Issuu on Google+


Veículo:

FioCruz - Amazonas

Assunto:Vice-diretor

Editoria:

Pag:

de pesquisa apresenta proposta e os avanços de estruturação e funcionamento da

Regesam ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Vice-diretor de pesquisa apresenta proposta e os avanços de estruturação e funcionamento da Regesam A criação da Rede Genômica em Saúde no Amazonas (Regesam) foi pauta da reunião extraordinária do Fórum Estadual de Gestores de Instituições de Ensino e Pesquisa do Amazonas, promovida pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI), no dia 20 de dezembro de 2012, no auditório Salão Canoas, do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia). Na oportunidade, o vice-diretor de pesquisa do ILMD/Fiocruz Amazônia, Dr. Felipe Naveca, apresentou um resumo da proposta da Regesam e os avanços que teve desde a última reunião do Fórum, realizada no dia 1 de novembro. A Regesam foi criada visando dar suporte técnico-científico a projetos de pesquisa; formar recursos humanos altamente qualificados; propor a indução, pelas agências financiadoras, de editais para macroprojetos estruturantes; propor investimento na modernização do parque tecnológico; e atrair recursos humanos para o Estado do Amazonas. Segundo Dr. Naveca, a princípio, a Rede é uma oficialização dos trabalhos já realizados através da parceria entre 30 pesquisadores e cinco instituições de saúde, sendo elas Fundação Alfredo da Matta (Fuam), Fundação da de Medicina Tropical – Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD), Fundação de Hematologia e Hemoterapia do Amazonas (Hemoam), Fundação Centro de Controle de Oncologia do Estado do Amazonas (Cecon), e ILMD/Fiocruz Amazônia. A rede está aberta para a inserção de novas instituições/pesquisadores, mas ainda será nevessário estabelecer normas de inserção de usuários e para a utilização da infraestrutura instalada.


Comunicou que já existe uma plataforma tecnológica, proveniente de um acordo de cooperação firmado entre a Fundação Alfredo da Matta (FUAM) e do Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), instalada nas dependências do ILMD/Fiocruz e em pleno funcionamento desde o dia 28 de novembro. Informou ainda que a Fiocruz adquiriu mais um equipamento para a plataforma que deverá ser instalado em fevereiro de 2013. Também esclareceu que há a previsão de aquisição de novos equipamentos e instalação da Plataforma de Bioinformática, que deve contribuir com as pesquisas da Rede. Apresentou a previsão do aporte financeiro para três anos de funcionamento da rede que envolveu a aquisição de equipamentos, insumos, passagens e diárias, manutenção, consultoria em Tecnologia da Informação para a plataforma de Bioinformática e a contratação de serviços e de técnicos especializados. Ao todo avaliou que será necessário obter recursos em torno de 1 milhão de reais. Na ocasião, as instituições presentes aprovaram a proposta e a Fundação de Amparo à Pesquisa do Amazonas (Fapeam) sinalizou interesse em apoiar a Rede. Segundo a diretora-presidente da Fapeam, Dr.ª Maria Olívia Simão, será necessário criar um projeto comum entre as instituições envolvidas para fortalecer a rede. Também se deve sistematizar a proposta para que seja analisada em janeiro de 2013 pelo comitê científico desta FAP. O secretário de C,T&I , Dr. Odenildo Sena, afirmou ser esta é uma proposta pacífica que envolve as principais instituições de saúde do Estado, que vem compartilhando conhecimentos e equipamentos. Disse, ainda, ser esta uma iniciativa que promete ajudar muito no desenvolvimento das pesquisas locais. “Acabamos de dar um passo importantíssimo para a pesquisa em Saúde no Amazonas”, afirmou Dr. Sena. O diretor interino e vice-diretor de Ensino do ILMD/Fiocruz Amazônia, Dr. Júlio Cesar Schweickardt, afirmou que estabelecer parcerias como esta reflete a importância da presença da Fiocruz no Amazonas que tem trabalhado e se unido a diversas instituições com o intuito de contribuir para a ciência no Estado. Fapeam

apresenta

resultados

de

suas

ações

Na ocasião, Dr.ª Maria Olívia Simão, diretora presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa no Amazonas, apresentou resultados das ações em prol do desenvolvimento da científico e tecnológico no Estado, através do Sistema Estadual de Ciência e Tecnologia, criado em 2003, e composta pela Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI); Fapeam, Centro Tecnológico do Amazonas (CETAM), Universidade do Estado do Amazonas (UEA); e instituições parceiras de ensino e pesquisa que atuam no Estado. Tem por linhas de ações estabelecidas 1. a formação de capital humano em CT&I; 2. apoio à pesquisa, tecnologia e inovação; 3. apoio à infraestrutura e organização institucional para CT&I; 4. fomento à popularização e difusão da CT&I; e 5. apoio ao intercâmbio e cooperação interinstitucional, nacional e internacional em CT&I. Dos dados apresentados, esteve o crescimento no número de doutores no Amazonas que passou de 372, em 2003, para 1.728, em 2010. Também mostrou que de 2000 a 2010, houve aumento dos cursos stricto sensu (mestrado e doutorado) de 10 para 46. Para dar continuidade a isso, Dr.ª Maria Olívia afirmou que é preciso induzir a


criação de mais programas de pós-graduação stricto sensu, criando ferramentas que flexibilizem e facilitem esse processo, mesmo que seja necessário promover cursos extra-sede, advindos de outros estados, nas áreas já existentes e também nas ciências duras (biologia, engenharia, física, dentre outras). Segundo Dr.ª Maria Olívia, tem-se incentivado muito a formação de recursos humanos na iniciação científica, tendo concedido 9,6 mil bolsas em nove anos. O objetivo tem sido estimular o estudante seguir carreira científica. Hoje se tem dado maior apoio para as áreas de Engenharias e Tecnologia da Informação (TI), por acreditar que necessitam de apoio específico para o desenvolvimento tecnológico no Estado. Em nove anos, a Fapeam executou o recurso de R$ 346.013.024,00, que apoiou diversas instituições de ensino e pesquisa locais, dentre elas o Instituto Leônidas e Maria Deane (ILMD/Fiocruz Amazônia), seja pelo financiamento de projetos, seja concessão de bolsas de iniciação científica, de mestrado, doutorado. Na área da Saúde, de 2003 a 2011, fez investimento no total de R$ 23.833.448,93, que envolveu a formação de recursos humanos, o apoio a infraestrutura e aos Planos de Desenvolvimento Institucional (PDI). Ao final, Dr.ª Maria Olívia afirmou que a Fapeam tem atuado sempre em continuidade, visto que seus diretores mantiveram os programas de médio e longo prazo, visando sempre o incentivo ao desenvolvimento científico no Estado do Amazonas. Ressaltou, também, que tem sido importante reunir as lideranças para ajustar os focos da pesquisa e do ensino, a fim de otimizar as ações para o desenvolvimento da ciência no Estado. O secretario de Estado da CT&I, ex-presidente da Fapeam, afirmou que a Fundação obteve grandes as conquistas, desde a sua criação, mas ainda precisa consolidar-se, ser reconhecida, por isso a importância de estar destacada em cada pesquisa e cada curso que apóia financeiramente. Texto: Ana Paula Gioia Lourenço - Núcleo de Comunicação Social - ILMD/Fiocruz Amazônia Foto: CIÊNCIAemPAUTA/Carlos Fábio Guimarães

http://www.amazonia.fiocruz.br/br/noticias/41-destaques/1073-vice-diretor-de-pesquisaapresenta-proposta-e-os-avancos-de-estruturacao-e-funcionamento-da-regesam.html


Veículo:

JornalBrasil On-line

Editoria:

Pag:

Assunto: Livros Falantes ajudam na aprendizagem dos idiomas Inglês e Espanhol (x) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: (Pappe/Integração).

Livros Falantes ajudam na aprendizagem dos idiomas Inglês e Espanhol Uma das grandes dificuldades enfrentadas pelos turistas é a comunicação. Buscando solucionar o problema, pesquisadores amazonenses estão propondo lançar um kit com livros falantes que vai facilitar o aprendizado dos idiomas Inglês e Espanhol dos profissionais que lidam diretamente com os turistas como, garçons, recepcionistas, taxistas e guias turísticos. Trata-se do projeto ‘Livros Falantes para Ensino dos Idiomas Inglês e Espanhol para Profissionais do Trade Turístico’ que está sendo desenvolvido pelos inventores Marivaldo Albuquerque e Danielle Castro de Albuquerque e conta com o financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) e Financiadora de Estudos e Projetos (Finep) por meio do Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas na Modalidade Subvenção Econômica a Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Pappe/Integração). De acordo com Albuquerque, o projeto tem como objetivo desenvolver um novo método de ensino acelerado dos dois idiomas mais comuns que é o Inglês e o Espanhol para profissionais como os garçons, recepcionistas, taxistas e guias turísticos. Profissionais esses que estão sempre em contato com os turistas. Ele ressaltou que o projeto se justifica por facilitar a aprendizagem de forma rápida, uma vez que os dois grandes acontecimentos esportivos abrem oportunidades para a divulgação do País, principalmente para o Estado do Amazonas. Por isso, é preciso que os profissionais do trade


turístico estejam preparados para receber corretamente o turista, facilitando a comunicação. “Este projeto terá como resultado um kit composto por sete livros (três de Inglês, três de Espanhol e um de técnicas de turismo receptivo), uma caneta falante e um programa de estudo. O kit será uma nova e importante contribuição tanto para uso das escolas quanto para uso individual por alunos autodidatas. Ele poderá ser utilizado em qualquer lugar, sem a necessidade de computador, ou qualquer outro equipamento, apenas os livros e a caneta falante”, enfatizou. Ainda segundo ele, a expectativa para a venda do produto no primeiro ano, é de 500 kits para cada cidade sede da Copa 2014. Apoio da FAPEAM Para Albuquerque, o apoio da Fundação foi fundamental para o andamento do projeto. “A FAPEAM contribui para que os pesquisadores possam tirar ideias do papel transformá-las em produtos para facilitar o dia a dia das pessoas, como os Livros Falantes que só vão contribuir para uma boa comunicação”, finalizou. Sobre o Programa O Programa de Apoio à Pesquisa em Empresas na Modalidade Subvenção Econômica a Microempresas e Empresas de Pequeno Porte, nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste (Pappe Integração) que visa ao apoio financeiro, na forma de subvenção econômica, ao custeio de atividades de pesquisa, desenvolvimento e/ou inovação (PD&I) realizados por microempresas e empresas de pequeno porte (MEEPPs), de acordo com a Lei nº 10.973, de 2 de dezembro de 2004 (Lei da Inovação), regulamentada pelo Decreto nº 5.563, de 11 de outubro de 2005. Fonte: Agência FAPEAM http://www.jornalbrasil.com.br/?pg=desc-noticias&id=65926&nome=Livros%20Falantes %20ajudam%20na%20aprendizagem%20dos%20idiomas%20Ingl%EAs%20e%20Espanhol


Veículo:

Jornal Brasil On-line

Editoria:

Pag:

Assunto:Pesquisadora fala sobre papel da família na produção de cuidados da saúde (x) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

(Biblos)

Pesquisadora fala sobre papel da família na produção de cuidados da saúde Investigar a produção de cuidados da saúde em famílias de classe popular em um bairro de ocupação espontânea de Manaus é o tema abordado na obra ´Papel da família na produção de cuidados da saúde´, de autoria da doutora em Saúde, Denise Machado Duran Gutierrez, lançada no Instituto Lêonidas e Maria Deane (Fiocruz Amazônia). A obra que teve apoio apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), por meio do Programa de Apoio a Publicações Científicas (Biblos), é resultado de uma reflexão diferente em que a família é tomada como construção social, marcada por seu tempo na história, grupo social a partir do qual emerge a conjugação específica de lugar e tempo na cultura. Em entrevista ao portal da FAPEAM, a autora destaca a importância da obra e de suas referências para a reflexão sobre o tema e o estudo socioantroplógico, a partir de um bairro popular de Manaus. Gutierrez, além de doutora em Saúde, é mestra em Psicologia, especialista em Psicopedagogia e Interdisciplinaridade. Tem experiência na área da saúde da mulher e psicologia clínica, em especial nos temas relativos à terapia familiar, desenvolvimento humano e clínica infantil de orientação psicanilítica. Atualmente é coordenadora de Tecnologia Social do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa). Agência FAPEAM - O que aborda o livro? Denise Machado Duran Gutierrez - Esse trabalho procura investigar essas relações assumindo a postura ético-política de que a família, enquanto grupo primordial e agente essencial ocupa posição importante dentro do fluxo de intervenções do sistema saúde e contribui, embora nem sempre seja reconhecida, para a efetividade das mesmas. Não há procedimento médico que não seja de algum modo mediado pelo grupo social família e que não dependa, portanto, de suas contribuições para o sucesso.


O trabalho também investiga o olhar que a família tem sobre esse seu papel fazendo um contraponto com a visão que os profissionais do PSF têm sobre o papel que caberia à família e seu efetivo desempenho. O cruzamento desses olhares elucida várias questões de importância para o sistema de saúde e se desdobra em várias recomendações instrumentais. Ao mesmo tempo, tomamos a família não em sentido genérico, mas a partir de alguns eixos que a estruturam e compõem, quais sejam: gênero, geração e camada social. Interessa-nos a família situada no tempo atual e espaço amazônico em cenário urbano de periferia em que a encontramos. Ao assim fazê-lo pensamos contribuir para o entendimento sobre como homens e mulheres, crianças e idosos de camadas populares tem participações distintas nesse cenário da produção de cuidados em saúde Agência FAPEAM - Desde quando a senhora trabalha com estudos socioantropológicos? Gutierrez - O trabalho com famílias tem feito parte de minha trajetória desde há muito tempo. Essa presença tem sido resultado do reconhecimento de sua importância no desenvolvimento de várias dimensões da vida das pessoas com as quais tenho trabalhado. Na área da psicologia clínica, o trabalho com crianças e adolescentes me ensinou desde cedo a ouvir e conviver com as famílias de meus pacientes como instrumento fundamental para o bom desenvolvimento do trabalho clínico. Na clínica do adulto, a família, ainda que não esteja concretamente presente, povoa os sonhos, fantasias e ansiedades vividas pelos pacientes e desse modo precisa ser vista e tomada como referência para a compreensão das dinâmicas psíquicas. No campo da saúde coletiva, embora o sistema de saúde brasileiro se organize pela propositura do Sistema Único de Saúde (SUS) e emergência do Programa Saúde da Família (PSF), a família é muito pouco investigada, considerada e tomada como instância de fato relevante para a procura e produção de cuidados e para o entendimento das relações e interações entre família e serviços de saúde em contextos socioculturais particulares. Agência FAPEAM - Porque a abordagem sobre o tema papel da família na produção de cuidados da saúde? Gutierrez - Dentro das políticas de saúde pública a família tem assumido um papel central, em especial no âmbito do programa Saúde da Família (PSF), principal estratégia dentro do modelo SUS. No entanto, há pouca clareza sobre que família é essa e como lidar, relacionar-se, com ela. No mundo da vida prática dos serviços de saúde aparecem diversos impasses que mostram o despreparo dos profissionais de saúde para cuidar e dialogar com a família. Agência FAPEAM - O que o livro oferece ao leitor? Gutierrez - Uma discussão contextualizada e atual sobre as tensões presentes na relação entre serviços de saúde e famílias e sugestões sobre aspectos essenciais a serem considerados caso se queira resolver problemas a partir de uma perspectiva sistêmica que integre diferentes olhares e perspectivas (não somente a biológica) e com compromisso ético-político. Os dados empíricos são bastante ricos e cheios de pistas para a construção de políticas públicas mais efetivas, de modo que o PSF venha a, não somente aumentar sua cobertura, mas sobretudo melhorar a qualidade do atendimento. Agência FAPEAM - Na sua opinião, como está sendo aplicada a discussão sobre o tema no Amazonas? Gutierrez - Precisamos avançar muito no sentido de melhorar a qualidade dos serviços de saúde. Para isso é necessário olhar para a família, aprender a dialogar com ela, tomá-la como agente válido no cenário da produção de cuidados da saúde e ultrapassar a visão excludente que vê a família, e em especial a mulher, como ignorante e incompetente. Sobre o Programa Biblos O programa, financiado pelo Governo do Amazonas via FAPEAM, consiste em apoiar a publicação de livros, manuais, números especiais (temáticos) de revistas e coletâneas científicas nos seguintes suportes papel, mídia eletrônica e digital.

Fonte: Agência FAPEAM http://www.jornalbrasil.com.br/?pg=desc-noticias&id=66415&nome=Pesquisadora%20fala %20sobre%20papel%20da%20fam%EDlia%20na%20produ%E7%E3o%20de%20cuidados%20da %20sa%FAde


Veículo:

CONSECTI

Editoria:

Pag:

Assunto: Importância da Fapeam para o Amazonas é destaque na ALE-AM (x) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Importância da Fapeam para o Amazonas é destaque na ALEAM Dados como o aumento do número de doutores formados no Amazonas, que saltou de 372, no ano 2000, para 1.728 em 2010, representando uma taxa de crescimento superior a 364,52% e o volume de recursos executados em CT&I que, desde a criação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em 2003 até 2012, chega a mais de R$ 346 milhões serviram para mostrar porque a Fapeam, em tão pouco tempo, conseguiu estar entre as que mais se destacam no País. A sessão especial solicitada pelo deputado estadual Adjuto Afonso (PT) marcou, nesta quarta-feira, 19/12, os trabalhos na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM). A diretora-presidenta da Fapeam, Maria Olívia Simão, discursou apresentando os principais resultados que fazem da Fundação hoje uma das que mais se destacam no País e os benefícios que ela trouxe para o Amazonas. Na ocasião, a diretora-presidenta destacou a maneira como a FAP foi muito bem recebida na ALE e como a interlocução com os deputados possibilitou ver o quanto eles percebem que a Ciência, Tecnologia e Inovação são um tema extremamente importante para o estado do Amazonas. “A recepção dos dados e dos indicadores que trouxemos para esta Casa é irrefutável, o que nos leva a crer que sempre teremos o apoio desta casa legislativa, o que é extremamente importante para as ações que desenvolvemos em longo prazo”, afirmou. EVOLUÇÃO


Durante a sua explanação, a diretora-presidenta destacou dados que apontam como era a situação do Amazonas em relação à CT&I no ano 2000 e o quanto evoluiu até 2010, segundo indicadores do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Foram ressaltadas as cinco linhas de ação trabalhadas pela Fapem nesse sentido: formação de capital humano para CT&I, apoio à pesquisa, tecnologia e inovação, apoio à infraestrutura e organização institucional para CT&I, fomento à popularização e difusão da CT&I, e apoio ao intercâmbio e cooperação interinstitucional, nacional e internacional em CT&I. “Nós entendemos que somente por meio de investimentos na formação de recursos humanos qualificados em todos os níveis, do Ensino Fundamental passando pelo Ensino Médio, graduação até o mestrado e doutorado, é que vamos garantir um futuro promissor em CT&I para o Estado do Amazonas e nós estamos trabalhando nisso em parceria com as secretarias de Educação (Seduc e Semed) e de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI-AM)”, afirmou Maria Olívia Simão. APOIO Para o secretário estadual de CT&I, Odenildo Sena, o espaço dedicado à Fapeam na ALE-AM é importante, pois os deputados, no geral, ainda conhecem pouco sobre o que acontece em CT&I no Estado do Amazonas. Sena lembrou que tudo que acontece na Casa Legislativa repercute como um tema importante. “Nós ainda temos muita carência de pessoal formado no Estado, principalmente mestres e doutores que levam de três a quatro anos para se formarem, por isso é importante investir nessa formação”, destacou Sena. Segundo o deputado Adjuto Afonso (PP), a presença da Fapeam na Assembleia é positiva, pois demonstra o esforço dos gestores, tanto da Fundação quanto da SECTI-AM, em possibilitar um desenvolvimento maior e articulações junto a outras instituições para que sejam ampliados os investimentos em CT&I. “Apesar do crescimento apresentado, nos últimos anos, ainda temos grandes desafios. Precisamos conhecer bem esta realidade para podermos sugerir melhorias para o desenvolvimento da CT&I. Um exemplo disso é uma proposta de mudança na Constituição para ampliar de 1% para 2% o percentual da receita tributária do Estado a ser destinado à Fapeam. Precisamos ampliar os recursos e trabalhar para que estes recursos sejam executados de forma a atender as demandas do setor”, explicou. De acordo com o presidente da comissão de CT&I da Assembleia, deputado José Ricardo Wendling (PT), a diretora-presidenta da Fapeam tem executado um papel importante para o desenvolvimento do estado, seja na formação de recursos humanos para pesquisa, seja em produtos inovadores frutos de pesquisas aplicadas. “Trazer pessoas para esta Casa, que produzem e ajudam no desenvolvimento do Amazonas, é importante para que nós possamos conhecer este trabalho e tenhamos a oportunidade de dizer de que forma nós podemos ajudar a melhorar ainda mais nesse sentido, ainda mais num período em que se vota o orçamento do próximo ano”, finalizou. Fonte: Agência Fapeam

http://www.consecti.org.br/2012/12/20/importancia-da-fapeam-para-o-amazonas-e-destaque-na-aleam/


Veículo:

UFAM – Instituto de saúde e biotecnologia (ISB)

Editoria:

Pag:

Assunto: FAPEAM concede Bolsas de Doutorado para cursos fora do Estado (x) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

FAPEAM concede Bolsas de Doutorado para cursos fora do Estado Ocandidato precisa ser residente no Estado do Amazonas e apresentar propostas para o Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos Pós-Graduados do Estado do Amazonas - RH/Doutorado. O Edital é de fluxo contínuo e o curso deve ser recomendao pelas Capes. http://www.isbcoari.ufam.edu.br/index.php?option=com_content&view=article&id=70:fapeamconcede-bolsas-de-doutorado-para-cursos-fora-do-estado


Veículo:

Jornal Brasil On-line

Editoria:

Pag:

Assunto: Cantigas de roda carregam vestígios culturais de várias gerações, aponta pesquisa (x) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: Paic

Cantigas de roda carregam vestígios culturais de várias gerações, aponta pesquisa As cantigas de roda ultrapassam o conceito de entretenimento na educação infantil e além de lúdicas trazem em seu contexto elementos culturais distintos de muitas gerações. Essa foi uma das constatações da pesquisa de iniciação científica intitulada 'Cantigas de Roda: em busca de vestígios culturais', que foi desenvolvida pela estudante do 8º período do Curso de Pedagogia, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Ana Síria Carneiro de Souza, sob a orientação da professora do Departamento de Métodos e Técnicas da Faculdade de Educação da Ufam, Ilaine Inês Both. A pesquisadora, que é bolsista do Programa de Apoio à Iniciação Científica do Amazonas (Paic), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), explicou que o estudo teve como objetivo identificar vestígios étnicos e culturais em cantigas de roda praticadas nas diversas regiões do Brasil e, particularmente, na região amazônica. Ela explicou que a pesquisa foi desenvolvida por meio de bibliografias de cunho qualitativo em que foram consultadas, extraídas e analisadas obras de autores que dedicaram seus estudos sobre os contextos que envolvem as cantigas de roda. Esses autores comprovaram que a prática das cantigas em brincadeira de roda tem grande importância no desenvolvimento da criança, uma vez que além de entreter, ela está relacionada ao estímulo da imaginação, da criatividade e da concentração de memória. “Por meio do estudo, os resultados do processo de investigação apontaram que as cantigas de roda foram transmitidas de geração em geração, principalmente, por meio da oralidade. No Brasil, as cantigas de roda se ampliaram consideravelmente a partir das mesclas culturais de índios, negros e brancos. Desta forma, essas brincadeiras são mais que atividades lúdicas, trazem em seu contexto elementos culturais distintos de muitas gerações”, ressaltou. Ela ressaltou que, mesmo com as dificuldades em encontrar registros escritos acerca das cantigas de roda na região Amazônica e no Brasil, os resultados foram satisfatórios, uma vez que foi possível detectar a contribuição, sobretudo, das culturas indígenas, afrodescendentes e lusitanas (portugueses, espanhóis e franceses).


O incentivo para a pesquisa Souza enfatiza que a ideia da pesquisa, surgiu durante o Curso de Pedagogia, particularmente, nas disciplinas voltadas à Educação Infantil, onde foi colocada em evidências a relevância dos jogos e brincadeiras na formação das crianças. Estes estudos revelaram, também, que muitos adultos, em particular familiares e professores, desconhecem o potencial das relações interculturais e o papel dos jogos e das brincadeiras para a aprendizagem e desenvolvimento das crianças. “Nesta perspectiva, considerei que poderia contribuir para a consciência da diversidade cultural que supostamente permeia as cantigas de roda. Por isso, avaliamos a necessidade de intensificar os estudos e práticas das cantigas de roda com as crianças a fim de que esta valiosa manifestação cultural seja preservada e recriada pelas atuais e vindouras gerações”, explicou. O estudo teve a duração de um ano e foi apresentado no 21º Congresso de Iniciação Científica da Universidade Federal do Amazonas (Conic/Ufam). O evento aconteceu no período de 10 a 14 de dezembro. De acordo com a pesquisadora, o estudo foi apresentado, mas ainda não está finalizado, uma vez que sempre fica uma inquietação e questões em aberto e como se trata de uma pesquisa bibliográfica, as possibilidades de dar continuidade em 2013 ao estudo estão sendo consideradas.

Apoio da FAPEAM Para Souza, o apoio da FAP foi decisivo para o início e conclusão da pesquisa e também para seu crescimento profissional e pessoal. “O recurso financeiro por meio da bolsa da FAPEAM fez com que eu tivesse a oportunidade de comprar diversos livros de outras regiões do Brasil e, também para realizar pesquisas em bibliotecas de instituições educativas localizadas no Centro e em bairros da cidade de Manaus”, finalizou.

Sobre o Paic O Programa de Apoio à Iniciação Científica do Amazonas consiste em apoiar, com recursos financeiros e bolsas institucionais, estudantes de graduação interessados no desenvolvimento de pesquisa em instituições públicas e privadas do Amazonas.

Fonte: Agência FAPEAM http://www.jornalbrasil.com.br/?pg=desc-noticias&id=66225&nome=Cantigas%20de%20roda %20carregam%20vest%EDgios%20culturais%20de%20v%E1rias%20gera%E7%F5es,%20aponta %20pesquisa


Veículo:

Fato Agenda. Blogspot

Editoria:

Pag:

Assunto: Cantigas de roda carregam vestígios culturais de várias gerações, aponta pesquisa ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição (x ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

PRÊMIO JORNALISMO CIENTÍFICO - FAPEAM A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM) organiza a 4ª edição do Prêmio Jornalismo Científico. Profissionais e estudantes da área de comunicação do estado do Amazonas podem concorrer ao prêmio. As categorias são impresso-jornal, impresso-revista, fotojornalismo, TV e TV Web (reportagem e grande reportagem), rádio e rádio Web e Internet. O valor total da premiação é R$38.200. As matérias devem ter sido publicadas ou transmitidas entre janeiro e dezembro de 2012. As inscrições vāo até 8 de fevereiro. Para mais informação, clique aqui. http://fatoagenda.blogspot.com.br/search/label/FAPEAM


Veículo:Portal

D24.com

Editoria:

Pag:

Assunto: Pesquisa aborda aspectos históricos da saúde indígena no Amazonas ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: Paic

Pesquisa aborda aspectos históricos da saúde indígena no Amazonas Manaus - A pesquisa intitulada ‘Rastros da saúde indígena nos relatórios das inspetorias do Serviço de Proteção aos Índios no Amazonas’, da graduanda do curso de História da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), Lara Vieira Bentolila de Aguiar, analisou, a partir da perspectiva histórica encontrada nos documentos do Serviço de Proteção aos Índios (SPI) as condições de saúde e tratamento oferecidos à população indígena daquela época. O estudo teve apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), do Programa de Apoio à Iniciação Científica do Amazonas (Paic) e teve como objetivo principal mostrar como os agentes do SPI tratavam os povos indígenas quando eles necessitavam de tratamento médico. “Os documentos históricos apontam o processo de utilização dos índios, naquela época, como mão de obra. Então, a pesquisa vem prospectar, de forma histórica, as principais condições de saúde destes indígenas nas primeiras décadas do século”, afirmou Aguiar. Resultados Segundo a estudante, com a pesquisa foi possível observar, além da comprovação que as principais doenças que afetavam os índios eram oriundas do avanço do convívio social, foi verificado também que as doenças entre os indígenas da Amazônia naquela época eram constantes e diversas, oriundas das principais atividades realizadas por eles para seu sustento.


A pesquisa também possibilitou confirmar que entre os principais rastros de doenças citados nos relatórios históricos do SPI, no início do século 20, estão doenças como: malária, gripe e tuberculose nos adultos e, principalmente, verminoses entre as crianças. Contribuição Aguiar destaca a relevância do apoio em pesquisas de cunho histórico. “A contribuição da Fapeam é de suma importância para a abrangência do conhecimento da disciplina e da própria história da região amazônica. Incentivando assim, um interesse maior na área de iniciação científica aos acadêmicos de ciências humanas”, frisou. Para o orientador da pesquisa, doutorem história Hideraldo LimaCosta, o estudo tem grande relevância para o cenário histórico da região, não apenas para os estudantes, mas principalmente para a população interessada em obter mais conhecimento sobre o assunto pesquisado. “Através da obtenção dos resultados da pesquisa, não é apenas a aluna responsável pelo estudo, a qual demonstrou excelente postura como pesquisadora, que sai ganhando, mas toda a sociedade acadêmica que tem um grande incentivador ao acesso ao conhecimento científico, que é o Conic”, destacou. http://www.d24am.com/amazonia/povos/pesquisa-aborda-aspectos-historicos-da-saude-indigenano-amazonas/76703


Veículo:Portal

D24.com

Editoria:

Pag:

Assunto: Pesquisa no Amazonas relaciona câncer de pênis e HPV ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Pesquisa no Amazonas relaciona câncer de pênis e HPV Manaus - A incidência do câncer de pênis e a associação da doença com o Papiloma Vírus Humano (HPV) é tema de pesquisa desenvolvida no Amazonas. O estudo está sendo realizado pela doutora em Ciências na área de Virologia e Imunologia da Fundação Centro de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), Kátia Luz Torres da Silva. O projeto conta com o apoio financeiro do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via Programa de Apoio à Pesquisa (Universal Amazonas). De acordo com a pesquisadora, a FCecon já estava trabalhando na linha da associação entre vírus e o desenvolvimento de câncer. Ela explicou que, por meio do estudo intitulado ‘Caracterização epidemiológica e clínica dos pacientes portadores de carcinoma de células escamosas do pênis e associação com a infecção pelo Papilomavírus Humano’, será possível descobrir qual a associação e os fatores que contribuem para a alta incidência de câncer de pênis no Amazonas. “O câncer de pênis tem uma atenção menor em relação ao útero, talvez por ser de menor prevalência. Mas no Amazonas, a frequência com que o câncer de pênis acontece, se destaca do resto do Brasil e em outras regiões do mundo inteiro, então algo existe aqui que faz com tenhamos um número relevante da doença na nossa região, o que nos levou a começar o estudo”, explicou. A pesquisadora ressaltou que o projeto será desenvolvido na FCecon, com os pacientes que fazem tratamento na instituição e com o apoio de outras instituições, como a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) o Instituto de Medicina Tropical de São Paulo e o Instituto de HPV Nacional.


Ainda segundo Torres, o trabalho contará com a participação do doutor em virologia e pesquisador do Instituto de Medicina Tropical da Universidade do Estado de São Paulo (IMT/USP) e membro do Conselho Científico do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos HPVs, José Eduardo Levi. “Vamos verificar se a doença é comum aqui, por que há essa grande incidência de câncer de pênis? Será que tem muitos mais vírus? Será que os pacientes são jovens?”, questionou. De acordo com o pesquisador, outros questionamentos estão relacionados aos tipos de vírus que circulam no Amazonas, se são mais agressivos e se manifestam mais. “Então temos que ver a epidemiologia, quem são essas pessoas? Qual o ocupação delas? Se há a presença do HPV nos pacientes? Qual o tipo do HPV? Então são perguntas que nós procuraremos responder, com o objetivo final voltado para a prevenção”, frisou Levi. De acordo com o pesquisador, o vírus do papiloma é a causa a doença do câncer de útero, mas ele está também associado a vários tumores na região genital, como pênis, vagina e ânus. O pesquisador esteve participando do 4º Simpósio Amazonense de Oncologia Cutânea, que aconteceu no final de novembro, no auditório da FCecon, onde ministrou palestras voltadas para os temas, Papilomas Vírus Humano (HPV) câncer de boca, de laringe e câncer de pele. http://www.d24am.com/noticias/saude/pesquisa-no-amazonas-relaciona-cancer-de-penis-ehpv/76772


Veículo:Eco

Reportagem

Editoria:

Pag:

Assunto: Telhado à base de PET ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Telhado à base de PET As famigeradas garrafas PET costumam permanecer centenas de anos na natureza após o descarte. Isso significa, entre muitos outros impactos ambientais, a redução na vida útil de aterros sanitários e a contaminação de lençóis freáticos, rios e redes de esgoto. O que pouca gente sabe é que há soluções para reintegrar a matéria-prima à linha de produção, algo capaz de reduzir o desmatamento e a emissão de gases do efeito estufa. Uma delas foi desenvolvida há menos de dois anos pela Telhas Leve, empresa com sede em Manaus (AM) e responsável por uma rede de revendedores em todo o país. São telhados feitos a partir das garrafas de água mineral e refrigerante. A firma, criada em 1997 por Luiz Antônio Pereira Formariz e alguns sócios, começou a fabricar telhas em polipropileno. Mas, tempos depois, decidiu optar pelo material de plástico abundante no lixo doméstico e rico em qualidades. “O PET é a resina com maior durabilidade, tem uma vida útil muito longa. Além disso, trata-se de produto nobre. Como consumimos o líquido que vem em seu interior, nunca passou pelo processo de reciclagem. É virgem”, explica. O processo para desenvolver a tecnologia capaz de transformar garrafas de plástico em telhas seguras não foi simples, mas teve o auxílio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) e da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). A Telhas Leve se inscreveu, em 2009, no edital do Programa de Apoio à Pesquisa em Micro e Pequenas Empresas, iniciativa pública que conta com investimentos totais na casa de 6 milhões de reais para o Amazonas. O


resultado não poderia ser melhor: cerca de 150 mil reais de incentivo do governo no caixa da firma para estudos e testes. “ Acho a ideia da Telhas Leve muito interessante, porque trata-se de uma matéria-prima que se joga no lixo e, por exemplo, atravanca os igarapés de Manaus. Além disso, o baixo custo na sua aquisição tem reflexo no produto final. O retorno que temos é social, lá na frente”, garante Odenildo Sena, diretor presidente da Fapeam. Atualmente, a empresa tem 28 funcionários fixos e capacidade para reciclar 24 toneladas de garrafas PET por dia. A oferta não é totalmente satisfeita porque só é possível conseguir por mês, em média, 80 toneladas do material em Manaus. O ciclo não é muito complicado: Luiz Antônio recebe o plástico na sede da Telhas Leve de, mais ou menos, cem cooperativas, muitas vezes prensado e sujo. Paga-se 800 reais por tonelada. Em seguida, o material é lavado duas vezes e transformado em espécies de flakes dentro de um moinho (pequenos pedaços que, unidos, formarão a telha). Nenhum processo é manual, a não ser a separação inicial do que chega à fábrica. Ao todo, cerca de 400 pessoas participam do trabalho, desde a coleta até a confecção final. “Depois, são mais dois processos de lavagem, um de separação dos rótulos, tampas e outras impurezas, nova lavagem e secagem. Neste ponto podemos armazenar e transformar em telha. Ao todo, temos potencial para produzir 10 mil metros quadrados do produto por mês”, assegura Formariz. Similar à telha de barro, a feita com garrafas PET é um pouco mais cara: o metro quadrado custa 36 reais, enquanto a tradicional é adquirida por 19 reais na capital do Amazonas. O peso, no entanto, começa a dar uma boa diferença entre as duas. Enquanto a telha de plástico tem 5,8 quilos, a outra chega a 60 quilos. Por isso, o custo da estrutura de uma telha de barro gira em torno de 65 a 70 reais por metro quadrado. A daquela encontrada na Telhas Leve, porém, não passa de 15 reais. Uma casa popular média necessita de 55 a 60 metros quadrados do produto. Uma das maiores necessidades vistas pela equipe da empresa era saber qual a vida útil da telha oferecida. Para tanto, pediram ajuda ao departamento de engenharia de materiais da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar), em São Paulo. Apesar de não serem 100% conclusivas, as respostas foram satisfatórias. “A máquina que temos aqui simula e acelera o envelhecimento. Em princípio, todos os plásticos sofrem perda de composição devido à ação de intempéries. A expectativa era de que ela durasse por volta de 50 anos, mas não chega a tanto. É possível fazer com que demore mais, com tratamentos especiais à base de resina de poliuretano, por exemplo”, afirma o professor Elias Hage, um dos responsáveis pelo estudo Entre as principais características das telhas plásticas estão a resistência ao ressecamento e a fixação através de abraçadeiras de nylons especiais, o que protege contra ventos fortes. Além disso, a inclusão de aditivos anti-raios ultra violeta (uv) permite maior combate à radiação solar. O principal, no entanto, é que utiliza um terço da matéria-prima necessária à fabricação das telhas de barro e não há desmatamento de florestas ou queima da lenha nos fornos. A telha utiliza um terço da matéria-prima necessária à fabricação das telhas de barro e não há desmatamento de florestas ou queima da lenha nos fornos. http://www.oeco.com.br/es/reportagens/23535-telhado-a-base-de-pet-


Veículo:

Site Difusora

Editoria:

Pag:

Assunto:Nasa divulga vídeo desconstruindo apocalipse Maia ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(X) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(X) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Nasa divulga vídeo desconstruindo apocalipse Maia Os rumores de que a terra iria acabar no dia 21 de dezembro levaram a Nasa a postar no Youtube um vídeo intitulado ‘Por que o mundo não acabou ontem’. Cientistas afirmaram que os rumores que correm na internet sobre o fim prematuro da Terra foram motivados por um mal-entendido a respeito do calendário maia, cujo ciclo de contagem longa termina, conforme o calendário gregoriano, em 21 de dezembro de 2012. “É apenas o fim de um ciclo e o começo de um novo. É como o 31 de dezembro, nosso calendário acaba, mas um novo calendário para o ano seguinte começa em 1º de janeiro”, diz em outro vídeo no YouTube Don Yeomans, chefe do programa de Objetos Próximos da Terra do Laboratório de Propulsão a Jato da Nasa, em Pasadena, na Califórnia. De acordo com a história que circulou na internet, um enorme planeta desgarrado chamado Niburu estaria em rota de colisão com a Terra. “Se fosse verdadeiro teríamos visto há muito tempo, e se ele fosse por algum motivo invisível, teríamos visto seus efeitos nos planetas vizinhos. Milhares de astrônomos que varrem os céus noturnos diariamente já teriam visto isso”, afirmou Yeomans. Inicialmente, Niburu, também conhecido como Planeta X, deveria colidir com a Terra em maio de 2003, mas quando isso não aconteceu o apocalipse foi adiado por seus seguidores para coincidir com o fim de um dos ciclos do antigo calendário pré-colombiano, no solstício de 21 de dezembro de 2012.


Outros eventos celestes que, garante a Nasa, não irão acontecer são: um alinhamento planetário que provoque uma enorme maré ou o total escurecimento da Terra; uma reversão na rotação da Terra; o impacto de um asteroide gigante; e uma gigantesca tempestade solar. “Desde o começo do tempo registrado, já houve literalmente centenas de milhares de previsões sobre o fim do mundo”, disse Yeomans. “Ainda estamos aqui”.] Do site da Fapeam http://www.difusora24h.com/nasa-divulga-video-desconstruindo-apocalipse-maia/


Veículo:

Brazilian Fibres

Editoria:

Pag:

Assunto: Study shows the potential of Amazon fibres in the international market ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(X) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: RH-Posgrad

Study shows the potential of Amazon fibres in the international market Amazonas may emerge in the coming years as the main exporter of vegetal fibre of non-woody origin for use in European countries. The forecast is of the master of Science and Technology of Wood of Federal University of Lavras (UFLA) in Minas Gerais, and of the researcher Alessandra de Souza Fonseca. According to Fonseca, the interest in using vegetal fibres for different segments of the industry is growing and Amazon palm fibres can become an important alternative feedstock. These data are available in the research project entitled "Technological characterization of steam fibres of ‘Demoncus polyacanthos Mart’”, developed with financial support from the Foundation for Research Support of the State of Amazonas (FAPEAM), through the Program of Support of Training Postgraduate Human Resources of the State of Amazonas (RH-Posgrad). "The jacitara (Desmoncus poluacanthos Marth) is considered a potential source of fibrous raw material due to the use of its fibers by Indians, Caboclos and bordering the Amazon region, in a


rustic way" argued Fonseca. The researcher also explained that the goal of research was the technological characterization of jacitara fibres to demonstrate that Amazon palm can be commercially exploited in a sustainable way in the world market of vegetal fibres. Method of Study Throughout the research, 15 jacitara steams were collected from the Environmental Protection Area of the right bank of the Rio Negro, located in the city of Novo Air達o. The samples were cleaned and anatomically, chemically, physically and mechanically analyzed. According to Fonseca, for anatomical characterization, a study of the microscopic structure was made. In the chemical study, structural constituents were determined and in the physical and mechanical characterizations, the actual density, the mass loss were determined, besides the properties of tensile strength and elasticity. "Taking into account all the characteristics shown by the fibres, we conclude that Amazon palm jacitara presents the possibility of using that is similar to the use of commercially exploited species, particularly with regard to the application of fibres as reinforcement of composites, since they present strength and hardness", stressed the researcher at the conclusion of the research project. Fonseca also considered that specific studies must be made, that confirm the potential of jacitara in order to favor its use in papermaking and other common uses ofthe fibres. Amazon Fibres The jacitara is a palm tree, distributed in understorey and found in abundance in the Amazon rainforest - especially in the cities of Novo Air達o and Barcelos -, coastal sandbanks and forest formations of the Atlantic complex. In Brazil, the vegetal fibres are used for the production of cellulose pulp for later papermaking, for example. In Amazonas, many families that live along the basin of the Rio Negro supplement their income with extraction of vegetal fibres. They also use fibres to make household items and artifacts used in quotidian. This happens, for example, in the city of Novo Air達o where artisans use jacitara fibres to make details in black or red on products made with vine. In Barcelos, the artisans use the fibre to make sieves and other products used only for household activities and agricultural production. Source: Portal A Cr鱈tica http://www.brazilianfibres.com/portal/index.php/en/news/166-study-shows-the-potential-ofamazon-fibres-in-the-international-market


Veículo:

Mpsoft Informatica.blogspot.com.br

Editoria:

Pag:

Assunto:Manaus sedia Encontro de Computação e Sistemas de Informação (x ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: Parev

Manaus sedia Encontro de Computação e Sistemas de Informação O evento que tem por objetivo reunir acadêmicos e profissionais envolvidos com a temática do ensino e prática da computação para discussão do estado da arte deste campo na região norte do Brasil é uma das propostas aprovadas pelo Edital nº 007/2012 do Programa Institucional de Apoio à Realização de Eventos Científicos e Tecnológicos no Estado do Amazonas (Parev) da FAPEAM. De acordo com a coordenadora do evento e mestre em Informática, Marcela Sávia Picanço Pessoa, a expectativa é receber cerca de 300 pessoas visando promover a integração entre as diversas comunidades da Computação e Sistemas de Informação com a participação de pesquisadores, acadêmicos e profissionais sob uma visão técnica e científica. “Nosso objetivo é justamente chamar a atenção para a importância do relacionamento e interação entre a academia e a indústria de tecnologia como parte importante no avanço do desenvolvimento tecnológico da região norte. Isso desperta nos alunos o interesse por pesquisa e alavanca o desempenho da região Norte no cenário de pesquisa nacional”, frisou.


A coordenadora ressaltou que a necessidade da realização da primeira edição do evento se dá pela relevância do envolvimento de estudantes e profissionais de tecnologia e a divulgação de seus trabalhos à população amazonense. “Assim, na versão de 2013 espera-se aumentar o número de instituições e de participantes e elevar a qualidade dos artigos aceitos e inseridos nos anais do evento. Com o decorrer de sua realização almeja-se que o Enconsis se torne referência como um dos grandes eventos de tecnologia na Região Norte”, destacou. Impactos esperados Segundo Pessoa, espera-se com o evento uma maior integração entre os centros de ensino e desenvolvimento de computação e sistemas de informação na região norte, entre os estudantes e profissionais da área da informática, além de da formação de um forte grupo de professores e desenvolvedores de tecnologia na região norte do Brasil. Na segunda edição, o evento terá apoio da Sociedade Brasileira da Computação (SBC) na organização e de outras instituições de ensino e empresas na forma de apoio.

Sobre o programa O Parev consiste em apoiar, com recursos financeiros, a realização de eventos científicos e tecnológicos no Estado do Amazonas.

Janaina Karla – Agência FAPEAM

http://mpsoftinformatica.blogspot.com.br/2012/12/manaus-sedia-encontro-de-computacao-e.html


Veículo:Portal

do Governo

Editoria:

Pag:

Assunto:Software desenvolvido com investimentos do Viver Melhor/Pró-Assistir aposta em tartaruga falante para conquistar crianças autistas ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Software desenvolvido com investimentos do Viver Melhor/Pró-Assistir aposta em tartaruga falante para conquistar crianças autistas Imagine uma tartarugazinha simpática e falante que adora dar dicas de Língua Portuguesa para auxiliar crianças em fase de alfabetização. Dentro de pouco tempo, essa personagem se tornará real – pelo menos no ambiente virtual. Trata-se da Lina, a grande aposta para conquistar o público infantil de um software para inclusão escolar de crianças autistas que está sendo desenvolvido no curso de Designer, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam), a partir de investimentos do Programa de Tecnologia Assistiva (Viver melhor/Pró-assistir) do Governo do Amazonas. O projeto está sendo conduzido pela aluna Alice Neves, sob a orientação da doutora em Engenharia de Produção, Claudete Barbosa. Por ter um foco educativo, o programa possui uma linguagem simples e conta com recursos de animação gráfica. O programa está sendo chamado de Lina Educa, em referência à personagem. Após ser exposto no 4° Encontro Internacional de Pesquisa em Designer, no Rio de Janeiro, a procura para que o trabalho saísse do papel foi grande. “Recebemos vários e-mail de pais, terapeutas, fonoaudiólogos e até desenvolvedores de softwares e isso nos motivou a inscrever o


projeto no Programa de Tecnologia Assistiva (Viver melhor/Pró-assistir)”, contou a orientadora. Fase atual – A equipe composta pela inventora, Alice Neves, a orientadora, Claudete Barbosa, os professores Jean Flávio e Patrícia Braga, duas estagiárias de designer e o casal Ana Maia e Joaquim Melo, pais de uma criança autista, já está desenvolvendo a primeira fase do projeto. O método usado foi o Teacch, sigla em inglês que significa Tratamento e Educação de Crianças Autistas e de Comunicação Relacionados a deficientes físicos. O método cria e organiza uma agenda com todas as atividades diárias da criança, das mais básicas, como horário para tomar banho, até aulas de português para alfabetização. Com uma serie de adaptações a serem feitas, a finalização está prevista somente para maio de 2013, mas a professora já adianta que serão necessários mais três meses de testes com crianças para verificação da aceitação. Somente após essa etapa, o software passará por adaptações a fim de que possa ser acessado em desktop e tablet. “A ideia é deixar hospedado no site de instituições para download gratuitamente e código fonte disponível para alterações com o objetivo de melhorar o produto”, finalizou a professora. Viver Melhor/Pró-Assistir – Lançado em abril de 2012, o Viver Melhor/Pró-Assistir foi idealizado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (Secti-AM) e executado em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado Amazonas (Fapeam) e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped). Este foi o primeiro programa de tecnologia assistiva lançado no País a estimular a participação não somente de pesquisadores, mas também de inventores. A Fapeam disponibilizou por meio do edital 006/2012 recurso no valor de R$ 2,5 milhões para aplicação em projetos de inovação voltados ao desenvolvimento de produtos assistivos de maneira a contribuir para dar mais autonomia, independência e qualidade de vida a pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida. O resultado foi considerado positivo na medida em que contemplou projetos de alto nível de qualidade. Autismo – O autismo é uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização e de comportamento. Esta desordem faz parte de um grupo de síndromes chamado transtorno global do desenvolvimento (TGD), também conhecido como transtorno invasivo do desenvolvimento (TID). Algumas crianças, apesar de autistas, apresentam inteligência e fala intactas, outras apresentam sérios problemas no desenvolvimento da linguagem. Alguns parecem fechados e distantes, outros presos a rígidos e restritos padrões de comportamento. Os diversos modos de manifestação do autismo também são designados de espectro autista, indicando uma gama de possibilidades dos sintomas do autismo. Atualmente, já há a possibilidade de detectar a síndrome antes dos dois anos de idade – em muitos casos. http://www.amazonas.am.gov.br/2012/12/software-desenvolvido-com-investimentos-do-vivermelhorpro-assistir-aposta-em-tartaruga-falante-para-conquistar-criancas-autistas/


Veículo:Ciência

em Pauta - Secti-am

Editoria:

Pag:

Assunto:Importância da Fapeam para o Amazonas é destaque na ALE-AM (x) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Importância da Fapeam para o Amazonas é destaque na ALE-AM Dados como o aumento do número de doutores formados no Amazonas, que saltou de 372, no ano 2000, para 1.728 em 2010, representando uma taxa de crescimento superior a 364,52% e o volume de recursos executados em CT&I que, desde a criação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em 2003 até 2012, chega a mais de R$ 346 milhões serviram para mostrar porque a Fapeam, em tão pouco tempo, conseguiu estar entre as que mais se destacam no País. A sessão especial solicitada pelo deputado estadual Adjuto Afonso (PT) marcou, nesta quarta-feira, 19/12, os trabalhos na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM). A diretora-presidenta da Fapeam, Maria Olívia Simão, discursou apresentando os principais resultados que fazem da Fundação hoje uma das que mais se destacam no País e os benefícios que ela trouxe para o Amazonas. Na ocasião, a diretora-presidenta destacou a maneira como a FAP foi muito bem recebida na ALE e como a interlocução com os deputados possibilitou ver o quanto eles percebem que a Ciência, Tecnologia e Inovação são um tema extremamente importante para o estado do Amazonas. “A recepção dos dados e dos indicadores que trouxemos para esta Casa é irrefutável, o que nos leva a crer que sempre teremos o apoio desta casa legislativa, o que é extremamente importante para as ações que desenvolvemos em longo prazo”, afirmou. urante a sua explanação, a diretora-presidenta destacou dados que apontam como era a situação do


Amazonas em relação à CT&I no ano 2000 e o quanto evoluiu até 2010, segundo indicadores do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Foram ressaltadas as cinco linhas de ação trabalhadas pela Fapem nesse sentido: formação de capital humano para CT&I, apoio à pesquisa, tecnologia e inovação, apoio à infraestrutura e organização institucional para CT&I, fomento à popularização e difusão da CT&I, e apoio ao intercâmbio e cooperação interinstitucional, nacional e internacional em CT&I. “Nós entendemos que somente por meio de investimentos na formação de recursos humanos qualificados em todos os níveis, do Ensino Fundamental passando pelo Ensino Médio, graduação até o mestrado e doutorado, é que vamos garantir um futuro promissor em CT&I para o Estado do Amazonas e nós estamos trabalhando nisso em parceria com as secretarias de Educação (Seduc e Semed) e de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI-AM)”, afirmou Maria Olívia APOIO Para o secretário estadual de CT&I, Odenildo Sena, o espaço dedicado à Fapeam na ALE-AM é importante, pois os deputados, no geral, ainda conhecem pouco sobre o que acontece em CT&I no Estado do Amazonas. Sena lembrou que tudo que acontece na Casa Legislativa repercute como um tema importante. “Nós ainda temos muita carência de pessoal formado no Estado, principalmente mestres e doutores que levam de três a quatro anos para se formarem, por isso é importante investir nessa formação”, destacou Sena. Segundo o deputado Adjuto Afonso (PP), a presença da Fapeam na Assembleia é positiva, pois demonstra o esforço dos gestores, tanto da Fundação quanto da SECTI-AM, em possibilitar um desenvolvimento maior e articulações junto a outras instituições para que sejam ampliados os investimentos em CT&I. “Apesar do crescimento apresentado, nos últimos anos, ainda temos grandes desafios. Precisamos conhecer bem esta realidade para podermos sugerir melhorias para o desenvolvimento da CT&I. Um exemplo disso é uma proposta de mudança na Constituição para ampliar de 1% para 2% o percentual da receita tributária do Estado a ser destinado à Fapeam. Precisamos ampliar os recursos e trabalhar para que estes recursos sejam executados de forma a atender as demandas do setor”, explicou. De acordo com o presidente da comissão de CT&I da Assembleia, deputado José Ricardo Wendling (PT), a diretora-presidenta da Fapeam tem executado um papel importante para o desenvolvimento do estado, seja na formação de recursos humanos para pesquisa, seja em produtos inovadores frutos de pesquisas aplicadas. “Trazer pessoas para esta Casa, que produzem e ajudam no desenvolvimento do Amazonas, é importante para que nós possamos conhecer este trabalho e tenhamos a oportunidade de dizer de que forma nós podemos ajudar a melhorar ainda mais nesse sentido, ainda mais num período em que se vota o orçamento do próximo ano”, finalizou. Fonte: Agência Fapeam

http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2012/12/importancia-da-fapeam-para-o-amazonas-edestaque-na-ale-am/


Veículo:Ciência

em Pauta - Secti-am

Editoria:

Pag:

Assunto:Fapeam apresenta balanço de atividades na ALE e indica que número de doutores triplicou no Amazonas ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( x ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Fapeam apresenta balanço de atividades na ALE e indica que número de doutores triplicou no Amazonas “Os doutores são a mola propulsora para a área de Ciência, Tecnologia e Informação”. A afirmação é da diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Maria Olívia de Albuquerque. No balanço apresentado na manhã desta quarta-feira (19), a diretorapresidente informou que desde a criação do órgão houve o cresimento de 364,52% na formação de doutores no Estado. O balanço das atividades aconteceu no Plenário Ruy Araújo, da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam), por iniciativa do deputado estadual, Adjuto Afonso (PP). Para o deputado, a Fapeam presta um grande serviço ao Estado, oferecendo bolsas de estudo para especialização e formação dos estudantes. “É importante que possamos destacar e mostrar para a sociedade o que já teve de participação e o que a Casa ainda pode ajudar na formação de doutores e mestres para o Estado”, enfatiza. A diretora-presidente afirma que a Fundação trabalha com cinco pilares para que as áreas de ciência, tecnologia e inovação avance em todo o Estado do Amazonas. Entre os pilares estão: formação de capital humano; apoio à pesquisa, tecnologia e inovação; apoio à estrutura e organização institucional para CT&I. Porém, Albuquerque salienta que dois eixos principais norteiam a fundação, são eles: a educação base e a troca de informações entre as instituições e a sociedade. “Informar as pesquisas que estão em desenvolvimento no Estado é um dos fatores para a popularização da ciência”, enfatiza.


MUDANÇA QUALITATIVA Segundo a diretora-presidente, a mudança na formação em pesquisas e doutores no Amazonas, além de quantitativa também se baseou na qualidade. “Em 2002, só tínhamos 14 doutores no ranking do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Hoje, temos 154 doutores, porém eles têm demonstrando a capacidade de produtividade, publicações de pesquisas e patentes”, avaliou. Para a diretora-presidente, o doutor que está instalado no Amazonas tem a mesma chance de competitividade ao fomento que o de São Paulo. “Quando ele acessa o insumo local, acesso aos editais, ele pode potencializar para concorrer aos editais nacionais. Quando ofertamos bolsas pósgraduação, mestrado, doutorado estamos capacitando a massa crítica”, lembra. Isso traz uma mudança de cenário para as áreas de CT&I no Estado. Na avaliação da diretorapresidente, a implantação do Sistema Público de Ciência e Tecnologia foi o fator principal para que as curvas apresentaram crescimento. “O que mudou é que hoje temos um sistema estadual de ciência e tecnologia articulado, porém é preciso dar continuidade”. FORMAÇAO DE EDUCAÇÃO BÁSICA A diretora-presidente lembra ainda de dois programas que estão incentivando as crianças e os adolescentes a gostarem e aprenderem mais sobre ciência e tecnologia. O Programa Ciência na Escola e o Pró-Engenharias, implantados em parceria com a Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino Amazonas (Seduc), já demonstram retorno. “Já são mais de cinco mil pessoas atendidas no Programa Ciência na Escola. É um programa inédito no país, pois precisamos incentivar o aluno em formação a gostar de fazer ciência”, explicou Maria Olívia. Olívia avalia que não é fácil mudar o quadro de formação de engenheiros no país, porém é preciso trabalho para que o Estado alcance o ranking desejado. É com este sentido que o Programa PróEngenharia está já em fase de análise nas escolas do Amazonas. “É preciso trabalhar em conjunto para que possamos desmistificar que a matemática é difícil. Em seis meses, os indicadores já são bastante positivos”, observa. FORMAÇÃO EM NÚMEROS Segundo ela, a previsão é que a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas tenha um orçamento de R$ 98,5 milhões para serem investidos no desenvolvimento de suas atividades, entre elas, na formação de novos especialistas, bem como projetos de iniciação científica. Em 2000, eram apenas 95 grupos de pesquisa no Amazonas. Já em 2010, o número subiu para 428. A taxa de crescimento é de 351% neste período. O número de Programas de Pós-Graduação no Amazonas cresceu 360% no período. No ano 2000, eram apenas dez programas, e em 2010 esse número subiu para 46. DESAFIOS O principal desafio para o crescimento do setor na região é incentivar ainda mais a formação no interior do Estado. ”É preciso que as instituições Ufam (Universidade Federal do Amazonas), Ifam (Instituto Federal do Amazonas) e UEA (Universidade do Estado do Amazonas) atuem ainda mais na capacitação dos estudantes no interior do Amazonas para que possamos formar mestres e doutores. Isso descentraliza a formação da capital”, explica. Fonte: Portal Amazônia http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2012/12/numero-de-doutores-triplica-em-dez-anos-noamazonas/


Veículo:Ciência

em Pauta - Secti-Am

Editoria:

Pag:

Assunto:Software feito com investimento do Pró-Assistir beneficiará crianças autistas ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Software feito com investimento do Pró-Assistir beneficiará crianças autistas Imagine uma tartarugazinha simpática e falante que adora dar dicas de Língua Portuguesa para auxiliar crianças em fase de alfabetização. Dentro de pouco tempo, essa personagem se tornará real – pelo menos no ambiente virtual. Trata-se da Lina, a personagem e grande aposta para conquistar o público infantil de um software para inclusão escolar de crianças autistas que está sendo desenvolvido no curso de Design, da Universidade Federal do Amazonas (Ufam). O projeto é desenvolvido pela aluna, Alice Neves, e orientado pela doutora em Engenharia de Produção, Claudete Barbosa. Por ter um foco educativo, o programa possui uma linguagem simples e conta com recursos de animação gráfica. O programa está sendo chamado de Lina Educa, em referência à personagem. Após ser exposto no 4° Encontro Internacional de Pesquisa em Design, no Rio de Janeiro, o ‘Lina Educa’, nome o qual o projeto leva, a procura para que o trabalho saísse do papel foi grande. “Recebemos vários e-mails de pais, terapeutas, fonoaudiólogos e até desenvolvedores de softwares e isso nos motivou a inscrever o projeto no Programa de Tecnologia Assistiva (Viver melhor/Próassistir)”, contou a orientadora. FASE ATUAL A equipe composta pela inventora, Alice Neves, a orientadora, Claudete Barbosa, os professores Jean Flávio e Patrícia Braga, duas estagiárias de Design e o casal Ana Maia e Joaquim Melo, pais de


uma criança autista, já está desenvolvendo a primeira fase do projeto. O método usado foi o Teacch, sigla em inglês que significa Tratamento e Educação de Crianças Autistas e de Comunicação Relacionados a deficientes físicos. O método cria e organiza uma agenda com todas as atividades diárias da criança, das mais básicas, como horário para tomar banho, até aulas de português para alfabetização. Com uma serie de adaptações a serem feitas, a finalização está prevista somente para maio de 2013, mas a professora já adianta que serão necessários mais três meses de testes com crianças para verificação da aceitação. Somente após essa etapa, o software passará por adaptações a fim de que possa ser acessado em desktop e tablet. “A ideia é deixar hospedado no site de instituições para download gratuitamente e código fonte disponível para alterações com o objetivo de melhorar o produto”, finalizou a professora. SOBRE O PROGRAMA Lançado em abril de 2012, o Viver Melhor/Pró-Assistir foi idealizado pela Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação do Amazonas (SECTI-AM) e executado em parceria com a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado Amazonas (Fapeam) e a Secretaria de Estado dos Direitos da Pessoa com Deficiência (Seped). Este foi o primeiro programa de tecnologia assistiva lançado no País a estimular a participação não somente de pesquisadores, mas também de inventores. A Fapeam disponibilizou por meio do edital 006/2012 recurso no valor de R$ 2,5 milhões para aplicação em projetos de inovação voltados ao desenvolvimento de produtos assistivos de maneira a contribuir para dar mais autonomia, independência e qualidade de vida a pessoas com deficiência, incapacidades ou mobilidade reduzida. O resultado foi considerado positivo na medida em que contemplou projetos de alto nível de qualidade. ENTENDENDO O AUTISMO O autismo é uma alteração que afeta a capacidade de comunicação do indivíduo, de socialização e de comportamento. Esta desordem faz parte de um grupo de síndromes chamado transtorno global do desenvolvimento (TGD), também conhecido como transtorno invasivo do desenvolvimento (TID). Algumas crianças, apesar de autistas, apresentam inteligência e fala intactas, outras apresentam sérios problemas no desenvolvimento da linguagem. Alguns parecem fechados e distantes, outros presos a rígidos e restritos padrões de comportamento. Os diversos modos de manifestação do autismo também são designados de espectro autista, indicando uma gama de possibilidades dos sintomas do autismo. Atualmente, já há a possibilidade de detectar a síndrome antes dos dois anos de idade – em muitos casos. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2012/12/software-desenvolvido-com-investimentos-do-vivermelhorpro-assistir-aposta-em-tartaruga-falante-para-conquistar-criancas-autistas/


Veículo:

SECTI-AM

Editoria:

Pag:

Assunto:Amazonas participará do 20º Encontro Brasileiro de Ictiologia (x) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: Pape

Amazonas participará do 20º Encontro Brasileiro de Ictiologia Pesquisadores amazonenses estarão representando o Estado no 20º Encontro Brasileiro de Ictiologia, no período de 27 de janeiro a 1º de fevereiro de 2013, na cidade de Maringá, no Paraná. Os participantes foram contemplados com passagens aéreas nos trechos nacionais de acordo com o Edital 026/2011, referente a IV chamada do Programa de Participação em Evento Científicos e Tecnológicos (Pape), financiado pelo Governo do Amazonas via Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). No total, foram contemplados 12 pesquisadores das instituições de ensino e pesquisa localizados no Amazonas, são elas: Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa), com um total de sete pesquisadores, Universidade Federal do Amazonas (Ufam,) com quatro participantes e a Universidade do Estado do Amazonas (UEA) com um representante. Entre os contemplados está a estudante do 6º período do curso de Ciências Biológicas da Universidade Estadual do Amazonas (UEA), Jaqueline Custódio da Costa. Ela apresentará o projeto intitulado ‘Parâmetro Dermatológico do Tambaqui submetido a Fitoterápico, visando ao controle de monogenéticos´. “Esses eventos só trazem benefícios para nós, estudantes, uma vez que durante o encontro, teremos a oportunidade de entrar em contato com diversos pesquisadores de várias regiões e instituições. E eu que tenho como meta entrar para o mestrado, tenho muito a ganhar com a minha participação, já que estarei conversando com eles e com isso agregarei muitos conhecimentos”, disse. A estudante também falou sobre a importância do apoio da FAP. Segundo ela, sem esse


financiamento, seria impossível viajar para participar do evento. “Fico grata, pois essa é uma oportunidade única. Jamais conseguiria apresentar meu projeto nesse evento, já que as passagens são muito caras e com esse apoio vou realizar um grande sonho”, finalizou. EVENTO INTERNACIONAL Além dos 12 contemplados para o evento nacional, a 4ª chamada do edital também contemplou uma participação em evento internacional que estará sendo representado pela pesquisadora da Universidade do Estado do Amazonas (UEA), Lauramaris de Arruda Régis Aranha. Ela vai estar no International Association For Dental Research IADR General Session, que acontece em Seattle (USA) no período do 20 a 23 de março de 2013. SOBRE O PROGRAMA Apoiar a participação de pesquisador/professor/estudante qualificado em eventos científicos e tecnológicos relevantes no país e no exterior, para apresentação de trabalho científico e/ou tecnológico de sua autoria, não publicado, resultante de pesquisa desenvolvida no Estado do Amazonas. Fonte: Agência Fapeam, por Rosa Doval http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2012/12/amazonas-sera-destaque-no-20o-encontrobrasileiro-de-ictiologia/


Veículo:

SECTI-AM

Editoria:

Pag:

Assunto:FAPEAM ainda com inscrições abertas para o Prêmio de Jornalismo Científico ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

(x) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

FAPEAM ainda com inscrições abertas para o Prêmio de Jornalismo Científico Estão abertas as inscrições para a 4ª edição do Prêmio FAPEAM de Jornalismo Científico. Profissionais e estudantes da área de comunicação do Amazonas interessados em concorrer em uma das modalidades da premiação podem inscrever trabalhos até o dia 31 de janeiro de 2013. Esta edição do Prêmio traz novidades que visam reconhecer o empenho de profissionais e estudantes de comunicação e de veículos locais que impulsionam a divulgação da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I) no Amazonas. O Prêmio FAPEAM de Jornalismo Científico é uma iniciativa do Governo do Estado do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), em parceria com a Secretaria de Estado de Ciência, Tecnologia e Inovação (SECTI-AM). A iniciativa visa incentivar a prática do jornalismo científico no Estado e estimular a popularização da CT&I premiando trabalhos jornalísticos que tenham contribuído, no ano de 2012, com a disseminação do setor. Novidades Na edição de 2013, a modalidade Comunicação Institucional passa a oferecer apenas a categoria Assessoria de Comunicação e/ou Imprensa com a premiação de R$ 10 mil. O intuito é incentivar a consolidação das assessorias e fomentar o seu interesse pela divulgação científica, por meio de investimento direcionado à infraestrutura.


Outra mudança é a alteração na modalidade Comunicação de Massa nas categorias voltadas à ‘TV/TV disponível na web – reportagem e videorreportagem’ e ‘TV/TV disponível na web – grande reportagem e documentário jornalístico’, que visa prestigiar os profissionais autores de documentários jornalísticos e os atuantes no jornalismo multimidiático das videorreportagens. Essa alteração se deu por conta da demanda formada por jornalistas que atuam nesta modalidade. As menções honrosas deste ano serão direcionadas a um veículo de comunicação que se destacou entre os demais pelo empenho de divulgar reportagens de CT&I e a um profissional atuante na área que será intitulado ‘Jornalista Amigo da Ciência’. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2012/12/fapeam-ainda-com-inscricoes-abertas-para-opremio-de-jornalismo-cientifico/


Veículo:SECTI-AM

Editoria:

Pag:

Assunto:FAPEAM oferece bolsas de doutorado ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( x ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

FAPEAM oferece bolsas de doutorado A Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM), por meio do Programa de Apoio à Formação de Recursos Humanos (RH-Doutorado), está com edital aberto para concessão de bolsas de pós-graduação stricto sensu, destinada a profissionais interessados em realizar curso de pós-graduação em nível de doutorado em programas recomendados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) em outros Estados do Brasil. http://www.cienciaempauta.am.gov.br/2012/12/fapeam-oferece-bolsas-de-doutorado/


Veículo:Portal

do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Importância da Fapeam para o Amazonas é destaque na Assembleia Legislativa do Estado ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Importância da Fapeam para o Amazonas é destaque na Assembleia Legislativa do Estado Dados como o aumento do número de doutores formados no Amazonas, que saltou de 372 no ano 2000 para 1.728 em 2010, representando uma taxa de crescimento superior a 364,52%, e o volume de recursos executados em CT&I, que desde a criação da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) em 2003 até 2012 chega a mais de R$ 346 milhões, serviram para mostrar porque o órgao, em tão pouco tempo, conseguiu estar entre as que mais se destacam no País. A sessão especial solicitada pelo deputado estadual Adjuto Afonso (PT) marcou, na última quartafeira, 19 de dezembro, os trabalhos na Assembleia Legislativa do Amazonas (ALE-AM). A diretorapresidente da Fapeam, Maria Olívia Simão, discursou apresentando os principais resultados que fazem da Fundação hoje uma das que mais se destacam no País e os benefícios que ela trouxe para o Amazonas. Na ocasião, a diretora-presidenta destacou a maneira como a Fapeam foi muito bem recebida na ALE e como a interlocução com os deputados possibilitou ver o quanto eles percebem que a Ciência, Tecnologia e Inovação são um tema extremamente importante para o Estado do Amazonas. “A recepção dos dados e dos indicadores que trouxemos para esta casa é irrefutável, o que nos leva a crer que sempre teremos o apoio desta casa legislativa, o que é extremamente importante para as ações que desenvolvemos a longo prazo”, afirmou. Evolução – Durante a sua explanação, a diretora-presidente destacou dados que apontam como era


a situação do Amazonas em relação à CT&I no ano 2000 e o quanto evoluiu até 2010, segundo indicadores do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq). Foram ressaltadas as cinco linhas de ação trabalhadas pela Fapeam nesse sentido: formação de capital humano para CT&I, apoio à pesquisa, tecnologia e inovação, apoio à infraestrutura e organização institucional para CT&I, fomento à popularização e difusão da CT&I, e apoio ao intercâmbio e cooperação interinstitucional, nacional e internacional em CT&I. http://www.amazonas.am.gov.br/2012/12/importancia-da-fapeam-para-o-amazonas-e-destaque-naassembleia-legislativa-do-estado/


Veículo:Portal

do Governo do Estado do Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Alunos do Ifam desenvolvem robô caricaturista com apoio da Fapeam ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( )Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Alunos do Ifam desenvolvem robô caricaturista com apoio da Fapeam Em caráter experimental, um projeto propõe desenvolver um robô que, manipulado por um braço mecânico, pode desenhar a caricatura do rosto de uma pessoa a partir de uma imagem. O projeto faz parte do programa de Iniciação Científica do Instituto Federal do Amazonas (Ifam) e conta com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam). A pesquisa está sendo desenvolvido por graduandos do curso de Engenharia de Controle e Automação do Campus Distrito Industrial. A pesquisa começou, no ano passado, por iniciativa da aluna Thamilys Cantel Coeme. O robô funciona da seguinte forma: ao conectá-lo ao computador, uma foto é feita. Mas, para isso acontecer, algumas etapas são cumpridas. O sistema aplica técnicas de processamento de imagem e visão computacional para extrair as linhas e traços do rosto da pessoa. Por meio de sua inteligência artificial, o robô capta as características mais expressivas gerando contornos deformados para dar o efeito de caricatura. Para finalizar, um pincel é fixado à garra de atuação e, enfim, o braço mecânico realiza o desenho. Segundo o coordenador do projeto, o professor-doutor José Pinheiro de Queiroz Neto, o objetivo do


projeto é motivar a pesquisa voltada ao desenvolvimento de sistemas autônomos de robótica. Novos recursos tecnológicos – Atualmente, o graduando Felipe da Silva Teixeira dá continuidade à pesquisa. Os resultados estão cada vez mais satisfatórios. Novos recursos tecnológicos foram agregados e com isso, o robô passou a realizar outras atividades. “Embora se tenha utilizado a caricatura como uma maneira lúdica de motivar o aluno pesquisador, a tecnologia associada ao projeto já permite desenvolver tarefas complexas do ponto de vista de sistemas automáticos existentes em diversas indústrias do Polo Industrial de Manaus, como por exemplo, peças”, disse o coordenador. http://www.amazonas.am.gov.br/2012/12/alunos-do-ifam-desenvolvem-robo-caricaturista-comapoio-da-fapeam/


Veículo:Portal

Amazônia.com

Editoria:

Pag:

Assunto:Número de doutores triplica em dez anos, no Amazonas ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Número de doutores triplica em dez anos, no Amazonas MANAUS - “Os doutores são a mola propulsora para a área de Ciência, Tecnologia e Informação”. A afirmação é da diretora-presidente da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), Maria Olívia de Albuquerque. No balanço apresentado na manhã desta quarta-feira (19), a diretora-presidente informou que desde a criação do órgão houve o cresimento de 364,52% na formação de doutores no Estado. O balanço das atividades aconteceu na Plenária Ruy Araújo da Assembleia Legislativa do Amazonas (Aleam) iniciativa do deputado estadual, Adjuto Afonso (PP). Para o deputado, a Fapeam presta um grande serviço ao Estado, oferecendo bolsas de estudo para especialização e formação dos estudantes. “É importante que possamos destacar e mostrar para a sociedade o que já teve de participação e, o que a Casa ainda pode ajudar na formação de doutores e mestres para o Estado”, enfatiza. A diretora-presidente afirma que a Fundação trabalha com cinco pilares para que as áreas de ciência, tecnologia e inovação avance em todo o Estado do Amazonas. Entre os pilares estão: formação de capital humano; apoio à pesquisa, tecnologia e inovação; Apoio à Estrutura e Organização Institucional para CT&I. Porém, Albuquerque salienta que dois eixos principais norteiam a fundação e são eles: a educação base e a troca de informações entre as instituições e a sociedade. “Conversar com a população, informar as pesquisas que estão em desenvolvimento no Estado é um dos fatores para a


popularização da ciência”, enfatiza. Mudança qualitativa Segundo a diretora-presidente, a mudança na formação em pesquisas e doutores no Amazonas além de quantitativa também se baseou na qualidade. “Em 2002 só tínhamos 14 doutores no ranking da CNPQ. Hoje temos 154 doutores, porém eles têm demonstrando a capacidade de produtividade, publicações de pesquisas, e patentes”, avaliou. Para a diretora-presidente, o doutor que está instalado no Amazonas tem a mesma chance de competitividade a fomento que o de São Paulo. “Quando ele acessa o insumo local, acesso aos editais locais ele pode potencializar para concorrer aos editais nacionais. Quando ofertamos bolsas pós-graduação, mestrado, doutorado estamos capacitando a massa crítica”, lembra. Isso traz uma mudança de cenário para as áreas de CT&I no Estado. Na avaliação da diretorapresidente a implantação do Sistema Público de Ciência e Tecnologia foi o fator principal para que as curvas apresentaram crescimento. “O que mudou é que hoje temos um sistema estadual de ciência e tecnologia articulado, porém é preciso dar continuidade”. Formação de educação base A diretora-presidente lembra ainda de dois programas que estão incentivando as crianças e os adolescentes a gostarem e aprenderem mais sobre ciência e tecnologia. O Programa Ciência na Escola e o Pró-Engenharia, em parceria com a Secretaria de Educação do Amazonas (Seduc) implantados já demonstram retorno. “Já são mais de 5 mil pessoas atendidas no Programa Ciência na Escola. È um programa inédito no país, pois precisamos incentivar o aluno em formação a gostar de fazer ciência”, explica a Maria Olivia. Olívia avalia que não é fácil mudar o quadro de formação de engenheiros no país, porém é preciso trabalho para que o Estado alcance o ranking desejado. É com este sentido que o Programa PróEngenharia está já em fase de análise nas escolas do Amazonas. “É preciso trabalhar em conjunto para que possamos desmistificar que a matemática é difícil. Em seis meses os indicadores já são bastante positivos’, observa. Formação em números Segundo ela, a previsão é que a Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas tenha um orçamento de R$ 98,5 milhões para serem investidos no desenvolvimento de suas atividades, entre elas, na formação de novos especialistas, bem como projetos de iniciação científica. Em 2000 eram apenas 95. Já em 2010, o número subiu para 428 grupos de pesquisa no Amazonas. A taxa de crescimento é de 351% neste período. O número de Programas de Pós-Graduação no Amazonas cresceu 360% no período. No ano 2000, eram apenas dez programas, e em 2010 esse número subiu para 46. Desafios O principal desafio para o crescimento do setor na região é incentivar ainda mais a formação no interior do Estado. ” É preciso que as instituições Ufam, Ifam e UEA atuem ainda mais na capacitação dos estudantes no interior do Amazonas, para que possamos formar mestres e doutores. Isso descentraliza a formação da capital”, explica. http://www.portalamazonia.com.br/editoria/atualidades/fapeam-comemora-alta-de-36452-naformacao-de-doutores-no-amazonas/


Veículo:

G1 Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Manaus será sede de evento regional de informática em 2013 ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Manaus será sede de evento regional de informática em 2013 Manaus vai sediar a segunda edição do Encontro Regional de Computação e Sistemas de Informação (Enconsis). O evento está previsto para acontecer entre os dias 17 e 18 de maio de 2013 na Fundação Centro de Análise, Pesquisa e Inovação Tecnológica (Fucapi) e pretende discutir o ensino e a prática dos assuntos do setor na Região Norte do Brasil. Segundo a organização do evento, a expectativa é que, aproximadamente, 300 pessoas, entre pesquisadores, acadêmicos e profissionais da área, participem do encontro. “Nosso objetivo é justamente chamar a atenção para a importância do relacionamento e interação entre a academia e a indústria de tecnologia como parte importante no avanço do desenvolvimento tecnológico da região norte. Isso desperta nos alunos o interesse por pesquisa e alavanca o desempenho da região Norte no cenário de pesquisa nacional”, disse a coordenadora do evento e mestre em Informática, Marcela Sávia Picanço Pessoa. Na segunda edição, o evento terá apoio da Sociedade Brasileira da Computação (SBC) na organização e de outras instituições de ensino e empresas na forma de apoio, além de ser financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (FAPEAM). http://m.g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2012/12/manaus-sera-sede-de-evento-regional-deinformatica-em-2013.html


Veículo:Site

Difusora FM - Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Crença no fim do mundo X visão científica. Quem vence? ( ) Release da assessoria de imprensa (x) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( X) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(X) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Crença no fim do mundo X visão científica. Quem vence? Há tempos as pessoas contam com o fim do mundo ocorrendo nesta sexta-feira (21), e dão várias explicações: um possível cometa, uma tempestade solar extrema, terremoto global… E muitos levam isso bem a sério. Rob Skelton, que mantém o site Survive2012.com, estudou o acontecimento por 15 anos, afirma que há sim razões para nos preocuparmos. Não pelo cometa, pois, a essa altura, nós já teríamos detectado – a não ser que ele tenha perdido sua superfície reflexiva de gelo. Mas sim pelas tempestades solares – os Maias podem ter encontrado um padrão em auroras de baixa altitude e previsto um desastre para este ano. “Os dois só são previsíveis por períodos mais longos de observação, comparado com a pouca idade da era científica moderna. Tudo o que fiz foi encontrar uma razão pela qual isso poderia acontecer neste mês de dezembro”, disse ele ao portal FoxNews. Rob afirma que uma tempestade solar poderia anular a rede de energia dos EUA por meses. Sem a energia garantindo a segurança de usinas nucleares, o funcionamento das fábricas e a comunicação com os serviços de emergência, haveria pandemônio e destruição, afirmou. Um cientista da Nasa, por sua vez, acredita que nada de mais deve ocorrer no dia 21. O astrobiólogo da agência norte-americana, David Morrison, classifica a preocupação como um “fenômeno da internet” e diz que meteoros destruidores são raros, ocorrendo provavelmente uma vez a cada 500 milhões de anos.


Mesmo que as tempestades solares sejam relativamente comuns e que cometas só sejam mais facilmente detectáveis ao passar pelo Sol, Morrison afirmou que nada do gênero deve ocorrer. No caso das tempestades, ele disse que “a energia elétrica realmente acaba, e não é uma coisa legal e significa que as pessoas não ficam felizes. Mas isso não mata milhões. Em muitos casos, mesmo em um grande ‘blecaute’, pode levar no máximo semanas para que a energia seja reestabelecida”, frisou. O professor na Faculdade Agnes Scott e autor do livro “The Complete Idiot’s Guide to Astronomy” (Guia de Astronomia para o Completo Idiota, em tradução livre), Chris De Pree, concorda e complementa dizendo que não haveria grandes efeitos colaterais além de falhas na comunicação e algumas auroras boreais. A Nasa usa o Observatório Solar e Heliosférico (SOHO) para rastrear cometas e asteroides, e tem ainda a Pesquisa da Guarda Espacial, um projeto de dez anos que rastreia objetos próximos a Terra. Até agora não há segredos, segundo Chris: “A Nasa publica o relatório online para quem quiser ver. E se houver cometas escuros, não reflexivo? Bom, a Nasa continua rastreando-os mesmo assim”. David encara com ceticismo as profecias Maias. “Não há nada de especial sobre a data. Os Maias nunca previram que alguma coisa fosse acontecer. Há milhares de pessoas que mantêm sites e fazem vídeos no YouTube sobre catástrofes que não são cientistas”, disse. O calendário Maia funciona mais ou menos como o nosso: quando você chega ao final, você vira a página e começa outro. Não deve demorar muito até que a próxima crença apocalíptica surja. “Afirmações sobre o fim do mundo são um meio honrado pelo tempo de se vender coisas”, alegou. Direto do site da Fapeam http://www.difusora24h.com/crenca-no-fim-do-mundo-x-visao-cientifica-quem-vence/


Veículo:Blog

do José Ricardo

Editoria:

Pag:

Assunto:José Ricardo presta contas das atividades à frente da Comissão de C&T da Aleam nos últimos dois anos ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

José Ricardo presta contas das atividades à frente da Comissão de C&T da Aleam nos últimos dois anos No último dia de Sessão Plenária no ano de 2012, o deputado José Ricardo Wendling (PT) prestou contas das atividades enquanto presidente da Comissão de Ciência e Tecnologia (C&T) da Assembleia Legislativa do Estado (Aleam) nos últimos dois anos. Foram realizadas 14 reuniões ordinárias e extraordinárias, participação em 60 reuniões internas e externas, bem como em 47 eventos e 12 visitas, além de ter apresentado dois projetos de Resolução, um Projeto de Lei e ter feito parecer de quatro outras proposituras. Para o deputado, não se pode pensar no desenvolvimento do Estado sem ciência, tecnologia e inovação. “O Amazonas precisa investir mais na pesquisa da grande biodiversidade da região para atrair investimentos e novas alternativas econômicas, além da Zona Franca de Manaus, da qual hoje somos quase que totalmente dependentes”, declarou ele, ressaltando que a Comissão de C&T vem desempenhando um papel importante para o progresso e o avanço do Estado. Dentre os debates promovidos pela Comissão, destacam-se as audiências públicas sobre a disponibilização dos recursos para a Pesquisa e Desenvolvimento (P&D), oriundos das empresas que produzem bens de informática na Zona Franca; sobre o funcionamento e a


importância do Centro de Biotecnologia da Amazônia (CBA); sobre a energia solar como alternativa para áreas onde a energia elétrica ainda não foi consolidada; e sobre a Zona Franca de Manaus, sua importância e as ameaças em torno das mudanças legais para acabar com a “guerra fiscal” entre os estados brasileiros. Dos projetos apresentados pelo parlamentar, tem-se a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), atualmente em tramitação na Aleam, que aumenta e 1% para 2% dos recursos do Estado destinados à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), que atua diretamente no incentivo à ciência, à pesquisa e ao desenvolvimento da região. Enquanto presidente da Comissão de C&T, José Ricardo integra o Fórum de Gestores de Instituição de Ensino e Pesquisa, que se reúne regularmente para discutir e deliberar assuntos de relevância para o setor. “Essas reuniões potencializam o intercâmbio entre as instituições de ensino e pesquisa da região e debatem os projetos estratégicos para a C&T”, disse o deputado. E ao longo desses dois anos, participou de vários eventos importantes, como Semana Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, Fórum Nacional do Consecti e Confap, Fórum de Educação e Difusão em Ciência no Amazonas, Comitê Gestor da Internet no Brasil (CGI.br); e Fórum de Inovação Tecnológica do Amazonas. http://www.blogdojosericardo.com.br/?view=plink&id=948


Veículo:Portal

A Crítica

Editoria:

Pag:

Assunto:Pesquisa de advogado propõe que barcos de madeira virem patrimônio cultural ( ) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( x) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: Posgrad

Pesquisa de advogado propõe que barcos de madeira virem patrimônio cultural Barco de madeira singrando os rios amazônicos é uma cena tão antiga e tão comum que faz parte do cenário imemorial da nossa terra. Mas uma resolução editada em 2005 pela Superintendência de Navegação, Portos e Hidrovias do Amazonas (SNPH), entidade que regulamenta o transporte naval de pessoas no Estado, determinava a proibição do uso desse tipo de embarcação. Inconformado, o advogado Marco Aurélio de Carvalho Martins, 35, professor universitário, resolveu estudar o tema em curso de mestrado em Direito Ambiental, no qual defendeu o registro dos barcos de madeira como patrimônio imaterial e cultural brasileiro. A pesquisa, intitulada ‘O caminho das águas na Amazônia: itinerário da tecnologia naval amazônica e sua proteção jurídica como patrimônio cultural imaterial', contou com o apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam), por meio do Programa Institucional de Apoio à Pós-Graduação Stricto Sensu (Posgrad). O trabalho analisou a tecnologia naval amazônica como patrimônio cultural que não poderia ser alvo dessa medida e apontou o instrumento jurídico de proteção a esse patrimônio cultural, baseado pelo Decreto 3.551/2000, que regulamenta o Art. 216 da Constituição da República Federativa do


Brasil. “Embarcações de madeira são históricas na região, pois desde a pré-história se utiliza esse tipo de barco para se locomover”, afirmou ele. “É um conhecimento tradicional que passa de pai para filho”, afirmou ele, citando a inexistência de cursos formais para ensinar a fabricação de um desses equipamentos. Um detalhe importante e histórico apontado pelo pesquisador é o fato desses barcos serem construídos aos poucos, começando pelo casco, depois os andares, etc. “Imagina o impacto econômico que traria a proibição do uso desses barcos”, apontou Marco, que considera esse o transporte mais adequado para o interiorano, que vem a Manaus porque a cidade é cercada por orla. Pesquisa A pesquisa de Marco foi apresentada em 2008 no programa de pós-graduação em Direito Ambiental da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) com o apoio do Posgrad, um programa da Fapeam que consiste em apoiar, com bolsas de mestrado e doutorado e auxílio financeiro, as instituições localizadas no Amazonas que desenvolvem programas de pós-graduação Stricto Sensu credenciadas pelo Capes. http://acritica.uol.com.br/noticias/manaus-amazonas-amazonia-Pesquisa-advogado-madeirapatrimonio-cultural_0_833916603.html


Veículo:Isaúde

Editoria:

Pag:

Assunto:Software with graphics animation literacy helps autistic children (x) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( x ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Software with graphics animation literacy helps autistic children Project developed by the Federal University of Amazonas (Ufam) opens new perspectives for school inclusion of the autistic child. It is the creation of a character vitual, a turtle speaker who gives tips Portuguese, assisting in literacy. Lina is the character name of the software being developed. Created by student Alice Neves, the method used was TEACCH acronym that means Treatment and Education of Autistic Children and Related Communication Handicapped method creates and organizes a schedule with all daily activities of the child, the most basic, as Time to shower until the Portuguese classes for literacy. Completion is scheduled for May 2013 and will take three more months of testing with children for check acceptance. Only after this step, the software will undergo adjustments so that it can be accessed on desktop and tablet. After being exposed on 4th International Conference on Design Research, in Rio de Janeiro, the Educa Lina, a name which the project takes, had great demand from parents and therapists, who led the charge to enroll in the project Assistive Technology Program (Better / Pro-watch). <i> information Fapeam <i> http://www.isaude.net/en/noticia/32872/health-photo/software-with-graphics-animation-literacyhelps-autistic-children


Veículo:Portal

do Purus

Editoria:

Pag:

Assunto:Pesquisa no Amazonas relaciona câncer de pênis e HPV (x) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( x) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012

Programa: (Universal Amazonas).

Pesquisa no Amazonas relaciona câncer de pênis e HPV A incidência do câncer de pênis e a associação da doença com o Papiloma Vírus Humano (HPV) é tema de pesquisa desenvolvida no Amazonas. O estudo está sendo realizado pela doutora em Ciências na área de Virologia e Imunologia da Fundação Centro de Oncologia do Estado do Amazonas (FCecon), Kátia Luz Torres da Silva. O projeto conta com o apoio financeiro do Governo do Amazonas, por meio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado do Amazonas (Fapeam) via Programa de Apoio à Pesquisa (Universal Amazonas). De acordo com a pesquisadora, a FCecon já estava trabalhando na linha da associação entre vírus e o desenvolvimento de câncer. Ela explicou que, por meio do estudo intitulado ‘Caracterização epidemiológica e clínica dos pacientes portadores de carcinoma de células escamosas do pênis e associação com a infecção pelo Papilomavírus Humano’, será possível descobrir qual a associação e os fatores que contribuem para a alta incidência de câncer de pênis no Amazonas. “O câncer de pênis tem uma atenção menor em relação ao útero, talvez por ser de menor prevalência. Mas no Amazonas, a frequência com que o câncer de pênis acontece, se destaca do resto do Brasil e em outras regiões do mundo inteiro, então algo existe aqui que faz com tenhamos um número relevante da doença na nossa região, o que nos levou a começar o estudo”, explicou. A pesquisadora ressaltou que o projeto será desenvolvido na FCecon, com os pacientes que fazem


tratamento na instituição e com o apoio de outras instituições, como a Universidade Federal do Amazonas (Ufam) o Instituto de Medicina Tropical de São Paulo e o Instituto de HPV Nacional. Ainda segundo Torres, o trabalho contará com a participação do doutor em virologia e pesquisador do Instituto de Medicina Tropical da Universidade do Estado de São Paulo (IMT/USP) e membro do Conselho Científico do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia dos HPVs, José Eduardo Levi. “Vamos verificar se a doença é comum aqui, por que há essa grande incidência de câncer de pênis? Será que tem muitos mais vírus? Será que os pacientes são jovens?”, questionou. De acordo com o pesquisador, outros questionamentos estão relacionados aos tipos de vírus que circulam no Amazonas, se são mais agressivos e se manifestam mais. “Então temos que ver a epidemiologia, quem são essas pessoas? Qual o ocupação delas? Se há a presença do HPV nos pacientes? Qual o tipo do HPV? Então são perguntas que nós procuraremos responder, com o objetivo final voltado para a prevenção”, frisou Levi. De acordo com o pesquisador, o vírus do papiloma é a causa a doença do câncer de útero, mas ele está também associado a vários tumores na região genital, como pênis, vagina e ânus. O pesquisador esteve participando do 4º Simpósio Amazonense de Oncologia Cutânea, que aconteceu no final de novembro, no auditório da FCecon, onde ministrou palestras voltadas para os temas, Papilomas Vírus Humano (HPV) câncer de boca, de laringe e câncer de pele. http://portaldopurus.com.br/index.php/editorial-mais-destaque/7975-pesquisa-no-amazonasrelaciona-cancer-de-penis-e-hpv


Veículo:

Portal A Crítica

Editoria:

Pag:

Assunto:Nova tecnologia contra câncer de mamas ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( x ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( x ) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Nova tecnologia contra câncer de mama Pesquisadores portugueses desenvolveram uma nanotecnologia que aumenta a eficácia terapêutica da quimioterapia para pacientes com câncer de mama, além de evitar alguns efeitos colateiras provocados pelo tratamento. A nanopartícula usada para levar o medicamento às células cancerígenas foi desenvolvida no Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra. Na semana passada, a Universidade de Coimbra conseguiu reconhecer nos Estados Unidos a patente da nanopartícula registrada com o nome de Pegasemp™. Segundo a universidade, a tecnologia transporta o medicamento que mata as células cancerígenas e destrói os vasos sanguíneos que alimentam o tumor – o que impede o câncer de se alastrar no organismo e diminui riscos de reincidência. Por causa de sua composição, a nanopartícula consegue chegar com mais facilidade às células doentes e, ao encontrá-las, libera o medicamento de tratamento. A nanotecnologia é uma das áreas em que o Brasil tem interesse em manter um programa de cooperação com Portugal. Conforme divulgado em setembro passado pelo Itamaraty, uma comissão mista de ciência, tecnologia e inovação entre os dois países irá discutir cooperação nas áreas de nanotecnologia assim como biotecnologia e biocombustíveis. A Universidade de Coimbra é o principal local de acolhimento de estudantes brasileiros que participam do Programa Ciência sem Fronteira em Portugal, e o CNC tem reconhecimento internacional. Recentemente o centro anunciou o desenvolvimento de uma vacina oral contra a Hepatite B,


considerada a mais perigosa das hepatites – segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), 600 mil pessoas morrem anualmente em todo o mundo por causa da doença. http://acritica.uol.com.br/noticias/Amazonas-Manaus-Internacional-Saude-tecnologia-cancermama_0_835116496.html


Veículo:Jornal

do Brasil

Editoria:

Pag:

Assunto:Cientistas estudam substância que pode ser usada contra esquizofrenia ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (X) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( x) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Cientistas estudam substância que pode ser usada contra esquizofrenia São Paulo – Um grupo de cientistas da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto investiga o uso de canabidiol contra a esquizofrenia. Essa doença, que distancia o paciente da realidade, tem as causas desconhecidas pelos cientistas, o que a torna, na visão da maioria dos médicos, uma patologia de difícil tratamento. Canabidiol é considerada um canabinóide, ou seja, faz parte dos 80 componentes presentes na planta Cannabis sativa (maconha). No entanto, diferente do canabinóide Delta 9 – Tetrahidrocanabinol (THC), que é o responsável pelos efeitos típicos da planta – alucinógenos e estimulantes – o canabidiol não produz essas sensações. De acordo com Antonio Waldo Zuardi, professor titular de psiquiatria da Faculdade de Medicina de Ribeirão da Universidade de São Paulo (USP), o canabidiol foi usado em diversos estudos com animais e humanos, os quais sugeriram que a substância pode atenuar sintomas psicóticos. Zuardi, que é coordenador da pesquisa desenvolvida pelo seu grupo, conta que começou a estudar a substância em 1976, durante o doutorado que fez na Universidade Federal de São Paulo (Unifesp). “Desde então, essas pesquisas são feitas na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto, onde estou desde 1982”, disse. O estudioso explica que o canabidiol é alvo de pesquisas de muitos cientistas brasileiros e também do exterior. “Este ano, foi publicado um estudo realizado por um grupo de pesquisadores alemães, que mostra que o canabidiol diminuiu os sintomas de pacientes esquizofrênicos de forma semelhante a outro antipsicótico já conhecido”, disse. Segundo o pesquisador, a substância tem a vantagem, em relação ao medicamento já existente, de apresentar baixa propensão a produzir efeitos colaterais indesejáveis. Além de apresentar sinais de eficácia na redução de sintomas psicóticos, a utilização do canabidiol é estudada em outros quadros,


como transtornos de ansiedade, doença de Parkinson, sono, abstinência de drogas e como antiinflamatório. O pesquisador alerta, porém, que outros componentes da Cannabis sativa, como o THC, podem ser maléficos. “Eles podem produzir sintomas psicóticos em indivíduos saudáveis e agravar os sintomas da esquizofrenia”, explica Zuardi. Por isso, o THC é visto como um componente psicotomimético, ou seja, produz sintomas semelhantes aos observados nas psicoses. “O THC em doses elevadas produz esses sintomas, mas o mesmo não ocorre com o canabidiol. Por isso, ele é considerado não psicotomimético”, disse. A combinação do canabidiol com o THC, explica Zuardi, é liberada em diversos países para uso em pacientes com esclerose múltipla, com a função de diminuir a espasticidade (distúrbio motor caracterizado pelo aumento do tônus muscular). Para as outras indicações, como a esquizofrenia, porém, o desenvolvimento de um medicamento necessita de mais estudos que comprovem os seus efeitos. “Embora animadoras, as evidências ainda são insuficientes para que o canabidiol possa ser utilizado na clínica. Para isso, serão necessários estudos com número muito maior de pacientes”, acrescenta. http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2012/12/24/cientistas-estudam-substancia-quepode-ser-usada-contra-esquizofrenia/


Veículo:Jornal

do Brasil

Editoria:

Pag:

Assunto:Portugueses criam tecnologia que aumenta eficácia contra câncer de mama ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( x) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Portugueses criam tecnologia que aumenta eficácia contra câncer de mama Pesquisadores portugueses desenvolveram uma nanotecnologia que aumenta a eficácia terapêutica da quimioterapia para pacientes com câncer de mama, além de evitar alguns efeitos colateiras provocados pelo tratamento. A nanopartícula usada para levar o medicamento às células cancerígenas foi desenvolvida no Centro de Neurociências e Biologia Celular (CNC) e da Faculdade de Farmácia da Universidade de Coimbra. Na semana passada, a Universidade de Coimbra conseguiu reconhecer nos Estados Unidos a patente da nanopartícula registrada com o nome de Pegasemp™. Segundo a universidade, a tecnologia transporta o medicamento que mata as células cancerígenas e destrói os vasos sanguíneos que alimentam o tumor - o que impede o câncer de se alastrar no organismo e diminui riscos de reincidência. Por causa de sua composição, a nanopartícula consegue chegar com mais facilidade às células doentes e, ao encontrá-las, libera o medicamento de tratamento. A nanotecnologia é uma das áreas em que o Brasil tem interesse em manter um programa de cooperação com Portugal. Conforme divulgado em setembro passado pelo Itamaraty, uma comissão mista de ciência, tecnologia e inovação entre os dois países irá discutir cooperação nas áreas de nanotecnologia assim como biotecnologia e biocombustíveis. A Universidade de Coimbra é o principal local de acolhimento de estudantes brasileiros que participam do Programa Ciência sem Fronteira em Portugal, e o CNC tem reconhecimento internacional.


Recentemente o centro anunciou o desenvolvimento de uma vacina oral contra a Hepatite B, considerada a mais perigosa das hepatites - segundo dados da Organização Mundial de Saúde (OMS), 600 mil pessoas morrem anualmente em todo o mundo por causa da doença. http://www.jb.com.br/ciencia-e-tecnologia/noticias/2012/12/25/portugueses-criam-tecnologia-queaumenta-eficacia-contra-cancer-de-mama/


Veículo:

CONFAP

Editoria:

Pag:

Assunto:Governo federal prepara programa para incentivo à inovação ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( x ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( x) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Governo federal prepara programa para incentivo à inovação Uma ação envolvendo diversas entidades do governo federal deverá injetar um grande volume de recursos de incentivo à inovação no país. De acordo com o ministro da Ciência, Tecnologia e Inovação, Marco Antonio Raupp, o projeto que está sendo finalizado “chegará a valores impensáveis”. Os recursos serão disponibilizados para as operações de crédito. Estão envolvidos, além do MCTI, Finep, Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). “O processo vai promover no Brasil uma mudança de patamar”, afirmou Raupp. As declarações foram dadas durante a cerimônia do Prêmio Finep de Inovação 2012, realizada na quarta-feira (19), em Brasília (DF). Segundo o presidente da Finep, Glauco Arbix, o programa é do tamanho que o Brasil precisa. Ele espera que o plano combine a boa alocação dos recursos com a descentralização da atuação da financiadora. “Que esse projeto seja capaz de integrar os instrumentos que construímos ao longo desses anos, como o crédito, a subvenção, os programas cooperativos entre universidades e empresas, o investimento de capital semente, venture capital e empresas nascentes”, disse Arbix. Também presente na cerimônia de entrega dos prêmios, a presidente da República, Dilma Rousseff, estimou que o Brasil terá um crescimento sistemático e sustentável nos próximos anos. Ela voltou a defender e os investimentos em educação, ciência e tecnologia para aumentar a competitividade da economia nacional. “Estamos tratando dos principais gargalos do país depois de ter feito um processo que tirou 40 milhões de pessoas da pobreza. O Brasil tem que crescer e precisa dos empresários inovadores”,


afirmou. O Prêmio Finep de Inovação foi entregue a 13 empresas e instituições de ciência, tencologia e inovação. Nesta edição, de acordo com o MCTI, 588 projetos foram inscritos, envolvendo no total 650 empresas. As inscrições representam um aumento de 56% quando comparado a 2011. Ao todo, foram distribuídos cerca de R$ 9 milhões aos vencedores. Fonte: Agência Gestão CT&I de Notícias http://www.confap.org.br/governo-federal-prepara-programa-para-incentivo-a-inovacao/


Veículo:G1

Amazonas

Editoria:

Pag:

Assunto:Amazonas terá primeiro Centro de Quelônios da Amazônia em 2013 ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( x) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Amazonas terá primeiro Centro de Quelônios da Amazônia em 2013 Uma estrutura pioneira no Brasil será o novo aliado do trabalho de proteção das espécies de tartarugas de água doce da região Amazônica. Trata-se do Centro de Quelônios da Amazônia, que além de possibilitar a conscientização da população, será marco nas pesquisas comportamentais das espécies em cativeiro. Com previsão de ser inaugurada no início do primeiro semestre de 2013, a nova estrutura funcionará em área do Bosque da Ciência, situado Bairro Petrópolis, Zona CentroSul de Manaus. As obras de construção do Centro de Quelônios, que teve investimento de R$ 1,4 milhão da Petrobras, estão em fase de conclusão. As instalações devem ficar prontas em fevereiro do próximo ano, quando será inaugurado o prédio, segundo a Associação de Ictiólogos e Herpetólogos da Amazônia (Aiha), que é coordenadora do Projeto Tartarugas da Amazônia: conservando para o futuro. Na área edificada de mais de 1.000 m², construída ao lado do Lago da Tartaruga no Bosque da Ciência, há um laboratório de pesquisa, cinco aquários para filhotes e quelônios adultos, quatro tanques, biblioteca especializada em quelônios, terrário de tartaruga (espaço com areia e com pequenas cavidades no solo para água, destinado as espécie semiaquáticas como, por exemplo, o jabuti) e auditório com capacidade para 60 pessoas. O pesquisador da Aiha, Rafael Bernhard, ressaltou que com o Centro de Quelônios da Amazônia – primeiro voltado somente para as espécies de água doce - será possível atender uma antiga carência na realização dos estudos, possibilitando receber pesquisadores e alunos de pós-graduação de outros estados do Brasil, além dos especialistas vindos de outros países para intercâmbio científico.


"Com o grande laboratório, poderemos receber os pesquisadores do próprio Brasil e da Espanha, Itália, Estados Unidos, que antes tinham dificuldades para encontrar um local de estudo. Além de dispor de uma biblioteca especializada, que receberá uma grande doação de livros, temos auditório onde poderemos fazer mais palestras de educação ambiental, estendendo ainda o trabalho aos aquários com quelônios, que darão uma capacidade maior de sensibilização dos jovens”, avaliou Bernhard. A expectativa é de que 50 e 90 mil pessoas por ano visitem as instalações do Centro. Após inauguração, haverá atividades diárias com no mínimo uma turma de alunos das escolas da rede pública de ensino. A estrutura do Centro foi construída com espaços que simularão o habitat natural das tartarugas de água doce. No lotal, todas as 17 espécies de quelônios da Amazônia terão espécimes. Uma das novas possibilidades de estudo com os quelônios refere-se à pesquisa de comportamento em cativeiro, segundo o pesquisador. "Alguns aspectos do comportamento são mais facilmente estudados em cativeiro com animais em tanques grandes, que imitam o ambiente natural deles e com a água transparente o pesquisador consegue visualizar e descrever melhor o comportamento do quelônio”, comentou o pesquisador. Tartarugas da Amazônia Após ser elaborado em 2010, a partir de janeiro do ano passado, o Projeto Tartarugas da Amazônia iniciou a atuação depois de aprovada a liberação de recursos oriundos do Programa Petrobras Ambiental da própria estatal. O projeto, que conta com nove profissionais, atua com duas frentes de trabalho. Rafael Bernhard explicou o primeiro foco é a pesquisa básica de campo por meio do levantamento de informações das espécies: padrões de movimentações; estudo sobre dieta, abundância, reprodução e vocalização (sons que as tartarugas emitem dentro da água). O segundo segmento ocorre na capital amazonense com alunos de ensino fundamental e médio em atividades dentro do Bosque da Ciência, por meio de uma parceria com o Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa) e no interior do estado do Pará. “Uma pesquisadora da nossa equipe fez esse estudo de vocalização das tartarugas para verificar a importância desses sons no contexto social das espécies. Procuramos utilizar essa informação para conscientizar as pessoas. Em Manaus, temos duas educadoras ambientais do Inpa trabalhando no Circuito da Ciência. Além disso, temos uma base tanto de pesquisa e de educação ambiental, na Reserva Biológica (Rebio), situada no Rio Trombetas, Pará”, revelou o pesquisador. Na Rebio Trombetas, a equipe do Projeto atua com a população quilombola que vive na área e que pode afetar as espécies caso haja um consumo excessivo dos quelônios ou comercialização. “Diante disso, estamos juntos com Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) tentando trazê-los para serem parte da solução. Agora eles são voluntários e durante quatro meses no ano moram nas praias para proteger os ninhos. Nosso objetivo é proteger os quelônios nos rios, modificando o comportamento das pessoas”, destacou Rafael Bernhard. No ano passado, 50 mil filhotes foram soltos pelo ICMBio com apoio do Projeto Tartarugas da Amazônia. Em 2012, a previsão é que o volume de quelônios reintegrados à natureza atinja cerca de 40 mil filhotes. http://g1.globo.com/am/amazonas/noticia/2012/12/amazonas-tera-primeiro-centro-de-quelonios-daamazonia-em-2013.html


Veículo:G1.com

Editoria:

Pag:

Assunto:Cientistas dos EUA criam primeiro painel solar adesivo e ultraflexível ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria ( x) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( x) Não

Data: 27/12/2012

Programa:

Cientistas dos EUA criam primeiro painel solar adesivo e ultraflexível Cientistas da Universidade Stanford, nos Estados Unidos, criaram os primeiros painéis solares adesivos e ultraflexíveis, com grossura parecida com a de um filme fotográfico. A versão produzida pelos pesquisadores está em estágio final de desenvolvimento, segundo uma nota da instituição. As células fotovoltaicas dos painéis solares em geral ficam presas em superfícies rígidas de vidro ou silício, limitando seu uso, segundo um dos pesquisadores responsável pelo projeto, Chi Hwan Lee. Em geral estes painéis são grandes e rígidos, diz ainda o cientista. Os pesquisadores resolveram o problema evitando usar materiais "extravagantes" para criar o painel solar. "Materiais não-convencionais em geral são difíceis de usar porque as células fotovoltaicas tem superfície irregular e não lidam bem com processos químicos e térmicos necessários", diz a professora de engenharia Xiaolin Zheng, da Universidade Stanford. "Nós superamos o problema criando este painel adesivo, que dá flexibilidade e potencial de ser aplicado em várias superfícies. A aplicabilidade ainda reduz o peso e o custo geral", afirma Zheng. A pesquisa foi publicada no periódico "Scientific Reports", nesta quinta-feira (20). O material recém-criado permite a aplicação em papel, plástico ou vidro, entre outras superfícies, sem perder sua eficiência na captação da energia, segundo o estudo. Como é feito O novo painel solar envolve um "sanduíche" de silício, dióxido de silício e níquel, segundo os cientistas. Uma camada de níquel é depositada na superfície do silício. Depois disso, células fotovoltaicas finas, da grossura de filmes de fotografia, são colocadas sobre o metal e depois cobertas com um polímero protetor.


Uma fita protetora ativada com calor é colocada sobre o painel solar para envolvê-lo e permitir que ele possa aderir a diferentes superfícies. O processo, segundo os cientistas, envolve mergulhar o "sanduíche" em um recipiente com água e depois aquecê-lo a 90º C por alguns segundos. Após esta preparação, o objeto pode ser aplicado a qualquer superfície com fita dupla-face comum ou outro tipo de fita adesiva, segundo os cientistas. Testes demonstraram que este processo mantém as células fotovoltaicas intactas, segundo a professora Zheng. "Você pode colocá-las em um capacete de motociclista, em um celular, em suas janelas, no telhado de casas, em roupas, no carro, em aparelhos eletrônicos - virtualmente tudo", diz a cientista. http://g1.globo.com/natureza/noticia/2012/12/cientistas-dos-eua-criam-primeiro-painel-solaradesivo-e-ultraflexivel.html


Veículo:

Jornal Diário do Amazonas

Editoria:Sociedade

Pag:16 e 17

Assunto: Pesquisa relaciona câncer de pênis e HPV (x) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação (X) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Programa: Universal Amazonas

Data: 27/12/2012


Veículo:

Jornal A Crítica

Editoria:

Cidades

Pag: C8

Assunto:Bem mais que um meio de transporte ( x) Release da assessoria de imprensa (X) Matéria articulada pela assessoria ( ) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x ) Sim

Programa: Pos-Grad

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012


Veículo:

Jornal do Commercio

Editoria: Amazônia Legal

Pag:B8

Assunto: Pentop conquista prêmio da inovação ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação (X) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

(x ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012


Veículo:

Jornal do Commercio

Editoria: Amazônia Legal

Pag:B8

Assunto:Balanço IEL- Estágio e capacitação empresarial ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam:

(x ) Sim

Programa: BITEC

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo ( ) Não

Data: 27/12/2012


Veículo:

Jornal do Commercio

Editoria:Ciência & Inovação

Pag: B5

Assunto:Embrapa e Unicamp terão laboratório ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição ( ) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (X) Não

Data: 27/12/2012


Veículo:

Jornal do Commercio

Editoria:Ciência & Inovação

Pag:B5

Assunto: Dilma entrega prêmio Finep de Inovação ( ) Release da assessoria de imprensa ( ) Matéria articulada pela assessoria (X) Iniciativa do próprio veículo de comunicação ( ) Pesquisa financiada pela Fapeam Projeto: Pesquisador(a):

( ) Release de outra instituição (x) Publicado no Site da FAPEAM Cita a Fapeam: Programa:

( ) Sim

Conteúdo (X) Positivo ( ) Negativo (X) Não

Data: 27/12/2012


CLIPPING FAPEAM 21 à 27.12