Page 1

Guia de Flora da ZPE-Pico da Vara/Ribeira do Guilherme


FICHA TÉCNICA Título: Guia de Flora da ZPE Pico da Vara/Ribeira do Guilherme Textos: Centro Ambiental do Priolo Fotografias: Azucena de la Cruz (AC); Ana Gonçalves (AG); Ana Mendonça (AM); Joaquim Teodósio (JT) Edição: SPEA - Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves Avenida João Crisóstomo, 18 – 4.º Dto. | 100-179 Lisboa – Portugal


Introdução Devido à sua localização geográfica e isolamento, as ilhas constituem locais com grande potencial para desenvolver e albergar espécies de fauna e flora únicas. As ilhas dos Açores não são excepção, e aqui podem ser encontradas espécies inexistentes noutros locais do mundo. A Zona de Protecção Especial (ZPE) Pico da Vara/Ribeira do Guilherme,foi delimitada com o intuito de proteger o Priolo, ave endémica do leste de São Miguel, e uma grande diversidade de plantas exclusivas dos Açores. Cerca de metade das espécies encontradas na ZPE são endémicas dos Açores e representativas da Floresta Laurissilva de altitude. como a Uva-daserra, a Ginja-do-mato, o Louro dos Açores, o Azevinho dos Açores, o Pau-branco,o Sanguinho, a Urze, e o Cedro-do-mato, entre outras. Esta biodiversidade de espécies está a ser ameaçada pela rápida expansão de plantas exóticas invasoras. Estas espécies, trazidas para a ilha por diversos motivos (em especial como espécies ornamentais), têm levado à degradação dos habitats naturais existentes na ZPE. Este Guia pretende dar a conhecer as plantas endémicas e nativas existentes nesta ZPE, bem como as espécies exóticas e invasoras que ameaçam a existência das restantes.


Endémicas

Persicalis malviflora Figueira brava

Descrição: Herbácea perene com caules até 120 cm de comprimento; folhas arredondadas 10x15 cm, com lóbulos, página inferior felpuda; as flores são habitualmente cor-de-rosa ou branca. Ecologia: Apresenta habitualmente populações com menos de 6 indivíduos e raramente jovens. Não parece ter preferência altitudinal, já foi observada entre os 10 e os 900 m. Prefere os habitats ensombrados e húmidos, de fendas em escarpas, ribeiras e crateras, mas surge também em arribas e locais mais seco.

© JT

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Azorina vidalii Vidália

Descrição: Pequeno arbusto com rosetas terminais de folhas glabras, verde escuras ou verdeacastanhadas; flores brancas a cor-de-rosa. Ecologia: Cresce associada a outras espécies tolerantes à brisa marítima, principalmente nas fendas das falésias costeiras mas também em vertentes abruptas com depósito arenosos, sempre em habitats fortemente expostos. Surge também em habitats de substituição como telhado e muralhas. É o único género endémico dos Açores e uma das mais bonitas espécies. Foi nalgumas ilhas plantada como ornamental

© AC

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Ilex azorica Azevinho

Descrição: Árvore de folhas perenes pequenas, verde a verde-escuro, brilhantes, elípticas-oblongas de margem inteira ou com apenas alguns dentes. Ecologia: Prefere crescer acima dos 500 m, raramente presente abaixo dos 300 m. Aparece em habitats muito protegidos ou muito expostos, como: ribeiras, crateras, correntes de lava ou com indivíduos isolados em pastagens semi-naturais. Habitualmente surgem dispersos nas típicas florestas de laurissilva, juntamente com outras espécies arbóreas. Os troncos estão cobertos frequentemente de musgos e de outras espécies e as folhas velhas de hepáticas epifilas.

© JT © SPEA

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Leontodon rigens e Leontodon filii Patalugo

Descrição: Plantas perenes atingindo 50 cm; folhas elípticas até 5x20 cm, dentadas e com pêlos; habitualmente 1-5 flores amarelas por caule no caso do L. filii e mais de 20 no caso do L. rigens, uma das poucas características que permitem distinguir ambas as espécies. © JT

Flor Estatuto: Endémicas dos Açores Distribuição: L. filii - em todas as ilhas dos Açores, excepto Santa Maria, Graciosa e Corvo / L. rigens - Em todas as ilhas dos Açores, excepto Santa Maria, Graciosa

Ecologia: Geralmente acima dos 600 m mas pode nas Flores aparecer frequentemente abaixo dessa altitude. Cresce preferencialmente em prados húmidos abertos e em depósitos de inertes vulcânicos sujeitos a extracção. Não é muito difícil de serem observadas populações com uma dimensão razoável espécies e as folhas velhas de hepáticas epífilas.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Prunus azorica Ginja, Gingeira-do-mato

Descrição: Árvore de folhas ovado-elípticas de margem ondulada, verde-escuro e glabras; 20 a 30 flores em cachos. Ecologia: É uma das 10 mais raras espécies endémicas dos Açores. Aparece sempre acima dos 500 m, de preferência em ribeiras estreitas e profundas e mais raramente dispersas em povoamentos densos de floresta nativa de encostas. Planta em tempos considerada extinta, mas da qual actualmente se encontraram cerca de 400 indivíduos.

© AG

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Nas ilhas de São Miguel, Terceira, São Jorge, Pico e Faial.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Vaccinium cylindraceum Uva-da-serra

Descrição: Arbusto de folhas caducas com 2-5 cm de comprimento; flores em cachos de 10-20, cor-derosa ou brancas. Ecologia: Geralmente acima dos 400 m, podendo surgir até aos 1800 m. É um membro frequente da laurissilva. Pode ser encontrado também disperso em prados e em taludes de depósitos arenosos e de escórias. Embora existam pequenos nichos de comunidades onde esta espécie é dominante, são muito raras. O seu fruto é um mirtilo negro-azulado comestível que pode ser também usado para fazer compotas. Pode ser usada como ornamental, já que é uma das plantas endémicas mais bonitas dos Açores.

© JT

Flor Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Viburnum trileasei Folhado

Descrição: Arbusto ou pequena árvore de folhas glabras, ovais e quase obtusas; flores brancas e corde-rosa, em corimbos grandes, onde se formam densos cachos de frutos (drupas) de cor azulmetálicos. Ecologia: Apresenta uma distribuição comum em matos naturais de média altitude, entre os 400 e os 1000 m, habitualmente com povoamentos de indivíduos bastante dispersos. Surge frequentemente na densa vegetação de Louro e Cedro e por vezes em povoamentos secundários de Incenso e Faia da terra.

© AG

Fruto Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Juniperus brevifolia Cedro-do-mato

Descrição: Árvore baixa de copa alargada e geralmente de tronco retorcido; as folhas, tipo agulha, encontram-se em grupos compactos, com 2 bandas brancas em cima. Ecologia: É a única conífera dos Açores que não foi introduzida. Surge geralmente acima dos 500 m, podendo no entanto ir dos 200 aos 1500 m. É o elemento caracterizador da comunidades de floresta-de-nuvens nativa dos Açores, caracterizadas também pela presença de um grande número de plantas vasculares e briófitos raros. Com uma madeira muito apreciada, foi sucessivamente sendo cortado, sendo hoje raro populações com indivíduos altos.

© JT

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Erica azorica Urze

Descrição: Árvore ou arbusto que pode atingir 5 m de altura; folhas estreitas até 10 mm de comprimento; flores em grupos terminais apertados geralmente interrompidos. Ecologia: Presente dos 10 aos 2000 m. Muito resistente à secura e a ventos fortes, embora não ao pastoreio; é uma das primeiras espécies a recolonizar habitats após actividade humana. Muito usada para madeira e combustível;é difícil encontrar povoamentos maduros com indivíduos antigos. Excepcionalmente é possível encontrar troncos de diâmetro superior a 20 cm, em floresta de Louro e Cedro onde os velhos troncos possuem comunidades endémicas de musgos epífitos.

© JT

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Frangula azorica Sanguinho

Descrição: Árvore pequena; folhas caducas de 5x15 cm com a página inferior ligeiramente côncava e nervuras laterais nítidas; flores castanhoavermelhadas solitárias; frutos são drupas vermelhas globosas. Ecologia: Cresce dos 100 aos 1000 m, embora geralmente ocorra acima dos 500 m. É uma espécie que surge na floresta nativa da zona-de-núvens e na laurissilva, aparecendo habitualmente os indivíduos dispersos. Nalgumas clareiras surgem povoamentos densos de indivíduos jovens demonstrando a boa capacidade de propagação da espécie.

© AC

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Arceuthobium azoricum Espigos-de-cedro

Descrição: Planta semi-parasita, verde-amarelada, com caules que atingem os 15 cm; folhas escamiformes, opostas triangularmente e densamente dispostas à volta dos ramos; Ecologia: Raramente é observado abaixo dos 600 m. Cresce apenas sobre populações de cedro-domato (Juniperus brevifolia) e muito raramente sobre a urze (Erica azorica), e apenas alguns dos indivíduos são colonizados, de uma forma dispersa. Ocorre aparentemente apenas em ilhas do grupo central, onde os maiores e mais desenvolvidos povoamentos da floresta nativa dos Açores ainda existem

© JT

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Nas ilhas Terceira, São Jorge, Pico e Faial.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Picconia azorica Pau-branco

Descrição: Árvore de casca lisa e esbranquiçada; folhas perenes e glabras, com cerca de 6 cm de comprimento, lanceoladas ou obovadas, características por terem a nervura central proeminente e as laterais pouco salientes; flores brancas, pequenas, em cachos axilares. Ecologia: Surge habitualmente entre os 50 e 600 m, dispersa nas florestas costeiras de Myrica, Pittosporum e Erica, sendo a única árvore endémica dos Açores que se encontra confinada à vegetação abaixo da laurissilva. Povoamentos puros ou velhos são raros. Fornece uma boa madeira para marcenaria, o que está certamente na origem do seu desaparecimento e eminência de extinção em algumas das ilhas.

© AG

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Hedera azorica Hera

Descrição: Planta trepadora ou estolhosa, de caules lenhificados, assemelhando-se por vezes a um arbusto; folhas perenes verde-escuras, geralmente mais largas do que compridas; flores verdeamareladas e frutos pretos. Ecologia Ecologia: Prefere crescer entre os 400-900 m mas é conhecida entre os 100 e 1100 m de altitude. Surge nas densas florestas de laurissilva, onde apresenta hepáticas epífilas na página superior das folhas, mas também em matos de incenso a altitudes mais baixas. Aparece em habitats fortemente protegidos ou bastante expostos como por exemplo lavas recentes e zonas de extracção de inertes.

© JT

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Endémicas

Laurus azorica Louro da terra ou Loureiro

Descrição: Árvore perene, habitualmente com ramos vigorosos; ramos e folhas jovens tomentosas pelo menos na nervura central. Ecologia: Geralmente acima dos 500 m mas ocasionalmente descendo até os 175 m. É um importante membro da floresta nativa de altitude, embora nem sempre seja a espécie arbórea dominante. Pode aparecer em correntes de lava planas e secas, mas prefere claramente habitats húmidos e protegidos de crateras e ribeiras, ou mesmo densas florestas onde forma abrigo a outras plantas características da floresta nativa dos Açores, tanto vasculares como briófitos. Nos habitats muito protegidos as folhas do louro são colonizadas por pequenas hepáticas epifilas.

Estatuto: Endémica dos Açores Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Nativas

Calluna vulgaris

Descrição: Arbusto pequeno perene, muito ramificado, com folhas pequenas, mais ou menos triangulares e opostas; flores em rácimos terminais, com pétalas rosa formando uma corola campanulada. Ecologia: Comum em inclinações secas e escoadas lávicas jovens, até 2300 m. Com floração no Verão e Outono, entre Junho e Outubro. Crescem em locais solarengos, agrupadas, em populações densas, compactas e desalinhadas. Preferem solos bem drenados, ligeiramente ácidos e ricos em matéria orgânica.

© JT

Estatuto: Nativa da Macaronésia Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Nativas

Myrsine retusa africana - Tamujo Tamujo

Descrição: Arbusto dióico, perene muito Descrição: Arbusto perene muito ramificado ramificado com dióico, folhas alternadas, simples, com folhas alternadas, simples, dentadas até 10 x 8 3-9, dentadas até 10 x 8 mm; flores em grupos de mm; flores em grupos de 3-9, com pétalas formando com pétalas formando corola de 4 a 5 lobos, até 1,5 corola de 4 a 5 lobos, até 1,5 mm de diâmetro; fruto mm de diâmetro; fruto roxo e carnudo com 1 roxo e carnudo com 1 semente. semente. Ecologia: Abundante em encostas íngremes e em florestas de cedro, entre 300 metros. sua Ecologia: Abundante ema 900 sebes e Aencostas floração ocorre na Primavera. Pode ser usado como íngremes e em florestas de cedro, entre 300 a 900 sebe, já que é facilmente podado e moldado. metros.

© JT

Fruto

Propaga-se vegetativamente e por semente.

Estatuto: da da Macaronésia Estatuto:Nativa Nativa Macaronésia Distribuição: Em todas as ilhas dos Distribuição: Em todas as ilhas Açores

dos Açores

Fonte: Schäfer, 2005 Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Nativas

Myrica Faya Faia-da-terra

Descrição: Árvore ou arbusto dióico, perene, até 10 m.; folhas verde claro, mais ou menos agudas, até 10 x 3 cm, com algumas glândulas e margens dentadas; flores verde-amareladas, com 4 estames cada. Ecologia: No passado, árvore dominante de florestas de baixa altitude. Actualmente substituída por Incenso em áreas extensas, mas ainda comum abaixo dos 600 m. É uma espécie nativa da Macaronésia onde é parte importante nas formações de Floresta Laurissilva, já que é uma espécie pioneira. O seu período de floração é entre Março e Abril, podendo prolongar-se até Maio Junho

© AG

Estatuto: Nativa da Macaronésia Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Nativas

Culcita macrocarpa Feto-do-cabelinho

Descrição: Rizoma densamente coberto por escalas castanho-avermelhadas; folhas em tufo; sori marginal, com 2-4 mm; esporos tetraédricos. Ecologia: Disperso em pastagens naturais, ravinas, plantações de Cryptomeria antigas e floresta de cedro e louro, acima dos 300 m. Os seus esporos são muito ricos em lípidos, proteínas e calorias, daí que alguns animais se possam alimentar deles. Pode ser encontrado sobre rochas, geralmente em locais sombrios.É considerada uma relíquia florística, já que era bastante frequente nos períodos mais quentes e húmidos do Holoceno, e actualmente possui uma distribuição muito localizada e pontual, apenas nos Açores, no Ocidente de Espanha e no Noroeste de Portugal Continental

© AM

Estatuto: Nativa da Macaronésia Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Nativas

Woodwardia radicans Feto-do-botão

Descrição: Feto muito grande, até 2.50 m de comprimento, frequentemente com as frondes pendentes em taludes inclinados; soros oblongos distribuídos em duas filas ao longo de ambos os lados da nervura das pínulas. Ecologia: Cresce geralmente acima dos 400 m mas acidentalmente pode descer ao 100 m. Em habitats húmidos, com escorrência permanente de água. Habitualmente na vertentes protegidas de ribeiras e crateras. Pode também aparecer em vertentes húmidas fortemente expostas, mas nessas condições de habitat os indivíduos surgem com menores dimensões.

© JT

Estatuto: Nativa da Macaronésia Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Nativas

Osmunda regalis Feto-real

Descrição: Feto entre 5-10 cm, com caule curto; folhas erectas, em tufos densos com esporos verdes e globosos. Ecologia: Comum em encostas íngremes, em ravinas e florestas de cedro e por vezes em arribas costeiras entre 500-1000 m . Prefere zonas húmidas e ensombreadas. É um feto com distribuição na Macaronésia, embora a sua existência, em certas áreas, seja ameaçada pela drenagem de terrenos para a agricultura.

© JT

Estatuto: Nativa da Macaronésia Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Cryptomeria japónica

Exóticas

Criptoméria

Descrição: Árvore piramidal, perene com ramos irregularmente verticilados, até 50 m, com casca castanho-avermelhada e folhas de 6-15 mm, encurvadas. Ecologia: A Criptomeria é natural do Japão e foi introduzida e plantada para exploração florestal. Sendo uma espécie de rápido crescimento e com alguma utilidade para exploração de madeira, é massivamente cultivada em monocultura por todas as ilhas. Prefere solos húmidos e ricos em matéria orgânica, em áreas ensolaradas e temperaturas moderadas.

© AG

Estatuto: Nativa do Japão e China Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Rhododendro indicum

Exóticas

Azálea

Descrição: Arbusto perene, muito ramificado, até 3 m; folhas alternadas, entre 3-4 x 2 cm, agudas e ciliadas; flores solitárias ou em rácimos tipo umbela; corola vermelha a rosa, com 5 lobos, até 5 cm de diâmetro. Ecologia: Escapada ornamental, bem estabelecida em algumas ravinas de altitude, em inclinações e em plantações de Criptomeria, entre 300-600 m. Preferem solos bem drenados e áreas frescas e ensombreadas, perto e debaixo de outras árvores. É facilmente encontrada com funções de sebe.

© AG

Estatuto: Nativa do Japão Distribuição: Nas ilhas de Santa Maria, São Miguel, Faial e Flores.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Leycesteria formosa

Exóticas Descrição: Arbusto dióico pequeno, entre 1.5-2.5 m; caule erecto e oco; folhas simples, ovadas e acuminadas, até 15 x 6 cm; flores pendentes; corola branca-rosada de 5 lobos, até 2 cm. Ecologia: É uma planta nativa dos Himalaias e China, introduzida e escapada ornamental. Encontra-se facilmente em encostas e bermas da estrada, junto de plantações de Criptomeria, Incenso e florestas de louro, entre 500-800 m. Reproduz-se de forma vegetativa.

© JT

Flor Estatuto: Introduzida. Nativa da Índia e Ásia oriental Distribuição: Ilha de São Miguel.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Hydrangea macrophylla

Exóticas

Hortência

Descrição: Arbusto dióico, muito ramificado, até 3.5 m; caule numeroso, ascendente a erecto; folhas opostas, simples e ovadas; flores abundantes de 5 pétalas, geralmente azuis, estreitas e ovadas, até 4 mm. Ecologia: Ornamental, naturalizada e invasora na maioria dos habitats até 1000 m, ausente apenas em zonas costeiras. Com as suas sebes floridas de azul e branco, constitui um dos elementos típicos da paisagem de algumas das ilhas, ao ponto desta espécie ter sido utilizada como imagem turística. Esta espécie é ainda usada com a tradicional função de sebe viva, na compartimentação de terrenos. Devido à sua habilidade competitiva, reproduzindose por semente e vegetativamente, escapa frequentemente colonizando pastagens, ravinas e crateras.

© AC

Estatuto: Nativa do Japão Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores.

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Polygonum capitatum

Exóticas

Polígono

Descrição: Caule pubescente, rastejante, com enraizamento nos nós formando uma esteira; folhas verde-avermelhadas, agudas, de 2-5 x 1-2.5 cm, com pêlos glandulares; flores brancas a rosa, com 5-10 mm de diâmetro. Ecologia: Originária dos Himalaias e usada como ornamental, escapada de jardins, é uma planta bastante comum, especialmente em escoadas lávicas jovens e taludes, até 800 m. Facilmente forma como que tapetes no solo, tanto em áreas ensolaradas como ensombreadas.

© JT

Estatuto: Introduzida. Nativa dos Himalaias Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Graciosa e Corvo. Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Clethra arborea

Invasoras

Cletra, Verdenaz

Descrição: Arbusto ou árvore pequena, perene com galhos com pêlos, até 8 m; folhas simples, serruladas e acuminadas, até 15 x 5 cm; flores com 5 pétalas obovadas, brancas, até 8 x 5 mm; numerosas sementes. Ecologia: Escapada ornamental, muito comum em florestas de louro, em ravinas e em encostas, entre 500-800 m. Espécie originária e pertencente à Floresta Laurissilva da Madeira, naturalizada e considerada uma espécie invasora na ilha de São Miguel, Açores. A madeira desta árvore já foi utilizada em carpintaria e marcenaria.

© JT

Flor Estatuto: Introduzida. Endémica da Madeira Distribuição: Ilha de São Miguel

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Hedychium gardneranum

Invasoras

Conteira ou Roca-da-velha

Descrição: Com inflorescências de flores laranjaamareladas e caule simples, robusto, com folhas acuminadas, mais ou menos erecto. Ecologia: Ocupa grande diversidade de habitats, desde as densas florestas de laurissilva, passando pelos matos baixos, até às zonas húmidas. A disseminação das sementes pelas aves e os fortes rizomas que apresenta tornam-na altamente competitiva distribuindo-se rapidamente e tornandose dominante, principalmente em zonas degradadas onde foi destruída a integridade das comunidades nativas, tornando praticamente impossível a regeneração desses locais.

© JT

Estatuto: Introduzida. Nativa dos Himalaias e Nepal Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Pittosporum undulatum

Invasoras

Incenso

Descrição: Árvore perene, até 25 m; folhas simples, até 15 x 4 cm, agudas, muito aromáticas, com margens onduladas; flores com pétalas brancas, entre 10-15 mm. Ecologia: Ornamental, invasora e de propagação rápida, dominante em todas as ilhas, fortemente implantada, aos 50-650 m. Esta árvore tornou-se numa das maiores ameaças à vegetação natural dos Açores, eliminando por exemplo, de forma progressiva, as comunidades costeiras de Faia da terra. A sua dispersão agressiva e o facto de ter deixado de ser usada como combustível fez com que se misturasse facilmente nas florestas naturais e cobrisse vastas áreas de forma tão intensa que acabou transformando a paisagem açoriana em muitos locais.

© AG

Estatuto: Introduzida. Nativa da Austrália Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Gunnera tinctoria

Invasoras

Gunera ou Gigante

Descrição: Rizoma robusto, rastejante; folhas gigantes, serruladas nas margens, até 1.5 m; lamina cordada, até 2 m. Flores em panículas densas, muito ramificadas com 2 sépalas e 2 pétalas. Ecologia: Escapada ornamental, extremamente invasiva em prados húmidos, ravinas e em encostas na região das Furnas, entre 500-700 m. O Gigante é uma planta originária do Chile, possui características que fazem dela uma espécie invasora, nomeadamente o seu poder de reprodução, já que cada planta pode produzir até 250 000 sementes, que posteriormente são dispersas naturalmente.

© JT

Estatuto: Introduzida. Nativa da América do Sul. Distribuição: Ilha de São Miguel

Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Acacia melonoxylon

Invasoras

Acácia

Descrição: Árvore perene, até 25 m, com folhas jovens até 13 x 2 cm; flores pequenas, de um amarelo pálido e sementes evolvidas por funículo vermelho. Ecologia: Espécie de crescimento rápido, perfeitamente naturalizada, que se propagando em ravinas e florestas até 700 m. Cultivada devido à sua madeira. A sua época de floração é entre Março e Maio. Não tem exigências quanto ao tipo de solo, mas prefere solos ácidos. É prejudicada em situações de seca e encontra-se isolada ou em grupo. Estatuto: Introduzida. Nativa da Austrália. Distribuição: Em todas as ilhas dos Açores, excepto Corvo. Ocorrência

Flores

Corvo

Faial

Pico

S. Jorge

Graciosa

Terceira

S. Miguel

Sta. Maria


Glossário Endémica - refere-se a a espécies e subespécies nativas de uma área biogeográfica e que está restrito a essa região. Nativa - espécie que se encontra dentro da sua área de distribuição natural. O mesmo que indígena e autóctone. Exótica - espécie que se fixa fora da sua área de distribuição natural, depois de ser transportada e introduzida pelo Homem, ultrapassando as barreiras biogeográficas. Uma espécie exótica pode ter carácter invasor ou não. O mesmo que alóctone ou introduzida. Invasora - planta que se expande naturalmente, sem intervenção directa do Homem, em habitats naturais ou seminaturais, produzindo alterações significativas na composição, estrutura e funcionamento dos ecossistemas. Normalmente são espécies exóticas, mas também podem ser nativas. As invasoras têm capacidade para colonizar e substituir a vegetação existente anteriormente, num dado ecossistema.


Projecto Laurissilva Sustentável LIFE 07 NAT/P/000630 O projecto Laurissilva Sustentável tem como objectivo a recuperação e a conservação da floresta de laurissilva nos Açores, um dos ecossistemas mais ameaçados, e do qual dependem diversas espécies endémicas da Macaronésia. O projecto é uma parceria da Sociedade Portuguesa para o Estudo das Aves (SPEA) com a Secretaria Regional do Ambiente e do Mar (SRAM) e a Câmara Municipal da Povoação, financiado pelo Programa Life+ da Comissão Europeia. As acções do projecto Laurissilva Sustentável desenvolvem-se no sítio Pico da Vara / Ribeira do Guilherme da rede Natura 2000, área de distribuição do priolo (Pyrrhula murina), uma das espécies de aves mais ameaçadas da Europa.

Coordenação Coordination

Parceiros Partners

Financiado por Finnaced by

Guia de Flora da ZPE  

Guia de Flora da ZPE

Read more
Read more
Similar to
Popular now
Just for you