Page 1


DISPONIBILIZAÇÃO: JULIANA ALVES TRADUÇÃO E REVISÃO INICIAL: LIZ REVISÃO FINAL: ALINE, DANI LEITURA FINAL: MÁRCIA FORMATAÇÃO: DADÁ


Kettle tinha tudo. Até que não tinha mais nada. Ele perdeu tudo em um momento. Uma parada cardíaca, uma alma quebrando num único momento, e não havia uma única coisa que ele podia fazer sobre isso. Daquele dia em diante, ele ficou longe de relacionamentos. E então ele respondeu a um chamado sobre um possível incêndio, e lá estava ela, balançando seu mundo quando ele não queria por nada ser abalado.

Adeline era apenas uma professora. Ela simplesmente vivia numa vida chata, até que roubou algo. E não, isso não tinha nada a ver com o coração do bombeiro sexy. Oh, sim, ela roubou o coração dele também, mesmo quando ele não queria de maneira nenhuma ser roubado...

Kettle não percebe que tipo de problema Adeline era até que quase a arrancaram de sua vida. E não havia maneira alguma de algo ou alguém toma-la dele. De novo não. Um homem estava prestes a ver de perto e pessoalmente a fúria que aparecia no rosto do executor do Dixie Wardens MC.


Eu gostaria de agradecer a todos os suspeitos do costume... mas um agradecimento especial vai para minha sogra que ajuda a alimentar o meu amor pelos livros. Se não fosse por você, eu provavelmente ainda estaria assistindo TV! Você é o único que entende quando eu sentar-se no canto da sala e ler, porque você está fazendo isso, também!


"Que cheiro é esse?" Observei o ambiente procurando a origem do cheiro estranho. Levantando, eu segui o cheiro com o meu nariz até que acabei no meu banheiro. "Que diabos é isso?" Engoli em seco quando vi a fumaça que saía através do chão do meu banheiro. "Oh, meu Deus!" Eu ofegava. Correndo para o meu quarto, eu fiz uma busca louca pelo meu telefone celular e comecei a discar o 911 imediatamente. "911, qual sua emergência?" Perguntou a voz de uma mulher. "Hum, sim. Aqui é Adeline Sheffield. Eu vivo no complexo de apartamentos de Hunter Hollows, apartamento 1B. Posso sentir o cheiro de fumaça e algo estranho vindo através do chão do meu banheiro. Eu não tenho certeza se alguma coisa está pegando fogo, mas há algo muito estranho vindo através do meu piso, e está deixando uma película opaca no ar". "Tudo bem, nós vamos ter o corpo de bombeiros e um policial em alerta a partir de agora. Você pode me dar o seu endereço completo?” Perguntou a mulher. Eu passei o endereço e desliguei apesar da preocupação da mulher para que eu ficasse conectada. Eu não tenho tempo para isso. Se eu


tivesse que abandonar o local, eu precisava começar a recolher os meus animais de estimação. Isso era o mais importante. Correndo pelo meu apartamento, eu comecei a olhar os lugares habituais de Monty, mas não consegui encontrá-lo. "Monty, seu grande filho da puta. Onde você está?" Eu resmunguei quando eu não consegui encontrá-lo debaixo do sofá, em cima do manto ou na pia da cozinha. Eu sabia que ele não poderia estar com o resto dos meus amigos recém-adquiridos, porque eu tinha mantido a porta fechada, e ele era muito danado de grande para entrar sem eu abrir a porta para ele em primeiro lugar. Após cinco minutos de nenhum resultado, eu comecei a ficar nervosa. E se ele tivesse saído? Ah merda. Por favor, esteja em algum lugar aqui dentro Monty, implorei ao voltar do meu quarto de reposição e fazer um inventário rápido. "Bombeiros! Sra. Sheffield?" Uma homem ecoou da sala de estar.

voz grave

e

profunda de

"Droga! Monty, seu idiota!" Eu rosnei antes de correr de volta para a porta da frente. Eu desengatei as fechaduras, puxei a porta aberta sem disfarçar a minha frustração e quase caí de bunda no chão, quando um punho do tamanho de um livro veio muito perto de bater na minha cabeça. "Jesus! Desculpe-me. Você está bem?" Perguntou o homem com mãos de lista telefônica. Eu acenei com a mão, desconsiderando. "Estou bem. Você não me tocou. É o apartamento no andar de baixo que está em chamas?" O bombeiro, que era mais alto do que a minha porta, balançou a cabeça como se ele estivesse confuso. "Desculpe-me. Nós não sabemos ainda. Foi à senhora que nos chamou?" No meu aceno de cabeça, ele continuou. "Posso ver a fonte da fumaça? Estamos tentando fazer com que a gestão do prédio nos deixe entrar, mas desde que não há nenhuma fumaça visível do exterior não estamos autorizados a entrar sem permissão." Virei-me e disse: "Claro. Apenas feche a porta. Eu não quero que Monty saia”. Isso se o bastardo escorregadio já não estivesse fora. Ele era propenso a fazer isso de vez em quando.


Não que alguém no meu complexo sabia disso. Ele sempre voltava. Ele saía, ficava com fome e voltava, e ele era realmente um rapaz preguiçoso. "O cheiro está vindo através do assoalho em meu banheiro. É um cheiro muito estranho”, eu disse enquanto conduzia o grande e intimidante homem no meu santuário. "Cama agradável." O homem falou. A voz do homem era de morrer, e de alguma forma familiar. Eu tremia com o tom baixo e profundo de sua voz deslizando pela minha espinha. Sorrindo, eu olhei por cima do meu ombro para ele e minha respiração ficou presa na minha garganta. O homem era mesmo mais atraente aqui dentro, onde eu posso ver seu rosto melhor. E eu sabia quem era ele. Eu o tinha visto em torno da cidade mais de uma vez. É uma cidade pequena, e é realmente difícil não começar a reconhecer as pessoas quando você os vê em seu caminho para o trabalho todos os dias. O homem corria diariamente em sua camiseta apertada. Eu sentava em minha varanda todas as manhãs e assistia quando ele corria ao lado da rodovia que ficava de frente onde eu moro, fazendo um circuito completo pelo complexo do estacionamento, antes de sair para o meu trabalho. Então, possivelmente eu poderia passar por ele a caminho do trabalho, dependendo quão distante ele corria aquela manhã. Ele era bronzeado e tinha os olhos azuis pálidos mais penetrantes que eu alguma vez tinha visto. Isso, sem mencionar o tanquinho duro e os encaixes sensuais que corriam abaixo do seu estômago, indo formar um V à base do seu abdômen. Infelizmente, o capacete na sua cabeça me impedia de ver a cor do seu cabelo e a jaqueta e as calças me impediam de ver o resto dele, o que era verdadeiramente triste, mas eu sabia que ele era impressionante. O que me ocorreu uma manhã, no entanto, é que ou ele era gay ou comprometido. Porque ninguém tão polido e com uma aparência tão boa, poderia ser qualquer outra coisa. A vida não funciona assim. "Obrigado," eu disse, tentando me distrair do pensamento se ele queria se juntar a mim na minha cama.


Em seguida, com o nariz enrugado ele deu uma cheirada e fez uma careta. "Erva daninha." Meu estômago roncou e eu fechei os olhos em constrangimento. "Huh?" Eu perguntei, dando um passo para o lado para deixá-lo ver o chão do meu banheiro, ou a falta dele, pois agora não havia tanta fumaça lá dentro, e sim um cobertor de fumaça que estava tornando quase impossível ver o chão. Quando um corpo grande deslizou e começou a se enrolar ao redor do meu pé, e em seguida, mais para cima da minha perna, eu soltei um grito assustado. O grito agudo fez o homem grande ao meu lado reagir imediatamente me olhando assustado, tentando descobrir onde se encontrava a ameaça que pairava sobre mim. "O que é?" Ele perguntou urgentemente. “Nada. É apenas Monty.” eu disse, inclinando-me e pegando minha Python Birmanesa de quase dois metros de comprimento do chão e a colocando com firmeza ao redor do meu pescoço e ombros. O homem olhou para mim como se ele não pudesse acreditar que eu só peguei uma serpente do tamanho de um macarrão de piscina com tanta facilidade. "O quê?", perguntei confusa. O homem se sacudiu novamente. "Nada. Você pode ir lá para baixo? Eu não quero mantê-la aqui em todo caso. Será que a sua, ah... cobra vai fugir? Eu quero dizer, deslizar para longe se você se levá-la sem a sua gaiola?” Eu quase ri do homem grande, enquanto seus olhos continuaram me evitando, procurando meios de fuga ao redor do quarto. Assim, ele não era uma pessoa de serpente... Era? Talvez eu não devesse lhe mostrar a minha outra sala. Ele pode ficar um pouco assustado. "Claro", eu respondi. "Eu realmente não conheço os meus vizinhos muito bem. Eu só estou aqui há um mês. Meu nome é Adeline Sheffield.” Segui-o para fora do apartamento e cheguei a uma parada no patamar da porta. "Eu preciso travá-la?" Perguntei pensativa. Ele parou quatro degraus a baixo da escada e ficou direto ao nível dos meus olhos. Nossa, o quão alto esse cara era? Dois metros e meio? "Nah", disse ele. "Vamos estar lá embaixo. Provavelmente não é nada, de qualquer maneira.”


Eu balancei a cabeça, e depois o segui para baixo até ele parar em frente a outro homem grande. Só que este não era tão alto quanto ele. E ele estava apenas na parte inferior do equipamento de proteção. Sua jaqueta estava deitada no banco de passageiro do carro de bombeiros vermelho que estava estacionado em frente à minha porta da frente. Uau. Eles com certeza sabem como crescer aqui no Sul, não é?

Puta merda. A mulher era quente. E eu quase a atingi na cabeça com meu punho quando eu fui bater à sua porta. Isso teria sido divertido de explicar aos meus superiores. "Eu acidentalmente bati no rosto dela quando eu estava batendo na porta. Eu não tive a intenção de machucá-la. Eu juro.” Pelo lado positivo, eu sabia o nome dela. Adeline Sheffield Não combinou com ela. Não com todas essas tatuagens. Ela parecia mais como um gato ou como uma Roxie. A mulher era mais quente do que porra. Ela tinha cabelo preto que estava penteado para trás em um rabo de cavalo, e ela estava usando um par de jeans assassino que fazia sua bunda parecer um sonho. A camisa que ela estava usando era miserável, e muito provavelmente era uma camisola comum do dia-a-dia. Ela mostrava os seios perfeitamente pequenos, e eu pude ver cada parte de seus mamilos duros. Ela também mostrava as várias tatuagens nas costas, antebraço, ombro e pulso. "Qual é a situação?" Sebastian, meu melhor amigo, irmão e chefe interrompeu meus pensamentos depravados.


Sebastian e eu tínhamos sido melhores amigos há mais de dez anos. Nós nos conhecemos enquanto estávamos no combate aos incêndios no exterior, nas forças armadas. Apesar de que é aí que a semelhança termina. Sebastian tinha sido um bombeiro dos fuzileiros navais, enquanto eu tinha sido um bombeiro no exército. Nós tínhamos estado em diferentes ramos do exército, contudo, ainda viemos a lutar juntos contra um inimigo em comum. "Golias pensa que eles estão fumando maconha no apartamento abaixo de mim e está chegando até o meu através do chão do meu banheiro." Disse Adeline, alisando as mãos delicadas sobre o corpo ágil da cobra. Sebastian, que estava acompanhando os acontecimentos em curso no apartamento de baixo, estalou os olhos para a mulher. Seus olhos prontamente se arregalaram quando ele a viu. Ou talvez fosse a maldita cobra de quase dois metros enrolada em seu pescoço e ombros. "Uhh, sim. Nós já recebemos algumas chamadas para este lugar antes. O homem debaixo de você está morrendo de câncer de fígado e consome de tempos em tempos para controlar a dor. Ele vive com seu neto adolescente, e o neto não é conhecido por sua moderação. Eles provavelmente estão acendendo junto como fizeram inúmeras vezes antes.”, disse Sebastian, inclinando ligeiramente à cabeça, tentando entender a mulher. "Sr. Bonner? Eu pensei que ele era apenas uma espécie de louco. Eu acho que faz sentido embora. Que triste." Adeline respondeu melancolicamente. Um barulho vindo do final do estacionamento nos fez virar para ver uma mulher estressada, em stiletos e a menor saia eu já vi, correndo em nossa direção. Seus seios estavam saltando como aqueles pequenos bonecos que balançam a cabeça que você vê em painéis de carro e parecia perigosamente perto de explodir para fora de seu pequeno vestido, se ela não abrandasse o passo.


"Desculpa" Bouncy Boobs1 falou. "Eu estava em um encontro. Qual é o apartamento?” Adeline bufou. "Deve ter sido um bom encontro.” Eu mal pude conter minha risada antes de BB saltar em seu caminho até nós. "1A, senhora." Sebastian respondeu sobriamente. Ele não estava de bom humor, aparentemente. “Sim, sim," disse ela apressando-se para a porta. A parte de trás parecia pior do que a da frente. Só pude distinguir o contorno vermelho de sua tanga, escorregando por cima de sua saia, e se eu tivesse que adivinhar, havia um telefone celular escondido no bolso de trás chamando. Agradável. "Alô, há alguma coisa em que eu posso ajudá-lo?”, perguntou BB. Esperamos pacientemente a mulher caminhar e se apoiar no carro, nem mesmo dando aos homens entrando em uma de suas propriedades outro pensamento. "Humm, aquele é seu gato?" Sebastian perguntou preocupado, olhando para o parapeito da janela de seu apartamento. Adeline amaldiçoou profundamente quando viu seu gato inclinado para fora da janela aberta do apartamento dela. Ela se desvencilhou da cobra, e colocou em minhas mãos antes de sair correndo. Agora esse era o tipo de bunda que você deve estar olhando e apreciando, pensei. "A última vez que alguém lhe pediu para segurar a cobra era o travesti no bar em Minneapolis”. Sebastian observou levemente. "Foda-se", eu disse enquanto segurava a grande cobra em minhas mãos no comprimento do braço. “Dê-me isso e vá verificar o apartamento. Tenha cuidado.” Ele ordenou. Entregando a cobra de bom grado, eu andei lentamente para dentro do apartamento. Ele estava uma bagunça. Móveis estavam alinhados de um lado ao outro, do lado da porta de entrada, e, em alguns locais havia duas peças. Na verdade, havia um sofá na frente do outro e tinha uma mesa de café em frente a ela. 1

Bouncy Boobs – Peitos Saltitantes


Isso poderia qualificar-se como um estilo quase ambicioso de mobiliário. "Departamento de bombeiros de Benton!” Eu gritei quando eu abri o primeiro quarto. Depois de não ouvir uma resposta, eu fui até a cozinha e depois andei para o quarto dos fundos. O fumo era mais espesso no corredor, ou seja, tudo o que foi feito, foi feito no quarto dos fundos, o que explicou por que estava indo através do assoalho de Adeline. "Corpo de Bombeiro!" Eu gritei novamente. Depois de obter meu riso interno sob controle, aparentemente, não era viril rir, eu entrei no quarto e suspirei.

porque,

Tínhamos uma overdose. Peguei meu rádio, e simplesmente falei. "Overdose." "Entendido". Confirmou Sebastian. Como eu sabia que era uma overdose? O homem, que obviamente tinha apreciado sua erva com base no que estava no cinzeiro, estava fazendo o olhar de mil jardas, e não alto como ele deveria estar. O olhar de mil jardas, no campo da medicina, baseava-se na forma de uma pessoa morta “olhar”; em que não havia qualquer vida lá para dar aos seus olhos 'profundidade'. Este homem estava ostentando esse olhar, para não mencionar que seu peito não se movia. “O que aconteceu caralho, você disse que ele estava morto, não que ele foi assassinado." Dallas se lamentou. “Overdose significa morto. E ele está morto." Eu respondi secamente. “Bem, merda." Dallas suspirou. "Agora nós vamos ficar sentados aqui, até que o médico legista chegue. Quem sabe quando diabos de tempo isso vai ser. É noite de sexta-feira, sabe que minhas noites de pôquer são sempre às sextas-feiras". Dallas era um bom garoto. Ele tinha vinte e dois e tinha recebido a certificação de bombeiro há poucos meses atrás. Ele também era filho do prefeito de Benton. O prefeito também tinha sido um bombeiro, ele mesmo, antes que ele tivesse um ataque


cardíaco a sua esposa bateu o pé, insistindo para ele deixar o serviço antes que ele morresse e deixasse sua jovem família sozinha. Dallas era um aprendiz rápido, e não ficava chateado quando você dizia para ele fazer algo que ele pensava que estava abaixo dele como eu tinha visto alguns fazerem. Ele também estava interessado na prospecção do The Dixie Wardens. The Dixie Wardens é o meu clube. Eu me juntei com Sebastian há mais de dez anos atrás, e eu pensei neles como família. Eu tinha estado em cima do muro sobre eles quando Sebastian tinha mencionado o clube pra mim pela primeira vez. Benton era uma cidade pequena, e eu sabia que a cidade saberia tudo o que acontecia com o clube. Eu não tinha certeza de que queria estar no meio de fofocas da cidade para o resto da minha vida. Na época, eu era jovem e amava andar com a minha Shovelhead onde quer que o inferno fosse e a liberdade que sentia em cima dela. Eu não tinha tanta certeza se pertencer a um clube era uma maneira de ficar livre, se eu poderia continuar sendo o que eu sempre quis ser. Não havia nada e ninguém me impedindo de andar por dois dias seguidos como estava acostumado a fazer. Então Sebastian sugeriu que eu aceitasse a colocação de patch e assim ter alguém para compartilhar a estrada e assim eu fiz, e minha vida tinha mudado. De repente, eu tinha uma enorme família. Uma família que deu a mínima para mim e, por padrão, a minha irmã que nós não tivéssemos ninguém anteriormente. "Tudo bem, eu vou estar lá fora. Certifique-se de que o corpo não vá a lugar nenhum.” Eu tentei dizer isso de forma séria, o que não saiu tão sério assim. Dallas revirou os olhos e saiu do quarto até que ele estava em pé na porta entre o corredor e o quarto, tomando posição. Eu encontrei Sebastian lá fora, a cobra ainda enrolada em torno de seus braços, e uma Adeline preocupada em pé ao lado dele. "Você acha que meus outros animais de estimação vão ficar bem com isso?” Com esse último comentário, eu andei até eles, e a expressão de Sebastian dizia claramente: “Conserte isso”.


"Não é a fumaça nociva de um incêndio. É só o cara fumando sua dose." Eu tentei. "Então você não considera fumaça de maconha prejudicial a todos, ou é só para os animais que você não considera prejudicial?" Ela perguntou curiosa. Uh-oh. Eu sabia o que era uma pergunta carregada quando ouvia uma. A questão era: o que exatamente ela estava querendo me dizer? Que eu não acho que a maconha era ruim, ou que a maconha era o diabo? Ou ela estava apenas preocupada com os animais, e não consigo mesma? Jesus. Eu odiava a mente das mulheres. Por que não podiam simplesmente ir em frente? "Eu acho que seus animais de estimação vão ficar bem. A fumaça sumirá quando abrimos algumas janelas e você pode fazer o mesmo em seu lugar.” Eu disse. Ela sorriu largamente para mim. "Bom salvamento que você fez lá.” “Quantos animais tem lá de qualquer maneira?" Eu perguntei curiosamente. Ela corou. "Bem, muitos na verdade. Mas eles estão todos em gaiolas. E é apenas temporário. Eu os salvei.” Sebastian, que tinha feito o seu melhor para ignorar a mulher até que ela disse que ela os tinha salvado, olhou para mim com olhos arregalados. "Eu os salvei de um lugar que não estava tomando conta deles." Ela completou. Então, memórias recentes começaram a surgir em minha mente principalmente sob a forma de uma enorme notícia que estava varrendo o Sul. Há uma semana, uma instalação no sul da Louisiana que supostamente 'não testava em animais' teve algum equipamento de laboratório desaparecido e suspeitaram de um ex-empregado. Uma exfuncionária com cerca de 1,60, com cabelo preto e olhos cinzentos, estranhamente semelhantes à mulher na minha frente.


"Bem, eu acho que é hora de você por Monty de volta em sua gaiola. A polícia vai chegar logo." Sebastian informou, estendendo seus braços para Adeline levar a cobra. Adeline não desperdiçou tempo e voltou subindo as escadas sem um adeus. Eu não podia deixar de ficar intrigado. Uma mulher como ela, não parece trabalhar em um laboratório de testes. “A polícia está aqui." Sebastian observou alguns minutos mais tarde. Meus olhos se voltaram nessa direção e gemi. Sebastian virou, e mal sufocou a sua risada. “Ah, merda." Eu suspirei. “Meninos", a perdição da minha existência e ex-namorada, detetive Annalise Hernandez, falou pausadamente. Annalise não era uma mulher má. Gosto das mulheres um pouco menos... Ousadas e corajosas. Annalise era um detetive experiente no Departamento de Polícia de Benton, e ela é linda. Mas a beleza não é a única coisa que eu estava procurando. Eu gosto das minhas mulheres macias e quentes, não frias e duras. Eu tinha saído com Annalise por quase cinco meses antes que eu finalmente percebesse que não importava quanto empenho eu colocasse no relacionamento, eu nunca seria capaz de fazê-lo funcionar. Sem mencionar o fato de que ela não aprovava os Dixie Wardens e ela se saiu muito bem ao deixar isso bem claro para mim. "Annalise," eu assenti. "Como vai você?" "O que temos?" Ela disse rapidamente, ignorando as sutilezas que eu tentei falar com ela. Annalise não sabia por que nosso relacionamento não deu certo, e eu nunca tive o desejo de explicar que na verdade ela era muito parecida com um dos rapazes, ao invés de uma namorada. Eu não acho que ela iria apreciar muito. Em vez disso, eu apenas disse que eu não estava interessado mais nela e deixei por isso mesmo. Foi duro, sim, mas, no fim, ainda restaram alguns sentimentos feridos da parte dela.


Sebastian respondeu sua pergunta quando ela levantou as sobrancelhas para mim em questão. "Homem mais velho, final dos setenta anos. Morto. Espada no peito.” “Testemunhas?" Ela perguntou. Ambos demos de ombros. "Tudo bem, recuem e deixe-me fazer o meu trabalho." Ela ordenou e parou para conversar com o oficial que viu pela primeira vez a cena. "Você ouviu o homem", disse Sebastian. Vendo o meu olhar, ele riu. "Engraçado". Rosnei.


"Posso ajudá-la?" Perguntei apartamento na manhã seguinte.

a

mulher

na

porta

do

meu

Eu tinha acabado de sair para obter minha dose diária do bombeiro quente e encontrei a mulher na minha porta prestes a bater. Essa foi à segunda vez em dois dias que eu quase fui esbofeteada na face. "Sou a detetive Annalise Hernandez”, disse ela lançando seu distintivo aberto e fechando novamente. "Estou aqui para lhe fazer algumas perguntas. Posso entrar?" “Na verdade, eu estava indo me sentar na varanda de qualquer maneira. Você pode se juntar a mim”. Eu disse educadamente, fechando a porta firmemente atrás de mim. Não seria bom Monty sair com ela aqui. Ela parecia irritada que eu não iria deixá-la entrar, e eu tive que conter a vontade de rir. Eu não era uma garotinha ingênua. Eu não estava trazendo algum policial para a minha casa. Eu sabia agir melhor do que isso. "Eu tenho algumas perguntas para você sobre a noite passada." Detetive Hernandez começou.


"Droga", eu disse pouco antes da minha calcinha molhar, meu coração parar e meus olhos pegarem o homem correndo pelo estacionamento. Hoje, ele estava de bermuda Nike vermelha, um par de amarelo neon e nada mais. Ah, rapaz. E agora ele estava olhando para mim. Devo acenar? Sim, eu deveria acenar. Ele sorriu para mim e acenou de volta antes de virar a sua atenção de volta para o chão na frente dele. “Você conhece Tiago?" Detetive Hernandez falou seguramente. Não me virei para encarar a mulher até que ele desapareceu da minha vista. "Tiago"? Eu perguntei curiosamente. Eu pensei que eu tinha ouvido seu amigo chamá-lo de Kettle, não que esse nome não fosse melhor, mas mesmo assim ainda era diferente. “Sim", ela apontou na direção que o homem tinha desaparecido apenas momentos antes. "É o Tiago, AKA Kettle. Você o conhece?" Se eu não estava errada, detectei uma pitada de ciúme, vindo da mulher, mas não tinha certeza. Detetive Hernandez era o que você chamaria de estoica. Nos cinco minutos que ela estava aqui, eu não tinha visto a mulher fazer nada, a não ser manter um brilho levemente irritado no olhar. “Não, conheci-o ontem à noite, mas é só isso." Eu respondi, pegando lugar na cadeira de balanço e tomando um gole do meu café. Eu tinha coisas para fazer hoje, e estar aqui sendo interrogada, não era uma delas. “Você pode me dizer o que aconteceu ontem à noite?" Detetive Hernandez finalmente perguntou. Eu expliquei o que aconteceu desde o momento em que senti o cheiro da fumaça, até quando eu fui para a cama mais tarde naquela noite. “Conhecia o falecido?" "Não. Nunca o vi antes. Embora só me mudei a pouco mais de um mês e meio atrás." Eu expliquei. Eu tinha ouvido sua movimentação abaixo de mim, mas não os conhecia realmente. "E você ouviu alguma coisa?" A detetive persistiu. "Não, eu estava assistindo um filme. Eu tinha o som alto."


"Que filme?" Era óbvio para mim que a detetive estava tentando me pegar em uma mentira, mas minha explicação parecia agradar-lhe. "Eu via o Cão Negro. Tudo começou cerca de uma hora depois que eu cheguei a casa às seis da tarde e depois continuou até as nove. Senti o cheiro da fumaça cerca de vinte minutos depois disso.” As perguntas persistiram, uma após a outra, até que ela me fez começar tudo de novo. "O que você fez entre a hora que você chegou a casa até a hora que o filme começou?" "Jesus Cristo, senhora. Tomei banho, me masturbei na minha cama pensando naquele homem alto, moreno e bonito que acabou de passar por nós e depois comi um jantar congelado. Mais alguma coisa?" Eu rosnei. Eu estava ficando cansada dessa porcaria, e quando eu perdia a minha paciência, eu parecia perder o filtro na minha boca. Eu provavelmente não deveria ter dito a ela que eu tinha me masturbado, mas com um rápido olhar para o relógio, percebi que eu estava vinte minutos atrasada para o meu trabalho, e ela estava sentada aqui por mais de trinta minutos agora. Uma risada baixa masculina fez a detetive muito chateada, quando percebemos olhos masculinos satisfeitos na parte inferior da escada. Kettle ainda estava vestido com seus shorts e tênis, exceto que os shorts agora estavam duas vezes mais suados. Uma linha vermelha escura ia do cós dos shorts até cerca do meio da coxa, e de perto, eu poderia ver cada gota de suor que escorria pelo seu peito e encontrava o cós da cueca. Eu não tinha percebido que eu lambi meus lábios até Kettle começar a rir e Detetive Hernandez rosnar. “Bem, eu vou deixar vocês dois sozinhos. Você fica na cidade”. Ela se dirigiu a mim e desceu os degraus. Kettle virou-se lentamente, de modo que a mulher que estava extremamente chateada não o atropelasse em sua exuberância para dar o fora. Nesse meio tempo, eu estava no processo de descobrir o que diabos dizer a ele. Eu tinha acabado de admitir que estava pensando


nele e me masturbando na noite anterior. Antes que eu o tivesse conhecido oficialmente. Ele provavelmente percebeu que eu era uma pervertida e o assistia correr todas as manhãs. Em seguida, ele iria solicitar uma ordem de restrição. Mas antes que eu pudesse chegar a algo inteligente para dizer, o filho da puta arrogante decidiu jogar isso na minha cara. "Então, você estava pensando em mim, né?" Eu não gostava de ser provocada. Basta perguntar a minha irmã. Sem mais uma palavra para o homem rude, caminhei de volta para meu apartamento e bati a porta. Miserável. Felizmente, eu já estava usando minha camisa e saia, tudo o que eu tinha que fazer era calçar meu Converse e trançar o meu cabelo. Eu era uma professora de química do ensino médio na Benton High School. Nos finais de semana, eu trabalhava em um laboratório para ajudar a pagar minhas contas. Ou fazia, até que eu descobri que eles faziam testes em animais vivos e assim eu os roubei. Agora eu não tenho um emprego, mas pelo menos eles não poderiam me denunciar porque eles estariam se prejudicando mais do que a mim. Seria mais fácil para eles apenas adquirir novos animais de teste, no entanto, eu tinha destruído um conjunto de dados importantes quando eu tinha saído então eles levariam algum tempo para colocar as coisas em ordem. "Bolsa, bolsa, bolsa," eu cantava, enquanto fazia meu caminho de volta para a sala de estar. Eu a encontrei encravada entre a almofada e a parte de trás do sofá, que poderia muito bem ser um dos esconderijos para Monty dormir, bem atrás das almofadas. Vasculhando minha bolsa e procurando as minhas chaves, eu caminhei até a porta e a fechei atrás de mim quando comecei a descer as escadas. Eu deveria estar olhando onde pisava... Mas, não estava vendo para onde ia ao invés disso eu estava com minha cabeça enfiada na bolsa, enquanto procurava as minhas chaves. Se eu estivesse atenta, eu não perderia os dois últimos degraus quase caindo de cara no chão. Felizmente, o alto, moreno e bonito estava no fundo para me pegar.


Infelizmente, ele conseguiu molhar toda a frente da minha camisa. "Ewww," eu gritei quando minha camisa de linho agarrou-se a sua pele suada. "Desculpe", disse ele em sua voz profunda e aveludada. Eu me desvencilhei dele e, em seguida, abaixei para recuperar todos os meus pertences que estavam agora espalhados pela calçada. Ele se abaixou e começou a pegar papéis de bala, uma Coca-Cola, e as minhas pílulas anticoncepcionais. "Aqui, eu quero aqueles. E estes...”, eu disse enquanto empurrava o lixo em suas mãos. "Você pode jogar fora para mim quando você tiver uma chance." Kettle bufou. "Certo." "Você vê as minhas chaves em algum lugar?" Ah cara, eu ia chegar muito tarde. Eu deveria estar lá há mais de trinta minutos atrás. Agora vou ter que ouvir a mãe do Jesse Lawn reclamando sobre como ela tinha que perder a aula de ioga novamente. Eu estava habitualmente atrasada, fazendo com que a Sra. Lawn perdesse muitos compromissos de ioga. A escola não me despedir, porém. Ninguém queria lidar com os jovens de dezesseis anos que pensavam que sabiam mais que os seus instrutores. Eu já tinha entrado em quatro cursos de defesa só este ano e só estávamos no quarto mês do calendário escolar. “Aqui." Ele disse se levantando e deixando o lixo onde estava. "Você esqueceu isso." Eu apontei aos objetos ofensivos. Ele olhou para baixo, então para mim, e riu. "Sim, eu vou começar a tratar disso." Então eu assisti em silêncio espantada quando o homem se aproximou de um apartamento abaixo do meu próprio, e entrou em uma das portas do térreo. O apartamento que eu não sabia que era dele. O apartamento que era para ser meu, mas outra pessoa tinha roubado de mim. Aquele desgraçado ladrão!


Mais tarde naquela noite eu vi a minha nova vizinha, a que eu não tinha visto em meus dois meses de vida neste lugar, saindo de seu carro em sua saia foda-me e estúpidos tênis pequenos. Ela estava usando blusa de mangas compridas, também. Em meados de outubro, quando estava noventa graus lá fora. Embora, qualquer trabalho que ela tivesse, provavelmente não gostava do fato que ela tinha tatuagens. As tatuagens que eu tinha visto na noite anterior, em toda a sua glória. A maioria dos empregos não o faz. "Noite", eu falei. Ela parou e virou-se, olhando para mim na minha varanda. "O que?" Ela estalou. Minhas sobrancelhas levantaram-se com o seu tom de voz, e eu não consegui ficar parado, me coloquei de pé com toda a minha altura antes de caminhar na passarela até o outro lado da calçada em direção a ela. "Eu fiz alguma coisa para te chatear?" Eu perguntei curiosamente. Ela era ao mesmo tempo muito quente e fria. Ontem à noite ela foi boa, talvez um pouco volúvel, mas principalmente agradável. Assim como essa manhã. E agora isso. Ela cruzou seus braços e os seios dela empurraram junto, o que fez com que meus olhos de desviassem para seu decote impressionante. "De fato sim. Foi você quem roubou meu apartamento". Ela disse apontando para o local que eu morava. Agachei em meus calcanhares e mal consegui reprimir a vontade de rir.


"Uhh desculpe?" Eu falei. "Eu só liguei e pedi um apartamento. Quando cheguei aqui, foi esse que eles me mostraram.” "Era o meu. Eu tinha assinado um contrato de arrendamento por ele. Quando eu vim com minha mudança, o gerente disse que já tinha alugado e me ofereceu o outro. Você tem alguma ideia de como é difícil carregar compras naquelas escadas? Eu realmente não sei o que dizer. Eu já tinha me desculpado. O que mais eu poderia fazer? "Se eu estiver em casa, tudo que você tem a fazer é bater e eu vou levá-las para você." Eu ofereci. Seus olhos se estreitaram, e, em seguida, seus ombros pareciam querer cair. "Desculpe-me. É que minha irmã é deficiente, e me assusta quando ela vem me visitar. O que ela faz muito”. "Está tudo bem. Você sabe onde eu estou, se você precisar de mim.” Eu disse, antes de virar para voltar para minha própria varanda. "Você nunca veste uma camisa?" Ela perguntou a minha volta. Eu virei para trás com um sorriso no meu rosto. "Sim", eu disse, encolhendo os ombros. "Eu só não gosto de usálas quando eu não preciso."


DUAS SEMANAS MAIS TARDE Eu coloquei os pesos para baixo com um pequeno tilintar e fiquei parado quando ouvi a batida na minha porta. Eu não estava esperando ninguém por pelo menos mais uma hora, mas não era inédito para um dos meus irmãos passarem e dispararem suas merdas no meu dia de folga. Fui pego completamente desprevenido quando eu abri a porta e encontrei diante dela minha pequena vizinha, que tinha me evitado a cada esquina nas duas últimas semanas. Ela estava de pé com seus braços cruzados contra o tórax. Os olhos dela viajaram pelo meu corpo, nos calções de treino e meu peito suado, antes de encontrar meus olhos. "Nenhuma camisa de novo, eu vejo", ela observou. "Você sempre come no McDonalds?" Eu dei de ombros. "Ocasionalmente. Como posso te ajudar?" "Eu tenho algumas compras", disse ela com um sorriso largo. Mantive um pequeno sorriso no canto da minha boca enquanto a seguia para fora da porta.


Hoje estava mais frio, então quando a vi em camisa azul de manga longa e uma saia que mal lhe permitia caminhar corretamente, eu não estava tão surpreso. No entanto me surpreendi quando ela me levou até um carro de aluguel. "O que há com o carro alugado?" Eu perguntei quando eu fui para seu porta-malas aberto. Ela normalmente dirigia um Challenger preto com listras de corrida rosa quente. O carro dela se encaixava perfeitamente nela. Este, por outro lado, não. Era um Ford Taurus indefinível. “Tive que pegar este em uma loja esta manhã. Alguém bateu em mim ontem à noite no caminho da escola para casa. Infelizmente”, ela explicou. Minha cabeça virou, e a observei de perto. "Você está bem?" Eu perguntei, estranhamente preocupado com o seu bem-estar. Por que eu estaria preocupado, eu não sabia. Talvez eu só gostasse que ela apenas não saltou sobre o meu pau e começou a me montar. Essa era a principal razão para as mulheres me procurarem. A primeira pessoa a realmente olhar para mim, sem olhar primeiro para a minha virilha, foi mulher do meu VP, Baylee. Todas as mulheres olhavam primeiro para o meu corpo e o meu colete. E após ter passado por essas duas coisas, se elas vissem que eu era um bombeiro, aí elas realmente tinham que ter algo de mim. Eu não tinha tido uma conversa significativa com uma mulher há mais de dez anos. Mesmo Annalise começou a me namorar, porque eu era um bombeiro. "Sim, eu estou bem. Um pouco abalada. O cara não parou. Ele estava em uma camionete com para-choque enorme. Tenho sorte de que ele bateu no lado do passageiro, caso contrário minha cara poderia ter sido introduzida no seu para-brisa." Ela suspirou com cautela. Algo estranho começou a acontecer no meu peito, e eu tive que me conter fisicamente para não ir até ela e segurá-la nos meus braços. “Lamento ouvir isso. Em qual mecânico você levou?" Eu perguntei. Comecei a pegar as sacolas e então levei todas de uma só vez.


“Oh, meu Deus! Preciso pegar você emprestado toda vez que eu fizer compras. Podemos fazer uma programação permanente para toda quarta-feira às sete da noite?" Ela pediu, enquanto corria pelas escadas na minha frente. Eu tive que rir. As mulheres acham as coisas mais estranhas divertidas. “Claro", disse. "Agora, qual mecânico você levou seu carro?” “Acho que funilaria do Reed. Isso parece certo"? Ela perguntou enquanto abria a porta e acendia a luz. A primeira coisa que vi foi a grande cobra enrolada no canto do sofá. A segunda foi que a casa de Adeline estava revirada. Ela não parecia surpresa sobre isso e sim resignada. “Você pode colocar as sacolas na cozinha. Peço desculpas pela bagunça. Isso acontece muito." Ela disse a título de explicação. Minhas sobrancelhas se levantaram, e eu olhei mais de perto a mulher que estava tentando esconder o fato de que ela estava chateada. Eu provavelmente não teria sequer notado se não tivesse visto suas mãos agitadas, e o barulho de suas chaves, balançando nos dedos, com o que aconteceu. Coloquei as sacolas no balcão da cozinha, deixei meus olhos vaguearem sobre a destruição na área, antes de retornar para a sala de estar, onde ela estava freneticamente empurrando coisas de volta nas gavetas. “Você precisa de ajuda?" Eu falei, fazendo-a saltar. Ela gritou antes de se virar e empurrar a gaveta fechada com sua bunda. "Não, não. Estou bem. Ele não levou muito.” Minhas sobrancelhas levantaram. "Isso acontece muito?" Ela encolheu os ombros. "Obrigado pelo transporte de minhas compras, Tiago." Eu odiava ser chamado de Tiago. Lembrava-me do meu pai, que não tinha falado comigo em mais de dez anos. Mas a partir de sua boca, parecia estranhamente... certo. Vindo de seus belos lábios cheios, não me deu a sensação de borboletas no meu estomago que geralmente acontecia quando ouvia meu nome.


"Você precisa chamar a polícia?" Perguntei. No tremor veemente de sua cabeça, eu sabia que não seria capaz de convencê-la. Eu chamaria Trance, um membro da Polícia, assim como o The Dixie Wardens MC, quando voltasse para casa e relataria isso a eles. Não era muito, mas era algo. "Ok," Eu assenti. "Apenas me diga isso. Você está em perigo?” Ela suspirou e seus ombros caíram em desânimo. "Não", ela disse, com um aceno de cabeça. "É meu irmão. Ele gosta de penhorar minhas coisas quando ele precisa de dinheiro. Eu nem sequer tenho ideia de onde é o inferno que ele está. Nenhum bloqueio de porta no mundo o segura. Ele sempre foi bom com fechaduras.” Não era muito, mas a sua admissão foi o suficiente para acalmar a fera no meu cérebro me dizendo para arrastá-la de volta para o meu lugar e esperar até a polícia chegar. Sabendo que era seu irmão não era realmente muito melhor do que apenas um ato aleatório de violência, mas, por algum motivo, sabendo que era o irmão dela me permitiu acalmar a besta para níveis ligeiramente gerenciáveis. Pelo menos níveis que não me obrigariam a arrastá-la pelos cabelos para minha caverna. "Você provavelmente deve denunciá-lo de qualquer maneira. Eu realmente não quero dizer a você como lidar com a sua situação familiar, mas coisas assim não vão embora. Um dia, ele não vai fazer apenas algo pequeno. Ele vai tomar alguma coisa de vocês que será insubstituível ou, se você tiver sorte, só usar você. Não deixe ele ir tão longe." Eu a aconselhei. Quando ela não respondeu ou olhou para mim, eu sabia que era hora de sair. "Tudo bem, deixe-me saber quando você tiver necessidade de mãos fortes para transportar suas compras." Eu disse antes de voltar para sua porta. Se eu não sair, eu tentaria convencê-la, e só o senhor sabia quem era eu para falar sobre a família. Minha irmã era uma bagunça gigante do caralho, e eu não tinha falado com os meus pais em dez anos. O que isso diz sobre mim? "Obrigada", disse quase em silêncio, procedendo para fora da porta.


Descendo a escada, fiquei surpreso ao ver Annalise sentada na minha varanda. Eu a vi quando ainda estava na metade, e vi que seus olhos ardiam com a visão de me ver saindo do apartamento de Adeline suado e sem camisa. Eu não disse nada embora. Não ajudaria. Ela estava com ciúmes, e incitando-a, não iria ajudar a situação. "Annalise," eu disse quando eu fui para a minha varanda da frente. Seu nariz e lábio levantaram em um grunhido. "Será que eu interrompi alguma coisa?" Ela zombou. “Em que posso ajudá-la?" Perguntei, ignorando o grunhido. Não era como se ela tivesse direito a qualquer reclamação sobre mim. Ainda assim, eu podia ver como ela estava chateada com isso. Então eu iria dar-lhe alguma folga. Por agora. "Eu vim para ver se você queria ir comer alguma coisa, mas eu posso ver que cheguei tarde demais. Você já comeu a menina da porta do lado”. Annalise cuspiu. "Eu acho que é hora de você sair, se você não tem nada de bom a dizer. Eu tenho algum lugar para ir.” "Você realmente tem um lugar para ir, ou você está dizendo isso só porque você quer que eu vá embora?" Sua pergunta foi respondida momentos mais tarde, quando Trance chegando em sua moto, estacionou em uma das vagas atribuídas a mim. Ele desligou, baixou o descanso de pés, balançou a perna sobre a moto e esperou. O rosto de Annalise caiu para baixo em uma carranca severa, que foi outra razão pela qual eu tinha terminado com ela. Ela não aceitou a minha família. E Trance era família, bem como um dos meus melhores amigos. Ela odiava todos, especialmente Trance. Transe era um oficial de K-92 no departamento de polícia de Benton.

2

K9 = oficial da polícia americana que trabalha com cães.


Embora não no mesmo departamento que Annalise, eles ainda se encontravam um com o outro em várias ocasiões, e pelo que eu sabia, ela não confiava nele. Eu não estava ciente disso até Trance me contar um dia, finalmente me dizendo seu problema com Annalise. Não que ele precisava, porque eu tinha acabado com ela na noite anterior. "Kettle", Trance disse-me dando a mão. Trance foi abençoado com seus olhos. Eram duas cores diferentes, um azul e um verde, as mulheres adoravam. Algo sobre o cabelo loiro ondulado do homem e seus olhos estranhos faz isto para as mulheres. Quando você somar o corte e o distintivo, ele era quase irresistível. "Trance." Eu apertei sua mão. "Bem, isso tudo é muito agradável…", disse Annalise quando ela se levantou. "Mas acho que vou pra casa. Desculpe ter incomodado você.” Trance e eu ficamos olhando ela partir. "Você está pronto para um passeio?", perguntou Trance. Eu balancei a cabeça. "Só preciso ir mudar de roupa. Vou sair em 10 minutos. Minha vizinha precisava de alguma ajuda para carregar suas compras.” Trance assentiu com a cabeça e sentou-se no sofá enquanto eu fui para o quarto principal para encontrar uma camisa e um par de calças. Eu escolhi os mais quentes, pois iria esfriar nas próximas horas. Assim quando eu coloquei a camiseta sobre meus ombros e passei algum desodorante, ouvi batidas na minha porta da frente. "Kettle!" Minha vizinha gritou, batendo com força na porta. Eu não sabia que estava correndo até que eu cheguei até a porta logo após Trance ter aberto. Ela entrou e correu em minha direção, ignorando completamente um Trance de boca aberta. "Meu Deus. Preciso da sua ajuda. Você pode me ajudar”? Ela implorou, me agarrando pela camiseta e me puxando para mais perto dela. "Ela é cega e eu não sei onde ela está. Oh Jesus. Por favor”. Ela chorou.


Eu agarrei os braços de Adeline e segurei com firmeza, olhando-a nos olhos com uma expressão calma. "Adeline", eu disse suavemente, mas com firmeza. "Você precisa se acalmar e me contar toda a história." Trance encontrou meus olhos por cima da cabeça dela, ambas as sobrancelhas levantadas em questão. "Oh Deus. Oh Deus. Ok.” ela disse balançando a cabeça. "Minha irmã me chamou para me dizer que o nosso irmão veio para pegar algum dinheiro dela, já que não havia nenhum na minha casa. Quando ela disse que não tinha nenhum dinheiro em casa, meu irmão a levou para um caixa eletrônico, e depois a deixou em algum lugar. Ela não pode ouvir qualquer barulho, e ela não tem qualquer maneira de se mover. Ela não pode ver. Ela é cega.” Adeline estava nervosa novamente. Eu estava preocupado. Que tipo de porra de irmão era esse que pega sua irmã cega deixando ela em qualquer lugar, sabendo que ela não consegue voltar pra casa? Trance estava retirando seu telefone e ligando para a estação para colocar um alerta. Lançando-me um (fique atento) nela. “Ei, qual é o número de celular?" Trace perguntou. Olhei para baixo para uma Adeline claramente perturbada. "Qual é o número dela, Adeline?" "Uhh," ela disse, virou e deu o número para ele. Trance retransmitiu o número e desligou o telefone. "Ok, uma vez que ela usar o telefone de novo ela vai ser rastreada. Você pode chamá-la?” perguntou Trance calmamente. Ela parecia entender que nós precisávamos organizar essa merda juntos, então respirou fundo e soltou o ar antes de explicar. "O telefone morreu. Estávamos no meio da conversa quando me disse que não demoraria muito para acabar a bateria. Eu vim aqui, assim que ela desligou. Ela disse que ele a levou para seu banco e então a deixou do lado de fora de um par de blocos, era tudo que ela poderia dizer." Tomando-lhe a mão, eu a levei até a porta e descemos as escadas antes que ela terminasse de falar.


Eu a olhei de cima a baixo para me certificar de que ela estava bem vestida, pelo menos. Se ela não estivesse eu pediria para colocar algo mais adequado. Eu não seria capaz de ajudar a irmã se eu estivesse preocupado com ela na parte de trás da minha moto. A estrada não combina com uma pele nua e eu estava sempre alerta sobre o que eu usaria quando eu andava de moto. Trance me seguiu, fechando e trancando a porta atrás de nós. Eu coloquei o capacete na sua cabeça, e em seguida, amarrei firme. "Sente-se bem?" perguntei. Ela deu um tapinha no lado do capacete de leve confirmando e eu montei a moto. "Como ela se parece?" eu perguntei a ela antes de me sentar. "Cabelo preto como o meu, minha altura também. Ela se parece exatamente como eu, na verdade.” Ela explicou. "Qual banco?" perguntou Trance de sua moto que estava estacionada próxima a minha. Eu levantei minha mão para ela subir na moto, e ela aceitou sem um segundo olhar. "Banco Benton Bank and Trust." ela disse, movendo-se tão perto quanto podia sem realmente me tocar. Eu tinha somente uma pequena almofada na parte de trás da moto, o que permitia apenas uma parte de um traseiro, não um todo, de modo que se ela fosse assim tão longe, ela teria que ficar quase pendurada na almofada. "Chegue mais para cima” eu instruí. Ela se moveu talvez um milímetro, no máximo. "Mais", insisti. Outro milímetro. Suspirando em exasperação, eu envolvi um dos meus braços em torno da bunda da mulher teimosa e puxei-a para frente. Após um suspiro assustado dela, liguei a moto e começamos a andar para longe do nosso bloco de apartamentos antes de acelerar indo em direção ao banco. Ela envolveu seus braços ao meu redor, apertando muito para o meu conforto.


Embora eu não a impedi. Ela estava com medo e se eu tivesse que lidar com um pouco de desconforto, eu lidaria por ela. Trance seguiu ao meu lado, mas nos separamos quando chegamos ao banco, ele indo na direção oposta. A pesquisa demorou bem mais de vinte minutos de becos e ruas laterais sem sorte. Então meu celular vibrou no meu bolso, me fazendo encostar às pressas e correr para atender. "Você a encontrou?” Eu perguntei rapidamente, não me incomodando com um "Olá". “Sim", ele respondeu. "Ela está na velha estrada de Miller. Ela está muito assustada, também. Não me deixa chegar perto dela sem assustar.” “Tudo bem", disse, dando a perna de Adeline um tapinha. "Nós estaremos aí em breve." A viagem para Old Miller Road foi rápido. Era apenas cinco minutos de distância, e eu o deixei cair para apenas dois minutos e meio sem objeções da mulher atualmente grudada em minhas costas. A irmã de Adeline parecia tanto com ela que me fez dar uma segunda olhada. Adeline, no entanto, não perdeu tempo em ir para ela, que estava agachada ao lado de um edifício em uma mesa de piquenique. O vestido que ela usava estava manchado e sujo, como se ela tivesse caído mais de uma vez para chegar onde ela estava. Pobre menina. Ela tinha que estar morrendo de medo. "Viddy!" Adeline chamou correndo para a mulher encolhida. Trance estava de pé a dois metros de distância, observando a mulher com uma expressão intensa em seu rosto. "Addy?" Viddy falou, levantando-se e apoiando as mãos na mesa atrás dela. "Bem aqui", disse Adeline, pouco antes de cair de joelhos e colocar os braços ao redor da mulher. "Você está bem? Você está machucada?” A mulher balançou a cabeça. "Não, eu estou bem. Trance parou cerca de cinco minutos atrás e assustou um cara, mas fora isso, nada sério. Jefferson estúpido só me deixou aqui. Não me deixou levar minha bengala. Deus, se eu pudesse vê-lo, eu iria chutar a bunda dele”.


Eu mal suprimia a vontade de rir de Trance, no entanto, não o fiz. Ele simplesmente deixou tudo para correr em busca dela. Assim, a mulher teve uma atitude semelhante à de Adeline. Fazia sentido, as duas eram tão semelhantes que tinham que ser gêmeas. Ambas tinham cabelo preto longo acastanhado que se curvavam em ondas ao longo de suas costas. As duas também tinham o mesmo corpo, com apenas a quantidade correta de curvas que todo homem gostava. E ambas tinham quase o mesmo tamanho. A única coisa diferente entre as duas era que Viddy usava óculos escuros para esconder os olhos. "Tudo bem, eu vou chutar a bunda dele para você. Eu simplesmente não consigo entender por que ele está fazendo isso. Estúpido pedaço de merda, ele pegou $1.500 que eu estava guardando para colocar pneus e freios novos em meu carro. Desde quando ele precisa tanto assim? Idiota." Isso era novidade para mim. Ela deve ter descoberto isso depois que eu a deixei. Não havia nenhuma maneira que ela teria sido capaz de manter essa notícia sem afetar o seu rosto extremamente expressivo. "Ele pegou $500 de mim também. Felizmente, eu tinha acabado de transferir algum dinheiro das minhas economias ou ele teria pegado muito mais!” Olhando para Trance, eu vi a mesma emoção expressa em seus olhos que eu tinha nos meus. Ultraje. Que tipo de pedaço de merda faria algo assim? Eu não preciso me preocupar com justiça, no entanto. Eu podia ver com apenas um olhar que Trance não estava pensando em deixar isto assim. Ele era um oficial de polícia, bem como um membro da Dixie Warden. Nós não toleramos machucar mulheres. Mesmo que nenhuma violência física tenha acontecido. "As senhoras estão prontas para sair daqui?" Eu perguntei depois de mais de dez minutos de balanço e choro entre as duas mulheres.


Em resposta, Adeline se levantou e arrastou sua irmã por trás dela. "Viddy, eu gostaria que você conhecesse Ketlle. Ele é meu vizinho. Você já conheceu Trance. Ele é uhh, amigo do Ketlle”? Adeline terminou em uma pergunta. "Sim, nós somos amigos. É bom conhecer você, Viddy”. Eu disse oferecendo minha mão. Para a mulher cega que não podia ver a mão. Jesus Cristo. "Uhh", eu disse, o rosto em chamas em humilhação. Adeline sussurrou algo no ouvido de Viddy e o braço dela levantou, procurando cegamente para o meu lado. Peguei a mão dela, dei-lhe uma ligeira sacudida, tentando o meu melhor para não esmagar sua mãozinha e soltei. "É bom conhecer você, também, Kettle. Vidalia é meu nome. Eu sou a irmã gêmea de Addy. Eu sou mais velha por quatro minutos. É bom ser tratada como uma pessoa normal. Da próxima que você estiver estendendo sua mão para mim, me avisa e eu vou saber como agir." Viddy respondeu. Os olhos de Trance estavam brilhando de alegria quando ele se aproximou de nós e ofereceu sua própria mão. "Trance é o meu nome e eu estou estendendo a minha mão para você." Adeline bufou, mas um sorriso do tamanho do Texas iluminou o rosto de Viddy quando ela estendeu a mão para ele tomar. "Também é um prazer te conhecer. Obrigado por me salvar”. Trance não largou a mão de Viddy por um longo tempo, enquanto assistia as emoções passarem em todo o rosto da mulher. “Então, isso significa que você está montando comigo, desde que nenhum de nós estava realmente pensando na pressa que saímos. Sabe andar de moto?" Trance falou. Não tinha pensado nisso também. Mas funcionou, contando ela montaria na parte traseira da moto do Trance sem problemas. Não era como se nós estivéssemos pedindo para ela dirigir. Adeline bufou. "Como chegamos a essa confusão" Adeline riu, entregando Viddy a Trance e então montou na minha moto.


“Você não pode apenas jogar isso pra gente e não esperar que sejamos curiosos." Falei secamente, e a observei seguindo pelo caminho. "Alimente-nos, e vamos dizer-lhe." Adeline sorriu amplamente da traseira da minha moto. Vinte minutos depois, encontrei-me sentado no Longhorn Steakhouse com Adeline ao meu lado, Trance e Viddy na minha frente. Não era como eu tinha planejado passar minha noite, mas claro que não ia reclamar porra! Trance não parecia estar reclamando também. "Okay, você tem sua comida. Hora de começar a falar." Trance disse, olhando para a mulher sentada ao lado dele. "Foi minha culpa", Adeline começou a falar. “Tínhamos quinze anos quando me atrevi a montar a moto do meu pai. Não tínhamos muita experiência em montar. Estava indo dar uma volta na garagem, mas eu perdi o controle e nós caímos.” "Meu pai tinha acabado de comprar uma moto nova." Adeline continuou. "Era à coisa mais linda que eu já tinha visto, e ele não nos deixou chegar perto dela. Disse que era demais para qualquer um de nós e se recusou a nos levar para dar uma volta nela. Ouvimos ele falar com meu irmão sobre isso alguns dias depois que ele a comprou que ela era supostamente uma besta de uma Harley que poderia tornar-se um foguete entre as pernas...e ela era... e eu realmente queria montar isso. Então, um dia depois que meu pai tinha saído para trabalhar em seu emprego diário, Viddy e eu fomos dar uma voltinha. Literalmente”. Eu não tinha percebido o quanto horrível seria ouvir sobre uma adolescente destruindo uma grande moto como uma Harley V-rod. Eu tinha visto um pouco em meus quinze anos de serviços de emergência, mas apenas imaginei o que ela estava prestes a explicar. "Enfim, papai tinha um velho motor de cinco velocidades sob o alpendre coberto por uma lona. Ele tinha sido levantado do chão por um guindaste pelo menos uns 10 centímetros, mas o ângulo da ferramenta estava apontado para fora em vez de para cima.” Ela disse enquanto tomava um gole da sua Coca-Cola que o garçom tinha colocado na mesa. "Bem, eu girei para fora no meio da garagem. Eu não tinha certeza de como conduzir uma moto, mas eu estava indo muito bem até que me atrapalhei e comecei a disparar com nós duas para frente. As coisas


ficaram um pouco confusas, depois disso só me lembro o que me disseram." Eu estremeci, vendo onde isso ia acabar antes que ela mesma contasse os relatos das testemunhas oculares. "Sim, eu fui jogada pela garagem e minha cabeça atingiu a parede exterior do tijolo. Não me lembro de nada do que aconteceu naquele momento aterrorizante quando a moto acelerou para frente e nós batemos." Viddy explicou. "Então Viddy bateu na parede e teve uma concussão, enquanto eu estava jogada no velho motor de cinco velocidades sob a garagem." Ela fez uma careta. Trance gemeu, e eu tive que engolir a bile que estava ameaçando a parte de trás da minha garganta. "Você estava pregada numa estaca." Não era uma pergunta, mas uma afirmação. Eu estava à espera de sua confirmação. "Certo. Acordei no hospital deitada de lado com uma estaca atravessada em meu peito" confirmou Adeline. "Foda-se", Trance e eu dissemos ao mesmo tempo. "Sim, papai estava furioso. Ele queria gritar e gritar com a gente, mas estávamos tão feridas que ele não podia. A bronca não veio até mais tarde, quando fomos liberadas do hospital. Ele tinha se livrado da moto, do motor e qualquer outra coisa perigosa na casa depois daquele dia. Nós não dirigimos até que tivéssemos dezoito anos e mudamos da nossa casa porque ele se recusou a nos ensinar”. "E quanto a você, Viddy?" Perguntou Trance. "Viddy foi diagnosticado com uma forma grave de Deficiência Visual Cortical após o nosso acidente. O médico e especialistas que a viram, tinham grandes esperanças de que Viddy ganharia um pouco de sua visão de volta, como a maioria faz, e ela ganhou alguma de volta, mas não o suficiente para fazer qualquer coisa mais fácil para ela. Ela pode diferenciar entre claro e escuro. Ela pode ver um campo muito estreito através de sua visão periférica, mas apenas uma quantidade mínima que só faz mais mal do que bem.”, explicou Adeline. Viddy balançou a cabeça com a explicação. "Portanto, esta foi a sua primeira vez montando uma moto desde então?" Eu perguntei a Adeline.


Ela riu. "Oh, nós éramos diabinhas no ensino médio. A culpa era de nosso pai embora. Ele foi estupidamente cauteloso depois disso que mal conseguimos sair de casa sem ele nos seguindo. Viddy em particular. Ele odiava o fato que ela estava lá fora com uma deficiência, mas Viddy não deixou nada impedi-la. Inferno, ela ainda competiu na escola." Viddy bufou, olhando para ela. "Eu competia no salto em altura, porque isso irritava meu pai. Ninguém sabia que eu estava cega até que eu errei completamente o saco depois de saltar no ar de uma vez e cair.” O silêncio pairou em ondas grossas antes da risada de Adeline. "Oh Deus. Essa foi à coisa mais engraçada do mundo para ver." Ela riu. "Isso é meio mórbido, você achando engraçado que a sua irmã cega caiu," eu disse a ela pouco antes de tomar um gole da minha água. "Eu meio que gosto disso." “Você ri ou você chora”. “E nós fizemos um pacto de dez anos atrás que nem uma de nós iria chorar sobre as nossas deficiências.” Confirmou Viddy. "Deficiência?" Trance perguntou com uma sobrancelha levantada. "Sim, eu sou cega e Adeline é estúpida." Disse Viddy com uma cara séria. "Eu não sou estúpida! Eu sou uma professora de ciências, quanto mais esperta que isso tenho que ser?” Ela riu e jogou uma batata na irmã. Trance a pegou e colocou na boca, enquanto Viddy sorriu para ele, sabendo que ele tinha feito algo para impedir o ataque de sua irmã. "E vocês têm família?" Viddy perguntou há Trance e eu. “Não", respondeu Trance. "Ketlle tem uma irmã, apesar de tudo." Fui salvo de ter que falar sobre minha irmã excêntrica quando a comida chegou, fazendo com que a mesa ficasse em silêncio. "Droga," Viddy disse quando sentiu sua comida. "Eles não cortaram como eu pedi." Eu olhei para o prato de frango parmesão e percebi como realmente seria difícil de ser cego.


Eu nunca pensei que ser cego significava que você não podia ver e cortar sua comida. Isso nunca tinha me ocorrido. Claro, o habitual sobre não ver onde você anda e não ser capaz de conduzir um veículo tinha me ocorrido, mas nunca me ocorreu o quanto era difícil às tarefas diárias mais simples, como cortar sua própria comida. "Deixa comigo.” Trance disse e começou a cortar o frango para Viddy. Eu não fiquei olhando Trance ou Viddy embora. Eu observei Adeline. Eu aprendi muito sobre ela hoje à noite, e cada coisa nova que aprendi me fez mais e mais curioso para saber o que a fez essa mulher. O que fez Adeline ser Adeline. O jantar passou relativamente rápido depois disso, e nós saímos para o parque de estacionamento menos de uma hora depois de chegar. Trance ofereceu para levar Viddy direto para casa, e Viddy aceitou. Nós nos despedimos e Adeline parou ao lado da traseira da minha Harley. "Ela é realmente bonita. Isso me lembra da moto do meu pai." Adeline disse quando ela passou a mão ao longo da pintura cinza brilhante. "Ele não anda mais?" Eu perguntei quando lhe entreguei o capacete. "Sim e não", ela balançou a cabeça. "Nós nunca estamos lá quando ele faz." Eu tinha testemunhado muito poucos motociclistas ao longo dos anos, que nunca montaram novamente depois de um acidente grave. Não era inédito e não me surpreendeu, no mínimo. Depois de um acidente de qualquer tipo, lá vem aquele momento em que você faz de novo apenas para dizer que fez; mas para alguns, a coragem não estava mais lá. Eu balancei a cabeça em compreensão, e montei a moto antes de oferecer-lhe a minha mão.


Ela pegou e acomodou-se contra as minhas costas, pressionando os seios macios em mim, acendendo um fogo que eu não tinha sentido em um tempo muito longo. Eu não tinha tido conhecimento de que algo estava faltando até que eu vi o meu melhor amigo se juntando a uma pessoa realmente especial, fazendo-me perceber que eu precisava permanecer com minha cabeça em linha reta ou a vida iria me passar pela direita. Eu tinha trinta e quatro anos, e não estava ficando mais jovem. Eu queria ter filhos. Uma esposa. E um lugar para chamar de lar, não apenas uma casa. Eu queria o que Sebastian tem. O que eu quase tive uma vez. E com Adeline em volta de mim, eu senti que, talvez, eu poderia encontrar com ela. Chegando ao apartamento, eu estacionei a moto no meu lugar atribuído, e desliguei a moto antes de desmontar. "Jesus, mas que porcaria de banco”, disse Adeline enquanto balançava a perna por cima da moto. Eu ri. "Desculpa menina. É só uma pequena almofada. Você continua andando comigo e eu vou ver sobre obter algo diferente.” “Obrigado. Não sei qual o propósito de ter uma almofada. Eu senti como se estivesse montando a roda traseira. Não notei tanto antes quando estávamos procurando minha irmã, mas agora estou sentindo isso.” Eu sorri. "Ela não é chamada de almofada à toa, menina. A sério, tudo que está destinada a fazer é manter sua buceta fora do parachoque. Daí por que é chamada de almofada de buceta.” Seu rosto inflamou quando eu disse buceta e não diminuiu as chamas quando ela me deu um beijo rápido na minha bochecha e saiu rapidamente para escada. “Noite, Kettle!" Ela falou da parte superior da escada e em seguida, entrou no apartamento dela, e fechou a porta tranquilamente atrás dela. Não foi até quando eu estava no meu quarto tirando minhas roupas e pendurando meu colete que eu percebi que ela não perguntou sobre ele.


Eu sabia que ela tinha que ter percebido que eu o estava usando. Diabos, os seios dela tinham sido empurrados contra minhas costas o tempo todo, contra minhas cores. Não era como se eu estivesse escondendo isso. Eu estava orgulhoso de ser um membro do Dixie Wardens MC. Eu contaria tudo a ela, se ela tivesse pedido, mas ela não tinha. Ela não deu um segundo olhar para o colete. Ela não o olhou com desgosto, como Annalise. Ela agiu como se fosse apenas uma parte de quem eu era. O que me fez pensar... Isso foi uma coisa ok no livro dela, ou ela só estava desatenta?


"Oh, foda-se." Eu respirei quando entrei no The Tug e Chug, um dos únicos bares em Benton, e parei abruptamente. Viddy, que estava logo atrás de mim, parou abruptamente também. Seu rosto batendo no meu ombro. "Owww," Viddy lamentou. "Isso dói. Por que você parou?” A bengala de Viddy que ela normalmente utilizava começou batendo descontroladamente entre as minhas pernas, me fazendo gritar e pular para escapar dela. Ah, e chamando a atenção de meu vizinho que atualmente tinha seus braços envolvidos em torno de uma mulher loira. Uma mulher muito bonita. Peguei a bengala de Viddy que estava se debatendo entre as minhas pernas como uma cobra com a cabeça cortada, e firmemente arranquei das mãos dela. "Pare", eu assobiei. "É meu vizinho, e ele tem as mãos em torno de uma mulher." Eu não tinha percebido que ele estava vendo alguém.


Toda vez que eu tinha visto o homem na última semana desde que ele ajudou no resgate da minha irmã, ele nunca tinha recebido visita de qualquer pessoa, a não ser outros homens do seu clube. Eu também tinha visto sua moto. Eu não era novata para o modo de vida de motociclista. Meu pai participou de um clube de motociclistas até o dia em que ele morreu, quando eu tinha vinte e três. De um acidente de moto. Depois que Viddy e eu tínhamos deixado nossa casa, meu pai tinha finalmente se sentido confortável o suficiente para trazer a sua moto de volta. Ele a manteve no clube quando ainda morávamos em casa, e a trouxe de volta quando nós não morávamos mais lá. Inconveniente, sim, mas foi o que o ajudou a dormir à noite, depois de tudo. Ele morreu fazendo o que amava, e isso era tudo o que importava para mim. Claro, foi horrivelmente terrível não ter ele verificando as minhas escolhas de estilo de vida, mas eu sabia que ele tinha morrido em paz, e foi, finalmente, com a minha mãe, feliz em sua vida após a morte. Portanto, foi assim que eu soube que um homem que tinha mulheres montando em sua moto, muitas vezes não tinha almofadas nela porque era extremamente desconfortável para as mulheres. Em vez disso, eles investiam em um assento, permitindo à mulher ter uma viagem mais confortável. “Qual é o grande negócio? Vocês não estão namorando.” Viddy gritou de volta e começou a me apalpar para que ela pudesse pegar sua bengala. Eu empurrei de volta em sua mão antes que ela pudesse verificar os meus peitos, e comecei a andar em direção a atendente. "Quantos?" Perguntou a jovem, olhando Viddy como se tivesse lepra. "A cegueira não é contagiosa", eu rosnei. Eu odiava quando eles olhavam para minha irmã, como se ela fosse contagiosa. Odiava com muito fervor.


"Uh," a jovem gaguejou. "Será que vão ser dois?" No meu aceno, ela perguntou: "Área de fumantes ou não?”. Revirei os olhos. "Não", eu disse impaciente. "Tem certeza?" Perguntou a anfitriã. Viddy, que tinha ficado quieta até agora, começou a rir atrás de mim, enterrando seu rosto no meu cabelo. “V-você tem p-plano de começar a f-fumar nos próximos minutos, Addy?” ela riu. "Cale a boca ou você vai chamar atenção. Você está me envergonhando.” Eu assobiei. "Senhoras", disse uma voz profunda atrás de nós. Diretamente atrás de nós. Nós duas giramos e gritamos ao mesmo tempo. Viddy fez um movimento com sua bengala, golpeando o homem mais velho que estava atrás de nós em sua panturrilha direita, fazendo-o saltar em surpresa. Nós duas olhamos em estado de choque, quando o homem estremeceu e esfregou a perna machucada. "Jesus, você bateu no líder deles." Eu falei para a minha irmã. "Como um líder alienígena ou seu líder presidente?" Viddy perguntou preocupada. "Líder Presidente", disse uma voz divertida por trás de nós. Nós giramos novamente, mas desta vez, o homem intimidante em pé atrás de nós pegou a bengala com a mão, impedindo-a de bater-lhe como tinha feito com seu Presidente. "Ketlle", disse sem fôlego. "Oi” Ele sorriu. "Muitas pessoas não podem se safar dando paulada no nosso Presidente. Ele é geralmente um pouco mais rápido do que isso. Deve estar ficando lento para ser atingido por uma mulher cega". Meus olhos se arregalaram de humor, mas não me atrevi a dar risada. Eu não faria isso. "Engraçado", disse o homem, quando ele passou por nós indo para as mesas que eles estavam ocupando. Kettle estava vestido com seu uniforme de bombeiro, calça e camisa azul marinho com o logotipo do departamento do bombeiro sobre ela, e botas pretas.


O uniforme em si não era grande coisa, mas o homem vestido nele o faz parecer quase orgástico. Seus grandes braços faziam as mangas da camisa tencionar. Ela se encaixava bem em seu peito, ombros e abdômen, deixando muito pouco debaixo dela para a imaginação. Ele também fez as minhas calças parecerem desalinhadas e velhas, e a camiseta que eu estava usando ser horrível. O que eu estava pensando quando eu saí com isso? "Vocês querem vir se juntar a nós?" Perguntou Kettle. Forcei meus olhos a deixaram seu bíceps e olhar para ele e depois para os cinco homens que estavam reunidos em torno de três mesas que tinham sido empurradas juntas às pressas na parte de trás do Tug and Chug. "Uhh," eu hesitei. "Parece que você não tem tanto espaço." "Vamos lá, vai ser o suficiente." Ele disse estendendo ambos os braços. "Eu estou estendendo o meu braço para você, querida." Ele disse para Viddy, fazendo-a rir. Viddy e eu enrolamos nossas mãos em torno de seus bíceps enormes, e caminhamos cautelosamente em direção ao grupo. "Senhoras, eu gostaria que vocês conhecessem Loki, Silas, Sebastian, Dixie, e vocês já conhecem Trance." Ele os apresentou da esquerda para a direita. Loki parecia um deus de ouro. Isto é, se você não levasse a cicatriz que corria pela garganta em consideração. Uma linha fina, levantada indo de um lado de sua mandíbula para o outro. Seus olhos eram de um azul pálido e treinados em cada movimento nosso. Dissecando-nos como se fôssemos insetos. Ele balançou a cabeça, mas não disse mais nada na apresentação. Silas era o presidente, e a pessoa que Viddy tinha batido com a bengala. Ele era mais velho, cabelo castanho raspado curto, um olhar perverso e mantinha uma barba que chegava a cerca de duas polegadas sob o queixo. Seus olhos eram afiados e concentrados, como se tivesse visto de tudo e viveu para contar sobre isso.


Sebastian era o homem que eu conheci no dia do fogo, e o VP, de acordo com o patch em seu colete. Ele estava usando um boné preto sobre seu cabelo castanho e seus olhos graves apareciam sob a aba. Ele olhava ao redor do ambiente como se estivesse esperando por algo invisível saltar na esquina e ameaçar a todos nós para a morte. Dixie era o mais velho de todos eles; ele também tinha uma barba que rivalizava com a do Papai Noel. Viddy me chutou por baixo da mesa, e eu percebi que eu estava chamando a atenção com a minha indiscrição em Dixie. Eu gostava de fazer Viddy se sentir incluída. Então eu falei sobre onde estava tudo, o que todo mundo estava fazendo, onde ela estava sentada. Quem estava por trás dela. Contei-lhe tudo. Era um hábito antigo que eu tinha e não percebi que eu estava fazendo. Descrevendo nuances do que cada um deles parecia. "Desculpe," eu corei. Todos riram, e, em seguida, Trance falou. "Sente-se." E então, Trance. Eu não o tinha visto bem na outra noite, devido à escuridão, e, em seguida, a penumbra do restaurante, mas com as luzes fluorescentes do The Tug e Chug brilhando e iluminando-o visivelmente, eu claramente vi as diferentes cores de olhos do homem. "Puta merda!" Exclamei. "Você tem olhos da mesma cor que a Viddy!" Cheguei para Kettle, me pressionando contra ele, e arranquei os óculos do rosto da Viddy, permitindo que seus olhos se tornassem visível para todos os que estavam na nossa frente. "Viddy!" Eu disse. "Seus olhos são exatamente iguais aos seus. Um azul e um verde!" Trance tinha sentado à nossa frente e quando eu arranquei os óculos do rosto dela ele passou a sorrir. "Doce. Nunca vi outra pessoa com dois olhos de cores diferentes, como a minha própria irmã. Eles são lindos.” Viddy piscou algumas vezes, processando esse fato, e depois sorriu. "Fantástico." "Sente-se, senhoras." Silas mandou. Nós sentamos. Foi apenas um fato simples. O homem pediu e nós fizemos isso.


Nós tínhamos acabado de sentar quando a mulher que estava nos braços de Kettle mais cedo veio e trouxe bebidas para todos. Ela era muito bonita, com o cabelo louro alegre, grandes peitos saltitantes, e uma pequena cintura. Ela era o que toda mulher secretamente se esforçava para ser. "Shannon", Kettle falou envolvendo sua mão na minha cintura. "Eu gostaria que você conhecesse a minha vizinha, Adeline e sua irmã, Viddy. Senhoras, esta é a minha irmã, Shannon”. Eu realmente não sei o que pensar do fato de que eu estava aliviada. Eu não estava pronta para um relacionamento com um homem como Kettle. Eu estava cansada de ser compreensiva. Eu queria um homem que me colocaria em primeiro lugar, por sua vez, e não alguém que sempre colocaria seu clube antes de mim, ou seu trabalho. O último homem com quem estive em um relacionamento, tinha feito isso para mim, e eu não tinha percebido até que ele me pediu em casamento. Jaxton era um grande homem. Ele era honesto, cuidadoso, e comprometido. Com o seu trabalho. Ele era um OB/GYN3 em Henderson, TX4, onde eu costumava viver com ele. Ele era um grande médico, mas um namorado ruim, e percebo isto agora, e sabia que eu tinha que ter alguém que estaria disposto a colocar nosso relacionamento em primeiro lugar. Senti-me realmente aliviada que a bela loura era sua irmã e não a sua mulher. "Jesus, Shannon." Silas cuspiu. "Eu disse uma cerveja, não uma Bud Light5". Seja qual fosse a batalha interna em que eu estava lutando, foi dissipada naquele comentário, e a conversa começou a fluir. "O que traz vocês ao The Tug e Chug, Adeline?" Kettle me perguntou depois de dizer a Shannon seus pedidos de bebida.

3

Ginecologista Obstetra. Texas. 5 Marca de Cerveja. 4


Viddy, que estava ocupada falando em voz baixa com Trance no final da mesa animou-se com a pergunta de Kettle, e disse a todos sobre o meu dia horrível. "Addy levou um soco no rosto de um de seus alunos. Ele era um jogador de futebol.” Viddy disse. "Então, eu a trouxe aqui para um sundae e um cheeseburger para animá-la." Seis pares de olhos fixaram no meu rosto, e só então eles perceberam que ele e meu olho direito estavam inchados. Eu tinha feito um bom trabalho em esconder isso com maquiagem, e, em seguida, usando meu cabelo para baixo tentando ajudar na camuflagem, mas Viddy não sabia como manter sua boca fechada. "O que aconteceu?" Kettle perguntou, virando a cabeça para que ele pudesse examinar meu olho. Eu tremi ao toque de seus dedos ásperos no meu queixo, e olhei em seus penetrantes olhos azuis, ficando perdida. "Addy?" Ele perguntou, preocupação evidente em sua voz grossa e profunda. Pisquei, e então disse a ele o que aconteceu naquele dia. "Eu sou uma professora de ciências do ensino médio, Kettle. A maioria das crianças usa a minha classe para desabafar já que não há um laboratório obrigatório, mas hoje foi um pouco pior do que o normal, uma vez que foi um dia de reunião de ânimo. Um dos garotos do time de futebol foi mexer com uma jovem, chamando-lhe de nomes feios, e outro menino, um dos que tem uma queda pela menina, interveio. Eu estava indo ao redor para ajudar, quando o jogador de futebol americano lançou um soco no garoto que incidentemente se virou a tempo, fazendo o jogador socar a minha cara." Kettle cerrou os dentes com raiva, fazendo um ruído audível enquanto escutava. "O que eles fizeram com o garoto?" A voz de Silas quebrou a conexão fazendo-me virar e olhar para ele. Eu dei de ombros. "Suspensão. Benton High tem uma política de tolerância zero para brigas. Ele vai ficar fora por bem mais de duas semanas." "É isso?" Perguntou Trance na parte inferior da mesa.


Dei de ombros novamente. "Eu não sei. Foi um acidente. Ou pelo menos a parte de bater nos professores. Então, eu realmente não posso ficar muito brava com ele.” "Foda-se", Kettle rosnou. "Você pode com certeza ficar brava com ele, porra. Ninguém deve sair dando socos com pessoas ao seu arredor. Eles devem estar cientes das pessoas em volta. Isso não deve acontecer em uma escola. O que o oficial disciplinar da escola tem a dizer sobre tudo isso?” Eu teria respondido se uma confusão vinda do canto oposto não tivesse capturando a atenção de todos, incluindo a minha própria. "Deixe-me ir!" A irmã de Kettle gritou para um homem jovem que estava envolvido em torno dela por trás, tateando seus peitos. A cadeira de Kettle caiu no chão quando ele se levantou e notou a briga, e então ele explodiu. Literalmente. Um segundo ele estava em sua cadeira, e no segundo seguinte ele estava do outro lado da sala, socando o cara na boca com o punho com a força de uma marreta. "Oh, merda." Sebastian gemeu. O sentimento foi ecoado pelos outros quatro homens quando eles, também, levantaram-se e começaram a ir em direção a briga. Eu não sabia se era para ajudar Kettle, ou contê-lo. Eu tinha visto muitas lutas nos meus anos letivos como uma professora do ensino médio. Eu tinha separado muito delas também. Os sons que rodeiam uma luta são únicos. Não é a vaia da multidão, o som da briga das duas pessoas lutando, e, em seguida, o som real da carne contra carne. As lutas de Kettle não se assemelham com nada disso. O bar ficou tão silencioso que o único som que se ouvia era a máquina de gelo caindo no distribuidor. Ninguém falando, rindo, aplaudindo. Nada. Era como se todo mundo estivesse antecipando os próximos eventos. Como assistir um carro minúsculo preso em uma ferrovia e um trem de carga correndo o trilho em direção a ele. O único som rascando o silêncio como um trovão era do punho de Kettle contra a cara do cara.


Isso foi à única coisa que ele tomou. Um soco único. O som do impacto foi difícil de descrever. Ele se pareceu com o som de um grande livro grosso caindo de uma certa altura sobre uma mesa. Houve a pancada impressionante, e logo depois o cara segurando os seios de sua irmã caiu como uma árvore; sangue derramado de sua boca e nariz, e três de seus dentes caindo no chão ao lado dele em uma pequena poça de sangue. Kettle estava sobre o homem, peito esvoaçante. Antes que ele se abaixasse para pegar o homem novamente seu clube estava lá para interceptá-lo antes que ele chegasse longe demais. Os braços musculosos de Sebastian deram a volta no peito de Kettle, apoiando sua parte superior ao seu corpo. Uma vez que Sebastian tinha os braços fechados ao seu redor, Trance e Loki tomaram cada um braço, enquanto Silas ficou na frente de Kettle conversando com ele com calma. Dixie usou o momento de calmaria para arrastar o lixo para fora da porta de trás a fechando antes de correr de volta para a mesa e tomar um gole de sua cerveja. "Foda-se, esse menino sabe dar um soco. Nós não vimos Kettle dar golpe em um longo tempo. Me fez sentir uma maldita sede!" Dixie tagarelava vertiginosamente. "O que aconteceu? Kettle bateu em alguém?” Viddy perguntou em meio ao silêncio. "Kettle tem pouca paciência. Temos sorte que ele abrandou um pouco na sua velhice ou ele teria conseguido mais alguns socos antes que alguém pudesse ter parado ele”. Dixie respondeu. Meu rosto mudou-se de Dixie para o lugar onde Kettle estava momentos antes de pé, apenas para descobrir que ele se foi. O grupo todo tinha desaparecido, deixando Shannon lá balançando a cabeça, limpando os copos que haviam derramado sobre a mesa que ela estava entregando as bebidas. "Para onde eles foram?" Perguntei a Dixie. Seus olhos voltaram para a porta de trás onde ele tinha jogado o homem, de costas para mim. "Para ter uma reunião, eu não tenho certeza."


Revirei os olhos. "Papai costumava ter um monte de discussões também. Isso realmente significava que ele estava batendo a merda de alguém. Ele costumava ser o executor antes de suas mãos ficarem ruins demais, e então ele apenas passou a supervisionar os prospectos e ensinado a eles como fazer o maior dano. Kettle é o executor de seu clube?” Viddy perguntou casualmente quando ela estendeu a mão com cuidado para sua bebida. Dixie, que estava tomando um gole de cerveja, engasgou, e virou os olhos para mim. Eu não tinha certeza qual era o grande negócio. Embora, eu nunca estivesse em torno de outro clube além do clube do meu pai antes, eu tinha quase certeza que Viddy não cometeu uma enorme gafe social. Eu também não estava a par das regras do clube, então, eu não sei se houve algum tipo de quebra de protocolo. "O que há de errado?" Eu pergunte a Dixie preocupada. "Se que não podemos falar sobre isso?" Minha mente estava girando. Era um segredo? Havia algum tipo de código de clube que Viddy tinha pisoteado inadvertidamente? Será que eu teria que sair correndo levando Viddy comigo? "O que está errado, Dixie?" Kettle perguntou. "Eu não o matei." O tom de Kettle era claro, mas quando os olhos de Dixie viraram para ele e depois sacudiu para mim ele ficou tenso. "O que?" "O quê?" Eu perguntei nervosamente. "Seu pai pertencia a um clube?" Kettle me perguntou em um tom neutro. Sem perceber a atenção que nós estávamos recebendo, Viddy continuou falando sobre o clube de nosso pai. "Sim, papai foi um membro do The Lone Star MC durante trinta anos. El se juntou a ele depois que ele saiu dos fuzileiros navais. Ele era o seu executor. Embora isso é realmente tudo o que sabemos. Nós não éramos autorizadas a ir à sede do clube e nós nem fomos para suas festas. Só quando era para a família.” Viddy terminou seu anúncio com um longo gole de chá gelado, e devolveu o copo vazio com cuidado. À menção do MC do meu pai, os homens respiraram fundo.


Algo no meu estômago se acalmou com a visão, permitindo-me respirar novamente. "Seu pai era Tenor? Ele era um bom homem”, disse Silas. Não havia nenhuma tensão na sua afirmação, como se a ameaça que estava pairando no ar desapareceu, não mais precisando dele para estar em guarda. Eu sorri melancolicamente. "Sim, papai morreu, meu Deus, há sete anos agora." O braço de Dixie foi em meus ombros e me puxou apertado. Nós amávamos o nosso pai como umas loucas, e ainda pensávamos nele todos os dias. Se ele ainda estivesse vivo, não teríamos que nos preocupar com o que nosso irmão louco faria a seguir, porque ele manteria sua merda longe de nós ao primeiro sinal de um passo em falso. "Nós tivemos um relacionamento muito bom com eles quando Tenor ainda estava lá. Em seguida, o antigo presidente morreu seguido por seu pai no próximo mês, nós mudamos nossa liderança e não temos falado com eles desde então.” Explicou Silas. Eu estava balançando a cabeça em concordância e tentando o meu melhor para não chorar. "Sim, nós nos afastamos depois que meu pai morreu. Foi muito difícil estar lá depois que ambos os nossos pais foram embora. Quando Viddy abriu uma escola para trabalhar com pessoas e crianças com deficiência visual, e eu achei um trabalho na escola Benton High, achamos que era uma boa oportunidade espalhar nossas asas. Já se passaram seis anos agora, e não voltamos mais para LoneStar desde então." "Aqui estão, senhores. Senhoras, o seus virão em mais alguns minutos." Shannon disse alegremente enquanto colocava a comida na mesa. Eu olhei para o bife do Kettle que tinha cebolas e cogumelos por cima e me perguntei por que eu tinha encomendado frango quando eu poderia ter pedido isso. O milho em seu prato não era tão atraente, mas quando ele levantou a espiga à boca e deu uma mordida, eu podia ver a manteiga derretendo. Ficou ainda melhor de se ver quando ele lambeu os lábios, os dedos livres da manteiga derretida.


"Aqui está o de vocês. Eu tomei a liberdade de trazer o queijo com pouca gordura e creme de leite, desde que você não especificou o que você queria. Para você, eu adquiri o molho de baixo teor de gordura." Shannon disse enquanto colocava as batatas cozidas para Viddy. Aquela insinuação foi dirigida mais para Viddy do que pra mim, pois Viddy estava em uma conversa com Trance que era muito mais do que Shannon teve dele. Eu era muito particular sobre a minha comida. Eu era amante da boa comida e eu gostava bastante de comer Silas me passou seu molho de pimenta que ele não estava usando. Agradeci-lhe prontamente. "Você está com fome?" Trance me perguntou enquanto olhava para o meu prato de asas de frango. "Um pouco", disse eu pegando uma asa quente e devorando a carne do osso. Em determinado momento, eu tive que parar devido a não ter mais molho, e tive de recorrer à merda de baixo teor de gordura que Shannon tinha trazido mais cedo. "Eca", eu disse depois da minha primeira mordida. "Eu preciso de algo mais saboroso." Decidindo arriscar, eu comecei a devorar minhas asas como um homem. Só depois que eu terminei quase a metade das asas, percebi que eu realmente deveria ter colocado o molho. Minha boca estava em chamas, e eu comecei a ofegar. E para piorar, eu não tinha nenhum bebida, nada. Eu não tinha certeza do que deu em mim, mas uma xícara de molho ao meio foi colocada na mesa ao lado do molho de merda, permitindo-me terminar a minha refeição sem ter que esperar vinte minutos para Shannon voltar. Depois de terminar a última asa, eu caí para trás em minha cadeira com um gemido, trouxe meus dedos até minha boca, e estava em processo de lambê-los quando eu percebi a mesa inteira olhando para mim como se tivesse crescido chifres. "O quê?" Eu perguntei quando finalmente Kettle me olhou. Ele só balançou a cabeça e voltou para o seu bife metade comido.


"Será que eu comi muito rápido ou algo assim?" Eu perguntei cautelosamente. Viddy, a cadela cruel, entrou na conversa nesse ponto. "Não, você fez a sua impressão Hoover Vacuum6 na frente de um monte de caras durões. Você também comeu o molho mais quente do cardápio, sem sequer pestanejar. Eles estão apenas impressionados." "Eu não sabia que comia rápido." Eu resmunguei, pegando um guardanapo do pacote limpando a viscosidade dos meus dedos. "Na verdade, você fez. Você fez a arte de sugar a carne fora da asa quente pra...", disse Dixie, acenando com a mão na frente do meu rosto descontroladamente. Então Kettle moveu a sua mão até a sua virilha, e ajustou antes de cortar o bife novamente, fazendo o meu rosto ficar em chamas. Trinta minutos depois, uma fatia de cheesecake, e outro copo de chá doce depois, Kettle estava ao lado de meu carro alugado quando eu me inclinei contra ele. "Quanto tempo mais eles vão ficar com seu carro?" Perguntou Kettle, olhando para o carro com nojo. Eu me senti da mesma maneira. Eu odiava o carro alugado. Especialmente depois que eu estava acostumada a dirigir meu próprio. Este era muito sem graça para o meu gosto, e não tinha o botão de partida que o meu próprio carro tinha. Eu perdi meu bebê. Suspirei. "Eu não acho que eles até mesmo tenham olhado para ele ainda. Eles disseram que tinham alguns clientes na frente e só depois então que eles iriam começar no meu carro desde que o meu era um trabalho de seguro”. Embora eu pudesse entender o raciocínio, eu odiava que eles não estavam nem mesmo olhando para ele. Não foi minha culpa que um idiota me bateu. Um baque, tunc, e, em seguida, uma maldição veio do lado do carro, e nós dois olhamos para cima para ver Viddy segurando sua testa. "Oww."

6

Modelo de aspirador de pó.


"Sua irmã acabou de bater a cabeça na porta," Kettle observou um pouco preocupado. "Sim", eu concordei. "Ela faz isso um pouco. Ela não gosta de chamar a atenção para ela embora, então apenas aja como se você não tivesse percebido.” "Tudo bem", ele concordou com relutância. Eu sabia que não era da minha natureza não ajudar aqueles em necessidade, mas eu conhecia a minha irmã gêmea como a palma da minha mão. Eu sabia que Viddy não gostaria de ajuda, e ela odiava chamar a atenção para a sua fraqueza. Eu aprendi há muito tempo não me incomodar já que ela tinha a sua mentalidade contra ajuda. Que era por isso que eu tinha uma cicatriz que corria ao longo da parte de baixo do meu queixo, resultado de um vaso que minha irmã jogou na minha cabeça porque eu tive a coragem de oferecer ajuda para ela no baile do último ano. "Bem, obrigado novamente pelo jantar. Você não tinha que pagar, mas eu aprecio isso de qualquer maneira." Eu sorri para Kettle. Então percebi o quão perto estávamos. Muito, muito, muito perto. "Kettle?" Eu respirei. Kettle olhou com aqueles belos olhos azuis para minha boca, para os meus olhos, e a faísca sexual que brilhou neles, deixou eletrificadas minhas terminações nervosas. Ele se inclinou, me pressionando ligeiramente contra a porta do meu carro, e inclinou-se até que ele estivesse perigosamente próximo a mim e disse, "Sim?”. Eu podia sentir os cumes duros de seu corpo pressionados contra mim, e, uma determinada parte dura que eu estava morrendo de vontade de me esfregar contra ela. Em seguida, minha irmã idiota tocou a porra da buzina, fazendonos saltar distante como se nós tivéssemos sido pegos fazendo algo extremamente errado. "Jesus Cristo", eu respirei, pressionando minha mão contra o meu coração.


Kettle saltou pelo menos um metro longe de mim, com as mãos juntas no topo da sua cabeça enquanto ele fuzilava minha irmã. "Sua irmã é uma... uma..." "Cadela?" Eu forneci. Kettle balançou a cabeça e sorriu. "Eu ia dizer..." "Idiota?" Eu o interrompi. "Cabeça de merda. Eu ia dizer cabeça de merda”. Kettle riu quando ele se aproximou de mim. Em seguida, a idiota tocou a buzina de novo, fazendo Kettle e eu nos entreolharmos, impotente. "Tudo bem, a rainha idiota falou." Eu balancei a cabeça e, em seguida, abri a porta do carro. "Vejo você amanhã. Eu preciso comprar alguns mantimentos." "Eu estou trabalhando amanhã." Kettle me disse. Era uma pitada de tristeza que percebi em sua voz, ou só eu querendo que ele estivesse lá? "Quando você vai estar de folga?" Eu questionei. "Sexta-feira." Ele respondeu. "Vou ver você na sexta. Talvez você possa ficar para o jantar." Eu subi no meu carro batendo a porta sem ouvir a sua resposta. "Você convidou seu vizinho bombeiro quente que pertence a um clube de motociclistas para jantar. Será que isso significa que você quer dar uma batida nele? Acender seu fogo? Trabalhar em seu acelerador? Montá-lo como em uma Harley?" Disse minha irmã vadia. Virei-me para ela dizendo com raiva: "Você é uma idiota. Eu estava para ganhar um beijo dele antes de você puxar o rabo e buzinar”. "Um pouco de mistério faz bem, querida irmã." Na verdade ele faz, eu pensei. O que eu não tinha planejado era ter um encontro pelo menos pelos próximos dois meses, mas a minha experiência no bar me transformou em uma lunática delirante que faria qualquer coisa para ter o homem. Uma coisa levou a outra, e a tensão sexual foi construída tão alta que eu não poderia lidar com isso. Eu estava disposta a fazer qualquer


coisa para ter esse homem. Mesmo se eu tivesse que acender seu fogo enquanto ele estava em turnos na estação durante o meu período de conferências.


UMA SEMANA MAIS TARDE Eu tive um dia ruim no trabalho, Sebastian tinha sido um pau real durante todo o dia, e meu pai tinha me ligado. Pela primeira vez, nos últimos anos. Então eu li a nota na minha porta e queria amaldiçoar. Desculpe, eu senti sua falta. Talvez você possa vir para o jantar esta semana. Eu até comprei cerveja extra para hoje à noite. Você me deve 17 sacolas, senhor! Ela teve que levar dezessete sacolas subindo essas escadas e tudo porque meu chefe e vice-presidente, Sebastian, tinha necessidade de um dia para si mesmo. Normalmente, eu não tinha nenhum problema com uma mudança se ele precisava de mim, mas hoje, de todos os dias, tinha sido uma merda total. Na manhã seguinte, eu fui bater à sua porta depois do meu treino da manhã, embora ela houvesse mencionado por alto algum tipo de teste na escola e que precisaria estar lá no início da manhã. Mas isso também significaria que eu não poderia vê-la até a próxima semana, pois eu trabalharia neste fim de semana.


Pensando que ela precisava ter o meu número de telefone celular para que pudéssemos entrar em contato, eu corri de volta para a minha casa, encontrei um papel, anotei meu número e subi as escadas para fixar em sua porta o bilhete: Desculpe eu perdi o carregamento das suas sacolas. 665-0021 K.

DUAS SEMANAS DEPOIS Textos entre Adaline e Kettle Addy - Eu tive um bom momento na noite passada. Mesmo que o garoto vomitou em mim. Kettle - Desculpe por isso. Provavelmente não deveria ter-lhe dado tanto sorvete. Addy - Tudo bem. Eu vivo ao seu lado. Foi fácil administrar. Kettle - Ainda que fosse bruto como o inferno. Jantar sexta-feira? Addy - Absolutamente.

DOIS DIAS DEPOIS Addy - Eu não vou poder ir no nosso jantar. Eu vou ser acompanhante do baile de finalistas. Verificação de chuva? Kettle - :P Addy- Muito maduro.

DUAS HORAS DEPOIS Kettle - Como está o baile? Addy – Eu acabei com uma transação de drogas no banheiro dos meninos. Em seguida, eles ameaçaram 'foder comigo', e eles foram presos. Coisas divertidas. Kettle - Você está bem?


TRÊS HORAS MAIS TARDE Kettle – Estou esperando sua resposta. Addy – Yeah. Eu não gosto de falar com a polícia. Vi Trance embora. :) Kettle - Ele me disse. Disse que tiveram que levar Radar lá em cima para farejar alguns armários. Addy - O cão? Ele era uma merda. Ele também comeu meu bolo. Kettle - Sim, Trance me disse isso também. Eu vou comprar um pouco mais na próxima vez que eu ver você.

UMA SEMANA E MEIA DEPOIS Addy - Eu poderia realmente querer esse bolo hoje. Kettle - Por quê? O que está errado? Addy - Eles fizeram algumas demissões hoje. Felizmente, eu sou o que tem de melhor aqui. Caso contrário teria sido sayonara, Adeline! As cadelas estão colocando olho gordo em cima de mim. Kettle - Diga-lhes que você tem um namorado que vai chutar as suas bundas. Addy - Sim? Kettle - Você quer?

TRÊS SEMANAS MAIS TARDE Addy - Eu estive pensando, e a resposta é sim. Kettle - Para quê? Addy - Para a pergunta que você me vez há algumas semanas. Kettle - Se você era virgem? Addy - Não. Kettle - Não, você não é, ou não, essa não era a pergunta que você tinha em mente? Addy - Sim e não. Kettle - Estou confuso. Addy - Você deve estar.


Finalmente ficando frustrado, eu peguei meu telefone e liguei para o número de Adeline. Ele tocou duas vezes antes de responder em um turbilhão. "Olá?" Ela disse sem fôlego. "Hey," eu disse. "O que você está fazendo?" Por que ela estava ofegante? "Hey!" Ela disse entusiasmada. "Eu estava prestes a ir em uma caminhada. Você quer ir comigo?" Olhando para o relógio para ver quanto tempo eu tinha antes ir para o trabalho, eu decidi aceitar o seu convite. Eu tinha quase uma hora e meia, e se eu levasse meu uniforme, tudo o que eu teria que fazer era pegar a minha moto e sair quinze minutos antes do início do meu turno. "Sim, eu adoraria." Eu disse. "Apenas me dê dez minutos para juntar minhas coisas, e eu te encontro lá embaixo. Ou você pode vir até mim. Está bem para você?” "Sim, eu vou estar aí em apenas alguns minutos. Só tenho que colocar Monty na gaiola." Ela disse antes de desligar. Eu estava colocando o meu uniforme na minha mochila e fechando quando ouviu uma batida na minha porta da frente. "Hey," eu disse brilhantemente quando a encontrei na minha varanda. Ela sorriu para mim exuberantemente antes de entrar e fechar a porta atrás dela. "Você quer uma água?" Perguntei, tentando não notar a falta de seu short. Ela estava usando um short muito curto, e em muito curto, eu quero dizer, eu podia ver suas nádegas dentro da sua bermuda de malha. Sua parte superior se assemelhava ao que costumava ser uma camiseta, que tinha as mangas cortadas com o que se parecia uma faca de açougueiro. A camisa dizia "Lone Star Saturday Night" com um urso fumando um charuto. As cavas da camisa não eram realmente cavas, mas mais como grandes...fendas. Eu podia ver o sutiã esportivo preto que ela estava usando, bem como as tatuagens que desciam em ambos os seus lados. Ela assentiu com a cabeça. "Sim, por favor."


Um par de minutos mais tarde nós estávamos andando pela calçada que margeava a estrada ao lado de nosso apartamento. Nós vivemos em conjunto de apartamentos localizado em uma área circular de cerca de dois mil quilômetros, formando um grande laço. Nós viramos para esquerda quando chegamos ao fim do estacionamento, e eu finalmente tomei coragem para perguntar sobre algo que eu queria saber por um tempo. "Então, me diga sobre seus animais de estimação...". Eu disse hesitante. Ela me olhou bruscamente e sorriu um pouco hesitante. "Eu pensei que você soubesse. Eu não estava realmente tentando manter isso em segredo." Ela disse secamente. Eu dei de ombros. "Eu acho que sei, na maior parte, mas eu adoraria alguma confirmação. Minha imaginação corre para longe de mim às vezes." Ela deu uma risadinha. Porra, deu uma risadinha, desviando minha atenção da estrada em frente a nós para a sua boca. "Não há realmente muito a dizer. É exatamente como o que você ouviu no noticiário, eu tenho certeza. Eu trabalhava na Evan’s Pharmaceuticals, por um pouco mais de sete meses. Havia algumas coisas que estavam me incomodando enquanto eu trabalhava lá, mas 'testes em animais' é uma coisa que realmente me deixou nervosa. Eu os peguei e levei para um trailer alugado e depois voltei para casa. É por isso que eu tive que mudar da minha antiga casa na Hills." Ela explicou. Eu balancei a cabeça. "Você não quer que eles saibam onde você mora." Ela assentiu com entusiasmo. "Exatamente. Eu simplesmente não poderia viver comigo mesma se eu permitisse isso. Mas eu estava tendo problemas com eles antes disso. Foi estranho. Uma vez eu tinha ficado um pouco até mais tarde, e eu vi um homem que nunca tinha visto antes entrando em meu laboratório. Nós tínhamos pequenos laboratórios onde eram feitos testes dos produtos para nos certificar de que obedeciam às normas do Estado. Ele ficou surpreso ao me ver ali tão tarde, e eu nunca mais o vi, mas eu soube imediatamente que ele não deveria estar lá. O dia seguinte, eu comecei a fazer a contagem do meu material na minha área de trabalho. O estranho foi que comecei a perder minhas


ferramentas, não as drogas. Fracos de vidros aqui. Grandes frascos de vidro lá. Eu comecei a ficar desconfiada, daí eu saí. " Olhei para o rosto dela antes de voltar minha atenção para uma moto que estava vindo em nossa direção antes de responder. "Isso é estranho. Mas um monte de pessoas fazem suas próprias drogas roubando coisas assim, para que não chame a atenção dos federais. Alguma vez você fez um inventário completo?” "Não", ela balançou a cabeça. "Eu ia, mas, em seguida, quando eu saí do laboratório e encontrei os animais, bem, vamos apenas dizer que eu não tive muito tempo.” Revirei os olhos. "Não, eu provavelmente você não teria qualquer tempo." Caminhamos em silêncio, observando as crianças do bairro tendo um surto de chutar a lata, rindo de suas palhaçadas quando eles derrubavam as latas e saíam correndo. "Eu costumava brincar, quando eu era pequena. Puxa eu não achava que as crianças ainda saiam para jogar assim.” Adeline observou. "Eu nunca cheguei a fazer nada parecido. Eu teria matado para morar em um bairro como este, quando eu estava crescendo. Bem, quando eu não estava doente, é claro." Eu disse. "Você esteve doente quando você era criança?" Ela perguntou bruscamente, assustando-me da minha observação sobre minha infância. Foi quando eu percebi o que eu tinha acabado de dizer. Porra. Será que ela vai olhar para mim de forma diferente quando ela souber o quão doente eu fui uma vez? Eu realmente não quero estragar o que restava da nossa caminhada com coisas que nem ela, nem eu, poderíamos mudar. "Quando você conseguiu a sua primeira tatuagem?" Perguntei, mudando de assunto, na esperança de que ela iria junto comigo nisso. Eu vi seus olhos me especulando pela minha visão periférica por longos momentos antes de tomar a decisão de me responder. "Quando eu tinha dezesseis anos. Minha irmã apostou trinta dólares comigo para fazer a tatuagem, na certeza de que eu iria amarelar. Trinta dólares era muito dinheiro para duas adolescentes cujo pai se recusou a dar-lhes dinheiro, porque ele pensou que elas iam gastar em coisas frívolas. Então, eu tenho um presente.” Ela disse, apontando para o pulso.


“Caminhamos até o estúdio de tatuagem e pedi um crânio de açúcar no meu pulso. A mulher nem olhou para mim naquele dia, nem mesmo me perguntou se eu tinha dezoito anos. Mal sabia eu que a mulher era uma aprendiz e estava muito animada para começar a trabalhar em qualquer coisa além de pele falsa. Deveria ter perguntado quanto era antes, porém, porque caso contrário eu nunca teria feito isso. Custou duzentos dólares, e eu tive que ligar para o meu pai ir até a loja para pagar por isso. " Comecei a rir. Eu podia ver o pai dela atacando o estúdio de tatuagem com suas cores, rasgando a aprendiz por tatuar uma menor. "E o que ele disse sobre isso?" Ela sorriu melancolicamente. "Ele não disse nada, realmente. No início, ele ficou muito ofendido, mas, eventualmente, ele superou isso. Foi ele que me levou para a minha segunda tatuagem. Esta." Ela disse, indicando uma frase que eu tinha lido um milhão de vezes antes. "Eu fiz no dia que ele morreu." A escrita era simples e dizia: "Eu aperto.” "O que significa isso?" Perguntei, percebendo que isso significava muito para ela. “Minha mãe e meu pai sempre diziam um ao outro quando se abraçavam ou diziam adeus. Ela dizia: 'Eu aperto’ e ele respondia com, ‘Eu te aperto também’. Eles disseram em todas as chances que tiveram. E quando ele morreu, Viddy e eu tatuamos em nós. A minha no meu pulso, e a dela em suas costas. Sua tatuagem diz ‘Eu te aperto também’. Foi a sua primeira e única tatuagem." Ela disse melancolicamente. "Minha mãe costumava ter um ditado semelhante a isso. Eu amo você, você a mim." Eu disse quando chegamos ao complexo dos nossos apartamentos. Ela sorriu largamente para mim, agarrou meu braço, e caminhou comigo de mãos dadas até que chegamos a minha moto. "Você quer fazer isso de novo amanhã à noite quando chegar em casa?" Ela perguntou, esperançosa. Minha mão subiu involuntariamente até que ela descansou sob a linha de sua mandíbula. Eu podia sentir a vibração de seu pulso, quando ele batia violentamente contra a palma da minha mão, e eu mal esmaguei o desejo de zombar da minha situação. "Claro." Eu respondi levianamente sem poder me controlar.


Inclinando-se para frente, ela ficou na ponta dos pés antes de me dar um beijo rápido na bochecha. "Vejo você amanhã, então. Tenha cuidado no trabalho ok?” "Sim, senhora." Concordei, enquanto eu a observava subir os degraus para seu apartamento. "Bom menino." Ela brincou enquanto desaparecia dentro de seu apartamento. Ah, se ela conhecesse os pensamentos que estavam se derramando pela minha mente agora, ela não estaria pensando em mim como um "bom garoto" ou qualquer coisa.

UM MÊS DEPOIS "O que há com você hoje?" Sebastian perguntou da mesa da cozinha na estação. Eu fechei a geladeira e me voltei com uma garrafa de água na mão. "Nada." Não era nada, ele e eu sabíamos disso, porra. Eu estava sexualmente frustrado. Eu não comi ninguém em bem mais de dois meses e meio, e todos me diziam que eu precisava ficar com alguém. Bem, a porra do meu pau não quer ficar com alguém ou com qualquer uma. Ele queria ficar com alguém quente como o inferno, uma determinada professora de química que morava ao lado. Sempre acontecia uma coisa ou outra que nos atrapalhava, seja o meu trabalho, ou seu emprego, ou o meu clube ou a sua irmã. Era como se o universo estivesse conspirando contra nós. Nós saíamos, mas nunca estávamos sozinhos. Sua irmã estava lá. Ou minha irmã. Ou alguém do clube.


Na verdade, a última pessoa a nos interromper, foi o idiota me encarando naquele momento. "Você está agindo como um porco-espinho raivoso. Seu temperamento é lendário, mas este é um ponto alto novo. O pai quer certificar-se de que você tem suas merdas resolvidas, antes do fim de semana quando formos a passeio aos Toys for Tots." Minha mandíbula apertou. Porra de outro fim de semana fora que eu não poderia passar com Adeline. Não que a caridade não fosse uma boa razão, mas meu pau precisava de algum alívio, e minha mão estava ficando cansada, mesmo que ela tenha tentado fazer o trabalho naquele dia. Houve momentos em que eu trabalhei bastante e estava à beira de chegar lá, e depois nada. Nada aconteceu. Era como se meu pau soubesse o que queria, e minha palma bruta simplesmente não conseguiu o feito. Os últimos dois meses foram à definição perfeita de privação. Meu telefone toca me tirando dos meus mensagem piscando na tela, me faz ver vermelho.

pensamentos. A

Addy - Um garoto agarrou minha bunda! "Eu tenho que ir em algum lugar rápido. Eu estarei de volta em vinte minutos." Eu cerrei os dentes enquanto me dirigia ao dormitório para pegar minhas chaves. "Aonde você vai?" Dallas perguntou da cadeira na sala de estar. “A escola", eu respondi quando passei pela porta dos fundos para pegar o meu casaco. "Se importa se eu for junto? Eu preciso passar pela mercearia para comprar alguns itens para o jantar de hoje à noite, e pegar uma receita para Baylee." Sebastian perguntou da porta. Eu dei de ombros. "Certo." "Vamos levar o carro de bombeiro. Alguém mais quer vir?” Sebastian perguntou quando eu encolhi os ombros na minha jaqueta. "Claro", disse Dillon, quando ele se levantou da cadeira e caminhou com a gente para fora da porta.


"Aonde vamos primeiro?" Perguntou Sebastian, quando ele pulou no banco do passageiro do carro de bombeiro. Eu me arrastei para o banco do motorista e liguei a grande besta. A nossa mais nova aquisição era um 7 metros de comprimento por 12 centímetros de largura, um monstro gigantesco que era alimentado por um motor de 600 cavalos 2013 Cummins Diesel. O adorável monstro foi pago pelos cidadãos de Benton por meros seiscentos mil dólares. Ele ronronou como um gatinho e fez meu coração cantar. E valeu a pena cada centavo de merda. "Vamos a escola." Eu disse simplesmente. Eles não fizeram perguntas, o que era normal para todos nós. Eles não precisavam saber o porquê, e eles confiavam em mim implicitamente. O que tinha de ser, se você estava indo para colocar sua vida em risco com eles dia após dia. A viagem para a escola era curta. Eu estacionei o camionete no meio-fio próximo da pista de incêndio da escola, saltei para fora e tranquei as portas atrás de nós. Eu não me incomodei em perguntar se Sebastian e Dillon iam comigo. Eu sabia que eles iam. Eles não perdem uma oportunidade de fofocar e eles certamente não perderiam isso. Não consegui conter uma careta ao chegar na escola. Eu tinha ido para Benton High a dezesseis anos atrás, e percebi que ela não mudou em nada. As portas ainda eram uma merda, e um vento forte, provavelmente poderia derrubá-las para baixo. O escritório estava além do grande corredor da entrada, sendo bloqueado por apenas uma porta de madeira e cercado por vidro. "Jesus, ela não mudou nem um pouco." Disse Dillon, olhando para as bandeiras coloridas em verde e preto penduradas no teto. "Para Benton Bengals." Eu disse secamente e levantei o meu punho. "Bengals, luta, luta, luta," Dillon cantou em voz alta, tornando ela ainda mais alta quando ecoou pelas paredes de pedra. Eu revirei os olhos para o imbecil e atravessei a porta do escritório, fechando-a com firmeza atrás de mim.


"Posso ajudá-lo?" A mulher que falou era a mesma que tinha estado lá todos esses anos atrás, quando eu ainda era aluno. A Sra. Threadgill do mal. A Sra. Threadgill era a mulher que registrava os meus atrasos, e me mandava para casa se minha camisa tivesse algo 'provocativo' nela, independentemente se tivesse ou não. Inferno, eu tinha sido enviado para casa no meu último ano por uma camisa escrita ‘Coca’, porque ela pensou que eu estava promovendo drogas. Eu a odiava profundamente, e eu sabia muito bem que ela se lembrou de mim assim que me viu. Era um pouco difícil esquecer uma criança que tinha 1,93cm de altura e pesava 90kg com o rosto de um garanhão italiano em meu primeiro ano do ensino médio. "Sr. Spada, no que posso ajudá-lo?” Perguntou a Sra. Threadgill friamente depois de eu ter levado demasiado tempo para responder. "Estamos aqui para aula de química da Senhora Sheffield. Você pode nos dizer para onde ir?" Eu perguntei. Sra. Threadgill olhou para mim como se tivesse crescido uma segunda cabeça. "Você”, ela zombou, "está no corpo de bombeiros agora?" Eu sorri amplamente para ela. "Durante dez anos." Eu informei a ela brilhantemente. Ela ficou calada e depois tensa antes de caminhar até a porta e abri-la. "Eu o levarei. Eu tenho que levar o Sr. Fairway de volta para a aula da Sra. Sheffield de qualquer maneira." Ela disse apontando para um rapaz que estava sentado do lado de fora do escritório do diretor. Claro, a primeira coisa que a mulher ouviu ao abrir a porta foi Dillon cantar A Benton lutar pelo seus pelos filhos a plenos pulmões para uma multidão de jovens. "Dallas Berry, isso é o bastante." Sra. Threadgill repreendeu. "Sr. Fairway, por favor, siga-me." Dillon, não parou com a repreensão e terminou a canção, apesar da raiva da velha e as risadas de seu fã-clube menor de idade.


"Por favor, me sigam," a Sra. Threadgill falou antes de se encaminhar pelo corredor de volta para o laboratório de ciências. O rapaz que parecia um pequeno punk vestido em roupas de grife parecia um verdadeiro vencedor. Suas roupas eram cerca de três tamanhos maiores do que ele, e uma fivela estava segurando as calças no lugar. Eu queria arrancar essas calças. "Michelle, por favor, amarre o cabelo ou saia do meu laboratório. Você provavelmente não ficaria tão bem careca." A voz de Adeline repreendia por trás da porta do laboratório de química. "Mas Sra. Sheffield, se eu amarrar ele vai formar vincos e ficará parecido com uma merda..." Sra. Threadgill abriu a porta tão rápido que nós mal vimos seu movimento. "Sra. Cox, eu sugiro que você siga a orientação da Sra. Sheffield ou você não vai conseguir ver o bombeiro fazer sua demonstração, e se eu te ouvir amaldiçoar no recinto da escola novamente, eu vou falar com seus pais.” Yep, o bode velho atacando de novo. Ela costumava usar a mesma linha em mim há dezesseis anos atrás. Não mudou muito durante esse tempo todo. "Bombeiros?" Michelle e Adeline perguntaram em uníssono. Eu sorri largamente enquanto seguia Sra. Threadgill para a sala que também não mudou nada em dezesseis anos. Jesus, era como estar em um túnel do tempo. "Ahh, nossos palestrantes convidados estão aqui mais cedo. Michelle, por favor, permita que Shane puxe seu banco para trás para que possamos discutir alguma segurança contra incêndios. Sr. Spada, por favor, apresente-se." Adeline disse alegremente. Revirei os olhos. Esta não era a minha primeira apresentação. Portanto, eu não tive nenhum problema falando a lenga-lenga habitual, a mesma que era explicada até mesmo para as crianças de cinco a oito anos de idade, trazendo Dillon e Sebastian comigo sempre que possível. Após 15 minutos de falar, eu finalmente parei e esperei. "Alguma pergunta?"


Claro, Adeline tinha uma. "Como você apaga um incêndio químico?" Seus olhos estavam praticamente dançando com alegria, o que me fez querer apertá-la em meus braços e abraçar a merda fora dela. Nós não tínhamos visto um ao outro em bem mais de uma semana, embora a minha conta de telefone com certeza está sofrendo com todas as mensagens de texto que temos nos enviado ao longo dos últimos dois meses. Eu tinha sido chamado para o trabalho duas vezes nos dias que tínhamos planejado sair devido ao surto de gripe na cidade. "Depende. Que tipo de química é?" Depois de que explicamos o que fazíamos durante determinadas situações, Sebastian finalmente quebrou as nossas preliminares verbais, perguntando se havia quaisquer outras perguntas. Nós, naturalmente, temos as perguntas habituais. Você tem um dálmata na estação? - Não. Quanta água que é necessário para apagar um incêndio? - Muita. Será que tem um poste? - Sim. Você desliza para baixo pelo poste? - Duh. Sim. De quem é a maior mangueira? - Minha. Com essa última pergunta, ouvi Adeline choramingada no meu ouvido, que eu prontamente respondi com nada além da verdade. "Você estava pronta para bater em algumas bundas adolescentes. Foi aquele garoto Fairway?" Eu perguntei a ela, examinando o rapaz que estava tentando olhar em qualquer lugar, menos para mim enquanto Sebastian e Dillon respondiam mais perguntas. "Sim", ela concordou. "Ele foi enviado para o escritório do diretor, que em minha opinião é um castigo mais do que suficiente." Ela estremeceu, olhando para a Sra. Threadgill, que ainda não havido saído da sala. "Duvido. Aquela mulher costumava ser como um cão de ferrovelho quando eu estudava aqui. Ela ficou suave em sua velhice." Eu ri baixinho. "Eu não sabia que você estudava aqui." Ela perguntou confusa. "Sim, eu estudei em casa até o colegial, então minha mãe decidiu que eu precisava sair e experimentar o ambiente escolar e conhecer


pessoas novas, assim ela me matriculou aqui no meu primeiro ano de calouro." Eu explico. A razão que eu estudava em casa era porque eu tinha zero sistema imunológico. Eu tinha tido leucemia quando eu era uma criança, e lutei contra ela por um ano, quando eu tinha nove anos de idade. Depois disso, eu era uma criança muito doente que mal podia sair de casa sem pegar um resfriado. Então, quando eu tinha doze anos, de repente chutei todos os resfriados e doenças, e fui capaz de realmente ser uma criança. Eu implorei milhares de vezes ao meu pai para me deixar ir à escola, e quando eu tinha quatorze anos, ele cedeu. Principalmente porque ele estava cansado da contratação de tutores para ir na nossa casa me ensinar as coisas. Ele tinha coisas melhores para fazer do se preocupar comigo em casa sentado o dia todo. Ele também não queria minha mãe me ensinando a ser qualquer um. Seu papel era principalmente ser uma perfeita dona de casa, participar de brunchs e mostrar seu rosto na comunidade. Mas Adeline não precisa saber de tudo isso. Quando as pessoas percebiam que eu tinha câncer quando era criança, eles olhavam para mim de forma diferente. As vezes com piedade e as vezes com outra coisa que eu nunca poderia identificar, e eu odiava a forma como eles me tratavam. Eu não queria que acontecesse quando Adeline soubesse, embora ela provavelmente entendesse mais do que a maioria tudo o que eu tinha passado. "Bem, foi bom você ter ido para a escola pública pelo menos um parte da sua adolescência, assim você não perdeu tudo. Você era um jogador de basquete?" Ela perguntou olhando para meu grande porte. Eu não tinha percebido que a classe tinha terminado com suas perguntas, até que uma das crianças que estavam sentadas na parte de trás disse: "Nah, Sra. Sheffield, eu aposto que ele era um atacante defensivo. Olha o tamanho dos braços do homem. " Mal sabiam eles que eu era do tamanho de um varapau na escola. "Na verdade, eu estava na equipe de debate e tocava violino na banda." Sabe aqueles momentos quando algo cai no chão no meio de uma multidão silenciosa que dá para se escutar as batidas de um coração por alguns momentos, e as pessoas processam esse som? Sim.


Claro, e o pior teve que vir de meu próprio chefe e melhor amigo. "Você estava na equipe do debate?" Ele riu. Meus olhos se estreitaram nele atentamente. "O que há de tão errado com isso?" Explodi cruzando os braços sobre o peito. Ele levantou as mãos em sinal de rendição antes de andar alguns passos para trás. "Nada, cara. Só faz muito mais sentido agora." Eu não tinha certeza se eu deveria tomar isso como um elogio ou um insulto, mas eu escolhi tomar isso como um elogio e deixá-lo ir. "Você tocava violino?" Um menino magro perguntou hesitante no meio da sala. "Eu tocava sim e ainda faço, mas isso nunca foi realmente a minha coisa. A rabeca sim, eu gostava muito mais. Eu só fui para o violino porque eles não tinham esse instrumento na banda." O menino pareceu confuso e eu soube a pergunta exata que estava a ponto de sair da sua boca. Meus olhos se moveram para encontrar um rapaz alto e magro com as mãos grandes levantadas que me lembrava dos meus dezesseis anos, até as roupas de mauricinho que não ajudaram a minha popularidade, no mínimo. "Mas não são o rabeca e o violino a mesma coisa?" Sebastian riu ao meu lado, fazendo-me desviar meus olhos por uma fração de segundo para ele antes de retornarem para o menino. "Você não pode derramar cerveja em um violino." Eu tive que explicar então que não havia realmente nenhuma diferença, entre os dois. A única diferença real era o tipo de música tocada em um violino. Não era a merda clássica que eu fui forçado a tocar durante meu tempo na banda. Minha rabeca tocava a música do meu coração. "Sr. Spada, nós não discutimos cerveja na escola." Sra. Threadgill repreendeu. Oops. Assim quando eu estava prestes a pedir desculpas à mulher de idade, sons saíram dos nossos rádios. "Unidade um, respondam a um incêndio em casa na 122 Sul Fuller."


Dei mais uma olhada para Adeline e respondi apertando meu dedo contra o rádio preso na minha camisa. “Unidade um respondendo." Com um pequeno puxão em seu rabo de cavalo, eu saí pela porta. "Cuidado!" Ela gritou nas minhas costas. "Sempre." Eu respondi.

Eu subi as escadas para o apartamento de Adeline, dois degraus de cada vez, antes de parar ao ver seu novo tapete. "Casa é onde a Harley está. Motociclistas são bem-vindos.” Eu li em voz alta. Sem pisar no tapete novo, eu estiquei meu braço e bati em sua porta. "Entre!" Adeline gritou além da porta. Abrindo a porta, eu encontrei Adeline vestindo um jeans azul curto no joelho com a bunda balançando no ar, com os ombros e a cabeça no chão. Ela estava olhando por baixo do sofá murmurando algo sobre um ‘grande bastardo. ' Meu pau, que estava sob controle por quase dez minutos inteiros depois da minha ação no chuveiro, rugiu para a vida. Eu me mexi e tive que move-lo para baixo da perna direita da minha calça jeans para torná-lo mais confortável. "Você está falando de mim?" Perguntei parando logo atrás dela. A camiseta que ela usava tinha escorregado de modo que a extensão de suas costas estava exposta, caindo abaixo do nível do ombro, que foi quando eu percebi que ela não estava usando sutiã. Minha respiração saiu entre meus dentes cerrados, e eu dei um passo para trás, apenas no caso do meu pau decidir pular fora da minha calça e encontrar o seu caminho dentro dela. "Monty está se escondendo novamente." Ela disse quando se arrastou para o outro sofá.


Ela estava usando calcinha roxa sob seus shorts. Fechando meus olhos, eu disse: "Monty está no topo de sua estante de livros." Eu tinha visto a cobra logo que eu entrei, mas a bunda balançando de Adeline tinha capturado a minha atenção. Ouvi um barulho, e quando abri os olhos, ela estava no topo da estante tentando pegar a cobra. "Por que você está prendendo ele?" Perguntei. "Liguei para a polícia há alguns minutos, sobre alguns cheiros estranhos vindo do meu banheiro, e que estes não cheiram como maconha. Meu cérebro de química passou então a me propor todos os tipos de enredos. Enfim, eu fui bater à sua porta para perguntar sobre o cheiro, e ele bateu a porta na minha cara. Liguei para a polícia somente depois que o cheiro foi ficando pior e pior. Eu normalmente mantenho Monty em sua gaiola quando eu sei que tem pessoas vindo ao apartamento, apenas no caso. Ele é um diabo escorregadio." Ela explicou quando ela caminhou até a grande gaiola no canto da sala e colocou a cobra de volta em sua casa. "Que tipo de cheiros?" Eu perguntei quando ela se virou para mim. Ela caminhou lentamente, como se ela estivesse esperando algo nos interromper. Quando ela estava a uma pequena distância, minha mão lentamente se envolveu em torno de seu pescoço, e eu tinha começado a inclinar-me para baixo quando um grande estrondo estilhaçou o nosso momento. Instintivamente, meu braço foi em torno da cintura de Adeline, puxando-a para perto. Minha ereção, que estava dura como uma rocha, murchou, enviando o sangue que estava localizado na parte inferior do meu corpo direto ao meu coração como um raio. O apartamento debaixo de meus pés balançou, e o piso ondulou. "O que diabos foi isso?" Ela engasgou, agarrando meus ombros para se aproximar de mim. Meu cérebro começou a filtragem através de todas as possibilidades, e apenas uma coisa continuava voltando para mim, e que era para dar o fora daqui o mais rápido possível.


Levantei Adeline e joguei nas minhas costas, esperei que ela segurasse firme e corri em direção à gaiola onde Monty estava deslizando para frente e para trás. Com a mão livre, eu agarrei a cobra e corri para a porta. "Você encontrou uma casa para o gato?" Perguntei rapidamente enquanto abria a porta da frente. Por que eu estava preocupado neste momento eu não sabia, exceto que Adeline ficaria, e isso é tudo o que importava. "Sim", ela disse balançando a cabeça contra as minhas costas. "Minha irmã a levou para um de seus amigos." Com um olhar, percebi que não dava para descer pelas escadas. Elas estavam quebradas e mutiladas, levando-me a me arrepender de não ter dito algo sobre elas anos atrás. E o calor era surpreendente. Eu sabia que o apartamento por baixo de nós estava em chamas. Eu só esperava que a parte de trás estivesse um pouco melhor do que a da frente. Virando, eu voltei através de sua sala, entrei na cozinha, e arranquei a porta da varanda dos fundos. Ela não tinha uma escada de incêndio, o que eu esperava. O que eu não esperava era ver uma parede de fogo tão grande que atingia a ponta do balcão e começou a ondular. "Maldição." Rosnei, batendo a porta fechada. "Você tem uma janela em seu quarto de hóspedes?" Rosnei, indo para o quarto. Eu realmente não tinha visto aquele quarto. Ela manteve fechado por causa de todos os ratos e merda que ela tinha roubado do laboratório que ela costumava trabalhar. Foda! Ela tinha se livrado dos animais ao longo das últimas semanas, doando-os para as escolas como animais de estimação. Eu sabia que meu quarto tinha uma janela, mas o dela era um de dois quartos em comparação com o meu de três quartos, e eu não sabia se isso mudava o layout. "Sim, ela é coberta por uma estante embora." Ela gritou. Minha mandíbula apertou.


Eu odiava quando as pessoas cobriam suas janelas com móveis. Esse era um risco de incêndio, e tornava incrivelmente difícil entrar nos lugares em momentos de emergência. Ou, no caso agora, de sair. "Nós vamos ter que ter uma conversa sobre isso mais tarde." Resmunguei quando eu entrei em seu quarto de hóspedes. Soltando-a sobre seus pés, eu olhei o quarto e em um piscar de olhos, vi que não havia nada além de livros na prateleira. Fiz um gesto para Adeline se mover de lado, e joguei a estante no chão, derramando livros em todos os lugares. A prateleira caiu com uma pequena batida, revelando a janela que Adeline cobria. A janela dava para o apartamento acima do meu, e eu fiz uma oração silenciosa que não havia fogo nos quartos, caso contrário, estaríamos presos. Graças a Deus ela conseguiu se livrar da quantidade enorme de animais que ela tinha roubado do laboratório. Se não os animais já teriam queimado. Não havia nenhuma maneira que eu teria sido capaz de resgatar todos eles, ela e eu a tempo. Quando eu levantei a janela e olhei para baixo, fiquei aliviado ao encontrar somente grama lisa e a brisa refrescante. "Venha aqui", eu falei estendendo minha mão. Adeline a agarrou com firmeza e deu um passo para cima na estante antes de descer para o tapete no pequeno espaço onde a plataforma costumava ser. “Eu vou abaixar você. Você ainda tem uma queda de um metro. Flexione os joelhos, e depois segure Monty ok?" Eu disse olhando em seus grandes olhos castanhos. Ao aceno dela, eu a levantei para cima do parapeito da janela, segurando firmemente em seus antebraços e baixei ela com cuidado. Os músculos tensos instantaneamente flexionaram com o esforço. Ela deu um grito assustada quando ela percebeu que meus braços não poderiam mais apoiar ela, mas ela ajustou-se rapidamente e tentou manter o equilíbrio do corpo. Uma vez que estava com o corpo totalmente estendido, eu disse, "Ok, vou soltá-la agora. Pronta?"


Ao seu aceno eu a soltei.

Com o coração acelerado, senti o aperto de ferro de Kettle em torno dos meus antebraços, em seguida, estava no ar por alguns segundos com coração na mão e logo após caindo com os joelhos ligeiramente dobrados, assim como Kettle tinha sugerido. E olhei para a janela que eu tinha acabado de ser abandonada. Kettle estava sentado no parapeito da janela e pronto para saltar quando um policial e um oficial K-9 estava na frente do apartamento da frente. Eu não sabia que eu estava cara a cara com Trance até que o vento mudou um pouco a fumaça, permitindo-me ver seu rosto. Trance e Radar. A fumaça foi ficando grossa e pesada, começando a aparecer para fora da janela aberta do meu apartamento e Kettle saltou, aterrissando facilmente. "Vamos!" Ele gritou, agarrando o meu braço e movendo-se rapidamente. Em uma nuvem particularmente forte de fumaça, eu comecei a tossir e não parei até que nós tínhamos alcançado a calçada no lado oposto do estacionamento. "Meu Deus. Ela tem uma cobra!” Uma mulher falou. Eu a ignorei e joguei meus braços em torno de Kettle, enterrando meu rosto em seu peito. Sua camisa cheirava a fumaça, mas eu não me importei. Especialmente quando Kettle envolveu seus grandes braços em volta de mim e da cobra e tudo.


Monty deslizou em torno de minha mão esquerda indo para o pescoço de Kettle e começou a descer por seu braço, fazendo-o tremer. "Seu tipo de serpente me assusta, você sabe." Ele disse enquanto Monty se envolvia ao redor dos seus ombros. "Sim, ele me assusta também." Eu tremi. Fomos interrompidos por Trance, e ele estava chateado. "Eu preciso de vocês dois vindo comigo. Agora!" Kettle não estava surpreso que Trance estava com raiva, e me deu um olhar de ‘seja boa’, quando nós caminhamos atrás do homem e do cão. As orelhas de Radar levantaram, e seu grande corpo tremia de energia reprimida. Radar não era um pastor alemão normal. Ele era de preto puro com pelo mais longo e desgrenhado, mas tinha os olhos castanhos normais, orelhas pontudas e inteligência afiada. Enquanto eu olhava, Radar congelou, e, em seguida, sentou-se antes de dar um latido alto. Trance, que estava ligeiramente na frente de Radar, parou imediatamente, movendo os olhos da frente em direção ao carro que tinha acabado de passar. Então ele puxou uma toalha branca fora de seu cinto que eu não tinha notado antes, e sacudiu na frente de Radar, que imediatamente se agarrou a ela e começou a puxar. "Bom menino," Trance incentivou, puxando o pano rasgado branco até que ele disse uma palavra em outra língua, que fez Radar sentar. "Que diabos?" Eu sussurrei para Kettle enquanto eu observava Trance rodear o veículo. Ele estendeu a mão para o rádio em seu ombro e disse alguma coisa. Com toda a comoção da multidão, as sirenes da polícia que estava vindo para o estacionamento, o crepitar do fogo agora destruindo minha casa, e eu não poderia fazer nada. "O cão descobriu alguma coisa?", perguntou Kettle, aproximandose de Trance. Estendi a mão para tocar Radar, como eu tinha feito algumas vezes antes, mas Kettle me parou com uma mão em torno de meu pulso.


"Ele está trabalhando, não pode tocá-lo.", Disse Kettle, recebendo um aceno de agradecimento de Trance, que tinha ouvido o comando. "Quando ele está trabalhando, ele precisa se focar na tarefa, não em você. Ele não vai fazer nada para você, é só que Trance gosta de manter a atenção de Radar no trabalho, e ele está trabalhando no momento."


"O que ele achou?" Eu perguntei a Trance, quando cheguei mais perto. Trance deu de ombros. "Eu não sei ainda. Anotei o número da placa do carro, e pedi uma averiguação para a sede, e agora vamos esperar, embora, tecnicamente, nós não precisamos disto, desde que Radar encontrou alguma coisa". Dois meninos mais novos que estavam do outro lado da rua mantinham um olho no grupo com cautela, chamando minha atenção. "Aqueles garotos do outro lado da rua estão olhando muito alarmados para você parados ali próximos aquele carro." Eu observei. O carro era um Hatchback Volkswagen que deve custar uma fortuna. Trance virou completamente e enfrentou os meninos que, é claro, saíram correndo assim que viram ele. "Vou atrás deles!" Trance falou quando correu atrás dos meninos. Radar que estava sentado atentamente no chão na parte de trás do carro reagiu imediatamente, indo atrás dos dois adolescentes. Eu fiquei onde estava. Se precisassem, eu seria chamado, mas por agora, eu só assistiria. "Puta merda", Adeline falou enquanto observava Radar derrubar o primeiro adolescente, seguido de perto pelo segundo.


Radar era um cão rápido. "Sim" eu concordei quando Trance algemou os dois adolescentes chamando Radar para o seu lado enquanto falava pelo rádio. Duas horas mais tarde encontrei Trance, Sebastian, e Silas discutindo os acontecimentos de hoje. "O que diabos aconteceu?" Perguntou Silas enquanto eu observava Adeline entrar em seu apartamento fechando a porta. Olhei para porta, com os restos carbonizados do apartamento de Adeline. "Laboratório de metanfetamina. Os adolescentes presos estavam cozinhando quando eu apareci. Pelo que eu descobri, eu interrompi o processo. Pelo que me disseram, eles saíram correndo pela porta de trás e jogaram fogo para não deixar evidencias para trás. Eu estava indo bater na porta quando explodiu." Explicou Trance. Eu balancei a cabeça. "Encaixa-se ao que Adeline tinha falado antes. Ela disse que foi até lá e bateu na porta porque ela sentiu o cheiro de produtos químicos vindos do seu banheiro. Quando o cheiro piorou, depois que ela os confrontou, ela chamou a polícia". Trance olhou para suas botas, como se pensando em dizer alguma coisa, mas ele finalmente se calou, fazendo-me sentir uma raiva que eu nunca tinha experimentado antes passando através de mim. "Esses dois meninos não eram os únicos. O outro garoto era o neto do velho que morreu no apartamento. Esse garoto está longe de ser encontrado. Ou ele estava lá quando explodiu isso e fugiu, ou estava em outro lugar, enquanto os outros dois esperavam por uma chance para chegar ao seu carro. De qualquer forma, as duas crianças estavam falando algo sobre ‘aquela cadela vai pagar', enquanto eu estava interrogando. Quando diziam ‘ela vai pagar’ eu acho que falavam de Adeline". "Porra," Sebastian resmungou. "Temos como saber se eles sempre fizeram isso no apartamento, ou se isso é uma coisa nova?" Perguntou Silas a Trance. Minha mente estava girando. Adeline estava em perigo? Trance balançou a cabeça. "Eu não sei. Eles reclamaram por um tempo, os outros policiais chegaram lá e eu tive que chamar Radar. Eles não foram muito úteis depois disso."


"Esse carro é novo por aqui. Eu nunca o vi antes de hoje. E na parte de trás, onde Adeline normalmente estaciona, eu tenho mantido um olho aberto após a morte do velho. Além disso, Adeline nunca percebeu o cheiro antes de hoje. Ela teria dito algo, ou feito alguma coisa como ela fez hoje". Minha mente estava girando. Adeline estava em perigo? "Tudo bem. Bem, eu preciso levar Radar de volta para casa e alimenta-lo. Minha cabeça está doendo e eu tenho que estar na escola amanhã com Radar para uma pesquisa de drogas." Disse Trance enquanto caminhava para sua SUV e deixou Radar entrar. Ele começou a ir para seu carro, depois voltou, me entregou uma bolsa e falou. "Eu liguei para Viddy mais cedo e contei o que aconteceu aqui. Você deveria avisar Adeline para ligar para sua irmã antes que ela apareça aqui à meia-noite." Eu tomei a bolsa e segurei o antebraço de Trance antes de dar-lhe um meio abraço e um tapa nas costas. "Obrigado homem. Eu vou ver você amanhã." Depois, Sebastian e Silas esperaram até que as luzes traseiras do veículo de Trance desaparecessem antes de oferecer suas próprias despedidas. "Tudo bem, cara. Nós estamos indo nessa. Deixe-nos saber se você precisar de alguma coisa. Nós vamos te ver no clube amanhã à noite e discutir este problema. Nós vamos descobrir isso." Disse Silas solenemente. Eu balancei a cabeça em agradecimento. "Vejo vocês amanhã." O som de seus motores me seguiram até minha casa quando eu fechei a porta silenciosamente. Depois de uma rápida busca na sala de estar e cozinha, eu estava caminhando pelo corredor, quando eu ouvi o chuveiro ligado. Isso significava que Adeline estava nua, e escorregadia, e molhada. Havia apenas uma única porta frágil entre nós. Esquecendo tudo sobre o saco de roupas dela na minha mão, tudo o que eu fiz foi correr para o meu banheiro batendo a porta fechada. Eu estava arrancando minhas roupas no momento seguinte, o tempo todo tentando me convencer de que atacar ela no chuveiro depois


que ela quase morreu em uma explosão, provavelmente não era uma boa ideia. Em vez disso, eu entrei no meu chuveiro que estava no outro lado do apartamento, e me esfreguei vigorosamente com a esponja, esfregando forte para tirar o cheiro de fumaça fora da minha pele. Esfregar a minha pele depois de um incêndio não era novidade para mim, mas ter alguém no chuveiro apenas algumas dezenas de metros de distância, era. Pensando nessas mãos de seda por todo o meu corpo me levou a esfregar mais forte do que o normal para tirar essa imagem da minha mente. Eu senti quando a pressão da água mudou, sinalizando o fim do chuveiro de Adeline, e enviei uma oração de gratidão ao céu, que eu não teria mais que pensar sobre as gotas de água escorrendo pelo seu peito, curvando-se em torno de seus mamilos, indo até seu umbigo, e desaparecendo entre as suas pernas. De alguma forma, eu encontrei-me acariciando meu pau, sem perceber, e só tomei conhecimento, quando houve uma batida suave e hesitante na minha porta. Tão suave que eu não tinha certeza se eu realmente ouvi. Movendo a cortina para o lado, eu mantive a minha mão no meu pau, movendo lentamente e mantive meus olhos na porta enquanto ouvia atentamente. A batida veio novamente. "Precisa de alguma coisa?" Eu perguntei. Eu não esperava que ela fosse abrir a porta. Não esperava que ela estivesse de pé usando somente uma toalha envolvendo o seu corpo. Mesmo assim, ela fez, e viu a minha mão acariciando minha ereção furiosa. Eu não sabia quem estava mais surpreso, ela ou eu, mas eu continuei acariciando lentamente, e ela ficou olhando. "Eu ... eu precisava de algumas roupas." Ela gaguejou. Eu deixei meu pau ir e apontei para a bolsa que eu trouxe para o banheiro comigo. Ela relutantemente tirou os olhos do meu pau, e olhou para bolsa que estava apoiada no chão ao lado do cesto atrás da porta.


O que significava que ela tinha que entrar no banheiro, fechar a porta, e curvar-se. O que ela fez. Esquecendo que ela estava usando uma toalha do tamanho de um pano de prato, ou não, ela se abaixou para recuperar a bolsa, e quando ela fez isso eu dei uma boa olhada na sua linda buceta. Bonita buceta nua. E eu estava perdido. Foda-se. Eu nunca disse que era um homem bom de qualquer maneira. Em um salto, eu estava fora do chuveiro pressionando Adeline contra a parede com meu corpo grande e molhado. Ela gritou de surpresa, mas não lutou nem um pouco quando eu forcei seu corpo contra a parede e pegando seus mamilos que estavam expostos. "Kettle", ela respirou. "Nós não deveríamos estar fazendo isso aqui. Eu quero vê-lo na primeira vez." Não, nós não deveríamos estar fazendo isso em tudo, mas nós não deveríamos estar fazendo isso aqui. "Como se sente sobre a cama?" Eu disse asperamente, esfregando meu queixo mal barbeado no seu ombro e voltando novamente. Depois trabalhei meu pau através da fenda de seu traseiro, esfregando suavemente enquanto meus dedos começaram a vagar. "Isso é perfeito", ela resmungou. "Basta fazê-lo agora. Estou morrendo." Sem perder tempo, a peguei, levando-a de costas contra o meu peito, para fora do banheiro em direção ao meu quarto. Sem a menor cerimônia, eu a joguei na cama e assisti ela saltar duas vezes antes de segui-la. Ela ficou na posição em que caiu, de costas, já que ela queria ver. Mas eu teria começado primeiro na parte de trás se isso fosse o que ela queria. "Jesus, você tem as maiores mamilos que eu já vi." Eu gemi, e puxei um nó inchado em minha boca e chupei. Com força.


Seu corpo arqueou para fora da cama, inclinado para frente como se para me alimentar mais, ou para seguir a minha boca, permitindo que seu mamilo deslizasse livre na minha boca com um estouro suave, molhado. Ela gritou com a perda da sensação. Eu rapidamente prendi o outro, sugando vorazmente até que ela gemia mais. Depois de um pouco mais de lambidas, eu liberei o mamilo junto com o outro, e olhei para o meu trabalho prático. Seus mamilos, que eram mais escuros do que a maioria que eu tinha visto, estavam agora excitados com um tom mais escuro devido ao sangue correndo para a superfície, e estavam mais duros e doloridos. "Jesus, você é tão gostosa. Eu não posso esperar para sentir você em volta do meu pau." Eu gemi enquanto descia pelo seu corpo, deslizado minha língua sobre o seu umbigo, e, em seguida, descendo um pouco mais em direção a sua buceta nua, que não tinha um único fio de cabelo à vista. "Eu acho que eu poderia ter ciúmes de quem faz isso para você," eu observei, enquanto eu corria minha língua para baixo no vinco de seus lábios. "Eu", ela respirou trêmula. "Sou eu quem faz isso." "Então, como você atinge todo o caminho de até aqui?" Perguntei atingindo minha língua para trás o máximo que pude, mal passando por seu períneo e para a área proibida. Ela não recuou com a minha intrusão, apenas estremeceu. "Espelho." Sua entrada estava molhada, e quando eu finalmente abri os lábios exteriores para meus olhos famintos, eu não pude resistir e afundei minha língua endurecida em sua entrada umedecida. O sabor que senti na minha língua não era nada como eu já provei antes. Claro, eu tinha dado muita atenção nas bucetas das mulheres ao longo do tempo, mas em nenhuma delas experimentei nada tão doce como esta. Assim cremosa. Como mel na minha língua. "Oh, Deus", ela gemeu. "Você nem sequer tocou minha..."


Eu me inclinei para frente para enterrar meu rosto na sua buceta. A ponta do meu nariz bateu em seu clitóris enquanto lambia com a minha língua, alternando a velocidade com estocadas curtas, lentas no início, e depois enterrei minha língua tanto quanto ela poderia ir, fazendo-a explodir. O meu cabelo não era tão curto, os dedos desesperados poderiam ter agarrado e arrancado pela raiz. Em vez disso, ela apenas agarrou minhas orelhas, e me puxou para mais perto até que eu não conseguia respirar sem inalar ela. Não que eu teria feito de outra maneira. Morte por buceta de Adeline parecia bom. Uma vez que seu orgasmo acabou, ela caiu na cama, braços e pernas ficando mole, permitindo-me levantar totalmente e voltar para o banheiro para pegar um preservativo. Meu pau grosso balançava com cada movimento, e ela assistiu ao show inteiro com os olhos preguiçosos, lambendo os lábios como se o que via, fizesse ela querer mais. Seus olhos baixaram até o preservativo em minhas mãos, e depois de volta para o meu rosto. "O que é isso?" Ela perguntou ofegante. Meus olhos inclinaram para baixo para o preservativo. "Camisinha" eu disse rasgando o envelope. "Eu sou alérgico ao látex, porém, é por isso que eu tenho que comprar esses do pacote brilhante." "Oh," ela disse. "Eu pensei que isso significava que seu pênis era tão que você teve que comprar a embalagem extra grande". Eu não dizia que era do tamanho grande para não apavorar as mulheres quando apresentava meu pau para elas. Quando eu perdi minha virgindade no ensino médio, eu não tinha conhecimento que era mesmo grande até que a garota que eu tinha tentado fazer sexo, disse chorando que eu tinha ‘rasgado ela ao meio’, de acordo com ela, o tamanho do meu pau era assunto difícil de abordar. Eu tinha 1,93 de altura, era de se esperar. Rolei o preservativo com pouco esforço, e trouxe os quadris de Adeline ao lado da cama, permitindo que as pernas pairassem sobre


ambos os meus braços enquanto eu pressionei meu pau duro contra sua entrada. "Você está pronta?" Perguntei, apertando ligeiramente. Ela mordeu o lábio e gemeu, inclinando seus quadris para cima em resposta, tendo mais de mim do que eu pretendia dar ainda. "Sim", ela resmungou, balançando os quadris enquanto ela tentava conseguir mais. "Agora, foda-me, já. Eu não vou desistir." Eu segurei seus quadris com as mãos, e comecei a pressionar para frente antes de retirar. Ela assobiou quando me sentiu retirar, mas eu não queria machucá-la. Trabalhando lentamente, e retirando para facilitar o caminho, eu afundei dentro dela, minhas bolas quase encostando, e esperei-a se acalmar, avaliando seus olhos e a linguagem corporal para me certificar de que eu não estava machucando-a de qualquer maneira. Quando tudo que eu percebi em seu corpo era necessidade, eu retirei todo, até que a ponta do meu pau beijou a borda de sua entrada, socando duro. Os seios dela saltaram com o meu primeiro impulso, chamando minha atenção de seu rosto, e eu me inclinei para capturar uma ponta dura em minha boca, chupando com cada impulso de meus quadris. Seu corpo arqueou para fora da cama, à nova posição me permitindo ir mais fundo do que eu tinha ido apenas momentos antes. "Deus, eu sabia que você iria se sentir bem comigo dentro de você. Sua boceta quente é tão gostosa”, eu falei através de meus dentes, bombeando duro. Com cada impulso, minhas bolas batiam contra a sua bunda, e as mamas dela saltavam. Um seio estava brilhando com a umidade da minha boca, então eu me inclinei e dei ao outro a mesma atenção. As unhas afiadas de Adeline cavaram ao lado do meu pescoço, fazendo-me rosnar e soltar seu mamilo. "Eu estou tão perto," ela choramingou. Seu rosto era a imagem perfeita de prazer com as minhas estocadas, e eu apenas retirei parte do meu pau para empurrar


novamente, enterrando tão profundo que pressionou contra a entrada de seu ventre. Ela gritou alto e mais alto com cada impulso até que se tornou um longo grito quando ela gozou, apertando meu pau como um soco. "Oh, foda-se!" Eu rugi quando o orgasmo que apenas estava na base do meu pau veio violentamente, me impulsionando para uma nova realidade onde eu vi estrelas. "Jesus", eu disse, moendo meu pau na parede da sua vagina contraída e apertada em torno de mim, persuadindo meu orgasmo em comprimentos novos e inexperientes. Longos minutos, ou talvez apenas alguns segundos depois, eu abri meus olhos para olhar Adeline. Suas pernas balançavam para fora do lado da cama perto das minhas, minha cabeça estava descansando no edredom ao lado da dela. "Eu acho que você me matou com prazer", ela disse. Apoiei-me em meus cotovelos antes de olhar em seus olhos e responder. "Tudo bem, eu acho que você poderia ter me matado também. As paredes de sua buceta estavam apertando meu pau." Ela fez uma careta. "Buceta é uma palavra tão impertinente." Eu ri desengatando meu pau de seu corpo antes de caminhar até o banheiro e descartar o preservativo. Quando voltei, ela ainda estava na mesma posição que a tinha deixado e eu ri. "Você não estava brincando sobre matar você, não é? Você precisa de um pouco de ajuda?" "Eu preciso de um daqueles botões de alerta para vida. Você acha que eles possuem um controle de pessoas que tiveram relações sexuais e não puderam mais se levantar?" Eu ri. "Na verdade, eu não tive um desses ainda. Ele vai ter que ser colocado na minha lista de prioridades EMS7." "Ainda bem que você pode estar de serviço", disse ela, cansada. Eu mudei Adeline até que sua cabeça estava descansando em um travesseiro, e a rolei para que eu pudesse puxar o edredom debaixo dela. Uma vez que eu terminei de acomodá-la, eu programei o alarme no meu telefone para seis horas e estabeleci o meu corpo cansado na cama ao lado dela. 7

Serviços Médicos de Emergência.


"Isso é bom," eu disse quando eu puxei seu corpo relaxado junto do meu. "Mmmm," ela concordou. Ou pelo menos eu pensei que ela concordou. "Boa noite, Addy." Eu disse, beijando-a no pescoço atrás da orelha. "Boa noite, Tiago." Eu tinha a impressão que em breve eu lamentaria que ela soubesse meu nome real. Eu só sabia disso.


Observei da porta quando Adeline caiu de costas na cama, saltando para cima e para baixo, quando finalmente deslizou as calças que ela estava tentando puxar para cima sobre seus quadris. Então, ela se levantou, agachou no chão, enquanto segurava a cintura da calça e se curvava para frente, depois ela reuniu uma respiração profunda, sugando profundamente o ar e abotoou a calça jeans. "Essa coisa não vai estourar de repente e atingir os olhos de alguém, não é?" Eu perguntei secamente. Adeline desabou para trás na cama, ofegando um pouco antes de responder. "Ele servia direito na cadela. Eu não posso acreditar que ela me deu esses jeans. Eu não visto esses jeans desde que me formei na faculdade. Estamos habituadas a lutar para entrar neles constantemente." Ela se levantou e caminhou em minha direção com cuidado antes de cair em meus braços. Eu a peguei com bastante facilidade, apoiando seu peso nos meus braços enquanto eu caminhava para trás até a cama e deixei que nós dois caíssemos sobre ela. Ela saltou comigo, aterrando em uma pilha num canto com o edredom cobrindo seu rosto.


Ela não se moveu, e eu esperei por uns bons dez segundos quando eu enterrei meus quadris no dela, antes de perceber que ela não tinha planos de movê-lo. Suspirando, eu estendi a mão e tirei o cobertor fora de seu rosto para encontrar um sorriso em seus lábios com os olhos fechados. "Eu não estou ensacando a minha mulher." Eu brinquei. "Ensacando?" Ela perguntou os braços ao redor do meu pescoço. "Sim, cobrindo seu rosto enquanto eu transo com você." Eu provoquei. Ela fez uma careta, se inclinou para frente, e me mordeu no pescoço. Seus dentes pontudos se afundaram ligeiramente na minha pele fazendo-me empurrar em reação. "Hey," eu disse, fazendo cócegas nela. Ela começou a rir. "Tio! Tio! Pare!" Gritou. Eu parei com relutância e comecei a me mover de cima dela quando ela enrolou as pernas em torno de meus quadris. "Sim?" "Eu preciso fazer uma parada em um lugar antes que você me leve para a escola." Ela disse, correndo os dedos pelo meu queixo barbudo. Eu levantei meu braço e olhei para o relógio no meu pulso antes de olhar para ela. "Você não tem tempo para parar em qualquer lugar e chegar lá antes das oito." Ela encolheu os ombros. "Eu estou sempre atrasada. Eles não saberiam o que fazer comigo se eu não estiver atrasada." Eu ri e levantei, levando-a comigo. "Calce os seus sapatos", eu disse, reforçando a ordem com um tapa rápido em sua bunda. Ela deixou as pernas caírem da minha cintura e riu antes de se virar e ir ao banheiro. Sua bunda estava ótima no jeans, o que não era surpresa, já que eles eram tão apertados que ela teve que se mexer e contorcer para entrar neles. Eu só esperava que ele não rasgasse no meio da classe ou algo assim. Não possível nem mesmo ver a marca da calcinha. "Mantenha suas calças."


"Se você tiver sorte!" Eu gritei enquanto fazia o meu caminho para a minha sala de estar. Eu levaria Adeline para a escola hoje, devido ao fato que o seu carro alugado foi danificado no incêndio. Ou, pelo menos, era o que ela pensava. Na realidade, eu queria manter um olho nela, caso contrário, eu teria que deixá-la usar a minha caminhonete. Claro, o carro teve realmente algum dano, mas não o suficiente para torná-lo inutilizável. Ela não precisa saber disso, no entanto. Ele havia sido rebocado por Dixie ontem à noite, então ela não o viu e assim não saberia que eu menti. Embora 'mentir' era uma palavra muito dura. Eu prefiro 'omitir a verdade', é melhor. Uma vez que eu a deixasse, eu estava indo ao seu mecânico para conversar com ele, porque dois meses era um tempo absurdo para alguém demorar no conserto de um carro, o trabalho sendo de garantia ou não. E também era algo que eu estava querendo fazer há duas semanas, mas não tinha encontrado o tempo para realizá-lo ainda. "Você vai precisar de um casaco hoje! Está mais frio do que o inferno!" Eu gritei para ela. "Você tem uma blusa para me emprestar?" Adeline gritou de volta do meu quarto. Eu ri enquanto liguei a cafeteira antes de voltar para o quarto. "Por que é que eu sempre a encontro de joelhos?" Eu perguntei quando eu a encontrei de joelhos procurando algo debaixo da cama. Ela mexeu o rabo, me provocando. "Quão duro você acha que seria colocar essa calça de novo em mim?” "Demasiado duro. Eu ficaria muito atrasado para o trabalho.” “Ewwww!” Ela gritou quando saiu de debaixo da cama, sacudindo uma calcinha de renda preta para mim. "Tudo que eu queria eram minhas meias!" Ela gritou com voz estridente me dando um olhar desagradável. Eu dei de ombros. "Eu nunca prometi ser um príncipe quando você me conheceu. Mas eu também não dormi com outra pessoa em bem mais de dois meses. Embora, eu não limpei debaixo da minha cama desde que eu mudei."


Seu rosto perdeu um pouco de seu desdém, e, em seguida ficou cheio de horror. "Por favor, me diga que você, pelo menos, lavou os lençóis desde então." Ela implorou. Lembrei-me da última vez que os lençóis tinham sido lavados, levando um tempo muito longo para responder. O que levou Adeline a fingir engasgar, caindo no chão de joelhos, e, em seguida, passou a fingir convulsionar. Eu assisti suas palhaçadas com um sorriso no meu rosto, e deixei ir por uns bons três minutos quando ela finalmente cansou. Ofegante, ela disse: "Eu vou precisar de outro banho." Eu olhei para ela. "Sim, você provavelmente irá precisar. Há suor em sua testa. Você provavelmente suou em outro lugar, também." "Tudo bem, eu usei o seu desodorante. Eu provavelmente cheiro sexy como você sempre faz. Eu estou mais preocupada com os piolhos de sexo que eu peguei de seus lençóis.” Revirei os olhos, inclinando-me, peguei ela pela cintura, e a joguei sobre meu ombro. Então eu me abaixei, peguei seus sapatos, parando em seguida na minha própria cômoda para pegar um par de meias, entrei na sala de estar, e depois a joguei no sofá onde eu coloquei primeiro as meias que passaram acima dos seus joelhos e em seguida coloquei seus tênis nos pés. "Uau, eu não acho que eu já tive isso acontecendo comigo antes." Adeline riu. "Agora posso ver porque você está atrasada todas as manhãs pela maneira como você enrola. Nós já estaríamos fora a muito tempo se você não tivesse enrolado tanto." Eu brinquei. O pé com uma meia deslizou pela minha perna, e chegou a um descanso entre a junção das minhas coxas. Os dedos de seu pé começaram a se mexer, massageando minhas bolas, e fazendo-me realmente contemplar as atividades diárias que eu tinha planejado. "Eu não posso chegar tarde demais. Eu tenho uma reunião com o garoto que me bateu, e seus pais." Ela disse, movendo o pé para cima e para baixo no meu eixo em crescimento.


Meus olhos saíram de seus sapatos para seu rosto, que estava inclinado para o lado pensativa. Ela encolheu os ombros. "Aparentemente, eles não gostaram do fato que ele foi suspenso por duas semanas. Pessoalmente, eu acho que foi muito justo desde que eu fui a única que levou um soco, mas quem sou eu para dizer alguma coisa?" Ela perguntou quando ela deixou cair seu pé e empurrou-o para dentro do outro sapato, mesmo sem desatar as cordas. Olhei para ela. "Se você podia ter feito isso, por que você me deixou amarrar o primeiro?" Ela sorriu e se levantou, o que colocou sua virilha perigosamente perto do meu rosto. Minha mão passearam por suas pernas, subindo pelos joelhos até chegar na sua bunda, onde apertei. Então eu fui me levantando lentamente até que nossos corpos estavam se tocando por inteiro. Ela olhou para mim, sorriu e, em seguida, bateu no meu peito antes de ir para a cozinha beber uma xícara de café. "Hey!" Eu disse indignado. Ela encolheu os ombros. "Você dorme, você perde." Trinta minutos mais tarde, estaciono na frente da escola, e saio da camionete enquanto espero por Adeline sair atrás de mim. "Obrigado pela carona!" Ela gritou por cima do som do motor. Antes que ela pudesse ir muito longe, eu a puxei pela mão e me abaixei para que eu pudesse plantar um beijo longo e molhado em sua boca, mergulhando minha língua apenas um pouco, antes de deixá-la ir e sair para fora do estacionamento. Então segui direto para a Reed Auto Body com a intenção de perguntar sobre um certo carro. "O que é isto que ouvi de você bater a cabeça de Reed contra o vidro da janela da sua loja?" Perguntou Silas. Eu cerrei meus dentes, irritado porque eu deixei aquele merda chegar até mim. Eu nunca tive a intenção de fazer qualquer coisa parecida, somente perguntar sobre o carro de Adeline, mas quando eu entrei e


encontrei o carro dela na esquina da loja coberto de pó e em bom estado, eu tinha ficado um pouco chateado. "Reed manteve o carro de Adeline parado por quase um mês e não tinha devolvido a ela por causa de alguma falha de comunicação entre Reed, Adeline e a agência de seguros de dela. Ele tinha adquirido a garantia de um mecânico do carro porra, porque o seguro estava se recusando a pagar qualquer custo adicional. Em vez de levar isso a Adeline, ele esperou os necessários trinta dias que leva para ele adquirir a garantia do mecânico, e agora ele é dono de seu carro. Eu só estava tentando obter o título de volta... com um pouco de persuasão." Eu ainda estava chateado com isso. Reed parecia mais uma doninha mau caráter, e hoje eu tinha chegado muito perto de bater em um homem que tinha quase metade do meu tamanho na frente de, pelo menos, outras quatro pessoas. Felizmente, Trance foi o único a aparecer desde que ele era que estava mais próximo da chamada, e se recusou a tomar o depoimento de Reed. "O quê?" Silas latiu com espanto. "Você tem que estar me zoando!" Eu balancei a cabeça, bebendo o último gole da minha cerveja antes de colocar o fraco vazio no balcão. "Você vai ficar apenas para uma cerveja?" Loki questionou assim que eu fiz meu caminho até a porta. Eu balancei a cabeça. "Sim, eu passei aqui apenas para pegar alguns papeis no cofre. Adeline sai em...” Eu disse, olhando para o meu relógio. "Quinze minutos, e eu tenho que levá-la à casa de sua irmã para ajudar a mover um sofá e algumas cadeiras. Trance vai me encontrar lá." Loki assentiu, tomando um gole de sua própria cerveja antes de jogar a garrafa vazia no tambor de metal no final do bar, e perguntar: "Precisa de ajuda?" Olhei para Loki e vi que ele mantinha um olhar meio estranho. "Absolutamente. Nós vamos sair para jantar depois. Quer vir para isso também?" Loki assentiu. "Sim, isso seria bom. Obrigado." Loki era um policial disfarçado trabalhando para o Departamento de Polícia de Benton.


Agora, ele estava no meio de uma operação secreta que precisou que ele deixasse o cabelo crescer, agir e olhar como um viciado. Ele até usou agulhas esterilizadas para furar sua pele em certas partes do corpo que a maioria dos viciados costumava ter para dar mais autenticidade. Ele também viu mais porcaria do que eu já tinha visto, e olha que eu conheço esse homem há dez anos. Silas acenou enquanto continuava trabalhando em seu laptop, o que ele estava fazendo por todo o tempo em que estive lá, e provavelmente continuará a fazer para o resto da noite. Eu nunca perguntei o que ele fazia para viver, mas eu acho que tinha algo a ver com o Governo dos Estados Unidos. Talvez uma das agências do ABC. Não que o que ele fazia importasse. Silas era um homem bom, e eu iria até as profundezas do inferno por ele. "Onde ela mora?" Loki perguntou quando ele montou sua moto. Notei que ele não usava um capacete como se ele tivesse feito isso antes, e tive que me perguntar por que ele tinha feito uma mudança tão drástica em algo que era tão perigoso que se tornou uma segunda natureza, mas eu não tinha certeza se queria me intrometer no momento. "O Eastland. Ela tem uma casa na cidade no primeiro complexo.” Expliquei quando eu montei minha própria moto. O capacete que eu normalmente usava deslizou sobre a minha cabeça, e eu senti um pouco do cheiro de Adeline, me deixando triste que eu não estaria mais sentindo o perfume dela no meu capacete, pois eu tinha comprado a Adeline o seu próprio capacete naquela manhã. Loki me seguiu para a escola de Adeline onde nós dois paramos na área reservado ao corpo de bombeiros e aguardamos a saída dela. A escola tinha terminado a mais de uma hora atrás, então estávamos sozinhos no estacionamento, e foi por isso que Loki se sentiu à vontade para logo em seguida me dizer o que se passava com ele. "Após esta próxima missão, eu estou pensando em ser nômade por um tempo. Eu não posso respirar aqui." Disse Loki, me surpreendendo completamente. Olhei para ele bruscamente, observando sua aparência, os hematomas em seus braços, os arranhões em seus punhos e,


finalmente, a maneira como suas roupas estavam começando a ficarem folgadas. Por isso, eu disse a única coisa que eu podia, sabendo que Loki ia fazer o que ele queria fazer, não importava as consequências. "Faça." Sua cabeça pendeu, como se ter o apoio de outro irmão tivesse levado um peso escondido de seus ombros e ele soltou um suspiro com alívio. "Eu conheci alguém. Ela odeia policiais." Loki admitiu depois de alguns minutos em silêncio. Eu me inclinei para frente, descansando sobre o tanque de gasolina e perguntei: "Por quê?" Loki estudou os tijolos da parede no exterior da escola e deu de ombros. "Eu nunca deveria ter aceitado este trabalho. Eu sabia ao entrar nele que seria meu último. Eu estou cansado de me passar por outra pessoa. A garota, Channing, vive ao lado de minha 'casa' e olha para mim como se eu fosse à escória da terra. Ela tem muito medo de mim. De qualquer forma, eu tenho todas as provas que eu vou precisar e o caso será concluído até o fim de semana. Eu vou falar com Silas uma vez que tudo estiver terminado e provavelmente decolar para uma corrida no fim de semana, eles não vão precisar de mim até o julgamento. Posso ir visitar minha mãe na Flórida por um tempo. " "Você a ama, não é?" Disse a voz doce de Adeline na nossa frente. Meus olhos vão para ela, surpreso ao ver Adeline em pé na frente de nós. Ela tinha uma bolsa no ombro, e a blusa que eu emprestei amarrada em volta da cintura, permitindo que as tatuagens em seus braços ficassem claramente visíveis. E seu rosto parecia chocado olhando meu irmão. Algo sobre o fato dela estar preocupada com um de meus irmãos, minha família, fez um pedaço do meu coração começar aquecer. Eu não soube porque, contudo, mas eu soube que era algo importante. Meus irmãos significavam o mundo para mim. Quando meu pai me expulsou de casa, eu entrei para o Exército desde que eu não tinha outras opções. Eu não tinha ninguém para quem eu poderia voltar, amigos próximos ou familiares que poderiam ser capazes de me ajudar. Com o tempo, porém, eu tinha feito bons amigos e


ganhei uma família. Por isso, foi importante para mim que Adeline gostou da minha família e que minha família gostou de Adeline Loki deu de ombros. "Não importa. Eu não estou perseguindo alguma coisa com ela. Ela já fez a sua mente sobre mim, e eu tenho um sentimento que descobrir que eu sou um policial pode torná-lo ainda pior.” “Eu acho que você faria melhor dando-lhe o benefício da dúvida. Você não sabe o que ela faria até que você pergunte a ela” Adeline disse suavemente antes de entregar sua bolsa para mim. Eu peguei a bolsa e sorri quando a vi colocar uma mão reconfortante no ombro de Loki antes de vir até mim, me dando um beijo suave nos lábios, e montando a moto atrás de mim. "Pronta para ir para a casa de sua irmã?" Eu perguntei quando ela se enrolou em volta de mim. Em sua honra, eu entreguei o capacete que estava descansando em meu colo, fazendo-a gritar de emoção. "Wooooou! Ainda tem minhas iniciais nele!” Revirei os olhos, pisquei o olho para a expressão divertida de Loki e dei partida na minha moto. A estrada para a casa da irmã de Adeline era uma das menos percorridas, e quando cheguei e percebi a área em que o complexo estava localizado, fiquei surpreso. O complexo era um dos novos entre Benton e Shreveport, e eu só tinha visto de longe. Ele era novo, e tinha uma equipe para ajudar aqueles que precisavam, mas permitindo aos residentes ter algum senso de autossuficiência. Adeline tinha me dito que este complexo foi reservado por quase um ano de antecedência para aqueles que eram cegos, surdos ou ambos. Havia algumas pessoas aqui que nunca teria sido capaz de fazer isso por conta própria de outra forma. Eu não precisava de instruções para saber qual era casa de Viddy, porque eu podia vê-la deitada em seu sofá. O sofá que estava fora do prédio de apartamentos, no gramado da frente do condomínio mais próximo.


Eu podia ver Adeline com o canto do meu olho balançando a cabeça, e tive que suprimir o pensamento de que eu sabia que Adeline não apreciava isso. Mas os fatos eram muito óbvios; elas eram exatamente iguais. Eu podia ver Adeline fazendo a mesma coisa em seu lugar, quando ela se mudou. Nós seguimos até o local de estacionamento que era diretamente em frente da casa de Viddy e desligamos as motos. Viddy nem sequer se mexeu. Se eu não a conhecesse, acharia que ela era surda, porque ela em nenhum momento vacilou quando duas Harleys enormes pararam a um metro e meio de seu rosto. Adeline pulou da moto assim que eu abaixei o estribo lateral, indo em direção a sua irmã em uma fração de segundo. "Oh, meu Deus." Disse Loki. "Eu nunca vi gêmeas antes." Eu soquei Loki no ombro com força suficiente para fazê-lo cair para trás alguns passos. Inferno, os mesmos pensamentos tinham passado pela minha própria cabeça pela primeira vez também. Loki riu da minha reação, dando um passo para trás de modo que ele estava fora do alcance da minha mão, apenas no caso. Adeline tinha se sentado com as costas apoiadas no encosto do sofá, onde ela ficou esmagada entre ele e Viddy. Seus corpos ficaram grudados um no outro e, por alguma estranha razão, meu pau pensou que era apenas a melhor ideia do mundo ter as duas irmãs quentes no mesmo sofá, juntas e entrelaçadas entre si. Três horas mais tarde, nós tínhamos movido o sofá de Viddy, a estante, o armário e a cama de ferro forjado que pesava quatrocentos quilos. Trance tinha aparecido apenas a tempo para ajudar a mover a cama do inferno, felizmente, ou nós poderíamos não ter sido capazes de fazê-lo. O bom era que Viddy morava no primeiro andar, e nós não tivemos que manobrar a besta subindo degraus. Isso teria sido algo para se assistir.


"Viddy, estou indo procurar algumas roupas. Você ainda tem algumas das minhas peças de reposição em seu armário?” Perguntou Adeline a Viddy. Ela assentiu com a cabeça, muito absorvida em sua conversa com Trance para notá-la tanto assim, e eu estava trabalhando com Loki para colocar uma estante encostada na parede. Adeline pegou a bolsa de Viddy e colocou alguma coisa lá dentro. Vinte minutos mais tarde, encontrei-me olhando para o batom que Viddy estava usando com surpresa. Era em forma de um pau? Após um exame, eu achei que ele era, de fato, um pau. Viddy estava esfregando um batom com brilho claro na boca em forma de pau. Trance que estava falando comigo, olhou para ver o que tinha chamado a minha atenção e rosnou baixo quando ele viu o que ela estava usando. Ele arrancou o objeto ofensivo de sua mão. "Hey!" Ela gritou. "Me dê isso de volta, Trance." Eu me perguntei como ela sabia que era Trance. Viddy ergueu o braço e deu um soco em Trance no ombro antes de chamá-lo de ‘intimidador’ "Você tem um tubo de batom em forma de pau, e você está esfregando tranquilamente em seus lábios na nossa frente. O que você quer que eu faça? Permita que você use isso em público?" Trance rosnou. "Um pau?" Perguntou Viddy, surpresa. Em seguida, seu rosto mudou, e mesmo por trás dos óculos que ela sempre usava, eu poderia dizer que ela estava chateada. "Adeline, sua cadela!" Adeline, que estava em pé na porta observando toda a cena em um par de calças de yoga e uma camiseta, começou a rir histericamente. "Isso foi por me enviar o seu menor jeans." Adeline olhou para sua irmã. Viddy, em seguida, começou a rir também, e a tensão entre as duas foi quebrada antes mesmo de começar. O que me surpreendeu,


porque minha irmã era uma merdinha vingativa, e poderia guardar rancor por meses. Ela também jogava sujo e essas duas não. Foi tudo uma boa diversão, e elas sabiam como rir. "Minha irmã teria me castrado se eu tivesse feito isso." Loki falou a partir de seu lado da estante. Olhei para o homem e o vi sorrindo pela primeira vez em semanas. "Sim, a minha teria também." "Um dos meus irmãos teriam me segurado, enquanto o outro me bateria pra valer. Em seguida, eles teriam salgado minhas feridas. Talvez até me afogado depois." Trance sorriu melancolicamente. Todos nós nos viramos e olhamos para ele, até mesmo Viddy. "Ok, então", disse Adeline, os olhos arregalados. "Existe mais alguma coisa que você precisa hoje, Viddy, ou você quer que eu fique?" Viddy ficou ali pensando por mais alguns momentos antes de estalar os dedos juntos. "Eu preciso de bolas de tênis para Hemi. Eu vou jogar com ele na parte da manhã, e se eu não as tiver, ele vai ficar com raiva de mim." Olhei para o cão em questão, deitado no meio do chão como uma colisão, e tive que rir. "Este cão vai ficar bravo com você?" Perguntei surpreso. Hemi era o cão mais doce que eu já conheci. Ele era branco como a neve com manchas de marrom enlameada intercaladas ao longo do pelo. Seus olhos eram da cor quente do mel, e ele era a coisa mais suave que eu já vi. Ele tinha brincado com Radar nas últimas horas, e agora ambos os cães estavam deitados em um raio de sol que se infiltrava das cortinas da janela. "Onde está a caixa?" Adeline perguntou a irmã. "A caixa menor." Ela respondeu quando ela caminhou lentamente até o sofá e sentou-se com cuidado. Meus olhos foram para a pilha de caixas que cobriam a parede da sala de estar esperando para serem desembaladas. As caixas eram do mesmo tamanho.


"Viddy, todas as malditas caixas são do mesmo tamanho e você sabe disso." Adeline rosnou para sua irmã. Viddy sorriu largamente. "Você é a única que empacotou Twinkie, não eu. Que tal você me dizer onde elas estão?" Ela respondeu sarcasticamente. "Filha da puta," Trance suspirou. "Vocês sempre lutam assim?" Adeline e Viddy deram de ombros. Na sua não resposta, ele jogou as mãos no ar, e então chamou o nome de Radar. Radar, que estava dormindo pacificamente ao sol, saltou de pé, tremendo de antecipação. "Você tem alguma coisa que cheira as bolas?" Ele perguntou, esperançoso. Viddy pensou por alguns segundos antes de se levantar e caminhar para seu quarto. Eu balancei a cabeça, quando todos nós assistimos suas manobras para se desviar de suas caixas, móveis e material de embalagem como se ela pudesse ver todo o quarto. "Como ela faz isso?" Perguntou finalmente Loki. Virei para Adeline que deu de ombros. "Ela conta seus passos. Talvez temos apenas sorte que ela não tinha nada em seu caminho, porque se houvesse, ela teria tropeçado nele. Ela faz isso muito, então tenta manter a sua mente clara no caminho que deve fazer. " Viddy voltou no final de nossa conversa com um velho par de calças nas mãos. "Eu não conto. Eu contei o número de passos quatro vezes hoje. Aqui, eu me sentei em uma de suas bolas ontem, antes de Addy embala-las. Minha bunda tinha um formato molhado de bola imprimida nela por quase uma hora. Elas foram as últimas a ser embaladas. Será que isto serve? " "Sim." Ele disse, segurando as calças no ar para que ele pudesse ver a marca de bola, e depois abaixou para Radar que apareceu ao seu lado. "Recupere." Todos nós assistimos com fascinação quando Radar começou a farejar de forma lenta e metódica, até que ele se concentrou em uma única pilha de caixas. Então, com seu nariz grande, ele empurrou a caixa fora da pilha. Em seguida, ele empurrou a primeira, depois a


segunda antes que ele chegasse a terceira e sentou-se sobre as patas traseiras. “Há qualquer coisa quebrável nelas?”, perguntei. "Eu não sei. Provavelmente não. Eu não me relaciono bem com nada realmente quebrável." Ela brincou. Com certeza, a caixa que ele não jogou no chão era a que continha as bolas nele. "Isso ainda é impressionante, mesmo depois de o ver fazer isso meia dúzia de vezes.", disse Loki com um aceno de cabeça. Trance sorriu. "Ele é um garoto esperto, não é menino grande?" Perguntou Trance a Radar com um carinho atrás das orelhas. "Bem, meu cão tem um truque, também!" Viddy exclamou e pulou para seus pés. "Dê-me as bolas. Três delas." E isso foi como como Trance e Viddy começaram com a competição de truques dos cães. Embora Hemi conseguir colocar três bolas em sua boca ter sido impressionante, foi decidido que Radar definitivamente supera Hemi no departamento truque, para a decepção de Viddy.


Eu tinha uma fobia. Tinha a ver com grandes quantidades de água. Não havia nada que eu odiava mais do que ir pela estrada que cruzava a barragem e o grande canal de água. A própria estrada era estreita e tinha, pelo o que parecia, vários metros em uma queda livre até a água. Se, por algum motivo, meu carro derrapasse para fora da estrada, ele ia acabar como um pedaço dobrado de metal, que iria afundar facilmente, logo que atingisse a água. Com a minha sorte, meu carro não seria segurado pelas barreiras de metal que foram colocadas para manter os carros seguros, e eu iria despencar para a morte, me afogando em meu carro no fundo do lago. Cheguei ao lago, em direção a casa de Sebastian. No entanto, chegar lá foi um grande feito para mim. Eu conheci Baylee, formalmente, pela primeira vez. Baylee era a esposa de Sebastian. Ela também era uma paramédica do Corpo de Bombeiros de Kilgore, uma cidade a cerca de quarenta e cinco minutos a oeste de Shreveport. Atualmente, ela estava em licença maternidade faltando apenas mais duas semanas até que ela tivesse que voltar ao trabalho. Ela era definitivamente uma lutadora também.


Nós estávamos no quarto do bebê, e eu estava tentando o meu melhor para não ver como Baylee estava bombeando. Quando eu digo bombeando, quero dizer que ela tinha esses dispositivos de tortura medieval sobre as mamas dela que estavam sugando a vida deles. Literalmente. Eles começaram absolutamente enormes, e no momento em que ela terminou eles eram pouco mais do que sacos deflacionados que lembravam seios normais novamente. Por que eu estava olhando para os peitos dela? Eu não poderia te dizer. Quando ela perguntou se eu me importava se ela o fizesse, e eu não gritei automaticamente ‘Foda-se não’, ela pensou que estava tudo bem chicotear os pobres coitados sem nenhum divertimento e começar essa merda. Sim, a maior parte do tempo eles estavam cobertos. Mas ainda assim. "Por que você não trabalha em Benton?" Perguntei a Baylee, tentando o meu melhor para não olhar para seus mamilos que se alongavam para formar o tubo delgado. Baylee riu. "Primeiro de tudo, eu não posso lidar com o tempo que gasto lutando com o meu marido. Ele tende a se transformar em um macho-alfa quando ele quer que eu faça as coisas de determinada maneira." Minha cabeça virou-se ligeiramente. "O que quer dizer machoalfa?" Finalmente, ela desengatou os instrumentos de tortura de seus seios, enfiou os peitos dela de volta para dentro da camisa que ela usava, e colocou os vidros grandes de leite no frigobar. "Siga-me." Ela disse enquanto caminhava propositadamente em direção à cozinha. "Agora, observe." Disse Baylee enquanto pegava o cooler que estava na parte inferior dos degraus da varanda e começou a andar. Ela conseguiu talvez andar um metro quando Sebastian olhou para cima, viu o que ela estava carregando, e gritou. "Baylee! Eu disse que ia buscá-lo em um minuto! Coloque-o para baixo." Baylee ignorou-o e deu mais cinco passos antes de Sebastian soltar um grunhido audível, jogar a coisa eletrônica no assento do barco que ele estava mostrando a Kettle, Loki e Trance e caminhar em direção a Baylee.


Sabe aquelas bandeiras vermelhas que você joga nos touros para obter a sua atenção? Isso é o que era. O cooler sendo a bandeira vermelha. Ele agarrou o cooler de suas mãos, e olhou para ela antes de voltar de onde ele veio. Quando ela se volta para mim, ela sorri. "Isso responde a sua pergunta?" "Não", eu ri. "Eu acho que preciso de mais alguns exemplos. Estou preocupada que eu poderia ter um macho-alfa em minhas mãos." Kettle não tinha deixado eu fazer uma única coisa esta tarde. Nem mesmo carregar um saco de roupas. Ele me tratou como se eu fosse frágil. Como se eu não pudesse lidar com até mesmo as pequenas coisas. "Aqui", disse Baylee, empurrando para mim um saco de bebê e um assento de carro onde a filha dela, Blaise, já estava amarrada, antes de me empurrar em direção à porta. Blaise, de acordo com Baylee, era à única coisa que poderia aterrorizar Sebastian. "Leve isso lá para baixo em direção a água. Veja o que Kettle e Sebastian vão fazer. Você vai ver o que quero dizer." Os olhos de Baylee foram preenchidos com alegria. Cautelosamente, eu comecei a andar em direção à água, andando com cuidado pelo caminho que foi forrado em ambos os lados com pedras. Blaise era incrivelmente minúscula em seu assento de carro, e sentimentos, aqueles que só surgiam quando os bebês estavam nas proximidades, começou a inchar no meu peito. Me fazendo querer coisas. Eu tinha feito todo o caminho para a doca. Que foi mais do que eu esperava conseguir. Eu estava no processo de pisar no cais desigual quando Blaise estava fora dos meus braços, seguido pelo saco de fraldas. Eu olhei em dois pares de olhos brilhantes. Um pertencente ao pai coruja, e outro a Kettle. Ambos pareciam irritados que eu sequer contemplei ir ao cais. "Existe mais alguma coisa que vocês precisam trazer até aqui?" Perguntou Sebastian, exasperado. Dei de ombros e virei sem responder. Eu encontrei Baylee na cozinha derramando o leite em um frasco.


"Conseguiu chegar até o cais?" Perguntou Baylee, mesmo sem se virar. "Nem mesmo. Eu não tinha sequer um pé no cais antes que ela estivesse fora dos meus braços." Eu disse a outra mulher. Baylee riu. "Isso responde a sua pergunta?" "Que eles não querem que você ou eu carregue qualquer coisa, quando eles poderiam fazê-lo, você quer dizer? Eu acho que você ainda tem que me mostrar mais alguns exemplos." "Bem, eu tenho certeza que vai ter mais antes que a noite acabe. Sua irmã ainda está no telefone no escritório. Quanto tempo mais você acha que ela vai ficar?" Baylee perguntou inclinando os quadris contra o balcão. "Feito." Viddy declarou quando ela entrou na sala, sua grande bengala branca em sua mão liderando o caminho. "Você está pronta, Viddy?" Eu perguntei a ela. "Sim," Viddy suspirou. "Ele está me deixando louca." Viddy estava atualmente em um relacionamento com um médico. Ele dá assistência aos alunos na mesma escola que Viddy trabalha. Ele também é um imbecil. Eu não tinha gostado dele desde o momento em que eu o conheci há quatro meses. Principalmente porque ele não trata Viddy bem, e sempre gostar de dar ênfase ao fato de que Viddy não podia ver. Quando tinham saído para comer pela primeira vez, Paul tinha solicitado uma mesa, porque ele não tinha certeza se Viddy poderia entrar na cabine sem ver. Então ele disse a garçonete para trazer água para Viddy, porque ela era cega, e provavelmente deveria ficar com água, apenas no caso. Então ele tinha feito o pedido para ela, porque ela não podia ver o cardápio, embora Viddy tivesse ido a esse restaurante tantas vezes que ela sabia o que estava no cardápio sem ser perguntado. Ele terminou a noite pedindo a Viddy para não usar chinelos de dedo mais. Ele não queria que ela quebrasse o pescoço. Eu estava tão acostumada com a independência de Viddy, que ao vê-la sendo tratada como se ela tivesse uma deficiência grave, realmente irritou profundamente.


Viddy era nada deficiente. Claro, ela não poderia dirigir um carro, mas ela podia chegar ao ponto de ônibus. Ela poderia ir ao shopping, se ela quisesse. Podia fazer o jantar. Vida tinha os sentidos os outros sentidos mais aguçados devido à sua falta de visão, tanto que ela se sobressaía em comparação com todos os outros quando se tratava de audição, olfato e percepção. "Seu namorado?" Perguntou Baylee pegando na mão da minha irmã e guiando-a para fora da porta. "Há cinco passos daqui teremos um degrau com cerca de trinta centímetros de altura," Baylee instruiu enquanto elas caminhavam até os degraus da varanda. "Obrigado, e sim meu namorado. Ele não queria que eu estivesse aqui hoje à noite, e ele está chateado." Disse Viddy ao descer as escadas sem esforço. Eu fiquei para trás, peguei a garrafa esquecida no balcão, e pensei sobre como não magoar a minha irmã dizendo que eu odiava seu namorado. Na verdade, o ódio era muito agradável para ele. Detestava. Nojo. Aqueles eram melhores. Eu teria que dizer isto suavemente a ela, caso contrário causaria uma discussão entre nós e eu odeio discutir com minha irmã. Eu não saberia o que fazer sem ela. Assim, eu mantive minha boca fechada. Mesmo quando ela dizia coisas estúpidas como o que saiu de sua boca em seguida. "Ele está vindo me buscar. Talvez ele possa vir uma próxima vez se não for muito trabalho." Fechei os olhos, desejando que minhas opiniões ficassem na minha boca. Só que não deu certo. Eu tentei. Eu realmente fiz. Era como uma contagem regressiva na minha cabeça. Cinco. Quatro. Três. Dois. Um. Sopre fora. "Você tem que estar brincando comigo! Nós te ajudamos hoje, porra. Onde estava sua bunda preguiçosa?" Eu entrei em erupção.


"Ele teve uma reunião. Ele era..." Ela começou. “Reunião?" Eu ri sem graça. "Nós mudamos sua merda em cinco horas! Ele não te ajudou e inventou uma reunião. Ele só não queria ajudá-la a se mudar. Ele queria que você morasse com ele. Para puni-la, ele inventou uma porra de reunião fictícia para que ele não tivesse que ajudá-la. Em seguida, adicionando a cereja no bolo, ele se recusa a deixá-la sair com sua própria irmã. O que é uma maldita noite? Eu não tive uma noite sozinha com você em mais de dois meses. Não te incomoda nem um pouco?" O tempo todo que eu estava surtando, eu não parei de seguir Viddy quando ela caminhou até a porta e esperou que o pateta fosse buscá-la em seu Lexus Conversível. Ele não decepcionou, tampouco. Ele surgiu em uma nuvem de poeira e cascalho, parando tão longe que Viddy teve que caminhar quase toda a extensão da calçada. A entrada de automóveis que nunca tinha visto antes, e não podia ver. Mas isso fez o pateta sair? De jeito nenhum. Ele sentou sua bunda no carro e, em seguida buzinou quando Viddy não parava de olhar para trás em hesitação. Em seguida, ela tropeçou e caiu. Bem, ela teria caído. Trance a salvou como um cavaleiro em uma Harley brilhando. Suas mãos a pegaram antes que ela pudesse bater os joelhos no chão. Seus braços fortes foram ao redor de sua cintura, e ele embalou a minha irmã no peito como se ela fosse o melhor pedaço de vidro que iria quebrar se ele não o segurasse direito. Falando de braços fortes, o meu próprio par de braços fortes estava em volta do meu pescoço me puxando contra um peito forte, firme. "O homem da sua irmã é uma grande idiota." Kettle observou levemente, observando como o idiota em questão saiu de seu carro e foi até Trance, que ainda segurava Viddy contra seu peito. Trance abaixou-se até que seu rosto foi pressionado contra o lado do seu ouvido, e ele disse algo muito suavemente antes de soltar Viddy e


deu um passo para trás assim quando Paul os alcançou e puxou-a para frente. Eu não tinha percebido que eu estava em movimento até que eu estava na frente de Paul e o empurrei. "Não puxe minha irmã desse jeito. Você sabe muito bem que o seu equilíbrio é uma merda. Trate-a como ela deve ser tratada ou eu vou..." A mão de Kettle foi sobre a minha boca enquanto o seu braço foi em volta da minha cintura, enquanto ele fisicamente me impediu de avançar sobre o homem estúpido. O rosto de Paul era uma máscara torcida de nojo enquanto ele olhava para mim, Kettle e Trance. Meus olhos cheios de ódio ficaram maiores quando ele empurrou Viddy até o carro, sem sequer abrir a porta para ela. Uma vez que Paul correu para fora da garagem, me virei nos braços de Kettle e apontei um dedo acusador para Trance. "Você!" Os olhos de Trance aumentaram. "Eu o quê?" "Leve-a para longe dele. Você deve cumprir com a sua obrigação. Agora faça acontecer." Eu não tinha perdido o desejo que queimava nos olhos de Trance cada vez que via minha irmã. Eu também esperava que Viddy colocasse a cabeça no lugar a tempo suficiente para ver o que estava bem na frente dela. "Agora", disse. "Leve-me para este lugar estúpido no lago. Espero que eles tenham margaritas fortes. Porque eu vou precisar de uma quando eu chegar lá. Se não morrer no passeio de barco." Risadas masculinas me seguiram enquanto seguia em direção ao lago. Na verdade, eu realmente não morri na água. Sebastian dirigiu lentamente, e eu realmente gostei do passeio de barco. Eu não vi sinal de jacarés, ou qualquer monstro do lago Ness. Depois de um passeio de barco de quinze minutos, eles pararam no pequeno restaurante chamado Cypress Hideaway Bar and Grill. Eu nunca tinha visitado isso em todo o meu tempo que morei aqui, apesar de ter sido a principal atração na pequena cidade. Kettle e eu andamos de braços dados pela doca e no restaurante.


A decoração era bonita, em uma espécie de forma rústica. Enormes pinturas de um bagre e um robalo dominavam as paredes. Troféus. Registros do lago. Equipamentos velhos. Em um canto tinha um barco com fundo plano pendurado nas vigas. Todas as mesas eram de madeira velha. As cadeiras de vime. Estávamos sentados e depois de ter encomendado nossas bebidas eu comecei a olhar em volta para todos os clientes. Isso foi quando eu vi a Detetive Hernandez me olhando com ódio mal disfarçado. "O que há de errado?" Baylee me perguntou. Eu olhei para Baylee, finalmente quebrando o contato visual com o ódio que a Detetive Hernandez estava emitindo antes de responder. "A ex-namorada de Kettle está tentando me matar com seus olhos." Eu já tinha visto muita inveja no meu tempo como uma professora do ensino médio. Adolescentes, meninas do ensino médio, em particular, eram notórias por ser mesquinhas e vingativas sobre meninos que elas gostavam. Eu tinha visto os olhares das meninas quando o menino que elas gostavam estava abraçando alguém. "Sim", Baylee suspirou. "Kettle saiu com ela umas três vezes. Mas ela não poderia lidar com o clube ou as cadelas que gostam de alardear o fato delas terem fodido nossos homens". Eu não era estúpida. Eu sabia que Kettle não era um virgem quando nós tínhamos ficado juntos. Eu também sabia como era o estilo de vida de um motociclista, independentemente de quanto o meu pai tinha tentado escondê-lo. Eu sabia o que eram prostitutas de clube. Eu também sabia que elas estavam em todos os clubes, independentemente. "Eu não tive o prazer de conhecer essas mulheres ainda." Eu disse secamente. O braço de Kettle apertou ao redor do meu pescoço, e ele me deu um beijo preguiçoso na boca com gosto de cerveja Foster8 que ele esteve bebendo durante os últimos vinte minutos.

8

Marca de cerveja.


"Você vai conhecer essas senhoras encantadoras neste fim de semana quando você for no Toys for Tots correr com a gente." Kettle disse, antes de voltar para sua conversa com Trance, Loki e Sebastian. "Você vai com a gente?" Perguntou Baylee animadamente. "Aparentemente," eu ri. Essa foi a primeira vez que eu tinha ouvido sobre qualquer ‘corrida’ e tive que admitir que eu estava animada em ir em um passeio mais longo. Eu não estive em uma viagem longa assim desde que meu pai tinha me levado para o oceano, um fim de semana antes do acidente. Dizer que eu estava um pouco animada agora seria um eufemismo. Eu só queria que minha irmã pudesse experimentá-la novamente comigo. "Então, o que você faz, Adeline?" Baylee perguntou quando ela mergulhou seu chip em um molho de salsa e empurrou-o em sua boca. Eu mergulhei o meu também no meu próprio molho de salsa antes de responder. "Eu sou uma professora de química do ensino médio em Benton High." "Aposto que você é a estrela de todas as fantasias dos meninos do ensino médio. São sempre os mais quietos que recebem mais atenção." Baylee brincou. O braço de Kettle apertou ao redor do meu pescoço, tirando minha atenção de Baylee. Seus olhos azuis pareciam assustadoramente brilhantes, com os tons azuis e verdes de néon se misturando e os sinais de cerveja brilhando ao redor. "Você me deixe saber se você tiver quaisquer admiradores. Eu irei para outra visita.” Kettle me disse antes de retornar à sua conversa. Baylee ficou sem jeito com Blaise em seus braços. "Tudo bem, eu tenho que ir mudar essa garota. Ela tem uma bunda como a de seu pai." Sebastian bufou, mas não se preocupou em comentar. "Eu irei com você. Eu preciso visitar o banheiro das senhoras também. Se não vou estourar a minha bexiga." Eu disse e levantei. Surpreendentemente, não havia uma fila, e eu fui capaz de entrar no banheiro, enquanto Baylee estava terminando com a fralda de Blaise e encaixando o minúsculo macacão.


"Ela é apenas a coisa mais fofa do mundo," eu disse quando terminei de lavar minhas mãos e observava através do espelho. Baylee sorriu. "Sim, ela se parece muito com seu pai. Tudo sobre cabelo bonito e pés grandes." Ela disse, levando a menina até o peito. "Você vai segurá-la enquanto eu uso o banheiro?" Eu aceito com gratidão e apoio Blaise no meu ombro. Ela fez os mais bonitos pequenos sons que acionam um pequeno relógio tiquetaqueando e sinalizando que o tempo está passando dentro de mim. "Ele nunca vai lhe dar filhos, você sabe." Disse uma voz desagradável da porta. Olhei para cima da carinha de Blaise para ver a detetive Hernandez no vão da porta do banheiro, olhando furiosamente para mim. A pouca voz dentro da minha cabeça me disse para não dizer nada, mas, em seguida, ela zombou de Blaise com um olhar de desprezo. "Ele está fodendo todas as mulheres do condado. Ele nunca vai sossegar. Mesmo se ele ficar com você, você nunca vai ser a sua única mulher. Ele me traiu abertamente enquanto estávamos namorando. Você sempre será aquela mulher estúpida que se senta em casa e espera por seu homem de volta, enquanto ele está transado com todas as mulheres em seu pequeno clube estúpido." Fiquei surpresa com a intensidade na voz da outra mulher, e sabia que o que eu dissesse agora não tiraria a dor que ela tinha experimentado, por isso fiquei quieta. Baylee, no entanto, não o fez. Ela saiu do box, como se tivesse sido ejetada de um jato em uma pirueta. "Você puta bruxa! Você tem alguma ideia de quanto sua atitude blasé e corte de cabelo estilo general sapatão afastou Kettle? Ele namorou você em primeiro lugar, porque você era bonita. Então você tinha que ir e chicotear para fora seu pau para mostrar que o seu era maior do que o dele. Além disso, você se recusou a estar perto dos seus amigos e familiares. Nós não somos assassinos e estupradores. Todos nós trabalhamos para ganhar a vida, assim como você. Lamento que você não possa lidar com isso, mas isso não é motivo para descontar sobre sua nova garota por quem ele está perdidamente apaixonado. Vá pegar seu mau humor e leva-lo para longe daqui.”


"Oh, você acha que ele está realmente indo manter seu pau em suas calças? Eu tive isso por um mês, e ele estava transando com outra pessoa. Tenho amigos também. Eles não mentiriam para mim." Ela zombou. "Eu acho que é hora de crescer." Eu disse calmamente. "Você tem uma responsabilidade como uma oficial da lei para agir corretamente em público, e xingando e rosnando para mim quando eu tenho uma criança em meus braços não é a maneira certa de fazer isso. Talvez, se você quiser fazer isso em outra hora onde não é público, eu posso fazer isso. Agora, porém, você precisa sair." Detetive Hernandez olhou para Baylee, antes de virar e sair do banheiro. Baylee ainda estava chateada, e ela seguiu a mulher, pisoteando e olhando para ela de volta todo o caminho. Eu segui mais lentamente atrás das duas desde que eu tinha que pegar o saco de fraldas que Baylee tinha deixado para trás, certificandome ficar mais atrás apenas no caso da detetive decidir começar algo. Kettle estava nos olhando assim que saímos do corredor que levava ao banheiro, empurrando a cadeira para trás e ficando de pé. Kettle era um homem grande e intimidador e quando alguém como ele se levanta, e está chateado, isso chama a atenção. A cereja no topo do bolo foi quando Baylee chegou na mesa e começou a contar o que tinha acontecido, e eu tinha um puto Kettle em minhas mãos. Em um esforço para parar a conversa que eu sabia que ele queria fazer, eu corri para frente e o bloqueei com meu corpo, então ele não poderia passar por mim a não ser que ele passasse por cima de mim, o que ele não faria com Blaise firmemente nos meus braços. Ele estreitou os olhos para mim, mas sentou-se com relutância. Eu sabia o que vi nos olhos dele. Eu posso ter ganhando a rodada, mas em algum momento num futuro próximo, ele iria ter uma conversa com a detetive Hernandez e não iria acabar bem pra ela.


“Meu Deus. Eu não posso sentir minhas pernas.” Adeline gemeu quando ela caiu de costas na cama. Eu ri para ela e comecei a tirar as suas roupas sujas. Não importa quanto tempo você monta, você sempre tinha que lidar com as consequências de não ter um para-brisa para insetos. Eu odiava insetos. Eles cobriam as minhas roupas de montaria. Observei que Adeline continuava rindo da cama para mim. "O quê?" Perguntei. "Você viu o rosto de Sebastian quando Baylee chegou com o seu novo capacete? Eu pensei que ele ia morrer de desgosto." Ela riu. A lei da Louisiana exige que motociclistas usem capacetes, ainda assim, nos anos que eu tinha conhecido Sebastian, não houve uma única vez que eu já o vi com um capacete, até hoje. Ele iria colocá-lo a contragosto e Baylee sorriu largamente para o marido antes de colocar o seu próprio capacete. "Ele não gostou do capacete? Achei incrível!" Adeline cantou. O capacete que ela estava falando era um que tinha orelha do Batman no topo. Na verdade, o capacete foi uma invenção engenhosa que lhe permitia ver o seu retrovisor sem girar completamente ao redor para


olhar. Eu tenho que obter um em um futuro próximo. Sem as orelhas do Batman, claro. "Foi bastante impressionante. Ele teria que ser, e Baylee sabia disso, caso contrário ele não teria usado. Tenho certeza de que não doía que ele podia ouvir a voz de Baylee em seu ouvido todo o caminho, de qualquer maneira." Eu observei. "Ele não costuma usar um?" Perguntou Adeline alarmada. Isso era a mesma reação que todas as mulheres tinham quando se tratava de um homem não usando um capacete. Por alguma razão, quando elas nos vinham sem ele, cada coisa horrível que poderia dar errado começava a passar por suas cabeças como um filme, iluminando sobre o que poderia acontecer. Eu sempre tinha usado um. Eu cresci em motos, e era da minha natureza usar capacete. Assim como era da minha natureza colocar o cinto de segurança depois que eu comecei a dirigir um carro. "Sim," eu assenti. "Ele nunca usou antes. Não gosta deles, mas Baylee tem insistido com ele por um longo tempo sobre usar um. Ele disse a ela que não iria nunca usar um. Então você viu um milagre hoje, quando ele colocou sem nem hesitar". "Bem, isso me faz feliz. O melhor amigo do meu pai morreu em um acidente de motocicleta. Eu não sei se ele teria sobrevivido se tivesse sem um capacete, mas ele poderia ter tido uma chance de lutar. Ele estava apenas dirigindo para a loja que era apenas uma rua para baixo da sua. Ele deixou para trás uma esposa e três crianças que ficaram devastadas". Eu tive o meu quinhão de histórias de terror também. Uma que eu odiava pensar sobre ela, então eu mudei de assunto. "O que você achou da sua primeira corrida?" Perguntei, me jogando para baixo ao lado dela na cama para tirar minhas botas, e, em seguida, coloca-las em um canto da sala. "Eu acho que eu quero apenas sentar aqui e deixar a sensação da minha metade inferior voltando." Ela suspirou, fechando os olhos. Uma vez que as minhas meias estavam fora, eu estava de pé e comecei a retirar minhas roupas. Primeiro o cinto, seguido logo pela calça que eu coloquei em cima da mesa no canto da sala.


Então seguro a parte de trás da minha camiseta de manga longa e puxo sobre a minha cabeça pelo meu pescoço curvando meus ombros e fazendo meus músculos dos braços flexionarem. "Os sensações estão definitivamente começando a voltar para a minha metade inferior novamente." Adeline falou com uma voz rouca. Virei-me para encontrar os olhos de Adeline em mim, observando cada movimento meu. "Ah, é?" Eu perguntei, caminhando para a cama. Ela assentiu com a cabeça, e depois pressionou as pernas juntas como que buscando algum alívio para o seu desejo. Abaixando minha mão, eu a agarrei pelo tornozelo e puxei-a para baixo até o final da cama, fazendo-a gritar. "Kettle", ela engasgou. "Tiago. Chame-me de Tiago." Eu exigi, quando eu praticamente rasguei suas calças na tentativa de libertar o botão, tirando suas calcinhas juntas por suas pernas, deixando-a nua para meu olhar faminto. "Você sabe o que faz para mim ter seus lindos seios e sua buceta quente esmagada contra mim e não ser capaz de tocar em você? Cheirar o seu perfume durante cinco horas seguidas? Ter a sua mãozinha subindo e descendo na minha barriga e coxas? Eu vou te dizer o quê. Faz-me tão excitado pra você que não posso nem ver direito." Rosnei. Minha voz soava como se tivesse lutado com cascalho e perdeu com a sua abrasividade. Deixei minhas mãos explorarem a parte interna da coxa de Adeline, provocando a pele sensível com as pontas dos meus dedos. "Toque-me", ela implorou. Eu sorri para ela, que se estabeleceu na cama com um punho cerrado, e usou a outra mão pegar minha palma e passear para cima na extensão suave da pele que forrava a sua barriga. "Tão suave", eu disse, inclinando-me e beijando a pele a partir do topo de seu osso púbico até que encontrei a barreira de sua camiseta, que foi amontoada debaixo de seus seios. "Tira", eu exigi, cutucando a camisa com o meu nariz.


Ela levantou-se e tirou a camisa sobre a cabeça, jogando-a nas imediações do chão, ficando somente em um sutiã de renda preta que mal cobria as ondas perfeitas de seus seios, deixando absolutamente quase nada para a imaginação. Eu podia ver os círculos escuros das aréolas e distinguir os mamilos perfeitos que estavam endurecidos com os bicos perfeitos apertados. Quando seus dedos delicados foram para o fecho do sutiã, eu a parei com as mãos. "Deixe-me brincar um pouco." Eu instruí. Então eu mostrei a ela. Usando apenas a minha boca, eu parei meus lábios em uma ondulação cremosa passando de um para o outro. Então eu repeti o processo com a minha língua. As mãos dela foram para a minha cabeça, tentando me mostrar a direção que ela queria que eu fosse, aceitei suas sugestões e lhe permiti empurrar o meu rosto, até que ela parou em uma ponta de seixos de seu mamilo. "O quê?" Eu engasguei. "Você me quer lambendo através do tecido?" Eu não esperei que ela respondesse embora. Circulando um bico turgido com a ponta da minha língua, eu explodi em seu peito para torná-los ainda mais endurecidos, antes de me inclinar chupando duro. Seu corpo, que estava deitado na cama tremendo em antecipação, curvou-se, seguindo a minha boca enquanto eu puxei, desenhando exuberantemente sobre a pequena ponta. Quando ela ficou impaciente com a atenção por um mamilo, ela enganchou seu dedo no copo do sutiã e puxou-o para longe, expondo o mamilo marrom empoeirado, do outro lado, aguardando a atenção da minha boca. Me obriguei a alternar entre os seios, enquanto eu chupava em minha boca, fazendo desenhos sobre eles, provocando uma resposta animada de Adeline. Quando senti seu corpo pedindo minha própria atenção, soltei o seus mamilos inchados da minha boca e olhei para ela.


Ela não esperou que explicasse o eu queria, saiu em disparada me empurrando para cama, tirando a minha calça e a cueca junto. Minha ereção saltou livre dos limites da minha calça balançando por alguns segundos antes de se estabelecer apontando para o meu queixo. "Jesus, eu não posso acreditar que seu pau se encaixa dentro de mim." Ela observou antes de se inclinar abrindo a boca e passando sua língua pela ponta do meu mamilo. "Não toque", alertou, quando sentiu a mão que eu tinha levantado começar a correr ao longo da parte interna da sua coxa. Eu ignorei o aviso e deixei a minha mão calejada roçar o interior de sua coxa, parando na beira de tocar os lábios exteriores com a ponta do meu dedo. Quando ela se mudou para frente para executar a língua na minha barriga, ela permitiu inadvertidamente que meus dedos roçassem sua pele lisa, molhada, provocando um gemido de tortura nela. Essa boca deliciosa dela encontrou minha ereção saliente no momento seguinte, e eu mal contive um gemido de tortura, quando a coxa onde estava descansando a minha mão foi movida quando ela montou meu peito. Eu descobri que havia, finalmente, uma desvantagem para mim em ser tão alto e sair com uma mulher que era quase uns sessenta centímetros mais baixa do que eu. Eu não poderia chegar a bela buceta de Adeline enquanto ela estava trabalhando meu pau com a boca. Isso não quer dizer que eu não poderia tocar com os dedos, porém, mas eu achei que eu poderia nos torturar, tanto, que eu apenas acalmei minhas mãos e esperei por ela. Minhas mãos foram até a volta de suas pernas e parou no inchaço de sua bunda. Ambos meus polegares mergulharam dentro dela, e separei suas dobras escorregadias, mas eu não fiz nada demais, só assisti a sua buceta em antecipação das coisas por vir, enquanto ela trabalhava meu pau com a boca. Eu poderia dizer que estava em sintonia com ela, porém, depois de alguns, minutos tortuosos de sua boca tentando engolir o meu pau,


tanto quanto podia, ela soltou de repente, virou-se no meu colo, e sentou-se no meu pau antes que eu pudesse ter qualquer palavra sobre isso. "Oh, sim." Ela gemeu quando meu comprimento deslizou para dentro dela, lento, mas seguramente. "Jesus, você me preenche completamente." Ao som de sua voz rouca impertinente, meu pau se contorceu dentro dela, provocando um pequeno sorriso em seu rosto quando ela começou a me cavalgar lentamente. Ela tinha um olhar bonito para mim, porra. O cabelo que estava em um rabo de cavalo baixo quando nós começamos o dia, foi ainda mais para baixo, grandes partes de seu cabelo tinha escorregado livre para decorar seu peito e ombros. O sutiã que ela ainda usava foi empurrado para debaixo de um mamilo para revelar um bico duro. No entanto, o outro mamilo estava coberto, e estava tentando escapar para fora sem sucesso. Com cada salto da bunda dela, seus seios saltavam para cima e para baixo me hipnotizando. Minhas mãos grandes seguraram seu quadril, e a dança de seus quadris era erótico como o inferno, como se pedisse para ser mais rápido. Nós dois estávamos à beira de um orgasmo quando houve uma batida forte na porta. Quem quer que fosse, era insistente. E eu estava indo para chutar seus traseiros. Adeline gaguejou. Eu não. Continuei fodendo com meus quadris, puxando-a para baixo com as mãos. "Sim, sim, sim", Adeline estava cantado com cada impulso do meu quadril. Então, a sua cabeça voou para trás até que eu já não podia ver seu rosto. Seu cabelo fazendo cócegas nas minhas coxas, e sua buceta quente começou a convulsionar em torno de mim em ondas. Foi então que eu percebi que eu estava dentro dela nu, pela primeira vez, e eu fiquei impotente para impedir o que aconteceu em seguida. Com um rugido, eu arranquei meu pau de seu calor apertado, e gozei duro.


Sêmen jorrou da ponta, espirrando no peito de Adeline, e, em seguida, em sua barriga quando eu gozei. Quando o barulho em meus ouvidos finalmente se tornou controlável, eu deixei o aperto em seus quadris, quando ela desabou sobre mim. Ambos estávamos ofegantes quando ela disse: "Eu não consigo sentir minhas pernas." Eu ri e estava prestes a responder quando as batidas, que tinha esquecido com meu orgasmo, começaram de novo. Gemendo, eu rolei para o lado, movendo uma Adeline mole para a cama antes de sair pelo o outro lado, fazendo meu caminho para o banheiro com a intenção de pegar uma calça de moletom e uma toalha. Limpando minha libertação do meu peito, eu joguei a toalha no cesto, vesti as calças, muito ciente do fato de que meu pau ainda estava tão duro agora como há cinco minutos, e fiz meu caminho para a porta do apartamento. Com um olhar no olho mágico, o meu bom humor desapareceu quando vi quem estava atrás da porta. Puxando-a aberta, eu olhei para a perturbação na porta e cruzei os braços sobre o peito, não me importando o mínimo que eu estava suado, e ainda ostentando uma ereção. "Posso ajudá-la?" Eu mal continha a vontade de rosnar. E mais saiu soando como um silvo de dor. Annalise olhou para mim com desprezo. "Eu preciso lhe fazer algumas perguntas sobre o fogo." As bolas de meus punhos se tornaram mais apertadas, fazendo com que os nós dos dedos sobre minhas mãos dobrassem com o esforço. "Nós dois já demos nossas declarações no dia do incêndio. Você poderia ter ligado e eu teria respondido a todas as perguntas adicionais que você tem." Eu disse com relutância. Annalise ficou tensa. "O que quer dizer com 'nós'?" "Ele quer dizer", disse Adeline quando ela colocou um braço em torno de minhas costas nuas. "Que nós já demos nossa declaração ao oficial agradável e o detetive encarregado. Por que ele não está aqui?"


Eu olhei para baixo para ver a mulher que ainda deveria estar deitada comigo, saciada e quente na minha cama, de pé ao meu lado. Ela estava usando uma camisa cinza de algodão sobre os seios sem sutiã. Algo dentro de mim, um monstro verde com certeza, elevou sua cabeça com a ideia de alguém, mesmo que fosse a minha ex, vendo o estado de seu peito. Fui salvo por grunhido de Annalise, "Eu posso ver que você está ocupado, eu vou voltar mais tarde." Foi só quando eu fechei a porta e me virei para Adeline que eu percebi que a camisa cinza que ela estava usando mostrava claramente as manchas molhadas do meu gozo em sua barriga. O que fez a minha raiva evaporar tão rapidamente como tinha chegado. "Ela vai ser um problema", observou Adeline quando eu andava em direção a ela. Ela nem percebeu que estava em perigo, nem o que estava por vir até que eu estava certo em cima dela. "Você quer saber qual é o problema? O problema é vê-la com a minha porra em seu peito, e você esperando para ter uma conversa coerente." Eu disse, pegando-a, jogando-a sobre os meus ombros e indo direto para o quarto. "O proprietário me procurou e me disse que eu poderia pegar o apartamento em frente ao seu, se eu estivesse interessada em um de quatro quartos." Adeline me disse quando nós estávamos cozinhando o jantar lado a lado naquela noite. Eu estava mexendo os legumes quando ela abordou o assunto que eu estava querendo trazer pelos últimos três dias. "Se você não tem um problema de morar comigo, eu quero você aqui. Eu sei que é muito cedo, mas isso me faz feliz, ter você por perto. Além disso, minha casa estará pronta em breve, e se você realmente quiser, você pode manter este apartamento quando eu voltar para a minha casa.” Eu disse, hesitante. "Você tem uma casa?" Ela perguntou bruscamente. Eu balancei a cabeça. "Sim, eu tenho. É no lago, perto da casa do Sebastian. Nossas propriedades são uma do lado da outra, mas


enquanto a sua é nova em tudo, a minha é antiga. Eu tive que substituir os pisos e o encanamento antes de poder me mudar, o que está agendado para ser em torno de dois meses ". Adeline terminou de cortar o frango em pedaços e virou-se para me encarar. "Disseram-me que eu não sou a pessoa mais fácil de conviver." Eu ri. "Quem te contou isso? Seu pai ou sua irmã?" "Ambos", ela riu. "Não pode ser tão ruim." "Você vai comer essas palavras." Ela riu.


Eu não tenho que comer as minhas palavras. Eu tinha alguns ajustes para fazer, coisas boas e ruins. No geral, porém, eu gostei bastante de ter Adeline o tempo todo. Muito mais do que eu esperava, de qualquer forma. Eu não tinha percebido o quanto maluco eu estava até que eu fui para o meu banheiro uma manhã, um mês mais tarde, e encontrei sutiãs de Adeline, em cada forma, cor e textura imagináveis, pendurados em todas as superfícies disponíveis no banheiro. Eu tive que mudar três do próprio chuveiro, antes que eu pudesse entrar para me lavar. Com água fria, visto que Adeline tinha terminado seu banho cerca de cinco minutos antes, e poderia gastar nada menos do que uma hora no chuveiro e ainda querer mais tempo. Embora, isso não fosse nada em comparação como quando eu acordei ontem à noite para ter a cobra de Adeline deslizando pelo o interior da minha perna, porra. No início, meu cérebro sonolento tinha pensado que era a mão da Adeline, mas depois registrei que a temperatura do que estava rastejando até a minha virilha era diferente e, em seguida, quando subiu um pouco mais em direção ao meu estômago, finalmente percebi. Eu prontamente me assustei. Eu realmente não era um fã de sua cobra.


No dia seguinte, imediatamente saí e comprei uma gaiola com um bloqueio, porque não havia nenhuma maneira que isso iria acontecer novamente. Porém, havia muitos benefícios de ter Adeline aqui. Como acordar no meio da noite para ter Adeline enrolada em volta do meu corpo com a cabeça enfiada na dobra do meu braço, ou no espaço entre minhas costas e o colchão. Em seguida, quando as minhas roupas sempre eram lavadas e dobradas antes que eu precisasse delas. Meus uniformes eram lavados e passados a ferro, e isso era o custo de ter sutiãs pendurados em minha vara de chuveiro. "Hey", disse Adeline quando eu saí para o tapete após meu chuveiro. Olhei para cima quando me inclinei para secar as minhas pernas com a toalha, e tive de sorrir para o olhar vidrado que percebi em seu rosto. Ela não disse mais uma palavra até que eu estava terminando de secar minhas costas e enrolei a toalha em torno de meus quadris, cobrindo minha bunda. "Eu estou pronta para ir." Ela disse finalmente. Um sorriso surgiu em um canto da minha boca quando eu comecei a andar em direção a ela. Ela ficou onde estava, encostada na porta, e levantou-se na ponta dos pés para conseguir um beijo antes de eu passar por ela para me vestir o meu uniforme. "Você está pronto para me deixar dirigir?" Ela perguntou. O seu carro tinha sido consertado depois de uma semana do incêndio, mas estava parado desde então. Eu disse a ela sobre a ameaça dos dois meninos que foram envolvidos no incêndio, mas ela não viu grande problema. Ela disse que ela recebia ameaças das crianças no ensino médio durante todo o dia, e se ela levasse as ameaças a sério, ela não seria capaz de viver sua vida. Os meninos do ensino médio em sua escola eram fichinhas em comparação com os fabricantes de drogas que tinham sido soltos menos de uma semana depois de terem sido presos.


Embora nós não tivéssemos ouvido falar dos dois meninos, ou o que tinha vivido lá, desde o dia do incêndio que queimou ambos os apartamentos, meu sexto sentido estava avisando para não relaxar, isso é, se homem tem sexto sentido. "Eu sei Adeline. Isso ainda me incomoda," eu disse encolhendo os ombros em minha camisa. "Não me sento tranquilo em deixar você dirigir para o trabalho sozinha. Então, se você realmente quer, eu vou segui-la, mas essa é a única maneira que você vai dirigindo seu próprio carro. " Os caras só deixaram Adeline sozinha quando ela estava na escola, eles sempre tinha alguém lá para segui-la para casa, ou ao supermercado, se necessário. Se ela queria ir a algum lugar, eles sempre tinham um prospecto pronto e disposto a segui-la. E tanto quanto ela odiava ter uma cauda, isso me deixava menos preocupado com ela, o que, por sua vez, deixava Adeline feliz. "Quanto tempo isso vai continuar?" Meus dedos se moviam habilmente fechando os botões da minha camisa, logo em seguida eu a empurrei para dentro das calças antes de abotoar e colocar meu cinto. "Eu não sei." Eu realmente não sei. Eu só estava preocupado com ela, especialmente depois do que eu tinha aprendido na noite passada com o Silas. Eu estava preocupado sobre o telefonema de Silas todo o caminho para a escola de Adeline, imaginado qual seria a merda ruim que ele ia atirar pra cima de mim. Silas ligou ontem à noite depois que ela tinha ido para a cama e me disse que tinha descoberto algumas coisas que ele precisava discutir esta manhã antes de ir para o trabalho. Então, depois que eu deixar Adeline no trabalho, eu estava correndo para o clube antes do meu turno começar para falar com Silas e Sebastian. Eu sabia que não ia gostar. Então Adeline fez algo tão bonito, que me tirou toda a preocupação por alguns momentos curtos, permitindo-me sorrir apesar da desgraça iminente.


"Oh! Ei, espere um segundo." Ela disse assim que ela desceu da moto. "Adeline, nós dois estamos atrasados." Eu gemi, mas fiquei onde estava. Nada poderia me espantar mais quando ela se abaixou, apoiando seus quadris nos calcanhares e começou a passar delineador usando como espelho o cromado de filtro de ar da moto e habilmente marcando as bordas de seus olhos com preto. Logo em seguido marcando os olhos com um pouco de rímel nos cílios. Em seguida, se levantou, inclinou para me dar um beijo, e caminhou rapidamente para o prédio da escola, sorrindo amplamente por cima do ombro para mim da porta antes que ela desaparecesse no interior junto com uma maré de crianças do ensino médio. Eu deveria saber, porém, que a vida nunca foi boa para mim, e nunca tinha sido. As coisas boas tinha um jeito de ir mal quando elas vinham para mim, e eu estava prestes a me deparar com isso novamente. "Então deixa eu ver se entendi", eu disse enquanto me inclinava para frente. "Esses dois criminosos foram socorridos pelo irmão de Adeline?" Trance e Silas assentiram com a cabeça em confirmação. "Então o quê?" Perguntei. "Do que eu posso dizer, quando eles deixaram a delegacia juntos, eu os segui para Hummer, para onde eles tinham um tipo de reunião. Depois que terminaram, os meninos pegaram cerca de vinte mil, encheram seus bolsos e foram para uma antiga casa na periferia de Benton.” Disse Silas. "Ok", eu disse, hesitante. "O que diabos acontece com o irmão? Apenas alguns meses atrás, ele tinha quebrado o apartamento de Adeline e depois foi para roubar Viddy. Como ele vai de zero a herói tão rápido? O que ele fez? " Trance deu de ombros. "O irmão, tanto quanto podemos imaginar, é o homem médio. Ele encontra os fornecedores, recebe o que eles precisam, faz que eles recebam a sua expedição feita a tempo, e, em seguida, carrega a carga para o comprador."


"Foda-se", eu suspirei e esfreguei meu rosto. "Eu não entendo, porra." Trance se levantou e passou um arquivo, que eu cuidadosamente da sua mão.

tomei

"Um Jefferson Samuel Sheffield, 27, estava sem dinheiro até cerca de três meses e meio atrás. Um dia depois que você tinha me relatado o roubo do apartamento de Adeline, cinquenta mil foi depositado em sua conta." Trance explicou. "E sobre Adeline... onde ela se encaixa nisso?" Eu finalmente tive a coragem de perguntar. Silas estava balançando a cabeça antes de eu sequer terminar a pergunta. "Nós não sabemos. Melhor cenário é que tudo isso é apenas uma coincidência. Na pior das hipóteses, o irmão a usou como alavanca para conseguir o que queria. Nós não sabemos, se eu tivesse que adivinhar, porém, ela está em perigo até seus globos oculares muito pequenos e nem sequer sabe disso." Antes, Adeline só tinha três jovens com raiva dela por ter chamado a polícia. Agora eu não tinha ideia do que estava atrás dela, e isso era parte do problema. E eu não tinha ideia do que diabos fazer. Os olhos de Sebastian eram difíceis de analisar, totalmente em acordo com o meu próprio estado. Passei minhas mãos furiosamente em meu cabelo, e fiz uma careta. "Jesus Cristo, eu tenho sorte que nada aconteceu com ela ainda." Silas assentiu. "Ela vai precisar de muito mais proteção do que ela tem agora. Você e eu precisamos ir visitar o seu irmão. Em seguida, o comprador, para que possamos jogar um pouco do nosso peso em torno dele. Deixe ele saber no que eles estão se metendo se eles forem atrás dela. Também seria melhor se eles soubessem que ela é old lady de um dos nossos homens. The Dixie Wardens é forte em quatro estados. Neste momento, ela está livre de seu patch, o que só mostra que ela não deve significar muito para você, como se você não estivesse disposto a fazê-la sua. Com as nossas cores protegendo-a, eles vão saber que não podem fazer merda sem retaliação." Eu já tinha deixado isso com Minnie há mais de um mês atrás.


Minnie era a esposa de nosso secretário, Porter. Minnie tinha feito quase todos os coletes que cobria as costas de cada membro, o meu inclusive. Quando eu fui até Minnie e expliquei o que eu queria, eu sabia que ia ser diferente, mas ela estava muito animada para começar. Eu nunca pensei que iria demorar tanto tempo como estava sendo, mas eu sabia que ela faria isso perfeitamente, e eu não estaria decepcionado. "Minnie está fazendo um colete há um mês. Ela vem fazendo isso em seu tempo livre, e é... diferente. Por isso, está levando mais tempo do que tinha inicialmente previsto." "Diferente?" Sebastian perguntou de sua posição na outra extremidade da mesa. "Ela é professora. Ela não pode realmente ser vista vestindo nossas cores como todas as outras old ladys. Eu estava preocupado que eles a demitissem, então eu pedi a Minnie para fazer algo um pouco não ortodoxo. Ela com certeza pensou que era incrível, então eu não tenho dúvida de que foi uma boa decisão. Ela pode usá-lo facilmente enquanto ela está na escola, sem chamar muita atenção." "Então, isso significa que você está pedindo-lhe para ser sua old lady em breve?" Perguntou Silas após uma longa pausa. Eu balancei a cabeça em confirmação. "Bom", Silas assentiu. "Agora, vamos planejar para amanhã, às oito. Apareça aqui, e nós vamos nos dirigir até a casa de Gustavo Amadeus juntos, e depois visitar o irmão." Então, eu tinha um nome. Gustavo Amadeus. Eu tinha certeza de que não iria ser um prazer conhece-lo.

"Minha senhora", eu disse com os dentes cerrados. "Nós precisamos de você para nos dar espaço. Isso não está ajudando, e sua filha pode morrer se você não nos ajudar!" Eu não tinha a intenção de gritar, mas a filha da mulher não estava respirando, e eu não podia fazer o meu trabalho se a mulher não


colocasse sua mente no lugar, fosse se foder em outro canto e me deixasse trabalhar. Sebastian estava fazendo respiração boca a boca na criança, enquanto eu trabalhava em outra criança em torno de três anos de idade. Os dois tinham sido jogados para fora do carro, porque esta mulher estúpida passou em um sinal vermelho e chocou-se com o carro que os transportava. Tinha havido dois veículos envolvidos. Um sedan carregando dois passageiros, uma mulher e sua filha adolescente tinham passado no farol vermelho e chocou com outro carro. O outro carro era conduzido por uma jovem mãe que tinha esquecido de amarrar seus filhos em assentos de carro adequados. Nós tínhamos chegado à cena para encontrar dois carros no meio do cruzamento com uma multidão reunida em torno das vítimas. Então esta mulher, a mulher que cheirava a álcool, às onze da manhã, queria que eu atendesse sua filha em primeiro lugar, quando a filha tinha apenas uma laceração acima de seu olho direito devido a alguns cacos de vidros que. Provavelmente uma garrafa de licor de merda. Os oficiais na cena estavam ocupados tentando controlar o tráfego, desde que foi em um cruzamento importante, e não notaram que a mulher atualmente estava me assediando para 'olhar sua filha.’ "Mas o bebê está morto. Não perca seu trabalho nela!" A mulher gritou. A jovem mãe sentada na calçada perto da ambulância ouviu, e, claro, teve que vir participar da festa. "Filha da puta", eu respirei. "Minha senhora, você precisa ir sentar-se na calçada ao lado da sua filha. Nós temos mais médicos chegando. Por favor, vá." Meu temperamento estava começando a se desgastar. "Eu não vou a lugar nenhum." Ela disse quando ela bateu o pé. Embora advertida, quando ela bateu o pé, ela chutou uma nuvem de poeira e detritos no meu rosto e eu me descontrolei.


Movendo-se rapidamente, tomei a mulher pelo braço e a empurrei para longe, antes de voltar ao meu paciente. Eu a vi cair longe com o canto do meu olho. A criança não estava morta, mas ela estava severamente perto, e se nós não conseguirmos controlar a hemorragia, ela sangraria antes que eu pudesse levá-la ao hospital. "Morrison!" Eu berrava. "Tira essa mulher daqui." Morrison, um prospecto do meu clube, obedeceu imediatamente, pulando a fita da cena do crime, ele correu no processo de segurar à mulher que ainda estava piscando estupidamente e tentando chegar até mim. Ele a ignorou e começou a trabalhar. "Limpar!" Sebastian chamou atrás de mim. "Choque em 3, 2, 1." Ouvi nitidamente a voz automatizada a partir da AED9, mas eu estava focado no meu próprio paciente. Eu carreguei a menina na maca e levei para a parte traseira da ambulância. Fiquei aliviado quando vi Sebastian carregar seu próprio paciente para a camionete atrás de mim. Nós dois estávamos trabalhando freneticamente para salvar nossos pacientes individualmente, e eu sabia que eles nunca faria isso, se qualquer um de nós tivesse que conduzir, assim, tomamos uma decisão em fração de segundos, liguei para Tunnel Morrison. "Morrison, fica no banco e dirige!" Eu berrava. Tunnel saltou como se tivesse sido picado na bunda, correndo ao redor da ambulância, fechando as portas, e, em seguida, indo para o banco do motorista. "Luzes e sirenes, código um. Vá!" Sebastian insistiu. Morrison arrancou, batendo o pé no acelerador um pouco demais, e em seguida, fazendo uma curva um pouco rápido demais. "Devagar, rapaz! Nós nunca vamos chegar lá, se você não colocar seus nervos sob controle." Eu disse suavemente. "Droga. Você vai ter que começar um IO10. Não consigo encontrar a porra de uma veia em qualquer lugar. Filho da puta." Eu amaldiçoei.

9

Desfibrilador Externo Automático Infusão intraóssea

10


Sebastian não podia legalmente executar uma IO uma vez que ele era apenas um intermediário. Como eu era o paramédico, eu teria que realizar o procedimento. Em um pequeno bebê. Foi duro o suficiente fazer esse procedimento em um bebê tão jovem, mas com tanto sangue quanto o bebê tinha perdido, ainda na área do acidente, tornou-se quase impossível de realizar. Um IO só é utilizado em pacientes que não têm quaisquer outras opções. Parecia uma chave de fenda pequena que era usada para perfurar o osso e assim levar fluido direto para a medula óssea. Embora seja feito de forma crua, a técnica funciona. Mesmo em bebês. Tirei minhas luvas e substituí por novas, troquei de lugar com Sebastian desajeitadamente e, em seguida, comecei a trabalhar. Tunnel diminuiu o ritmo moderadamente, e Sebastian e eu trabalhamos lado a lado na colocação dos fluidos, verificando os sinais vitais, e estancando o fluxo de sangue durante o percurso para o hospital. Quando chegamos, nós levamos nossos pacientes para diferentes salas antes de dar os nossos relatórios para os enfermeiros e caminhar de volta para o camionete. "Deus, eu odeio isso." Sebastian soou como se tivesse sido espancado. Bebês e crianças eram difíceis para qualquer um trabalhar, mas quando você tem um filho, as comparações começam a serem feitas, e você acaba tornando-se doente imaginando seus próprios filhos se machucando assim. Meus olhos piscam olhando para meu melhor amigo, antes de voltar ao Tunnel que estava praticamente desesperado, ao lado do camionete. "Nunca foi fácil lidar com os bebês, mas agora eu tenho certeza que é mais difícil para você, Ian. Desculpe-me." Eu disse, genuinamente arrependido para meu amigo. "Será que eles vão sobreviver?" Perguntou Tunnel baixo já que ele estava a uma distância que ele não precisava gritar. Sebastian bufou. "Esse garoto tem que ser tão verde! Que diabos você estava pensando?"


Eu estava atualmente patrocinando Tunnel. Tunnel era seu nome de batismo, um nome que ele odiava com cada fibra do seu ser. Eu vi alguma coisa no garoto que eu tinha visto em mim alguns anos atrás. Tunnel como eu, tinha sido expulso da casa de seu pai quando ele tinha dezoito anos por namorar uma menina mexicana e deixá-la grávida. Assim como eu tinha... Eu fechei minha mente antes que ela pudesse voltar a esse lugar escuro. Isso não era algo que eu queria pensar agora, especialmente quando eu tinha acabado de atender uma chamada de crianças e jovens. Particularmente uma que se tratava de uma jovem mãe que não tinha nenhuma noção de como cuidar de seus filhos. O que diabos essa mulher estava pensando que não colocou seus filhos na cadeirinha para crianças? Apesar de não ser 100% eficazes, a maioria das chamadas anteriores poderiam ter sido evitadas. Bastou um instante solitário no tempo para mudar o curso da vida daquelas das crianças. Meu próprio bebê não tinha... "Kettle!" Sebastian grunhiu estalando os dedos na frente do meu rosto. "Onde você foi?" "Para o inferno." Eu murmurei antes de pisar no lado do passageiro da camionete. Para o inferno de fato. "Você pode me deixar na sede. Eles levaram o meu equipamento de volta." Tunnel explicou rapidamente. Sebastian assentiu, mas não fez comentários sobre isso. Olhando para baixo, estudei minhas roupas e fiz uma careta. Estas teriam de ser enviadas para o serviço de limpeza a seco do departamento. Havia muito sangue... e outras coisas, e eu não poderia deixar Adeline lavá-las. Falando de Adeline, meu telefone começou a vibrar no meu bolso, e eu puxei para fora com cuidado, evitando o sangue que praticamente revestia minha perna da calça. "Olá?" Eu respondi. "Tiago?" Ela tossiu.


"Addy, o que está errado? Você está bem?" Eu perguntei rapidamente. O pé de Sebastian aliviou um pouco no acelerador, avaliando o que estava acontecendo para ver o que ele precisava fazer a seguir. "Eu estou bem", disse ela. "Eu estou indo para casa doente, no entanto. Eu não me sinto bem. Minha cabeça parece estar do tamanho de um pequeno jato turbo, meus seios estão me matando, e meu corpo dói." Eu relaxei um pouco e voltei às costas para o assento sentindo Sebastian retomar o seu ritmo. "Soa como uma gripe. Você conseguiu sua vacina contra a gripe?" Ela bufou. "Okay, certo. Eu tive gripe todos os anos desde que comecei a ensinar e tive a vacina contra a gripe pelo mesmo tempo. Qual seria o ponto?" "Umm," Eu tive que resistir à vontade de rir. "Possivelmente não ter a gripe agora?" "Cale a boca." Ela fungou. "De qualquer forma, eu preciso de uma carona para casa." Olhei para o equipamento e o estado da minha roupa e soube imediatamente que eu não podia lhe dar uma carona. Ela provavelmente teria um ataque cardíaco. "Eu vou ter que mandar alguém aí. Vou pedir alguém do clube.” Eu disse asperamente. Muito mais duramente que eu pretendia, mas eu podia ver a mulher teimosa chamar um táxi porque quem deveria buscá-la demorou muito. "Tudo bem," ela assobiou e desligou. "Foda-se", eu gemi. "Problemas no paraíso?" Sebastian disse. "Acima do seu." Eu disse antes de chamar o clube para ver quem poderia pegar minha mulher. Acontece que estava apenas o presidente na residência e ele teria que fazer.


Eu entrei mais tarde naquela noite para encontrar Silas sentado em minha cadeira, bebendo minha cerveja, e vendo o meu DVD. "Por favor, sinta-se em casa!" Eu disse secamente quando eu deixei cair meu saco de lona no chão perto da porta. "Sua mulher começou a ter febre alta no caminho de casa, e eu estava preocupado em deixá-la sozinha. Ela começou a falar sobre o pai dela pensando que eu era ele." Silas deu de ombros e tomou outro gole de cerveja. Eu comecei a tirar minhas roupas assim que atravessei o corredor, e já estava de cueca boxers quando entrei no meu quarto. A primeira coisa que notei quando cheguei foi que a TV estava ligada em um filme favorito de Adeline. A segunda coisa foi que Adeline estava vestida em apenas uma calcinha que mostrava as formas arredondadas de seu traseiro e uma camiseta dos bombeiros. Ela parecia horrível. Seu cabelo era uma bagunça emaranhada, peças aqui e ali se agarrando ao suor na testa, e seu rosto estava branco. Andei tranquilamente para não acordá-la, senti a testa e estremeci com a temperatura de 40 graus, pelo menos. Caminhando para minha cômoda, peguei o primeiro par de moletons que eu encontrei e vesti antes de voltar para a sala de estar. "Quando foi a última vez que ela tomou um remédio?" Eu perguntei a Silas quando eu passei por ele para a cozinha. "Ela tomou um ibuprofeno às sete." Respondeu Silas. Olhando para o relógio do micro-ondas, percebi que ainda faltavam mais de duas horas antes que ela pudesse ter isso de novo, estendi a mão para o Tylenol e peguei duas pílulas. Então eu peguei um copo de água gelada antes de voltar para o quarto. Coloquei na mesa de cabeceira, sentei na beira da cama e alisei o cabelo de Adeline enquanto eu falava calmamente com ela. "Addy? Mel? Você precisa acordar e tomar essas pílulas. Sua febre está muito alta." Ela gemeu, sentou-se e estendeu a mão para os comprimidos. Que ela prontamente descartou. "Aqui," eu disse enquanto ela fugiu para perto de mim.


Com o meu braço em torno dela por trás e minha mão em sua barriga, eu a segurei enquanto eu pegava as pílulas da mesa. Segurei até sua boca e deixei-os cair antes de dar-lhe um gole de água. Ela fez uma careta e depois caiu de volta contra mim completamente mole. "Sinto-me como uma merda." Ela choramingou. "Sim", eu concordei. "Eu aposto que você sente." "Ouvi dizer que você teve um dia ruim. Baylee me enviou uma mensagem de texto algumas horas atrás. Eu sinto muito." Ela choramingou, beijando meu pescoço suavemente. "Tudo bem, querida. Voltando para casa faz tudo ficar melhor." Eu disse suavemente. "Eu sei", ela choramingou, tossiu, e então resolveu voltar para os meus braços. "Eu te amo." Em seguida, ela desmaiou, e eu estava tão alto como a porra de um foguete.


Acordei às cinco da manhã, seis dias depois, finalmente capaz de respirar. A primeira coisa que eu vi quando abri os olhos é que Kettle estava de volta. Ele estava enrolado em seu lado, com os braços esticados ao longo do topo da sua cabeça, e ele não parecia confortável. Sorrindo, levantei-me em silêncio e entrei no banheiro para tomar um banho rápido, que acabou durando quase meia hora. No entanto, me senti bem, finalmente sendo capaz de tomar um banho sozinha. Quando eu saí, eu me sequei com a minha toalha favorita me envolvendo completamente e apaguei a luz antes de sair do banheiro. Kettle ainda estava dormindo, só que agora ele estava no meio da cama. Era como se ele percebesse que eu tinha ido embora, e assim pegou meu travesseiro como um substituto para o meu corpo. Vesti tranquilamente as calças de moletom e a blusa do corpo de bombeiros de Kettle, fui para a cozinha e tive minha primeira xícara de café em quase uma semana. Meu suspiro de felicidade ecoou na cozinha vazia quando eu peguei um cobertor e saí para a varanda dos fundos. Sentei-me na


poltrona que Kettle tinha colocado para que eu relaxasse com visão do quintal nos fundos e suspirei de felicidade. Abri o aplicativo de leitura no meu telefone e li por quase uma hora antes que eu ouvisse sons na casa além de mim começando a agitar a vida. Kettle bateu na janela quando ele finalmente chegou na cozinha, fazendo-me olhar para cima e sorrir para ele. Quando ele acenou com iPod para mim e fez o sinal universal de corrida, eu levantei meu polegar em positivo e acenei quando ele desapareceu de vista. Vinte minutos mais tarde, enquanto corria pela rua que se alinhava com a parte de trás do nosso prédio, eu, claro, tive que assobiar para ele. Colocando o polegar e o dedo indicador em forma de C, eu coloquei os dois dedos na minha boca e assobiei para ele. Levantando o punho no ar, ele acenou e virou a esquina no topo do nosso complexo de apartamentos. Infelizmente, hoje ele estava encobrindo esse belo corpo já que estava fazendo quinze graus lá fora. Me voltei e refiz meu caminho para a varanda da frente quando dei de cara com o peito de um homem que estava de pé à frente da nossa porta se preparando para bater. "Oh," eu disse esfregando minha testa. "Desculpe-me. Eu não sabia que você estava batendo. Eu estava na varanda de trás. Posso ajudá-lo?" O homem era mais velho, cinquenta e poucos anos ou mais, e em boas condições para a sua idade. Ele estava usando um par de calças pretas com sapatos pretos brilhantes, e um casaco de linho azul pálido sobre a camisa. Seu cabelo era preto com prata nas têmporas. Quanto mais eu olhava para ele, mais eu percebia que ele se parecia muito com alguém que eu conhecia. Eu não conseguia pensar em quem, até que eu vi Kettle correndo pelo estacionamento para de repente parar bruscamente em frente onde era o meu antigo apartamento. Uma vez eu tive os dois no meu campo de visão, eu soube imediatamente que eles estavam relacionados, mais provável pai e filho.


Kettle não falava muito sobre sua família, e quando o fazia, era sobre Shannon, sua irmã. Eu sabia que Kettle e seus pais tiveram uma briga, mas eu não sabia sobre o que, e sabia que Kettle não me deixava intrometer neste assunto. Ele praticamente ficou emburrado por pelo menos uma hora depois que eu tinha perguntado sobre seu pai. Só que agora, eu estava desejando saber o que diabos fazer. Será que eu devo bater à porta na cara dele e chamá-lo de um bastardo do mal? Ou convidar para entrar? Será que devo gritar e gritar com ele por abandonar o seu filho? Acontece que, eu não tive que fazer nada, porque Kettle já estava na porta me empurrando, sempre muito gentil, para dentro e batendo a porta na minha cara. Eu podia ouvir a voz alta de Kettle, seguido pela voz suave do homem mais velho, e eu senti que era melhor apenas ir para o quarto no caso deles virem para dentro. Era óbvio para mim que Kettle não queria seu pai lá, e mais ainda, que ele não me queria em qualquer lugar perto de seu pai. Eu fiz a única coisa que eu podia pensar, e que iria manterme fora do alcance das suas vozes. Fui para o quarto, fechei a porta, e liguei a TV.

"Que porra é essa que você quer?" Eu rosnei para o meu pai. Meu pai se encolheu ligeiramente no puro veneno na minha voz, mas eu não senti nem um pouco de remorso. "Eu vim porque sua esposa..." Meu pai começou antes que eu o interrompesse. "Ela não é minha esposa." Eu rosnei. "Você a viu, é isso não é?" Minha esposa? Que piada do caralho. Eu conheci minha ex-mulher, quando estávamos na escola. Ela tinha sido a menina do lado errado da sociedade, e eu tinha sido o menino rico que ficou enlaçado em sua teia.


Ela estava procurando um modo de se manter bem financeiramente enquanto eu pensei que eu realmente estivesse apaixonado. Então eu tinha engravidado ela. Quando eu tinha ido para casa contar aos meus pais sobre o bebê, meu pai perdeu sua cabeça. Ele me disse para "tomar conta disso", então empurrou algum dinheiro na minha mão como se fosse tudo o que eu tinha direito. Quando eu me recusei, meu pai me expulsou. Eu não tinha experiência em nada, no mínimo. Antes de ser expulso, minha mãe se recusou a me deixar trabalhar, com medo de deixar seu filho ir e acontecer algo comigo novamente. O que significava que eu estava sem emprego, sem casa, e eu tinha uma namorada grávida para cuidar. Eu fiz a única coisa que eu conseguia pensar naquele dia, e foi me alistar no exército. Eu tinha feito isso sem o conhecimento de Rosalie. A situação toda se tornou um merda depois disso. Rosalie tinha concordado em ser minha esposa, e nós ficamos com amigos uma vez que nossos pais não nos permitiram voltar para casa. Dentro de alguns meses, eu estava em treinamento, e, em seguida, seis semanas depois, fui enviado ao Afeganistão para ajudar a combater na guerra ao terror por um ano. Nesse tempo, a minha noiva deu à luz a nossa filha, e, em seguida, encontrou outro homem, que tinha batido na minha filha até a morte quando ele descobriu que não era sua. Durante todo esse tempo, eu estava do outro lado do mundo, no meio de um tiroteio. Quando eu tinha voltado para casa em uma licença de emergência, meu pai queria fazer amizade, como se nada tivesse acontecido. Eu me recusei, e nós não tínhamos nos falado desde então. "Rosalie nos procurou para saber notícias suas. Ela diz que tem algumas coisas a dizer e que ela realmente quer falar com você. Eu concordei em lhe entregar esta carta pessoalmente em mãos e só assim ela parou de ligar. Então, aqui está." Meu pai disse enquanto empurrava uma carta na minha mão e saiu tão rapidamente como ele veio.


Olhei para o pedaço de papel como se fosse uma granada e tive que me conter fisicamente de rasgá-la em pedaços e queimá-la até as cinzas. Quando eu entrei no apartamento, eu estava contente de ver que Adeline não estava lá. Eu precisava de algum tempo para processar tudo. Eu não queria jogar meus demônios nela. Ela não merecia isso, mas eu também não acho que eu poderia segurar meu temperamento por muito mais tempo, o que me levou a fazer o que eu fiz em seguida. "É hora de ir visitar o irmão." Eu disse a Silas quando ele atendeu ao telefone. "Chegue à sede do clube em dez minutos", Silas confirmou antes de desligar o telefone. Peguei meu colete e dei de ombros com o meu moletom, peguei minhas chaves fora do gancho, e saí sem dizer mais nada. Eu esqueci a carta e toda a merda que veio junto com ela no balcão ao lado do meu porta-chaves, não percebendo até muito, muito mais tarde no mesmo dia. Chegamos a uma pequena casinha, no meio de um bairro, em Shreveport uma hora mais tarde. Silas puxou sua moto junto ao meio-fio em primeiro lugar, seguido logo por Loki, e depois eu. Eu chutei a perna e fiquei de pé, esticando minhas articulações uma a uma antes de dar um passo em frente na calçada. "Jesus, você não poderia ter usado uma camisa ou algo assim? Está frio como o inferno." Eu olhei para Loki. Loki sorriu. "Alguém tem que parecer como um louco. Eu acho que todas as minhas tatuagens vão ajudar. Isso e minhas cicatrizes fazemme o mais viril." "Silas, por que você patrocina esse palhaço de novo?" Eu brinco quando nós caminhamos até a porta da frente. "Porque ele pode quebrar o braço de um homem em cinco lugares em menos de três segundos." Disse Silas instantaneamente, fazendo-nos rir. Meus olhos foram para a porta da frente da casa ao lado do Sr. Jefferson Samuel Sheffield ao ver uma velha senhora quase caindo da cadeira de rodas, tentando ter uma boa olhada de nós.


"Temos companhia", eu sussurrei. "Já percebi." Disse Silas em sua maneira autoritária que ninguém se atreveria a questionar. Não nós. Silas grunhiu quando ele bateu tranquilamente na porta, e o homem que atendeu a porta, momentos depois estava verdadeiramente... Bem perturbado. Ele parecia um babaca, pura e simples. Vestido com um par de jeans vincadas e uma camisa polo com a gola armada como um verdadeiro vencedor, ele tinha o mesmo cabelo escuro das suas irmãs, mas sua pele era pálida, e ele se contorceu como se estivesse descendo de um lugar alto. "Posso ajudar vocês?" Perguntou Jefferson cautelosamente. Bom, ele sabia quem éramos. Agora, viemos para dizer-lhe quem pertencia a nós. "Sim, com certeza você pode." Disse Silas quando nós empurramos nosso caminho através da porta. Cheguei em casa um par de horas mais tarde para encontrar Adeline na cama, com as mãos envolvidas em torno dos joelhos. "Oh, Kettle," ela choramingou quando ela levantou a mão até sua bochecha e enxugou as lágrimas que caíam. "Oh Deus. Kettle, eu sinto muito." Olhei para ela em confusão. "O quê?" Perguntei. Ela levantou a carta para mim, e de repente me tornei furioso. "Eu lhe disse para ler as minhas cartas pessoais?" Eu berrava. Ela estava começando a rastejar para fora da cama, mas de repente voltou a se sentar endurecendo e me olhou com surpresa. "Não", ela disse hesitante. "Mas eu encontrei ao lado da mesa. Eu estava indo para ir comprar alguns presentes de Natal, mas depois me lembrei de que você me disse que eu não poderia sair sem alguém comigo. Então eu devolvi as chaves de volta e vi isso. Eu pensei que era uma carta sua para mim, então abri e eu só..." De repente eu não me importo. Eu não quero que ela saiba a parte feia da minha vida. Não quero que ela saiba a minha maior vergonha.


E ela tinha roubado essa opção de mim por se intrometer nos meus negócios. "Quando eu sair, eu espero que você tenha suas coisas prontas para ir embora. Vou ligar para Trance vir buscá-la. Deixe a chave na mesa". Não demorou muito para o meu temperamento esfriar. Nem mesmo uns dez minutos de carro pela estrada e eu percebi que tinha fodido as coisas. Realmente fodido. Eu percebi o meu erro e voltei ao apartamento dentro de uma hora, mas ela já tinha ido embora. Percebendo tarde demais que, na minha pressa para sair, eu nunca tinha chamado Trance para me certificar de que ela estava segura.


"Onde é que ela está?" Eu perguntei a Trance por telefone. Trance suspirou, e eu sabia que não ia ficar muito feliz com a notícia. "Ela abandonou o telefone em algum lugar no Alabama. Ela tirou uma grande soma do 401K11 no sul de Louisiana e não tem usado seus cartões deste então." Ele disse frustrado. "Tudo bem, dê-me um minuto. Eu acho que eu conheço alguém que pode ajudar. Não sei onde diabo Silas esteve nos últimos três dias, mas ele com certeza está me irritando." Rosnei antes de desligar e discar um número que Sebastian tinha me entregado mais cedo. O telefone tocou três vezes antes de um homem com a voz áspera respondeu. "Olá?" "Sou Tiago Spada. Eu tenho seu número a partir de..." Eu comecei a dizer mas o homem me interrompeu "Sei quem você é, cara. O que posso ajudá-lo?" Disse Jack sem enrolar. Jack era autônomo. É o nome de um tipo de plano de aposentadoria patrocinado pelo empregador, adotado nos Estados Unidos e outros países, e recebe este nome em razão da seção do Código Fiscal norte-americano, em que está previsto. 11


Eu o conheci apenas algumas vezes antes, devido a irmã de Sebastian estar casada com um dos homens que trabalhava com ele. Jack e sua esposa, Winter, eram gênios da computação de uma fundação independente, e poderia encontrar qualquer um, em qualquer lugar, a qualquer momento, ou pelo menos assim eu ouvi. Na maioria das vezes mais rápido do que os contatos de Silas. Pelo que eu percebi, Jack e Winter eram hackers de computador. Embora eles fossem os 'mocinhos' eles ainda faziam merda ilegal. Mas eu não dei a mínima naquele momento, tudo que eu queria era minha mulher. Agora. "Eu preciso saber do paradeiro de alguém." Vinte minutos mais tarde, eu estava imprimindo direções pelo Google Earth das coordenadas de Adeline e caminhando para minha moto quando Trance me parou. "Se você nos der uma hora, nós vamos andar com você. Não me importaria com uma curta viagem, se você sabe o que quero dizer." Eu me virei e olhei Trance. "Vou ter que rastejar um pouco, cara. Não tenho certeza se quero que você seja testemunha da merda que eu vou ter que fazer para recuperá-la." Trance acenou com a mão no ar como se para limpá-la. "Vamos esperar lá fora até que você tenha essa merda resolvida. Com sorte, podemos estar de volta amanhã de manhã, no mais tardar.”

“Quanto tempo mais você vai ficar deitada e comendo assim?" Viddy me perguntou pelo telefone.


Olhei para o caramelo coberto de pipoca na minha mão e dei de ombros. "O tempo que eu quiser, porra." "Você não deveria amaldiçoar assim na véspera de Natal. Não é muito bom." Viddy disse, e eu ouvi ela mexendo e misturando enquanto se movia em torno de algo ao fundo. Viddy era uma desajeitada. Quando seus outros sentidos estavam focados em outro lugar, ela se esquecia de prestar atenção ao seu redor. "Como você chegou lá?" Eu perguntei, virando minha atenção para Sons of Anarchy, programa de tv que eu estava assistindo. Eu não sei por que eu estava assistindo isso. De alguma forma me fez sentir mais perto de Kettle. Isso, e talvez estivesse me torturando. Eu não deveria ter lido a carta depois de perceber o que era. Eu sabia nas primeiras três linhas que eu não deveria estar lendo isso, mas eu estava tão horrorizada que eu continuei lendo até o final da página, e não parei para pensar até que eu terminei. Paul tinha convidado Viddy para a casa de seus pais na véspera de Natal, e ela aceitou, mesmo que ele se recusou a me deixar ir. Não que eu teria ido de qualquer maneira. Eu estava muito deprimida para pensar em ninguém além de mim. Oh, e eu estava na Flórida, quase dez horas de distância. "Chamei um táxi", ela murmurou. Revirei os olhos. É claro que ela chamou um táxi. Paul era um idiota de primeira classe. O que mais eu esperava? Ele não viria buscála. Era véspera de Natal, e Paul estava ocupado. Por que alguém iria esperar que ele fosse pegar sua namorada cega para seu primeiro Natal com seus pais? Eu não conseguia parar o tom de diversão na minha voz. "O seu rapaz é um verdadeiro vencedor." "Sim?" Perguntou Viddy. "Bem o seu é um verdadeiro vencedor também. Quem chuta sua namorada para fora de sua casa no meio da noite, quando ele sabe que ela não tem pra onde ir?" "Ele estava chateado." Eu disse sem muita convicção. "Bem, que seja", disse ela. "Escute, eu tenho que ir. Deseje-me sorte." "Eu te amo, Viddy. Feliz Natal. Boa sorte." Eu disse antes de desligar. Em seguida, me enrolei de lado e comecei a chorar.


Eu disse a mim mesma que eu estava chorando tanto por causa do meu período. Na realidade, eu estava sentindo pena de mim mesma. Ele tentou falar comigo depois de uma hora para pedir desculpas, e eu lhe enviei um texto em resposta mandando ele se foder. Ele então me disse para me acalmar. Agora eu estava em um quarto de hotel na Flórida, passando o Natal sozinha, comendo três diferentes sabores de pipoca e assistindo meu novo show favorito. Oh, e ignorando os apelos de Kettle. Eu estava fazendo isso muito bem. Na verdade, eu tinha deixado o meu carregador e não tinha mais nada, além do telefone do quarto, que tinha trabalhado bem a meu favor já que minha irmã me disse que ele tinha tentado rastrear o meu telefone, mas tinha chegado a um beco sem saída em algum lugar no Alabama, onde meu telefone ficou. Uma vez que fiz uma retirada de três mil do meu 401K*, eu peguei e segui para a Flórida, pagando em dinheiro por uma semana de alimentação e um quarto de hotel com vista para a praia. Sorte para mim que era a temporada de férias e tive um belo desconto. Caso contrário, eu teria que me contentar com o péssimo lugar do outro lado da rua que não têm vista para o mar e nem internet via cabo. O telefone tocou, e eu o peguei com aborrecimento. "O que você quer? Jesus, eu te disse que eu estou bem!" Rosnei para a minha irmã. A mesma irmã que tinha me chamado cinco vezes nas últimas quatro horas para se certificar de que eu não estava pendurada no chuveiro ou fumando maconha pela primeira vez. "Sério? Bem, eu não estou. Deixe-me entrar." Kettle falou a partir do outro lado da linha. Bati o telefone no gancho e olhei para ele antes de decidir que o melhor curso de ação era tomar um banho e ignorá-lo até que ele fosse embora. Olhando para o bloqueio da porta para garantir que estava devidamente trancado, eu comecei a tirar minha roupa, o meu shorts


curto e a parte superior do top que havia comprado no Wal-Mart mais cedo naquela manhã e a minha pipoca. Sorri quando vi o banheiro, pensando que quando eu finalmente tivesse dinheiro suficiente, eu estava definitivamente comprando um chuveiro como este. Depois que pagar de volta o meu empréstimo 401K, e ter um novo apartamento. E roupas novas. E sapatos. E comida. Caramba, mas eu estava sem dinheiro. Eu ainda tinha uma dívida de empréstimo estudantil para pagar, e eu realmente não deveria ter vindo para a Flórida. Eu estava louca embora, essa é a minha única desculpa. Soltando meu cabelo do coque bagunçado em cima da minha cabeça, eu entrei no chuveiro diretamente sob a água aquecida. A água estava divina, correndo sobre a minha face e cabeça, antes de cair em cascata pelo o meu corpo. Levantei os meus braços para cima e comecei a ensaboar primeiro meu cabelo grosso, suspirando de prazer. Então, dois braços deslizaram em volta do meu corpo, e eu fui para trás de encontro a um corpo liso, duro. Deitando minha cabeça para trás, eu me deixei ser abraçada por Kettle, sonhando com a vida que tínhamos, e então eu violentamente sufoquei esses sentimentos antes de me virar nos braços dele, fechando minhas mãos em punhos para trás e acertando ele no rosto. Eu bati-o nos olhos. O bastardo nem sequer pestanejou. Nem mesmo uma única polegada de movimento. "Eu odeio você", eu disse antes que as lágrimas começassem a fluir. Os olhos de Kettle fecharam como se estivessem com dor. Ele abriu os olhos e viu o fluxo de lágrimas no meu rosto, tentando em vão enxugá-las com as pontas dos seus polegares. "Por favor", disse ele com voz rouca. "Por favor, pare." Eu balancei a cabeça rapidamente. "Eu não posso. Você realmente me machucou."


Eu saí de seus braços fortes e fugi do chuveiro. Agarrando a única toalha sobre a cômoda, eu rapidamente me sequei antes de jogá-la para onde ele estava pingando sobre o tapete. Ele pegou com uma expressão desesperada e assistiu do banheiro enquanto eu comecei a vestir um par de calças de pijama e coloquei uma das camisetas dele. Então eu pensei melhor, tirei a camiseta e joguei no chão antes de ir para o saco de roupas novas que tinha comprado puxando uma blusa de alças em vez disso. Seus olhos observavam todo o show que eu fazia, mas não disse nada até que eu estava completamente vestida. Então ele colocou o seu jeans por cima das suas pernas, os pés molhados. Em seguida, começou a fechar, mas não o botão, ignorando totalmente as cuecas, camisetas, meias e sapatos. Sentei-me na cama, me envolvendo em um edredom como uma armadura. "Conte-me tudo." Eu disse suavemente. Sua cabeça pendia. "Meu bebê era de quatro semanas de idade, quando o namorado de Rosalie, na época, descobriu que o bebê não era dele. O homem porra surtou, jogou meu bebê do outro lado da sala como uma boneca de pano maldita. Ela não fez nada, mas o cara continuou a mutilar seu corpo pequeno. Em seguida, ele bateu bastante em Rosalie. No início, eles tentaram dizer que o bebê nunca existiu, mas não era verdade. Liguei para minha mãe, porque eu não conhecia mais ninguém a quem poderia ligar. Ela foi até a casa e não viu qualquer sinal de seu neto. Depois ela foi à polícia junto com o meu pai, e iniciaram uma investigação." Ele disse rigidamente. Eu balancei minha cabeça. As coisas que saíam da boca de Kettle pareciam tão surreais, como se fosse um filme ou algo assim. Coisas como essa só aconteciam, se fossem criadas para um enredo de filme. Isso não acontecia na vida real! "Então o que aconteceu?" Perguntei triste. Kettle deu de ombros. "Meu pai passou a agir como o avô de luto. Da parte da minha mãe, eu acredito que era realmente genuíno. Os detetives iniciaram uma investigação. O namorado de Rosalie enterrou


nosso bebê no quintal e, em seguida, colocou uma pilha de lixo em cima dela.” Meu coração estava ferido por ele. Eu sabia que ele realmente poderia precisar de um abraço agora, mas nós não terminamos. Nós temos mais algumas coisas a discutir antes de eu sequer cogitar a possibilidade de estarmos juntos novamente. "Por que isso é algo que você não estava disposto a discutir comigo?" Eu perguntei quando eu arranquei um pedaço de fiapos invisíveis do edredom. Seu suspiro era audível quando ele se sentou ao meu lado. Não me tocando, mas próximo o suficiente para que eu pudesse toca-lo a qualquer momento, se quisesse. "Eu pensei que era a fofoca da cidade, honestamente. Eu pensei que você já sabia. Isso aconteceu já a algum tempo e todos ainda olham para mim como se eu pudesse quebrar se não tiver cuidado com o que dizem na minha frente. Não é uma coisa agradável para falar, e isso me faz um louco maldito, que eu não consigo ver direito. Sempre foi e sempre será assim. Eu só estou falando sobre isso agora porque você precisa ouvir." Ele explicou aproximando. Eu balancei a cabeça. Eu podia ver isso. "Você leu a carta?" Eu olhei para ele. Ele balançou a cabeça rapidamente. "Eu não li. E também não quero nunca falar com ela novamente." "Você gostaria que eu dissesse o que ela disse?" Ele pensou por alguns segundos antes de encolher os ombros. "Eu não posso prometer que vou gostar do que você tem a dizer, mas eu estou disposto a ouvi-la até que eu não aguente mais." "Não houve realmente muito. Ela saiu da prisão no mês passado. Ela está arrependida do que aconteceu. E ela foi diagnosticada com câncer terminal, há alguns meses. Realmente, era o que estava escrito. Ela só queria pedir desculpas pelo que aconteceu com sua filha." "Então, ela não disse nada sobre o que aconteceu antes disso?" "Não, ela falou sobre o homem que fez isso, e como ela estava arrependida por ter mentido para você. Ela desejava que ela pudesse ter dito a verdade, e pediu para você perdoá-la se pudesse." Eu disse suavemente.


Ao aceno de cabeça, ele me contou tudo. Absolutamente todos os detalhes do que aconteceu até ele entrar para o exército, e o que aconteceu depois quando ele descobriu sobre a morte de sua filha. "Seu pai soa como um pau enorme." Eu disse no silêncio que se seguiu. "Enorme." Ele disse secamente. "Você não falou com qualquer um de seus pais desde então?" Perguntei, finalmente virando para ele. Ele parecia doente. Seus olhos estavam assombrados. Sua pele estava pálida e úmida. Seus punhos estavam cerrados tão apertados que eu estava preocupado com o estado de seus dedos. Agindo por instinto, eu estendi a mão do meu casulo no edredom e o toquei em um punho primeiro, e depois o outro e ele relaxou imediatamente. "Minha mãe, uma ou duas vezes no meu aniversário. Meu pai é muito teimoso, porém, por isso é raro que ele rompa seu domínio sobre ela e trabalhe a coragem de chamar. Eu sempre falo com ela, embora." Kettle explicou. "Então onde é que sua irmã se encaixa em tudo isso? Como é que ela foi chutada para fora?” Eu questionei. "Minha irmã é muito volúvel. Ela é uma ótima garota, e eu a amo até a morte, mas eu não sei. Eu acho que ela não estava conformada com os desejos do meu pai em não falar comigo ou algo assim. Ele disse a ela que era o fundo fiduciário ou eu. Claro, ela era estúpida o suficiente para me escolher. Ela é uma das melhores pessoas no mundo, uma vez que você começa a conhecê-la." Eu balancei a cabeça para ele. "Sua irmã deve ser especial para desistir de algo parecido. Ela deve realmente se preocupar com você." "Ela faz, e eu me importo com ela." Ele balançou a cabeça em concordância. Movendo-me para fora do edredom, rastejei para ele até que eu estava montada em seu colo. Minha frente colada com a sua. Não era sexual embora. Não agora. Olhando em seus olhos, eu segurei seu rosto com as mãos antes de me inclinar lentamente beijando-o suavemente nos lábios.


"Não me deixe de fora novamente. Por favor." eu sussurrei contra sua boca. Ele estremeceu. "Eu não vou. Eu te amo." Eu sorri amplamente e o abracei um pouco mais forte. “Eu também te amo.” "Eu preciso te contar sobre o seu irmão. É o que eu estava fazendo depois que meu pai deixou a carta e saiu." Ele disse, hesitante. Sentei-me para trás, colocando alguma distância entre nós, mas ele não gostou e passou os braços em volta da minha parte inferior das costas e me puxou de volta em seu peito. "Ok", eu disse cautelosamente. Suas mãos enormes esfregaram minha parte inferior das costas suavemente quando ele começou a explicar. “É a maior bagunça, mas, tanto quanto podemos imaginar... bem seu irmão está no meio de toda esta merda. Os meninos que eram responsáveis pelo fogo em seu apartamento, decidiram jogar o jogo da culpa e dizer quem era o grande chefe, e que era inteiramente culpa sua. Ele reconheceu o seu nome imediatamente. Seu irmão devia a ele por algum vício em drogas que não podia apoiar plenamente, e seu preço era ser o elo entre ele e os fabricantes. E você." "Eu?" Eu recuei. Kettle assentiu. "Sim. Gustavo Amadeus não pode deixar passar que um de seus funcionários o denunciasse. Ele então resolveu fazer de você um exemplo, colocando cada criminoso no norte da Louisiana em sua trilha para trazê-la, mas, em seguida, a dívida de seu irmão caiu em seu colo, e desde então ele espera o seu irmão trazer você até a ele." "Jesus." Kettle assentiu. "Seu irmão deveria se encontrar com Silas no dia seguinte, mas nunca se mostrou. Silas está trabalhando na sua magia em algum lugar, e está movendo montanhas, mas não sabemos realmente onde encontrá-lo". Minha cabeça caiu em seu peito, e eu tremi com pavor. "Você estava certo sobre o perigo." Eu engasguei. Seus braços foram ao redor da minha cintura e me puxou apertado. "Eu não vou deixar nada acontecer com você, eu prometo. Eles


vão ter que passar por cima de mim, e toda a Dixie Warden MC para conseguir isso, o que com certeza não vai acontecer." "Você vai voltar para casa e passar o Natal comigo e minha família?" Kettle falou contra a minha orelha. Eu não sei por que eu estava relutando em ir para casa. Talvez com medo de que eu fiz e as coisas poderiam mudar. "Eu já paguei a semana toda para ficar aqui." Eu tentei. "Não é reembolsável". Ele riu suavemente, fazendo-me saltar levemente contra o peito dele. "Eu já cuidei disso. Eles cobrarão por duas noites. Se você sair dentro de uma hora será cobrado apenas um dia." Ele explicou. "Eu não comprei nenhum presente." Eu tentei de novo. Sua boca passou de uma inclinação para um sorriso. "Eu sei muito bem que você fez isso semanas atrás. Você passou uma boa parte do tempo fazendo compras na internet." Eu amassei meu nariz para ele. "Eles provavelmente estão com raiva de mim." Sua risada era audível agora. "Eles realmente acham que eu sou o louco. Nenhum deles tem quaisquer opiniões negativas sobre você, eu prometo." "Eu vim com meu carro." Eu disse fracamente. Meus lábios passaram por sua orelha, para baixo em sua mandíbula e estabeleceu-se em seus lábios. "Eu vim dirigindo minha moto, mas acho que não vai ser um problema levar seu carro de volta, querida." Ele disse quando ele se levantou, foi até a janela que dava para a entrada do estacionamento e da praia, em seguida, puxou as cortinas para trás. "Puta merda", eu respirei. Cada um dos homens que pertenciam ao Dixie Warden MC estava na praia. A entrada estava absolutamente cheia até a borda com motos. Alguns até tiveram que estacionar na areia.


"Como diabos eles estão tirando suas motos da areia?" Perguntei preocupada quando eu vi uma moto, em particular, enterrada no meio do caminho até as rodas. Os olhos de Kettle foram para a moto em particular e encolheu os ombros. "Isso vai acontecer... eventualmente. Há pessoal suficiente." Baylee estava sentada na traseira da pick-up de Sebastian alimentando sua filha, e quando ela olhou para cima e me viu, ela acenou furiosamente. Retornei o aceno e deixei cair a persiana da janela antes de voltar para Kettle. "Obrigado, Kettle." Ele me pegou me levantando me grudando contra a janela e se inclinou para frente. Ele estava tão perto que eu podia ver as estrias em seus belos olhos azuis. "Então, você vai voltar para casa comigo?" Ele engasgou. No meu aceno de cabeça, ele sorriu. "Eu amo você, Addy." Meus olhos se encheram de lágrimas. "Eu também te amo, Tiago." Ele se inclinou para frente, fechando o último centímetro de distância entre nós dois e me deu um beijo escaldante que eu senti até as pontas dos meus dedos dos pés antes de se afastar abruptamente. Seu calor me deixou, e eu tropecei para frente com a perda de seu corpo. Seguindo os seus movimentos, eu assisti enquanto ele caminhava rapidamente pelo quarto parando ao lado de uma grande caixa. Ele a pegou e voltou até mim ainda encostada contra a janela. "Eu mandei fazer estas para você. Eu sabia que tinha que ser algo diferente, desde que você não pode ser vista andando para a escola com um enorme 'Propriedade de Kettle' pregado em suas costas como todas as outras Old Ladys. Minnie passou uma tonelada de tempo sobre estas, e eu realmente espero que você goste delas." Ele disse quando ele tirou a tampa da caixa. Dentro havia um conjunto assassino de botas. "Oh, Deus", eu respirei. "Meu Deus. Elas são lindas." Couro preto, com cromo colorido e acentos de aço pontudos que foram pintadas de vermelho sangue. Eles eram o par mais durão de botas que eu já vi.


A parte superior das botas era bastante simples, exceto por uma faixa costurada no couro 'Propriedade de Kettle' em negrito branco embaixo. Imediatamente, comecei a tirar as calças de dormir que eu estava usando, empurrando-as para fora das minhas pernas com pressa. Uma vez fora, meticulosamente desfiz as fivelas, desamarrei o couro e coloquei o par de botas. Apressadamente, eu abotoei e, em seguida, me coloque de pé e corri para o vidro espelhado que emoldurava as portas de correr. "Oh Deus. Elas são tão bonitas!” Eu disse levantando minha camisa e a girando, para que eu pudesse olhar para as belezas na parte de trás. "Eu tenho um colete para você, também. Mas estas botas você pode usar para trabalhar. Tudo que você tem a fazer é vestir suas calças sobre elas e de qualquer forma elas são parecidos com botas regulares." Kettle disse suavemente. Eu praticamente derreti em uma poça de gosma ali mesmo. Não dando mais um minuto de lamentação para o que aconteceu arruinar qualquer coisa que tivemos entre nós, eu deixar tudo ir e me lancei para Kettle. Ele me pegou no meio do ar, braços envolvendo em torno das minhas costas com as mãos na minha bunda. "Desculpe-me, eu fugi", eu disse enquanto eu corria meus dedos pelos seus cabelos. Seus olhos estavam focados em mim. "Você é o pau do meu machado. Eu nunca vou desistir de você." O que fizemos a seguir era algo que nunca tínhamos feito antes. Kettle andou para frente até a minha bunda e costas estarem grudadas contra a parede espelhada. Seus lábios procuraram meu pescoço, e ele chupou a parte sensível debaixo da minha orelha, fazendo meus quadris ondular com o seus movimentos. "Nunca me deixe novamente. Eu não acho que eu poderia sobreviver a uma segunda vez, se você me deixar." Ele gemeu antes de sua boca desabar sobre a minha.


A única vez que minhas pernas deixaram os quadris de Kettle foi quando ele tirou minha calcinha. Quase imediatamente, porém, elas retornaram à sua posição anterior. As fivelas das minhas botas conectadas com a pele superaquecida de Kettle, fez ele gritar com a diferença de temperatura. Então sua boca atingiu um ponto extremamente sensível na base da minha garganta e minha cabeça caiu para trás em derrota, já não me preocupando com as minhas botas contra a sua pele. Quando sua boca estava na minha, eu experimentava experiências fora do corpo que enviava minhas habilidades cognitivas em um salto nas alturas. Apenas uma única coisa tornou-se o único foco naquele momento. "Eu quero você dentro de mim", eu disse. Kettle apertou os quadris no meu, movendo-os para trás e para frente, permitindo que a aspereza de seu jeans e seu pau duro passeasse sobre o meu clitóris. O movimento provocou um gemido que estourou fora da minha boca, e eu apertei meus olhos fechados enquanto ele subia mais e mais, levantando minha camisa até meu pescoço antes de capturar um dos meus mamilos com sua boca. A sucção de sua boca era poderosa quando ele passou de um mamilo para outro com determinação obstinada. "Pode gozar com apenas minha boca sobre esses peitos lindos e sua boceta bonita de encontro ao meu jeans?" Ele perguntou quando ele puxou para trás, deixando meu mamilo livre de sua boca. Então ele soprou sobre ele, fazendo meu mamilo apertar e minha buceta tão apertada que doía. "Não", eu balancei a cabeça com firmeza. "Por favor." Ele me deu uma lambida no mamilo antes de chegar entre nós e desfazer o zíper da sua calça. Com esse ato, suas calças caíram e ele me levantou com a mão nas minhas costas, e desceu em mim seu pênis, enchendo-me inteira. Ele rosnou baixo em sua garganta quando ele aliviou de volta lentamente, e deixou o peso contra mim, e eu deixei cair de volta para baixo, duro, em seu comprimento. A cada socada, os nossos grunhidos e gemidos misturaram até que você mal podia dizer de quem era quem.


"Deus, eu senti sua falta. Senti falta disso." Ele disse, correndo o nariz ao longo da minha pele exposta da garganta. Nossa umidade combinada estava fazendo o caminho do pênis de Kettle em mim tão fácil que era quase risível. Parecia que tinha mergulhado em lubrificante com a ausência de esforço que levou para seu pênis afundar dentro de mim. Tatuagens forravam o peito de Kettle, e tudo que eu queria fazer era rastrear cada pedaço com a ponta da minha língua. Ele tinha um sorriso assassino, uma boca de morrer, e o corpo mais quente do planeta. Um olhar para o homem tinha o meu núcleo quente e molhado para ele. Eu estava no processo de lamber seu peitoral esquerdo quando um pequeno toque na janela ao lado de nós teve Kettle congelado, permanecendo com suas mãos grandes e calejadas em meus quadris. Nós dois juntos olhamos para o lado para encontrar Loki lá com um sorriso de comedor de merda, e Trance um pouco mais para baixo das escadas, de costas para a porta, contemplando os marinheiros a distância. Foi quando eu percebi que, embora nós estivéssemos lá dentro, os que se aventuravam perto demais do deck teriam uma visão privilegiada do que nós estávamos fazendo. Assim como Trance e Loki tinham naquele momento. Kettle grunhiu de frustração antes de agir, da melhor forma que podia, com as calças em torno de seus tornozelos até que minhas costas estavam na parede distante, em vez da porta. Ele parou embora? Não. Claro que não. Ele só acelerou. "Isso vai ser rápido. Eu os deixei sozinhos por muito tempo e agora eles estão querendo saber como as coisas correram." Ele rosnou quando começou a empurrar mais difícil. Ele levantou uma das minhas pernas segurando pela coxa, então começou a me foder com golpes profundos, duros. Quando senti seus pelos pubianos grossos batendo contra o meu clitóris latejante cheguei ao orgasmo em uma velocidade impressionante.


Eu gozei tão rápido que eu me senti entorpecida e com muito pouco ar em meus pulmões. Nós dois emitimos um chiado baixo ao mesmo tempo. Meu núcleo quente continuou apertando seu pênis, trabalhando-o como um quente e molhado punho pulsante quando um segundo orgasmo quase me levantou do chão. Um rosnado de Kettle escapou contra a minha boca, e nossas línguas duelaram quando nossos orgasmos rasgaram através de nós. Sentia doer em mim um prazer que eu nunca tinha sentido antes. "Foda-se", ele falou alguns minutos depois quando ele deixou cair as minhas pernas que estavam em torno de seus quadris para o chão. Minhas botas atingiram o chão com um clique suave quando eu mudei nossas posições ligeiramente, sentindo sua semente vazando de mim, escorrendo lentamente para fora da minha buceta e descendo pelas minhas coxas. "Eu tenho que tomar um banho", disse antes de sair correndo para o banheiro, deixando Kettle para lidar com o nosso pequeno problema. Então eu ri para mim mesma. Eu era uma puta.


Quinze horas depois nos encontrávamos todos reunidos em torno de uma enorme mesa no meio do clube. Todos os sofás e cadeiras que eu tinha visto na minha visita anterior foram empurrados para um canto da sala. Rock Star Christmas de Pandora Station, estava tocando através do Iphone de Kettle, que foi conectado a alto-falantes e eu estava tendo uma sensação de merda querendo explodir em mim. Eu tinha ido a muitas festas no clube do meu pai, mas eu era uma jovem garota, e as crianças não têm o mesmo nível de participação em um clube como adultos. Então aqui estava eu no meio da mesa com Baylee de um lado, e Kettle, do outro. Bebê Blaise estava em meus braços, vestida adoravelmente em seu minúsculo macacão que dizia, 'Feliz Natal Animal Imundo' nele, e isso me fez ter essas ideias novamente. Baylee estava atualmente falando de uma chamada que tinham atendido na semana passada, e Trance bufou quando a ouviu recontar. "Qual foi a chamada mais louca que você já teve?" Eu perguntei a Trance. Trance pensou por alguns segundos, os olhos indo longe, antes dele sorrir largamente.


"Bem, não foi a primeira vez que fui chamado pelo pessoal da assistência oficial. Eles tinham um homem se masturbando no Wal-Mart em um daqueles bancos das áreas internas. Ele só estava fazendo a coisa a céu aberto para que todos pudessem ver. De qualquer forma, o primeiro policial que chegou à cena, era um policial novato que nunca tinha estado em uma chamada individual antes. Então, ele foi tentar persuadir o homem a parar, mas enquanto isso surgiu uma multidão em torno dele, e ele realmente não pode fazer muita coisa além de falar com o homem." começou Trance. Ele pegou sua cerveja, tomou um gole, e a colocou para baixo antes de continuar. "Enfim, ele chamou reforços, e dois policiais experientes apareceram. Naturalmente, aconteceu a mesma coisa. O cara ainda está acariciando suas partes na frente de Deus e do país, enquanto os três policiais tentavam, com muita calma, dizer para ele parar. Realmente não se podia fazer muita coisa, porque o cara estava dopado com metafetamina. Então o show começou quando o novato perdeu a aposta do trio, e foi forçado a realmente colocar a algema no cara. Assim que o policial tocou a cara, ele surtou. Em um segundo ele está calmo e apenas se acariciando lentamente, e no próximo ele fica porra selvagem e começa a atacar a polícia e a multidão. Não vamos esquecer que ele ainda estava trabalhando em seu pênis." Trance riu. Os homens ao meu redor estavam todos rindo, a metade superior de Ketlle estava inclinada sobre a mesa, enquanto enxugava as lágrimas de seus olhos, e Sebastian e Loki estavam encostados um no outro rindo abertamente. A cena me fez tão feliz que eu poderia gritar. Esses homens tinham cada um conquistado um pedacinho do meu coração. "Então, eles me chamaram. No momento em que eu apareci, havia doze oficiais na cena toda, tentando o seu melhor para parar o cara, mas nenhum foi corajoso o suficiente para chegar perto do homem, porque o filho da puta ainda estava batendo punheta, com mais fúria do que antes. Eles tentaram chegar até ele inúmeras vezes, e ele os empurrou com ombros como um Hulk maldito. Então, meu antigo parceiro K-9, Elixir, e eu entramos no Wal-Mart seguindo a multidão para encontrar o filho da puta, e tentar liberar o policial novato, enquanto alguns dos outros policiais estavam de pé em volta filmando. Em determinado momento, o homem que estava alto soltou a mão e montou o policial,


mirando o seu pau direto para o rosto do policial novato. Mandei Elixir fazer o seu trabalho e nem assim o viciado parava de se masturbar. Ele ainda teve tempo suficiente para nos dar algum trabalho. Eles o empurraram na parte de trás do carro de polícia do novato, onde ele passou a usar a porra do assento para finalmente gozar. Em seguida, ele caiu num sono profundo, como se a merda toda nunca tivesse mesmo acontecido". "Isso é..." Eu disse balançando a cabeça. "Louco!" "Eu costumava viver em Las Vegas. É uma cidade grande. Lotes de merda estão sempre acontecendo." Trance assentiu. "Então você está me dizendo que ele lutou e gozou de uma tacada só?" Sebastian chiou. Trance assentiu solenemente para fazer a mesa inteira explodir em gargalhadas. Eu balancei a cabeça e, em seguida, olhou para Kettle. "E você?" Ele não foi capaz de responder, quando seu nome foi gritado do outro lado da mesa. "Kettle!" Gritou Porter. "Está na hora" Porter estava segurando uma caixa preta no ar que se assemelhava a forma de um instrumento musical e sacudiu violentamente. "Ei, cuidado com isso!" Ele disse ficando em pé abruptamente e caminhando rapidamente para Porter. "Oh sim. Prepare-se para um show!" Disse Baylee esfregando as mãos vigorosamente. "O que está acontecendo?" Perguntei, quando eu mudei Blaise de lado até que ela estava apoiada no meu ombro com o seu pequeno bumbum de bebê na minha mão. "Você vai ver", disse ela enigmaticamente. Kettle, Porter e outro homem que eu tinha visto, mas não sabia quem era, sentaram-se no canto da sala e começaram a afinar seus instrumentos individuais. Porter pegou um violão gasto e golpeado, o outro cara, que eu finalmente entendi ser Torrents, tirou um dispositivo do tipo harmônico que estava ligado a algum cabo ou algo assim.


Em seguida, Kettle puxou para fora um violino de madeira reluzente que era lindo. "Eles estão indo tocar canções de Natal?" Perguntei a Sebastian, que estava do outro lado de Baylee, ouvindo meu comentário e bufando. "Será que eles se parecem com quem está indo tocar canções de Natal? Todos eles teriam que estar muito, muito bêbados para fazer isso. Kettle normalmente não toca muitas vezes, então é melhor você não irritá-lo pedindo-lhe para tocar canções de Natal. Ele nunca vai tocar novamente, e é uma coisa incrível para testemunhar. É melhor deixar ele quieto, apenas no caso." Eu fiquei em silêncio enquanto eu observava Kettle verificar seu instrumento, e, em seguida, o seu arco. Ele correu os dedos sobre as cordas, testando as longas fibras. "Posso ter sorvete agora?" Johnny, filho de quatro anos de Sebastian, perguntou do outro lado da mesa. Todos os nossos olhos foram para o prato na frente dele, notando pela primeira vez que estava vazia das cenouras que Baylee tinha colocado em seu prato quando eles começaram o jantar. Ele havia se queixado por quase uma hora sobre 'odiar cenouras', porque elas eram ‘comida de coelho’, e ele era uma ‘porra de ser humano’. Quando ele pediu para tomar um sorvete, Sebastian disse que não, que com certeza não estava recebendo nenhum 'sorvete de merda' até que ele terminasse suas malditas 'cenouras'. Eu tinha estremecido junto com Baylee com as palavras de maldição que saía da boca de Sebastian sabendo que Johnny iria repetir cada palavra algum dia desses. O mais provável seria quando eles estivessem perto de outras pessoas que se sentiriam altamente ofendidas por uma criança de quatro anos falando palavrões, maldição. Sebastian se inclinou para frente e olhou para o seu prato. "Deixeme ver suas mãos." Johnny ergueu as mãos e mostrou ao seu pai que elas estavam vazias. Então Sebastian abaixou-se para olhar debaixo da mesa. Ao não ver nenhuma cenoura, ele acenou para o filho. "Eu vou pegar um pouco de sorvete. Obrigado por comer as cenouras.”


Quando Johnny sorriu, vi um pequeno pedaço laranja em sua boca, mas então a música vindo da direção do meu homem começou a encher o ar, fazendo-me olhar para cima para ver Kettle empoleirar-se na borda do banco do bar. Um pé no chão, e o outro no degrau mais baixo. Seus olhos estavam fechados, e ele estava deixando o cabelo fino do arco correr levemente sobre as cordas do violino. Os outros dois estavam se aquecendo, mas meus olhos estavam grudados em Kettle. Sobre a expressão pacífica no seu rosto. No leve capricho de sua cabeça enquanto ele apoiava o queixo no teclado preto do instrumento. Após cerca de dez minutos de brincar, ajustando as coisas, e, basicamente, afinando seus instrumentos ao seu gosto, Mike começou a tocar algumas notas suaves. Então Porter começou a pegar a sua guitarra com seus grandes dedos grossos. Em seguida, Kettle parou e esperou. Seu pé batia seguindo o ritmo da música, e imediatamente, eu sabia o que eles estavam indo tocar. "Callin Baton Rouge?” Perguntei a Baylee. "Não é contra a religião de um moto clube tocar qualquer coisa a não ser o rock and roll?" Baylee riu. "Espere para ver", disse ela, me poupando um pequeno olhar antes de voltar a sua atenção para o concerto de improviso em frente a nós. Blaise agitou em meus braços, me fazendo perder a parte onde Kettle, na verdade, começou a tocar, mas quando eu olhei para cima novamente, meus olhos estavam focalizados sobre a besta sexy de um homem balançando em seu violino na minha frente. "Aí está," Baylee sorriu diante do brilhantismo de Kettle que começou a transbordar através da música. Kettle estava vestido com jeans escuro desvanecido, uma camiseta preta, e seu colete. Seu cabelo foi raspado na parte de baixo para que o seu estilo Mohawk ficasse perfeitamente com dois centímetros de comprimento com os lados raspados limpos para baixo. Em seguida, havia o violino. Parecia tão pequeno em suas mãos grandes. As palavras não podem explicar o que eu senti quando eu assisti Kettle tocar.


Meus braços e mãos, bem como as minhas pernas, pés, cabeça e tronco estavam se movendo com a batida. O que antes começou como um arco perfeitamente alinhado estava agora ostentando pedaços de pelos quando Kettle atacou seu instrumento em sua exuberância. Seus dedos estavam se movendo tão malditamente rápido, que era difícil de ver, e com o tempo eles foram para as últimas batidas da música e meu coração estava batendo no mesmo ritmo. "Puta merda", eu respirei enquanto eu observava os meninos terminarem sua canção. Os homens em torno do clube estavam todos bebendo e tendo um bom tempo. As famílias estavam presente e estava divertido, e eu estava muito feliz. A única coisa que faltava era a minha irmã, mas enquanto minha irmã estava feliz com sua vida, eu também estava. "Acabou!" Johnny declarou quando ele colocou sua colher para baixo e, em seguida, cuspiu prontamente cada cenoura que tinha em seu prato no início da refeição e saiu da mesa. Eu tive que rir quando eu percebi que o menino tinha obviamente toda a carga em sua boca o tempo todo, mesmo enquanto comia o sorvete e tudo. "Eu não posso dizer que eu não estou impressionado." Disse Sebastian secamente. "Eu não posso sequer imaginar como ele foi capaz de fazer isso...", disse Baylee quando ela balançou a cabeça em reverência. Levantando-me e deixando-os com a sua discussão, eu fiz o meu caminho ao redor da grande mesa me aproximando de Kettle que estava bebendo uma cerveja. Ele tinha suor na testa, escorrendo pelo rosto, mas ele parecia feliz. Seus olhos tinham rastreado meu movimento assim que eu estava chegando e ele viu quando eu fiz meu caminho para mais perto e cada vez mais perto dele. "Você fez bem, Tiago." Eu disse quando eu estava dentro da sua faixa de audição. "Sim", disse ele. "Meus pais pagaram bem, para que eu pudesse fazer bem. Eu ainda amo de qualquer maneira."


"Tenho um pouco de cabelo em seu arco, não é?" Eu provoquei. Ele bufou. "Você não está colocando ênfase suficiente para ele se você não quebrar alguns cabelos." "Então vocês estão aceitando pedidos?" Eu perguntei, virando os olhos de Kettle, olhando Torrent, e de volta à Kettle. Ele me olhou com ceticismo. "Contanto que não seja qualquer merda que eu ouvi rolando através de seu carro quando eu sou o único seguindo você, nós estaremos bem". Porter olhou para mim. Eu ri. "Ei”, eu me ressinto. O pager de Kettle disparou. Seguido por cerca de metade dos homens na sala. Os telefones celulares começaram a tocar. Alarmes começaram a soar. Então, todos os homens que receberam as chamadas estavam de pé. "Aqui, baby. Você vai guardar isso para mim? Estou recebendo uma chamada. Fica aqui com Baylee. Eu vou voltar para você assim que eu puder ok?" Disse Kettle quando ele me entregou seu violino e começou a correr para longe, sem sequer olhar para trás. Em pouco tempo, oito homens se foram dos vinte e nove membros do clube. Quatro do corpo de bombeiros, e quatro policiais, foram rapidamente correndo para fora da porta. Eu sabia que era algo grande. Algo tão grande, que eles precisavam de todos os deveres policiais e bombeiros da força lá, e eles precisavam deles rapidamente. Eu voltei para a mesa com o violino do Kettle em uma mão e Blaise no outro, até que eu vim a perceber que Baylee estava no telefone com alguém próxima a Silas e Dixie. Sem outra opção, eu coloquei o instrumento em cima da mesa onde havia um local limpo e fui para o cercadinho no canto que Baylee tinha montado quando ela chegou mais cedo para cozinhar e preparar a festa. O bebê mexeu um pouco com o movimento, mas caiu para trás dormindo prontamente, permitindo-me colocar o violino à distância e, em seguida, comecei a limpar os pratos e recolher o lixo.


Eu estava preocupada, e como não tinha mais nada a fazer senão isso, eu comecei a limpar para tentar me distrair. Minnie começou a ajudar também e, logo, cada pedaço de lixo e alimentos foram recolhidos e começamos a orientar os homens que foram deixados para trás, a colocar os móveis de volta à sua posição anterior. "Tire-o! Tire-o!" Silas gritou em seu telefone. "Não deixe que ele vá para o seu lugar. Não deixe-o ir. Tira antes que ele possa chegar lá... esquece a porra da cobra! Não deixe ele ir lá. " O som da voz de Silas causou arrepios na minha espinha. Eu sabia que eles estavam falando de Kettle. Quantas cobras poderia haver em Benton? Certamente não muitas. E absolutamente nenhuma que alguém iria arriscar sua vida para salva-la. "Não estou dizendo para não mandar ninguém lá dentro. Só não deixe que seja ele. Você faz isso. Eu acho...” Silas disse olhando em minha direção. "Acho que a irmã estava lá quando eles colocaram o fogo. Eu a vi entrar e não sair enquanto eu fui comer." Eu deixei cair à pretensão de fingir que estava ouvindo e caminhei lentamente para o bar onde ele estava sentado com seu laptop aberto na frente dele. Na tela havia um vídeo ao vivo do que estava acontecendo. A partir da localização, eles configuraram uma câmera no poste de luz em frente do apartamento de Kettle. Embora os caminhões de bombeiros estavam principalmente obstruindo meu ponto de vista, eu poderia dizer que o apartamento de Kettle, assim como um diretamente acima do dele, estavam em chamas. A fumaça saía em chamas, muitas chamas, o que nos levava a perceber que o local foi totalmente destruído pelo fogo. "Eu tenho olhos na parte de trás também. Ela não saiu." Silas explicou aproximadamente. A cabeça de Silas caiu, e ele passou a mão sobre a parte de trás do seu pescoço. "Trance, não há nenhuma maneira que ela pudesse estar viva. Estou assistindo enquanto falamos. Não há nenhuma maneira." Explicou Silas.


Nós dois assistimos, o que pareceram horas, como os homens trabalharam para apagar o fogo. Em determinado momento um camionete do bombeiro saiu para permitir que um outro movesse para mais perto por trás dele, e minha respiração assobiou fora de meus pulmões ao ver que o apartamento apenas... desapareceu. Certo, então eles estavam tentando salvar o apartamento ao lado do Kettle. Eles estavam tentando conter o que restava do dele para evitar que o fogo se espalhasse para quaisquer outros apartamentos. Meu coração afundou. "O que aconteceu?" Perguntei finalmente. Silas bateu alguns botões, e de repente eu estava assistindo a imagem gravada cerca de uma hora antes. Eu assisti com horror quando Shannon estacionou seu pequeno Ford Focus no ponto em frente de onde eu costumava estacionar, saiu, e foi até a porta da frente. Depois de bater, ela esperou por exatamente quatro minutos e quinze segundos, depois retirou as chaves e abriu a porta, fechando-a suavemente atrás de si. "Oh, não." Eu gemia. Ela ficou lá e não saiu. "Não, não, não, nãããooo." Eu soluçava quebrada. Meu coração estava na minha garganta, e eu podia sentir o movimento da bile subir lentamente e se estabelecer na base da minha língua. Eu podia sentir o gosto amargo. "Por favor, não." Eu soluçava. Eu não tinha percebido que as lágrimas estavam vazando para fora dos meus olhos até que Silas colocou seu grande braço ao meu redor e me puxou profundamente em seu peito, permitindo que minha bochecha encostasse em seu peito enorme. Sua grande barba fez cócegas na minha bochecha, mas eu não me importei. Eu estava muito ocupada assistindo a devastação na minha frente, horrorizada, quando um homem elegante e bonito apareceu na tela. Ele virou e em seguida, parou em frente ao apartamento.


Ele carregava nas mãos uma lata de gasolina gigante. Vimos quando ele caminhou até o pé da frente e começou a derramar sobre os painéis de madeira que forrava o apartamento. O homem era de estatura média e estava vestido com calças e sapatos impecáveis e uma camisa de seda vermelha. Seu rosto estava coberto por uma máscara de esqui preta, portanto, de maneira nenhuma ele poderia ser identificado. "Por que ninguém está fazendo nada?" Perguntei surpresa. "Eles têm que ver o que ele está fazendo, e quem diabos usa máscara de esqui?" Eu não tinha a intenção de gritar, mas eu não poderia me conter. Enquanto Kettle e eu estávamos celebrando e comento uma refeição de Natal, sua irmã estava sendo queimada viva. Eu não conseguia manter meus olhos abertos por mais tempo. Eu sabia que ele estava prestes a jogar a tocha. Com a irmã de Kettle dentro. Oh Deus. Oh Deus. "Oh, baby." Eu disse quando eu pensei em Kettle. "Oh, Tiago. Eu sinto muito." A mão de Silas se aproximou e segurou minha cabeça, acariciando meu cabelo enquanto ele observava o resto do vídeo. Um gemido atrás de mim me fez virar para encontrar Baylee estando muito perto com Blaise em seus braços. Minnie estava ao seu lado, segurando Baylee junto ao seu corpo. O resto do MC ficou atrás, todos observando a cena se desenrolar no computador na minha frente. "É hora de mostrar o nosso lado, Silas. Você sabe exatamente quem era." Dixie disse quando ele se aproximou do braço livre de Silas e assistiu um pouco mais de perto. Todos os outros começaram a ir para uma sala na parte de trás do bar. Uma sala que tinha somente uma grande mesa com cadeiras em torno dela. Não havia mais nada nela. Que se não fosse o grande mural Dixie Wardens na parede, nada mais decorava o local. Embora hoje fosse a primeira vez que fui a sede do clube, eu soube imediatamente que era ali que eles tinham todas as suas reuniões do clube. “Vocês estão indo se reunir na igreja? Lembro do meu pai me falando algo sobre isso.” Perguntei a Silas.


"Sim", concordou Silas, me dando um aperto reconfortante antes de me deixar ir. "Vamos para a igreja. Minnie, querida, o que você acha sobre trazer para fora alguns colchões? Eu acho que nós vamos ficar por aqui um bom tempo. Não tem porque vocês não terem algum descanso enquanto podem. É hora de manter a nossa família unida. Kettle vai precisa de todo apoio quando ele voltar." Igreja era a versão de um MC para uma reunião de negócios entre os membros. É onde eram tomadas todas as decisões importantes. O que foi dito, o que deveria ser feito, onde os problemas eram trazidos para serem trabalhados. Eu sempre comparei com câmaras de um juiz. Era onde todas as coisas importantes eram governadas e assim por diante. Algumas vezes até mesmo sobre a vida e a morte. Sabendo que seria inútil discutir, todos nós começamos a montagem de locais para dormir, alguns entre os sofás e poltronas reclináveis. Outros até mesmo atrás do bar. Eu não tinha intenção de dormir, no entanto. Exatamente o oposto, na verdade. Eu não estava dormindo até que o meu homem estivesse em casa a salvo em meus braços. Onde eu poderia segurá-lo, porque eu sabia que não ele não estaria bem quando ele voltasse. E eu estava certa. Ele não estava.


Foi o som de vidro quebrando que me sacudiu para fora do meu estado de sono e vigília. Eu tinha estado na cama que estava contra a parede oposta horas atrás. Meus olhos piscaram turvos e eu olhei ao redor observando tudo, tentando enxergar na ausência de luz na sala enorme, menos a porção que estava vindo de uma porta na parte de trás do bar. Levei alguns minutos para me orientar, mas eu sabia que era Kettle que tinha quebrado o vidro. Sentando lentamente, peguei o telefone do chão e apertei o botão para acender a tela. 04h27 Sexta-feira, 25 de dezembro, 2014. Um nó doente de medo encheu meu estômago, e eu engoli convulsivamente para parar a bile que queria sair da minha boca. Dobrando o cós da calça, eu escorreguei meus pés dentro das botas que Kettle me deu, tendo que dobrar as calças que Silas havia jogado para mim mais cedo naquela noite.


“Aqui. Estas são de Kettle. Pode ser muito grande, mas o menino provavelmente não gostaria de vê-la na roupa de outro homem.” Ele disse. Usando a luz no meu telefone, eu caminhei através do labirinto de camas e sofás até que eu cheguei mais perto da porção de luz. Foi quando eu ouvi os homens, e o que eles estavam falando. "Tem que fazer alguma coisa. Ele não vai parar. Ele já levou minha irmã. O que eu faço agora? Espero por ele para levar a minha mulher enquanto ela está na escola? O filho da puta acabou com três outros apartamentos ao lado do meu hoje. Três adultos no primeiro. Dois adultos e uma criança de oito anos no outro. Cinco crianças e um adulto no último. Felizmente, todos eles saíram. Embora, ele não vai se preocupar com um casal de filhos que ficarem entre ele e seu objetivo. Ele já fez isso esta noite." Kettle rosnou. Algo baixo e vicioso foi dito por outro homem, e então ouvi todos chegarem a ele. "Tudo bem, vamos acalmar homens. Agora, depois de amanhã nós vamos descobrir isso. Passe o seu Natal com suas famílias. Kettle, sua casa está em boas condições o suficiente para você ir para ela?” Perguntou Silas. Eu não ouvi a resposta de Kettle, mas ele deve ter confirmado que, sim, pois o próximo comentário de Silas me assustou um pouco. "Ok. Agora que isso está resolvido, Kettle, você não vai com a gente. É muito para você absorver. Muito pessoal." Em seguida, houve barulho de socos assim como muita raiva naquela sala. Rapidamente eu me mexi do vão da porta e fui entrando na sala que eu tinha todo o direito de estar. Eu perdi o desejo de saber o que acontecia naquela sala, logo que eu vi Sebastian empurrando Kettle contra a parede com Trance segurando um dos seus braços, e Loki, o outro. Na verdade, eu estava meio chateada. Meu homem estava sofrendo e o que ele precisava era de vingança. Não alguém dizendo que ele não podia ir com eles, efetivamente negando-lhe o que ele precisava para fazer as pazes com o fato de que sua irmã tinha ido embora. Ele tinha acabado de perder o único membro de sangue da sua família em uma das formas mais terríveis possíveis. Se


eles achavam que ele não estava indo, eles não o conheciam tão bem assim. "Foda-se", Kettle estava berrando. "Eu vou e você pode beijar minha bunda porra.” Silas estava de volta à cabeceira da mesa e sentou-se calmamente enquanto observava os homens. "É por isso que eu não quero que você vá..." Kettle apenas começou a lutar mais, e eu tive o suficiente. Andando pela sala, eu comecei a cotovelar os membros fora do caminho para que eu pudesse chegar a Kettle. Um por um, eles moveram-se até que eu estava em pé atrás do ombro esquerdo de Loki. Os ombros de Loki estavam se esforçando duro, e eu sabia que ele realmente tinha que trabalhar para segurar Kettle para que ele não destruísse a sala ou desse um soco em um deles. Kettle estava se esforçando tanto que as veias de seu pescoço e braços estavam distendidas na sua pele. Os olhos de Kettle estavam presos a Sebastian enquanto ele ficava dizendo ao homem para sair da frente em voz baixa tão mortal, que fez o meu interior se sentir como geleia. Olhando ao redor, eu encontrei uma cadeira de rodinhas empurrada ao lado dos pés de Loki, então eu fui até ela e a movi para onde estava diretamente na linha de visão do Kettle. Fiquei de pé sobre ela usando as costas de Sebastian como um estabilizador. Sebastian, que estava em frente ao rosto de Kettle recuou ligeiramente para ver quem estava à sua volta, e quando o fez, deu a Kettle uma visão clara de mim e ele congelou. "Addy", ele respondeu asperamente aos pedaços. "Minha irmã foi embora." Lancei-me para ele, passando por cima do ombro direito de Sebastian e o ombro esquerdo de Loki para chegar até ele. Desde que os braços de Kettle ainda estavam presos para baixo a seus lados, eu fiz o meu melhor passando meus braços em volta do seu pescoço, e segurei firme. "Eu sei baby. Eu sei." Eu disse, consolando-o. Quando eles perceberam que ele não estava mais tentando lutar, mas tentando conseguir os braços livres para ir em torno de mim, tanto


Trance como Loki o soltaram, deixando-me nas costas de Sebastian, e os braços de Kettle agora embrulhado em torno de nós dois. Na verdade, teria sido uma imagem engraçada em circunstâncias diferentes, mas agora, era só o que ele precisava. Seu melhor amigo e a mulher que ele amava. Eu poderia dizer que ele precisava disso, apenas pelo modo como ele agarrou-se a nós, recusando-se a nos deixar ir. "O que você precisa que eu faça, baby?" Perguntei a Kettle. Kettle balançou a cabeça, mas não disse nada. "Você está com fome? Você quer que eu vá conseguir algo para comer?" Kettle balançou a cabeça furiosamente. Seu braço ficou mais apertado, dizendo sem palavras que ele não quer que eu vá. "Você quer que eu vá embora?" Sebastian perguntou em voz baixa. Kettle não respondeu, apenas apertou os braços em resposta. Portanto, é assim que ficamos por aquilo que parecia ser um longo tempo. Comigo na minha cadeira, inclinada sobre as costas de Sebastian, e Sebastian imprensado entre nós. Depois de um longo tempo, Kettle finalmente afrouxou o controle sobre nossos corpos, permitindo que nós déssemos um passo para atrás de seus braços. "Que tal eu ir buscar alguma coisa para vocês comerem, e depois vão para um dos quartos?” Baylee disse. “Há um no final do corredor, está vazio e tem lençóis limpos. Não há necessidade de ir para casa esta noite. Eu vou trazer a comida para você." Sebastian disse calmamente. Quando Kettle assentiu, Sebastian saiu calmamente, deixando-me em pé na minha cadeira olhando para o homem na minha frente. Eu não tinha ideia do que eu deveria dizer a ele. Tudo o que me veio à mente parecia ser insuficiente naquele momento. Dizer "eu sinto muito" apenas não parecia que era bom o suficiente. Então, eu desci da cadeira com cuidado, enquanto ele olhava para mim de forma assustadora. Agarrei seu pulso antes de guiá-lo para fora da porta. Fiquei completamente surpresa quando vi o corredor.


Era um corredor de tamanho normal, mas a forma como cada membro do The Dixie Wardens ficou com as costas encostadas na parede fez parecer minúscula. Depois havia as mulheres que pertencem a esses homens sentadas junto deles. Algumas estavam sentadas em seus colos. Outras estavam apenas segurando seus homens, dando a Kettle o apoio silencioso que uma família faz quando um deles estava sofrendo. Sorri para todos e cada um deles enquanto caminhava pelo corredor em direção aos quartos que eu tinha visto antes, quando eu tinha ajudado Baylee com a substituição de lençóis, limpeza e organização das camas. Alguns dos homens deram acenos de cabeça, outros deram tapinhas nas costas, mas cada um deles deu seu apoio silencioso, mostrando que eles se importavam. Que humilhou. Eu tinha visto a camaradagem ao longo dos últimos meses, mas este foi um novo nível de confiança. Amizade. Amor. Uma vez que estávamos no quarto, eu despi as roupas de fumaça de Kettle do seu corpo e caminhei com ele, de mãos dadas, para o chuveiro onde lavei o seu corpo e cabelo com shampoo, e, em seguida, ele fez o mesmo para mim. Uma vez que terminamos, eu andei com ele para a cama, e lhe atirei um par de cuecas que tinha aparecido milagrosamente. Elas estavam ao lado de um prato de comida para nós dois. Enquanto eu comia em silêncio, eu podia sentir Kettle afundando cada vez mais em si mesmo. Ele estava voltando para onde eu não queria que ele ficasse, então, em uma tentativa de puxá-lo para fora dele, para trazê-lo de volta para mim, eu peguei o prato de restos de comida de sua mão, coloquei sobre o criado-mudo, e o empurrei em suas costas. Então eu fiz amor com ele. Era tudo sobre ele. Comecei na sua clavícula. Pressionando beijos suaves ao longo do seu pescoço, e depois para baixo em seu peito. Um sobre o seu coração, onde um anjo foi coberto em sua pele. Então, para suas costelas, e ainda mais para baixo nos músculos rígidos do seu ventre.


Foi quando eu comecei a usar a minha língua. Arrastando-a para baixo sobre cada cume profundo de seu abdômen, fazendo com que seu estômago estremecesse em antecipação. Então, meus lábios encontraram a trilha de cabelo que começava logo abaixo do umbigo. Segui com meus lábios até chegar à faixa elástica cinza das suas cuecas boxer Loom. O cume duro de seu pênis estava empurrado para baixo, pressionado firmemente na coxa superior direita pela elasticidade apertada de sua cueca. Eu podia ver isso pulsar a cada batida do seu coração, e minha boca encheu de água para tomar o seu comprimento em minha boca. "Por favor", Kettle engasgou enquanto eu permanecia muito tempo no cós da cueca. "Tire-as fora" Eu o ignorei, em vez disso deixei a ponta do meu nariz trilhar para baixo no algodão macio de sua cueca até que cheguei à base de seu pau duro. Seu cheiro era almiscarado e quente, todo duro e masculino com tesão. Pressionando um beijo na coluna dura de seu pênis, eu passei meus lábios por toda a extensão dele. Meus lábios encontraram a pele de sua coxa, e a ponta do seu pênis que ainda estava coberto pelo material. Abri a boca sobre a cabeça de seu pênis, e deixei meu fôlego aquecer seu comprimento. Seu pênis duro pulou com a sensação diferente, e eu usei o meu nariz para deslocar a perna da cueca até a ponta de seu pênis ser descoberta. Minhas mãos, que estavam ociosas ao meu lado até agora, começou a se mover para cima e ao lado na parte de fora de suas coxas até que veio descansar nas bordas entalhadas de músculos que formavam o V em seu abdômen inferior. Passeando com minha língua sobre a ponta de seu pênis, eu acariciava meus dedos ao longo daqueles músculos nervurados, o provocando, mal o tocando. Sua barriga, que tinha sido esculpida, mas estava maleável antes do meu toque ter começado, agora se assemelhava a uma laje de pedra. Eu poderia contar ainda mais músculo agora do que antes, e eu não sabia o que queria lamber. Havia apenas muitas opções para escolher.


No final, foi ele quem decidiu por mim. Com uma mão no meu cabelo, ele me puxou para trás, fazendo minha língua que estava circulando a cabeça do seu pau e corria em torno da coroa, perder o meu brinquedo, quando ele me jogou asperamente de volta para a cama. A minha pulsação que estava baixa e suave, começou a queimar com a necessidade. Líquido quente escorria do meu canal, lubrificando a minha entrada para ele. Eu bati com um salto suave quando vi que ele tirou sua cueca, se acomodou entre as minhas pernas, colocou minha calcinha de lado, e empurrou seu pau duro dentro de mim. Entrando fundo no canal, antes de retirar e bater mais uma vez. Os golpes duros não eram bons. Eles eram irregulares. Fragilizados. Em seguida, as estocadas se tornaram desesperadas, que me deram apenas uma dica do que estava Kettle estava sentindo. Sua respiração em suspiros irregulares. A calcinha que foi agrupada na base de seu pênis esfregou contra o meu clitóris grosseiramente, mas, estranhamente, eu gostava. O aperto áspero dela era estranho, totalmente errado, mas era surpreendente, pois ele também fazia o meu prazer mais intrigante. "Deus, sim." eu falei quando um impulso particular teve a minha cabeça batendo na cabeceira da cama. Normalmente, Kettle teria recuado e me mudado para a ponta da cama, assim eu não estaria de modo algum desconfortável, mas Kettle tinha ido embora. Em seu lugar estava um homem devastado, que precisava de mim para levá-lo longe das coisas horríveis que aconteceram naquela noite. Era por isso que eu estava deixando ele usar meu corpo como uma saída. Ele estava abastecendo o nosso sexo com a raiva e a mágoa que estava sentindo. Punindo bastante os nossos corpos. "Espere", disse ele grosseiramente, puxando bruscamente e me virando até que eu estava na minha barriga. "Dobre os joelhos. Mantenha seus ombros e rosto na cama.” Eu fiz como me foi dito, seguindo suas instruções de forma implícita.


Uma vez na posição desejada, ele segurou meu cabelo de novo fazendo mais pressão, puxou para trás asperamente, e bateu com o comprimento de volta dentro de mim. "Porra," ambos gememos. Ele estava me fodendo tão forte agora, que eu praticamente o senti na minha garganta. Seu comprimento era enorme dentro de mim, a força era tanta que a nossa carne fazia um estalo alto, cada vez que nossos quadris se encontravam. Em seguida, a mão que não estava ocupada puxando meu cabelo para trás, foi para a minha a minha bunda e apertou. Com força. Ele pegou o seu polegar e correu ao redor do meu sexo. Recolhendo minha umidade no dedo, e isso fez a ponta do meu clitóris vibrar, levando meu orgasmo explodir através de mim. Não foi até que o polegar revestido em meus sucos encontrou o buraco da minha bunda, empurrando para dentro, que eu percebi qual era o seu objetivo. Um sentimento, muito, muito estranho, fez o orgasmo que tive anteriormente, ser um dez na escala Richter, esmagando a porra do gráfico, esmagando qualquer outro orgasmo que eu tive antes desse em pedacinhos. Meus olhos estavam fechados, apertados tão fortes, que fez a minha cabeça doer. Minha boca se virou e fechou na parte carnuda do pulso de Kettle, mordendo asperamente para reter o grito que ameaçava a própria estrutura do quarto em que estávamos. Minha cabeça caiu para frente até que a ardência no meu couro cabeludo foi para uma queimadura, e meu calor apertou com força sobre o pau furioso que estava me esmurrando, apertando dentro de mim como um punho. Ele gemeu baixo em sua garganta, e com mais três golpes afiados, ele gozou. Empurrando em mim com tanta força que meus joelhos ficaram fracos debaixo de mim e eu desabei sobre a cama. Nossos corações pulsavam rápido, e a ascensão e queda dos nossos peitos foram rapidamente diminuindo a quantidade de oxigênio no quarto. No entanto, nenhum de nós falou. Kettle apenas saiu do meu corpo, e me puxou para o seu lado.


Eu poderia dizer que ele ainda estava chateado. Ele ainda estava preso em algum lugar na sua cabeรงa. Mas ele estava me segurando. Eu o tinha e isso era tudo o que importava naquele momento.


DOIS DIAS DEPOIS 14h49min "Você está bem?" Sebastian me perguntou quando nós descemos das nossas motos em frente ao antigo armazém de propriedade do clube. Eu dei de ombros. Não, eu não estava bem, mas eu ia lidar com isso. Foi mais difícil do que o inferno deixar Adeline mais cedo, e sabendo que eu iria voltar para casa e ela com sangue manchando as minhas mãos, fez meu peito apertado. Eu faria isso de qualquer maneira, no entanto. Esse bastardo sádico tinha matado a minha irmã. A única que prometi cuidar para sempre e sempre. A pessoa que nunca mais veria a maternidade. Nunca caminharia até o altar. Nunca ia ter um filho. Nunca mais me daria um telefonema no meio da noite me dizendo que ela precisava de uma carona para casa do lugar de outro babaca. Gustavo Amadeus tinha algumas explicações a dar, e eu era apenas a pessoa que se certificaria de que ele o faria. Nos reunimos no armazém, Sebastian, Loki, eu e todos os outros membros. Aqui era onde também se realizava as grandes festas do nosso clube.


Hoje, estávamos reunidos todos os membros dos Dixie Wardens no armazém, antes de ir para uma pequena discussão. Minha esperança era que nós estávamos indo para invadir o negócio de Gustavo, pegar cada um de sua equipe, e esperarmos que iríamos atrair Gustavo para fora no processo. Então, eu poderia mostrar-lhe o fim do seu negócio com meu punho. Repetidamente. No entanto, Trance e Loki nos mostrou os erros de nossos planos e nos deu uma opção melhor do que retirar todos os membros da tripulação de Gustavo, sem fazer The Dixie Wardens matar mais de cem pessoas no processo. Eu devo ter levado muito tempo para responder, porque de repente Sebastian estava em meu rosto, agarrando cada lado com suas luvas e olhando para mim. "Você. Está. Bem?" Eu olhei de volta para ele, assentindo com a cabeça. Eu estava tão bem quanto podia ficar. "Tudo bem, vamos começar essa reunião. Eu quero comer algumas sobras.” Sebastian disse com desdém. O tom de voz de Sebastian poderia soar indiferente, mas eu sabia que o homem estava por um fio, assim como eu. Sebastian pode não ter gostado muito de Shannon, mas ela era família, e os Dixie Wardens protegiam os seus. Deus ajudasse quem se mete com algo nosso. Podemos estar 99% dentro da lei permanente, mas nós não toleramos desrespeito. E tenha porra de certeza não toleramos um assassinato da irmã de sangue de outro irmão. Não sem um inferno de uma retaliação. "Vamos fazer isso." Eu concordei.

03h15min PM "Olá?" Eu respondi meu telefone.


"Ummm, oi. Aqui é Ray Platt de The Bayou Funeral Home. Eu sou o responsável pela a obtenção de um funeral para a Srta. Shannon Spada. Foi-me dado este número por seu marido, o Sr. Tiago Spada? Isso está correto?" Meu coração pulou com a menção de ser a esposa de Kettle, mas caiu com a mesma rapidez quando eu percebi por que ele estava chamando. "Sim, sou eu. Como posso ajudá-lo, Sr. Platt?” Eu perguntei em voz baixa, olhando para as minhas unhas que estavam precisando seriamente de um tratamento. "Isto é bastante incomum, mas entrei em contato com o Sr. Spada já que ele é o contato principal. No entanto, nós temos os pais da falecida aqui tentando planejar o funeral, e desde que o Sr. Spada aconselhou-nos a falar com você sobre o assunto, já que ele estava ocupado de outra forma, eu estou ligando para ver apenas o que você gostaria que eu fizesse. Ele disse, e cito, ‘Diga a ela que ela tem pleno domínio. Deixe-a bonita, baby.’ Agora, o que você gostaria que fizéssemos?" Perguntou o Sr. Platt. Eu mexi meus dedos dos pés no tapete dos anos 70 no quarto do clube que Kettle e eu ficamos à noite, e cheguei a uma decisão. "Estarei aí em menos de trinta minutos. Você pode segurar eles?" Perguntei. "Certamente, Sra. Spada, eu vou te ver em um momento" Ele disse com exatidão antes de desligar. Rosnei em frustração. Que tipo de pais iriam renegar sua própria filha e, em seguida, mostrar-se para planejar seu funeral? Que bastardos doentes devem ser. Então eu estava empurrando meus pés na meia, seguido por minhas botas. Fiz questão de dobrar a barra da minha calça, assim as botas poderiam suavizar o tamanho do meu jeans, e eu não pisaria neles, pois era um número maior que o meu. Eu peguei outra peça de roupa emprestada, esta doada por Trance, para grande desgosto de Kettle, e depois coloquei sobre os meus ombros meu lindo colete que me declarava ‘Propriedade Kettle’. Então saí do quarto onde estive nas últimas horas lendo meu livro, depois de estar farta das sobras do almoço e estava me sentindo cheia.


Eu queria chutar as bundas dos pais de Kettle. Embora fosse mais provável que eu iria apenas gritar com eles. Infelizmente, desanimei, quando eu saí para a sala do clube, apenas para me deparar com Tunnel, um prospecto que era um homem tão doce que eu ainda não podia ver como ele se encaixa nesse grupo de bastardos. Isso não quer dizer que ele provavelmente não poderia ser um bastardo, ele simplesmente não se comporta como um, e cada vez que eu tinha estado em sua companhia eu percebi isso. Eu também tinha certeza de que os pais de Kettle não seriam demasiado intimidados pelo homem. Ele era muito doce, um policial novato que hesitaria em fazer qualquer coisa que possa prejudicar alguém. No entanto, tive um sentimento que eu provavelmente poderia convencê-lo a ir comigo... ou pelo menos me deixasse sair. "Tunnel?" Perguntei docemente, batendo meus cílios para ele apenas no caso dele notar o ardil no meu rosto. Ele virou-se rapidamente a partir de onde ele estava empurrando um pedaço de presunto gordo na boca do tamanho de um pequeno cavalo e inclinou a cabeça ligeiramente. "Sim?" "Ohh," eu hesitei. "Eu estou precisando de um favor." A vida tem certas maneiras as vezes de ser... trágica. Um erro, por definição, é algo que você faz, seja por equívoco ou não. Ir para a casa funerária foi um erro. Eu deveria ter analisado melhor. Deveria ter escutado aquela voz interior me implorando para ouvir o que Kettle havia me falado de manhã antes de sair. Não ir a qualquer lugar. Não importa o que. Não é seguro. Por que eu não ouvi?


03h55min PM "Por que, de todos os lugares do mundo que ele poderia usar como negócio, ele escolheu uma funerária?" Dixie perguntou quando ele balançou a cabeça. "Você me pegou." Eu murmurei. "Ninguém vai verificar um carro fúnebre e imaginar um caixão de drogas. Inferno a maiorias das pessoas sequer olham para a porra de um carro funerário. Alguns até têm escoltas policiais. Que melhor maneira do que isso? O homem é um gênio relativo. Eu não acredito que eu nunca tenha sequer pensado nisso antes." Trance disse balançando a cabeça. "Nós vamos fazer isto pela frente, ou vamos à parte de trás para não chamar tanta atenção?" Eu bufei e saí da minha moto. O motor da moto ainda aquecido do nosso passeio duro ao longo do distrito do armazém, fazendo-me dar uma segunda olhada para ele e, em seguida, na área que nos rodeia. "Quinze motos apenas passando no centro de Benton no meio da tarde. É seguro dizer que seremos notados." Silas falou secamente. "Qual é o ponto?" Eu ignorei e comecei a dirigir-me para a casa funerária. Então vim a uma parada abrupta quando vi uma placa de licença familiar com o nome ´SPADA´ em um lugar no estacionamento para deficientes perto da frente da porta que chamou minha atenção. Mãe. Idiota. "Esse é o carro dos meus pais." Eu disse a Sebastian que estava diretamente atrás de mim. Juramentos e maldições saíram da minha boca, e eu corri meus dedos através da tira do meu cabelo espetado e curto que se alinhavam no topo da minha cabeça. "Foi um bom plano, pedindo para The Bayou Funeral Home cuidar dos preparativos para o funeral. Nunca esperava que seus pais fossem aparecer no salão embora." Sebastian observou.


"Sim, bem já estragaram tudo. Por que parar agora?" Eu disse quando abri a porta da frente. O plano de Loki era ligar para a funerária e pedir-lhes para iniciar o processo interminável de enterrar minha irmã como uma desculpa para estar lá. Uma vez dentro, nós entraríamos e, em seguida, iríamos para os fundos, onde havia um espaço extra de 3,5 metros quadrados de espaço que o corpo de bombeiros não conhecia. Cada posto de bombeiros tinha cópias azuis das empresas locais em arquivo no caso de um incêndio, de modo que o capitão de plantão poderia decidir como agir em conformidade com o local. O arquivo do The Bayou Funeral Home’s não correspondia, tornando-se óbvio para mim e para o resto do meu clube que eles tinham um pouco de espaço extra desconhecido, e certamente motivo para escondê-lo. Como um bombeiro, isso me irritou. Os bombeiros que entram em prédios em chamas tinham o direito de saber o que esperavam por eles. Gustavo Amadeus foi um canalha egoísta que merecia o que estava para vir para ele. Só mais um prego no caixão de Gustavo. "Isso não muda o plano. Não é?" Perguntou, Silas enquanto caminhava em torno de mim e abriu a porta do prédio. Sebastian deu-me uma tapa duro nas costas enquanto ele passava, fazendo meus pés fracassassem, me permitindo segui-los para dentro. Trance iria vir mais tarde com Radar, que iria alertar Trance para as drogas, efetivamente assinando a sentença que lhe permitiu pesquisar qualquer instalação, e tomar cada um dos funcionários de Gustavo em custódia. Seguido em breve por pesquisa de suas propriedades e outros negócios atrás de mais provas. Tínhamos que chegar longe o suficiente para fornecer a Radar a oportunidade de alertar, em primeiro lugar. Claro, nada funciona como deveria. Os melhores planos sempre saem pela culatra quando seu pai é o mais idiota do planeta. A primeira coisa que observei foi o cheiro adocicado de flores quando nós caminhamos para a sala da frente. Era elegante, com uma profunda coloração marrom e verde. Havia pinturas calmas de florestas e pântanos, bem como alguns animais


selvagens moderadamente intercaladas por toda parte. O tapete era de plush, permitindo que meus sapatos afundassem, assim que meus pés entraram na sala. O balcão na frente da sala estava coberto de panfletos dos próximos acontecimentos nas próximas quatro horas, bem como uma lista de convidados. Uma mulher, com vinte e cinco anos, no máximo, estava vestida com um terninho preto tradicional com seu cabelo castanho de estilo em um tumulto parcial que manteve os recortes de voar para fora do seu rosto. Eu soube imediatamente que ela não tinha trabalhado lá por muito tempo. Ela era muito doce. Seus olhos mostravam cada emoção única que estava sentindo, e naquele momento, era remorso. Ela não parecia se importar que quinze homens tivessem entrado na sala vestindo seus cortes Dixie Wardens, ou que a maioria deles tinha tatuagens que eram muito coloridas. Cor e linguagem sábia. Não, seus olhos estavam pousados no meu pai, que estava no canto da sala, abandonado por Deus, chorando sobre sua ‘menina preciosa’ que estava sendo velada. Claro, poderia ser verdadeiro. No entanto, ele não tem o direito mais. Não depois de tudo o que ele tinha feito. Minha mãe estava sentada ao lado de meu pai. Suas mãos estavam firmemente agarradas contra o peito, e ela estava me observando, logo que eu entrei, fazendo com que seus olhos aumentassem. Intuição de mãe ou alguma merda. Ela não estava chorando agora, mas eu poderia dizer pelas profundas bolsas embaixo dos olhos e a palidez de sua pele que ela tinha. "Madame?" Minha voz enojada trouxe a atenção da mulher dos meus pais para mim, e ela sorriu calorosamente para mim. "Posso ajudá-lo?" Ela me perguntou. "Meu nome é Tiago Spada, eu estou aqui para finalizar os preparativos antes de trazer o corpo da minha irmã daqui há alguns dias." Eu disse a mulher. Seus olhos se arregalaram. "Claro, eu vou ficar feliz em lhe mostrar o caminho." Ela disse quando ela caminhou na direção de outra sala.


Ignorando o chamado de meu pai, eu segui, sabendo que de fato, meus irmãos iriam impedi-lo de me seguir. Eu não sabia como eu fiz isso com tanta calma, mas eu andei atrás da mulher bonita em um ritmo calmo quando ela nos levou para uma sala.

"O que você acha?" Eu perguntei a Tunnel, quando o Sr. Platt andou para fora da sala para fazer um telefonema. Sr. Platt me parecia tão familiar. Como se eu já o tivesse visto antes em algum lugar. Os olhos de Tunnel, que tinham acompanhado a saída do homem, viraram-se para mim. "Algo não está certo. Os pais de Kettle, embora pareçam chateados, não me parecia que eles estavam tentando assumir quaisquer planos de funeral. Eu tentei ligar para Kettle no caminho para cá, e ele não respondeu, o que significa que seu telefone está desligado. Eles me disseram que os telefones estavam com eles quando deixaram o estacionamento nesta manhã. Quando Kettle transmitiu uma mensagem para ele, se ele não poderia ter respondido primeiro..." Eu estava demasiada absorvida em assistir a sala ao lado, onde Sr. Platt havia desaparecido. Se eu não estivesse, eu poderia ter sido capaz de dizer a Tunnel que havia um tubo de chumbo vindo em direção à sua cabeça. Um que estava nas mãos de meu próprio maldito irmão. "Tunnel!" Exclamei enquanto ele caiu como um saco de trigo. "Jefferson! Que porra é essa que você está fazendo?" "Quieta," meu irmão gritou. "Você está em tanta merda que não é mesmo engraçado. Eu fiz tudo ao meu alcance para mantê-la fora dessa merda, mas você continua empurrando a cabeça lá dentro. Jesus Cristo. Eu nem sequer sei o que fazer mais."


"Do que você está falando? Eu não entendo!” Eu disse, quando cai de joelhos para verificar o pulso de Tunnel. Ele era forte e constante, permitindo-me tomar uma respiração profunda, pela primeira vez desde que eu o vi cair. "O cara que você estava falando, é um homem muito perigoso. Sabe quem é ele?" Ele perguntou, quando olhou nervosamente para a porta onde Sr. Platt havia desaparecido completamente. Jefferson parecia diferente. Quase... normal para ele. O que ele era antes do nosso pai morrer. Embora eu ainda pudesse dizer que ele estava um pouco abaixo do peso, ele não estava tão magro, e eu pude ver as maçãs do seu rosto. Será que ele está limpo? "Jefferson, o que você está fazendo aqui? O que há..." "Jefferson, leva ela para o armário. Com alguma esperança, eles não vão encontrá-la, e ela vai estar morta antes de alguém ficar sabendo. Temos companhia no estacionamento." Disse Platt quando ele saiu para a sala em que ele desapareceu mais cedo. A atitude arrogante e pomposa me fez perceber que eu o conhecia. Ele era o homem que tinha "acidentalmente" entrado no meu laboratório no dia em que eu tinha ficado até tarde para recuperar o atraso em meu trabalho. Tinha sido um momento tão fugaz. Ele estava ali um segundo, e no outro se retirando pela porta ao lado, pedindo desculpas por interromper. No entanto, agora que eu pensei sobre isso, eu também o vi no supermercado algumas semanas atrás, quando Kettle tinha ido pegar sorvete no outro corredor. Em seguida, novamente na loja de telefone quando eu estava pagando a conta de telefone de Viddy. Eu não deixei ele perceber que eu o reconhecia, porém, eu só olhava para ele sem expressão, nem mesmo percebendo que meu próprio irmão estava prestes a bater-me na cabeça com uma barra de aço maldita, até que eu vi o braço em elevação na minha visão periférica. Virei à cabeça bem a tempo de ver a barra descendo na direção da minha cabeça, uma explosão de dor, e então nada. Luzes apagadas.


Nosso plano funcionou perfeitamente. Depois de atravessar várias salas, ouvindo o discurso da mulher sobre como eles gostam de fazer os últimos momentos da família com seus entes queridos ser especiais, Trance apareceu com um Radar muito ansioso. Trance entrou com Radar em seus calcanhares, contido apenas por uma longa coleira preta. Radar estava enlouquecendo, latindo e rosnando furiosamente. Seu corpo forte, ágil estava se esforçando em direção à parede de trás tentando com tudo o que tinha chegar à porta. "Como é que você chega à parte de trás?" Trance perguntou a mulher. Ela parou de falar com a pergunta, recuando até que suas costas bateram na parede e ela não podia ir mais longe. Com a mão trêmula, ela levantou seu dedo e apontou para uma porta que estava parcialmente coberta por uma longa cortina. O grande braço de Trance lutava para manter o cão parado, e, finalmente, ele apenas liberou o cão da coleira, e deixou-o ir. Radar saiu correndo, disparando como uma flecha em direção à porta, só para estar completamente parado com paciência mal contida. Quando Trance chegou à porta, ele xingou e gritou para a mulher que ainda estava na mesma posição de antes, o medo gravado em suas feições. Não era por causa de Trance rosnando, no entanto. Foi por causa de Loki, que andou a passos largos logo atrás de Trance. Ele tinha cortado o cabelo dele desde que eu o vi pela última vez no dia anterior. O corte de antes que era desgrenhado, foi substituído por um mais curto que já não se parecia com o cabelo de um menino surfista despreocupado. Sua barba, porém, havia sido mantida e aparada.


Ele estava usando seu distintivo em seu quadril esquerdo e sua Colt 45 semi automática, no direito. Ele tinha uma camisa polo preta enfiada em sua calça jeans e óculos escuros sentados em cima de sua cabeça. Seu olhar estava focado todo no cão, porém, ignorando completamente a mulher que estava olhando para ele com dor. "Minha senhora," Trance virou-se para a mulher. "Vamos abrir essa porta." A mulher, finalmente arrancando os olhos de Loki, estalou e veio digitar alguns números no teclado. Eu vi o momento que Loki notou a mulher, e ficou congelado. Depois disso, eu não vi muito, porque eu já estava passando pela porta, no calcanhar de Trance. Eu ouvi o bater de botas atrás de mim, quando nós seguíamos por um corredor estreito para a área de embalsamento. Era uma grande sala, do tamanho de um grande salão de jantar de um restaurante. Havia mesas sobre alinhadas no centro, e na parede oposta, havia um banco de freezers verticais, e se eu pudesse imaginar, era onde ficavam os corpos dos mortos. Um homem, trinta e poucos anos, vestindo um casaco preto, camisa e calças pretas estavam ao lado das gavetas onde eles mantinham os corpos dos mortos. O irmão de Adeline. Outro homem, perto da mesma idade que o irmão de Adeline, vestindo uma camisa polo sobre calças cáqui, estava ao lado de uma porta cinza claro que provavelmente levava para parte de trás do edifício. O que foi provado depois, quando ele abriu a porta, e correu para fora, e que não poupou ao parceiro sequer um olhar de advertência, antes de desaparecer. "Recupere, Radar!" Trance ordenou. Radar parecia cansado, mas em última análise, seguiu as ordens de Trance, deslizando para fora da porta antes que ela se fechasse. Que também se manteve trancada devido ao teclado do lado da moldura da porta. "Foda-se!" Trance gritou quando ele se virou e correu com grande velocidade, indo atrás de Radar através da sala da frente.


Loki, que se moveu para a sala logo após Trance, levou o irmão de Adeline pelo braço, virou-o, e começou a ler os direitos dele. "Você tem o direito de permanecer em silêncio", disse Loki, colocando as algemas nas mãos do Jefferson. "Você tem direito a um advogado. Se você não puder pagar um advogado, um será designado para você." Ele disse enquanto fechava a outra pulseira, então empurrou-o para a frente, levando-o para fora da porta, ainda afirmando os seus direitos. Eu, no entanto, fiquei. Algo dentro de mim me fez ficar. Eu não me mexi. Nem um único músculo. Observei ao redor da sala movendo apenas meus olhos, fazendo uma varredura sobre ela, procurando por quaisquer portas escondidas, armários grandes o suficiente para manter uma pessoa, mas eu não encontrei nem um. Até que meus olhos pousaram sobre os freezers, e o sentimento em meu coração cresceu até bater na minha tatuagem, contra minhas costelas. Por que seu irmão estava nas portas dos refrigeradores? Tinha alguém lá dentro? Teria alguém escondido num deles? Será que tem uma porra de uma bomba só esperando cada policial de Benton chegar para ele detonar? Movendo-me rapidamente, eu abri a gaveta do canto inferior direito. Depois de não encontrar nada, eu me mudei para a que estava acima dela. Aquela, porém, tinha algo nela. Rasguei o saco aberto e fiquei apenas um pouco assustado ao ver os restos carbonizados de... alguma pessoa... nele antes de me mudar para a próxima. Dixie, vendo o que eu estava fazendo, se juntou a mim na busca, abrindo as portas, uma a uma, do outro lado. Os dois seguintes foram a mesma coisa, e não foi até que eu passei para a primeira fileira do outro lado da sala que eu encontrei Tunnel. Que porra é essa? Por que ele estava aqui? Ele deveria estar no clube com.... Seus olhos estavam fechados, e algo parecido a um ovo de ganso roxo escuro estava brotando do lado da sua cabeça, o que indica que ele


tinha sido atingido por alguma coisa antes de ser empurrado para a pequena gaveta. Deixando a porta aberta, eu freneticamente abri a última gaveta, quando a bílis se levantou da boca do meu estômago como uma onda. Não foi até que eu estava na última caixa no canto inferior esquerdo que eu a encontrei. Adeline. Ela estava de costas, os olhos fechados, com uma contusão feia na cabeça e estava escorrendo sangue logo acima do olho direito. O sangue estava correndo de forma constante para fora do corte e em seu cabelo, em seguida, ainda mais para baixo para a superfície dura debaixo dela onde uma pequena poça estava se formando. A barra de aço do tamanho de um pé de cabra estava na gaveta ao lado dela. Xingando baixo, eu primeiro verifiquei para me certificar que ela tinha pulso. Depois de sentir o pulso lento e o constante bombeamento de sangue através de suas veias, tirei a pequena luz em forma de caneta que eu sempre carregava comigo, ergui as pálpebras, e iluminei suas pupilas. Uma primeiro, e depois a outra. Felizmente, ambas estavam iguais e reagiam. Seus olhos flutuaram alguns momentos depois disso, e se abriram, piscando sonolentamente para mim. Em seguida, ela estremeceu, levantando a mão para a cabeça, dizendo: "Owww!" Um tremor se derramou através de mim, fazendo o ar nos meus pulmões exalarem, e eu caí. Meus cotovelos cederam quando eu me inclinei mais plenamente na gaveta, colocando minha cabeça contra a suavidade da barriga de Adeline. "Jesus", eu sussurrei. O barulho agudo de um tiro atravessou a sala como um trovão, tencionando minha coluna, mais uma vez, fazendo-me olhar para a porta fechada que leva ao beco do lado de fora. "Oh merda," Dixie pronunciou as mesmas palavras que estavam na ponta da minha língua.


"O que está acontecendo?" Tunnel gemeu da gaveta abaixo de Adeline. Eu vi quando o jovem levantou-se e, em seguida, fez uma careta quando eu dei a minha primeira boa olhada no tamanho da pancada na sua cabeça. "Você vai para o hospital com a gente." Adeline sentou-se com a minha ajuda, e então se levantou. Estávamos fazendo o nosso caminho para a sala principal quando Loki nos encontrou. Ele parecia um pouco pior, desgastado e um olhar sombrio no seu rosto, deixando-me saber que algo mais estava errado. Bem, mais do que eu imaginei, descobrir que o amor de sua vida trabalhava em uma funerária pertencente a um conhecido traficante de drogas. "Nelson Platt está agora sob custódia da polícia. Ele atirou em Radar embora. Felizmente, foi no colete que Trance tinha dado a ele no ano passado. Salvou sua vida. Toda a equipe que nós suspeitamos está na sala. Eles estão todos lá fora, esperando para serem presos sob a acusação de tráfico de drogas." Disse Loki, parecendo exausto. Vendo Adeline balançar em seus pés, eu a amparei, com um braço debaixo de suas pernas, e o outro em torno de suas costas. Nós seguimos atrás de Loki, quando ele seguiu o caminho através das entranhas da casa funerária e saiu para o sol da manhã, passando por uma enorme quantidade de policiais no processo. Provavelmente mais do que nós tínhamos de plantão naquele dia. Levando Adeline direto para a ambulância, sentei na maca e comecei a limpar suas feridas com mais do que apenas tecidos e toalhas de papel, ignorando os olhares estranhos que eu estava recebendo dos médicos, bem como as suas exigências verbais. Eles eram aqueles que eu nunca tinha visto antes, o que era estranho, porque eu conhecia praticamente todos os médicos num raio de 50 quilômetros em torno de Benton. O que significava que eles devem ser novos. "Senhor, nós podemos fazê-lo." Disse um. Eu os ignorei, e continuei a limpar sua pele em torno da ferida, propositadamente não falando com ela, apenas no caso de enlouquecer e perder a paciência.


Sorte dela que ela ficou quieta demais. Ela deve ter percebido que eu estava muito irritado com ela, porque ela quase não olhou para mim o tempo todo. "Você precisa de uma carona para o hospital?" Perguntou o médico com sarcasmo. Meus olhos se voltaram para o homem rude, olhando fixamente para ele, deixando-o saber que eu não estava com humor para lidar com seus comentários de merda. "Não", eu disse. "Vou dirigir eu mesmo. Obrigado pela oferta embora." "Você está recusando transporte, também?" disse outro médico, aquele que estava olhando para Tunnel. "Sim, eu tenho um carro. Pode me deixar aqui." Ele explicou firmemente. Tunnel estava chateado. O mais provável que era consigo mesmo. O que era bom, porque eu estava louco como o inferno com ele, também. "Você sabe que você tem uma pancada do tamanho de um Whopper do Burger King em sua cabeça." Paramédico número esclareceu. "Sim", disse ele. "Minha esposa é uma enfermeira. Ela vai cuidar de mim." Saímos logo depois disso. Depois de dar um olhar mais atento ao corte de Adeline, eu decidi que não havia muito a ser feito por ele. Não era profundo o suficiente para pontos ou pra prescrever remédios de dor de cabeça e sendo dito para acordá-la a cada três horas, não havia nada que eles pudessem fazer em um hospital que eu não poderia fazer em casa. Adeline ainda não falou, e eu podia sentir sua inquietação. Eu sabia que ela estava pensando que eu estava chateado com ela, e eu estava. Ela estava tentando não dizer nada, a fim de manter meu temperamento sobre controle. O que era bom de sua parte, porque o meu temperamento estava na borda. Eu não tomei o caminho de casa, em vez disso decidi montar. Eu sabia que Adeline estava fria, mas ela não reclamou, apenas enterrou a cabeça com o seu capacete nas minhas costas e segurou firme, movendo-se nas curvas comigo, fazendo-me sentir como se fôssemos um.


Eu pensei sobre um monte de coisas durante esse passeio. Principalmente sobre como eu tinha perdido um monte de coisas na minha vida, e eu não queria perder mais. Eu não quero perder mais tempo. Não queria acordar uma manhã e me arrepender do que eu fiz com a minha vida. Ou o que poderia ter sido feito. Quando finalmente parei na calçada da minha casa do lago, três horas mais tarde, eu tinha tomado algumas decisões. Um, eu estaria me casando com Adeline. Dois, eu estava tendo filhos com ela. Em breve. Três, que era hora de falar com os meus pais. Ter um relacionamento com a minha mãe. Meu pai, eu não poderia nem olhar, mas eu tinha visto o desejo nos olhos de minha mãe. Eu sabia que ela queria me abraçar. Falar comigo. Se eu fosse sincero comigo mesmo, eu queria o mesmo. Eu sentia a falta dela. "Este é um lugar bonito", disse Adeline suavemente. Olhei para o meu lugar através de seus olhos. Olhos que só via beleza no mundo. Ou teve até hoje à noite. "Sim, Shannon adorava ficar aqui. Ela vinha se bronzear na doca em uma tentativa vã de obter Sebastian prestando atenção bela." Eu ri. Eu ainda não me sentia bem em falar sobre ela no passado. Eu não sabia se o sentimento jamais iria diminuir, e pensei que talvez fosse uma boa coisa que não se isso não acontecesse. Eu ainda penso na minha filha da mesma forma. Uma saudade dolorida derramou no meu peito com o pensamento de nunca mais segura-la. Inferno. Eu não poderia fazer isso agora. "Eu saí porque eles disseram que seu pai estava tentando organizar o funeral. Eu não queria que ele estragasse qualquer coisa, e o cara que me chamou disse que retransmitiu uma mensagem sua para mim. Soou como algo que você diria." Ela sussurrou entrecortada.


Eu balancei minha cabeça. "Isso não importa mais. Assim, nunca mais faça isso comigo de novo. Eu não vou ser capaz de lidar com isso, se eu perder você também." Minha voz soou crua. Eu estava me sentindo muito cru, muito. Dormir soou como uma coisa boa, e é isso que eu declarei quando eu abri a porta e segurei aberta para ela. "Vamos para a cama. Eu não quero fazer mais nada agora, só dormir se estiver tudo bem." Eu disse quando eu tranquei a porta atrás de nós e acendi a luz da sala da frente. Os móveis que pertenciam à casa, e o resto estavam empilhados em caixas. A única coisa que provavelmente se assemelhava a um espaço habitável agora era o quarto, onde minha cama estava, o que era uma coisa boa. Isso é tudo o que eu me preocupava agora. "Tudo bem", disse ela, enquanto me seguia para o quarto. Mostrei-lhe o banheiro, tirei minhas roupas até que eu estava apenas em minha cueca, e, em seguida, caminhei até a porta dos fundos, saindo para a varanda. Eu ri um pouco quando vi Sebastian fazendo a mesma coisa. Pelo menos eu tivesse tido a decência de deixar a luz apagada, ao contrário de Sebastian. Depois que ambos acenaram, voltei para dentro, tranquei a porta e caminhei para o meu quarto para encontrar Adeline dormindo diretamente no meio da cama de dossel king size. Eu tive que sorrir enquanto caminhava até a cômoda, abri a gaveta de cima, e tirei o anel de noivado que eu tinha comprado por quase uma semana agora. Pelo menos eu tive sorte o suficiente para esconder aqui com o resto dos meus objetos de valor, ou teria ido junto com o incêndio. Coloco de volta na gaveta, ando para o lado da cama, levanto as cobertas, e me arrasto ao lado da minha mulher. Ela era suave quando se virou para o meu corpo. Felizmente, eu estava exausto demais para pensar em qualquer coisa que tinha acontecido nos últimos dias. Infelizmente, eu acordei no meio da noite com um pesadelo que com certeza iria ser recorrente.


O sonho. O sonho mais horrível que eu já tive. Ele me tinha suando, e abalado quando a mão de Adeline me acordou. Adeline estava sobre o seu cotovelo, olhando para mim com preocupação. Eu não tinha dado um segundo pensamento antes, mas meu inconsciente não tinha esquecido, e agora eu não poderia esquecer-me das imagens mentais dos corpos nas gavetas. Um daqueles que tinham sido queimados poderia ter sido muito bem a minha irmã. Logicamente, eu sabia que ele não era da minha irmã. Restos da minha irmã estavam sendo examinados pelo médico legista. Era isso que ela parecia? "Kettle?" Perguntou Adeline preocupada. Meus olhos foram até os dela, quase pretos na madrugada sem luz. A hora do dia em que você sabia que o sol estava prestes a chegar, mas ainda estava praticamente escuro lá fora. "Quer ir ver o nascer do sol na minha doca? É a única coisa que está acabada." Eu perguntei quando joguei as cobertas fora de mim e levantei. Meu corpo doía, e eu estiquei meus braços para o alto da minha cabeça, sentindo meus músculos doloridos e cansados esticar com facilidade. Minha coluna rangeu e estalou, fazendo com que a tensão no meu corpo aliviasse bastante. "Claro, mas eu não tenho nenhuma roupa, e o que parece, nem você." Disse Adeline, olhando ao redor da área vazia. Eu bufei. "Eu tenho um cobertor. Isso vai ser o suficiente por agora. Além disso, eu me lembro de ouvir ontem à noite que hoje supostamente a temperatura estará semelhante a algum dia da década de 70. Não pode estar muito frio lá fora." Eu disse quando eu agarrei o cobertor da cama. Não foi até que estávamos no cais que eu percebi que não tínhamos cadeiras, e o convés estava molhado com o orvalho da manhã. "Bem, que merda!" "Devemos ir, e apenas roubar algumas de Sebastian", disse Adeline enquanto olhava para a doca do outro homem com as suas inúmeras cadeiras. Todas secas, devido ao gazebo que ele tinha sobre o topo do seu deck.


"Ele provavelmente está acordado agora olhando para fora da janela, como ele normalmente faz. Ele vai chutar a minha bunda." Eu provoquei. "Ele não iria chutar a minha bunda." Adeline afirmou, antes de levantar e começar a caminhar na direção da doca de Sebastian. Ela pegou uma das cadeiras favoritas de Sebastian antes que ele saísse de cueca com uma caneca de café na mão. "Hey!" Ele disse, indignado. Adeline o ignorou e continuou até minha doca antes de parar ao meu lado e colocar a cadeira para baixo. Assenti com um aceno para Sebastian, que estava olhando para mim, e passei meus braços, em torno de Adeline enquanto ela se sentava no meu colo. A porta de vidro se fechou e em seguida ouvimos os passos de Sebastian na sua casa. Fazendo-nos rir tanto da linguagem inventiva que ele tinha apenas usado. "Você tem um lugar agradável aqui", disse Adeline alguns momentos mais tarde, quando nós assistimos o nascer do sol. "Sim, eu gosto disso." Eu concordei. Um peixe solitário saltou cerca de 50 pés à frente de nós, fazendo Adeline saltar no meu colo. Quando ela pulou, ela estava sentada de lado, a maioria de seu bumbum descansando na minha coxa. A nova posição colocou sua bunda contra meu pau. Que, inevitavelmente, ficou duro, porque era de manhã, e a grande bunda de Adeline realmente me fazia quente. Fazendo-me muito consciente do estado da falta de nossas roupas, e o fato de que Adeline não estava usando calças. Nem calcinha para ser exato. Ela riu quando minha ereção foi de semi, para muito dura, mais do que um polo siderúrgico, em dois segundos. Minhas mãos, que estavam enroladas em torno dela com força, se libertaram e começaram a alisar sua frente. Na primeira, só comecei com círculos suaves em seu abdômen. Foi só quando ela começou a se contorcer na expectativa, que eu deixei minhas mãos vaguearem.


Uma foi debaixo de sua camisa, e começou a acariciar o mamilo. A outra foi para baixo, deslizando entre os lábios de sua vagina. "Você está molhada", eu observei quando o meu dedo acariciava sua entrada. "Deus, eu estava molhada logo que me sentei no seu colo. Você faz meu corpo fazer essas coisas. Eu não acho que é normal." Ela gemeu. Eu ri mudando de um seio para o outro, apertando e torcendo o seu mamilo. "Você me faz duro quando você entra na sala. Lembro-me da primeira vez em que vi você sair de seu carro no caralho de seus saltos, e sua saia lápis apertada. Eu queria te foder contra seu carro. Eu acho que estamos quites.” Eu engasguei, quando eu parei meus lábios na parte externa do seu pescoço, provocando arrepios, percorrendo seu corpo. A palma da minha mão esfregou contra seu clitóris, movendo-se em círculos lentos até que os seus quadris giraram com o movimento da minha mão. Ela os empurrou para frente e para trás, depois para os lados, lentamente, antes de pegar velocidade quando ela chegou mais perto e mais perto de seu orgasmo. "Você me quer dentro de você quando você gozar baby?" Perguntei, provocando a sua buceta com as pontas dos meus dedos, espalhando a umidade em torno dos lábios de seu sexo. "Sim", ela rosnou, liberando meu pau dos confins da minha cueca. Ela fez isso nos limites do cobertor, mantendo seus movimentos tão imperceptíveis quanto podia ser nas circunstâncias. "Precisamos construir algumas paredes neste local. Não podemos continuar fazendo isso aqui fora. Pode haver pessoas assistindo." Eu a ignorei, levantando a bunda para cima apenas o suficiente para que pudesse posicionar meu pau na entrada da sua buceta. Lentamente, com ambas as mãos nos quadris, deixo descer seu quadril sobre o meu comprimento, até estar bem fundo dentro dela. Minhas mãos se moveram para abranger sua cintura, e eu comecei a mover seu corpo, bem como empurrei meu quadril, puxei e empurrei, até que nós dois estávamos ofegantes e à beira do orgasmo. "Deus, você sente como você vai tão fundo?" Ela respirou.


"Este é um bom ângulo. Esta cadeira é perfeita. Eu me pergunto se Sebastian vai notar se eu mantê-la." Eu resmungo, empurrando-a para frente e puxando-a para baixo. "Eu só vou roubá-la." Ela suspirou. "O que você precisa?" Ela gemeu puxando para baixo até que meu peito estava rente à suas costas, deixando-me liberar a mão para que eu pudesse movê-lo para o pequeno feixe de nervos entre as coxas alargadas. "Assim. Isso aí. Ohh, sim. Aí. Foda-me." Ela rosnou, girando os quadris em direção ao meu dedo. Então ela me apertou com força, quente, molhada, pulsando as paredes de sua buceta e apertando para baixo em mim, trabalhando meu pau até que ele explodiu dentro dela. Jorros quentes saíram do meu pau, parecendo emanar de algum lugar profundo, marcando-a com tudo o que sou. Ela gritou quando meus impulsos tornaram-se irregulares, ofegantes por ar. "Oh, meu Deus." Ela disse quando ela desmoronou contra o meu peito, mal tendo qualquer energia para respirar. "Você tem que parar de tomar pílula." Eu disse depois que eu recuperei o fôlego. Adeline se virou em meus braços, atordoada. Meu comprimento, que ainda estava dentro dela, deslizou livre de seu calor molhado e eu senti os fluidos combinados, vazando para fora dela. "O que? Você quer ter mais filhos?" Perguntou, olhando nos meus olhos. Meus olhos se moveram sobre o rosto dela, estudando-a de perto. "Sim, tudo bem para você?" Ela assentiu com a cabeça enfaticamente. "Para ser honesta, eu não tinha certeza se você iria querer depois... depois que seu bebê se foi." Meus braços se apertaram ao redor de Adeline, minuciosamente, antes que eu dissesse a ela o que estava em minha mente. "Eu não acho que queria antes. Agora, porém, bem, eu não quero ser metade de um homem para o resto da minha vida. Eu perdi muito, e


eu não quero perder mais nada. Eu quero ter bebês com você. Crescer com você. Assistir nossos netos saltarem para nossa doca e nadar. Para ser honesto, eu perdi muito por não tentar. Eu tenho que ter esperança de que a vida não vai continuar a tomar tudo de mim. É hora de viver novamente."


Dois dias depois, fizemos uma lista completa de coisas que precisávamos fazer. A manhã foi surpreendentemente boa, mesmo que nós dois não tivéssemos roupas ou alimentos devido ao fogo. Ainda assim, tivemos o suficiente para viver nos últimos dois dias. Vestimos as roupas que Sebastian tinha nos trazido. A maioria delas eram roupas de verão, que ajudou bastante desde que estava excepcionalmente quente para esta época do ano. Kettle tinha recebido um telefonema naquela manhã dizendo que os restos de Shannon foram liberados para nós, e nós poderíamos planejar seu funeral em conformidade. A maioria já havia sido organizado, pois estávamos apenas à espera de seus restos ser liberado e assim concluir e marcar uma data final. Não tendo nenhum alimento, tínhamos nos aventurado mais cedo do que o normal para o restaurante local para café da manhã. Depois de parar pela igreja por um tempo, para resolver o funeral de Shannon, nós paramos em uma loja a caminho de casa. Tivemos de ir com sua camionete pois ele não tinha nada em sua casa. E por nada, quero dizer absolutamente nada.


Potes, panelas, pratos, alimentos, talheres, artigos banheiro, suprimentos, produtos de limpeza, toalhas.

para o

A lista continuava e continuava. O total que Kettle teve de pagar no fim da nossa excursão de compras foi grande, e me fez estremecer quando eu pensei sobre isso. Felizmente, era um bom dia para levar sacola após sacola de compras e suprimentos para dentro da casa. Faziam quase vinte e um graus lá, era um dia perfeito em minha opinião. Nós tínhamos acabado o último saco que pegamos na camionete quando a campainha tocou, fazendo-me virar e encará-la com antecipação. Kettle não mostrou a menor relutância, no entanto. Em vez disso, ele deixou cair seu saco com os outros, e caminhou até a porta tranquilamente antes de abri-la para sua mãe. Eu fui até a porta a inclinei-me contra ela bem a tempo de ver as lágrimas começarem a brilhar em seus olhos azuis. A mesma cor do seu filho. A mãe de Kettle era linda. Seu cabelo era castanho, com fios na cor prata pálido intercalados ao longo de seu cabelo. Ela estava usando jeans e uma camisa, mostrando o seu corpo cheio de curvas, magro, apesar de sua idade. Eu só poderia esperar ter essa boa aparência após dois filhos daqui a trinta anos. "Oh, Tiago. Senti tanto a sua falta." Ela chorou. As costas de Kettle ficaram ligeiramente tensas, antes de tocar minha coxa e seguir em frente, pegando sua mãe em um abraço pela primeira vez em dezesseis anos. Seu choro virou um soluço quando seu filho envolveu-a em seus braços grandes, e eu recuei, deixando que eles tivessem o seu momento, o que eles desesperadamente mereciam. Precisando de algo para fazer, eu peguei meu celular da mesa e saí. Eu fui para o convés de Kettle que tinha visto dias melhores e caminhei até o cais. A cadeira que eu tinha roubado de Sebastian tinha ido embora, e eu suspirei enquanto sentava em meus quadris no deck, deixando meus pés balançando para os lados. Felizmente, o deck era longe o suficiente da água, caso contrário, os meus pés estariam mergulhados no lago congelado.


Meus olhos se arrastaram sobre a água, observando a beleza dela balançando e rolando suavemente ao vento antes de voltar para o meu celular e digitar o número da minha irmã. "Olá?" Ela respondeu. "Hey, Viddy. Feliz Natal." Eu respondi com sarcasmo. Eu podia ouvir a TV no fundo enquanto Viddy ouvia as notícias da manhã, como sempre fazia. "Ei irmã. Como foi o seu Natal?" Perguntou distraidamente. Minha mandíbula apertou, e minha raiva começou a subir. Eu tinha chamado a minha irmã na noite do fogo, sabendo que eu precisava falar com alguém, ela sempre tinha sido a minha primeira escolha. Mas ela não tinha respondido, e eu precisava dela desesperadamente. Eu tinha chamado mais quatro vezes nos últimos dois dias, esta foi à primeira vez que ela tinha respondido em todas às vezes. Ela respondeu com uma mensagem de texto cada uma dessas vezes. "Ocupada, eu ligo para você quando eu puder." "O que está acontecendo com você? Por que você não me liga de volta?", Perguntei, exasperada. "O que?" Ela perguntou bruscamente. "Do que você está falando?" Meus olhos se estreitaram em um ponto em frente ao lago, onde um cervo tinha saído por entre as árvores e começou a beber da borda da água. "Eu te chamei várias vezes no último par de dias. Você nunca me ligou de volta e sempre respondeu com a mesma mensagem. Eu precisava falar com você." Eu fungava. "Adeline, eu não recebi qualquer uma das suas chamadas. Eu nem sequer estava com o meu telefone. Ele morreu logo que eu cheguei a casa dos pais de Paul, e eu dei a ele para carregar em seu carro. Toda vez que eu ia perguntar por ele, ele disse para deixá-lo. Disse que era rude falar no meu telefone quando eu estava visitando alguém. Então eu o deixei lá." Ela respondeu, parecendo muito confusa. Contive-me de dizer a ela que seu namorado era um enorme pau, e, provavelmente, esteve com seu telefone o tempo todo. Ele deve ter rastreado suas chamadas. Por que mais ele teria respondido com alguma coisa? Eu a deixei tirar suas próprias conclusões, no entanto.


"Você nem sequer me ligou no Natal. Que diabos foi isso? " Perguntei, quando minha raiva se evaporou. Sabendo que minha irmã nunca faria nada para me machucar de bom grado. "Eu liguei. Eu liguei para o telefone da casa de Kettle. Eu não guardei o número do seu celular na minha cabeça, e esse era o único que eu lembrava que foi mais fácil. Eu deixei uma mensagem, mas a secretária eletrônica não pegou." Ela explicou, a preocupação começando a subir em sua voz. Isso foi quando eu esclareci o que tinha acontecido no último par de dias. O que ela tinha perdido com o fogo. E, em seguida, ainda mais com o que aconteceu na casa funerária, no que nosso irmão tinha feito. "Seu apartamento incendiado... de novo?" Ela suspirou. "Que porra é essa? Será que eles sabem quem fez isso?" Eu estava balançando a cabeça, mesmo que ela não podia vê-lo. "Não. Eles tinham um vídeo dele. É isso é tudo." "E quanto a Monty?" Ela perguntou, hesitante. Minha garganta fechou novamente, com toda a vida que foi perdida no incêndio. Do que eu aprendi com Kettle e as notícias, mais de dez animais de estimação, Monty incluído, tinha sido perdido no incêndio, juntamente com Shannon. Felizmente não houve outras perdas humanas, mas o foi o suficiente. "Ele não sobreviveu. No momento em que todos chegaram, todo o lugar estava totalmente envolvido em chamas. É por isso que Shannon não foi capaz de ser salva, também. O fogo era muito intenso. A pessoa que provocou o incêndio usou o que eles acham que era querosene de aviação. O fogo era tão quente que não sobrou nada". "Combustível de avião? Onde diabos você obteria combustível de avião?” Ela perguntou, espelhando a minha própria pergunta que eu me fiz quando eu tinha ouvido Sebastian e Kettle falando sobre isso naquela manhã, quando eu saí para encontrá-los no banco dos réus juntos. "Eu não sei." Eu respondi com sinceridade. "E o que foi tudo isso com Jefferson? Alguém bateu-lhe na cabeça, Adeline. Você fez acusações contra ele?” Ela perguntou bruscamente.


Mais uma vez, ela estava espelhando minhas próprias preocupações. "Eu realmente não sei de nada, Viddy. Estou tão no escuro quanto você. De fato, mais ainda. Eu tenho tudo isso girando em torno de mim, e eu não tenho a menor ideia do caralho o que diabos está acontecendo." "Eu não sei o que dizer." Ela disse depois de um tempo. Eu também não. Na verdade, eu estava absolutamente espantada que nada disso tinha a ver com a vida que eu tinha. Eu era professora, pelo amor de Deus. O que foi que eu fiz para merecer isso? A pior coisa que eu já tinha feito era roubar um par de animais de uma instalação de testes. "Nem eu." Eu respondi. Procurando por uma mudança de assunto depois que o silêncio se seguiu por muito tempo, desenhei círculos no ar com o meu pé e perguntei: "O que ele te deu para o Natal?". Ouvi-a murmurar alguma coisa em segundo plano, mas era tão baixo e distorcido que eu tive que pedir que ela repetisse mais três vezes antes de realmente compreender. "O que foi isso?" Perguntei pela última vez. "Ele me deu uma foto dele." Ela rosnou. Eu não pude me conter. A risada que libertou do meu interior me fez cair para trás com alegria. Eu estava ofegante e lágrimas corriam dos meus olhos. Eu podia ouvir a minha irmã rosnando para mim, e então o clique do telefone quando ela desligou, mas eu ainda não parei de rir. "Uma foto!" Eu chiado. "Que porra é que ela vai fazer com uma foto dele?" Grandes pares de botas pararam sobre minha cabeça, e eu olhei para cima. Passado um par de calças jeans, depois passado pelo pacote mais glorioso na terra, e, em seguida, subindo até o rosto de Kettle. Ele parecia feliz. Sorrindo largamente para o meu riso. "Do que você está rindo?" Ele perguntou de cima de mim. Eu bufei. "Paul deu a Viddy uma foto de si mesmo no Natal." Kettle revirou os olhos e estendeu a mão para mim. "Idiota. O que a sua irmã tem a dizer sobre isso?"


Peguei sua mão e ele me puxou para cima, fazendo meus olhos passearem mais de perto em seu corpo. Ofegante, eu disse: "Ela desligou na minha cara. Eu não sei." "Eu gosto de ver você rir assim." Ele rugiu, olhos concentrado em meus lábios. "Eu gosto de rir desse jeito." Eu respondi, movendo-me na ponta dos pés até os meus lábios colidirem com os dele. Nós dois estávamos sem fôlego no momento em que nos separamos. Seu sorriso era suave quando ele desembaraçou nossos corpos até que ele apertou a minha mão e me puxou em direção a sua porta de trás. Sua mãe estava na cozinha guardando a quantidade abundante de mantimentos quando finalmente entramos. Ela tinha um sorriso muito satisfeito em seu rosto quando ela viu nós dois juntos, e eu não podia me conter também, pois me senti da mesma maneira. Eu estava feliz que ela estava aqui, e que Kettle estava dando sentido a sua vida novamente. Eu só queria que ele não estivesse sobre tais circunstâncias tão horríveis. "Tudo bem, eu tenho que ficar pronto para o trabalho. Tivemos três chamadas e eu sou o próximo da lista. Mamãe vai sair com você e ir para a igreja, mais tarde, ajudar você com os detalhes finais. Está tudo bem?" Ele me perguntou com uma sobrancelha levantada. Meus olhos se voltaram para sua mãe e para ele, e eu balancei a cabeça em afirmação. "Sim, isso é uma merda que você tem que ir para o trabalho embora. Você tem que ficar o total de 24 horas, ou é apenas até que um dos outros cheguem lá?" Perguntei. Ele deu de ombros. "Eu não sei, mas eu vou chamar quando eu descobrir, ok? O funeral vai ser amanhã à tarde, no entanto. Vai ser feito com tempo de sobra." Eu balancei a cabeça em compreensão. "Espere, e sobre os uniformes? Você não tem nada para vestir!" "Jeans e uma camiseta. Eles me mandaram um pouco mais esta manhã. Eles devem estar aqui a qualquer momento e eu tenho que voltar para o turno da manhã de sábado." Ele explicou antes de caminhar para fora da cozinha.


Não antes de me dar um beijo na bochecha, seguido de um na sua mãe. Eu a observei enquanto ela o assistia saindo da sala. Ela parecia quebrada. Rasgada. "Você está bem?" Perguntei em preocupação. Ela assentiu com a cabeça. "Sim. Eu cometi alguns erros enormes na minha vida. Aquele menino não é um deles, embora". "E, por isso, Sra. Spada, vou agradecer a você para o resto da minha vida." Eu respondi. Ela sorriu para mim, felizmente. "Chame-me Helene."

"Ela acha que você está no trabalho?" Perguntou o homem sentado em frente a mim. O homem era grande. Não tão alto quanto eu, mas seus músculos definitivamente poderiam competir com o meu. Ele também parecia tanto com Sebastian que era estranho. O que fazia sentido. Sebastian era seu irmão depois de tudo. Eu balancei a cabeça firmemente para Sam. Sam era o chefe de uma organização que ajudava mulheres a sair de situações abusivas. Ele era dono de uma loja de moto onde também personalizava-as, bem como as reparava. Ele usava o seu negócio, lícito, como uma fachada. Para todos os efeitos, ele era apenas mais um mecânico que tinha saído do Exército e começado a sua loja para ganhar a vida. Para todos os outros, especialmente as mulheres que ele ajudou, ele era um herói maldito. "Sim," Eu assenti. "Eu tenho até o meio-dia de amanhã, antes que ela vá começar a fazer perguntas. Será que Silas avisou você?"


Sam assentiu. "Jack fez uma pequena investigação em volta para ver se ele poderia obter qualquer outra coisa. Ele bateu na mesma parede embora. Amadeus foi minucioso, se nada mais. A transferência foi feita no início deste mês. Absolutamente nada mais em seu nome. Mesmo sua casa está sob um nome diferente. Ele tinha cada pedacinho dela transferido para sua mulher. Tudo, exceto a funerária. Que foi transferido para o nome de Platt. Era como se ele fosse avisado de alguma forma. Como se ele soubesse o que estava chegando. Nós não temos absolutamente nada legal para se sustentar. " Minhas mãos foram para os meus olhos e esfreguei. Difícil. "Droga. Esta é uma maldita bagunça. Eu estou tão fora do meu alcance." Falei desesperadamente. Silas, que tinha estado quieto, até este ponto, falou. "Há mais filho." Minhas mãos caíram, e eu olhei para Silas com olhos turvos. "Quanto pior poderia ficar?" Sabe aquele ditado... nunca devemos pedir problemas? Com uma declaração que eu tinha acabado de proferir, tudo ficou completamente fodido. Eu tinha aberto uma lata de vermes e todos foram derramando para fora balançando em todas as direções. "A mulher para quem ele transferiu tudo se chama Rosalie Espinoza." Ele disse calmamente. Sentei-me na minha cadeira, fechando os olhos. Todos sabiam o que aconteceu comigo quando eu era mais jovem. Sabia que eu tinha perdido minha filha. Sabia sobre Rosalie. Eu nunca disse a eles detalhadamente, mas eles sabiam o que tinha acontecido apenas por ouvir as fofocas da cidade. "Isso é simplesmente perfeito. Transfere tudo para ela. Ela morre, em poucos meses, e ele recebe tudo de volta. Fácil como torta.” Rosnei em derrota. “Como diabos ela se juntou com ele?" Jack falou pela primeira vez. Sua voz profunda ressoou nas paredes da sala de conferências do clube onde realizamos todas as nossas reuniões. "Do que eu posso entender, ela era casada com ele. Tem sido por mais de uma década. Eles permaneceram casados durante todo seu tempo na penitenciária feminina em Huntsville. Ela foi liberada há um


ano e meio atrás. Gustavo estava lá para buscá-la logo que ela saiu, de acordo com os guardas." Jack explicou em voz baixa. Eu sabia que ela tinha conseguido a liberdade. Eles tinham me convidado para a audiência de condicional, mas eu não quis ir. Eu não queria vê-la para o resto da minha vida. Ela estava morta para mim, e sempre estaria. O que eu não sabia era que ela era casada. No entanto, agora que eu sabia, as coisas começaram a se encaixar. Coisas que nunca fizeram sentido durante todos aqueles anos atrás. Quando ela mudou para longe de mim tão rápido. Por que deixou isso acontecer. Como ela deixou isso acontecer para a nossa filha. Então, um pensamento me ocorreu. "Espere um minuto, quando ele diz que ela se casou?" Jack começou a folhear uma pilha de páginas na frente dele antes de parar, quando ele passou por quase metade das folhas. "Diz aqui 3 de outubro de 1998. Por quê?" Um sentimento doente de medo começou a inchar no meu estômago. "Minha filha morreu 12 de agosto de 1999. Ela tinha três semanas de idade." Eu disse rigidamente. "Seu namorado de quase um ano a matou. Mas não está fazendo sentido. Se ela era casada, por que ela teria um namorado? Gustavo não é o tipo de deixar isso passar". Quando a última frase escorregou da minha boca, me levanto e começo a me mover em direção ao cofre na parede. Era um grande cofre quase tão alto quanto eu. O teclado era do tipo antigo que você tinha que virar com um seletor. Agarrando o bloqueio entre o polegar e o dedo indicador, comecei a árdua tarefa de mover o mostrador e a parada nos números apropriados. Após o terceiro ser introduzido, paro, viro a grande fechadura e abro a porta. A carta que eu tinha colocado na minha pasta de arquivo na prateleira de cima estava exatamente onde eu coloquei. Abrindo-o, eu comecei a ler.


Tiago, Se você está lendo isso, sei que estou doente demais para dizer isso para você pessoalmente. Estive agonizando sobre isso por dezesseis anos agora, então eu só vou dizer-lhe. Gustavo Amadeus é o homem que matou nossa filha, não Mario Martinez. Eu caí com a turma errada antes de sair. Eu não posso te dizer o quanto estou triste por ter feito o que eu fiz. Eu não sabia mais o que fazer, eu juro por Deus. Espero que um dia você possa me perdoar, mas eu sei que vou ter ido embora deste lugar quando isso acontecer. Me desculpe. Quando você me deixou para o campo de treinamento, meus pais me receberam de volta em casa. Eu lhes disse que eu tinha perdido o bebê. Eles disseram que eu poderia voltar a morar se eu concordasse em me casar com o filho do parceiro de negócios do meu pai. Não sabendo mais o que fazer, e ter mais para onde ir, eu fiz. Mudei-me com eles, e um mês mais tarde eu casei com Gustavo. Eu nunca disse a eles que eu ainda estava grávida, e pensei que se eu me casasse rápido o suficiente, eu poderia simplesmente agir como se eu estivesse grávida de Gustavo. Eu era ingênua. Não sabia que ele ia descobrir. Não pensei em momento algum no nosso bebê. Eu estava pensando sobre mim. Eu estava sendo egoísta, e sempre vou pagar por esse erro. Ele teve suas suspeitas quando ela nasceu. Eu nunca disse nada, mas quando o pacote que você enviou para a nossa filha chegou, ele enlouqueceu. Eu tive que dizer a ele o que aconteceu depois. Quando ele saiu, eu pensei que ia ficar tudo bem, mas ele voltou bêbado, e assim muito irritado. Ele a matou em um ataque de raiva, e me disse que se eu contasse, ele iria encontrar uma maneira de matar todas as pessoas que eu já amei. Meus pais e você incluído. Insisti que foi o meu antigo namorado que tinha feito isso. Foi armado um cenário de como ele fez e você sabe o resto. Deus, eu sinto muito. Por favor, saiba que eu nunca me perdoei e nunca me perdoarei.


Rosalie.

O pedaço de papel escorregou das minhas mãos e caiu no chão. Eu assisti em desânimo conforme meu medo foi confirmado. Aquele homem tinha matado minha filha. Matou minha irmã. Tentou matar minha mulher. O que mais ele poderia tirar de mim? Todo esse tempo eu pensei que a pessoa certa cumpria uma sentença de prisão perpétua depois que ele matou meu bebê. A minha preciosa filha, inocente. Ela nunca chegou a dar os primeiros passos. Nunca chegou a engatinhar. Estaria com quase dezesseis anos agora. Ela estaria dirigindo. Meu coração estava ferido. Foi como reviver o momento em que eu tinha ficando sabendo que minha filha estava morta tudo de novo. "Kettle?" Sebastian perguntou depois que o silêncio continuou por muito tempo. Eu olhei nos olhos de meu VP, e cada dúvida que eu estava sentindo mais cedo desapareceu. Em seu lugar estava a fria e difícil verdade. Resolver isso em sua forma mais verdadeira e mais pura. O homem estava indo pagar, e eu estava indo para ter certeza disso. Hoje à noite. Eu sabia o que tinha que fazer.


02:53 PM Eu entrei na lanchonete e encontrei a minha irmã em nossa cabine de costume. Eu tive que rir quando vi que ela estava usando quase a mesma coisa que eu estava. Calça jeans lavada escura, uma camiseta branca, e seu cabelo em um rabo de cavalo. A única diferença era os meus braços tatuados em comparação com os seus, livres de tatuagem. "Hey," eu disse sentando na cabine. "Você está usando exatamente a mesma roupa que eu!" Ela sorriu para mim. "Sim? Eu fiz isso de propósito." Eu bufei. Claro que ela fez. Muito provavelmente, ela simplesmente enfiou a mão no armário e tirou um cabide como sempre fazia. Eu fiz certo em combinar suas roupas para ela, e depois pendurá-las no armário. Eu era boa nisso. "Será que você pediu para nós?" Eu perguntei curiosa. Não tinha menus sobre a mesa, mas eu sabia o que pedir pela memória, por isso realmente não importa se eles estavam lá ou não.


"Sim, eu pedi um hambúrguer e batatas fritas para mim, pra você pedi um de atum." Ela disse enquanto se inclinava para frente, colocando os cotovelos sobre a mesa e o queixo nas mãos. "Quem te trouxe aqui hoje?" "Papai." Eu respondi assim que a garçonete trouxe-nos mais um pouco de chá. Ela olhou para mim estranhamente depois que eu disse isso, mas eu sorri e não expliquei. Viddy sabia que eu estava falando sobre Dixie, e isso era tudo que importava. "A garçonete me deu um olhar sujo. O que você disse a ela?" Perguntei quando a garçonete olhou para mim do outro lado da sala. Viddy deu de ombros. "Eu disse a ela que a mesa estava pegajosa e o chão debaixo da mesa estava grosso." "O que é a grande coisa com isso?" Perguntei, estudando características da minha irmã. Ela parecia diferente. Cansada. Ela tinha bolsas sob os olhos que mostraram que ela não estava dormindo muito bem novamente. "Ela jogou um pano para mim mais cedo pensando que ela fazendo isso eu iria pegar e limpar, só que eu não tinha percebido que ele estava lá, então ela fez isso ela mesma, mas, em seguida, fui reclamar com a Martha, que, então, disse à mulher que eu era cega. Será que ela está com raiva de mim agora, porque Martha deu-lhe uma bronca?". Ela disse antes de tomar um gole de chá. Eu bufei. Martha era uma boa mulher. Ela era mãe de quatro filhos, e seu marido era um bombeiro no corpo de bombeiros com Kettle e Sebastian. Eu o conheci algumas vezes em diferentes confraternizações que os bombeiros tiveram a cada duas semanas. Ela era uma mulher ocupada, e eu tenho me aproximado dela também. "Idiota. Como ela não sabia que era cega? Eu quero dizer os óculos..." Eu parei. "Ei! Você não está usando seus óculos!" Eu me senti estúpida por não perceber isso imediatamente. Não admira que ela parecia diferente. Não era muito frequente eu vê-la sem eles. Viddy fez uma careta. "Eles fazem minha cabeça doer." Eu entendi tudo muito bem. Eu odiava usar algo na minha cabeça parecido com óculos de sol, ou mesmo um rabo de cavalo apertado.


Embora eu não tivesse tido conhecimento de que Viddy tinha ou já teve esse problema. "Existe algo mais acontecendo?" Eu perguntei cautelosamente. "Não, realmente não. Mas eu tenho visto coisas ultimamente. Sombras. Algumas luzes. Movimentos. É realmente muito estranho. Ontem eu acordei, e eu juro por Deus que eu podia ver. Não muito de qualquer maneira, mas eu poderia ver o meu armário e a janela. Mas, então, tudo se foi, e eu não vi nada parecido desde então. Um par de dias atrás, a pressão dos óculos na minha cabeça começou a doer muito, e eu não o tenho usado eles desde então". "Você ligou para o Dr. Robbins?" Perguntei, tentando o meu melhor para não mostrar a emoção que estava sentindo. Ela estava balançando a cabeça. "E vou dizer a ele o que? Que meus óculos estão me dando dor de cabeça e eu pensei que eu vi alguma coisa no outro dia?" Quando abri minha boca para responder, a garçonete nos interrompeu, deixando cair os nossos pratos na frente de nós, fazendo barulho. "Qual é o seu problema?" Perguntei alarmada. "Disseram-me para lhe dizer que esta refeição é por conta da casa, e eu sinto muito por sua perda." Ela apertou os dentes cerrados. Observei ela caminhar para a parte de trás da cozinha antes de me virar para Viddy. "Que porra é essa?" Viddy estava balançando a cabeça, confusa também. "Eu não sei." Não foi até Martha aparecer com uma jarra de chá que nós compreendemos. "Estou triste de ouvir sobre Shannon, Adeline. Eu ainda não posso acreditar que ela não vai estar mais aqui." Então eu percebi que este era o lugar onde Shannon trabalhou. Este foi também onde Kettle e eu tivemos a nossa primeira refeição juntos. "Oh," eu respirei. "Obrigado." Deus, só quando eu pensei que estava indo muito bem, eu tinha que ser lembrada de que eu tinha um funeral para ir mais tarde da irmã de Kettle e o meu bom humor voou para fora da janela.


Martha sorriu tristemente. "Sim, o trabalho vai ficar difícil somente com Tillie o tempo todo. Shannon sempre tinha um sorriso no rosto. Tillie, por outro lado, não pode suportar as pessoas. Especialmente você." Ela disse inclinando a cabeça em direção Viddy. "Viddy?" Perguntei surpresa. "Por que Viddy? Viddy ainda não sabe quem é a mulher." "Oh, com certeza você fez. Viddy falou com seu ex, e ela a odeia a partir desse dia." Martha riu. "Seu ex?" Viddy perguntou perplexa. "Ah é, lembre-se há alguns meses atrás, quando você veio aqui para comer? Tillie estava cuidando do balcão naquela noite e observado vocês conversarem com Trance por aproximadamente as duas horas que vocês estiveram aqui. Ela odeia a sua coragem." Martha disse emocionada. "Eu estou pensando que talvez nós não devemos comer nossa comida." Eu observei secamente, olhando para a comida que Tillie tinha colocado na nossa frente com uma expressão desolada. "Eu a vi trazendo a comida, ela não fez nada para ela. Isso não quer dizer que ela não teria, em pensamento, se eu não tivesse prestado atenção." Martha disse enquanto nos deixava. "Você tem uma inimiga. Grande caminho a percorrer, Viddy!" Eu provoquei. Ela revirou os olhos, e eu tive que rir. Ela costumava fazer isso muito antes do acidente, e essa foi a primeira vez que eu tinha visto desde então. Me fez feliz ver ela fazendo isso. Essa foi a primeira vez que eu tinha visto algo da antiga Viddy em um longo tempo. Nossa hora passou rápido, e logo Dixie estava caminhando até a mesa se oferecendo para me levar de volta. "Eu tenho um compromisso, então eu preciso ir. Você está quase pronta, querida?" Viddy sorriu quando ouviu a voz dele e virou-se na direção dele. "Oi, Dixie. Como vai você hoje?" Dixie sorriu para minha irmã, e eu não poderia dizer o quão incrível era que o clube aceitou a minha irmã, assim como eles me aceitaram. Fez-me sentir bem que Viddy teria o apoio total de cada um dos Wardens Dixie se ela estivesse com alguma necessidade.


"Eu estou fazendo tudo certo, ervilha doce. Você precisa de ajuda para o seu carro antes de irmos?" Ele perguntou a ela. Viddy fez uma careta para ele, e Dixie riu. "Tudo bem, tudo bem", disse ele, segurando as mãos para cima e afastando-se da mesa. "Foi bom ver você menina; certifique-se de se juntar a nós para a festa de Ano Novo neste fim de semana." Com isso, ele nos deixou, e eu olhei para o sorriso ainda no rosto da minha irmã. Ela parecia feliz. "Você vem?". Viddy virou e sorrindo para mim respondeu. "Absolutamente. Eu acho que uma festa seja uma ótima ideia depois de tudo o que aconteceu nos últimos dois dias. Isso, e eu mereço um pouco de diversão, você não acha?" Eu estava feliz no meu caminho para casa. Isso foi até que eu percebi que estava faltando a minha bolsa. "Oh, Dixie! Eu esqueci minha bolsa, podemos voltar e buscá-la, por favor?" Eu disse com urgência. Ele parou como se ele estivesse irritado, mas balançou a camionete em torno de volta na direção da lanchonete. Felizmente, apenas cerca de cinco minutos de distância. Quase cinco minutos atrasada. A primeira coisa que notei foi a minha irmã andando na direção do ponto de ônibus. Aquilo me fez amaldiçoar, porque era para ela ser pega por Paul. "O que ela está fazendo, uma caminhada?" Rosnei, apontando minha irmã para Dixie. Ele virou a cabeça para o lado quando ele entrou em uma vaga para deficiente, na parte da frente da lanchonete quando vimos o Hummer preto parar na estrada na frente da Viddy bruscamente. Ela se assustou e congelou ao som do carro grande fazendo uma parada brusca ao lado dela, esperando para ver se ele seguia seu destino. No entanto, eu estava quase fora do carro antes de Dixie agarrar a minha mão em um punho de ferro e me segurar tão apertado que eu gritei em choque e dor. "Dixie, o que você está fazendo? Deixe-me ir!" Eu gritei.


Ele me silenciou com um olhar que congelou meus passos antes de retirar o telefone e ligar. Ele, em seguida, colocou ele sobre o assento entre nós e saiu para fora do veículo, deixando a porta aberta enquanto corria o mais rápido que seu corpo grande permitiria. Ele não chegou a tempo, no entanto. O homem que saiu do Hummer agarrou Viddy pelos cabelos, abriu a porta do lado do passageiro, e jogou seu corpo no Hummer antes de bater à porta fechando. Seu ritmo se acelerou quando viu Dixie vindo em sua direção, mas ele não precisava, ele estava no Hummer e pegando a estrada antes de Dixie ter feito sequer metade caminho. Dixie grunhiu de frustração antes de se virar e correr de volta para a camionete. Foi então que ouvi a voz frenética de Kettle quando ele gritou para Dixie responder-lhe. "Dixie!" Ele gritou com voz rouca. "Eles têm-Viddy. Eles têm a minha irmã, Tiago!" Eu gritei. "Onde você está?" Ele gritou. "No Diner." Eu disse em horror. "Nós estaremos aí em cinco minutos. Estamos virando a esquina". Ele rosnou antes de desligar. Os cinco minutos mais longos da minha vida. Assim que eles chegaram, montaram um posto de comando com policiais disfarçados, e começaram a interrogar quase todas as pessoas. Todo o tempo, eu fiquei para trás, vendo com meu coração quase dividido em dois. "Kettle?" Perguntei, lembrando de repente uma brincadeira entre Viddy e eu, quando ela ficou perdida por causa do nosso irmão alguns meses atrás. "O quê?" Ele disse distraidamente enquanto olhava para um mapa em seu carro. O homem com a cicatriz em seu olho estava de pé ao lado dele, ouvindo cada palavra que ele disse.


"Kettle!" Eu disse urgentemente, fazendo-o, finalmente, virar e olhar para mim. "O quê?" Ele retrucou. "Você se lembra quando eu brinquei sobre colocar um rastreador GPS na Viddy? Bem, eu fiz. Foi um dos que você cola sobre as coisas que você não quer perder. Eu vi em um comercial que colocaram na coleira de um cão, e eles o encontraram quando ele estava perdido. Se Viddy está realmente carregando o dela, como ela me disse que faria, isso não ajudaria agora?" Eu perguntei desesperadamente. O homem nativo americano que estava parado no lado oposto da camionete se aproximou, me olhando atentamente. "Ela configurou?" Ele me perguntou. "Sim eu fiz. Mas é um dos que você tem que manter carregado. E eu não sei se ela está fazendo isso ou não. Como eu poderia saber?" Perguntei preocupada. "Você configurou no computador ou seu telefone?" Ele perguntou. "Meu telefone." Eu disse, entregando a ele. Ele começou a mexer em botões, e em seguida soltou uma maldição de alegria. "Foda-se, sim, eu tenho ela. Está me dando coordenadas. Espere um pouco." Disse ele enquanto colocava meu telefone no telhado da camionete de Dixie e puxou seu próprio telefone antes de começar a digitar. "Bingo. Eles estão na I-20 leste seguindo na direção de Alexandria". "Dixie, certifique-se de que ela não saia. Leva ela direto para casa e fique com ela, se for preciso. Adeline, eu estou contando com isso para não me preocupar com você." Ele disse antes de beijar meus lábios, e sair correndo, seguido por mais oito motos, a camionete do homem nativo americano e aquele com a cicatriz em seu olho. Eu assisti com meu coração em minha garganta quando o amor da minha vida partiu para trazer minha irmã gêmea de volta. A outra metade de minha alma. "Vai ficar tudo bem, querida. Eles vão trazê-la para casa. Aconteça o que acontecer." Disse Dixie quando ele me puxou para perto. Não me importava o que ele disse, algo me incomodava.


06h59min PM "Eles pararam em Lake Darbonne. Eles pegaram a Lake Darbonne Road, e depois para Lake Road a partir daí. Eu tenho a propriedade listada como pertencendo a uma Reese Madison. Essa é a casa da irmã de Gustavo. Está vazia e no mercado, de acordo com os registros imobiliários." Jack disse para nós aonde estávamos parados no acostamento da estrada. Nós tínhamos parado quase um dois quilômetros de distância, perto de algumas lixeiras. "Como vamos fazer isso?" Silas perguntou a Sam, rendendo ao julgamento do mais experiente homem da equipe. Sam pareceu surpreso com a confiança de seu pai nele, mas rapidamente assumiu o comando. "Vamos esperar escurecer. É apenas 30 minutos a partir de agora, e isso deve dar tempo para o seu amigo chegar até aqui com seu cão. Você disse que eram só vinte minutos..." Ele parou, quando a camionete pessoal de Trance começou a chegar perto de nós antes de parar em frente da caçamba de lixo. Ele pulou para fora da camionete e caminhou decididamente em direção a nós, seu rosto uma máscara de medo. "Você sabe onde ela está?" Ele perguntou apreensivamente. Ele visivelmente relaxou em nossos acenos, chamando Radar fora de sua camionete, antes que ele caísse contra o para-choque de alívio. "Diga-me o que temos." Ele rugiu. Sam começou a delinear o que ele tinha feito; dizer quem foi, onde, em seguida, nós olhamos as cópias azuis da casa e jardim. "Ele não esteve aqui tempo suficiente para ter qualquer coisa criada. Do que eu posso dizer, ele usou seu telefone celular para ligar para a irmã em Iowa, onde ela vive agora. Eles estiveram no telefone por dez minutos antes de desligarem, e o curso de Gustavo desviou de


Alexandria para Farmersville dois minutos depois dessa ligação. Parece que ele está apenas procurando um lugar para se esconder até que ele possa descobrir o seu próximo passo. Se tivermos sorte, ele não terá nenhum forma de se salvar dessa." Jack disse enquanto seus olhos voltavam para a tela do computador na frente dele. Eu não poderia conter o sorriso maníaco que se abateu sobre o meu rosto naquele instante. Foi muito bom ter esse homem do meu lado. Porque trabalhando contra um homem do seu calibre realmente não seria bom. "Então, andaremos até lá?" Silas pediu uma vez que chegamos à logística de qual era o plano. "Eu acho que é melhor. Embora, eu acho que caminhar ao longo da linha das árvores na parte externa que reveste o lago seria melhor." Sam falou. Todos nós balançamos a cabeça em confirmação. "Agora, eu quero ter certeza de que todos nós entendemos que esta vai ser uma operação policial. Loki, Trance e Radar precisam ser os únicos a disparar qualquer coisa ou oferecer qualquer força mortal. Vai ser a única maneira limpa de fazer isso sem precisar puxar algumas cordas." Silas observou de sua posição ao lado de Sam. Embora ele dissesse a todos nós, seus olhos estavam presos em mim, certificando-se de que eu entendesse isso claramente. Eu dei-lhe um aceno assegurando, e partimos para baixo da linha de árvores. A caminhada foi a menos de um quilometro e meio a pé pela floresta, uma vez que fomos capazes de cortar quase metade da distância que nos levou de carro até lá. Tudo o que aconteceu a seguir não era nada comparado com a sensação de expectativa que sentimos quando chegamos na propriedade. Viddy estava sentada na mesa da cozinha com as mãos e pés atados na cadeira. Gustavo estava andando e gritando em seu telefone, por quase toda a cozinha longe de Viddy. Cautelosamente, Trance e Loki avançaram para a porta, enquanto o resto de nós se espalhou ao redor.


Eu tomei a porta lateral que dava para fora da sala de jantar enquanto Trance e Loki tomaram a porta de vidro que dava para a cozinha. Melhor, a porta de vidro estava aberta, permitindo que a brisa fresca da noite passasse pela porta de tela. Permitindo-nos ouvir toda a conversa. E foi assim que nós descobrimos que Gustavo estava sozinho, desarmado, e chateado como o inferno que ele agarrou a irmã errada, arriscando tudo para raptar esta mulher que nem sequer iria levá-lo em qualquer lugar. Eu estava dentro da casa na borda do corredor, apenas mal capaz de ver à cozinha quando Loki entrou e Gustavo se virou ao perceber sua presença. Ele estava de costas para a porta permitindo a Loki entrar na cozinha antes dele se virar e até mesmo ver que alguém estava lá. Em seguida, ele tentou correr. Diretamente para mim. Ignorando a advertência anterior de Silas, eu recuei meu braço e bati no homem com cada pedacinho de fúria que tinha acumulado nos últimos dezesseis anos, socando-o na bochecha. Ouvi claramente o barulho do osso quebrando, e, em seguida, ele caiu. Duro. Sua cabeça bateu no chão de azulejos em primeiro lugar, seguido logo depois pelo resto do corpo. Levou todo o autocontrole que eu possuía para não elevar a perna e chutá-lo, batendo a merda fora dele até que seu rosto não se assemelhasse a nada humano. Mas, em seguida, a mão de Sebastian enrolou em volta do meu ombro e me puxou de volta, para longe da tentação, praticamente me arrastando para trás até que eu estava de volta lá fora e em pé no ar frio do inverno. "Você está bem?" Disse Sebastian para mim, e foi só então que eu percebi o quão rápido eu estava respirando. Meus pulmões estavam fluindo como um trem de carga, e cada sopro de minha respiração encheu o ar frio da noite como uma nuvem, que me rodeava. "Seu pedaço de merda. Sua estúpida peça, porra de merda. Eu deveria te matar. Você lhe tomou quase tudo, você prejudicou a minha


irmã. Você não merece viver." Viddy gritou, fazendo com que a tensão em meus ombros aliviasse ligeiramente. "Quem você está chamando?" Sebastian perguntou enquanto caminhava até onde eu podia ver o show se desdobrar na cozinha. "Minha futura esposa.”

09h37min PM "As câmeras estão desligadas, mas eu não sei por quanto tempo vou poder manter isso sob controle embora. O capitão não vai gostar disso, se você bater a merda fora dele. Tente manter uma tampa sobre sua ira, hein?” Loki pediu, quando ele me mostrou a sala de interrogatório onde o Gustavo estava. Eu entrei no quarto sem dizer uma palavra de afirmação para Loki, e imediatamente apertei minhas mãos em punhos para não bater no rosto da pequena doninha. Gustavo sorriu para mim, instantaneamente sabendo quem eu era assim que passei pela porta. Eu andei calmamente na sala, tentando com todas as forças, manter dormente a fúria que estava sentindo. "Então você finalmente veio para descobrir qual eram os meus motivos, sim cazzo?" Perguntou Gustavo. Cazzo. Dick. Fico feliz que ele poderia ser original. Meu pai tinha me dito isso muitas vezes quando eu estava crescendo. "Sim, as câmeras estão desligadas," eu disse olhando para o homem. "Diga-me o porquê." "Você tem uma carta. Eu teria ficado no anonimato, se não fosse pela carta." Ele deu de ombros. "Você perdeu seu tempo. Eu nunca sequer li a carta." Rosnei em frustração.


"Isso não importa, cazzo. Eu tive vontade de encontrá-lo e dizer obrigado por anos agora. Eu nunca teria tido conhecimento se você não tivesse enviado o pacote do Iraque. Nunca tive intenção de machucar a sua bastarda tão mal, mas uma vez que isso aconteceu, bem, apenas aconteceu. Rosalie foi o suficiente para me manter calmo, apesar de eu ter que a ameaçá-la um pouquinho." Ele disse, segurando meus dedos que estavam a uma distância muito curta dele. "De qualquer forma, eu tinha certeza de que quando seu papa entregasse essa carta a você, você iria ler, mas você não o fez. Só que a menina fez. É claro, então eu tive que matá-la. Eu usei o seu irmão. Esse estúpido filho pequeno da peste. Ninguém podia fazer nada direito, então eu tinha que fazer isso sozinho. Desculpe sobre sua irmã, no entanto. Isso foi muito ruim." Ele sorriu e mostrou os dentes. Ouvi o que eu precisava, então comecei a sair do quarto, mas parei quando cheguei à porta. "Basta lembrar isso, cazzo. Não deixe cair o sabão. Eu espero que você goste de ser a cadela." Eu assobiei antes de cair para fora da sala.

10h18min PM Eu assisti quando Adeline e Viddy se reuniram, mantendo a minha boca fechada e deixando que elas tivessem o seu momento. "Então ela foi até ele e lhe deu pontapés?" Adeline riu. "Será que Trance a atirou sobre seu ombro antes ou depois que ela o chutou no rosto?" "Depois. Trance teve que ser forte, porque ela se contorcia para se soltar, indo para o homem abatido. Em seguida, ela recuou e chutou-o no rosto, quebrando seu nariz e pulverizando o sangue absolutamente em todos os lugares". "Sim, eu acho que ainda tenho no meu cabelo." Viddy gemeu do sofá ao lado de Adeline. Adeline riu ainda mais quando ela puxou a irmã para ela, e enterrou o nariz no cabelo de Viddy.


"Eu não posso acreditar que você fez isso. Obrigado." Adeline sussurrou. "Eu acho que você realmente deve agradecer a si mesma. Você é a única que me comprou essa coisa de rastreador de cão. Funcionou bem, também. Eu tinha-o em volta do meu pescoço." Ela disse quando ela puxou o objeto que estava em uma corrente no pescoço debaixo de sua camisa. Era uma coisa circular tipo medalhão com um quarto do tamanho. "Não, isso foi você por mantê-lo carregada. Sem isso, ele teria sido inútil." Viddy acenou com o comentário, com um movimento de sua mão. "Tanto faz." "Me aperte, Viddy." Adeline disse quando ela enrolou um pouco mais em sua irmã. "Eu te aperto também." Viddy respondeu.


"Tudo bem, eu vou estar de volta logo. Eu quero que você comece a ler o manual de laboratório, e então podemos começar com as aulas práticas. Rebecca, você pode..." Beeeeeep. Beeeeeep. Beeeeeep. O alarme de incêndio começou a tocar, fazendo meu coração dar um salto no meu peito. Embora eu soubesse que nós estávamos fazendo uma simulação de incêndio hoje, isso ainda assustou-me. Aquela merda era mais alto do que o inferno, e prestes a dar-me o ataque no coração. "Tudo bem senhoras e senhores, se alinham na porta. Deixe suas coisas. Os telefones celulares também." Eu disse, para a classe antes de se dirigir para a porta. Quando eles saíram, um por um, e começaram a caminhar para a saída mais próxima, eu contei minha classe até que eu tinha certeza que eu tinha todos eles, e depois segui atrás deles. "Dirijam-se ao campo de futebol. Estamos na jarda treze, lembra?" Eu falei à frente. Todos eles resmungaram quando fizemos o nosso caminho pelo corredor para o ar fresco da primavera. Passaram-se dois meses desde aquela noite horrível, que minha irmã foi sequestrada, e ainda acordo suada todas as noite só de pensar sobre como ela tinha sido levada na minha frente.


Viddy, por outro lado, parecia começar a sair da sua concha. Ela começou a vir nos churrascos de Dixie Wardens, bem como qualquer coisa que eles programavam. Eu estava curtindo cada minuto de tê-la perto de mim, também. "Senhores, pare de segurar a fila. Por favor, continue a seguir em frente para o campo. Jackson Freeman, o que eu disse... oh, meu Deus." Eu engasguei. Os meninos com quem eu estava gritando moveram-se para o lado de uma só vez, e na minha frente, de joelhos, estava o amor da minha vida. Em seu uniforme e capacete. Levei um tempo para pensar no fato de que o meu homem estava de joelhos no meio de uma simulação de incêndio, mas então aconteceu de eu olhar para baixo na frente dele para ver "Casa comigo" escrito com a mangueira de incêndio. Olhei para o homem, cambaleei por alguns segundos atordoados antes de sair correndo, derrubando-o no chão e dando beijos em sua face, nariz e boca. Praticamente qualquer parte de seu corpo que eu poderia alcançar sem que fosse indecente. "Então, eu tomo isso como um sim?" Ele perguntou alegremente. "Mil vezes. Sim." Gritei de volta, assim como estava feliz. "Sra. Sheffield, eu com certeza espero que você saiba o que está fazendo." Disse a Sra. Threadgill do meu lado. Eu olhei para o rosto da mulher afetada e sorri para o prazer que eu vi que emanava lá. "Ah, sim, ele é o pau do meu machado. Como eu poderia dizer não?" Eu provoquei. "Eu não tenho certeza se eu gosto desses tipos de palavras usadas na frente dos meus alunos." E a senhora dragão estava de volta.


QUATRO MESES E MEIO MAIS TARDE Olhei para o projeto acabado da casa de Kettle. Não, nada disso. Nossa casa. Kettle e seus amigos de ambos os Wardens Dixie e corpo de bombeiros trabalharam dia e noite para tornar este lugar apresentável para hoje. Eu não poderia ajudar a onda de excitação que corria em minhas veias enquanto olhava para a janela da cozinha e via Kettle, meu noivo e futuro marido, de pé no cais recém-reformado. Em menos de uma hora, estaríamos casados. "Hey?" Jefferson chamou atrás de mim. Virei-me para encontrar meu irmão na porta. Ele estava muito melhor ultimamente. Mas isso teve muito a ver com a mulher que ele tinha grudado no se braço atualmente. Detetive Annalise Hernandez. Ela estava bastante brilhante, e que não era surpreendente desde que ela estava de quatro meses de gravidez. O cabelo de Jefferson foi cortado em um corte afiado que mostrava suas características perfeitamente. Sua polo azul e calça cáqui estava ótimas nele. Seus músculos estavam começando a engrossar e se espalhar, e meu coração começou a chorar. Ele estava parecendo tanto com o meu pai que fez meu coração doer. Um tipo bom de dor. Meu pai teria ficado orgulhoso dele. Acontece que quando ele percebeu no tipo de problema que ele estava entrando com o Gustavo, Jefferson fez a coisa inteligente e foi para a ATF12 em vez de fazer a coisa estúpida e submeter à vontade de Gustavo. Ele estava trabalhando com ATF* para derrubar Gustavo, enquanto The Dixie Wardens e o Departamento de Polícia Benton estavam fazendo a mesma coisa. Eles não perceberam que eles estavam todos trabalhando no mesmo time até a noite que Kettle trouxe a minha irmã de volta pra mim. Annalise conheceu Jefferson durante a enorme explicação que participou entre a polícia e ATF. 12

Agência de álcool, tabaco, armas de fogo e explosivos.


A partir daí, cresceu o relacionamento deles, apesar das grandes diferenças entre os dois. Que serviu para mostrar que o amor é cego. Você não escolhe quem você ama, você apenas tenta aproveitar a onda. Annalise e Jefferson definitivamente cavalgaram a onda, pois a barriga grávida de Annalise não havia era o suficiente para mostrar isso. "Jefferson!" Eu gritei alegremente. "Estou feliz que você veio. Como vai você?" Os olhos de Jefferson arregalaram quando ele percebeu o tamanho do meu decote, e eu não poderia segurar a risada que escapou da minha garganta. Annalise estava sorrindo amplamente quando viu embora. "Wow seu vestido de noiva é muito... vermelho. E onde está o resto?" Ele perguntou, surpreso. Eu ri quando eu respondi. "Você sabe que eu não sou tradicional. Isso não é o meu estilo em tudo. Mas isso... isso é comigo. Kettle pode ter um pequeno ataque cardíaco, mas acho que ele vai gostar." O vestido era vermelho na parte superior com um decote que lentamente descia se transformando em branco. Era um estilo corselete com fita de cetim preto cruzando em minhas costas. Cristais Swarovski alinhada ao topo, acentuando meus seios volumosos perfeitamente. Oh, quem eu estava enganando? Kettle ia ter um ataque, mas eu pretendia dizer-lhe alguma coisa mais tarde, e eu o queria completamente distraído até que eu fizesse isso. Seria a foto perfeita! Eu só esperava que o fotógrafo fosse capaz de captar a expressão do seu rosto como ele me assegurou que podia, quando eu dissesse a ele. "Sim, eu posso ver que você definitivamente não é tradicional. Nem você nem as suas damas de honra são tradicionais". Jefferson sorriu quando Viddy e Baylee entraram na sala. Baylee era uma dama de honra, enquanto Viddy foi, naturalmente, a minha dama de honra. Ambos os seus vestidos eram sem alças eram feitos de renda preta no comprimento acima do joelho, moldando seus corpos. Tinham uma fita escarlate profundo elevada em suas cinturas com suas cores combinando com a minha, e eu simplesmente adorei. Eu não podia esperar para ver os olhares nos rostos de Sebastian e Trace, quando eles


virem minhas lindas damas, assim como eu não podia esperar para ver o olhar de Kettle. "Então como é que estou? Porque eu não posso enxergar!" Viddy brincou enquanto girava ao redor. Jefferson, Annalise e Baylee todos riram com a brincadeira de Viddy, mas eu só olhava. Ela realmente parecia deslumbrante. O que também me deixou louca, porque seu corpo parecia melhor do que o meu, apesar de que meus seios poderiam chutar a bunda dos seus. Ela não usava sutiã, mas funcionou bem para ela. O vestido ficou requintado em sua forma de ampulheta magra. "Adeline?" Ela perguntou quando ela não ouviu a minha risada. "Sim, Viddy?" Perguntei, caminhando perto dela. "O que há de errado?" Ela perguntou. "Nenhuma coisa. Você está linda." Eu sussurrei, realmente desejando que ela pudesse ver a si mesma. "Eu sei. Eu me sinto bonita, por isso eu olho bonito." Ela brincou. "Tudo bem, quem está pronto para começar este show?" Exclamou Jefferson. "Sim, estou pronta. Todo mundo?" Eu perguntei ao grupo. "Espere! Você esqueceu sua liga! Aqui, levante o seu vestido e deixe eu colocar isso." Baylee ordenou quando ela agachou-se aos meus pés. Eu segurei meu vestido em minhas mãos e levantei, vendo como Baylee escorregou o pequeno pedaço de rendas babados e tecido sobre minhas botas e até minha coxa. Uma vez feito isso, ela deu a minha coxa exterior um tapinha e deu um aceno de cabeça. "Vamos, consegui. Eu mal posso esperar para ver o rosto de Kettle quando ele te ver! "


"Puta merda", resmungou Sebastian do meu lado. Meu coração estava lento e constante enquanto eu observava Baylee descer a doca em nossa direção. Então veio Viddy e eu fiquei tenso. Ela caminhou firme e segura com sua bengala. Uma vez que ela chegou à beira do cais, ela se aproximou e caminhou levemente, com passos suaves e estáveis em nossa direção. Trance que também estava ao meu lado, visivelmente relaxado, como eu, uma vez que ela surgiu e seguiu para o lado de Baylee assobiou: "Jesus Cristo" Trance estava tenso. Embora, eu estava tão preocupado como ele, apesar de Viddy ter praticado não apenas uma vez, ela praticou isso uma centena de vezes. Decidimos não ter porta alianças ou meninas de flores por causa do casamento ser no próprio deck. Nós não queremos ter que ir pescar crianças para fora do lago, então a próxima a sair foi Adeline. E o que a porra de uma visão que ela era. Ela estava caminhando nos braços de Silas e Dixie. Ela tinha se ligado muito com os dois ao longo do tempo, e nos disse que ela não podia decidir a quem perguntar, então ela perguntou a ambos, e ambos tinham concordado prontamente. Então, quando ela chegou perto o suficiente, eu podia ver o decote, e quase caí fora da doca maldita. "Caramba." Eu disse balançando a cabeça. Em seguida, um sorriso ultrapassou minha boca enquanto ela caminhava pelo cais em direção a mim. Ela era tão fodidamente bela, que fez meu coração doer. Uma vez que ela chegou ao local designado, reverendo Spano começou. "Quem dá a mão da mulher no casamento?" Ele perguntou. "Eu faço." Disse Dixie e Silas, ao mesmo tempo. Ambos a soltaram com beijos na bochecha dela, dando a minha mão a espera.


Uma vez que ela estava perto de mim, eu sussurrei para ela, "Você está linda." Embora eu poderia ter dito isso para os peitos dela e não o rosto, mas quem poderia culpar um homem? Eles apenas estavam lá para o mundo ver. Ela riu e bateu no meu peito antes de nos virarmos para o Reverendo Spano. Foi quando nós dissemos os nosso votos e Reverendo Spano estava encerrando a cerimônia que Adeline roubou meu coração para o segundo tempo. "Tiago?" Ela sussurrou baixinho, tentando não interromper as palavras de sabedoria do reverendo Spano. Eu virei para ela, olhando profundamente em seus olhos. "Sim, baby?" "Eu queria dizer uma coisa." Ela sussurrou. "Agora?" "Sim, agora." Ela disse balançando a cabeça. Eu levantei minhas sobrancelhas e esperei por ela para explicar. "Bem?" "Você quer um menino ou uma menina?" Ela perguntou. Levou alguns momentos para o meu cérebro se recuperar da sua pergunta, mas quando ele fez, tudo que eu fiz foi explodir de emoção. Ignorando totalmente tudo o que Reverendo Spano estava dizendo, eu arrastei Adeline em meus braços e comecei a girá-la. "Você está brincando comigo?" dei uma risada enchendo o ar em torno de nós, mas eu ignorei-os enquanto eu esperava que ela respondesse. Ela balançou a cabeça. "Não. Eu descobri esta manhã." "Foda-se, sim," eu disse. "Eu vos declaro marido e mulher. Você pode beijar a noiva." Disse o reverendo Spano com um sorriso em sua voz. Era tarde demais embora. Eu tinha a boca de Adeline na minha própria, arrebatador, antes que as palavras ainda deixassem a boca do reverendo.


NOVE MESES MAIS TARDE "Para você, senhor?" A garçonete pergunto a Kettle. "Eu quero duas refeições de US $ 20. Eu quero dois bifes. Uma com milho e purê de batata. A outra com batatas fritas e uma batata cozida." Fechei os olhos me esforçando para não rir. O homem era uma máquina de comer fodidamente desde que ele tinha conseguido me engravidar. Agora, aos nove meses de gravidez, eu mal podia com qualquer coisa em meu estômago. No entanto, Kettle mais do que compensou isso. Quando ela começou a sair, Kettle a chamou de volta com um sonoro: "Espere!" "Sim, senhor?" Ela perguntou nervosamente. Eu bufei. O homem intimidava a todos, mas inferno santo, ele era mais quente do que o pecado. "Você não anotou o pedido da minha esposa." Disse Kettle pacientemente. "Espere, você vai comer os dois?" Ela disse. Ao aceno grave de Kettle, a garçonete virou-se para mim com expectativa. "O que você quer senhora?" "Eu vou ter bolo lava derretida, um hambúrguer e anéis de cebola. Traga o bolo quando você trouxer suas saladas." Eu a instruí. Quando a moça olhou para mim como se eu tivesse perdido minha mente, Baylee e Sebastian, que estavam sentados na nossa frente, começaram a rir.


Eu olhei para o casal, mas segurei minha língua até que a garçonete saiu com o nosso pedido. "Por que vocês estão rindo de mim? Ele é o único que pediu duas refeições completas para si mesmo." Rosnei. Sebastian começou a gargalhar com essa afirmação. "Você sabia que ele teve que mudar os tamanhos das suas calças do uniforme?" Sebastian perguntou a Baylee. Os olhos arregalados de Baylee viraram sobrancelhas levantadas. "Sério?" Ela perguntou.

para

Kettle,

as

Kettle deu de ombros sem pedir desculpas e, em seguida, tomou um gole de sua cerveja. "Pelo menos não é a doença da manhã mais. Que era um assassino, enquanto eu estava no trabalho." Eu esqueci de mencionar que Kettle experimentou todos os mesmos sintomas que eu estava sentindo? Foi incrível. Não. Ele lamentou mais do que uma criança sobre tudo! "Adeline, eu estou com fome." “Adeline estou cansado." "Adeline, eu estou com tesão." Bem tudo bem, se eu estava sendo sincera o último não foi um problema. Meu desejo para o sexo atravessou o telhado depois que completei quatro meses, o que era insuportável nos três primeiros meses e eu não desejo a ninguém. Um cheiro muito desagradável começou a pairar no ar, e eu sabia com certeza que não era as fajitas13 que acabaram de passar por nós alguns momentos antes. "Que cheiro é esse?" Perguntei, virando os olhos em tom acusador na direção de meu marido. Ele deu de ombros. "Eu não.” Agora que você mencionou, eu senti, também. Cada cabeça na mesa virou-se para Blaise, que estava com 14 meses de idade. Ela estava inocentemente degustando um pouco de Cheetos olhando a para todo mundo como se fosse uma pequena princesa. Em seguida, o mais alto peido, o mais abominável som saído de uma bunda que eu já tinha ouvido; homem, mulher e criança incluído. Fajita é um termo genérico utilizado na culinária Tex-Mex, que se refere à carne grelhada servida em uma tortilla de milho ou farinha. 13


O que aconteceu a seguir foi como uma cenas saída de um filme. Merdas como essa não acontecem na vida real. Cocô começou a escorrer da parte de trás dos ombros da menina, acima de sua camisa, e, em seguida, saindo e escorrendo até seu estômago. Em seguida, o mundo desabou, quando começou a borbulhar para fora. A única coisa que se podia comparar com o lodo tóxico era à força de uma Harley. Todos nós ficamos horrorizados, bem como os fregueses em torno de nós comendo os seus jantares, que até então estavam completamente alheios. "O que vamos fazer?" Baylee engasgou com medo. "Leve-a para fora até a camionete. Eu tenho um par de litros de Coca-cola na parte de trás." Kettle ofereceu surpreendendo a todos. Não foi o fato dele sugeriu derramar galões de Coca-Cola para lavar a merda fora de uma criança. Mas sim que foi ele que teve uma sugestão em primeiro lugar. Kettle era perfeito e prestativo quanto a criação dos filhos de seus amigos. Ele era o 'calmo' com todas crianças que estavam por perto. Não queria fazer alguma coisa? Vá encontrar Kettle. Ele vai fazer pra você. "Eu não posso dizer que a Coca seria a primeira coisa que eu gostaria de usar, mas ela vai resolver por agora. Eu tenho alguns lenços umedecidos para limpar a viscosidade, uma vez que for lavada." Baylee balançou a cabeça se mostrando desesperada. Quando ela se abaixou para pegar Blaise, ela parou, olhando ao redor da área para o melhor lugar para colocar as mãos sem realmente tocar qualquer merda. Ela finalmente pegou pelas alças do seu macacão e levantou-a. Baylee foi a primeira a sair, logo seguido por Sebastian, e depois foi a minha vez de tentar sair da cabine. Felizmente, eu consegui na primeira tentativa, o tempo todo Kettle riu atrás de mim. "Você é um cabeça de merda." Eu disse para Kettle. Kettle ignorou meu comentário e enfiou a mão no bolso de trás de sua carteira. Agarrando a atenção da garçonete mais próximo, ele disse a ela que a nossa comida era para viagem e ele entregou uma nota de cem dólares.


"Nós vamos estar no estacionamento, basta enviar para fora quando estiver pronto, por favor." Ele instruiu enquanto caminhava até mim, em seguida, agarrou a minha mão. "Sra. Spada!" Uma voz estridente gritou, ao meu lado. Suspirando, eu me virei e encontrei Amanda, uma aluna minha de frente para mim. Ela estava usando seu uniforme Benton Bulldogs Cheerleading, e ela tinha os cabelos tão apertado em sua cabeça que parecia doloroso. "Amanda", eu disse, sorrindo para a garota. "Como foi o jogo?" "Oh, ele foi ótimo! Você deveria ter visto isso! Jimmy Lee marcou nos últimos quinze segundos do jogo, batendo o seu recorde de todos os tempos. Então Boomer..." Amanda parou. Eu não ouvi, porém, porque uma contração bateu-me do nada, quase me derrubando de joelhos no chão. Os olhos de Kettle estreitaram em mim quando ele percebeu o suor na minha testa, a mão apertando minha barriga, e as garras que eu tinha afundado em seu antebraço esquerdo. "A contração?" Perguntou Kettle em preocupação. "Sim", eu falei quando a dor diminuiu, permitindo-me a respirar novamente. "Jesus estas Braxton Hicks não é nenhuma piada!” Eu já tinha ido ao hospital duas vezes nos últimos dois dias, e ambas as vezes, eles tinham me mandado para casa porque eu não estava sentindo contrações reais, mas Braxton Hicks. Se estas fossem contrações falsas, eles teriam que administrar a peridural no momento do check-in. Eu já tinha ameaçado Kettle de castra-lo se me enviassem de volta novamente. Não havia nenhuma maneira no inferno que eu poderia passar por isso duas vezes. Os últimos nove meses tinham sido um verdadeiro inferno. Enjoo matinal. A doença de movimento. Doença de luz. Gemendo doença marido. Qualquer coisa que eu poderia ter, eu tive. Ataques de vesícula biliar. Pedras nos rins. As reações alérgicas a algo que eu nunca tinha sido antes alérgica. Você nomeia o que eu tinha. E nem comecei a dizer, estrias fodidamente e como meu corpo não respondia a minha vontade. Eu fiz xixi em mim mesmo mais vezes nos últimos nove meses do que eu tinha feito em meus trinta anos de vida. Gravidez realmente tinha um jeito de fazer você humilde.


"Tudo bem, bem, se a dor aumentar ou o tempo entre elas diminuir, deixe-me saber. Foi bom vê-la Heather." Kettle disse distraidamente. "Amanda" corrigiu ela não se importando nem o mínimo que Kettle tinha chamado ela pelo nome errado. "Desculpe Ângela. Tenha um bom resto do seu dia.” Ele disse antes de me puxar pela minha mão para fora da porta. "Tiago, você é cabeçudo. Você sabia muito bem o seu nome!" Eu distraidamente lhe dei um tapa na bunda. Ele sorriu para mim. "Sim, e daí?" Revirei os olhos, e então ri quando eu vi a cena acontecendo na parte de trás da camionete de Kettle. "Ei! É melhor vocês estarem levando a minha camionete para a lavagem amanhã!" Ele gritou quando chegamos ao lado de Baylee que tinha suas mãos sobre Blaise. "Está funcionando?" Perguntei. Baylee bufou. "Sim, e surpreendentemente funciona melhor do que um banho. Por que você tem tantas cocas em sua camionete, Kettle?" Sebastian se mudou para a carroceria da camionete enquanto jogava mais uma garrafa de Coca nas costas de Blaise e respondeu à pergunta. "Kettle tem um desejo por Coca-Cola. Ele não gosta de beber outra coisa." Eu teria respondido, mas o vento aumentou, soprando areia através do ar, o que eu inevitavelmente inalei. Então espirrei. Em seguida, prontamente fiz xixi sobre mim. "Filho da puta!" Eu gritei quando minha mão desceu para minha virilha. Eu tentei segurar cruzando as pernas. "Ela não vai parar!" Eu gritei enquanto continuava a derramar pelas minhas pernas. "Meu Deus! É como uma cachoeira. O que eu faço? O que eu faço?" Na época, eu não achei nem um pouco engraçado. Lá estava eu, de pé no meio do estacionamento de um Chili’s parking, enquanto eu observava dois dos meus melhores amigos no


mundo despejando Coca sobre a sua filha, e eu toda molhada de xixi e molhando as botas e calças de Kettle que estava ao lado. Não foi até Kettle agarrar meu rosto e me fazer olhar em seus grandes olhos azuis que eu finalmente me acalmei o suficiente para perceber que nenhuma mulher no mundo poderia prender tanto xixi, e muito menos uma mulher grávida que tinha uma bexiga do tamanho de um copo. "Eu acho que minha bolsa estourou." Eu soluçava com fervor. Kettle acenou com a cabeça, os olhos sérios, quando ele colocou a mão na minha barriga. "Alguma contração?" Ele perguntou quando ele olhou para minha barriga e, em seguida, para as minhas pernas. "Não", eu disse bem quando eu veio outra contração que roubou o meu fôlego. Ele olhou para seu relógio e calmamente cronometrou enquanto nossos olhos se cruzaram. "Essa foi de quatro minutos trinta segundos depois da que você teve lá dentro. Acho que é hora de levá-la para o hospital." Eles dizem que os primeiros partos demoram horas. Mesmo dias. Eu sabia que após dez minutos da minha bolsa estourar que não ia demorar horas. Eu teria a sorte de ter minutos. Apenas momentos depois de entrarmos na camionete e ele começar a se dirigir para o hospital que ficava a quinze minutos de distância, eu sabia que não daria tempo. "Tiago?" Eu perguntei quando eu me inclinei para frente. "Sim?" Ele perguntou quando ele se virou numa estrada secundária que levava à interestadual. "O que aconteceria se eu tivesse o bebê agora?" Eu perguntei com os dentes cerrados. "Você não terá. Nós vamos chegar lá a tempo." Ele me assegurou. "Eu não acho que...nós temos tempo." Então eu estava lutando com minhas calças, arrancando do topo da minha barriga, sobre meus quadris, e para baixo até a piscina aos meus pés. "O que você está fazendo?" Perguntou Kettle em surpresa.


Minha mão desceu entre as minhas pernas onde eu senti algo que realmente não deveria estar lá. "Uhh, há algo entre as minhas pernas." "Isso seria o seu pentelho!" Disse Baylee por trás do meu assento. Eu estava balançando a cabeça e batendo no braço de Kettle para chamar sua atenção. "Não, realmente, olha para minha vagina!" Eu não tinha a intenção de gritar. No entanto, eu não poderia me segurar. Eu realmente não tinha a intenção que o velho homem na picape próxima ao nosso carro ouvisse, mas, inevitavelmente, ele fez, e com certeza, ele tentou dar uma olhada. Sorte para mim que ele não podia ver por cima da janela de Kettle, azar para mim que o homem no lado oposto de nós podia, e ele gritou. "Jesus, Maria e José. Essa mulher tem um alienígena sangrento saindo de sua vagina!" "Por que as janelas estão abertas!?" Eu gritei. Kettle, que estava esperando o tráfego para passar no semáforo, olhou para cima, e seus olhos se arregalaram. "Filho da puta!" Ele gritou quando ele atravessou duas faixas de tráfego para encostar no estacionamento mais próximo. Que passou a ser do Wal-Mart. "Meu Deus! Não pare aqui! Eu não quero ser um ‘povo de WalMart’ na estatística! Vá mais um pouco até o Dairy Queen". No entanto por mais irracional que fosse, não havia nenhuma rima ou razão para a minha loucura. Se eu tivesse que ter o meu bebê em uma camionete sem drogas, eu estava muito bem para tê-lo onde eu queria. Ele obedeceu, também. Assim que a camionete estava no parque, Kettle estava fora e correndo ao redor da frente da camionete enquanto Baylee rastejava sobre o console para olhar para baixo. "Você tem luvas?" Perguntou Baylee a Kettle uma vez que ele tinha a porta aberta. Os olhos de Kettle estavam sobre a catástrofe que estava acontecendo entre as minhas pernas, mas sua resposta foi muito clara e precisa. "Nunca carregue uma. Você tem uma; você é obrigado a usá-la.


Há algumas luvas no console que você está sentado com uma máscara de bolso também. Ligue para o 911." "Já liguei quando eu notei que você cortou quatro faixas de tráfego." Disse Sebastian atrás de mim em algum lugar. Talvez mais tarde eu poderia encontrar a mortificação que eu deveria estar sentindo, mas naquele momento, era inexistente. Por que você pergunta? Porque a minha buceta tinha algo do tamanho da cabeça de um bebê lá em baixo, (embora meu marido fosse despojado no departamento de tamanho do pênis) mas isso não vem ao caso. "Oh, pelo amor de tudo que é Santo-argh!" Minha sentença foi abruptamente interrompida pela chegada de outra contração, um desejo intenso de empurrar vindo junto. "Tenho. Que. Empurrar." "Adeline, olhe para mim agora." Kettle ordenou, fazendo meus olhos abertos. Olhei em seus olhos enquanto ele calmamente inclinou o banco para trás até que eu estava deitada de costas, e, em seguida, começou a estudar a cabeça que estava fazendo lentamente seu caminho para fora do meu corpo, não importa o quanto eu não tentei empurrar. "Na próxima contração, eu quero que você empurre, Adeline está bem?" Ele disse com firmeza. Eu balancei a cabeça, fechei os olhos, e então esperei para a próxima sensação angustiante me ultrapassar. Ele fez momentos depois, e eu empurrei e empurrei, assim como fui instruída a fazer. "Cabeça está pra fora." Disse Kettle suavemente. Eu podia sentir suas mãos se movendo lá em baixo, e eu severamente esperava com todo o meu ser que ele não se lembrasse disso na próxima vez que fizéssemos sexo. Meu marido tinha visto a minha vagina emitir a cabeça de um bebê do tamanho de uma grapefruit14. Eu não vejo como ele poderia esquecer. "Sebastian, vá buscar o presente que estávamos indo para darlhes mais tarde. Está na camionete na frente do banco de Blaise!" Baylee falou do assento ao meu lado. "Oh meu Deus," eu gritei quando senti a próxima contração. 14

Tipo de laranja.


"Empurre!" Baylee e Kettle gritaram. Eu empurrei. "Assim, o que você fizer, não deixa ele cair." Eu implorei entre empurrões. Kettle revirou os olhos. "Eu já entreguei quinze bebês. Consegui segurar cada um deles. Acho que vou conseguir com o meu próprio filho. Agora empurre, você quase o levou todo o caminho." Eu não poderia dizer como os próximos três minutos se passaram, mas eu empurrei com toda a porra do meu poder, gritei, xinguei e gritei. A maior parte foi direcionada para Kettle, mas eu reservei alguns golpes para a humanidade como um todo. "Ahhh, sua prole demônio maldito precisa dar o fora da minha vagina! Ele está saindo! Jesus, ele queima!" "Um último empurrão, querida." Disse Kettle suavemente, nem mesmo ao menos um pouco afetado por minhas ameaças. "Desculpe-me senhor, nós podemos assumir a partir daqui", disse uma voz autoritária diretamente atrás de Kettle. Meus olhos foram para a mulher que estava tentando tirar a minha tábua de salvação e rosnei. "Vai se foder, puta. Ele está me ajudando a ter esse bebê, que Deus me ajude. Vou ter o prazer de estripar você, se você ainda tentar interferir.” Mais tarde me disseram que eu me assemelhava a um demônio quando eu rosnei para a pobre senhora, mas agora, a luta foi muito real. Kettle riu, e então, de repente, tudo, cada coisa que eu estava sentindo de repente desapareceu. A dor desapareceu abruptamente, e em seu lugar veio a tempestade do choro de uma criança embalada contra o peito de seu pai. "Oh, meu Deus", Baylee respirava. "Você teve uma menina." Meus olhos, que tinha finalmente fechado em relevo, se abriram para isso, e eu olhava com surpresa atordoada minha menina manchada de sangue e coágulos enrolada contra peito de seu pai. "Ela está distraidamente.

sujando

o

seu

colete

de

sangue",

eu

disse

Kettle sorriu. Ele sorriu tão grande que eu esqueci todo o constrangimento que eu estaria sentindo apenas momentaneamente.


Esqueci-me sobre tudo, mas vendo a felicidade no rosto de meu marido, e eu estava feita. "Qual é seu nome?" Perguntou Sebastian a partir de algum ponto que eu não podia vê-lo. Graças a Deus. "Saylor." Eu disse jovialmente. Kettle bufou e eu olhei para ele. "O que?" "Você sabia o tempo todo não é? Deu-me a esperança de que eu ia nomeá-lo com o nome do meu jogador favorito do Nacional, e então você puxa o tapete debaixo de mim. Começa a usar seu nome mesmo depois que você me garantiu que poderíamos chamá-lo de Jason." Ele olhou para trás. "Acho que você nunca vai saber!" Eu disse alegremente.

TRÊS MESES MAIS TARDE "Despertar do seu bebê." Disse Kettle conforme ele entrou na sala. Ele estava vestido em seu uniforme, o que inevitavelmente significava que ele estaria deixando-me aqui em breve, e eu ficaria acordada a noite toda com a nossa pequena Saylor novamente. "Eu sei. Estou muito cansada para me mover, apesar de tudo. Talvez você deva alimentá-la." Eu disse cansada. "Eu não tenho os sacos de diversão que Saylor quer." Ele brincou. "Eu ouvi que os homens podem produzir leite com tratamentos hormonais." Eu respondi maliciosamente. Ele bufou. "Okay, certo. Eu ficaria bem real com peitos." "Você foi o único que disse que queria um bebê." Eu disse no meu travesseiro. Kettle bateu na minha bunda. Difícil. Depois à esquerda para recuperar Saylor.


Eu fiquei exatamente onde eu estava até Kettle trazer a nossa criança chorando da sala e acomodar na cama. Virei para o meu lado e me ajeitei enquanto Kettle desabotoou os botões do meu vestido, libertando um dos sacos de diversão em questão, e colocou Saylor suavemente. Ela rapidamente agarrou, passando de lamentação como uma alma penada para grunhidos famintos em quatro segundos. Kettle riu enquanto passava o grande dedo pela bochecha de Saylor. "Deus, eu te amo." Ele disse, movendo os olhos de fome de sua filha para os meus olhos. Minha boca inclinou-se em um sorriso diante dos meus olhos caíram fortemente. "Eu não odeio você." Ele bufou. "Eu não odeio você também." Ele respondeu secamente. "Eu tenho que ir para o trabalho. Vejo você quando eu chegar em casa. Mamãe está vindo mais tarde. Não se esqueça. Eu contive a vontade de rir em voz alta. Eu não iria esquecer. Aquela mulher tornou-se uma salva-vidas nos primeiros dias após trazermos Saylor para casa. Agora, aos três meses de idade, ela sempre vinha para ajudar com Saylor. Quarta à noite para que eu pudesse ter um pouco de tempo para mim, fazer qualquer tarefa doméstica ou até mesmo em ocasião rara, sair em um encontro com Kettle. Tinha havido um monte de ajustes quando Saylor chegou em nossas vidas. Com três dias de idade, Saylor foi diagnosticada como surda. Ela falhou não só na sua triagem neonatal, mas também no seu acompanhamento. Eu já estava verificando a internet dias depois dela ter sido diagnosticada surda, mas a única coisa que me impediu de pirar totalmente foi Viddy. Ela explicou-me que ser surdo não era uma sentença de morte. Com o avanço da tecnologia nos dias de hoje, Saylor poderia viver uma vida plena e feliz sem uma única coisa segurando-a de volta. Quando eu olhei para minha perfeita garotinha, eu sabia que era verdade.


Ela era uma menina muito especial, e ela foi simplesmente adorada por todos. Na verdade era seu pai, a quem ela tinha envolvido totalmente em torno de seu dedo mindinho. Que foi por isso que quando ele voltou para a sala cinco minutos depois de colocar um último beijo na bochecha de sua filha, eu não estava nem um pouco surpresa. "Bye bebê." Ele disse, ao sair pela segunda vez. Eu sorri e fechei os olhos. Perfeito, de fato.

SETE MESES DEPOIS "Ela pode me ouvir?", Eu perguntei a fonoaudióloga, Kathy, que tinha acabado de colocar o transmissor sobre a minha menina. Saylor tinha dez meses agora, a luz da minha vida. Ela era tão grande, que ela tinha um andar gingado ao segurar seus dedos quando nós praticamos andar. Seu cabelo preto era da cor da mãe dela, mas ao contrário de Adeline, ela tinha cachos. Eles cobriam a cabeça das pontas de suas raízes para a parte inferior de seu cabelo. Eu nunca fui um cara que gostava de cabelos crespos, mas em minha menina, que era a coisa mais fodidamente bonita que eu já tinha visto. "Sim senhor. Assim que eu ligar ela deve ouvi-lo." Disse Kathy com um sorriso. Saylor teve seus implantes cocleares colocado seis semanas atrás e hoje eles iam ser ligados pela primeira vez. Adeline, que estava segurando Saylor no colo, estendeu a mão e tocou minha mão, as lágrimas já escorrendo pelo seu rosto. Quando nós ficamos sabendo no hospital que Saylor era surda, foi um grande golpe.


Surpreendentemente, o único a me tirar fora o medo que eu estava sentindo era Dixie. O homem que sempre teve um riso na ponta da língua. O que ele disse me fez perceber que Saylor sendo surda não era o fim do mundo. Algo tão simples, mas exatamente o que eu precisava ouvir. Ela é perfeita. E ela era. Agora estávamos sentados aqui, a poucos instantes de conectar os implantes, e observar a audição do bebê pela primeira vez. "Ok, eu estou virando em três, dois, um..." Kathy sorriu e apontou para Adeline. "Saylor, eu te amo." Disse Adeline suavemente. Imediatamente Saylor virou ao som da voz de sua mãe... E gritou como um assassino sangrento. Adeline estava sorrindo, eu estava sorrindo, e Kathy estava radiante. "Saylor Rae, por que você está chorando?" Eu perguntei a minha menina. Saylor voltou seus lacrimejantes, grandes olhos castanhos que poderia derreter o meu coração, em minha direção e sorriu. Imediatamente as lágrimas secaram, e juro por Cristo, eu deixei cair uma lágrima ou duas, pela primeira vez na minha vida. Quando estávamos dirigindo para casa mais tarde naquele dia, finalmente tivemos a oportunidade de colocar a trilha sonora de filmes infantis no rádio, e até entrei no ato, cantando e dançando no topo dos meus pulmões. Um motociclista mauzão cantando canções da Disney no topo dos meus pulmões, e nem um pouco preocupado no mundo a respeito de quem quisesse ouvir. No momento em que cheguei em casa, eu sabia de uma coisa com certeza. Nossa vida era além de perfeita. Eu não podia pedir mais nada. FIM


Quer ficar por dentro dos lanรงamentos? Siga nosso blog e curta nossa Fanpage no Facebook!


Leia um trecho do meu amigo! STRIPPING HER DEFENSES Por Jessie Lane Livro dois na série EX Ops (Você pode ler o primeiro capítulo deste livro no site da Jessie Lane!)

Capítulo Cinco Riley Sentado na sala de reuniões da sede da Ex Ops com meus companheiros, eu assisti conforme Jaxon entrou com um grande saco e fechou a porta atrás de si. Ele parou na cabeceira da mesa, deixou cair o saco no chão, e pegou um arquivo que já tinha estado lá. Andando até o quadro atrás dele, ele rapidamente colocou duas imagens lá. Um era de Laura Moore; sorrindo, despreocupada, e muito viva. O segundo era o corpo de Laura no necrotério. Do canto do meu olho, eu vi Bobby Baker tenso. Alguns dos outros caras na sala mudaram se inquietamente, também. Eu imaginei que eles provavelmente estavam pensando a mesma coisa que eu. A foto de Laura foi um lembrete desagradável de quão perto Baker tinha vindo a perder sua noiva, Annabelle. Jaxon se virou para nos encarar, sombrio, mas determinado. "Na noite passada eu fui dado a luz verde do Tio Sam para seguir uma pista que poderia amarrar para o sequestro de Moore, tortura, estupro e eventual morte. Nós vamos saber sobre detalhes hoje para que possamos sair amanhã. Eu não acho que eu preciso explicar por que esta missão é importante. " Porra, não, ele não precisava explicar. Não havia um homem sentado nessa mesa que não tinha sido horrorizado ao encontrar Laura com Annabelle e aprender o que as mulheres haviam passado por enquanto está sendo mantido em cativeiro por Rivera.


Nós tínhamos ido para o México para salvar a menina de Bobby de um cartel de drogas do ATF e nossa equipe estava investigando para o tráfico de armas. Nós não tinhamos absolutamente nenhuma idéia de que um anel de escrava sexual estava envolvido, também, até que tínhamos visto pobre Laura. Definhando, machucada, e sangrando. Obviamente quebrado no interior e por fora. Ela tinha sido reduzida a uma casca aterrorizado em vez da quente, humana vibrante que sua irmã tinha falado. Ninguém com um pedaço de uma boa alma iria colocar um dedo em uma mulher de tal maneira. Meus pais poderia ter morrido enquanto Declan e eu ainda eramos jovem; mas aos dez, eu tinha idade suficiente para aprender com o meu pai que as mulheres eram preciosas. Você lida com elas com cuidado e as protege dos perigos do mundo. Os homens que tinham tomado Laura e quebrado seu ser não eram homens; eles eram monstros, eu tinha planejado para rastrear cada um deles e colocá-los para baixo como os animais ferozes que eles se tornaram. Só não seria, a eutanásia reconfortante estéril. Não, eu queria que suas mortes doesse nos caminhos mais inimagináveis. Esses bastardos poderia começar a sua viagem para o inferno sentindo cada pouco da dor que eles tinham infligido a outros em primeiro lugar. Todos nós tínhamos prometido menina do padeiro que faríamos o nosso melhor para obter os idiotas que levaram pobre Laura a sua morte no México. Claro, todos nós teria prometido a ela tudo e qualquer coisa para mantê-la calma e felizes estes dias. Sua saúde era da maior importância, não só para Baker, mas a todos nós. Eu não acho que qualquer um de nós seria capaz de esquecer o que ela parecia, com um buraco de bala, e coberta de sangue; Damn perto dos mortos no México. Annabelle tinha ficado fora de si com a perda traumática da sua companheira de cativeiro, que tinha morrido bem na frente dela durante a nossa missão de resgate fracassada. Era algo que eu sabia que estava indo para assombrar o duro agente da ATF para o resto de seus dias. Nunca foi fácil ver alguém morto bem na frente de você, mas dada as circunstâncias atenuantes que as duas mulheres tinham suportado em conjunto, Annabelle tinha sido de fato extremamente traumatizada. Na verdade ela estava tão chateada que tivemos de trazer o corpo da sra. Moore de volta com a gente nos helicópteros aos Estados Unidos apenas para ajudar a manter a calma suficiente para levar Annabelle


para o hospital San Antonio, que acabaria por salvar sua vida. Ele também tinha que saber, salvou a vida do nascituro menina de Baker. A culpa que ela tinha sido raptada bem na frente de nós pelo Rivera Cartel, e que tínhamos perdido, tinha conduzido a maioria de nós gastar muito tempo na casa de Baker. Eu sabia que todas as equipes muitas vezes sentiram a necessidade de ver com nossos próprios olhos que ela estava viva e bem. Felizmente, depois de tudo o que tinha acontecido que era a verdade. Ela atualmente estava de licença da ATF, algo que sua agência tinha insistido desde que ela estava grávida de cinco meses e considerado um risco elevado devido a seus ferimentos e de ser sequestrada e torturada. Além disso, Annabelle e Seth ambos pareciam felizes de estar com Baker aqui na Virgínia. Pelo que Baker havia dito, ela tinha mesmo sido aprovado com o fato de que ele estava prestes a ser um erro com a gente. Eu poderia imaginar muitas mulheres grávidas insanamente hormonal teria tido um ajuste merda se eles tivessem descoberto sua noiva estava saindo para um trabalho logo depois que eles passaram a morar juntos, mas não a mulher de Baker. Ele nos disse que ela tinha pedido uma coisa de todos eles e uma coisa só: descobrir quem foi o responsável pelo sequestro, tortura, estupro e leilão de Laura. A equipe foi tudo a bordo para isso. Se foi o que trouxe Annabelle um pouco de paz, nós temos que procurar esses desgraçados e fechá-los. A investigação inicial tinha envolvido contatar única parente viva de Laura, sua irmã Jessica Moore. Eles tiveram de notificar-lhe da morte de Laura ao mesmo tempo, tentando descobrir o que ela poderia saber sobre a vida de sua irmã aqui em Miami. Infelizmente, Jessica só poderia dar-nos alguns detalhes sobre Laura, devido ao estilo de vida nômade de sua irmã. Ela tinha sido capaz de nos apontar na direção dos clubes de strip. Não era muito, mas tinha sido melhor do que nada. Assistindo Jaxon largar a papelada que ele tinha enrolado em sua mão sobre a mesa, notei que ele parecia no limite, como se estivesse pronto para entrar em ação. Esperemos que isso significava qualquer nova inteligência que ele tinha estava indo para nos levar para os filhos da puta que estávamos todos ansiosos para enterrar oito pés de profundidade.


"E a razão que me foi dado a luz verde do Tio Sam é porque a noite passada Lucas recebeu um telefonema de um de seus antigos colegas de equipe com a primeira dica crível que recebemos em meses. Aparentemente, Lucas tem alguns amigos muito interessantes. Pegando o saco preto do chão, Jaxon deixou cair em cima da mesa na frente dele e, em seguida, abriu o zíper. Atingindo em que ele tirou o que parecia ser de couro preto, desdobrando o material em frente de nós até que nós estávamos olhando para a parte de trás do que se assemelhava a um colete com diferentes patches de costura sobre. A maior mancha estava no meio das costas e era uma insignia de uma águia com uma espada realizada em suas garras e duas pequenas letras "MC" off para o lado. Acima disso foi um remendo curvado que disse "reguladores" e abaixo da águia foi outro remendo curvado que disse "FLORIDA", tudo em letras vermelhas. Enquanto eu não conduzo motos, ou crescer em qualquer lugar perto de um clube, eu estive ao redor do mundo o suficiente para saber que era um corte para um clube de motocicleta. Apenas o que, exatamente, estávamos recebendo 'para aqui? "Meninos, Young tomou para si fazer algumas escavações. Enquanto eu normalmente não vá tolerar esse tipo de comportamento solitário-." Jaxon fez uma pausa para dar um olhar Lucas, "porque nós somos uma equipe - desta vez eu tenho que admitir que valeu a pena. Aparentemente, um dos companheiros de idade de Young juntou a um grupo de motociclistas quando ele saiu do Exército. Eles são conhecidos como os Regulators, o contacto de Young é Ethan 'Hammer' McCoy Sargento de armas do clube de MC. Young lhe perguntou se eles sabiam alguma coisa sobre a falta de mulheres na Flórida e verifica-se que eles têm seu dedo no pulso que por motivos pessoais. As mulheres que estão ausentes são strippers. Aparentemente, eles possuem um clube de strip. Então, no momento em que ouviu falar sobre a segunda stripper que desapareceu na zona sul da Flórida, eles fizeram o seu melhor para bloquear suas meninas para baixo. Isso não os impediu de estar preocupado sobre elas, ou a situação, no entanto. Hammer falou com seu o presidente do clube e eles nos convidou para baixo para o seu território para executar uma operação secreta para analisar a questão.” "Qual é o nosso disfarce?" Perguntei quando as rodas começaram a girar na minha cabeça. Eu estava pronto para uma missão de manter minha mente ocupada. Inferno, eu estava pronto para esta missão. Mais


do que pronto para dar mulher do padeiro algum pedaço da mente. Para dizer que eu estava ansioso para começar minha bunda para a Flórida e fechar esses filhos da puta sádico que vendem mulheres era um eufemismo. Tomando esses idiotas para fora e, finalmente, fechando esta missão não só daria Annabelle paz, mas também me daria uma saída. Eu tinha sonhado com Kara novamente todas as noites. Eu estava cansado. Eu estava transando inquieto. E por causa disso eu estava ansioso e pronto para trabalhar a ansiedade de uma forma ou de outra. Eu não poderia trazer-me a tocar outra mulher quando Kara era tudo que eu podia ver na minha cabeça. E a menos que eu queria me tornar um alcoólatra no espaço de uma semana, não me atrevi a tentar afogar mágoas minha porra '. Assim como esmaguei algumas cabeças e corpos de idiotas soou como a maneira perfeita de manter-me ocupado. O sorriso de Jaxon me tirou da minha cabeça e me pegou desprevenido. Se ele estava sorrindo como que eu sabia que estávamos em para alguma merda. Segurando o corte de couro preto, carregado com remendos, de novo por alguns segundos para todos nós para ver, então ele jogou isso na minha direção. "Bem-vindo ao mundo dos motociclistas fora da lei Sullivan. Eu tenho certeza de que estamos ansiosos para um passeio."

Profile for Danielle Matias Aguiar

The Dixie Wardens MC 02 - Halligan to my Axe - Lani Lynn Vale  

The Dixie Wardens MC 02 - Halligan to my Axe - Lani Lynn Vale  

Advertisement