Issuu on Google+

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV / AIDS

CURITIBA/PR | 2016


BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO HIV / AIDS CURITIBA-CE-CVE Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica Coordenação Municipal de DST/HIV/aids/Hepatites Virais

ANO 3 DEZEMBRO 2016 Elaboração do Conteúdo Cléa Elisa Lopes Ribeiro


Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba Centro de Epidemiologia Coordenação de Vigilância Epidemiológica Coordenação Municipal de DST/HIV/aids/Hepatites Virais Ano 3-N 1 Dezembro 2016 Prefeitura Municipal de Curitiba Prefeito Gustavo Fruet Secretário Municipal de Saúde César Monte Serrat Titton Diretora do Centro de Epidemiologia Juliane Cristina Costa Oliveira Coordenadora de Vigilância Epidemiológica dos agravos crônicos transmissíveis Liza Regina Rosso Coordenação do Programa Municipal de Controle de DST – Aids – Hepatites Virais. Equipe: Cléa Elisa Lopes Ribeiro (elaboração do conteúdo) Deisy Rodrigues Felício de Souza Elina Massumi Yoshihara Sakurada Maria Elizabeth Ferraz Lourdes Pchebilski Bernardo Montesanti Machado de Almeida (Bolsista) Adriana Hernandez Marques (Bolsista) Carolina Oldoni (Bolsista) Rosangela de Lima Teixeira (Bolsista) Esta publicação foi produzida como parte das atividades de Fortalecimento da Vigilância Epidemiológica de HIV/Aids no Brasil, dentro do Acordo de Cooperação firmado entre a Escola Nacional de Saúde Pública Sérgio Arouca (ENSP)/Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e os Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC). Seu conteúdo é de responsabilidade apenas dos autores e não representam necessariamente a visão oficial do CDC. Produção Gráfica - Projeto gráfico e capa: Ana Beatriz Ribeiro Pereira Alves Impressão: Gráfica Capital Ltda. Catalogação na fonte Fundação Oswaldo Cruz Instituto de Comunicação e Informação Científica e Tecnológica Biblioteca de Saúde Pública S446b

Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. Centro de Epidemiologia. Coordenação de Vigilância Epidemiológica. Coordenação Municipal de DST/HIV/aids/Hepatites Virais. Boletim epidemiológico HIV/AIDS. / Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba. ― Curitiba-PR : Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba, 2016. 48 p. : tab. ; graf. 1. Infecções por HIV - epidemiologia. 2. Síndrome de Imunodeficiência Adquirida - epidemiologia. 3. Adolescente. 4. Notificação de Doenças. 5. Sistemas de Informação. 6. Registros de Mortalidade. I. Título. CDD – 22.ed. – 614.5993098162


ÍNDICE APRESENTAÇÃO 5 HIV / AIDS EM CURITIBA 6 DISTRIBUIÇÃO POR DISTRITOS SANITÁRIOS 13 HIV E JOVENS 14 JOVENS DE 13 A 19 ANOS 14 JOVENS DE 20 A 29 ANOS 15

AÇÕES EM CURITIBA 16 GESTANTE HIV 19 ANÁLISE DOS DADOS EPIDEMIOLÓGICOS DE 2007 A 2015 19

HEPATITES VIRAIS 21 HEPATITE B 22 HEPATITE C 24

CONSIDERAÇÕES FINAIS 26 TABELAS 27

LISTA DE TABELAS LISTA DE TABELAS

Tabela 1 - Casos de AIDS notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) por sexo e razão de sexo, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015 27 Tabela 2 - Casos de infecção pelo HIV notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) por sexo e razão de sexo, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015 28 Tabela 3A - Casos de infecção pelo HIV e AIDS notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) por sexo e razão de sexo, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015 29 Tabela 3B - Casos de infecção pelo HIV e aids notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) SEXO MASCULINO e razão HIV/aids, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 19842015 30 Tabela 3C - Casos de infecção pelo HIV e AIDS notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) SEXO FEMININO e razão HIV/aids, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 19842015 31 Tabela 4A - Casos de HIV/aids notificados no SINAN segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 1984-2015 32


Tabela 4B - Taxa de detecção (por 100.000 hab) de casos de HIV/aids notificados no SINAN, segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 1984-2015 33 Tabela 5A - Número de casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN, segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015 34 Tabela 5B - Percentual de casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN, segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico Curitiba, 1984- 2015 35 Tabela 6 - Casos de infecção HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo escolaridade por ano de diagnóstico. Curitiba, 2007-2015 36 Tabela 7 - Casos de infecção HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo raça por ano de diagnóstico. Curitiba, 2007-2015 37 Tabela 8A - Óbitos por aids (número e coeficiente de mortalidade por 100.000 hab) e razão de sexo, segundo ano de óbito. Curitiba, 1985-2015 38 Tabela 8B - Óbitos por HIV/aids notificados no SIM, segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 2000-2015 39 Tabela 8C - Taxa de mortalidade (por 100.000 hab) de casos de HIV/aids notificados no SIM, segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 2000-2015 40 Tabela 9 - Número de casos de infecção pelo HIV/aids, número de óbitos e número de pessoas vivendo com HIV/aids, segundo ano de diagnóstico e ano de óbito. Curitiba, 1984-2015 41 Tabela 10 - Casos de infecção HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual) e Razão de sexo, segundo Distrito Sanitário de residência por ano de diagnóstico. Curitiba, 2007-2015 42 Tabela 11A - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico em pessoas de 13 a 19 anos. Curitiba, 2007- 2015 43 Tabela 11B - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo escolaridade e ano de diagnóstico em pessoas de 13 a 19 anos. Curitiba, 2007-2015 44 Tabela 12A - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico em pessoas de 20 a 29 anos. Curitiba, 2007-2015 45 Tabela 12B - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo escolaridade e ano de diagnóstico em pessoas de 20 a 29 anos. Curitiba, 2007- 2015 46 Tabela 13 - Casos de gestantes infectadas pelo HIV (número e percentual), segundo faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 2007-2015 47 Tabela 14 - Casos de gestantes infectadas pelo HIV (número e coeficiente de detecção por 1000 nascidos vivos), segundo distrito de residência por ano diagnóstico. Curitiba, 2007-2015 47 Tabela 15 - Casos de gestantes infectadas pelo HIV (número e percentual), segundo escolaridade e raça/cor por ano disgnóstico. Curitiba, 2007-2015 48


APRESENTAÇÃO Escrever o boletim epidemiológico de HIV/aids é sempre um grande desafio. A vigilância epidemiológica dos outros agravos de notificação obrigatória tem como fonte de informação a notificação de casos registrada no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN) e registros de óbitos do Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM). Na vigilância da aids o SINAN passou por várias versões e na última mudança SINAN NET, o agravo aids adulto e criança foi o único que não teve migração de banco de dados. Sendo assim, para a tabulação dos dados são trabalhados 4 bancos de dados diferentes SINAN W, adulto e criança, para o período de 1984 a 2006 e SINAN NET, adulto e criança para o período de 2007 a 2015. Para complementação dos dados de HIV/aids fazemos uso de outros sistemas de informação como o Sistema de Controle de Exames Laboratoriais (SISCEL) e Sistema de Controle Logístico de Medicamentos (SICLOM). Em Curitiba a notificação dos portadores HIV foi implantada em 2002 com o lançamento do protocolo “Atendimento inicial ao portador do HIV em Unidade Básica de Saúde”. Todo paciente notificado como infecção pelo HIV que evolui para critério de definição de aids, no seu segmento clínico, detectado principalmente pelo valor de CD4 < 350 no banco SISCEL, é excluído do banco de HIV, sendo contado uma vez, para fins de análises epidemiológicas. No ano de 2016 foram atualizados todos os casos de HIV + notificados até o ano de 2006 no SNAN W, período em que o Ministério da Saúde não exigia a notificação do portador de HIV. Esta busca foi através do SISCEL, SICLOM e SIM para avaliar se houve a progressão para aids ou óbito. O banco de dados também contou com a busca de todos os faltosos no SICLOM, pessoas que não pegaram medicamento nos últimos 100 dias, no SIM 'óbitos por outras causas' do município de Curitiba. Isso mudou alguns números quando comparado com os boletins anteriores. As bases de dados usadas para a construção deste boletim foram o SINAN, digitadas até 20 de setembro de 2016 e o SIM. Desta forma, os dados podem diferir dos dados gerados pelo Ministério da Saúde que faz a linkagem com mais dois bancos SISCEL e SICLOM, tendo como base município de residência atual. A novidade neste boletim de 2016 é a apresentação dos dados referentes às gestantes HIV, crianças expostas ao HIV e Hepatites Virais. A notificação dos casos de aids, infecção pelo HIV, gestante HIV, criança exposta ao HIV e Hepatites Virais, tanto na rede pública como privada, é obrigatória. É por meio de uma notificação com qualidade que teremos o diagnóstico com dados precisos objetivando direcionar ações eficazes e transformar o futuro. Desejo a todos uma boa leitura. Dra. Cléa Elisa Lopes Ribeiro Médica responsável pela vigilância Epidemiológica de HIV/aids em Curitiba

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 7


HIV / AIDS EM CURITIBA O relatório lançado em julho de 2016 pelo secretário-geral das Nações Unidas,

nesses grupos, especialmente os jovens e as pessoas privadas de liberdade.

Ban Ki-Moon, adverte que a epidemia

Em Curitiba, desde o início da epi-

de aids pode ser prolongada indefinida-

demia até setembro de 2016, (ano base

mente se medidas urgentes não forem

2015) foram notificados no SINAN e de-

implementadas dentro dos próximos

clarados no SIM 10.943 casos de aids

cinco anos. O relatório “Acelerando a

(condição em que a doença já se mani-

resposta para acabar com a epidemia de

festou), sendo 7.578 homens e 3.365 mu-

aids” – revela que a aceleração extraor-

lheres, e 4.966 notificações de infecção

dinária do progresso feito nos últimos 15

pelo HIV (condição em que paciente é

anos pode ser perdida e convoca todos

assintomático), sendo 3.500 homens e

os parceiros a concentrar seus esforços

1.466 mulheres. (Tabelas 1 e 2).

para reforçar os investimentos capazes

Como desde 2002 o município de

de assegurar que a epidemia global de

Curitiba notifica tanto casos de aids

aids acabe e deixe de ser uma ameaça à

como infecção pelo HIV, ao comparar a

saúde pública até 2030.

relação entre estas notificações, obser-

Segundo o último boletim epidemio-

va-se que no ano de 2004 a relação de

lógico do Ministério da Saúde, em de-

casos de aids notificados com relação à

zembro de 2015, estima-se que 781 mil

infecção pelo HIV foi de 3,2 (aids/HIV), no

pessoas que vivem com HIV, 649 mil fo-

ano de 2009 foi de 1 e em 2015 inverteu

ram diagnosticadas, 405 mil entraram em

para 2,7 (HIV em relação à aids). Nos úl-

tratamento e 356 mil apresentaram carga

timos 3 anos, para cada diagnóstico de

viral indetectável. São 473 mil pessoas

aids temos 3 casos de infecção pelo HIV,

Vivendo com HIV e aids (PVHA) com CD4

mostrando uma tendência ao diagnós-

acima de 500. Mesmo assim é necessá-

tico precoce no município de Curitiba,

rio adotar uma abordagem global para a

uma vez que a maioria dos pacientes são

saúde, com políticas específicas para po-

assintomáticos (Tabela 1).

pulações-chave. No Brasil, os grupos fun-

Em 2015 foram notificados 328 casos

damentais para a epidemia são pessoas

de aids com uma taxa de detecção de

que usam drogas, principalmente crack

aids de 17,5 casos por 100 mil habitan-

e outros estimulantes, trabalhadores do

tes e 871 casos de infecção pelo HIV com

sexo, transexuais, gays e outros Homens

taxa de detecção de 46,3 casos por 100

que fazem Sexo com Homens (HSH), e

mil habitantes.

8 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


Para avaliar a magnitude da epide-

tes. Analisando por sexo são 102,7 casos

mia de HIV/aids no município de Curitiba

por 100 mil homens e 28,4 casos por 100

(Tabela 3A), observam-se os dados so-

mil mulheres, sendo mais de 3 casos

mados de infecção pelo HIV e aids. Deste

diagnosticados por dia ou 23 casos por

modo, os números de Curitiba são maio-

semana.

res, principalmente quando comparados

Nos gráficos 1 e 2 se observa a taxa

com os dados do Ministério da Saúde

de detecção de HIV e aids segundo sexo

(MS), que computava até junho de 2014

e ano de diagnóstico. Destaca-se um

apenas os casos de aids. Em Curitiba, de

crescimento importante do diagnóstico

1984 a 2015, somando infecção pelo HIV e

de infecção pelo HIV nos homens a partir

aids foram 11.078 casos em homens (70%)

de 2012 e uma tendência de estabilização

e 4.831 casos em mulheres (30%).

do diagnóstico nas mulheres. Usando a

No ano de 2015 foram 1.199 notificações de HIV/aids com taxa de detecção

mesma escala, visualiza-se o predomínio do diagnóstico no sexo masculino.

geral de 63,8 casos para 100 mil habitan-

Gráfico 1 - Taxa de detecção de HIV/aids por 100 mil habitantes no sexo masculino | Curitiba 2000-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE casos registrados SINANW 1984-2006e SINAN NET 2007-2015. *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

Gráfico 2 - Taxa de detecção de HIV/aids por 100 mil habitantes no sexo feminino | Curitiba 2000-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE casos registrados SINANW 1984-2006e SINAN NET 2007-2015. *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 9


As taxas de detecção de infecção

A taxa de detecção de HIV/aids por

pelo HIV/aids no município de Curitiba

100 mil habitantes tem crescido de ma-

são altas devido à notificação da infec-

neira exponencial no sexo masculino

ção pelo HIV desde 2000. Para uma aná-

nos últimos 10 anos, principalmente na

lise mais detalhada é importante avaliar

faixa etária de 20 a 29 anos, com taxa

as incidências por faixa etária e sexo em

passando de 51,3 por 100 mil habitantes

vista de facilitar a intervenção nas faixas etárias mais prevalentes. Ao se avaliar o número acumulado de casos, observa-se que a faixa etária de 30 a 39 anos é a que apresenta a maior frenquência absoluta de casos de HIV/aids, com um total de 3.904 casos no

em 2005 para 242,9 por 100 mil habitantes em 2015, crescimento de 4,7 vezes. Nesta faixa etária a taxa de detecção no sexo feminino foi de 35,4 casos por 100 mil habitantes, no ano de 2015, valor 6,8 vezes menor que no sexo masculino. (Tabelas 4A, 4B) (Figura 1)

sexo masculino e 1.526 casos em mulheres.

Figura 1 - taxa de detecção HIV/aids por 100 mil habitantes por faixa etária e sexo Curitiba 2005, 2010 e 2015.

10 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


FONTE: SMS Curitiba CE/CVE casos registrados SINANW 1984-2006e SINAN NET 2007-2015. *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

Quanto à forma de transmissão ou

ais, 11,4% por transmissão sanguínea e

categoria de risco, a informação “Igno-

1,9% vertical (Tabela 5A e 5B). Em uma

rada” apresentou uma média de 15,3%

análise temporal, considerado os casos

dos casos no período entre 2000 e 2014,

bissexual e homossexual como Homem

variando de 8,3% no ano 2000 e 20,4%

que faz sexo com Homem (HSH), obser-

em 2014.

va-se um crescimento importante entre

A principal forma de transmissão é

2002 e 2015 ao se evidenciar 29,9% dos

a sexual, respondendo por 69,3% dos

casos em 2002 e 53,7% em 2015, sendo a

casos. Para o sexo feminino a categoria

média dos últimos 5 anos de 50%.

heterossexual responde em média por

No Gráfico 3 observa-se o número

75,8% dos casos. Salienta-se que nos

de casos de HIV/aids segundo a catego-

últimos 4 anos foi identificada a infor-

ria de risco a partir de 2000. Observa-se

mação de bisexualidade feminina, com

redução da transmissão vertical e dos

uma média de 2% dos casos. Entre os

casos entre Usuários de Drogas Injetá-

homens, na análise de toda epidemia,

veis (UDI), aumento de 200% dos casos

28,6% dos casos se deram por relações

na população de HSH de 2010 a 2015 e

heterossexuais, 31,6% por relações ho-

tendência de crescimento entre homens

mossexuais, 9,5% por relações bissexu-

heterossexuais.

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 11


Gráfico 3 - Casos notificados de HIV/aids por ano diagnóstico segundo categoria de exposição. Curitiba 2000-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE casos registrados SINANW 1984-2006e SINAN NET 2007-2015. *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

O grau de instrução dos pacientes

distribuição da escolaridade mostra ten-

é usado para se fazer uma análise indi-

dência mantida de homens com maior

reta do nível social. A variável escolari-

grau de escolaridade que as mulheres

dade foi modificada durante as várias

(Tabela 6)

versões do SINAN e, para este boletim,

A variável raça/cor começou a ser

foram analisadas apenas as informações

mais bem preenchida na versão SINAN

a partir de 2007 (SINAN NET), agrupando

NET, por isso a análise é feita apenas du-

as notificações de infecção pelo HIV e de

rante o período de 2007 a 2015, agrupan-

aids. É importante salientar que estes

do os casos de infecção pelo HIV e aids.

dados são baseados nas Fichas de No-

A distribuição dos casos mostra aproxi-

tificação/Investigação de HIV/aids e que

madamente 77% de brancos, 9% de par-

a informação relativa ao grau de instru-

dos e 4% de pretos, sendo que em torno

ção em aproximadamente 35% dos casos

de 9% das notificações desta informação

não foi preenchida. No ano 2015, entre

estava em branco ou ignorada. Ao reali-

as mulheres, observa-se predomínio de

zar a análise por sexo, observa-se para

ensino de 5ª a 8ª serie (27,2%) e ape-

o sexo feminino uma proporção ligeira-

nas 7,5% com ensino superior. Em 2015,

mente maior da raça negra/parda com

entre os homens, 23,9% possuíam nível

16% dos casos. No que concerne aos ho-

superior de escolaridade, ou seja, 3 ve-

mens, 12% foram identificados como da

zes mais que as mulheres. O padrão de

raça negra/parda (Tabela 7).

12 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


Em relação à mortalidade, apesar da

para 2015 houve queda de 20% no núme-

introdução da terapia antirretroviral de

ro de óbitos por aids com coeficiente de

alta potência, disponível na rede públi-

mortalidade por 100 mil habitantes de

ca de maneira universal e gratuita desde

6,2. Entre 2014 e 2015 houve 3 vezes mais

1996, não se observou a redução espe-

óbitos no sexo masculino em relação ao

rada, mas uma estabilização nas taxas

feminino (Gráfico 4).

de mortalidade. De 1985 a dezembro de

Ao se analisar a distribuição dos

2015 foram registrados 3.565 óbitos, sen-

óbitos por faixa etária, observa-se uma

do 2.604 em homens e 961 em mulheres.

maior concentração na faixa entre 20 a

O coeficiente de mortalidade por 100 mil

59 anos, com tendência ao aumento da

habitantes teve seu ápice em 1996 com

faixa etária com o passar dos anos, o

14,3 óbitos por 100 mil habitantes. Nos

que demonstra um envelhecimento da

anos 2010-2013 esse coeficiente esteve

população vivendo com HIV/aids (Tabela

estabilizado em torno de 8 óbitos por

8B, 8C).

100 mil habitantes (Tabela 8A). De 2014

Gráfico 4 - Taxa de mortalidade por HIV/aids por 100 mil habitantes segundo sexo. Curitiba 2000-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE casos registrados DATASUS-SIM 2000-2014. SIM/SMS/CE *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 13


Para este boletim o cálculo do

de chave de “linkagem”, acesso a

número de PVHA foi feito com a soma

informações a nível estadual e federal

do número de infecção por HIV e aids

para atualização das informações.

por ano de diagnóstico, notificado pelo

Em resumo, a epidemia de HIV/aids

SINAN, subtraído do número de óbitos

em Curitiba estava estabilizada tanto

por ano detectados pelo SIM. Em Curitiba

em incidência quanto em mortalidade

são 12.344 PVHA sendo 8.474 homens e

até 2012. Houve um aumento expressivo

3.870 mulheres (Tabela 9). É sempre difícil

da taxa de detecção nos últimos 3 anos,

este cálculo, pois nas doenças crônicas

principalmente entre homens jovens de

usa-se o município de residência para

20 a 29 anos. Além disso, houve redução

notificação e observa-se uma grande

da mortalidade em 2014 e 2015. Há uma

migração, principalmente nas regiões

epidemia concentrada, com destaque

metropolitanas, e esta informação não

para os homens jovens, brancos, com

é digitada no SINAN. Com a expectativa

grau de escolaridade médio/superior e

de vida das PVHA aumentando cada

categoria de exposição de risco homo/

vez mais, é necessária uma mudança

bissexual.

no modelo de vigilância com a criação

14 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


DISTRIBUIÇÃO POR DISTRITOS SANITÁRIOS Em dezembro de 2015 o município

Matriz 11,8%, Portão 11,0%, Cidade Indus-

de Curitiba criou mais um distrito sani-

trial de Curitiba (CIC) 10,8%, Boqueirão

tário, o distrito sanitário Tatuquara na

10,8%, Bairro Novo 9,1% e Santa Felicida-

região sul da cidade, com redistribuição

de 7,7%.

de alguns bairros dos distritos sanitários

Para o sexo masculino o distrito

Portão, CIC, Bairro Novo e Pinheirinho,

sanitário Matriz respondeu por 26,6%

mudando assim toda a "geografia" do

dos casos seguido pelo distrito sanitá-

município. Para análise neste boletim,

rio Boa Vista 12,7%, Portão 11,8%, Cajuru

como são trabalhados os dados do ano

10,5%, Boqueirão 8,9%, Pinheirinho 8,5%,

base 2015, foi mantida a divisão em 9

Santa Felicidade 7,7%, CIC 7,5% e Bairro

Distritos Sanitários. Na tabela 10 obser-

Novo 5,9%, o que evidencia um padrão

va-se a distribuição dos casos de HIV/

heterogêneo da distribuição espacial

aids segundo sexo e ano de diagnóstico,

dos casos de HIV/aids na população

assim como a distribuição proporcional

masculina.

dos casos e no gráfico 5 observa-se a

A razão de sexo, definida por casos

distribuição dos casos com relação ao

em homens divididos por casos em mu-

tempo.

lheres, por distrito nos últimos 9 anos,

Para o sexo feminino, nos últimos

manteve-se estável no distrito Bairro

9 anos, a média dos casos apresentou

Novo e aumentou em todos os outros

uma tendência de distribuição uniforme

distritos, com destaque para o distrito

com as seguintes proporções: Boa Vista

Matriz com uma razão de 11 casos em

13,8%, Pinheirinho 12,7%, Cajuru 12,2%,

homens para 1 caso em mulher em 2014.

Gráfico 5 - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados segundo distrito de residência e ano diagnóstico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE casos registrados DATASUS-SIM 2000-2014. SIM/SMS/CE *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 15


HIV E JOVENS A população jovem tem se mostrado

mossexual respondeu por 54,1%

dos

mais vulnerável a infecção pelo a HIV em

casos, em média, no período de 2007 a

todo mundo e também no Brasil. É o gru-

2015. Quando agrupa-se o risco homos-

po onde mais se detectam casos novos.

sexual e bissexual como categoria de

Segue a descrição de algumas caracte-

HSH o ano de 2012 foi responsável pela

rísticas desta população agrupada em

maior proporção de casos nessa catego-

duas faixas etárias: 13 a 19 anos e de 20

ria (72,0%). No sexo feminino, a catego-

a 29 anos.

ria de risco predominante foi a heteros-

JOVENS DE 13 A 19 ANOS

sexual, apresentando média de 75,0%.

Na faixa etária de 13 a 19 anos o número de casos ainda é pequeno quando comparado às outras faixas etárias, mas com tendência de crescimento nos últimos 6 anos (Tabela 4A). Nesta faixa etária, em 2007, foram notificados 10 casos de HIV/aids em mulheres e 9 casos em homens. Já no ano de 2015 foram 8 casos em mulheres e 47 em homens, representando crescimento de casos em homens de 5 vezes em 8 anos. Com relação à categoria de exposi-

(Tabela 11A) No gráfico 6 observa-se a evolução do número de casos de HIV/aids notificados por ano diagnóstico segundo categoria de risco agrupando-se homossexual e bissexual com HSH e em outros risco perinatal, e bissexual feminino. A escolaridade nessa população aparece como ignorada em 32,6% dos casos em média. Para as mulheres, o maior número de casos é no ensino fundamental, com 32 casos. Para os homens é o ensino médio com 59 casos (Tabela 11B).

ção, para o sexo masculino, o risco hoGráfico 6 - Número de casos notificados de HIV/aids em pessoas de 13 a 19 anos segundo categoria de risco e ano diagnóstico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE Casos registrados no SINAN NET 2007-2014 até 20/09/2016

16 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


JOVENS DE 20 A 29 ANOS

por 63% dos casos, sendo em 2015 res-

Na faixa etária de 20 a 29 anos, o nú-

ponsável por 69,3% dos casos. No sexo

mero de casos apresenta tendência de

feminino a categoria de risco dominante

crescimento, o qual é mantido princi-

foi a heterossexual apresentando média

palmente pelo sexo masculino. Em 2007

de 84,6% (Gráfico 7).

foram 92 casos e, em 2015, 394 casos, re-

Nesta população, a informação da

presentando um aumento de 328%. No

escolaridade aparece como ignorada em

sexo feminino, o número de casos mos-

uma média de 32% dos casos. Para as

tra uma estabilidade (Tabela 12A).

mulheres, o maior número de casos é no

Com relação à categoria de exposi-

ensino fundamental, com 142 (27,3%) dos

ção, a informação aparece como ignora-

casos. Para os homens, mais de 50% dos

da em 14,1% dos homens e em 7,5% das

casos têm escolaridade acima de 8 anos

mulheres, em média, no período anali-

de estudo (Tabela 12B).

sado. Para o sexo masculino, o risco HSH no período de 2007 a 2015 respondeu Gráfico 7 - Número de casos notificados de HIV/aids em pessoas de 20 a 29 anos segundo categoria de risco e ano diagnóstico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE Casos registrados no SINAN NET 2007-2014 até 20/09/2016

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 17


AÇÕES EM CURITIBA O município de Curitiba foi escolhido

do HIV nos próximos anos.

pelo Centro de Controle e Prevenção

Para monitorar o tratamento foi

de Doenças (CDC), em parceria com

feita uma análise da oferta de tratamen-

Fundação

(FIOCRUZ),

tos por faixa etária registrada através do

Departamento de DST, Aids e Hepatites

SICLOM nas 5 Unidades de Dispensação

Virais do Ministério da Saúde, UNAIDS

de Medicamentos (UDM) do município

para desenvolver o projeto-piloto do “A

(COA, Vila Hauer, Salgado Filho, Santa

Hora é Agora”, iniciado em janeiro de 2015,

Felicidade e Hospital de Clinicas), usan-

visando a expansão da testagem rápida

do o relatório “Estatística de usuários do

e gratuita anti-HIV entre as populações

SUS por faixa etária” do gerenciador de

mais vulneráveis à infecção – jovens gays

relatórios, modulo gerencial do SICLOM

e outros HSH. O projeto conta também

para cada UDM e ano. Neste relatório

com outras abordagens voltadas para a

de distribuição de usuários SUS por fai-

população-alvo, como testagem rápida

xa etária, só pode ser dividido por sexo

móvel, disponível tanto em trailers

quando a categoria é “AIDS”, nas infor-

equipados com laboratórios, como em

mações de profilaxia o sexo do usuário

uma organização não governamental de

aparece como “não informado”.

Oswaldo

Cruz

promoção dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais,

transgêneros

usuários do SUS do sexo masculino com

(LGBT) – o Grupo Dignidade. Outro projeto

dispensas de medicamento antirretrovi-

desenvolvido através de plataforma

ral por ano e faixa etária. No ano 2013

virtual (www.ahoraeagora.org), lançado

o Ministério da Saúde orientou a oferta

em fevereiro de 2015, tem como objetivo

de tratamento para todos os indivíduos

ampliar o acesso de jovens gays e outros

diagnosticados com HIV independente

HSH à testagem anti-HIV por meio de

da contagem de CD4 ou sintomas. Com

fluido oral.

isso houve elevação da oferta de tra-

travestis

e

No gráfico 8 observa-se o número de

Os dados apresentados neste bo-

tamento e, ao avaliar as faixas etárias,

letim refletem estas ações que possibi-

o crescimento mais acentuado foi nos

litaram o crescimento do diagnóstico,

usuários de 20 a 29 anos (320%) e 30 a 39

principalmente nesta população.

anos (179%) de 2013 a 2015.

Somente a vinculação dos pacientes diagnosticados e tratamento adequado vão levar a uma redução na transmissão

18 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


Gráfico 8 - Número de dispensas de medicamento para tratamento HIV/aids por faixa etária e ano sexo masculino. Curitiba 2011-2015

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE Casos registrados no SICLOM 2011-2015

Para o sexo feminino o número de dispensas é, em média, metade das observadas nos indivíduos do sexo masculino e o crescimento do número de usuários se apresenta proporcional em todas as faixas etárias principalmente depois de 2013 (gráfico 9), sendo de 206% na faixa de 20 a 29 anos entre 2013 e 2015.

Gráfico 9 - Número de dispensas de medicamento para tratamento HIV/aids por faixa etária e ano sexo feminino. Curitiba 2011-2015

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE Casos registrados no SICLOM 2011-2015

Em 2013 foi lançado pelo MS o protocolo de profilaxia pós exposição sexual ocasional ao HIV que em Curitiba é ofertado na UPA Matriz e Hospital Oswaldo Cruz (24 Horas e 7 dias semana) e na unidade de saúde COA (Centro de Orientação e Aconselhamento) de segunda a sexta-feira, horário comercial. No gráfico 10 observa-se que o crescimento do uso de profilaxia de 2011 para 2015 foi de 1.294% na faixa etária de 16 a 19 anos, 900% de 20 a 29 anos e 600% de 30 a 39 anos. Este aumento de uso contribui para a redução de novos casos de HIV/aids. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 19


Gráfico 10 - Número de dispensas de medicamento para profilaxia pós exposição sexual ocasional por faixa etária e ano. Curitiba 2011-2015

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE Casos registrados no SICLOM 2011-2015

No gráfico 11 observa-se a dispensação de medicamentos para profilaxia pós violência sexual mantendo-se estável em número com predomínio da faixa etária entre 20 e 29 anos.

Gráfico 11 - Número de dispensas de medicamento para profilaxia pós violência sexual por faixa etária e ano. Curitiba 2011-2015

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE Casos registrados no SICLOM 2011-2015

20 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


GESTANTE HIV Grande parte dos diagnósticos da in-

Laboratório Municipal envia relatórios

fecção pelo HIV em mulheres ocorre du-

mensais de todas as gestantes com re-

rante a gestação, e a transmissão vertical

sultados alterados de urocultura, toxo-

é a principal forma de aquisição do HIV

plasmose, sífilis, HIV e hepatites para a

em crianças. Assim, a assistência no pré-

coordenação do Programa Mãe Curitiba-

-natal representa excelente oportunidade

na e para o Centro de Epidemiologia da

para ações profiláticas. Medidas como a

SMS de Curitiba, envia também uma carta,

testagem do HIV descentralizada (gestan-

por malote, para a autoridade sanitária da

tes, parturientes e parceiros), o referen-

Unidade Básica de Saúde (UBS) na qual

ciamento para acompanhamento espe-

a gestante HIV + é acompanhada. Des-

cializado, a terapia antirretroviral (TARV)

ta forma, as gestantes são monitoradas

na gestação, parto e para o Recém Nas-

em tempo real tanto pelas coordenações

cido (RN), a inibição da lactação, o acom-

quanto pelas UBS de referência. O compa-

panhamento de puerpério e puericultura

recimento às consultas, o tratamento e os

mostram-se como eficazes para a redução

exames de controle são avaliados preco-

da transmissão vertical do HIV.

cemente visando a melhora no acompa-

O Programa Mãe Curitibana foi lançado

nhamento das gestantes.

em 1999, visando o atendimento integral

A atenção à gestante HIV inclui vin-

às gestantes e a prevenção da transmis-

culação à maternidade de referência, re-

são vertical de HIV, sífilis, toxoplasmose e

alização do pré-natal em parceria com a

hepatite B. Os indicadores de saúde foram

UBS e início da TARV. Vale destacar que no

priorizados e pactuados com as equipes

prontuário eletrônico, quando o profissio-

de atenção básica que realizam a testa-

nal assistente registra o CID de gestante

gem, tratamento, monitoramento das ges-

HIV (Z21), aparece uma solicitação de noti-

tantes e o acompanhamento dos recém-

ficação imediata no SINAN, possibilitando

-nascidos expostos. Curitiba foi a primeira

a intervenção oportuna.

capital brasileira a implantar a testagem sorológica do HIV descentralizada para to-

ANÁLISE DOS DADOS EPIDEMIOLÓ-

das as gestantes acompanhadas pelo SUS.

GICOS DE 2007 A 2015

Foi de grande importância a implantação em 2001 do prontuário eletrônico e do sistema integrado de serviços de saúde. Através do sistema informatizado, o

Na vigilância da gestante HIV e crianças exposta ao HIV, no decorrer do tempo, ocorreram modificações nos registros e mudanças de fichas. A ficha de notifica-

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 21


ção que continha informações sobre ges-

dade predominante foi a de 5ª à 8ª serie

tação, parto e criança, usada no SINANW,

incompleta, com 1 em cada 4 casos.

foi substituída pela ficha de notificação de

Quanto a variável raça/cor, predomina

Gestante HIV que traz informações da ges-

a raça branca com 76%, seguida da raça

tação até o parto não vinculando à crian-

parda com 12,4 % dos casos notificados.

ça. Desta maneira, muitas vezes se traba-

Para o ano de 2015, a variável raça /cor

lha com dados de planilhas paralelas que

mais frequente foi a branca com 75,3%.

são usadas localmente. Assim, a informa-

O quadro 1 apresenta um resumo dos

ção acaba não “subindo” para nível esta-

dados referentes à vigilância das gestan-

dual e federal.

tes HIV e crianças expostas no município

Nesta análise do boletim foi usada a base de dados do SINAN NET no período

de Curitiba no período de 2007 a 2015. Foram notificadas 842 gestações em mulheres HIV positivo com 738 crianças

de 2007 a 2015. Conforme evidenciado na tabela 13,

expostas ao HIV nascidas vivas, 60 casos

no ano 2015 a faixa etária de gestante HIV

de aborto ou natimorto e 44 casos com

mais frequente foi de 30 a 34 anos, porém,

evolução ignorada ou perda de seguimen-

na média, predominou a faixa mais jovem,

to. São 24 crianças infectadas pelo HIV e

de 15 a 29 anos, totalizando 62,4% dos ca-

714 crianças não infectadas. Calculando

sos.

30% de chance de contaminação da crian-

Com relação à distribuição dos casos

ça pelo HIV, quando não se faz tratamento

de gestante HIV em Curitiba observou-se

da gestante, foram evitados, em 9 anos,

que os distritos sanitários do Bairro Novo,

mais de 200 casos de HIV em RN. A taxa de

CIC e Pinheirinho concentraram maior in-

infecção pelo HIV variou de 6,5% em 2009

cidência (Tabela 14).

a 0 (zero) em 2013 . No ano 2015, a taxa

Conforme informações contidas na tabela 15, segundo escolaridade, a propor-

de transmissão foi de 1,3%, observando-se uma tendência à queda.

ção maior é entre 5ª e 8ª série incompleta, com média de 19,5% dos casos, variando de 11,4% a 28,6%. No ano 2015, a escolariQuadro 1 - Resumo dos dados da atenção à gestante HIV Curitiba, 2007-2015 Gestantes HIV +

Criança exposta nascida viva Aborto/natimorto

Ignorado/perda de seguimento Criança infectada HIV + Criança exposta HIV Taxa de infecção

2007 2008 2009 2010 112 98 106 88 106 91 92 77 2 3 8 8 4 4 6 3 5 2 6 2 101 89 86 75 4,7 2,2 6,5 2,6

FONTE: SMS Curitiba/CE/CVE-SINASC/SINAN NET *Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016.

22 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

2011 2012 2013 2014 2015 Total 82 95 95 77 89 842 70 84 80 59 79 738 8 5 12 8 6 60 4 6 3 10 4 44 3 4 0 1 1 24 67 80 80 58 78 714 4,3 4,8 0 1,7 1,3 3,3


HEPATITES VIRAIS As hepatites virais são doenças provocadas por diferentes vírus hepatotrópicos, tem grande importância para a saúde pública em virtude do número de indivíduos acometidos e das complicações resultantes das formas agudas e crônicas da infecção. Apresentam características epidemiológicas, clínicas e laboratoriais distintas, assim como distribuição universal. Observam-se diferenças regionais na ocorrência e magnitude, variando de acordo com o agente etiológico. Devido a tal diversidade, a vigilância epidemiológica das Hepatites Virais é um grande desafio principalmente por se usar uma única ficha de notificação epidemiológica do SINAN para diferentes formas clínicas (aguda, crônica/portador, fulminante) e vírus (A, B, C, D, E e outros vírus). No gráfico 12 apresenta-se a distribuição dos casos de hepatites virais notificados no SINAN NET segundo classificação etiológica, não distinguindo forma clínica.

Gráfico 12 - Distribuição dos casos de Hepatites Virais segundo etiologia e ano diagnósfico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE SINAN NET 2007-2015 * Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016

Observa-se queda do número de casos de Hepatite A a partir do ano de 2007. Tal resultado se deve aos investimentos em infraestrutura urbana, como os programas de habitação, saneamento, arruamento, controle do uso e ocupação do solo, maior acesso da população aos serviços de saúde e ao avanço dos recursos tecnológicos, ocorridos nos últimos anos. A vacina contra Hepatite A foi introduzida no calendário de vacinação em julho de 2014 para crianças entre 1 e 2 anos em dose única. BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 23


Na ficha de notificação a informação de provável fonte/mecanismo de infecção aparece como ignorada em 74,3% para Hepatite B e 66,4% para Hepatite C. Tal situação decorre principalmente da dificuldade na caracterização, pois muitas pessoas negam ter qualquer exposição/comportamento de risco como compartilhamento de materiais perfuro cortantes, tratamento dentário, relação sexual desprotegida, procedimentos médicos entre outros. Outro fator é decorrente das falhas durante o processo de investigação epidemiológica. HEPATITE B Com relação à Hepatite B na análise das formas clínicas, de 2007 a 2015, a forma aguda respondeu por 9% dos casos, forma crônica/portador por 74,6% e a informação Ignorado ou branco, que reflete os casos de cicatriz sorológica, por 16,4% dos casos. Para a Hepatite B Aguda, na avaliação das faixas etárias, é interessante ver o impacto que as vacinas fizeram na incidência da doença, além de redução dos casos, no decorrer do tempo, houve desvio dos casos para pessoas mais velhas não vacinadas (Gráfico 13). Gráfico 13 - Distribuição de casos de Hepatite B Agura segundo faixa etária, ano diagnóstico e introdução da vacina contra Hepatite B na rede pública. Curitiba, 1996-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE SINAN NET 2007-2015 * Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016

Para Hepatite B crônica foram identificados 1.871 casos, de 2007-2015, com um aumento de 55% no número de casos entre 2013 e 2015. Isso reflete ações como campanhas de testagem e treinamentos realizados com equipes da atenção básica. 24 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


No gráfico 14 se observa a taxa de detecção por sexo e ano diagnóstico. A distribuição não mostra um padrão definido, visto que em 2007 foram quase dois casos em homens para um caso em mulher e em 2011 e 2012 foram diagnosticados mais casos em mulheres que em homens.

Gráfico 14 - Taxa de detecção de Hepatite B (por 100.000 hab) segundo sexo e ano diagnóstico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE SINAN NET 2007-2015 * Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016

Quanto a distribuição por faixa etária, as mais prevalentes foram de 30 a 39 anos e de 40 a 49 anos, sendo possível identificar que em torno de 70% dos casos se concentram na faixa entre 20 e 49 anos, período de maior atividade sexual da população, exposição a perfuro cortantes e maior exposição a risco (Gráfico 15).

Gráfico 15 - Distribuição de casos de Hepatite B segundo faixa etária e ano diagnóstico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE SINAN NET 2007-2015 * Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 25


HEPATITE C Na Hepatite C são 3.618 casos notificados com um aumento de duas vezes no número de casos de 2007 a 2015. Tal fato se deve à realização de ações educativas, sensibilização dos profissionais de saúde quanto a importância e obrigatoriedade da notificação das hepatites virais, o que resulta na diminuição da subnotificação. O aumento em 2015 foi decorrente de ações de sensibilização e ao incentivo do diagnóstico precoce para a população acima de 40 anos realizado pelo Ministério da Saúde, Sociedade Brasileira de Hepatologia, Secretaria Municipal de Saúde e demais atores (Gráfico 16).

Gráfico 16 - Taxa de detecção de Hepatite C (por 100.000 hab) segundo sexo e ano diagnóstico. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE SINAN NET 2007-2015 * Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016

Ao se avaliar a distribuição dos casos segundo sexo, observa-se predomínio no sexo masculino em todo o período com uma média de 3 casos em homens para 2 em mulheres. A principal forma clínica é a doença crônica que responde por uma média de 87% das notificações. Em 12,6% dos casos a forma clínica aparece nas tabulações como ignorado/ branco. Destaca-se que o item cicatriz sorológica disponível na ficha corresponde, provavelmente, aos casos em que ocorreu a cura da doença.

26 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


A faixa etária de 40 a 59 anos foi aquela que evidenciou o maior número de casos, aproximadamente 60%. Esse perfil reflete um curso da doença silencioso, pois a mesma é adquirida enquanto adulto jovem e se manifesta tardiamente (Gráfico 17). Gráfico 17 - Distribuição dos casos de Hepatite C segundo faixa etária e ano. Curitiba 2007-2015

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE SINAN NET 2007-2015 * Dados preliminares sujeitos a revisão até 20/09/2016

A partir do ano 2016, o MS incorporou uma nova terapia para o tratamento de Hepatite C disponibilizado pelo SUS, tratamento composto pelos medicamentos daclatasvir, sofosbuvir e simeprevir. Os mesmos possibilitam uma taxa de cura de 90%, significativamente maior que outros tratamentos utilizados até o momento. Outra vantagem é que todo o tratamento é efetuado por via oral, proporcionando mais qualidade de vida e conforto ao paciente. Faz-se importante salientar que o atendimento especializado é ofertado aos pacientes, visto que o município dispõe de equipe multiprofissional com apoio laboratorial e de imagem.

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 27


CONSIDERAÇÕES FINAIS O trabalho persistente e competente, a capacidade de inovar e as parcerias que estimulam e constroem, mostram resultados. No ano 2013 houve reorganização do organograma da Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba e, nesse processo, o Programa de HIV/aids passou a ser gerenciado pelo Centro de Epidemiologia. Para esse novo ciclo foram estabelecidas como principais metas: integrar vigilância epidemiológica e atenção à saúde, reorganizar as formas de encaminhamento das pessoas vivendo com HIV/aids (PVHA) aos ambulatórios de infectologia, criar método para priorizar atendimentos de acordo com critérios clínicos, reduzindo tempo de espera de casos graves, garantir atendimento às PVHA nas Unidades Básicas de Saúde para início precoce de terapia antirretroviral (TARV), buscar parcerias para pesquisar e implantar estratégias inovadoras para aprimorar a prevenção do HIV, detecção e tratamento das PVHA. Os resultados já começam a surgir na redução da mortalidade por aids em 2014 e 2015 e no aumento da taxa de detecção de HIV em relação a aids, mostrando tendência a um diagnóstico mais precoce. Bons resultados também têm sido obtidos com testagem e acompanhamento adequados de gestantes HIV e crianças expostas ao HIV, ainda tendo como desafio as populações em situação de vulnerabilidade social. Para as hepatites virais merece destaque a organização do atendimento aos portadores de hepatites B e C, dos fluxos de dispensação de medicação e o incentivo ao diagnóstico da doença. É muito importante a análise dos dados para conhecermos as diferentes realidades dentro do município e para direcionarmos adequadamente as ações para garantir uma saúde cada vez melhor para a nossa população. Curitiba, dezembro de 2016. Juliane Oliveira Diretora do Centro de Epidemiologia

28 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


TABELAS Tabela  1  -­‐  Casos  de  AIDS  notificados  no  SINAN,  número  e  taxa  de  detecção    (por  100.000  hab)  por  sexo  e  razão  de    sexo,   segundo  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  1984-­‐2015 Ano  de  diagnóstico 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

Número  de  casos   Masculino Feminino 1 0 1 0 10 1 14 4 35 5 44 10 58 18 118 19 163 42 210 46 225 48 309 119 410 140 484 186 438 181 394 243 437 231 374 215 354 222 377 214 314 162 290 160 317 177 233 120 278 144 260 116 265 121 262 85 221 84 250 88 203 65 229 99 7578 3365

Razão  M:F

Total 1 1 11 18 40 54 76 137 205 256 273 428 550 670 619 637 668 589 576 591 476 450 494 353 422 376 386 347 305 338 268 328 10943

10 4 7 4 3 6 4 5 5 3 3 3 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 3 3 3 3 2

Taxa  de  detecção   Masculino   Feminino 0,2 0,0 0,2 0,0 1,8 0,2 2,4 0,6 5,9 0,8 7,3 1,5 9,4 2,7 18,7 2,8 25,3 6,0 32,1 6,5 34,2 6,7 46,6 16,5 57,8 18,3 66,4 23,6 58,8 22,5 51,7 29,5 57,4 28,0 48,2 25,5 44,9 25,9 47,1 24,6 38,6 18,3 34,4 17,5 37,0 19,0 26,7 12,7 31,8 15,1 29,3 12,0 31,7 13,2 31,1 9,2 26,1 9,0 28,4 9,1 22,8 6,7 25,6 10,1

Total 0,1 0,1 0,9 1,5 3,2 4,3 5,9 10,4 15,3 18,8 19,9 30,9 37,3 44,2 39,9 40,2 42,1 36,4 35,0 35,4 28,0 25,6 27,6 19,4 23,1 20,3 22,0 19,7 17,2 18,3 14,4 17,5

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Tabela 1 - Casos de AIDS noti-

ficados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) por sexo e razão de sexo, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 29


Tabela  2  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV  notificados  no  SINAN,  número  e  taxa  de  detecção  (por  100.000  hab)  por  sexo  e  razão   de    sexo,  segundo  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  1984-­‐2015 Ano  de  diagnóstico 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total  

Número  de  casos   Masculino Feminino 1 0 0 0 0 1 3 0 1 0 3 0 1 1 3 0 3 4 6 0 4 7 7 4 7 3 6 4 23 10 9 5 22 10 18 15 51 48 75 61 65 56 63 47 103 61 162 98 195 113 196 95 238 112 270 112 296 121 436 163 542 135 691 180 3500 1466

Total 1 0 1 3 1 3 2 3 7 6 11 11 10 10 33 14 32 33 99 136 121 110 164 260 308 291 350 382 417 599 677 871 4966

Razão  M:F

-­‐ -­‐ -­‐ 1 -­‐ 1 -­‐ 1 2 2 2 2 2 2 1 1 1 1 1 2 2 2 2 2 2 2 3 4 4

Taxa  de  detecção   Masculino   Feminino 0,2 0,0 0,0 0,0 0,0 0,2 0,5 0,0 0,2 0,0 0,5 0,0 0,2 0,1 0,5 0,0 0,5 0,6 0,9 0,0 0,6 1,0 1,1 0,6 1,0 0,4 0,8 0,5 3,1 1,2 1,2 0,6 2,9 1,2 2,3 1,8 6,5 5,6 9,4 7,0 8,0 6,3 7,5 5,1 12,0 6,6 18,6 10,3 22,3 11,9 22,1 9,8 28,5 12,2 32,1 12,1 34,9 13,0 49,5 16,8 61,0 13,8 77,1 18,3

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Tabela 2 - Casos de infecção pelo HIV notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) por sexo e razão de sexo, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

30 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

Total 0,1 0,0 0,1 0,2 0,1 0,2 0,2 0,2 0,5 0,4 0,8 0,8 0,7 0,7 2,1 0,9 2,0 2,0 6,0 8,1 7,1 6,3 9,2 14,3 16,8 15,7 20,0 21,6 23,5 32,4 36,3 46,3


Tabela  3A  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV  e  AIDS  notificados  no  SINAN,  número  e  taxa  de  detecção    (por  100.000  hab)  por  sexo   e  razão  de    sexo,  segundo  ano  de  diagnóstico.   Curitiba,  1984-­‐2015 Ano  de  diagnóstico 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total  

Número  de  casos   Masculino Feminino 2 0 1 0 10 2 17 4 36 5 47 10 59 19 121 19 166 46 216 46 229 55 316 123 417 143 490 190 461 191 403 248 459 241 392 230 405 270 452 275 379 218 353 207 420 238 395 218 473 257 456 211 503 233 532 197 517 205 686 251 745 200 920 279 11078 4831

Razão  M:F

Total 2 1 12 21 41 57 78 140 212 262 284 439 560 680 652 651 700 622 675 727 597 560 658 613 730 667 736 729 722 937 945 1199 15909

5 4 7 5 3 6 4 5 4 3 3 3 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 2 3 3 3 4 3

Taxa  de  detecção   Masculino   Feminino 0,4 0,0 0,2 0,0 1,8 0,3 2,9 0,6 6,1 0,8 7,8 1,5 9,6 2,8 19,2 2,8 25,8 6,6 33,1 6,5 34,8 7,7 47,7 17,0 58,8 18,7 67,2 24,1 61,9 23,7 52,9 30,1 60,3 29,2 50,5 27,3 51,4 31,5 56,4 31,6 46,6 24,7 41,9 22,6 49,0 25,6 45,3 23,0 54,0 27,0 51,5 21,9 60,2 25,4 63,2 21,3 61,0 22,0 77,8 25,9 83,8 20,5 102,7 28,4

Total 0,2 0,1 1,0 1,7 3,3 4,5 6,1 10,6 15,8 19,2 20,7 31,7 37,9 44,8 42,1 41,1 44,1 38,4 41,0 43,5 35,2 31,9 36,8 33,7 39,9 36,0 42,0 41,3 40,6 50,7 50,7 63,8

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Tabela 3A - Casos de infecção pelo HIV e AIDS notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) por sexo e razão de sexo, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 31


Tabela  3B  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV  e  AIDS  notificados  no  SINAN,  número  e  taxa  de  detecção    (por  100.000  hab)  SEXO   MASCULINO  e  razão  HIV/aids,  segundo  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  1984-­‐2015 Ano  de  diagnóstico 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

Número  de  casos HIV Total 1 1 2 1 0 1 10 0 10 14 3 17 35 1 36 44 3 47 58 1 59 118 3 121 163 3 166 210 6 216 225 4 229 309 7 316 410 7 417 484 6 490 438 23 461 394 9 403 437 22 459 374 18 392 354 51 405 377 75 452 314 65 379 290 63 353 317 103 420 233 162 395 278 195 473 260 196 456 265 238 503 262 270 532 221 296 517 250 436 686 203 542 745 229 691 920 7578 3500 11078

AIDS

Fonte: SMS Curitiba CE/CVE *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/9/16 **INVERSÃO DA RAZÃO

Tabela 3B - Casos de infecção pelo HIV e aids notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) SEXO MASCULINO e razão HIV/ aids, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

32 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

Razão   AIDS/HIV

5 35 15 58 39 54 35 56 44 59 81 19 44 20 21 7 5 5 5 3 1 1 1 1 1 1 2 3 3

** ** **

Taxa  de  incidência AIDS HIV Total 0,2 0,2 0,4 0,2 0,0 0,2 1,8 0,0 1,8 2,4 0,5 2,9 5,9 0,2 6,1 7,3 0,5 7,8 9,4 0,2 9,6 18,7 0,5 19,2 25,3 0,5 25,8 32,1 0,9 33,1 34,2 0,6 34,8 46,6 1,1 47,7 57,8 1,0 58,8 66,4 0,8 67,2 58,8 3,1 61,9 51,7 1,2 52,9 57,4 2,9 60,3 48,2 2,3 50,5 44,9 6,5 51,4 47,1 9,4 56,4 38,6 8,0 46,6 34,4 7,5 41,9 37,0 12,0 49,0 26,7 18,6 45,3 31,8 22,3 54,0 29,3 22,1 51,5 31,7 28,5 60,2 31,1 32,1 63,2 26,1 34,9 61,0 28,4 49,5 77,8 22,8 61,0 83,8 25,6 77,1 102,7


Tabela  3C  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV  e  AIDS  notificados  no  SINAN,  número  e  taxa  de  detecção    (por  100.000  hab)  SEXO   FEMININO  e  razão  HIV/aids,  segundo  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  1984-­‐2015 Ano  de  diagnóstico 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

Número  de  casos   HIV Total 0 0 0 0 0 0 1 1 2 4 0 4 5 0 5 10 0 10 18 1 19 19 0 19 42 4 46 46 0 46 48 7 55 119 4 123 140 3 143 186 4 190 181 10 191 243 5 248 231 10 241 215 15 230 222 48 270 214 61 275 162 56 218 160 47 207 177 61 238 120 98 218 144 113 257 116 95 211 121 112 233 85 112 197 84 121 205 88 163 251 65 135 200 99 180 279 3365 1466 4831

AIDS

Razão   AIDS/HIV -­‐ -­‐ 1 -­‐ -­‐ -­‐ 18 -­‐ 11 -­‐ 7 30 47 47 18 49 23 14 5 4 3 3 3 1 1 1 1 1 1 2 ** 2 ** 2 **

Taxa  de  incidência   AIDS HIV Total 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,2 0,2 0,3 0,6 0,0 0,6 0,8 0,0 0,8 1,5 0,0 1,5 2,7 0,1 2,8 2,8 0,0 2,8 6,0 0,6 6,6 6,5 0,0 6,5 6,7 1,0 7,7 16,5 0,6 17,0 18,3 0,4 18,7 23,6 0,5 24,1 22,5 1,2 23,7 29,5 0,6 30,1 28,0 1,2 29,2 25,5 1,8 27,3 25,9 5,6 31,5 24,6 7,0 31,6 18,3 6,3 24,7 17,5 5,1 22,6 19,0 6,6 25,6 12,7 10,3 23,0 15,1 11,9 27,0 12,0 9,8 21,9 13,2 12,2 25,4 9,2 12,1 21,3 9,0 13,0 22,0 9,1 16,8 25,9 6,7 13,8 20,5 10,1 18,3 28,4

Fonte: SMS Curitiba CE/CVE *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/9/16 **INVERSÃO DA RAZÃO

Tabela 3C - Casos de infecção pelo HIV e

AIDS notificados no SINAN, número e taxa de detecção (por 100.000 hab) SEXO FEMININO e razão HIV/aids, segundo ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 33


Tabela 4A - Casos de HIV/aids notifica-

dos no SINAN segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

34 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

1984-­‐1999 Nº 80 13 67 890 1217 473 168 83 2991

1984-­‐1999 Nº 65 8 44 385 388 136 60 15 1101

Masculino Ano  diagnóstico Faixa  etária <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

Feminino Ano  diagnóstico Faixa  etária <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total 2000 Nº 10 6 16 83 75 36 10 5 241

2000 Nº 14 3 7 126 187 89 26 7 459

2000 Nº 24 9 23 209 262 125 36 12 700

2001 Nº 10 4 11 80 87 27 9 2 230

2001 Nº 10 8 12 96 153 78 28 7 392

2001 Nº 20 12 23 176 240 105 37 9 622

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

1984-­‐1999 Nº 145 21 111 1275 1605 609 228 98 4092

Ano  diagnóstico Faixa  etária <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

9 2 16 85 87 52 14 5 270

2002 Nº

5 7 7 100 170 73 34 9 405

2002 Nº

2002 Nº 14 9 23 185 257 125 48 14 675

7 4 12 89 91 50 15 7 275

2003 Nº

3 3 10 93 201 97 38 7 452

2003 Nº

2003 Nº 10 7 22 182 292 147 53 14 727

5 4 10 60 68 50 17 4 218

2004 Nº

4 5 4 79 154 86 32 15 379

2004 Nº

9 9 14 139 222 136 49 19 597

2004 Nº

5 2 6 54 60 50 23 7 207

2005 Nº

3 1 5 84 123 92 38 7 353

2005 Nº

8 3 11 138 183 142 61 14 560

2005 Nº

5 4 14 63 70 47 27 8 238

2006 Nº

3 0 8 100 148 103 43 15 420

2006 Nº

8 4 22 163 218 150 70 23 658

2006 Nº

5 0 10 67 62 43 25 6 218

2007 Nº

6 1 9 92 136 104 37 10 395

2007 Nº

2007 Nº 11 1 19 159 198 147 62 16 613

2 1 17 71 74 51 30 11 257

2008 Nº

6 1 11 136 147 111 40 21 473

2008 Nº

8 2 28 207 221 162 70 32 730

2008 Nº

1 0 6 62 60 47 26 9 211

2009 Nº

3 0 9 148 130 111 42 13 456

2009 Nº

4 0 15 210 190 158 68 22 667

2009 Nº

4 1 17 55 65 51 24 16 233

2010 Nº

2 1 15 159 179 92 36 19 503

2010 Nº

6 2 32 214 244 143 60 35 736

2010 Nº

2 0 13 54 59 41 23 5 197

2011 Nº

2 0 20 203 152 96 45 14 532

2011 Nº

4 0 33 257 211 137 68 19 729

2011 Nº

1 1 9 48 63 48 25 10 205

2012 Nº

4 0 25 199 139 99 38 13 517

2012 Nº

5 1 34 247 202 147 63 23 722

2012 Nº

0 0 15 50 88 55 31 12 251

2013 Nº

0 1 28 251 217 127 47 15 686

2013 Nº

0 1 43 301 305 182 78 27 937

2013 Nº

0 1 10 55 56 40 25 13 200

2014 Nº

2 1 35 310 201 118 59 19 745

2014 Nº

2 2 45 365 257 158 84 32 945

2014 Nº

2 0 8 59 73 74 47 16 279

2015 Nº

0 0 47 394 250 129 68 32 920

2015 Nº

2 0 55 453 323 203 115 48 1199

2015 Nº

TOTAL Nº 133 38 234 1420 1526 898 431 151 4831

TOTAL Nº 147 45 319 3460 3904 2078 819 306 11078

TOTAL Nº 280 83 553 4880 5430 2976 1250 457 15909

Tabela  4A  -­‐  Casos  de  HIV/aids  notificados  no  SINAN  segundo  sexo  e  faixa  etária  por  ano  diagnóstico.                                                                                                                                                                                     Curitiba,  1984-­‐2015


tecção (por 100.000 hab) de casos de HIV/aids notificados no SINAN, segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

Tabela 4B - Taxa de de-

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 35 15,9 5,8 15,3 53,6 53,7 32,1 14,4 6,3 29,2

15,6 3,8 10,3 50,7 61,1 23,6 12,7 2,5 27,3

2001

14,9 7,3 11,4 63,6 118,7 79,5 46,5 12,6 50,5

21,4 2,8 6,8 85,1 148,1 92,6 44,0 12,8 60,3

2000

2001

15,3 5,5 10,8 57,0 88,5 49,4 28,2 6,6 38,4

2001

2000

18,7 4,2 11,1 69,0 98,6 60,0 28,0 9,0 44,1

2000

13,8 1,9 14,7 53,0 60,2 44,8 19,4 6,1 31,5

2002

7,4 6,3 6,5 65,2 130,0 73,3 55,6 15,9 51,4

2002

10,5 4,1 10,7 59,0 93,3 57,9 36,0 10,1 41,0

2002

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016 **população por faixa etaria com base no ano de 2012

Feminino Ano  Diagnóstico Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

Masculino Ano  Diagnóstico Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

Ano  Diagnóstico Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

10,6 3,7 10,9 54,6 61,9 42,4 20,5 8,4 31,6

2003

4,3 2,6 9,2 59,7 151,2 95,8 61,1 12,2 56,4

2003

7,4 3,1 10,0 57,1 104,3 67,0 39,2 10,0 43,5

2003

7,4 3,6 8,9 36,3 45,6 41,7 22,9 4,7 24,7

2004

5,7 4,3 3,6 49,9 114,1 83,6 50,7 25,7 46,6

2004

6,6 4,0 6,3 42,9 78,1 61,1 35,6 13,3 35,2

2004

7,2 1,7 5,2 31,5 38,8 40,3 29,9 8,0 22,6

2005

4,1 0,8 4,4 51,3 88,0 86,4 58,1 11,6 41,9

2005

5,6 1,3 4,8 41,2 62,2 61,6 42,8 9,5 31,9

2005

7,1 3,4 11,9 36,1 44,5 37,2 34,5 9,0 25,6

2006

4,1 0,0 6,9 60,0 104,0 95,1 64,6 24,4 49,0

2006

5,5 1,7 9,4 47,8 72,8 63,9 48,3 15,3 36,8

2006

8,4 0,0 9,6 38,5 39,5 31,2 25,2 5,7 23,0

2007

9,7 0,9 8,4 54,1 92,6 87,8 45,5 13,9 45,3

2007

9,0 0,4 9,0 46,2 65,2 57,4 34,4 9,0 33,7

2007

3,5 0,9 16,3 41,3 46,4 36,7 29,3 10,1 27,0

2008

10,1 0,9 10,3 80,5 98,1 92,5 48,0 28,3 54,0

2008

6,9 0,9 13,3 60,7 71,5 62,6 37,7 17,4 39,9

2008

1,8 0,0 5,7 36,2 36,7 33,3 24,5 7,9 21,9

2009

5,3 0,0 8,4 87,6 84,3 90,7 48,8 16,8 51,5

2009

3,6 0,0 7,1 61,7 59,8 60,0 35,4 11,5 36,0

2009

7,5 1,1 17,8 33,5 42,8 37,7 22,5 13,7 25,4

2010

3,7 1,8 27,1 99,4 126,6 78,1 41,3 23,5 60,2

2010

5,6 1,4 21,2 66,0 83,2 56,5 31,0 17,7 42,0

2010

3,7 0,0 13,5 32,6 38,6 30,1 21,4 4,2 21,3

2011

2,1 0,0 20,5 126,0 106,8 81,0 51,3 17,2 63,2

2011

2,7 0,0 17,0 78,7 71,4 53,7 34,8 9,5 41,3

2011

1,9 1,1 9,3 28,8 40,9 35,0 23,1 8,4 22,0

2012

4,1 0,0 25,4 122,7 97,0 82,9 43,0 15,8 61,0

2012

3,3 0,5 17,4 75,1 67,9 57,3 32,1 11,4 40,6

2012 1,3 1,0 23,0 111,0 86,4 61,6 42,8 15,9 53,2

1,3 0,0 28,1 137,7 108,6 79,1 58,5 23,9 67,5

2,1 1,0 35,5 191,1 140,2 98,8 66,8 23,2 88,0

0,0 0,0 47,7 242,9 174,4 108,0 77,0 39,0 108,6

0,0 0,0 15,4 30,0 57,1 40,1 28,7 10,1 27,0

0,0 1,1 10,3 33,0 36,4 29,1 23,1 10,9 21,5

3,7 0,0 8,2 35,4 47,4 53,9 43,5 13,5 30,0

2013** 2014** 2015**

0,0 1,0 28,4 154,8 151,4 106,4 53,2 18,3 81,0

2013** 2014** 2015**

0,0 0,5 22,0 91,5 102,6 70,9 39,7 13,4 52,7

2013** 2014** 2015**

Tabela  4B  -­‐  Taxa  de  detecção  (por  100.000  hab)  de  casos  de  HIV/aids  notificados  no  SINAN  segundo  sexo  e  faixa  etária  por  ano  diagnóstico.                                                                                                 Curitiba,  2000-­‐2015


Sexual  

UDI Hemofílico Transfusão Acidente  mat.  biológico

Homossexual Bissexual Heterossexual

Categoria  de  exposição

0 0

15 17 241

173

4 0

70 138 1101

UDI Hemofílico Transfusão Acidente  mat.  biológico

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Transmissão  Vertical            Ignorado            Total

19

715 1

189 1

2000 Nº

Heterossexual Bissexual

Categoria  de  exposição

Feminino

1984-­‐1999 Nº

17 41 459

86 461 2991

Transmissão  Vertical            Ignorado            Total

66 0 0 0

560 19 12 0

UDI Hemofílico Transfusão Acidente  mat.  biológico

118 52 165

2000 Nº

819 408 626

1984-­‐1999 Nº

32 58 700

156 599 4092

118 53 354

85 0 0 0

2000 Nº

733 19 16 0

819 409 1341

1984-­‐1999 Nº

13 17 230

1 0

34

165 0

2001 Nº

18 45 392

72 0 0 0

76 46 135

2001 Nº

31 62 622

106 0 1 0

76 46 300

11 40 270

0 0

29

189 1

2002 Nº

12 74 405

74 1 0 0

87 34 123

2002 Nº

23 114 675

103 1 0 0

87 35 312

11 32 275

0 0

16

213 3

2003 Nº

5 100 452

62 1 1 0

95 33 155

2003 Nº

16 132 727

78 1 1 0

95 36 368

7 13 218

2 1

17

177 1

2004 Nº

5 58 379

50 1 0 0

68 41 156

2004 Nº

12 71 597

67 1 2 1

68 42 333

6 19 207

0 0

14

165 3

2005 Nº

4 56 354

41 0 2 0

79 35 137

2005 Nº

10 75 561

55 0 2 0

79 38 302

8 26 238

0 0

11

192 1

2006 Nº

3 80 420

43 0 1 0

91 42 160

2006 Nº

11 106 658

54 0 1 0

91 43 352

5 22 218

0 0

16

172 3

2007 Nº

8 85 395

36 0 0 0

99 27 140

2007 Nº

13 107 613

52 0 0 0

99 30 312

4 30 257

0 0

7

213 3

2008 Nº

10 93 473

36 1 1 0

132 40 160

2008 Nº

14 123 730

43 1 1 0

132 43 373

1 29 211

0 0

10

170 1

2009 Nº

5 89 456

29 0 0 0

159 32 142

2009 Nº

6 118 667

39 0 0 0

159 33 312

5 28 205

0 0

8

159 5

2012 Nº

5 84 517

28 0 0 0

234 42 124

2012 Nº

10 112 722

36 0 0 0

234 47 283

2 25 251

1 0

10

209 4

2013 Nº

3 127 686

23 0 0 1

296 41 195

2013 Nº

5 152 937

33 0 1 1

296 45 404

12 193 945

27 0 1 0

303 51 358

1 29 200

0 0

6

160 4

2014 Nº

11 164 745

21 0 1 0

303 47 198

2014 Nº

2014 Nº

39 0 0 0

443 57 462

379 2430 15910

1630 24 26 2

3496 1095 6828

Total Nº

207 1890 11079

1221 24 18 1

3496 1054 3168

5 34 279

0 0

13

221 6

172 540 4831

8 1

409

3660 41

2015 Total Nº Nº

10 149 920

26 0 0 0

443 51 241

2015 Total Nº Nº

15 183 1199

2015 Nº

infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN, segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico. Curitiba, 1984-2015

3 14 197

0 0

9

170 1

2011 Nº

3 83 532

24 0 0 0

210 39 173

2011 Nº

6 97 729

33 0 0 0

210 40 343

2013 Nº

Tabela 5A - Número de casos de

5 27 233

0 0

17

181 3

2010 Nº

2 101 503

30 1 0 0

187 44 138

2010 Nº

7 128 736

47 1 0 0

187 47 319

Tabela  5A  -­‐  Número  de  casos  de  infecção  pelo  HIV/aids  notificados  no  SINAN,  segundo  categoria  de  exposição  hierarquizada  por  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  1984-­‐2015 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 Nº Nº Nº Nº Nº Nº Nº Nº Nº Nº Nº Nº

Homossexual Bissexual Heterossexual

Categoria  de  exposição

Masculino

Transmissão  Vertical            Ignorado            Total

Sangue

Sexual  

Sangue

Sexual  

Sangue

36 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


Tabela 5B - Percentual

de casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN, segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico Curitiba, 1984- 2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 37

Sexual  

0,0 0,0 6,2 7,1 100,0

15,7 0,4 0,0 6,4 12,5 100,0

UDI Hemofílico Transfusão Acidente  mat.  biológico

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Transmissão  Vertical            Ignorado            Total

7,9

64,9 0,1

78,4 0,4

2000 %

Heterossexual Bissexual

Feminino Ano  diagnóstico Categoria  de  exposição 1984-­‐1999 %

3,7 8,9 100,0

2,9 15,4 100,0

Transmissão  Vertical            Ignorado            Total

14,4 0,0 0,0 0,0

18,7 0,6 0,4 0,0

UDI Hemofílico Transfusão Acidente  mat.  biológico

25,7 11,3 35,9

27,4 13,6 20,9

Homossexual Bissexual Heterossexual

Masculino Ano  diagnóstico Categoria  de  exposição 2000 %

4,6 8,3 100,0

3,8 14,6 100,0

1984-­‐1999 %

12,1 0,0 0,0

17,9 0,5 0,4

UDI Hemofílico Transfusão Acidente  mat.  biológico

16,9 7,6 50,6

20,0 10,0 32,8

2000 %

Homossexual Bissexual Heterossexual

1984-­‐1999 %

5,7 7,4 100,0

0,4 0,0

14,8

71,7 0,0

2001 %

4,6 11,5 100,0

18,4 0,0 0,0 0,0

19,4 11,7 34,4

2001 %

5,0 10,0 100,0

17,0 0,0 0,2

12,2 7,4 48,2

2001 %

4,1 14,8 100,0

0,0 0,0

10,7

70,0 0,4

2002 %

3,0 18,3 100,0

18,3 0,2 0,0 0,0

21,5 8,4 30,4

2002 %

3,4 16,9 100,0

15,3 0,1 0,0

12,9 5,2 46,2

2002 %

4,0 11,6 100,0

0,0 0,0

5,8

77,5 1,1

2003 %

1,1 22,1 100,0

13,7 0,2 0,2 0,0

21,0 7,3 34,3

2003 %

2,2 18,2 100,0

10,7 0,1 0,1

13,1 5,0 50,6

2003 %

3,2 6,0 100,0

0,9 0,5

7,8

81,2 0,5

2004 %

1,3 15,3 100,0

13,2 0,3 0,0 0,0

17,9 10,8 41,2

2004 %

2,0 11,9 100,0

11,2 0,2 0,3

11,4 7,0 55,8

2004 %

2,9 9,2 100,0

0,0 0,0

6,8

79,7 1,4

2005 %

1,1 15,8 100,0

11,6 0,0 0,6 0,0

22,3 9,9 38,7

2005 %

1,8 13,4 100,0

9,8 0,0 0,4

14,1 6,8 53,8

2005 %

3,4 10,9 100,0

0,0 0,0

4,6

80,7 0,4

2006 %

0,7 19,0 100,0

10,2 0,0 0,2 0,0

21,7 10,0 38,1

2006 %

1,7 16,1 100,0

8,2 0,0 0,2

13,8 6,5 53,5

2006 %

2,3 10,1 100,0

0,0 0,0

7,3

78,9 1,4

2007 %

2,0 21,5 100,0

9,1 0,0 0,0 0,0

25,1 6,8 35,4

2007 %

2,1 17,5 100,0

8,5 0,0 0,0

16,2 4,9 50,9

2007 %

1,6 11,7 100,0

0,0 0,0

2,7

82,9 1,2

2008 %

2,1 19,7 100,0

7,6 0,2 0,2 0,0

27,9 8,5 33,8

2008 %

1,9 16,8 100,0

5,9 0,1 0,1

18,1 5,9 51,1

2008 %

0,5 13,7 100,0

0,0 0,0

4,7

80,6 0,5

2009 %

1,1 19,5 100,0

6,4 0,0 0,0 0,0

34,9 7,0 31,1

2009 %

0,9 17,7 100,0

5,8 0,0 0,0

23,8 4,9 46,8

2009 %

2,1 11,6 100,0

0,0 0,0

7,3

77,7 1,3

2010 %

0,4 20,1 100

6,0 0,2 0,0 0,0

37,2 8,7 27,4

2010 %

1,0 17,4 100,0

6,4 0,1 0,0

25,4 6,4 43,3

2010 %

1,5 7,1 100,0

0,0 0,0

4,6

86,3 0,5

2011 %

0,6 15,6 100,0

4,5 0,0 0,0 0,0

39,5 7,3 32,5

2011 %

0,8 13,3 100,0

4,5 0,0 0,0

28,8 5,5 47,1

2011 %

2,4 13,7 100,0

0,0 0,0

3,9

77,6 2,4

2012 %

1,0 16,2 100,0

5,4 0,0 0,0 0,0

45,3 8,1 24,0

2012 %

1,4 15,5 100,0

5,0 0,0 0,0

32,4 6,5 39,2

2012 %

0,8 10,0 100,0

0,4 0,0

4,0

83,3 1,6

2013 %

0,4 18,5 100,0

3,4 0,0 0,0 0,1

43,1 6,0 28,4

2013 %

0,5 16,2 100,0

3,5 0,0 0,1

31,6 4,8 43,1

2013 %

Tabela  5B-­‐  Percentual  de  casos  de  infecção  pelo  HIV/aids  notificados  no  SINAN,  segundo  categoria  de  exposição  hierarquizada  por  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  1984-­‐2015

Ano  diagnóstico Categoria  de  exposição

Transmissão  Vertical            Ignorado            Total

Sangue

Sexual  

Sangue

Sexual  

Sangue

0,5 14,5 100,0

0,0 0,0

3,0

80,0 2,0

2014 %

1,5 22,0 100,0

2,8 0,0 0,1 0,0

40,7 6,3 26,6

2014 %

1,3 20,4 100,0

2,9 0,0 0,1 0,0

32,1 5,4 37,9

2014 %

2,4 15,3 100,0

10,2 0,2 0,2 0,0

22,0 6,9 42,9

1,9 17,1 100,0

31,6 9,5 28,6 69,7 11,0 0,2 0,2 0,0

1,8 12,2 100,0

0,0 0,0

4,7

79,2 2,2

3,6 11,2 100,0

0,2 0,0

8,5

75,8 0,8

2015 Total % %

1,1 16,2 100,0

2,8 0,0 0,0 0,0

48,2 5,5 26,2

2015 Total % %

1,3 15,3 100,0

3,3 0,0 0,0 0,0

36,9 4,8 38,5

2015 Total % %


38 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

2007

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

87 30 50 36 10 5 218

39,9 13,8 22,9 16,5 4,6 2,3 100,0

%

2007 Nº % 160 40,5 22 5,6 77 19,5 89 22,5 40 10,1 7 1,8 395 100,0

Masculino Ano  Diagnóstico Escolaridade Ign/Branco Analfabeto/  4ª  serie 5ª  a  8ª  série  completa Ensino  médio Educação  superior Não  se  aplica Total

Feminino Ano  Diagnóstico Escolaridade Ign/Branco Analfabeto/  4ª  serie 5ª  a  8ª  série  completa Ensino  médio Educação  superior Não  se  aplica Total

2007 Nº % 247 40,3 52 8,5 127 20,7 125 20,4 50 8,2 12 2,0 613 100,0

Ano  Diagnóstico Escolaridade Ign/Branco Analfabeto/  4ª  serie 5ª  a  8ª  série  completa Ensino  médio Educação  superior Não  se  aplica Total

2008 96 25 75 46 13 2 257

2008 Nº 208 18 80 89 72 6 473

2008 Nº 304 43 155 135 85 8 730

% 37,4 9,7 29,2 17,9 5,1 0,8 100,0

% 44,0 3,8 16,9 18,8 15,2 1,3 100,0

% 41,6 5,9 21,2 18,5 11,6 1,1 100,0

2009 85 27 45 37 16 1 211

2009 Nº 171 24 76 105 77 3 456

2009 Nº 256 51 121 142 93 4 667

% 40,3 12,8 21,3 17,5 7,6 0,5 100,0

% 37,5 5,3 16,7 23,0 16,9 0,7 100,0

% 38,4 7,6 18,1 21,3 13,9 0,6 100,0

2010 Nº 108 22 49 42 7 5 233

2010 Nº 206 21 76 98 100 2 503

2010 Nº 314 43 125 140 107 7 736

% 46,4 9,4 21,0 18,0 3,0 2,1 100,0

% 41,0 4,2 15,1 19,5 19,9 0,4 100,0

% 42,7 5,8 17,0 19,0 14,5 1,0 100,0

Curitiba,  2007-­‐2015

2011 69 16 55 46 9 2 197

2011 Nº 198 22 77 112 121 2 532

2011 Nº 267 38 132 158 130 4 729

% 35,0 8,1 27,9 23,4 4,6 1,0 100,0

% 37,2 4,1 14,5 21,1 22,7 0,4 100,0

% 36,6 5,2 18,1 21,7 17,8 0,5 100,0

2012 56 33 49 48 18 1 205

2012 Nº 170 27 76 120 120 4 517

2012 Nº 226 60 125 168 138 5 722

% 27,3 16,1 23,9 23,4 8,8 0,5 100,0

% 32,9 5,2 14,7 23,2 23,2 0,8 100,0

% 31,3 8,3 17,3 23,3 19,1 0,7 100,0

2013 88 24 67 59 13 0 251

2013 Nº 214 30 112 168 161 1 686

2013 Nº 302 54 179 227 174 1 937

% 35,1 9,6 26,7 23,5 5,2 0,0 100,0

% 31,2 4,4 16,3 24,5 23,5 0,1 100,0

% 32,2 5,8 19,1 24,2 18,6 0,1 100,0

Tabela  6  -­‐  Casos  de  infecção  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual),  segundo  escolaridade  por  ano  de  diagnóstico.

74 27 42 42 15 0 200

2014 % 37,0 13,5 21,0 21,0 7,5 0,0 100,0

% 30,2 4,0 16,0 25,5 23,9 0,4 100,0

2014 Nº 225 30 119 190 178 3 745

% 31,6 6,0 17,0 24,6 20,4 0,3 100,0

2014 Nº 299 57 161 232 193 3 945

Tabela 6 - Casos de infecção HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo escolaridade por ano de diagnóstico. Curitiba, 2007-2015.

2015 78 25 77 67 30 2 279

2015 Nº 255 44 152 259 210 0 920

2015 Nº 333 69 229 326 240 2 1199

% 28,0 9,0 27,6 24,0 10,8 0,7 100,0

% 27,7 4,8 16,5 28,2 22,8 0,0 100,0

% 27,8 5,8 19,1 27,2 20,0 0,2 100,0


2007

2007

19 161 11 0 26 1 218

41 307 10 2 35 0 395

2007 Nº 60 468 21 2 61 1 613

8,7 73,9 5,0 0,0 11,9 0,5 100,0

%

% 10,4 77,7 2,5 0,5 8,9 0,0 100,0

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Feminino Ano  Diagnóstico Raça Ignorada   Branca Preta Amarela Parda Indigena Total

Masculino Ano  Diagnóstico Raça Ignorada   Branca Preta Amarela Parda Indigena Total

Ano  Diagnóstico Raça Ignorada   Branca Preta Amarela Parda Indigena Total

2008

2008

23 187 14 1 31 1 257

46 377 15 4 31 0 473

8,9 72,8 5,4 0,4 12,1 0,4 100,0

%

9,7 79,7 3,2 0,8 6,6 0,0 100,0

%

2009

2009 22 156 9 2 22 0 211

47 351 16 4 38 0 456

% 10,4 73,9 4,3 0,9 10,4 0,0 100,0

% 10,3 77,0 3,5 0,9 8,3 0,0 100,0

2010

2010 24 183 8 0 17 1 233

72 365 17 4 45 0 503

% 10,3 78,5 3,4 0,0 7,3 0,4 100,0

% 14,3 72,6 3,4 0,8 8,9 0,0 100,0

2011

2011 15 154 12 0 16 0 197

50 415 16 2 48 1 532

7,6 78,2 6,1 0,0 8,1 0,0 100,0

%

9,4 78,0 3,0 0,4 9,0 0,2 100,0

%

2012

2012 15 154 11 2 23 0 205

44 403 30 8 31 1 517

7,3 75,1 5,4 1,0 11,2 0,0 100,0

%

8,5 77,9 5,8 1,5 6,0 0,2 100,0

%

2013

2013 15 188 10 2 36 0 251

62 533 26 10 54 1 686

6,0 74,9 4,0 0,8 14,3 0,0 100,0

%

9,0 77,7 3,8 1,5 7,9 0,1 100,0

%

2014

2014 7 152 17 4 20 0 200

61 575 29 13 67 0 745

Tabela  7  -­‐  Casos  de  infecção  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual),  segundo  raça  por  ano  de  diagnóstico. Curitiba,  2007-­‐2015 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº 9,8 69 9,5 69 10,3 96 13,0 65 8,9 59 8,2 77 8,2 68 76,3 564 77,3 507 76,0 548 74,5 569 78,1 557 77,1 721 76,9 727 3,4 29 4,0 25 3,7 25 3,4 28 3,8 41 5,7 36 3,8 46 0,3 5 0,7 6 0,9 4 0,5 2 0,3 10 1,4 12 1,3 17 10,0 62 8,5 60 9,0 62 8,4 64 8,8 54 7,5 90 9,6 87 0,2 1 0,1 0 0,0 1 0,1 1 0,1 1 0,1 1 0,1 0 100,0 730 100,0 667 100,0 736 100,0 729 100,0 722 100,0 937 100,0 945

Tabela 7 Casos de infecção HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo raça por ano de diagnóstico. Curitiba, 2007-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 39

3,5 76,0 8,5 2,0 10,0 0,0 100,0

%

8,2 77,2 3,9 1,7 9,0 0,0 100,0

%

7,2 76,9 4,9 1,8 9,2 0,0 100,0

%

2015

2015 20 213 16 2 28 0 279

65 713 43 13 86 0 920

2015 Nº 85 926 59 15 114 0 1199

7,2 76,3 5,7 0,7 10,0 0,0 100,0

%

7,1 77,5 4,7 1,4 9,3 0,0 100,0

%

7,1 77,2 4,9 1,3 9,5 0,0 100,0

%


Tabela  8A  -­‐  Óbitos  por  HIV/aids  (número  e  coeficiente  de  mortalidade  por  100.000  hab)  e  razão  de  sexo,  segundo   ano  de  óbito. Curitiba,  1985-­‐2015 Ano  do  óbito 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total  

Número  de  óbitos Masculino Feminino Total Razão  M:F 2 2 . 2 2 . 8 1 9 8 11 5 16 2 28 2 30 14 41 2 43 21 54 8 62 7 81 11 92 7 92 24 116 4 129 35 164 4 138 44 182 3 161 50 211 3 113 35 148 3 84 25 109 3 108 37 145 3 99 36 135 3 92 43 135 2 118 45 163 3 97 48 145 2 89 41 130 2 72 48 120 2 102 51 153 2 116 37 153 3 99 40 139 2 92 26 118 4 103 40 143 3 90 52 142 2 91 53 144 2 99 54 153 2 106 39 145 3 87 29 116 3 2604 961 3565

Coeficiente  de  mortalidade Masculino   Feminino Total 0,4 0,0 0,2 0,4 0,0 0,2 1,4 0,2 0,7 1,9 0,8 1,3 4,6 0,3 2,4 6,7 0,3 3,3 8,6 1,2 4,7 12,6 1,6 6,8 14,1 3,4 8,5 19,6 4,9 11,9 20,8 6,1 13,1 22,7 6,5 14,3 15,5 4,4 9,8 11,3 3,1 7,0 14,2 4,5 9,2 13,0 4,4 8,5 11,8 5,1 8,3 15,0 5,3 9,9 12,1 5,5 8,7 10,9 4,6 7,7 8,5 5,2 6,8 11,9 5,5 8,6 13,3 3,9 8,4 11,3 4,2 7,6 10,4 2,7 6,4 12,3 4,4 8,2 10,7 5,6 8,0 10,7 5,7 8,1 11,2 5,6 8,3 11,9 4,0 7,8 9,7 2,9 6,2

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE DATASUS-SIM 1996-2014 SIM/SMS/CE 2015 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Tabela 8A - Óbitos por aids (número e

coeficiente de mortalidade por 100.000 hab) e razão de sexo, segundo ano de óbito. Curitiba, 1985-2015

40 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS


2000 Nº 1 0 0 16 44 25 10 3 0 99

2000 Nº 2 0 1 12 11 10 0 0 0 36

Masculino Ano  Óbito Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Ignorado Total

Feminino Ano  Óbito Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Ignorado Total

2001 Nº 0 0 2 13 14 9 4 1 0 43

2001 Nº 1 0 0 8 31 32 19 1 0 92

2001 Nº 1 0 2 21 45 41 23 2 0 135

2002 Nº 0 0 1 3 23 11 6 1 0 45

2002 Nº 1 2 0 24 49 27 10 5 0 118

2002 Nº 1 2 1 27 72 38 16 6 0 163

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE DATASUS-SIM 1996-2014 SIM/SMS/CE 2015 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

2000 Nº 3 0 1 28 55 35 10 3 0 135

Ano  Óbito Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Ignorado Total

2003 Nº 0 0 1 11 14 16 5 1 0 48

2003 Nº 1 1 0 13 35 27 16 3 1 97

2003 Nº 1 1 1 24 49 43 21 4 1 145

2004 Nº 1 0 1 7 19 9 3 1 0 41

2004 Nº 0 0 0 15 29 25 13 5 2 89

2004 Nº 1 0 1 22 48 34 16 6 2 130

2005 Nº 4 2 2 6 10 16 5 3 0 48

2005 Nº 0 0 0 9 27 19 15 2 0 72

2005 Nº 4 2 2 15 37 35 20 5 0 120

2006 Nº 0 0 0 3 20 17 9 2 0 51

2006 Nº 1 0 1 9 26 38 20 7 0 102

2006 Nº 1 0 1 12 46 55 29 9 0 153

2007 Nº 1 0 0 6 11 12 7 1 0 38

2007 Nº 1 0 1 14 32 39 22 6 0 115

2007 Nº 2 0 1 20 43 51 29 7 0 153

2008 Nº 0 0 1 3 17 11 6 2 0 40

2008 Nº 0 0 0 5 32 40 13 9 0 99

2008 Nº 0 0 1 8 49 51 19 11 0 139

2009 Nº 0 0 0 2 7 11 6 0 0 26

2009 Nº 0 0 0 7 22 43 9 11 0 92

2009 Nº 0 0 0 9 29 54 15 11 0 118

2010 Nº 0 0 0 8 11 15 4 2 0 40

2010 Nº 0 1 0 7 31 34 18 12 0 102

2010 Nº 0 1 0 15 42 49 22 14 0 142

2011 Nº 0 0 0 11 14 15 6 6 0 52

2011 Nº 0 0 0 11 33 26 15 5 0 90

2011 Nº 0 0 0 22 47 41 21 11 0 142

2012 Nº 0 0 1 8 14 14 9 7 0 53

2012 Nº 0 0 0 8 23 34 15 11 0 91

2012 Nº 0 0 1 16 37 48 24 18 0 144

2013 Nº 0 0 0 5 16 17 10 6 0 54

2013 Nº 1 0 0 8 35 29 19 7 0 99

2013 Nº 1 0 0 13 51 46 29 13 0 153

2014 Nº 0 0 2 5 11 10 6 5 0 39

2014 Nº 0 0 0 9 33 30 19 15 0 106

2014 Nº 0 0 2 14 44 40 25 20 0 145

2015 Nº 0 0 0 2 5 13 5 4 0 29

2015 Nº 0 0 0 6 20 22 24 15 0 87

2015 Nº 0 0 0 8 25 35 29 19 0 116

TOTAL

TOTAL

8 2 12 105 217 206 91 42 0 683

TOTAL

7 4 2 169 502 490 257 117 3 1550

15 6 14 274 719 696 348 159 3 2233

1,2 0,3 1,8 15,4 31,8 30,2 13,3 6,1 0,0 100,0

%

0,5 0,3 0,1 10,9 32,4 31,6 16,6 7,5 0,2 100,0

%

0,7 0,3 0,6 12,3 32,2 31,2 15,6 7,1 0,1 100,0

%

Tabela  8B  -­‐  Óbitos  por  HIV/aids  notificados  no  SIM  segundo  sexo  e  faixa  etária  por  ano  de  óbito.                                                                                                                                                                                                                                                                                         Curitiba,  2000  -­‐  2015

Tabela 8B - Óbitos por HIV/aids notificados no SIM, segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 2000-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 41


42 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

2001

0,0 0,0 1,9 8,2 9,8 7,9 5,6 1,2 5,1

3,2 0,0 1,0 7,8 7,9 8,9 0,0 0,0 4,4

1,5 0,0 0,0 5,3 24,1 32,6 31,5 1,8 11,8

1,5 0,0 0,0 10,8 34,9 26,0 16,9 5,5 13,0

2000

2001

0,8 0,0 0,9 6,8 16,6 19,3 17,5 1,5 8,3

2,3 0,0 0,5 9,3 20,7 16,8 7,8 2,2 8,5

2000

2001

2000

0,0 0,0 0,9 1,9 15,9 9,5 8,3 1,2 5,3

2002

1,5 1,8 0,0 15,7 37,5 27,1 16,3 8,8 15,0

2002

0,8 0,9 0,5 8,6 26,1 17,6 12,0 4,3 9,9

2002

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Feminino Ano  Óbito Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

Masculino Ano  Óbito Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

Ano  Óbito Faixa  Etária   <  5  anos 5  a  12   13  a  19   20  a  29 30  a  39 40  a  49 50  a  59 60  e  mais Total

0,0 0,0 0,9 6,8 9,5 13,6 6,8 1,2 5,5

2003

1,4 0,9 0,0 8,3 26,3 26,7 25,7 5,2 12,1

2003

0,7 0,4 0,5 7,5 17,5 19,6 15,5 2,8 8,7

2003

1,5 0,0 0,9 4,2 12,7 7,5 4,0 1,2 4,6

2004

0,0 0,0 0,0 9,5 21,5 24,3 20,6 8,6 10,9

2004

0,7 0,0 0,4 6,8 16,9 15,3 11,6 4,2 7,7

2004

5,7 1,7 1,7 3,5 6,5 12,9 6,5 3,4 5,2

2005

0,0 0,0 0,0 5,5 19,3 17,8 22,9 3,3 8,5

2005

2,8 0,9 0,9 4,5 12,6 15,2 14,0 3,4 6,8

2005

0,0 0,0 0,0 1,7 12,7 13,5 11,5 2,2 5,5

2006

1,4 0,0 0,9 5,4 18,3 35,1 30,1 11,4 11,9

2006

0,7 0,0 0,4 3,5 15,4 23,4 20,0 6,0 8,6

2006

1,7 0,0 0,0 3,5 7,0 8,7 7,1 0,9 4,0

2007

1,6 0,0 0,9 8,2 21,8 32,9 27,1 8,4 13,2

2007

1,6 0,0 0,5 5,8 14,2 19,9 16,1 3,9 8,4

2007

0,0 0,0 1,0 1,7 10,7 7,9 5,9 1,8 4,2

2008

0,0 0,0 0,0 3,0 21,3 33,3 15,6 12,1 11,3

2008

0,0 0,0 0,5 2,3 15,8 19,7 10,2 6,0 7,6

2008

0,0 0,0 0,0 1,2 4,3 7,8 5,7 0,0 2,7

2009

0,0 0,0 0,0 4,1 14,3 35,1 10,4 14,2 10,4

2009

0,0 0,0 0,0 2,6 9,1 20,5 7,8 5,7 6,4

2009

0,0 0,0 0,0 4,9 6,6 11,1 3,8 1,7 4,3

2010

0,0 1,8 0,0 4,4 21,2 28,9 20,7 14,8 12,2

2010

0,0 0,7 0,0 4,6 13,6 19,4 11,4 7,1 8,0

2010

0,0 0,0 0,0 6,6 9,2 11,0 5,6 5,1 5,6

2011

0,0 0,0 0,0 6,8 23,2 21,9 17,1 6,1 10,7

2011

0,0 0,0 0,0 6,7 15,9 16,1 10,8 5,5 8,0

2011

0,0 0,0 1,0 4,8 9,1 10,2 8,3 5,9 5,7

2012

0,0 0,0 0,0 4,9 16,0 28,5 17,0 13,4 10,7

2012

0,0 0,0 0,5 4,9 12,4 18,7 12,2 9,0 8,1

2012

0,0 0,0 0,0 3,0 10,4 12,4 9,2 5,0 5,8

2013

1,0 0,0 0,0 4,9 24,4 24,3 21,5 8,5 11,7

2013

0,7 0,0 0,0 4,0 17,1 17,9 14,8 6,5 8,6

2013

2015 0,0 0,0 0,0 2,4 8,4 13,6 14,8 9,5 6,5 2015 0,0 0,0 0,0 3,7 14,0 18,4 27,2 18,3 10,3 2015 0,0 0,0 0,0 1,2 3,2 9,5 4,6 3,4 3,1

2014 0,0 0,0 1,0 4,3 14,8 15,6 12,2 10,0 8,1 2014 0,0 0,0 0,0 5,5 23,0 25,1 20,4 18,3 12,4 2014 0,0 0,0 2,1 3,0 7,1 7,3 5,5 4,2 4,2

Tabela  8C  -­‐  Taxa  de  mortalidade  (por  100.000  hab)  de  casos  de  HIV/aids  notificados  no  SIM  segundo  sexo  e  faixa  etária  por  ano  de  óbito.                                                                                                                                                                       Curitiba,  2000-­‐2015

Tabela 8C - Taxa de mortalidade (por 100.000 hab) de casos de HIV/ aids notificados no SIM, segundo sexo e faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 2000-2015


Tabela 9 - Número de casos de infecção pelo HIV/aids, número de

óbitos e número de pessoas vivendo com HIV/aids, segundo ano de diagnóstico e ano de óbito. Curitiba, 1984-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 43

Número  de  casos  HIV/aids Masculino Feminino Total 2 0 2 1 0 1 10 2 12 17 4 21 36 5 41 47 10 57 59 19 78 121 19 140 166 46 212 216 46 262 229 55 284 316 123 439 417 143 560 490 190 680 461 191 652 403 248 651 459 241 700 392 230 622 405 270 675 452 275 727 379 218 597 353 207 560 420 238 658 395 218 613 473 257 730 456 211 667 503 233 736 532 197 729 517 205 722 686 251 937 745 200 945 920 279 1199 11078 4831 15909

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINANW 1984-2006 SINAN NET 2007-15 DATASUS-SIM 1996-2014 SIM/SESA 2015 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total  

Ano  de  diagnóstico

Número  de  óbitos Masculino Feminino Total 0 0 0 2 0 2 2 0 2 8 1 9 11 5 16 28 2 30 41 2 43 54 8 62 81 11 92 92 24 116 129 35 164 138 44 182 161 50 211 113 35 148 84 25 109 108 37 145 99 36 135 92 43 135 118 45 163 97 48 145 89 41 130 72 48 120 102 51 153 116 37 153 99 40 139 92 26 118 103 40 143 90 52 142 91 53 144 99 54 153 106 39 145 87 29 116 2604 961 3565

Pessoas  vivendo  com  HIV/aids Masculino Feminino Total 2 0 2 1 0 1 9 2 11 18 5 23 43 5 48 62 13 75 80 30 110 147 41 188 232 76 308 356 98 454 456 118 574 634 197 831 890 290 1180 1267 445 1712 1644 611 2255 1939 822 2761 2299 1027 3326 2599 1214 3813 2886 1439 4325 3241 1666 4907 3531 1843 5374 3812 2002 5814 4130 2189 6319 4409 2370 6779 4783 2587 7370 5147 2772 7919 5547 2965 8512 5989 3110 9099 6415 3262 9677 7002 3459 10461 7641 3620 11261 8474 3870 12344

Tabela  9  -­‐  Número  de  casos  de  infecção  pelo  HIV/aids,  número  de  óbitos  e  número  de  pessoas  vivendo  com  HIV/aids,  segundo  ano  de  diagnóstico  e  ano  de  óbito.   Curitiba,  1984-­‐2015


Tabela 10 - Casos de infecção HIV/aids noti-

ficados no SINAN (número e percentual) e Razão de sexo, segundo Distrito Sanitário de residência por ano de diagnóstico. Curitiba, 2007-2015

44 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS 2007

2007

2007

2007 M/F 2 2 1 2 3 3 1 2 2 2

19 28 29 25 16 29 28 25 18 217

29 49 27 41 40 91 35 48 35 395

46 77 58 65 56 116 64 74 55 612

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Razão  de  sexo Ano  diagnóstico Distrito BAIRRO  NOVO BOA  VISTA BOQUEIRAO CAJURU CIDADE  INDUSTRIAL  DE  CURITIBA MATRIZ PINHEIRINHO PORTÃO SANTA  FELICIDADE Total

Feminino Ano  diagnóstico Distrito BAIRRO  NOVO BOA  VISTA BOQUEIRAO CAJURU CIDADE  INDUSTRIAL  DE  CURITIBA MATRIZ PINHEIRINHO PORTÃO SANTA  FELICIDADE Total

Masculino Ano  diagnóstico Distrito BAIRRO  NOVO BOA  VISTA BOQUEIRAO CAJURU CIDADE  INDUSTRIAL  DE  CURITIBA MATRIZ PINHEIRINHO PORTÃO SANTA  FELICIDADE Total

Ano  diagnóstico Distrito BAIRRO  NOVO BOA  VISTA BOQUEIRAO CAJURU CIDADE  INDUSTRIAL  DE  CURITIBA MATRIZ PINHEIRINHO PORTÃO SANTA  FELICIDADE Total

8,8 12,9 13,4 11,5 7,4 13,4 12,9 11,5 8,3 100,0

%

7,3 12,4 6,8 10,4 10,1 23,0 8,9 12,2 8,9 100,0

%

7,5 12,6 9,5 10,6 9,2 19,0 10,5 12,1 9,0 100,0

%

2008

2008

2008

2008 M/F 1 2 2 2 1 4 1 2 2 2

23 37 29 28 27 28 35 28 22 257

19 62 46 53 32 115 41 57 47 472

40 95 72 78 55 145 72 86 68 729

8,9 14,4 11,3 10,9 10,5 10,9 13,6 10,9 8,6 100,0

%

4,0 13,1 9,7 11,2 6,8 24,4 8,7 12,1 10,0 100,0

%

5,5 13,0 9,9 10,7 7,5 19,9 9,9 11,8 9,3 100,0

%

2009

2009

2009

2009 M/F 2 2 1 1 1 5 2 2 2 2

16 23 27 36 25 27 17 25 14 210

29 54 40 45 36 126 33 60 33 456

43 75 61 81 62 152 48 84 48 666

7,6 11,0 12,9 17,1 11,9 12,9 8,1 11,9 6,7 100,0

%

6,4 11,8 8,8 9,9 7,9 27,6 7,2 13,2 7,2 100,0

%

6,5 11,3 9,2 12,2 9,3 22,8 7,2 12,6 7,2 100,0

%

2010

2010

2010

2010 M/F 2 2 3 2 1 5 1 3 2 2

18 29 19 34 31 28 36 21 16 232

39 62 51 55 28 136 41 54 37 503

56 92 68 88 58 161 77 73 53 735

7,8 12,5 8,2 14,7 13,4 12,1 15,5 9,1 6,9 100,0

%

7,8 12,3 10,1 10,9 5,6 27,0 8,2 10,7 7,4 100,0

%

7,6 12,5 9,3 12,0 7,9 21,9 10,5 9,9 7,2 100,0

%

2011

2011

2011

2011 M/F 1 2 2 3 2 8 2 2 3 3

21 31 18 21 22 21 24 22 16 196

30 64 36 71 35 158 40 47 51 532

50 93 49 88 56 168 66 66 66 728

% 10,7 15,8 9,2 10,7 11,2 10,7 12,2 11,2 8,2 100,0

5,6 12,0 6,8 13,3 6,6 29,7 7,5 8,8 9,6 100,0

%

6,9 12,8 6,7 12,1 7,7 23,1 9,1 9,1 9,1 100,0

%

2012

2012

2012

2012 M/F 1 2 2 2 2 6 2 4 3 3

22 24 28 26 24 22 31 17 11 205

24 56 51 55 39 137 50 68 37 517

41 78 73 79 63 156 84 84 45 722

% 10,7 11,7 13,7 12,7 11,7 10,7 15,1 8,3 5,4 100,0

4,6 10,8 9,9 10,6 7,5 26,5 9,7 13,2 7,2 100,0

%

5,7 10,8 10,1 10,9 8,7 21,6 11,6 11,6 6,2 100,0

%

2013

2013

2013

2013 M/F 2 3 4 2 2 6 2 3 3 3

19 38 17 38 29 29 29 31 20 250

29 96 60 73 58 186 55 78 50 685

41 78 73 79 63 156 84 84 45 935

7,6 15,2 6,8 15,2 11,6 11,6 11,6 12,4 8,0 100,0

%

4,2 14,0 8,8 10,7 8,5 27,2 8,0 11,4 7,3 100,0

%

4,4 8,3 7,8 8,4 6,7 16,7 9,0 9,0 4,8 100,0

%

2014

2014

2014

2014 M/F 2 3 2 3 3 11 3 4 3 4

18 29 26 25 19 20 21 25 17 200

43 94 60 68 59 210 68 92 50 744

58 117 83 88 76 221 88 112 65 908

Tabela  10  -­‐  Casos  de  infecção  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual)  e  Razão  de  sexo,  segundo  Distrito  Sanitário  de  residencia  por  ano  de  diagnóstico Curitiba,  2007-­‐  2015

9,0 14,5 13,0 12,5 9,5 10,0 10,5 12,5 8,5 100,0

%

5,8 12,6 8,1 9,1 7,9 28,2 9,1 12,4 6,7 100,0

%

6,4 12,9 9,1 9,7 8,4 24,3 9,7 12,3 7,2 100,0

%

2015

2015

2015

2015 M/F 2 3 3 5 2 6 2 4 3 3

31 44 27 17 28 38 38 30 24 277

65 125 93 89 62 229 80 110 60 913

96 169 120 106 90 267 118 140 84 1190

% 11,2 15,9 9,7 6,1 10,1 13,7 13,7 10,8 8,7 100,0

7,1 13,7 10,2 9,7 6,8 25,1 8,8 12,0 6,6 100,0

%

8,1 14,2 10,1 8,9 7,6 22,4 9,9 11,8 7,1 100,0

%


Tabela 11A - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico em pessoas de 13 a 19 anos. Curitiba, 2007- 2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 45

4

2013

4 2 5 2 7 10 37

2010

2011

2012

2013

2014

2015

Total

1 0 4 0 2 2 1 1 11

2008

2009

2010

2011

2012

2013

2014

2015

Total

%

%

%

10,6

12,5

10,0

13,3

22,2

0,0

23,5

0,0

5,9

0,0

18,9

21,3

20,0

7,1

20,0

10,0

26,7

22,2

18,2

33,3

16,0

20,0

17,8

9,3

21,2

6,1

25,0

13,3

10,7

15,8

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

0

2007

Ano  diagnóstico

Categoria  de  exposição

Ignorado

2

2009

2

2008

Feminino

3

Ignorado

2007

Ano  diagnóstico

Categoria  de  exposição

Masculino

48

7

2012

Total

2

2011

8

8

2010

11

2

2009

2015

3

2008

2014

3

Ignorado

2007

Ano  diagnóstico

Categoria  de  exposição

106

25

19

18

16

11

7

3

6

4

%

106

25

19

18

16

11

7

3

6

4

%

0

0

0

0

0

0

0

0

0

0

%

Homossexual

Homossexual

Homossexual

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

54,1

53,2

54,3

64,3

64,0

55,0

46,7

33,3

54,5

44,4

35,3

45,5

42,2

41,9

48,5

33,3

21,9

20,0

21,4

21,1

2

2

0

0

0

0

0

0

0

0

Bissexual

15

4

1

2

2

2

2

1

1

0

Bissexual

17

6

1

2

2

2

2

1

1

0

Bissexual

%

%

%

2,2

4,7

6,1

6,1

6,3

6,7

3,6

0,0

1,9

25,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

0,0

7,7

8,5

2,9

7,1

8,0

10,0

13,3

11,1

9,1

0,0

5,7

10,9

Curitiba,  2007-­‐2015

105

12

13

15

5

15

14

7

15

9

%

27

8

5

5

1

3

2

2

0

1

%

78

4

8

10

5

12

12

5

15

8

%

Heterossexual

Heterossexual

Heterossexual

75,0

50,0

80,0

66,7

55,6

92,3

70,6

83,3

88,2

80,0

13,8

17,0

14,3

17,9

4,0

15,0

13,3

22,2

0,0

11,1

35,0

21,8

28,9

34,9

15,2

45,5

43,8

46,7

53,6

47,4

7

0

0

2

1

0

1

1

0

2

UDI

5

0

1

0

1

2

0

1

0

0

UDI

12

0

1

2

2

2

1

2

0

2

UDI

%

%

%

6,7

0,0

0,0

13,3

11,1

0,0

5,9

16,7

0,0

20,0

2,6

0,0

2,9

0,0

4,0

10,0

0,0

11,1

0,0

0,0

4,0

0,0

2,2

4,7

6,1

6,1

3,1

13,3

0,0

10,5

6

1

1

1

1

1

0

0

1

0

Perinatal

6

0

2

1

0

0

0

0

2

1

Perinatal

12

1

3

2

1

1

0

0

3

1

Perinatal

%

%

%

5,8

12,5

10,0

6,7

11,1

7,7

0,0

0,0

5,9

0,0

3,1

0,0

5,7

3,6

0,0

0,0

0,0

0,0

18,2

11,1

4,0

1,8

6,7

4,7

3,0

3,0

0,0

0,0

10,7

5,3

15

55

45

43

33

33

32

9

47

35

28

25

20

15

9

11

104

8

10

15

9

13

17

6

17

10

196

TOTAL

19 28

300

TOTAL

TOTAL

Tabela  11A  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual),  segundo  categoria  de  exposição  hierarquizada  por  ano  de  diagnóstico    em  pessoas  de  13  a  19  anos.


46 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS 11,1 25,0 0,0 47,1 45,5 37,5 15,4 40,0 16,7 29,2

ate  4ªserie Nº % 1 2 1 0 0 1 2 0 1 8

ate  4ªserie Nº % 0 0 0 1 1 1 0 2 1 6

11,1 12,5 16,7 0,0 0,0 12,5 15,4 0,0 16,7 8,3

0,0 0,0 0,0 6,7 5,3 4,0 0,0 5,7 2,3 3,1

5,6 7,7 7,1 3,1 3,3 6,1 4,9 4,4 4,1 4,9

Ensino  fundamental Nº % 3 33,3 6 37,5 3 50,0 7 41,2 2 18,2 2 25,0 4 30,8 1 10,0 4 66,7 32 33,3

Ensino  fundamental Nº % 2 22,2 2 20,0 1 12,5 2 13,3 2 10,5 6 24,0 4 14,3 8 22,9 8 18,6 35 18,2

Ensino  fundamental Nº % 5 27,8 8 30,8 4 28,6 9 28,1 4 13,3 8 24,2 8 19,5 9 20,0 12 24,5 67 23,3

Ensino  médio Nº % 3 4 2 2 3 1 5 5 0 25

Ensino  médio Nº % 2 2 6 2 3 5 9 12 18 59

Ensino  médio Nº % 5 6 8 4 6 6 14 17 18 84

33,3 25,0 33,3 11,8 27,3 12,5 38,5 50,0 0,0 26,0

22,2 20,0 75,0 13,3 15,8 20,0 32,1 34,3 41,9 30,7

27,8 23,1 57,1 12,5 20,0 18,2 34,1 37,8 36,7 29,2

Educação  superior   Nº % 1 11,1 0 0,0 0 0,0 0 0,0 1 9,1 1 12,5 0 0,0 0 0,0 0 0,0 3 3,1

Educação  superior   Nº % 0 0,0 1 10,0 0 0,0 4 26,7 2 10,5 6 24,0 5 17,9 2 5,7 6 14,0 26 13,5

Educação  superior   Nº % 1 5,6 1 3,8 0 0,0 4 12,5 3 10,0 7 21,2 5 12,2 2 4,4 6 12,2 29 10,1

percentual), segundo escolaridade e ano de diagnóstico em pessoas de 13 a 19 anos. Curitiba, 2007-2015

Ign/Branco Nº % 1 4 0 8 5 3 2 4 1 28

Feminino Escolaridade Ano  diagnóstico 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

55,6 50,0 12,5 40,0 57,9 28,0 35,7 31,4 23,3 34,4

33,3 34,6 7,1 43,8 53,3 30,3 29,3 33,3 22,4 32,6

Curitiba,  2007-­‐2015 ate  4ªserie Nº % 1 2 1 1 1 2 2 2 2 14

Tabela 11B - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e

Ign/Branco Nº % 5 5 1 6 11 7 10 11 10 66

Masculino Escolaridade Ano  diagnóstico 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Ign/Branco Nº % 6 9 1 14 16 10 12 15 11 94

Escolaridade Ano  diagnóstico 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

Tabela  11B  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual),  segundo  escolaridade  e  ano  de  diagnóstico    em  pessoas  de  13  a  19  anos.  


BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 47

14,1 18,4 14,9 17,0 11,3 12,1 9,6 19,7 11,9 14,1 Homossexual Nº % 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

Homossexual Nº % 38 41,3 57 41,9 72 48,6 83 52,2 110 54,2 128 64,3 149 59,4 168 54,2 251 63,7 1055 55,8

1 0 0 0 0 0 1 2 0 4

Bissexual

11 12 12 19 19 9 14 18 22 136

Bissexual

%

%

1,5 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 2,0 3,6 0,0 0,8

12,0 8,8 8,1 11,9 9,4 4,5 5,6 5,8 5,6 7,2 Heterossexual Nº % 56 83,6 60 84,5 56 90,3 39 70,9 47 87,0 42 87,5 44 88,0 46 83,6 51 86,4 441 84,6

Heterossexual Nº % 20 21,7 32 23,5 34 23,0 23 14,5 44 21,7 30 15,1 57 22,7 55 17,7 62 15,7 357 18,9

Tabela 12A - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo categoria de exposição hierarquizada por ano de diagnóstico em pessoas de 20 a 29 anos. Curitiba, 2007-2015

Feminino Categoria  de  exposição Ignorado Ano  Diagnóstico Nº % 2007 4 6,0 2008 7 9,9 2009 3 4,8 2010 6 10,9 2011 5 9,3 2012 4 8,3 2013 3 6,0 2014 4 7,3 2015 3 5,1 Total 39 7,5 FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

%

6 4 3 10 2 1 2 3 4 35

UDI

10 9 6 7 7 7 7 3 5 61

UDI

%

%

9,0 5,6 4,8 18,2 3,7 2,1 4,0 5,5 6,8 6,7

10,9 6,6 4,1 4,4 3,4 3,5 2,8 1,0 1,3 3,2

Transfusão Nº % 0 0 0 0 0 0 0 0 0 0

2

0 1 0 0 0 0 0 1

Transfusão

0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0

0,0 0,7 0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 0,3 0,0 0,1

0 0 0 0 0 1 0 0 1 2

Perinatal

0 0 2 0 0 1 0 4 7 14

Perinatal

%

%

0,0 0,0 0,0 0,0 0,0 2,1 0,0 0,0 1,7 0,4

0,0 0,0 1,4 0,0 0,0 0,5 0,0 1,3 1,8 0,7

13 25 22 27 23 24 24 61 47 266

Ignorado

Masculino Categoria  de  exposição Ano  diagnóstico 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

0,0 0,0 1,0 0,0 0,0 0,8 0,0 1,1 1,8 0,7

Tabela  12A  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual),  segundo  categoria  de  exposição  hierarquizada  por  ano  de  diagnóstico  em  pessoas  de  20  a  29  anos. Curitiba,  2007-­‐2015 Categoria  de  exposição Ignorado Homossexual Bissexual Heterossexual UDI Transfusão Perinatal Ano  diagnóstico Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % 2007 17 10,7 38 23,9 12 7,5 76 47,8 16 10,1 0 0,0 0 2008 32 15,5 57 27,5 12 5,8 92 44,4 13 6,3 1 0,5 0 2009 25 11,9 72 34,3 12 5,7 90 42,9 9 4,3 0 0,0 2 2010 33 15,4 83 38,8 19 8,9 62 29,0 17 7,9 0 0,0 0 2011 28 10,9 110 42,8 19 7,4 91 35,4 9 3,5 0 0,0 0 2012 28 11,3 128 51,8 9 3,6 72 29,1 8 3,2 0 0,0 2 2013 27 9,0 149 49,5 15 5,0 101 33,6 9 3,0 0 0,0 0 2014 65 17,8 168 46,0 20 5,5 101 27,7 6 1,6 1 0,3 4 2015 50 11,0 251 55,4 22 4,9 113 24,9 9 2,0 0 0,0 8 Total 305 12,6 1055 43,7 140 5,8 798 33,1 96 4,0 2 0,1 16

67 71 62 55 54 48 50 55 59 521

TOTAL Nº

92 136 148 159 203 199 251 310 394 1891

TOTAL Nº

TOTAL Nº 159 207 210 214 257 247 301 365 453 2412


48 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS Ign/Branco Nº % 27 22 20 26 16 16 17 14 13 171

Feminino Escolaridade Ano  diagnóstico 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total 40,3 31,0 32,3 47,3 29,6 33,3 34,0 25,5 22,0 32,8

39,1 42,6 37,2 40,3 33,0 30,2 28,3 30,0 24,4 31,7

FONTE: SMS Curitiba CE/CVE NOTA: SINAN NET 2007-15 *Dados preliminares sujeitos a revisão 20/09/2016

Ign/Branco Nº % 36 58 55 64 67 60 71 93 96 600

Masculino Escolaridade Ano  diagnóstico 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 Total

4,5 9,9 11,3 7,3 1,9 8,3 6,0 5,5 13,6 7,7

2,2 2,2 5,4 2,5 2,5 4,0 2,8 1,6 2,8 2,8 Ensino  fundamental Nº % 21 31,3 22 31,0 18 29,0 10 18,2 15 27,8 8 16,7 17 34,0 18 32,7 13 22,0 142 27,3

Ensino  fundamental Nº % 18 19,6 18 13,2 19 12,8 18 11,3 25 12,3 26 13,1 47 18,7 38 12,3 56 14,2 265 14,0

Ensino  médio Nº % 12 13 11 13 21 16 11 13 19 129

Ensino  médio Nº % 22 32 41 38 52 56 55 87 127 510

17,9 18,3 17,7 23,6 38,9 33,3 22,0 23,6 32,2 24,8

23,9 23,5 27,7 23,9 25,6 28,1 21,9 28,1 32,2 27,0

Educação  superior   % 4 6,0 7 9,9 6 9,7 2 3,6 1 1,9 4 8,3 2 4,0 7 12,7 6 10,2 39 7,5

Educação  superior   % 14 15,2 25 18,4 25 16,9 35 22,0 54 26,6 49 24,6 71 28,3 87 28,1 104 26,4 464 24,5

Tabela 12B - Casos de infecção pelo HIV/aids notificados no SINAN (número e percentual), segundo escolaridade e ano de diagnóstico em pessoas de 20 a 29 anos. Curitiba, 2007- 2015

ate  4ªserie Nº % 3 7 7 4 1 4 3 3 8 40

ate  4ªserie Nº % 2 3 8 4 5 8 7 5 11 53

Tabela  12B  -­‐  Casos  de  infecção  pelo  HIV/aids  notificados  no  SINAN  (número  e  percentual),  segundo  escolaridade  e  ano  de  diagnóstico    em  pessoas  de  20  a  29  anos.   Curitiba,  2007-­‐2015 Escolaridade Ign/Branco ate  4ªserie Ensino  fundamental Ensino  médio Educação  superior   Ano  diagnóstico Nº % Nº % Nº % Nº % Nº % 2007 63 39,6 5 3,1 39 24,5 34 21,4 18 11,3 2008 80 38,6 10 4,8 40 19,3 45 21,7 32 15,5 2009 75 35,7 15 7,1 37 17,6 52 24,8 31 14,8 2010 90 42,1 8 3,7 28 13,1 51 23,8 37 17,3 2011 83 32,3 6 2,3 40 15,6 73 28,4 55 21,4 2012 76 30,8 12 4,9 34 13,8 72 29,1 53 21,5 2013 88 29,2 10 3,3 64 21,3 66 21,9 73 24,3 2014 107 29,3 8 2,2 56 15,3 100 27,4 94 25,8 2015 109 24,1 19 4,2 69 15,2 146 32,2 110 24,3 Total 771 32,0 93 3,9 407 16,9 639 26,5 503 20,8


33

24

7

2

0

25  a  29  anos

30  a  34  anos

35  a  39  anos

40  ou  mais

Ignorado

0,0

1,8

6,3

21,4

29,5

32,1

8,9

0,0

100,0

%

2,7

6

112

4,6

3,5

4,2

8,8

FONTE : 2007 a 2015 SINANNET dados em 18/10/2016

Total

8

13

Portão

Santa  Felicidade

23

Pinheirinho

Matriz

4,5

12

Cidade  Industrial  de  Curitiba

5,2

3,1

9

16

3,9

5,2

Cajuru

13

coef.

Boqueirao

12

2007

Boa  Vista  

Bairro  Novo

Distrito  Curitiba

98

0

0

4

17

33

29

14

1

2008

0,0

0,0

4,1

17,3

33,7

29,6

14,3

1,0

100,0

%

106

0

6

11

25

38

17

8

1

2009

0,0

5,7

10,4

23,6

35,8

16,0

7,5

0,9

100,0

%

88

0

2

7

20

29

16

14

0

2010

0,0

2,3

8,0

22,7

33,0

18,2

15,9

0,0

100,0

%

82

0

5

11

16

22

18

8

2

2011

0,0

6,1

13,4

19,5

26,8

22,0

9,8

2,4

100,0

%

95

0

2

7

32

26

16

11

1

2012

0,0

2,1

7,4

33,7

27,4

16,8

11,6

1,1

100,0

%

n° 0,0 9,5 27,4 18,9 24,2 15,8 4,2 0,0 100,0

9 26 18 23 15 4 0 95

% 0

2013 n°

77

0

0

8

22

22

15

10

0

2014

0,0

0,0

10,4

28,6

28,6

19,5

13,0

0,0

100,0

%

89

0

1

14

26

13

25

10

0

2015

0,0

1,1

15,7

29,2

14,6

28,1

11,2

0,0

100,0

%

98

7

12

16

5

13

10

11

11

13

2008

3,9

3,0

3,9

5,9

2,3

4,6

3,1

3,5

3,1

5,5

coef.

106

7

9

10

13

16

13

11

18

9

2009

4,3

3,1

2,9

3,8

5,9

6,0

4,3

3,8

5,5

3,8

coef.

88

6

10

12

9

14

10

12

9

6

2010

3,5

2,8

3,3

4,2

4,2

5,0

3,2

3,9

2,7

2,4

coef.

82

7

10

18

6

6

8

8

7

12

2011

3,2

3,0

3,4

6,2

2,9

2,0

2,6

2,6

2,0

5,0

coef.

95

5

9

12

8

16

12

8

15

10

2012

3,8

2,1

3,1

4,0

4,0

5,6

3,9

2,7

4,3

4,0

coef.

Tabela 14 - Casos de gestantes infectadas pelo HIV (número e coeficiente de detecção por 1000 nascidos vivos), segundo distrito de residência por ano diagnóstico. Curitiba, 2007-2015

95

8

11

12

7

12

10

7

14

14

2013

3,8

3,5

3,6

4,0

3,7

4,4

3,2

2,5

4,0

5,7

coef.

77

6

10

7

3

17

13

7

11

3

2014

3,1

2,6

3,3

2,3

1,6

6,1

4,2

2,5

3,1

1,2

coef.

89

7

10

8

6

14

6

5

19

14

2015

Tabela  14  -­‐  Casos  de  gestantes  infectadas  pelo  HIV  (número  e  coeficiente  de  detecção  por  1.000  nascidos  vivos),  segundo  distrito  de  residência  por  ano  do  diagnóstico.  Curitiba,  2007-­‐2015

FONTE : 2007 a 2015 SINANNET dados em 18/10/2016

112

36

20  a  24  anos

Total

10

15  a  19  anos

2007

0

10  a  14  anos

Faixa  etária

Tabela  13  -­‐  Casos  de  gestantes  infectadas  pelo  HIV(número  e  percentual)  segundo  faixa  etária  por  ano  do  diagnóstico.    Curitiba,  2007-­‐2015

Tabela 13 - Casos de gestantes infectadas pelo HIV (número e percentual), segundo faixa etária por ano diagnóstico. Curitiba, 2007-2015

BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV | 49

24,3 10,0 2,6 0,0

205 84 22 0

3,6

3,2

3,4

2,6

3,2

5,0

2,0

1,8

5,4

5,8

Total

27,8

234

842

61

94

118

63

120

98

78

117

93

100,0

23,5

198

842

0,6 11,2

% 94

Total 5

coef.


50 | BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO • HIV/AIDS

0,0 3,6 3,6 28,6 8,0 11,6 10,7 0,0 0,9 67,0 0,0 33,0 100,0

81,3 3,6 0,0 12,5 0,0 97,3 2,7 100,0

91 4 0 14 0 109 3 112

%

0 4 4 32 9 13 12 0 1 75 0 37 112

2007

FONTE : 2007 a 2015 SINANNET dados em 18/10/2016

Escolaridade Analfabeto 1°  a  4°  série  incompleta    4ª  série  completa   5°  a  8°  série  incompleta Fundamental  completo Médio  incompleto Médio  completo Superior  incompleto Superior  completo Subtotal Não  se  aplica Ignorado Total Raça/Cor Branca   Preta Amarela Parda Indígena Subtotal Ignorado Total  

Variável

72 5 0 17 0 94 4 98

2 5 4 25 12 9 10 2 6 75 0 23 98

2008

73,5 5,1 0,0 17,3 0,0 95,9 4,1 100,0

2,0 5,1 4,1 25,5 12,2 9,2 10,2 2,0 6,1 76,5 0,0 23,5 100,0

%

80 5 0 17 0 102 4 106

0 8 9 14 11 5 13 6 2 68 0 38 106

2009

75,5 4,7 0,0 16,0 0,0 96,2 3,8 100,0

0,0 7,5 8,5 13,2 10,4 4,7 12,3 5,7 1,9 64,2 0,0 35,8 100,0

%

69 5 0 6 0 80 8 88

0 5 5 10 11 6 13 4 2 56 0 32 88

2010

78,4 5,7 0,0 6,8 0,0 90,9 9,1 100,0

0,0 5,7 5,7 11,4 12,5 6,8 14,8 4,5 2,3 63,6 0,0 36,4 100,0

%

61 4 0 9 0 74 8 82

0 6 2 11 8 5 14 4 3 53 1 28 82

2011

74,4 4,9 0,0 11,0 0,0 90,2 9,8 100,0

0,0 7,3 2,4 13,4 9,8 6,1 17,1 4,9 3,7 64,6 1,2 34,1 100,0

%

72 5 0 12 0 89 6 95

0 3 2 21 10 10 16 1 4 67 0 28 95

2012

73 3 2 15 0 93 2 95

75,8 5,3 0,0 12,6 0,0 93,7 6,3 100,0

2013

1 6 3 15 16 9 23 1 3 77 1 17 95

0,0 3,2 2,1 22,1 10,5 10,5 16,8 1,1 4,2 70,5 0,0 29,5 100,0

%

76,8 3,2 2,1 15,8 0,0 97,9 2,1 100,0

1,1 6,3 3,2 15,8 16,8 9,5 24,2 1,1 3,2 81,1 1,1 17,9 100,0

%

55 12 0 8 0 75 2 77

1 9 4 14 6 10 18 2 1 65 0 12 77

2014

71,4 15,6 0,0 10,4 0,0 97,4 2,6 100,0

1,3 11,7 5,2 18,2 7,8 13,0 23,4 2,6 1,3 84,4 0,0 15,6 100,0

%

Tabela  15  -­‐  Casos  de  gestantes  infectadas  pelo  HIV  (número  e  percentual)  segundo  escolaridade  e  raça/cor  por  ano  do  diagnóstico.   Curitiba,  2007-­‐2015

Tabela 15 - Casos de gestantes infectadas pelo HIV (número e percentual), segundo escolaridade e raça/cor por ano disgnóstico. Curitiba, 20072015

67 9 3 6 0 85 4 89

0 5 0 22 15 9 15 1 3 70 0 19 89

2015

75,3 10,1 3,4 6,7 0,0 95,5 4,5 100,0

0,0 5,6 0,0 24,7 16,9 10,1 16,9 1,1 3,4 78,7 0,0 21,3 100,0

%

0,5 6,1 3,9 19,5 11,6 9,0 15,9 2,5 3,0 72,0 0,2 27,8 100,0 76,0 6,2 0,6 12,4 0,0 95,1 4,9 100,0

640 52 5 104 0 801 41 842

%

4 51 33 164 98 76 134 21 25 606 2 234 842

Total



Boletim Epidemiológico HIV / AIDS - Curitiba/PR