Issuu on Google+

FE D E R A Ç Ã O E S P Í R I T A B R A S I L E I R A

ISSN 1413 - 1749

DEUS, CRISTO

R$ 5,00

E

CARIDADE

Ano 125 • Nº 2.144 • Novembro 2007


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

Expediente

16:19

Page 3

Sumário 4 Editorial Na consciência!

11 Entrevista: Evandro Noleto Bezerra Fundada em 21 de janeiro de 1883 Fundador: Augusto Elias da Silva

Tradutor de O Livro dos Espíritos recomenda estudo

14 Presença de Chico Xavier De um casarão do outro mundo – Humberto de Campos

Revista de Espiritismo Cristão Ano 125 / Novembro, 2007 / N o 2.144 ISSN 1413-1749 Propriedade e orientação da FEDERAÇÃO ESPÍRITA BRASILEIRA Diretor: NESTOR JOÃO MASOTTI Diretor-substituto e Editor: ALTIVO FERREIRA Redatores: AFFONSO BORGES GALLEGO SOARES, ANTONIO CESAR PERRI DE CARVALHO, EVANDRO NOLETO BEZERRA E LAURO DE OLIVEIRA SÃO THIAGO Secretário: PAULO DE TARSO DOS REIS LYRA Gerente: ILCIO BIANCHI Gerente de Produção: GILBERTO ANDRADE Equipe de Diagramação: SARAÍ AYRES TORRES, AGADYR TORRES E CLAUDIO CARVALHO Equipe de Revisão: MÔNICA DOS SANTOS E WAGNA CARVALHO REFORMADOR: Registro de publicação o n 121.P.209/73 (DCDP do Departamento de Polícia Federal do Ministério da Justiça), CNPJ 33.644.857/0002-84 • I. E. 81.600.503

21 Esflorando o Evangelho Ensejo ao bem – Emmanuel

32 A FEB e o Esperanto Esperanto e Espiritismo

33 Trova / Trobo – Isolino Leal 42 Seara Espírita

5 Renovação e evolução – Juvanir Borges de Souza 8 Responsabilidade mediúnica – Manoel Philomeno de Miranda

16 Os três estágios – Richard Simonetti 19 Base nova, homem novo – Carlos Abranches

Direção e Redação: Av. L-2 Norte • Q. 603 • Conj. F (SGAN) 70830-030 • Brasília (DF) Tel.: (61) 2101-6150 FAX: (61) 3322-0523 Departamento Editorial e Gráfico: Rua Souza Valente, 17 • 20941-040 Rio de Janeiro (RJ) • Brasil Tel.: (21) 2187-8282 • FAX: (21) 2187-8298 E-mail: redacao.reformador@febrasil.org.br Home page: http://www.febnet.org.br E-mail: feb@febrasil.org.br e webmaster@febnet.org.br PARA O BRASIL Assinatura anual R$ 39,00 Número avulso R$ 5,00 PARA O EXTERIOR Assinatura anual US$ 35,00 Assinatura de Reformador: Tel.: (21) 2187-8264 • 2187-8274 E-mail: assinaturas.reformador@febrasil.org.br Projeto gráfico da revista: JULIO MOREIRA Capa: AGADYR TORRES

22 As leis da consciência (Capa) – Suely Caldas Schubert 25 A nossa FEB – Sebastião Lasneau 26 Cura d’Ars – Manifestações espirituais e participação na Codificação – Antonio Cesar Perri de Carvalho 29 Em dia com o Espiritismo – Por que as pessoas usam drogas – Marta Antunes Moura 31 Modos de usar – André Luiz 34 Literatura Espírita na XIII Bienal do Livro 36 Cristianismo Redivivo – História da Era Apostólica – Supranaturalismo x Racionalismo – Haroldo Dutra Dias

38 Nada... – Antônio Torres 39 Seminário sobre “O atendimento nas reuniões mediúnicas” na FEB-Rio 40 José Martins Peralva Sobrinho


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:20

Page 4

Editorial Na consciência!

D

eus, nosso Pai, criou o Universo e tudo o que nele se encontra, seja espiritual ou material.

Criou os Espíritos em condição de igualdade, simples e ignorantes, atribuindo-lhes

a imortalidade e a perfectibilidade, com vistas à sua permanente evolução, intelectual e moral. Criou as Leis Naturais que permitem a atividade dinâmica do Universo, propiciando habitabilidade e sustentabilidade, indispensáveis à existência e sobrevivência de todos os seres. Dentre as Leis Naturais, encontram-se, também, as Leis Morais que norteiam o relacionamento entre todos os seres humanos, indicando o que devem fazer ou deixar de fazer, no seu próprio interesse e no interesse da coletividade e do ambiente físico em que se encontram. Para que não ficassem desconhecidas e cumprissem os seus objetivos de dar um sentido à existência humana e de orientar o Espírito em sua caminhada ascensional rumo à própria perfeição, Deus escreveu as suas Leis na consciência do homem.* Assim, quando o ser humano tem interesse em saber se está no bom ou no mau caminho, se a sua decisão é correta ou não, e se o seu gesto colabora ou não com a harmonia do Universo, basta ouvir e sentir a sua consciência. Para tanto, é necessário que ela possa manifestar-se livremente, sem as injunções e pressões do orgulho, do egoísmo, da vaidade ou da prepotência, que obscurecem a compreensão da existência e mantêm o homem na cegueira espiritual e moral. Trabalhemos, pois, exercitando-nos na prática do bem, auxiliando, atendendo e amando o nosso próximo, a fim de construirmos, gradativamente, com perseverança, os hábitos da humildade, do altruísmo, da simplicidade e da mansuetude, para que nossa consciência brilhe em toda a sua plenitude, clareando-nos o caminho com as Leis de Amor, com as quais Deus, nosso Pai e Criador, estabeleceu a harmonia no Universo. *Allan Kardec – O Livro dos Espíritos – Questão 621.

4

410

Reformador • Novembro 2007


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:20

Page 5

Renovação e

evolução

J U VA N I R B O R G E S

A

Doutrina Espírita, o Consolador prometido e enviado pelo Cristo de Deus para permanecer sempre com os habitantes deste planeta, é a solução natural para problemas humanos que nenhum dos conhecimentos filosóficos, religiosos ou científicos puderam resolver. Antes da denominada Terceira Revelação havia somente hipóteses formuladas pelas doutrinas religiosas a respeito do homem, de sua origem e do seu destino. O materialismo, por outro lado, acobertado com o manto da Ciência, tem distorcido a realidade dos fatos, negando a existência de Deus, o Criador do Universo, e a natureza do homem, que é, na essência, um ser espiritual e não somente um corpo material. Por sua vez, as religiões cria-

DE

SOUZA

ram teorias que contrariam a realidade e a verdade, tais como o milagre, o céu, o inferno, o purgatório, resultantes de interpretações inexatas das letras das antigas escrituras. Todas essas distorções necessitavam de correções, para que o progresso do mundo e de seus habitantes não fosse impedido ou contraditado pela ignorância de uma realidade transcendente, incompatível com crenças irreais ou descrenças oriundas do materialismo inconseqüente. O progresso é uma das leis divinas que incide sobre toda a criação. As próprias criaturas podem ser agentes do progresso e da evolução. Na Humanidade terrena, basta comparar duas épocas distanciadas pelos séculos e milênios para

se verificar as transformações operadas pelos homens em seus conhecimentos, em suas condições sociais, em sua saúde e em tudo que depende de sua atuação. Entretanto, em um orbe atrasado, como a Terra, há conhecimentos de difícil alcance, que fogem à capacidade comum de seus habitantes. Nesses casos, o auxílio superior supre as deficiências humanas, no tempo certo, quando a capacidade de entendimento da população, ou de parte dela, permite a assimilação de coisas novas até então desconhecidas. É o que tem ocorrido desde tempos imemoriais. O homem primitivo foi evoluindo, impulsionado por suas próprias experiências e por sua inteligência, nas vidas sucessivas neste e em outros mundos.

Novembro 2007 • Reformador

411

5


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

Mas o auxílio vindo das Esferas Superiores nunca faltou e sempre esteve presente através de emissários a serviço do Governador Espiritual deste orbe. A história conhecida da Humanidade registra a presença desses enviados, na Antigüidade, no seio de todos os povos: na China e na Índia milenares, no Egito, na Pérsia e na Mesopotâmia, na Grécia e na Europa das Idades Medieval, Moderna e Contemporânea. A denominada Primeira Revelação, através de Moisés, não exclui muitas outras ocorridas no seio dos povos antigos. Mas a presença do Espírito “mais perfeito que Deus tem oferecido ao homem, para lhe servir de guia e modelo” – Jesus, o Cristo – é a comprovação mais evidente de que a Humanidade, como toda a criação, nunca estão sós. Deus, causa primária de todas as coisas e o Governador da Terra cuidam, permanentemente, de sua evolução, através das leis divinas ou naturais. A harmonia que existe em todo o Universo, independentemente da diversidade dos milhões de mundos existentes, demonstra a perfeição dessas leis, tanto no âmbito material quanto no moral. Com a Revelação Espírita podemos perceber alguns característicos das leis divinas ou naturais: a) promanam do Criador; b) são de todos os tempos; c) são invioláveis, eternas e imutáveis; d) são perfeitas e harmônicas; e) constituem, para o homem, o roteiro para a busca da felicidade.

6

412

Reformador • Novembro 2007

16:20

Page 6

Jesus deixou em seus ensinos o conhecimento das leis morais, que Ele sintetizou no Amor, para melhor compreensão daqueles que ouviram suas lições, expressas muitas vezes de forma alegórica, para se projetarem no futuro. Apesar do método utilizado ser o mais apropriado a inteligências e compreensões pouco desenvolvidas, sabia o Mestre que sua Mensagem não seria compreendida integralmente, no seu verdadeiro sentido, não só pelos que se opunham a ela, mas também por muitos dos que a aceitaram, na época de sua presença, ou no futuro distante. Sabendo dessa realidade e prevendo o que aconteceria no porvir, com o desvirtuamento do sentido de vários de seus ensinos, prometeu pedir ao Pai o envio, posteriormente, do Consolador, destinado a permanecer com os homens, lembrar-lhes as lições esquecidas ou mal interpretadas, retificar os enganos do entendimento humano e ainda trazer o conhecimento de coisas novas. O Consolador prometido é a Doutrina dos Espíritos, o Espiritismo, doutrina abrangente que mostra o caminho certo e a porta estreita para o encontro com a felicidade, a que todos os homens aspiram. Sua vinda só se tornou possível muitos séculos após a promessa de Jesus, com o advento de um mundo renovado pela evolução natural em diversas áreas de atuação do homem, tais como o progresso das ciências, a conquista das liberdades e o controle dos poderes absolutistas dos governantes e das direções religiosas.

A intolerância dos governantes poderosos e o fanatismo alimentado por determinadas correntes religiosas, geradoras do fundamentalismo, ainda subsistem nos dias atuais. Mas seu predomínio ocorreu em toda a Idade Média e na Idade Moderna, até os fins do século XVIII, com o marco inconfundível da Revolução Francesa. Embora usando a violência, esse acontecimento histórico trouxe a conquista da liberdade, com os ideais da igualdade e da fraternidade, aspirações de idealizadores de um mundo melhor, sem as imposições descabidas do atraso, do absolutismo e da ignorância. Somente com a conquista da liberdade, que se tornou a base para uma nova era na história da Humanidade, foi possível o envio do Consolador, que trouxe consigo novas idéias e novos princípios que contrariam e retificam velhos conceitos, admitidos e assentes tanto nas ciências quanto nas religiões. Se houvesse chegado antes dos meados do século XIX, teria sido perseguido e dificilmente se firmaria em uma sociedade dominada por interesses que se contrapunham às verdades e às realidades de uma nova Revelação. 

A presença do Espiritismo entre os homens tem uma importância excepcional para uma nova fase de conhecimentos e de progresso moral da Humanidade. Suas verdades fundamentais, especialmente seus esclarecimentos sobre a vida do Espírito nas Esferas espirituais, após a morte do


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:20

Page 7

Quadro A Liberdade guiando o Povo, inspirado na Revolução Francesa, pintado por Eugène Delacroix

corpo físico, as vidas sucessivas nas reencarnações, a origem e a criação dos seres espirituais, os esclarecimentos sobre as leis divinas ou naturais, atuantes em todo o Universo, e muitas outras questões essenciais, formam um conjunto sobre o qual o homem tem formulado hipóteses que desvirtuam a realidade e contrariam os fatos. Esses novos conhecimentos constituem a base sobre a qual se apoiará uma renovação necessária no planeta que habitamos. Correspondem esses esclarecimentos à promessa de Jesus formulada quando de sua passagem pela Terra, há dois mil anos: “Conhecereis a verdade e ela vos libertará”. (João, 8:32.) As verdades e conhecimentos novos revelados pelo Consolador são fundamentais para que a Humanidade, ao lado do progresso natural produzido pelos avanços científicos e tecnológicos, possa se beneficiar

também da percepção correta do que é o homem, essência espiritual imortal ligada a um corpo material perecível, de onde ele vem e para onde vai, em sucessivas vidas físicas. O conhecimento de si mesmo, recomendado pelo sábio grego da Antigüidade, antes da vinda do Cristo, continua válido na atualidade e no futuro. A própria renovação social, aspiração generalizada por toda parte, necessita embasar-se em conhecimentos sólidos e verdadeiros, geradores da solidariedade, em seu sentido moral, capaz de vincular as individualidades humanas a todos os seus semelhantes. As injustiças sociais, oriundas dos privilégios de classes e das leis humanas injustas, assentam-se no egoísmo, no orgulho e na ignorância dos homens. Só terão fim com a renovação individual, pelo conhecimento e aceitação das verdades eternas, geratrizes dos sen-

timentos elevados nas populações, tornando possível a solidariedade, a justiça e a compreensão no seio das sociedades humanas. Por desconhecimento dessas verdades, fracassaram as tentativas de resolver os grandes problemas da organização social com base na luta de classes, como se a solução de um problema tão complexo estivesse simplesmente na substituição de uma classe dominante por outra mais numerosa, qual a dos operários e trabalhadores em geral. Essa teoria, de fundamento puramente materialista, baseada no Manifesto Comunista de Karl Marx, de 1848, projetou-se por todo o século XX e foi mais uma experiência fracassada na busca de melhores condições para uma sociedade mais justa, por partir de pressupostos falsos e enganosos. A civilização atual notabilizou-se pela influência dos conhecimentos científicos e pela aplicação da Tecnologia em muitas atividades humanas. Entretanto, o progresso autêntico não pode ser medido pelo desenvolvimento somente no campo dos conhecimentos, sem a conjugação com o cultivo dos sentimentos sintetizados no amor. No aperfeiçoamento do ser humano não basta o cultivo da inteligência e dos interesses materiais da vida. Torna-se imprescindível o desenvolvimento, também, dos sentimentos da humildade, da fé, da paciência, da compreensão, da solidariedade, que são desdobramentos e manifestações do amor. Novembro 2007 • Reformador

413

7


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:20

Page 8

Responsabilidade

mediúnica U

ma reunião mediúnica séria, à luz do Espiritismo, é constituída por um conjunto operacional de alta qualidade, em face dos objetivos superiores que se deseja alcançar. Tratando-se de um empreendimento que se desenvolve no campo da energia, requisitos graves são exigidos, de forma que sejam conseguidas as realizações, passo a passo, até a etapa final. Não se trata de uma atividade com características meramente transcendentais, mas de um labor que se fundamenta na ação da caridade, tendo-se em vista os Espíritos aos quais é direcionado. Formada por um grupamento de pessoas responsáveis e conscientes do que deverão realizar, receberam preparação anterior, de modo a corresponderem aos misteres a que todos são convocados para exercer, no santificado lugar em que se programa a sua execução. Deve compor-se de conhecedores da Doutrina Espírita e que exerçam a prática da caridade sob qualquer aspecto possível, de maneira a conduzirem créditos morais perante os Soberanos Códigos da Vida, assim atraindo as Entidades respeitáveis e preocupadas com o bem da Humanidade.

8

414

Reformador • Novembro 2007

Componentes da reunião*

Resultado de dois aglomerados de servidores lúcidos – desencarnados e reencarnados – que têm como responsabilidade primordial manter a harmonia de propósitos e de princípios, a fim de que os labores que programam sejam executados em perfeito equilíbrio. Para ser alcançada essa sincronia, ambos os segmentos comprometem-se a atender os compromissos específicos que devem ser executados. Aos Espíritos orientadores compete a organização do programa, desenhando as responsabilidades para os cooperadores reencarna*N. da R.: As fotos que ilustram este artigo são do livro Desobsessão, do Espírito André Luiz, psicografias de Francisco C. Xavier e Waldo Vieira, Ed. FEB de 2007, p. 19, 35 e 57.

dos, ao tempo em que se encarregam de produzir a defesa do recinto, a seleção daqueles que se deverão comunicar, providenciando mecanismos de socorro para antes e depois dos atendimentos. Confiando na equipe humana que assumiu a responsabilidade pela participação no trabalho de graves conseqüências, movimentam-se, desde às vésperas, estabelecendo os primeiros contatos psíquicos daqueles que se comunicarão com os médiuns que lhes servirão de instrumento, desenvolvendo afinidades vibratórias compatíveis com o grau de necessidade de que se encontram possuídos. Encarregam-se de orientar aqueles que se comunicarão, auxiliando-os no entendimento do


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

mecanismo mediúnico, para evitar choques e danos à aparelhagem delicada da mediunidade, tanto no que diz respeito às comunicações psicofônicas atormentadas quanto às psicográficas de conforto moral e de orientação. Cuidam de vigiar os comunicantes, poupando os componentes da reunião de agressões e de distúrbios defluentes da agitação dos enfermos mentais e morais, bem como das distonias emocionais dos perversos que também são conduzidos ao atendimento. Encarregam-se de orientar o critério das comunicações, estabelecendo de maneira prudente a sua ordem, para evitar tumulto durante o ministério de atendimento, assim como impedindo que o tempo seja malbaratado por inconseqüência do padecente desencarnado. Nunca improvisam, porquanto todos os detalhes do labor são devidamente examinados antes, e quando algo ocorre que não estava previsto, existem alternativas providenciais que impedem os desequilíbrios no grupo. Equipamentos especializados são distribuídos no recinto para utilização oportuna, enquanto preservam o pensamento elevado ao Altíssimo... Concomitantemente, cabem aos membros reencarnados as responsabilidades e ações bem definidas, para que o conjunto se movimente em harmonia e as comunicações fluam com facilidade e equilíbrio. Todo o conjunto é resultado de interdependência, de um como

16:20

Page 9

do outro segmento, formando um todo harmônico. Aos médiuns é imprescindível a serenidade interior, a fim de poderem captar os conteúdos das comunicações e as emoções dos convidados espirituais ao tratamento de que necessitam. A mente equilibrada, as emoções sob controle, o silêncio íntimo, facultam o perfeito registro das mensagens de que são portadores, contribuindo eficazmente para a catarse das aflições dos seus agentes. O médium sabe que a faculdade é orgânica, mantendo-se em clima de paz sempre que possível, não apenas nos dias e nas horas reservadas para as tarefas especiais de natureza socorrista, porquanto Espíritos ociosos, vingadores, insensatos que envolvem o planeta encontram-se de plantão para gerar dificuldades e estabelecer conflitos entre as criaturas invigilantes. Por outro lado, o exercício da caridade no comportamento normal, o estudo contínuo da Doutrina e a serenidade moral, são-lhe de grande valia, porque atraem

os Espíritos nobres que anelam por criar uma nova mentalidade entre as criaturas terrestres, superando as perturbações ora vigentes no planeta. Não é, porém, responsável somente o medianeiro, embora grande parte dos resultados dependam da sua atuação dignificadora, o que lhe constituirá sempre motivo de bem-estar e de felicidade, por descobrir-se como instrumento do amor a serviço de Jesus entre os seus irmãos. Aos psicoterapeutas dos desencarnados é impositivo fundamental o equilíbrio pessoal, a fim de que as suas palavras não sejam vãs, e estejam cimentadas pelo exemplo

Novembro 2007 • Reformador

415

9


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

de retidão e de trabalho a que se afervoram. O seu verbo será mantido em clima coloquial e sereno, dialogando com ternura e compaixão, sem o verbalismo inútil ou a presunção salvacionista, como se fosse portador de uma elevação irretocável. Os sentimentos de amor e de misericórdia igualmente devem ser acompanhados pelos compromissos de disciplina, evitando diálogos demorados e insensatos feitos de debates inconseqüentes, tendo em vista que a oportunidade é de socorro e não de exibicionismo intelectual. O objetivo da psicoterapia pela palavra e pelas emanações mentais e emocionais de bondade não é o de convencer o comunicante, mas o de despertá-lo para o estado em que se encontra, predispondo-o à renovação e ao equilíbrio, nele se iniciando o despertamento para a vida espiritual. Conduzir-se com disciplina moral, no dia-a-dia da existência, é um item exigível a todos os membros da grei, a fim de que a amiza-

10

416

Reformador • Novembro 2007

16:20

Page 10

de, o respeito e o apoio dos Benfeitores auxiliem-nos na conquista de si mesmos. Numa reunião mediúnica séria, não há lugar para dissimulações, ressentimentos, antipatias, censuras, porque todos os elementos que a constituem têm caráter vibratório, dando lugar a sintonias compatíveis com a carga emocional de cada onda mental emitida. Desse modo, não há porque alguém preocupar-se em enganar o outro, porquanto, se o fizer, a problemática somente a ele próprio perturbará. À equipe de apoio se reservam as responsabilidades da concentração, da oração, da simpatia aos comunicantes, acompanhando os diálogos com interesse e vibrando em favor do enfermo espiritual, a fim de que possa assimilar os conteúdos saudáveis que lhe são oferecidos. Nunca permitir-se adormecer durante a reunião, sob qualquer justificativa em que o fenômeno se lhe apresente, porque esse comportamento gera dificuldades pa-

ra o conjunto, sendo lamentável essa autopermissão... Aos médiuns passistas cabem os cuidados para se manterem receptivos às energias saudáveis que provêm do Mundo Maior, canalizando-as para os transeuntes de ambos os planos no momento adequado. Todo o movimento entre as duas esferas de ação deve acontecer suavemente, como num centro cirúrgico, que o é, de modo a refletir-se na segurança do atendimento que se opera. Os círculos mediúnicos sérios, que atraem os Espíritos nobres e que encaminham para os seus serviços aqueles desencarnados que lhes são confiados, não podem ser resultado de improvisações, mas de superior programação. Os membros que os constituem estarão sempre atentos aos compromissos assumidos, de forma que possam cooperar com os Mentores em qualquer momento que se faça necessário, mesmo fora do dia e horário estabelecidos. Pontualidade de todos na freqüência, cometimento de conduta no ambiente, unção durante os trabalhos e alegria por encontrar-se a serviço de Jesus, são requisitos indispensáveis para os resultados felizes de uma reunião mediúnica séria à luz do Espiritismo.

Manoel Philomeno de Miranda (Página psicografada pelo médium Divaldo Pereira Franco, na reunião mediúnica da noite de 28 de agosto de 2007, no Centro Espírita Caminho da Redenção, em Salvador, Bahia.)


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:20

Page 11

Entrevista E VA N D R O N O L E TO B E Z E R R A

Tradutor de

O Livro dos Espíritos recomenda estudo Evandro Noleto Bezerra tem traduzido obras de Kardec, recém-publicadas pela FEB. Para o entrevistado não se pode conhecer a Doutrina Espírita sem fazer um estudo aprofundado das obras do Codificador Reformador: Qual a sua motivação para a tradução das obras de Kardec? Evandro: Há cerca de cinco anos, em conversa com o presidente Nestor João Masotti, discorríamos sobre as dificuldades encontradas por muitos leitores que compulsam as obras básicas da Codificação Espírita editadas pela FEB, tendo em vista a linguagem erudita, recheada de expressões complexas e vocábulos peculiares à época em que foram escritas, hoje em desuso ou pouco empregados, tendo em vista o próprio dinamismo da língua portuguesa. Além disso, a própria estrutura das frases, com inversões e interposições freqüentes, tornava a leitura um tanto cansativa, exigindo do leitor maior dose de atenção para a exata compreensão e assimilação dos ensinamentos ali contidos. Com isso, não pretendemos, de ma-

neira alguma, desmerecer o trabalho grandioso, heróico mesmo, levado a cabo pelo Dr. Guillon Ribeiro, tendo em vista a sua cultura e capacidade inquestionáveis no trato das línguas portuguesa e francesa, bem assim o seu completo domínio nas questões relativas ao Espiritismo. Ele agiu como

deveria ter agido, servindo-se da linguagem da sua época, aquela que estava em voga na década de vinte do século passado, e o fez muito bem, atento ao público a quem se dirigia, a maior parte composta de pessoas de nível intelectual diferenciado, considerando-se, então, as dificuldades materiais que impediam o povo de ter acesso aos livros. Nossa motivação para traduzir as obras de Allan Kardec, portanto, tivera e tem em vista facilitar aos leitores desprovidos de maiores recursos intelectuais a correta compreensão daquilo que estão lendo, por meio de uma linguagem leve, mais solta, recheada de termos e expressões mais próximos da sua realidade cotidiana, sem prejuízo da correção da língua e com escrupulosa observância da fidelidade ao texto original, o que Novembro 2007 • Reformador

417

11


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

não significa, de modo algum, que tenhamos traduzido ao pé da letra, obrigados que fomos, algumas vezes, a nos servir de paráfrases e a substituir palavras e expressões sem correspondência com a nossa língua. Além disso, traduzir as obras de Allan Kardec representava uma oportunidade inesquecível de estudarmos a fundo a Codificação Espírita e, de certa forma, mergulharmos na psicosfera abençoada do Codificador do Espiritismo. Reformador: Qual o diferencial da nova tradução de O Livro dos Espíritos? Evandro: Embora a 2a impressão da 2a edição de O Livro dos Espíritos seja considerada a edição definitiva da obra, servindo de base para as traduções nas diversas línguas, o primeiro livro da Codificação Espírita sofreu pequenas alterações, acréscimos e supressões ao longo das edições que se foram sucedendo, até a 12a, de 1864, o que nos leva a afirmar que esta é, de fato, a edição definitiva de O Livro dos Espíritos. Nossa tradução destacou cada uma dessas alterações, a fim de que ficassem devidamente consignados os registros históricos relacionados com as publicações originais do livro, facultando aos estudiosos da Doutrina Espírita que não dispõem dos originais franceses o acesso fácil e rápido a informações valiosas não contempladas nas demais traduções disponíveis em nosso país. Eis alguns exemplos. Logo no início do livro há

12

418

Reformador • Novembro 2007

16:20

Page 12

um “Aviso”, espécie de prefácio, por meio do qual Allan Kardec faz uma apreciação da obra e destaca as diferenças entre a 1a e a 2a edição do livro, sobretudo o aumento considerável de perguntas de 501 para 1019, “Aviso” esse que não tem sido incluído em edições brasileiras e francesas, apesar de ter sido mantido em todas as edições publicadas por Kardec enquanto encarnado. Muito importante, também, é a “Nota” que se segue aos “Prolegômenos”, por meio da qual Allan Kardec informa que o livro só foi publicado depois de ter sido cuidadosamente revisto e corrigido pelos próprios Espíritos, inclusive as observações e comentários que ele aditou ao texto. Embora excluída mais tarde (10a edição – 1863), a nova edição da FEB contempla a sua tradução integral. Finalmente, para ficarmos apenas com estes três exemplos, pois que há outros, as últimas páginas do livro estampam uma “Errata”, que, embora não tendo sido incorporada ao texto do livro, complementa algumas observações de Kardec disseminadas ao longo da obra. Isto do ponto de vista dos registros históricos. Em nossa opinião, porém, o maior diferencial da nova tradução está na simplicidade, na clareza, na leveza do estilo e na atualização de algumas palavras e expressões pouco usadas atualmente e que podem impedir ou dificultar a compreensão dos leitores. Reformador: Quais os principais registros que teria sobre o trabalho

de tradução da coleção da Revista Espírita (1858-1869)? Evandro: A Revista Espírita foi o nosso primeiro trabalho de tradução, iniciado em setembro de 2001 e concluído em fevereiro de 2005. Com mais de seis mil páginas, divididas em doze alentados volumes, serviu a Allan Kardec de laboratório experimental para que ele pudesse expor as idéias dos homens e dos Espíritos acerca dos princípios do Espiritismo que, então, dava seus primeiros passos, antes de validá-los e incorporá-los nas obras básicas que viria a publicar, atento ao critério da concordância e da universalidade do ensino dos Espíritos. Foi uma espécie de tribuna livre, permitindo a Allan Kardec um contato mais direto com os leitores e simpatizantes da Doutrina Espírita. Ali o Codificador se expõe todo inteiro, revela particularidades da sua vida íntima, as lutas e os desafios que teve de vencer para materializar na Terra o Consolador prometido por Jesus Cristo. Embora sendo uma obra subsidiária, complementar da Doutrina Espírita, mereceu de Allan Kardec o mesmo cuidado e o mesmo carinho com que ele se houve na publicação das obras básicas. Durante o processo de tradução dos volumes que constituem a Revista Espírita ocorreu-nos um fato inusitado e muito gratificante: à medida que íamos traduzindo, sentíamo-nos como que transportado para os locais e eventos citados por Allan Kardec, neles tomando parte como se de fato estivéssemos presente,


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

circunstância que também se renovou quando traduzimos as suas viagens espíritas pelo interior da França. Em resumo, consideramos a Revista Espírita como uma das maiores contribuições de Allan Kardec à vulgarização do Espiritismo, uma verdadeira autobiografia do Codificador, um patrimônio inestimável de informações e de emoções sempre renovadas, mas a que nem todos os espíritas dispensam a devida atenção. Reformador: Como sentiu os relatos de Kardec em Viagem Espírita em 1862? Evandro: Realizada nos meses de setembro e outubro de 1862, foi essa a principal viagem de Allan Kardec pelo interior da França, a serviço do Movimento e da Doutrina Espírita. Eram tempos heróicos, difíceis, com meios de locomoção precários e sem conforto, mas que não intimidaram o Codificador em seu esforço de orientar os centros espíritas que então se disseminavam naquele país. O que caracteriza tais relatos é a surpreendente atualidade e oportunidade dos conceitos e conselhos expendidos por Allan Kardec nas diversas cidades por onde passou naquele tempo, bem como a sua preocupação com a unidade doutrinária e a união dos espíritas em torno dos postulados de que era o mais lídimo representante. O mesmo sucedeu com outras viagens que ele realizou posteriormente, na França e na Bélgica, sempre a serviço do Espiritismo, viagens que ele cobria com recursos do próprio bolso,

16:20

Page 13

não obstante as alusões caluniosas de que vivia à custa da Doutrina Espírita. Além disso, essas viagens permitiram a Allan Kardec estabelecer um contato mais direto com os dirigentes espíritas, auscultar suas dificuldades e necessidades, ouvir suas opiniões e dirimir suas dúvidas, sem imposições nem acomodações de quaisquer espécies. Reformador: Há projetos para outras traduções? Evandro: Sim. É nossa intenção traduzir as demais obras de Allan Kardec. Além da Edição Comemorativa de O Livro dos Espíritos, já traduzimos O Evangelho segundo o Espiritismo e O Livro dos Médiuns, a serem publicados no 1o semestre do próximo ano. Atualmente, estamos ocupados com a tradução de O Céu e o Inferno, restando por traduzir A Gênese, Obras Póstumas e O que é o Espiritismo. Nosso objetivo continua sendo o mesmo já revelado no tópico inicial desta entrevista: atualizar a linguagem dos livros e facilitar o entendimento e a compreensão dos leitores. Pelo menos envidamos esforços para que assim suceda, estando sempre aberto a críticas e sugestões que possam contribuir para aperfeiçoar o nosso modesto trabalho, críticas e sugestões que não nos têm faltado e que nos estimulam a perseverar no ideal que abraçamos com tanto carinho e dedicação. Reformador: Com base na experiência de leitura detalhada e pensada das obras do Codificador, teria alguma recomendação aos leitores?

Evandro: As bases fundamentais do Espiritismo estão contidas integralmente nas obras de Allan Kardec, de modo que não se pode conhecer a Doutrina Espírita sem fazer um estudo aprofundado de tais obras. O Livro dos Espíritos resume de forma admirável os conceitos que o espírita consciencioso deve esforçar-se por compreender e pôr em prática, visto que contém “os princípios da Doutrina Espírita sobre a imortalidade da alma, a natureza dos Espíritos e suas relações com os homens, as Leis Morais, a vida presente, a vida futura e o porvir da Humanidade”. Como estudar as obras complementares, sobretudo as de cunho científico, sem conhecer as bases da obra fundamental? Como separar o joio do trigo, principalmente agora, quando tantas obras de procedência duvidosa e até mesmo antidoutrinárias são lançadas sem qualquer critério no mercado livreiro, cada vez mais florescente? Segue-se a leitura de O Livro dos Médiuns, que contém a parte experimental do Espiritismo, O Céu e o Inferno e A Gênese, nada impedindo que O Evangelho segundo o Espiritismo seja lido antes ou depois dessas obras, dado o seu caráter eminentemente consolador. Finalmente, o leitor não deve esquecer de Obras Póstumas e da Revista Espírita, os grandes desconhecidos da literatura kardequiana, a despeito da riqueza de ensinamentos que irradia de suas páginas verdadeiramente iluminadas. Só então teremos autoridade e segurança “para ler tudo e reter o que for bom”. Novembro 2007 • Reformador

419

13


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:21

Page 14

Presença de Chico Xavier

De um casarão do outro mundo M

uitas vezes pensei que outras fossem as surpresas que aguardassem um morto, depois de entregar à terra os seus despojos. Como um menino que vai pela primeira vez a uma feira de amostras, imaginava o conhecido chaveiro dos grandes palácios celestiais. Via S. Pedro de mãos enclavinhadas debaixo do queixo, óculos de tartaruga, como os de Nilo Peçanha, assestados no nariz, percorrendo com as suas vistas sonolentas e cansadas os estudos técnicos, os relatórios, os mapas e livros imensos, enunciadores do movimento das almas que regressavam da Terra, como destacado amanuense de secretaria. Presumia-o um velhote bem conservado, igual aos senadores do tempo da monarquia no Brasil, cofiando os longos bigodes e os fios grisalhos da barba respeitável. Talvez que o bom do apóstolo, desentulhando o baú de suas memórias, me contasse algo de novo: algumas anedotas a respeito de sua vida, segundo a versão popular; fatos do seu tempo de pescarias, certamente cheios das estroinices de rapazola. As jovens de Séforis e de Cafarnaum, na Galiléia, eram criaturas tentadoras com os seus lábios de romã amadurecida. S. Pedro por certo diria algo de suas aventuras, ocorridas, está claro, antes da sua conversão à doutrina do Nazareno. Não encontrei, porém, o chaveiro do Céu. Nessa decepção, cheguei a supor que a região dos bem-aventurados deveria ficar encravada em alguma cordilheira de nuvens inacessíveis. Tratava-se, certamente, de um recanto de maravilhas, onde todos os lugares tomariam denominações religiosas, na sua mais alta expressão simbólica: Praça das Almas Benditas, Avenida das Potências Angélicas. No coração da cidade prodigiosa, em paços resplandecentes, Santa Cecília deveria tanger a sua harpa acompanhando o coro das onze mil virgens, cantando

14

420 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

ao som de harmonias deliciosas para acalentar o sono das filhas de Aqueronte e da Noite, a fim de que não viessem, com as suas achas incandescentes e víboras malditas, perturbar a paz dos que ali esqueciam os sofrimentos, em repouso beatífico. De vez em quando se organizariam, nessa região maravilhosa, solenidades e festas comemorativas dos mais importantes acontecimentos da Igreja. Os papas desencarnados seriam os oficiantes das missas e Te-Déuns de grande gala, a que compareceriam todos os santos do calendário; S. Francisco Xavier, com o mesmo hábito esfarrapado com que andou pregando nas Índias; S. José, na sua indumentária de carpinteiro; S. Sebastião, na sua armadura de soldado romano; Santa Clara, com o seu perfil lindo e severo de madona, sustentada pelas mãos minúsculas e inquietas dos arcanjos, como rosas de carne loura. As almas bem conceituadas representariam, nas galerias deslumbrantes, os santos que a Igreja inventou para o seu hagiológio. Mas... não me foi possível encontrar o Céu. Julguei, então, que os espíritas estavam mais acertados em seus pareceres. Deveria reencontrar os que haviam abandonado as suas carcaças na Terra, continuando a mesma vida. Busquei relacionar-me com as falanges de brasileiros emigrados do outro mundo. Idealizei a sociedade antiga, os patrícios ilustres aí refugiados, imaginando encontrá-los em uma residência principesca como a do Marquês de Abrantes, instalada na antiga chácara de Dona Carlota, em Botafogo, onde recebiam a mais fina flor da sociedade carioca das últimas décadas do segundo reinado, cujas reuniões, compostas de fidalgos escravocratas da época, ofuscavam a simplicidade monacal dos Paços de S. Cristóvão. E pensei de mim para comigo: Os rabinos do Sinédrio, que exararam a sentença condenatória de Jesus


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:21

Page 15

Cristo, quererão saber as novidades de Hitler, na sua fúria contra os judeus. Os remanescentes do príncipe de Bismarck, que perderam a última guerra, desejariam saber qual a situação dos negócios franco-alemães. Contaria aos israelitas a história da esterilização, e aos seguidores do ilustre filho de Schönhausen as questões do plebiscito do Sarre. Cada bem-aventurado me viria fazer uma solicitação, às quais eu atenderia com as habilidades de um porta-novas acostumado aos prazeres maliciosos do boato. Enganara-me, todavia. Ninguém se preocupava com a Terra, ou com as coisas da sua gente. Tranqüilizem-se, contudo, os que ficaram, porque, se não encontrei o Padre Eterno com as suas longas barbas de neve, como se fossem feitas de paina alva e macia, segundo as gravuras católicas, não vi também o Diabo. Logo que tomei conta de mim, conduziram-me a um solar confortável, como a Casa dos Bernardelli, na praia de Copacabana. Semelhante a uma abadia de frades na Estíria, espanta-me o seu aspecto imponente e grandioso. Procurei saber nos anais desse casarão do outro mundo as notícias relativas ao planeta terreno. Examinei os seus in-fólios. Nenhum relato havia a respeito dos santos da corte celestial, como eu os imaginava, nem alusões a Mefistófeles e ao Amaldiçoado. Ignorava-se a história do fruto proibido, a condenação dos anjos rebelados, o decreto do dilúvio, as espantosas visões do evangelista no Apocalipse. As religiões estão na Terra muito prejudicadas pelo abuso dos símbolos. Poucos fatos relacionados com elas estavam naqueles documentos. O nosso mundo é insignificante demais, pelo que pude observar na outra vida. Conforta-me, porém, haver descoberto alguns amigos velhos, entre muitas caras novas. Encontrei o Emílio radicalmente transformado. Contudo, às vezes, faz questão de aparecer-me de ventre rotundo e rosto bonacheirão, como recebia os amigos na Pascoal, para falar da vida alheia. – “Ah! filho – exclama sempre –, há momentos nos quais eu desejaria descer ao Rio, como o homem invisível de Wells, e dar muita paulada nos bandidos de nossa terra.”

E, na graça de quem, esvaziando copos, andou enchendo o tonel das Danaides, desfolha o caderno de suas anedotas mais recentes. A vida, entretanto, não é mais idêntica à da Terra. Novos hábitos. Novas preocupações e panoramas novos. A minha situação é a de um enfermo pobre que se visse de uma hora para outra em luxuosa estação de águas, com as despesas custeadas pelos amigos. Restabelecendo a saúde, estudo e medito. E meu coração, ao descerrar as folhas diferentes dos compêndios do infinito, pulsa como o do estudante novo. Sinto-me novamente na infância. Calço os meus tamanquinhos, visto as minhas calças curtas, arranjo-me à pressa, com a má vontade dos garotos incorrigíveis, e vejo-me outra vez diante da Mestra Sinhá, que me olha com indulgência, através da sua tristeza de virgem desamada, e repito, apontando as letras na cartilha: – A B C... A B C D E... Ah! meu Deus, estou aprendendo agora os luminosos alfabetos que os teus dedos imensos escreveram com giz de ouro resplandecente nos livros da Natureza. Faze-me novamente menino para compreender a lição que me ensinas! Sei hoje, relendo os capítulos da tua glória, por que vicejam na Terra os cardos e os jasmineiros, os cedros e as ervas, por que vivem os bons e os maus, recebendo, numa atividade promíscua, os benefícios da tua casa. Não trago do mundo, Senhor, nenhuma oferenda para a tua grandeza! Não possuo senão o coração, exausto de sentir e bater, como um vaso de iniqüidades. Mas, no dia em que te lembrares do mísero pecador que te contempla no teu doce mistério como lâmpada de luz eterna, em torno da qual bailam os sóis como pirilampos acesos dentro da noite, fecha os teus olhos misericordiosos para as minhas fraquezas e deixa cair nesse vaso imundo uma raiz de açucenas. Então, Senhor, como já puseste lume nos meus olhos, que ainda choram, plantarás o lírio da paz no meu coração que ainda sofre e ainda ama. Pelo Espírito Humberto de Campos Fonte: XAVIER, Francisco C. Crônicas de além-túmulo. 15. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. p. 15-20. Mensagem recebida em 27 de março de 1935.

Novembro 2007 • Reformador

421

15


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:21

Page 16

Os três

estágios RICHARD SIMONETTI

D

esde Freud, as doutrinas psicológicas aprofundam a idéia de que é preciso cuidar da mente, pôr ordem na casa mental para que sejamos felizes. De fato, pensamento ajustado é o caminho para que vivamos em paz, ainda que convivendo com problemas e dificuldades, dores e dissabores. O Espiritismo nos ajuda nesse particular, oferecendo-nos explicações claras e objetivas sobre os porquês da vida, envol-

vendo família, profissão, sociedade, saúde... Tudo tem sua razão de ser. Familiares difíceis são testes de paciência. Doenças e limitações físicas são válvulas de escoamento de impurezas espirituais. Dificuldades profissionais são desafios. Tudo obedece a mecanismos de causa e efeito, em que colhemos hoje o que semeamos ontem. Se não identificamos nesta existência nada que justifique nossas dificuldades, certamente haverá em vidas anteriores. Delas não nos recordamos para evitar uma superposição de experiências passível de nos confundir e perturbar.



Em O Evangelho segundo o Espiritismo, capítulo VIII, item 7, Kardec comenta os três estágios em que podemos nos situar, de acordo com o que pensamos. Há aquele que sequer concebe a idéia do mal. Não julga, não critica, não cobiça, não inveja, não se exalta, não se mortifica… É alguém sintonizado com os ritmos do Universo, Espírito superior, capaz de só pensar o Bem, em plena sintonia com as fontes da vida. Quando um Espírito assim reencarna, nunca passa despercebido, embora sem nenhuma intenção de aparecer, porquanto a virtude é uma luz impossível de não ser observada. Dizia Mahatma Gandhi, que jamais perdoou seus adversários, porque, segundo ele, nada tinha a perdoar, nunca se sentira ofendido: A nossa natureza está enclausurada a ver só o mal no adversário, a atribuir-lhe sempre o mal, e mesmo o mal que não existe.

16

422 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:21

Page 17

O mal que vemos nele depende quase sempre do nosso modo apressado e mesquinho de ver o homem.

seu superior, sorrindo-lhe com os lábios, amaldiçoando-o com o pensamento.

Madre Teresa de Calcutá, a extraordinária missionária do Cristo, cuja vida foi um hino à bondade, ao empenho de servir, dizia:

• O político que cogita de negociatas para pagar suas despesas de campanha.

Se você julga as pessoas, não tem tempo para amá-las.

• O homem comum que pensa em exercitar o jeitinho brasileiro para tirar vantagem em alguma atividade.

Em oração, pedia: Deus adorado, faça-me dar valor à dignidade de minha mais alta vocação de servir e às suas responsabilidades. Jamais permita que eu a desgrace doando frieza, indelicadeza ou impaciência.

Pois não faço o bem que quero, mas o mal que não quero, esse faço.



Vemos no próximo o que há em nós. Espíritos bons detêm-se no Bem. Espíritos maus vêem o Mal. Estes estão no outro extremo, no estágio oposto, segundo Kardec. Alguns exemplos: • O indivíduo empolgado por fantasias eróticas, envolvendo respeitáveis mulheres. • A esposa que cultiva forte ressentimento contra o marido que dela se separou. • O subordinado que odeia

Entre esses dois extremos, na exposição de Kardec, situa-se o religioso que leva a sério seus princípios e que, não obstante experimentar ímpetos semelhantes aos citados, sempre os combate com veemência, travando intensa luta íntima. Não é fácil. Não dá para afirmar: – A partir de agora, somente bons pensamentos terão acesso à minha tela mental. Dizem os Mentores espirituais que contra as gotas de luz do presente há oceanos trevosos do passado. E o apóstolo Paulo, afirma (Epístola aos Romanos, 7:19):

Não há mágica capaz de eliminar de pronto esses aspectos negativos de nossa personalidade. É preciso insistir nos bons propósitos. Diz Jesus (Mateus, 24:13):

Pessoas assim fixam-se tanto em seus devaneios que acabam influenciadas por Espíritos inferiores que exacerbam seus sentimentos e as levam a um comportamento comprometedor. 

Aquele que perseverar até o fim será salvo. Entenda-se aqui a salvação não no sentido escatológico, de destino final, porquanto, ainda que demande milênios sem conta, seremos todos Espíritos puros e perfeitos, habilitados à felicidade em Novembro 2007 • Reformador

423

17


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

plenitude, em plena harmonização com a vida universal. Somos filhos de Deus, que nos criou para a perfeição, e lá chegaremos mais cedo ou mais tarde, porquanto essa é a Sua vontade soberana, que não falha jamais. A perseverança nos bons propósitos vai nos salvar de nós mesmos, de nossas tendências inferiores, de nossos maus pensamentos, favorecendo um caminhar mais tranqüilo e seguro, rumo à gloriosa destinação. 

As técnicas de meditação oriental envolvem um treino de esvaziamento mental para assimilação das energias cósmicas. Para tanto a pessoa deve fixar-se num determinado ponto, a respiração, por exemplo, mantendo o pensamento preso nos movimentos de inspiração e expiração. Os iniciantes sentem dificuldade, porquanto, como um potro rebelde, o pensamento recusa-se a permanecer aprisionado nos limites de uma imagem. A solução é o treinamento, a insistência, a perseverança…

18

424 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

16:21

Page 18

O mesmo acontece em relação à natureza de nossos pensamentos. Temos dificuldade em sustentar apenas o Bem em nosso universo íntimo. Se perseverarmos, conseguiremos. Hoje, alguns minutos; amanhã um pouco mais, e sempre mais, até chegarmos à plenitude do tempo. A auxiliar-nos nesse propósito, o Evangelho. Estudar as lições de Jesus em profundidade, de forma a que possamos considerar, no desdobramento das horas, ante os pensamentos que surgem: – Pensaria assim Jesus? Se a resposta for negativa, será oportuno mudar o pensamento. Nesse propósito, dois recursos maravilhosos: • A oração. Buscar Jesus. Se o pensamento se transvia,

a oração o trará de volta ao bom senso. Em princípio haveremos de chamar por Jesus o tempo todo, exprimindo nossa incapacidade de manter o pensamento reto. Com perseverança, o chamaremos sempre menos, na medida em que, superando nossas mazelas mentais, estivermos cada vez mais perto dele. • O Bem. Vivenciar Jesus. O sacrifício dos interesses pessoais em favor do próximo, a marca inconfundível dos discípulos autênticos, é a tranca inviolável com a qual fechamos nossa intimidade às incursões do mal. Resumindo, leitor amigo, situemos a casa mental como um jardim que desejamos ver enfeitado de coloridas borboletas, a simbolizarem tranqüilidade e beleza. O segredo, explica Mário Quintana, não é correr atrás delas. É cuidar do jardim para que elas venham até nós.


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:21

Page 19

Base nova, homem novo C A R LO S A B R A N C H E S

D

iante da Humanidade profundamente conturbada, os espíritas vivemos momentos de graves decisões. Se a modernidade presente vestiu de tecnologia e precisão as mesmas calamidades do passado, como a fome e a guerra, dá mostras de que na jornada do tempo o homem se ajustou mais à periferia belicosa do progresso, sem alterar substancialmente o núcleo de seu próprio sentimento. Como personagens dessa viagem existencial, precisamos repensar o passado, a fim de compreender o presente e reajustar os passos rumo ao futuro. Chegará o momento em que o tempo não mais será dividido em compartimentos estanques, ligados apenas por vínculos de causa

e efeito, e tudo será visto com os olhos da eternidade. 

Analisemos então duas bases de comportamento, duas estruturas de vida, com linhas de raciocínio específicas e crenças consolidadas, sobre as quais nossos passos já seguiram, para entendermos aonde queremos chegar. A primeira base vem do ontem. Fundamentada nas diretrizes do autoritarismo, diz que o homem crédulo deve ser, na verdade, “temente a Deus”. O Pai se revela como punitivo e magoável. Sob esse prisma, as emoções precisam ser ocultadas, reprimidas, para que a realidade não se macule com expressões inferiores da condição humana. Ataca, dentre outras coisas, a se-

xualidade inata no homem, incentiva a desconfiança no semelhante e oferece o inferno do sentimento de culpa como último reduto de sofrimento aos que erram, sem grandes chances de perdão, a não ser que sigam, como bons cordeiros, as normas definidas pelos senhores que acreditam ter autoridade para legislar sobre a vida espiritual alheia. 

A segunda é mais recente. Tem 150 anos de proposta codificada e é oferecida pelo Espiritismo. Com base na liberdade responsável, afirma que o homem que tem fé deve descobrir a beleza de amar a Deus – que é o próprio Amor e fonte do perdão e da esperança. Acrescenta que as emoções

Novembro 2007 • Reformador

425

19


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

devem ser manifestadas, a fim de contagiar a realidade com o melhor que trazem dentro de si. Se forem boas, beneficiarão; se forem inferiores, serão descobertas, conhecidas em profundidade e reeducadas para melhor. Defende o direito à sexualidade como acesso a expressões íntimas de elevação e entrega, equilíbrio e amor. Conduz o homem a confiar no semelhante e indica a bênção da reencarnação como veículo seguro daquele que se sente culpado, porém disposto a trabalhar pela própria paz interior em novas oportunidades de serviço. 

Interessante observar de que forma estamos procurando viver, diante dessas duas bases. Inegavelmente, já entendemos a grandeza de propósitos da Terceira Revelação. Nossos olhos já admiraram as páginas esclarecedoras da codificação kardequiana. A lógica e o bom senso de Kardec já nos contagiaram. Sem dúvida, estamos a par de todos os princípios doutrinários. Falamos bem, ensinamos com acerto e anunciamos em alta voz tudo o que essa nova matriz de conduta oferece como resposta a nossos questionamentos. Um conflito, entretanto, permanece. Não poucas vezes, dentro de casa, o mesmo estudioso que se declara liberto pela consciência espírita opta por utilizar recursos da base velha para viver. Na hora de usar o diálogo a

20

426 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

16:22

Page 20

fim de resolver fraternalmente um entrave do relacionamento, corre para o conforto das velhas ferramentas do autoritarismo e da arrogância disfarçada para silenciar a fala do outro e ter a primazia da última palavra. No momento de exemplificar o “Deus Amor”, acaba preferindo apoiar-se no “deus temor” de antigas orientações, acendendo nos que o rodeiam o pavor e a submissão cega, substâncias emocionais infrutíferas para os homens novos que pretendemos ser. 

Uma pergunta a ser respondida: será que mergulhamos apenas a cabeça e o intelecto na nova estrutura de viver, mas deixamos os pés e as convicções fincados nos velhos fundamentos? Será que, na prática, somos libertadores só da inteligência para cima e aprisionados do coração para baixo? O Espírito Emmanuel sugere que “não nos detenhamos na pie-

dade teórica”. Explica ainda que “fraternidade simplesmente aconselhada a outrem constrói fachadas brilhantes que a experiência pode consumir num minuto”.* É tarefa urgente, portanto, alcançarmos a substância, a essência dos pressupostos doutrinários. A base nova, a Doutrina dos Espíritos, pede que seus profitentes não sejam somente distribuidores de benefícios, mas sim irradiadores de luz própria, nascida no cadinho purificador da própria transformação pessoal, autêntica e intransferível. Chegará o dia, lá no eterno presente em que haveremos de permanecer, em que estaremos, enfim, de pés e alma mergulhados na consciência libertadora do novo, construindo o Reino esperado por dentro e por fora e escolhendo a consciência do dever retamente cumprido, como morada definitiva da paz interior. *XAVIER, Francisco C. Pão nosso. Pelo Espírito Emmanuel. 29. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. Cap. 99, p. 213-214.


reformador novembro 2007 - a.qxp

25/1/2008

16:22

Page 21

Esf lorando o Evangelho Pelo Espírito Emmanuel

Ensejo ao bem “Jesus, porém, lhe disse: Amigo, a que vieste? – Então, aproximando-se, lançaram mão de Jesus e o prenderam.” (MATEUS, 26:50.)

É

significativo observar o otimismo do Mestre, prodigalizando oportunidades ao bem, até ao fim de sua gloriosa missão de verdade e amor, junto dos homens.

Cientificara-se o Cristo, com respeito ao desvio de Judas, comentara amorosa-

mente o assunto, na derradeira reunião mais íntima com os discípulos, não guardava qualquer dúvida relativamente aos suplícios que o esperavam; no entanto, em se aproximando, o cooperador transviado beija-o na face, identificando-o perante os verdugos, e o Mestre, com sublime serenidade, recebe-lhe a saudação carinhosamente e indaga: Amigo, a que vieste? Seu coração misericordioso proporcionava ao discípulo inquieto o ensejo ao bem, até ao derradeiro instante. Embora notasse Judas em companhia dos guardas que lhe efetuariam a prisão, dá-lhe o título de amigo. Não lhe retira a confiança do minuto primeiro, não o maldiz, não se entrega a queixas inúteis, não o recomenda à posteridade com acusações ou conceitos menos dignos. Nesse gesto de inolvidável beleza espiritual, ensinou-nos Jesus que é preciso oferecer portas ao bem, até à última hora das experiências terrestres, ainda que, ao término da derradeira oportunidade, nada mais reste além do caminho para o martírio ou para a cruz dos supremos testemunhos. Fonte: XAVIER, Francisco C. Caminho, verdade e vida. Ed. especial. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Cap. 90, p. 195-196.

Novembro 2007 • Reformador

427

21


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 22

Capa

As leis da

consciência

“Onde está escrita a lei de Deus? Na consciência.”* S U E LY C A L DA S S C H U B E RT

A

questão 621 de O Livro dos Espíritos, desde há muito, pareceu-me como uma das mais importantes de toda a Codificação. Interessada em alcançar a sua abrangência, tenho procurado um aprofundamento maior, embora minhas escassas luzes espirituais. Neste ano de 2007, em que comemoramos o Sesquicentenário de lançamento da obra básica da Doutrina Espírita, nossa maior e melhor homenagem aos Espíritos integrantes da falange do Espírito de Verdade – Allan Kardec incluído –, que a conceberam e concre*KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Ed. especial. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Questão 621.

22

428 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

tizaram, é a de mergulharmos nossa atenção no estudo constante dos princípios exarados em O Livro dos Espíritos, que emanam do próprio Cristo, ao tempo em que é imprescindível, igualmente, a busca da vivência do que nos é dado conhecer. Para chegarmos a um entendimento mais amplo acerca da questão em epígrafe, que iremos analisar no transcurso deste artigo, faremos algumas correlações com outras questões da mesma obra e, também, com textos de outros autores. Kardec, sabiamente, aborda, na Terceira Parte de O Livro dos Espíritos, as leis morais, cuja apresentação didática é simplesmente espetacular. Quanto mais leio, mais admiro. O assunto começa a ser abordado a partir da pergunta 614, na qual o Codificador indaga: “Que se deve entender por lei natural?”

Na resposta dos Espíritos superiores ficamos sabendo que: A lei natural é a lei de Deus. É a única verdadeira para a felicidade do homem. Indica-lhe o que deve fazer ou deixar de fazer e ele só é infeliz quando dela se afasta.

Nas perguntas subseqüentes, novas informações são transmitidas: que a lei de Deus é eterna, perfeita, que todas as leis da Natureza são leis divinas, que uma única existência é insuficiente para que o homem se aprofunde no seu conhecimento e, também, que as leis divinas são apropriadas à natureza de cada mundo e proporcionais ao grau de adiantamento dos seres que os habitam. Allan Kardec faz um comentário à pergunta 617-a, explicando as duas situações nas quais as leis


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 23

Capa divinas se apresentam: as leis físicas, pertencentes ao domínio da Ciência e que regulam o movimento e as relações da matéria bruta; as leis morais, que abrangem o ser humano em si mesmo e suas relações com Deus e os seus semelhantes. Temos nestas, portanto, as regras da vida do corpo e as da alma. A lei natural pode ser conhecida por todos, embora nem todos a compreendam. Todavia, os homens de bem e os que se decidem a pesquisá-la “são os que melhor a compreendem”, esclarece a questão 619, ressaltando que, um dia, todos a compreenderão, conforme a lei do progresso. Na questão 625, o Codificador indaga qual o tipo mais perfeito que Deus ofereceu à Humanidade, para servir-lhe de guia e modelo, obtendo como resposta: Jesus. Em seguida, desdobrando a palavra dos benfeitores, Kardec realça a importância do Mestre e acrescenta que a doutrina legada por Ele é a mais pura expressão da lei divina, visto que sendo Jesus o ser “mais puro de quantos têm aparecido na Terra, o Espírito Divino o animava”. Logo depois, temos a pergunta 626, que nos interessa nesta reflexão, pois Kardec quer saber se as leis divinas e naturais só foram reveladas por Jesus e se, antes dele, as pessoas apenas as conheciam por intuição. Vale a pena transcrever a bela resposta: Já não dissemos que elas estão escritas por toda parte? [...] todos os que meditaram sobre a

sabedoria hão podido compreendê-las e ensiná-las. Pelos ensinos, mesmo incompletos [...] prepararam o terreno para receber a semente. Estando as leis divinas escritas no livro da natureza, possível foi ao homem conhecê-las, logo que as quis procurar. Por isso é que os preceitos que consagram foram, desde todos os tempos, proclamados pelos homens de bem; e também por isso é que elementos delas se encontram, se bem que incompletos ou adulterados pela ignorância, na doutrina moral de todos os povos saídos da barbárie.

Pode-se dizer que este texto tem como seqüência as palavras de Léon Denis, que, por sua vez, demonstra com muita beleza a sua inspiração superior: Deus nos fala por todas as vozes do Infinito. E fala, não em uma Bíblia escrita há séculos, mas em uma bíblia que se escreve todos os dias, com esses característicos majestosos, que se chamam oceanos, montanhas e astros do céu; por todas as harmonias, doces e graves, que sobem do imo da Terra ou descem dos espaços etéreos. Fala ainda no santuário do ser, nas horas de silêncio e de meditação. Quando os ruídos discordantes da vida material se calam, então a voz interior, a grande voz desperta e se faz ouvir. Essa voz sai da profundeza da consciência e nos fala dos deveres, do progresso, da ascensão da criatura. Há em nós uma espécie

de retiro íntimo, uma fonte profunda de onde podem jorrar ondas de vida, de amor, de virtude, de luz. Ali se manifesta esse reflexo, esse gérmen divino, escondido em toda Alma humana. (O Grande Enigma, cap. VI, “As leis universais”, ed. FEB, p. 82-83.)

Observem, os atenciosos leitores e leitoras, que estamos encadeando a nossa linha de raciocínio, evidenciando, sobretudo, a seqüência didática da obra básica do Espiritismo, para chegarmos ao cerne do tema que vimos enfocando. É oportuno, agora, analisarmos a pergunta 627 e a notável resposta dos Espíritos superiores. Ao formular a indagação, que é um modelo de síntese, o mestre lionês não apenas confirma que Jesus ensinou as verdadeiras leis de Deus, como também quer deixar bem clara a utilidade do ensino que os Espíritos estão transmitindo. A resposta está à altura da questão proposta e traz o tom de uma revelação. Ressaltando que os ensinamentos de Jesus foram transmitidos de acordo com a época e lugares, acrescenta que aquele é o momento no qual a verdade deve se tornar compreensível para todas as criaturas, sendo necessário que as leis sejam explicadas e desenvolvidas, visto serem pouquíssimos aqueles que as entendem e muito menos os que as praticam. Eles (os Espíritos da falange do Espírito de Verdade) vieram preparar o reino de Deus anunciado por Jesus e têm a missão de ensinar de forma clara e sem equívocos as leis divinas, a fim de que ninguém venha a Novembro 2007 • Reformador

429

23


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 24

Capa interpretá-las ao sabor de suas paixões, falseando “o sentido de uma lei toda de amor e caridade”. Pode-se observar no texto a ligação histórica do Espiritismo com o Cristianismo, como também a magna importância de se conhecer as leis divinas e praticá-las. Como ponto capital fica muito clara a missão da Doutrina Espírita como a Verdade, que gradualmente vai sendo revelada para a Humanidade. É a “Ciência do Infinito” a que se refere Kardec na “Introdução” da obra, item XIII, cujo véu que a encobre (da nossa ignorância multimilenar) apenas começa a desvendar seus prodigiosos arcanos, a partir do advento da Terceira Revelação. Na parte final do capítulo I, dessa Terceira Parte, Allan Kardec propõe a divisão da lei natural em dez partes, a saber: as leis de adoração, trabalho, reprodução, conser-

24

430 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

vação, destruição, sociedade, progresso, igualdade, liberdade e de justiça, amor e caridade. Os benfeitores aprovam e afirmam que a última lei é a mais importante. Quais seriam as inferências que ressaltam disso tudo apresentado até agora? São duas as nossas conclusões principais. Primeiramente deduzimos, conforme a pergunta 621, que cada Espírito, ao ser individualizado pelo Criador, tem insculpida em sua consciência a lei divina; que essa lei se desdobra nas dez apresentadas por Kardec e referendadas pelos Espíritos superiores; que a vivência dessas leis leva o Espírito a alcançar a perfeição, que é, como sabemos, relativa à nossa condição de filhos de Deus. Não é por acaso que o Codificador termina a Terceira Parte, referente às leis morais, com o capítulo XII: “Da perfeição moral”. Há, portanto, evidente ligação entre todos os capítulos que culminam com o tema da perfeição moral, a fim de deixar patenteado ser esta a escalada evolutiva do Espírito. A segunda conclusão encontra-se na última lei, aquela que os Espíritos declaram ser a mais importante: a lei de justiça, amor e caridade. Observemos que nesse título estão embutidas as três revelações de Deus à Humanidade, quais sejam: a Justiça, através de Moisés; o Amor, pregado e exemplificado por Jesus; e a Caridade – bandeira da Doutrina Espírita –, que bem resume o

propósito da Terceira Revelação: o Amor em ação. O Codificador proclama na “Conclusão”, item VIII, que o Espiritismo não traz moral diferente da de Jesus, cujo preceito capital é o da caridade universal. As leis da consciência, portanto, são as que regem nossa vida de Espíritos imortais. Na trajetória evolutiva do Espírito, quando de seus passos iniciais, essas leis jazem adormecidas, pois este age sob o domínio dos instintos; na medida em que adquire alguma experiência o livre-arbítrio desponta, tornando-o responsável pelas escolhas que faça. Lentamente a consciência desperta e se faz ouvir. A busca de algo melhor propele o ser humano a superar os desafios, a conquistar o que desconhece, seja através de pesquisas e construções pessoais, como também valendo-se das que foram promovidas por outras criaturas. A inexorável lei do progresso atua em toda parte, em nosso planeta e no Universo. A compreensão das leis da consciência e da reencarnação faz-nos entender os mecanismos da Justiça Divina, como acentua Herculano Pires, no capítulo 19, intitulado “As leis da consciência”, inserto no livro Chico Xavier pede licença (Ed. GEEM), que nos inspirou a escrever sobre este tema. Joanna de Ângelis, no livro Leis morais da vida (Ed. LEAL), dissertando sobre a lei divina ou natural, afirma que Jesus viveu com “toda pujança o estatuto das leis morais”. E acrescenta: “Leis imutáveis, são as leis da vida. [...] Es-


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 25

Capa tão insculpidas na consciência das criaturas”. O homem primitivo “sente-as em forma de impulsos ou pelo luzir da sua grandeza transcendente nos pródromos da inteligência”, elucida a Mentora. Através da psicografia de Raul Teixeira, encontramos no livro Em nome de Deus, do Espírito José Lopes Neto (Ed. Frater), páginas 37 e 38, as ponderações que transcrevemos:

As leis que Deus implantou na tua intimidade consciencial ali estão como guardiães da tua vida, aguardando a ação da vontade amadurecida para identificá-las, entendê-las, admiti-las, esforçando-se para respeitá-las e obedecê-las. [...] Todas as leis de Deus, que fazem pulsar a vida em redor de ti, fazem também vibrar a vida em ti. Importante será que as leis que acio-

nes em teu mundo íntimo sejam movidas para recompensar-te com alegrias, com harmonia, com luminosidade, em função de tua atividade positivamente desenvolvida. [...] Aprimora-te sempre. Ilumina-te sempre e trabalha para que as divinas leis cantem bênçãos e acendam clarões de vida no teu âmago, uma vez que anseias pela felicidade.

A nossa FEB No Planalto Central, luminosa e altaneira, Ergue-se a Casa-Mãe, dedicada e operosa. Sua missão desenvolve ante o Cristo, atenciosa, A Federação Espírita Brasileira.

Trabalho secular, vibra na experiência Que ilumina o presente embasando o porvir, Ruma a Federação Brasileira a florir Na pujança que vem lhe marcando a cadência.

E a mensagem dos Céus, que a Doutrina apresenta, Ela jorra em cascatas, inundando a Terra; Conforta os corações nos projetos que encerra, E o rebanho que a busca ela abraça e apascenta.

Sob as mãos dedicadas do nobre Ismael, Segue o nosso Brasil-Espiritual atento, A servir a Jesus e a buscar o incremento Do amor e da verdade, ante as Vozes do Céu.

Nas terras do Cruzeiro, onde o amor fez morada, Eis a Casa do Bem, ativa e generosa, Resguardando o valor da Doutrina Formosa, Orientando-nos o passo na caminhada.

Somos gratos a Deus por esse Monumento Que exalta tanto o bem quanto a vida e a virtude, Nesse afã de expurgar o mal que, insano, ilude, E de implantar a paz em nosso sentimento.

Na formação dos tempos de luz e bonança, A nossa Casa-Mãe em campanhas apela Para o grande labor que em bênçãos se revela: Cuidar da juventude e educar a criança.

Nobre é o tempo que passa entre lutas ingentes, E tudo o que nos traz grandeza à própria rota, O que nos torna bons, renunciando à má nota, Sendo espíritas veros, lúcidos, conscientes.

Ela atende a quem vive no mundo angustiado, E estende os seus braços para as pátrias diversas, P’ra que todas, então, sejam no amor imersas, Vivendo, com vigor, o ensino revelado.

Saudamos de Jesus essa Obra tão feliz, Nossa Federação, que esparge o Espiritismo No Brasil e no mundo, cheia de altruísmo, A unir-nos mais fraternos em sua diretriz.

Sebastião Lasneau (Mensagem psicografada pelo médium Raul Teixeira, em 9/3/2005, na Sociedade Espírita Fraternidade, Niterói (RJ), por ocasião da visita do presidente da FEB, Nestor João Masotti.)

Novembro 2007 • Reformador

431

25


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 26

Cura d’Ars Manifestações espirituais e participação na Codificação A N TO N I O C E S A R P E R R I

J

ean-Marie Vianney, também conhecido como Jean-Marie Baptiste Vianney (1786-1859) – o cura d’Ars –, foi protagonista de algumas manifestações espirituais, e após sua desencarnação transmitiu mensagem que foi inserida em O Evangelho segundo o Espiritismo.

DE

C A RVA L H O

De início, é oportuno o esclarecimento de que a palavra cura, como era adotada na França, é utilizada para designação de sua função, ou seja, de vigário de aldeia ou povoação, não tendo nada a ver com sua atuação, coincidentemente, de intermediário de algumas curas. Ars, localizada a uns quarenta quilômetros ao Norte de Lyon, era, àquela época, uma pequena aldeia. Vianney era oriundo de família simples e afeita ao meio rural. Viveu conflitos em seu lar, pois o pai pretendia o mesmo futuro ao filho. Na juventude, passou por outro problema ao ser convocado para combater no exército de Napoleão. Adoeceu, foi internado duas vezes e aconselhado a desertar e a viver numa fazenda onde assume o papel de um filho primogênito. Ele se ocupa dos menores e lhes dá lições Jean-Marie Baptiste Vianney, o cura d’Ars

26

432 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

de leitura e de escrita. Na primavera e no verão, realiza a maior parte dos trabalhos da fazenda. É protegido e orientado por prelados católicos da região de Lyon, que não aceitavam o Imperador, em virtude de sua ruptura com o Vaticano. Encontra-se com Monsenhor Balley, que lhe diz: “Jean-Marie jamais será soldado, mas padre”. Depois de quatorze meses, ao retornar, ingressa em 1813 no Seminário Saint-Irénée, em Lyon. Como os cursos eram dados em latim e ele não compreendia nada, tirou nota “D”, que representa “deficiente no último grau”, e foi dispensado. Monsenhor Balley retoma o trabalho com seu aluno e, pacientemente, o estimula a estudar em francês e não mais em latim. Foi readmitido em 1814 e ordenado subdiácono. A dificuldade idiomática se repete em outro episódio, pois naquela época, em cada região ou até em aldeias, se falavam distintos dialetos. Em seguida à sua ordenação, foi designado para as funções


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

de cura na aldeia de Ars. Chegando de carroça, com poucos utensílios e cerca de trezentos livros, ocorreu o histórico encontro com um jovem pastor de ovelhas, Antoine Givre, com dez anos, que não sabia o francês e falava o dialeto de Ars, mas acabaram se compreendendo. Vianney obteve a informação sobre o caminho e deu-lhe resposta que é registrada no monumento – o cura com um jovem –, existente à entrada de Ars: “Você me mostra o caminho de Ars, eu lhe mostrarei o caminho do céu”.1 Cinco anos depois de sua chegada em Ars, no começo de 1823, Jean-Marie Vianney funda uma escola com o nome “La Providence”, que também era um orfanato para crianças pobres e abandonadas por suas famílias, e para jovens em situação de miséria. Adotava a regra de que os mais velhos ajudavam os menores. Vianney sempre foi amparado pela família do visconde François des Garets d’Ars e seus primos, o conde e a condessa Prosper des Garets. O cura d’Ars também foi epicentro de manifestações espirituais de efeitos físicos. Nos últimos meses de 1823, por volta das nove horas da noite, Jean-Marie Vianney escuta grandes golpes na porta da paróquia. Abre a janela do andar de cima e não vê pessoa alguma. Por volta das onze horas o barulho recomeça e, à uma hora da manhã, o cabo e o trinco da porta do pátio sacodem com violência. Durante o tempo que dura o barulho, toda a casa estremece.

16:30

Page 27

Certa feita, Vianney comentou com a condessa des Garets: Essa noite, o “capeta” não me deixou fechar o olho. [...] O demônio é bem mau, mas ele é muito tolo! – Ele está nervoso, é bom sinal. – Oh! Eu me habituo. Ele nada pode sem a permissão de Deus. – Eu sei que é o capeta” e isso me basta. Há tempos que nós nos relacionamos, nós so-

Allan Kardec analisa as manifestações

do tipo de ruídos e pancadas mos quase camaradas. Eu era atormentado, durante o dia pelos homens e durante a noite pelo demônio, e sentia uma grande paz. [...] O bom Deus é melhor que o demônio mau. É ele que me protege. O que Deus protege é bem guardado.1

Após 1825, os fenômenos tor-

naram-se raros, mas não desapareceram completamente. Embora a biografia de Joulin1 não faça referência, no pequeno museu montado no local em que Vianney residiu, ao lado da igreja, está exposta a cama que ele utilizava, com as marcas de fogo, como registro de uma das manifestações de perseguição espiritual de que foi alvo. Allan Kardec2 analisa as manifestações do tipo de ruídos e pancadas e comenta que nem sempre se limitam a isso. “[...] Degeneram, por vezes, em verdadeiro estardalhaço e em perturbações. [...]”, e “[...] assumem, não raro, o caráter de verdadeiras perseguições. [...]”. O Codificador cita, especificamente, exemplos de manifestações com pessoas que são acordadas com movimentações de objetos do quarto e da própria cama. Destaca, ainda: “[...] Essas pessoas ignoram possuir faculdades mediúnicas, razão por que lhes chamamos médiuns naturais [...]”. Em nossos dias, é muita empregada a palavra de origem alemã poltergeist para as manifestações que envolvem Espírito barulhento, galhofeiro, desordeiro; e o pesquisador Hernani Guimarães Andrade3 considera que, entre estes fenômenos, “os mais temíveis são aqueles que provocam incêndios (parapirogenia)”. Este é o caso do incêndio da cama em que dormia o cura d’Ars. Embora possam existir explicações variadas – e sem entrar no mérito da questão, mas é fato levado em consideração no processo Novembro 2007 • Reformador

433

27


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 28

Joulin1 destaca que a visita do contemporâneo padre Lacordaire à paróquia de Ars atesta o renome de Vianney. Joulin1 destaca que as inspirações do cura d’Ars não eram jansenistas, não falava de salvação em Deus a uma pequena elite de predestinados, onde todos os outros homens estariam irremediavelmente condenados ao inferno. Ele se referia sem cessar ao amor de Deus, do bom Deus, como Cama que Vianney utilizava, dizia, e na sua boca o ainda com marcas de fogo adjetivo “bom”não era de canonização –, após a exuma- uma maneira de falar, mas exprição de seu corpo constatou-se mia o essencial: que este estava conservado. Para O bom Deus nos criou e nos assinalar o fato e talvez até como pôs no mundo porque nos ama; estímulo a peregrinações, o corEle quer nos salvar porque nos po do sacerdote está exposto em ama – o bom Deus quer a nossa um dos altares da igreja, sendo felicidade – Ó meus filhos, que visível que apenas foi retocado Deus bom! com uma máscara facial de cera. Vianney viveu e trabalhou duA repercussão de seu trabalho rante 41 anos em Ars. Pela sua dedicação extremada conquistou a na pequenina Ars estimulou a vipopulação e o espaço da religião, sita de milhares de peregrinos encomprometida pelo período do quanto estava encarnado e após “Terror” após a Revolução France- sua desencarnação, construindo a sa. Em função de sua dedicação à imagem de homem extremamencomunidade, dos fenômenos espi- te bom, dedicado ao povo e curarituais e da conservação de seu dor. Com base nessa lembrança é corpo, estão caracterizadas algu- que seu Espírito foi evocado e mas das condições que podem ter houve a manifestação inserida em levado a Igreja Católica a canoni- O Evangelho segundo o Espiritiszá-lo no ano de 1925. O biógrafo mo. Na mensagem “Bem-aventu-

28

434 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

rados os que têm fechados os olhos”, que assina como Espírito (Vianney, cura d’Ars, Paris, 1863) no original em francês da obra citada (texto da 3a edição)4 – o que nem sempre aparece nas traduções –, ele emprega quatro vezes a sua usual expressão “bom Deus”, tal como fazia, habitualmente, em seus escritos e preleções em Ars, ao se referir ao Criador. Este fato, até agora não destacado, é importante como um dos itens para identificação de Espíritos comunicantes, sendo, portanto, oportuno, para finalizarmos, transcrever o seguinte trecho dessa obra: Ah! Que sofrimento, bom Deus! Ela perdeu a vista e as trevas a envolveram. Pobre filha! Que ore e espere; eu não sei fazer milagres, sem a vontade do bom Deus. Todas as curas que tenho podido obter e que vos foram assinaladas, não as atribuais senão àquele que é Pai de todos nós.

Referências: 1

JOULIN, Marc. La petite vie de Jean-Ma-

rie Vianney: curé d’Ars. Paris: Desclée de Brouwer, 2004. p. 153. 2

KARDEC, Allan. O livro dos médiuns.

79. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. Parte segunda, cap. V, itens 87, 89 e 92. 3

ANDRADE, Hernani G. Poltergeist. Algu-

mas de suas ocorrências no Brasil. São Paulo: Ed. Pensamento, 1988. Cap. I. 4

KARDEC, Allan. L’évangile selon le

spiritisme. Rio de Janeiro: FEB, 1979. Chapitre VIII, p. 121-122.


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 29

Em dia com o Espiritismo

Por que as pessoas usam drogas M A RTA A N T U N E S M O U R A

O

s motivos são vários: curiosidade, insegurança, tédio, medo, timidez, frustrações, insatisfações, auto-afirmação, fuga de problemas, crença de que as drogas aumentam a criatividade, pressão de grupo, etc. A lista é longa. Do ponto de vista histórico, o uso de drogas era associado a aspectos religiosos, culturais, medicinais, místicos e até como forma de buscar a transcendência espiritual, pela alteração do estado de consciência. Tratava-se, porém, de consumo restrito a grupos fechados, diferentemente do caráter disseminador da atualidade. A conhecida professora de farmacologia da Escola de Medicina do Alabama, Estados Unidos, doutora Gesina Longenecker, analisa que o indivíduo que alimenta o vício dos semelhantes é outro fator de extrema relevância no uso de substâncias psicoativas: “o processo da descoberta e distribuição começou a partir de homens comuns que se especializaram no assunto das drogas, alcançando posições de poder e influência ao usar e guar-

dar o seu conhecimento: tornaram-se curandeiros, padres e políticos. Tais poderes garantiram-lhes uma elevada posição social”.1 Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o uso de drogas é fenômeno de ocorrência mundial, um preocupante problema de saúde pública, cuja gravidade varia de região para região, mas afeta praticamente todas as nações do Planeta: 75% dos países enfrentam problemas com o consumo da droga. Em termos mundiais, as projeções estatísticas indicam que cerca de 200 milhões de pessoas – algo em torno de 5% da população entre 15 e 64 anos – usam drogas ilícitas pelo menos uma vez por ano; metade deles usa drogas regularmente uma vez por mês. Recente relatório da ONU, o de setembro do corrente ano, informa que 4% da população mundial, situada na faixa etária de 15-64 anos, usa cannabis (maconha), enquanto 1% é usuário de estimulantes do grupo das anfetaminas, da cocaína e dos opiáceos. O uso de heroína é também grave problema mundial.2

Compreende-se que não sucumbir às tentações, presentes no mundo atual, é tarefa de grande envergadura. Um desafio que afeta, em especial, os indivíduos que não tiveram boa formação moral ou os adolescentes, que se encontram numa fase de fácil influenciação. A Doutrina Espírita esclarece, porém, que Deus permite as tentações com o objetivo de desenvolver a razão e preservar o homem dos excessos.3 Estudo realizado por docentes da Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto, Universidade de São Paulo, em 2006, em que foram entrevistados 568 adolescentes do ensino médio com a finalidade de identificar os motivos que levam o jovem ao primeiro contato com a droga, conclui: “Verificou-se que a curiosidade foi o motivo principal apontado para o uso de drogas pela primeira vez e que os responsáveis pelo início do consumo dessas substâncias pelos adolescentes foram os amigos”.4 Os dados apresentados na publicação oferecem importantes subsídios para o planejamento de estratégias Novembro 2007 • Reformador

435

29


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:30

Page 30

relativos aos “porquês” do uso de drogas estão todos subordinados à imperfeição humana. Imperfeição que prioriza uma vivência hedonista, onde a busca pelo prazer é equivocadamente considerada o bem supremo. A propósito, avalia Joanna de Ângelis:

preventivas no controle do consumo de drogas na adolescência, cujas conclusões contestam as idéias de senso comum, que associam o uso de substâncias psicoativas à pobreza, a “lares desfeitos” e às “más companhias”. O controle social eficiente do problema, segundo posição unânime de especialistas e estudiosos, tem como base: a) suprir a população de informações corretas sobre as drogas, seus mecanismos de ação, efeitos no organismo e formas de prevenção; b) estabelecer parcerias sociais que, efetivamente, desenvolvam trabalhos de prevenção ao vício e/ou de recuperação do viciado. Nesta situação, o trabalho desenvolvido nas casas espíritas, junto às crianças, jovens e adultos, por ser de caráter orientador e humanitário, ocupa posição de relevância na sociedade. Os motivos aqui apresentados,

30

436 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

O […] homem moderno deixou-se engolfar pela comodidade e prazer, deparando, inesperadamente, o vazio interior que lhe resulta amargas decepções, após as secundárias conquistas externas. Acostumado às sensações fortes, passou a experimentar dificuldades para adaptar-se às sutilezas da percepção psíquica, do que resultariam aquisições relevantes promotoras da plenitude íntima e realização transcendente.5

Não desconhecemos, contudo, a existência de inúmeras criaturas que renascem em ambientes viciosos e que não se deixam arrastar pelo vício; ou de tantas outras que experimentam drogas e as rejeitam. O que faz essas pessoas serem diferentes das demais? A resposta pode ser resumida nestas duas ordens de idéias: tendências instintivas e educação familiar. As tendências que marcam a personalidade do ser humano encontram em Allan Kardec as seguintes explicações:

em cada existência, tem um novo ponto de partida. [...] se se vê punido, é que praticou o mal. Suas atuais tendências más indicam o que lhe resta a corrigir em si próprio e é nisso que deve concentrar-se toda a sua atenção, porquanto, daquilo de que se haja corrigido completamente, nenhum traço mais conservará. As boas resoluções que tomou são a voz da consciência, advertindo-o do que é bem e do que é mal e dando-lhe forças para resistir às tentações.6

A orientação familiar que valoriza a educação moral, educação “que consiste na arte de formar caracteres [...]”7 previne os muitos males, criando obstáculos à curiosidade, tão comum nos jovens, de experimentar substâncias psicoativas. Da mesma forma, o adulto que edificou o caráter em bases sólidas, da moral e da ética, dificilmente faz uso de drogas, ainda que se encontre sob o peso das provações e dos testemunhos. Isto nos faz recordar Emmanuel, que nos exorta coragem perante as tentações que nos assaltam a existência: Vigiai na luta comum. Permanecei firmes na fé, ante a tempestade. Portai-vos varonilmente em todos os lances difíceis. Sede fortes na dor, para guardar-lhe a lição de luz.8

Referências: Ao nascer, traz o homem consigo o que adquiriu, nasce qual se fez;

1

LONGENECKER, Gesina. Como agem as

drogas – abuso das drogas e o corpo


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:31

Page 31

4

PRATTA, Elisângela Maria Machado; SAN-

TOS, Manoel Antonio. Levantamento dos motivos e dos responsáveis pelo primeiro contato de adolescentes do ensino médio com substâncias psicoativas. Revista Electrónica de Salud Mental, Alcohol y Drogas. Universidad Autónoma del Estado de México, año 2, n. 2, 2006. 5

FRANCO, Divaldo P. Após a tempestade...

Pelo Espírito Joanna de Ângelis. Salvador: LEAL, 1974. Cap. 8, p. 49. 6

KARDEC, Allan. O evangelho segundo o

espiritismo. Tradução de Guillon Ribeiro. 126. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. Cap. 5,

A orientação familiar valoriza a educação moral, que previne males e vícios, criando bons hábitos

item 11, p. 114. 7

______. O livro dos espíritos. Tradução de

humano. Tradução de Dinah Kleve. São

das contra Drogas e Crimes (UNODC). Se-

Guillon Ribeiro. 89. ed. Rio de Janeiro: FEB,

Paulo: Quark Books, 1998. Cap. 1, p. 5.

tembro de 2007.

2007. Questão 685-a.

2

3

8

Programa de prevenção às drogas e HIV/

dução de Guillon Ribeiro. 89. ed. Rio de

pírito Emmanuel. 34. ed. Rio de Janeiro:

/AIDS. Brasília: Escritório das Nações Uni-

Janeiro: FEB, 2007. Questões 712 e 712-a.

FEB, 2006. Cap. 90, p. 233.

Organização das Nações Unidas (ONU).

KARDEC, Allan. O livro dos espíritos. Tra-

XAVIER, Francisco C. Fonte viva. Pelo Es-

Modos de usar

A

s doações abençoadas da Misericórdia Divina constituem exatos medicamentos às nossas necessidades e pedem modo particular de uso. A inteligência exige burilamento constante no aprendizado construtivo. A saúde, sem atividade no bem, cede lugar à moléstia. A posse financeira não proporciona verdadeira alegria, quando vive a distância do socorro fraterno. A autoridade humana não constrói segurança para ninguém, quando adota o regime de intemperança para si própria. O prestígio social reduz-se a simples aparência, se brilha sem base no esforço honesto.

O conhecimento elevado, sem trabalho digno, é acelerador do remorso. O ninho familiar, sem o clima da concórdia, é via de acesso para o desequilíbrio geral. Assim, o amparo da Espiritualidade Maior traz em si mesmo a sugestão para o necessário aproveitamento. Observe, pois, a disciplina requerida na administração dos medicamentos espirituais que o Céu lhe envia, sabendo que os horários, doses e formas de emprego reclamam exatidão e persistência, boa vontade e confiança para sanarem efetivamente os males que nos espoliam a vida íntima, de modo a que nos renovemos para mais altos destinos.

André Luiz Fonte: XAVIER, Francisco C.; VIEIRA, Waldo. Estude e viva. Pelos Espíritos Emmanuel e André Luiz. 12. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. p. 100.

Novembro 2007 • Reformador

437

31


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:31

Page 32

A FEB e o Esperanto

Esperanto e Espiritismo Transcrevemos abaixo, em tradução, um texto da autoria do presidente Nestor João Masotti, publicado em esperanto na edição de 2007 do Almanako Lorenz, um dos periódicos da Sociedade Editora Espírita F. V. Lorenz, conhecida internacionalmente como a Societo Lorenz

O

esperanto, idioma neutro destinado nossos círculos, fazendo publicar, em a servir a indivíduos e povos nas Reformador de 15 de fevereiro de suas relações internacionais, 1909, significativa página transcrita foi lançado na Polônia, em 1887, pelo de um periódico espírita francês, médico judeu-polonês Lázaro Luís a qual se constituiria, juntamenZamenhof (1859-1917). te com as mensagens A Missão Logo suas virtudes, práticas e de do Esperanto (Emmanuel, 1940) natureza espiritual, tocaram as ale O Esperanto como Revelação mas sensíveis de idealistas em dife(Francisco Valdomiro Lorenz, rentes campos da atividade humana, 1959), ambas psicografadas por incluindo-se entre eles, obviamente, Francisco Cândido Xavier, em sólios espíritas que, na França, menos de da coluna sustentadora das ati20 anos após o surgimento da língua, vidades do Movimento Esjá se mobilizavam em torno do tema, pírita brasileiro em torno nele enxergando um poderoso veícudo esperanto. lo para a disseminação de idéias em A partir de então, a escala mundial. Estavam eles, toFEB desenvolve sucesdavia, também conscientes de sivos programas tenprestar grande serviço à causa da dentes à consecução Língua Internacional Neutra, fordos objetivos de divultalecendo-a pela adesão de uma gar o idioma entre os esLeopoldo Cirne lançou a semente do coletividade toda voltada para a píritas, e o Espiritismo enesperanto através de Reformador paz, a justiça e a fraternidade entre tre os esperantistas. Curos povos, princípios comuns aos dois grandes ideais. sos gratuitos, publicação de manuais, dicionários, É sob a influência de tais movimentos na França, antologias, biografias, traduções de obras doutrique Leopoldo Cirne, presidente da FEB no período nárias, bem como manutenção de programa raentre 1900 e 1914, lança a semente do esperanto em diofônico, propaganda em Reformador, participação

32

438 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:31

Page 33

Publicações FEB: Dicionário Completo Esperanto/Português, Novo Dicionário Português/Esperanto, e Doutor Esperanto

em eventos do Movimento Esperantista neutro – têm caracterizado a atividade permanente da Casa de Ismael em favor do esperanto e seus elevados ideais. Modernamente, utilizando os inapreciáveis recursos da rede mundial de computadores, a FEB exibe material esperantista em seu portal eletrônico, em que disponibiliza aos internautas toda a obra de Kardec traduzida para a Língua Internacional, o livro Nosso Lar (Nia Hejmo), bem como documentos importantes de natureza doutrinária. Excelentes têm sido os frutos dessa semeadura, com destaque para o surgimento, principalmente na Europa Oriental, de versões de livros espíritas em

diferentes línguas nacionais, com base nas traduções em esperanto. Presentemente, cuida o Departamento de Esperanto da FEB, em colaboração com o Setor de Esperanto do Conselho Espírita Internacional, de dar os primeiros passos no sentido de conscientizar os membros dos movimentos espíritas de outras terras sobre as excelências do idioma como instrumento para as relações internacionais da grande família espírita mundial. Trabalhemos todos, em inquebrantável união, nesse campo tão promissor, aguardando, em serviço, o grande futuro, quando colheremos os primeiros belos frutos de nossos esforços.

Trobo

Trova Encontro o amor, vida afora, Neste quadro que apresento: Uma alegria que mora Na casa do sofrimento.

Pri la am’ , sur vivovojo, Jen pensiga konsidero: Feli/e lo1anta 1ojo En la domo de l’ sufero.

Isolino Leal (Espírito) Trad.: Affonso Soares Fonte: XAVIER, Francisco C. Trovas do outro mundo. Por Diversos Espíritos. 4. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2005. Estrofe retirada do capítulo 11, “Idéias e rimas”.

Novembro 2007 • Reformador

439

33


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:31

Page 34

Literatura Espírita na XIII Bienal do Livro A XIII Bienal Internacional do Livro do Rio de Janeiro recebeu o maior público da história da Feira. No período de 13 a 23 de setembro, 645 mil pessoas visitaram o evento. A Federação Espírita Brasileira (FEB), com mais esta participação em bienais, cumpriu, novamente, o seu papel: levar por meio das obras literárias espíritas conhecimento e luz à comunidade. A FEB esteve atuante nos 11 dias de evento, com um estande de 230m², mais de 400 títulos, 7 lançamentos e 11 relançamentos.

Dentre eles: Minha Vida em outra Vida, Charles Richet – O Apóstolo da Ciência e o Espiritismo, O que dizem os Espíritos sobre o Aborto, Espiritismo passo a passo com Kardec, Os Caminhos do Amor, Dimensões Espirituais do Centro Espírita e os infantis: Um por Todos e Todos por Um, O Segredo da Onça-Pintada, Bellinha e a Lagarta Bernadete, O Peixinho Azul e a Coleção A Vida Fala.

Os autores Adeilson Salles, Christiano Torchi, Dalva Silva Souza, Samuel Nunes Magalhães, Eloy Facco (Tieloy) e o tradutor de O Livro dos Espíritos – Edição Comemorativa – Evandro Noleto Bezerra estiveram presentes, concederam autógrafos e conversaram sobre suas obras, disseminando o estudo e a Doutrina Espírita, com boa receptividade do público. Durante a Bienal, a FEB proporcionou aos pequenos e também aos pais a mágica do mundo teatral, um espaço lúdico com princesas, contadores de história, pintura, fantoches e esculturas de


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:32

Page 35

Adeilson Salles: alegria de ver dramatizadas suas obras para o público infantil

balões. O objetivo foi estimular o zadas por grupos de adolescentes hábito da leitura desde cedo e in- de instituições espíritas do Rio de centivar a importância dos livros Janeiro. Apresentaram-se o Gruna formação de valores éticos e na po de Teatro Espírita Humberto educação da criança. Cavalcante, do Centro Espírita Para Adeilson Salles, a Bienal Humildade e Amor, trabalhando lhe trouxe não apenas a promo- o texto sobre a vida de Chico Xação dos seus livros, entre os mais vier; o Grupo de Teatro Eurípedes procurados na FEB, mas também Barsanulfo, do Centro Espírita a emoção de ver dramatizadas Maria Angélica, com o texto suas obras para o público infan- “Brasil, Coração do Mundo, Pátil. Segundo ele, foi uma tria do Evangelho”; e os surpresa a dramatijovens do Centro Eszação de suas hispírita Caminhetórias e a boa mos com Hureceptividade mildade, com das crianças o tema “O diante dos Discípulo espetáculos Anônimo” e da onçado livro -pintada de Ressurreição 1,80m de ale Vida. tura que aniOutro espamou a garotada. ço que merece As atividades destaque é o da rejuvenis, entre as vista Reformador. quais esquetes tea- Apresentação de uma das peças Mais de 200 novas teatrais no estande trais, foram realiassinaturas foram

feitas e o público ainda pôde comprar exemplares do mês e antigos. Este ano a FEB, além de divulgar, promoveu a venda de livros, aproximadamente 16 mil exemplares, sendo Minha Vida em outra Vida, Agenda Cristã (de bolso), O Livro dos Espíritos (de bolso) – nova tradução – e os infantis: O Segredo da Onça-Pintada, Bellinha e a Lagarta Bernadete, Um por Todos e Todos por Um, os mais procurados. A FEB compreende a importância da divulgação de suas obras para atrair o público ao conhecimento da Doutrina Espírita e de seus preceitos básicos. Com esse objetivo, distribuiu vasto material de promoção: cerca de 270 mil folhetos, entre flyers, marcadores, primeiros capítulos, folders, adesivos, opúsculos da Campanha Em Defesa da Vida, mensagens, etc. Num incentivo à leitura espírita, estiveram presentes, na XIII Bienal, o Conselho Espírita Internacional (CEI) e a Associação de Editoras, Distribuidoras e Divulgadores do Livro Espírita (Adeler). Juntos somaram esforços em prol da literatura espírita num espaço de 500m2.

Espaço dos estandes da FEB ao longo dos anos: 2001 (RJ) – 30m2 2003 (RJ) – 50m2 2004 (SP) – 49m2 2005 (RJ) – 110m2 2006 (SP) – 210m2 2007 (RJ) – 230m2

Novembro 2007 • Reformador

441

35


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:33

Page 36

Cristianismo Redivivo

História da Era Apostólica Supranaturalismo x Racionalismo “A Ciência e a Religião não puderam, até hoje, entender-se, porque, encarando cada uma as coisas do seu ponto de vista exclusivo, reciprocamente se repeliam. Faltava com que encher o vazio que as separava, um traço de união que as aproximasse. Esse traço de união está no conhecimento das leis que regem o Universo espiritual e suas relações com o mundo corpóreo, leis tão imutáveis quanto as que regem o movimento dos astros e a existência dos seres. Uma vez comprovadas pela experiência essas relações, nova luz se fez: a fé dirigiu-se à razão; esta nada encontrou de ilógico na fé: vencido foi o materialismo. Mas, nisso, como em tudo, há pessoas que ficam atrás, até serem arrastadas pelo movimento geral, que as esmaga, 1 se tentam resistir-lhe, em vez de o acompanharem [...].”

HAROLD O DUTRA DIAS

E

m edições anteriores, destacamos que a Primeira Fase do estudo da vida de Jesus pode muito bem ser compreendida como a etapa da abordagem puramente religiosa e teológica. [Ver Reformador dos meses de junho/07, p. 34, e julho/07, p. 34.] O “endeusamento” da figura do Cristo estancou a busca pelas suas origens, sua cultura, seus ensinos. Nessa época, vigorou o chamado supranaturalismo,2 visto como credulidade ingênua nos milagres 1

KARDEC, Allan. O evangelho segundo o espiritismo. 127. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2007. Cap. I, item 8, p. 61. 2

“O que acontece na natureza, mas não decorre das forças ou dos procedimentos da

36

442 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

e nas curas de Jesus, e na unidade da natureza divina e da natureza humana na pessoa do Cristo (dogma da encarnação). Na esteira do Empirismo Inglês3

natureza e não pode ser explicado com base neles. É um conceito próprio da Teologia Cristã, que atribui à fé a crença no sobrenatural, assim entendido.” ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 5. ed. revista e ampliada. Martins Fontes. p. 1080. 3

Corrente filosófica para a qual toda idéia é proveniente de uma percepção sensorial (cinco sentidos), logo a experiência é critério ou norma da verdade. Nesse sentido, toda verdade pode e deve ser posta à prova, e, em conseqüência, modificada, corrigida ou abandonada. Entre seus representantes podemos citar Francis Bacon, Hobbes, Locke, Berkeley, Hume.

(Francis Bacon, 1561-1626) e do Racionalismo Continental4 (René Descartes, 1596-1650) surge Baruch Spinoza (1632-1677), propondo a leitura e interpretação dos livros bíblicos, como todo e qualquer escrito, à luz do Racionalismo. A oposição à fé e à religião, herança do Renascimento, culminaria no estabelecimento do Iluminismo (Aufklärung). Immanuel Kant, um expoente da filosofia desta época, definiu o Iluminismo como “a saída dos homens do 4

Posição filosófica dos séculos XVII e XVIII, na Europa, supostamente em oposição à escola que predominava nas ilhas britânicas, o Empirismo, tendo como expoentes Descartes, Malebranche, Spinoza, Leibniz, Wolff.


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:33

Page 37

aplicação da crítica aos textos sagrados. A leitura tradicional e piedosa dos Evangelhos, filha da credulidade ingênua, eivada de dogmatismo religioso milenar, sofre duro golpe. Influenciado pelo Iluminismo, H. S. Reimarus (1694-1768) inaugura a abordagem rigorosamente histórica dos quatro Evangelhos. Tem início, com a publicação dos seus fragmentos, a “busca do Jesus histórico”. A Segunda Fase6 do estudo da vida de Jesus, Baruch Spinoza: leitura e interpretação dos iniciada por Reimarus, é livros bíblicos à luz do Racionalismo marcada pelo espírito da estado de menoridade (não-eman- época – Racionalismo. Nesse cipação) devido a eles mesmos. contexto, há uma resistência sisMenoridade é a incapacidade de temática a todos os fatos ditos utilizar o próprio intelecto sem a miraculosos, descritos nas págiorientação de outro. Essa meno- nas do Novo Testamento. O nasridade será devida a eles mesmos cimento virginal, a ressurreição, se não for causada por deficiên- as curas e os milagres despertam cia intelectual, mas por falta de o interesse de inúmeros pesquidecisão e coragem para utilizar o sadores, que buscam, cada um à intelecto como guia. Sapere au- sua maneira, explicações “raciode! Ousa saber! É o lema do ilu- nais” para esses eventos extraorminismo”.5 dinários da vida do Mestre. O século das luzes, trazendo Assim, concomitante ao lanem seu bojo o Empirismo, o Racionalismo, a crítica histórica e 6A maior parte dos estudiosos do tema textual, o Enciclopedismo, não prefere chamar o período inaugurado por poupou os textos bíblicos. O com- H. S. Reimarus de Primeira Fase, já que plexo desenvolvimento de concep- desconsideram toda a produção do Supranaturalismo. Em certo sentido, estão ções e metodologias, abrangendo corretos já que não se pode falar em várias áreas de estudo, favoreceu a “busca do Jesus histórico”, antes do traba5

ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. 5. ed. revista e ampliada. Martins Fontes. p. 618.

çamento dos “fragmentos de wolffenbüttel”,7 há uma profusão de publicações conhecidas como “Vidas de Jesus do Racionalismo”, caracterizadas como tentativas da Teologia alemã de explicar, do modo mais claro e racional possível, o elemento supranatural das narrativas evangélicas. A premissa básica desses autores consiste em rejeitar, por falta de embasamento histórico, todos aqueles fatos que não possam ser compreendidos com o auxílio das leis naturais. A dimensão espiritual da vida é rotulada de “sobrenatural” e, conseqüentemente, desprezada. A Ciência, embora ensaiando os primeiros passos, já se revestia da arrogância, tão duramente criticada na Religião. 7

Nome dado aos sete fragmentos escritos por H. S. Reimarus, publicados por Gothold Ephraim Lessing, em 1778, na Alemanha.

Immanuel Kant

lho daquele autor. Todavia, como pretendemos traçar um esboço do estudo da figura de Jesus, em sentido amplo, preferimos incluir o período anterior ao Iluminismo. Novembro 2007 • Reformador

443

37


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

Na próxima edição, traçaremos um esboço das idéias principais dos racionalistas, citando os autores mais representativos do período. Antes, porém, cumpre avaliar a atitude desses estudiosos à luz da revelação espiritual. Abordando a questão do Racionalismo, o Espírito Emmanuel faz considerações valiosas a respeito do assunto: Questão 199 – Poderá a Razão dispensar a Fé? – A razão humana é ainda muito frágil e não poderá dispensar a cooperação da fé que a ilumina, para a solução dos grandes e sagrados problemas da vida. Em virtude da separação de ambas, nas estradas da vida, é que observamos o homem terrestre no desfiladeiro terrível da miséria e da destruição. [...] .................................................... Questão 202 – No problema da investigação, há limites para aplicação dos métodos racionalistas? – Esses limites existem, não só para a aplicação, como também para a observação; limites esses que são condicionados pelas forças espirituais que presidem à evolução planetária, atendendo à conveniência e ao estado de progresso moral das criaturas. É por esse motivo que os limites das aplicações e das análises chamadas positivas sempre acompanham e seguirão sempre o curso da evolução espiri-

38

444 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

16:33

Page 38

tual das entidades encarnadas na Terra.8

Vê-se que a proposta da Espiritualidade superior reside na conjugação da Razão e da Fé, não somente nos assuntos relacionados ao conhecimento, mas, sobretudo, na construção de uma sociedade pacífica, justa e fraterna. Na feliz expressão do Codificador,9 é preciso encher o 8

XAVIER, Francisco Cândido. O consolador. Pelo Espírito Emmanuel. 27. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2003.

9

Texto utilizado como epígrafe deste artigo (Referência 1).

vazio que separa Religião e Ciência com o conhecimento das leis que regem o Universo espiritual e suas relações com o mundo corpóreo. Uma vez compreendidas essas relações, os milagres, as curas, e outros fenômenos eminentemente espirituais, descritos nos Evangelhos, serão vistos como decorrentes de leis imutáveis. Vencida essa resistência tola, imposta pela ciência materialista pós-iluminista, o aprendiz do Mestre estará em condições de extrair o espírito da letra, recolhendo as lições imorredouras que fluem dos fatos extraordinários da Vida de Jesus.

Nada... Nada!... Filosofia rude e amara, Na qual acreditei, com pena embora De abandonar a Crença que esposara, – A minha aspiração de cada hora. Crença é o perfume dalma que se enflora Com a luz divina, resplendente e rara Da Fé, única Luz da única Aurora, Que as trevas mais compactas aclara. Revendo os dias tristes do Passado, Vi que troquei a Fé pela Ironia, Nos desvios e excessos da Razão; Antes, porém, não fosse tão ousado, Pois nem sempre a Razão profunda e fria Alivia ou consola o Coração.

Antônio Torres Fonte: XAVIER, Francisco C. Parnaso de além-túmulo. 18. ed. Rio de Janeiro: FEB, 2006. p. 106. Edição Comemorativa – 70 anos.


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:34

Page 39

Seminário sobre “O atendimento nas reuniões mediúnicas” na FEB-Rio No dia 1o de setembro, mais uma vez os espíritas fluminenses marcaram sua presença na Sede Seccional da FEB, no Rio de Janeiro, para participar do Seminário “O atendimento nas reuniões mediúnicas”, desenvolvido por Marta Antunes de Oliveira Moura, diretora da FEB na Área Doutrinária e coordenadora da Área da Atividade Mediúnica. Como vem sendo realizado mensalmente, esse evento fez parte da comemoração dos 150 anos da edição de O Livro dos Espíritos, dando seqüência à eficiente parceria da Federação Espírita Brasileira (FEB) com o Conselho Espírita do Estado do Rio de Janeiro (CEERJ), e teve a coordenação geral de Amauri Alves da Silva, diretor da FEB, acompanhado de Aloísio Ghiggino, diretor de Unificação do CEERJ. Marta, após a introdução, direcionou todos os participantes a pensarem sobre a responsabilidade da tarefa mediúnica, discorreu a respeito dos aspectos teóri-

Marta Antunes de Oliveira Moura expõe seu tema

cos e práticos da mediunidade, tudo isso em linguagem clara e objetiva, abrangendo, com simplicidade, as dificuldades do médium e os meios de obter a boa realização do trabalho, ao qual se propõe. Participou também o confrade Henrique Fernandes, espírita da Baixada Fluminense e atuante no Movimento Espírita estadual. Após intervalo para o almoço, em face do manifesto interesse dos assistentes por tema de

tão grande importância, numerosas perguntas foram direcionadas a Marta e a Henrique, o que ensejou maiores elucidações sobre o assunto. Aproveitando as respostas a essas muitas indagações, foi realizado o estudo de casos sobre os diversos graus de complexidade no atendimento mediúnico. Foi um dia proveitoso para o Movimento Espírita, quando mais uma vez se consolidou essa auspiciosa parceria FEB-CEERJ.

Novembro 2007 • Reformador

445

39


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:34

Page 40

José Martins Peralva Sobrinho E

mbora se alinhe entre as figuras mais destacadas do Movimento Espírita de Minas Gerais, o nosso biografado não é mineiro. Nasceu em Buquim, cidade do Sul de Sergipe, em 1o de abril de 1918, estando, portanto, com 88 anos. Martins Peralva iniciou-se no Espiritismo sob assistência e orientação diretas de seu pai, excelente médium curador, vigoroso polemista e inspirado doutrinador. Acompanhando, desde os 6 anos, os trabalhos desenvolvidos com extraordinária segurança, presenciou em sua própria casa notáveis curas realizadas por intermédio de seu genitor. Teve a infância e a adolescência enriquecidas por fatos extraordinários e pelo contato com a Doutrina, o que lhe proporcionou formação espírita essencialmente baseada em Allan Kardec. Do ponto de vista material, sua adolescência foi extremamente difícil, pois o pai desencarnou quando ele tinha apenas 13 anos, ficando a viúva Etelvina e seus filhos Edison, Eurídice e José em situação de pobreza.

40

446 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

Apesar de ser o mais novo dos filhos, nosso biografado assumiu o comando da casa e procurou logo trabalhar, para obter o pão de cada dia. Teve vários empregos, no comércio e como apontador na

José Martins Peralva Sobrinho

construção civil, até fazer concurso público para o cargo de escriturário da Prefeitura Municipal de Aracaju, tendo sido aprovado e nomeado. Depois, por merecimento, ocupou os cargos de oficial administrativo e assis-

tente da Procuradoria da Fazenda Municipal. Em 4 de fevereiro de 1938, com 20 anos, verificou-se o falecimento de sua mãe, sobrevindo novas dificuldades. Os irmãos dispersaram-se e Martins Peralva, já com emprego certo na Prefeitura, permaneceu em Aracaju. Em agosto de 1942, casou-se com Jupira Silveira – a devotada esposa que desencarnaria em 15 de julho de 2003 –, com quem teve três filhos: Ieda, nascida em Aracaju; Basílio e Alcione, nascidos em Belo Horizonte, os quais lhe deram 5 netos. Basílio, atualmente, é membro do Conselho de Administração da União Espírita Mineira. Em 1949, indo ao Rio de Janeiro representar Sergipe na Festa Nacional do Livro Espírita, promovida por valorosos companheiros, entre os quais Leopoldo Machado, Arthur Lins de Vasconcelos Lopes e Carlos Imbassahy, estendeu sua viagem, após o encontro, a Minas Gerais, objetivando conhecer e abraçar Chico Xavier, rever Virgílio Pedro de


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

Almeida, discípulo de seu pai na área espírita, e visitar um irmão de seu pai, residente em Belo Horizonte: José Martins Peralva. Seu primeiro contato com Chico Xavier ocorreu na noite de 13 de maio de 1949, em reunião do Centro Espírita Luiz Gonzaga, de Pedro Leopoldo, sob grande emoção espiritual. Desse encontro com Chico Xavier nasceu-lhe o desejo de transferir residência para Belo Horizonte. Voltando a Aracaju, trocou idéias com seu médico, Dr. Lourival Bonfim, que o considerava como filho, sendo orientado a mudar-se para a capital mineira, tida na época como cidade de clima ideal para a cura de problemas pulmonares, o que ocorreu em 4 de setembro de 1949. Quando chegou a Belo Horizonte, a Mocidade Espírita “O Precursor” contava apenas 6 meses de existência. Integrando-se ao movimento moço, foi um dos mentores da Mocidade, função que corresponde hoje à de coordenador. Em 1964, depois de participar do Centro Espírita Célia Xavier durante 15 anos ininterruptos, fixou-se na União Espírita Mineira (UEM), exercendo os cargos de 1o secretário e posteriormente os de vice-presidente, secretário de O Espírita Mineiro, diretor do Departamento de Doutrina e Divulgação e diretor-executivo do Conselho Federativo Espírita de Minas Gerais. Ingressou na carreira bancária em 1o de abril de 1950, aposen-

16:35

Page 41

tando-se em 1985, após 35 anos de trabalho. Martins Peralva foi membro do Conselho Geral e secretário do Abrigo Jesus, sócio efetivo do Hospital Espírita André Luiz e 2o secretário do Centro Espírita Luz, Amor e Caridade. Em Minas Gerais escreveu cinco obras evangélico-doutrinárias de reconhecido valor: Estudando a Mediunidade (26 edições), Estudando o Evangelho (9 edições), O Pensamento de Emmanuel (8 edições), Mediunidade e Evolução (9 edições), todas editadas pela FEB, e Mensageiros do Bem, com tiragem de dez mil exemplares, editada pela União Espírita Mineira. Em 1963, apresentou na XVI Concentração de Mocidades Espíritas do Brasil Central e Estado de São Paulo o trabalho intitulado “O Comportamento do Jovem em face do Problema Sexual”, que te-

ve grande repercussão na época, quando o tema era ainda um tabu no meio espírita. Como escritor e jornalista de rara competência, pertenceu à Associação Sergipana de Imprensa, integrando ainda o corpo associativo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Minas Gerais e da Associação Brasileira de Jornalistas e Escritores Espíritas. Sempre colaborou em jornais e periódicos espíritas, escrevendo durante muitos anos artigos sobre Doutrina Espírita no principal jornal dos mineiros – o matutino O Estado de Minas. Após grave enfermidade, Martins Peralva desencarnou em 3 de setembro deste ano, conforme registro em Reformador de outubro, p. 25(391). Fonte: Jornal O Espírita Mineiro – com base em dados fornecidos por Basílio Silveira Peralva – de setembro/outubro de 2006. (Transcrição parcial.)

Capa dos livros escritos por Martins Peralva e editados pela FEB Novembro 2007 • Reformador

447

41


reformador novembro 2007 - b.qxp

25/1/2008

16:35

Page 42

Seara Espírita

Minas Gerais: Feira do Livro Espírita A União Espírita Mineira realizou, entre os dias 1o e 7 de outubro, em Belo Horizonte, a 25a Feira do Livro Espírita, nas dependências da livraria da sua sede. Ocorreram palestras proferidas por Walterson da Silva Lage, Magda Luzimar de Abreu, Francisco de Assis Faria e Afonso Chagas Corrêa.

Pará: Homenagem a Kardec A União Espírita Paraense promoveu palestras, em Belém, em comemoração à data natalícia do Codificador, tendo como convidado Antonio Cesar Perri de Carvalho, diretor da FEB. As palestras foram realizadas dia 3 de outubro, no Centro Espírita Benedita Fernandes e, dia 4, na sede da União Espírita Paraense.

Colômbia: Seminário Em Defesa da Vida A Associação Espírita Terceira Revelação, de Bogotá, promoveu, nos dias 8 e 9 de setembro, o XVIII Seminário de Difusão e Educação Espírita, dedicado à Campanha Em Defesa da Vida. Foram abordados os temas: “Não à Eutanásia”, “Não à Violência”, “Não ao Aborto” e “Não ao Suicídio”.

do Conselho Espírita do Estado do Rio de Janeiro (CEERJ), a FEERJ transformou-se no Instituto Espírita Bezerra de Menezes (IEBM). As comemorações tiveram início em janeiro, na Sessão Solene de que participou o presidente da FEB, Nestor João Masotti, prosseguindo, no dia 30 de junho, com palestra de Sandra Borba Pereira, presidente da Federação Espírita do Rio Grande do Norte. Centro Espírita Fé e Caridade: Esta tradicional instituição, da cidade de Rio Claro (SP), completou 100 anos de existência em 5 de agosto de 2007. A instituição realizou uma reunião comemorativa no dia 4, com palestra do escritor espírita Richard Simonetti.

João Pessoa (PB): Congresso da ABRADE A Associação Brasileira de Divulgadores do Espiritismo (Abrade) promoveu no período de 11 a 14 de outubro, em João Pessoa, o II Congresso Brasileiro de Divulgadores do Espiritismo (CONBRADE), com temas como: “Da Torre de Babel às torres de TV”, “A ética na Comunicação Social Espírita”, “Comunicação Social Espírita – Sempre com Kardec”, “Espiritismo e Integração Humana: conteúdo e metodologias”, “Espiritismo e Ecologia” e “De Kardec ao III Milênio”.

Salvador (BA): Congresso da ABRAME A Associação Brasileira dos Magistrados Espíritas (Abrame) realizou de 10 a 13 de outubro, em Salvador (BA) o IV Congresso Brasileiro dos Magistrados Espíritas. O objetivo do evento foi discutir temas como: “A espiritualização do Direito e a humanização da Justiça”, “A tarefa de julgar e os desafios dia-a-dia da vida profissional”, “Bioética e Direito”, “Humanização do sistema penitenciário”, “Aborto” e “Questões outras que dizem com a missão e responsabilidade do juiz espírita”.

Casas Espíritas Centenárias Antiga FEERJ: Em 30 de junho de 1907 era fundada a Federação Espírita do Estado do Rio de Janeiro, que durante um século foi o órgão de unificação do Movimento Espírita fluminense. Com a criação

42

448 R e f o r m a d o r • N o v e m b r o 2 0 0 7

São Paulo: Encontro de Delegados de Polícia Espíritas A União dos Delegados de Polícia Espíritas do Estado de São Paulo realizou, no dia 25 de outubro, o 10o Encontro de Delegados de Polícia Espíritas, na sede da Associação dos Delegados de Polícia do Estado de São Paulo. Foram convidados profissionais da Justiça, familiares e amigos, espíritas e simpatizantes do Espiritismo, para tratar dos temas “O policial espírita”, por Roosevelt de Souza Bormann, que falou sobre como o policial espírita deve se comportar no desempenho da sua função de servidor público e “Filosofia penal do futuro”, por José Leal, com abordagem sobre a filosofia espírita a respeito dos conceitos de crime, criminologia, castigo e direito penal.


Bienal 2007



Revista Reformador de Novembro de 2007