Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola

Page 1


Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola Lucila Almeida Josca Ailine Baroukh (Coordenadora) Maria Cristina Carapeto Lavrador Alves (Org)

Lançamento 2012 ISBN: 9788521206644 Formato: 17x24 cm Páginas: 146



3

Introdução

c o l e ç ã o

InterAções Lucila Silva de Almeida

Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola Josca Ailine Baroukh COORDENADORA Maria Cristina Carapeto Lavrador Alves ORGANIZADORA

brincadeiras.indd 3

02/05/12 09:22


11

Introdução

Sumário

Introdução............................................................................ 13

brincadeiras.indd 11

1

O que querem as crianças: brinquedo ou brincadeira?........................................................... 17

Infância e brincar........................................................... 17

Diferentes brincadeiras e brincadeiras culturais.......... 20

Brinquedo e brincadeira................................................ 27

Importância da brincadeira na infância (cultura da infância)...................................................... 35

2

Inteira ação... Para que a brincadeira aconteça.. 39

O lugar da brincadeira nas creches e escolas de educação infantil:...................................................... 39

O papel do professor: o que fazer? por que fazer? como fazer?.................................................................... 51

Alimentando o brincar por outras culturas e as brincadeiras tradicionais da infância..................... 63

02/05/12 09:22


12

Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola

3

Brincadeiras da Cultura Brasileira........................ 69

Brincadeiras para bebês: brincos e cantigas simples... 71

Brincadeiras para crianças de dois e três anos:............ 88

Brincos mais longos....................................................... 95

Brincadeiras para crianças de quatro e cinco anos:..... 117

4

Em poucas palavras................................................... 139

A criança brinca para entender o mundo..................... 139

Referências Bibliograficas................................................. 145

brincadeiras.indd 12

02/05/12 09:22


O que querem as crianças: brinquedo ou brincadeira?

1

17

O que querem as crianças: brinquedo ou brincadeira?

Infância e brincar

“Você só é jovem uma vez, mas isto pode durar uma vida inteira.” Vik Muniz1

P

ara falar de brincadeiras, de brinquedos e do brincar gostaria de começar pelo grande mote que nos inspira para esta “conversa” que é a criança, que tem uma natureza singular, que tem seu jeito próprio de ver o mundo e de maneira bem peculiar procura entendê-lo; criança que tem sentimentos, desejos e que, à conforme estabelece interações com outras crianças e com os adultos, revela o que compreende deste mundo; criança que não é cidadão do futuro e sim do presente, que é também cientista na medida em que sua curiosidade a ajuda a levantar hipóteses, a fazer investigações, a pensar em novas estratégias e a fazer novas descobertas, que tem suas especificidades, que também é ator ou atriz, não é mera coadjuvante e sim protagonista de suas ações; uma criança que usufrui da cultura e do meio social em que está inserida e que também produz cultura. 1

brincadeiras.indd 17

Artista plástico brasileiro.

02/05/12 09:22


18

Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola

Ao brincar, as crianças descobrem o mundo, vivenciando regras, experimentando diferentes ações, como decidir, escolher, comandar, produzir com os amigos, perder ou ganhar. Tudo isso promove também o crescimento emocional e social. Brincar dá asas à imaginação, que não tem hora e lugar para acontecer, que é gratuito e fonte inesgotável de prazer. Brincar é fundamental para o desenvolvimento da criança, pois desse modo desenvolve as capacidades de imitação, atenção, memória, imaginação, socialização e integração.

Primeiras brincadeiras da mãe com a criança

Brincadeira entre mãe e bebê Fonte: Arquivo pessoal da autora

As crianças não nascem sabendo brincar: é na relação com os outros que elas vão constituindo esse entendimento. É na interação com a mãe, a primeira parceira da criança, que descobrem as primeiras brincadeiras, como a de se esconder com a roupa da criança antes de vesti-la para causar risos, os jogos de onomatopeias para acalmar o bebê enquanto o troca, uma cantiga para acalentá-lo, nos “galopes” que a mãe faz com a criança ainda pequena em seu colo para ser retribuída com sorrisos. É por meio dessas interações que a criança começa a entender o brincar como uma forma de linguagem.

brincadeiras.indd 18

02/05/12 09:22


20

Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola

de aumento, para ver o máximo de detalhes. Além disso, é preciso ter a inquietude das crianças, é necessário ver as crianças brincando e não só entregar-lhes um brinquedo enquanto arrumamos os armários ou preparamos algo. Peço licença a Vik Muniz para completar sua citação com a fala de minha sobrinha que ao, ler a frase “Você só é jovem uma vez, mas isso pode durar uma vida inteira”, completou: “É claro, né tia? É só ter a cabeça de jovem!”. Em sua sabedoria, ela está nos dizendo que só somos criança uma vez, mas isso pode durar uma vida inteira, é só mantermos vivos a menina ou o menino que há em nós, na sua inteireza, na sua simplicidade, no seu encanto e seu deslumbramento, na sua capacidade de recriar objetos, de inventar falas para as bonecas mudas, de dar potência ao carrinho mais simples ou de tornar-se um campeão de futebol com sua bola de plástico.

Diferentes brincadeiras e brincadeiras culturais

Fonte: Arquivo pessoal da autora

brincadeiras.indd 20

02/05/12 09:22


O que querem as crianças: brinquedo ou brincadeira?

27

liciar-se com a melodia e até apreciar algo diferente do escutado nos rádios, que geralmente trazem um mesmo ritmo. Ampliar o repertório de canções, ritmos e melodias é tarefa da escola e do professor. Eleger brincadeiras do repertório cultural brasileiro é, acima de tudo, fincar raízes no nosso país, garantindo que as transmissões orais não se percam no meio do mundo moderno.

Brinquedo e brincadeira Ao falarmos de brinquedo e brincadeira, logo nos remetemos à nossa infância, momento em que geralmente nos recordamos das brincadeiras, dos colegas que participavam conosco e dos brinquedos que eram ou não usados: “A minha primeira lembrança da infância é de como eu gostava de brincar na rua. Meus amiguinhos eram meninos. Eu brincava de pega-pega, mãe da rua, de bola... Às vezes brincava de bonecas, quando ganhava alguma, mas logo guardava, pois minha preferência eram as brincadeiras de agilidade. Lembro-me também de quando acabava a energia elétrica, ou quando chovia. Eu e meus irmãos brincávamos dentro de casa de cabaninha” Arlete dos Santos – auxiliar em educação. “Eu brinquei muito com meus irmãos. A primeira lembrança que me vem à cabeça é quando minha mãe passava cera vermelha no chão e nós, meus irmãos e eu, dávamos brilho em toda casa: um sentava no pano de chão e outro puxava, ou dançávamos com o pano embaixo dos pés. Ao cansarmos, o chão estava brilhando e nós estávamos exaustos e felizes”. Edinalva Alves da Costa – auxiliar em educação. “Adorava quando meu pai me virava de cambalhota no ar e me fazia ficar como estátua, me levantando até a viga do teto da cozinha”. Maria Cecília Zoboli Tanikawa – professora.

brincadeiras.indd 27

02/05/12 09:22


35

O que querem as crianças: brinquedo ou brincadeira?

Importância da brincadeira na infância (cultura da infância) “Toda criança que brinca se comporta como um poeta, pelo fato de criar um mundo só seu, ou, mais exatamente, por transpor as coisas do mundo em que vive para um universo novo em acordo com suas conveniências.” Sigmund Freud

Há muito tempo existe um discurso pedagógico sobre a importância do brincar como algo relevante para a criança. No entanto, ainda é comum existirem equívocos quanto ao seu entendimento como fonte inesgotável de aprendizagens e, por isso, muitas vezes procura-se formatá-lo como instrumento de ensino, deixando de lado o mais importante da brincadeira: ser uma atividade sem um fim específico, com prazer em si só. Um exemplo disso é o uso de jogos com regras – como os de memória, bingo, entre outros – para se ensinar algo, onde prazer de jogar e estar entre amigos acaba em segundo plano, às vezes inexiste. Há um grande desejo dos adultos de que as crianças memorizem números, letras, saibam fazer antecipações e contar, que a essência do brincar acaba desaparecendo. Em muitas instituições de educação infantil, os brinquedos ficam expostos como decoração, deixando de servir como suporte para aprendizagens e descobertas das crianças. Há caixas com kits para brincadeiras de faz de conta impecáveis, mas estão geralmente no alto, longe do alcance das crianças. E, quando as crianças podem usá-los, muitas vezes, o brincar acontece de maneira conduzida: “agora faz assim, segura a boneca deste jeito”, “este brinquedo se usa assim...”. E os brinquedos novos, quando existem, ficam guardados nos armários para evitar que sejam estragados, perdendo sua função. Ter um amontoado de brinquedos não é garantia de que o brincar aconteça. Nem sempre precisamos de brinquedos, mas de imaginação. Imaginamos a montaria no cavalo, a construção de um prédio, a escalada da montanha, a entrada triunfal em um castelo, o leite de nossa boneca ou a fuga de uma bruxa.

brincadeiras.indd 35

02/05/12 09:22


Inteira ação… Para que a brincadeira aconteça…

2

39

Inteira ação... Para que a brincadeira aconteça...

O lugar da brincadeira nas creches e escolas de educação infantil

B

rincadeira se aprende? Brincadeira se ensina? Como? Coisas simples como imitar um cavalo, correr pelo pátio utilizando capas, ninar uma boneca ou dar a mão aos colegas numa brincadeira de roda podem ser situações carregadas de muito sentido para as crianças. Poder observá-las, acompanhá-las e escutá-las para auxiliá-las a formular novas experiências-conhecimentos a partir dessas brincadeiras tem sido o nosso maior desafio enquanto professores. Por meio do olhar e mediação do adulto, as brincadeiras podem tornar-se o carro chefe de possibilidades de interação, oportunidades de descobertas sobre si e o mundo, a sociedade, o jeito de ser e falar de sua comunidade. Para que a brincadeira ocupe verdadeiramente seu lugar nas creches e escolas de Educação Infantil, é necessária uma INTEIRA ação do professor. Isso significa permitir que ela aconteça de fato e que não seja apenas um prêmio por bom comportamento ou uma atividade extra para quem termina suas “lições” antes dos colegas da turma. É preciso garantir um espaço adequado e tempo suficiente para que as crianças possam ter a liberdade de entrar e sair quando quiserem, se organizar, expor suas tensões, se entusiasmar, inquietar, mudar de local, de brincadeira, de parceiros, de ideia.

brincadeiras.indd 39

02/05/12 09:22


51

Inteira ação… Para que a brincadeira aconteça…

O papel do professor: o que fazer? por que fazer? como fazer? “Um galo sozinho não tece a manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele lançou e o lance a outro: de um outro galo que apanhe o grito que um galo antes lançou e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzam os fios de sol de seus gritos de galo para que a manhã, desde uma tela tênue, se vá tecendo, entre todos os galos. E se encorpando em tela, entre todos, se erguendo tenda, onde entrem todos, no toldo (a manhã) que plana livre de armação. A manhã, toldo de um tecido tão aéreo que, tecido, se eleva por si: luz balão”. João Cabral de Melo Neto

Pensar no papel do professor é pensar nos aspectos que precisam estar presentes nas discussões dos profissionais de educação infantil, como as interações criança-criança e criança-adulto, promovida pela brincadeira. Brincar em grupo é muito mais do que um simples brincar: é se relacionar com o outro, experimentar algo novo por intermédio do outro e, acima de tudo, um momento prazeroso e afetivo. Descobrir-se capaz de participar e entoar uma cantiga, montar um jogo, escolher o próximo pegador da brincadeira são ações muito importantes para as crianças pequenas. No início dessas ações, ainda dependem muito da ajuda do adulto ou de outras crianças e, com constância, conseguem adquirir novas habilidades. Na interação com as crianças mais velhas, com parceiros “mais experientes”, as crianças, desde bebês, observam ações e, pela imitação, as reproduzem e vão gradativamente se incluindo na sociedade e nos jeitos de ser de cada cultura.

brincadeiras.indd 51

02/05/12 09:22


Inteira ação… Para que a brincadeira aconteça…

63

Podemos dizer que, ao incorporar o brincar como assunto a ser discutido nas reuniões de professores, estamos destacando o grande papel do professor como mediador, suscitador de novas brincadeiras a partir de intervenções como: agir/falar, observar/ escutar, preparar/organizar/repertoriar, ajudar/interagir.

Alimentando o brincar por outras culturas e as brincadeiras tradicionais da infância Para que as crianças se tornem ativas e criativas no brincar, demonstrando seus interesses e necessidades, é imprescindível que haja riqueza e diversidade nas outras atividades da instituição.

Aliar o brincar ao ensino de outras culturas é sem dúvida uma opção dotada de riqueza Fonte: Arquivo pessoal da autora

brincadeiras.indd 63

02/05/12 09:22


69

Brincadeiras da Cultura Brasileira

3

Brincadeiras da Cultura Brasileira Assim que a roda se forma, uma sensação de afeto e intimidade conjunta forma-se com ela. Seja onde for, na roça, na calçada, dentro da escola ou no playground do prédio, a brincadeira de roda convida todos os participantes a se sentirem parte integrante de um todo indivisível, um círculo único girando e cantando pela força desse todo. Renata Meirelles

A

partir de agora, faremos um passeio pelas brincadeiras de nossa cultura brasileira, da cultura da infância. Iniciaremos pelos brincos e cantigas de rodas simples, passaremos pelas brincadeiras de movimentos corporais, seguiremos pelas rodas de escolhas, dramatização e versos e parlendas que viram pega-pega.

“Nesta tarefa de reconstrução, de busca de nossa alma ancestral, é a própria Música da Cultura Infantil o instrumento mais precioso. Através de sua prática, estaremos restabelecendo o laço afetivo com a língua – a língua mãe, aquela que os poetas populares ainda conhecem, e com a língua mãe musical – a canção popular, começando pelos Brinquedos Cantados, tão carregados do encanto e dos mistérios da Infância da raça, dos múltiplos arquétipos de nossa Cultura. Estaremos favorecendo também, certamente, uma disposição fundamental para a Beleza, o Imaginário, o Sonho...” Lydia Hortélio, 2006

As brincadeiras aqui presentes são legado dos nossos antepassados e falam da nossa gente; recuperá-lo é principalmente possibilitar que as crianças atuem no mundo em que vivem.

brincadeiras.indd 69

02/05/12 09:22


71

Brincadeiras da Cultura Brasileira

Brincadeiras para bebês: brincos e cantigas simples “Há uma série infinita de manifestações folclóricas na primeira infância, o período em que a criança não aprendeu ainda a andar e falar. Depois dos acalantos, cuja função é adormecer meninos, seguem-se os brincos, nos quais eles já participam de um modo menos passivo, cabendo, todavia, aos pais, a iniciativa de realizá-los”. “Chamamos brincos, portanto, a esses primeiros e ingênuos mimos infantis, agradinhos de pais e mães carinhosos, entretendo o bebê que está sem sono ou que acordou mais sorridente e feliz do que nunca”. Verríssimo de Melo

Os brincos, cantos e acalantos foram selecionados como possíveis atividades para os pequenos por favorecer o desenvolvimento da oralidade das crianças, propiciar o contato corporal da criança com o adulto e também auxiliar o desenvolvimento de suas capacidades expressivas, além de excelente possibilidade de manter viva parte de nossa tradição. As brincadeiras e interações que se estabelecem entre os bebês e os adultos incorporam as vocalizações rítmicas, revelando o papel comunicativo, expressivo e social que a fala desempenha desde cedo. Propicia também conquistas no plano de coordenação e precisão de movimento. Nesse sentido, os acalantos e os brincos tornam-se formas de um brincar musical característico desta primeira fase da infância. As cantigas ou os cantos como citado no título também permeiam essa sugestão, por trazer a música. Como afirma ARAÚJO

...a melodia suave que fica cantando em nossos ouvidos porque a maioria delas é vivência para nós, quando não sobrevivem em nossa saudade dos tempos de criança....

brincadeiras.indd 71

02/05/12 09:22


88

Interações: crianças, brincadeiras brasileiras e escola

Uma terceira toma a criança a assenta sobre essa cadeirinha. A cadeirinha em movimento de vaivém, para frente e para trás, embala a criança ao ritmo dos versos acima. Onde encontrar: Os nossos brinquedos, Alexina de Magalhães.

Brincadeiras para crianças de dois e três anos: rodas de movimento, brincos mais longos, brincadeiras corporais, rodas de escolha Rodas de movimento “A roda é o princípio do grupo, dá a sensação de união, de um todo ao qual se pertence. Daí a satisfação que a criança sente em estar de mãos dadas com seus coleguinhas, de cantar e movimentar-se ao som de uma melodia, de participar de um grupo em que todos fazem os mesmos gestos”. Iris Costa Novaes

As brincadeiras de roda que sugerem movimentos como Meleci e Na ponte da vinhaça, descritas como sugestões, envolvem o reconhecimento do próprio corpo, do outro e a imitação. Nelas estão presentes aspectos do ato motor e de gestos simbólicos, como imitar um animal, uma profissão ou gestos indicados na cantiga. A linguagem musical que aparece nessas brincadeiras é um excelente meio para o desenvolvimento da expressão, do equilíbrio, da autoestima e do autoconhecimento, além de poderoso meio de integração social. Essas brincadeiras trazem também a possibilidade de que as crianças se apropriem de nossa cultura, no que se refere ao patrimônio cultural transmitido por meio da oralidade.

brincadeiras.indd 88

02/05/12 09:22


Brincadeiras da Cultura Brasileira

95

Como se brinca Em uma roda, as crianças cantam e fazem os gestos que o texto sugere, expressando os comandos que vão surgindo espontaneamente. Onde encontrar CD Abre a roda Tin Dô Lê Lê, Lydia Hortélio

Brincadeira de roda

Fonte: Arquivo pessoal da autora

Brincos mais longos “...os brincos são as brincadeiras rítmico-musicais com que os adultos entretêm e animam as crianças...” RCN Toda brincadeira, embora seja atividade livre e espontânea da criança, necessita da aprendizagem por meio da cultura para que se desenvolva. Por isso, é fundamental a presença atuante do adulto ao ensinar, rememorar e desenvolver as brincadeiras tradicionais constantemente.

brincadeiras.indd 95

02/05/12 09:22


Brincadeiras da Cultura Brasileira

117

Outra regra Se não tiver a cor, a criança pode segurar na roupa ou sapato de alguém que tenha exatamente a cor solicitada. Se correr e passar da linha final, não pode ser mais pego. O pegador não pode invadir o campo do outro para pegar, isso também propicia que os times sejam trocados o tempo todo. Procedência: Belo Horizonte (MG)

Brincadeiras para crianças de quatro e cinco anos: rodas de dramatização, rodas de verso com quadrinhas, parlendas que viram pega-pega, brincadeiras cantadas e ritmadas Rodas de dramatização Participar das rodas de dramatização contribui para o desenvolvimento da noção do ritmo individual e coletivo, assim como alguns princípios básicos de cidadania. Essas rodas exigem das crianças que participam como personagem iniciativa, desembaraço, atenção e coragem. Dos outros participantes exige-se controle para esperar sua vez, atenção, cooperação e observação.

“Brincadeiras tradicionais como ‘A linda Rosa Juvenil’, na qual a cada verso corresponde um gesto, proporcionam também a oportunidade de descobrir e explorar movimentos ajustados a um ritmo, conservando fortemente a possibilidade de expressar emoções”. RCN

Algumas rodas de dramatização surgiram pelas histórias como é o caso de A linda Rosa Juvenil; outras vieram das danças e de manifestações culturais.

brincadeiras.indd 117

02/05/12 09:22


Em poucas palavras…

4

139

Em poucas palavras...

A criança brinca para entender o mundo

A criança brinca para entender o mundo Fonte: Arquivo pessoal da autora

brincadeiras.indd 139

02/05/12 09:22


Este livro estĂĄ Ă venda nas seguintes livrarias e sites especializados:


INOVAÇÃO E EXCELÊNCIA EM Educação e Licenciatura


Issuu converts static files into: digital portfolios, online yearbooks, online catalogs, digital photo albums and more. Sign up and create your flipbook.