Issuu on Google+

Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 1

DISTRIBUIÇÃO

GRATUITA 20.000 EXEMPLARES

Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores I Salvador - Bahia http://www.canal2.com.br/nossobairro/

I

Ano I - Nº 2

Semáforos e agências bancárias são principais alvos dos bandidos na região

Hulk e novo suspense do criador de O Sexto Sentido são destaques em junho

Página 7

Página 30

NÃO FIQUE FORA DESSA! Cadastre-se e re ba totalmente gráce ti s o Jornal Nosso B em casa. Saiba coairro na página 13. mo

LUCAS SILVA

Itaigara e Caminho das Árvores não existem oficialmente ARQUIVO

Os conhecidos limites de bairro de Salvador foram instituídos pela Lei Municipal nº. 1.038, de 1960. O assessor chefe da Superintendência do Meio Ambiente (SMA), Adalberto Bulhões, afirma que a base de bairro da cidade adotada nessa época compreende apenas 32 bairros e ainda é utilizada pela prefeitura, que também leva em consideração as novas localidades que se consolidaram adjacentes a esses bairros. Ainda de acordo com essa lei, localidades como Caminho das Árvores, Itaigara e Iguatemi não existem enquanto bairro, são constituintes da Pituba. Bulhões reitera que, para tentar suprir essa distorção para uma cidade que sofreu um considerável crescimento, o IBGE caracteriza hoje 206 bairros, enquanto que os Correios trabalham com 186. Página 4

Barraqueiros desaprovam novos contentores de lixo Caminho das Árvores, segundo a lei, não é um bairro

SEGURANÇA

Bandidos vigiam o Parque da Cidade LUCAS SILVA

Os apreciadores de uma agradável caminhada no Parque da Cidade estão sendo “vigiados”. De acordo com freqüentadores, assaltantes que residem nas comunidades atrás da reserva têm uma vista privilegiada do local, o que facilita a ação de furtos na área. Mário Mamede, gerente de Parques e Hortos da SPJ (Superintendência de Parques e Jardins) explica que os assaltos costumam ocorrer na Av. ACM e que o parque serve apenas como rota de fuga para os bandidos. “Como eles correm para dentro do parque, as pessoas pensam que os delitos ocorrem aqui dentro”, reitera.

Dois semáforos da ACM serão desativados Até o final de junho, uma nova passarela na Avenida ACM – imediações da Petrobrás – estará em uso, permitindo a desativação de dois semáforos localizados nas duas pistas. A obra está sendo construída pela Desal (Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador) e terá 120 metros de extensão, além de duas rampas e dois pilares. Página 11

Assaltantes têm uma vista privilegiada nas comunidades atrás da reserva

Diariamente, 12 policiais da COPPA fazem patrulhamento no parque, como informa o Major PM Claudecy Vieira. Apesar do trabalho intenso dos

oficiais, Vieira reconhece que o efetivo ideal para a região do parque deveria ser composto por 30 homens. Página 6

Entretenimento e Cultura Paixão por quatro rodas

Guia Onde Ir, com bares,

O "antigomobilismo" é mais que uma tradição, é um sentimento que só os aficionados por automóveis entendem. Página 26

restaurantes e cafés localizados na região da Pituba, Caminho das Árvores e Itaigara. Confira!

São João no Nordeste é arretado de bom

Programação dos teatros

Confira a programação do interior da Bahia e na capital . Página 25

Lançamentos em DVD

A Limpurb distribuiu no mês de maio 408 novos contentores de lixo por toda a orla de Salvador, do Porto da Barra até a praia do Flamengo. Os barraqueiros, porém, reclamam acerca da falta de rodas dos equipamentos, o que dificulta o trabalho de transportar os contentores da areia para a calçada. Página 11

Clube Português pode virar um oceanário No dia 19 de maio começou a apuração das 22 urnas distribuídas em 18 pontos da Pituba para decidir o destino da área do antigo Clube Português, demolido no ano passado pela prefeitura. Na data foi realizada na Igreja Nossa Senhora da Luz a abertura simbólica da primeira urna por autoridades municipais, o frei Paulo Avelino Gomes, da paróquia Nossa Senhora da Luz, e moradores. Segundo apuração parcial das urnas, a opção por um oceanário tem sido a mais indicada. Página 9

Administrações Regionais. O que é isso? Apesar de existir a mais de duas décadas, a maioria da população desconhece o trabalho das Administrações Regionais. A falta de divulgação a respeito desse órgão da prefeitura é um dos principais fatores para a ausência de informação dos moradores. As Administrações Regionais (AR) têm como finalidade representar o Governo Municipal no domínio das respectivas regiões, descentralizando as atividades e serviços de interesse público, de modo a garantir maior eficácia na prestação dos serviços e com o intuito de aproximar a prefeitura e o cidadão. Página 8


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

2

I

04.07.08

09:34

INSTITUCIONAL

Page 2

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Destaque

Editorial Chegamos à segunda edição! E com muita satisfação pelo resultado positivo que obtivemos graças a você, caro leitor, que comentou, elogiou, ligou, enviou e-mails ou apenas leu o Nosso Bairro. E por falar em nosso bairro, a região da Pituba tem sido alvo de algumas manchetes negativas na imprensa soteropolitana. Crime passional, roubo de joalheria em Shopping Center, acusação de invasão de privacidade em supermercado, demolição de uma escola infantil por uma grande construtora que está realizando um novo empreendimento imobiliário ao lado, rachadura na Avenida ACM em frente ao Parque da Cidade, seqüestro terminado em morte, cujo cadáver foi encontrado com 10 tiros em um bairro próximo, entre outras coisas. Fora os já freqüentes, infelizmente, assaltos e furtos de veículos e pedestres, o aumento de moradores de rua e os transtornos com as obras realizadas na orla e no antigo Clube Português. O que está acontecendo com a nossa região? O que nós, moradores e freqüentadores da Pituba podemos fazer a respeito? Nos trancar dentro de casa? Fingir que não está acontecendo nada? Não podemos simplesmente ignorar os fatos. A Pituba tem

vivido numa falsa ilusão de bem estar comum. As pessoas só se importam com o que acontece dentro de suas próprias casas, esquecendo que os fatos ocorridos fora influenciam bastante a vida delas. Como hoje em dia não colocar a bolsa atrás do banco ou no chão? Como não ter um carro com os vidros escurecidos para evitar que o bandido veja dentro? Ou tremer de medo cada vez que passa uma pessoa de bicicleta? Ou ainda ver lixos espalhados pelas ruas com mau cheiro e não ficar enojado? Não podemos nos acomodar só porque vivemos numa cidade grande. A criminalidade e a ineficiência do bairro não podem ser consideradas “normais”. Tem que ser denunciadas, reprimidas, combatidas. E a população não pode apenas cruzar os braços e esperar que a polícia e o poder público façam alguma coisa. Vamos discutir, sugerir soluções, expor os problemas abertamente e cobrar por resultados. O jornal Nosso Bairro é uma ferramenta para buscarmos alternativas. Afinal de contas, é como diz o ditado: A união faz a força! Boa leitura.

Prefeito João Henrique e Frei Paulo, da Paróquia Nossa Senhora da Luz, prestigiam o jornal Nosso Bairro na abertura simbólica das urnas do Clube Português

Carta do Leitor Gostaria de parabenizar pelo conteúdo do jornal lançado. Há tempos que a Pituba precisa de um jornal assim. Sou morador da Pituba desde 1983. Com o final do Clube Português eu fui um dos que lançou a idéia de instalar um oceanário. Há duas opções que estão sendo mais votadas na enquete da prefeitura: o oceanário e uma biblioteca. Acho que a prefeitura poderia construir um oceanário e instalar uma biblioteca com temas voltados para o mar. Marcos Oliveira por e-mail.

A Redação

Canal 2 Comunicação e Eventos Ltda. Rua Rio de Janeiro, 342 - Pituba, CEP - 41.820-000 Telefones: (71) 3344-1911/2416 E-mail: contato@canal2.com.br Website: www.canal2.com.br Diretor Executivo Luciano Dórea luciano@canal2.com.br Edição Cris Montenegro - DRT/BA - 2521 Márcia Ribeiro - MTB 39.432 Fale com a redação: nossobairro@canal2.com.br Textos Anaísa Freitas, Izadora Azevêdo e Lucas Sérvio Colaboração Felipe Vergili, Roberto PIres e Vanessa Bahia Revisão Cristiane Guimarães Fotografia Lucas Silva Design Editorial Alan Alves e Elaine Quirino Direção de arte publicitária Adrien Tournillon Departamento Administrativo / Financeiro Mara Machado mara@canal2.com.br Carlos Dórea carlos@canal2.com.br Esta Edição 20 mil exemplares Junho 2008 As cartas para a redação deste jornal devem ser enviadas para a sede da Canal 2 Comunicação. Outros artigos assinados não refletem necessariamente a opinião do Nosso Bairro e da Canal 2.

NEANDRO SANTIAGO

Acabo de ler, com atenção e zelo o NOSSO BAIRRO. Estão de parabéns a Editora Canal 2, a equipe do jornal e os colunistas. Mais que a vocês, parabenizo a Pituba pelo nascimento de seu veículo de divulgação e comuni-

cação. Venho de um tempo quando isso? 1943 ao aportar em Salvador - em que a cidade morria na barraca da baiana do acarajé. A seguir, o arame farpado da fazenda do Sr.Manoel Dias, referida no editorial. Bem acentuada a definição - Pituba é uma cidade dentro da cidade de Salvador. Desculpe, dou o primeiro palpite: Transforme-se o espaço do antigo Clube Português em uma biblioteca pública nos moldes da Biblioteca Central dos Barris, onde os moços lêem e pesquisam, onde igualmente pesquisam os que buscam fontes de cultura e história. A Biblioteca Central vem dos anos 68, 69 do século findo. Hoje, com o crescimento populacional, está encravada no sufoco do centro de Salvador. A Pituba já comporta um centro de pesquisa cultural. De muito se precisa em termos de

lazer. Não se faz tudo de uma vez. João Justiniano por e-mail. Parabenizo-lhes pela excelente iniciativa de lançar o jornal NOSSO BAIRRO. Além de tratar de questões específicas do tri-território Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores, aborda, ainda, uma gama diversa de assuntos de interesse da sociedade em geral. É mais um canal de comunicação do cidadão para enfrentar um poder público, hoje em dia, preenchido, em todos os quadrantes do nosso Brasil, por pessoas que se preocupam mais em renovar-se ou perpetuar-se no poder do que em servir àqueles que, de boa fé, inocência ou ingenuidade, lhe confiaram o seu precioso voto. Carlos Rubem Pereira de Andrade por e-mail.

Carta do Leitor! Participe! Caro leitor, o jornal Nosso Bairro convida você para participar deste novo veículo de comunicação da região da Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores. Envie sugestões, críticas, denúncias, curiosidades para nossobairro@canal2.com.br ou ligue para a nossa redação: (71) 3344-1911.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 3

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nยบ 2

I

JORNAL NOSSO BAIRRO

I

3


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

4

I

04.07.08

LOCAL

I

09:34

Page 4

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Itaigara e Caminho das Árvores não existem oficialmente Parceria entre moradores, prefeitura, Conder e Ufba propõe nova delimitação dos bairros LUCAS SILVA

I Anaísa Freitas

Os conhecidos limites de bairro de Salvador foram instituídos pela Lei Municipal nº. 1.038, de 1960.

LUCAS SILVA

A dificuldade em padronizar o nome do bairro no qual está uma rua é freqüente. Essa falta de delimitação clara entre os bairros de Salvador confunde moradores como o senhor Amaral Arruda, 64 anos, residente na Rua do Timbó desde 1991. “Cada conta vem com um nome de bairro, como Caminho das Árvores, Pituba ou Itaigara”, explica. Arquiteta e técnica da Companhia de Desenvolvimento Urbano do Estado da Bahia(Conder), Vitória da Paz esclarece essa presença de diferentes referências: “Pela falta de uma divisão oficial de bairros, os diversos agentes acabam fazendo sua própria divisão e nenhuma delas é oficial ou compatível com a outra”, ressalta. Os conhecidos limites de bairro de Salvador foram instituídos pela Lei Municipal nº. 1.038, de 1960. O assessor chefe da Superintendência do Meio Ambiente (SMA), Adalberto Bulhões, afirma que a base de bairro da cidade adotada nessa época compreende apenas 32 bairros e ainda é utilizada pela prefeitura, que também leva em consideração as novas localidades que se consolidaram adjacentes a esses bairros. Ainda de acordo com essa lei, localidades como Caminho das Árvores, Itaigara e Iguatemi não existem enquanto bairro, são constituintes da Pituba. Bulhões reitera que, para tentar suprir essa distorção para uma cidade que sofreu um considerável crescimento, o IBGE caracteriza hoje 206 bairros, enquanto que os Correios trabalham com 186.

Itaigara e Caminho das Árvores fazem parte da Região Administrativa 8, que engloba Pituba e Costa Azul

Em busca de uma solução para esse e outros incômodos que a falta de um limite de bairro provoca, técnicos estão trabalhando para definir novas demarcações. “A nossa atuação é direta com a comunidade, convidando os moradores e representantes de bairros, ouvindo os limites propostos pelos moradores e dialogando com aqueles sugeridos por nós”,

diz Anderson Gomes, subgerente do Informs/Conder, órgão que organiza o trabalho de campo. Ele ressalta que, quando há divergências, a pesquisa revê o limite e renegocia com a população, em um novo acordo. A idéia do projeto partiu de uma proposta que visava avaliar a qualidade das águas de Salvador, delimitando as bacias hidrográfi-

cas da cidade e, como conseqüência, os bairros. Bete Santos, Coordenadora da Copi/Seplam e representante da Ufba nesse projeto, explica que ele foi levado ao CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) em 2007 e atualmente é coordenado pela Escola de Administração em parceria com órgãos municipais e CONDER.

Esse novo projeto prevê, ainda, a inclusão de bairros que foram se formando em torno daqueles já consolidados com a Lei de 1960, e também a ascensão de uma localidade à condição de bairro. Para isso, serão levadas em consideração as reivindicações de comunidades e alguns critérios técnicos pré-estabelecidos, como a presença de equipamentos urbanos (transporte, postos de saúde, variedade de serviços e acessibilidade). A meta dos órgãos envolvidos parece audaciosa. De acordo com Fernando Cabussu, coordenador do Informs, a previsão é de que até setembro sejam feitas as delimitações de todos os bairros de Salvador. Ele explica que, a partir daí, o projeto deverá seguir para a Câmara dos Vereadores, na qual se iniciam os tramites para uma oficialização. O cronograma de campo divide a cidade em 18 Regiões Administrativas (RA) – divisão espacial da cidade – estando a Pituba incluída na RA VIII, juntamente com o bairro do Costa Azul. Na corrida contra o tempo, os técnicos esperam que, para o censo de 2010, o IBGE já possa adequar um novo limite de unidades e padronizar as demarcações da cidade.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 5

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nยบ 2

I

JORNAL NOSSO BAIRRO

I

5


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

6

I

04.07.08

LOCAL

I

09:34

Page 6

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Bandidos vigiam o Parque da Cidade Frequentadores do local devem evitar o uso de objetos de valor durante as caminhadas e visitas LUCAS SILVA

I Anaísa Freitas Os apreciadores de uma agradável caminhada no Parque da Cidade estão sendo “vigiados”. De acordo com freqüentadores, assaltantes que residem nas comunidades atrás da reserva têm uma vista privilegiada do local, o que facilita a ação de furtos na área. “Eles ficam atentos à gente e descem para roubar através de um buraco no muro que isola o parque, logo ali ao fundo”, comenta A.S, 35 anos, que trabalha no parque e prefere não se identificar. Mário Mamede, gerente de Parques e Hortos da Superintendência de Parques e Jardins (SPJ) explica que os assaltos costumam ocorrer na Av. ACM e que o parque serve apenas como rota de fuga para os bandidos. “Como eles correm para dentro do parque, as pessoas pensam que os delitos ocorrem

Geralmente, os bandidos que agem no local moram nas comunidades que fazem divisa com o parque, o que facilita a fuga após o roubo.

Delegado alerta os freqüentadores do parque para que evitem fazer as caminhadas portando objetos de valor aqui dentro”, reitera. A vendedora ambulante Conceição Rocha trabalha no parque há 23 anos e garante que as últimas denúncias prejudicaram suas vendas. Assim como Mamede, a comerciante afirma que estão informando errado à população e explica que o local tem segurança das 8 às 17 horas.

A assessora de imprensa da SPJ, Vânia Silva, reconhece que tem havido furtos também na área interna do parque e explica que o órgão tem tomado medidas na tentativa de coibi-los. “Nós temos uma vigilância terceirizada aqui no parque, contamos com a ajuda da Companhia de Polícia de Proteção Ambiental e da Militar - Coppa, bem

como das equipes de Rondas Especiais da Polícia Militar”. Ela acredita que, com a futura atuação da Guarda Municipal, haverá uma redução desses episódios. Diariamente, 12 policiais da Coppa fazem patrulhamento no parque, das 7 às 19 horas e quatro deles permanecem até o outro dia, como informa o Major PM Claudecy Vieira. Apesar do trabalho intenso dos oficiais, Vieira reconhece que o efetivo ideal para a região do parque deveria ser composto por 30 homens. Os índices de assalto no parque e na Av. ACM reduzem quando a segurança é reforçada. E isso, seLUCAS SILVA

Bandidos fogem por buraco no muro que cerca o parque , dificultando o trabalho da polícia

gundo a comerciante T.E., 34 anos, só acontece quando a situação se agrava: “quando os bandidos matam alguém é que os helicópteros fazem patrulha na região”, assegura. Ela lembra que o período de Carnaval deste ano foi bastante turbulento, houve muitos assaltos e só tinham dois policiais trabalhando no local. O problema da segurança no parque não se resume ao buraco no muro que o separa das comunidades adjacentes. I.S.J., 28 anos, moradora da região, prefere não se identificar e afirma que o maior problema é a falta de policiamento efetivo nas áreas próximas ao parque, como Santa Cruz e Areal. “Se a polícia permanecesse nessas regiões impediria que os bandidos usassem o parque para cometer delitos e atalho para fuga”, alerta. O delegado titular da 16ª DCP, Wilson Gomes, confirma que os bandidos que agem no local moram nas comunidades que fazem divisa com o parque, o que facilita a fuga após o roubo. Gomes alerta que as pessoas devem evitar fazer as caminhadas portando objetos de valor, levando apenas a carteira de identidade. O mais conhecido episódio de assalto no parque ocorreu há alguns meses e ficou caracterizado como “arrastão”, quando marginais roubaram um grupo de evangélicos. No mesmo período, o goleiro de um conhecido time de futebol da capital e sua esposa tiveram seus pertences levados por dois bandidos armados enquanto faziam caminhada.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 7

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

LOCAL

I

7

Semáforos e agências bancárias são principais alvos dos bandidos na região

Pequenos delitos são freqüentes na Pituba

A maior parte dos infratores usam ferro e pedra para roubar as vítimas

Muitas vítimas não denunciam o crime na delegacia

LUCAS SILVA

I Márcia Ribeiro Os furtos e roubos nos semáforos são constantes no dia a dia de quem passa pelas ruas e avenidas lotadas na região da Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores. Para o delegado Wilson Gomes, o ponto mais perigoso é o semáforo do Parque da Cidade. Os infratores chegam a quebrar o vidro dos carros para roubar bolsas e outros objetos. Eles geralmente não usam armas de fogo, mas ferros e pedras. O delegado explica que 98% das vítimas são do sexo feminino. Ele é enfático ao prevenir que as mulheres devem sempre colocar suas bolsas no porta mala do carro para evitar ladrões. Especificamente no bairro da Pibuba, segundo a tenente Danusa de Oliveira Andrade, da 13ª Companhia Independente da Policia Militar(CIPM), a maior incidência em semáforos é o da Avenida Otávio Mangabeira próximo a Perini. “Ali é um lugar estratégico para os bandi-

Bueiro próximo a Perini possui várias saídas e facilita a fuga dos ladrões

dos, porque tem um bueiro com várias saídas por onde eles fogem. É muito difícil de pegá-los quando entram ali”, afirma. Uma das maiores causas da criminalidade na Pituba é a proximidade com a região do Nordeste de Amaralina, um dos bairros mais perigosos da capital. Dados das Polícias Civil e Militar apontam que o grande número de crimino-

sos vem dessa região. Outro fator que merece destaque é que a Pituba hoje comporta muitas agências bancárias, que atraem muitos criminosos. “A região tem todos os bancos e isso "chama” os bandidos. Esses criminosos especializados em assaltos de pessoas que acabaram de sair dos bancos geralmente não trabalham sozinho. Um fica especulando dentro da agência as

possíveis vítimas e quando encontra já avisa o seu comparsa que vai fazer a abordagem. Algumas vezes, os criminosos chegam a seguir até a casa da vítima, o que dificulta bastante na investigação, porque não tem testemunha”, explica o delegado. Ele alerta para que a população evite retirar quantias altas em dinheiro, porque os bancos são todos vigiados.

I Lucas Sérvio Segundo Marialva Batista, a Pituba é um local bastante perigoso e sem segurança. “Estava passando por uma das ruas do bairro, quando um indivíduo, trajando camisa de manga longa, bermuda, boné e ocupando uma bicicleta puxou a corrente que estava no meu pescoço”, informa. Ela conta ainda que poucas horas antes do assalto, um outro rapaz teve seus pertences roubados pelo mesmo assaltante. Dados do Centro de Documentação e Estatística Policial (Cedep), órgão da Secretaria de Segurança Pública, computam que no bairro da Pituba ocorreram nos três primeiros meses desse ano, 93 roubos e furtos a transeuntes. Esses dados, porém, são maiores, porque muitas vítimas não vão à delegacia prestar queixa contra os bandidos.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

8

I

04.07.08

LOCAL

I

09:34

Page 8

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

LUCAS SILVA

Moradores do Parque Júlio César convivem com o som alto dos bares uma parte da comunidade se incomoda com o barulho, mas alguns apreciam I Vanessa Bahia O som que atrapalha o sossego dos moradores do Parque Júlio César não é algo que acontece de vez em quando, todos os dias a partir das 17h o movimento nos bares e barracas da região é considerado grande para um dia de semana, quando a maioria das pessoas levanta cedo para trabalhar. Segundo a freqüentadora da Igreja Missionária da Pituba, Antonia Gonçalves, os clientes dos bares não respeitam nem mesmo a hora do culto. “Tentamos ouvir a palavra de Deus, mas às vezes não é possível porque o som que vem de fora acaba abafando as palavras do pastor aqui dentro”, diz a devota que

tem como vizinho o Bar Passe e Fica, bem ao lado de onde ela costuma fazer suas orações. Os donos de bares aconselham seus clientes a não colocarem o volume do som dos seus carros muito alto para não atrapalhar os condôminos dos edifícios que estão próximos desses estabelecimentos, mas esse aviso nem sempre é atendido. Para o senhor Eládio Bispo, 68 anos, que trabalha há 14 anos no Bar Beneida, os clientes sempre encontram uma forma para burlar a proibição. “No nosso bar nós não permitimos nenhum tipo de som, mas eles compram as bebidas aqui e abrem o portamalas dos carros em frente a esses condomínios alegando ser moradores”, afirma apontando para os LUCAS SILVA

Bares e carros deixam o som ligado em volume considerado acima do permitido, não respeitando os moradores vizinhos

Os comerciantes aconselham seus clientes a não colocarem o volume do som dos seus carros muito alto , mas esse aviso nem sempre é atendido

I Izadora Azevêdo

prédios vizinhos, o Edifício Antonio e o Residencial Di Calvalcanti. O contraste de gerações deixa claro que nem todos os condôminos se incomodam com o barulho causado pelos clientes de bares e restaurantes. A estudante universitária Clara Grapiúna, 21 anos, moradora do Edifício Summer Place, localizado próximo ao Bar Flor do Parque, não vê problema nenhum em ter pessoas que colocam seus sons para tocar em um volume alto. “Há dias que esses bares acabam sendo opção de diversão para mim, às vezes eu não posso ir a um lugar mais longe e acabo ficando por aqui mesmo”, afirma. Pela lei 59.092.001, a Superintendência de Controle e Ordenamento do Uso do Solo do Município(Sucom) proíbe o som alto em bares e restaurantes. De acordo com Iara Vieira, funcionária do órgão, o volume permitido nos bares das 7h às 22h é de 70 decibéis e a partir das 22h até às 7h, esse volume cai para 60 decibéis. Isso vale para todos os dias da semana. Caso algum morador ou até mesmo cliente se sinta lesado pelo som alto é só entrar em contato com a Sucom pelo telefone: 2201-6660. O órgão recebe denúncias de poluição sonora e envia um fiscal ao local para verificar abusos.

Apesar de existir a mais de duas décadas, a maioria da população desconhece o trabalho das Administrações Regionais. A falta de divulgação a respeito desse órgão da prefeitura é um dos principais fatores para a ausência de informação dos moradores. A aposentada Luciana Dias, de 76 anos, moradora do bairro da Pituba há 23 anos, diz que nunca ouviu falar da Administração Regional e que quando precisa fazer alguma reclamação vai direto à prefeitura. As Administrações Regionais (AR) têm como finalidade representar o Governo Municipal no domínio das respectivas regiões, descentralizando as atividades e serviços de interesse público, de modo a garantir maior eficácia na prestação dos serviços e com o intuito de aproximar a prefeitura e o cidadão. As ARs são divididas em setores, o bairro da Pituba até o Costa Azul é denominada como AR VIII, sendo essa administrada por Davidson Rochester. É de competência das administrações regionais o desenvolvimento de campanhas de esclarecimento ao cidadão, a divulgação de informações quanto a programas, projetos, serviços e procedimentos legais; realização de levantamentos de dados cadastrais de cada região; fiscalização das ações e atividades de particulares

A AR VIII localiza-se na rua Paraíba, nº347, na Pituba

População desconhece as Administrações Regionais e o acompanhamento da atuação do Poder Municipal nas regiões administrativas. Segundo Rochester, o trabalho das ARs é um modo de ajudar a população a resolver os problemas que por ventura possam acontecer na região, agilizando o contato com o órgão competente, como, por exemplo, a troca de lâmpadas de postes, bueiros entupidos e buracos. Mas, a falta de orçamento para a compra de equipamentos e montar uma equipe limita o trabalho a apenas encaminhar as reclamações e sugestões da região. Cada AR é composta por no mínimo cinco pessoas: um administrador, um chefe de acompanhamento, um chefe de articulação, um chefe de manutenção e uma secretária. A administração regional da Pituba - Costa Azul encontra-se em um total descaso, em meio a uma bagunça de antigos jornais, urnas da votação do Clube Português espalhadas, paredes no reboque e uma grande sujeira. Nem mesmo o telefone funciona. O dinheiro público vem sendo usado para manter um setor onde quem deveria ser beneficiado (os moradores) nem ao menos sabem da sua existência.

SERVIÇO AR VIII Rua Paraíba, nº347, Pituba Tel.: 71-3240-2209


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 9

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

LOCAL

I

9

Contagem dos votos sobre destino do Clube Português já está em andamento A apuração das 22 urnas distribuídas pelo bairro vai até o mês de junho NEANDRO SANTIAGO

I Márcia Ribeiro No dia 19 de maio começou a apuração das 22 urnas distribuídas em 18 pontos da Pituba para decidir o destino da área do antigo Clube Português, demolido no ano passado pela prefeitura. De acordo com a prefeitura, foram mais de 80 mil cédulas disponibilizadas para a votação. Na data foi realizada na Igreja Nossa Senhora da Luz a abertura simbólica da primeira urna por autoridades municipais, dentre elas o prefeito João Henrique Carneiro, o líder do governo da Câmara dos Vereadores, Sandoval Guimarães, a vereadora Ariana Carla, entre outros. Também estiveram presentes Frei Paulo Avelino Gomes, da paróquia Nossa Senhora da Luz, e moradores. Alguns presentes arriscaram algum palpite em relação aos

Representantes do poder público municipal e Frei Paulo leram algumas cédulas da primeira urna aberta votos. O vereador Sandoval comentou sua preferência: “um hotel, assim daria emprego para muitas pessoas”. Já o prefeito João Henrique não quis dar sua opinião. “Sou suspeito para falar”, desconversou. Durante a abertura simbólica das urnas, o prefeito João Henrique declarou que tratores

estão no local para limpar e retirar entulhos e que enquanto o resultado da pesquisa não sai, a área será toda gramada. Ele também explicou que as famílias que estavam morando no antigo clube foram transferidas para casas no bairro do Pirajá e que foi um alívio a demolição do clube. “Ali moravam pessoas

boas, mas também habitavam outras com intenções ruins, que causavam pânico para quem andava na orla da Pituba”, afirmou. Em seguida, algumas cédulas foram sorteadas e lidas por membros do poder público e por frei Paulo. A apuração será finalizada ainda no mês de junho pela Ouvidoria Geral do Município. O processo de pesquisa para definir o destino da área foi realizado pelo órgão, em parceria com as secretarias municipais de Articulação e Promoção da Cidadania (Semap) e da Comunicação Social (Smcs). Além das urnas, também foi realizada uma pesquisa aplicada, tendo sido ouvidas 1.200 pessoas e uma enquete feita pela internet no site da prefeitura. O resultado final será dado a partir da análise dos resultados dessas três pesquisas.

Apuração parcial das urnas indica preferência por oceanário Segundo apuração parcial das urnas com os votos para decidir qual o destino da área do antigo Clube Português, a opção por um oceanário tem sido a mais indicada. Com 19 % das urnas apuradas até o fechamento desta edição, 32 % dos 3.456 votos marcaram essa opção. Em segundo lugar, ficou uma casa de shows e espetáculos (24%), seguido de biblioteca (10%) e projetos na área de turismo empresarial (7%). O resultado final deve sair no começo de junho. A preferência indicada confirma o resultado da enquete realizada no portal da prefeitura no mês de abril, onde 13 mil dos cerca de 23 mil votantes apontaram também o oceanário como melhor opção para a área. A pesquisa também questionou qual alternativa as pessoas menos gostariam de ver instalada no local. Em primeiro lugar ficou um Shopping Center (11%), seguido de hotel (5%) e casa de shows e espetáculos (4%).


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

10

I

04.07.08

LOCAL

I

09:34

Page 10

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

LUCAS SILVA

Baleado dos gays: diversão e descontração no Jardim dos Namorados Evento reúne homossexuais e atrai curiosos I Lucas Sérvio O famoso “baleado”, jogo infantil marcado por giz com a finalidade de atingir o adversário com a bola, virou diversão e descontração entre homossexuais. Situado no bairro da Pituba, o parque à beiramar Jardim dos Namorados é o palco do evento que é realizado há mais de cinco anos todas as terças e quintas-feiras, a partir das 20h, por um grupo de amigos. A arquibancada é lotada por moradores do bairro e pessoas de outras localidades, que assistem e dão muita risada com as jogadas dos participantes. Até campeonato já foi realizado pelos competidores. Foram quatro equipes com dez jogadores cada. Segundo o Presidente do Grupo Gay de Lauro de Freiras (GGLF) e participante dos jogos, Franklin Silva, o campeonato foi muito bem organizado. “Premiamos os melhores jogadores com medalhas e os torcedores foram presenteados com livros”, afirma. Franklin Silva explica que o evento não tem patrocínio e os custos são divididos entre os participantes. “Esse tipo de acontecimento serve para inte-

grar as comunidades, bairros e até militantes. O esporte é uma fronteira a ser quebrada pelos homossexuais e por isso acho que essa união é muito importante”, comenta. Outra questão colocada pelo participante é o tratamento das pessoas que assistem aos jogos. “Sempre fomos respeitados por todos que passam pelo local e por todos que assistem às partidas, até os meninos do futsal ao lado adoram e até participam, alguns é claro”, conta.

O JOGO Os dois times se posicionam em lados opostos de um campo, quadra ou rua. As regras não são complicadas. Quando uma pessoa é atingida com a bola, se qualquer pessoa do time agarrá-la antes de tocar no chão, essa bola é a "bola salva", portanto a pessoa não foi “baleada”, porém quando o jogador é acertado com a bola, ele sai do jogo. Caso a pessoa pise na linha ao jogar a bola, esta vai para o time adversário. O esporte também pode ser conhecido por outros nomes em cada região do Brasil: Barra Bola, Bola Queimada, Caçador, Cemitério, Mata-mata, Matasoldado, Queimado e Carimba. LUCAS SILVA

Há mais de cinco anos, um grupo de amigos pratica o esporte

Cerca de oitenta pessoas trabalham no local

“Favelinha” da Pituba tem mais de 30 anos de existência Diversidade e serviços atraem os mais diversos tipos de frequentadores I Lucas Sérvio Para quem pensa que a favela da Portelinha da novela “Duas Caras”, exibida recentemente na Rede Globo, não existe no Brasil está muito enganado. Localizada na Avenida Professor Magalhães Neto, a “favelinha” da Pituba tem mais de 30 anos de existência e ganha status de ficção no bairro. Em frente ao local existem bares, borracharia, lava-jato, salão de beleza e lan-house. Para quem quiser entrar na comunidade, só é possível a pé, pois as ruas são estreitas e de barro e cerca de 40 famílias vivem e trabalham no local. Segundo Edvaldo Carlos dos Santos, morador da favelinha há mais de 30 anos, os donos do comércio local vivem na região. “Eu sou um dos mais antigos daqui, possuo um bar muito bem freqüentado por moradores e pessoas de fora. Além disso, tenho um bom número de funcionários para atender meus clientes”, diz.

A região ao longo dos anos se tornou ponto de encontro de jovens moradores e de outras localidades. São pessoas de todas as classes que chegam ao local com expectativa de divertimento, descontração e com a finalidade de lavarem seus carros. Segundo informações de freqüentadores, o

comércio é organizado. Nos dias de terça-feira, ninguém trabalha na “favelinha”. Terça é o dia que eles escolheram para resolver o pagamento das contas. Para Jones de Jesus Souza, que trabalha no local há mais de cinco anos, a “favelinha” se tornou um meio de vida para se

São pessoasde todas as classes que chegam ao local com expectativa de divertimento, descontração e com a finalidade de lavarem seus carros local oferece um bom serviço de lavagem e limpeza de veículos. Os lavadores informam que recebem uma média diária de 50 carros, cobrando o valor de 10 reais por automóvel. Cerca de 80 pessoas trabalham no local, sendo que a maioria nem mora na região. O

ganhar dinheiro. ”Muita gente trabalha aqui, são pessoas de várias localidades que buscam condições melhores de vida”. Jones conta que mora no local há algum tempo e que existe uma organização por parte das pessoas que trabalham na “favelinha”.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 11

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

LOCAL

I

11

Barraqueiros não aprovam os novos contentores de lixo da orla LUCAS SILVA

Limpurb disponibilizou novos equipamentos, mas a falta de rodas é alvo de reclamações I Márcia Ribeiro A Limpurb distribuiu no mês de maio 408 novos contentores de lixo por toda a orla de Salvador, do Porto da Barra até a praia do Flamengo. O número de equipamentos é o mesmo de barracas catalogadas, já que cada uma recebeu um novo contentor. Os barraqueiros, porém, reclamam que os contentores vieram sem as rodas, o que dificulta o trabalho de levar da areia para a calçada para que o caminhão de lixo esvazie. “Nós estamos usando os

velhos, que têm rodas. É impossível carregar até em cima sem as rodas, principalmente porque eles precisam estar cheios, senão o caminhão não leva. A prefeitura disse que é para a gente comprar”, disse um dos barraqueiros que pediu para não ser identificado. A Limpurb confirmou que esses contentores distribuídos nas praias são sem rodas mesmo, mas não explicou o motivo. Outra queixa freqüente é que precisam prender os contentores com cadeados ou deixá-los dentro das barracas durante a noite

Os novos contentores foram entregues aos barraqueiros sem rodas

para que não sejam roubados. “De manhã, a gente chega e coloca os contentores na rua para que o caminhão leve, mas logo já buscamos para que não roubem”, conta outro barraqueiro. Segundo a Limpurb, os novos contentores foram fabricados em material polietileno de alta densidade, com processo compacto por injeção, resistente à degradação, frio e calor e ao envelhecimento devido à utilização especial contra raios ultravioleta e, além disso, podem ser reciclados no fim de vida útil.

Nova passarela no Itaigara vai desativar dois semáforos da ACM A edificação custará aproximadamente r$1,5 milhão

Moradores reivindicam melhorias na Lagoa da Pituba Prefeito e secretários municipais estiveram no local para apresentar projeto de revitalização

LUCAS SILVA

I Anaísa Freitas

I Márcia Ribeiro

Até o final de junho, uma nova passarela na Avenida ACM – imediações da Petrobrás – estará em uso, permitindo a desativação de dois semáforos localizados nas duas pistas. A obra está sendo construída pela Companhia de Desenvolvimento Urbano de Salvador-Desal e terá 120 metros de extensão, além de duas rampas e dois pilares. Euvaldo Jorge, presidente da Desal, explica que a edificação é produto da parceria entre a Petrobrás e a prefeitura municipal e custará aproximadamente R$ 1,5 milhão. A estrutura pré-moldada segue o mesmo padrão de outras passarelas montadas na cidade, utilizando um tipo de aço mais resistente à corrosão. De acordo com Eu-

Moradores e freqüentadores da Lagoa da Pituba há tempos reclamam da má conservação da área e da falta de segurança. Muitas pessoas caminham no local. Para tentar solucionar os problemas, foi criada uma comissão de moradores que enviou à prefeitura suas reivindicações. Na manhã do dia 26 de maio, o prefeito João Henrique e alguns secretários municipais estiveram no local para conversar com a população e dar início a algumas melhorias, como limpeza, iluminação e segurança. A Limpurb se comprometeu a limpar a área em dias alternados. Próximo ao local, já havia um caminhão com trabalhadores da prefeitura prontos

A nova passarela deverá ser entregue no final de junho valdo Jorge, a passarela deverá suprir a dificuldade na travessia das duas pistas movimentadas e perigosas, além de diminuir os congestionamentos naquela região. Segundo informações do setor

de comunicação empresarial da Petrobrás, a passarela terá cores verde e amarelo e receberá o título de Passarela Jorge França, em referência ao ex-empregado da empresa, falecido no ano passado.

para começar a limpeza. O prefeito João Henrique também apresentou um projeto para revitalização da Lagoa em longo prazo. Sueli Groetzner, moradora das redondezas, conta que faltam segurança e manutenção no local. “O que há hoje é uma comunidade preocupada com o que está acontecendo na Lagoa. Houve um movimento que levou as nossas reclamações ao poder público, culminando com um projeto que vai refazer algumas coisas aqui na Lagoa, mas antes disso existem ações mais urgentes, como a limpeza, iluminação e segurança”, afirma. Os moradores ficaram satisfeitos com a ação, mas se comprometeram a fiscalizar as melhorias e cobrar os resultados.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

12

I

04.07.08

09:34

ECONOMIA

I

Page 12

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Dicas para sua empresa Isenção de tributos Segundo o site InfoMoney empresas com receita bruta anual de até R$ 36 mil e enquadradas no Simples Nacional poderão ser isentas dos tributos integrantes do sistema, com exceção do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social) patronal e, caso sejam prestadoras de serviço, do ISS (Imposto sobre Serviços de Qualquer Natureza). Mas mesmo os pagamentos desses tributos terão valor fixo: de R$ 50 para o INSS e de R$ 30 para o ISS. As novas regras dizem respeito à figura do Microempreendedor Individual, criado pelo Projeto de Lei Complementar 126/07, que ainda depende de aprovação do Congresso Nacional. Ele prevê ajustes na Lei Complementar 123/06 que criou o Simples Nacional. O projeto 126 amplia os benefícios.

Crédito deve chegar a 40% do PIB até o fim do ano As operações de crédito no sistema financeiro atingiram a marca de R$ 1 trilhão no mês de abril e devem crescer ainda mais em 2008, segundo o Banco Central. A expectativa é de que o volume de crédito disponível no país até o final do ano represente 40% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Em abril, a proporção entre o crédito e o PIB foi de 36,1% - maior patamar desde janeiro de 1995, quando chegou a 36,8%. O maior crescimento está nas operações voltadas às pessoas jurídicas. Em abril, os empréstimos para as indústrias saltaram 3%, taxa superior à média da expansão dos financiamentos, de 2,5%. Os setores que mais tomaram empréstimos, segundo o BC, foram petroquímica, metalurgia, mineração, construção civil e álcool, além de lojas de veículos, lojas de departamentos, consultorias e empresas de telecomunicação.

Crédito a pequena empresa salta 44% em 2008 As pequenas e médias empresas receberam R$ 42,3 bilhões a mais em crédito por parte dos cinco maiores bancos do país (Banco do Brasil, Bradesco, Itaú, Unibanco e ABN Amro Real) nos últimos 12 meses, informam os balanços das instituições. O setor bancário investe em novas estratégias para se aproximar dessas companhias, informou o DCI. O Itaú, por exemplo, passou a focar nos empréstimos ao pequeno comércio, enquanto o Real aposta nas empresas ligadas ao setor automobilístico e de petróleo. O Banco do Brasil promove o alongamento de prazos e a redução de taxas em modalidades como capital de giro. O saldo de crédito concedido a micro, pequenas e médias empresas nos três primeiros meses do ano pelos cinco maiores bancos atingiu R$ 138,4 bilhões, alta de 44% sobre o mesmo período do ano passado, enquanto o saldo total de crédito à pessoa jurídica subiu 35,8% no período, segundo dados do Banco Central. Entre os cinco maiores, o destaque foi o avanço da carteira do Itaú, que subiu 49%, seguida por Bradesco, com crescimento de 47,8%. No primeiro trimestre, os cinco bancos desembolsaram R$ 7,271 bilhões a mais de crédito às PME em relação a dezembro de 2007.

Política de saúde e segurança no trabalho para as pequenas empresas Hoje, no Brasil, não existe uma política de saúde e segurança no trabalho voltada para pequenas empresas. Mas essa carência pode estar com os dias contados. Uma das iniciativas já tomadas nesse sentido foi a criação de uma página na Internet voltada para o tema de saúde e segurança no trabalho. No site, o empresário encontra tudo o que ele precisa saber sobre o assunto. A página está hospedada no site da Fundacentro no endereço www.fundacentro.gov.br/sstmpe.

Pequenos empresários, poucos sabem sobre as obrigações tributárias I Hélio Botelho Adquiri como quadro da Sefaz/Ba vasto conhecimento sobre os fundamentos que constituem os tributos e subsidiariamente como e para o que foram estabelecidas as obrigações principal e acessória, aquela pertinente ao pagamento do imposto e às informações que devem ser prestadas pelas empresas. O fisco acha que de um modo geral o empresário de menor porte é um sonegador em potencial, conhece suficientemente a matéria tributária e organiza a empresa de forma preventiva, para atender às exigências e não enfrentar repercussão indesejada. Lastimoso engano, não é assim que as coisas funcionam. Os pequenos empresários, na sua grande maioria, além de desconhecer o intrincado mecanismo da tributação, tem apoio técnico precário, geralmente são servidos por profissionais terceirizados, preocupados com seus próprios interesses, pressionados pela exigüidade do tempo e voltados para a necessidade de sobrevivência, por isso mantêm sob “orientação” uma grande quantidade de empresas para garantir remuneração suficiente. Os pequenos negócios raramente são planejados, não dispõem de orientação técnica institucional e raramente podem bancar a ajuda de profissionais qualificados ainda que a baixo custo. O fisco atua apenas como “poder de polícia”, assustando, coagindo e punindo. Ações fiscais empreendidas nas empresas geram pandemônio pelas surpresas e exigências impostas. O pequeno empresário, desinformado, fica imobilizado pelos “sustos” em “benefício” da arrecadação tributária. A “dor de cabeça” e a decepção são grandes, reflexos das penalidades supervenientes, inclusive as acessórias, estas também constantemente aviltadas, consubstanciadas em instrumentos legais aprovados casuísticamente, em alguns casos alcançam valores superiores aos das penalidades sobre o descumprimento da

obrigação principal. Conceitualmente, a obrigação acessória está relacionada ao dever do contribuinte fazer ou não fazer alguma coisa em benefício da arrecadação ou da fiscalização de um determinado imposto. Dentre as mais elementares de caráter acessório, no ICMS, por exemplo, estão: prestar informações ao fisco via documentos econômico-fiscais: DMA, DME, DMD, GIA, Sintegra, escriturar livros fiscais, registrar documentos, parar em postos fiscais, etc.. Desobedecer às exigências acessórias ou a inadimplência do imposto enseja o lançamento de penalidades, expressadas em reais ou percentuais, se for o caso, independente do tipo de mercadoria e/ou do serviço ser ou não tributável, haver sido ou não tributado. As penalidades vulgarmente denominadas multas “incha-

tiplicador comprometerem o emprego, a renda e o consumo interno do país. Trata-se de uma tributação “ampliada”, com características de confisco. Os pequenos empresários não recorrem à justiça contra tais sanções escorchantes. Acham mais barato abandonar o negócio ou se “defender”, sonegando, pensam alguns... Por mais legitima que seja a pressão do Estado, não é razoável que as penalidades aviltadas como estão sejam aplicadas indiscriminadamente, comprometendo a competitividade das pequenas empresas nacionais, com riscos incalculáveis para a produção e prestação de serviços, com reflexos negativos na arrecadação de tributos e ampliando o desemprego. A rigor, a carga tributária que já é considerada confiscatória, agravando o quadro convive com juros exorbitantes e com a máquina governamental intole-

Os pequenos empresários, na sua grande maioria, além de desconhecer o intrincado mecanismo da tributação, tem apoio técnico precário. ram” demasiadamente na última década. Algumas aplicadas pelo fisco são consideradas tão ou mais atraentes do que cobrar a obrigação principal, resultando em casos de lançamentos impagáveis, desestruturando a empresa, e não raro fazendo-a sucumbir. Materializada a aplicação da multa, a empresa não tem como repassar o ônus para o preço da mercadoria e/ou serviço, submetendo-se a uma espécie de seqüestro de sua renda, inviabilizando suas operações regulares. Os governos precisam resolver o problema cujos resultados tem significado um “tiro no pé”. Está comprovado que os montantes exigidos como penalidades, acessórias ou não, podem inviabilizar, definitivamente, o conjunto de operações da pequena empresa e seu efeito mul-

rante, culminando por desestimular qualquer aspiração de crescimento das empresas o que repercute na economia. Uma análise comparativa elementar determina que a principal diferença entre o nosso modelo tributário e o adotado nos países mais desenvolvidos reside na unidade de tributos, na simplificação do pagamento, na limitação de penalidades e nas alíquotas reduzidas que favorecem a sobrevivência das pequenas empresas e o crescimento da receita. Helio Botelho P. da Silva é sócio da HB & Associados, Tributarista, Prof. Universitário (licenciado), empresário, produtor rural, Presidente da ONG Terra Vida, Mestre em AP e Doutorando pela Complutense de Madrid (tese Mercosul), Ex- Auditor Fiscal do Estado.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 13

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Acesse agora o link direto: http://www.canal2.com.br/nossobairro/assine.asp

Cadastre-se e receba o Jornal Nosso Bairro em casa Para você, leitor, que quer receber todas as edições do novo jornal da Pituba, Itaigara e Caminho das Árvores, cadastre-se no nosso site (www.canal2.com.br/nossobairro) ou ligue para a Serve Bem (3492-2939), empresa responsável pela distribuição da publicação, para fazer o seu cadastro. É gratuito e você receberá de forma personalizada o Nosso Bairro todos os meses. É importante que você se cadastre mesmo que já tenha recebido a primeira edição. A Canal 2, editora responsável pelo jornal, está fazendo um recadastramento dos seus leitores para focar melhor a distribuição dos 20 mil exemplares disponibilizados e continuar prestando um serviço de qualidade. Ao efetuar o cadastro você estará automaticamente participando das nossas promoções e enquetes. Não fique fora dessa!

I

INSTITUCIONAL

I

13


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

14

I

04.07.08

09:34

Page 14

MEIO-AMBIENTE

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

O que fazer com o lixo eletrônico? I Anaísa Freitas Quando se discute sobre reciclagem, os materiais mais citados são plástico, papel e vidro. Já componentes eletrônicos em desuso (computadores, celulares, baterias) não costumam ser descartados de forma seletiva. Após esgotar a vida útil, esses produtos são freqüentemente lançados no lixo comum, o que reflete nas condições ambientais da cidade. Renato Cunha, engenheiro e coordenador executivo do GAMBA (Grupo Ambientalista da Bahia) explica que o descarte indevido desses materiais oferece riscos aos lençóis freáticos, pela presença de metais pesados (cobre, mercúrio, chumbo, etc). O engenheiro afirma que esses elementos são bio-acumulativos, ou seja, não são eliminados pelo organismo e que na natureza, em elevadas concentrações, podem alterar o funcionamento do mesmo. Ele acredita ainda que há uma falta de informação aos consumidores sobre como descartar seguramente esses aparelhos fora de uso.

Sensibilizados com a ausência de políticas ambientais em Salvador e preocupados com o destino que é

dado aos resíduos eletrônicos, os irmãos Joseval e Joandro Araújo agem. Sem fins lucrativos, eles dis-

ponibilizam tempo e espaço para coleta de materiais de informática danificados e fazem a triagem dos componentes. De acordo com Joseval, a cada 15 dias, um ativista de São Paulo vem ao seu depósito, recolhe o material selecionado e o encaminha para as indústrias de reciclagem na capital paulista. “A placa-mãe e o processador são as peças mais recicláveis do computador, e do monitor são os fios de cobre e o tubo de imagem”, explica. O jovem afirma ainda que, às vezes, eles recolhem aparelhos não recicláveis só pra evitar que as pessoas joguem no lixo. “Eu me preocupo com a questão ambiental da cidade”, enfatiza. De acordo com a Resolução 257, do CONAMA (Conselho Nacional do Meio Ambiente), é responsabilidade dos fabricantes de pilhas e baterias recolher dos consumidores esses produtos e encaminhá-los à reciclagem ou ao tratamento para eliminação. Embora haja uma regulamentação, as lojas não costumam informar aos clientes sobre o preferível destino final dos componentes adquiridos.

O problema parece se agravar com o aumento das vendas de celulares e computadores, incentivado pelas rápidas inovações tecnológicas. De acordo com dados da ANATEL (Agência Nacional de Telecomunicações), a comercialização de aparelhos celulares cresceu 21% no ano passado. Já a de computadores registrou acréscimo de 42%, no mesmo período, de acordo com a FGV (Fundação Getúlio Vargas).

Para doar celulares e baterias em desuso: NOKIA: Rua Das Acácias, 470, Loja K, Pituba – Shopping Spazio Empresarial (2626-2848) MOTOROLA: Av.Tancredo Neves, 148 - Shopping Iguatemi, 1º Piso – Loja CELLCITY (3450-0067) Av. Antonio Carlos Magalhães, 3663 - Hiper Bom Preço - Loja 28 (3359-8422) Para doar computadores e monitores em desuso: 1- JOSEVAL & JOANDRO ARAÚJO Tel.: 3241-1463 – 9945-9721 – 8826-0323 Rua do Carneiro, 54 – Nazaré, Salvador – BA


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:34

Page 15

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

JORNAL NOSSO BAIRRO

I

15

Cada grupo possui de 12 a 15 crianças que contam com uma professora e uma assistente por sala

UMA ESCOLA PARA A VIDA TODA A escola é um espaço de vida, portanto deve estar sempre aberta ao real, ao enfrentamento dos desa-

Escolas infantis modernas oferecem infra-estrutura e acompanhamento pedagógico para crianças

fios do cotidiano. A escola vive um momento dinâ-

dendo desde a inserção no mundo

A ida pra a escola faz parte de

mico, analisando o passado, vi-

letrado até a alfabetização, acompa-

uma série de mudanças pelas quais

vendo o presente e projetando o

nhamento da formação da identidade

as crianças irão passar no seu pro-

Na prática pedagógica da Es-

futuro, planejando ações educati-

e subjetividade pessoal, bem como

cesso de desenvolvimento. A Es-

cola Recanto de Viver é utilizada a

vas que apóiem o desenvolvimento

os aspectos relacionados à apropria-

cola Recanto de Viver cultiva uma

pedagogia de projetos, através

integral das crianças. Pensando

ção da realidade e do mundo.

comunicação afetiva e lúdica para

dos quais as crianças são estimu-

sidade, sedimentando as bases da formação da cidadania.

nisso, elas vêm conquistando o

O papel da escola é acompanhar

que a criança conheça o mundo e

ladas a experimentar situações

mundo dos negócios, apostando

esta dinâmica, entendendo a criança

desenvolva progressivamente as

significativas e contextualizadas,

no novo perfil da mulher brasileira

em formação, refletindo e avaliando

habilidades motoras, afetivas, per-

atuando como agente do seu pró-

e acompanhando as crianças em

constantemente sua prática pedagó-

ceptivas e cognitivas de forma har-

prio conhecimento e expressão,

tempo integral.

gica. Essas ações estão presentes no

mônica e saudável e acompanha

isto é, da sua própria aprendiza-

Como desenvolvimento integral

cotidiano da Escola Recanto de Viver,

cada criança na sua individualidade

gem, entendendo cada criança

são entendidos os processos de:

localizada no Caminho das Árvores, e

em crescimento, com a missão de

como ÚNICA e singular.

criação, cuidando dos aspectos de

comprometida com a qualidade do

possibilitar a vivência de um pro-

A Escola também oferece cursos

alimentação, higiene e formação de

trabalho e satisfação das necessida-

cesso educacional que favoreça a

extracurriculares como capoeira,

hábitos saudáveis do cotidiano;edu-

des das crianças nos seus 12 anos

confiança, a autonomia, a auto-es-

natação, teatro, oficina literária,

cação e desenvolvimento, compreen-

de experiência em educação infantil.

tima positiva e a aceitação da diver-

inglês e ballet. As diretoras da escola, Valéria Escariz e Irimária Peneluc, compartilham dessas palavras. “Sentimos que só temos a agradecer por realizar diariamente um trabalho de cuidado e respeito às possibilidades de aprendizagens e desenvolvimento das nossas crianças, construindo muito mais que uma escola, um

Na Recanto de Viver as crianças são estimuladas de forma que atuem como agentes de construção do seu próprio conhecimento

lugar de crescer”, declaram.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

16

I

04.07.08

OBRAS

09:35

I

Page 16

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

A região da Pituba FOTOS: LUCAS SILVA

Em pleno ano eleitoral, algumas obras estão sendo realizadas na região da Pituba, uma área considerada nobre da cidade. A prefeitura vem “enfeitando” a orla, colocando novos poste de luz e fazendo passarelas. Como diz a música: “E tome obra, tome obra na cidade...”

FOTO 1

FOTO 2

... mas algumas coisas insi Enquanto isso, algumas pequenas coisas parecem ser esquecidas pelo poder público. Moradores de rua que se instalam na praia e em locais abandonados, árvores sem cuidados de poda, falta de sinalização nas ruas, alagamentos e falta de segurança são algumas das reclamações mais freqüentes dos moradores. Foto 4 e 5: Na praia da Pituba, moradores de rua se instalaram embaixo de uma placa de concreto usada na construção da orla. Eles armaram suas barracas (na realidade, sacos de plástico e madeira) e ali fazem suas comidas, lavam suas roupas e dormem ao relento. A falta de moradia está tão crítica, que os moradores temem que outras famílias se instalem no local. Foto 6, 7 e 8: Casas abandonadas no Caminho das Árvores são reclamações constantes de vizinhos, pois esses locais atraem moradores de rua, bandidos e drogados. A polícia só pode entrar nessas casas mediante denúncias do dono ou de vizinhos, pois são de propriedade particular. Além da desvalorização dos imóveis situados perto dessas casas, os moradores têm medo que suas residências sejam alvos de ladrões por sua proximidade. Foto 9: Pessoas dormindo nas ruas e locais públicos são uma constante na região. Essas áreas públicas sem segurança são as mais procuradas por mendigos e meninos de rua. Na primeira foto, uma criança dormia embaixo de uma árvore na área do antigo Português e na outra, um moradores de rua dormia num banco do Parque da Cidade. Ambas à luz do dia.

FOTO 4

FOTO 5

FOTO 8

FOTO 9

FOTO 12

FOTO 13


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 17

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

OBRAS

I

17

em transformação FOTO 3

Foto 1: Tratores e caminhões estão no antigo Clube Português para tirar entulhos e limpar o local, que será gramado até ser decidido o que será feito na área. A prefeitura fez uma pesquisa com a população para saber a opinião dos moradores sobre qual projeto eles querem para o local.

Participação do leitor

Foto 2: A orla da Pituba está sendo reconstruída desde o começo do ano, porém tem causado transtorno para pedestres e freqüentadores das praias, que são obrigados a desviar dos entulhos e dos buracos. Quem utiliza o transporte público coletivo é obrigado a tomar sol e convive com barro e pedras, já que não possui calçada. A obra tem previsão de entrega para julho.

Caro Leitor, participe do Nosso Bairro enviando sugestões, fotos e opiniões para nossobairro@canal2.com.br ou ligue para a redação no telefone 3344-1911.

Foto 3: A construção da nova passarela do Itaigara, na Avenida ACM nas intermediações da Petrobrás, vai facilitar a vida dos motoristas, já que permitirá a desativação de dois semáforos na avenida. Os pedestres também serão beneficiados, pois não precisarão mais esperar que o semáforo feche para que atravessem a rua. Com essa medida, o risco de acidentes também diminui.

Contamos com a sua colaboração!

stem em continuar iguais FOTO 6

FOTO 7

Foto 10: No Jardim dos Namorados, aparentemente tudo está bem conservado e bonito, não fosse pela falta de algumas toras de madeira colocadas no passeio. Será que foram roubadas ou esqueceram de colocar? E por que ainda não foram substituídas? Foto 11: Em algumas ruas da Pituba, é comum não ter faixas de sinalização pintadas no asfalto. Em trechos da Avenida Octávio Mangabeira, motoristas reclamam da falta de sinalização. Em horários de pico, o trânsito fica confuso e desorganizado para pedestres e motoristas.

FOTO 10

FOTO 14

FOTO 11

FOTO 15

Foto 12: Não chova, por favor... Esse é o pedido de quem mora em bairros periféricos de Salvador. Na Pituba, não é diferente. Quando a meteorologia avisa que vai chover, os moradores já ficam preocupados e se preparam para enfrentar ruas e calçadas alagadas e muitos transtornos. Os pedestres não conseguem andar nas ruas sem ficar encharcados, os motoqueiros acabam levando literalmente um banho cada vez que passam numa poça e os donos de veículos têm medo de tirar seus carros da garagem. Será que a culpa é só de São Pedro? Foto 13: Na área do antigo Clube Português um buraco e muita sujeira. Quem pega ônibus no ponto ao lado do local e faz caminhada, convive com a proliferação de ratos, baratas e mosquitos. Foto 14: Na Lagoa da Pituba, o descaso é total. Uma das grades que protege a lagoa está quebrada e o mato não é cortado há tempos, o que atrapalha quem transita no local. Até o jacaré que morava ali sumiu, diante da poluição e falta de manutenção do lugar. Alguém sabe onde foi parar o jacaré e as aves que ficavam na Lagoa? Foto 15: Quem freqüenta a praia da Pituba se depara com bueiros, alguns desativados. Por gentileza, alguém sabe a finalidade desses buracos?


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

18

I

04.07.08

09:35

Page 18

COMPORTAMENTO

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

ARQUIVO

Intercâmbio: aprendizado para a vida toda Não importa a idade ou o motivo para tomar a decisão de deixar o seu país e ir rumo ao desconhecido I Márcia Ribeiro Falar outras línguas, conviver com outras culturas, experimentar coisas e sentimentos novos. Quem fez intercâmbio sabe bem o que é isso. E não importa a idade ou o motivo para tomar essa decisão de deixar o seu país e ir rumo ao desconhecido. Pode ser o adolescente que vai fazer o high school (Ensino Médio americano), o recém formado que aca-

bou de sair da faculdade e quer se aprofundar em uma língua estrangeira, ou ainda uma pessoa mais experiente que planeja mudar de vida e trabalhar no exterior. No mundo competitivo e globalizado de hoje, saber falar outras línguas é fundamental. Para conhecer bem, nada melhor do que “conviver” com outra língua. A assimilação é quase total. Para Juliana Tanajura, consultora da Agência Experimento de SalvaARQUIVO

Maria Helena Martins Brasileiro, 47 anos, de Salvador-BA Ficou 35 dias em Vancouver – Canadá, em junho do ano passado. Fez Curso de Língua Inglesa. “Necessito do inglês na minha vida profissional e acredito que o intercâmbio agiliza a aprendizagem. Considero que o tempo que fiquei no Canadá foi curto, para melhores resultados, mas a experiência foi bastante válida e proveitosa. Foram muitas experiências interessantes, principalmente porque me permiti viver todas as experiências dos estudantes, apesar dos meus 47 anos. Hospedar-me com uma família, obedecer todas as regras da escola, viajar junto com os colegas (naqueles ônibus amarelos que aparecem nos filmes), conhecer pessoas de várias partes do mundo, lugares e paisagens diferentes, foi muito bom. Diga-se de passagem, tive um grande companheiro nestas aventuras (meu marido) que também ‘entrou no clima’.”

dor, “em geral as maiores dificuldades são o choque cultural e a questão do idioma, mas os intercambistas tiram isso de letra, principalmente os baianos que são desinibidos e descontraídos. E sempre damos algumas dicas. A principal delas é: a comunicação é a chave para o sucesso. Aprenda o idioma, usando-o”. Para os adolescentes, especificamente, o intercâmbio também é uma excelente oportunidade de crescimento pessoal e intelectual. A experiência de convívio em país e cultura estrangeiros, no papel de cidadão igual aos demais, desperta no jovem tolerância, respeito entre nações e desenvolve uma consciência de cidadania global. Existe hoje um grande número de organizações que promovem programas de intercâmbio. Na sua grande maioria são organizações sem fins lucrativos que selecionam e preparam famílias em seus países para hospedarem em seus lares um jovem estrangeiro, recebendoo como membro da família. Outra opção para o estudante que não quer passar muito tempo fora do país são os programas de férias. Podem participar jovens a partir de 12 anos que queiram aproveitar as férias escolares de janeiro ou de julho para aprimorar o idioma e conhecer outra cultura e os principais pontos turísticos e atrações de outro país. Na Agência Experimento, de Salvador, esse programas são realizados em grupos, acompanhados

Danielle Guimarães Chompanidis, 24 anos, de Salvador Ficou 1 ano em Baroda, Michiganm Estados Unidos, em 1999. Fez High School. “O intercâmbio de high school é uma experiência que proporciona ao intercambista a possibilidade de conhecer outro país, outra cultura, sua política e economia, modo de viver de sua população, trocar experiências de vida, fazer novas amizades, aprender a lidar com novas responsabilidades, além de aprimorar o idioma falado na região. Valeu muito a pena ter vivido essa experiência já que pôde contribuir para a minha profissão com o domínio da língua inglesa e também por ter contribuindo pra meu crescimento pessoal, proporcionando uma visão maior de mundo.”

por guias locais, o que permite aos estudantes aproveitar o programa de forma supervisionada e segura. As opções de acomodação incluem residência estudantil em campus universitário ou casas de família selecionadas. Para aqueles que já passaram da fase escolar e estão interessados apenas em aprender ou se aprimorar em outra língua, as agências de intercâmbio oferecem cursos de idiomas no exterior. É um tipo de intercâmbio que agrega experiência de vida, aprendizado e aprimoramento de um novo idioma. Não existe limite de idade. O estudante poderá estudar no destino que quiser a partir de duas semanas de curso não precisando ter qualquer conhecimento do idioma que irá aprender. As escolas nivelam todos os alunos com testes no primeiro dia de aula. Programas de trabalho no exterior também são um dos mais pedidos em Agências de Intercâmbio. Ele é indicado para quem quer aprender outra língua e ao mesmo

tempo ter uma experiência profissional. As agências de intercâmbio oferecem vários tipos de programas de trabalho, de acordo com a necessidade da pessoa. Hoje os países da língua inglesa são os mais procurados, porém países de língua espanhola também têm bastante procura. No high scholl, por exemplo, os Estados Unidos são os mais procurados. Já no Curso de Idiomas, o Canadá está entre as melhores opções, pois as escolas são de ótima qualidade e o custo é bastante atrativo. A Austrália também está entre os mais procurados. Na Europa, o lugar mais procurado é a Irlanda, principalmente pelo fato de não precisar de visto para viajar, apenas quando chega ao país. Na América do Sul, Argentina e Chile são os mais procurados para quem quer aprender a língua espanhola. Já os Programas de Trabalho, o destino mais procurado são os Estados Unidos, pois este país tem visto próprio para este tipo de Programa de Intercâmbio.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 19

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Livros didáticos são criticados por movimentos negros DIVULGAÇÃO

I Lucas Sérvio Tema bastante abordado por professores, pesquisadores e alunos, alguns livros didáticos são questionados pelos movimentos negros. Eles alegam que a maioria dos personagens da raça negra colocados para estudantes dos ensinos fundamental e médio possui estereótipos marcantes e muitas vezes pejorativos. Como o livro Banzo, Tronco & Senzala, dos autores Elzi Nascimento e Elzita Melo Quinta, proibido no Distrito Federal porque associava personagens negros a macacos. Os exemplares foram retirados de circulação após o pedido do senador Paulo Paim (PT-RS). Segundo Azoilda Loretto Trindade, doutora em Comunicação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro e autora de uma dissertação sobre o Racismo no Cotidiano Escolar, o preconceito está presente na sociedade e foi inserido no âmbito escolar, cuja ideologia mostra o europeu e o branco como seres superiores. “Acredito na construção de novas mentalidades e a mídia tem um papel bastante importante para a mudança desse lado social”, explica. Em 2003 o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sancionou a Lei nº 10.639 obrigando os estabelecimentos de ensinos fundamental e médio, públicos e particulares, a incluir na sala de aula a abordagem sobre História e Cultura Afro-Brasileira. A lei também exige que os temas devem ser colocados no dia-adia dos alunos por meio das disciplinas que compõem o currículo escolar, sobretudo história, literatura e artes. A professora de História, especializada em cinema e coordenadora do cineclube Cinemafro, Joice Rodrigues, trabalha com educação há seis anos em

Ilustração do livro Banzo, Tronco & Senzala, proibido no Distrito Federal porque associava personagens negros a macacos escolas públicas, cursinhos e desenvolvendo trabalhos sociais voltados para jovens afro-descendentes da periferia de Salvador. Ela explica que tem discutido através de conteúdos audiovisuais a possibilidade de a sociedade brasileira empregar outra relação com a cultura de matriz africana. “Atualmente coordeno o Cineclube Cinemafro, que visa debater a representação social do negro no Brasil e no mundo, tendo o cinema como elemento propulsor”, diz. Para a professora uma mudança possível seria a introdução da história da África nos conteúdos escolares. “O negro ainda é visto como um escravo que chegou ao Brasil. Temos que compreender que esses povos já existiam antes da escravidão, já

tinham cultura, religião, organização sócio-política e nomes africanos”, explica. Outra questão colocada por Joice é que a sociedade brasileira necessita de uma reflexão maior sobre o tema. “O Brasil é um país formado por povos africanos, europeus e nativos, mas não tem um conhecimento equilibrado sobre esses povos. Somos educados a partir de um modelo ocidental e desprezamos as contribuições de africanos e nativos”, ressalta. Para quem tem interesse sobre a história africana, vale a pena conferir o trabalho do Centro de Estudos Afro-Orientais – CEAO/UFBA, que recentemente publicou livros e promoveu cursos sobre a história do negro no Brasil e na Literatura.

Pesquisa revela importância de infra-estrutura em salas de aula O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou em maio uma pesquisa que aponta a influência dos chamados insumos escolares (computadores, material didático, qualidade dos professores, qualidade de infra-estrutura, quantidade de alunos por sala) nos resultados da educação brasileira. Segundo a pesquisa “O Impacto da Infra-Estrutura Escolar sobre a Taxa de Distorção Idade-Série das Escolas Brasileiras de Ensino Fundamental -

1998 a 2005”, investir em insumos escolares aumentaria gradativamente a qualidade de ensino em escolas municipais, estaduais e federais. O estudo aponta que a principal deficiência no ensino brasileiro está nas escolas rurais municipais do Nordeste, e que as condições precárias de ensino somadas à falta de infra-estrutura básica, como conhecimento técnico dos professores, banheiros ou energia elétrica, contribuem para o resultado negativo.

I

EDUCAÇÃO

I

19


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

20

I

04.07.08

SAÚDE

I

09:35

Page 20

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

O tratamento da mente na cura do corpo Síndrome do Pânico e Depressão são alguns dos casos mais frequentes I Anaísa Freitas Tratar um corpo doente através do entendimento da mente. Esse é o trabalho de psicoterapeutas como a médica e pós-graduada, Cristina Santos. Segundo a doutora, normalmente a mente humana “adoece” antes do corpo, ou

seja, os sintomas físicos revelados são conseqüências de idéias enfermas. A psicoterapeuta revela ainda que, dentre os casos mais tratados em seu consultório estão: Síndrome do Pânico, depressão e Transtorno Obsessivo Compulsivo, que é um caso extremo de neurose.

A abordagem inicial depende do tipo psicológico de cada pessoa, referindo-se a variedade de personalidades existentes, que influenciam nos recursos utilizados no tratamento

Os pacientes costumam recorrer ao consultório quando a medicina tradicional não consegue explicar a causa de sintomas como dores agudas e falta de ar. Aconselhados pelos familiares ou por iniciativa própria, eles chegam ao consultório calados, chorando ou expressando insatisfação, de acordo com relatos de Cristina. Ela explica também que a abordagem inicial depende do tipo psicológico de cada pessoa, referindo-se a variedade de personalidades existentes, que influenciam nos recursos utilizados no tratamento. Dentre as práticas utilizadas no tratamento psicoterapêutico estão o relato dos sonhos pelos pacientes, a imaginação ativa (processo de conduzi-los a um nível de concentração profundo no qual relatam circunstâncias diversas), pinturas, desenhos, esculturas em argila e terapia em caixa de areia (trabalho com miniaturas). Apesar dessa diversidade de ferramentas, a médica explica que o mérito do tratamento se dá quando o profissional consegue capacitar o paciente para a “auto-cura”, ou seja, torná-lo capaz de perceber dentro de si as causas de seus transtornos e buscar mecanismos de defesa.

Áudio-descrição auxilia deficientes visuais I Anaísa Freitas A coordenadora do Instituto de Letras da UFBa, Profª. Drª. Eliana Franco, vem desenvolvendo um trabalho de áudio-descrição com o objetivo de tornar o cinema mais acessível aos deficientes visuais. O projeto teve início a partir de uma conferência sobre o assunto na Alemanha, em 2004. A áudio-descrição consiste em descrever as imagens do filme nos momentos em que não há diálogos. Eliana descreve seu projeto a qual “tradução intralingual (onde original e tradução são na mesma língua) e intersemiótica (entre dois signos diferentes: o visual e o verbal)”. Na prática, é feito um ro-

teiro visual do filme, com ajustes de tempo e gravações em estúdio. Posteriormente, a obra é editada e exibida como um teste de recepção, como ocorreu pela primeira vez com o curta-metragem baiano Pênalti, de Adler Kibe Paz, no Instituto de Cegos da Bahia e no setor Braille da Biblioteca Central dos Barris. Unindo forças, esse projeto agora é parte do grupo de pesquisa Tramadan (Tradução, Mídia, Áudio-descrição e Dança), em parceria com a Escola de Dança da UFBA, sob coordenação das professoras Eliana Franco (Instituto de Letras) e Fafá Daltro (Escola de Dança/Grupo X) e participação das pesquisadoras Sandra Farias

(UEFS) e Íris Fortunato (UFBA). A iniciativa pioneira já gera bons frutos, como o espetáculo “Os Três Audíveis”, do Grupo X de Improvisação em Dança. A apresentação teve três versões distintas de áudio-descrição ao vivo para atender aos deficientes visuais, que também avaliaram a atuação em um debate pós-espetáculo. Os resultados dessa iniciativa serão apresentados em congresso sobre Tradução Audiovisual na cidade de Montpellier, França, em junho. O trabalho de áudio-descrição é um projeto que se apóia na lei 10.098 (2000), nos decretos 5296(2004) e 5645(2005) e na norma de acessibilidade audiovisual elaborada pela ABNT.

Dicas de saúde Outono com sucos em alta A grande vantagem de um suco, seja de frutas, vegetais ou ervas, é a rápida absorção pelo organismo. Em 15 minutos seu organismo desfruta de vitaminas, minerais e nutrientes de ação antioxidante. Especialistas explicam que, quanto mais ingredientes o suco contiver, mais potentes serão seus efeitos no organismo. Vale ressaltar que o ideal é dispor de ingredientes frescos e limpos.

Erva-mate ajuda no tratamento do mal de Parkinson Embora ainda preliminar, o relato de pesquisadores da Universidade do Extremo Sul de Santa Catarina comprovou em cobaias que a erva-mate pode prevenir o mal de Parkinson. O extrato da planta, quando utilizado como fitoterápico, permitiu que partes dos ratos doentes recuperassem os movimentos.

Fibras previnem câncer de mama Fartos em frutas como a melancia, esses componentes reduzem a incidência de câncer de mama. A explicação para esse efeito benéfico está no fato de que as fibras ingeridas saciam a fome por um período prolongado. Na prevenção desse câncer, os médicos também recomendam a ingestão de alimentos de cor vermelha, pois são ricos em licopeno, um pigmento de mesma cor que combate os radicais livres.

Relaxe tomando chá Para aliviar o estresse, pesquisadores do University College London, na Inglaterra, descobriram o efeito positivo do chá. Voluntários que ingeriram a bebida algum tempo antes de serem submetidos a diversas situações de tensão registraram queda média de 47% no nível de cortisol – hormônio do estresse – no sangue.

Ketchup faz bem! O popular ketchup pode deixar de ser o vilão na mesa. De acordo com especialistas, o molho possui em sua composição elementos que destroem o colesterol ruim (LDL, responsável pela obstrução dos vasos sanguíneos). Mas, para aqueles de paladar menos “irritado”, o ideal é mesmo o consumo do tomate em suco, pois não possui aditivos químicos. Mas é bom tomar cuidado com os alimentos gordurosos que acompanham o molho de tomate.

Uva... Além de ser hit de música junina, a fruta concentra em sua casca altos índices de resveratrol, um polifenol que reduz o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares e aumenta a produção do colesterol HDL (bom colesterol). A uva também é rica em vitamina C e funciona como um laxante natural.

Por um voto de diferença, comunidade científica comemora decisão do Supremo No último dia 29, as pesquisas com células-tronco embrionárias foram autorizadas pelo Supremo Tribunal Federal (STF). Interrompidos desde 2005, por uma ação da Procuradoria-Geral da República (PGR), os estudos agora terão legalidade pelo artigo 5º da Lei de Biossegurança (nº 11.105), que permite o uso dessas célu-

las a partir de embriões produzidos durante a fertilização in vitro e conservados por um período que os torne inviáveis para gerar vida. Está prevista para o próximo mês a criação de uma rede nacional de pesquisas com célulastronco, a partir da parceria entre os ministérios da Saúde e da Ciência e Tecnologia.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 21

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

LOCAL

I

21

Não à pirataria vai além do “politicamente correto” A concorrência com os filmes falsificados elevam o valor do dvd LUCAS SILVA

I Anaísa Freitas A comercialização de mercadorias ilegais evoluiu com os séculos, migrando dos saques a embarcações em alto-mar para a indústria áudio-visual. O baixo custo da mídia virgem (em média, R$2), dos gravadores de DVDs, o fácil compartilhamento de conteúdos pela Internet e a prática de “burlar” os sistemas anti-cópia dos DVDs são os principais elementos que estimulam a prática de reprodução e venda de filmes e shows de propriedade intelectual reservada. André Queiroz, coordenador da revenda da videolocadora GPW, explica que há riscos para o consumidor que adquire mídias piratas. “Elas estragam o leitor de DVD porque a mídia utilizada não é a industrial e também deixam a desejar em qualidade de imagem e som”, esclarece. Queiroz acrescenta que a concorrência com os filmes falsificados

Mídias piratas estragam o leitor de DVD e deixam a desejar em qualidade de imagem e som acaba elevando o valor do DVD. Estima-se que 60% do mercado de DVD no país seja ilegítimo, o que dificulta a permanência de

empresas legais no mercado de locação e venda de filmes. Embora a GPW tenha sofrido com a queda na revenda a pessoas jurí-

Através do site é possível folhear o jornal, para ler basta fazer um download e imprimir

Jornal Nosso Bairro na internet O jornal Nosso Bairro também está na rede. Os internautas podem visualizar o jornal, entrar em contato com a equipe comercial e jornalística, baixar em PDF o arquivo para imprimir e ler as matérias e se cadastrar para receber nossos exemplares em casa gratuitamente. Basta acessar www.canal2.com.br/nossobairro Em breve, o site trará novidades! Entre, leia e participe.

dicas, Queiroz, há 3 anos no cargo, salienta que a clientela do setor de locação é fiel e costuma optar pela ida à loja, com a consulta aos colaboradores sobre as obras do acervo, que é considerado o mais completo da capital. Como não se pode prender todos que comercializam obras pirateadas no país, os órgãos de defesa dos direitos autorais vêm tentando explicar ao consumidor final que a sua contribuição em comprar material ilegal o transforma em receptador. De acordo com a lei nº 9.610, de 19 de fevereiro de 1998, art. 46, II, é uma violação de direitos autorais a cópia integral de um CD. Caso uma pessoa faça isso, poderá ter que pagar uma reparação civil ao autor. No Brasil, a primeira condenação de um usuário que utilizava a internet como meio de divulgação do comércio de DVD que ele “fabricava” ocorreu há um ano e custou uma pena de dois anos de reclusão.

Dados do Ministério da Justiça revelam que a pirataria causa um prejuízo direto ao país estimado em R$ 27 bilhões. Apreensões de mídias piratas, efetuadas no início do ano, já registraram um aumento de quase 170% em relação ao mesmo período do ano passado. Conheça as principais modalidades de atuantes nesse ramo ilegal: 1. Capitão gancho – Ganha dinheiro com o esquema de distribuição da pirataria, pois grava o DVD e os vende ou consigna aos “Papagaios de Pirata 2. Papagaio de Pirata – Vende os DVD’s dos Capitães Gancho nas ruas e nos anúncios de Jornal. Muitas vezes o “papagaio de pirata" sabe que está vendendo um produto ilegal, mas não tem noção do tamanho da sua contravenção. 3. Pirata Teen – Para ele, piratear e outras contravenções é algo perfeito!


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

22

I

04.07.08

09:35

Page 22

JORNAL NOSSO BAIRRO

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Cortinas: faça a escolha certa sentadas em tecidos e adesivos feitos

Cores neutras como branco, preto, cinza, marrom e cru continuam em alta

em laser-out para serem colados nas paredes e a vegetação natural tem sido bastante usada para decorar ambientes. A AD design, uma empresa espe-

As cortinas e persianas funcionam

cializada neste segmento há 10 anos,

como uma roupa, precisam se encai-

conta com profissionais qualificados

xar na decoração e se amoldar ao am-

para o auxílio na composição dos te-

biente. Por isso, é muito importante na

cidos e cores, buscando modelos ex-

hora da escolha prestar bastante aten-

clusivos para cada cliente, como a

ção a cada detalhe, como o modelo, o

persiana envolvida no voil. Além das

tipo e o caimento do tecido e as cores

cortinas, a loja também dispõe de

escolhidas. As cortinas ajudam a tor-

persianas, objetos de arte como telas

nar o ambiente mais aconchegante,

e esculturas, tapetes, revestimento

acolhedor e bonito. Ela deve estar em

de palha, almofadas e tecidos nacio-

harmonia com as paredes, os móveis

A AD Design é especializada em corntinas e persinas há 10 anos

nais e importados.

e os objetos de decoração. Como não poderia deixar de ser, cor-

guns móveis, estofados e revestimen-

mais indicados são os lisos, com tex-

AD DESIGN

tinas e persianas também acompa-

tos de paredes em cores quentes como

turas como o linho, o couro e a lã.

ENDERE²O - AV. ACM, 656 LOJA 55 - 2º

nham a moda e apresentam suas ten-

o vermelho, a berinjela e o marrom para

Outra tendência são os temas da na-

dências. Cores neutras como o branco,

dar um contraste interessante. A cor

tureza, com materiais reproduzidos

TELEFONE: 3354- 0005

o preto, o cinza, o marrom e o cru con-

ouro também tem ganhado bastante

através da tecnologia não esquecendo o

SITE: WWW.ADDESIGNBA.COM.BR

tinuam em alta, sempre destacando al-

destaque. Em termos de tecidos, os

seu lado artesanal. As flores são repre-

CONTATO@ADDESIGNBA.COM.BR

PISO - SHOPPING ITAIGARA


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 23

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Moda Outono/Inverno 2008

Com o foco no olhar Delineador é o que há de mais atual na maquiagem. Sofistica qualquer look e dá um ar felino às mulheres AGÊNCIA FOTOSITE / DIVULGAÇÃO

Desfiladas nas passarelas do Fashion Rio e da São Paulo Fashion Week, as novas tendências de maquiagem destacam os olhos com delineador

I Roberto Pires O REVIVAL DOS ANOS 50/60 trouxe de volta o delineador. Fora de circulação por algum tempo, o produto cosmético retornou às passarelas de outono-inverno. Na tevê, aparece no rosto das atrizes Débora Falabella e Marjorie Estiano, ambas da novela Duas Caras. “As clientes têm visto nas capas de revista e pedem para fazer igual”, conta Dino Neto, maquiador dos programas Mosaico e Aprovado, da TV Salvador. Jovem ou madura, o que importa é ter atitude para usar a novidade. As louras preferem a tonalidade marrom, embora o delineador preto ainda seja o mais utilizado. Há, ainda, nos tons dourado, prateado e de verde e azul fluo, mais indicados para festas e baladas. Não é fácil aplicar o delineador. Portanto, Dino recomenda comprar o tipo embalagem-caneta (em vez de pincel) e oil free (seco, que dura mais quando aplicado). Outra dica: caso decida marcar os olhos, deve-se economizar nos lábios e viceversa. Delineador pode ser usado junto com sombra clara (gelo, marfim, bege), mas na boca use apenas gloss de aspecto natural.

I

MODA

I

23


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

24

I

04.07.08

09:35

Page 24

ENTRETENIMENTO

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

A data é comemorada em vários países no dia 14 de fevereiro. No Brasil, o dia escolhido foi 12 de junho, um dia antes de Santo Antônio.

Dia Charmoso O dia dos namorados já é comemorado há mais de 2 mil anos I Lucas Sérvio “Todo mundo planeja amar Banho quente ou tempestade no ar O amor da gente é pra temperar” Embalados pelo refrão da música de Cazuza, “Dia dos Namorados”, os casais apaixonados devem curtir bem juntinhos esta data que já é comemorada há mais de 2 mil anos. Esse dia especial foi colocado para o brasileiro em 1949, através do publicitário João Dória, que desenvolveu para uma de suas campanhas o título comercial que falava "não é só com beijos que se prova o amor". A proposta do publicitário na época era criar uma comemoração comparada ao Dia dos Namorados nos Estados Unidos, festejado em fevereiro no dia de São Valentim, ou "Valentine´s Day". A data é comemorada em vários países no dia

14 de fevereiro. No Brasil, o dia escolhido foi 12 de junho, um dia antes de Santo Antônio, o santo casamenteiro. O intuito da escolha desta data no mês de junho é porque os comerciantes paulistas na época precisavam de algo que alavancasse o comércio nesse período, já que as vendas eram fracas. A importância do Dia dos Namorados é a celebração do amor, o respeito, o carinho e a união entre duas pessoas apaixonadas. Então, como dizia Cazuza, na continuação de sua música, “O amor da gente é pra continuar. E a nossa fonte não vai secar”.

Rock´n Roll em Salvador Banda Roque_Sport traz novidades para o cenário musical baiano DIVULGAÇÃO

“Hoje nos somos o Roque, nem gringo e nem tupiniquim, sentimento, poesia e arte, dor e alegria, destruindo e construindo, sempre”. É assim que os membros da banda Roque_Sport a definem. Uma banda baiana de quatro integrantes, Max, Abel, Júnior e Kiko, surgida no ano de 2001 em Salvador, a Roque_Sport surgiu do desejo dos seus componentes em trazer o som reflexivo, pensante e atuante dos anos 80, com a vida do rock inglês e a energia dos anos 90. As letras variam de densidade, apresentadas a partir de situações corriqueiras do dia-a-dia.

Festa Junina da Paróquia Nossa Senhora da Luz Diversas atrações por apenas r$ 10

As apresentações acontecem em bares e casas de show A banda apresenta-se em bares e casas de show com um repertório que vai de músicas

próprias a versões roque_sportianas de várias vertentes do rock nacional.

No dia 14 de junho a Paróquia Nossa Senhora da Luz realiza sua tradicional Festa Junina. O evento, que cresce a cada ano, vai acontecer no Centro Comunitário a partir das 20h30min, com barracas de comidas típicas juninas e uma banda. A entrada será de R$10. No dia também será sorteada uma TV 29’ de tela plana. Os interessados em comprar os ingressos an-

tecipados para participar da festa junina e os números para o sorteio (R$ 5), podem adquirir na Igreja ou na sede do centro. Todo o dinheiro arrecadado será revertido para as obra sociais do Centro Comunitário.

SERVIÇO Centro Comunitário: Rua Verona, 133, próximo ao Parque Júlio César – Pituba.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 25

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

CULTURA

I

25

São João no Nordeste é arretado de bom Com o clima junino no ar é só arrumar as malas e partir para o interior I Izadora Azevêdo Olha a chuva, olha a cobra, anarriê. É hora de escolher a camisa xadrez, o vestido de chita e se embalar no arrasta-pé da sanfona e no xote da zabumba, pois os festejos juninos já vão começar. A ordem agora é viajar para o interior e curtir o clima das cidades nordestinas com suas tradicionais quadrilhas e o bom forró. O mês de junho é o período de dançar juntinho, pular fogueira, fazer simpatias, pendurar bandeirinhas, comer canjica, milho assado e beber um pouco de licor. O Nordeste oferece arraiás para todos os gostos, que vai dos mais famosos como os de Caruaru e Campina Grande, que disputam o título de melhor São João do Mundo, aos menores no interior da Bahia. A festança começa dia 13 junho com as homenagens a Santo Antônio, o santo casamenteiro, e se estendem até 29 de junho, dia de São Pedro, mas em algumas cidades as comemorações começam bem antes. O São João de Campina Grande inicia suas festividades ainda em maio e só termina no final de junho. A cidade paraibana que se auto-intitula Capital Mundial do Forró vai ter esse ano mais de 400 atrações. A cidade pernambucana não fica para trás. Os festejos juninos é o maior acontecimento em Caruaru, são trinta dias de muito xote, forró e as tradicionais bandas de pífano. Já em Aracaju a história não é diferente, a Orla de Atalaia é transformada em uma verdadeira Vila com direito a fachadas de casas do interior, igreja e quermesse com barracas de comidas típicas. E o ar-

Arraiás para todos os gostos nas cidades do Nordeste

Para quem prefere ficar em Salvador, mas quer curtir um forrozinho, uma boa escolha é o São João do Pelô que acontece todos os anos nas ruas do Pelourinho Confira as principais festas do interior da Bahia:

rasta-pé fica por conta do Forró Caju que acontece na Praça de Eventos Hilton Lopes que sempre recebe grandes atrações. Na Bahia o que não falta é cidade comemorando essas datas. Quase todos os 417 municípios do estado preparam o São João

como manda o figurino. A terra do axé é seduzida pelo som das sanfonas e das rabecas. Para quem gosta de dançar coladinho, as cidades de Amargosa, Cruz das Almas e Senhor do Bonfim são as mais concorridas com suas festas nas praças e com eventos particulares, que até seduz aqueles que não gostam das tradições juninas, mas aproveitam a ocasião para namorar e dançar até o sol raiar. Para quem prefere ficar em Salvador, mas quer curtir um forrozinho, uma boa escolha é o São João do Pelô que acontece todos os anos nas ruas do Pelourinho. O Terreiro de Jesus, a Praça Tereza Batista, Pedro Arcanjo e Quincas Berro d'Água são transformadas num grande arraial e é uma boa alternativa para curtir com a família. Para quem não aprecia mesmo o São João, as opções na cidade ficam um pouco limitadas, a alternativa se restringe a bares, restaurantes e sessões de cinema, pois até os teatros se entregam ao arrasta-pé e suspendem suas programações durante as festividades.

Amargosa

21 de junho – Sábado

Localização: 240 quilômetros de Salvador

Jam no MAM – O Jazz de Ivan Bastos, Paulo Mutti,

Data: 21 a 24 de junho

André Magalhães e André Becker. Museu de Arte

Senhor do Bonfim

Atrações: Waldonys, Flávio José, Saia Rodada,

Moderna, Solar do Unhão. Tel. 3113-6130.

Localização: 376 quilômetros de Salvador

Estakazero, Bruno e Marrone, dentre outros.

Data: 19 a 24 de junho

O Forró do Piu-Piu esta na sua 12º edição e a festa acontece

Portela Café – O Pop Rock de Keko Pires. Praça Cruz

Atrações: Adelmário Coelho, Calcinha Preta, Flor

em dois dias esse ano, no sábado, dia 21 de junho, com o

Aguiar, Rio Vermelho. Tel. 33556855.

Serena, Aviões do Forró, Elba Ramalho.

tradicional Forró do Piu-Piu com Aviões do Forró e Asa de

Na cidade acontece ainda o Forró do Sfrega, nos dias 23 e 24

Águia, e no dia 22 de junho com Alexandre Peixe

22 de junho – Domingo

de junho. A animação fica por conta de Jammil, Aviões do

comandando o Forró do Harém.

Leopoldina Bar e Restaurante - Banda Rádio Brazuca. Av. Princesa Leopoldina, 389, Barra. Tel. 3235 2351.

Forró, Voa Dois, Estakazero, entre outras.

Cruz das Almas

Para quem pretende ficar na Capital:

Localização: 146 quilômetros de Salvador

Mahi Mahi – Zouk em Salvador e Dj Paulão. Av. 7 de Setembro, Corredor da Vitória. Tel. 3336-7736.

Data: 21 a 24 de junho.

20 de junho - Sexta-Feira

Atrações: Flávio José, Adelmário Coelho,

Jequitibar: Alexandre Leão e Convidados – MPB. Va-

23 de junho - Segunda-feira

Santana, Virgílio, Cavaleiros do Forró,

randa do Teatro Sesi, 9, Rio Vermelho. Tel. 3535-3020.

Moema Batataria e Lounge – Pop Rock de Lucas Daniel.

Estakazero e outros grandes nomes.

Rua Alagoinhas, nº 772, Rio Vermelho. Tel: (71) 3335-3335.

O Forró do Bosque acontece nos dias 21 e 23/06, com as

Borracharia - Dj Roger ' n Roll que mistura os som

bandas Chiclete com Banana, Flávio José, Aviões do Forró,

das pick´ups com blues, samba, rock e soul. Rua Cons.

Pedra da Sereia – MPB. Rua Pedra da Sereia, 66, On-

Trio Nordestino e o carioca Dj Marlboro.

Pedro Luiz 101 A, Rio Vermelho Tel. 9142-0456.

dina. Tel. 3336 – 0553.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

26

I

04.07.08

AUTO

I

09:35

Page 26

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Paixão por quatro rodas Os colecionadores de carros antigos possuem infinitas razões para se dedicarem ao “antigomobilismo” I Izadora Azevêdo Os motivos são muitos, um hobby, uma herança ou até mesmo vínculo emocional. Cada um tem sua razão para explicar a dedicação em colecionar carros antigos. O "antigomobilismo" é mais que uma tradição, é um sentimento que só os aficionados por automóveis entendem. No dia 13 de maio foi comemorado o Dia do Automóvel e para celebrar essa data é sempre bom relembrar como eles surgiram. O primeiro automóvel da história foi construído por Joseph Cugnot, em 1769, na França. Tinha três rodas e era movido a vapor. Podia chegar à velocidade de 3,5 km/h. No caso do Brasil, o primeiro carro a circular pelo país foi o do Pai da Aviação. Em 1891, desembarcou no cais de Santos o primeiro carro importado vindo de Paris por Santos Dumont. Entretanto, foi somente em 1956, durante o governo de Juscelino Kubitschek, que as multinacionais começaram a montar os automóveis. Desde então foi disseminando essa paixão por carros. Essa admiração reúne cada vez mais admiradores. E assim surgiram os clubes de veículos antigos. A Veteran Car Club do Brasil é uma associação de proprietários e amantes de veículos antigos.

FUSCA

DODGE CHALLENGER

Velocidade – 112 km/h 0 a 100 – 39,4 segundos Peso – 730 kg Potência – 30 cavalos

Velocidade – 273 km/h 0 a 100 – 6,4 segundos Peso – 1525 kg Potência – 230 cavalos

Em 1950, desembarcava no porto de Santos o primeiro lote de 30 daqueles carros estranhos. Se não bastasse o motor traseiro, tinha o porta-malas debaixo do capô. Mas o que atraiu foi a capacidade da suspensão agüentar as piores estradas brasileiras. O veículo mais vendido no mundo, com 21 milhões de unidades.

Nos anos 70 a história do automóvel mudou para sempre, foi lançado o Dodge Challenger. O que atraía nele era o visual inovador e agressivo, com os faróis escondidos por uma grade. Em 1974 o modelo desapareceu, deixando saudades por todos. Mas em 2006 a Dodge construiu um carro conceito denominado Challenger Concept.

MAVERICK

MUSTANG

Velocidade – 178 km/h 0 a 100 – 11,6 segundos Peso – 1360 kg Potência – 197 cavalos

Velocidade – 200 km/h 0 a 100 – 6,3 segundos Peso – 1580 kg Potência – 300 cavalos

O Maverick foi lançado em junho de 1973, nas versões Super, Super Luxo e GT. Ele inspirava as corridas, desafios. Nas noites dos anos 70, os "rachas", comuns em São Paulo não começavam sem a presença dele.

O Mustang teve seu lançamento em 1964. O modelo pequeno, leve e esportivo teve 22 mil unidades vendidas apenas no primeiro dia. Ele foi e é sem dúvida um dos maiores sucessos da indústria automobilística e das gerações dos anos 70.

Os mais vendidos do ano Confira abaixo a lista dos 20 modelos mais vendidos no mercado nacional em 2008, segundo dados da Fenabrave (Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores) e veiculado pela revista Quatro Rodas do mês de maio. Considerando-se a participação de cada uma das montadoras nos segmentos de veículos de passeio e comerciais leves, temos a seguinte divisão: a Fiat em primeiro lugar com 24,90%, a Volkswagen na segunda posição com 22,16% e a General Motors na terceira com 21,67%. Completam a lista: Ford – 9,18%; Renault – 4,23%; Honda – 4,15%; Peugeot – 3,13%; Citroën – 2,50%; Toyota – 2,36%; Hyundai – 1,54%; Mitsubishi – 1,36%. Os outros fabricantes 2,82%.

Existe em diversas cidades do país e no exterior, mas em Salvador surgiu em 2004 da iniciativa de 13 amigos. Hoje conta com 136 associados, consolidando-se como o Clube Oficial do Antigomobilistas Baianos. Todo primeiro sábado de cada mês acontece uma exposição de carros dos associados da Veteran Bahia no Parque da Cidade. Segundo o presidente da associação, Jorge Cirne Filho, estes encontros servem para reunir os associados, trocar opiniões e saber o que está acontecendo no mercado de carros antigos. Os apreciadores vão encontrar raridades como Dodge 48, Mustang 68, Maverick GT 74, o Fusca 49 (o mais antigo do Brasil), entre outros carros da década de 20 até a década de 80. Para quem tiver interesse em se associar é necessário possuir um veículo antigo com mais de 30 anos, um Roadster (conversíveis de dois lugares) com mais de 23 anos ou um carro Fora de Série. Os apreciadores do hobby também podem se associar. VETERAN CAR CLUB DA BAHIA Data: 1º sábado de cada mês Horário: a partir das 14 horas Local: Parque da Cidade, Itaigara. Informações: (71) 3461-9220 www.veteranbahia.com.br

Quem Chega e Quem Vai Embora Enquanto alguns carros são lançados no mercado, outros saem de linha. Fique por dentro e conheça quem entra e quem sai segundo a revista Quatro Rodas de maio:

Lançamentos: 1º 2º 3º 4º 5º 6º 7º 8º 9º 10º 11º 12º 13º 14º 15º 16º 17º 18º 19º 20º

Carro VW Gol Fiat Palio GM Celta GM Corsa Sedan Fiat Uno VW Fox/CrossFox Fiat Siena Fiat Strada Honda Civic Ford Fiesta Hatch GM Prisma Ford Ka Ford Ecosport Fiat Punto Peugeot 206 Hatch GM Corsa Hatch Honda Fit Renault Logan GM Montana Ford Fiesta Sedan

Jan 20781 16722 11321 11696 10577 11167 7083 5273 4558 5679 4254 1025 4560 3404 3652 3847 2880 2757 2598 3522

Fev 20167 16242 11141 10877 9930 9103 7245 5157 4894 3398 3879 4073 2939 3276 2975 3510 3598 2660 2891 2299

Mar 25904 18011 12309 10772 11330 9885 8680 5952 5234 3795 4280 4667 3770 4072 3475 3655 3858 3160 2996 2625

Abr 25912 20144 13554 12189 11759 10530 9556 5794 5826 5333 5166 6367 4200 4244 4750 3753 4174 3669 3613 3259

BMW M3 Sedan Citroen Grand C4 Picasso Chevrolet Astra Hatch Advantage 2.0 Plus Chevrolet S10 2009 Fiat Palio Weekend VW Gol, Fox, Parati e Saveiro Trend VW Fox Extreme VW Golf Tech

Fora de linha: BMW Z4 3.0 Chevrolet Astra SS VW Fox, Gol, Parati e Saveiro City, e Gol e Parati Plus


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 27

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

AUTO

I

27

Série Especial

Mas afinal, para que serve o seguro? O seguro protege o cliente para que reduza prejuízos de um determinado evento negativo As montadoras de carros têm feito um alto investimento em tecnologia e segurança para que os donos de veículos não tenham tantos prejuízos após a compra caso haja algum incidente. Rastreadores, airbag e o cinto retrátil com pré-tensionadores são as principais novidades do mercado no quesito de segurança. Mesmo assim, para evitar situações negativas como essas, é natural que o proprietário esteja com medo e convencido de que é importante ter um seguro para seu carro. Mas afinal, para que serve o seguro? O jornal Nosso Bairro fará uma série de reportagens sobre o assunto e vai responder essa e outras dúvidas a respeito. O seguro tem como finalidade proteger o cliente para que reduza

prejuízos de um determinado evento negativo, apropriadamente chamado de sinistro: roubo ou acidente de trânsito. É um contrato em que o dono do carro paga uma quantia à seguradora para que ela corra um risco em seu lugar. No caso de um sinistro, a seguradora vai indenizar o segurado. Quanto maior o risco que o veículo ou o motorista oferecem à seguradora, mais caro fica. Algumas vantagens das seguradoras são bem aproveitadas pelos clientes, como a divisão das parcelas na hora do pagamento e no fato de que quanto mais tempo seu carro ficar na mesma empresa sem acionar o seguro, maior será o seu desconto na renovação do contrato. Para se defender dos abusos, a seguradora exige que o cliente fique com uma parte do risco. Essa parte do risco é a franquia, ou seja, em caso de um sinistro, o segurado deve pagar o valor da franquia ou esse é descontado da sua indenização. Antes de escolher qual o melhor seguro para o carro, é preciso saber que existem dois grupos de seguros. No primeiro e mais caro estão

as apólices conhecidas como Cobertura Compreensiva ou Total. Completo, esse tipo de seguro protege o veículo contra incêndio e roubo e cobrem acidentes provocados por outros motoristas. Além disso, oferece mimos como encanadores, eletricistas, técnicos de informática dentre outros serviços domésticos gratuitos. O segundo grupo e mais acessível é o que tem apólices de Responsabilidade Civil Facultativa, ou RCF. Nesse caso, o segurado terá direito de receber uma indenização caso machuque outra pessoa ou danifique um veículo alheio. É o famoso seguro contra terceiros. Esse tipo de seguro é o que mais cresce no mercado, por ser mais barato. Para quem buscar o melhor seguro para seu carro e o seu bolso, a dica é procurar um bom profissional para auxiliar e tirar todas as dúvidas através de associações como a Federação Nacional de Corretores de Seguros (www.fenacor.com.br) ou o Sindicato Nacional dos Corretores de Seguros do seu estado (www.sincor.org.br). Leia na próxima edição mais uma reportagem sobre Seguros


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

28

I

04.07.08

09:35

CULTURA

I

Page 28

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Balacobako por Michel Telles Heroína?

Desabafo

Já é fato que, aqui no Brasil, quanto mais de quinta categoria for uma pessoa, mais chance de virar celebridade ela tem. Mas bajular cafetina é um pouco demais, não é, não? E só o que nos faltava era ver essa Andréia Schwartz virar heroína. Ok, ela ajudou a polícia de Nova Iorque a descobrir que o governador usava dinheiro público para pagar por serviços sexuais e derrubar o sujeito. Mas a verdade é que ela vivia ilegalmente nos Estados Unidos, explorava brasileiras e foi presa por prostituição (que é crime em Nova Iorque), tráfico de drogas e lavagem de dinheiro, o que, na minha mais modesta opinião, não faz dela uma pessoa a se admirar. Aí, na ótima série de reportagens que um jornal paulista publicou, aparecem os pais dela, todos orgulhosos da filha capixaba de

A modelo Elisa Joenck, que declarou que Dado Dolabella e Luana Piovanni se mereciam, continua sem poder ouvir falar no nome ator. Para uma amiga, Elisa disse que só guarda más recordações do período em que estiveram juntos: engordou, guardou menos grana e, por pouco, não teve o motor de seu carro fundido.

origem muito pobre que venceu na América. E, não satisfeitos, admitem que ainda pretendem ganhar dinheiro com a fama da pimpolha. Ah, o berço, né, gente? Para melhorar, a moça chega, faz pose de celebritie-perseguida-por-paparazzi, cobra para dar entrevistas e, na hora em que resolve falar de graça, diz que nunca foi prostituta, que o porte de drogas foi 'plantado' pela polícia, que jamais lavou dinheiro algum, e que foi tão roubada que veio embora para o Brasil sem trazer nem as calcinhas. Eu também acredito em Papai Noel e Coelhinho da Páscoa.

Egoísta Antonio Fagundes comprou um carrinho japonês de dois lugares. Diz-se à boca pequena que ele fez de propósito para não dar carona para ninguém. A namorada pode.

Tentando Carla Perez está gravando, em uma produtora independente, pilotos de programa de vendas de produtos para o público in-

fantil (roupas, brinquedos etc). É no estilo do Shop Tour. Ela vai oferecer para algum canal de TV.

Feijão bom A famosa feijoada do Empório Café no Apipema Center continua bombadérrima aos sábados a partir do meio-dia. Jó e Nika Coelho andam no maior píque para atender as solicitações do clientes, que comem no local e ainda compram para levar para casa.

O selinho de Ivete Sangalo e Patricia Pilar

Abafe Quem será o namorado de Mônica Velloso (do caso Renan Calheiros) que ela esconde a sete chaves. Ou não haverá ninguém e a bela se vale disso para evitar o assédio de indesejáveis?

Aline Moraes: excelente trabalho na novela Duas Caras

Erro A Sony BMG começou o lançamento do novo CD de Cyndi Lauper revoltando os fãs. É que a gravadora colou nos discos um adesivo promocional com o nome da cantora escrito errado (Cindy Lauper). A Sony BMG diz que vai recolher o material.

Scheila Carvalho se rendeu ao peelling de diamantes de Analuzia Moscoso de Carvalho

Um paulista na capital baiana

Notificação de Rompimento de Acordo I Felipe Vergili É com muito pesar que venho por meio desta notificar o fim do acordo pré-estabelecido entre nós, os moradores da Pituba e suas redondezas, e os senhores prestadores de serviços criminais, também conhecidos como bandidos, gatunos, assaltantes e outros termos. Não bastasse termos cedido nossas ruas, avenidas, parques, praias e praças para suas ações corriqueiras e até violentas, agora os Senhores demonstram a vontade de acabar com nosso último reduto de ostentação e falso sentimento de segurança: os Shoppings Centers. Muito me estranha as atitudes

dos Senhores, já que nós temos cumprido nossa parte a risca: somos na maioria coniventes com suas ações, sem protestar ostensivamente por mais segurança na nossa região; seguimos não colaborando com as atividades policiais e até colocando a polícia, em muitos casos, também como nossos inimigos; temos seguidamente deixado objetos de valores bem à mostra em nossos veículos; não prestamos atenção quando chegamos ou vamos sair de nossas casas... Enfim, dentro das nossas obrigações para colaborar com os senhores, temos feito o possível. Mas e a parte de vocês?

Nos roubar nas ruas? Normal, vivemos numa grande cidade. Nos agredir enquanto caminhamos na Orla? Pode ser, Salvador é uma cidade com muita diferença social. Me surpreender com uma arma no sinal fechado? Se for para roubar e comprar comida, eu até aceito. Mas nunca, nunca mesmo, vocês deveriam ter entrado no Shopping. É lá que mandamos nossos filhos aos sábados e domingos. É neste prédio que podemos mostrar nossos relógios, nossos sapatos, nossas jóias. Onde vou tomar meu café vendo gente bonita passeando e não me pedindo dinheiro? Não esperava tal

atitude dos Senhores. E precisava roubar justamente uma grande loja de jóias? Realmente perdemos o rumo. Sem ruas tranqüilas, sem parques onde não ocorram arrastões, sem Orlas que não estejam em obras ou cheias de violência, o Shopping era o nosso único refúgio fora do nosso prédio ou casa. Não sabemos mais para onde ir. E queremos também afetá-los, pois isso não pode ficar assim. Vocês não podem sempre nos fazer recuar, daqui a pouco não sairemos nem mais do nosso quarto, pois no corredor entre a sala e a cozinha poderemos ser assaltados.

Deste modo, imagino que os Senhores Prestadores de Serviços Criminais já saibam a atitude que temos que tomar. É o que se espera, mesmo vocês nem se importando com o que esperar de nós. Pois saibam que diante de tal situação, em nossa máxima intolerância aos atos praticados e citados acima, nós, moradores da Pituba e suas redondezas, não faremos NADA!

Felipe Vergili é paulista, jornalista e mora em Salvador há um ano. Mais textos no blog: http://spemssa.blogspot.com Email: fvergili@gmail.com


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 29

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

I

ENTREVISTA

I

29

“Sou um vulcão” Luís Miranda, sagitário com ascendente em sagitário, é fogo! O ator baiano prova isso na comédia 7 Conto, na atitude crítica perante a vida e nos incessantes projetos

7 Conto não é apenas mais um besteirol ... As pessoas se surpreendem. Esperam ver uma coisa e quando chegam aqui tomam um tapa na cara. Os personagens metem a boca em tudo. Deixo eles livres para ter uma certa imparcialidade. Sérgio Machado (cineasta) veio assistir a peça e comentou: "Posso encontrar esses personagens em qualquer lugar que eu vá". Apesar de você tocar em assuntos polêmicos, como segregação e futilidade, a platéia se diverte bastante com o espetáculo. Sou muito sutil. No meio do deboche, as pessoas aplaudem e acham engraçado. Não fico cutucando ferida. Quer dizer, meto o dedo na ferida mas não coço. O espetáculo não é panfletário, não levanta bandeira pra nada.

I Roberto Pires “Tô pensando em ir à Liberdade ver o Ilê", comenta Luís Miranda no camarim, numa noite de sábado. Animação ele tem de sobra, como um bom baiano. Falta pouco para entrar em cena. Sorriso estampado na face, explica que usa a corrente com uma imagem de São Jorge porque se identifica com o lado guerreiro do santo. Mas, na verdade, é filho de Oxaguian (Oxalá jovem). Na astrologia, converge duplamente para sagitário, signo de elemento fogo, que em termos profissionais sugere um nativo inteligente, comunicativo, produtivo e generoso. É também muito ligado aos valores espirituais. Raciocínio ágil e olhar atento, Luís fala sem parar. No palco, interpreta oito personagens, dentre eles a simplória Dona Edite, o rapper MC Dollar e Sheila, “a dama da noite e do

champanhe que tem o glamour da pombagira”. O texto da bem-sucedida comédia 7 Conto foi escrito pelo próprio, que ainda assina a coreografia do espetáculo que trata de temas como discriminação, oportunismo, desrespeito aos idosos e consumismo. A crítica é feita com uma ironia fina e doses cavalares de humor rasgado. Talento precoce, aos 14 anos Luís Miranda escreveu e atuou em Lady Vampeta. Foi militante estudantil, deu aulas de lambada, ganhou prêmio de US$ 7 mil pelo espetáculo de dança Eguns. “Comprei uma TV, aparelho de som, comi melhor, vesti melhor, tive uma vida mais gostosa”, recorda. Ficou conhecido nacionalmente como o Moreno, de Sob Nova Direção, e já enveredou também pelo cinema. Está no elenco do filme O Signo da Cidade, de Bruna Lombardi. E vem mais. “Sou um vulcão”, diz. FOTOS: MARCOS GOMEZ / DIVULGAÇÃO

Seu personagem no programa Sob Nova Direção (exibido pela TV Globo) se chamava Moreno. Não acha estranho, já que você é negro? Não me sinto ofendido se me chamam de moreno. Só não gosto quando me tratam pejorativamente.

cravos em novelas de época, como era antes. Mas ainda existe o estima do personagem favelado, mau-caráter, usurpador... Tenho esperança de ver uma novela em que a personalidade do negro seja diluída entre os outros personagens, sem questão racial. A dramaturgia ainda 'preconceitua' o negro. Mas você não é do tipo queixoso. Hoje em dia minha relação com as coisas não tem lamento. Há, sim, o impedimento de não haver papéis tão importantes para nós. Não tem como negar que a grande maioria branca não consegue entender e aceitar o desenvolvimento dos negros. Sempre convivi no meio de gente com dinheiro, mas tinha minhas críticas, via como algumas pessoas eram hipócritas. Além de encenar 7 Conto, quais são os seus planos em Salvador? Tenho vários outros projetos de teatro aqui. Um deles é montar a Via Crucis, tipo Nova Jerusalém, no Museu du Ritmo, de graça, com participação popular. Também pretendo atuar junto a movimentos comunitários, ajudar a formar gente. Quero devolver um pouco o amor que a Bahia me dá. Vou filmar A Morte e a Morte de Quincas Berro d'Água (baseado no romance de Jorge Amado), dirigido por Sérgio Machado. E ainda estou pensando em fazer uma adaptação de Macunaíma (obra de Mário de Andrade) para crianças.

Já foi vítima de preconceito racial? Nunca tiveram a ousadia de fazer isso comigo. Como sagitariano, tenho senso de justiça apurado. Sou esclarecido, conheço os meus direitos. Quando é assim, dificilmente alguém te engabela. Na tevê, os negros não mais interpretam somente papéis de es-

Luís Miranda, de cara limpa: talento para criar tipos Dona Edite: mãe coragem

MC Dollar: vítima da moda


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

30

I

04.07.08

09:35

Page 30

ENTRETENIMENTO

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Fim dos tempos estréia no próximo dia 13 de junho

Vale a pena conferir DVD

Na Natureza Selvagem

(Into the Wild, EUA, 2007, 148 min) - Locação

Hulk e novo suspense do criador de O Sexto Sentido são destaques em junho I Felipe Vergili Recomeço. Não há melhor palavra para definir os retornos de Hulk e M. Night Shyamalan aos cinemas. O primeiro retorna com uma aventura totalmente nova, que ignora o filme de 2002, dirigido então por Ang Lee. Já o segundo, diretor e roteirista do sucesso “O Sexto Sentido”, tenta retomar seus fãs perdidos com o fracasso de 2006, “A Dama da Água”. Além destes, junho tem o retorno de Angelina Jolie às aventuras, a esperada adaptação da famosa série Agente 86 e a nova animação da Pixar, criadora de “Toy Story” e “Procurando Nemo”. “O Incrível Hulk”, que estréia mundialmente em 13 de junho, é a segunda investida da Marvel como estúdio cinematográfico. Depois de ter várias de suas histórias em quadrinhos convertidas com sucesso aos cinemas por estúdios tradicionais, como Fox e Paramount, a Marvel resolveu ela mesmo produzir seus longas. Depois de “Homem de Ferro”, lançado em maio último e sucesso de bilheteria, chega agora esta nova visão cinematográfica do Hulk. O filme ignora totalmente a última versão, que tinha um super-herói mais humanizado e explorava seus conflitos interiores. Agora o badalado Edward Norton (“A outra história americana”) é o protagonista e o roteiro promete ser mais fiel aos quadrinhos, priorizando a ação. O filme é dirigido

por Louis Leterrier, de “Carga Explosiva” 1 e 2, e conta ainda com Liv Tyler, Tim Roth e a participação especial do Hulk da antiga série televisiva, Lou Ferrigno. No mesmo dia, 13 de junho, estréia um filme que promete agradar aos amantes do suspense e terror: “Fim dos tempos”. Após o fracasso de seu último filme, M. Night Shyamalan volta aos filmes de suspense que o consagraram no passado com os sucessos “O Sexto Sentido” e “Sinais”. Na trama, protagonizada por Mark Wahlberg, uma aparente doença faz com que as pessoas se suicidem sem motivo. Tratada como uma epidemia, o mal faz com que a população sobrevivente fuja das cidades com medo de ser contaminada. O filme acompanha a fuga da família de Wahlberg e, como todos os filmes de Shyamalan, promete um final surpreendente. O detalhe é que este é o primeiro trabalho do diretor com censura 18 anos, promessa de muito sangue nas telas. Outro filme esperado do mês é a comédia “Agente 86”, com estréia marcada para 20 de junho. Com Steve Carell (“O virgem de 40 anos”) no papel do atrapalhado Maxell Smart, o famoso Agente 86 que trabalha para a organização secreta CONTROL e deve usar suas habilidades para combater as forças da KAOS. Adaptação da popular série de TV feita nos anos 1960, sucesso também no Brasil. Outra adaptação, agora dos quadrinhos, “O procurado” estréia em

27 de junho e tem Angelina Jolie como uma misteriosa assassina que precisa treinar um jovem para que se vingue da morte de seus pais. Finalizando o mês, também em 27 de junho, as crianças recebem o seu presente de férias com “Wall-E”, a mais nova animação da Pixar. O filme conta a história de um robozinho que foi criado no ano 2000 para limpar a Terra. Passados 700 anos, com o planeta já sem população em razão da poluição, ele segue sempre realizando tudo aquilo a que foi destinado, até que uma visita especial começa a mostrar a ele seu verdadeiro significado de existir.

Dica do mês Os 10 filmes mais locados na última quinzena de maio: I

A LENDA DO TESOURO PERDIDO 2 I ALIENS VS. PREDADOR 2 I 30 DIAS DE NOITE I O CAÇADOR DE PIPAS I NA NATUREZA SELVAGEM I P.S. EU TE AMO I CATACUMBAS I EU SOU A LENDA I OS SEIS SIGNOS DA LUZ I OS INDOMÁVEIS

Os próximos grandes lançamentos de junho: I I I I

VESTIDA PARA CASAR O GANGSTER RAMBO 4 JOGOS MORTAIS 4

História real de um recém-formado na faculdade que abandona seu futuro promissor por uma viagem sem documentos e dinheiro rumo ao Alaska. Durante sua jornada, se torna alheio a sociedade e conhece figuras que, assim como ele, não se adaptaram ao “american way of life”. Na natureza selvagem emociona do início ao fim e conta com ótima direção de Sean Penn, músicas compostas e executadas por Eddie Vedder, vocalista da banda de rock Pearl Jam, e ainda com belíssimas atuações de Emile Hirsch, que está em cartaz no cinemas com o filme Speed Racer, e também do veterano Hal Holbrook, que lhe rendeu uma indicação ao Oscar de melhor ator coadjuvante por esse papel.

CD

Madonna – Hard Candy Preço Médio: R$ 40,00

Madonna não perde a forma e o jeito. No seu 11° disco de músicas inéditas, consegue repetir com maestria sua fórmula de ritmos que não saem da cabeça aliados a letras leves, porém inteligentes. Buscando seguir as tendências, em vez de ditar novas, as 12 músicas do álbum sintetizam o pop reinante do final desta década: formatos super-produzidos, batidas e rimas do hip hop, melodias do R&B moderno, programações eletrônicas e samples. Quatros faixas contam com a aparição e a coautoria de Justin Timberlake, ex-vocalista do N´Sinc e ex-Britney Spears. Uma delas é 4 Minutes, o primeiro single do disco, que chegou ao topo das paradas mesmo antes de seu lançamento. Com mais idade e mais filhos, Madonna mostra mais uma vez que não perde a disposição e o estrelato.

Livro

Para Colorir, de Ricardo Cury Preço Médio: R$ 30,00

Em março de 2007, após 120 crônicas escritas em seu blog (http://ricardocury.blogspot.com), o autor baiano Ricardo Cury resolveu selecionar algumas para iniciar a montagem de um livro, finalizado em dezembro. Tendo o lema punk como ideal (o faça você mesmo), lema esse adquirido pela “escola do rock de Salvador”, decidiu lançar o livro de forma independente, como fazem as bandas do mundo atual. Além das crônicas selecionadas do seu blog, o autor coloca oito inéditas. No livro, os textos foram colocados numa ordem para contar uma história. Começa com uma crônica do dia em que o autor ganha sua primeira bateria, aos 14 anos, e termina com a sua saída, aos 28, da última banda em que tocou, ZecaCuryDamm. O livro permeia esse universo de músico independente e "do rock" em Salvador. Em paralelo, há também textos da vida cotidiana do autor, como a natação, o futebol, as suas viagens, conversa com amigos, trabalhos e encontros com Caetano Veloso, Chico Buarque e Armandinho. O livro tem também 16 ilustrações, todas de Ricard Sans, um espanhol de Barcelona que está morando na Bahia desde 2006, e rodapés das citações das músicas nos textos, com os nomes das músicas, os autores, quem gravou, em que disco, o ano, a gravadora e a capa.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

04.07.08

09:35

Page 31

Guia onde ir

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nº 2

Restaurantes

I

31

Bares e Cafés

Aice Zushi

Bella Napoli

Las Tapas

Ao Léu

Culinária Japonesa

Culinária Italiana

Culinária Espanhola

R. Território do Rio Branco , 219 - Pituba - Fone: 345-5443

AV. PAULO VI, Nº 1772 PITUBA

ALAMEDA DAS ESPATODEAS , 491 - CAM. DAS ÁRVORES - FONE: 3353-4986

FONE: 3355-0400 Dentre as novidades do restaurante está o preparo de alimentos na chapa, comandado pelo conceituado chef Laurance, responsável por quatro chapas que permitem ao cliente apreciar o preparo de seu prato. Para completar, uma novidade: tatames de 28 lugares para que

O cardápio, elaborado pela chef Michele Biratoni, inclui massas de fabricação própria, conservas, queijos, frios, saladas, e uma grande variedade de pratos quentes. I

Horário: De segunda a quinta, das 11h30

I

Horário: Almoço - de

terça a sábado das 12h as 15h; domingo, das 12h às 16:00h. Jantar - de terça a quinta, das 19h as 24h; sexta e sábado, das 19h às 1h e domingo, das 19h às 23h.

Baby Beef Carnes AV. ANTONIO CARLOS MAGALHAES , 3.363 - PITUBA - FONE: 3270-3000 A especialidade da casa são as carnes assadas na grelha, que são servidas no

11h30 às 15h e das 18h30 às 01h e domingo,

Coco Bahia Pizza AV. PROF. MAGALHAES NETO 1.273 - PITUBA - FONE: 3359-9000 Com um ambiente inspirado nas florestas tropicais, o local é todo decorado com referências à Mata Atlântica. O cardápio é composto por pizzas, tapiocas e crepes, regados com caipifrutas servidas na casca de coco. Os crepes salgados são acompanhados de porções de salada e os crepes doces receberam sabor e requinte da escola francesa de Cordon Bleu. 24h; quinta, das 17h à 1h e sexta e sábado, das

carnes. O restaurante serve feijoada

17h às 2h.

Horário: De domingo a quarta, das 17h às

Horário: De

às 24h; sexta e sábado, das 11h30 à 1h e domingo, das 11h30 às 21h.

Barbacoa Culinária variada

Ki-Mukeka Culinária baiana Avenida Otávio Mangabeira, 907 – Pituba - Fone: 3240-0192 / 3461-7333

Culinária Variada

A casa serve um menu variado com diversas opções de saladas, carnes, peixes e aves, além de opções de sucos e sobremesas. Com música ao vivo. I

Meridiano Express: Segunda a Sábado, das 11h30 às 15h.

Pasta Fast Culinária Italiana Av. Otávio Mangabeira , 50 - Pituba Fone: 3234-4694 O restaurante serve massas das mais diversas regiões da Itália, com receitas simples e clássicas, como penne, spaghetti, lasagne e tagliatelli. Os temperos são poucos, mas os molhos são exclusivos do Chef Nino Sindona. O cardápio oferece carnes, aves, peixes, crustáceos e frutos do mar, além de sobremesas. O restaurante possui Wi Fi Zone. I Horário: Reservas: (71) 3240-4694; Delivery: (71) 3240-6510.

segunda a quinta, das 11h30 às 16h e domingo, das 11h30 às 18h; Jantar - de segunda a

sábado, das 11h30 às 23h30; domingo, das

I

sábado, das 18h às 24h.

11h30 às 18h.

18h até o último cliente.

GUIMARAES) - PITUBA FONE: 3342-4666 Mais de 15 diferentes cortes de carnes, peixes e aves, servidos à La carte e buffet de saladas com mais de 40 variedades. Às quartas e sábados é servido buffes de feijoada.

I

Horário: Almoço – de

das 12h à 0h.

Armazém Baggio No mesmo local do antigo Pizza di Baggio, agora há o Armazém Baggio. Reformado, tem decoração dos típicos botecos portugueses e das casas da década de 1930. Nas paredes, fotos antigas da cidade de Salvador. A casa recebe clientes, na maioria, acima dos 35 anos. O cardápio oferece refeições, tira-gostos e 30 sabores de pizza. Entre os petiscos, opções como empadas, coxinha de galinha e pizzas na chapa. O chope é cremoso e tirado de barril. O bar também conta com uma carta de vinhos. I Horário: de segunda a sexta, a partir 17h; sábado e domingo, das 12h até último cliente.

Horário: Diariamente, das 11h30 às

15h; Sextas e Sábados, das 19h às 0h.

Utilizando-se de ingredientes peculiares, dentre eles o dendê e o leite de coco, a casa faz uma das moquecas e ensopados mais procurados da região. No cardápio, moquecas variadas, camarões, lagostas, mariscada (para três pessoas), bobó, ensopados, bacalhau, entre outras delícias do mar. Para a sobremesa, cocadas, ambrosia, pudins, sorvetes, mousse de cupuaçu e mousse de maracujá. I Horário: segunda a

AV. TANCREDO NEVES, 909 (ED. ANDRE

Localizado numa rua tranqüila do bairro Pituba, o bar tem mesinhas na varanda. Uma boa pedida é saborear um Atolado, carne-de-sol gratinada com purê de aipim, com cerveja. I Horário: De segunda à sexta, das 18h à 2h. Sábados, das 12h à 2h. Domingos,

Avenida Otávio Mangabeira, 54 - Pituba - Fone: 3345-2766

R. Coronel Almerindo Rehem , 82 Cam. das Árvores - Fone: 2105-1010

opções de acompanhamentos para as

segunda a quinta, das 11h30 às 15h e das 18h

Domingo, das 12h às 17h.

Meridiano Rest. Conceito

I

I

a Sábado, das 12h às 15h e a partir das 18h;

das 11h30 às 16h30.

sistema à la carte. O cardápio lista 20

completa aos sábados.

A casa é especializada na culinária espanhola, inclusive, com ambiente temático e climatizado. As paellas são os destaques do cardápio. I Horário: Terça

às 15h e das 18h30 à 24h; sexta e sábado, das

os clientes saboreiem as delícias em total clima oriental.

R. das Hortências , 624A - Pituba Fone: 3451-7777

Tijuana Mexican Bar Culinária Mexicana Rua Minas Gerais, 271 - Pituba Fone: 3248-8699 Funcionando há mais de 6 anos, o Tijuana serve a mais verdadeira comida e bebida mexicanas, utilizando receitas e ingredientes originais. São Tacos, Burritos, Nachos, Fajitas, Enchiladas, Ensaladas entre outras delícias do México. Horário: de terça a domingo, a partir das

Bar Piauí Rua Piauí, 16 - Pituba - Fone: 3346-5113 Seu Piauí, o dono, cobra reserva antecipada dos clientes. Mas não se intimide: receitas como o polvo à vinagrete, o caranguejo e o pitu valem qualquer esforço. O tom sisudo da casa não atinge o cardápio, que convida o cliente a experimentar a ótima ‘roska’ de umbu-cajá. I Horários: de quarta a sexta, das 18h às 23h; sábado e domingo, das 11h30 às 16h30.

Ponte Aérea R. São Paulo , 404 - Pituba - Fone: 346-3583 O carro-chefe do cardápio é a picanha. Para acompanhar, cerveja ou bebidas variadas. As mesas ficam ao ar livre, para descontrair o ambiente. I Horário: De segunda a sexta-feira, das 17h à 00h. Sábados, das 10h à 00h.

Restaurante e Café Allegro Av. Tancredo Neves , 1.632 - Caminho das Árvores - Fone: 3113-1921 O cardápio da casa aumentou. Além dos tradicionais crepes, caldos, sanduíches, saladas e tortas, agora há também buffet a quilo na hora do almoço. A variedade de cafés é grande. O café gelado, expresso e sorvete de creme pode ser apreciado no happy hour, de quarta a sexta-feira. I Horário: De Segunda a Sexta, das 8h às 19h; Sábado, até as 14h.

Faça parte do Guia Onde Ir! Cadastre o seu estabelecimento através do nosso site: http://www.canal2.com.br/nosso bairro/

Programação Cultural Teatro Módulo

O Indignado A peça continua em cartaz no Teatro Módulo. A "comédia em pé" (como foi traduzido o gênero de comédia em que o próprio ator desenvolve sua performance sem o necessário aporte de uma personagem) vai mexer no vespeiro em que dominam a cara-de-pau, a desfaçatez, a falta de vergonha e a falta de educação generalizada de algumas rodas sociais, políticas e econômicas, e tratar de assuntos emergentes na sociedade. A proposta da "comédia em pé" O Indignado é convidar a platéia a também se manifestar, se

quiser, em momentos-chave do espetáculo, a partir das provocações lançadas pelo ator. Serviço: Temporada: De 30 de Maio a 15 de Junho, sextafeira às 21h e sábado e domingo, às 20h. Preço : R$ 30,00 (inteira) R$15,00 (meia) Endereço: av Magalhães Neto, 1177 - Pituba

gênero norte-americano de Stand-up Comedy, um nocaute no nariz da sociedade, com observações do dia a dia que o ator foi colecionando pelos últimos três anos como mestre de cerimônia do show de grande sucesso, “Clube da Comédia”. Atualmente vive o Seu Banana, no programa Zorro Total da Rede Globo.

Tel: (71) 2102-1392 / 3354 - 6654 e-mail : teatromodulo@portalmodulo.com.br

Serviço Dias: 13, 14 e 15 de junho

Teatro Jorge Amado

Horários: Sexta às 21h, Sábado e Domingo, às 20h

Nocaute

Ingressos: R$40,00 (inteira) e R$20,00 (meia)

Marcelo Mansfield traz em seu primeiro solo do

Censura - 16 anos.

Endereço: Avenida Manoel Dias, 2177 Tel: (71) 3355-862

Parque da Cidade Joventino Silva

Brechó Solidário A Unifacs promoverá o Brechó Solidário no dia 8 de junho, das 10h às 16h, na área livre do Parque da Cidade. O dinheiro arrecadado será doado a entidades carentes. O projeto visa estimular a comunidade a refletir sobre as relações de consumo. Além do Bazar e de uma Feira, no dia do evento haverá atrações culturais, caminhadas ecológicas, oficinas de reciclagem e customização e uma oficina de conserto de eletrodomésticos.

Lançamento do CD “Ô Pandeiro Ô Viola” Dia 29 de junho haverá o lançamento do CD “Ô Pandeiro ô Viola”, do grupo Quixadeira da Lagoa da Camisa, de Feira de Santana. O evento será realizado no Anfiteatro do parque das 11 às 14h, com entrada franca.

Serviço: Endereço: Avenida Antônio Carlos Magalhães - Pituba Telefone: 3358-5612 Horário de funcionamento: Diariamente, das 6h às 18h.


Nosso Bairro 02.qxp:Nosso Bairro

32

I

04.07.08

09:35

Page 32

JORNAL NOSSO BAIRRO

I

SALVADOR, JUNHO DE 2008 - ANO I - Nยบ 2


Jornal Nosso Bairro #02