Issuu on Google+

| PETIT COIN DU FRANÇAIS | ANEDOTAS| PASSATEMPOS |

ano dezasseis| número 1 | dezembro de 2009 | 1 pinheiro | agrup. de escolas da charneca de caparica

| NOTÍCIAS | ENGLISH CORNER | PRÉ-ESCOLAR| 1º CICLO | CRIAÇÃO LITERÁRIA | | CRÓNICAS TEMÁTICAS |


o Sumári

2

notícias

e arpad olhar helena ra da silva quem era viei io da s do centenár comemoraçõe uesa ug rt po a ic repúbl + em - exig projecto LPM e nd re ap m se abrincar també o de vi e a m ne clube de ci la co à es o museu vem ica pegada ecológ I EB na dd to ross r la co blioteca es notícias da bi la co es ossa ec bandeira da no ão e formação aç uc ed cursos de

corner english halloween

7

inion A teen´s op

nçais in du fra petit co mon portrait natal

o natal ecológic

pr é - e s c o

9

ciclo lar e 1º o pandi e a nd a pa

pássaro se eu fosse um animais volta de o tã as aulas es arino nç da te ue o esparg ngos experiência to di poesia com

as temátic crónicas o acabou e agora? 9º an

13

erna ricultura mod bientais da ag veis am vá as no m re le as ob gi pr as ener cola es disciplina na violência e in ade id an m hu a evolução da ... do la a do la a músic matemática e

literária criação verão

s de as minhas féria fantasia da to en um elem amor eu O pai natal é m o ções ga va di s ai m felicidade

mpos passate igrama

cruc anedota

o pinheirinho 1 | 2

16

… está de volta ” o h in ir e h in O “P nosso ssíduos do a s re o it le dos ler este Alguns a pensar ao o rã a lt o v u o al jornal dirão o sobre o jorn ig rt a m u is a a, m editorial - «olh sde o Pinheirinho»! nstantes, de co o d si m tê esta escola, Na verdade, ra a p i e tr n e e s em qu primeiro dia vão uns bon lá já , 6 0 0 2 de úcleo em Setembro ntativas do n te s ra e m ú in ção de três anos, as o à colabora v ti n ce in e d a ade educativ deste jornal, id n u m co a d mbros mos todos os me de variadíssi s to x te e d o r, visto na integraçã à vida escola s o v si lu a s a do conta géneros e tem os vamos dan n e u q s le e d . O que é partir do na escola n a ss a p i a v e se écie de tudo o qu a ser uma esp a ss a p r la o esc se vai nosso jornal todos os dias e d n o , o rd o b , de uma de diário de uma vivência e d to la re m o escrevendo “quiçá” de u , o ã ç a ir sp a uma al. E é emoção, de o mais origin ã ç ia cr a m u e orandos, conflito ou d s estes mem o d to e d o ã tomando vida com a redacç e o d n a ld o m se vai que o jornal tência própria. lar na persis fa e u q s o m re am que E, depois, te s que acredit le e u q a d o ã s ç e na obstina ue nos vamo q ta ri sc e la e pe osso é na escrita rgando o n la a s o m a v ue poder formando; q mentos para ci e h n co e d os. Mas vasto leque i-los aos outr it sm n a tr te n ão posteriorme inheirinho” n P O “ ’ d ores ao os colaborad e pertencem u q s le e u q a n todos se esgotam ser feito por e v e d e é le mos rever e seu núcleo. E a ss o p s o n e nele ma nós, para qu ctiva - a de u e p rs e p a tr u bo ssos contemplar, so diárias dos no s e çõ ia cr s a lores. folha de pape s seus profess lo e p s o d ta r n alunos, orie mos sensibiliza re e u q , is a m vez nuem Por isso, uma ra que conti a p r la o sc e e ersa a comunidad textos de div m co l a rn jo o a panóplia a colaborar n núncios e um a s, e çõ ra st natureza, ilu ritos. Petit de outros esc elhado no « sp e r e v o a que os Na verdade, s dos textos n u lg a « is a ç bre diversos Coin du Fran so o d n e v re sc iam e Em meus alunos m orgulho. u lg a e d e ia-m ueno temas, ench -me este peq e rr co o , o sã lu ar com jeito de conc poder partilh é e d a id lic e F o que se pensamento: ças de tudo n ra b m le s se a os outros uar a ser es n ti n o c e d o al p os. viveu! O jorn ssim o quiserm a se , a h il rt a tas espaço de p Prof. Céu Man

18


A turma do 9ºA está a desenvolver, na disciplina de Educação Visual, trabalhos de expressão plástica, de modo a participar no concurso promovido pela Associação de Professores de Expressão e Comunicação Visual. Este concurso tem como objectivo dar a conhecer aos alunos portugueses o trabalho da dupla de pintores Helena Vieira da Silva e Arpad Szenes, permitindo uma interpretação crítica e criativa das obras originais. Para este concurso, desafiei os meus alunos a olharem para duas fases de trabalho da Vieira da Silva, cidades e bibliotecas, e a pesquisarem imagens da cidade de Almada ou Lisboa, bem como de bibliotecas, inclusive a nossa, que serviram como ponto de partida para o desenvolvimento do projecto individual. A técnica utilizada foi essencialmente o lápis de pastel e, nalguns casos, também a tinta da china. O suporte foi o papel cavalinho e papel kraft.

Prof. Mário Fortuna

|Quem era Vieira da Silva? Vieira da Silva nasceu em 1908 em Lisboa. Dois anos depois, morreu o seu pai. Em 1924, iniciou os seus estudos na Escola de Belas Artes de Lisboa. Quatro anos depois, vai para Paris com a sua mãe e passa a frequentar a Academia La Grand Chaumière e o atelier de Bourdelle. Casa com o pintor Arpad Szenes com 22 anos. Morreu em 1992. Guilherme Alferes, 9ºA

|Comemorações do Centenário da República Portuguesa 1910-2010 A EBI está já a preparar o 1º centenário da Implantação da República Portuguesa, a comemorar ao longo do ano 2010. Participa nos Projectos que a escola te propõe! Fica atento! Prof.as Mª José Monteiro e Céu Oliveira

supervisão, edição e revisão de texto ceu mantas| helena martins |manuela de fatima| teresa pereira| núcleo jornalístico 4ºA diogo carvalha, filipa pereira, rita cordeiro| 8ºB daniela carronda, jussa ebido| 9º A andré louro, guilherme alferes| colaboradores profs. amalia castanheira, carla fonseca, ceu mantas, cecília almeida, ceu oliveira, dina macieira, helena lopes, elizabete gomes, helena martins, ilda ribeiros, joão cravidão, joão simões, maria josé monteiro, mário fortuna, paula terrível| Eb1/ji sala azul| sala laranja| 1ºD| 2 A| EBI| 4ºA diogo carvalha, rita cordeiro| 5ºB joão nuno| 5ºD margarida nunes| 8ºB jussa| 9ºA andré russo, daisy saavedra, josé ramos, guilherme alferes, sara oliveira|9ºB nuno aveiro, tomás resende| 9ºC joão costa, mg - avó andré ceitil| layout josé mendes | paginação ceu mantas | impressão gráfica triunfadora, artes gráficas ltd | propriedade escola básica integrada de charneca de caparica | praceta frederico de freitas | 2819-504 charneca de caparica | tel 212 979 660 | fax 212 973 079 | e-mail ce@eb123-charneca.caparica.rcts.pt | tiragem 200 exemplares | Novembro de 2009

a redacção d’o pinheirinho agradece a colaboração de todos os patrocinadores que tornaram possível esta edição

notícias

| Olhar Helena e Arpad


|Projecto Lpm – Exigem + Reconhecendo a importância das disciplinas de Língua Portuguesa e de Matemática, estruturantes no percurso e no sucesso escolar dos nossos alunos, foi com grande expectativa que abraçámos este novo projecto na nossa escola. Este projecto visa desenvolver níveis mais elevados de sucesso nos nossos alunos. Deste modo, estão envolvidos não só os alunos que registam níveis de insucesso, mas também aqueles que atingem o sucesso. Cientes da importância das competências essenciais de ambas as disciplinas nestes anos de escolaridade, iniciámo-lo com todas as turmas de 4º e 5º ano, com vista ao aprofundamento de determinados conteúdos que, naturalmente, serão requisitos para a aquisição de futuras aprendizagens. O projecto Lpm – Exigem + consiste na divisão da carga horária semanal da disciplina em dois momentos de aprendizagem: o espaço Constrói, onde

|A Brincar também se Aprende

Os alunos da turma C do 6º ano, no ano lectivo anterior (5º ano), demonstravam frequentemente pouco empenho, estudo e pouca receptividade às tarefas propostas. No ano lectivo que terminou, pensei colocar-lhes um desafio: “Aprender os Conteúdos das Ciências do 6º ano a Brincar”.

o professor titular da disciplina lecciona os conteúdos, e o espaço Aprofunda, que, tal como o nome indica, destina-se ao aprofundamento de conhecimentos apoiado por dois professores (o professor titular da disciplina e o professor assistente). É neste momento que a turma se divide em dois grupos, consoante as dificuldades diagnosticadas. Enquanto um professor aprofunda determinados conteúdos no grupo de alunos com mais dificuldades, o outro desenvolve actividades de enriquecimento no grupo que já atinge o nível de sucesso. Tudo isto, recorrendo às aulas práticas e aos mais variados recursos capazes de motivar uns e despertar a curiosidade de outros. Confiantes de que a nossa realização profissional passa pelo êxito dos nossos alunos, acreditamos que este novo desafio será uma maisvalia para o percurso de todos nós. Prof.ªs Amália Castanheira e Paula Terrível

Os alunos aceitaram o desafio. Deparámo-nos com alguns constrangimentos, mas, no dia 18 de Junho 2009, os “Artistas” entraram em palco e estiveram muitíssimo bem. Esta actividade só foi possível, dada a entrega dos alunos, claro, da colaboração de alguns encarregados de educação e de alguns professores, nomeadamente da DT, professora Helena Lopes, dos professores de EVT, professores Helena Lopes e João Pires, de EM, professora Ângela Morais, LP, professora Vanessa Gomes, do professor Rui Páscoa e CN, professora Leopoldina Macieira. Vale a pena investir e valorizar o trabalho dos nossos alunos! Prof. Leopoldina Macieira

|CLUBE DE CINEMA E VÍDEO

dois grupos de trabalho, e o desafio é o mesmo para ambos, abordar um tema que muito nos toca: o lixo na nossa escola. Cada grupo está a escrever sketches humorísticos, e acreditem que este género não é nada fácil; é necessário uma boa ideia e que contenha um tom satírico. Em Outubro, já começámos a filmar e, como sempre, esta é a parte mais divertida e o improviso e criatividade do momento proporcionam momentos únicos.

Já se iniciaram as actividades do Clube e um novo projecto já está em marcha. Este ano conto com

o pinheirinho 3 | 4

Prof. Mário Fortuna


|Projecto “Museu Vem à Escola”

Eu sou um aluno do 5ºA e também gostei da actividade realizada na minha turma. No dia 10 de Novembro, na aula de HGP, veio uma professora explicar-nos como era a vida na Península Ibérica, no tempo dos Romanos, as suas casas (ricos e pobres), as estradas, as pontes feitas de pedra, as termas com piscinas de águas quentes, mornas e frias, as técnicas militares, os capacetes de guerra, os enterros e os seus objectos: a lamparina, as ânforas…e reconstruímos ânforas a pares. Assim, ficámos a conhecer melhor os Romanos, a perceber o que eles faziam e o que eles nos deixaram. Carlos Gabriel Pereira - 5ºA

Neste ano lectivo, o Projecto iniciou-se com o 7ºA, no dia 19 de Outubro, e permitiu o conhecimento dos primeiros povos a viver no Concelho de Almada. Vimos objectos do Paleolítico e fizemos umas caçadas. Foi muito bom! Parabéns ao Núcleo de Arqueologia de Almada e obrigado por ter vindo à nossa Escola. 7ºA

| Em 20 de Dezembro de 2006, a Assembleia-geral das Nações Unidas declarou 2010 como o Ano Internacional da Biodiversidade. A Pegada Ecológica foi criada para nos ajudar a perceber a quantidade de recursos naturais que utilizamos para suportar o nosso estilo de vida, onde se inclui a cidade e a casa onde moramos, os móveis que temos, as roupas que usamos, o que utilizamos, o que comemos, o que fazemos nas horas de lazer, os produtos que compramos, entre outros. A Pegada Ecológica não procura ser uma medida exacta, mas sim uma estimativa do impacto que o nosso estilo de vida tem sobre o Planeta, permitindo avaliar até que ponto a nossa forma de viver está de acordo com a sua capacidade de disponibilizar e renovar os seus recursos naturais, assim como absorver os resíduos e os poluentes que geramos ao longo dos anos. No conceito de Pegada Ecológica está implícita a ideia de que dividimos o espaço com outros seres vivos e um compromisso geracional, isto é, “capacidade de uma geração transmitir à outra um planeta com tantos recursos como os que encontrou”. Queres calcular a tua Pegada Ecológica? Indico-te alguns links que te podem auxiliar nessa tarefa e perceber como podes contribuir para a manutenção da

BIODIVERSIDADE DO NOSSO PLANETA!

http://conservacao.quercusancn.pt; http://www.esb.ucp.pt/gea/myfiles/pegada/pegada; http://www.esb.ucp.pt/gea/myfiles/pegada/ questionario.pdf; http://eco-escolas-portugal.blogspot.com/2008/07/ clculo-da-pegada-ecolgica.html;

Profª Ilda Ribeiros


|ROSS TODD na EBI da Charneca de Caparica Decorreu, na Costa da Caparica, de 27 de Setembro a 3 de Outubro, um Curso Slamit, subordinado ao tema “Aprendizagem ao longo da vida – Bibliotecas Escolares e novas aprendizagens”. Baseado na experiência e resultados dos projectos anteriores SLAM e GrandSlam, este projecto europeu visa agora disseminar o desenvolvimento e transformação das bibliotecas escolares em centros de recursos e aprendizagem que estejam em perfeita articulação com o curriculum e as novas estratégias de ensino/aprendizagem.

Foi uma honra termos na nossa biblioteca o professor Ross Todd, considerado a nível mundial um dos mais conceituados especialistas em bibliotecas e muito importante o testemunho que deixou no nosso livro de visitas: “Foi um prazer visitar esta biblioteca. Está plenamente integrada no currículo e é fantástica na aprendizagem das literacias e competências para a vida. Isto é inspirador”. As palavras do Dr. Ross Todd são, sem dúvida, um grande incentivo para continuarmos o nosso trabalho. prof. Cecília Almeida

No âmbito das visitas programadas pelo curso a duas escolas portuguesas, estiveram na nossa escola vinte e dois professores bibliotecários de diferentes países europeus e entre eles o Dr. Ross Todd, da Ruters University , nos Estados Unidos.

|NOTÍCIAS DA BIBLIOTECA ESCOLAR A Biblioteca Escolar tem um papel de relevo na escola de hoje. Se, por um lado, é usada enquanto espaço equipado com um conjunto significativo de recursos e de equipamentos, por outro lado é fundamental como espaço formativo e de aprendizagem, intrinsecamente relacionado com a escola e com o processo de ensino/aprendizagem. Formar para as literacias da leitura e da informação é um dos objectivos que têm norteado o nosso plano de acção. Nesse sentido, foram desenvolvidas várias actividades de formação dos utilizadores durante o Mês de Outubro, mês Internacional das Bibliotecas Escolares. Os mais pequenos navegaram na página do CRE Lorosae para verem um filme onde personagens animadas lembravam as regras de utilização da biblioteca e passearam pelo Caminho das Letras para ouvirem uma história; os alunos do 2º ciclo andaram À procura da cota, percebendo como os documentos se arrumam nas estantes de uma biblioteca com cores, números e letras e como se procura um qualquer documento no catálogo disponível online; aos alunos do 3º ciclo foi apresentada uma webquest que obrigava a tipos de pesquisa diversos no catálogo online. Foram actividades simples, mas que julgamos terem contribuído para desenvolver competências fundamentais da literacia da informação. Aos professores foi dada a oportunidade de participarem num workshop dinamizado pelo colega João Paulo Proença e subordinado ao tema “A Biblioteca na Escola do século XXI”. Foi um espaço de debate e partilha, em que os desafios que se colocam à escola e à biblioteca na nova sociedade de informação estiveram em discussão. A abertura do CRE para os Sábados de Leitura, no mês de Outubro, foi também uma oportunidade para a comunidade educativa e, em especial, os Encarregados de o pinheirinho 5 | 6

Educação conhecerem melhor as valências da Biblioteca e requisitarem livros. O lançamento de um “casting” para monitores do CRE, os Livros na Cesta, o Concurso de Leitura online para o 3º ciclo e Ler e escrever o Natal são outras actividades previstas para o 1º período. Na escola EB1/JI, lançámos a campanha Um livro - um amigo – e já temos algumas dezenas de livros oferecidos pelos alunos para reforço do fundo documental. O funcionamento da Biblioteca naquela escola é uma situação que nos preocupa. Se, por um lado, as Actividades ExtraCurriculares (AEC) ocupam a sala das 10:50 às 16:00 horas, por outro lado não dispomos de recursos humanos que possam assegurar a sua abertura. Acresce ainda o facto de não termos disponível um computador com o programa de catalogação instalado, após o que terá de se proceder à actualização de dados respeitantes a todos os materiais já adquiridos e ao registo e catalogação dos que foram entretanto doados pelos alunos. Vai ser uma tarefa árdua e neste momento não conseguimos perspectivar timing para a sua concretização, pela falta de recursos humanos suficientes e qualificados. Apesar de não podermos fazer empréstimos domiciliários naquela escola, pensamos avançar com formação aos alunos do quarto ano para poderem vir a ser monitores aptos a realizar tarefas simples, como a arrumação dos livros nas estantes, ajuda aos mais novos e dinamização de actividades. Transformar a Biblioteca Escolar das duas escolas do Agrupamento, de espaços de disponibilização de recursos em espaços de aprendizagem e de construção do conhecimento, é o grande objectivo a que nos propomos e para o qual contamos com a colaboração de todos os colegas e da comunidade educativa. prof. Cecília Almeida


|Bandeira verde da nossa Eco-Escola foi recebida no Porto pelos alunos do 9º ano

Os alunos do turno de Físico-química do 9ºB e o aluno do 9ºA, José Ramos, foram ao Porto, a Santa Maria da Feira, com as professoras Helena Brito e Graça Carvalha, no dia 29 de Setembro, com o objectivo de receber a bandeira verde da nossa Eco-Escola. Partiram de autocarro, às 7:00 da manhã. A meio

| CURSOS DE EDUCAÇÃO E FORMAÇÃO A nossa escola recebe este ano mais um Curso de Educação e Formação de Empregado Comercial, à semelhança do último ano lectivo. Estes cursos englobam alunos em risco de abandono escolar que, só com a frequência desta modalidade de aprendizagem, conseguem voltar a ganhar gosto pela escola, sem nunca descurar as competências a desenvolver. O trabalho promovido pelo conselho de turma permite que sejam “motivados” para a escola. A finalização do curso do ano passado só foi possível graças ao contributo de algumas entidades que proporcionaram um estágio profissional a estes alunos, nomeadamente, a Sport Zone, a Decathlon, a Fnac, a Texugo Clip, o Aquafitness, a Andrade e Céu e a papelaria Capas Negras, a quem muito agradecemos a colaboração na inserção destes alunos na vida activa. Sabemos que muitos dos alunos do ano passado continuaram a prosseguir os seus estudos. A eles lançamos o desafio de voltarem à nossa escola para relatarem a sua experiência aos nossos novos alunos. Professores do CEF: Carla Fonseca e João Cravidão

da viagem, fizeram cerca de duas paragens para descansar e lanchar. Chegaram a Santa Maria da Feira às 10:30 da manhã, onde foram ao Visionarium (Museu de Ciência Interactivo). Dentro do Visionarium, fizeram várias experiências relacionadas com a disciplina de Físico-Química. De saída do Museu de Ciência Interactivo, os alunos e professoras foram almoçar, dirigindose depois para assistir à palestra de abertura da entrega das bandeiras. O aluno José Ramos do 9ºA representou a nossa escola e foi receber a bandeira. Por volta das 16:30 da tarde, partiram do Porto com destino à Escola EBI Charneca da Caparica. Cerca das 20:30 da noite, estavam de volta. José Ramos, 9ºA


english corner

__________

__________

__________

__________

__________

__________

__________

__________

__________

Match the words to the pictures 1. ghost; 2. Witch; 3. monster; 4. haunted house; 5.mask; 6.mummy ; 7. bat; 8. skeleton; 9. pumpkin

|A teen’s opinion about the computer A teen’s opinion: “Can you survive without your favourite technology for 2 weeks?” I think that I could easily survive without my favourite technology (computers) because I can entertain myself in different ways. I like reading books, swimming, chatting (without IM) with my friends, playing outdoor sports... I can do lots of things without the computers. For school projects, I could search at the school library o pinheirinho 7 | 8

(instead of using the Internet) , that has got a lot of great books and encyclopedias. I do spend some time on the computer (2-3 hours), but I could easily survive without it. Our parents did it, so why not us, too. Some teens should really look another thing to distract them, the computer is not the only way! Guillherme Alferes, 9ºA


petit coin du français

|Je m’appelle Ana. J’ai 13 ans. Je

suis portugaise. J´habite à Aroeira. Je suis dynamique, sympathique, travailleuse et sensible. Je suis moyenne et mince. Mes yeux sont marrons. Mes cheveux ondulés et longs. Mon animal préféré est le cheval. J’adore la musique. Mon meilleur ami s’appelle Gonçalo. Ana Vaz, 8ºA

|Je m’appelle Henrique Augusto et

j’ai douze ans. J’habite à Aroeira. Mes hobbies préférés sont le basket-ball et le soccer. J’aime aussi faire du vélo et être avec mes amis. J’aime la musique et mon club préféré est Arsenal. Mon groupe préféré est Nirvana et mon plat préféré est la lasagne

Henrique Augusto, 8º B

| Salut ! Je m’appelle Daniela Tavares et j’ai 12 ans. J’habite à Aroeira. Mes matières préférées sont la Musique et la Géographie. Mes passe-temps préférés sont écouter de la musique et être avec mes amis. Daniela Tavares, 8ºB


|NATAL ECOLÓGICO Concurso de Árvores de Natal – em Madagáscar

A responsabilidade ecológica é um dos princípios que

Este

ano,

os

Pinheiros

serão

substituídos

pela

Natal

tentamos passar aos nossos alunos.

biodiversidade de Madagáscar e o desafio apresentado

É com este objectivo que, no 6º ano, a disciplina de

aos nossos alunos foi construírem aquelas que serão as

EVT tem vindo a desenvolver a actividade do NATAL

árvores de Natal num ambiente geográfico, natural e

ECOLÓGICO. Abordando a necessidade de Reduzir,

cultural tão diferente do deles, considerando ainda que,

Reutilizar e Reciclar, os alunos desenvolvem a

como materiais só poderiam Reutilizar, valorizando os

consciência cívica e são motivados e, muitas vezes,

resíduos que, de outra forma, na melhor das hipóteses,

iniciados na prática da separação de resíduos, um

seguiriam o caminho dos Ecocentros.

comportamento essencial na protecção do ambiente. Aliada à relevância de preservar o ambiente, está a necessidade de proteger as espécies – 2010 é o Ano Internacional da Biodiversidade – e foi no âmbito destas preocupações que contextualizámos o nosso NATAL ECOLÓGICO, articulando-o com a actividade de Natal dinamizada pela disciplina de Educação Musical, cujo tema é o Natal em Madagáscar.

o pinheirinho 9 | 10

Prof. Elisabete Gomes


SE EU FOSSE UM PÁSSARO...

Doninha Dona doninha é danada Pois o aroma que deita Afugenta qualquer bicho Que em redor esteja à espreita É essa a arma secreta Que tem para se defender Pois o cheiro que a protege Inalado é de morrer.

Foca Seja no mar ou na terra É alegre e brincalhona E quando adormece ao Sol Às vezes até ressona; Não tem perdão quem a caça Pois é espécie protegida; Come peixe, ama as ondas E lá vai, ondulando, à sua vida.

Ana Rita e Ana Beatriz, 2ºA

arrancava as plantas (margarida)

se eu fosse um pássaro... ia para cima da janela (Alexandre) podia passar po cima dos autocarros (Ana rita) tirava as coisas aos meninos (Diogo) se eu fosse um pássaro... poisava nos escorregas (Simão) podia dar de comer aos filhos (Miguel) podia comer minhocas (Catarina) podia apanhar bichos (Rafael) podia aterrar nas árvores (Daniel) se eu fosse um pássaro... tinha um longo bico (Gonçalo t.) voava com as pessoas (Carolina) podia apanhar queijo (Gonçalo s.) ANIMAIS

se eu fosse um pássaro... voava até à lua (Guilherme) podia cantar (Joana) podia comer (Carlos) podia beber água (António) se eu fosse um pássaro... assobiava (Stephanie) saltava (Érica) voava no céu (Lucas) brincava (Irís) podia pegar nas coisas (Clara) se eu fosse um pássaro... podia pôr ovinhos (Matilde) pegava em minhocas (Ana Sofia) podia cantar como os pássaros, piu, piu (Mafalda) podia brincar com os amigos (Tomás)

Rinoceronte Parece um guerreiro antigo Com a sua férrea carapaça E aquele corno eriçado Para assaltar qualquer praça. E nem por isso é menos pachorrento, Focinho virado ao vento, Não vá vir um inimigo Saído de um qualquer abrigo Só para o afrontar Num combate sem quartel Em que um terá de ganhar. Mas ele é rei das artes de lutar E zela todo o ano Pelo terreno que é soberano. Herbívoro praticante, Só come erva todo o ano. Cuidado! Aquilo ali defronte Não é o perfil de um monte. É o corpanzil possante Do senhor rinoceronte A refrescar-se com gosto Debaixo de uma velha ponte. Diogo Carvalha, 4º A

pré-escolar e 1º ciclo

A Panda e a Pandi A Pandi era muito marota e reguila, só sabia falar alto, chamar nomes feios aos colegas e até implicava com eles. A Panda adorava estudar, era muito bem comportada e brincava muito com os amigos. A professora até lhe deu os parabéns. Foi quando a Pandi percebeu que era melhor portar-se bem para ter amigos e aprender.


|As aulas estão de volta… O regresso à escola tem sempre um gosto muito especial! As crianças reencontram amigos, fazem novas amizades, revêem os professores, desejam aprender coisas novas, … Mas para alguns alunos será uma nova etapa nas suas vidas… Todos estão na expectativa de saber quem serão os novos professores, os novos colegas e os novos amigos que farão parte desta nova aventura… Fica aqui um pequeno registo das emoções vividas pelos alunos do 1º ano no primeiro dia de aulas: “ Fiquei feliz porque tenho amigos novos e professores novos” “ Fiquei feliz porque vou aprender a ler, a escrever e a contar “ “ Gostei desta escola e sinto-me contente porque vou para o 1º ano” “ Senti-me feliz quando o meu pai me trouxe para esta escola” “ Senti-me bem depois da minha mãe ir embora!” “ Quando cheguei à escola chorei um pouco, mas depois passou!” “ Fiquei com um pouco de medo, mas depois de conhecer a escola senti-me bem!” ALUNOS DA TURMA 1º E

|EXPERIÊNCIA O esparguete dançarino Nós fizemos uma experiência, precisámos dos seguintes materiais: 1 colher de café e outra de sopa; 1 copo medida; 1 aquário redondo; água ( +- 1 litro); vinagre; bicarbonato de sódio; corante alimentar de uma cor qualquer; esparguete. Como fizemos: Começámos por partir o esparguete em bocados pequenos.Com o copo de medidas enchemos o aquário com aproximadamente um litro de água. Depois deitámos o esparguete no aquário com água e juntámos 3 colheres de café de corante. Quando o corante se dissolveu, mexemos muito bem e adicionamos 2 colheres de sopa de bicarbonato de sódio. Voltámos a mexer. Para finalizar, adicionámos vinagre e...

o pinheirinho 11 | 12

“Fiquei muito feliz porque encontrei colegas do Jardim” “Fiquei muito assustado porque tudo era novo para mim, queria o pai, a mãe e a mana” “Gostei muito de vir para a escola porque quero aprender a ler e a escrever” “Gostei de conhecer a minha ESCOLA nova” “ Senti-me perdida, mas depois tudo passou” “Senti-me feliz porque conheci novos meninos e professores” Alunos da turma 1º D

O que observámos: Quando juntámos o vinagre, algum esparguete veio ao de cima e quando chegou cá a cima voltou para o fundo, mas o que ficou no fundo ficou em pé e a abanar (dançar). É por isso que se chama experiência “O ESPARGUETE DANÇARINO”. CONCLUSÃO: O Vinagre (ácido acético) reage com o bicarbonato de sódio produzindo um gás: dióxido de carbono, esse gás junta-se aos fios de esparguete trazendo-os para cima. Ao chegar à superfície o gás liberta-se e o esparguete vai ao fundo.

Rita Cordeiro, 4ºA


O gato faz miau. Come o carapau. Brinca com o pau. E foge do cão mau. A abelha tem um ferrão Com ele picou o leão O cão e o camaleão.

O João anda de foguetão Para apanhar o balão. Dá um trambolhão Porque o foguetão era de cartão. 2º Ano, turma E

Pré-escolar e 1ºciclo

- Ai, ai! Diz o pai Que escorrega e cai. Ele não vê para onde vai…


crónicas temáticas

|9ºAno acabou. E agora? Agora que os alunos do 9º ano estão (em princípio) no último ano nesta escola, há que pensar no futuro. O que fazer a seguir? Se quiseres continuar a estudar, tens vários decisões a tomar, dependendo do que queiras fazer no futuro. O Ensino Secundário divide-se em dois tipos de cursos: os cursos Científico-Humanísticos (o ensino mais teórico, aprofundando conhecimentos que tenhas dado no Ensino Básico, especialmente direccionados para passar nos exames das disciplinas e prosseguir os estudos no Ensino Superior – universitário ou politécnico) e os cursos profissionais (adequados para pessoas que queiram seguir um estudo mais virado para a prática, preparando os alunos para uma profissão específica e para entrar no Mercado de Trabalho, mal terminem o curso escolhido). Caso queiram saber mais especificamente as características de alguns destes cursos, não percam o nº2 d´“O Pinheirinho”. Guilherme Alferes, 9ºA

| Problemas ambientais da agricultura moderna

gases poluidores para a atmosfera e os adubos poluem o solo e a água, pois têm substâncias químicas. Com a utilização das máquinas passou a ser precisa menos mão-de-obra, o que também é mau. Penso que a agricultura moderna veio trazer uma lufada de ar fresco à agricultura, apesar de ser mais poluente. Acho que os produtos podiam ser produzidos com o mínimo de químicos possíveis e o combustível das máquinas devia ser mais ecológico. Tomás Resende, 9ºB

Na minha opinião, a agricultura moderna tem as suas vantagens e desvantagens. A agricultura ficou mais produtiva e as técnicas modernas são mais eficazes, mas, por outro lado, a poluição é maior e não se emprega tanta gente. Com as técnicas agrícolas modernas, tornou-se mais fácil o trabalho dos agricultores, pois, com as novas máquinas, adubos e métodos de rega o processo ficou muito mais acelerado e a produção aumentou. Mas nem tudo é bom, porque, com os novos métodos, a poluição aumentou bastante. As máquinas agrícolas lançam

| As Energias Renováveis A Energia Renovável é toda aquela que é obtida através de fontes naturais e que é capaz de se regenerar, ao contrário da energia não-renovável, que demora milhares de anos a ser de novo reposta no meio ambiente. Existem vários tipos de energias renováveis: a energia solar, energia eólica, energia hidráulica, dos mares e dos oceanos, das ondas, energia da biomassa, do biocombustível, energia geotérmica e também a energia azul. A grande vantagem da utilização deste tipo de energia é que produz um menor índice de poluição. Como todos sabem, o uso de outro tipo de fontes não-renováveis, como é o caso do petróleo nos automóveis, na indústria, etc... são os principais causadores do aquecimento global. Hoje em dia, são dados incentivos a quem utiliza este tipo de energias. A grande desvantagem é os preços que têm que se pagar para poder usufruir deste tipo de serviço. Creio que, se os preços destas energias fossem mais o pinheirinho 13 | 14

baixos, a procura seria muito maior. Ao usarmos estas energias, estamos a fazer bem a nós, ao nosso planeta e também aos nossos descendentes, pois são eles que vão viver este drama que agora não nos preocupa, mas ,mais tarde, poderá vir a preocupar-nos e então poderá ser tarde demais... Usem as energias renováveis !Não estraguem a Performance do nosso Planeta! André Russo, 9ºA


|Violência e indisciplina nas escolas: como combatêlas?

É comum ouvir-se que a escola está em mudança… Mudança de quê, como, porquê? Para uns, a escola mudou ou está a mudar, não se sabendo, muitas vezes, nem o quê nem o porquê, sendo que os seus defensores afirmam que a escola está melhor. Pelo contrário, outros há que defendem estar a escola a mudar mas para pior. No fundo, no fundo, todos terão ou julgam ter as suas razões. Independentemente de tudo o mais, a escola de hoje não é mais nem menos do que a escola de ontem; a escola é a mesma, mas com novas realidades. Não devemos esquecer que a escola não existe por si só nem está isolada do mundo; antes faz parte dele e absorve e convive com uma população muito diversificada, que transporta para a escola a sua matriz de identidade social, cultural e económica que, como sabemos, contém desigualdades bastante acentuadas. Um, de entre muitos problemas que hoje se verifica nas escolas, está associado à indisciplina e até mesmo à violência. Mais uma vez, estamos perante um cenário que não é comum em todas as escolas, mas que tem vindo a atingir proporções que devem merecer alguma atenção sendo, contudo, errado generalizar que a violência está instalada nas escolas. Indisciplina e violência não são a mesma coisa, pelo que poderemos questionar: a escola gera indisciplina e violência?

|A Evolução da Humanidade Eu vou abordar a importância da presença humana no nosso planeta e as minhas sugestões pessoais para um mundo mais humano. Na minha opinião, a presença humana no nosso planeta é importante porque o Homem é o único ser que tem capacidades suficientes para pensar e fazer evoluir o nosso planeta, ainda que alguns desses pensamentos sejam absurdos. Se não fosse o Homem, não existia evolução e, não havendo evolução, não existia História… E, na minha opinião, tudo o que nasce, cresce, pois nada é feito por acaso. Se o mundo foi criado e se nos enviaram para aqui, foi porque isto ainda tem muito para dar, muito para desenvolver e tenho a certeza de que, enquanto não soubermos viver uns com os outros, o mundo não vai parar. Não são as minhas sugestões ou os meus

A escola promove a indisciplina e a violência? E que violência é esta que aos poucos vai entrando pelas escolas? Será que todos aqueles que falam da violência nas escolas identificam, objectivamente, as principais causas e que seja a escola a ter que encontrar as soluções para esta conflitualidade? Creio que não! A escola não está à margem da sociedade em que vivemos, antes faz parte dela e, mais do que isso, contribui activa e responsavelmente para a educação e formação dos jovens que nela se inserem. Sendo as realidades escolares tão diversas, não será de estranhar que possam ocorrer situações de indisciplina e até mesmo de violência. A escola por si só não consegue acabar com os conflitos que existem e se manifestam de uma forma, mais ou menos transversal na sociedade que temos, mas pode e deve criar condições para atenuar comportamentos que possam ser geradores e potenciadores de tais actos. Não existindo receitas “standard” que possam servir em todos os casos, na mesma medida, atrevo-me a dizer que algumas destas condições, certamente já implementadas em muitas das escolas, poderão contribuir para uma melhor compreensão e tratamento desta problemática: promover a relação comunidade/família/escola; reforçar a cooperação com os pais e encarregados de educação; elevar a motivação dos alunos; ambiente de escola tranquila e favorecendo as aprendizagens; reforço positivo das atitudes, salientando o mérito; participação dos pais como grupo interveniente no processo educativo através de apoio activo e participação em decisões através das Associações e, individualmente, procurar responsabilizar os pais, no sentido de acompanharem, motivarem e estimularem os seus filhos, associando-se aos esforços desenvolvidos pelos professores e criar projectos de actividade física, dentro da escola, permitindo aumentar a participação dos alunos e contribuir para estilos de vida mais saudáveis.

Prof. Helena Martins

pensamentos que vão tornar o mundo mais humano. Mas, pelo menos, tornam-me a mim mais racional e, se todos pensarem que o brilho dos olhos, os carinhos trocados e as opiniões partilhadas valem mais do que a cor da pele, os murros dados e as discussões agressivas, talvez este mundo seja mais humano. Eu penso assim e é esta a teoria que eu defendo: a presença humana é importante no nosso planeta.

Daisy Saavedra nº7 9ºA


|Matemática e Música lado a lado...

estudar..., pitágoras, que com a invenção do monocórdio (instrumento composto por uma única corda estendida entre dois cavaletes fixos sobre uma prancha ou mesa, possuindo ainda um cavalete móvel colocado sob a corda dividindo-a em duas secções) permitiu que, partindo da relação entre o comprimento da corda estendida e a altura do som emitido quando tocada, se estabelecessem

crónicas

Ainda há dias, em conversa com um aluno, este confessou-

relações de comprimentos que produzissem determinados

me: “Professor, eu não gosto nada de Matemática! Nunca

intervalos sonoros.

gostei e também não percebo por que é que ando para

Pitágoras concluiu assim que, ao dividir a vibração no

aqui a estudar Matemática, quando o que eu quero é ser

meio da corda, a tonalidade do som era a mesma da

cantor e fazer música... ser artista. Para isso não preciso

produzida com a corda solta, mas uma oitava acima, ou

da Matemática para nada.”

seja, o mesmo som, mas mais agudo. Exercida a pressão

Pois este artigo que agora escrevo, serve para contrariar

a 2/3 do tamanho original, ouvia-se uma quinta acima e,

isso mesmo e elucidar este aluno e outros que pensam

pressionando um ponto situado a 3/4 do comprimento

como ele, reforçando que a Matemática e a música estão

da corda em relação à sua extremidade e tocando-a a

intimamente ligadas... desde sempre.

seguir, ouvia-se uma quarta acima do tom emitido pela

Na sua essência, música é uma combinação de “ritmo” e

corda inteira. Foi assim que Pitágoras definiu as doze

“som”, ou seja, é uma combinação harmoniosa de sons

notas musicais, sendo sete naturais (Dó, Ré, Mi, Fá, Sol,

executados com um determinado ritmo. Esses sons com

Lá e Si) e mais cinco acidentais (Dó#, Ré#, Fá#, Sol# e

que podemos criar melodias constituem o que se chama

Lá#).

“escala musical” que é definida a partir de relações

matemáticas muito precisas, conforme vamos ver mais

perfeitos definida por Pitágoras foi usada durante

à frente.

séculos, até pouco depois da Idade Média… (Não percam,

A forma como encadeamos os sons nas nossas

no próximo “Pinheirinho”, a continuação deste artigo!)

Esta

escala

com

intervalos

acusticamente

músicas, isto é, o “ritmo”, também segue regras com fundamentos matemáticos, obedecendo a um tipo de divisão fraccionária cuja característica está ligada a um determinado género artístico ou a um tipo de cultura. Conhecer estas influências matemáticas é, antes de mais, conhecer a essência da própria Música. O primeiro registo científico da relação entre a Matemática e a música data do século VI a.C., com Pitágoras de Samos. Sim! O mesmo do famoso Teorema de Pitágoras, que muitos de vocês já estudaram e outros hão-de

o pinheirinho 15 | 16

Prof. João Simões


|Às vezes, ou muitas vezes, não temos oportunidade de viajar pelos vários sítios desconhecidos que existem

por esses recantos fora. Uma forma de conhecer é através da partilha das experiências dos outros e assim “viajar” um pouco através dos relatos.

Prof. Maria João Mendes

|

As minhas férias de Verão Férias de Verão na Disney

No dia 10 de Agosto de 2009, acordei muito cedo para ir para o aeroporto apanhar o avião para Paris com os meus pais. A viagem durou duas horas. Quando chegámos ao aeroporto de Orly, apanhámos uma camioneta para o nosso Hotel. Chegando ao Hotel, desfizemos as malas e fomos logo para a Disneyland. Quando lá entrei fiquei encantada, porque aquilo era enorme! Começámos por ir à Disney Studios, que era um sítio onde se podia conhecer como se fazem os filmes. No dia seguinte, fomos para a “Disneyland Park” onde havia muitas diversões. A minha diversão preferida foi a montanha russa, onde eu No dia seguinte, pelas 15h 30min. Arrumámos tudo e fomos embora. Foi curta mas adorei esta viagem a Paris!!!

Margarida de Almeida Freire Nunes 5ºD

CRIAÇÃO LITERÁRIA

andei com o meu pai. Eu acho que andei em todas as diversões...


O Pai Natal é um elemento da fantasia

olhou para o lado. Teve uma grande desilusão. Em vez de ser o pai Natal; eram os seus próprios pais. A Maria ficou a chorar dentro do seu quarto. Passado algum tempo, a sua mãe bateu à porta e perguntou: -Posso entrar? -Sim. -O Pai Natal só existe na nossa própria fantasia respondeu a mãe. -O Pai Natal é gordo?

Já na Véspera de Natal, a Maria perguntou à mãe:

-É muito gordo!

-Será que vou receber algum presente, mãe?

-E é bondoso; traz prendas a todas as crianças.

-Claro que sim, raramente te comportas mal.

E, assim, na fantasia da Maria, construiu-se a imagem de um Pai Natal semelhante ao que existe na fantasia da sua mãe e que também existe na fantasia de cada um de nós.

-Vai ser aquilo que escreveste na carta. Vai dormir, amanhã de manhã podes abri-las e brincar com elas. A Maria foi para a cama, mas não adormeceu. -Nunca imaginei o Pai Natal. Será que é gordo ou magro? Não sei, vou tirar as dúvidas quando o vir. Fingia que dormia quando a porta do quarto se abriu e pensou:

Nuno Aveiro, 9ºB

- É o Pai Natal! Ela respirou fundo, abriu os olhos carregados de sono e

criação literária

|O MEU AMOR O vento sussurra-me que não estou certa Que eu preciso de ti por perto Quero dar-te a mão Quero mostar-te a minha paixão. Vou mostrar-te as estrelas E como elas são belas Como o amor Que no coração nasce como uma flor. Olho para o céu sem fim É o teu significado para mim No meu coração és o fogo que arde sem se ver És quem faz o meu coração bater.

|Mais divagações O Tempo passa E a vida corre, É uma pena Se o Sonho morre Sem se tornar realidade. Ler… Pesquisar… Interpretar… Filosofar… É um prazer!

Às vezes podes ser um turbilhão Mas és quem faz feliz o meu coração Podes ser atrevido Mas tu és quem me atingiu com o cupido.

A todos o Universo Concede a oportunidade. Só alguns tiram partido E alcançam a verdade

Adoro a tua pele suave Como a pena de uma ave Adoro a tua maneira de ser E isso nunca irei esquecer.

É preciso persistência, Alguma clarividência, Certo grau de

o pinheirinho 17 | 18

Jussa Ebido, 8ºB

competência E nada de desistência. O conhecimento atingir, O verdadeiro, o real. Todos devem conseguir. Não será consensual? M.G.(avó do André Ceitil)


|Felicidade!

Realizo um sonho contra a vontade da nação… senti-me realizado por passar o impossível, por ter comigo a ambição.

Sabendo que te poderei perder, não quero saber! Quero celebrar todos os dias, quero cantar todos os dias de alegria.

e vi que na minha idade a pouca espontaneidade de só querer mostrar a pseudo - personalidade indiscretamente encobre a felicidade.

Quero que venha o Natal para sentir o bichinho que é estranho p’ra que sinta num só dia o que não irei sentir o ano inteiro!

Seja lindo ou feio seja do mais impressionante que houver ou que seja do mais simples à face da terra Se se é feliz com o que a ambição conseguiu atingir que seja utilizada a felicidade… João Costa, 9ºC

Quero saber que o calor deu fruto e o fruto que criei irá gerar calor p’ra que quando me sentir incapaz tenha sempre comigo amor.

g f g d e h r u e t a i r p a a l

i a g r y o r r y u u o t t r t b w a p s p q t u g e i t l e s o e ANEDOTAS

s h n u o p y h d e a o b t o t p

t a a n d e b o l i l e y o e a i

i h t t s y e s f t m s m e s l n

c u a i t i r d p o a t a s t o g

a b ç o n d t g n a s a x t s e p

t a a p y h y d f u t e b o a s o

As palavras podem estar na vertical, na horizontal e na diagonal.

r s o d g i u j g e p i i a l t n

y j i s m p i d m s e l n l o a g

d y t e n i s g w t i o i a p l x

d H W W f s n w o a t h j o g o i

f u t e a m e g e l o b a l l e t

d u t d d o r n t o p p p e a s m

s o e d b d t f y o e a ç s l t u

h o q u e i y e i l n l a t m a u

O Joãozinho: O Joãozinho chega a casa aflito e diz para a mãe: -Mamã, mamã, o armário caiu!!! -Vai já avisar o teu pai! -O pai já sabe, o armário caiu em cima dele!!! Balanças: Era uma vez uma mulher tão gorda, tão gorda, que ao pesar-se numa balança moderna a balança disse: Por favor não se pesem todos de uma vez!!! Rita Cordeiro, 4ºA

passatempos

Procura no crucigrama as seguintes palavras Futebol – badmington – patinagem – ballet – basquete – natação – andebol – ténis – ping pong – rugby – ginástica – hipismo – hóquei


A equipa do ÂŤPinheirinhoÂť deseja a todos, colaboradores e leitores, um bom Natal com muitos doces e boas leituras.


1 nº Pinheirinho 2009/2010