Page 1

Liberdade Clandestina

Paparazzo

O que antes era vigiado e punido e que para muitos ainda é visto como ato de vandalismo, hoje é sinônimo de arte, liberdade e política.

Os famosos que gostam e os que odeiam esses fotógrafos profissionais em supervisionar a vida alheia

O real ity show d a vida re al Você percebeu que somos vigiados 24 horas por dia?

Sabrina Sato fala sobre sua experiência no Big Brother Brasil

Empresas controlam emails e ligações de funcionários


Sumário Além do público ou privado

9

Capa

Você já percebeu que somos vigiados 24 horas por dia?

5

20

Pintura em muros. O que antes era ato de vandalismo, hoje, é cultura Qual é a sua finalidade do Twitter?

22 Second Life: Saia

da realidade e tenha uma vida virtual

A vida pública e privada se funde cada vez mais. Chegando a confundir-se uma com a outra. A autoexposição a qualquer preço tornou do que era apenas conhecido pela intimidade de alguns, serem exposto para todos. Perdemos a noção do que é público ou privado e dos limites que eles possuem. É difícil entender hoje em dia o que as pessoas querem realmente. Ora processam por sofrerem com abusos de exposição e ao mesmo tempo se inscrevem para participar de realities shows. A vigilância constante aumenta a cada dia, são: câmeras de trânsito, câmeras de segurança, e claro, no trabalho, no shopping, nas escolas e em muitos outros lugares. Mas qual é o limite desse controle? Estaríamos presos há um sistema de monitoramento constante? Seria o Big Brother invadindo a vida real? Enquanto alguns utilizam as câmeras para proteger contra a violência, outros utilizam para aparecer a qualquer preço. Um exemplo claro e direto dessa exposição é o Youtube - um dos sites mais acessados na internet-, são milhares de pessoas anônimas querendo expor sua intimidade de diferentes formas por um motivo comum: aparecer. Éramos acostumados a acompanhar o “sofrimento” dos famosos em driblar diariamente os paparazzi. Mas hoje, vemos os mesmos famosos expondo a intimidade nas redes sociais. Sem perceber, acostumamos com a vigilância constante e nos expomos. Chegamos, a era do Grande Irmão. Sim, você é vigiado também! A Revista Look deste mês desvendará assuntos que vão além do público e do privado. Leia e espie também. Boa leitura!

Ana Paula Moura Editora-chefe

Expediente: Coordenadora: Andréia Alevato/ Editor-chefe: Ana Paula Moura Pautas e Reportagem: Ana Paula Moura, Claudia Balint Tavares, Lais Cristina Cardoso, Kamila D’ Angelo Michele de Barros Pereira, Paula de Castro Garcia/ Diagramação: Ana Paula Moura Novembro, 2010. Look 2


d in

e

Br

Edição oo1

Em algumas seções desta edição, a lupa será usada para recriar imagens em tamanho real para que você consiga espiar a vida alheia.

Divirta-se e leia com descontração!

3 Look, Novembro, 2010


Cotidiano

Câmeras nas escolas: Segurança ou invasão de privacidade? Divulgação

Por Paula Garcia

C

om os altos índices de criminalidade que atingem os grandes centros urbanos, tornou-se uma prática comum o uso de câmeras de segurança em condomínios, casas, bares e até mesmo nas escolas. É compreensível que as escolas prezem pela segurança de seus alunos, mas muitas vezes, o uso indiscriminado acaba se tornando uma invasão de privacidade. segurança são necessárias para a segurança de seus filhos. Mãe de Muitas escolas ao discutir o as- uma criança de seis anos, Jaquesunto, defendem que o uso das line Pereira Rodrigues, 27 anos, câmeras, além de proporcionar diz que o uso da câmera na escola maior segurança aos alunos e fun- de sua filha, a deixa mais tranquila, cionários, visa também coibir porque as crianças costumam fanpráticas abusivas, como o consu- tasiar, e com o uso do aparelho, há mo de drogas, atos de vandalismo, como comprovar se o que disseram agressões entre outros. é realmente é verdade. Em algumas escolas do estado de São Paulo, desde o ano de 2008, câmeras de segurança vem sendo instaladas para reduzir o furto de equipamentos, principalmente o de computadores. No ano seguinte, o secretário de educação do estado de São Paulo, Paulo Renato Souza, criou um plano de combate à violência nas unidades da rede pública. O projeto contou com o apoio da Secretaria de Segurança pública do estado de São Paulo.

Aline Camilo Perez, 24 anos, mãe de Miguel de dois anos, não concorda com uso das câmeras, pois acredita que os pais, antes de matricularem seus filhos em determinado colégio, devem antes, conhecer, pesquisar sobre o local, conversar com outros pais que já tenham seus filhos matriculados na instituição.

O fato é que o uso das câmeras gera controvérsias entre pais, autoridades, educadores e psicólóAlguns pais acreditam que o uso gos. Segundo a psicóloga Vanessa das câmeras de segurança são Fascina Valim “A utilização de necessárias para a segurança de câmeras nas escolas pode prevenir atos da violência e os furtos, pro-

porcionando as organizações vantagens em visualizar as imagens, caso ocorra algum ato de violência, facilitando, posteriormente, a adoção de medidas corretivas para o infrator e orientação as outras pessoas do ambiente institucional. No entanto, apenas a adoção de câmeras nas escolas não é suficiente para inibição de violência se não forem oferecidos outros trabalhos, como orientação de pais, professores e alunos direcionados as ações sociais e preventivas”. O deputado Francisco Rossi, do (PMDB-SP), criou um projeto de lei 7000/10 que obriga as escolas particulares e públicas a instalarem equipamentos de vigilância eletrônica. O projeto tem como objetivo evitar que crianças de até seis anos sofram violência por parte dos professores. Este projeto tramita em caráter conclusivo e será analisada pelas comissões da Educação e Cultura. Novembro, 2010. Look 4


Especial

Divulgação/ Site Oficial

Liberdade Clandestina

O que antes era literalmente vigiado e punido e que para muitos ainda é visto como ato de vandalismo, hoje é sinônimo de arte, cultura, liberdade e política. Por Claudia Balint

I

ntervenções Urbanas, aquelas vistas a todo o momento nas ruas das metrópoles: desenhos, frases, pensamentos ou pessoas interpretando e chamando a atenção de curiosos pelas ruas. Intervenções urbanas não são apenas desenhos à toa nos muros, mas é realmente difícil entender o que há por detrás daquilo, qual o seu significado ou o que o seu autor quis expressar ao cometer aquele ato. A Arte Urbana, nada mais é do que uma reflexão do individual ou do coletivo que aos poucos sai do gueto para o mundo. E o mais importante, sai do anonimato, tornase algo público e livre! Sem perder a essência subversiva, as intervenções ganham novos formatos e artistas a cada dia. Um dos mais renomados artistas de rua do mundo mostra esse movimento cultural e, quem sabe, abre a mente 5 Look, Novembro, 2010

das pessoas para novas ideias, para que possam ver a beleza e a crítica escondida nos pré-conceitos do ser humano. Ninguém sabe ao certo quem ele é. Ninguém sabe seu nome, sua voz, sua casa, sua origem ou a cor dos seus olhos. Este é Banksy, o artista e grafiteiro de Bristol, que ganhou os olhares do mundo inteiro com suas intervenções urbanas em todo lugar espalhando mensagens irônicas contra a autoridade e poder, quando ao mesmo tempo, devoram a alma das pessoas ao questionar seus próprios medos e problemas sociais do mundo. As críticas de Banksy no primeiro momento despertam a curiosidade e a risada de seus expectadores, mas logo em seguida tal crítica se torna real e quase sempre todos se identificam com aquela ideia exposta pelas ruas gerando uma sensação de concordância.

Seus trabalhos são expostos em forma de stencil, grafitti, intervenções urbanas e obras de arte. O pouco que sabe é que seu talento começou desde muito novo e que hoje tem aproximadamente 35 anos de idade. Seus pais não fazem ideia de sua fama: “Eles pensam que sou um decorador e pintor”, diz ele em uma entrevista para uma revista americana sobre Arte de Rua. Banksy começou a ganhar notoriedade ao grafitar mensagens em muros e prédios ícones de todo o mundo, inclusive o muro da Cisjordânia, que colocou um boneco inflável em tamanho real de roupa laranja na Disneylândia, em alusão aos detentos da base militar de Guantánamo e mais recentemente colocou um brinquedo infantil, destes que se coloca uma moeda para a criança montar e balançar em forma de um golfinho enroscado em redes de pesca e ondas sujas de petróleo.


Especial Hoje suas obras são protegidas pelo Conselho Municipal de Bristol, sua cidade natal, onde é terminantemente proibida a restauração dos locais onde estão suas artes. Um grande mural de sete metros do artista foi coberto de tinta pelos funcionários contratados da prefeitura que lidam com a pichação britânica despertando a ira de seus admiradores. O muro amanheceu com a mensagem “wot no Banksy?” pichada por cima da tinta preta. (que poderia ser traduzida como “O que, sem Banksy?”). Em resposta, Gary hopkins, do Conselho Municipal afirmou: “Nós teremos que tomar providencias contra a empresa por que o Conselho não deu instruções para a remoção de nenhum trabalho de Banksy. Estamos cientes de que ele é bastante valioso e temos instruções específicas para que nenhum mural dele seja removido”. Algumas obras alcançaram preços muito altos para alguns colecionadores. Uma imagem de aposentados jogando boliche com bombas foi vendida por US$200 mil. Para quem quiser apenas conhecer seu trabalho, a galeria Lazarides, em Londres, expõe e vende as imagens, porém os administradores acham um erro colocar um preço nas obras, pois seria uma grande tentação aos colecionadores. Recentemente duas obras de arte de Banksy avaliadas em cerca de R$35 mil foram roubadas da galeria Soho em Londres. Câmeras do estabelecimento flagraram no dia 1 de maio de 2010 um casal levando as impressões em stencil montadas em molduras de vidro que medem 90X120 cm que custavam cerca de R$ 40 mil.

Hoje, a arte de rua não é mais um crime, não é mais vandalismo, nem algo sem nexo. É preciso apenas “enxergar” com a alma e assim teremos outra visão do que está diante de nossos olhos. No mês de setembro, a exposição Entre Meios, na passagem subterrânea da Consolação com a Avenida Paulista, em São Paulo, reuniu todas essas atividades ao público. Lá, os visitantes tiveram a oportunidade de tentar entender o que passou na cabeça de cada artista para fazer aquele desenho nas ruas. Um pouco mais de Banksy Banksy Bang: Está em cartaz no SESC Pinheiros e trata-se de um dança-teatro inspirado nas obras controversas de Banksy. Foram resgatados iluminações e desenhos na construção da luz no corpo dos atores no chão, criando dimensões como as vistas nos

outdoors do artista. Além disso tem punk rock, Beastie Boys e Village People na trilha sonora. Serviço: Todas às quintas-feiras às 19:00 horas - R$ 10,00 Exit Through the Gift Shop: Documentário dirigido pelo próprio Banksy em que são capturadas imagens do seu “trabalho noturno e ilegal”. O filme ainda conta uma parte da historia da arte de rua nos anos 90 no Reino Unido, parte da carreira e a maneira de trabalhar adotada por ele. Durante o Festival de Berlim, onde o documentário teve sua estreia, Banksy não compareceu como era de se esperar, porem deixou um vídeo gravado, onde sua voz e fisionomia estavam desfiguradas. No vídeo o artista diz: “a arte de rua tem vida curta, então precisava ser documentada”.

Divulgação/ Site Oficial

Novembro, 2010. Look 6


Paparazzo: A Sombra dos famosos Muitos profissionais fazem de tudo para conseguir um melhor flagra Por Ana Paula Moura aparazzo. Esta é a palavra que mais assusta os famosos nos dias atuais. Uma profissão que existe há anos e é realizada por repórteres que fotografam celebridades sem autorização, expondo em público as atividades que eles fazem em seu cotidiano.

No Brasil, a Agnews, com sede no Rio de Janeiro e em São Paulo, é líder no segmento e há mais de cinco anos persegue celebridades nas principais capitais brasileiras. Com 30 fotógrafos contratados, a agência tem clientes, entre eles, a revista Contigo! e a Folha Online.

Com câmeras e lentes enormes, os paparazzi tiram a liberdade de muitos atores, atrizes, apresentadores, cantores e socialites. Na verdade, basta ser conhecido pelo público, que lá estão eles loucos para soltar o primeiro flash.

A Busca pelo Melhor Flagra Sortudos são os paparazzi que conseguem a melhor imagem. Todos os dias centenas deles estão nas ruas do mundo para conquistar a grande fotografia.

Sem contratos fixos, geralmente, os profissionais trabalham por conta própria. Desta forma, eles conseguem vender as fotos para vários veículos e agências de imagens.

Um dos flagras inesquecíveis para as pessoas aconteceu em 2006 quando o paparazzo espanhol Miguel Temprano clicou Daniella Cicarelli enquanto a apresentadora praticava sexo em uma praia

P

Gostam de Paparazzi 7 Look, Novembro, 2010

Suzana Vieira

Adriane Galisteu

pública da Espanha com seu, até então, namorado, o empresário Renato Malzoni Filho. Mas para conquistar a imagem exclusiva, eles precisam se esforçar. “O grande profissional tem as suas fontes. Além disso, algumas vezes, para conseguir informações importantes temos que dinheiro ao porteiro e até garçom”, contou Francisco Silva, paparazzo da Agnews. Esta busca incessante pelo melhor furo movimenta mais de R$ 4 milhões por ano no Brasil, segundo os números fornecidos pela Agnews, e US$ 40 milhões no mundo. Para ter uma ideia, de acordo com a lista da Forbes, publicada em 2008, a revista norte-americana

Marcos Palmeira

Cauã Reymond

The Grosby Group

Brainpix

Entretenimento


Entretenimento

Britney Spears atacou um paparazzo com um guardachuva, após ficar furiosa por ser fotografa pelo profissional.

People foi a que mais desembolsou dinheiro por uma foto exclusiva. A publicação pagou US$ 4,1 milhões pela primeira imagem de Shiloh, filha de Brad Pitt e Angelina Jolie, em 2006. No exterior, Los Angeles, a capital do cinema, é o paraíso desses profissionais. Já no Brasil, o Rio de Janeiro é o lugar onde eles encontram bastante trabalho.

Fúria dos Famosos Quem não se lembra de quando a Britney Spears atacou um paparazzo com um guarda-chuva? Com uma vida bem agitada, a cantora é alvo dos profissionais todos os dias e, em 2008, criou uma seção em seu web site para premiar os paparazzi que mais passam vergonha. Já o fotógrafo atacado leilou o objeto que a cantora usou e o carro que ela quebrou, em feveriro de 2007. O lance mais alto dado até agora foi de US$ 25 mil. Os interessados, fãs de Britney, ainda chegaram questionar a autencidade os produtos, mas o paparazzo garantiu que tinha testemunhas para provar que tudo era verdade.

Não Gostam de Paparazzi

Eduardo Moscovis

X17. online

As celebridades brasileiras também passam sufoco e ficam irritadas. No ano de 2007, Eduardo Moscovis publicou na coluna Gente Boa, do jornal carioca O Globo, um desabafo sobre a invasão de privacidade dos paparazzi ao tentar fotografar o quarto de sua terceira filha, que, na época, não era nascida. “Devo ainda fechar as cortinas, ficar enclausurado “Devo ainda fechar as cortinas, ficar enclausurado porque pode ser que haja em algum apartamento próximo alguém empenhado em expor minha família?”, escreveu o ator no comunicado.

Fábio Assunção

“Já passamos por alguns apuros tentando flagrar celebridades no Rio de Janeiro. Uma vez vi um colega de trabalho quase apanhando de Fábio Assunção”, revelou Francisco. Mas não são apenas os mais velhos que ficam nervosos com esses fotógrafos. Miley Cyrus, perdeu a paciência com os paparazzi que a esperavam na porta de uma casa próxima ao Runyon Canyon, na Califórnia. Ao sair do local, a atriz disse: “Sai da minha frente”.

Lindsay Lohan

Sean Penn

Novembro, 2010. Look 8


Capa

Voltamos a era do Grande Irm達o? 9 Look, Novembro, 2010


Capa

O Reality Show

da vida real

Cada dia mais a população perde a privacidade com a invasão de câmeras Por Michele Barros magine cidades em que qual-quer atividade da população é monitorada por câmeras e microfones? Um mundo sem liberdade de ir e vir.

I

Não? Mas este temor pode ser visto no livro 1984, de George Orwell. Orwell compõe uma distopia (utopia negativa) onde os cidadãos são vigiados todo o tempo pelas teletelas (aparelhos que transmitem e captam voz e imagem) sob a liderança do Grande Irmão. O Big Brother (em versão traduzida, Grande irmão), pode não ser considerado uma pessoa real, pois ninguém o viu pessoalmente, mas seus feitos e liderança constantes no livro transmitido através da teletela e por seu slogan “O Grande Irmão Zela por ti”, conduzem a toda população acreditar em sua presença. Alguns orwellianos associam o Grande Irmão ao ditador soviético Joseph Stálin, pela propaganda nazi-fascista que se nota durante o decorrer do livro, mas também, pode ser associado às religiões. Através das teletelas, o Grande Irmão está “presente” em todos os lugares e controla a vida de todos; assim, nesta concepção, o Partido controla as emoções e tem a liderança invisível como as que as igrejas possuem.

No romance, O Grande Irmão, nome inspirado para o reality show Big Brother – que ganhou várias edições no mundo-, Orwell relata em seu país fictício um regime de “ditadura” em que todos eram vigiados pelo governo. Durante a história, foi desenvolvida exclusivamente para o regime ditatorial uma nova língua, a novilíngua (Uma redução do idioma inglês usado oficialmente e baseado em unir e destruir palavras para que o pensamento fosse cada vez mais igual). Na publicação, aquele que pensasse diferente do partido, cometia crimidéria (crime de ideia, palavra criada para a novilingua). Em 1984, todos eram monitorados pelas teletelas, e qualquer atitude suspeita captada pela teletela poderia significar o fim - não apenas a saída de um participante, como acontece nos realities shows; mas sim, a morte Se reparar aos pequenos detalhes, somos monitorados e vigiados por câmeras de seguranças, pequenas “teletelas”, radares e afins. Já os mais famosos são perseguidos por paparazzo, jornalistas e entre , jornalistas e entre outros. O governo também acompanha a população.

BB – O espião da vida alheia O reality show, Big Brother, no Brasil exibido pela Rede Globo, teve sua inspiração no livro 1984, O Grande Irmão, baseado no conceito de vigilância constante de uma pessoa. No livro, em todos os lares dos integrantes do Partido, cafeterias, indústrias e praças, as teletelas transmitiam a ideologia do Partido, mas do que isso, elas captavam todos os movimentos de seus filiados. Foi daí que saiu a ideia do nome do programa, Big Brother (em versão traduzida, O Grande Irmão). No mundo, o primeiro BBB foi ao ar no ano de 1999, feito pela produtora Endemol. Já no Brasil, teve sua primeira temporada exibida em janeiro de 2002. Em 2010, aconteceu a décima edição com recordes de audiência e novo formato para atrair o público. Durante três meses, pessoas anônimas têm suas vidas expostas e vigiadas não somente por câmeras, como por todo o mundo. Até onde esse nível de exposição ajuda e atrapalha a vida dos participantes? Nos dias de hoje, ser um ex-BBB pode ser considerada uma profissão instantânea, mas os interessados se inscrevem mais pela fama pós-participação do programa, do que pelo prêmio de R$ 1 milhão. Novembro, 2010. Look 10


Divulgação

Capa

Segundo Sabrina Sato, ex-participante do Big Brother 3, participar do reality “foi uma experiência única. Hoje em dia graças a Deus trabalho muito, mas minha vida pessoal não mudou tanto, continuo morando com meus irmãos e tenho minha família como base. Não acredito que atrapalhe essa vigilância constante, pois em nossa vida conseguimos ter momentos de reclusão em que podemos relaxar e ter um momento só nosso”. Prós e Contras da Realidade Vigiada

O que a lei fala desta “invasão”?

Atualmente, nas ruas, empresas, prédios, supermercados e entre outros lugares públicos e privados, possuem sistemas de câmeras para segurança e controle de seus usuários. Mas, até onde essa segurança não interfere na intimidade e liberdade das pessoas? O diretor comercial da empresa de Tecnológica JOB, Daniel Franco, diz que a procura por instalações de câmeras em espaços públicos ainda não é muito grande e acrescenta que “As pessoas estão cientes de que em determinados locais não é possível colocar vigilância. No caso de limites de onde instalar, quando existem casos assim, colocamos do lado de fora controlando a entrada e saída das pessoas nesses locais. Isso é permitido, pois não está invadindo a privacidade”.

As empresas também se adaptam cada vez mais a esse novo “monitoramento tecnológico”, além de controlar e-mails e ligações dos funcionários, tem sido alta a procura de câmeras para instalações em salas e departamentos. Em seu livro Proteção a intimidade do empregado, a Desembargadora Alice Monteiro de Barros, afirma que o legislador brasileiro não proibiu em nenhum momento Outra lei também, de autoria do a fiscalização e controle por meio vereador de Penha (SC), Cleiby de aparelhos audiovisuais, visto Darossi (PTB), obriga os bancos ser uma “decorrência lógica do a criarem um sistema de segu- avanço da tecnologia e poderá rança e monitoramento através de consistir em um instrumento procâmeras de vídeo. No Rio, o gov- batório valioso na avaliação da ernador Sérgio Cabral, também conduta do empregado” relata a optou pelo sistema de monitora- desembargadora no livro. mento, todos os novos carros adquiridos pela Polícia Militar terão Segundo a advogada Diana Bea-

11 Look, Novembro, 2010

Em novembro de 2009, a Câmara Municipal de São Paulo, decretou a lei que autoriza a instalação de câmeras de vigilância em pontos de descarte irregular de lixo, entulhos e demais materiais, segundo os artigos do decreto, as imagens poderão ser cedidas apenas aos órgãos de segurança pública, desde que, seja comprovado que o individuo tenha cometido a infração.

câmeras para melhor controle e segurança.


Capa pantes possuem uma realidade inventa (aquela que querem transmitir em determinado momento) e ao sair do programa voltam para a realidade (sua vida como realmente é). Um exemplo desta fuga da realidade no programa A Fazenda, da Record, no começo de 2010, quando a dançarina e apresentadora Adriana Bombom, após ser eliminada, disse ao Brito Junior, apresentador da atração, aos prantos, que ele sabia não sabia o que estava acontecendo na minha dela. No caminho da saída, Bombom demonstrou que não queria sair do mundo “imaginário” e sem problemas pessoais.

do empregado, ou seja, é ilegal vigiar, abrir emails ou fazer revista pessoal em apenas um ou alguns empregados ou fazer isto sem que o empregado tenha sido notificado de que este é um procedimento adotado pela empresa. Ou estes atos são rotina da empresa para todos Segundo a psicóloga, ex-presiou não podem ser adotados”, ex- dente da ABPp - Associação Braplica Diana. sileira de Psicopedagogia -, Nívea Fabrício, relata que “As pessoas A videovigilância deve obedecer às costumam agir a cada situação de regulamentações exigidas pelo ar- acordo com o vivenciado. Portantigo 29 do Conselho da Europa que to, podem perfeitamente ser agresdetermina as seguintes prioridades: siva com algumas pessoas, gennecessidade, finalidade, transpar- tis com outras, displicentes e etc. ência, legitimidade, proporcionali- O individuo naturalmente tenta dade, rigor e retenção de dados e, se adequar ao meio em que vive, por final, segurança. tentando se proteger ou se destacar em qualquer situação”. Vida Real ou Realidade Inventada?

Divulgação

atriz, “faz parte da legislação do empregador, o direito de vigiar seus empregados para observar se o trabalho e o ambiente de trabalho estão de acordo com o contratado. E vigiar pode ser diretamente ou através de equipamentos como câmeras, por exemplo. O que norteia essa vigilância em nossa lei e os tribunais, consequentemente fazem cumprir é que essa vigilância deve ser moderada, impessoal, generalizada e de conhecimento

Bombom foi a terceira eliminada do reality show Hollywood e seus espiões Em Hollywood também já foi usada as ideias de vigilância constante, como em 1984. O filme Show de Truman, O Show da Vida Real (com Jim Carey) é dos exemplos desse monitoramento da vida real – No filme, o pacato vendedor de seguros Truman Burbank (Jim Carey), descobre que sua vida se trata de um reality show, produzido em um estúdio gigantesco.

Muitas pessoas após participarem de programas de TV ou reality show, justificam certas atitudes ocorridas durante suas participações com explicações de que em sua vida “real” não agem da mesma forma, que estavam jogando ou até usam essa reclusão como fuga. Durante o programa os partici-

Jim Carrey em O Show de Truman, O Show da Vida RealO Novembro, 2010. Look 12


Olhar no Horizonte

Divulgação

Pensando em Big Brothers, pessoas que vivem vidas reais e realidade inventada, a Revista Look compara essas situações com o poema de Fernando Pessoa – Vida Vivida e Vida Pensada: Tenho tanto sentimento

É essa que é dividida

Que é frequente persuadir-me

Entre a verdadeira e a errada.

De que sou sentimental,

Qual porém é verdadeira

Mas reconheço, ao medir-me,

E qual errada, ninguém

Que tudo isso é pensamento,

Nos saberá explicar;

Que não sentí afinal.

E vivemos de maneira

Temos, todos que vivemos,

Que a vida que a gente tem

Uma vida que é vivida

É a que tem que pensar.

E outra vida que é pensada, E a única vida que temos 13 Look, Novembro, 2010

Fernando Pessoa


Shopping Digital

As novidades no mundo da tecnologia que ajudarão você a perder a privacidade

Smartphone N8 R$ 1.499

, Nokia

Câmera de bolso R$ 2.999

, Sanyo Brasil

Webcam Cinema R$ 459

, Microsoft

Câmera Fotográfica digital Caneta Espiã com câmera escondida RS 440

R$ 899

, Olympus

, Asiatronic Eletrônicos

Relógio Espião R$ 299

, InovaMania

Novembro, 2010. Look 14


Cotidiano

Cadê minha Infância? A falta de controle dos pais pode afetar na formação dos pequenos Por Claudia Balint

C

ada vez mais as pessoas perdem sua infância. Com o decorrer dos anos, as mudanças e desigualdades sociais, econômicas e culturais, transformam nossas crianças em adultos. A “adultização precoce” como é conhecida pelos especialistas, tira o vínculo infantil que normalmente as crianças deveriam ter como brincar, dançar, rir, estudar e tantas outras coisas e as tornam adultos precoces que no futuro refletirá nos valores morais e mais extremos, podemos ver criansociais de cada indivíduo afetado. ças se tornarem jovens infratores. Parece simples, mas não é. Todas as atividades que as pessoas fazem durante a infância, ajudam a desenvolver criatividade, boa relação com os colegas, perseverança e outros fatores que abrem a criança para a realidade da vida. É isso que traz a maturidade e crescimento dos pequenos para a fase adulta. Quando uma criança ou um adolescente trabalha, pára de estudar ou sofre agressões físicas, psicológicas ou morais, esse desenvolvimento é interrompido e acaba lesando a vida social deles. Muitas pessoas na fase adolescente ou até mesmo na fase adulta possuem grandes dificuldades de se relacionarem com outras pessoas e até mesmo de viver em sociedade pela infância roubada. Em casos 15 Look, Novembro, 2010

Divulgação

celulares e a internet, onde os pequenos conseguem informações inadequadas e até perigosas. A falta de controle dos pais pelo constante crescimento nas horas de trabalho, a falta de tempo para conversas e brincadeiras com os filhos e a falta de pequenas normas familiares podem afetar também nas escolas, onde encontramos cada vez mais casos de bulling entre crianças tão jovens e inexperientes com a vida.

A vida pública é afetada desde o nascimento, e claro, a convivência com os familiares e amigos fazem parte do crescimento de cada indivíduo o tempo todo. Podemos exemplificar o assunto com os inúmeros casos de violência doméstica. Onde meninas e meninos são obrigados a terem relações sexuais com parentes próximos ou conhecidos, geralmente dentro da A criança que assiste novelas própria moradia, infelizmente. onde são mostradas cenas de sexo, adultério e tantos outros problemas Essas situações fazem com que sociais, além do constante crescicrianças pratiquem sexo como se mento do uso de drogas como fossem adultas. Perdem sua in- cigarro, álcool e maconha, também ocência. Perdem sua dignidade, é preocupante. Enquanto poderiam quando ainda nem sabem o que brincar de boneca ou jogar bola, esessa palavra significa. Ainda nesse tão nas ruas atrás de entorpecentes cenário, podemos incluir o uso de ou seguindo personagens fictícios ferramentas tecnológicas como que nada tem a acrescentar na sua


Cotidiano como consumidoras.

Crianças brincam no parque e aproveitam a infância

O Primeiro Promotor de Justiça de Defesa do Consumidor de São Paulo, João Lopes, questiona exatamente isso em uma entrevista ao documentário Criança, a alma do Negócio, de Estela Renner: “Se a criança, pela lei, não pode comprar nada por ser considerada incapaz pela legislação, como se admitir uma mensagem publicitária dirigida a ela, e muito menos uma peca publicitária que seja persuasiva?”. Quando as crianças brincam, a imaginação não tem limites, elas não se preocupam em usar roupas de marca, ou aparelhos celulares, Orkut, ou ver a novela do horário nobre. Não há conflitos com outras crianças, não há tristeza. Uma aventura que os adultos também deveriam experimentar de vez em quando para voltarem ao seu mundinho particular e esquecer-se dos problemas do mundo, deixar de lado o que acontece lá fora dos seus sonhos.

Divulgação

sua formação educacional. Essas alterações comprometem o comportamento dessas crianças e adolescentes para o convívio social e a vida pública futura. A conscientização do problema “adultização precoce” deve ser refletido por todas as pessoas, independente se elas têm ou não filhos. O futuro da sociedade depende de uma infância saudável e feliz. “É no brincar e talvez apenas no brincar que a criança ou o adulto fluem sua liberdade de criação e podem utilizar sua personalidade integral e é somente sendo criativo que o

individuo descobre o eu” (D. W. Winnicott. O Brincar e a Realidade. Imago Editora, 1975).

Divulgação

É fato que atualmente ao invés de brincar, as crianças deslocaram prematuramente seus interesse para desejos e comportamentos que não fazem parte e não condizem com o sentido de infância. Por decorrência destas mudanças sociais no decorrer dos anos, a publicidade se dirige diretamente ao público infantil quando o assunto é direcionado a eles, mesmo sabendo que por Lei crianças não podem praticar atos da vida civil. Assim as propagandas tratam as crianças Novembro, 2010. Look 16


Por trás das Câmeras Por Michele Barros

Dean Cain, Juliana Paes e Marcio Garcia

Cinema Juliana Paes compareceu ao shopping Leblon, zona sul do Rio de Janeiro, na quinta-feira (11), na pré-estreia do filme Amor por Acaso, dirigido por Marcio Garcia. Grávida de oito meses, no longa a atriz faz par romântico com Dean Cain, conhecido por seu papel como o Super-Homem na séria de televisão Lois & Clark: As Novas Aventuras do Superman.

Nívea Stelmann leva o pequeno Miguel 17 Look, Novembro, 2010

Fotos:: AgNews

Angélica, Luciano e filhos no Porcão

AgNews

Amor por Acaso estreia em 26 de novembro nas telonas brasileiras.

Aniversário de Benício Benício Ksyvickis Huck, o filho caçula de Angélica e Luciano Huck, comemorou em dose dupla, no domingo (6), três anos de vida completados na quarta-feira (3). Primeiro, aconteceu um almoço em família no Porcão da Barra da Tijuca, Rio de Janeiro. Depois, a festinha reuniu 50 amiguinhos em sua casa, também na Barra. Muitos famosos levaram seus filhos.

Carolina Dieckmann e o marido chegam à festa


Por trás das Câmeras

AP

Homenagem com elegância

A cantora Christina Aguilera foi homenageada na segunda-feira (15), em Los Angeles, com uma estrela na Calçada da Fama.

Ela já tem cinco álbuns de estúdios lançados, o último trabalho que chegou às lojas é chamado Bionic (2010).

Primeira despedida Daniel Radcliffe, Emma Watson e Rupert Grint participaram da première de Harry Potter e as Relíquias da Morte - Parte 1, penúltimo filme do bruxinho, na quinta-feira (11), em Londres. No tapete vermelho, a intérprete da Hermione na franquia robou a cena com o vestido transparente. A estreia mundial do longa acontecerá em 19 de outrubro nos cinemas. AP

Novembro, 2010. Look 18


Fotos: AgNews

Por trás das Câmeras

Muita música sob a chuva O rapper americano Eminem se apresentou na sexta-feira (5), no evento F1 Rocks, em São Paulo. Com a abertura de Marcelo D2, o show reuniu muitos famosos, entre eles, Ildi Silva, Deborah Secco e Junior Lima.

Um dia diferente

Fotos: AgNews

De folga no trabalho, Malu Mader e Tony Bellotto aproveitaram o domingo (14) para se exercitar pelas ruas do Rio de Janeiro.

19 Look, Novembro, 2010


Crônica

Por Michele Barros

Fico impressionada em como as pessoas se comportam diferente em determinados lugares. Em muitos, são tão educadas e em outros, acho que um cachorro não adestrado se comportaria melhor. Falo isso pois ao pegar todas as possíveis linhas do metrô consigo identificar qual será o comportamento de um mesmo individuo em todas elas, vejam só. Como de costume, acordei nessa manhã já pensando em enfrentar o “inferno”, ops... A linha vermelha (é, talvez seja por isso que tenham dado essa cor a linha Corinthians Itaquera – Palmeiras Barra - funda). Enfim, tento não me surpreender mais, porém é indignante a maneira como as pessoas entram no metrô nesta linha. Para variar, a plataforma estava LOTADA, mas tento manter sempre meu bom humor matinal. Sossegada tento me encaixar ao meio da multidão tentando encontrar um espaço para os meus pés, enfim consegui. O metrô chega e meu coração começa a bater acelerado, pois com os gritos penso:

E se tem um arrastão aqui? Ok, volto ao meu único foco e objetivo, sentar. Só que começo a reparar em uma cidadã atrás de mim, chamada Carliane (Sei o nome, porque a amiga dela não não parava de gritar: - Empurra Carliane, empurra!). Não sei por qual motivo ela me empurrava tanto, pois não havia mais para onde ir, a não ser para os trilhos. O metrô se aproxima e Carliane começa a me empurrar tanto, que me senti pior do que no show gratuito no aniversário de São Paulo. As portas se abrem e ela é a última, assim com eu, mas quer ser a primeira a entrar (espertinha). Empurra, dá chutes, pontapés, cotoveladas e tudo o que você imaginar. Os gritos das pessoas são parecidos com os de alguma guerra no Iraque. Ok, a multidão entra e minha sacola cai no chão, todos começam a chutá-la – inclusive, Carliane (claro!). Eu desesperada consigo recuperar a sacola (já rasgada, óbvio) e encontro um espaço em pé. Ao olhar para ela vejo que a mesma está sentada, sorrindo e feliz. Não sei sorrindo do que. Tudo bem, já estava me sentindo pior do que em uma lata de sardinha. E o metrô andando mais devagar que uma tartaruga, adivinha por quê? Porque para variar aguardava a movimentação do trem à frente. Não me estresso mais com a lerdeza do metrô, afinal já é normal, me surpreende sim, quando ele anda rápido. Foco então a minha atenção à conversa da tal da Carliane e ouço-a dizer que trabalha na Av. Paulista. Meus olhos enchem de lágrimas só de pensar em ter que ir com Carliane nas linhas azul e verde. Mas enfim, chegamos à estação

Sé – vulgo apocalipse. As pessoas saem desgovernadas, correndo, chego a pensar que será o último metrô a circular no dia. Eis que entramos no metrô sentido Jabaquara. Carliane, assim como as outras pessoas, correu desgovernadamente também, mas não tanto quanto na linha vermelha. E, eu penso claro, só pode estar cansada, já que gastou todas as suas energias na linha vermelha. Começo a reparar que na linha azul o metrô lota e muito, porém as pessoas não gritam como na linha anterior e conversam em um tom de voz tolerável aos ouvidos. Ah, Carliane até abaixou o volume do seu celular que estava tocando um funk que eu tentei, mas não consegui identificar a letra. Ao se aproximar da estação Paraíso, já estava cansada e descabelada com tanto empurra e empurra. Logo que descemos percebi que as mesmas pessoas que pegaram o trem comigo desde a estação Itaquera estavam andando devagar, conversando em tom civilizado e Carliane até mesmo desligou o seu celular, pois como a mesma disse a sua amiga, aqui não pode! Como não pode? Pensei eu. É uma linha do metrô como todas as outras, não é? O metrô se aproximou e Carliane deu a vez de entrar para uma senhora de mais idade passar. E eu já sem entender mais nada desci na estação Consolação, indignada por perceber que as pessoas se comportam bem onde lhes convém e que a educação é determinada pelo lugar onde estamos. Bons eram os tempos que educação vinha de berço. Mas eu não me surpreendo, porque amanhã é outro dia e sei que encontrarei outras milhares de Carlianes.

Novembro, 2010. Look 20


Cotidiano

Qual sua Finalidade? Por Kamila D’Angelo sionais, como por exemplo: notícias de empresas, pois para o uso pessoal fica sempre a ressalva de que todo cuidado é pouco já que os usuários muitas vezes não medem O Twitter foi criado por Jack as palavras e acabam por expor sua Dorsey em 2006 e tinha o obje- vida pessoal no microblog, o que tivo inicial de integrar pessoas também pode ser aproveitado por próximas – amigos, familiares, usuários mal intencionados.” colegas de trabalho – num serviço que possibilitasse a comunicação Vemos isso acontecer com e a conexão entre elas através da frequência em sites de entretenitroca de mensagens rápidas que mento, as “notícias” são postadas respondessem a uma simples per- no Twitter pelos próprios artistas e gunta: O que você está fazendo? que acabam virando pequenas noGanhou uma extensa popularidade tas nesses veículos. Ao invés de dipor todo mundo, algumas vezes é vulgarem o seu trabalho os artistas descrito como o “SMS da Inter- acabam falando da vida pessoal e net, já que é uma ferramenta uti- dando sua opinião sobre diversos lizada para envio de mensagens assuntos e gerando especulações. instantâneas, que podem ser enviadas até mesmo de um celular, ou Um caso recente que aconteceu no seja, a possibilidade de enviar e re- Twitter de grande repercussão foi ceber atualizações em tempo real. um comentário postado pela cantora Rita Lee. Rita teria feito um coSegundo Antonio Malzone, técni- mentário irônico sobre o local onde co em Tecnologia da Informação, será construído o novo estádio do o Twitter nada mais é que uma rede Corinthians, após o comentário ter social na internet onde você tem sido mostrado no Fantástico, Rita um determinado número de segui- entrou no microblog e disse que dores, que ao adicionar qualquer estava se sentindo ameaçada pelos comentário é replicado entre as torcedores do Timão: “O medo de pessoas que fazem parte do grupo. acontecer algo comigo e com minE complementa dizendo: “Na min- ha família é real”. ha opinião, o Twitter seria mais útil se fosse utilizado para fins profis- Há também pessoas anônimas que Hoje em dia é comum as pessoas fazerem uso de alguma ferramenta social como: Twitter, MSN, Orkut, entre outros.

21 Look, Novembro, 2010

tiveram seus trabalhos reconhecidos através do twitter. A ex-BBB Tessália entrou para participar do BBB pelo fato de ter um grande número de seguidores. O Twitter também tem sido utilizado por grandes empresas para a divulgação de suas marcas e serviços. Algumas agências de empregos dispõem vagas de todos os tipos no microblog, desde para estagiários até para diretor de conteúdo. Além disso, o Twitter tem se mostrado um ótimo instrumento para o fortalecimento das marcas no ambiente virtual, pois agrega seguidores que recebem as atualizações enviadas pelas empresas. Para que possam entender o Twitter e como ele tem influenciado a mídia, os políticos, os artistas, os jornalistas e tudo mais, vamos colocar os mais seguidos do país. A cada postagem de 140 caracteres milhões de pessoas são impactadas. Podem ser pessoas físicas, revistas e jornais, programas de TV, tudo acaba indo para o Twitter. Os presidenciáveis já estão lá, e com equipes contratadas exclusivamente para explorar o máximo que o microblog possa oferecer.


Siga a Look no Twitter: @looknaweb

T O P 10

Twitter dos Famosos

10o - “

fará show em SP! Foi o jeito que o Denarc arranjou para acabar com a concaína do estado” Oscar Filho (8/11/2010) Amy Winehouse

9o- “Jay-Z quer se candidatar à presidência dos EUA - Cada um tem o Tiririca que merece” l (5/11/2010) Luciano Amara

8o - “Eu queria abrir uma peixaria, mas sou preguiçoso demais para isso. E Divulgação

assim nasceu o pesque e pague”. Rafinha Bastos (4/11/2010)

7o - “O Deputado Tiririca passou no Enem do TRE. O Ministro da será submetido ao teste também?” Cacá Rosset (11/11/2010) Educação

6o - “Nunca guarde mágoas... Guarde dinheiro...” Evandro Santo (7/11/2010)

Divulgação

5 - “Vin Diesel tá aproveitando sua visita ao Brasil. Já está sendo chamado de Vin o

trocar o óleo diesel!” (8/11/2010) Beto Silva

4o - “O desemprego continua estável no

, mas o nível de vida melhorou. Ou Cristo andou por lá fazendo milagres ou é o din-din do governo” Aguinaldo Silva (3/11/2010) Nordeste

3o - “A voz tá estranha por causa do cansaço. Há duas

semanas o tio não dorme mais do que 6 horas por noite. Aí, sabe como é... ...” William Bonner (4/11/2010) Tô velhinho

2o - “Somente as mulheres,

as gorilas e as hienas

duas vezes” Ângela Bismarchi (10/11/2010)

têm hímen. Eu tive

1o -“Pessoal, infelizmente não consegui fechar acordo com o Silvio Santos pela . Eu não estava em dia com os carnês do Baú” Bruno Mazzeo (12/11/2010)

Divulgação

compra do SBT

Novembro, 2010. Look 22


Reprodução/ Second Life

Entretenimento

d n o ec

S

Pessoas que não conseguem coisas no mundo real vão conquistar sonhos no mundo virtual Por Laís Cardoso Se você está passando por alguma dificuldade ou não tem mais esperança para a realização de um sonho, que tal ter uma nova vida? Assim, você poderá conquistar tudo o que sempre quis. Criada com detalhes mínimos que imitam a vida real e muito comparado ao jogo The Sims, o Second Life se destaca por ser também considerada uma rede social, onde as pessoas criam suas contas e convidam outros amigos para participarem também do considerado simulador da vida real. Desenvolvido em 2003, pela empresa Linden Research Ind, na cidade de São Francisco Estados Unidos, o jogo conquistou o público principalmente no exterior, onde as mídias especializadas. 23 Look, Novembro, 2010

: e f Li

la u m

i s O

a

d r o d

a d i v

l a e r

em informática passaram a dar Leme, 19 anos, estudante de Enmais atenção, pois o número de genharia do Petróleo e viciado em usuários cresceu e ainda cresce de Second Life. forma extraordinária. Como na rede social, é possível Para que tudo seja igual ou ao também criar grupos no Second menos parecido com a vida real, Life. Para isso, basta configurar o o jogo possui comércio, anúncios grupo para receber qualquer um, em classificados e até a própria somente convidados ou até mesmo moeda. cobrar a entrada, para participar. A moeda chama-se Linden Dollar, (também grafado como L$), o L$ pode ser comprado com dinheiro de verdade ou cartão de crédito. O site converte o valor para dólar.

Além disso, grupos podem ser formados “informalmente”, ou seja, bastando aproximar um personagem do outro que já é possível a comunicação através do teclado (e também por voz, mas ainda está Nos anúncios no Second Life, têm em fase de testes). produtos reais, como, por exemplo, um terreno mediano L$ 5.000 (R$ A comunicação entre as pessoas 38,50), uma textura de pele realista acontece com emissão de som por L$ 3.500 (R$ 27), lambreta, pré-gravados, gestos, empurrar e entre muitas outras coisas. Os olhar (virar a cabeça, olhos e corpreços costumam variar de vende- po). Uma outra forma são as exdor para vendedor, o simulador dá pressões corporais e o uso de objeo direito de que possamos escolher tos com dois ou mais personagens onde e com quem comprar. de uma vez. “Mais fácil do que viver de verdade, não dá vontade de parar nem por um segundo”, comenta Filipe

“O jogo foi muito bem projetado, como rede social ele é excelente, o ruim é que por ser um software distribuído em massa ele pesa um


Entretenimento

Reprodução/ Second Life

Ilha Brasil, no Second Life

Além de simulador, rede social e jogo, o Second Life também é muito utilizado como comércio virtual. Devido a possibilidade da conversão através do site de Linden Dollar em dólares, muitas empresas estão aproveitando para explorar suas marcas dentro do ambiente virtual. Isso mesmo! A própria exposição da marca dentro do Second Life é uma grande vantagem para a empresa no mundo real.

De acordo com as estatísticas do Literalmente a vida virtual está site oficial da atração, realizada imitando a real, além de ser até em abril de 2010, o sistema tinha mais interessante. mais de 4.500 milhões de usuários cadastrados e ativos.

No Brasil, o jogo chegou no início de 2006 e a primeira ilha brasileia ganhou o nome de Ilha Brasil. Logo depois, outras refrências foram criadas e surgiram mais ambiente como, por exemplo, Ilha Búzios, Ilha Help Cristo Redentor, uma das sete Brasil, Ilha Brasil Curitiba Batel, maravilhas do mundo, no Second Ilha Brasília, Ilha Ribeirão Preto Life e Ilha RJ City.

Reprodução/ Second Life

um pouco mais no computador”, contou Eduardo Leal, de 27 anos, Analista de Sistemas e Criador de jogos.

Novembro, 2010. Look 24


AgNews

AgNews

Sorria!

Suri, filha de Tom Cruise

Preta Gil Adriane Galisteu

Brainpix

AP

Amy Winehouse

Brainpix

Paul McCartney Miley Cyrus

David Beckham

Brainpix

Tem um flagra engraçado aí? Não perca tempo e mande para a redação da Look. Quem sabe, na próxima edição, a sua foto não pode estar aqui! 25 Look, Novembro, 2010

Teste  

testetestetestetestetestetesteteste