Projeto AVANTCRAFT - CEARTE - coleção Portuguesa

Page 1

Colecção DESIGN E TENDÊNCIAS DE MERCADO NO ARTESANATO

AvantCraft A força da persistência


Quatro países cruzam-se e encontram-se para exprimir, em objectos resultantes da fecundação da memória pela capacidade criadora de designers e artesãos, a sua própria identidade. No entanto, se perguntar pela identidade significa perguntar pelo que define algo ou alguém na sua especificidade histórica e cultural, tentar materializar plasticamente a identidade atlântica de quatro povos que fazem fronteira com o mesmo oceano parece uma tarefa impossível, um desafio sem âncora, cais ou destino.

A força da persistência: o mar à flor da pele o João Maria André Professor Universitário

m

Mas só até ao momento em que se descobre que a identidade não é estática nem monolítica, mas é dinâmica e plural, compósita e mestiça. Forma-se e transforma-se com o tempo nos fios, nos nós e nos laços em que se tecem encontros e desencontros, afectos e silêncios, percursos e projectos. Somos o que tocamos e o que nos toca. E somos as marcas, o que nos fica desse tacto e contacto com os outros, com o mundo e, porque não, também, com mar. Com a sua força em todas a sua metamorfoses. E se a Irlanda se deixa inebriar pela força da lírica, se a França se deixa atrair pela força da sedução, se a Espanha se envolve e se cria na força do , o v i m e n t o nós, neste canto ocidental da Europa, moldamos e moldamo-nos, esculpimos e esculpimo-nos, deixamo-nos esculpir pela força da persistência que o mar, num enlace de vento, água, sol e areia, nos vai ensinando nos caminhos do passado e nas clareiras do futuro. É a força da persistência que com o suor cava fundo as rugas do tempo na pele curtida pelo sal da maresia. É a força da persistência que inventa rendilhados de calcário no peito das pedras enfeitados de algas e conchas perdidas. É a força da persistência que rasga lentamente na erosão dos rochedos os fios dos seus segredos e nos dá nos búzios o sossego da música e o aconchego da luz. E é também a força da persistência que multiplica a espuma sobre a água e sobre a areia numa afirmação do efémero que se passeia pelas margens d a v i d a .

2

3


p

Dizer a nossa identidade atlântica, em permanente devir e numa tecelagem e r m a n e n t e , nos materiais que tocamos e que se moldam ao nosso toque como o barro, a porcelana ou a madeira, ao nosso sopro e à nossa respiração como o vidro, ao nosso tacto como o pano ou o papel, à solidez e ao brilho do que nos cega como o aço ou o ferro, é dizê-la na sua erosão, nas suas filigranas, nas suas composições, nas suas fragmentações coladas e sobrepostas em fracturas e variações oscilantes de simetrias incompletas, nos vestígios que ficam depois de passar a onda, depois de passar o sol, depois de passar o v e n t o .

É a força da persistência que com o suor cava fundo as rugas do tempo na pele curtida pelo sal da maresia.

Dizer a nossa identidade atlântica, compósita e mestiça é dizê-la no diálogo das cores, do amarelo e do ocre, do branco e do azul, do preto e do verde, do rosa e do castanho, e de todas as outras cores em todos os seus cambiantes. Mas dizer a nossa identidade atlântica através da força da persistência em diálogo com os que foram parceiros da nossa aventura, desta aventura e de todas as outras aventuras de que nos falam os mitos, as lendas e as histórias, é também deixar que a força da persistência se deixe contaminar pela força da lírica, encantar pela força da sedução e atravessar pela força do movimento. Somos o que tocamos e o que nos toca. A nossa identidade atlântica na força da persistência é tão simples e tão complexa quanto o oceano em que nascemos, que nos desperta, que nos rasgou enquanto o rasgámos para inventar o futuro e em que um dia havemos de adormecer. A nossa identidade atlântica é o mar à flor da pele. C J u n h o

o

i

m d e

b

r

a 2 0 0 7

4

5


As relações entre o artesão e a inovação, a formação e a criatividade mais que uma necessidade, são um imperativo e, afinal de contas, algo absolutamente natural. Com o objectivo de reforçar esta interacção, o CEARTE desenvolveu o Projecto Avantcraft, no âmbito da inovação e das tendências de mercado no artesanato, apoiado pelo Programa INTERREG. O Projecto AvantCraft - Jovens designers, novas formas, novos modos, novos tempos para a Cultura Atlântica, é um projecto apoiado pelo Interreg III-B (prioridade D - Cultura, Património e Turismo) que se desenvolveu ao longo de 2 anos e meio e se concretizou no desenvolvimento de acções em quatro países, no caso Portugal, Irlanda, França e Espanha. Em cada um destes países trabalhou uma instituição parceira - em Portugal o CEARTE - Centro de Formação Profissional do Artesanato, na Irlanda o Crafts Council of Ireland, em França a Association Pôle Regional des Métiers d'Art e em Espanha o Centro de Artesanía y Diseño de Lugo (Chefe de Fila).

Um projecto de inovação no artesanato AvantCraft CEARTE

Um projecto com as características e a ambição do Avantcraft ganha com o acompanhamento crítico e solidário das instituições que se preocupam com os desafios que o futuro traz às Artes e Ofícios.

c

o

É assim que o PPART - Programa para a Promoção dos Ofícios e das Micro Empresas Artesanais, o CRAT - Centro Regional de Artes Tradicionais, a FPAO Federação Portuguesa de Artes e Ofícios e ainda, embora informalmente o Centro Português de Design, foram os parceiros associados portugueses, n s t i t u i n d o uma massa crítica que tem como função fazer a avaliação permanente do projecto, quer quanto às questões que levanta, quer quanto aos seus resultados. Com este projecto, assente na inovação através de parceria artesão/ designer, na internacionalização e nas tendências de mercado o CEARTE procura contribuir para a necessária inovação qualificada, em parte significativa das produções artesanais. O objectivo é, utilizando as tecnologias adequadas, produzir artigos de alta qualidade e de elevado valor acrescentado, com forte imagem no mercado nacional e internacional.

6

7


O

b

j

e

c

t

i

v

o

s

Promover a imagem da identidade do Espaço Atlântico, através do design, do desenvolvimento e promoção de diversas colecções de produtos inspirados no património, cultura e paisagem atlântica. Melhorar a competitividade das unidades produtivas artesanais, através da parceria entre artesãos e designers, análise de tendências, incorporação de novas tecnologias, cooperação produtiva inter-regional e a promoção conjunta. Criar uma rede de cooperação entre centros de promoção de design e artesanato dos países participantes, para o desenvolvimento de actividades conjuntas no e âmbito do design, criação cultural e promoção de micro empresas.

Design tendências de mercado no artesanato

Uma experiência formativa : qualificação de artesãos em : análise de tendências e design : gestão empresarial : organização da produção : comercialização : promoção : cooperação

Uma experiência prática : melhoria da competitividade de um grupo de artesão

Uma experiência de futuro : as bases para a cooperação

• desenvolvimento de várias colecções de produtos inspirados na cultura e identidade a t l â n t i c a : : estudo de mercado : análise da cultura tradicional relacionada com o oceano atlântico : implementação de técnicas de design

• experiência prática de cooperação durante os workshops, favorecendo o estabelecimento de sinergias entre pequenos grupos com a f i n i d a d e s

• lançamento das colecções, estabelecendo novos canais comerciais, que permitam ace-der a públicos mais qualificados, através de: : elaboração de um plano de promoção regional, nacional e internacional • implementação de novas técnicas empre-sariais adaptadas ao novo conceito de micro empresa cultural : : gestão empresarial, organização da produção e comercialização • promoção da cooperação entre pequenos grupos de artesãos indústrias e designers

• modelo operativo de cooperação: : cooperações pontuais ou permanentes : cooperação em diversas áreas : análise de tendências : desenvolvimento de produto, comercialização e promoção

Acções

A primeira fase do projecto, 2005, consistiu na constituição de uma equipa de 16 artesãos e designers que, participando em workshops de 6 fins de semana apreenderam AvantCraft competências técnicas especificas ao nível dos mercados no artesanato. CEARTE Simultaneamente uma equipa de 4 designers residentes no CEARTE foi desenvolvendo todo o conceito de identidade do Espaço Atlântico, com base numa investigação dos elementos de natureza patrimonial, artística e simbólica de Portugal, virado para o mar, tendo-se chegado a um conceito final de força. Esta fase ficou concluída com a realização de um briefing para o desenvolvimento das colecções de produtos. A segunda fase decorreu durante todo o ano de 2006, em que ao grupo inicial se juntaram mais 7 novos artesãos, 7 designers e 3 empresas, que tendo por base a imagem da identidade atlântica e inspirados no conceito de Força - a Força da Persistência. Partindo das tecnologias tradicionais, integrando Inovação e Design conceberam e desenvolveram colecções de produtos dirigidas ao cliente tipo selecionado.

A terceira e última etapa deste projecto ficou reservada para 2007, consistindo no desenvolvimento de exposições promocionais da identidade atlântica e do conceito de Força da Persistência, bem como a organização de todas as questões de produção e comercialização destes novos produtos, com novo design e superior qualidade, com forte identidade local mas adaptados às tendências actuais globais, por parte dos artesãos e de pequenas empresas, em parceria com designers.

8

9


Conceito persistência AvantCraft

A colecção Avantcraft tem como objectivo a promoção e divulgação da Identidade Atlântica, que é algo comum a todos os parceiros do projecto. Esta promoção é feita através do desenvolvimento de diversas colecções de produtos inspirados no património, cultura e paisagem atlântica. O Oceano Atlântico, como elemento comum aos quatro países, difere dos outros mares pelas suas características próprias. O Atlântico é um oceano cinzento, violento, tempestuoso, forte… A força é o ponto de partida para o conceito desenvolvido por cada país, sendo que cada um tem uma forma específica de expressar e de se iden-tificar com o elemento força. É essa diferença entre culturas que nos aproxima e nos leva a transmitir os mesmos sentimentos de formas tão d i f e r e n t e s . Portugal sempre teve uma ligação muito forte ao mar. O Atlântico foi o caminho utilizado para dar novos mundos ao mundo, foi um local de grandes feitos, onde, como povo, perpetuámos a tenacidade, a cultura, o modo de ser, a persistência. É pois a força da persistência o conceito

10

11


Cada cliente é alguém individual, que, num mundo cada vez mais globalizado necessita de se afirmar junto dos outros, de se destaca na sociedade, de se sentir único. O cliente tipo que serviu de base ao processo de design e concepção da colecção Avantcraft, é um indivíduo de estilo informal, entre os 30 e os 50 anos, dinâmico e autêntico. Gosta de produtos modernos e simples, embora com alguns pormenores estéticos carregados. Este cliente informal maduro gosta da espontaneidade, de proClientevocar, gosta de jogo, de produtos modernos mas com toque de Tipo barroco. Procura objectos utilitários mas com valor simbólico que

contem

uma

história.

AvantCraft

Minimalismo Natural Rural

: : :

interactivo virtual

/ / /

Barroco A r t i fi c i a l Urbano

moderno

fresco espontâneo

solidário

simples

human

provocador

autêntic

minimal

barroco rural urban

artificial

natural 12


Participantes workshops

Colecção AvantCraft A força da persistência

COORDENAÇÃO INTERNACIONAL

Juan Carlos Santos COORDENAÇÃO NACIONAL

Luis Rocha Ana Cristina Mendes CEARTE COORDENAÇÃO DE DESIGN NACIONAL

João Pedro Amaral CEARTE DESIGNERS RESIDENTES

Filipe Coimbra Sónia Silva Sylvie Castro

dos formativos

Ana Martins

00351 964 177 471

Empresária Papel

anamartins@moinhodacarvalhagorda.pt

Carmo Requejo

00351 919 195 401 carmorequejo@netcabo.pt

Designer de Equipamento

Elisabete Antunes Designer de Equipamento

00351 914 312 827 e.antunes@portugalmail.pt

Illich Carpynteiro

00351 913 242 313

Designer de Equipamento

illicht@hotmail.com

Maria Pedro Olaio

00351 913 074 063

Ceramista

mpolaio@sapo.pt

Olga Seco

00351 965 877 050

Galerista

olgaseco@clix.pt

Pedro Góis

00351 969 013 649

Designer Gráfico

goisdesign@netcabo.pt

Ricardo Martins

00351 964 177 473

Empresário Papel

ricardomartins@moinhodacarvalhagorda.pt

Sandra Ferreira

00351 967 172 915

Ilustradora

sandra261974@yahoo.com

Sara Paiva

00351 919 683 045 sarapaiva@yahoo.com

Designer de Equipamento

Teresa Antunes

00351 965 586 850

Designer de Equipamento

tecas_mail@hotmail.com

14

15


16

17


filigrana_01

BRACELETE DESIGN

Sylvie Castro PRODUÇÃO

César Silva MATÉRIA-PRIMA

Prata TÉCNICA

Joalharia em prata DIMENSÃO

5mmx6x6 cm

César Silva nasceu em 1976 e vive e trabalha em Sobradelo da Gôma, Portugal. Trabalha no sector de Ourivesaria desde 1991, sendo sócio gerente da Abel Armando Silva. Fundada em 1958, como fabricante de Ourive-saria Tradicional Portuguesa, é hoje uma das firmas mais antigas de Póvoa de Lanhoso e de Portugal, e uma das poucas no sector a possuir Certificado de Ourivesaria Tradicio-nal, para as suas peças de filigrana. Estas, sempre foram a sua produção principal, mas ao longo dos anos foi implementando novos processos e um design próprio. Corôas, reli-cários, medalhas, alfinetes, colares, brincos, granitados, contas de vários modelos e tama-nhos, como também jóias exclusivas, são os seus artigos de maior produção. Foram muitos os modelos criados, sempre de cariz tradicio-nal, sem contudo esquecer as tendências dos últimos cinquenta anos e a arte milenar que expressa em cada peça. Criando e elaborando verdadeiras obras-de-arte, com mestria e gosto, traz até hoje a arte de outros tempos...

Abel Armando Silva, Lda Penas . Sobradelo da Gôma 4830 - 721 Póvoa de Lanhoso Portugal T 00351 253 941 304 F 00351 253 942 880 M 00351 967 678 824

18

19


filigrana_02 COLARES ALFINETE DESIGN

Sylvie Castro PRODUÇÃO

César Silva MATÉRIA-PRIMA

Prata TÉCNICA

Joalharia em prata DIMENSÃO Colar 1 5mmx5x4,5 cm Colar 2 5mmx4,5x6,5 cm Alfinete 1,5x5,5x6,5 cm

20

21


filigrana_03

ALFINETES DESIGN

Sylvie Castro PRODUÇÃO

César Silva MATÉRIA-PRIMA

Prata TÉCNICA

Joalharia em prata DIMENSÃO Alfinete 1 2x6,5x9 cm Alfinete 2 1x5,5cx7,5 cm Alfinete 3 2x6x7,5 cm

22

23


Livros da água OBJECTO LÚDICO

Água, vento, tempo, energia, força e permanência, modificação e conformação da matéria. Reinterpretar a natureza convocando-a para a co-autoria de cada um destes artefactos. DESIGN

João Nunes PRODUÇÃO

Moinho da Carvalha Gorda

Rua de Fez, 143 4150 - 239 Porto Portugal M 00351 936 198 312 E joaonunes@ca.ua.pt

João Nunes nasceu em 1951, em Vila Nova de Gaia, Portugal.

Moinho da Carvalha Gorda nasce em 1993, em Campia, Vouzela, Portugal.

Licenciado em Design Gráfico na FBAUP, Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto. Foi bolseiro da Fundação Calouste Gulbenkian e leccionou nas áreas da Foto-grafia e do Design. Fez parte da organização da: APDesigners, Icograda 95, Bienal Gráfica VN Cerveira 88, O fax é mensagem Porto 95, e de diversos. Participou em várias Exposições Internacionais em: Helsínquia, Paris, Sofia, Barcelona, Istambul, Tóquio, Kyoto, Hong Kong, Milão e Colorado. Tem os seus trabalhos publicados nas edições: Design and Designer, Who's Who in Graphic Design, Novum Graphik, Revista Gráfica e Communication Arts, How e Chain. Actualmente centra a sua investi-gação no design como ferramenta projectual para o desenvolvimento sustentável, no Craft Design, nas tecnologias tradicionais de baixa tecnologia e a sua reconfiguração para a pro-dução de objectos contemporâneos. É neste enfoque que lecciona actualmente no

O seu objectivo era recuperar a tradição europeia de fabrico de papel, perdida em Portugal no final do séc. XIX. Este método exige matérias-primas de qualidade, fibras têxteis naturais (algodão, linho ou cânhamo), divididas por cores e qualidades, que após a maceração na pilha holandesa se transforma em pasta de papel. O papel é direccionado para o mercado das Artes, sendo conhecido pela sua alta resistência, grande durabilidade e correcto ph. A preocupação ambiental é filosofia da empresa, com o aproveitamento de resíduos da indústria têxtil e a reutilização da água, tendo uma vocação social centrada na visita de milhares de alunos de escolas básicas, secundárias e universidades, bem como acções de formação e workshops. A empresa colabora, desde sempre, com os grandes eventos de arte em Portugal, Bienal de Arte de VN Cerveira, Bienal de Gravura da Amadora, Festival de Gravura de Évora e Encontro

de

Arte

Jovem.

24

25


Water books

NOVOS ARTEFACTOS PARA A CULTURA ATLÂNTICA A força da persistência e os objectos do atlântico. Objecto, do Latim objectu, lançado adiante s. m., tudo o que afecta os nossos sentidos; coisa material; corpo; matéria, assunto; fim; propósito; intenção; desígnio; agente DESIGN

João Nunes PRODUÇÃO

Moinho da Carvalha Gorda MATÉRIA-PRIMA

Moinho da Carvalha Gorda Papel para Artes, Lda 3670 - 057 Campia Portugal T 00351 232 750 070 F 00351 232 750 077 E geral@moinhodacarvalhagorda.pt

www.moinhodacarvalhagorda.pt

Algodão reciclado e materiais naturais encontrados na praia conformados pela força permanente da água. TÉCNICA

Papel produzido manualmente, 100% reciclado e ph neutro DIMENSÃO

4,5x19x19 cm

26 27


União de mares

CENTRO DE MESA DESIGN

Filipe Coimbra PRODUÇÃO

César Silva MATÉRIA-PRIMA

Madeira TÉCNICA

Marcenaria DIMENSÃO

8,5x30,5x41 cm

Carlos Simões nasceu em 1971, em Santiago de Besteiros, vive e trabalha no Caramulo, Portugal. Nascido numa família de marceneiros em que o avô era construtor de móveis e o seu pai um inovador, Carlos Simões cresceu à volta de madeira e ferramentas. Mais tarde decide investir na qualificação profissional na área da marcenaria, garantindo-lhe o aperfeiçoamento técnico que lhe permite abrir a sua oficina em 1997. O Baú do Artesão, é um espaço de divulgação e promoção do trabalho, de interacção com o público, de exploração do design das peças e das cores, face à variedade de madeiras, num contínuo investimento na produção de peças de maior criatividade e na participação em concursos de artesanato. Estas participações já lhe valeram um conjunto de prémios: 1º prémio e menção honroda da FARAV-Feira de Arte-sanato da Região de Aveiro 2004 e 1999 em artesanato criativo, menções honrosas na FIA em 2002 e 2004, além do 1º prémio do Concurso Jomar (1995). Em 2005, a peça Madeiras em Rosto e Forma, conquistou o 1º prémio da categoria de Artesanato Con-temporâneo, na 18º edição da F I A F e i r a Internacional do Artesanato, Lisboa 2005.

Baú do Artesão Avenida Dr. Abel Lacerda 3475 - 031 Caramulo Portugal

28

29


Puzzle

TOALHA DE MESA AUTOR

Filipe Faísca MATÉRIA-PRIMA

Burel TÉCNICA

Estampagem por flocagem DIMENSÃO

150x250 cm

Filipe Faísca vive e trabalha em Lisboa, Portugal. Licenciado em Design de Moda pelo IADE-Instituto de Artes Visuais e Marketing, de Lisboa em 1989, apresenta desde 2006 a marca Filipe Faísca na Moda Lisboa. Projectou e executou fardamentos, linhas de acessórios, guarda-roupas, vitrines e figurinos para: Lux Frágil, Estalagem do Sado, Bica do Sapato, Pap’açorda, Culturgest, Nosso Design, Ana Salazar, JotaFaísca, Jonatas, Têxtil Cabral, Svera, Fashion Clinic, Hermés Lisboa, TN D.Maria, Casa da Música, TN S.João, CC Belém, TN Almada, Culturgest, T Trindade, FCGulbenkian, Expo'98, Teatro+, Produções Off e TN S.Carlos, Corte de cabelo de Joaquim Sapinho, A vida não é Literatura de Susana Borges, Adão e Eva de Joaquim Leitão. Em 1993 foi assistente de Ana Salazar, tendo mais tarde aberto o seu próprio Atelier. De 1994-2006, lecciona a disciplina figurinos no Chapitô e desenvolve experimentações e styling, para: Lux, Vestir o Futuro Expo'98, Co-existências Experimenta Design, Barbie para Marie Claire e Qualquer semelhança é inevitável, exposição colectiva de design r e a d y - m a d e , em 1997, na Loja da Atalaia em Lisboa.

Calçada do Combro, 99 1200 - 112 Lisboa Portugal T/F 00351 213 420 699 M 00351 919 544 807

30

31


Saia das marés VESTUÁRIO

As marcas na areia que encontrava em miúdo nas praias ainda desertas pela manhã ESTILISTA

Fernando Nunes ARTESÃ TÊXTIL

Estela Melo MATÉRIA-PRIMA

Linho, algodão, organza TÉCNICA

Pintura, puxadinhos, bordados, felpos DIMENSÃO

100x100 cm

Fernando Nunes nasceu em 1963, vive e trabalha no Porto, Portugal.

Estela de Melo nasceu em 1967, em Aveiro, Portugal.

Fez a sua formação no CITEM - Porto, e depois de estágiar no CIM (Comité interna-cional de la mode) em Paris, regressa a Portugal em 1988, e inicia a docência de estilismo no CITEM-Porto. Em 1990 vai para a escola GUDI, actual EMP (Escola de Moda do Porto), onde ainda lecciona e coordena a disciplina de estilismo e os cursos de design de moda e modelação. De 1993 a 2004 colabora com o CEARTE em Coimbra na coordenação e formação dos cursos de artesão têxtil. Neste âmbito concebe peças contemporâneas, com base nos saberes de artesãos texteis do país, que se destacaram em exposições nacionais (Expo 98) e no resto da Europa. Projecta em 2003, o conceito e o design da colecção da marca de vestuário masculinoHelvetica. Em 2006 desenhou a colecção de Inverno 07/08 para a Dom Colletto, tendo sido o responsável pela imagem da empresa e das lojas. Actualmente é director criativo da colecção masculina Lion of Porches.

Em 1985 entra no curso de engenharia civil em Coimbra, onde mais tarde, em 2001, iniciou o curso de Artesão Têxtil no Cearte. Frequentou diversos cursos e workshops dentro da área têxtil em Portugal, Holanda e Inglaterra. Desde 2004 dedica-se à recria-ção Histórica, demonstrando o ciclo da lã em Portugal, Espanha e Itália. Participou como oradora no Colóquio Recriação Histórica e o Desenvolvimento Comunitário, sobre o tema Artesanato e Recriação em Óbidos. Em 2007 cria a marca Sótão dos Baloiços. M 00351 962 822 607 F 00351 239 707 131 E estela.melo@sapo.pt

M 00351 919 458 376 E fernandoaviz@tvtel.pt 32

33


Mensageiro SOLITÁRIO

A ideia para o projecto nasce do conceito “message in a bottle” e da cooperação entre design e artesanato. Com o recurso a avançadas tecnologias, foi possível desenvolver um novo conceito de produto. O Mensageiro pode ser um simples suporte para uma flor ou mensagem escrita. A sua superfície pode ser personalizada com texto. AUTOR

José Pombo MATÉRIA-PRIMA

Material compósito de base gesso revestido com uma resina. TÉCNICA

Prototipagem rápida, tecnologia 3D Printing. DIMENSÃO

23x5,5x7 cm

José Pombo nasceu em 1974, em Oeiras, P o r t u g a l . Pós-graduado em Design Materiais e Gestão de Produto, na Universidade de Aveiro. Licenciatura em Design Industrial, do IADE, Instituto de Artes Visuais, Design e Marketing, em 1999. Foi com a participação na Experimenta Design em 1999 que os primeiros projectos se tornaram conhecidos e desde então tem vindo desenvolver trabalho na área do Design e Engenharia de produto. Responsável pela área de modelos e protótipos, no CTCV, acompanha e desenvolve novos produtos dentro das diferentes estruturas, com recurso a avançadas ferramentas, combinando dife-rentes tecnologias. Coordena e desenvolve cursos de formação e consultoria externa na área da concepção e desenvolvimento de produto.

Rua Carlos Seixas, 215 - 2Esq 3030 - 177 Coimbra

34

35


Negros I

VASO CENTRO DE MESA VASOS PEQUENOS DESIGN

Sónia Silva Filipe Coimbra PRODUÇÃO

Olaria ArtAntiga MATÉRIA-PRIMA

Barro de Molelos TÉCNICA

Cerâmica Barros Negros DIMENSÃO Vaso 56,5x20x20 cm Centro 17x27x27 cm Vaso peq1 28,5x16,5x16,5 cm Vaso peq2 19x18,5x18,5 cm Vaso peq3 15,5x17x17 cm

Olaria ArtAntiga foi fundada em 1990, em Molelos, Tondela, Portugal. A empresa dos irmãos Luis e José Lourosa, pertence a uma nova geração de oleiros, foi criada em 1990 pelo irmão Luis, a que se junta o irmão José em 1992, quando inicia a actividade na mesma olaria. Ao longo destes anos tem estado em algumas feiras de artesanato e em exposições no país e no estrangeiro, nomeadamente Luxemburgo, Suíça e Alemanha. Num mercado cada vez mais competitivo procuram novas abor-dagens e estilos. A perfeição do acabamento, a sofisticação das formas e o empenho posto na sua promoção, fazem com que as suas produções conquistem um lugar de des-taque na promoção turística da Freguesia de Molelos.

Olaria ArtAntiga Rua das Raposeiras, 139 Molelos . 1470 - 223 Tondela Portugal

36

37


Negros II

CENTRO DE MESA AUTOR

Carlos Lima MATÉRIA-PRIMA

Barro de Molelos TÉCNICA

Carlos Lima e Alexandra Monteiro vivem e trabalham em Molelos, Tondela, Portugal.

Cerâmica Barros Negros DIMENSÃO

20,5x30,5x56,5 cm

A sua oficina é designada por Barraca dos Oleiros e fica em Molelos, um dos últimos lugares onde ainda se fabrica cerâmica pelo processo de cozedura redutora que permite obter objectos de barro negro, brilhantes e suaves ao tacto, com uma fase de acabamento minucioso que lhes dá um aspecto perfeito e belo. Para eles o futuro está na inovação, mantendo os acabamentos tradicionais da arte de Molelos, estes artistas apresentam formas arrojadas e invulgares tirando partido das técnicas tradicionais, numa actividade que conta com cerca de uma dezena de oleiros nesta aldeia. A inovação artística passa tam-bém por experiências inéditas na composição da matéria-prima e na utilização da técnica de queima tradicional oriental Raku. Premiados por diversas vezes, tem conseguido fazer a transição entre a tradição cultural da região e a sua arte.

Barraca dos Oleiros Rua das Silhas, 56 . Molelos 3460 - 244 Tondela Portugal T 00351 232 822 736 M 00351 962 569 024 E lima.xana@sapo.pt

38

39


Negros III

VASOS CENTRO DE MESA AUTOR

Alexandra Monteiro MATÉRIA-PRIMA

Barro de Molelos TÉCNICA

Cerâmica Barros Negros DIMENSÃO Vaso 1 41,5x21x21 cm Vaso 2 17x43x43 cm Centro 21,5x29x44,5 cm

40

41


Cerâmica_01 CANDEEIRO AUTOR

Georgina Queiroz MATÉRIA-PRIMA

Barro TÉCNICA

Modelação Cerâmica DIMENSÃO

43x44x38 cm

Georgina Queiroz nasceu em 1970, em O v a r, Portugal. Trabalha desde 1989 na área de Cerâmica, no seu próprio Atelier quando recuperou uma das mais antigas olarias de Ovar. Nesse ano inicia a sua formação especifica nas diversas áreas: Olaria de Roda, Design Cerâmico, Gestão e Marketing, Cristalização e Reflexos Metálicos, Rakú, Escultura e Murais Cerâmicos, Pastas e Vidrados, entre outras. Dá formação nestas áreas em diversas instituições, como: Cearte-Coimbra e Aveiro, DG de Educação, IEFP, Cencal, EP de Aveiro, entre outros. Tem participado em exposições, individuais e cole-ctivas, em Aveiro, Viana do Castelo, Coimbra, Lisboa, Barcelona, Batalha, S. Martinho do Porto, Ovar, Porto, Braga e Guimarães, e nas Jornadas de Artesanato Ibérico em Barce-lona e no Festival Imaginarius na Feira. Em 1995 ganha, o Prémio Regional de Artesanato Moderno, no âmbito do Concurso Nacional de Artesanato do Instituto do Emprego e Formação Profissional.

Loja Olaria O Caco Avenida da Régua, 197-199 3880 - 001 Ovar Portugal

42

43


Cerâmica_04

CENTRO DE MESA DESIGN

Sónia Silva Filipe Coimbra PRODUÇÃO

Georgina Queiroz MATÉRIA-PRIMA

Barro TÉCNICA

Modelação Cerâmica DIMENSÃO

21x44x44 cm

Cerâmica_02/_03 CANDEEIROS DIMENSÃO _02 40x46x64 cm _03 7x40x40 cm

44

45


Naturartemente

CANDEEIRO DE MESA JARRA DUPLA

A força criadora/renovadora do mar modela a forma no seu todo e também as frestas de luz. O homem intervém e, a seu prazer, escolhe a projecção de luz no plano. Os elemento erosivos naturais modelam as formas numa poesia própria e indelével. Da acção conjunta (enlace) destes elementos, as jarras se articulam e desenvolvem numa relação simbiótica. AUTOR

Diamanatino Abreu MATÉRIA

Faiança e poliester TÉCNICA

Versado e vidragem DIMENSÃO

Diamantino Abreu nasceu em 1960, em Lisboa, Portugal. Licenciado em Design Industrial IADE Instituto de Artes Visuais e Marketing, de Lisboa em 1998, Mestre em Comunicação Educacional Multimédia pela Universidade Aberta de Lisboa em 2003. Divide a sua actividade entre o Ensino, Formação Profis-sional, Design de Produto, Design de Exposi-ções e Maquetista. A responsabilidade do Design no gerar de vias para a requalificação e reposicionamento de saberes e os saberes--fazer intrínsecos a uma cultura, região e país integrados numa economia global, sempre foram preocupações que nesta participação no Projecto Avantcraft vem tentar responder.

Rua Miguel Bombarda, 55 Outeiro de Polima 2785 - 602 São Domingos de Rana Portugal T 00351 214 445 642 M 00351 917 818 585

Candeiro 40x38x25 cm Jarra 28x16x16 cm

46

47


Byssi JARRA

A ideia deste projecto nasce do conceito de intervenção, com um jogo de sobreposição de outro material “plástico”, limitando apenas uma face como elemento/ vector de Força na criação de uma nova identidade humanizada. O material utilizado é vidro texturado, prata ou têxtil, formando uma camada que permite personalizar e animar cada peça. Com uma estrutura formal assimétrica esta jarra assume intencionalmente a sua função de “solitário”. DESIGN

Carla Rebelo PRODUÇÃO

Jomazé MATÉRIA

Cerâmica / Faiança TÉCNICA

Processo de enchimento DIMENSÃO

61x34x18 cm

Rua Manuel Mafra, 75 4ºA 2500 - 825 Caldas da Rainha Portugal F 00351 262 842 884 M 00351 968 142 372 E carla.s.rebelo@gmail.com

Carla Rebelo nasceu em 1974, nas Caldas da Rainha, Portugal.

Jomazé nasce em 1979, em Póvoa - Cós, Alcobaça, Portugal.

Licenciada em Design Industrial, pela ESAD nas Caldas da Rainha em 1996 e especia-lização em Cerâmica para Designers, pelo Cencal em 1997. As suas áreas de intervenção centram-se em Design de Produto para Cerâmica, Vidro, Mobiliário Infantil e Cute-laria, tendo realizado projectos de Design de Interiores, na área comercial e expositiva e em Design de Ambientes, em projectos de cenário televisivo em co-autoria. Trabalhou na empresa Secam-International Agencies, tendo desenvolvido produtos para clientes e conceitos para colecção própria. Inicia em 2003, a colaboração com a empresa Jomazé-Faianças Artísticas e Decorativas de Alcobaça, e em 2005 cria a sua marca própria, Zumkids, dedicada ao mobiliário infantil. Menção Hon-rosa no Jovem Designer 96, Cenário de refeição no avião, FIL-CERAMEX, participou no Fórum Tendências 2001, no catálogo Best Of 2003, pelo Centro Português de Design, com MOOD line de cerâmica e no Fórum de Produtos INOVA, na FIL em 2003.

Integrada numa região de grande tradição na área da cerâmica artística e decorativa, desde os monges de Cister, teve como obje-ctivo trabalhar e valorizar as técnicas tradi-cionais da cerâmica decorativa. O conceito de produto esteve sempre subjacente á criação da empresa, apostando no desen-volvimento constante de novas técnicas de pintura, novos acabamentos, novos métodos produtivos, assumindo assim uma filosofia de inovação. Actualmente a Jomazé exporta 90% da sua produção para worldwide, com um forte mercado na Europa e EUA, sendo os seus clientes, cadeias de distribuição e lojas de Design. Face ao mercado global e competitivo actual, a Jomazé assume o Design e a Inovação como parcerias para o sucesso de futuro de novos conceitos, colaborando com a Mglass e com outros Jomazé, Lda eventos na região. Rua das Barrias, 60 . Póvoa Apartado 181 . 2461 - 997 Alcobaça Portugal T/F 00351 232 540 120/ 129 E comercial@jomaze.pt

www.jomaze.pt 48

49


Bymi

CANDEEIROS Este projecto nasce do conceito de erosão, através do jogo de desgaste da peça, provocada pelo efeito da força do mar, a Espuma. A sobreposição de outro material “plástico” limitado apenas à secção da erosão é também elemento de criação de uma nova identidade. O material a utilizar poderá ser vidro texturado, prata ou têxtil, sendo este o elemento que personaliza cada peça. Com uma estrutura formal orgânica assume intencionalmente a sua função decorativa. DESIGN

Carla Rebelo PRODUÇÃO

Jomazé MATÉRIA

Cerâmica / Faiança TÉCNICA

Processo de enchimento DIMENSÃO

40x40x40 cm

50

51


Deep

TAÇA VASO PEQUENO A cor como factor de relação intima do mar com a areia, num conjunto de emoções e sensações de profundidade e erosão. DESIGN

Sara Paiva PRODUÇÃO

Jasmim Glass Studio MATÉRIA

Vidro ecológico Jasmim TÉCNICA

Vidro soprado manual em doublé DIMENSÃO Taça 7,5x25x25 cm Vaso pequeno 19,5x26x26 cm

Sara Paiva nasceu em 1978, em Lisboa, P o r t u g a l .

Jasmim Glass Studio foi fundada em 1996, na Marinha Grande, Portugal.

Licenciada em Arquitectura de Design pela Faculdade de Arquitectura de Lisboa, em 2002, aposta na formação profissional, fre-quentando cursos de vidro e design no Crisform e na Vitroricerca em Bolzano, Itália. Colabora regularmente com o Jasmim Glass Studio na criação e desenvolvimento de novas colecções. Desenvolveu igualmente colecções para a marca Marinha Grande MGlass. Dedica-se também ao estudo e desenvolvimento de técnicas de trabalho em vidro como o Sand Casting, Fusing e Patê--de-Verre, áreas em que também é formadora profissional. As suas peças têm estado expostas em Feiras do Sector, nacionais e internacionais, como a Maison & Object em Paris e a Hoters em Tóquio.

O seu principal objectivo era o de retomar a tradição do vidro português e fazer renas-cer, embora com tecnologia moderna, a Arte e o Engenho Vidreiro. Soprado por cana e sem moldes, este vidro é modelado pelas mãos de Mestres Vidreiros, com a aju-da de instrumentos manuais. O que significa que não existem, duas peças exactamente iguais, mas muito semelhantes. É um vidro com grande brilho e transparência. O domí-nio da cor, com múltiplas combinações, bem como a inovação através introdução de novos materiais, permite a execução de peças de-corativas de rara beleza. O contacto estreito com artistas, universidades e clientes tor-nam-no um espaço único de intercâmbio de conhecimentos.

Rua do Emigrante, 28 2430 - 807 Vieira de Leiria Portugal M 00351 919 683 045 E sarapaiva@yahoo.com

52

53


Black

JARRA CENTRO DE MESA PRATO DECORATIVO Representa o processo de erosão pelo desgaste de uma camada de cor, deixando a descoberto a transparência própria do vidro. DESIGN

Sara Paiva PRODUÇÃO

Jasmim Glass Studio

Jasmim Glass Studio Estrada de Leiria, 227 2430 - 901 Marinha Grande Portugal T 00351 244 575 590 F 00351 244 575 591 E info@jasmimglass.com

www.jasmimglass.com

MATÉRIA

Vidro ecológico Jasmim TÉCNICA

Vidro soprado manual em doublé com gravação a jacto de areia DIMENSÃO Jarra 28,5x3x18,5 cm Centro 11,5x43,5x43,5cm Prato 20x40x40 cm

54

55


Look Beyond JARRA PRATO DECORATIVO

O “rasgar” da cor, único e irrepetível como o desgaste progressivo de uma fina camada mostra-nos o que há para além do óbvio. DESIGN

Sara Paiva PRODUÇÃO

Jasmim Glass Studio MATÉRIA

Vidro ecológico Jasmim TÉCNICA

Vidro soprado manual em doublé tipo cracclé DIMENSÃO Jarra 45,5x13x23 cm Prato 13x46,5x46,5 cm

56

57


Bolha de Água DECORAÇÃO

Reprodução de uma bolha de água executada com a técnica de fusão de vidro. DESIGN

Sónia Silva PRODUÇÃO

Mónica Faverio MATÉRIA

Vidro TÉCNICA

Casting DIMENSÃO

Diâmetr0 40 cm

Monica Faverio nasceu em 1963, em Como, Itália. É Maestra d'Arte - Curso de Desenho, pelo Instituto d'Arte di Cantú, tendo mais tarde completado a sua formação com diferentes cursos de fusão de vidro com vários artistas internacionais. De 1980 até 1986 dedica-se à criação de desenho textil, passando a dé-cada de 90 a realizar vários trabalhos em vitral cravado a chumbo e em fusão de vidro. De 1999 até 2001, foi Assistente Estagiária nas disciplinas de Vitral e Mosaico do curso de Pintura da Escola Universitária das Artes de Coimbra. Participa desde 2002 na Bienal de arte do vidro da Marinha Grande e em várias exposições em Itália e Potugal. É formadora n0 Cearte-Coimbra, desde 2006.

Rua da Fonte, 93 4480 - 480 Tougues Vila do Conde Portugal M 00351 968

294 339

58

59


Comunicação Social

Programa Iniciativa, da RTP2, dia 06 de Maio de 2006 (10‘) Programa Portugal em Debate, da RTPN, dia 03 de Janeiro de 2007 (20’) Programa Iniciativa, da RTP2, dia 28 de Junho de 2007 Revista Mãos nº 27 / 28

Exposições

AvantCraft

Revista Mãos nº 29 Agência Lusa, em 10 de Março de 2007 Catálogo Feira Nacional do Artesanato de Vila do Conde 2006 Catálogo FIA 2006

IRLANDA

Crafts Council of Irland 21 abril - 20 maio 2007 . Kilkenny

Catálogo FIA 2007 Vários Apontamentos Curtos, em diversas estações de rádio Diário de Coimbra, do dia 25 de Setembro de 2005 (apresentação do projecto)

FRANÇA

Pôle Regional dês Métiers d’Art 29 maio - 3 junho 2007 . Paris PORTUGAL

Diário as Beiras, do dia 26 de Setembro de 2005 (apresentação do projecto) O Primeiro de Janeiro, do dia 08 de Março de 2006 Diário as Beiras, do dia 07 de Abril de 2006

Centro de Formação Profissional do Artesanato 23 junho - 1 julho 2007 . Lisboa ESPANHA

Centro de Artesanía e Diseño 6 setembro - 14 outubro 2007 . Lugo

60

61


EDIÇÃO

CEARTE Centro de Formação Profissional do Artesanato COORDENAÇÃO

Luis Rocha Ana Cristina Mendes João Pedro Amaral DESIGN GRÁFICO

O presente catálogo mostra um conjunto de produções artesanais desenvolvidas em parceria entre Artesãos e Designers no âmbito do Projecto Avantcraft liderado pelo CEARTE. Apresenta-se o conceito (Identidade Atlântica) os objectivos, a metodologia, o cliente-alvo da colecção (encontrado com base nas tendências de mercado mais recentes), dá-se relevo aos actores - os Artesãos, as micro-empresas e os Designers envolvidos e divulgam-se as peças/colecções produzidas na área da Cerâmica, do Vidro, do Papel, dos Têxteis, da Madeira, das Resinas e da Joalharia.

Pedro Góis / góisdesign

Colecção AvantCraft A força da persistência

FOTOGRAFIA

José Menezes Luís de Barros / foto Filipe Faísca Avant Craft / participantes Acervo fotográfico recolhido durante o projecto. TIPOGRAFIA

Scala Sans New Century Schoolbook PAPEL

Creator Silk 170/250 gr IMPRESSÃO

Vistas Largas

Nota Final Luís Rocha Director do CEARTE

O CEARTE procura demonstrar que o trabalho conjunto entre Designer e Artesão imprime novas dinâmicas, estimula a experimentação, busca a excelência e, assente na informação sobre os mercados e as grandes tendências, conduz à necessária inovação nas artes e ofícios. Inovação que não é (não pode ser) um fim em si mesmo mas sim um caminho para fortalecer e desenvolver o sector e garantir o seu futuro. O artesanato português tem que “marcar pontos” não pelos preços baixos mas pela diferençiação, pela qualidade e pela excelência das produções. Para isto é necessário investir em três áreas estratégicas: Tecnologias da Produção, Mercado e Design/ Inovação. Associar o artesanato às tendências de mercado e à inovação é certamente contribuir para a competitividade do sector. É abrir caminhos de futuro.

TIRAGEM

1500 Exemplares

© 2007 CEARTE 1ª Edição, Junho de 2007 Reservados todos os direitos. Proibida a reprodução, total ou parcial, por qualquer forma, do texto ou das ilustrações sem autorização por escrito, dos editores.

Projectos como o AvantCraft procuram ser uma via, uma alavanca para a inovação e o desenvolvimento no artesanato, fundamentalmente porque ao dotar o artesão de mais competências o torna mais qualificado e mais competitivo. Mostra-se um caminho, não passível de ser aplicado do mesmo modo em todas as produções, mas certamente um caminho de futuro para parte significativa das produções artesanais.

62

63


SEDE

Zona Industrial da Pedrulha Apartado 8146 3021 - 901 Coimbra Portugal T 00351 239 497 200 F 00351 239 492 293 E geral@cearte.pt

Centro de Formação Profissional do Artesanato Formação com futuro

PÓLO DE FORMAÇÃO DE SEMIDE

Semide - Miranda do Corvo 3220 - 423 Semide Portugal T 00351 239 540 140 F 00351 239 542 097 E semide@cearte.pt PÓLO DE FORMAÇÃO DE CABAÇOS

Rua José Ribeiro Carvalho Cabaços - Alvaiázere 3250 - 359 Pussos Portugal T 00351 236 636 489 F 00351 236 631 607 E cabacos@cearte.pt

www.cearte.pt

Parceiros Associados PPART Programa para a Promoção dos Ofícios e das Microempresas Artesanais FPAO Federação Portuguesa de Artes e Ofícios CRAT Centro Regional de Artes Tradicionais

Elaborado no âmbito do Projecto AvantCraft - Jovens designers, novas formas, novos modos, novos tempos para a Cultura Atlântica. Referência 158. Avec la participation de l’Union Européene • Project co-financé par le FEDER Supported by the European Union • Project co-financed by the ERDF Com a partcipação da União Europeia • Projecto co-financiado pelo FEDER Con la participación de la Unión Europea • Proyecto co-financiado por el