Page 1

ano2 #18

Querer (agora) é poder CONHEÇA O COLETIVO DE CROWDFUNDING “QUEREMOS”

the beggining is near

+ bandas do brooklyn + descendo a ladeira + bicing + rock à milanesa + lambe!

R$14,90

GRUPO DE HACKERS GANHA ADEPTOS E CRESCE O NÚMERO DE PROTESTOS PELO MUNDO


O nome orbe surgiu de uma variação de urbe, que seria uma abreviação mais interessante de urbano. Porém, devido a sua obviedade, optou-se por outro nome, orbe, que representa esfera. Nesse sentido, tem-se um conceito mais abrangente que remete ao globo, ao mundo, e, sendo uma revista que tem como tema central curiosidades a respeito das grandes cidades, um nome que faça referencia a uma unidade integrada como um todo pareceu bastante adequado. O conceito da revista trata de trazer à tona aspectos urbanos e de relevância presentes nas grandes cidades ao redor do mundo. Com isso, buscou-se elementos de diferentes assuntos que fizessem com que essas cidades se tornassem especiais, únicas sob algum ponto de vista. Temas como música, moda, arquitetura e tantos outros são abordados de maneira jovem e atual, caracterizando essas metrópoles como centros criativos e inovadores. A revista segue uma grid simples, porém bem completa, que oferece grande numero de variações de colunas e possibilidades de diversificação do layuot. Buscou-se retratar o conceito do urbano, da rua, através dos grafismos, das texturas, dos tratamentos de imagem, e de uma diagramação diferenciada, que seriam os responsaveis por transmitir essa sensação de algo mais alternativo, mais jovem.

TIAGO LOMBARDI A Orbe é uma publicação mensal da Quarenta e Seis Editorial Ltda. Redação e Administração: Rua Evaristo da Veiga, 95, Rio de Janeiro - RJ, Atualmente, também é responsável pelos tutoriais. Acesse o conteúdo também pela interntet através do site www.orbe.com.br

Editores Chefes: Camila Barboza, Flora de Carvalho, Tiago Lombardi, Isadora Barreto | Diretor de Núcleo Washington Dias Lessa | Assistente de direção: Igor Postiga | Colaboradores: Andrea Pech, Diana Dias, Marina Almeida, Fernando Chaves, Luana Medeiros, Lucas Pelegrineti, Gabriel Picanço | Projeto Gráfico: Camila Barboza, Flora de Carvalho, Tiago Lombardi, Isadora Barreto | Publicidade: Jefferson Albuquerque, Rebeca Liberatori | Circulação: João Sarmento, Pedro Junqueira, Gustavo Amaral, Raffael Machado | Marketing: Val de Castro, Renan Porto, Demian Lamblet, Maísa Luna, Lucas Ribeiro, Elaine Rodrigues, Vinícius Franco, Bruna Oliveira, Daniela Capistrano de Paiva | Departamento pessoal: Nathany dos Santos | Conselheiros editoriais: Angelo Bottino, Natali Nabekura | Pesquisa de imagens: Camila Barboza | Departamento administrativo: Clara de Carvalho Rodrigues


O nome orbe surgiu de uma variação de urbe, que seria uma abreviação mais interessante de urbano. Porém, devido a sua obviedade, optou-se por outro nome, orbe, que representa esfera. Nesse sentido, tem-se um conceito mais abrangente que remete ao globo, ao mundo, e, sendo uma revista que tem como tema central curiosidades a respeito das grandes cidades, um nome que faça referencia a uma unidade integrada como um todo pareceu bastante adequado. O conceito da revista trata de trazer à tona aspectos urbanos e de relevância presentes nas grandes cidades ao redor do mundo. Com isso, buscou-se elementos de diferentes assuntos que fizessem com que essas cidades se tornassem especiais, únicas sob algum ponto de vista. Temas como música, moda, arquitetura e tantos outros são abordados de maneira jovem e atual, caracterizando essas metrópoles como centros criativos e inovadores. A revista segue uma grid simples, porém bem completa, que oferece grande numero de variações de colunas e possibilidades de diversificação do layuot. Buscou-se retratar o conceito do urbano, da rua, através dos grafismos, das texturas, dos tratamentos de imagem, e de uma diagramação diferenciada, que seriam os responsaveis por transmitir essa sensação de algo mais alternativo, mais jovem.

TIAGO LOMBARDI A Orbe é uma publicação mensal da Quarenta e Seis Editorial Ltda. Redação e Administração: Rua Evaristo da Veiga, 95, Rio de Janeiro - RJ, Atualmente, também é responsável pelos tutoriais. Acesse o conteúdo também pela interntet através do site www.orbe.com.br

Editores Chefes: Camila Barboza, Flora de Carvalho, Tiago Lombardi, Isadora Barreto | Diretor de Núcleo Washington Dias Lessa | Assistente de direção: Igor Postiga | Colaboradores: Andrea Pech, Diana Dias, Marina Almeida, Fernando Chaves, Luana Medeiros, Lucas Pelegrineti, Gabriel Picanço | Projeto Gráfico: Camila Barboza, Flora de Carvalho, Tiago Lombardi, Isadora Barreto | Publicidade: Jefferson Albuquerque, Rebeca Liberatori | Circulação: João Sarmento, Pedro Junqueira, Gustavo Amaral, Raffael Machado | Marketing: Val de Castro, Renan Porto, Demian Lamblet, Maísa Luna, Lucas Ribeiro, Elaine Rodrigues, Vinícius Franco, Bruna Oliveira, Daniela Capistrano de Paiva | Departamento pessoal: Nathany dos Santos | Conselheiros editoriais: Angelo Bottino, Natali Nabekura | Pesquisa de imagens: Camila Barboza | Departamento administrativo: Clara de Carvalho Rodrigues


08 16 18 20 22 26 28 30

cur tas cinema

AS películas dos hermanoS MÚSICA

ROCK À MILANESA

NIGHT

DANCE4 CLIMATE

música

foco

bandas do brooklyn

bic ing

estilo

street style arte

graffiti error entrevista

shepard fairey

política

the beginn ing is near esporte

descendo a ladeira concreto

pontes de foster

36 40 42 49 57 60 62 64

arte

lam be! música

querer (agora) é poder mochila

de budapeste, com amor larica

tá com fome? vai um podrão


08 16 18 20 22 26 28 30

cur tas cinema

AS películas dos hermanoS MÚSICA

ROCK À MILANESA

NIGHT

DANCE4 CLIMATE

música

foco

bandas do brooklyn

bic ing

estilo

street style arte

graffiti error entrevista

shepard fairey

política

the beginn ing is near esporte

descendo a ladeira concreto

pontes de foster

36 40 42 49 57 60 62 64

arte

lam be! música

querer (agora) é poder mochila

de budapeste, com amor larica

tá com fome? vai um podrão


CUR TAS! AQUI NO CURTAS VALE QUALQUER ASSUNTO. A ORBE PREPARA ESSAS NOTAS PARA QUE VOCÊ FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ACONTECE DE MAIS INTERESSANTE NO MUNDO

1

2 2. CITYSCAPE 1. CAFÉ E AQUARELA ARTISTA ZACK JOHNSEN ANDA EXPLODINDO CABEÇAS POR AÍ, CONFIRA O RESULTADO Ideias parecem ser intermináveis e nunca suficientes. Todos nós passamos por dias que precisamos ser criativos e, assim, literalmente explodimos em pensamentos infinitos e interligados até acharmos uma solução final para o nosso problema. As imagens da série composta pelo artista Zach Johnsen, com título “Acid Over Easy”, são uma mistura de café, grafite e aquarela sobre o papel. Ideias parecem ser intermináveis e nunca suficientes.

FOTOGRAFIAS DE TIM JAROSZ REVELAM A CHICAGO DESEJADA POR TODOS O norte-americano Tim Jarosz congelou imagens da Chicago desejada por todos. O projeto chama Cityscape e mostra os melhores ângulos da região em que o artista nasceu e vive até hoje. Tim é fotógrafo e design gráfico profissional. Com a ajuda de programas de edição de imagens, suas fotos atingiram uma estética bela que nos conquistou e, provavelmente, também vão encantar você. Tim é fotógrafo e design gráfico profissional. Com a ajuda de programas de edição de imagens, suas fotos atingiram uma beleza que nos conquistou e vai conquistar você.


CUR TAS! AQUI NO CURTAS VALE QUALQUER ASSUNTO. A ORBE PREPARA ESSAS NOTAS PARA QUE VOCÊ FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ACONTECE DE MAIS INTERESSANTE NO MUNDO

1

2 2. CITYSCAPE 1. CAFÉ E AQUARELA ARTISTA ZACK JOHNSEN ANDA EXPLODINDO CABEÇAS POR AÍ, CONFIRA O RESULTADO Ideias parecem ser intermináveis e nunca suficientes. Todos nós passamos por dias que precisamos ser criativos e, assim, literalmente explodimos em pensamentos infinitos e interligados até acharmos uma solução final para o nosso problema. As imagens da série composta pelo artista Zach Johnsen, com título “Acid Over Easy”, são uma mistura de café, grafite e aquarela sobre o papel. Ideias parecem ser intermináveis e nunca suficientes.

FOTOGRAFIAS DE TIM JAROSZ REVELAM A CHICAGO DESEJADA POR TODOS O norte-americano Tim Jarosz congelou imagens da Chicago desejada por todos. O projeto chama Cityscape e mostra os melhores ângulos da região em que o artista nasceu e vive até hoje. Tim é fotógrafo e design gráfico profissional. Com a ajuda de programas de edição de imagens, suas fotos atingiram uma estética bela que nos conquistou e, provavelmente, também vão encantar você. Tim é fotógrafo e design gráfico profissional. Com a ajuda de programas de edição de imagens, suas fotos atingiram uma beleza que nos conquistou e vai conquistar você.


4 3 3. os tesouros escondidos de amy

4. MICRO

ÁLBUM PÓSTUMO DA CANTORA AMY WINEHOUSE REUNE CANÇÕES INÉDITAS

CONHEÇA A IMAGEM VENCEDORA DE CONCURSO DE FOTOGRAFIA MICROSCÓPICA

O álbum póstumo da cantora britânica Amy Winehouse, “Lioness: Hidden Treasures”, que inclui uma versão do tema “Garota de Ipanema” e o tema “Body and Soul”, cantado com Tony Bennet , é editado na segunda-feira. O álbum apresenta 12 temas - entre inéditos, canções nunca antes editadas e versões - todos eles escolhidos pelos produtores Mark Ronson e Salaam Remi, com quem Amy Winehouse estaria a preparar um novo disco, em conjunto com os Winehouse.

A japonesa Nikon é célebre pela qualidade de seus produtos de instrumentação óptica, sendo a única empresa de microscópios a fabricar suas próprias lentes. Mas a empresa também é reconhecida pelo seu concurso anual The Nikon International Small World Competition, no qual inusitadas fotos do mundo microscópico competem em beleza e impacto visual. A japonesa Nikon é célebre pela qualidade de seus produtos de instrumentação óptica.


4 3 3. os tesouros escondidos de amy

4. MICRO

ÁLBUM PÓSTUMO DA CANTORA AMY WINEHOUSE REUNE CANÇÕES INÉDITAS

CONHEÇA A IMAGEM VENCEDORA DE CONCURSO DE FOTOGRAFIA MICROSCÓPICA

O álbum póstumo da cantora britânica Amy Winehouse, “Lioness: Hidden Treasures”, que inclui uma versão do tema “Garota de Ipanema” e o tema “Body and Soul”, cantado com Tony Bennet , é editado na segunda-feira. O álbum apresenta 12 temas - entre inéditos, canções nunca antes editadas e versões - todos eles escolhidos pelos produtores Mark Ronson e Salaam Remi, com quem Amy Winehouse estaria a preparar um novo disco, em conjunto com os Winehouse.

A japonesa Nikon é célebre pela qualidade de seus produtos de instrumentação óptica, sendo a única empresa de microscópios a fabricar suas próprias lentes. Mas a empresa também é reconhecida pelo seu concurso anual The Nikon International Small World Competition, no qual inusitadas fotos do mundo microscópico competem em beleza e impacto visual. A japonesa Nikon é célebre pela qualidade de seus produtos de instrumentação óptica.


5. el camino OITAVO DISCO DO BLACK KEYS SERÁ LANÇADO NO INÍCIO DE DEZEMBRO O lançamento de El Camino, novo disco do duo The Black Keys, irá acontecer no dia 6 de dezembro. A informação foi revelada em um vídeo com o ator Bob Odenkick. El Camino foi gravado em Nashville e contou com produção de Danger Mouse.

6. OS REIS DO CIRCO ERLEND E EIRIK, DO KINGS OF CONVENIENCE SE APRESENTAM NO RIO NO DIA 10 Kings Of Convenience é um duo folk-pop indie de Bergen, Noruega. Composto por Erlend Øye e Eirik Glambek Bøe, o grupo musical é conhecido por suas melodias delicadas, vozes calmas e sutis melodias de violão. Øye e Bøe são os compositores e interpretes de todas as faixas. Erlend e Eirik nasceram em 1975 (Erlend em 21 de novembro e Eirik em 25 de outubro), e eles se conheceram aos onze anos.

7. INQUIETOS NÃO DEIXE DE CONFERIR O NOVO FILME DE GUS VAN SANT (E LEVE UM LENCINHO) O filme foi exibido no festival internacional de cinema de Cannes, em maio. Sob um sol de torrar o cérebro, as entrevistas de “Restless” realizam-se na Praia do Festival. Estavam presentes a produtora Dallas Bryce Howard, os atores Mia Wasikowska, a Alice de Tim Burton, e Henry Hopper (filho de Dennis), o diretor Gus Van Sant. “Restless” abriu a seção Un Certain Regard, que integra a seleção oficial e é a segunda em prestígio, de Cannes, após a respeitada competição.

8. VISCOSO, MAS GOSTOSO CONHEÇA AS CRIATURAS BIZARRAS DO GRAFITEIRO PAULISTANO FEIK No dia 4 de novembro, em São Paulo, acontece a abertura da exposição Infecção Parasitária. A mostra rola na Galeria Concreto e reúne trabalhos inéditos e anteriores do artista Feik. Os visitantes poderão passear entre telas, objetos, ilustrações e pinturas para o local. Para quem não conhece, Feik faz parte do mundo do grafitti há 14 anos e conquistou fãs com seus insetos e vermes coloridos inseridos em ambientes bizarros.


5. el camino OITAVO DISCO DO BLACK KEYS SERÁ LANÇADO NO INÍCIO DE DEZEMBRO O lançamento de El Camino, novo disco do duo The Black Keys, irá acontecer no dia 6 de dezembro. A informação foi revelada em um vídeo com o ator Bob Odenkick. El Camino foi gravado em Nashville e contou com produção de Danger Mouse.

6. OS REIS DO CIRCO ERLEND E EIRIK, DO KINGS OF CONVENIENCE SE APRESENTAM NO RIO NO DIA 10 Kings Of Convenience é um duo folk-pop indie de Bergen, Noruega. Composto por Erlend Øye e Eirik Glambek Bøe, o grupo musical é conhecido por suas melodias delicadas, vozes calmas e sutis melodias de violão. Øye e Bøe são os compositores e interpretes de todas as faixas. Erlend e Eirik nasceram em 1975 (Erlend em 21 de novembro e Eirik em 25 de outubro), e eles se conheceram aos onze anos.

7. INQUIETOS NÃO DEIXE DE CONFERIR O NOVO FILME DE GUS VAN SANT (E LEVE UM LENCINHO) O filme foi exibido no festival internacional de cinema de Cannes, em maio. Sob um sol de torrar o cérebro, as entrevistas de “Restless” realizam-se na Praia do Festival. Estavam presentes a produtora Dallas Bryce Howard, os atores Mia Wasikowska, a Alice de Tim Burton, e Henry Hopper (filho de Dennis), o diretor Gus Van Sant. “Restless” abriu a seção Un Certain Regard, que integra a seleção oficial e é a segunda em prestígio, de Cannes, após a respeitada competição.

8. VISCOSO, MAS GOSTOSO CONHEÇA AS CRIATURAS BIZARRAS DO GRAFITEIRO PAULISTANO FEIK No dia 4 de novembro, em São Paulo, acontece a abertura da exposição Infecção Parasitária. A mostra rola na Galeria Concreto e reúne trabalhos inéditos e anteriores do artista Feik. Os visitantes poderão passear entre telas, objetos, ilustrações e pinturas para o local. Para quem não conhece, Feik faz parte do mundo do grafitti há 14 anos e conquistou fãs com seus insetos e vermes coloridos inseridos em ambientes bizarros.


9

10

9. dE família

10. OKUDA

TRAVIS LOUIE CRIA SERES ESTRANHOS, MONSTRUOSOS E BEM-VENTIDOS

CONHEÇA O ARTISTA ESPANHOL OKUDA, QUE JÁ FEZ TRABALHOS PRA MTV E ADIDAS

No universo de Travis Louie, o século XIX foi povoado por monstros e não por humanos. Ou pelo menos é o que parece nessas pinturas do nova-iorquino, que lembram retratos de época. Cada um mais horrendo que o outro, eles pertencem a várias raças seres míticos e personagens aliens.

Instalações, pinturas e arte urbana são alguns dos lugares por onde transita o artista Okuda, que tem participado de exposições coletivas pelo mundo e também várias mostras individuais no seu país de origem, a Espanha. Ele esteve no Brasil em 2008 na Bienal Internacional de Belo Horizonte. Comercialmente, Okuda já fez trabalhos para clientes grandes como Puma, Adidas e MTV.


9

10

9. dE família

10. OKUDA

TRAVIS LOUIE CRIA SERES ESTRANHOS, MONSTRUOSOS E BEM-VENTIDOS

CONHEÇA O ARTISTA ESPANHOL OKUDA, QUE JÁ FEZ TRABALHOS PRA MTV E ADIDAS

No universo de Travis Louie, o século XIX foi povoado por monstros e não por humanos. Ou pelo menos é o que parece nessas pinturas do nova-iorquino, que lembram retratos de época. Cada um mais horrendo que o outro, eles pertencem a várias raças seres míticos e personagens aliens.

Instalações, pinturas e arte urbana são alguns dos lugares por onde transita o artista Okuda, que tem participado de exposições coletivas pelo mundo e também várias mostras individuais no seu país de origem, a Espanha. Ele esteve no Brasil em 2008 na Bienal Internacional de Belo Horizonte. Comercialmente, Okuda já fez trabalhos para clientes grandes como Puma, Adidas e MTV.


entrevista 30|31

DESCUBRA O QUE VAMPIRE WEEKEND, LCD SOUNDSYSTEM, TV ON THE RADIO, GRIZZLY BEAR E DIRTY PROJECTORS TÊM EM COMUM Os holandeses foram os primeiros Europeus a se apossarem da área oriental de Long Island, até então largamente povoada pela tribo nativa americana Canarsie. O primeiro povoamento dos holandeses foi Midwout (Midwood), estabelecido em 1634. Os holandeses também compraram terras em 1630 no Mohawks, que nos dias presentes é Gowanus, Red Hook, Brooklyn Navy Yard e Bushwick. O vilarejo de Breuckelen foi autoriza do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização.

Foram os primeiros Europeus a se apossarem da área oriental de Long Island, até então largamente povoada pela tribo nativa americana Canarsie. O primeiro povoamento dos holandeses foi Midwout (Midwood), estabelecido em 1634. Os holandeses também compraram terras em 1630 no Mohawks, que nos dias presentes é Gowanus, Red Hook, Brooklyn Navy Yard e Bushwick. O vilarejo de Breuckelen foi autoriza do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova Iorque. Com o tempo, Breuckelen, faz parte dos Novos Países Baixos. Em 1683, os Britânicos reorganizaram a Província de Nova

ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova Iorque. Com o tempo, Breuckelen, faz parte dos Novos Países Baixos. Foi cidade de 1664 a 1898, quando se tornou distrito. Apesar de fazer parte da cidade de Nova York, o Brooklyn possui sua própria personalidade, caracterizada pela ampla diversidade cultural, explícita em sua cena artística independente. Além de abrigar uma das mais notórias comunidades judaicas do mundo, também no Brooklyn está a sede mundial das Testemunhas de Jeová. do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias em 1646. Distrito. Apesar de fazer parte da cidade de Nova York, nhas de Jeová. do a compra pela Compan o Brooklyn possui sua própria personalidade, caracterizada pela ampla diversidade em sua cena artística.

Os holandeses foram os primeiros Europeus a se apossarem da área oriental de Long Island, até então largamente povoada pela tribo nativa americana Canarsie. O primeiro povoamento dos holandeses foi Midwout (Midwood), estabelecido em 1634. Os holandeses também compraram terras em 1630 no Mohawks, que nos dias presentes é Gowanus, Red Hook, Brooklyn Navy Yard e Bushwick. O vilarejo de Breuckelen foi autoriza do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova Iorque. Com o tempo, Breuckelen, faz parte dos Novos Países Baixos. Foi cidade de 1664 a 1898, quando se tornou distrito. Apesar de fazer parte da cidade de Nova York, o Brooklyn possui sua própria personalidade, caracterizada pela ampla.

ANIMAL COLLECTIVE

#10 MYGIRLS

YASAYER

#9 2080

LCD SOUNDSYSTEM

#8 CAPE COD KWASSA KWASSA

VIVIAN GIRLS

#7 WHERE DO YOU RUN TO

GANG GANG DANCE

#6 HOUSE JAM

TV ON THE RADIO

#5 GOLDEN aGE

LCD SOUNDSYSTEM

#4 ALL MY FRIENDS

MGMT

#3 kids

GRIZZLY BEAR

#2 two weeks

DIRTY PROJECTORS

#1 stillness is the move

BANDAS DO BROOKLYN

10 MÚSICAS PARA VOCË FICAR POR DENTRO DO SOM QUE VEM DO BRROKLYN:

música 16|17


entrevista 30|31

DESCUBRA O QUE VAMPIRE WEEKEND, LCD SOUNDSYSTEM, TV ON THE RADIO, GRIZZLY BEAR E DIRTY PROJECTORS TÊM EM COMUM Os holandeses foram os primeiros Europeus a se apossarem da área oriental de Long Island, até então largamente povoada pela tribo nativa americana Canarsie. O primeiro povoamento dos holandeses foi Midwout (Midwood), estabelecido em 1634. Os holandeses também compraram terras em 1630 no Mohawks, que nos dias presentes é Gowanus, Red Hook, Brooklyn Navy Yard e Bushwick. O vilarejo de Breuckelen foi autoriza do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização.

Foram os primeiros Europeus a se apossarem da área oriental de Long Island, até então largamente povoada pela tribo nativa americana Canarsie. O primeiro povoamento dos holandeses foi Midwout (Midwood), estabelecido em 1634. Os holandeses também compraram terras em 1630 no Mohawks, que nos dias presentes é Gowanus, Red Hook, Brooklyn Navy Yard e Bushwick. O vilarejo de Breuckelen foi autoriza do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova Iorque. Com o tempo, Breuckelen, faz parte dos Novos Países Baixos. Em 1683, os Britânicos reorganizaram a Província de Nova

ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova Iorque. Com o tempo, Breuckelen, faz parte dos Novos Países Baixos. Foi cidade de 1664 a 1898, quando se tornou distrito. Apesar de fazer parte da cidade de Nova York, o Brooklyn possui sua própria personalidade, caracterizada pela ampla diversidade cultural, explícita em sua cena artística independente. Além de abrigar uma das mais notórias comunidades judaicas do mundo, também no Brooklyn está a sede mundial das Testemunhas de Jeová. do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias em 1646. Distrito. Apesar de fazer parte da cidade de Nova York, nhas de Jeová. do a compra pela Compan o Brooklyn possui sua própria personalidade, caracterizada pela ampla diversidade em sua cena artística.

Os holandeses foram os primeiros Europeus a se apossarem da área oriental de Long Island, até então largamente povoada pela tribo nativa americana Canarsie. O primeiro povoamento dos holandeses foi Midwout (Midwood), estabelecido em 1634. Os holandeses também compraram terras em 1630 no Mohawks, que nos dias presentes é Gowanus, Red Hook, Brooklyn Navy Yard e Bushwick. O vilarejo de Breuckelen foi autoriza do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 do a compra pela Companhia Neerlandesa das Índias Ocidentais em 1646 e veio a ser a primeira municipularização, que agora é o Estado de Nova Iorque. Com o tempo, Breuckelen, faz parte dos Novos Países Baixos. Foi cidade de 1664 a 1898, quando se tornou distrito. Apesar de fazer parte da cidade de Nova York, o Brooklyn possui sua própria personalidade, caracterizada pela ampla.

ANIMAL COLLECTIVE

#10 MYGIRLS

YASAYER

#9 2080

LCD SOUNDSYSTEM

#8 CAPE COD KWASSA KWASSA

VIVIAN GIRLS

#7 WHERE DO YOU RUN TO

GANG GANG DANCE

#6 HOUSE JAM

TV ON THE RADIO

#5 GOLDEN aGE

LCD SOUNDSYSTEM

#4 ALL MY FRIENDS

MGMT

#3 kids

GRIZZLY BEAR

#2 two weeks

DIRTY PROJECTORS

#1 stillness is the move

BANDAS DO BROOKLYN

10 MÚSICAS PARA VOCË FICAR POR DENTRO DO SOM QUE VEM DO BRROKLYN:

música 16|17


cinema 18

AS PELÍCULAS DOS HERMANOS UMA VACA QUE CAI DO CÉU SEM EXPLICAÇÃO: É ASSIM QUE COMEÇA O FILME “UM CONTO CHINÊS” Paralelamente, ambos – Espósito e Hastings – ficam próximos de consumarem os sentimentos que sentem um pelo outro, chegando a marcar um encontro para fugirem. Na noite marcada, todavia, ele é chamado pela polícia para socorrer Sandoval, em confusão de bar arrumada por nova embriaguez deste. Espósito leva para sua casa o amigo, deixando-o sozinho lá enquanto vai até a casa deste para chamar a esposa dele. Quando Espósito retorna à sua casa com ela, ambos deparam-se com o corpo metralhado de Sandoval. A tragédia interrompe os planos amorosos de Espósito e Hastings; concluindo que Romano estaria por trás do assassinato, ela o convence a passar uns tempos na província de Jujuy, onde ela tem parentes poderosos que o protegeriam. A história retorna ao tempo onde iniciou-se, com Espósito preparando o livro e mostrando os esboços a Hastings. Ele resolve procurar novamente Morales, curioso para saber como a vida deste se encaminhou, e o encontra morando sozinho em uma área da zona rural dos arredores de Buenos Aires. Espósito custa a crer que este conseguiu tocar relativamente a vida, apesar da insistência deste de que vinte e cinco anos já seria tempo suficiente para isto. Espantado com a insistência de Morales para que esqueça o caso, Espósito continua a questionar se aquele homem tão apaixonado pela esposa não teria ido atrás de Gómez para uma vingança pessoal. De início, Morales reage indignado, pedindo para Espósito retirar-se de sua casa. Após este explicar-lhe as circunstâncias em que Sandoval fora morto, tendo motivos para crer até que o amigo poderia ter, para protegê-lo, aceitado o destino - e de se lembrar que as últimas palavras.


cinema 18

AS PELÍCULAS DOS HERMANOS UMA VACA QUE CAI DO CÉU SEM EXPLICAÇÃO: É ASSIM QUE COMEÇA O FILME “UM CONTO CHINÊS” Paralelamente, ambos – Espósito e Hastings – ficam próximos de consumarem os sentimentos que sentem um pelo outro, chegando a marcar um encontro para fugirem. Na noite marcada, todavia, ele é chamado pela polícia para socorrer Sandoval, em confusão de bar arrumada por nova embriaguez deste. Espósito leva para sua casa o amigo, deixando-o sozinho lá enquanto vai até a casa deste para chamar a esposa dele. Quando Espósito retorna à sua casa com ela, ambos deparam-se com o corpo metralhado de Sandoval. A tragédia interrompe os planos amorosos de Espósito e Hastings; concluindo que Romano estaria por trás do assassinato, ela o convence a passar uns tempos na província de Jujuy, onde ela tem parentes poderosos que o protegeriam. A história retorna ao tempo onde iniciou-se, com Espósito preparando o livro e mostrando os esboços a Hastings. Ele resolve procurar novamente Morales, curioso para saber como a vida deste se encaminhou, e o encontra morando sozinho em uma área da zona rural dos arredores de Buenos Aires. Espósito custa a crer que este conseguiu tocar relativamente a vida, apesar da insistência deste de que vinte e cinco anos já seria tempo suficiente para isto. Espantado com a insistência de Morales para que esqueça o caso, Espósito continua a questionar se aquele homem tão apaixonado pela esposa não teria ido atrás de Gómez para uma vingança pessoal. De início, Morales reage indignado, pedindo para Espósito retirar-se de sua casa. Após este explicar-lhe as circunstâncias em que Sandoval fora morto, tendo motivos para crer até que o amigo poderia ter, para protegê-lo, aceitado o destino - e de se lembrar que as últimas palavras.


1. Em sua motoca laranja, que por acaso se chama vespa, esse rapaz sem rosto exibe sua bela calça vermelho-restart

moda 20|21

3

2. Ecobag é bacana se você quiser entrar nessa onda de sustentabilidade. Se você tiver um cachecol que combine, melhor ainda 3. Rubbles bubbles barbudo de boina e lenço palestino, parece um pouco perdido

6

4. Caminhar decidido e jaqueta

2

1

de couro: tudo que você precisa para arrasar com as gatinhas

STREET STYLE

7

5. Chinês pintando a parece, sua calça capri é um escândalo. O azul da tinta foi escolhido para combinar com sua camisa 6. Essa pessoa abençoada deveria entrar numa nova sessão: a colírio orbe. Pra ficar bonito assim de gorro tem que ser mesmo muito gato

5

7. Olhar deprimido e camisa de presidiário: basta isso para aparecer nessa sessão

8. Andar com a mão do bolso fazendo biquinho agora é muito cool, fica a dica 9. Aposto que não sabe andar de skate, se soubesse, não estaria de All Star

4

9

10. Pra que dobrar a calça? Pra deixar aparecer a meia azul turquesa, claro

8

10

TUDO O que mais tem se visto pela matéria de casacos, jaquetas e tr NOS INSPIRAR NESSE “inverno trop


1. Em sua motoca laranja, que por acaso se chama vespa, esse rapaz sem rosto exibe sua bela calça vermelho-restart

moda 20|21

3

2. Ecobag é bacana se você quiser entrar nessa onda de sustentabilidade. Se você tiver um cachecol que combine, melhor ainda 3. Rubbles bubbles barbudo de boina e lenço palestino, parece um pouco perdido

6

4. Caminhar decidido e jaqueta

2

1

de couro: tudo que você precisa para arrasar com as gatinhas

STREET STYLE

7

5. Chinês pintando a parece, sua calça capri é um escândalo. O azul da tinta foi escolhido para combinar com sua camisa 6. Essa pessoa abençoada deveria entrar numa nova sessão: a colírio orbe. Pra ficar bonito assim de gorro tem que ser mesmo muito gato

5

7. Olhar deprimido e camisa de presidiário: basta isso para aparecer nessa sessão

8. Andar com a mão do bolso fazendo biquinho agora é muito cool, fica a dica 9. Aposto que não sabe andar de skate, se soubesse, não estaria de All Star

4

9

10. Pra que dobrar a calça? Pra deixar aparecer a meia azul turquesa, claro

8

10

TUDO O que mais tem se visto pela matéria de casacos, jaquetas e tr NOS INSPIRAR NESSE “inverno trop


música 22|23

ROCK

À MILANESA

FESTIVAL DE MÚSICA NO INTERIOR DE MILÃO REÚNE JOVENS QUE CURTEM ROCK E ESTILO Tem algumas coisas que italians reeeaally do it better! E não é só sorvete, pizza e tiramisu. Ontem eu fui com Felipe, que me visitava aqui, num mini festival de música numa cidadezinha a meia hora de Milano chamada Vigevano. Chegando lá, os shows eram no jardim interno do Castello Sforcesco da cidade, um castelo medieval do inicio do século XIV. O povo espalhado pela grama, um calorzão e 4 bandas de abertura antes do The Strokes: Elisabeth, Glasvegas (banda escocesa muito boa que eu já até tinha visto antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente

jovens sentados no gramado aguardando o início do show dos Strokes

Palco improvisado a quatro dias do início do festival

Jovens sentados no gramado aguardando o início do show dos Strokes

bons!) e Chromeo.Nos intervalos, um DJ que botava Rock The Cashbah, Wavves e Mando Diao - ou seja, Disney para mim! Tem algumas coisas que italians reeeaally do it better! E não é só sorvete, pizza e tiramisu. Ontem eu fui com Felipe, que me visitava aqui, num mini festival de música numa cidadezinha a meia hora de Milano chamada Vigevano. Chegando lá, os shows eram no jardim interno do Castello Sforcesco da cidade, um castelo medieval do inicio do século XIV. O povo espalhado pela grama, um calorzão e 4 bandas de abertura antes do The Strokes: Elisabeth, Glasvegas (banda escocesa muito boa que eu já até tinha visto antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente bons!) e Chromeo. Tem algumas coisas que italians reeeaally do it better! E não é só sorvete, pizza e tiramisu.

Ontem eu fui com Felipe, que me visitava aqui, num mini festival de música numa cidadezinha a meia hora de Milano chamada Vigevano. Chegando lá, os shows eram no jardim interno do Castello Sforcesco da cidade, um castelo medieval do inicio do século XIV. O povo espalhado pela grama, um calorzão e 4 bandas de abertura antes do The Strokes: Elisabeth, Glasvegas (banda escocesa muito boa que eu já até tinha visto antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente bons!) e Chromeo.Nos intervalos, um DJ que botava Rock The Cashbah, Wavves e Mando Diao - ou seja, Disney para mim! Em essit occus et aut hariossim et, si sin ped mosaper orporem non conectior rehenda ecabore et re imus re vent rem utatustor accae es cum quam eosam, sum fugias aut volesequod enet unt quos dolorest et odit lam, sum as rem

“TEM ALGUMAS COISAS QUE ITALIANS REEEAALLY DO IT BETTER! E NÃO É SÓ SORVETE, PIZZA, TIRAMISU.


música 22|23

ROCK

À MILANESA

FESTIVAL DE MÚSICA NO INTERIOR DE MILÃO REÚNE JOVENS QUE CURTEM ROCK E ESTILO Tem algumas coisas que italians reeeaally do it better! E não é só sorvete, pizza e tiramisu. Ontem eu fui com Felipe, que me visitava aqui, num mini festival de música numa cidadezinha a meia hora de Milano chamada Vigevano. Chegando lá, os shows eram no jardim interno do Castello Sforcesco da cidade, um castelo medieval do inicio do século XIV. O povo espalhado pela grama, um calorzão e 4 bandas de abertura antes do The Strokes: Elisabeth, Glasvegas (banda escocesa muito boa que eu já até tinha visto antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente

jovens sentados no gramado aguardando o início do show dos Strokes

Palco improvisado a quatro dias do início do festival

Jovens sentados no gramado aguardando o início do show dos Strokes

bons!) e Chromeo.Nos intervalos, um DJ que botava Rock The Cashbah, Wavves e Mando Diao - ou seja, Disney para mim! Tem algumas coisas que italians reeeaally do it better! E não é só sorvete, pizza e tiramisu. Ontem eu fui com Felipe, que me visitava aqui, num mini festival de música numa cidadezinha a meia hora de Milano chamada Vigevano. Chegando lá, os shows eram no jardim interno do Castello Sforcesco da cidade, um castelo medieval do inicio do século XIV. O povo espalhado pela grama, um calorzão e 4 bandas de abertura antes do The Strokes: Elisabeth, Glasvegas (banda escocesa muito boa que eu já até tinha visto antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente bons!) e Chromeo. Tem algumas coisas que italians reeeaally do it better! E não é só sorvete, pizza e tiramisu.

Ontem eu fui com Felipe, que me visitava aqui, num mini festival de música numa cidadezinha a meia hora de Milano chamada Vigevano. Chegando lá, os shows eram no jardim interno do Castello Sforcesco da cidade, um castelo medieval do inicio do século XIV. O povo espalhado pela grama, um calorzão e 4 bandas de abertura antes do The Strokes: Elisabeth, Glasvegas (banda escocesa muito boa que eu já até tinha visto antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente bons!) e Chromeo.Nos intervalos, um DJ que botava Rock The Cashbah, Wavves e Mando Diao - ou seja, Disney para mim! Em essit occus et aut hariossim et, si sin ped mosaper orporem non conectior rehenda ecabore et re imus re vent rem utatustor accae es cum quam eosam, sum fugias aut volesequod enet unt quos dolorest et odit lam, sum as rem

“TEM ALGUMAS COISAS QUE ITALIANS REEEAALLY DO IT BETTER! E NÃO É SÓ SORVETE, PIZZA, TIRAMISU.


música 24

O POVO ESPALHADO PELA GRAMA, UM CALORZÃO E QUATRO BANDAS ANTES DO THE STROKES, TODAS EXCELENTES Antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente bons!) e Chromeo. Nos intervalos, um DJ que botava Rock The Cashbah, Wavves e Mando Diao - ou seja, Disney para mim! Em essit occus et aut hariossim et, si sin ped mosaper orporem non conectior rehenda ecabore et re imus re vent rem utatustor accae es cum quam eosam, sum fugias aut volesequod enet unt quos dolorest et odit lam, sum as rem quam, corum, quam que lam as ent a nust, sum excerum faceatur, ut aciam venisciis doluptusdae aut isin eatur, ex ea net quos desequatios undae volorum ut inihil idunt quuntotatia nit dolent eturenem quiae quia que nonsed maiorporis sunt, susapis arion reium ratur, sumentorem sequiame volores que con cuptat vid ut maximus doluptate nossi quat aut adi blab in re nisseribus esse none poratquatio es aut rem rernatur min conet aut que es mi, nos di que perae. Nullamusam, nes aborum

Batendo papo enquanto o Julian não vem

nime et dolor a commodiEces sin rent aliquam, quae labo. Nis si consequianda volorum veruptium de poris verrum faceped mi, oditat estiunt quias que si similiquunt ea cum atem aut molupide voluptae consequiam invelen delessi cone mi, volut reium, odipide lendam endae rem eribus pore quas erorum sequamus maiorepudistImin nihilluptae prest vellestem que mos dolore vid undam qui odit re cum ressequam volorrum nem utatur? Nos intervalos, um DJ que botava Rock e Mando Diao – ou seja, Disney para mim!

Clima agradável no gramado do festival

Rapaz de camisa dos Stones


música 24

O POVO ESPALHADO PELA GRAMA, UM CALORZÃO E QUATRO BANDAS ANTES DO THE STROKES, TODAS EXCELENTES Antes aqui na Itália), Verdena (uma banda italiana que toca rock, foram surpreendentemente bons!) e Chromeo. Nos intervalos, um DJ que botava Rock The Cashbah, Wavves e Mando Diao - ou seja, Disney para mim! Em essit occus et aut hariossim et, si sin ped mosaper orporem non conectior rehenda ecabore et re imus re vent rem utatustor accae es cum quam eosam, sum fugias aut volesequod enet unt quos dolorest et odit lam, sum as rem quam, corum, quam que lam as ent a nust, sum excerum faceatur, ut aciam venisciis doluptusdae aut isin eatur, ex ea net quos desequatios undae volorum ut inihil idunt quuntotatia nit dolent eturenem quiae quia que nonsed maiorporis sunt, susapis arion reium ratur, sumentorem sequiame volores que con cuptat vid ut maximus doluptate nossi quat aut adi blab in re nisseribus esse none poratquatio es aut rem rernatur min conet aut que es mi, nos di que perae. Nullamusam, nes aborum

Batendo papo enquanto o Julian não vem

nime et dolor a commodiEces sin rent aliquam, quae labo. Nis si consequianda volorum veruptium de poris verrum faceped mi, oditat estiunt quias que si similiquunt ea cum atem aut molupide voluptae consequiam invelen delessi cone mi, volut reium, odipide lendam endae rem eribus pore quas erorum sequamus maiorepudistImin nihilluptae prest vellestem que mos dolore vid undam qui odit re cum ressequam volorrum nem utatur? Nos intervalos, um DJ que botava Rock e Mando Diao – ou seja, Disney para mim!

Clima agradável no gramado do festival

Rapaz de camisa dos Stones


graffiti error

BRASIlidade urbana em exposição:

arte 26|27

TRABALHO DE BRASILEIRO QUE ENVOLVE GRAFFITI E TIPOGRAFIA É EXIBIDO NA FB GALLERY, EM NYC Nossas pautas elevar o trabalho de artistas cariocas que fazem sucesso mundo a fora. Por isso, hoje vamos falar da mostra “Graffiti Error”, de Antônio Bokel, que está rolando na FB Gallery, em NY. A exposição, que teve início no dia 13 de Outubro, vai até 26 de Novembro e evidencia o trabalho de Bokel, misturando Graffiti com tipografia em uma atmosfera essencialmente urbana. Inspirado por elementos da cultura brasileira com pitadas da “Big Apple”, Antônio traduz, nas próprias palavras “pequenos gestos de rebeldia” em peças vivas e complexas. Para quem não conhece, Antônio Bokel é um pintor autoditada e amante dos esportes radicais. Suas maiores influências são artistas como Basquiat, Rauschenberg e Twombly. Desde sua primeira exposição, em 2001 em Florença, já mostrou seu trabalho ao mundo, mas não esquece as raízes tupiniquins, suas maiores fontes de inspiração. Desde sua primeira exposição, em 2001 em Florença, já mostrou seu trabalho ao mundo inteiro..

Obra de arte shrubbles feita em 1956

Representação do povo hebreu feita em 1956


graffiti error

BRASIlidade urbana em exposição:

arte 26|27

TRABALHO DE BRASILEIRO QUE ENVOLVE GRAFFITI E TIPOGRAFIA É EXIBIDO NA FB GALLERY, EM NYC Nossas pautas elevar o trabalho de artistas cariocas que fazem sucesso mundo a fora. Por isso, hoje vamos falar da mostra “Graffiti Error”, de Antônio Bokel, que está rolando na FB Gallery, em NY. A exposição, que teve início no dia 13 de Outubro, vai até 26 de Novembro e evidencia o trabalho de Bokel, misturando Graffiti com tipografia em uma atmosfera essencialmente urbana. Inspirado por elementos da cultura brasileira com pitadas da “Big Apple”, Antônio traduz, nas próprias palavras “pequenos gestos de rebeldia” em peças vivas e complexas. Para quem não conhece, Antônio Bokel é um pintor autoditada e amante dos esportes radicais. Suas maiores influências são artistas como Basquiat, Rauschenberg e Twombly. Desde sua primeira exposição, em 2001 em Florença, já mostrou seu trabalho ao mundo, mas não esquece as raízes tupiniquins, suas maiores fontes de inspiração. Desde sua primeira exposição, em 2001 em Florença, já mostrou seu trabalho ao mundo inteiro..

Obra de arte shrubbles feita em 1956

Representação do povo hebreu feita em 1956


night 28

dance4climate A EMPRESA INGLESA ‘CLUB4CLIMATE’ TRANSFORMA O ATO DE SE ACABAR NA PISTA EM ENERGIA Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Conforme elas dançam, pressionam a pista com os pés. Aí o chão, que é feito com uma cerâmica especial, sofre uma pequena deformação (imperceptível para quem está dançando). E isso gera energia elétrica para alimentar o som e as luzes de boate. Segundo seus criadores, a pista high-tech consegue gerar até 60% de toda a eletricidade consumida pelo clube, que se chama Surya (“Deus-Sol”, em sânscrito). Mas o que acontece se o DJ não empolgar a galera e ninguém entrar na pista? Acaba a luz? Para evitar que isso aconteça a boate conta com um gerador muito poderoso mesmo. Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera.


night 28

dance4climate A EMPRESA INGLESA ‘CLUB4CLIMATE’ TRANSFORMA O ATO DE SE ACABAR NA PISTA EM ENERGIA Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Conforme elas dançam, pressionam a pista com os pés. Aí o chão, que é feito com uma cerâmica especial, sofre uma pequena deformação (imperceptível para quem está dançando). E isso gera energia elétrica para alimentar o som e as luzes de boate. Segundo seus criadores, a pista high-tech consegue gerar até 60% de toda a eletricidade consumida pelo clube, que se chama Surya (“Deus-Sol”, em sânscrito). Mas o que acontece se o DJ não empolgar a galera e ninguém entrar na pista? Acaba a luz? Para evitar que isso aconteça a boate conta com um gerador muito poderoso mesmo. Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera.


entrevista 30|31

S h ep ar d y a r i e f ENTREVISTA COM O IRREVERENTE DESIGNER GRÁFICO QUE COMEÇOU SUA CARREIRA GRAFITANDO AS RUAS DO INTERIOR DOS ESTADOS UNIDOS Inicialmente, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras coisas... São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba

refletindo no trabalho. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho Bom, Sergio, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em SP, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras coisas. São Paulo

.interessante para pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Aqui vejo muito tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Você nasceu aqui, sempre morou aqui? Eu nasci aqui, mas por causa de meu pai que é médico, morei em


entrevista 30|31

S h ep ar d y a r i e f ENTREVISTA COM O IRREVERENTE DESIGNER GRÁFICO QUE COMEÇOU SUA CARREIRA GRAFITANDO AS RUAS DO INTERIOR DOS ESTADOS UNIDOS Inicialmente, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras coisas... São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba

refletindo no trabalho. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho Bom, Sergio, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em SP, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras coisas. São Paulo

.interessante para pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Aqui vejo muito tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Você nasceu aqui, sempre morou aqui? Eu nasci aqui, mas por causa de meu pai que é médico, morei em


entrevista 32|33 Bom, sergio, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras coisas... São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho, o que é muito bacana. Bom, Sergio, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras

coisas... São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Você nasceu aqui, sempre morou por aqui mesmo? eu nasci aqui, mas por causa de meu pai que é médico, morei em vários lugares, principalmente no Paraná. Voltei para cá com 12 anos. Mas foi nesse período que comecei. Quer dizer, que descobri que eu tinha uma certa facilidade para desenho, pintura, essas coisas. Foi quando voltei para São Paulo que comecei a me desenvolver nesta parte artística. Você sempre pintou? É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas,

mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse período também que comecei a mandar

Bom, eu odeio dizer isso, e algumas pessoas podem ficar bastante incomodadas: o público norte americano costuma ser bem superficial Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse

trabalhos para salões. É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas, mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Se a gente for pegar qualquer documentação sobre a sua trajetória artística, é muito visível o fato de você ter começado a participar de salões e exposições ainda muito novo. Como surgiu essa necessidade? Como comecei a desenvolver meu trabalho mais seriamente quando tinha 15, 16 anos, o processo foi mandar trabalhos para salões, tentar fazer exposições, essas coisas. Naquela época já possuía uma preocupação profissional. Tanto é que fazia um colegial técnico de desenho, procurando desenvolver. anto é que fazia um colegial técnico de desenho, procurando desenvolver cada dia um pouquinho mais.

Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fairey expostos no Centro de Arte Contemporânea. Eles foram feitos em 2007 e representam os males do consumismo sob o ponto de vista da sociedade Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fairey expostos no Centro de Arte Contemporânea. Eles foram feitos em 2007

de São Paulo. Eram o síveis. Lembro q muito para o salão de naquela época era u portante. Mandei tam Salão Paulista, mas ca nunca cheguei a p E veio a participa Paulista... R – Este ano foi a prim participei desse Sal vezes que mandei m

EU TRABALHEI MUITO DURO EM 2004 PRA FAZER UMA IMAGEM NEGATIVA DO BUSH

Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fai Arte Contemporânea. Eles foram feitos em 20

Ou seja, já direcionando para questão da arte. E voc participava de qualquer sal tinha algum tipo de... Tinha alguns que naquela eram interessantes e aqu


entrevista 32|33 Bom, sergio, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras coisas... São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho, o que é muito bacana. Bom, Sergio, gostaria que você começasse explicando como é pintar em São Paulo em 1986. Para mim, a pintura é uma coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. Quer dizer, o fato de estar em São Paulo envolve outras

coisas... São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho. Você nasceu aqui, sempre morou por aqui mesmo? eu nasci aqui, mas por causa de meu pai que é médico, morei em vários lugares, principalmente no Paraná. Voltei para cá com 12 anos. Mas foi nesse período que comecei. Quer dizer, que descobri que eu tinha uma certa facilidade para desenho, pintura, essas coisas. Foi quando voltei para São Paulo que comecei a me desenvolver nesta parte artística. Você sempre pintou? É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas,

mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse período também que comecei a mandar

Bom, eu odeio dizer isso, e algumas pessoas podem ficar bastante incomodadas: o público norte americano costuma ser bem superficial Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse

trabalhos para salões. É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas, mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Se a gente for pegar qualquer documentação sobre a sua trajetória artística, é muito visível o fato de você ter começado a participar de salões e exposições ainda muito novo. Como surgiu essa necessidade? Como comecei a desenvolver meu trabalho mais seriamente quando tinha 15, 16 anos, o processo foi mandar trabalhos para salões, tentar fazer exposições, essas coisas. Naquela época já possuía uma preocupação profissional. Tanto é que fazia um colegial técnico de desenho, procurando desenvolver. anto é que fazia um colegial técnico de desenho, procurando desenvolver cada dia um pouquinho mais.

Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fairey expostos no Centro de Arte Contemporânea. Eles foram feitos em 2007 e representam os males do consumismo sob o ponto de vista da sociedade Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fairey expostos no Centro de Arte Contemporânea. Eles foram feitos em 2007

de São Paulo. Eram o síveis. Lembro q muito para o salão de naquela época era u portante. Mandei tam Salão Paulista, mas ca nunca cheguei a p E veio a participa Paulista... R – Este ano foi a prim participei desse Sal vezes que mandei m

EU TRABALHEI MUITO DURO EM 2004 PRA FAZER UMA IMAGEM NEGATIVA DO BUSH

Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fai Arte Contemporânea. Eles foram feitos em 20

Ou seja, já direcionando para questão da arte. E voc participava de qualquer sal tinha algum tipo de... Tinha alguns que naquela eram interessantes e aqu


entrou, o. É um eram as fazia? u só manheguei a mas lá causa do prêmio e ara fazer com os a particiem Sando Salão. e eles me uma expremiaursos do

com alcou mais

m alguns não tinha , impordeu aula agalhães. ém tinha ande em Bettone. nte para noção de ão maior ateriais e

que você como é 1986. a é uma

entrevista 34|35 coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho de todo o dia, e cotidiano. Você nasceu aqui, sempre morou por aqui mesmo? Eu nasci aqui, mas por causa de meu pai que é médico, morei em vários lugares, principalmente no Paraná. Voltei para cá com 12 anos. Mas foi exatamente nesse período que comecei. Quer dizer, que descobri que eu tinha uma certa facilidade para desenho, pintura, essas coisas. Foi quando voltei para São Paulo que comecei a me desenvolver nesta parte artística que é muito bacana. Você sempre pintou? É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas, mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse período também que comecei a mandar trabalhos para salões. É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas, mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração

que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse período também que comecei a mandar trabalhos para salões do mundo inteiro. Se a gente for pegar qualquer documentação sobre a sua trajetória artística, é muito visível o fato de você ter começado a participar de salões e exposições ainda muito novo. Como surgiu essa necessidade? Como comecei a desenvolver meu trabalho mais seriamente quando tinha 15, 16 anos, o processo foi mandar trabalhos para salões, tentar fazer exposições, essas coisas. Naquela época já possuía uma preocupação profissional. Tanto é que fazia um colegial técnico de desenho, procurando desenvolver Ou seja, já direcionando para questão da arte. E você participava de qualquer salão, ou tinha algum tipo de. Tinha alguns que naquela época eram interessantes e aqui perto de São Paulo. Eram os mais acessíveis. Lembro que mandava muito para o salão de Santos, que naquela época era um salão importante. Mandei também para o Salão Paulista, mas naquela época nunca cheguei a participar. E veio a participar algumas vezes do Salão Paulista... Este ano foi a primeira vez que participei desse Salão... As três vezes que mandei minhas telas para lá, fui recusado, infelizmente nao me pergunte porque.

E este ano você não entrou, como ganhou o prêmio. É um bom sinal... E como eram as exposições que você fazia? Como eram tramadas? Basicamente, no início eu só mandava para salões. Só cheguei a participar de coletivas, mas lá em Santos mesmo, por causa do Salão. Eu tinha ganho o prêmio e eles me convidaram para fazer uma exposição coletiva com os premiados... No IADE você teve aula com algum artista que o marcou mais profundamente? Lá eu tive aula com alguns professores legais, mas não tinha nenhum artista, assim, importante. O único artista que deu aula para mim foi o Odair Magalhães. Naquela época ele também tinha atividade bastante grande em salões. Também Ettore Bettone. Mas o Iadê foi importante para mim porque me deu uma noção de História da Arte, uma visão maior sobre a Arte. E dos materiais e técnicas, também. E a documentação é muito visível o fato de você ter começado a participar de salões Como surgiu essa necessidade? Como comecei a desenvolver meu trabalho mais seriamente quando tinha 15, 16 anos, o processo foi mandar trabalhos para salões, tentar fazer exposições.

Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fairey expostos no Centro de Arte Contemporânea. Eles foram desenvolvidos no ano de 2007. Famoso cartaz de George Bush, que


entrou, o. É um eram as fazia? u só manheguei a mas lá causa do prêmio e ara fazer com os a particiem Sando Salão. e eles me uma expremiaursos do

com alcou mais

m alguns não tinha , impordeu aula agalhães. ém tinha ande em Bettone. nte para noção de ão maior ateriais e

que você como é 1986. a é uma

entrevista 34|35 coisa particular. Pintar independe de estar em São Paulo, em qualquer lugar. São Paulo é interessante em termos de pintura, porque é um polo cultural. Aqui vejo muita coisa, tenho muitas informações e a própria cidade acaba refletindo no trabalho de todo o dia, e cotidiano. Você nasceu aqui, sempre morou por aqui mesmo? Eu nasci aqui, mas por causa de meu pai que é médico, morei em vários lugares, principalmente no Paraná. Voltei para cá com 12 anos. Mas foi exatamente nesse período que comecei. Quer dizer, que descobri que eu tinha uma certa facilidade para desenho, pintura, essas coisas. Foi quando voltei para São Paulo que comecei a me desenvolver nesta parte artística que é muito bacana. Você sempre pintou? É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas, mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse período também que comecei a mandar trabalhos para salões. É, como toda criança, sempre desenhava, fazia umas bobeirinhas, mas foi a partir dos doze anos que comecei a me interessar. Depois, quando fiz quinze anos, entrei para o IADE, Instituto de Artes e Decoração

que é um colegial técnico de desenho. A partir daí comecei uma certa formação mais acadêmica. Foi nesse período também que comecei a mandar trabalhos para salões do mundo inteiro. Se a gente for pegar qualquer documentação sobre a sua trajetória artística, é muito visível o fato de você ter começado a participar de salões e exposições ainda muito novo. Como surgiu essa necessidade? Como comecei a desenvolver meu trabalho mais seriamente quando tinha 15, 16 anos, o processo foi mandar trabalhos para salões, tentar fazer exposições, essas coisas. Naquela época já possuía uma preocupação profissional. Tanto é que fazia um colegial técnico de desenho, procurando desenvolver Ou seja, já direcionando para questão da arte. E você participava de qualquer salão, ou tinha algum tipo de. Tinha alguns que naquela época eram interessantes e aqui perto de São Paulo. Eram os mais acessíveis. Lembro que mandava muito para o salão de Santos, que naquela época era um salão importante. Mandei também para o Salão Paulista, mas naquela época nunca cheguei a participar. E veio a participar algumas vezes do Salão Paulista... Este ano foi a primeira vez que participei desse Salão... As três vezes que mandei minhas telas para lá, fui recusado, infelizmente nao me pergunte porque.

E este ano você não entrou, como ganhou o prêmio. É um bom sinal... E como eram as exposições que você fazia? Como eram tramadas? Basicamente, no início eu só mandava para salões. Só cheguei a participar de coletivas, mas lá em Santos mesmo, por causa do Salão. Eu tinha ganho o prêmio e eles me convidaram para fazer uma exposição coletiva com os premiados... No IADE você teve aula com algum artista que o marcou mais profundamente? Lá eu tive aula com alguns professores legais, mas não tinha nenhum artista, assim, importante. O único artista que deu aula para mim foi o Odair Magalhães. Naquela época ele também tinha atividade bastante grande em salões. Também Ettore Bettone. Mas o Iadê foi importante para mim porque me deu uma noção de História da Arte, uma visão maior sobre a Arte. E dos materiais e técnicas, também. E a documentação é muito visível o fato de você ter começado a participar de salões Como surgiu essa necessidade? Como comecei a desenvolver meu trabalho mais seriamente quando tinha 15, 16 anos, o processo foi mandar trabalhos para salões, tentar fazer exposições.

Cartazes muito loucos feitos por Shepard Fairey expostos no Centro de Arte Contemporânea. Eles foram desenvolvidos no ano de 2007. Famoso cartaz de George Bush, que


foco 36|37

O CONCEITO POR TRÁS DO BICING

bicing

Falar a respeito da matéria da história da bicicleta é um tanto complexo, pois há vários estudos, muitas cópias e poucas definições razoáveis que podem ser aproveitadas. Entre os diversos que se relacionam com o assunto pode-se citar um estudo interessante que explica a sua de forma clara e resumida. Segundo alguns historiadores e o que nos mostram alguns ensaios fotográficos, há um estudo muito bem feito, idealizado por Leonardo da Vinci e registrado em um código guardado no museu de Madrid, resultante de pesquisas feitas pelo professor Piccus, da Universidade de Massachusetts, nos EUA, que nos mostra, através de esboços, um sistema de transmissão por corrente, mecanismo físico principal que aciona as atuais e modernas bicicletas idealizado por Da Vinci. Apesar de que tais desenhos na realidade mostrem um sistema de transmissão bem básico, muitos historiadores consideram-nos o primórdio da indústria da bicicleta no mundo.

O QUE MUDOU DESDE QUE O SISTEMA FOI INSTALADO

ENTENDA COMO FUNCIONA O SISTEMA DE BICICLETÁRIOS DE BARCELONA

No período compreendido entre os séculos XV e XVI, foram desenvolvidos diversos veículos de duas e quatro rodas acionados por mecanismo composto de corrente, alavanca e outros dispositivos os quais por vezes traziam problemas ao seu usuário, pois frequentemente levavam a tombos sérios ou mesmo causando danos às roupas. Tais dispositivos eram cômicos, outros não seguiam os princípios básicos da física e

a grande maioria deles era na realidade uma imitação um tanto extravagante de um mecanismo já existente, com raríssimas exceções na grande maioria das vezes.Entretanto, a bicicleta teve seu nome inserido na história por volta do início de 1790, quando o conde Sivrac da França idealiza o celerífer, posteriormente denominado de celerífero, que era um veículo primitivo de duas rodas ligadas por uma ponte de madeira em forma de cavalo e acionado .

AS VANTAGENS DA BICICLETA COMO VEÍCULO URBANO Por volta de 1816 o barão alemão Karl Friedrich Christian Ludwig Drais von Sauerbronn adaptou uma direção ao celerífero que passou a ser denominada de guidão. Junto com o primeiro guidão apareceu a draisiana, umas das primeiras bicicletas. Apesar desse novo equipamento, ainda assim era bastante incômodo e desconfortável manusear a draisiana. Em abril de 1818, o próprio Barão Drais apresenta seu invento no parque de Luxemburgo, em Paris, e meses mais tarde faz o trajeto Beaune - Dijon, na França. Esse invento é mais parecido com a atual bicicleta, porém de forma dinâmica bem diferente e de material mais pesado, pois era feita com uma liga de antimônio, metal bem pesado. Em 1840, o escocês Kirkpatrick Macmillan adapta ao eixo traseiro duas bielas ligadas por uma barra de ferro. Isto provocou o avanço da roda traseira, dando-lhe maior estabilidade e possibilidade de manuseio e manejo rápido. Com esse mecanismo a bicicleta ficou mais segura e estável, pois nas curvas evitava o antigo jogo do corpo para o lado oposto ao movimento a fim de manter estável o equilíbrio, já que o equipamento em si era bastante pesado.


foco 36|37

O CONCEITO POR TRÁS DO BICING

bicing

Falar a respeito da matéria da história da bicicleta é um tanto complexo, pois há vários estudos, muitas cópias e poucas definições razoáveis que podem ser aproveitadas. Entre os diversos que se relacionam com o assunto pode-se citar um estudo interessante que explica a sua de forma clara e resumida. Segundo alguns historiadores e o que nos mostram alguns ensaios fotográficos, há um estudo muito bem feito, idealizado por Leonardo da Vinci e registrado em um código guardado no museu de Madrid, resultante de pesquisas feitas pelo professor Piccus, da Universidade de Massachusetts, nos EUA, que nos mostra, através de esboços, um sistema de transmissão por corrente, mecanismo físico principal que aciona as atuais e modernas bicicletas idealizado por Da Vinci. Apesar de que tais desenhos na realidade mostrem um sistema de transmissão bem básico, muitos historiadores consideram-nos o primórdio da indústria da bicicleta no mundo.

O QUE MUDOU DESDE QUE O SISTEMA FOI INSTALADO

ENTENDA COMO FUNCIONA O SISTEMA DE BICICLETÁRIOS DE BARCELONA

No período compreendido entre os séculos XV e XVI, foram desenvolvidos diversos veículos de duas e quatro rodas acionados por mecanismo composto de corrente, alavanca e outros dispositivos os quais por vezes traziam problemas ao seu usuário, pois frequentemente levavam a tombos sérios ou mesmo causando danos às roupas. Tais dispositivos eram cômicos, outros não seguiam os princípios básicos da física e

a grande maioria deles era na realidade uma imitação um tanto extravagante de um mecanismo já existente, com raríssimas exceções na grande maioria das vezes.Entretanto, a bicicleta teve seu nome inserido na história por volta do início de 1790, quando o conde Sivrac da França idealiza o celerífer, posteriormente denominado de celerífero, que era um veículo primitivo de duas rodas ligadas por uma ponte de madeira em forma de cavalo e acionado .

AS VANTAGENS DA BICICLETA COMO VEÍCULO URBANO Por volta de 1816 o barão alemão Karl Friedrich Christian Ludwig Drais von Sauerbronn adaptou uma direção ao celerífero que passou a ser denominada de guidão. Junto com o primeiro guidão apareceu a draisiana, umas das primeiras bicicletas. Apesar desse novo equipamento, ainda assim era bastante incômodo e desconfortável manusear a draisiana. Em abril de 1818, o próprio Barão Drais apresenta seu invento no parque de Luxemburgo, em Paris, e meses mais tarde faz o trajeto Beaune - Dijon, na França. Esse invento é mais parecido com a atual bicicleta, porém de forma dinâmica bem diferente e de material mais pesado, pois era feita com uma liga de antimônio, metal bem pesado. Em 1840, o escocês Kirkpatrick Macmillan adapta ao eixo traseiro duas bielas ligadas por uma barra de ferro. Isto provocou o avanço da roda traseira, dando-lhe maior estabilidade e possibilidade de manuseio e manejo rápido. Com esse mecanismo a bicicleta ficou mais segura e estável, pois nas curvas evitava o antigo jogo do corpo para o lado oposto ao movimento a fim de manter estável o equilíbrio, já que o equipamento em si era bastante pesado.


foco 38

Atualmente, segundo dados da Abraciclo (Associação Brasileira de Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), o Brasil é o 3º maior fabricante de bicicletas do mundo, com 5,5 milhões de unidades produzidas em 2007, atrás apenas da China e da Índia, países que concentram 76% da produção mundial. Além disso, o Brasil foi em 2007 o 5º maior mercado consumidor de bicicletas do mundo, e possuía nesse mesmo ano uma frota de 65 milhões de bicicletas nas ruas. Atualmente, segundo dados da Abraciclo, o Brasil é o 3º maior fabricante de bicicletas do mundo, com 5,5 milhões de unidades produzidas em 2007, atrás apenas da China e da Índia, países que concentram 76% da produção mundial. Além disso, o Brasil foi em 2007 o 5º maior mercado consumidor de bicicletas do mundo, e possuía nesse mesmo ano uma frota de 65 milhões de bicicletas.

COMO UTILIZAR O BICING 1. Cadastre-se e carregue seu cartão de usuário 2. Vá até uma das 400 estações espalhadas pela cidade e use o cartão para destravar uma das bicicletas 3. Pedale até o seu destino e devolva a bicicleta na estação mais próxima


foco 38

Atualmente, segundo dados da Abraciclo (Associação Brasileira de Fabricantes de Motocicletas, Ciclomotores, Motonetas, Bicicletas e Similares), o Brasil é o 3º maior fabricante de bicicletas do mundo, com 5,5 milhões de unidades produzidas em 2007, atrás apenas da China e da Índia, países que concentram 76% da produção mundial. Além disso, o Brasil foi em 2007 o 5º maior mercado consumidor de bicicletas do mundo, e possuía nesse mesmo ano uma frota de 65 milhões de bicicletas nas ruas. Atualmente, segundo dados da Abraciclo, o Brasil é o 3º maior fabricante de bicicletas do mundo, com 5,5 milhões de unidades produzidas em 2007, atrás apenas da China e da Índia, países que concentram 76% da produção mundial. Além disso, o Brasil foi em 2007 o 5º maior mercado consumidor de bicicletas do mundo, e possuía nesse mesmo ano uma frota de 65 milhões de bicicletas.

COMO UTILIZAR O BICING 1. Cadastre-se e carregue seu cartão de usuário 2. Vá até uma das 400 estações espalhadas pela cidade e use o cartão para destravar uma das bicicletas 3. Pedale até o seu destino e devolva a bicicleta na estação mais próxima


arte 40|41

LAMBE! GRUPO DE STREETART FRANCÊS ESPALHA PELAS BELAS RUAS DE PARIS LAMBE-LAMBES NO MÍNIMO “SAFADINHOS”

Poster lambe-lambe (Wheat-paste, em inglês), também chamados de poster-bomber, é um pôster artístico de tamanho variado que é colado em espaços públicos. Podem ser pintados individualmente com tinta látex, spray ou guache, que dá um efeito bacana. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas

Poster lambe-lambe (Wheat-paste, em inglês), também chamados de poster-bomber, é um pôster artístico de tamanho variado que é colado em espaços públicos. Podem ser pintados individualmente com tinta látex, spray ou guache. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art, que é bem bacana. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art. Podem ser pintados individualmente. Primeiras seis décadas do século XX, nas praças era comum encontrarem-se encapuzados e quase fundidos à caixotes sobres tripés, verdadeiras maravilhas da síntese que unia a câmara ao laboratório, o fotógrafo lambe-lambe. Qualquer um deles orgulhava-se em dizer a marca da lente que usava. Era a essência do negócio. Uma pesquisa feita por Fróes, Leonardo “Os lambe-lambe” – in Coisas Nossas Rio de janeiro, Rj/Mec/Funarte, 1978, revela que quem criou os chamados fotógrafos de jardim, “photographo de português” foi o rei. Em 17 de maio de 1911, a revista Fon-Fon publicava o anuncio: “Trabalhe por Sua Conta, que uma empresa de Nova York EUA anunciava prometendo lucros grandes e certos. Era o tempo em que o fotógrafo ambulante tinha status. Os anúncios exibiam ao lado da maravilhosa “machina photographica” um sujeito elegantemente vestido de terno, gravata e chapéu de feltro.A fixação – ocorre quando a película revelada é submetida a uma solução ácida.

Para quem ainda não sabe, o Lambe-lambe é um processo artístico que resulta em posters de tamanhos variados que são colados em espaços públicos

O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Podem ser pintados individualmente com tinta látex, spray ou guache. As imagens ao lado, são uma pequena amostra do que o grupo de streetart vem fazendo.


arte 40|41

LAMBE! GRUPO DE STREETART FRANCÊS ESPALHA PELAS BELAS RUAS DE PARIS LAMBE-LAMBES NO MÍNIMO “SAFADINHOS”

Poster lambe-lambe (Wheat-paste, em inglês), também chamados de poster-bomber, é um pôster artístico de tamanho variado que é colado em espaços públicos. Podem ser pintados individualmente com tinta látex, spray ou guache, que dá um efeito bacana. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas

Poster lambe-lambe (Wheat-paste, em inglês), também chamados de poster-bomber, é um pôster artístico de tamanho variado que é colado em espaços públicos. Podem ser pintados individualmente com tinta látex, spray ou guache. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art, que é bem bacana. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Geralmente é colado com cola de polvilho ou de farinha devido ao seu custo reduzido. O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art. Podem ser pintados individualmente. Primeiras seis décadas do século XX, nas praças era comum encontrarem-se encapuzados e quase fundidos à caixotes sobres tripés, verdadeiras maravilhas da síntese que unia a câmara ao laboratório, o fotógrafo lambe-lambe. Qualquer um deles orgulhava-se em dizer a marca da lente que usava. Era a essência do negócio. Uma pesquisa feita por Fróes, Leonardo “Os lambe-lambe” – in Coisas Nossas Rio de janeiro, Rj/Mec/Funarte, 1978, revela que quem criou os chamados fotógrafos de jardim, “photographo de português” foi o rei. Em 17 de maio de 1911, a revista Fon-Fon publicava o anuncio: “Trabalhe por Sua Conta, que uma empresa de Nova York EUA anunciava prometendo lucros grandes e certos. Era o tempo em que o fotógrafo ambulante tinha status. Os anúncios exibiam ao lado da maravilhosa “machina photographica” um sujeito elegantemente vestido de terno, gravata e chapéu de feltro.A fixação – ocorre quando a película revelada é submetida a uma solução ácida.

Para quem ainda não sabe, o Lambe-lambe é um processo artístico que resulta em posters de tamanhos variados que são colados em espaços públicos

O poster lambe-lambe faz parte das novas linguagens da arte urbana contemporânea assim como o sticker art. Quando feitos em série sua reprodução pode ser através de foto copiadoras ou silk-screen. Podem ser pintados individualmente com tinta látex, spray ou guache. As imagens ao lado, são uma pequena amostra do que o grupo de streetart vem fazendo.


política 42|43

Grupo de hackers Anonymous ganha seguidores e cresce o número de protestos por todo o planeta

Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente onde suas verdadeiras identidades são desconhecidas. Na sua forma inicial, o conceito tem sido adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas Amplamente divulgados e de ataques de negação de serviço (DDoS) feitos pelo Anonymous em 2008, incidentes ligados ao seu quadro de membros só têm aumentado.Pelas suas capacidades, o grupo Anonymous tem sido considerado pela CNN como sendo o sucessor do WikiLeaks, do ano passado. Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros.


política 42|43

Grupo de hackers Anonymous ganha seguidores e cresce o número de protestos por todo o planeta

Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente onde suas verdadeiras identidades são desconhecidas. Na sua forma inicial, o conceito tem sido adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas Amplamente divulgados e de ataques de negação de serviço (DDoS) feitos pelo Anonymous em 2008, incidentes ligados ao seu quadro de membros só têm aumentado.Pelas suas capacidades, o grupo Anonymous tem sido considerado pela CNN como sendo o sucessor do WikiLeaks, do ano passado. Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros.


política 44|45 Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente onde suas verdadeiras

Manifestantes utilizan-se de bom humor durante os atos de protesto

identidades são desconhecidas. Na sua forma inicial, o conceito tem sido adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover

Amplamente divulgados e de ataques de negação de serviço (DDoS) feitos pelo Anonymous em 2008, incidentes ligados ao seu quadro de membros só têm aumentado.[5] Pelas suas capacidades, o grupo Anonymous tem sido considerado pela CNN como sendo o sucessor do WikiLeaks. Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente Na sua forma inicial, o

conceito tem sido adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas ao Anonymous são realizadas por indivíduos não identificados que atribuem o rótulo de “anônimos” a si mesmos, Amplamente divulgados e de ataques de negação de serviço (DDoS) feitos pelo Anonymous em 2008, incidentes ligados ao seu quadro de membros.

Usando máscaras do personagem Guy Fawkes, abordam transeuntes

A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo


política 44|45 Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente onde suas verdadeiras

Manifestantes utilizan-se de bom humor durante os atos de protesto

identidades são desconhecidas. Na sua forma inicial, o conceito tem sido adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover

Amplamente divulgados e de ataques de negação de serviço (DDoS) feitos pelo Anonymous em 2008, incidentes ligados ao seu quadro de membros só têm aumentado.[5] Pelas suas capacidades, o grupo Anonymous tem sido considerado pela CNN como sendo o sucessor do WikiLeaks. Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente Na sua forma inicial, o

conceito tem sido adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas ao Anonymous são realizadas por indivíduos não identificados que atribuem o rótulo de “anônimos” a si mesmos, Amplamente divulgados e de ataques de negação de serviço (DDoS) feitos pelo Anonymous em 2008, incidentes ligados ao seu quadro de membros.

Usando máscaras do personagem Guy Fawkes, abordam transeuntes

A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo


política 46|47

MOVIMENTOS SEMELHANTES PELO MUNDO

Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente onde suas verdadeiras identidades são desconhecidas Na sua forma inicial, o conceito tem sido adotado.

Londres, Inglaterra

Wall Street, Nova York, EUA

O termo “Anonymous” é comum entre os membros de subculturas da Internet para se referir às ações de pessoas em um ambiente

Adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade.

cinelândia, rj, brasil Adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas.

Adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas ao Anonymous


política 46|47

MOVIMENTOS SEMELHANTES PELO MUNDO

Anonymous (palavra de origem inglesa que em português significa anônimos) é um meme da Internet que se originou em 2003 no imageboard 4chan. Representa o conceito de muitos usuários de comunidades online existindo simultaneamente como um anárquico e digitalizado cérebro global. O termo Anonymous também é comum entre os membros de certas subculturas da Internet como sendo uma forma de se referir às ações de pessoas em um ambiente onde suas verdadeiras identidades são desconhecidas Na sua forma inicial, o conceito tem sido adotado.

Londres, Inglaterra

Wall Street, Nova York, EUA

O termo “Anonymous” é comum entre os membros de subculturas da Internet para se referir às ações de pessoas em um ambiente

Adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade.

cinelândia, rj, brasil Adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas.

Adotado por uma comunidade online descentralizada atuando de forma anônima, de maneira coordenada, geralmente em torno de um objetivo livremente combinado entre si e focado principalmente no entretenimento. A partir de 2008, o coletivo Anonymous ficou cada vez mais associado ao colaborativo e internacional hacktivismo, realizando protestos e outras ações, muitas vezes com o objetivo de promover a liberdade na Internet e a liberdade de expressão. Ações creditadas ao Anonymous


capa 49

querer ( agora ) é poder

ANDO AO INVÉS DE FICAR RECLAM NÃO QUE SUA BANDA PREFERIDA O PODE VEM AO BRASIL, VOCÊ MESM TRAZÊ-LA PRA CÁ


capa 49

querer ( agora ) é poder

ANDO AO INVÉS DE FICAR RECLAM NÃO QUE SUA BANDA PREFERIDA O PODE VEM AO BRASIL, VOCÊ MESM TRAZÊ-LA PRA CÁ


capa 50|51

CONHEÇA O COLETIVO DE S!, O M E R E U Q G IN D N U O F D W O R C AJUDA A M O C S W O H S A IZ IL B IA V E QU DE CARIOCAS EMPOLGADOS necessidade. DiO Queremos surgiu de uma s, sobretudo shoversos eventos internacionai mas não ao Rio. O ws, estavam vindo ao Brasil, o mesmo: desintemotivo alegado era sempre esperar e certos resse do público. Cansados de sado na cidade, de que há sim público interes de reclamar. resolvemos fazer algo além inédito: dividir Desenvolvemos um formato r necessário para por uma fatia do público o valo indo assim a sua produção de um evento, garant ar integralmente realização - podendo reembols ão da bilheteria. essas pessoas com a arrecadaç es sociais online, Através da mobilização via red como uma ferrao Queremos funciona tanto o de divulgação. menta de financiamento com

ntos, buscaComo gostamos muito de eve a como um todo, mos melhorar a experiênci , desde respeitar dentro do que nos é permitido que começam a 1h os horários (nada de shows e preço justos dos da manhã numa segunda) ingressos. a necessidade. O Queremos surgiu de um nais, sobretudo Diversos eventos internacio sil, mas não ao shows, estavam vindo ao Bra sempre o mesmo: Rio. O motivo alegado era sados de esperar desinteresse do público. Can interessado na e certos de que há sim público o além de reclacidade, resolvemos fazer alg ato inédito: dividir mar. Desenvolvemos um form r necessário para por uma fatia do público o valo

James Murphy, do LCD Soundsystem no show do Vivo Rio, em fevereiro

indo assim a sua produção de um evento, garant ar integralmente realização - podendo reembols ão da bilheteria. essas pessoas com a arrecadaç es sociais online, Através da mobilização via red como uma ferrao Queremos funciona tanto o de divulgação. menta de financiamento com ntos, buscaComo gostamos muito de eve a como um todo, mos melhorar a experiênci , desde respeitar dentro do que nos é permitido que começam a 1h os horários (nada de shows e preço justos dos da manhã numa segunda) de uma necessiingressos. O Queremos surgiu rnacionais, sobredade. Diversos eventos inte ao Brasil, mas não tudo shows, estavam vindo apenas. ao Rio, e sim para São Paulo,

POSTER DE GRAÇA? TAMBÉM TEM!

miike snow 20 set 2010

belle&sebastian 12 nov 2010

mayer hawthorne 14 jan 2011

two door cinema club 30 jan 2011

vampire weekend 03 fev 2011

lcd soundsystem 17 fev 2011

miami horror 07 abr 2011


capa 50|51

CONHEÇA O COLETIVO DE S!, O M E R E U Q G IN D N U O F D W O R C AJUDA A M O C S W O H S A IZ IL B IA V E QU DE CARIOCAS EMPOLGADOS necessidade. DiO Queremos surgiu de uma s, sobretudo shoversos eventos internacionai mas não ao Rio. O ws, estavam vindo ao Brasil, o mesmo: desintemotivo alegado era sempre esperar e certos resse do público. Cansados de sado na cidade, de que há sim público interes de reclamar. resolvemos fazer algo além inédito: dividir Desenvolvemos um formato r necessário para por uma fatia do público o valo indo assim a sua produção de um evento, garant ar integralmente realização - podendo reembols ão da bilheteria. essas pessoas com a arrecadaç es sociais online, Através da mobilização via red como uma ferrao Queremos funciona tanto o de divulgação. menta de financiamento com

ntos, buscaComo gostamos muito de eve a como um todo, mos melhorar a experiênci , desde respeitar dentro do que nos é permitido que começam a 1h os horários (nada de shows e preço justos dos da manhã numa segunda) ingressos. a necessidade. O Queremos surgiu de um nais, sobretudo Diversos eventos internacio sil, mas não ao shows, estavam vindo ao Bra sempre o mesmo: Rio. O motivo alegado era sados de esperar desinteresse do público. Can interessado na e certos de que há sim público o além de reclacidade, resolvemos fazer alg ato inédito: dividir mar. Desenvolvemos um form r necessário para por uma fatia do público o valo

James Murphy, do LCD Soundsystem no show do Vivo Rio, em fevereiro

indo assim a sua produção de um evento, garant ar integralmente realização - podendo reembols ão da bilheteria. essas pessoas com a arrecadaç es sociais online, Através da mobilização via red como uma ferrao Queremos funciona tanto o de divulgação. menta de financiamento com ntos, buscaComo gostamos muito de eve a como um todo, mos melhorar a experiênci , desde respeitar dentro do que nos é permitido que começam a 1h os horários (nada de shows e preço justos dos da manhã numa segunda) de uma necessiingressos. O Queremos surgiu rnacionais, sobredade. Diversos eventos inte ao Brasil, mas não tudo shows, estavam vindo apenas. ao Rio, e sim para São Paulo,

POSTER DE GRAÇA? TAMBÉM TEM!

miike snow 20 set 2010

belle&sebastian 12 nov 2010

mayer hawthorne 14 jan 2011

two door cinema club 30 jan 2011

vampire weekend 03 fev 2011

lcd soundsystem 17 fev 2011

miami horror 07 abr 2011


capa 52|53 xx|xx

CROWD O QUÊ? termo para usar De forma bem simples, é o vas de financiaquando a gente fala de iniciati indo para o pormento colaborativas. Traduz anciamento pela tuguês seria algo como “fin pessoas contrimultidão”. A ideia é que várias s, de maneira cobuam, com pequenas quantia ideia, um negócio, laborativa, a viabilizar uma um projeto bem bacana. é uma iniciativa O Wikipédia – que, por sinal, g como uma ação “crowd” – define crowdfundin da por pessoas de cooperação coletiva realiza ente, usualmente que contribuem financeiram iativas de outras via internet, para apoiar inic forma bem simpessoas ou organizações. De ndo a gente fala ples, é o termo para usar qua

the national 08 abr 2011

jamie lidell 06 mai 2011

darwin deez 02 jul 2011

metronomy 02 set 2011

ariel pink’s haunted graffiti + the pains of being pure at heart 16 set 2011

primal scream 23 set 2011

mo para usar De forma bem simples, é o ter vas de financiaquando a gente fala de iniciati indo para o pormento colaborativas. Traduz anciamento pela tuguês seria algo como “fin pessoas contrimultidão”. A ideia é que várias s, de maneira cobuam, com pequenas quantia ideia, um negócio, laborativa, a viabilizar uma um projeto. é uma iniciativa O Wikipédia – que, por sinal, g como uma ação “crowd” – define crowdfundin da por pessoas de cooperação coletiva realiza ente, usualmente que contribuem financeiram iativas de outras via internet, para apoiar inic forma bem simpessoas ou organizações. De ples, é o termo para usar.

warpaint

07 out 2011

the kills

28 out 2011


capa 52|53 xx|xx

CROWD O QUÊ? termo para usar De forma bem simples, é o vas de financiaquando a gente fala de iniciati indo para o pormento colaborativas. Traduz anciamento pela tuguês seria algo como “fin pessoas contrimultidão”. A ideia é que várias s, de maneira cobuam, com pequenas quantia ideia, um negócio, laborativa, a viabilizar uma um projeto bem bacana. é uma iniciativa O Wikipédia – que, por sinal, g como uma ação “crowd” – define crowdfundin da por pessoas de cooperação coletiva realiza ente, usualmente que contribuem financeiram iativas de outras via internet, para apoiar inic forma bem simpessoas ou organizações. De ndo a gente fala ples, é o termo para usar qua

the national 08 abr 2011

jamie lidell 06 mai 2011

darwin deez 02 jul 2011

metronomy 02 set 2011

ariel pink’s haunted graffiti + the pains of being pure at heart 16 set 2011

primal scream 23 set 2011

mo para usar De forma bem simples, é o ter vas de financiaquando a gente fala de iniciati indo para o pormento colaborativas. Traduz anciamento pela tuguês seria algo como “fin pessoas contrimultidão”. A ideia é que várias s, de maneira cobuam, com pequenas quantia ideia, um negócio, laborativa, a viabilizar uma um projeto. é uma iniciativa O Wikipédia – que, por sinal, g como uma ação “crowd” – define crowdfundin da por pessoas de cooperação coletiva realiza ente, usualmente que contribuem financeiram iativas de outras via internet, para apoiar inic forma bem simpessoas ou organizações. De ples, é o termo para usar.

warpaint

07 out 2011

the kills

28 out 2011


capa 54 O Bombay Bicycle Club se apresentou no segundo dia

EU QUERO FESTIVAL! das bandas em Em virtude da apresentação tival e como seSão Paulo no Planeta Terra Fes panha diferente ria impossível fazer uma cam colocar todas junpara cada banda, decidimos os juntando todos tas em uma ação só. Estam realizar os shows! os fãs em um único objetivo, inédito com o Num formato de parceria ba de lançar a coQueremos, a Farm, que aca Festival” inspirada leção de verão “Eu Quero rolam por ai, está nos festivais de música que de o início, com apoiando essa iniciativa, des u a causa e já exclusividade. Ou seja, abraço essário para os garantiu metade do valor nec depende só do púshows acontecerem. Agora áveis. blico, comprando os reembols

paralamas do sucesso 29 out 2011

beady eye 07 nov 2011

kings of toro y moi + ce bombay bicycle club + convenien 10 dez 2011 broken social scene 08 nov 2011


capa 54 O Bombay Bicycle Club se apresentou no segundo dia

EU QUERO FESTIVAL! das bandas em Em virtude da apresentação tival e como seSão Paulo no Planeta Terra Fes panha diferente ria impossível fazer uma cam colocar todas junpara cada banda, decidimos os juntando todos tas em uma ação só. Estam realizar os shows! os fãs em um único objetivo, inédito com o Num formato de parceria ba de lançar a coQueremos, a Farm, que aca Festival” inspirada leção de verão “Eu Quero rolam por ai, está nos festivais de música que de o início, com apoiando essa iniciativa, des u a causa e já exclusividade. Ou seja, abraço essário para os garantiu metade do valor nec depende só do púshows acontecerem. Agora áveis. blico, comprando os reembols

paralamas do sucesso 29 out 2011

beady eye 07 nov 2011

kings of toro y moi + ce bombay bicycle club + convenien 10 dez 2011 broken social scene 08 nov 2011


esporte 57

descen rio de

janeiro

vira

do a la

point

para

a prรก tica

deira

de sk

ate do wnhill


esporte 57

descen rio de

janeiro

vira

do a la

point

para

a prรก tica

deira

de sk

ate do wnhill


esporte 58|59

A VIST A CHIN

ESA É

UM DO

S LOC

Modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano de Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento e puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em pé (Stand-up) de que se tem notícia. Com o passar dos anos, Cliff começou a desenvolver outro tipo de Slide, o Slide de mão, agachado, o qual poderia ser executado em velocidades maiores proporcionando uma maior segurança no Downhill, visto que este slide poderia ser utilizado como uma espécie de freio na descida de ladeiras maiores e/ou mais íngremes. Desenvolvendo a habilidade dos skaters de descer ladeiras cada vez maiores. E eles conseguiram descer ladeiras enormes.

AIS PR

EFERI

Com o passar dos anos, ele começou a desenvolver outro tipo de slide, o slide de mão.

DOS D

OS SK

Situada na Floresta da Tijuca a Vista Chinesa ou simplesmente “ Vista”, como é chamada pelos os mais íntimos, impressiona pela beleza natural, ar puro e uma vista espetacular da cidade do Rio de Janeiro, um lugar perfeito para se andar de skate em todas as suas formas e escalas, desde iniciantes até os veteranos, um lugar democrático para o skate do mundo inteiro. Adeptos do Downhill Speed tem 2 opções para descer as ladeiras da Vista Chinesa: pela Zona Norte ou pela Zona Sul. Ambas têm em suas descidas uma grande diversidade de retas, curvas e cutuvelos cabulosos, fazendo o rolé ficar mais radical e intenso. As descidas tem em média 3,5 Km, um bom percurso para você se divertir ao máximo. O fluxo de carro é muito pequeno e a velocidade com que eles passam são sempre controladas, dando total liberdade para os skatistas curtirem seus dropes numa boa, sem preocupações. Você que nunca teve oportunidade de ir para a Vista Chinesa não pode deixar de dar seu rolé por lá e se você quer

ATISTA S

AS DE S

CIDAS

DO LO

modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento e puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em példestaque ao tri campeão mundial Sérgio Yuppie.

CAL TE

M EM

MÉDIA

Modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano de Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento E puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em pé (Stand-up) de que se tem notícia. Com o passar dos anos, Cliff começou a desenvolver outro tipo de Slide, o Slide de mão, agachado, o qual secutado

3,5 KM

DE CO

MPRIM

ENTO


esporte 58|59

A VIST A CHIN

ESA É

UM DO

S LOC

Modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano de Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento e puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em pé (Stand-up) de que se tem notícia. Com o passar dos anos, Cliff começou a desenvolver outro tipo de Slide, o Slide de mão, agachado, o qual poderia ser executado em velocidades maiores proporcionando uma maior segurança no Downhill, visto que este slide poderia ser utilizado como uma espécie de freio na descida de ladeiras maiores e/ou mais íngremes. Desenvolvendo a habilidade dos skaters de descer ladeiras cada vez maiores. E eles conseguiram descer ladeiras enormes.

AIS PR

EFERI

Com o passar dos anos, ele começou a desenvolver outro tipo de slide, o slide de mão.

DOS D

OS SK

Situada na Floresta da Tijuca a Vista Chinesa ou simplesmente “ Vista”, como é chamada pelos os mais íntimos, impressiona pela beleza natural, ar puro e uma vista espetacular da cidade do Rio de Janeiro, um lugar perfeito para se andar de skate em todas as suas formas e escalas, desde iniciantes até os veteranos, um lugar democrático para o skate do mundo inteiro. Adeptos do Downhill Speed tem 2 opções para descer as ladeiras da Vista Chinesa: pela Zona Norte ou pela Zona Sul. Ambas têm em suas descidas uma grande diversidade de retas, curvas e cutuvelos cabulosos, fazendo o rolé ficar mais radical e intenso. As descidas tem em média 3,5 Km, um bom percurso para você se divertir ao máximo. O fluxo de carro é muito pequeno e a velocidade com que eles passam são sempre controladas, dando total liberdade para os skatistas curtirem seus dropes numa boa, sem preocupações. Você que nunca teve oportunidade de ir para a Vista Chinesa não pode deixar de dar seu rolé por lá e se você quer

ATISTA S

AS DE S

CIDAS

DO LO

modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento e puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em példestaque ao tri campeão mundial Sérgio Yuppie.

CAL TE

M EM

MÉDIA

Modalidade onde o atleta desce uma ladeira fazendo manobras em alta velocidade. Como muitos devem saber, um dos inventores do downhill-slide foi Clifford Coleman, um californiano de Berkeley que hoje tem 54 anos e continua praticando e muito o downhill-slide. Ele e seus amigos de sessão começaram a criar a arte de deslizar (Slide) por volta de 1965, mas somente em 1975 é que se encontraram num evento E puderam compartilhar suas experiências vividas nestes 10 anos e exibiram os primeiros slides em pé (Stand-up) de que se tem notícia. Com o passar dos anos, Cliff começou a desenvolver outro tipo de Slide, o Slide de mão, agachado, o qual secutado

3,5 KM

DE CO

MPRIM

ENTO


ão ACON

mochila 60

de budapeste com amor A BELA CAPITAL HÚNGARA ÀS MARGENS DO DANÚBIO Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Conforme elas dançam, pressionam a pista com os pés. Aí o chão, que é feito com uma cerâmica especial, sofre uma pequena deformação (imperceptível para quem está dançando). E isso gera energia elétrica para alimentar o som e as luzes de boate. Segundo seus criadores, a pista high-tech consegue gerar até 60% de toda a eletricidade consumida pelo clube, que se chama Surya (“Deus-Sol”, em sânscrito). Mas o que acontece se o DJ não empolgar a galera e ninguém entrar na pista? Acaba a luz? Para evitar que isso aconteça a boate conta com um gerador muito poderoso mesmo. Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera.


ão ACON

mochila 60

de budapeste com amor A BELA CAPITAL HÚNGARA ÀS MARGENS DO DANÚBIO Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera. Tudo graças a uma pista de dança piezoelétrica, que consegue transformar o movimento das pessoas em eletricidade. Conforme elas dançam, pressionam a pista com os pés. Aí o chão, que é feito com uma cerâmica especial, sofre uma pequena deformação (imperceptível para quem está dançando). E isso gera energia elétrica para alimentar o som e as luzes de boate. Segundo seus criadores, a pista high-tech consegue gerar até 60% de toda a eletricidade consumida pelo clube, que se chama Surya (“Deus-Sol”, em sânscrito). Mas o que acontece se o DJ não empolgar a galera e ninguém entrar na pista? Acaba a luz? Para evitar que isso aconteça a boate conta com um gerador muito poderoso mesmo. Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas p Ficar dançando até 5 da manhã pode esgotar a sua energia. Mas pode ajudar a iluminar o mundo – ou pelo menos um pedacinho dele. Acaba de ser inaugurada em Londres uma casa noturna em que a eletricidade não vem da tomada: vem da animação da galera.


concreto 62|63

PONTES DE FOSTER CONSTRUÇÕES DO RENOMADO ARQUITETO CHAMADO DE BARÃO FOSTER DO TÂMISA GANHAM FAMA INTERNACIONAL Norman Foster nasceu na região de Stockport, numa família de origem humilde. Sempre se destacou como um aluno aplicado e por seu excelente desempenho nas escolas onde estudou e desde cedo demonstrou certo interesse pela arquitetura, principalmente pelas obras de Frank Lloyd Wright, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier. Mas teve de abandonar

Mas teve de abandonar os estudos aos 16 anos de idade para trabalhar no Manchester City antes de se alistar na RAF. Depois disso, Foster estudou arquitetura da Universidade de Manchester, graduando-se em 1961. Mais tarde se tornou amigo de Richard Rogers, seu futuro parceiro comercial, na Universidade de Yale onde concluiu seu mestrado. Retornou ao Reino Unido em 1962 e se tornou um dos maiores arquitetos da Europa, de todos os tempos.Hoje, a Foster and Partners é conhecida mundialmente pelo estilo de arquitetura arrojada e por concretizar obras e restaurações dos prédios pertencentes aos órgãos do governo de diferentes países, utilizando sistemas inteligentes de projeto como, por exemplo, computadores. Com 74 anos de idade, Norman Foster já declarou que não pensa em se aposentar, sendo que ele representa 85% das ações da Foster and Partners com uma fortuna avaliada entre 300 e 500 milhões de libras esterlinas. Foster foi condecorado com a Ordem do Mérito em 1997 e em 1999 foi feito elevado à condição de Barão, sendo conhecido atualmente como Barão Foster do Tâmisa.

É também o segundo arquiteto britânico a ganhar o Prémio Stirling duas vezes, sendo a primeira vez pelo Museu Imperial de Duxford em 1998 e a segunda pelo 30 St Mary Axe em 2004. Em 2009 foi premiado com o Prémio Príncipe das Astúrias. O renomado arquiteto britânico Norman Foster visitou, nesse domingo (22/5), os Palácios do Planalto e da Alvorada, a convite de Anna Maria, filha de Oscar Niemeyer. O objetivo foi conhecer pessoalmente as obras do arquiteto brasileiro, declarado por Foster como “fonte de inspiração”. O Blog do Planalto acompanhou a visita. Após conhecer o Salão Nobre e fazer uma rápida parada no Parlatório do Palácio do Planalto, Norman Foster seguiu para o Palácio da Alvorada. Visivelmente emocionado após visitar a capela, Foster declarou-se maravilhado com a obra de Niemeyer. O arquiteto inglês definiu Brasília como coreografada, uma cidade em absoluto equilíbrio, com arquitetura eternamente jovem. A esposa de Norman Foster e integrante da comitiva, Elena Ochoa, afirmou que o Palácio da Alvorada era o lugar mais bonito que já conheceu. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de

Da esquerda pra direita: Millenium Bridge, em Londres, em suas posições aberta e fechada com visitação do público; Millenium Bridge, em Londres, em suas posições

Da esquerda pra direita: Millenium Bridge, em Londres, em suas posições aberta e fechada com visitação do público; Millenium Bridge, em Londres, em suas posições aberta e fechada com visitação do público Millenium Bridge, em Londres.

Foster demonstrou certo interesse pela arquitetura, principalmente pelas obras de Frank Lloyd Wright, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier. convidar Norman Foster para conhecer Brasília surgiu de conversas onde o arquiteto britânico declarava a influência das linhas curvas de Oscar Niemeyer, o mais famos arquiteto brasileiro, A esposa de Norman Foster e integrante da comitiva, Elena Ochoa, afirmou que o Palácio da Alvorada era o lugar mais bonito que já conheceu. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de convidar Norman Foster para conhecer Brasília surgiu de conversas onde o arquiteto britânico declarava. Elena Ochoa, afirmou que o Palácio da Alvorada era o lugar mais bonito que já conheceu. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de convidar Norman Foster para conhecer Brasília surgiu de conversas onde o arquiteto britânico declarava. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de convidar Foster.


concreto 62|63

PONTES DE FOSTER CONSTRUÇÕES DO RENOMADO ARQUITETO CHAMADO DE BARÃO FOSTER DO TÂMISA GANHAM FAMA INTERNACIONAL Norman Foster nasceu na região de Stockport, numa família de origem humilde. Sempre se destacou como um aluno aplicado e por seu excelente desempenho nas escolas onde estudou e desde cedo demonstrou certo interesse pela arquitetura, principalmente pelas obras de Frank Lloyd Wright, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier. Mas teve de abandonar

Mas teve de abandonar os estudos aos 16 anos de idade para trabalhar no Manchester City antes de se alistar na RAF. Depois disso, Foster estudou arquitetura da Universidade de Manchester, graduando-se em 1961. Mais tarde se tornou amigo de Richard Rogers, seu futuro parceiro comercial, na Universidade de Yale onde concluiu seu mestrado. Retornou ao Reino Unido em 1962 e se tornou um dos maiores arquitetos da Europa, de todos os tempos.Hoje, a Foster and Partners é conhecida mundialmente pelo estilo de arquitetura arrojada e por concretizar obras e restaurações dos prédios pertencentes aos órgãos do governo de diferentes países, utilizando sistemas inteligentes de projeto como, por exemplo, computadores. Com 74 anos de idade, Norman Foster já declarou que não pensa em se aposentar, sendo que ele representa 85% das ações da Foster and Partners com uma fortuna avaliada entre 300 e 500 milhões de libras esterlinas. Foster foi condecorado com a Ordem do Mérito em 1997 e em 1999 foi feito elevado à condição de Barão, sendo conhecido atualmente como Barão Foster do Tâmisa.

É também o segundo arquiteto britânico a ganhar o Prémio Stirling duas vezes, sendo a primeira vez pelo Museu Imperial de Duxford em 1998 e a segunda pelo 30 St Mary Axe em 2004. Em 2009 foi premiado com o Prémio Príncipe das Astúrias. O renomado arquiteto britânico Norman Foster visitou, nesse domingo (22/5), os Palácios do Planalto e da Alvorada, a convite de Anna Maria, filha de Oscar Niemeyer. O objetivo foi conhecer pessoalmente as obras do arquiteto brasileiro, declarado por Foster como “fonte de inspiração”. O Blog do Planalto acompanhou a visita. Após conhecer o Salão Nobre e fazer uma rápida parada no Parlatório do Palácio do Planalto, Norman Foster seguiu para o Palácio da Alvorada. Visivelmente emocionado após visitar a capela, Foster declarou-se maravilhado com a obra de Niemeyer. O arquiteto inglês definiu Brasília como coreografada, uma cidade em absoluto equilíbrio, com arquitetura eternamente jovem. A esposa de Norman Foster e integrante da comitiva, Elena Ochoa, afirmou que o Palácio da Alvorada era o lugar mais bonito que já conheceu. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de

Da esquerda pra direita: Millenium Bridge, em Londres, em suas posições aberta e fechada com visitação do público; Millenium Bridge, em Londres, em suas posições

Da esquerda pra direita: Millenium Bridge, em Londres, em suas posições aberta e fechada com visitação do público; Millenium Bridge, em Londres, em suas posições aberta e fechada com visitação do público Millenium Bridge, em Londres.

Foster demonstrou certo interesse pela arquitetura, principalmente pelas obras de Frank Lloyd Wright, Ludwig Mies van der Rohe e Le Corbusier. convidar Norman Foster para conhecer Brasília surgiu de conversas onde o arquiteto britânico declarava a influência das linhas curvas de Oscar Niemeyer, o mais famos arquiteto brasileiro, A esposa de Norman Foster e integrante da comitiva, Elena Ochoa, afirmou que o Palácio da Alvorada era o lugar mais bonito que já conheceu. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de convidar Norman Foster para conhecer Brasília surgiu de conversas onde o arquiteto britânico declarava. Elena Ochoa, afirmou que o Palácio da Alvorada era o lugar mais bonito que já conheceu. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de convidar Norman Foster para conhecer Brasília surgiu de conversas onde o arquiteto britânico declarava. Anna Maria Niemeyer contou que a ideia de convidar Foster.


larica 64

pão BACON QUEIJO carne TOMATE ALFACE TÁ COM FOME? VAI UM PODRÃO? Um podrão é um termo da gíria carioca para cachorro-quente ou sanduíche feitos em carrocinhas ou kombis de vendedores ambulantes. É o ‘prato’ mais indicado para matar a larica daquele fim de night. Para fazer um em casa, é muito fácil! Pegue um pão, 2 hambúgueres (ou mais), ovo, bacon, presunto, queijo, tomate, cebola, alface, milho, ervilha, passas, ovo de codorna e mais o que você quiser! E não se esqueça dos temperos! Cactchup, maionese, anyway! Depois feche o sanduíche e enjoy! Um podrão é um termo da gíria carioca para cachorro-quente ou sanduíche feitos em carrocinhas ou kombis de vendedores ambulantes. É o ‘prato’ mais indicado para matar a larica daquele fim de night. Para fazer um em casa, é muito fácil! Pegue um pão, 2 hambúgueres (ou mais), ovo, bacon, presunto, queijo, tomate, cebola, alface, milho, ervilha.


larica 64

pão BACON QUEIJO carne TOMATE ALFACE TÁ COM FOME? VAI UM PODRÃO? Um podrão é um termo da gíria carioca para cachorro-quente ou sanduíche feitos em carrocinhas ou kombis de vendedores ambulantes. É o ‘prato’ mais indicado para matar a larica daquele fim de night. Para fazer um em casa, é muito fácil! Pegue um pão, 2 hambúgueres (ou mais), ovo, bacon, presunto, queijo, tomate, cebola, alface, milho, ervilha, passas, ovo de codorna e mais o que você quiser! E não se esqueça dos temperos! Cactchup, maionese, anyway! Depois feche o sanduíche e enjoy! Um podrão é um termo da gíria carioca para cachorro-quente ou sanduíche feitos em carrocinhas ou kombis de vendedores ambulantes. É o ‘prato’ mais indicado para matar a larica daquele fim de night. Para fazer um em casa, é muito fácil! Pegue um pão, 2 hambúgueres (ou mais), ovo, bacon, presunto, queijo, tomate, cebola, alface, milho, ervilha.


Orbe  

Revista fictícia criada por Camila Martins, Flora Carvalho e Tiago Lombardi para a matéria de Programação Visual II, orientada pelo professo...