Issuu on Google+

INVERNO no

RINCテグ


INVERNO no

RINCテグ Um lugar para Recomeテァar

Lテゥo Kades

Janeiro / 2011


Copyright © 2011 por Editora Dracaena. Publicado com autorização. Nenhuma porção desta obra pode ser reproduzida sem a devida autorização da editora. Diagramação: Francieli Kades Revisão: Iolanda Nicioli Capa: Ari Frello 1ª Edição: janeiro / 2011 Esta é uma edição de


Definições: Dicionário Aurélio Rincão - Esconderijo ou lugar afastado ou longínquo; recanto, lugar de descanso. Recomeçar - v.t. Começar de novo; refazer depois de interrupção: recomeçar um trabalho. / Retornar a fazer qualquer coisa: recomeçar a sorrir. / &151; V.i. Começar a ser, a produzir-se novamente: recomeça a chuva.


“Pela tempestade alcançamos a praia.” U2 - With or Without You


Índice Sobre o autor ................................................................................... 11 1a Parte – Um lugar para recomeçar A cidade cinza ..............................................................................17 Autoestima? Tá difícil ................................................................. 19 Estrada nova ............................................................................... 21 O medo e a vergonha ............................................................... 23 E então, quando tudo parecia estar perfeito, o inesperado acontece ...................................................................................... 27 Mudança de ares ........................................................................ 29 Um poema chamado vida ......................................................... 31 Transforma tua dor em poesia ................................................ 35 Entre ratos, desertos e best-sellers .......................................... 39 Aprendendo a valorizar ............................................................. 43 A verdadeira felicidade ............................................................... 51 Você não esta só nisso tudo ....................................................... 53 2ª Parte – Transforma tua dor em Poesia Inverno no rincão ...................................................................... 59 Por sua causa, eu não desisti ..................................................... 61 Quem pode entender tua dor? .................................................. 63 Um homem e sua vida ................................................................ 65 29 ................................................................................................... 67 Aquarela ........................................................................................ 69 Avenidas ....................................................................................... 71


Verdadeira vida ............................................................................ 73 Concórdia ..................................................................................... 75 Depois da uma da manhã .......................................................... 77 Domingo ...................................................................................... 79 O homem na praça ...................................................................... 81 Eu não sou perfeito .................................................................... 83 Filha ............................................................................................... 85 Graça ............................................................................................. 87 Sem ter um lugar onde declinar a cabeça .................................. 91 Mãos dadas ................................................................................... 93 Nadja .............................................................................................. 95 O caminho de volta .................................................................... 97 O mundo gira ............................................................................... 99 Quando eu não tive fé o suficiente .......................................... 101 Força para suportar ................................................................... 103 Por uma estação ........................................................................ 105 Sonho ruim ................................................................................ 107 Dias de sol .................................................................................. 109 Das trevas para a luz ................................................................. 111 Uma canção sincera .................................................................. 113 Para se sentir vivo ...................................................................... 115 Estrada nova .............................................................................. 117 Perfeito ....................................................................................... 119 Criativo ........................................................................................ 121 És forte ...................................................................................... 123 Crianças sonhando .................................................................... 125 Se eu envelhecer sem ti ............................................................ 127 Dedicatória .................................................................................... 129 Agradecimentos ............................................................................ 131


Sobre o Autor

Léo Kades tem 33 anos e é casado com Francieli. É empresário, escritor e agente literário. Seus livros são um convite à reflexão sobre as coisas simples da vida e buscam despertar o leitor para um entendimento maior sobre fé, esperança, perdão e amor, além de oferecer alento aos corações partidos e gerar oportunidades reais de meditação sobre o sentido da vida. Acredita que as adversidades da vida, ao serem partilhadas, podem se transformar em um instrumento de consolo e esperança na vida de outros. Também entende que o amor e a bondade podem ser um valioso estilo de vida e que a busca por eles nos aproximará de Deus e de Seu verdadeiro significado. Mora em uma tranquila praia de Santa Catarina com sua esposa Francieli e seus dois gatos Bigugo e Guiga.


Lá fora a chuva caía escura e devagar. Enquanto eu refletia sobre tudo o que havia passado, eu fiz um passeio celestial através do silêncio. Eu sabia que o momento havia chegado, De matar o passado e voltar à vida. Pink Floyd: Voltando à vida “Coming back to life”


1ÂŞ Parte

Um lugar para Recomeçar


Um lugar para Recomeçar

A cidade cinza “É melhor começar a nadar ou você afundará como uma pedra.” Bob Dylan

Cresci em uma cidade cinza, numa rua pequena chamada Otto Tramontini. Minha casa era a de número 244. Era um bom lugar, rodeado de gente boa, porém estranha. Bem, o que não parece estranho na adolescência? Nessa cidade em plenos anos 90, vivíamos a ascensão de uma grande empresa que “mandava na cidade.” A maior coincidência era que no colégio todos éramos filhos de empregados daquela empresa e crescíamos tendo nossas mentes “preparadas” para sermos futuros empregados da mesma. Se chegasse aos 16 anos e você não estivesse no quadro de funcionários, facilmente seria tachado de “vagabundo.” E foi exatamente nessa época que eu comecei a dizer não! Bem, a parte difícil é que tive a triste oportunidade de conhecer o pior lado disso ao viver uma adolescência rebelde. Essa rebeldia toda acabou incluindo uma vida de sexo, drogas, rock’n roll, tortura, espancamento e prisão pelo uso de drogas tempos depois. Agora, some a isso a separação dos pais e toda a revolta que isso pode causar em plena adolescência. Como se pôde perceber, foi tudo muito louco, um verdadeiro kit desgraça, porém eu sabia 17


Inverno no Rincão

que eu poderia ser melhor que isso. Então, aos 21 anos, deixei as drogas e iniciei uma nova fase em minha vida, mais exatamente no dia 20 de setembro de 1998. Tudo parecia estar dando certo até que descobri que ao meu redor muitas pessoas continuavam viciadas em uma droga ainda mais forte e perigosa. Uma droga que, até aquele momento, eu não sabia que existia. Aquelas pessoas eram viciadas em preconceito. O resultado foi descobrir o que em uma cidade do interior se pensava sobre “ex-drogados” ou, se preferir, “ex-viciados.” Sozinho, desamparado e sem amigos. Restava-me, porém, a certeza de que dias melhores viriam e a crença de que um novo capítulo se iniciava em minha vida. Perseverei e, com ajuda de Deus, segui em frente, passo a passo. Iniciou-se uma jornada difícil e solitária de alguns anos contra o preconceito e a mediocridade.

18


Diagramação - Serviços Editoriais