Page 1

Responda à pesquisa sobre o novo Odebrecht Notícias até

30/08! nº 313 • agosto 2013

Rede de Conhecimento:

a estreia da Comunidade de TI e a inovação em Empreendimentos Imobiliários

Identidade Visual: um olhar sobre a marca Odebrecht

Caminhos que se abrem em Houston, nos Estados Unidos

A maior PPP de saneamento do Brasil em operação


sumário nº 313 • agosto 2013

CAMINHOS QUE SE ABREM EM HOUSTON

expediente ODEBRECHT NOTÍCIAS é um informativo eletrônico quinzenal, enviado às quartas-feiras, de circulação interna, produzido e editado pela equipe de Comunicação da Odebrecht S.A. PRODUÇÃO E EDIÇÃO DE CONTEÚDO: Fabiana Cabral e Bárbara Rezendes FOTOS: Arquivo Odebrecht ARTE: Criativos JORNALISTA RESPONSÁVEL: Fabiana Cabral SUGESTÕES: fabianacabral@odebrecht.com brezendes@odebrecht.com DISTRIBUA O ODEBRECHT NOTÍCIAS EM SUA EMPRESA!

34

MELHORES PRÁTICAS IMOBILIÁRIAS

20


Responda à pesquisa sobre o novo Odebrecht Notícias até

30/08!

Dê sua opinião e participe!

A ESTREIA DA COMUNIDADE DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO

46

A MAIOR PPP DE SANEAMENTO DO BRASIL EM OPERAÇÃO

24

4

UM OLHAR SOBRE A MARCA ODEBRECHT

8 RÁPIDAS

40 RÁPIDAS: PRÊMIOS 52 RÁPIDAS: PESSOAS 66 PELA CONSERVAÇÃO DOS RECURSOS NATURAIS

68 FAMÍLIA UNIDA,

TRABALHO GARANTIDO

74

RÁPIDAS: AÇÕES SOCIAIS

PRÓXIMA EDIÇÃO:

28

AGOSTO


identidade visual

Um olhar sobre a marca Odebrecht

“O

processo de construção de marca tem data para começar, mas nunca para acabar”. Foi com essas palavras que Laura Garcia, da Interbrand, consultoria responsável pelo projeto da marca Odebrecht, iniciou mais um ciclo de treinamentos sobre a nova identidade visual, em 31 de julho, no escritório da Odebrecht em Luanda. Divididos em duas turmas – manhã e tarde –, 60 integrantes de Moçambique, Portugal, Gana e dos diversos contratos em andamento em Angola participaram do treinamento, que teve como foco orientar sobre a aplicação correta da marca e dos elementos que compõem o sistema visual da Organização.

4

A gerente de estratégia de Marca da Interbrand falou sobre o processo de criação da nova arquitetura de marcas, iniciado em 2010, destacando os aspectos estratégicos do projeto. Em seguida, a designer Cristiane Inoue, também da Interbrand, explicou ponto a ponto as diretrizes da marca, apresentando casos de aplicações corretas e incorretas. Durante o encontro, que durou cerca de três horas, foram abordados ainda temas como convivência de marcas, sistemas de cores, materiais, sinalização e papelaria. Para auxiliar o trabalho de quem precisa aplicar a identidade em suas atividades diárias, foram desenvolvidas ferramentas de gestão da marca, distribuídas durante o evento: um guia


prático, contendo informações básicas sobre o novo sistema visual; e uma escala de cores, que apresenta a paleta cromática da Odebrecht aplicada sobre diversos materiais. Considerada uma inovação de mercado, a escala permite aos integrantes e parceiros conferir se a cor dos materiais produzidos está correta. “A Odebrecht está há cerca de três anos olhando com especial atenção para sua marca e, por isso, traçou uma estratégia que contempla todos os negócios e empresas da Organização. Nesse processo, todos os integrantes têm papel

fundamental. Os treinamentos são importantes para capacitálos, a fim de que façam o uso correto e responsável da marca e disseminem esse conhecimento em seus ambientes”, explica Karolina Gutiez, responsável pelo Programa de Gestão da Marca na Odebrecht S.A. Os treinamentos também foram realizados no Panamá, no dia 15 de julho, reunindo mais de 40 integrantes da Argentina, Colômbia, Cuba, México, Peru, República Dominicana, Venezuela, além dos locais. No Brasil, a capacitação ocorreu de 3 a 7 de junho e em 13 de agosto. No total, o ciclo de treinamentos

Embaixadores da Marca: cerca de 210 integrantes de 14 países participaram dos treinamentos, que permitiram o conhecimento sobre as diretrizes da marca e seu uso correto


A Escala de Cores Odebrecht facilita a identificação dos tons que compõem a identidade da Organização

6

contou com 12 turmas e teve a participação de aproximadamente 210 integrantes e fornecedores. “Poucas são as empresas que investem neste tipo de capacitação para um amplo perfil de participantes. Tivemos integrantes de Comunicação, Pessoas e Organização, Administrativo, Financeiro, entre outras áreas, provenientes da linha e do corporativo, todos interessados e motivados em conhecer as diretrizes da marca. Quando a pessoa entende a identidade, fica mais fácil garantir a consistência na comunicação”, afirma Cristiane Inoue.

Para Arthur Bernardes, da equipe de Comunicação da Odebrecht no Panamá, que participou do treinamento, a iniciativa é crucial para que a Organização reflita na marca e na identidade visual a prática cotidiana de comunicação e alinhamento permanentes. “Agora todos temos o marco conceitual e, principalmente, os meios para promover essas boas práticas. Ferramentas como o site Território da Marca e a escala de cores despertaram o interesse, sobretudo por deixar claro com vários exemplos, digitais e físicos, o que fazer e o que não fazer”, destaca.


BOAS PRÁTICAS Em alinhamento com as diretrizes, diversos ambientes da Organização estão se adequando à nova identidade. A equipe de Comunicação de Angola concebeu estratégias para disseminar os conceitos da marca e verificar a sua aplicação nos contratos: emitiu comunicados internos por meio de e-mails, da TV Corporativa e dos demais instrumentos disponíveis; organizou debates e convocou reuniões com líderes das áreas, apelando para a contribuição de todos na disseminação da nova identidade; e realizou visitas às obras para

constatar a implantação das orientações contidas no Território da Marca. O resultado deste trabalho pode ser observado em projetos como o Programa de Realojamento de Populações, que já adotou integralmente o novo sistema visual no canteiro. “É um processo com o qual estamos comprometidos, por isso, vamos dar continuidade à sua divulgação e à fiscalização dos ambientes, de modo a fortalecer a nossa caminhada rumo à Visão 2020, com valor acrescentado à nossa imagem empresarial”, salienta Justino Amaro, responsável por Relações Institucionais no país.

Boas práticas: projetos angolanos se adequam à nova identidade visual da Odebrecht

7


rápidas

Relatório Anual da Braskem: transparência e qualidade

A Braskem lançou, em julho, seu Relatório Anual de 2012. A publicação alcançou, nessa edição, o mais alto nível de aplicação da diretriz G3.1 da Global Reporting Initiative (GRI) – o A+ –, que demonstra o comprometimento da empresa com a transparência e a qualidade de sua comunicação. O documento apresenta os principais resultados obtidos nos temas de maior relevância para a Braskem e seus públicos de relacionamento. No total, reuniu 81 indicadores, um aumento significativo frente aos 32 reportados no ano anterior. Para atingir o padrão máximo, a Braskem entrevistou representantes de seus públicos de relacionamento para entender prioridades e analisou a dimensão do seu impacto nos aspectos econômicos, sociais e ambientais cobertos pela diretriz. Em relação a 2011, a empresa reduziu em 10,6% a geração

de efluentes; em 5,6% o consumo de água; em 1,7% o consumo de energia; e 14,6% a geração de resíduos sólidos. Também atingiu as melhores taxas de desempenho em questões ligadas à saúde e segurança. Considerando integrantes e parceiros por milhão de homens horas trabalhadas (HHT), a taxa de frequência de acidentes com e sem afastamento foi de 1,04. A taxa de frequência de acidentes com afastamento foi de 0,32 e a taxa de gravidade, 27,5. A Braskem investiu R$ 15 milhões em capacitação e criou inciativas para o desenvolvimento de competências, como Líderes Globais e o Programa de Desenvolvimento de Competências em Sustentabilidade. Na área de inovação, depositou 47 novas patentes em 2012, 17 a mais do que em 2011, totalizando 650 patentes durante toda a história da companhia. A GRI é atualmente a estrutura mais completa de divulgação informações e está baseada em seis princípios que asseguram a qualidade do relatório: equilíbrio, comparabilidade, exatidão, periodicidade, clareza e confiabilidade. Os critérios estabelecidos para cada um dos níveis de aplicação (A, B, C) indicam evolução na aplicação ou extensão do âmbito do relatório da GRI. O sinal positivo significa que o documento foi submetido à verificação por terceiros.

Clique e confira o Relatório Anual de 2012 da Braskem! Você vai encontrar vídeos informativos, Avaliação de Ciclo de Vida (ACV), inovações desenvolvidas, ações sociais e cadeia de valor da empresa. Para a versão iPad, acesse a App Store.

8


Depois de 34 anos da primeira obra no Peru, a Odebrecht volta a Arequipa para o Projeto Matarani (foto ilustração). O início dos trabalhos está previsto para os primeiros meses de 2014, com investimento total de US$ 156 milhões

Um novo contrato no Peru A Odebrecht Infraestrutura e a operadora do Terminal Portuário Matarani, Tisur, assinaram contrato para a construção de um sistema integral de recepção, armazenamento e transporte no Porto de Matarani, localizado na Baía de Islay, em Arequipa, no Peru. A modernização permitirá o lançamento de 2.300 TPH (toneladas por hora) de minerais provenientes das empresas Xstrata Cooper e Sociedade Mineira Cerro Verde. O porto terá ainda capacidade para atender à crescente demanda de exportação de minerais, ao mesmo tempo em que evitará a contaminação de sua zona de influência por meio da implantação de faixas herméticas desenhadas para impedir a liberação de minerais ao exterior. O Projeto Matarani será peça fundamental para o porto mais importante da região Sul do país. Pelo processo, o mineral ingressa no terminal pela via férrea e terrestre até um dos quatro edifícios de

descarga – cada um com dispositivo de 350 TPH e linha transportadora que leva o produto até os armazéns das empresas. A entrada nos armazéns, equipados com um sistema que evita a dispersão dos concentrados, será realizada por meio das faixas tripper móveis, facilitando a descarga. Posteriormente, o mineral é levado a uma torre de transferência e uma correia tubular – para o transporte até o carregador de navios (Shiploader) –, completando o ciclo de transmissão e distribuição com rapidez, eficiência e impacto ambiental reduzido. “Estamos orgulhosos pela confiança depositada em nossas equipes para o desenvolvimento do novo terminal de minerais. Graças à conquista, podemos assegurar que a Odebrecht seguirá ampliando sua atuação com propostas inovadoras para o setor portuário peruano”, destacou Igor Cruz, diretor de Obras Marítimas.

99


rápidas

Novos caminhos para o Recôncavo Baiano Em 27 de julho, o governador da Bahia, Jaques Wagner, esteve no canteiro de obras do Estaleiro Enseada do Paraguaçu (EEP), na cidade de Enseada, para anunciar a assinatura da ordem de serviço da construção da ponte sobre o Rio Baetantã, que inclui o sistema de acesso à BR-420. As obras receberão investimento de R$ 42,4 milhões. Também serão recuperados cinco quilômetros da rodovia BA 534, com recursos de R$ 7,5 milhões. Os projetos irão beneficiar as comunidades de Maragogipe, Nazaré, Salinas da Margarida, Itaparica e Vera Cruz. “Nós vamos fazer ponte, outras estradas complementares, e temos compromisso com a água e com a energia. É um grande investimento do governo do Estado, viabilizando também o terreno para o empreendimento e as encomendas da Petrobras, que serão atendidas pelo estaleiro”, afirmou Jaques Wagner. O governador ressaltou os esforços para adensar a cadeia produtiva da indústria naval: “Estamos fazendo uma área industrial para atrair empresas fornecedoras para o estaleiro. Para a construção de navios e plataformas, são necessários milhares de itens produzidos fora do estaleiro, barateando os custos e gerando ainda mais oportunidades de trabalho na região”. De acordo com Humberto Rangel, diretor de Relações Institucionais e Sustentabilidade do EEP, o apoio é fundamental para a implantação do empreendimento. “Nós estamos hoje em uma cerimônia de lançamento da ponte que vai beneficiar a população, mas também é necessária para o estaleiro. A pavimentação da BR-534 também beneficiará a comunidade de Enseada”, salientou.

O governador Jaques Wagner interage com integrantes do EEP: com novas obras de infraestrutura, o Recôncavo Baiano terá melhores condições para receber outras empresas e mais oportunidades de trabalho

10


Os números da inovação Na Braskem, 25 “inventores” são responsáveis pelas inovações protegidas em 2012 e fazem parte do time que está alçando a empresa ao posto de uma das mais inovadoras do país

O Centro de Tecnologia e Inovação da Braskem, localizado em Triunfo, no Rio Grande do Sul, se consolidou como um dos mais modernos da América Latina

N o p ri m e i ro se m e stre d e 2013 , a Bra s ke m co nta b i l izo u 36 p e d i d os d e pate nte s. N o a n o pa ssa d o, regi sto u 47 n ova s pate nte s, tota l iza n d o 650 e m se u s d ez a n os d e h i stó ria. Ap roxi ma da m e nte 18 % d o fatu ra m e nto da co m pa n h ia co m re s i na s fo ra m ge ra d os p o r p ro d u tos

la n ça d os n os ú l ti m os trê s a n os. H o j e, a e m p re sa te m ce rca d e 300 i ntegra nte s d e d i ca d os a o d e se nvo lvi m e nto d e n ovos p ro d u tos e a p l i ca çõ e s. Em m é d ia, 10 n ovos p ro j e tos sã o e n ca m i n ha d os m e n sa l m e nte pa ra a ná l i se d o p ote n c ia l d e tra n sfo rma re m - se e m pate nte s.

1111


rápidas

A equipe da Odebrecht Infraestrutura coordena e apoia a execução do comissionamento das Unidades Geradoras da UHE Santo Antônio, em Rondônia

Na UHE Santo Antônio, mais unidades em operação Para garantir a geração comercial do maior número possível de máquinas na Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio, a Odebrecht Infraestrutura está realizando o comissionamento simultâneo de até seis Unidades Geradoras. Os trabalhos estão concentrados no Grupo de Geração 2 (GG2), disponibilizado para a execução dos testes. O comissionamento compreende ensaios para a verificação do correto funcionamento da turbina e do gerador. Esses ensaios são subdivididos em duas etapas: estáticos, sem a presença de água; e dinâmicos, com a passagem de água pela turbina. Após a conclusão, as Unidades Geradoras são conectadas às linhas de transmissão para a distribuição da energia

12

para o Norte e Centro Sul do Brasil. “Realizar os ensaios de comissionamento ao mesmo tempo, em seis Unidades Geradoras, é um fato inédito no ramo de usinas hidrelétricas. É uma tecnologia inovadora, subsidiada por um ritmo de trabalho forte, em que a qualidade do produto entregue ao cliente é o ponto de honra para o consórcio construtor”, explica João Paulo Ribeiro, coordenador de Comissionamento. O comissionamento das Unidades Geradoras na UHE Santo Antônio foi iniciado em novembro de 2011, e já disponibilizou mais de 70 mil toneladas de equipamentos para a operação. Atualmente, a usina opera com duas Casas de Força e 14 turbinas conectadas ao Sistema Integrado Nacional (SIN).


Peças fundamentais para gerar energia Em 20 de julho, foi concluída a operação de lançamento e instalação do pré-distribuidor da primeira Unidade Geradora da Casa de Força da Usina Hidrelétrica (UHE) Teles Pires, em construção pela Odebrecht Infraestrutura, entre os estados de Mato Grosso e Pará. O pré-distribuidor – peça metálica com 13 metros de diâmetro e 225

toneladas – promove o direcionamento do fluxo e a distribuição homogênea da água para a roda da turbina, por meio de 24 pás fixas, permitindo o giro do conjunto turbina/gerador para a geração de energia. A UHE Teles Pires terá capacidade instalada de 1.820 megawatts, distribuída em cinco Unidades Geradoras do tipo Francis, com 364 MW cada.

Fabricado pela Alstom em São Paulo, o pré-distribuidor foi entregue em março deste ano, dividido em seis partes. A área de Montagem reuniu as peças, soldou e lançou o equipamento

13


rápidas

Conclusão no GG2 e esforços para o GG3 A Odebrecht Infraestrutura concluiu, em julho, a montagem eletromecânica na Casa de Força 2 da Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio, na margem esquerda do Rio Madeira, em Rondônia. A 20ª Unidade Geradora foi finalizada para o início do comissionamento (ensaios que atestam a operacionalidade das máquinas) e para colocar toda a Casa de Força em plena operação. Para a montagem do GG2, áreas distintas participaram das atividades, como Produção Elétrica, Produção Turbina e Gerador, PréMontagem, Pintura, Solda, Hidromecânicos, Tubulação, Transporte, entre outras. Com mais de 20.000 toneladas de equipamentos montados e mais de 2.000 integrantes no pico dos trabalhos, a segunda Casa de Força avança para operar todas as suas 12 máquinas. Carlos Atargino de Oliveira, gestor de Montagem, destaca o cumprimento dos

prazos e metas e o aprimoramento das equipes durante o processo: “Precisamos conquistar, valorizar e dar oportunidades de crescimento para todos os nossos integrantes”, salienta. Com 40 anos de carreira, o supervisor Vanderlan Silva também contribuiu para a conclusão de mais uma Casa de Força: “É uma satisfação finalizar mais esta etapa”. O sentimento de dever cumprido é compartilhado pelo mestre de montagem Isnael Hélio Costa. “Concluir o GG2 foi muito gratificante, uma verdadeira escola para mim”, revela. A montagem eletromecânica no GG2 foi iniciada em novembro de 2010 e a geração de energia começou em dezembro do ano passado, com a operação da Unidade Geradora 9. O GG2 possui 12 turbinas e potência total instalada de 854,4 megawatts.

A conclusão dos trabalhos no GG2 teve a interface das equipes de Montagem, Obras Civis e Fornecimento

14


Desde o início do contrato com a Petrobras, a NORBE VIII soma mais de um milhão de homens/horas trabalhadas de operação

NORBE VIII: operação e sustentabilidade A NORBE VIII, da Odebrecht Óleo e Gás, acumula destaques. O primeiro, alcançado em 17 de julho, é a marca de dois anos sem acidentes com afastamento, celebrada por todos os integrantes a bordo. Para Gustavo Marins, assistente de gerente de Plataforma, o marco é fruto do trabalho em equipe e da participação efetiva dos supervisores de bordo e suas equipes na prática do Sistema de Gestão (SiGOP). “Os líderes são experientes e lideram pelo exemplo, seguindo procedimentos, planejando tarefas e promovendo um ambiente de maior percepção de risco”, comenta. Essa dedicação recebeu destaque da área de Sustentabilidade, que reconheceu a equipe da NORBE VIII pela pro-atividade na realização e acompanhamento dos requisitos legais e de auditoria. A unidade também possui o maior índice de reciclagem de resíduos sólidos entre toda a frota de perfuração offshore da Odebrecht Óleo e Gás e conta com integrantes conscientes e dedicados à realização e cumprimento das ações de Qualidade, Segurança, Meio Ambiente e Saúde (QSMS). Jack Daughdrill, gerente de Plataforma, afirma que pelo fato de os canais de comunicação entre Líder e Liderado estarem sempre abertos, a comunicação é mais assertiva. “Desde o planejamento das tarefas até sua execução, todos seguem os procedimentos e fazem as análises de risco pertinentes às atividades de bordo”, ele conclui.

15


rápidas O novo processo de escavação em rocha foi compartilhado com toda a equipe de Topografia na UHE Santo Antônio, que contribuiu com a execução do projeto

Topografia para inovar Diante dos desafios para aperfeiçoar os métodos construtivos na Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio, em Rondônia, a área de Topografia da Odebrecht Infraestrutura modernizou o Plano de Perfuração nos processos de escavação em rocha, trabalho executado pelo setor de Terraplenagem. Por meio de recursos de telecomunicação e informática, o procedimento que era feito manualmente foi substituído por um processo tecnológico, que garantiu mais qualidade aos serviços, e agilidade, economia e confiabilidade às informações. Para materializar o Plano de Perfuração no campo, a Topografia faz as marcações onde serão feitos os furos pela perfuratriz. No método utilizado anteriormente, o topógrafo coletava os dados com um aparelho chamado Estação Total, preenchia uma planilha

16

e elaborava um desenho. A inovação dispensou a planilha de papel e o desenho manual. Após a coleta, as informações são armazenadas e transmitidas por um aparelho denominado Controlador, pela internet. Na sequência, os dados são hospedados em um portal, permitindo que as informações sejam extraídas e convertidas para uma planilha “inteligente”, que realiza todos os cálculos. Para elaborar o desenho técnico, os dados são transferidos da planilha para um programa de computador (AUTOCAD). Zedequias Santos, responsável por Topografia e criador do método, afirma que a tecnologia poderá ser aplicada em outras obras, inclusive com possibilidades de aperfeiçoamento. “Foi um projeto com baixo custo em relação aos excelentes benefícios”, complementa.


Na rota da Comunicação A Concessionária Rota das Bandeiras – empresa da Odebrecht TransPort responsável pela administração do Corredor Dom Pedro, no interior de São Paulo – celebrou dois acordos com a emissora de televisão EPTV Campinas, retransmissora da Rede Globo na região de Campinas, e com a rádio CBN Campinas, para a cessão das imagens de 16 câmeras de monitoramento das rodovias do complexo viário. Com imagens em tempo real nos estúdios das emissoras, a Rota das Bandeiras amplia sua prestação de serviços aos usuários, garantindo maior agilidade na divulgação de informações sobre as condições de trânsito. A parceria não gerou nenhum custo adicional para a concessionária, já que as imagens são transmitidas via internet. “Trata-se da prestação de mais um importante serviço aos usuários do

Corredor Dom Pedro, já que agora eles podem ter acesso com mais velocidade às informações sobre o tráfego em nossas rodovias”, explica Stephan Campineiro, gestor de Comunicação da Rota das Bandeiras. Conforme acordo, quando os repórteres tiverem dúvidas em relação às imagens visualizadas, a assessoria de imprensa da concessionária fica incumbida de esclarecê-las. Além de garantir maior agilidade, a medida potencializa a exposição positiva da Rota das Bandeiras em dois importantes veículos de imprensa de Campinas. “Nos primeiros dias, já percebemos um grande aumento na veiculação de imagens. Temos a certeza de que esses acordos serão positivos para as partes envolvidas: Rota das Bandeiras, EPTV e CBN e usuários”, conclui Stephan Campineiro.

Integrantes da Concessionária Rota das Bandeiras participam de um programa na rádio CBN para a divulgação do acordo

1717


18


19


Estados Unidos

Caminhos que se abrem em Houston

M

unidos de pás cerimoniais, lideranças locais e do governo, representantes do setor de transportes e integrantes do consórcio Zachry-Odebrecht Parkway Builders (ZOPB) reuniram-se, em 23 de julho, para a cerimônia de lançamento da pedra fundamental da SH 99 Grand Parway, em Houston, no estado do Texas, Estados Unidos. O projeto do Departamento de Transportes do Texas (TxDOT) prevê a construção do terceiro anel rodoviário em torno de Houston para desafogar o trânsito da cidade e atender às mais de 1.000 novas pessoas que o Texas recebe todos os dias, permitir o crescimento da região e promover mais desenvolvimento econômico.

20

Segundo Phil Wilson, diretor executivo do TxDOT, essa fase representa a continuação do pioneirismo e do planejamento que garantirá mobilidade e fornecerá a infraestrutura que a área precisa, à medida que o Texas recebe mais motoristas e tráfego comercial. “Estamos orgulhosos das parcerias que compartilham nossa visão de resolução de congestionamentos e auxílio aos motoristas para uma movimentação livre e segura nas rodovias do estado”, explica. “Cada hora que um caminhão fica preso no tráfego, cada minuto que uma família se atrasa devido ao trânsito e cada segundo que um paramédico é impedido de fornecer serviços vitais é um custo para nosso estado. A Grand Parkway é um investimento essencial no futuro da economia


do nosso estado, na nossa qualidade de vida e segurança pública. Ela simplesmente fortalece o Texas”, ressalta David Dewhurst, vice-governador do Texas. Ted Houghton, presidente da Comissão de Transportes do Texas, reforça: “Não há dúvidas de que a Grand Parkway beneficiará a rede de infraestrutura estadual e regional”.

PARCERIAS PARA NOVAS VIAS O consórcio ZOPB foi criado em 2012, quando a Odebrecht associou-se à empresa local Zachry Construction Corporation, de 85 anos de existência. Em setembro do ano passado, venceu sete concorrentes para construir, operar e manter três trechos ao norte da Grand Parkway ( F1, F2 e G) , com infraestrutura elétrica e hidráulica e praças de pedágio.

Autoridades de Houston e do governo do Texas, representantes do setor de transportes do estado e integrantes do consórcio ZachryOdebrecht Parkway Builders participam da cerimônia de início das obras da Grand Parkway

21


Os trechos somam 61 quilômetros, sendo que 26 quilômetros são pontes, e deverão ser entregues em um prazo de 30 meses (845 dias), contados a partir de 22 de março deste ano, data da assinatura do contrato com o TxDOT. O consórcio vai operar a rodovia por cinco anos, período que poderá ser renovado. Após a conclusão das obras, os usuários poderão dirigir pela SH 99, a partir da US 290, direto para a US 59 Norte. O sistema de anéis rodoviários externos dará aos motoristas opções mais diretas de movimentação para o trânsito de mercadorias, pessoas e serviços pela região e arredores. De acordo com Jean Abiassi, diretor de Operações do consórcio, a ZachryOdebrecht Parkway Builders reuniu uma equipe experiente e dedicada para criar o primeiro projeto de rodovia planejada e construída na grande região de Houston. “Estamos trabalhando junto aos moradores da área, ao comércio e aos distritos escolares para assegurar que as obras sejam entregues com segurança, dentro do prazo e com o menor impacto possível no trânsito e nas atividades diárias”, salienta.

22


As obras da Grand Parkway foram iniciadas no dia 23 de julho e devem durar cerca de dois anos e meio

Ed Emmett, juiz do condado de Harris, na solenidade que abriu o projeto. A SH 99 Grand Parkway ĂŠ planejada desde o inĂ­cio dos anos 1960 e tornouse realidade por meio do trabalho conjunto e coordenado entre os condados de Harris e Montgomery

23 23


rede de conhecimento

A estreia da Comunidade de Tecnologia da Informação 24


Mais de 160 especialistas em Tecnologia da Informação dos Negócios da Organização estiveram presentes no 1º Encontro da Comunidade de Conhecimento de TI

“N

osso principal objetivo é permitir a troca de variados tipos de conhecimentos”. Assim, André Schneiter, responsável por Tecnologia da Informação (TI) na Odebrecht S.A., abriu o 1º Encontro da Comunidade de Conhecimento de TI, realizado nos dias 1º e 2 de julho, em São Paulo. Mais de 160 integrantes de diversos Negócios e países participaram das atividades. O evento de estreia é resultado

de um movimento iniciado em outubro de 2012, quando mais de 400 integrantes passaram a fazer parte de ações e discussões online no Portal Corporativo. “Até o ano passado, fazíamos o Encontro Anual de TI, que eram ‘ensaios’ para a formação da Comunidade”, comentou André Schneiter. A importância de dividir conhecimento em meio à descentralização dos Negócios da Organização foi abordada pelo professor da Universidade

25


“Nosso principal objetivo é permitir a troca de variados tipos de conhecimentos”,

André Schneiter

Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Marcos Cavalcanti, que conduziu todo o encontro. De acordo com ele, informação e conhecimento são ativos intangíveis fundamentais para a criação de valor nas empresas: “Compartilhar conhecimento gera mais conhecimento do que havia anteriormente, por isso a Rede de Conhecimento é essencial. Nosso grande desafio também é estruturar a Odebrecht como

26 26

uma Organização de Pessoas de Conhecimento”. O consultor abordou ainda o conceito de “Sociedade do Conhecimento” e de “Big Data” – sistema de armazenamento de dados que possibilita o estudo do comportamento das pessoas por meio das redes. “É importante que o integrante de TI entenda a linguagem do Negócio em que está inserido. A sensibilidade do Ser Humano ainda faz a diferença”, completou.


CONHECER, INTEGRAR E MOTIVAR O primeiro encontro contou com palestras de apresentação de cases; workshops de Sistemas, Infraestrutura e Projetos; Feira de Fornecedores, com estandes da Blackberry, Cisco, Autodesk, Telefonica, Dell, Oracle e Microsoft; e dinâmica de integração. Paulo Lacerda, responsável por Apoio ao Empresariamento - Operações, deu início às palestras apresentando a Organização, seus Negócios e a Fundação Odebrecht e destacando a diversificação dos Negócios a partir de 2004. Também falou sobre os princípios, conceitos e critérios da Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO), que baseiam o empresariamento, e sobre a Visão 2020. TI Verde - Sustentabilidade na Odebrecht Ambiental foi o tema do case de Heloise Acco Tives Leão, responsável por Infraestrutura de TI na Foz | Saneatins. O objetivo do projeto é destinar adequadamente equipamentos de informática que deixaram de ser utilizados e o lixo eletrônico (cabos, pilhas, baterias, etc.) da operação, por meio de parcerias com empresas fornecedoras e especializadas em reciclagem. “Atendendo o integrante, atendemos indiretamente à população. No próximo ano, queremos realmente expandir o projeto para as comunidades”, ela salientou.

“O Integra Odebrecht vem a ser mais uma ação proativa da nossa forma de atuar, em reforço à comunicação e à integração das pessoas”, Genésio Lemos Couto

27 27


Genésio Lemos Couto, responsável por Pessoas e Sustentabilidade na Odebrecht Agroindustrial, mostrou suas impressões sobre a nova rede de colaboração da Organização, com o case Integra: percepção de um usuário. Para ele, o Integra Odebrecht contribui para a elevação da produtividade do conhecimento, reunião de ideias que deram certo, reforço da comunicação entre integrantes e líderes e liderados, aculturamento e engajamento dos profissionais e oportunidade de sinergia entre os Negócios. “Pelo Integra, podemos nos posicionar e nos comunicar com vários profissionais, de diferentes países, Negócios e gerações”, pontua. Genésio reforçou que na Cultura Organizacional, as contribuições são para somar: “O Integra vem a ser mais uma ação proativa da nossa forma de atuar, em reforço à comunicação e à integração das pessoas”. Valter Souza, da Odebrecht Infraestrutura - América Latina, apresentou o caso Acompanhamento 5D na Hidrelétrica Chaglla, no Peru, projeto que elaborou modelos para diversos tipos de empreendimentos, com foco em tecnologia, processos, pessoas, planejamento e engenharia. Luis Rogério de Souza, responsável

28 28

por TI na Odebrecht Realizações Imobiliárias, mostrou o Novo SisENG do Negócio, desenvolvido em parceria com a Odebrecht Engenharia Industrial a partir do início de 2011. “O novo sistema começou a ser implantado em fevereiro deste ano e já atende a todas as obras da empresa”, afirmou. Luis Nishimori e Renato Sobral, da Odebrecht Infraestrutura - Brasil, abordaram o case TI Agregando Valor ao Negócio - Consórcio Integrador Rio de Janeiro (CIRJ), cujo desafio é entender a demanda e apoiar o consórcio nos serviços de TI e Telecomunicações, com foco na eficiência operacional e na otimização dos custos, baseando-se nas pessoas, serviços e na segurança da informação. O momento de maior animação e descontração foi na dinâmica de integração, conduzida pelo Mestre Adamastor, que utiliza a metodologia da essência de uma Escola de Samba. Os participantes assistiram à palestra motivacional, que abordou administração e liderança, criatividade e inovação, trabalho em equipe e estímulo ao envolvimento. Em seguida, separados em grupos, aprenderam a tocar instrumentos musicais e, ao final, juntos, formaram a Bateria de Samba da TI Odebrecht, que apresentou músicas e danças.


Para divulgar o Integra Odebrecht, a equipe de Comunicação e de Portais da TI produziu fotos dos integrantes em fundos como o Estádio do Maracanã, obras de engenharia e canavial

Música e integração: os profissionais aprenderam a tocar instrumentos musicais e formaram a Bateria de Samba da TI Odebrecht

Além das palestras, os integrantes puderam escolher workshops de temas relacionados à Sistemas, Infraestrutura e Projetos

29 29


No encerramento do evento, os membros votaram e escolheram o líder da Comunidade: Alessandro Alves, da Odebrecht Óleo e Gás

LIVRES ESCOLHAS Um dos destaques do encontro foi a promoção de workshops paralelos de Sistemas, Infraestrutura e Projetos, em que os integrantes escolhiam os temas de acordo com sua área de atuação e/ou interesse. Os temas foram: Aplicativos Móveis, por Rodrigo de Moraes e Cristiano Verardo; Automan, por Elson Rangel e Fernando Mantoanelli; Desenvolvendo aplicações rápidas e seguras, por Evandro Rezende Mendes; Ferrari - Ferramenta de Automação do Recebimento Integrado, por Mary Anne Araújo Batista e Marcel Vilas Boas Belan; Inteligência de Negócio (BI), por Wesley Meira e Cristiano Verardo; Moden - Módulo de Engenharia, por José

30

Pedro Cortez Salvi; Oracle Avançado e Desempenho Empresarial, com o consultor Michael Wootton; Oracle Apex para acelerar e modernizar nossos controles, por Evandro Rezende Mendes; Sincsis - Sistema de Sincronização de dados Citadon, por Felipe Serra; Segurança da Informação, com Mário Gama; Modelo de Recuperação da TI (tarifação), por Luis Strixino; Portal da Qualidade, com Rafael Guimarães e Viviane Silva; e TI Agregando Valor nos Negócios, por Valter Sousa. Em outra votação, antes do encerramento do encontro, os membros escolheram o líder da Comunidade. O eleito foi Alessandro Alves, responsável por TI na Odebrecht Óleo e Gás.


Iniciativa reconhecida Um painel com nomes de projetos de TI compunham o cenário da Comunidade de Conhecimento. Por meio do espaço, com adesivos coloridos, os participantes votaram no Prêmio TI Odebrecht. O projeto vencedor foi o Sistema Unificado de Controle de Crachás, de Anderson Munhoz, do contrato Terra Nova, no Rio de Janeiro, que contribuiu com o

locais, por exemplo, são monitorados e controlados. Com a administração das impressões, todas as impressoras ficam em rede e interligadas. Para imprimir, o integrante aproxima o crachá em qualquer dispositivo da obra e as informações são relatadas, contendo os custos por trabalhador e por departamento (energia gasta, quantidade

controle de pessoas e impressões no empreendimento. Desenvolvido através de um método diferenciado - em que cada registro é transformado em informação –, a iniciativa registra acesso e localização de cada integrante e apresenta uma visão geral do canteiro. Assim, os repasses de custos com alimentação e a administração dos

de CO2 emitida, impacto ambiental e água consumida). “Conseguimos ter total controle das impressões, medir o impacto ambiental, lançar programas de conscientização, gerenciar custos por departamento, ter controle dos acessos e evitar o desperdício”, relatou Anderson Munhoz, sobre os resultados positivos do projeto.

Prêmio TI Odebrecht: depois da votação, o projeto Sistema Unificado de Controle de Crachás, de Anderson Munhoz, foi o vencedor do ano

31


Comunidade de Conhec

32


cimento de TI em “cliques”

33


rede de conhecimento

34

Melhores prรกticas imobiliรกrias


O conceito “Sonhar o Sonho do Cliente” permeou o 3º Encontro da Comunidade de Conhecimento de Empreendimentos Imobiliárias, que contou com a presença de 92 integrantes dos diferentes Negócios da Organização

I

ntegrantes da Organização reuniram-se nos dias 29 e 30 de julho, em São Paulo, para o 3º Encontro da Comunidade de Conhecimento de Empreendimentos Imobiliários, que contém cerca de 630 membros. O evento contou com a presença de 92 pessoas dos Negócios: Realizações Imobiliárias,

Infraestrutura - Brasil, Infraestrutura - África, Emirados Árabes e Portugal, e Infraestrutura - Venezuela. A líder da Comunidade, Juliana Zogbi, diretora de Incorporação na Odebrecht Realizações Imobiliárias, que também integra a Comunidade de Conhecimento de Sustentabilidade, afirma que o

35


programa provoca nas pessoas o aprendizado por meio de erros e acertos nos vários ambientes. “As Comunidades de Conhecimento têm um papel fundamental na formação e no desenvolvimento das pessoas. Por meio da discussão dos casos, faz com que os integrantes consigam superar desafios com maturidade,

“Como líder da Comunidade, tenho a responsabilidade de incentivar discussões e o registro de informações no Portal, além de promover a difusão do conhecimento na Organização, integrando pessoas e Negócios. Para este desafio, conto com o apoio de um Comitê de Coordenação e dos Multiplicadores”,

destaca Juliana

36

atingindo melhores resultados”, ela ressalta. Juliana destacou que, assim como os outros 13 grupos, o de Empreendimentos Imobiliários pertence à Organização, e todos os integrantes podem aderir àqueles que acreditarem ser contributivos ao seu crescimento ou aos seus Programas de Ação (PAs).

A partir da esquerda: Eduardo Mattos, Marcelo Moreira e Juliana Zogbi


Conectados Pela primeira vez, um encontro de Comunidade de Conhecimento foi transmitido ao vivo, pela internet, em ambiente seguro. Uma senha foi enviada aos membros para que pudessem assistir às palestras e acompanhar os documentos apresentados, também interagindo com os demais participantes. “O fato de a maioria dos membros da Comunidade ser da Odebrecht Realizações Imobiliárias - que naturalmente já interagem bastante em seu dia a dia - viabilizou essa novidade sem afetar a rica integração que os encontros presenciais promovem”, explica Olindina Dominguez, líder do Ciaden (Conhecimento e Informação para Apoiar o Desenvolvimento de Negócios). Juliana Zogbi conta que em uma das reuniões de trabalho para organizar o evento, foi feita essa sugestão com o objetivo de abranger o maior número de pessoas possível. Cláudio Zafiro, diretor na Regional CentroSul da Odebrecht Realizações Imobiliárias, foi o primeiro a enviar uma pergunta por meio da

ferramenta de chat virtual. “Achei a alternativa excelente. Não temos custos com deslocamento e a interação é total”, destaca. Para ele, participar da Comunidade é importante, pois proporciona conhecimento, item fundamental para o empresário em suas decisões: “Para ser uma Pessoa de Conhecimento é preciso buscar o conhecimento. A comunidade me conquistou pela facilidade em obtê-lo e compartilhá-lo”. A nova ferramenta possibilitou que mais pessoas contribuíssem durante o encontro, independentemente da disponibilidade de agenda ou deslocamento. “A participação online permitiu que as pessoas acompanhassem e contribuíssem como se estivessem na sala, com a vantagem de continuar trabalhando nos intervalos”, destacou Marcelo Moreira, responsável pela área Comercial no Centro Administrativo do Distrito Federal, da Odebrecht Infraestrutura, e palestrante no evento. Para Juliana Zogbi, a experiência foi um sucesso: “Acredito que essa é uma tendência e deve ser utilizada com mais frequência pelas outras Comunidades”.

No ambiente online, foram contabilizados 84 integrantes. Em média, 30 pessoas permaneceram conectadas durante cada palestra

37


O encontro teve o apoio da Affero – consultoria de solução educacional e de conhecimento – e contou com dinâmicas para reforçar os conceitos de Boas Práticas e Lições Aprendidas

38 38

DIRECIONAMENTO ESTRATÉGICO Na abertura, Paulo Aridan, diretor de Engenharia da Regional São Paulo na Odebrecht Realizações Imobiliárias, falou sobre as expectativas com a união de Pessoas de Conhecimento da Organização. “Esperamos que as apresentações provoquem o dia a dia de trabalho. Esta é uma oportunidade para discutir e desenvolver as melhores práticas do ramo imobiliário”, salienta. De acordo com ele, os encontros possibilitam também o aculturamento dos jovens e a troca de experiências aos maduros. Paulo Aridan reforçou ainda a visão empresarial que guia o Negócio: “Queremos ser não a maior, mas a melhor empresa no mercado”. O encontro foi direcionado para a construção do próximo conjunto de objetivos da Comunidade. Para obter melhores resultados nas sínteses dos aprendizados, a programação foi segmentada em Sustentabilidade, Relacionamento com o Cliente,

Produtividade e Rentabilidade. Cada bloco contou com uma média de quatro apresentações, que estimularam a reflexão sobre os principais objetivos estratégicos para Empreendimentos Imobiliários, por meio de casos reais. No bloco de Produtividade, Cristiano Vasques, representante do grupo Hotel Invest – consultoria em investimento hoteleiro, parceira da Odebrecht em projetos no Brasil e em Cuba –, mostrou a visão de hotel como produto imobiliário. “Este empreendimento dá dinamismo à localidade. Aumenta o fluxo turístico, a gama de serviços e, principalmente, o ganho para a imagem daquele endereço, ajudando em sua transformação como um centro de referência”, destacou. O bloco de Rentabilidade enfatizou o tema por meio das oportunidades de sinergia entre os Negócios. Marcelo Moreira e Aarão Albefaro, responsáveis pela área Comercial e por Projetos de Instalações, respectivamente, na


Odebrecht Infraestrutura, falaram sobre a construção pensada para otimizar a operação – pela Odebrecht Properties – do Centro Administrativo do Distrito Federal. Nas parcerias, como, por exemplo, com a Braskem para a produção de lajes de concreto com base de esferas de plástico, o empreendimento é sinônimo de bons resultados. O projeto também chegou a fazer orçamentos de materiais importados pela Odebrecht Logística e Exportação (OLEx) na China, operação apresentada, em seguida, por Mauro Rehm. O responsável pela OLEx destacou as oportunidades do país como alternativa de fornecimento e como a empresa se estruturou no mercado chinês para oferecer benefícios à Organização. Ao final, Carla Barreto, diretora superintendente na Odebrecht Properties, mostrou a parceria entre o Negócio e a Odebrecht Realizações Imobiliárias para a construção do Edifício Odebrecht São Paulo e o desafio de utilizar a sinergia nas empresas da Organização - como a Braskem para a produção de matérias-primas para mobiliário; a Odebrecht Ambiental para o tratamento de efluentes; e a Odebrecht TransPort para a entrada no estacionamento por meio do ConectCar. Os integrantes conferiram ainda o fichário de melhores práticas, o estatuto da Comunidade, além de uma exposição de fornecedores com soluções inovadoras no mercado. Estiveram presentes a Hansgrohe, de insumos voltados à redução no consumo de água; a Hyundai, com novidades no mercado brasileiro de elevadores;

a Quickjet, de formas para fundações estruturais mais produtivas; a Vicâima, com novas soluções para esquadrias de madeira; e a Multinova, cliente da Braskem, produtora de manta para isolamento acústico de pisos.

RESULTADOS Além das sínteses dos aprendizados, cada participante saiu do encontro com dois compromissos pactuados, que poderiam ser escolhidos entre incluir uma boa prática, uma lição aprendida ou abrir um fórum de discussão no Portal. O ambiente virtual oferece notícias, artigos técnicos, fórum de perguntas e respostas, e documentos como fontes de pesquisa para os integrantes, e disponibiliza também todo o material deste terceiro encontro. De acordo com Juliana Zogbi, o fórum é a ferramenta que mais pode agregar à rotina de trabalho: “Por meio dele, os membros atuam como consultores internos, já que, muitas vezes, a resposta para uma dúvida pode estar dentro de casa”. Segundo Eduardo Mattos, diretor de Contrato na Odebrecht Infraestrutra, em Angola, a Comunidade preencheu uma lacuna de troca de experiências. “Tenho a oportunidade de buscar o conhecimento com outros projetos, assim como apresentar as boas práticas desenvolvidas no país, como a formação dos angolanos na área imobiliária”. Para ele, o encontro de 2013 foi bastante rico. “Volto para Angola com o desafio de compartilhar os conceitos discutidos e acrescentar novidades no meu PA”, conclui.

39 39


rápidas•prêmios

Reconhecimentos à Organização Em julho, a revista Exame lançou sua edição especial de 40 anos de Melhores e Maiores - As 1000 maiores empresas do Brasil. No ranking geral, a Odebrecht figura na 47ª colocação. A publicação traz uma análise dos dez grupos que mais cresceram de 1973 – lançamento do anuário – a 2012. A Organização apresentou um crescimento de 7.360% em receita. No ranking Balanço das 500, que destaca as 500 maiores empresas do país em 2012, divididas em 18 setores econômicos, a Braskem foi a 9ª colocada entre as dez com maior receita líquida e a 8ª entre as dez que mais exportaram, e a Odebrecht conquistou a 1ª colocação entre as dez que mais empregaram e o 2º lugar entre as dez empresas que mais pagaram salários. Na análise Grupos, que avalia os 200 maiores conglomerados empresariais brasileiros durante o ano, a Odebrecht figura na 4ª posição entre os dez com maior receita líquida. Já no ranking Produtividade, a edição utilizou quatro indicadores contábeis para selecionar as 50 empresas mais produtivas, entre eles, o conceito de riqueza – valor agregado por uma companhia a um produto ou serviço na sua fase das cadeias produtivas. A Odebrecht foi a 9ª empresa mais bem colocada. Entre as maiores empresas com presença na América Latina, a Organização ocupa a 7ª posição da lista, com R$ 23,4 bilhões em receita líquida, nos setores de Construção e Petroquímica. Na lista 500 Maiores em Vendas, a Braskem aparece na 11ª colocação e a Odebrecht Infraestrutura - Brasil no 47º lugar.

40


A partir da esquerda, integrantes do Consórcio Metropolitano 5: Fabiana Emendabili, Roberta Trevelato, Cledson Macedo e Carla Rovari, durante a cerimônia do Prêmio Proteção Brasil 2013

Segurança triplamente premiada O Consórcio Metropolitano 5 (CM5) – formado por Odebrecht Infraestrutura (líder), Queiroz Galvão e OAS – venceu três categorias do Prêmio Proteção Brasil 2013, que reconhece ações bem-sucedidas nas áreas de Saúde e Segurança do Trabalho, com o case “As Boas Práticas na Mitigação dos Impactos dos Riscos na Obra do Lote 7 da Linha 5 Lilás do Metrô de São Paulo”. Em meio a 117 trabalhos inscritos e 75 selecionados, o estudo do CM5 foi eleito o Melhor case de Gerenciamento de Riscos, o Melhor case Região Sudeste e o Melhor case Brasil durante cerimônia realizada na Expo Proteção 2013 - Feira Internacional de Saúde e Segurança do Trabalho, em São Paulo. O CM5 destacou os objetivos, as ações e os resultados obtidos com a implantação do Gerenciamento de

Riscos, que engloba o Plano de Ação em Emergências e a Gestão de Crise, e as boas práticas preventivas e integradas com as várias áreas do contrato, reduzindo os impactos dos riscos das atividades, em caso de ocorrências. No trecho de 5,7 quilômetros de extensão da Linha 5 do Metrô de São Paulo, serão construídas as novas estações Santa Cruz e Chácara Klabin e os poços de ventilação e saída de emergência Botucatu, Jorge de Melo e Dionísio da Costa. Para a escavação do túnel entre a Avenida dos Bandeirantes e a Rua Dionísio da Costa, será utilizado o shield, conhecido como “megatatuzão”. Com diâmetro de 10,5 metros, a máquina perfura o solo e instala o revestimento estrutural definitivo, por meio de anéis pré-fabricados de concreto, ao mesmo tempo.

41


rápidas•prêmios

Reconhecimento a projeto sustentável A Ilha Pura – projeto de bairro sustentável em construção pela Odebrecht Realizações Imobiliárias no Rio de Janeiro – foi certificada pela Fundação Vanzolini, por meio do Processo AQUA (Alta Qualidade Ambiental). O reconhecimento foi entregue à equipe de Sustentabilidade da obra, incluindo Paulo Boghossian, responsável por Engenharia, das mãos de Bruno Casagrande, representante da Fundação, no dia 15 de julho. O projeto foi avaliado de acordo com 17 objetivos de desempenho ambiental, divididos em temas: Integração e Coerência do Bairro; Recursos Naturais; Qualidade Ambiental e Sanitária; e Vida Social e Dinâmicas Econômicas. Os pontos foram avaliados por meio de análises

Paulo Bogosshian (à esquerda) e Mariana Malufe recebem o certificado AQUA de Bruno Casagrande, representante da Fundação Vanzolini

42

e auditorias, com os conceitos Excelente, Superior e Bom. “A o bte n çã o da ce rti fi ca çã o rati fi ca o e m p e n h o da I l ha Pu ra e m re la çã o à s q u e stõ e s a m b i e nta i s” , re ssa l ta Ma ria na Ma l u fe, re s p o n sáve l p o r Su ste nta b i l i da d e. Pa ra Pa u l o Bogh oss ia n, o eve nto te m i m pa c to e m to da a c i da d e : “É a p ri m e i ra ce rti fi ca çã o AQ UA da Od e b re c ht Re a l iza çõ e s I m o b i l iá ria s n o Ri o d e Ja n e i ro. Esta m os ate n d e n d o à d e ma n da d o m e rca d o e da n d o re to rn o à p o p u la çã o ca ri o ca , q u e se p re o c u pa co m o M e i o Am b i e nte” . O bairro planejado Ilha Pura foi concebido pela Odebrecht Realizações Imobiliárias, em parceria com a Carvalho Hosken, como um projeto de alto padrão com modernos conceitos de sustentabilidade. Localizado na Barra da Tijuca, sua primeira fase compreende sete condomínios, compostos por 31 torres de 17 andares e 3.604 apartamentos. Inicialmente, esses condomínios serão a Vila dos Atletas dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2016 e acomodarão mais de 17.000 pessoas, entre atletas, paratletas e equipes técnicas. Após as competições, os condomínios serão remodelados e entregues aos clientes finais.


Prestígio e credibilidade na Argentina

Pelo quarto ano consecutivo, a revista Mercado – uma das publicações de Economia e Negócios mais prestigiadas da Argentina – reconheceu a Odebrecht como a maior companhia do país em faturamento no setor de Construção. N o ra n ki ng ge ra l , q u e co m p re e n d e to d os os

se to re s e co n ô m i cos, a Od e b re c ht ava n ço u se i s p os i çõ e s e m re la çã o a o a n o a nterior, passando da 81ª para a 75ª colocação. A Organização também foi eleita a 3ª empresa na Argentina em retorno sobre o patrimônio líquido e a 69ª em rentabilidade sobre a s ve n da s.

O Sistema de Potabilização Área Norte, um dos projetos da Odebrecht no país, é um dos maiores investimentos em infraestrutura na Argentina, nos últimos 50 anos e permitirá o abastecimento de água potável do norte da Grande Buenos Aires

43


rápidas•prêmios

Entre os destaques em tecnologia química

44 44

A B ra s ke m e stá e ntre os c i n co fi na l i sta s d o Ki rkp a tri c k Ch e m i ca l En g i n e e ri n g Ac h i eve m e nt Awa rd s 2013 , q u e re co n h e ce os ma i o re s d e sta q u e s e m te c n o l ogia s d e e nge n ha ria q u í m i ca i n ova d o ra s, u ti l iza da s co m e rc ia l m e nte e m

to rna n d o o Bra s i l o ma i o r p ro d u to r d e b i o p o l í m e ros d o m u n d o. A premiação é promovida pela revista Chemical Engineering, uma das publicações mais tradicionais no setor de engenharia química. Ao longo de seus 80 anos, apenas empresas dos Estados

p ro ce ssos o u p ro d u tos p e la i n d ú stria m u n d ia l , d e sd e 1933 . A e m p re sa fo i se l e c i o na da p e l o p ro j e to d e P E “Ve rd e” I’ m g re e n ™ , i n i c iativa q u e é u m ma rco m u n d ia l d e i n ova çã o,

Unidos e da Europa foram premiadas. O ganhador desta edição será anunciado no dia 25 de setembro, durante a Chem Innovations Conference and Expo , nos Estados Unidos.


45


parcerias

Maior PPP de do Brasil em

46 46


e saneamento m operação

N

Firmada em fevereiro deste ano, a sociedade entre Foz e Compensa representa a maior Parceria Público-Privada (PPP) de saneamento do Brasil, com prazo total de 35 anos

o dia 23 de julho, a Foz e a Companhia Pernambucana de Saneamento (Compesa) deram início à operação de esgoto em 14 municípios da Região Metropolitana de Recife e na cidade de Goiana, localizada na Zona da Mata Norte de Pernambuco. Trata-se da maior Parceria Público-Privada ( PPP) no setor de Saneamento no Brasil, que vai atender 3 , 7 milhões de habitantes. A parceria com o Governo do Estado de Pernambuco tem o objetivo de atingir, em 12 anos, o atendimento de 90% da população urbanizada e garantir 100 % do tratamento para todo o volume de esgoto coletado nos municípios beneficiados. Serão implantados novos 8. 100 quilômetros de redes de esgoto, totalizando 10. 000 quilômetros. O número de Estações de Tratamento ( ETE) passará de 54 para 69 . Para alcançar esses números, os investimentos devem chegar a R$

47 47


4 bilhões, que serão aplicados na recuperação, modernização e ampliação dos sistemas. “Os investimentos também contemplam a aquisição de modernos equipamentos e o uso de tecnologias avançadas para a realização de obras, a exemplo de métodos não destrutivos para evitar transtornos à população e ao trânsito com aberturas de valas”,

48

explica Pedro Leão, diretor da concessão. Durante os 100 primeiros dias, a Foz atuará com um mutirão de limpeza e desobstrução em parte das redes existentes. Na primeira etapa, os municípios de Recife, Olinda, Jaboatão dos Guararapes, Paulista, Cabo de Santo Agostinho e Moreno serão beneficiados. Ao todo, mais de 64. 000 metros de redes serão


Estação de Tratamento de Esgoto Vila Cardeal, no Recife: as ETEs tratam os efluentes antes do despejo em rios ou mar

limpos e desobstruídos, em mais de 180 ruas. Pedro Leão explica o critério de escolha das localidades : “Fizemos o plano de 100 dias com foco nos pontos mais críticos do sistema e que têm incomodado a população nesse momento” . No início oficial da operação, Roberto Tavares, presidente da Compesa, ressaltou a importância da parceria entre

os setores público e privado. “Não dá para universalizar o saneamento apenas com investimentos públicos. Precisamos investir cada vez mais para mudar a realidade de Pernambuco e do Brasil”. Ele ainda pontua: “Dos 27 Estados brasileiros, 22 têm menos de 40% de cobertura de esgoto. Investir em saneamento significa mais saúde à população”.

49 49


A partir da esquerda: Ricardo Barretto, diretor de Novos Negócios da Compesa; Roberto Tavares; Pedro Leão; e Fernando Mangabeira, diretor executivo da Foz Unidade Pernambuco

A previsão é atender 90% da população urbanizada e garantir 100% do tratamento de todo o esgoto coletado, nos primeiros 12 anos

50


SI NERGIA ENTRE FOZ E BRASKEM

Co m o i n í c i o d a o p e ra ç ã o e m Pe r n a m b u c o , a Fo z e a B ra s ke m c o m e ç a ra m a e s tu d a r p o s s í ve i s p a rc e r i a s p a ra a s o b ra s d e s a n e a m e n to d a Re g i ã o M e t ro p o l i ta n a d o Re c i fe . U m p r i m e i ro e n c o n t ro , re a l i z a d o e m j u n h o , e n t re p ro f i s s i o n a i s d a s e m p re s a s , teve o o b j e t i vo d e a p re s e n ta r a o b ra e o s p o s s í ve i s p a rc e i ro s d a B ra s ke m p a ra o fo r n e c i m e n to d e p ro d u to s , a l é m d e b u s c a r s i n e rg i a s f i s c a i s e l o g í s t i c a s p a ra o s 1 0 . 0 0 0 q u i l ô m e t ro s d e re d e s d e e s go to q u e s e rã o i m p l a n ta d o s a p a rt i r d e j u l h o d e 2 01 4 . A p a rc e r i a é re s u l ta d o d o s u c e s s o d e o u t ra s i n i c i a t i va s q u e ve m s e n d o re a l i z a d a s e n t re a B ra s ke m e a Fo z , c o m o o fo r n e c i m e n to d e tu b o s c o r r u ga d o s d e p o l i e t i l e n o ( P E ) e tu b o s d e PVC p a ra d i ve rs a s o p e ra ç õ e s n o B ra s i l . “A s re l a ç õ e s e s t re i ta s e n t re a B ra s ke m e a Fo z , d e s e nvo l v i d a s p r i n c i p a l m e n te a p a rt i r d o p ro j e to d e p o ç o s d e v i s i ta ro to m o l d a d o s , tê m c o n t r i b u í d o p a ra o i n c re m e n to d a s i n e rg i a e t ra n sve rs a l i d a d e e n t re o s N e gó c i o s d a O rga n i z a ç ã o O d e b re c h t , a p o n to d e s e r m o s c o nv i d a d o s p a ra p a rt i c i p a r d e u m p ro j e to tã o i m p o rta n te c o m o e s s e , d e s d e a c o n c e p ç ã o” , d e s ta c a J o rge A l exa n d re d a S i l va , re s p o n s áve l p o r D e s e nvo l v i m e n to d e M e rc a d o d e P E n a B ra s ke m .

51 51


rápidas•pessoas

O Acreditar Júnior foi criado para atender à Lei do Menor Aprendiz e formar os jovens para o mercado de trabalho e para a vida. A iniciativa é uma parceria entre Odebrecht e SENAI

Destaque no mercado de trabalho Desde seu início, em agosto de 2009, até julho deste ano, o Programa Acreditar Júnior qualificou 1.363 jovens, filhos de trabalhadores do Consórcio Santo Antônio Civil (CSAC) e da Odebrecht Infraestrutura, responsável pelas obras de montagem da Usina Hidrelétrica Santo Antônio. Após um ano de cursos, nas funções de Mecânico de Manutenção de Automóveis, Mecânico de Motores a Diesel, Mecânico de Manutenção de Motocicletas, Eletricista Predial e Industrial e Assistente de Produção, os aprendizes estão preparados para o mercado de trabalho. Formada na terceira turma, no curso de Mecânica de Automóveis, Cíntia Ceolin Baía trabalha em uma concessionária de carros, em Porto Velho. Ela conta que teve facilidade para conseguir a primeira oportunidade de trabalho, há cerca de um ano e meio: “Com o Acreditar Júnior, aprendi uma profissão e me senti preparada”. A jovem pretende ainda fazer duas faculdades, Engenharia Mecânica e Engenharia Mecatrônica. Susankelly de Freitas Montes atua na área financeira, como auxiliar de expediente no CSAC. Aluna da primeira turma, no curso de Assistente de Produção, hoje estuda Administração de Empresas e garante: “Graças ao Acreditar Júnior tenho um trabalho e posso cursar uma faculdade na área que escolhi”. John Daver Manoel do Amaral é mais um exemplo bem sucedido no mercado de trabalho, após concluir o curso de Mecânica de Motocicletas. Já atuou em uma concessionária e, atualmente, é meio oficial de Mecânica na Oficina Industrial do CSAC. Apaixonado pelo mundo das máquinas, ele quer ser Engenheiro Mecânico. “Aprendi muito mais que uma profissão, o curso me ajudou a crescer como pessoa. Minha experiência profissional está sendo bastante proveitosa”, ressalta. Outros jovens estão inseridos nos mais diversificados ramos de trabalho em Porto Velho. A UHE Santo Antônio conta com integrantes oriundos do programa nas áreas de Apropriação, Oficinas, Produção, Equipamentos, Administração e Segurança.

52


Parceria no desenvolvimento de pessoas Em julho, a Braskem, em parceria com a Universidade Petrobras, deu início aos programas de capacitação para 70 integrantes, nos cursos de Engenharia de Processamento Petroquímico (CENPEQ) e de Engenharia de Manutenção Mecânica (CEMANT). O projeto, que engloba engenheiros de todas as unidades da empresa no Brasil, tem como objetivo formar profissionais capazes de garantir a competitividade dos processos industriais e atuar na identificação de oportunidades. “A Braskem quer completar a formação acadêmica desses integrantes e, para isso, os participantes terão a oportunidade de aprofundar conceitos teóricos e aplicá-los. O aprendizado é facilitado pelo conhecimento e experiência, tanto dos professores da Universidade Petrobras quanto da Braskem”, explica Marcelo Guarita, gerente de Engenharia de Processos de Polietileno e um dos orientadores do CENPEQ. Para acompanhar o desenvolvimento e garantir o crescimento profissional, os participantes são supervisionados pelos seus respectivos líderes ao longo da formação. Jader Brun, orientador do CEMANT e gerente de Manutenção de Unidades de Petroquímicos Básicos, afirma que os cursos proporcionarão uma formação sólida. “Nos próximos dois anos, a base de conhecimento, visão sistêmica e espírito empreendedor que caracterizam o programa irão preparar e motivar os participantes para os grandes desafios que a Braskem terá no futuro”, destaca. Os programas têm dois anos, com uma carga de 596 horas cada um, e as aulas são ministradas na Universidade Petrobras, no Rio de Janeiro. Para viabilizar a realização do curso, foi assinado um convênio entre Braskem e Petrobras, estabelecendo os critérios para a participação dos integrantes da Braskem e colaboradores do Sistema Petrobras, bem como o aproveitamento no curso.

53 53


rápidas•pessoas

Parte mais valiosa para os desafios Pa ra q u e se u s i ntegra nte s p ossa m te r ma i s c la reza a ce rca da s ca rre i ra s n o N egó c i o, a O d e b re c ht Agro i n d u stria l la n ço u , e m j u l h o, o Progra ma d e Ca rre i ra s. A i n i c iativa é u ma fe rra m e nta d e a p o i o a o l í d e r pa ra ati ngi r, d e fo rma s i stê m i ca, to d os os a m b i e nte s d e tra ba l h o e p ro p o rc i o na r ma i s i nfo rma çõ e s a os p rofi ss i o na i s so b re o a ssu nto. Em p ro ce sso d e e stru tu ra çã o d e sd e 201 2 , o ma i o r d e safi o pa ra a i m p la nta çã o fo i e nvo lve r re p re se nta nte s d e to d os os Po l os Agro i n d u stria i s e a O rga n iza çã o D i nâ m i ca d o Lí d e r Em p re sa ria l ( O D- LE ) . “O p rogra ma p e rm i te a o i ntegra nte e nte n d e r a s o p o rtu n i da d e s d e c re sc i m e nto na e m p re sa, ta nto co m m u da n ça s d e ru m o d e ca rre i ra q ua nto na s m u da n ça s d e ntro da m e s ma á re a” , exp l i ca Al m i ro Se n na, re s p o n sáve l p o r Ad m i n i stra çã o d e

Pe ssoa s n o e sc ri tó ri o co rp o rativo. Fo ra m l eva nta d os 380 p rogra ma s, d ivi d i d os e m c i n co te ma s : Agrí co la, I n d ú stria, Ma n u te n çã o, Sa ú d e, Segu ra n ça e M e i o Am b i e nte ( SSMA ) e Ad m i n i stra çã o. Para que os 17 mil integrantes tenham diálogos com seus líderes sobre o tema, as equipes de Pessoas e Organização (P&O) dos Polos Agroindustriais foram envolvidas, a fim de compreender amplamente o programa e capacitar os líderes da Linha. “O p rogra ma é fo ca d o n o d e se nvo lvi m e nto da s p e ssoa s, e m sua ca pa c i da d e e d e se j o d e evo l u i r. Es p e ra m os q u e, co m to d os os d iá l ogos d e ca rre i ra re a l iza d os e ntre l í d e re s e l i d e ra d os, ca da i ntegra nte te n ha ma i s c la reza da s sua s o p o rtu n i da d e s d e ca rre i ra” , re ssa l ta Al m i ro Se n na. De a co rd o co m e l e, a a çã o ta m b é m p e rm i ti rá a e la b o ra çã o d os Pla n os d e De se nvo lvi m e nto I n d ivi d ua i s ( PDI ) , e n ri q u e c i m e nto d o co nte ú d o d o p rogra ma, e, p ri n c i pa l m e nte, o re fo rço pa ra o e nga ja m e nto c u l tu ra l , já q u e o mate ria l d e a p o i o te m co m o ba se os va l o re s e p ri n c í p i os da Te c n o l ogia Em p re sa ria l Od e b re c ht ( TEO ) .

Os responsáveis por P&O receberam material de apoio para a capacitação dos líderes. O objetivo é que todos tenham as ferramentas adequadas para o trabalho, uma vez que cada um registrará o diálogo de carreiras com seus liderados

54


O encontro contou com a presença de 30 participantes: 25 integrantes da Ilha Pura, Vila dos Atletas e Parque Olímpico, e cinco da Odebrecht Defesa e Tecnologia

Conhecer e praticar a TEO Em 3 e 4 de julho, os novos integrantes da Odebrecht Realizações Imobiliárias, dos empreendimentos Ilha Pura e Parque Olímpico, e da Odebrecht Defesa e Tecnologia participaram do Programa de Introdução à Cultura, no Rio de Janeiro. O encontro foi organizado em parceria com a Carvalho Hosken – sócia da Odebrecht Realizações Imobiliárias. Com conteúdo baseado nos princípios, conceitos e critérios da Tecnologia Empresarial Odebrecht (TEO) e nas melhores práticas de Gestão de Negócios das empresas, as atividades contemplaram a prática do Ciclo de PAAJ. O evento contou com a participação de Paul Altit, Líder Empresarial da Odebrecht Realizações Imobiliárias, que apresentou a Organização e o Negócio; Alexandre Fonseca, diretor da Carvalho Hosken, compartilhando a história da empresa; Luis Villar, membro do Conselho de Administração da Odebrecht S.A., que respondeu às perguntas feitas pelos participantes; e Augusto Roque, diretorSuperintendente na Odebrecht Infraestrutura, contando sua trajetória de vida e carreira.

Cristiane Nascimento, responsável por Pessoas & Organização na Odebrecht Realizações Imobiliárias, mostrou a nova Política de Pessoas; Marcelo Athayde, diretor do Parque Olímpico, abordou as Características do Parceiro Odebrecht; e Beatriz Filgueiras, responsável por Cultura e Integração na Odebrecht S.A., falou sobre Visão 2020. Ao final do encontro, foi realizada a “Conversa ao Pé da Fogueira” com Maurício Cruz, diretor geral da Vila dos Atletas, e Antonio Pessoa, diretor-superintendente da Ilha Pura e Parque Olímpico. “Além de apresentar uma visão geral da Odebrecht, o programa também nos coloca em contato direto com líderes e profissionais dos Negócios, mostrando exemplos de sucesso e histórias de vida”, ressalta Maísa Soares, do Parque Olímpico. Para Daniela Maximiliano, responsável jurídica na Odebrecht Defesa e Tecnologia, o programa foi fundamental para apoiar seu período de adaptação: “Com apenas dois meses de Organização, conheci uma Cultura motivadora, agregadora e desafiadora, e experiências muito ricas”.

55 55


rápidas•pessoas

Um salto em Segurança Com o tema “Compromisso com a vida”, o projeto Aproveitamento Hidrelétrico do Baixo Sabor, da Odebrecht Infraestrutura em Portugal, realizou, de 8 a 12 de julho, o Programa Um Salto em Segurança. Os objetivos foram: elevar o desempenho das equipes do empreendimento – buscando a excelência, por meio do reforço da cultura de Segurança do Trabalho e da mudança dos

consistentes, confiáveis e irrevogáveis para o tema. “Segurança é um valor intrínseco que todos devem incorporar no seu dia a dia e em todas as suas ações, e esse valor é inalterável”, reforça Paulo Carrilho, responsável por Saúde, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente em Portugal. Ao final do evento, os participantes demonstraram satisfação pelos resultados

padrões de comportamento das equipes; e promover a sinergia e o forte compromisso entre os profissionais. Cerca de 70 integrantes – entre líderes e liderados – firmaram compromissos

alcançados, sobretudo na clareza dos compromissos assumidos por cada integrante, para que todos cumpram a meta de zerar a incidência de acidentes, a partir da sinergia entre as diversas áreas do contrato.

O evento foi apresentado por Olga Loffredi, representante da consultoria Vanto Group e Loffredi e Associados, e contou com a participação de Sérgio Leão, responsável por Sustentabilidade na Odebrecht; Fábio Januário, diretor-superintendente em Portugal, e Gilberto Costa, diretor de Contrato

56


Seguros para melhores desempenhos

Exercícios e dinâmicas fizeram parte da programação do Sempre Seguros, junto às apresentações

Em julho, o Programa Sempre Seguros, do Consórcio Santo Antônio Civil (CCSA), iniciou o Seminário SSTMA - PRO (Saúde, Segurança do Trabalho e Meio Ambiente para profissionais da área). O encontro foi destinado a fisioterapeutas, enfermeiros, médicos, auxiliares, técnicos e engenheiros da área de SSTMA do Consórcio Santo Antônio Civil (CSAC) e na Odebrecht Infraestrutura, responsável pelas obras de montagem da Usina Hidrelétrica (UHE) Santo Antônio. Os participantes reuniram-se para alinhar conceitos técnicos de SSTMA, com foco nos aspectos comportamentais, proporcionando mais conhecimento técnico e incentivando para um trabalho cada vez mais proativo. Foram ressaltados conceitos para uma abordagem eficaz nas frentes de serviço e a importância de ser um bom exemplo. Para Ítalo Damasceno Justino, auxiliar de Segurança do Trabalho, a atividade foi enriquecedora. “Acredito que, a partir do nosso exemplo, conseguimos ensinar outras pessoas. Este seminário expandiu nossa visão sobre a maneira de ser e agir, e o quanto é importante mudar primeiro a nós mesmos”, revela. Délio Galvão, diretor de Contrato do CCSA, destaca: “O Sempre Seguros está nos dando a certeza de que estamos no caminho da excelência em Segurança do Trabalho”. O programa foi criado em fevereiro de 2013, por integrantes de diversas áreas do canteiro, e é composto pelos compromissos para a prevenção de acidentes.

57


rápidas•pessoas

Estimulando a prevenção de acidentes

André Canoas, gerente de Construção, conversa com os trabalhadores durante o DSS para a frente de serviço de Planta de Processamento de Carvão. A Semana Global de Prevenção de Acidentes foi organizada pela área de Segurança do Trabalho, Saúde e Meio Ambiente

Entre 22 e 26 de julho, o Projeto Moatize Expansão – obra da Vale executada pela Odebrecht Infraestrutura em Moçambique – iniciou a Semana Global de Prevenção de Acidentes. Com o tema “Agir com disciplina é cuidar do futuro”, a campanha levou o assunto Disciplina Operacional a todas as frentes de serviço. Por meio de Diálogos de Saúde e Segurança (DSS) e teatros nos ambientes de trabalho e refeitório, a campanha esclareceu os conceitos de Disciplina nas operações e apresentou exemplos de comportamentos que podem levar a desvios, como pressão pela falta de tempo, inexperiência, comunicação precária e excesso de confiança. Uma das peças teatrais foi produzida por integrantes da área de Segurança. Willer Pinto, diretor na Vale, ressalta que o Moatize Expansão é uma das obras mais reconhecidas na empresa pelos baixos índices de acidentes. “Ações como esta nos ajudam a reforçar a consciência para a Segurança do Trabalho e, por consequência, a reduzir riscos”, destaca. Para Paulo Brito, diretor de Contrato, o cumprimento das normas de segurança também irá colaborar para a redução dos riscos.

58


Envolvimento essencial Em projetos de longa duração e altamente técnicos, a contratação de integrantes ocorre de acordo com a necessidade das áreas, e o empreendimento recorre, preferencialmente, à mão de obra disponível no entorno. O envolvimento dessas pessoas com as obras traz inúmeros benefícios ao projeto, à

Para compor as equipes, as regiões vizinhas também foram acionadas, em um segundo momento, e o apoio dos líderes comunitários e do Sindicato da Construção Civil do país foram contributivos ao processo. O contrato é responsável pela construção de um canal de irrigação que permitirá a captação de águas

população e à região. No primeiro semestre deste ano, o Projeto Irrigação Olmos, da Odebrecht Infraestrutura no Peru, registrou a contratação de 71% de sua equipe nas regiões de Olmos e Lambayeque. A busca de profissionais foi realizada nas comunidades de influência direta às obras, como La Juliana, El Imperial, Pañalá, Cutirrape, El Medano, Las Norias, Miraflores, Nitape, Pumpurre, La Orchilla, Tunape e La Algodonera.

do Rio Huancabama, atravessando a Cordilheira dos Andes, para que a H2Olmos S. A. – empresa responsável pela operação – abasteça 43 . 500 hectares de terras. A obra contribuirá com o desenvolvimento da região norte do Peru, gerando mais de 40 mil oportunidades de trabalho diretas e indiretas, e beneficiando a agroindústria e o comércio de Lambayeque.

Das equipes que compõem o Projeto Irrigação Olmos, 71% dos integrantes são moradores das comunidades do entorno da obra

59


rápidas•pessoas

Café da manhã especial Os integrantes do Vias de Luanda, da Odebrecht Infraestrutura em Angola, passaram a ter manhãs mais animadas: o projeto implantou o programa Café com a Gerência, que busca a integração e a valorização das equipes e o respeito à diversidade. Em toda a última quinta-feira do mês,

áreas também participaram e puderam expor suas preocupações”. O programa inclui a presença dos líderes das áreas e do diretor de Contrato. Para Jacinto Ilídio Cristovão e Milagre José Garcia da Silva, da área de Equipamentos, a ação é muito interessante. “Há uma relação entre a

um café da manhã motivacional traz ao integrante a oportunidade de fazer considerações sobre o ambiente de trabalho, em um diálogo com a liderança. Santos Francisco Victor António, da área de Resíduo Sólido, ressaltou a integração durante a atividade: “Colegas de outras

alta liderança e a equipe. Os integrantes falam sobre os problemas com que lidam diariamente, sem intermediários”, destaca Jacinto Ilídio. “Esta é uma oportunidade para conversar com os líderes que não vemos todos os dias”, reforça Milagre José Garcia.

Os grupos são formados por até dez pessoas, indicadas por seus líderes, que debatem sobre produtividade, valorização do local de trabalho, relacionamento com a equipe e segurança do trabalho

60


Encontro na Arena Corinthians: é a segunda vez que o CSC Odebrecht recebe um evento do Grupo Compartilha

Compartilhar experiências O Centro de Serviços Compartilhados Odebrecht (CSC) organizou, em junho, mais um encontro do Grupo Compartilha, desta vez em um espaço reservado na Arena Corinthians. A reunião também incluiu uma visita guiada às instalações do empreendimento. Composto por 20 empresas, entre elas Odebrecht, Natura, Bosh, Cielo e Saint Gobain, o Grupo Compartilha se reúne mensalmente para trocar informações, avaliar melhores práticas e identificar formas de atuação nos processos existentes no mercado.

Em um estudo realizado pelo grupo, o CSC Odebrecht destacou-se por obter melhor produtividade em escala e menor percentual de processamento de erros, em relação às demais empresas. “O maior ganho que temos no Grupo Comparti l ha é a o p o rtu n i da d e d e tro ca r exp e ri ê n c ia s e m e n su ra r os re su l ta d os d e n ossos e sfo rços. Este te rm ô m e tro d e d e se m p e n h o é i m p o rta nte pa ra q u e e ste ja m os se m p re e m b u sca d e so l u çõ e s ma i s e fi c i e ntes”, destaca Marco Poiatti, líder de Operação no CSC.

61


rápidas•pessoas

Estímulo à leitura O Programa Rubem Fonseca é uma iniciativa do Consórcio Linha 4 Sul (CL4S), da Odebrecht Infraestrutura no Rio de Janeiro, que tem o objetivo de estimular o hábito de leitura entre os integrantes. O nome da biblioteca instalada na obra é uma homenagem ao importante escritor brasileiro que desenvolveu uma relação de amizade com integrantes do consórcio,

Criado em junho, nos canteiros da Praça Antero de Quental e do Túnel Gastão Bahiana, o programa despertou grande interesse na equipe. Foram oferecidos dez exemplares de livros com temas que variavam do religioso ao autobiográfico. O acervo foi mantido na sala do administrador geral do canteiro, responsável por coordenar o empréstimo

desde o plantio de seu Ipê-Roxo na Praça Antero de Quental.

e a devolução. No lançamento, todos os exemplares foram retirados e houve lista de espera. O projeto, então, foi ampliado para os outros canteiros: Nossa Senhora da Paz, Leopoldina, 23º BPM, Jardim de Alah, e no Administrativo Central. “É importante termos acesso no trabalho a livros tão variados. Era o estímulo que faltava para que eu retomasse minhas leituras”, destaca Eduardo Valoni, assistente de Tecnologia da Informação, em seu terceiro empréstimo. Para Maria Beatriz Costa, idealizadora do projeto e responsável pela Comunicação Interna do CL4S, a leitura estimula o bem-estar, além do aprendizado e da reflexão. “Quando alguém lê, vislumbra um universo diferente. É muito bom quando os integrantes querem saber mais sobre o autor ou pedem indicações de outros livros”, ressalta.

Aproximadamente 150 livros estão disponíveis na Biblioteca Rubem Fonseca. Doações podem ser encaminhadas à área de Comunicação do consórcio

62


Alinhado à política de prevenção do Governo do Peru, o Consórcio Metrô de Lima aderiu ao programa Es Salud Seguridad Social para todos

Saúde no canteiro No Peru, o dia 17 de julho foi marcado pelo lançamento do programa do governo Es Salud Seguridad Social para Todos (É Saúde - Segurança Social para Todos) no Consórcio Metrô de Lima, da Odebrecht Infraestrutura. Com o tema “Zero Tuberculose no Trabalho”, o objetivo da ação é alertar os cerca de 5.000 integrantes do contrato a respeito da doença. A iniciativa realizou exames e consultas médicas para os trabalhadores e forneceu informações sobre a prevenção e tratamento da tuberculose. “Desta forma, queremos aproximar Estado e iniciativa privada para a luta contra a doença”, destacou Virginia Baffigo, médica e presidenteexecutiva do Es Salud. Durante o evento de lançamento, Carlos Nostre, diretor de Contrato, reforçou a importância da participação de todos e incentivou para que outras empresas se unam à campanha. O Peru é o primeiro país a registrar a Tuberculose Multidroga Resistente (MDR) – quando a doença torna-se resistente aos medicamentos comuns para o tratamento – e o terceiro com a maior incidência.

63


rápidas•pessoas

Atentos para os riscos Em julho, a equipe de Segurança do Trabalho do Aproveitamento Hidrelétrico (AH) Cambambe, obra da Odebrecht Infraestrutura em Angola, deu início ao ciclo de treinamentos sobre percepção de riscos de acidentes. O programa é destinado aos integrantes em função de liderança e faz parte da estratégia para a excelência em Sustentabilidade na busca por zerar o número de ocorrências no contrato. Cerca de 100 pessoas de diferentes áreas já participaram dos cursos. “Buscamos capacitá-las para que possam identificar perigos e reconhecer riscos no ambiente de trabalho, além de avaliar a gravidade desses riscos e corrigi-los”,

explica Daniel de Oliveira, engenheiro de Segurança no projeto. Em paralelo, a Brigada de Emergência do contrato promoveu um treinamento de primeiros socorros para os membros da Comissão Interna de Acidentes (CPAT). O objetivo foi orientá-los para a atuação em situações de emergência. “Primeiros socorros são os cuidados imediatos prestados à vítima, com a finalidade de manter as suas funções vitais e de evitar que a situação se agrave até a chegada do atendimento médico adequado. Este pré-atendimento é importante, pois evita complicações futuras e pode até salvar vidas”, destaca Marco Ferreira, da Medline, empresa que liderou o curso.

O projeto AH Cambambe, em Angola, intensificou a prevenção aos acidentes, orientando os integrantes por meio de cursos ministrados por empresas especializadas

64


Nossa Cultura, Nossa Marca Inspire-se O logotipo é apenas um fragmento do sistema visual que compõe a identidade de uma Organização. Cores, tipografias, imagens, gráficos, elementos de sinalização e até o discurso utilizado nos textos também são parte deste sistema. Juntos, ajudam no reconhecimento da empresa, por isso, é muito importante assegurar a unidade visual em todos os ambientes, mesmo quando não há a aplicação da marca. Em Angola, o Programa de Realojamento de Populações está com a “cara da Odebrecht” e já inspira outros projetos a se adequarem à nova identidade. No canteiro, situado no município de Viana, a presença do “Vermelho Odebrecht” está por todas as partes: nos tapumes, na frota, na sinalização. E você, já incorporou a nova identidade nas suas atividades diárias? Para informações sobre as diretrizes visuais da Odebrecht acesse o Território da Marca:

www.odebrecht.com/territorio

Em caso de dúvidas, entre em contato com a equipe de Comunicação da Odebrecht S.A.

Fique atento às dicas de identidade visual nas edições do ON!

65 31


meio ambiente

Pela conservação do

C

uidar do Meio Ambiente e conservar os recursos naturais, de forma sistemática e integrada, geram resultados significativos para todos. É assim que pensam os associados da Cooperativa de Produtores de Amido de Mandioca do Estado da Bahia (Coopamido), com sede no município de Laje, a 103 quilômetros da capital Salvador. “Desde que foi criada, há quatro anos, a Coopamido assume a premissa do cumprimento da legislação ambiental e atuação por meio de um modelo sustentável de negócio, que agrega produtividade e responsabilidade social”, garante Jairo Souza, presidente da Cooperativa – ligada ao Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), apoiado pela Fundação Odebrecht e parceiros públicos e privados.

PARCERIAS AMBIENTAIS Buscando incentivar a geração de trabalho e renda, a Coopamido sela parcerias com fazendeiros de Laje e de municípios do entorno para incentivar o empréstimo de suas terras aos agricultores locais, visando à recuperação de pastos degradados. Estes, por sua vez, utilizam-nas para o cultivo de mandioca e entregam as raízes para a Cooperativa. Na indústria de beneficiamento Bahiamido, a mandioca transforma-se em amido, componente utilizado por indústrias de diferentes naturezas. Para fazer parte desse processo e ser beneficiado, é preciso desenvolver ações de cunho ambiental,

66


os recursos naturais Marceli Andrade é uma das associadas da Coopamido que participa de projetos para restauração ambiental

como o reflorestamento e a recuperação de nascentes. Além disso, o parceiro passa a atuar como multiplicador. “Não desenvolvíamos na região nenhuma prática em prol do Meio Ambiente. Com a instalação da Coopamido, passamos a encarar isso como um compromisso e a replicar os conhecimentos para produtores rurais na minha comunidade”, relata a cooperada Marceli Andrade, moradora da comunidade do Cruzeiro, em Laje. Em seis fazendas parceiras de atuação direta da Coopamido são mantidos 800 hectares de reserva legal, onde foram recuperadas ou protegidas 84 nascentes. “Queremos oferecer às pessoas oportunidades para desenvolver suas atividades, tendo como referência práticas de conservação. Funciona como um processo educativo e diário, que visa mudanças na região”, ressalta Jairo Souza. De acordo com Alan Sousa, responsável pelo pilar ambiental da Cooperativa, a conservação contribui para que as áreas de plantio da mandioca sejam melhores aproveitadas. “A mata que envolve os cultivos garante a presença de inimigos naturais de pragas e diminui o risco de transmissão de doenças. As lavouras são conduzidas a partir de práticas que colaboram para aumentar a vazão das nascentes”, ele destaca. Para aplicar os conhecimentos e atuar conforme as leis, a Coopamido contou com o apoio do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (IBAMA), do Ministério Público do Estado da Bahia (representação no município de Santo Antônio de Jesus) e da Universidade Federal do Recôncavo da Bahia.

67 67


Fundação Odebrecht

Família unida, tra

Pro

68


abalho garantido

P

ara que os filhos possam definir suas trajetórias de vida, é importante que os pais estejam cientes das decisões que pretendem tomar a fim de orientá-los sobre

“Quero me associar à Cooperativa dos odutores de Palmito do Baixo Sul da Bahia” Thiago dos Santos, de 16 anos, desenvolveu um viveiro de mudas de pupunha

o melhor caminho a seguir. Essa é a realidade dos irmãos Alberto e Thiago dos Santos, 19 e 16 anos, respectivamente, moradores do Assentamento Karin, na zona rural de Ituberá, região do Baixo Sul da Bahia. Os jovens, alunos do 2º ano da Casa Familiar Rural de Igrapiúna (CFR-I), contam com o apoio dos pais para conduzir seus trabalhos no campo e já implantaram cultivos próprios em 1,5 hectare de terra, na propriedade da família. “Comecei uma plantação consorciada com culturas de seringueira, cacau e banana, conhecida como SAF – Sistema Agroflorestal. Em oito meses, vou colher os cachos de banana e garantir renda para reinvestir em meu negócio”, revela Alberto. Seu irmão Thiago desenvolveu um viveiro de mudas do palmito de pupunha, que estão prontas para serem plantadas: “Apesar de poucos agricultores cuidarem de pupunha aqui na

69


“Em oito meses, vou iniciar a colheita e garantir renda para reinvestir� Alberto dos Santos, de 19 anos, pretende implantar cultivos de cacau, seringueira e banana

70


comunidade, sei que esse cultivo é diferenciado, pois tem transformado a vida de muitas pessoas da região”. A escolha de Thiago também está pautada em seus planos para o futuro, pois ele irá se associar à Cooperativa dos Produtores de Palmito do Baixo Sul da Bahia (Coopalm). “Sendo cooperado, tenho a garantia de escoar minha produção e comercializá-la com melhor preço. Além disso, quero estimular amigos e vizinhos a fazerem parte da Coopalm também”, completa. A mãe, Marilene dos Santos, 46 anos, destaca a disciplina dos filhos. “O estudo na CFR-I ajuda bastante. Nem preciso chamá-los para cuidar de seus afazeres. Quando vejo, estão lá no campo, arando terra, plantando as mudas”, ela conta sorridente. Os jovens contaram ainda com o Programa Tributo ao Futuro, que apoia os projetos educativo-produtivos desenvolvidos por educandos de Casas Familiares.

DUPLA QUE PRODUZ Outros dois irmãos apresentam experiências parecidas com as de Alberto e Thiago. Os jovens Darlan, 18 anos, e Erivan Conceição, 19 anos, residentes do Assentamento Limoeiro, em Igrapiúna, também estudam na CFR-I e ajudam seus pais a cuidar dos cultivos de mandioca e guaraná.

71


Eles começaram juntos, e com apoio do Tributo ao Futuro, a preparar 1,5 hectare para o plantio consorciado – cacau, seringueira e banana. “Gosto muito de trabalhar com agricultura. Se soubermos conduzir bem as atividades, não há motivos para sair do campo”, reforça Darlan. O jovem ainda relata que, apesar de já conhecer o trabalho agrícola, a vivência na CFR-I vem contribuindo diretamente para aprimorar seus conhecimentos. “Não sabia fazer a adubação correta e isso dificultava o crescimento das plantações. Foi na CFR-I que aprendi a cuidar melhor de meus cultivos e até do que meus pais mantinham na propriedade”. Erivan complementa: “Quero mostrar para minha comunidade que é possível viver na zona rural e ter renda. Isso começa dentro de casa, orientando nossos pais o melhor jeito de fazer. Trabalhando de forma adequada, o resultado vem em seguida”. Coopalm e CFR-I são algumas das instituições que fazem parte do Programa de Desenvolvimento e Crescimento Integrado com Sustentabilidade do Mosaico de Áreas de Proteção Ambiental do Baixo Sul da Bahia (PDCIS), iniciativa fomentada pela Fundação Odebrecht e parceiros públicos e privados.

72

“Um ajuda o outro”: é assim que os irmãos Darlan e Erivan Conceição cuidam do plantio de cacau


73


rápidas•ações sociais

Tributo ao Futuro: multiplique essa ideia A O d e b re c h t Ó l e o e G á s i n i c i o u a c a m p a n h a d o T r i b u to a o Fu t u ro e n t re s e u s i n te g ra n te s . Co m o te m a “ E u s o u u m m u l t i p l i c a d o r ” , o o b j e t i vo é c o n s c i e n t i z a r e m o t i va r o s p ro f i s s i o n a i s a p a r t i c i p a re m d a i n i c i a t i va q u e a p o i a p ro j e to s n a re g i ã o d o B a i xo S u l d a B a h i a .

p e l a Fu n d a ç ã o O d e b re c h t , q u e tê m t ra n s fo r m a d o a v i d a d e m i l h a re s d e j ove n s . Pa ra i s to , a s á re a s d e Co m u n i c a ç ã o e S u s te n t a b i l i d a d e d o N e gó c i o u t i l i z a m fe r ra m e n t a s d e c o m u n i c a ç ã o a u d i ov i s u a i s e i m p re s s a s . S e rã o d i s p o n i b i l i z a d o s , p o r exe m p l o , v í d e o s n o Po r t a l

A i d e i a é q u e c a d a i n te g ra n te s e j a u m m u l t i p l i c a d o r, i n f l u e n c i a n d o a m i go s e fa m i l i a re s a i nve s t i re m n o s p ro g ra m a s e d u c a c i o n a i s c e r t i f i c a d o s

Ó l e o e G á s , c o m o s d e p o i m e n to s d e l í d e re s . A s p e ç a s d a c a m p a n h a c o n tê m i n fo r m a ç õ e s s o b re com o pa rti c i pa r e as con qu istas a l c a n ç a d a s p e l o Tr i b u to a o Fu tu ro a o l o n go d o s a n o s . A maior contribuição ainda é a d o s Age n te s d o Fu tu ro , j ove n s t re i n a d o s p e l a Fu n d a ç ã o O d e b re c h t , q u e d e d i c a m p a r te d o s e u te m p o p a ra c o nve rs a r e ex p l i c a r o p ro g ra m a , a u x i l i a n d o a s p e s s o a s c o m o i nve s t i r n o Tr i b u to a o Fu tu ro , s e j a p o r m e i o d e d o a ç õ e s o u d e d u ç ã o d e p a r te d o I m p o s to d e Re n d a ( 6 % ) . O s re s u l t a d o s d o s i nve s t i m e n to s p o d e m s e r a c o m p a n h a d o s n o s i te d o Tr i b u to a o Fu tu ro e d o I n fo r m e D i g i ta l – b o l e t i m e l e t rô n i c o e nv i a d o q u i n z e n a l m e n te p e l a Fu n d a ç ã o O d e b re c h t .

Peça de comunicação da Odebrecht Óleo e Gás sobre o Tributo ao Futuro. O objetivo é superar os números do ano passado, que passou de 31 para 442 participantes

74


Comunidade registrada

Moradores da província de Lunda Norte contam agora com documentação pessoal, como o registro de nascimento

Com a chegada do Projeto Catata Lóvua, na Província de Lunda Norte, em Angola, foi observada a dificuldade dos moradores das comunidades locais em ter documentos pessoais, e os problemas causados pela falta deles. A partir do trabalho realizado pelas Autoridades Tradicionais, chamadas de SOBAS, o projeto identificou a ausência da Cédula Pessoal – primeiro documento para se tornar cidadão angolano –, por isso os moradores tinham dificuldade em serem registrados formalmente para o trabalho ou transitar pelas estradas. O setor de Responsabilidade Social do empreendimento da Odebrecht Infraestrutura estabeleceu, então, uma parceria com o Governo da Lunda Norte, por meio da Delegação da Justiça e Administração Provincial e Comunal. O projeto ofereceu alojamento, transporte e alimentação aos funcionários do governo, para que fossem providenciados todos os documentos à população. O grupo emite a Cédula Pessoal, para, em seguida, providenciar o Assento de Nascimento e o Bilhete de Identidade, que todo cidadão a partir dos 10 anos de idade deve ter. Após 15 dias de trabalho, foram entregues 991 documentos em sete comunidades. O objetivo é atender as 27 comunidades da área de influência do Projeto Catata Lóvua.

7575


On313port5  
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you