Page 1

O que se encontrará neste volume são 200 obras de arquitetura brasileira, das mais variadas épocas, dos mais variados autores, com as mais variadas técnicas construtivas. São trabalhos cheios de significado, de simbologias, carregadas de história e de contemporaneidade. Valter Caldana

Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie

200+ da arquitetura brasileira

O livro 200+ da arquitetura brasileira apresenta um recorte específico e um panorama da arquitetura brasileira em 12 cidades, com foco nas obras mais importantes, passando por diversos períodos e escolas.

Belo Horizonte Brasília Cuiabá Curitiba Fortaleza Manaus Natal Porto Alegre Recife Rio de Janeiro Salvador São Paulo [Org.] Andre Deak e Felipe Lavignatti


BELO HORIZONTE BRASÍLIA CUIABÁ CURITIBA FORTALEZA MANAUS NATAL PORTO ALEGRE RECIFE RIO DE JANEIRO SALVADOR SÃO PAULO

8 18 32 38 46 52 58 60 70 74 94 102

Dados internacionais de catalogação na publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Deak, Andre 200 + arquitetura brasileira / organizadores, Andre Deak e Felipe Lavignattti . -- 1. ed. -- São Paulo : Editora Olhares, 2014. 1. Arquitetura 2. Arquitetura - Brasil 3. Arquitetura - Brasil - História I. Deak, Andre. II. Lavignatti, Felipe. ISBN 978-85-62114-37-3 14-06270

CDD-720.981 Índices para catálogo sistemático: 1. Arquitetura brasileira : História 720.981 2. Brasil : Arquitetura 720.981


[Org.] Andre Deak e Felipe Lavignatti

S達o Paulo 2014


Uma viagem pelo Brasil Viajar. Um sonho, um prazer, um desejo atávico da humanidade e uma possibilidade cada vez mais próxima de todos. Todo viajante, seja qual for o motivo ou o meio pelo qual viaja, tem sempre algo em comum: ele está em busca de conhecer. São três os elementos através dos quais este viajante se liga à nova realidade que está vivenciando e que estabelecem as possibilidades de comparação e aprendizado: os costumes, a culinária e a paisagem. Basta uma simples verificação em nossas experiências de viagem, e logo verificamos que estamos sempre atrás destes três elementos: observamos, comemos e contemplamos. E, deste modo, temos a sensação inenarrável de ter tomado posse, de ter conquistado, de ter desvendado. Qualquer relato de amigos ou familiares, ou qualquer sessão de fotos de viagem dos entes queridos nos colocam diante deste fato. Há muitas formas de viajar. Talvez a mais singela e transcendente seja viajar através da leitura, através dos livros. É através da leitura que descobrimos novos mundos, que definimos novos caminhos, que exercitamos nossa capacidade de imaginar, de inventar, de viver intensamente. Se um bom livro não substitui uma viagem real ele pode, no mínimo, desvendar os mistérios que nela seriam, ou serão, encontrados. Assim é este livro. Uma grande viagem pelo Brasil. Organizado pela equipe do Arte Fora do Museu, que já vem desenvolvendo um trabalho de grande importância com relação à difusão maciça da cidade enquanto plataforma e suporte da História e da Cultura, indelevelmente associada à qualidade de vida do cidadão, o que se encontra aqui é o resultado de uma grande pesquisa realizada em doze capitais brasileiras. E, se é verdade que viajamos para conhecer costumes, culinária e paisagem, este livro se dedica a um dos elementos mais significativos desta última, a Arquitetura. Quem vai a Atenas sem ver o Parthenon, a Paris sem ver a Torre Eiffel, a Londres sem ver o Big Ben? Quem vai a qualquer cidade sem ver o que ela oferece de importante e interessante do ponto de vista da Arquitetura e Urbanismo?

Isto se dá, como dizia Lúcio Costa, criador de Brasília e decano dos arquitetos e urbanistas brasileiros, certamente, por que a Arquitetura é parte fundamental da criação artística, é uma manifestação de vida, sendo uma espécie de “álbum de família” da humanidade. É através de seu conhecimento que podemos lembrar atos e fatos, entender costumes, podemos entender culturas, podemos avaliar a capacidade de um povo, de uma cultura, em um dado momento histórico. A Arquitetura pode, afinal, ser entendida como a expressão da capacidade do Homem de transformar sua realidade a partir de seu desejo e de sua opinião através da construção dos espaços do viver. Neste sentido a Arquitetura é invenção e patrimônio do Homem, testemunho vivo de sua capacidade empreendedora. O que se encontrará neste volume são 200 obras de arquitetura brasileira, das mais variadas épocas, dos mais variados autores, com as mais variadas técnicas construtivas. São 200 obras cheias de significado, de simbologias, carregadas de história e de contemporaneidade. Da Casa de José de Alencar em Fortaleza ao Edifício Pauliceia em São Paulo, da Praça da Alfândega em Porto Alegre ao Teatro Municipal em Manaus, estão registradas fotograficamente obras que compõem o cotidiano e constroem a identidade de cada uma destas cidades. Uma das características mais importantes deste trabalho, que é acompanhado por um site e uma exposição, talvez seja o fato de que o seu grande critério de elaboração e seleção das obras e dos arquitetos foi a diversidade. Alargando o recorte temporal e espacial, indo muito além dos períodos e dos eixos econômicos e culturais mais conhecidos do Brasil, aqui e no exterior, o resultado obtido é uma mostra ampla e generosa, que permitirá ao leitor descobrir aspectos identificadores das riquezas de cada uma das cidades sede. E, como se sabe, descobrir a cidade é, na verdade, uma das melhores formas de descobrir-se a si mesmo.

Valter Caldana Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie


O livro 200+ da arquitetura brasileira é um registro da pesquisa realizada pelo projeto Architech e fruto do que estivemos realizando nos últimos anos com a iniciativa de valorização da arte nos espaços públicos chamada Arte Fora do Museu (arteforadomuseu.com.br). Lá, mapeamos dezenas de cidades em diversos países em busca de grafites, esculturas, murais e arquiteturas. Aqui, fizemos um recorte específico e um panorama da arquitetura brasileira em 12 cidades, com foco nas obras mais importantes, passando por diversos períodos e escolas. Toda lista que se preze gera debates sobre justiças e injustiças entre os escolhidos. Essa não é diferente. Escolher apenas 200 obras no meio da rica produção encontrada no Brasil foi uma tarefa difícil e sabemos que algumas obras significativas ficaram de fora, como a arquitetura barroca das cidades históricas mineiras, a fortaleza e a ponte emblemática em Florianópolis, a arquitetura alemã no sul do país, para ficarmos em apenas alguns exemplos. Listas são assim, provocativas. Nos concentramos em 12 cidades para abranger este número retratado aqui. Mas não é uma lista fechada, claro. Em nosso site você pode conferir bem mais que essas 200 obras e pode ainda sugerir alguma que não foi contemplada. Como todos os trabalhos que desenvolvemos no Liquid Media Laab, acreditamos na inteligência coletiva e no conhecimento livre. Na prática, significa que preferimos trabalhar com indivíduos, coletivos ou empresas independentes, privilegiando assim os saberes e as economias locais (na quase totalidade dos casos, as fotografias são de profissionais das cidades em que estão as obras). Também escolhemos licenças livres, abertas, para que outras pessoas possam se apropriar deste conhecimento – sobretudo quando se trata de um trabalho realizado com verba pública. Assim, todo o conteúdo do livro está disponível também online, gratuitamente, com permissão de reuso e remix, desde que o crédito seja devidamente reconhecido. Tudo está sob a licença creative commons zero international (domínio público). Acreditamos que a produção em rede e a generosidade intelectual são modelos de negócio possíveis. Cooperação em vez de concorrência. Produções descentralizadas e distribuídas, em vez de monopólios ou grandes corporações. Compartilhar, em vez de manter. O Architech também procura desenvolver um conceito transmídia de produção e distribuição: este livro é parte complementar de um site, uma exposição multimídia e apps para navegação em aparelhos móveis. Saiba mais em architech.org.br | arteforadomuseu.com.br | liquidmedialaab.com

Manaus

Fortaleza Natal Recife

Salvador Cuiabá

Brasília

Belo Horizonte

Rio de Janeiro São Paulo Curitiba

Porto Alegre


Porto Alegre Praça da Alfândega 61 / Mercado Público Municipal 62 / Chalé da Praça XV 62 / Confeitaria Rocco 63 / Casa de Cultura Mario Quintana 63 / Palácio Piratini 64 / Centro Cultural Usina do Gasômetro 64 / Cine Theatro Capitólio 65 / Santander Cultural 65 / Parque da Redenção 66 / Edifício Floragê 66 / Palácio da Justiça 67 / Estádio José Pinheiro Borda (Estádio Beira-Rio) 67 / Residência Leo Dexheimer 68 / Centro Administrativo do Estado 68 / Anfiteatro Pôr do Sol 69 / Fundação Iberê Camargo 69

Belo Horizonte Museu Mineiro 9 / Praça da Liberdade 10 / Tribunal de Justiça 10 / Centro de Cultura de Belo Horizonte 11 / Igreja Nossa Senhora de Lourdes 11 / Automóvel Clube 12 / Casa do Baile 12 / Museu de Arte da Pampulha (Cassino da Pampulha) 13 / Complexo Arquitetônico da Pampulha 13 / Iate Clube da Pampulha 14 / Igreja da Pampulha 14 / Edifício Niemeyer 15 / Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa 16 / Estádio Governador Magalhães Pinto (Estádio Mineirão) 16 / Conjunto Governador Kubitschek 17 / Cidade Administrativa de Minas Gerais 17

Brasília Igrejinha Nossa Senhora de Fátima 19 / Plano Piloto 20 / Esplanada dos Ministérios (Eixo Monumental) 20 / Palácio do Planalto 21 / Congresso Nacional 21 / Cine Brasília 22 / Superquadras 22 / Rodoviária 23 / Torre de Televisão 23 / Teatro Nacional Cláudio Santoro 24 / Complexo Conic 24 / Catedral de Brasília 25 / Palácio Itamaraty 25 / Estádio Nacional Mané Garrincha 26 / Rodoferroviária 26 / Centro de Convenções Ulysses Guimarães 27 / Memorial JK 27 / Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves 28 / Templo da Boa Vontade 28 / Memorial dos Povos Indígenas 29 / Espaço Lúcio Costa 29 / Centro Cultural Banco do Brasil 30 / Sede da Procuradoria Geral da República 30 / Ponte Juscelino Kubitschek 31 / Museu Nacional 31

Cuiabá Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito 33 / Igreja do Nosso Senhor dos Passos 34 / Museu da Imagem e do Som de Cuiabá (sobrado do Alferes Joaquim Moura) 34 / Arsenal de Guerra 35 / Museu do Rio Cuiabá 35 / Palácio da Instrução 36 / Museu Rondon 36 / Catedral Metropolitana 37 / Arena Pantanal 37 Curitiba Largo da Ordem 39 / Arcadas de São Francisco 40 / Casa Vermelha 40 / Palácio Garibaldi 41 / Paço da Liberdade 41 / Hospital São Lucas 42 / Memorial Árabe 42 / Jardim Botânico 43 / Ópera de Arame 43 / Palácio Hyogo 44 / Memorial da Cidade 44 / Estádio Joaquim Américo Guimarães (Arena da Baixada) 45 / Museu Oscar Niemeyer 45

Fortaleza Mercado Central de Fortaleza 47 / Casa de José de Alencar 48 / Estação João Felipe 48 / Theatro José de Alencar 49 / Ponte dos Ingleses 49 / Estádio Governador Plácido Castelo (Arena Castelão) 50 / TV Manchete Fortaleza 50 / Centro Dragão do Mar Arte e Cultura 51

Manaus Paço da Liberdade (Paço Municipal) 53 / Igreja da Matriz 54 / Mercado Municipal Adolpho Lisboa 54 / Teatro Amazonas 55 / Palácio da Justiça 55 / Palácio do Rio Negro 56 / Alfândega e Guardamoria 56 / Centro Cultural Usina Chaminé 57 / Arena da Amazônia 57

Natal Ponte Newton Navarro 58 / Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte 59 / Arena das Dunas 59

Recife Mercado S. José 71 / Edifício Califórnia 71 / Edifício Holiday 72 / Edifício Acaiaca 72 / Parque Dona Lindu 73 / Itaipava Arena Pernambuco 73 Rio de Janeiro Museu Histórico Nacional 75 / Paço Imperial 76 / Museu Nacional/UFRJ 76 / Estádio do Maracanã / Teatro Carlos Gomes 77 / Ilha Fiscal 77 / Museu Nacional de Belas Artes 78 / Theatro Municipal 78 / Cine Odeon 79 / Edifício A Noite 79 / Edifício sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) 80 / Edifício Gustavo Capanema (Ministério da Educação e Saúde) 80 / Sede do Banco Boavista 81 / Conjunto Habitacional Pedregulho 81 / Edifício Seguradoras 82 / Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã) 82 / Museu de Arte Moderna (MAM) 83 / Parque Eduardo Guinle 84 / Sede do Jockey Clube do Brasil 84 / Banco Aliança 85 / Hospital da Lagoa 85 / Edifício Avenida Central 86 / Banco do Estado da Guanabara 86 / Edifício Manchete 87 / Sede da Petrobras 87 / Paisagismo da Praia de Copacabana (Avenida Atlântica) 88 / Sede do Banco Nacional de Desenvolvimento (BNDES) 89 / Centro Cândido Mendes 89 / Sambódromo da Marquês de Sapucaí 90 / Edifício Rio Branco 1 90 / Museu de Arte Contemporânea de Niterói 91 / Torre Almirante 91 / Hospital Sarah Kubitschek 92 / Cidade das Artes 93 / Museu de Arte do Rio (MAR) 93

Salvador Catedral Basílica de Salvador 95 / Paço Municipal 95 / Solar do Unhão 96 / Pelourinho 96 / Igreja e Convento de São Francisco 97 / Elevador Lacerda 97 / Edifício A Tarde 98 / Instituto do Cacau 98 / Estação de Hidroaviões 99 / Edifício Oceania 99 / Teatro Castro Alves 100 / Edifício Suerdieck 100 / Edifício Jequitaia 101 / Complexo Esportivo Cultural / Octávio Mangabeira (Arena Fonte Nova) 101

São Paulo São Paulo Igreja Nossa Senhora da Boa Morte 103 / Estação da Luz 104 / Edifício Vila Penteado (FAU-Maranhão) 104 / Pinacoteca 105 / Theatro Municipal 105 / Casa Modernista 106 / Casa Modernista 106 / Mercado Municipal 107 / Edifício Júlio Prestes 108 / Vila América 108 / Edifício do Antigo Banco de São Paulo 109 / Jockey Club de São Paulo 109 / Edifício Biológico 110 / Edifício Louveira 110 / Edifício Altino Arantes (Edifício do Banespa ou Banespão) 111 / Casa de Vidro 111 / Fundação Maria Luiza e Oscar Americano 112 / Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega (Palácio das Nações, Museu Afro Brasil) 112 / Edifício Montreal 113 / Edifício Triângulo 113 / Edifício Califórnia 114 / Edifício Eiffel 114 / Conjunto Nacional 115 / Edifício Pauliceia 115 / Pavilhão Ciccillo Matarazzo (Bienal) 116 / Planetário Aristóteles Orsini 116 / Edifício Lausanne 117 / Edifício Bretagne 117 / Shopping Center Grandes Galerias (Galeria do Rock) 118 / Edifício Sul-Americano 118 / Edifício Copan 119 / Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp) 120 / Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP) 120 / Casa Bola 121 / Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) 121 / Sesc Pompeia 122 / Centro Cultural São Paulo 122 / Memorial da América Latina 123 / Museu Brasileiro da Escultura (MuBE) 123 / Marquise da Galeria Prestes Maia 124 / Hotel Unique 124 / Auditório Ibirapuera 125 / Praça das Artes 126 / Edifício 360º 126 / Biblioteca Brasiliana 127 / Arena Corinthians 127


Belo Horizonte começou a ser desenhada a partir do século XIX com um projeto moderno para ser a nova capital de Minas Gerais. O objetivo era fazer um modelo contemporâneo e eclético que, ao mesmo tempo, tivesse toques dos estilos neoclássico, neorromânico e neogótico.

x5 x3

Museu Mineiro 1895 Comissão Construtora de Belo Horizonte Av. João Pinheiro, 342 Funcionários #ecletismo Implementado em um prédio histórico onde funcionou o Senado mineiro, o museu retrata a arquitetura predominante na fundação de Belo Horizonte, exemplificando o estilo eclético com elementos neoclássicos.

x2

8 9


Praça da Liberdade

Tribunal de Justiça

Centro de Cultura de Belo Horizonte

Igreja Nossa Senhora de Lourdes

1895-97 / 2010

1911

1914

1923

Paul Villon

Rafael Rebecchi, José Dantas e Júlio Pinto

Luiz Signorelli

Clarentino Echarri

Praça da Liberdade

Av. Afonso Pena, 1.420

Rua da Bahia, 1.149

Rua da Bahia, 1.596

Funcionários

Centro

Lourdes

Lourdes

#ecletismo

#ecletismo

#neogótico

#neogótico

Projetada com a finalidade de se tornar o centro do poder executivo de Minas Gerais, a Praça da Liberdade começou a ser construída em 1895, englobando o Palácio do Governo e as Secretarias do Estado. Ao longo das décadas, a Praça incorporou prédios com estilos arquitetônicos variados, como o Edifício Niemeyer e a Biblioteca Pública, ambos de Oscar Niemeyer, além do Palácio Cristo Rei, em art déco, e do pós-moderno Rainha da Sucata.

Erguido em 1911, o edifício conta com arquitetura eclética sob influência neoclássica. Na fachada, frisos em baixorelevo, feitos pelo escultor suíço-italiano João Morandi, representam alegorias à Justiça Romana.

Exemplar da arquitetura neogótica, inspirada no gótico tardio português, conhecido como estilo manuelino, o centenário Centro de Cultura de Belo Horizonte abriga biblioteca e coleções de objetos variados.

Concluída em 1923, a construção em estilo neogótico é composta por inúmeros detalhes que só podem ser notados de perto. Um dos principais cartões postais da cidade, foi considerada Basílica em 1958, por ato do Papa Pio XII.

10 11


Automóvel Clube

Casa do Baile

Museu de Arte da Pampulha

Complexo Arquitetônico da Pampulha

(antigo Cassino da Pampulha) 1929

1942

1942

1943

Luiz Signorelli

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Av. Afonso Pena, 1.934

Av. Otacílio Negrão de Lima, 751

Av. Otacílio Negrão de Lima, 16.585

Av. Otacílio Negrão de Lima, s/nº

Centro

Pampulha

Pampulha

Pampulha

#ecletismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

Assinado por Luiz Signorelli, um dos mais importantes arquitetos atuantes na capital mineira na primeira metade do século XX, é considerado um dos prédios mais luxuosos da cidade, expressando o clima glamoroso vivido pela emergente sociedade da época.

Uma das atrações do Complexo Arquitetônico da Pampulha, a Casa do Baile foi implantada em uma pequena ilha às margens do lago, sendo seu acesso feito por meio de uma ponte de pedestres. Embora a forma livre não tenha sido uma novidade quando foi construída, a laje horizontal em concreto armado, disposta em linhas curvas sobre um espaço aberto, é considerada uma inovação de Oscar Niemeyer.

Com arquitetura influenciada pelo estilo de Le Corbusier, especialmente a fachada em vidro, destaca-se pelo salão de pé-direito duplo e pela construção sobre pilotis. O edifício é organizado em três blocos, todos interconectados. O cassino funcionou até 1946, quando o general Gaspar Dutra proibiu o jogo em todo o território nacional. A partir de 1957, passou a funcionar como Museu de Arte.

Construído durante o governo do então prefeito Juscelino Kubitschek, o projeto inaugura a modernidade arquitetônica em Belo Horizonte, com o objetivo de urbanizar a Pampulha. Para sua construção, JK convidou o jovem arquiteto Oscar Niemeyer e contou com a colaboração do paisagista Burle Marx, do pintor Cândido Portinari e dos escultores Alfredo Ceschiatti, Zamoiski e José Pedrosa. Instalado em uma área balizada por um lago artificial, o Complexo Arquitetônico da Pampulha é reconhecido mundialmente por sua arquitetura moderna. Seus principais monumentos são o Cassino (1942), a Casa do Baile (1942), o Iate Clube (1943) e a Igreja São Francisco de Assis (1944). 12 13


Iate Clube da Pampulha

Igreja da Pampulha

1943

1944

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Av. Otacílio Negrão de Lima, 1.350

Av. Otacílio Negrão de Lima, 3.000

Pampulha

Pampulha

#modernismo

#modernismo

Construído sobre pilotis, o projeto faz parte do Complexo Arquitetônico da Pampulha. A arquitetura se estende sobre a lagoa, com sala de estar, salão de dança e terraço no segundo pavimento, criando uma base suave para a cobertura em “V”. Os jardins são de autoria do paisagista Roberto Burle Marx.

A pequena capela com coro é considerada marco da arquitetura moderna brasileira, tendo sido a primeira vez que uma abóbada parabólica de concreto foi aplicada em um edifício sacro. Entretanto, o projeto escandalizou os conservadores da época, demorando anos para que as autoridades eclesiásticas permitissem a consagração da capela, devido à forma inusitada e às polêmicas em torno do painel de Cândido Portinari.

(Igreja São Francisco de Assis)

Edifício Niemeyer 1954 Oscar Niemeyer Praça da Liberdade, 01 Funcionários #modernismo Em estilo moderno, o projeto é famoso pelas curvas sinuosas, atribuídas à influência do barroco mineiro, remetendo-se à geografia serrana da região, mas aproximando-se também do expressionismo de Mendelssohn. Foi erguido uma década depois das obras do Complexo Arquitetônico da Pampulha.

14 15


Biblioteca Pública Estadual Luiz de Bessa

Estádio Governador Magalhães Pinto

Conjunto Governador Kubitschek

Cidade Administrativa de Minas Gerais

(Estádio Mineirão) 1961

1965

1970

2010

Oscar Niemeyer

Eduardo Mendes Guimarães e; BCMF,

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Praça da Liberdade, 21

Gaspar Pezzuti (original)

Rua dos Timbiras, 2.500

Rodovia Prefeito Américo Gianetti, s/nº

Funcionários

GPA&A, GMP (reforma)

Santo Agostinho

#modernismo

#modernismo

Avenida Antônio Abrahão Caram, 1.001

#modernismo

Pampulha Principal biblioteca pública de Belo Horizonte, o edifício é um projeto em que várias soluções previstas não foram construídas. Destaque para a fachada curva, que acompanha o encontro do espaço aberto com a diagonal.

#modernismo

Batizada oficialmente de Estádio Governador Magalhães Pinto, a arena multiuso recebeu status de emblema para a engenharia nacional graças aos inúmeros exemplos de evolução na construção civil. Na recente modernização do Mineirão, foram construídos cobertura, vestiários, novas arquibancadas, estacionamentos e esplanada. Foi reinaugurado em 2013, com 64,5 mil lugares.

Conhecido popularmente como JK, foi construído com a intenção de assinalar a gestão de Juscelino Kubitschek e tornarse um marco de identidade da capital mineira, por suas dimensões e inúmeras atividades que abrigaria. A inspiração de Oscar Niemeyer para o projeto foi a Unité d’Habitation, de Le Corbusier. O projeto original previa o funcionamento de um museu de arte moderna, repartições públicas e residências, além de comércio e serviços. Para facilitar o trânsito dos moradores, uma grande área de lazer seria instalada dentro das dependências do prédio.

Localizada na região norte de Belo Horizonte, a Cidade Administrativa Presidente Tancredo Neves foi criada com a intenção de centralizar as secretarias e demais órgãos do Governo Estadual, que antes estavam distribuídos em 53 endereços. Tratandose de um projeto de Oscar Niemeyer, o complexo acabou se tornando um ponto turístico da capital. Todos os materiais são originários do próprio estado: ferro, cimento, areia e pedra.

16 17


x6

x3 x2

x3

x2

Igrejinha Nossa Senhora de Fátima 1958 Oscar Niemeyer Conjunto D, Sgas 906 Asa Sul #modernismo Falar em arquitetura moderna brasileira sem citar a cidade de Brasília é um lapso imperdoável. Ela é a síntese de tal movimento e em sua concepção se encontram todos os princípios que norteiam os ideais de uma cidade moderna. Não somente na arquitetura de seus edifícios, mas também em sua organização espacial. Desde 1987, a cidade tornou-se Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade, título concedido pela Unesco.

Primeiro templo em alvenaria erguido em Brasília, a igreja é resultado de uma promessa feita pela primeira-dama Sarah Kubitschek, que pedia a cura de sua filha. Após a pedra fundamental em 26 de outubro de 1957, ela foi construída em cem dias. A arquitetura faz referência a um chapéu de freiras.

18 19


Plano Piloto

Esplanada dos Ministérios (Eixo Monumental)

Palácio do Planalto

Congresso Nacional

1960

1960

1960

1960

Lúcio Costa

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Plano Piloto

Eixo Monumental, s/nº

Praça dos Três Poderes

Praça dos Três Poderes

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

Vencedor do concurso para o projeto urbanístico de Brasília, promovido em 1957, o Plano Piloto leva a assinatura do arquiteto urbanista Lúcio Costa. Embora sua forma seja comparada a de um avião, foi inspirada no sinal da cruz. O traçado do Plano Piloto está disposto em dois eixos perpendiculares, abraçados pelo lago artificial Paranoá e por uma grande mancha verde.

Os 17 prédios desenhados para abrigar os ministérios na nova capital distribuemse harmoniosamente ao longo do Eixo Monumental. Conhecida também como “corpo do avião” pelo desenho do Plano Piloto, a Esplanada dos Ministérios liga a Rodoferroviária de Brasília à Praça dos Três Poderes.

É onde está localizado o Gabinete Presidencial do Brasil. O prédio de quatro andares contém as marcas registradas de Oscar Niemeyer, com linhas curvas e retas, como também traços horizontais. As colunas exploram a leveza arquitetônica do projeto.

Inserido no meio da principal avenida da capital – o Eixo Monumental –, o Congresso ocupa também outros edifícios vizinhos. Uma passarela une os prédios do Anexo I da Câmara e do Senado. Com o formato da letra H, ele faz uma referência às preocupações daqueles que representam a população: homem, honra e honestidade. A obra com teto convexo pertence à Câmara dos Deputados, enquanto a construção côncava é do Senado.

20 21


Cine Brasília

Superquadras

Rodoviária

Torre de Televisão

1960

1960

1960

1965

Oscar Niemeyer

Lúcio Costa

Lúcio Costa

Lúcio Costa

EQS 106/107

SQS

Smas, trecho 4, conjunto 5/6

Eixo Monumental

Asa Sul

Asa Sul

Asa Sul

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

Inaugurada em 22 de abril de 1960, durante a comemoração da transferência da capital brasileira, é até hoje a sala de exibição sede do Festival de Brasília do Cinema Brasileiro. Atualmente, o Cine Brasília tem capacidade para 607 espectadores.

As Superquadras são quarteirões com lados idênticos de aproximadamente 280 m, compostas por blocos verticais de quatro e sete andares, sustentados por pilotis que favorecem sua integração com o espaço externo.

Projetada no ponto de cruzamento entre os eixos Rodoviário (Norte-Sul) e Monumental (Leste-Oeste), a rodoviária foi idealizada como centro urbano de Brasília. Atualmente, é o principal terminal de ônibus urbanos do Distrito Federal, recebendo cerca de 700 mil passageiros por dia. Conta também com linhas interurbanas de municípios vizinhos em Goiás. Em 2001, foi inaugurada, em seu subsolo, a Estação Central do Metrô de Brasília.

Este projeto alia o lazer à funcionalidade, cedendo o espaço ao redor a uma tradicional feira de artesanato e à Fonte Luminosa. Do alto do mirante, a 75 m do chão, é possível observar a Esplanada dos Ministérios e admirar o projeto arquitetônico e urbanístico de Brasília. Em frente à torre de 224 m, uma escultura do artista plástico Alexandre Wakenwith ornamenta o local.

22 23


Teatro Nacional Cláudio Santoro

Complexo Conic

Catedral de Brasília

Palácio Itamaraty

1966

1967

1970

1970

Oscar Niemeyer

Lúcio Costa

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Setor Cultural Norte

SDS, Bloco A

Esplanada dos Ministérios

Esplanada dos Ministérios, Bloco H

Via N2

Asa Sul

Lote 12

Eixo Monumental

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

A estrutura em formato de pirâmide irregular segue o critério de simplicidade e liberdade plástica. A fachada é ornamentada por uma composição de cubos e retângulos assinados por Athos Bulcão. O teatro é composto por três salas de espetáculos e há muitas obras de arte em seu interior. Foi reinaugurado em 1981, após reforma.

Localizado no Setor de Diversões Sul, é considerado o setor mais democraticamente diversificado da cidade, com comércio variado e de caráter popular. Igrejas, boates, sala de teatro, cinema, bares, sindicatos e lojas ocupam seus espaços. O nome deriva da construtora responsável pelos primeiros edifícios do setor, nos anos 1960.

Trata-se do primeiro monumento a ser criado em Brasília: sua pedra fundamental foi lançada em 1958, embora tenha sido inaugurada apenas em 1970. A forma circular garante que apresente o mesmo apuro estético visto sob qualquer ângulo. O teto do batistério remete a uma hóstia (pão) e a base, a um cálice do vinho.

Sede do Ministério das Relações Exteriores, possui o maior hall sem colunas do mundo, com área de 2.800 m2. Sua decoração une o antigo e o contemporâneo, mantendo a harmonia entre os estilos. No espaço ao redor do edifício, a escultura Meteoro, de Bruno Giorgio, ornamenta o espelho d’água. Com desenho de Oscar Niemeyer, a cobertura é sustentada por colunas externas, enquanto colunas internas sustentam as lajes de piso.

24 25


Estádio Nacional Mané Garrincha

Rodoferroviária

Centro de Convenções Ulysses Guimarães

Memorial JK

1974

1976

1979

1981

Ícaro de Castro Mello e

Lúcio Costa

Sérgio Bernardes

Oscar Niemeyer

Eduardo Castro Mello

Etr. Parque de Indústria e Abastecimento

SDC, Eixo Monumental, Lote 05

Eixo Monumental Oeste

Setor de Recreação Pública Norte, s/nº

#modernismo

Ala Sul

Praça do Cruzeiro, Sargento

#contemporâneo

#modernismo

Batizado de Centro de Convenções Ulysses Guimarães em 1992, em homenagem póstuma ao deputado morto naquele ano, possui 54 mil m2 de área construída, com cinco auditórios, 13 salas moduláveis e um pavilhão de exposições.

Dedicado ao ex-presidente e fundador da cidade de Brasília, Juscelino Kubitschek, foi encomendado a Oscar Niemeyer pela viúva do político. No local está o corpo de JK e um amplo acervo de objetos pessoais e documentos, além de sua biblioteca pessoal. Contém obras de Athos Bulcão, na área externa, um vitral sobre a câmara mortuária, desenhado pela artista Marianne Peretti, e uma escultura de 4,5 m de autoria de Honório Peçanha.

Asa Norte #modernismo Com capacidade para 71 mil pessoas, a arena chama atenção com seus 288 pilares de 36 m de altura cada. Construída no Eixo Monumental, importante via de Brasília, está próxima a alguns ícones turísticos da cidade, como a Torre de TV e o Memorial JK. Seu projeto sustentável permite que a cobertura atue como ponto de captação de energia solar e de água, armazenada em reservatórios para até 10,5 milhões de litros.

Construída no lugar do antigo Aeroporto de Vera Cruz, tornou-se, em 1981, o principal terminal rodoviário para linhas interestaduais no Distrito Federal. A partir de 2010, quando a nova Rodoviária Interestadual de Brasília foi inaugurada, a Rodoferroviária deixou de receber os ônibus interestaduais.

26 27


Panteão da Pátria e da Liberdade Tancredo Neves

Templo da Boa Vontade

Memorial dos Povos Indígenas

Espaço Lúcio Costa

1986

1986

1990

1992

Oscar Niemeyer

R. R. Roberto

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Praça dos Três Poderes

Lotes 75/76, Sgas 915

Eixo Monumental Oeste

Praça dos Três Poderes

#modernismo

Asa Sul

Praça do Buriti

Esplanada dos Ministérios

#modernismo

#modernismo

#modernismo

Um dos pontos turísticos mais visitados de Brasília, o templo é composto de uma pirâmide com sete faces. Em seu topo, foi inserido o maior cristal puro encontrado no Brasil, com 40 cm de altura e 21 kg. O projeto valoriza os quatro elementos da natureza: água, ar, terra e fogo.

Projetado em forma de espiral, em referência à maloca redonda dos índios Yanomami, é um museu dedicado à cultura indígena brasileira, tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em 2007, quando o arquiteto Oscar Niemeyer completou cem anos de idade.

Instalada na Praça dos Três Poderes, a construção subterrânea é uma homenagem de Oscar Niemeyer ao urbanista da cidade. Contém uma imensa maquete do Plano Piloto de Brasília, com 170 m2, além de documentos históricos da criação da capital.

Situado na Praça dos Três Poderes, apresenta traços da arquitetura modernista de Oscar Niemeyer, cujas formas remetem a uma pomba. Erguido em homenagem àqueles com ideais de liberdade e democracia, foi batizado com o nome do presidente Tancredo Neves. Contém três pavimentos, dos quais destacam-se as obras Mural da Liberdade, de Athos Bulcão, o painel histórico Inconfidência, de João Câmara, o Livro dos Heróis, com os nomes dos homenageados, e os vitrais de Marianne Peretti, com a forma do mapa do Brasil.

28 29


Centro Cultural Banco do Brasil

Sede da Procuradoria Geral da República

Ponte Juscelino Kubitschek

Museu Nacional

2000

2002

2002

2006

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Alexandre Chan

Oscar Niemeyer

Setor de Clubes Sul

Setor de Administração Federal Sul

Sobre o Lago Paranoá

Setor Cultural Sul, Lote 2

Trecho 2

Quadra 4, Lote 3

#contemporâneo

Esplanada dos Ministérios

#modernismo

#modernismo

A unidade da capital federal foi inaugurada em 2000, no Edifício Tancredo Neves, um conjunto arquitetônico de dois andares construído sobre pilotis e dividido em módulos. O projeto artístico é de Alba Rabelo Cunha.

Trata-se de quatro edifícios circulares interligados por passarelas. Três deles são revestidos com pele de vidro, elemento que aproxima a obra de Oscar Niemeyer do pós-modernismo, contrariando sua preferência pelo concreto armado.

#modernismo A obra atravessa o Lago Paranoá, conectando os bairros Lago Sul, Paranoá e São Sebastião à região central da cidade. Inaugurada em 15 de dezembro de 2002, rapidamente se tornou um ícone de Brasília, tendo sido eleita, no ano seguinte, a mais bonita do mundo pela Sociedade de Engenharia do Estado da Pensilvânia, nos Estados Unidos.

Parte do Conjunto Cultural da República, o museu está situado no mesmo espaço da Biblioteca Nacional. Com 13 mil m² de área, foi inaugurado em 15 de dezembro de 2006, aniversário de 99 anos de seu autor, o arquiteto Oscar Niemeyer.

30 31


x5

Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito 1730 A arquitetura da área urbana inicial de Cuiabá, como em outras cidades históricas brasileiras, é tipicamente colonial, recebendo com o tempo modificações e adaptações a outros estilos, como o neoclássico e o eclético. Em 1987, o centro foi tombado provisoriamente como Patrimônio Histórico Nacional pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e, em 1992, esse tombamento foi homologado pelo Ministério da Cultura. Desde então, vários prédios antigos da cidade foram restaurados. A área tombada é a que mais preserva as feições originais. As antigas ruas de Baixo, do Meio e de Cima (hoje, respectivamente, as ruas Galdino Pimentel, Ricardo Franco e Pedro Celestino) e suas travessas ainda mantêm bem conservadas as características arquitetônicas das casas e sobrados.

Praça do Rosário, s/nº Lixeira #colonial Um dos marcos de fundação da capital mato-grossense, é considerada a igreja mais antiga da cidade. Está localizada próxima do Córrego da Prainha, em cujas águas foram descobertas as minas de ouro que impulsionariam a colonização da região. Possui arquitetura de terra, a qual utiliza a terra crua como matéria-prima. A fachada simples, típica da arquitetura colonial brasileira, oculta a decoração barroca-rococó nos altares, caracterizada pela talha dourada e prateada, a única desse tipo no país.

32 33


Igreja do Nosso Senhor dos Passos

Museu da Imagem e do Som de Cuiabá

Arsenal de Guerra

Museu do Rio Cuiabá

(sobrado do Alferes Joaquim Moura) 1792

Séc. XIX

1832

1899

R. Voluntários da Pátria, s/nº

R. Voluntários da Pátria, 75

Rua 13 de Junho, 315

Av. Beira Rio, s/nº

Centro

Centro

Porto

Porto

#colonial

#colonial

#neoclássico

#colonial

Construída no centro histórico de Cuiabá, tem planta típica das igrejas do período colonial, formada por nave e capela-mor, com um corredor lateral à esquerda e salas ao fundo, além da torre sineira, erguida na fachada principal.

Inaugurado em 2006 no antigo sobrado do Alferes Joaquim Moura, o Museu da Imagem e do Som de Cuiabá contém documentos fotográficos e sonoros que retratam a história da cidade desde 1910, com uma grande quantidade de fotos, discos em vinil, fitas VHS e fitas cassete.

Erguido para o conserto e fabricação de armas militares, o edifício neoclássico utilizou técnicas construtivas e materiais da região, que lhe conferiram características franco-lusitanas, bastante comuns nas construções oficiais da antiga capital brasileira, o Rio de Janeiro.

Antigo Mercado do Peixe, a obra perdeu as características originais ao longo do tempo. Em comemoração do seu centenário, foi restaurado em 1999, passando a abrigar o Museu do Rio Cuiabá “Hid Alfredo Scaff”, um amplo espaço cultural com restaurante, maquetes da antiga Cuiabá e peças de artes sacras.

34 35


Palácio da Instrução

Museu Rondon

Catedral Metropolitana

Arena Pantanal

1914

1972

1973

2014

João da Costa Marques

José Portocarrero

Praça da República, s/nº

GCP Arquitetos

R. Antônio Maria, 151

Av. Fernando Corrêa da Costa, s/nº

Centro

R. Professor Ranulfo Paes de Barros, s/nº

Centro

UFMT, Coxipó

#modernismo

Verdão

#neoclássico

#modernismo

Fundado originalmente para ser um educandário, atualmente abriga um museu histórico e uma biblioteca. A obra segue a arquitetura de sua época, com alicerces em pedra canga e cristal e largas paredes de adobes.

Batizado em homenagem ao marechal mato-grossense Cândido Mariano da Silva Rondon, um defensor dos direitos dos índios, a edificação é acompanhada por uma casa indígena no modelo ovalado xinguano, inserida em meio aos coqueiros e à sombra de árvores típicas do cerrado.

#contemporâneo A catedral original foi erguida em 1722, com pau a pique, porém foi reconstruída e reformada diversas vezes ao longo dos séculos. Dedicada ao Senhor Bom Jesus, foi demolida em 1968, dando lugar a um templo novo e moderno, feito de concreto armado. Inaugurada em 1973, a nova catedral conta com pinturas modernas e duas torres com um relógio em cada, além de imagens religiosas do século XVIII.

Com característica inglesa e adaptado ao clima local, o estádio possui conceito sustentável e flexível para multiuso, atendendo à certificação Leed, que atesta a sustentabilidade da obra. Tem capacidade para 43.600 espectadores, com arquibancadas e cobertura desmontáveis.

36 37


x3

Largo da Ordem Séc. XVIII R. São Francisco, s/nº São Francisco O zoneamento urbano de Curitiba, integrado ao sistema de transporte, tem permitido um desenvolvimento arquitetônico e urbanístico tido, por certos analistas, como coeso e harmônico, sem os principais problemas das grandes metrópoles modernas. Obras como a Ópera de Arame viraram não só marcos arquitetônicos, como pontos turísticos e referências culturais da cidade.

#eclético

O local centenário abriga a Igreja da Ordem Terceira de São Francisco das Chagas, a mais antiga da capital paranaense. O bebedouro, que servia às mulas e cavalos dos tropeiros que passavam por ali no século XVIII, ainda existe. Ele é construído em pedra e possui uma bacia metálica. A arquitetura da área ao redor tem influência portuguesa e alemã.

38 39


Arcadas de São Francisco

Casa Vermelha

Palácio Garibaldi

Paço da Liberdade

1811

1891

1904

1916

Largo Coronel Eneas

Wilhelm Peters

João de Mio (reforma)

Cândido de Abreu

São Francisco

Largo Coronel Enéas, 136

Praça Garibaldi, 12

Praça Generoso Marques, 189

#ruínas #colonial

São Francisco

Alto São Francisco

Centro

#neoclássico

#neoclássico

#neoclássico

Localizada no Largo da Ordem, a Casa Vermelha abrigava lojas e sedes de firmas comerciais, tendo sido uma casa de ferragens antes de se tornar um espaço cultural administrado pela Fundação Cultural de Curitiba, função que adquiriu em 1993.

Antiga sede da Sociedade Italiana de Mútuo Socorro Giuseppe Garibaldi, o edifício em estilo eclético tem dois pavimentos e fachada principal com três vãos em arco pleno. O acesso é feito por uma pequena escadaria, que determina o alteamento de todo o corpo original do edifício.

Antiga sede da Prefeitura de Curitiba, é o único monumento do Paraná tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). A arquitetura contempla detalhes neoclássicos e desenhos art nouveau.

As obras inacabadas da Igreja de São Francisco de Paula deram origem a este espaço, que reciclou as antigas ruínas. Revitalizadas em 1995, atualmente as arcadas abrigam comércio típico, com área para espetáculos e arquibancadas ao ar livre.

40 41


Hospital São Lucas

Memorial Árabe

Jardim Botânico

Ópera de Arame

1945

1972

1991

1992

João Batista Vilanova Artigas

Praça Gibran Khalil Gibran, s/no

Abrão Assad

Domingos Bongestabs

Av. João Gualberto, 1.946

Centro Cívico

Rua Engenheiro Ostoja Roguski, 690

Rua João Gava, 970

Juvevê

#mourisco

Jardim Botânico

Pilarzinho

#pós-modernismo

#pós-modernismo

Um dos pontos turísticos mais visitados da cidade, é inspirado nos jardins franceses. Porém, contém inúmeras espécies vegetais brasileiras e estrangeiras. Conta com duas estufas, sendo a principal delas em estrutura metálica constituída por três abóbodas art nouveau. A mata nativa é ponteada por trilhas para caminhada.

Constituído por estrutura tubular de aço e vidro, o espaço de 4.000 m2 foi construído em 75 dias, na cratera de uma pedreira desativada. Integrada à paisagem por meio de blocos de fundação apoiados diretamente na rocha, a Ópera é circundada por lago e cascata, sendo o acesso ao auditório feito por uma passarela sobre as águas.

#modernismo Assinado pelo renomado arquiteto curitibano João Batista Vilanova Artigas, trata-se de uma de suas primeiras obras. Como o projeto foi inserido em terreno relativamente pequeno e em declive, as rampas se tornaram elementos estruturantes, delimitando o pátio interno e dando acesso à paisagem externa.

Com 142 m2, é uma homenagem à cultura árabe. Tem a forma de um cubo, mas segue o estilo mourisco na abóbada, colunas, arcos e vitrais. Situado sobre um espelho d’água, possui um pedestal de mármore em seu interior, sobre o qual está uma escultura representativa de Gibran Khalil Gibran.

42 43


Palácio Hyogo

Memorial da Cidade

Estádio Joaquim Américo Guimarães (Arena da Baixada)

Museu Oscar Niemeyer

1996

1996

1999

2002

Cristina Sato

Fernando Popp e Valéria Bechara

Carlos Arcos

Oscar Niemeyer

Av. Comendador Franco, 871

R. Claudino dos Santos, 79

Av. Presidente Getúlio Vargas, 1.895

R. Marechal Hermes, 999

Jardim Botânico

São Francisco

Água Verde

Centro Cívico

#japonês

#pós-modernismo

#contemporâneo

#modernismo

Atual sede da Câmara de Comércio e do Instituto Cultural e Científico Brasil-Japão, o projeto da arquiteta Cristina Sato recebe influências da arquitetura japonesa. O palácio foi palco das primeiras homenagens ao casal imperial japonês em visita à cidade, em 1997.

Inaugurado em comemoração ao centenário de Curitiba, o espaço promove a memória, a arte e a cultura da cidade. A arquitetura, assinada por Fernando Popp e Valéria Bechara, homenageia o pinheiro, árvore símbolo da região. O projeto tem cobertura e laterais de vidro transparente, destacando-se entre as antigas construções do entorno.

Remodelado, o Estádio Joaquim Américo Guimarães tem capacidade para 41 mil torcedores. Localizado próximo do centro da cidade, é considerado um dos mais modernos do Brasil. Sua construção data de 1914 e passou por duas grandes reformas, em 1999 e 2014.

Dedicado à exposição de artes visuais, arquitetura, urbanismo e design, o complexo tem 35.000 m2 de área construída e mais de 17.000 m2 de área expositiva, a maior da América Latina. O projeto arquitetônico combina linhas retas e curvas, concreto e áreas verdes, privilegiando tanto o neutro como o colorido. O museu foi criado após uma grande reforma, que adaptou o edifício, inaugurado em 1978, com a inclusão de um anexo popularmente conhecido como Olho.

44 45


x4

Mercado Central de Fortaleza 1809 / 1998 Luiz Fiúza Av. Alberto Nepomuceno, 199 O patrimônio arquitetônico de Fortaleza está concentrado no centro da cidade. Apesar de distante do centro, a Casa de José de Alencar é um patrimônio de grande valor histórico e cultural. A Casa foi o primeiro bem tombado de Fortaleza, no ano de 1964, por uma lei federal. Além da Casa onde nasceu um dos maiores escritores do Brasil, Fortaleza possui ainda outras obras arquitetônicas, como o prédio da Estação João Felipe, ponto de partida da estrada de ferro construída na seca de 1877.

Centro #eclético O Novo Mercado Central, como é conhecido hoje, foi inaugurado em 1998. Em sua nova fase, passou a contar com 559 boxes, distribuídos em quatro pavimentos (um quinto pavimento é destinado ao estacionamento). Maior mercado da região Nordeste, possui escadas, rampas e elevador para facilitar o acesso de seus usuários.

46 47


Casa de José de Alencar

Estação João Felipe

Theatro José de Alencar

Ponte dos Ingleses

1810

1880

1910

1923

José Liberal de Castro (restauração)

Henrique Foglare

Bernardo José de Melo

Lucas Bicalho

Av. Washington Soares, 6.055

Praça Castro Carreira, s/nº

R. Liberato Barroso, 525

R. dos Cariris, s/nº

José de Alencar

Centro

Centro

Praia de Iracema

#colonial

#neoclássico

#art nouveau

#eclético

A residência na qual o escritor José de Alencar viveu durante nove anos foi adquirida pela Universidade Federal do Ceará, em 1965, sendo mantida pela instituição até a atualidade. Com 9 ha, o sítio é composto pela “casinha”, pequena construção do conjunto original erguida em 1826, pelas ruínas do primeiro engenho a vapor do Ceará, pelo Museu Arthur Ramos, pela Pinacoteca Floriano Teixeira, pela Biblioteca Braga Montenegro e por um restaurante.

Embora o amplo edifício tenha se mantido praticamente inalterado desde a inauguração, no final do século XIX, a estação foi desativada recentemente para a construção de uma linha subterrânea. A estação foi construída no local do antigo cemitério de São Casemiro.

Exemplar da arquitetura eclética no Brasil, possui estrutura de ferro europeia e fachada de alvenaria, onde estão o saguão, a bilheteria e o café. Parte da pintura homenageia o escritor cearense José de Alencar. A sala de espetáculo segue o estilo art nouveau, mas o neoclássico também foi aplicado ao local, que conta com auditório de 120 lugares, foyer, espaço cênico a céu aberto e um prédio anexo. O pátio interno tem jardins do paisagista Roberto Burle Marx.

Localizada na Praia de Iracema, em um dos mais famosos pontos turísticos da cidade, a ponte de 120 m de comprimento é ponto de observação de golfinhos, sendo bastante usada também para contemplar o pôr do sol.

48 49


Estádio Governador Plácido Castelo

TV Manchete Fortaleza

(Arena Castelão) 1973

1983

José Liberal de Castro,

Oscar Niemeyer

Gerhard Ernst Borman,

Av. Antônio Sales, 2.666

Reginaldo Mendes Rangel

Dionísio Torres

e Marcílio Dias de Luna

#modernismo 1999

R. Alberto Craveiro, 2.901 Castelão #contemporâneo Batizada oficialmente de Governador Plácido Castelo, a Arena Castelão foi reformada, ampliada e modernizada para 2014. Com capacidade para 64.846 pessoas, conta com inovações tecnológicas, como 332 refletores para a iluminação de jogos noturnos e dois placares com telas de LED. O consumo eficiente de água e o melhor desempenho energético são algumas das novidades do estádio em prol da sustentabilidade.

Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

O prédio projetado por Oscar Niemeyer era a sede da extinta TV Manchete na cidade. Atualmente, abriga a Rede TV!. Situado em um dos pontos mais altos e nobres de Fortaleza, tem boa estrutura física, apesar da aparência mal conservada.

Fausto Nilo e Delberg Ponce de Leon Rua Dragão do Mar, 81 Praia de Iracema #modernismo Situado em uma antiga área portuária, o local possui 30.000 m2, contemplados com museus, teatro, anfiteatro, salas de cinema, auditório e planetário. A arquitetura é marcada por linhas arrojadas e possui uma área externa com um jardim de esculturas.

50 51


x6

Paço da Liberdade (Paço Municipal) 1874 Praça Dom Pedro II, s/nº Centro #eclético

Manaus destaca-se pelo patrimônio arquitetônico e cultural construído nos tempos áureos da produção de borracha, com numerosos templos, palácios, museus, teatros, bibliotecas e universidades.

O prédio abriga a Prefeitura Municipal de Manaus. Dividido em três seções, apresenta características neoclássicas, com fachada em estilo greco-romano. Na parte central, há um pórtico com duas colunas e duas pilastras em estilo toscano, ornamentado pelo escudo de Manaus.

52 53


Igreja da Matriz

Mercado Municipal Adolpho Lisboa

Teatro Amazonas

Palácio da Justiça

1878

1883

1896

1900

Praça Oswaldo Cruz, s/nº

Gustave Eiffel e Bakus & Brisbin

Gabinete Português de Engenharia

Av. Eduardo Ribeiro, 833

Centro

R. dos Barés, 46

e Arquitetura de Lisboa

Centro

#neoclássico

Centro

R. Tapajós, 05

#neoclássico

#eclético

Centro #neoclássico #eclético

A Matriz de Nossa Senhora da Conceição é a primeira igreja da cidade. Com estrutura caracterizada por linhas retas em estilo neoclássico, suas escadarias assemelham-se a uma lira. Grande parte de seu material foi trazido da Europa, principalmente de Portugal.

Localizado no centro de Manaus, o Mercado Municipal é uma réplica do mercado Les Halles, de Paris, e leva a assinatura de Gustave Eiffel, mesmo arquiteto da Torre Eiffel e da Estátua da Liberdade. Com estrutura em ferro fundido, sustentada por 28 colunas, tem vitrais coloridos e segue o estilo art nouveau.

Embora a pedra fundamental desta obra tenha sido lançada em 1884, o Teatro foi inaugurado apenas 12 anos depois, ainda sem estar totalmente concluído. Sua construção demandou arquitetos, construtores, pintores e escultores, muitos dos quais vindos da Europa. Marca da arquitetura, a cúpula evoca a bandeira do Brasil, sendo composta por 36 mil peças francesas de escamas em cerâmica esmaltada e telhas vitrificadas. O luxuoso Salão Nobre apresenta estilo barroco, com pintura do italiano Domenico de Angelis no teto. Nas colunas do pavimento térreo, ornamentos prestam homenagem a dramaturgos e compositores clássicos.

Inspirado na arquitetura do II Império francês e do neoclassicismo inglês, o prédio segue o estilo eclético, com a mistura de vários ornamentos. O interior barroco contrasta com a fachada sóbria, na qual foi inserida a estátua de deusa grega da Lei e da Justiça, de olhos desvendados (nas representações tradicionais, estão vendados). Atualmente, o edifício abriga um Centro Cultural.

54 55


Palácio do Rio Negro

Alfândega e Guardamoria

Centro Cultural Usina Chaminé

Arena da Amazônia

1903

1906

1910

2014

Henri Joseph Moers

Manaos Harbour Limited

Av. Lourenço da Silva Braga, s/nº

Ralph Amann

Av. 7 de Setembro, 1.546

R. Marquês de Santa Cruz, s/nº

Centro

Av. Constantino Nery, s/nº

Centro

Centro

#eclético

Chapada

#eclético

#eclético

Com arquitetura eclética, a antiga residência do comerciante de borracha alemão Waldemar Scholz foi transformada em centro cultural pelo governo do Amazonas, em 1997. A decoração traz mobiliário em estilo manuelino, português, inglês e imperial, além de peças em estilo oriental e art nouveau.

Em estilo eclético, os prédios possuem elementos medievalistas e renascentistas. Construídos por uma firma inglesa, seguem o modelo dos edifícios londrinos do início do século XX, com blocos de tijolos aparentes e pré-montados.

#contemporâneo Originalmente construído para sediar a estação de tratamento de esgotos de Manaus, que nunca chegou a funcionar. Tombado em 1988, o prédio foi reformado e transformado em centro cultural. Com características neorrenascentistas, seu nome deriva da chaminé de 24 m, que se destaca na paisagem urbana.

Com arquitetura inspirada na Floresta Amazônica, o estádio tem capacidade para 44,5 mil torcedores. Seu desenho remete a um cesto de palha indígena. A cobertura com membrana de politetrafluoretileno translúcida branca ajuda a diminuir a temperatura interna do estádio. Dentre as soluções sustentáveis, estão sistema de aproveitamento de água da chuva, estação de tratamento de esgoto e ventilação natural para redução do consumo de energia.

56 57


O grande destaque de Natal é o Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte, que conta com projeto arquitetônico de Oscar Niemeyer.

Ponte Newton Navarro

Parque da Cidade Dom Nivaldo Monte

Arena das Dunas

2007

2008

2013

Mario de Miranda

Oscar Niemeyer

Populous

Sobre o Rio Potengi

Av. Prudente de Morais, 8.981

Av. Prudente de Morais, 5.121

#contemporâneo

Candelária

Lagoa Nova

#modernismo

#contemporâneo

Reaberto em 2014, o parque de 64 ha conta com uma estrutura moderna de Oscar Niemeyer, como o monumento com 45 m de altura, que forma o memorial e mirante. Trata-se da única obra do arquiteto na cidade.

Com 77.783 m2 de área construída e capacidade para 42 mil pessoas, a arena multiuso é um dos estádios com o desenho mais inusitado do país, inspirando-se nas dunas. Sustentável, seu projeto aposta em reutilização de água da chuva e uso de energia solar, além de materiais de baixa manutenção.

A Ponte Estaiada possui cerca de 1,8 km de extensão, passando sobre o Rio Potengi e ligando a Zona Norte à Zona Leste de Natal. Possui 500 m sustentados por cabos de aço presos a dois blocos centrais de 110 m de altura. A iluminação é do tipo cênica.

58 59


x3 x3

x7

Praça da Alfândega 1858 Praça da Alfândega A arquitetura de Porto Alegre, como acontece com outras cidades atuais, mas dotadas de alguma história, é um mosaico de estilos antigos e modernos. Hoje, Porto Alegre divide sua atenção entre a preservação do seu patrimônio histórico e a renovação de sua paisagem urbana com exemplares significativos de arquitetura contemporânea, fazendo face aos desafios de crescimento de uma das maiores capitais do Brasil.

Centro Histórico #eclético Com paisagismo de inspiração francesa e desenho geométrico, a histórica Praça da Alfândega surgiu com o núcleo inicial da cidade. Possui diversos monumentos e esculturas em seus recantos. Na época de sua construção, a praça fazia parte de um conjunto que compunha a porta de entrada da cidade.

60 61


Mercado Público Municipal

Chalé da Praça XV

Confeitaria Rocco

Casa de Cultura Mario Quintana

1869

1885

1912

1918

Frederico Heydtmann

Praça 15 de Novembro, 01

Salvador Lambertini

Theodor Wiederspahn

Largo Jornalista Glênio Peres, s/nº

Centro Histórico

R. Riachuelo, 1.618

Rua dos Andradas, 736

Centro Histórico

#eclético

Centro

Centro

#eclético

#eclético

Local privilegiado dos encontros da sociedade gaúcha, o prédio centenário tem estrutura mista de alvenaria de tijolos de barro e vigamento de ferro. Com 1.560 m2 distribuídos em quatro pavimentos, contém fachadas harmoniosas com sacadas e balcões em ferro trabalhado. As esquadrias externas continuam originais.

Primeiro grande edifício de Porto Alegre a utilizar concreto armado, possui dois blocos interligados por passarelas suspensas sobre a via pública. Projetado pelo arquiteto alemão Theodor Alexander Josef Wiederspahn, antes de se tornar espaço cultural nele funcionava o Hotel Majestic.

#neoclássico

Em estilo eclético, tendo sido construído originalmente em neoclássico, o edifício passou por um período extenso de restauração, entre 1990 e 1997. O projeto de reforma recebeu o Prêmio da 3ª Bienal Internacional de Arquitetura, na categoria Patrimônio Histórico. Atualmente, passa por obras de recuperação, em decorrência do incêndio que destruiu parcialmente parte do prédio histórico.

Ponto de encontro da boemia gaúcha, o local funciona atualmente como restaurante. Construído em estrutura de aço desmontável, madeira e vidro, seu projeto segue o estilo eclético, com elementos art nouveau.

62 63


Palácio Piratini

Centro Cultural Usina do Gasômetro

Cine Theatro Capitólio

Santander Cultural

1921

1928

1928

1931

Maurice Gras

Av. Presidente João Goulart, 551

Domingos Rocco

Theo Wiederspahn

Praça Marechal Deodoro, s/nº

Centro

R. Demétrio Ribeiro, 1.085

R. 7 de Setembro, 1.028

Centro Histórico

#industrial

Centro Histórico

Centro Histórico

#eclético

#eclético

Atualmente em restauração, o edifício é Patrimônio Histórico do Município de Porto Alegre (1995) e do Estado do Rio Grande do Sul (2007). Em estilo eclético, a fachada e os espaços internos são ricos de ornamentos em relevo. É constituído por um bloco de esquina avantajado, tripartido, com uma entrada maior centralizada e outras menores nas laterais, protegidas sob projeções decoradas com frisos em motivos florais.

O edifício em estilo eclético combina elementos neoclássicos, art nouveau e barroco-rococó. Com 5.600 m2, foi sede de várias instituições bancárias. A partir de 2000, foi restaurado e adaptado para centro cultural. Constituído por cinco pavimentos e um subsolo, seu interior possui pé-direito de mais de 12 m e três imensas claraboias. Na fachada, destacam-se as grandes colunas lisas de capitéis coríntios.

#neoclássico Dado como concluído apenas em 1970, quase 50 anos após sua edificação, o palácio é a atual sede do Poder Executivo do Rio Grande do Sul. Com arquitetura predominantemente neoclássica, possui duas esculturas representativas da Agricultura e da Indústria na fachada, feitas pelo francês Paul Landowski, autor da estátua do Cristo Redentor, no Rio de Janeiro.

Atualmente, este prédio de cinco andares é um grande centro cultural. Foi construído para a produção de energia elétrica à base de carvão mineral, tendo sido uma das primeiras edificações em concreto armado do Rio Grande do Sul. O complexo arquitetônico de 18.000 m2 recebeu esse nome devido à proximidade da Usina de Gás, o Gasômetro.

64 65


Parque da Redenção

Edifício Floragê

Palácio da Justiça

Estádio José Pinheiro Borda (Estádio Beira-Rio)

1935

1963

1968

1969 / 2012

Alfred Agache

David Libeskind

Luís Fernando Corona

Ruy Tedesco e

Av. João Pessoa, s/nº

R. 24 de Outubro, 997

e Carlos Maximiliano Fayet

Bom Fim

Independência

Praça Marechal Deodoro, 55

Av. Padre Cacique, 891

#militar

#modernismo

Centro Histórico

Praia de Belas

#modernismo

#contemporâneo

Primeiro palácio moderno construído em Porto Alegre, seu projeto foi escolhido por meio de concurso, vencido pelo arquiteto Luís Fernando Corona e o acadêmico Carlos Maximiliano Fayet. Inspirada em Le Corbusier, sua arquitetura é marcada por planta e fachada livres, estrutura independente, terraço-jardim e janelas longitudinais.

A modernização do tradicional estádio gaúcho chama atenção, principalmente, pela cobertura em estrutura metálica, com membrana confeccionada em politetrafluoretileno. A arquibancada foi reformada para estar mais próxima do gramado, com capacidade para 50 mil pessoas, podendo ser estendida para até 56 mil. No quesito sustentabilidade, reaproveita a água da chuva para irrigação, limpeza e uso em sanitários.

Conhecido como Parque Farroupilha, foi implementado em 1935, com anteprojeto de ajardinamento do arquiteto urbanista Alfred Agache, que criou um passeio, o grande lago e o parque como um todo. Atualmente, possui 40 ha e é patrimônio ambiental de Porto Alegre.

Assinado pelo renomado arquiteto paulista David Libeskind, o edifício está localizado em uma área nobre da capital gaúcha. Com apenas um apartamento por pavimento, de grande dimensão, cada fachada possui uma característica diferente, que distingue os setores de cada morada.

Hype Studio Arquitetura (reforma)

66 67


Residência Leo Dexheimer

Centro Administrativo do Estado

Anfiteatro Pôr do Sol

Fundação Iberê Camargo

1972

1987

2000

2008

Carlos Eduardo Dias Comas

Charles René Hugaud, Ivanio Fontoura

Av. Edwaldo Pereira Paiva, s/nº

Álvaro Siza Vieira

R. Bororó, 710

e Leopoldo Constanzo

Praia de Belas

Av. Padre Cacique, 2.000

Assunção

Av. Borges de Medeiros, 1.501

#pós-modernismo

Cristal

#eclético

Praia de Belas

#pós-modernismo

#modernismo Destinada ao artista plástico Leo Dexheimer e sua família, a casa tem a predominância da alvenaria de tijolos, na qual a abóbada é o principal elemento compositivo. Linhas retas, curvas e diagonais marcam as relações geométricas entre planta e elevação. Em bom estado de conservação, substituiu a cor branca original pela amarela.

Também chamado de Centro Administrativo Fernando Ferrari, em homenagem ao economista e político de mesmo nome, o prédio está localizado no Largo dos Açorianos. Em forma de pirâmide, abriga diversas secretarias e outros órgãos da administração pública estadual.

Dedicado a espetáculos e eventos a céu aberto e gratuitos, situa-se no Parque Maurício Sirotsky Sobrinho, na orla do Lago Guaíba. Tem capacidade para cerca de 70 mil pessoas. Recebeu diversos shows durante os Fóruns Sociais de Porto Alegre no início dos anos 2000.

Criada em 1995 pela viúva do artista gaúcho Iberê Camargo, a fundação tem o objetivo de preservar e divulgar sua obra. Projetado pelo arquiteto português Álvaro Siza Vieira, o espaço inaugurado em 2008 recebeu o Leão de Ouro na Bienal de Arquitetura de Veneza, em 2002. Com área total de 8.250 m2, é a primeira construção no Brasil a utilizar concreto branco aparente, armado em toda a sua extensão, dispensando o uso de tijolos ou elementos de vedação.

68 69


Além do belo casario colonial, Recife tem prédios assinados por grandes arquitetos como Acácio Gil Borsoi, Delfim Amorim e Oscar Niemeyer. É terra do Cobogó, um elemento vazado inventado no século XX

x2

Mercado São José

Edifício Califórnia

1875

1953

Louis Lieuthier

Acácio Gil Borsoi

Praça Dom Vital, s/nº

R. Artur Muniz, 82

São José

Boa Viagem

#neoclássico

#modernismo

Trata-se do mais antigo mercado público do Brasil e primeiro edifício pré-fabricado em ferro no país. Inspirado no mercado público de Grenelle, em Paris, conta com a mesma estrutura neoclássica dos mercados europeus do século XIX.

Um dos marcos da arquitetura moderna em Pernambuco, na época de sua construção era o arranha-céu mais alto de Recife, com 19 pavimentos. Os dois primeiros andares do prédio são ocupados por 18 lojas, além de uma padaria e um teatro.

70 71


Edifício Holiday

Edifício Acaiaca

Parque Dona Lindu

Itaipava Arena Pernambuco

1957

1958

2011

2013

Joaquim Rodrigues

Delfim Amorim

Oscar Niemeyer

Daniel Fernandes

R. Salgueiro, 73

Av. Boa Viagem, 3.232

Rua Setúbal, 1.139

Av. Deus É Fiel, 01

Boa Viagem

Boa Viagem

Boa Viagem

Penedo - São Lourenço da Mata

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#contemporâneo

Com formato de meia-lua, é um dos ícones da arquitetura moderna na capital pernambucana. Possui 416 apartamentos e pé-direito alto, com sete colunas de 36 m de profundidade para sustentação.

Ícone da arquitetura pernambucana moderna, o prédio multifamiliar assinado pelo arquiteto português Delfim Amorim é referência na Avenida Boa Viagem. Com paredes externas revestidas em azulejo, adotou peitoris ventilados como solução para o clima da cidade.

Localizado no prestigiado bairro de Boa Viagem, o projeto conta com teatro, galeria e complexo de lazer, com quadra poliesportiva, ciclovia, pistas para cooper e skate e parque infantil. Possui também um pavilhão para exposições e restaurante.

Construído em São Lourenço da Mata, na região metropolitana de Recife, destaca-se pela acústica elaborada e por um desenho que proporciona maior proximidade entre os espectadores e o campo. Com padrão internacional, a arena tem capacidade para 46 mil pessoas e perfil multiuso. Dentre as soluções tecnológicas adotadas, utiliza geradoras alimentadas a gás para prover água aquecida.

72 73


O Rio de Janeiro é onde surge a Escola Carioca, nome pelo qual parte da produção moderna da arquitetura brasileira é comumente identificada pela historiografia. Trata-se originalmente da obra produzida por um grupo radicado no Rio de Janeiro, que, com a liderança intelectual de Lúcio Costa (1902-1998) e formal de Oscar Niemeyer (1907-2012), cria um estilo nacional de arquitetura moderna: uma espécie de brazilian style, que se dissemina pelo país entre os anos 1940 e 1950, contrapondo-se ao international style, hegemônico até os anos 1930.

x4 x9

x9

Museu Histórico Nacional 1603 Archimedes Memória e Francisque Cuchet, dentre outros Praça Marechal Âncora, s/nº Centro #neocolonial Situada em um ponto estratégico para a defesa da cidade, a Fortaleza de Santiago foi uma de suas primeiras edificações sob o controle português. Posteriormente, o prédio transformou-se em Arsenal de Guerra e na prisão do Calabouço. Atualmente, porém, restam apenas as fundações desses edifícios. Após uma grande reforma e outros usos, o local foi utilizado, em 1922, para sediar o Palácio das Grandes Indústrias da Exposição Internacional, em celebração ao Centenário da Independência. Naquele mesmo ano, o Museu Histórico Nacional foi inaugurado, e atualmente ocupa 3 mil m², onde são realizadas exposições permanentes que abrangem diversos períodos da História do Brasil, com acervo de cerca de 300 mil itens. 74 75


Paço Imperial

Museu Nacional/UFRJ

Teatro Carlos Gomes

Ilha Fiscal

1743

1803

1872

1889

José Fernandes Pinto Alpoim

Manoel da Costa, John Johnson,

Praça Tiradentes, s/nº

Adolfo Morales de los Rios

Praça 15 de Novembro, 48

Pedro José Pézerát, Porto Alegre,

Centro

Av. Alfred Agache

Centro

Bittencourt da Silva, Theodore Marx

#art déco

Centro

#colonial

e Paula Freitas

#neogótico

Quinta da Boa Vista, São Cristóvão Inicialmente utilizado como Casa dos Vice-Reis do Brasil, tornou-se sede dos governos do Reinado e do Império, após a chegada da corte de D. João VI à cidade e à transformação da colônia em Reino Unido a Portugal e Algarves. Restaurado na década de 1980, atualmente possui elementos originais mesclados a contemporâneos. O primeiro andar do prédio contém a Biblioteca Paulo Santos, com acervo de 6 mil volumes e 200 títulos de periódicos, a maioria especializada em arte e arquitetura luso-brasileiras. O Paço também recebe exposições e eventos culturais.

#neoclássico Conhecido como Paço de São Cristóvão, foi doado a D. João VI quando ele fixou residência no Brasil, em 1808. A partir de então, o edifício sofreu inúmeras adaptações e reformas, tendo sido habitado pela família imperial brasileira até a Proclamação da República (1889). Atualmente, o palácio abriga o Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro, instalado lá desde 1892. Trata-se do maior museu de história natural e antropológica da América Latina. Na área ao redor, funciona o parque da Quinta da Boa Vista e o Jardim Zoológico do Rio de Janeiro.

Um dos teatros mais tradicionais do país, atualmente comporta um público de 760 pessoas. Destacam-se os três foyers em estilo art déco, com piso em pastilhas e escadarias em mármore. Dispõe de dez camarins, sendo cinco individuais, distribuídos em quatro pavimentos.

Inaugurada em 1889 pelo então imperador D. Pedro II, a construção em estilo neogótico foi inspirada nos castelos do século XIV, em Auvergne, na França. Antiga propriedade do Ministério da Fazenda e do Ministério da Marinha, foi restaurada em 2001, recuperando as pinturas decorativas do teto, das paredes e do piso. Na parte externa, voltou a exibir a cor original. Conservamse os salões para exposições, a coleção de vitrais e características como colunas, arcos, florões e símbolos imperiais.

76 77


Museu Nacional de Belas Artes

Theatro Municipal

Cine Odeon

Edifício A Noite

1908

1909

1926

1928

Adolfo Morales de los Rios

Francisco de Oliveira Passos

Ricardo Wriedt e Pablo César Benetti

Joseph Gire e Elisiário da Cunha Bahiana

Av. Rio Branco, 199

Praça Floriano, s/nº

Solange Libman (reforma)

Praça Mauá, 7

Centro

Cinelândia

Praça Floriano, 7

Centro

#eclético

#neoclássico

Cinelândia

#art déco

#eclético Um dos mais importantes museus de arte do Brasil, tem construção eclética, com fachadas em diferentes estilos: a principal, na Avenida Rio Branco, é inspirada na Renascença francesa; as laterais são mais simples, inspiradas na Renascença italiana; a posterior é um exemplo do neoclassicismo, com relevos ornamentais de Edward Cadwell Spruce. A decoração interna traz materiais nobres como mármores e mosaicos, estuques, cristais, cerâmicas francesas e estatuaria.

Localizado no centro da cidade, exerce desde a inauguração um importante papel para a cultura carioca e nacional, recebendo artistas, orquestras e companhias de balé. Com projeto inspirado na Ópera de Paris, foi restaurado ao estilo original e reaberto em 2010, com 219 mil folhas de ouro, 57 toneladas de cobre, 1.500 novas luminárias e mais de cinco mil lâmpadas.

Um dos raros cinemas de rua do Rio de Janeiro, possui uma sala de 600 lugares e um restaurante. É nele que são organizados o Festival do Rio, Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro e Anima Mundi.

Marco arquitetônico da cidade e antiga sede do jornal A Noite e da Rádio Nacional, o edifício utiliza a tecnologia do concreto armado, impulsionando a engenharia brasileira da época. Com 102 m de altura e 22 andares, foi influenciado pelo art déco, especialmente na fachada.

78 79


Edifício-Sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI)

Edifício Gustavo Capanema (Ministério da Educação e Saúde)

Sede do Banco Boavista

Conjunto Habitacional Pedregulho

1939

1945

1946

1947

MMM Roberto

Lúcio Costa, Affonso Reidy, Carlos Moreira,

Oscar Niemeyer

Affonso Reidy

R. Araújo Porto Alegre, 71

Ernani Vasconcellos, Leão, Oscar Niemeyer,

Praça Pio X, 118

R. Marechal Jardim, 450

Centro

Le Corbusier (consultoria)

Centro

São Cristóvão

#modernismo

Rua da Imprensa, 16

#modernismo

#modernismo

Um dos projetos mais importantes de Niemeyer no Rio. Na fachada, há um painel em mosaico, de Paulo Werneck e no interior “A primeira missa no Brasil”, tela de Portinari, pintada no ano da inauguração do edifício.

Localizado no bairro de São Cristóvão, o conjunto habitacional com 328 unidades foi construído sobre pilotis, solução arquitetônica que dribla o declive natural e proporciona vista para a Baía de Guanabara. No ginásio da escola que faz parte do complexo, há um grande painel de azulejos de Cândido Portinari.

Centro Utilizando-se de técnicas pioneiras apresentadas por Le Corbusier, o edifício buscou inspiração na arquitetura moderna. Com 13 andares, foi a primeira construção brasileira com brise-soleil, usado para reduzir o excesso de luz.

#modernismo

O projeto do edifício ensaia a utilização da arquitetura funcionalista de matriz corbuseana no país, além de introduzir novos elementos. Foi construído em um momento no qual o Estado tentava passar uma sensação de modernidade ao país, o que se refletiu no projeto do edifício.

80 81


Edifício Seguradoras

Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã)

1949

1950

MMM Roberto

Daniel Fernandes (reforma)

R.Senador Dantas, 74

R. Professor Eurico Rabelo

Centro

Maracanã

#modernismo

#contemporâneo

Sua principal característica é a curva sinuosa com painéis do artista plástico Paulo Werneck, que introduziu os mosaicos de pastilhas cerâmicas na arquitetura brasileira. O edifício está bem descaracterizado de seu projeto original, com detalhes que foram retirados, como os brises de madeira.

Batizado de Estádio Jornalista Mário Filho, mais popularmente conhecido como Maracanã, foi palco para grandes momentos do futebol brasileiro e mundial. Totalmente remodelado, possui 78 mil lugares e é considerado um dos estádios mais modernos e seguros do mundo. Com formato oval, mede 317 m em seu eixo maior e 279 m no menor, e tem 32 m de altura, equivalente a um prédio de seis andares.

Museu de Arte Moderna (MAM) 1953 Affonso Reidy Av. Infante Dom Henrique, 85 Parque do Flamengo #modernismo #brutalismo

Obra de Affonso Reidy, destaca-se pela verdade estrutural ou brutalismo de sua concepção (utiliza os materiais in bruto). Também merece atenção a composição da sua estrutura, um peristilo moderno, e o térreo livre.

82 83


Parque Eduardo Guinle

Sede do Jockey Clube do Brasil

Banco Aliança

Hospital da Lagoa

1954

1956

1956

1958

Lúcio Costa

Lúcio Costa

Lúcio Costa

Oscar Niemeyer

R. Gago Coutinho, 66

Av. Presidente Antônio Carlos, 501

Praça Pio X, 99

R. Jardim Botânico, 501

Laranjeiras

Centro

Centro

Jardim Botânico

#modernismo

#eclético

#modernismo

#modernismo

Construído na década de 1920 como um palacete neoclássico, numa área de 25 mil m2, hoje abriga a residência oficial do Governador do Estado. Nos anos 1950, foi alvo de um plano de urbanização desenvolvido por Lúcio Costa, então diretor do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, com a inserção de prédios de apartamentos e galerias comerciais com uso de pilotis, cobogós de cerâmica e recuos irregulares. Materiais como pedra, madeira e barro, em contraste com o verde do parque, criam um ambiente de tranquilidade que lembra os conjuntos de superquadras que seriam projetados pelo arquiteto para Brasília, anos depois.

Assinado por Lúcio Costa, foi o primeiro edifício no país a utilizar alumínio anodizado em preto, material aplicado nas janelas. Sua construção emprega janelas de púlpito, tradicionais do barroco, mesmo assim se enquadrando no uso das cortinas de vidro da época.

A linguagem modernista (no coroamento) dialoga com a arquitetura colonial brasileira (com a presença das colmeias e azulejos), resultando em prédio discreto e contido. O térreo foi completamente modificado, não respeitando o desenho original.

O hospital de 10 pavimentos tem paisagismo assinado por Roberto Burle Marx e mural de azulejos externo do artista plástico Athos Bulcão. Os pilotis em “V” ampliam o espaço livre entre os suportes estruturais.

84 85


Edifício Avenida Central

Banco do Estado da Guanabara

Edifício Manchete

Sede da Petrobras

1961

1963-65

1966

1969

Henrique Mindlin

Henrique Mindlin

Oscar Niemeyer

Roberto Luiz Gandolfi, José Sanchotene,

Av. Rio Branco, 156

R. Nilo Peçanha, 175

Rua do Russel, 744 e 766, 804

Abraão Aniz Assad, Luiz Forte Netto,

Centro

Centro

Glória

Vicente de Castro Neto

#modernismo

#modernismo

#modernismo

e José Maria Gandolfi

Primeiro edifício construído em estrutura metálica do Rio de Janeiro, é considerado uma mudança estética na orientação dos arquitetos da cidade, que até então eram influenciados por Le Corbusier, dando espaço a grandes prédios de aço e vidro.

O edifício apresenta vigas horizontais de concreto aparente, tendência da época inspirada no brutalismo corbusiano. Foi construído para ser sede do Banco do Estado da Guanabara e atualmente abriga secretarias do Governo do Estado.

Antiga sede da Rede Manchete, da Revista Manchete e de todos os veículos cariocas da Bloch Editores, o edifício de fachada envidraçada tem 27 mil m² e 12 andares. Foi desativado em 2000 por conta da falência da empresa.

Av. República do Chile, 65 Centro #pós-modernismo Apesar de ter sido construído na década de 1960, possui central de automação e outras soluções que lembram os modernos edifícios inteligentes. Sua arquitetura destaca-se pela volumetria e o hiperracionalismo construtivista.

86 87


Sede do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES)

Centro Cândido Mendes

1974

1977

Alfred Willer, Ariel Stelle,

Harry Cole

Paisagismo da Praia de Copacabana

José Ramalho Jr., José Sanchotene,

Rua da Assembleia, 10

(Avenida Atlântica)

Leonardo Oba, Oscar Mueller

Centro

e Rubens Sanchotene

#pós-modernismo

1970

Av. Chile, 100

Roberto Burle Marx

Centro

Av. Atlântica

#pós-modernismo

Copacabana #modernismo Sob orientação do arquiteto e paisagista brasileiro Roberto Burle Marx, o alargamento da Avenida Atlântica, na década de 1970, resultou na reforma da tradicional calçada de pedras portuguesas, posicionando o desenho das ondas em sentido paralelo ao comprimento da calçada. Para as calçadas internas da orla, o paisagista desenhou formas abstratas.

A fachada de cortinas de vidro é inspirada no nova-iorquino Seagram Building. Uma de suas inovações construtivas é o núcleo de concreto com formas deslizantes. Junto com o Edifício da Petrobras e o do BNH, formava o que a população do Rio de Janeiro apelidou de “Triângulo das Bermudas”, pela falta de clareza da gestão pública durante a ditadura militar.

Inserido em posição de destaque em um local marcado por construções coloniais, o edifício destoa dos tradicionais cartões-postais ao redor da praça XV. Inaugurou na cidade a geração de arranha-céus com pele de vidro.

88 89


Sambódromo da Marquês de Sapucaí

Edifício Rio Branco 1

Museu de Arte Contemporânea de Niterói

Torre Almirante

1984

1988

1996

2005

Oscar Niemeyer

Edison Musa

Oscar Niemeyer

Pontual Associados e

R. Marquês de Sapucaí

Avenida Rio Branco, 1

Mirante da Boa Viagem, s/nº

Robert Stern Architects

Santo Cristo

Centro

Boa Viagem, Niteró

Av. Almirante Barroso, 81

#modernismo

#neogótico

#modernismo

Centro #contemporâneo

Construída com o objetivo de ser um equipamento urbano permanente para os tradicionais desfiles das escolas de samba cariocas, a passarela tem estrutura em peças pré-moldadas de concreto, medindo cerca de 700 m de comprimento.

Em estilo neogótico, o centro empresarial chama atenção pela fachada decorativa simétrica, com arcos monumentais no lugar da cortina de vidro, popular na época. Foi construído no lugar da Casa Mauá.

Assinado por Oscar Niemeyer, o moderno edifício de 16 m de altura destaca-se na paisagem fluminense. A base cilíndrica de 9 m de diâmetro sustenta a cobertura circular de 50 m de diâmetro e área de quase 2 mil m². O visitante é conduzido à entrada do museu por meio de uma sinuosa rampa externa de concreto vermelho, ao longo de 98 m. Na área externa, a leveza é proporcionada por um espelho d’água com 817 m² de superfície e 60 cm de profundidade.

Um dos edifícios mais sofisticados do Rio de Janeiro, possui vidros de última geração, com desempenho termoacústico e lumínico de alta eficiência. Foi construído no lugar do Edifício Andorinha, comprometido após um incêndio em 1986.

90 91


Hospital Sarah Kubitschek 2009

Cidade das Artes

Museu de Arte do Rio (MAR)

2013

2013

Christian de Portzamparc

Paulo Jacobsen, Bernardo Jacobsen

Avenida das Américas, 5.300

e Thiago Bernardes

Barra da Tijuca

Praça Mauá, 5

#pós-modernismo

Centro #contemporâneo

João Filgueiras Lima (Lelé) Av. Embaixador Abelardo Bueno, 1.500 Barra da Tijuca #pós-modernismo Produção caracterizada pela renovação da técnica, pelo compromisso com a economia, pelo diálogo com a natureza, pela elegância da forma, pelo rigor com as funções, pela riqueza dos espaços, pelo respeito, enfim, às exigências essenciais – físicas e psicológicas – do homem contemporâneo. Com o uso de componentes industrializados, as obras dos quatro edifícios Sarah-Rio ficaram prontas em apenas seis meses. Os ambientes contam com terraços com jardins, para banhos de sol dos pacientes. Para garantir o controle da entrada do sol, os espaços são protegidos por coberturas ondulas, com sheds. O projeto ainda buscou a opções pela ventilação natural, comprovadamente eficiente no combate a infecções hospitalares, evitando ambientes herméticos.

O complexo cultural com 87.403 m² de área construída leva a assinatura do arquiteto francês Christian de Portzamparc, representante da arquitetura pós-moderna. Erigido a 10 m do chão, é um espaço amplo e arejado de fomento à cultura, com diversas salas de música, exposições, teatro e cinema.

O complexo do museu se estende por 15 mil m² e possui oito salas de exposições e cerca de 2.400 m², divididos em quatro andares. Seus dois prédios são unidos por meio de uma praça, uma passarela e cobertura em forma de onda, resultando em um conjunto harmônico.

92 93


O Centro Histórico de Salvador, iconizado no bairro do Pelourinho, é conhecido pela sua arquitetura colonial portuguesa, com monumentos históricos que datam do século XVII até o século XIX, e foi declarado como Patrimônio Mundial pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) em 1985.

x10

Catedral Basílica de Salvador

Paço Municipal

1604

1660

Praça 15 de Novembro,

Praça Thomé de Souza, s/nº

Terreiro de Jesus, s/nº Pelourinho

Centro

#seiscentismo

#colonial

Última remanescente do conjunto arquitetônico do Colégio de Jesus, tem planta típica das igrejas luso-brasileiras. A capela-mor está entre duas capelas e corredores que dão acesso à sacristia. A fachada e o interior são revestidos em pedra de lioz, importada de Portugal.

Importante exemplar da arquitetura civil colonial brasileira, sua planta está inserida em torno de um pátio central. A escadaria, com degraus e corrimões de mármore, dá acesso ao Salão Nobre e ao Plenário Cosme de Farias. Recentemente reformado, passou a contar com memorial, que ocupa o andar térreo da ala sul do prédio.

94 95


Solar do Unhão

Pelourinho

Igreja e Convento de São Francisco

Elevador Lacerda

1690/1969

Séc. XVII

1708

1873

Lina Bo Bardi (reforma)

Rua da Ordem Terceira de São Francisco

Rua da Ordem Terceira

Fleming Thiesen

Avenida Contorno, s/nº

Centro Histórico

Pelourinho

Praça Municipal, s/nº

#modernismo

#colonial #barroco

#barroco

Centro Histórico #art déco

Restaurado pela arquiteta italiana Lina Bo Bardi, que assina o projeto do Museu de Arte de São Paulo, este casarão é a sede do Museu de Arte Moderna da Bahia. Inspirada na cultura popular, Lina alterou o espaço interno, demolindo o segundo piso e criando um espaço vazio, onde inseriu uma grande escada de madeira. Na fachada, destacam-se as portas e janelas pintadas de vermelho.

Principal atração turística do Centro Histórico de Salvador, o Pelourinho é constituído por construções dos séculos XVII, XVIII e XIX, recentemente restauradas. Com influências da cultura africana no cotidiano, é composto de ruas estreitas, íngremes e em paralelepípedos.

Com todo o interior coberto em ouro, é uma das mais ricas igrejas do país e importante representante do estilo barroco. A história de São Francisco é narrada em painéis de azulejos e a óleo, enquanto as pinturas homenageiam Nossa Senhora. A nave central é cortada por outra menor, formando uma cruz. Tombada pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), é considerada uma das Sete Maravilhas de Origem Portuguesa no Mundo.

Inaugurado em 1873, foi o primeiro e mais alto elevador urbano do mundo, com 63 m. O estilo art déco da torre foi inspirado na aerodinâmica dos aviões, expressando a velocidade do elevador, que percorria 60 m em apenas 17 segundos. O projeto é do arquiteto dinamarquês Fleming Thiesen.

96 97


Edifício A Tarde

Instituto do Cacau

Estação de Hidroaviões

Edifício Oceania

1924-30

1933-36

1939

1942

E. Kemnitz & Cia

Alexander Buddeus

Ricardo Antunes

Freire & Sodré

Praça Castro Alves, 5

Rua da Espanha, s/nº

Av. Porto dos Tainheiros, 1.704

Av. Oceânica, s/nº

Centro

Comércio

Ribeira

Barra

#eclético

#modernismo

#modernismo

#modernismo

Representante do estilo art déco, a sede do jornal A Tarde possui fachadas com decoração floral estilizada, produzida de forma seriada. Preserva em sua fachada o estilo original, mas suas partes internas sofreram algumas intervenções.

Influenciado pelo expressionismo alemão, este projeto do arquiteto belga Alexander Buddeus tem 16.250 m2, distribuídos em quatro pavimentos com pés-direitos altos. Seu estilo possui poucas aberturas, com linhas retas e quinas arredondadas.

Desde 2003, o local abriga uma marina e uma loja de equipamentos náuticos. Trata-se de um dos primeiros exemplares da arquitetura moderna na cidade, apresentando linhas simples e despretensiosas. O apelo decorativo remete ao art déco.

Com nove pavimentos residenciais, é dividido em dois corpos: um comercial e recreativo, o outro habitacional. Possui influência do estilo art déco e referências náuticas diversas. A construção começou nos anos 30, mas teve de ser paralisada pelo atraso da chegada dos materiais vindos da Europa por causa da Segunda Guerra.

98 99


Teatro Castro Alves

Edifício Suerdieck

Edifício Jequitaia

Complexo Esportivo Cultural Octávio Mangabeira (Arena Fonte Nova)

1957

1958

1961

2013

José Bina Fonyat e

Walfrido dos Santos Luz (engenheiro)

Lev Smarcevski e Emmanuel Berbert

Marc Duwe e Claas Schulitz

Humberto Lemos Lopes

Av. Estados Unidos, 161

R. Engenheiro Oscar Pontes, 220

Ladeira da Fonte das Pedras, s/nº

Praça 2 de Julho, s/nº

Comércio

Calçada

Nazaré

Campo Grande

#modernismo

#modernismo

#contemporâneo

Chama atenção pela borda arrendondada, como uma chaminé ao lado do prédio. A única alteração sofrida desde sua inauguração foi a substituição das antigas esquadrias de madeira por novas de alumínio.

Antiga sede da Petrobras, o prédio contém as características básicas do modernismo, como planta livre, janelas em fita e estética sem muitos adornos. A demanda por instalações maiores foi a responsável pela mudança da sede para o bairro do Itaigara.

Mantendo o formato original de ferradura, que permite montar e desmontar grandes estruturas com facilidade, sem prejudicar o gramado, tem capacidade para 50 mil pessoas. A cobertura é adequada ao clima da cidade, filtrando a luz do sol em até 70%, sem impedir a iluminação natural. Além disso, reutiliza a água da chuva para irrigação do gramado e uso nos sanitários.

#modernismo Criado com a pretensão de ser um dos palcos mais importantes do Brasil, o projeto de arquitetura moderna e ousada recebeu menção honrosa na 1ª Bienal de Artes Plásticas de Teatro em São Paulo. Mantém os valores estéticos e históricos da estrutura existente, sendo um valioso patrimônio cultural.

100 101


x3 x2 x2

x2

x9

x10

x3

x2

Igreja Nossa Senhora da Boa Morte Rua Do Carmo, 202 Sé 1810

São Paulo é onde surgiu a chamada Escola Paulista, arquitetura de base socialista, sendo a mais marcante do século XX. Tem em Vilanova Artigas e em seus seguidores alguns representantes com importância mundialmente reconhecida. A arquitetura moderna, marcada pela racionalidade, pelos materiais industrializados e brutos – concreto e vidro – e pela valorização da função e da estrutura, forma um rico acervo espalhado pela cidade.

#barroco

Primeira igreja a funcionar 24 horas em São Paulo, a Nossa Senhora da Boa Morte foi construída em 1810 e está localizada no centro da cidade, a uma quadra da Praça da Sé. Foi reinaugurada em 2009, após mais de três anos de restauração.

102 103


Estação da Luz

Edifício Vila Penteado

Pinacoteca

Theatro Municipal

(FAU-Maranhão)

1901

1902

1905

1911

Charles Henry Driver (projeto atual)

Carlos Ekmam

Francisco de Paula Ramos de Azevedo

Francisco de Paula Ramos de Azevedo e os

Av. Prestes Maia, 925

R. Maranhão, 88

e Domiciano Rossi (original)

italianos Cláudio Rossi e Domiziano Rossi

Centro

Higienópolis

Paulo Mendes da Rocha (reforma)

Praça Ramos de Azevedo, s/nº

#eclético

#art nouveau

Praça da Luz, 2

República

Luz

#neoclássico

#neoclássico

Localizada no Jardim da Luz, a estação possui 7,5 mil m2 e integra a rede de transportes sobre trilhos da Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM). Inspiradas no Big Ben e na Abadia de Westminster, suas estruturas foram trazidas da Inglaterra. Atualmente, abriga também o Museu da Língua Portuguesa, inaugurado em 2006.

Trata-se de um palacete construído no início do século XX para abrigar a família do comendador Antonio Álvares Penteado, poderoso fazendeiro de café empenhado na industrialização paulista. A Vila Penteado foi doada à Universidade de São Paulo no final da década de 1930, com o fim específico de abrigar uma Faculdade de Arquitetura. O próprio edifício era considerado, desde seu projeto, como uma obra de arte, de autoria do arquiteto sueco Carlos Ekmam.

Após a reforma conduzida por Paulo Mendes da Rocha na década de 1990, tornou-se uma das mais dinâmicas instituições culturais do país, integrando-se ao circuito internacional de exposições com a promoção de eventos culturais diversos e uma ativa produção bibliográfica.

Cenário de um dos movimentos culturais mais marcantes do Brasil, a “Semana de Arte Moderna de 22”, o Theatro Municipal tem arquitetura inspirada na Ópera de Paris, sendo que o exterior remete aos estilos renascentista e barroco. Em 2011, ano de seu centenário, o edifício foi totalmente restaurado e o palco, modernizado.

104 105


Casa Modernista

Casa Modernista

1928

1930

Gregori Warchavchik

Casa Modernista

R. Santa Cruz, 325

R. Itápolis, 964

Vila Mariana

Consolação

#modernismo

#modernismo

Entre as casas modernistas, esta foi a primeira de São Paulo. Era tão fora do comum o seu desenho na época que, para conseguir aprovação da prefeitura para a construção, o arquiteto teve de colocar ornamentos em sua fachada – mas não utilizou nenhum, alegando falta de recursos para a conclusão. Esta casa foi feita para o próprio arquiteto morar e utiliza uma arquitetura tipicamente moderna. A residência acabou virando um museu que pode ser visitado gratuitamente.

Uma das primeiras manifestações da arquitetura moderna no Brasil, a pequena casa segue princípios funcionais como não ter corredores para otimizar o espaço. Ficou em exposição de 26 de março a 20 de abril de 1930, contribuindo para a assimilação da nova estética pela opinião pública da época.

Mercado Municipal 1933 Francisco de Paula Ramos de Azevedo Rua da Cantareira, 306 Luz #neoclássico Importante centro de abastecimento e lazer, oferece grande variedade de produtos, desde hortifrutigranjeiros até algumas especiarias nele encontradas exclusivamente. Possui dois andares, nos quais estão distribuídos seus 12,6 mil m2.

106 107


Estação Júlio Prestes

Vila América

Edifício do Antigo Banco de São Paulo

Jockey Club de São Paulo

1938

1938

1938

1941

Christiano Stockler das Neves

Flávio de Rezende Carvalho

Álvaro de Arruda Botelho

Elisiário da Cunha Bahiana

Praça Júlio Prestes, 148

Alameda Lorena, 1.257

Rua 15 de Novembro, 347

Av. Lineu de Paula Machado, 1.263

bairro

Bela Vista

Centro

Cidade Jardim

#eclético

#modernismo

#art déco

#art déco

Inspirada nas estações Grand Central e Pennsylvania, ambas nos Estados Unidos, sua plataforma é feita com estruturas metálicas do Hangar do Zeppelin, no Rio de Janeiro. Desde 1999, abriga a sede da Orquestra Sinfônica do Estado de São Paulo. Para isso, o grande hall foi transformado em uma moderna sala de concertos, batizada de Sala São Paulo, e as demais dependências, em escola de música.

Um projeto ousado que propõe uma visão diferente de moradia para uma região cercada por prédios. As casas possuem dois ou três andares e suas fachadas variam, algumas voltadas para fora, outras voltadas para dentro, onde uma rua corta o quarteirão. As fachadas das casas voltadas para a Alameda Lorena perderam suas características originais com a ocupação pelo comércio.

Um símbolo de seu tempo, o grande prédio se insere no cenário cosmopolita da cidade durante a era das grandes estruturas no centro de São Paulo. É um dos mais importantes patrimônios art déco preservados na cidade.

Inaugurado em 1941, contém diversas obras de arte dentro do prédio e em suas fachadas (a maioria relacionada a cavalos). Tipicamente art déco, sua estrutura possui diversos pontos vazados, com grandes vãos transparentes. A localização da arquibancada possibilita uma visão não só das corridas, mas também de uma grande parte da cidade de São Paulo.

108 109


Instituto Biológico

Edifício Louveira

Edifício Altino Arantes

Casa de Vidro

1945

1946

1947

1951

Mário Whately

João Batista Vilanova Artigas

Plínio Botelho do Amaral

Lina Bo Bardi

Av. Conselheiro Rodrigues Alves, 1.252

e Carlos Cascaldi

Rua João Brícola, 24

R. General Almério de Moura, 200

Vila Mariana

Praça Vilaboim, 144

Centro

Morumbi

#art déco

Pacaembu

#art déco

#modernismo

Inspirado no Empire States norteamericano, foi por muito tempo o prédio mais alto da cidade (em 2011 ainda era o terceiro) com 161,22 m, contando a antena no topo. Hoje, mesmo com a profusão de prédios desde sua fundação, ainda se destaca no skyline paulistano sendo um dos cartões-postais da cidade.

Antiga residência da arquiteta Lina Bo Bardi e seu marido, Pietro Maria Bardi, a Casa de Vidro é um marco da arquitetura paulistana. Como o próprio nome sugere, a residência construída em terreno de 7.000 m2 integra-se ao paisagismo ao redor graças às paredes de vidro, que constituem três de suas faces. Situada em declive e sustentada por pilares, possui um volume único e horizontal. Atualmente, abriga o Instituto Bardi.

(Edifício do Banespa ou Banespão)

#modernismo A construção começou em 1928 e foram utilizados materiais requintados do Brasil e de fora. Um dos prédios mais representativos do estilo art déco no país. A área tombada pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo (Condephaat) é de 122 mil m2.

Neste projeto residencial, os arquitetos João Batista Vilanova Artigas e Carlos Cascaldi propuseram uma solução incomum para a fachada, voltada para um jardim no meio dos dois prédios (um de sete e outro de seis andares). Este espaço é quase uma extensão da Praça Vilaboim, com uma pequena grade separando o jardim da calçada. O conjunto foi construído em 1946. “Nessa época eu participava ativamente como militante do Partido Comunista, desenvolvendo uma prática leninista”, disse Artigas sobre o Louveira.

110 111


Fundação Maria Luiza e Oscar Americano

Pavilhão Padre Manoel da Nóbrega

Edifício Montreal

Edifício Triângulo

(Palácio das Nações, Museu Afro Brasil) 1953

1953

1954

1955

Oswaldo Bratke

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Oscar Niemeyer

Av. Morumbi, 4.077

Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 10

Av. Ipiranga, 1.284

Rua José Bonifácio, 24

Morumbi

Parque Ibirapuera, Moema

República

Centro

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

Antiga residência do engenheiro Oscar Americano e sua família, a casa foi transformada em fundação e doada ao município de São Paulo em 1974, junto com uma coleção de obras de arte e o extenso parque, que abriga principalmente espécies nativas da flora brasileira, como sibipirunas, pau-ferro, pau-brasil e jacarandás.

Dentro do Parque Ibirapuera, o único prédio com visitação interna garantida é o Pavilhão Manuel da Nóbrega, local da primeira Bienal de São Paulo e hoje ocupado pelo Museu Afro Brasil. É uma oportunidade de conhecer as obras de Niemeyer por dentro, com suas típicas formas e curvas.

Primeira obra projetada por Niemeyer em São Paulo, em 1950. O arquiteto usa aqui o brise horizontal para proteção do sol, solução que seria utilizada também no Copan, seu prédio mais conhecido na cidade.

Um dos primeiros trabalhos de Niemeyer na cidade, se encaixa harmoniosamente nos quarteirões de grandes edifícios do centro. Logo em sua entrada, é possível ver um painel de Di Cavalcanti. Projetado em 1953 e 1954, era para ser envolto por três tipos de vidro. Porém, a prefeitura não aprovou e o projeto final foi distorcido. Finalizado sem controle, o Triângulo ficou deformado e distante do projeto original do arquiteto.

112 113


Edifício Califórnia

Edifício Eiffel

Conjunto Nacional

Edifício Pauliceia

1955

1956

1956

1956

Oscar Niemeyer e Carlos Lemos

Oscar Niemeyer

David Libeskind

Jacques Pilon e Giancarlo Gasperini

Rua Barão de Itapetininga, 255

Praça da República, 177

Av. Paulista, 2.073

Av. Paulista, 960

República

República

Jardim Paulista

Bela Vista

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

A Galeria Califórnia foi projetada em 1951 e já foi considerada um dos locais mais charmosos da cidade. A sustentação em V, polêmica na época, tornou-se uma das principais características da obra do arquiteto. A passagem pelo meio do prédio se integra com a cidade, tornando-se um espaço público. Seu saguão conta com um painel em mosaico de Cândido Portinari.

O desenho do prédio lembra um livro em pé e serve de homenagem à Escola Normal Caetano de Campos, em frente à praça. A existência de apartamentos duplex, uma novidade na época, diferenciava o Eiffel. Possui um misto de moradia e comércio, assim como o Copan, inaugurado uma década mais tarde.

Um dos primeiros grandes edifícios modernos de São Paulo. O empresário argentino José Tjurs comprou a mansão que ficava no quarteirão em 1952, com o intuito de construir o Conjunto Nacional. Até então, a região da Paulista era praticamente só residencial. O prédio tem esta utilidade, mas também empresarial, comercial e de lazer, simulando uma minicidade. O edifício tem características públicas, ao permitir uma travessia entre as ruas, levando a calçada para dentro do complexo. Uma escada circular leva até um terraço com jardim e uma cúpula central.

Marco da arquitetura moderna em São Paulo, o prédio simboliza a transição da avenida dos casarões para a dos espigões. No projeto original, era aberto tanto para a Avenida Paulista quanto para a rua São Carlos do Pinhal.

114 115


Pavilhão Ciccillo Matarazzo (Bienal)

Planetário Aristóteles Orsini

Edifício Lausanne

Edifício Bretagne

1957

1957

1958

1959

Oscar Niemeyer

Eduardo Corona, Roberto G. Tibau

Adolf Franz Heep

João Artacho Jurado

Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3

e Antônio Carlos Pitombo

Avenida Higienópolis, 101

Av. Higienópolis, 938

Parque Ibirapuera, Moema

Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 3

Higienópolis

Higienópolis

#modernismo

Parque Ibirapuera, Moema

#modernismo

#eclético

É um conjunto de dois prédios idênticos com um jardim comum na frente. As janelas são revestidas com lâminas que quebram o sol, possibilitando um melhor controle da luz. Na fachada que divide os dois prédios encontra-se uma pintura de Clóvis Graciano. O arquiteto – que também foi responsável pelo Edifício Itália – criou vários prédios de habitação coletiva. Seus desenhos se caracterizam pela arquitetura moderna padrão, com linhas simples, quase industriais.

No Edifício Bretagne, percebe-se que não é só a forma e a função que fazem parte de um projeto arquitetônico. Artacho Jurado andava na contramão da arquitetura moderna que se implantava na cidade no meio do século XX. Ele construiu vários prédios com muitos ornamentos e cores, elementos pouco valorizados na época. O Bretagne, inaugurado em 1959, foi o primeiro edifício da cidade a contar com piscina. Vagas extras nas garagens foram projetadas pelo arquiteto, no intuito de serem alugadas para moradores da vizinhança, diminuindo assim o custo do condomínio de quem morava no prédio.

#modernismo O Ibirapuera foi inaugurado em 1954, nas comemorações dos 400 anos da cidade. Projetado três anos antes, o parque conta com uma marquise de desenho suave ligando todos os edifícios. Ao todo, são cinco construções de Niemeyer no local, além da própria marquise. Dentro da Oca existem três estrelas de cinco pontas que se sobrepõem. Este mesmo formato em semicírculo do prédio foi adotado no Congresso Nacional em Brasília. O Auditório foi o último a ser inaugurado, em 2004. A parede traseira do prédio pode ser aberta, possibilitando que os shows sejam vistos não só da plateia, mas também do gramado do parque. Na entrada do prédio, há uma obra de Tomie Ohtake.

O Planetário do Ibirapuera foi o primeiro a ser instalado na América Latina. Reforma de 2006 instalou projetores de última geração, da empresa alemã Carls Zeiss. É um patrimônio histórico, científico e cultural da cidade, tombado pelo Conselho Municipal de Tombamento e Preservação do Patrimônio Histórico, Cultural e Ambiental da Cidade de São Paulo (Conpresp) e pelo Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado (Condephaat).

116 117


Shopping Center Grandes Galerias

Edifício Sul-Americano

(Galeria do Rock) 1963

1963

Alfredo Mathias

Rino Levi

Av. São João, 439

Av. Paulista, 1.948

República

Bela Vista

#modernismo

#modernismo

Inaugurado em 1963, ele recebe diversas tribos em seus andares. Ligado à cena musical, seu desenho abre um espaço no meio da calçada, trazendo a cidade para dentro do prédio e o prédio para dentro da cidade. Esta característica brasileira das galerias – o uso público de espaços privados – difere das europeias, inspiração de vários destes espaços em São Paulo. O arquiteto foi uma figura polêmica, que enriqueceu e faliu várias vezes, sendo responsável também pelo desenho do primeiro shopping center do país (Shopping Iguatemi).

Composto por dois blocos, um horizontal, com cinco andares, que ocupa toda a área do terreno, e outro vertical com vinte andares. Destaca-se o terraço-jardim, projetado por Burle Marx. O conjunto é separado em seu exterior, mas por dentro é unificado.

Edifício Copan 1966 Oscar Niemeyer Av. Ipiranga, 200 República #modernismo Talvez o cartão-postal mais conhecido de São Paulo, o Copan foi projetado em 1951. Seu formato em S contrasta com a malha quadriculada da cidade. As dependências dividem apartamentos residenciais de vários tamanhos, lazer e comércio. O brise horizontal, já utilizado no Edifício Montreal, divide a visão dos apartamentos em três seções, cada uma oferecendo um recorte da paisagem. Seus números impressionam tanto quanto seu desenho: são 115 m de altura, 35 andares, além de dois subsolos e cerca de dois mil moradores em 1.160 apartamentos. É considerado o maior edifício residencial da América Latina. 118 119


Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand (Masp)

Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo (FAU-USP)

Casa Bola

Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp)

1968

1969

1979

1979

Lina Bo Bardi

João Batista Vilanova Artigas

Eduardo Longo

Rino Levi e Paulo Mendes da Rocha

Av. Paulista, 1.578

Rua do Lago, 876

Rua Amauri, 352

Av. Paulista, 1.313

Bela Vista

Cidade Universitária

Jardim Europa

Cerqueira César

#modernismo

#modernismo

#modernismo

#modernismo

O bloco suspenso no meio da Avenida Paulista causa espanto. O vão livre tem 74 m, considerado na época o maior do mundo. A estrutura abre um caminho no meio da calçada, transformando a área abaixo do museu em uma praça e preservando a visão para o centro da cidade. Mas o museu não é somente a estrutura suspensa. Existem pisos no subsolo. Por causa do terreno inclinado, esta estrutura não é totalmente subterrânea e possui janelas para a Avenida 9 de Julho. Inaugurado em 1968, é considerado a obraprima da arquiteta Lina Bo Bardi e um dos maiores símbolos da cidade de São Paulo.

Um marco arquitetônico que prova o reconhecimento da FAU-USP a um de seus mais renomados ex-alunos. Os pilares do lado de fora do prédio causam uma ilusão de que o concreto está sendo sustentado por uma estrutura fina. Um dos principais formuladores do ensino da arquitetura na cidade, Artigas faz do prédio uma aula em cada andar.

A estrutura esférica de 8 m de diâmetro chama atenção em meio às tradicionais construções do bairro. Revestida com placas de alumínio, a fachada remete à chegada do homem à Lua. Com três andares, a casa de 135 m² de piso é a residência do arquiteto que a projetou na década de 1970, Eduardo Longo.

Uma estrutura pesada no meio da Avenida Paulista, mas um grande símbolo da região. A ousadia de Rino Levi tem a intenção de chocar quem passa por ali. Ninguém deixa de notar o edifício, seja a pé, de carro, na mesma calçada ou do outro lado da rua. A intervenção de Paulo Mendes da Rocha no saguão de entrada do prédio respeitou o desenho original e abriu um espaço expositivo integrado com a calçada da avenida.

120 121


Sesc Pompeia

Centro Cultural São Paulo

Memorial da América Latina

Museu Brasileiro da Escultura (MuBE)

1982

1982

1989

1995

Lina Bo Bardi

Eurico Prado Lopes e

Oscar Niemeyer

Paulo Mendes da Rocha

Rua Clélia, 93

Luiz Benedito de Castro Telles

Av. Auro Soares de Moura Andrade, 664

Av. Europa, 218

Pompeia

Rua Vergueiro, 1.000

Barra Funda

Jardim Europa

#pós-modernismo

Paraíso

#modernismo

#modernismo

Projetado em 1987 e inaugurado em 1989, representa a retomada de obras do arquiteto na cidade. Abriga seis edifícios em 25.210 m² de área construída. A pintura branca do concreto e os vidros escuros unem esteticamente as edificações. Nem mesmo uma avenida consegue separar o conjunto arquitetônico – Niemeyer construiu uma passarela por cima dela, ligando as duas áreas.

Uma enorme viga pode ser vista logo em sua entrada, mas o grande destaque do seu desenho está debaixo da terra. O projeto arquitetônico foi escolhido por meio de concurso fechado e teve início em 1988, sendo inaugurado em 1995. O jardim leva a assinatura de Burle Marx. Paulo Mendes da Rocha venceu o Prêmio Pritzker em 2006.

#pós-modernismo Exemplo de como transformar uma ambiente pesado e fechado em algo de uso comum. Era uma fábrica que foi transformada em área de lazer e cultura, e ainda ganhou prédios anexos. As janelas destas novas estruturas possuem desenhos inusitados, orgânicos, fugindo das formas tradicionais quadriculares. A intervenção da arquiteta no ambiente consistiu até em um pequeno rio que atravessa um dos prédios da antiga fábrica.

Considerado um dos principais espaços culturais da cidade, está localizado na região central e tem ligação direta com a Estação Vergueiro do metrô. Com biblioteca, teatro, salas de cinema, espaço para pequenos concertos, ateliês e área para exposições, tem 46,5 mil m² e um projeto arquitetônico que privilegia a horizontalidade e a fluidez de seus amplos setores.

122 123


Marquise da Galeria Prestes Maia

Hotel Unique

2002

2002

Paulo Mendes da Rocha

Ruy Ohtake

Praça do Patriarca

Av. Brigadeiro Luís Antônio, 4.700

Centro

Jardim Paulista

#contemporâneo

#pós-modernismo

Polêmico projeto que modificou radicalmente a Praça do Patriarca. Seus críticos dizem que a cobertura cobre a visão da igreja e que a sustentação ocupa um espaço importante da praça. Porém, a estrutura flutuante em cima da entrada da Galeria Prestes Maia tem um desenho suave, levando um respiro às linhas duras do centro da cidade.

Alguns veem no prédio um barco, outros uma melancia cortada. O certo é que a estrutura fina segurando outra imensa impressiona – assim como a do prédio do Masp, outro ícone da cidade. O espaço construído deixou uma calçada bastante afastada da rua na frente do hotel, ampliando o uso para os pedestres. Um espaço público em um local privado, possibilitando uma convivência pouco comum em hotéis.

Auditório Ibirapuera 2005 Oscar Niemeyer Av. Pedro Álvares Cabral, Portão 2 Parque Ibirapuera, Moema #modernismo

Estava no projeto original desenhado por Oscar Niemeyer, em 1950, mas só começou a ser construído em 2002 sendo inaugurado em 2005. Com isso, em relação à proposta original do arquiteto, apenas a praça de acesso que separa o Auditório da Oca, e serviria como entrada principal para o parque, não saiu do papel.

124 125


Praça das Artes

Edifício 360º

Biblioteca Brasiliana

Arena Corinthians

2012

2013

2013

2014

Marcelo Ferraz, Francisco Fanucci

Isay Weinfeld

Eduardo de Almeida e

Aníbal Coutinho

e Marcos Cartum

R. Caburiú, 1.150

Rodrigo Mindlin Loeb

Avenida Miguel Ignácio Curi, 111

Av. São João, 281

Lapa

Rua da Biblioteca, s/nº

Vila Carmosina

Centro

#contemporâneo

Cidade Universitária

#contemporâneo

#contemporâneo Com cerca de 28.500 m2, o local é resultado de uma restauração completa do edifício do antigo Conservatório Dramático e Musical para receber apresentações de dança e música. Seu desenho criou uma passagem pelo quarteirão, característica tradicional das antigas galerias do centro da cidade retomada aqui em um projeto moderno.

#contemporâneo Construído entre o Alto de Pinheiros e o Alto da Lapa, o premiado edifício proporciona vistas privilegiadas do entorno e da cidade. Com 22 andares, é constituído por 62 “casas suspensas com quintal”, distribuídas como cubos assimétricos que se encaixam.

Com mais de 20 mil m², a Biblioteca Brasiliana abriga o raro acervo de 17 mil títulos doado pelo bibliófilo José Mindlin à Universidade de São Paulo (USP). Inspirado em conceituadas bibliotecas internacionais, dentre elas a Biblioteca Beinecke de Manuscritos e Livros Raros, da Universidade de Yale, nos Estados Unidos, e a Biblioteca Saint Geneviève, de Paris, o projeto conta com elementos sustentáveis que geram economia de energia elétrica.

Conhecido popularmente como “Itaquerão”, o estádio de futebol é a nova sede dos jogos do Sport Club Corinthians Paulista. O projeto foi vencedor do VIII Grande Prêmio de Arquitetura Corporativa em 2014 em duas categorias, o grande prêmio e projeto na área comercial.

126 127


Organização: Andre Deak e Felipe Lavignatti Editor: Otavio Nazareth Projeto gráfico: Daniel Brito Produção editorial: Tamara Baldassari Redação e Pesquisa: Lucie Ferreira Fotografias: Beto Guimarães, Andre Deak, Maíra Acayaba, Pedro Prado de Padua, Richardson Pontone, Joana França, Helder Jean, Flavio Bertagnolli, Paulo Winz, Leo Caobelli, Andre S. Sampaio, Theo Marques, Alberto César Araújo, Helder Tavares, Pedro Rezende. Revisão: Jonas Pinheiro Impressão: RR Donnelley Tradução (no site): Flavio Juliano e Eduardo Sandrini Produção: Liquid Media Laab Patrocínio: Fundo Nacional de Cultura - Prêmio Cultura 2014 Agradecimentos Ligia Ximenes, Flavio Juliano, Lou Bezerra, Daniela Gomes Pinto, Luiz Fukushiro, Pedro Moraes, Tiago Soares e todo #CRS2, Adriano Medeiros, Lucie Ferreira, Rodrigo Marcondes, Paulo Fehlauer, Leo Calbelli, Beto Guimarães, Maíra Acayaba, Pedro Prado de Padua, Richardson Pontone, Joana França, Helder Jean, Flavio Bertagnolli, Paulo Winz, Pedro Rezende, Andre S. Sampaio, Theo Marques, Alberto César Araújo, Helder Tavares, Valter Caldana, Lucas Girard, Moreno Zaidan Garcia e todo mundo da 23 Sul, Ana Chun, Gustavo Scatena, Roberta Carteiro, Estúdio Goma, Miguel Salvatore e Serralheria, Daniela Greeb e Vanessa Labigalini.

Pedro Kok: capa, 22b, 23a, 31b, 105a, 115b, 116b, 118b, 125 / Divulgação: 17b, 45a, 73b / Joana França: 13a, 14b, 15, 16b, 17a, 19, 20, 21, 22a, 23b, 24 a 31a, 80b, 84b, 88 / Richardson Pontone: 9 a 12, 13b, 14a, 16a / Alberto Araujo: 53 a 57 / Helder Tavares: 71, 72, 73a / Flavio Bertagnoli: 33 a 37 / Theo Marques: 39 a 44, 45b / Paulo Winz: 47 a 51 / Helder Jean: 58, 59 / Leo Caobeli: 61 a 69 / José Caldas: 75 / Pedro Prado de Padua: 76a, 77a, 78b, 79b, 80a, 81, 82a, 83, 84a, 85 a 87, 89, 90, 91b, 92, 93 / Halley Pacheco de Oliveira: 77b, 78a / Al Lemos: 79a / Daniel Basil: 82b / Rodrigo Soldon: 91a / Marcelo S. Sampaio: 95 a 101 / Beto Guimarães: 103, 104, 105b, 107, 108a, 122b, 126b, 127a / Maíra Acayaba: 106b, 111b, 112a, 121a, 126a / Felipe Lavignatti: 120b / Andre Deak: 106a, 108b, 109 a 111a, 112b a 115a, 116a, 117, 118a, 119, 120a, 121b, 122a, 123, 124 / Edson Lopes Jr.: 127b

Editora Olhares, 2014 Este livro foi composto em Aaux, impresso pela gráfica RR Donnelley sobre papel Offset 90g em julho de 2014.


BELO HORIZONTE BRASÍLIA CUIABÁ CURITIBA FORTALEZA MANAUS NATAL PORTO ALEGRE RECIFE RIO DE JANEIRO SALVADOR SÃO PAULO

8 18 32 38 46 52 58 60 70 74 94 102

Dados internacionais de catalogação na publicação (CIP) (Câmara Brasileira do Livro, SP, Brasil) Deak, Andre 200 + arquitetura brasileira / organizadores, Andre Deak e Felipe Lavignattti . -- 1. ed. -- São Paulo : Editora Olhares, 2014. 1. Arquitetura 2. Arquitetura - Brasil 3. Arquitetura - Brasil - História I. Deak, Andre. II. Lavignatti, Felipe. ISBN 978-85-62114-37-3 14-06270

CDD-720.981 Índices para catálogo sistemático: 1. Arquitetura brasileira : História 720.981 2. Brasil : Arquitetura 720.981


O que se encontrará neste volume são 200 obras de arquitetura brasileira, das mais variadas épocas, dos mais variados autores, com as mais variadas técnicas construtivas. São trabalhos cheios de significado, de simbologias, carregadas de história e de contemporaneidade. Valter Caldana

Professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie

200+ da arquitetura brasileira

O livro 200+ da arquitetura brasileira apresenta um recorte específico e um panorama da arquitetura brasileira em 12 cidades, com foco nas obras mais importantes, passando por diversos períodos e escolas.

Belo Horizonte Brasília Cuiabá Curitiba Fortaleza Manaus Natal Porto Alegre Recife Rio de Janeiro Salvador São Paulo [Org.] Andre Deak e Felipe Lavignatti


200+ da arquitetura brasileira  

Um guia / catálogo com 200 obras e profissionais representativos da arquitetura de cada uma das regiões do país (Norte, Nordeste, Centro-Oes...

Advertisement
Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you