Uma Introdução à História do Design

Page 1


Uma Introdução à História do Design Rafael Cardoso

Lançamento 2008 ISBN: 9788521204565 Páginas: 276 Formato: 17x24 cm Peso: 0,580 kg



intro-pré

6/13/08

11:47 AM

Page III

Rafael Cardoso

HiÌória do Design T E R C E I R A E D I Ç Ã O , TOTA L M E NT E R E V I STA E A M P L I A DA


intro-pré

6/13/08

11:47 AM

Page V

Conteúdo

VII IX XI

Prefácio à terceira edição Prefácio à segunda edição Prefácio capítulo ¡

Introdução 16 20

HiÌória e design A natureza do design capítulo ™

InduÌrialização e organização induÌrial, séculos 18 e 19 26 28 33

Revoluções induÌriais e induÌrialização Primórdios da organização induÌrial Expansão da organização induÌrial capítulo £

Design e comunicação no novo cenário urbano, século 19 46 58 62 67

Formação da comunicação visual moderna A imagem e a fotografia O design na intimidade O design na multidão


intro-pré

6/13/08

11:47 AM

Page VI

uma introdução à história do design

capítulo ¢

Design, indúÌria e o consumidor moderno, 1850-1930 76 86 94 109

Design e reformismo social Consumo e eÍetáculo O império dos eÌilos O advento da produçãção em massa capítulo ∞

Design e teoria na primeira era moderniÌa, 1900-1945 VI

120 126 136 151

Design e nacionalismo O vanguardismo europeu e a Bauhaus A prática do design entre as guerras Design, propaganda e guerra capítulo §

O design em um mundo multinacional, 1945-1989 160 167 186 197 213

IndúÌria e sociedade no pós-guerra O designer e o mundo das empresas A tradição moderniÌa e o ensino do design O design na era do marketing Design na periferia capítulo ¶

Os desafios do design no mundo pós-moderno 234 237 244 251

Pós-modernidade e a perda das certezas O design na era da informação Design e meio ambiente O designer no mercado global

255 265

Bibliografia Índice


intro-1

6/13/08

11:50 AM

capítulo

Page 15

1

Introdução

História e design

A natureza do design


intro-1

6/13/08

11:50 AM

Page 16

HiÌória e design

A

ntes de iniciar qualquer investigação histórica do design, é fundamental que se entenda o que é história e como funciona. Os não-historiadores geralmente pensam a história como o conjunto dos fatos ocorridos no passado, mas esta definição, se for examinada com um mínimo de atenção, esbarra em uma série de problemas. Primeiramente, quais seriam os fatos do passado? Em qualquer dia, em qualquer lugar, ocorre um número incontável de incidentes e quem tentasse registrar todos logo perceberia que a tarefa é impossível. Se a vida de cada um acumula uma multidão de episódios e acontecimentos, a vida de toda uma sociedade se faz infinitamente complexa, tanto mais ao longo de várias gerações. A essa objeção seria possível retrucar: a história trata somente dos fatos importantes, aqueles que afetam a vida de muitas pessoas. Esbarra-se nesse caso em um segundo problema: quem decide quais fatos são importantes, e baseado em quais critérios? Todo leitor já teve a experiência de ver na banca dois ou três jornais do mesmo dia e de descobrir que cada um trazia uma manchete diferente, ou seja, cada jornal dava maior destaque a determinado incidente e não a outro. No caso de se comparar aqueles jornais considerados ‘sérios’ com os chamados jornais ‘populares’, percebe-se que varia não somente a ordem das notícias como até mesmo a sua inclusão ou não no jornal. A notícia de primeira página de um nem sequer figura no outro ou então aparece com destaque mínimo. Por mais que se vilipendiem as qualidades jornalísticas desse ou daquele órgão, não há como negar que diferentes leitores têm prioridades diferentes e que essas preferências decorrem de variações nos valores e na visão de mundo de cada um. É cômodo para alguns descontar essas diferenças com base em


intro-2

6/13/08

11:52 AM

capítulo

Page 25

2

InduÌrialização e organização induÌrial, séculos 18 e 19

Revoluções industriais e industrialização

Primórdios da organização industrial

Expansão da organização industrial


intro-2

6/13/08

11:52 AM

Page 34

uma introdução à história do design

34

Em vez de contratar muitos artesãos habilitados, bastava um bom designer para gerar o projeto, um bom gerente para supervisionar a produção e um grande número de operários sem qualificação nenhuma para executar as etapas, de preferência como meros operadores de máquinas. A remuneração alta dos dois primeiros era mais do que compensada pelos salários aviltantes pagos aos últimos, com a vantagem adicional de que estes podiam ser demitidos sem risco em épocas de demanda baixa. Assim, a produção em série a partir de um projeto representava para o fabricante uma economia não somente de tempo, mas também de dinheiro. O potencial técnico de repetir padrões em grande escala e de produzir peças mais ou menos uniformes foi revolucionado pela aplicação de máquinas a vapor a diversos processos de fabricação e pela introdução das primeiras máquinasferramentas de precisão, ambas efetuadas na Inglaterra entre o final do século 18 e o início do 19 (usher, ¡ª§§: £∞£-£•¡; schaefer, ¡ª¶º: ™™-£¡; buchanan, ¡ªª™: ¢•-§º). A partir dessas conquistas efetivas, se bem que limitadas na sua aplicação, a busca da mecanização foi elevada a uma espécie de santo graal da evolução industrial e a automação tornou-se uma questão de honra para os ideólogos do progresso industrial. Na década de 1830, dois dos mais importantes desses pensadores vieram sofisticar a análise de Adam Smith sobre divisão de trabalho. Segundo Andrew Ure e Charles Babbage, a grande meta da produção industrial seria a de retirar todo o processo de execução das mãos do trabalhador e entregá-lo para as máquinas, eliminando de vez o erro humano. Ambos acreditavam piamente que a automação completa das fábricas estava prestes a chegar e a sua certeza acabou contagiando outros pensadores influentes como Karl Marx (ver berg, ¡ª•§: ¡•ª-¡ª¶). Ilustração de 1841 demonstrando as vantagens do mecanismo chamado de ‘espera corrediça’ na automação do torno. Segundo o texto que acompanha, a máquina passa a executar o trabalho, transformando o trabalhador em simples operador e eliminando a necessidade de qualquer habilidade especial.


intro-3

6/13/08

11:55 AM

capítulo

Page 45

3

Design e comunicação no novo cenário urbano, século 19

Formação da comunicação visual moderna

A imagem e a fotografia

O design na intimidade

O design na multidão


intro-3

6/13/08

11:55 AM

Page 51

Página de abertura da Revista

Ilustrada, no seu segundo ano (1877). Dirigida por Ângelo Agostini, foi a mais importante revista ilustrada da sua época. A charge satiriza o Barão de Cotegipe, então ministro da fazenda, e também o legislativo, por sugarem as forças do Brasil moribundo, representado por um índio, como de costume.

51

da reprodução de imagens. Ao uso secular da xilogravura – que havia ganho uma nova popularidade no final do século 18 – vieram juntar-se a litografia (sobre pedra e sobre zinco) e a gravura em metal sobre chapas de aço, técnicas aperfeiçoadas para uso comercial e industrial durante o século 19. Pela primeira vez na história, tornava-se possível imprimir imagens em larga escala e a baixíssimo custo, e a difusão de gravuras e outros impressos ilustrados a preços populares foi considerada por alguns contemporâneos pelo menos tão revolucionária no seu impacto social, senão mais, do que a própria invenção da imprensa. A expansão desse mercado foi fenomenal: na França, por exemplo, o número de semanários ilustrados em circulação aumentou dezessete vezes entre 1830 e 1880 (jobling & crowley, ¡ªª§: ¡¡). Surgiram nesse período alguns dos mais importantes periódicos do século 19, como


intro-4

6/13/08

11:56 AM

capítulo

Page 75

4

Design, indúÌria e o consumidor moderno, 1850-1930

Design e reformismo social

Consumo e espetáculo

O império dos estilos

O advento da produção em massa


intro-4

6/13/08

11:56 AM

Page 99

Capas da revista O Malho datando de 1919. A de cima foi criada por Di Cavalcanti, então bastante ativo na área de projeto gráfico. Nota-se que, em pleno auge do estilo

Art Nouveau, já se anunciam formas e temas normalmente associados ao Art Déco, demonstrando como os dois estilos se confundem na prática. Na de baixo, projetada por J. Carlos, o pequeno jornaleiro tem na mão a capa anterior, em uma brincadeira que prenuncia em muito o gesto caracteristicamente pós-moderno de citação e montagem de fragmentos visuais.

99


intro-5

6/13/08

11:57 AM

capĂ­tulo

Page 119

5

Design e teoria na primeira era moderniĂŒa, 1900-1945

Design e nacionalismo

O vanguardismo europeu e a Bauhaus

A prĂĄtica do design entre as guerras

Design, propaganda e guerra


intro-5

6/13/08

11:57 AM

Page 155

Design e teoria na primeira era modernista, 1900-1945

das limitações normalmente impostas ao design como campo profissional, demonstrando que não somente a sociedade mas o próprio planeta – que ele chamava de ‘Espaçonave Terra’ – poderiam ser pensados como projetos de design. Em todo o mundo, encontram-se nessa época exemplos de arquitetos, artistas e designers envolvidos diretamente em grandes obras públicas ou a serviço de partidos e governantes específicos, com resultados geralmente desalentadores em termos do seu legado histórico. No Brasil, o exemplo mais contundente de uma colaboração dessa natureza está na construção, entre 1936 e 1945, do edifício do Ministério da Educação e Saúde, no Rio de Janeiro, marco fundamental do Modernismo brasileiro e símbolo maior da política educacional e cultural da era Vargas. Independentemente do significado arquitetônico desse empreendimento, Durante muitos anos, a camisa da seleção brasileira ostentou a marca do Café do Brasil, refletindo a identificação do setor estatal com a representação da nacionalidade. Hoje, com a presença de grandes patrocinadores do setor privado, a linha divisória entre propaganda política e propaganda comercial fica ainda mais confusa.

155


intro-6

6/13/08

11:58 AM

capítulo

Page 159

6

O design em um mundo multinacional, 1945-1989

Indústria e sociedade no pós-Guerra

O designer e o mundo das empresas

A tradição modernista e o ensino do design

O design na era do marketing

Design na periferia


intro-6

6/13/08

11:58 AM

Page 163

O design em um mundo multinacional, 1945-1989

¡ªª∞; de grazia & furlough, ¡ªª§). Por exemplo, a continuada expansão do mercado de eletrodomésticos no período do pós-Guerra dependeu, pelo menos em parte, de um esforço consciente da parte da indústria de criar uma identificação entre os seus produtos e o público consumidor feminino, o que foi realizado através de campanhas estratégicas que incluiram o lançamento de veículos promocionais, tais quais livros de receitas produzidos por grandes empresas, como a Arno ou a Walita. Nesse sentido, pode-se dizer que uma das funções do eletrodoméstico no século 20 tem sido de dar trabalho às mulheres e não somente, como se costuma pensar, de poupar-lhes esforço. O ressurgimento da alta costura e da moda no pós-Guerra não pode ser de todo dissociado desse anseio maior por novo período de paz e prosperidade. Na década de 1950, nomes como Dior e Balenciaga contribuíram para a reconstrução da sociedade européia e, principalmente, para o resgate de uma auto-estima abalada por anos de privação e austeridade. Juntamente com a já poderosa influência do cinema de

Este anúncio promete fazer todo o trabalho em menos tempo e sem esforço, o que parece bastante improvável. Além de associar o eletrodoméstico com a mulher na própria imagem, o anúncio era veiculado em um livro de receitas publicado pela Arno e dirigido às donas de casa.

163


intro-7

6/13/08

11:59 AM

capítulo

Page 233

7

Os desafios do design no mundo pós-moderno

Pós-modernidade e a perda das certezas

O design na era da informação

Design e meio ambiente

O designer no mercado global


intro-7

6/13/08

11:59 AM

Page 248

uma introdução à história do design

O uso do casco de cerveja ‘retornável’ representa um excelente sistema de reaproveitamento de materiais, amplamente implantado no Brasil. Infelizmente, de alguns anos para cá, a indústria vem substituindo o casco padronizado de 600 ml por garrafinhas one-way e latas de alumínio, ambas as quais acarretam um aumento

248

considerável no desperdício de matérias-primas e energia.

disassembly), ou seja, projetar um artigo já prevendo o seu descarte e facilitando a reutilização das peças, tendência que vem surtindo bons resultados na indústria automobilística, entre outras. Cabe ao designer pensar cada vez mais em termos do ciclo de vida do objeto projetado, gerando soluções que otimizem três fatores: 1) uso de materiais não poluentes e de baixo consumo de energia; 2) eficiência de operação e facilidade de manutenção do produto; 3) potencial de reutilização e reciclagem após o descarte. A visão de planejamento de ciclo de vida é especialmente importante do ponto de vista do designer, por se tratar de uma atividade que só pode ser realizada como parte do processo de produção e que se encaixa portanto na busca de qualidade total intrínseca às filosofias mais recentes de gestão empresarial (ver malaguti, ™ººº; oliveira, ™ººº).



EXCELÊNCIA E INOVAÇÃO EM

DESIGN


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.