Issuu on Google+

ANO XVIII - Nº 56 - Preço: R$ 2,00

Cabrobó, setembro de 2013 Laurena Medeiros

Laurena Medeiros

EDIÇÃO ESPECIAL

32 PÁGINAS COLORIDAS DIA 11: As comemorações do aniversário de Cabrobó, a maior festa do município HISTÓRIA: A origem das famílias cabroboenses PERSONAGEM: José Caldas, o maior líder político de Cabrobó

ENTREVISTA EXCLUSIVA COM PREFEITO DE CABROBÓ AURICÉLIO TORRES

“fizemos muito, mas não na velocidade esperada”

ÁGUA NA CARA: Prefeito Auricélio Torres (PSB) toma uma ducha espontânea no rosto, durante inauguração da adutora do Murici Novo. A euforia da comunidade com a chegada da água mostra que esse bem natural ainda é considerado artigo de luxo em muitas comunidades rurais do Sertão. Foto de Laurena Medeiros


2 - Folha da Cidade

EDITORIAL

Cláudio Angelim

Ninguém acordou para o real valor do desfile de 11 de setembro

Q

uase tão antigo quanto os 85 anos de Cabrobó, o desfile do 11 de setembro se consolida a cada ano como o mais importante evento cultural da cidade. Infelizmente o próprio município ainda não se deu conta da real dimensão deste evento e sua potencialidade. Não apenas pelo número de pessoas que atrai, mas, principalmente, pelo caráter cultural e de identidade local que se mostra neese espetáculo multi-artístico. Quem faz o desfile? As escolas municipais, estaduais e particulares, sob a orientação temática da secretaria municipal de educação. Um tema é lançado, faz-se uma pesquisa e os gestores escolares, professores e alunos passam a criar as atrações. As pessoas que cuidam deste trabalho minucioso não ganham para produzir as peças. Há os salários dos educadores enquanto funcionários públicos, mas o tempo dedicado a confecção de material e aos ensaios extrapola o que reza os direitos trabalhistas do Brasil. Para a produção acontecer, cada escola recebe uma ajuda de custo da prefeitura. Geralmente o dinheiro é utilizado para compra de material dos carros alegóricos. E só, porque aquelas roupas deslumbrantes e cintilantes que a maioria das balizes usam vem de arrecadações que essas moças fazem em campanhas no comércio e na comunidade. Tipo rainha do milho. Até aí tudo bem... Só que não. Sabemos que os valores disponibilizados pela prefeitura para o desfile nunca são suficientes. E esse não é um problema criado na gestão do atual prefeito. No passado, com os ex João Freire, José Dilson e Eudes Caldas era a mesma coisa. Daí para trás eu não posso dizer com precisão, mas tenho minhas suposições. Onde quero chegar? Mesmo

Cabrobó, setembro de 2013

EDITORIAL/OPINIÕES

com os desfiles cada vez mais atrativos e esteticamente beirando a perfeição, há uma tendência de sofrerem a cada ano mais arrocho orçamentário. E tome aperto nos gestores das escolas, que se perpetuarão em sacrifícios para manterem o padrão de qualidade que o desfile de Cabrobó ostenta. Tudo isso poderia até ser justificável se não houvesse por dinheiro suficiente para investir em festas. E há. Mas as maiores quantias são destinadas aos shows musicais, como os de Fábio Júnior (2012), Safadão e José Augusto (2013). Não importa o nome nem a qualidade duvidosa de alguns deles. A realidade é que as atrações “de peso” chegaram com tudo e vão se tornando mais importantes do que o desfile, porque é para eles que vai a maior parte do investimento em cultura. Enquanto isso, as adolescentes continuam a pedir contribuição a farda da banda. O contrato do show da Garorta Safada custou R$ 145 mil. Esse valor absurdo é pago porque, na visão de grande parte dos prefeitos, o povo quer “bandas famosas”, senão reclama. Como esse é um pensamento impregnado e que muitos educadores até acabam aceitando, quem perde é o desfile, ou seja, a cultura cabroboense. Repito, o município ainda não acordou para o desfile de 11 de setembro, porque simplesmente não enxerga o imenso potencial que ele carrega na bagagem. Esse fantástico conteúdo tem pano para manga e pode vir a se tornar uma atração de alcance estadual, nacional e até internacional, assim como o São João de Caruaru ou a festa do estudante em Triunfo e tantas outras festividades próprias de cada lugar. Você duvida? Se a resposta for sim, só nos resta testemunhar no próximo ano mais campanhas de arrecadação para as roupas das balizas.

FOLHETO . Multa i O Ministério Público reafirmou que vai executar multa de mais de R$ 100 mil pelo não cumprimento ao Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) que cobra a instalação de uma unidade do Programa de Orientação e Proteção ao Consumidor (Procon) em Cabrobó. A cidade contua sem qualquer órgão ativo de proteção e defesa do consumidor.

mais ii

Há outra multa para a Prefeitura. Refere-se à cláusulas do TAC não cumpridas referente a elaboração de um Projeto Integrado de Coleta, transporte adequado para recolhimento do lixo e disposição final dos resíduos sólidos. O valor diário é de R$ 500,00 que deverá ser revertida ao Fundo Municipal do Meio Ambiente.

trabalhador rural

O vereador Avanildo Barros (PP), que tem base eleitoral na região da Mãe Rosa e Manguinha, solicitou à prefeitura de Cabrobó, através de indicação na Câmara Municipal aprovada pelos seus pares, a construção de uma Casa de Apoio para os trabalhadores e trabalhadoras que moram na área rural do município. O local deve abrigá-los e funcionar como um ponto de apoio, principalmente nos dias de feira livre

Inseto maldito

Nos quatro cantos de cabrobó, a reclamação dos moradores é uma só. A infestação de muriçocas, que tiram o sossego da população e tornam as noites insones. Sem contar que podem transmitir doenças, como a elefantíase. Uma consequência direta na propagação dos indesejados mosquitos é o canal do Alto da Subestação. Enquanto não houver saneamento básico, a população vai continuar sofrendo com a invasão desses bichinhos chatos

escola lança o jornal do integral

Há sete anos, sempre no dia da Independência, a Escola Estadual de Referência José Caldas Cavalcanti distribui para o público um informativo anual produzido na própria escola pelos alunos da 1ª e 2ª série do ensino médio, sob a coordenação dos profesores de língua portuguesa Euza Freire, Maria Neuzeny e Maria Orminda. O projeto inclui a discussão e produção de metérias, no decorrer do ano, de acordo com as atividades da escola. A ideia tomou corpo e a cada ano se aperfeiçoa. Neste ano, por exemplo, o jornal foi rebatizado de Jora do Integral e passou da cópia xerográfica para a impressão offset, com melhor visualização de fotos, diagramação profissional e tiragem de mil exemplares. Ano que vem promete mais novidades.

FaloU, tÁ FaladO “Acho que esse povo tá querendo se crescer na polícia” Do vereador Avanildo Barros (PP), da tribuna para os mototaxistas, referindo-se aos policiais militares que aplicam multa.

“Eu não devo satisfação dos meus atos para você, devo ao meu pai e a minha mãe”

“O deputado Adalberto é um candidato da região e muito atuante”

Do vereador Duda Caldas (PTB), num dos frequentes debates com o vereador Ramsés Sobreira (PSB).

Do ex-prefeito Eudes Caldas (PTB), ao se referir a sua nova opção para deputado estadual em 2014.

www.folhadacidade.blog.br Av. Manoel Davi, Centro, Cabrobó-PE - CEP: 56.180-000

Editor/redator Cláudio Angelim

cr.angelim@gmail.com

Reportagens Cláudio Angelim Laurena Medeiros laurena_medeiros@hotmail.com

Os artigos assinados são de responsabilidade de seus autores

Colaboradores Diagramação e arte Teca Simões Cláudio Angelim Luis Torres (in memorian)

Fotos desta edição Fredson Santos/ Foto Santos Cláudio Angelim Laurena Medeiros

Fale com a redação: (87) 9616-2066 e (87) 9936-7395 folhadacidade.cabrobo@gmail.com Para anunciar ligue: José Roriz (87) 9633-1954 e Laurena Medeiros (87) 9936-7395


Cabrobó, setembro julho de 2013 de 2013

uDEPOIS DO RACHA Quem estava com Eudes ficou com Auricélio e ponto final

Maioria dos vereadores escolheu o lado do poder

Cláudio Angelim

S

e no início do governo Auricélio os vereadores oriundos da base do ex-prefeito Eudes Caldas (PTB) estavam com cara amuada ante a mão fechada do prefeito, agora mudaram completamente de ideia. Com exceção de Zé Nilson Novaes (PR), que não parece próximo à prefeitura, os outros antigos aliados de Eudes vão ficar exatamente onde estão: na base do governo, com Auricélio. Nada disso parecia provável quando ocorreu a sessão da Câmara Municipal que rejeitou as contas de Eudes Caldas. Naquele episódio os vereadores Paulo Gonçalves (PT), Avanildo Barros (PP), Duda Caldas (PTB), Neguinho Truká (PSD), Barná Russo (PSD), Claudenor Novaes (PTB) e o próprio Zé Nilson Novaes deram uma demonstração de lealdade a Caldas ao se posicionarem contra o parecer do TCE. Tudo levava a crer que continuariam no seu grupo. Só que não. Foi só uma nuvem. Os seis vereadores estão agora surfando na onda socialista de Auricélio, que inclusive já garantiu alguns apoios para seus de-

Folha da Cidade - 3

POL Í TICA

Vereadores optaram por ficar bem próximos do Executivo putados. Curiosamente, a postura inicial do prefeito parecia não fazer questão de contar com tanta gente do seu lado, mas 2014 está se avizinhando e ele viu que já é hora de fazer política novamente. Auricélio já contava sem maiores esforços com os aliados de primeira hora, como Marcos de Neuma (PSB) e Zezito Salu (PDT), além dos neo-aliados Suzana de Ezequias (PTB), que havia se afastado de Eudes na última eleição e o vereador Jorge Cavalcante (PSD), nitidamente sem nenhuma saudade do ex-prefeito. Na trincheira da oposição, continua Ramsés Sobreira (PSB) e talvez Zé Nilson, que compareceu à inauguração de Auricélio no Murici Novo e proferiu no palanque rasgados

elogios ao ex-prefeito Eudes Caldas. Uma demonstração de que sua ligação com o petebista continua forte. Só não se sabe ainda se isso será o suficiente para o vereador adotar uma postura de oposição nas matérias a serem votadas na Câmara. Por enquanto, o que está demonstrado é que não houve qualquer diálogo entre Eudes e esse grande número de vereadores que estavam juntos com ele até pouco tempo atrás e que, na verdade, poucos ou quase nenhum tem disposição para passar um mandato longe de quem está no poder. Moral da história. Assim como no tempo de Eudes prefeito, oposição está se tornando peça rara em Cabrobó.

uDOBRADINHA? No início era o Rodrigo e o Zeca... Mas só no início...

Aliança com os Novaes não se sustenta e Eudes Caldas opta por Adalberto Cavalcanti

A

união do grupo Novaes com o ex-prefeito Eudes Caldas visando uma dobradinha entre Zeca Cavalcanti (PTB) para deputado federal e Rodrigo Novaes (PSD) para estadual não existe mais, ou talvez nunca tenha existido. O blog Folha da Cidade já havia publicado que a aliança tinha “nascido morta”. Informações davam conta de que os Novaes não haviam fechdo questão, haja visto a aproximação cada vez maior com o prefeito Auricélio Torres. O vereador Claudenor Novaes (PTB), em entrevista à Folha da

Claudio Angelim

Alepe

Depois de muitas indefinições com os Novaes, surge Adalberto Cidade, chegou a dizer que a familia ficaria do lado de Eudes e também de Auricélio. Na prática, isso dividiria os votos dos Novaes entre os federais Zeca Cavalcanti e João Fernando Coutinho (PSB), este último apoiado pelo prefeito. Diante de tal cenário, o

ex-prefeito Eudes Caldas percebeu que não havia mais chances da aliança seguir adiante e declarou apoio ao deputado estadual Adalberto Cavalcanti. “Nestas circunstâncias, me vi na obrigação de tomar outro rumo, adotando um novo posicionamento”, afirmou.


4 - Folha da Cidade

POLÍTICA

uGOVERNO Prefeito inaugura obras e festeja aniversário com intensa programação

85 anos comemorados com inaugurações e festas Larena Medeiros

Prefeito Auricélio discursa para o público do dia sete de setembro

O

prefeito de Cabrobó Auricélio Torres (PSB) seguiu a tradição dos prefeitos dos últimos anos, ao inaugurar obras do governo no período das comemorações do aniversário de Cabrobó. Foram seis dias de intenso movimento, com início na noite de sexta-feira, dia 6 de setembro. Ao lado do deputado Raimundo Pimentel (PSB) e de autoridades dos poderes Judiciário e Legislativo, respectivamente o juiz Marcus Gadelha e o presidente da Câmara Jorge Cavalcante, além de quase todos os vereadores da Câmara e secretários municipais, o prefeito inaugurou mais de 15 mil metros de calçamento de cinco localidades: Rua Azemira Vieira, av. Mozenir Araújo, rua Prefeito Pedro Sobrinho, rua Prefeito Manoel Cassiano e rua Antônio Sobreira de Aragão. No sábado (7), às 5h da manhã, houve a tradicional alvorada festiva com a banda

filarmônica de Cabrobó. Em seguida, às 8h, foi a vez da praça José Caldas Cavalcanti virar palco do desfile cívico das escolas, em comemoração ao Dia da Pátria. No domingo, 8, a programação se estendeu para a área rural. Às 11h, o prefeito e comitiva foram à comunidade Murici Novo inaugurar um sistema de abastcimento d’água. Na segunda-feira houve a celebração de um culto evangélico na igreja Assembleia de Deus, às 19h. Na terça, dia 10, a partir das 10h, mais inaugurações, desta vez com com a Sala do Empreendedor (veja matéria na página 19), na secretaria de desenvolvimento econômico. À noite, por volta das 18h, o prefeito deu continuidade às inaugurações com a entrega de equipamentos para a secretaria de desenvolvimento social e cidadania. O Centro de Referência em Assistência Soscial - CRAS

no bairro Alto da Temperatura e a Casa dos Conselhos, na av. Castelo Branco. Mais tarde, o público evangélico pode apreciar o show gospel da cantora Eyshila, abrindo o pátio de eventos no complexo da concha acústica. Já o dia 11 de setembro começou muito cedo para os cabroboenses, com alvorada festiva às 5h, sob o comando da banda filarmônica Santa Cecília, de Água Branca-AL. Às 9h houve ainda a missa em ação de graças, na igreja da Sagrada Família. Quando se aproximaram as 16h, o clima já estava propício para o desfile do 11 de setembro, aberto pela polícia militar de Pernambuco, através da 2ª CIPM, sob o comando do major Lenildo Silva. Em seguida, o maior espetáculo da cidade se completou com o desfile das escolas e bandas e fanfarras, com o tema “Educação e meio ambiente por um mundo sustentável”. O palanque oficial contou com autoridades locais e convidados de outras cidades, como a prefeita de Floresta Rorró Maniçoba e os deputados estaduais do PSB, Raimundo Pimentel e João Fernando Coutinho. Após o longo desfile, que se prolongou até às 22h, a programação foi completada com os shows do cantor José Augusto e Weslleys Safadão e banda Garota Safada.

Cabrobó, setembro de 2013


Cabrobó, setembro de 2013

POLÍTICA

uCÂMARA Camapanha contra reeleição foi parar na tribuna popular

E a Tribuna se voltou contra o seu criador N

a Câmara Municipal de Vereadores de Cabrobó há um espaço destinado à participação do público chamado Tribuna Popular. O projeto foi criado pelo presidente Jorge Cavalcante (PSD), na intenção de incentivar a participação popular nas reuniões da sala Epaminondas Hipólito Lima. Por ironia do destino, a primeira pessoa a fazer uso da tribuna foi o policial civil Elioenai Santos (foto), na sessão do dia 20 de agosto. Ele se posicionou de forma veemente contra um projeto de lei que permite a reeleição da mesa diretora na próxima disputa, algo que interessa

Laurena Medeiros

Primeiro uso da tribuna popular foi de muita polêmica muito ao atual presidente Jorge Cavalcante. Elioenai chegou a criar um grupo nas redes sociais da internet para se

opor à aprovação do projeto, deixando Jorge nitidamente descontente, a ponto de disparar críticas contra a gestão do secretário municipal de juventude Eliel Augusto, irmão do policial, que nada tem a ver com a questão. A Tribuna Popular, ou Tribuna Livre, é uma iniciativa louvável, que oferece aos cidadãos e cidadãs a oportunidade de se manifestar perante os vereadores e o público nas reuniões da Câmara. Quem quiser utilizá-la deve preencher requerimento pedindo à mesa diretora, que fixa regras acerca do tema e do tempo a serem utilizados.

Folha da Cidade - 5


6 - Folha da Cidade

Cabrobó, setembro de 2013

INTERNET

u Internet O blog Folha da Cidade (www.folhadacidade.blog) estreou na web há pouco mais de um mês e já se destaca entre os principais sites de notícias da região. Com conteúdo próprio, matérias exclusivas e muitos comentários dos leitores, o blog é um sucesso e já virou leitura obrigatória para os cabroboenses. Se você perdeu alguma matéria ou quer ler de novo, veja abaixo um resumo das principais notícias publicadas até agora.

Destaques do blog FOLHA DA CIDADE www.folhadacidade.blog.br

05 sábado, 10 de agosto de 2013 >>

26 comentários

MP move Ação contra prefeitura de Cabrobó para contratação de aprovados em concurso

O Ministério Público entrou com uma Ação Civil Pública contra a Prefeitura do Município de Cabrobó, para que os 588 funcionários contratados de forma temporária sejam imediatamente substituídos pelos aprovados no último concurso público, realizado em 2012. Após várias denúncias, o MP apurou que a prefeitura se utiliza de contratos temporários em quase todos os cargos, quando deveria nomear os candidatos aprovados em concurso. “Isso contraria princípios constitucionais”, declarou o promotor de Justiça Júlio Cesar Elihimas. “Contratações de caráter temporário só devem ser realizadas nos casos em que haja excepcional interesse público, revestido do caráter de urgência”, explica (... continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade.blog.br/2013/08/ministeriopublico-move-acao-contra.html terça-feira, 13 de agosto de 2013 >>

23 comentários

Antônio de Nestor fecha com Silvio Costa e faz lista de pedidos

O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Cabrobó e candidato derrotado na última eleição municipal, Antônio de Nestor (PRP), voltou ontem feliz da vida de sua visita à Recife. Ele informou em sua página na rede social que fechou acordo político com o deputado federal Silvio Costa (PMN), para apoiá-lo nas eleições de 2014. Para garantir a parceria, o sindicalista fez algumas reivindicações ao parlamentar. Uma delas é a construção de uma central de comercialização para a agricultura familiar. (... continua...) Veja a matéria completa no link: http://www. folhadacidade.blog.br/2013/08/antonio-de-nestor-fecha-com-silvio.html

quinta-feira, 15 de agosto de 2013 >>

85 comentários

Vereador Marcos de Neuma: “Estou aqui para falar mal do promotor desta cidade”

Com essas palavras o vereador Marcus de Nelma (PSB) iniciou sua fala na tribuna da Câmara Municipal, na última terça-feira (15). Ele pediu um “voto de repúdio” ao promotor de Justiça Júlio Cesar Elihimas, que está à frente da promotoria pública de Cabrobó desde 2011. Em seu discurso, Marcos contou que durante o julgamento de seu primo conhecido como Galego de Francisquinho, o promotor usou “palavras pesadas” contra ele (Marcos) e os vereadores Suzana Freire (PTB), Barná Russo (PSD) e Zé Nilson Novaes (PP). “O promotor nos criticou publicamente. Disse que lugar de vereador é na Câmara e não no fórum soltando bandido”, afirmou. (... continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade.blog.br/2013/08/ vereador-marcos-de-neuma-estou-aqui.html

terça-feira, 27 de agosto de 2013 >>

72 comentários

Na polêmica da reeleição, sobrou para o secretário de Cultura e Juventude Eliel Augusto

A discussão do projeto de reeleição da mesa diretora da Câmara Municipal de Cabrobó atravessou as quatro paredes da sala Epaminondas Hipólito Lima, navegou pela internet via rede social Facebook e acabou pousando (com ônus) no governo do prefeito Auricélio Torres (PSB). É que, ao questionar a legitimidade do movimento Diga Não à Reeleição - grupo no Facebook liderado pelo policial civil Elioenai Santos Filho, o presidente da Câmara, vereador Jorge Cavalcante, cobrou ações da secretaria municipal de Cultura, Juventude e Segurança Cidadã. A pasta é comandada pelo professor e músico Eliel Augusto, irmão de Elioenai. , opositor do projeto.(... continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade. blog.br/2013/08/na-polemica-da-reeleicao-sobrou-para-o.html

quinta-feira, 22 de agosto de 2013 >>

41 comentários

Vereadores do PSB trocam mais acusações na Câmara de Cabrobó

O vereadores do PSB Marcos de Neuma e Ramsés Sobreira, embora pertençam ao mesmo partido, parecem destinados a intermináveis debates no plenário da sala Epaminondas Hipólito Lima. O primeiro pela situação e o segundo no lado oposicionista. Tudo começou quando Marcos foi a tribuna na reunião próxima passada (dia 20) para comunicar que estaria se retirando da comissão especial encarregada de averiguar o programa de habitação popular do Município. “Vou sair (da comissão) porque não concordo com a presença de Ramsés como presidente (...continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade.blog.br/2013/08/vereadores-dopsb-trocam-novas-acusacoes.html sexta-feira, 23 de agosto de 2013 >>

55 comentários

Iluminação da av. Nilo Coelho começa a virar realidade

A prefeitura do município de Cabrobó (PE) iniciou esta semana a instalação dos postes para iluminação pública da Avenida Nilo Coelho, um antigo sonho da comunidade dos bairros Subestação, Ipsep, Cohab e Vila das Flores. O trabalho parte da região do mercado do produtor (Ceasa), no Alto da Temperatura e segue até a Subestação. A conclusão dos serviços está prevista para meados de setembro. (...continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade.blog.br/2013/08/iluminacao-da-av-nilo-coelho-comeca.html sábado, 31 de agosto de 2013 >>

24 comentários

Concurso de Cabrobó: Justiça nega Ação do MP e dá vitória a Auricélio

O Juiz da Comarca de Cabrobó Marcos Gadelha negou a Ação Civil do Ministério Público, que pedia a extinção dos 588 contratos temporários e a imediata convocação de aprovados e classificados do último concurso da prefeitura de Cabrobó, realizado em 2012. Segundo o magistrado, “não é razoável o prazo de 60 dias” para admissão dos concursados. (...continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade.blog.br/2013/08/ concurso-publico-justica-nega-acao-do.html quinta-feira, 29 de agosto de 2013 >> 82 comentários

Em sessão tumultuada, vereadores dão a Jorge a chance da reeleição

O projeto de Lei que possibilita a reeleição da mesa diretora da Câmara de vereadores foi aprovado com folga por nove votos a três, em segundo turno realizado na sessão de terça-feira passada (27) na Câmara Municipal de Cabrobó. Imediatamente após a (rápida) votação, o líder do movimento virtual Diga Não à Reeleição, Elioenai Santos Filho, levantou-se da platéia e pediu para usar a tribuna. O presidente Jorge Cavalcante (PSD), que na sessão anterior havia permitido tal expediente (por conta de uma solicitação prévia), desta vez não autorizou. (...continua...) Veja a matéria completa no link: http://www. folhadacidade.blog.br/2013/08/em-sessao-tumultuada-vereadores-dao.html domingo, 1 de setembro de 2013

>> 38 comentários

A aliança entre Eudes Caldas e o grupo Novaes terá nascida morta?

Sem diálogo entre os grupos, dobradinha Rodrigo e Zeca dá sinais de indefinição. A aliança política para 2014 entre o ex-prefeito de Cabrobó Eudes Caldas (PTB) e o grupo Novaes era dada como certa até pouco tempo atrás. Mas, como “política é uma nuvem”, já dizia Magalhães Pinto, as recentes movimentações dos personagens deste filme revelam uma completa indefinição do quadro. (...continua...) Veja a matéria completa no link: http://www.folhadacidade.blog.br/2013/09/alianca-entre-eudes-eos-novaes-tera.html


Cabrob贸, setembro de 2013

INTERNET

Folha da Cidade - 7


8 - Folha da Cidade

Cabrobó, setembro de 2013

ENTREVISTA

u entrevista exclusiva / PREFEITO AURICÉLIO TORRES Foto Santos

“Prefeitura devia cerca de três milhões”

boração de projeto para construção das passagens molhadas do Tamboril e Boqueirão... Existem ainda ações na área da habitação, secretaria da Mulher, desenvolvimento econômico, como a sala do empreendedor, ação social, cultura, juventude, articulação social, etc... Em tempo, adquirimos um novo veículo para a secretaria de Agricultura, com com recursos próprios do Município.

O prefeito de Cabrobó Auricélio Torres (PSB) confirma o propósito de dar cara própria ao seu governo. Nesta entrevista exclusiva ao editor da Folha da Cidade, Cláudio Angelim, o socialista diz como encontrou as contas da prefeitura ao assumir em janeiro e comenta, entre outros assuntos, a conquista de quase todos os vereadores para o seu lado. Mas Auricélio ainda acha cedo para se considerar o prefeito que sonhou. Ele reclama que a máquina ainda está lenta e põe a culpa na burocracia. FOLHA DA CIDADE Em oito meses de gestão, o sr. já se considera o prefeito que imaginou ser? AURICÉLIO TORRES Não. Acho até que fizemos muito em apenas oito meses de governo, mas não foi na velocidade esperada. Os entraves burocráticos dificultam muito. FOLHA Quais são as suas principais realizações no governo? AURICÉLIO Temos ações importantes de infraestrutura, como pavimentação de ruas, saneamento, mutirão de limpeza em vários bairros da cidade, estruturação do

polo comercial da Vila do Gás, que também vai receber a feira livre do município e iluminação da av. Nilo Coelho (Br. 428). Na educação, temos recuperação de escolas, climatização das mesmas com instalação de aparelhos de ar condicionado e ventiladores, melhoria do salário dos professores contratados e pagamento do piso salarial dos professores efetivos desde o mês de janeiro. Aquisição de um ônibus para o transporte de alunos com deficiência física, formação continuada dos professores da rede municipal, realização do projeto atleta na escola...

Recentemente fizemos um importante ato público de apoio aos alunos portadores de necessidades especiais. Na saúde temos a construção dos prédios dos PSF do Alto do Cancão, Mãe Rosa e Alazão, UPA 24 horas, implantação e instalação do SAMU, nove PSFs funcionando com equipe completa de profissionais, melhoria salarial dos médicos plantonistas do hospital, locação de duas ambulâncias novas para atender a população, perfazendo um total de cinco veículos e ainda aquisição de um veículo para o programa Vigilância em Saúde. Temos

Prefeito Auricélio Torres no desfile do 11 de setembro, três dias após entrevista à FOLHA DA CIDADE dado atenção ao homem do campo, com recuperação de todas estradas do município, atendimento com 19 carros-pipa, fornecimento semanal de ração animal para os criadores, perfuração de 11 poços artesianos, construção de seis barragens (sendo cin-

co via Codevasf e uma em convênio com o Governo do Estado), distribuição de 2.100 horas/máquina em convênio com o IPA, conclusão das adutoras do Jatobá 2, Murici, Manguinha (via Codevasf), ampliação e aprofundamento de cacimbas, ela-

FOLHA O que o sr. achou da ação do MP sobre a questão dos concursados? AURICÉLIO O MP está cumprindo seu papel. Mas acho que faltou ao promotor ouvir as duas partes: concursados e o representante do município. FOLHA O sr. Já esteve do lado de Eudes Caldas (PTB) no passado. Algum tempo depois os dois se tornaram adversários e em 2012 votaram a se aliar em torno de sua candidatura. Recentemente, viraram adversários no


Cabrobó, setembro de 2013

Folha da Cidade - 9

ENTREVISTA

u entrevista exclusiva / PREFEITO AURICÉLIO TORRES / continuação vamente. Vai ser sempre assim ou desta vez a separação é para sempre? AURICÉLIO Melhor perguntar ao lado de lá, porque da parte de cá não temos histórico de rompimentos frequentes. Apesar de entender que a política é muito dinâmica. FOLHA O que faltou para vocês dois permanecerem juntos, então? AURICÉLIO Sinceramente não sei. Procurei aproveitar várias pessoas do grupo político do ex-prefeito, atendi os pedidos pessoais do mesmo, me comprometi a apoiá-lo caso fosse candidato a deputado. FOLHA O vereador de oposição Ramsés Sobreira (PSB) é de seu partido e na Câmara Municipal tem sido uma pedra no

“Sou favorável ao programa Mais Médicos. É tanto que nos inscrevemos e fomos contemplados com dois profissionais” seu sapato. Como está sendo encarada esta questão delicada dentro do PSB local e estadual? AURICÉLIO Um tanto contraditório o posicionamento do vereador. Passou toda sua vida pública defendendo o nosso nome para prefeito e foi convidado inclusive para compor nosso governo, numa pasta importante. Aceitou a princípio, mas antes da posse desistiu e logo no início do nosso mandato

rompeu politicamente conosco. Vai ver que o vereador acha melhor criticar do que trabalhar. FOLHA Afinal de contas, qual era a situação financeira da Prefeitura de Cabrobó quando o sr. assumiu em janeiro? AURICÉLIO Com débitos de pessoal, fornecedores, transporte escolar, em torno de três milhões de reais. Agora, pior do que essa quantia, nós consideramos

o fato do município estar negativado no CAUC - Serviço Auxiliar de Informações para Transferências Voluntárias, sem poder receber recursos federais. Com isso perdemos logo no início da gestão uma emenda parlamentar de dois milhões de reais junto ao Ministério das Cidades. É bom esclarecer que este valor já estava empenhado no referido ministério, mas quando fomos assinar o contrato com a Caixa Econômica Federal fomos impedidos pela inadimplência do município. FOLHA Ultimamente seu poder de aglutinação se mostrou muito eficaz, já que quase todos os vereadores ficaram do seu lado, inclusive apoiando seus deputados. O sr. enxerga uma consistência nesse novo grupo que se

moldou ou são apenas alianças pontuais? AURICÉLIO Acredito que os vereadores começaram a enxergar as dificuldades e a seriedade com que estamos administrando o município. Por isto estão solidários com o prefeito e o povo cabroboense. FOLHA Quais são suas maiores preocupações em relação a Cabrobó? AURICÉLIO São várias, como em todo o país. Melhorar a vida das pessoas é uma resposta. Mas podemos especificar a geração de emprego e renda, onde uma boa opção seria a implantação de um grande projeto de irrigação. Melhor saúde, com médicos especialistas, melhoria na atenção básica; educação, com faculdade, escola técnica e maior valorização

dos educadores. Auxílio ao combate ao consumo de drogas entre os jovens. Dotar de melhor infraestrutura nossa cidade e assistência permanente ao homem do campo. FOLHA Como o sr. vê a atitude de conselhos e sindicatos da classe médica contra a vinda de médicos cubanos para o Brasil? AURICÉLIO Sou favorável ao programa Mais Médicos. É tanto que nos inscrevemos e fomos contemplados com dois profissionais, que estão para chegar. FOLHA Agora o sr. já sabe como é ser prefeito. Dá para pensar numa reeleição em 2016? AURICÉLIO No momento, só penso em fazer um bom trabalho. O futuro a Deus pertence.


10 - Folha da Cidade

Cabrobó, setembro de 2013

CIDADE

u motot-taxi Fiscalização educativa da PM termina no último dia de setembro. Mototaxistas já devem estar com equipamentos a partir de outubro

Mototaxistas tem dificuldades para se adequar à legislação Laurena Medeiros

O

depoimento do mototaxista Alonir Silva é sintomático para compreender o sentimento da classe, após a implantação da nova legislação federal que regulamenta a atividade da categoria em Cabrobó. “Nós somos trabalhadores ou somos bandidos para estarmos sendo abordados pela polícia de hora em hora?” As reclamações começaram logo depois que a lei entrou em vigor. De acordo com Silva, embora os mototaxistas reconheçam a legislação como uma forma de melhorar e garantir maior segurança ao trabalho, sentem-se intimidados com as abordagens constantes da PM. Representantes da categoria chegaram a protestar na sessão da Câmara Municipal do dia 13 de agosto contra o que denominam “excesso de abordagens”. Um mototaxista reclamou que um colega foi “parado” até oito vezes pela polícia no mesmo dia. De acordo com o coman-

Há oito anos na profissão, Carlos disse que não dá para comprar os equipamentos de uma só vez e que o prazo foi importante dante da 2ª Companhia Independente de Polícia Militar - CIPM, major Lenildo Silva, “a Polícia Militar tem como meta, por viatura, a abordagem de 10 veículos e 20 motos por dia, na região de Cabrobó e Orocó.” Como são dez viaturas, as abordagens são muito frequentes, mas não há abuso. O oficial explicou ainda que os cuidados com motos são redobrados porque a maioria dos criminosos sempre se utiiza de motocicletas e capacetes para

executar ou preparar algum crime, como homicídio ou assalto. “Não é perseguição aos mototáxis, é uma prevenção sobre as motos em geral”, explica, acrescentando que em relação ao uso da viseira, está apenas obedecendo o que manda a lei. Os mototaxistas buscaram apoio da Câmara Municipal reivindicando o adiamento da fiscalização e das multas, segundo eles, por causa do “alto custo dos cursos e dos equipamentos exigidos”.

Em regime de urgência, foi realizada no dia 16 de agosto uma reunião entre o comando local da PM, vereadores e mototaxistas. Após a sessão, foi acordado com o Major Lenildo Silva que durante o mês de setembro a fiscalização seria feita de forma educativa, priorizando a orientação da PM para os mototaxistas e que as fiscalizações normais só seriam executadas a partir de outubro. Para o mototaxista Carlos Gomes, de 31 anos, há oito exercendo a atividade, a medida foi coerente, pois oferece uma “trégua”, estipulando um prazo maior para que os mototaxistas possam ter os meios de adquirir os equipamentos necessários que garantam o exercício da atividade e o cumprimento da lei: “ainda bem que pediram tudo isso gradativamente, pois nosso salário é baixo, e comprar tudo isso ao mesmo tempo fica difícil”, salientou.

Saiba mais Conhecida como a lei dos mototaxistas, a nova determinação visa garantir mais segurança aos servidores que, nas atribuições de suas funções, fazem da motocicleta a sua ferramenta de trabalho. Vale para funcionários de supermercados, farmácias, lojas, pizzarias, entregadores de gás, etc. A lei obriga mototaxistas e motofretistas a utilizarem coletes sinalizadores, capacetes com adesivos identificadores, além de equipamentos de segurança como mata-cachorro e antenas cortapipa. O kit completo custa em media R$ 600 reais. É exigido um treinamento específico, com aulas teóricas e práticas, com carga horária de 30 horas/ aula. Sem o curso e o uso dos equipamentos de segurança, esses profissionais cometerão infração grave (perda de 5 pontos na carteira de habilitação e multa de R$ 127,69). Em Cabrobó, a atividade de mototaxista ainda funciona como subemprego. Cerca de 300 profissionais trabalham como mototaxistas, sem qualquer autorização. No município, para transportar passageiros, basta adquirir uma moto e arranjar um ponto específico ou outros volantes. O valor mínimo de uma corrida em Cabrobó é R$ 2,00. No período noturno custa entre R$ 4,00 e R$ 5,00.


Cabrob贸, setembro de 2013

CIDADE

Folha da Cidade - 11


12 - Folha da Cidade

INFORME PUBLICITÁRIO

INFORME PUBLICITÁRIO DA PREFEITURA DE CABROBÓ

Com 98% de cobertura, município de Cabrobó destaca-se em atendimento na saúde familiar Enquanto os moradores das grandes cidades sofrem com a precariedade nos serviços de saúde, a população de cidades pequenas comemora as melhorias. O município de Cabrobó, por exemplo, foi considerado um dos melhores de Pernambuco na cobertura de saúde da família, alcançando uwm total de 98% na abrangência populacional. Outra diferença visível é a estrutura nas Unidades de Saúde. Em Cabrobó, a administração entregou vários equipamentos de informática que deverão facilitar o atendimento. A entrega faz parte de um projeto que garantirá a informatização de todas as Unidades de Saúde da Família (USF). No total são 9 equipes beneficiadas e 15 computadores entregues, além de outros aparelhos que irão agilizar o atendimento na saúde Mas além das melhorias na atenção básica, os serviços de especialidade

também estão mais acessíveis. O município firmou parceria com o governo do estado e está co-financiando a UPA e regional, localizada em Petrolina que já se encontra em pleno funcionamento com atendimento ambulatorial de 12 especialidades. Além disso, a cidade foi contemplada com uma UPA 24h e a prefeitura já alugou um imóvel que sediará a base descentralizada do SAMU. Segundo a administração,

em novembro, duas ambulâncias (uma básica e outra avançada), que beneficiarão toda a população. Outra novidade que melhorou ainda mais os serviços de saúde no município foi a aquisição de um veículo para atuar na vigilância Sanitária. Segundo a secretária de saúde, Joseane Rafaela, este fato também representa a preocupação da prefeitura com o avanço na qualidade de vida e saúde da população.

Conforto e acessibilidade: Governo municipal melhora estrutura de escolas da região Para melhorar a qualidade do serviço de transporte escolar oferecido no município, a prefeitura de Cabrobó (PE) adquiriu recentemente um ônibus escolar especial para transportar, exclusivamente, os estudantes que possuem alguma necessidade especial. O veículo é totalmente adaptado e foi adquirido através de recursos do programa ‘Territórios da Cidadania’ do governo federal. Este é o primeiro veículo totalmente adaptado do município, que atualmente conta com 17 ônibus escolares para atender aos estudantes da zona rural e urbana. Além de oferecer mais acessibilidade aos estudantes, uma outra novidade promete melhorar a qualidade da educação no município. É que a administração está instalando 80 aparelhos de ar-condicionado e 131 ventiladores para climatizar todas as escolas da rede municipal de Cabrobó. A ideia é levar mais conforto para a sala de aula. Mas, as crianças que ainda não frequentam a escola, também serão beneficiadas com a construção de Creches nos bairros Vila das Flores e Alto da Temperatura. Esta última já

da Secretária Nacional de Assistência Social, Denise Colin, os participantes puderam participar de várias oficinas que retrataram a temáti-

ca da reunião. O Encontro Nacional é promovido pelo Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), e este ano teve como tema “Os Desafios Para a Vigilância Socioassistencial na Implantação da Norma Operacional Básica (NOB) Suas”. “Muito rico o debate sobre Monitoramento e Vigilância. A implantação nos municípios possibilita aos gestores mais qualidade no planejamento e execução das políticas públicas voltadas para a Assistência Social”, disse Sávio AngeliN.

está praticamente pronta e, em breve, deverá assistir varias crianças da comunidade. Equipamentos agrícolas melhoram a vida do homem do campo Os agricultores de Cabrobó (PE) ganharam um reforço com a chegada de algumas máquinas agrícolas na região. Com foco na organização produtiva dos agricultores familiares, a prefeitura adquiriu vários equipamentos que estão melhorando, principalmente, o acesso às comunidades rurais desta região. As máquinas como motoniveladora e escavadeira hidráulica, estão sendo utilizadas para a conservação e ampliação contínua das estradas vicinais e na construção e recuperação de reservatórios de água. De acordo com o secretário municipal de agricultura, Marizan Silva, outros veículos como um trator traçado e duas caçambas também estão trabalhando para melhorar a vida dos trabalhadores rurais. “Além da motoniveladora e da escavadeira também há um trator traçado e duas caçambas que estão trabalhando para beneficiar os trabalhadores desta região”, informou.

Calçamentos levam saúde e melhoram qualidade de vida da população

Secretário de Cabrobó representa Pernambuco em Encontro Nacional de Gestores da Assistência Social O Secretario de Desenvolvimento Social de Cabrobó (PE) e vicepresidente do Colegiado de Gestores Municipais de Assistência Social de Pernambuco (COEGEMAS), Sávio Angelin, representou os gestores municipais durante o Encontro Nacional de Monitoramento e Vigilância Socioassistencial do Sistema Único de Assistência Social (Suas) 2013, que aconteceu recentemente, em Brasília. Durante o evento, que contou com a presença

Cabrobó, setembro de 2013

“Meu comércio melhorou 200%, antes aqui só tinha poeira. Até fazia mal para a saúde da gente”. A afirmação é do comerciante conhecido como ‘Cícero do bode’ que comemora a pavimentação da Av. Mozenir Araújo, inaugurada recentemente pela prefeitura municipal. O desabafo de Cícero confirma que trechos de calçamento transformam não só as ruas, mas a rotina da população. Além de Cícero, vários moradores de Cabrobó (PE) já foram beneficiados com as melhorias na infraestrutura da cidade. Só nos últimos dias, a administração inaugurou os calçamentos das ruas, Azemira Vieira, Pre-

feito Manoel Cassiano, Prefeito Pedro Sobrinho e Antônio Sobreira de Aragão. Também estão em andamento as pavimentações da Av. João Pires e João Gonçalves Torres, que devem ser entregues, em breve, à comunidade. Outro serviço que está trazendo progresso para a pequena cidade do Sertão do São Francisco, é a iluminação da Avenida Nilo Coelho. Os serviços seguem do bairro Vila das Flores, até a comunidade do bairro Subestação. Ao todo 70 postes serão colocados ao longo da Avenida o que também representa mais segurança para a população.


Cabrobó, setembro de 2013

Folha da Cidade - 13

INFORME PUBLICITÁRIO

INFORME PUBLICITÁRIO DA PREFEITURA DE CABROBÓ

Centro de Referência de Assistência Social oferece cidadania à população As comunidades da Temperatura, Vila das Flores, Maria Luiza, Santa Rita e Pedro Quirino ganharam um espaço que vai melhorar a vida da população. Trata-se do Centro de Referência de Assistência Social. O local contará com uma equipe de Assistente Social e Psicólogo, para prestar atendimento à comunidade. No CRAS, a família encontra acolhimento, além da inclusão em Programas e benefícios da Assistência Social como: Cadastramento no Bolsa Família, Benefício de Prestação Continuada (BPC), Programas de geração de renda e inclusão nos cursos de

qualificação profissional do PRONATEC. O secretário Municipal de Desenvolvimento Social comemorou a inauguração do espaço. “O Prefeito

Auricélio foi muito feliz ao inaugurar esse CRAS no Bairro da Temperatura, justamente uma área de maior vulnerabilidade social e que poderá mudar sua face”, comenta Sávio Angelin. Outro sonho antigo dos

conselheiros municipais de Cabrobó também já é uma realidade. A Casa dos Conselhos, inaugurada ontem (10), vai abrigar todos os Conselhos Municipais, tantos os conselhos vinculados à Assistência Social, como os vinculados à Educação e à Saúde e posteriormente os novos conselhos a serem implantados, como o de Turismo e o da Mulher. “Ganha a democracia, a participação social e a cidadania. A Casa dos Conselhos significa um espaço adequado para uma melhor atuação dos Conselhos, pois Conselhos não devem funcionar dentro das dependências das Secretarias”, comentou o prefeito, Auricélio Torres.

Após inaugurar agência da Caixa Econômica, Cabrobó receberá Posto de Atendimento do BNB

Os moradores de Cabrobó (PE) receberam mais uma boa notícia. Depois de inaugurar uma Agência da Caixa Econômica, o município deverá receber um Posto de Atendimento do Banco do Nordeste (BNB). O Prefeito de Cabrobó, Dr. Auricélio Torres (PSB) já reuniu-se com o Geren-

te de Negócios do Banco do Nordeste, Gustavo Borges, para tratar dos últimos detalhes sobre a parceria que possibilitará a implantação do Posto de Atendimento no município. De acordo com Auricélio, a Prefeitura ficará responsável em disponibilizar um espaço físico total-

mente equipado, enquanto a instituição financeira colocará à disposição dos cabroboenses vários serviços bancários. O novo Posto de Atendimento trará mais comodidade à vida de muitos cabroboenses, que atualmente precisam buscar atendimento na cidade vizinha de Salgueiro.

Sala do Empreendedor oferece suporte a empresários e comerciantes Uma novidade promete estimular a economia e a formalização de novos negócios em Cabrobó, Sertão do São Francisco. É que o prefeito do município Auricélio Torres, inaugurou nesta terça-feira (10), a Sala do Empreendedor. O novo espaço, destinado especialmente aos Microempreendedores Individuais (MEIs), funcionará na Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, localizado na Avenida São Francisco, no centro da cidade. No local, será possível solicitar emissão do CNPJ, alvará provisório, declarar o faturamento anual, receber orientações sobre a abertura, alteração e encerramento da empresa, além de participar de cursos gratuitos de gestão em parceria com o SEBRAE.

Investimentos

levam água para comunidades rurais de Cabrobó (PE)

O secretário Municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Ed Ramos, explica que o novo espaço vai facilitar a vida dos empreendedores. “O objetivo da sala é facilitar o procedimento da abertura da empresa retirando, assim, da informalidade muitas pessoas e transformando-as em micro empreendedores individuais”, informou o Secretário.

Equipamentos agrícolas melhoram a vida do homem do campo

Os agricultores de Cabrobó (PE) ganharam um reforço com a chegada de algumas máquinas agrícolas na região. Com foco na organização produtiva dos agricultores familiares, a prefeitura adquiriu vários equipamentos que estão melhorando, principalmente, o acesso às comunidades rurais desta região. As máquinas como motoniveladora e escavadeira hidráulica, estão sendo utilizadas para a conservação e ampliação contínua

das estradas vicinais e na construção e recuperação de reservatórios de água. De acordo com o secretário municipal de agricultura, Marizan Silva, outros veículos como um trator traçado e duas caçambas também estão trabalhando para melhorar a vida dos trabalhadores rurais. “Além da motoniveladora e da escavadeira também há um trator traçado e duas caçambas que estão trabalhando para beneficiar os trabalhadores desta região”, informou.

O sonho da água de boa qualidade já é uma realidade para várias famílias de Cabrobó (PE) que foram beneficiadas com as adutoras implantadas na região. A prefeitura já concluiu a construção da Adutora do Jatobá 2 e da barragem do Sítio Umburana. E só na última semana, mais de 60 famílias foram beneficiadas com a inauguração da Adutora do Murici. O sistema de abastecimento vai levar água aos moradores de Murici Velho, Murici Novo, Pedra Mijada, Conceição e Serrote do Boi. Além da água, os moradores da zona rural também já perceberam a melhoria no acesso às comunidades. Segundo a administração, já foram recuperadas as estradas do Jatobá, Cachoeirinha, Murici, Monte Santo, Pé da Serra, Barra do Serrote, Bananeira, Curral Novo, Tapera, Cachoeira, Saco da Serra, Logradouro, Caldeirão, Boqueirão e Ilha de Assunção, totalizando mais de 80 % das estradas do município. De acordo com o secretário Municipal de Agricultura, Marizan Silva, a administração pretende recuperar todas as estradas vicinais do município. E para enfrentar a forte seca, a prefeitura já perfurou 11 poços artesianos e distribuiu mais de 500 toneladas de palha de milho para ração animal.


14 - Folha da Cidade

CIDADE

Homenagem pelos 32 da Loja Maçônica União, Paz e Amor Somos os Obreiros da Paz, Os Artífices do Bem, E em nome do G.A.D.U, que é Deus, Todas as semanas aqui nos reunimos Erguendo templos à virtude Cavando masmorras ao vício. Somos os Irmãos trajados de preto Que, em nome da ciência e do progresso, Todas as semanas aqui nos reunimos Promovendo o bem-estar da humanidade. Somos os aprendizes da Arte Real Os discípulos da Verdade Que, em nome da Caridade e da Fraternidade, Aqui nos reunimos sempre... Para combater o mal, a injustiça, a tirania, A ignorância, a superstição e os dogmas. E assim o fazendo Voltamos aos nossos lares, Imbuídos de renovados ideais E com renovadas esperanças... Parabéns a todos os Maçons pelo seu dia. José Roriz Araquan (Zeny) Grau 30

20 de Agosto Aniversário da loja Loja Maçônica União, Paz e Amor CABROBÓ-PE

Cabrobó, setembro de 2013


Cabrobó, setembro de 2013

ESPECIAL CABROBÓ 85 ANOS

Folha da Cidade - 15

Origem das Famílias de Cabrobó As famílias e a colonização dos sertões do Nordeste

Por Teca Simões, especial para a Folha da Cidade

Algumas pessoas tem o interesse de remontar a sua árvore genealógica ou conhecer as origens da família que lhe deu sobrenome. Talvez, observando algumas características do próprio sobrenome, elas possam descobrir um pouco da história que se esconde por detrás da nomeclatura. Afinal de contas, o importante é saber que a ausência desses “auxiliares” nos tornaria apenas mais um entre os demais. Até por volta do século XII, os europeus tinham o costume de dar apenas um nome para os seus descendentes. Nessa época, talvez pelo próprio isolamento da sociedade feudal, as pessoas não tinham a preocupação ou necessidade de cunharem outro nome ou sobrenome para distinguir um indivíduo dos demais. Contudo, na medida em que as populações aumentavam e as sociedades se tornavam mais complexas, a possibilidade de conhecer pessoas com um mesmo nome poderia causar muita confusão. Daí a origem dos sobrenomes, quase sempre derivados dos locais geográficos de origens das famílias, além de sobrenomes em homenagens as árvores e animais. Segundo a historiadora Djalmira de Sá Almeida, a maioria das famílias que participou da colonização do nordeste brasileiro saiu de Portugal, mesmo que muitas delas não tivessem origem portuguesa. Algumas dessas eram consideradas de ascendência nobres. Outras pertenciam a grupos invasores, religiosos, catequizadores, cristãos novos (judeus obrigados a se converter ao catolicismo) e camponeses de diversos pontos da Ásia, África, Índia e da própria Europa que emigraram para Portugal e Espanha.

O nome dessas famílias está quase sempre associado a uma origem toponímica, ou seja, a uma região ou local de onde saíram. Isto não significa que sejam realmente originárias daquele lugar, uma vez que grande parte dos que emigravam eram degredados, religiosos e militares. Muitos cruzaram o Atlântico durante anos e séculos, trazendo famílias em busca da terra prometida. Há algumas, cujos sobrenomes são classificados como patronímico, ou seja, derivado do nome próprio do fundador da família.

Além de Portugal, vieram também, consentidas pelo colonizador português, famílias de origens inglesa, francesa, holandesa, além de italiana, alemã, austríaca e árabe. Constata-se que as famílias que aqui chegavam precisavam apresentar símbolos das ocupações e documento comprovando ser católicos e estar a serviço da coroa portuguesa para serem bem atendidas na distribuição e arrendamento das terras pelos administradores reais. As famílias que vinham por iniciativa própria e não dependiam da coroa portuguesa deviam apresentar carta real de apresentação ou brasão e escudo de armas de outros países, quando não tivessem origem portuguesa. Em sua grande maioria sem origem na nobreza, as famílias de colonos tinham brasão e escudo de família que conseguiram prestando serviços ao reino de Portugal ou por descendência bastarda (filhos fora do casamento) de fidalgos que frequentavam a corte. Muitas famílias do sertão são descendentes de 38 famílias de origem portuguesa que no século XVIII ocuparam a área da Grande Fazenda Panela D’Água (atual Carnaubeira da Penha), região entre chapadas do Vale do rio São Francisco. Eram famílias de pequenos agricultores e camponeses

de áreas ribeirinhas, acostumados à pecuária, ao plantio e colheita em várzeas e margens dos rios, em Portugal. Em ordem alfabética as 38 famílias: Aguiar, Alencar, Almeida, Alves, Araújo, Barros, Brandão, Brito, Campos, Carvalho, Coelho, Cruz, Ferreira, Fernandes, Fonseca, Gomes, Gonçalves, Lima, Lira, Lustosa, Machado, Magalhães, Matos, Melo, Mendonça, Menezes, Medeiros, Miranda, Neves, Nogueira, Novais, Sá, Sampaio, Soares, Silva, Silveira, Torres, Uchôa. Essas famílias foram se mesclando entre si e com outras que já estavam aqui como D’Ávila, Andrade, Agra,

Diniz, Costa, Lopes, Pires, Rodrigues. Posteriormente, se juntaram a outras famílias provenientes de outras regiões brasileiras e de outros países, além de Portugal, como Cantarelli, Caribé, Cavalcanti, Ferraz, Freire, Marques, Ramalho, Roriz, Trapiá, as quais se tornaram proprietárias de grandes fazendas remanescentes de antigas sesmarias. Veja mais sobre as famílias de Cabrobó, nas páginas 16 e 17.


16 - Folha da Cidade

ESPECIAL CABROBÓ 85 ANOS

Cabrobó, setembro de 2013

Um mergulho na origem Por Teca Simões, especial para a Folha da Cidade

S

em levar em consideração a forma como a região de Cabrobó foi colonizada, depois do extermínio e/ou aculturação das etnias indígenas que viviam nessa região, as famílias que serão apresentadas a seguir desempenharam papéis importantes na história de ocupação do sertão, quase sempre relacionadas às atividades agropecuárias. Muitos dos nomes dessas famílias estão relacionados a uma origem toponímica (geografia de origem), algumas poucas a uma origem patronímica (derivado do nome do fundador), contudo, não são todos. No caso de mestiços com índios ou negros, muitas famílias passaram a fazer parte do patrimônio das fazendas e tornaram-se Silva, Pereira, Sousa, Diniz, Carvalho, Almeida, Alencar e outros, geralmente com o consentimento dos senhores e coronéis. Aqui, nos resumiremos a falar, entretanto, sobre a origem de algumas famílias cabroboenses.

A

família Alencar deu origem a um grande número de figuras históricas do Nordeste, desde o início do século XVIII, como Brígida de Alencar, José de Alencar, Miguel Arraes, Eduardo Campos, bem como Castelo Branco, presidente no período da ditadura militar; Raquel de Queiroz, Patativa do Assaré, dentre outros. Sua ascendência remonta à antiga Índia, com passagens tanto na Itália quanto na Espanha, embora seja proveniente de Alenquer, importante cidade portuguesa do período medieval. Consta que é uma das famílias que imigrou por conta própria, sem a tutela do império português. Nessa condição estão também as famílias Lustosa e Angelim. Acredita-se que a grande maioria dos Alencar do Brasil descende de um dos quatro irmãos que aqui chegaram provenientes de Portugal, porém, existem pessoas que possuem este sobrenome mesmo sem ascendência Alencar. As famílias Agra, Angelim e Lustosa figuram também entre as que possuem várias procedências: italiana, espanhola e portuguesa, além de indiana para os Agra. Considera-se que essas famílias vieram para o Brasil, independentes economicamente em relação à coroa portu-

guesa, tendo em vista que a autonomia de cada família era atestada e garantida por autorização imperial para entrar nos territórios e mares do domínio português. No Nordeste, o sobrenome Angelim, atrelado aos descendentes dos colonizadores, também aparece em homenagem a uma árvore desse nome. Os Araújo tem sua origem em Portugal com diversos ramos na Espanha, França e em alguns países da América. A família se fixou principalmente em Cabrobó e outras cidades do sertão pernambucano. A família Andrade é de origem portuguesa e nobre. Os Andrades ou Andradas no Brasil já participavam da política desde a época da independência. Almeida é sobrenome português de origem árabe. Em todo o Brasil de norte a sul tem Almeida, porém os da Paraíba, Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco são do mesmo tronco que aparece na fazenda Panela D’Água e na fazenda Grande de Belém de Cabrobó, no século XVIII. Existem registros do sobrenome Carvalho em Portugal desde o século XII. No sertão, originase dos Carvalhos da Fazenda Panela D’Água. Os membros atuais descendem dos Carvalhos vindos da Bahia. Cavalcanti era uma família de magnatas de origem italiana (Florença), em que meados do século XVI chegaram a Portugal, vinda da Espanha. Um Felipe Cavalcanti (séc. XVI), fixou em Pernambuco dando origem a uma numerosa descendência. No sertão de Pernambuco há Cavalcanti em todas as cidades surgidas a partir de formação de fazenda de religião católica. Os Caldas tem origem em Portugal de D. Garcia Rodrigues de Caldas, que era muito rico. A família Caldas no Brasil, especialmente a do Ceará, descende de Francisco José da Costa Caldas e sua esposa Maria do Céu da Costa Caldas que foram proprietários de terras no sertão do Araripe. Em Pernambuco a presença dos Caldas tem destaque estando associada ao comércio, à pecuária e a política, como é o caso de Cabrobó, com diversos prefeitos e vereadores. A linhagem Diniz provém do rei vaqueiro, D. Diniz de Castela e Algarve, senhor de campos de Espanha e Portugal. Descendentes de D. Diniz vieram de Portugal para o Brasil no século XVI, dedicando-se à exploração e colonização das terras recém-ocupadas por Portugal. Atualmente esta família está em todo o Brasil, especialmente no Nordeste, principalmente na Paraíba, Bahia,

Maranhão, Ceará e Pernambuco, considerando que os Diniz destacaramse em atividades agropecuárias, de comércio e de serviços desde o início do arrendamento das fazendas. De sobrenome português, a família Ferraz destaca-se com forte influência política no interior de todo o Nordeste desde o século XIX, principalmente no sertão pernambucano, em cidades como Belém, Flores, Floresta e Cabrobó. O nome Freire tem origem na Espanha e se espalhou por toda a Europa. Muitos Freires foram religiosos em Portugal, militares na França, cavaleiros na Inglaterra e, em diversos pontos do Brasil. Houve visconde, conde, barão, senhor de engenho, além de religiosos durante todo o império português e espanhol. No Brasil eles desenvolveram atividades diversas: há Freires políticos, advogados, médicos, empresários, comerciantes e fazendeiros. A família Gomes, de Portugal, segundo estudos, procede da Itália, da qual houve patrícios em Roma. Esse sobrenome também foi adotado por famílias de origem indígena e bandeirantes paulistas, além de famílias de origem africana e também por judeus, obrigados a se converter ao cristianismo. Há muitas famílias com esse sobrenome em diversas partes

do Brasil, de origem portuguesa, colombiana, espanhola, argentina. O maior número se concentra atualmente em Pernambuco, Maranhão e no Pará. Os Limas são da época de D. Fernão Aires, cunhado do rei D. Afonso Henriques de Portugal, ocupando lugar de importância na corte portuguesa. Na região Nordeste, dedicaram-se à formação de fazendas, à criação de gado e ao comércio, além dos que atuam como médicos, professores, políticos, advogados, comerciantes e empresários. No Brasil, desde o período de capitanias tem entrado pessoas com sobrenome Lopes, que é de origem portuguesa. Em Pernambuco esta família seguiu o mesmo procedimento de abrir fazenda, criar gado e dedicar-se à agricultura, ações comuns dos que arrendavam terras no sertão. Os Lopes prosperaram ao lado do desenvolvimento da capitania de Pernambuco e vários municípios, inclusive Cabrobó, que tiveram a contribuição desta família desde as primeiras formações de fazendas.


Cabrobó, setembro de 2013

Folha da Cidade - 17

ESPECIAL CABROBÓ 85 ANOS

das famílias de Cabrobó

gens do rio São Francisco, inclusive Pernambuco.

Medeiros é sobrenome português. Há registro escrito de membros dessa família desde o século XV, em Portugal. No Brasil, os Medeiros descendem de bandeirantes e sertanistas os quais dedicaram-se à criação de gado e à agricultura. O sobrenome Menezes é variação de Meneses, português com grafia espanhola. A família Menezes marcou presença no Brasil desde o início da colonização, atuando como agente do Estado português. No interior de Pernambuco os Menezes participam da política desde o período colonial em cargos e funções de vereadores, prefeitos, governadores e senadores. O atual prefeito de Cabrobó, Auricélio Torres Menezes, faz parte dessa família. Nogueira é um sobrenome de Portugal fornecido aos cristãos novos (convertidos ao cristianismo) que prestaram serviços nas lutas contra os muçulmanos. A família Nogueira que veio para o Brasil é originária de um único tronco que se instalou nos atuais estados do Rio de Janeiro e de São Paulo. Parte dessa família rumou para outras partes do Brasil e fixou residência às mar-

No Brasil, a família Novaes chegou durante o período do Reino Unido de Portugal e Espanha, época de grandes conflitos envolvendo brasileiros contra espanhóis e portugueses. No período das invasões holandesas, francesas e inglesas, na Bahia, Rio Grande do Norte e Pernambuco já havia Novaes participando dos conflitos e das confederações. Outros membros dessa família vieram depois, em 1808, quando a corte portuguesa se transferiu para O Brasil. Pires ou Peres é um dos primeiros sobrenomes da história de Portugal, datado desde o século IX. No Brasil tem-se notícia no nordeste da família de João Pires Baptista e Maria pires de Ávila, a qual pertencia a tradicionais troncos paulistas, desde o século XVI. Os Rodrigues predominam na Espanha e em Portugal e se originam de vários troncos. No Brasil, começaram a chegar durante o período das capitanias hereditárias, depois com os governos gerais. Muitas famílias, entre elas judeus convertidos à religião cristã, adotaram o sobrenome Rodrigues sem existirem laços de consanguinidade entre si, tornando difícil a pesquisa genealógica sobre a origem dessa família.

No Brasil, o primeiro Pereira foi o donatário Francisco Pereira Coutinho, em 1549. Encontra-se uma grande quantidade de grupos familiares que utilizam esse sobrenome espalhados por inúmeras cidades do Brasil. Os Pereiras de Pernambuco estão associados às atividades agropastoris e também ao serviço público.

ao Brasil. Consta que o sobrenome Gonçalves espalhou-se, desde os primeiros anos de povoamento do Brasil pelos portugueses. Por todo o seu vasto território há várias famílias de sobrenome Gonçalves, de origens portuguesa, colombiana, espanhola, argentina etc.

O sobrenome Sá é um dos mais antigos da Europa, existe registro documentado desse nome em 1390. Portadores desse sobrenome foram, entre outros, João de Sá, conquistador português (1497), Mem de Sá, governador geral do Brasil e outros. No sertão nordestino essa família se dedicou, na sua maioria, a abrir fazendas, instalar capelas e os que eram da guarda nacional criaram suas dinastias e povoações que se transformaram em grandes cidades.

Santos vem do latim sanctorum, que significa santo. Existe variação desse sobrenome em todos os países europeus de predominância católica. O nome Santos é mais antigo que o reino de Portugal e já era usado nos reinos medievais da península ibérica.

A família Sampaio procede do português Vasco Pires de Sampaio. No Brasil encontra-se Sampaio desde o Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais até o sertão do nordeste, principalmente em Pernambuco onde possuem propriedades e se dedicam às atividades agropecuárias, ao comércio e as profissões liberais. A família Simões tem origem em Portugal. No Brasil o nome dessa família originou-se de uma série de capitães que se dedicaram a entradas e bandeiras no sertão a partir do primeiro governo geral. O ramo mais nobre da família Silva tem origem na Espanha, no período da dominação romana. No Brasil, o registro mais antigo é em São Paulo, da família de Pedro da Silva, por volta de 1600. Acredita-se que tenha se tornado o sobrenome mais difundido no Brasil por uma série de fatores, como a adoção por escravos e crianças filhas de pais desconhecidos. Também foi largamente adotado por pessoas que chegadas ao Brasil queriam começar uma nova vida sem vínculos com o passado da Europa, se aproveitando do relativo anonimato que o sobrenome proporcionava e ainda proporciona. Silva é o sobrenome mais usado em todos os países de língua portuguesa, assim como denominava importantes famílias nobres que normalmente o portava junto a um outro apelido. A família Torres é proveniente da Espanha e veio para Portugal nas pessoas dos irmãos Diogo Torres e Afonso de Torres, no ano de 1528, posteriormente chegando

Outras famílias aportaram no sertão, entre elas as famílias Souza, Nascimento, Batista, Brandão, Ramos, Fernandes, Alves, Barros, Gonzaga. Os Souza pertencem a uma das mais antigas famílias de Portugal e está presente no Brasil desde o início da colonização. Em Portugal, o sobrenome Nascimento tem origem na menção religiosa ao nascimento de Cristo surgindo desse costume famílias com esse nome, mas, sem nenhum parentesco consanguíneo, como é o caso dos Batista, em homenagem a são João Batista. Brandão é um nome de uma região em Portugal, tendo registro da Família de Fernando Brandão ter recebido honrarias por ter lutado pela independência de Portugal do Reino de Leão. O nome Ramos é proveniente tanto de Portugal como da Espanha, pois é de origem católica como homenagem ao domingo de ramos ou de topônimo (local com esse nome). Fernandes é nome tanto português como espanhol, de origem patronímica, isto é, o nome do fundador deu origem ao nome da família (filho de Fernando). Há registro desse nome em Portugal desde o século IX. Alves é uma abreviação de Álvares, que deriva da expressão “filho de Álvaro”; em virtude dessa origem, é provável que não tenha surgido de um único grupo familiar. Barros, de origem portuguesa começou a ser conhecido em Portugal no tempo do rei D. Diniz e estão no Brasil desde o início da colonização. A família Gonzaga é de origem italiana, da nobreza de Mântua, havendo registro desse sobrenome no Brasil desde o século XVIII. (Fontes consultadas: História de Parnamirim - Djalmira de

Sá Almeida; Genealogia Famílias Belemitas - Marlindo Pires e Fundarpe)

Teca Simões é professora de geografia e colaboradora da Folha da Cidade


18 - Folha da Cidade

ESPECIAL CABROBÓ 85 ANOS

Cabrobó, setembro de 2013


Cabrobó, setembro de 2013

ECONOMIA

Folha da Cidade - 19

uINCENTIVO Parceria da Prefeitura de Cabrobó com o Sebrae permite ao microempreendedor individual organizar seu negócio e sair da informalidade

Cabrobó agora tem sala do empreendedor Laurena Medeiros

Organização e lucro: o microempresário Damião agora tem sua própria empresa de doces, com marca e tudo A sala do empreeendedor, inaugurada no último dia 10, pode ser uma ferramenta importante para as pessoas que desenvolvem atividades econômicas individuais e ainda não conseguiram tirá-las da informalidade. Trata-se de um empurrãozinho que talvez estivesse faltando para a abertura de microempresas e a profissionalização de serviços já disponíveis na cidade. Como se sabe, um dos maiores entraves para a legalização de um negócio

próprio ainda é a burocracia, aliada ao receio que muitos tem de pagar impostos. Na Sala do Empreendedor será possível solicitar emissão do CNPJ, alvará provisório, declarar o faturamento anual, receber orientações sobre a abertura, alteração e encerramento da empresa. O local também propicia a participação dos interessados em cursos gratuitos de gestão. Tudo em parceria com o Sebrae. “O objetivo é facilitar o procedimento da abertura

da empresa, tirando da informalidade muitas pessoas e transformando-as em microempreendedores individuais”, explicou o secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, Ed Ramos. A Sala do Empreendedor objetiva informar os empreendedores sobre as vantagens e benefícios de constituir empresas formais, aderindo à implementação da Lei Geral Municipal da Micro e Pequena Empresa. A Lei foi sancionada pelo presidente Lula em dezembro de 2008. O Simples Nacional já é um sistema simplificado de enquadramento e tributação de microempresas e empresas de pequeno porte, em condições vantajosas, estabelecidas em conformidade com o tamanho e o setor do empreendimento. A Sala do Empreendedor funciona na sede da secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico e Turismo, localizada no 1º andar da antiga Coapecal, na rua São Francisco.


20 - Folha da Cidade

HISTÓRIA

Cabrobó, setembro de 2013


Cabrobó, setembro de 2013

HISTÓRIA

uARTIGO

Origens de Cabrobó: A luta dos fidalgos contra os kariri Por Teca Simões, especial para a Folha da Cidade Cabrobó é muito importante dentro do contexto histórico de ocupação e povoamento do Sertão nordestino. Local foi considerado o “Quartel General” da chamada civilização do couro, baseada na pecuária bovina. Os Garcias D`Ávilas, família de fidalgos portugueses, senhores da Casa da Torre, sediada na Bahia, eram os donos oficiais das terras onde hoje está localizado o Município de Cabrobó. Há registro de uma fazenda de gado com esse nome, de Francisco Dias D’Ávila, datada antes de 1674. Mas, os D’Ávilas não encontraram uma terra de ninguém, existem provas documentais desde o século XVII de que Cabrobó já era povoado pelos índios kariri (antepassados dos truká). Com a invasão desta terra pelos portugueses, e consequente extermínio e/ou aculturação desta etnia indígena, iniciou-se o desenvolvimento e expansão da pecuária pelo sertão nordestino. A história registra as desavenças entre Francisco Dias D’Ávila, herdeiro da Casa da Torre e o padre capuchinho francês Frei Martinho de Nantes, por causa da forma cruel como o fazendeiro tratava os índios. Abusos contra os indígenas eram constantes no Sertão de Rodelas, antigo nome desta região. Esses missionários ca-

tequizavam os índios e lutavam contra a escravização e os abusos cometidos contra eles; mas, eram, também, ocupadores, uma vez que possuíam terras, criavam gados e faziam da mão-de-obra índia fonte de produção nos aldeamentos. Na verdade, introduziram a servidão que não deixa de ser uma forma mais branda de escravidão. Apesar das divergências entre religiosos e colonos na for-

ma de tratamento dispensada aos índios, a Igreja e o Estado Português caminharam, geralmente, juntos em todo o trajeto de conquista colonial, como atesta a escritora Idalina Pires, no seu livro Guerra dos bárbaros. Sob o poder da família Garcia D’Ávila, a pecuária se tornou a principal atividade comercial colonial do sertão nordestino. As fazendas de sua propriedade com seus currais de gado deram origem a muitas cidades, entre elas Cabrobó. A pecuária é a principal atividade responsável pela ocupação do sertão no período colonial, mas, não é a única. Associada a ela está os bandeirantes e sertanistas

que entravam no interior do Brasil em busca de índios para serem escravizados e de metais e pedras preciosas. As formações dessas propriedades rurais seguiam um padrão. Havia uma capela, demonstrando a influência religiosa da igreja católica, a casa sede da fazenda, que representava o poder político e os currais, açudes e plantações representando as atividades econômicas, onde um sexto de tudo que era produzido era pago como tributo a Portugal. Daí a denominação de sesmarias para essas grandes extensões de terras. Quando lemos a história de ocupação do Sertão em geral, e, de Cabrobó em particular, temos a impressão que foi uma empreitada fácil para a dinastia portuguesa dos Dias D’Ávila e seus aliados conquistarem a região, mas não foi. Na prática, essas terras tiveram que ser conquistadas palmo a palmo devido à forte oposição dos tapúya (como eram conhecidos os povos indígenas que viviam no interior do Brasil), entre eles os kariri. Somente pela força das armas os colonizadores conseguiram subordinar os indígenas, e, com isto, ocupar a região. Teca Simões é professora de geografia

Folha da Cidade - 21


22 - Folha da Cidade

CULTURA

Cabrob贸, setembro de 2013


Cabrobó, setembro de 2013

Folha da Cidade - 23

CULTURA

ueducação Os três livros escritos pelo professor Petrônio Cavalcanti tem como foco uma educação onde a coletividade e a cultura da paz são prioridades

Um escritor de Cabrobó a serviço da educação O

s profissionais da área de educação tem um forte aliado na luta pela melhoria na qualidade do ensino em Cabrobó e região. O professor Petrônio Cavalcanti, natural de Cabrobó, já publicou três livros, desde 2009, com temática exclusiva voltada para o tema. O primeiro, intitulado O ato de educar em questão

– reflexões para mudar o pensamento e a prática de educar, foi lançado em 2009 pala editora Bargaço, de Recife. Trata-se de uma obra que provoca inquietações aos mestres e profissionais da educação em geral, porque aborda a questão prática do ensino na sala de aula, mostrando a relação professor-aluno e a importância do compromisso com as mudanças

Cláudio Angelim

O ato de educar em questão – reflexões para mudar o pensamento e a prática de educar (2009)

ESPECIALISTA: Petrônio é autor de três livros dedicados à educação na maneira de educar. A ideia é apontar caminhos para se construir cidadania com os alunos. Em seu segundo livro, Paulo Freire: saberes e dizeres de um professor feliz, lançado no ano seguinte, o professor embrenha-se nos ensinamentos do seu ídolo Paulo Freire, um dos mais importantes e influentes pensadores brasileiros. O livro mostra o pensamen-

to freiriano aos iniciantes e aos educadores da velha guarda. Teve um grande destaque na última bienal do livro, em Recife –PE, onde foi lançado. Da Escola para o Mundo – Cultura da paz e outros saberes, é o mais recente trabalho autoral de Petrônio. Publicado em 2011, a obra faz uma reflexão sobre a necessidade de se trabalhar a cultura de paz nas

Paulo Freire: saberes e dizeres de um professor feliz (2010)

Da Escola para o Mundo – Cultura da paz e outros saberes (2011)

Pontos de vendas: Livraria do Aeroporto de Petrolina-PE

escolas. O autor mostra em 115 páginas como é possível construir uma cultura voltada para a paz, com o respeito aos direitos humanos dentro da escola. Graduado em Filosofia pela Unicap com pós- graduação no Ensino de História pela UPE/Petrolina, Petrônio Cavalcanti atualmente é gestor da escola estadual Dom Antonio Campelo, na zona leste de Petrolina. Lá, ele tem colocado em prática de forma exitosa as reflexões e teorias abordadas nas suas publicações. Ex-gestor das escolas estaduais Senador Paulo

Guerra, em Cabrobó e Dr. Diego Rego, em Petrolina, Cavalcanti é reconhecido por implantar projetos inovadores com valorização da coletividade nas instituições onde atua. Foi assim quando diretor municipal de Cultura e Cidadania da prefeitura de Cabrobó (2001), ao criar o primeiro grupo de idosos. Em 2005, como secretário municipal de Governo na mesma cidade, implantou a Ouvidoria Pública e as Casas de Leitura, um projeto reconhecido pela ONU como inovador e de inclusão social na área de educação e cooperação.


24 - Folha da Cidade

CABROBÓ, 85 ANOS

Cabrobó, setembro de 2013

u11 de setembro Nos 85 anos de Cabrobó, o desfile de 11 de setembro continua mais encantador do que nunca. Para quê texto? As fotos dizem tudo

11 de Setembro é uma festa de arte e encantos

Fotos desta página: Laurena Medeiros e Foto Santos


Cabrobó, setembro de 2013

CABROBÓ, 85 ANOS

Folha da Cidade - 25


26 - Folha da Cidade

PERSONAGEM

Cabrobó, setembro de 2013

uJOSÉ CALDAS CAVALCANTI Respeitado por aliados e adversários, o comerciante José Caldas tem presença garantida na história política de Cabrobó

Há 29 anos Cabrobó perdia o seu maior líder político Q

uando alguém fala da política de Cabrobó é impossivel não citar o nome de José Caldas Cavalcanti, considerado a maior liderança política do município. Caldas tinha uma personalidade forte e uma capacidade extraordinária de exercer os papéis que as circunstâncias históricas lhe haviam conferido. Tanto é que o seu legado se reflete em grande parte do município, dada sua participação como um dos principais condutores da política cabroboense. Eleitoralmente, é inconteste a sua força, tanto é que seus filhos Edgar e Eudes Caldas foram eleitos prefeitos por cinco ve- nômica. Com apenas quatro anos zes, além das constantes vitórias nas eleições de de idade, José Caldas perdeu a mãe, Maria Pereira vereadores. Caldas, fato que fez com que a sua família se muORIGEM José Caldas Cavalcanti dasse para a Fazenda Pau era filho de Antônio Flo- Ferro. Desde menino suas rentino Cavalcanti. Nasceu em 2 de dezembro mãos tinham ávido gosto de 1917, na Fazenda Bar- pela agricultura e seus doro Vermelho, municipio tes de comerciante eram de Cabrobó. Na época o aflorados. Como milhares mundo vivia os horrores de nordestinos, participou da primeira grande guerra do êxodo à região sudeste mundial e o Brasil estava em busca de emprego e em crise mediante o clima melhoria de vida. Foi em de contendas, fomentadas São Paulo que ele consepela intensa disputa eco- guiu o primeiro emprego

JOSÉ CALDAS RESPIRAVA POLÍTICA Ao lado, na imagem maior, a foto mais representativa do líder. Acima, numa caminhada no meio do povo com o ex-governador Roberto Magalhães e o deputado Inocêncio Oliveira. Mais à direita, em sua tradicional pose durante o discurso do exgovernador Nilo Coelho. À direita, abaixo, divide o palanque com um dos maiores representantes da antiga da Arena, o exgovernador e ex-vice-presidente da República, Marco Maciel

formal, trabalhando na empresa de energia elétrica Light, não coincidente o trocadilho, energia era a chave do seu êxito. Retornou à cidade natal com cerca de 27 anos de idade, exercendo atividades de motorista e comerciante. Foi quando conheceu Ana Josefina Alencar, esposa e mãe de seus oito filhos e o elo que o ligaria à politica. Através do seu sogro, José Freire de Alencar (Zuza Freire), obteve apoio assíduo de Manoel Santos (Né Santos) e outras grandes lideranças da

época, como Chico Mo- Fomento, João de Né roró, Cicero Caló, dentre Grande, entre outros. outros. Ambas as eleições foram disputadas com POLÍTICA grandes amigos no Embora não pareça, José papel de adversários, Caldas tem somente duas como Gildenor Pires e disputas eleitorais no seu o saudoso Manoel Alcurrículo. Ele foi candida- ves Nogueira. to a prefeito em 1959, enJosé Caldas era detencabeçando a legenda do tor de uma personaliPRP com apoio das famí- dade forte. Carranculias Ramos, Santos, Frei- do, no dizer da época, re, Mororó, Gonçalves e a contudo notabilizou-se determinação do povo. pela defesa do princíEm 1976 sob a legen- pio da igualdade e resda Arena teve parcerias peito aos mais carentes. com Joao de Deus, Fran- Seu principal defeito cisco Andrade, Chico do era a negligência com

a sua saúde. Em meados de 1982 foi vitima de um câncer, vindo a falecer em 13 de setembro de 1984. FAMÍLIA José Caldas teve oito filhos do matrimônio com Ana Josefina de Alencar e 15 filhos fora do casamento, não havendo distinção afetiva entre pai e irmãos. Seu primogênito e herdeiro politico é o ex-prefeito Edgar Caldas e mais recentemente o também ex- prefeito Eudes Caldas que governou Cabrobó de 2005 a 2012.


Cabrob贸, setembro de 2013

PERSONAGEM

Folha da Cidade - 27


28 - Folha da Cidade

Cabrobó, setembro de 2013

MEMÓRIA

uPROFESSOR PEDRO KNAPPE Padre alemão adotou o Brasil para cumprir uma missão religiosa e se tornou tão brasileiro quanto sua família

Uma vida dedicada a Deus e à família P

eter Paul Hudert Knappe nem imaginava, ao nascer em Brand, Alemanha, aos 14 de fevereiro de 1937, que no futuro percorreria o Sertão brasileiro evangelizando e fazendo história. Oriúndo de uma típica família alemã, Paul era o mais velho de sete irmãos. Ele presenciou ainda menino a devastação da segunda grande guerra mundial e, inconformado com os rastros da destruição, ainda na adolescência decidiu com o seu irmão Michael Knappe que seriam seminaristas. Em 1963, já ordenado padre, desembarcou pela primeira vez no Brasil, como missionário da congregação Sagrada Família, sendo designado para paroquiar as cidades de

Arquivo pessoal

Arquivo pessoal

Peter Paul se tornou parte da história de Cabrobó, como padre e como homem de família Cabrobó e Orocó. Desde então, carinhosamente passaria a se chamar Padre Pedro. Com o passar dos anos e a ajuda dos fiéis, construiu a primeira Igreja Católica de Cabrobó, localizada na praça principal. Pedro kanappe permaneceria como vigário du-

rante 17 anos. Em 1979, porém, o destino lhe preparou uma surpresa. Ele conheceu Maria José de Lima, conhecida como dra. Zita, viúva e mãe de José Alves, um garotinho de seis anos. No mesmo ano, o missionário deixou o sarcedócio e formou com a dentista um dos mais

belos casais da cidade. A união civil ocorreu nove meses depois, mas passaram-se 13 anos até que o Vaticano liberasse Pedro para se casar no religioso. Aos 43 anos foi pai biológico pela primeira vez, mas afirmava sempre que havia sido pai desde que encontrou José Alves, o

Zezinho. Nasceram então Rainer e Rafael, dois brasileirinhos com brilhantes olhos azuis herdados do pai. Posteriormente veio a caçula Maria de Fátima. Um pouco longe do altar, mas sempre presente nas missas como um bom fiel católico, o ex-padre ganhou nova alcunha, desta vez de “Professor Pedro”, já que ocupara o cargo de vice-diretor da escola estadual Senador Paulo Guerra e também lecionava Teologia e Latim no Centro de Ensino Superior do Vale do São Franciso Cesvasf, em Belém do São Francisco. Em 1996 mudou-se com a família para Recife, no intuito de oferecer melhores condições de ensino para os filhos. Dois anos

depois foi acometido de uma forte depressão. Era o inicio da doença de Alzheimer que só fora diagnosticado em 2001. Prof. Pedro enfrentou a enfermidade durante 12 anos. Destes, seis foram sobre uma cama, devido ao avanço da doença. Sempre cercado de muito amor e cuidados da família, teve um exemplo de casa, ao ver a filha Maria de Fátima se tornar médica geriatra para cuidar do pai. Peter Paul, Padre Pedro, ou Professor Pedro, como queiram, faleceu numa tarde do dia 29 de agosto de 2013, em Recife, sendo sepultado em Cabrobó, terra onde chegou para cumprir uma missão de Deus, que ele soube executar com plenitude.


Cabrob贸, setembro de 2013

FOLHA DA CIDADE

Folha da Cidade - 29


30 - Folha da Cidade

Cabrobó, setembro de 2013

FOTOS E FESTAS

Fotos desta página: Fredson Santos e Lúcia Santos/Foto Santos

Noite de diversão no 11 de setembro festivo

Waleska Caldas e Carlos de Tutu só querem saber de curtir a festa

O prefeito Auricélio Torres e sua esposa Flávia com os depuados João Fernando Coutinho (E) e Raimundo Pimentel (D). 2014 é logo ali

Judiciário e Legislativo juntos, com o juiz Marcos Gadelha e o vereador Marcos de Neuma, acompanhados de suas respectivas esposas

O fotógrafo Fredson e o vice-prefeito Romero inventaram de tietar com o Safadão. Lúcia preferiu posar com o romântico José Augusto

Marcílio Cavalcanti e a irmã Mosana

O médico Francisco Bruno e sua esposa Williana

O enfermeiro Leornado Lima e Gisele Alves

O casal de empresários Cláudo Novaes e Neta Gomes de Lima


Cabrobó, setembro de 2013

FOTOS E FESTAS

uAniversariantes

uDia dos pais

Cláudio Angelim

José Roriz

Folha da Cidade - 31

Ping Pong

Foto Santos

A

Fátima Angelim Fernandes e a cunhada Maria do Socorro Angelim, que fez aniversário no mês de julho

A psicólogoa Maria do Carmo (Carminha) comemorou idade nova com a famíla em agosto

O empresário do arroz Valmir A. Silva e seu filho Leandro comemoraram juntos o dia dos pais Foto Santos

Olívia Andrade (c) com os filhos Marcos, Verônica, Mônica e José Luiz, durante a comemoração do seu aniversário, dia sete de setembro

ANIVERSARIANTES DE SETEMBRO O grupo da 3ª idade parabeniza o Srs. Márcio Alves de Souza, José Roriz A. Filho, Ricardo César F. Roriz, Ana Caroline de S. Roriz, Millena Maria F. Cavalcante, Fausto Romero G.P.A. Ramos, Gelly Vidal e Dr. Gildenor Pires.

O multi-artista gente boa Edgar Conrado, em tarde de diversão com os netos no Alvorada Clube Arquivo pessoal

professora Aurizelda Ferraz é daquelas profissionais que ficam marcadas no coração de todos que tiveram a sorte de têla como professora. Não é nenhum exagero dizer que ela é um ícone vivo da Educação em Cabrobó. Uma professora que merece nota 1.000! 1. Qual a maior virtude de um mestre? R- SER SÁBIO.

nota 10? TODOS QUE AJUDARAM A ERGUER ESSA CIDADE.

2. Que tipo de leitura deve ser obrigatória? R- A QUE VOCÊ ENTRA NA HISTÓRIA

8. E quem é digno de um zero? QUEM DESTROI ESSE BELO PATRIMÔNIO HISTÓRICO CHAMADO CABROBÓ.

3. Quem lê, viaja? RREALIZA SONHOS, FICA SABIDO E VIRA INTELECTUAL. 4. Qual o pior tipo de analfabeto? O QUE ACHA QUE SABE TUDO. 5. O que não dá mais para ser ensinado? O QUE FERE A CIDADANIA. 6. Quem está precisando de uma boa educação? A HUMANIDADE.

O auditor fiscal Felipe Brito chegou há pouco tempo em Cabrobó e já mostrou que o nosso São Francisco está só o filé para a prática da canoagem

7. Nestes 85 anos, qual cabroboense merece

9. O que não dá mais para aprender? PROMESSAS VAZIAS E ENGANOSAS. 10. O que não dá mais para se ensinar? TUDO QUE RETIRE DIREITOS E REPRIMA A LIBERDADE. 11. Quem precisa fazer o dever de casa? TODO GESTOR PÚBLICO E AS FAMÍLIAS. 12. Qual lição nunca deve ser esquecida? A DE SER ÉTICO E DO BEM.


32 - Folha da Cidade

FOLHA DA CIDADE

Cabrob贸, setembro de 2013


Folha da cidade 56