Issuu on Google+

Foi Saimon quem lamentou: "Não adianta procurar o Fábio em nós. Não adianta procurá-lo em mim, procurá-lo no Eduardo, procurá-lo no Geraldo: o Fábio é insubstituível". Era a primeira pregação do Green após os funerais, há seis anos. Olhos inchados e vozes embargadas ainda permaneceriam em muitos corações, por muitos dias de perseverança, e muitas noites de gemidos e lamentos. A vida continuava, mas tornara-se mais difícil sem o Fábio, sem o Fábio em nós. Por que ele nos faz tanta falta? Talvez por ter sido tão inteiro. Não, ele não era um anjo, graças a Deus. Vivia com intensidade as benevolências e mazelas da sua humanidade, sempre tentando aprumá-las sob a graça divina. Era inteiro nos defeitos: como criança, não escondia, não simulava e, como cristão verdadeiro, rapidamente se arrependia e pedia perdão antes do nascer do sol. Era inteiro nos afetos: interessava-se pelas pessoas, não fazia acepção, levava para casa, materializava o carinho presenteando sempre com um livro, um CD, uma roupa. Era desprentencioso, desinteresseiro, desprendido, de coração humilde, aberto, fraterno; tão acolhedor que acolhia também pessoas que eram menos gente, oportunistas, egocêntricas.... mas... não guardava nenhuma mágoa no coração. Seu único ressentimento era a eventual perda do convívio de pessoas que ele julgava terem sido seus amigos. Fábio não sofria pelas eventuais traições, mas pelos abandonos. Mas, por que uma pessoa tão querida, tão amada, e com tantos amigos, sofria a falta daqueles que o deixavam? Porque, como Deus, ele amava de verdade. Mas nenhuma "pedra no caminho" conseguiu apagar o brilho de sua vida que, nos sorrisos, nas brincadeiras e no amor palpável, sempre nos convidava: "Quem deseja ser criança? Vem mergulhar no pulsar do coração de Deus" Muitas vezes - no Shopping Cidade, no Matriz, nas músicas da S8, na capa de vinil do Mortification, no ônibus a caminho do Ajuntamento das Tribos, na Praça Sete, passando pela barragem da Pampulha, no vazio do aquário grande que guardei, na imensidão das nuvens, nas janelas dos...


...aviões, no silêncio doloroso e elegante de Natan e Judá, na dignidade, coragem e beleza da Tânia, ainda ouço a voz do Saimon: "Não adianta procurar..." O poeta que escreveu o livro de Jó derrama a ancestralidade da mesma angústia, a busca de algo mais valioso que o ouro fino de Ofir, mais precioso que o ônix, que não pode ser comparado ao cristal e ao coral, cujo preço está além dos rubis, que não se lhe iguala o topázio da Etiópia: "Onde se achará a sabedoria? Não se pode encontrá-la na terra dos viventes. O abismo diz: Não está em mim. O mar diz: Ela não está comigo. A destruição e a morte dizem: Ouvimos com os nossos ouvidos a sua fama". Fábio gostava da natureza, das montanhas que adornam o horizonte. Mas não o procuremos lá, o abismo já confessou: "Não está em mim". Nascido no litoral atlântico, Fábio amava se banhar nas praias, era sempre o primeiro a entrar e o último a sair. Mas, lamento, o mar também sussura: "Ele não está comigo". A destruição o odiou, porque o Espírito do Senhor Deus estava sobre ele, restaurando os contritos de coração, proclamando liberdade aos cativos e abertura de prisão aos presos, consolando os tristes". A morte ouviu com seus ouvidos a sua fama; perseguiu, fustigou, mas não conseguiu detê-lo. Assim como a sabedoria, Fábio está solto, eterno, vive na plenitude de Deus! Precisamos orar ao Pai, pedindo-lhe que mais sementes do seu amor, plantadas nas nossas vidas pela vida do nosso amigo, do nosso irmão, possam florescer em nós, para que os dias sejam mais felizes. CITAÇÕES: Carlos Drummond, Música da S8, Jó 28, Isaías 61.

"O eva


ta, do Beto Ferris. Jornalis Mãe da Dakota. Esposa emiótica e especialização tura e S com mestrado em Litera de desta conhecendo a comunida ia da No . ral u t l Cu em Gestão ór st hi a d um pouco mais semana, vamos conhecer er Brenda. nte Brenda sonhava em s Quando criança e adolesce queria sair, viajar, coisas tureiro adulta, com espírito aven o. Sua não se pode fazer sozinh idade, s ano 18 dos s e t n a e qu de s ano 6 s o a oi f Jesus primeira experiência com rios questionamentos e acabou vá dos 11 aos 13, passou por as jamais deixou de crer em m se afastando um pouco, do Cristo. Refúgio em 1994, quan Começou a frequentar o sa", é membro da Caverna averno tinha 14 anos, “sou pré-c u por todas as mudanças. “São o ss Pa . o çã da un f a desde a su ste delas ia e de tristeza. A mais tri muitas histórias de alegr não estão mais entre nós, tanto já foram às perdas dos que egar, como das do Pr. Fábio e gr por terem parado de con . o” nh i no do Ricard hado como voluntária Atualmente tem trabal dade ni u t r po o e o i af des um o sid Projeto Reconstruir. “Tem eles”. Gosta de trabalhar com de ensinar e aprender com e idealiza desenvolver um s, crianças e adolescente “Penso que seria interessante . trabalho artístico com eles as crianças e adolescentes: de m o c co i t s í art po ter um gru música, dança e poesia”. a em agosto de 2012 trouxe A chegada de Dakot a Deus da Brenda, que hoje pede grande significado a vida “Sinto que muitas lutas que eu a. muita sabedoria pra cria-l o para gada da Dakota, que vei tinha passaram com a che através de sua vida podemos , profetizar VIDA em nós ”. perceber o milagre de Deus hos destaca, principalmente, Dentre seus diversos son toda a Deus sempre, e de ver “ compartilhar o amor de ando no egr al se e os t un j s u De minha família servindo a Dakota”. Brenda pede oração e gozo do Senhor: Eu, Beto por seu marido e também para al i c e p es m e a, i l í m a f por sua de sua r ao Senhor todos os dias que Dakota possa louva sto. Cri vida e irradiar o brilho de


BAZAR RECONSTRUIR


Boletim 577