Issuu on Google+

1


2


Lux#

3

3


4


E

Capitulo um u não sabia o que me acordou. O vento uivante da primeira grande nevasca do ano tinha acalmado ontem à noite e meu quarto estava tranquilo. Pacífico. Rolei para o meu lado e pisquei.

Olhos da cor das folhas cobertas de orvalho olhavam nos meus.

Olhos estranhamente familiares, mas medíocre em comparação com aqueles que eu amo. Dawson. Apertando o cobertor conta o meu peito, me sentei lentamente e empurrei o cabelo emaranhado da minha cara. Talvez eu ainda estivesse dormindo, porque eu realmente não tinha ideia do por que Dawson, o irmão gêmeo do garoto por quem eu estava louca, profunda, e, possivelmente, insanamente apaixonada estava sentado na beira da minha cama. — Hum, está... está tudo bem? — Eu limpei minha garganta, mas as palavras saíram roucas, como se eu estivesse tentando parecer sexy e, na minha opinião, falhando miseravelmente. Toda a gritaria que eu tinha feito enquanto o Sr. Michaels, namorado psicopata da minha mãe, tinha me trancado na gaiola no depósito ainda se refletia na minha voz uma semana depois. Dawson baixou o olhar. Cílios grossos, cobertos de fuligem se espalharam nas pontas das bochechas altas e angulares que eram mais pálidas do que deveriam ser. Se eu aprendi alguma coisa, Dawson foi muito danificado. Olhei para o relógio. Era perto de seis horas da manhã. — Como você chegou aqui? — Eu me deixei entrar. Sua mãe não está em casa.

5


Com qualquer outra pessoa, isso teria me assustado para caramba, mas eu não tinha medo de Dawson. — Ela ficou presa em Winchester. Ele acenou com a cabeça. — Eu não consegui dormir. Eu não tenho dormido. — Nada? — Não. E Dee e Daemon são afetados por isso. — Ele só olhou para mim, como se desejasse que eu entendesse o que ele não conseguia colocar em palavras. Os trigêmeos - inferno, todos nós – estávamos no limite, esperando que o Departamento de Defesa aparecesse em todos os dias que se passaram desde que Dawson escapou da prisão de Lux deles. Dee ainda estava tentando processar a morte de seu namorado Adam e o reaparecimento de seu amado irmão. Daemon estava tentando estar lá para seu irmão e para ficar de olho neles. E apesar de tropas de assalto não explodirem em nossas casas, nenhum de nós estava relaxado. Tudo era muito fácil, o que geralmente não era nada de bom. Às vezes... às vezes eu me sentia que era uma armadilha, e nós estamos entrando direto nela. — O que você tem feito?— Perguntei. — Caminhado — disse ele, olhando para fora da janela. — Eu nunca pensei que eu voltaria aqui. As coisas que Dawson tinha vivido era horrível demais para sequer pensar. Uma dor profunda encheu meu peito. Eu tentei não pensar nisso, porque quando eu fazia, pensava em Daemon estar nessa mesma posição, e eu não poderia suportar. Mas Dawson... Ele precisava de alguém. Estendi a mão, passando os dedos em torno do peso familiar do colar de obsidiana. — Você quer falar sobre isso? Ele balançou a cabeça novamente, mechas desgrenhadas de cabelo parcialmente obscurecendo seus olhos. Eram mais do que os de Daemon - curtos e provavelmente precisava de um corte. Dawson e

6


Daemon eram idênticos, mas agora, eles não eram nada parecidos, e era sobre mais do que o cabelo. — Você me lembra dela... Beth. Eu não tinha ideia do que dizer a isso. Se ele a amasse metade do que eu amava Daemon... — Você sabe que ela está viva. Eu a vi. O olhar de Dawson encontraram os meus. A riqueza de tristeza e segredos estavam guardados em suas profundezas. — Eu sei, mas ela não é a mesma. — Ele fez uma pausa, baixando a cabeça. A mesma seção de cabelo que sempre caía na testa de Daemon tombou sobre a dele. — Você... ama meu irmão? Meu peito doeu com a desolação em sua voz, como se ele nunca esperasse amar novamente, não conseguia nem acreditar mais nisso. — Sim. — Eu sinto muito. Eu me afastei para trás, perdendo o controle sobre o cobertor, pois caiu mais baixo. — Por que você sente muito? Dawson levantou a cabeça, deixando escapar um suspiro cansado. Então, movendo-se mais rápido do que eu pensava que ele era fosse capaz de fazer, seus dedos roçaram minha pele sobre as marcas rosadas que circulavam ambos os pulsos por lutar contra as algemas. Eu

odiava

essas

manchas,

orava

pelo

dia

em

que

desaparecessem completamente. Toda vez que eu as via, lembrava da dor que o ônix tinha causado, quando pressionado em minha carne. Minha voz arruinada era forte o suficiente para explicar para a minha mãe, para não mencionar o reaparecimento repentino de Dawson. O olhar em seu rosto quando ela viu Dawson com Daemon antes da tempestade de neve foi um pouco cômico, embora ela parecia feliz que o “irmão fugitivo” voltou para casa. Mas essas marcas eu tive que esconder com camisas de mangas compridas. O que funcionava durante os meses mais frios, mas eu não tinha ideia de como eu iria esconder isso no verão.

7


— Beth tinha esses tipos de marcas, a vi.— Dawson disse em voz baixa, puxando a mão para trás.— Ela ficou muito boa em escapar, mas eles sempre a pegavam, e ela sempre tinha essas marcas. Geralmente em torno de seu pescoço. Náusea subiu, e eu engoli. Em volta do pescoço? Eu não podia... — Você... você viu Beth muitas vezes? — Eu sabia que eles tinham permitido pelo menos uma visita entre eles enquanto estava preso na unidade doDOD. — Eu não sei. O tempo foi confuso para mim. Eu mantive o controle no início, com os seres humanos que eles trouxeram para mim. Eu os curava e, geralmente, se eles... vivessem, eu podia contar os dias até que tudo se desfazia. Quatro dias.— Ele voltou a olhar para fora da janela. Através das cortinas que haviam sido colocadas para trás, tudo o que eu podia ver era o céu noturno e galhos cobertos de neve.— Eles odiavam quando tudo se desfazia. Eu

podia

imaginar.

O

DOD

ou

Daedalus,

um

grupo

supostamente dentro do DOD, fez como sua missão usar Luxens para transformar com sucesso seres humanos. Às vezes funcionava. Às vezes, isso não acontecia. Eu observei Dawson, tentando lembrar o que Daemon e Dee tinham dito sobre ele. Dawson era alguém legal, engraçado e encantador, como o equivalente masculino de Dee e nada como seu irmão. Mas esse Dawson era diferente: sombrio e distante. Além de não falar com seu irmão, pelo que eu soube, ele não disse uma palavra a ninguém sobre o que tinha sido feito com ele. Matthew, o guardião oficial deles, pensava que era melhor ninguém forçá-lo a nada. Dawson ainda não tinha contado a ninguém como ele escapou. Eu suspeitava que o Dr. Michaels –- aquele mentiroso rato bastardo — nos levou em uma caçada para encontrar Dawson para dar a si mesmo tempo de sair e então “libertar”Dawson. Era a única coisa que fazia sentido. Meu outro palpite era muito, muito mais sombrio e nefasto.

8


Dawson olhou para suas mãos. — Daemon... Ele te ama também? Pisquei, trazida de volta ao presente. — Sim. Eu acho que sim. — Ele te falou? Não com tantas palavras. — Ele não disse isso, essas palavras. Mas eu acho que ele ama. — Ele deveria dizer. Todos os dias.— Dawson derrubou a cabeça para trás e fechou os olhos.— Eu não via neve a muito tempo — disse ele, quase melancólico. Bocejando, olhei para fora da janela. A nevasca que todo mundo previu tinha atingido esta pequena partícula do mundo e feito o Grant County seu refém no fim de semana. As aulas tinham sido canceladas na segunda-feira e hoje, e as notícias da noite passada diziam que ainda estaria nevando no final da semana. A tempestade de neve não poderia ter vindo em melhor hora. Pelo menos tivemos uma semana inteira para descobrir o que diabos iríamos fazer com Dawson. Não era como se ele pudesse aparecer de volta na escola. — Eu nunca vi nevar assim. — eu disse. Eu era originalmente do norte da Flórida, e tinha visto algumas tempestades de gelo antes, mas nunca esse material branco macio da neve. Um pequeno e triste sorriso apareceu em seus lábios. — Quando o sol nascer, vai ser bonito. Você vai ver. Sem dúvida. Tudo estaria envolto em branco. Dawson se levantou e de repente apareceu do outro lado da sala. Um segundo depois eu senti o formigamento do calor ao longo do meu pescoço e minha frequência cardíaca aumentou. Ele desviou o olhar. — Meu irmão está chegando. Não mais que dez segundos depois, Daemon estava parado na porta do meu quarto. Cabelo bagunçado do sono, pijama de flanela amarrotado. Sem camisa. Três pés de neve lá fora, e ele ainda estava seminu.

9


Eu quase rolei meus olhos, mas isso teria exigido que eu tirasse os olhos de seu peito... e seu abdômen. Ele realmente precisava usar camisas com mais frequência. O olhar de Daemon deslizou de seu irmão para mim e depois de volta para o seu irmão. — Estamos tendo uma festa do pijama? E eu não fui convidado? Seu irmão se afastou dele em silêncio e desapareceu no corredor. Poucos segundos depois, ouvi a porta da frente abrir. — Ok. — Daemon suspirou. — Essa tem sido a minha vida no último par de dias. Meu coração doeu por ele. — Eu sinto muito. Ele caminhou até a cama, com a cabeça inclinada para o lado. — Eu ainda quero saber, por que meu irmão estava no seu quarto? — Ele não conseguia dormir. — Eu o vi se abaixar e puxar as cobertas. Sem perceber, eu as agarrei novamente. Daemon puxou mais uma vez, e eu facilmente as deixei ir.— Ele disse que estava incomodando vocês. Daemon deslizou sob as cobertas, deitando do meu lado e de frente para mim. — Ele não está nos incomodando. A cama era muito pequena com ele dentro. Sete meses atrás — diabos, quatro meses atrás — eu teria corrido rindo para as montanhas, se alguém dissesse que o garoto mais quente da escola estaria em minha cama. Mas muito mudou. E há sete meses, eu não acreditava em extraterrestres. — Eu sei — eu disse, me acomodando do meu lado também. Meu olhar cintilou sobre suas largas maçãs do rosto, lábio inferior cheio, e aqueles olhos verdes extraordinariamente brilhantes. Daemon era bonito, mas espinhoso, como um cacto de Natal. Levou um monte para nós chegarmos a este ponto, estando na mesma sala com o outro e superar a vontade de cometer assassinato em primeiro grau. Daemon

10


teve que provar que seus sentimentos por mim eram reais e ele provou... enfim. Ele não tinha sido a pessoa mais legal quando nos conhecemos, e ele realmente teve que fazer isso. Mamãe não criou uma garota fácil. — Ele disse que eu o lembro de Beth. As sobrancelhas de Daemon se ergueram. Revirei os olhos. — Não da maneira que você está pensando. — Honestamente, tanto quanto eu amo meu irmão, eu não tenho certeza de como eu me sinto sobre ele sair de seu quarto. — Ele estendeu a mão com um braço musculoso e usou os dedos para escovar alguns fios de cabelo do meu rosto, colocando-os atrás da minha orelha. Eu tremi, e ele sorriu. — Eu sinto que eu preciso marcar meu território. — Cale a boca. — Ah, eu adoro quando você fica toda mandona. É sexy. — Você é incorrigível. Daemon se aproximou, pressionando sua coxa contra a minha. — Estou contente por sua mãe estar presa em outro lugar. Eu arqueou uma sobrancelha. — Por quê? Um ombro largo de ombros. — Eu duvido que ela concordaria com isso agora. — Oh, ela não concordaria. Mais movimentos e nossos corpos estavam separados por um triz. O calor que sempre rolava de seu corpo inundava o meu. — A sua mãe disse alguma coisa sobre Will? Gelo revestiu minhas entranhas. De volta à realidade — uma realidade imprevisível e assustadora, onde nada era o que parecia. Ou seja, o Sr. Michaels. — Só o que ela disse na semana passada, que ele iria sair da cidade em algum tipo de conferência e para visitar a família, o que nós dois sabemos que é mentira. — Ele obviamente planejou com antecedência para que ninguém fosse questionar sua ausência.

11


Desaparecer era o que ele precisava, porque se a mutação funcionasse em qualquer nível, ele precisaria de algum tempo fora. — Você acha que ele vai voltar? Passando a parte de trás de seus dedos no meu rosto, ele disse: — Ele seria louco. Na verdade não, eu pensei, fechando os olhos. Daemon não queria curar Will, mas tinha sido forçado. A cura não tinha sido no nível necessário para alterar um ser humano na escala celular. E a ferida de Will não tinha sido fatal, por isso, ou a mutação iria ficar ou iria desaparecer. E se ela desaparecesse, Will estaria de volta. Eu apostaria nisso. Apesar de ter conspirado contra o DOD para seu próprio ganho, o fato de que ele sabia que tinha sido Daemon que me transformou era de grande valia para o DOD, de modo que seria obrigado a levá-lo de volta. Ele era um problema enorme. Então nós estávamos esperando... Esperando para ambos os desastres acontecerem de uma só vez. Abri os olhos, vendo que Daemon não tinha tirado os dele de mim. — Sobre Dawson... — Eu não sei o que fazer — admitiu ele, arrastando a parte de trás de seus dedos na minha garganta, sobre o inchaço do meu peito. Minha respiração ficou presa. — Ele não fala comigo, e ele mal fala com Dee. Na maioria das vezes, ele fica trancado em seu quarto ou fora vagando na floresta. Eu o segui, e ele sabe.— A mão de Daemon encontrou o seu caminho para o meu quadril e ficou. — Mas ele... — Ele precisa de tempo, certo? — Eu beijei a ponta do seu nariz e o puxei de volta. — Ele passou por muita coisa, Daemon. Seus dedos apertaram. — Eu sei. Enfim... — Daemon se moveu tão rápido, eu não sabia o que estava fazendo até que ele me virou de costas e pairava acima de mim, as mãos apoiadas em ambos os lados do meu rosto. — Eu tenho sido negligente em meus deveres.

12


E assim, tudo o que estava acontecendo, todas as nossas preocupações,

medos

e

perguntas

sem

respostas,

simplesmente

desapareceram. Daemon tinha esse tipo de efeito. Olhei para ele, encontrando dificuldade para respirar. Eu não estava 100 por cento certa do que os seus “deveres” eram, mas eu tinha uma imaginação muito vívida. — Eu não passei muito tempo com você. — Ele apertou seus lábios contra minha têmpora direita e minha esquerda. — Mas isso não significa que eu não tenha pensado em você. Meu coração deu um pulo na minha garganta. — Eu sei que você está ocupado. — Você acha? — Seus lábios vagaram sobre o arco da minha testa. Quando eu balancei a cabeça, ele se moveu, suportando a maior parte de seu peso em um cotovelo. Ele pegou meu queixo com a mão livre, inclinando a cabeça para trás. Seus olhos procuraram os meus.— Como você está lidando com isso? Usando cada gota de autocontrole que eu tinha, me concentrei no que estava dizendo. — Eu estou lidando com isso. Você não precisa se preocupar comigo. Ele parecia duvidoso. — Sua voz... Eu estremeci e inutilmente limpei minha garganta novamente. — Está ficando muito melhor. Seus olhos se obscureceram enquanto corria o dedo ao longo da minha mandíbula. — Não é suficiente, mas eu estou gostando. Eu sorri. — É mesmo? Daemon concordou e levou seus lábios nos meus. O beijo foi doce e suave, e o senti em cada parte de mim. — É um pouco sexy. — Sua boca estava na minha mais uma vez, pedindo mais e mais. — A coisa toda da rouquidão, mas eu quero...

13


— Não faça isso. — Eu coloquei minhas mãos em suas faces lisas. — Eu estou bem. E nós temos bastante coisas para nos preocupar, sem minhas cordas vocais. No grande esquema das coisas, elas estão longe do topo da lista. Ele arqueou uma sobrancelha e uau, eu meio que soei supermadura. Eu ri de sua expressão, arruinando a minha maturidade recém-descoberta.— Eu senti saudade de você. — Eu admiti. — Eu sei. Você não pode viver sem mim. — Eu não iria tão longe. — Só admita isso. — Lá vai você. Esse seu ego está ficando no caminho.— eu provoquei. Seus lábios encontraram a parte inferior da minha mandíbula. — De quê? — Do pacote perfeito. Ele bufou. — Me deixe dizer, eu tenho o perfeito... — Não seja grosseiro. — Eu tremi, porém, porque quando ele beijou o centro da minha garganta não havia nada falho sobre isso. Eu nunca lhe diria isso, mas além do lado... idiota dele que aparecia de tempos em tempos, ele era o mais próximo da perfeição que eu já conheci. Com um sorriso, sabendo que eu estava me contorcendo, ele deslizou a mão pelo meu braço, na minha cintura, e pegou na minha coxa, enganchando a perna ao redor de seu quadril. — Você tem uma mente tão suja. Eu ia dizer que sou perfeito em todas as maneiras que importam. Rindo, passei meus braços ao redor de seu pescoço. — Claro que sim. Você é completamente inocente. — Oh, eu nunca aleguei ser tão bom. — A parte inferior de seu corpo afundou no meu, e soltei em uma respiração afiada.— Sou mais... — Impertinente? — Eu pressionei meu rosto em seu pescoço e respirei fundo. Ele sempre tinha esse cheio de ar livre, como as folhas

14


frescas e especiarias. — Sim, eu sei, mas você é legal sob a desobediência. É por isso que eu te amo. Um tremor rolou por ele, e, em seguida, Daemon congelou. A batida do coração gaguejando passou e ele rolou para o lado, envolvendo os braços em volta de mim com força. Com tanta força que eu tive que me mexer um pouco para levantar minha cabeça. — Daemon? — Está tudo bem. — Com voz grossa, ele beijou minha testa. — Eu estou bem. Ainda... está cedo. Sem aula ou mãe voltando para casa, gritando o seu nome completo. Só por um pouco de tempo, podemos fingir que a loucura não espera por nós. Podemos dormir, como adolescentes normais. Como adolescentes normais. — Eu gosto do som disso. — Eu também. — Eu, três. — eu murmurei, me aconchegando contra ele, até que nos praticamente éramos um. Eu podia sentir seu coração batendo em conjunto com o meu. Perfeito. Isso era do que precisávamos — momentos silenciosos e normais. Onde era apenas Daemon e eu... A janela com vista para o jardim da frente explodiu quando algo grande e branco colidiu com ele, enviando pedaços de vidro e neve no chão. Meu grito assustado foi cortado quando Daemon rolou, pondo-se de pé quando ele trocou para sua forma Luxen, ficando de uma forma humana de luz que brilhava tão intensamente que eu só podia olhá-lo por alguns segundos preciosos. Caramba, a voz de Daemon disse, filtrando através dos meus próprios pensamentos. Já que Daemon não tinha enlouquecido ou algo assim, eu me ajoelhei e olhei por cima da borda da cama. — Caramba— eu disse em voz alta. Nosso precioso momento de ser normal terminou com um corpo deitado no chão do meu quarto.

15


Capitulo Dois

F

iquei olhando para o morto, vestido como se ele estivesse preparado para se juntar à aliança rebelde no sistema Hoth. Meus pensamentos estavam um pouco nebulosos em primeiro lugar, o que foi por isso que me levou alguns segundos para perceber que, vestido daquele jeito, ele

realmente se misturava com a neve. Exceto por todos o vermelho saindo da cabeça...

Meu coração já batendo disparou. — Daemon...? Ele girou, voltando à sua forma humana quando ele passou o braço em volta da minha cintura, me puxando para trás da carnificina. — Ele é um oficial — eu gaguejei, batendo em seus braços para me libertar. — Ele está com o... Dawson, de repente, estava na porta, com os olhos brilhando tanto quantos os de Daemon estavam. Duas luzes brancas brilhantes, como diamantes lapidados. — Ele estava se esgueirando por fora da linha das árvores. O braço de Daemon soltou. — Você... você fez isso? O olhar de seu irmão se virou para o corpo. Isso — porque eu realmente não podia pensar nele como um ser humano — estava todo contorcido, em um monte nada natural. — Ele estava olhando a casa... tirando fotos. — Dawson levantou o que parecia ser uma câmera derretida. — Eu o parei. Sim, Dawson o tinha parado logo através da minha janela do quarto.

16


Me soltando, Daemon fez o seu caminho até lá. Ele ajoelhou-se e puxou a jaqueta branca isolante. Havia um ponto de carbonização no peito que fumegava. O cheiro de carne queimada flutuava no ar. Ergui-me da cama, apertando a minha mão sobre a boca apenas no caso de eu começar a vomitar. Eu tinha visto Daemon bater em um ser humano com a Source— seu poder com base na luz — antes. Nada além de cinzas haviam permanecido, mas tinha um buraco queimado através de seu peito. — Seu mira está errada, irmão. — Daemon soltou a jaqueta, as cordas grossas de músculos nas costas ondulando com a tensão. — A janela? Os olhos de Dawson foram até a janela. — Eu não tenho praticado. Minha boca caiu aberta. Fora de prática? Em vez de incinerá-lo, ele jogou-o no ar através da minha janela. Sem mencionar que ele o matou. Não, eu não pensaria isso. — Minha mãe vai me matar — eu disse, me sentindo entorpecida. — Ela realmente vai me matar. A janela quebrada — de todas as coisas para me preocupar, mas era uma coisa, outra coisa além daquilo deitado no chão do meu quarto. Daemon levantou-se lentamente, com os olhos protegidos e a mandíbula como pedra. Ele não tirou os olhos de seu irmão, sua expressão uma máscara em branco. Me virei para Dawson, nossos olhares colidindo, e pela primeira vez, eu estava com medo dele. ... Depois de uma rápida troca de roupa e uma visita ao banheiro, eu estava na sala de estar, cercada por alienígenas, pela primeira vez em dias. Uma vantagem de ser feito de luz, eu achava — a capacidade de ir para qualquer lugar em um piscar de olhos. Desde a morte de Adam, todos tinha praticamente me dado um amplo espaço, então eu não sabia o que iria acontecer. Provavelmente

17


um linchamento. Eu sabia que eu ia querer um para quem quer que tenha sido responsável pela morte de alguém que eu amava. Com as mãos nos bolsos, Dawson pressionou a testa contra a janela aonde a árvore de Natal tinha estado uma vez, de costas para a sala. Ele não disse nada depois que o sinal do Batman foi enviado e os alienígenas vieram correndo. ee estava sentada no sofá, com os olhos fixos nas costas de seu irmão. Ela parecia ligada, o rosto corado de raiva. Eu acho que a incomodava estar na casa. Ou simplesmente estar perto de mim. Nós não tínhamos tido a oportunidade de realmente conversar depois de... tudo. O meu olhar deslizou para os outros ocupantes. Os gêmeos do mal, Ash e Andrew, estavam sentados ao lado de Dee, seus olhares para o local onde seu irmão,Adam, tinha estado e... morrido. Parte de mim odiava estar na sala de estar, uma vez que me lembrava do que tinha acontecido quando Blake finalmente confessou sua verdadeira finalidade. Quando eu tive que vir aqui, o que não foi muitas vezes desde que levei todos os meus livros para fora da sala, olhei para a direita no lugar à esquerda do tapete debaixo da mesa do café. Os pisos de pinho estavam nus e brilhantes agora, mas eu ainda podia ver a piscina de líquido azulado que eu limpei junto com Matthew na véspera do Ano Novo. Eu passei meus braços em volta da minha cintura para tentar suprimir o tremor. Dois conjuntos de passos desceram os degraus, e eu me virei, encontrando Daemon e seu guardião, Matthew. Anteriormente, eles tinham se livrado da... coisa, incinerando-o do lado de fora, no meio da floresta, depois de fazer uma corrida rápida pela área. Caminhando até o meu lado, Daemon puxou a ponta do meu capuz. — O assunto foi resolvido. Matthew e Daemon tinha subido não mais do que dez minutos atrás com uma lona, um martelo e um monte de pregos.

18


— Obrigada. Ele balançou a cabeça quando o seu olhar se deslizou a seu irmão. — Alguém encontrou o veículo? — Tinha uma Expedition perto da estrada de acesso — Andrew disse, piscando. — Eu a incendiei. Matthew se sentou na beirada da cadeira, parecendo como se ele precisasse de alguma bebida. — Isso é bom, mas não é bom. — Não me diga — Ash agarrou. Ao olhar mais de perto, ela não era a imagem perfeita da princesa de gelo hoje. Seu cabelo pendia frouxamente ao redor do rosto, e ela usava moletom. Eu não acho que eu já a vi usando blusa. — Esse é outro agente do DOD morto. Quantos são até agora? Dois? Bem, na verdade, foram quatro, mas eles não precisam saber disso. Ela

colocou

o

cabelo

para

trás,

suas

unhas

lascadas

pressionando em suas bochechas. — Eles vão querer saber onde eles estão, sabe? As pessoas não desaparecem. — As pessoas desaparecem o tempo todo.— Dawson disse calmamente, sem se virar, suas palavras sugando o oxigênio do ar. Os olhos de safira brilhantes de Ash deslizaram para ele. Bem, todo mundo praticamente olhava para Dawson, já que foi a primeira vez que ele tinha falado quando todos nos reunimos. Ela balançou a cabeça, mas com sabedoria permaneceu quieta. — E a câmera? — perguntou Matthew. Eu peguei a coisa derretida, virando-a. O calor ainda irradiava dela. — Se tinha fotos, elas se foram agora. Dawson se virou. — Ele estava observando a esta casa. — Nós sabemos.— Daemon disse, aproximando-se de mim.

19


Seu irmão inclinou a cabeça para o lado e, quando ele falou, sua voz estava vazia. — Importa o que estava na câmara? Eles estavam observando-a. Todos nós. Outro tremor rolou através de mim. Era seu tom mais do que qualquer coisa que tinha esse efeito para mim. — Mas da próxima vez, nós precisamos de um pouco... oh, eu não sei, fale primeiro e depois jogue as pessoas pela janela mais tarde. — Daemon cruzou os braços. — Podemos tentar isso? — E nós podemos apenas deixar assassinos irem? — Dee disse, a voz trêmula enquanto seus olhos escureciam, piscando com fúria. — Porque aparentemente é isso que deveria acontecer. Quero dizer, o oficial poderia ter matado um de nós, e você teria apenas o deixado ir. Oh, não. Meu estômago afundou. — De, — Daemon disse, dando um passo à frente. — Eu sei. — Nada de “Eu sei, Dee” para mim. — Seu lábio inferior tremeu. — Você deixou Blake ir. — Seu olhar mudou-se para mim, e me senti como um chute no estômago. — Vocês dois deixaram Blake ir. Daemon abanou a cabeça quando ele descruzou os braços. — Dee, houve mortes o suficiente aquela noite. Chega de mortes. Dee reagiu como se Daemon houvesse batido nela com suas palavras, envolvendo os braços em volta da cintura para proteção. — Adam não iria querer isso. — Ash disse calmamente, sentando-se contra o sofá. — Mais mortes. Ele era um pacifista. — Pena que não podemos perguntar como ele realmente se sente sobre isso, não é? — A espinha de Dee endureceu, como se estivesse forçando a falar as suas próximas palavras. — Ele está morto. Desculpas borbulharam na minha garganta, mas antes que elas pudessem se libertar, Andrew falou. — Não só vocês deixaram Blake ir embora, você mentiu para nós. Dela? — Ele fez um gesto para mim. — Eu não espero lealdade. Mas você?Daemon, você escondeu tudo de nós. E Adam morreu. Eu me virei.

20


— A morte de Adam não é culpa de Daemon. Não coloque isso em cima dele. — Kat... — Então, de quem é? — O olhar de Dee encontraram os meus.— Sua? Eu respirei afiado. — Sim, é. O corpo de Daemon ficou rígido ao meu lado, e então, sempre o árbitro, Matthew interferiu. — Tudo bem, pessoal, isso é o suficiente. Brigar e jogar a culpa em alguém não vai ajudar ninguém. — Nos faz sentir melhor. — Ash murmurou, fechando os olhos. Eu pisquei para conter as lágrimas e me sentei na borda da mesa, frustrada que estivesse tão perto de chorar, porque eu não possuía o direito a essas lágrimas. Não como eles. Pressionando meus joelhos até que meus dedos se curvaram em meio ao material macio, deixei escapar um suspiro. — Agora, precisamos nos entender — Matthew continuou. — Todos nós, porque perdemos demais. Houve uma pausa e então: — Eu vou atrás de Beth. Todos na sala se viraram para Dawson novamente. Nem uma única coisa mudou em sua expressão. Nenhuma emoção. Nada. E então todos começaram a falar ao mesmo tempo. A voz de Daemon explodiu sobre o caos. — Absolutamente não, Dawson, de jeito nenhum. —É muito perigoso. — Dee se levantou, juntando as mãos.— Você vai ser capturado, e eu não vou sobreviver a isso. Não outra vez. A expressão de Dawson permaneceu em branco, como se nada que os amigos ou a família dissessem não faria nenhuma diferença para ele. — Eu tenho que trazê-la de volta. Sinto muito.

21


Parecia que uma vara estupefata tinha batido no rosto de Ash. Eu provavelmente parecia a mesma. — Ele é louco — ela sussurrou. — Insano. Dawson deu de ombros. Matthew se inclinou para frente. — Dawson, eu sei, todos nós sabemos que Beth significa muito para você, mas não tem como você ir atrás dela. Não até que saibamos com o que estamos lidando. Emoção brilhou nos olhos de Dawson, transformando-os em um verde floresta. Raiva, eu percebi. A primeira emoção que eu tinha visto em Dawson foi raiva. — Eu sei com o que estou lidando. E eu sei o que eles estão fazendo com ela. Avançando, Daemon parou na frente de seu irmão, pernas abertas, os braços cruzados, novamente, pronto para a batalha. De pé juntos assim, era surreal vê-los. Eles eram idênticos, com exceção do rosto mais fino de Dawson e cabelo desarrumado. — Eu não posso permitir que você faça isso. — Daemon disse, a voz tão baixa que eu mal o ouvia. — Eu sei que você não quer ouvir isso, mas de jeito nenhum. Dawson não se moveu. — Você não tem o que dizer sobre isso. Nunca teve. Pelo menos eles estavam se falando. Isso era uma coisa boa, certo? De alguma forma, eu sabia que os dois irmãos iriam brigar. Foi estranhamente reconfortante, tanto quanto era angustiante. Algo que Daemon e Dee pensávamos que nunca iriam sentir novamente. Com o canto do meu olho, eu vi Dee se mover em direção a eles, mas Andrew estendeu a mão, pegando a mão dela e a impedindo. — Eu não estou tentando controlá-lo, Dawson. Nunca foi sobre isso, mas você acabou de voltar do inferno. Acabamos ter você de volta. — Eu ainda estou no inferno, — Dawson respondeu. — E se você ficar no meu caminho, vou arrastá-lo para baixo junto comigo. Uma expressão de dor atravessou o rosto de Daemon.

22


— Dawson... Eu pulei para ficar em pé, reagindo a resposta de Daemon sem pensar. Um desejo desconhecido me impulsionou a fazê-lo. Eu acho que esse impulso era amor, porque eu não gostava da cintilação de dor em seu rosto. Agora eu entendi porque minha mãe fica toda Mamãe Urso às vezes, quando ela pensava que eu estava ameaçada ou chateada. Um vento soprou pela sala, agitando as cortinas e folheando as páginas de revistas da mamãe. Eu senti os olhos das meninas em mim e sua surpresa, mas eu estava focada. — Tudo bem, a testosterona alienígena agora está um pouco alta, e eu realmente não quero ter uma briga estranha na minha casa além da janela quebrada e o corpo morto que veio com isso. — Eu respirei.— Mas se vocês não pararem com isso, eu vou acabar com vocês dois. Agora todo mundo estava olhando para mim. — O quê? — Eu exigi, as bochechas corando. Um lento sorriso irônico brincou nos lábios de Daemon. — Se acalme, Kitten, antes que eu tenha que te dar um novelo de lã para brincar. Aborrecimento queimou dentro de mim. — Nem comece, idiota. Ele sorriu quando se concentrou em seu irmão. Ao lado dele, Dawson parecia alguém... divertido. Ou com dor ou com ambos, porque ele realmente não estava sorrindo ou franzindo a testa. Mas então, sem dizer uma palavra, ele saiu da sala, a porta da frente se fechando atrás dele. Daemon

olhou

para

mim,

e

eu

assenti.

Suspirando

profundamente, ele seguiu seu irmão, porque não havia realmente como saber o que Dawson iria fazer ou para onde ele iria. A paz alienígena se desfez depois disso. Eu os segui até a porta, minha atenção fixa em Dee. Nós precisávamos conversar. Primeiro, eu tinha que pedir desculpas por um monte de coisas, e então eu tinha

23


que tentar me explicar. Não esperava perdão, mas eu precisava tentar conversar. Eu apertei a maçaneta da porta até que meus dedos branquearam. — Dee...? Ela parou na varanda, costas retas. Ela não me enfrentou. — Eu não estou pronta. E com isso, a porta da frente se soltou da minha mão e se fechou.

24


Capitulo TRES

J

á pisando em gelo fino com a minha mãe, eu decidi não mencionar a coisa toda da janela quando ela ligou no final da tarde, checando as coisas. Eu estava esperando e rezando para que as estradas fossem limpas o suficiente para ter alguém aqui para consertar a janela antes de mamãe poder fazer o seu caminho para casa.

Eu odiava mentir para ela, no entanto. Tudo o que eu tinha feito

ultimamente era mentir para ela, e eu sabia que precisava contar tudo, especialmente sobre seu suposto namorado,Will. Mas como é que esse tipo de conversa aconteceria? Ei, mãe, nossos vizinhos são alienígenas. Um deles acidentalmente me transformou, e Will é um psicopata. Alguma pergunta? Sim, isso não ia acontecer. Logo antes de eu desligar, ela começou como a coisa de ver-ummédico-pela-minha-voz de novo. Dizer a ela que era apenas um resfriado tinha funcionado até agora, mas o que eu ia dizer, em uma ou duas semanas a partir de agora? Deus, eu realmente esperava que a minha voz tivesse curado até então, embora uma parte de mim soubesse que isso poderia ser permanente. Outro lembrete de... tudo. Eu tinha que dizer a verdade. Pegando um pacote de macarrão e queijo instantâneo, eu comecei a colocá-lo no micro-ondas,mas, em seguida, olhei para as minhas mãos, franzindo a testa. Será que elas tinham poderes de micro-ondas como Dee e Daemon? Me virei sobre a bacia, encolhendo os ombros. Eu estava com muita fome para arriscar. O calor não era a minha praia. Quando Blake estava me treinando para lidar com a Source e tentou me ensinar como criar calor, ou seja, fogo, eu coloquei fogo na minha mão ao invés da vela.

25


Enquanto eu esperava pelo macarrão, eu olhava pela janela em cima da pia. Dawson estava certo antes. Estava realmente bonito agora que o sol tinha subido. Neve cobria o chão e os ramos. Pingentes de gelo pendurados nos olmos. Mesmo agora, depois que o sol se pôs, era um belo mundo branco lá fora. Eu meio que queria sair e brincar. O micro-ondas apitou, e eu comi o meu jantar insalubre em pé, imaginando que pelo menos eu iria queimar calorias dessa forma. Desde que Daemon tinha me transformado nessa híbrida mutante de alien-humano, meu apetite estava fora deste mundo. Não havia quase nada em casa. Quando eu terminei, rapidamente peguei meu laptop e me sentei à mesa da cozinha. Meu cérebro foi espalhado na última semana, e eu queria ver algo antes que eu me esquecesse. Novamente. Abrindo o Google, digitei Daedalus e apertei enter. A Wikipedia foi o primeiro link e já que eu não estava esperando um site: Bem vindo ao Daedalus: Organização Secreta do Governo, eu cliquei. E eu me familiarizei com todos os mitos gregos. Daedalus foi considerado um inovador, criando o labirinto onde o Minotauro residia, entre outras coisas. E ele também era o pai de Ícaro, o garoto que voou muito perto do sol com asas formadas por Daedalus, e se afogou. Ícaro ficou tonto de voar e, conhecendo os deuses, era provavelmente uma forma de punição passiva, levando Icarus a perder suas asas. Isso foi um castigo para Daedalus, que havia equipado Icarus com a engenhoca que deu ao garoto a capacidade divina de voar. Boa lição de história, mas qual era o ponto? Por que o nome da organização que o DOD supervisionava alienígenas tinha relação com algum cara...? Então eu percebi. Daedalus criou todos os tipos de coisas que o homem melhorou, e todas as habilidades divinas - habilidades que eram o que seres humanos adquiriam quando transformados por Luxen. Foi um salto na

26


lógica, mas vamos lá, o governo seria tão cheio de si que tinha o nome de sua organização de uma lenda grega. Fechando o laptop, me levantei e peguei meu casaco para sair. Eu realmente não sei por quê. Quem sabia se havia mais agentes esgueirando? Minha imaginação fértil formou a imagem de um francoatirador escondido na árvore e um ponto vermelho aparecendo na minha testa. Bom. Suspirando, tirei um par de luvas do bolso da minha jaqueta e atravessei os montes de neve. Precisando de algum tipo de exercício físico para manter o meu cérebro de superaquecer, eu comecei a rolar uma bola de neve em todo o jardim da frente. Tudo mudou em questão de meses e, em seguida, novamente em uma questão de segundos. Indo de tímida, a nerd de livros de Katy a algo impossível, alguém que tinha mudado em mais de um nível celular. Eu já não via o mundo em preto e branco e lá no fundo eu sabia que eu não operava mais em normas sociais básicas. Como o não matar ou algo assim. Eu não tinha matado Brian Vaughn, o Agente que havia sido pago por Will para me entregar a ele, em vez de para o Daedalus como eu poderia ser utilizada como alavanca para garantir que Daemon o transformasse, em vez de matá-lo de imediato, mas eu queria e eu teria se Daemon não tivesse feito. Eu estava totalmente bem com a ideia de matar alguém. Por alguma razão, matar dois alienígenas do mal, os Arum, não tinha me afetado tanto quanto a ideia de ser de matar um ser humano fazia. Não sei o que isso dizia sobre mim, porque como Daemon tinha dito antes, uma vida era uma vida, mas eu não sabia como adicionar as palavras “tranquila sobre matar” na seção biográfica no meu blog de livros. Minhas luvas de algodão estavam encharcadas na hora em que terminei com a primeira bola e passei a rolar o segundo pedaço de neve. Essa coisa toda de esforço físico não estava fazendo nada além de deixar meu rosto queimando de frio, o ar perfumando de neve. Falha.

27


Quando terminei, meu boneco tinha três partes, mas sem braços ou rosto. Meio que espelhava como eu me sentia por dentro. Eu tinha a maioria das partes do corpo, mas estava faltando peças vitais para me fazer sentir de verdade. Eu realmente não sabia quem eu era mais. Recuando,passei a manga do meu braço sobre minha testa e soltei uma respiração irregular. Músculos queimavam e pele doía, mas eu fiquei lá até a lua espiar através das nuvens espessas, o envio de uma fatia de luz prateada sobre a minha criação incompleta. Não tinha um corpo morto no meu quarto esta manhã. Me sentei no meio do meu quintal da frente, em um monte de neve fria. Um corpo morto, outro corpo morto, assim como o corpo morto de Vaughn que tinha caído perto da entrada de automóveis, assim como o corpo de Adam, que tinha ficado na sala de estar. Outro pensamento tentou passar por minhas defesas. Adam morreu tentando me proteger. Molhado, o ar frio picou meus olhos. Se eu tivesse sido honesta com Dee, contando a ela desde o início sobre o que realmente aconteceu na clareira naquela noite em que lutamos com Baruck e sobre tudo depois, ela e Adam teriam sido mais cautelosos sobre entrar correndo na minha casa. Eles teriam sabido sobre Blake e como ele era como eu, capaz de lutar em um nível alienígena envenenado. Blake. Eu deveria ter escutado Daemon. Em vez disso, eu queria provar a mim mesma. Eu queria acreditar que Blake tinha boas intenções quando Daemon tinha percebido algo estranho com o garoto. Eu deveria ter sabido quando Blake havia jogado uma faca na minha cabeça e me deixado sozinha com um Arum que havia algo muito louco sobre ele. Exceto que Blake era demente? Eu não penso assim. Ele tinha estado desesperado. Desesperado para manter seu amigo Chris vivo e preso pelo que ele se tornou. Blake teria feito qualquer coisa para proteger Chris. Não é porque sua vida foi unida com o Luxen, mas

28


porque ele se importava com seu amigo. Talvez por isso eu não o matei, porque mesmo naqueles momentos em que tudo era puro caos, eu vi uma parte de mim em Blake. Eu estava bem com a ideia de matar seu tio para proteger meus amigos. E Blake tinha matado meu amigo para proteger o dele. Quem estava certo? Alguém estava? Eu estava tão envolvida em meus pensamentos, que não prestei muita atenção ao calor no meu pescoço. Eu pulei quando ouvi a voz de Daemon. — Kitten, o que você está fazendo? Eu me virei e levantei minha cabeça. Ele ficou atrás de mim, vestido com uma camiseta fina e jeans. Seus olhos brilhavam sob espessas pestanas. — Eu estava fazendo um boneco de neve. Seu olhar desviou além de mim. — Estou vendo. Está faltando algumas coisas. — Sim. — eu disse melancolicamente. Daemon franziu a testa. — Isso não me diz por que você está sentada na neve. Seu jeans tem que estar ensopado. — Houve uma pausa e maldito seja se essa careta não me virava de cabeça para baixo. — Espere. Isso significa que eu provavelmente vou ter uma vista melhor da sua bunda, então. Eu ri. Contando com Daemon para elevar as coisas um nível ou dois. Ele deslizou para a frente como se a neve saísse do caminho dele e sentou-se ao meu lado, cruzando as pernas. Nenhum de nós disse nada por um momento, e então ele se inclinou, me empurrando com o ombro. — O que você realmente está fazendo aqui?— Ele perguntou. Eu nunca tinha sido capaz de esconder nada dele, mas eu realmente não estava pronta para fazer com ele ainda. — O que está acontecendo com Dawson? Ele ainda não fugiu?

29


Daemon parecia que iria se desviar do assunto por um momento, mas, em seguida, só balançou a cabeça. — Ainda não, porque eu o segui hoje como uma babá. Estou pensando em colocar um sino em cima dele. Eu ri baixinho. — Eu duvido que ele vá gostar disso. — Eu não me importo. — Um pouco de raiva brilhou em sua voz. — Correr atrás de Beth não vai acabar bem. Nós todos sabemos isso. — Sem dúvida. — Daemon, você... — O quê? Era difícil colocar em palavras o que eu pensava, porque uma vez que eu as dissesse, elas se tornariam reais. — Por que eles não vêm atrás de Dawson? Eles têm de saber que ele está aqui. Esse seria o primeiro lugar que ele iria voltar se tivesse escapado. E eles estão obviamente observando. — Fiz um gesto para trás em minha casa. — Por que eles não vêm por ele? Por nós? Daemon olhou para o boneco de neve, em silêncio por vários segundos. — Eu não sei. Bem, eu tenho as minhas suspeitas. Engoli, o caroço de medo crescendo em minha garganta. — Quais são? — Você realmente quer ouvir? — Quando eu balancei a cabeça, ele voltou a olhar para o boneco de neve. — Acho que o DOD estava ciente dos planos de Will, sabia que ele ia mandar Dawson para ser liberado. E deixaram que isso acontecesse. Eu atrai uma respiração superficial quando peguei um punhado de neve. — Isso é o que eu acho. Ele olhou para mim, os olhos escondidos atrás de seus cílios. — Mas a grande questão é o porquê.

30


— Isso não pode ser bom. — Eu deixei a maior parte da neve deslizar através dos meus dedos enluvados.—É uma armadilha. Tem que ser. — Estaremos prontos — disse ele depois de alguns segundos. — Não se preocupe, Kat. — Eu não estou preocupada. — Era mentira, mas parecia a coisa certa a dizer. — Precisamos ficar à frente deles de alguma forma. —É verdade. — Daemon esticou as longas pernas. A parte de baixo da calça jeans era de um azul mais escuro agora. — Você sabe como ficamos sob o radar dos humanos? — Ao se afastar deles e alienando a sim mesmos? — Eu dei-lhe um sorriso atrevido. — Ha. Ha. Não. Nós fingimos. Estamos constantemente fingindo que não somos diferentes, que nada diferente está acontecendo. — Eu não estou entendendo. Ele caiu de costas, seu cabelo escuro espirrando contra o branco. — Se fingirmos que não sabemos como Dawson foi libertado, que não achamos nada suspeito ou que sabemos que eles estão conscientes de nossas habilidades, então pode nos dar tempo para descobrir o que eles estão fazendo. Eu o observei jogar os braços para os lados. — Você acha que eles vão esquecer, então? — Não sei. Eu não apostaria nisso, mas é o tipo de coisas que nos dá vantagem. É o melhor que temos no momento. O melhor que nós tínhamos era horrível. Sorrindo como se não se importasse com o mundo, ele começou a deslizar os braços em meio à neve, juntamente com as pernas, movendo-os como limpadores de para-brisa. Realmente bonitos limpa para-brisas. Eu comecei a rir, mas ficou preso na minha garganta quando meu coração se encheu. Nunca na minha vida eu achei que Daemon

31


faria o negócio de anjo na neve. E por alguma razão, isso me deixou toda quente por dentro. — Você deveria tentar.— ele persuadiu, olhos fechados. — Dá perspectiva. Eu duvidava que pudesse me dar perspectiva sobre qualquer coisa, mas eu me deitei ao lado dele e segui seu exemplo. — Então, eu pesquisei sobre Daedalus. — Sim? O que você descobriu? Eu disse a ele sobre o mito e as minhas suspeitas, o que fez Daemon sorrir. — Não seria surpresa para mim, o ego por trás disso. — Você saberia. — eu disse. — Há há. Difícil. Eu sorri. — Como é que isso me dá perspectiva, alias? Ele riu. — Espere por mais alguns segundos. Eu esperei e quando ele parou e se sentou, estendeu a mão, segurando a minha mão e me puxou com ele. Nós limpamos a neve — Daemon demorando um pouco mais do que o necessário em determinadas áreas. Acabado, nós nos voltamos para nossos anjos de neve. O meu era muito menor e menos fundo que o dele, como se ele fosse mais pesado. O dele era perfeito — exibido. Eu cruzei os braços em volta de mim. — Aguardando a Epifania acontecer. — Não há uma. — Ele deixou cair um braço pesado sobre o meu ombro, se inclinou e deu um beijo na minha bochecha. Seus lábios estavam tão, tão quentes. — Mas foi divertido, não foi? Agora... — Ele me guiou de volta para o boneco de neve. — Vamos acabar com o seu boneco de neve. Ele não pode ficar incompleto. Não comigo aqui. Meu

coração

disparou.

Havia

tantas

vezes

que

eu

me

perguntava se Daemon podia ler mentes. Ele podia ser incrivelmente

32


certeiro, quando ele queria. Eu inclinei minha cabeça contra seu ombro, perguntando como ele tinha ido de um extraordinário babaca para isso... esse cara que ainda me enfurecia, mas também constantemente me surpreendia e me surpreendeu. Para esse cara por quem eu tinha me apaixonado loucamente.

33


Capitulo QUATRO

Q

uando o caminhão de limpeza saiu, abrindo caminho pela cidade e pelas estradas vicinais, Matthew chamou uma empresa de reparação de vidro aqui em cima da hora. Eles tinham saído minutos antes de Mamãe chegar em casa na sexta-feira, parecendo que ela comeu,

dormiu, e salvou vidas em seus uniforme. Ela jogou os braços ao redor de mim, quase me levando para o chão. — Querida, eu senti sua falta! Eu a abracei de volta firmemente. — o mesmo aqui. Eu... — Eu desistir, piscando para conter as lágrimas. Olhando para longe, eu limpei minha garganta.— Você tomou banho na semana passada? — Não.— Ela tentou me abraçar de novo, mas eu pulei para trás. Ela riu, mas eu peguei um lampejo de tristeza em seus olhos antes que ela se virasse para a cozinha. — Brincadeira... Tinha chuveiros no hospital, querida. Eu estou limpa. Eu juro! Eu segui atrás dela, estremecendo quando ela foi direto para a geladeira vazia. Mamãe abriu a porta e deu um passo para trás, olhando por cima do ombro. Tufos de cabelos loiros saiam furtivamente de sua cabeça. Suas sobrancelhas delicadamente arqueadas abaixaram e seu pequeno nariz alegre enrugou. — Katy...? — Sinto muito. — Eu dei de ombros.— Estava nevando. E eu fiquei com fome. Muito. — Eu vejo. — Ela fechou a porta.— Está tudo bem. Eu vou correr para a loja mais tarde. As estradas não estão ruins agora.— Ela

34


fez uma pausa, esfregando sua testa. — Bem, parece que você precisa de um snowmobile para descer, mas posso chegar na cidade. O que significava que não haveria escola na segunda-feira.Boo. — Eu posso ir junto. — Isso seria ótimo, querida. Contanto que você não planeje colocar coisas no carrinho e as ataque quando eu tiver fora. Eu dei-lhe um olhar suave. — Eu não sou duas. Seu sorriso atrevido foi cortado por um bocejo. — Eu mal tive tempo para descansar. A maioria dos enfermeiros não conseguiu chegar lá e eu cobri o pronto-socorro, a enfermaria de pré-natal, e o meu favorito — disse ela, pegando uma garrafa de água—, o chão de desintoxicação. — Que horrível. — Eu parei atrás dela novamente, me sentindo incrivelmente carente da minha mãe. — Você não tem ideia. — Ela tomou um gole, parando na base das escadas. — Eu passei por sangue, xixi e vômito. Nessa ordem e às vezes não. — Argh— eu disse. Nota mental:

Enfermagem ia agora ser

colocado na lista de Não-Vai-Acontecer junto com administração escolar para possíveis empregos. — Oh! — Ela começou a subir as escadas, virando do outro lado e à beira do degrau. — Oh, querida. Antes que eu esqueça, estarei trocando de turnos na semana que vem. Em vez de trabalhar no Grant nos fins de semana, será em Winchester. Mais movimentado da cidade e mais ação no fim de semana do que fazer os turnos por aqui, e Will trabalha nos fins de semana de qualquer maneira, por isso funciona melhor. O que também significava mais tempo longe... O quê? Meu coração gaguejou e havia este baque, o sentimento de giro para baixo. — O que você disse? Mamãe franziu a testa.

35


— Querida, sua voz... Eu realmente quero olhar na sua garganta.Ok? Ou podemos pedir para Will dar uma olhada. Tenho certeza que ele não vai se importar. Eu estava congelada. — Você... você ouviu notícias de Will? — Sim, nós conversamos enquanto ele está fora participando de uma conferência de Medicina Interna. — Ela sorriu lentamente. — Você está bem? Não. Eu não estava bem. — Aqui.— ela disse. — Vamos subir, e eu vou dar uma olhada em sua garganta com o escopo. — Quando... quando você falou com Will? Confusão cintilou no rosto bonito da minha mãe. — Um par de dias atrás. Querida, sua voz... — Nada há de errado com a minha voz! — Eu quebrei no meio da frase, e é claro, minha mãe olhou para mim como se eu estivesse dizendo a ela que eu estava pensando em dar-lhe um neto. Esta foi a minha chance de dizer a verdade. Eu dei um passo e parei. Todas as palavras – a verdade — se enroscaram em algum lugar entre as minhas cordas vocais e os meus lábios. Eu não tinha falado sobre contar para a minha mãe com ninguém, ou pelo menos avisado.E ela acreditaria em mim? Pior ainda, mamãe... Ela amava Will. Eu sabia que ela amava. Com o estômago em nós, forcei o pânico na minha voz. — Quando Will vai voltar para casa? Ela me olhou de perto, seus lábios pressionadas em uma linha comprimida. — Não por mais uma semana, mas Katy... Você tem certeza que é o que você quis dizer? Ele realmente voltaria? E se ele estava falando com a mamãe, isso significava que ele tinha passado pela mutação com sucesso e Daemon e eu estávamos agora ligados a ele? Ou será que a mutação desapareceu?

36


Eu precisava falar com Daemon. Agora. Minha boca estava tão seca que eu não conseguia engolir. — Sim. Desculpe. Tenho que ir... — Ir para onde? — Ela perguntou. — Ver Daemon. — Eu recuei, indo pegar as minhas botas. — Katy. — Ela esperou até que eu parei. —Will me contou. Gelo encharcou minhas veias quando eu me virei lentamente. — Contou o quê? — Ele me contou sobre você e Daemon, que vocês dois decidiram começar a ver um ao outro. — Ela fez uma pausa e fez aquele olhar de mãe. Aquele que dizia, estou tão decepcionada com você. — Ele disse que você mencionou e querida, eu só queria que você tivesse me dito. Descobrir através de outra pessoa sobre o namorado da minha filha não é como eu gostaria.— Meu queixo caiu no chão. Ela disse mais alguma coisa, e eu acho que acenei com a cabeça. Honestamente, ela poderia ter me dito que Thor e Loki estavam tendo uma batalha real na rua. Eu não a estava ouvindo. O que Will estava tramando? Quando minha mãe finalmente desistiu de tentar manter uma conversa comigo, corri para as minhas botas e para a casa de Daemon. Quando a porta se abriu, eu já sabia que não era Daemon. Não não tinha experimentado a coisa esquisita da ligação estranha, o calor na parte de trás do meu pescoço quando ele estava por perto. Mas os ardentes olhos de um oceano de cores de Andrew não era o que eu estava esperando. — Você.— disse ele, entrelaçando desprezo em seu tom. Eu pisquei. — Eu? Ele cruzou os braços. — Sim, você, como em Katy, o pequeno bebê humano-alienhíbrido.

37


— Hum, tudo bem. Eu preciso ver Daemon.— Comecei a entrar em cena, mas ele se moveu rapidamente, me bloqueando.— Andrew. — Daemon não está aqui. — Ele sorriu, e não havia um pingo de calor nele. Dobrando meus braços, eu me recusei a recuar. Andrew nunca gostou de mim. Eu nem acho que ele gostava das pessoas em geral. Ou filhotes. Ou bacon. — E onde ele está? Andrew saiu, fechando a porta atrás de si. Ele estava tão perto que as pontas de suas botas tocaram as inhas. — Daemon saiu esta manhã. Presumo que ele esteja seguindo o Rain Man. Fúria brilhou através de mim. — Não há nada de errado com Dawson. —É mesmo? — Andrew levantou uma sobrancelha. — Eu acho que ele diz três frases coerentes por dia e isso é tudo. Minhas mãos se fecharam em punhos contra os meus lados. Uma brisa suave pegou meu cabelo, mexendo os fios ao redor dos meus ombros. Eu queria bater nele. — Ele está passando por Deus sabe o quê. Tenha um pouco de compaixão, idiota. Enfim, eu não sei porque eu estou falando com você. Onde está Dee? O sorriso sumiu de seu rosto, substituído por ódio frio e duro. — Dee está aqui. Esperei um pouco mais detalhadamente. — Sim, eu percebi isso. — Quando ainda não houve resposta, eu estava a dois segundos de mostrar o que um bebê humano–alienhíbrido poderia fazer. — Por que você está aqui? — Porque eu fui convidado. — Ele se inclinou para baixo, perto o suficiente para beijar, e eu não tinha outra opção a não ser dar um passo atrás. Ele seguiu.— E você não foi. Ouch. Ok, isso doeu. Antes que eu percebesse, minhas costas bateram no parapeito e eu estava presa. Não havia nenhum lugar para

38


ir, e Andrew não ia se mexer. Senti a Source, a energia pura que os Luxen — e agora eu — usavam se construindo dentro de mim, espalhando-se sobre a minha pele como a eletricidade estática. Eu poderia fazer Andrew se mover. Andrew deve ter visto alguma coisa nos meus olhos, porque ele zombou. — Nem pense em puxar essa porcaria comigo, porque se fizer? Eu vou rebater de volta. Não haverá qualquer sono perdido sobre isso. Combater a resposta do meu corpo para brigar com ele era a coisa mais difícil. Meu lado humano e o outro lado, qualquer que fosse, queria aproveitar esse poder e usá-lo, explorá-lo. Era como uma flexão do músculo não utilizado. Lembrei-me da corrida vertiginosa do poder, e da liberação. Uma parte de mim, uma pequenina, uma ínfima parte gostava de mim, e isso me assustava para caramba. Bom para Andrew, porque o medo enrolado firmemente dentro tinha batido o vento certo para fora de mim. — Por que você me odeia? — perguntei. Andrew inclinou a cabeça para o lado. —É a mesma coisa que aconteceu com Beth. Tudo estava bem, e então ela veio. Perdemos Dawson e você sabe muito bem que não chegamos a tê-lo de volta, na verdade não. E agora está acontecendo com Daemon, só que desta vez, perdemos Adam na bagunça. Ele se foi. Pela primeira vez, algo diferente de desdém arrogante olhou através de seus olhos cristalizados. A dor, o tipo de sofrimento que eu estava bem familiarizado. O mesmo olhar quebrado, sem esperança que eu tinha usado depois que meu pai faleceu de câncer. — Ele não vai ser o único que perderemos. — Andrew continuou, a voz rouca. — Você sabe disso, mas você se importa? Não. Os seres humanos são a forma mais egoísta de vida que existe. E não tente fingir que você é melhor. Se você fosse, teria ficado longe de Dee no início. Você nunca teria sido atacada, e Daemon nunca teria que curá-la. Nada disso teria acontecido. A culpa é sua. Está na sua cabeça.

39


... Sim, o resto do meu dia foi horrível. Eu estava preocupada com o que Dawson tinha feito para que Daemon precisasse persegui-lo durante todo o dia e temia que o DOD estivesse esperando para nos levar daqui. Além disso, eu estava surtando sobre o que quer que tinha na manga, e depois dessa conversa com Andrew, senti que eu precisava rastejar debaixo dos meus cobertores. E eu fiz isso por aproximadamente uma hora. Minha auto piedade sempre teve um limite de tempo porque eu costumo ficar irritada comigo mesmo. Puxando minha cabeça para fora da minha bunda, eu abri meu laptop e comecei a fazer alguns comentários. Desde que tinha começado a nevasca e Daemon estava principalmente ocupado com Dawson, tinha conseguido ler quatro livros. Não é o meu ponto mais alto da minha pontuação, mas muito bom, considerando que eu estava acomodada como um mofo nos comentários. Eu sempre me senti bem digitando um comentário sobre um livro que eu gostei e fui com tudo, encontrando fotos bizarras para enfatizar o fator uau. Eu preferia aquelas com gatinhos e lhamas. E Dean Winchester. Clicando em “publicar post”, esboçou um sorriso. Um a menos, mais três faltando. Passei o resto do dia vomitando opiniões e, em seguida, perseguindo alguns dos meus blogueiros favoritos. Um deles tinha um cabeçalho em seu blog que eu faria coisas terríveis para ter. Eu nunca fui boa em web design, o que explicava o meu background ser menos que estelar. Depois de uma corrida rápida ao supermercado com a mãe e o jantar, eu estava prestes a iniciar uma caçada por Daemon quando senti um formigamento quente ao longo da parte de trás do meu pescoço.

40


Eu corri pela cozinha, quase batendo em uma mãe assustada. Eu corri para abrir a porta um instante depois que Daemon bateu e, em seguida, me joguei – literalmente – nos seus braços. Despreparado para o meu ataque, ele tropeçou um passo para trás. Mas, então, riu profundamente contra o topo da minha cabeça e passou os braços em volta de mim. Eu segurei, o apertando para caramba, e nós estávamos tão fortemente pressionados contra o outro que eu podia sentir seu coração bater tão rápido quanto o meu. — Kitten. — ele murmurou. — Você sabe o quanto eu gosto quando você diz oi desta forma. Com a cabeça enterrada no espaço entre o pescoço e o ombro dele, que cheirava a especiarias e masculino, eu murmurei algo ininteligível. Daemon me levantou em meus pés. — Você estava preocupada, não é? — Mmm-hmm.— Então eu me lembrei o quanto eu estava preocupada durante todo o dia maldito. Eu me soltei e bati em seu peito. Muito, muito duro. — Ouch! — Ele sorriu, embora esfregasse seu peito. — O que foi isso? Eu cruzei os braços e tentei manter minha voz baixa. — Você já ouviu falar de telefone celular? Ele arqueou as sobrancelhas. — Por que, sim, é essa coisa pequena que tem todos esses aplicativos bacanas nele... — Então por que você não o levou com você hoje?— Eu interrompi. Inclinando-se para baixo, seus lábios roçaram meu rosto enquanto ele falava, enviando arrepios através de mim. Não é justo. — Entrar e sair da minha verdadeira forma todos os dias meio que mata a eletrônica. Oh. Bem, eu não tinha pensado nisso. — Você deveria ter verificado, no entanto. Eu pensei...

41


— Você pensou o quê? Dei-lhe aquele olhar Eu realmente preciso explicar isso? O brilho de olhos de Daemon desapareceu. Colocando as mãos em meu rosto, ele trouxe seus lábios aos meus, me beijando docemente. Quando ele falou, manteve sua voz baixa. — Kitten, nada vai acontecer comigo. Eu sou a última pessoa com quem você precisa se preocupar. Fechei os olhos, respirando seu calor. — Veja, essa é possivelmente a coisa mais estúpida que você já disse. — De verdade? Eu digo um monte de coisas estúpidas. — Eu sei. Então, isso quer dizer alguma coisa. — Eu respirei.— Eu não estou tentando agir como uma daquelas namoradas obsessivas, mas as coisas... as coisas são diferentes com a gente. Houve uma pausa e, em seguida, os lábios se esticaram em um sorriso. — Você está certa. O inferno congelou. Os porcos estavam voando. — Como é? — Você está certa. Eu deveria ter falado com você em algum ponto. Sinto muito. O mundo era plano. Eu não sabia o que dizer. De acordo com Daemon, ele estava certo em cerca de 99 por cento do tempo. Uau. — Você está sem palavras. — Ele riu.— Eu gosto disso. E eu também gosto de você toda mal-humorada. Quer me bater de novo? Eu ri. — Você é um... Abrindo a porta atrás de mim, mamãe limpou a garganta e disse: — Eu não sei o que há com vocês dois e varandas, mas entrem; está congelando aí fora. Bochechas flamejando com um vermelho profano, eu não podia fazer nada para parar Daemon. Ele me largou, passeou para dentro, e

42


imediatamente começou a encantar minha mãe até que ela não era nada, mas uma poça grudenta no meio do foyer. Ele amava o seu novo corte de cabelo. Ela tem um? Imaginei que seu cabelo parecia diferente. Como se ela tivesse lavado ou algo assim. Daemon disse a ela que seus brincos de diamante eram bonitos. O tapete abaixo das escadas era muito bom. E que o cheio da sobra do jantar — porque eu ainda não tinha descoberto o que era — cheirava divino. Ele admirava os enfermeiros em todo o mundo, e por esse ponto, eu não conseguia evitar que meus olhos revirassem. Daemon era ridículo. Eu agarrei o braço dele e comecei a puxá-lo pela escada. — Ok, bem, isso tem sido bom... Mamãe cruzou os braços. — Katy, o que eu te disse sobre o quarto? E aqui eu pensei que meu rosto não poderia ficar mais vermelho. — Mamãe... — Eu puxei o braço de Daemon. Ele não se mexeu. Sua expressão permaneceu a mesma. Eu suspirei. — Mãe, não é como se nós fossemos fazer sexo com você na casa. — Bem, querida, é bom saber que você só faz sexo quando eu não estou em casa. Daemon tossiu enquanto lutava contra um sorriso. — Nós podemos ficar... Atirando-lhe um olhar mortal, eu consegui fazê-lo subir mais um degrau. — Mãee. — Comecei a fazer manha. Finalmente, ela cedeu. — Deixe a porta aberta. Eu sorri. — Obrigada! — Então eu girei, arrastando Daemon para o meu quarto antes que ele transformasse a minha mãe em uma fangirl.

43


Empurrando-o para dentro, eu balancei a cabeça para ele. — Você é terrível. — E você é impertinente.— Ele recuou, sorrindo. — Pensei que ela disse para deixar a porta aberta. —É.— Fiz um gesto atrás de mim. — Não está trancada. Isso é aberta. — Questões de ordem técnica— disse ele, sentando-se na cama quando levantou um braço, curvando seus dedos para mim. Um brilho malicioso aprofundou o tom verde de seus olhos. — Vamos... venha mais perto. Eu mantive minha posição. — Eu não trouxe você aqui para satisfazermos uma luxúria selvagem. — Merda.— Ele baixou a mão para seu colo. Me forçando a não rir, porque só o incentivava, eu decidi ir direto ao ponto. — Nós precisamos conversar. — Eu rastejei perto da cama, certificando-se que a minha voz estivesse baixa.—Will tem falado com a minha mãe. Seus olhos se estreitaram. — Detalhes. Sentei-me ao lado dele, colocando minhas pernas contra o peito. Quando eu disse a ele o que minha mãe tinha dito, o músculo em sua mandíbula começou a contar como um batimento cardíaco. A notícia não caiu bem e não havia como qualquer um de nós descobrir se a mutação tinha funcionado ou o que ele estava fazendo, além de perguntar ao Will, o que não ia acontecer. — Ele não pode voltar. — eu disse, esfregando as têmporas, onde um latejo parecia estar em sintonia com o músculo na mandíbula de Daemon.— Se a mutação não segurar, ele sabe que você vai matá-lo. E se deu certo... — Ele tem a mão superior.— Daemon admitiu. Eu cai sobre minhas costas.

44


— Deus, isso é uma bagunça, uma bagunça de proporções épicas. — Era como se estivéssemos condenados por todos os lados.— Se ele voltar, eu não posso deixá-lo perto da minha mãe. Eu tenho que contar a verdade. Daemon ficou em silêncio enquanto se movia na cama até que estava encostado na cabeceira da cama. — Eu não quero que você diga a ela. Eu fiz uma careta, quando inclinei minha cabeça para o lado, encontrando seu olhar. — Eu preciso dizer a ela. Ela está em perigo. — Ela estará em perigo, se você contar a ela. — Ele cruzou os braços.— Eu entendo porque você quer e precisa, mas se ela souber a verdade, ela estará em perigo. Parte de mim entendia isso. Qualquer ser humano que sabia a verdade estava em risco. — Mas mantê-la no escuro é pior, Daemon.— Me sentei e me virei em direção a ele, repousando sobre os joelhos. — Will é um psicopata. E se ele volta e continua de onde ele parou? — Bile subiu na minha garganta. — Eu não posso deixar isso acontecer. Daemon passou a mão pelos cabelos, o gesto esticando o tecido fino de sua camisa de manga comprida por cima do bíceps. Ele exalou longo e duro. — Primeiro, precisamos saber se ele realmente tem intenções de voltar. Irritação cravou. — E como você propõe que façamos isso? — Isso eu não descobri.— Daemon deu um sorriso fraco. — Mas eu vou. Me sentei frustrada. Logicamente, tínhamos tempo. Não é uma oferta infinita de dias ou uma semana, se tivéssemos sorte

mas

tínhamos tempo. Eu simplesmente não gostava da ideia de deixá-la no escuro.

45


— O que você esteve fazendo o dia todo? Perseguindo Dawson? — eu perguntei, deixando o tópico cair por agora. Quando ele acenou com a cabeça, eu sentia por ele.— O que ele está fazendo? — Ele estava apenas passeando, mas estava tentando me abalar. Eu sei que ele queria voltar ao edifício de escritórios e se eu não o estivesse seguido, ele teria. A única razão pela qual eu me sinto seguro de deixá-lo sozinho agora é porque Dee o tem encurralado. — Ele fez uma pausa, olhando para longe. Seus ombros se enrijeceram como se um peso terrível estivesse sobre eles. — Dawson... Ele vai acabar sendo capturado novamente.

46


S

Capitulo CINCO urpreendeu-me quando Daemon passou em casa cedo no sábado à noite e queria sair. Tipo, encarar a neve e fazer algo normal. Um encontro. Como se tivéssemos o luxo de fazer uma coisa dessas. E eu não pude deixar de

lembrar o que ele disse para mim quando eu estava em sua cama e assim estava pronta para dar o meu aval. Ele queria fazer as coisas direito. Encontros. Filmes. Dee estava atualmente de babá para Dawson, e Daemon sentiu-

se confiante o suficiente para deixá-la com ele. Procurei um par de jeans escuros e um casaco vermelho. Levei alguns minutos extras com a minha maquiagem, então eu saltei descendo as escadas. Levou cerca de meia hora para afastar Daemon longe da minha mãe. Talvez eu não teria que me preocupar com ela e Will. Talvez eu precisasse me preocupar com ela e Daemon. Uma vez dentro do interior confortável de Dolly, o SUV dele, ele ligou o aquecimento e me deslizou um sorriso. — Okay. Existem algumas regras sobre o nosso encontro. Minhas sobrancelhas se levantaram. — Existem? — Sim — Ele deu ré com Dolly e começou a descer a calçada, tomando cuidado para evitar as manchas grossas de gelo negro.— A regra número um é não falar sobre qualquer coisa relacionada ao DOD. — Tudo bem.— Eu mordi meu lábio. Ele olhou para mim de lado, como se soubesse que eu estava lutando contra um sorriso estúpido de apaixonada. — Regra número dois é que nós não falamos sobre Dawson ou Will. E número três, vamos nos concentrar na minha grandiosidade.

47


Okay. Sem lutar contra o meu sorriso. Que se espalhou de orelha a orelha. —É melhor, porque há punição por quebrar as regras. — E que tipo de punição seria esta? Ele riu. — Provavelmente, o tipo de punição que você iria gostar. Calor infundiu minhas bochechas e veias. Optei por não responder a essa afirmação. Em vez disso, estendi a mão para o aparelho de rádio ao mesmo tempo que Daemon. Nossos dedos se tocaram e estática correu pelo meu braço, espalhando em sua carne. Eu saltei para trás, e ele riu novamente, mas o som estava rouco e fez o SUV espaçoso parecer muito pequeno. Daemon colocou em uma estação de rock, mas manteve o volume baixo. A viagem para a cidade foi tranquila, mas divertida... porque nada louco aconteceu. Ele escolheu um restaurante italiano, e estávamos sentados em uma pequena mesa iluminada por velas tremeluzentes. Olhei em volta. Nenhuma das outras mesas tinha velas. Elas estavam cobertas por toalhas quadriculadas de vermelho e branco. Mas a nossa mesa de madeira estava nua, exceto por aquelas velas e duas taças de vinho cheias de água. Até mesmo os guardanapos pareciam de linho de verdade. Considerando-se as possibilidades enquanto nos sentávamos, meu coração fez um flip-flop. — Você...? Ele apoiou os cotovelos sobre a mesa e se inclinou para frente. Sombras dançavam sobre seu rosto, destacando o arco de suas maçãs do rosto e a curva de seus lábios. — Eu fiz o quê? — Arranjou isso? — Eu acenei para as velas. Daemon encolheu os ombros. — Talvez... Coloquei meu cabelo para trás, sorrindo. — Obrigada. É muito...

48


— Incrível? Eu ri. —Romântico, é muito romântico.E incrível, também. — Contanto que você ache que é incrível, então valeu a pena.— Ele olhou para cima quando a garçonete chegou em nossa mesa. Em seu crachá lia-se Rhonda. Quando ela se virou para anotar o pedido de Daemon, seus olhos vidraram — um efeito colateral comum de estar perto do Sr. Incrível, eu estava aprendendo. — E quanto a você, querida? — Espaguete com molho de carne.— eu disse, fechando o menu e o entregando. Rhonda olhou para Daemon, e acho que ela poderia ter suspirado. — Eu vou trazer seus palitos de pão imediatamente. Depois que ficamos sozinhos, sorri para o meu encontro. — Eu acho que nós vamos ganhar almôndegas extra. Ele riu. — Ei, eu sou bom para algumas coisas. — Você é bom para um monte de coisas. — No momento em que saíram da minha boca, eu corei. Uau. Isso pode ser percebido de muitas maneiras. Surpreendentemente, Daemon deixou passar e começou a me provocar sobre um livro que ele tinha visto no meu quarto. Era um romance. Um modelo típico sem camiseta com um abdome musculoso. Na hora em que nossa cesta de palitos de pão chegou, eu quase o convencia de que ele seria um modelo de capa perfeito para um daqueles livros. — Eu não uso calças de couro.— disse ele,mordendo a delícia repleta de alho e manteiga. E isso era uma vergonha. — Ainda sim. Você tem aparência. Ele revirou os olhos. — Você gosta de mim pelo meu corpo. Admita.

49


— Bem, sim... Sua cílios levantaram e seus olhos brilhavam como joias. — Eu me sinto irresistível. Eu explodi em risos. Mas então ele fez uma pergunta que eu não esperava. — O que você vai fazer sobre a faculdade? Eu pisquei. Faculdade? Sentando, meu olhar caiu para a pequena chama. — Eu não sei. Quero dizer, não é realmente possível, a menos que eu vá para um lugar perto do quartzo. — Você quebrou uma regra. — ele me lembrou, os lábios formando um meio sorriso. Revirei os olhos. — E quanto a você? O que você vai fazer sobre a faculdade? Ele deu de ombros. — Ainda não decidi. — Você está correndo contra o tempo.— eu disse, soando como Carissa, que gostava de me lembrar disso cada vez que nós conversamos. — Na verdade, nós dois estamos correndo contra o tempo, a menos que façamos uma aplicação atrasados. — Okay. A quebra de regras de lado, como é possível? Fazer aulas on-line?— Ele encolheu os ombros de novo, e eu meio que queria esfaqueá-lo no olho com o meu garfo. — Você não conhece nenhuma faculdade que tenha... um ambiente adequado? As nossas refeições chegaram, protelando a conversa, enquanto a garçonete ralava queijo sobre o prato de Daemon. Ela eventualmente me ofereceu também. E no momento em que ela saiu, eu ataquei. — Então, conhece? Garfo e faca na mão, ele começou a cortar um pedaço de lasanha do tamanho de um caminhão. — Flatiron. — O que?

50


— Flatiron é uma montanha aos arredores de Boulder, Colorado. — Ele cortou sua refeição em pequenas porções. Daemon tinha

essas

delicados

hábitos

alimentares,

enquanto

eu

estava

espalhando meu espaguete ao redor do meu prato. — Eles estão cheios de quartzite. Não tão conhecido ou tão visível como alguns lugares, mas eles estão lá, sob vários metros de sedimentos. — Tudo bem.— Eu tentei comer o meu espaguete com pequenas porções. — O que isso tem a ver com alguma coisa? Ele olhou para cima através dos cílios escuros. — A Universidade do Colorado fica a cerca de dois quilômetros dos Flatirons. — Ah.— Eu mastiguei devagar e de repente meu apetite desapareceu. — É... é onde você quer ir para a faculdade? Havia um outro encolher de ombros. — Colorado não é um lugar ruim. Eu acho que você vai gostar. Olhando para ele, esqueci sobre a comida. Ele estava falando o que eu acho que ele está falando? Eu não queria tirar conclusões precipitadas, e estava com muito medo de perguntar, porque ele poderia estar sugerindo que era um lugar que eu gostaria de visitar e não morar lá... com ele. E isso seria super humilhante. Mãos frias, abaixei meu garfo. E se Daemon me deixasse? Por alguma razão que eu estava operando no pressuposto de que ele não iria sair daqui. Nunca. E eu aceitava isso, em um nível subconsciente, estar presa aqui, principalmente porque eu realmente não tinha considerado encontrar outro lugar que era protegido dos Arum. Meu olhar caiu para o meu prato. Se eu tivesse aceitado ficar aqui por causa de Daemon? Foi isso mesmo? Ele nunca disse que me amava, uma voz insidiosa e irritante sussurrou. Nem mesmo depois que você já disse isso. Ah, a voz estúpida tinha um bom argumento. Do nada, um palito de pão bateu na ponta do meu nariz. Minha cabeça se ergueu. Pitadas de sal de alho choveran.

51


Daemon segurou o palito entre dois dedos, as sobrancelhas arqueadas. — O que você estava apenas pensando? Eu limpei as migalhas. A sensação lançada encheu meu estômago, e eu forcei um sorriso. — Eu... eu acho que Colorado parece bom. Mentirosa, disse sua expressão, mas ele voltou para sua comida. Um silêncio tenso desceu entre nós, o que era a primeira vez. Obriguei-me a apreciar a comida, e a coisa mais engraçada aconteceu. Com as provocações da luz de Daemon e a conversa se voltando para assuntos

diferentes,

como

sua

obsessão

com

todas

as

coisas

relacionadas com fantasmas, eu estava me divertindo novamente. — Você acredita em fantasmas? — Eu perguntei, correndo atrás do último do meu macarrão. Ele limpou seu prato, sentou-se e tomou um gole do seu copo. — Eu acho que eles existem. Surpresa cintilou através de mim. — Sério? Huh. Eu pensei que você só assistisse os shows de fantasmas por entretenimento. — Bem, eu faço. Eu gosto daquela em que o cara grita: “Cara! Bro!” falando

A cada cinco segundos.— Ele sorriu quando eu ri. — Mas, sério,

não

pode

ser

impossível.

Muitas

pessoas

têm

testemunhado coisas que não podem ser explicadas. — Como muitas pessoas testemunhando aliens e Ovnis.— Eu sorri. — Exatamente. — Ele pousou o copo.— Exceto que os UFO’s são besteira total. O governo é responsável por todos os Objetos Voadores Não Identificados. Minha boca caiu aberta. Por que eu estava surpresa? Rhonda apareceu com a nossa conta e eu estava relutante em sair. A coisa toda de encontro é uma forma muito breve momento de normalidade, uma que nós dois sentíamos falta. Quando fomos para a frente do restaurante, eu queria pegar sua mão e envolver os dedos em

52


torno do dele, mas me contive. Daemon fez um monte de coisas malucas em público, mas de mãos dadas? Portanto, não me parece a praia dele. Havia um casal de alunos da escola sentados perto da porta. Seus olhos ficaram do tamanho de um pires quando nos viram. Considerando que Daemon e eu tínhamos essa relação de ódio na maior parte do ano, eu podia entender a surpresa deles. Tinha começado a nevar enquanto estávamos dentro do restaurante e uma fina camada de neve cobria o estacionamento e os carros. O material branco ainda estava caindo. Parando do lado do passageiro, inclinei minha cabeça para trás e abri minha boca, pegando um pequeno floco na ponta da minha língua. Os olhos de Daemon se estreitaram em mim e a intensidade em seu olhar provocou uma pequena vibração nervosa no meu estômago. Um desejo de ir para a frente, cruzar a distância entre nós, me bateu forte, mas eu não podia me mover. Meus pés estavam enraizados no chão e no ar expelido dos meus pulmões. — O quê? — Eu sussurrei. Seus lábios se separaram. — Eu estava pensando em vermos um filme. — Tudo bem. — Eu me senti quente, embora nevasse. — E então? — Mas você quebrou as regras, Kitten. Várias vezes. Você me deve uma punição.— Meu coração deu um pulo. — Eu sou uma quebradora de regras. Seus lábios se inclinaram para cima em um canto. — Você é. Se movendo muito rápido, Daemon estava na minha frente antes que eu pudesse dizer outra palavra, tocando meu rosto, inclinando minha cabeça para trás quando ele abaixou a sua. Seus lábios roçaram os meus, enviando um arrepio na espinha. O contato inicial foi macio, dolorosamente suave. Em seguida, o contato evoluiu

53


com a segunda vez que seus lábios e os meus se separaram, os recebendo. Eu realmente gostei deste tipo de punição. As mãos de Daemon deslizaram para os meus quadris, e ele me puxou contra ele, ao mesmo tempo que estava se movendo para trás, parando quando minhas costas pressionaram contra o frio metal úmido de seu carro — espero que seja o carro dele. Eu duvidava que alguém iria querer um casal fazendo o que estávamos fazendo em seu veículo. Porque nós estávamos nos beijando, beijando muito, e não havia um centímetro de espaço entre nossos corpos. Meus braços encontraram seu caminho em volta de seu pescoço, os dedos deslizando através das camadas de seda cobertas de neve. Nós cabíamos em todos os lugares que era importante. — Filme.— ele murmurou, me beijando novamente. — E então o que, Kitten? Eu não conseguia pensar em algo além de como ele saboreava e sentia. Como meu coração estava batendo como seus dedos deslizaram sob a minha gola, deslizando ao longo de minha pele nua. E eu queria estar nua, completamente nua e só para ele, sempre ele. Ele sabia o que o — então o que — era. Fazer as coisas direito... e meu Deus, eu queria fazer as coisas certas no momento. Já que eu não conseguia fazer minha boca funcionar entre seus beijos viciantes, eu optei por não dizer nada, deslizando minhas mãos para seus quadris vestidos em jeans. Enganchando os dedos no aro do cinto, puxei-o contra mim. Daemon rosnou, e meu pulso batia. Sim, ele entendeu. Sua mão deslizou para cima, dedos roçando e... Seu celular tocou no bolso, estridente e tão alto quanto um alarme de incêndio. Eu pensei por um pequeno instante que ele iria ignorá-lo, mas ele se afastou, ofegante. — Um segundo. Ele me beijou rapidamente, mantendo uma mão onde estava, enquanto buscava por seu telefone. Eu enterrei o rosto contra seu peito,

54


respirando rapidamente. Ele deixou meus sentidos girando em uma deliciosa bagunça que estava fora de controle. Quando Daemon falou, sua voz era áspera. — É melhor que seja realmente importante. Eu o senti endurecer, sua frequência cardíaca subir, e soube imediatamente que algo ruim tinha acontecido. Afastando-se para trás, olhei para ele. — O quê? — Ok. — ele disse ao telefone, suas pupilas ficando luminosas. — Não se preocupe, Dee. Eu vou cuidar disso. Eu prometo. Medo resfriou o calor dentro de mim. Quando Daemon baixou o telefone, deslizando-o de volta no bolso, meu estômago caiu. — O quê? — Eu perguntei novamente. Cada músculo em seu corpo travou. —É Dawson. Ele fugiu.

55


O

Capitulo SEIS

lhei para Daemon, rezando para que eu tivesse entendido errado, mas o desespero agudo e a sugestão de fúria em seus olhos ultra brilhantes me dizia que eu não tinha. — Sinto muito.— disse ele.

— Não. Eu entendo completamente. — Coloquei meu cabelo

para trás. — O que eu posso fazer? — Eu preciso ir. — disse ele, pegando as chaves do bolso e as

colocando na minha mão. — E eu quero dizer que eu preciso ir muito rápido. Você deveria ir para casa e ficar lá. — Ele então me entregou seu celular. — Mantenha isso no carro. Estarei de volta o mais rápido possível. Ir para casa? — Daemon, eu posso ajudá-lo. Eu posso ir... — Por favor.— Ele segurou meu rosto com as mãos quentes contra o meu rosto agora gelado. Ele me beijou, parte com saudade e parte com raiva. Então ele recuou. — Vá para casa. E então ele se foi, se movendo muito rápido para qualquer olho humano acompanhar. Fiquei ali por alguns momentos. Nós tínhamos tido uma hora, talvez duas, antes de tudo ir à merda? Minhas mãos apertaram as chaves. O metal escavando em minha carne. Um encontro arruinado era o menor dos meus problemas. — Droga.—. Girei e corri em volta da SUV. Escalando, reajustei o assento de Godzilla para normal para que os meus pés pudessem alcançar os pedais. Vá para casa.

56


Dawson teria ido para um dos dois lugares. Ontem, Daemon disse que Dawson tentou ir para o prédio de escritórios, que era o último lugar que ele tinha sido mantido. Isso, logicamente, seria o primeiro lugar para verificar. Vá para casa e fique lá. Manobrei para fora do estacionamento, segurando o volante. Se eu for para casa e esperar como uma boa menina, eu poderia me enroscar no sofá e ler um livro. Escrever um comentário e fazer um pouco de pipoca. Então, quando Daemon voltasse, contanto que nada terrível tiver acontecido, eu me jogaria em seus braços novamente. Virando à direita em vez da esquerda, eu ri alto. O som era rouco e baixo, cortesia das minhas cordas vocais ferradas e ansiedade. Foda-se ir para casa. Esta não era a década de 1950. Eu não era um ser humano frágil. E eu com certeza não era a Katy que Daemon tinha inicialmente conhecido. Ele ia ter que lidar com isso. Eu liguei o motor, esperando que os garotos de azul estivessem ocupados fazendo outras coisas além de monitorar o tráfego hoje. Não tinha como eu superar Daemon lá, mas se acontecesse algum problema, eu poderia fazer uma distração ou algo assim. Eu poderia fazer alguma coisa. No meio do caminho, eu peguei um flash de luz branca com o canto do meu olho, profundamente dentro da linha das árvores de madeira aglomeradas na rodovia. Em seguida, ele voltou de novo — branco com vermelho. Batendo o pé no freio, eu desviei para a direita quando a extremidade traseira da SUV derrapou até que eu vi uma parada irregular no acostamento. Pulso batendo, acendi as luzes de alerta e abri a porta. Eu corri através da estrada de duas pistas, metade escorregando até que meus pés tocaram o outro acostamento e ganhei força. Tocando na Source e em tudo o que existia dentro de mim, ganhei velocidade, correndo tão rápido que meus pés mal tocavam o chão.

57


Galhos baixos batiam no meu cabelo. Folhas de neve caiam quando eu mergulhei em torno de uma árvore grossa,desordenando a terra outrora intocada. À minha esquerda, havia uma mancha marrom correndo para longe de mim. O mais provável é que fosse um veado ou, conhecendo a minha sorte, um chupacabra. A luz branco-azulada brilhou à frente, como um raio de luz horizontal. Definitivamente um poder de origem Luxen, mas não o de Daemon – a dele era avermelhada. Tinha que ser Dawson ou... Corri em volta de um conjunto de grandes rochas, levantando neve como assassina do gelo que caia dos olmos, quebrando no chão em volta de mim. Voando através do labirinto de árvores, eu passei logo pela... Lá estavam eles, dois Luxen no modo pirilampo completo e eram... Mas que diabos? Eu derrapei até parar, engolindo o ar. Um era alto, branco puro, com bordas mergulhado em vermelho. O outra era uma forma esguia, mais lenta, com um brilho azulado. O maior, que eu sabia ser Daemon, tinha o outro no que parecia ser uma chave de braço. Uma chave de braço brilhante em forma humana que eu posso ter visto sendo usada na WWE antes. Eu oficialmente já tinha visto de tudo. Assumindo que o outro era Dawson, o irmão de Daemon estava muito briguento, se soltando e empurrando Daemon para trás alguns centímetros. Mas Daemon passou os braços ao redor do centro da luz, se erguendo no ar e corpo batendo com tanta força que mais gelo caia das árvores que se aglomeravam em volta de nós. A luz de Dawson pulsava e raios de luz azul rebateram nas árvores, atirando de volta para os dois, que desviaram. Ele tentou rolar Daemon, pelo menos é o que parecia, mas Daemon tinha a vantagem. Eu cruzei os braços, tremendo. — Você tem que estar brincando comigo. Os dois alienígenas exaltados congelaram, e eu realmente queria ir e chutar ambos. Um segundo depois, as luzes piscavam para fora. Os olhos ainda incandescentes de Daemon encontraram os meus.

58


— Eu pensei que eu lhe disse para ir para casa e ficar lá.— disse ele, a voz esparsa com aviso. — E a última vez que chequei, você não conseguia me dizer para ir para casa e ficar lá. — Eu dei um passo para a frente, ignorando o modo como seus olhos brilharam. — Olha, eu estava preocupada. Pensei em vir e ajudar. Seus lábios puxaram para trás. — E como é que você tem ajudado? — Eu acho que ajudei. Eu fiz dois idiotas pararem de lutar. Ele olhou para mim por mais um momento e seu olhar prometia muitos problemas mais tarde. Talvez um problema punível. Ah, esqueça isso. Seu olhar não prometia nada do tipo divertido. — Me deixe levantar, irmão. Daemon olhou para baixo. — Eu não sei. Você provavelmente vai correr e me fazer persegui-lo novamente. — Você não pode me parar. — Dawson disse, a voz assustadoramente apática. Músculos incharam sob o suéter de Daemon. — Eu posso e vou. Eu não vou deixar você fazer isso para si mesmo. Ela... — Ela o quê? Não vale a pena? — Ela não quer que você faça isso. — Daemon fervia.— Se a situação fosse inversa, você não gostaria que ela estivesse fazendo isso. Dawson se ergueu, conseguindo bastante espaço entre eles para que ele pudesse ficar de pé. De pé, eles compartilhavam as posturas cautelosas. — Se eles tivessem Katy... — Não vá por esse caminho.— As mãos de Daemon se fecharam em punhos poderosos. Seu irmão não foi afetado. — Se eles a tivessem, você estaria fazendo a mesma coisa. Não minta.

59


Daemon abriu a boca, mas não disse nada. Todos nós sabíamos o que ele faria e ninguém iria impedi-lo. E sabendo disso, como poderíamos parar Dawson? Nós não poderíamos. Eu soube o momento exato em que Daemon percebeu isso, porque ele deu um passo atrás e colocou as duas mãos em seu cabelo despenteado pelo vento. Dividido entre fazer o que era certo e o que precisava ser feito. Dando um passo à frente, eu jurei que podia sentir o peso de Daemon transportado como se fosse o meu próprio. — Nós não podemos pará-lo. Você está certo. Dawson se girou em direção a mim, os olhos de um verde brilhante. — Então me deixe ir. — Mas não podemos fazer isso, também. — Eu ousei uma espiada em Daemon. Nada poderia ser adquirido a partir de sua expressão. — Dee e seu irmão passaram o ano passado acreditando que estava morto. Isso os matou. Você não tem ideia. — Você não tem ideia do que eu passei. — Ele baixou o olhar.— Ok, talvez você tenha um pouco. O que foi feito para que você, está sendo feito mil vezes para Beth. Eu não posso simplesmente esquecê-la, apesar de eu amar meu irmão e irmã. Ouvi uma ingestão aguda de Daemon. Foi a primeira vez desde o retorno de Dawson, que ele admitiu a todos os sentimentos para sua família. Eu peguei e aceite isso. — E eles sabem disso. Eu sei disso. Ninguém espera que você esqueça Beth, mas correr e fazer a si mesmo ser capturado não está ajudando ninguém. Uau. Quando eu me tornei a voz da razão? — Quais são as alternativas? — Perguntou Dawson. Sua cabeça inclinada para o lado, um maneirismo assim como seu irmão. Aqui está o problema. Dawson não iria parar. No fundo, Daemon sabia e entendia o porquê e faria a mesma coisa. Era hipócrita

60


ao grau enésimo exigir para outra pessoa fazer o contrário. Tinha que haver um compromisso. E não havia um. — Vamos ajudá-lo. — O quê? — Daemon exigiu. Eu o ignorei. — Você sabe que correr até o DOD não vai funcionar. Precisamos descobrir onde Beth está, se eles estão mesmo a mantendo aqui, e precisamos de um plano para chegar até ela. Um plano muito bem pensado, com baixo potencial de fracasso. Ambos os irmãos olharam para mim. Prendi a respiração. Era isso. Não tinha como Daemon vigiar seu irmão para sempre. E não era justo supor que ele podia. Dawson se afastou, costas retas. Vários segundos se passaram enquando o vento soprava através das árvores, girando neve. — Eu não posso suportar a ideia de eles a terem. Dói respirar só de pensar nisso. — Eu sei.— eu sussurrei. O luar cortou os ramos, esculpindo o rosto de Daemon em uma luz forte. Ele estava quieto, mas a raiva saiu dele. Será que ele realmente acha que poderia segurar Dawson? Se sim, então ele era louco. Finalmente Dawson assentiu. — Ok. Um doce alívio me inundou, fazendo com que minhas pernas fraquejassem. — Mas você tem que prometer nos dar tempo.— Tudo se reduzia ao tempo e que não tínhamos posse dele. — Você não pode ficar impaciente e fugir. Você tem que jurar. Ele me encarou e um tremor rolou por enfrenta-lo, tirando a luta dele.

Enquanto ele estava ali, a tensão dissipou, e seus braços

caíram ao lado do corpo inerte. — Eu juro. Ajude-me e eu juro. —É um acordo.

61


Houve um momento de silêncio, como se a floresta estivesse absorvendo a sua promessa e meu acordo, guardando na memória. E, em seguida, nós três voltamos para a SUV, o ambiente silencioso e tenso. Meus dedos eram como picolés quando entreguei as chaves para Daemon. Dawson subiu na traseira, descansando a cabeça contra o assento, os olhos fechados. Eu continuei olhando para Daemon, esperando que ele dissesse alguma coisa, qualquer coisa, mas ele estava concentrado na estrada, seu silêncio como uma bomba-relógio. Olhei sobre as costas do assento. Atrás de fendas finas, ele estava observando Daemon. — Ei. Dawson...? Seu olhar deslizou para o meu. — Sim? — Você quer voltar para a escola?— A escola o manteria ocupado enquanto descobrimos como no inferno chegar em Beth. E combinava com o plano de fingir que tinha para o Departamento de Defesa, enquanto nos permitia ficar de olho em Dawson apenas no caso de ele renegar sua promessa a Daemon.— Quer dizer, eu tenho certeza que você pode. Você poderia dizer a todos que você fugiu. Isso acontece. — As pessoas pensam que ele está morto.— disse Daemon. — Tenho certeza de que alguns fugitivos em todo o país são creditados como mortos e não estão.— eu raciocinei. Dawson pareceu considerar isso. — O que vou dizer sobre Beth? — Essa é uma boa pergunta. — Desafio escorria de voz de Daemon. Parei mordendo meu dedo. — Que vocês dois fugiram, e você decidiu voltar para casa. Ela não quis. Inclinando-se para frente, Dawson apoiou o queixo nas palmas de suas mãos. — Melhor do que passar o dia sentado pensando em tudo.

62


Com certeza. Ele ficaria louco fizesse isso. — Ele teria que ser registrado para as aulas. — disse Daemon, os dedos tocando fora do volante. — Eu vou falar com Matthew. Veja o que podemos fazer para que dê certo. O Daemon emocionado estava finalmente aparecendo por trás disso, eu me sentei para trás e sorri. Crise evitada. Se eu pudesse consertar tudo tão facilmente. Dee estava esperando na varanda da frente, quando paramos na calçada, Andrew de sentinela de pé ao lado dela. Dawson saiu do banco de trás e se aproximou de sua irmã. Algumas palavras foram trocadas, muito baixas para que eu ouvisse, e então eles se abraçaram. Isso era um tipo surpreendente de amor. Diferente do que os meus pais tinham compartilhado, mas ainda forte e inquebrável. Não importa o quão difícil fossem o que eles passassem. — Eu pensei que eu lhe disse para ir para casa. Eu não tinha percebido que eu estava sorrindo até que o sorriso desapareceu com o som da voz de Daemon. Eu olhei para ele e senti meu

coração

cair.

Sim,

aqui

estava

o

problema

prometido

anteriormente. — Eu tinha que ajudar. Ele olhou para fora do para-brisa. — O que você teria feito se não fosse Dawson lá em cima, mas eu lutando contra o DOD ou seja lá o que o outro grupo é? — Daedalus.— eu disse.— E se fosse eles, eu ainda teria ajudado. — Sim, e é com isso que eu tenho um problema. — Ele saiu do SUV, me deixando encarando-o. Respirando frustrada, eu saí. Ele estava encostado no parachoque, de braços cruzados sobre o peito. Ele não olhou para mim quando parei ao lado dele.

63


— Eu sei que você está chateado porque se preocupa comigo, mas não vou ser a garota que fica em casa e aguarda que herói acabe com os vilões. — Isto não é um livro.— ele estalou. — Bem, duh... — Não. Você não entende. — Ele se virou para mim, furioso. — Isso não é uma fantasia paranormal ou o que diabos você lê. Não há enredo definido ou uma ideia clara do que está acontecendo. Os inimigos não são evidentes. Não há finais felizes garantidos e você — Ele abaixou a cabeça, então estávamos no mesmo nível dos olhos. — Você não é um super-herói, não importa o que diabos você pode fazer. Uau. Ele realmente estava seguindo meu blog. Mas não é o ponto. — Eu sei que este não é um livro, Daemon. Eu não sou estúpida. — Você não é?— Ele riu sem humor.— Porque ser inteligente não é correr atrás de mim. — O mesmo poderia ser dito sobre você! — Minha raiva agora combinava com a sua. — Você fugiu atrás de Dawson, sem saber no que estava se metendo. — Não diga. Mas eu posso controlar a Source sem tentar. Eu sei do que sou capaz. Você não sabe. — Eu sei do que eu sou capaz. — Sério?— Ele questionou. As pontas de suas bochechas coradas com fúria. — Se eu tivesse sido cercado por agentes humanos, teria sido capaz de derrubá-los? E viver consigo mesma depois disso? Ansiedade floresceu no meu estômago, seus tentáculos se envolvendo em torno de mim. Quando eu estava sozinha e quieta, o fato de que eu tinha estado tão disposta a tirar uma vida humana era tudo o que eu pensava. — Estou preparada para fazer isso.— Minha voz saiu num sussurro. Ele deu um passo para trás, sacudindo a cabeça.

64


— Droga, Kat, eu não quero que você experimente isso. — Emoção encheu sua expressão. — Matar não é difícil. É o que vem depois, a culpa. Eu não quero que você lide com isso. Você não entende? Eu não quero que você tenha este tipo de vida. — Mas eu já tenho esse tipo de vida. Toda a esperança, desejos e boas intenções do mundo não vão mudar isso. A verdade apareceu para enfurecê-lo mais. — Essa questão de lado, o que você prometeu a Dawson é inacreditável. — O quê? — Meus braços caíram para os meus lados. — Ajudá-lo a encontrar Beth? Como diabos é que vamos fazer isso? Mudei de um pé para o outro. — Eu não sei, mas vamos descobrir alguma coisa. — Oh, isso é bom, Kat. Nós não sabemos como encontrá-la, mas nós vamos ajudar. Plano incrível. Calor correu pela minha espinha. Oh, isso era ótimo. — Você é um hipócrita! Você me disse ontem que iria descobrir o que Will estava fazendo, mas você não tem ideia de como. A mesma coisa com Daedalus.— Ele abriu a boca, mas eu sabia que eu o tinha. — E você não podia mentir para Dawson quando ele perguntou o que você faria se fosse eu. Você não é o único que consegue tomar decisões ousadas e estúpidas. Sua boca se fechou. — Esse não é o ponto. Eu levantei uma sobrancelha. — Argumento ridículo. Daemon se lançou para frente, sua voz áspera. — Você não tinha o direito de fazer esse tipo de promessas para o meu irmão. Ele não é a sua família. Eu vacilei, dando um passo para trás. Levar um tapa seria melhor. Do jeito que eu vi, pelo menos eu consegui tirar Dawson fora do

65


penhasco. Claro, prometer ajudá-lo a encontrar Beth não era ideal, mas era melhor do que ele correr como um viciado em crack. Eu tentei controlar a minha raiva e decepção, porque eu entendi de onde sua fúria estava vindo. Daemon não queria que eu me machucasse, e ele estava preocupado com seu irmão, mas sua inerente necessidade quase obsessiva de ser protetor não desculpava sua idiotice. — Dawson é o meu problema, porque ele é o seu problema.— eu disse.— Estamos juntos nessa. Os olhos de Daemon encontraram os meus. — Não em tudo, Kat. Desculpe. Isso é apenas o jeito que as coisas são. A parte de trás da minha garganta ardia, e eu pisquei várias vezes, recusando-me a derramar lágrimas, embora o meu peito doesse tanto. — Se nós não estamos juntos em tudo, então como podemos realmente estar juntos?— Minha voz falhou.— Porque eu não vejo como isso é possível. Seus olhos se arregalaram. — Kat... Eu balancei minha cabeça, sabendo para onde esta conversa estava indo. A menos que ele estivesse disposto a me ver como algo diferente de uma peça frágil de porcelana, estávamos condenados. Me afastar de Daemon foi a coisa mais difícil que eu tinha feito. Agravado pelo fato de que ele não tentou me parar, porque não era o seu estilo, mas no fundo, em um lugar que só falava a verdade, eu não esperava que ele fizesse. Mas eu queria que ele fizesse. Eu precisava disso. E ele não fez.

66


C

Capitulo SETE

omo esperado, a escola retomou nesta segunda-feira, e não havia nada pior do que voltar depois de uma pausa inesperada

e

ter

todos

os

professores

tentando

compensar o tempo perdido. Adicione isso ao fato de que

Daemon e eu não tínhamos feito as pazes depois da nossa grande explosão ainda e, bem, segundas-feiras sempre era horríveis. Cai

no

meu

lugar,

puxando

o

meu

enorme

livro

de

trigonometria.

Carissa me olhou por cima da borda de seus óculos laranjaqueimado. Novos. Novamente. — Você está absolutamente emocionada por estar de volta. —Yupiii.— eu disse sem entusiasmo. Simpatia marcou sua expressão. — Como... como está Dee? Eu tentei ligar para ela algumas vezes, mas ela não retornou nenhuma das minhas ligações. — Ou as minhas, — Lesa acrescentou, sentando-se na frente de Carissa. Lesa e Carissa não tinham ideia de que Adam não tinha realmente morrido em um acidente de carro, e tivemos que mantê-las no escuro. — Ela realmente não está falando com ninguém agora. — Bem, além de Andrew, o que era tão bizarro que eu não podia nem pensar nisso. Carissa suspirou. — Eu gostaria que eles tivessem feito o funeral dele aqui. Eu teria amado mostrar meus respeitos, sabe?

67


Aparentemente os Luxen não faziam funerais. Então, nós tínhamos feito alguma desculpa sobre o funeral ser fora da cidade e só a família poder visitar. —É uma merda.— disse ela, olhando para Lesa.— Eu pensei que talvez pudéssemos ir ao cinema depois da escola esta semana. Tirar a cabeça dela do assunto. Eu balancei a cabeça. Eu gostei do som disso, mas duvidava que ia chegar muito longe com ela. E também era hora de colocar o Plano A em movimento, o que era reintroduzir Dawson para a sociedade. Mesmo que eu estivesse na lista de merda do seu irmão, Dawson tinha parado ontem em casa e explicado que Matthew estava a bordo. Provavelmente não aconteceria até o meio da semana, mas era certeza. — Ela pode não ser capaz de fazer qualquer coisa, esta semana, no entanto.— eu disse. — Por quê? — Curiosidade brilhava nos olhos escuros de Lesa. Amamos a garota, mas ela era uma fofoqueira. O que era exatamente o que eu precisava. Se as pessoas esperassem o retorno de Dawson, não seria uma surpresa quando isso acontecesse. Lesa teria certeza que a notícia vazasse. — Vocês não vão acreditar, mas... Dawson voltou para casa. Carissa virou vários graus mais pálida, e Lesa gritou algo que soava muito como um pato. Eu mantive minha voz baixa, mas suas reações atraíram muita atenção. — Sim, aparentemente ele está vivo. Fugiu e, finalmente, decidiu voltar para casa. — De jeito nenhum.— Carissa respirou, seus olhos arregalados por trás de seus óculos. — Eu não posso acreditar nisso. Quero dizer, é uma grande notícia, mas todos pensaram... bem, você sabe. Lesa estava tão chocada. — Todo mundo pensou que ele estava morto. Forcei um encolher de ombros casual.

68


— Bem, ele não está. — Uau.— Lesa empurrou uma seção de cachos para fora de seu rosto. — Eu não posso nem processar isso. Meu cérebro acaba de se desligar. Pela primeira vez. Carissa fez uma pergunta que, provavelmente, vai estar na mente de todos. — Beth vai voltar? Mantive meu rosto em branco, eu balancei minha cabeça. — Aparentemente, eles fugiram juntos, mas Dawson queria voltar para casa. Ela não. Ele não sabe onde ela está. Carissa olhou para mim enquanto Lesa continuou brincando com seu cabelo. — Isso é... muito estranho. — Ela fez uma pausa, voltando sua atenção para o seu caderno. Um olhar estranho, que eu não conseguia decifrar, rastejou em seu rosto, mas, novamente, esta realmente era uma notícia OMG.— Talvez ela foi para Nevada. Não era de lá de onde ela veio? Seus pais se mudaram para lá, eu acho. — Talvez.— eu murmurei, perguntando o que diabos nós deveríamos fazer se libertássemos Beth. Não era como se pudéssemos mantê-la aqui. Claro, ela tinha dezoito anos e agora legalmente era uma adulta, mas sua família estava em um fuso horário diferente. Calor espalhou-se por cima do meu pescoço, e eu olhei para a frente da classe. Poucos segundos depois, Daemon caminhou para dentro.Meu estômago se apertou, e eu me forcei a não olhar para baixo. Se eu estava argumentando que eu era capaz de lidar com as coisas ruins, não conseguiria me esconder do meu namorado quando nós tivéssemos uma briga. Daemon arqueou uma única sobrancelha quando passou, tomando o seu lugar atrás de mim. Antes que minhas amigas pudesse atacar verbalmente Daemon com todas as suas questões relacionadas com o Dawson,virei-me no meu lugar. — Ei. — eu disse, e então engasguei, porque não havia nada mais ridículo que Ei.

69


Ele pareceu pensar a mesma coisa e mostrou isso com um lado de seu lábio se curvou num sorriso que era a marca registrada de Daemon. Sexy? Sim. Irritante? Oh, sim. Fiquei imaginando o que ele diria. Se desculparia por ter gritado comigo por falar com Dawson ontem? Desculpas? Porque se ele pedisse desculpas, eu provavelmente rastejaria em seu colo ali mesmo na sala de aula. Ou será que ele vai vir com o “conversamos em particular” de sempre? Enquanto Daemon amava a audiência,sabia que o que ele mostrava ao mundo não era realmente ele, e se ia se abrir, vulnerável até a medula, ele não ia querer pessoas assistindo. — Eu gosto do seu cabelo assim.— disse ele. Minhas sobrancelhas se levantaram. Okay. Não é o que eu estava esperando. Levantando meus braços, alisei minhas mãos os lados do meu cabelo. A única coisa que eu tinha feito de diferente foi parti-lo ao meio. Nada surpreendente. — Hum, obrigada...? O sorriso permaneceu em seu rosto enquanto nós continuamos a olhar para o outro, e enquanto os segundos se passaram, a irritação cresceu. Sério? — Algo mais que queira dizer? — Perguntei. Ele se inclinou para frente, deslizando os cotovelos sobre a mesa. Nossos rostos estavam a centímetros de distância. — Existe alguma coisa que você quer que eu diga? Eu respirei fundo. — Muitas coisas... Cílios grossos baixaram, e sua voz era suave como o cetim. — Eu aposto. Ele pensou que eu estava flertando? Em seguida, ele falou de novo. — Há algo que eu gostaria que você dissesse. Que tal “Sinto muito por sábado”?

70


Eu queria bater nele. Tirar toda essa arrogância, eu juro. Em vez de ser sarcástica, atirei-lhe um olhar irritado e me virei. Ignorei-o pelo resto da aula e ainda sai sem dizer uma palavra a ele. Claro, ele estava dois passos atrás de mim no corredor. Toda a minha costa formigava sob seu escrutínio, e se eu não soubesse melhor, eu acharia que ele estava se divertindo com tudo isso. As aulas da manhã se arrastaram. Biologia foi estranho, já que o assento ao meu lado estava agora vazio. Lesa notou isso com uma careta. — Eu não tenho visto Blake desde que as férias de Natal terminaram. Dei de ombros, cuidadosamente olhando para o projetor de tela que Matthew estava puxando para baixo. — Eu não tenho ideia. — Vocês eram como melhores amigos, e você não tem ideia de onde ele está?— Dúvida nublava seu tom. Suas suspeitas eram totalmente compreensíveis. Petersburg era como o Triângulo das Bermudas para adolescentes. Muitos vinham. Alguns nunca mais eram vistos enquanto outros ressurgiam do buraco do coelho. Naquele momento, eu me encontrei querendo confessar tudo como eu quis tantas vezes. Manter tantos segredos era horrível. — Eu não sei. Ele mencionou algo sobre visitar a família na Califórnia. Talvez ele decidiu ficar. — Deus, eu estava ficando assustadoramente boa em mentir.— Petersburg é meio chato. — Sem dúvida.— Ela fez uma pausa.— Mas ele não lhe disse se ia voltar ou não? Mordi o lábio. — Bem, já que Daemon e eu estamos meio que nos vendo agora, Blake e eu realmente não temos nos falado. — Ha — Seu rosto foi transformado com um sorriso maroto.— Daemon parece ser o tipo ciumento. Ele, portanto, não ficaria bem com outro cara sendo super amigável. Um rubor se apoderou de meu rosto.

71


— Ah, ele é tranquilo com amigos garotos... — Apenas não aqueles que matam os amigos dele. Eu esfreguei minha testa, suspirando. — De qualquer forma, como está Chad? — Meu garoto do momento? — Ela riu.— Ele é perfeito. Consegui manter a conversa sobre Chad e o quão perto eles estavam de chegar lá. Claro, Lesa quis saber sobre Daemon e eu, e eu me recusei a falar, para sua consternação. Ela admitiu querer viver através de mim. Depois de biologia, eu parei no meu armário, como de costume e tomei meu tempo para mudar os livros. Eu duvidava que Dee quisesse ver meu rosto. Os assentos no refeitório seriam super estranhos, e eu ainda estava irritada com Daemon. Até o momento que eu tinha acabado de pegar meus livros, o corredor estava vazio e o zumbido de conversa era distante. Fechei a porta do armário e o torci até a metade, fechando a aba na bolsa de mensageiro que minha mãe tinha me dado no Natal. Algo se moveu no final do corredor, uma vez vazio, saindo do que parecia ser nada. A figura alta e magra no final do corredor era obviamente masculina pelo olhar rápido, e ele estava usando um boné de beisebol, o que era estranho, porque isso era uma violação do código de vestimenta da escola. Era um daqueles bonés horríveis que os caras achavam legal uma vez em sua vida. Drifter estava escrito em negrito e por trás das palavras estava uma forma oval... que se parecia muito com uma prancha de surf. Meu pulso disparou e eu pisquei, dando um passo para trás. O cara tinha ido embora, mas a porta à esquerda estava lentamente se fechando. Não... não, não podia ser. Ele seria louco de voltar aqui, mas... Segurando minha bolsa com força para o meu lado, eu comecei a andar e então estava correndo antes que eu percebesse. Bati na porta, abrindo-a. Correndo pelas escadasr, eu olhava para cima. O cara misterioso estava no nível mais baixo, como se estivesse esperando na porta.

72


Eu podia ver o boné com mais clareza. Era definitivamente uma prancha de surf. Blake tinha sido um ávido surfista quando ele morava na Califórnia. Em seguida, uma mão bronzeada apareceu, como se a pessoa tivesse passado a vida sob o sol, em volta da maçaneta de prata, e uma onda de familiaridade levantou os cabelos minúsculos em meus braços. Oh, merda. Parte do meu cérebro desligou. Desci os três degraus de uma vez, minha respiração trancada no meu peito. O corredor estava mais lotado no primeiro andar com as pessoas indo para o refeitório. Ouvi Carissa chamar meu nome, mas eu estava focada na parte superior do boné movendo-se para o ginásio ea entrada dos fundos, levando aos estacionamentos. Corri em torno de um casal se beijando corredor, deslizei entre amigos conversando, e perdi de vista o boné por um segundo. Caramba. Todo mundo estava no meu caminho. Eu esbarrei em alguém, murmurando um pedido de desculpas, e continuei. Quando cheguei ao fim do corredor, o único lugar que ele poderia ter ido estava fora da porta. Eu não pensei duas vezes. Empurrando as pesadas portas duplas para abri-las, sai. Um céu muito nublado virou tudo de sombrio e frio, e quando os meus olhos percorreram a área comum e, além disso, os estacionamentos, percebi que ele tinha ido embora. Somente duas coisas neste mundo podiam se mover tão rápido: alienígenas e humanos mutados por alienígenas. E eu não tinha nenhuma dúvida em minha mente que eu tinha visto Blake, e ele queria que eu o visse.

73


E

Capitulo OITO

ncontrar Daemon não foi nada difícil. Ele estava recostado contra o mural pintado do mascote da escola no refeitório, conversando com Billy Crump, um garoto da nossa aula de trigonometria. Uma caixa de leite

estava em uma mão e um pedaço de pizza dobrada na outra. Que combinação nojenta. — Nós precisamos conversar.— eu disse, interrompendo a hora

dos garotos.

Daemon deu uma mordida em sua pizza enquanto Billy olhava

para mim. Deve ter sido algo em meu olhar, porque seu sorriso desapareceu e ele ergueu as mãos, apoiando-se lentamente. — Ok, bem, eu falo com você mais tarde, Daemon. Ele acenou com a cabeça, os olhos fixos em mim. — O que há, Kitten? Veio pedir desculpas? Meus olhos se estreitaram, e por um breve momento, eu alimentei a ideia de bater nele no meio do refeitório. — Uh, não, eu não estou aqui para pedir desculpas. Você me deve um pedido de desculpas. — Como você vê isso? — Ele tomou um gole do leite, parecendo ingenuamente curioso. — Bem, para começar, eu não sou uma idiota. Você é. Ele riu quando olhou para o lado. — Isso é um bom começo. —

E

eu

tirei

Dawson

do

seu

calcanhar.

Eu

sorri

vitoriosamente quando seus olhos se estreitaram.— E... Espere. Isto nem é importante. Deus, você sempre faz isso. — Fazer o quê? — Seu olhar intenso virou de volta para mim sem um traço de raiva. Mais como diversão e algo realmente impróprio, já que estávamos no refeitório. Querido Deus...

74


— Me distrair com futilidades. E no caso de você não saber o que isso significa, são besteiras, você sempre me distrai com alguma coisa boba. Ele terminou a pizza. — Eu sei o que significa futilidades. — Estou chocada. — retorqui. Um lento, sorriso de o-gato-pegou-o-canário curvou seus lábios. — Eu devo realmente distrair você, porque você ainda não me disse o que você precisa falar comigo. Caramba. Ele estava certo. Ugh. Respirando fundo, me concentrei. — Eu vi... Daemon segurou meu cotovelo, me virou e começou a descer o corredor. — Vamos para um lugar mais privado. Tentei puxar meu cotovelo de seu aperto. Eu realmente odiava quando ele era todo He-Man em mim e me ordenava a fazer as coisas. — Pare de me arrastar, Daemon. Eu posso andar sozinha, Doofus. — Uh huh. — Ele me levou ao fundo do corredor, parando nas portas do ginásio. Ele colocou as mãos em cada lado da minha cabeça, me prendendo quando ele se inclinou para baixo. Sua testa encostando na minha. — Posso dizer uma coisa? Eu balancei a cabeça. — Acho que é extremamente atraente quando você está toda mal-humorada comigo. — Seus lábios roçaram minha testa. — Isso provavelmente me diz que sou perturbado. Mas eu gosto disso. Sim, é um pouco errado, mas havia algo... sexy sobre a rapidez com que ele me defendia sempre que algo acontecia. Sua proximidade era tentadora, especialmente quando sua respiração estava tentadoramente quente e tão perto dos meus lábios. Invocando a minha força de vontade, eu coloquei minhas mãos em seu peito e o empurrei levemente.

75


— Concentre-se.— eu disse, não tendo certeza de com quem eu estava falando, eu ou ele.— Eu tenho algo mais importante a dizer do que as coisas perturbadoras que você acha atraente. Seus lábios se curvaram em um sorriso. — Ok, de volta para o que viu. Estou focado. Minha cabeça está no jogo e tudo mais. Eu ri baixinho, mas me recobrei muito rapidamente. Não tinha como Daemon responder bem a isto. — Eu tenho certeza que eu vi Blake hoje. Daemon inclinou a cabeça para o lado. — O que? — Eu acho que vi Blake aqui, a poucos minutos atrás. — Quão certa você está? Você viu o rosto dele? — Ele estava todo sério agora, os olhos afiados como os de um falcão e seu rosto definido em linhas sombrias. — Sim, eu vi...— Eu não tinha visto seu rosto. Mordendo meu lábio, olhei para o corredor. Os alunos empilhados fora da cafeteria, empurrando uns aos outros, rindo. Engoli em seco.— Eu não vi o rosto dele. Ele soltou um longo suspiro. — Okay. O que você viu? — Um boné... um tipo de caminhoneiro. — Deus, isso soou coxo. — E tinha uma prancha de surf nele. E eu vi a mão dele... — E isso soou ainda pior. Suas sobrancelhas se arquearam. — Então, deixe me ver se entendi direito. Você viu um boné e uma mão? — Sim.— Eu suspirei, ombros caindo. Daemon suavizou sua expressão e colocou um braço forte em volta do meu ombro. — Você tem certeza que era ele? Porque se não, tudo bem. Você tem estado sob muito estresse. Eu torceu o nariz.

76


— Eu me lembro de você dizer algo assim para mim antes. Sabe, quando você estava tentando esconder o que você era de mim. Sim, eu me lembro disso. — Agora, Kitten, você sabe que é diferente. — Ele apertou meus ombros. — Você tem certeza, Kat? Eu não quero deixar todos em pânico se você não tem certeza. O que eu tinha experimentado era mais um sentimento do que uma verdadeira aparição de Blake. Deus sabia que uma tonelada de garotos por aqui quebravam o código de vestimenta com atrocidades maiores que bonés. O problema era que eu não tinha visto seu rosto e olhando para trás, eu não poderia estar 100 por cento certa que tinha sido Blake. Eu olhei para o olhar brilhante de Daemon e senti meu rosto queimar. Não havia julgamento em seus olhos. Mais como simpatia. Ele pensou que eu estava rachando sob a pressão de tudo. Talvez estivesse imaginando coisas. — Eu não tenho certeza. — eu disse finalmente, lançando os olhos para baixo. E essas palavras azedaram meu estômago. ... Mais tarde naquela noite, Daemon e eu tínhamos trabalho de babá para fazer. Embora Dawson tivesse prometido não fazer sua própria missão de busca e salvamento, eu sabia que Daemon não estava confortável deixando-o sozinho e Dee queria sair hoje à noite, ir ao cinema ou algo assim. Eu não fui convidada. Em vez disso, estava sentado no meio de Daemon e Dawson, quatro horas de uma maratona zumbi de George Romero, com uma bacia de pipoca no colo e um caderno descansando contra o meu peito. Nós estávamos fazendo planos para procurar Beth, listando os dois lugares que sabíamos que verificar antes de decidir fazer a vigilância neste fim de semana para ver que tipo de segurança que tinha agora.

77


No início de Terra dos Mortos, os zumbis ficaram mais feios e mais inteligentes. E eu estava me divertindo. — Eu não tinha ideia de que você era um fã de zumbis. — Daemon pegou um punhado de pipoca. — Qual o problema... o sangue e tripas ou as conotações sociais na sua cara? Eu ri. — Principalmente o sangue e tripas. — Isso é tão garotinha de vocês. — comentou Daemon, sobrancelhas arqueadas quando um zumbi começou a usar seu cutelo para quebrar através de uma parede.— Eu não sei sobre isso. Quantas horas faltam? Dawson levantou o braço e dois DVDs saíram de sua mão. — Uh, temos Diário dos Mortos e Sobrevivência dos Mortos. —Ótimo. — Daemon murmurou. Revirei os olhos. — Covarde. — Que seja. — Ele me deu uma cotovelada, fazendo que um grão de pipoca voasse entre meu peito e caderno. Eu suspirei. — Quer que eu pegue isso para você?— ele perguntou. Atirei um olhar para ele, me abaixei e peguei e, em seguida, joguei na cara dele. — Você vai ser grato quando acontecer o apocalipse zumbi e eu saber o que fazer por causa do meu fetiche zumbi. Ele parecia duvidoso. — Existem melhores fetiches lá fora, Kitten. Eu poderia mostrar alguns. — Uh, não, obrigada. — Mas eu corei. E havia um monte de imagens que, de repente poluíram meu cérebro. — Você não deveriam ir para a Costco ou algo mais próximo? — Perguntou Dawson, deixando os DVDs flutuarem de volta para a mesa de café.

78


Daemon virou-se para seu irmão gêmeo, lentamente, o rosto incrédulo. — E como você sabe disso? Ele deu de ombros. — Está no Guia de Sobrevivência Zumbi. —É.— Eu balancei a cabeça ansiosamente.— Costco tem tudo: grossas paredes, alimentos e suprimentos. Eles até vendem armas e munições. Você poderia ficar lá em cima durante anos, enquanto os zumbis estão comendo por aí. A boca de Daemon caiu aberta. — O quê? — Eu sorri. — Zumbis tem que comer, também, sabe. — É verdade sobre a coisa de Costco. — Dawson pegou uma única pipoca e colocou-a na boca. — Mas nós poderíamos só explodir os zumbis. Estaríamos bem. — Ah, bom argumento. — Eu procurei em volta da tigela por uma pipoca meio estourada – minha favorita. — Estou cercado de malucos — Daemon disse, parecendo surpreso quando ele balançou a cabeça, mas eu sabia que estava secretamente emocionado. Por um lado, seu corpo estava completamente relaxado ao meu lado e esta foi uma das primeiras vezes em que Dawson estava agindo... normal. Sim, falar sobre zumbis, provavelmente, não era o maior passo conhecido pela humanidade, mas era alguma coisa. Na tela plana, um zumbi levou um pedaço do braço de um cara. — Que diabos?— Daemon reclamou. — O cara só ficou lá.Alôôô. Tem zumbis por toda parte. Tente olhar para trás, idiota. Eu ri. — É por isso que filmes de zumbis são inacreditáveis para mim. — ele continuou. — Okay. Dizem que o mundo acaba em uma tempestade de merda de zumbis. A última coisa que qualquer um com duas células cerebrais faria é ficar parado ao longo de um edifício à espera de um zumbi subir em cima dele. Dawson abriu um sorriso.

79


— Cale a boca e assista ao filme — eu disse. Ele ignorou isso. — Então, você realmente acha que você se daria bem em um apocalipse zumbi? — Sim.— eu disse.— Eu totalmente salvaria sua bunda. — Oh, sério? — Ele olhou para a tela. Então ele desapareceu e alguma coisa... outra coisa o substituiu. Gritando, eu me empurrei para Dawson. — Oh, meu Deus... A pele de Daemon era de um medonho cinza e se soltando de seu rosto. Manchas de pele marrom decadente cobriam as maçãs do rosto. Um dos seus olhos era apenas... um buraco. O outro era vidrado e de branco leitoso. Tufos de cabelos estavam faltando. Daemon Zumbi deu um sorriso podre, cheio de dentes. — Salvar a minha bunda? Sim, eu não penso assim. Eu só podia olhar. Dawson realmente riu. Não sei o que foi mais chocante: isso ou ter um zumbi sentado ao meu lado. Sua forma desapareceu e, em seguida, ele estava de volta — lindo, maçãs do rosto esculpidas e cabeça cheia de cabelos. Graças a Deus. — Eu acho que você seria horrível em um apocalipse zumbi — disse ele. —

Você...

você

está

perturbado

eu

murmurei,

cuidadosamente me sentando ao lado dele. Com um sorriso maroto, ele estendeu a mão para a tigela e veio vazio. Algumas pipocas deviam estar no chão. Sentindo os olhos em mim, olhei para Dawson. Ele estava olhando para nós, mas eu não tinha certeza se ele estava mesmo nos vendo. Havia uma expressão de lembrança em seus olhos, manchada pela tristeza e algo mais. Determinação? Eu realmente não sabia, mas por um segundo, a tonalidade verde se iluminou, não

80


mais aborrecida e apática, e ele parecia tanto com Daemon que dei uma respiração superficial. Então ele balançou a cabeça e desviou o olhar. Olhei para Daemon e eu sabia que ele tinha notado. Ele deu de ombros. — Alguém quer mais pipoca? — Ele perguntou. — Temos corante alimentar. Eu posso deixar isso vermelho para você. — Mais pipoca, menos o corante, por favor. — Quando ele pegou a tigela e se levantou, eu o peguei esgueirando um olhar aliviado para o irmão. — Quer que eu pause o filme? Seu olhar me disse que não e eu ri novamente. Daemon caminhou para fora da sala, parando na porta quando os zumbis caíram na água. Então ele balançou a cabeça novamente e saiu. Ele não estava me enganando. — Acho que ele secretamente gosta de filmes de zumbis.— Dawson disse, olhando para mim. Eu sorri para ele. — Eu estava pensando a mesma coisa. Ele tem que gostar, já que ele é gosta de coisas de fantasma. Dawson assentiu. — Costumávamos gravar os shows e passar o dia todo do sábado assistindo. Parece horrível, mas era divertido. — Houve uma pausa e seu olhar cintilou de volta à TV. - Eu sinto falta disso. Meu coração se penalizou por ele e Daemon. Eu olhei para a tela, mordendo meu lábio inferior. — Você sabe, ainda pode fazer isso. Ele não respondeu. Pergunto-me se o problema era que Dawson não estava confortável sozinho com Daemon. Havia definitivamente um monte de bagagem entre os dois. — Eu adoraria assistir a alguns deles neste sábado, antes de olharmos os prédios.

81


Dawson ficou em silêncio quando cruzou as pernas na altura dos tornozelos. Eu tinha certeza que ele não ia responder, simplesmente ignorar o que eu ofereci, e eu estava bem com isso. Pequenos passos e tudo mais. Mas então ele falou. — Sim, isso seria legal. Eu... eu posso fazer isso. Surpresa, minha cabeça girou para Dawson. — Sério? — Sim.— Ele sorriu. Era fraco, mas era um sorriso. Feliz com isso, eu balancei a cabeça e, em seguida, voltei minha atenção para o sangue. Mas eu vi Daemon de pé do lado de fora da sala. Meu olhar foi atraído para o dele, e eu dei uma respiração instável. Ele ouviu tudo. Alívio e gratidão se derramavam dele. Ele não precisava dizer nada. O agradecimento estava em seu olhar, na forma como as suas mãos se agitaram em volta da bacia de pipoca doce. Ele entrou na sala e se sentou, colocando a bacia no meu colo. Então ele estendeu a mão, pegou a minha mão na sua, e ficou assim o resto da noite. ... Durante o próximo par de dias, cheguei a aceitar que eu provavelmente tinha pirado na segunda-feira. Não houve mais aparições do boné de caminhoneiro, e, em seguida, na quinta-feira, a coisa toda de Blake tornou-se uma questão. Dawson havia retornado ao PHS. — Eu o vi esta manhã. — disse Leso em trigonometria, seu corpo praticamente cantarolando com excitação. — Ou pelo menos eu acho que eu vi. Realmente poderia ter sido Daemon, mas esse cara era mais magro. Para mim, era fácil distinguir os dois irmãos. — Era Dawson.

82


— Essa é a coisa estranha. — Um pouco do entusiasmo desapareceu. — Dawson e eu nunca fomos melhores amigos, mas ele foi sempre cordial. Eu fui até ele, mas ele continuou andando como se não tivesse sequer me visto. E ei, eu sou difícil de não notar. Minha personalidade borbulhante é como uma pessoa gritando. Eu ri. — Tão verdade. Lesa sorriu. — Mas, falando sério, algo... algo estava errado com ele. — Oh?— Meu pulso acelerou. Havia algo sobre Dawson que os seres humanos poderiam sentir?— O que você quer dizer? — Eu não sei. — Ela olhou para frente da sala de aula, com os olhos viajando sobre as fórmulas desbotadas rabiscadas no quadronegro. Seus cachos derramados em volta de seu ombro. —É difícil de explicar. Não havia muito tempo para conversar sobre o que ela queria dizer. Carissa chegou na aula e, em seguida, Daemon. Ele colocou um copo de mocha latte na minha mesa. Canela permeava o ar. — Obrigada. — Eu segurei o copo quente. — Onde está o seu? — Sem sede esta manhã. — disse ele, girando a caneta. Ele olhou por cima do meu ombro. — Olá, Lesa. Lesa suspirou. — Preciso de um Daemon. Virei-me para ela, incapaz de esconder o meu sorriso. — Você tem um Chad. Ela revirou os olhos. — Ele não me traz lattes. Daemon riu. — Nem todo mundo pode ser tão grande como eu sou. Agora eu revirei os olhos. — Olha o ego, Daemon, olha o ego. Do outro lado do corredor, Carissa brincava com seus óculos, seus olhos sérios e sombrios quando ela olhou para Daemon.

83


— Eu só queria dizer que eu estou feliz pelo retorno de Dawson e tudo mais. — Duas manchas vermelhas floresceram nas bochechas dela. — Deve ser um grande alívio. Daemon assentiu. —É. Falar de seu irmão terminou ali mesmo. Carissa virou-se e, apesar de Lesa raramente deixar temas difíceis a desanimarem, ela não continuou a nossa conversa. Mas depois da aula, quando Daemon e eu navegamos pelo corredor, as pessoas quase ficaram paradas. Todo mundo estava olhando para Daemon e havia um monte de sussurros. Alguns tentaram ficar quietos. Outros não parecem se importar. — Você viu? — Dois deles de novo... — Tão estranho ele voltar sem Beth... — Onde está a Beth...? — Talvez ele voltou por causa de Adam... A fábrica de fofocas no seu melhor, percebi. Eu tomei um gole do meu mocha ainda quente e espiei Daemon. A curva de sua mandíbula estava dura. — Uh, talvez isso não foi uma boa ideia. Sua mão repousava nas minhas costas enquanto ele segurava a porta para a escada. — Agora, o que te faz pensar isso? Ignorei seu sarcasmo. — Mas, se ele não voltasse, o que era que ele deveria fazer? Daemon ficou ao meu lado quando fomos para o segundo andar, ocupando a maior parte do espaço apertado. Os garotos tinham de se apertar para passar por ele. E eu realmente não tinha ideia para onde ele estava indo. Sua turma era no primeiro andar. Ele se inclinou para baixo, mantendo a voz baixa. — Foi uma ideia ruim e boa. Ele precisa voltar para o mundo. Vai haver confusão, mas vale a pena.

84


Eu balancei a cabeça. O que ele disse era verdade. Na porta de minha aula de Inglês, ele tomou um gole do meu café e entregou-o de volta. — Vejo você na hora do almoço. — disse ele, beijando-me brevemente antes de girar. Meus lábios formigavam quando vi a parte de trás de sua cabeça escura desaparecer, e depois eu fui para a aula. Tanta coisa estava acontecendo que a concentração estava praticamente fora de questão. A professora me chamou em um ponto, e eu não percebi. A classe inteira percebeu, no entanto. Estranho. Acabou que Dawson estava na minha aula de biologia, e cara, se ele não tinha todos os olhos sobre ele. Ele estava sentado ao lado de Kimmy quando eu passava. Ele balançou a cabeça e voltou a folhear seu livro. Os olhos de seu colega de mesa eram como duas luas. Será que ele recebeu qualquer tipo de educação enquanto ele estava longe? Não que isso importasse. Os Luxen se desenvolviam mentalmente muito mais rápido do que os humanos. Faltar mais de um ano de escola provavelmente não significava nada para ele. — Viu? — Lesa virou assim que me sentei atrás dela. — Viu o quê? — Dawson — ela sussurrou. — Esse não é o Dawson que me lembro. Ele estava sempre conversando e rindo. Nunca lendo um livro de biologia. Eu dei de ombros. — Ele provavelmente passou por algumas coisas malucas.— Não é uma mentira. — E provavelmente é desconfortável para ele estar de volta aqui com todo mundo olhando para ele. — Também não era uma mentira. — Eu não sei. — Ela puxou sua mochila quando ela olhou para a mesa de Dawson.— Ele está mais mal-humorado do que Daemon costumava ser. — secamente.

85

Daemon

era

mal-humorado?—

Eu

disse

um

pouco


— Bem, não tão simpático, eu acho. Ele meio que prendia a si mesmo antes. — Ela encolheu os ombros. — Oh! Aliás, o que diabos está acontecendo com Dee para ela sair com o Esquadrão Cadela? Esquadrão cadela era um nome de código que Lesa tinha dado para Ash e Andrew quando eu comecei no PHS. Em algum ponto, aposto que Daemon foi parte desse grupo. — Ah — eu disse, de repente querendo ler o meu livro de biologia. Sempre que pensava em Dee, eu queria chorar. Nossa amizade tinha tomado um desvio acentuado para Terminanopólis. — Eu não sei. Ela está... diferente desde Adam. — Não. Merda. — Lesa balançou a cabeça. — Seu processo de luto é assustador. Eu tentei falar com ela ontem em seu armário, e ela olhou para mim, não disse nada, e depois se afastou. — Ouch. — Sim, ela realmente machucou meus sentimentos. — Como eu já... A porta da sala se abriu quando o sinal tocou ea primeira coisa que notei foi a camisa vintage de Nintendo sobre uma blusa cinza. Eu amei a camiseta. Em seguida, o cabelo cor de bronze bagunçado e olhos castanhos. Meu coração parou, começou um zumbido nos meus ouvidos e transformando-se em um rugido. O ar foi sugado direto para fora da sala. Eu esperava que Will voltasse, mas não... ele. — Oh. Olha quem está aqui.— Lesa disse, alisando as mãos sobre o caderno. — Blake.

86


E

Capitulo NOVE u tinha que estar sonhando, porque isso não podia ser real. De jeito nenhum. Absolutamente não. Não era Blake passeando na sala de aula como se fosse qualquer outro dia. Nem Matthew derrubando sua pilha de notas. Olhei para Dawson antes de perceber

que ele não sabia de nada. Ele nunca tinha visto Blake. — Você está bem, Katy? Parecendo um pouco assustada —

disse Lesa.

Meus olhos dispararam para o dela violentamente.

— Eu...

Um segundo depois, Blake estava pegando seu assento... seu assento ao meu lado. O resto da classe desfocou. Fiquei estupidamente impressionada pelo seu reaparecimento. Ele colocou o livro sobre a mesa e recostou-se na cadeira, cruzando os braços. Lançando-me um olhar de soslaio, ele piscou. Que diabos...? Desistindo de esperar para eu terminar o que eu estava dizendo, Lesa virou, sacudindo a cabeça. — Eu tenho amigos estranhos — ela murmurou. Blake não disse nada enquanto Matthew recolhia os papéis espalhados. Meu coração já estava correndo tão rápido que eu tinha certeza de que eu iria ter um AVC a qualquer segundo. As pessoas estavam olhando, mas eu não conseguia tirar os olhos de Blake. Finalmente, eu encontrei a minha voz. — O que... o que você está fazendo? Ele olhou para mim, mil segredos entre as manchas verdes em seu olhar. — Indo para a aula.

87


— Você... — Não havia palavras. E então o choque passou, substituído por um pico de raiva tão poderoso e tão quente que eu senti uma corrida estática sobre a minha pele. — Seus olhos. — Blake murmurou, com um sorriso brincando com seus lábio — Estão começando a brilhar. Fechando os olhos, eu me esforçava para controlar minhas emoções turbulentas. Quando eu tinha cerca de 40 por cento de certeza que eu não ia saltar sobre ele como um macaco e agarrar seu pescoço, reabri os olhos. — Você não deveria estar aqui. — Mas eu estou. Este não era o momento para comentários evasivos. Olhei para a frente da sala de aula e vi Matthew escrevendo no quadro-negro, com o rosto pálido. Ele estava falando, mas eu não ouvi nada. Coloquei meu cabelo para trás de uma orelha e mantive a minha mão lá. Qualquer coisa para me impedir de bater em Blake, porque era uma possibilidade real de que eu fizesse. — Nós demos a você uma chance. — Eu mantive minha voz baixa. — Nós não vamos fazer isso de novo. — Mas eu acho que você vai. — Ele se inclinou sobre o pequeno espaço, chegando perto demais e fazendo com que meus músculos travassem. — Logo que você ouvir o que tenho para oferecer. Uma

risada

enlouquecida

borbulhou

emminha

garganta

enquanto eu mantive meus olhos fixos em Matthew. — Você está tão, tão morto. Lesa olhou por cima do ombro interrogativamente. Forcei um sorriso. — Falando de mortos. — ele murmurou logo que Lesa tinha se virado. — Eu vejo que um gêmeo perdido voltou. — Ele pegou sua caneta e começou a escrever. — Eu aposto que Daemon está tão emocionado. Ah, o que me lembra, eu tenho certeza de que foi ele que transformou você.

88


Minha mão mais próxima a ele se fechou. Uma luz branca fraca dançou sobre os nós dos dedos, sacudindo como o núcleo de uma chama. O conhecimento de quem me transformou era perigoso. Além das ramificações que Daemon iria enfrentar na comunidade Luxen, o DOD poderia usá-la contra nós. Assim como eles tinham usado Dawson e Bethany. — Cuidado — disse ele. — Eu posso ver que você ainda precisa trabalhar em sua raiva. Eu atirei-lhe um olhar escuro e promissor. — Por que você está aqui? De verdade? Ele colocou o dedo sobre os lábios. — Shhh. Eu preciso aprender sobre... — Ele olhou para o quadro, estreitando os olhos em concentração. — Diferentes tipos de organismos. Isso. — Levou todo o meu autocontrole para me sentar na classe. Mesmo Matthew parecia que estava tendo problemas, esquecendo-se do que falar em sua palestra a cada dois minutos. Eu peguei o olhar de Dawson uma vez e gostaria de poder me comunicar com ele... Espere. Eu não poderia me comunicar com Daemon? Nós tínhamos feito isso antes, mas ele sempre esteve em sua forma Luxen quando isso aconteceu. Tomando uma respiração superficial, eu abaixei meu olhar para as linhas borradas no meu caderno e concentrou-me tão forte quanto podia. Daemon? O espaço entre os meus ouvidos zumbiam como uma TV no mudo.

Nenhum

som

perceptível,

mas

um

zumbido

de

alta

frequência.Daemon? Eu esperei, mas não houve resposta. Frustrada, soltei um suspiro. Eu precisava encontrar uma maneira de avisá-lo que Blake estava de volta, tipo, realmente de volta à escola. Imaginei que Dawson poderia começar a falar com ele, mas não havia como dizer como Dawson agiria se eu me levantasse para ir ao banheiro e dissesse a ele que o babaca do meu lado era Blake.

89


Olhei para o idiota. Nenhuma dúvida sobre isso, Blake era bonito. Ele balançou o cabelo todo desordenado e tinha a pele dourada de surfista. Mas sob aquele sorriso fácil espreitava um assassino. No momento em que a campainha tocou, eu juntei minhas coisas e me dirigi para a porta, atirando um olhar para Matthew. De alguma forma ele parecia saber, porque ele parou Dawson — e eu esperava — que conseguisse impedir Dawson de jogar Blake de uma janela na frente de todos, uma vez que Matthew sabia quem Blake era. O período de almoço era o seguinte, mas eu busquei pelo meu celular na minha bolsa mensageiro. Eu dei cerca de três passos antes que Blake me perseguisse por trás de mim no corredor e segurasse meu cotovelo. — Nós precisamos conversar — disse ele. Tentei puxar meu braço para libertá-lo. — E você precisa me deixar ir. — Ou o quê? Você vai fazer alguma coisa sobre isso? — Sua cabeça inclinou para mim e senti o cheiro familiar de sua loção pósbarba. — Não. Porque você sabe o que o risco de exposição significa. Eu cerrei os dentes. — O que você quer? — Só conversar. — Ele me conduziu para uma sala de aula vazia. Uma vez dentro, afastei meu braço para libertá-lo, ele trancou a porta. — Olhe... Agindo por instinto, eu deixei cair a minha bolsa no chão e deixar a Source subir através de mim. Luz branca e vermelha se espalhou por meus braços, estalando no ar. A bola de luz branca do tamanho de uma bola de beisebol se construiu em cima da minha mão. Blake revirou os olhos. — Katy, eu só quero conversar. Você não precisa... Eu soltei a energia. A luz atravessou a sala em um raio. Blake correu para fora do caminho e a luz bateu no quadro-negro. A intensidade derreteu a lousa verde no meio e o cheiro de queimado encheu o ar.

90


A Source se construiu em mim de novo, e desta vez eu não ia perder. Ela correu pelos meus braços para as pontas dos dedos. Naquele momento, eu realmente não sabia se era poderosa o suficiente para matar Blake ou apenas fazer alguns danos sérios. Ou talvez eu fizesse e eu só não queria admitir isso. Correndo atrás de uma mesa de carvalho enorme, Blake levantou a mão. Todas as cadeiras à esquerda de mim voaram para a direita, batendo em minhas pernas e me acertando. Meu objetivo era soltar uma bola de energia sobre a cabeça de Blake, mas acertei no relógio circular acima do quadro. Ele explodiu em uma centena de peças deslumbrantes de plástico e vidro que choveram... E, em seguida, as peças pararam no ar, penduradas ali como se ligadas a fios invisíveis. Abaixo delas, Blake se endireitou, os olhos luminosos. — Merda — eu sussurrei, meu olhar correndo para a porta. Não tinha como chegar lá se ele tivesse congelado as peças, provavelmente tudo estava congelado. A porta. As pessoas de fora da sala, eu imaginava. — Você já terminou? — A voz de Blake foi dura em meus ouvidos. — Porque você vai se cansar daqui a poucos segundos. Ele tinha um ponto. Seres humanos mutantes não possuem as reservas de energia como os Luxen. Então, quando eles usavam suas habilidades, eles se cansavam muito rapidamente. Havia também o fato de que mesmo que na noite que acertei Blake até que ele caiu, Daemon estava lá e nos alimentamos mutuamente. Mas isso não quer dizer que eu ia ficar ali e deixar que Blake fizesse o que ele planejou. Eu dei um passo para frente e as cadeiras reagiram em defesa. Elas se lançaram no ar, me forçando para trás quando se empilharam umas sobre as outras, formando um círculo em volta de mim, que atingiu o teto. Levantando minhas mãos, eu imaginei as cadeiras voando para longe. Coisas se movendo era fácil para mim agora, então, em teoria, ela

91


deviam ser atiradas para Blake como balas. Elas começaram a tremer e caíram longe de mim. Blake recuou e a parede de cadeiras balançou, mas não se mexeu. Eu mantive a imagem delas se afastando de mim, aproveitando a energia estática dentro de mim até que um pulsar forte cortou minhas têmporas. A dor aumentou até que deixei meus braços caírem. Meu coração disparou quando me virei. Presa, envolta em uma tumba de cadeiras. — E eu aposto que você não tem praticado? — Com as lacunas de cadeiras, o vi se aproximando. — Eu não quero te machucar. Andei

em

um

pequeno

círculo,

arrastando

respirações

profundas. Minhas pernas pareciam gelatina, a pele seca e quebradiça. — Você matou Adam. — Eu não queria. Você tem que acreditar que a última coisa que eu queria era que alguém se machucasse. Minha boca caiu aberta. — Você ia me entregar! E alguém ia se machucar, Blake. — Eu sei. E você não tem ideia de como eu me sinto terrível sobre isso. — Ele me seguiu no outro lado do muro. — Adam era um cara legal. — Não fale sobre ele! — Eu parei, mãos em punhos fracos, inúteis. — Você não deveria ter voltado. Blake inclinou a cabeça para o lado. — Por quê? Porque Daemon vai me matar? Eu espelhei seus movimentos. — Porque eu vou matar você. A sobrancelha dele se arqueou e curiosidade marcou seus traços. — Você já teve a sua chance, Katy. Matar não é a sua natureza. — Mas é a sua, não é? — Eu recuei, verificando as cadeiras. Elas se estreitaram um pouco. Blake pode ter mais experiência com essas coisas, mas ele se cansava também. — Qualquer coisa para proteger o seu amigo?

92


Ele soltou um longo suspiro. — Sim. — Bem, eu vou fazer de tudo para proteger os meus. Houve uma pausa. Durante esses segundos, os pedaços quebrados do relógio caíram. Eu fiz uma pequena dança da vitória por dentro. — Você mudou — ele disse finalmente. Parte de mim queria rir, mas a ação ficou presa na minha garganta. — Você não tem ideia. Voltando para as cadeiras, ele passou a mão pelo seu cabelo bagunçado. — Isso é bom, porque talvez você vá entender a importância do que estou prestes a lhe oferecer. Meus olhos se estreitaram. — Não há nada que você pode oferecer. Um sorriso irônico apareceu em seus lábios — a boca que eu tinha beijado uma vez. Bile picou fundo na minha garganta. — Eu estive observando a todos por dias. No começo eu não era o único, mas você sabe disso. Ou pelo menos sua janela do quarto, sabe. Ele cruzou os braços quando percebeu que tinha toda a minha atenção. — Eu sei que Dawson está tentando encontrar Beth, mas ele não sabe por onde procurar. Eu sei. Ela está sendo mantida com Chris. Eu parei de andar. — Onde é isso? Blake riu. — Como se eu fosse te dizer, quando é a única coisa que poderia me manter vivo. Concorde em me ajudar a livrar Chris, e eu vou ter certeza de que Dawson encontre Beth. Isso é tudo que eu quero.

93


Sem palavras, eu pisquei. Ele estava pedindo a nossa ajuda depois de tudo? Aquele riso louco estava se formando novamente e ele saiu desta vez, rouco e baixo. — Você está pirando. Sua expressão caiu em uma carranca. — O DOD pensa que eu sou o híbrido perfeito deles. Pedi para ficar aqui por causa da comunidade de Luxen e a probabilidade de um outro ser mutante. Eu sou o seu espião. E eu posso levá-los para o local onde estão sendo presos. Eu sei onde eles estão, em que andar eles estão, e qual cela. E mais importante, eu conheço as suas fraquezas. Ele não podia estar falando sério. As cadeiras no topo vacilaram, e eu sabia que eu estava a segundos de distância de ser enterrada sob as malditas coisas. — Sem mim, você nunca vai encontrá-la e tudo o que você vai fazer é andar direto nas mãos do Deadalus. — Ele deu outro passo para trás. Por cima do ombro, o ar estava distorcido em ondas. O tipo de poder que ele estava jogando fora... — Você precisa de mim — disse ele. — E sim, eu preciso de vocês. Eu não posso pegar Chris sozinho. Ok, ele estava falando sério. — Por que no mundo nós confiaríamos em você? — Você não tem escolha. — Ele limpou a garganta e as cadeiras sacudiram. Meu olhar caiu. As pernas na parte inferior dobradas em direção a ele. — Você nunca vai encontrá-la, e Dawson vai acabar fazendo uma loucura. — Nós vamos nos arriscar. — Eu estava com medo que você dissesse isso. — Blake pegou minha bolsa e colocou-a sobre a mesa do professor. — Ou vocês me ajudam ou eu vou ligar para Nancy Husher e contar o quão poderosa você é. — Ao som de seu nome, eu respirei fundo. Nancy trabalhava para o DOD e, provavelmente, para Daedalus. — Eu nunca voltei a falar com ela e já que Vaughn estava trabalhando com Will Michaels, nem ele — continuou ele.— Ela acha que sua mutação deu errado. E entregar

94


esse tipo de informação pode salvar a minha bunda. Talvez não, mas de qualquer forma, eles vão vir para você agora. E antes que você pense que se livrar de mim corrige isso, está errada. Eu tenho uma mensagem que será entregue para ela, se alguma coisa acontecer comigo, que diz do que você é capaz e expõe Daemon como aquele que a transformou. Sim, eu já pensei em tudo. A raiva travou dentro de mim e as cadeiras realmente começaram a tremer. Em segundos, ele tinha arrancado tudo o que eu realmente tinha me dado força, deixando-me impotente. — Seu rato bastardo... — Eu sinto muito. — Ele estava na porta agora, e meu Deus, eu era uma idiota, porque ele parecia e soava sincero. — Eu não queria que chegasse a isso, mas você entende, não é? Você até mesmo disse. Você vai fazer qualquer coisa para proteger seus amigos. Nós realmente não somos tão diferentes, Katy. Então ele abriu a porta e saiu. A parede de cadeiras se desintegrou, derramando pelo chão. Meio irônico como elas caíram em cima de si mesmas, assim como toda a minha vida estava em colapso sobre si mesma.

95


E

Capitulo DEZ

m transe, sai da sala de aula destruída e percorri até o meio da sala antes que a porta da escada se abrisse de um golpe e Daemon passasse por ela. Seus olhos eram de um verde incrivelmente brilhante

quando o seu olhar caiu sobre mim, e ele levou cerca de quatro passos até estar na minha frente, segurando meus ombros. Atrás dele estavam Matthew e um ligeiramente Dawson, mas Daemon... Eu nunca o tinha visto tão furioso, isso dizia algo. — Nós estivemos procurando você por toda parte. — disse ele, a mandíbula apertada. Matthew apareceu ao nosso lado. — Você viu onde ele foi? Blake? Como se eu precisasse do esclarecimento. Então eu percebi que ele não sabia que eu tinha estado com ele. Quanto tempo se passou naquela sala? Parecia horas, mas poderia ter sido apenas minutos. E se Blake tinha congelado todos fora da sala, os outros Luxen saberiam, porque não teria afetado eles. Então, Blake não deve ter afetado alguma coisa fora da sala. Engoli em seco, sabendo que a reação de Daemon ia ser épica. — Sim, ele... queria conversar. Daemon ficou rígido. — O quê? Olhei nervosamente para Matthew. Sua expressão era serena em relação à raiva fervendo no olhar de Daemon. — Ele está nos observando. Eu não acho que ele foi embora mesmo. Daemon deixou cair as mãos e recuou, empurrando os dedos pelo cabelo.

96


— Eu não posso acreditar que ele está aqui. Ele quer morrer. Confusão escorregou pela expressão de Dawson, substituída por curiosidade quando ele avançou perto de seu irmão gêmeo. — Por que ele estava nos observando? E aí vem o chute, pensei. — Ele quer que nós o ajudemos a encontrar Chris. Daemon virou tão rápido que ele teria distendido um músculo se fosse humano. — Como é? Tão rápido quanto eu podia, contei a eles o que Blake havia dito, deixando de fora a parte sobre entregar Daemon e eu para Nancy. Eu percebi que era algo melhor se comunicado em particular. Boa chamada, porque Daemon quase foi para o modo Luxen lá mesmo. Matthew balançou a cabeça. — Ele... ele não pode pensar que vamos confiar nele. — Eu acho que ele não se importa se confiamos. — disse, colocando meu cabelo para trás. Tudo o que eu queria fazer era sentar e comer uma caixa de biscoitos de açúcar, minhas mãos começavam a tremer de exaustão. — Mas será que ele realmente sabe onde eles estão mantendo Beth? — Os olhos de Dawson eram febris. — Eu não sei. — Me encostei em um armário. — Não há como saber com ele. Dawson disparou para a frente, de repente na minha cara. — Ele disse alguma coisa, qualquer coisa que podemos usar para encontrá-la? Eu pisquei, surpresa com sua animação repentina. — Não. Não realmente. Eu... — Pense. — Dawson ordenou, cabeça abaixada. — Ele tem que ter dito algo, Katy. Daemon apertou o ombro de seu irmão, empurrando-o para longe. — Se afaste, Dawson. Eu falo sério.

97


Ele deu de ombros tirando a mão de Daemon, seu corpo rígido. — Se ele sabe... — Não vá por esse caminho. — Daemon interrompeu. — Ele foi enviado aqui pelo DOD para determinar se Kat era um experimento viável. Para fazer com ela o que eles estão fazendo para Beth. Ele matou Adam, Dawson. Não vamos trabalhar com... Minhas pernas começaram a tremer, e eu balancei um pouco para a esquerda. Eu realmente não podia sequer começar a imaginar como Daemon sabia, mas ele se virou para mim antes que eu pudesse me arrumar. Braços fortes envolveram minha cintura, me colocando ao seu lado. As sobrancelhas de Daemon eram barras escuras acima de seus olhos. — O que há de errado? Minhas bochechas ficaram vermelhas. — Eu estou bem. Realmente, eu estou. — Você está mentindo. — Sua voz caiu baixa, perigosa. — Você lutou com ele? — E então sua voz ficou ainda mais baixa e um arrepio percorreu minha espinha. — Ele tentou machucá-la? Porque eu juro, eu vou despedaçá-lo por este estado. — Eu estou bem. — Eu tentei me soltar, mas seu braço era como um aperto inquebrável. — Eu fui mais sobre atacar primeiro, e perguntar depois. Eu me cansei, mas ele não me machucou. Daemon não parecia convencido, mas ele voltou sua atenção para o irmão. — Eu sei que você quer acreditar que Blake pode nos ajudar de alguma forma, mas ele não pode ser confiável. Dawson desviou o olhar, um músculo assinalando em seu maxilar. Frustração rolou fora dele em ondas. — Daemon está certo. — Matthew plantou as mãos nos quadris. No final do corredor, a porta se abriu e dois professores entraram, carregando xícaras fumegantes e papéis. — Mas este não é o lugar para discutir nada disso. Depois da escola, na sua casa.

98


E com isso, ele girou em outra direção e saiu. — Eu sei o que você vai dizer. — Dawson disse rispidamente. — Eu não vou fazer nada imprudente. Prometi a vocês dois e eu vou manter minha parte do acordo. É melhor manter a de vocês. Daemon não ficou aliviado quando viu a cabeça de Dawson ir na direção oposta. — Isso não é bom. — disse ele. — Você não tem ideia. — Eu olhei para ele e esperei que os professores desaparecem em suas salas de aula.— Confiar em Blake pode ser um ponto discutível. Seus olhos se estreitaram quando ele se virou, inclinando seu corpo como se ele estivesse me protegendo. — O que você está dizendo? Rezei para que ele não perdesse o controle. — Blake confirmou o que Will havia dito. O DOD e Daedalus acreditam que a minha mutação deu errado. Uma boa notícia, certo? Mas

ele

está

desesperado,

mais

do

que

percebemos.

Se

não

concordarmos em ajudá-lo, ele pretende nos entregar. A reação de Daemon foi como esperado. Havia agora um punho fechado atravessando o armário ao lado de nós, e eu agarrei o braço dele, arrastando-o para a escada nas proximidades antes dos professores começarem a inspecionar a origem do barulho. Raiva impotente infiltrava no ar e caia sobre ele como um cobertor. Ele sabia o que eu não estava disposto a dizer ainda. Como com Will, que tinha nos enganado e chateado outra vez, e o que poderíamos fazer? Recusar a ir junto com Blake e sermos entregues? Ou confiar em alguém que já tinha provado que não era digno de tal coisa? Deus, estávamos ferrados no décimo grau. Eu poderia dizer que Daemon queria abandonar a escola e procurar por todo o estado, mas que também não queria me deixar sozinha... não importa o quão duro eu trabalhei para convencê-lo de que, de todos os lugares, eu estava mais segura na escola. Porque

99


aparentemente eu não estava, não quando Blake estava de volta, agindo como um estudante normal. E Blake sabia que, enquanto ele ficasse perto de pessoas, não havia nada que pudéssemos fazer. Durante o resto do dia, eu esperava ver Blake novamente, mas não vi. Quando o sino final tocou, eu não estava surpresa quando Daemon me encontrou no meu armário. — Vou voltar para casa com você — disse ele. — Claro. — Sem motivo para discutir sobre isso. — Mas como é que Dolly vai chegar em casa? Ele abriu um sorriso, amando quando eu chamava o carro dele pelo seu nome estúpido. — Eu vim com Dee esta manhã. Andrew e Ash vão com ela para casa. Deixei aquilo se afundasse em mim, me perguntando quando Dee ficou tão próxima deles. Ela nunca tinha sido uma grande fã deles e suas tendências de odiar humanos. Tanta coisa havia mudado, e eu sabia que ainda não tinha visto o espectro completo ainda. — Você acha que ele realmente vai nos entregar? — Eu perguntei quando estávamos dentro do meu sedan. Lá fora, as árvores nuas que cercam o estacionamento sacudia como milhares de ossos secos. — Ele está obviamente desesperado. — Daemon tentou esticar as pernas compridas, resmungando. — Blake já matou para proteger seu amigo, e a única maneira de Blake para mantê-lo seguro é nos entregando, como ele foi originalmente enviado para fazer, ou que nós ajudemos. Então, sim, eu acredito que ele ainda faria isso. Segurei

o

volante,

acolhendo

a

raiva

que

parecia

lava

inundando minha pele. Nós deixamos Blake ir, dando-lhe a chance de ficar o mais longe que podia, e ele voltou para nos manipular. Quão ingrato era isso? Olhei para Daemon. — O que vamos fazer? Sua mandíbula trabalhava.

100


— Temos duas opções: trabalhar com ele ou matá-lo. Meus olhos estalaram. — E seria você a fazer isso? Não está certo. Não deve ser sempre você. Você não é o único Luxen que pode lutar. — Eu sei, mas eu não posso esperar que alguém carregue esse fardo. — Ele olhou para mim. — E eu não estou tentando começar outra discussão sobre se daria ou não uma boa Mulher Maravilha, mas eu nunca esperaria que você ou os meus irmãos fizessem isso, também. Eu sei que você teria feito isso para me defender... e a nós, Kat, mas eu não quero esse tipo de culpa em seus ombros. Ok? Eu balancei a cabeça. Imaginando o que eu já sentia, mas ampliado, torcendo em minhas entranhas. — Eu poderia lidar com isso... se eu tiver que fazer. Um segundo se passou, e eu senti a mão dele na minha bochecha. Eu tirei meus olhos da estrada por um segundo. Ele sorriu um pouco. — Você queima brilhante, pelo menos para mim, e eu sei que você poderia lidar com isso, mas a última coisa que eu quero é a sua luz seja manchada por algo tão escuro. Lágrimas estúpidas queimaram meus olhos e a estrada ficou um pouco embaçada. Eu não podia deixá-las cair, porque chorar por ele dizendo algo doce realmente não ajudaria no caso de “Eu sou Foda”. Mas eu dei-lhe um sorriso aguado, e eu acho que ele entendeu. Estacionei na minha garagem antes que o resto da tripulação chegasse lá. Cheio de energia nervosa, eu segui Daemon para sua casa e peguei uma garrafa de água, em seguida, voltei para a sala de estar. Antes que eu pudesse considerar sentar no tapete, Daemon pegou minha mão e me puxou em direção a ele quando se sentou, me puxando para o seu colo. Com os braços em volta de mim, ele enterrou seu rosto no meu pescoço. — Você sabe o que temos que fazer. — ele disse suavemente.

101


Soltando a garrafa ao lado de nós, eu passei meus braços ao redor de seu pescoço. — Matar Blake. Ele se engasgou com seu riso. — Não, Kitten. Nós não vamos matá-lo. Fiquei surpresa. — Nós não vamos? Ele se afastou, encontrando meu olhar duvidoso. — Nós vamos ter que fazer o que ele quer. Ok, eu estava mais do que surpresa. Mais como atônita. — Mas... mas... mas... Um sorriso brincou nos lábios dele. — Use suas palavras, Kitten. Sai do meu estupor. — Mas não podemos confiar nele. Isso provavelmente é uma armadilha! — Nós estamos ferrados se fizermos e ferrados se não fizermos.— Ele se moveu, deslizando as mãos ao longo de minha parte inferior das costas.— Mas eu pensei sobre isso. — O quê? Nos dez minutos que nos levou para chegar em casa? — Eu acho que é bonito que você chame minha casa de casa. — Seu sorriso se espalhou para os olhos, aprofundando a tonalidade brilhante. — Aliás, é a minha casa. Meu nome está na escritura. — Daemon. — eu disse, suspirando. — Bom saber, mas isso não é importante agora. —É verdade, mas é bom ter conhecimento. De qualquer forma, você desviou totalmente o assunto... — O quê? — Como ele descobriu isso? — Foi você quem... — Eu conheço o meu irmão. Dawson irá até Blake se nós não concordarmos. — Todo o seu humor desapareceu em um instante. —É o que eu faria se as nossas posições se invertessem. E nós conhecemos Blake melhor do que ele. — Eu não sei sobre isso, Daemon.

102


Ele deu de ombros. — Eu não vou deixá-lo te entregar. Eu fiz uma careta. — Ele vai te entregar também, e a sua família? Trazer Blake para o rebanho vai ser perigoso... e estúpido. — O risco supera as possíveis consequências. — Estou chocada — eu admiti, desembaraçando meus braços. — Você não me deixou treinar com Blake porque você não confia nele e isso foi antes de nós sabermos que ele era um assassino. — Mas agora nós dois estamos sabendo do que ele é capaz. Nossos olhos estão abertos. — Isso não faz sentido. — Ao som de portas de carro fechando, eu olhei para fora da janela. — A única razão pela qual você vai trabalhar com ele é por Dawson e eu. Isso não é, provavelmente, a decisão mais sábia que você fez. — Talvez não. — Ele se moveu rapidamente, apertando minhas bochechas e me abraçando mais forte, e então ele me puxou sem a menor cerimônia na almofada ao lado dele. — Mas já tomei minha decisão. Esteja preparada. Esta reunião vai ser boa. Metade esparramada no sofá, eu fiquei boquiaberta. Com certeza isso não iria ser bom. Abaixei-me para tirar a garrafa de água para fora de debaixo da minha coxa e me sentei quando o grupo de alienígenas entravam na sala. Dee imediatamente andou até a frente da TV. Seus longos cabelos negros e ondulados voavam atrás dela. Um brilho febril e desconhecido aceso em seus olhos verdes. — Então, Blake está de volta? — Sim. — Daemon se inclinou para frente, apoiando os cotovelos nos joelhos, observando sua irmã. Ela olhou para mim e, em seguida, rapidamente desviou o olhar. — É claro que ele iria falar com ela como se nada tivesse acontecido. Eles eram melhores amigos.

103


Que diabos estava acontecendo com a declaração de melhores amigos? Raiva agitou dentro de mim, mas a contive. — Não foi uma conversa particularmente amigável. — Então o que vamos fazer? — perguntou Ash. Seu cabelo loiro estava penteado para trás em um pequeno rabo de cavalo. Em qualquer outra pessoa teria parecido muito apertado, mas ela parecia uma modelo indo desfilar. — Mate-o. — disse Dee, parando em frente à mesa do café. No início, eu pensei que ela estava brincando, porque esta era Dee. Durante o verão, eu uma vez a vi colher uma pilha de sujeira cheio de formigas e as moveu para fora do canteiro, de modo que não seriam sufocadas sob a areia. Mas enquanto eu olhava para ela – quando a sala inteira ficou olhando para ela, eu percebi que ela estava falando sério. Minha boca caiu aberta. — Dee...? Seus ombros endireitaram. — Não me diga. Você é contra matá-lo? Eu já sabia disso. Você convenceu meu irmão a deixá-lo viver. — Ela não me convenceu — disse Daemon, os dedos se curvando sob o queixo. Eu interferi antes que ele pudesse continuar. Não era o seu trabalho sempre correr em minha defesa. — Eu não o convenci a fazer qualquer coisa, Dee. Nós dois concordamos que muita gente tinha morrido naquela noite. Nós não pensamos que ele ia voltar. —É mais do que isso— disse Matthew. — Ele também está ligado a outro Luxen. Ele morre, seu amigo morre. Nós não estaremos apenas matando-o. Nós estaremos matando uma pessoa inocente. — Como Katy e Daemon? — perguntou Ash, sua voz sem o veneno habitual. Ela deve ter transferido sua maldade para Dee em algum ponto.

104


Culpa cavou por mim como farpas no segundo que esse pensamento começou e terminou e eu me contorcia, tocando uma área gasta em meus jeans. Isso não era justo. Dee e Adam tiveram uma longa história — uma história que passaram a maior parte do tempo ignorando o que provavelmente sempre existiu entre eles. Amor e carinho. E eles só tinham chegado a conhecer um ao outro nesse nível logo antes de ele ser arrancado dela. Ash olhou para Dawson. — E como você e Beth? — Quando os dois garotos assentiram, Ash sentou-se e olhou para a Matthew em silêncio. — Nós não podemos matar Blake sabendo que vai matar um Luxen inocente. Isso é como matar Katy e perder Daemon. Eu arqueei uma sobrancelha, o que me rendeu uma cotovelada no joelho por Daemon. — Eu não estou sugerindo que matemos Katy ou Beth. — Dee lembrou a todos. — Nós não sabemos quem é esse outro Luxen. Pelo que sabemos, ele poderia estar trabalhando com o Departamento de Defesa ou qual seja esse outro grupo. Blake... Ele matou Adam, Ash. — Eu sei disso. — ela retrucou, os olhos brilhando de um azul brilhante. — Eu era irmã dele. A espinha de Dee se endireitou quando ela se ergueu. — E eu era a namorada dele. Santo Deus... Era como o dia do contrário ou algo assim. Eu balancei minha cabeça, atordoada. — O grupo é denominado Daedalus. Sim, Dee não poderia se importar menos com qual o nome do grupo. Ela se virou para Matthew. — Nós temos que fazer alguma coisa antes que alguém se machuque. Matthew parecia chocado. — Dee, não somos...

105


Assassinos?

Seu

rosto

ficou

vermelho

e

depois

empalideceu. — Nós matamos antes para nos proteger! Matamos Arum o tempo todo. Daemon matou oficiais do DOD! Daemon vacilou, e eu imediatamente me ofendi com isso. Ele não mostrava o quanto matar o incomodava, mas eu sabia que sim. — Dee. — eu disse, e, surpreendentemente, ela olhou para mim. — Eu sei que você está sofrendo agora, mas isso... Essa não é você. Ela chupou uma respiração afiada e atrás dela a TV piscou ligando e desligando. — Você não me conhece. E você não sabe de nada. Essa... Essa aberração humana – o que quer que ele seja – está aqui por causa do que meu irmão fez com você. Em teoria, se você nunca viesse aqui, nada disso teria acontecido. Adam... — Sua voz falhou. — Adam ainda estaria vivo. Daemon enrijeceu ao meu lado. — Isso é o suficiente, Dee. Não foi culpa dela. — Está tudo bem. — Me sentei contra a almofada, sentindo como se as paredes tivessem se aproximado. Andrew tinha dito a mesma coisa dias antes e, apesar de ouvi-lo dizer foi horrível, vindo da boca de Dee parecia um ferrão de vespa. Parte de mim quase não podia acreditar que Dee tinha dito isso. Não fofa e bonita como a Sininho que Dee era. Não a garota que entrou na minha vida durante o verão, sentindo-se tão solitária quanto eu. Esta não era a minha melhor amiga. E então eu percebi. Dee não era mais minha melhor amiga. Deus, perceber isso parecia mais importante do que qualquer outra coisa que estava acontecendo. Sim, foi estúpido quando a grande figura foi posta em jogo, mas Dee era importante para mim, e eu não a tinha mais. Ao meu lado, Dawson se deslocou para frente. — Se Katy não tivesse vindo aqui, eu nunca teria sido libertado. O mundo funciona de maneira confusa.

106


Dee parecia que ainda não tinha pensado nisso. Ela girou ao redor, brincando com uma mecha de seu cabelo, um hábito nervoso dela. Seu braço desapareceu por alguns segundos, e então ela se sentou na mesa de café, de costas para nós. No braço da poltrona, Andrew suspirou. Toda vez que eu olhava para ele, ele tinha o olhar fixo em Dee. —Gente, quer nós gostamos da ideia de matar alguém ou não, temos que fazer alguma coisa. — Nós iremos. — Daemon concordou. Ele olhou para mim rapidamente antes de enfrentar o grupo. — Discutir sobre o que fazer com Blake é um desperdício de tempo. Se não o ajudarmos a libertar Chris e por sua vez conseguir Beth de volta, ele vai entregar Kat e eu. — Uau. — Matthew murmurou, enfiando os dedos pelos cabelos. E então ele fez algo inédito, pelo menos para ele. Ele xingou. Dee levantou novamente, seu movimento brusco e irregular. — Ele disse isso? — Eu não duvido que ele está falando sério. — eu disse, odiando que todos eles fossem colocados nesta posição por causa de mim. Se eu tivesse escutado Daemon no começo... Tantos Se, tantos Poderia ter sido. — Ele está incrivelmente desesperado para salvar o Chris. — Então está feito. — disse Dawson, parecendo aliviado. — Nós vamos ajudá-lo, e ele nos ajudará. Dee virou. — Vocês estão enlouquecendo! Nós não podemos ajudar o assassino de Adam! — Então o que você sugere que façamos?— Perguntou Matthew. — Deixá-lo entregar seu irmão e Katy? Seus olhos rolaram. — Não. Como eu disse, nós vamos matá-lo. Isso vai impedi-lo de fazer qualquer coisa. Eu balancei minha cabeça, atordoada pela ferocidade em sua voz. Eu também acreditava que Blake, provavelmente, tinha que

107


morrer, pois por que que ele deveria viver quando Adam não tinha, mas ouvir Dee assim cortou através de mim com uma faca. Daemon ficou de pé, atraindo um longo suspiro. — Nós não vamos matar Blake. As mãos de sua irmã se fecharam em punhos. — Sua decisão. Não minha. — Nós vamos ajudá-lo e vamos ficar de olho nele. — Daemon continuou severamente. — E nenhum de nós irá matá-lo. — Besteira. — ela sussurrou. De pé, Andrew deu um passo adiante. — Dee, eu acho que você precisa sentar e pensar sobre isso. Você nunca matou antes. Nem mesmo um Arum. Ela cruzou os braços finos e seu queixo subiu um degrau. — Há sempre uma primeira vez. Os olhos de Ash se arregalaram quando ela deslizou um olhar para mim como se dissesse: Santa Merda. Eu gostaria de saber o que fazer ou dizer, mas não havia nada. Rapidamente perdendo a paciência, Daemon espelhou a postura de sua irmã. — Isso não está em discussão, Dee. Um brilho tênue de luz branca sombreava o contorno de seu corpo tremendo. — Você está certo. Não há nada que você possa dizer que vai me convencer de que a vida dele deve ser poupada. — Nós não temos escolha. Blake tem armado algo. Se alguma coisa acontecer com ele, Nancy será notificada sobre Katy e eu. Não podemos matá-lo. Ela não se intimidou. — Então descobrimos com quem ele falou e cuidamos deles! A mandíbula de Daemon caiu. — Você está falando sério? — Sim!

108


Ele se virou, a segundos de perder o controle. Meu estômago revirou. Toda esta situação era errada. Ao meu lado, Dawson se inclinou para frente, assumindo a mesma posição que Daemon tinha antes. — A sua necessidade de vingança é mais importante do que encontrar e parar o que estão fazendo com Beth? Ela não desviou o olhar, mas os lábios apertaram em uma linha sombria. Todos os olhos estavam em Dawson. — Porque, irmã, me deixe dizer que o que Adam passou não é nada em comparação com o que ela está sentindo. As coisas que eu vi... — Ele parou e seu olhar abaixou. — Se você duvida do que eu digo, pergunte a Katy. Ela teve uma amostra dos métodos deles e ela ainda mal consegue falar por não parar de gritar. Dee

empalideceu.

Nós

não

estivemos

conversamos,

não

realmente, desde a véspera do Ano Novo. Eu não tinha ideia do que ela sabia sobre a minha breve captura ou os métodos que Will tinha usado para me subjugar. Seu olhar piscou para o meu, e ela desviou o olhar muito rapidamente. — Você fala muito. — disse ela com a voz rouca, o lábio inferior tremendo. Mas, então, com os ombros caídos, e ela se virou, caminhando para a porta da frente. Sem dizer uma palavra, saiu. Andrew já estava atrás dela, atirando um olhar para Daemon. — Vou ficar de olho nela. — Obrigada. — disse ele, esfregando a palma da mão ao longo de sua mandíbula. — Bem, isso foi maravilhoso. — Você realmente espera que ela ou qualquer um de nós ficássemos bem com isso? — perguntou Ash. Daemon bufou. — Não, mas eu tenho um problema com a minha irmã tão disposta a matar.

109


— Eu não posso...— Eu não poderia mesmo terminar. Indo para isso, eu sabia que não ia ser bom, mas Ash e Andrew foram os únicos que eu esperava que fossem todo serial killer, nunca Dee. Matthew dirigiu a conversa de volta para o presente. — Como é que entramos em contato com Blake? Não é algo que eu possa ou queira discutir com ele em sala de aula. Todos olharam para mim... todos, exceto Daemon. — O quê? — Você tem o número dele, não é?— Ash disse, olhando para as unhas nuas. — Mande uma mensagem. Ligue para ele. Qualquer coisa. E diga que somos ridiculamente estúpidos e planejamos ajudá-lo. Eu fiz uma careta, mas peguei minha bolsa e procurei pelo meu celular. Enviando uma mensagem rápida a Blake, suspirei. Um segundo depois, ele respondeu. Nós se formaram no meu estômago. — Amanhã à noite... sábado. — Minha voz soava fraca. — Ele quer se encontrar amanhã à noite em um local público... O Smoke Hole. Daemon deu uma inclinação rápido de queixo. Meus dedos queriam se rebelar, mas eu digitei uma resposta rápido e, em seguida, joguei meu celular de volta na bolsa como se fosse uma bomba prestes a explodir nas minhas mãos. — Está feito. Ninguém pareceu aliviado. Nem mesmo Dawson. Havia uma boa chance de que isso ia explodir na nossa cara como se não houvesse amanhã. Mas nossas escolhas eram limitadas. Como Daemon tinha dito, Dawson iria para Blake se não fizermos. E trabalhar com o inimigo que conhecíamos era melhor do que com o que não conhecíamos. Mas algo frio e nojento abriu no meu peito. Não é porque nós estávamos indo por este caminho com Blake, e não porque Dee queria que Blake morresse. Mas porque, no fundo, por baixo das camadas de pele, músculo e osso, escondido de todos, até mesmo de Daemon, eu também queria Blake morto. Luxen inocente ou não... O meu código moral não foi de todo ofendido por ele. E havia algo muito, muito errado com isso.

110


E

Capitulo ONZE

u fiquei na casa, na esperança de Dee voltar e que eu poderia conversar com ela, mas todo mundo estava saindo e ela e Andrew não tinham retornado. De pé na varanda da frente, vi Ash e Matthew saírem,

meu coração pesado com pesar e um bilhão de outras coisas. Eu não precisava olhar para trás para saber que Daemon tinha se juntado a mim. Eu era grata pelo calor e a força de seus braços oferecidos quando eles me circularam por trás. Eu me inclinei para trás contra o seu peito, deixando meus olhos se fecharam. Ele colocou o queixo em cima de minha cabeça e minutos se passaram apenas com o som de um canto de pássaro solitário e o vento soprando a distância. Contra as minhas costas, seu coração batia firme e forte. — Sinto muito. — disse ele, me surpreendendo. — Por quê? Ele respirou fundo. — Eu não deveria ter estourado sobre a coisa toda com Dawson no último fim de semana. Você fez a coisa certa, dizendo que iria ajudar. Se não, Deus sabe o que ele teria feito até agora. — Ele fez uma pausa longa o suficiente para beijar o topo da minha cabeça, e eu sorri. Ele estava perdoado. — E obrigado por tudo com Dawson. Mesmo que o nosso sábado acabou dando uma virada para a Cidade de Merda, Dawson... Ele tem sido diferente desde a noite dos zumbi. Não o velho Dawson, mas quase. Mordi o lábio. — Você não precisa me agradecer por isso. É sério.

111


— Eu estou grato. E eu falo sério. — Ok— Vários segundos se passaram. — Você acha que cometeu um erro? Deixando Blake ir naquela noite? Seus braços apertaram. — Eu não sei. Eu realmente não sei. — Tivemos boas intenções, certo? Queríamos dar a ele uma chance, eu acho. — Então eu ri. — O quê? Meus olhos se abriram. — A estrada para o inferno está pavimentada com boas intenções. Nós deveríamos ter explodido ele. Daemon abaixou a cabeça, o queixo agora no meu ombro. — Talvez eu tivesse feito algo assim antes de você. Eu virei minha cabeça em direção a sua. — O que você quer dizer? — Antes de você aparecer, eu teria matado Blake pelo que ele fez e me sentiria um lixo depois, mas eu teria feito isso. — Ele deu um beijo no meu pulso. — E, de certa forma, você me convenceu. Não do jeito que Dee pensa, mas você poderia ter matado Blake, e você não fez. Tudo sobre aquela noite parecia caótico e surreal agora. O corpo sem vida de Adam e, em seguida, o ataque do Arum... Vaughn e a arma... Blake correndo... — Eu não sei. — Eu sei. — disse ele, e seus lábios se estenderam em um sorriso sobre meu rosto. — Você me faz pensar antes de agir. Você me faz querer ser uma pessoa melhor, um-Luxen-melhor, que seja. Encarei-o completamente, olhando para ele. — Você é uma boa pessoa. Daemon sorriu, com os olhos brilhando. — Kitten, você e eu sabemos que isso é extremamente raro. — Não... Ele colocou um dedo sobre os lábios.

112


— Eu faço decisões terríveis. Eu posso ser um idiota e eu faço isso de propósito. Eu tendo a intimidar as pessoas a fazerem o que eu quero. E eu deixei tudo o que tinha acontecido com Dawson ampliar os... uh, traços de minha personalidade. Mas...— Ele tirou o dedo, sua boca se estendendo em um sorriso. — Mas você... você me faz querer ser diferente. É por isso que eu não matei Blake. É por isso que eu não quero que você tome essas decisões ou que você esteja perto de mim, se eu for escolher essas coisas. Oprimida pelo que ele tinha admitido, eu não sabia o que dizer. Mas ele abaixou a cabeça e me beijou, e aprendi que, às vezes, quando alguém diz algo tão devastadoramente perfeito, não há uma necessidade de uma resposta. As palavras diziam tudo. ... Passei o sábado de manhã com a minha mãe. Tivemos um gorduroso, um assassino de artérias de um café da manhã no IHOP e desperdiçamos algumashoras fazendo compras. Normalmente eu prefiro arrancar meus cílios para fora do que serpentear pelos corredores, mas eu queria passar mais tempo com ela. Hoje à noite, Daemon e eu iríamos encontrar Blake a sós, por seu

pedido. Matthew

e

Andrew

estavam

indo

ser

espiões

no

estacionamento como ajuda, já que Dee e Dawson, por razões muito diferentes, tinham sido proibidos de chegar perto do lugar. Não tinha como dizer o que ia acontecer, no entanto. Este poderia ser o meu último sábado, meu último qualquer coisa com a minha

mãe. E

isso

deixou

toda

a

experiência

agridoce

e

assustadora. Tantas vezes na hora do almoço e no carro que eu queria dizer a ela o que estava acontecendo, mas não podia. E mesmo se eu pudesse, as palavras provavelmente não teriam saído. Ela estava se divertindo, emocionada ao passar um tempo comigo, e eu não poderia arruinar isso.

113


Mas os Ses me assombravam. E se isso fosse uma armadilha? E se o DOD ou o Daedalus nos levasse? E se eu me tornasse Beth e minha mãe nunca ouvisse falar de mim de novo? E se ela voltasse para Gainesville para escapar da memória de mim? No momento em que chegamos em casa, eu tinha certeza que eu ia

vomitar. Meu

estômago

se

contorceu

e

girou

em

torno

do

alimento. Era tão ruim que eu fui deitar enquanto a minha mãe dormia um pouco antes de seu turno começar. Cerca de uma hora olhando para a parede mais tarde, Daemon mandou uma mensagem e eu respondi, dizendo para ele entrar. Assim que eu teclei enviar, eu senti o calor em toda a volta do meu pescoço e eu rolei para a porta. Daemon não fez nenhum som quando ele passou pela minha porta aberta e deslizou com um brilho perverso em seus olhos. — Sua mãe está dormindo? Eu balancei a cabeça. Seu olhar procurou meu rosto, e então ele fechou a porta atrás de

si. Um

segundo

depois,

ele

estava

sentado

ao

meu

lado,

sobrancelhas franzidas. — Você está preocupada. Como ele sabia disso estava além de mim. Comecei a dizer que eu não estava preocupada, porque odiava a ideia de se estressar por minha causa ou pensando que eu era fraca, mas não queria ser forte agora. Eu precisava de conforto, eu o queria. — Sim, um pouco. Ele sorriu. — Vai ficar tudo bem. Não importa o que, eu não vou deixar nada acontecer com você. Daemon correu as pontas dos seus dedos no meu rosto, e eu percebi então que poderia ter as duas coisas. Eu poderia surtar um pouco por dentro e precisar dele, mas eu ainda poderia ser forte o suficiente para levantar às seis e cumprir nosso destino de cabeça erguida. Eu poderia ser ambos.

114


Deus, eu precisava de um pouco de ambos. Sem

dizer

nada,

eu

deslizei

sobre

a

cama,

dando-lhe

espaço. Daemon deslizou para debaixo das cobertas, jogando um braço pesado sobre minha cintura. Eu me enrolei contra ele, descansando minha cabeça embaixo do queixo, minhas mãos cruzadas sobre o peito. Usando os dedos, eu desenhei um coração acima dele, e ele riu. Nós ficamos lá por algumas horas. Às vezes, conversando e rindo em silêncio, nos certificando que não iria acordar a minha mãe. Por um tempo, nós cochilamos juntos e depois eu acordava, emaranhada em seus braços e pernas. Outras vezes, nós nos beijamos e os beijos... bem, tomou a maior parte do tempo. Ele era apenas tão bom no que fazia. Meus lábios estavam inchados quando ele sorriu para mim, suas pálpebras pesadamente caídas, mas por trás dos cílios, seus olhos eram como a cor da grama orvalhada da primavera. Ao longo da sua nuca, seu cabelo enrolava. Eu adorava correr meus dedos por ele, ajeitando os fios e vê-los de volta no lugar. E ele gostava quando eu brincava com eles. Fechando os olhos, ele inclinou a cabeça para o lado, então eu tive um melhor acesso, muito parecido com um gato se alongando para ser acariciado. Ah, as pequenas coisas da vida. Daemon pegou minha mão enquanto ela deslizava sobre os grossos músculos de seu pescoço. Ele levou minha mão aos lábios. Meu coração fez a coisa de vibrar, e então ele me beijou de novo... e de novo. Sua mão se moveu para o meu quadril, seus dedos se entrelaçando nos meus antes de deslizar sob a barra da minha camisa, fazendo o meu pulso martelasse através de mim. Ele rolou por cima de mim, seu peso fazendo coisas malucas para o meu estômago. Quando sua mão subiu, minhas costas arquearam. — Daemon... Sua boca silenciou o que fosse que eu ia dizer, e meu cérebro esvaziou. Havia apenas ele e eu. O que tivemos que fazer mais tarde

115


simplesmente desapareceu do meu radar de preocupação. Eu me mexi, jogando uma perna sobre a dele e meu... Passos soaram pelo corredor. Daemon desapareceu de cima de mim, reaparecendo em minha cadeira. Sorrindo sem vergonha, ele pegou um livro enquanto eu me arrumava. — O livro de cabeça para baixo. — eu provoquei, alisando minha mão sobre meu cabelo. Rindo baixinho, ele virou e abriu-o. Com segundos de sobra, minha mãe bateu na porta e, em seguida, abriu-a. Seus olhos foram da cama para a cadeira. — Olá, Sra. Swartz. — disse Daemon. — Você está bem descansada. Eu atirei-lhe um olhar e, em seguida, apertei minha mão sobre a boca, sufocando meus risos. Ele pegou um dos romances históricos com um peito robusto na capa. Minha

mãe

arqueou

uma

sobrancelha. Sua

expressão,

basicamente, lia WTF1, e eu quase perdi o controle. — Boa noite, Daemon.— Ela se virou para mim, os olhos se estreitando. Uma calcinha? Daemon murmurou, revirando os olhos. — A porta do quarto, Katy.— Mamãe voltou para a porta. — Você conhece as regras. — Sinto muito. Nós não queríamos acordá-la. — Quão atenciosa, mas ela fica aberta. Quando seus passos recuaram, Daemon atirou o livro na minha cabeça. Eu levantei minha mão, parando-o no ar, e o peguei. — Material de leitura agradável. Meus olhos se estreitaram. — Cale a boca. Eu ri.

1

116

Equivalente a Que merda é essa?


... Não houve risos quando entramos no estacionamento do Smoke Hole Diner um pouco antes das seis. Olhando por cima do meu ombro, vi a SUV de Matthew estacionando na parte de trás. Eu realmente esperava que ele e Andrew prestassem atenção. — O DOD não vai estourar por aqui. — disse Daemon, retirando as chaves. — Não em público. — Mas Blake poderia congelar todo o lugar. — Eu também. — Oh. Eu nunca vi você fazer isso. Ele revirou os olhos. — Sim, você viu. Eu congelei o caminhão. Lembra-se? Salvei sua vida e tudo mais? — Ah, sim.— Eu lutei contra um sorriso. — Você fez isso. Ele estendeu a mão, me sacudindo suavemente sob o queixo. — Sim, você se lembra melhor do que isso. Além disso, não sou exibido. Abrindo a porta, eu ri. — Você? Não é exibido? Okay. — O quê? — Falsa indignação atravessou seu rosto quando ele fechou a porta e galopou em volta da frente do SUV. — Sou muito modesto. — Se bem me lembro, você disse que modéstia era para os santos e perdedores. — O falatório ajudou a aliviar os nervos. — Modéstia não é uma palavra que eu usaria para descrevê-lo. Ele deixou cair o braço sobre meu ombro. — Eu nunca disse tal coisa. — Mentiroso. Daemon me lançou um sorriso maroto quando entramos. Olhei para o restaurante para Blake, meu olhar mergulhando sobre conjuntos naturais de rocha que se sobressaíam dos pisos e ao lado das cabines, mas ele não estava aqui ainda. O funcionário nos deu a cabine da parte

117


traseira, perto da lareira acesa. Eu tentei me manter ocupada rasgando o guardanapo em pedaços minúsculos. — Vai comer isso ou você está fazendo uma cama caseira para um hamster? — ele perguntou. Eu ri. —É lixo orgânico, na verdade. —Legal. Uma garçonete ruiva apareceu, com um sorriso brilhante. — Daemon, como você está indo? Não te vi em anos. — Bem. E você, Jocelyn? Claro que eu tive que dar a ela mais do que um olhar de passagem, já que os dois estavam na base do primeiro nome. Não por inveja ou qualquer coisa. Sim, certo. Jocelyn era mais velha do que nós, mas não muito. Talvez vinte e poucos anos, mas ela era muito, muito bonita, com todo aquele cabelo vermelho empilhado em cachos grossos, em torno de uma pele de porcelana. Ok, ela era linda... como em, o nível bonito de um Luxen. Sentei-me ereta. — Tem sido muito bom. — disse ela. — Eu fui promovida a gerente desde os bebês. Trabalhando em tempo parcial em vez disso, já que eles são muita coisa para lidar, mas você e sua família deveriam visitar em breve, especialmente porque... — Ela olhou para mim pela primeira vez, e seu sorriso caiu. — Dawson voltou. Roland adoraria ver vocês dois. Alienígena total, pensei. — Nós adoraríamos fazer isso. — Daemon olhou para mim e piscou maliciosamente. — Aliás, Jocelyn, esta é a minha namorada, Katy. Senti uma onda de prazer tão ridícula. Eu estendi minha mão. — Oi. Jocelyn piscou, e eu poderia jurar que seu rosto ficou ainda mais branco. — Namorada?

118


— Namorada. — Daemon repetiu. Ela se recuperou rápido e apertou minha mão. Uma faísca fraca saltou de sua pele com a minha, e eu fingi não perceber. — Prazer... prazer em conhecê-la. — disse ela, rapidamente liberando minha mão. — Uh, o que posso fazer vocês dois? — Duas cocas. — ele ordenou. Jocelyn saiu depois disso, e eu levantei minhas sobrancelhas para Daemon. —Jocelyn...? Ele deslizou sobre o outro guardanapo da minha pilha. — Você está com ciúmes, Kitten? — Pfft. Que seja. — Eu parei de rasgar. — Ok, talvez um pouco até que eu percebi que ela estava no PRA. — PRA. — Ele levantou-se, chegando ao meu lado, enquanto dizia: — Vá para lá. Eu deslizei de novo. — Programa de Relocação de Alienígena. — Ha. — Ele deixou cair o braço sobre o encosto da cabine e esticou as pernas. — Sim, ela é gente boa. Jocelyn voltou com nossas bebidas e perguntou se queríamos esperar até que o nosso amigo se juntasse a nós para fazermos nossos pedidos. Esse era um gordo e grande Não. Daemon pediu um bolo de carne enquanto eu decidi comer metade de seu pedido. Eu não tinha certeza que eu poderia aguentar mais nada. Ele inclinou seu corpo em direção ao meu, assim que ele terminou de decidir entre batatas fritas e purê de batatas – as batatas fritas ganharam. — Nada vai acontecer. — disse ele, a voz baixa. — Tudo bem? Colocando uma cara de coragem, eu concordei e olhei ao redor da lanchonete. — Eu só quero acabar com isso. Nem um minuto depois, os sinos acima da porta tilintaram e antes que eu pudesse olhar para cima, Daemon enrijeceu ao meu

119


lado. E eu sabia, eu soube logo em seguida. Meu estômago deu uma guinada em minha garganta. Cabelos pontudos cor de bronze – com estilo desordenado com uma tonelada de gel – apareceu à vista, e logo seus olhos cor de avelã, se cravaram, da porta, em nossa mesa. Blake estava aqui.

120


Capitulo DOZE

B

lake

tinha

um

ar

confiante

sobre

ele

enquanto

caminhava até a nossa mesa, mas não tinha nada da arrogância mortal de Daemon ou o sorriso frio e arrogante que ele estava usando naquele instante. Era um olhar puramente predatório.

De repente, eu não tinha certeza se um lugar público era uma

boa ideia.

— Bart. — Daemon disse, seus dedos tocando ao longo da

cabine atrás de mim. —Já faz um tempo. — Vejo que ainda não descobriu o meu nome.— Blake deslizou no assento em frente a nós. Seu olhar caiu para a pilha de guardanapos rasgados, então para mim. — Ei, Katy. Daemon se inclinou para frente. O sorriso ainda estava no rosto, mas suas palavras eram como os ventos árticos. — Você não fala com ela. Nem uma palavra. Não havia como parar o He-Man quando ele saía para jogar, mas eu o belisquei debaixo da mesa. Daemon me ignorou. — Bem, só falar com você vai deixar esta conversa realmente difícil. — Como se eu me importasse?— Daemon disse, colocando a outra mão sobre a mesa. Eu exalei lentamente. — Okay. Vamos direto ao ponto. Onde estão Beth e Chris, Blake? O olhar de Blake deslizou para mim de novo. — Eu...

121


Uma corrente elétrica corria da mão de Daemon e atirou por cima da mesa, chocando Blake. Ele saltou para trás com um assobio, seus olhos se estreitando em Daemon. Daemon sorriu. — Olha, seu idiota, você não pode me intimidar desta vez.— A voz de Blake pingava desprezo. — Então você está apenas perdendo tempo e me irritando. — Vamos ver isso. Jocelyn voltou com uma enorme refeição para Daemon e pegou o pedido de Blake. Como eu, ele só pediu um refrigerante. Quando estávamos sozinhos, mais uma vez, me concentrei em Blake. — Onde eles estão? — Se eu te contar, eu tenho que confiar que vocês dois, e ninguém, não vão me dar um banho de cimento. Revirei os olhos para a referência à máfia. — Confiança é uma via de mão dupla. — E nós não confiamos em você. — Daemon soltou. Blake deu um longo suspiro. — Eu não culpo você. Eu não lhe dei nenhuma razão para confiar em mim além do fato de eu não dizer ao Daedalus sobre o quão bem a mutação foi. — E eu aposto que não foi seu tio Vaughn, que parou você de nos entregar, ou você pensou que ele estava fazendo o trabalho dele. — retruquei, tentando não lembrar o olhar de horror que se instalara no rosto de Blake quando seu tio o traiu. Ele não merecia a minha simpatia. — Mas ele te ferrou por dinheiro. A mandíbula de Blake endureceu. — Ele fez. E pôs Chris em perigo. Mas não é como se eu não tive que convencê-los de outra forma após o fato. Eles acham que eu sou feliz por ser um espião. E eu tenho feito perguntas. Daemon riu. — Para salvar o seu próprio rabo, eu tenho certeza. Ele ignorou o comentário.

122


— O fato é que, Daedalus não acredita que você seja um experimento viável. — Como você sabe? — os dedos de Daemon apertaram o garfo. Blake lhe lançou um olhar de bobo. — A única carta falsa aqui é Will. Obviamente, ele sabia disso e usou esse conhecimento. —Will não é o nosso maior e mais irritante problema agora.— Daemon deu uma mordida, mastigando lentamente. — Você quer ter muita coragem ou são incrivelmente estúpidos. Eu estou achando com a parte de incrivelmente estúpido. Blake bufou. — Sim. Okay. Um olhar perigoso assombrou o rosto de Daemon, e por um momento, ninguém se moveu quando Jocelyn voltou com a bebida de Blake. No segundo que ela tinha ido embora, Daemon se inclinou para frente, seus olhos começam a brilhar por trás de seus cílios. — Nós demos uma chance e você voltou aqui depois que você matou um dos nossos. Você acha que eu sou a única pessoa que você tem que olhar por cima do ombro? Você está tão errado. Um fio de medo finalmente apareceu nos olhos agitados de Blake, mas sua voz era a mesma. — O mesmo vale para você, amigo. Daemon sentou-se, os olhos sem emoção. — Enquanto nós estivermos na mesma página. — De volta ao Daedalus— eu disse. — Como você sabe que eles estão observando Dawson? — Eu estive observando vocês, e eu os vi por aí.— Ele encostouse à cabine, cruzando os braços. — Eu não sei quanto trabalho Will fez para livrá-lo, mas eu duvido que ele puxou a areia para os olhos de ninguém. Dawson está livre, porque eles queriam que ele ficasse livre. Olhei para Daemon. As suspeitas de Blake refletiam as nossas, mas esse era problema para outro dia, parecia. O olhar de Blake caiu para o copo.

123


— Aqui está o problema. Eu sei onde eles estão mantendo Beth e Chris. Eu nunca estive lá, mas eu conheço alguém que esteve e pode nos dar os códigos de segurança para entrar na unidade. — Espere. — eu disse, balançando a cabeça. — Então você não pode realmente nos fazer entrar. Alguém mais pode? — Era de se esperar. — Daemon riu. — Biff é praticamente inútil. Os lábios de Blake se apertaram. — Eu sei o nível e a cela em que estão sendo mantidos, assim que, sem mim, você só estaria correndo pelo complexo implorando para ser capturado. — E o meu punho está implorando para estar em seu rosto. — Daemon atirou de volta. Revirei os olhos. — Não somente você está nos pedindo para confiar em você, mas para confiar em alguém mais? — Esse alguém é como nós, Katy. — Blake deixou cair os cotovelos sobre a mesa, balançando seu copo. — Ele é um híbrido, mas ficou debaixo do Daedalus. E como esperado, ele os odeia e gostaria nada mais do que ferrar com eles. Ele não vai nos desviar do caminho. Sim, eu não estava gostando nada disso. — E como é que alguém ficou “debaixo” do Daedalus? No sorriso de Blake faltava calor. — Eles... desapareceram. Oh, bem, isso soa reconfortante. Coloquei meu cabelo para trás de ambos os lados, sentindo-me cautelosa. — Ok, digamos que faremos isso, como você entra em contato com ele? — Você não vai acreditar em qualquer coisa, a menos que você esteja lá para testemunhar por si mesma. — E ele estava certo sobre isso. — Eu sei onde encontrar Luc. A boca de Daemon se curvou. — O nome dele é Luc?

124


Blake assentiu. — Ele não é acessível por celular ou e-mail. Ele é meio paranoico com as escutas do governo e computadores. Nós vamos ter que ir até ele. — E onde é isso? — Perguntou Daemon. — Toda quarta-feira à noite ele vai em um clube a poucos quilômetros fora da Martinsburg. — explicou Blake. — Ele vai estar lá nesta quarta-feira. Daemon riu, e eu me perguntava o que diabos ele achou tão engraçado. — Os únicos clubes nessa parte de West Virginia são clubes de strip. — Você pensaria isso. — Convencimento rastejou sobre a expressão de Blake. — Mas este é um tipo diferente de clube. — Ele olhou para mim. — As mulheres não aparecem em jeans e suéteres. Eu dei a ele um olhar brando, quando apanhei uma frita do prato de Daemon. — O que elas vestem? Nada? — A coisa mais próxima a nada. — Seu sorriso era de verdade agora, fazendo com que seus olhos verdes brilhassem, me lembrando do Blake que eu conheci. —Ruim para você. Bom para mim. — Você realmente quer morrer, não é? — Disse Daemon. —Às vezes, acho que sim. — Houve uma pausa, e seus ombros rolaram. — De qualquer forma, vamos para ele, ele vai dar os códigos, e depois é isso. Vamos, você consegue o que quer, e eu consigo o que quero. Vocês nunca mais vão me ver novamente. — Isso é praticamente a única coisa que você disse até agora que eu gostei. — O olhar afiado de Daemon pousou em Blake. — O problema é, tendo dificuldade em acreditar em você. Você diz que este híbrido está em Martinsburg, certo? Não há qualquer quartzo beta perto daquele lugar. Como ele não se tornou lanche de um Arum ainda? Um lampejo misterioso encheu os olhos de Blake. —Luc pode cuidar de si mesmo.

125


Algo não estava certo aqui. — E aonde está o Luxen que ele está unido? — Com ele. — disse Blake. Bem, isso respondeu a essa pergunta, mas ainda assim, nada disso parecia bem para mim. Merda, toda esta situação estava muito arriscada, mas que escolha temos? Nós já estávamos profundamente dentro dela.Poderia muito bem ir em cima de nossas cabeças, afundar ou nadar, como meu pai dizia. — Olha. — disse Blake, fixando um olhar constante sobre Daemon. — O que aconteceu com Adam... Eu nunca quis isso. E eu sinto muito, mas de todas as pessoas, você tem que entender. Você faria qualquer coisa por Katy. — Eu iria. — Um leve tremor percorreu Daemon. Estática cresceu, levantando os pelinhos no meu corpo. — Então, se, por um momento eu achar que você está prestes a nos ferrar, eu não hesitarei. Você não terá uma terceira oportunidade. E você ainda não viu o que eu sou plenamente capaz de fazer, rapaz. — Entendido. — Blake murmurou, com os olhos baixos. — Estamos de acordo? A questão de um milhão de dólares – iríamos realmente fazer isso? O coração de Daemon acalmou, e eu o senti em meu próprio peito. Sua mente estava feita. Não só ele faria qualquer coisa para me manter segura, como ele faria qualquer coisa por seu irmão. Afundar ou nadar. Eu levantei meus cílios e encontrarei os olhos de Blake. — Estamos de acordo. ... Passei a maior parte do domingo na casa de Daemon, assistindo uma maratona de Ghost Investigators com os irmãos, enquanto eu esperava por...er..., espreitava Dee. Ela tinha que voltar para casa algum dia. Isso é o que Daemon disse.

126


Estava quase anoitecendo quando ela voltou. Eu pulei do sofá, assustando Dawson, que tinha cochilado por volta das quatro horas de coisas que espreitavam a noite. — Está tudo bem?— Ele estava bem acordado agora. Daemon deslizou, sentando no meu lugar. — Tudo está bem. Seu irmão o olhou por um longo segundo e, em seguida, para a TV. Sabendo o que eu queria fazer, mesmo sem dizer, Daemon assentiu. Dee começou a subir as escadas sem dizer uma palavra. — Você tem alguns minutos? — eu perguntei. — Não muito. — ela jogou por cima do ombro, enquanto ela continuava a subir as escadas. Eu inclinei meus ombros e a segui. — Bem, se você só tem um minuto, então eu vou aceitar esse minuto. Parando no topo da escada, ela se virou. Por um momento, pensei que ela poderia me empurrar pelos degraus, o que iria totalmente atrapalhar meus planos de fazer as pazes. — Tudo bem. — ela disse, e então suspirou como se tivesse sido convidada para recitar fórmulas de trigonometria. — Podemos muito bem acabar com isso. Não era o jeito que eu queria começar essa conversa, mas pelo menos ela estava falando comigo. Segui-a até o quarto dela. Como qualquer vez antes, eu fui sobrecarregada pela quantidade de rosa. Paredes rosa. Rosa no revestimentos da cama. Laptop rosa. Rosa no tapete. Abajures rosa. Dee se moveu para o assento da janela e sentou-se, cruzando os tornozelos finos. — O que você quer, Katy? Reunindo coragem, sentei à beira de sua cama. Todo dia, eu tinha planejado este longo discurso, mas de repente, eu só queria rastejar aos seus pés. Eu queria minha melhor amiga de volta. Um

127


olhar de impaciência pousou em feições delicadas, e meu estômago caiu. — Eu não sei por onde começar. — eu admiti baixinho. Ela atraiu uma respiração pesada. — Talvez começar com porque você mentiu para mim durante meses? Eu vacilei, mas merecia essa pergunta. — A noite na clareira, quando lutamos com Baruck, eu não sei o que aconteceu, mas Daemon não o matou. — Você matou? — Ela olhou para fora da janela, os braços cruzados brincando com um cacho escuro. —É... eu me conectei com ele, com você. Nós... nós pensamos que era porque Daemon tinha me curado antes. De alguma forma, essas curas nos uniram. — Sobras de medo daquela noite surgiram, enrolando minhas entranhas com força. — Mas eu estava machucada, realmente mal, eu acho, e Daemon me curou depois que você partiu. Seus ombros tencionaram. — A primeira mentira, certo? Ele me disse que estava bem, e eu era idiota por acreditar nele. Você parecia... muito ruim. E depois, quando Daemon tinha ido embora, você não agiu direito. Eu deveria saber que algo estava acontecendo. — Ela deu um pequeno aceno de cabeça. — De qualquer forma, você poderia ter me contado a verdade. Eu não teria explodido ou qualquer coisa. — Eu sei.— Eu corri para concordar. — Mas nós não tínhamos certeza do que realmente aconteceu. Nós pensamos que seria melhor não dizer nada até que nós descobríssemos. E no momento em que percebemos que estávamos conectados de alguma forma, tudo... tudo estava acontecendo. — Blake. — Ela cuspiu o nome, deixando a mecha de seu cabelo. — Ele... e outras coisas. — Eu queria sentar ao lado dela, mas sabia que não devia forçar nada. — As coisas começaram a acontecer para mim. Eu pensava em um copo de chá, e o copo voava para fora do

128


armário. Eu não podia controlá-lo, e estava com tanto medo de expor vocês de alguma forma. Ela olhou para mim, então, baixou os cílios. — Você contou a Daemon, no entanto. Eu balancei a cabeça. — Só porque eu pensei que talvez ele soubesse o que estava acontecendo, já que ele me curou. Não foi porque eu confiava nele mais do que você. Os cílios de Dee levantaram. — Mas você parou de sair comigo. Meu rosto corou de vergonha. Eu tinha feito isso, tantas decisões erradas. — Eu pensei que era a coisa certa a fazer. Que se eu acabei me transformando em algo sem querer em volta de você, eu não queria que você fosse pega por perto. Ela soltou uma risada curta. — Você é tão parecida com Daemon. Sempre pensando que sabe melhor do que todos os outros. — Eu comecei a responder, mas ela continuou. — O engraçado é que eu poderia ter ajudado você. Água debaixo da ponte agora, no entanto. — Sinto muito. — Eu queria que essas duas palavras pudessem trazer de volta tudo o que eu tinha feito de errado. — Estou muito... — E quanto a Blake? — Seu olhar duro encontrou o meu. Meu olhar foi para as minhas mãos. — Eu não sabia o que era no início. Honestamente, eu gostava dele porque ele era normal. Ele não era como Daemon e eu pensei... eu pensei que eu não tinha que questionar por que Blake parecia gostar de mim. — Eu ri, o som tão duro como Dee. — Eu fui uma idiota. Logo depois, Daemon não confiava em Blake. Eu pensei que ele estava com ciúmes ou simplesmente estava sendo Daemon. Mas então houve esse Arum que entrou na lanchonete quando eu estava com Blake, e eu descobri o que ele era.

129


Dee desapareceu e reapareceu na sua cômoda, com as mãos nos quadris. — Então, deixe-me ver se entendi direito. Houve um Arum, e nunca uma vez você pensou em contar para mim ou para um dos outros? Virei para ela. — Eu pensei, mas Blake matou aquele e Daemon sabia. E nós estávamos esperando por eles... — Soa como uma desculpa esfarrapada para mim. — Foi uma desculpa? Era, porque eu deveria ter dito a eles. Eu engoli o caroço repentino na minha garganta. Seus olhos brilharam cintilantes. — Você não tem ideia de como era difícil manter tudo de você no começo! Como eu estava preocupada que você iria se machucar apenas por estar perto e... — Dee parou, fechando os olhos. — Eu não posso acreditar que Daemon escondeu isso de mim. — Você não deveria estar chateado com Daemon. Ele fez de tudo para parar com isso. Ele não confiava que Blake só queria ajudar a controlar minhas habilidades. A culpa foi minha. — E me corroía, pouco a pouco. — Eu pensei que Blake poderia me ajudar. Que se eu sabia como controlar minhas habilidades, eu poderia lutar, eu poderia ajudar vocês. Você

não

precisaria

mais

me

proteger

ou

se

preocupar

comigo. Eu não seria o problema. Seus olhos se abriram. — Você nunca foi um problema para mim, Katy! Você era minha melhor amiga, minha primeira, única verdadeira amiga. E sim, eu sou um pouco lenta em como a coisa da amizade toda funciona, mas eu sei que os amigos devem confiar uns nos outros. E você deveria saber que eu nunca te vi como sendo fraca ou um problema. — Eu... — Eu soltei sem saber o que dizer. — Você nunca acreditou em nossa amizade. — Umidade se juntou em seus olhos, e eu me senti como a maior idiota do mundo. — Essa é a parte que me mata. Desde o início, você não acreditou em mim.

130


— Eu acredito! — Comecei a levantar, mas congelei. — Eu tomei decisões estúpidas, Dee. Eu cometi erros. E na hora em que eu percebi o quão ruim meus erros foram, foi... — Tarde demais. — ela sussurrou. — Foi tarde demais, não foi? — Sim. — Eu respirei, mas ficou preso. — Blake era quem ele era, e tudo o que aconteceu foi por causa de mim. Eu sei disso. Dee veio para frente, com passos medidos e lentos. — Há quanto tempo você sabia sobre Beth e Dawson? Eu levantei meu olhar, encontrando os dela. Uma grande parte de mim queria mentir, queria dizer que não foi confirmado, mas eu não podia. — Antes das férias de Natal, eu vi Beth. E então Matthew confirmou que, se Beth estava viva, Dawson tinha que estar. Ela refreou um choro e seus dedos se enroscaram. — Como... como se atreve? Eu podia perceber que ela queria me bater, e meu rosto ardia mesmo que ela não tivesse. Eu meio que queria que ela batesse. — Nós não sabíamos se poderíamos encontrá-lo ou trazê-lo de volta. Nós não queríamos dar esperanças apenas para você perdê-lo novamente. Dee olhou para mim como se ela nem sequer me conhecesse. — Essa é a coisa mais estúpida que eu já ouvi. Me deixe adivinhar, foi ideia de Daemon? Porque soa como ele. Ele quer me proteger, ao mesmo tempo que me afastava... me machucando. — Daemon... — Não. — disse ela, virando-se. Sua voz tremeu. — Não o defenda. Eu conheço o meu irmão. Eu sei que ele tem boas intenções que normalmente são horríveis. Mas, você sabe o quanto perder Dawson machucou. Não foi apenas Daemon que saiu perdendo. Eu posso não ter movido a casa fora da base, mas uma parte de mim morreu no dia em que foi dito que ele estava morto. Eu merecia saber o momento em que você pensou que ele estava vivo. — Você está certa.

131


Seu corpo brilhou por um segundo. — Okay. Tudo bem... tudo isso de lado. Se você tivesse me dito sobre o que estava acontecendo com Blake, Adam e eu gostaríamos de ter sabido para onde estávamos indo. Nós ainda teríamos feito isso, acredite em mim, nós teríamos ido para aquela casa para ajudá-la, mas que não teríamos sido pegos de surpresa. Minha garganta paralisou. Havia uma mancha na minha alma, escura e fria. Eu não tinha assassinado Adam, mas eu tinha culpa em sua morte. Como uma cúmplice do fato. As pessoas cometem erros o tempo todo, mas a maioria delas não causa a morte de alguém. Os meus sim. Meus ombros caíram sob o peso. Pedir desculpas não ia suavizar isso, nem para ela ou para mim. Eu não poderia mudar o que aconteceu. Tudo que eu podia fazer era seguir em frente e tentar compensar isso. A

raiva

se

infiltrou

em

Dee

enquanto

ela

me

observava. Caminhando de volta para o assento da janela, ela sentouse, colocando as pernas contra o peito. Ela descansou a bochecha nos joelhos. — E agora vocês estão cometendo outro erro. — Nós não temos uma escolha. — eu disse. — Nós realmente não temos. — Sim, você tem. Nós poderíamos cuidar de Blake e de quem seja que ele disse. — E Dawson? — Eu perguntei em voz baixa. Ela não respondeu por um longo tempo. — Eu sei que eu deveria ser capaz de colocar de lado o que sinto por Blake por ele, mas eu não posso. É errado. Eu sei. Mas eu não posso. Eu balancei a cabeça. — Eu não espero que você coloque, mas eu não quero que as coisas sejam assim entre nós. Tem que haver uma maneira... — Meu orgulho saiu pela janela. — Eu sinto falta de você, Dee, e eu odeio que

132


não temos falado e que você está chateada comigo. Eu quero passar por isso. — Sinto muito. — ela sussurrou. Lágrimas queimaram no fundo da minha garganta. — O que posso fazer para corrigir isso? — Você não pode. E eu não posso, tampouco. — Dee balançou a cabeça tristemente. — Eu não posso consertar a morte de Adam. Eu não posso consertar por que você e Daemon pensar que trabalhar com Blake

é

uma

coisa

boa. E

eu

não

posso

amizade. Algumas coisas estão apenas quebradas.

133

consertar

nossa


Capitulo TREZE Lesa veio depois da escola na terça-feira para ajudar a estudar para o nosso exame de biologia no dia seguinte, o que era horrível, porque a última coisa em que eu poderia me concentrar era na escola. Parte de mim esperava que Matthew reagendasse, pois ele sabia o que eu tinha que fazer amanhã à noite. Eu mesmo sugeri na segundafeira depois da aula, mas, oh, não, não aceitou. Eu apoiei de volta para minha cadeira do computador, meu livro de biologia no meu colo. Lesa estava lendo suas anotações, e eu devia estar ouvindo, mas abri a minha cópia de um novo romance para jovens adultos para o meu post Terça-feira Provocativa. Digitando um post rápido, eu peguei um par de linhas rápidas com um sorriso maligno. “Eu era o seu poder - o ás na manga. Eu era o começo e ele era o fim. E juntos, nós éramos tudo.” Eu enviei o post e, em seguida, fechei a tampa âmbar do livro. — Você não está prestando atenção. — Lesa disse, sentando-se. — Sim, eu estou. — Eu virei, lutando contra um sorriso. — Você estava dizendo algo sobre as células e organismos. Ela arqueou uma sobrancelha. — Uau. Você já era. — Eu vou falhar. — Eu deixei minha cabeça para trás, fechei os olhos e soltei um longo suspiro sofrido. — Eu simplesmente não consigo me concentrar. Eu prefiro ler algo interessante, como isto. — Eu acenei para o livro que eu tinha terminado do qual acabei de postar sobre e, em seguida, para onde eu sabia que toda uma pilha de outros livros aguardava. — E há essa coisa que tenho que fazer amanhã à noite. — Oh! Que coisa? Uma coisa com o Daemon, e se você disser que sim, por favor me diga que coisa começa com um s, e termina com um xo. Abri os olhos e franzi a testa.

134


— Nossa, você é pior do que um cara. Seus cachos saltaram quando ela balançou a cabeça. — Você sabe disso. Eu joguei minha caneta para ela. Rindo, ela fechou seu caderno. — Então, o que você vai fazer amanhã que está tão distraída? Não havia muito que eu poderia dizer a ela, mas eu estava cheia de energia nervosa, e a necessidade de falar sobre isso serpenteava pelos meus lábios. — Daemon e eu vamos a um clube... ou algo em Martinsburg para visitar alguns dos seus amigos. — Bem, isso parece divertido. Eu dei de ombros. Eu já disse à minha mãe que eu iria ao cinema e, já que ela trabalharia amanhã à noite, o toque de recolher não era um problema. O que era um problema era o fato de que eu não tinha ideia do que vestir e as coisas com Dee tinha me deixado com muito medo. Eu me mexi no meu assento e caminhei para o meu armário. — Eu tenho que vestir algo sexy. Eu não tenho nada sexy. Lesa me seguiu. — Tenho certeza que você tem alguma coisa aqui dentro. Havia um mar de calça jeans e blusas, nada parecido com o que Blake insinuava. Raiva subiu minha garganta. Com Blake de volta na escola, era apenas confuso. Ele era um assassino, meu parceiro de laboratório era um assassino. Enjoada, eu empurrei uma pilha de jeans para o lado. — Sim, eu não sei nada sobre isso. Lesa me afastou. — Me deixa dar uma olhada. Eu sou a rainha das coisas sexy. Pelo menos é o que Chad pensa e, bem, eu meio que tenho o que dar para o garoto. — Ela me deu um sorriso rápido e atrevido. — Ele tem bom gosto. Encostei-me à parede.

135


— Faça a sua magia. Cinco minutos depois, Lesa e eu olhávamos para os itens colocados na minha cama como se uma prostituta invisível fosse usálas. Minhas bochechas já estavam em um vermelho beterraba. — Uh... Lesa riu. — Você deveria ver seu rosto. Eu balancei minha cabeça incontrolavelmente. — Você vê o que eu normalmente uso? Este, isso não é comigo. — Essa é a coisa divertida sobre ir a clubes, especialmente aqueles fora da cidade. — Seu nariz enrugou. — Bem, não há nenhum clube aqui, então todos eles estão fora da cidade, mas de qualquer maneira, você começa a ser outra pessoa. Deixe sua striper interior sair e jogar. Eu comecei a rir. — Minha Stripper interior? Ela assentiu com a cabeça. — Você nunca escapou para um bar ou um clube? — Sim, mas eles ficavam em praias e todo mundo estava vestido para o verão. Não é verão. — Então? Revirei os olhos e me virei de volta para a cama. Lesa tinha encontrado uma saia jeans que eu pedi ano passado on-line para o verão, mas terminou por ser muito curta. Mal cobria minha bunda, e eu estava com preguiça de devolvê-la. Espaçado acima estava um suéter preto cortado. Eu costumo usar mais de uma camisa ou um top. Era de manga comprida, por isso iria cobrir as cicatrizes em meus pulsos, mas não muita coisa mais. No chão, havia um par de botas até o joelho que eu tinha comprado no inverno passado. E isso era tudo. Sim, era isso. — Minha bunda e meus peitos vão estar à mostra. Lesa bufou.

136


— Seus seios serão cobertos. — Nem toda a minha barriga! — Você tem um boa barriga, mostre-a. — Ela levantou a saia, segurando-a pela cintura. — Quando você terminar com isso, eu vou querer emprestada. — Claro. — E então eu fiz uma careta. — Onde é que você vai usá-la? — Escola. — Ela riu ao ver a expressão no meu rosto. — Eu vou colocar algumas calças por baixo, boba. Uma ideia me atingiu. — Meia calça. — Virei para o meu armário e comecei a vasculhar as minhas meias. Peguei uma meia calça opaca preta. — A-ha! Eu posso usar isso. — E uma jaqueta... talvez uma máscara também. Ela pegou as calças de mim, jogando-as pelo quarto. — Você não pode usar meia calça. Meu rosto caiu. — Não? — Não. — Ela olhou por cima do meu ombro e, em seguida, sorriu quando ela chegou perto de mim e puxou algo mais para fora. — Mas essas você pode usar. Minha boca caiu aberta. Um par de calças rasgadas pendia de seus dedos. — Isso foi, tipo, uma parte de uma fantasia de Halloween. — Perfeito. — Ela colocou-as na cama. Oh, minha querida Maria, mãe de Deus... Eu sentei de pernas cruzadas no chão. — Bem, eu acho que Daemon vai aprovar, pelo menos. — Sem dúvida. — Ela se jogou na cama, seu sorriso desaparecendo. — Posso te perguntar uma coisa e você responde honestamente? — Sinos de alerta tocaram, mas eu assenti. Ela respirou fundo. — Sério, quão bom beijador é Daemon? Porque eu imagino que ele faz você...

137


—Lesa! — O quê? Uma garota tem que saber esse tipo de coisa. Mordi o lábio, ruborizando. — Vamos lá, é hora de compartilhar. — Ele... ele beija como se estivesse morrendo de sede, e eu sou água. — Eu bati minhas mãos sobre meu rosto quente. — Eu não posso acreditar que eu disse isso em voz alta. Lesa riu. — Parece um desses livros de romance que você lê. — Parece. — Eu comecei a rir. — Mas, oh Senhor, é verdade. Eu derreto quando ele me beija. É constrangedor. Eu sou assim, tipo, “Obrigado, eu posso ganhar outro?” Triste. Nós dois caímos em risos. Foi estranho, porque um monte de tensão escoou para fora do meu corpo. Rir sobre os garotos era tão incrivelmente normal. — Você o ama, não é? — Ela perguntou, quando ela respirou fundo. — Eu amo. — Estiquei minhas pernas com um suspiro. — Eu realmente amo. E Chad? Ela escorregou para fora da cama e encostou-se nela. — Eu gosto dele, muito. Mas nós estamos indo para faculdades diferentes. Então, eu estou sendo realista sobre isso. — Eu sinto muito. — Não se preocupe. Chad e eu estamos nos divertindo e sério, qual é o ponto além de nos divertir? Esse é o meu lema na vida. — Ela fez uma pausa, empurrando seus cachos elásticos do rosto. — Eu acho que eu preciso ensinar a Dee esse lema. Que diabos está acontecendo com ela? Ela ainda não falou comigo ou Carissa. Todo o meu humor desapareceu e eu fiquei tensa. Eu não posso consertar nossa amizade. Eu tentei — realmente tentei —, mas os danos que infligiram a nossa amizade tinha sido irreparáveis. Eu suspirei.

138


— Um monte de coisas tem acontecido com ela, Adam e com Dawson voltando para casa. Lesa saltou sobre isso. — Isso não é a coisa mais estranha, não? — O que você quer dizer? — Você não acha que é estranho? Você não morava aqui então, mas Beth e Dawson eram como o Romeu e Julieta de West Virginia. Eu não posso acreditar que ele não tenha ouvido falar dela. Desconforto deslizou pela minha espinha. — Eu não sei. O que você acha? Lesa desviou o olhar, mordendo o lábio inferior. —É estranho. Como Dawson está muito diferente agora. Ele é todo sombrio. Lutei por algo a dizer. — Bem, ele provavelmente ainda se preocupa com ela e está chateado que as coisas não funcionaram, e ele sente falta de Adam. Sabe, tem muita coisa acontecendo por lá. — Acho que sim. — Ela olhou para mim de lado. — Algumas pessoas têm falado. Instintos queimaram. — Falando o quê? — Bem, tem sido principalmente os suspeitos principais Kimmy e os outros. Mas muitas coisas estranhas têm acontecido por aqui. — Ela balançou seus pés e puxou seus cachos em um rabo de cavalo bagunçado. — Primeiro, Beth e Dawson somem da face da Terra. Então Sarah Butler morreu no verão passado. Gelo revestiu minha pele. Sarah Butler estava no lugar errado na hora errada. Na noite em que eu tinha sido atacada pelo Arum, Daemon tinha aparecido e o perseguido. De raiva, o Arum havia matado a garota. Lesa começou a andar.

139


— E, em seguida, Simon Cutters desapareceu. Ninguém ouviu falar dele. Adam morreu em um estranho acidente de carro, e então Dawson aparece do nada, menos o suposto amor de sua vida. —É estranho. — eu disse lentamente — Mas totalmente coincidência. —É mesmo? — Seus olhos escuros brilhavam. Ela balançou a cabeça. — Alguns dos alunos, amigos de Simon, acham que algo aconteceu com ele. Oh, não. — Como o quê? — Que ele foi morto. — Ela sentou-se ao meu lado, a voz baixa, como se as pessoas estivessem ouvindo. — E que Adam tinha algo a ver com isso. — O quê? — Ok, eu não estava esperando isso. Ela assentiu com a cabeça. — Eles não pensam que Adam realmente morreu. Sem nenhum funeral que qualquer um poderia ir. Eles acham que ele fugiu antes que a polícia pudesse descobrir que ele fez alguma coisa com Simon. Eu a encarei. — Confie em mim, Adam morreu. Ele está realmente morto. Os lábios de Lesa franziram. — Eu acredito em você. Eu não acho que ela acreditava. — Por que eles acham que Adam tinha algo a ver com Simon? — Bem... algumas pessoas sabem que Simon tentou algo em você. E que Daemon bateu nele. Talvez ele tentou algo com Dee e Adam explodiu. Eu ri, mais de choque. — Adam não teria explodido. Ele não era assim. — Isso é o que eu penso, mas outros...— Ela se inclinou para trás. — Enfim, já basta dessa porcaria... você vai ficar sexy amanhã à noite.

140


A conversa, eventualmente, voltou para o estudo, mas eu tinha essa sensação gelada na boca do estômago, uma sensação de falta de algo. Como quando você fez algo ruim e sabia que estava prestes a ser pega. Se as pessoas estavam começando a prestar atenção a todas as coisas estranhas por aqui, quanto tempo levaria para seguir as pistas de volta para a origem de tudo? De volta para Daemon, sua família, sua espécie, e para mim?

141


Capitulo QUATORZE

M

artinsburg não era realmente um centro, mas não poderia ser chamado de uma cidade, ou, pelo menos não pelos padrões de Gainesville. Estava no auge do crescimento, cerca de uma hora da capital da nação. Ele

estacionou à direita da Interstate, situado entre duas montanhas - a porta

de

entrada

para

cidades

maiores,

como

Hagerstown

e

Baltimore. O lado sul da cidade era fortemente desenvolvido como centro comercial, restaurantes que eu daria meu livro favorito para Petersburg ter, e edifícios de escritórios. Tinha até um Starbucks, e caramba se não foi horrível ter que passar por ali e não parar. Estávamos atrasados. Toda a viagem começou mal, o que não era um bom presságio de como a noite passaria. Primeiro, Blake e Daemon tinham brigado antes mesmo de sairmos de Petersburg. Algo sobre a maneira mais rápida de chegar ao Panhandle leste do estado. Blake disse para ir para o sul. Daemon disse para ir para o norte. Uma briga épica se seguiu. Daemon acabou ganhando, porque ele estava dirigindo, o que deixou Blake de bico no banco traseiro. Então, nós atingimos uma tempestade de neve por volta de Deep Creek, nos atrasando, e Blake sentiu a necessidade de salientar que as estradas do sul estavam, provavelmente, limpas. Além disso, a quantidade de obsidiana que eu tinha pego e a falta de roupas tinha me dado todos os tipos de tiques. Eu fui com a escolha de Lesa para o traje, para grande felicidade de Daemon. Se ele fizesse mais um comentário sobre o comprimento da minha saia, eu ia machucá-lo. E se Blake fizesse, Daemon iria mutilá-lo.

142


Fiquei esperando uma frota de Arum aparecer do meio do nada e bater o veículo para fora da estrada, mas até agora, o colar de obsidiana, a pulseira, e a faca presa dentro da minha bota - por Deus – não tinha avisado nada. No momento em que chegamos em Martinsburg, eu queria pular do veículo em movimento. Quando nos aproximamos da saída de Falling Waters, Daemon perguntou: — Qual delas? Blake me mexeu para a frente, soltando os cotovelos nas costas dos nossos assentos. — Mais uma saída – Spring Mills. Você vai virar à esquerda na saída, como se estivesse voltando para Hedgesville ou Back Creek. Back Creek? Eu balancei minha cabeça. Nós tínhamos ido mais longe na civilização, mas os nomes de algumas dessas cidades discordava. Cerca de dois quilômetros da saída, Blake disse: — Vê o antigo posto de gasolina à frente... as bombas? Os olhos de Daemon se estreitaram. — Sim. — Vire lá. Eu me inclinei para a frente para ter uma visão melhor. Ervas altas cercavam umas bombas desgastadas. Tinha um edifício — mais para um barraco — atrás deles. — O clube é em um posto de gasolina? Blake riu. — Não. Basta dirigir em volta do edifício. Mantenha-se na estrada de terra. Resmungando sobre deixar Dolly suja, Daemon seguiu as instruções esboçadas de Blake. A estrada de terra era mais como um caminho aberto por milhares de pneus. Isso era tão sombrio que eu queria pedir para virarmos. Quanto

mais

nós

íamos,

mais

assustador

o

cenário

ficavas. Árvores frondosas lotavam o caminho, divididos por edifícios

143


degradados com janelas com tábuas e espaços negros vazios onde antes havia portas. — Eu não sei sobre isso. — admitiu. — Eu acho que já vi tudo isso no Massacre da Serra Elétrica. Daemon bufou. O SUV bateu sobre o terreno irregular, e em seguida, carros apareceram. Em todos os lugares. Carros estacionados em linhas casuais, ao lado de árvores, amontoados em um campo. Além das intermináveis filas de veículos estava um edifício de agachamento, em forma de quadrado, sem iluminação exterior. —

Okay. Eu

acho

que

eu

realmente

vi

isso

em o

Albergue... Um e Dois. — Você vai ficar bem. — disse Blake. — O lugar está escondido para que fique fora da grade, não porque eles sequestram e matam turistas desavisados. Eu totalmente me dei o direito de discordar sobre isso. Daemon estacionou o mais longe que podia, obviamente, mais medo de riscar o lado de Dolly do que nós sermos comidos pelo Pé Grande. Um cara saiu cambaleando entre um bando de carros. Luar refletia sobre seu colar com espinhos e seu moicano verde. Ou ser comido por um garoto gótico. Abri a porta e sai, abraçando minha jaqueta mais forte. — Que tipo de lugar é esse? — Um tipo muito diferente de lugar. — foi a resposta de Blake. Ele bateu a porta para fechá-la, e Daemon estava quase arrancando sua cabeça. Revirando os olhos, Blake deu a volta me. — Você vai ter que perder o casaco. — O quê? — Eu olhei para ele. — Está congelando. Vê a minha respiração? —

Você não vai congelar nos segundos que leva para

caminharmos até a porta. Eles não vão deixar você entrar. Eu senti como pisando em meus pés enquanto eu olhava para Daemon, impotente. Como Blake, ele estava vestido com calça jeans

144


escura e uma camisa. Sim. Isto é tudo. Aparentemente, essas pessoas não se preocupavam com o código macho de vestimenta. — Eu não entendo isso— lamentei. Minha jaqueta foi minha graça salvadora. Já era ruim o suficiente que as calças rasgadas não escondessem minhas pernas. — Então, não é justo. Daemon caminhou até mim, colocando as mãos sobre as minhas. Uma mecha de cabelo ondulado caiu em seus olhos. — Nós não temos que fazer isso se você não quiser. Eu falo sério. — Se ela não o fizer, então isto foi uma enorme perda de tempo. — Cale a boca. — Daemon rosnou por cima do ombro e, em seguida, para mim — Eu estou falando sério. Me diga agora, e vamos para casa. Tem que haver outra maneira. Mas não havia outro jeito. Blake, que Deus me perdoe, estava certo. Eu estava perdendo tempo. Balançando a cabeça, dei um passo para trás e comecei a desabotoar meu casaco. — Eu estou bem. Colocando as minhas calcinhas de garota grande e tudo mais. Daemon assistiu calmamente enquanto eu arrancava o que para mim era minha armadura. Sem minha jaqueta, ele deu uma respiração baixa, quando eu a joguei no banco do passageiro. Mesmo frio como estava, todo o meu corpo de alguma forma conseguiu se sentir como se estivesse pegando fogo. — Sim. — ele murmurou, dando um passo à frente de mim como um escudo. — Eu não estou tão certo sobre isso. Por cima do ombro, as sobrancelhas de Blake se ergueram. — Uau. Daemon virou de costas, braço voando, mas Blake correu para a esquerda,

desviando

da

mão

de

Daemon. Faíscas

vermelho-

esbranquiçadas voaram, iluminando o escuro como fogos de artifício. Eu cruzei meus braços sobre minha barriga nua, exposta pela camiseta cortada e a saia curta. Eu me senti nua, o que era estúpido, porque eu já usei trajes de banho. Balançando a cabeça, contornei Daemon.

145


— Vamos entrar. Os olhos de Blake derivaram em cima de mim de forma rápida o suficiente para evitar a morte certa pelo alienígena irritado atrás de mim. Minha mão coçava para bater nele. Nossa caminhada para a porta de aço na esquina do prédio foi rápida. Não havia janelas ou qualquer coisa, mas à medida que se aproximava, a batida pesada da música podia ser sentida do lado de fora. — Então devemos bater...? Fora

das

sombras,

uma

grande

mão

de

um

cara

apareceu. Braços como troncos de árvores foram mostrados pelos macacão rasgado que usava. Sem camisa, porque estava, tipo, cem graus aqui fora ou algo assim. O cabelo do rapaz era espetado em três seções em todo o centro de seu crânio de outra forma raspada. Eles estavam roxos. Eu gosto de roxo. Engoli em seco, nervosa. Piercings brilhavam em todo o seu rosto, nariz, lábios e sobrancelhas. Dois tachos grossos perfuravam suas orelhas. Ele não disse nada quando parou na frente de nós, seus olhos escuros passando sobre os rapazes e, em seguida, parando em mim. Eu dei um passo para trás, esbarrando em Daemon, que colocou a mão no meu ombro. — Vendo algo que gosta? — perguntou Daemon. O cara era grande – estilo lutador profissional - e ele sorriu como se estivesse avaliando Daemon... para o jantar. E eu sabia que Daemon provavelmente estava fazendo a mesma coisa. A probabilidade de nós saímos daqui sem uma briga enorme era pequena. Blake interveio. — Estamos aqui para a festa. Isso é tudo. O lutador não disse nada por um segundo e, em seguida, estendeu a mão para a porta. Olhos fixos em Daemon, ele abriu a porta e música tocava. Ele fez uma reverência zombeteira.

146


— Bem vindos ao O Arauto. Divirtam-se. Arauto? Que... adorável, um nome reconfortante para um clube. Blake olhou por cima do ombro e disse: — Acho que ele gostou de você, Daemon. — Cale a boca. — disse Daemon. Blake soltou uma risada baixa e entrou, e minhas pernas me levaram por um corredor apertado que de repente parecia em um mundo diferente. Um mundo cheio de enclaves sombreados e piscando luzes estroboscópicas, e o cheiro somente era quase impossível. Não era ruim, mas uma potente mistura de suor, perfume e outros aromas questionáveis. O gosto amargo do álcool era espesso no ar. Brancas azuis, vermelhos e brancas fluídas e deslumbradas sobre

a

multidão

repleta

de

corpos

ondulantes

em

intervalos

vertiginosas. Se eu fosse propensa a crises, eu estaria no chão em um piscar de olhos. Toda a pele nua — principalmente feminina — brilhava como se as garotas tivessem se encerado com glitter. A pista de dança estava lotada, corpos em movimento, alguns em ritmo, outros apenas empurrando. Além dela, estava um palco de dança levantado. Uma garota com cabelo longo, loiro, girava no centro do caos, seu corpo esbelto era baixo, mas ela se movia como uma dançarina, todos os movimentos graciosos e fluidos enquanto ela girava. Eu não conseguia tirar os olhos dela. Ela parou de girar, sua metade inferior ainda balançava em sintonia com a batida quando ela empurrou o cabelo úmido para trás. Seu rosto estava radiante com a inocência, seu sorriso bonito e grande. Ela era jovem, jovem demais para estar em um lugar como este. Então, novamente, quando meus olhos percorreram a multidão, um monte de crianças que definitivamente não tinham a idade certa estavam bebendo. Alguns tinham, mas a grande maioria parecia que eles tinham nossa idade. Mas a parte mais interessante era o que estava em cima do palco. Gaiolas penduradas no teto, ocupadas por garotas seminuas. GoGo-Girls era o que minha mãe teria chamado. Eu não tinha certeza de

147


qual era o nome agora, mas as garotas vestiam umas botas de matar. As metades superiores de seus rostos estavam cobertas com máscaras brilhantes. Todos elas tinham o cabelo que eram de todas as cores do arco-íris. Olhei para a pele entre a minha saia jeans e camiseta. Sim, eu realmente poderia ter enlouquecido. Ainda mais estranho, não havia uma mesa ou conjunto de cadeiras em qualquer lugar que eu podia ver. Havia sofás espreitando para fora das linhas laterais sombreadas, mas não havia como no inferno que eu sentaria nessas coisas. A mão de Daemon estava firmemente nas minhas costas quando ele se inclinou, falando no meu ouvido. — Um pouco fora de seu ambiente, Kitten? O engraçado foi que Daemon ainda se destacava nesta multidão. Ele era um bom palmo mais alto que a maioria, e nenhum deles se movia como ele ou parecido com ele. — Eu acho que você deveria ter vindo com um delineador. Seus lábios se curvaram para cima. — Nunca vai acontecer. Blake se moveu na frente de nós enquanto seguia pela pista de dança, as batida rápida acalmando e outra começando, pesado na bateria. Todo mundo parou. Os punhos de repente um tiro para o ar, seguido de gritos, e meus olhos se arregalaram. Isso aqui ia virar uma Roda Punk? Uma parte de mim meio que queria experimentar isso. A batida raivosa pode ter tido algo a ver com isso. As garotas das gaiolas bateram as mãos contra as grades. A garota bonita no palco com todo aquele cabelo loiro tinha desaparecido. A mão de Daemon deslizou para a minha e apertou. Meus ouvidos se esforçaram para pegar as letras sobre os gritos. Salvo da dor, da verdade, da escolha e de outros demônios venenosos,…Os gritos aumentaram, abafando tudo exceto a bateria.

148


O cabelo se arrepiou na parte de trás do meu pescoço. Havia definitivamente algo com este clube. Não estava certo... Não estava certo de jeito nenhum. Nós viramos para o bar e entramos em um corredor estreito. As pessoas estavam contra as paredes, tão perto uma das outras que eu não poderia dizer onde um corpo começava e outra terminava. Um cara olhou para cima a partir do pescoço onde ele se ocupava, e seus olhos fortemente delineados encontraram os meus. Ele piscou. Eu rapidamente desviei o olhar. Nota para mim mesma: não fazer contato visual. Antes que eu percebesse, nós tínhamos parado em uma porta onde lia-se apenas Somente Pessoal, mas a palavra pessoal tinha sido riscada e alguém tinha escrito Malucos com marcador permanente. Legal. Blake bateu os nós dos dedos na porta, que abriu pela primeira vez. Eu não conseguia ver quem estava por trás disso. Olhei por cima do meu ombro. Olhos com delineador estavam me olhando. Os olhos ainda estavam olhando. Pervertido. — Estamos aqui para ver Luc. — disse Blake. O que quer que a pessoa misteriosa tenha dito por trás da porta, não pareceu bom, porque a espinha de Blake ficou rígida. — Diga a ele que é Blake, e ele me deve uma. — Houve uma pausa e parte de trás do seu pescoço ficou vermelho. — Eu não me importo com o que ele está fazendo, eu preciso vê-lo. —Ótimo. — Daemon murmurou, seu corpo enrijecendo e relaxando em intervalos. — Ele está amigável como de costume. Outra resposta ilegível e a porta se abriu um pouco mais. Então, Blake rosnou. — Droga, ele me deve. Essas pessoas são legais. Confie em mim. Não há erros aqui. Erros? Ah, outra palavra para espiões. Finalmente Blake virou-se para nós, as sobrancelhas erguidas.

149


— Ele quer falar comigo primeiro. Sozinho. Daemon se ergueu mais alto. — Sim, não vai acontecer. Blake não voltou atrás. — Então, nada vai acontecer. Ou você faz como ele quer e alguém virá por você, ou fizemos esta viagem para nada. Eu poderia dizer que Daemon não ficou bem com isso, e eu não tinha passado por uma viagem de carro do inferno e buscado minha stripper interior por nada. Ficando nas pontas dos dedos dos pés, eu pressionei contra suas costas. — Vamos dançar. — Daemon virou-se a meio caminho, com os olhos piscando. Eu puxei sua mão. — Vamos lá. Ele cedeu e quando ele se virou completamente, por cima do ombro, vi a porta abrir e Blake deslizar completamente. Um sentimento ruim se estabeleceu em meu estômago, mas não havia nada que pudéssemos fazer agora que estávamos aqui. Os tambores havia desaparecido, e uma canção um pouco familiarizada tinha começado. Respirando fundo, puxei Daemon para o chão, deslizando em volta de corpos enquanto eu procurava um lugar. Encontrando um, eu girei. Ele me observava com curiosidade, quase como se ele estivesse dizendo: Vamos

realmente

fazer

isso? Estávamos. Dançar

parecia

loucura quando tanto repousava na informação que viria, mas eu afastei as nossas razões para vir aqui. Fechando os olhos e tomando coragem, aproximei-me dele, passei um braço em volta de seu pescoço, e coloquei a outra mão em sua cintura. Comecei a me mover contra ele, como os outros dançarinos estavam, porque, na realidade, quando os caras dançavam, eles meio que só ficavam lá e deixavam as garotas fazer todo o trabalho. Se eu me lembrava corretamente das poucas vezes que eu sorrateiramente sai para os clubes com os amigos em Gainesville, as garotas faziam os caras parecerem legais.

150


Demorou alguns segundos de rigidez para encontrarmos o ritmo para a música e relaxar os músculos que realmente não tinham visto nenhuma ação recentemente, mas quando eu fiz, o ritmo da música ressoou na minha cabeça e, em seguida, através do meu corpo, por meus membros. Balançando com a música, eu virei e meus ombros se moveram em sincronia com meus quadris. O braço de Daemon penetrou na minha cintura, e eu senti o queixo em meu pescoço. — Okay. Eu posso estar agradecido por Blake estar sendo amigável — disse ele em meu ouvido. Eu sorri. Seu braço se apertou quando a batida aumentou e os meus movimentos. — Eu acho que eu gosto disso. Ao nosso redor, os corpos estavam escorregadios e brilhantes de suor, como se tivessem estado dançando durante anos. Essa era a coisa sobre lugares como este, você é pego e horas se passam, mas só parece como longos minutos. Daemon me virou de costas para ele, e eu estava nas pontas das minhas botas, de frente para ele. Baixou a cabeça, pressionando a testa contra a minha, nossos lábios se tocando. Uma onda de energia passou por Daemon, transferindo para a minha pele, e as luzes piscando, estávamos perdidos neste mundo. Nossos corpos subiam com a batida, encaixando fluidamente enquanto outros pareciam jogados ao nosso lado, nunca capaz de encontrar a sincronização correta. Quando os lábios de Daemon apertaram mais firmemente contra os meus, eu os abri, e não perdi o ritmo, embora ele estivesse roubando o meu fôlego. O meu – os nossos corações estavam batendo, mãos segurando, segurando, as suas deslizando sobre a curva das minhas costas, e por trás de minhas pálpebras, vi um pontinho de luz branca. Deslizando minhas mãos em seu rosto, eu o beijei de volta. Estática fluiu, em cascata para fora de nossos corpos em correntes de luz vermelho-branco que estava escondido sob as luzes estroboscópicas piscando, que fluía sobre o chão como uma onda de

151


eletricidade. E ao nosso redor, as pessoas dançavam, alheias aos choques ou alimentadas por eles, mas eu não me importo. As mãos de Daemon estavam em meus quadris, me puxando mais perto, e nós estávamos indo acabar fácil como um daqueles casais no corredor. A música pode ter parado, mudado ou o que seja, mas ainda estávamos

pressionados

juntos,

praticamente

devorando

um

ao

outro. E talvez mais tarde, amanhã ou na próxima semana, eu poderia estar envergonhada ao extremo, mas não agora. Uma mão pousou no ombro de Daemon, e ele se virou para longe. Com um segundo de sobra, eu agarrei o braço dele, parando o punho de dizer Olá à mandíbula de Blake. Blake sorriu e gritou sobre a música aos berros: — Vocês estão fazendo sexo ou dançando? Meu rosto queimou. Ok, talvez agora eu ficaria envergonhada. Daemon resmungou alguma coisa e Blake deu um passo para trás, com as mãos indo para cima. — Desculpe— ele gritou. — Nossa. Ele está pronto para nos ver se vocês terminaram de comer o rosto um do outro. Blake ia levar um soco alguma hora. Pegando novamente a minha mão, segui Daemon e Blake de volta pelo corredor. Meu coração ainda estava acelerado, meu peito subindo e descendo muito rápido. Essa dança... Os olhos delineados foram embora desta vez, quando Blake foi bater à porta, se abriu inteira. Segui-o, esperando que meu rosto não estivesse queimando. Eu não tenho certeza do que eu estava à espera de encontrar atrás da porta. Talvez um quarto escuro esfumaçado com homens usando óculos de sol, estalando os nós dos dedos, ou outro grande cara com macacão, mas eu não estava esperando o que eu encontrei. O quarto era grande e o ar limpo, com cheiro de baunilha. Havia vários sofás, um ocupado por um rapaz com cabelos castanhos na altura dos ombros dobrados para trás das orelhas. Como a garota que eu tinha visto dançando antes, ele era jovem. Talvez quinze anos, se

152


muito, e ele tinha buracos na calça jeans do tamanho de Marte. Em volta de seu pulso estava um bracelete de prata que circulava uma estranha pedra. Era uma pedra negra, mas não uma obsidiana. No centro da pedra, tinha uma chama laranja-avermelhado e abaixo dela, manchas de azul e verde. Seja qual for a pedra, era linda e parecia cara. O garoto olhou para cima do DS que ele estava jogando, e eu fiquei um pouco muda por sua beleza juvenil. Olhos cor de ametista encontraram os meus por um breve momento e, em seguida, voltaram para o jogo. Aquele garoto ia ser um colírio para os olhos um dia. Então eu percebi que Daemon tinha endurecido e estava olhando para um cara em uma cadeira de couro. Pilhas de dinheiro estavam espalhadas sobre a mesa na frente de um cara loiro-gelo que estava olhando para Daemon, os brilhantes olhos de prata grande com o choque. O cara estava provavelmente em seus trinta e poucos anos, e meu Deus, ele era lindo. Daemon

avançou. O

cara

levantou. E

o

meu

coração

acelerou. Meus piores temores se espalharam através de mim como um incêndio. — O que está acontecendo? — Perguntei. Até Blake parecia nervoso. O garoto no sofá tossiu uma risada, fechando os DS. — Aliens. Eles têm esse sistema interno maluco que lhes permite cheirar uns aos outros. Acho que nenhum deles estava esperando ver o outro. Me virei para o garoto lentamente. Sentou-se, balançando as pernas para fora do sofá. Ele teria tido um rosto de bebê, se não fosse pela inteligência aguçada em seus olhos ou a experiência definida nas linhas duras de sua boca. — Então, vocês, loucas crianças, querem invadir a fortaleza de Daedalus e querem minha ajuda? Eu fiquei boquiaberta. Luc era uma criança.

153


E

Capitulo Quinze

sperei o garoto gritar “Peguei você” e pular fora para o parque mais próximo, mas quando os segundos se estenderam, cheguei a aceitar que o nosso messias de informação era apenas um adolescente.

Luc sorriu, como se soubesse o que eu estava pensando. — Surpresa? Você não deveria estar. Surpresa com nada. Ele se levantou, e eu fiquei chocada ao descobrir que ele era quase tão alto quanto Daemon. — Eu tinha seis anos quando decidi brincar com um táxi em alta velocidade. Ele ganhou. Perdi a bicicleta mais legal que existe e uma boa quantidade de sangue, mas a minha sorte foi que, meu amigo de infância era um alienígena. — Como... como você fugiu do Daedalus? — E tão jovem, eu queria acrescentar. Luc aproximou-se da mesa, os seus passos suaves e sem esforço. — Eu era o pupilo de ouro deles. — Seu sorriso era mau, quase perturbador. — Nunca confie em quem se destaca. Não é verdade, Blake? Encostado na parede, Blake deu de ombros. — Parece certo. — Por quê? — Luc se sentou na beirada da mesa. — Porque, eventualmente, o aluno torna-se mais esperto do que o professor, e eu tive alguns professores realmente inteligentes. Então. — Ele bateu palmas. — Você deve ser Daemon Black. Se Daemon ficou surpreso que Luc sabia o nome dele, não demonstrou. — Esse seria eu.

154


Os cílios ridiculamente longos da criança se abaixaram. —Já ouvi falar de você. Blake é um grande fã. Blake levantou o dedo do meio. Daemon disse secamente: — Fico feliz em saber que meu fã clube chegou tão longe. Luc inclinou a cabeça para o lado. — E que um fã clube... oh, erro meu, eu não o apresentei ao meu companheiro Luxen. Esse cara atende pelo nome de Paris. Por quê? Eu não sei. Paris sorriu firmemente quando ele estendeu a mão para Daemon. —É sempre bom conhecer outro não vinculado por velhas crenças e regras desnecessárias. Daemon apertou sua mão. — O mesmo. Como você acabou com ele? Luc riu. —É uma longa história para um dia diferente, se houver um dia diferente. — Aqueles olhos extraordinários deslizaram de volta para mim. — Você tem alguma ideia do que eles vão fazer com você se perceber que é uma híbrida totalmente funcional? — Ele inclinou a cabeça para baixo, sorrindo. — Nós somos muito raros. Nós três juntos é realmente muito impressionante. — Eu imagino. — eu disse. — Você acha? — As testas de Luc se levantaram. — Eu duvido que Blake ainda disse a metade, o pior de tudo. Olhei para Blake. Sua expressão ficou bloqueada. Um vento gelado correu pela minha espinha que não tinha nada a ver com a minha falta de roupas. — Mas você sabe disso. — Luc se levantou e se espreguiçou, como um gato depois de um cochilo. — E ainda assim você está disposta a correr o enorme risco de ir para o ninho de vespas.

155


— Nós realmente não temos escolha. — Daemon atirou a Blake um olhar sombrio sobre o ombro. — Então você vai nos dar os códigos ou não? Luc encolheu os ombros, correndo os dedos sobre as pilhas de dinheiro. — O que vou ganhar com isso? Eu exalou bruscamente. — Além de irritar Daedalus, nós realmente não temos muito a oferecer. — Hmm, eu não sei sobre isso. — Ele pegou um maço de dinheiro com um elástico. Um segundo depois, as bordas das notas se enrolaram, uma fusão de papel para dentro até o cheiro de queimado encher o ar e nada restou. Eu estava com inveja, considerando que a coisa toda de usar-aluz-para-aquecer-com-o-fogo não deu certo comigo. — O que podemos fazer por você? — Obviamente, dinheiro não é um problema. — acrescentou Daemon. Os lábios de Luc contraíram. — O dinheiro não é necessário. — Ele roçou os dedos em seus jeans. — O poder não é, também. Honestamente, a única coisa que eu preciso é um favor. Blake avançou da parede. —Luc... Seus olhos se estreitaram. — Um favor é tudo que eu quero, que eu possa coletar a qualquer momento. Isso é o que eu quero em troca, e eu vou te dar tudo que você precisa saber. Bem, isso soou fácil. — O... — Espere. — Daemon me cortou. — Você quer que a gente concorde com um favor sem saber qual o favor? Luc assentiu.

156


— Onde está o risco, se você souber de tudo? — Onde está a inteligência se não soubermos? — Daemon atirou de volta. O garoto riu. — Eu gosto de você. Muito. Mas a minha ajuda não vem sem o seu risco em troca. — Deus, você é como um mafioso pré-adolescente. — eu murmurei. — Algo como isso. — Ele abriu um sorriso beatífico. — O que você – todos vocês- não entendem é que existem coisas muito, muito maiores do que a namorada de um irmão ou um amigo... ou até mesmo acabar sobre o controle do homem. Há mudança sussurrando por trás dos ventos, e os ventos vão ser ferozes. — Ele olhou para Daemon. — O governo teme os Luxen, porque eles representam a queda da humanidade a partir do topo da cadeia alimentar. Para corrigir isso, eles criaram algo muito mais forte do que um Luxen. E eu não estou falando de pequenos híbridos. Eu tremi. — Do que você está falando? Seus olhos arroxeados encontraram os meus, mas ele não disse nada. Paris cruzou os braços. — Não quero ser rude, mas se você não está disposto a negociar, conhece a porta. Daemon e eu trocamos olhares. Eu honestamente não sei o que dizer. Seriamente parecia como fazer um acordo com a máfia – com uma criança assustadora como chefe. — Caras— disse Blake. — Ele é a nossa única chance. — Cristo. — Daemon murmurou. — Tudo bem. Devemos-lhe um favor. Os olhos de Luc brilharam. — E você? Eu suspirei.

157


— Claro. Por que não. —Ótimo! Paris? — Ele estendeu a mão. Paris se abaixou, pegou um pequeno MacBook Air, e entregou-o. — Dê-me um segundo. Vimos

ele

socar

o

teclado,

sobrancelhas

em

concentração. Enquanto esperávamos, uma porta no fundo da sala se abriu e a garota do palco espreitou a cabeça para dentro do quarto. A cabeça de Luc ergueu. — Agora não. A careta da garota foi épica, mas ela fechou a porta. — Ela é a garota... — Não termine a frase, se você quer que eu continue. Nem fale sobre ela. Francamente, você nunca a viu — disse Luc, olhos fixos na tela novamente. — Todas as ofertas não valerão mais. Eu apertei minha boca fechada mesmo que eu tivesse mil perguntas

sobre

como

os

dois

fugiram

e

como

eles

estavam

sobrevivendo praticamente desprotegidos. Finalmente, Luc colocou o laptop sobre a mesa. A tela estava dividida em quatro seções, preto e branco, também granulado, como filme de segurança. Em uma imagem estava a floresta. Outra era de um muro alto e um portão, o outro uma cabine de segurança, e a última mostrava um homem de uniforme patrulhando em outra seção da cerca. — Digam Olá para o Monte Weather – propriedade do FEMA, garantidos por Homeland Security. Afastado nas majestosas Montanhas Blue Ridge, que é usado como um centro de treinamento clandestino para todos os funcionários no caso de alguém atacar — Luc disse, rindo. — Também conhecido como uma frente completa para o DOD e Daedalus, porque no subsolo, há seiscentos mil quadrados de salas de treinamento e tortura. Blake olhou para a tela. — Você invadiu seus sistemas de segurança? Ele deu de ombros.

158


— Como eu disse, melhor pupilo e tudo mais. Consulte esta seção aqui. — Ele apontou para a tela, onde um guarda patrulhava o muro, quase misturando-se ao fundo granuloso. — Esta é a entrada do segredo — Que não existe. Muitas poucas pessoas estão conscientes disso... O garoto Blake sabe. Luc bateu a barra de espaço, e a câmera se moveu para a direita. Um portão apareceu. — Aqui está o desafio: Domingo à noite às nove da noite vai ser a sua melhor aposta. É uma mudança de turno e de pessoal e o mínimo de dois guardas estarão patrulhando este portão. Porque, você sabe, domingo é um dia meio triste. Paris pegou um bloco e uma caneta. — Esta porta é o seu primeiro obstáculo. Você precisa tirar os guardas, mas isso é fácil. Eu vou me certificar se as câmeras estarão em baixa entre as nove e nove de quinze – sabe, faça um movimento Jurassic Park. Você terá 15 minutos para entrar, tirar seus amigos, e dar o fora. Portanto, não deixe um dragão atrasá-lo. Daemon se engasgou com uma risada. —

Quinze

minutos.

Blake

murmurou,

balançando

a

cabeça. — Possível. Uma vez dentro do complexo, a entrada leva aos elevadores. Podemos levá-los até o décimo andar e ir até a cela. —Ótimo. — Luc tocou o dedo na porta. — O código para essa porta é Icarus. Percebendo uma tendência? — Ele riu. — Dentro do complexo, você verá três portas lado a lado. Blake assentiu com a cabeça novamente. — A porta do meio... eu sei. O código? — Espere. Onde é que as outras portas levam? — Perguntei. — Para o grande Oz. — Luc disse, batendo a barra de espaço até que a câmera estava focada agora nas portas. — Na verdade, para nenhum lugar interessante. Apenas escritórios e outras coisas do verdadeiro FEMA. Alguém quer adivinhar o código para essa porta? — Daedalus. — eu chutei. Ele sorriu.

159


— Perto. O código para essa porta é Labirinto. É uma palavra difícil de soletrar, eu sei, mas certifique-se de fazê-lo corretamente. Você tem uma chance. Digite o código errado e a coisa vai ficar feia. Pegue o elevador até o sexto andar, como disse Blake e depois digite o código de Daedalus – todas em maiúscula. Voilà! — Daemon balançou a cabeça, em dúvida. — Tem apenas códigos para entrar? Essa é a segurança deles? — Ha! — Luc apertou alguns botões e a tela ficou preta. — Eu estou fazendo mais do que dar a vocês os códigos e derrubar câmeras, menu novo melhor amigo. Vou derrubar o software de reconhecimento de ótica deles. Ele não vai funcionar por cerca de dez a quinze minutos por dia, sem levantar uma sobrancelha. — O que acontece se nós ainda estivermos lá e ele voltar a funcionar?— Perguntei. Luc ergueu as mãos. — Uh, vai ser como estar em um avião que está prestes a cair. Enfie a cabeça entre os joelhos e dê o beijo de despedida. — Oh, isso parece ótimo— eu disse. — Então você é como um hacker mutante, também? Ele piscou. — Mas tenha cuidado. Eu não vou derrubar todas as outras precauções de segurança que eles possam ter decidido colocar. Isso vai levantar preocupações. — Ei. — Daemon franziu a testa. — Que outras medidas de segurança poderiam ter? —

Eles

mudam

os

códigos

todos

os

outros

dias,

eu

descobri. Fora isso, nada mais que guardas, mas pode haver uma mudança nos turnos. — Blake sorriu. — Nós vamos ficar bem. Temos isso. Paris entregou uma folha com os códigos anotados. Daemon pegou antes que Blake pegasse e colocou-o no bolso. — Obrigado. — disse ele.

160


Voltando para o sofá e a seu DS, Luc sentou, seu sorriso desaparecendo. — Não me agradeça ainda. Na verdade, não me agradeça por nada. Eu não existo, você sabe, não até que eu precise do meu favor. — Ele abriu seu DS. —Lembre-se, este domingo, às nove horas. Você tem 15 minutos e isso é tudo. — Tudo bem. — Eu desenhei a palavra, olhando para Blake. Eu gostaria de saber como estes dois se conheceram. — Bem, eu acho... — Vamos indo— Daemon falou, pegando a minha mão. — Foi bom, tipo, conhecer todos vocês. — Que seja— disse ele, os polegares voando sobre o tabuleiro do jogo. A voz de Luc nos parou na porta. — Você não tem ideia do que espera por você. Tenha cuidado. Eu odiaria que meu acordo fosse unilateral, se vocês conseguirem serem mortos... ou pior. Estremeci. Bela maneira de encerrar a conversa com uma dose saudável de aberração. Daemon acenou para o outro Luxen, e fomos para fora, Blake fechando a porta atrás de si. Só então percebi que o quarto era à prova de som. — Bem— Blake disse, sorrindo. — Isso não foi tão ruim, foi? Revirei os olhos. — Tenho a sensação de que acabei de fazer um pacto com o diabo, e ele vai voltar querendo nosso filho primogênito ou algo assim. Daemon balançou as sobrancelhas. — Você quer ter filhos? Porque você sabe, a prática leva a... — Cale a boca. — Eu balancei minha cabeça e comecei a andar. Corremos através do clube, em torno da pista de dança ainda agitada. Eu acho que todos nós estávamos prontos para sair de lá. Quando nos aproximamos da saída, olhei em volta por Daemon e Blake, meus olhos vagando sobre a pista de dança. Parte

de

mim

se

perguntou

quantos,

se

haviam,

eram

híbridos. Nós éramos raros, mas como senti no começo, havia algo

161


diferente sobre este lugar. Algo muito diferente sobre o garoto chamado Luc também. O lutador cumprimentou-nos à porta. Ele deu um passo para o lado, braços enormes cruzados sobre o peito. —Lembrem-se. — disse ele. — Vocês nunca estiveram aqui.

162


C

Capitulo dezesseis

hegamos em casa tarde de Martinsburg, e fui direto para a cama. Daemon me seguiu, mas tudo o que fez foi enrolar-se e dormir. Nós dois estávamos exaustos de tudo, e foi bom com ele lá, uma presença constante que relaxava e acalmava os meus nervos em frangalhos.

Eu era um zumbi na quinta-feira, e uma atitude repugnante falante de Blake em biologia me fez querer vomitar. — Você deveria estar mais feliz. — ele sussurrou enquanto eu rapidamente fazia notas. Sem dúvida eu falhei no exame ontem. — Depois de domingo, tudo vai acabar. Tudo vai acabar. Minha caneta parou. Um músculo no meu pescoço ficou tenso. — Não vai ser fácil. — Sim, será. Você só precisa de fé. Eu quase ri. Fé em quem? Blake? Ou o garoto da máfia? Eu não confiava em nenhum deles. — Depois de domingo, você vai embora. — Como na última década. — respondeu ele. Depois da aula, arrumei as minhas coisas, sorri para algo que Lesa disse, e então esperei por Dawson. Eu não gostaria de deixá-lo sozinho com Blake. Não quando Dawson estava encarando o cara como se ele quisesse esmurrar as informações dele. Blake passou por nós, sorrindo quando ele trocou seus livros para a outra mão. Ele deslizou pelo corredor, acenando para um grupo de alunos que gritou seu nome. — Eu não gosto dele. — Dawson resmungou. — Entre na fila. — Fomos ao fundo do corredor. — Mas nós precisamos dele até domingo. Dawson olhou para a frente.

163


— Ainda não gosto dele.— E então ele perguntou: — Ele tinha uma queda por você, não é? Minhas bochechas queimaram. — O que faz você pensar isso? Um pequeno sorriso apareceu. — O ódio do meu irmão por ele não tem limites. — Bem, ele matou Adam. — eu disse em voz baixa. — Sim, eu sei, mas é pessoal. Eu fiz uma careta. — Como é que é fica mais pessoal do que isso? — Fica. — Dawson empurrou a porta e fomos atacados pela equipe de risadinha no patamar. Kimmy era a capitã. — Uau. Por que não me surpreende? Eu me encontrei me movendo na frente de Dawson. — E por que eu não tenho nenhuma ideia do que você está falando? Atrás de mim, Dawson mudou seu peso de um pé para o outro. — Bem, isso é bastante óbvio. — Ela encostou-se ao transporte ferroviário, a mochila apoiada no topo. Em volta dela, as garotas riam. — Um irmão não é o suficiente para você. Antes que eu pudesse reagir, Dawson saiu em torno de mim e cuspiu: — Você é de dar pena e revoltante. O sorriso de Kimmy congelou, e talvez o velho Dawson nunca disse nada parecido, porque ela e todos os seus amigos pareciam como se tivessem visto alguém sair da sepultura. Em algum lugar, no fundo da minha mente, eu queria rir, mas eu estava tão irritada, tão repelida pela sugestão de que eu estaria saindo com os dois irmãos gêmeos. Eu honestamente não sei o que aconteceu depois. Um pulso de energia me deixou, e a mochila rosa sacudiu e depois inclinou sobre o corrimão. O peso empurrou Kimmy. Seus sapatos de salto saíram do chão, e num piscar de olhos eu vi o que ia acontecer.

164


Ela iria subir direto para o teto, de cabeça. Um grito começou em minha garganta e saiu de Kimmy. Os olhares horrorizados de seus amigos ficariam para sempre gravados na minha memória, e meu coração disparou. Dawson disparou para a frente, pegando um de seus braços agitados. Ele tinha-a em seus pés antes de seu grito desaparecer de meus ouvidos. —

Eu

peguei

você.

disse

ele,

surpreendentemente

suave. Kimmy engoliu em seco, apertando a mão de Dawson. — Está tudo bem. Você está bem. Ele cuidadosamente afastou os dedos dos dela e recuou. Seus amigos imediatamente a cercaram. Então ele se virou para mim, seus olhos nublados. Pegando meu cotovelo, ele rapidamente me guiou para baixo da escada. Assim que estávamos fora da distância de audição, ele parou e me encarou. — O que foi isso? Minha respiração ficou presa e eu desviei o olhar, confusa e cheia de vergonha. Tudo aconteceu tão rápido, e eu estava tão furiosa. Mas foi uma parte de mim que tinha agido sem pensamento ou conhecimento. Uma parte de mim sabia que o peso de sua bolsa teria a derrubado. ... Na hora do almoço, eu não contei a Daemon sobre o que aconteceu com Kimmy na escada, me convencendo de que, já que Carissa e Lesa estavam conosco, era, portanto, não a conversa para se ter ali. Não era nada mais do que uma desculpa, mas eu me senti tão revoltada com as palavras de Kimmy. Mais tarde naquele dia, quando estávamos na casa de Daemon, revisando os planos para domingo com o pessoal, eu disse a mim mesma que ainda não era o momento.

165


Especialmente quando Dee estava exigindo para ir e Daemon não estava aceitando. — Eu preciso que você e Ash fiquem para trás, junto com Matthew, apenas no caso de algo der errado. Dee cruzou os braços. — O quê, você não acha que eu posso me controlar com vocês? Que eu poderia tropeçar e esfaquear Blake até a morte? Seu irmão lhe lançou um olhar brando. — Bem, agora que você disse... Ela revirou os olhos. — Katy vai com você? Meus ombros caíram. Aqui vamos nós. O corpo de Daemon ficou tenso. — Eu não quero... — Sim. — Eu o interrompi com um olhar mortal. — Só porque eu coloquei vocês na maior parte dessa confusão, e Blake não vai fazer nada disso sem Daemon e eu. Ash sorriu do sofá. Além de olhar para Daemon como se ela quisesse reacender seu romance, ela não estava fazendo ou dizendo muito. — Quão valente da sua parte, Katy. Eu a ignorei. — Mas nós precisamos de pessoas do lado de fora no caso de algo der errado. — O quê? — Perguntou Andrew. — Você não confia em Blake? Vai entender. Daemon sentou-se, correndo ambas as mãos pelo cabelo. — De qualquer forma, vamos entrar e sair. Então, tudo... tudo vai acabar. Seu irmão piscou lentamente, e eu sabia que ele estava pensando em Beth. Talvez até mesmo a imaginando, e eu me perguntei quanto tempo tinha passado desde que ele a viu pela última vez. Então eu perguntei e, surpreendentemente, ele respondeu.

166


— Eu não sei. Tempo era diferente. Semanas? Meses? — Ele se levantou, ombros rolando. — Eu não acho que eu estava naquele lugar Monte. O lugar estava sempre quente e seco quando era levado para fora. Levado para fora, como um animal de estimação ou algo assim. Errado em tantos níveis. Dawson soltou uma respiração irregular. — Eu preciso andar ou me mexer. Olhei ao redor rapidamente. O sol havia se posto há um tempo atrás. Não como se ele precisasse, no entanto. Ele já estava fora da porta antes que alguém pudesse dizer alguma coisa. — Eu vou. — Era Dee desta vez. Andrew se levantou. — Eu vou seguir. — Eu acho que eu estou fora daqui. — Vindo de Ash. Matthew suspirou. — Um dia desses, vamos passar por tudo sem nenhum drama. Daemon riu cansada. — Boa sorte com isso. Em cerca de cinco minutos, todos, exceto Daemon foram liberados para fora da casa. O momento perfeito para confessar que quase quebrei o pescoço de Kimmy, exceto que havia um brilho nos olhos cor de jade de Daemon. Minha boca secou. — O quê? Daemon levantou e se espreguiçou, piscando uma fatia de pele esticada. — Está quieto. — Ele ofereceu sua mão e eu a peguei na minha. — Nunca é quieto por aqui. Não mais. Ele tinha um bom argumento. Eu o deixei me puxar para ficar em pé. — Isso não vai durar muito tempo.

167


— Não—. Ele me puxou para ele e um segundo depois, eu estava em seus braços e fomos subindo as escadas. Ele me colocou em meus pés em seu quarto. — Admita. Você gosta do meu método de viagem. Me sentindo um pouco tonta, eu ri. — Um dia desses eu vou ser mais rápida do que você. — Continue sonhando. — Idiota. — joguei de volta. Os lábios de Daemon se curvaram em um lado. — Problemática. — Ah. — Eu ampliei meus olhos. —Grosso. — Nós devemos fazer uso desse tempo de silêncio. — Ele avançou para mim, como um predador com uma presa à vista. — Sério? — De repente, me sentindo muito quente, eu recuei até eu acertar sua cama. —Realmente. — Ele tirou os sapatos. — Eu digo que temos por volta de trinta minutos antes que alguém nos interrompa. Meu olhar caiu quando ele tirou a camisa e jogou-a. Eu respirei fundo. — Provavelmente não por muito tempo. Seus lábios formaram um sorriso malicioso. — Verdade. Então, vamos dizer que temos 20 minutos, mais ou menos. — Ele parou na minha frente, seus olhos com capuz. — Não há tempo suficiente para o que eu gostaria de fazer, mas podemos contornar isso. Calor varreu pelas minhas veias, e eu me senti tonta novamente. — Nós podemos? — Mmm-hmm. — Ele colocou as mãos nos meus ombros e pressionou até que eu estava sentada na beira da cama. Passando as mãos nas minhas bochechas, ajoelhou-se entre as minhas pernas de modo que estávamos do nível dos olhos com o outro. Os cílios de Daemon baixaram, abanando seu rosto. — Eu senti sua falta.

168


Eu passei meus dedos em volta de seus pulsos. — Você me viu todos os dias. — Não é suficiente. — ele murmurou e apertou os lábios onde meu pulso batia ao longo do meu pescoço. — E nós estamos sempre com alguém. Deus, se isso não era a verdade. A última vez que estávamos sozinhos por qualquer quantidade considerável de tempo, nós tínhamos ambos dormido aqui. Então, esses momentos eram preciosos, rápidos e roubados. Sorri quando ele arrastou uma linha de beijos até meu queixo, parando nos meus lábios. — Nós provavelmente não deveríamos gastar esse tempo conversando, então. — Uh-huh. — Ele beijou um canto dos meus lábios. — Conversar é como uma perda de tempo. — E então ele beijou o outro canto. — E quando conversamos, nós geralmente acabamos discutindo. Eu ri. — Nem sempre. Daemon recuou, as sobrancelhas levantadas. — Kitten... — Tudo bem. — Eu corri para trás e ele seguiu, subindo em cima de mim, com os braços enormes e poderosos. Deus, eu enlouqueceria com ele às vezes. — Você pode estar certo, mas você está perdendo tempo. — Eu estou sempre certo. Eu abri minha boca para discordar, mas os lábios pegaram o controle dos meus, e seu beijo chegou no fundo, dentro de mim, músculos e ossos derretidos. Sua língua invadiu a minha, e, naquele momento, ele poderia estar certo sobre tudo o que ele queria, enquanto ele continuasse a me beijar assim. Eu deslizei meus dedos pelos cabelos dele, puxando, quando ele levantou a cabeça. Comecei a protestar, mas ele estava beijando seu caminho pela minha garganta, sobre a borda do meu cardigã, até os

169


botões pequenos em formato de flores, até que eu não pude manter o controle. Ou realmente manter o controle de onde ele estava indo. Daemon sentou-se sobre as coxas, indo para as minhas botas. Ele puxou uma para tirá-la, lançando-a pelo ombro. Ela bateu na parede com um suave baque. — Do que isso é feito? Pele de coelho? — O quê? — Eu ri. — Não. Eles são de pele de carneiro falso. — Eles são tão suave. — Ele tirou a outra, que também bateu na parede. Minhas meias eram as próximas. Ele beijou o topo do meu pé, e eu o empurrei. — Não é tão suave como esta, apesar de tudo. — Sorrindo, ele levantou a cabeça. — Amei a meia calça, por sinal. —É mesmo? — Meu olhar fixou no teto, mas eu realmente não estava vendo nada. Não quando suas mãos se moviam pelas minhas panturrilhas. —É.. Porque elas são vermelhas? — Isso. — Eu senti seu rosto no meu joelho, e minhas mãos tremeram na cama. — E porque elas são tão finas. É sexy, mas você já sabe disso. Sexy? Eu me senti quente. Suas mãos viajaram até meus culotes, sob a saia jeans, empurrando o material para cima e para cima. Mordi meu lábio, forte o suficiente para que um gosto metálico surgisse em minha boca. O material realmente era fino, a frágil barreira quase inexistente entre sua pele e a minha. Eu podia sentir cada toque, e até mesmo o menor deles era como mil volts de eletricidade. — Kitten... — Hmm— eu bati nas cobertas. — Basta ter certeza de que você ainda está comigo. — Ele beijou o lado da minha perna, logo acima do meu joelho. — Não quero que você durma ou nada. Como se dormir fosse possível. Seus olhos queimaram. — Você sabe o quê. Me dê dois minutos. Isso é tudo que eu preciso.

170


— Seja como for. — eu disse. — O que você vai fazer com 18 minutos restantes? — Aconchegar. Eu comecei a rir, mas seus dedos encontraram a barra das minhas calças, e ele puxou para baixo, amaldiçoando quando se enroscou nos meus pés. — Precisa de ajuda? — Eu ofereci, a voz trêmula. — Entendi. — ele murmurou. Elas também saíram voando em algum lugar. As coisas estavam indo mais longe do que tinham ido antes. Eu estava nervosa, mas eu não queria parar. Estava muito curiosa, e eu confiava nele de forma irrevogável. E então não havia nada que separava as mãos da minha pele ou dos lábios e eu parei de pensar, não fui capaz de formar qualquer pensamento coerente. Havia apenas ele e a corrida louca de sensações que ele puxou para trás, puxou de mim como um artista fazendo uma espécie de obra-prima. Então eu nem era eu mais, porque o meu corpo não conseguia se afastar muito. Como um balão sendo puxado para baixo e, em seguida, liberado, eu estava flutuando e havia um brilho esbranquiçado suave deslizando sobre as paredes que não estava saindo de Daemon. Quando voltei para baixo, os olhos de Daemon eram diamantes brilhantes. Ele pareceu impressionado, o que eu achei estranho, porque ele me impressionou. — Você brilhou um pouco. — Disse ele, levantando-se. — Eu só vi você fazer isso uma vez. Eu sabia quando foi, mas eu não queria pensar nisso agora. Eu estava feliz onde eu estava flutuando. Foi bom - ótimo, mesmo, e eu realmente não podia falar. Meu cérebro era uma pamonha. Eu não tinha ideia de que poderia ser assim. Inferno, eu fiquei chocada que isso aconteceu. Eu senti que precisava dizer obrigada ou algo assim. O sorriso que ele me deu foi parte orgulho masculino e arrogância, como se soubesse que ele tinha mexido com meu

171


cérebro. Ele se esticou ao meu lado, me puxando para perto dele. Ele abaixou a cabeça, beijando-me suavemente, profundamente. — Não faz nem dois minutos. — disse ele. — Eu te disse. Meu coração estava em algum lugar na minha garganta. — Você estava certo. — Sempre.

172


Capitulo dezesseis

A

lgum tempo depois, eu tentei me esticar e quando eu falei, minha voz soou abafada contra seu peito. — Eu não consigo me mexer. Sua risada retumbou através de mim quando ele afrouxou o abraço. — Isto é como se aconchega.

— Eu realmente deveria ir para a casa ao lado em breve. — Eu bocejei, não querendo sair. Eu estava tão relaxada que não podia sentir meus dedos. — Minha mãe vai estar em casa logo. — Você tem que ir agora? Eu balancei minha cabeça. Tínhamos talvez uma hora. Eu queria fazer o jantar, então mais trinta ou quarenta minutos no máximo. Daemon colocou um dedo no meu queixo e levantou. — O quê? — Perguntei. Seus olhos procuraram os meus. — Eu queria falar antes de sair. Ansiedade floresceu. — Sobre o quê? — Domingo. — ele disse, e minha ansiedade ficou mais séria. — Eu sei que você sente que nos levou a isso, mas você sabe que não fez, né? — Daemon...— Eu então sabia aonde esta conversa estava indo. — Estamos neste momento por causa das decisões que eu... — Nós— ele corrigiu com delicadeza. — As decisões que nós fizemos. — Se eu não tivesse treinado com Blake e tivesse escutado você, nós não estaríamos aqui. Adam estaria vivo. Dee não me odiaria. Will

173


não estaria correndo por aí fazendo Deus sabe o quê. — Eu fechei meus olhos. — Eu poderia continuar. Você me entendeu. — E se você não tivesse feito qualquer uma dessas decisões, não teríamos Dawson de volta. Foi uma espécie de movimento estúpidointeligente. Eu ri secamente. — Não é isso. — Você não pode carregar essa culpa com você, Kat. — A cama se moveu quando ele se levantou e se apoiou em um cotovelo. — Você vai acabar como eu. Olhei para ele. — O quê? Um alienígena extremamente alto e bobo e idiota? Ele sorriu. — A parte do idiota, sim. Eu me culpava pelo que aconteceu com Dawson. Ele me mudou. Eu ainda não sou o que eu era antes de tudo o que aconteceu. Não faça isso a si mesma. Mais difícil fazer do que dizer, mas eu assenti. A última coisa que eu queria era que Daemon se preocupasse com a possibilidade de minhas contas de terapia futuras. E era hora de começar com o que eu sabia que ele queria. — Você não quer que eu vá no domingo. Daemon respirou fundo. — Me escute, está bem? — Quando eu balancei a cabeça, ele continuou. — Eu sei que você quer ajudar, e eu sei que você pode. Eu vi do que você é capaz. Você pode ser muito assustadora quando brava. Ele não tem ideia, eu pensei ironicamente. — Mas... se as coisas ficarem feias, eu não quero que você esteja envolvida. — Seu olhar segurou o meu. — Eu quero que você esteja em um lugar seguro. Eu sabia onde ele estava indo e eu queria tranquilizá-lo, mas ficar para trás não era algo que eu poderia fazer. — Eu não quero você envolvido, Daemon. Eu quero você em algum lugar seguro, mas eu não estou pedindo para você ficar de fora.

174


As sobrancelhas se ergueram. — Isso é diferente. Me sentei, deslizando em minha camiseta. — Como é tão diferente? E se você disser que é porque você é um cara, eu vou te machucar. — Vamos lá, Kitten. Meus olhos se estreitaram. Ele suspirou. —É mais do que isso. É porque eu tenho experiência. Tão simples assim. Você não sabe. — Ok, você tem um argumento, mas eu também estive dentro de uma gaiola. Com esse conhecimento íntimo, eu tenho mais razão do que você para não ser pega. — E isso é mais uma razão pela qual eu não quero você fazendo isso. — Seus olhos brilharam com um verde intenso. Um sinal claro de que ele estava a segundos de seu temperamento protetor. — Você não tem ideia do que passou pela minha cabeça quando a vi na jaula... quando eu ouço a sua voz ainda fanha quando você fica animada ou triste. Você gritou até não... — Eu não preciso de um lembrete:— Eu bati, e, em seguida, amaldiçoei

baixinho. Eu

tentei

controlar

o

meu

próprio

temperamento. Eu coloquei minha mão em seu braço. — Uma das coisas que eu amo sobre você é quão protetor você é, mas isso também me deixa louca. Você não pode me proteger para sempre. O olhar dele disse que ele podia e iria tentar. Eu exalei bruscamente. — Eu preciso fazer isso, preciso ajudar Dawson e Beth. — E Blake. — ele perguntou. — O quê? — Eu olhei para ele. — De onde veio isso? — Eu não sei. — Ele moveu o braço para longe de mim. — Isso não importa. Pod...

175


— Espere. Ele não importa. Por que eu iria querer ajudar Blake depois do que ele fez? Ele matou Adam! Eu queria vê-lo morto. Foi você quem quis começar de novo ou algo assim. Na hora em que as palavras saíram da minha boca, eu me arrependi delas. Sua expressão ficou bloqueada. — Sinto muito. — eu disse, falando sinceramente. — Eu sei por que você não quer... acabar com Blake, mas eu tenho que fazer isso. Vai me ajudar a passar pelo que eu fiz. Como fazer as pazes ou algo assim. — Você não... — Eu fiz. Daemon virou o rosto, apertando a mandíbula. — Você pode fazer isso por mim? Por favor? Meu peito doía, porque quando Daemon dizia por favor, o que era raro, eu sabia o quanto algo o incomodava. — Eu não posso. Segundos se passaram e os ombros dele tencionaram. — Isso é estúpido. Você não deveria estar fazendo isso. Tudo o que eu vou fazer é me preocupar se você se machucar. — Está vendo? Esse é o problema! Você não pode estar sempre preocupado comigo me machucando. Sua sobrancelha arqueou. — Você está sempre se machucando. Minha boca caiu aberta. — Eu não estou! Ele riu. — Sim, tente isso de novo. Eu

o

empurrei,

mas

ele

era

uma

parede

de

músculo

imóvel. Enfurecida, subi em cima dele, ainda mais furiosa quando vi o brilho humorado em seus olhos. — Deus, você me irrita. — Bem, pelo menos eu tenho seu...

176


— Nem termine essa afirmação! — Peguei minhas meias e collants. Rolando-os, eu mancava em um pé. — Ugh, eu odeio você, às vezes. Sentou-se em um movimento fluido. — Não muito tempo atrás, você estava realmente, realmente me amando. — Cale a boca. — Mudei-me para a outra perna. — Eu vou com vocês no domingo. É isso aí. Fim da discussão. Daemon levantou. — Eu não quero que você vá. Mexi minhas meias, olhando para ele. — Você não pode dizer o que eu posso e o que não posso fazer, Daemon.— Peguei uma das minhas botas, me perguntando como ela tinha parado lá. — Eu não sou uma frágil e indefesa heroína precisando de seu resgate. — Isto não é um livro, Kat. Eu puxei minha outra bota. — Não, de verdade? Porcaria. Eu estava esperando que você pulasse para o final e me dissesse o que acontece. Eu realmente amo spoilers. Girando, eu sai e desci as escadas. Claro, ele estava um passo atrás de mim, uma sombra gigante. Nós chegamos no lado de fora quando ele me parou. — Depois de tudo que aconteceu com Blake, você disse que não duvidaria de mim. — disse ele. — Que você confiaria nas minhas decisões, mas você está fazendo isso de novo. Não me ouvindo ou usando o bom senso. E quando isto explodir em seu rosto novamente, o que eu devo fazer então? Engoli em seco, me afastando. — Isso é... Isso foi um golpe baixo. Ele colocou as mãos nos quadris. —É a verdade.

177


Lágrimas encheram meus olhos, e levou alguns segundos para conseguir falar as próximas palavras. — Eu sei que tudo isso está vindo de um bom lugar, mas eu não preciso de um lembrete amigável de quão mal eu estraguei tudo. Estou absolutamente sabendo da extensão dos danos. E eu estou tentando corrigir isso. — Kat, eu não estou tentando ser um idiota. — Eu sei, vem facilmente para você. — Luzes de farol saiam pela neblina, subindo a estrada. Minha voz estava rouca quando falei em seguida. — Eu tenho que ir. Para a casa da mamãe. Corri pelas escadas da varanda, o solo congelado com cascalho duro. Antes de chegar a minha varanda, Daemon apareceu. Parando, eu arquejei. — Eu odeio quando você faz isso. — Pense no que eu disse, Kat. — Seu olhar cintilou sobre meu ombro. O carro da minha mãe estava quase aqui. — Você não tem nada a provar. — Não tenho? Daemon disse que não, mas não parecia isso quando disse que esperava que tudo explodisse na minha cara novamente. ... Me virando para lá e para cá, meu cérebro não conseguia desligar. Eu repassei tudo o que tinha dado errado a partir do ponto que eu tinha parado o galho na frente de Blake até o momento em que achei o relógio ensanguentado de Simon em seu carro. Quantas vezes tinha havido sinais de que ele era mais do que o que ele dizia ser? Demais. E quantas vezes tinha Daemon entrado em cena e tentado me convencer a não treinar com Blake? Demais. Virei de costas, apertando os olhos fechados. E o que ele quis dizer sobre Blake? Será que ele realmente achava que eu queria ajudá-lo e com que finalidade? A última coisa que

178


eu queria fazer era respirar o mesmo ar que Blake. Não tinha como Daemon estar com ciúmes. Não. Não. Não. Eu teria que chutá-lo no rosto, se fosse esse o caso. E então chorar, porque se ele duvidava de mim... Eu não podia nem pensar nisso. Só uma coisa boa tinha vindo daquela bagunça: Dawson. Mas todo o resto foi... Bem, foi a razão pela qual eu não poderia sentar e girar meus dedos. Virei para o meu lado, dei um soco no meu travesseiro, e forcei os olhos para ficarem fechados. No fim da madrugada, eu consegui dormir pelo que parecia ser apenas segundos para enfrentar o sol rastejando pela janela do meu quarto um minuto depois. Me levantando para fora da cama, tomei banho e me troquei. A dor surda tinha tomado residência atrás dos meus olhos. Na hora em que cheguei à escola e peguei meus livros do meu armário, não havia desaparecido, como eu esperava. Cambaleei até a aula de trigonometria e verifiquei meu telefone pela primeira vez desde a noite passada. Nenhuma mensagem. Larguei o telefone de volta na minha bolsa e descansei o queixo nas mãos. Lesa foi a primeira a entrar. Seu nariz enrugou quando ela me viu. — Hei. Você está horrível. — Obrigada. — eu murmurei. — Não há de quê. Carissa está com a gripe aviária ou alguma coisa assim. Espero que você não tenha pego também. Eu quase ri. Desde que Daemon tinha me curado, eu não tinha sequer espirrado uma única vez. E de acordo com Will, uma vez transformada, você não poderia ficar doente, que era por isso que ele tentou forçar Daemon a transformá-lo. — Talvez. — eu disse.

179


— Provavelmente naquele clube em que você foi. — Ela estremeceu. Calor dançou ao longo do meu pescoço, e eu desviei meus olhos como uma covarde quando Daemon sentou atrás de mim. Eu sabia que ele estava olhando para mim. Ele não disse nada por cerca de 62 segundos. Eu contei. Ele me cutucou nas costas com sua caneta de confiança. Ei me virei, mantendo o meu rosto em branco. — Ei. Uma única sobrancelha arqueou. — Você parece bem descansada. Ele, por outro lado, parecia como normalmente. Malditamente perfeito. — Dormi muito bem na noite passada. E você? Daemon colocou a caneta atrás da orelha e se inclinou para frente. — Eu dormi por cerca de uma hora. Eu acho. Baixei meu olhar. Eu não estava feliz que ontem à noite ter sido horrível para ele também, mas pelo menos isso significava que ele estava pensando sobre isso. Eu comecei a perguntar, mas ele balançou a cabeça. — O quê? — Disse. — Eu não mudei minha decisão, Kitten. Eu estava esperando que você tivesse. — Não. — eu disse, e tocou a campainha. Com um último olhar significativo, eu me virei. Lesa atirou-me uma expressão estranha, e encolheu os ombros. Não era como se eu pudesse explicar por que foi apenas uma troca de sílabas hoje. Essa seria uma conversa divertida. Quando o sino tocou, eu debati sobre fazer uma corrida para a porta, mas reconsiderei quando duas pernas vestidas encheram minha visão periférica. Eu não conseguia parar a queda do meu estômago, mesmo quando eu estava com raiva dele. Eu era uma perdedora.

180


Daemon não disse nada quando saímos ou quando nos separamos, e depois de cada aula, ele aparecia do nada. O mesmo aconteceu antes de biologia, e ele andou comigo até as escadas, os olhos procurando sobre as cabeças dos alunos. — O que você está fazendo? — Eu perguntei, finalmente cansada do silêncio. Ele encolheu os ombros largos. — Só pensei em fazer a coisa cavalheiresca e levá-la para as suas aulas. — Uh-huh. Não houve resposta, então eu espiei para ele. Seus olhos se estreitaram e os lábios comprimiram como se ele tivesse acabado de comer algo azedo. Eu fui na ponta dos pés e mordi uma maldição quando vi Blake encostado na parede ao lado da porta, a cabeça inclinada em direção a nós, um sorriso arrogante no rosto. — Eu o odeio tanto. — murmurou Daemon. Blake afastou-se da parede e vangloriou-se de nós. — Vocês parecem animados para uma sexta-feira. Daemon bateu um livro sobre sua coxa. — Você tem uma razão para estar aqui? — Esta é a minha aula. — Ele empurrou o queixo em direção à porta aberta. — Com Katy. Calor explodiu em Daemon quando ele deu um passo para a frente, olhando para o nariz de Blake. — Você só gosta de forçar, não é? Blake engoliu em seco. — Eu não sei do que você está falando. Daemon riu, e causou arrepios na espinha. Às vezes, eu esquecia o quão perigoso ele poderia ser. — Por favor. Eu posso ser um monte de coisas, um monte de coisas realmente ruins, Biff, mas estúpido e cego não são duas delas. — Tudo bem. — eu disse, mantendo minha voz baixa. As pessoas estavam olhando. — Hora de serem gentis.

181


— Eu tenho que concordar. — Blake olhou ao redor. — Mas isso não é um playground. Daemon arqueou uma sobrancelha. — Você não quer brincar, Barf, porque podemos fazer essa coisa de congelamento bacana e brincar, aqui e agora. Oh, pelo amor dos bebês em toda parte, isso não era necessário. Eu passei meus dedos em torno do braço tenso de Daemon. — Vamos. — eu sussurrei. Uma segunda esticada e a estática saltou de seu braço para o meu. Lentamente, ele olhou para mim e, em seguida, ele se inclinou para baixo, plantando seus lábios nos meus. O beijo foi inesperado — profundo e forte. Atordoada, eu só fiquei lá quando ele se afastou, mordendo meu lábio inferior. —Gostoso, Kitten. — Então ele girou, plantou a mão direita sobre o ombro de Blake, derrubando-o para trás em um armário. — Te vejo por aí. — disse ele, sorrindo. —Jesus. — Blake murmurou, endireitando-se. — Ele tem problemas de controle de raiva. Os rostos olhando para nós se tornaram um borrão. Limpando a garganta, Blake deslizou por mim. — Você realmente deveria entrar. Eu balancei a cabeça, mas quando o sinal de alerta tocou, eu ainda estava ali, meus dedos contra os meus lábios.

182


capitulo dezoito

N

a hora do almoço, o humor de Daemon estava em algum lugar entre ressentido e ruim. Ele deixou metade do corpo discente morrendo de medo de cruzar seu caminho ou respirar o mesmo ar que ele. Eu não conseguia entender o que ele fez. Não

poderia ser a nossa briga que o tinha deixado tão mal. Quando ele se levantou para pegar sua terceira caixa de leite, Lesa sentou-se e soltou um assobio. — Qual é o problema dele? — Eu não sei. — eu disse, empurrando um pedaço de carne em volta de meu prato. — Deve ser a momento do mês. Chad soltou uma gargalhada. — Sim, não vou lá. Lesa sorriu para o namorado dela. — Se você sabe o que é sábio para você, não vai. — O que é sábio? — Daemon perguntou quando ele se sentou. — Nada. — nós três dissemos ao mesmo tempo. Ele franziu a testa. O resto da tarde passou rápido demais e de vez em quando do fundo do meu estômago iria cair. Mais um — Sábado — e iríamos tentar o impossível. Invadir o Monte Weather e resgatar Beth e Chris. O que iríamos fazer com eles se conseguíssemos? Não se — quando fizermos, eu rapidamente me corrigi. Na saída, meu celular vibrou. Uma verificação rápida deixou um gosto amargo na boca. Eu queria que Blake perdesse o meu número de telefone. Precisamos conversar. Rangendo os dentes, eu mandei uma mensagem de volta: Sobre? A resposta foi imediata: Sobre domingo.

183


— Quem colocou essa cara assustadora em seu rosto? — perguntou Daemon, do nada. Gritando, eu pulei. — Meu Deus, de onde é que você veio? Ele sorriu, o que teria sido uma coisa boa, considerando o seu humor durante todo o dia, mas isso só me fez desconfiar. — Sou tão quieto quanto um gato. Eu suspirei, mostrando-lhe o meu telefone. — Blake. Ele quer falar sobre domingo. Daemon rosnou. — Por que ele está mandando mensagens para você? — Provavelmente porque ele sabe que você quer dar lesões corporais a ele. — E você não? Eu balancei minha cabeça. — Ele obviamente tem menos medo de mim. — Talvez precisemos mudar isso? — Ele deixou cair um braço sobre os meus ombros, me colocando ao seu lado quando fomos contra o vento amargo de fevereiro. — Diga a ele que vou falar amanhã. Meu corpo se aqueceu contra o dele. — Onde? — Minha casa. — respondeu ele com aquele sorriso malvado. — Se ele tem bolas, ele vai estar lá. Eu fiz uma cara de nojo, mas mandei uma mensagem de volta para Blake. — Por que não esta noite? Os lábios de Daemon franziram. —

Precisamos

de

algum

tempo

de

qualidade

sozinhos.

Tempo de qualidade, como o de ontem? Porque eu poderia passar por isso, mas nós realmente precisávamos falar de algumas coisas. Antes que eu pudesse abordar esse assunto, Blake respondeu e amanhã à noite estava marcado. — Você veio sozinho hoje? — Eu perguntei.

184


Ele balançou a cabeça, os olhos fixos em um grupo de árvores. —

Vim

com

Dee. Esperava

que

pudéssemos

fazer

algo

normal. Como uma matinê à tarde. Metade de mim fez uma dança feliz. A outra parte mais responsável colocou os óculos de professor e baixou as regras. A Katy adulta e chata ganhou. — Isso soa muito bem, mas você não acha que precisamos conversar sobre a noite passada? — Sobre a minha natureza oferecida? Minhas bochechas inflamaram. — Hum, não... depois disso. Houve um lampejo de um sorriso. — Sim, eu meio que sabia disso. Faremos um acordo. Vamos ver os filmes, e depois vamos conversar, ok? Era um bom negócio, então concordei. E honestamente, eu adorava ficar para fazer as coisas normais com Daemon — como sair. Era uma raridade. Ele me deixou escolher o filme, e eu fui com uma comédia romântica. Surpreendentemente, ele não reclamou. Pode ter tido algo a ver com o enorme balde de pipoca onde estávamos enchendo nossos rostos entre os beijos amanteigados. Era tudo tão divinamente normal. ... O divinamente normal terminou na hora em que chegamos à sua casa e ele saiu de seu carro, estreitando os olhos. Todas as luzes estavam acesas. Dee não estava economizando energia, parecia. — Kat, eu acho que você deveria ir para casa. — Huh? — Eu fechei a porta do carro, franzindo a testa. — Eu pensei que nós iriamos conversar? E comer sorvete, você prometeu sorvete. Ele riu baixinho. — Eu sei, mas eu tenho companhia. Eu me plantei na frente dos degraus da varanda.

185


— Que tipo de companhia? — Do tipo Luxen. — disse ele, colocando as mãos sobre meus ombros. Seus olhos verdes estranhamente brilhantes encontraram os meus. — Os Anciões. Deve ser bom ter um sistema de detecção interna maluco assim. — E eu não posso entrar? — Eu não acho que seja uma boa ideia. — Ele olhou quando eu ouvi a porta abrir. — E eu não acho que isso é uma opção. Olhei por cima do meu ombro. Um homem estava na porta, um homem de aparência distinta. Com terno de três peças e tudo mais, com o cabelo preto da meia-noite, que era prata nas têmporas. Eu não sabia o que eu esperava de um Luxen Ancião. Talvez um cara com um vestido branco e cabeça careca que vivia em uma colônia ao pé do Sêneca. Isto foi totalmente inesperado. Mais ainda foi o fato de que Daemon não deixou cair suas mãos e colocar uma distância alien-humana adequado entre nós. Em vez disso, ele sussurrou em sua própria língua e deslizou a mão pelas minhas costas enquanto caminhava ao meu lado. — Ethan. — disse Daemon. — Eu não estava esperando por você. Os surpreendentes olhos violeta do homem deslizaram em direção a mim. — Eu posso ver. Esta é a garota de quem seu irmão e irmã gentilmente me informaram? Tensão apertou o corpo de Daemon. — Depende do que eles gentilmente te informaram. Ar ficou parado em meus pulmões. Eu não sabia o que fazer comigo mesma, então eu estava lá, tentando parecer tão inconsciente quanto possível. O fato de que eu sabia que o cara de terno não era humano era uma grande coisa. Outros Luxen não podiam saber que eu era guardada em segredo, ou que eu era uma híbrida. Ethan sorriu.

186


Que

você

está

vendo

ela. Fiquei

surpreso. Somos

praticamente da família. De alguma forma eu pensei que poderia ter tido mais a ver com o fato de que eles queriam que ele fizesse bebezinhos Daemon alienígenas com Ash, por ele não mandar uma mensagem em massa notificando a todos que ele não estava mais disponível. — Você me conhece, Ethan, eu não gosto de beijar e dizer ao mundo— Seu polegar arrastou um preguiçoso círculo suave ao longo da minhas costas. — Kat, este é Ethan Smith. Ele é como um... — O Poderoso Chefão. — eu disse, e então eu corei, porque essa era a coisa mais estúpida que eu poderia dizer. Mas a expressão de Ethan disse que gostava do som disso. — Sim, como um padrinho. — Aqueles olhos estranhos liquidaram em mim, e eu forcei meu queixo para cima. — Você não é daqui, é você, Kat? — Não, senhor, eu sou da Flórida. — Oh. — Sobrancelhas escuras arquearam. —West Virginia é do seu gosto? Olhei para Daemon. — Sim, é legal. — Isso é ótimo. — Ethan desceu um degrau. —É um prazer conhecê-la. — Ele estendeu a mão. Por força do hábito, eu estendi a mão para ele, mas Daemon intercedeu, envolvendo seus dedos com os meus. Ele levou minha mão aos lábios e beijou minha mão. Ethan observou a ação com uma centelha de curiosidade e algo que eu não pude distinguir. — Kat, eu vou vir aqui daqui a pouco. — Ele soltou a minha mão, colocando seu corpo entre nós. — Eu tenho algumas coisas para conversar, ok? Eu balancei a cabeça e forcei um sorriso para Ethan. — Foi um prazer conhecê-lo. — O mesmo. — disse o homem. — Tenho certeza que vamos nos encontrar novamente.

187


Por alguma razão, as palavras caíram sobre mim com uma mordida. Eu dei a Daemon um pequeno aceno e, em seguida, corri de volta para o meu carro e peguei minha bolsa. Eles já tinham entrado, e eu daria meu polegar esquerdo para saber o que eles estavam falando. Desde que conhecia Daemon e Dee, eu nunca tinha visto um outro Luxen da colônia chegar a sua casa. Meio surpresa pela aparição de Ethan, deixei minha mochila dentro da sala e peguei um copo de suco de laranja. Mamãe estava dormindo, então eu fui na ponta dos pés pelo corredor e fechei a porta do

quarto. Sentei-me

na

cama,

coloquei

o

copo

sobre

a

mesa. Concentrando-me no meu laptop, eu levantei a minha mão. Ele saiu da mesa e foi direto para o meu lado. Eu tentava não usar as habilidades alienígenas com muita frequência, talvez uma ou duas vezes por dia para manter ... uh, o que seja em prática. Sempre tinha essa corrida estranha quando eu usava, como estar em uma montanha russa, no topo de uma colina, pronta para voar baixo a oitenta quilômetros por hora no momento em que o estômago pulava e os arrepios da pele aumentavam. Era uma sensação diferente, não ruim, o tipo divertida, e talvez até um pouco viciante. E quando eu tinha tocado no que fosse que aconteceu na noite em que Adam morreu, eu nunca me senti mais forte na minha vida. Então, sim, eu podia ver como esse poder iria subir à cabeça. Se a transformação tinha dado certo com Will, Deus sabia que coisas malucas ele estava fazendo. Eu não podia me dar ao luxo de pensar nele agora, então eu liguei o meu laptop e naveguei pela Internet por uma meia hora, lendo comentários até eu desligar meu computador e enviá-lo de volta à minha mesa. Pegando um livro, eu me enrolei, na esperança de ler alguns capítulos antes que Daemon chegasse, mas acabei caindo no sono depois de três páginas. Quando acordei, estava escuro no meu quarto e após uma investigação, descobri que já havia passado das nove horas e minha

188


mãe tinha saído para o trabalho. Surpresa que Daemon não tinha vindo, eu coloquei as minhas botas e me dirigi à casa ao lado. Dawson atendeu, uma lata de refrigerante em uma mão e um Pop-Tart na outra. — Boa corrida de açúcar você tem acontecendo aí. — eu disse, sorrindo. Ele olhou para baixo. — Sim, eu acho que não vou dormir tão cedo. Lembrei-me de que ele havia dito sobre não dormir, e eu esperava que isso tivesse mudado. Antes que eu pudesse perguntar, no entanto, ele disse: — Daemon não está aqui. — Ah. — Eu tentei esconder a minha decepção. — Ele ainda está com o cara mais velho? — Deus, não, Ethan esteve aqui apenas por cerca de uma hora. Ele não estava feliz. Mas Daemon saiu com Andrew. — Andrew? — Inesperado. Ele acenou com a cabeça. — Sim, Andrew e Dee e Ash queriam pegar algo para comer. Eu não queria ir. — Ash? — Eu sussurrei. Ok, realmente inesperado. E o que era totalmente esperado foi a onda de ciúme irracional que passou por mim, determinada a levar-me para a terra das garotas loucas. — Sim. — disse ele, e então fez uma careta. — Você quer entrar? Eu não percebi até que eu o segui para dentro que eu estava sentada no sofá, meus joelhos pressionados juntos. Daemon realmente saiu para jantar com Ash e os outros? — Quando eles saíram? Dawson deu uma mordida de seu Pop-Tart. — Uh, não muito tempo atrás. —É quase dez da noite. — Os Luxen tinham um enorme apetite, mas vamos lá, eles não jantavam à noite. Eu sabia melhor do que isso. Ele se sentou na poltrona e olhou para o biscoito.

189


— Ethan saiu por volta de cinco horas. E, em seguida, Andrew, ele chegou... — Dawson olhou para o relógio de parede, pensando. — Ele e Ash vieram por volta das seis. Meu estômago caiu. — E os quatro saíram depois para buscar alguma coisa para comer? Dawson balançou a cabeça, como se falar fosse dolorosamente estranho. Quatro horas para jantar. De repente eu não podia ficar mais tempo sentada. Eu queria saber o restaurante em que eles foram. Eu queria encontrá-los. Eu comecei a ficar de pé, mas tentei engolir o caroço que queimava na parte de trás da minha garganta. — Não é o que você pensa. — Dawson disse calmamente. Minha cabeça virou em direção a ele, e fiquei horrorizada ao descobrir lágrimas nos meus olhos. A ironia de tudo isso me deu um tapa na cara. Era assim que Daemon se sentiu quando soube que eu fui jantar e, em seguida, almoçar com Blake? Mas não estávamos juntos, então. Não era como se eu devesse uma tonelada de obrigações naquele momento. — Não é? — Eu resmunguei. Dawson terminou seu Pop-Tart. — Não. Acho que ele só precisava sair um pouco. — Sem mim? Ele passou algumas migalhas açucaradas fora seus jeans. — Talvez sem você ou talvez não. Ele não é o mesmo irmão que eu conhecia. Eu nunca pensei que estaria com um ser humano. Sem ofensa. — Sem problema. — eu sussurrei. Sem mim. Sem mim. Essas palavras entraram em repetição. Eu não era uma daquelas garotas carentes que tinham que estar em volta de seu namorado o tempo todo, mas porra se isso não doía. E essa picada foi transformado em um faca quente e com raiva quando eu imaginei Dee e Andrew sentados em um lado de uma cabine

190


e Daemon e Ash no outro, porque é assim que eles tinham se sentavam quando saíam para comer. Seria como nos velhos tempos, quando Daemon e Ash estavam juntos. Blake e eu talvez tenhamos nos beijado uma vez, mas não tivemos uma relação de namoro longo. Deus, eles provavelmente tinham... Eu olhei para mim mesma. Dawson se levantou, fez o seu caminho em volta da mesa do café, e sentou-se ao meu lado. — Ethan o irritou. Ele queria saber se o relacionamento de Daemon com você não iria interferir com a sua lealdade à sua espécie. — Dawson se inclinou para frente, esfregando as palmas das mãos sobre os joelhos dobrados. — E, bem, você pode imaginar a resposta de Daemon. Eu não tinha tanta certeza de que eu poderia. — O que ele disse? Dawson riu, os olhos vesgos como Daemon fazia. — Vamos apenas dizer que Daemon explicou que com quem ele estava não afetava sua lealdade, mas usou palavras diferentes. Eu sorri um pouco. — Palavras ruins? — Palavras muito ruins. — disse ele, olhando para mim. — Ele não esperava isso dele. Ninguém esperava. De mim? Sim, bem, eles nunca esperavam muito de mim. Principalmente porque eu não ligo para o que eles pensavam, não que Daemon ligasse, mas... — Eu sei. Ele sempre foi aquele a cuidar de tudo, certo? Não aquele a causar problemas como este. Ele acenou com a cabeça. — Eles não sabem o que você é, mas eu duvido que Ethan vai deixar isso quieto. — Eles vão renegá-lo? — Quando ele acenou com a cabeça, balancei minha cabeça. Se um Luxen fosse renegado, ele não estava autorizado a chegar perto das comunidades Luxen, o que significava

191


que ele não poderia estar perto do grupo de proteção de beta quartzo. Ele estaria praticamente sozinho contra os Arum. — O que é Ethan? Eu entendi que ele é um Ancião, mas e daí? As sobrancelhas de Dawson comprimiram. — Anciões são como os prefeitos e presidentes de nossas comunidades. Ethan é o nosso presidente. Minhas sobrancelhas se levantaram. — Parece importante. — Todos aqueles que vivem na colônia o ouvem. Aqueles que não arriscam a mesma precipitação social. — Ele se inclinou para trás, fechando os olhos. — Mesmo aqueles que se misturam com os seres humanos, como os que trabalham fora da colônia e etc, tem medo de incomodar os Anciões. Nenhum de nós pode simplesmente sair sem a permissão do DOD, mas porra, se eles quisessem nos tirar, eles encontrariam uma maneira de fazê-lo. — Eles fizeram isso com você por causa de Beth? Seu rosto ficou tenso. — Eles teriam, mas não houve tempo suficiente. Não houve tempo suficiente para nada. Dor cortou meu peito e eu coloquei minha mão em seu braço. — Nós vamos trazer Beth de volta. Um pequeno sorriso apareceu. — Eu sei. Este domingo... Tudo se resume a este domingo. Meu estômago fez uma coisa às avessas, e meu pulso acelerou. — Como foi lá? Seus olhos se abriram em fendas finas. Vários minutos se passaram antes que ele respondesse. — No começo, não foi tão ruim. Eles permitiam que Beth e eu nos víssemos. Eles nos disseram que eles estavam nos mantendo lá para a nossa segurança. Você sabe, toda a coisa de “se as pessoas descobrirem o que eu fiz para Beth, iria ficar ruim e que precisava ser protegido”. Daedalus estava do nosso lado. Realmente parecia assim por um tempo. Eu... eu quase acreditei que sairíamos de lá juntos.

192


Foi a primeira vez que eu o ouvi dizer Dédalos. A palavra soou estranha em seus lábios. — Acreditar nisso nos levou a nada além de miséria e, eventualmente, a loucura quando a esperança desapareceu. — Seus lábios se inclinaram para cima nos cantos. — Daedalus queria recriar o que eu tinha com Beth. Eles queriam que eu criasse mais como ela. Para ajudar a melhorar a humanidade e toda essa besteira, e quando isso não funcionou, as coisas... as coisas mudaram. Eu me mexi. — Como é que mudaram? A linha de sua mandíbula apertou. — No começo, eles não me deixaram ver Beth, minha punição por falhar quando parecia tudo muito fácil para eles. Eles não entendiam que eu não sabia como eu curei e transformei. Eles traziam esses seres humanos morrendo e eu tentei, Katy, eu realmente tentei. Eles simplesmente morriam, não importa o que eu fizesse. Náuseas brotaram dentro de mim, e eu gostaria de saber o que dizer, mas parecia que este era um daqueles momentos em que sem dizer nada significava tudo. — Então eles começaram a trazer humanos saudáveis e fazer coisas para eles, feri-los e eu os curava. Alguns... alguns deles ficaram melhores. Pelo menos eles ficaram por pouco tempo, e foi como todo ferimento que foi infligido voltasse como vingança. Outros... outros se desestabilizaram. — Desestabilizaram? As mãos de Dawson se abriram e fecharam em suas coxas. — Eles desenvolvem alguma de nossas habilidades, mas algo... algo deu errado. Esta garota, ela não era muito mais velha do que nós e ela era legal, muito legal. Deram-lhe algum tipo de pílula e ela estava morrendo. Eu a curei. Eu realmente queria curá-la, porque ela estava tão assustada. — Os olhos esmeralda encontraram os meus. — E nós pensamos que deu certo. Ela ficou doente como Beth ficou quando nos

193


levaram. E então ela podia se mover tão rápido quanto nós. Cerca de um dia após a doença desaparecer, ela correu em uma parede. Eu fiz uma careta. — Como é que isso é ruim? Seu olhar deslizou para longe. — Nós podemos nos mover mais rápido do que balas, Katy. Ela colidiu com a parede. Foi como bater em velocidade supersônica. — Oh, meu Deus... — E foi como se ela não pudesse parar a si mesma. Às vezes me pergunto se ela fez isso de propósito. Houve muitos, muitos mais depois dela. Seres humanos que morreram com as minhas mãos sobre eles. Seres humanos que morreram depois que eu os curava. Seres humanos que viveram sem mutações, mas que nunca mais foram vistos. — Ele olhou para baixo. — Há muito sangue em minhas mãos. — Não. — Eu balancei a cabeça vigorosamente. — Nada disso foi culpa sua. — Não foi? — Raiva aprofundou sua voz. — Eu tenho essa capacidade de curar, mas eu não pude fazer direito. — Mas você tinha que querer curá-los, como em um nível celular. Você estava sendo forçado a fazê-lo. — Isso não muda o fato de que tantas pessoas morreram. — Ele sentou-se à frente de novo, impaciente. — Houve uma hora em que eu acreditava que eu merecia o que estavam fazendo para mim, mas nunca... nunca a Beth. Ela não merecia isso. — Você não queria, Dawson. Ele olhou para mim um momento, depois desviou o olhar. — Eles prenderam Beth, tiraram comida, então a água e, quando isso ainda não funcionou, eles ficaram criativos. — Ele soltou um longo suspiro. — Eu acho que eles fizeram o mesmo com Beth, mas eu realmente não sabia. Tudo o que eu via era o que eles fizeram na minha frente. Meu estômago afundou a almofada do sofá. Eu tinha um mau pressentimento sobre isso.

194


— Eles a machucaram apenas para que eu pudesse curá-la, e eles

pudessem

estudar

o

processo.

O

queixo

de

Dawson

endureceu. — Cada vez eu senti o pior tipo de medo. E se não funcionasse? E se eu perdesse Beth? Eu... — Ele mexeu o seu pescoço, como se estivesse trabalhando para tirar uma torção. Ele nunca será o mesmo. Lágrimas subiram pela minha garganta novamente. Eu queria chorar por ele, por Beth, mas acima de tudo, para as pessoas que já foram, mas nunca seriam novamente.

195


Capitulo dezenove

D

epois disso, Dawson desligou. Ele falou sobre nada — tempo, futebol, os Smurfs, mas nada sobre Daedalus ou o que fizeram com ele e Beth. Parte de mim estava agradecida. Eu não tinha certeza de quanto mais eu

poderia lidar, tão egoísta como isso soou. Mas a parte ruim é que, uma vez que ele parou de falar sobre coisas sérias, meu cérebro correu de volta para onde Daemon estava e o que ele estava fazendo. Quando se aproximava da meia-noite e ele ainda não tinha voltado para casa, eu não podia ficar lá por mais tempo. Eu não podia sentar em qualquer lugar. Dizendo boa noite, eu fiz a caminhada rápida e fria por todo o gramado. A primeira coisa que fiz foi ver o meu celular. Tinha uma mensagem esperando. Meu coração gaguejou. Desculpe sobre hoje à noite. Falo c vc amhã. Ele havia chegado em cerca de uma hora atrás. Ou seja, ele ainda estava com Ash...er, Andrew, Dee, e Ash. Olhei para o relógio, como que, de alguma forma mudaria a hora. Meu coração estava batendo no meu peito, como se eu tivesse corrido da porta ao lado. Olhando para o meu celular, eu lutei contra a vontade de jogá-lo contra a parede. Eu sabia que estava sendo ridícula. Daemon era amigo deles, incluindo Ash. Ele poderia sair com eles sem mim. E com a briga entre Dee e mim, ele não tinha passado muito tempo com ela. Ridículo ou não, meus sentimentos foram feridos. E eu odiava isso, odiava que algo tão estúpido como isso me perturbasse. Levando meu telefone para cima, eu lavei meu rosto, escovei os dentes, e me troquei para os meus pijamas, ainda debatendo sobre responder a mensagem. Eu queria explodir e dizer algo tipo Na sua

196


cara, mas isso seria muito estúpido, considerando tudo o que estava acontecendo. Por outro lado, eu estava com o bumbum dolorido sobre isso. Então eu coloquei o celular no meu pé e eu subi debaixo das cobertas, puxando-as para o meu queixo. Eu fiquei assim, me controlando para não responder a mensagem, por sair com Blake pela primeira

vez,

por

beijá-lo,

e

por

ficar

acordado

me

debatendo. Finalmente, o meu cérebro sofreu o suficiente e desistiu. Algum tempo depois, eu não tinha certeza se eu estava sonhando ou não. Eu estava naquela fase nebulosa onde a realidade misturava com o subconsciente. Parte era um sonho, e eu sabia disso, porque eu podia ver Daemon neste edifício. Eu via o cabelo escuro e, em seguida, ele se afastava. Ele estava em um quarto e antes que eu pudesse chegar até ele, ele ia para o outro. Era um labirinto sem fim e ele continuou se movendo, nunca respondendo quando eu gritava o nome dele. Frustração

crescia

dentro

de

mim

e

meu

peito

doía. Perseguindo-o, e nunca alcançando-o a tempo, perdê-lo... Não acabava. E então a cama mudou e o edifício desapareceu, evaporando-se em nuvens de fumaça e escuridão. Um peso caiu ao meu lado. A mão afastou o cabelo do meu rosto, e eu acho que sorri, porque ele estava aqui e isso me acalmava. Eu escorreguei de volta em um sono profundo, onde eu não estava perseguindo Daemon em meus sonhos. ... Quando

a

manhã

chegou,

rolei,

esperando

encontrar

Daemon. Mamãe trabalhava até o final da manhã aos sábados e Daemon podia ficar por um tempo, mas a minha cama estava vazia. Alisando minha mão ao longo do travesseiro extra, eu inalei, esperando o cheiro de ar livre que era exclusivamente seu, mas tudo o que eu cheirava era um leve traço de citros. Eu tinha sonhado com a presença de Daemon?

197


Nossa, eu era tão ridícula se foi isso. Carrancuda, me sentei e peguei meu celular. Havia uma mensagem perdida que havia chegado por volta das duas da manhã de Daemon. Bacon e ovos para o café da manhã. Venha qdo vc acordar. — Duas da manhã? — Olhei para o telefone. Ele tinha estado fora com eles até então? Meu coração estava disparado novamente e cai de costas, gemendo. Aparentemente eu era ridícula e Daemon tinha realmente ficado fora tarde da noite, mas não comigo. Arrastando-me para fora da cama, tomei banho e vesti uma calça jeans e um suéter. A dormência tinha acabado quando sequei o cabelo no meio e o torci em um coque bagunçado. Fui até a casa ao lado e descobri que a porta estava trancada. Eu coloquei minha mão na maçaneta e esperei até que ouvi as fechaduras virando. Quando abri a porta, mal-estar floresceu. Era muito fácil entrar e sair das casas das pessoas, incluindo a minha. Balançando a cabeça, abri a porta fechada e respirei fundo. A casa estava em um silêncio mortal. Todo mundo ainda estava dormindo. Eu fui lá em cima, cuidando com os degraus que rangiam. As portas do quarto de Dawson e de Dee estavam fechadas, mas eu podia ouvir o murmúrio suave da música que vinha do de Daemon. Eu abri a porta do quarto da Daemon e passei por ela. Meu olhar foi direto para a cama e eu não poderia ter parado a agitação em meu peito nem se eu quisesse. Daemon estava deitado de costas, com um braço estendido no espaço ao lado dele e o outro descansava em sua barriga nua. Lençóis estavam torcidos em torno de seus quadris estreitos. Seu rosto era quase angelical no sono, as linhas esculpidas suavizadas e os lábios relaxados. Cílios grossos se espalhavam o topo de suas bochechas. Ele parecia muito mais jovem em repouso, mas, de uma maneira estranha, ele estava ainda mais fora do meu alcance. Seu tipo de beleza

198


masculina era de outro mundo e intimidante. Algo que existia entre as páginas dos livros que lia. Às vezes eu tinha dificuldade em me convencer de que ele era real. Eu fui na ponta dos pés até ele e me sentei na beirada da cama, incapaz de tirar meus olhos dele. Não queria acordá-lo. Então, me sentei lá como uma trepadeira total, observando o constante de subida e descida de seu peito. Perguntei-me se ele tinha sonhado na noite anterior ou se ele tinha parado para ver como eu estava. A vibração estava de volta e eu quase podia esquecer o soco de ansiedade de ontem à noite. Quase, mas não... Daemon rolou de repente, serpenteando o braço em volta da minha cintura e me puxando para baixo ao lado dele. Ele continuou se movendo, enterrando o rosto no meu pescoço. — Bom dia. — ele murmurou. Um sorriso varreu meu rosto quando coloquei a mão em seu ombro. Sua pele estava quente. — Bom dia. Ele jogou uma perna sobre a minha e se aconchegou mais perto. — Onde está o meu bacon e ovos? — Eu pensei que você estava se oferecendo para fazê-los. — Você confundiu o que eu disse. Chegar para a cozinha, mulher. — Que seja. — Eu rolei para o meu lado, de frente para ele. Ele levantou a cabeça, beijou meu nariz, e, em seguida, enterrou o rosto no travesseiro. Eu ri. —É muito cedo. — ele resmungou. —É quase dez horas. —É muito cedo. Uma pedra se estabeleceu em meu estômago. Mordi o lábio, sem saber o que eu deveria dizer.

199


Ele preguiçosamente jogou um braço por cima do meu quadril e virou a cabeça para que eu pudesse ver seu rosto. — Você não respondeu ontem à noite. Então estávamos indo lá. — Eu acabei dormindo e... achei que você estava ocupado. Uma sobrancelha se arqueou. — Eu não estava ocupado. — Eu parei ontem à noite para vê-lo, e esperei um pouco. — Eu brincava com a ponta do lençol, torcendo-o em volta de meus dedos. — Você ficou fora até tarde. Um olho se abriu. — Então, você leu minha mensagem e teve tempo para responder. Eu ignorei essa. Daemon suspirou. — Por que você me ignorou, Kitten? Meus sentimentos estão feridos. — Tenho certeza de Ash os acalmou para você. — No momento em que as palavras saíram da minha boca, queria me bater. Ambos os olhos estavam abertos agora, e então ele fez algo que me surpreendeu e irritou: ele deu um sorriso realmente grande. — Você está com ciúmes. Para mim, o jeito que ele disse isso fez soar como uma coisa boa. Comecei a me sentar, mas seu braço me manteve deitada. — Eu não estou com ciúmes. — Kitten... Revirei os olhos e, em seguida, um mau, mau caso de diarreia verbal ocorreu. — Eu estava preocupada com o Ancião estar aqui, e nós deveríamos conversar ontem à noite. Você não apareceu. Em vez disso, saiu com Andrew, Dee, e Ash. Ash, como em Ash ex-namorada, e como faço para descobrir? Seu irmão. E como é que vocês se sentaram? Dee e

200


Andrew se sentaram de um lado e você e Ash do outro? Aposto que foi realmente confortável. — Kitten... — Não venha com Kitten. — Fiz uma careta, começando a ficar brava. — Você saiu por volta das cinco horas e voltou quando? Depois das duas da manhã? O que você estava fazendo? E tire esse sorriso estúpido da sua cara. Isso não é engraçado. Daemon tentou se livrar do sorriso, mas não conseguiu. — Eu adoro quando você coloca as garras para fora. — Oh, cale a boca. — Com nojo, empurrei o braço dele. — Me deixe ir. Você pode ligar para Ash e ver se ela faz alguns ovos e bacon para você. Eu estou fora daqui. Em vez de me deixar ir, ele passou por cima de mim, segurandose com as mãos plantadas em cada lado dos meus ombros. Agora ele estava sorrindo, aquele irritante sorriso arrogante dele. — Eu só quero ouvir você dizer: eu estou com ciúmes. — Eu já disse isso, idiota. Eu estou com ciúmes. Por que não estaria? Ele inclinou a cabeça para o lado. — Oh, eu não sei. Talvez porque eu nunca quis Ash, e eu quis você desde o primeiro momento que te vi, e antes de começar, eu sei que tive um mau jeito de mostrar isso, mas você sabe que quero você. Só você. Você é louca de ficar com ciúmes. — Sou? — Eu lutei contra as lágrimas de raiva. — Vocês estavam juntos. — Estávamos juntos. — Ela provavelmente ainda quer você. — Eu não a quero, por isso não importa. É importante para mim. — Ela é linda como uma modelo. — E você é mais bonita. — Não tente falar doce comigo. — Eu não estou. — disse ele.

201


Olhando por cima do ombro, eu mordi meu lábio. —

Sabe,

no

começo

eu

pensei

que

merecia

a

noite

passada. Agora sei como você se sentiu quando eu saí com Blake. Que karma para mim, mas não é a mesma coisa. Você e eu não estávamos juntos e também, Blake e eu não temos esse tipo de história. Ele deu uma respiração profunda. — Você está certa, não é a mesma coisa. Eu não sai com Ash em um

encontro. Andrew

veio

e

começamos

a

conversar

sobre

Ethan. Andrew estava com fome, então decidimos comer alguma coisa. Dee acompanhou e Ash estava lá, porque você sabe, ela é irmã dele. Eu dei de ombros, desequilibrada. Ok, ele tinha um bom argumento. — E nós não saímos para comer. Acabamos pedindo pizza, voltamos

para

a

casa

de

Andrew,

e

nós

conversamos

sobre

domingo. Ash está morrendo de medo de que ela vai perder Andrew, também. Dee ainda quer matar Blake. Passei horas falando disso. Não era uma festa para qual você não foi convidada. Mas eu não fui convidada, eu queria dizer, mas sabia que era estúpido. — Por que você não me contou, pelo menos? Você poderia ter dito alguma coisa. Então, a minha imaginação não teria meios de me encurralar. Ele olhou para mim um momento, então se empurrou para cima, sentando ao meu lado. — Eu queria parar na sua casa quando cheguei, mas já era tarde. Então, ontem à noite foi um sonho. Alucinação confirmada oficialmente. — Olha, eu não pensei nisso. — Aparentemente. — murmurei. Daemon esfregou o ponto acima de seu coração.

202


Eu

honestamente

não

achei

que

você

ia

ficar

tão

chateada. Achei que você ia saber melhor. Eu ainda estava de costas, cansada demais para me mexer. — Saber melhor? — Sim, você saberia que se Ash aparecesse nua no meu quarto agora, eu ainda a mandaria na embalagem. Que você não tem nada com que se preocupar. — Obrigada por essa imagem que você implantou no meu cérebro para sempre. Ele balançou a cabeça, bufando uma risada seca. — Essa coisa de insegurança me irrita, Kat. Meu queixo caiu e eu voei para cima, me ajoelhando. — Como é? Você é o único que tem permissão para ser inseguro? — O quê? — Ele sorriu. — Por que eu estaria inseguro? — Boa pergunta, mas como você chama o seu pequeno episódio com Blake ontem no corredor? E essa pergunta estúpida sobre mim querendo ajudar Blake? Ele estalou a boca fechada. —

Há! Exatamente. É

inseguro. Deixe-me

soletrar

ainda para

mais

você.

ridículo —

para

Quando

você

minha

ser raiva

aumentou, a Source aumentou também. Ela patinou sobre a minha pele. — Eu detesto Blake. Ele me usou e estava pronto para me entregar para Daedalus. Ele matou Adam. Há apenas uma pequena parte de mim que realmente pode tolerá-lo. Como você pode ter qualquer tipo de inveja dele? A mandíbula de Daemon estourou. — Ele quer você. — Oh, meu Deus, ele não quer. — Que seja. Eu sou um cara. Eu sei o que os outros caras estão pensando. Eu joguei minhas mãos para cima. — Não importa se ele quisesse. Eu. Odeio. Ele. Ele desviou o olhar.

203


— Ok. — E você não odeia Ash. Há uma parte de você que a ama. Eu sei que sim e talvez não da maneira como você se sente sobre mim, mas há afeto, há história. Me processe se estou um pouco intimidada por isso. Eu saltei para fora da cama, querendo pisar em todo o quarto como uma criança. Talvez até me jogar no chão. Eu trabalharia um pouco de energia dessa forma. Daemon apareceu na minha frente e deu um passo para a frente, segurando meu rosto. — Okay. Eu vejo o seu ponto. Eu deveria ter dito alguma coisa. E as coisas com Blake... sim, é estúpido, também. —Ótimo. — Eu cruzei os braços. Seus lábios tremeram. — Mas você tem que entender que é você quem eu quero. Não Ash. Não qualquer outra pessoa. — Mesmo que o Anciões queiram que você esteja com alguém como ela? Ele abaixou a cabeça, roçando seus lábios ao longo da minha bochecha. — Eu não me importo com o que eles querem. Sou incrivelmente egoísta assim. — Ele beijou minha testa. — Tudo bem? Meus olhos se fecharam. — Ok. — Estamos bem, então? — Se você prometer que não vai me dar qualquer porcaria sobre ir com você amanhã. Ele pressionou sua testa contra a minha. — Você joga pesado. — Sim. — Eu não quero que você vá, Kitten. — Ele suspirou, envolvendo os braços em volta de mim. — Mas eu não posso pará-la. Prometa que vai ficar perto de mim.

204


Meu sorriso estava escondido em seu peito. — Eu prometo. Daemon beijou o topo da minha cabeça. — Você sempre consegue o que quer, não é? — Nem sempre. — Eu coloquei minhas mãos em seus lados, atraindo seu calor. Se fosse do meu jeito, nada disso estaria acontecendo. Mas isso era a coisa sobre tudo isso. Gostaria de saber se qualquer um de nós iria ficar em nosso caminho. Seus braços se apertaram, e eu senti um arrepio suspirar por ele. — Vamos lá. Vamos pegar o bacon e ovos. Eu preciso de toda a minha força hoje. — Para que...— Eu parei, percebendo o que ele estava dizendo. — Oh, sim... Blake. — Sim. — Ele me beijou suavemente. — Vai me custar muito não cometer ofensas corporais. Você sabe disso, né? Então bacon extra para mim.

205


Capitulo vinte

D

ee estava sentada no último degrau como um duende demente prestes a abrir o inferno. Seus cabelos estavam puxados para trás com força, seus olhos de um verde brilhante e febril. Uma linha fina se formou

em seus lábios. Seus dedos se curvavam sobre os joelhos como garras afiadas prontas para cavar polegadas. — Ele está aqui. — disse ela, o olhar focado na janela ao lado da porta. Olhei para Daemon. Um sorriso de lobo se espalhou por seu rosto. Ele não estava nada preocupado com os desejos assassinos de sua irmã. Talvez chamar Blake para vir aqui não fosse uma boa ideia. Ela correu do degrau, abrindo a porta antes que Blake batesse. Ninguém parou ou mesmo se moveu para a frente. Surpreso, Blake baixou a mão. — Uh, oi... Dee inclinou para trás um braço fino e bateu com o punho direito no queixo de Blake. O impacto o levou para trás uns bons dois metros. Minha boca caiu aberta. Andrew riu. Girando, ela soltou um longo suspiro. — Okay. Terminei. Eu a assisti se mover em direção à poltrona e se sentar, sacudindo a mão. — Eu prometi a ela um bom soco. — Daemon disse, rindo. — Ela vai se comportar agora. Olhei para ele. Blake cambaleou pela porta, esfregando o queixo.

206


— Tudo bem. — disse ele, fazendo uma careta. — Eu merecia isso. — Você merece muito pior do que isso. — disse Andrew. — Mantenha isso em mente. Ele balançou a cabeça e olhou em volta da sala. Seis Luxen e um híbrido olhavam para ele. Ele teve o bom senso de parecer nervoso, até mesmo com medo. A animosidade na sala era palpável. Blake se mexeu de modo que estava de costas contra a parede. Cara inteligente. Lentamente, ele enfiou a mão no bolso e tirou um papel enrolado. — Eu acho que nós devemos acabar com isso rapidamente. — Eu acho que sim. — disse Daemon, arrebatando o papel dele. — O que é isso? — Um mapa. — ele respondeu. — O caminho que precisamos fazer está destacado em vermelho. É uma estrada de acesso à rota de emergência até a entrada dos fundos do Monte Weather. Daemon desenrolou o mapa na mesa de café. Dawson olhou por cima do ombro do irmão, correndo o dedo ao longo da linha vermelha. — Quanto tempo vai demorar para chegar por esta estrada? — Cerca de 20 minutos de carro, mas não tem como passarmos por lá com um carro sem sermos despercebidos. — Ele deu um passo tímido para a frente, olhando para Dee, que o estava fuzilando com os olhos. Uma marca vermelha manchada sua bochecha direita. Isso ia deixar uma marca. — Iremos a pé e rápido. — O quão rápido estamos falando? — Matthew perguntou de seu posto junto à porta da sala de jantar. — Tão rápido quanto desumanamente possível. — Blake respondeu. — Precisamos nos mover com a coisa da velocidade da luz. Luc vai nos dar 15 minutos e não podemos ficar ao redor do Monte Weather, à espera de nove anos. Precisamos chegar lá cerca de cinco minutos antes e fazer esse caminho o mais rápido possível.

207


Me sentei de volta. Só uma vez eu bati a velocidade necessária para o que eles estavam falando. Foi quando estive perseguindo a bunda de Blake na floresta. Daemon olhou para cima. — Você pode fazer isso? — Sim. — Dadas as razões, eu tinha certeza de que poderia fazêlo. Esperemos que sim. Sacudindo a cabeça, Dee se levantou. — Quão rápido eles podem realmente correr? — Malditamente rápido quando necessário. — disse Blake. — Venha para mim de novo, e eu vou lhe mostrar o quão rápido eu posso correr. Dee riu. — Eu aposto que ainda vou te pegar. — Talvez. — ele murmurou, e então disse: — Você precisa praticar durante todo o dia de amanhã. Talvez ainda esta noite. Nós não podemos ter ninguém nos atrasando. Levei um segundo para perceber que ele estava falando comigo. — Eu não vou atrasar ninguém. — Basta ter certeza. — Seus olhos se agitaram quando eles encontraram os meus. Eu desviei o olhar rapidamente. O fato de que eu era, obviamente, o elo mais fraco me queimava. Dee ou Ash provavelmente seriam uma escolha melhor para isso, mas eu sabia que podia fazer isso. — Ela não é o seu problema para se preocupar. — Daemon explodiu. Matthew veio para a frente, se encaixando entre Daemon e Blake. — Okay. Sabemos para onde essa estrada vai, mas você quer que fiquemos para trás aonde? Daemon cruzou os braços, os olhos apertados.

208


— Na parte inferior da estrada de acesso, isso deve lhe dar uma chance de correr para sair, se algo der errado. — Nada vai dar errado. — Ash disse, observando Daemon. — Vamos esperar lá por você. —É claro. — Daemon disse, sorrindo em tom tranquilizador. — Nós vamos ficar bem, Ash. Eu cutuquei a minha coxa. Ele não a quer. Ele não a quer. Ele não a quer. Isso ajudou. — Eu confio em você. — disse Ash, com os olhos travados em adoração. Como se Daemon fosse um santo ou algo assim. Eu cutuquei minha coxa mais forte. Eu vou bater nela. Eu vou bater nela. Eu vou bater nela. Isso não ajudou. Blake pigarreou. — De qualquer forma, Luc disse que há uma antiga fazenda, na parte inferior da estrada de acesso. Devemos ser capazes de estacionar os carros lá. — Parece bom. — Dawson recuou, colocando as mãos nos quadris. Uma mecha de cabelo caiu para a frente. —Logo que chegarmos lá, teremos 15 minutos, certo? Daemon assentiu. — De acordo com o líder da máfia, Luc, é o que teremos. — E esse garoto é confiável? — perguntou Matthew. — Eu posso falar por ele. Olhei para Blake. — Isso é um grande endosso. Suas bochechas coraram. — Ele é digno de confiança. — Você acha que é tempo suficiente? — Dawson perguntou a seu irmão. — Para chegar lá, pegar Beth e Chris, e sair? — Deve ser. — Daemon dobrou o mapa e colocou-o no bolso traseiro. — Você vai pegar Beth e o merda aqui vai pegar Chris. Blake revirou os olhos.

209


— Andrew, Kat e eu vamos cobri-los. Isso não deve nem levar quinze minutos. — Daemon sentou ao meu lado e nivelou um olhar apontado para Blake. — E então você pegará Chris e dará o fora daqui. Você não tem nenhum motivo para voltar. — E se tiver? — Perguntou Dee. — E se ele achar uma desculpa para chantageá-lo para ajudá-lo? — Eu não vou. — disse Blake, e eu senti seu olhar. — Eu não tenho um motivo para voltar. Daemon ficou tenso. — Se você fizer isso, vai me obrigar a fazer algo que eu não quero... que eu provavelmente vou gostar, mas que eu não quero. Blake ergueu o queixo. — Eu entendi você. — Ok, então. — disse Matthew, caminhando pela sala. — Nos encontramos aqui às seis e meia amanhã. Você cobriu com a sua mãe, Katy? Eu balancei a cabeça. — Minha mãe acha que eu estou fazendo uma festa de pijama com Lesa. Ela vai trabalhar de qualquer jeito. — Ela sempre trabalha. — Ash disse, olhando para as unhas. — Ela até mesmo gosta de estar em casa? Incerta se isso era para irritar ou não, eu mantive o meu temperamento sob controle. — Ela está pagando por uma hipoteca, comida, contas, e todas as minhas despesas sozinha. Ela tem que trabalhar muito. — Talvez você devesse conseguir um emprego. — sugeriu ela, com os olhos sacudindo. — Como algo depois da escola que sugue cerca de 20 horas ou mais da sua vida. Eu cruzei os braços, os lábios franzidos. — Por que você está sugerindo isso? Explique-se. Um sorriso felino apareceu quando a atenção dela escorregou para meu lado.

210


— Eu só acho que se você estivesse preocupada com a sua mãe pagando as despesas, você iria ajudar. — Tenho certeza que é por isso. — Eu relaxei quando Daemon deslizou a mão nas minhas costas. Ash percebeu o gesto e mordiscou seus lábios. Tome isso. — Há apenas uma coisa com que se preocupar. — Blake disse, como se ele realmente achasse que era apenas uma coisa que podia dar errado. — Eles têm portas de emergência que fecham a cada tantos metros quando os alarmes soarem. Essas portas também têm uma arma defensiva. Não cheguem perto das luzes azuis. São lasers. Te rasgam no meio. Todos nós encaramos. Uau, sim, isso era um grande problema. Blake sorriu. — Mas não deve ser um problema. Devemos entrar e sair sem sermos vistos. — Ok. — Andrew disse lentamente. — Mais alguma coisa? Como uma rede de ônix com que temos que nos preocupar? Blake riu. — Não, isso deve cobrir tudo. Dee queria Blake fora logo que os planos estavam feitos. Sem protestar, ele foi até a porta e parou, como se fosse dizer alguma coisa. Eu senti seu olhar mais uma vez, mas depois ele saiu. Nosso grupo se desfez, deixando os irmãos para trás. Juntei minhas mãos. — Eu quero praticar a coisa da velocidade. Quer dizer, eu sei que posso fazê-lo tão rápido quanto vocês, mas só quero praticar. Dee focou no braço do sofá, respirando fundo. — Nós podemos fazer isso. — Dawson deu um sorriso torto. — Eu poderia praticar eu mesmo. Daemon esticou para trás, envolvendo um braço em volta da minha cintura.

211


— Está um pouco escuro agora. Você provavelmente vai acabar quebrando seu pescoço, mas podemos fazer amanhã. — Obrigada pelo voto de confiança. —É isso aí. Eu lhe deu uma cotovelada quando me virei para Dee. Ela ainda estava olhando para o mobiliário como se ele fosse a resposta para alguma coisa. Aqui vai nada. — Você... você vai ajudar? Ela abriu a boca e, em seguida, fechou-a, sacudindo a cabeça. Então, sem dizer uma palavra, ela girou e subiu as escadas. Eu murchei. — Ela vai entender. — Daemon disse, me dando um pequeno aperto. — Eu sei que ela vai. Duvidava disso, mas assenti. Dee nunca iria entender. Eu não sei porque ainda me incomodava. Dawson sentou do meu outro lado, confusão marcando sua expressão. — Não sei o que aconteceu com ela enquanto eu estava fora. Eu não entendo. Eu pressionei meus lábios. Eu aconteci. — Todos nós mudamos, meu irmão. — Daemon me puxou de volta, então eu estava ao seu lado. — Mas as coisas... As coisas vão voltar ao normal em breve. Ele nos olhava, sobrancelhas apertadas. Tristeza penetrou em seus olhos, embotando a sua cor vibrante. Gostaria de saber o que ele pensava quando nos via juntos. Memórias dele e Beth abraçados no sofá? Então ele piscou e um sorriso amarelo apareceu. — Que tal uma maratona de GhostInvestigators? — Você não tem que me perguntar duas vezes. — Daemon levantou a mão e o controle remoto disparou em sua direção. — Tenho, tipo, seis horas gravadas. Pipoca? Precisamos de pipoca. — E sorvete. — Dawson levantou. — Eu estou com desejo.

212


O relógio de parede marcava sete e meia. Ia ser uma noite longa, mas quando eu me sentei ao lado de Daemon, percebi que eu não queria estar em qualquer outro lugar. Daemon roçou os lábios ao longo da minha bochecha quando estendeu a mão, puxando um cobertor ao largo das costas do sofá. Ele colocou sobre nós dois, permitindo que a maior parte do cobertor me engolisse. — Ele está se aproximando, não é? Me virei para ele, sorrindo. — Sim, ele está. Seus olhos encontraram os meus. — Vamos apenas nos certificar de que amanhã não estrague tudo. ... Por volta de uma hora do dia seguinte, eu estava coberta de lama e suando como um porco. Eu tinha feito melhor do que achava, sendo capaz de me manter facilmente com Dawson e eu só cai, tipo... umas quatro vezes. O terreno era implacável. Eu passei por Daemon, e ele fez um golpe para mim. Eu atireilhe um olhar bravo, que ele respondeu com um sorriso travesso. — Você tem sujeira em seu rosto— disse ele. — Fofo. Como de costume, ele parecia perfeito. Nem estava suado. — Ele é sempre tão irritante? Dawson, que parecia com tanta dificuldade como eu, assentiu. — Sim, ele é o melhor para esse tipo de coisa — combate, corrida, coisas físicas. Seu irmão sorriu quando bati a lama de meu tênis e disse: — Você não presta. Daemon riu. Eu enfiei a língua para fora e voltei para ficar ao lado dos irmãos. Estávamos na borda da floresta que terminava no meu quintal da frente. Eu dei um par de respirações profundas e saudei a Source

213


correndo através de mim. Aquela sensação de montanha-russa estava de volta e meus músculos tensionaram. — Prepare-se. — disse Daemon, mãos em punho em seus lados. — Vá! Empurrando, eu cavei meus pés no chão, em seguida, disparei contra os irmãos. Ar me virou quando peguei velocidade. Agora que eu conhecia os galhos e pedras podres, mantive meus olhos fixos no chão e seus arredores. O vento mordia meu rosto, mas era um bom tipo de picada. Isso significava que eu era rápida. Árvores eram um borrão quando eu corri ao seu redor e sob galhos baixos. Saltei sobre arbustos e pedras, movi-me antes de Dawson. A velocidade arrastou meu cabelo, puxando-o livre do meu rabo de cavalo. Uma risada escapou da minha garganta. Enquanto eu corria, esqueci do ciúme estúpido, a questão persistente de Will, e até mesmo do que tinha que fazer naquela noite. Correr assim, tão rápida quanto o vento, foi libertador. Daemon passou na frente de nós, alcançando o fluxo de uns bons dez segundos antes de nós. Parar era um problema. Você não pode simplesmente parar, não a esta velocidade. Você estaria com a cara no chão em segundos. Então eu cavei meus pés, levantando sedimentos e rochas soltas quando deslizei os últimos centímetros. O braço de Daemon se estenderam para frente, envolvendo em volta de minha cintura para que eu não acabasse no lago. Rindo, eu me virei e estendi a mão, beijando sua bochecha. Ele sorriu. — Seus olhos estão brilhando. — De verdade... como os seu fazem? Todo a coisa de diamante brilhando? Dawson parou, batendo o tufo de cabelo da testa. — Não, apenas a cor é luminosa. É bonito. —É lindo. — Daemon corrigiu. — Mas é melhor ter cuidado para não fazer isso na frente das pessoas. — Quando eu balancei a cabeça, ele se aproximou de seu irmão, batendo-lhe nas costas. — Por que não

214


terminamos por aqui? Vocês dois estão prontos, e eu estou morrendo de fome. Uma emoção de orgulho despertou dentro de mim até que me lembrei o quão importante esta noite seria. Eu não poderia ser o elo mais fraco. — Vocês vão em frente e voltam. Eu vou fazer mais algumas corridas. — Você tem certeza? — Sim. Eu quero correr em círculos em volta de você. — Nunca vai acontecer, Kitten. — Ele vangloriou-se de mim e beijou minha bochecha. — Você já pode desistir. Eu empurrei o seu peito, brincando. — Um dia desses você vai comer poeira. — Eu duvido que qualquer um de nós vai estar por perto para ver isso. — Dawson sorriu para o irmão. Meu coração parou quando eu vi os dois brincando, e eu forcei a minha expressão para permanecer a mesma, embora vi Daemon vacilar um

pouco. Desconhecendo

a

importância

da

conversa,

Dawson

empurrou o cabelo para trás novamente e se dirigiu para a casa. — Chego antes de você, irmão. — Dawson disse. Vá, eu murmurei em Daemon. Ele enviou-me um sorriso rápido e, em seguida, correu até seu irmão. — Você sabe que vai perder. — Provavelmente, mas ei, isso é bom para o ego, né? Como se ele precisasse de ajuda com isso, mas eu sorri e senti tudo morno e distorcido quando eles brincaram e, em seguida, decolaram. Esperei alguns minutos, limpei os meus pensamentos, e, em seguida, corri de volta para a casa. Em velocidade normal, o que demorou

cerca

de

cinco

minutos

se

eu

estava

contando

corretamente. Uma vez na linha de árvore, eu me virei e me entrei na posição. Sentindo a pressão da Source liberar, me lancei para a frente. Dois minutos.

215


Eu fiz de novo e cronometrei. Um minuto e trinta segundos, a segunda viagem de volta. Eu fiz isso de novo e de novo, até que meus músculos queimaram junto com meus pulmões e a corrida de cinco minutos me levou 50 segundos. Eu não acho que eu poderia ficar melhor do que isso. E o engraçado é que, apesar de que meus músculos tremiam, eles não doíam. Como se eu estivesse fazendo isso durante anos, e praticamente só corria da frente da livraria para a seção de lançamento de novo livros e só. Me alongando, eu assisti o sol passar através das árvores e saltar fora do riacho parcialmente congelado. A primavera não estava muito

longe. Eu

empurrei

o

meu

cabelo,

colocando-o

sobre

o

ombro. Isso era, se todos saíssemos de Monte Weather esta noite. — Eu estava errado. Você realmente não precisa de prática. Virei-me com o som da voz de Blake. Parado a vários metros de distância, ele se inclinou contra uma árvore grossa, com as mãos nos bolsos. Inquietação e discórdia enrolou no meu estômago. — O que você está fazendo aqui? — Eu exigi, mantendo a minha voz baixa. Blake deu de ombros. — Assistindo. — Sim, isso nem é assustador ou algo assim. Ele sorriu com força. — Eu provavelmente deveria ter pensado em uma maneira melhor

de

colocar

isso. Eu

estava

assistindo

a

todos

vocês

correrem. Vocês são bons –você é boa. Daedalus adoraria tê-la a bordo. A bola no meu estômago cresceu. — Isso é uma ameaça? — Não. — Ele piscou os olhos, as bochechas corando. — Deus, não, eu só queria dizer que você é boa assim. Você é o que eles querem em um híbrido. — Como você? Seu olhar caiu ao chão.

216


— Sim, como eu. Isso foi estranho e respirar o mesmo ar que Blake me irritava. Normalmente, eu não guardaria rancor, mas fiz uma exceção com ele. Comecei a voltar para a casa. — Você está preocupada com esta noite? — Eu não quero falar com você. Ele estava ao meu lado rapidamente. — Por que não? Por

que

não? Sério? Por

que

não? Essa

pergunta

me

enfureceu. Sem pensar, girei e bati meu punho em seu plexo solar. Ar expeliu dele com pressa e uma satisfação vertiginosa plantou um sorriso no meu rosto. — Deus. — ele grunhiu, dobrando. — O que acontece com vocês garotas me batendo? — Você merece muito pior do que isso. — Eu girei antes de bater nele novamente e reiniciar minha jornada de volta. — Por que eu não quero falar com você? Por que você não pergunta a Adam? —

Tudo

bem.

Ele

emparelhou

comigo,

esfregando

o

estômago. — Você está certa. Mas eu já disse que eu sinto muito. — Desculpas não corrigem coisas como esta. — Eu respirei, apertando os olhos para o brilho áspero do sol cortando os ramos. Eu não consigo acreditar que estávamos tendo essa conversa. — Eu estou tentando compensar isso. Eu ri com a ideia ridícula de que ele poderia compensar por tudo o que ele tinha feito. Desde a noite em que Adam morreu, uma parte de mim entendia a pena de morte e por que ela foi criada. Talvez não seja uma vida por uma vida, mas eu entendo a coisa toda de prisão perpétua. Eu parei. — Por que você está realmente aqui agora? Você sabe que Daemon provavelmente vai ficar incomodado, e ele bate mais do que Dee ou eu.

217


— Eu queria falar com você. — Seu olhar se inclinou para cima. — E houve uma época em que você gostava de falar comigo. Sim, antes que ele acabou por ser o diabo encarnado, ele era um cara muito legal. — Eu odeio você. — eu disse, e falei sério. O nível de animosidade que sentia por esse garoto era um gráfico formidável. Blake se encolheu, mas não desviou o olhar. Vento rugia por entre as árvores, chicoteando meu cabelo em volta do meu rosto e fazendo com que o dele ficasse em linha reta para cima. — Eu nunca quis que você me odiasse. Eu soltei uma risada curta e comecei a andar novamente. — Você é péssimo na coisa toda de não-fazer-me-odiar. — Eu sei. — Ele caiu no passo ao meu lado. — E eu sei que não posso mudar isso. Eu nem tenho certeza de que eu faria diferente se eu tivesse uma chance de fazer isso de novo. Dei-lhe um olhar de ódio. — Pelo menos você é honesto, certo? Que seja. Ele enfiou as mãos nos jeans. — Você faria o mesmo se estivesse no meu lugar, se fosse Daemon quem você precisava proteger. Um arrepio passou pela ponta dos meu pés para baixo da minha espinha quando minha mandíbula travou no lugar. — Você faria. — ele insistiu em voz baixa. — Você faria exatamente como eu fiz. E isso é o que incomoda mais do que qualquer coisa. Somos mais parecidos do que você quer admitir. — Nós não somos nada parecidos! — Meu estômago paralisou, embora, porque, no fundo, como eu disse a Daemon antes, eu era muito parecida com Blake. Saber disso não quer dizer que eu iria dar a ele o prazer de admiti-lo, especialmente porque o que tinha feito tinha me mudado. Minhas mãos se fecharam em punhos quando eu pisei sobre galhos e arbustos.

218


— Você é um monstro, Blake. Um verdadeiro monstro, eu não quero ser assim. Ele não disse nada por um momento. — Você não é um monstro. Meu queixo doía do quão duro eu estava rangendo os dentes. — Você é como eu, Katy, você realmente é, mas você é melhor do que eu. — Houve uma pausa e então ele disse: — Eu gostei de você desde o momento em que nos conhecemos. Mesmo que saiba que é estúpido gostar de você, eu gosto. Sem palavras, parei e olhei para ele. — O quê? As pontas de suas bochechas queimaram de vermelho. — Eu gosto de você, Katy. Muito. E eu sei que você me odeia, e que você ama Daemon. Eu entendo isso, mas eu só queria falar isso, no caso da merda bater no ventilador esta noite. Não é que vá acontecer, mas você sabe... Que seja. Eu não poderia nem mesmo processar o que ele estava dizendo. Não tinha como. Eu me virei e comecei a voltar para a casa que agora estava à vista, balançando a cabeça. Ele gostava de mim. Muito. É por isso que ele traiu os meus amigos e eu. Matou Adam e depois voltou para nos chantagear. Uma risada histérica se formou na minha garganta e uma vez que eu comecei a rir, eu não podia parar. — Obrigado. — ele murmurou. — Eu confessei, e você ri de mim. — Você deveria estar feliz que eu estou rindo. Porque a outra opção é bater em você de novo, o que ainda pode... Blake bateu em minhas costas, me jogando no chão. Ar voou dos meus pulmões em uma corrida e seu peso imediatamente preparou meu corpo para uma luta. — Não. — ele sussurrou em meu ouvido, suas mãos envolvendo em volta de meus braços. — Temos companhia... e não do tipo bom.

219


Capitulo vinte e um

M

eu coração deu um pulo na minha garganta. Quando consegui levantar a minha cabeça, esperava ver uma frota de funcionários do DOD convergindo para nós. Eu não vi nada.

— Do que você está falando? — Eu perguntei em voz baixa. — Eu não vejo...

— Silêncio. Eu me irritei, mas permaneci em silêncio. Depois de alguns segundos, porém, eu estava convencida de que ele estava apenas fazendo uma pegadinha ou algo assim. — Se você não sair de cima mim, eu vou realmente machucar... E então eu vi do que ele estava falando. Rastejando ao longo do lado da minha casa estava um homem em um terno preto. Algo sobre sua aparência parecia familiar, e então me lembrei de onde o tinha visto antes. Ele estava com Nancy Husher no dia em que o DOD apareceu, enquanto Daemon e eu estávamos no campo onde tínhamos lutado com Baruck. Agente Lane. Então eu vi sua Expedition estacionada mais abaixo na rua. Eu engoli em seco. — O que ele está fazendo aqui? — Eu não sei. — A respiração de Blake era quente contra minha bochecha, e eu cerrei os dentes. — Mas ele está, obviamente, à procura de

alguma

coisa.

Um segundo ou dois mais tarde, um movimento na casa de Daemon atraiu meus olhos. A porta da frente se abriu, e Daemon saiu. Para o olho humano, ele desapareceu da varanda da frente e reapareceu em

220


minha calçada, a poucos metros do Agente Lane. Mas ele só se mexeu tão rapidamente que ele não poderia ser rastreado. — Tem algo em que eu possa ajudá-lo, Lane? — Sua voz falou ao longo da distância, sem emoção. Surpreendido pela sua súbita aparição, Lane deu um passo para trás e apertou a mão no peito. — Daemon, meu Deus, eu odeio quando você faz isso. Daemon não sorria e seja o que foi que o oficial viu nos olhos de Daemon o levou direto ao assunto. — Estou fazendo uma investigação. — Ok. Lane, enfiou a mão no bolso do terno e tirou um pequeno caderno, abrindo-o. Seu casaco ficou preso em seu coldre. Eu não tinha certeza se era de propósito ou não. — O agente Brian Vaughn está desaparecido desde antes do Ano Novo. Estou verificando todas as Lanes possíveis. — Merda. — eu murmurei. Daemon cruzou os braços. — Por que eu iria saber o que aconteceu com ele ou me importar? — Quando foi a última vez que você o viu? — Eu não o tenho visto desde o dia em que vocês apareceram para fazer o seu check-in e todos vocês quiseram comer naquele buffet chinês nojento. — Daemon respondeu, com a voz tão convincente que eu quase acreditei nele. — Eu ainda não me recuperei disso. Lane deu um sorriso relutante. — Sim, a comida era terrível. — Ele escreveu algo e, em seguida, deslizou seu caderno de volta no bolso. — Então você não viu mesmo Vaughn? — Não. — disse ele. O outro homem acenou com a cabeça.

221


— Eu sei que vocês dois não eram grandes fãs um do outro. Eu não achei que ele tenha feito visitas não autorizadas, mas temos que verificar todas as possibilidades neste momento. — Compreensível. — O olhar de Daemon pousou nas árvores que estavam escondidas atrás. — Por que você estava verificando a casa do vizinho? — Eu estava verificando todas as casas. — respondeu ele. — Você ainda tem amizade com a garota que vi com você? Oh, não. Daemon não disse nada, mas mesmo a partir da minha posição de bruços, eu podia ver a forma em que seus olhos se estreitaram para o agente. Lane riu. — Daemon, quando é que você vai se soltar? — Ele bateu-lhe no ombro enquanto passava por ele. — Eu não me importo com quem você... passa o seu tempo. Eu estou apenas fazendo o meu trabalho. Daemon seguiu os movimentos do Agente, virando em direção a ele. — Então, se eu decidisse hoje a namorar exclusivamente seres humanos e sossegar com um, você não iria me denunciar? — Enquanto eu não ver evidência inegável, eu não me importo. Este é apenas um emprego com uma boa aposentadoria, e espero chegar a esse ponto. — Ele começou a ir para o seu veículo, mas parou, de frente para Daemon. — Há uma diferença entre a evidência e a minha intuição. Por exemplo, meu instinto me diz que seu irmão estava em um relacionamento sério com um ser humano, ele desapareceu com ela, mas não havia qualquer prova. E, claro, já sabíamos como o DOD descobriu sobre Beth e Dawson: Will. Mas esse cara estava insinuando que ele não sabia nada sobre Dawson? Daemon encostou na SUV de Lane. — Você viu o corpo do meu irmão quando o encontraram? Um momento tenso seguiu, e Lane baixou o queixo.

222


— Eu não estava lá quando eles disseram que encontraram o corpo dele junto com a garota. Só me contaram o que aconteceu. Eu sou apenas um oficial. — Ele levantou a cabeça. — E não me disseram nada diferente. Eu não sou nada no grande esquema das coisas, mas não sou cego. Prendi a respiração. Senti Blake fazer o mesmo. — O que você está dizendo? — Perguntou Daemon. Lane sorriu firmemente. — Eu sei quem está em sua casa, Daemon. Eu sei que eu fui enganado... muitos de nós têm sido enganados e não tem ideia do que está

realmente

acontecendo. Nós

apenas

temos

empregos. Nós

cumprimos as tarefas, e mantemos nossas cabeças para baixo. Daemon assentiu. — E você está mantendo sua cabeça onde agora? — Disseram para investigar o possível paradeiro de Vaughn e foi isso. — Ele apontou para a porta do carro, e Daemon se afastou dele. — Eu não sei de mais nada além do que eu disse. Eu realmente quero o plano de aposentadoria. — Ele entrou, fechando a porta do carro. — Você tome cuidado. Daemon voltou. — Vejo você por aí, Lane. Pneus rodaram e chutaram em cima de cascalho quando a Expedition entrou de volta na estrada, fumaça saindo do escape. O que diabos aconteceu? Melhor ainda, por que Blake ainda está em cima de mim? Jogando meu cotovelo para trás, bati em seu estômago e um grunhido seguiu. — Saia de cima de mim. Ele rolou a seus pés, os olhos brilhando. — Você gosta de bater. Levante-me, olhando-o. — Você precisa sair daqui. Agora, não precisamos lidar com você.

223


— Bom argumento. — Ele recuou, seu sorriso desaparecendo. — Vejo você mais tarde esta noite. — Que seja. — eu murmurei, me voltando para onde Daemon estava subindo a calçada. Corri para fora da floresta e para o seu lado. — Está tudo bem? Daemon assentiu. — Você ouviu alguma coisa? — Sim, eu estava voltando, quando eu o vi. — Eu pensei que se Daemon não soubesse sobre Blake ficar todo assustador antes de invadirmos o Monte Weather, era uma coisa boa. — Você acredita nele? — Eu não sei. — Ele deixou cair o braço por cima dos meus ombros, me guiando em direção a sua casa. —Lane sempre foi um cara decente, mas isso não é bom para mim. Eu passei um braço em volta de sua cintura e me inclinei para ele. — Qual parte? — Tudo isso... todo esse cenário. — disse ele, sentando-se no degrau do topo. Ele me puxou para o colo dele, mantendo os braços em volta de mim. — O fato de que o DOD, até mesmo Lane, saberem muito bem que Dawson está de volta, e que eles têm que perceber que sabemos que eles mentiram. E eles estão fazendo nada. — Ele fechou os olhos enquanto eu pressionei meu rosto ao dele. — E o que faremos hoje pode funcionar, mas é loucura. Parte de mim se pergunta se eles já sabem que estamos chegando. Alisando meu polegar ao longo de sua mandíbula, eu deu um beijo em sua bochecha, desejando que houvesse algo que eu pudesse fazer. — Você acha que estamos caminhando para uma armadilha? — Eu acho que nós estivemos dentro da armadilha o tempo todo e nós estamos apenas esperando por ela se fechar. — Ele capturou minha mão suja na dele e segurou. A respiração estremeceu através de mim. — E ainda vamos fazer isso?

224


A determinação em seus ombros era resposta suficiente. — Você não precisa. — Nem você. — eu raciocinei suavemente. — Mas nós dois vamos. Daemon inclinou a cabeça para trás, os olhos encontrando os meus. —É o que nós somos. Nós não estávamos fazendo isso porque nós tínhamos um desejo de morte ou porque éramos estúpidos, mas porque havia duas vidas em jogo, provavelmente mais, que valiam tanto quanto as nossas. Talvez todo esse esforço fosse um sacrifício, mas se não passarmos por ele, perderíamos Beth, Chris, e Dawson. Blake era uma perda aceitável. Uma mecha de pânico tomou meu peito, apesar de tudo. Eu estava com medo, com muito medo. Quem não estaria? Mas eu tinha nos trazido a este ponto e agora era maior que eu, maior do que o meu medo. Respirando instável, eu mergulhei minha cabeça e beijei os lábios dele. — Eu acho que vou passar algum tempo com a minha mãe antes de sairmos. — Minha garganta estava grossa. — Ela deve acordar em breve. Ele me beijou de volta, seus lábios demorando. O toque era parte anseio com uma pitada de desespero e aceitação. Se as coisas corressem mal esta noite, realmente não haveria tempo suficiente para nós. Talvez nunca haveria tempo suficiente, no entanto. Finalmente, ele disse em uma voz áspera, crua. — Essa é uma boa ideia, Kitten. ... Quando chegou a hora de entramos na SUV de Daemon e dirigirmos o carro para as montanhas Blue Ridge, o clima estava tenso. E pela primeira vez, isso realmente não tinha nada a ver com a presença de Blake.

225


Houve explosões de gargalhadas e maldições, mas todo mundo estava em alfinetes e agulhas. Ash estava no banco do passageiro do veículo de Matthew. Ela estava vestida toda de preto – meia calça presta, tênis preto e uma camiseta preta colante. Ela parecia uma ninja. Ao lado dela, Dee estava em

rosa. Aparentemente

Dee

tinha

recebido

o

memorando

de

permanecer no veículo. A menos que Ash tenha planejado se misturar com as almofadas de assento, eu não sabia por que ela estava vestida desse jeito. Além do fato de que ela parecia insanamente sexy. Por outro lado, eu usava moletom escuro e uma blusa preta que não cabia mais em Daemon. Deve ter sido de seus anos de préadolescentes, já que nem entrava em sua cabeça agora, e eu parecia como se eu estivesse indo à academia. Estava um fracasso total ao lado de Ash, mas Daemon disse algo sobre eu vestindo as roupas dele que enviou o sangue correndo para cada parte do meu corpo e eu não me importava se eu parecia um corcunda ao lado dela. Dawson e Blake estavam indo com a gente, o resto com Matthew. Quando nos afastamos da garagem, meus olhos estavam grudados em minha casa até que ela desapareceu de vista. As poucas horas que passei com a minha mãe tinham sido ótimas... muito boas. Os primeiros 30 minutos da viagem não foram ruim. Blake ficou quieto, mas quando ele começou a falar, as coisas foram por água abaixo. Algumas vezes eu pensei que Daemon ia parar o veículo e estrangulá-lo. Eu não acho que Dawson ou eu teríamos o impedido. Dawson se moveu, deixando cair a cabeça em sua mão. — Você nunca para de falar? — Quando eu estou dormindo. — Blake respondeu. — E quando você está morto. — Daemon jogou de volta. — Você vai parar de falar quando você estiver morto. Os lábios de Blake se apertaram.

226


— Bom argumento. —Ótimo. — Daemon se concentrou na estrada. — Tente ficar quieto por um tempo. Eu escondi meu sorriso quando virei. — O que você vai fazer quando você ver Beth? Adoração rastejou pelo rosto de Dawson, e ele balançou a cabeça lentamente. — Oh, cara, eu não sei. Respirar... eu vou finalmente poder respirar. Emocionada, eu dei-lhe um sorriso aguado. — Tenho certeza que ela vai se sentir da mesma maneira. — Pelo menos, eu esperava por isso. A última vez que eu tinha visto Beth, ela não estava muito boa da cabeça. Mas se eu sabia alguma coisa sobre Dawson, sabia que ele poderia lidar com isso, porque ele a amava — ele tinha o tipo de amor que minha mãe e meu pai tinham. Pelo canto dos meus olhos, eu vi as pontas dos lábios de Daemon se moverem nos cantos. Algo no fundo do meu peito vibrou. Chupando uma respiração suave, me concentrei em Blake. O lado de sua cabeça estava contra a janela enquanto ele olhava para a noite escura. — E você? Seu olhar deslizou para o meu. Por alguns segundos, ele não respondeu. — Vamos sair daqui e ir para o oeste. E a primeira coisa que vamos fazer é ir surfar. Ele realmente costumava a cavar o mar. Eu me virei, olhando para as minhas mãos. Às vezes era difícil odiar sem se sentir arrependida. E eu sentia muito por seu amigo. Eu até senti pena de Blake. — Isso é... isso é bom. Nenhum de nós falou depois disso, e num primeiro momento, o clima ficou sombrio e pesado com as memórias e, provavelmente centenas de SEs e dúzias de cenários sobre o que aconteceria hoje e como seria para Dawson e Blake, mas quando passamos por

227


Winchester e atravessamos o rio e eu podia ver as sombras mais escuras da Blue Ridge lá na frente, o clima mudou. Os garotos estavam tensos, jogando testosterona fora em baldes. Impacientes e prontos para fazer isso, eu olhei para o horário. Vinte para as nove. — Quanto tempo? — Perguntou Dawson. — Nós temos tempo. A SUV entrou em uma marcha mais baixa quando começamos a subir a montanha. Atrás de nós, Matthew seguiu de perto. Ele conhecia as direções. A estrada de acesso era supostamente a cerca de meia milha antes da entrada principal. Daemon tinha digitado em seu GPS, mas praticamente cuspiu o pedido de volta. Um telefone celular apitou e Blake tirou seu celular. —É de Luc. Ele quer ter certeza de que estamos dentro do cronograma. — Estamos. — respondeu Daemon. Seu irmão apareceu entre os bancos dianteiros. — Temos certeza? Daemon revirou os olhos. — Sim. Eu tenho certeza. — Só confirmando. — Dawson resmungou, sentando-se. Agora, Blake estava entre os assentos. — Tudo bem, Luc está pronto para fazer isso. Ele quis nos lembrar que só temos 15 minutos. Se alguma coisa der errado, vamos sair e tentar novamente mais tarde. — Eu não quero tentar novamente mais tarde. — Dawson protestou. — Uma vez que entrarmos, temos que continuar. Blake fez uma careta. — Eu quero tirá-los de lá tanto quanto você, cara, mas temos uma lacuna de tempo limitado. Isso é tudo. — Nós manteremos o plano. — O olhar de Daemon encontrou o de seu irmão na janela. —É isso, Dawson. Eu não vou perder você de novo.

228


— Nada vai dar errado, afinal. — eu interrompi antes que se transformasse em uma briga no carro. — Tudo vai sair como planejado. Eu me concentrei na estrada. A rodovia tinha quatro pistas e árvores pesadas nas estradas no sul e nas pistas do norte. Era um borrão de sombras. Eu não tinha ideia de como Daemon iria se encontrar neste caminho, mas ele começou a diminuir e a entrar pela faixa da esquerda. Uma pressão se estabilizou em meu peito quando ele se virou para uma estrada pouco visível. Não havia placas, nada de sinalização de que havia uma estrada lá. Dois faróis nos seguiram até o estreito de uma abertura que era mais terra e cascalho do que asfalto. Cerca de duzentos pés, sob o luar pálido, uma antiga fazenda ficava à direita. Metade

do

telhado

estava

faltando. Ervas

daninhas

se

alastravam pela frente e lados. — Assustador. — eu murmurei. — Eu aposto que o seu pessoal de fantasmas diria que este lugar é assombrado. Daemon riu. — Eles dizem que cada lugar é assombrado. É por isso que eu os amo. — Isso não é verdade. — disse Dawson quando estacionamos e Matthew estacionou ao nosso lado. Ambos os carros apagaram as luzes e motores e com nenhuma outra Source de luz, estava negro como o petróleo. Meu estômago se armou. Cinco para as nove. Não tinha como recuar agora. O celular de Blake apitou novamente. — Ele está apenas certificando de que estamos prontos. — Meu Deus, esse garoto é chato. — Daemon murmurou, de frente para onde Matthew estacionou. — Estamos nos preparando para fazer isso. Andrew? Ele saiu, murmurando alguma coisa para Dee e sua irmã. Então ele se virou, fazendo o que eu jurei que eram sinais de gangues. — Eu estou pronto. — Nossa. — Blake murmurou.

229


Nós

iremos

nos

manter

ao

plano. Em

nenhum

momento qualquer um de nós— Daemon dirigiu isso a seu irmão— nos desviaremos do plano. Todos nós voltaremos hoje à noite. Ouviram-se murmúrios de concordância. Com a minha pulsação acelerada a ponto de parada cardíaca, eu abri a porta. Daemon colocou a mão no meu braço. — Fique perto de mim. Minhas cordas vocais pareciam ter parado de funcionar, então assenti. Então, nós quatro saímos do carro, respirando o ar puro da montanha gelada. Tudo estava escuro, com faixas de luz do luar cortando o outro lado da estrada de acesso. Eu provavelmente estava de pé ao lado de um urso e não tinha ideia. Eu me movi para a frente do veículo e fiquei ao lado de Daemon. Outro movimento ao meu lado e eu percebi que era Blake. — Tempo. — disse Daemon. Houve um rápido flash de luz do celular, e Blake disse: Um minuto. Eu atrai um suspiro superficial, mas ele ficou preso. Eu podia sentir meu coração em todas as partes do meu corpo. Fora da escuridão, Daemon encontrou a minha mão e apertou. Podemos fazer isso, eu disse a mim mesma. Nós podemos fazer isso. Nós vamos fazer isso. — Trinta segundos. — disse Blake. Eu trabalhei no meu mantra, porque eu lembrei de ter lido algo sobre as leis do universo e acreditar em alguma coisa vai fazer isso acontecer. Deus, eu esperava que eles estivessem certos. — Dez segundos. Daemon deu mais um aperto, e eu percebi que ele não ia soltar. Eu iria atrasá-lo, mas não havia tempo para protestar. Um tremor rolou através de meus braços. Senti a Source balançar e acordar. Meu peso deslocou para trás e para frente. Ao meu lado, Blake se inclinou para a frente. — Três, dois, vamos!

230


Eu parei, deixando a Source correr através de mim, expandindo cada célula com a luz. Nenhum dos caras estavam brilhando, mas todos nós estávamos correndo, praticamente voando. Meus tênis derrapou ao longo da estrada. Nós subimos, continuando ao lado da estrada, evitando os raios de luz. Na parte de trás da minha cabeça, eu percebi que me manter com eles nunca tinha sido o problema. Era ver para onde ir. Mas a mão de Daemon permaneceu na minha e ele não estava me puxando, mais me guiando durante a noite, em volta de buracos do tamanho de crateras, e pela estrada torcida da montanha. Setenta e cinco segundos depois, porque eu contei, uma cerca de vinte metros de altura entrou apareceu sob holofotes. Nós diminuímos, vindo a parar por completo atrás da última fileira de árvores. Eu arrastei no ar, os olhos arregalados. Sinais vermelho e branco marcavam o muro como sendo elétrica. Além deles estava um espaço aberto do cumprimento de um campo de futebol e, em seguida, uma estrutura maciça. — Tempo. — perguntou Daemon. — Um minuto depois das nove. — Blake passou a mão pelo seu cabelo espetado. — Ok, eu vejo um guarda no portão. Você vê algum outro? Esperamos por cerca de um minuto para ver se algum estava patrulhando, mas como Luc havia dito, era troca de turno. Apenas o portão estava coberto. Não podíamos esperar mais. — Me dê um segundo. — disse Andrew, escapando das árvores, arrastando-se em direção ao guarda vestido de preto. Eu estava prestes a perguntar o que diabos ele estava fazendo quando o vi mergulhar e colocar a mão no chão. Faíscas azuis voaram e o guarda começou a girar em direção a ele, mas a onda de eletricidade o alcançou. Um tremor violento correu até o corpo do homem, e ele deixou cair a arma. Um segundo depois, ele estava deitado ao lado dela. Os

231


garotos foram para a frente e eu segui, dando uma olhada para o guarda. Seu peito se moveu e caiu, mas ele estava frio. — Ele não sabe o que o atingiu. — Andrew sorriu quando ele soprou sobre seus dedos. — Ele vai ficar fora por cerca de mais ou menos vinte minutos. — Bom. — disse Dawson. — Eu teria fritado seu cérebro se eu tentasse. Meus olhos se arregalaram. Daemon estava em movimento, aproximando-se do portão. O teclado branco parecia despretensioso, mas foi o primeiro teste. Nós só podia esperar que Luc tivesse derrubado câmeras e tinha nos dado os códigos corretos. — Icarus. — Blake disse calmamente. Balançando a cabeça, os ombros de Daemon ficaram tensos quando ele rapidamente digitou o código. Houve um estalar mecânico, um baixo zumbido se seguiu, e, em seguida, o portão estremeceu. Ele se abriu, chamando-nos como um tapete vermelho laminado-out. Daemon acenou para irmos em frente. Nós aceleramos pelo campo, levando alguns segundos para alcançar as portas que Luc e Blake tinham confirmado. Eu vim atrás de Daemon enquanto eles procuravam a parede. — Onde está o maldito teclado? — Dawson exigiu, andando entre as portas. Dei um passo para trás e forcei o meu olhar para se mover para a esquerda para a direita lentamente. —Lá. — Eu apontei para a direita. O bloco era pequeno, preso para trás da sobreposição. Andrew correu para ele, olhando por cima de seu ombro. — Pronto? Dawson olhou para mim e depois para a porta do meio, em frente de nós. — Sim.

232


—Labirinto. — Daemon murmurou atrás de nós. — E por favor, Deus, soletre corretamente. Andrew riu e digitou o código. Eu queria apertar meus olhos fechados apenas no caso de nós terminarmos com uma dúzia de armas apontadas para nossos rostos. A porta se abriu diante de nós, revelando o espaço em frente centímetro por centímetro. Sem armas. Ninguém. Deixei escapar a respiração que estava segurando. Além da porta estava um túnel largo laranja e no final tinham os elevadores. Nem mesmo uma centena de pés e tudo o que tínhamos que fazer era chegar aos elevadores e descer seis andares. Blake sabia quais as celas. Nós realmente iriamos fazer isso. A porta era grande o suficiente para duas pessoas entrarem de uma só vez, mas Dawson avançou em primeiro lugar. Compreensível, considerando o que ele tinha a ganhar com a final da noite. Eu segui atrás. Enquanto se movia sob o batente da porta, havia um som de liberação de ar, um pequeno ruído ofegante. Dawson caiu como se tivesse levado um tiro, mas não tinha havido nenhuma explosão. Um segundo ele estava em pé na porta e no próximo ele estava do outro lado, murchando no chão, com a boca aberta num grito silencioso. — Ninguém se mexe. — Andrew ordenou. O tempo parou. O cabelo na parte de trás do meu pescoço se levantou. Eu olhei para cima. Uma fileira de pequenos orifícios, quase não perceptíveis, virados para baixo. Tarde demais, percebi com horror. Um som de sopro veio novamente. Dor em brasa queimava a minha pele, como se milhares de pequenas facas estivessem me cortando em pedaços por dentro, atacando todas as células. Cada parte do meu corpo explodiu como eu respirou escaldante. Minhas pernas se desintegraram e cai, incapaz até mesmo de aliviar a queda. Minha bochecha bateu fora do concreto, o

233


flash de dor não era nada comparado com o fogo que assolava meu corpo. As células do meu cérebro foram mexidas e torcidas. Músculos travavam em pânico e dor. Minhas pálpebras foram descascadas abertas. Pulmões tentaram se expandir, para arrastar no ar, mas havia algo de errado com o ar – se escalava em minha boca e garganta. Em algum lugar, na parte distante de mim que ainda poderia funcionar, eu sabia o que era isso. Ônix – ônix vaporizado no ar.

234


Capitulo vinte e dois

M Mãos

eu corpo se contraiu incontrolavelmente enquanto ondas de dor sacudiam através de mim. Ao longe, eu podia ouvir vozes em pânico, e eu tentava processar o que eles estavam dizendo. Nada fazia sentido, além da agonia profunda e cortante do ônix.

fortes

agarraram

meus

braços

e

a

angústia

disparou. Minha boca se abriu e um grito rouco escapou. Então eu fui levantada, meu rosto pressionado contra algo quente e sólido. Eu reconheci o cheiro fresco. Então nós estávamos voando. Tínhamos que estar, porque estávamos nos movendo tão rápido que o vento uivava e rugia nos meus ouvidos. Meus olhos estavam abertos, mas estava tudo tão escuro quanto minha pele parecia que estava sendo esfolada aberta com pequenas navalhas. Quando diminuímos a velocidade, pensei ter ouvido um grito chocado de Dee e, em seguida, alguém disse Rio. Estávamos voando de novo, e eu não sabia onde Dawson estava ou se eles tinham o alcançado do outro lado da porta. Tudo que eu sabia era a dor bombeando através do meu corpo, a corrida do meu pulso e do coração fulminante. Parecia que passaram horas antes de pararmos novamente, mas eu sabia que tinha que ser apenas alguns minutos. Úmido, o ar frio que cheirava almiscarado soprou sobre nós. — Segure-se em mim. — A voz de Daemon era dura em meus ouvidos. — Vai ficar frio, mas o ônix está em toda a sua roupa e cabelo. Apenas espere, ok? Eu não podia responder, e eu pensei que se estava em cima de mim, tinha que estar em Daemon. Tinha que ser com ele por todo o

235


caminho do Monte Weather para o rio, que ficava a quilômetros. Ele tinha que estar machucado. Daemon avançou, deslizou alguns metros para baixo, e depois soltou uma maldição. Momentos depois, o choque da água gelada bateu em minhas pernas e até mesmo através da dor, eu tentei lutar contra o corpo de Daemon para escapar, mas ele continuou indo mais longe até que o gelo lambeu minha cintura. — Segure. — disse ele novamente. — Segure-se em mim. Depois, deslizou por baixo e minha respiração foi roubada novamente. Balançando a cabeça vigorosamente, estava presa na água turva e meu cabelo flutuava em volta de meu rosto, me cegando. Mas o fogo da ônix... Estava desaparecendo. Braços se apertaram em torno de mim, e depois fomos movidos para cima. Quando minha cabeça rompeu a superfície, eu arrastei no ar pela golfada. Estrelas faziam cambalhotas e borravam, e Daemon nos moveu de fora da água para a margem. A água salpicou a poucos metros de distância e quando a minha visão clareou, Blake e Andrew arrastavam Dawson para fora da água, colocando-o na margem. Blake se sentou ao lado dele, enfiando as mãos pelo seu cabelo encharcado. Meu coração caiu. Ele estaria...? Dawson jogou um braço sobre o rosto enquanto inclinava uma perna. — Merda. Alívio fez meus joelhos enfraqueceram. Senti as mãos de Daemon

no

meu

rosto

e

então

ele

virou

meu

rosto

para

o

dele. Brilhantes olhos verdes encontraram os meus. — Você está bem? — Ele perguntou. — Diga alguma coisa, Kitten. Por favor. Eu forcei meus lábios gelados a se moverem. — Uau.

236


Suas sobrancelhas abaixaram, ele balançou a cabeça, confuso, e então ele jogou os braços em volta de mim, me apertando com tanta força que eu gritei. — Deus, eu nem sei...— Ele segurou a parte de trás da minha cabeça enquanto virava para longe do grupo, baixando a voz. — Eu estava morrendo de medo. — Eu estou bem. — Minha voz foi abafada. — E quanto a você? Você tinha que ter... — Está tudo fora de mim. Não se preocupe com isso. — Um tremor o abalou. — Droga, Kitten... Fiquei quieta enquanto ele me apertava mais uma vez, me deu um tapinha para baixo como se estivesse verificando se eu ainda tinha braços e dedos. Quando ele beijou meus olhos, embora, eu pensei que eu iria chorar, porque suas mãos tremiam. Quatro conjuntos de faróis se abateram sobre nós e, em seguida, houve um fluxo de vozes e perguntas. Dee foi a primeira em cena. Ela caiu ao lado de Dawson, pegando sua mão. — O que aconteceu? — Ela exigiu. — Alguém nos diga o que aconteceu. Matthew e Ash apareceram, curiosos e interessados. Foi Andrew quem falou. — Eu não sei. Eles tinham algo que saiu das portas quando elas abriram. Era algum tipo de spray, mas não tinha cheiro e não podíamos vê-lo. — Doeu como uma vadia. — Dawson se sentou, esfregando os braços. — E só há uma coisa que se sente assim. Ônix. É claro que ele também sabia o que era. Estremeci. Deus sabe quantas vezes isso havia sido usado contra ele. — Mas eu nunca o vi assim antes. — continuou ele, levantando lentamente com a ajuda de Ash e Dee. — Estava no ar. Loucura. Acho que engoli um pouco. — Você está bem? Katy — perguntou Matthew.

237


Nós dois assentimos. Minha pele doía um pouco, mas o pior já tinha passado. — Como é que você sabia para nos levar para o rio? Daemon afastou os cachos molhados da testa. — Imaginei que era ônix quando eu não vi nenhum ferimento visível, percebi que estava na sua pele e roupas. Me lembrei de passarmos pelo rio. Pensei que era o melhor lugar para ir. — Bem pensado. — disse Matthew. — Inferno... — Nós nem sequer passamos pelo primeiro conjunto de portas. —

Andrew

soltou

pensando? Eles

uma

deixam

gargalhada. — esse

lugar

Que

diabos

estávamos

armado

contra

Luxen

e,

aparentemente, híbridos. Daemon desembaraçou seus braços de mim e caminhou para onde os outros estavam. Ele parou atrás de Blake. — Você esteve no Monte Weather antes, certo? Lentamente, Blake se levantou. Suas bochechas estavam pálidas na luz do luar prateado. — Sim, mas nada... Daemon era como uma cobra impressionante. Seu punho saiu, batendo no queixo de Blake. Blake cambaleou para trás e caiu, batendo no chão em sua extremidade. Inclinando-se, ele cuspiu a boca cheia de sangue. — Eu não sabia, eu não sabia que tinha algo parecido com isso! — Eu estou achando isso difícil de acreditar. — Daemon espreitava os movimentos do garoto. Blake levantou a cabeça. — Você tem que acreditar em mim! Nada disso jamais aconteceu antes. Eu não entendo. — Besteira. — disse Andrew. — Você nos levou para uma armadilha. — Não. De jeito nenhum. — Blake ficou de costas para o rio calmo. Ele colocou a mão no queixo. — Por que eu iria armar para vocês? Meu amigo está...

238


— Eu não me importo com o seu amigo! — Andrew gritou. — Você já esteve lá! Como você pode não saber que tinha as portas equipadas com esse material? Blake virou-se para mim. — Você tem que acreditar em mim. Eu não tinha ideia do que ia acontecer. Eu não iria levar vocês para uma armadilha. Olhei para o rio, sem saber no que acreditar. Parecia estúpido para ele armar para nós desta maneira e se tivesse, o DOD não estaria nos rodeando agora? Algo não estava certo. — E Luc não sabia? — Se ele soubesse, ele teria nos contado. Katy... — Não. — advertiu Daemon e sua voz era tão baixa que me chamou a atenção. As linhas de seu corpo brilhavam. — Não fale com ela. Nem sequer fale com qualquer um de nós agora. Blake abriu a boca, mas nada saiu. Ele balançou a cabeça quando caminhou de volta para os carros. Houve um intervalo de silêncio e, em seguida, Ash perguntou: — O que vamos fazer agora? — Eu não sei. — Metade do rosto de Daemon estava sombreado, enquanto observava seu irmão caminhar de um lado para o outro. — Eu realmente não sei. Dee se levantou. — Isso é uma merda. Isto é uma grande merda. — Nós estamos de volta à estaca zero. — disse Andrew. — Inferno, nós estamos em um negativo. Dawson bateu em direção ao seu irmão. — Nós não podemos desistir. Prometa-me que não iremos desistir. — Nós não vamos. — Daemon foi rápido para tranquilizá-lo. — Nós não vamos desistir. Eu nem percebi que estava tremendo até Matthew envolver um cobertor sobre meus ombros. Ele encontrou meus olhos e então se concentrou sobre as vigas de farol.

239


— Eu sempre carrego um cobertor caso necessário. Dentes batendo, eu me agachei no cobertor. — Obrigada. Ele acenou com a cabeça quando ele colocou a mão no meu ombro. — Vamos lá. Vamos levá-la no carro onde está quentinho. Nós terminamos por essa noite. Deixei que ele me orientasse em direção a SUV de Daemon e a explosão de boas-vindas do calor era maravilhoso, mas não havia nada para

me

alegrar

por

dentro.

Decepção

inchou. A

menos

que

descobríssemos uma maneira de contornar o ônix, nós não tínhamos terminado esta noite. Ficamos circulando pelo ralo. Nós terminamos, ponto final. ... Nas palavras de Dee, a volta para casa foi uma grande merda. Era quase meia-noite quando entramos na garagem. Blake não disse nada quando ele saiu da SUV e se dirigiu para sua caminhonete. O motor rugiu e pneus descascaram quando ele manobrou para fora da garagem. Eu me dirigi à minha própria casa, mas Daemon me cortou e me guiou em direção à dele. — Você não vai sair ainda. — disse ele. Minhas sobrancelhas se ergueram naquele brilho em seus olhos, mas eu não estava com vontade de discutir. Já era tarde, a escola era amanhã, e hoje à noite tinha sido uma falha gigante. Eu

entrei

em

sua

casa,

ainda

envolta

na

manta

de

Matthew. Minha pele estava tão gelada debaixo da minha roupa molhada que eu estava dormente. Exausta, minhas pernas tremiam para me manter de pé, mas todo mundo estava falando — Dee, Andrew, Ash, e Dawson. Matthew estava tentando mantê-los calmos, mas isso não estava acontecendo. Todo mundo estava cheio de raiva e adrenalina

240


residual, e acho que Dawson continuaria falando, porque se ele parasse, então ele teria que lidar com o que aconteceu esta noite. Beth ainda estava com Daedalus. — Vamos nos trocar para algumas roupas secas. — Daemon disse baixinho, pegando a minha mão. Na parte inferior da escada, Daemon passou para me pegar, mas eu acenei para ele. — Eu estou bem. Ele fez um som no fundo da garganta, que me fez lembrar de um leão descontente, mas ele seguiu minha subida lenta. Uma vez dentro de seu quarto, ele fechou a porta. Determinação infiltrou de seus poros. Eu suspirei. Esta noite tinha sido uma tragédia. — Nós meio que merecíamos isso. Ele me rondou, pegando as bordas do cobertor, puxandoo. Então, ele tomou conta da minha manta emprestada. — Como assim? Parecia óbvio para mim. — Nós somos um bando de adolescentes, e nós pensamos que poderíamos entrar em uma instalação dirigida pela Homeland Security e o DOD? Quero dizer, vamos lá. Isso era destinado a dar errado... Espere! — A manta estava na metade da minha barriga. Meus dedos gelados circularam seus pulsos. — O que você está fazendo? — Deixando você nua. Meu queixo caiu, ao mesmo tempo meu coração fez um pirueta. Um calor inebriante em cascata passou pelas minhas veias. — Uh, uau. Jeito de ir direito ao ponto. Um sorriso torto brincou nos lábios. —

Sua

camisa

e

calça

estão

encharcadas

e

frias.

E

provavelmente há vestígios de ônix ainda sobre eles. Você precisa sair de suas roupas. Eu bati as mãos. — Eu posso fazer isso sozinha.

241


Daemon se inclinou, falando no meu ouvido. — Onde está a diversão nisso? — Ele soltou, porém, e se dirigiu para sua cômoda. — Você realmente acha que estávamos fadados ao fracasso? Desde que ele virou as costas, comecei a remover minhas roupas com pressa. Tudo além do pedaço frio de obsidiana pendurado no meu pescoço estava arruinado e tinha que sair. A roupa cheirava a água do rio almiscarada. Tremendo, eu cruzei os braços sobre o peito. — Não... não se vire. Seus ombros tremeram com uma risada silenciosa, quando ele procurou por algo para que eu vestisse. Espero. — Eu não sei. — eu disse, finalmente respondendo a sua pergunta. —É uma grande empresa para espiões treinados. Não sei o que estávamos pensando. — Mas estávamos bem até que nós batemos as portas. — Ele puxou uma camisa. — Eu odeio dizer isso, mas realmente não acho que Blake sabia sobre elas. O olhar em seu rosto quando você e Dawson caíram, era muito real. — Então por que você deu um soco na cara dele? — Eu queria. — Ele se virou, uma mão sobre os olhos enquanto ele me ofereceu uma camisa. — Aqui está. Agarrei-a e rapidamente puxei-a sobre minha cabeça. O material macio e gasto subia em volta de mim, terminando em minhas coxas. Quando olhei para cima, vi os dedos abertos em seus olhos. — Você estava espiando. — Talvez. — Ele pegou minha mão, me puxando em direção a sua cama. — Suba. Vou verificar Dawson e voltarei. Eu realmente deveria ter ido à casa ao lado para minha cama, mas eu raciocinei que esta noite foi diferente. Além disso, minha mãe não estaria em casa antes do início das aulas e eu não queria ficar sozinha. Fazendo o que ele pediu, subi e puxei o edredom até o queixo. Cheirava a roupa fresca e Daemon. Ele não se foi a muito tempo,

242

mas

nesse

curto

espaço

de

tempo,

minhas

pálpebras


tremularam fechadas. O ônix tinha arrebatado a maior parte da minha energia, como era suposto acontecer. Nós tínhamos sido tão sortudos até mesmo de sair de lá antes que os guardas viessem. Daemon voltou, movendo-se ao redor da sala em silêncio, e eu estava me sentindo meio com preguiça de abrir os olhos e ver o que ele estava fazendo. Roupas sussurrava para o chão e minha temperatura subiu um grau. Outra gaveta se abriu e, em seguida, ele estava puxando as cobertas para trás, deslizando para debaixo. Deitado de lado, ele passou um braço em volta da minha cintura e me colocou contra seu peito nu. A flanela de seu pijama brincou em minhas pernas, e eu deixei escapar um suspiro de satisfação. — Como está Dawson? — Eu perguntei, deslizando para mais perto, então eu estava praticamente colado ao dele. — Ele está indo bem. — Daemon afastou o cabelo do meu rosto, demorando a mão naquela posição. — Ele não está feliz, apesar de tudo. Eu poderia imaginar. Nós tínhamos chegado tão perto de Beth só para ter que nos virar. Ou seja, se Beth tivesse realmente estado lá. Blake talvez não soubesse sobre o sistema de defesa de ônix do inferno, mas eu não confiava nele. Nenhum de nós confiava. — Obrigada por nos tirar de lá. — Eu inclinei minha cabeça para trás, procurando seu rosto na escuridão. Seus olhos brilhavam suavemente. — Eu tive ajuda. — Ele apertou seus lábios contra minha testa e apertou o braço em volta de mim. — Você está se sentindo bem? — Eu me sinto bem. Pare de se preocupar comigo. Seus olhos encontraram os meus. — Nunca ande através de uma primeira porta de novo, ok? E não discuta comigo sobre isso ou me acuse de ser machista. Eu não quero nunca mais te ver naquele tipo de dor novamente. Em vez de discutir, virei-me no abraço dele e coloquei meus lábios

nos

dele,

beijando-o

suavemente. Seus

cílios

abaixaram,

protegendo os olhos. Ele devolveu o beijo e era doce e suave e tão

243


perfeito que havia uma boa chance de que eu ia começar a chorar como um bebê. Mas, então, os beijos, bem, mudaram. Eles se aprofundaram quando eu rolei de costas e ele seguiu, o seu peso uma deliciosa sensação contra as minhas pernas, e esses beijos eram tudo menos doces. Eles queimaram dentro de mim, lavando os acontecimentos das últimas horas, como o rio tinha tirado a queimação profana do ônix. Quando ele beijava assim, todos os músculos do seu corpo enrolados em uma mola apertada, ele me soltou. Sua mão alisava a camisa para baixo, desnudando um ombro, e sua boca se seguiu. Estática enchia o ar e um tremor percorreu seu corpo. Nesse momento, depois de tudo que aconteceu, eu queria a sensação

dele

contra

caminho. Levantando,

mim,

eu

sem

levantei

barreiras, meus

nada

braços

e

ficando Daemon

no não

hesitou. Ele tomou o que foi oferecido. Com nada lá, suas mãos estavam por toda parte, traçando a peça delgada de obsidiana, alisando a curva da minha barriga, sobre meus quadris, e eu tinha certeza de que não haveria outro momento tão perfeito como este. Ou talvez fosse o quão perto nós estivemos de perder tudo hoje à noite que nos forçou? Eu não sabia, nem eu estava certa de como tínhamos chegado a este ponto, mas tudo o que importava era que estávamos aqui e pronto. Realmente prontos. E quando sua roupa se juntou à minha no chão, não havia como voltar atrás. — Não pare. — eu disse, só no caso de ele ter dúvidas sobre o que eu queria. Houve um lampejo de um sorriso, e então ele me beijou novamente e eu estava me afogando na crueza do que estava construindo entre nós. Eletricidade corria sobre a nossa pele, lançando sombras dançantes sobre as paredes quando ele se ergueu, pegando a pequena mesa de cabeceira ao lado de nós. Eu corei, percebendo o que ele iria fazer. Quando ele se sentou e nossos olhos se encontraram, eu comecei a rir. Um grande sorriso

244


bonito, estourou em seu rosto, suavizando as linhas que davam a ele uma beleza dura. Daemon falou em sua língua. A qualidade lírica de suas palavras não faziam sentido para mim, mas era bonito, como a música falada que a parte alien em mim dançava. — O que você disse? — Perguntei. Ele olhou para cima através de cílios grossos, o pacote na mão. —Realmente não há nenhuma tradução para isso. — ele disse — Mas as palavras humanas mais próximas seriam, você é linda para mim. Eu respirei afiado e nossos olhares se encontraram. Lágrimas se formaram em meus olhos. Estendi a mão para ele, afundando os dedos em seus cabelos sedosos. Meu coração estava batendo rápido, e eu sabia que o dele também. Era isso. E ele estava certo. Perfeito sem o jantar, filmes, ou as flores, pois como você pode realmente planejar algo assim? Você não podia. Daemon sentou... Um punho bateu na porta, e a voz de Andrew se intrometeu. — Daemon, você está acordado? Olhamos um para o outro em descrença. — Se eu ignorá-lo— ele sussurrou: — Você acha que ele vai embora? Minhas mãos caíram para os meus lados. — Talvez. A batida voltou. — Daemon, eu realmente preciso de você lá embaixo. Dawson está pronto para voltar ao Monte Weather. Nada que eu ou Dee falamos está fazendo diferença. Ele é como um coelho Energizer suicida. Daemon fechou os olhos. — Filho da puta... — Está tudo bem. — Comecei a sentar. — Ele precisa de você. Ele soltou um suspiro irregular.

245


— Fique aqui e descanse um pouco. Eu vou falar... ou bater algum sentido nele. — Ele me beijou rapidamente e, em seguida, me empurrou de volta para baixo. — Eu vou voltar. Me deitando, eu sorri. — Tente não matá-lo. — Sem promessas. — Ele se levantou, vestiu a calça do pijama, e se dirigiu para a porta. Parando, ele olhou por cima do ombro, seu olhar intenso derretendo os meus ossos. — Droga. Alguns segundos depois ele saiu para o corredor e fechou a porta atrás dele, houve um tapa carnal e, em seguida, Andrew gritando: — Ouch. Que diabos foi isso? — Seu timing é uma porcaria em um nível épico. — Daemon atirou de volta. Sorrindo, sonolenta, eu rolei para o meu lado e me forcei a ficar acordada, mas quando minha respiração voltou ao normal, o sono me arrastou para baixo. Algum tempo depois, ouvi a porta se abrir e, em seguida, Daemon estava ao meu lado, me puxando para trás contra ele. Não demorou muito para o aumento constante e queda de seu peito me acalmarem de volta para o ritmo do sono. De vez em quando eu acordava quando seus braços se apertavam em volta de mim, seu abraço tão apertado que eu pensei que ele ia cortar a minha circulação, segurando-me como se mesmo em seu sono ele estivesse assombrado pelo medo de me perder.

246


D

Capitulo vinte tres aemon e eu fomos juntos à escola na segunda-feira. O carro ainda levava um cheiro molhado nele, uma lembrança dolorosa de que a nossa missão tinha terminado em um rio. No caminho, Daemon estava

convencido de que seu irmão tinha sido convencido a não sair correndo para o Monte Weather, mas eu sabia que precisávamos chegar a um outro caminho para pegar Beth e Chris. Dawson não podia esperar para sempre, e eu podia entender isso. Se fosse Daemon trancado, eu não acho que ninguém seria capaz de me parar. Assim que saímos do carro, eu vi Blake encostando o caminhão alguns espaços para baixo. Ele empurrou e correu na hora em que ele nos viu. Daemon gemeu. — Ele não é o que eu quero ver assim que eu chegar à escola. — Concordo. — disse eu, passando minha mão em volta da de Daemon. — Basta lembrar que estamos em público. — Sem diversão. Blake desacelerou quando ele chegou até nós, seu olhar mergulhando para nossas mãos unidas e então rapidamente afastandose para longe. — Todos nós precisamos conversar. Continuamos andando ou Daemon continuou andando. — Falar com você é a última coisa que eu quero fazer. — Eu posso entender isso. — Ele nos alcançou. — Mas eu realmente não sabia sobre os escudos de ônix nas portas. Eu não tinha ideia. — Eu acredito em você. — disse Daemon. O passo de Blake vacilou. — Você me deu um soco.

247


— Isso é porque ele queria. — eu respondi por Daemon, ganhando uma piscadela dele. — Olha, eu não confio em você, mas talvez você não soubesse sobre os escudos. Isso não muda o fato de que nós não vamos ser capazes de chegar lá. — Eu conversei com Luc na noite passada. Ele não sabia nada sobre os escudos, também. — Blake enfiou as mãos nos bolsos e parou na frente de nós. Ele tinha sorte que Daemon não o jogou para fora dali. — Ele está disposto a fazê-lo novamente, derrubar as câmeras e outras coisas. Daemon soltou um longo suspiro. — E que vantagem isso traz para nós? Não podemos passar por essas portas. — Ou se todas as portas estiverem armadas como aquela. — acrescentei, tremendo. Eu não poderia imaginar passar por isso três ou quatro vezes. Claro, eu estive na jaula mais tempo, mas o ar de ônix cobria tudo. Os três de nós estavam amontoados ao longo da cerca ao redor da pista, o cuidado de manter a nossa voz baixa para que outros alunos não ouvissem e se perguntassem de que diabos estávamos falando. — Bem, eu estava pensando sobre isso. — disse Blake, mudando de um pé para o outro. — Enquanto eu estava com Daedalus, eles costumavam nos expor a essa pedra todo dia. Nossos garfos e talheres tinham a mesma coisa. Um monte de coisas tinha, quase tudo com o que entravámos em contato. Queimava como o inferno ao toque, mas nós não tínhamos outra escolha. Eu andei pelas aquelas portas antes e recentemente. Não aconteceu nada. Daemon riu quando ele desviou o olhar de Blake. — E agora você simplesmente achou que isso era uma coisa boa para nos dizer? — Eu não sabia o que era. Nenhum de nós sabia. — O olhar de Blake implorava para o meu. — Eu não penso muito sobre isso. Pasma,

eu

percebi

que

eles

tinham

condicionado

Blake. Provavelmente expondo eles e a outros ao ônix mais e mais, mas

248


como na noite passada, algo não estava certo. Por que eles o expuseram a isso? Punição doente e distorcida ou para a tolerância? E por que eles gostariam que Luxen ou híbridos desenvolvessem uma tolerância para a única arma que poderia ser usado contra eles? — Você não pode me dizer que nunca soube sobre o ônix e o que poderia fazer. — disse. Ele encontrou meus olhos. — Eu não sabia que ele poderia nos incapacitar. Eu pressionei meus lábios. — Você sabe, há tanta coisa que temos que apenas confiar em você. Que você realmente está trabalhando contra Daedalus e não para eles. Que Beth e Chris estão no lugar onde você está dizendo que eles estão, e agora, que você não sabia realmente sobre ônix. — Eu sei como isso parece. — Eu não acho que você sabe. — Daemon disse, soltando minha mão quando ele apoiou o quadril contra o muro. — Nós não temos nenhuma razão para confiar em você. — E você nos chantageou para ajudá-lo. — eu acrescentei. Blake exalou bruscamente. — Okay. Eu não tenho uma história brilhante, mas eu não quero nada mais do que tirar o meu amigo longe deles. É por isso que estou aqui. — E por que você está aqui neste instante? — Perguntou Daemon, obviamente, no seu limite de paciência. — Eu acho que nós podemos dar a volta no ônix. — disse ele, puxando as mãos dos bolsos e mantê-los na frente dele. — Agora, me escute. Isso vai parecer loucura. — Oh, Deus. — Daemon murmurou. — Eu acho que nós precisamos construir uma tolerância. Se era isso que Daedalus estava fazendo, então isso faz sentido. Híbridos tem que entrar e sair daquelas portas. Se nos expomos a ele...

249


— Você está louco? — Daemon virou, passando a mão pelo cabelo, apertando a parte de trás do seu pescoço. — Você quer que nós nos expomos aoônix? — Você vê alguma outra opção? Sim,

havia

uma

-

não

voltar. Mas

era

realmente

uma

opção? Daemon estava começando a andar. Não é um bom sinal. — Podemos fazer isso depois? Nós vamos nos atrasar. — Claro. — Ele evitou Daemon. — Depois da escola? — Talvez— eu disse, com foco em Daemon. — Nós vamos conversar mais tarde. Tomando a dica, Blake cambaleou para fora de lá. Eu não tinha ideia do que dizer de nada disto. — Nos expor ao ônix? Daemon bufou. — Ele é louco. Ele era. — Você acha que funcionaria? — Você não está...? — Eu não sei. — Troquei minha mochila para o outro ombro e começamos a andar em direção a escola. — Eu realmente não sei. Não podemos desistir, mas que outras opções temos? — Não sei nem se vai funcionar. — Mas, se Blake realmente é uma espécie de imune a ele, então podemos testar em cima dele. Um largo sorriso se espalhou por seu rosto. — Eu gosto do som disso. Eu ri. — Por que não me surpreende? Mas, falando sério, se ele tem uma tolerância a ela, então não deveríamos ser capazes de ter? É algo a se pensar. Nós só precisamos descobrir como conseguir uma. — Daemon ficou em silêncio por alguns segundos. — O quê? — Perguntei. Ele apertou os olhos. — Eu acho que tenho a parte do ônix coberta.

250


— O que você quer dizer? — Eu parei de novo, ignorando o sinal de alerta. — Depois de Will pegar você e alguns dias depois de Dawson voltar, voltei para o armazém e tirei a maior parte do ônix do lado de fora. Meu queixo caiu no chão. — O quê? — Sim, eu não sei por que fiz isso. Mais ou menos como dar o meu grande ‘Foda-se’ para o estabelecimento. — Ele riu. — Imagine seus rostos quando eles voltarem e verem que estava tudo acabado. Eu fiquei sem palavras. Ele beliscou meu nariz. Eu bati a mão. — Você é louco. Você poderia ter ficado preso! — Mas eu não fiquei. Eu bati nele novamente, desta vez com mais força. — Você é louco. — Mas você ama minha loucura. — Ele se inclinou, beijando o canto do meu lábio. — Vamos, estamos atrasados. A última coisa que precisamos é de detenção. Eu bufou. — Sim, como se esse fosse o maior de nossos problemas.

... Carissa ainda não havia retornado para a escola na segundafeira. A gripe deve estar acabando com ela. Lesa parecia um pouco enciumada sobre a coisa toda. — Eu estou, a tipo, dois quilos do meu peso ideal. — disse ela antes da aula de trigonometria começar. — Por que não posso pegar alguma coisa? Deeuss. Eu ri e continuamos a fazer fofoca. Por um tempo, esqueci de tudo. Foi um bom e muito necessário tempo de inatividade, mesmo que

251


estivéssemos na escola. A manhã ficou ruim quando Blake entrou em biologia, e eu me recusei a deixá-lo estragar meu humor. Mas então ele abriu a boca e o grande “Mas que diabos” saiu. — Você não disse a Daemon sobre o que eu disse a você na floresta? Que eu gosto de você? Ah, sério, cara? — Hum, não. Ele mataria você. Blake riu. Eu fiz uma careta. — Eu estou falando sério. — Oh. — Seu sorriso desapareceu e ele empalideceu. Eu imaginei que ele estava brincando com esse cenário em sua cabeça: eu dizendo a Daemon sobre seu segredo e Daemon indo ter com ele. Ele chegou à mesma conclusão que eu. — Sim, boa ideia. — De qualquer forma. — continuou ele. — Sobre o que eu disse esta manhã... — Agora não. — Eu abri meu caderno. — Eu realmente não quero falar sobre isso agora. Sorri quando Lesa se sentou e, felizmente, Blake respeitou o meu pedido. Ele conversou com Lesa como uma pessoa normal faria. Ele era bom nisso, em fingir. Um nó se formou no meu estômago enquanto eu olhava para ele bruscamente. Ele estava contando a Lesa sobre os diferentes tipos de técnicas de surf. Eu tinha certeza que ela não estava ouvindo, considerando o seu olhar fixo em como a camisa dele tensionava sobre os seus bíceps. Ele ria facilmente, se misturava perfeitamente. Como um bom espião iria, e eu sabia por experiência anterior que Blake era bom em fingir. Havia tinha realmente nenhuma maneira de dizer de que lado Blake realmente estava, e era estúpido até mesmo tentar adivinhar. Na parte da frente da classe, Matthew abriu o seu livro de rolo. Seus olhos encontraram os meus por breves instantes e, em seguida, deslocaram-se para o garoto ao meu lado. Gostaria de saber

252


como Matthew fazia isso, mantinha a calma o tempo todo. Como ele ficou a cola que nos mantinha todos juntos. ... Eu parei no meu armário e peguei meu livro de história dos EUA, no final do dia. As chances de um teste amanhã eram altas. A Sra. Kerns tinha uma agenda, o que realmente não fazia o teste ser uma grande surpresa. Fechei meu armário e me virei, empurrando o meu livro na bolsa. A multidão estava correndo para sair da escola. Eu não tinha certeza se eu queria correr ou não. Blake já havia me mandado uma mensagem no ginásio sobre nos reunirmos todos juntos para falar sobre a situação do ônix, e eu realmente não queria isso. Eu queria um dia para ir para casa e não fazer nada, não planejar ou lidar com falcatruas alienígenas. Livros precisavam serem lidos e comentados e meu pobre blog realmente podia usar uma reformulação. Eu não conseguia pensar em uma maneira melhor de terminar a segunda-feira. Mas provavelmente não ia acontecer. Pisando do lado de fora, eu parei atrás do último grupo de alunos indo para o estacionamento. Do meu ponto de vista, podia ouvir a voz estridente de Kimmy na frente. — Meu pai disse que o pai de Simon foi falar com o FBI. Ele está exigindo uma investigação completa e não vai parar até que Simon chegue em casa. Gostaria de saber se o FBI sabia sobre os aliens. Imagens de Arquivo X voaram pela minha cabeça. — Ouvi na TV que quanto mais tempo uma pessoa está desaparecida, menos provável é que eles apareçam vivos. — um de seus amigos disse. — Mas olhe para Dawson. Ele estava desaparecido há mais de um ano, e ele está de volta — disse outro. Tommy Cruz passou a mão robusta ao longo da parte de trás do seu pescoço.

253


— E não é estranho? Ele se foi para sempre. Umacriança Thompson morre e, em seguida, Dawson aparece? Algo errado com isso. Eu tinha ouvido o suficiente. Passando entre os carros, eu coloquei distância entre o grupo e para mim. Eu duvidava que a suspeita deles iria a qualquer lugar, mas eu não estava procurando por novas coisas para me preocupar. Nós tínhamos o suficiente. Daemon esperava em seu carro. Longas pernas cruzadas à altura dos tornozelos. Ele sorriu quando me viu e saiu para o lado de fora do veículo. — Eu estava começando a me perguntar se você iria ficar aqui. — Sinto muito. — Ele abriu a porta do passageiro e se curvou. Sorrindo, eu pulei dentro. Eu esperei até que ele estava atrás do volante. — Blake quer conversar esta noite. — Sim, eu sei. Ele, aparentemente, se apoderou de Dawson e já disse a ele sobre a coisa toda da tolerância ônix. — Ele se afastou, a mão na alavanca de câmbio. Raiva iluminou seus olhos. — E, claro, Dawson concorda com tudo sobre isso. Era como entregar a ele um bilhete de loteria premiado. —Ótimo. — Inclinei a cabeça para trás contra o assento. Dawson era realmente um coelho Energizer suicida. E de repente eu me percebi. Essa era minha vida — toda esta loucura. Os altos e baixos, os momentos de quase-morte e os piores, as mentiras e o fato de que eu provavelmente não seria capaz de confiar em alguém que fazia amizade sem se preocupar se eles fossem um espião. E inferno, como eu poderia realmente fazer amizade com alguém normal? Como Daemon no início — ele ficou de fora e queria que Dee fizesse o mesmo para que eu não fosse pega em seu mundo. Seria a mesma coisa com alguém que eu conhecesse. Minha vida não era minha. Cada momento era como esperar que o

outro

sapato

caísse. Eu

afundei

de

volta

contra

sobrecarregada, e suspirei. —Lá se vão as minhas resenhas e planos de leitura. — Não deveria ser ler e, em seguida, fazer resenha?

254

o

assento,


— Que seja. — eu murmurei. Daemon coasted o SUV para a estrada. — Porque você não pode ainda fazer isso? — Se Blake quer falar hoje à noite, depois que vai para absorver todo o meu tempo. — Eu realmente queria fazer beicinho. Talvez até mesmo chutar meus pés. Com uma mão no volante e o outro braço jogado sobre o encosto do banco, ele me lançou um meio sorriso. — Você não precisa estar lá, Kitten. Podemos falar com ele sem você. — Sim, certo. — Eu ri. — Há uma boa chance de que alguém vá matar Blake sem que eu esteja lá. — E você realmente iria ficar triste com isso? Eu fiz uma careta. — Bem... Daemon riu. — E o fato de que após a sua morte prematura, há uma carta a ser entregue a Nancy Husher. Então, nós meio que precisamos dele vivo. —É verdade. — disse ele, pegando uma mecha do meu cabelo entre os dedos. — Mas podemos mantê-lo às escuras. Você terá uma segunda-feira normal cheia de sua rotina chata e não extraterrestre. Vergonha queimava meu rosto enquanto eu mordia o lábio. Tão louco como tudo tinha acabado, eu tinha que admitir que as coisas poderiam ser piores. — Isso é muito egoísta da minha parte. — Oquê? — Ele puxou meu cabelo delicadamente. — Não é egoísta, Kitten. Toda a sua vida não pode girar em torno essa porcaria. Não vai. Endireitar meus dedos, eu sorri. — Você parece tão determinado. — E você sabe o que acontece quando eu fico determinado.

255


— Você faz o seu caminho. — Ele ergueu as sobrancelhas para mim, e eu ri. — Mas o que acontece com você, sua vida não pode girar em torno essa porcaria. Ele puxou sua mão para trás, apoiando-a em sua coxa. — Eu nasci para isso. Eu estou acostumado com isso, e além do mais, é tudo sobre a gestão do tempo. Como na noite passada. Nós fizemos a nossa parte na missão — E falhamos. — Tem isso, mas e o resto da noite passada? — Um lado de seus lábios se curvou e eu senti meu rosto esquentar por um motivo totalmente diferente. — Tivemos a coisa ruim – não normal. E então tivemos a coisa boa normal. Eu sei que o bom foi interrompido pelo mau, mas havia gerenciamento de tempo lá. — Você faz isso parecer tão fácil. — Estiquei minhas pernas, relaxando. —É fácil, Kat. Você só precisa saber quando traçar a linha, quando você tiver o suficiente. — Houve uma pausa quando ele reduziu a velocidade e virou para a estrada solitária que conduzia até as nossas casas. — E você já teve o bastante por hoje. Nada para se sentir culpada ou se preocupar. Daemon cravou uma parada em sua garagem e desligou o motor. — E ninguém vai matar Bill. Eu ri baixinho quando desapertei o cinto de segurança. — Blake. O nome dele é Blake. Daemon tirou as chaves e se recostou, com os olhos brilhando com diversão. — Ele é tudo o que eu decidir chamá-lo. — Você é terrível. — Cruzando a distância entre nós, eu o beijei. Quando me afastei, ele se estendeu para mim e riu, abrindo a porta. — E, a propósito, eu não tive o suficiente hoje. Eu só precisava de uma chamada de atenção. Mas eu preciso estar em casa às sete.

256


Eu fechei a porta e virei. Daemon estava diante de mim. Ele deu um passo para a frente e não havia lugar para eu ir, se quisesse. E eu não queria. — Você não teve o suficiente? — ele perguntou. Reconhecendo o tom de sua voz, meus ossos derreteram em resposta. — Não, não foi o suficiente. — Bom. — Suas mãos estavam em meus quadris, me puxando para a frente. — Isso é o que eu gosto de ouvir. Colocando minhas mãos em seu peito, eu inclinei minha cabeça para trás. Isso era totalmente um exercício de gestão do tempo. Nossos lábios roçaram e calor em cascata através de mim. Era um exercício muito divertido. Me levantei nas pontas dos meus dedos e deslizei as mãos para cima do plano duro de seu peito, me maravilhando com a forma como ele parecia. Daemon sussurrou algo e então me beijou suavemente, o que não era muito mais do que um toque sutil, me fortalecendo e me descobrindo para ele. Seus braços segurando minhas costas, e eu podia sentir seu coração batendo em conjunto com o meu. — Ei! — Dawson gritou da porta da frente. — Eu acho que Dee colocou o micro-ondas em chamas. De novo. E eu tentei estalar um pouco de pipoca com minhas mãos e isso meio que deu errado. Tipo muito, muito errado. Daemon pressionou sua testa contra a minha e rosnou. — Droga. Eu não pude deixar de rir. —Gestão do tempo, certo? —Gestão do tempo. — ele murmurou. ... Surpreendentemente, quase todo mundo estava a bordo com a coisa do ônix. Eu estava convencida de que tinha uma invasão de ladrões de corpos ou algo assim, porque mesmo Matthew estava

257


balançando a cabeça como se expor ao ônix infernalmente doloroso era uma coisa boa. Eu tinha a sensação de que isso fosse mudar na primeira vez que ele entrasse em contato com ele. — Isso é tão insano. — disse Dee, e eu tive que concordar. — Isto equivale a automutilação. Ah, ela meio que tinha um ponto. A cabeça de Dawson caiu para trás, e ele suspirou. — Isso é um pouco exagerado. — Me lembro de como você estava quando eles trouxeram você da montanha. — Ela torceu seu cabelo em torno de seu lado. — E Katy perdeu a voz de tanto gritar. Quem se inscreve para isso? — Pessoas loucas. — Daemon suspirou. — Dee, eu não quero que você faça isso. Sua expressão era claramente uma de não, duh. — Sem ofensa, Dawson, eu te amo e quero que você veja Beth e a abrace, porque eu quero...— Sua voz falhou, mas sua espinha endireitou. — Mas eu não quero fazer isso. Dawson disparou para a frente, colocando uma mão em seu braço. — Está tudo bem. Eu não espero que você faça isso. — Eu quero ajudar. — Sua voz era vacilante. — Mas eu não posso... — Está tudo bem. — Dawson sorriu e houve um momento entre os irmãos, como se ele estivesse dizendo mais com apenas esse gesto único. Fosse o que fosse, ele conseguiu, porque Dee relaxou. — Nem todos nós precisamos fazer isso. — Então, quem está dentro? — Os olhos de Blake passaram por todos nós. — Se vamos fazer isso, nós precisamos começar, tipo ontem, porque eu não sei quanto tempo vai demorar para construir uma tolerância. Impaciente, Dawson levantou. — Não pode demorar muito tempo.

258


Blake soltou uma risada de surpresa. — Eu estive com Daedalus há anos, então não há como dizer em que ponto eu construí uma tolerância... ou se eu realmente ainda tenho uma. — Nós temos de testar isso, então. — Eu sorri. Ele franziu a testa. — Uau. Meio animada sobre isso? Eu assenti. Dee virou, olhando para Blake. — Posso tentar, também? — Eu tenho certeza que todo mundo vai ter uma rodada. — Uma virada sinistra nos lábios de Daemon era realmente assustador. — Enfim, de volta ao básico. Quem está dentro? Matthew levantou a mão. — Eu quero estar nessa. Sem ofensa, Andrew, mas eu prefiro tomar o seu lugar neste momento. Andrew acenou com a cabeça. — Não tem problema. Eu posso esperar com Dee e Ash. Ash, que não tinha dito mais do que duas palavras, apenas balançou a cabeça. Eu percebi que metade da sala estava olhando para mim. — Oh. — eu disse. — Sim, eu estou dentro. — Ao meu lado, Daemon me deu um olhar que dizia: Você está tão louca. Eu cruzei os braços. — Não comece comigo. Estou dentro e nada que você possa dizer vai mudar isso. O próximo olhar traduziu numa Isso vai se transformar em uma conversa-briga-particular. Blake olhava com aprovação, um endosso que eu não queria ou precisava. Francamente, isso fez a minha pele se arrepiar, pois me fez lembrar de quando eu tinha matado o Arum que ele praticamente tinha atirado em mim. Deus, eu queria bater nele de novo.

259


Foram feitos planos para depois da escola e, se o tempo permitir, nós iriamos para o lago começar, basicamente, a nos infligir uma quantia obscena de dor. Iupi. Como havia algumas horas antes de dormir, eu disse minhas despedidas e sai para estudar um pouco e esperançosamente começar a escrever uma resenha. Daemon foi comigo e eu sabia que não era um ato de cavalheirismo, mas eu o deixei entrar e ofereci o seu favorito: o leite. Ele engoliu a bebida em cinco segundos. — Podemos falar sobre isso? Eu pulei em cima do balcão e abri a minha bolsa, puxando meu livro de história. — Não. — Kat. — Hmm? — Eu abri o capítulo que estava lendo na sala de aula. Ele se aproximou, colocando as mãos em ambos os lados das minhas pernas cruzadas. — Eu não posso ver você se machucar outra vez. Procurei um marcador. — Ver o que aconteceu ontem à noite e quando Will algemou você e tudo mais? E eu ter que ficar ali... Você está me ouvindo? No meio da frase que eu tinha destacado, eu parei. — Estou ouvindo. — Então, olhe para mim. Eu levantei meus cílios. — Eu estou olhando para você. Daemon fez uma careta. Suspirando, coloquei a tampa de volta no Marcador. — Okay. Eu não quero te ver com dor. — Kat... — Não. Não interrompa. Eu não quero te ver com dor e pensar em você passando por aquilo me dá vontade de vomitar. — Eu posso lidar com isso.

260


Nossos olhos se encontraram. — Eu sei que você pode, mas isso não muda o quão horrível vai ser para ver você passar por isso, mas eu não estou pedindo para não fazer. Ele se afastou e girou, passando os dedos pelo cabelo. Tensão e frustração caiu sobre a cozinha como um cobertor bem-vestido. Colocando as minhas coisas de lado, eu me levantei. — Eu não quero discutir com você, Daemon, mas você não pode dizer que está tudo bem para mim vê-lo passar por isso e você não. Eu fiz o meu caminho até ele e passei meus braços em torno de sua cintura. Ele endureceu. — Eu sei que isso está vindo de um bom lugar, mas apenas porque está ficando feio, não posso desistir. E você sabe que não vai. É justo. — Eu odeio a sua lógica. — Ele colocou as mãos na minha, embora, e eu as pressionei contra suas costas, sorrindo. — E eu realmente vou odiar isso. Espremendo-o como meu ursinho de pelúcia favorito, eu sabia o quão difícil era para ele desistir. Isto era monumental, na verdade. Ele se contorceu em meus braços, abaixou a cabeça, e eu pensei: Uau, esta é a forma como os adultos fazem as coisas. Eles podem não concordar com coisas o tempo todo, eles podem brigar, mas no final, eles resolvem e eles amam. Como a minha mãe e meu pai. Um nó se formou na minha garganta. Chorar, portanto, não seria a coisa certa a fazer, mas era difícil manter essas lágrimas. — A única coisa boa é que eu vou segurar Buff e fazê-lo beijar o ônix uma e outra vez. — disse ele. Eu sufoquei uma risada. — Você é sádico. — E você precisa estudar, certo? É hora da escola, e não a gestão de gerenciamento de tempo Daemon, que é horrível, porque

261


estamos sozinhos e isso exige mais esforço para eles nos interromper por aqui. Desapontada, eu me soltei. — Sim, eu preciso estudar. Ele fez beicinho e foi incrivelmente sexy nele. Errado. — Tudo bem, eu vou embora. Eu o segui até a porta. — Eu mando mensagem quando eu terminar e você pode vir e me colocar na cama. — Ok. — ele disse, beijando o topo da minha cabeça. — Eu estarei esperando. E saber disso me deixava toda morna e distorcida. Mexendo os dedos para ele, eu fechei a porta e voltei para a cozinha, peguei minhas coisas e um copo de suco de laranja. Feliz que um alvoroço total foi evitado com Daemon, eu subi e bati a minha porta aberta. Cheguei a parar completamente. Uma garota sentava na minha cama, as mãos cruzadas afetadamente no colo. Levei um momento para reconhecê-la, porque seu cabelo pendurado em fios moles em torno de seu rosto pálido e seus olhos amendoados não estavam escondidos atrás de um óculos roxo ou rosa. — Carissa. — eu disse, atordoada. — Como... como você chegou aqui? Ela ficou sem palavras. Suas mãos estendidas para frente. A luz do teto refletida em uma pulseira que eu também reconheci – uma pedra preta com fogo dentro. Que diabos...? Luc tinha essa pedra. — Por que? Estática estalou no ar e havia um cheiro de ozônio queimado um segundo antes da luz branco-azulada irradiar das mãos de Carissa. A pulseira não era mais uma preocupação. Chocada em um estupor, eu olhei para a minha amiga, incrédula. — Merda.

262


Carissa atacou.

263


O

Capitulo vinte e quatro raio de energia bateu no meu livro de história,

queimando um buraco através dele. Ele se dispersou antes que pudesse me tocar, mas o acontecido com o livro me disse o que eu precisava saber. Carissa não era amigável.

E aquela pequena exibição da Source não foi um aviso. Larguei o livro e corri para a esquerda, enquanto ela investia contra mim. Suco espirrou para o lado do meu copo, cobrindo meus dedos. Por que eu ainda estava segurando-o? Meu cérebro não estava se atualizando com este rumo dos acontecimentos. Ela atirou em minha direção, e eu fiz a única coisa que conseguia pensar naquele momento. Eu joguei o copo no rosto dela. Vidro quebrou quando ela cambaleou para trás, levantando as mãos aos olhos. Líquido pegajoso e vidro corria pelo rosto dela, misturando-se com pequenas manchas de sangue. Aposto que doeu para caramba. — Carissa. — eu disse, recuando. — Eu não tenho ideia de como isso aconteceu, mas eu sua uma amiga, eu posso ajudá-la! Acalmese. Ok? Ela

enxugou

os

olhos,

jogando

líquido

contra

as

paredes. Quando seu olhar encontrou o meu, não havia um pingo de reconhecimento neles. Seus olhos eram assustadoramente vazios e vastos. Como se esses meses tivessem sido lavados, e eu não era nada para ela. Não havia nada acontecendo por trás daqueles olhos. Meus olhos tinham de estar enganados ou eu estava sonhando, porque

ela

era

definitivamente

um

híbrido

e

isso

não

fazia

sentido. Carissa não sabia sobre aliens. Ela era apenas uma garota normal. Tranquila e talvez um pouco tímida. Mas ela estava com a gripe... Oh, querido bebês Kittens... Ela tinha sido transformada.

264


A cabeça inclinada para o lado, os olhos se estreitando. — Carissa, por favor, sou eu. Katy. Você me conhece. — Eu implorei. Minhas costas bateram na mesa enquanto olhava a porta atrás dela. — Somos amigas. Você não quer fazer isso. Ela caminhou em minha direção, como a exterminadora louca atrás de John Connor. E eu era o John Connor. Eu respirei, mas ficou preso. — Nós vamos para a escola juntas, temos aula de trigonometria e almoçamos juntas. Você usa óculos. — Eu não sei o que dizer, mas eu continuei

tagarelando,

esperando

que

de

alguma

forma,

eu

a

alcançasse, porque a última coisa que eu queria fazer era machucála. — Carissa, por favor. Mas ela aparentemente não tinha escrúpulos sobre fazer algum dano a mim. O ar estava carregado com estática novamente. Eu dei uma guinada para o lado quando ela deixou a Source fluir novamente. O resquício de energia chamuscou a minha camisola. O cheiro de cabelo queimado e algodão flutuava no ar quando eu girei em direção a minha mesa. Houve um gemido baixo da mesa e, em seguida, a fumaça subia do meu laptop fechado. Eu fiquei boquiaberta. Meu precioso, perfeitamente novo laptop que eu valorizava como faria com uma criança pequena. Filha da mãe... Amiga ou não, o jogo começou. Eu investi contra Carissa, levando-a para o chão do meu quarto. Minhas mãos ficaram em torno de seu cabelo e o levantei. Um fluxo de fios escuros subiu, e então eu bati com a cabeça dela para baixo. Houve um satisfatório baque e ela soltou um grito de dor baixo. — Sua estúpida. — Carissa inclinou a pélvis para cima, enrolou as pernas em volta de meus quadris e rolou, ganhando a mão superior em segundos. Ela era como uma maldita – quem adivinharia? Ela bateu

265


a minha cabeça para trás muito mais duro e merda, vingança era horrível. Estrelas nublaram minha visão. Dor aguda explodiu ao longo da minha mandíbula, momentaneamente me assustando. E então algo dentro de mim estalou. Bolhas de raiva brotaram, se arrastando pela minha pele, estabelecendo um fogo em cada célula do meu corpo. Houve uma corrida inebriante de poder no meu peito. Corria como lava em minhas veias, atingindo as pontas dos meus dedos. Um véu de branco e vermelho caiu sobre meus olhos. O tempo foi diminuindo novamente para um rastreamento infinito. Calor das janelas soprou as cortinas para fora, e o material frágil chegou em nós e depois parou, suspendendo no ar. As pequenas nuvens de fumaça cinza e branco congelaram. E no fundo da minha mente, eu percebi que eles não estavam realmente congeladas, mas estava se movendo tão rápido que tudo parecia ter sido interrompido. Eu não queria machucá-la, mas eu iria detê-la. Arqueando as costas, bati as duas mãos em seu peito. Carissa voou em minha cômoda. Frascos de loção sacudiram e caíram, batendo em sua cabeça. Eu levantei, respirando pesadamente. A Source queimou em mim, pedindo para ser tocada, para ser usada novamente. Me controlar era como não ousar respirar. — Ok. — eu arfei. — Vamos levar um momento e nos acalmar. Podemos

conversar

sobre

isso,

descobrir

o

que

está

acontecendo. Vagarosamente, pacientemente, Carissa levantou. Nossos olhos se encontraram e o olhar ausente dela causou arrepios na minha essência. — Não. — eu avisei. — Eu não quero machucar... Sua mão serpenteou para frente e um relâmpago rápido pegou meu rosto e me virei. Eu bati na cama com meu quadril e deslizei para o chão. Um gosto metálico explodiu em minha boca. Meu lábio se cortou e meus ouvidos zumbiam.

266


Carissa pegou um punhado de meu cabelo e me puxou para que eu ficasse em pé. Fogo queimou meu couro cabeludo, e eu soltei um grito rouco. Ela forçou as minhas costas, passando as mãos em volta do meu pescoço. Dedos finos apertavam minha traqueia, cortando o ar. O momento em que eu não conseguia respirar me trouxe de volta para o meu primeiro encontro com o Arum, revivendo a sensação de desespero e desamparo onde meus pulmões estavam sedentos de oxigênio. Eu não era a mesma garota então, com muito medo de brigar. Foda-se isso. Deixando

a

Source

construir

dentro

de

mim,

eu

a

libertei. Estrelas explodiram no meu quarto, deslumbrantes em seu efeito

quando

a

explosão

derrubou

Carissa

de

volta

para

a

parede. Gesso rachou, mas ela permaneceu em pé. Tufos de fumaça saíam de seu suéter carbonizados. Meu Deus, a garota não desistia. Rolei para os meus pés, tentando mais uma vez alcançá-la. — Carissa, somos amigas. Você não quer fazer isso. Por favor, me escute. Favor. Energia estalava sobre os nós dos dedos dela, formando uma bola, e em qualquer outra situação, eu estaria com inveja da facilidade com que ela domina a capacidade no que parecia ser um nano segundo, porque na semana passada... semana passada ela era normal. E agora eu não sei o que ou quem estava na frente de mim. Gelo encheu a boca do estômago, formando fragmentos em torno de minhas entranhas. Não havia raciocínio com ela. Sem chance alguma, e o entendimento me custou. Distraída, não me movi rápido o suficiente quando ela lançou a bola de energia. Eu levantei minhas mãos e gritei: — Pare! — Jogando tudo o que eu tinha em uma única palavra, imaginando as minúsculas partículas de luz no ar respondendo ao meu apelo, formando uma barreira. Ar brilhou ao redor de mim, como se um balde de brilho fossem despejados em uma linha perfeita. Cada pontinho brilhava com o poder

267


de mil sóis. E no fundo da minha mente, eu sabia que o que estava acontecendo deveria ter sido capaz de parar a bola. Mas a rompeu, quebrando a parede cintilante, diminuindo a velocidade, mas não a interrompeu. A

energia

bateu

no

meu

ombro

e

dor

explodiu,

momentaneamente me roubando o som e imagem quando me derrubou, minhas pernas sobre a minha cabeça. Eu caí de bruços sobre a cama com um alto grito. Ar correu de meus pulmões, mas eu sabia que não tinha tempo para deixar a dor afundar completamente. Eu levantei minha cabeça, olhando através de fios de cabelos emaranhados. Carissa andou para a frente, seus movimentos eram fluidos e então... nem tanto. Sua perna esquerda começou a tremer e depois a tremer violentamente. O tremor rolou pelo lado esquerdo do seu corpo e somente o lado esquerdo do seu corpo. Seu braço se debateu e metade do rosto se contraiu. Eu me empurrei em meus braços fracos, realizando manobras em minha cama até que eu me levantei. — Carissa? Seu corpo inteiro começou a tremer como a terra tremesse só para ela. Pensei que ela estava tendo uma convulsão, e eu fiquei parada. Faíscas voaram de sua pele. O cheiro da queima de tecido e pele chamuscou

minhas

narinas. Ela

continuou

a

tremer,

a

cabeça

debatendo no pescoço desossado. Eu apertei a mão sobre minha boca enquanto dava um passo na direção dela. Eu precisava ajudá-la, mas eu não sabia como. — Carissa, eu... O ar em torno dela implodiu. A onda de choque atravessou meu quarto. A cadeira do computador se virou, a cama levantou de um lado, suspensa, e a onda continuou chegando. Roupas voaram do meu armário. Papéis rodaram e caíram como folhas de neve.

268


Quando a onda me atingiu, ela me levantou para fora de meus pés e me jogou para trás como se eu não pesasse nada mais do que um dos papéis flutuantes. Eu bati na parede ao lado da pequena estande ao lado da minha cama, e eu fiquei lá, quando a onda de choque disparou. Eu não podia me mover ou respirar. E Carissa... Oh, meu Deus, Carissa... Sua pele e ossos estavam afundados como se alguém tivesse ligado um vácuo para a parte de trás dela e chupado. Centímetro por centímetro, ela encolheu até que uma explosão de luz com o poder de uma tempestade solar iluminou toda a casa e, provavelmente, toda a rua, me cegando. Um alto e ensurdecedor pop soou e a luz diminuiu, assim como a onda de choque. Eu escorreguei para o chão, um monte entre pilhas de roupas e papéis, arrastando no ar. Eu não poderia conseguir oxigênio suficiente, porque o quarto estava vazio. Eu olhei para a área onde Carissa tinha estado uma vez. Não havia nada além de uma mancha escura no chão, como a que Baruck tinha deixado para trás quando ele foi morto. Não havia nada, absolutamente nada da garota, da minha amiga. Nada.

269


E

Capitulo vinte e cinco u senti o formigamento quente na parte de trás do meu pescoço entorpecido e Daemon estava na porta, as sobrancelhas levantadas e boca aberta. — Eu não posso deixá-la sozinha por dois segundos,

Kitten.

Eu me virei da confusão de roupas e me joguei em seus braços. Tudo isso saiu em um balbuciar incoerente de palavras e frases. Várias vezes ele me acalmou e pediu para repetir antes que ele chegasse a essência geral do que se passou. Ele me levou para o andar de baixo e sentou ao meu lado no sofá, seus dedos movendo-se sobre o meu lábio inferior enquanto seus olhos se estreitaram em concentração. O calor da cura espalhou ao longo dos meus lábios e em minhas bochechas doloridas. — Eu não entendo o que aconteceu. — eu disse, seguindo seus movimentos. — Ela era normal na semana passada. Daemon, você viu. Como é que nós não sabíamos disso? Sua mandíbula se apertou. — Eu acho que a melhor pergunta é, por que ela veio atrás de você? O nó que estava no meu estômago se moveu para cima, fixandose no meu peito e tornando-se difícil respirar. — Eu não sei. Eu não sabia mais nada. Mantive rebobinando todas as conversas com Carissa, desde a primeira vez que a conheci até que ela estava fora da escola com a “gripe”. Onde estavam as provas, as pistas falsas? Eu não poderia encontrar uma que se destacasse. Daemon franziu o cenho. — Ela poderia ter conhecido um Luxen – descoberto a verdade e sabia que não devia contar a ninguém. Quero dizer, ninguém dentro da colônia sabe que você está ciente da verdade.

270


— Mas não há nenhum outro Luxen em torno da nossa idade. — eu disse. Seu olhar foi para cima. — Nenhum fora da colônia, mas há alguns que são apenas um par de anos mais velho ou mais novos do que nós na colônia. Era possível que Carissa sempre soube e nós não. Eu nunca diria a ela ou Lesa, por isso não levou nenhum salto da imaginação para pensar que Carissa sabia, mas nunca disse a ninguém. Mas por que ela tentou me matar? Inteiramente possível que eu não fosse a única pessoa por aqui que sabia o que vivia entre nós, mas meu Deus, o que deu errado? Ela teria se ferido e um Luxen tentou curá-la? — Você não acha que...— Eu não podia terminar a pergunta. Era muito doentio, mas Daemon sabia onde eu estava indo com isso. — Que Daedalus a levou e forçou um Luxen a curá-la como com Dawson?— Raiva escureceu o tom verde. — Eu realmente rezo para que não seja o caso. Se assim for, é só... —Revoltante. — eu disse com a voz rouca. Minhas mãos tremiam tanto que eu as empurrei entre os joelhos. — Ela não estava lá. Nem mesmo um lampejo de sua personalidade. Ela era como um zumbi, você sabe? Só pirando enlouquecida. É isso que a instabilidade faz? Daemon moveu suas mãos longe e o calor de cura diminuiu. Quando o fez, diminuiu também a barreira que havia mantido a verdade de tudo, de realmente se libertar e me consumir. — Deus, ela... ela morreu. Isso significa que...? — Engoli em seco, mas o caroço estava empurrando o seu caminho até minha garganta. Os braços de Daemon apertaram. — Se foi um dos Luxen aqui, então eu vou ouvir sobre isso, mas não sabemos se a mutação segurou. Blake disse que, por vezes, a mutação é instável e isso soou muito, muito instável. A ligação só acontece se for uma mutação estável, eu acredito.

271


— Precisamos falar com Blake. — eu disse, e um arrepio rolou através de mim. Pisquei, mas minha visão nublou ainda mais. Eu respirei e sufoquei. — Oh... oh, Deus, Daemon... foi Carissa. Aquilo foi Carissa e isso não estava certo. Outro tremor sacudiu meus ombros e antes que eu percebesse o que estava acontecendo, eu estava chorando – aqueles grandes soluços que roubam a respiração. Vagamente, percebi que Daemon tinha me puxado para ele e segurava a minha cabeça em seu peito. Eu não tenho certeza de quanto tempo as lágrimas vieram, mas cada parte de mim doía de uma maneira que não podia ser reparado por Daemon. Carissa era totalmente inocente em tudo isso, ou pelo menos eu acreditava que ela era, e talvez seja isso que fez esta coisa pior. Eu não sabia quão profundo Carissa estava envolvida, e como que eu iria descobrir? As lágrimas... elas fluíram, praticamente encharcando a camisa do Daemon, mas ele não se afastou. Se qualquer coisa, ele me segurou mais apertado e sussurrou naquela voz lírica em um idioma que eu nunca poderia entender, mas me sentia atraída, no entanto. As palavras desconhecidas me acalmaram e eu gostaria de saber se há muito tempo atrás alguém, talvez um pai, o segurou e sussurrou as mesmas palavras para ele. E quantas vezes ele tinha feito isso por seus irmãos? Mesmo com todo latir e morder que ele carregava, ele era natural nisso. Isso acalmou o abismo escuro, entorpeceu as bordas do golpe duro. Carissa... Carissa se foi, e eu não sabia como lidar com isso. Ou com o fato de que seu último ato foi tentar me matar, o que era tão, tão diferente dela. Quando as lágrimas finalmente acalmaram, eu funguei e enxuguei o rosto com as mangas. Meu braço direito foi carbonizado da explosão de energia e estava áspero contra minha bochecha. A sensação arranhando cutucou uma memória. Eu levantei minha cabeça.

272


— Ela tinha uma pulseira que eu nunca a tinha visto usar antes. O mesmo tipo de pulseira que Luc usava. — Tem certeza? — Quando eu balancei a cabeça, ele encostou-se no sofá, mantendo-me em seus braços. — Isso é ainda mais suspeito. — Sim. — Precisamos conversar com Luc sem o nosso companheiro indesejado primeiro. — Ele inclinou o queixo para cima, deixando escapar um longo suspiro. Preocupação tocou seu rosto, sua voz áspera. — Eu vou deixar que os outros saibam. — Eu comecei a falar, mas ele balançou a cabeça. — Eu não quero que você tenha que passar por dizer-lhes o que aconteceu. Abaixei meu rosto em seu ombro. — Obrigada. — E eu vou cuidar do seu quarto. Vou limpá-lo. Alívio corria através de mim. Limpar aquele quarto, vendo a mancha no chão, era a última coisa que eu queria fazer. — Você é perfeito, sabe. —Às vezes. — ele murmurou, roçando o queixo ao longo da minha bochecha. — Eu sinto muito, Kat. Sinto muito sobre Carissa. Ela era uma boa menina e não merecia isso. Meus lábios tremiam. — Não, ela não merecia. — E você não merecia ter que passar por isso com ela. Eu não disse nada, porque eu não tinha tanta certeza do que eu merecia mais. Às vezes eu não acho que eu merecia até mesmo Daemon. Fizemos planos para ir para Martinsburg na quarta-feira, o que significava que estaria perdendo o nosso segundo dia de treinamento de ônix, mas eu não podia pensar nisso agora. Descobrir como Carissa acabou uma híbrida e de posse do mesmo tipo de pulseira que Luc usava era primordial. Se eu pudesse descobrir o que aconteceu com ela, então haveria algum tipo de justiça.

273


Eu não tinha ideia do que eu deveria dizer na escola quando Carissa não voltasse mais e as inevitáveis perguntas começassem. Eu não acho que eu tinha em mim a pretensão de fingir ser ignorante e dizer mais mentiras. Outra garota desaparecida... Oh, Deus, Lesa... O que Lesa ia fazer? Elas haviam sido melhores amigas desde a escola primária. Eu apertei os olhos com força e me envolvi em Daemon. As dores da luta há muito desapareceram, mas eu estava cansada até o coração, mentalmente e fisicamente esgotada. Era irônico que eu passei o último mês evitando a sala e agora seria o meu quarto. Eu estava correndo de quartos para me esconder neles. Daemon manteve falando em seu lindo idioma, uma melodia como um raio de luz, até que adormeci em seus braços. Eu estava apenas um pouco consciente dele me colocando no sofá e colocando o cobertor sobre mim. Horas mais tarde, eu abri meus olhos e vi Dee sentada na cadeira, as pernas dobradas contra o peito, lendo um dos meus livros. Um YA paranormal dos meus favoritos – sobre uma garota caçadora de demônios vivendo em Atlanta. Mas o que Dee estava fazendo aqui? Sentei-me, afastando meu cabelo do meu rosto. O relógio abaixo da TV, uma relógio de corda à moda antiga que minha mãe adorava, marcava quinze para meia-noite. Dee fechou o livro. — Daemon foi ao Walmart em Moorefield. Então isso vai levar uma quantidade absurda de tempo, mas é o único lugar aberto que tem tapetes. — Tapetes? Suas feições ficaram tensas. — Para o seu quarto... Não havia nenhum extra em casa e ele não queria que sua mãe procurasse por um e encontrasse a mancha, pensando que você estava tentando incendiar a casa.

274


A mancha...? Sono desapareceu completamente quando o último par de horas ressurgiu. A mancha no chão do meu quarto, onde Carissa tinha basicamente se autodestruído. — Oh, Deus.... — Eu joguei minhas pernas para fora do sofá, mas balançaram demais para ficar em pé. Lágrimas brotaram atrás dos meus olhos. — Eu não... eu não a matei. Eu não sei por que eu disse isso. Talvez porque, no fundo, eu me perguntava se Dee assumiria automaticamente que eu era responsável pelo que aconteceu com Carissa. — Eu sei. Daemon me contou tudo. — Ela descruzou suas pernas, os cílios abaixados, tocando seu rosto. — Eu não posso... — Você não pode acreditar que isso aconteceu? — Ela balançou a cabeça, e eu dobrei minhas pernas para cima, passando os braços em torno delas. — Eu não posso, tampouco. Eu só não consigo sequer envolver meu cérebro em torno disso. Dee ficou em silêncio por um momento. — Eu não tenho falado com ela desde... bem, desde tudo. Ela inclinou a cabeça para baixo e seu cabelo caiu sobre os ombros, protegendo o rosto. — Eu gostava dela e eu fui uma completa vadia com ela. Eu comecei a dizer que ela não tinha sido, mas Dee olhou para cima, com um sorriso irônico nos lábios. — Não minta para me fazer sentir melhor. Eu agradeço, mas isso não muda o fato. Eu não acho que eu mesma disse duas palavras com ela desde que Adam... morreu, e agora... E agora ela estava morta, também. Eu queria confortá-la, mas havia um abismo e uma parede de três metros coberta com arame farpado entre Dee e eu. A cerca elétrica ao redor do muro havia desaparecido, mas não havia nenhum nível de conforto entre nós, e agora, isso doeu mais do que qualquer coisa. Esfregando um nó no meu pescoço, eu fechei os olhos. Meu cérebro estava lento e eu não tinha certeza do que deveria estar fazendo agora. Tudo o que eu queria fazer era lamentar pela minha amiga, mas

275


como eu deveria lamentar por alguém que ninguém no exterior saberia que estava morta? Dee pigarreou. — Daemon e eu limpamos seu quarto. Hum, há algumas coisas que não eram aproveitáveis. Algumas roupas que foram queimadas ou rasgadas eu joguei fora. Eu... eu pendurei um retrato sobre a rachadura na parede.— Ela espiou para cima como se avaliando minha reação. — Seu laptop... não está... em bom funcionamento. Meus ombros caíram. O laptop era a menor das causalidades de hoje à noite, mas eu não tinha ideia de como ia explicar isso para a minha mãe. — Obrigada. — disse eu finalmente, a voz grossa. — Eu não acho que poderia ter feito isso. Dee enrolou uma mecha de cabelo em torno de seu dedo. Minutos se passaram em silêncio e, em seguida: — Você está bem, Katy? Tipo, realmente bem? Choque me fez demorar alguns segundos para responder. — Não, eu não estou. — eu disse com sinceridade. — Eu não achei que estaria. — Ela fez uma pausa, limpando os olhos com a palma da mão. — Eu realmente gostava de Carissa. — Eu também. — eu sussurrei, e não havia mais nada a ser dito. Tudo que aconteceu antes de hoje à noite e tudo o que tínhamos estado tão focados parecia quase sem importância, que essas questões não eram, mas um amigo estava morto – um outro amigo. Sua morte e sua vida era um mistério. Eu a conhecia há seis meses, mas eu não a conhecia afinal.

276


Capitulo vinte e seis

F

ingindo estar doente na terça, eu fiquei em casa e vegetei no sofá. Não aguentaria fingir que aquele seria mais um dia normal de escola. Ver a Lesa sabendo que a sua melhor amiga estava morta e fingir que eu não sabia de nada. No

momento simplesmente não conseguiria. Eu via o rosto de Carissa com muita frequência. Havia duas versões: a de antes de ontem e a de depois de ontem. Quando eu a via com os seus óculos chamativos em minhas lembranças, meu peito doía, e quando via aqueles olhos tão vazios, sentia vontade de chorar novamente. E chorava. Minha mãe não questionou. Em primeiro lugar, eu nunca matei aula. E em segundo, minha aparência estava terrível. Fingir estar doente não era difícil. Ela passou a maior parte da manhã me mimando e eu absorvi a sua atenção, precisando dela mais do que ela poderia imaginar. Mais tarde, depois que ela subiu para dormir um pouco, Daemon apareceu sem avisar. Usando um boné preto com a aba baixa, ele entrou e fechou a porta ao fazê-lo. — O que está fazendo aqui? — Era só uma da tarde. Ele pegou na minha mão, me puxando para a sala de estar. — Lindo pijama. Ignorei isso. — Você não devia estar na escola? — Você não devia ficar sozinha nesse momento. — Ele colocou a aba do boné para trás. — Eu estou bem. Daemon me olhou sabendo que eu não estava. Francamente, eu fiquei feliz por ele estar ali, porque realmente precisava de alguém que sabia do que realmente estava acontecendo. O dia inteiro eu passei

277


desolada, presa em culpa e confusão, machucada por um pesar que nem mesmo conseguia medir. Sem palavras, ele me levou até o sofá e sentou, me aninhando em seu corpo. O seu braço em volta da minha cintura era um peso que trazia conforto. Mantendo as vozes baixas, nós conversamos sobre coisas normais— Coisas seguras que não machucavam a ele ou a mim. Depois de um tempo, eu me virei para que os nossos narizes roçassem. Não nos beijamos. Não houve nada do tipo. Nós nos abraçamos, contudo, e o abraço foi mais íntimo do que qualquer outra coisa que poderíamos ter feito. A presença de Daemon me tranquilizou. A certa altura, nós cochilamos, nossas respirações se fundindo. Minha mãe deve ter descido a escada a certo ponto e nos visto juntos no sofá, do mesmo modo que estávamos quando eu acordei: com a cabeça de Daemon descansando em cima da minha, minha mão agarrando a sua camisa. Foi o cheiro do café que me despertou perto das cinco. Com relutância, eu saí do seu abraço e passei as mãos no cabelo. Mamãe estava na porta, a perna cruzada na altura do tornozelo, apoiada na moldura da porta. Uma xícara fumegante de café nas mãos. Mamãe estava usando um pijama do Lucky Charms. Oh, minha nossa. — Onde conseguiu? — perguntei. — O que? — Ela deu um gole. — Esse… pijama horrível. — eu disse. Ela encolheu os ombros. — Eu gosto dele. — Ele é fofo — Daemon disse, tirando o boné e passando a mão pelo cabelo bagunçado. Eu dei uma cotovelada nele, e ele me deu um sorriso atrevido. — Perdão, Senhora Swartz, eu não pretendia dormir com... — Tudo bem. — Ela dispensou a desculpa. — Katy não estava se sentindo bem, e eu fico feliz que queira estar com ela, mas espero que não pegue o que ela tem.

278


Ele me olhou de lado. — Espero que não tenha me passado piolho. Eu bufei de raiva. Se alguém estava espalhando piolhos alienígenas por aí era Daemon. O celular da minha mãe tocou, e ela o tirou do bolso do pijama, derramando café no chão. O rosto dela se iluminou, do jeito que ele sempre fazia quando Will ligava para ela. Meu coração despencou quando ela se virou e se dirigiu à cozinha. — Will — sussurrei, me levantando antes de me dar conta. Daemon estava bem atrás de mim. — Você não sabe com certeza. — Eu sei. Está nos olhos dela - ele faz com que ela brilhe. — Eu queria vomitar, tipo, falando sério. De repente, eu vi a minha mãe no chão do quarto, sem vida, morta como Carissa. Pânico desabrochou e criou raiz. — Preciso dizer a ela porque Will se aproximou dela. — Dizer o que a ela? — Ele me bloqueou. — Que ele vem aqui para se aproximar de você... que ele a usou? Não acho que isso vá suavizar alguma coisa. Eu abri a boca, mas ele tinha razão. Ele colocou as mãos nos meus ombros. — Não sabemos se foi ele que ligou ou o que aconteceu com ele. Veja Carissa — ele disse, mantendo a voz baixa. — A mutação dela era instável. Não demorou muito para… fazer o que fez. — Então isso quer dizer que é permanente. — No momento ele não estava fazendo com que me sentisse melhor. — Ou que esvaneceu. — Ele tentou novamente. — Não podemos fazer nada até sabermos com o que estamos lidando. Troquei o peso do corpo de um pé para o outro em inquietação, olhando por cima do ombro dele. Estresse se estabeleceu em mim como uma bola de sete toneladas em cima dos meus ombros. Era muita coisa para aguentar. — Cada coisa no seu tempo. — disse Daemon, como se lesse os meus pensamentos. — Vamos lidar com as coisas no tempo certo. É tudo o que podemos fazer.

279


Assentindo, eu respirei fundo e exalei devagar. Meu coração ainda estava acelerado. — Vou ver se foi ele. Ele me soltou e deu um passo para o lado, e eu corri até a porta. — Eu gosto mais do seu pijama. — ele disse e eu me virei. Daemon sorria para mim, aquele sorriso torto que delatava a vontade de dar uma risada. Meu pijama não era muito melhor que o da minha mãe. Ele tinha, tipo, umas mil bolinhhas rosas e roxas. — Cala a boca — eu disse. Daemon voltou ao sofá. — Vou ficar esperando. Eu fui para a cozinha bem quando a minha mãe estava desligando o telefone, com as feições tensas. O peso em meus ombros aumentou. — O que foi? Ela piscou e forçou um sorriso. — Oh, nada, querida. Pegando uma toalha, eu limpei o açúcar derramado. — Não parece nada. — Na verdade, parecia muita coisa. Minha mãe fez uma careta. — Era Will. Ele ainda está no oeste. Ele acha que pegou alguma coisa na viagem. Vai ficar por lá até se sentir melhor. Eu congelei. Mentiroso, eu queria gritar. Ela derramou o café e passou água na xícara. — Eu não lhe contei isso, querida, porque não queria desenterrar velhas lembranças, mas Will… bem, ele já ficou doente, como o seu pai. Meu queixo caiu. Confundindo a minha surpresa, ela disse: — Eu sei. Parece ironicamente injusto, não parece? Mas Will está em remissão. O câncer dele se curou completamente. Eu não tinha nada a dizer. Nada. Will disse a ela que esteve doente.

280


— Mas claro que eu me preocupo. — Ela colocou a xícara na lavalouça, mas não fechou a porta direito. Eu a fechei por hábito. —É bobagem se preocupar com uma coisa assim, eu sei. — Ela parou na minha frente, colocando a mão na minha testa. — Você não está quente. Está se sentindo melhor? A mudança na conversa me confundiu. — Sim, estou bem. —Ótimo. — Minha mãe sorriu e dessa vez não foi forçado. — Não se preocupe com Will, querida. Ele vai ficar bem e vai voltar antes que demos conta. Tudo vai ficar bem. Meu coração vacilou. — Mãe? — Sim? Eu cheguei tão perto de contar tudo a ela, mas congelei. Daemon tinha razão. O que eu poderia dizer? Sacudi a cabeça. — Tenho certeza… que Will está bem. Ela se abaixou rapidamente, beijando a minha bochecha. — Ele ficaria feliz de saber que você está preocupada. Uma risada histérica subiu pela minha garganta. Tenho certeza que ele ficaria. … Mais tarde naquele dia, depois que a minha mãe saiu para o trabalho, eu estava de frente para o lago, fitando uma pilha de ônix brilhante. Matthew e Daemon não tinham dito muito desde que chegamos, e até Blake estava estranhamente calado. Todos eles sabiam o que tinha acontecido ontem com Carissa. Daemon falou com Blake mais cedo; a conversa inteira se passou entre os dois sem que socos fossem trocados e eu perdi a cena. Aparentemente, Blake nunca havia testemunhado um hibrido instável com os próprios olhos. Só ouviu falar a respeito. Mas Dawson já tinha visto.

281


Ele viu pessoas que foram levadas a ele, que eram cidadãos normais antes da mutação e dias depois perderam todo o controle. Explosões violentas eram comuns bem antes deles começarem a se autodestruir. Todos eles receberam o soro que me deram. Sem ele, de acordo com Blake, a mutação poderia permanecer, mas era raro e na maioria dos casos, a mutação desaparecia. Desde que eu cheguei ao lago, Dawson se manteve bem perto de mim enquanto Daemon e Matthew tocavam na ônix com cuidado. — Precisava fazer isso uma vez. — Dawson disse baixinho, focado no céu escuro. — Fazer o quê? — Ver um híbrido morrer assim. — Ele inspirou, cerrando os olhos. — O cara simplesmente enlouqueceu, e ninguém conseguia parálo. Ele matou um dos oficiais e depois houve um flash de luz. Meio que uma combustão espontânea, porque quando ela passou, ele já era. Não sobrou nada. Aconteceu tão rápido que ele nem deve ter sentido. Eu lembrei como Carissa tremia, e sabia que ela tinha de estar sentindo tudo. Com náusea, eu me concentrei em Daemon. A ônix ficava em um buraco, e ele se abaixou na frente dele, conversando baixo com Matthew. Fiquei feliz pelo resto do grupo não estar ali. — As pessoas levadas até você sabiam por que estavam lá? — eu perguntei. — Algumas sim, como se tivessem se voluntariado para aquilo. Outros estavam sedados. Eles não faziam ideia. Acho que eram moradores de rua. Isso era doentio. Incapaz de ficar quieta, eu me dirigi ao banco de areia do lago. A água não estava mais congelada, mas estava parada e calma. Completamente diferente de como eu me sentia por dentro. Dawson me seguiu. — Carissa era uma boa pessoa. Ela não merecia isso. Ao menos sabemos por que eles a escolheram? Eu sacudi a cabeça. Tinha passado uma boa parte do dia pensando em tudo. Até se Carissa sabia sobre os Luxen e tinha sido

282


curada por um, Daedalus estava envolvido. Eu sabia disso. Mas os “comos” e “por quês” eram mistérios. Como era a pedra que eu vi em volta do seu pulso. — Já viu algo nos híbridos de lá? Tipo uma pedra preta esquisita que parece ter fogo dentro? Ele franziu o cenho. — Nenhum dos meus sobreviveram com exceção de Beth. Eles não usavam nada parecido. Nunca vi os outros. Terrível… Aquilo era simplesmente terrível. Engoli bastante saliva, mas minha garganta parecia apertada. Uma brisa suave agitou a superfície do lago, e uma onda se formou de um banco ao outro. Como uma onda de choque… — Pessoal? — Daemon chamou, e nós nos viramos. — Estão prontos? Estávamos prontos para entrarmos na casa da dor? É, não. Mas caminhamos até eles. Daemon estava em pé, segurando um pedaço esférico de ônix em sua mão enluvada. Ele se virou para Blake. — O show é seu. Blake respirou fundo e assentiu. — Acho que a primeira coisa a se testar é se eu tenho tolerância ao ônix. Se eu tiver, isso vai nos dar o que começar, certo? Ao menos saberemos que podemos desenvolver uma tolerância. Na frente dele, Daemon baixou os olhos para a ônix que segurava e deu de ombros. Sem preâmbulo, ele se moveu, colando a pedra na bochecha de Blake. Meu queixo caiu no chão. Matthew recuou. — Deus. Ao meu lado, Dawson riu baixo. Mas nada aconteceu por vários segundos. Finalmente, Blake afastou a ônix, suas narinas dilatadas. — Que diabos?

283


Decepcionado, Daemon derrubou a pedra na pilha. — Bem, aparentemente você tem uma tolerância a ônix e eu aqui torcendo para que você não tivesse. Coloquei a mão na boca, abafando uma risadinha. Ele era o maior filho da mãe e eu o amava. Blake o encarou. — E se eu não tivesse tolerância? Santo Deus, eu meio que queria me preparar para isso. — Eu sei. — Daemon sorriu. Matthew sacudiu a cabeça. — Ok, de volta ao foco, meninos. Como sugerem isso? Andando até a pilha de ônix, Blake pegou uma pedra. Havia um leve desconforto dessa vez, mas ele continuou firme. — Sugiro que Daemon vá primeiro. Colamos na pele até você derrubá-la. Só até aí. — Oh, meu Senhor. — eu murmurei. Daemon tirou as luvas e estendeu os braços. — Me dê. Houve um momento de hesitação. Blake se aproximou e pressionou a ônix na palma de Daemon. Imediatamente, o rosto dele se contorceu e ele parecia tentar se afastar, mas a ônix o mantinha no lugar. Um tremor começou em seu braço e viajou por todo o seu corpo. Dawson e eu nos aproximamos. Nenhum de nós podia ajudar. Ficar de pé ali, vendo a dor endurecer o seu belo rosto foi demais. Pânico me afligiu. Mas Blake afastou a pedra e Daemon caiu de joelhos, batendo as mãos no chão. — Merda… Eu corri, tocando os seus ombros. — Você está bem? — Ele está bem. — disse Blake, depositando a ônix no chão. A mão direita dele estremeceu quando os nossos olhos se encontraram. — Começou a queimar. Deve haver um limite na minha tolerância…

284


Daemon se levantou sem muito equilíbrio, e eu segui o seu movimento. — Eu estou bem. — Então, para o irmão, que olhava para Blake como se quisesse jogá-lo por uma janela. — Estou bem, Dawson. — Como sabemos se isso vai funcionar? — exigiu Matthew. — Tocar uma ônix é completamente diferente de ter um spray dela jorrando em todo o seu corpo. — Eu saí por aquelas portas antes e nada aconteceu. E não é como se já tivessem jorrado spray de ônix no meu rosto. Isso tem que servir. Eu lembro como ele disse que tudo que tocou estava encoberto pela joia brilhante. — Ok. Vamos lá. Daemon abriu a boca, mas eu interrompi que ele falasse com um olhar. Ele não ia me convencer a desistir daquilo. Pegando uma luva, Blake pegou a ônix de um modo diferente. Ele não veio até mim, mas foi até Matthew. A mesma coisa aconteceu com o Luxen mais velho. Ele ficou de joelhos, ofegando, e então foi a vez de Dawson. Para ele demorou mais um pouco, o que fazia sentido. Ele foi exposto ao spray como eu e foi torturado pela substância várias vezes. Mas depois de dez segundos, ele caiu e o seu irmão massacrou a língua inglesa. Então foi a minha vez. Endireitando os ombros, eu assenti. Estava pronta para aquilo, não estava? Droga, não. Quem eu estava enganando? Isso ia doer. Bake fez uma careta e se aproximou, mas Daemon o impediu. Usando a luva, ele pegou a ônix dele e se colocou na minha frente. — Não — eu disse. — Não quero que você faça isso. A posição determinada da mandíbula dele me enfureceu. — Não vou deixar que ele faça.

285


— Então outra pessoa vai fazer. — Não tinha chance de ser ele a pessoa que colocaria a ônix em mim. — Por favor. — Daemon sacudiu a cabeça, e eu senti vontade de socá-lo. — Isso não está certo. — Sou eu ou mais ninguém. E então eu entendi. Ele estava tentando me fazer desistir. Respirando fundo, eu o enfrentei. — Vá em frente. Surpresa brilhou nos seus olhos verdes cor de garrafa e depois a raiva os tornou mais profundos. — Odeio isso — ele disse, numa voz que só eu escutei. — Eu também odeio. — Ansiedade escalava a minha garganta. — Faça logo. Ele não desviou o olhar, mas eu podia dizer que ele sentiu vontade. Qualquer que fosse a dor que eu sabia estar prestes a sentir seria simbiótica. Ele a sentiria — Não a física, mas a angústia chegaria até ele, como se fosse a sua própria. Era o mesmo quando Daemon sentia dor. Eu fechei os olhos, achando que isso o ajudaria. Pareceu ajudar, porque talvez uns dez segundos depois eu senti a frieza da ônix na minha mão e a aspereza da sua luva. Nada aconteceu imediatamente, mas aconteceu depois. Uma queimação que escalava rapidamente viajou pela minha mão e braço. Umas mil pontadas de dor radiaram pelo meu corpo. Eu mordi o lábio, abafando meu grito. Não demorou muito para eu cair no chão, ofegando enquanto esperava que a queimação melhorasse. Meu corpo estremecia. — Tudo bem… Ok… Não foi tão ruim. — Conversa fiada — disse Daemon, me colocando de pé. — Kat... Eu me soltei dele, inspirando mais vezes. — Sério, eu estou bem. Precisamos continuar. Daemon parecia querer me jogar por cima do ombro e correr que nem um homem das cavernas, mas nós continuamos. Várias e várias vezes, cada um de nós tocou a ônix, aguentando até nossos corpos se

286


recusarem a cooperar. Nenhum de nós melhorou o próprio tempo, mas só estávamos começando. — É como ser atingido por um Taser — Matthew disse quando derrubou uma chapa de madeira compensada por cima da ônix, depois colocou duas pedras pesadas por cima. Estava tarde e todos nós estávamos esgotados. Até Blake. — Não que eu já tenha sido atingido por um, mas imagino que a sensação seja a mesma. Eu me perguntava se haveria algum efeito colateral. Como batimentos erráticos ou estresse pós-traumático. A única coisa boa era que entre sentir uma dor daquelas e ver outras pessoas sucumbirem a ela, eu realmente não consegui pensar em mais nada. Quando terminamos e começamos a nos arrastar até a casa, Blake desacelerou o passo até ficar ao meu lado. — Desculpe. — ele disse. Eu não disse nada. Ele enfiou as mãos nos bolsos do jeans. — Eu gostava de Carissa. Eu queria… — Se desejos fossem peixes, todos viraríamos pescadores, certo? Não é o que dizem? — Amargura acentuava o meu tom. — É, é o que dizem. — Ele fez uma pausa. — As coisas vão ficar loucas na escola. — Por que você se importa? Você vai embora assim que pegar Chris. Vai ser só mais um desses garotos que somem do nada. Ele parou, a cabeça inclinada para o lado. — Eu ficaria se pudesse. Mas não posso. Franzindo o cenho, olhei para frente. Daemon tinha desacelerado também, sem dúvida fazendo o melhor que podia para colocar alguma distância entre mim e Blake. Por um segundo eu considerei perguntar sobre a pedra a Blake. Ele teria que saber, já que trabalhou para Daedalus — ainda trabalhava. Mas era muito arriscado. Blake alegava bancar o agente duplo. Palavra-chave: alegava.

287


Abracei a minha cintura. Lá em cima, os galhos batiam uns nos outros como uma bateria constante e baixa. — Eu ficaria. — ele disse outra vez, colocando uma mão no meu ombro. — Eu... Daemon apareceu em um segundo, tirando os dedos de Blake do meu ombro. — Não toque nela. Blake empalideceu quando libertou a mão e recuou. — Cara, eu não estava fazendo nada. Superprotetor demais, não? Colocando-se entre nós, Daemon disse: — Achei que tínhamos um acordo. Você está aqui porque não temos escolha. Ainda está vivo porque ela é melhor do que eu. Não está aqui para confortá-la. Entendeu isso? A mandíbula de Blake estalou. — Que seja. Vejo vocês depois. Eu vi Blake passar por Matthew e Dawson. — Isso foi um pouco demais. — Não gosto dele tocando você. — ele rugiu. Seus olhos começaram a fazer aquela coisa de brilhar os globos. — Não gosto dele nem no mesmo fuso horário que você. Não confio nele. Ficando nas pontas dos pés, eu beijei a bochecha de Daemon. — Ninguém confia nele, mas não pode ameaçá-lo a cada cinco segundos. — Posso sim. Eu ri e me aproximei mais, colocando os braços em volta da sua cintura. Debaixo da minha bochecha, o coração dele batia constante. Suas mãos deslizaram pelas minhas costas quando ele baixou a cabeça em direção a minha. — Quer mesmo ter mais dias que nem esse? — ele perguntou. — Um número sem fim de dias cheios de dor? Não estava no topo da minha lista. — É uma distração das melhores, e eu preciso disso no momento.

288


Esperava que ele discutisse, mas ele não o fez. Ao invés disso, ele beijou o topo da minha cabeça. Ficamos assim por um tempinho. Quando nos afastamos, Dawson e Matthew já tinham ido. A luz da lua começava a penetrar por entre os galhos. De mãos dadas, caminhamos de volta às nossas casas, e ele entrou na dele para tomar banho. Minha casa estava escura e quieta, e quando cheguei à base da escada, lutei para conseguir respirar. Não podia sentir medo do meu quarto. Isso era simplesmente estúpido. Coloquei a mão no corrimão e subi um degrau. Os músculos travaram. Era só um quarto. Não poderia dormir no sofá para sempre, e não podia correr do meu quarto como se um Arum estivesse atrás de mim. Cada passo foi uma luta quando a minha resposta natural seria me virar e correr na direção oposta, mas eu continuei até chegar à entrada, as mãos juntas debaixo do queixo. Daemon e Dee tinham limpado tudo como disseram. Minha cama estava feita. As roupas guardadas e todos os papéis apinhados na minha escrivaninha. Meu laptop destruído não estava mais lá. E havia um tapete redondo por cima do local em que Carissa esteve. Ele era de um marrom mudo e suave. Daemon sabia que eu não era uma grande fã de cores vibrantes, não como Dee. Fora isso, o quarto parecia normal. Prendendo o fôlego, eu me forcei a entrar. Andei em volta, recolhendo livros e colocando-os de volta na ordem em que eu os mantinha, mantendo a mente vazia. Algum tempo depois, vesti uma camiseta velha e meiões, depois entrei debaixo dos cobertores e me virei de lado. Além da janela do meu quarto, estrelas espalhadas rompiam o azul escuro do céu. Uma caiu, deixando uma faixa curta de luz para trás ao cair na Terra. Apertando os dedos no cobertor, me perguntei se era mesmo uma estrela cadente ou outra coisa. Todos os Luxen estavam aqui, não estavam? Forcei os olhos a se fecharem e me concentrei em amanhã. Depois da escola, Daemon e eu iríamos a Martinsburg em uma tentativa de

289


encontrar Luc. O grupo pensava que iríamos embora. Com sorte, depois da nossa visita, saberíamos um pouco mais sobre o que aconteceu com Carissa. Meu sono foi irregular naquela noite. Eu tinha que estar atrasada quando senti Daemon deitar ao meu lado, seu braço em volta da minha cintura com firmeza. Meio dormindo, eu decidi que ele precisava ser mais cuidadoso. Se a minha mãe o pegasse na minha cama outra vez, as coisas ficariam feias. Mas eu fiquei contente em seus braços e me aconcheguei, ninando com a sua respiração morna na nuca. — Eu amo você. — pensei ter dito. Pode ter sido um sonho, mas o braço dele me apertou mais e uma perna deslizou em volta da minha. Talvez fosse só um sonho, porque havia uma característica surreal naquilo. Mesmo que fosse, me bastava.

290


Capitulo vinte e sete

N

o dia seguinte, Lesa praticamente me abordou no instante em que entrei na escola. Nem sequer havia chegado ao meu armário. Agarrando meu braço, me puxou até a sala perto da vitrine de troféus.

Soube desde o momento em que a vi, que de alguma maneira ela sabia que algo errado tinha acontecido. Seu rosto estava pálido, os olhos entristecidos, e seu lábio inferior tremia. Nunca a vi tão alterada. — O que há? — Forcei minha voz a sair. Seus dedos apertaram meu braço. — Carissa está desaparecida. Senti o sangue drenar-se do meu rosto, e com voz rouca disse: — O que? Com os olhos brilhantes, assentiu. — Ela estava com gripe, lembra-se? Aparentemente ficou muito doente nos últimos dias, com febre alta. Seus pais a levaram ao hospital. Pensavam que tinham meningite ou algo assim. — deixou escapar um suspiro trêmulo. — Não soube nada até que seus pais me ligaram essa manhã, perguntando-me se não a havia visto ou falado com ela. E eu estava, tipo: Não. Por que? Ela esteve muito doente para falar por telefone e tudo. E me disseram que desapareceu algumas noites atrás no hospital. Seus pais estiveram procurando-a e a polícia não pode fazer um informe desaparecida até que passem quarenta e oito horas. O horror que me atravessou não foi falso. Disse algumas coisas e realmente não soube o que pronunciei. Lesa não estava processando nada, de todos os modos. — Acreditam que saiu do hospital… Que estava doente e provavelmente esteja em algum lugar, perdida e confusa — Sua voz tremeu— Como é que ninguém a viu ou informou?

291


— Não sei — Sussurrei. Lesa abraçou a si mesma. — Isso não pode estar acontecendo, verdade? Não pode ser. Não Carissa. Sentia como se meu coração estivesse quebrado. Na maioria das vezes queria dizer a verdade e confiar em Lesa, mas este era um desses momentos quando não há nada no mundo que me fizesse querer ser a portadora dessa notícia. Não havia nada que eu pudesse dizer, mas envolvi meus braços ao redor dela e a abracei até que o primeiro sino soou. Dirigimo-nos diretamente à aula sem nossos livros. Não importava.

As

notícias

do

desaparecimento

de

Carissa

tinham

começado a estender-se, e ninguém prestava atenção na aula. Kimmy anunciou que ao final da aula a polícia organizaria um grupo de resgate ao terminar a escola. Ela e Carissa não eram amigas, mas

isso

não

importava,

compreendi.

Muitos

garotos

tinham

desaparecido, e isto tocava a vida de todos. Olhei por cima do ombro para Daemon, e ele me deu um sorriso tranquilizador. Acalmou-me um pouco. Eu era um molho de nervos. Quando a aula acabou, Lesa me esperou. — Acredito que irei para casa — Disse ela, piscando rapidamente — Eu não… eu não posso continuar aqui. — Quer que vá com você? — Perguntei, não querendo deixá-la só se precisasse falar com alguém. Lesa sacudiu a cabeça. — Não. Mas obrigada. — Dei-lhe um rápido abraço e logo a vi sair apressadamente da classe, meu coração doeu. Daemon não disse nada quando pressionou um beijo em minha têmpora. Ele sabia que não havia nada a dizer. — Acha que temos tempo para nos unir aos grupos de busca antes de ir? — Perguntei. Ambos sabíamos que não tinha sentido, mas parecia desonrar sua memória não lhe dar este respeito. Ou era equivocado fazer sabendo o que realmente ocorreu? Não sabia. Daemon tampouco parecia saber, mas aceitou. — Claro.

292


Queria sair da escola, também. Especialmente porque todos falavam

da

Carissa

e

encontrá-la.

As

pessoas

tinham

muitas

esperanças em encontrá-la, porque parecia impossível aceitar que ela pudesse terminar como Simon. A culpa e a ira lutavam dentro de mim, e durante todo o dia ficaram a meu lado. Me sentar na classe parecia inútil quando tantas coisas pendiam por um fio. Estas pessoas — estes jovens — não tinham ideia do que ocorria a seu redor. Viviam dentro de uma alegre bolha de ignorância e nem sequer os desaparecimentos podiam explodi-la. Só havia pequenos buracos produzidos com cada desaparecimento e eu estava esperando que finalmente explodisse. No almoço, pela primeira vez, sentamo-nos todos juntos. Inclusive Blake se uniu a nós. Minha falta de apetite não tinha nada a ver com a misteriosa comida que ocupava meu prato. — Vão se unir aos grupos de resgate? — Perguntou Andrew. Assenti. — Mas ainda temos que fazer nossas próprias coisas depois. Blake franziu o cenho. — Seriamente, acredito que vocês deveriam esperar. — Por que? — Perguntei antes que Daemon arrancasse a cabeça de seus ombros. — Precisa trabalhar em ser mais tolerante, não é o melhor momento para uma noite de encontros. Frente a ele, Ash assentiu. — Isso não é o que importa nestes momentos. Daemon olhou em sua direção. — Cale-se Com as bochechas ruborizadas, Blake se inclinou sobre a mesa. — Precisamos aproveitar todos os dias que pudermos se tivermos alguma esperança de fazer isto logo. Um músculo se flexionou na mandíbula de Daemon. — Um dia não vai mudar tudo. Vocês podem praticar ou não. Não me importa.

293


Blake começou a protestar, mas Dawson o interrompeu. — Deixe-os ir. Precisam disto. Nós estaremos bem. Peguei o garfo, sentindo minhas bochechas arderem. Todo mundo pensava que eu precisava sair, relaxar, e não queria que se sentissem mal ou se preocupassem comigo. Mas esta noite não era noite de encontro. O que Daemon e eu íamos fazer era tão difícil quando treinar com a ônix. Como se intuísse meus escuros pensamentos, ele se aproximou mais a meu lado e sua mão encontrou a minha debaixo da mesa. Deume um aperto e por alguma razão senti vontade de chorar. Estava me convertendo em uma covarde e tudo era sua culpa. Pude ter sonhado com ele a noite anterior, porque ao amanhecer, ele tinha partido e o travesseiro a meu lado não carregava esse aroma que eu podia reconhecer em qualquer lugar. Mas eu gostava de acreditar que foi real. Que não foi um sonho que me abraçava com força, suas mãos quentes sobre meus quadris ou seus lábios viajando por meu pescoço. Se eu imaginei tudo… Oh, Deus, meus sonhos são muito realistas. Não podia perguntar porque seria muito vergonhoso, por não dizer de que o ego de Daemon não tinha necessidade de ser afagado dizendo que sonhei com ele. Pensar em sua reação se dissesse a ele, o qual traria uma porção de comentários à mesa, fez-me sorrir um pouco. Daemon notou e meu coração deu um baque, já que seu coração saltou primeiro. Algumas vezes, a coisa estranha da conexão tinha suas vantagens. Como isto, que me dizia que eu afetava Daemon tanto quanto ele me afetava, e em dias assim, precisava me apegar a momentos como este.

294


Capitulo vinte e oito

A

equipe de busca era exatamente como as que eu via na TV e nos filmes. Pessoas percorriam os campos em uma linha reta e horizontal atrás dos policiais e dos seus cães farejadores.

Tudo

era

uma

pista

aos

olhos

dos

inexperientes — uma pilha de folhas remexida; um pedaço velho rasgado de roupa; pegadas antigas. Era uma coisa triste. Sobretudo porque havia tanta esperança — Esperança de que Carissa seria encontrada, de que ela estaria bem, senão um pouco assustada, e de que tudo voltaria ao normal. O dela não seria o último caso de pessoa desaparecida, porque sua situação era diferente. Ela aparentemente tinha saído por conta própria de um hospital. Contudo, eu tinha muita dificuldade em acreditar nisso. Will tinha se implantado no centro médico local, e eu não precisava ser uma detetive para supor que ele não era o único. Meu palpite era que Carissa recebeu ajuda para deixar o hospital. Daemon e eu saímos depois das cinco, indo para as nossas casas. Eu entrei para me arrumar para a nossa “noite de encontro”. Eu não sairia como saí da última vez. Coloquei uma calça jeans skinny, salto alto, e um suéter colado com selo de aprovação da Lesa e que mostrava um pouquinho da barriga. Minha mãe estava na cozinha fazendo um omelete. Meus olhos se arregalaram e eu puxei a bainha do suéter. Ela olhou por cima do ombro, vertendo os ovos e derramando a maior parte fora da frigideira. Ela levava o programa de TV Hell’s Kitchen a um novo extremo. — Vai sair com Daemon hoje? — Vou — eu disse, pegando um papel-toalha. Limpei os ovos antes que o cheiro de queimado pudesse me dar vontade de vomitar. — Vamos jantar e depois ir ao cinema.

295


—Lembre-se da hora de voltar para casa. Amanhã tem aula. — Eu sei. — Eu joguei o papel fora e segurei o suéter com uma mão. — Ouviu sobre Carissa? Minha mãe assentiu. — Não estava trabalhando no Grant quando ela deu entrada nem nos últimos dois dias, mas o hospital está cheio de policiais e os diretores estão fazendo investigações próprias. Ela estava dando os plantões em Winchester. — Então, eles acham mesmo que ela simplesmente fugiu de lá? — Pelo que eu ouvi, ela estava sendo tratada por meningite e isso pode dar uma febre bem alta. Pessoas fazem coisas estranhas quando estão tão doentes assim. É por isso que fiquei tão preocupada com você quando adoeceu em novembro. — Ela desligou o fogo. — Mas não há justificativa para o que aconteceu. Alguém deveria ter impedido a coitada. Aquelas enfermeiras do turno noturno terão muito o que explicar. Sem remédios, Carissa… — Ela se calou, concentrando-se em colocar os ovos no prato. Alguns pedaços caíram no chão. Eu dei um suspiro. — Querida, eles vão encontrar a Carissa. Não, não vão, eu quis berrar. — Ela não pode ter ido muito longe. — minha mãe continuou enquanto eu apanhava os pedacinhos amarelos cheios de cebola e pimentão. — E aquelas enfermeiras não vão permitir que um descuido desses aconteça outra vez. Eu duvidava que aquilo foi devido a um descuido por parte delas. Elas provavelmente fingiram que não viram ou até ajudaram. O desejo de se vingar ou de ao menos entrar naquele hospital e dar uns tapas na cara de várias pessoas era quase impossível de ignorar. Despedindo-me da minha mãe e prometendo não voltar depois do horário, eu beijei a sua bochecha e peguei minha jaqueta e bolsa. Daemon estava sozinho em casa. Todos estavam no lago, ou se submetendo a tremendas dores ou vendo os outros sofrerem.

296


Ele veio andando daquele jeito arrogante até chegar em mim, os olhos descendo para o pedaço de pele exposta… e algo passou pelo seu rosto. — Gosto mais dessa roupa do que da outra. — Sério? — Me senti exposta quando ele me olhou como se olhasse para uma obra de arte produzida apenas para si. — Achei que gostasse de saia. — Eu gosto, mas isso…? — Ele puxou um passador da minha calça e fez um som com a garganta. — Gosto muito disso. Um calor estonteante me varreu, enfraquecendo os meus joelhos. Sacudindo a cabeça, ele me soltou e tirou a chave do carro do bolso. — Precisamos ir. Está com fome? Você nem almoçou. Precisei de um momento para me recompor. — Poderia comer um McLanche Feliz. Ele riu enquanto saíamos. — Um McLanche Feliz? — Qual o problema? — Coloquei o meu casaco. — É perfeito. — É o brinquedinho, não é? Eu sorri quando parei ao lado do passageiro. — Os meninos sempre ficam com os melhores. Daemon se virou de repente, colocando as mãos no meu quadril e me erguendo. Assustada, eu derrubei a bolsa ao agarrar os seus braços. — O que...? Ele me silenciou com um beijo que alcançou um lugar profundo dentro de mim que tanto me excitava quanto aterrorizava. Quando ele me beijava, parecia que tentava alcançar a minha alma. O engraçado era que ele já tinha a minha alma e o meu coração nas mãos. Lentamente, ele me deixou deslizar até o chão. Confusa, levantei os olhos. — Para que foi isso?

297


— Você sorriu. — Seus dedos traçaram a minha bochecha, depois desceram pela minha garganta. Ele abotoou o meu suéter com rapidez. — Não anda sorrindo muito. Senti falta disso, então decidi recompensála por dar um sorriso. — Recompensar? — Eu ri. — Deus, só você pensaria num beijo como uma recompensa. — Você sabe que é. Meus lábios transformam vidas, baby. — Daemon se abaixou, recolhendo a minha bolsa do chão. — Pronta? Pegando a bolsa, eu subi no seu carro com os joelhos bambos. Assim que entrou do outro lado, ele ligou o motor e fomos em direção à cidade, parando no fast-food local para que eu comprasse o meu McLanche Feliz. Ele também me comprou um de meninos. O seu jantar incluiu três hambúrgueres e duas porções de batata frita. Eu não tinha ideia de para onde aquelas calorias todas iam. Para o seu ego, talvez? Parecia bem provável depois daquele comentário sobre os lábios. Eu sentia mais fome depois da mutação, mas não como Daemon. No caminho para Martinsburg, começamos com uma rodada de “Eu vejo um…”, mas Daemon roubou e eu não quis mais jogar. Ele riu com vontade, o som agradável. — Como se pode roubar nesse jogo? — Você fica escolhendo coisas que nenhum humano neste mundo consegue ver! — Eu lutei para conter um sorriso quando ele fez uma expressão ofendida. — Ou você escolhe algo que começa com c...vive fazendo isso. Eu vejo algo que começa com c! — Carro — ele disse, sorrindo. — Casa. Cerca. Céu. — Ele parou, dando uma olhada safada de lado. — Colo. — Cala a boca. — Eu dei um tapa em seu braço. Alguns momentos de silêncio depois, e eu fiquei desesperada para jogar outro jogo. Essas bobagens esvaziavam a minha mente. Fomos para o jogo das placas de carro, e eu juro que ele ficava de lado dos carros para que

298


eu não conseguisse enxergar as placas. Ele tinha uma tendência impiedosa quando o assunto era competição. Antes de notarmos, estávamos perto da saída e nenhum de nós estava mais a fim de jogar. — Acha que vamos entrar? — Sim. Dei uma olhada para ele. — Aquele segurança é enorme. Ele entortou os lábios. — Oh, Kitten, veja só, eu tento não dizer coisas feias. — O quê? O sorriso aumentou. — Eu ia dizer que tamanho não importa, mas é mentira. Eu bem sei. — Ele piscou, e eu dei um grunhido enojado. Ele riu. — Desculpe, mas você que começou. Mas, sério, o segurança não será problema. Acho que ele gostou de mim. — O q-q-quê? Ele fez várias curvas com o utilitário. — Acho que ele gostou de mim, tipo, gostou mesmo. — O seu ego não tem limite, sabia disso? — Você vai ver. Eu sei dessas coisas. Pelo que eu lembrava, o segurança parecia querer matar Daemon. Sacudindo a cabeça, sentei mais apoiada e comecei a roer o meu polegar.

Um

hábito

nojento,

mas

meu

nervosismo

estava

me

dominando. O posto de combustível abandonado apareceu mais à frente. O utilitário saltava pela estrada esburacada e eu agarrei a maçaneta da porta. Carros ocupavam o campo na frente da boate, como esperado. Mais uma vez, Daemon estacionou Dolly bem distante dos outros carros. Eu sabia que devia tirar o suéter dessa vez. Eu o prendi em volta da bolsa e coloquei os dois no assoalho do veículo. Passamos pelos

299


carros. Parando na primeira fileira, eu me abaixei e joguei o cabelo para frente, bagunçando um pouco. — Isso me lembra um clipe do Whitesnake. — Daemon disse. — Hã? — Eu passei as mãos pelo cabelo, esperando um efeito sexy e não o “vim com a janela do carro aberta”. — Se começar a subir nos capôs dos carros, acho que vou me casar com você. Eu revirei os olhos e me endireitei, sacudindo a cabeça uma última vez. — Pronto. Ele me olhou. — Você é linda. — E você esquisito. — Eu levantei e dei um beijo rápido na sua bochecha antes de atravessar a grama na altura do joelho. Salto alto não foi uma boa ideia. O segurança parrudo apareceu do nada, ainda com o mesmo macacão. Braços da grossura de barris cruzados na altura do peito. — Achei que tinha dito procês esquecerem daqui? Daemon se colocou na minha frente. — Precisamos falar com Luc. — Eu preciso de um monte de coisas na vida. Tipo achar um vendedor de ações que não perdesse a mtade do meu dinheiro. Ok. Eu limpei a garganta. — Não vamos ficar muito tempo, mas por favor, precisamos mesmo falar com ele. — Sinto muito. — disse o segurança. Daemon inclinou a cabeça de lado. — Tem que ter algo que possamos fazer para lhe convencer. Oh, cara, por favor, me diga que ele não era… O segurança levantou uma sobrancelha e esperou. Daemon sorriu — aquela curva sexy do lábio que fazia com que toda garota da escola caísse de quatro no chão, e eu… senti vontade de rastejas para debaixo de um carro.

300


Antes que eu pudesse morrer de vergonha, o celular do segurança tocou, e ele o tirou do bolso da frente. — E aí? Aproveitei o momento para dar uma cotovelada em Daemon. — O que foi? — ele perguntou. — Estava funcionando. O segurança deu uma risada. — Não estou fazendo muita coisa. Só falando com um otário e com uma mocinha bem bonita. — Como é? — Daemon disse, surpreso. Eu me engasguei com a risada. O segurança deu um sorriso largo e depois suspirou. — É, eles estão atrás de você. — Houve uma pausa. — Claro. Ele fechou o aparelho. —Luc vai falar com os dois. Entrem e vão direto para ele. Nada de dançar por hoje, ou o que quer que tenham feito da última vez. Constrangedor. Eu baixei a cabeça e passei pelo segurança. Na porta, ele parou Daemon. Eu olhei por cima do ombro. O segurança piscou para Daemon ao passar o que parecia um cartão pessoal. — Você normalmente não faz o meu tipo, mas posso fazer uma exceção. Meu queixo caiu. Daemon aceitou o cartão com um sorriso e então abriu a porta. — Eu falei. — ele disse para mim. Recusei-me a lhe dar o benefício de uma resposta, ao invés disso me concentrei na boate. Nada tinha mudado da última vez. A pista de dança estava cheia. Jaulas

penduradas no teto, balançando devido

ao movimento dos seus ocupantes. Pessoas enlouqueciam com a batida pesada. Um mundo diferente e estranho escondido no epicentro da normalidade. E o lugar ainda me era atraente de uma maneira esquisita.

301


No corredor escuro, um homem alto esperava por nós em uma porta. Paris — o Luxen loiro que conhecemos da última vez. Ele assentiu para Daemon, abriu a porta, e abriu caminho. Eu esperava ver Luc no sofá, jogando em um Nitendo DS como da última vez, então fiquei chocada quando o descobri na escrivaninha, afastando um laptop, o rosto retorcido em concentração. As pilhas com notas de cem não estavam mais lá. Luc não levantou os olhos. — Por favor, sentem. — Ele apontou para um sofá próximo, todo profissional. Dando uma olhada para Daemon, eu fui com ele até o sofá e sentei. No canto, uma vela alta amarela espalhava um cheiro de pêssego pelo lugar. Essa era toda a decoração existente. A porta atrás da mesa levava para outra sala? Luc morava ali? — Ouvi falar que vocês não foram muito longe de Mount Weather da última vez. — Ele fechou o laptop e apoiou as mãos debaixo do queixo. — Sobre isso — Daemon disse, inclinando-se para frente. — Não sabia sobre os escudos de ônix? O garoto, o mini figurão/mafioso/o que quer que ele fosse ficou imóvel. A sala se encheu de tensão. Eu esperava que alguma coisa explodisse. Com sorte nenhum de nós. — Eu o avisei que poderia haver coisas das quais não tenho ciência — ele disse. — Até mesmo eu não sei tudo sobre Daedalus. Mas acho que Blake está no caminho certo. Ele tem razão sobre tudo estar coberto por um material brilhoso e preto-avermelhado. Talvez tenhamos mesmo desenvolvido uma tolerância então não fomos afetados pelos escudos de ônix. — E se não for isso? — Eu perguntei, odiando a sensação gélida que se espalhava pelas minhas veias. O olhar cor de ametista de Luc estava concentrado. — E se não for? Eu tenho um pressentimento que isso não vai impedi-los de tentar novamente. É um risco e tudo tem o seu risco. Tem

302


sorte de terem saído de lá da última vez antes de alguém perceber o que estava acontecendo. Conseguiram outra chance. A maioria das pessoas não conseguem. Falar com aquele garoto era esquisito, porque ele tinha os trejeitos e linguagem de um adulto bem educado. — Tem razão — eu disse. — Ainda assim vamos tentar. — Mas saber de todos os perigos à frente parece injusto? — Ele colocou uma mecha de cabelo castanho detrás da orelha, seu rosto angelical apático. — A vida não é justa, baby. Daemon enrijeceu ao meu lado. — Por que tenho a sensação de que tem muita coisa que não está nos contanto? Os lábios de Luc formaram um meio sorriso. — Afinal, vocês vieram aqui por um motivo que não seja falar sobre os escudos de ônix? Vamos direto ao ponto. Irritação passou pelo rosto de Daemon. — Um híbrido instável atacou Kat. — É isso que pessoas instáveis fazem, híbridas ou não. Eu contive uma resposta ríspida. — É, eu já sei dessa parte, mas ela era minha amiga. Ela não deu indicação alguma de que sabia algo sobre os Luxen. Estava bem, ficou doente e então veio até a minha casa e enlouqueceu. — Você não deu indicação alguma de que sabia que o ET não tinha ligado para casa. Que pentelho. Respirei fundo. — Sei disso, mas foi tudo do nada. Luc apoiou as costas na cadeira, colocando os pés em cima da mesa. Ele os cruzou nos tornozelos. — Não sei o que lhe dizer sobre isso. Ela pode ter descoberto sobre os Luxen, se machucado, e algum pobre coitado pode ter tentado curá-la e falhado. Ou os Homem a pegaram na rua como fazem às vezes. E a não ser que saiba boas técnicas de tortura e estiver disposta a usá-las em um oficial de Daedalus, não vejo como saberá o que aconteceu.

303


— Me recuso a aceitar isso — Eu sussurrei. Saber traria algum tipo de conclusão e justiça. Ele deu de ombros. — O que aconteceu com ela? — Curiosidade coloria o seu tom. Minha respiração ficou presa na garganta quando apertei os punhos. — Ela não está mais… — Ah — murmurou Luc. — Ela fez aquela coisa da combustão espontânea? — A expressão do meu rosto deve ter sido resposta suficiente porque ele suspirou com tristeza. — Doentio. Meus pêsames por isso. Uma lição de história distorcida para vocês: sabem todos esses casos de combustão espontânea que já foram registrados ao longo da história? Daemon fez uma careta. — Tenho medo de perguntar. — Engraçado como não há muitos casos conhecidos, mas eles realmente ocorrem no mundo amador. — Ele abriu os braços para indicar o mundo fora do seu escritório. — Híbridos, minha teoria ao menos, e faz sentido se pensar direito, a maioria deles se autodestroem dentro das instalações, mas poucos fora delas. É por isso que a ocorrência é rara para humanos. Tudo isso era bom e um pouco perturbador de se pensar, mas não era por isso que estávamos ali. — Minha amiga usava um bracelete. — Da Tiffany? — ele perguntou e deu um sorrisinho. — Não. — Eu sorri forçosamente. — É igualzinho ao que você está usando. Surpresa saiu de Luc como uma onda. O marginalzinho derrubou os pés no chão e sentou reto. — Nada bom. Arrepios de mau pressentimento correram pela minha pele quando Daemon se concentrou totalmente em Luc. — Por que isso não é nada bom?

304


Ele parecia debater se deveria ou não falar sobre o assunto e prosseguiu com um: — Oh, que diabos. Vocês vão ficar me devendo uma, espero que saibam disso. Mas o que vê aqui? —Luc passou um dedo pela pedra. — É uma opala negra, tão rara que só poucas minas conseguem escavar esses bebês. E poucas fornecem esse tipo. — As que parecem ter um fogo dentro delas? — Eu perguntei, me aproximando para olhar melhor. Realmente parecia uma esfera negra com uma chama em seu interior. — Aonde foram escavadas? — Normalmente na Austrália. Há algo na composição da opala negra que é como uma mina de poder. Sabe, como Mario fica quando consegue um cogumelo. Imagine aquele som. É isso que a opala negra faz. — Que tipo de composição? — Daemon perguntou, olhos atentos com interesse. Luc tirou o bracelete e o expôs à luz fraca. — Opalas têm essa habilidade notável de refratar e refletir extensões de ondas de luz específicas. — Fala sério — exalou Daemon, e aparentemente aquilo era super demais. Eu ainda estava perdida no negócio da pedra e da luz. — Sim. —Luc sorriu para a pedra, como um pai sorri para um filho pródigo. — Não sei quem descobriu isso. Alguém de Daedalus, tenho certeza. Assim que descobriram o que ela poderia fazer, eles a mantiveram longe dos Luxen e daqueles como nós. —

Por

quê?

Eu

me

senti

estúpida

por

perguntar,

principalmente porque os dois me olharam como se eu realmente fosse. — O quê? Eu não tenho graduação em mineralogia alienígena. Nossa. Daemon bateu na minha coxa. — Tudo bem. Refratar e refletir extensões de ondas de luz nos afeta, como a obsidiana afeta os Arum e a ônix faz conosco. — Ok — disse devagar. Os olhos roxos de Luc brilharam. —Refratar luz muda a direção e a velocidade. Nossos amigáveis vizinhos alienígenas são feitos de luz...

305


bem, feitos de mais do que isso, mas me deixe explicar desta forma: vamos dizer que o DNA deles seja luz. E vamos dizer que assim que um humano sofre mutação, o DNA dele fica envolto por extensões de onda de luz. Eu lembrei de Daemon tentando explicar isso antes. — E ônix perturba essas extensões, certo? Meio que faz com que saltem e enlouqueçam. Luc assentiu. — A habilidade da opala de refratar permite que um Luxen ou um híbrido tenha mais poder— Ela aumenta a nossa habilidade de refratar luz. — E a parte da reflexão... uau. — Assombrado, Daemon sorriu. Eu entendia o negócio da refração. Claro, supervelocidade, habilidade de usar da Source com mais facilidade, e provavelmente mais alguns benefícios, mas reflexão? Esperei. Daemon me cutucou com o cotovelo. — Nossa imagem fica trêmula ou desaparece às vezes porque somos muito rápidos. E às vezes você nos vê aparecer e desaparecer — é só reflexo. Algo que todos nós temos que nos esforçar para controlar quando somos mais novos. — E é difícil quando você fica empolgado ou triste? Ele assentiu. — Entre outras coisas, mas controlar o reflexo? — Ele se fixou em Luc. — Está dizendo que consegue fazer o que eu acho que consegue? Rindo, Luc colocou o bracelete em volta do pulso e apoiou as costas na cadeira, derrubando os pés na mesa outra vez. — Híbridos são bons. Podemos ser mais rápidos que os humanos, mas com as taxas de obesidade de hoje em dia, tartarugas conseguem superar muitos humanos. Às vezes somos até mais fortes do que um Luxen comum quando se diz respeito à Source — é a mistura dos DNA humano e alienígena que consegue criar algo poderoso, mas isso não é o padrão. — Um sorriso cheio de si esticou os lábios de Luc. — Mas dê

306


a um Luxen uma dessas que eles conseguem refletir a luz de forma completa. Meu coração pulou uma batida. — Quer dizer… tipo ficar invisível? — Demais — Daemon disse, fitando a pedra. — Podemos mudar nossa aparência, mas ficarmos invisíveis? É, essa é nova. Confusa, eu sacudi a cabeça. — Podemos ficar invisíveis? — Não. Nosso DNA humano atrapalha essa possibilidade, mas isso nos torna tão poderosos quanto os Luxen mais fortes e até mais. — Ele se balançou um pouco na cadeira. — Então podem imaginar porque eles

não

querem

que

nenhum

de

nós

tenha

uma

dessas…

especialmente um que não tenha se provado estável, a não ser que… Um bafo frio de ar soprou no meu pescoço. — A não ser o quê? Um pouco do entusiasmo desapareceu do seu rosto. — A não ser que eles não se importassem com o tamanho dos danos que o híbrido poderia causar. Talvez sua amiga fosse uma cobaia para provocar um incidente ainda maior. — O quê? — Daemon ficou tenso. — Acha que eles fizeram isso de propósito? Pegaram uma híbrida instável e a soltaram para ver o que aconteceria? — Paris acha que eu sou um terrorista da conspiração com um traço de paranoia esquizofrênica. — Ele encolheu os ombros. — Mas não podem me dizer que os Daedalus não têm um plano maior debaixo das mangas. Eu não duvidaria de nada que viesse deles. — Mas por que ela viria atrás de mim? Blake disse que eles não sabem que a mutação vingou. Então não é como se a tivessem mandado me pegar. — Eu fiz uma pausa. — E, bem, isso se Blake estiver dizendo a verdade. — Tenho certeza que ele está quanto a mutação. — Luc respondeu. — Se não estivesse, não estaria sentada aqui. Vejam, nem

307


tenho certeza se os Daedalus sabem de tudo que essa pedra é capaz de fazer e como ela nos afeta. Ainda estou aprendendo. — E o que aprendeu? — Daemon perguntou. — Para começo de conversa, antes que eu colocasse as minhas patas asquerosas em uma dessas, não podia identificar outro híbrido nem se um fizesse uma dancinha na minha frente. Soube o momento que você e Blake chegaram

em Martinsburg, Kat. Foi estranho, como

um sopro sobre todo o meu corpo. Sua amiga provavelmente a sentiu. Essa é a probabilidade menos terrível de todas. Daemon exalou forte e desviou os olhos por um momento. — Sabe se ela consegue melhorar as habilidades de um Arum? — Imagino que poderia se eles sorvessem poderes de um Luxen. Abismada, encostei as costas no encosto e depois me lancei para frente. — Acha que a opala pode, tipo, anular os efeitos do ônix? — É possível, mas eu não sei. Não andei abraçando nenhum ônix recentemente. Eu ignorei o tom sarcástico. — Onde podemos conseguir uma opala? Luc riu e eu senti vontade de chutar os pés dele de cima da mesa. — A não ser que tenham uns trinta mil dólares no banco e conheçam alguém que escave opalas, ou queiram pedir alguma aos Daedalus, estão sem sorte. E eu não vou lhes dar a minha. Meus ombros curvaram. Que legal, mais um beco sem saída. Não conseguíamos um segundo de moleza. — De qualquer forma, já é hora de vocês voltarem para a estrada. — Ele inclinou a cabeça para trás, fechando os olhos. — Estou supondo que não vou ouvir mais falar de vocês até que estejam prontos para voltar a Mount Weather? Ah, fomos dispensados. Quando eu levantei, debati entre derrubar Luc e agarrar o seu bracelete. O modo em que seus olhos se abriram uma mínima fração me alertou para que eu abandonasse a ideia.

308


— Tem mais alguma coisa que possa me contar? — Daemon insistiu. — Claro, tem mais uma coisa. — Luc levantou aqueles cílios compridos. — Realmente não deviam confiar em ninguém nesse jogo. Não quando todos tem algo a ganhar ou a perder.

309


Capitulo vinte e nove

A

o longo de várias semanas, as entrevistas dadas pela polícia local e as súplicas chorosas dos pais de Carissa apareceram no noticiário da noite, realizaram-se vigílias com velas e repórteres de todas as partes vieram, atraídos

por mórbida curiosidade. Como pode uma pequena cidade ter tantos jovens que só desapareceram? Inclusive algumas especularam que um assassino em série tinha posto como alvo a tranquila cidade no Oeste da Virginia. Estar na escola, escutando todo mundo falar sobre a Carissa, Simon, e inclusive Adam e Beth, era difícil. Não só para mim, mas também para todos os que sabiam a verdade. Esses jovens não desapareceram. Adam e Carissa estavam mortos e provavelmente Simon, também. Beth estava retida contra sua vontade em um centro do governo. Um ambiente escuro e sombrio se estabeleceu, arrastando para dentro cada parte de nós e não havia agitação. É óbvio, desconfiança floresceu junto com a grama da primavera e os pequenos brotos na escola, já que só um dos garotos tinha reaparecido e esse tinha sido Dawson. Mas seu reaparecimento destacou o desaparecimento de outros. Havia murmúrios nos corredores e longos olhares passavam entre os estudantes cada vez que Dawson ou Daemon estavam perto. Possivelmente porque muito poucos podiam distingui-lo, mas ambos os irmãos agiam como se não os ouvissem. Ou possivelmente simplesmente não os importava. Inclusive Lesa tinha mudado. Perder uma amiga faria isso, como a incapacidade de encontrar alguma conclusão. Nunca houve uma razão do porquê Carissa tinha desaparecido, ao menos não para Lesa. Ela, assim como muitos outros, passaria toda a vida perguntando-se

310


por que e como aconteceu. E não saber criava esta impotência de seguir adiante. Apesar de que as estações do ano estavam mudando e a primavera estava a caminho, Lesa estava perplexa no dia anterior, ao descobrir que sua melhor amiga tinha desaparecido e no dia seguinte. Era a mesma garota em alguns aspectos: momentos aonde dizia algo totalmente inapropriado e ria, e logo quando acreditava que os outros não a estavam olhando, seus olhos se nublavam com receio. Entretanto, Carissa não era o único caso de interesse jornalístico. O doutor William Michaels, aliás o namorado excessivo e habilmente idiota de mamãe, foi informado como desaparecido por sua irmã umas três semanas depois que Carissa caiu fora do radar. Uma frenética

tormenta

desceu

uma

vez

mais.

Mamãe

tinha

sido

questionada e ela... Ela ficou destruída. Especialmente quando ficou sabendo que Wil nunca se registrou em nenhuma conferência no oeste e ninguém viu ou soube nada dele desde que deixou Petersburgo. As autoridades suspeitavam que um crime poderia ter estado envolvido. Outros murmuravam que devia ter algo a ver com o que aconteceu com Carissa e Simon. Um importante doutor simplesmente não deixa de existir. Mas Daemon e eu continuávamos vivos, por isso tudo o que podíamos assumir era que a mutação se manteve e já que tinha conseguido o que queria, estava oculto. No pior dos casos, Daedalus o tinha capturado em alguma parte. Não era um bom presságio para nós se isso acontecesse, mas bom, bem merecido se ele foi preso em uma jaula em alguma parte. Em geral, não estava destroçada pelo fato de que, por agora, Will não era um problema, mas odiava ver mamãe passar por isso de novo. E inclusive odiava mais Will por coloca-la no meio disso. Alcançou todas as etapas do processo de doe: incredulidade, tristeza; esse horrível e persistente sentimento de perda e logo a ira. Não tinha ideia do que fazer por ela. O melhor que podia fazer era passar as noites com ela em seus dias livres, depois de terminar com as coisas do ônix. Manter sua companhia e distraí-la parecia ajudar.

311


Enquanto as semanas passavam e não havia sinal de Carissa ou qualquer outra pessoa que deixou a pequena cidade em cativeiro, aconteceu o inevitável. As pessoas não esqueceram, mas os repórteres se foram e logo outras coisas ocuparam o noticiário da noite. Em meados de abril, todos em sua maior parte voltaram a fazer suas próprias coisas. Tinha perguntado a Daemon uma noite enquanto caminhávamos de volta ao lago, apreciando as cálidas temperaturas, como podia as pessoas esquecerem tão facilmente? Uma sensação amarga se instalou em meu estômago. Isso aconteceria comigo se eu não retornasse do Monte Weather? As pessoas simplesmente superariam isso? Daemon tinha apertado minha mão e dito: — É a condição humana, Kitten. O desconhecido não é algo que faz bem. Preferem afastá-lo, não de tudo, mas só o suficiente para que não escureça cada pensamento e ação. — E isso está bem? — Não estou dizendo que é. — Deteve-se, colocando suas mãos em meus braços— Mas não ter as respostas de algo pode dar medo. As pessoas não podem concentra-se nisso para sempre. Como você não pode se concentrar em por que foi seu pai quem teve que adoecer e morrer.

Essa

é

a

grande

incógnita.

Tem

que

deixar

passar

eventualmente. Olhei-o fixamente, seus traços mais chamativos ressaltaram na luz minguante. — Não posso acreditar que possa soar tão sábio. Daemon tinha rido, passando suas mãos por meus braços. Calafrios prometedores seguiram. — Sou mais que aparências, Kitten. Deveria saber isso. E sabia. Daemon era um apoio absurdo na maioria do tempo. Ainda odiava que estivesse participando do treinamento do ônix, mas não estava pressionando e apreciava isso. Entrei no treinamento com o ônix, que me deixava pouco tempo

312


para outra coisa mais que ir à escola. O ônix nos despojava a energia e depois de cada sessão, todos nos apressávamos a perder os sentidos. E estávamos tão envolvidos em construir nossa tolerância, estando alertas por oficiais e implante que ainda não tínhamos celebrado o Dia de São Valentin, com exceção das flores que comprou para mim e o cartão que tinha dado a ele. Tínhamos a intenção de compensar isso, para fazer a coisa do jantar, mas o tempo nos escapava ou alguém se interpunha entre nós. Ou Dawson estava impaciente por salvar Beth e estava por um triz de invadir o Monte Weather, Dee querendo assassinar alguém ou Blake exigindo que fizéssemos a coisa do ônix todos os dias. Tinha esquecido como era bom quando só era Daemon e eu. Realmente comecei a pensar que suas esporádicas visitas noturnas eram em realidade um produto de minha hiperativa imaginação já que, ao final da noite, estava tão derrotado quanto eu. Cada manhã parecia como um vívido sonho e desde que Daemon nunca mencionou, deixava isso passar enquanto esperava com ânsias por ele. Sonhar com Daemon era melhor que nada do Daemon, supus. Mas no início de maio, os cinco de nós podíamos suportar o ônix por uns cinquenta segundos sem perder o controle de nossas funções musculares. Não parece como bastante tempo para os outros, mas era um progresso para nós. Na metade da prática de hoje, ganhamos uma audiência que incluía Ash e Dee. As duas estavam se convertendo em verdadeiras amigas íntimas ultimamente, enquanto eu estava basicamente sem amigos, com exceção de Lesa em dias bons. Os maus dias eram quando sentia saudades de Carissa e ninguém podia substituir essa amizade perdida. Observando

Ash

balançando-se

em

seus

ridículos

saltos,

perguntava-me como Ash e Dee estavam inclusive se dando bem. Além de sua obsessão pela moda, tinham pouco em comum. Então, dei-me conte do que provavelmente as tinha unido: sua dor. E aqui estava eu, as invejando. Podia ser tão tola.

313


Matthew estava no processo de levantar do chão enquanto Ash cambaleava para o ônix, franzindo o cenho. — Não pode ser tão ruim. Tenho que tentar. Contive um louco sorriso. Não ia pará-la. — Uh, Ash, realmente não recomendaria fazer isso. — Começou Daemon. Desmancha-prazeres,

pensei,

mas

Ash

era

uma

pequena

alienígena decidida. Assim que me sentei, estirei as pernas e esperei que o show começasse. Não tive que esperar muito. Inclinando-se com graça, pegou uma das joias brilhantes de cor vermelha escuro enquanto eu continha o fôlego. Nem sequer um segundo depois, gritou, soltou o ônix como se fosse uma serpente e cambaleou para trás, caindo sobre seu traseiro. — Sim, nada mal absolutamente. — Comentou secamente Dawson. Os olhos do Ash estavam muito abertos, sua boca engolindo saliva como um peixe. — O que... o que foi isso? —Ônix —respondi, me recostando sobre minhas costas. Brilhante céu azul e toques de sol esquentavam o ar. Já tinha tido três rondas com isso hoje. Não podia sentir meus dedos. — É uma merda. — Senti... senti como se minha pele estivesse se rasgando. — disse. O choque endureceu sua voz. — Por que ficaram passando por isso durante meses? Dawson limpou sua garganta. — Sabe por quê, Ash. — Mas ela é... Oh, não. —É o que? — Dawson ficou de pé— É minha namorada. — Não quis dizer nada. — Ash olhou ao redor por ajuda, mas estava sozinha nisto. Ficando de pé com cuidado, deu um passo

314


vacilante para Dawson— Sinto muito. É só que... isso dói. Dawson não disse nada enquanto passava junto a Daemon, desaparecendo nos matagais. Os olhos de Daemon se encontraram com os meus, logo suspirou e se afastou andando atrás de seu irmão. — Ash, precisa aprender um pouco mais de sensibilidade. — disse Matthew, sacudindo a sujeira de sua calça. Seu rosto se abateu e logo decaiu. — Sinto muito. Não quis dizer nada com isso. Não podia acreditar. Era estranho ver Ash mostrar alguma outra emoção que não fosse ser uma cadela. Dee foi a seu lado e as duas partiram, Matthew as seguiu, parecendo como se precisasse de umas férias ou uma garrafa de uísque. O que me deixou sozinha com Blake. Grunhindo, fechei os olhos e voltei a me recostar. Sentia meu corpo pesado, como se pudesse afundar-se no chão. Em algumas semanas, brotariam flores em mim. — Sente-se bem? — Perguntou Blake. Várias respostas sarcásticas se alinharam em minha língua como soldadinhos, mas a única coisa que disse foi: — Só estou cansada. Houve uma longa pausa e logo ouvi seus passos aproximando-se. Blake se sentou junto a mim. — O ônix é mortífero, verdade? Nunca tinha pensado nisso, mas quando fui instalado no Daedalus pela primeira vez, sempre estava cansado. Não soube o que dizer, assim mantive silêncio e por um momento, ele também. Blake provavelmente era a pessoa mais difícil para ter ao redor. Porque no fundo, não era uma horrível pessoa, talvez nem sequer um monstro. Era uma pessoa desesperada e o desespero podia fazer que as pessoas fizesse coisas loucas. Carregava sentimentos continuamente em conflito. Durante o último par de meses, tinha crescido, como outros, para tolerá-lo, mas

315


não confiava nele porque recordava as palavras de despedida de Luc — Realmente não deve confiar em uma alma neste jogo. Não quando todos têm algo a ganhar ou perder. Não podia deixar de me perguntar se tinha se referido a Blake. Não queria ir devagar com ele pelo que fez a Adam e não queria machucá-lo, mas fazia isso às vezes. Era um produto de seu ambiente. Não era nenhum tipo de justificativa, mas Blake não fez tudo por si mesmo. Houve vários fatores. O mais estranho de tudo foi no almoço, vendo-o sentar-se na mesma mesa com os irmãos do garoto que ele matou. Honestamente, não acredito que alguém saiba como lidar com Blake. Finalmente, disse: — Sei o que está pensando. — Pensei que não podia ler as mentes de outros híbridos. Riu. — Não posso, mas é óbvio. Sente-se incômoda estando aqui contigo, mas está muito cansada e é muito amável para levantar-se. Blake tinha razão em tudo. — E, entretanto, ainda está aqui. — Sim, sobre isso... Não acredito que dormir aqui fora seja o mais seguro para fazer. Além dos ursos e dos coiotes, o DOD ou Daedalus sempre podem vir por aqui. Abri os olhos, suspirando. — E o que seria suspeito sobre eu estando aqui? — Bom, além de que é um pouco cedo em Maio e tarde no dia para tomar sol... Sabem que continuo falando com você. Mantendo as aparências e tudo. Inclinei minha cabeça para ele. Cada um dos Luxen oegavam turnos para explorar a área enquanto praticávamos, assegurando-se de que ninguém estivesse olhando. Parecia estranho que Blake estivesse preocupado por isso. — Certo — disse. Dobrou seus joelhos, apoiando os braços sobre eles enquanto

316


olhava para o pacífico lago. Houve outro silêncio e logo: — Sei que Daemon e você foram ver Luc em fevereiro. Abri a boca, mas logo balancei a cabeça. Estava segura como o inferno que não precisava lhe explicar por que. Blake suspirou. — Sei que não confiam nem confiarão em mim, mas poderia tê-los economizado uma viagem. Sabia o que a opala negra faz. Vi o Lucas obter coisas muito loucas por causa disso. A irritação se acendeu. — E não pensou em nos dizer sobre isso? — Não pensei que seria um problema. — disse — Esse tipo de opala é quase malditamente impossível de conseguir e quão último esperava era o Daedalus equipando híbridos com ele. Diabos, nem sequer tinha pensado nisso. Aqui estava eu, na mesma posição com Blake como de costume: acredite ou não. Cruzei minhas pernas pelos tornozelos e observei uma espessa e suave nuvem no céu. — Está bem — disse, porque honestamente, não havia forma de provar se estava mentindo ou não. Aposto que se o conectássemos a um detector de mentiras, os resultados seriam inconclusivos. Blake parecia surpreso. — Desejaria que as coisas fossem diferentes, Katy. Soltei um resmungo. — Eu também, e provavelmente uma centena de pessoas. — Sei. — Cavou através do chão, procurando uma pedra. Girou-a em sua mão lentamente. — Estive pensando ultimamente sobre o que vou fazer quando tudo isto terminar. Há uma boa probabilidade de que Chris... não vai estar bem, sabe? Temos que ir a algum lugar e desaparecer, mas e se não poder se misturar? Se for... diferente? Não está bem, como Beth esteve quando a tinha visto. — Disse que gosta da praia. Você também. Aí é aonde deveriam ir. — Soa como um plano. — Olhou-me — O que farão vocês com a Beth?

317


Diabos, o que farão depois de recuperá-la? Daedalus estará procurando-a. — Sei. — Suspirei, desejando me afundar no chão. — Vamos ter que escondê-la, suponho. Ver como é. Cruzaremos essa ponte quando chegarmos lá, esse tipo de coisas, mas quando todos estivermos juntos, nos ocorrerá algo. — Sim... — Deteve-se, seus lábios apertados. Balançando seu braço para um lado, jogou a pedra no lago. Saltou três vezes antes de afundar-se. Logo, ficou de pé. — Vou te deixar sozinha, mas estarei perto. Antes que pudesse responder, levantou-se e partiu caminhando. Franzindo o cenho, arqueei as costas para poder vê-lo. Os bancos de areia ao redor do lago estavam vazios, com exceção de alguns toldos saltando no chão perto de uma árvore. Essa sim que foi uma estranha conversa. Me recostando de novo, fechei os olhos e obriguei a minha mente a ficar por fora. No momento em que estive sozinha e havia silêncio, mil coisas vieram de todas as direções dentro de mim. Cair adormecida era difícil, por isso tinha o costume de descrever a praia na Flórida a qual papai gostava de ir. Criando a imagem das ondas turquesas espessas rompendo contra a costa enquanto cresciam e se afastavam, mantive essa cena. Nada mais que essa imagem penetrou nas curvas de meus pensamentos. Não estive pensando realmente em ficar adormecida aqui, mas tão esgotada como estava, dormi bastante rápido. Não estou segura do que me despertou, mas enquanto meus olhos piscavam para abrir-se, encontrei a mim mesma olhando a um par de brilhantes olhos verdes. Sorri. — Olá. — Murmurei. Um lado de seus lábios cheios se elevou. — Olá, bela adormecida. Por cima de seu ombro, o céu se aprofundou a um azul escuro. — Beijou-me para despertar? — Sim. — Daemon estava apoiado sobre seu flanco, usando o

318


braço para apoiar sua cabeça. Pôs sua mão sobre meu estômago e meu peito revoou em resposta —Já falei antes, meus lábios têm poderes místicos. Meus ombros se moveram em uma risada silenciosa. — Quanto tempo está aqui? — Não muito. — Seus olhos procuraram os meus. — Encontrei Blake de mau humor pelo bosque. Não queria partir enquanto você estivesse aqui. Rodei meus olhos. — Por muito que me incomode, me alegro de que não fez isso. — Nossa. Os porcos estão voando. — Quando entrecerrou os olhos, levantei minha mão, passando meus dedos através das suaves ondas que caíam sobre sua testa. Seus olhos se fecharam e contive o fôlego. — Como está Dawson? — Calmo. Como está Kitten? — Sonolenta. — E? Lentamente, arrastei meus dedos pelo lado de seu rosto, ao longo de sua ampla bochecha e por debaixo da dura linha de sua mandíbula. Girou-se em minha palma, pressionando seus lábios nela. — Feliz de que esteja aqui. Seus dedos fizeram um rápido trabalho na leve jaqueta que estava usando, separando as lapelas da roupa. Seus dedos acariciaram a parte superior da regata que eu vestia por baixo. — E? — E me alegra que não fui comida por um urso ou um coiote. Arqueou uma sobrancelha. — O que? Sorri. — Aparentemente, são um problema por aqui. Daemon sacudiu sua cabeça. — Voltemos a falar sobre mim. Em lugar de falar, mostrei. Como Daemon dizia, era a amante dos

319


livros em mim. Mostrar a ele era muito melhor que dizer. Toquei suavemente seu lábio inferior com meus dedos e logo movi minha mão para seu peito. Levantei minha cabeça e me encontrou a meio caminho. O beijo começou vacilante e tranquilo. Suaves beijos criaram um desejo que estava se fazendo muito familiar. A sensação de seus lábios contra os meus, o saber o que queria, despertou algo profundo dentro de nós e nossos corações se elevaram juntos, batendo forte e rápido. Rendi-me nesse beijo, afoguei-me nele, converti-me nele. A crescente onda de sentimentos era difícil de processar. Era emocionante e aterrador ao mesmo tempo. Estava preparada, estive preparada e, entretanto, sabia que estava assustada, porque como Daemon havia dito antes: Os humanos têm medo do desconhecido. E Daemon e eu estivemos rondando a beira do desconhecido por um tempo. Pressionou para baixo até que estive sobre minhas costas, e ele estava em cima de mim, seu peso perfeito e louco. Sua mão se deslizou para cima, juntando o tecido, seus dedos roçando ao passar. O contato era muito e insuficiente. Meu peito subia e descia rapidamente à medida que sua perna se movia sobre a minha, entre as minhas. Quando

se

afastou,

ofeguei

por

ar,

pelo

controle

que

estava

rapidamente perdendo. — Preciso parar. — Disse bruscamente, fechando seus olhos com força, suas pestanas tocando as pontas de suas bochechas. — Tipo, justo agora. Enrosquei meus dedos entre os cachos de sua nuca, esperando que não se desse conta do muito que tremia minha mão. — Sim, devemos. Assentiu, mas então baixou sua cabeça e me beijou de novo. Era bom ver que tinha a mesma quantidade de força de vontade que eu, que era nada de nada. Minhas mãos se deslizaram por suas costas, indagando dentro da camisa que vestia, encontrando seu caminho debaixo dela, estendendo-se através de sua pele cálida. Envolvi minha perna ao redor da dele. Estávamos perto, tão perto que inclusive se nossos corações não tivessem batendo ao mesmo tempo antes não teria

320


importado, porque se encontraram e uniram agora. Nossas respirações vinham rápidas. Isto era uma loucura. Perfeito. Sua mão se deslizou por debaixo de minha camisa, movendo-se mais e mais acima, e cada parte de mim queria pressionar o botão “Parar” do mundo e depois fazer clique no de repetição para que pudesse me sentir assim uma e outra vez. Daemon ficou rígido. — Oh, querido Deus e bebê Jesus no presépio, meus olhos! — gritou Dee— Meus olhos! Meus próprios olhos se abriram de repente. Daemon levantou a cabeça, seus olhos luminosos. Então, percebi que minhas mãos continuavam em sua camisa. Tirei-as de um puxão. — Oh Deus meu. — disse em voz baixa, mortificada. Daemon disse algo que queimou minhas orelhas. — Dee, não viu nada. — E logo, muito mais baixo acrescentou. — Porque tem uma sincronização impecável. — Estava sobre... ela e suas bocas estavam fazendo isto. — Só podia imaginar seus gestos com a mão nesse momento. Continuou—: E isso é mais do que o que quero ver. Tipo, nunca. Empurrei o peito de Daemon e rodei. Sentei-me e me girei, mantendo a cabeça baixa, assim meu cabelo podia ocultar minhas bochechas ruborizadas. Vi Dee e apesar de que poderia pensar que nos apanhou completamente nus no ato, em vez de sair estava sorrindo. — O que quer, Dee? — Disse Daemon. Suspirou, pressionando suas mãos sobre seus quadris. — Bom, não quero nada de você. Queria falar com a Katy. Minha cabeça se elevou, a vergonha condenada. — Sim? — Ash e eu íamos a esta pequena loja nova em Moorefield no sábado pela tarde. Vendem vestidos vintage. Para o baile. Acrescentou enquanto continuava olhando-a fixamente. — Baile? — Não entendia.

321


— Sim, o baile no final do mês. — Olhou para seu irmão, suas bochechas tornando-se rosas. — A maioria dos vestidos acabarão. E não sei se o lugar tem algo, mas Ash ouviu sobre ele e já sabe como é com a roupa, por isso já está sabendo. Faz alguns dias, encontrou este lindo suéter curto que... — Dee — Disse Daemon, um pequeno sorriso curvando seus lábios. — O que? Não estou falando com você. — Olhou-me, exasperada. — De todos os modos, você gostaria de vir conosco? Ou já conseguiu um vestido? Porque se já tem um vestido, então suponho que a viagem não tem sentido, mas ainda poderia... — Não. Não consegui um vestido. — Não podia acreditar que estava me pedindo que fizesse algo com ela. Estava aturdida, cheia de esperanças e um pouco mais surpreendida. — Bem! — Sorriu— Então podemos ir no sábado. Pensei em perguntar a Lesa se queria ir... Tinha que estar sonhando. Também queria perguntar a Lesa? O que perdi? Olhei para Daemon enquanto sua irmã tagarelava e ele sorriu. — Espera. — disse. — Não tinha pensando no baile de graduação. — O que? — A boca desse Dee abriu— É o baile de graduação. — Sei, mas com tudo o que acontece... Não pensei realmente nele. — Mentira, porque não podia dar um passo em qualquer lugar na escola e não ver os folhetos e pôsteres sobre isso. A expressão incrédula de Dee cresceu. —É o baile de graduação. — Mas... —Recolhi meu cabelo para trás e olhei ao Daemon. — Nem sequer me convidou para ir. Sorriu. — Não pensei que precisava perguntar. Assumi que iríamos. — Bom, já sabe o que dizem sobre as pessoas que assumem. — disse Dee, balançando-se sobre as pontas de seus pés. Ignorou-a, seu sorriso desvanecendo-se.

322


— O que, Kitten? Pisquei. — Como podemos ir ao baile com tudo o que acontece? Estamos tão perto de ter a tolerância suficiente para voltar para Mount Weather e... — E o baile é no sábado — Disse, tirando minha mão de meu cabelo. — Assim, digamos que em duas semanas quando estivermos preparados para ir, será domingo. Dee caminhou para frente, coxeando de um pé ao outro como se seus pés estivessem brincando de batata quente. — E só são algumas horas. Podem parar a automutilação durante umas horas. O problema não era o tempo nem sequer o ônix. Não parecia bem ir ao baile depois de tudo, depois de Carissa... Daemon deslizou seu braço ao meu redor enquanto se inclinava, sua voz baixa enquanto falava. — Não é errado, Kat. Merece isto. Fechei os olhos. — Por que temos que celebrar quando ela não pode? Apoiou sua bochecha contra a minha. — Ainda estamos aqui e merecemos estar, para fazer coisas normais de vez em quando. Podemos? — Não é sua culpa. — Sussurrou e logo beijou minha têmpora. Inclinou-se para trás, seus olhos procurando os meus. — Quer ir ao baile comigo, Kat? Dee se moveu um pouco mais. —Realmente deveria dizer sim, assim podemos ir comprar vestidos e assim não terei que ser testemunha de um momento realmente incômodo de você rejeitando meu irmão. Apesar de que ele merece ser derrubado por um pino ou dois. Ri, olhando-a. Dee me deu um sorriso vacilante, e essa esperança foi uma recuperação.

323


— Tudo bem. — Tomei uma respiração profunda. — Irei ao baile de graduação, só porque não quero que esta conversa se torne incômoda. Daemon beliscou meu nariz. — Tomarei o que puder enquanto puder conseguir. Uma nuvem passou pelo sol e pareceu deter-se. A temperatura caiu grandemente. Meu sorriso começou a cair enquanto um calafrio se deslizava por minhas costas. Este era um momento feliz, um bom momento. Havia esperança para minha relação com Dee. E um baile era um grande assunto. Daemon em um smoking e tudo seria um espetáculo bastante assombroso. Íamos ser adolescentes normais por uma noite, mas a sombra sobre nós de algum jeito se deslizou dentro de mim. — O que é? — Perguntou Daemon, preocupado. — Nada — disse, mas era algo. Só não sabia o quê.

324


Capitulo trinta

U

ma das primeiras coisas que eu fiz no dia seguinte foi convidar Lesa. Fiquei animadíssima quando ela se alegrou e aceitou o convite. Isso fez com que me sentisse bem melhor quanto a minha decisão de ir. Como se a melhor amiga de Carissa aprovasse e isso

fosse muita coisa. Como eu, ela ficou meio com o pé atrás de fazer compras com Ash, e um vislumbre da sua antiga personalidade apareceu quando ela começou a fazer piada. — Aposto que ela vai comprar algo altamente colado e curto e fazer com que o resto de nós se sinta menos atraente que um Oompa Loompa. — Ela suspirou como se lamentasse. — Ela provavelmente vai entrar numa loja de vestidos e desfilar nua na frente dos espelhos. Eu ri. — Sem dúvida, mas fiquei feliz por Dee nos convidar. — Eu também. — ela disse com seriedade. — Sinto falta dela, especialmente depois… É, só sinto falta dela. Meu sorriso foi meio hesitante. Sempre que Carissa aparecia numa conversa, eu nunca sabia o que fazer. Com sorte, por hoje, fomos interrompidas por Daemon, que decidiu puxar o meu rabo de cavalo como um garoto de seis anos. Ele sentou atrás de mim e cutucou as minhas costas com sua leal caneta. Eu revirei os olhos para Lesa e me virei. — Você e essa maldita caneta. — Você a adora. — Ele se apoiou na mesa, batendo-a no meu queixo. — De qualquer modo, achei que poderia pegar uma carona com você depois da aula. Aquela coisa que vamos fazer depois foi adiada por

325


uma hora, mais ou menos. E a sua mãe já vai estar em Winchester a essa altura, certo? Uma vibração de empolgação passou pelas minhas veias. Eu sabia onde ele estava indo com aquela conversa. Sem mãe. Uma hora mais ou menos sozinhos sem interrupções... tomara. Não pude conter o meu suspiro sonhador. — Isso seria perfeito. — Foi o que eu achei. — Ele afastou a caneta e sentou direito, me olhando. — Mal posso esperar. Oxigênio esvaiu do meu cérebro enquanto o sangue corria por todo lado. Sentindo-me um pouco estranha, eu assenti e me virei. A expressão de Lesa me disse que ela tinha ouvido a conversa. As sobrancelhas dela se moveram de modo sugestivo, e eu senti meu rosto arder. Oh, meu Deus… Depois de trigonometria, o resto da manhã passou em uma lenta procissão. O cosmos estava contra mim. Como se ele soubesse que eu estava saltitando com energia e excitação. Uma pequena parte minha estava nervosa. Quem não ficaria? Se tivéssemos mesmo um tempo sozinhos, não fôssemos interrompidos e as coisas se encaixassem… E as coisas se encaixassem? Abafei um risinho. Blake levantou os olhos do livro de biologia e franziu o cenho. — O que foi? — Nada. — Eu sorri. — Nada. Ele arqueou uma sobrancelha. — Daemon lhe disse que Matthew tinha um encontro depois da aula com os pais de um aluno? Eu sorri outra vez, ganhando um olhar esquisito dele. — É, ele disse. Blake me fitou por um segundo e então largou a caneta. Sem aviso, ele estendeu o braço e pegou um fiapo do meu cabelo. Eu me afastei no mesmo momento que ele tirou a mão, o que pôs meu nariz no ângulo perfeito para sentir o cheiro do seu pulso.

326


O cheiro limpo e cítrico despertou uma sensação confortável e morna dentro de mim. Como quando você faz algo embaraçoso e está prestes a enfrentar uma humilhação em público. Comichões se espalharam pela minha pele. Uma lembrança estava voltando. Aquele cheiro… eu já senti antes. — Tudo bem? — ele perguntou. Eu inclinei a cabeça para o lado, como se isso aumentasse a minha habilidade olfativa. De onde eu conhecia aquele cheiro? Obviamente o senti em Blake e não lembrava. Sem dúvida um desses perfumes caros, mas era mais que isso. Como quando você escuta a voz de um ator, mas não vê o seu rosto. A resposta estava na ponta da minha língua e eu não conseguia me livrar daquela impressão. Por que aquele cheiro parecia tão dolorosamente familiar? O rosto de Daemon surgiu na minha mente, mas isso não estava certo. Ele tinha cheiro de terra, como as florestas e o vento. E o seu cheiro continuava por muito tempo depois que ia embora, nas minhas roupas, no travesseiro… O travesseiro… Meu coração acelerou e saltou uma batida. Ele afundou e ameaçou atravessar o assento. Choque me inundou, rapidamente seguindo por uma explosão de raiva tão forte que me arremessou para frente. Não podia ficar sentada ali. Não conseguia respirar. Estática estalou debaixo da minha camisa. Os pelos do meu corpo se arrepiaram. Ozônio queimado encheu o ar. Na frente da sala, Matthew ergueu os olhos. Seu olhar foi primeiro para Dawson, porque ei, se alguém estava prestes a estourar, seria ele. Mas Dawson também estava olhando em volta da sala, procurando a fonte da crescente fricção e estática no ar. Estava vindo de mim. Eu ia explodir.

327


Disparando em ação, eu fechei o livro e o enfiei na minha bolsacarteiro. Sem perder tempo, levantei-me com as pernas bambas. Minha pele parecia vibrar. E talvez vibrasse em uma frequência baixa. Violenta energia girava dentro de mim. Só uma vez eu me senti assim e foi quando Blake… Passei por Matthew, incapaz de responder a sua expressão preocupada, e ignorei os olhares curiosos. Saindo correndo da sala, respirei fundo várias vezes para tentar me acalmar. Armários de cor cinza saíram de foco ao meu redor. Conversas pareciam abafadas e soavam muito distantes. Para onde eu estava indo? O que eu ia fazer? Ir atrás de Daemon estava fora de questão, porque no momento, acima de tudo, essa era a última coisa da qual precisava. Segui adiante, meus dedos apertados na alça da bolsa. Eu me sentia… me sentia prestes a ser lançada. Raiva e náusea imperavam. Fui na direção do banheiro feminino no fim do corredor. — Katy! Você está bem? Espere! O chão pareceu afundar sob os meus pés, mas eu continuei andando. Blake me alcançou, pegando meu braço. — Katy... — Não me toque! — Desvencilhei o braço com força, horrorizada… simplesmente horrorizada. — Nunca mais toque em mim. Ele me fitou, raiva endurecendo as linhas do seu rosto. — Qual é o seu problema? Um

pressentimento

terrível

e

sinistro

revirou

as

minhas

entranhas. — Eu sei, Blake. Eu sei. — Sabe do quê? — Ele parecia confuso. — Katy, seus olhos estão começando a brilhar. Você precisa se acalmar. Eu me adiantei, mas me forcei a parar. Estava a um segundo de perder todo o controle. — Você... você é uma aberração.

328


Ele ergueu as sobrancelhas. — Tudo bem, você vai precisar me dar uma explicação melhor do que essa, porque eu não tenho ideia do que eu fiz para lhe provocar. O corredor estava vazio por enquanto, mas aquele não era lugar para se ter aquele tipo de conversa. Eu me virei, indo até a escada. Blake me seguiu e assim que a porta se fechou detrás de nós, eu avancei nele. Não foi o meu punho que o atingiu. Uma explosão de energia, provavelmente como um tiro de Taser, atingiu-o no peito. Blake caiu para trás na porta, a boca aberta e pernas e braços tremendo. — O quê — ele ofegou. — Por que fez isso? Estática estalou debaixo dos meus dedos. Senti vontade de atingilo outra vez. — Você andou dormindo na minha cama. Blake se endireitou, esfregando o peito. A luz fraca que vinha da janela dançava pelo seu rosto. — Katy, eu... — Não minta. Eu sei que dormiu. Senti o cheiro da sua colônia. Está nos meus travesseiros. — Bile encheu a minha garganta e a vontade de estourar me pegou com força. — Como pôde? Como pôde fazer uma coisa tão pervertida e nojenta? Algo brilhou em seus olhos. Mágoa? Raiva? Eu não sabia nem me importava. O que ele fez era tão errado de tantas formas que medidas judiciais normalmente eram a resposta. Blake passou os dedos pelo cabelo. — Não é o que você pensa. — Não é. — Eu ri alto. — Não sei o que mais poderia ser. Você entrou na minha casa e no meu quarto sem ser convidado e… deitou-se na minha cama comigo, seu filho da... — Não é o que você pensa! — Ele praticamente berrou e a Source dentro de mim se ativou ainda mais, respondendo à explosão. Esperei que professores saíssem correndo pela escada, mas isso não aconteceu.

329


— Eu ando de olho em tudo à noite por causa dos Daedalus. Eu vigio a área como Daemon e os outros Luxen. Eu o ridicularizei. — Eles não deitam na minha cama, Blake. Ele me fitou com uma cara de pau tão grande que eu senti vontade de lhe dar um tapa. — Eu sei. Como eu disse, isso… nunca foi a minha intenção. Foi um acidente. Fiquei de boca aberta. — Escorregou e caiu na minha cama? Porque não entendo como pode ter acidentalmente parado lá. Vermelho tingiu o topo de suas bochechas. — Eu vigio a parte de fora, e depois a de dentro só para ter certeza. Híbridos conseguem entrar na sua casa, Katy, como você já sabe. Bem como os Daedalus se quiserem. O que ele teria feito se Daemon estivesse lá? Então eu me toquei e me senti enojada mais uma vez. — Por quanto tempo vigia à noite? Ele encolheu os ombros. — Algumas horas. Então ele saberia se Daemon viesse até ela na maioria das vezes, e nas vezes que vinha e ele não estava era só pura sorte. Parte de mim queria que ele tentasse aparecer com Daemon lá. Ele não andaria direito por meses. Havia uma boa chance que pudesse sair daquela escada mancando. Blake pareceu pressentir o que eu estava pensando. — Depois de eu checar o interior da sua casa, eu… eu não sei o que aconteceu. Você estava tendo pesadelos. Perguntava-me o motivo. Havia pervertidos dormindo na cama comigo.

330


— Eu só queria lhe confortar. Isso é tudo. — Ele se apoiou na parede, debaixo da janela, fechando os olhos. — Acho que peguei no sono. — Isso não foi coisa de uma vez só. Não que só uma vez estaria certo. Entende isso? — Entendo. — Ele abriu um pouco os olhos. — Você vai contar a Daemon? Neguei com a cabeça. Podia cuidar daquilo. E cuidaria. — Ele o mataria sem pensar duas vezes e então acabaríamos nas mãos dos Daedalus. Alívio relaxou o seu corpo. — Katy, me desculpe. Não é tão pervertido quanto... — Não tão pervertido? Está falando sério? Não, não responda. Não me interessa. — Eu me aproximei, minha voz trêmula. — Não me interessa se você só estava preocupado ou cuidando de mim. Não me interessa se a minha casa estiver pegando fogo. Você não vai mais entrar lá. E com toda certeza não vai voltar a dormir na minha cama. Você beijou… — Eu sorvi o ar de maneira abrupta. A sensação asquerosa estava de volta, subindo pela minha garganta. — Não me interessa. Não quero ficar mais perto de você do que preciso ficar. Ok? Quero que fique longe de mim. Nada de vigiar mais nem coisa alguma. Mágoa brilhou nos olhos expressivos dele, e ele parecia querer protestar por um bom momento. — Ok. Eu me voltei para a porta, meu corpo inteiro estremecendo, parei e o encarei. Ele estava sob as janelas opacas, a cabeça baixa. Passou uma mão pelo seu cabelo espetado, apertando a nuca. — Se voltar a fazer o que fez, vou machucar você. — Emoção obstruía a minha garganta. — Não me importa o que possa acontecer. Eu vou te machucar. …

331


Tentar parar de pensar na minha descoberta foi bem difícil. Eu alternava entre querer tomar um banho escaldante e a sentir uma raiva tão potente que consegui senti-la pelo resto do dia. Felizmente eu fui capaz de convencer Matthew que Blake só tinha me provocado por ser Blake, o que era crível e explicava porque ele tinha me seguido. Convenci Lesa que não estava me sentindo bem e que por isso saí correndo da sala, o que ela indicou que impediria os meus planos para a tarde. Esses planos já tinham se estragado. Eu não tinha intenção de discutir o assunto com Daemon. Ele perderia a cabeça de vez e por mais que eu odiasse esse fato, precisávamos de Blake. Chegamos muito longe para acabarmos capturados por eles pelo o que quer que fosse que ele tivesse apontado para as nossas cabeças. Também não estava disposta a arriscar não resgatar a Beth. Sempre que pensava no assunto no passar do dia, minha pele arrepiava. Eu achava que tinha sido Daemon todas aquelas vezes ou até mesmo um sonho, mas devia ter percebido. Nenhuma vez senti o calor que a nossa conexão emitia como sinal de que Daemon estava por perto. Eu deveria saber que Blake era ainda mais louco do que se poderia imaginar. No caminho de casa, eu passei pelos correios. Daemon saiu do carro e entrou comigo. A três passos da porta, ele me segurou pela cintura por trás e me ergueu. Ele me virou tão rápido que as minhas pernas giraram. Uma mulher e o seu filho saíram do prédio, quase sendo atingidos pelas minhas pernas. Ela riu e eu tive certeza que teve a ver com o sorriso que Daemon agora tinha no rosto. Quando ele colocou em pé e me soltou, eu perdi o equilíbrio passando pela porta. Ele riu. — Você parece meio tonta. — Não graças a você.

332


Ele colocou um braço em cima do meu ombro, aparentemente com humor para brincadeiras. Paramos na caixa postal da minha mãe e recolhemos a correspondência. Alguns eram encomendas e o resto uma pilha de propaganda. Daemon tirou os pacotes amarelos das minhas mãos. — Oh! Livros! Você recebeu livros! Eu ri quando várias pessoas na fila olharam por cima dos ombros. — Passe-os para cá. Ele os segurou contra o peito, fazendo cara de sonhador. — Minha vida agora está completa. — Minha vida ficaria completa se eu pudesse postar uma crítica em algo que não fossem os computadores da biblioteca. Eu fazia isso cerca de duas vezes na semana desde que o meu laptop partiu para o imenso céu dos computadores pifados. Daemon sempre ia comigo. Segundo ele, me acompanhava para “provar” os meus textos. Em outras palavras, ele servia como uma enorme distração. Recolhendo o resto da correspondência para mim, ele beijou a minha bochecha. — Não seria legal? Mas acho que você já usou todas as economias destinadas a laptops da sua mãe. — Nenhuma das vezes a culpa foi minha. — Eu escondi o meu notebook recentemente destruído dela. Ela surtaria se ficasse sabendo. — Verdade. — Ele segurou a porta para uma senhorinha e depois me deixou passar. — Mas aposto que você vai dormir todas as noites sonhando e pensando num laptop novinho. Uma brisa morna soprou uma mecha no meu rosto quando eu parei ao lado do carro. — Além de sonhar com você? — Quando não está sonhando comigo. — ele corrigiu, colocando a correspondência no banco de trás. — Qual a primeira coisa que vai fazer se ganhar um novo?

333


Deixando-o pegar as chaves da minha mão, fui para o lado do passageiro e pensei a respeito. — Não sei. Provavelmente daria um abraço nele e prometeria que jamais deixaria que nada de mal lhe acontecesse. Ele riu outra vez, os olhos brilhando. — Ok, fora isso? — Fazer um vlog agradecendos aos deuses dos notebooks por me concederem um. — Suspirei então, porque esse seria o único modo de conseguir um. — Preciso de um emprego. — O que precisa é se candidatar a universidades. — Você ainda não se candidatou. Ele me olhou de lado. — Estou esperando por você. — Colorado. — eu disse, e quando ele assentiu, a expressão horrorizada da minha mãe surgiu em minha mente. — Minha mãe piraria. — Acho que ela ficaria feliz com o fato de você ir para a universidade. Ele tinha certa razão, mas toda essa coisa de universidade parecia fora da realidade a essa altura. Eu não tinha ideia do que a próxima semana nos traria, muito menos alguns meses. Mas eu tinha boas notas e procurei por bolsas cujas inscrições se dariam na próxima primavera. Em Colorado… e eu sabia que Daemon tinha visto o panfleto da universidade. O prospecto de ir embora para uma universidade com Daemon como adolescentes normais era bem atraente. O problema era que me encher de esperanças e não ser capaz de fazer com que isso acontecesse seria bem mais que péssimo. Minha casa estava quieta e um pouco quente. Eu abri uma janela na sala de estar enquanto Daemon foi beber um copo de leite. Quando entrei na cozinha, ele estava passando as costas da mão na boca, o cabelo uma bagunça de ondas e os olhos tão verdes quanto grama na

334


primavera. O movimento fez com que sua camiseta esticasse por cima do bíceps e peitoral. Eu contive um suspiro. Leite fazia um bem à saúde. Seu sorriso foi bem safado. Colocando o copo no balcão, ele se moveu tão rápido que eu não o vi até ele estar bem na minha frente, tocando nas minhas bochechas. Eu amava o fato dele conseguir ser real perto de mim. Costumava pensar que o lance da velocidade louca alienígena na verdade fazia com que ele consumisse mais energia. Mas quando ele me beijou seu gosto era de leite e de algo mais apurado, suave e suculento. Não percebi que ele estava me fazendo andar para trás e que estávamos na base da escada até ele me colocar nos braços sem interromper o beijo. Achei que o negócio com Blake estragaria aquela tarde, mas tinha subestimado o magnetismo de Daemon e os seus beijos. Passei as pernas em volta da sua cintura, apreciando a sensação dos seus músculos sob minhas mãos. Ele não parou, mas começou a subir enquanto me beijava e meu coração acelerou. Virando-se, ele abriu a minha porta devagar com o pé e meu coração começou a saltar, porque estávamos no meu quarto e não havia ninguém para nos interromper. Uma excitação nervosa me envolveu. Daemon ergueu a cabeça. Um sorriso torto apareceu em seus lábios e eu deslizei pelo seu corpo, respirando com dificuldade. Observei em fascínio ele recuar e sentar na beirada da minha cama, os dedos soltando os meus com lentidão, roçando pela minha palma. Senti arrepios subindo pelo meu braço. Então ele olhou para a minha escrivaninha. Meu olhar o seguiu e eu pisquei, pensando que uma miragem havia aparecido em meu quarto, porque não poderia estar vendo aquilo. Em cima da mesa havia um MacBook Air em uma capa vermelhocereja.

335


— Eu… — Eu não sabia o que dizer. Meu cérebro se esvaziou. Estávamos na casa certa? Olhei para o ambiente familiar e decidi que estávamos. Dei um passo em direção à escrivaninha e parei. — Isso é para mim? Um sorriso demorado e belo se formou em seu rosto, enchendo seus olhos. — Bem, está na sua escrivaninha, então… Meu coração falhou uma batida. — Mas eu não entendo. — Veja, existe esse lugar chamado Apple Store e eu fui lá, escolhi um deles. Eles não tinham em estoque. — Ele fez uma pausa para garantir que eu estava prestando atenção, e tudo que eu consegui fazer foi encarar. — Então eu encomendei um. Junto com ele, comprei uma capa. Tomei mesmo algumas liberdades, já que prefiro vermelho. — Mas por quê? Ele riu baixo. — Meu, eu queria que você visse a sua cara. Coloquei as mãos nas bochechas. — Por quê? — Você não tinha um e eu sei o quanto essa coisa do blog significa para você. Usar o computador da escola não está ajudando. — Ele encolheu os ombros. — E não queremos mesmo trocar presentes no dia dos namorados. Então… aqui estamos. Eu percebi então que ele passou o dia todo planejando aquilo. — Quando o colocou aqui? — Hoje de manhã, depois que você foi para a aula. Eu respirei fundo. Estava a uns cinco segundos da histeria. — E comprou isso para mim? Um MacBook Air? Essas coisas custam muito dinheiro. — Agradeça aos contribuintes. O dinheiro deles financia o Departamento de Defesa que depois passa o dinheiro para nós. — Ele

336


riu da minha expressão. — E eu economizo. Tenho uma pequena fortuna guardada. — Daemon, é demais. — É seu. Meu olhar voltou ao Mac como se ele fosse o meu objetivo pessoal. Quantas vezes eu soletrei notebook sonhando com um MacBook? Eu quis rir e chorar ao mesmo tempo. — Não posso acreditar que fez isso. Ele encolheu os ombros novamente. — Você merece. Algo em meu interior se rompeu. Eu derrubei Daemon e ele riu, passando os braços em volta da minha cintura. — Obrigada. Obrigada — eu disse várias vezes, dando beijos em todo lugar do seu rosto. Ele inclinou a cabeça para trás no edredom, rindo. — Uau. Você é bem forte quando está animada. Eu me sentei, sorrindo para ele. O rosto dele borrou um pouco. — Não dá para acreditar que você fez isso. Sua expressão ficou toda convencida. — Você não tinha a menor ideia, tinha? — Não, mas é por isso que você ficou falando sobre o blog. — Eu bati no seu peito de maneira brincalhona. — Você é… Ele colocou as mãos debaixo da cabeça. — Sou o quê? — Incrível. — Eu me inclinei, dando um beijo nele. — Você é incrível. — É isso que venho dizendo há anos. Eu ri contra a sua boca. — Não, sério, não devia ter comprado. — Eu quis comprar. Eu não sabia o que dizer, a não ser gritar com toda a força dos meus pulmões. Ganhar um MacBook era como Natal e Halloween juntos.

337


Ele baixou as pálpebras. — Tudo bem. Eu sei o que você quer fazer. Vá brincar. — Tem certeza? — Meus dedos coçavam para explorar a máquina. — Sim. Gritando, eu o beijei outra vez e rolei da cama, atrás do notebook. Carregando o aparelho super leve até a cama, sentei ao lado de Daemon e o coloquei no colo. Na hora seguinte, eu me familiarizei com os programas e passei por várias fases de me sentir extraordinariamente top e brilhante por ter um MacBook Air. Daemon se inclinou por cima do meu ombro, apontando certas funções. — Aqui é a webcam. Eu gritei e sorri quando os nossos rostos apareceram na tela. — Deveria fazer o seu primeiro vlog agora. — ele disse. Frívola, eu cliquei em gravar e gritei: — Eu tenho um MacBook Air! Daemon riu ao enterrar a cabeça no meu cabelo. — Sua tonta. Cliquei no stop e notei a hora. Desligando o notebook, eu o coloquei ao nosso lado e joguei os braços em volta dele mais uma vez. — Obrigada. Ele me abraçou e levantou a mão, colocando o meu cabelo detrás da orelha. A mão dele permaneceu onde estava. — Eu gosto quando você está feliz, e se puder fazer algo pequeno, é isso que farei. — Algo pequeno? — Choque elevou o meu tom. — Isso não é nada pequeno. Ele deve ter custado... — Não importa. Você está feliz. Eu fico feliz. Meu peito inflou. — Amo você. Sabe disso, certo? Um sorriso convencido apareceu. — Sei.

338


Eu esperei. Nada. Revirando os olhos, eu sentei do outro lado e tirei o sapato. Olhando pela janela do quarto, não vi nada além de um céu bonito. Estava ótimo para usar chinelo. Chinelo! — Nunca vai dizer, vai? — Dizer o quê? — A cama se mexeu quando ele se levantou, colocando as mãos no meu quadril. Olhei por cima do ombro. Cílios volumosos velavam os seus olhos. — Você sabe o quê. — Hum? — Ele deslizou as mãos pelas laterais do meu corpo, distraindo-me como sempre. Outras garotas podiam se incomodar por seus namorados nunca dizerem a palavrinha de quatro letras. Com qualquer outro garoto isso também poderia me incomodar, para ser sincera, mas com Daemon, bem, essas palavras nunca seriam fáceis para ele dizer, mesmo que ele não tivesse problema algum em demonstrá-las. E por mim tudo bem. Mas isso não queria dizer que eu deixar de provocá-lo. Ele depositou um beijo na minha bochecha e saiu da cama. — Fico feliz que tenha gostado. — Eu amei. Daemon ergueu uma sobrancelha. — Sério, amei mesmo. Não posso agradecer o suficiente. Agora ele mexeu aquela sobrancelha. — Tenho certeza que pode. Eu me levantei e o empurrei de leve enquanto procurava o meu chinelo pelo chão. Não tinha procurado por nada desde que Carissa caiu ali. Ainda estava encontrando coisas que eles arrumaram em lugares estranhos. Abaixando-me, levantei a ponta do meu edredom de bolinhas e espiei a terra sem dono debaixo da minha cama. Várias folhas de caderno espalhadas pelo chão. Meias enroladas por todo lugar. Um tênis estava perto, ao lado de umas duas revistas. O outro do par não estava em lugar algum e parecia ter fugido com metade das meias, já que nenhuma delas parecia combinar.

339


O chinelo estava quase no meio. Eu me estiquei, encostando no chão. — O que está fazendo? — Daemon perguntou. — Tentando pegar o meu chinelo. — É tão difícil assim mesmo? Ignorando-o, eu me concentrei no calçado e os incitei a se aproximarem de mim. Um segundo depois, um tocou na minha mão e quando o segundo veio, algo quente e macio bateu na minha palma. — Mas que…? Jogando o chinelo de lado, eu tateei até minha mão tocar o objeto. Saí de debaixo da cama e me sentei, abrindo a palma da mão. — Oh meu Deus. — eu disse. — O que foi? — Daemon se ajoelhou ao meu lado e sorveu o ar bruscamente. — Isso é o que eu acho que é? Descansando na minha palma havia uma pedra brilhante e negra com vermelho manchando o centro, como uma chama vermelha e vibrante. Devia ser a de Carissa e embora a parte do bracelete não tivesse atada e com certeza foi destruída junto com o corpo, a pedra sobreviveu. Eu estava segurando um pedaço de opala.

340


O

Capitulo trinta e um lhamos um para o outro como dois estúpidos, e logo entramos em ação. Pegando a pedra que era um pouco maior que uma moeda, descemos as escadas. Nossos corações recuperando-se a seu ritmo.

Entreguei-lhe a pedra. — Tenta algo, como essa coisa de reflexão. Daemon, que provavelmente esteve procurando uma peça de opala desde que soube do que podia fazer, não se negou. Envolveu sua mão a seu redor, a concentração apertando a linha de sua boca. Ao princípio não aconteceu nada, e então um frágil resplendor rodeou o contorno de seu corpo. Como quando Dee se emocionou e seu braço cintilou e se desvaneceu, mas então o brilho se estendeu por todo seu corpo e ele desapareceu. Desapareceu por completo. — Daemon? — Uma suave risada veio da proximidade do sofá. Entrecerrei os olhos. — Não posso vê-lo. — Absolutamente? Neguei com a cabeça. Estranho. Ele estava aqui, mas não podia vê-lo. Recuando, obriguei-me a me concentrar no sofá. Então percebi a diferença. Em frente da almofada do meio e detrás da mesa de café, o espaço era distorcido. Mais ou menos ondulado, como ver água através de um copo, e soube que tinha que estar de pé ali, misturando-se como um camaleão. — Oh, por Deus, é completamente como Predador. Houve uma pausa e então: — Isto é tão genial. — Momentos depois reapareceu, sorrindo como uma criança que acaba de receber seu primeiro videogame. —

341


Deus, completamente vou me esgueirar em seu banho como o homem invisível. Revirei os olhos — Me entregue a opala. Rindo, entregou-a. A pedra estava na temperatura corporal, o qual pensei ser estranho. — Quer escutar algo mais louco que eu sendo completamente invisível? Levou quase nenhuma energia embora. Sinto-me bem. — Certo. — Devolveu a ele a pedra— Temos que testar isto. Pegando a pedra, Daemon e eu nos dirigimos ao lago. Tínhamos uns quinze minutos antes que alguém mais aparecesse. — Tente. — Disse Daemon. Segurando a opala em minha mão, não estava segura do que tentar. O mais difícil e o que tomava mais força era usar a Source como arma. Assim decidi ir com isso. Concentrei-me no ataque que senti e esta vez se sentiu diferente… potente e consumidora. Aproveitá-la se tornou mais rápido, mais fácil, e em segundos, uma bola de luz brancoavermelhada apareceu por cima de minha mão livre. —Genial — disse sorrindo. — Isso é… diferente. Daemon assentiu. — Sente-se cansada ou algo? — Não. — E isto normalmente me esgotava com uma rapidez bastante incrível, assim que a opala realmente teve um impacto. Então tive uma ideia. Deixando que a Source se desvanecesse, procurei na terra e encontrei um pequeno graveto. Levando-o à beira do lago, apertei a opala em uma mão. — Nunca pude fazer a coisa de esquentar-até-o-fogo. Queimei os dedos bastante mal a última vez que tentei. — Deveria estar tentando agora, então? Ah, bom ponto. — Mas está aqui para me curar.

342


Daemon franziu o cenho. — A pior lógica do mundo, Kitten. Sorri enquanto me concentrava no graveto. A Source se acendeu novamente, viajando ao longo do

graveto, entortando o galho,

envolvendo-o inteiro. Um segundo depois, o pau caiu em uma réplica de cinzas, e quando a luz branco-avermelhada recuou, o graveto se desfez. — Uh. — disse. — Isso não era fogo, mas esteve perto para caramba. Nunca tinha feito algo assim antes. Tinha que ser a opala melhorando a genialidade extraterrestre, porque acabava de converter um pau em Pompeia. — Deixe-me tê-la — Disse Daemon— Quero ver se tem algum efeito no ônix. Entregando a ele, segui-o à pilha de ônix, limpando a cinza de meus dedos. Segurando a opala em uma mão, descobriu as pedras e, apertando a mandíbula, pegou uma. Não aconteceu nada. Todos nós havíamos desenvolvido uma tolerância às rochas, mas geralmente havia um ofego ou uma careta de dor. — O que está acontecendo? — Perguntei. Daemon levantou o queixo. — Nada… não sinto nada. — Me deixe tentar. — Trocamos e ele tinha razão. A picada do ônix não estava ali. Olhamos um ao outro — Santa merda. Passos e vozes chegaram à clareira. Daemon limpou a opala, deslizando-a em seu bolso. — Não acredito que devamos deixar que Blake veja isto. — Sem dúvida. — estive de acordo. Nos viramos quando Matthew, Dawson e Blake apareceram na margem do bosque. Seria interessante ver se a opala tinha algum efeito no bolso de Daemon ou se tínhamos que estar tocando-a fisicamente. — Falei com o Luc. — anunciou Blake enquanto todos estávamos de pé ao redor do ônix. — Está bem com este domingo, e acredito que

343


estaremos preparados até então. — Acha? — Disse Dawson. Ele assentiu com a cabeça. — Ou vai funcionar ou não. O fracasso não era uma opção. — Então no domingo depois do baile? — Vocês vão ao baile? — Perguntou Blake, franzindo o cenho. — Por que não? — Disse à defensiva. Os olhos de Blake se escureceram. — Só parece como uma coisa estúpida por fazer na noite anterior. Deveríamos passar o sábado treinando. — Ninguém pediu sua opinião. — Disse Daemon, com as mãos curvando-se em punhos. Dawson se aproximou mais do seu irmão. — Uma noite não vai fazer mal a ninguém. — Eu tenho obrigações no baile. — Disse Matthew, parecendo absolutamente aborrecido com a ideia. Superado em número, Blake deixou escapar um resmungo descontente. — Bem. O que seja. Então começamos, e mantive os olhos fixos em Daemon quando chegou sua vez. Quando tocou o ônix, imediatamente estremeceu, mas resistiu. A menos que estivesse fingindo, a opala tinha que estar em contato com a carne. Bom saber. Durante as seguintes horas, fizemos nossas rondas com o ônix. Eu estava começando seriamente a pensar que o controle de meus dedos e músculos nunca seriam o mesmo. Blake manteve a distância de dez pés requerida e não tentou falar comigo. Eu gostava de pensar que minha discussão ir-para-Jesus chegou até ele. Se não… bom, duvido que tivesse sido capaz de me controlar. A medida que nos separamos de noite, fiquei atrás com Daemon. — Não funcionou em seu bolso, verdade? — Não. — Tirou a coisa. — Vou esconder isto em algum lugar.

344


Agora mesmo, não acredito que necessitemos ninguém brigando por ela ou caindo em mãos equivocadas. Estive de acordo. — Acha que estamos preparados para este domingo? — Meu estômago se revolveu pensando nisso, sem importar quanto tempo soubesse que este dia estava chegando. Daemon deslizou a opala de volta em seu bolso e logo me reuniu em seus braços. Cada vez que ele me abraçava, sempre se sentia incrivelmente bem e me perguntava como podia ter negado isso por tanto tempo. — Vamos estar tão preparados como nunca o estaremos. —Roçou sua bochecha ao longo da minha e estremeci, fechando os olhos— E não acredito que possamos manter Dawson fora por muito mais tempo. Assenti e envolvi meus braços a seu redor. Agora ou nunca. Curiosamente,

nesse

momento,

sentia-me

como

se

não

tivéssemos suficiente tempo, apesar de que tínhamos estado praticando por meses. Talvez não era isso. Talvez só sentia que não tínhamos suficiente tempo juntos. .....

No sábado, Lesa e eu subimos na parte traseira do Jetta de Dee. Com

as

janelas

baixadas,

apreciamos

a

temporada

de

temperaturas cálidas. Hoje Dee também parecia diferente. Não era o vestido de verão tão rosado que vestia, ao mesmo tempo com um cardigã negro e sandálias de tirinhas. Seu cabelo estava preso em um rabo de cavalo e seu grosso cabelo caía por suas costas, revelando um rosto perfeitamente simétrico que carregava um sorriso fácil... não com o que estava tão familiarizada e sentia saudades dolorosamente, mas quase. Estava mais leve de alguma forma, seus ombros menos tensos. Agora mesmo, cantarolava uma canção de rock no rádio,

345


acelerando ao redor dos automóveis como um condutor da Nascar. Hoje era um ponto de inflexão. Lesa segurou a parte posterior do assento de Ash, com o rosto pálido. — Uh, Dee, percebeu de que este é uma área restringida, não? Dee sorriu pelo espelho retrovisor. — Acredito que é uma sugestão, não uma regra. — Acredito que é uma regra. — aconselhou Lesa. Ash soltou um resmungo. — Dee pensa que os sinais de ceda o caminho também são uma sugestão. Ri, me perguntando como poderia ter esquecido a terrível condução de Dee. Normalmente

também

estaria

agarrada

a

um

assento

ou

maçaneta, mas hoje não me importava enquanto nos levasse inteiras à loja. E o fez. E só evitamos aniquilar por pouco a uma família de quatro pessoas e um ônibus turístico religioso uma vez. A loja estava no centro, ocupando uma velha casa geminada. Ash franziu seu pequeno nariz atrevido, enquanto seus saltos tocavam o cascalho onde estacionamos. — Sei que parece menos que atraente de fora, mas realmente não está mal. Têm geniais vestidos. Lesa estudou o antigo edifício de tijolo, duvidosa. — Está segura? Pavoneando-se diante dela, Ash lançou um sorriso travesso sobre seu ombro. — Quando se trata de roupa, nunca vou guia-la errado. —Logo franziu o cenho e estendeu a mão, agitando suas unhas pintadas de verde sobre a camisa de Lesa. — Temos que ir às compras algum dia. A boca de Lesa caiu aberta enquanto Ash se girava e se dirigia para a porta traseira que tinha um letreiro de ABERTO em elegante

346


caligrafia. — Vou bater nela. — Disse Lesa em voz baixa — Você só olhe. Vou quebrar esse lindo nariz dela. — Tentaria resistir a esse impulso se fosse você. Ela sorriu. — Acho que eu poderia pegá-la. Ah, não, não poderia. Encontrar vestidos não tomou muito tempo. Ash ficou com um que com muita dificuldade cobria seu traseiro, e eu encontrei um vestido vermelho realmente genial que simplesmente sabia que faria Daemon babar. Depois, nos dirigimos ao Smoke Hole Diner. Sair para comer com Dee e Lesa era muito bom, estar ali era como o proverbial glacê do bolo. Ash? Não estava tão segura a respeito dessa parte. Pedi

um

hambúrguer

enquanto

Ash

e

Dee

ordenaram

virtualmente tudo no menu. Lesa escolheu um sanduíche de queijo grelhado e algo que me pareceu totalmente asqueroso. — Não sei por que bebe café gelado. Simplesmente pode pedir um café normal e deixá-lo esfriar. — Simplesmente não é o mesmo. — respondeu Dee enquanto a garçonete servia nossos refrigerantes. — Diga a elas, Ash. A Luxen loira levantou o olhar com seus cílios ridiculamente longos. — O café gelado é mais sofisticado. Fiz uma careta. — Serei incivilizada com meu café quente. — Por que isso não me surpreende? — Ash arqueou uma sobrancelha e voltou sua atenção a seu novo telefone celular. Mostrando a língua para ela, sufoquei uma risadinha quando Lesa me deu uma cotovelada. — Continuo pensando que deveria ter conseguido as asas transparentes para meu vestido. Dee sorriu.

347


— Eram lindas. Assenti, pensando que Daemon as teria amado. Lesa puxou seus cachos para fora de seu rosto. — Vocês têm sorte de que encontraram vestidos neste curto prazo. Considerando que ela e Chad faziam planos para ir como pessoas normais faz meses, ela tinha conseguido seu vestido de uma loja na Virgínia. Tinha ido mais que tudo pelo caminho. Enquanto a conversa continuava e Dee começava a falar de seu vestido, recostei-me contra a cabine. Tristeza corria através de mim, seguida de lembranças agridoces. Pensei que conhecia Carissa, mas realmente não o fazia. Tinha conhecido um Luxen? Ou tinha sido pega e usada pelo Daedalus? Meses se passaram e não houve respostas; o único aviso era o pedaço de opala que tinha descoberto sob minha cama. Alguns dias não havia sentido nada mais que ira, mas hoje, deixei que se deslizasse de meus ombros com uma respiração profunda. No que Carissa se converteu não podia manchar suas lembranças para sempre. Ash sorriu. — Estou penando que meu vestido será um sucesso. Lesa suspirou. — Não sei por que simplesmente não vai nua. Esse pequeno vestido negro que encontrou é pequeno e nada mais. — Não a tente. — disse Dee, sorrindo enquanto nossa comida era entregue em nossa mesa. — Nua? — Ash arrastou as palavras. — Estes bens não se mostram de forma gratuita. — Surpreendente. — Murmurou Lesa em voz baixa. Foi minha vez de lhe dar uma cotovelada. — Assim, vai ao baile com alguém? — Perguntou Lesa, me ignorando enquanto agitava seu sanduíche de queijo grelhado para Dee. — Ou vai sozinha?

348


Dee deu de ombros. — Não ia, sabe, pelo Adam, mas é meu último ano, assim… queria ir. — Houve uma pausa enquanto empurrava seu frango tenro ao redor de sua cesta. — Vou com o Andrew. Quase me engasgo com meu refresco. Lesa ficou boquiaberta. Ficamos olhando-a. Suas sobrancelhas se levantaram. — O que? — Não está… tipo, saindo com o Andrew, certo? — As bochechas de Lesa avermelharam – as de Lesa! — Digo, se estiver, bem e por que não. Dee riu. — Não. Deus, não. Isso seria muito estranho para os dois. Somos amigos. — Andrew é um cretino. —Lesa disse o que eu estava pensando. Ash soltou um resmungo. — Andrew tem bom gosto. É óbvio que vocês pensariam que é um cretino. — Andrew mudou muito. Estava lá para mim e vice-versa. — E Dee tinha razão. Andrew se acalmou um pouco. Todos tinham mudado. — Simplesmente vamos como amigos. Graças a Deus, porque apesar de que não quero julgar, Dee envolvendo-se com o irmão do Adam seria muito estranho. E logo Ash soltou a bomba de todas as bombas enquanto eu mastigava uma batata frita. — Tenho um encontro. — Disse. Acho que poso ter desenvolvido um problema de audição. — Com quem? Uma delicada sobrancelha se arqueou. — Ninguém que conheça. —É… — Me contive— É de por aqui? Dee mordeu o lábio. —É um calouto de Frostburg. Conheceu-o no shopping de

349


Cumberland faz umas semanas. Mas isso não respondeu à pergunta que queimava por ser feita. Era humano? Dee deve ter lido o que estava morrendo por saber em meus olhos, porque assentiu com a cabeça e sorriu. Quase derrubo meu refresco. Santa estrada, leve-me para casa, porque esta era uma realidade alternativa se Ash ia ao baile com um humano… um vulgar e medíocre velho humano. Ash girou seus olhos azul safira. — Não sei por que vocês estão me olhando como se estivessem no lado equivocado de especial. — Colocou outra batata frita em sua boca— Nunca iria sozinha ao baile. Por exemplo… — Ash — Disse Dee, entrecerrando os olhos. — Fui com Daemon ao baile no ano passado. — Continuou, e meu estômago se retorceu em nós, o qual se fez pior pelo sorriso secreto que adornava seus carnudos lábios. — Essa foi uma noite que nunca esquecerei. Queria bater nela. Tomando uma profunda respiração, forcei um sorriso. —É curioso, porque Daemon não mencionou essa noite. Os olhos de Ash brilharam em advertência. — Não é do tipo que beija e conta, querida. Meu sorriso se tornou frágil. — Isso sei. Recebeu minha mensagem e graças a Deus essa conversa foi abandonada e Dee começou a falar sobre um programa de TV que estava vendo, que de algum jeito provocou outra discussão entre Ash e Lesa sobre quem era o garoto mais ardente do programa. Estou bastante segura de que essas duas discutiriam pela cor do céu. Fiquei do lado de Lesa. No automóvel no caminho de volta, Lesa se virou para mim. — Então, Daemon e você conseguiram um quarto de hotel ou algo?

350


— Uh, não. As pessoas a sério fazem isso? Lesa se inclinou para trás e riu. — Sim. Chad e eu conseguimos um no Fort Hill. No fronte de assento de passageiro, Ash riu baixinho. — E você, o que vai fazer, Ash? — Perguntou Lesa, seus olhos afiados. — Planeja ficar no baile e bater na rainha do baile? Ash riu em seu assento, mas não disse nada. — De todas as formas — Lesa arrastou as palavras — Daemon e você não fizeram nada ainda, não foi? O baile… — Ouça! —gritou Dee, nos surpreendendo— Estou sentada aqui recorda? Não quero escutar sobre isto. — Tampouco eu. — Murmurou Ash. Alheias a elas, Lesa olhou e esperou. De maneira nenhuma ia responder essa pergunta. Se mentia e dizia que sim, marcaria Dee por toda a vida e se dizia a verdade, estava segura de que Ash entraria em uma detalhada sinopse de suas passadas atividades sexuais com ele. Finalmente Lesa deixou para lá, mas isso era tudo pelo que pensava lhe agradecer. Suspirei, olhando pela janela. Não era como se estivéssemos preparados, suponho. Digo, como sabe que está realmente preparado? Não acredito que alguém a sério faça isso. O sexo não era algo que pudesse planejar. Ou acontecia ou não. Conseguir um quarto de hotel com a expectativa de ter sexo? Os hotéis eram tão… desagradáveis. Parte de mim se perguntava se tinha estado vivendo em uma caverna ou algo assim, mas não fiz isso. Na escola, em meio das aulas, tinha escutado a outras garotas falar sobre as coisas que esperavam e planejavam ao logo do baile. Também tinha escutado os garotos falarem. Mas tinha outras coisas em minha mente, supus. E quem era eu para julgar? Faz alguns dias realmente teria acreditado que a razão pela qual Daemon queria vir a minha casa logo depois das aulas era… para transar. Mas diabos, no passo em que íamos, teríamos cinquenta antes de que algo como isso acontecesse.

351


Empurrando todo o assunto fora de minha mente até o momento em que chegamos em casa, disse adeus a Lesa e inclusive ao Ash. Não podia esperar até que visse este humano universitário. Dee e eu ficamos sozinhas. Dirigiu-se à sua casa enquanto eu ficava ali como uma idiota, insegura do que dizer. Mas parou e então se virou. Baixou os cílios enquanto brincava com as pontas de seu cabelo. — Me diverti hoje. Me alegro de que tenha ido. — Eu também. Trocou seu peso. — Daemon vai amar esse vestido. — Você acha? —levantei a bolsa com a roupa. — É vermelho. — Sorriu, dando um passo atrás — Talvez antes do baile podemos nos encontrar e nos aprontar juntas… tipo, como o baile de boas-vindas? — Eu adoraria. — Meu sorriso apareceu tão rápido que aposto que me via um pouco louca. Ela assentiu, e quis correr e abraçá-la, mas não estava segura se ainda estávamos aí. Com um pequeno gesto, virou-se e se dirigiu até seu alpendre. Por um momento, fiquei de pé ali com meu vestido e deixei escapar um suspiro feliz. Isto era um progresso. Talvez as coisas nunca voltariam a ser como eram, mas isto era realmente bom. Entrando, abracei a bolsa de meu vestido e fechei a porta com um chute. Mamãe já se foi ao trabalho, assim subi as escadas com o vestido e o pendurei na porta de meu armário. Perguntei-me o que ia fazer para o jantar. Tirando meu celular, enviei para Daemon um texto rápido. Q stá fazendo? Respondeu uns minutos depois. Com o Andrew & Matthew, jantando. Quer algo? Joguei uma olhada à bolsa, recordando como sedutor era o vestido. Me sentindo travessa, mandei uma mensagem: Você.

352


A resposta foi um relâmpago rápido, e ri. Sério? E então, é óbvio, já sabia. E antes que pudesse responder, meu telefone tocou. Era Daemon. Respondi, sorrindo como uma idiota. — Olá. — Desejaria estar em casa. — disse, e um automóvel tocou a buzina— Posso estar ai em segundos. Descendo as escadas, parei e me apoiei contra a parede. — Não. Raramente tem momentos de garotos. Fica com eles. — Não preciso de momentos de garotos. Preciso de momentos de Kitten. Minha cara avermelhou. — Bom, pode ter momento de Kitten quando vier para casa. Ele grunhiu e logo: — Conseguiu um vestido? — Sim. — Vou gostar dele? Sorri e girei os olhos, quando me dei conta que estava fazendo enrolando meu cabelo. —É vermelho, assim acredito que sim. — Diabos. — alguém gritou seu nome - soava como Andrew - e suspirou— Tudo bem. Vou retornar. Quer que leve algo para você? Andrew, Dawson e eu vamos ao Smoke Hole. Pensei no hambúrguer que acabava de comer. Estaria faminta depois. — Têm filé de frango ou frito? — Sim. — Com molho da casa? — Perguntei a voltar os passos. A risada de Daemon era rouca. — O melhor molho dos arredores. — Perfeito. Quero isso. Prometeu me trazer para casa uma porção de um homem faminto e logo desligou. Primeiro entrei na sala de estar e soltei meu celular na

353


mesa de café. Logo peguei um dos livros que tinha conseguido a semana passada para resenhar e me dirigi à cozinha por algo para beber. Folheando o livro, li a propaganda e tive que ir mais devagar, porque quase me choquei com a parede. Rindo de mim mesma, dei um passo através da porta e olhei para cima. Will estava sentado à mesa da cozinha.

354


O

Capitulo trinta e dois livro escorregou pelos meus dedos dormentes, caindo no chão. A batida ecoou dentro de mim, à minha volta. Ofeguei, mas o ar ficou preso em torno do meu coração que esmagava minhas costelas. Meus olhos tinham que estar me pregando peças. Ele

não podia estar ali. E não podia ter aquela aparência. Aquele era Will… era, mas não era. Havia algo pavorosamente errado com o homem. Will estava sentado apoiado na mesa com as costas para a geladeira. Da última vez que eu o vi, seu cabelo castanho escuro estava cheio e ondulado, com um traço grisalho nas têmporas. Agora, pedaços do seu escalpo brilhavam debaixo de uma fina camada de cabelo amarronzado. Will… Will era um homem bonito, mas aquele homem sentado na minha frente mudou de uma forma dramática. Sua pele estava pálida e as bochechas cavadas. Nenhuma gordura ou músculo, e ele me lembrava dos esqueletos de decoração usados para assustar crianças no Halloween. Algum tipo de inflamação afetava a sua testa, parecendo uma mancha de framboesa. Seus lábios incrivelmente finos como seus braços e ombros. Somente os seus olhos pareciam os mesmos. De um azul pálido, cheios de força e determinação, eles se fixaram nos meus. Algo mais os aguçava. Resolução? Ódio? Eu não tinha certeza, mas o que brilhava forte neles era mais assustador do que se eu estivesse frente a frente com uma multidão de Arum. Will deu uma risada seca que soava dolorosa. — Estou um colírio para os olhos, não estou? Eu não sabia o que fazer ou dizer. Por mais assustador que fosse ele estar aqui, ele não tinha condições de fazer o que fosse comigo. Isso me deu um pouco de confiança.

355


Ele se apoiou na cadeira; o movimento parecia feri-lo. — O que aconteceu com você? — Perguntei. Will me encarou por um bom momento antes de deslizar a mão em cima da mesa. — Você é mais inteligente que isso, Katy. É óbvio. A mutação não vingou. Isso dava para perceber, mas não explicava o fato dele parecer a caveira de Os Contos da Cripta. — Realmente planejava voltar aqui depois de algumas semanas. Sabia que ficaria altamente doente... sabia que precisaria de tempo para controlar. Depois eu voltaria e nós seríamos uma família grande e feliz. Eu arquejei. — De jeito nenhum eu deixaria que isso acontecesse. — Era o que a sua mãe queria. Eu cerrei os punhos. — Pareceu vingar no começo. — Uma tosse sacudiu todo aquele corpo raquítico e eu quase esperei que ele caísse. — Semanas se passaram e as coisas que eu conseguia fazer… — Um sorriso fraco e frágil separou os seus lábios secos. — Mover objetos com um aceno da mão, correr milhas sem suar… me senti melhor do que nunca. Tudo se encaixou como eu tinha planejado, como paguei para que acontecesse. Meu olhar horrorizado passou pelo seu peitoral murcho. — Então o que aconteceu? Seu braço esquerdo estremeceu. — A mutação não vingou, mas isso não quer dizer que não tenha me modificado em um nível celular. Algo que eu quis prevenir acabou sendo… incitado pela mutação. Meu câncer — Ele disse, curvando o lábio. — Meu câncer estava em remissão. As estatísticas de uma recuperação completa eram altas, mas quando a mutação passou, isso… — Ele indicou o próprio corpo. — Isso aconteceu. Pisquei os olhos, perplexa. — Seu câncer voltou?

356


— Com força — ele disse, dando aquela risada fraca e terrível. — Não há nada que possa ser feito. Meu sangue é como uma toxina. Meus órgãos

estão

deixando

de

funcionar

num

ritmo

acelerado.

Aparentemente, toda a teoria que afirma que o câncer pode ser associado ao DNA pode ter certa verdade. Cada palavra que ele dizia parecia exauri-lo e não havia dúvidas de que ele estava a um passo, talvez dois, da morte. Uma pena relutante me inundou. Que azar que tudo o que ele fez para assegurar a própria saúde tenha de fato aproximado a sua morte. Eu sacudi a cabeça. Ironia era mesmo uma droga. — Se não tivesse se metido nessas coisas, teria ficado bem. Seus olhos encontraram os meus. — Quer esfregar isso na minha cara? — Não. — E eu realmente não queria. Na verdade, estava me sentindo mal. —É muito triste, triste mesmo. Ele enrijeceu. — Não quero a sua pena. Ok. Cruzei os braços. — Então o que quer? — Quero me vingar. Ergui as sobrancelhas. — Do quê? Você provocou isso. — Eu fiz tudo certo! — Ele bateu na mesa com os punhos, sacudindo-a e me surpreendendo. Bem, ele estava mais forte do que aparentava. — Fiz tudo certo. Foi ele... Daemon. Ele não fez o que devia ter feito. — Ele curou você como queria. — Sim! Ele me curou! E isso me deu uma mutação temporária. — Outra crise de tosse roubou a sua voz. — Ele… ele não me modificou. O que ele fez… ele se deu o que queria e tempo suficiente para achar que havia escapado sem consequências. Eu o fitei. — Esse negócio de cura e mutação não é uma ciência exata.

357


Você

está

certa.

O

Departamento

de

Defesa

dedicou

organizações inteiras para descobrir como um híbrido exitoso é criado. — Nenhuma novidade. — Mas Daemon é o mais forte. Não há razão para a mutação não ter vingado. — Não há como saber o que teria acontecido. — Não finja que não sabe — ele cuspiu. — Aquele filho da mãe sabia o que estava fazendo. Eu vi nos olhos dele. Só não sabia o significado na época. Desviei os olhos e o encarei. — É preciso haver uma forte verdade por trás da cura para que ela funcione. Qualquer outra coisa não funcionaria… ou ao menos foi isso que aprendi. — Isso é bobagem mística. — É mesmo? — Meu olhar o varreu. É, eu estava sendo malvada, mas ele me trancou em uma jaula, me torturou, e dormiu com a minha mãe para conseguir o que queria. Sentia pena do cara, mas de um modo doentio, ele teve o que merecia. — Com certeza não é o que parece. — Você é tão convencida, Katy. Da última vez que a vi, estava gritando que nem louca. — Ele sorriu outra vez, a cabeça balançando no pescoço. E a minha pena acabou. — O que quer, Will? — Já disse. — Ele se levantou de um jeito desajeitado, cambaleando para a esquerda da mesa. — Quero me vingar. Arqueei uma sobrancelha. — Não sei como vai conseguir isso. Ele colocou a mão no balcão, apoiando-se. — Isso é culpa sua... de Daemon. Eu fiz um trato. Cumpri a minha parte dele. — Dawson não estava onde você disse que estaria.

358


Não. Fiz com que o soltassem do prédio. — Seu sorriso convencido pareceu uma careta. — Tinha que me dar mais tempo para escapar. Sabia que Daemon viria atrás de mim. — Não. Ele não teria ido, porque ele realmente não sabia se funcionaria ou não. Se fosse o caso… — Eu parei. — Estaríamos vinculados, e não haveria nada que ele pudesse fazer? — Ele completou. — Era isso que eu esperava. Eu o vi colocar uma mão no quadril ossudo, sentindo-me grata que a minha mãe nunca chegaria a vê-lo desse jeito. Will faria com que ela se lembrasse do meu pai. Parte de mim queria que eu fosse ajudá-lo a sentar ou coisa parecida. Ele expôs os dentes amarelados. — Mas vocês estão vinculados, certo? Uma vida dividida em duas. Se um morre, o outro também morre. Entrei em estado de alerta. Meu estômago se agitou. Ele viu a minha reação. — Se eu tivesse que escolher o que faria aqui, seria fazê-lo sofrer, vivendo sem a coisa que ele mais aprecia, mas… ele não vai morrer instantaneamente, certo? Ele vai saber... e esses segundos de ciência… Suas intenções foram lentamente compreendidas. Um zumbir encheu meus ouvidos e minha boca secou. Ele queria nos matar. Com o quê? Com o poder dos seus olhos malignos? Will tirou uma arma de debaixo da camisa folgada. Ah, é, isso vai servir. — Não pode estar falando sério. — eu disse, sacudindo a cabeça. — Falo muito sério. — Ele respirou, e seu peito vibrou com um som de morte. — E depois vou sentar aqui e esperar que a sua linda mãezinha chegue em casa. Ela vai ver o seu corpo primeiro e em seguida o cano da minha arma. Meu coração vacilou. Água gelada deslizou pela minha pele. O zumbir agora era enorme. Como se um interruptor fosse ligado dentro de mim, outra coisa assumiu o comando. Eu não era a Katy tímida e

359


ingênua que entrou num carro com ele. Não era a mesma ali, de pé na cozinha segundos atrás, sentindo pena dele. Essa era a garota que ficou diante de Vaughn e viu a vida deixar o seu corpo. Talvez depois eu me incomodasse com a rapidez daquela mudança. Como era fácil para mim ir da garota que acabou de comprar o vestido da formatura e que paquerou com o namorado para essa estranha que agora ocupava o meu corpo, pronta para fazer o que fosse para proteger aqueles que amava. Mas no momento, não me importava. — Você não vai ferir Daemon. Não vai me ferir. — eu disse. — E com certeza não vai ferir a minha mãe. Will ergueu a arma. O metal parecia pesado demais na sua mão débil. — O que vai fazer, Katy? — O que acha? — Dei um passo atrevido para frente, meu cérebro e boca provocados por aquela estranha. — Qual é, Will, você é inteligente o bastante para descobrir sem ajuda. — Você não tem coragem. Calmaria me invadiu, eu não sabia do que eu era capaz, não realmente, mas ver Will, fitando o cano daquela arma, soube exatamente do que era capaz de fazer. E por mais errado que pudesse ser, eu estava de bem com o que teria que fazer. Aceitando completamente. Havia uma parte de mim que se assustava com a facilidade dessa aceitação e eu quis me apegar à antiga Katy, porque ela teria um problema em aceitar isso. Ela ficaria enojada com o ato e com as palavras que eu dizia. — Parece mesmo um pouco doente, Will. É melhor procurar um médico. Oh, espere. — Eu arregalei os olhos de maneira inocente. — Não pode ir a um médico normal porque mesmo que a mutação obviamente não tenha vingado, tenho certeza que o modificou e não pode ir ao Departamento de Defesa porque seria tipo suicídio.

360


A mão na arma tremeu. — Acha que é muito inteligente e corajosa, não acha, garotinha? Eu dei de ombros. — Talvez, mas uma coisa que sei é que sou completamente saudável. E quanto a você, Will? — Cale-se. — ele chiou. Aproximando-me da mesa da cozinha eu olhei para a arma. Se eu pudesse distraí-lo poderia desarmá-lo. Realmente não queria testar aquela teoria de parar uma bala. — Só pense em todo aquele dinheiro que gastou, para no final nada dar certo — eu disse. — E acabou de perder tudo... sua carreira, seu dinheiro, minha mãe, e a sua saúde. Carma é triste, não é? — Sua vadia imbecil. — Saliva voou dos seus lábios rachados. — Eu vou matar você, e você morrerá sabendo que a sua preciosa aberração também morrerá. Depois vou me sentar aqui e esperar a sua mãe chegar em casa. Minha humanidade saiu voando. Estava mais do que farta daquele papo. Will sorriu. — Cadê a sua resposta agora? Meu olhar desceu para a arma, e eu senti a Source planar sobre a minha pele. Meus dedos se abriram, as pontas já formigando. Reunindo o poder, concentrei na arma. A mão dele tremeu outra vez. O cano da arma balançou para a esquerda. O dedo que estava no gatilho se moveu. A garganta dele deu espasmos quando ele engoliu saliva. — O que… o que está fazendo? Levantei os olhos e sorri. Seus olhos injetados se alargaram. — Sua... Acenei com a mão para a esquerda e várias coisas aconteceram em seguida. Houve um som de disparo, como de uma tampa de uma garrafa de champanhe, mas o som e tudo mais se perdeu no rugido de eletricidade que se lançou e então a arma voou de sua mão.

361


Foi como um raio — puro e primitivo. A corrente de luz branco-avermelhada arqueou pela cozinha, esmagando-se no peito de Will. Talvez — Talvez se ele não estivesse tão doente, a luz não teria feito muita coisa, mas o homem estava fraco e eu não. Ele foi arremessado para trás, batendo na parede próxima à geladeira, a cabeça caindo que nem um boneco de pano. Ele não fez som algum quando caiu no chão em uma pilha molenga. Pronto... terminou. Nada mais de se perguntar sobre Will nem onde ele estava, o que estava fazendo. Essa parte das nossas vidas tinha se fechado. Minha casa é como um campo de batalha, eu pensei. Exalei e algo... eu não sei, algo deu errado. O ar ficou preso na minha garganta, nos meus pulmões, mas quando inspirei com dificuldade, havia uma queimação que não tinha sentido antes. Mas quando a Source voltou para dentro de mim, a queimação aumentou em meu peito, espalhou-se pela minha barriga. Olhei para baixo. Uma mancha vermelha tinha se formado na camisa azul bebê e se espalhou… cada vez maior, um círculo irregular que se expandia. Apertei as mãos no círculo... estava molhado, quente, e pegajoso. Sangue. Era sangue... meu sangue. Minha cabeça girou. — Daemon. — sussurrei.

362


Capitulo trinta e tres

N

ão recordo estar caindo, mas estava olhando ao teto, tentando manter minhas mãos pressionadas à ferida pela arma de fogo, porque tinha visto as pessoas fazer isso na televisão, mas não podia sentir minhas mãos, assim não

estava segura de se estavam ali ou pelos lados. Meu rosto estava molhado. Ia morrer em questão de minutos, possivelmente antes, e havia falhado com Daemon e a minha mamãe. Falhei com eles, porque Daemon ia morrer, também, e minha mamãe… Oh, Deus, minha mamãe chegaria em casa para encontrar isto. Não ia sobreviver a isso, não depois de papai. Um calafrio rodou por meu corpo e meu peito se esforçou em respirar. Não queria morrer sozinha no chão frio e duro. Não queria morrer absolutamente. Pisquei e quando voltei a abrir os olhos, o teto era impreciso. Entretanto, nada doía muito. Os livros tinham razão. Havia um ponto onde existia tanta dor que não podia processá-la ou estava mais além dela. Provavelmente mais à frente... A porta principal se abriu e uma voz familiar gritou: — Katy? Onde está? Algo está mal com o Daemon... Meus lábios funcionavam, mas não havia som. Tentei de novo. — Dee? Passo a passo se aproximou mais e logo: — Oh, meu Deus... Oh, meu Deus. Dee estava de repente em minha linha de vista, com o rosto impreciso nas bordas. — Katy, Santa merda, Katy... espera. — Moveu minhas mãos manchadas de sangue longe e pôs as dela sobre a ferida enquanto

363


levantava a vista, vendo Will desabado junto à geladeira— Deus... Esforcei-me em soltar uma palavra. — Daemon... Ela piscou rapidamente, sua forma desapareceu por um segundo e logo seu rosto estava em frente ao meu, seus olhos brilhavam como diamantes, e não podia afastar o olhar. Seus olhos, suas palavras, consumiam-me. — Andrew o está trazendo de volta. Está bem. Vai ficar bem, porque você vai ficar bem. Entende? Tossi em resposta e algo úmido e quente cobriu meus lábios. Tinha que ser mau — sangue — porque a cara de Dee empalideceu ainda mais enquanto colocava suas duas mãos sobre a ferida e fechava os olhos. Minhas pálpebras pareciam muitos pesados e o repentino calor que irradiava disso ia e vinha por mim. Sua figura se desvaneceu e ela estava em sua verdadeira forma — brilhante e lustrosa como um anjo — , e pensei que se fosse morrer, pelo menos tinha visto algo tão belo como isto antes do final. Mas tinha que aguentar, porque não era só minha vida a que pendia por um fio. Era a de Daemon. Assim obriguei meus olhos a abrir-se, mantendo-os em Dee, vendo como sua luz piscava nas paredes, banhando a sala. Se o a me sanasse, poderíamos ficar vinculadas? Os três? Não pude envolver minha cabeça nisso. E não seria justo para Dee. E então havia vozes. Reconheci a de Andrew e a de Dawson. Houve um ruído surdo ao lado de minha cabeça e então ele estava ali, seu bonito rosto pálido e tenso. Nunca o tinha visto tão pálido, e se me concentrasse, podia sentir seu coração funcionando como o meu. Suas mãos estavam tremendo enquanto tocava minhas bochechas, suaves sob meus lábios entreabertos. — Daemon... — Shh — disse, sorrindo. — Não fale. Está bem. Tudo está bem.

364


Virou-se para sua irmã, puxando suavemente suas mãos manchadas de volta. — Pode parar agora. Ela deve ter respondido diretamente a ele, porque Daemon apertou sua mão. — Não podemos nos arriscar que faça isto. Tem que parar. Alguém, que soou como Andrew, disse: — Homem, está muito fraco para fazer isto. — E então me dei conta de que era ele, e que ele estava do meu outro lado. Acredito que segurou minha mão. Podia ter estado alucinando, entretanto, porque vi dois Daemons. Espera. O segundo era Dawson. Ele estava segurando Daemon, mantendo-o em posição vertical. Daemon nunca necessitava ajuda. Era o mais forte, ele é mais forte. Pânico floresceu. — Deixa Dee fazer isto — Insistiu Andrew. Daemon negou com a cabeça e depois do que pareceu uma eternidade, Dee se retirou e assumiu sua forma humana. Arrastou-se fora do caminho, com os braços tremendo. —É uma loucura. — disse ela. — Está absolutamente louco. Quando Daemon se deslizou em sua verdadeira forma e pôs suas mãos sobre mim, só estava ele então. O resto da sala sumiu. Não queria que me curasse se já estava fraco, mas entendo por que ele não queria que Dee o fizesse. Muito arriscado, sem saber como ou se nos vincularíamos os três juntos. O calor fluiu através de mim e logo já não estava pensando realmente.

A

voz

de

Daemon

estava

em

meus

pensamentos,

murmurando palavras tranquilizadoras uma e outra vez. Sentia-me leve, fresca e completa. Daemon... disse seu nome uma e outra vez. Não sei por que, mas me mantinha conectada à terra só por ouvir seu nome. E quando fechei os olhos, não voltaram a se abrir. O calor renovador estava em todas as células, o que deslizava através de minhas veias, acomodando-se em meus músculos e ossos. O calor e a

365


segurança me atiraram abaixo e a última coisa que ouvi foi a voz de Daemon. Pode deixar ir agora. Fiz isso. ..... Quando abri os olhos de novo, uma vela em algum lugar do quarto piscava e dançava nas sombras. Não podia mover meus braços e não sabia onde estava durante um segundo, mas enquanto arrastava uma respiração profunda, um aroma de terra me rodeava. — Daemon? — Minha voz era rouca e seca de pânico. A cama — estava em uma cama — e fora da escuridão veio Daemon. A metade de seu rosto estava banhado em sombras. Seus olhos brilhavam como diamantes. — Estou aqui — Disse— Justo a seu lado. Engoli em seco, mantendo o olhar fixo nele. — Não posso mover meus braços. Houve uma risada profunda e rouca, e pensei que era terrível que ele risse quando meus braços não podiam se mover. — Aqui, me deixe arrumar isso para você. Senti as mãos de Daemon ao meu redor, encontrando as bordas das mantas. Soltou-as. — Isso. — Oh. — Movi meus dedos e logo deslizei meus braços. Um segundo depois, percebi que estava nua... Completamente nua sob as mantas. Fogo correu sobre meu rosto e desceu por meu pescoço. Havíamos...? Que diabos não estava recordando? Agarrei-me na borda da manta, estremecendo enquanto sentia a pele sobre meu peito. — Por que estou nua? Daemon me olhou. Um segundo passou e logo dois, três. — Não recorda? Levou um momento mais para que meu cérebro processasse tudo

366


e quando o fiz, sentei-me e comecei a jogar a manta longe. Daemon me deteve com sua mão. — Está bem. Só há uma pequena marca, uma cicatriz, mas é muito tênue — Disse, sua mão rodeando a minha— Honestamente, não acredito que ninguém se dê conta a menos de que a procurem realmente de perto, e eu estaria perturbado se alguém estivesse olhando tão perto. Minha boca se moveu sem som. A nosso redor, a vela projetava sombras na parede. Era a cama de Daemon, porque minha cama não era tão cômoda ou tão grande como a sua. Will havia retornado. Ele disparou em mim, disparou-me justo no peito e eu... não pude terminar esse pensamento. — Dee ajudou a te limpar. Ash também. — Seus olhos procuraram meu rosto. — Elas a colocaram na cama. Não… as ajudei. Ash me viu nua? Estupidamente, fora de tudo, isso fez querer me arrastar sob os lençóis. Cara, precisava pôr minhas prioridades em ordem. — Tem certeza de que está bem? — chegou a me tocar, mas se deteve, com a mão persistente a um centímetro ou mais de minha bochecha. Assenti com a cabeça. Tinha recebido um disparo, um disparo no peito. Esse pensamento estava em repetição. Tinha estado perto da morte uma vez antes, quando tínhamos lutado contra Baruck, mas ser alvejada era um estado totalmente diferente. Ia tomar um momento para compreender plenamente, especialmente porque não parecia real. — Não deveria estar sentada e falando com você. — disse estupidamente, olhando-o através dos meus cílios. — Isso é... — Sei. É muito. — Então me tocou, colocando a ponta de seus dedos em meus lábios com reverência. Deixei escapar um suspiro trêmulo. —É realmente muito. Fechei meus olhos por um momento, absorvendo o baixo zumbido e o calor que seu toque trouxe.

367


— Como soube? — De repente senti o ar faltar. — Disse, deixando cair sua mão e aproximando-se mais. — E havia uma sensação ardente em meu peito. Meus músculos não funcionavam bem. Sabia que algo tinha acontecido. Felizmente, Andrew e Dawson foram capazes de me tirar sem causar uma cena. Sinto muito, nenhum filé de frango frito. Não acreditei que voltaria a comer de novo. Um sorriso apareceu em seus lábios. — Nunca estive tão assustado em minha vida. Tive Dawson ligando para Dee para ver como estava. Eu... estava muito fraco para chegar aqui por mim mesmo. Recordei a palidez brilhante que estava e que Dawson esteve segurando-o. — Como se sente agora? — Perfeito. — Inclinou a cabeça para um lado. — Você? — Sinto-me bem. — Só ficou uma dor surda, mas não era nada. — Salvou minha vida, nossas vidas. — Não foi nada. Fiquei boquiaberta. Só Daemon poderia pensar que algo como isto não era nada. E logo outra nova preocupação se levantou. Me retorcendo na cama, procurei o relógio de cabeceira na escuridão. As verdes luzes digitais me mostraram que era só um pouco além de uma da manhã. Tinha dormido durante umas seis horas. — Tenho que ir para casa. — disse, recolhendo a manta a meu redor. — Tem que haver sangue e quando minha mamãe chegar em casa pela manhã, eu não… —Já foi tudo cuidado. — me parou. — Cuidaram do Wil e a casa está bem. Quando sua mamãe chegar em casa, não saberá que algo aconteceu. O alívio foi potente e relaxei, mas não durou muito. Uma imagem surgiu, de mim em pé na cozinha, sorrindo para Will e incitando-o, enviando um calafrio através de mim. Silencio caiu entre nós enquanto

368


olhava o quarto na escuridão, reproduzindo a tarde uma e outra vez. Continue presa sobre como calma eu me tornei, quão fria me senti quando essa parte de mim decidiu que tinha que… tinha que matar Will. E tinha feito isso. Um sabor amargo chegou na parte de trás da minha garganta. Tinha matado pessoas e isso contando o Arum. Uma vida era uma vida, havia dito Daemon. Então, quantos eu matei? Três? Assim tinha matado a quatro seres vivos. Minha respiração acelerou e se prendeu ao redor do nó que crescia rapidamente na garganta. O pior de saber que tinha tomado vidas, foi minha aceitação de fazê-lo. Não tive nenhum escrúpulos acerca do que fiz e quando isso ocorreu não era eu, essa não podia ser eu. — Kat — disse em voz baixa — Kitten, o que está pensando? — Matei-o. — As lágrimas brotaram e se derramaram por minhas bochechas, antes que pudesse detê-las. — O matei, e não me importou absolutamente. Ele pôs suas mãos sobre meus ombros nus. — Fez o que tinha que fazer, Kat. — Não. Você não entende. — Minha garganta se fechou e me esforcei para respirar. — Não me importou. E esse tipo de coisa deveria me preocupar. — Ri com voz rouca. — Oh, Deus... A dor apareceu em seu olhar brilhante. — Kat… — O que há de errado comigo? Algo está errado em mim. Eu poderia só tê-lo desarmado e detê-lo. Não tinha por que… — Kat, ele tentou matá-la. Atirou em você. Agiu em defesa própria. Tudo soava razoável para ele. Mas, era? O homem estava fraco e frágil. Em vez de incitá-lo, poderia tê-lo desarmado e isso era tudo. Mas o matei... Meu controle escorregou e se rompeu. Sentia-me louca por

369


dentro, cãibras formavam tantos nós que pensei que nunca estaria ereta de novo. Todo este tempo estive tão convencida de que podia fazer o que era necessário, que poderia facilmente matar e quando chegou, tinha matado, mas Daemon tinha tido razão. Matar não é a parte difícil. Era o que vinha depois: a culpa. Era muita. Todos os fantasmas dos que tinham morrido por minha própria mão e os que tinham acontecido sobre quem foi vinculado a mim apareceram me rodeando e me asfixiando até que o único som que pude fazer foi um grito rouco. Daemon fez um som na parte de trás de sua garganta e me levou a seus braços, mantas e tudo. As lágrimas continuavam chegando, e me embalou, abraçando-me perto. E não parecia correto ou justo que ele me confortasse. Não sabia quão fácil tinha sido para mim apertar esse botão, para me converter em outra pessoa. Já não era a mesma garota. Não era a Katy que o mudou e a que o inspirou a ser diferente. Não era ela. Lutei para me soltar, mas ele me segurou e eu odiava isso, odiava que ele não visse o que eu via. — Sou um monstro. Sou como Blake. — O que? — Incredulidade espessou sua voz. — Não é nada como ele, Kat. Como pode dizer isso? Lágrimas corriam por minhas bochechas. — Mas sou. Blake matou porque estava desesperado. Como o que fiz é diferente? Não é! Negou com a cabeça. — Não é o mesmo. Arrastei ar em uma baforada. — Poderia fazer isso de novo. Juro que o faria. Se alguém ameaçasse a minha mãe ou a você, faria. E sabia depois de tudo o que tinha acontecido com o Blake e Adam. Assim não é como as pessoas reagem, não é correto. — Não há nada errado em proteger a seus entes queridos. — argumentou — Acha que apreciei matar? Não aprecio. Mas não voltaria

370


a mudar as coisas. Limpei minhas bochechas enquanto meus ombros tremiam. — Daemon, é diferente. — Como é isso? — Segurou meu rosto entre suas mãos, me obrigando a olhá-lo através dos cílios ensopados de lágrimas. — Recorda quando me encarreguei dos dois oficiais do DOD no armazém? Odiava o que tinha feito, mas não tinha outra opção. Se eles tivessem informado que nos viram, tudo teria terminado e não ia deixar que a pegassem. — Seus dedos seguiram minhas lágrimas e baixou a cabeça, prendendo meu olhar quando tentei olhar longe. — E odiei o que tinha feito, odiei cada vez que tive que tomar uma vida, Arum ou humano, mas às vezes, não há outra opção. Não aceita. Não está bem com isso, mas sim chega a entender. Segurei seus pulsos. Eram tão grossos que meus dedos mal o rodeavam. — Mas o que... e se eu estiver bem com isso? — Não está bem com isso, Kat. — Ele acreditava nessa declaração, em mim, soava verdade em sua voz, e não podia entender essa fé cega. — Sei que não é assim. — Como pode estar tão seguro? — Sussurrei. Daemon sorriu um pouco. Não um tipo de sorriso plenamente impressionante, mas mesmo assim se inclinou para mim, envolvendo meu coração. — Sei que é boa em seu interior. É o calor e a luz e tudo o que não mereço, mas você… você pensa que a mereço. Sabendo tudo o que fiz em meu passado a outras pessoas e a você, e ainda acha que a mereço. — Eu… — E isso é porque é boa por dentro, você foi e sempre será. — Suas mãos se deslizaram por minha garganta, à curva ao redor de meus ombros. — Não há nada o que possa dizer ou fazer que mude isso. Assim, lamente o que teve que fazer. Chore, mas nunca, nunca se culpe por coisas que estão fora de seu controle.

371


Não sabia o que dizer. Seu sorriso escorregou para aquele meio sorriso presunçoso que me enfurecia e emocionava. — Agora consiga tirar o resto dessa merda de sua cabeça, porque é muito melhor que isso, é mais que isso. Suas

palavras,

bom,

talvez

não

tinham

apagado

tudo

e

possivelmente não mudaram a parte de mim que não era tão perfeita como ele pensava, mas me envolveu como um suave edredom. Elas foram suficientes para esse momento... para entender o que tinha feito e que era importante, que era suficiente. Não havia palavras para o muito que apreciava o que disse e o que tinha feito. Um agradecimento não era suficiente. Ainda tremendo, com as mãos apertadas em minúsculos nós, inclinei-me e pressionei meus lábios contra os dele. Seus dedos se fecharam ao redor de meus ombros enquanto seu peito se levantava bruscamente. Provei minhas próprias lágrimas salgadas em seus lábios enquanto o beijo se aprofundava, provei meu próprio medo. Mas havia algo mais. Era nosso amor — que tinha nossa esperança de que pudéssemos sair disto com um futuro. Era nossa aceitação um do outro, o bom, o mau e o absolutamente feio. Havia tanto desejo reprimido. Tanta emoção que levava um murro direto a minha alma e à sua. Sabia, porque podia sentir seu ritmo cardíaco elevando-se. O meu combinava sob medida com o dele. Tudo isso estava em um simples beijo e era demais, não era suficiente, e simplesmente perfeito. Afastei-me,

respirando

agitadamente.

Nossos

olhos

se

encontraram. Uma grande quantidade de emoção brilhou em seus brilhantes olhos verdes. Tomou minha bochecha com uma mão meigamente, e falou em sua língua encantadora. Soava como três líricas palavras, um verso curto e lindo. — O que disse? — Perguntei-lhe, meus dedos afrouxando-se ao redor da manta.

372


Seu sorriso era reservado e logo seus lábios estavam nos meus de novo e meus olhos se fecharam. Soltei a manta, sentindo-a deslizar-se ao redor de meus quadris, e senti Daemon deixar de respirar por um momento. Guiou-me para trás, e envolvi meus braços ao redor dele. Nos beijamos durante o que pareceu uma eternidade e isso não foi o suficientemente longo. Poderia continuar, nunca parar, porque nesse momento, criamos um mundo onde nada mais existia. Estávamos perdidos no outro por um momento no tempo, isso acelerou e se arrastou na mesma instância. Nos beijamos até que fiquei sem fôlego, parando só para explorar um ao outro. Estávamos quentes e avermelhados, girando um contra o outro. Meu corpo se arqueou contra ele e quando me queixei, ele se acalmou. Levantou a cabeça, mas não disse nada. Olhou durante tanto tempo e tão duro que cada ponto de meu corpo parecia tenso demais. Meu peito se apertou. Estirei-me, colocando minha mão trêmula em sua bochecha. Inclinou sua cabeça contra minha bochecha, e sua voz era áspera e crua. — Me diga para parar e farei. Não ia fazer isso. Não agora. Não depois de tudo. Não havia nada a negar nunca mais, e minha resposta foi lhe dar um beijo, e sem palavras, compreendeu. Ficou sobre mim, sem me tocar, não inteiramente. A eletricidade entre nós estalou e saltou. Uma sensação selvagem pulsava através de mim. Levantei minhas mãos, as afundando em seu cabelo, puxando-o mais perto. Varri meus lábios sobre os dele, e seu corpo estremeceu. Seus olhos ardentes se fecharam enquanto meu polegar se movia em seu lábio inferior. Minhas mãos estavam em movimento, deslizando-se sobre os grossos músculos em seu pescoço e suas costas, ao redor de seu peito e para baixo. Desci, sobre os duros planos de seu estômago. Respirou forte. Os contornos de seu corpo começaram a brilhar iluminando o

373


quarto com uma luz suave. Calor saiu de seu corpo. Os olhos de Daemon se abriram de repente e se sentou, puxando-me para seu colo. Seus olhos já não eram verdes, só orbitas de luz pura. Meu coração disparou sobre si mesmo. O fogo começou em meu estômago, espalhando-se através de mim como uma onda de lava. Suas mãos tremiam em meus quadris e o repentino ataque de energia, de poder desenfreado se apoderou de mim. Era como tocar o fogo ou ser golpeada por mil volts de eletricidade. Foi emocionante. Nunca estive tão emocionada, mais preparada. Quando seus lábios se encontraram com os meus, mil emoções explodiram em mim. Seu sabor era delicioso e aditivo. Apertei-me contra ele, nossos beijos se aprofundaram até que estava nadando em sensações embriagadoras que golpeavam contra todos os poros de meu corpo. Onde quer que tocasse, minha pele ganhava vida. Seus lábios se perdiam em um caminho ardente dos meus até a coluna de minha garganta. Tudo ao redor de nós, sua luz piscava, como mil estrelas cobrindo as paredes, aparecendo e desaparecendo. Nossas mãos estavam por toda parte. Seus dedos estavam em meu estômago, subindo, entre minhas costelas. Parecia que ia ser mais lento nisto. Cada contato foi medido e preciso. A respiração se tornou difícil, enquanto nossas explorações cresciam. Definitivamente não era sua primeira vez em nada disto, mas não se apressou e tremeu tanto quanto eu. Seu jeans terminaram em algum lugar do chão e nossos corpos estavam ruborizados. Mãos aprofundando-se mais e mais. Daemon tomou seu tempo, inclusive quando eu estava pressionando-o a ir mais rápido. Ele reduziu a velocidade, e senti o que parecia ser para sempre... até que nenhum de nós podia esperar mais. Recordei o que Dee havia dito de sua primeira vez. Não havia nenhum desconforto aqui. Mais coisas das que esperavam. Daemon tinha proteção e houve mal-estar... ao princípio. Bem. Doeu, mas Daemon... fez melhor. E então estávamos nos movendo um contra o outro.

374


Estar assim com ele era como tocar a Source, mas mais potente. O sentimento de montanha russa estava ali, mas diferente e mais profundo, e ele estava ali comigo. Era mais que perfeito e bonito. Depois do que pareceram horas mais tarde e honestamente poderia ter sido, Daemon me beijou suavemente, profundamente. — Está bem? Sentia meus ossos sensíveis de uma maneira totalmente boa. — Estou perfeita. — E logo bocejei, justo em seu rosto. Que romântico. Daemon explodiu em risos, e girei minha bochecha contra o travesseiro, tentando me ocultar. Entretanto, não me deixou. Como se não esperasse nada menos. Rodou sobre seu flanco, puxando-me contra ele, inclinando minha cabeça para a sua. Seus olhos procuraram os meus. — Obrigado. — Pelo que? — eu adorei a sensação de seus braços ao redor de mim e como encaixei contra ele, duro contra suave. Passou seus dedos sobre meu braço, e fiquei impressionada com a forma como podia me fazer tremer. — Por tudo. — Disse. Regozijo aumentou dentro de meu peito, e enquanto estávamos nos braços um do outro, nossas respirações saindo entrecortadas, nossos corpos entrelaçados, ainda não podíamos conseguir o suficiente um do outro. Nos beijamos. Conversamos. Vivemos.

375


Capitulo trinta e quatro

Q

uando deixei a casa de Daemon domingo cedo pela manhã, ele ficou comigo até ouvir o carro da minha mãe chegar. Então ele fez aquele lance louco de supervelocidade alienígena e saiu sem ser visto. Mas enquanto esteve

deitado ao meu lado na cama, deixando aparente que ele não me queria sozinha depois do que aconteceu com Will, nunca me senti tão segura em toda minha vida. Sexo não tinha nada a ver com isso, mas quando ele voltou à tarde e nós saímos para pegar almoço para nós dois e para a minha mãe, cada olhar e roçado de pele significava muito mais — Uma característica doce e um conhecimento que estava presente antes, mas que agora tinha mais ênfase. Eu não parecia mudada. Parte de mim achava que ficaria escrito na minha testa ou algo do tipo e eu fiquei com um pouco de medo da minha mãe de alguma forma adivinhar nos levando àquela conversa sobre de onde os bebês vêm novamente, mas ela não adivinhou. A vida continuou o seu curso por um tempinho. Ela era a mesma… um pouco melhor em alguns aspectos, mas na semana seguinte eu e Daemon tivemos muito pouco tempo juntos. Ninguém falava de Will com exceção de me perguntar se eu estava bem. Até Andrew tinha perguntado e pareceu sincero. Fora isso, era como se o evento nunca tivesse ocorrido. Havia uma boa chance de Daemon ter algo a ver com isso. Nossos treinos aumentaram com Dawson, Matthew e Blake, e eles também incluíram o resto da nossa turma. Todos sabiam do plano deles. Todos também sabiam que não teríamos outra chance depois de domingo se falhássemos. Já estávamos abusando da sorte.

376


Blake se mantinha afastado do grupo. Ele andava assim desde que o confrontei sobre o seu comportamento obsessivo de perseguição… Graças a Deus. — O tempo estimado ainda é o mesmo. Temos quinze minutos para entrar e sair de lá com eles. — E se algo der errado? — Dee perguntou, enrolando o cabelo com os dedos de maneira nervosa. Daemon pegou um pedaço de ônix. Todos nós àquele ponto conseguíamos suportar cerca de um minuto e vinte segundos. E com o pedacinho de opala, eu e Daemon não nos incomodávamos. — Ficaremos bem com os escudos de ônix. — Ele atirou a pedra de volta à pilha. — Cada um de nós consegue suportar tempo suficiente. — Mas não é o mesmo que um spray no rosto. — Dee protestou, os olhos arregalados. — Só ficamos segurando. Blake se aproximou. — Nunca foi jorrado no meu rosto. Tudo o que fiz foi entrar em contato com ele repetidas vezes. É a única explicação lógica. — Não. Não é. — Ela soltou o cabelo e encarou os irmãos. — Tocar em ônix e ter uma tolerância é uma coisa. Ter a coisa pulverizada no seu rosto é totalmente diferente. Dee tinha razão, mas aquilo era tudo o que podíamos fazer. Dawson sorriu para ela e sempre era estranho para mim quando ele sorria, porque era tão raro ver um sorriso de verdade que todo o seu rosto se transformava. — Vamos ficar bem, Dee. Eu prometo. — E os lasers... vocês precisam ter cuidado com os lasers. — Andrew acrescentou, fazendo careta. — Sem dúvida. — disse Blake. — Mas eles não devem ser um problema. As saídas de emergência só são ativadas quando o alarme é acionado e se tudo sair nos conformes, ficaremos bem. — Esse é um SE dos grandes. — murmurou Dee.

377


Com certeza, era um SE dos grandes, mas estávamos naquilo até o fim. Só olhar para Dawson reafirmava por que estávamos prontos a colocar nossas vidas em risco outra vez. Porque eu sabia sem sombra de dúvida que se Daemon fosse trancafiado em Mount Weather eu me arriscaria do mesmo modo para libertá-lo. Parte de Dawson estava ausente e a outra metade era Beth. Nenhum de nós podia esperar que ele desistisse. E todos nós iríamos até o fim da terra por aqueles que amávamos. Depois de outra sessão penosa com o ônix, nós nos despedimos e voltamos às nossas casas. Matthew e os Thompsons foram embora, bem como Blake. Dee entrou enquanto nós três nos demoramos e Dawson finalmente desapareceu em algum lugar no lateral da casa. Daemon segurou minha mão e sentou no terceiro degrau, puxando-me entre as pernas, para que eu apoiasse as costas em seu peito. — Está se sentindo bem? — Sim. — eu disse. Era a mesma pergunta que ele fazia sempre que treinávamos a resistência. E sim, eu meio que o amava por isso. — Você? — Não precisa se preocupar comigo. Eu revirei os olhos, mas apoiei as costas, gostando da sensação do seu peito e do modo que seus braços me rodeavam. Ele baixou a cabeça, depositando os lábios no pulso do meu pescoço. Dava para saber onde sua mente andava e eu também era passageira do mesmo trem. Dawson reapareceu, o sol que se punha projetando um halo em volta dele. Aquele trem deu uma freada brusca. Ele enfiou as mãos nos bolsos do jeans e se balançou nos calcanhares, sem dizer uma palavra. Daemon suspirou e se endireitou. — O que foi? — Nada — ele disse, os olhos estreitos olhando para o céu que rapidamente escurecia. — Só estava pensando.

378


Nós esperamos em silêncio, porque ambos sabíamos que não se podia apressar Dawson. Ele diria o que quer que quisesse dizer quando estivesse pronto. Mais uma vez, eu me vi imaginando como ele era antes de todas aquelas coisas terríveis lhe acontecerem. Finalmente, Dawson disse: — Vocês não precisam ir no domingo. Os braços de Daemon despencaram. — O quê? — Vocês não tem que fazer isso. Dee tem razão. É um risco muito grande. Não sabemos se realmente vamos conseguir atravessar aqueles escudos de ônix. Quem sabe qual é a do Blake? Isso não envolve todos vocês. Dawson nos olhou então, a expressão cheia de sinceridade. — Não deviam fazer isso. Deixem que eu vá com Blake. O risco vai ser só nosso. Daemon se calou por vários segundos. — Você é meu irmão, Dawson, então qualquer que seja o seu risco, ele também é meu. Eu sorri, inclinando a cabeça para trás. — E qualquer que seja o risco que Daemon corre, eu também corro. — Com isso eu não concordo, mas entende o que estamos dizendo? — Daemon colocou as mãos nos meus ombros. — Estamos nessa juntos, pelo bem e pelo o que der em merda. Dawson baixou as pálpebras. — Não quero ver nenhum de vocês machucado. Não acho que vá poder viver com isso. — Nós não vamos nos machucar. — Daemon disse, de uma forma tão forte que não havia dúvida em minha mente que ele acreditava ser verdade. Suas mãos repousaram nos meus ombros, esfregando gentilmente os músculos tensos. — Todos vamos sair de lá, junto com Beth e Chris. Tirando as mãos dos bolsos, Dawson as passou pelo cabelo.

379


— Obrigado. — Seus lábios se curvaram quando ele baixou as mãos. — Sabem que eu vou… eu vou ter que ir embora depois? Talvez… possa terminar o semestre, mas Beth e eu teremos que ir embora. As mãos de Daemon pararam e eu senti o seu coração quase sair pela boca, mas depois ele continuou com os movimentos. — Eu sei, irmão. Vamos garantir que Beth fique escondida até que estejam prontos para partir. Vai ser uma droga, mas… mas eu sei o que precisa fazer. O irmão dele assentiu. — Vamos manter contato. — Claro. — disse Daemon. Baixando o olhar, mordi o lábio. Cara, eu meio que queria começar a gritar. A família deles não devia se separar novamente. Tudo isso por causa daquilo que eram e nenhum deles pediram por isso. Não era justo. O pior de tudo, não parecia existir algo que pudéssemos fazer para mudar isso. … Na noite de quinta, depois de outra sessão, Daemon e eu preenchemos a nossa necessidade louca de açúcar indo até a rede de fast-food local— Chá doce para os campeões. Ao invés de entrarmos, ele baixou o banco de trás da SUV e ficamos relaxando. O céu estava claro e as estrelas cintilantes começaram a preenchê-lo. Sempre que eu olhava as estrelas eu pensava em Daemon e em sua espécie. Ele me acotovelou de leve. — No que está pensando? Eu ri em volta do canudo. — Às vezes esqueço o que você é, mas então eu vejo essas estrelas, e me lembro. — Você esquece do que é?

380


Rindo, eu baixei o copo. — É, acho que sim. — Legal. Balancei os pés. — Mas sério, esqueço mesmo. Acho que se o público soubesse sobre vocês, eles se acostumariam aos Luxen. — Sério? — Ele soou chocado. Eu encolhi os ombros. — Vocês não são tão diferentes assim. — Tirando o negócio do vaga-lume. — ele provocou. — É, tirando isso. Ele riu e se aproximou, esfregando o queixo pelo meu ombro como um felino. Pensando que ele gostaria da ideia de ser comparado a um leão ou coisa parecida, eu sorri. — Eu quero que você leve a opala no domingo. — ele disse. — O quê? — Eu me afastei para olhar para ele. — Por quê? Você é o mais forte de todos nós. Um sorriso convencido apareceu. — E é por isso que não preciso da opala. — Daemon. — Eu suspirei, passando o resto do chá. Ele aceitou. — Sua lógica é falha. Por você ser o mais forte, a opala terá mais efeito em você do que em qualquer um de nós. Ele bebeu o chá, os olhos praticamente brilhando. — Quero que você use a opala caso alguma coisa dê errado. Não vou discutir com você. — Que seja. — Cruzei os braços. — E se você não concordar, eu vou te amarrar... e não do jeito divertido... e trancá-la no seu quarto. Fiquei de boca aberta. — Ok, talvez do jeito divertido. Tipo depois, quando tudo tiver terminado, eu voltarei e... Eu o interrompi. — Queria ver você tentar me amarrar.

381


Ele arqueou a sobrancelha. — Aposto que queria. — Cala a boca. — eu rosnei. — Estou falando sério. — Eu também. Você vai usar a opala. Fechei a cara. — Isso não faz sentido. — Faz todo o sentido. — Ele beijou minha bochecha. — Porque eu sou perfeito. — Oh, santo Deus. — Eu o acotovelei, e ele riu. Voltei os olhos para o céu estrelado e então a ficha caiu como um avião de carga. Como ainda não tínhamos pensado nisso?

— Eu tenho uma ideia!

— Envolve tirar a roupa? Acotovelei Daemon. — Deus. Não. Você é tão tarado. Envolve a opala. E se conseguirmos quebrá-la e dividir os pedaços entre nós? Ele franziu o cenho, pensando. — Poderia funcionar, mas é um risco enorme. E se destruirmos a pedra? Duvido que vá funcionar se virar pó. E mesmo se conseguíssemos quebrá-la em pedaços, ainda faria efeito? Todas eram boas perguntas. — Eu não sei, mas não podemos tentar? Então todos ficarão protegidos, ao menos um pouco. Ele não disse nada por um bom momento. — É arriscado demais. Eu prefiro saber que você está protegida ao invés de torcer para que esteja. E sei que isso me faz parecer egoísta, mas eu sou. Sou incrivelmente egoísta quando o assunto é você. — Mas Dawson…? Daemon me olhou. — Como eu disse, sou incrivelmente egoísta no que lhe diz respeito. Eu sinceramente não sabia o que dizer. Ele suspirou ao esfregar a mandíbula.

382


— Se acabarmos destruindo o pedaço de opala, então você vai entrar lá sem nenhuma proteção. Matthew, Dawson, e eu somos Luxen. Seremos mais forte do que você. Não nos cansamos facilmente. Não precisamos do pedaço de opala, não como você. — Mas... — Não estou disposto a arriscar isso. Se quebrar a opala e enfraquecê-la, então como ela vai te ajudar? — Ele negou com a cabeça. — Não precisamos da força extra. Você precisa. Meus ombros curvaram com a finalidade das suas palavras. Frustração cresceu dentro de mim. Não é que eu não entendesse o que ele dizia, nós simplesmente não concordávamos. Mais tarde, Daemon retirou a opala do seu esconderijo secreto e a colocou na minha palma, envolvendo a minha mão com a sua na minha varanda. Pássaros noturnos voavam à nossa volta, uma cobertura de cantorias. As rosas da primavera que eu plantei depois da aula na semana anterior preenchiam o ar com uma fragrância fresca e limpa. Seria romântico se eu não tivesse vontade de socá-lo na cara. — Sei que está com raiva. — Seus olhos acharam os meus. — Mas isso faz com que eu me sinta muito melhor. Ok? — Poucos dias atrás você disse a Dawson que nada daria errado. — Disse, mas só caso… quero que consiga sair não importa o que aconteça. Meu coração vacilou. — O que… o que está dizendo? Ele sorriu, mas foi forçado e eu odiei. — Se algo der errado, quero que saia de lá. Se tiver que deixar essa maldita cidade ou estado, deixe. E se por qualquer razão eu não conseguir sair de lá, não se detenha por isso. Entendeu? O ar deixou os meus pulmões de modo doloroso. — Quer que eu o deixe para trás? Os olhos de Daemon estavam brilhantes quando ele assentiu. — Sim.

383


— Não. — eu gritei, me afastando. — Nunca o deixaria para trás, Daemon. Ele

segurou

minhas

bochechas,

interrompendo

meus

movimentos. — Eu sei... — Não, não sabe! — Eu agarrei seus pulsos com força. — Você me deixaria lá se algo acontecesse comigo? — Não. — Seu rosto se contorceu numa expressão ameaçadora. — Nunca faria isso. — Então como pode me pedir uma coisa dessas? — Estava perto de chorar, principalmente porque não podia tolerar a ideia de Daemon ser capturado, sofrendo tudo o que seu irmão sofreu. — Não pode. — Perdão. — As linhas em seu rosto suavizaram quando ele baixou a cabeça, me beijando com rapidez. — Você tem razão. Não devia ter pedido que fizesse isso. Pisquei com fúria. — Como pôde chegar a pensar me pedir uma coisa dessas? — Agora eu queria mesmo esmurrá-lo, porque meu coração estava correndo e imagens terríveis e horripilantes passavam pela minha cabeça. Mas então… então percebi uma coisa. — Você cedeu muito facilmente. — eu sussurrei, desconfiada. Ele riu, deslizando os braços em volta dos meus ombros, me apertando contra o peito. — Só entendi o seu lado. Ah, é, aquilo era estranho. Inclinei a cabeça para trás, procurando em seu rosto algum sinal que o entregasse. Mas tudo o que vi foi ternura e um pouco daquela autoconfiança pretensiosa que sempre estava presente. Nem me incomodei em lhe perguntar se estava me escondendo algo, porque duvidava que fosse confessar, e queria acreditar que ele tinha assumido um erro. Mas eu não era idiota.

384


Capitulo trinta e cinco

N

a tarde antes do baile, Dee estava em meu quarto, retorcendo meu cabelo ao redor de um baby liss médio. Enquanto

que

a

conversação

começou

um

pouco

desajeitada, melhorou a metade do caminho através do

processo de estilização. A conversa foi leve e fácil pelo tempo que tinha depositado meu cabelo preso em um intrincado estilo que deixava ver todo seu trabalho duro. Eu estava aplicando a maquiagem em meu olho quando ela se sentou na beira de minha cama, com as mãos entrelaçadas sobre o colo. Tinha ia com um coque banana— um simples rabo de cavalo com o cabelo envolto ao redor dele em um grosso coque, um aspecto clássico que mostrava seu rosto anguloso perfeitamente. Esfregando meu dedo mindinho debaixo de meu olho, misturei o delineador de olhos marrom. — Está emocionada por esta noite? Ela deu de ombros. — Só quero fazer isso, porque, já sabe, é nosso último ano. Provavelmente vai ser nosso último ano juntos, todos nós, e quero experimentá-lo. Sei que Adam queria que eu fosse e me divertisse. Coloquei o lápis de olhos em minha bolsa e procurei por meu rímel. — Ele o faria — eu disse, olhando para trás no dormitório. — Ele parecia o tipo de cara que queria o melhor para você, não importa o que significasse para ele. Um sorriso cintilou e desapareceu. — Ele era. Com uma sensação de tristeza, virei-me para o espelho e meu olhar caiu ao tubo dourado. Ela deveria estar com o Adam esta noite. — Dee, eu...

385


— Sei. — Um segundo estava na cama e no outro estava de pé na porta. Sua parte inferior se desvaneceu e uau, era tão estranho de ver. — Sei que o sente. Sei que nunca quis que Adam morresse. Voltei-me para ela, girando a peça de obsidiana entre meus dedos. — Eu mudaria de tudo se pudesse. Seu olhar cintilou para longe de mim, colocando-o por cima de meu ombro. — Tem medo de amanhã à noite? Frente ao espelho uma vez mais, pisquei para conter as lágrimas. Por um momento, havia-se sentido como se tivéssemos chegado tão longe, mas então a porta tinha sido fechada de repente em minha cara. Bom, talvez tinha chegado em algum lugar, mas não pelo que eu queria. Portanto, deixa de ser uma queixosa, ordenei a mim mesma. Isso é um monte de maquiagem para o lixo. — Katy? — Estou assustada. — Admiti com uma risadinha. — Quem não estaria? Mas estou tentando não pensar nisso. Isso é o que fizemos a última vez, e estava tão amedrontada. — Eu estaria assustada não importa o que… eu estou assustada, em realidade, e tudo o que vou fazer é esperar no carro. — ela desapareceu da porta em um instante e voltou a aparecer no armário. Desembrulhou cuidadosamente meu vestido de festa. — Só tome cuidado e mantenha meus irmãos seguros. Okay? Meu coração disparou e não hesitei. — Tudo bem. Trocando os lugares, ela terminou sua maquiagem, e me deslizei em meu vestido. Mamãe apareceu em meu dormitório, câmara em mão, e aqui fomos de novo. Tirou nossas fotos, com lágrimas nos olhos, falando de como eu costumava brincar e calçar seus sapatos e correr pela casa nua, e isso foi tudo antes de Dee sair e Daemon chegar. Só poderia piorar a partir daí.

386


Mas quando Daemon entrou na sala de estar, onde eu esperava, brincando com uma pequena bolsa que mamãe tinha me dado, fiquei impressionada sem palavras. Daemon parecia bom em praticamente qualquer coisa — calças de brim, moletom, uma roupa de lenhador — mas em um smoking preto sob medida para seus ombros largos e quadris estreitos, estava absolutamente incrível. Ondas negras caíam sobre sua testa, penteadas para a direita. Ele segurava um buquê bem na mão. Quando ele ajeitou a gravata, seu olhar começou nas pontas dos meus sapatos e fez a leitura lenta para cima, demorando em alguns pontos que eu esperava que minha mãe não percebesse. Seus dedos se acalmaram ao redor da gravata, e eu corei, sentindo a intensidade em seu olhar e sua aprovação. Daemon gostava da cor vermelha. Minhas bochechas tinham que combinar com o meu vestido até então. Ele se aproximou de mim com aquela arrogância de estrela de rock e parou alguns centímetros diante de mim, abaixou a cabeça e sussurrou: — Você está linda. A vibração profunda começou no estômago e se espalhou. — Obrigada. Você não parece tão mal. Minha mãe vibrou ao redor como um passarinho errático, tirando fotos e suspirando sobre nós. Sempre que ela olhava para Daemon, tinha a aparência de olhos de corça em seu rosto. Ela estava totalmente apaixonada por ele. Ela tirou um monte de fotos dele tirando o buquê e amarrando-o ao meu pulso. O ramalhete era uma rosa simples em plena floração, rodeada de folhas verdes e Véu-de-noiva. Linda. Nós posamos para fotos da mamãe e todo o processo era natural, nada como Simon e regresso para casa. Meus pensamentos vagaram para Simon como fizemos mais algumas fotos e Daemon trocou a câmera para que pudéssemos fazer algum do pouco de mãe e filha.

387


Simon estava vivo? Blake tinha jurado que a última vez que viu Simon, o garoto estava vivo quando o DOD o levou embora. O que aconteceu com Simon era porque ele tinha me visto perder o controle da Source. Outra morte possível ligada a mim, e Simon tinha que estar morto, porque o que o DOD ou Daedalus queria com ele vivo? Ele era apenas humano... Pensei em Carissa. Daemon colocou a mão na parte inferior das minhas costas. — Onde você está? Pisquei, atraída de volta para o presente. — Eu estou aqui, certa com você. — Eu espero que sim. Mamãe veio, me puxando para um abraço. — Querida, você está tão linda, vocês dois estão lindos juntos. Daemon se afastou, sorrindo para mim por cima do ombro. — Eu simplesmente não posso acreditar que é isso. O baile de formatura. — disse ela, fungando quando recuou, de frente para Daemon. — Foi apenas ontem, quando ela estava correndo através de nossa casa, arrancando suas fraldas... — Mãe. — eu disse, finalmente saltando para a conversa. Ela contando qualquer história do bebê Katy era ruim o suficiente. Qualquer pessoa que a ouvisse er humilhante. Mas com Daemon era cerca de mil vezes mais horripilante. Os olhos de Daemon se iluminou com interesse. — Você tem fotos? Por favor, me diga que você tem fotos. Seu rosto irrompeu em um largo sorriso. — Na verdade, eu tenho! — Ela girou em direção a uma estante de livros no canto, um estoque cheio de fotos humilhantes. —Guardei tudo... — Oh, olha a hora. — Agarrei o braço de Daemon e puxei. Ele não se moveu. — Nós realmente precisamos ir. — Há sempre amanhã. — disse ele para a minha mãe, piscando. — Certo?

388


— Eu não vou trabalhar até às cinco. — Ela sorriu. Isso não estava acontecendo. Na saída, ela parou e me deu outro abraço. — Você está linda, querida. Eu quero dizer isso. — Obrigada. — Eu apertei suas costas. Ela me abraçou como se nunca fosse me deixar ir, e eu não me importei, porque depois de amanhã à noite, havia uma chance de que eu não pudesse voltar. Então eu precisava do abraço da minha mãe e eu não estava muito orgulhoso por admitir isso. — Estou feliz por você. — ela sussurrou. — Ele é um bom garoto. Eu dei um sorriso lacrimoso. — Eu sei. —Ótimo. — Ela se afastou, batendo nos meus braços com as mãos. — Toque de recolher? — Eu... — Você não tem nenhum esta noite. — Para minha surpresa, ela sorriu. — Só se comportem e não faça nada que você vai se arrepender de manhã. — Seu olhar se desviou por cima do meu ombro, e ela murmurou: — Não seria muito. — Mãe! Rindo, ela me deu um empurrão leve. — Estou velha, não morta. Agora vá e se divirta. Saí o mais rápido que pude. — Você não ouviu essa última parte, certo? Daemon sorriu. — Oh, Deus... Lançando a cabeça para trás, ele riu quando pegou minha mão. — Vem, minha senhora, o seu carro aguarda. Eu ri quando subi na Dolly e uma vez que ele estava lá dentro, nós discutimos sobre o rádio até que estávamos no meio do caminho para a escola e Daemon enviou-me um olhar de soslaio. — Você realmente está linda, Kitten. Eu quero dizer isso. Eu sorri, correndo os dedos sobre as contas na minha bolsa.

389


— Obrigada. Houve uma pausa. — Achei que você estava linda na noite de boas-vindas, também. Minha cabeça girou em sua direção, a bolsa esquecida. — Sério? — Inferno, sim. Eu odiava que você estivesse com outra pessoa. — Ele riu da minha expressão e, em seguida, voltou a se concentrar na estrada escura. O sorriso fácil puxou meu coração. — Quando eu vi você com Simon? Eu queria espancar o sempre-amoroso dele e jogar para longe. Eu ri. Às vezes, esquecia que durante esses tumultuados primeiros meses de conhecermos uns aos outros, uma pequena parte pequenina dele pode ter gostado de mim. — Então, sim, eu pensei que você era bonita, então. Mordi o lábio e depois esperava que eu não tivesse manchado meu gloss. — Eu sempre pensei que você fosse... — Bonito não era exatamente um descritor viril, então eu fui com: — Muito bonito. — O que você quer dizer é que sempre pensou que eu era incrivelmente gostoso e você não podia tirar os olhos de mim. — Nós realmente precisamos trabalhar em sua modéstia. — O bosque borrava fora das janelas, e eu pude ver o meu sorriso no reflexo. — Mas Deus, você já me marcou. —É uma parte do meu charme. Eu bufei. O baile era realizado no mesmo local do de boas-vindas — o ginásio

do

ensino

médio.

Verdadeira

sofisticação

aqui.

O

estacionamento estava lotado e porque estávamos um pouco atrasados, tivemos que deixar Dolly na seção hemorragia nasal. aemon pegou minha mão enquanto caminhávamos até a escola. O ar estava quente, com apenas um toque de frescor. As noites eram ainda muito frias aqui em maio, mas eu não preciso de um xale ou algo assim, não com Daemon ao meu lado. Ele sempre explodia uma incrível

390


quantidade de calor. No de boas-vindas, o ginásio foi transformado por toda decoração festiva de outono, mas para o baile, luzes brancas foram amarradas ao longo do teto e descia as arquibancadas fechadas, formando um efeito cascata deslumbrante. Grandes vasos de plantas de folhas haviam sido trazidos, em torno das mesas brancas cobertas de linho, que ficavam nas bordas da pista de dança cheia. A música era alta, e eu mal conseguia ouvir o que Daemon estava dizendo para mim quando me puxou para a frente. Lesa apareceu do nada, pegando a minha mão e me puxando em direção à pista de dança. Ela parecia incrível em um vestido trompete azul profundo que lisonjeava suas curvas de ampulheta. Fora da pista de dança, outras meninas nos cercavam. O riso misturado com a batida e eu pensei no clube em Martins e nas gaiolas. Mundos totalmente diferentes. Daemon reapareceu, me roubando para longe das meninas. Era uma dança lenta e seu braço se encaixou perfeitamente ao redor da minha cintura. Eu descansei minha bochecha em seu ombro, feliz por ele e Dee terem me convencido a fazer a coisa do baile. Sair e fazer isso me fez sentir muito bem, como se um peso de sete toneladas foi tirado dos meus ombros. Daemon cantarolou junto com a música, com o queixo roçando meu rosto de vez em quando. Gostei da forma como o peito vibrava contra o meu, me lembrando da forma natural como seu corpo sentia. Perto do fim da canção, eu abri meus olhos e eles travaram com Blake. Eu respirei intensamente. Não esperava que ele estivesse aqui, então ver Blake causou um pouco de choque atirando através de mim. Ele estava com alguém? Nenhuma garota estava perto dele, mas isso não quer dizer nada. Algo sobre o jeito que ele ficou lá olhando para nós estava acima do fator de deformação aceitável para o meu gosto. Um casal se moveu, rindo enquanto o garoto se agarrava em seus quadris. Quando eles passaram, Blake tinha ido embora, mas um

391


sentimento estranho, nojento tinha aparecido no meu estômago. A sensação que eu tenho quando via Blake, o que significava que eu tentava não pensar sobre ele. Ao vê-lo me fez pensar em outra pessoa, no entanto. Eu levantei minha cabeça. — Dawson não veio? Daemon abanou a cabeça. — Não, eu acho que ele se sentiria como se estivesse traindo Beth se viesse. — Uau. — eu sussurrei, sem saber o que pensar sobre isso. Sua dedicação à Beth era mais do que admirável. — Ela era uma espécie de inspiradora. Talvez fosse o DNA alienígena. O braço de Daemon apertou e o smoking se esticou sobre os ombros. Sim, definitivamente o DNA alienígena trabalhava em muitos, muitos aspectos. Após a dança lenta, Andrew e Dee se juntaram a nós. Ela parecia tão divina como eu pensei que ficaria em seu vestido e olhar fresco, limpo. Notei que Dee e Andrew mantinham uma distância discreta entre si. Para mim, ficou claro que eles eram apenas amigos, mais só porque eles compartilharam algo que perdeu. Quando Daemon se afastou para encontrar algo para beber, fui pega de surpresa por Ash e seu encontro humano... e seu pequeno vestido preto. Ash sorriu como um gato que comeu uma família inteira de canários. — David, esta é Katy. Não se preocupe em lembrar o nome dela. Você provavelmente vai esquecer. Eu a ignorei e ofereceu uma mão. — Prazer em conhecê-lo. David era bonito — muito bonito — e poderia facilmente conquistar seu espaço como Luxen. Ele tinha cabelos castanhos

392


encaracolados e os olhos cor de uísque quentes eram amigáveis também. Ele deu um bom aperto de mão. — O prazer é meu. E educado. O que ele estava fazendo com Ash? — Eu tenho certos talentos. — ela sussurrou em meu ouvido, como lesse meus pensamentos, e eu fiz uma careta para ela. — Pergunte

a

Daemon.

Ele

pode

dizer-lhe

tudo

sobre

eles.

Endireitando-se, ela riu. Em vez de bater nela, o que era algo que eu realmente queria fazer — e eu podia sentir a Source me implorando para ser usada —, eu sorri docemente quando passei por ela e coloquei minha mão sobre o comprimento exposto de suas esbeltas costas. Uma onda elétrica de alta carga passou da minha mão para sua pele. Soltando um grito baixo, Ash saltou e girou. — Você... Ao lado dela, David parecia confuso, mas por trás dele, Dee explodiu em gargalhadas. Eu continuei sorrindo, dando a Ash uma piscadela antes de se virar. Daemon estava ali com dois copos, uma sobrancelha se arqueou. — Pequena Kitten má. — ele murmurou. Sorrindo, estiquei-me e o beijei. Era um inocente — ou talvez de minha

parte,

mas

Daemon

totalmente

o

levou lá. Quando

nos

separamos, eu estava sem fôlego. Deixando o grupo para trás, nós dançamos novamente, tão perto que eu ficava à espera de um professor vir se aproximar e nos separar. Várias vezes dancei com Lesa e mesmo Dee se juntou em uma só vez. Todos nós parecíamos ridículos, nos agitando e se divertindo. No momento em que eu estava de volta nos braços de Daemon, havíamos estado no baile por cerca de duas horas. Alguns garotos já estavam saindo, dirigindo-se para as festas do campo notórios realizadas em fazendas. — Você já está pronta para sair? — Disse.

393


— Você tem algo planejado? — Oh Deus, a minha mente enlouquecer então. — Tenho. — Ele sorriu maliciosamente. — Eu tenho uma surpresa. E a minha mente foi longe, muito ao sul nesse ponto. Daemon e a palavra surpresa na

mesma

frase

geralmente

era

uma

aventura

divertida. — Tudo bem. —" eu disse, esperando soar adulto e fresco, enquanto o meu coração estava fazendo a dança feliz estúpido-garota. Encontrando Lesa, disse a ela que estávamos indo embora e deilhe um abraço. — Será que vocês conseguir um quarto de hotel? — ela perguntou, com os olhos brilhando nas luzes brancas. Eu dei um tapa em seu braço. — Não. Deus. Bem ... eu não penso assim. Ele diz que tem uma surpresa para mim. — Totalmente o quarto de hotel. — ela gritou. — Oh meu Deus, vocês vão ter, você sabe, a palavra de quatro letras. Eu sorri. Os olhos de Lesa estreitaram e então se abriram. — Espere. Será que vocês... — Eu tenho que ir. — Eu comecei a me afastar, mas ela me seguiu. — Você tem que me dizer! Eu preciso saber. — Atrás dela, Chad assistia em curiosidade. Ficando longe, balancei minha cabeça. — Eu realmente preciso ir. Eu vou falar com você mais tarde. Divirta-se. — Oh, é melhor falar depois. Eu exijo. Prometendo ligar para ela, então olhei para Dee, mas tudo o que eu encontrei foi Ash, e depois que a eletrocutei mais cedo, ela estava olhando como se quisesse dar o troco. Eu desviei na outra direção, esquadrinhando o chão para a menina de cabelos negros esbelta.

394


Eu desisti quando vi Daemon novamente. — Você já viu Dee? Ele acenou com a cabeça. — Acho que ela saiu com Andrew. Eles decidiram ir para um restaurante ou algo assim e comer. Eu olhei. Daemon encolheu os ombros. Agora eu não tinha certeza sobre a minha convicção de antes, quando se tratava de seu relacionamento. Adam e Dee eram notórios por fazer coisas desse tipo. Então, novamente, Luxen gostava de comer... o tempo todo. — Você não acha que eles estão...? — Eu não quero nem saber. Eu também não, decidi. Pegando sua mão estendida, voltamos para fora do ginásio fumegante e pelo corredor cheio de serpentinas. As temperatura caiu lá fora, mas o ar frio foi gostoso contra a minha pele corada. — Você vai me contar sobre a surpresa? — Se eu contar, então não vai ser uma surpresa. — respondeu ele. Eu fiz beicinho. — Mas é uma surpresa agora. — Boa tentativa. — Ele riu, abrindo a porta para mim. — Entre e se comporte. — Tanto faz. — Mas eu entrei, esmeradamente cruzando as pernas. Daemon riu de novo quando ele galopou em torno da frente do seu carro e entrou. Me lançando um olhar, ele balançou a cabeça. — Você está morrendo de vontade de saber, não é? — Sim. Você deve me dizer. Ele não disse nada e permaneceu em silêncio durante todo o caminho para casa, para minha surpresa. Excitação nervosa se

395


construiu dentro de mim. Não só estava a poucos minutos aqui e lá, de estarmos sozinhos juntos desde aquele fatídico sábado à noite. Estranho como algo tão terrível e tão bonito poderia acontecer em uma noite — o melhor e o pior dia da minha vida, percebi. Eu não queria pensar em Will. Daemon estacionou o carro em sua garagem. A luz da sala estava acesa em sua casa. — Fique no carro, ok? Quando balancei a cabeça, ele saiu e desapareceu — indo em um flash. Curiosa, eu virei no banco, mas eu não o vi nem ninguém. O que ele poderia estar fazendo? De repente, a porta do carro se abriu e Daemon estendeu a mão. — Pronto? Um pouco abalada e desnorteada por sua reaparição, dei-lhe a minha mão e o deixei me precipitar para fora do SUV. — Assim, a minha surpresa...? — Você vai ver. De mãos dadas, começamos a caminhar. Eu pensei que ele ia me levar para sua casa, mas ele não o fez, e quando passamos pela minha e fez o nosso caminho pela estrada, eu não tinha ideia do que ele havia planejado. Isso é, até que eu vi que estávamos indo para a estrada principal e quando paramos lá, fui levada de volta vários meses para a primeira vez que eu aprendi sobre o tipo de Daemon. Eu caminhei na frente de um caminhão. Sim, movimento idiota, mas eu tinha sido perturbada e não estava pensando. A versão idiota de Daemon tinha sido a culpada. Atravessando a estrada, eu tenho uma ideia geral de onde estávamos indo. O lago. Apertando a mão de Daemon, eu lutei contra um sorriso estúpido. — Você acha que você pode andar nesses saltos? — ele perguntou, franzindo a testa, como se tivesse acabado de pensar nisso. Duvidoso, mas eu não quero estragar nada disso para ele. — Sim, eu vou ficar bem.

396


Ele tomou-a lentamente de qualquer maneira, tendo certeza que eu não cairia de cara no chão ou quebraria meu pescoço. Incrivelmente doce, na verdade, como ele fez questão de ter todos os ramos de baixo pendurado para fora do caminho e em um ponto, ele mesmo deixar uma parte da sua verdadeira forma tomar posse. A luz branca rodeava sua mão, lançanda sobre o terreno irregular. Quem precisava de uma lanterna quando você tinha Daemon? Demorou um pouco mais do que o normal para chegar ao lago, mas eu gostei do passeio e sua companhia. E quando a gente saiu do último grupo de árvores e a cena diante de mim se desdobrou, eu não podia acreditar no que eu estava vendo. A luz da lua se refletia nas águas tranquilas e vários metros de distância do banco de areia, ao lado das flores silvestres brancas que tinham começado a florescer, estavam vários cobertores espalhados e empilhados uns sobre os outros, criando uma área de estar confortável para o futuro. Havia alguns travesseiros e um grande refrigerador. Um fogo crepitava mais perto do lago, cercado por grandes pedras. Não havia palavras. Todo

o

conjunto

era

excepcionalmente

romântico,

doce,

impressionante, e assim, tão perfeito que eu me perguntava se eu estava sonhando. Eu sabia que Daemon era capaz de me surpreender, ele sempre fazia, mas isto...? Meu coração se encheu tão rapidamente que eu tinha certeza que iria flutuar. — Surpresa. — disse ele, dando um passo à frente, de costas para o fogo. — Eu pensei que isso seria melhor do que uma festa ou algo assim. E você gosta do lago. Assim como eu. Eu pisquei para conter as lágrimas. Deus, eu precisava parar de chorar o tempo todo, especialmente à noite, porque eu tinha carregado meus cílios com rímel. —É perfeito, Daemon. Oh meu Deus, é maravilhoso. — Sério? — Um pouco de vulnerabilidade penetrou em sua voz. — Você realmente gosta disso? Eu não podia acreditar que ele tinha que perguntar.

397


— Eu amo isso. — E então comecei a rir, que foi melhor do que chorar. — Eu realmente amo isso. Daemon sorriu. Lancei-me para ele, passando os braços e as pernas em torno dele como uma demente garota-macaco. Rindo, ele me pegou e não tropeçou. — Você realmente amou. — disse ele, andando para trás. — Eu estou contente. Tantas emoções estavam correndo através de mim que eu não poderia resolver sobre uma coisa, mas todos eram bons. Quando ele me colocou no chão, chutei os sapatos e me movi para os cobertores. Eles eram macios sob os meus pés, de luxo. Sentando-se, dobrei minhas pernas debaixo de mim. — O que está na geladeira? — Ah, as coisas boas. — Ele piscou na escuridão e apareceu ao lado da geladeira, ajoelhando-se. Ele abriu-a, tirou uma garrafa de vinho e dois copos. — O vinho mais gelado de morango. O seu favorito. Eu ri. — Oh meu Deus. Ele tirou a rolha com algum tipo de poder-alien-mente-SourceJedi estranho e nos serviu para cada um um copo. O ergui e bebi o líquido efervescente. Eu gostava do vinho gelado, porque não gosto de álcool e eu estava realmente um peso leve. — O que mais? — Eu perguntei, inclinando-sm. Tirou uma vasilha e ele cuidadosamente tirou a tampa e inclinoua para mim. Morangos cobertos com chocolate rolavam tentadoramente. Minha boca encheu de água. — Foi você que os fez? — Ha. Não. — Uh... Dee os fez? Isso conseguiu uma risada. — Eu os pedi de uma loja de doces na cidade. Experimenta um?

398


Eu fiz e acho que minha boca morreu e foi para o céu. Eu evitei inclusive babar sobre mim mesma. — Eles são tão bons. — Há mais. — Ele tirou um recipiente de plástico cheio de queijo fatiado e biscoitos. — Também pré-fabricado na loja, porque eu não sou um cozinheiro ou o que quer que seja. Quem se importava como ele conseguiu as coisas? Ele fez isso, isso era tudo dele. Havia

também

sanduíches

de

pepino

e

uma

pizza

vegetariana. Comida perfeita para um lanche, e nós caímos de boca, rindo e comendo enquanto o fogo diminuía lentamente. — Quando você fez tudo isso? — Eu perguntei, pegando minha quinta fatia ou mais de pizza vegetariana. Ele pegou um morango, inspecionando-o com os olhos apertados. — Trouxe as coisas na geladeira até aqui e os cobertores embrulhados em tela. Tudo o que fiz quando voltamos foi vir aqui rapidinho, espalhar as coisas para fora, e iniciar o fogo. Eu terminei minha fatia. — Você é incrível. — Eu sei que não levou tanto tempo para perceber isso. — Não. Eu sempre soube disso. — Eu o vi buscar outro de morango. — Talvez não no começo... Ele espiou para cima. — Minha grandiosidade tem tudo a ver com cautela. —É mesmo? — A temperatura caiu e eu me encolhi mais perto de Daemon e o fogo morrendo, tremendo, mas não em qualquer lugar perto de pronta para voltar. — Uh-huh. — Ele sorriu, fechando a tigela e colocando o resto da comida de volta no refrigerador. Atirando-me um refrigerante, ele limpou tudo. Nós tínhamos consumido o último vinho gelado há um tempo atrás. — Eu não posso mostrar todos os meus lados dinâmicos ao mesmo tempo. — Claro que não. Onde está o mistério nisso? Ele pegou um cobertor em um lance.

399


— Não há nenhum. — envolve-o sobre meus ombros, então ele se acomodou ao meu lado. — Obrigada. — Eu puxei o material macio para perto. — Acho que o público em geral ficaria chocado ao saber o quão profundo a sua doçura é executada. Daemon se estendeu, descansando em seu lado. — Ele nunca pode saber. Sorrindo, eu me inclinei para a frente e beijei seus lábios. — Vou levar o segredo para o túmulo. —Ótimo. — Ele deu um tapinha no lugar ao lado dele. — Nós podemos voltar sempre que quiser. — Eu não quero ir embora. — Então, traga o seu pequeno bumbum híbrido feliz até aqui. Lançando-se

sobre

o

espaço

restante,

me

deitei

ao

lado

dele. Daemon moveu um travesseiro baixo, de modo que ele estava sob minha cabeça. Aconchegando-me perto dele, seria necessário um exército de Arum para nos separar. Nós falamos sobre a dança, a escola, e até mesmo a universidade em Colorado. Nós conversamos muito além da meia-noite. — Você está preocupado com o amanhã, afinal? — Eu perguntei, arrastando as pontas dos meus dedos ao longo da curva de sua mandíbula. — Estou preocupado, mas seria insano não estar. — Ele beijou meu dedo quando estes estiveram muito perto de seus lábios. — Mas não é sobre o que você pensa. — O que, então? — Minhas mão caíram ao seu pescoço, sobre a camisa. Ele tinha tirado a jaqueta um tempo atrás. Sua pele estava quente e dura debaixo do tecido fino. Daemon se aproximou. — Eu me preocupo que Beth não seja como Dawson lembra. — Eu também.

400


— Eu sei que ele pode lidar com isso, no entanto. — Ele juntouse, sua mão deslizando sob o cobertor, curvando-se no meu ombro nu. — Eu só quero o melhor para ele. Ele merece isso. — Ele merece. — Eu prendi minha respiração quando sua mão viajou para o sul, sobre a curva na minha cintura então a elevação do meu quadril. — Eu espero que ela esteja bem... que todos estejam bem, mesmo Chris. Ele balançou a cabeça e gentilmente me deslizou em minhas costas. Sua mão alisou a saia do meu vestido para o meu joelho. Eu tremi. Ele sorriu. —

Outra

coisa

que

está

incomodando.

Quando eu pensei sobre o amanhã e o que o futuro pode trazer, um monte de coisas estavam me incomodando. — Eu não quero que nada aconteça com você. — Minha voz se quebrou. — Eu não quero que nada aconteça com ninguém. — Shh. — Ele me beijou suavemente. — Nada vai acontecer a mim ou a qualquer um. Eu apertei minhas mãos em torno de sua camisa, segurando-o, como se eu pudesse de alguma forma parar o cenário de pior caso de vir a ser concretizadas apenas por mantê-lo perto. Bobagem, eu sabia, mas o fazer ficar ali manteve o mais terrível dos medos na baía. Que eu ia a pé para fora do Mount Weather, mas Daemon não. — O que acontece se tivermos êxito amanhã à noite? — Você quer dizer quando tivermos? — Sua perna roçou sobre a minha, fixando-se no meio. — Nós vamos voltar para a escola na segunda-feira-chata, eu sei. Então nós esperamos passar nossas aulas, o que faremos. Então nos formar. E então nós temos todo o verão... Seu peso fez coisas más para os meus pensamentos, mas o pânico apareceu muito perto. — Daedalus virá à procura de Beth e Chris. — E eles não vão encontrá-los. — Seus lábios pressionaram contra minha têmpora e, em seguida, a curva da minha testa. — Ou seja, se chegar perto o suficiente.

401


Meu estômago revirou. — Daemon... — Vai ficar tudo bem. Não se preocupe. Eu queria acreditar. Mais como eu precisava. — Não vamos pensar no amanhã. — ele sussurrou, seus lábios pastando em meu rosto e, em seguida, minha mandíbula. — Não vamos pensar na próxima semana ou na noite seguinte. É só nós agora e nada mais. Com o coração acelerado, eu inclinei minha cabeça para trás e fechei os olhos. Parecia impossível de esquecer tudo o que estava por vir, mas enquanto sua mão viajava por cima do meu joelho e até sob a bainha do meu vestido, era realmente só nós e nada mais.

402


C

Capitulo trinta e seis omo da última vez que fiz a nossa viagem para o Mount Weather, passei a maior parte do domingo com a minha mãe. Fomos a um café da manhã tardio e eu a enchi em todos os detalhes de baile. Ela estava com os olhos cheios

de lágrimas quando disse a ela sobre a surpresa de Daemon no lago. Inferno, eu tenho olhos cheios de lágrimas e meu peito vibrava quando disse a ela. Daemon e eu tínhamos ficado lá fora, até que as estrelas tinham desaparecido

da

noite

e

o

céu

tinha

virado

azul

escuro. Foi

simplesmente perfeito e as coisas que fizemos nessas horas tardias ainda faziam meus dedos enrolarem. — Você está apaixonado. — disse a mãe perseguindo um pedaço de melão em todo o prato com o garfo. — Isso não é uma pergunta. Eu posso ver isso em seus olhos. Vermelho varreu meu rosto. — Sim, estou. Ela sorriu. — Você cresceu muito rápido, querida. Nem sempre me sentia assim, especialmente esta manhã, quando eu não conseguia encontrar a minha outra sandália e eu estava, tipo, dois segundos de começar um ataque. Então sua voz baixou para que o público que lotava igreja não pudesse ouvir. — Você está sendo cuidadosa, certo? Estranhamente, eu não estava embaraçada com a mudança na conversa. Talvez tivesse a ver com o comentário do "bebê Katy nua tirando as fraldas" de ontem. De qualquer maneira, estava feliz que ela perguntou, que ela se importava o suficiente. Minha mãe podia estar

403


ocupada trabalhando como a maioria dos pais solteiros, mas ela não estava na lista de ausentes. — Mamãe, eu sempre tenho cuidado com esse tipo de coisa. — Eu tomei um gole do meu refrigerante. — Eu não quero nenhum bebê Katy correndo por aí. Seus olhos se arregalaram com o choque e então ela lacriejou novamente. Oh, querida... — Você tem crescido. — disse ela, colocando a mão sobre a minha. — E eu estou orgulhosa de você. Ouvir isso foi bom, porque em todo o lado pai das coisas, eu não tinha certeza do que ela podia sentir orgulho. Claro, eu fui para a escola, fiquei fora de problemas, principalmente, e tirava boas notas. Mas eu tinha falhado na coisa faculdade até agora, e eu sabia que a incomodava. E tudo o mais que eu me esforcei e lidei, ela não sabia. Mas ela ainda estava orgulhosa de mim, e eu não queria fazer qualquer coisa para deixá-la para baixo. Quando chegamos em casa, Daemon parou por um tempo e levou tudo em mim para manter a mãe longe dos álbuns de fotos antes de ir pegar algumas horas de sono, deixando Daemon e eu à nossa própria sorte, o que soaria como uma coisa muito divertida, mas eu estava amarrado com muita força enquanto as horas se arrastavam. Uma vez que eu me troquei para o moletom preto, Daemon pediu a opala. Eu entreguei. — Não olhe para mim desse jeito. — disse ele, sentado em minha frente na minha cama. Ele enfiou a mão no bolso e tirou uma corda branca fina. — Em vez de mantê-la em seu bolso, pensei que poderia fazer um colar de fora. — Oh. Boa ideia. Eu o vi envolver a corda em torno da peça de opala, ajustando-a para que não houvesse corda suficiente em ambos os lados para caber confortavelmente ao redor do meu pescoço. Sentei-me para que ele

404


prendesse a pedra debaixo da minha camisa. Ela descansou um pouco acima do pedaço de obsidiana que eu usava. — Obrigada. — eu disse, apesar de eu ainda pensar que deveria ter arriscado em parti-la. Ele sorriu. — Acho que devemos pular o almoço de amanhã e ir ao cinema. — Huh? — Amanhã, eu acho que devemos fazer isso ao meio-dia. Fazer planos para pular as aulas da tarde de amanhã não estava na minha lista de prioridades e eu estava prestes a apontar isso quando percebi o que ele estava fazendo. Distraindo-me da possibilidade de pode não haver um amanhã que eu queria ver, manter as coisas normais e, de certa forma, esperançoso. Ergui os cílios e os nossos olhos se prenderam. A tonalidade verde queimava extraordinariamente brilhante e depois ficou branca quando me levantei de joelhos, segurei seu rosto, e beijei-o, realmente beijei, como se ele fosse o próprio ar que eu estava sedenta. — O que foi isso? — Ele perguntou quando eu me sentei. — Não que eu esteja reclamando. Dei de ombros. — Só porque queria. E para responder a sua pergunta, acho que definitivamente devemos faltar e desaparecer durante todo o dia. Daemon se moveu tão rápido que um segundo ele estava sentado e no próximo ele estava em cima de mim, com os braços como bandas de aço em ambos os lados da minha cabeça e eu estava de costas, olhando para ele. — Eu te disse que eu tenho um fraquinho por meninas más? — ele murmurou. Sua forma desfocada nas bordas, um branco suave, como se alguém tivesse tirado um pincel e feito um esboço borrado ao redor dele. Uma mecha de cabelo caiu para a frente, para aqueles olhos de diamantes surpreendentes. Eu não conseguia encontrar minha respiração. — Evasão escolar faz isso com você?

405


Quando ele abaixou seu corpo, ele vibrava com uma carga baixa e onde os nossos corpos se encontravam, faíscas voaram. — Você faz isso por mim. — Sempre. — eu sussurrei. Seus lábios roçaram os meus. — Sempre. ... Daemon me deixou algum tempo depois para se encontrar com Matthew e Dawson. Os três queriam discorrer sobre as coisas de novo, e Matthew, sendo o planejador analista de retenção do coração, queria fazer mais algumas tentativas com a ônix. Eu fiquei para trás, oscilando em torno de minha mãe como uma criança

pequena

quando

ela

ficou

pronta. Sentindo-se

excepcionalmente carente, eu mesmo a segui para fora e a assisti saindo da garagem em seu Prius. Sozinha,

meu

olhar

foi

para

o

canteiro

contornando

a

varanda. Era necessário substituir o humo desbotado e poderia fazer uma boa capina. Saindo da varanda, eu fui para os pequenos botões de rosa e comecei a retirar as pétalas mortas. Eu ouvi uma vez que ele poderia ajudar a flor flores novamente. Não tinha certeza se isso era correto ou não, mas a monotonia de escolher cuidadosamente as folhas aliviou os meus nervos. Amanhã, Daemon e eu gostaria de pular fora na hora do almoço. Próximo fim de semana, gostaria de convencer a minha mãe que eu precisava fazer uma revisão sobre o canteiro. No início de junho, gostaria de me formar. Em algum momento nesse mês, gostaria de levar a sério a preencher a papelada para a Universidade do Colorado, e eu gostaria de deixar cair a bomba em minha mãe. Em julho, eu passava todos os dias com Daemon nadando no lago e conseguindo um bronzeado Jersey Shore.

406


Até o final do verão, as coisas seriam normal entre Dee e eu. E vindo o outono, eu seguiria em frente de tudo isso. As coisas não voltariam a ser mundanas. Eu não era totalmente humana mais. Meu namorado, o cara que eu amava... era um alienígena. E pode se tornar um ponto em que, como Dawson e Blake, Daemon e que eu teríamos que desaparecer. Mas não ia ser um amanhã, um na próxima semana, mês, verão e outono. — Só você estaria fazendo jardinagem agora. Eu me virei com o som da voz de Blake. Encostou-se em meu carro, vestido todo de preto, pronto para esta noite. Esta foi a primeira vez desde o nosso confronto que Blake havia chegado perto de mim enquanto eu estava sozinho, e a parte extraterrestre de mim respondeu. Aquela sensação de montanha-russa estava inchando dentro de mim. Estática picava ao longo da minha pele. Eu me segurei fortemente. — O que você quer, Blake? Ele riu suavemente quando seu olhar caiu no chão. — Estamos saindo em breve, certo? Eu estou apenas um pouco mais cedo. E eu era apenas um pouco mais de um livro nerd. Sim, certo. Batendo a sujeira dos meus dedos, eu o olhei ironicamente. — Como você chegou aqui? — Estacionei no final da estrada, na casa vazia. — Ele fez um gesto com o queixo. — A última vez que estacionei aqui, tenho certeza que alguém derreteu a pintura no capô do meu carro. Parecia Dee e suas mãos de micro-ondas. Cruzei os braços. — Dee e Andrew estão na porta ao lado. — eu senti a necessidade de apontar. — Eu sei. — Ele puxou a mão, passando-a por seu cabelo em pontas. — Você parecia realmente bem no baile. Uma inquietação de espalhou na minha barriga.

407


— Sim, eu o vi. Você foi sozinho? Ele acenou com a cabeça. — Eu estive lá apenas por alguns minutos. Nunca fiz a coisa de dança do ensino médio. Um pouco decepcionante. Eu não disse nada. Blake deixou cair a mão. — Você está preocupada com esta noite? — Quem não gostaria de estar? — Menina esperta. — disse ele, e sorriu um pouco. Foi mais uma careta do que qualquer coisa. — Ninguém que eu conheça se infiltrou em uma de suas instalações antes ou sequer chegou tão longe como fizemos da última vez. Não Luxen ou híbrido, e não podemos ser o primeiro a tentar fazê-lo. Aposto que há uma dúzia de Dawsons e Beths, Blakes e Chrises. Músculos tensionaram no meu pescoço e ombros. — Se isto é suposto ser uma conversa de vitalidade, você completamente falhou nisso. Blake riu. — Eu não quis dizer isso. Só que, se fizermos isso, somos o mais forte, sabe. O melhor de seus híbridos e sem os Luxen. Engraçado ou talvez apenas irônico, pensei, que o que Daedalus tanto queria eram os únicos que poderiam ir contra eles. Enfiei a mão no bolso, sentindo as bordas quentes e suaves do opala. — Então, nós somos simplesmente fantásticos, eu acho. Outro sorriso doloroso e, em seguida, Blake disse: — Isso é o que estou contando. ... Estávamos todos vestidos como um grupo desorganizado de rejeitados ninjas. Minha pele suava sob o moletom preto térmico. A ideia era que, quanto menos pele exposta, menor a ônix nos impactava.

408


Realmente não deu certo assim da última vez, mas não íamos correr nenhum risco esta noite. A opala estava queimando um buraco em meu bolso. Conduzir para as montanhas da Virgínia era um assunto tranquilo. Desta vez, mesmo Blake ficou em silêncio. Dawson era uma bola de energia ao lado dele. Uma vez, felizmente não quando os carros nos cercaram, ele escorregou em sua verdadeira forma, quase cegando todos nós. As palavras de Blake ficaram na minha cabeça. Isso é o que eu estou contando. Eu provavelmente estava sendo paranoica, mas elas se estabeleceram como o leite azedo. É claro que ele estava contando em nós para retirar o quase impossível. Ele tinha tanto quanto nós a ganhar. E então eu pensei no aviso de Luc: nunca confie em quem tem nada a ganhar ou perder. Mas isso significava que não podia confiar nele ou em nossos amigos. Todos nós tínhamos algo a ganhar ou perder. Daemon estendeu o braço sobre o console central e apertou minha inquieta mão. Pensar nessas coisas nesse momento não era a melhor rota para viajar. Estava me enfiando em todos os estados e sem coragem. Sorri para Daemon e decidi me concentrar em nossa tarde. Nós realmente não faríamos nada. Apenas abraçados, nós dois bem acordados, e de alguma forma que era mais íntimo do que qualquer outra coisa. Ontem à noite ou de manhã cedo tinha sido uma história diferente. Daemon era um sujeito criativo. Minhas bochechas estavam manchadas de vermelho o resto da viagem. Os dois SUVs chegaram à pequena fazenda na parte inferior da escura estrada de acesso, com cinco minutos de sobra. Quando saímos, Blake conseguiu seu texto de confirmação de Luc. As coisas estavam em movimento.

409


Em vez fazermos exercícios de aquecimento, ficamos quietos, conservando a nossa energia. Ash, Andrew, e Dee permaneceram em sua SUV. O resto de nós moveu-se para a beira do campo cheio de mato. Eu esperava que eu não me infestasse de carrapatos. Com um último olhar para os Luxen no veículo, era hora de ir. Deixando fluir a Source através do meu sangue e ossos e ondulando sobre a minha pele, que decolou na escuridão, sem a luz da lua na noite nublada. Como da última vez, Daemon ficou ao meu lado. A última coisa que alguém precisava era eu tropeçar em alguma coisa e rolar de volta para baixo do morro. As coisas ficaram quietas e tensas quando chegamos à borda da floresta, esperando para ver que apenas um guarda vigiando a cerca. Foi Daemon que o derrubou desta vez. Então nós estávamos em cima do muro, digitando o primeiro código. Ícaro. Tirando todo o trecho de campo, os cinco de nós se moveram como fantasmas. Visível pela visão periférica, mas invisível quando olhava para frente. No conjunto de três portas, Dawson entrou com a segunda senha. Labirinto. E agora era hora de fazer ou morrer. Todos esses meses levaram a isso. Será que a nossa formação ônix significa nada? Daemon olhou para mim. Enfiei a mão no bolso, passando os dedos ao redor da opala. Atravessar o spray de ônix que ainda doía como as entranhas do fogo do inferno para todos, mas devia ser administrável se Blake tinha razão. A porta se abriu com um som de câmara de ar e Daemon foi o primeiro que passou. O ar soprou e ele se retraiu, mas uma perna se moveu em frente da outro e, em seguida, ele estava completamente, no outro lado. Ele parou, olhando por cima do ombro e sorriu aquele meio sorriso.

410


Todos nós soltamos um suspiro coletivo. Todos nós passamos pela porta blindada de ônix. Cada um dos garotos recebeu o spray com um estremecimento e careta de dor. Eu mal senti uma coisa. Dentro do Monte Weather, pela primeira vez, ficamos trás de Blake, que conhecia a maior parte do caminho. O túnel era sombreado, com pequenas lâmpadas colocadas a cada vinte metros ou mais sobre as paredes cor de laranja. Eu procurei por aquelas portas de emergência assassinas, mas estava escuro demais para vê-las. Erguendo minha cabeça, notei algo terrível sobre o teto. Era brilhante, como se fosse molhado ou algo assim, mas não era líquido. —Ônix. — Blake sussurrou. — O lugar inteiro é coberto em ônix. A

menos

que

eles

fizeram

uma

remodelação

enorme

recentemente, não poderia ser algo novo para Blake. Sentindo a opala contra a minha pele, atraí a Source e esperei a carga expressa de energia quando nós corremos para baixo pelo túnel. Houve uma pequena centelha de energia extra, mas nada como tinha sido quando Daemon e eu testamos. Meu coração afundou quando nos aproximávamos do fim do longo túnel. Tinha que ser todo o ônix, de alguma forma, enfraquecendo a opala. No final do túnel, era dividido em um cruzamento. Elevadores estavam no meio. Matthew se dirigiu para a abertura, verificando o primeiro espaço. —Limpo. — disse ele, em seguida, desapareceu, se movendo tão rápido que, quando ele apertou o botão do elevador, os meus olhos não podiam segui-lo até que ele estivesse ao nosso lado novamente. Quando as portas se abriram, nós nos movemos de uma só vez, enchendo o elevador de aço. Aparentemente, as escadas estavam sob a senha e eu me perguntava o que diabos as pessoas fariam em caso de emergência. Olhei ao redor do elevador, observando algumas peças brilhantes negras e vermelhas na luz do teto piscando. Eu meio que esperava ser encharcada com ônix enquanto esperávamos, mas isso não aconteceu.

411


A mão de Daemon tocou a minha, e eu olhei para cima. Ele piscou. Balançando a cabeça, movia meu peso sem descanso. Este parecia ser o elevador mais lento em movimento no mundo. Eu poderia descobrir uma fórmula trig mais rápido. Daemon apertou minha mão, como se ele pudesse sentir o meu nervosismo. Estiquei-me nas pontas dos meus dedos e segurei o rosto de Daemon, guiando a cabeça dele para baixo para a minha. Beijei-o profundamente e sem reservas. — Para a boa sorte. — eu disse depois que recuei, um pouco sem fôlego. Seus olhos cor de esmeralda brilharam com uma riqueza de promessas que enviou um tipo muito diferente de calafrios em cima de mim. Quando chegarmos em casa, era assim que começaríamos algum tempo um-a-um. Porque iríamos chegar em casa, todos nós. Não poderia haver outro resultado Finalmente, as portas do elevador se abriram, revelando uma pequena sala de espera. As paredes brancas. Tetos brancos. Pisos brancos. Nós tínhamos pisado em um asilo de loucos. — Cores decorativas bonitas. — disse Matthew. Daemon sorriu. Seu irmão avançou, parando na porta. Não havia nenhuma maneira, nenhuma ideia de ver o que nos esperava do outro lado. Com este código, estávamos indo no escuro. Mas tínhamos chegado tão longe. Excitação cantarolava através de mim. — Cuidado, irmão. — disse Daemon. — Faremos isso devagar. Ele acenou com a cabeça. — Eu nunca estive aqui. Blake? Blake moveu-se para o seu lado.

412


— Deve ser um outro túnel, mais curto e mais largo, e haverá portas do lado direito. Celas, realmente, equipadas com uma cama, uma televisão e um banheiro. Haverá cerca de vinte quartos. Eu não sei se os outros estão ocupados ou não. Outros? Eu não tinha pensado sobre os outros. Olhei para Daemon. — Nós não podemos deixá-los. Antes que ele pudesse responder, Blake interveio. — Nós não temos tempo, Katy. Pegar muitos irão nos atrasar, e não sabemos que tipo de condição que estão dentro. — Mas... — Pela primeira vez, eu concordo com Blake. — Daemon encontrou meu olhar chocado. — Não podemos, Kitten. Agora não. Eu não estava bem com isso, mas eu não podia correr pelo corredor, deixando as pessoas livres. Nós não planejamos para isso e nós só tínhamos um determinado período de tempo. Isso era pior que as pessoas que pirateavam livros, muito pior do que esperar um ano para o próximo livro de uma série amada, e pior do que um momento de suspense brutal sem fim. Sair aqui, sabendo que poderia estar deixando pessoas inocentes para trás, me assombraria para sempre. Blake respirou fundo e digitou o último código. Daedalus. O som de vários bloqueios de sucção voltando ao lugar quebrou o silêncio e uma luz na parte superior da porta, à direita, brilhou verde. Quando Blake avançou pela porta aberta, Daemon moveu-se para ficar na minha frente. Matthews estava de repente atrás de mim e eu estava blindada. Mas que...? — Estamos livres. — disse Blake, parecendo aliviado. Passamos pela porta, descobrindo outro escudo ônix. Agora tínhamos mais dois para conseguirmos passar. Isso não ia ser fácil. O túnel era como o descrito acima, mas todo branco e como Blake tinha informado, era mais curto e mais largo. Todo mundo estava se

413


movendo, mais do que eu. Nós tínhamos feito isso, nós estávamos aqui. Meu estômago embrulhou e minha pele se arrepiou. Eu quase não podia acreditar. Feliz e ansiosa ao mesmo tempo, eu senti a pressa de responder a Source, mas atingiu o pico e depois cuspiu rapidamente. A quantidade de ônix neste edifício era insana. — A terceira cela é a dela. — disse Blake, correndo pelo corredor, em direção ao último conjunto de portas. Girando, prendi a respiração, quando Dawson alcançou a maçaneta da porta revestida de ônix e se virou. Ele não encontrou resistência. Dawson entrou na sala, com as pernas tremendo, todo seu corpo tremendo, e sua voz falhou quando ele falou. — Beth? Aquela palavra, aquele som foi retirado das profundezas de Dawson

e

todos

nós

paramos,

nossas

respirações

segurando

novamente. Por cima do ombro, vi uma forma esbelta em uma cama estreita sentar-se. Quando ela apareceu, eu quase aplaudi... eu queria, porque era ela, era Beth ... porém ela não parecia em nada com estava quando a vi pela última vez dela. Seu cabelo castanho não era pegajoso ou gorduroso, mas puxado para trás em um rabo de cavalo suave. Alguns fios se soltaram, emoldurando um rosto pálido, mas de elfo. Uma grande parte de mim temia que ela não fosse reconhecer Dawson, que ela seria uma casca rachada da garota que eu conheci. Eu estava me planejando para o pior. Que ela podia até atacar Dawson. Mas quando eu vi os olhos escuros de Beth, eles não estavam vazias como estiveram na casa de Vaughn. Eles também pareciam em nada com olhar assustadoramente branco de Carissa. Reconhecimento queimou nos olhos de Beth. O tempo parou para aqueles dois e depois acelerou. Dawson tropeçou para a frente, e eu pensei que ele ia cair de joelhos. Suas mãos

414


abriam e fechavam em seus lados, como se ele não tivesse nenhum controle sobre elas. Tudo o que podia dizer era: — Beth. A garota se moveu para fora da cama, com os olhos saltando sobre nós e, em seguida, eles se estabeleceram e ficou em cima dele. — Dawson? É que... Eu não entendo. Ambos se moveram como um, correndo para frente, atravessando a distância no mesmo momento. Seus braços foram em torno um do outro

e

Dawson

levantou-a,

enterrando

o

rosto

em

seu

pescoço. Palavras foram trocadas, mas suas vozes estavam grossas com a emoção, muito baixas e rápidas demais para os meus ouvidos acompanhar. Eles estavam segurando um aos outros de uma forma que eu sabia que eles nunca iriam deixar ir. Dawson levantou a cabeça e disse algo em sua língua e parecia tão bonito quando ele fez quando Daemon falou ele. Então ele a beijou, e eu me senti como um intruso observando-os, mas eu não conseguia desviar o olhar. Havia tanta beleza em seu encontro, na forma como ele cobriu o rosto virado para cima com pequenos beijos e a umidade que se reuniu em suas bochechas. Lágrimas subiram pela minha garganta, queimando a parte de trás dos meus olhos. Lágrimas de felicidade turvou minha visão. Eu senti Matthew colocar a mão no meu ombro e apertá-lo. Fungando, eu assenti. — Dawson. — Urgência preenchia o tom de Daemon, lembrando a todos nós que estávamos correndo contra o tempo. Separando-se, Dawson agarrou a mão dela e se virou quando todo um conjunto de perguntas vieram correndo para fora da boca de Beth. — O que vocês estão fazendo? Como vocês todos entraram aqui? Será que eles sabem? — E assim por diante ela continuou, enquanto Dawson, que estava sorrindo como um idiota, tentava mantêla calma.

415


— Mais tarde. — disse ele. — Mas nós temos que passar por duas portas e que vai machucar... — Escudos ônix, eu sei. — disse ela. Bem, isso resolveu o problema. Virei quando Blake voltou, carregando o corpo de bruços de um garoto Luxen de cabelos escuros. Uma mancha avermelhada florescia em toda a mandíbula do adolescente. — Ele está bem? Blake assentiu. A pele em torno de seus lábios se desenhava apertada e pálida. — Eu... Ele não me reconheceu. Eu tinha que mantê-lo quieto. Uma pequena rachadura fissurou meu coração. O olhar nos olhos de Blake estava tão desesperado e triste, especialmente quando eles piscaram para Dawson e Beth. Tudo o que ele tinha feito: mentiu, enganou e matou, tudo tinha sido para o indivíduo em seus braços. Alguém que ele considerava um irmão. Mais uma vez, eu odiava que eu sentia simpatia por Blake. Mas eu fiz. Beth olhou para cima e seu ataque de perguntas desvaneceu. — Você não pode... — Nós precisamos ir. — Blake a interrompeu e se dirigiu a nós. — Estamos quase sem tempo. E nós estávamos. O lembrete chicoteou através de mim e eu dei a outra garota o que eu esperava ser um sorriso tranquilizador. — Nós temos que sair. Agora. Todo o resto pode esperar. Beth estava balançando a cabeça vigorosamente. — Mas... — Nós precisamos ir, Beth. Nós sabemos. — E ela concordou com as palavras de Dawson, mas o pânico estava aumentando em seus olhos. Urgência enviou adrenalina em alta velocidade e sem mais demora, os cinco de nós corremos pelo corredor. Daemon socou o código no painel na parede, e a porta se abriu.

416


A sala de espera toda branca não estava vazia. Simon Cutters estava ali — o desaparecido, dado como morto Simon Cutters — Maior e mais corpulento do que nunca. Todos nós fomos pegos de surpresa. Daemon deu um passo atrás. Matthew chegou a um impasse. Eu não poderia envolver minha cabeça em torno de como ele estava vivo, por que ele estava ali de pé, como se estivesse esperando por nós. Os minúsculos pelos em meus braços começaram a subir. — Oh merda. — disse Daemon. Simon sorriu. — Sentiram minha falta? Senti falta de vocês. Então ele levantou o braço. A luz refletiu fora de um manguito de metal que ele usava. Um pedaço de opala brilhava, quase idêntico ao que

eu

usava

em

volta

do

meu pescoço. Tudo

aconteceu

tão

rápido. Simon abriu a mão, e foi como ser atingido com ventos fortes. Fui tirada dos meus pés e jogada de costas no ar. Eu bati na porta mais próxima, meu quadril batendo na maçaneta da porta de metal. A dor explodiu, derrubando o ar dos meus pulmões enquanto eu batia no chão. Oh, meu Deus... Simon foi... Meu

cérebro

correu

para

acompanhar

o

que

estava

acontecendo. Se Simon tinha um pedaço de opala, então isso significava que ele tinha que ter sido modificado. Ele provavelmente não teria chegado a nós se não tivéssemos sido tão despreparados para vê-lo. Era como com Carissa. Ele foi a última pessoa que eu esperava. Daemon estava levantando-se a vários metros de volta pelo corredor, assim como Matthews. Dawson tinha Beth pressionada contra a parede. Blake estava mais perto, usando seu corpo para proteger Chris. Empurrei-me para cima, fazendo uma careta quando a dor se arqueou pela minha perna. Eu tentei levantar, mas minha perna deixou de funcionar. Blake estava lá, me pegando antes de eu bater no chão pela segunda vez.

417


Simon entrou na sala e sorriu. Daemon cambaleou aos seus pés. — Oh, você está tão morto. — Ah, eu acho que essa é a minha fala. — respondeu Simon. A explosão de energia voou de sua mão, e eu gritei o nome de Daemon. Ele evitou uma batida direta. As pupilas de Daemon estavam começando a brilhar branco. Ele recuou. Energia arqueou do outro lado da sala, uma luz brancoavermelhada. Simon se esquivou, rindo. — Vai debilitar a si mesmo, Luxen. — Simon zombou. — Não antes de você. Simon piscou e, em seguida, virou-se para nós, lançando a mão novamente. Blake e eu deslizamos para trás. Eu comecei a cair e Blake me agarrou. De alguma forma, seu braço acabou em volta do meu pescoço. Houve a sensação de um puxão e depois Daemon estava ao meu lado, me empurrando para trás. — Isso não é tão bom. — disse Blake, chegando perto de Simon. — Estamos correndo contra o tempo. — Não me diga. — Daemon cuspiu. Dawson disparou em direção a Simon, mas ele atirou-o para trás, rindo. Ele era como um super híbrido com esteroides. Outra rajada de energia

explodiu

em

Blake

e,

em

seguida,

em

direção

a

Matthews. Ambos se abaixaram rapidamente ao chão para evitar tomar um raio. Simon continuou avançando, ainda sorrindo. Olhei para cima e nossos olhos se encontraram. Os seus eram desprovidos de qualquer emoção humana. irreal. Desumanos. E eles eram muito frios. Como se tivesse sido transformado? Como foi bem sucedido? E como se o tivessem transformado em um monstro insensível. Havia tantas perguntas, e nenhuma delas importava agora. A dor de roubo de respiração tornou difícil de se concentrar, até mesmo para se manter de pé.

418


O sorriso de Simon se propagou, e um estremecimento rolou através de mim quando atrai a Source, sentindo-a despertar dentro de mim. Antes que eu pudesse liberá-la, ele abriu a boca. — Quer jogar, Kitty Kat? — Ah, dane-se isso. — Daemon rosnou. Daemon era muito mais rápido do que eu. Ele passou junto a Blake e Matthews, além de Dawson e Beth. Mover-se tão rápido tinha que

tê-lo

afetado

com

toda

a

ônix,

mas

ele

era

como

um

relâmpago. Meio segundo depois, ele estava na frente de Simon, com as mãos em ambos os lados da cabeça de Simon. Uma rachadura repugnante ecoou pelo corredor. Simon bateu no chão. Daemon recuou, respirando profundamente. — Eu nunca gostei desse punk, em primeiro lugar. Eu tropecei para o lado, coração acelerado quando a Source se agitou, inquieta dentro de mim. Com os olhos arregalados, engoli em seco. — Ele é... Ele era... — Nós não temos tempo. — Dawson puxou Beth pelo corredor, na sala de espera. — Eles têm que saber que estamos aqui. Blake pegou Chris, lançando um olhar para Simon quando ele passou o corpo de bruços. Ele não disse nada, mas o que havia de dizer? Meu

estômago

afundou

quando

pânico

ameaçou

tomar

posse. Forçando-me para a frente, eu ignorei a corrida de dor irregular para cima e para baixo da minha perna. — Você está bem? — Perguntou Daemon, enfiando os dedos nos meus. — Você levou um golpe desagradável. — Eu estou bem. — Eu estava viva e eu podia andar, de modo que tive que dizer que eu estava bem. — Você? Ele acenou com a cabeça quando entrou na sala de espera. Tomar o elevador me encheu de tanto medo que eu pensei que vomitaria, mas

419


não havia portas para escadas. Nada. Nós não tivemos nenhuma outra escolha. — Vamos. — Matthew entrou no elevador, o rosto pálido. — Precisamos nos preparar para qualquer coisa uma vez que estas portas estão abertas. Daemon assentiu. — Como estão todos? — Não me sentindo muito bem. — respondeu Dawson, a mão livre, abrindo e fechando. —É a maldita ônix. Eu não sei quanto está deixado em mim. — O que diabos estava acontecendo com Simon? Daemon se girou para Blake enquanto o elevador se lançava em movimento. — Ele quase não parecia afetado pela ônix. Blake sacudiu a cabeça. — Eu não sei, cara. Eu não sei. Beth estava tagarelando sobre alguma coisa, mas eu não conseguia prestar atenção. A bola de pavor estava se construindo no meu estômago, espalhando-se em meus membros. Como poderia Blake não saber? Eu senti Daemon se deslocar ao meu lado, e, em seguida, seus lábios roçaram minha testa. — Vai ficar tudo bem. Estamos quase fora daqui. Temos isso — Daemon sussurrou em meu ouvido, e mais tensão escoou fora dele, fora de mim. Então, ele sorriu. Foi um real, tão grande e bonito que os meus próprios lábios se curvaram para encontrar o seu. — Eu prometo, Kitten. Fechei os olhos por um instante, mergulhando em suas palavras e me segurando a elas. Eu precisava acreditar nelas, porque eu estava a segundos de pânico. Tinha que manter a compostura. Estávamos a túnel longe da liberdade. — Tempo. — Perguntou Blake. Matthew olhou para o relógio. — Dois minutos.

420


As portas se liberaram com um som de sucção- e o túnel longo e estreito apareceu, felizmente, muito bem vazio e desprovido de surpresas que me assustavam. Blake e seu pacote foi o primeiro a sair, seus passos largos e rápidos. Daemon e eu fomos franqueando Matthews, na frente de Dawson e Beth, apenas no caso de algo acontecer. — Fique atrás de mim. — disse Daemon. Balançando a cabeça, eu mantive meus olhos abertos. O túnel era um borrão, estávamos nos movendo rápido. A dor na minha perna aumentou com cada etapa. Quando Blake chegou à porta do meio, ele trocou Chris para cima de seu ombro e digitou a senha. A porta sacudiu e então se abriu. Blake estava ali, envolvido na escuridão da noite invasora. Em seus braços, o imóvel Luxen estava pálido e parecia quase morto, mas ele estaria livre em segundos. Blake tinha finalmente conseguido o que queria. Nossos olhos se encontraram do outro lado da distância. Havia algo se produzindo nessas manchas verdes. Um grande sentimento de mau presságio se enraizou e se espalhou rapidamente. Imediatamente, peguei a opala no meu pescoço e tudo que eu sentia era a corrente e o pedaço de obsidiana pendurados. Os lábios de Blake se curvaram lentamente para cima nos cantos. Meu coração gaguejou e depois meu estômago caiu tão rápido que eu pensei que eu estaria doente. Aquele sorriso... Aquele sorriso parecia como uma grande pegadinha. Uma onda de terror desenfreado virou minha pele gelada. Mas não podia ser. Não. Não. Não. Não podia ser ... Blake inclinou a cabeça para o lado quando ele deu um passo atrás. Ele abriu a mão livre. A corda branca fina desembaraçada, escorregando por entre os dedos. O pedaço de opala pendia ali, em suas mãos. — Desculpe. — disse ele, e ele realmente parecia arrependido. Foi inacreditável. — Tinha que ser assim.

421


— Filho da puta! — Rugiu Daemon, afastando-se de mim. Ele se lançou para a frente, indo atrás de Blake de uma maneira que eu sabia que iria terminar em violência sangrenta. Calor queimou entre os meus seios, inesperado e tão terrível como um exército de soldados do DOD. Abaixei-me, puxando a obsidiana da minha camisa. Ele brilhava vermelha. Daemon se deteve em seco, rosnando. A escuridão atrás de Blake engrossou e se estendeu, arrastandose

para

a

entrada

do

túnel. A

escuridão

se

infiltrou

pelas

paredes. Lâmpadas acendiam e apagavam. As sombras caíram no chão, levantando-se ao redor de Blake. Não o tocou. Não o parou. A fumaça formava pilares em princípio e, em seguida, formas humanas. Sua pele era como o óleo da meia-noite, liso e brilhante. Arum se formaram ao redor de Blake, sete deles. Todos vestidos da mesma forma. Calças escuras. Camisas escuras. Olhos blindados por trás de óculos de sol. Um por um, eles sorriram. Ignoraram Blake. Eles o deixaram ir. Blake desapareceu na noite quando o Arum voou para a frente. Daemon encontrou o primeiro com uma cabeçada, sua forma humana resplandecia quando ele bateu o Arum de costas na parede. Dawson empurrou Beth para o lado enquanto ele avançava direto para um Arum, levando-o para baixo. Descendo, Matthew pegou um caco delgado de Obsidian, afiada em uma ponta fina. Ele girou, batendo-a profundamente no ventre do Arum mais próximo. O Arum se deteve, perdendo sua forma humana, uma vez que subiu para o teto baixo. Ele ficou ali por um segundo e, em seguida, quebrou como se fosse feito de nada mais do que osso frágil. Eu me movi. Sabendo-se que nenhum deles, inclusive eu, seria capaz de utilizar a Source por muito tempo, isso seria, tipo, mano a mano. Eu arranquei a obsidiana de volta do meu pescoço e rompia a corrente

422


quando um dos Arums me atingido. Eu vi meu rosto pálido em seus óculos escuros e procurei a Source dentro de mim. Ele estendeu a mão para a frente, e a luz branco-avermelhada irrompeu de mim, jogando o Arum para trás, derrubando-o sobre seu traseiro. A energia saiu correndo como um rio que transborda. O ônix tinha diminuído o golpe, e o Arum estava de pé quando Daemon afastou o que ele estava lutando. Outra explosão de fumaça negra abalou o corredor. O Arum derrubado foi na minha frente, o óculos de sol tinha desaparecido. Seus olhos eram de um azul pálido, a cor do céu de inverno. Eles eram tão frio quanto os de Simão, se não mais. Eu dei um passo para trás, a mão apertando o pedaço de obsidiana. O Arum sorriu, e, em seguida, ele girou para o lado, estendendo a perna para frente e acertando a minha, mau. Eu gritei quando minha perna cedeu. Comecei a cair, mas ele me pegou pelo pescoço, me levantou dos meus pés e no ar. Atrás dele, vi Daemon girar, vi a raiva nele, vi o Arum que se levantava atrás dele. — Daemon. — gritei quando bati o pedaço de obsidiana no peito do Arum me segurando. O Arum me derrubou quando Daemon girou, esquivando-se do outro. Eu bati no chão de cimento, pela enésima vez quando o Arum se partiu com tanta força que soprou meu cabelo para trás do meu rosto. Daemon agarrou o inimigo mais próximo a ele pelos ombros, jogando-o vários metros atrás de mim enquanto eu estava com as pernas trêmulas. Minha mão tremia ao redor da obsidiana aquecida. — Vamos! Precisamos ir! — Dawson agarrou Beth e foi para a porta, esquivando-se de um Arum. — Agora. Eu não precisava que dissessem duas vezes. Esta era uma batalha que não iríamos ganhar. Não quando não tínhamos tempo de sobra e havia quatro Arum ainda de pé, obviamente afetados pela ônix. Contendo a a dor, comecei a avançar, dando alguns passos antes da minha perna ser agarrada por trás. Cai rápido e forte, deixando cair

423


a obsidiana para salvar a minha face de esmagamento em cimento. A frieza do toque do Arum impregnou através do meu moletom, viajando até as minhas pernas quando seu aperto no meu tornozelo aumentou. Eu girei para o meu lado e chutei com a minha perna boa, pegando o Arum na cara. Houve um satisfatório som de esmigalhar molhado, e o Arum me soltou. Eu me levantei, rangendo os dentes por causa da dor na minha perna enquanto eu me dirigia para Daemon. Ele se virou e estava voltando para mim, como um zumbido baixo retumbou pelo prédio, aumentando e aumentando, até que era tudo o que podíamos ouvir. Todos nós paramos. A luz inundou o túnel e no final do corredor,

fechaduras

automáticas

batendo

no

lugar. O tum-tum-

tum passou em uma sucessão interminável. — Não. — disse Matthew, os olhos correndo para baixo de onde viemos. — Não. O olhar de Daemon disparou atrás de mim. Eu me virei, vendo luz explodir no túnel, crepitante e formando uma parede cintilante de luz azul. Uma após a outra, a cada dez metros ou mais, mais e mais ... A luz azul caiu sobre um dos Arum não muito longe atrás de mim. Ele pegou-a, e a luz brilhou. Houve um som alto de ranjido, como uma mosca presa em uma dessas armadilhas. — Oh meu Deus. — eu sussurrei. O Arum desapareceu, simplesmente acabado. Não chegue perto da luz azul, Blake havia dito. Eles são lasers. Estraçalham você inteira. Daemon caiu para a frente, com as mãos estendidas para mim, mas já era tarde demais. Antes que ele pudesse me alcançar, e nem sequer a um palmo do meu rosto, uma lâmina de luz azul apareceu e calor explodiu ele, soprando meu cabelo para trás. Daemon soltou um grito de surpresa, e recuei. Eu não podia acreditar. Não é possível. Eu me recusava a acreditar. Daemon estava do outro lado da luz, mais perto da saída, e eu ... eu estava do outro lado, do lado errado.

424


Os olhos de Daemon encontraram os meus e o olhar neles, o horror em seus extraordinários olhos verdes partiu meu coração em milhões de pedaços inúteis. Entendia... oh, meu Deus, ele entendeu o que estava acontecendo. Eu estava preso com o restante dos Arum. Gritos soaram. Botas bateram no chão. Parecia que eles estavam vindo de todos os lugares. Na nossa frente, por trás, e todos os cantos. Eu não podia virar, porém, não podia olhar para trás ou para longe de Daemon. — Kat. — ele sussurrou, suplicou, na verdade. Sirenes soaram estridentemente. Daemon reagia tão rápido, mas pela primeira vez em toda sua vida, ele não foi rápido o suficiente. Não podia ser. As portas de emergência começaram a deslizar a partir da parte superior e inferior, e Daemon se jogou para o lado, batendo a palma da mão em um painel de controle minúsculo. Nada estava funcionando. As portas corrediças se uniam. A luz azul era como uma torrente de destruição que nos separava. Daemon girou na minha direção. Ele se lançou em direção ao escudo azul, e eu soltei um suspiro assustado. Ele seria destruído se acertasse os lasers! Atraindo a Source, tanto quanto eu podia, estendi a mão, ignorando o calor quando empurrei Daemon com o último da minha força e vontade, segurando seu corpo tenso para trás das luzes azuis até que Matthew entrou em ação, pegando Daemon ao redor de sua cintura. Eu

deslizei

para

o

chão,

meus

joelhos

quase

não

funcionando. Daemon foi à loucura, dando socos e arrastando Matthew enquanto ele lutava para avançar, mas Matthew o tirou da luz, conseguindo trazer Daemon até os joelhos. Era tarde demais. — Não! Por favor! Não! — Ele rugiu, com a voz embargada de uma forma que eu nunca tinha ouvido antes. — Kat! As vozes e sons de pés batendo foram se aproximando, e assim foi a frieza de gelar os ossos do Arum. Eu os senti ao longo de minhas costas, mas não conseguia desviar o olhar de Daemon.

425


Nossos olhos se encontraram, e eu nunca, nunca esqueceria o terror no dele, o olhar de desamparo puro. Tudo parecia surreal no meu fim, como se eu realmente não estivesse aqui. Tentei sorrir para ele, mas não tenho certeza de que consegui um sorriso. — Vai ficar tudo bem. — sussurrei, enquanto as lágrimas enchiam meus olhos. As portas estavam saindo do teto e do piso. — Vai dar tudo certo. Os olhos verdes de Daemon deram um brilho vítreo. Seu braço estendeu a mão, dedos abertos. Eles nunca chegaram ao laser ou à porta. — Eu te amo, Katy. Sempre amei. Sempre amarei. — disse ele, a voz grossa e rouca de pânico. — Eu vou voltar para você. Eu vou... As portas de emergência se selaram com um suave baque . — Eu te amo. — eu disse, mas Daemon ... Daemon tinha ido embora. Longe do outro lado das portas e eu estava presa, com o Arum e o Daedalus. Por um momento eu não conseguia pensar, não conseguia respirar. Abri a boca para gritar, mas terror se derramou em mim, cortando o som. Virei-me lentamente, levantando minha cabeça quando uma lágrima rolou pelo meu rosto. Um Arum ficou ali, a cabeça inclinada para o lado. Eu não podia ver seus olhos por trás dos óculos de sol, e eu estava feliz que eu não podia. Ajoelhou-se, e além dele e do outro Arums, eu podia ver os homens em uniformes pretos. O Arum estendeu a mão, arrastando um dedo gelado no meu rosto, perseguindo a lágrima, e eu recuei para longe, pressionando contra as portas de emergência. — Isso vai doer — disse o Arum. Ele se inclinou, seu rosto a polegadas do meu e sua respiração fria contra a minha boca. — Oh Deus. — eu sussurrei. Uma explosão de dor abrangeu todas as células do meu corpo, e o ar voou para fora dos meus pulmões. Suspensa lá, eu não poderia ir embora. Meus braços não funcionavam. Alguém me pegou de lado, mas

426


eu não podia sentir. Parecia que eu ainda estava gritando, mas não havia nenhum som. Não havia Daemon.

427