Page 1

REVISTA DO HOSPITAL SANTA JOANA | Nº 03 2015

ENTREVISTA

A pernambucana

Jaqueline, destaque no

vôlei mundial, fala sobre conquistas, superações e maternidade | pág. 05 GASTRONOMIA

A chef e apresentadora

Bela Gil dá dicas para aliar sabor e saúde | pág. 40 TURISMO

Sol, mar e aventura em inesquecíveis roteiros de veleiro | pág. 44

#CHEGADEDOR PROCEDIMENTOS MÉDICOS E TERAPIAS ALTERNATIVAS PODEM EVITAR ESSE INCÔMODO


ENTREVISTA COM JAQUELINE CARVALHO

SUMÁRIO ENTREVISTA

CUIDADOS

05.JAQUELINE

08.ACIDENTES

Titular da Seleção Brasileira de Vôlei, a pernambucana conta como concilia vida de mãe e atleta

18

Atenção redobrada com crianças e idosos

12.PREMATUROS

Cuidados com o bebê que nasce antes do tempo

CAPA DOR É possível diminuir as queixas e recuperar a qualidade de vida do paciente

INOVAÇÕES

14.TECNOLOGIA

Equipamentos de última geração proporcionam precisão no diagnóstico

16.ONCOLOGIA

Novos medicamentos tornam o tratamento de câncer menos agressivo

DIAGNÓSTICO E TRATAMENTO

GESTÃO

BEM-ESTAR

SOCIAL

22.NEUROLOGIA

28.DIA A DIA

36.NUTRIÇÃO

46.EM TOQUINHO

24.GENÉTICA

30.SUPRIMENTOS

38.ESTÉTICA

PONTO A PONTO

Mitos e verdades sobre o AVC

Como funciona uma grande unidade hospitalar

Análise dos genes podem Um setor estratégico para detectar futuras doenças a unidade hospitalar

34.RELATOS

Depoimentos destacam a influência positiva do Santa Joana na vida das pessoas

Os riscos das dietas da moda

A cirurgia plástica e a satisfação com o corpo

Jantar celebra o sucesso do Verão com Saúde 2015

40.GASTRONOMIA

Um cardápio saboroso e saudável

44.TURISMO

Diversão com veleiros em alto mar

54.NOTAS

EXPEDIENTE Hospital Santa Joana

Dupla Comunicação Editor Antônio Tiné (DRT 2132) Editora Juliana Ângela Repórteres Ericka Farias Priscila Miranda Juliana Ângela Sávio 04 JUL/AGO Domingos 2015 Mariane Monteiro

Revisor Eduardo Sena Fotografia Cláudia Araújo Nicole Siqueira Diagramação Dune Estúdio Editoras de Arte Lednara de Castro Lia Madureira

Diretor-presidente Dr. Eustácio Vieira Diretora Executiva Juliana Vieira Maranhão Diretor Administrativo Marcelo Vieira Diretora Administrativa do Santa Joana Diagnóstico Fernanda Vieira Castro e Silva

Diretor Técnico Dr. Filipe Lima Diretora Médica Dra. Lígia Arruda Conselho Editorial Juliana Vieira Maranhão Marcelo Vieira Fernanda Vieira Castro e Silva

“Tenho orgulho de ser uma brasileira que não desistiu dos seus objetivos”

D

entro do esquema tático do voleibol, existe um jogador responsável pelo volume de jogo, por armar a equipe para a melhor condição de ataque. Essa complexa função fez da pernambucana Jaqueline Carvalho destaque no vôlei mundial. Nascida no Recife, em 31 de dezembro de 1983, a ponteira titular da Seleção Brasileira foi bicampeã olímpica (2008 e 2012), tricampeã do Grand Prix (2005, 2006 e 2008) e, recentemente, voltou a representar a equipe nacional após ter ficado afastada para a gestação do primeiro filho, Arthur. Em seguida, venceu a distância do primogênito enquanto representou o País na Itália, onde ajudou a seleção a conquistar o terceiro lugar no Mundial de Vôlei Feminino. Jaqueline é casada, desde 2009, com o também jogador Murilo Endres. Em entrevista exclusiva à Você com Saúde, ela falou sobre superações, momentos memoráveis da sua carreira e também sobre a preparação e os cuidados para voltar às quadras depois da gestação. Você com Saúde: - Em Londres, a Seleção conseguiu espantar o “fantasma” de 2004 das russas nas Olimpíadas e conquistou o bicampeonato. Nos campeonatos mundiais (2006 e 2010), o Brasil parou na Rússia. Ainda é essa a seleção a ser batida? Jaqueline: - Não vejo dessa forma. Todas as seleções que enfrentamos no Mundial, por exemplo, foram adversários difíceis. A Rússia é um time muito forte, mas também não podemos esquecer Estados Unidos, Turquia, Japão, China, Sérvia, entre outras equipes igualmente fortes. Você com Saúde: - Tática e tecnicamente, vimos outra Jaqueline em quadra no jogo contra os Estados Unidos em que o Brasil foi bicampeão olímpico. Qual a memória que você tem de 10 de agosto de 2012?

Jaqueline: - Esse foi o momento mais feliz da minha carreira. Eu ajudei o grupo não somente no fundo de quadra, mas também no ataque. Acho que um grupo precisa ser assim. Nesse dia, as outras jogadoras estavam bem marcadas e meu ataque funcionou. Nas quartas de final, a Sheilla virou praticamente todas as bolas, a Fabiana e a Thaísa foram constantes em todo o campeonato, ou seja, em cada jogo uma se destacou mais. Você com Saúde: - Atualmente, nota-se você mais serena, menos afobada nas jogadas. No que a maternidade recente ajuda e atrapalha dentro de quadra? Jaqueline: - O ruim é que eu fico longe do meu filho, mas tenho certeza de que, no futuro, ele vai entender todo o sacrifício que os pais dele fizeram. No entanto, meu filho

Jaqueline Carvalho

Titular da Seleção Brasileira de Vôlei

me dá muito mais força para seguir lutando e buscando meus ideais e objetivos. Você com Saúde: - Qual seu ponto memorável? Jaqueline: - Os Jogos Olímpicos de 2012. Você com Saúde: - Você se acha uma pessoa de sucesso? Jaqueline: - Sou uma pessoa realizada e que alcançou alguns sonhos e objetivos com muito esforço. Você com Saúde: - Do que você tem orgulho? Jaqueline: - Tenho orgulho de ser uma brasileira que não desistiu dos seus objetivos. Você com Saúde: - A genética foi boa com você? JUL/AGO 2015 05


NOVA UTI PEDIÁTRICA.

ENTREVISTA COM JAQUELINE CARVALHO Jaqueline: - Sim. Disso não posso reclamar.

MAIS CONFORTO E TECNOLOGIA COM O CARINHO DE SEMPRE.

Você com Saúde: - Qual o ônus e o bônus de ser ídolo? Jaqueline: - Não vejo um lado ruim. Sou reconhecida na rua pelos meus resultados e, normalmente, todos me tratam com muito respeito. Você com Saúde: - Quem te inspira? Jaqueline: - Ana Moser. Você com Saúde: - Melhor lembrança do Recife? Jaqueline: - As pessoas que me ajudaram a estar onde estou hoje.

Jaqueline: - Tive muita sorte e pessoas que me ajudaram ao me levar para São Paulo. O voleibol em Pernambuco poderia crescer bem mais. Temos muitos atletas e talentos que acabam saindo de lá em busca de oportunidade. Você com Saúde: - Na escola, você jogava vôlei e basquete, como foi a escolha pelo vôlei e em que momento você percebeu que poderia fazer dele a sua profissão? Jaqueline: - Como eu fazia dois esportes, isso atrapalhou meus estudos e optei pelo voleibol. Também tinha mais afinidade com o vôlei. No primeiro treino, já fui bem e chamei a atenção dos treinadores. Você com Saúde: - Ao longo da sua carreira você enfrentou obstáculos como contusões, cirurgias, acidentes, e a superação é uma de suas marcas. Quais desses episódios de superação 06 JUL/AGO 2015

você pode citar como os que mais marcaram? Jaqueline: - Todas minhas contusões e cirurgias foram perigosas, mas, no Pan de Guadalajara, em 2013, fiquei por um triz de estar numa cadeira de rodas. No entanto, cada contusão que tenho me faz voltar ainda mais forte. Você com Saúde: -Você ficou um ano afastada das quadras para realizar o sonho de ser mãe. Como foi sua preparação para voltar a jogar depois da gestação? Jaqueline: - Não tive uma preparação específica, mas procurei me cuidar. Continuei a fazer exercícios físicos até o oitavo mês de

gestação e, quando voltei às quadras, já estava muito bem e tranquila para fazer o que eu gosto que é jogar voleibol. Você com Saúde: -Como é conciliar a rotina de atleta com a de mãe? Em competições internacionais como o Grand Prix, como fez para manter contato com seu filho e com o marido, também jogador de vôlei?

O Hospital Santa Joana, fiel aos princípios de pioneirismo e constante evolução, oferece mais um diferencial aos seus pacientes: uma nova UTI Pediátrica. O espaço, com 169m², oferece inovações tecnológicas e equipamentos que atendem aos mais altos níveis de acompanhamento das complexidades inerentes aos casos mais críticos. A Unidade conta também com uma equipe multidisciplinar especializada, oferece atendimento acolhedor, além de um ambiente moderno e confortável tanto para os pacientes quanto para os pais, que podem acompanhar todo o tratamento lado a lado com a equipe. Uma referência de excelência em todo o Estado e mais uma prova de que é com carinho e experiência que o Hospital Santa Joana deixa a saúde de todos sempre em boas mãos.

Jaqueline: - A tecnologia hoje em dia ajuda muito. Falo com o Murilo todos os dias pelo Skype e coloquei câmeras em toda a minha casa com quais posso ver o Arthur 24 horas por dia. * Trechos da entrevista foram concedidos à revista Hospitalar

O Hospital Santa Joana conquistou o “Joint Commission International’s Gold Seal of Approval TM”

O Hospital Santa Joana conquistou o “Joint Commission International’s Gold Seal of Approval TM”

JUL/AGO 2015 07

Dr. Filipe Lima - Diretor Técnico CRM - PE 10735

Você com Saúde: - Como foi o processo de ascensão na sua carreira, uma vez que o mercado pernambucano para o vôlei ainda é limitado?


ACIDENTES

De acordo com estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Unicef, no mundo inteiro, cerca de 870 crianças e adolescentes morrem por dia vítimas de acidentes em casa ou em locais próximos

Na fase escolar, são comuns acidentes em brincadeiras

Cuidados que evitam sofrimento

Quando os pequenos ganham o chão, a casa pode virar um local cheio de armadilhas para eles. Cada cômodo pode apresentar ameaças. “Há o risco de ingestão de substâncias tóxicas, encontradas em produtos de limpeza na cozinha ou no banheiro, e também de corpos estranhos, como moedas e tampas de caneta. Esses itens devem ser guardados em locais que não sejam acessíveis para a criança”, alerta a médica. Na fase escolar, quando a criança atinge os seis anos e uma maior independência, são comuns acidentes relacionados a brincadeiras e atividades esportivas. “Os riscos de sufocação com sacos plásticos, ou incidentes com bicicleta, skate e patins, alertam para uma supervisão

constante da criança feita por um responsável”. A pediatra ressalta que a avaliação médica após o acidente é de extrema importância para diagnosticar maiores problemas. “O atendimento vai depender do acidente. Afogamentos, por exemplo, exigem manobras de ressuscitação, e as ingestões de medicamentos e corpos estranhos precisam de lavagem gástrica. O primeiro atendimento é fundamental”, diz Maricelma. É preciso que esses pacientes passem por um rígido processo de atendimento e diagnóstico. “Mesmo chegando aparentemente bem, é preciso ter todo o cuidado com a criança, que fica em observação de até 12 horas, pois pode haver intercorrência. Primeiro, o paciente passa pela emergência. Após a triagem, é encaminhado para observação ou, quando mais grave, para a UTI Pediátrica”, explica a enfermeira Francelia Loureiro, chefe da Pediatria e da UTI Pediátrica do Santa Joana.

CRIANÇAS E IDOSOS PRECISAM DE ATENÇÃO ESPECIAL, POIS ESTÃO MAIS VULNERÁVEIS A DIVERSOS TIPOS DE ACIDENTES

E

star em casa ao lado da família, naturalmente, nos remete a uma sensação de proteção. Mas nem sempre o conforto do lar é garantia de segurança. De acordo com estudo da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da Unicef, no mundo inteiro, cerca de 870 crianças e adolescentes morrem por dia vítimas de acidentes em casa ou em locais próximos, enquanto um em cada três adultos com mais de 65 anos sofre quedas a cada ano, segundo dados do 08 JUL/AGO 2015

Ministério da Saúde. A infância e a terceira idade são fases opostas da vida, porém ambas necessitam de cuidados especiais. A criança requer atenção o tempo todo. Os acidentes tendem a ocorrer mais constantemente quando ela adquire a habilidade de agir, andar e pegar objetos. Imprevisíveis, os pequenos põem tudo na boca, escalam móveis, abrem portas e gavetas, adoram brincar com água e subir em árvores.

“Cada faixa etária possui acidentes específicos. Ainda na fase lactente, é preciso ter cuidado com crianças que dormem no berço, para evitar quedas ou lesões nas grades de proteção. Os pais devem evitar colocar os bebês de bruços na hora de dormir, pois estudos apontam que muitas crianças que tiveram morte súbita foram encontradas em decúbito dorsal, ou seja, dormindo de costas”, afirma Maricelma Leão, pediatra do Hospital Santa Joana.

Alguns lugares da casa são armadilhas para as crianças

Os riscos da terceira idade As maiores causas de acidente são as quedas. A Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia aponta que a queda é a principal causa de morte acidental em pessoas acima de 65 anos. “No processo de envelhecimento, o equilíbrio também passa por mudanças. O sistema não consegue se adaptar bem e as quedas são mais frequentes. A terceira idade também está relacionada a doenças como diabetes, hipertensão, Doença de Parkinson, que contribuem para alterações na marcha da pessoa e no sistema locomotor em geral”, explica a geriatra do Hospital Santa Joana, Lilian Karine. Segundo a fisioterapeuta Beatriz Paixão, os fatores que mais são associados a riscos de quedas ocorrem devido à diminuição da flexibilidade e do tônus muscular, alteração de equilíbrio, diminuição da coordenação motora e baixa aptidão física. A escolha da modalidade de exercício deve valorizar, acima de tudo, as preferências pessoais e possibilidades de cada idoso. Atividades como natação, hidroginástica, hidroterapia, caminhadas e musculação surtem resultados positivos para a melhora da qualidade de vida. Há ainda dois tipos de modalidade muito em voga atualmente, praticados por todas as faixas etárias, que são o pilates e a reeducação postural global, conhecida como RPG. A fisioterapia de RPG, com uma abordagem corretivo-preventiva, tem como objetivo suprir as necessidades individuais, já que cada organismo responde de forma diferente às alterações posturais JUL/AGO 2015 09


ACIDENTES

Atenção redobrada no hospital

sofridas nas atividades do dia a dia. São desenvolvidos trabalhos de consciência corporal, coordenação motora, respiração, propriocepção e orientação postural. As musculaturas retraídas são alongadas e os músculos fracos são fortalecidos, associando sempre a um trabalho respiratório e respeitando os limites de cada paciente. “Sem dúvida, RPG promove a funcionalidade e a melhora da qualidade de vida. Consiste em adaptar o idoso às suas limitações do processo natural do envelhecimento, de uma forma preventiva”, afirma a fisioterapeuta Beatriz Paixão. Já o pilates é um método de condicionamento físico, de baixo impacto, individualizado, que trabalha

Os hospitais acreditados pela Joint Commission International possuem, entre os diversos padrões de segurança, o Protocolo de Queda. O objetivo é priorizar a qualidade da assistência de pacientes com vulnerabilidade, com um núcleo multidisciplinar para identificar e estudar os motivos das quedas e as suas interfaces entre os departamentos no ambiente hospitalar. “Iniciamos o processo com a implantação de um protocolo institucional concomitantemente com o estímulo aos nossos colaboradores da notificação das ocorrências de queda. O nosso protocolo foi realizado através de pesquisas internacionais no âmbito hospitalar e através da prática do benchmarking com instituições de referência nacional”, afirma Magaly Maia, gerente de segurança assistencial do Santa Joana. O hospital, para garantir a adesão ao protocolo, incluiu os indicadores de processo nas

A adoção de um protocolo institucional de queda aliado ao estímulo de nossos colaboradores da notificação das ocorrências foi um importante passo na cultura da segurança assistencial e educação de pacientes e familiares Magaly Maia - gerente de segurança assistencial do Santa Joana ações de monitoramento. “Desta forma, analisamos o emprego das medidas preventivas pelos nossos colaboradores e a compreensão e adesão da nossa clientela”, explica Magaly. “No inicio, os pacientes insistiam em não aderir ao protocolo, acreditando que

não cairiam por ser uma atividade habitual nas suas residências, tinham dificuldade em considerar o ‘seu estado atual de doença’, tornando-o mais frágil e com mais risco de queda. A nossa luta é diária através da educação de pacientes e familiares”, comenta Magaly.

CONFIRA ALGUMAS DICAS DO CORPO DE BOMBEIROS DE COMO EVITAR SUSTOS DENTRO DE CASA:

Risco de quedas é maior em idosos com dificuldades de locomoção

Sem dúvida, o RPG nos idosos promove a funcionalidade e a melhora da qualidade de vida. Consiste em adaptar o idoso às suas limitações do processo natural do envelhecimento, de uma forma preventiva Beatriz Paixão - fisioterapeuta do Hospital Santa Joana 10 JUL/AGO 2015

o indivíduo de forma uniforme, interagindo corpo e mente. Os princípios fundamentais da atividade são a concentração, fortalecimento muscular, consciência corporal e equilíbrio, sempre em conjunto com o trabalho respiratório, trazendo a real consciência do exercício realizado. Seja qual for a atividade física, é preciso ter bom senso para

que a atividade seja orientada por um profissional capacitado, levando sempre em consideração as possibilidades e limitações de cada idoso. Os exercícios devem ser feitos de forma regular e contínua, pois quando exagerados poderão ser prejudiciais. “Não existe exercício ideal, mas sim objetivos a serem alcançados”, aponta Beatriz.

• Queimaduras Normalmente, a queimadura acontece no fogão quando crianças derrubam panelas sobre o corpo. Deve-se evitar cabo de panela voltado para fora do fogão, brincadeiras com álcool e fogo e também o uso de fogos de artifício.

• Afogamentos Para bebês e crianças pequenas, até baldes, banheiras podem oferecer riscos. Um adulto deve sempre supervisionar as crianças onde houver água, mesmo que saibam nadar ou que os locais sejam considerados rasos.

• Quedas Deve-se tomar providências como usar protetores nas quinas dos móveis; não deixar cadeiras, camas e bancos perto de janelas; e providenciar antiderrapantes nos tapetes para evitar escorregões.

• Intoxicação Em casos de ingestão de inseticidas, álcool, detergentes e outras substâncias tóxicas, a primeira providência deve ser levar a criança para uma emergência hospitalar, para que os profissionais identifiquem a substância e o tratamento que será adequado para aquela situação.

• Brinquedos Na hora de escolher os brinquedos, considere a idade e o nível de habilidade da criança e procure brinquedos com o selo do Inmetro. Fique atento aos que podem oferecer risco de engasgamento (peças pequenas), de estrangulamento (correntes, tiras e cordas) e de corte (pontas, bordas afiadas). JUL/AGO 2015 11


PREMATUROS

Bebês antes da hora PREMATUROS REQUEREM CUIDADOS ESPECIAIS NOS PRIMEIROS DOIS ANOS DE VIDA. CONTATO COM A MÃE É ESSENCIAL PARA ESTIMULAR CRIAÇÃO DE LAÇOS E DESENVOLVIMENTO

U

m imprevisto acontece e o bebê nasce antes de completar as 37 semanas de gestação. Um susto para os pais e motivo de alerta para toda a equipe médica. Partos prematuros correspondem a 11,7% em relação a todos realizados no País, segundo o estudo “Prematuridade e suas possíveis causas”, realizado recentemente pelo Programa de Pós-graduação em Epidemiologia da Universidade Federal de Pelotas, com apoio do Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Ministério da Saúde. A criança que chega antes da hora requer cuidados especiais que começam no hospital e continuam nos primeiros dois anos de vida.

A criança que chega antes da hora requer cuidados especiais que começam no hospital e continuam nos primeiros dois anos de vida “Os prematuros são mais suscetíveis a infecções respiratórias e possuem o sistema imunológico mais frágil. É preciso ter atenção redobrada”, destaca a coordenadora da UTI Neonatal do Hospital Santa Joana, Jucille Meneses. Enquanto permanece no setor, o bebê que é considerado de risco, fica monitorado por equipamentos 24 horas por dia e conta com a assistência da equipe médica e de enfermagem do hospital. A dieta é a mesma indicada para todos os recém-nascidos. 12 JUL/AGO 2015

não pode chegar perto de pessoas doentes sob hipótese nenhuma”, diz a médica. Antes de ir para casa, o neném sai da UTI e passa cerca de três dias em um quarto comum. “Esse tempo é importante para passar segurança para a mãe e ambientá-la com o filho”, explica. O acompanhamento especial deve seguir até os dois anos de idade com um pediatra de confiança. O ganho de peso e o desenvolvimento neuropsicomotor são aspectos que devem ser observados.

O acompanhamento especial deve seguir até os dois anos de idade com um pediatra de confiança

TESTES AJUDAM A DETECTAR DOENÇAS PRECOCEMENTE Ao nascer, sendo prematuro ou nascido após 37 semanas, o bebê passa por uma triagem neonatal, quando são feitos os diversos testes. Os exames são capazes de detectar possíveis problemas de saúde precocemente, de modo a facilitar o tratamento, evitando o agravamento deles. O teste do pezinho é o mais conhecido por ser obrigatório em todo o território nacional. Ele detecta doenças como hipotireoidismo congênito e fenilcetonúria, que podem acarretar quadros de retardo mental. No teste da orelhinha,

Prematuros precisam de cuidados especiais

“O leite materno deve ser a base da alimentação, de preferência, ele deve ser proveniente da mãe”, explica a médica. Algumas crianças não conseguem mamar de maneira adequada, mas isso não impede o acesso delas ao líquido. “Estimulamos a mulher a retirá-lo do peito e damos ao bebê através de sonda”, ratifica a coordenadora, ressaltando a importância da amamentação para o desenvolvimento do prematuro. Mesmo durante o período de internação na UTI, o contato com a mãe é tido como essencial ao desenvolvimento do bebê. “A entrada dos pais é liberada no setor durante o dia todo. Estimulamos o toque e, sempre que possível, colocamos o recém-nascido no colo deles, para afinar os laços”, explica a coordenadora.

Outro cuidado essencial para o pleno desenvolvimento dos pulmões é a administração da imunoglobulina, que combate infecções virais respiratórias, causa mais frequente das internações de prematuros após a alta. “A vacina é aplicada uma vez durante cinco meses. A continuidade da medicação garante a prevenção”, afirma Jucille Meneses. Para receber alta, o prematuro precisa atingir peso próximo de dois quilos e estar se alimentando pela boca. “Alguns cuidados devem ser mantidos. As visitas devem ser feitas com bastante moderação e a criança

Mesmo durante o período de internação na UTI, o contato com a mãe é tido como essencial ao desenvolvimento do bebê

Nos prematuros, alimentação pode ser feita por meio de sonda

um aparelho emite sons de fraca intensidade e recolhe as respostas que a orelha interna do bebê produz. O exame é importante porque, quando a criança é diagnosticada com problemas auditivos e é feita intervenção fonoaudiológica até os seis meses de idade, há chance de se desenvolver uma linguagem normal. Para detectar patologias oculares, é feito o teste do olhinho. O exame diagnostica doenças como a retinopatia da prematuridade, catarata congênita e glaucoma, por exemplo. Desde o ano passado, o Ministério da Saúde determinou que todas as maternidades da rede pública devem realizar também, como parte dessa triagem, a oximetria de pulso, mais conhecida como “teste do coraçãozinho". O Hospital Santa Joana já oferece esse teste. De acordo com a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada mil crianças nascidas vivas, entre oito e 10 apresentam alguma doença cardíaca desenvolvida durante a gestação. Especialistas afirmam que, na maioria das vezes, problemas cardíacos em bebês só são diagnosticados após o aparecimento de sintomas como respiração ofegante e pele roxa. Por isso, é importante fazer o "teste do coraçãozinho" em até 48 horas depois do nascimento. “Os sintomas de doenças cardíacas podem aparecer uma semana depois do nascimento, por isso é preciso fazer o teste para diagnosticar essas doenças ainda na maternidade. O teste do coraçãozinho identifica cardiopatias graves que colocam em risco a vida do bebê”, alerta o pediatra neonatologista José Henrique Moura. JUL/AGO 2015 13


TECNOLOGIA necessidade de anestésicos, o que seria impossível em uma máquina tradicional”, destaca o radiologista. Um Tomógrafo também integra a lista de novas aquisições do Santa Joana Diagnóstico. “É um aparelho que produz imagens de alta resolução. Com mais um aparelho, teremos como atender aos pacientes de maneira mais ágil”, explica. Nova máquina de ressonância tem capacidade de atender pacientes com até 250 kg

Máquinas mais amplas dão adeus à claustrofobia

Qualidade da imagem na precisão do diagnóstico SANTA JOANA DIAGNÓSTICO INVESTE EM EQUIPAMENTOS DE ÚLTIMA GERAÇÃO. MÁQUINA QUE FAZ EXAME INÉDITO NO ESTADO ESTARÁ DISPONÍVEL AINDA EM 2015

E

star atualizado com os mais modernos avanços na medicina é uma das premissas fundamentais seguidas pelo Santa Joana Diagnóstico. Tão bem amparado tecnologicamente quanto os grandes centros médicos do mundo, tais como Harvard e Stanford, a unidade de exames comemora a compra de nova máquina de ressonância magnética capaz de fazer análises tão minuciosas, que ainda não são oferecidas em Pernambuco. Apesar de ter três máquinas de ressonância magnética, uma quarta chega em breve ao Santa Joana Diagnóstico. “Seremos pioneiros na realização do exame elastografia, 14 JUL/AGO 2015

capaz de fazer uma avaliação avançada do fígado”, destaca o radiologista Paulo Andrade. O equipamento pode quantificar a fibrose hepática, doença que causa enrijecimento do órgão, fazendo com que ele perca a capacidade de se regenerar. “Quando o paciente consome bastante álcool ou tem certos tipos de vírus, uma irritação no fígado pode ser desencadeada, causando uma doença crônica. Esse exame indica se esse quadro está levando a uma cirrose, uma vez que detecta o problema antes mesmo dele se instalar”, afirma o médico. Por fornecer imagens de altíssima

resolução, essa ressonância magnética pode descartar a necessidade de uma biopsia. “O procedimento é doloroso e ainda expõe o paciente a certos riscos, como hemorragia”, esclarece Paulo Andrade. A máquina ainda diagnostica a quantidade de ferro e gordura. Além do novo equipamento, o Santa Joana Diagnóstico possui outras duas ressonâncias especiais. Elas possuem o tubo mais curto e aberto, diminuindo a sensação de ambiente fechado. “É mais confortável para qualquer pessoa, porém os claustrofóbicos têm a chance de fazer o exame sem a

RESSONÂNCIA X TOMOGRAFIA Por serem dois métodos avançados de imagem, é comum que as pessoas confundam as tecnologias. “Enquanto a tomografia usa radiação, a ressonância utiliza ondas eletromagnéticas. Eles têm aplicações diferentes e podem ser complementares”, diz o médico. A tomografia é um tipo de raio-x moderno feito por computador. “Ela consegue fazer imagens de cortes milimétricos dos órgãos internos do corpo humano”, explica. O exame é indicado para diagnósticos no pulmão, vasos sanguíneos e intestino. O paciente deve fazer no máximo duas por ano por causa da radiação que ela emite. “No Santa Joana Diagnóstico, utilizamos um contraste, líquido aplicado no paciente para potencializar o

Seremos pioneiros na realização do exame elastografia, capaz de fazer uma avaliação avançada do fígado Paulo Andrade - Radiologista

Por fornecer imagens de altíssima resolução, essa ressonância magnética pode descartar a necessidade de uma biopsia

resultado do exame, com baixa taxa de alergia. O medicamento já vem nas seringas, em uma embalagem lacrada. Isso garante risco zero de contaminação”, relata o radiologista. A ressonância magnética é um método eficiente para o cérebro, articulações, fígado, próstata e sistema reprodutor feminino. “O exame foi o que mais evoluiu nos últimos anos, ficou mais detalhado e preciso, não emite radiação, por isso pode ser feito quantas vezes forem necessárias”, desmistifica o médico. Não é possível afirmar que um exame é melhor que o outro ou mais avançado. A aplicação correta de cada um deles é o que vai definir a eficiência do diagnóstico. “Um método pode ser ótimo para ver um cálculo na vesícula e deixar passar um tumor em outro órgão, daí a importância de ter um diagnóstico com vários métodos. Um corrige a falha do outro. O ideal é contar com a expertise de quem solicita”, advertiu Paulo Andrade.

O corpo clínico do Santa Joana Diagnóstico merece tanto destaque quanto o parque de máquinas de última geração. “Vão surgindo novas técnicas e nós temos que nos reciclar. Tem que ter o conjunto: aparelhos avançados e equipe médica altamente especializada”, ressalta o radiologista. No centro de exames, os profissionais são divididos em três setores: neuro, toracoabdominal e musculoesquelética. “Dessa forma, ampliamos a expertise para cada área específica. Todos passam a vida inteira estudando a sua área. É comum fazerem atualizações anuais no exterior”, completa.

SANTA JOANA DIAGNÓSTICO

• Unidade Complexo Hospitalar Rua Joaquim Nabuco - 200 Graças - Recife PE Central: 55 81 3216.6666 • Unidade Avançada Dom Bosco Rua Dom Bosco - 961 Boa Vista - Recife PE 55 81 4002.2828

JUL/AGO 2015 15


ONCOLOGIA

O remédio é inovar

MEDICAMENTOS USADOS NO TRATAMENTO CONTRA O CÂNCER TÊM SIDO CADA VEZ MAIS APERFEIÇOADOS

A

s drogas no tratamento contra o câncer são de vital importância no processo de cura. Com o avanço da medicina, os medicamentos passaram por constante evolução e foram diminuindo o sofrimento dos pacientes, que contam com diversas possibilidades de tratamentos na área oncológica. Poder contar com o que há de mais moderno propicia ao paciente um tratamento humanizado e com menor sofrimento. Bruno Pacheco, oncologista do Hospital Santa Joana, explica que a combinação de remédios com a radioterapia agiliza a recuperação. “A quimioterapia é associada à radioterapia para potencializar os efeitos desta, fazendo com que 16 JUL/AGO 2015

Poder contar com o que há de mais moderno propicia ao paciente um tratamento humanizado e com menor sofrimento tenhamos melhores respostas. A quimioterapia melhorou muito nos últimos anos, por isso já é vista com bons olhos, pois os pacientes se curam mais, vivem mais e têm menos efeitos colaterais”, afirma. Entre os benefícios desses medicamentos, está a diminuição do desconforto dos pacientes com bloqueio de náuseas e vômitos, além de drogas que combatem infecções e evitam a queda de cabelo. “Existem toucas que ‘congelam’ e evitam a perda de fios em alguns

casos”, explica o oncologista. Outra vantagem dos tratamentos realizados no hospital são os remédios que agem especificamente no tumor, salvando os tecidos saudáveis. Outro serviço bastante eficaz na luta contra o câncer é a oncohematologia, que trata as doenças do sangue. O Santa Joana possui uma estrutura das mais modernas no Nordeste, com ambiente para filtragem de ar sob pressão, que reduz o risco de infecções principalmente para pacientes com leucemia aguda. “Na nossa unidade, os pacientes são atendidos por uma equipe multidisciplinar”, explica a onco-hematologista Erika Coelho. As drogas utilizadas na recuperação dos pacientes também permitem uma vida mais tranquila fora do hospital. “Alguns desses medicamentos podem ser por via oral, e o paciente pode fazer parte do tratamento em casa. O reconhecimento de alguns subtipos de linfomas, por exemplo, permite tratar de modo diferente e assim mais eficaz cada subtipo da doença e até indicar o transplante de medula, com altas chances de cura”, diz a médica. O processo quimioterápico durante o tratamento do câncer é longo e doloroso, tanto para o paciente, bem como para os seus familiares. Uma alternativa para minimizar esse sofrimento e manter os cuidados é a terapia-alvo. A partir do uso de drogas ou outras substâncias,

os medicamentos funcionam de forma diferente aos quimioterápicos convencionais, identificando e atacando especificamente as células cancerígenas. “A tendência na farmacologia para o câncer é a terapia de alvo-moleculares. A base dessa terapia é que existem alvos das células que são atingidos por essas novas drogas”, complementa o oncologista clínico do Hospital Santa Joana Evyo Abreu e Lima. Entre os medicamentos utilizados durante a Terapia Alvo está o Rituximab. O remédio sintetiza, de acordo com os estudos de imunologia, um anticorpo quimérico - uma parte dele é composta por técnica biológica e outra parte é desenvolvida em laboratório. O oncologista Evyo destaca também o uso do medicamento Gilvec no tratamento contra o câncer. Tendo como princípio ativo o mesilato de imatinibe, esse medicamento atua inibindo o desenvolvimento do tumor, induzindo as células cancerosas à morte. “Essa droga é muito usada em leucemia meiolide crônica, e é um tratamento que serve para diversos tipos de doença que tenham determinados tipos de mutação”. O médico conta ainda que o seu uso durante o processo evita efeitos clássicos provenientes da quimioterapia, como a queda de cabelo e os enjoos constantes. Os sinais e sintomas causados pelo câncer variam de acordo com a parte do corpo que é afetada. O uso de medicamentos, juntamente com as técnicas cirúrgicas, quimioterápicas e radioterápicas, além da imunoterapia e a hormonioterapia, são as principais aliadas durante tratamento dos pacientes que enfrentam essa jornada.

Desmistificando o câncer A palavra câncer vem do latim e significa caranguejo. O termo se deve à semelhança entre as patas do crustáceo e os vasos do tumor, que se infiltram nos tecidos sadios do corpo. O nome câncer é usado genericamente para descrever cerca de 150 doenças diferentes, caracterizadas por uma rápida e anormal divisão celular do tecido e pela migração de células cancerígenas para partes do corpo distantes da origem. Com a ágil e desnecessária divisão celular, logo se forma um excesso de tecido, conhecido como tumor. Alimentado por nutrientes que

A tendência na farmacologia para o câncer é a terapia de alvo-moleculares. A base dessa terapia é que existem alvos das células que são atingidos por essas novas drogas Dr. Evyo Abreu e Lima oncologista clínico do Hospital Santa Joana

passam pelos vasos sanguíneos adjacentes, o tumor pode crescer através da formação de novos vasos, que estimulam o desenvolvimento de um suprimento independente de sangue. Basicamente, a diferença entre tumor benigno e maligno é definida pela aparência e estrutura das células atacadas por ele. Os benignos são constituídos por células bem semelhantes às que os originaram e não possuem a capacidade de provocar metástases. Já os malignos são agressivos e possuem a capacidade de se infiltrar em outros órgãos. Alguns tipos de câncer não envolvem tumores, como a leucemia. Porém, nesse caso, também há uma reprodução incontrolada e indesejada de células. Entre os agentes formadores de câncer mais comuns, os carcinogênios, estão: arsênico, amianto e níquel, que podem causar câncer de pulmão e outros cânceres e formaldeído, que desenvolve câncer nasal e naso-faríngeo. Os carcinogênios que estão associados ao estilo de vida incluem álcool – substância que pode aumentar as chances de câncer de boca, esofágico e orofaríngeo – e o tabaco, que causa câncer de pulmão, cabeça e pescoço, esofágico e de bexiga. Mastigar o tabaco também pode aumentar o risco do câncer de boca.

Entre os benefícios desses medicamentos, está a diminuição do desconforto dos pacientes JUL/AGO 2015 17


DOR

Um mal desnecessário A DOR JÁ É CONSIDERADA POR MUITOS MÉDICOS UM SOFRIMENTO INÚTIL, E O ALÍVIO PODE ESTAR EM TRATAMENTOS TRADICIONAIS OU ALTERNATIVOS “É impossível aprender sem dor”. Essa frase atribuída ao filósofo grego Aristóteles mostra uma aceitação passiva do sofrimento. Em se tratando de dor, entretanto, a medicina já considera que ela seja um desconforto inútil e, em muitos casos, é possível evitá-la com bastante eficiência e recuperar a qualidade de vida do paciente. A Associação Internacional para o Estudo da Dor (da sigla em inglês, IASP) define esse incômodo como uma experiência sensorial e emocional desagradável associada ao dano tecidual real ou potencial. Ou seja, ela é um sinal de alarme do organismo e, quando se manifesta agudamente, significa que algo de errado está ocorrendo na pele, nos músculos, nas vísceras ou no sistema nervoso central. A dor crônica é aquela que acompanha o indivíduo por um longo período de tempo, tendo fases de melhora e piora, como enxaquecas, tendinites e dores musculares. Já a dor aguda é aquela que surge pontualmente em razão de traumas e processos inflamatórios. A Organização Mundial de Saúde (OMS) calcula que, em média, 30% da população global sofrem com dores crônicas. No Brasil, esse número equivale a 60 milhões de pessoas. A pedagoga Tereza Miranda, 48 anos, conhece bem essa realidade. Desde a adolescência, se queixava de dores de cabeça e há apenas oito anos descobriu pelo menos uma parte das causas. “Cheguei a ir a um neurologista e a um otorrino, mas foi um ortodontista que detectou que eu sofria de bruxismo. Não chegava a ranger os dentes, mas travava de tal modo que já acordava com dor de cabeça", conta. A solução foi uma

A dor crônica é aquela que acompanha o indivíduo por um longo período de tempo, tendo fases de melhora e piora, como enxaquecas, tendinites e dores musculares. Já a dor aguda é aquela que surge pontualmente em razão de traumas e processos inflamatórios 18 JUL/AGO 2015

O caso de Tereza não é raro, sendo comum a recomendação de terapias relaxantes algumas vezes associadas à fisioterapia para alongamento da musculatura, osteopatia e até mesmo o método RPG (Reeducação Postural Global). As terapias alternativas e as não-medicamentosas podem ajudar a reduzir o tempo de uso das medicações. Assim, muitas pessoas, em paralelo com o tratamento, estão aderindo às Práticas Integrativas, política aprovada pelo Ministério da Saúde visando integrar os sistemas médicos complexos e recursos terapêuticos aos sistemas oficiais de saúde. São serviços como Yoga, Biodança, Terapia, Flexibilidade, Lian Gong, Tai Chi Chuan, dentre outras práticas. No caso dessas práticas, o gerenciamento das dores é feito cuidando do corpo por completo. Pois elas podem estar associadas a questões emocionais, fatores que impulsionam a maioria das dores no corpo e podem levar a doenças conhecidas como Psicossomáticas. Esse tipo de doença representa uma queixa física ou não, que tem seu princípio através da mente, levando o paciente a buscar um tratamento com auxílio de profissionais como psicólogos, psicoterapeutas ou psicanalista. UMA QUESTÃO DE HÁBITO Há dores cujas causas não estão apenas na mente, mas têm relação com os hábitos de vida, como sedentarismo e má postura. As dores musculares são exemplos desse tipo de queixa. A maioria das pessoas em algum momento da vida já sentiu alguma dor no corpo relacionada à má postura, muitas horas na mesma posição, sedentarismo, grandes esforços momentâneos. A dor na região lombar e nas articulações (joelhos e quadris) são as principais

O caso de Tereza não é raro, sendo comum a recomendação de terapias relaxantes algumas vezes associadas à fisioterapia para alongamento da musculatura, osteopatia e até mesmo o método RPG placa dentária que ela passou a usar ao dormir para aliviar a pressão mandibular. Mas as crises de enxaqueca continuaram. “Tomava medicamentos, mudava a alimentação, fazia caminhadas, mas nada fazia efeito", recorda Tereza, que decidiu, então, recorrer a tratamentos naturais, e, finalmente, obteve sucesso após sessões semanais de acupuntura e a ingestão de medicamentos homeopáticos.

queixas apresentadas pelos pacientes. Na maioria das vezes, essas dores estão associadas a pessoas que estão saindo do sedentarismo ou apareceram sem alguma causa específica, devido a algum movimento abrupto, por exemplo. “Quando essas causas chegam ao consultório, se for alguma dor específica, já identificada, o primeiro passo é fazer uma ultrassonografia e ressonância

Tereza Miranda tem queixas de dores desde a adolescência

para poder tratar de maneira correta. Quando o quadro não apresenta uma causa específica, o mais indicado é esperar, juntamente com o uso de analgésicos, e observar o que acontece”, explica André Flávio, ortopedista do Hospital Santa Joana. O médico completa ainda que os jovens tendem a apresentar queixas relacionadas a práticas esportivas intensas, após sair do sedentarismo, e os adolescentes podem apresentar dores na coluna relacionadas à má postura pelo uso de computador, entretanto essas dores também podem estar relacionadas à escoliose. O controle da dor é importante para proporcionar bem-estar ao paciente, tanto que, a Joint Comission International (JCI), certificadora de qualidade no serviço de saúde, reconhece a necessidade do gerenciamento desse incômodo e define diretrizes para o seu manejo no ambiente hospitalar. Dessa forma, vários países, inclusive o Brasil, já consideram a dor como o quinto sinal vital na avaliação do paciente. Os outros quatro são as medidas da pressão arterial, pulso, respiração e temperatura. “Isso significa que a dor deve ser monitorada em intervalos regulares, com intensidade reavaliada periodicamente por um corpo clínico, desde a entrada do paciente ao hospital”, afirma a coordenadora da Anestesiologia do Hospital Santa Joana, Ana Holanda. JUL/AGO 2015 19


DOR

Controle da Dor na Unidade Hospitalar O gerenciamento da dor, independente da forma como é escolhido o tratamento, deve prestar assistência ao paciente, requerendo não só acolhimento, como também ações científicas para identificar e sanar os sintomas. O alívio desse sofrimento é responsabilidade do profissional da área de saúde. Partindo desse princípio e baseado nos padrões internacionais da JCI, grandes hospitais do Brasil adotam protocolos de gerenciamento da dor. No Hospital Santa Joana, por exemplo, esse protocolo conta com um atendimento multidisciplinar. A coordenadora técnica de Qualidade do Santa Joana, Taciana Diniz, explica que o protocolo foi desenhado envolvendo a educação continuada, a coordenação de enfermagem, o setor da qualidade e a equipe médica. “O paciente com dor pode vir a ficar irritado, com medo, ansioso e até mesmo desenvolver um quadro depressivo. Aqui no Santa Joana, a dor é monitorada na rotina das unidades de internamentos pela equipe de enfermagem do hospital, na mesma frequência que se monitoram a pressão arterial, frequência cardíaca, respiração e temperatura”, afirma Taciana.

A coordenadora explica que o gerenciamento da dor começa logo na admissão do paciente no hospital, ou seja, na triagem da Multiemergência e continua com o monitoramento diário. A reavaliação após medicação é de 30 a 60 minutos. “Caso a dor permaneça acionamos a equipe de plantão para que o médico possa intervir com outros medicamentos de maior amplitude anestésica”, ressalta Taciana Diniz. E completa: “A dor precisa ser verificada com relação a sua característica, localização e intensidade. Esse registro sistemático e periódico é fundamental para acompanhar a evolução dos pacientes. Não podemos admitir que um paciente internado no hospital não tenha sua dor controlada”.

O gerenciamento da dor começa logo na admissão do paciente no hospital, ou seja, na triagem da Multiemergência e continua com o monitoramento diário

SINAIS DE ALERTA

Certos tipos de dor podem ser sintomas de doenças graves e o médico deve ser consultado sempre que você sentir: • Dor de cabeça - se a dor for repentina, aguda e que se torna intensa em segundos. Pode ser um rompimento de artéria no cérebro ou aneurisma cerebral; dor na nuca com pressão e desconforto no pescoço e falta de ar, pode ser pressão alta; dor de cabeça acompanhada de febre, náusea, vômito em jato e rigidez no pescoço, pode ser Meningite; dor progressiva pode indicar tumores ou abscessos dentro do crânio. • Dor no peito - pode ser sintoma de infarto. Se a dor irradia para os braços, pescoço e costas o atendimento deve ser de emergência. Dor no peito ou abdômen sem irradiação pode ser Pneumonia.

O paciente com dor pode vir a ficar irritado, com medo, ansioso e até mesmo desenvolver um quadro depressivo Taciana Diniz - coordenadora técnica de Qualidade do Santa Joana

20 JUL/AGO 2015

• Dor abdominal – Se começa do lado direito e se irradia para as costas e ombros, pode ser a vesícula e exige atendimento de urgência; dor aguda em volta do umbigo movendo-se para a direita e para baixo pode ser Apendicite. • Dores no corpo - Procure o médico se a dor no corpo for acompanhada de febre, manchas no corpo ou lesões de pele no rosto. Dor generalizada acompanhada de dor de cabeça, problemas urinários e intestinais e transtornos do sono pode ser Fibromialgia ou Síndrome da Fadiga Crônica. JUL/AGO 2015 21


NEUROLOGIA

AVC: entendendo os riscos CONHECIDO COMO DERRAME, O ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL ENVOLVE MITOS E REQUER ATENÇÃO

A

importância de se diagnosticar uma patologia é fundamental para a eficácia do tratamento, e com o AVC não é diferente. O acidente vascular cerebral, popularmente conhecido como derrame, é um acontecimento inesperado no cérebro e a terceira maior causa de morte de adultos. Quando não tratado corretamente, pode deixar sequelas, como dificuldade de falar, de raciocinar e de se locomover. Existem duas classificações de AVC: o isquêmico e o hemorrágico. No isquêmico, o vaso fica sem oxigenação devido a uma obstrução. Já no hemorrágico, o vaso se rompe, ocorrendo um sangramento. As duas situações são graves e precisam de socorro rápido. De acordo com Fernanda Azevedo, neurologista do Hospital Santa Joana, é comum que pacientes com mais de 60 anos tenham mais chances de desenvolver um AVC, pois apresentam fatores de risco como diabetes e hipertensão. Contudo pessoas com menos de 40 anos devem ficar alertas. “A manutenção de hábitos saudáveis, tais como alimentação balanceada e prática constante de exercícios físicos, ajudam a prevenir, uma vez que são importantes aliados no controle dos fatores de risco”, diz. Um dos mitos relacionados ao derrame é que a doença pode ser desencadeada pelo estresse. “Uma alteração emocional brusca pode ser mais um dos fatores que causam o AVC, mas ela tem que ser somada 22 JUL/AGO 2015

gerente médica de Qualidade do Santa Joana. ela destaca ainda que o paciente que chega com perda de força nos membros ou dificuldade de fala de início recente é incluído no protocolo de AVC, direcionado imediatamente para atendimento médico. Se confirmada suspeita, o paciente realizará uma Ressonância Nuclear Magnética de Crânio. Este exame deverá ser realizado em até 60 minutos. Existe um interação entre a equipe da emergência e a equipe do Santa Joana Diagnóstico para priorizarem esta realização de imagem na expectativa que o neurologista tenha rapidamente em mãos o exame e possa continuar o cuidado clínico do paciente com AVC se este for confirmado pela imagem.

DIAGNÓSTICO PRECISO Possuir estrutura moderna para diagnosticar os pacientes com AVC auxilia e muito no tratamento de possíveis sequelas. Stepheson Santana, médico radiologista do Santa Joana Diagnóstico, explica que existem aparelhos que captam, de forma ágil, o tipo de derrame. “A tomografia computadorizada de 64 canais propicia exames precisos e com execução bastante rápida, fazendo com que não haja perda de tempo no diagnóstico, fator de extrema importância para tornar as sequelas menores possíveis”, afirma. Ressonância magnética de alto campo, por exemplo, com grande abertura do seu arco, oferece maior conforto aos pacientes. Há protocolos

MITOS E VERDADES SOBRE O AVC

• O AVC não apresenta sintomas?

aos outros. Às vezes a pessoa tem um AVC por uma raiva grande, mas já tinha diabetes e pressão alta, por exemplo”, explica a neurologista. A médica ainda alerta que a prevenção do AVC se dá ao reduzirmos fatores de risco. “O isquêmico está ligado a fatores como alto colesterol, diabetes e tabagismo. Já o hemorrágico é associado a alterações de pressão. Uma pessoa que tem um histórico familiar de

O acidente vascular cerebral, popularmente conhecido como derrame, é um acontecimento inesperado no cérebro e a terceira maior causa de morte de adultos

parentes de primeiro grau com AVC tem um risco maior de ter a doença, porém isso não significa que ela terá. Isso precisa ser somado aos outros fatores de risco para que o problema aconteça.” Identificado o AVC, quanto mais rápido o socorro, maior a chance de sobrevivência. No Hospital Santa Joana, o paciente com suspeita de AVC tem um cuidado diferente. “Ao chegar na emergência do Hospital Santa Joana, o paciente é acolhido pela enfermagem que faz 10 perguntas chaves como gatilho para identificar os paciente com sintomas que precisem de rápida intervenção”, afirma Erica Sousa,

específicos e otimizados para o diagnóstico dos pacientes com AVC, geralmente inquietos pelo quadro, para diminuir o tempo entre os exames e o tratamento. “Tanto a tomografia computadorizada (TC) quanto a ressonância magnética (RM) podem fazer o diagnóstico do derrame, sendo na prática a TC usada para a confirmação de hemorragias intracranianas (AVCH), porém a RM é a ferramenta que nos propicia identificação e visualização de uma forma mais rápida, poucos minutos ou horas apos o início dos sintomas”, diz Stepheson. Através desses exames, o cérebro é todo mapeado para definir as áreas afetadas pelo derrame e evitar que outras regiões cerebrais venham a sofrer também.

Mito – No caso do AVC isquêmico, os sintomas podem ser pequenos, como uma dormência ou perda da força, de maneira rápida e transitória. Já o hemorrágico pode ocasionar dor de cabeça forte e súbita associada a vômitos, náusea e dormência em um lado do corpo, podendo até ocorrer um desmaio. Dor no peito - pode ser sintoma de infarto. Se a dor irradia para os braços, pescoço e costas o atendimento deve ser de emergência. Dor no peito ou abdômen sem irradiação pode ser Pneumonia. • O tempo para socorrer um paciente não influencia no tratamento? Mito - O atendimento médico é fundamental para um tratamento eficaz e, se for feito em até 4h30, diminui as sequelas e aumenta as chances de recuperação, tanto no caso do AVC isquêmico, quanto no hemorrágicos. • Todos os casos de AVC precisam de procedimento cirúrgico? Mito - A minoria dos casos é cirúrgica. Operações são indicadas somente em algumas ocorrências de AVC isquêmico, quando a área cerebral afetada desenvolve diversos coágulos e não é possível desobstruir a artéria, ou

quando há uma extensa hemorragia e o sangue necessita ser drenado, ou ainda casos de aneurismas em que o cateterismo não seja indicado. • Choque térmico pode provocar um AVC? Mito - Muitas pessoas confundem paralisia facial – que pode ocorrer por causa de um choque térmico – com um AVC. • Pílula anticoncepcional aumenta os riscos? Verdade - Os anticoncepcionais são medicações hormonais, e qualquer tipo de hormônio pode aumentar as chances de se desenvolver uma trombose, causadora de um AVC isquêmico. • Medicações que controlam o colesterol diminuem o risco de AVC? Verdade - Esses remédios agem fazendo com que não haja obstrução dos vasos. • O consumo de café potencializa a chance de desenvolver um AVC? Mito - Não existe relação entre o consumo do café com incidências de acidente vascular cerebral. Tomar a bebida exageradamente pode levar a pessoa a um quadro de ansiedade e elevar os níveis pressóricos. JUL/AGO 2015 23


GENÉTICA

Prevenção que vem do DNA PESQUISA GENÉTICA PODE AUXILIAR NA DETECÇÃO DE FUTURAS DOENÇAS

Por vezes, simples mudanças no cotidiano podem reduzir o risco de desenvolver uma doença.

A

lém de determinar a cor dos seus olhos, o tipo de cabelo e o tom da sua pele, entre outras características, a sua constituição genética também pode evidenciar chances de adquirir doenças no futuro. Isso é o que se chama de prevenção ou aconselhamento genético, atividade que visa orientar as pessoas sobre como agir diante de quadros específicos de saúde. Atualmente, há mais de 15 mil doenças de origem genética. Entre elas estão o mal de Alzheimer, a síndrome de down e o câncer. Males que podem ter seus prejuízos amenizados ou evitados por uma medicina preventiva. Basicamente, 24 JUL/AGO 2015

a análise de genes é feita através do estudo do sequenciamento do DNA. A partir de então, os genes do paciente são estudados e alterações de padrão analisadas. Feito isso, podem ser encontrados os chamados genes de alta penetrância, ou seja, os mais propícios ao surgimento de doenças. “É preciso ter cuidado ao tratar da questão de uma forma geral. O uso da genética para o diagnóstico de chances de doenças no futuro é algo que deve ser específico. Histórico de doença genética na família, diagnóstico de câncer antes dos 50 anos e cognição alterada são exemplos de fatores que podem justificar o exame. Além disso, é

preciso esclarecer que nem toda doença genética é hereditária. As hereditárias só dependem dos genes, já as genéticas podem depender também de ambiente favorável para existir”, alerta Andrea Rezende, geneticista do Hospital Santa Joana. Em casos de realização de exames genéticos, o paciente deve, além de estar convicto de que deseja realizálos, ter em mente que o teste é uma ferramenta que aponta possibilidades e não certezas. Saber que tratamentos intensivos e possíveis retiradas de partes do corpo, como em casos de mastectomia (retirada da mama), não são a única forma de se livrar de uma doença genética também é importante.

É preciso esclarecer que nem toda doença genética é hereditária. As hereditárias só dependem dos genes, já as genéticas podem depender também de ambiente favorável para existir Dra. Andrea Rezende - geneticista do Hospital Santa Joana

Angelina Jolie x Câncer de mama

Um dos casos mais famosos em que o aconselhamento genético auxiliou na prevenção de uma futura doença é o da atriz americana Angelina Jolie. Em maio de 2013, Jolie declarou ter passado por um processo de mastectomia dupla. Na ocasião, a atriz disse ter decidido pela retirada dos seios após um exame apontar que ela possuía o gene BRCA 1. “Decidi não manter minha história em segredo porque há muitas mulheres que não sabem que poderiam estar vivendo sob a sombra do câncer. Tenho a esperança de que elas, também, sejam capazes de realizar exames genéticos e que, se tiverem um alto risco, saibam que há mais opções", disse Angelina em carta publicada no jornal The New York Times.

O caso de Jolie é um dos que o histórico de doença familiar justificava o exame genético. A mãe da atriz, Marcheline Bertrand, morreu aos 56 anos de idade em decorrência do câncer de mama. Para o oncologista do Hospital Santa Joana, Evyo Abreu e Lima, a atitude da atriz foi importante por, através da popularidade de Angelina, alertar mulheres de todo o mundo para a importância dos diagnósticos precoces. “Uma mulher portadora de BRCA1 ou BRCA2, como Angelina Jolie, possui cerca de 60% de chance de desenvolver uma doença como o câncer de mama. Então, o mais aconselhável para a prevenção é a retirada da mama. Em situações como o câncer de ovário, o ideal é que a mulher conclua seu ciclo de filhos e depois opte pela retirada dos ovários. A previsão do risco de desenvolver doenças, através de exames genéticos ou não, é um recurso interessante e que deve ser utilizado”, afirmou. JUL/AGO 2015 25


GESTÃO

Os Bastidores de um Grande Hospital COMO O SANTA JOANA DESENVOLVE UMA GESTÃO HOSPITALAR MODERNA Juliana Vieira, diretora executiva do Hospital Santa Joana, fala sobre relevantes aspectos na administração da unidade Você com Saúde: - Como a gestão do Hospital Santa Joana trabalha para manter o alto padrão de qualidade da instituição? Juliana Vieira: - Desenvolvemos uma equipe de alta competência com foco em resultados, sempre buscando oferecer os melhores cuidados médicos e assistenciais. Essa é a principal medida que adotamos para manutenção do padrão de qualidade do hospital. Buscamos conhecer profundamente o negócio, acompanhar áreas fundamentais da unidade e obter uma metodologia de gestão que garanta o melhor resultado. Nesse processo, os nossos colaboradores são peças-chave. Eles impulsionam o crescimento do Santa Joana e isso prova que o fator humano é um elemento essencial. Assim, desenvolvemos estratégias de retenção dos talentos e construímos um modelo de relacionamento sustentável com os pacientes, familiares, médicos, fornecedores e fontes pagadoras. Você com Saúde: - Quais os maiores desafios para administrar uma instituição do porte do Hospital Santa Joana? Juliana Vieira: - Um dos maiores desafios é garantir um atendimento de excelência em qualidade e segurança. Ou seja, não permitir que as crises existentes na cadeia 26 JUL/AGO 2015

Criamos uma área de Planejamento e Gestão para desenvolver e acompanhar todos os processos do hospital, para que as metas definidas e os indicadores sejam acompanhados de forma efetiva Juliana Vieira - diretora executiva do Hospital Santa Joana

de valor atrapalhem a nossa missão de oferecer, sempre, serviços de alta qualidade. Outro grande desafio é manter o atendimento à saúde com excelência em qualidade e segurança, monitorando e mantendo sob controle os custos envolvidos nesse processo. Buscamos implantar e manter padrões internacionais respeitando a nossa legislação e cultura local. Você com Saúde: - Como a senhora avalia a importância da acreditação internacional para o Hospital Santa Joana? Juliana Vieira: - A acreditação da JCI (maior e um dos mais importantes órgão de acreditação e

definição de padrões de atendimento médico do mundo, com base nos Estados Unidos) faz com que o Santa Joana deixe de ser uma referência local para ser uma referência nacional, junto a hospitais como o Sírio-Libanês e o Albert Einstein, ambos de São Paulo. Com isso, o nosso hospital passa a ser um diferencial do Nordeste junto a Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp), pois o Grupo Fernandes Vieira, que reúne o Santa Joana e o Memorial São José, é o único do Nordeste a ter seus hospitais acreditados pela JCI. Além disso, o retorno mais evidente dessa conquista é o aprimoramento

dos processos do modelo de gestão, que evidencia com maior clareza todo o desempenho da organização. Outro aspecto importante é a credibilidade e o reconhecimento que conquistamos. Somos respeitados e admirados por nossos colaboradores, pacientes, familiares e pela sociedade em geral. Você com Saúde: - Quais as diretrizes que a unidade de saúde adota para obter a sustentabilidade na gestão? Juliana Vieira: - Criamos uma área de Planejamento e Gestão para desenvolver e acompanhar todos os processos do hospital, para que as metas definidas e os indicadores sejam acompanhados de forma efetiva. Dessa forma, é possível garantir não só o cumprimento das metas financeiras, mas, principalmente, o plano estratégico com foco na qualidade do serviço prestado. A área acompanha o cumprimento das metas orçamentárias e qualitativas, como se cada setor fosse uma unidade de negócio. O trabalho, realizado em parceria com os gestores de todas as áreas do hospital, trouxe um novo panorama com foco no resultado. Os conceitos foram difundidos com os integrantes da equipe, envolvendo da base operacional à alta gestão. Para que o hospital funcione de forma integrada, vários indicadores e metas administrativas e assistenciais estratégicas foram definidos, assim como os de Melhores Práticas Médicas, seguindo o modelo da Associação Nacional dos Hospitais Privados (Anahp), que foram traçados com base em avaliações de benchmarking com as mais renomadas instituições do Brasil e do mundo. Você com Saúde: - Como o Hospital Santa Joana direciona os

investimentos para a tecnologia? Porque é importante investir nesse setor? Juliana Vieira: - Como área de apoio ao negócio e dentro de uma visão estratégica, a tecnologia é uma grande parceira na qualidade dos serviços prestados, já que através da padronização e automatização dos processos, minimizamos as possíveis falhas humanas. Como instituição de saúde, investimos no que há de mais moderno para garantir a qualidade dos cuidados com os pacientes. Os equipamentos hospitalares e toda sua estrutura tecnológica dão apoio e segurança às diversas áreas da instituição. A prescrição eletrônica, por exemplo, substitui a prescrição manual. Também estamos implantando o prontuário eletrônico. Além disso, divulgamos resultados de exames online, rastreamos medicamentos desde a dispensação até o leito do paciente, possuímos sistema de gerenciamento de indicadores, tecnologia RFID (Radio-Frequency IDentification) para controle de permanência dos pacientes na emergência, etc. No Santa Joana, a tecnologia dá aparato ao crescimento e sustentabilidade do negócio previstos no planejamento estratégico. Foi seguindo este viés, que, de forma pioneira no País, implantamos o sistema de gerenciamento ERP/SAP. O programa alinha estratégias e operações, trazendo maior produtividade e visibilidade sobre toda a organização. Você com Saúde: - E sobre a importância do constante aperfeiçoamento profissional? Como o Hospital Santa Joana trabalha neste sentido? Juliana Vieira: - Não existe sustentabilidade de uma organização

sem uma boa gestão de pessoas. O hospital tem buscado as melhores práticas referentes a diretrizes e políticas de RH. Entre os grandes investimentos de um hospital que segue padrões internacionais de qualidade, está na cultura do Santa Joana a permanente capacitação e valorização da sua equipe. O Hospital Santa Joana prioriza a modernização da gestão hospitalar, seja promovendo cursos de capacitação, contratando profissionais com experiência de mercado ou adotando consultorias que estimulam o pensamento estratégico na busca da qualidade e dos bons resultados. Além disso, é política do Santa Joana investir na formação de novos talentos e na educação continuada dos seus colaboradores. Este ano, de forma pioneira no Estado, a unidade implantou a residência em enfermagem. Para fortalecer estes conceitos, o Hospital Santa Joana adotou, em 2009, um modelo de gestão que segue a linha do Instituto Nacional de Desenvolvimento Gerencial (INDG), atual Consultoria Falconi. O modelo tem como base o planejamento estratégico, o trabalho de gestão em metas, indicadores e resultados. Temos foco no programa PAEX, Parceiros para Excelência, que reúne empresas em busca da implementação de um modelo de gestão com foco em melhoria de resultados e aumento de competitividade. Por meio da construção gradativa de conhecimento e do intercâmbio de experiências, os participantes discutem seus modelos de gestão, colocando em prática ferramentas gerenciais e estratégicas. Tudo isso com o acompanhamento da Fundação Dom Cabral. JUL/AGO 2015 27


GESTÃO CONHEÇA ALGUNS DOS PRINCIPAIS SETORES DO HOSPITAL SANTA JOANA: Diretoria Médica – Um diretor médico e um diretor técnico acompanham e coordenam as atividades de saúde relativas aos pacientes. Cada especialidade possui o gestor de área. Departamento de Enfermagem – Composto por enfermeiros e técnicos em enfermagem e responsável por toda assistência ao paciente.

Comparo o funcionamento do hospital a uma orquestra em que todos os instrumentos devem tocar a nota correta Therezinha Vieira - superintendente administrativa do Hospital Santa Joana

O Santa Joana é um dos complexos hospitalares mais renomados do País

Como uma Orquestra A AFINADA SINTONIA ENTRE OS SETORES QUE COMPÕEM UMA UNIDADE DE SAÚDE É ESSENCIAL PARA A QUALIDADE DA ASSISTÊNCIA

U

m passeio pela história mostra que, na antiguidade, não era comum haver um local próprio onde os doentes ficassem internados e recebessem tratamentos específicos por profissionais da saúde. Com os passar dos séculos, ações mais eficazes no campo da saúde foram surgindo e resultando em hospitais modernos. Para que esses grandes hospitais atuem como uma organização que busca melhorar processos de cuidado 28 JUL/AGO 2015

ao paciente, além de médicos competentes, é preciso a atuação dos vários setores que mantenham a estrutura funcionando. E cada um desses setores é de extrema importância. “Para administrar uma grande unidade hospitalar, cuidando dos pacientes, colaboradores e visitantes, tudo deve estar em perfeito funcionamento”, afirma Juliana Vieira, diretora executiva do Hospital Santa Joana, reconhecido como um dos principais complexos

hospitalares de Pernambuco em diversos serviços especializados e de alta complexidade. O Santa Joana é formado por uma equipe composta por 1.600 funcionários prontos para oferecer o melhor atendimento aos pacientes. Contando com cinco poços artesianos para abastecer o hospital, a estrutura do Santa Joana utiliza 250 TR (Toneladas de refrigeração) de ar-condicionado e produz 55 toneladas de lixo por mês, sendo

5 deles recicláveis. Além disso, o hospital tem o custo de 200 mil reais mensais em energia. “O Santa Joana dispõe também de 4 geradores com capacidade de gerar energia para abastecer uma cidade como Fernando de Noronha”, completa a superintendente administrativa do hospital, Therezinha Vieira. Utilizando o Sistema Dínamus, responsável por auxiliar na gestão do hospital, controlando desde a parte elétrica até a encanação, o bom desempenho alcançando pelo Santa Joana é acompanhando de perto pela Dra. Therezinha, “Comparo o funcionamento do hospital a uma orquestra em que todos os instrumentos devem tocar a nota correta. Se um desafinar, compromete toda a melodia. Para que tudo esteja em perfeita sintonia, é preciso que haja um sentimento de que trabalhamos por uma causa única, que é o melhor atendimento para o paciente sentir que realmente está em boas mãos”, destaca a superintendente.

SCIH - Serviço de Controle de Infecção Hospitalar. Faz parte da enfermagem, vigia todos os prontuários e pacientes e capacita os colaboradores no que se refere à vigilância e cuidados com o paciente. Gerência de Riscos – Uma médica assume a função de gerente geral e cuida da segurança do paciente, assim como o CCIH. Nutrição – Cuida da alimentação de pacientes, acompanhantes, colaboradores e visitantes.

Equipe do Serviço de Arquivo médico e estatístico

Arquitetura e Obras – Cordena melhorias referentes à ampliação e renovação das áreas do hospital.A mais recente foi a construção de uma nova torre com três elevadores no prédio central. Engenharia Clínica – Faz a manutenção preventiva e corretiva de todos os equipamentos médicos hospitalares. Suprimentos – Realiza todas as compras de materiais hospitalares e não hospitalares Recursos Humanos – Recrutamento, seleção, treinamento e desenvolvimento dos colaboradores.

Equipe de Nutrição

Departamento Pessoal – Acompanha a contratação e regularização de todos os colaboradores. Assessoria Jurídica – Cuida do suporte a questões jurídicas envolvendo o hospital. Serviço de Arquivo Médico e Estatístico - Responsável pelo arquivamento e controle de todos os prontuários médicos. O hospital deve manter arquivados os prontuários durante 20 anos. Higienização – Cuida de toda a higiene e limpeza do hospital. Rouparia – Organiza roupa de cama e enxoval de pacientes e acompanhantes. Faturamento – Cuida de toda a parte de controle financeiro da instituição. TI – Setor de Tecnologia da Informação. Aprimora e desenvolve os processos de Tecnologia da Informação.

RH -Gerente Ana Cláudia Maciel

NASA – Núcleo de Assistência à Saúde Ambiental – coleta seletiva de lixo e demais atividades atreladas à diminuição de impactos ao meio ambiente. SESMT – Serviço Especializado de Saúde e Medicina do Trabalho – equipe composta por médicos, enfermeiros técnicos de enfermagem e de segurança do trabalho. Cuida da prevenção e cuidados com a saúde do colaborador. Planejamento e Gestão da Qualidade - Faz todo o processo de auditoria e acompanhamento das metas e resultados das unidades de negócios no âmbito administrativo e assistencial. JUL/AGO 2015 29


Suprimentos: um setor estratégico NORMAS E POLÍTICAS INTERNAS FAZEM DA ÁREA DE SUPRIMENTO DO SANTA JOANA, UMA DAS MAIS IMPORTANTES PARA A OPERAÇÃO DO HOSPITAL

Marcelo Vieira e a equipe de Suprimentos

No funcionamento de uma unidade hospitalar, o setor de Suprimentos tem função essencial. Composto por diferentes áreas, é uma estrutura complexa que desenvolve um trabalho de logística e inteligência. Nele, o planejamento, a compra, a recepção, a estocagem e o fornecimento de materiais médicos e não médicos de uso hospitalar são atividades inerentes à operação. O Grupo Fernandes Vieira (GFV) conta com um núcleo corporativo de suprimentos que atende aos seus hospitais. “A área de suprimentos no 30 JUL/AGO 2015

Santa Joana tem a responsabilidade de proporcionar a todos os setores uma entrega eficiente e dinâmica de produtos e serviços que assegurem a qualidade e segurança assistencial, alinhada a uma política negocial que proporcione maior competitividade e sustentabilidade ao negócio”, afirma Marcelo Vieira, diretor Administrativo do Hospital Santa Joana. Ele destaca ainda que a política de boas práticas da Associação Nacional de Hospitais Privados (Anahp), seguidas rigorosamente pelo Santa Joana,

foram reforçadas com a Acreditação Hospitalar pela JCI, preconizando na área de suprimentos qualidade, segurança e controle de todos os processos e produtos adquiridos pela instituição e fornecidos aos seus clientes. A área responsável por realizar o planejamento e orçamento do setor é a unidade de Suporte Logístico, que, através de indicadores de performance, realiza o acompanhamento da eficiência das compras e controle de estoque. Visando otimizar seus

processos internos, o GFV investiu, ao longo dos anos, em tecnologia, principalmente em ferramentas gerenciais que proporcionassem maior segurança e eficiência nas suas operações. Dentre elas, destaca-se o projeto de aquisição e introdução do ERP gerencial SAP, projeto que transformou a sua implementação em um case de sucesso e pioneirismo do grupo no segmento nacional, tornando-se referência para os mais importantes players nacionais que, posteriormente, o introduziram em suas operações. Outro setor que compõe a área de suprimentos do Santa Joana, e de fundamental importância, é a Farmácia. Essa área é responsável pela recepção, armazenamento e fornecimento de medicamentos e materiais a todas as unidades internas clientes da mesma. Nela, através de comitês técnicos específicos com a participação da Diretoria Médica e Clínica, também avaliam-se os materiais e medicamentos adquiridos, novas drogas e eventuais produtos substitutos. “O hospital dispõe de um sistema de controle de códigos de barras para todos os produtos, conferindo uma maior segurança na chegada do medicamento ao paciente. Esse mecanismo garante rastreabilidade facilitando a interação com todas as áreas envolvidas, além de proporcionar maior segurança ao paciente”, afirma Maria Arcuri, gerente de Farmácia do Santa Joana. A demanda por suprimentos não médicos também têm grande impacto no funcionamento da unidade. “Respondemos por insumo de consumo, expediente, higienização, manutenção, e afins”, informa a coordenadora de Suprimentos não Médicos do GFV, Ieda Rosa. Já a área das compras médicas compreende

Diretoria do Santa Joana avalia e monitora junto aos gestores de Suprimentos o desempenho e os processos do setor

toda a demanda de medicamentos e descartáveis, feita via sistema – SAP, e demandas de materiais especiais (OPME), realizadas de acordo com a especificidade de cada procedimento. ”Por termos a cultura de trabalharmos com marcas de fabricantes multinacionais e estas estarem subordinadas a um rigoroso compliance, nossos princípios e valores são assegurados”, afirma o gerente de Suprimentos e Compras Médicas do hospital, Francisco Benício. Seguindo a metodologia gerencial implantada no GFV através da consultoria INDG/Falconi, a área de suprimentos formalizou todos seus processos e procedimentos. Atualmente, o monitoramento dos resultados são realizados periodicamente com envolvimento de todas as lideranças com o intuito de avaliar e reavaliar os indicadores de desempenho estabelecidos anteriormente. Os objetivos e metas traçados proporcionaram uma maior clareza do que foi alinhado pela alta direção e os agentes líderes de cada setor visando a melhoria contínua de todos os processos. A

equipe de Planejamento e Gestão do hospital realiza permanentemente o acompanhamento da performance dos responsáveis de cada área, auxiliando e orientando para que as metas e resultados estabelecidos sejam alcançadas. O resultado consolidado de todo trabalho dos diversos setores envolvidos são apresentados e avaliados através da reunião mensal de monitoramento de Suprimentos. “Dessa forma, todos têm a oportunidade de apresentar, justificar e debater com a alta direção eventuais ajustes e melhorias, tendo a possibilidade de ter uma visão holística da área. Neste fórum, todas as observações, sugestões e ajustes são registrados e também monitorados quanto a sua evolução”, ressalta Marcelo Vieira. O diretor Administrativo do Santa Joana reforça ainda que a área de suprimentos é dinâmica e, obrigatoriamente, inserida nas relações estabelecidas com parceiros comerciais, tendo como premissa o equilíbrio da relação de qualidade/ sustentabilidade do negócio em prol da melhor assistência e atenção à vida dos clientes. JUL/AGO 2015 31


32 JUL/AGO 2015

JUL/AGO 2015 33


RELATOS

O Santa Joana faz parte da minha história DE DIVERSAS MANEIRAS, O HOSPITAL SANTA JOANA ESTÁ OU ESTEVE PRESENTE NA TRAJETÓRIA DE MUITAS PESSOAS.

O Hospital Santa Joana teve grandes marcos na minha história de vida. Desde o nascimento, estive ligado a esse hospital. Também tive familiares em situação de risco eminente de morte, que graças à atuação imediata, segura e de qualidade dos profissionais, tiveram suas vidas salvas. O caminho da minha vida seguiu rumo a Portugal, estudei em Lisboa, onde a paixão pelo cuidar fez com que optasse pela enfermagem. Com os laços familiares fortes aqui no Recife, decidi regressar. E o Hospital Santa Joana mais uma vez me acolheu de braços abertos. Hoje faço o que me fizeram desde que nasci, cuidar do ser humano e da sua família, com foco na qualidade e segurança destes cuidados, preservando a vida André Pereira - enfermeiro do Santa Joana

SÃO HISTÓRIAS DE VIDA DE COLABORADORES, PACIENTES E FAMILIARES, INFLUENCIADAS DE MANEIRA POSITIVA PELOS SERVIÇOS PRESTADOS DURANTE AS MAIS DE TRÊS DÉCADAS DE EXISTÊNCIA DO HOSPITAL.

Foi uma experiência muito marcante o que aconteceu com o meu filho. Nós passamos 29 dias no Santa Joana com ele, eu e minha esposa praticamente moramos no hospital. Luiz Marcelo ficou em coma por 10 dias devido a um AVC e teve toda a assistência do hospital. O mais importante no Santa Joana é o lado humano. Víamos toda a equipe médica torcendo por ele. Meu filho nasceu de novo lá e está totalmente recuperado do AVC. Quero agradecer a todos que cuidaram dele, em especial a médica Débora Brito e à equipe da neurologia, que formaram uma ligação afetiva muito grande conosco Marcelo Freire, empresário e produtor rural

Sou de Belém e cheguei ao Recife em 2003. No começo, sentia falta de olhar para os lugares e ter histórias, isso é difícil... mas agora que se passaram alguns anos, minha história está aqui e um dos capítulos principais foi no Hospital Santa Joana. Foi no dia 30 de junho de 2005, cheguei ao fim da tarde no hospital e vi o rosto de Maria, minha filha, algumas horas depois. O parto foi tranquilo e passamos a primeira noite lá. Como fomos bem tratadas, me senti em casa. Claro que voltamos muitas vezes àquela emergência...

Vim ao mundo em uma manhã de 29 de abril, de parto normal. Minha mãe iria dar a luz em outro hospital, mas, justamente neste dia, a ala da maternidade do mesmo estava fechada para higienização. A médica então não teve dúvida: encaminhou “mainha” para o Santa Joana. Ela foi muito bem atendida e recorda a atenção que teve durante o trabalho de parto, com uma parteira auxiliando-a o tempo todo. Hoje, cá estou eu ajudando na composição desta revista, retribuindo de alguma forma o cuidado que recebi ao nascer Priscila Miranda - assessora de imprensa

Cheguei ao Santa Joana Diagnóstico para trabalhar por três meses tirando uma licença. Eu acabei sendo contratada e já estou há 18 anos. Amo trabalhar lá, me sinto mais em casa do que na minha própria casa, inclusive escrevi uma carta de agradecimento à Fernanda Vieira, diretora do Santa Joana Diagnóstico, destacando minha satisfação em trabalhar na unidade todos esses anos. Foi trabalhando no Santa Joana Diagnóstico que eu consegui pagar minha casa própria Ezenilda Lourenço - trabalha há 18 anos no setor de higienização do Santa Joana Diagnóstico

Nós escolhemos o Santa Joana por tomar conhecimento do nascimento de uma outra criança no hospital, de acordo com essa nova configuração da estrutura familiar, além de conhecer a unidade como referência. Durante todo o momento, a equipe técnica, o acolhimento e a discrição foram perfeitos. Só tenho elogios a rasgar pelo Hospital Santa Joana Mailton Alves Albuquerque e Wilson Alves Albuquerque, pais de Theo

Sabrina Rocha - jornalista da Rede Globo Nordeste 34 JUL/AGO 2015

JUL/AGO 2015 35


NUTRIÇÃO

DIETA DO PALEOLÍTICO

O que é: método baseado no cardápio dos nossos ancestrais, a Dieta do Paleolítico permite o consumo de carnes de qualquer tipo, legumes, verduras, tubérculos (inhame e batata doce, de preferência) e, moderadamente, frutas e nozes. Vegetais que crescem dentro de vagens (feijão, soja e ervilha, por exemplo), assim como carboidratos e açúcar, estão vetados. Promete redução de até 25 quilos em seis meses.

Os prós e contras das dietas da moda RECEITAS QUE PROMETEM PERDA DE PESO EM POUCO TEMPO PODEM ESCONDER RISCOS À SAÚDE

N

a ânsia de emagrecer e conquistar um corpo bem modelado, diversas pessoas costumam aderir às dietas da moda que prometem resultados em pouco tempo. Receitas “infalíveis” costumam surgir todos os dias, principalmente através da internet. Entre os procedimentos que mais têm feito sucesso estão a Dieta do Paleolítico (Neandertal ou Homem 36 JUL/AGO 2015

das Cavernas), a da Proteína e a do Shake. No entanto, apesar do aparente sucesso obtido por alguns adeptos, é preciso estar atento aos possíveis riscos escondidos em cada uma delas. Para Elisa Jatobá, nutricionista do Hospital Santa Joana, não há como garantir grandes resultados em pouco tempo sem comprometer a saúde. “Antes de iniciar qualquer dieta, é importantíssimo que a pessoa

busque orientação médica. Consultar um nutricionista é algo fundamental. Por mais necessidade de perder peso que alguém possa ter, não há como confiar em dietas mágicas e abandonar as prescrições médicas. Essa ação pode representar sérios riscos”, afirma. Com base nas informações cedidas por Elisa, a Você com Saúde preparou um pequeno guia com os prós e contras das três principais dietas da moda:

Prós: exclusão de açúcares refinados e alimentos industrializados, o que colabora com a prevenção de doenças como diabetes e obesidade. Contras: exclusão de leite e derivados, prejudicando o fornecimento de cálcio ao organismo, comprometendo a saúde óssea e o aporte de micronutrientes; falta de alguns legumes e grãos, colaborando com o aumento do colesterol ruim (LDL); e livre consumo de gordura associada a carnes, peixes e ovos, o que pode gerar doenças cardiovasculares. Opinião da nutricionista: “A exclusão de carboidratos, principal fonte de energia do corpo, pode ocasionar tonturas, fraquezas e desmaios. O que é perigoso. Além disso, o consumo insuficiente de carboidratos afeta a produção de serotonina, neurotransmissor capaz de influenciar o humor. Quando os níveis de serotonina caem, a capacidade de raciocínio é diminuída.”

DIETA DA PROTEÍNA

O que é: procedimento que libera o consumo de proteínas de alto valor biológico (ovos, suplementos alimentares, leite e derivados) e limita a ingestão de carboidratos e gorduras. Tem três fases de aproximadamente 15 dias. A primeira prega o consumo de 1000 calorias diárias e exercício moderado, a segunda tem consumo entre 1100 e 1500 calorias e a terceira estipula a ingestão de 1500 calorias. Essa dieta enxugaria 7 quilos em até 14 dias. Prós: as proteínas reparam os músculos, são de grande importância para o funcionamento do corpo e prolongam a saciedade por serem de longa absorção. Contras: o excesso de proteína por um longo período pode sobrecarregar os rins e contribuir para o surgimento de doenças cardiovasculares; a Dieta da Proteína é baseada na ação de um termogênico, substância que acelera o metabolismo e reduz o apetite. Porém, o consumo de alimentos com ação estimulante pode desencadear sintomas como dor de cabeça, tontura, insônia e problemas gastrointestinais. Opinião da nutricionista: “Dietas muito rigorosas devem ser feitas com cuidado, pois o efeito a longo prazo não é satisfatório, levando ao efeito platô ou sanfona, que é quando a pessoa recupera os quilos perdidos. Uma alimentação equilibrada associada a uma atividade física é a combinação perfeita para a redução de peso. O importante é fazer tudo isso com orientação profissional.”

DIETA DO SHAKE

O que é: substitui uma refeição pequena (café da manhã ou lanche) e uma grande (almoço ou jantar) pelo shake. Nas refeições principais, é permitido que o adepto da dieta combine o shake com frutas, saladas e sopas leves. Segundo registros disponíveis na internet, o regime leva à perda de 4 quilos em até 15 dias. Contras: trocar alimentações por shakes pode comprometer a ingestão de nutrientes essenciais para o organismo humano. Isso pode acarretar deficiências nutricionais, como fraqueza, anemia e quedas de cabelo. Opinião da nutricionista: “Caso não seja combinada com refeições balanceadas, não promoverá a reeducação alimentar, o que pode contribuir com a recuperação do peso perdido assim que o consumo do produto for interrompido.”

JUL/AGO 2015 37


ESTÉTICA

A busca pelo procedimento estético é realizada por mulheres em 80% dos casos, sendo a lipoaspiração e o implante de mama os mais procurados

A busca pelo corpo perfeito QUANDO A CIRURGIA PLÁSTICA NORTEIA OS PROCEDIMENTOS DE BELEZA

O

Brasil vem crescendo significativamente no setor de cirurgia estética. De acordo com dados da Sociedade Internacional de Cirurgia Plástica Estética (ISAPS - International Society of Aesthetic Plastic), em 2013, foram realizadas 1,49 milhões de cirurgias no país, ultrapassando pela primeira vez os Estados Unidos. A busca pelo procedimento estético é realizada por mulheres em 80% dos casos, sendo a lipoaspiração 38 JUL/AGO 2015

e o implante de mama os mais procurados. Uma cirurgia que deixe uma aparência mais natural, suavizando o procedimento, e que proporcione o retorno às atividades diárias em poucos dias está entre os interesses de quem procura realizar uma plástica, é o que afirma o médico cirurgião plástico do Hospital Santa Joana, Maurício Gama. Vivian Leite é uma dessas mulheres que buscaram, através da cirurgia plástica, uma melhora

estética. Foi em 11 de agosto do ano passado que ela fez lipoescultura, colocou silicone e retirou a gordura entre as coxas. “Após as cirurgias, e com o resultado satisfatório, a minha autoestima melhorou 100%”, declarou Vivian, que pretende fazer rinoplastia em breve. Ocupando a segunda posição nos procedimentos mais comuns no Brasil, com 226 mil cirurgias segundo o relatório do ISAP, o implante de silicone nas mamas pode durar entre

uma e duas horas e a paciente precisa levar anestesia local com sedação. Durante o processo não é necessário dormir no hospital e o pós-operatório permite que o retorno às atividades aconteça em torno de cinco dias. Para dirigir e fazer exercícios físicos, o período é diferente, o primeiro pode ser realizado após 10 dias, já o segundo entre 30 e 60 dias, dependendo da cirurgia. O cirurgião plástico Maurício Gama esclarece também que o implante de silicone pode ser colocado através de incisões periareolar, submamária ou axilar. E a prótese pode ficar localizada na frente do músculo peitoral ou atrás dele. Podendo apresentar diferente perfis como o baixo, anatômico ou natural, alto, superalto e cônico, o perfil alto é o implante mais procurado pelas pacientes por proporcionar um colo bem marcado, principalmente para quem pretende usar decotes. Certos grupos de mulheres têm destaque significativo em relação aos procedimentos estéticos. Jovens entre 19 e 25 anos, por exemplo,

Além do implante de silicone, cirurgias como a vibrolipoaspiração – procedimento similar à lipo, mas que utiliza tubos chamados de cânulas e que realizam movimentos vibratórios

Um procedimento que deixa a aparência natural e proporcione retorno rápido às atividades está entre os interesses de quem quer fazer cirurgia plástica Maurício Gama - cirurgião plástico

normalmente procuram por cirurgias

Além do implante de silicone,

de próteses de mama, impulsionadas

cirurgias como a vibrolipoaspiração

pela forma e volume, mulheres a

– procedimento similar à lipo, mas

partir dos 35 procuram por um

que utiliza tubos chamados de

formato mais natural, já mulheres

cânulas e que realizam movimentos

acima dos 60, ao fazer a cirurgia,

vibratórios -, lipoescultura das

pretendem ficar com um formato

nádegas, utilizando a própria

mais jovial. As pequenas cirurgias

gordura do corpo, cirurgias de face,

no pescoço, para eliminação da

a exemplo da rinoplastia, minilifting

papada, retardando a procura

e preenchimento de lábios, além de

pelas cirurgias de face, são mais

implante de cabelo fio a fio também

procuradas por mulheres acima de

vêm ganhando destaque no campo

40 anos, informa o médico cirurgião.

estético. JUL/AGO 2015 39


GASTRONOMIA

Saúde que se põe à mesa FAZER BOAS ESCOLHAS E SUBSTITUIR INGREDIENTES É ESSENCIAL PARA OBTER UM CARDÁPIO SABOROSO E SAUDÁVEL

S

abores, aromas, apresentação visual. Mais do que fonte de nutrientes, a comida proporciona prazeres de que muita gente não abre mão. O problema é que muitas vezes o sabor agradável provém de alimentos industrializados, molhos, frituras, massas ou doces que são verdadeiros vilões de quem busca saúde e boa forma através da alimentação saudável. O desafio é utilizar as melhores técnicas de cozinha aliadas a produtos de qualidade sem perder de vista a saúde. Chefes e nutricionistas 40 JUL/AGO 2015

mostram que é possível encontrar prazer e sabor numa gastronomia benéfica ao organismo. Uma estratégia para aproximar culinária e saúde é a substituição. “Substituir ingredientes pode ser uma boa saída para quem não quer abrir mão do sabor e nem da alimentação saudável. Trocar uma maionese convencional por uma de tofu, por exemplo, traz benefícios

Uma estratégia para aproximar culinária e saúde é a substituição

à saúde, já que, a segunda opção é fonte de proteína sem gordura. Além disso, ela é menos calórica”, afirma a nutricionista do Hospital Santa Joana, Ana Sophia Siqueira. A chef e consultora de gastronomia, Daniella Britto, concorda com a nutricionista e garante que a opção por ingredientes mais nutritivos não significa que a comida vai ser menos saborosa. “O sabor pode ser realçado nas receitas utilizando ervas e refogados sem saturação. Ou seja, podemos utilizar óleo de coco, manteiga clarificada,

cebola roxa e temperos secos como o cury e açafrão”, afirma. A consultora também ressalta que ingredientes funcionais como a quinoa e arroz integral também podem ser utilizados no preparo dos pratos. Outra dica é substituir produtos industrializados, enlatados, caldos artificiais e extratos de tomate por alimentos orgânicos, carnes brancas, sopas com base natural de caldo de legumes. Quanto às tão adoradas e calóricas sobremesas, a orientação é prepará-las com frutas e usar açúcares com baixo teor glicêmico como o mel de agave e o açúcar de coco. Além de substituição de ingredientes no preparo das receitas, nutricionistas também indicam fazer trocas de alguns itens que compõem as refeições. No café da manhã, por exemplo, ao invés de pão, podem ser consumidos tapioca, inhame ou batata doce. FORA DE CASA O mercado voltado à alimentação saudável está em expansão. Atualmente, seja por estética ou por questões de saúde, as pessoas estão buscando melhorar seus hábitos alimentares, mas nem sempre têm tempo ou habilidades para preparar a comida. Pensando nessa tendência, os restaurantes estão adaptando seus cardápios para atender à clientela que busca sabor e saúde. O restaurante Casarão, instalado no Hospital Santa Joana, é um exemplo. Voltado não só para

Os restaurantes estão adaptando seus cardápios para atender à clientela que busca sabor e saúde

os frequentadores do hospital, o Casarão oferece ao público em geral um buffet com pratos sofisticados, saborosos e saudáveis e um variado cardápio que vai desde saladas, quiche de maçã e banana até feijoada e escondidinho. Pensando nos clientes que aderem à gastronomia saudável e visando a melhoria dos hábitos alimentares sem abrir mão do sabor e da variedade, o restaurante incluiu no cardápio a linha Salute. “Fizemos uma parceria

com a chef consultora Daniella Britto e incluímos mais preparações leves no cardápio como quiches com massas integrais, quinoa, wraps e a opção de um grelhado à parte”, explica a nutricionista Ana Sophia Siqueira, que também é chef e é uma das responsáveis pelo Casarão. Entre as opções de proteínas estão frango grelhado ao perfume de limão siciliano, filé com molho de vinho, salmão ao molho de laranja fit e tilápia em crosta de gergelim.

Bela Gil, chef e apresentadora do programa Bela Cozinha, da GNT

“Quanto mais natural melhor” Bela Gil, chef e apresentadora de um programa de culinária saudável no canal GNT, fala com exclusividade à Revista Você com Saúde e destaca a comida como ferramenta do bem-estar. Você com Saúde: - Quando se fala em cozinha saudável, ainda há o estereótipo de comida sem sabor. Qual o maior desafio em conciliar o que se entende por “gostoso” àquilo que faz bem à saúde?

Bela Gil: - O desafio maior está em combater esse preconceito com a alimentação saudável. Ela pode e deve ser tanto gostosa quanto saudável. Mas, o problema está no paladar das pessoas. Muita gente JUL/AGO 2015 41


GASTRONOMIA acreditar que quanto mais natural melhor e que comida de verdade não faz mal. Com esse princípio, já sabemos que manteiga é melhor que margarina, pão feito em casa é melhor que pão francês da padaria, suco de laranja feito na hora é melhor que o de caixinha e por aí vai. Não temos como errar dessa maneira. Mas, o brasileiro peca no café da manhã porque não tem o hábito de incluir nessa refeição nenhum tipo de legumes ou folha verde, essenciais para limpar o

organismo pela manhã. Trocar o pão por um pedaço de inhame ou abóbora, junto com um ovo mexido e um copo de suco de laranja batido com couve está ótimo. Você com Saúde: - No Brasil mais de 65 milhões de pessoas, 40% da população, está com excesso de peso, enquanto 10 milhões são consideradas obesas. Onde você acredita que está a raiz desse problema e qual a melhor forma de combatê-lo? Bela Gil: - Infelizmente, a raiz está

na educação. Ensinar as pessoas a comer é muito importante e teria que ser ensinado desde a infância. Mas, hoje as crianças não têm muitas saídas para comer bem. Elas são alvo de propagandas covardes de produtos alimentícios e muitas vezes não têm o bom exemplo de alimentação na própria casa. Então, acredito que mudar a educação e o olhar sobre a alimentação é o mais importante. Ensinar a adultos e crianças que comida é uma ferramenta de saúde!

RECEITA DE BELA GIL Bela Gil ensina a fazer bolinho de bacalhau com massa de inhame. Confira a receita:

• Ingredientes para a massa: 350g de inhame

às vezes acha a comida natural menos saborosa porque seu paladar está poluído com químicas da indústria de alimentos que inibem a pessoa de achar uma fruta doce ou um arroz integral saboroso. O excesso de sal, gordura, açúcar e aditivos químicos, como glutamato monossódico, desregulam o paladar e, obviamente, a comida de verdade não terá o mesmo gosto que uma comida quimicamente temperada. Mas, hoje, as pessoas estão mais abertas a experimentar comidas mais saudáveis, até porque muitas têm como objetivo ter uma maior qualidade de vida, bem-estar e saúde. E tudo isso podemos atingir com uma boa alimentação. 42 JUL/AGO 2015

Você com Saúde: - Nunca se comeu com tanta culpa. Entretanto, aparentemente, esse remorso está associado à boa forma e não à saúde. Ser magro é sinônimo de ser saudável? Bela Gil: - Magreza não é sinônimo de saúde. Uma pessoa pode ser magra, porém ter o colesterol alto, triglicerídeos, diabetes, hipoglicemia, etc. Deveríamos mudar esse padrão e começar a julgar a saúde das pessoas pelo que elas comem, pensam e fazem. Você com Saúde: - Atualmente, a batata-doce foi alçada a vedete do menu fitness. Que outro ingrediente, e por que, você acredita que em breve cairá no gosto desse público (ou pelo menos deveria)?

Bela Gil: - Todos os carboidratos complexos como arroz integral e outros cereais integrais e também outras raízes como batata baroa, cará, inhame são excelentes fontes de carboidratos. A batata-doce foi tão bem aceita porque dá energia junto com sabor e saúde. Você com Saúde: - O café da manhã comum do brasileiro (leia-se, pão, ovos, suco de laranja, leite e café) é, constantemente, alvo de tendências maniqueístas. A todo tempo são divulgadas pesquisas negativas e positivas em relação ao consumo desses alimentos. No que acreditar? O que seria um café da manhã saudável, e se possível, saboroso? Bela Gil: - O ideal é sempre

• Ingredientes para o recheio: 250 g de bacalhau seco (deixado de molho pro 48hs) 70 g de cebola 60g de cenoura ralada 4 ramos de salsinha Sal Azeite Pimenta do reino Orégano

Deixe o bacalhau de molho e cozinhe até ficar macio. Desfie. Acrescente a cebola refogada com a cenoura, pimenta e orégano. Junte a massa de inhame ao bacalhau já temperado e faça os bolinhos. Frite no óleo quente ou leve ao forno aquecido a 200ºC por 30 min. • Rendimento: 15 unidades

• Modo de preparo da massa: Descascar o inhame, cortá-lo em pedaços pequenos e colocar numa bacia com água e sal para não escurecer. Cozinhar em panela aberta com água cobrindo até ficar no ponto de colocar o palito e estiver cozido, mas sem desmanchar muito. Escorrer a água e voltar ao fogo baixo só para secar bem. Deixe esfriar um pouco e, ainda quente, amasse no amassador de batatas ou no garfo. Reserve. • Modo de preparo do recheio: Refogue a cebola até ficar bem transparente.

JUL/AGO 2015 43


TURISMO

Aventura e diversão em um barco a vela ROTEIROS DE VELEIRO CONQUISTAM CADA VEZ MAIS VIAJANTES. CONTATO INTENSO COM A NATUREZA TORNAM PASSEIO INESQUECÍVEL

O

Sol e o mar como companheiros. O vento é aliado indispensável e é nele que se depositam todas as esperanças de sucesso da viagem. Em um roteiro de veleiro é a natureza que dita as regras e encanta aventureiros durante toda a jornada. Esse tipo de viagem costuma deixar os turistas apaixonados e com gostinho de quero mais. Viciado nessa adrenalina náutica, o empresário João Carlos da Costa, já é um experiente viajante nesse tipo de roteiro. “Já participo há dez anos da Regata Internacional Recife - Fernando de Noronha (Refeno). Alugo um barco junto com alguns amigos e seguimos viagem”, afirma. Na competição, que teve sua última edição realizada no dia 27 de setembro, os barcos levam entre 40 e 50 horas para completar o trajeto. Fernando de Noronha é um arquipélago que pertence ao estado de Pernambuco, distante 543km da capital, Recife. Formado por 21 ilhas, ocupa uma área de 17 km². A maior parte do território é considerada área de preservação ambiental. O contato com o mar é o ponto alto da experiência. “É um passeio mágico. Na maior parte do tempo é apenas você e o mar. Não dá para 44 JUL/AGO 2015

João Carlos da Costa aluga barco com amigos para fazer os roteiros

visualizar os outros participantes da prova. A visão do céu refletido no mar é maravilhosa. Dá para apreciar a natureza na sua forma mais plena”, descreve o empresário. O contato com a fauna marinha também é fator que causa deslumbre nesse roteiro. “Você olha para o lado e vê um grupo de golfinhos saltando próximo ao barco. Cardumes intermináveis de peixes oceânicos nadam formando uma nuvem na água, já foi possível avistar até enormes baleias a poucos metros de distância”, relembra João Carlos da Costa. O barco utilizado pelo empresário é um dos maiores da competição, capaz de proporcionar ao viajante todo o encantamento do roteiro

com muito conforto. “É um meio de transporte muito seguro. Nunca aconteceu nenhum acidente comigo e o veleiro tem toda a estrutura necessária para a sobrevivência da tripulação”, destaca. Iniciante nos roteiros de veleiro, a advogada Patrícia Maranhão, teve sua primeira experiência e já planeja novos roteiros. “Meu marido já participou de várias regatas, mas foi minha estreia no roteiro junto com nossas filhas gêmeas de 12 anos. No início tive um pouco de receio, mas curti bastante”, explica. Durante as 37 horas de viagem, o momento mais tenso foi quando anoiteceu. “O impacto da escuridão no meio do nada foi um pouco assustador, mas

logo o medo passou”. Apesar do medo inicial, o clima de aventura acabou deixando Patrícia Maranhão apaixonada pelos veleiros. “A sensação de acordar, sair do barco e ver golfinhos ao lado é indescritível. Ficamos alguns dias em Fernando de Noronha e vivenciamos o mar por completo, uma vez que ficamos hospedados sobre suas águas”, compartilha. Por estar viajando com duas crianças, a advogada tomou cuidados extras antes de embarcar na aventura. “Consultamos um médico que receitou remédios para enjoo que poderiam acontecer devido ao balanço do barco. Camisas de proteção solar e loções bloqueadores foram usadas com exaustão por todos para que a pele não sofresse as consequências do sol”, avisa.

SAÚDE EM ALTO MAR Para a dermatologista do Hospital Santa Joana, Perla Gomes, os cuidados com a pele devem começar ainda antes da viagem. “É indicado que o turista comece a tomar protetor solar oral, em formato de comprimido, um mês antes da viagem. Ele não substitui a loção, mas é mais uma forma de se prevenir contra queimaduras”, destaca a dermatologista. O uso de chapéus e camisas com bloqueadores UV e de óculos escuros são classificados como indispensáveis pela médica nesse tipo de roteiro. Os cuidados com a pele não se limitam ao uso de protetor solar. “É preciso o uso de hidratantes intensos para ajudar à cútis se restabelecer mais rapidamente.

Beber bastante água é essencial para o bom funcionamento de todo o corpo”, ressalta a dermatologista. Atualmente existem produtos voltados especificamente para reparar os danos nos cabelos. “Eles também podem sofrer queimaduras e os que possuem tintura podem mudar de cor”, afirma Perla Gomes. Após a viagem é importante continuar com o uso de hidratantes e evitar fazer esfoliações. Os alimentos leves são os mais indicados para evitar os indesejados enjoos. “É ideal que a pessoa vá a um médico antes para que ele possa prescrever o remédio mais indicado. Em embarcações alguns turistas reclamam de náuseas e tontura e os antieméticos podem ajudar a aliviar esses sintomas”, explica a médica.

Velejando em águas internacionais Além de Fernando de Noronha, muitos turistas se interessam cada vez mais em desbravar os mares de outros países. A Croácia recebe, em média, 800 cruzeiros turísticos em seus portos. Suas cidades costeiras e as cerca de 1.185 ilhas do país encantam visitantes de todas as nacionalidades. Ao longo dos 1.778 quilômetros de extensão de sua costa, barcos dividem espaço no mar de águas cristalinas. Alugar uma embarcação é normalmente a opção dos que querem desbravar o mar turquesa à exaustão. “Normalmente quatro casais se reúnem para alugar um barco. Existem opções extremamente luxuosas que incluem marinheiro e chef de cozinha”, explica o

empresário João Carlos da Costa. O roteiro mais famoso passa pelas cidades de Split e Hvar, um balneário badalado que oferece muita animação e glamour aos visitantes. “Foi nessa viagem que vi a paisagem mais deslumbrante da minha vida”, confidencia o empresário, referindo-se às Grutas Verde e Azul. A Gruta Verde permite a entrada de barcos e mergulhos de turistas. Uma abertura no topo da caverna é o único ponto que permite a passagem do sol. A Gruta Azul é patrimônio da humanidade, por isso a entrada é controlada e, para conhecê-la, é preciso comprar bilhete e fazer o passeio em pequenos barcos. Não existem voos

diretos entre o Brasil e a Croácia, mas o país pode ser acessado através de conexões em outras capitais europeias.

ALUGANDO EMBARCAÇÕES

No Recife Algumas agências de turismo alugam desde lanchas para cinco pessoas até catamarãs que transportam 50 passageiros com a tripulação inclusa. Os preços variam de acordo com o requinte e tamanho do barco, e é possível encontrar diárias a partir de R$ 900,00. Na Croácia O aluguel de barcos é oferecido por diversas empresas locais e existem opções de diárias de embarcações capazes de transportar duas pessoas por a partir de 50 euros. JUL/AGO 2015 45


SOCIAL 4

5

Verão e Carnaval em grande estilo

1 Fernanda, Marcelo, Juliana,

Eustácio, Ângela e Eustácio Vieira Filho 2 Os casais Ângela e Eustácio

Vieira e Paulo e Ana Luiza Câmara 3 Geraldo Julio, Eustácio Vieira e

Fernando Bezerra 4 Juliana Vieira, Cristina Melo,

Fernanda e Anelise Vieira 5 Eustácio Vieira Filho, Valdecir

P

ara marcar o fim da edição 2015 do projeto Verão com Saúde, Eustácio Vieira, diretor-presidente do Hospital Santa Joana, juntamente com sua esposa Ângela e seus filhos Juliana, Fernanda, Marcelo e Eustácio Filho, ofereceram um jantar na casa de praia da família em Toquinho. O evento foi prestigiado por autoridades e nomes de destaque no cenário empresarial e político de Pernambuco.

Pascoal, Eustácio Vieira e Marcelo Vieira

6

7

6 Fana Mendonça, Ângela Vieira

e Clara Dubeux 7 Paulo Magnus, Simone Malta,

Eustácio e Ângela Vieira 8 Marcelo Vieira e Duda Haeckel 9 Dra. Andrezza Vasconcelos e

esposo 10 Enfermeira Luciana Freire e

o noivo; o médico Edilberto Rocha e esposa, no Carvalheira na Ladeira

1

11 Médico Elisio Rodrigues e

T

ambém bastante prestigiado, o camarote Carvalheira na Ladeira, durante o carnaval 2015, contou com a presença de médicos e colaboradores do Santa Joana, que lançou campanha de higienização das mãos com o mote “Aproveite o carnaval sem brincar com sua saúde”. Confira as fotos.

8

2

46 JUL/AGO 2015

3

10

esposa, no Carvalheira na Ladeira

9

11

JUL/AGO 2015 47


ESPECIAL

50 anos de pioneirismo O GRUPO FERNANDES VIEIRA COMPLETA MEIO SÉCULO DE CONTRIBUIÇÃO COM A MEDICINA NO NORDESTE, SEGUINDO, DESDE A FUNDAÇÃO, COMPROMISSO COM EVOLUÇÃO E PIONEIRISMO SEM DEIXAR DE LADO OS VALORES E A TRADIÇÃO NA EXCELÊNCIA DOS SERVIÇOS PRESTADOS

Q

uando, na década de 60, os irmãos e médicos Francisco Eustácio Fernandes Vieira e José Aécio Fernandes Vieira receberam o convite para assumir os serviços de assistência médica da Usina Trapiche e da Fábrica Tacaruna, em Pernambuco, não imaginavam que começava ali a história do grupo que se tornou referência nacional no setor de serviço médico-hospitalar. Com a missão de seguir o mais alto padrão no desempenho de suas atividades, o Grupo Fernandes Vieira (GFV) completa 50 anos mantendo o compromisso com a segurança dos pacientes e tendo o pioneirismo como uma das características. O pontapé inicial foi a fundação da Casa de Saúde Santa Helena, em 1965, que passou a atender tanto aos trabalhadores da Usina Trapiche como parte da população das proximidades. Já a criação da Clínica Santa Helena, em 1967, seguiu o advento da medicina de grupo no Brasil e foi pioneira no Nordeste oferecendo esse tipo de serviço. A primeira empresa conveniada foi a Sanbra, do grupo multinacional Bunge Born. A expansão continuou nos anos seguintes, com a inauguração de novas clínicas em municípios da região metropolitana do Recife.

48 JUL/AGO 2015

JUL/AGO 2015 49


ESPECIAL

Dr. Francisco Eustácio Fernandes Vieira é

Dr. José Aécio Fernandes Vieira é

diretor-presidente do Hospital Santa Joana

diretor-presidente do Hospital Memorial São José

Essa trajetória de crescimento e pioneirismo do GFV ganhou um importante reforço em 1979. Traçando como meta a prestação de um serviço diferenciado na área hospitalar, é inaugurado, em 17 de abril daquele ano, no Recife, o Hospital Santa Joana, que trouxe uma nova concepção em arquitetura hospitalar e tornouse referência nacional na qualidade de serviços em diversas especialidades, figurando entre os hospitais mais renomados do Brasil. O constante desenvolvimento através de investimentos em tecnologia de ponta e recursos humanos apresenta resultados efetivos para o setor, proporcionando uma maturidade única em assistência à saúde. “A determinação de quebrar paradigmas e trazer para o Recife novos conceitos mundiais da medicina hospitalar é uma realidade”, declara o presidente do Hospital Santa Joana, Francisco Eustácio Fernandes Vieira. A contribuição do Grupo para consolidar Pernambuco como polo médico nacional não parou com a fundação do Hospital Santa Joana e seguiu com a inauguração 50 JUL/AGO 2015

do Hospital Memorial São José em 02 de junho de 1989. O Memorial mantém os conceitos de qualidade e inovação além do pioneirismo em procedimentos e exames. Já no que se refere ao setor de exames, o GFV vem investindo no diagnóstico por imagem, através do Memorial Diagnóstico e o Santa Joana Diagnóstico, que representam o que há de mais avançado na área. Assim, ao longo de sua história, o Grupo Fernandes Vieira, por meio de suas modernas unidades hospitalares, oferece uma gama de serviços especializados e de alta complexidade com destaque para Neurologia, Traumatoortopedia, Cardiologia, Clínica e Cirúrgica, Pediatria, Neonatologia, Oncologia e Transplante de Medula Óssea, entre outras. Para completar, o Hospital Santa Joana e o Memorial São José são os únicos do Norte e Nordeste do Brasil a possuírem uma certificação internacional de qualidade, através da Joint Commission International (JCI), colocando tais unidades no mesmo hall de hospitais mais renomados do mundo em termos de cultura da segurança.

Consolidando essa posição entre os centros hospitalares mais modernos do Brasil, ao todo, o Grupo Fernandes Vieira conta com 335 leitos instalados, 113 leitos de UTI e 24 salas cirúrgicas. Em 2014, o faturamento do Grupo ultrapassou R$ 400 milhões. O crescimento da empresa com relação a 2013 foi de, aproximadamente, R$38,8 milhões, especialmente impactado pela ampliação das emergências, aumento dos procedimentos de alta complexidade e dos procedimentos cirúrgicos, além da expansão das unidades de terapia intensiva. “O foco do Grupo, quando se trata de investimentos é crescimento, aprimoramento, ampliação de serviços e uso de tecnologia de ponta”, afirma Eustácio Vieira. Quanto ao futuro, o progresso continua nos planos. Já em fase de conclusão, uma nova fachada para o Complexo Hospitalar Santa Joana e um amplo projeto de melhoria de acessibilidade com a expansão da recepção central e a construção de três novas torres de elevadores. Para 2016, a construção de uma torre com 12 andares, 128 leitos e 4 andares de edifício garagem, além de um novo prédio específico para Oncologia.

Também já se encontra aprovada a expansão do Complexo Hospitalar Memorial São José contendo uma torre com 170 leitos, um edifício garagem com 2.140 vagas, um hotel com 339 quartos e mais 238 vagas de estacionamento, um empresarial com 506 salas, um Centro Médico com 162 salas de consultório, um Mall com 51 lojas e um Centro de Convenções com 300 assentos. Para driblar qualquer que sejam os desafios do setor, o GFV mantém suas diretrizes na implantação de padrões internacionais de qualidade e segurança, otimização e foco em resultados com capacitação constante e desenvolvimento funcional, além do aprimoramento ao atendimento à saúde com excelência em custo/benefício envolvidos nos processos. “É importante reforçar que, mesmo diante dos desafios identificados, o Grupo definiu a sua trajetória de sucesso sustentada por uma forte política de investimentos, crescimento e expansão, além de foco permanente na melhoria dos serviços e da gestão”, defende Eustácio Vieira. JUL/AGO 2015 51


ESPECIAL

Conheça algumas das unidades do GFV

HOSPITAL MEMORIAL SÃO JOSÉ Fundada em junho de 1989, a unidade conta com infraestrutura que reúne seis prédios e oferece, entre outros, serviços de urgência geral e pediátrica, UTIs, três centros cirúrgicos, sendo um exclusivo para o Memorial Mulher e 15 unidades médicas das mais diversas especialidades. O Memorial São José foi o primeiro hospital do Brasil a possuir ISSO 9001:2000 em enfermagem. O hospital conta ainda com o CENDOR (Centro Especializado em Neurocirurgia e Dor), primeiro serviço direcionado no combate ao sintoma da dor na região, contando com uma equipe multidisciplinar de clínicos e neurocirurgiões.

GFV EM NÚMEROS • 335 leitos instalados

Unidade Clínico Cirúrgica (UCC) do Hospital Santa Joana

• 113 leitos de UTI •

24 salas cirúrgicas

• Mais de 400 exames

HOSPITAL SANTA JOANA Concebido e projetado para revolucionar os serviços de medicina hospitalar existentes no Nordeste, inaugurado em 1979, o Hospital Santa Joana possui uma das maiores emergências privadas do estado de Pernambuco, com nove especialidades em regime de plantão integradas ao Santa Joana Diagnóstico, líder em medicina preventiva e diagnóstica da região, e é referencia em alta complexidade. Possui uma Unidade Clínico Cirúrgica, uma unidade de Onco-hematologia e Transplante de Medula Óssea, UTI’s Adulto, Cardiológica, Pediátrica, Neonatal e três centros cirúrgicos. Recentemente, a multiemergência iniciou um novo modelo de atendimento, onde, além do projeto de expansão física e de recursos humanos, foi implementado um sistema de monitoramento online dos pacientes, o Patient Inteligent Identification (PID), com uso de Tecnologia Inteligente de Identificação por Radiofrequência (RFID). 52 JUL/AGO 2015

• Aproximadamente 3.000 funcionários

UTI Pediátrica do Hospital Santa Joana

MEMORIAL DIAGNÓSTICO E SANTA JOANA DIAGNÓSTICO Ampliando a atuação no setor de saúde, os dois centros de diagnóstico de imagem representam o que há de mais avançado na área, tornando-se líder em medicina preventiva no Nordeste com uma estrutura de parque tecnológico composto por: seis Ressonâncias Magnéticas, cinco Tomografias Computadorizadas; 20 aparelhos de Ultrassom, sendo 13 com Doppler; três Mamógrafos; três Angiógrafos e Hemodinâmica; um aparelho de Densitometria Óssea; um Ecocardiógrafo; três aparelhos de Raio X. O Memorial diagnóstico é um dos mais completos centros de diagnóstico do Brasil, enquanto o Santa Joana Diagnóstico, com duas unidades, mantém uma completa estrutura de medicina diagnóstica que disponibiliza mais de 400 exames. JUL/AGO 2015 53


NOTAS

SANTA JOANA DE CARA NOVA Dar mais conforto e proporcionar o deslocamento mais rápido para seus de pacientes e colaboradores é o objetivo do Hospital Santa Joana com a construção de uma torre que vai comportar três novos elevadores no prédio central. A obra tem previsão de conclusão em junho. Foi investido no projeto cerca de R$ 1.2 milhão. Além dos elevadores, outra novidade do Santa Joana este ano é uma nova fachada para a unidade, que vai mexer com o visual do bairro das Graças. A repaginação geral na fachada foi assinada pelo arquiteto Jerônimo da Cunha Lima. Já a ambientação interna, incluindo mudanças no bloco cirúrgico e emergência, é da responsabilidade do arquiteto Fernando Alencar.

CUIDAR DE VOCÊ É SEMPRE TRAZER AS MELHORES NOVIDADES: NOVOS LEITOS COMPARTILHADOS INTELIGENTES ATENDIMENTO AMPLIADO AO PLANO BRADESCO. Pensando no conforto e no cuidado com os seus pacientes, o Santa Joana concebeu um novo conceito de leitos compartilhados (enfermaria). O espaço, que substitui a enfermaria convencional, ficou mais amplo e abriga ambientes reversíveis que podem ser utilizados por dois pacientes, preservando a privacidade absoluta de cada um quando assim desejar.

POR QUE LEITOS COMPARTILHADOS INTELIGENTES? • Proporcionam mais privacidade para pacientes e familiares.

RESIDÊNCIA MÉDICA E EM ENFERMAGEM

NUTRIÇÃO CONTRA O CÂNCER

Quando se fala em enfermarias, geralmente há a ideia de pacientes juntos, sem privacidade e sem espaço. No Hospital Santa Joana, entretanto, essa ideia está ultrapassada. A unidade implantou Leitos Compartilhados Inteligentes, que vão além das enfermarias convencionais. Esse novo modelo é mais amplo e conta com ambientes reversíveis que podem ser utilizados por dois pacientes mantendo a privacidade de cada um. Os ambientes são separados por uma estrutura sólida e corrediça, que facilita os atendimentos e a realização de serviços gerais, e, ao mesmo tempo, garante privacidade e isolamento acústico. O setor também conta com banheiros privativos, lavabos, TV, frigobar, armários próprios e poltrona-sofá para acompanhantes. Já para os familiares e visitantes, foi preparado um longe exclusivo na área externa do quarto.

Os interessados em cursar residência

A alimentação é um aspecto importante tanto na prevenção quanto no tratamento dos pacientes com câncer. Entretanto, efeitos da doença e dos tratamentos ocasionam dificuldades de se alimentar, podendo levar o paciente a uma desnutrição. Esse problema pode ser combatido com medidas simples, seguindo dicas de hábitos que transformam a alimentação em uma poderosa aliada na diminuição dos efeitos e no combate à doença. Pensando nisso, A Nutrição do Santa Joana com o apoio da Danone Nutrição Especializada, desenvolveu uma cartilha voltado para pacientes em tratamento de câncer. O Guia Nutricional de Alta Hospitalar para pacientes em tratamento oncológico foi lançado durante a Semana de Enfermagem. Renata Goldberg, representante da Danone, ministrou palestra sobre o assunto.

54 JUL/AGO 2015

contam com mais uma opção. O Hospital Santa Joana passou a integrar o processo seletivo ofertando vagas na categoria de Unidade de Terapia Intensiva. Este ano, o Hospital foi o único particular a oferecer residência em enfermagem. Tanto a residência médica quanto a de enfermagem seguem as normas da Comissão de Residência Multiprofissional e Área Profissional da Saúde (COREMU) e da Secretaria Estadual de Saúde/PE, com aulas teóricas e práticas acompanhadas por médicos especialistas com experiência na área. Os programas de residência multiprofissional, e em área profissional da saúde, constituem modalidade de ensino de pós-graduação lato sensu, sob a forma de curso de especialização.

• Facilitam a realização dos serviços gerais e de enfermagem, já que os ambientes são separados por uma estrutura sólida e uma porta corrediça. • Além de facilitar e agilizar os atendimentos, a opção abrir/fechar a porta também proporciona mais privacidade, inclusive acústica. • Lounge exclusivo para familiares e visitantes na área externa do quarto.

EXTENSÃO NO ATENDIMENTO PARA OS PLANOS BRADESCO NACIONAL PLUS E NACIONAL TOP: Emergência, internação hospitalar, procedimentos eletivos em todas as especialidades e exames no Santa Joana Diagnóstico.

O Hospital Santa Joana conquistou o “Joint Commission International’s Gold Seal of Approval TM”

www.santajoana.com.br

O Hospital Santa Joana conquistou o “Joint Commission International’s Gold Seal of Approval TM”

JUL/AGO 2015 55

Dr. Filipe Lima - Diretor Técnico CRM - PE 10735

UM NOVO CONCEITO DE ENFERMARIA

• Oferecem muito mais conforto com banheiros privativos, lavabos, TV, frigobar, armários próprios e poltrona-sofá para os acompanhantes.


Mais conforto e qualidade para sua saúde.

Nova Unidade de Oncohematologia e Transplante de Medula Óssea - TMO. Construída dentro dos padrões internacionais de segurança do paciente e obedecendo rigorosamente às normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), a Unidade de Transplante de Medula Óssea do Hospital Santa Joana é um setor composto por apartamentos privativos Dr. Filipe Lima - Diretor Técnico - CRM - PE - 10735

para pacientes que precisam de tratamento intensivo nas áreas de oncohematologia e TMO. Todos os apartamentos são equipados com filtros de partículas aéreas de alta eficiência (High Efficiency Particulate Air – HEPA). Além disso, a unidade também conta, 24 horas, com equipes multidisciplinares, médicos oncohematologistas e intensivistas, enfermagem, nutrição e higienização, com dedicação exclusiva. Mais um novo serviço do qual o Hospital Santa Joana se orgulha de ter criado para fazer você se sentir sempre em boas mãos.

O Hospital Santa Joana conquistou o “Joint Commission International’s Gold Seal of Approval TM”

56 JUL/AGO 2015

www.santajoana.com.br | 81 3216.6666

O Hospital Santa Joana conquistou o “Joint Commission International’s Gold Seal of Approval TM”

Revista Você com saúde  
Revista Você com saúde  

Publicação do Hospital Santa Joana

Advertisement