Maria José Sousa Lopes 100


CNO da Escola Secundária de Lousada

Actualmente, continuo na Segurança Social em Lousada, estou no informativo e lido, diariamente, com experiências desde a bonita até à mais traumatizante que se possa imaginar. Amo o meu trabalho, faço-o com amor, compreensão e considero-me uma boa profissional, trabalhando ao mesmo tempo com o meu lado humano, sempre que necessário o for. O meu lema à entrada dos meus serviços é “A partir de agora vais servir o teu semelhante”.

Maria José Sousa Lopes 101


CNO da Escola Secundária de Lousada

Em jeito de conclusão, a maior dificuldade que senti na elaboração deste portefólio foi, indiscutivelmente a falta de conhecimentos acerca do Word. Foi, de alguma forma, digamos frustrante sem tornar o termo mais pejorativo do que possa parecer, ter de repetir, embora de maneira diferente, o que tinha estudado à uns anos atrás. Embora as dificuldades, ao mesmo tempo, foi muito agradável e também ajudou a pesquisar e encontrar coisas e locais que não imaginava poder encontrar. Aprendi também que o trabalho em equipa continua a ser muito importante pois além de árduo é a parte humana que também funciona. Quero agradecer aos formadores que me incentivaram a continuar pois devo dizer, que no início estive quase a desistir, assim como agradeço aqueles amigos que me deram forças. Na verdade, eu pensava que a minha vivência de vida era fútil mas depois de ler algumas passagens cheguei á conclusão que “tudo vale a pena se a alma não é pequena” e continuarei a frisar que vale amar para poder ser retribuído. Desta forma, termino o meu trabalho e parafraseando Thomas Dekker tento definir-me neste pensamento:

Maria José Sousa Lopes 102


CNO da Escola Secundária de Lousada

“Acordar todas as manhãs com um sorriso a iluminar-me o rosto, saudar o dia com respeito pelas oportunidades que contém; abordar o meu trabalho de espírito aberto. Ter sempre presente, mesmo nas pequenas coisas, o objectiva final do meu trabalho; saudar homens e mulheres com um sorriso nos lábios e amor no coração; ser gentil, com todos a toda a hora; chegar à noite com o cansaço que pede o sono e a alegria do trabalho bem feito.

È assim que quero viver sabiamente os meus dias.”

Maria José Sousa Lopes 103


Centro Novas Oportunidades da Escola Secundária de Lousada

Maria José Sousa Lopes Equipa de Avaliação: - Profissional de RVCC: Marta Pacheco - Formadora CLC: Cristina Soares / Cristina Martins - Formador STC: Manuel Carvalho - Formador CP: Mário Canelas


BEING A GRANDMA Tenderness dialogue I love you, Grandma… tell me that story… let’s go for a walk… teach me, Grandma… tell Luna, Grandma (my granddaughter is 32 months old and she was born in Luxembourg) And I explain… the green gives Luna oxygen to breathe. Take a deep breath… it’s oxygen. Do you see that car? Yes, Grandma. It took part of the “good air” that Luna has breathed… And it doesn’t allow Luna to breathe? Grandma told that without “good air” Luna dies… Yes… But, do you see the trees? The hills… look there, next to Grandma’s house… there are pine and eucalyptus trees, come… Grandma will teach you… Yes, Grandma… I want. Luna, this tree is an eucalyptus tree and this one is a pine tree. They help to give you “good air” to breathe. The trees, the green help us to live. Yes, Grandma. Look there… there’s a fire, it burns. Let’s go! “How can I explain to her this fire?” Luna, it’s burning, because it’s too hot… it’s very bad for the “good air”. Who has done it? I don’t know, but don’t forget that trees burning is not good… it’s very bad! One day, Grandma will explain it better. Let’s go, Grandma. I’m afraid. Tell me stories. Yes! Let’s go… “I felt myself small, because I couldn’t explain it better, but I know she wouldn’t understand…”


“A minha neta”

“Foto montagem minha e da minha neta”


Portfólio Maria José  

Portóflio de uma vida

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you