Issuu on Google+

Editorial Terminado este 1º período, algo conturbado por questões de política educativa, é importante lembrar o que de positivo já se fez na escola, bem como o que esperamos para o resto do ano lectivo. Não querendo minimizar o quão relevantes são para as escolas e seu bom funcionamento as problemáticas que se encontram na ordem do dia, nomeadamente o estatuto do aluno e a avaliação de desempenho do pessoal docente, e porque estes assuntos devem ser discutidos e debatidos nos locais adequados, considero que é também importante lançar um olhar sobre o trabalho realizado e a realizar nesta comunidade educativa. Assim, relembro o Dia do Diploma, cerimónia que marcou o início do ano lectivo. Nesta foram entregues os certificados e diplomas aos alunos que concluíram o ensino secundário, o prémio de mérito à aluna que o concluiu com melhor média e os certificados e medalhas do Quadro de Excelência. Contamos, neste dia, com a presença do Senhor Presidente e da Vice-Presidente da Câmara Municipal de S. João da Pesqueira, de um representante da Direcção Regional de Educação do Norte e do Presidente da Assembleia de Escola, os quais testemunharam o evento e colaboraram na entrega dos diplomas. Na plateia alunos, professores e pais orgulhosos assistiram à cerimónia. Começámos o ano com uma actividade que premiou o sucesso escolar e como tal, gostaria que esse fosse o mote e o exemplo a seguir por toda a comunidade educativa. Exemplo para os alunos que, observando o sucesso dos colegas, podem e devem trabalhar para também eles o alcançarem. Mote para toda a comunidade educativa, especialmente pais e professores pois é importante orientarmos a nossa acção, o nosso empenho e a nossa energia para a consecução deste desiderato. É imperativo melhorar a auto-estima dos nossos alunos, é imperativo incutir-lhes o valor da cultura e do trabalho, é fundamental motivá-los e orientá-los para o sucesso enquanto alunos e enquanto jovens à procura do seu lugar na sociedade. Outras actividades já decorreram e assinalo aqui, tendo como critério a abrangência e envolvimento em termos de escola, o dia da alimentação, o corta-mato escolar e o magusto cujo sucesso foi óbvio e será devidamente ilustrado nas páginas desta revista. Congratulo-me igualmente com a dinâmica que tem vindo a marcar a acção de alunos e docentes do Pré-Escolar e 1º Ciclo os quais, e como pessoalmente verifiquei, têm vindo a envolver cada vez mais a comunidade e encarregados de educação tal como prevê o nosso Projecto Educativo. Aproveito a oportunidade para felicitar todos os alunos e professores do 1º ciclo pela forma como decorreu a visita de estudo ao Porto. É com estes exemplos que se constrói a imagem de uma escola. Para o ano lectivo que ainda temos pela frente outras actividades de relevo marcarão o dia a dia escolar e delas daremos conta nas próximas edições desta revista. Até lá, o nosso plano de actividades pode ser consultado no moodle do Agrupamento. No presente, o que se impõe é a actividade marcada pelo calendário e à qual, com maior ou menor entusiasmo, todos aderimos com satisfação. A toda a comunidade educativa desejo um FELIZ NATAL. A Presidente do Conselho Executivo Lídia Martins Gonçalves Revista Escolar                Dezembro de 2008


Pré - Sala 2

Como tudo aconteceu… No âmbito do Projecto Curricular “Era uma vez um País… Portugal”, a sala nº 2 do Jardim-de-Infância de S. João da Pesqueira iniciou este projecto, explorando os seguintes temas: - Situação geográfica; - Formação de Portugal e os seus protagonistas; - Classes Sociais e as suas ocupações; - A agricultura da época: quem plantava, que produtos agrícolas se cultivavam, em que terras, de que modo se distribuía o que se produzia; - Habitação – os castelos: a sua construção, a sua utilidade, os instrumentos de defesa que possuíam; - Vestuário e armas utilizadas nas batalhas e torneios; Os temas foram sendo explorados através de livros, pesquisa na Internet, registos escritos, brincadeiras lúdicas

com castelos e cavaleiros, exposição de trabalhos relativos à alimentação no Dia Mundial da Alimentação. Consoante se exploravam estas temáticas, foi-se elaborando o “Quadro do Chefe”, onde estão representadas todas as ac-

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Pré - Sala 4 tividades sociais e económicas da época. Este quadro tem dupla função: a concretização das temáticas exploradas e pretende ainda atribuir diariamente a duas crianças intituladas “Os Chefes” (o rei e a rainha que aparecem nas muralhas do castelo) a responsabilidade pela organização da sala e cumprimento de regras. Para efectivação da articulação entre ciclos, o 4º ano de EB1 de S. João da Pesqueira, que iniciou a História de Portugal na área do Estudo do Meio, visitou esta sala com o intuito de ver os trabalhos expostos e os materiais lúdicos relacionados com a época (catapultas, aríetes, armaduras, cavaleiros e castelos).

Plano Nacional de Leitura Com o objectivo de promover a leitura em família, as crianças levam para casa, às sextas-feiras, um livro para os familiares lhes lerem. As crianças decoraram sacos para transportar os livros. Esta actividade está a ter receptividade, tanto pelas crianças, como pelos familiares, contribuindo para um maior convívio e aquisição de novas aprendizagens. Sacos para transportar livros .

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Pré

1.º CEB

O Livro «A Lola na Quinta» As crianças elaboraram um livro de histórias “A Lola na Quinta” utilizando diversos materiais para a sua construção. Também foram à gráfica para compilarem todos os trabalhos realizados.

Dia Mundial da Alimentação Palestra No dia 15 de Outubro, pelas 18horas, realizámos na Junta de Freguesia, uma Palestra sobre «O nosso corpo: Alimentação / Saúde», dirigida a toda a comunidade. Fomos nós, os alunos, que abrimos a Palestra com a apresentação de uma peça de teatro em que as personagens eram os alimentos e cantámos a canção «O meu pequenoalmoço». Para além dos professores, convidámos também o Sr. Padre Amadeu, o Sr. Dr. Luís Dezembro de 2008                Revista Escolar


1.º CEB Fonseca, o Sr. Prof. Hermínio do Agrupamento de S. João da Pesqueira e o Sr. Presidente da Junta de Freguesia. Todos falaram sobre o tema da alimentação e o Sr. Dr. Luís Fonseca alertou as pessoas para o problema das doenças provocadas por uma má alimentação.

A Palestra correu muito bem, havia muita gente! Mas, o que nós queriamos mesmo, era que a comunidade fosse sensibilizada e não cometesse mais erros alimentares, para bem da saúde de todos. Os Alunos da E.B.1 de Castanheiro do Sul

Alice no País das Maravilhas No dia 16 de Outubro, os alunos do 1º Ciclo de todas as escolas do Concelho de S. João da Pesqueira, tiveram a agradável oportunidade de ir à cidade do Porto, assistir ao espectáculo musical de Filipe La Féria, baseado na obra de Lewis Carrol, “Alice no País das Maravilhas”. Os alunos da escola de Ervedosa do Douro saíram às 9 horas e 30 minutos, em dois autocarros, rumo à Régua. A í, apanharam o comboio que os levou até ao Porto, à estação de S. Bento. Viajaram em carruagens reservadas para o Município de S. João da Pesqueira. Em S. Bento tiveram a ajuda da polícia, que os acompanhou até à Praça D. João IV, onde fica o Teatro Rivoli. Esperaram pela hora do espectáculo. Às 14 horas e 30 minutos entraram para a sala e aguardaram que a peça começasse. Esta começou às 15 horas. Apesar de todos conhecerem a história e já terem visto o D.V.D. valeu a pena assistir à peça ao vivo. Todos os alunos adoraram o espectáculo. Certamente que foi um dia inesquecível. Os alunos foram acompanhados, neste pas-

seio, pela Srª Vereadora, em representação da Câmara Municipal e pelo Sr. Professor Hermínio, em representação do Agrupamento de Escolas de S. João da Pesqueira. Pela maravilhosa oportunidade, agradecemos a todos quantos trabalharam, Professores, Executivo do Agrupamento de Escolas e Câmara Municipal, para a realização deste dia diferente. Alunos do 3º Ano Sala 1 E. B. 1 Ervedosa do Douro

Revista Escolar                Dezembro de 2008


1.º CEB

As cores do Outono O OUTONO é: O tempo a arrefecer O vento a soprar O menino a correr O pingo de chuva a saltar!... O Sol a aquecer A chuva a cair A andorinha a partir Uma canção… A escola a abrir. E todos a cantar: Viva o Outono!

OUTONO A Natureza ficou triste Por as folhas caírem Mas, se alguma No teu ombro cair Hás-de mandá-la embora Porque chegou a hora De dormir. O cão ladrou Um pequeno momento. Todos estavam à espera O frio chegou. Não é muito, mas é O frio de Outono.

Dezembro de 2008                Revista Escolar


1.º CEB

S. Martinho quadras e provérbios Deitei castanhas ao lume Para fazer um magusto Quando elas rebentaram Ia morrendo de susto.

S.Martinho que és belo Nós te festejamos por tradição Já se acabaram os pipos Fazemo-lo da cuba para o garrafão.

S. Martinho, S.Martinho Hoje vamos festejar Um dia em alegria As pessoas vão passar.

No dia de S.Martinho Comem-se as castanhas E vai-se à adega Furar o pipinho

No dia de S. Martinho Há uma grande festa Também se prova o vinho E dorme-se uma sesta.

No nosso Magusto Vamos todos brincar e divertir Muitas castanhas vou comer E com os meus amigos vou curtir

No dia de S. Martinho Acendi a fogueira Também provei o vinho E andei na brincadeira. No dia de S. Martinho Os alunos saltam fogueiras Nós gostamos desse dia Para as nossas brincadeiras. S. Martinho, S. Martinho Enche o copo com vinho. E com castanhas A acompanhar faz-se um belo manjar. O Outono já começou Com ele vem o S.Martinho Vamos comer castanhas E alegrar quem está sozinho. É dia de festejar S.Martinho Canções iremos cantar E numa grande fogueira As castanhas vão saltar. Vamos festejar o S. Martinho Convido-te e quero que venhas Vamos provar o vinho Acompanhado com castanhas. No dia de S.Martinho Assam-se as castanhas Comem-se quentinhas a estalar É um dia de que nós gostamos.

No dia de S.Martinho Eu gosto de festejar Vamos dançar e cantar E as castanhas assar

PROVÉRBIOS 1- No dia de S. Martinho vai à adega e prova o vinho. 2- Se o Inverno não erra caminho temo-lo pelo S. Martinho. 3- Quem bebe no S. Martinho, faz de velho e de menino. 4- Pel S. Martinho, deixa a água pró moinho. 5- No dia de S. Martinho: lume, castanhas e vinho. 6- Pelo S. Martinho todo o mosto é bom vinho. 7- Pelo S. Martinho prova o teu vinho e mata o teu porquinho. 8- Não há bacorinho sem S. Martinho. 9- A cada bacorinho, vem seu S. Martinho. 10- Queres pasmar o teu vizinho? Lavra e esterca p’lo S. Martinho. 11- Pelo S. Martinho prova o teu vinho: ao cabo de um ano já te não faz dano. 12- Pelo S. Martinho semeia o teu cebolinho, que o meu já está nascidinho. 13- Pelo S. Martinho, prova o teu vinho, larga o soito e mata o porquinho. 14- Por S. Martinho semeia fava e linho. 15- Pelo S. Martinho, mata o teu porquinho e semeia o teu cebolinho. 3º ANO - SALA 1

Revista Escolar                Dezembro de 2008

E.B.1 Ervedosa do Douro


1.º CEB

Outono Os dias vão diminuindo, O tempo arrefeceu, É Outono, é Outono A Natureza adormeceu. A Natureza adormeceu, Os meninos vão à escola, Levam roupas bem quentes, Mais os livros na sacola. Mais os livros na sacola, Aprendem a ler e contar. As andorinhas vão-se embora, Para apanhar novo ar. Para apanhar novo ar, Observa a Natureza, Nesta época do ano, Magnífica é sua beleza. Magnífica é sua beleza, Os seus tons são de encantar. As folhas que vão caindo, O chão vão atapetar. O chão vão atapetar, Os ouriços lá no souto. Meninos toca a apanhar! Castanhas para o magusto. Castanhas para o magusto, S. Martinho celebrar. O tempo passa depressa, E o Natal está a chegar! Trabalho colectivo EB1 Ervedosa Do Douro Sala 3- 4ª ano

Os meninos lá na escola, Usam roupas mais quentinhas. Tempo que vai arrefecendo, arrefecendo… Os dias vão encurtando. Natal cada vez mais próximo.

Ouriços de castanhas espalhados pelo chão. Trabalho colectivo Escola EB1 de Ervedosa do Douro - Sala 3

Dezembro de 2008                Revista Escolar


1.º CEB

Dia de S. Martinho Para festejar o Dia de S.

Martinho, fizemos um bolo de castanha. Trouxemos os ingredientes

de casa e preparámos a massa na nossa sala. Seguimos a receita cuidadosamente mis-

turando com alegria cada ingrediente. O bolo cozeu e depois de frio repartimo-lo por todos os colegas da Escola. Estava delicioso! Se ficaram com água na boca aqui vai a receita. Bolo de Castanha

Ingredientes: • 500g de miolo de castanha • 250g de açúcar

• 100g de manteiga • 5 ovos • 1 colher de chá de fermento

tira-lhe a casca e a pele. Mói as castanhas numa picadora. Bate o açúcar com a manteiga e depois junta as gemas dos ovos. Em seguida coloca o fermento e vai misturando o miolo das castanhas com as claras batidas em castelo. Deita a massa numa forma previamente untada com manteiga e polvilhada com farinha. Deixa cozer, durante 45 minutos, no forno a 180ºC. Sugestão: Podes forrar o bolo com natas e enfeitá-lo com miolo de castanha e terás um bolo de aniversário fantástico!

Bom Apetite!

Preparação: Coze as castanhas e depois Revista Escolar                Dezembro de 2008

Turma 2/4 Escola EB1 de Ervedosa do Douro 11/11/2008


1.º CEB

O Nosso Projecto «Vivências da nossa Região» Vindima - Visita à Adega da Quinta da Videira Grande

No dia 25 de Setembro, fomos participar numa vindima à Quinta da Videira Grande. Recordámos como é divertido o dia-a-dia das vindimas.

Assistimos às várias fases do processo de produção do vinho generoso, na Região Duriense.

As uvas chegam à adega e, depois de pesadas, são lançadas em tanques, onde se faz a separação do bago do “canganho”. Os bagos são levados em tubos para os lagares.

Nos lagares os bagos são pisados. Por vezes, os homens, em grupo, pisam os bagos com os pés.

Dezembro de 2008                Revista Escolar


1.º CEB

Cuba de Cimento Em seguida o vinho passa para outro lagar onde se dá a fermentação.

Cuba Inox

Depois da fermentação, o vinho vai para grandes tonéis de madeira, inox e cimento, onde fica armazenado durante algum tempo. Nos tonéis de madeira o vinho generoso adquire melhor qualidade.

Revista Escolar                Dezembro de 2008


1.º CEB

Na Escola, procedeu-se à simulação da pisa das uvas

Posteriormente, a pisa das uvas foi feita num lagar particular, de dois alunos

Trabalho de grupo - EB1 e Jardim de Infânica de Nagoselo do Douro

Recepção aos alunos na EB1 de Paredes da Beira Recepção aos alunos na EB1 de Paredes da Beira Aproveitamos este espaço para manifestar o agrado como decorreu a “Recepção aos alunos”, no passado dia 10 de Setembro. Numa atitude que consideramos ter sido arriscada, fizemos o convite aos Encarregados de Educação da nossa escola, para que fossem eles a realizar as actividades de recepção aos seus filhos, em colaboração com as docentes da escola. O desafio era que viessem ler histórias ou fazer dramatizações. Nem queríamos acreditar! Chegado o dia, surgiram iniciativas muito interessantes! Desde leituras de contos infantis até à dramatização do “Capuchinho Vermelho” tudo aconteceu… As crianças deliraram ver os seus pais, avós e irmãos, assumir papéis que não são muito habituais. Podemos dizer que foi um sucesso.

A todos os Encarregados de Educação e comunidade educativa o nosso muito obrigada e venham sempre. As professoras Clara, Olímpia e Maria João

Dezembro de 2008                Revista Escolar


1.º CEB

A visita de estudo Ontem, dia dezasseis de

meiro ciclo de São João da

nham muita gente!!

visita de estudo ao Porto. Fomos assistir ao espectáculo

comboio à estação da R��gua. Os policias estavam à nossa

nutos, entrámos no teatro. O espectáculo foi lindo!

to. A viagem de comboio foi

dos, mas felizes!!

Outubro fomos fazer uma

musical intitulado “Alice no País das Maravilhas”, realizado por Filipe La Feria, no

teatro Rivoli. Todos os alunos do pri-

Pesqueira foram apanhar o

espera na estação de São Benfantástica!

Passeámos nas ruas do Porto que eram grandes e ti-

Às duas horas e trinta mi-

Regressámos a casa cansa-

Turma 5/2(1ºe 2º ano) de E.B.1 de Riodades 17/10/2008

Dia Mundial da Alimentação Hoje, na escola, comemorou-se o Dia Mundial da Alimentação. Este dia está registado no calendário a dezasseis de Outubro, mas como nesse dia se realizou o passeio escolar, foi festejado hoje, dia vinte. Cada sala festejou à sua maneira este dia, partilhando com as outras algumas actividades, tais como: a confecção da “Roda dos Alimentos”, na qual são indicados os alimentos saudáveis e a quantidade

que se deve comer. Outra actividade muito interessante foi cozinhar uma sopa de legumes. Os alunos trouxeram os ingredientes, tais como: cenouras, abóbora, alho francês, nabo, feijão, batatas, couve, cebola, azeite,.. Foram as senhoras auxiliares que prepararam a nossa sopa num fogão industrial, numa panela muito grande, para chegar para todos os alunos. A sopa foi passada com uma varinha mágica também industrial. Perto do meio dia, comemos a sopa que foi servida em tigelas de plástico e as colheres também eram de plástico. A sopa estava deliciosa, eu comi por duas vezes e alguns colegas até comeram três. Foi uma boa ideia, a

de fazerem a sopa na escola. Todos nós devíamos comer sopa todos os dias. É um dos alimentos mais saudáveis que existe. Aluno do 4.º ano sala 6/6 E.B.1 de S. João da Pesqueira

Revista Escolar                Dezembro de 2008


1.º CEB

A Sopa da Avó Para comemorarmos o Dia Mundial da Alimentação, resolvemos fazer uma sopa na nossa escola. Todos os alunos contribuíram com os ingredientes e com o imenso apetite para a devorar. A sopa foi feita com a especial colaboração das senhoras auxiliares, que a confeccionaram numa enorme panela. Todos os alunos puderam acompanhar a realização da sopa. Depois de pronta, juntámo-nos e deliciámonos com uma ou mais tigelas de sopa. Foi uma actividade interessante que nos mostrou que a sopa, para além de saudável, também é deliciosa.

A Exposição

Ontem, dia 21 de Outubro. realizou-se uma exposição para festejarmos o dia da alimentação. A exposição foi ontem porque dia 16 de Outubro fomos ao Porto ver o espectáculo musical “Alice no Pais das Maravilhas”. A exposição realizou-se no salão do jardim de infância. Todas as salas da EB1 de S. João da Pesqueira fizeram trabalhos para expor. A nossa turma fez a roda dos alimentos ao vivo. Todos os pais foram convidados para visitarem a exposição. Nós gostamos muito dos trabalhos que vimos. Inês e Hermínio - 3.º ano

Comemoração do Dia da Alimentação Para comemorar o Dia da Alimentação a EB1/JI de Soutelo do Douro confeccionou uma salada de fruta. Todos os alunos contribuíram com fruta variada para a realização da salada de fruta e adoraram participar na confecção da

mesma. Os alunos realizaram um desdobrável em forma de maçã, para levar para casa, com regras de boa alimentação. Elaboraram, também, uma roda dos alimentos para expor

Dezembro de 2008                Revista Escolar


1.º CEB na cantina. Trabalho realizado por: EB1/JI de Soutelo do Douro

Dia Mundial da Alimentação na EB1 de Vale de Vila O Dia Mundial da Alimentação comemora-se no dia 16 de Outubro. Como nesse dia fizemos a nossa visita ao Porto, resolvemos comemorá-lo no dia 17. Falámos um pouco sobre a nossa alimentação e de higiene alimentar. Em seguida fomos todos lavar as mãos porque íamos fazer pão. Deitou-se 1kg de farinha, sal, fermento e um pouco de água morna numa bacia. Amassou-se tudo e depois pôs-se a levedar junto ao aquecedor. Quando a massa estava pronta, cada um de nós tendeu o

seu pequeno pão. Depois foi cozido no forno eléctrico. Também fizemos salada de fruta. Nós trouxemos fruta variada. Lavámos a fruta, descascámo-la e partimo-la em bocadinhos pequenos. Em seguida deitámos tudo para

Revista Escolar                Dezembro de 2008


1.º CEB uma terrina grande, juntámos açúcar e depois ficou a repousar um pouco. Mais tarde, quando tudo estava pronto, fomos comer. Comemos pão quentinho com manteiga, salada de fruta e gelatina de ananás, feita pelos meninos do Jardim, no dia anterior. Foi um bom lanche. Comemos pão e fruta que fazem bem à saúde e gelatina que é doce mas de vez em quando sabe muito bem. Foi uma manhã muito divertida e saborosa. Eliana Raquel Nascimento Santos 4º Ano EB1 de Vale de Vila

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Actividades

Corta-Mato No dia 12 de Novembro, quarta-feira, na parte da manhã, realizou-se o Corta-Mato Escolar. Participaram os alunos da Escola e também os alunos da Escola Profissional. Este ano a participação foi “massiva”, todos quiseram dar o seu melhor. Até os bombeiros se cansaram de correr (afinal também têm direito a participar)!!! Estavam todos presentes, não faltou a boa disposição, música para aquecer e até o sol marcou presença (depois do dia chuvoso na véspera…

huihui… que maravilha!!!). Todos os participantes queriam terminar a prova o mais rápido possível. Aliás, alguns começavam tão rápido que parecia que estavam no sprint final para a meta! No entanto, o mais importante era cada um dar o seu melhor e terminar a prova sentindo-se recompensado e satisfeito com a sua participação. E aqui entre nós, os resultados, na sua grande maioria, foram muito BONS. Por isso, “caros alunos”, todo o trabalho realizado nas aulas de E.F. deu resultado. À tarde, durante a festa do Magusto, foram entregues as medalhas aos três primeiros classificados de cada escalão:

Os seis primeiros classificados de cada escalão irão representar, em Sernancelhe, a nossa Escola no Corta-Mato Distrital no dia 28 de Fevereiro. Os professores ficaram muito satisfeitos e aproveitam aqui para agradecer todo o Staff que participou na organização do Corta-Mato, e já sabem, para o próximo ano há mais! Até lá… mantenham a boa forma física! Grupo de E.F. e Lúcia Bento, 11ºB.

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Mensagem do Município de São João da Pesqueira A Câmara Municipal de S. João da Pesqueira sempre considerou a Educação uma área prioritária e fundamental para o desenvolvimento social do concelho. Dispondo o concelho de duas instituições de ensino de qualidade, como é o caso do Agrupamento Vertical de S. João da Pesqueira e da Esprodouro, estamos convictos que todas as crianças e jovens que frequentam as nossas instituições usufruem das melhores condições para o seu sucesso escolar. A aposta na Educação é transversal a todas as faixas etárias, que vão do pré-escolar, passam pelo ensino básico e secundário e terminam no ensino superior. Ao longo de vários anos lectivos têm sido promovidas e implementadas diversas acções, visando o constante enriquecimento e promoção da actividade educativa. O Município de S. João da Pesqueira tem a perfeita noção de que os processos educativos ultrapassam o espaço físico da “Escola”. Nesse sentido, temos tentado captar as nossas crianças e jovens, através da ligação sempre presente que tem que coexistir entre a Educação, a Cultura, o Património e o Desporto, apelando a um maior envolvimento das actividades escolares com a comunidade onde estamos inseridos. Um desses exemplos é o já reconhecido “Intercâmbio Jovens em Movimento”, que neste ano lectivo de 2008/2009 terá a III edição. Este intercâmbio vem no sentido de recompensar o mérito académico e a originalidade dos jovens do nosso concelho, proporcionando, através de uma viagem a Bessancourt (Paris, França), a troca de experiências e de novas realidades, em conjunto com os jovens franceses que também participam no Intercâmbio. Para além do “Intercâmbio Jovens em Movimento”, e sem querermos ser exaustivos, realçamos ainda as seguintes acções: - criação / requalificação de jardins-de-infância em várias freguesias, atingindo 100% das crianças do concelho; - construção, ampliação e requalificação de equipamentos educativos; - atribuição ao Agrupamento Vertical de um valor monetário por aluno para apoio na aquisição de livros, material escolar, expediente e limpeza; - aquisição de equipamentos e manutenção dos estabelecimentos de Ensino na conservação, manutenção e remodelação das salas de aula, criando melhores condições para alunos e professores; - implementação e funcionamento de um circuito de transportes escolares gratuitos;

A Educação como aposta no futuro

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Mensagem do Município de São João da Pesqueira

- funcionamento de um serviço de refeições em todo o concelho (pré-escolar e 1º Ciclo), garantindo a refeição escolar a todas as crianças que frequentam estabelecimentos do ensino público, bem como o prolongamento de horário; - desenvolvimento de actividades de enriquecimento curricular (AEC’s), para além do previsto pelo Ministério da Educação; - apoio às viagens de estudo dos alunos, com o pagamento de 80% do total dos custos; - desenvolvimento de actividades sócio-educativas e projectos escolares de interacção com a comunidade; - atribuição de bolsas de estudo a alunos pesqueirenses que frequentem o ensino superior. Revista Escolar                Dezembro de 2008


Actividades

S. Martinho Enquanto o S. Martinho gozava ainda um merecido descanso, após a folia e alguns excessos daquele que o calendário assinala como o seu dia, do qual nos diz o ditado popular “vai à pipa e prova o vinho”, já grande número de alunos e professores da nossa escola se atarefava nos preparativos do que seria um dia diferente para todos. Não querendo desmerecer a famosa e bem conhecida generosidade deste santo, também a comunidade educativa se empenhou ao longo de vários dias para que na data definida para a comemoração desta efeméride tudo estivesse devidamente preparado para ser um sucesso. Sim, porque os bolos, as compotas, as castanhas, os sumos e o mais que havia à disposição de todos, mesmo em dia de homenagem a um santo, não caem do céu. Como também as diferentes actividades desenvolvidas por professores e alunos precisaram de planificação, de recursos e trabalho empenhado para poderem concretizar-se. Logo no decorrer do corta-mato, foi bem evidente o entusiasmo e empenho de organizadores e participantes, havendo mesmo entre estes algumas situações de uma entrega e esforço para além das possibilidades. Valeu nestes casos a boa colaboração do

riência de vários anos, também o trabalho de recolha, preparação e distribuição das imprescindíveis castanhas foi um sucesso. Para além da participação dos directores de turma e de outros professores e alunos, em particular do 2º ciclo, foi bonito de ver a alegria e o entusiasmo com que principalmente os mais pequenos levaram tão a sério o seu trabalho, quase competindo pelo melhor desempenho e para que todos fossem muito bem servidos. A realização dos jogos tradicionais foi uma boa oportunidade para muitos alunos experimentarem novas (velhas) formas de brincadeira e divertimento e, ao mesmo tempo, para alguns professores e funcionários fazerem uma viagem mais ou menos longa

corpo de bombeiros para os transportar ao Centro de Saúde a fim de lhes ser dada a assistência necessária. Beneficiando de uma expe-

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Actividades ao passado, revivendo boas memórias da sua infância e juventude. Do trabalho desenvolvido pela associação de estudantes e dos seus colaboradores, como aliás de tudo o mais que aconteceu, apenas se poderá fazer um justo elogio. Nem o frio que se fez sentir e se foi intensificando à medida que o dia se aproximava do fim, foram suficientes para esmorecer o entusiasmo. Da entrega das medalhas aos melhores atletas do cortamato, às danças, concursos, canções, recitação de poesia, tudo decorreu sempre num ambiente de festa. Tanto os apresentadores como os participantes se empenharam afincadamente para fazer esquecer o vento frio e uma irritante chuva miudinha que teimou em aparecer já quase no final do dia. Talvez o S. Martinho até tenha feito de propósito: para quê fazer mais uma demonstração da sua afamada generosidade perante a que evidenciaram todos quantos participaram na comemoração do seu dia? E eu penso que ele teve toda a razão, porque o que faltou do conforto e ameno aconchego de um dia de Verão de S. Martinho, que se negou a fazer-nos uma visita, houve de sobra em calor humano, alegria e boa disposição. Se dúvidas houvesse, nada melhor que assistir à colaboração espontânea e entusiasmada de tantos alunos

que, mesmo depois de todo o trabalho realizado e de tão empenhada colaboração, ainda tiveram energia e vontade para ajudar no desmontar da festa. Esteve de parabéns a escola, a comunidade educativa e todas as instituições que deram a sua colaboração, designadamente a Câmara Municipal, a Guarda Nacional Republicana e os Bombeiros, a quem agradecemos. Foi uma vez mais a prova de que as escolas não são apenas um espaço de afirmação de valores, como o trabalho empenhado, a cooperação e a generosidade, como também conseguem mobilizar outros para esse fim. Este é um importante capital que, apesar das dificuldades e contratempos, vai continuando a existir, deve ser aproveitado e incentivado e que em circunstância alguma poderá ser desperdiçado.

Revista Escolar                Dezembro de 2008

O Coordenador de Ciências Sociais e Humanas


Biblioteca

Concurso - Quadras e Lendas de S. Martinho No âmbito da comemoração do Dia de S. Martinho e no intuito de promover a criatividade, a leitura e a escrita, a Biblioteca associou-se a esta efeméride e lançou um concurso para o 2º e 3º ciclos. Os vencedores receberam os prémios no dia 12 de Novembro, dia do Magusto Escolar, e foram:

2º Ciclo

QUADRAS DE S. MARTINHO 1º Lugar: Bárbara Zabumba e Mafalda Calçarão (5º ano) 2º Lugar: Francisco Monteiro (6ºA) 2º Lugar: Luísa Covas (6º D)

3º Ciclo

LENDA DE S. MARTINHO 1º Lugar: Mariana Anunciação, Ana Pinto, Joana Dias e Tânia Amável (9º B) A Equipa da Biblioteca Escolar

Dia Internacional das Bibliotecas Escolares No âmbito da comemoração do mês Internacional das Bibliotecas Escolares, no dia 27 de Outubro, também, a biblioteca da nossa escola se quis associar a esta efeméride. Assim, no intuito de promover os hábitos de leitura, o interesse por actividades diversificadas e o saber estar naquele espaço, os alunos do 5º e 6º anos, assistiram a uma representação, que versava a importância da leitura, efectuada por alguns alunos do 5º A. Em seguida, os alunos do 2º ciclo e do 7º e 8º anos, realizaram um bibliopaper pleno de entusiasmo e empenho. Pena foi, que o pouco tempo destinado a esta actividade tenha condicionado o desempenho dos grupos envolvidos. Fica a promessa, de que em eventos futuros, será salvaguardada esta premissa.

A Equipa da Biblioteca Escolar

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Biblioteca

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Crie

A CPCJ no moodle Está disponível, na plataforma de aprendizagem do Agrupamento, uma área destinada à representação da educação na Comissão de Protecção de Crianças e Jovens deste concelho. A inclusão desta área teve como objectivo fornecer à comunidade escolar um recurso que permita facilitar o acesso à informação considerada pertinente para os agentes escolares, no sentido de os capacitar para uma colaboração mais estreita com a dita comissão.

Na área criada no moodle existe um tópico destinado à documentação que suporta a actividade da CPCJ, um outro que estabelece ligações e direcciona para os sítios de referência na Internet e, um último,

com um fórum para troca de ideias e esclarecimento célere de eventuais dúvidas sobre a forma de actuação em caso de detecção de situações de risco perigo em crianças. Para poder usufruir desta secção basta aceder à área devida, na página de abertura do moodle, efectuar a inscrição e explorar o conteúdo da página. Prof. Jorge Silva (Representante da Educação no CPCJ de S. João da Pesqueira)

Museu Virtual “Sem música nas escolas, as crianças ficam mais violentas. Sem arte, tornamo-nos bárbaros.” De acordo com a citação epigrafada, hoje, cada vez mais, parece não haver dúvidas acerca da importância que a educação pela arte enfatiza no âmbito do ensino/aprendizagem. Mais, escrever sobre arte não é tarefa fácil, antes um desafio em que o pensamento tenta mover-se como que num terreno minado, procurando contornar vários riscos. Não. Não, vamos escrever sobre arte, mas tão só abordar algumas dinâmicas que estão na génese da arquitectura pedagógica que originou a criação do MUSEU VIRTUAL. Com efeito, o Museu Virtual tem, além de outros, como

principal objectivo, divulgar os trabalhos que os alunos do Agrupamento desenvolvem nas diferentes unidades didácticas nas disciplinas de ET, EV e EVT. Contudo, este ano lectivo, por solicitação dos representantes da Educação Pré-Escolar e do 1.º Ciclo no Conselho Executivo, a educadora Agostinha Veiga e o professor Hermínio Correia, respectivamente, também os trabalhos destes níveis de ensino constarão no Museu Virtual. Daí que, na qualidade de responsável do

Barbara Hendricks (soprano), in [revista] Sábado

Bruno Pinto n.º 2 - 6.ºB

Museu, desejo e espero, sinceramente, que os objectivos deste projecto sejam atingidos e que os mesmos possam ser o reflexo pedagógico (e não só!) do bem-estar e do sucesso educativo dos alunos que lhes estão confiados.

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Crie Como nota final, é de salientar que o MUSEU VIRTUAL, além das actividades que desenvolve no dia-a-dia, tem previsto no seu plano de acção anual levar a efeito, mais uma vez, um concurso de fotografia para o 2.º e 3.º ciclos do Ensino Básico. Os temas a abordar são: “Tradições, usos e costumes de S. João da Pesqueira” e “O Douro e as suas potencialidades”, respectivamente, para o 2.º e 3.º ciclos. Presentemente, estamos na fase da elaboração do Regulamento e dos contactos a estabelecer para a angariação dos prémios a atribuir aos contemplados. Assim, logo que o mesmo esteja concluído, daremos conhecimento dele à Comunidade Educativa.

Magusto Escolar

Magusto Escolar

O Prof. Miguel Benjamim de Sousa

“Internet na Educação” A Equipa CRIE vai este ano lectivo continuar com o plano de formação interno. O objectivo fundamental é, mais uma vez, contribuir para o uso das TIC como ferramentas potenciadoras e geradoras de novas situações de aprendizagem e de novas metodologias de trabalho, gestão e avaliação. Deste modo a formação incide nas seguintes áreas: Utilizador do Moodle D.T. Departamento. Criação de blogs e sua ac-

tualização. Portáteis Magalhães. Excel como ferramenta de avaliação. Equipa CRIE

“Utilização de Software Educativo” Dando seguimento à execução do planeamento das actividades Crie, está em fase de conclusão a recolha de informação e a operacionalização da base de dados de links de sítios web pedagógicos das

várias disciplinas. Entretanto, e decorrente de contactos mantidos com uma escola secundaria da região de Nápoles, Itália, está em curso um projecto de parceria virtual Etwinning, do qual consta a elaboração, ao longo do ano lectivo, de um jornal on-line entre as duas escolas.

Revista Escolar                Dezembro de 2008

CRIE – JOÃO SIMÕES


Crie “As Tic e a Área de Projecto” No presente ano lectivo, implementou-se um novo método de trabalhar a área curricular não disciplinar – Área de Projecto que pretende ir ao encontro do Despacho nº 19308/2008. Assim, as

turmas do 2º e 3º ciclos estão a desenvolver actividades em parceria utilizando as novas tecnologias como ferramentas de trabalho e meios de apresentação de trabalhos. Desta forma, pretende-se incutir um maior sentido de responsabilidade e autonomia nos alunos, de modo a

que se atinjam os melhores resultados possíveis e se desenvolvam competências no âmbito das TIC, numa tentativa de criar uma escola mais globalizada e adaptada à era das comunicações. Crie - Professor Paulo Moura

“Agarra o futuro!” Pois é amigo, cá estamos mais uma vez para te lançar um novo desafio! Gostas de navegar pela Internet? Gostas de conviver, partilhar ideias, trocar experiências e mostrar aquilo que sabes? Então, convidamos-te a participar na quarta fase do concurso “Agarra o Futuro” (direccionada para os alunos do oitavo ano). Como sabes, este concurso já premiou vários alunos da nossa escola pelo seu empenho e perícia, mas sobretudo pela dinâmica de gru-

po e pelo comportamento pedagógico interactivo conducentes a uma vivência mais activa da escola como espaço de conhecimento, devaneio e distracção. Vem contribuir para dinamizar a comunidade escolar mas, acima de tudo, vem divertir-te! Ficamos à tua espera no dia 17 de Dezembro à tarde, na sala vinte e seis. Até lá! Professora Sofia Zabumba

Recta de Oliveira de Barreiros 3500-892 Viseu Telef. 232 461 331 - Fax: 232 461 047 E_mail:comercial@beiragel.pt Dezembro de 2008                Revista Escolar


Crónica da Saúde

Dia Mundial da Alimentação Para celebrar o Dia Mundial da Alimentação, comemorado na quinta-feira do dia 16 de Outubro, levou-se mais uma vez para o espaço da sala de convívio dos alunos, a II Feirinha da Fruta, actividade desenvolvida no âmbito do Dia da Alimentação. Este ano, esta iniciativa, teve a colaboração não só do grupo PES e do Departamento de Ciências Exactas, mas também contou com a elaboração de um cartaz pelo professor Paulo Moura e com a ajuda, mais uma vez, da professora Maria da Conceição Gomes e da professora Ângela Bastos na preparação e decoração da bancada da Feirinha da Fruta. Esta iniciativa teve, também, a colaboração dos alunos do 9º A que elaboraram uma roda dos alimentos utilizando alimentos reais, trabalho realizado em Área de Projecto. Os alunos do 6º A elaboraram um panfleto informativo sobre o Índice de Massa Corporal, que foi distribuído aos alunos. Esta actividade contou também com a participação dos alunos do 12º ano A, que divulgaram os trabalhos que vêm realizando na Área de Projecto sobre distúrbios alimentares. Assim, junto ao bar dos alunos, realizaram uma apresentação em PowerPoint, sobre a importância da ali-

mentação saudável e doenças causadas pelos seus desajustes: diabetes, anorexia, bulimia e obesidade. Entre outras informações, foi vincado que cada vez mais as pessoas sofrem estes problemas de saúde, fruto de uma alimentação desequilibrada. Desta forma, tentaram sensibilizar os alunos do segundo e terceiro ciclos para a importância de uma alimentação saudável. A professora Isabel Cabral, em colaboração com os alunos do 5ºC, participou com um cabaz de frutas trazidas pelos mesmos. A professora Maria do Céu Almeida, em colaboração com as cozinheiras da Escola e com a ajuda de algumas Encarregadas de Educação da turma do 5º D, participaram na confecção de uma compota de abóbora, que foi saboreada no fim do dia por toda a

comunidade escolar. Nesse dia, 16 de Outubro, os alunos tiveram oportunidade de saborear, mais uma vez, as deliciosas espetadas de fruta, sumos de laranja e comprar as mais variadas frutas e legumes. Organizou-se uma venda de produtos saudáveis, caseiros e biológicos, que os nossos alunos e professores quiseram, por iniciativa trazer. Depois de se terem deliciado com estes alimentos saudáveis, tiveram oportunidade de realizar rastreios gratuitos ao Índice de Massa Corporal (IMC), taxa de glicemia e tensão arterial, realizados pelas Técnicas de Saúde e com a ajuda dos alunos do 12ºA. Aproveitamos para agradecer a disponibilidade e simpatia das técnicas de saúde: Enfermeiras Carla Gonçalves, Ângela Cruz e Marisa

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Crónica da Saúde Vaz. Esta iniciativa teve como objectivo alertar toda a comunidade escolar para os problemas de saúde relacionados com uma má alimentação.   A comunidade escolar foi receptiva, na medida em que participou voluntariamente em todas as actividades apresentadas. Fazendo o balanço final da actividade, resta-nos dizer que foi muito positivo, na medida em que os alunos participaram activamente, colaborando com os responsáveis na preparação e concepção de todas as iniciativas. PES – Projecto Educação para a Saúde

Dia do não fumador No dia 17 de Novembro assinalou-se mais uma vez o Dia do Não Fumador. O objectivo é lembrar de uma coisa que já todos sabemos: FUMAR MATA e FUMAR PREJUDICA GRAVEMENTE A SAÚDE. Mas, sendo assim, porque razão se fuma tanto? Porque o tabaco tem na sua constituição substâncias que, para além de estimularem o nosso sistema nervoso, são também viciantes e por isso, depois de se experimentar, é muito difícil parar. Vale a pena parar de fumar em qualquer idade! Os benefícios são tanto maiores, quanto mais cedo se parar de fumar.   Parar de fumar diminui o risco de morte prematura. Os exDezembro de 2008                Revista Escolar


Crónica da Saúde fumadores vivem em média mais anos do que os fumadores e reduzem o risco de virem a sofrer de uma doença cardiovascular, de cancro ou de doenças respiratórias graves e incapacitantes. O TABAGISMO, isto é, o consumo excessivo de tabaco, é responsável por uma redução importante do tempo de vida. O fumo do cigarro contém mais de 50 substâncias tóxicas e cancerígenas. O consumo de tabaco está relacionado com riscos cardiovasculares (angina de peito e de enfarte do miocárdio e arterite dos membros inferiores), riscos respiratórios (bronquite crónica, enfisema pulmonar e insuficiência respiratória crónica), riscos cancerosos (cancros do pulmão, do esófago, do estômago e das vias aéreas superiores língua, cavidade bucal, faringe, laringe, etc.), a impotência e a infertilidade. Fumar, não só conduz a

muitas mortes prematuras, mas também a uma redução considerável na qualidade de vida e no bem-estar das pessoas. Os não-fumadores e os filhos dos fumadores acabam por absorver tantas substâncias tóxicas e cancerinogéneas como o fumador activo, e assim aumentam o risco do cancro do pulmão, tem efeitos nocivos nas crianças em gestação, e as crianças cujos pais fumam sofrem mais frequentemente de doenças respiratórias. Algumas crianças experimentam o primeiro cigarro entre os 10 e os 12 anos de idade, na maior parte dos ca-

sos por curiosidade ou para se sentirem “como os mais crescidos”. E as primeiras experiências intensivas com o tabaco ocorrem geralmente entre os 14 e os 16 anos. São frequentemente estas experiências que determinam se uma pessoa irá ou não tornarse um fumador. Há imensos motivos para deixar de fumar: aumenta a esperança de vida, a saúde melhora, recuperam-se as capacidades desportivas,

poupa-se muito dinheiro, o olfacto e o paladar tornam-se mais apurados, a pele recupera a saúde original e os dentes voltam ao branco original. Fumar é o hábito mais perigoso para a saúde. Actualmente, mata cerca de meio milhão de mulheres por ano, mas espera-se que este número aumente até ao ano 2020. Em alguns países, o cancro do pulmão já ultrapassou o cancro da mama como a principal causa de mortes por cancro entre as mulheres.   São especialmente as mulheres mais novas que fumam mais do que os homens. Desde 1970 que o número de fumadores diminuiu mais entre os homens do que entre as

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Crónica da Saúde

mulheres. O hábito de fumar está a espalhar-se por todo o mundo, especialmente entre as mulheres das classes sociais mais baixas, que deixam de fumar com menor frequência do que as outras mulheres. Encontrar formas para que as raparigas de classes baixas adoptem um estilo de vida sem tabaco é um grande desafio para os profissionais da educação e da saúde. O cancro do pulmão está a aumentar ainda mais rapidamente entre as mulheres do que entre os homens na União Europeia. As campaínhas de alarme estão já a tocar em alguns países onde o cancro de pulmão é actualmente mais comum em mulheres com menos de 45 anos de idade do que em homens da mesma faixa etária.  Este ano, para celebrar o Dia do Não Fumador, na Escola E.B 2, 3 e Sec. de S. João da Pesqueira o Projecto PES e o Grupo de Professores de

Biologia/Geologia, teve a colaboração do Professor Paulo Moura, com a elaboração de um cartaz e a ajuda da professora Emília Pires, na preparação e decoração da Biblioteca para a palestra sobre o Dia do Não Fumador. A palestra foi realizada pelas Técnicas de Saúde, às quais agradecemos a disponibilidade e simpatia. Esta iniciativa teve como objectivo alertar toda a comunidade escolar para os problemas de saúde relacionados com o tabaco. No final da pa-

lestra foi distribuído aos alunos, um panfleto informativo sobre o Dia do Não Fumador, elaborado pelos elementos da organização. Esta iniciativa teve também a colaboração dos alunos do 2º e 3º Ciclos que elaboraram diversos cartazes que foram afixados na sala de convívio dos alunos. Os alunos do 12º A elaboraram diversos PowerPoint sobre o tabagismo que apresentaram na sala de convívio, de modo a sensibilizarem os outros alunos para a importância de uma vida sem tabaco. A comunidade escolar foi receptiva, na medida em que participou voluntariamente em todas as actividades apresentadas. Assim, o balanço desta actividade foi muito positivo, uma vez que os alunos participaram activamente, colaborando com os responsáveis na preparação e concepção de todas as iniciativas. PES – Projecto Educação para a Saúde

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Opinião

O quê? Quem? São bonitas as palavras que se proferem…vale a pena viver para ver os filhos crescer, estudar e formar-se (conversas de pais). Vale a pena viver, nem que seja para ver uma criança sorrir, (dizem os mais crentes…), e rir…, há até quem ache que vale a pena viver nem que seja para fumar um cigarro com os amigos (dizia Rámon Sampedro…”Mar Adentro”, um filme que recomendo) É engraçado pensar como Rámon que quer a todo o custo praticar a Eutanásia e que diz isto:“ Das muitas teorias apresentadas, ainda nenhuma me esclarece, ainda nenhuma me satisfaz! “e “ Não vou dizer que não são verdadeiras, sim, fazem algum sentido, mas como tudo, e tudo mesmo, não são concretas, o que hoje é verdadeiro, amanha já não é.“ Talvez esteja a revoltar-me sem sentido. Quem sou eu para reclamar verdades, sobretudo absolutas. Certezas, ninguém as tem e vivemos bem sem elas. Não sei, mas quando penso, que em cada dia a minha opinião, as minhas vontades são diferentes

(há momentos, em que até o cantar de um pássaro, musica celestial para uns, me irrita). E pergunto-me, sou eu diferente? (Já não é só a minha mãe que me acusa de ter mau feitio!) Sim, é certo que na adolescência todos somos um pouco parvos, complexos aos montes… No fundo, para mim, o problema sou eu, a minha incapacidade, o meu medo de descobrir o que está por detrás das quatro paredes que me cercam e dos seres que estão para lá dessa mesma cerca. E eu que reclamo Liberdade, que digo que sem ela nada é nada, que vivo para a desfrutar com responsabilidade (raio de responsabilidade), quero aplicar o significado que muitos lhe atribuem e que não passa sequer por “responsabilidade” …. Se calhar são mais felizes do que eu… Quem acredita que se triunfa sendo justo e humilde, mente! É pior do que todos aqueles de quem maldiz. Vale de alguma coisa ser-se boa pessoa? Os espertos safam-se sempre...e triste do inocente, do pobre que há-de an-

dar sempre na cepa torta. Não é que tenha do que me queixar. Tomara a muitos viver como eu, mas revolta-me saber que a cada segundo morrem milhares de pessoas. E, um feliz indivíduo que teve, não a sorte de jogar bem, mas de ser descoberto (que joguem bem, há por aí muitos) ganha uma pipa de massa, que lhe possibilita ter uns modestos 30 carros, dos melhores. Há que mostrar o poder, um armário repleto de ténis. Que riqueza tão mal distribuída! É aqui que vivemos. É aqui que, mal ou bem, somos felizes (embora, haja quem não tenha tempo sequer para o ser; uns porque têm a mais, outros que não chegam a ter). Que me calem a boca sempre que me queixo, a mim e a quem faz o mesmo. A lei da selva acabou … foi-se a lei do mais forte… agora é a lei do mais egoísta! Bem-haja ao Rei Leão! Elaborado por: Mariana Costa Pinto Nº 15, 11ºA

António Manuel Froufe Bastos Mediador Exclusivo

Loja Império S. João da Pesqueira

Av. Marquês Soveral, Loja CB, Bloco, 3 • 5130- 321 S. João da Pesqueira Telef. 254 488 008 - 965 069 027 - Fax 254 488 008 • Email: amf.bastos@sapo.pt

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Opinião

Na Ciência como na Vida (II) Na sequência da viagem pelo universo da terminologia científica iniciada na última edição desta revista, proponho‑me a efectuar uma paragem na estação, digo, palavra “Resiliência”. Este vocábulo, que na Engenharia de Materiais traduz a capacidade de um dado material readquirir a sua forma inicial após ser sujeito a uma deformação mecânica, é hoje muito utilizado na área das Ciências Sociais, particularmente para caracterizar a organização familiar. Em termos genéricos, a família resiliente será aquela que, sujeita a uma situação de crise, é suficientemente flexível para responder a altera-

ções pontuais da sua dinâmica, conseguindo reajustar os seus elementos e reassumir a

forma original em tempo útil. Na família, tal como nos materiais, é o tipo de elementos constituintes e a sua organização estrutural que ditam a maior ou menor facilidade para responder positivamente perante as situações críticas de que são alvo ao longo do tempo. Próximos que estamos de uma nova época natalícia, altura em que o convívio familiar reassume um protagonismo cada vez mais raro, importa reflectir sobre o papel de cada indivíduo nesta organização e na forma de potenciar a sua resiliência. Prof. Jorge Silva

SEDE: Parque Industrial do Lameirão • Telef. 254 481 477 • Fax 254 481 478 Telemóvel 932 087 242 • Apartado 45 • 5130 S. JOÃO DA PESQUEIRA Filial: Bairro da Certã • Telef.s. 254 789 313 / 254 789 884 • 5120-343 TABUAÇO

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Visitas de Estudo

Visita a Trevões Os alunos da disciplina de Educação Moral Religiosa Católica, do 12ºA no passado dia 13 de Novembro de 2008 deslocaram-se a Trevões com o seu professor Pe. Amadeu Castro para realizarem uma visita guiada à “pequena” Vila de Trevões, no entanto, com grande passado. Nesta visita tivemos a oportunidade de explorar esta grandiosa terra e assim conhecer melhor a sua história e o contributo que tem vindo a prestar à população, e consequentemente ao nosso concelho. A nossa exploração iniciou-se na Igreja Matriz sendo esta um ponto fulcral em Trevões, pois contém uma decoração em estilo barroco, fragmentos e peças do século XIII. Foi também descoberta, há aproximadamente 3 anos, uma pintura de Santa Marinha (Padroeira de Trevões) na retaguarda do Altar-mor, tendo a mesma sido colorida no século XVI. Apesar da sua antiguidade esta Vila também é inovadora, pois foi construído o Lar de Santa Marinha, sendo este uma instituição de apoio à Terceira Idade (24h por dia) e infância coordenado pelo seu Presidente, Pe. Amadeu. No mesmo fomos recebidos com um almoço delicioso. Após esta refeição direccionámo-

nos para o Museu, onde tivemos a possibili­dade de conhecer o dia-a-dia dos nossos antepassados, assim como as ferramentas de trabalho, o vestuário, o seu mobiliário e restantes apetrechos necessários para a sua sobrevivência. Tudo isto foi concretizado com a ajuda da população, pois a mesma doou todo o seu espólio. No Museu também se encontra um espaço pertencente aos jovens, sendo constituído por jogos tradicionais, computadores com

acesso à Internet, etc. Em seguida visitámos a Capela de São Sampaio, onde anualmente se realiza uma festa em sua honra, e aqui desfrutámos de uma esplêndida paisagem. Por fim, regressámos à nossa escola, e assim terminou a nossa magnífica visita à Vila de Trevões, mas não nos podemos esquecer de agradecer ao Pe. Amadeu o belo dia que proporcionou aos seus alunos.

Revista Escolar                Dezembro de 2008

Alunos de EMRC do 12º A


Visitas de Estudo

“Viagem de Estudo a Foz Côa” A professora tinha avisado que na sexta-feira, dia 31 de Outubro, iríamos a Foz Côa ver a Arte Rupestre. Eu e os meus colegas ficámos contentes. Uns por irem adquirir mais conhecimentos e outros por não terem aulas todo o dia. A professora disse que a viagem ía ser pequena e por isso não era preciso levar a «casa às costas»; isto quer dizer que não era preciso levar um grande lanche, duas ou três sandes e sumos, bastavam. Na sexta-feira fomos esperar pelo autocarro ao pé da escola. Quando o autocarro chegou, duas turmas entraram e nós ficámos a aguardar a car-

rinha da Câmara. No momento de chegada da carrinha, entrámos e partimos para Foz Côa.

Quando chegámos a Foz Côa, fomos para a sede do Parque Arqueológico onde visitámos um atelier de arqueologia experimental, onde vimos bifaces, pontas de lança e arpões. Aprendemos a fazer fogo como faziam os nossos antepassados há três mil anos atrás e a pintar com pistolas feitas com palhinhas e copos de plástico. Depois de almoçarmos, a professora Isabel Tomé começou a contar histórias e a pedir aos meninos que contassem anedotas, histórias e que cantassem. Quando chegou a hora do meu grupo ir ver as gravuras entrámos num jipe e lá fomos. No momento de chega-

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Visitas de Estudo

da, o senhor começou por nos mostrar uma rocha onde estavam gravados vários animais, como a cabra, o cavalo e o auroque, uns por cima dos outros, cujo significado ou era para marcar território, ou era a rocha da sorte. Vimos um cavalo quase em tamanho real, animais na fase de reprodução e um peixe. O senhor disse que quan-

do foram explorar aquele painel, só viram metade do peixe e por isso tiveram que escavar para encontrar a outra metade. Explicou-nos que na idade do gelo o solo estava cinco metros mais abaixo e acreditam que ainda possa haver mais gravuras debaixo do solo. Quando a visita acabou regressámos à escola. Esta visita de estudo pode ter sido pequena mas foi de grande conhecimento. Texto realizado por: Eduarda Rebelo 5ºB nº 14

Revista Escolar                Dezembro de 2008


Clubes

Clube da Protecção Civil Nasceu o Clube da Protecção Civil na nossa escola. Como professores dinamizadores estão José Relvas, João Rodrigues e Hermínio Canelas. O Clube da Protecção Civil tem como finalidade informar a população escolar sobre os riscos colectivos, envolvendo a comunidade educativa na construção de uma cultura de segurança, educando simultaneamente para a prevenção e minimização dos riscos enquanto promove “uma cidadania activa e participante”. Este Clube é constituído por alunos e professores, embora adaptado às características e condicionalismos da nossa escola. Falar dos riscos colectivos, educar para a prevenção e

minimização de perigos, ensinar os mais pequenos para que chamem a atenção dos mais crescidos, lembrar que é necessário ter consciência de que determinadas acções podem conduzir a certos efeitos, são alguns dos propósitos do

nosso Clube que pretende envolver alunos, funcionários, encarregados de educação e professores. Aprender como se fazem os primeiros socorros, saber como poupar recursos naturais, dinamizar o plano de emergência e segurança das escolas, abordar os riscos naturais. Falar dos perigos tecnológicos como acidentes industriais, transporte de matérias perigosas e ameaças radiológicas. Palestras com responsáveis pela Protecção Civil, visitas de estudo, trabalhos que assinalem efemérides como o Dia Internacional da Protecção Civil (1de Março), estão também na lista das actividades a desenvolver. Contamos com a vossa curiosidade e empenho. Coordenador do Clube: prof. José Relvas

Douro’ s Bar Telef. 254 488 131 • São João da Pesqueira

Dezembro de 2008                Revista Escolar


Ventos Douro