Page 1


Direção Executiva Antônio Tiné Michele Cruz

Texto

Eduardo Sena

Fotografia

Rodrigo Lôbo/Rói Rói Filmes

Projeto Gráfico Gabrielle Souza

Edição

Juliana Ângela

Revisão

Aleph Consultoria Linguística

Produção Dupla Comunicação


sumário

O começo de tudo

Pontos altos de uma trajetória

Entrevista:

Mércia Moura, fundadora e diretora geral da MM

A fábrica que desenvolveu uma região

Economia:

30 anos em números

Moda:

o empenho pelo produto perfeito

06 14 16 22 26 32


ItambĂŠ - Pernambuco

6


história

Entre sonhos, cana e costura

O

universo da costura exerceu forte influência na empresária Mércia Moura desde muito cedo. Nas suas memórias infantis, estão divertidas tardes de férias na casa das tias e avó

em Timbaúba, cidade da Zona da Mata Norte de Pernambuco, a 92 km do Recife. Dessa época, veio a inspiração; mas foi da própria Mércia, com o direcionamento da sua mãe, dona Marisa, que partiu toda a vontade para colocar os sonhos em prática e construir sua empresa. Apesar dos negócios da família serem inclinados para a indústria açucareira - seus pais eram donos de engenhos na região - a vocação da empreendedora sempre se desenhou na delicadeza dos traços rabiscados nos croquis. A empresária estudou no Recife. E na década de 1970, cursou Desenho Industrial no 2º grau e iniciou a faculdade de Design Gráfico. O casamento e a chegada dos filhos interromperam a carreira acadêmica, mas não a empurraram para uma vida voltada unicamente para os afazeres domésticos. O interesse em abrir um negócio ia muito além dos bens materiais. O principal objetivo era a mudança de vida e, para isso, ela escolheu investir em algo que lhe desse prazer e pudesse combinar seus dois talentos: costura e criação. A mudança de rumos na trajetória de Mércia influenciou positivamente muitas pessoas do engenho onde a MM Special está instalada. Engenho Pangauá A empresa começou a se concretizar em pilares sólidos em 1984, mas foi em abril de 1985 que a fábrica da MM Special começou a operar dentro das terras do Engenho Pangauá, em Itambé, a 89,5km de distância do Recife, a poucos metros da varanda de casa em que Mércia ainda mora com sua família. Começou pequena: ao lado dela, Nelita, Penha, Aldenita, Emília, Vera e Tezinha, moradoras da região,

7


história

Espinha dorsal Vera, Penha e Tezinha aceitaram o convite de Mércia e iniciaram a confecção em 1985

Precursora Nelita também fez parte da equipe de cinco costureiras que fundou a MM Special / Marie Mercié

8

As mulheres dos funcionarios do engenho passaram a aprender uma nova profissao, conquistando o empoderamento de genero


Incentivadora Foi com o apoio de sua mãe, dona Marisa, que Mércia levou à frente a ideia da implantação da fábrica

casadas com os agricultores que trabalhavam com cana-de-açúcar. Após convencê-las a aderir à empreitada, o próximo passo foi capacitá-las. Aos poucos, com o crescimento da MM Spe-

gênero e a autonomia financeira. Antes de costurar a primeira peça, a confecção investiu em capacitação para as novas costureiras com o auxílio do Sebrae-PE. A primeira coleção

cial, a paisagem do engenho foi se modificando.

teve como mote os anos 1970, época que Mércia

O canavial continuava ali, fazendo limite com o

vivenciou bem. O diferencial ficou por conta da

horizonte, mas uma edificação em linha branca

releitura de estampas e customização, com muitos

se desenvolvia cada vez mais, tornando-se o ponto

detalhes, bordados e patchwork. Os produtos

alto da trajetória da empresária que modificou

encantaram o mundo da moda local e arrancaram

não só sua a vida, mas a do seu entorno. As mu-

elogios dos empresários. Um deles, Assis Farinha,

lheres dos funcionários do engenho passaram a

dono da prestigiada e extinta loja de vestuário no

aprender uma nova profissão, conquistando, por

Recife “Ele e Ela”, chancelou a marca nesse início

meio da profissionalização, o empoderamento de

promissor.

9


AlĂŠm das fronteiras

Bom Retiro Loja para o atacado funciona desde o inĂ­cio dos anos 1990 na capital paulista

10


O segundo grande marco foi a participação da

ainda não era das maiores, mas saiu da feira intei-

neomarca numa feira de confecção em Düssel-

ramente vendida. O feito se repetiu na semana de

dorf, Alemanha. A MM Special foi uma das únicas

abertura da primeira loja em São Paulo. Em 1993,

empresas brasileiras a conseguir vender no local.

a MM inaugurou uma unidade no São Paulo Mart

A segunda investida fora das divisas de Pernam-

Center, na Vila Guilherme, e as portas precisaram

buco foi em São Paulo, na Feira Nacional da

ser fechadas durante algumas ocasiões porque as

Indústria Têxtil (Fenit) de 1987 onde, já no segun-

peças haviam sido todas comercializadas.

do dia de participação, o estande tinha um cartaz

Apesar da preocupação com o crescimento

estampado com os dizeres: “Vendas encerradas”,

sustentável do negócio, as apostas em diferenciais

tamanho o fluxo de pedidos.

nunca ficaram para trás. A marca é a única do

Os cerca de 20 modelos expostos na arara, mas

Brasil a ter licença para produzir camisas de al-

de forma repetida (para dar mais volume), fize-

faiataria, em tecidos planos, com os personagens

ram o estande lotar. A aceitação do produto por

da Warner Bros, desde 1998. O Piupiu, simpático

empresários experientes do ramo têxtil de São

passarinho amarelo que usa como bordão “Eu

Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul, Brasília, Forta-

acho que vi um gatinho”, já estampou uma série

leza, entre outros, deixou claro o potencial que a

de camisas da MM, e foi um marco na história de

marca tinha para crescer. Nessa época, a produção

vendas da empresa.

11


história

Chegar ao bairro do Bom Retiro, na capital

abrigar um novo projeto especial. Então, no come-

paulista, fazia parte da estratégia de negócios da

ço dos anos 2000, dentro da MM Special, nasceu a

MM; e acreditando na força da marca, mas sobre-

marca Marie Mercié. Enquanto a primeira trazia

tudo na qualidade das peças, essa foi uma ideia

peças marcadas classicamente pelo branco e

que avançou, e a MM Special se instalou na Rua

preto, a segunda surgiu com uma proposta mais

Aymorés. Em pouco tempo, o espaço físico da loja

diversificada e colorida, mas não menos elegante.

ficou pequeno e uma mudança para um prédio

Apesar do sucesso, as lojas de São Paulo são

maior era solução inevitável. Mas a antiga sede

voltadas apenas para o atacado, o que fez a MM

tinha muito valor sentimental para ser simples-

sentir a necessidade de dialogar diretamente com

mente descartada, e sua nova missão passou a ser

o seu consumidor final. Em maio de 2014, mais

No comeco dos anos 2000, dentro da MM Special, nasceu a marca Marie Mercie

12


Shopping Recife Em maio de 2014, a Marie Mercié inaugurou sua primeira loja para o varejo

um passo importante foi dado. A marca escolheu os shoppings Recife e RioMar, em Pernambuco, para abrir, quase que simultaneamente, suas duas primeiras lojas de varejo, com o nome Marie Mercié. Nas operações, também são vendidas as peças da MM Special. A expansão da nova marca faz parte do plano de negócios com a estratégia de chegar a mais shoppings em todo o país.

A expansao da nova marca faz parte do plano de negocios com a estrategia de chegar a mais shoppings em todo o Pais 13


1985 Mércia Moura, junto a Nelita, Penha, Aldenita, Emília, Vera e Tezinha, dá início a MM Special

1987 Na Feira Nacional da Indústria Têxtil (Fenit) de 1987, a MM precisou colocar uma placa de “vendas encerradas”, tamanho sucesso da coleção.

1993

história

A marca abriu sua primeira loja na

A MM Special participa de uma feira de confecção em Düsseldorf, Alemanha, onde foi uma das poucas empresas brasileiras a conseguir vender toda a produção.

capital paulista, no São Paulo Mart Center, na Vila Guilherme. Posteriormente, abriu uma loja no famoso bairro do Bom Retiro.

1986 Te c e n d o 14


Única marca a ter licença da Warner Bros para aplicar personagens em

2002

camisas de tecidos

Com uma proposta

planos.

mais jovem e colorida, a MM Special começou a produzir peças com o selo Marie Mercié.

2014

2015

1998

A MM Special / Marie Mercié festeja seus 30 anos de história e faz desfile comemorativo da data, no RioMar Shopping, para lançar sua coleção Verão 2015/2016.

Abertura de duas lojas para o varejo na capital pernambucana dentro da tag Marie Mercié.

história 15


E

nt r

A

expressão “contra-hegemonia” foi a

que o filósofo Antonio Gramsci usou para falar sobre práticas sociais e simbólicas fora do padrão normati-

vo. Situada em uma conjuntura social em que o destino já lhe entregava a função de dona de casa, Mércia Moura foi, e é, contra-hegemônica na lógica patriarcal canavieira. Dentro de um engenho de cana-de-açúcar, ergueu em 1985 uma fábrica de costura, visando a autonomia e o empoderamento feminino das mulheres da região. Tarefa cumprida com êxito. E os frutos conquistados pelo árduo trabalho vão além do financeiro. Mércia Moura fez da região mais que um celeiro de costureiras, um lugar de mulheres independentes.

16

Sobre as políticas femininas, primeiro dinheiro. Tem meninas aqui q


ev i s ta

vem o empoderamento financeiro. Aqui, elas começaram a ter o próprio que ganham mais do que o marido, bem mais. E, depois, vem a educação.

Mércia Moura

fundadora e diretora geral da MM

17


entrevista

18


Qual foi o maior impulso para abertura da MM? A necessidade de realização pro-

quando uma mulher comeca a ver a vida mudar, vao chegando outras.

fissional, de colocar meu dom em prática e, aliada a isso, a vontade de ajudar as mulheres da minha região, dando-lhes a oportunidade de ter uma profissão. Pensando assim, resolvi ousar e fundar uma confecção de roupas femininas aqui no Engenho Pangauá com seis mulheres sem nenhuma experiência em costura, enfrentando todos os tipos de dificuldades e preconceitos por parte dos nossos maridos, familiares e da própria comunidade em geral. Como foi você percebeu que poderia fazer isso? Fui criada em um ambiente em que as mulheres faziam diversos trabalhos manuais e a costura era o principal. Tudo aquilo me encantava. Quando vim morar no Engenho Pangauá, aos 19 anos, após meu casamento, percebi a quantidade de mulheres que precisavam de um incentivo e uma oportunidade de trabalho para viver melhor. Reconhecendo nossa força, me dei conta de que era possível e fundei a confecção aqui em Pangauá. Quando você chegou ao Engenho Pangauá, com qual realidade se deparou? E como foi o desafio de

19


20


tirar as mulheres de casa para trabalhar?

região. O trabalho na fábrica ajudou muitas delas a

Havia uma imensa fazenda de cana-de-açúcar,

se tornarem mais conscientes de suas atuações na

propriedade de minha família, onde moravam

sociedade e no direcionamento familiar. Elas saem

muitas outras famílias, cujos homens trabalhavam

dos seus postos de trabalho, todos os dias, pessoas

na cana-de-açúcar e as mulheres ocupavam-se uni-

muito mais respeitadas. E se fazem respeitar. Isso

camente dos afazeres domésticos, sem nenhuma

emociona e nos faz seguir em frente.

perspectiva de ter um dia uma profissão. Primeiro conquistei a amizade e a confiança dessas mulhe-

Por que você acha que a MM é essa empresa de

res. Juntas, tivemos que convencer nossos maridos

sucesso?

de que nós poderíamos trabalhar fora dignamente,

Nós fazemos o que gostamos, aí só pode dar certo!

podendo assim melhorar nossa qualidade de vida.

Além disso, contamos com uma equipe de pessoas

Elas foram pegando gosto pelo ofício e pelo fato de

motivadas, competentes e comprometidas, que

receber um salário, porque viram a vida mudar.

buscam a cada dia fazer sempre o melhor. Também

No início contratei o Sebrae para dar curso de cos-

fazemos uma roupa diferenciada das encontradas

tura. Depois fundamos a nossa escola de costura,

no mercado, um produto de qualidade, com a nossa

onde pagamos o salário para incentivar as mulhe-

cara, com um design exclusivo, que se inova a cada

res a aprender uma profissão.

coleção, sempre pensando na satisfação de uma

Dessa forma, quando as primeiras começaram

clientela fiel à marca.

a ver os benefícios da independência financeira, outras mulheres foram chegando.

E os próximos 30 anos? Não deixo de agradecer a Deus, faço isso todos os

A MM emprega majoritariamente mulheres. Qual

dias, agradecer pelos 30 anos vividos. Passamos por

a contribuição da fábrica às questões de políticas

eles fazendo um trabalho lindo, com apoio de uma

femininas?

cadeia de fornecedores de alto nível, com colabora-

O empoderamento financeiro gerado pela fábrica

dores maravilhosos e com um público consumidor

na região ajudou as mulheres a terem seu próprio

fiel e também encantado com as nossas peças. Para

sustento e uma independência parcial ou total

frente, continuaremos a fazer ainda mais e melhor

de suas famílias. Há mulheres aqui que recebem

com o mesmo amor, carinho, gratidão e respeito a

salários mais altos do que os maridos. Mas não é

todos que de uma forma ou de outra contribuíram

apenas isso. Educação, aprendizado e consciência

e darão continuidade ao negócio.

dos direitos também são legados da MM para a

21


22


Responsabilidade social

A confecção além das roupas

F

ormação profissional é o pilar de sustentação da fábrica, que coleciona até três gerações de funcionários da mesma família, e boa parte dos colaboradores tem mais de 20 anos de empresa. Como o

crescimento de uma fábrica de roupa passa essencialmente pela mão humana, a MM investe em uma escola de costura, em que paga um salário mínimo aos interessados em seguir carreira na área. A estrutura da fábrica conta com uma sala onde são oferecidas as aulas práticas. De acordo com o desenvolvimento de cada aluno, aos poucos, eles vão sendo incorporados aos grupos de costura. Grande parte dos funcionários chegou à confecção sem nenhum conhecimento do escopo de trabalho e conquistou a capacitação dessa forma. Com essas medidas, a MM evitou o êxodo rural e criou uma nova configuração econômica e social para os habitantes da área. Sobretudo do ponto de vista feminino. É que, vizinho ao Engenho Pangauá, onde a fábrica está instalada,

23


Responsabilidade social

está o vilarejo de Caricé, distrito de Itambé, que

Outro valor estimado pela MM Special é a

cresceu e se desenvolveu a partir da empresa. An-

educação. Por isso, a fábrica ergueu dentro do En-

tes da MM, Caricé era apenas uma rua. Hoje conta

genho a Escola Itamir Cézar de Moura, que atende

com mais de 3 mil habitantes.

100 alunos com ensino em dois turnos. A gestão

Próximo à fábrica, há mais de 200 casas pró-

é realizada pela prefeitura. Ainda em Pangauá,

prias de funcionários da empresa. Na região,

um espaço de lazer, com um campo de futebol

enquanto os homens têm na agricultura da cana

frequentado por times da região, também faz

sacarina a principal fonte de renda, as mulheres

parte da propriedade. Já na vila de Caricé, entre os

passaram a dedicar-se à indústria da moda. Segun-

muitos benefícios propiciados pela fábrica, estão

do a Secretaria de Enfretamento à Violência Contra

a ampliação da Escola Municipal Lafayete Nu-

a Mulher de Itambé, o município tem o menor índi-

nes Machado, construída em terreno doado pela

ce desse tipo de violência, já que 70% da população

empresa, e o fornecimento de água potável, que

feminina conseguiu independência financeira.

utiliza a fonte do Engenho.

24


A fabrica ergueu no Engenho a Escola Itamir Cezar de Moura, que atende 100 alunos

25


26


economia

De vanguarda e para o mundo

N

a época em que as mulheres da Zona da Mata Norte de Pernambuco eram criadas para serem donas de casa, a empresária Mércia Moura pegou o caminho contrário. Com uma visão

à frente do seu tempo, a mulher, que nasceu em meio à produção de cana sacarina, ergueu, em 1985, no Engenho Pangauá, no município de Itambé, uma confecção de camisas femininas. A MM Special, como reza a cartilha das empresas, nasceu pequena, com seis funcionárias – incluindo a própria Mércia. Hoje, 30 anos depois, conta com cerca de 300 funcionários diretos e 150 indiretos.

300 Funcionários diretos

150

Funcionários indiretos

27


economia

A Fábrica Instalada em uma propriedade de aproximadamente 1,5 mil hectares, com cerca de 3 mil m² de área construída. Em sua estrutura consta pungente maquinário espanhol avaliado em dez dígitos.

1,5

Hectares de área verde

3000m

2

Área construída

28

mil


MM pelo mundo Exportando de Itambé, Pernambuco

EUA Argentina Chile França Angola

A marca exporta para Argentina, Chile, Angola, Estados Unidos e França. Dialoga com o global, participando de feiras no exterior e buscando inspiração na moda internacional para produzir as coleções. No Brasil, tem uma cartela de 4,5 mil compradores em todos os estados.

4,5 mil Compradores em todos os estados do Brasil

29


Produção Para lançar três coleções por ano, a fábrica produz, mensalmente, 30 mil peças.

30.000

Número de peças produzidas mensalmente na fábrica da MM

Tecnologia x Artesanal A MM Special Marie Mercié conjuga modernidade à tradição para conseguir atender à elevada demanda

30


Investimentos Além das duas lojas de São Paulo, que funcionam para o atacado, a MM, em 2014, inaugurou duas lojas para o varejo em um investimento de R$ 3 milhões.

3

milhões

Valor investido na inauguração de duas novas lojas para o varejo. A ideia é formatar modelo de franquia.

Franquias Lojas para o varejo no Recife são um case de sucesso e já recebem pedidos de franquia por todo o Brasil

31


32


moda

Feito à mão, clássico e contemporâneo

A

MM tem como carro-chefe a produção de camisas femininas. Mas não se trata de qualquer camisaria. A da MM é marcada por conjugar modelagens clássicas com inspiração europeia

e raízes brasileiras, como transparências de rendas, renascenças, bordados e rechilieu, o que torna cada peça única. Cada produto passa literalmente pelas mãos de no mínimo 30 pessoas até ficar pronto. Isso dura um tempo médio de 15 dias, devido o cuidado artesanal dedicado a cada peça. A marca preza pela elaboração de peças de vanguarda para oportunizar a duração delas enquanto informação de moda, ou seja, para além de uma estação. As inspirações para cada coleção vêm do mundo e da região. São lançadas anualmente três coleções com cerca de 80 peças cada: inverno, verão e uma coleção cápsula para alto verão inspirada nos principais desfiles das semanas de moda de Paris, Londres e Nova York e também no rico regionalismo do Nordeste. Além de consumidores fiéis, são certezas para mais 30 anos de moda a estreita e duradoura relação da MM Special com os grandes fornecedores têxteis do Brasil e do Mundo e o poder que a marca tem de se reinventar a cada peça cuidada pelas mulheres da Zona da Mata.

33


Etapas Cada peça da MM Special/Marie Mercié passa pela mão de mais de 30 profissionais até chegar às araras das lojas

Perenidade Informação de moda da marca dura para além de uma estação

34


Anuário Marie Mercié  
Anuário Marie Mercié  
Advertisement